Você está na página 1de 21

BETH-SHALOM www.Beth-Shalom.com.

br OUTUBRO DE 2004 • Ano 26 • Nº 10 • R$ 3,50


Assinaturas com Brindes!
Assine já nossas revistas
mensais e saiba mais
sobre:
• Santificação
• Temas atuais
• Acontecimentos
mundiais
• Israel

Confira as ofertas
e brindes em
nosso site!

Ambas com
20 páginas Clique aqui
coloridas

Exemplares avulsos das revistas


com descontos e brindes
Peça quantidades maiores e ganhe incríveis DESCONTOS de até 70%*!

Clique aqui

Visite nossa livraria virtual e confira nossas ofertas,


descontos e novidades:

* Ofertas válidas por tempo limitado - veja as condições atuais em nosso site
Devido à periodicidade mensal das revistas, as assinaturas entrarão em vigor em até 40 dias após o pagamento.
4 Prezados Amigos de Israel
índice
índice
5 Jerusalém, Jerusalém!

9 Massada: a Última Fortaleza

12 HORIZONTE
• Hannah Szenes - poetisa e heroína - 12
• Europa = Eurábia... e o Jesus palestino - 15
• A miopia da mídia árabe - 16
• Karl Marx e os judeus de Jerusalém - 17
• Terrorismo palestino - um “poço sem fundo” - 18
• Israel - a questão moral decisiva - 18

Notícias de

ISRAEL Fundador: Dr. Wim Malgo (1922 - 1992)


Conselho Diretor: Dieter Steiger, Ingo Haake,
As opiniões expressas nos artigos assinados são
de responsabilidade dos autores.
É uma publicação mensal da “Obra Missionária
Chamada da Meia-Noite” com licença da Markus Steiger, Reinoldo Federolf INPI nº 040614
“Verein für Bibelstudium in Israel, Beth- Editor e Diretor Responsável: Ingo Haake Registro nº 50 do Cartório Especial
Shalom” (Associação Beth-Shalom para Estudo Diagramação & Arte: Émerson Hoffmann O objetivo da Associação Beth-Shalom para
Bíblico em Israel), da Suíça. Estudo Bíblico em Israel é despertar e fomen-
Administração e Impressão: Assinatura- anual ....................................... 27,50 tar entre os cristãos o amor pelo Estado de Is-
Rua Erechim, 978 • Bairro Nonoai - semestral ............................... 16,50 rael e pelos judeus. Ela demonstra o amor de Jesus
90830-000 • Porto Alegre/RS • Brasil Exemplar Avulso .......................................... 3,50 pelo Seu povo de maneira prática, através da realiza-
Fone: (51) 3241-5050 Fax: (51) 3249-7385 Exterior: Assin. anual (Via Aérea) US$ 22.00 ção de projetos sociais e de auxílio a Israel. Além dis-
E-mail: mail@chamada.com.br so, promove também Congressos sobre a Pala-
www.chamada.com.br Edições Internacionais vra Profética em Jerusalém e viagens, com a in-
Endereço Postal: A revista “Notícias de Israel” é publicada tenção de levar maior número possível de peregrinos
Caixa Postal, 1688 também em espanhol, inglês, alemão, cristãos a Israel, onde mantém a Casa de Hóspedes
90001-970 • PORTO ALEGRE/RS • Brasil holandês e francês. “Beth-Shalom” (no monte Carmelo, em Haifa).
4

“E
is que venho como vem o ladrão. uma vez
Bem-aventurado aquele que vigia e no conflito no
guarda as suas vestes, para que não Sudão, onde
ande nu, e não se veja a sua vergonha” (Ap centenas de milhares de pessoas
16.15). foram expulsas e assassinadas por
A tomada de reféns por terroristas criminosos muçulmanos. Mas esse genocídio
muçulmanos em Beslan, cidade localizada na parece não inquietar o mundo, pois não se trata
província russa da Ossétia do Norte, deixou claro de Israel e os culpados não são judeus. Mesmo
mais uma vez para todo o mundo como é brutal o que o pai de Mohammed Atta queira fazer crer
terrorismo islâmico. Mas essa terrível tragédia que os mandantes dos atentados islâmicos nos
mudou a posição dos russos em relação a Israel. Estados Unidos foram os judeus, ele disse que é
Até então a Rússia sempre desaprovou o correto e da vontade de Deus que os judeus e
procedimento rigoroso de Israel diante do todos os que os apóiam sejam combatidos por
terrorismo. Mas agora os russos tiveram de meio do terrorismo. Essa espécie de ameaça
reconhecer, por experiência própria, a dor verbal vinda dos islâmicos parece exercer um
causada pelo terrorismo e que somente uma efeito intimidante sobre a mídia e os governos,
postura intransigente pode conduzir à vitória que não têm a coragem de desmascarar o islã
sobre ele. como inimigo.
Mesmo assim, alguns políticos europeus e a Esses desenvolvimentos permitem entender
mídia em geral defenderam repetidamente o islã com crescente clareza que o espírito do Falso
como sendo uma religião pacífica e procuraram Profeta de Apocalipse 16.13-14 provavelmente
culpar as vítimas. Exceção surpreendente foi o será do islã militante, que efetivamente se
jornal árabe “Al-Sharq Al-Awsat” editado em transformou em uma ameaça mundial. O alvo de
Londres, no qual o renomado jornalista árabe Abd seus adeptos é a guerra total, da qual, na sua
Al-Rahman Al-Rashed declarou abertamente: opinião, o islã sairá vencedor. Para esses tempos
“Não podemos restabelecer nosso bom nome ameaçadores Deus nos anima no versículo 15:
sem confessar que o terrorismo se tornou um “Eis que venho como vem o ladrão. Bem-
assunto islâmico. Os xeques que pregam o ódio e aventurado aquele que vigia e guarda as
o terror e enviam nossos filhos e filhas para a suas vestes, para que não ande nu, e não se
morte, enquanto seus próprios filhos estudam em veja a sua vergonha”.
universidades européias ou americanas, precisam Unidos nessa vigilância espiritual, saúdo com
ser chamados à responsabilidade”. Embora nem um cordial Shalom!
r
Fredi Winkle
todos os muçulmanos sejam terroristas,
praticamente todos os terroristas em ação no
mundo são muçulmanos, acrescentou ele.
Mesmo que o islã esteja tão
obviamente envolvido no terrorismo
mundial, o pai de Mohammed Atta, um Vídeos e CDs do
dos líderes dos atentados de 11 de
setembro de 2001, ainda se Congresso
empenha em fazer crer que tudo
teria sido uma conspiração judaica. Profético 2004
Remessa a partir de 30/11.

Esse sempre foi o caminho mais


simples para explicar o inexplicável.
Por isso, não precisamos nos
admirar que sempre há pessoas que Visite nossa LIVRARIA VIRTUAL:
acreditam piamente nesses tipos de www.Chamada.com.br
teoria, principalmente quando se
voltam contra Israel.
A hipocrisia e parcialidade dos Pedidos:
que sempre estão prontos a 0300 789.5152
condenar Israel mostrou-se mais

Notícias de Israel, outubro de 2004


Por mais de um século, o povo
judeu vinha sofrendo a humilhação
de estar sob a dominação romana.
Ao entrar triunfante em Jerusalém,
em 63 a.C., o general Pompeu teve
o atrevimento de penetrar no Tem-
plo, iniciando um período de profa-
nação que acentuou ainda mais a
perda de independência da nação
judaica. Entretanto, enquanto o
Templo permanecesse de pé e hou-
vesse um rei judeu no trono (Agri-
pa), haveria a esperança de uma in-
dependência futura. A Revolta cometer suicídio a se renderem ao
Por isso, à medida que o século A Grande Guerra, ou Primeira inimigo. Quanto a Josefo, ele pas-
se aproximava do fim, a crescente Revolta Judaica, foi um evento ím- sou para o lado dos romanos.
expectativa messiânica combinava- par naquela região, porque os ju- Uma exceção foi a cidade de
se com as aspirações nacionalistas deus foram o único povo no antigo Gamla, nas Colinas de Golã, que,
judaicas e os conflitos provocados Oriente Próximo a lançar uma no outono do ano 67 d.C., tentou
pela ambição política de grupos ri- ofensiva em larga escala contra o conter o avanço romano em direção
vais. Do ponto de vista de Roma, o Império Romano. Ímpar também a Jerusalém. Os romanos, porém,
judaísmo era uma autonomia insu- foi o fato de que nenhum outro dizimaram a cidade, massacrando
portável, só tolerada para manter o conflito da Antigüidade foi relatado quatro mil judeus. Para que suas fa-
nacionalismo judaico sob controle. com tantos detalhes por uma teste- mílias não fossem vítimas da bruta-
Entretanto, se os ideais religiosos munha ocular. Essa testemunha foi lidade de Roma, cerca de cinco mil
desencadeassem os sentimentos na- um historiador judeu do primeiro judeus tiraram a própria vida, sal-
cionalistas, Roma estaria pronta pa- século chamado Yosef ben Mattit- tando para a morte do alto dos
ra intervir. yahu, mais conhecido como Flávio abismos que cercavam aquela área.
Em 44 d.C., a morte do rei Josefo. Josefo era um ex-fariseu e A atitude heróica daquela cidade
Agripa colocou todo o país sob a comandante das forças nacionalis- lhe rendeu o título de “Massada do
administração direta de Roma, aca- tas judaicas na Galiléia. O historia- Norte”.
bando com a ilusão da independên- dor romano Dio Cássio também
cia judaica. A crescente opressão forneceu outro importante relato,
romana, o alinhamento das autori- baseado em documentos militares O Cerco de Jerusalém
dades romanas ao lado dos gentios oficiais. No verão do ano 70 de nossa
que habitavam a terra, e as repeti- Em resposta à insurreição judai- era, a Décima Legião de Vespasia-
das violações da santidade do Tem- ca, concentrada principalmente em no chegou às portas de Jerusalém e
plo criaram uma atmosfera propícia Jerusalém, Vespasiano, principal sitiou a cidade. Por causa da
à revolta. Em abril do ano 66 de comandante romano, foi enviado afluência de refugiados vindos de
nossa era, quando o governador ro- para sufocar o levante com cerca de outras cidades judaicas destruídas
mano confiscou dezessete talentos cinqüenta mil soldados. O ataque pelos romanos, além dos próprios
do tesouro do Templo, os naciona- de Vespasiano começou no norte de habitantes da Judéia que fugiam das
listas judeus se rebelaram. Eles se Israel que, ao contrário de Jerusa- legiões, a população de Jerusalém
apoderaram do Templo, interrom- lém, ofereceu pouca resistência. Por tinha, no mínimo, triplicado. A re-
peram os sacrifícios diários em hon- exemplo, as famílias judias que ocu- putação de Jerusalém como cidade
ra ao imperador romano e captura- pavam a fortaleza galiléia de Jotapa- grande e inexpugnável (ela era uma
ram a fortaleza de Massada. ta, defendida por Josefo, preferiram das maiores cidades do mundo an-
Notícias de Israel, outubro de 2004
6 Jerusalém, Jerusalém!

e os eruditos que se dedicavam ao


seu estudo na cidade de Yavneh.
Assim, embora o Templo tenha si-
O Parque Arqueológico Ofel, adjacente ao monte do Templo, em do destruído, a Torá foi preservada;
Jerusalém. Pedras do antigo Templo cobrem a rua herodiana, no e, embora Jerusalém tenha sido ar-
extremo sul da Muralha Ocidental, da Porta dos Mouros até o rasada, o judaísmo foi poupado.
lado sudoeste do monte do Templo.

O Golpe Final
Vespasiano retornou a Roma pa-
tigo) fazia dela um desafio significa- Para evitar que a população ju- ra assumir seus deveres como impe-
tivo para os já enfraquecidos solda- daica da cidade fugisse ao invés de rador e entregou a seu filho Tito,
dos romanos. Entretanto, como lutar até a morte, os zelotes destruí- comandante da Décima Legião, a
centro da autoridade política e espi- ram os depósitos de alimentos e tarefa de completar a tomada de Je-
ritual da revolta judaica, a cidade proclamaram a inviolabilidade divi- rusalém. Apesar da fome que toma-
estava também destinada a ilustrar na de Jerusalém. Como a única ma- va conta da cidade, os judeus cele-
de forma exemplar o castigo aplica- neira de sair da cidade era num cai- braram a última Páscoa em seu
do por Roma a seus inimigos. xão, um dos líderes da seita dos fa- Templo e se prepararam para a
Na época do cerco romano, riseus, o rabino Yochanan ben ofensiva romana.
duas das mais combativas facções Zakkai, escapou escondendo-se O ataque começou dias depois,
nacionalistas judaicas, os zelotes e num deles e rendendo-se a Vespa- com um bombardeio de catapultas
os sicários, tinham assumido o con- siano. que durou dois meses, até que, fi-
trole do monte do Templo com a Ao ser levado à presença do ge- nalmente, os romanos romperam o
ajuda de mercenários idumeus neral, o prisioneiro dirigiu-se a ele muro. Indo de casa em casa, os
(descendentes dos edomitas). Os como imperador e disse que Deus conquistadores incendiaram a cida-
idumeus tinham assassinado impie- só permitiria que Sua Cidade Santa de, massacrando todos os judeus
dosamente os saduceus e fariseus fosse conquistada por um grande que encontravam pela frente. Um
que constituíam as alas mais mode- soberano. Segundo a tradição, na- testemunho arqueológico da feroci-
radas da sociedade e ocupavam as quele mesmo instante chegou um dade dos combates é a “Casa Quei-
posições de governo. Desde o iní- mensageiro vindo de Roma para co- mada”, localizada dentro do atual
cio, o objetivo dos combatentes era municar que o imperador havia Bairro Judeu [da Cidade Antiga].
aniquilar as forças de ocupação ro- morrido e que Vespasiano tinha si- Ali estão as ruínas de uma das casas
manas e expulsar os invasores da do escolhido como seu sucessor. destruídas pelos romanos em 70
terra de Israel. Agora que a guerra Impressionado com a profecia d.C., com os restos de uma mulher
havia chegado à Cidade Santa, era do rabino, o novo imperador per- que foi morta com uma lança na
vencer ou morrer. mitiu-lhe proteger os rolos da Torá mão e tombou na soleira da porta.
Notícias de Israel, outubro de 2004
Jerusalém, Jerusalém! 7

Embora enfraquecidos pela fo- todos os objetos de


me, os judeus defenderam o monte valor. Mais tarde,
do Templo contra a invasão dos ro- esses tesouros fo-
manos por três semanas. Então, no ram exibidos em
nono dia do mês de Av (agosto), os Roma, durante a
romanos atingiram o complexo do parada da vitória,
Segundo Templo. Como um sinal carregados por mi-
dos céus, o primeiro Templo havia lhares de escravos
sido destruído pelos babilônios nes- judeus. A imagem
se mesmo dia, 656 anos antes. desse dia permane-
Dio Cássio descreveu a resistên- ce até hoje no Fó-
cia final dos judeus reunidos em rum Romano, gra-
torno do recinto sagrado: vada num dos al-
Detalhe do Arco de Tito, em Roma,
O povo estava posicionado em- tos-relevos do mostrando os tesouros retirados do Templo.
baixo, no pátio, os anciãos nos de- monumento conhe-
graus, e os sacerdotes no Santuário cido como o Arco
propriamente dito. E, embora eles do Triunfo de Tito.
fossem apenas um punhado de pes- Uma vez come-
soas lutando contra um exército muito çado o incêndio do Templo, os ro- dado atingiu as cortinas do santuá-
superior, só foi possível derrotá-los manos cortaram as árvores daquela rio. Entretanto, quando minha tur-
depois que uma parte do Templo foi área para fazer uma grande fogueira ma na Universidade Hebraica de
incendiada. Diante disso, eles busca- em torno da estrutura. A umidade Jerusalém debateu essas opções, ne-
ram a morte. Alguns se lançavam acumulada nos blocos de pedra cal- nhuma delas nos pareceu satisfató-
contra as espadas dos romanos, ou- cária do Templo se expandiu com a ria. Então procuramos nosso pro-
tros matavam seus companheiros, ou- alta temperatura e explodiu as pare- fessor, Isaías Gafni, um judeu orto-
tros tiravam a própria vida e outros des, e todo o edifício sagrado ruiu doxo, e perguntamos qual era a sua
se jogavam no meio das chamas. Pa- num só dia. opinião. Depois de uma pausa e de
recia a todos, e principalmente a eles um sorriso, ele nos disse: “Talvez
mesmos, que, longe de ser uma der- Jesus tivesse razão!” Quer sua res-
rota, o fato de perecerem junto com A Questão do posta tenha sido apenas uma tática
o Templo representava vitória, salva- “Por Quê?” de retórica rabínica ou um lampejo
ção e felicidade. Josefo comentou que a demoli- inconsciente de inspiração, o fato é
Depois disso, os romanos sa- ção do Templo contrariou as or- que ela acabou com a discussão.
quearam o Templo e retiraram dele dens específicas de Tito, que queria Para os rabinos, o motivo da
preservá-lo. Realmente, a política destruição do Templo foi sinat chi-
romana era controlar os templos nam, “ódio sem sentido” entre os
dos povos conquistados e depois judeus. Segundo essa teoria, a vio-
Escultura de Vespasiano. permitir que eles fossem novamente lenta rivalidade entre as seitas ju-
utilizados para o culto de seus deu- daicas explodiu numa espécie de
ses, como um ato de clemência em guerra civil, dividindo o povo ju-
troca da completa submissão. Al- deu, enfurecendo a Deus e expondo
guns eruditos acreditam que os sol- a nação ao juízo divino e à fúria dos
dados romanos, meio enlouqueci- romanos.
dos pela duração da resistência ju- Contudo, se levarmos em conta
daica e pelo desejo de se a suposição do professor Gafni, Je-
apoderarem dos tesouros do Tem- sus esclareceu qual foi a principal
plo, incendiaram tudo deliberada- causa da destruição de Jerusalém:
mente. “Pois sobre ti virão dias em que os
Algumas fontes judaicas afir- teus inimigos te cercarão de trincheiras
mam que o fogo começou aciden- e, por todos os lados, te apertarão o cer-
talmente quando a tocha de um sol- co; e te arrasarão e aos teus filhos den-
Notícias de Israel, outubro de 2004
8 Jerusalém, Jerusalém!

sença do Senhor, venham tempos de


refrigério, e que envie ele o Cristo, que
já vos foi designado, Jesus, ao qual é

Parte da “Casa Queimada” descoberta em escavações no Bairro


Judeu em 1970. A casa foi completamente queimada na necessário que o céu receba até aos
conflagração que arrasou a Cidade Alta de Jerusalém deixando-a tempos da restauração de todas as coi-
em cinzas no dia sas” (At 3.19-21).
30 de agosto do ano 70 d.C. Sempre que um judeu responde
a esse chamado, ele encontra sua li-
tro de ti; não deixarão em ti pedra sobre de Jesus a Jerusalém: “E, assim, todo bertação. Quando a nação judaica
pedra, porque não reconheceste a opor- o Israel será salvo, como está escrito: atender finalmente a essa exortação,
tunidade da tua visitação” (Lc 19.43- Virá de Sião o Libertador e ele aparta- o desastre da Grande Guerra será
44; cf. Mt 23.37-38; At 3.13-15). rá de Jacó as impiedades. Esta é a mi- transformado na vitória da Grande
Embora outros fatores internos nha aliança com eles, quando eu tirar Redenção. (Israel My Glory)
estivessem em ação, a rejeição de os seus pecados” (Rm 11.26-27).
Jesus como o Messias prometido, A chamada ao arrependimento Randall Price, presidente do World of the Bi-
ble Ministries, Inc., é arqueólogo e autor de
por parte da nação judaica, foi o ato em relação a Jesus, reconhecendo- vários livros sobre Jerusalém e o Templo Ju-
culminante que desencadeou o jul- O como o Messias prometido, foi daico.
gamento divino. Apesar desse juízo feita por muitos ju-
ter acabado com a instituição do deus piedosos antes “E, assim, todo o Israel será salvo, como está
Templo e forçado a reformulação da destruição do escrito: Virá de Sião o Libertador e ele
do judaísmo, ele não pôs fim ao po- Templo e continua apartará de Jacó as impiedades. Esta é a
vo judeu nem às promessas pactuais a ser feita atual- minha aliança com eles, quando eu tirar os
seus pecados” (Rm 11.26-27). Na foto:
e incondicionais de restauração na- mente. O apóstolo judeus junto ao
cional e bênçãos futuras através do Pedro, que fez sua
Messias. Jesus incluiu essa esperan- exortação ainda nos
ça até mesmo em Seu discurso pro- dias do Segundo
fético contra Jerusalém e o Templo: Templo, nos recor-
“Eis que a vossa casa vos ficará deser- da que a esperança
ta. Declaro-vos, pois, que, desde ago- da restauração de
ra, já não me vereis, até que venhais a Israel está em seu
dizer: Bendito o que vem em nome do arrependimento:
Senhor!” (Mt 23.38-39). “Arrependei-vos,
O apóstolo Paulo, baseando-se pois, e convertei-vos
nas profecias de Isaías, ensinou que para serem cancela-
esse dia de arrependimento nacio- dos os vossos pecados,
nal dos judeus acontecerá na volta a fim de que, da pre-
Notícias de Israel, outubro de 2004
Morto. O local é uma fortaleza na-
tural, com penhascos íngremes e
terreno acidentado. Na parte leste,
a face do penhasco se eleva 400
metros acima da planície circun-
dante. O acesso só é possível atra-
vés de uma difícil trilha que serpen-
teia pela montanha.
As vertentes norte e sul são
igualmente escarpadas, mas o lado
oeste é um pouco mais fácil de
atingir. Ali, embora a montanha
ainda se eleve a mais de 100 metros
de altitude, o terreno sobe com
uma inclinação de vinte graus até
cerca de 13 metros do topo. O pla-
tô de Massada tem a forma aproxi-
mada de um losango, com cerca de
600 metros de comprimento e 300
metros na parte mais larga.
Flávio Josefo, o famoso historia-
dor judeu do primeiro século, é a
principal fonte de informação sobre
a história de Massada. Embora al-
guns de seus relatos e números se-
jam muitas vezes questionados,
grande parte do que ele descreveu
foi confirmado pela arqueologia.
Massada tornou-se uma fortale-
za judaica durante o período dos
hasmoneus (cerca de 150-76 a.C.).
Mais tarde, o rei Herodes fez am-
pliações e reforçou suas defesas
(37-31 a.C.). Como era de se espe-
rar, as reformas de Herodes foram
impressionantes. Uma dupla mura-
lha de pedra, com 140 metros de
extensão e quase seis metros de al-
tura em alguns pontos, estendia-se
por todo o perímetro do platô. No
espaço de 4 metros de largura que
O ano 72 d.C. estava próximo de seu fim quando um sentinela judeu, que separava as duas muralhas, foram
montava guarda num posto avançado nas montanhas, avistou uma nuvem de construídos vários quartos, que
poeira aproximando-se no horizonte. Ele sabia que aquilo só podia significar eram usados para guardar armas e
uma coisa: os romanos estavam chegando. Foi dado o alarme. A última forta- alojar as tropas. A muralha tinha
leza da resistência judaica despertou. A guerra havia chegado a Massada. quatro portões e mais de trinta tor-
res.
Herodes também construiu dois
A fortaleza palácios com todo conforto e luxo
Massada, que, provavelmente, significa “lugar seguro” ou “fortaleza”, é da época: pisos de mosaicos, afres-
um imponente planalto escarpado, situado no litoral sudoeste do Mar cos, colunatas e até uma piscina.
Notícias de Israel, outubro de 2004
10 Massada: a Última Fortaleza

Durante os seis anos seguintes,


os sicários de Massada demonstra-
ram fervorosa devoção religiosa.
Entretanto, em total incoerência
com essa aparente piedade, Eleazar
e seus homens costumavam atacar
as povoações vizinhas, até mesmo
as de judeus, para roubar provisões.
Herodes construiu A vila de En-Gedi, situada a cerca
dois palácios com de 25 quilômetros ao norte de Mas-
todo conforto e luxo sada, foi alvo de seu ataque mais
da época: pisos de
mosaicos, afrescos, cruel. Os sicários investiram contra
colunatas e até uma a aldeia durante a Festa dos Pães
piscina. Asmos, roubaram todos os manti-
mentos, expulsaram os habitantes
judeus e, segundo Josefo, mataram
va”. Alguns estudiosos identificam setecentas pessoas.
os sicários com os zelotes. Quando Jerusalém foi finalmen-
Para garantir a auto-suficiência de Josefo não tinha muitas palavras te destruída pelos romanos, no ano
seu refúgio no deserto, Herodes boas a dizer sobre os sicários. Ele os 70 de nossa era, um pequeno pu-
mandou plantar hortaliças e grãos definiu como bandidos, que não as- nhado de sobreviventes dirigiu-se
na montanha, além de construir sassinavam só os romanos, mas ma- para Massada. Na época em que os
enormes cisternas escavadas na pe- tavam e saqueavam seus próprios romanos atacaram a fortaleza na
dra para coletar água da chuva, compatriotas, cometendo crimes montanha, no final de 72 d.C., a
com capacidade para mais de 40 bárbaros e fomentando a revolta, população judaica que ali vivia já
milhões de litros. Suas despensas sob uma capa de patriotismo e somava 967 pessoas.
guardavam jarros de azeite, vinho, ideais libertários.
farinha e frutas. Herodes também No ano de 66 d.C., um grupo
tinha um estoque de armas sufi- desses rebeldes entrou furtivamente O cerco
ciente para um exército de dez mil na fortaleza de Massada e dizimou Após a tomada de Jerusalém, os
homens. a guarnição romana aquartelada ali. romanos começaram a operação de
Após a morte de Herodes, a for- Pouco depois, o líder dos sicários, limpeza das áreas conquistadas.
taleza de Massada foi ocupada por Manaém, chegou a Massada com Dois baluartes judaicos remanes-
uma guarnição romana que ficou seus homens, saqueou o arsenal e centes – Herodion e Maqueronte –
aquartelada ali por quase cem anos. seguiu em direção a Jerusalém, co- foram rapidamente esmagados.
mo líder autoproclamado da revolta Massada foi deixada para o novo
contra Roma. Chegando em Jerusa- procurador, Flávio Silva.
Os sicários lém, Manaém agiu com extrema Silva marchou em direção a
Durante o censo de Quirino (6 crueldade, assassinando todos os Massada com a Décima Legião e
d.C., cf. Lc 2.2), surgiu entre os ju- que não se submetiam à sua autori- uma tropa auxiliar de milhares de
deus daquela região uma quarta fi- dade. Sua opressão tornou-se tão soldados, além de milhares de pri-
losofia ou seita (além dos fariseus, insuportável que provocou um le- sioneiros judeus que trabalhavam
saduceus e essênios). Josefo apon- vante num grupo de judeus de Jeru- como escravos, produzindo alimen-
tou essa seita como responsável pe- salém que consideravam sua tirania tos e fornecendo água para o exér-
la destruição do Templo de Jerusa- pior que a de Roma. Nessa revolta, cito.
lém, em 70 d.C. Esse partido de- Manaém foi preso e executado. Ao chegar à base da fortaleza de
fendia a rebelião contra Roma e Muitos de seus seguidores, inclusi- Massada, Silva começou a elaborar
não reconhecia nenhuma autorida- ve um parente seu chamado Eleazar uma estratégia para enfrentar o de-
de, senão a divina. Seus seguidores ben Jair, fugiram para Massada, on- sanimador desafio que se erguia à
eram conhecidos como sicários, do de Eleazar tornou-se líder dos sicá- sua frente. Após avaliar a situação,
latim sica, que significa “adaga cur- rios. ele decidiu, primeiramente, cons-
Notícias de Israel, outubro de 2004
Massada: a Última Fortaleza 11

truir oito acampamentos de base


em torno da fortaleza. Um deles foi
colocado na montanha que dava
vista para Massada, no lado sul. O
local era um ótimo posto de obser-
vação, permitindo acompanhar as
atividades dos sicários. O quartel-
general de Silva estava localizado
num dos acampamentos maiores, a
noroeste da fortaleza.
O primeiro objetivo de Silva era
impedir que os sicários escapassem.
Para isso, construiu uma muralha
de três quilômetros de extensão e
quase dois metros de espessura, cir-
cundando toda a montanha.
O segundo objetivo de Silva era O general Silva decidiu construir uma rampa de assalto sobre
transpor a muralha defensiva no al- a elevação natural na encosta oeste de Massada, um plano
to da montanha e penetrar na for- inclinado que deve ter tido uns 160 metros de comprimento,
taleza. Ele sabia que um cerco pro- 15 metros de largura e 8 metros de profundidade, e que
ainda hoje pode ser visto.
longado estava fora de questão, pois
Massada tinha uma abundante re-
serva de provisões. Então, decidiu
construir uma rampa de assalto so- enormes máquinas de guerra dos deira por dentro da muralha de pe-
bre a elevação natural na encosta romanos entraram em ação. Uma dra e encheram de terra o espaço
oeste de Massada. Esse feito não dessas torres tinha entre 20 e 30 entre as duas. A muralha interna
foi nada desprezível. As tropas de metros de altura, e, lá de cima, os “deveria ter entre 20 e 25 metros de
Silva levaram grande quantidade de romanos lançavam uma chuva de extensão, cerca de 18 metros de es-
terra e pedras para o local, e usa- setas e pedras sobre os atarantados pessura e 7 a 8 metros de altura”.2
ram vigas de madeira de tamar- rebeldes. Aparentemente, o aríete tinha pou-
gueira, com 60 centímetros a 1 me- A torre também tinha um pode- co efeito sobre este tipo de mura-
tro de comprimento, para escorar roso aríete, composto de uma enor- lha, exceto o de compactar ainda
a pilha de entulho. Com esse ma- me tora de madeira com uma ponta mais a terra, a cada novo golpe.
terial, construíram um plano incli- de ferro no formato de cabeça de Mas o sucesso da nova muralha de
nado que deve ter tido uns 160 carneiro. A tora era suspensa por madeira não durou muito, pois ela
metros de comprimento, 15 metros cordas, dentro da máquina de guer- tinha uma grande fraqueza: podia
de largura e 8 metros de profun- ra. Os soldados empurravam a má- ser queimada.
didade.1 quina até perto da muralha ou dos Silva ordenou que suas tropas
Mas os sicários sabiam muito portões e, ao chegarem a uma dis- lançassem tochas flamejantes sobre
bem quais eram as intenções dos tância suficiente, puxavam a tora a muralha, e, em pouco tempo, ela
romanos, e não ficaram assistindo para trás e depois a empurravam estava em chamas. Quando um
de braços cruzados. Enquanto os para a frente com toda a força. Jo- vento vindo do norte soprou as
romanos tentavam construir sua sefo comentou que nenhuma mura- chamas de volta na direção dos ro-
rampa, os judeus juntavam grandes lha ou torre conseguia resistir à vio- manos, os judeus cercados senti-
pedras, pesando uns 50 quilogra- lência desses golpes. ram a esperança renascer. Mas os
mas cada uma, e as mandavam ro- Sabendo disso, os sicários usa- ventos mudaram outra vez, levan-
lando morro abaixo. Além disso, ram um sistema engenhoso para re- do as chamas novamente para a
outros sicários arremessavam pe- forçar a muralha exterior. Usando muralha. Enquanto suas defesas
dras menores com suas fundas. as vigas dos telhados de 90 por cen- queimavam rapidamente, os sicá-
Mas a resistência foi em vão. O to das construções de Massada, eles rios perceberam que o fim estava
plano inclinado foi concluído e as construíram uma muralha de ma- próximo.
Notícias de Israel, outubro de 2004
12 Massada: a Última Fortaleza

O suicídio da muralha, preparadas para entrar seus ideais. As palavras do hino na-
Em vez de investirem para a ma- em combate contra a resistência, cional israelense expressam o anseio
tança, os legionários voltaram a mas tudo o que encontraram foi o do coração de todo judeu, desde
seus acampamentos para passar a silêncio. Intrigados, os soldados gri- que os romanos romperam as defe-
noite, preparando-se para desferir o taram para atrair os guerreiros. Em sas de Massada: “Viver em liberda-
ataque final pela manhã. Porém, vez disso, viram surgir das sombras de na terra de Sião e Jerusalém”.
durante a noite, Eleazar ben Jair duas mulheres e cinco crianças, que (Israel My Glory)
convenceu seus compatriotas, em- haviam escapado do massacre da Bruce Scott é representante de The Friends
bora com certa dificuldade, de que noite anterior escondendo-se em of Israel em New Hope/MN (EUA).
era melhor morrerem livres do que cavernas subterrâneas. Os sobrevi-
sofrerem a tortura que certamente ventes contaram aos romanos o que
estaria reservada para eles e suas fa- os sicários tinham feito, mas eles só
Notas:
mílias, nas mãos dos romanos. O acreditaram quando entraram no 1.Dan Gill, “It’s a Natural: Masada Ramp Was
suicídio coletivo era preferível à es- palácio incendiado e contemplaram Not a Roman Engineering Miracle”, Biblical
Archaeology Review 27, no. 4 (2001): 30.
cravidão. Com grande tristeza, ca- o monte de cadáveres. 2.Ehud Netzer, “The Last Days and Hours at
da chefe de família matou sua mu- As mortes ocorreram no décimo Masada”, Biblical Archaeological Review 17,
lher e seus filhos. Em seguida, fo- quinto dia do mês de nisã, segundo no. 6 (1991): 23.
3.Alguns acreditam que essa data tradicional
ram sorteados dez homens para o calendário judaico, no primeiro está errada e que a data correta é 74 d.C. Ve-
matar os restantes. Desses, um foi dia da Festa dos Pães Asmos do ja Hershel Shanks, “Masada: The Yigael Ya-
din Excavations 1963-1965, Final Reports”,
selecionado para matar os outros ano de 73 d.C.3 Biblical Archaeology Review 23, no. 1 (1997):
nove, incendiar o palácio onde to- Atualmente, o moderno Estado 62; Shaye J. D. Cohen, “Masada: Literary Tra-
dition, Archaeological Remains, and the Cre-
dos haviam tombado e, depois, sui- de Israel – a única verdadeira de- dibility of Josephus”, Journal of Jewish Stu-
cidar-se. mocracia do Oriente Médio – ho- dies 23 (Primavera-Outono 1982): 401; The
New Encyclopedia of Archaeological Excava-
Com o raiar do sol, as tropas ro- menageia Massada, não necessaria- tions in the Holy Land, 1993, sub verbum “Ma-
manas precipitaram-se pelas fendas mente por seus defensores, mas por sada”.

demonstrou um notável ta-


História
lento literário, especial-

Hannah Szenes – poetisa mente para a poesia, pri-


meiro em húngaro e, pos-
teriormente – após se

e heroína tornar uma ardente sionis-


ta – em hebraico. Com tre-
ze anos iniciou um diário
Hannah Szenes nasceu em Buda- Durante a infância, Hannah teve no qual registrou seus pensamentos e
peste, na Hungria, no seio de uma pouco contato com o judaísmo, pois os acontecimentos que marcaram sua
abastada família de intelectuais ju- seus pais, assim como muitos judeus curta vida. Através de suas palavras
deus. Seu pai, Bela Szenes, escritor e húngaros, haviam-se assimilado total- no diário e de suas poesias é que
jornalista de sucesso, morreu quando mente ao meio circundante. Hannah Hannah se revela.
ela e Giora – seu único irmão, um ano era uma criança especial. Desde pe-
mais velho – eram ainda muito jovens. quena demonstrava a força de caráter
Hannah tinha apenas seis anos e sua que moldou sua vida, sempre dizendo Sua vida em Budapeste
mãe, Katherine, teve que criá-los sozi- que queria “fazer diferença no mun- Hannah e seu irmão receberam
nha. do”. Brilhante desde a infância, logo uma excelente educação, freqüentan-

Notícias de Israel, outubro de 2004


HORIZONTE 13

do as melhores escolas de Budapeste. precisa ser alguém excepcional para lá: “Estou em casa. Aqui é para onde
Excelente aluna, ela estudou em uma lutar contra o anti-semitismo... Só hoje me trouxe a minha ambição de vida –
escola pública de Budapeste até com- comecei a realmente entender o que poderia dizer minha vocação, porque
pletar dez anos, quando conseguiu ser significa ser judeu em uma sociedade sinto que, por estar aqui, estou cum-
aceita numa escola particular protes- cristã. Mas eu não me importo. É por- prindo uma missão, e não apenas ve-
tante, só para meninas. A escola havia que sempre temos que lutar muito por getando; aqui cada vida é o cumpri-
recentemente aberto suas portas a ca- tudo que queremos. Por ser sempre mento de uma missão”. Para comple-
tólicos e judeus, desde que pagassem mais difícil para nós, judeus, atingir- tar sua alegria, seu irmão Giora
uma mensalidade maior. No caso de mos nossos objetivos, acabamos de- juntou-se a ela poucos meses depois.
uma jovem católica, a escola cobrava senvolvendo qualidades excepcio- Em 1941 Hannah integrou-se ao
o dobro da mensalidade “normal” e, nais... Se eu fosse cristã, todas as pro- kibutz Sdot Yam, perto de Cesáreia, e
quando se tratava de uma judia, o tri- fissões estariam abertas para mim”. se alistou na Haganá. No ano seguin-
plo. Apesar do crescente anti-semitis- Hannah sabia que se tornar cristã, te, entrou para o Palmach, braço ar-
mo na Budapeste da década de 1930, como lhe havia sido sugerido e como mado da Haganá. Enquanto estava
a mãe de Hannah nunca cogitou colo- outros haviam feito, não era uma op- em Sdot Yam, Hannah escreveu várias
car os filhos em uma escola judaica. ção para ela. Ao invés de se conver- poesias e uma peça sobre a vida no
Foi nessa escola protestante que ter, abandonou a sociedade literária, kibutz. Mas as terríveis notícias sobre
Hannah começou a conhecer e amar o cortando todos os vínculos que tinha a situação dos judeus na Europa a
judaísmo. Um de seus professores era com a entidade. Na mesma época tor- deixavam angustiada e preocupada.
o rabino-chefe de Budapeste, Imre Be- nou-se membro de um grupo sionista Assim como todos em Eretz Israel, ela
noschofky. Grande estudioso e ardente jovem e muito ativo, os Macabim. No sentia que devia fazer algo para aju-
sionista, ele teve uma profunda in- final de outubro de 1938, escreveu em dar os judeus europeus. Estava tam-
fluência sobre o nascente interesse da seu diário: “Tornei-me sionista e esta bém preocupada com sua mãe, que
jovem pelo judaísmo e sionismo, por palavra tem para mim inúmeros signi- ainda vivia em Budapeste. Hannah
tudo que dizia a respeito de seu povo. ficados. Agora sinto de uma forma queria de alguma forma voltar para a
Foi também nessa escola que Hannah consciente e profunda que sou judia e Hungria para salvar a mãe e ajudar a
teve seus primeiros contatos com o an- estou muito orgulhosa de sê-lo. Minha
ti-semitismo e com a discriminação im- meta é ir para Eretz Israel (a Terra de
posta aos judeus. Israel) e tudo farei para alcançá-la”.
A década de 1930 foi difícil para Em março de 1939 Hannah se for-
os judeus da Europa, como um prelú- mou. Era uma das melhores alunas da
Hannah Szenes no kibutz
dio do terrível pesadelo que iria aba- classe e seus professores tentaram fa- Sdot Yam em 1941.
ter-se sobre a população judaica da zê-la desistir da idéia de deixar a
região. Após a Primeira Guerra Mun- Hungria e ir para Eretz Israel, pois
dial, um crescente sentimento anti-se- acreditavam que ela devia tornar-se
mita começava a tomar conta da Hun- cristã pois, com suas notas, poderia
gria. Assim como em outras partes da ingressar na Universidade e ter “um
Europa, os judeus eram vistos como os futuro promissor”. Mas a jovem estava
“grandes responsáveis” por todos os mais do que decidida. Assim que rece-
males do país. O crescente anti-semi- beu a resposta de sua admissão em
tismo oficial resultara na promulgação uma escola agrícola em Nahala, em-
de uma dura legislação antijudaica. barcou rumo ao seu sonho – a Terra
Na época, Hannah era uma jovem de Israel. Era setembro de 1939 e a
bonita, talentosa e decidida. Ao com- Alemanha já iniciara sua campanha
pletar 17 anos foi eleita presidente da mortífera contra a Europa e os judeus.
sociedade literária da escola, mas não
assumiu o posto, pois foi informada de
que jamais uma judia poderia assumir Sonho realizado
a presidência de tal – ou de qualquer Ao chegar em Eretz Israel, Hannah
outra – sociedade. Na ocasião, a jo- escreveu sua primeira carta para a
vem escreveu em seu diário: “Você mãe revelando sua felicidade por estar

Notícias de Israel, outubro de 2004


14 HORIZONTE

organizar a saída de judeus – espe- mulheres – foram aceitos para a mis- Mas toda a missão chegou brusca-
cialmente os jovens – do país e da Eu- são. Hannah estava entre os primeiros mente ao fim poucos dias após sua
ropa. Em 1943, um milhão e duzentos a se alistar. Os britânicos levaram os chegada. Traída por um informante –
e cinqüenta mil judeus ainda estavam jovens para o Cairo, no Egito, onde um dos partidários de Tito que fazia
vivos na Hungria, Eslováquia, Romê- foram treinados. Todos que haviam se parte do grupo – Hannah foi captura-
nia e Bulgária. voluntariado para a missão eram nati- da pela polícia húngara. No momento
Naquele mesmo ano, Hannah se vos das regiões para as quais seriam em que foi detida, estava de posse de
alistou no exército britânico para po- eventualmente enviados, falavam as um rádio transmissor.
der participar da luta contra os nazis- línguas fluentemente e ainda tinham Presa, foi levada para uma prisão
tas, voluntariando-se para uma opera- parentes nesses países. Ninguém pu- em Budapeste. A Gestapo e o serviço
ção de salvamento. O projeto se origi- nha em dúvida a coragem e a bravura de contra-espionagem húngaro a in-
nara nas pesadas perdas sofridas por dos jovens; todos sabiam que a missão terrogaram e torturaram brutalmente
bombardeiros aliados durante os ata- era muito perigosa e que poucos retor- durante vários meses. Queriam que
ques. Os britânicos estavam convenci- nariam com vida. Hannah incentivava ela revelasse detalhes de sua missão e
dos de que havia necessidade de mais seus companheiros, dizendo: “Somos o código britânico de rádio. Mas Han-
informações sobre as defesas alemãs. os únicos a poder ajudar, não temos o nah não revelou qualquer informação.
Diante disso, a liderança da Haganá direito de pensar em nossa própria se- Na tentativa de fazê-la falar, a polícia
fez uma proposta à Grã-Bretanha: ju- gurança; não temos o direito de hesi- prendeu no dia 17 de junho sua mãe,
deus com ligações nessas regiões po- tar, de ter medo... é melhor morrer Katherine Szenes, que ainda vivia em
deriam ser lançados de pára-quedas, com a consciência do dever cumprido Budapeste, acreditando que seus filhos
sobre a Europa, para exercer a dupla do que voltar sem ter tentado”. estivessem a salvo em Eretz Israel.
função de agentes secretos, ajudando Ameaçaram a jovem de torturar sua
os Aliados na Europa, e, ao mesmo mãe na sua frente e depois matá-la.
tempo, tentando organizar alguma A missão Mesmo assim, Hannah não cedeu e
forma de resistência nas comunidades Em março de 1944, uma semana não revelou o código. No primeiro
judaicas. antes que os alemães ocupassem a dos poucos encontros que teve com a
Depois de muita hesitação, os bri- Hungria, Hannah e mais quatro pára- mãe, apesar de ferida pelas torturas e
tânicos aprovaram o plano e 32 ju- quedistas foram lançados por aviões espancamentos, pediu que a mãe
deus palestinos – trinta homens e duas aliados sobre a Eslovênia, rumo a Bu- compreendesse por que tinha que ficar
dapeste. Esperavam conseguir, com a calada – não poderia trair seu povo.
ajuda dos partisans de Tito, atravessar “Mãe, me perdoa” disse, chorando, a
a fronteira da Hungria. Hannah ficou jovem à mãe que a olhava sem acredi-
Cartaz britânico recrutando mulheres três meses com esse grupo para que a tar no que via: sua filha, naquela pri-
durante a Segunda Guerra Mundial. ajudassem a chegar até a Hungria. são, presa e ferida, e não a salvo em
Foi nessa época que ela escreveu um Eretz Israel. No fundo de seu coração
de seus mais famosos poemas – Katherine sabia que – apesar de Han-
“Abençoado o fósforo”. nah negar o fato – sua filha voltara à
No dia 7 de junho de 1944, no Hungria por sua causa, para tentar
período da mais intensa deportação salvá-la. Enquanto na prisão, vários
de judeus húngaros pelos nazistas, dos detentos contaram para Katherine
Hannah cruzou a fronteira da Hun- quão gentil e bondosa era a jovem;
gria. Atravessou com dois companhei- contaram que antes de sua chegada,
ros e alguns guias mais de 450 qui- haviam perdido toda e qualquer espe-
lômetros de território controlado pe- rança, mas que ela era como uma luz
las tropas alemãs. As ordens na escuridão, que transmitia a todos a
britânicas eram precisas: primeiro de- força para continuar a lutar e a ter fé.
veriam ser socorridos os pára-quedis- Ela cantava, ensinava músicas, dan-
tas britânicos em mãos dos nazistas. ças, o idioma hebraico. Contava sobre
Só depois de completar essa missão Eretz Israel, a história de sua Terra, a
os jovens poderiam ajudar os judeus esperança no futuro, a expectativa do
locais. dia da vitória do povo de Israel. Um

Notícias de Israel, outubro de 2004


HORIZONTE 15

deles escreveu: “Sua atitude frente à Recusou-se a pedir clemência. Corajo- vista nas casas de cada cidade e vila-
Gestapo e às SS foi memorável. Ela sa até o fim, foi executada por um pe- rejo de Eretz Israel.
sempre parava à sua frente, alertan- lotão de fuzilamento no dia 7 de no- Em 1950, os restos mortais de
do-os sobre o destino que teriam após vembro. Na hora da execução não Hannah foram levados a Israel e nova-
sua derrota. Curiosamente, aqueles quis colocar a venda sobre os olhos, mente enterrados, com honras milita-
animais selvagens, dos quais qualquer queria encarar seu destino e seus car- res, no cemitério militar localizado no
traço de humanidade parecia ter de- rascos. Prisioneiros que testemunha- Monte Herzl. Um vilarejo foi nomeado
saparecido, sentiam-se envergonhados ram a sua execução ficaram emocio- Yad Hannah em sua homenagem. Seu
na presença dessa jovem refinada e nados com tanta coragem. Suas últi- diário e seus trabalhos literários foram
corajosa”. mas palavras para os companheiros publicados em hebraico, em 1945,
Convencidos de que a jovem não foram: “Continuem no caminho, não sendo posteriormente traduzidos para
falaria e sentindo que os alemães esta- se deixem deter. Continuem a lutar até vários idiomas, inclusive o húngaro.
vam prestes a serem derrotados, a po- o fim, até que a liberdade chegue, o Ela foi também tema de inúmeros tra-
lícia húngara acabou libertando Ka- dia da vitória para o nosso povo”. balhos artísticos, entre os quais uma
therine Szenes no dia do Yom Kippur. Hannah tinha somente 23 anos. peça teatral de autoria do escritor is-
Poucos dias depois os russos toma- raelense Aharon Megged e um filme.
ram Budapeste, prendendo ou matan- Vários poemas de autoria de Hannah,
O julgamento do todos os nazistas e aqueles que os entre os quais “A caminho de Cesa-
Depois de cinco meses na prisão, haviam apoiado. Sua mãe conseguiu réia” e “Abençoado o fósforo” foram
no dia 28 outubro de 1944, Hannah sair de Budapeste e foi juntar-se ao fi- musicados. (extraído de www.moras-
foi levada a um suposto julgamento, lho Giora, em Israel. ha.com.br)
acusada de “traição” contra a Hun- Hannah se tornara um símbolo de
gria. O “julgamento” ocorreu apesar heroísmo e dedicação. Sua coragem
de ser evidente desde setembro que a pessoal foram fonte de inspiração e Bibliografia:
Alemanha estava perdendo a guerra, estímulo para os judeus da Europa, – Sachar, Abraham, The Redeption of the Unwanted.
e que a Hungria queria libertar-se do mesmo que ela e seus companheiros – Slater, Elinor e Robert, Great Jewish Women.
– Entrevista de Katherine Szenes a David Alster Yar-
jugo nazista. não tivessem tido sucesso em suas mis-
deni, em 7 de maio de 1987, na internet.
Durante o “processo” ela defendeu sões. Sua imagem jovem e radiante, http://www.morasha.com.br/conteudo/artigos/arti-
com firmeza suas ações e seus ideais. usando o uniforme militar, podia ser gos–view.asp?a=167&p=0

Islamização da Europa Segundo ela, a elite intelectual e


política européia é movida por um
Europa = Eurábia... pacto entre a União Européia (UE) e a
Liga Árabe. Após a Guerra do Yom

e o Jesus palestino Kippur, em 1973, e antes da crise do


petróleo desencadeada pelos árabes,
a França conduziu a CE (Comunidade
As pretensões de islamizar a ra uma grande reviravolta. Políti- Européia, depois União Européia) à
Europa já existem há séculos. Es- cos e religiosos, magnatas das fi- criação da Sociedade para o Diálogo
se objetivo jamais foi abandonado nanças e da mídia estão se torna- Euro-Árabe (EAD). A Europa obteve
pelos muçulmanos, pois é parte do os coveiros da cultura ociden- certos direitos de pesquisas petrolífe-
integrante de sua ideologia de tal. ras em países árabes e, em contrapar-
conquista do mundo, que é camu- A Dra. Bat Ye’or, nascida no Egito tida, comprometeu-se a defender as
flada religiosamente. Seus segui- e residente na Suíça, estudiosa do islã posições árabes contra Israel. Isso sig-
dores devem empenhar-se inflexi- e autora consagrada, analisou atenta- nifica apoio às “fronteiras” de 1949,
velmente em submeter todo os mente o dilema europeu frente a Israel ao domínio árabe sobre Jerusalém, à
países ao Corão e à lei islâmica, a e em relação à herança judaico-cristã OLP e a Yasser Arafat.
sharia. Demográfica e cultural- em um simpósio realizado na Universi- Outras conseqüências foram a mi-
mente a Europa se encaminha pa- dade Hebraica em Jerusalém. gração maciça de árabes para a Eu-

Notícias de Israel, outubro de 2004


16 HORIZONTE

desviar a atenção dos genocí- dade histórica de Israel. Eles também


dios cometido por muçulmanos substituem o Jesus judeu por um Jesus
(por exemplo, no Sudão, onde “palestino”, mais adequado à propa-
dois milhões de cristãos e ani- ganda árabe. Portanto, deveriam ser
mistas foram dizimados). Nas retirados dos primeiros capítulos dos
universidades européias já esta- Evangelhos todos os registros genealó-
ria sendo propagada a superio- gicos de Jesus e todas as referências
ridade do islã. Dentre os euro- ao Seu nascimento “em Belém da Ju-
peus, aqueles que se opõem à ji- déia” (por exemplo, em Mt 2.1).
had (guerra santa) islâmica são Pobres guias de cegos, vítimas de um
A Europa está sendo intensamente islamizada. chamados de tiranos e acusados espírito de rebelião contra Deus! Mas to-
Na foto: manifestação islâmica na França. de criar inimizade entre o cristia- dos os que são fiéis à Bíblia, que amam
nismo e o islã. Os não-muçulma- a Palavra de Deus, estão convictos de
nos da Europa são vistos como que Ele cumpre Sua Palavra, que ela é a
ímpios e acusados de negarem a verdade e que não passará mesmo que
verdadeira fé. Assim, a Europa os céus e a terra passem. O Senhor disse
ropa, a edição de livros escolares em está madura para aceitar o islã. a respeito de Israel: “Jamais retirarei
língua árabe sob supervisão islâmica e É significativo que o avanço do islã dele a minha bondade, nem desmenti-
o fomento à cultura islâmica em toda a na Europa ocorre paralelamente com rei a minha fidelidade. Não violarei a
Europa. As negociações da EAD acon- o crescimento do anti-semitismo e das minha aliança, nem modificarei o que
tecem sempre a portas fechadas, sem tendências pró-árabes. Por exemplo, os meus lábios proferiram” (Sl 89.33-
registros por escrito. uma pesquisa popular em quinze paí- 34). A Palavra de Deus é a rocha que
A Dra. Bat Ye’or referiu-se à “remo- ses europeus chegou à chocante con- suporta todas as tempestades, e sobre
ção das raízes judaicas do cristianis- clusão de que 59% dos entrevistados ela podemos nos apoiar com confiança.
mo” e mostrou que o islamismo consi- consideram Israel o maior empecilho Os que temem ao Senhor não se aba-
dera essas duas religiões “inferiores”. para a paz no mundo. Em inúmeras lam e não se deixam enganar, pois con-
Na futura “Eurábia”, Jesus seria apre- igrejas escandinavas praticamente não fessam: “Todas as veredas do Senhor
sentado apenas como um profeta mu- é mais possível mencionar Israel. Mui- são misericórdia e verdade para os que
çulmano. Ela lembrou também que as tos líderes religiosos criticam tudo o guardam a sua aliança e os seus teste-
notícias publicadas na Europa giram que tem qualquer relação com o “Anti- munhos” (Sl 25.10). (H.H. Goldberg em
sempre em torno dos “palestinos”, para go Testamento” e negam toda legitimi- “Haschiwah”– O Retorno).

Indiferença diante do genocídio no Sudão chama Israel ou Estados Unidos? Con-


forme avaliações da delegação da

A miopia da mídia ONU, que examinou os acontecimen-


tos na região de Darfur, a vida de
300.000 sudaneses está ameaçada
árabe pelos contínuos combates. ... É um fato
grave quando forças armadas ou milí-
O jornal árabe londrino Al- massacrados não recebem atenção. cias financiadas pelo governo têm per-
Sharq Al-Awsat publicou um arti- Dessa forma, aumenta o desinteresse missão de aniquilar pessoas para al-
go de seu ex-editor Abd Al-Rah- por eles. Sua morte é aceita com natu- cançar uma vitória rápida.
man Al-Rashed em que ele la- ralidade. A crise de Darfur é apresen- A respeito desses conflitos a ONU
menta a indiferença da mídia tada como artificial e não merecedora criou uma legislação que prevê a in-
árabe diante da violência no Su- dos protestos do mundo. tervenção e a supressão da soberania
dão: Será que a vida de 1.000 pessoas interna dos países, transformando seus
A morte de 300.000 pessoas. Por no oeste do Sudão tem menos valor problemas em assunto internacional...
não serem vítimas de ataques israelen- que a de um único palestino ou ira- permitindo levar aos tribunais os cul-
ses ou americanos – os sudaneses quiano – só porque seu inimigo não se pados – especialmente os mais gra-

Notícias de Israel, outubro de 2004


HORIZONTE 17

duados. Será que os sudaneses desejam isso? Não consigo


imaginar [...] que a cúpula sudanesa queira se expor a acusa-
ções tão perigosas – acusações de genocídio...
Por isso, advertimos o governo sudanês acerca das even-
tuais conseqüências do que acontece no país, pois o que ocor-
re com os Fur (grupo étnico que vive majoritariamente na re-
gião de Darfur) é da maior relevância...
E o que dizer dos intelectuais árabes, que não vêem nada
no mundo além dos palestinos e da causa iraquiana e sim-
plesmente ignoram todo o derramamento de sangue que não
Será que a vida de 1.000 pessoas no oeste do Sudão tem
menos valor que a de um único palestino ou iraquiano – só esteja relacionado diretamente com esses conflitos? Eles se tor-
porque seu inimigo não se chama Israel ou Estados Unidos? Na nam cúmplices intelectuais desses crimes... (extraído de
foto: refugiados de Darfur. www.memri.org)

Fonte insuspeita blicação oficial soviética estaria falsifi-


cando Marx.

Karl Marx e os judeus O barulho do riso geral afogou a


balbuciante resposta do delegado so-

de Jerusalém viético. Naquela noite, em uma recep-


ção diplomática, acercou-se de mim o
chefe da delegação chinesa. Apresen-
Shlomo Avineri conta: – apoiadas pelo bloco soviético – de tou-se através de um intérprete; não
Em 1976, como diretor-geral do “judaizar” Jerusalém. me deu a mão, mas disse: “Obvia-
Ministério do Exterior de Israel, enca- Ao responder a essas acusações, mente nós não estamos de acordo com
becei a delegação israelense na as- referi-me brevemente à declaração de suas palavras, mas sempre nos encan-
sembléia geral da UNESCO que se Marx de que em meados do século ta quando alguém cita Marx para a
reuniu em Nairobi. Naquele tempo, Is- XIX havia uma maioria judaica em Je- delegação soviética”.[1] (extraído de
rael estava virtualmente excluído da rusalém, mesmo antes do surgimento www.deolhonamidia.org.br)
UNESCO devido a acusações árabes do sionismo*. O que se seguiu foi co-
mo uma cena de um filme de Fellini.
O delegado soviético pediu ime-
diatamente o direito de resposta. Ob-
viamente nunca tinha lido Marx com
Karl Marx. cuidado, pois acusou-me de falsifica-
ção e afirmou que Marx nunca havia
dito semelhante coisa. Notas:
Ao responder-lhe, saquei a edição 1. “21 voces maestras del judaismo contemporaneo”,
moscovita dos escritos de Marx, publi- de Bernardo Kliksberg (compilador), p. 175, Editorial
Milá, Buenos Aires.
cada pela Casa Editorial Soviética de
2. Ibid, pp. 173-174, sobre o artigo escrito em 1854
Línguas Estrangeiras. Acrescentei que por Karl Marx, em conexão com o início da Guerra
estava certo de que o delegado sovié- da Criméia, uma de cujas origens foi a disputa pela
tico não estava sugerindo que uma pu- custódia da Igreja do Santo Sepulcro.

* Depois de descrever a complexa composição étnica do Império Otomano, Marx começa sua
descrição da população judia de Jerusalém, com o comentário de que “a população sedentária
de Jerusalém é de umas 15500 almas, das quais 4000 são muçulmanas e 8000 judeus”.[2]

Notícias de Israel, outubro de 2004


18 HORIZONTE

Essas conclusões de Dich-


Será possível acabar com o terrorismo? ter não são aceitas por una-

Terrorismo palestino – nimidade entre os notáveis


dos serviços de informações
israelenses, como, por exem-

um “poço sem fundo” plo, o chefe do Departamen-


to de Informações do Exérci-
to israelense, general Ze’ev
Os líderes dos serviços de in- opinião é possível acabar com o terro- Farkash. Poucas semanas depois das
formações israelenses analisam rismo. Mas aí surgem outras questões: afirmações de Dichter, ele declarou
uma questão básica: o terrorismo quais os meios certos para combater o diante da mesma comissão: “O que
palestino é um “poço sem fundo” terrorismo? Medidas militares são sufi- meu colega definiu como poço com
ou é possível acabar com ele? cientes para privar os terroristas de fundo é, na realidade, um poço sem
Avi Dichter, diretor do “Shabak”, o sua base de ação? Ou é preciso tomar fundo, pois o terrorismo não termina
serviço secreto interno de Israel, crê medidas políticas com maior determi- nunca. Certamente estamos tendo vi-
que o terrorismo é realmente um barril nação? tórias em certas áreas, mas terroris-
de pólvora mas não um “poço sem Essa discussão foi desencadeada tas são como cogumelos depois da
fundo”. Em outras palavras, em sua por Dichter durante seu discurso dian- chuva: sempre surgem novos. É ilu-
te da Comissão Para a Segurança e são pensar que o terrorismo pode ser
Assuntos Exteriores. Ele havia apresen- erradicado. O combate a ele é uma
tado dados impressionantes mostran- guerra de longa duração, que não
Terroristas são como cogumelos depois da do a redução de atos terroristas e con- poderá ser conduzida até o final de
chuva: sempre surgem novos. cluiu que a atual prática de combate maneira rápida nem com meios me-
ao terrorismo está produzindo frutos. ramente militares”.
Conforme estatísticas do “Shabak”, Não apenas o serviço de informa-
cerca de 5.940 terroristas foram, de ções do Exército israelense, mas todo
alguma forma, tirados de circulação o Estado-Maior, está convicto de que
desde abril de 2000. Desse total, 912 a motivação básica dos palestinos em
foram mortos enquanto os outros fo- relação ao terrorismo não se modifi-
ram presos, entre eles 644 potenciais cou apesar das prisões, das elimina-
homens-bomba. O número de feridos ções seletivas e de muitas outras medi-
e mortos através de atentados terroris- das repressivas. Por isso, os militares
tas também caiu consideravelmente. também não estão convencidos de que
Portanto, conforme Dichter, Israel esta- a retirada da Faixa de Gaza reduziria
ria perto de solucionar o problema. os ataques terroristas. Segundo sua
Em sua opinião, o terrorismo não será opinião, após uma medida dessas as
eliminado apenas em pontos específi- ações terroristas palestinas aumenta-
cos mas erradicado completamente. rão drasticamente. (Zvi Lidar)

A imoralidade da ONU enquanto mentiras e baixezas são


aplaudidas e apoiadas juntamente

Israel: a questão com seus fomentadores.


O “clube dos apoiadores” do terro-
rismo internacional, ou seja, a ONU,

moral decisiva exigiu que Israel demolisse a cerca de


segurança. Essa exigência se deu após
a sentença do Tribunal Internacional
A maneira como o mundo tra- rupção moral global, que ignora de Justiça de Haia, que declarou a
ta Israel nos dá uma idéia da cor- ou ataca a verdade e a bondade cerca ilegal. A sentença e a exigência

Notícias de Israel, outubro de 2004


HORIZONTE 19

dela derivada não são de cumprimen-


to obrigatório. Mesmo assim, elas têm
como alvo a demonização global de
Israel e sua transformação em um Es-
tado-pária – um estágio preliminar
necessário para sua destruição. En-
quanto muitos cristãos americanos
convictos apóiam e fortalecem Israel,
a convenção geral da Igreja Presbite-
riana dos EUA (www.pcusa.org) com-
parou Israel com “a África do Sul no
tempo do apartheid” e conclamou à
retirada geral de investimentos no Es-
tado judeu.
Esses sintomas mostram que o
mundo resvala cada vez mais profun-
damente para uma assustadora escu-
ridão moral. Os judeus sempre foram
semelhantes aos canários que os mi-
neiros levavam para as minas subter-
A única atitude correta seria dissolver a ONU. Ela é uma paródia obscena de uma organização
râneas: quando os canários morriam, mundial que deveria incentivar a paz e a justiça. Ao invés disso, ela ignora, apóia e defende o
os trabalhadores sabiam que o ar es- genocídio, a matança em massa, a tirania, o terrorismo e a corrupção.
tava contaminado. No passado, as Na foto: Arafat com Kofi Annan.
restrições aos judeus sempre indica-
ram claramente a decadência de uma
sociedade e atualmente o Estado de
Israel faz o papel de “canário” nas peza étnica que está acontecendo em conclusão: a ONU e a ordem mundial
“minas” do mundo. Darfur, o Sudão foi eleito para um que essa organização representa es-
O tratamento dado a Israel revela mandato de três anos na Comissão de tão falidas e arruinadas.
uma doença mortal. O Estado de Israel Direitos Humanos da ONU. Esse não é A ONU é uma paródia obscena de
é vítima de meio século de tentativas um caso isolado, pois o Zimbábue uma organização mundial que deveria
de destruição. Entretanto, seus esforços também é membro da Comissão. A incentivar a paz e a justiça. Ao invés
de se auto-proteger são condenados, própria estrutura dessa organização, disso, ela ignora, apóia e defende o
suas ações são avaliadas de maneira em que nações agem de acordo com genocídio, a matança em massa, a ti-
distorcida e sua imagem é manipulada interesses regionais próprios, incentiva rania, o terrorismo e a corrupção. As
negativamente. Israel é avaliado se- essas afrontas à dignidade”. democracias ocidentais não apenas
gundo um padrão doentiamente par- Essa mesma ONU exige que Israel, desconsideram essas evidências, mas
cial, para que possa ser caracterizado na luta contra a matança de seus cida- também continuam se apegando à ilu-
falsamente como um país vilão. dãos, não defenda a si mesmo. Esse são de que a ONU é um exemplo de
Enquanto olha acusadoramente tratamento dispensado a Israel vai virtude moral, sem cuja aprovação as
para Israel, o mundo desvia o olhar muito além da decisão sobre o destino guerras são ilegítimas, e que qualquer
ignorando o genocídio que está acon- de uma certa região. Israel é estigma- ação ou declaração sua possui autori-
tecendo no Sudão, apresentado pelos tizado e vilipendiado com malícia ob- dade moral inquestionável. Mas a úni-
jornais como uma mera “catástrofe hu- sessiva, os ataques contra seus cida- ca atitude correta seria dissolver a
manitária”. Em um comentário no Te- dãos são encorajados aberta ou dissi- ONU. Enquanto o mundo for domina-
legraph, Mark Steyn captou bem essa muladamente, enquanto os crimes do por tiranos – mesmo que, de tem-
inversão moral: cometidos na África são ignorados e pos em tempos, os Estados Unidos im-
“O sistema da ONU está irreme- seus perpetradores chegam a receber ponham seu veto na ONU – ela favo-
diavelmente doente e deteriorado. En- a honraria de se tornarem membros recerá as tiranias, de modo que o
quanto seus líderes chegaram a um da Comissão de Direitos Humanos da terrorismo e os genocídios prossegui-
impasse nas discussões acerca da lim- ONU. Isso permite apenas uma única rão. Ao mesmo tempo, as vítimas são

Notícias de Israel, outubro de 2004


20 HORIZONTE

tratadas, na melhor das hipóteses, com que pratica o “apartheid”?! Isso se pa- cristã e que seus amigos estão princi-
indiferença, mas geralmente sataniza- rece com as mentiras propagadas por palmente entre os cristãos da Direita”.
das – sempre para proteger os reais Goebbels, o ministro da Propaganda Israel é o tema moralmente decisi-
culpados. Esse é o fenômeno fatal de nazista, ou aquelas produzidas pelos vo de nossos dias. Isso não deriva do
que Israel é tanto vítima como símbolo. inimigos de Israel espalhados pelo fato da situação em Israel ser a pior
A dimensão da decadência moral mundo, principalmente pela esquerda do mundo – o genocídio em Darfur
é gigantesca, abrangente e fundamen- anti-americana associada com os que colocou o Sudão numa categoria intei-
tal. A decisão dos presbiterianos nor- se propõem a destruir Israel. Essa é ramente diferente. Mas, o modo como
te-americanos acordou algumas pes- agora a doutrina oficial dos presbite- o mundo trata Israel exemplifica uma
soas, que ainda acreditavam que ao rianos norte-americanos! Quase um decadência moral na qual a verdade,
menos o cristianismo estivesse do lado quarto dos cidadãos do Estado de Is- o bem e as vítimas são ignoradas, de-
do bem. Um dos que despertou foi rael são árabes, que têm os mesmos sumanizadas ou atacadas, enquanto
Dennis Prager, que reprovou a obsce- direitos que seus concidadãos judeus, mentiras e baixezas são aplaudidas e
nidade moral: podem votar e ser votados e mantêm apoiadas juntamente com seus fomen-
“Realmente é necessária uma dose partidos políticos próprios. O árabe é tadores. (Melanie Phillips)
maciça de idiotismo moral e de mal- a segunda língua oficial do país, ou É do conhecimento de todos
dade para denunciar Israel ao invés seja, a língua materna daqueles que que Israel é cada vez mais encur-
da Autoridade Palestina de Arafat, as querem destruir o Estado judeu. Esse ralado e colocado de lado na cena
sentenças de morte por motivos reli- país mantém ocupada uma pequena mundial. Infelizmente, esse pro-
giosos no Irã ou a degradação das área, conhecida como a Margem Oci- cesso perdurará até a volta de Je-
mulheres na Arábia Saudita. Israel, dental do Jordão, apenas porque em sus em grande poder e glória.
que é uma das sociedades mais irre- 1967 a Jordânia, habitada majorita- Cristãos que se orientam pela Bí-
preensíveis e uma das democracias riamente por palestinos, tentou destruir blia conhecem as causas dessa
mais liberais do mundo, luta pela so- Israel, perdendo seus direitos sobre es- animosidade contra Israel. Em re-
brevivência diante de fascistas islâmi- se minúsculo território”. sumo: Israel é a prova de que
cos, que exaltam o que aconteceu du- As conclusões formuladas por Pra- Deus existe. Em outras palavras: a
rante o Holocausto e conclamam pu- ger são esmagadoras, pois apresen- Bíblia tem razão. Mas o mundo
blicamente à aniquilação do Estado tam a verdade em palavras claras: não quer nem pode aceitar isso.
judeu. Como é possível que, mesmo “Israel é um dos assuntos pelos Porém, no mais tardar quando o
assim, os presbiterianos norte-ameri- quais podemos aferir nossa moral. Messias vier, todos terão de reco-
canos declarem que Israel é um país Acusar Israel de causar prejuízos eco- nhecer essa verdade.
nômicos ao mundo enquanto o país Entretanto, é uma grande tra-
apenas luta pela sobrevivência revela gédia ver cada vez mais cristãos
uma imoralidade tão condenável que sendo arrastados por essa onda
os defensores dessa teoria perdem o anti-semita e se distanciando de
A sede da ONU em Nova Iorque. direito de se atribuirem os adjetivos Israel. Precisamos nos questionar
“bons” e “tementes a Deus”. Mas eles seriamente se essas pessoas que se
têm outra concepção. Se eles são voltam contra Israel ainda lêem
“bons”, então eu, como defensor de Is- sua Bíblia ou apenas dão ouvidos
rael, passo a ser “mau”. Se a Bíblia à gritaria que o mundo levanta
deles manda que condenem Israel e contra Israel. É da maior impor-
apóiem Arafat, então eu sigo uma ou- tância estudarmos a Palavra Pro-
tra Bíblia. Eles deixaram bem evidente fética, pois Deus age ainda hoje
quais são suas posições. É chegada a em Israel e através de Israel, como
hora das pessoas de bem, os cristãos prometeu na Escritura. Somente
em geral e os presbiterianos norte- através da Bíblia reconhecemos os
americanos em particular, distancia- propósitos de Deus para com Seu
rem-se abertamente dessa igreja mo- povo e com todo o mundo. Quan-
ralmente enferma. Além disso, é hora do um cristão reconhece isso, tor-
dos judeus entenderem que seus atuais na-se “obrigatoriamente” amigo
inimigos são encontrados na Esquerda de Israel. (Conno Malgo)
Notícias de Israel, outubro de 2004
Visite e divulgue nossos sites

GRÁTIS em nossos sites


• Mensagens • eLivro • Meditações Diárias • Artigos sobre Israel
• Cartões Virtuais • Protetores de Tela • Papéis de Parede
• Revistas Online • Cursos Bíblicos • Bíblia Online