Você está na página 1de 15

Journal of Information Technology (2015) 30, 75 - 89 © 2015 JIT Palgrave

Macmillan Todos os direitos reservados 0268-3962 / 15

palgrave-journals.com/jit/

Artigo de Pesquisa

capitalismo vigilância e as perspectivas de uma civilização


informações: outra grande
Shoshana Zuboff 1,2
1 Harvard Business School Emerita, Boston, MA, EUA;

2 Centro Berkman para Internet e Sociedade, Cambridge, MA, EUA

Correspondência:
S Zuboff, Centro Berkman para Internet e Sociedade, Cambridge, MA, EUA. E-mail:
Szuboff@hbs.edu

Abstrato
Este artigo descreve uma lógica emergente de acumulação na esfera em rede,
' capitalismo de vigilância, ' e considera suas implicações para ' civilização informações. ' As práticas de institucionalização
e premissas operacionais da Google Inc. estão a lente principal para esta análise como eles são processados ​em dois
artigos recentes de autoria de Google Chief Economist Hal Varian. Varian afirma quatro usos que seguem de
transações mediadas por computador: ' extracção de dados e análise, '' novas formas contratuais devido a um melhor
acompanhamento, '' personalização e customização, ' e ' experiências contínuas. ' Um exame da natureza e as
consequências desses usos lança luz sobre a lógica implícita do capitalismo vigilância e da arquitetura global da
mediação computador no qual ele depende. Esta arquitetura produz uma nova expressão distribuída e em grande parte
incontestável de poder que eu batizar: ' Grande Outro. ' É constituído por mecanismos inesperados e muitas vezes
ilegíveis de extração, Commodi fi cação e controle que efetivamente exilados pessoas de seu próprio comportamento,
enquanto a produção de novos mercados de previsão comportamental e modi fi cação. capitalismo Vigilância desafia as
normas democráticas e parte em alguns aspectos fundamentais da evolução centurieslong do capitalismo de mercado.

Jornal de Tecnologia da Informação ( 2015) 30, 75 - 89. doi: 10,1057 / jit.2015.5

Palavras-chave: capitalismo vigilância; big data; Google; sociedade da informação; privacidade; internet de
tudo

Introdução
A maioria dos artigos sobre o tema da ' big Data ' começar com um esforço para

UMA trajetória tecnológica, no entanto, é clara: mais e mais dados serão


gerados cerca derecente
indivíduos
relatórioedapersistirá sob
Casa Branca o controle
sobre de outros
' big Data ' conclui,

Branca, 2014: 9). Lendo esta declaração trouxe à mente uma entrevista de
' o '( Casa
de fi ne ' isto. ' Isto sugere-me que um de razoável fi definição ainda não foi
alcançado. Meu argumento aqui é que ainda não se tenham, de sucesso fi NED ' big
Data ' porque continuamos a vê-lo como um objeto tecnológico, efeito ou
2009 com o Google presidente Eric Schmidt, quando o público fi primeiro capacidade. A inadequação dessa visão nos obriga a voltar mais e novamente
descobriu que o Google manteve histórias de pesquisa individuais, que para o mesmo terreno. Neste artigo eu ter uma abordagem diferente. ' big data, ' Defendo,
também foram disponibilizados para as agências de segurança e policiais não é uma tecnologia ou um efeito tecnologia inevitável. Não é um processo
estaduais, ' Se você tem algo que você não ' t quer que ninguém saiba, talvez autônomo, como Schmidt e os outros gostariam de nos fazer pensar. Origina-se
você não deve ' t estar fazendo isso na na vida social, e é lá que devemos fi nd-lo e conhecê-lo. Neste artigo vou explorar
a proposição de que ' big Data ' é sobretudo o componente fundamental de uma
fi primeiro lugar, mas se você realmente precisa desse tipo de privacidade, a realidade nova lógica profundamente intencional e altamente consequencial de acumulação
é que os motores de busca como o Google fazer guarde esta informação por algum que eu chamo capitalismo lance surveil-. Esta nova forma de capitalismo
tempo ... É possível que essa informa- ções poderiam ser disponibilizados às informação visa prever e modificar o comportamento humano como um meio para
autoridades '( Novo homem, produzir receitas e mercado de controle. capitalismo vigilância tem gradualmente
2009). O que essas duas declarações compartilhar é a atribuição de agência ' tecnologia. constituiu-se durante a última década, incorporando
'' Big data ' é moldado como a consequência inevitável de um rolo compressor
tecnológica com uma vida própria inteiramente fora do social. Nós somos apenas
espectadores.

cópia eletrônica disponível em: https://ssrn.com/abstract=2594754


Big outra S Zuboff
76

uma nova relações sociais e políticas que ainda não foram bem delineadas ou transparência às atividades que tinham sido parcialmente ou completamente
teorizadas. Enquanto ' big Data ' pode ser ajustado para outros usos, aqueles não opaco. Ele não só impõe informação (na forma de instruções programadas), mas
apagar suas origens em um projeto extrativista fundada na indiferença formal para também produz informações. A ação de uma máquina é totalmente investido em
as populações que compõem ambas as suas fontes de dados e suas metas finais. seu objeto, mas a tecnologia da informação também re fl ECTS volta sobre as suas
actividades e sobre o sistema de atividades ao qual está relacionado. Isso produz
Constantiou e Kallinikos (2014) fornecem pistas importantes para esta nova direção ação ligada a uma re fl voz exive, como mediação por computador simbolicamente
em seu artigo ' Novos jogos, novas regras: big data e a mudança de contexto da torna eventos, objetos e pro- cessos que se tornam visíveis, cognoscível, e
estratégia, ' como eles levantar o véu sobre a caixa preta, que é ' big data, ' para revelar compartilháveis ​de uma nova maneira. Esta distinção, para colocá-lo
os seus conteúdos epistémicos e seus problemática indígenas. ' Novos jogos ' é uma simplesmente, marca a diferença entre ' inteligente ' e ' idiota. '
contribuição poderosa e necessária para este território intelectual opaco. O artigo
baseia-se advertências anteriores (por exemplo, Boyd e Crawford, 2011; Bhimani e
Willcocks, 2014) para delinear drasticamente as características epistêmicas de ' big A palavra que eu inventei para descrever esta capacidade única é
Data '- heterogêneo, não estruturada, trans-semiótica, descontextualizada, agnóstico - e informatizar. tecnologia da informação por si só tem a capacidade de
para iluminar as descontinuidades epistemológicas tais dados implicam para os automatizar e para informatizar. Como um resultado do processo de informatização,
métodos e as mentalidades de estratégia corporativa ' s, dedutivos, para dentro focadas trabalho mediada por computador estende codi organizacional fi cação, resultando em
e convenções positivistas formais. um abrangente ' textualização ' do ambiente de trabalho - o que eu chamei ' o texto
eletrônico. '
Esse texto criado novas oportunidades para a aprendizagem e, portanto, novos concursos
Ao reivindicar essa caixa preta para o mundo conhecido, Constantiou e Kallinikos para ver quem iria aprender, como e o quê. uma vez que um
(2014) também insistir nos teries de histórias de mistério que permanecem sem fi rm está imbuída de mediação computador, este novo ' divisão de aprendizagem ' torna-se
solução. ' big data, ' eles advertem, arautos mais saliente do que a tradicional divisão do trabalho. Mesmo nas fases iniciais
' uma transformação da economia e da sociedade contemporânea ... uma mudança destes desenvolvimentos na década de 1980, o texto era um tanto heterogêneo.
muito mais ampla que faz qua cotidianidade dados imprime um componente ele re fl produção ected fl uxos e processos administrativos, juntamente com
intrínseco da vida organizacional e institucional ... e também o principal alvo de interfaces de clientes, mas também revelou o comportamento humano:
estratégias de comercialização ...' Tais mudanças, dizem eles, a preocupação ' a telefonemas, teclas, rupturas do banheiro e outros sinais de continuidade de
indefinição das divisões sociais e institucionais estabelecidos há muito tempo ... a atenção, ações, locais, conversas, obras Net-, especi fi c compromissos com
própria natureza do fi rms e organizações e suas relações com os indivíduos enquanto pessoas e equipamentos, e assim por diante. Lembro-me de escrever as palavras
usuários, clientes ou clientes e cidadãos. ' no verão de 1985 que apareceu no fi capítulo final de Na Idade da máquina
inteligente. Eles foram considerados como estranho então. ' Ciência
Esses desafios também ' gestão de reformulação ... como um fi prática eld e social em
um novo contexto cujos contornos exata ainda permanecem obscuros ... ( 10). '
fi cção, ' alguns disseram; ' subversivo, ' outros reclamou: ' O local de trabalho informated,
Neste breve artigo, pretendo contribuir para uma nova discussão sobre esses que pode não ser mais um “ Lugar, colocar ” em tudo, é uma arena através do qual
novos territórios ainda untheorized em que a coisas efêmeras roiling de circula informação, a informação de que o esforço intellective é aplicado. A qualidade,
Constantiou ' s e Kallinikos ' s ' big Data ' estão embutidos: a migração do cotidiano em vez do que a quantidade, de esforço irá ser a fonte a partir da qual o valor
como uma estratégia ção commercializa-; a indefinição de divisões; a natureza do fi rm acrescentado é derivado ... aprendizagem é a nova forma de trabalho '
e sua relação com populações. Em preparação para os argumentos que eu quero
fazer aqui, eu começo com uma breve revisão de alguns conceitos fundamentais. (Zuboff, 1988: 395).
Eu, então, passar para um ção examina- perto de dois artigos de economista-chefe Hoje devemos esforçar para imaginar quando estas condições -
do Google Hal Varian que revelam a lógica e as implicações do capitalismo de mediação computador, textualização, aprendendo como o trabalho - não fosse o caso,
vigilância, bem como ' big Data ' s ' papel fundamental neste novo regime. pelo menos por amplos setores da força de trabalho. aprendizagem mediada por
computador com base em informações em tempo real tornou-se tão endógena para
atividades de negócios diárias que os dois domínios são mais ou menos con fl ated. Isto é o
que a maioria de nós fazer agora como trabalho. Estes novos fatos são institucionalizadas
em milhares, se não milhões, de novas espécies de ação dentro fi rms. Alguns destes são
mediação computador atende a lógica da acumulação mais formal: metodologias de melhoria contínua, a integração da empresa, monitoramento
Cerca de 35 anos atrás eu fi primeiro desenvolveu a noção de ' mediação computador ' de funcionários, sistemas de TIC que permitem a coordenação global das operações
em um documento de trabalho MIT chamado ' O psicológico e organizacional distribuídas de fabricação, atividades profissionais, equipes, meros custo-, cadeias de
Implicações da Computer- suprimentos, inter- fi projectos de rm, forças de trabalho móveis e temporários, e
Trabalho mediada '( Zuboff 1981; ver também Zuboff de 2013 para uma abordagens de marketing para diversas con fi ções gura- dos consumidores. Alguns são
história deste conceito e seu significado). Nesse papel e posterior escrita menos formais: a incessante fl ow de e-mail, pesquisa on-line, as atividades de
distingui ' mediada por computador ' smartphones, aplicativos, textos, reuniões de vídeo, as interações de mídia social, e assim
trabalhar a partir de gerações anteriores de mecanização e mação automática por diante.
projetado para substituir ou simplificar o trabalho humano (por exemplo Zuboff,
1988, 1985, 1982). Observei que a tecnologia de informação caracteriza-se por
uma dualidade fundamental que não tinha ainda sido totalmente apreciado. Pode A divisão de aprendizagem, no entanto, não é uma forma pura. Durante
ser aplicado para automatizar operações de acordo com uma lógica que pouco 20 anos de fi eldwork, encontrei a mesma lição em centenas de variações. A
difere da de séculos passados: substituir o corpo humano com as máquinas que divisão de aprendizagem, como a divisão do trabalho, é sempre moldada por
permitem uma maior continuidade e controle. Mas quando se trata de tecnologia concursos sobre estas perguntas: Quem participa e como? Quem decide
da informação, automação si- gera neamente informações que fornece um nível quem participa? O que acontece quando a autoridade falhar? Na esfera do
mais profundo de mercado, o texto eletrônico e que pode ser aprendido

cópia eletrônica disponível em: https://ssrn.com/abstract=2594754


Big outra S Zuboff
77

de que nunca foram - e nunca pode ser - ' coisas em si. ' Como podem estes blocos conceitual de construção nos ajudar a fazer sentido ' big
Eles estão sempre já constituído pelas respostas a estas perguntas. Em Data '? Alguns pontos são óbvias: três do mundo ' s sete bilhões de pessoas estão agora
outras palavras, eles já estão embutidos nas sociais, suas possibilidades em uma ampla gama de suas atividades diárias muito além das fronteiras tradicionais
circunscritos pela autoridade e poder. do local de trabalho mediada por computador. Para eles, o velho sonho de computação
ubíqua (Weiser, 1991) é um truísmo pouco perceptível. Como resultado da mediação
O ponto chave aqui é que, quando se trata da esfera do mercado, o texto computador penetrante, quase todos os aspectos do mundo é processado em uma nova
eletrônico já é organizado pela lógica da acumulação no qual ela está inserida e dimensão simbólica como eventos, objetos, processos e pessoas tornam-se visíveis,
do con fl TIC inerente a essa lógica. A lógica da acumulação organiza percepção cognoscível, e compartilháveis ​de uma nova maneira. O mundo está a renascer como
e molda a expressão de danças affor- tecnológicos em suas raízes. É a de dados e texto eletrônico é universal em escala e escopo. 3 Apenas um momento
tomada-para-concedido contexto de qualquer modelo de negócio. Seus atrás, ele ainda parecia razoável para se concentrar nossas preocupações sobre os
pressupostos são em grande parte tácito, e seu poder de moldar o fi domínio de desafios de um ambiente de trabalho informação ou sociedade uma informação. Agora
possibilidades, por conseguinte, em grande parte invisível. É de fi objetivos nes, as perguntas duradouros da autoridade e poder devem ser abordadas para o maior
sucessos, fracassos e problemas. Ele deter- minas que é medido, e o que é quadro possível que é o melhor de fi definida como ' civilização ' ou mais especi fi camente -
passado ao longo; como os recursos e as pessoas são alocados e organizados;
que é valorizado em quais papéis; quais atividades são realizadas - e para que
finalidade. A lógica da acumulação produz suas próprias relações sociais e com
que suas concepções e usos de autoridade e poder. civilização informações. Quem aprende a partir de dados global fl ows, o que, e
como? Quem decide? O que acontece quando a autoridade falhar? Que lógica
da acumulação irão moldar as respostas a estas perguntas? Reconhecendo a
sua escala civilizacional empresta estas questões nova força e urgência. Suas
Na história do capitalismo, cada época tem correr em direção a uma lógica dominante respostas irão moldar o caráter da civilização informações no século para vir,
de acumulação - -Base de produção capitalismo corporativo de massa no século 20 assim como a lógica do capitalismo industrial e seus sucessores em forma o
sombreada em fi capitalismo financeiro por esse século ' mandar - uma forma que continua caráter da civilização industrial ao longo dos últimos dois séculos.
a prevalecer. Isso ajuda a explicar por que há tão pouca diferenciação competitiva real
dentro das indústrias. Airlines, por exemplo, têm imensa informação fl ows que são
interpretadas juntamente mais ou menos semelhantes linhas em relação a objectivos e No breve espaço deste trabalho, a minha ambição é a de começar a tarefa de
métricas semelhantes, pois fi rms são todos avaliados de acordo com os termos de uma iluminar uma lógica emergente de acumulação que disputa pela hegemonia hoje ' s
única lógica compartilhada de acumulação. 1 O mesmo poderia ser dito para os bancos, espaços em rede. Minha lente principal para esta breve exploração é o Google, o
hospitais, empresas de telecomunicações, e assim por diante. mundo ' s site mais popular. Google é amplamente considerado o pioneiro da ' big
Data '( por exemplo, Mayer-Schönberger e Cukier, 2013), e sobre a força dessas
realizações também foi pioneira a lógica mais ampla de acumulação eu chamo de
Ainda assim, o capitalismo ' s sucesso sobre o longue durée dependeu do capitalismo de vigilância, dos quais ' big Data ' é tanto uma condição e uma
surgimento de novas formas de mercado expres- cantam novas lógicas de expressão. Esta lógica emergente não só é compartilhada por Facebook e muitos
acumulação que são mais bem sucedido em atender às necessidades em baseados na Internet outra grande fi rms, ele também parece ter se tornado o
constante evolução das populações e sua expressão na natureza em mudança modelo padrão para a maioria das startups e aplicações online. Como
da demanda. 2 Como Piketty reconhece em seu O Capital no século XXI, Constantiou e Kallinikos (2014), eu começo esta discussão com as características
dos dados ' big Data ' e como eles são gerados. Mas onde os autores treinaram
' Não existe uma única variedade de capitalismo ou organização da produção ... suas atenções para os dados ' s características epistêmicas, quero considerar a
Este continuará a ser verdade no futuro, sem dúvida, mais do que nunca: sua individual, social e política signi fi cance.
novas formas de organização e navio proprietário- continuam a ser inventado '( Piketty,
2014: 483). O filósofo e jurista Roberto Unger também escreveu
persuasivamente sobre este ponto:
Esta discussão aqui é organizado em torno de dois documentos extraordinários
escritos por Google ' s Chief Economist Hal Varian (Varian, 2014, 2010). Suas
O conceito de uma economia de mercado é minate institucionalmente indeter- ... ele reivindicações e observações oferecem um ponto de partida para insights sobre a
é capaz de ser realizado em diferentes direções legais e institucionais, cada um com lógica sistêmica de acúmulo em que ' big Data ' são incorporados. Eu notar aqui que,
consequências dramáticas para todos os aspectos da vida social, incluindo a enquanto Varian não é um executivo de linha Google, seus artigos convidar uma
estrutura de classes da sociedade e a distribuição da riqueza e do poder ... Qual das inspeção próxima da Google ' práticas s como um exemplar principal desta nova lógica
suas realizações prevalece institucionais tem imensa importância para o futuro da de acumulação. Em ambas as peças, Varian ilustra seus pontos com exemplos da
humanidade ... uma economia de mercado pode adotar formas institucionais Google. Ele freqüentemente usa o fi pessoa plural primeiro nestes casos, tal como, ' Google
radicalmente divergentes, incluindo diferentes regimes de propriedade e contrato e tem sido tão bem sucedida com as nossas próprias experiências que fizemos-los
diferentes formas de se relacionar produtores governamentais e privadas. As formas disponíveis para os nossos anunciantes e editores em dois programas. '
actualmente estabelecidos nas principais economias representar o fragmento de
uma maior e aberta fi campo de possibilidades.
Ou, ' Google tem visto 30 trilhões de URLs, rasteja sobre 20 bilhões das pessoas
por dia e atende 100 bilhões de buscas por mês ...
(Unger 2007: 8, 41) tivemos de desenvolver novos tipos de bancos de dados que podem armazenar dados
em tabelas enormes espalhados por milhares de máquinas e pode processar consultas
formas novas de mercado surgem em tempos e lugares distintos. Alguns origem a em mais de um trilhão de registros em alguns segundos. Nós publicou descrições
hegemonia, existem outros em paralelo com a forma dominante, e outros são revelados destas ferramentas ...'
no tempo como becos sem saída evolutivos. (Varian, 2014: 27, 29). Portanto, parece justo supor que Varian ' s perspectivas
re fl ect a substância do Google ' s

cópia eletrônica disponível em: https://ssrn.com/abstract=2594754


Big outra S Zuboff
78

práticas de negócios, e, em certa medida, a visão de mundo que subjaz a fl uxos de transações comerciais, são comprados, agregados, analisados, embalados
essas práticas. e vendidos por corretores de dados que operam, nos EUA, pelo menos, em segredo -
Nos dois artigos examino aqui, Varian ' s tema é a universalidade dos ' Mediadafora ções protec- consumidor estatutários e sem que os consumidores ' conhecimento,
por Computador transações econômicas. ' consentimento ou direitos de privacidade e ao devido processo (Comitê US de
Ele escreve, ' O computador cria um registro da transação Comércio, Ciência e Transporte, 2013).
... Defendo que essas transações mediadas por computador permitiram signi fi melhorias
cativas nas transações forma como são realizados e continuarão a impactar a Uma quarta fonte de ' big data, ' um que fala ao seu caráter heterogêneo e
economia para o futuro previsível '( 2010: 2). As implicações da Varian ' s trans-semiótica, fl uxos de vate pri- e câmeras de vigilância públicos, incluindo
observação são signi fi Cant. A informatização da economia, como ele observa, tudo, desde smartphones a satélites, o Street View para o Google Earth.
é constituído por uma gravação difundida e contínua dos detalhes de cada Google tem estado na vanguarda deste domínio de dados controversa. Por
transação. Nesta visão, a mediação computador torna uma economia exemplo, o Google Street View foi lançado em 2007 e encontrou oposição
transparente e cognoscível de novas maneiras. Este é um forte contraste com em todo o mundo. autoridades alemãs descobriram que alguns carros do
o ideal neoliberal clássica de ' o mercado ' como intrinsecamente inefável e Street View estavam equipados com scanners para raspar dados de redes
incognoscível. Hayek ' s concepção do mercado era como uma incompreensível Wi-Fi privados (O ' Brien e Miller, 2013). De acordo com o Electronic Privacy
' fim estendida ' a que meros indivíduos devem subjugar suas vontades (Hayek, Information Center ' s (EPIC) resumo de um processo judicial fi liderada por 38
1988: 14 - 15). Foi precisamente a impossibilidade de conhecer o universo das estados ' Procuradores-Gerais e no Distrito de Columbia, o tribunal concluiu
transações de mercado que ancorado Hayek ' s reivindica para a necessidade que ' a empresa envolvida na recolha não autorizada de dados de redes sem
de liberdade radical de intervenção do Estado ou regulamento. dada Varian ' s fio, incluindo redes WiFi privadas de usuários de Internet residenciais. '
novos fatos de um mercado cognoscível, ele afirma quatro novos ' usos ' que
seguem de transações mediadas por computador: ' extracção de dados e
análise, '' novas formas contratuais devido a melhor ing Monitor-, '' personalização
e customização, ' e ' experiências contínuas '( Varian, 2014). Cada um deles O relatório EPIC resume uma versão editada de um relatório revelando que FCC ' Google
fornece insights sobre uma lógica emergente de acumulação, a divisão de interceptado intencionalmente carga de dados para fins comerciais e que muitos
aprender que ela molda, eo caráter da civilização informações para que ele supervisores e engenheiros dentro da empresa analisou o código e os
leva. documentos de design associados ao projeto '( EPIC, 2014b). De acordo com New
York Times conta Google ' s eventual liquidação de sete milhões de dólares do
caso, ' a empresa busca pelo fi tempo primeira é necessária para policiar de forma
agressiva seus próprios empregados em questões de privacidade ...'( Streitfeld,
2013). Street View foi restrito em muitos países e continua a enfrentar processos
judiciais sobre o que os requerentes têm caracterizado como ' segredo, '' ilícito, ' e ' ilegal
' táticas de coleta de dados nos EUA, Europa e em outros lugares (Of fi CE, da
Os dados, a extracção, análise Comissão de Privacidade do Canadá, 2010; O ' Brien, 2012; Jammet, 2014).
o fi primeiro de Varian ' s novos usos é ' extracção de dados e análise
... o que todo mundo está falando quando falam sobre big data '( Varian, 2014:
27). Eu quero examinar cada palavra nesta frase - ' dados, '' Extração, ' e ' análise
'- como cada transmite insights sobre a nova lógica de acumulação. No Street View, o Google desenvolveu um método declarativa que tem
repetido em outros empreendimentos de dados. este modo de operação é o da
incursão undefended tory terri- privada até encontrar resistência. Como um
Dados consumidor Watchdog do resumiu para o New York Times, ' Google coloca a
Os dados de transações econômicas mediadas por computador é um signi fi dimensão de inovação à frente de tudo e resiste pedindo sion que autorize '( Streitfeld, 2013;
escala de ' big data. ' Existem outras fontes também, incluindo fl OWS que surgem a partir ver também Burdon e McKillop, 2013). o fi rm não perguntar se ele pode
de uma variedade de sistemas institucionais e trans-institucionais mediadas por fotografar casas para seus bancos de dados. Ele simplesmente toma o que
computador. Entre estes podemos incluir uma segunda fonte de mediada por computador fl quer. Google então esgota seus adversários no tribunal ou, eventualmente,
ows que é esperado para crescer exponencialmente: dados de milhares de milhões de compromete a pagar
sensores incorporados num leque alargado de objectos, corpos e lugares. Um Livro
fi nes que representam um investimento insignificante para um signi fi retorno Cant. 4
Branco Cisco frequentemente citado prevê $ 14,4 trilhões em novo valor associado a este ' Internet
of Everything '( Cisco, 2013a, b). Google ' s novos investimentos em aprendizado de É um processo que Siva Vaihyanathan chamou
máquina, drones, wearables, carros de auto-condução, nano partículas que ' patrulha ' ' imperialismo infra-estrutura '( Vaidhyanathan, 2011). EPIC mantém um
registro on-line abrangente das centenas de casos lançados contra o Google
por países, estados, grupos e indivíduos, e há muitos mais casos que nunca
o corpo para sinais de doença e dispositivos inteligentes para o lar são cada uma das se pública (EPIC, 2014A, b).
componentes essenciais da presente crescente rede de sensores inteligentes e dispositivos
habilitados para Internet destinados como uma nova infra-estrutura gent Intelli para objetos Estes dados institucional produzidos fl OWS representam a
e corpos (Bradshaw, 2014A, b; Kovach, 2013; BBC News, 2014; Brewster, 2014; Dwoskin, ' fornecem ' lado da interface mediada por computador. Com esses dados só é
2014; possível construir pro indivíduo detalhada fi les. Mas a universalidade do
Economista, 2014; Fink, 2014; Kelly, 2014; Lin, 2014; Parnell, 2014; Winkler e computador mediação ocorreu através de um complexo processo de
Wakabayashi, 2014). Uma terceira fonte de dados causalidade que inclui atividades subjetivas demais - lado da procura da
fl uxos de bancos de dados corporativos e governamentais, incluindo aqueles associados com os mediação por computador. necessidades individuais dirigiu as curvas de
bancos, os intermediários-compensação de pagamentos, agências de classificação de crédito, penetração acelerada da Internet. Em menos de duas décadas após o
companhias aéreas, registros fiscais e Censos, operações de cuidados de saúde, cartão de crédito, navegador Mosaic foi lançado ao público, permitindo fácil acesso à World
seguros, farmacêutico, e as empresas de telecomunicações e muito mais. Muitos destes dados, Wide Web, a BBC poll 2010 descobriu que
juntamente com os dados

cópia eletrônica disponível em: https://ssrn.com/abstract=2594754


Big outra S Zuboff
79

79% das pessoas em 26 países considerados de acesso à Internet como um direito chumbo Web inexoravelmente a mais vendas de anúncios para o Google ... E uma vez que a
humano fundamental (BBC, 2010). previsão e análise são tão cruciais para o AdWords, cada bit de dados, não importa quão
Fora dos espaços hierárquicos baseados no mercado do local de trabalho, acesso aparentemente trivial, tem valor potencial '
à Internet, indexação e busca significava que duos indi- foram fi finalmente livres para (Levy, 2009). O tema é reiterado no Mayer-Schönberger e Cukier ' s Big Data: ' Muitas
buscar os recursos que necessários para a vida eficaz desimpedido pela empresas projetar seus sistemas para que eles possam colher escape de dados
monitoração, métricas, a insegurança, os requisitos de função e sigilo imposto pela fi rm ... Google é o líder indiscutível ... cada acção de um utilizador executa é
conside- rado um sinal a ser analisado e alimentado de volta para o sistema '
e sua lógica de acumulação. necessidades individuais de auto-expressão, a voz, em fl influência,
informação, aprendizagem, capacitação e conexão convocou todos os tipos de novas
capacidades em existência em apenas alguns anos: Google ' s pesquisas, iPod ' s (2013: 113). Isso ajuda a explicar por que o Google superado todos os concorrentes
música, Facebook ' s páginas, YouTube ' s vídeos, blogs, redes, comunidades de para o privilégio de oferecer acesso Wi-Fi para Starbuck ' s 3 bilhões de clientes
amigos, estranhos, e colegas, todos estendendo além das antigas fronteiras anuais (Schmarzo, 2014). Mais usuários produzir mais de escape que melhora o
institucionais e geográficos em uma espécie de exultação de caça e coleta e valor preditivo de análises e resultados em leilões mais lucrativos. O que importa
compartilhamento de informações para cada finalidade ou mesmo nenhum. isso foi meu, não é a quantidade de qualidade. Outra forma de dizer isto é que o Google é ' formalmente
e eu poderia fazer com ele o que eu queria! 5 Estes subjetividades de indiferente ' ao que seus usuários dizer ou fazer, contanto que dizê-lo e fazê-lo de
auto-determinação encontrado expres- num novo esfera individual rede caracterizada maneiras que o Google pode capturar e converter em dados.
pelo que Benkler (2006) apropriadamente resumido como formas de não-mercado ' produção
social. '

Extração
Estas actividades não mercantis são uma fi principal fonte quinto de este ' indiferença formais ' é um proeminente, talvez decisivo, característica da
' big Data ' e a origem do que Constantiou e Kallinikos (2014) referem-se a como lógica emergente de acumulação em apreço. O segundo termo da Varian ' s
seu ' cotidianidade. '' Big data ' são constituídos por captura de pequenos dados de frase,
indivíduos ' ações e declarações mediada por computador em sua busca de vida ' Extração, ' também lança luz sobre as relações sociais implícitas pela indiferença formal.
eficaz. Nada é demasiado trivial ou efêmera para esta colheita: Facebook ' gosta, ' Em primeiro lugar, e o mais óbvio, a extracção é um processo de um só sentido, não um
relacionamento. Extração conota um
pesquisas do Google, e-mails, textos, fotos, músicas e vídeos, loca ção, padrões de ' pegando de ' em vez de qualquer um ' dando a, ' ou um de reciprocidade
comunicação, redes, compras, movimentos, cada clique, palavra incorreta, visualização de ' dar e receber. ' Os processos extrativos que possibilitam grandes dados
página, e muito mais. Esses dados são adquiridos, dados fi ed, resumido, agregada, analisados, normalmente ocorrem na ausência de diálogo ou consentimento, apesar do fato de
embalados, vendidos, posteriormente analisados ​e vendido novamente. Estes dados fl OWS que eles sinalizam ambos os fatos e subjetividades de vidas individuais. Estas
foram marcados por tecnólogos como ' escape dados. ' Presumivelmente, uma vez que os dados subjetividades percorrer um caminho oculto para agregação e descontextualização,
são a Rede fi definida como material de resíduos, sua extração e eventual monetização são apesar do fato de que eles são produzidos como íntimo e imediato, ligada a
menos propensos a ser contestada. projectos e contextos (Nissembaum, 2011) individuais. Na verdade, é o status
desses dados como sinais de subjetividades que os torna mais valioso para os
Google tornou-se o maior e mais bem sucedida ' big Data ' anunciantes. Para o Google e outros ' big Data '
empresa, porque é o site mais visitado e, portanto, tem o maior escape de dados.
Como muitos outros digital nascido fi rms, Google se apressou para atender as agregadores, no entanto, os dados são apenas pedaços. Subjetividades são
ondas de demanda reprimida que convertidos em objetos que redirecionar o subjetivo para Commodi fi cação. Os
fl ooded a esfera individual na rede fi primeiros anos da World Wide Web. Era um usuários individuais ' significados são de nenhum est inter para o Google ou outro fi rms
exemplar heróica de empowerment individual na busca de vida eficaz. Mas, como nesta cadeia. Desta forma, os métodos de produção de ' big Data ' desde pequenos
pressões para pro fi t montada, Google ' s líderes estavam preocupados com o efeito dados e as formas em que ' big Data ' são valorizados re fl ect a indiferença formal
que as taxas-de-serviço pode ter sobre o crescimento usuário. Eles optaram, em que caracteriza a fi rm ' s relação às suas populações de ' Comercial. ' As populações
vez de um modelo de publicidade. A nova abordagem dependia da aquisição de são as fontes das quais os dados de extracção prossegue e os objectivos finais
dados do usuário como a matéria-prima para análises proprietárias e produção das utilidades produzem este tipo de dados.
algoritmo que poderia vender e direcionar publicidade através de um modelo de
leilão único, com cada vez mais precisão e sucesso. como o Google ' s receita
cresceu rapidamente, eles motivaram a coleta de dados cada vez mais abrangente. 6
indiferença formal é evidente na agressividade com que o Google persegue os
seus interesses em extrair sinais de subjetividades individuais. Nessas atividades
extrativas que segue o modelo Street View: incursões em território legalmente e
A nova ciência das grandes análises de dados explodiu, impulsionado em grande parte pelo Google ' O socialmente sem defesa até encontrar resistência. Suas práticas parecem
sucesso espetacular. projetado para ser indetectável ou pelo menos obscuro, e se não fosse para o NSA
Eventualmente, tornou-se claro que o Google ' s negócio é o negócio de denunciantes aspectos Edward Snowden de suas operações, especialmente no
leilões, e seus clientes são os anunciantes (ver discussões úteis de que se sobrepõem os interesses de segurança do Estado, ainda estaria escondido.
este ponto de viragem em Auletta, 2009; A maioria do que se sabe sobre Google ' s práticas irrompeu do con fl itos que
Vaidhyanathan, 2011; e Lanier, 2013). AdWords, Google ' s método de leilão produziu (Angwin, 2014). Por exemplo, o Google tem enfrentado oposição legal e
algorítmica para a venda de publicidade online, analisa enormes quantidades de protesto social em relação às reivindicações de (1) a verificação de e-mail,
dados para determinar qual tisers adver- conseguir que um dos 11 links incluindo os de não-usuários do Gmail e as dos estudantes que usam seus
patrocinados em cada página de resultados. Em 2009 Wired artigo sobre ' Googlenomics,
aplicativos educacionais (Herold, 2014; Plummer,
' Google ' s Varian comentou, ' Por que o Google doar produtos ...?

Tudo o que aumenta o uso da Internet em última análise, enriquece Google ...' 2014), (2) a captura de comunicações de voz (Menn
O artigo continua, '... mais olhos sobre a et al., 2010), (3) ignorando as configurações de privacidade (Angwin, 2012;

cópia eletrônica disponível em: https://ssrn.com/abstract=2594754


Big outra S Zuboff
80

Owen, 2014), (4) práticas unilaterais de dados agregação através dos seus serviços receita de US $ 247 bilhões, apenas 137.000 empregados e uma capitalização de US $
on-line (CNIL, 2014; Doyle, 2013), (5) sua extensa retenção de dados de pesquisa 1,09 trilhões de mercado combinada. Em contraste, mesmo tão tarde quanto 1990, os
(Anderson, 2010; O ' Brien e Crampton, 2007), (6) o seu rastreamento de dados de três principais fabricantes de automóveis Detroit produzido receitas de US $ 250 bilhões,
localização de smartphones (Mick, 2011; Snelling, 2014), e (7) suas tecnologias com 1,2 milhões de trabalhadores e um valor de de US $ 36 biliões (Manyika e Chui,
vestíveis e capacidades de reconhecimento facial (EPIC, 2014A, https: //. Épica org / 2014) combinado mercado.
privacidade / google / vidro /). Estes dados contestados reunindo movimentos
enfrentar a oposição substancial na UE, bem como os EUA (Barker e Esta independência estrutural do fi rm de suas popula- ções é uma questão
Fontanella-Khan, 2014; Gabriel, 2014; Garside, 2014; Kopczynski, 2014; Mance et de importância excepcional, tendo em conta a relação histórica entre o
al., 2014; Steingart, 2014; Vasagar, 2014). capitalismo de mercado e da democracia. Por exemplo, Acemoglu e Robinson
elaborar a estruturação mútuo de (1) no início do capitalismo industrial ' s depen-
dência sobre as massas, (2) a prosperidade, e (3) a ascensão da democracia
' Extração ' resume a ausência de cidades recipro- estruturais entre o fi rm e no século 19 na Grã-Bretanha. Examinando que era ' s formas comercializar
suas populações. Este fato por si só levanta Google, e outros participantes na novos bem sucedidos e a mudança que acompanha em direção instituições
sua lógica de acumulação, para fora da narrativa histórica das democracias de democráticas que observam, ' Reprimir as demandas populares e realizar um
mercado ocidentais. Por exemplo, a empresa do século 20 canonizado por golpe contra as instituições políticas inclusivas seria ... destruir ... Os ganhos e
estudiosos como Berle e Means (1991) e Chandler Jr (1977) teve origem na e foi as elites opostas maior democratização e maior inclusão pode fi nd-se entre
sustentada por interdependências profundos com suas populações. A forma e os aqueles que perdem suas fortunas deste destruição '( 2012: 313 - 314). Google
seus chefes tinha muitas falhas e produziu muitos fatos violentos que têm sido não tem qualquer desses riscos. Pelo contrário, apesar de seu papel como o ' utility
bem documentadas, mas vou me concentrar aqui em um ponto diferente. Essa chefe para a World Wide Web '( Vaidhyanathan, 2011: 17) e seus investimentos
forma de mercado intrinsecamente valorizado suas populações de recém substanciais em tecnologias com consequências sociais explosivas, como arti fi oficiais
modernizar os indivíduos como sua fonte de funcionários e clientes; que de inteligência, robótica, reconhecimento facial, wearables, nanotecnologia,
dependia de suas populações de maneiras que levaram mais tempo para dispositivos inteligentes, e drones, o Google não foi sujeito a qualquer
reciprocidades institucionalizados. Em troca de seus rigores, a forma oferecido supervisão pública significativa (ver por exemplo, a discussão em
um quid pro quo que foi consistente com a compreensão e procura Vaidhyanathan, 2011: 44 -
características auto de suas populações. No interior eram sistemas duráveis
​emprego, planos de carreira e aumentos constantes nos salários e bene fi st para
mais trabalhadores (Sklar, 1988). No exterior foram os dramas de acesso a bens
e serviços para mais consumidores (Cohen, 2003) acessíveis. 50; ver também Finamore e Dutta, 2014; Gibbs, 2014; Trotman, 2014; Waters,
2014). Em uma carta aberta para a Europa, o Google presidente Eric Schmidt
recentemente expressou sua frustração com a perspectiva de supervisão pública,
caracterizando-a como
' regulação pesada ' e ameaçando que criaria
o ' fi ve dia dólar ' foi emblemático dessa lógica sistêmica, reconhecendo como fez ' perigos económicas graves ' para a Europa (Schmidt, 2014).
que o conjunto da empresa repousava sobre uma população consumidora. o fi rm,
Ford percebeu, tinha a valorizar o trabalhador-consumidor como uma unidade
fundamental e o componente essencial de um novo capitalismo produção em massa. Análise
Este contrato social ouvidos de volta para Adam Smith ' s idéias originais para as Google ' s indiferença formal, na direcção e distância funcional a partir de
reciprocidades produtivas do capitalismo, em que os aumentos de preços foram populações está ainda institucionalizado nas necessidades de ' análise ' que
equilibradas com aumentos salariais, ' de modo que o trabalhador pode ainda ser Varian enfatiza. Google é o pioneiro da hiperescala. Como outras empresas
capaz de adquirir essa quantidade desses artigos necessários que o estado da hiperescala - Facebook, Twitter, Alibaba, e uma lista crescente de empresas
demanda por trabalho ... informa- ções de alto volume, como telecomunicações e pagamentos globais fi rms
-
exige que ele deve ter '( Smith, 1994: 939 - 940). Foram esses reciprocidades que centros de dados exigem milhões de ' Servidores virtuais ' que exponencialmente
ajudou a constituir uma ampla classe média com o crescimento da renda aumentar as capacidades de computação sem a necessidade de expansão
constante e uma melhoria do nível de vida. De fato, considerado do ponto de substancial de espaço físico, arrefecimento, ou exigências de energia eléctrica. 7 empresas
vista dos últimos mais de 30 anos durante o qual esta forma mercado foi hiperescala explorar economia dos custos de mar- marginal digitais para alcançar
sistematicamente desconstruídas, sua inserção na ordem social através destes escala rapidamente a custos que se aproximam zero. 8 Além desses recursos
reciprocidades estruturais parece ter sido uma de suas características mais materiais, Varian observa que a análise requer cientistas de dados que têm
salientes (Davis, 2011, 2013) . dominado os novos métodos associados com tiques preditivos aná-, mineração
realidade, análise de padrões de vida e assim por diante. Estes requisitos
Google ea ' big Data ' projeto representam uma ruptura com esse passado. Suas conhecimentos materiais e mentos altamente especializados separar ainda mais
populações não são mais necessárias como fonte de clientes ou funcionários. Os significado subjetivo do resultado objetivo. Ao fazer isso, eles eliminam a
anunciantes são os seus clientes, juntamente com outros intermediários que necessidade ou possibilidade de, loops de feedback entre o fi rm e suas populações.
compram analisa seus dados. Google emprega apenas cerca de 48.000 pessoas O curso de dados por muitas fases de produção, só para voltar a sua origem em
como esta escrito, e é conhecido por ter milhares de candidatos para cada vaga. uma segunda fase de extracção no qual o objetivo não é mais dados, mas a receita.
(Como contraste: na altura do seu poder em 1953, General Motors foi o mundo ' s O ciclo então começa novamente na forma de novas operações mediadas por
maior empregador privado.) Google, portanto, tem pouco interesse em seus usuários computador.
como empregados. Este padrão se aplica a hiperescala empresas de alta tecnologia
que alcançar o crescimento, principalmente pelo aproveitamento da automação. Por
exemplo, os três principais empresas do Vale do Silício em 2014 teve Este exame de Varian ' s combinação de dados, ção extracção e análise
começa a sugerir algumas das principais características da nova lógica de
acumulação associados com grandes dados e

cópia eletrônica disponível em: https://ssrn.com/abstract=2594754


Big outra S Zuboff
81

encabeçado pelo Google. Em primeiro lugar, as receitas depender activos de dados social e reinventados como processos de máquinas. participação consensual
apropriados por meio de operações automatizadas ubíquos. Estes constituem uma nos valores a partir do qual a autoridade legítima é derivado, juntamente com
nova classe de ativos: ativos de vigilância. Os críticos do capitalismo vigilância pode livre arbítrio e direitos recíprocos e as obrigações, são negociadas em pelo
caracterizar tais activos equivalente universal do er prison- ' s tornozeleira eletrônica. Autoridade, o que
' bens roubados ' ou ' contrabando ' como eles foram levados, não dado, e não chamei em outros artigos como ' a dimensão espiritual do poder, '
produzem, como argumentarei abaixo, reciprocidades apropriadas. A cultura
acalentado de produção social na esfera individual em rede conta com as depende de construção social animada por valores fundamentais compartilhados. em
ferramentas que são agora os principais veículos para a apropriação à base de Varian ' s economia, a autoridade é suplantada pela técnica, que chamei ' a dimensão
vigilância dos gases de escape dados mais lucrativo. Esses ativos de vigilância material de alimentação, ' em que os sistemas impessoais de disciplina e de controlo
atrair signi fi investimento não pode que pode ser chamado capital de vigilância. Google
produz um certo conhecimento do comportamento humano independente de
tem, até agora, triunfou no mundo conectado através da construção pioneiro consentimento (Zuboff, 1988). Este assunto merece uma exploração mais detalhada
desta nova forma de mercado que é uma variante tiva radicalmente do que é possível aqui, então eu me limitar a alguns temas-chave.
desincorporado e extracção do capitalismo informações, que pode ser identi fi ed
quanto capitalismo vigilância. Esta nova forma de mercado rapidamente se
tornou no modelo de negócio padrão para a maioria das empresas e startups Ao descrever esta ' novo uso, ' Varian reivindica território político vital para
on-line, onde as valorizações routi- nely dependem ' globos oculares ' ao invés de o regime do capitalismo vigilância. De Locke a Durkheim, o contrato eo
receita como um preditor de ativos de vigilância remuneradores. Estado de direito que o suporta foram entendida como derivada do social e a
confiança e solidariedade orgânica dos quais o social é um efeito (Durkheim,
1964: 215; Locke, 2010: 112 - 115, 339). Para Weber, ' a característica mais
essencial do direito material moderno, a lei especialmente privada é o grande
aumento signi fi cance de legal

Monitoramento e contratos transações, particularmente contratos, como uma fonte de reivindicações garantida uma por
Varian diz, ' Como as transações são agora computador coerção legal ... um pode ... designar o tipo porânea contem- da sociedade ... como um “ contratual
mediada, podemos observar um comportamento que era anteriormente não observáveis ” 1 '( 1978: 669).
​e escrever contratos sobre ele. Isso permite que as transacções que simplesmente não Como Hannah Arendt sugere, ' a grande variedade de teorias de contrato
eram possíveis antes ... Por computador transações mediadas permitiram novos modelos desde que os romanos atesta o fato de que o poder de fazer promessas tem
de negócios ...' ocupado o centro do pensamento político ao longo dos séculos. ' Mais vívida é a
(2014: 30). Varian oferece exemplos: Se alguém deixa de fazer pagamentos mensais operação do contrato, uma vez que aumenta o domínio dos indivíduos e a
do carro, o credor pode ' instruir o sistema de monitoramento de veículos para não resiliência da sociedade. Estes bens derivam precisamente da imprevisibilidade
permitir que o carro para ser iniciado e para sinalizar o local onde ele pode ser pego. ' As
companhias de seguros, ele sugere, pode contar com sistemas de monitoramento ' que o acto de fazer promessas pelo menos parcialmente dispersa ...'
semelhantes para verificar se os clientes estão dirigindo com segurança e, assim, Para Arendt, a falibilidade humana na execução dos contratos é o preço da
determinar se deve ou não manter o seu seguro ou pagar sinistros. Ele também sugere liberdade. A impossibilidade de controle perfeito dentro de uma comunidade de
que se pode contratar um agente em um local remoto para realizar tarefas e dados de iguais é a consequência de ' pluralidade e realidade ... a alegria de habitar em
uso de seus smartphones conjunto com os outros um mundo cuja realidade é garantida para cada pela
presença de todos. ' Arendt insiste que ' a força da promessa ou contrato de
- geolocalização, tempo carimbar, fotos - para ' provar ' que eles realmente mútuo ' é a única alternativa ' para um domínio que se baseia na dominação de
realizada de acordo com o contrato. um ' s auto e domínio sobre os outros; que corresponde exactamente à existência
não Varian não parecem perceber que o que ele está comemorando aqui não é de liberdade que foi dada sob a condição de não-soberania '( 1998: 244).
novas formas de contrato, mas sim a ' un-contrato. '
Sua versão de um mundo mediada por computador transcende a forma de
contrato por despojamento governação e do Estado de direito. Varian parece Em contraste com Arendt, Varian ' s visão de um mundo
estar apontando para o que Oliver Williamson chama ' uma condição de utopia computador-mediada me parece um deserto árido - não uma comunidade de
contrato '( 1985: 67). em Williamson ' s economia de transação, existem contratos iguais ligados através de leis na luta humana inevitável e, finalmente, frutífera
para mitigar a inevitabilidade da incerteza. Eles operam a economizar com a incerteza. Neste Futurescape, a comunidade humana já falhou. É um
lugar adaptado para a normalização do caos e do terror, onde os últimos
' racionalidade limitada ' e proteger contra ' oportunismo '- vestígios de confiança há muito que murchou e morreu. reposição humana
ambas as condições difíceis de contratos no mundo real do esforço humano. dos fracassos e triunfos de afirmar previsibilidade e exercício sobre a vontade
Ele observa que a segurança exige em face da incerteza natural dá caminho para o vazio do cumprimento
' racionalidade ilimitada ' derivado de ' competência cognitiva irrestrita, ' que por perpétua. Ao invés de permitir novas formas contratuais, estes acordos
sua vez deriva ' completamente descritos ' descrever a ascensão de uma nova arquitetura universal existente em algum
adaptações ' publicamente observável ' eventos contingentes. Williamson observa lugar entre a natureza e Deus que eu batizar Grande Outro. É um regime
que tais condições inerentes a ' um mundo de planejamento ' ao invés de ' o mundo institucional em rede ubíqua que registra, modi fi es, e Commodi fi es
da governança ' no qual experiência cotidiana desde torradeiras a entidades, a comunicação ao
' outras coisas sendo iguais ... relações que apresentam confiança pessoal vai pensamento, todos com vista ao estabelecimento de novos caminhos para a
sobreviver maior estresse e irá mostrar uma maior adaptabilidade '( 31 - 32, 63). monetização e pró fi t. Grande Outro é o poder soberano de um futuro próximo
Varian ' s visão dos usos das transacções mediadas por computador esvazia o que aniquila a liberdade alcançada pelo Estado de direito. É um novo regime
contrato de incerteza. Ele elimina a necessidade de - e, portanto, a possibilidade de independente e independente
de desenvolver - Confiar em. Outra forma de dizer isto é que os contratos são
levantados a partir da

cópia eletrônica disponível em: https://ssrn.com/abstract=2594754


Big outra S Zuboff
82

fatos que suplanta a necessidade de contratos, governos ance, eo dinamismo psicológica autodeterminação é uma ilusão cruel. Varian acrescenta uma nova
de uma democracia de mercado controlada. Grande Outro é a encarnação do dimensão para ambos os ideais hegemônicos em que agora isso ' vista Deus ' pode ser
texto eletrônico que aspira a englobar e revelar os fatos imanentes totalmente explicada, especi fi ed, e conhecido, eliminando todas as incertezas. O
abrangentes de mercado, social, físico e comportamentos biológicos do século resultado é que as pessoas humanas são reduzidas a uma condição animal mero,
21. Os processos institucionais que constituem a arquitetura do Big Outro pode curvado para servir as novas leis do capital imposta a todos os comportamentos através
ser imaginado como a instanciação de material de Hayek ' s de um feed implacável de registros em tempo real baseadas em fatos onipresentes de
todas as coisas e criaturas. Hannah Arendt tratados estes temas décadas atrás com
' fim estendida ' ganham vida na transparência explicada de computador uma visão notável como ela lamentou a devolução de nossa concepção de ' pensamento '
mediação. a algo que é realizado por um ' cérebro ' e é, por conseguinte, transferida para ' instrumentos
Estes processos recon fi gura a estrutura de poder, con- formidade, e eletrônicos ':
resistência herdada da sociedade de massa e simbolizado por mais de meio
século como Big Brother. Poder já não pode ser resumido por esse símbolo
totalitário de comando e controle centralizado. Mesmo o panóptico de Bentham ' s
design, que eu usei como uma metáfora central em meu trabalho anterior O último estágio da sociedade do trabalho de parto, a sociedade de jobholders,
(Zuboff, 1988, cap. 9,10), é prosaico em comparação com esta nova arquitetura. demandas de seus membros, um funcionamento automático pura, como se a vida
O panóptico era um projeto físico que privilegiava um único ponto de individual, na verdade, tinha sido submerso no todo-processo de vida da espécie
observação. A conformidade antecipatória induziu necessária a produção de ea única decisão ativa ainda exigido do indivíduo estavam a deixar ir, por assim
destreza especi fi c comportamentos enquanto um estava dentro do panóptico, dizer, a abandonar a sua individualidade, o ainda sentiu individualmente dor e
mas que o comportamento poderia ser posta de lado uma vez que se saiu dificuldade de viver, e concordar com um tonto, ' tranqüilizado, '
daquele lugar físico. Na década de 1980 era uma metáfora adequada para os
espaços hierárquicos do local de trabalho. No mundo implícito Varian ' s tipo funcional do comportamento. O problema com as modernas teorias do
pressupostos, habitats dentro e fora do corpo humano são saturados com dados behaviorismo não é que eles estão errados, mas que eles poderiam se tornar
e produzir oportunidades distribuídos radicalmente para observação, verdade, que eles realmente são a melhor conceituação possível de certas
interpretação, a comunicação, em fl cia u-, predição, e, finalmente, Modi fi cação da tendências óbvias na sociedade moderna. É bastante concebível que a idade
totalidade da ação. Ao contrário do poder centralizado da sociedade de massas, moderna - que começou com uma explosão sem precedentes e promissor da
não há como escapar do grande Outro. Não há lugar para estar onde o outro não atividade humana - pode acabar na história passividade mais mortal, mais estéril
é. já conheceu.

(Arendt, 1998: 322)

Neste mundo de nenhuma fuga, os efeitos de refrigeração de conformidade capitalismo Vigilância estabelece uma nova forma de poder em que contrato
antecipatória 9 dar forma como a agência mental e auto-posse de antecipação eo Estado de Direito são suplantados pelas recompensas e punições de um
está gradualmente submerso em um novo tipo de automatismo. conformidade novo tipo de mão invisível. A teorização mais completa deste novo poder,
antecipatória assume um ponto de origem na consciência de que a escolha é enquanto uma preocupação central do meu novo trabalho, ultrapassa o
feita para estar em conformidade para efeitos de evasão de sanções e camou escopo deste artigo. Eu quero destacar, no entanto, alguns temas-chave que
sociais fl era. É também implica uma diferença, ou pelo menos a possibilidade de podem ajudar-nos a apreciar o carácter único do capitalismo vigilância.
uma diferença, entre o comportamento de um teria realizado e o comportamento
se escolhe para executar como uma solução instrumental para poder invasivo.
Em um mundo de grande Outro, sem vias de escape, a agência implícita no De acordo com Varian, as pessoas concordam com a ' invasão de privacidade ' representado
trabalho de antecipação está gradualmente submerso em um novo tipo de por Big Outros se ' obter algo que eles querem em troca ... uma hipoteca, o
automatismo - a experiência vivida de estímulo-resposta pura. Conformidade não aconselhamento médico, aconselhamento jurídico - ou o conselho de seu assistente
é mais um ato de estilo do século 20 de submissão à massa ou grupo, sem perda pessoal digital '( 2014: 30). Ele é citado em uma veia similar por um relatório do Pew
de auto ao coletivo produzido por medo ou compulsão, não desejo psicológico Research, ' Digital Life em 2025: '' Não há como colocar o gênio de volta na garrafa
para tância accep- e de pertença. Conformidade agora desaparece na ordem
mecânica das coisas e dos corpos, não como ação, mas como resultado, não ... Todo mundo vai esperar ser rastreados e monitorados, uma vez que as
causa, mas efeito. Cada um de nós pode seguir um caminho distinto, mas esse vantagens, em termos de conveniência, segurança e serviços, será tão grande ...
caminho já está moldada pela fi nanceiras e, ou, interesses ideológicos que monitorização contínua será a norma (PEW Research, 2014). Como
impregnam Big Outro e invadem todos os aspectos da ' 1 ' s própria ' vida. falsa estabelecer a validade dessa afirmação? Até que ponto são estes suposto
consciência não é mais produzido pelos fatos ocultos de classe e sua relação reciprocidades o produto do consentimento genuíno? Esta questão abre o
com a produção, mas sim pelos fatos ocultos de modi comportamento caminho para outro radical, talvez até mesmo revolucionário, aspecto da política
commoditized fi cação. Se a energia já foi identi fi ed com a propriedade dos meios do capitalismo vigilância. Trata-se da distribuição de direitos de privacidade e
de produção, agora é identi fi ed com a propriedade dos meios de modi com ele o conhecimento e escolha a aderir à grande Outro.
comportamental fi cação.

captura de dados Covert é frequentemente considerado como uma violação,


invasão, ou erosão dos direitos de privacidade, como Varian ' s linguagem sugere. Na
narrativa convencional da ameaça à privacidade, o sigilo institucional cresceu, e os
De fato, há pouca diferença entre o inefável direitos de privacidade individuais foram erodidos. Mas esse enquadramento é
' fim estendida ' do ideal neoliberal ea ' vórtice de estímulos ' responsável por enganosa, porque a privacidade e sigilo não são opostos, mas sim momentos em
todas as ações na visão dos teóricos clássicos da psicologia comportamental. uma seqüência. O sigilo é um efeito da privacidade, que é a sua causa. exercer um ' s
Em ambas as visões de mundo, a autonomia humana é irrelevante e a direito à privacidade produz escolha, e uma lata
experiência vivida de

cópia eletrônica disponível em: https://ssrn.com/abstract=2594754


Big outra S Zuboff
83

optar por manter algo secreto ou para compartilhá-lo. direitos de privacidade sustentada por uma redistribuição unilateral de direitos. Big Outros existe na
confere, assim, os direitos de decisão; privacidade permite que uma decisão quanto ausência de autoridade legítima e é em grande parte livre de detecção ou sanção.
ao local onde se quer estar no espectro entre sigilo e transparência em cada Neste sentido Big Outro pode ser descrito como um golpe automatizado de cima:
situação. Suprema Corte dos EUA Justiça Douglas articulado este ponto de vista da não um coup d ' état,
privacidade no 1967: ' Privacidade envolve a escolha do indivíduo para divulgar ou mas sim uma coup des gens.
revelar o que ele acredita, o que ele pensa, o que ele possui ...'

( Guardião v. Hayden, 387 US 294.323 de 1967, Douglas, J., dissidente, citado Personalização e comunicação
em Farahany, 2012: 1271). Varian afirma que ' hoje em dia, as pessoas têm vindo a esperar os resultados de
O trabalho de vigilância, ao que parece, não é a corroer os direitos de pesquisa personalizados e anúncios. ' Ele diz que o Google quer fazer ainda mais.
privacidade, mas sim para redistribuí-los. Em vez de muitas pessoas que têm Em vez de ter de fazer perguntas Google, que deveria ' sabe o que quer e dizer-lhe
alguns direitos de privacidade, esses direitos foram concentradas dentro do regime antes de fazer a pergunta. '' Essa visão, ' ele afirma, ' agora tem sido realizado pelo
de vigilância. capitalistas de vigilância têm amplos direitos de privacidade e, Google Now ...' Varian admite que ' Google Now tem que saber muito sobre você e
portanto, muitas opor- tunidades para segredos. Estes são cada vez mais seu ambiente para fornecer esses serviços. Isso preocupa algumas pessoas '( 2014:
utilizadas para privar as populações de escolha no assunto do que sobre suas 28). No entanto, Varian razões que as pessoas compartilhar esse conhecimento
vidas permanece secreta. Esta concentração dos direitos é realizado de duas com médicos, advogados e contabilistas a quem eles confiam. Em seguida, ele
maneiras. No caso do Google, Facebook e outros exemplares do capitalismo continua, ' Por que eu estou disposto a compartilhar toda essa informação privada?
vigilância, muitos dos seus direitos parecem vir de tomar outros ' sem pedir - em Porque eu receber algo em troca ...'( 2014: 28).
conformidade com o modelo Street View. talists vigilância capi- ter habilmente
explorado um atraso na evolução social como o rápido desenvolvimento de suas
habilidades para vigiar para pro fi t correr mais que a compreensão do público e Na verdade, capitalismo vigilância é exactamente o contrário das relações
eventual desenvolvimento de legislação e regulamentação que produz. Em de confiança a que se refere Varian. Médicos, advogados e outros profissionais
resultado, direitos de privacidade, uma vez acumulado e afirmou, pode ser
confiáveis ​são responsabilizados por dependências mútuas e reciprocidades
invocada como legitimação para a manutenção da obscuridade das operações de
recobertos pela força da sanção profissional e direito público. Google, como
vigilância. 10
vimos, não suportar tais encargos. Sua indiferença formal e distância ' Comercial,
' combinada com a sua liberdade atual da regulação dizer- ingful, sanção ou
direito, buffer-lo e outros capitalistas lance surveil- das conseqüências da
Os mecanismos deste crescente concentração dos direitos de privacidade e desconfiança. Em vez de Varian ' s reciprocidades implícitas, os coup des gens introduz
suas implicações recebeu signi fi escrutínio não pode de especialistas legais nos novas assimetrias substanciais de conhecimento e poder.
EUA ea Europa, antes mesmo de Edward Snowden acelerou a discussão. Esta é
uma literatura rica e crescente que levanta muitas preocupações substanciais
associados com as implicações antidemocráticas da concentração dos direitos de Por exemplo, o Google sabe muito mais sobre suas populações do que eles
privacidade entre os atores de vigilância privada e pública (Schwartz, 1989; sabem sobre si mesmos. De facto, não existem meios através dos quais populações
Solove, 2007; Michaels, 2008; Palfrey, 2008; Semitsu, 2011; Richards, 2013; Calo, podem atravessar essa divisão, uma vez o material, intelectual, e barreiras de
2014; Reidenberg, 2014; Richards e king, 2014). O alcance global e as implicações propriedade necessários para a análise de dados e a ausência de laços de
desta extração de direitos - bem como os dados - apresentar muitos desafios para realimentação. Outra assimetria é re fl ete no fato de que o usuário típico tem pouco ou
conceituação, incluindo a forma de superar o próprio segredo que os torna nenhum conhecimento do Google ' operações de negócios, toda a gama de dados
problemático no fi lugar primeiro. Além disso, a dinâmica que descrevo ocorrem no pessoais que contribuem para a Google ' servidores s, a retenção desses dados, ou
que era até recentemente uma área em branco - aquele que não é facilmente como esses dados são instrumentalizadas e monetizados. É agora bem conhecido
capturado por nossas categorias sociais, econômicas e políticas existentes. As que os usuários têm poucas opções significativas para a privacidade auto-gestão
novas operações comerciais com frequência escapam modelos mentais existentes (para uma revisão recente do ' dilema consentimento, ' veja Solove, 2013). capitalismo
e desafiar as expectativas convencionais. lance Surveil- prospera sobre o público ' s ignorância.

Essas assimetrias no conhecimento são sustentadas por assimetrias de poder.


Estes argumentos sugerem que a lógica da acumulação que sustenta o Grande Outro é institucionalizada nas funções indetectáveis ​automáticos de uma
capitalismo a vigilância não é totalmente captado pelo terreno institucional infra-estrutura global que também é considerado pela maioria das pessoas como
convencional do privado fi rm. O que é acumulado aqui não é apenas ativos de essenciais para a participação social básica. As ferramentas oferecidas pelo Google e
vigilância e de capital, mas também direitos. Isto ocorre através de um conjunto único outros capitalista vigilância fi rms responder às necessidades das pessoas sitiadas
de processos de negócios que operam fora dos auspícios mecanismos democráticos segunda modernidade - como a maçã no jardim, uma vez provou que eles são
legítimos ou as pressões do mercado tradicional de reciprocidade e escolha do impossível viver sem. Quando o Facebook caiu em algumas cidades dos EUA para
consumidor. É realizado através de um formulário de declaração unilateral que mais algumas horas durante o verão de 2014, muitos norte-americanos chamavam seus
se assemelha as relações sociais de uma autoridade absolutista pré-moderna. No serviços locais de emergência em 911 ( LA Times, 2014). Google ' s ferramentas não são
contexto desta nova forma de mercado que eu chamo de capitalismo de vigilância, os objetos de uma troca de valor. Eles não estabelecem reciprocidades
cale hypers- se torna uma ameaça profundamente anti-democrático. produtor-consumidor construtivas. Em vez disso, são os ' ganchos ' que os usuários de
atrair para operações de extracção e transformar a vida ordinária na renovação diária
de um pacto faustiano do século 21. Esta dependência social está no coração do
capitalismo vigilância assim quali fi es como uma nova lógica de acumulação projeto de vigilância. necessidades sentidas poderosas para a vida eficaz vie contra a
com uma nova política e as relações sociais que substitui contratos, o Estado inclinação para resistir ao projeto de vigilância. este con fl TIC produz uma espécie de
de direito, e confiança social com a soberania de grande Outro. Ele impõe um
regime de cumprimento administração privada de recompensas e punições que
é

cópia eletrônica disponível em: https://ssrn.com/abstract=2594754


Big outra S Zuboff
84

entorpecimento psíquico que inures pessoas para as realidades de ser discutido (Mance et al., 2014; ver também Barker e Fontanella- Khan, 2014; Döpfner,
rastreado, analisado, extraído, e modi fi ed - ou dispõe a racionalizar a situação 2014; Gabriel, 2014; Vasagar, 2014). Uma pesquisa recente da Financial Times indica
no cinismo resignado (Hoofnagle et al., que ambos os europeus e os americanos estão alterando substancialmente o seu
2010). O ponto chave aqui é que este acordo de Fausto é fundamentalmente comportamento on-line como eles buscam mais privacidade (Kwong, 2014). Um grupo
ilegítima; é uma escolha que - indivíduos do século 21 não deve ter que fazer. de estudiosos por trás de um grande estudo sobre o comportamento online dos jovens
No mundo do capitalismo vigilância, o pacto faustiano necessário para ' obter conclui que uma ' falta de conhecimento ' ao invés de um
algo em troca ' elimina as complicações mais velhos de reciprocidade e de
confiança em favor de um ressentimento cauteloso, frustração, defesa ativa, ' atitude arrogante para com a privacidade, ' como líderes de tecnologia têm alegado, é uma razão
e, ou, a dessensibilização. importante pela qual um grande número de jovens ' se envolver com o mundo digital de uma
maneira aparentemente despreocupada '
Varian ' s con fi ança no Google Now parece ser impulsionado pelos fatos da (Hoofnagle et al., 2010). Nova bolsa de estudos jurídica revela o prejuízo para os
desigualdade. Ele aconselha que a maneira de prever o futuro é observar o que consumidores em perda de privacidade associada ao Google e ao capitalismo de
as pessoas ricas têm, porque é isso que a classe média e os pobres vão querer vigilância (Newman, 2014). WikiLeaks fundador, Julian Assange, publicou um relato
também. ' O que as pessoas ricas têm agora? ' ele pergunta. ' assistentes pessoais ' é preocupante do Google ' s de liderança, política e globais ambições (Assange, 2014). O
a sua resposta. A solução? ' que ' s Google agora ( 2014: 29), ' ele diz. Varian ' s Pew Research Center ' s mais recente relatório sobre as percepções públicas de
aposta é que o Google Now será tão vital um recurso na luta pela vida eficaz que privacidade no pós-Snowden Era indica que 91% dos adultos norte-americanos
as pessoas comuns vão aderir à ' invasões de privacidade ' que são a sua quid pro concordam ou concordam fortemente que os consumidores perderam o controle sobre
quo. seus dados pessoais, enquanto apenas 55% concordam ou concordam fortemente que
eles estão dispostos a ' compartilhar algumas informações sobre mim com as empresas, a
Nesta formulação Varian explora uma visão de longa data do capitalismo, mas se fim de usar os serviços online de graça '( Madden, 2014).
inclina para os objectivos do projecto de vigilância. Adam Smith escreveu com
perspicácia sobre a evolução dos luxos em necessidades. Mercadorias em uso entre
a classe alta e consideradas luxos pode no tempo ser reformulado como ' saries
neces-, ' ele notou. O processo ocorre como ' as regras estabelecidas de decência ' mudar
para re fl ect novos costumes e padrões introduzida pelas elites. Estas regras mudam experiências contínuas
tanto re fl ect e desencadear novos métodos de produção mais baixo custo que Porque ' big Data ' rendimentos de análise apenas padrões de correlações, Varian
transformam antigos luxos para as necessidades acessíveis (Smith, 1994: 938 - 939). aconselha a necessidade de experiências contínuas que podem destrinchar questões
Estudiosos do consumo moderno cedo descrever o ' boom de consumo ' que iniciou a fi de causalidade. tais experiências ' são fáceis de fazer na web, ' atribuir os grupos de
revolução industrial primeiro no final do século 18o Grã-Bretanha como novas tratamento e de controlo com base em TRAF fi c, biscoitos, nomes de usuário, áreas
famílias de classe média começou a comprar os tipos de bens - porcelana, geográficas, e assim por diante (2014: 29). Google tem sido tão bem sucedida na
mobiliário, têxteis - que só os ricos tinham desfrutado. Historiador Neil McKendrick experimentação que eles compartilharam suas técnicas com os anunciantes e
descreve este novo editores. Facebook tem feito consistentemente incursões aqui também, como ele
conduz experimentos em usuários modificando ' comportamento com vista a,
eventualmente, monetizar seus conhecimentos, capacidade de previsão e controle.
' propensão a consumir ... sem precedentes na profundidade em que ela Sempre que estas experiências foram revelados, no entanto, eles têm inflamado fi feroz
penetrou os alcances mais baixos da sociedade ...' debate público (bond et al., 2012; Flynn, 2014; Gapper, 2014; Goel, 2014; Kramer et al., 2014;
(McKendrick, 1982: 11) como luxos foram reinterpretadas como Lanier, 2014; Zittrain, 2014).
' decencies ' e aqueles foram reinterpretadas como ' necessidades '
(Weatherill, 1993). Em 1767, o economista político Nathaniel Forster preocupado
que ' luxuosa elegante ' estava se espalhando ' como um contágio, ' como ele se Varian ' s entusiasmo para a experimentação fala para um ponto maior, no
queixou do ' ção ambi- inquieto perpétua em cada um dos escalões inferiores para entanto. As oportunidades de negócio associadas a novos dados fl ows implicar uma
elevar-se ao nível daqueles imediatamente acima deles '( Forster, 1767: 41). mudança do a posteriori análise para que Constantiou e Kallinikos (2014)
Historicamente, esta poderosa característica evolutiva da demanda levou à referem-se, com o tempo real de observação, a comunicação, análise, predição e
expansão da produção, empregos, salários mais altos, e de bens de menor custo. modi fi catião de comportamento real e agora breve (Foroohar, 2014; Gibbs, 2014;
Varian não tem tais reciprocidades em mente. Em vez disso, ele considera esse Lin, 2014; Trotman, 2014; Waters, 2014). Isto implica uma outra mudança na fonte
mecanismo de crescimento da demanda como a força inevitável que vai empurrar de ativos de vigilância de comportamento virtual para o comportamento real,
as pessoas comuns no Google Now ' s pacto de fáustica ' necessaries ' em troca de enquanto as oportunidades de monetização são reorientados para misturar
ativos de vigilância. comportamento virtual e real. Esta é uma nova fronteira de negócios composta de
conhecimento sobre o comportamento em tempo real que cria oportunidades para
intervir e modificar o comportamento de pro fi t. As duas entidades na vanguarda
Varian é con fi dent que entorpecimento psíquico vai facilitar o caminho para desta nova onda de ' mineração de realidade, '' padrões de análise de vida, ' e ' análise
este drama desagradável. Ele escreve, ' É claro que haverá desafios. Mas esses preditiva ' são o Google ea NSA. Como o relatório da Casa Branca coloca, ' há um
assistentes digitais será tão útil que todo mundo vai querer um, e as potencial de crescimento para grandes análises de dados para ter um efeito
declarações que você lê hoje sobre eles vai apenas parecem singular e imediato sobre uma pessoa ' s ambiente circundante ou decisões que estão sendo
antiquado '( 2014: feitas sobre a sua vida '( 2014: 5). Isto é o que eu chamo de
29). Mas talvez não. Há um crescente corpo de evidências que sugerem que as
pessoas em muitos países podem resistir à coup des gens como a confiança nos
capitalistas de vigilância é esvaziada por novos surtos de evidências que sugerem
que a perspectiva remorseless de Varian ' s sociedade futura. Estas questões são negócio realidade, e re fl ECTS uma evolução na fronteira da ciência dados de mineração de
agora uma questão de debate político sério dentro da Alemanha e da UE onde dados para mineração de realidade em que, de acordo com MIT ' s Sandy Pentland, ' sensores,
propostas para ' rompimento ' Google já estão sendo telefones celulares e outros dispositivos de captura de dados ' proporciona a ' olhos e
ouvidos ' de um

cópia eletrônica disponível em: https://ssrn.com/abstract=2594754


Big outra S Zuboff
85

' organismo vivo de abrangência mundial ' de ' um Deus ' vista do olho ' comportamento para comportamento real atual e futuro. Novas oportunidades
(Pentland, 2009: 76, 80). Esta é mais uma prestação do zação moneti- são, portanto, associada a uma nova arquitetura global de captura
' fim estendida, ' totalmente explicada por computador mediação. O texto eletrônico do de dados e análise que produz recompensas e punições destinadas a modificar e
local de trabalho informated se transformou em um organismo vivo de abrangência comportamento tizing comoditização para pro fi t.
mundial - uma inter-operacional, comporta- vior-modificando, market-making, e
proprietárias vista Deus. Muitas das práticas associadas a capitalizar essas oportunidades recém
Há quase 70 anos o historiador Karl Polanyi observa que as economias percebidos desafiaram as normas sociais associadas à privacidade e são
dos séculos 19 e 20 do mercado dependia de três invenções mentais contestadas como violações dos direitos e leis. Em resultado, o Google e outros
surpreendentes que ele chamou atores aprenderam a obscurecer suas operações, a escolha de invadir o território
' fi ficções. ' o fi primeiro era que a vida humana pode ser subordinado à dinâmica do individual e social defendidos até que a oposição é encontrada, em que ponto
mercado e renascer como ' trabalho. ' Em segundo lugar, a natureza pode ser eles podem usar seus recursos substanciais para defender a baixo custo que já
subordinado e renascer como ' imobiliária. ' Em terceiro lugar, que a troca pode havia sido tomada. Desta forma, os ativos de vigilância são acumulados e atrair
renascer como ' dinheiro. ' A própria possibilidade do capitalismo industrial dependia da signi fi capital de vigilância não pode ao produzir suas próprias novas políticas
criação destes três crítica surpreendentes e as relações sociais.
' fi mercadorias ctional. ' Vida, natureza, e
troca foram transformados em coisas, para que pudessem ser pró fi vitavelmente
comprados e vendidos. '[ T] ele commodities fi cção, ' ele escreveu, ' ignorou o Estes novos fatos institucionais têm sido deixada em repouso para uma
facto de deixar o destino do solo e pessoas para o mercado equivaleria a variedade de razões: eles foram construídos em alta velocidade e projetado para
aniquilar-los. ' ser indetectável. Fora um reino restrito de especialistas, poucas pessoas
entenderam o seu significado. assimetrias estruturais do conhecimento e dos
Com a nova lógica de acumulação que é o capitalismo de vigilância, uma direitos tornou impossível para as pessoas a aprender sobre essas práticas.
quarta fi mercadoria ctional surge como uma característica dominante da empresas de tecnologia líderes foram respeitados e tratados como emissários do
dinâmica do mercado no século 21. A própria realidade está a sofrer o mesmo futuro. Nada na experiência passada preparado as pessoas para estas novas
tipo de fi ctional meta morphosis assim como pessoas, natureza, e da troca. práticas, e assim havia poucas barreiras defensivas para proteção. Indivíduos
Agora ' realidade ' rapidamente veio a depender das novas ferramentas de informação e comunicação
é subjugado a Commodi fi catião e rentabilização e regenerados como ' comportamento. como recursos necessários no cada vez mais estressante, competitivo e
' Os dados sobre o comportamento dos corpos, mentes e coisas tomem o seu lugar estratificação fi ed luta pela vida eficaz. As novas ferramentas, redes, aplicativos,
em um índice dinâmico em tempo real universal de objetos inteligentes dentro de plataformas e mídia tornou-se, assim, os requisitos para a participação social.
uma em fi nite de domínio global das coisas com fio. Este novo fenômeno produz a Finalmente, o rápido acúmulo de fatos institucionalizados - corretagem de dados,
possibilidade de modificar os comportamentos das pessoas e coisas para pro fi t e análise de dados, data mining, ções especializações profissionais, dinheiro
controlo. Na lógica do capitalismo vigilância não há indivíduos, apenas o organismo inimaginável fl ows, efeitos de rede poderosas, colaboração estado, os bens
de abrangência mundial e todos os elementos mais minúsculos dentro dele. materiais hiperescala e concentrações sem precedentes de poder da informação - produziu
uma enorme sensação de inevitabilidade.

Conclusão Estes desenvolvimentos tornaram-se a base para um totalmente institutio- nova


Technologies são constituídos por affordances únicas, mas o desenvolvimento lógica nalized de acumulação que eu tenho chamado capitalismo de vigilância. Neste
ea expressão desses affordances são moldadas pelas lógicas institucionais em novo regime, uma arquitetura global da mediação computador transforma o texto
que as tecnologias são projetados, implementados e utilizados. Este é, afinal, a eletrônico da organização limitada num organismo de abrangência mundial inteligente
origem do hack. Hacking pretende libertar affordances das lógicas institucionais que eu chamo de Big Outro. Novas possibilidades de subjugação são produzidos
em que são congeladas e redistribuí-los em con alternativa fi gurações para como esta lógica institucional inovador prospera em mecanismos inesperados e
novos fins. Na esfera do mercado, estas lógicas circunscrevem são lógicas de ilegíveis de extração e controlar que as pessoas de exilados de seu próprio
acumulação. Com essa visão em mente, o meu objectivo tem sido o de comportamento.
começar a identificar e teorizar a lógica atualmente institucionalização de
acumulação que produz assemblages hiperescala de dados objetivos e Sob essas condições, a divisão de aprendizagem e de seus concursos são
subjetivos sobre os indivíduos e seus habitats, para efeitos de saber, controlar civilizacional em escopo. À pergunta ' que participa? ' a resposta é - aqueles com o
e modificar o comportamento para produzir novos variedades de Commodi fi catião, material, o conhecimento, e fi recursos financeiros para acessar Big Outro. À
rentabilização, e controlo. pergunta ' quem decide? ' A resposta é, o acesso ao grande Outro é decidido por
novos mercados na Commodi fi cação de comportamento: Os mercados de controle
comportamental. Estas são compostas por aqueles que vendem oportunidades no fl
O desenvolvimento da Internet e métodos para acessar o Largo mediação comportamento uência para pro fi t e quem compra essas oportunidades. Assim
computador Web propagação mundial de sites limitadas de trabalho e ação Google, por exemplo, pode vender o acesso a uma companhia de seguros, e essa
especializada para onipresença mundial tanto na interface institucional e nas empresa adquire o direito de intervir em um loop informações em seu carro ou sua
esferas íntimos de experiência cotidiana. Alta tecnologia fi rms, liderado pelo cozinha, a fim de aumentar suas receitas ou reduzir os seus custos. Pode desligar
Google, percebida novo pro fi oportunidades de t nestes fatos. Google entendido o carro, porque você está dirigindo muito rápido. Pode bloquear o seu frigorífico
que fosse para capturar mais desses dados, armazená-los e analisá-los, eles quando você se coloca em risco de doença cardíaca ou diabetes por comer muito
podem afetar substancialmente o valor da publicidade. como o Google ' capacidades sorvete. Você pode, em seguida, enfrentar a perspectiva de tanto prémios mais
s nesta arena desenvolvido e atraiu níveis históricos de pro fi t, produziu práticas elevados ou perda de cobertura. Google ' s Chief Economist Hal
sucessivamente ambiciosos que expandem a lente de dados do virtual passado

cópia eletrônica disponível em: https://ssrn.com/abstract=2594754


Big outra S Zuboff
86

Varian celebra possibilidades como novas formas de contrato, quando na Notas


verdade eles representam a conclusão de contratos. Google ' s prestação de 1 Para um exemplo recente deste, consulte ' JetBlue adicionar taxas de bagagem, Cut
civilização informações substitui o Estado de direito ea necessidade de confiança espaço para as pernas '( Nicas, 2014). 2 Ver Braudel ' s discussão neste ponto (1984: 620).
social como base para as comunidades humanas com um mundo da vida nova 3 Considere-se que em 1986 houvesse 2,5 optimamente comprimida
de recompensas e punições, estímulo e resposta. capitalismo Vigilância oferece
um novo regime de fatos abrangentes e de conformidade com os fatos. É, eu exabytes, apenas 1% das quais foram digitalizados (Hilbert, 2013: 4). Em
sugeri, um golpe de cima - a instalação de um novo tipo de poder soberano. 2000, apenas um quarto do mundo ' s informações armazenadas era digital
(Mayer-Schönberger e Cukier, 2013: 9). Em 2007, havia cerca de 300 exabytes de forma
otimizada comprimido com 94% digitalizado (Hilbert, 2013: 4). Digitalização e dados fi cação
A arquitetura onipresente automatizado de grande Outro, sua derivação em (a aplicação de software que permite que computadores e algoritmos para processar e
ativos de vigilância, e sua função como vigilância generalizada, destaca outros analisar dados brutos), combinada com novos e de armazenamento mais barato
novos recursos surpreendentes dessa lógica de acumulação. Ela mina a tecnologias produzidas 1200 exabytes de dados armazenados em todo o mundo em 2013
relação histórica entre os mercados e democracias, uma vez que as estruturas com 98% de conteúdo digital (Mayer-Schönberger e Cukier, 2013: 9) . 4 O Tribunal da UE ' s
do fi rm formalmente indiferente ao e radicalmente distante das suas 2,014 decisão na ' direito a ser esquecido ' indiscutivelmente
populações. capitalismo vigilância é imune às reciprocidades tradicionais em
que as populações e capital de um outro necessários para o emprego e o
consumo. Neste novo modelo, as populações são alvos de extração de dados. representa o fi primeira vez que o Google foi forçado a alterar substancialmente suas
Este desencaixe radical do social é outro aspecto do capitalismo vigilância ' o práticas como uma adaptação às exigências regulamentares - a fi capítulo primeiro do que
caráter anti-democrático. Sob o capitalismo, a vigilância, a democracia não é certeza de ser uma história em evolução. 5 Para uma extensa discussão deste tema,
funciona mais como um meio para a prosperidade; democracia ameaça ver Zuboff e maxmin
receitas de vigilância. (2002, especialmente os capítulos 4, 6, e 10). 6 Com a vantagem competitiva do
Google ' é exponencialmente
expansão de captura de dados, o Google ' receitas s ad saltou de US $ 21 bilhões em 2008 para
O capitalismo vigilância ser a lógica hegemônica de acumulação em nosso mais de US $ 50 bilhões em 2013. Em 2014 de fevereiro de 15 anos após sua fundação, Google ' s
tempo, ou vai ser um beco sem saída evolutivo que cede a outras formas de $ 400 bilhões de valor de mercado do dólar superou a Exxon para a posição # 2 em
mercado com base em informações emergentes? Que alternativa trajetórias capitalização de mercado, tornando-se a empresa mais ricos do mundo depois que a Apple
para o futuro pode estar associado a estas formas concorrentes? Sugiro que (Farzad, 2014). 7 Considere estes fatos em relação ao Google e Facebook, a mais
as perspectivas de informação resto civilização sobre as respostas a estas
perguntas. Há muitas dimensões do capitalismo de vigilância que requerem hyper do hiperescala fi rms. Google processa quatro mil milhões de buscas por dia. A
uma análise cuidadosa e teorização se estamos a contar com essas 2009 apresentação pelo engenheiro do Google Jeff Dean indicou que estava a planear
perspectivas. Uma dimensão óbvia é a imbricação de autoridade pública e a capacidade de dez milhões de servidores e um exabyte de informação. Seu artigo
privada no projeto de vigilância. Desde Edward Snowden, nós aprendemos do técnico publicado em 2008 descreveu novas análises que permitiram Google para
esbatimento das fronteiras público e privado em actividades de vigilância, processar 20 petabytes de dados por dia (1000 petabytes = 1 exabyte), ou cerca de 7
incluindo colaborações e interdependências construtivo entre o Estado laços exabytes por ano (Dean e Ghemawat, 2008; Dean, 2009). Um analista observado que
autori- segurança e alta tecnologia fi rms. Outro conjunto fundamental de estes números têm provavelmente sido largamente ultrapassado por agora, ' sobretudo
questões envolve a relação do capitalismo vigilância - e seus potenciais tendo em conta o volume de dados que estão sendo enviados para o YouTube, o
concorrentes - para as grandes preocupações globais, tais como interrupções único 72h valor de vídeo carregadas a cada minuto '( Wallbank, 2012). Como para o
de igualdade e de clima que afetam todas as nossas perspectivas futuras. A Facebook, que tem mais de um bilhão de usuários. No momento da sua fl aveia no
terceira questão diz respeito à velocidade de evolução social em comparação mercado de ações dos EUA em 2012, alegou ter mais de sete bilhões de fotos
com aquela em que o projeto de vigilância é institucionalizada. Parece claro enviadas cada mês e mais de 100 petabytes de fotos e vídeos armazenados em seus
que as ondas de ações judiciais de quebra nas margens da nova fortaleza de servidores (Ziegler,
vigilância não são susceptíveis de alterar o comportamento de capitalistas de
vigilância. Foram os capitalistas de vigilância a abandonar suas práticas
contestadas de acordo com as demandas de partes lesadas, a própria lógica 2012).
da acumulação responsável por sua rápida ascensão à imensa riqueza e 8 Menor fi rms sem receita hiperescala pode aproveitar alguns dos
concentrações históricas de poder seria prejudicada. O valor da constante fl ow esses recursos com serviços de computação em nuvem (Manyika e Chui, 2014;
de ações judiciais é bastante para estabelecer novos precedentes e, Münstermann et al., 2014).
finalmente, novas leis. A questão é se o atraso na evolução social pode ser 9 Ver minha discussão de conformidade antecipatória em Zuboff (1988:
remediado antes das consequências do projeto de vigilância tomar posse. 346 - 356). Para uma atualização, ver pesquisas recentes sobre o comportamento de busca na
Internet em Marthews e Tucker (2014). 10 Este processo é exempli aparentemente fi ed na ação
federal dos EUA

sobre Google ' s mineração de dados de e-mails de estudantes enviados e recebidos pelos usuários de

seus Apps para o serviço de Educação nuvem. Veja Herold (2014).

Finalmente, e mais importante para todos os estudiosos e cidadãos, é o Referências


fato de que estamos no início da narrativa que vai levar-nos para novas
Acemoglu, D. e Robinson, JA ( 2012). Por Nations Fail: As origens do poder,
respostas. A trajetória desta narrativa depende em grande medida sobre os prosperidade e pobreza, New York, NY: Crown Business.
estudiosos atraídos para este projecto fronteira e os cidadãos que atuam no Anderson, N. ( 2010). Por que o Google mantém seus dados para sempre, acompanha-lo com anúncios,

conhe- cimento que a ignorância induzida por engano há contrato social e ArsTechnica. 08 de março [documento WWW] http://arstechnica.com/tech-policy/ notícias / 2010/03 /

liberdade de incerteza há liberdade. google-mantém-your-data-to-aprender-de-bom-guys- fi ght-off-badguys.ars (acedida 21 de novembro,


2014).

cópia eletrônica disponível em: https://ssrn.com/abstract=2594754


Big outra S Zuboff
87

Angwin, J. ( 2012). Google enfrenta novas sondas de privacidade, Wall Street Journal. 16 mar Dean, J. ( 2009). Desafios na construção de sistemas de recuperação de informação em larga escala,

[Documento WWW] http://online.wsj.com/articles/SB100014240527023046 Apresentação Fellow Google. [ WWW documento] http: //static.googleusercontent. com / media /
92804577283821586827892 (acessada 21 de novembro de 2014). research.google.com / en / us / pessoas / jeff / WSDM09-keynote.pdf (acessada 22 de novembro de 2014).
Angwin, J. ( 2014). Nation Dragnet: A busca de privacidade, segurança e liberdade em um
mundo da vigilância implacável, New York: Times Books. Dean, J. e Ghemawat, S. ( 2008). MapReduce: Simpli fi ed processamento de dados sobre
Arendt, H. ( 1998). A condição humana, Chicago, IL: University of Chicago Press. grandes aglomerados, Comunicações da ACM 51 ( 1): 107.
Assange, J. ( 2014). Quando o Google Met WikiLeaks, New York, NY: OR Books. Döpfner, M. ( 2014). Por que temos medo Google, Frankfurter Allgemeine Zeitung. [Documento WWW]

Auletta, K. ( 2009). Googled: O fim do mundo como nós o conhecemos, New York, NY: http://www.faz.net/aktuell/feuilleton/debatten/mathiasdoepfner-s-open-letter-to-eric-schmidt-12900860.html

Penguin Books. (acessada 17 abr

Barker, A. e Fontanella-Khan, J. ( 2014). Google sente mudança do vento político contra ele na Europa, Financial 2014).
Times. 21 [documento WWW] Maio http://www.ft.com/ intl / cm / s / 2 / Doyle, J. ( 2013, 15 de novembro). Google enfrenta ação legal em todos os países da UE sobre ' mina de ouro
7848572e-e0c1-11e3-a934-00144feabdc0.html # axzz3JjXPNno5 (acedida 21 de novembro, 2014). de dados ' coletadas sobre os usuários, Daily Mail Online. [ documento WWW]
http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-2302870/Googlefacing-legal-action-EVERY-EU-country-data-goldmine-collected-
BBC ( 2010). Acesso à internet ' um direito humano ', BBC Notícias. 08 de março [WWW (acessada novembro 2014 21).
documento] http://news.bbc.co.uk/2/hi/8548190.stm.
BBC Notícias ( 2014). Wearables rastreados com Raspberry Pi. 1 [documento WWW] agosto Durkheim, E. ( 1964). Da divisão do trabalho social, New York, NY: Free Press.
http://www.bbc.com/news/technology-28602997 (acessada novembro 2014 22). Dwoskin, E. ( 2014). Que segredos seu telefone está compartilhando com você, Wall Street

Diário. 14 [documento WWW] Janeiro http://online.wsj.com/articles/


Benkler, Y. ( 2006). A Wealth of Networks: How social transforma produção SB10001424052702303453004579290632128929194.
mercados e liberdade, New Haven, CT: Yale University Press. Economist ( 2014). O novo GE: Google, em todos os lugares. 18 [documento WWW] Janeiro
Berle, AA e Means, GC ( 1991). A corporação moderna e Privada http://www.economist.com/news/business/21594259-string-dealsinternet-giant-has-positioned-itself-become-big-inventor-
Propriedade, New Brunswick, NJ: Transaction Publishers.
Bhimani, A. e Willcocks, L. ( 2014). digitalização, ' Big Data ' e a ÉPICO ( 2014A). Google vidro e privacidade, Electronic Privacy Information Center.
Transformação da Informação Contábil, Contabilidade e Business Research [Documento WWW] https://epic.org/privacy/google/glass/ (acessada 15 de novembro, 2014).
44 ( 4): 469 - 490.
Bond, RM, Fariss, CJ, Jones, JJ, Kramer, ADI, Marlow, C., liquidar, JE e ÉPICO ( 2014b). As investigações sobre o Google Street View, Informação de Privacidade Eletrônica

Fowler, JH ( 2012). A 61 milhões de pessoa Experiment in social Em fl influência e mobilização Centro. [ documento WWW] https://epic.org/privacy/streetview/ (acessada 21 de novembro de 2014).
política, Natureza 482 ( 13 set): 295.
Boyd, danah e Crawford, K. ( 2011). Seis provocações de dados grande. Apresentado no A Decade in Farahany, NA ( 2012). Pesquisando Secrets, University of Pennsylvania Law Review
Time Internet: Simpósio sobre a dinâmica da Internet e Sociedade, Oxford Internet Institute. 160 ( 5): 1239 - 1308.
[Documento WWW] http://www.ssrn.com/ abstract = 1926431. Farzad, R. ( 2014). Google em US $ 400 bilhões: um novo no. 2 em valor de mercado,

BusinessWeek: Tecnologia. 12 fevereiro [WWW documento] http: // www


Bradshaw, T. ( 2014A). Google aposta em ' Internet das Coisas ' com US $ 3,2 bilhões negócio Nest, . businessweek.com/articles/2014-02-12/google-at-400-billion-a-new-no-dot2-in-market-cap.

Financial Times. , 13 [documento WWW] Janeiro http://www.ft.com/intl/cms/s/ 0 /


90b8714a-7c99-11e3-b514-00144feabdc0.html # axzz3hbfec0he (acessada 22 de novembro de 2014). Finamore, E. e Dutta, K. ( 2014). ' Convocando o demônio ': arti fi inteligência cial
é real ameaça para a humanidade, diz o fundador do PayPal, O Independente. [ documento WWW]
Bradshaw, T. ( 2014b). Google compra UK arti fi cial inteligência start-up, Financeiro http://www.independent.co.uk/life-style/gadgets-and-tech/news/ tesla-boss-Elon-musk-adverte-arti fi -Inteligência
Times. 27 [documento WWW] Janeiro http://www.ft.com/intl/cms/s/0/ em desenvolvimento cial-é-summoningthe-demon-9819760.html (acessada 22 novembro de 2014).
f92123b2-8702-11e3-aa31-00144feab7de.html # axzz3HBfEc0HE (acessada 22 de novembro de
2014). Fink, E. ( 2014). Este zumbido pode roubar o que ' s em seu telefone, CNNMoney. 20 de março

Braudel, F. ( 1984). A Perspectiva do Mundo, New York, NY: Harper & Row. [Documento WWW] http://money.cnn.com/2014/03/20/technology/security/ zangão-phone /
Brewster, T. ( 2014). Traf fi luzes c, frigoríficos e como eles ' ve tudo tem rancor de nós, index.html (acessada novembro 2014 22).
Registo. 23 [documento WWW] junho http://www.theregister.co.uk/2014/06/23/ hold_interthreat / (acessado Flynn, K. ( 2014). Facebook irá compartilhar usuários ' inclinações políticas com notícias ABC,

em 22 de novembro de 2014). BuzzFeed, Huf fi ngton Post. 31 de outubro [documento WWW] http: // www. huf fi ngtonpost.com/2014/10/31/facebook-buz
Burdon, M. e McKillop, A. ( 2013). O escândalo Google Street View Wi-Fi e (acedida 22 de novembro, 2014).
Suas repercussões para o Regulamento de Privacidade ( Research Paper No. 14-07), da Universidade de Queensland

TC Beime Faculdade de Direito. [Documento WWW] http: //papers.ssrn. com / sol3 / papers.cfm? abstract_id = Foroohar, R. ( 2014). titã da tecnologia estão vivendo em uma bolha ingênua, perigosamente insular,

2471316. Tempo. 24 [documento WWW] Janeiro


Calo, R. ( 2014). Manipulação do Mercado Digital, George Law Review Washington http://business.time.com/2014/01/24/ericschmidt-george-soros-a-tale-of-two-titans/.
82 ( 4): 995 - 1051. Forster, N. ( 1767). Uma investigação sobre as causas do alto preço atual da
Chandler, Jr AD ( 1977). A Mão Visível: A Revolução Gerencial em provisões, Londres, Reino Unido: J. Fletcher and Co.

American Business, Cambridge, MA: Belknap Press. Gabriel, S. ( 2014). Sigmar Gabriel conseqüências políticas do debate Google,
Cisco ( 2013a). Abraçando a internet de tudo para captar a sua ação de US $ 14,4 Frankfurter Allgemeine Zeitung. 20 de maio [documento WWW] http://www.faz.net/ aktuell / folhetim /
trilhão, Cisco Systems, Inc. [ documento WWW] http://www.cisco.com/web/ about / ac79 / docs / innov / debatten / a-digital de debate / Sigmar-Gabriel-conseqüências-of-the-google-debate-12948701.html.
IoE_Economy.pdf (acessada 09 de junho de 2014).
Cisco ( 2013b). A internet de tudo: análise econômica do setor privado global, Gapper, J. ( 2014). Nós somos o facebook produto tem vindo a testar, FT. [Documento WWW]
Cisco Systems, Inc. [ documento WWW] http://www.cisco.com/web/about/ac79/ docs / innov / http://www.ft.com/intl/cms/s/0/6576b0c2-0138-11e4-a93800144feab7de.html#axzz3R6dH0dDm
IoE_Economy_FAQ.pdf (acessada novembro 2014 22). (acessada julho 2014 5).
CNIL ( 2014, 25 de setembro). política de privacidade do Google: WP29 propõe um pacote de compliance, Comissão Garside, J. ( 2014). Do Google para Amazon: UE vai para a guerra contra o poder dos EUA gigantes digitais, Guardião.
Nacional da L ' informatique et Des Libertés. 05 de julho [WWW documento] http: //www.theguardian. com / tecnologia / 2014 / jul / 06 /
[Documento WWW] http://www.cnil.fr/english/news-and-events/news/article/ google-amazon-europa-vai-to-power-digitalgiants guerra (acessados ​21 de novembro de 2014).
google-política-WP29-propõe-a-conformidade-package privacidade / (acessado em 21 de novembro de
2014). Gibbs, S. ( 2014). Google ' s fundadores sobre o futuro da saúde, transportes - e robôs,
Cohen, L. ( 2003). A Consumers ' República: A política de consumo de massa em Guardião. 7 [documento WWW] julho http://www.theguardian.com/technology/ 2014 / jul / 07 /
América do pós-guerra, New York, NY: Knopf. Google-fundadores-larry-page-sergey-brin-entrevista (acessada 21 de novembro de 2014).
Constantiou, ID e Kallinikos, J. ( 2014). Novos Jogos, as novas regras: Big Data ea mudança contexto da
estratégia, Jornal de Tecnologia da Informação, Advance Online publicação 9 de setembro de doi: 10,1057 Hayek, FA ( 1988). A presunção fatal: Os erros do socialismo, Chicago, IL:
/ jit.2014.17. University of Chicago Press.
Davis, G. ( 2011). O Crepúsculo do Berle e Means Corporation, Seattle Herold, B. ( 2014). Google sob fi re para mensagens de e-mail estudante de mineração de dados -

Universidade Law Review 34 ( 4): 1121 - 1138. Semana da Educação, Education Week. 26 de março [WWW documento] http: // www

Davis, G. ( 2013). Após a Corporation, Política e Sociedade 41 ( 2): 283 - 308. . edweek.org/ew/articles/2014/03/13/26google.h33.html.

cópia eletrônica disponível em: https://ssrn.com/abstract=2594754


Big outra S Zuboff
88

Hilbert, M. ( 2013). Informação Tecnológica desigualdade como um alvo Incessantemente de Mudança: A Michaels, JD ( 2008). Tudo o Presidente ' s Spies: Intel pública-privada
redistribuição das capacidades de informação e comunicação entre 1986 e 2010, Jornal da Sociedade parcerias ligence na guerra contra o terror, Law Review Califórnia 96 ( 4): 901 - 966.
Americana para a Ciência e Tecnologia da Informação 65 ( 4): 821 - 835.
Mick, J. ( 2011). ACLU fi brigas de respostas sobre rastreamento do telefone dados de localização polícia,

Hoofnagle, CJ, King, J., Li, S. e Turow, J. ( 2010). Quão diferentes são jovens de adultos mais velhos Tecnologia Daily. 04 de agosto [documento WWW] http://www.dailytech.com/ACLU
quando se trata de atitudes de privacidade de informação e políticas? SSRN Electronic Journal [ documento + Lutas + para + Respostas + no + Polícia + Telefone + Localização + dados + Tracking / article22352.htm
WWW] http://www.ssrn.com/ abstract = 1589864. (acessada 21 de novembro de 2014).

Münstermann, B., Smolinski, B. e Sprague, K. ( 2014). O Enterprise IT Agenda de


Jammet, A. ( 2014). A evolução do Direito da União Europeia sobre a Protecção de Dados Pessoais, Infra-estrutura para 2014, McKinsey & Company Livro Branco: 1 - 8.
Centro de Direito Europeu e Estudos Jurídicos 3 ( 6): 1 - 18. Newman, J. ( 2009). Google ' s Schmidt Roasted por Privacidade comentários, PCWorld.
Kelly, H. ( 2014). Smartphones estão desaparecendo. Wearables estão ao lado, 11 [documento WWW] dezembro http://www.pcworld.com/article/184446/
CNNMoney. 19 Março [documento WWW] http://money.cnn.com/2014/03/ 19 / tecnologia / mobile / googles_schmidt_roasted_for_privacy_comments.html (acessada 21 de novembro
wearable-devices / index.html (acessada 22 de novembro 2014).
2014). Newman, N. ( 2014). Os custos de perda de privacidade: o prejuízo ao consumidor e aumento da desigualdade econômica

Kopczynski, P. ( 2014). Francês entidade de direitos do consumidor processa Google, Facebook, Twitter na era da Google, William-Mitchell Law Review 40 ( 2): 12.

por violações de privacidade, Reuters. 25 [documento WWW] Março Nicas, J. ( 2014). JetBlue para adicionar taxas de bagagem, reduzir o espaço para as pernas, Wall Street Journal.

http://rt.com/news/france-facebook-google-suit-129/ (acessada 21 de novembro de 2014). 20 [documento WWW] novembro


http://online.wsj.com/articles/jetblue-to-addbag-fees-reduce-legroom-1416406199.
Kovach, S. ( 2013). Google ' s plano para dominar o mundo, Business Insider. 18 mai Nissembaum, H. ( 2011). A abordagem contextual com a privacidade on-line, Daedalus
[Documento WWW] http://www.businessinsider.com/googles-plan-to-take-overthe-world-2013-5 140 ( 4): 32 - 48.
(acessada 22 de novembro de 2014). O ' Brien, KJ ( 2012). Os reguladores europeus poderá reabrir Google Street View inquéritos, O jornal New York
Kramer, ADI, Guillory, JE e Hancock, JT ( 2014). A evidência experimental de Massive-Scale Times. 2 de maio [documento WWW] http: //www.nytimes. COM / 2012/05/03 / tecnologia /
Contagion emocional através das redes sociais, Proceedings of the National Academy of Sciences 111 european-reguladores-a-reabrir-google-street-viewinquiries.html.
( 24): 8788 - 8790.
Kwong, R. ( 2014). Será que preocupações com a privacidade mudar seu comportamento on-line ?, Blog FT dados. 17 de O ' Brien, KJ e Crampton, T. ( 2007). UE investiga Google sobre a política de retenção de dados, O jornal New
setembro [WWW documento] http://blogs.ft.com/ftdata/2014/09/17/ York Times. 26 de maio [documento WWW] http: //www.nytimes. COM / 2007/05/26 / negócio /
didprivacy-preocupações-change-o-online-comportamento / (acessado em 21 de novembro 26google.html.
2014). O ' Brien, KJ e Miller, CC ( 2013). Alemanha ' s com relação complicada
Lanier, J. ( 2013). Quem possui o futuro? New York, NY: Simon & Schuster. Google Street View, Blog Bits. 23 Abril [documento WWW] http: //bits.blogs.
Lanier, J. ( 2014). Deve Facebook manipular usuários ?: A falta de transparência no estudo Facebook, O jornal nytimes.com/2013/04/23/germanys-complicated-relationship-with-googlestreet-view/ (acedida
New York Times. 30 de junho [WWW documento] http: // www 21 de novembro, 2014).
. nytimes.com/2014/07/01/opinion/jaron-lanier-on-lack-of-transparency-infacebook-study.html. Do fi ce do Privacy Comissão do Canadá ( 2010). Google violou lei de privacidade do Canadá,
investigação fi NDS, Do fi ce do Privacy Commissioner of Canada. 19 outubro [documento WWW]
LA Times, AT S ( 2014, Agosto 1). 911 chamadas sobre Facebook interrupção irrita LA County Sheriff ' s de fi funcionários, https://www.priv.gc.ca/media/nr-c/ 2010 / nr-c_101019_e.asp (acessada novembro 2014 21).
Los Angeles Times. [ WWW documento] http: // www
. latimes.com/local/lanow/la-me-ln-911-calls-about-facebook-outage-angers-lasheriffs-of fi funcionários-20140801-htmlstory.html.
Owen, J. ( 2014). Google em tribunal novamente mais ' direito de estar acima da lei britânica ' em

alegada monitoramento secreto, O Independente. 8 de Dezembro.

Levy, S. ( 2009). Segredo de googlenomics: Receita movidos a dados fabrica pro fi lucratividade, Palfrey, J. ( 2008). O Público eo Privado Estados Border United com Ciberespaço, Mississippi
Wired. [ documento WWW] http://archive.wired.com/culture/culturereviews/ revista / 17-06 / Law Journal 78 ( 2): 241 - 294.
nep_googlenomics (acessada novembro 2014 22). Parnell, B.-A. ( 2014). É o Google SKYNET edifício? chefão anúncio compra AI fi rm
Lin, P. ( 2014). E se o seu carro autônomo mantém encaminhamento você passado Krispy Kreme? DeepMind, Registo. 27 [documento WWW] Janeiro http://www.theregister.co. uk / 2014/01/27 /
O Atlantico. 22 de janeiro [WWW documento] http://www.theatlantic.com/ tecnologia / Arquivo / 2014/01 google_deep_mind_buy / (acedida 22 de novembro, 2014).
/ what-if-your-autônoma-car-mantém-routing-youpast-Krispy Kreme-/ 283221 / (acessado em 22 de Pentland, A. ( 2009). mineração realidade das comunicações móveis: Rumo a um novo acordo sobre dados, O
novembro 2014). Relatório Global Information Technology, Fórum Económico Mundial e INSEAD, pp. 75 - 80.
Locke, J. ( 2010). Dois Tratados sobre o Governo. New York: Kessinger Publishing,
LLC. PEW Research Center ( 2014). vida digital em 2015. (Relatório de Pesquisa). [Documento WWW]
Madden, M. ( 2014). percepções públicas de segurança e privacidade na era postSnowden http://www.pewinternet.org/2014/03/11/digital-life-in-2025/.
[documento WWW] http://www.pewinternet.org/2014/11/12/ público-privacidade-percepções /. Piketty, T. ( 2014). O Capital no século XXI, Cambridge, MA: Belknap
Press of Harvard University Press.
Mance, H., Ahmed, M. e Barker, A. ( 2014). Google plano de break-up surge a partir de Bruxelas, Financial Plummer, Q. ( 2014). Google email ponta-off chama preocupações com a privacidade, Tecnologia Times.

Times. 21 de novembro [WWW documento] http: //www.ft. com / intl / cms / s / 0 / 5 [documento WWW] agosto http://www.techtimes.com/articles/12194/ 20.140.805 /
617568ea-71a1-11e4-9048-00144feabdc0. html # axzz3JjXPNno5 (acessada 21 de novembro de 2014). google-email-tip-off-chama-privacidade-concerns.htm (acessada 21 novembro de 2014).

Manyika, J. e Chui, M. ( 2014). era digital traz desafios hiperescala, Reidenberg, JR ( 2014). estado de vigilância de dados nos Estados Unidos e na Europa,
Financial Times. 13 [documento WWW] agosto http://www.ft.com/intl/cms/s/0/ Wake Forest Law Review 48 ( 1): 583.
f30051b2-1e36-11e4-bb68-00144feabdc0.html? Siteedition = intl # axzz3JjXPNno5 (acessada 22 Richards, NM ( 2013). Os perigos de Vigilância, Harvard Law Review
novembro de 2014). 126: 1934 - 1965.
Marthews, A. e Tucker, C. ( 2014). Vigilância Governo e Internet Pesquisa Richards, NM e King, JH ( 2014). Big Ética Data. ( Aceitado Paper Series)
Comportamento, Cambridge, MA: Fourth Digital. [Documento WWW] http: //www.ssrn Saint Louis, MO: Wake Forest Law Review.
. com / abstract = 2412564. Schmarzo, B. ( 2014). O valor dos dados: Google recebe-o !!, EMC InFocus. 10 de junho
Mayer-Schönberger, V. e Cukier, K. ( 2013). Big Data: A revolução que vai [Documento WWW]
transformar a maneira como vivemos, trabalhamos, e pensar. Reimprimir EDN Boston, MA: Houghton Mif fl em Harcourt. https://infocus.emc.com/william_schmarzo/the-value-ofdata-google-gets-it/.
Schmidt, E. ( 2014). Uma oportunidade para o crescimento, Frankfurter Allgemeine Zeitung. 09 de abril

McKendrick, N. ( 1982). A revolução do consumo de Eighteenth-Century Inglaterra, em N. [Documento WWW]


McKendrick, J. Brewer e JH Plumb (eds.) O nascimento de uma sociedade de consumo: A http://www.faz.net/aktuell/feuilleton/debatten/eric-schmidtabout-the-good-things-google-does-a-chance-for-growth-128879
comercialização da Inglaterra do século XVIII, Schwartz, P. ( 1989). O computador em Direito Constitucional alemão e americano: Rumo a uma direita
Bloomington, IL: Indiana University Press. americana de autodeterminação informativa, American Journal of Comparative Law 37 ( 4): 675 - 701.
Menn, J., Schafer, D. e Bradshaw, T. ( 2010). Google definido para sondas na colheita de dados, Financial
Times. Maio 17 [documento WWW] http://www.ft.com/intl/ cm / s # axzz3JjXPNno5 / 2 Semitsu, JP ( 2011). Do Facebook ao Tiro de caneca: Como a escassez de direitos de privacidade de redes
/-254ff5b6-61e2-11df-998c 00144feab49a.html (acedida 21 de novembro, 2014). sociais revolucionaram a vigilância do governo on-line, Pace Law Review 31 ( 1): 291.

cópia eletrônica disponível em: https://ssrn.com/abstract=2594754


Big outra S Zuboff
89

Sklar, MJ ( 1988). A reestruturação societária do capitalismo americano: Weber, M. ( 1978). Economia e Sociedade: Um esboço de sociologia interpretativa.
1890 - 1916: O mercado, a lei, e política, New York, NY: Cambridge University Press. Vol. 1 Berkeley, CA: University of California Press.
Weiser, M. ( 1991). O computador para o Século 21, Scienti fi c americana 265 ( 3): 94 - 104.
Smith, A. ( 1994). A riqueza das Nações. ( E. Cannan, ed), mais tarde Impressão ed New York:. Modern
Library. Casa Branca ( 2014). Big Data: aproveitar as oportunidades, preservando valores (relatório para o
presidente), Washington DC, EUA: Executivo da fi ce do presidente. [Documento WWW]
Snelling, D. ( 2014). Google Maps está seguindo você! Como seu smartphone conhece cada movimento seu, Express.co.uk.
18 de agosto http://www.express.co.uk/life-style/ ciência-tecnologia / 500811 / http://www.whitehouse.gov/sites/default/ fi les / docs / big_data_privacy_report_may_1_2014.pdf.
Google-Maps-é-tracking-your-cada-move (acessada 21 de novembro de 2014).
Williamson, OE ( 1985). As instituições económicas do capitalismo, Nova york;
Solove, DJ ( 2007). ' Eu ' ve Got Nothing to Hide ' e outros mal-entendidos Londres: Free Press.
Privacidade, San Diego Law Review 44: 745. Winkler, R. andWakabayashi, D. ( 2014). Google para comprar laboratórios ninho por US $ 3,2 bilhões -

Solove, DJ ( 2013). Introdução: Privacidade auto-gestão e o dilema consentimento, Harvard atualizar, Euroinvestor. 14 de janeiro [WWW documento] http: //www.euroinvestor. com / news / 2014/01/14 /

Law Review 126 ( 7): 1880 - 1904. google-to-buy-ninho-labs-para-32 bilhões de atualização / 12658007 (acessada 22 de novembro de 2014).

Steingart, G. ( 2014). Google debater nossas armas na batalha digital para a liberdade,
Frankfurter Allgemeine Zeitung. 23 de junho [documento WWW] http://www.faz.net/ aktuell / folhetim / Ziegler, C. ( 2012). fatos Facebook IPO e fi figuras: a casa que 100 petabytes
debatten / a-digital de debate / google-Debatte-Waffen-imdigitalen-freiheitskampf-13005653.html. construído, Beira. 01 de fevereiro [WWW documento] http://www.theverge.com/2012/2/1/ 2764905 /
facebook-IPO-fatos-e- fi guras-the-house-que-100-petabytes construído (acessados ​novembro 2014 22).
Streitfeld, D. ( 2013). Google admite Street View projeto violado a privacidade, Nova york
Times. 12 de março [WWW documento] http://www.nytimes.com/2013/03/13/ tecnologia / Zittrain, J. ( 2014). Facebook poderia decidir uma eleição sem que ninguém fi nding
google-pays- fi ne-over-street-view-privacidade-breach.html. Fora, New Republic. [Documento WWW] 01 de junho http://www.newrepublic.com/ artigo / 117878 /
Trotman, A. ( 2014). Google chefe Larry Page: A Europa precisa de ser mais parecido com o Vale do Silício e informações fi duciary-solução-facebook-digitalgerrymandering.
tecnologia de suporte, Telégrafo. 31 de outubro [documento WWW]
Zuboff, S. ( 1981). Implicações psicológicas e organizacionais de ComputerMediatedWork,
http://www.telegraph.co.uk/technology/google/11202850/Google-bossLarry-Page-Europe-needs-to-be-more-like-Silicon-Valley-and-support-
tecnologia MITWorking Papel, Centro de Informação Systems Research.
. html. Zuboff, S. ( 1982). Novos mundos do trabalho mediada por computador, Negócios de Harvard

Unger, RM ( 2007). Livre Comércio Reimagined: A divisão mundial do trabalho ea Reveja 60 ( 5): 142 - 152.
método da economia, Princeton, NJ: Princeton University Press. Zuboff, S. ( 1985). Automatizar / Informate: As duas faces da tecnologia inteligente,
Comitê dos EUA para o Comércio, Ciência e Transporte ( 2013). Uma revisão da indústria de corretor de Dinâmica organizacional 14 ( 2): 5 - 18.
dados: coleta, uso e venda de dados de consumo para fins, do marketing fi ce de Supervisão e Zuboff, S. ( 1988). Na Era do inteligente da máquina: O futuro do trabalho e poder,
Investigações. [Documento WWW] http: // New York, NY: Basic Books.
www.commerce.senate.gov/public/?a=Files.Serve&File_id=0d2b3642-62214888-a631-08f2f255b577. Zuboff, S. ( 2013). Trabalho mediada por computador, In Sociologia do Trabalho: An

Enciclopédia, Thousand Oaks, CA: SAGE Publications, Inc. [documento WWW]


Vaidhyanathan, Siva. ( 2011). O Googilization de tudo, Berkeley, CA: http://knowledge.sagepub.com/view/sociology-of-work/n41.xml.
University of California Press. Zuboff, S. e maxmin, J. ( 2002). A Economia Apoio: Por que as empresas são
Varian, RH ( 2010). Transações Mediated computador, Econômica da América falhando indivíduos e o próximo episódio do capitalismo, New York, NY: Viking Penguin.
Reveja 100 ( 2): 1 - 10.
Varian, RH ( 2014). Além Big Data, Economia de negócios 49 ( 1): 27 - 31.
Vasagar, J. ( 2014). Google pode enfrentar ' tribunais cibernéticos ' na Alemanha sobre os direitos de privacidade,

Financial Times. 27 [documento WWW] Maio http://www.ft.com/intl/cms/s/0/ a7580826-e59d Sobre o autor


11e3-8b90-00144feabdc0.html # axzz3JjXPNno5 (acessada 21 de novembro 21, 2014).

Shoshana Zuboff é o Charles Edward Wilson Professor of Business


Wallbank, P. ( 2012). Quanto espaço de servidor é que as empresas de Internet precisam para executar seus sites? Decodificando
a Nova Economia. 23 de agosto [WWW documento] http: //
Administration (Emerita) e um Associado Faculdade no Centro Berkman para
paulwallbank.com/2012/08/23/how-much-server-space-do-internet-companiesneed-to-run-their-sites/ (acessada Internet e Sociedade, Harvard Law School. Ela está actualmente a concluir
22 de novembro de 2014). um novo livro, Mestre ou Escravo? A luta pela alma da nossa ção
Waters, R. ( 2014). entrevista FT com co-fundador e CEO do Google, Larry Page - FT. Informações civilizações ( próximas, Relações Públicas e Eichborn 2016). Ela
com, Financial Times. 31 out [documento WWW] http://www.ft.com/intl/ cm / s / 2 /
também é o autor de Na Era do inteligente da máquina: O futuro do trabalho e
3173f19e-5fbc-11e4-8c27-00144feabdc0.html # axzz3JjXPNno5 (acedida 21 de novembro, 2014).
poder e A Economia Apoio: Por que as empresas estão falhando indivíduos e
Weatherill, L. ( 1993). O significado do comportamento do consumidor na XVII e início do século XVIII
o próximo episódio do capitalismo.
na Inglaterra, em J. Brewer e R. Porter (eds.)
Consumo e do mundo dos bens, Londres, Reino Unido: Routledge.

cópia eletrônica disponível em: https://ssrn.com/abstract=2594754