Você está na página 1de 3

mpressionismo foi um movimento artístico que revolucionou profundamente a pintura e

deu início às grandes tendências da arte do século XX. Havia algumas considerações
gerais, muito mais práticas do que teóricas, que os artistas seguiam em seus
procedimentos técnicos para obter os resultados que caracterizaram a pintura
impressionista.

Principais características da pintura:

 A pintura deve registrar as tonalidades que os objetos adquirem ao refletir a luz solar
num determinado momento, pois as cores da natureza se modificam constantemente,
dependendo da incidência da luz do sol.
 As figuras não devem ter contornos nítidos, pois a linha é uma abstração do ser
humano para representar imagens.
 As sombras devem ser luminosas e coloridas, tal como é a impressão visual que nos
causam, e não escuras ou pretas, como os pintores costumavam representá-las no
passado.
 Os contrastes de luz e sombra devem ser obtidos de acordo com a lei das cores
complementares. Assim, um amarelo próximo a um violeta produz uma impressão
de luz e de sombra muito mais real do que o claro-escuro tão valorizado pelos
pintores barrocos.
 As cores e tonalidades não devem ser obtidas pela mistura das tintas na paleta do
pintor. Pelo contrário, devem ser puras e dissociadas nos quadros em pequenas
pinceladas. É o observador que, ao admirar a pintura, combina as várias cores,
obtendo o resultado final. A mistura deixa, portanto, de ser técnica para se óptica.
A primeira vez que o público teve contato com a obra dos impressionistas foi numa
exposição coletiva realizada em Paris, em abril de 1874. Mas, o público e a crítica
reagiram muito mal ao novo movimento, pois ainda se mantinham fiéis aos princípios
acadêmicos da pintura.

Principais artistas:

Claude Monet (1840-1926) francês e o mais célebre dos impressionistas. Foi


incessante pesquisador da luz e seus efeitos, pintou vários motivos em diversas horas do
dia e em várias épocas do ano, a fim de estudar as mutações coloridas do ambiente com
sua luminosidade. Monet teve uma catarata no fim da sua vida. A doença o atacou por
causa das muitas horas com seus olhos expostos ao sol. Durante sua doença Monet não
parou de pintar, usou nessa época de sua vida cores mais fortes como o vermelho-carne
e vermelho goiaba, cor tijolo, entre outros verdes, rosas, vermelhos e cores mais fortes.
Em 1911, com o falecimento de Alice, sua esposa, e seu problema de visão, Monet
perdeu um pouco a vontade de viver e pintar.
Pierre-Auguste Renoir (1841-1919) foi o pintor francês impressionista que ganhou maior
popularidade e chegou mesmo a ter o reconhecimento da crítica, ainda em vida. Seus quadros
manifestam otimismo, alegria e a intensa movimentação da vida parisiense do fim do século
XIX. Pintou o corpo feminino com formas puras e isentas de erotismo e sensualidade, preferia
os nus ao ar livre, as composições com personagens do cotidiano, os retratos e as naturezas
mortas.

Edgar Degas (1834-1917) parisiense, sua formação acadêmica e sua admiração por Ingres
fizeram com que valorizasse o desenho e não apenas a cor, que era a grande paixão do
Impressionismo. Além disso, foi pintor de poucas paisagens e cenas ao ar livre. Os ambientes de
seus quadros são interiores e a luz é artificial. Sua grande preocupação era flagrar um instante
da vida das pessoas, aprender um momento do movimento de um corpo ou da expressão de um
rosto. Adorava o teatro de bailados.

Jacob Abraham Camille Pissarro (1830-1903) francês, co-fundador do Impressionismo, sua


pintura se caracterizou por uma paleta de cores cálidas e pela firmeza com que consegue captar
a atmosfera, por meio de um trabalho preciso da luz. A estrutura dos quadros de Pissarro
encontra total correspondência na obra de Cézanne, já que foi mútua a influência entre ambos.
Como professor teve como alunos Paul Gauguin e seu filho Lucien Pissarro. Ao jovem Gauguin
aconselhou a utilização das cores – esses conselhos surtiram efeito e Gauguin começa a utilizar
a cor no seu estado puro.

Alfred Sisley (1839-1899) nasceu em Paris, filho de pais ingleses, seus primeiros quadros
revelaram uma certa influência da obra de Jean-Baptiste Camille Corot, mas pouco a pouco
começou a se diferenciar dele, dando mais importância à cor do que à forma. Dono de uma
capacidade surpreendente de observação, Sisley era capaz de captar os matizes mais sutis da luz,
habilidade que demonstra em seus quadros das estações do ano. Também é muito singular o
modo como consegue homogeneizar água, terra e céu, inundando suas paisagens de uma paz
transcendental.

Berthe Morisot (1841-1895) pintora francesa, iniciou a sua formação em pintura com
os mestres Chocarne-Moreau, Guichard e Corot, e em escultura com Millet. Quando
conheceu Manet, posou para ele como modelo e apaixonou-se por Eugênio, irmão do
pintor, com quem se casou. A obra dessa artista representa uma reflexão afirmativa da
obra de Manet, embora com pinceladas mais longas e suaves, com tendência para a
verticalização, numa tentativa de organizar a composição.
Édouard Manet (1832-1883) foi pintor e artista gráfico francês. Os gostos de Manet não vão
para os tons fortes utilizados na nova estética impressionista. Prefere os jogos de luz e de
sombra, restituindo ao nu a sua crueza e a sua verdade, muito diferente dos nus adocicados da
época. O trabalhado das texturas é apenas sugerido, as formas, simplificadas. Os temas
deixaram de ser impessoais ou alegóricos, passando a traduzir a vida da época. Manet era
criticado não apenas pelos temas, mas também por sua técnica, que escapava às convenções
acadêmicas. Frequentemente inspirado pelos mestres clássicos e em particular pelos espanhóis
do Século de Ouro, Manet influenciou, entretanto, certos precursores do impressionismo, em
virtude da pureza de sua abordagem.

No Brasil, destaca-se o pintor Eliseu Visconti, ele já não se preocupa mais em imitar
modelos clássicos, procura, decididamente, registrar os efeitos da luz solar nos objetivos
e seres humanos que retrata em suas telas. Ganhou uma viagem à Europa, onde teve
contato com a obra dos impressionistas. A influência que recebeu desses artistas foi tão
grande que ele é considerado o maior representante dessa tendência na pintura
brasileira.
ESCULTURA
Assim como a pintura, a escultura trouxe uma grande inovação na sua linguagem. Os
três conceitos básicos dessa inovação foram:

 A fusão da luz e das sombras;


 A ambição de obter estátuas visíveis a partir do maior número possível de ângulos;
 Obra inacabada, como exemplo ideal do processo criativo do artista.
Os temas da escultura impressionista, como na pintura, surgiram do ambiente cotidiano
e da literatura clássica em voga na época.

O termo impressionismo surgiu devido a um dos primeiros quadros de Monet,


“Impressão, nascer do sol”, de uma crítica feita ao quadro pelo pintor e escritor Louis
Leroy: “Impressão, nascer do Sol – eu bem o sabia! Pensava eu, justamente, se estou
impressionado é porque há lá uma impressão. E que liberdade, que suavidade de pincel!
Um papel de parede é mais elaborado que esta cena marinha…” A expressão foi usada
originalmente de forma pejorativa, mas Monet e seus colegas adotaram o título, sabendo
da revolução que estavam iniciando na pintura.

O quadro Mulheres no Jardim, de Monet, foi pintado totalmente ao ar livre e sempre


com a luz do sol e foi realizado no jardim da casa do artista, em Giverny.

O movimento impressionista foi idealizado nas reuniões com seus principais pintores e
elas aconteciam no estúdio fotográfico de Nadar, na Rue de Capucines, Paris