Concurso Público

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ – RJ CONCURSO PÚBLICO EDITAL No 01/2009

MUNICÍPIO DE BARRA DO PIRAÍ – RJ PREFEITURA MUNICIPAL CONCURSO PÚBLICO o EDITAL N 01/2009

A Comissão de Concurso Público e Processo Seletivo Público da Prefeitura Municipal de Barra do Piraí, Rio de Janeiro, no uso de suas atribuições, conferidas pelo o disposto nas Portarias n 399, de 09 de outubro de o 2008; e n 416, de 23 de outubro de 2008, resolve tornar públicas as instruções especiais destinadas à realização do Concurso Público para o preenchimento dos cargos públicos existentes na Prefeitura Municipal de Barra do Piraí, conforme o Edital a seguir: 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.1. O Concurso Público será regido por este Edital e executado pelo Instituto Brasileiro de Administração Municipal - IBAM. 1.2. Os cargos objeto do Concurso Público, os requisitos necessários para habilitação, os valores dos respectivos vencimentos, o número de vagas e a jornada de trabalho são os constantes do Anexo I deste Edital. 1.2.1. A Prefeitura Municipal de Barra do Piraí - RJ reserva-se o direito de admitir o número total ou parcial dos candidatos aprovados em relação às vagas quantificadas no Anexo I deste Edital, em razão do interesse e da necessidade da Administração, respeitada a ordem de classificação. 1.3. A descrição sumária dos cargos, a definição de conteúdos programáticos e as demais informações próprias de cada cargo constarão de instruções específicas, expressas nos Anexos I, II e III do presente Edital. 1.4. No ato da inscrição o candidato deverá registrar, no espaço destinado na ficha de inscrição, a denominação do cargo ao qual se candidatará. 1.5. As candidatas grávidas deverão declarar, no ato da inscrição, sua condição para disponibilização de sala especial no dia de aplicação das provas. 1.6. A Prefeitura Municipal de Barra do Piraí disponibilizará, gratuitamente, no Quiosque do Saber situado à Praça Nilo Peçanha – Centro – Barra do Piraí / RJ, computadores para os candidatos que desejarem efetuar sua inscrição pela internet. 1.7. Para efeito do que dispõe o inciso VIII do art. 37 da Constituição Federal, bem como a Lei Orgânica do Município de Barra do Piraí, de 05 de abril de 1990, serão reservados aos candidatos com deficiência 10% (dez por cento) do número de vagas de cada cargo. 1.8. O disposto no item 1.7 não terá incidência nos casos em que a aplicação do percentual de 10% (dez por cento) implique, na prática, majoração indevida do percentual mínimo fixado. 1.9. Os candidatos aprovados no Concurso Público poderão ser designados para as vagas existentes em qualquer unidade de serviço, de acordo com as necessidades da Prefeitura Municipal de Barra do Piraí. 2. REQUISITOS BÁSICOS PARA INVESTIDURA NO CARGO 2.1. Ter nacionalidade brasileira ou equivalente; 2.2. Estar em pleno gozo dos direitos políticos; 2.3. Estar quites com as obrigações militares e eleitorais; 2.4. Ter nível de escolaridade e capacitação técnica exigida para o exercício do cargo; 2.5. Ter idade mínima de 18 (dezoito) anos completos até a data da posse;

2.6. Ter aptidão física e mental para o exercício das atribuições do cargo; 2.7. Apresentar, quando se tratar de profissão regulamentada, no ato da posse, o competente registro de inscrição no respectivo órgão fiscalizador; 2.8. Apresentar declaração de não possuir acúmulo de cargo ou emprego público, exceto aqueles previstos legalmente; 2.9. Para os cargos de Guarda Municipal Feminino e Masculino: 2.9.1. O candidato deverá ter estatura mínima de 1,65m (feminino) e 1,68m (masculino), sendo que a aferição se dará por ocasião da aplicação da Prova de Aptidão Física; 2.9.2. Apresentar, no ato da posse, folha de antecedentes da Polícia Federal e dos Estados onde tenha residido nos últimos 5 (cinco) anos; 2.9.3. Apresentar, no ato da posse, declaração firmada de não haver sofrido, no exercício profissional ou da função pública, penalidade por prática de atos desabonadores. 3. VAGAS DESTINADAS AOS CANDIDATOS COM DEFICIÊNCIA 3.1. É considerada pessoa com deficiência a que se o enquadra nas categorias descritas no art. 4 do Decreto o Federal n 3.298, de 20 de dezembro de 1999. o 3.2. Ao candidato abrangido pelo Decreto Federal n 3.298/99, é assegurado o direito de inscrever-se na condição de deficiente, desde que declare essa condição no ato da inscrição e a deficiência de que é portador não seja incompatível com as atribuições do cargo ao qual concorre. 3.3. O candidato com deficiência deverá declarar tal condição em local apropriado, na ficha de inscrição. 3.4. Conforme disposto pelo art. 39 do Decreto Federal o n 3.298/99, o candidato deverá apresentar no ato de inscrição laudo médico atestando a espécie e o grau ou nível da deficiência, com expressa referência ao código correspondente da Classificação Internacional de Doença – CID, bem como a provável causa da deficiência. 3.5. O candidato que tenha declarado sua deficiência será encaminhado, antes da realização das provas, em data a ser amplamente divulgada, a uma junta oficial para avaliação da compatibilidade da deficiência com o cargo a que concorre, sendo lícito à Prefeitura Municipal de Barra do Piraí programar a realização de quaisquer outros procedimentos prévios, se a junta de especialistas assim o requerer, para a elaboração de seu laudo. 3.6. A junta oficial será composta conforme disposto no o Decreto Federal n 3.298/99. 3.7. Compete à junta oficial, além da emissão do laudo, declarar, conforme a deficiência do candidato, se este deve ou não usufruir do benefício previsto no item 1.7, concorrendo à totalidade das vagas. 3.8. A avaliação em questão será realizada sem ônus para o candidato, garantido recurso em caso de decisão denegatória, na forma estabelecida no item 7 deste Edital. 3.9. Os portadores de deficiência somente poderão disputar cargos cujas atividades sejam compatíveis com a deficiência de que são portadores. 3.10. Caso a deficiência do candidato seja avaliada pela junta oficial como incompatível com o cargo para o qual se inscreveu, o candidato poderá inscrever-se para outro cargo compatível com sua deficiência. Caso não haja essa possibilidade, o candidato receberá de volta o valor pago a título de inscrição. 3.11. A não observância do disposto nos itens anteriores acarretará a perda do direito ao pleito das vagas reservadas aos candidatos em tais condições. 3.12. Os portadores de deficiência participarão do Concurso em igualdade de condições com os demais candidatos.

3.13. O candidato portador de deficiência que necessitar de tratamento diferenciado no dia do Concurso deverá especificá-lo na ficha de inscrição, indicando as condições de que necessita para a realização da prova, como, por exemplo, prova em braile ou ampliada. 3.14. A não solicitação de recursos especiais, tempestivamente, conforme disposto no item 3.13, implica a sua não concessão no dia da realização das provas. 3.15. A realização das provas por esses candidatos, em condições especiais, ficará condicionada à possibilidade de fazê-las de forma que não importe quebra de sigilo ou não enseje seu favorecimento. 3.16. O candidato que, no ato de inscrição, se declarar portador de deficiência, se aprovado no Concurso, além de figurar na lista geral de classificação, terá seu nome publicado em relação à parte, observada a respectiva ordem de classificação. 4. INSCRIÇÃO NO CONCURSO 4.1. As inscrições serão realizadas no período de 30/09/2009 a 14/10/2009, pela Internet, através do site (www.ibam-concursos.org.br) ou presencialmente no local definido neste Edital. 4.1.1. Os valores das inscrições são os dispostos na tabela abaixo: CARGO/ESCOLARIDADE Cargos de Nível Superior R$ 72,00 – setenta e dois reais Cargos de Nível Médio R$ 62,00 – sessenta e dois reais Cargos de Nível Fundamental e Alfabetizado R$ 27,00 – vinte e sete reais

4.2.6. O candidato inscrito pela Internet responsabilizarse-á pela informação dos dados cadastrados no ato de inscrição, sob as penas de lei. 4.2.7. O candidato inscrito pela Internet receberá seu cartão de confirmação via postal e também poderá retirá-lo no endereço eletrônico (www.ibamconcursos.org.br) através da opção Área do Candidato. 4.2.8. O descumprimento de qualquer das instruções para inscrição via Internet implicará cancelamento da inscrição. 4.2.9. As inscrições pela Internet devem ser feitas com antecedência, evitando o possível congestionamento de comunicação do site (www.ibam-concursos.org.br) nos últimos dias de inscrição. 4.2.10. O Instituto Brasileiro de Administração Municipal - IBAM e a Prefeitura Municipal de Barra do Piraí não se responsabilizam por qualquer problema na inscrição via Internet motivada por falhas de comunicação, falta de energia elétrica, congestionamento das linhas de comunicação, bem como outros fatores de ordem técnica que impossibilitem a conexão ou a transferência de dados. 4.2.11. Informações complementares sobre inscrição via Internet estarão disponíveis no endereço eletrônico (www.ibam-concursos.org.br). 4.2.12. Para os candidatos que optarem pela inscrição presencial: Local: Quiosque do Saber. Endereço: Praça Nilo Peçanha - Centro - Barra do Piraí/ RJ. Horário: de 9h às 17h, de segunda à sexta-feira. 4.2.13. Os pedidos de inscrição obedecerão aos seguintes procedimentos: a) Recolher, através de depósito bancário, nas agências do Banco do Brasil, Banco Bradesco e Banco Itaú a quantia especificada no item 4.1.1. - Banco do Brasil S/A - agência: 2234-9 - Conta IBAM o Concursos n 5677-4 - Banco Bradesco S/A - agência: 3369-3 - Conta IBAM o Concursos n 20-5 o - Banco Itaú S/A - agência: 0311 - Conta IBAM n 77393-1 b) Dirigir-se ao posto de atendimento definido no item 4.2.12, portando o comprovante de depósito bancário. c) Efetuar o preenchimento, sem emendas ou rasuras e de forma legível, da ficha de inscrição, na qual o candidato se compromete a apresentar, em época própria, os documentos comprobatórios dos requisitos previstos no item 2 deste Edital. d) Apresentar documento de identidade sempre oficial, original e com fotografia, que será devolvido ao candidato após as devidas anotações na ficha correspondente. Serão considerados documentos de identidade: Cédula Oficial de Identidade (RG); Carteira expedida por Órgão ou Conselho de Classe (CREA, CRA etc.); Carteira de Trabalho e Previdência Social; Certificado de Reservista; Carteira de Motorista com foto e Passaporte. 4.2.14. Cumpridas as exigências do subitem 4.2.13, o candidato receberá o seu cartão de confirmação de inscrição através de envio postal. 4.2.15. O candidato, no ato do recebimento do cartão de confirmação de inscrição, se responsabilizará pela conferência de todos os dados, verificando sua exatidão e solicitando correção, se for o caso, não cabendo aos organizadores qualquer responsabilidade. 4.2.16. O candidato que não receber o cartão de confirmação de inscrição até 05 (cinco) dias úteis anteriores à data da prova deverá verificar através do site do IBAM (www.ibam-concursos.org.br) na Área Documentação do Concurso, ou pelos telefones (0XX21) 2536-9813, 2536-9815 e 2536-9817, as informações sobre a data da prova, horário e local de realização da mesma.

4.2. Procedimentos para inscrição 4.2.1 Para os candidatos que optarem pela inscrição via Internet: O candidato deverá acessar o site (www.ibamconcursos.org.br) onde terá acesso ao presente Edital e seus Anexos, à ficha de inscrição e procedimentos necessários à efetivação da inscrição, que estará disponível no período entre 0 (zero) hora do dia 30/09/2009 e 20:00 horas do dia 14/10/2009. 4.2.2. As inscrições efetuadas via Internet somente serão aceitas após o banco confirmar o efetivo pagamento do valor da inscrição. O candidato poderá verificar a aceitação de sua inscrição no endereço eletrônico (www.ibam-concursos.org.br) através da opção Área do Candidato. 4.2.3. O pagamento da inscrição através do Boleto Bancário deverá ser feito em espécie, não sendo aceito pagamento em cheque ou agendamento bancário. 4.2.4. O pagamento deverá ser efetivado, impreterivelmente, até o último dia previsto para o encerramento das inscrições, até o horário definido no item 4.2.1., caso contrário não será considerado. 4.2.5. Os candidatos com deficiência inscritos pela Internet deverão enviar, via postal, os documentos mencionados nos itens 3.4 e 3.13 deste Edital, durante o período de inscrição, para o seguinte endereço: Instituto Brasileiro de Administração Municipal - IBAM Núcleo de Concursos Largo do IBAM, nº 01 sala 206 – Humaitá Rio de Janeiro – RJ CEP.: 22271- 070

4.2.17. Independentemente do recebimento ou não da comunicação pessoal, o candidato tem o dever de acompanhar a divulgação das informações sobre a realização da prova. 4.2.18. Os candidatos impossibilitados de preencher a ficha de inscrição serão auxiliados por pessoa devidamente designada para esse fim, que lerá todos os dados constantes da referida ficha, antes de o candidato formalizar seu pedido de inscrição. 4.2.19. Será admitida a inscrição por intermédio de procurador, desde que seja apresentado instrumento público ou particular, que lhe confira os poderes específicos necessários, acompanhado de cópia autenticada do documento de identidade do candidato. 4.2.20. No caso de instrumento particular, não há necessidade de reconhecimento de firma. 4.2.21. O candidato inscrito por procuração assume total responsabilidade pelas informações prestadas por seu procurador, arcando com as conseqüências de erros no preenchimento do formulário de inscrição e na efetivação da inscrição. 4.2.22. Não haverá inscrição condicional ou extemporânea nem inscrição por correspondência. 4.2.23. O candidato será responsável por qualquer erro ou omissão no preenchimento da ficha de inscrição, não sendo permitido pedido de retificação após o encerramento do prazo das inscrições, exceto na situação prevista no item 4.2.15. 4.2.24. O valor pago a título de inscrição não será devolvido em qualquer hipótese, exceto na situação prevista no item 3.10. 5. PROCESSO SELETIVO 5.1. Provas Escritas 5.1.1. As provas escritas objetivas serão eliminatórias e se constituirão de questões objetivas de múltipla escolha, conforme descrito no Anexo II deste Edital. 5.1.2. Cada prova escrita objetiva valerá 100 (cem) pontos. 5.1.3. Nas provas escritas objetivas eliminatórias, serão considerados habilitados os candidatos que obtiverem nota igual ou superior ao limite mínimo estabelecido no Anexo II deste Edital. 5.1.4. O conteúdo das questões variará de acordo com o grau de escolaridade exigido para o preenchimento do cargo ao qual o candidato concorrer. 5.1.5. Em nenhuma hipótese haverá segunda chamada destas provas. 5.2. Provas Práticas 5.2.1. Serão aplicadas provas práticas, com caráter eliminatório e classificatório, aos candidatos aos cargos de Motorista Categoria D e Operador de Máquinas Pesadas. 5.2.2. Serão convocados para as provas práticas os candidatos que tenham sido aprovados nas provas objetivas e classificados até 05 (cinco) vezes o número de vagas para cada cargo. 5.2.3. Serão considerados aprovados os candidatos que obtiverem no mínimo 60 (sessenta) pontos nas provas práticas. 5.2.4. As provas práticas estão previstas para o dia 13/12/2009, às 08:00h, no Parque de Exposições Agropecuárias situado na Rua Coronel Nóbrega nº 72 – Bairro Química – Barra do Piraí / RJ. 5.2.5. Os candidatos deverão comparecer no local e data indicados no item 5.2.4 com antecedência de, no mínimo, meia hora em relação ao horário marcado para a prova. 5.2.6. Os candidatos deverão portar o documento original de identidade e o original da carteira de habilitação específica, dentro do prazo de validade. 5.2.7. Nenhum candidato fará as provas práticas sem os originas dos documentos exigidos.

5.2.8. A seqüência de realização das provas práticas obedecerá a ordem decrescente de classificação, obtida pelos candidatos nas respectivas provas objetivas. 5.2.9. A critério da Prefeitura Municipal de Barra do Piraí, os candidatos aos cargos de Motorista Categoria D e Operador de Máquinas Pesadas que tenham sido aprovados nas provas escritas objetivas e classificados após o critério definido no item 5.2.2 poderão ser convocados no prazo de validade deste concurso para as provas práticas, obedecida a ordem rigorosa de classificação. 5.2.10. Em nenhuma hipótese haverá segunda chamada destas provas. 5.3. Prova de Aptidão Física 5.3.1. Será aplicada prova de aptidão física, com caráter eliminatório e classificatório, aos candidatos aos cargos de Guarda Municipal Feminino e Masculino. 5.3.2. Serão convocados para a prova de aptidão física os candidatos que tenham sido aprovados nas provas objetivas e classificados até 05 (cinco) vezes o número de vagas para cada cargo. 5.3.3. Serão considerados aprovados os candidatos que obtiverem no mínimo 12 (doze) pontos na prova de aptidão física. 5.3.4. A prova de aptidão física está prevista para o dia 13/12/2009, às 08:00h, no Parque de Exposições Agropecuárias situado na Rua Coronel Nóbrega nº 72 – Bairro Química – Barra do Piraí / RJ. 5.3.5. A prova de aptidão física constitui-se na realização de um conjunto de testes, compostos de exercícios físicos que avaliam parâmetros de força, coordenação, equilíbrio dinâmico, flexibilidade, potência muscular, capacidade aeróbica, anaeróbica e velocidade, permitindo classificar o estado físico no momento da execução dos testes, devendo o candidato cumprir com habilidade o que lhe é proposto, obtendo os índices previstos nas respectivas tabelas para o masculino e para o feminino. 5.3.6. Os candidatos deverão comparecer no local e data indicados no item 5.3.4 com antecedência de, no mínimo, meia hora em relação ao horário marcado para a prova. 5.3.7. Os candidatos deverão portar o documento original de identidade e atestado médico de, no máximo, 10 (dez) dias de antecedência à data da prova de aptidão física e que certifique estar APTO PARA ESFORÇO FÍSICO, mais especificamente, realizar testes de corrida, flexão de braços e abdominal. 5.3.8. Nenhum candidato fará a prova de aptidão física sem os originais dos documentos exigidos. 5.3.9. Caberá ao candidato conhecer e executar todos os testes relacionados neste edital, não sendo aceitas quaisquer alegações de desconhecimento dos aspectos exigidos. 5.3.10. Em caso de mau tempo ou qualquer outro imprevisto que impossibilite a realização da prova, caberá à Comissão de Concurso Público e Processo Seletivo Público da Prefeitura Municipal de Barra do Piraí marcar nova data e horário, cientificando os candidatos. 5.3.11. A seqüência de realização da prova de aptidão física obedecerá a ordem decrescente de classificação, obtida pelos candidatos nas respectivas provas objetivas. 5.3.12. A critério da Prefeitura Municipal de Barra do Piraí, os candidatos aos cargos de Guarda Municipal Feminino e Masculino que tenham sido aprovados nas provas escritas objetivas e classificados após o critério definido no item 5.3.2 poderão ser convocados no prazo de validade deste concurso para a prova de aptidão física, obedecida a ordem rigorosa de classificação. 5.3.13. Em nenhuma hipótese haverá segunda chamada desta prova.

5.3.14. A prova de aptidão física para os cargos de Guarda Municipal Feminino e Masculino consistirá dos seguintes testes: a) Teste de Corrida de 50 (cinqüenta) metros

Flexão de Braços - Mulheres Idade 18-22 23-27 28-32 33-37 38-42 > 42 20 Pts 30 ou + 28 ou + 26 ou + 24 ou + 22 ou + 20 ou + 16 Pts 27-29 25-27 23-25 21-23 19-21 17-19 12 Pts 24-26 22-24 20-22 18-20 16-18 14-16 08 Pts 21-23 19-21 17-19 15-17 13-15 11 a 13 04 Pts 20 ou 18 ou 16 ou 14 ou 12 ou 10 ou -

este é um teste máximo, ou seja, deve ser realizado na máxima velocidade e passar a faixa de chegada também na máxima velocidade;

a posição de saída deverá ser em afastamento ântero-posterior das pernas e com o pé da frente o mais próximo possível da faixa. A voz de comando será pelas palavras "Atenção!, Já!", sendo acionado o cronômetro no momento que for pronunciado "Já!" e parado no momento em que o avaliado cruzar a faixa de chegada. Caso ocorra qualquer problema no teste e tenha que ser repetido, haverá um intervalo mínimo de 5 (cinco) minutos. Será permitida apenas uma tentativa, e o resultado do teste será o tempo de percurso dos 50 (cinqüenta) metros com precisão de centésimo de segundo. Corrida de 50 (cinqüenta) metros - Homens Idade 18-22 23-27 28-32 33-37 38-42 > 42 20 Pts 6"30 6"60 6"90 7"20 7"50 7"80 16 Pts 6"60 6"90 7"20 7"50 7"80 8"10 12 Pts 6"90 7"20 7"50 7"80 8"10 8"40 08 Pts 7"20 7"50 7"80 8"10 8"40 8"70 04 Pts 7"50 7"80 8"10 8"40 8"70 9"00

c) Abdominal (ambos os sexos): Posição inicial: o candidato posicionar-se-á à frente do examinador. Ao comando de “em posição”, o candidato tomará a posição deitado em decúbito dorsal, pernas unidas e flexionadas e mãos apoiadas atrás da cabeça. Execução: ao comando de iniciar, o candidato flexionará o tronco, tirando-o do contato com o solo e aproximando os cotovelos dos joelhos. O candidato terá o tempo máximo de 1 minuto para executar as repetições. Os comandos para iniciar e terminar o teste serão dados verbalmente. Abdominal - Homens Idade 18-22 23-27 28-32 33-37 38-42 > 42 20 Pts 50 ou + 48 ou + 46 ou + 44 ou + 42 ou + 40 ou + 16 Pts 47-49 45-47 43-45 41-43 39-41 37-39 12 Pts 44-46 42-44 40-42 38-40 36-38 34-36 08 Pts 41-43 39-41 37-39 35-37 33-35 31-33 04 Pts 40 ou 38 ou 36 ou 34 ou 32 ou 30 ou -

Corrida de 50 (cinqüenta) metros - Mulheres Idade 18-22 23-27 28-32 33-37 38-42 > 42 20 Pts 7"60 7"90 8"20 8"50 8"80 9"10 16 Pts 7"90 8"20 8"50 8"80 9"10 9"40 12 Pts 8"20 8"50 8"80 9"10 9"40 9"70 08 Pts 8"50 8"80 9"10 9"40 9"70 10"00 04 Pts 8"80 9"10 9"40 9"70 10"00 10"30

Abdominal - Mulheres Idade 18-22 23-27 28-32 33-37 38-42 > 42 20 Pts 40 ou + 38 ou + 36 ou + 34 ou + 32 ou + 30 ou + 16 Pts 37-39 35-37 33-35 31-33 29-31 27-29 12 Pts 34-36 32-34 30-32 28-30 26-28 24-26 08 Pts 31-33 29-31 27-29 25-27 23-25 21-23 04 Pts 30 ou 28 ou 26 ou 24 ou 22 ou 20 ou -

b) Teste de Flexão de Braços

Flexão e extensão dos cotovelos em apoio de frente no solo

Posição inicial / Feminino: decúbito ventral perpendicularmente ao solo com os joelhos e mãos apoiados ao solo, mãos na largura dos ombros e cotovelos estendidos. Posição inicial / Masculino: decúbito ventral perpendicularmente ao solo com os joelhos estendidos e mãos apoiadas ao solo, mãos na largura dos ombros e cotovelos estendidos. Execução: flexão dos cotovelos até tocar o peito no solo, retornando à posição inicial. Flexão de Braços - Homens Idade 18-22 23-27 28-32 33-37 38-42 > 42 20 Pts 40 ou + 38 ou + 36 ou + 34 ou + 32 ou + 30 ou + 16 Pts 37-39 35-37 33-35 31-33 29-31 27-29 12 Pts 34-36 32-34 30-32 28-30 26-28 24-26 08 Pts 31-33 29-31 27-29 25-27 23-25 21-23 04 Pts 30 ou 28 ou 26 ou 24 ou 22 ou 20 ou -

5.3.15. A Prefeitura de Barra do Piraí convocará, através de Edital, os candidatos aprovados nas provas objetivas e de aptidão física para os cargos de Guarda Municipal Feminino e Masculino para realização de Avaliação Psicológica, de caráter eliminatório, que consistirá na execução de um conjunto de testes, visando identificar os candidatos que apresentam características adequadas à função. 5.3.16. O candidato será considerado INDICADO ou NÃO INDICADO. 5.3.17. Nenhum candidato NÃO INDICADO será submetido a novo teste. 5.3.18. Não caberá recurso da Avaliação Psicológica. 5.4. Realização das Provas Objetivas 5.4.1. As provas objetivas serão realizadas, para todos os cargos, no dia 22 de novembro de 2009, com o fechamento dos portões às 14:00 horas para início das mesmas, sendo de 3 (três) horas o período de duração. 5.4.2. O local da realização das provas, além de ser divulgado no site do IBAM (www.ibamconcursos.org.br), constará do cartão de confirmação de inscrição a ser enviado pelo correio – via postal – ou via Internet, conforme o caso, e no Mural Oficial de Atos da Prefeitura Municipal de Barra do Piraí.

telefone celular. mediante apresentação de cópia autenticada em cartório de certificado de conclusão e/ou histórico escolar: 01 (um) ponto. incorrerá na exclusão do candidato do certame. desde que não seja requisito exigido para provimento e guarde relação direta com as atribuições do cargo para o qual o candidato prestará prova. receptor/transmissor.4.3. conforme já mencionado na letra “d” do item 4.7.6. 7. Carteira expedida por Órgão ou Conselho de Classe (CREA. A Comissão Especial de Concurso Público e Processo Seletivo Público poderá. contendo na sua parte externa o número da inscrição. Doutorado: reconhecido pelo MEC – Ministério da Educação.5. Certificado de conclusão de curso de graduação na área de formação profissional. Para fins de cumprimento dos prazos legais para homologação. 5. desde que: a) seja dirigido ao Presidente da Comissão Especial de Concurso Público e Processo Seletivo Público da Prefeitura Municipal de Barra do Piraí e entregue pessoalmente para registro no protocolo geral da Prefeitura Municipal.1. Títulos 5. automaticamente. para o Instituto Brasileiro de Administração Municipal – o IBAM. 5. 5. as normas previstas no item 5 e seus desdobramentos.5. poderá interpor recurso. 5.4.Barra do Piraí. podendo levar o caderno de prova.2. Carteira de Trabalho e Previdência Social. c) Para os candidatos aos cargos de Guarda Municipal Feminino e Masculino: O total geral de pontos do candidato será obtido pela soma dos pontos a ele atribuídos em cada uma das provas objetivas.).4. que serão adicionados ao total de pontos obtidos pelos candidatos nas demais provas. mediante apresentação de cópia autenticada em cartório do certificado de conclusão e título de Mestre: 02 (dois) pontos. exclusivamente no período de inscrição. O candidato deverá comparecer aos locais de provas munido do cartão de confirmação de inscrição.10. antes da realização do presente Concurso. 30 (trinta) dias. expedido há. desde que guarde relação direta com o cargo para o qual o candidato prestará prova. tais como bip.4.4.2. com recolhimento da prova e posterior retirada do candidato do local de prova. Carteira de Motorista com foto e Passaporte. Os títulos deverão ser apresentados em envelope fechado. walkman. etc. incluindo os sinais de alarme.5. Não haverá desclassificação do candidato pela não apresentação de títulos. O candidato que chegar após o horário estabelecido no subitem 5. 5. relógio digital com receptor. 5. b) Para os candidatos aos cargos de Motorista Categoria D e Operador de Máquinas Pesadas: O total geral de pontos do candidato será obtido pela soma dos pontos a ele atribuídos em cada uma das provas objetivas. Mestrado: reconhecido pelo MEC – Ministério da Educação.10. deverá obrigatoriamente manter desligado qualquer aparelho eletrônico que esteja sob sua posse. 5. entre outros. Os 3 (três) últimos candidatos a terminar as provas só poderão deixar o local juntos. deverá ser apresentado documento que ateste o registro da ocorrência em órgão policial. 5. 5. Cep. Os candidatos só poderão sair do local de realização do certame após 1 (uma) hora do início da prova.5. Aos candidatos serão assegurados recursos em todas as etapas do Concurso. situado na Travessa Assumpção.2.3. A contagem de pontos obedecerá aos critérios a seguir: a) Para os candidatos aos cargos de Nível Superior e Professor II: O total geral de pontos do candidato será obtido pela soma dos pontos a ele atribuídos em cada uma das provas objetivas. sempre oficial e com foto. Núcleo de Concursos. nos locais especificados pela organização do concurso. alterar. gravador. 7. A contagem dos pontos referida no item anterior obedecerá aos critérios a seguir: Será considerado um título por categoria a saber: a) para o cargo de Professor II: Cursos de aperfeiçoamento que guardem ligação direta com as atribuições do cargo ao qual o candidato está concorrendo com mínimo de 120 (cento e vinte) horas/aula. As provas serão realizadas na cidade de Barra do Piraí e caso necessário em Municípios vizinhos.9. desde que com a finalidade de preservar o bom andamento do certame. Para evitar atrasos. mediante registro da ocorrência em ata própria.5. através de Sedex ou AR. mediante apresentação de cópia autenticada em cartório de certificado de conclusão e/ou histórico escolar: 02 (dois) pontos. 5. no dia de realização da prova.13 do presente Edital.3. Caso o candidato não possa apresentar nenhum dos documentos de identidade relacionados no subitem 5. no máximo. palm-top. agenda eletrônica. RECURSOS E REVISÕES 7.8. n 1 . excluído do Concurso Público.Humaitá. d) Para os demais cargos: O total geral de pontos do candidato será obtido pela soma dos pontos a ele atribuídos em cada uma das provas objetivas. justificadamente. 5. 5. sendo adicionada a esse total a nota obtida na prova de aptidão física.4. O uso de quaisquer funcionalidades de aparelhos. ficando. Serão atribuídos pontos aos títulos. por motivo de perda. mediante apresentação de cópia autenticada em cartório de certificado de conclusão e/ou histórico escolar: 01 (um) ponto.4.1. Nos locais de prova poderá haver rastreamento eletrônico. nº 69 .4.2. mediante requerimento individual. nos horários de 9:00h às .4.1. calculadora. situado no Largo IBAM.7.5. 5.4. Serão considerados documentos de identidade: Cédula Oficial de Identidade (RG). 6. sendo adicionada a esse total a nota obtida com títulos.4.: 22271-070. do documento original de identidade. Apresentação dos títulos: 5. notebook.3.1. O candidato que se sentir prejudicado em qualquer das etapas do Concurso. ao ingressar no local de realização da prova. os títulos deverão ser enviados para análise. 5. Rio de Janeiro. 5.4. CONTAGEM DE PONTOS 6.4. Certificado de Reservista. O candidato.1.5.11.1. CRA. recomenda-se que os candidatos compareçam aos locais de prova com antecedência de uma hora do horário previsto para o fechamento dos portões.5. desde que guarde relação direta com as atribuições do cargo para o qual o candidato prestará prova. o cargo para o qual esta concorrendo e a descrição dos títulos contidos no envelope. sendo adicionada a esse total a nota obtida na prova prática. b) para os cargos de nível superior: Curso de especialização com o mínimo de 360 (trezentas e sessenta) horas/aula. mediante apresentação de cópia autenticada em cartório do certificado de conclusão e título de Doutor: 02 (dois) pontos.Centro .4.1 não poderá ingressar no local de prova. furto ou roubo de todos eles.12.5. o nome do candidato. e de 2 (duas) canetas esferográficas de tinta azul ou preta.

8 do presente Edital.8. Será indeferido. por igual período. o 5 ) maior idade. d) for apanhado em flagrante tentativa de burla. após o qual serão aplicados os critérios estabelecidos no item 8. procedendo-se à sua correção e publicação.pmbp. de modo a prejudicar o andamento normal do Concurso. o o 1 ) maior n de pontos na prova de Conhecimentos Técnico-profissionais. bem como o compromisso tácito de aceitar as condições do Concurso. g) deixar de apresentar qualquer documento comprobatório dos requisitos exigidos neste Edital. cabendo-lhes a responsabilidade de manter atualizado seu endereço para fins de convocação. podendo ser prorrogado.2. em ordem decrescente dos pontos. nos sites do IBAM (www.12:00h e de 14:00h às 17:00h.br) e da Prefeitura Municipal de Barra do Piraí (www. Não poderão inscrever-se pessoas que possuam qualquer vínculo com o IBAM. c) para os cargos de Nível Fundamental Completo. o requerimento que não estiver fundamentado ou for apresentado fora do prazo estabelecido na letra “a” do item 7. Os gabaritos serão divulgados no 1º dia útil após a aplicação das provas. em comunicação com outro candidato.2.1. 8. a bibliografia pesquisada.br) e da Prefeitura Municipal de Barra do Piraí (www. esta será publicada como resultado final do Concurso. o desempate farse-á considerando como primeiro critério o mais idoso. f) desatender ao disposto no subitem 5. o 3 ) maior idade.5.4. independentemente de terem recorrido. Quando a igualdade de pontos na classificação envolver.3.8. o o 4 ) maior n de pontos na prova de Noções de Informática. fundamentação clara e ampla dos motivos e.1. c) for surpreendido. o o 3 ) maior n de pontos na prova de Português. b) portar-se de maneira inadequada nos locais de realização das provas. Será dada publicidade às decisões dos recursos. b) constem obrigatoriamente do recurso: nome completo do candidato. a pontuação de todos os candidatos aprovados. durante a realização das provas. o o 4 ) maior n de pontos na prova de Noções de Informática.pmbp.4. o o 2 ) maior n de pontos na prova de Legislação. DISPOSIÇÕES GERAIS 9.6. O Concurso terá validade de 02 (dois) anos. É de inteira responsabilidade do candidato acompanhar pelos sites do IBAM (www. 9. o o 2 ) maior n de pontos na prova de Legislação. a questão não será anulada. O referido recurso deverá ser devidamente firmado pelo candidato em todas as folhas. na forma da o Lei Municipal n 326. 7. instituição organizadora deste Concurso. a pontuação correspondente será atribuída a todos os candidatos. e) prestar. em qualquer documento. 9. Se do exame de recursos resultar anulação de questão ou item de questão. o 5 ) maior idade.7. Os candidatos aprovados passarão a constituir um cadastro de reserva pelo período de validade do Concurso. contendo. 8. 8. d) para o cargo de Auxiliar de Atendimento. o o 2 ) maior n de pontos na prova de Português. Será também excluído do certame o candidato que: a) faltar a qualquer uma das fases do processo seletivo. serão convocados para o exame médico realizado por junta médica oficial e para a comprovação dos requisitos exigidos nos itens 2. através da imprensa oficial e de telegrama. o 4 ) maior idade. por ato do Prefeito de Barra do Piraí. A homologação do Concurso será feita por ato do Prefeito de Barra do Piraí.gov. o o 1 ) maior n de pontos na prova de Matemática.3. Os candidatos aprovados e classificados no Concurso. sob pena de serem considerados desistentes. bem como seus ascendentes. Não serão aceitos recursos interpostos por telegrama.ibamconcursos. cargo ao qual se candidatou. tais como se acham estabelecidas. pelo menos. de acordo com a área de atuação (Legislação Municipal.9. submetido ao processo seletivo descrito no item 5 do presente Edital. A inscrição do candidato implicará conhecimento do presente Edital. somente a pontuação destes últimos. mediante a apresentação das listagens finais dos resultados do certame. fraude ou falsificação na realização da prova.2.org. e a segunda. No caso de o gabarito da prova ser fornecido incorretamente por falha de digitação.1 a 2. Legislação do SUS e Aspectos Legais da Política Educacional).2.gov. o o 1 ) maior n de pontos na prova de Conhecimentos Técnico-profissionais. o o 1 ) maior n de pontos na prova de Conhecimentos Técnico-profissionais. em duas listas. 7. a contar da data da publicação de sua homologação. 9. O presente Concurso objetiva o preenchimento de cargos.1.7. a primeira. Os candidatos que não atenderem aos requisitos exigidos neste Edital serão automaticamente eliminados do processo seletivo em qualquer de suas fases. 9.1.ibamconcursos.2. de acordo com a área de atuação (Legislação Municipal. 9. o o 3 ) maior n de pontos na prova de Português. inclusive a dos candidatos com deficiência. 8. declaração falsa ou inexata. sucessivamente.6. serão adotados. devendo ser uma folha para cada questão recorrida. Internet ou outro meio que não seja o especificado neste Edital. satisfizer todas as condições lá estabelecidas. 9. 8. 9. liminarmente. 7. Os exames médicos são eliminatórios. RESULTADO FINAL E CLASSIFICAÇÃO 8.2. número da inscrição. 01 (um) candidato com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos. 8. 9. 9.4. conforme modelo constante do Anexo IV deste Edital. Em caso de igualdade de pontos na classificação. o o 3 ) maior n de pontos na prova de Português. Considerar-se-á aprovado o candidato que. A classificação dos candidatos aprovados será feita em ordem decrescente dos pontos obtidos. no caso de recursos contra questões ou gabaritos.rj.br) e no Mural Oficial de Atos da Prefeitura de Barra do Piraí. o o 2 ) maior n de pontos na prova de Matemática. publicação ou outra. uma vez.5. Apurada a classificação. 9. procuração. 7. no prazo máximo de 02 (dois) dias úteis.3.rj. 7. no caso de recursos contra questões.br). Legislação do SUS e Aspectos Legais da Política Educacional).org. contados após o ato que motivou a reclamação. sob a égide do Regime Estatutário. ou qualquer outro meio de divulgação definido pela Comissão Especial de . os seguintes critérios para o desempate dos candidatos: a) para os cargos de Nível Superior. via postal. sem prejuízo do indiciamento cabível. c) seja apresentado datilografado ou digitado. inclusive os deficientes. de 28 de abril de 1997 e atualizações. sendo excluídos do Concurso os candidatos que não apresentarem aptidão física e/ou mental para o exercício do cargo para o qual se inscreveram. b) para os cargos de Nível Médio.5. 9. descendentes ou colaterais.10.4.

e à Prefeitura Municipal de Barra do Piraí.11.Concurso Público e Processo Seletivo Público. competente também para julgar. em decisão irrecorrível. sendo de inteira responsabilidade do candidato os prejuízos decorrentes da não-atualização desta informação.14.15. Os casos omissos serão resolvidos pela Comissão Especial de Concurso Público e Processo Seletivo Público. 9. 9. 9. 9.12.RJ .gov. Barra do Piraí. III e IV que o acompanham. 9.rj. a publicação de todos os atos e editais relativos ao Concurso. 24 de setembro de 2009. enquanto estiver participando do Concurso. O candidato deverá manter atualizado seu endereço junto ao IBAM.br) e da Prefeitura Municipal de Barra do Piraí (www. II. O presente Edital estará disponibilizado no Mural Oficial de Atos da Prefeitura Municipal de Barra do Piraí.org. quaisquer que sejam os recursos interpostos pelos candidatos.br) e na imprensa oficial do Município. WELLINGTON MARTINS MARCONDES PRESIDENTE DA COMISSÃO DE CONCURSO PÚBLICO E PROCESSO SELETIVO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ .pmbp. em toda sua extensão territorial. após a homologação do Concurso. inclusive alterações que porventura ocorram durante sua realização.ibamconcursos. São partes integrantes deste Edital os Anexos I. O fornecimento de vale transporte ao servidor público municipal de Barra do Piraí é restrito aos residentes dentro do perímetro do Município. bem como nos sites do IBAM (www.13.

Diploma de Tecnólogo em Recursos Humanos.73 006 AUDITOR INTERNO 01 - 40h 1.348.348.348. INFORMAÇÃO ASSISTENTE SOCIAL Curso de Nível Superior em Serviço Social e registro no respectivo Conselho de Classe.348.EDITAL No 01/2009 ANEXO I CÓDIGO CARGOS REQUISITOS (ESCOLARIDADE/ FORMAÇÃO) TOTAL DE VAGAS Vagas.73 003 ANALISTA EM GESTÃO PÚBLICA 12 01 40h 1.73 002 ANALISTA EM GESTÃO DE RH 01 - 40h 1.73 005 01 - 40h 1.73 004 ANALISTA EM TECNOLOGIA DA Graduação Tecnológica em Redes e Computadores. em relação ao total de cada cargo. JORNADA DE TRABALHO (HORAS SEMANAIS) VENCIMENTO BASE R$ NÍVEL SUPERIOR ANALISTA IMOBILIÁRIA EM GESTÃO Curso Superior seqüencial de formação específica em Gestão Imobiliária. reservadas aos deficientes.348.348. Curso Superior seqüencial de formação específica em Gestão Pública. 001 01 - 40h 1. Curso de Nível Superior em Direito e/ou Ciências Contábeis e registro no respectivo Conselho de Classe. 01 - 40h 1.348. Curso de Nível Superior em Biblioteconomia e registro no respectivo Conselho de Classe.73 .73 007 BIBLIOTECÁRIO 01 - 40h 1.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAI CONCURSO PÚBLICO .

JORNADA DE TRABALHO (HORAS SEMANAIS) VENCIMENTO BASE R$ NÍVEL SUPERIOR Curso de Nível Superior em Biologia e registro no respectivo Conselho de Classe. acrescido de CIRURGIÃO DENTISTA .73 010 Curso de Nível Superior em Odontologia.Traumato Especialização em Bucomaxilofacial Bucomaxilofacial e registro no respectivo Conselho de Classe.348.348.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAI CONCURSO PÚBLICO .348.73 .73 009 CIRURGIÃO Geral 02 - 24h 1. CONTADOR Curso de Nível Superior em Ciências Contábeis e registro no respectivo Conselho de Classe.73 011 02 - 40h 1. DENTISTA Clínico Curso de Nível Superior em Odontologia e registro no respectivo Conselho de Classe.348. 008 BIÓLOGO 01 - 40h 1. 01 - 24h 1. em relação ao total de cada cargo.EDITAL No 01/2009 ANEXO I CÓDIGO CARGOS REQUISITOS (ESCOLARIDADE/ FORMAÇÃO) TOTAL DE VAGAS Vagas. Curso de Nível Superior em Enfermagem e registro no respectivo Conselho de Classe.348.73 013 ENGENHEIRO AGRÔNOMO 01 - 40h 1. Curso de Nível Superior em Engenharia Agrônoma e registro no respectivo Conselho de Classe.73 012 ENFERMEIRO 01 - 40h 1.348. reservadas aos deficientes.

73 018 FISIOTERAPEUTA 01 - 30h 1. JORNADA DE TRABALHO (HORAS SEMANAIS) VENCIMENTO BASE R$ NÍVEL SUPERIOR Curso de Nível Superior em Engenharia Ambiental e registro no respectivo Conselho de Classe. Curso de Nível Superior em Fisioterapia e registro no respectivo Conselho de Classe. acrescido de Especialização em Trânsito e registro no respectivo Conselho de Classe. em relação ao total de cada cargo.348.73 019 FONOAUDIÓLOGO 01 - 24h 1.EDITAL No 01/2009 ANEXO I CÓDIGO CARGOS REQUISITOS (ESCOLARIDADE/ FORMAÇÃO) TOTAL DE VAGAS Vagas. Ciências Contábeis.348.73 01 40h 1. Curso de Nível Superior em Administração. reservadas aos deficientes.73 017 FISCAL DE TRIBUTOS 01 - 40h 1.73 . Curso de Nível Superior em Engenharia.348. 014 ENGENHEIRO AMBIENTAL 01 - 40h 1. Direito e/ou Economia e registro no respectivo Conselho de Classe.73 015 ENGENHEIRO DE TRÂNSITO 016 FARMACÊUTICO 01 - 40h 1. Curso de Nível Superior em Farmácia e registro no respectivo Conselho de Classe. Curso de Nível Superior em Fonoaudiologia e registro no respectivo Conselho de Classe.348.348.348.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAI CONCURSO PÚBLICO .

348. Curso de Nível Superior em Medicina e Título de Especialista em Psiquiatra e registro no respectivo Conselho de Classe.73 023 MÉDICO VETERINÁRIO 01 - 20h 1.348. Curso de Nível Superior em Nutrição e registro no respectivo Conselho de Classe Curso de Nível Superior em Psicologia e registro no respectivo Conselho de Classe 020 MÉDICO CLÍNICO GERAL 02 - 20h 1. reservadas aos deficientes.73 022 MÉDICO RADIOLOGISTA 01 - 20h 1.EDITAL No 01/2009 ANEXO I CÓDIGO CARGOS REQUISITOS (ESCOLARIDADE/ FORMAÇÃO) TOTAL DE VAGAS Vagas. Curso de Nível Superior em Medicina Veterinária e registro no respectivo Conselho de Classe.73 .73 021 MÉDICO PSIQUIATRA 03 - 20h 1. JORNADA DE TRABALHO (HORAS SEMANAIS) VENCIMENTO BASE R$ NÍVEL SUPERIOR Curso de Nível Superior em Medicina e registro no respectivo Conselho de Classe.348.73 024 NUTRICIONISTA 01 - 40h 1.348.348. em relação ao total de cada cargo. Curso de Nível Superior em Medicina e Título de Especialista em Radiologia e registro no respectivo Conselho de Classe.73 025 PSICÓLOGO 04 - 24h 1.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAI CONCURSO PÚBLICO .348.

73 .348.348. Curso de Nível Superior em Química e registro no respectivo Conselho de Classe.73 030 TURISMÓLOGO 01 - 40h 1. JORNADA DE TRABALHO (HORAS SEMANAIS) VENCIMENTO BASE R$ NÍVEL SUPERIOR Curso de Nível Superior em Pedagogia. acrescido de Curso de Especialização em Psicopedagogia de. Curso de Turismo. ministrado por instituição superior reconhecida pelo MEC e registro no respectivo conselho de classe.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAI CONCURSO PÚBLICO . em relação ao total de cada cargo. acrescido de Especialização em Saúde Pública e registro no respectivo Conselho de Classe. no mínimo.EDITAL No 01/2009 ANEXO I CÓDIGO CARGOS REQUISITOS (ESCOLARIDADE/ FORMAÇÃO) TOTAL DE VAGAS Vagas. Nível Superior em 026 PSICOPEDAGOGO 03 - 16h 596. reservadas aos deficientes.73 029 TERAPEUTA OCUPACIONAL 01 - 30h 1.73 028 SANITARISTA 01 - 40h 1. Curso de Nível Superior em Terapia Ocupacional e registro no respectivo Conselho de Classe. Curso de Nível Superior. 360 horas/aula.70 027 QUÍMICO 01 - 40h 1.348.348.

EDITAL No 01/2009 ANEXO I CÓDIGO CARGOS REQUISITOS (ESCOLARIDADE/ FORMAÇÃO) TOTAL DE VAGAS Vagas. reservadas aos deficientes. Ensino Superior PROFESSOR I – HISTÓRIA Plena na área de no MEC. Ensino Superior PROFESSOR I – EDUCAÇÃO Plena na área de ARTÍSTICA no MEC.70 035 03 - 16h 596. Ensino Superior PROFESSOR I – PORTUGUÊS Plena na área de no MEC.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAI CONCURSO PÚBLICO .70 037 03 - 16h 596.70 033 03 - 16h 596. Ensino Superior PROFESSOR I – MATEMÁTICA Plena na área de no MEC.70 039 03 - 16h 596. em relação ao total de cada cargo. PROFESSOR I – CIÊNCIAS com Licenciatura atuação e registro com Licenciatura atuação e registro com Licenciatura atuação e registro com Licenciatura atuação e registro com Licenciatura atuação e registro com Licenciatura atuação e registro com Licenciatura atuação e registro com Licenciatura atuação e registro com Licenciatura atuação e registro 01 16h 596.70 038 01 - 16h 596.70 034 03 - 16h 596. Ensino Superior PROFESSOR I – EDUCAÇÃO Plena na área de FÍSICA no MEC. JORNADA DE TRABALHO (HORAS SEMANAIS) VENCIMENTO BASE R$ MAGISTÉRIO 031 Ensino Superior Plena na área de no MEC. Ensino Superior PROFESSOR I – GEOGRAFIA Plena na área de no MEC.70 . Ensino Superior PROFESSOR I – MÚSICA Plena na área de no MEC.70 036 01 - 16h 596. Ensino Superior PROFESSOR I – INGLÊS Plena na área de no MEC.70 032 03 - 16h 596.

98 041 20 02 16h 596.70 NÍVEL MÉDIO 043 044 045 AGENTE ADMINISTRATIVO ASSISTENTE DE CRECHE FISCAL DE MEIO AMBIENTE Ensino Médio completo. no ORIENTADOR PEDAGÓGICO mínimo 02 (dois) anos de experiência em atividade docente e registro no MEC.90 492. reservadas aos deficientes. 10 40 01 01 04 40h 40h 40h 492. JORNADA DE TRABALHO (HORAS SEMANAIS) VENCIMENTO BASE R$ MAGISTÉRIO Formação Docente de Nível Médio. Ensino Médio completo.5h 544. em relação ao total de cada cargo. Ensino Médio completo. no ORIENTADOR EDUCACIONAL mínimo 02 (dois) anos de experiência em atividade docente e registro no MEC.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAI CONCURSO PÚBLICO . acrescido de. 040 50 05 22. PROFESSOR II – EDUCAÇÃO para o exercício nos anos iniciais do INFANTIL E 1º SEGMENTO DO ensino fundamental e pré-escolar e ENSINO FUNDAMENTAL registro no MEC. Ensino Superior em Pedagogia com Especialização em Orientação Pedagógica. Ensino Superior em Pedagogia com Especialização em Orientação Educacional.90 492.EDITAL No 01/2009 ANEXO I CÓDIGO CARGOS REQUISITOS (ESCOLARIDADE/ FORMAÇÃO) TOTAL DE VAGAS Vagas. acrescido de.90 .70 042 22 02 16h 596.

85 051 TÉCNICO AGRÍCOLA 01 40h 537. Ensino Médio completo. 05 02 08 05 40h 40h 40h 40h 492. reservadas aos deficientes.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAI CONCURSO PÚBLICO . em relação ao total de cada cargo.85 053 TÉCNICO EM CONTABILIDADE 04 - 40h 537. Curso Técnico de Nível Médio em Agrimensura e registro no respectivo Conselho de Classe. 27 02 40h 537.85 054 TÉCNICO EM ENFERMAGEM 06 - 40h 537. Curso Técnico de Nível Médio em Agropecuária e registro no respectivo Conselho de Classe. Curso Técnico de Nível Médio em Contabilidade e registro no respectivo Conselho de Classe. Ensino Médio completo.90 492.90 492.90 NÍVEL MÉDIO E ESPECIALIZADO 050 ASSISTENTE GESTÃO TÉCNICO DE Curso Técnico de Nível Médio em Administração de no mínimo 800 horas.90 492. acrescido de Curso de Secretário Escolar. Ensino Médio completo.85 . Curso Técnico de Nível Médio em Enfermagem e registro no respectivo Conselho de Classe.85 052 TÉCNICO EM AGRIMENSURA 01 - 40h 537.EDITAL No 01/2009 ANEXO I CÓDIGO CARGOS REQUISITOS (ESCOLARIDADE/ FORMAÇÃO) TOTAL DE VAGAS Vagas. JORNADA DE TRABALHO (HORAS SEMANAIS) VENCIMENTO BASE R$ NÍVEL MÉDIO 046 047 048 049 FISCAL DE POSTURAS GUARDA MUNICIPAL FEMININO GUARDA MUNICIPAL MASCULINO SECRETARIO DE ESCOLA Ensino Médio completo.

90 492.90 492. 05 - 40h 492.85 NÍVEL FUNDAMENTAL COMPLETO 058 AUXILIAR DE ATENDIMENTO Ensino Fundamental completo.90 059 AUXILIAR DENTÁRIO DE Ensino Fundamental completo. Ensino Fundamental completo.85 057 TÉCNICO EM RADIOLOGIA 01 - 40h 537.EDITAL No 01/2009 ANEXO I CÓDIGO CARGOS REQUISITOS (ESCOLARIDADE/ FORMAÇÃO) TOTAL DE VAGAS Vagas. em relação ao total de cada cargo. JORNADA DE TRABALHO (HORAS SEMANAIS) VENCIMENTO BASE R$ NÍVEL MÉDIO E ESPECIALIZADO 055 TÉCNICO EM INFORMÁTICA Curso Técnico de Nível Médio em Informática. Ensino Fundamental completo. Ensino Fundamental completo. reservadas aos deficientes. Curso Técnico de Nível Médio em Radiologia e registro no respectivo Conselho de Classe. acrescido de curso para qualificação CONSULTÓRIO profissional de Auxiliar de Consultório Dentário.90 492. com carga horária mínima de 600 horas e máxima de 800 horas.85 056 TÉCNICO EM LABORATÓRIO 01 - 40h 537.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAI CONCURSO PÚBLICO . 04 40h 492. 10 01 40h 537. Curso Técnico de Nível Médio em Laboratório de Análises Clínicas e registro no respectivo Conselho de Classe. Ensino Fundamental completo.90 .90 060 061 062 063 AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS CALCETEIRO COVEIRO ELETRICISTA 10 02 01 01 01 - 40h 40h 40h 40h 492.

90 492. em relação ao total de cada cargo.90 492.90 492.90 492.90 492. Ensino Fundamental completo. Ensino Fundamental Completo.EDITAL No 01/2009 ANEXO I CÓDIGO CARGOS REQUISITOS (ESCOLARIDADE/ FORMAÇÃO) TOTAL DE VAGAS Vagas. Ensino Fundamental completo.90 03 - . reservadas aos deficientes.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAI CONCURSO PÚBLICO . Ensino Fundamental completo. Ensino Fundamental Completo. Ensino Fundamental completo. 05 01 10 05 01 40h 40h 40h 40h 492.90 492. JORNADA DE TRABALHO (HORAS SEMANAIS) VENCIMENTO BASE R$ NÍVEL FUNDAMENTAL COMPLETO 064 065 066 067 GUARDIÃO DO RIO MECÂNICO DE AUTOS MERENDEIRO MOTORISTA CATEGORIA D OPERADOR PESADAS PEDREIRO PINTOR DE PAREDE SERVENTE DE OBRAS VIGIA DE Ensino Fundamental completo.90 068 069 070 071 072 01 08 01 30 01 - 40h 40h 40h 40h 40h 492. MÁQUINAS acrescido de habilitação para a condução de máquinas pesadas.90 492. acrescido de Carteira de Habilitação Profissional Categoria D. Ensino Fundamental completo. Ensino Fundamental completo.

orçamentária. executar programas de incentivo a leitura. Previdência do servidor e outros correlatos. benefícios. Pesquisar todas as formas de vida. gerenciar e executar os trabalhos de análise. organizar. das doenças. Utilizar e propor modelos inovadores de gestão. efetuando estudos e experiências com espécimes biológicos. supervisionar e avaliar estudos e pesquisas. cirúrgico e coadjuvante. guarda e conservação de documentos. Planejar. garantindo integridade. Dar suporte técnico aos processos que se referem à qualificação dos recursos humanos. Executar e gerenciar programas. patrimônio. materiais. executar. Compor. patrimonial. Executar e coordenar os trabalhos relativos a diagnóstico. planos. Fazer Analista em Gestão Imobiliária balanços e relatórios para atender os órgãos de fiscalização. dirigir e executar serviços de seleção. irregularidades no cumprimento das normas. fazendo a indicação para a continuidade da assistência prestada. rotinas de pessoal. obedecendo às determinações de controle externo. programas e projetos de assistência social à população do Município e aos servidores municipais. avaliar. agricultura. utilizando processos Cirurgião Dentista – Clínico Geral laboratoriais. tais como recrutamento e seleção. Tomar decisões e dominar as tecnologias e os métodos para a permanente compreensão e aplicação de uma gestão eficiente na área de Tecnologia de Informação. Planejar. estabelecendo princípios. ordenar atividades e programas. Realizar cuidados diretos de enfermagem nas urgências e emergências clínicas. para incrementar os conhecimentos científicos e descobrir suas aplicações Biólogo em campos como saúde. desempenho e disponibilidade dos serviços na Internet. Auditor Interno Realizar trabalhos de auditoria interna nas áreas contábil. de rotina e especiais. Enfermeiro . Fiscalizar a aplicação de legislação de direitos autorais e outras relacionadas com área. planos e projetos de políticas públicas. Organizar. coordenar e realizar exames. às Analista em Gestão Pública finanças e a contabilidade. Projetar. decidir entre alternativas e dimensionar riscos. Cirurgião Dentista – Traumato traumatismos. gestão de carreiras e sistema Analista em Gestão de RH de informação de recursos humanos. Informação Analisar criticamente sobre segurança de informação através de normas e procedimentos. Gerenciar os programas referentes a INSS. analisando e contribuindo para a solução de problemas de Assistente Social natureza social. registros. gerenciar a rede municipal de comunicação e serviços de Internet com forte enfoque em segurança. mapas e publicações pertencentes ao acervo bibliográfico municipal. implantar. Planejar. reduzir e eliminar riscos. bem como para a garantia dos direitos sociais. Realizar diagnósticos e tratamentos. Bibliotecário Elaborar. civis e políticos da população. financeira. Planejar e gerenciar os sistemas de gestão de pessoas. além da atuação em análises clínicas. para permitir a administração dos recursos patrimoniais e financeiros. para manter ou recuperar a saúde bucal. avaliação de desempenho. programar. Avaliar bens imóveis. aos tributos. LDO. tributária e fiscal visando resguardar. Utilizar o sistema de planejamento como instrumento balizador para a gestão eficaz de Analista em Tecnologia da recursos e projetos de TI.ANEXO I (continuação) DESCRIÇÃO SINTÉTICA DOS CARGOS CARGO DESCRIÇÃO SINTÉTICA Nível Superior Planejar e gerenciar o patrimônio imobiliário do município. supervisionar e executar os serviços de enfermagem na rede municipal de saúde bem como participar da elaboração e execução de programas de saúde pública. registro e perícias contábeis. perícias e auditagens. bem como orientar a organização de processo de tomadas de contas. citológicos e instrumentos adequados. Inventariar o acervo imobiliário do Município para atender a legislação patrimonial. livros. Participar do estabelecimento e do controle das metas de comprometimento do governo municipal expressas no PPA. Contador Planejar. LOA e outros instrumentos de planejamento adotados. gestão de competências. identificando. quando necessário. prognóstico e tratamento de afecções de tecidos moles e duros da boca e região maxilofacial. meio ambiente. FGTS. normas e procedimentos. selecionar estratégias adequadas de ação visando atender interesses interpessoais e institucionais. cargos e salários. a equipe de vigilância sanitária e ambiental. aos sistemas de informações. legislações e procedimentos. coordenar. lesões e anomalias congênitas ou adquiridas do aparelho mastigatório e Bucomaxilofacial anexos e estruturas craniofaciais associadas. classificação. aos serviços. radiográficos. treinamento e desenvolvimento.

exercendo fiscalização e empregando outros métodos. orientando e controlando técnicas de utilização de terras. Pesquisar. ensaios e experiências efetuadas em todos os campos de química. elaborar. Administrar o SIFAB . planejar. Executar diagnósticos e intervenção psicopedagógica nos alunos da rede. dirigir e controlar os programas e serviços de nutrição nas diversas unidades da Prefeitura. para permitir um perfeito fluxo de veículos e garantir o máximo de segurança para motoristas e pedestres. estaduais e federais. empregando princípios. planejando. Avaliar os equipamentos de radiologia/ radiografia instalados. ar. para restauração da capacidade de comunicação dos pacientes. aprimoramento e desenvolvimento de atividades de criação de animais. Compor. PSF e atendimento domiciliar. Aplicar recursos de medicina terapêutica e preventiva. adulto e idoso em unidade ambulatório. adolescente. para possibilitar o controle de qualidade do meio ambiente (água. o planejamento e a disposição das ruas. pressão e outros fatores. Planejar e gerenciar projetos de organização e controle da circulação por ruas. proteção. sanitária e ambiental. fiscalizar e elaborar estudos sobre áreas no que tange a ameaças ambientais. solo. a planejar e executar programas de defesa sanitária. Elaborar e gerenciar projetos. Efetuar atendimento integral à saúde mental. orientação aos técnicos de RX. planejar e executar programas na defesa do meio ambiente. executar e avaliar planos. luz. programar. para assegurar a sanidade dos animais. quando necessário. propriedades e interações das substâncias e suas reações diante de transformações de temperatura. emitir laudos de exames radiológicos/ radiográficos.sistema informatizado de monitoramento e avaliação dos recursos destinados ao Financiamento da Assistência Farmacêutica na Atenção Básica. Planejar e executar programas de vigilância sanitária e ambiental. saúde individual e coletiva. Implantar e gerenciar os protocolos clínicos municipais. a produção racional e econômica de alimentos. bem como elaborar. Estudar a estrutura das substâncias. integrando suas atividades às da vigilância epidemiológica. rodovias e outras vias de trânsito. Elaborar. Aplicar conhecimentos no campo da psicologia para o planejamento e execução de atividades nas áreas clínica. Executar serviços de coordenação e gerência da farmácia municipal. realizando estudos. baseando-se em estudos. executar. estradas e terrenos adjacentes. interpretação de imagens. programas e subprogramas de saúde pública. educacional e do trabalho. a equipe de vigilância sanitária e ambiental. estudando a natureza e características dos fenômenos de tráfego. zelar pelo patrimônio florestal. orientar e executar ou fazer executar. com o intuito de controlar e evitar os riscos de agravos à saúde. supervisionar e executar demais atividades qualificadas na área de radiologia. Coordenar. Prestar assistência médica as munícipes na rede municipal de saúde. para reabilitação física do individuo na UBS. Gerenciar e avaliar dados sobre o meio ambiente. dispensação de medicamentos e correlatos de acordo com as normas de assistência e atenção farmacêutica. para possibilitar um maior rendimento e qualidade dos produtos agrícolas produzidos no Município. sob sua supervisão direta. assessoria psicopedagógica objetivando a identificação. Prestar assistência fonoaudiológica à população nas diversas unidades municipais de saúde. métodos e técnicas conhecidas para determinar a composição. a compreensão e a análise dos problemas no processo de aprendizagem. Utilização de métodos e técnicas fisioterápicas. Prestar assistência médica psiquiátrica à criança. atos no campo da vigilância epidemiológica. quando necessário. apoio psicopedagógico aos trabalhos realizados na rede municipal de ensino. Realizar intervenção psicopedagógica. em especial no CAPS e/ou Unidade Similar. Utilizar métodos de análise. Exercer a fiscalização pertinente à aplicação e cumprimento das disposições legais e de competência Municipal. pesquisas. Elaborar e gerenciar projetos. Participar de atividades educativas de promoção e prevenção de saúde mental e saúde pública. visando à solução dos problemas no processo de aprendizagem. executar e avaliar programas de saúde mental. Coordenar. Realizar e interpretar exames radiológicos/ radiográficos.ANEXO I (continuação) DESCRIÇÃO SINTÉTICA DOS CARGOS CARGO DESCRIÇÃO SINTÉTICA Nível Superior Engenheiro Agrônomo Engenheiro Ambiental Engenheiro de Trânsito Farmacêutico Fiscal de Tributos Fisioterapeuta Fonoaudiólogo Médico Clínico Geral Médico Psiquiatra Médico Radiologista Médico Veterinário Nutricionista Psicólogo Psicopedagogo Químico Sanitarista Elaborar e gerenciar projetos referentes a cultivos agrícolas e pastos. . sonoro).

Orientar e fiscalizar o cumprimento das leis. orçamentária e patrimonial da Prefeitura. sob supervisão. auxiliando Médicos e Enfermeiros em suas atividades específicas. atividades auxiliares e de apoio à educação. orientar. a organização do trânsito e segurança de edifícios e logradouros públicos municipais. e registrando o movimento de exames para fins estatísticos e de controle. Realizar atividades de suporte pedagógico na área de orientação educacional. Executar. Realizar análise e controle de indicadores de desempenho operacional. Magistério Professor I Professor II Orientador Educacional Orientador Pedagógico Executar atividades docentes nos anos finais do ensino fundamental. bem como à execução de trabalhos relativos à implementação das grades curriculares e à coordenação de disciplinas. promovendo atividades recreativas e zelando pela higiene. Executar trabalhos de fiscalização no campo de saneamento e melhoria do meio ambiente. Assistente Técnico de Gestão Técnico Agrícola Técnico em Agrimensura Técnico em Contabilidade Técnico em Enfermagem Técnico em Informática Técnico em Laboratório Técnico em Radiologia . treinar. Prestar atendimento ao público em geral. Acompanhar. Sugerir melhorias nos aspectos estratégicos. Realizar exames radiológicos sob a supervisão do Médico Radiologista. bem como auxiliar na execução de programas de incentivo ao setor agropecuário promovido pela Prefeitura. Atender pacientes da rede municipal de saúde. e Executar. realizando exames através da manipulação de aparelhos de laboratório e por outros meios. Executar levantamentos geodésicos e topohidrográficos. a elaboração do Orçamento operacional e controlar a sua execução conforme as diretrizes estabelecidas. carregamento de chassis e reposição de material para as atividades diárias. operacionais. Subsidiar o Planejamento Estratégico. sob orientação da equipe técnica da SMED. encaminhar os exames realizados para o médico radiologista para fins de elaboração de laudo. Realizar trabalhos em câmara clara classificando películas radiográficas quanto à identificação e qualidade de imagem. na área de orientação pedagógica. Executar atividades docentes na educação infantil e anos iniciais do ensino fundamental. supervisionar e executar a contabilização financeira. Efetuar tarefas de caráter técnico-administrativo relativas à área contábil. Operar a câmara escura para revelação de filmes. Oferecer suporte técnico ao usuário de microcomputadores. regulamentos e normas concernentes às posturas municipais. Nível Médio e Especializado Efetuar tarefas de caráter técnico-administrativo relativas ao planejamento. além de executar atividades nas áreas administrativas. Realizar atividades de suporte pedagógico. de qualidade e legais. Orientar o pessoal auxiliar quanto às tarefas simples de enfermagem e atendimento ao público. nas creches municipais. Planejar trabalhos em geomática e analisar informações e documentos cartográficos. Efetuar tarefas de caráter técnico-administrativo relativas à programação. Acompanhar.ANEXO I (continuação) DESCRIÇÃO SINTÉTICA DOS CARGOS CARGO DESCRIÇÃO SINTÉTICA Nível Superior Terapeuta Ocupacional Turismólogo Preparar e executar programas terapêuticos ocupacionais. Desenvolver atividades técnicas de análises clínicas e laboratório. Realizar as atividades pertinentes ao universo educacional. bem como à execução de trabalhos relativos à implementação das grades curriculares e à coordenação de disciplinas. Nível Médio Agente Administrativo Assistente de Creche Fiscal de Meio Ambiente Fiscal de Posturas Guarda Municipal Feminino Masculino Secretário de Escola Executar tarefas de apoio administrativo aos trabalhos e projetos das unidades organizacionais do Poder Executivo. executar as de maior complexidade. controlando filmes gastos e eventuais perdas. orientar e supervisionar as atividades nos laboratórios de informática. avaliar e supervisionar os docentes. Formular e a executar planos e programas para o desenvolvimento do turismo local. Desempenhar procedimentos de cunho administrativo nos estabelecimentos de ensino. Coordenar. segurança e saúde das crianças. execução e controle de atividades nas áreas de cultivos experimentais e definitivos de plantas diversas. Pesquisar e analisar informações destinadas a subsidiar o processo operacional e administrativo. sob orientação.

máquinas pesadas e demais equipamentos eletromecânicos. que não exijam conhecimentos ou habilidades especiais. processos e outros entre órgãos internos e externos. pedra. tarefas braçais simples. vigilância. Executar trabalhos de montagem. escavar. Dirigir veículos automotores de transporte de cargas leves e pesadas e de ambulâncias e manter a sua conservação em perfeitas condições de aparência e funcionamento. Operar máquinas montadas sobre rodas ou esteiras e providas de implementos auxiliares que servem para nivelar. parques e jardins. Executar. equipamentos e ferramentas. cascalho e similares. Executar serviços de sepultamento. Realizar atividades de organização. equipamentos e ferramentas. areia. concreto e revestimentos em geral. Exercer a vigilância de edifícios e logradouros públicos municipais. carga e descarga de veículos. Realizar serviços de limpeza e higienização dos equipamentos e ambientes das cozinhas e refeitórios escolares. caixas de passagem e bocas-de-lobo. Conduzir paciente para exames e consultas diversos. Executar tarefas relativas à manutenção preventiva e corretiva da frota municipal. roubos e outras anormalidades. para evitar invasões. móveis. Realizar outras atividades correlatas à função de cuidados com os usuários das residências terapêuticas. mexer ou carregar terra. Executar serviços de limpeza predial. Apoiar e executar transporte de móveis. limpeza e proteção das margens e leitos dos rios que cortam o Município. capina e roçada de terrenos. de arrumação e de zeladoria nos prédios públicos do Município. manutenção. Realizar a limpeza dos logradouros públicos. limpeza e fiscalização de cemitérios. manutenção e acompanhamento dos usuários de residências terapêuticas. Realizar a regulagem. Checar equipamentos. Efetuar guarda. limpeza de ralos. transporte de materiais de construção. substituição de peças ou partes de veículos leves e pesados. reparo e manutenção preventiva e corretiva de sistemas elétricos. Preparar e distribuir refeições para atender aos programas alimentares conduzidos pela rede municipal de ensino. sob supervisão.ANEXO I (continuação) DESCRIÇÃO SINTÉTICA DOS CARGOS CARGO DESCRIÇÃO SINTÉTICA Nível Fundamental Completo Realizar serviços de apoio à equipe de enfermagem. Executar trabalhos de preparação e pintura de superfícies diversas. Realizar trabalhos de alvenaria. Auxiliar o Cirurgião Dentista no atendimento a pacientes em consultórios odontológicos da rede municipal que possuam o serviço de odontologia. tais como varrição de ruas. Realizar serviços de pavimentação. sob a supervisão da equipe de saúde. realizar transporte de paciente em maca ou cadeira de rodas nas unidades de saúde. Auxiliar de Atendimento Auxiliar de Consultório Dentário Auxiliar de Serviços Gerais Calceteiro Coveiro Eletricista Guardião do Rio Mecânico de Autos Merendeiro Motorista Categoria D Operador de Máquinas Pesadas Pedreiro Pintor de Parede Servente de Obras Vigia . utilizando pedras ou elementos de concreto prémoldados. Entregar documentos. conserto.

Engenheiro de Trânsito. Cirurgião Dentista – Clínico Geral. Analista em Gestão Pública. Sanitarista.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . Psicólogo. Médico Psiquiatra. Analista em Tecnologia da Informação. Químico. Médico Radiologista. Engenheiro Agrônomo. Analista em Gestão de RH. Disciplina Conhecimentos Técnico-profissionais Legislação Municipal Noções de Informática Português Número de Questões 10 10 10 10 Valor de cada Questão 10 10 10 10 Mínimo de Pontos Exigido em cada Disciplina 60 60 60 60 Cargos Assistente Social. Fiscal de Tributos. Contador. Médico Veterinário. Enfermeiro. Terapeuta Ocupacional. Nutricionista. Médico Clínico Geral. Biólogo. Fonoaudiólogo.QUADRO DEMONSTRATIVO DAS PROVAS Nível Superior Cargos Analista em Gestão Imobiliária. Fisioterapeuta. Disciplina Conhecimentos Técnico-profissionais Legislação do SUS Noções de Informática Português Número de Questões 10 10 10 10 Valor de cada Questão 10 10 10 10 Mínimo de Pontos Exigido em cada Disciplina 60 60 60 60 . Bibliotecário.EDITAL No 01/2009 ANEXO II . Cirurgião Dentista – Traumato Bucomaxilofacial. Farmacêutico. Turismólogo. Engenheiro Ambiental. Auditor Interno.RJ CONCURSO PÚBLICO .

Técnico em Informática. Técnico Agrícola. Professor I – Matemática. Técnico em Contabilidade. Disciplina Conhecimentos Técnico-profissionais Aspectos Legais da Política Educacional Noções de Informática Português Número de Questões 10 10 10 10 Valor de cada Questão 10 10 10 10 Mínimo de Pontos Exigido em cada Disciplina 60 60 60 60 Nível Médio e Especializado Cargos Agente Administrativo. Professor I – Português. Assistente de Creche. Fiscal de Meio Ambiente. Professor I – Educação Artística.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . Fiscal de Posturas. Professor I – Geografia. Professor I – História. Secretário de Escola.EDITAL No 01/2009 ANEXO II . Assistente Técnico de Gestão. Orientador Educacional. Orientador Pedagógico.RJ CONCURSO PÚBLICO . Guarda Municipal Feminino e Masculino. Técnico em Agrimensura. Professor I – Educação Física.QUADRO DEMONSTRATIVO DAS PROVAS Magistério Cargos Professor I – Ciências. Professor I – Música. Psicopedagogo. Professor I – Inglês. Disciplina Conhecimentos Técnico-profissionais Legislação Municipal Noções de Informática Português Número de Questões 10 10 10 10 Valor de cada Questão 10 10 10 10 Mínimo de Pontos Exigido em cada Disciplina 60 60 60 60 . Professor II – Educação Infantil e 1º Segmento do Ensino Fundamental.

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ .QUADRO DEMONSTRATIVO DAS PROVAS Nível Médio e Especializado Cargos Disciplina Conhecimentos Técnico-profissionais Técnico em Enfermagem. Técnico em Radiologia. Merendeiro. em Legislação do SUS Noções de Informática Português Número de Questões 10 10 10 10 Valor de cada Questão 10 10 10 10 Mínimo de Pontos Exigido em cada Disciplina 60 60 60 60 Nível Fundamental Completo Cargos Disciplina Número de Questões 10 10 10 Valor de cada Questão 10 10 10 Mínimo de Pontos Exigido em cada Disciplina 60 50 50 Auxiliar de Consultório Dentário. Eletricista. Coveiro. Matemática Português Disciplina Número de Questões 10 10 Valor de cada Questão 10 10 Mínimo de Pontos Exigido em cada Disciplina 50 50 .EDITAL No 01/2009 ANEXO II . Operador de Máquinas Pesadas. Guardião do Rio. Mecânico de Matemática Autos. Pedreiro. Calceteiro. Cargo Auxiliar de Atendimento. Servente de Obras. Auxiliar de Conhecimentos Técnico-profissionais Serviços Gerais. Português Pintor de Parede. Motorista Categoria D. Técnico Laboratório. Vigia.RJ CONCURSO PÚBLICO .

Médico Veterinário.). São Paulo: Makron Books. Elementos de construção do texto e seu sentido: gênero do texto (literário e não-literário. José Luiz. Rio de Janeiro: Metáfora Ed. narrativo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.saude.br/portal/arquivos/pdf/sus_ 3edicao_completo. O Município e a Federação. modificação da fonte. O Poder Legislativo e sua competência. CARNEIRO. RIBEIRO. fatores de coerência textual. emprego e sentido das classes gramaticais em textos. competência e limitações. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BARRA DO PIRAÍ. 4. Sistema Único de Saúde – SUS: Princípios. O processo legislativo. Cirurgião Dentista . 1993. Estilística: o papel das figuras de linguagem na construção do sentido dos textos. WEISSKOPF. São Paulo: Makron Books. Engenheiro de Trânsito. Celso & CINTRA. 5. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS AZEREDO. Rio de Janeiro: IBAM. Noções de Informática para todos os cargos de Nível Superior 1.Clinico Geral. O SUS de A a Z. Enfermeiro. de 22 de fevereiro de 2006. Analista em Tecnologia da Informação. 3. Pontuação. organização interna. A responsabilidade do Poder Executivo. A Lei Orgânica Municipal. M. Legislação Municipal para os cargos de Analista em Gestão Imobiliária. Responsabilidade sanitária das instâncias gestoras do SUS. 1997. Bibliotecário. O conceito de interesse local. Ortografia. Os servidores públicos: normas constitucionais e legais. Microsoft Word 2000. mecanismos de flexão dos nomes e dos verbos. Lei Orgânica do Município. Psicólogo. Sintaxe: termos da oração. Para entender o texto: leitura e redação. Reforma Sanitária. Analista em Gestão de RH. Fisioterapeuta. Engenheiro Agrônomo. mecanismos de coesão textual.conasems. MS-Word 2000: uso do MS-Word para criação e edição de documentos. 4. MORAES. Químico e Turismólogo.pdf ______. Carlos. Lei Complementar nº 326 de 28 de abril de 1997 (Regime jurídico dos servidores do Município). 2000. Financiamento.saude. José Carlos de. campos semânticos. GARCIA. Marcos Flávio R. GONÇALVES. 7. conhecimento das suas funções básicas. Manoel P. Regulação. Windows XP: Noções de trabalho no ambiente Windows.br/susdeaz ou disponível em: http://portal. padrões gerais de colocação pronominal no português. Auditor Interno. como criação e edição de apresentações. 2. Agostinho Dias. Microsoft Windows XP Professional – Guia de Bolso do Administrador. O texto em construção.gov. A organização do Município. Nova gramática do português contemporâneo. Direito constitucional. pdf. Sanitarista e Terapeuta Ocupacional. transitividade e regência de nomes e verbos. como formatação de parágrafos. Diretrizes do Pacto pela Saúde em 2006 – Consolidação do Sistema Único de Saúde. etc. 1999. 3. Semântica: sentido e emprego dos vocábulos.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . Morfologia: reconhecimento. conhecimento das suas funções básicas. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS MINK. Médico Clínico Geral. CUNHA. uso do Windows Explorer e conhecimento de funções do tipo transferir arquivos para disquete. atualizada.org. Rio de Janeiro: FGV. A Câmara Municipal. Brasília. PINTO. Conteúdo. _______________. MSPowerPoint 2003: Conhecimento da instalação e uso das funções básicas do MS-PowerPoint. atualizada. Planejamento e Programação. Avaliação e Auditoria. Diretrizes Operacionais. 2. Gramática Houaiss da Língua Portuguesa. 1. São Paulo: Digerati Books.EDITAL No 01/2009 ANEXO III NÍVEL SUPERIOR CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS PARA AS PROVAS COM NÚCLEO COMUM Português para todos os cargos de Nível Superior 1. processos de formação de palavras. William R. Biólogo. Regionalização. Gramática aplicada da língua portuguesa. armazenar arquivos no computador. Engenheiro Ambiental. São Paulo: Publifolha. MEIRELLES. São Paulo: Ática. separar arquivos em pastas etc. Excel 2000 (Prático e Fácil). 2006. Planejamento. Analista em Gestão Pública. . 3. Disponível em: http://www. Francisco Platão & FIORIN. As proibições e incompatibilidades aplicáveis aos Vereadores. Nutricionista. 2006. descritivo e argumentativo). Farmacêutico. Hely Lopes. Fiscal de Tributos. publicado na Portaria/GM nº 399. concordância nominal e verbal. 2. trabalho com várias planilhas em um arquivo etc. Sandra Rita B. Alexandre de. impressão etc. Programação Pactuada e Integrada. 2004. MS-Excel 2000: uso do MS-Excel para criação e edição de planilhas. Legislação do SUS para os cargos de Assistente Social. Controle. Comunicação e prosa moderna. BRASIL. Gene. 6. processos de coordenação e subordinação. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. Disponível em: http://www. diretrizes e regulamentação. O Poder Executivo. Participação e Controle Social. cópia de slides. utilização de tabelas.br/doc_diversos/livro_opas. São Paulo: Moderna. Médico Psiquiatra. Pactos pela vida. São Paulo: Bookman. Lindley. São Paulo: Atlas. Médico Radiologista. 2008. em defesa do SUS e de gestão. Fonoaudiólogo. Manual do Prefeito. 1985.RJ CONCURSO PÚBLICO . emprego de tempos e modos dos verbos em português. São Paulo: Malheiros Ed. 4. (coord. Cirurgião Dentista .Traumato Bucomaxilofacial. como utilização de fórmulas nas planilhas. Constituição Federal de 1988. Diretrizes para a Gestão do SUS: Descentralização. Participação e Controle Social.. atualizada. 2. Othon Moacir. Direito municipal brasileiro. 5. STANEK. Regulação. 1999. de 5 de abril de 1990. Ministério da Saúde. Treinamento Prático em Power Point. SAVIOLI.gov.S. Contador. 2000. 1.

Código Tributário Municipal: IPTU – fato gerador. Cipriano. 12ª ed. Professor I . Rio de Janeiro: DP e A Editora. 180 páginas. Professor I Educação Artística. 4. CHIRALDELLI. 3. contribuintes. Sujeito da práxis pedagógica: Educador e educando.PDF). fato gerador. Gestão do conhecimento e de competências: Principais conceitos. 2ª ed. Filosofia do cotidiano escolar.gov. Vistorias. Hely L. direito de propriedade. LUCKESI.Música. Fatores motivacionais. 10. Código Civil – Lei 10. Direito Urbanístico: parcelamento. 4. Filosofia da educação. Maria Lúcia Arruda. História da educação e da pedagogia. 1980. 5. Cadastro Técnico Multifinalitário: conceitos. Rio de Janeiro: IBAM. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico. Noções gerais de elementos de projeto e de construção. informações dos imóveis – boletim cadastral. 8. ______. MEIRELLES. Escola nova. Trabalho e estresse.Geografia. Brasília: Caixa Econômica Federal e Rio de Janeiro: IBAM.saude. Legislação Federal: Constituição Federal. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional o – Lei n 9394/96. A lei de Diretrizes e Bases da Educação – Lei 9394/96.NBR 5676: Avaliação de Imóveis Urbanos.caixa. São Paulo: Editora Nacional. Orientador Pedagógico e Psicopedagogo. Aprendizagem e evolução em grupo. 1994. controle da construção. RAMOS.RJ CONCURSO PÚBLICO . base de cálculo. Direito Civil: Bens imóveis. condomínio e posse.Português. 12ª ed. Gestão do desempenho: Modelos. 34ª ed. 2. Elucidações conceituais e procedimentos metodológicos. Filosofia da educação. Filosofia e educação. 6. Estatuto da Cidade – Lei 10. Orientador Educacional. 5. Cipriano.Educação Física. São Paulo: Cortez. (disponível em http://downloads.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . São Paulo: Moderna. all. Construtismo – teoria construtiva sóciohistórica aplicada do ensino.br/_arquivos/desenvol vimento_urbano/gestao/INSTRUMENTO_POLITI CO_FISCAL_URBANO. 1983. 12. Lei Federal de Parcelamento – Lei 9. SAVIANE. Tendências pedagógicas na prática escolar. São Paulo: Editora Moderna. 3ª ed. ______. Processo Motivacional: Principais teorias. Perícias e Avaliação: Objetivos. Organizações de aprendizagem. Olegário. 1998. Desenvolvimento de pessoas na era do conhecimento: Processos e programas de aprendizagem organizacional. Rio de Janeiro. 6. emissão de habite-se. Cadastro Técnico Multifinalitário como Instrumento de Política Urbana. Campinas: Editora Autores Associados.br/bvs/pub_assunto/ate ncao_bas. processos e estrutura de dados. 6. Brasília. princípios. 2002. Rio de Janeiro: IBAM/PROCEL.257. 8. Direito de Construir: Fundamento. Afonso. LUZURIAGA.br/_arquivos/desenvol vimento_urbano/gestao/CARTILHA_DE_CADAS TRO_TECNICO_MULTIFINALITARIO_2007. trabalho e organizações: Clima e cultura Organizacional. 4. “O que é filosofia da educação”. Direito de construir.Educação Infantil e 1º Segmento do Ensino Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. 1. 247 páginas. Métodos e técnicas. Indivíduo. Postura política. Avaliação de cargos. 7. 2002. GARCIA. 1996. Professor I . São Paulo: Malheiros editores.EDITAL No 01/2009 ANEXO III Os manuais e textos poderão ser encontrados no site da biblioteca virtual do Ministério da Saúde através do endereço eletrônico htpp://dtr2001. Parâmetros Curriculares Nacionais. Lourenzo. et. Professor II . Pedro.Matemática.. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ARANHA.gov. Legislação Municipal: Código Tributário Municipal Lei 379 e Plano Diretor Municipal. 2. 2005. Professor I . Modelo para Elaboração de Códigos de Obras e Edificações. MATUI. Professor I . o papel do Município. 183 páginas. ANALISTA EM GESTÃO DE RH 1. 2002. Professor I . Dinâmica dos grupos e os processos grupais: Trabalho em equipe. ITBI – . Educação e sociedade. Escola como instância mediadora da pedagogia. 2007. (organizado por) ERBA.pdf). 292 páginas. domínio. Métodos de avaliação. definições.caixa. 1973. 7.História.Inglês. Escola e democracia.785/99. Professor I . Avaliação da aprendizagem escolar. condições gerais. 8. alíquotas. Paulo. Papel dos gestores. 7.Ciências. Estatuto da Cidade. base de cálculo. Dermeval.htm Aspectos Legais da Política Educacional para os cargos de Professor I . 11. 1996. Autonomia e competência do Município. Didática: Elemento articulador entre pedagogia e prática docente. Fabrício & LIMA Jr. OLIVEIRA. irregularidades da construção. Professor I . (disponível em http://downloads. Gestão da Remuneração: Análise e descrição de cargos. Sérgio R. 3. Romay: Cartilha de Cadastro Técnico Multifinalitário (O que é preciso saber sobre). 3. 1997. 5. Jiron. uso e ocupação do solo.406/02. emissão de alvará. Fontes. 2001. Manual do Fiscal de Obras: (organizado pelo) Instituto Brasileiro de Administração Municipal. Atração e Seleção de talentos: Etapas. aprovação de projeto.gov. Noções gerais de desenho topográfico e levantamentos expeditos: plantas e convenções topográficas e cartográficas. NÍVEL SUPERIOR CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS PARA AS PROVAS OBJETIVAS ANALISTA EM GESTÃO IMOBILIÁRIA 1. Limitações. BRASIL.. contribuintes. São Paulo: Cortez. 91 páginas. alíquotas. Manual de topografia para prefeituras. 9. 2. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BAHIA.

1997. 1990 SOUZA. . MPOG/BNDES. Recursos Humanos. GONÇALVES. prazos. Gerenciamento de Projetos: visão integradora. ASSISTENTE SOCIAL 1. Licitação: Conceito. ALVEZ.RJ CONCURSO PÚBLICO . investigação. e BOSCHETTI. Vera Lúcia de. Prestes. 2005. São Paulo: Atlas. cidadania e direitos. ZIMPECK. Beverly Glen. São Paulo: Saraiva. Pop-up & Spyware. Rodolfo C. Rio de Janeiro: Qualitymark. Sylvie. Habilidades e Competências do Gestor Público: divisão do trabalho. Coleção Biblioteca Básica de Serviço Social. 3. In: MOTTA. 2002. 2. TROSA. André. 2005 152 p – (Gestão de Pessoas) VERGARA. 3. Vainer. A questão social no contexto da globalização e da reestruturação produtiva. TCP/IP – Internet: protocolos e tecnologias. Best Seller. Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e Lei Orçamentária Anual (LOA): elementos. Rio de Janeiro: Editora FGV. Introdução Geral da Administração. Rio de Janeiro: Axcel Books. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ALBUQUERQUE.. Volume 4. 2008. Adjudicação. Política Social: fundamentos e história. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS CHIAVENATO. E. 2000. ZELTGER. Segurança de Dados: procedimentos de backup. Fases da licitação.. Concepção de Seguridade Social: Ênfase na gestão e execução da política de assistência social. Maria Ester. Editora Campus. Vainer. IASI. Lei Orçamentária Anual: Manual de Elaboração. serviços de gerenciamento. Maria Lúcia S. Recursos administrativos. regulamentação e demandas à profissão. LEME. P. condicionantes. Volume 2. MOSCOVICI. 1998. São Paulo: Cortez. sistematização e avaliação. Christophe. Desenvolvendo Segurança em Redes. Características. Antony F. Rio de Janeiro. Ivan Barbosa & BOTTINO. 2007. Plano Plurianual (PPA). prestação de serviços. Regina Lúcia. 6. MATTOS. Plano Plurianual: Manual de Elaboração. Modalidades. STATO FILHO. Estado. BREMMER. 1987. Rio de Janeiro: IBAM. Rio de Janeiro: Makron Books. Vírus. Marcos Flávio R. Dispensa e inexigibilidade. Rio de Janeiro: Renovar.. São Paulo: Atlas. Desenvolvendo Competências Consistentes. Princípios. noções sobre normas de cabeamento etc. topologia de rede. Planejamento e trabalho profissional: Objetivos. custos. São Paulo: Atlas. 2007. Supervisão: Paul Campbell Dinsmore. Sylvia Constant. ANALISTA EM GESTÃO PÚBLICA 1. Rogério. Ken. Administração de Rede: conhecimento de sistemas operacionais de rede (Windows 2000 e Linux). Idalberto. Agostinho. Comentários à lei das licitações e contratações da administração pública. métodos de autenticação. Manual prático das licitações. Maria Ester de. Fundação Getúlio Vargas. RIGOLIN. MPOG/BNDES. Administração de Salários. FREITAS. 7. Rio de Janeiro: Alta Books.M.). São Paulo: Atlas. Vainer. 2002. Dinâmica de Grupo – Teorias e Sistemas. DEJOURS. Serviço Social e Realidade Brasileira: Trajetória histórica. Rio de Janeiro: Revan. Manual do Prefeito. NORTHCUTT. Ari et alli. Brasília. qualidade. Classificação. Izaias. Idalberto. espaços sócio-ocupacionais. Contratos Administrativos: Conceito. GREEN. Estado e Políticas Sociais: Concepções teóricas e desenvolvimento histórico no Brasil. Legislação social: direitos sociais na atual conjuntura brasileira. 5. integração voz-dados (VoIP) etc. SERVATI. o profissional contemporâneo. 2002. I. Planejamento e orçamento: visão sistêmica da Administração. (Org. Como se tornar um profissional em gerenciamento de projetos. Lynn M. (coord. R. debate contemporâneo. Gestão de Desempenho. 4. 2ª edição. conceitos e políticas de segurança da informação.). as funções gerenciais. restrições e articulação entre os instrumentos. 3. Fernando. Lei de Diretrizes Orçamentárias: Manual de Elaboração. coordenação: Adriane Monteiro Cavalieri Barbosa. naquilo que for pertinente aos Municípios.DF. MPOG/BNDES * Observar toda a legislação aplicável aos temas. ANALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1. 2ª Ed. FREITAS. 7ª Ed. SARDINHA. 2001. Stephen. Vida Psíquica e Organização. Paul C. Rio de Janeiro: Editora FGV. Gestão de Pessoas.4ª edição. Marco Tullio. Rio de Janeiro: Alta Books. Al. 1997. Gorki e ALCANTARA. Florianópolis: Visual Books. especialização. ENAP. Edital. Gestão Pública por Resultados: quando o Estado se compromete. A banalização da injustiça social. Fernando C. SENGE. 2005. Irene B. Rio de Janeiro: Qualitymark. 2001.EDITAL No 01/2009 ANEXO III SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS CHIAVENATO. Faça de Tudo para Combater Spam. Domínio Linux – do básico a servidores. protocolos de comunicação. 2. gerenciamento por resultados e políticas públicas. 2. Ari et alli. – Rio de Janeiro – Qualitymark. STARLIN. 4. Aplicação Prática de Gestão de Pessoas por Competências..PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . 2000. 6. PEREIRA JÚNIOR. Anulação e revogação. 5. BEHRING. Ari et alli. criptografia etc. Jessé Torres. política de prevenção de vírus. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BARROCO. incerteza e risco. A Quinta Disciplina. Rio de Janeiro: Campus. Lenny et al. Microsoft Windows 2000 Server – Curso Completo. 6ª Ed. Ética: fundamentos sóciohistóricos. A Bíblia da Intranet. Internet e Intranet: noções dos serviços disponíveis. Desenvolvimento Interpessoal. A questão do Imaginário e a fronteira entre a cultura organizacional e a psicanálise. FEINSTEIN. Rio de Janeiro: José Olympio. intervenção. Coleção Biblioteca Básica de Serviço Social. Fela. ética profissional. Habilitação. desafios éticos e políticos. MINICUCCI. São Paulo: Cortez. São Paulo.

OMS. P.741. o Código Penal e a Lei de Execução Penal. In: Revista Serviço Social e Sociedade (77). finalidade e modalidades de licitação. disciplina a atuação do Ministério Público. Ministério da Saúde.RJ CONCURSO PÚBLICO . Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Brasília: CFESS. Dispõe sobre a profissão de Assistente Social e dá outras providências. sua integração social. fundacionais e paraestatais. 2004. _______ Resolução n° 489. 2004. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida. Brasília: CFESS. 2006. Alienação dos bens públicos. A competência do Município. In: Revista Serviço Social e Sociedade (77). de 29 de setembro de 2008. Brasília: MDS. (várias edições) __________ Estatuto da Criança e do Adolescente. da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir. . CFESS Código de Ética Profissional do Assistente Social. _________ Resolução nº 493. Município: conceituação do Município brasileiro. 2008. Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. (Lei n. Dilséa Adeodata et al. Brasília: CFESS. de 03 de junho de 2006. Regulamentação a Supervisão Direta de Estágio no Serviço Social. 13/07/1990) __________ Lei nº 8. de 7 de junho de 1993. de 07 de agosto de 2006. Política e Sociedade. 2007. __________ Lei nº 10. Aprovada pelo Conselho Nacional de Assistência Social sob a forma de Resolução nº 130. 07/12/1993). __________ MDS/CNAS Norma Operacional Básica de Recursos Humanos do Sistema Único da Assistência Social (NOB-RH/SUAS). e dá outras providências. Direito Administrativo: Estado: conceito. Estabelece normas vedando condutas discriminatórias ou preconceituosas. Família e Juventude. São Paulo / Brasília: Cortez / CFESS. São Paulo: Cortez. BOSCHETTI. 2006. Potyara A. Subsistemas orçamentário. __________ Lei no 7. São Paulo: Cortez. Aprovada pelo Conselho Nacional de Assistência Social sob a forma de Resolução nº 269. _________ Serviço Social em Tempo de Capital Fetiche: Capital financeiro. Brasília: MDS. PEREIRA. SPOSATI. São Paulo: Cortez. 1988. Aldaíza “Especificidade e intersetorialidade da política de assistência social”. por orientação e expressão sexual por pessoas do mesmo sexo. Marilda V. Organização do Estado. regulamentando princípio inscrito no Código de Ética Profissional. São Paulo: Cortez. São Paulo: Cortez. Constituição da República Federativa do Brasil. define crimes. financeiro. 1998. 1993. de controle e de fiscalização. São Paulo: Cortez. Aprovada pelo Conselho Nacional de Assistência Social sob a forma de Resolução nº 145. nos termos do § 8o do art. Gestão Fiscal: normas de finanças públicas.) O mito da assistência social – ensaios sobre Estado.) Serviço Social e Saúde: formação e trabalho profissional. AUDITOR INTERNO 1. de 15/07/2005. de 15/10/2004 e publicada no DOU de 28/10/2004. altera o Código de Processo Penal. __________ Lei nº 11. MOTA. _________ Parâmetros para Atuação de Assistentes Sociais na Política de Assistência Social.662. 3. Série Trabalho e Projeto Profissional nas Políticas Sociais (1). Serviço Social e Ética: convite a uma nova práxis. 2006.) Política Social no Capitalismo: tendências contemporâneas. OPAS. __________ MDS/CNAS Norma Operacional Básica (NOB) / Sistema Único da Assistência Social (SUAS). 2008. Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher. Brasília: MDS. tipos e cláusulas essenciais. emprego e função. Construindo as bases para a implantação do Sistema Única de Assistência Social. de 26/12/2006 e publicada no DOU de 26/12/2006. __________ Lei nº 10. Contabilidade Pública: Subsistemas da contabilidade pública: objetivo e classificação. de 21 de agosto de 2006. São Paulo: Cortez. MOTA. Ana Elizabete et alli (Orgs. BRASIL. Serviços e obras públicas: conceito e formas de execução. 2003. _________ Resolução nº 533. “Como conjugar especificidade e intersetorialidade na concepção e implementação da política de assistência social”. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. Brasília: CFESS.340. sobre a Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência . Noções de Contrato administrativo: conceito. Servidores públicos: conceito. Mione Apolinário et alli (Orgs. e dá outras providências.EDITAL No 01/2009 ANEXO III BONETTI. de 1º de outubro de 2003. ABEPSS. voltadas para a gestão fiscal – Lei Complementar 101/2000. Agentes públicos. 2009. Bens públicos: conceito e classificação dos bens públicos.) Política Social. São Paulo: Cortez.CORDE -. 2005. 8742. Dispõe sobre o apoio às pessoas portadoras de deficiência. autárquicas. Entidades estatais. Dispõe sobre as condições éticas e técnicas do exercício profissional do assistente social. e dá outras providências. de 24 de outubro de 1989. Ana Elizabete (Org. 2008. elementos e poderes. no exercício profissional do assistente social. __________ MDS/CNAS Política Nacional de Assistência Social (PNAS). I. 226 da Constituição Federal. 1996. Licitação: conceito. 2. Câmara Municipal: funções legislativa. institui a tutela jurisdicional de interesses coletivos ou difusos dessas pessoas. 8069. Uma questão de direitos. dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher. Finalidade do Estado. IAMAMOTO. (Lei n. SALES. 2004.098. __________ Lei Orgânica da Assistência Social. Trabalho e Questão Social.853.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . 2004. et alli (Orgs. Cargo. Entidades políticas e administrativas. de 19 de dezembro de 2000.

A prática do serviço de referência. International Organization of Supreme Audit Institutions. de1º de agosto de 1990. B. conciliações. compras. 10. alienações e locações no âmbito dos Poderes da União. Lei Complementar no 101. São Paulo: Polis: Associação Paulista de Bibliotecários. Normas a serem observadas pelos órgãos entidades municipais da Administração Pública Direta e Indireta de qualquer dos Poderes. GUINCHAT. definição de responsabilidade e autoridade. C. C. 1989-2007. DF: Briquet de Lemos/Livros. 1996. 4. Brasília. Entidades Fiscalizadoras: funções. M. 8. W. DF: IBICT. 6. Análise e interpretação dos resultados orçamentário. ANDRADE. ed. ed. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Planejamento estratégico para unidades de informação. Achados e Evidências de Auditoria. 13. de 16 de dezembro de 2008. Lino Martins da. Exame e avaliação do Controle Interno. “Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências”. Execução da auditoria: técnicas e procedimentos. “Estabelece normas gerais sobre licitações e contratos administrativos pertinentes a obras. serviços (inclusive de publicidade). Normas para o exercício profissional da auditoria. Constituição Federal de 1988. Eventos e transações subseqüentes. Relatório resumido da execução orçamentária e relatório de gestão fiscal: regulamentação e composição segundo a Lei Complementar 101/2000 e a Portaria nº 462. Governança no setor público: papel e importância. patrimonial e financeiro. KOHAMA. Papéis de trabalho. Direito administrativo. Riscos de Auditoria e Carta de Responsabilidade da Administração. 70 a 74 da Constituição Federal). W. Auditoria e Controle Interno na Administração Pública. Código de Ética e Normas de Auditoria da INTOSAI. Atlas. 16 e 17 da Lei no 4. São Paulo: FEBAB. A. princípios. revisão analítica. 2. Controles Interno e Externo: conceitos. instrumentos de controle. exame documental. análise de contas contábeis. ed. Tradução para a língua portuguesa sob a responsabilidade da FEBAB. M. Classificação: estrutura e sistemas. Lei Orgânica Municipal. 11. Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro. balanços orçamentário.RJ CONCURSO PÚBLICO . 4. Fraude e Erro. sob a jurisdição do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro. 2002. Peças e conteúdo do processo de contas. sistemas de controle da Administração Pública Brasileira (art. Planejamento de bibliotecas e serviços de informação. Demonstrações contábeis de entidades governamentais: quadros demonstrativos constantes dos anexos 1. circularização. Brasília. C. LANCASTER. ISBN e ISSN. 8. e aum. “estabelece normas a serem observadas pelos órgãos entidades municipais da Administração Pública Direta e Indireta de qualquer dos Poderes. _______. DELIBERAÇÃO Nº 245. dos Estados. Aquisição de materiais de informação. Indexação e resumos: teoria e prática. bibliográfico. de 21 de junho de 1993. conferência de cálculos. 10. segregação de funções. correlação entre as informações obtidas e observação das atividades. 7. Maria G. Procedimentos em processos de tomadas de contas e de prestações de contas da administração pública. Rio de Janeiro. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BARRA DO PIRAÍ.EDITAL No 01/2009 ANEXO III patrimonial e de compensação. ed. 6. V. natureza jurídica e eficácia das decisões. e MACHADO. com as alterações efetuadas pela DELIBERAÇÃO Nº 251. São Paulo: Atlas. 3. Testes de Auditoria. VERGUEIRO. “Dispõe sobre a Lei Orgânica do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro e dá outras providências. Brasília. Auditoria: Auditoria Interna e Externa. CASTRO. risco e relevância. Serviço de Referência. do Distrito Federal e dos Municípios”. supervisão. rev. visando ao controle e fiscalização dos atos administrativos que especifica”. Plano de Auditoria baseado em riscos.”. 2. de. ed. observação. Normalização: Normas Brasileiras de Documentação (ABNT).PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . D. ________.320/64. Determinação de escopo. BARBALHO. entrevista. PETER. Organização e Administração de Bibliotecas.666. Preparado sob a direção do Joint Steering Committee for Revision of AACR. S. Helio. D. 2004. ed. 2. _______. LEI COMPLEMENTAR Nº 63. BRASIL. Tipos de auditoria: auditoria de conformidade. Manual de Auditoria Governamental. 5. auditoria de demonstrações contábeis. BIBLIOTECÁRIO 1. corr.de 18 de dezembro de 2007. Importância da amostragem estatística em auditoria. Atividades preliminares. Auditoria Interna segundo o IIA (Institute of Internal Auditors). 2001. Comunicação de resultados: relatórios de auditoria e pareceres. e ampl. 2. de 5 de agosto de 2009 Secretaria do Tesouro Nacional. controle. F. Código de Catalogação Anglo-Americano. patrimonial e demonstração das variações patrimoniais. 2001. MENOU. Brasília. São Paulo: Atlas. Brasília. aspectos fundamentais. Programas de Auditoria. auditoria operacional e avaliação de programas de governo (auditoria de resultados). Materialidade. Auditoria Governamental segundo o INTOSAI (International Organization of Supreme Audit Institutions). Marcus V. Indexação. Normas sobre documentação. GROGAN. Introdução geral às ciências e técnicas da informação e documentação. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ALMEIDA. de 04 de maio de 2000 (Lei de Responsabilidade Fiscal). auditoria de sistemas contábeis e financeiros informatizados. 1994. 1995. Domingos Poubel. 2005. V. DI PIETRO. São Paulo: Atlas. Planejamento de Auditoria. São Paulo: Atlas. M. DF: Briquet de Lemos/Livros. Contabilidade governamental: um enfoque administrativo. Contabilidade pública: teoria e prática. . Representação descritiva do documento: catalogação. S. Lei Federal n˚8. São Paulo. DF: Briquet de Lemos/Livros. inspeção física. ver. Maria Sylvia Zanella. financeiro. DF: Briquet de Lemos/Livros. atividades de detecção de fraudes. BERAQUET. sob a jurisdição do Tribunal de Contas. SILVA. 9. R.

O. Traumatismo dental. Caminhos da polpa. LOPES. 8. LINDHE. Biologia e Técnica. Odontologia Integrada – Atualização Multidisciplinar para o clínico e o Especialista. Lixo. ed. Manual de anestesia local. T. Ed. 2001. Atheneu 1ª edição. FONSECA. J. Comunicação e Regulação Geral do Organismo. KALIKS. Patologia bucal. Anatomia e histoFisiologia Humana. 2000. BURNS. 12. 2006. anti-inflamatórios. M. 2002. Rafael. 6. Cabeçalhos para entidades coletivas. 1999 MALAMED. Adolph. 1982. Victor G. de A. 2008. 2000. 10. 2ª ed .W. Anatomia oral. Atheneu(São Paulo S. Manole 1ª edição. 18. THOMPSON. GRIPP. Fisiologia Vegetal. Ed. Lisboa 6ª edição. 2. 11. 10. et al. Stanley F. Bioquímica Clínica. 2003. Ed. 2. 13. R. 2007. H.. Bioquímica Clínica Para o Laboratório . et al. São Paulo: T. 2000. Técnicas em citologia e cultura de tecidos. São Paulo: Ed Santos. KANAAN. David Pereira. 5. Introdução à teoria de classificação. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BORGES. CIRURGIÃO DENTISTA – Clínico Geral 1. Bioquímica básica e Biomoléculas. Coleta e conservação de amostras. Maria Alice. Genética Humana. SOTORER. Terapêutica medicamentosa em Odontologia. 2007. Rio de Janeiro: Ed Medsi.S. Jayro Jr. Wanice Miriam. 12. 6. José F. Jan. Bases da Biologia Celular e Molecular. DF: Briquet de Lemos/Livros. Ed. A. 1988. Brasília-DF.A) 2ª edição. Valter T. 2005. Fio Cruz 1ª edição. 4ª ed Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. PINTO. Brad W. São Paulo: Ed Santos./ et al. Atheneu. BARATIERI.W. MENDES. Tradução Edson Jorge Lima Moreira. 13. 2001. Guanabara Koogan 9ª edição. Sidney.Guia Para as Prefeituras Brasileiras. Odontologia Restauradora Fundamentos e Possibilidades. C.Princípios e Interpretações. Anatomia da Cabeça e Pescoço: Osteologia. 8ª ed São Paulo: Artes Médicas. 4. Fundação Calouste Benkian. 3. Rio de Janeiro: Medsi. Harry. Larry J. QUINN. Porto Alegre: Artes Médicas Sul. VERGUEIRO. ed. RODWELL e MAYES. Rio de Janeiro: Interciência. Corantes.1983. Tratamento das urgências e emergências em odontologia. Promoção de Saúde Oral: Conceitos de saúde e estratégias nos níveis coletivo e individual. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2005 MINISTÉRIO DA SAÚDE. LANGMAN. músculos da cabeça e pescoço. 15. ET alli. vasos e nervos. Materiais odontológicos restauradores: indicações e técnicas de uso. Patologia Oral e Maxilafacial. Christine L. OSÓRIO e ROBINSON. 2001. SICHER. 4ª ed. 11. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ANDRADE. PRADO. Biossegurança e controle de infecção cruzada em consultórios. ANDREASEN. Ed. E. 5. DE ROBERTIS. Antonio Salazar e cols. Ed. Tratado de periodontia clínica e implantologia oral. Parasitologia Dinâmica. SADLE. Fundamentos da Ecologia. Manual de Condutas . 2005. Ed. Embriologia Médica/Langman. vascularização e drenagem venosa da cabeça e pescoço. Guanabara. 1983. Semiologia das lesões de mucosa bucal e exames complementares. 1ª ed. Interciência 2ª edição. 2006. 3ª ed. ODUM. Artmed 2ª edição. 1985. Ed. Parasitologia Humana. W. Ed. LUTZ. Proteínas e Enzimas 14. Radiologia: Técnicas.Vol 3. 2001. Dentistica: Princípios gerais do preparo cavitário: técnica operatória e restauradora. 2. Ed. 2003. Endodontia. Rio de Janeiro: Mosby. Auro del. Fisiologia Humana. São Paulo: Editora Artes Médicas Ltda. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. indicações e complicações. 3 v. Citologia. GARCIA. Citogenética. CIRURGIÃO DENTISTA – Traumato Bucomaxilofacial 1. 16. Nacional. 17. R. GIGLIO. Luiz N. EDUCS 1ª edição. THOMPSON. Ed. 1976. 5ª ed. Genética. São Paulo: Santos. M. Biossegurança e controle de infecção no consultório dentário. nervos cranianos. Seleção de materiais de informação: princípios e técnicas. PIEDADE. MOTTA. Cirurgia oral e maxilofacial contemporânea. M. Embriologia Médica. Stephen. NEVILLE. Queiroz. 2003. SP: 6ª edição. Maria Regina. 9. 3. Niterói: Intertexto. Imunologia. Ed. Ed. 2003. Anestesia Local: Técnicas. Reciclagem e sua História . Guanabara Koogan 6ª edição. Terra Salim. Eugene P. Outros Estudos em Zoologia . JUNIOR. NEVES. 9. 8. Manual de Química Fisiológica. 2. Anatomia: Ossos do crânio. 2000. BIÓLOGO 1. Ed. 7ª ed . 2000. COHEN. CARNEIRO. Cárie Dentária: Etiologia. 1991. 2001. Princípios da Hematologia Clínica. GUIMARÃES. 1995. HARPER. Helio P. Meios de cultura. métodos de prevenção e controle. antibióticos e ansiolíticos. Genética Médica. Higiene e Saúde Pública e Ecologia. Atheneu 2ª edição. Metabolismo e regulação da Utilização de Energia. anatomia aplicada à . Ed.RJ CONCURSO PÚBLICO . rev.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . 7. GUYTON. MARELL/JONH/KROTOSKI. J. Ed. Zoologia Geral. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 7. Preparação de lâminas. A. Parasitologia Médica. 2000. Carneiro Junqueira. Atheneu 4ª edição. T. Guanabara Koogan. 1ª ed.EDITAL No 01/2009 ANEXO III 1994. et al. Manual de Traumatismo dental. Brasília. Ed. 2002. 4. Organização e administração de bibliotecas. Terapêutica medicamentosa: Analgésicos. Saúde Bucal Coletiva. Richard C. Rio de Janeiro: Interciência. miologia. PETERSON. S. D. soluções e complicações. Controle de infecções e a prática odontológica em tempos de AIDS. Microscopia. Arthur. 2004. Guanabara 3ª edição. Biologia Celular e Molecular. Jan.

Metas Fiscais e Riscos Fiscais. 4 ed. farmacologia dos vasoconstrictores. desordens hematológicas e ósseas. de 4 de maio de 2001.. 4ed. 497p. externo e integrado. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. HUPP.RJ CONCURSO PÚBLICO . Conteúdo do Orçamento-programa: quadros que o integram e acompanham. biotransformação e eliminação dos medicamentos.EDITAL No 01/2009 ANEXO III propagação das infecções odontogênicas. D. infecções bacterianas. hemorragia e hemostasia. A classificação da receita de acordo com Portaria Interministerial STN/SOF nº 163.. 11. 6. Ater Médicas. antiinflamatórios. J. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS DINGMAN. 2. M. 717p. classificação. casos de receita extraorçamentária e contabilização. FISH. Receita Pública: conceito. O. A. D. Mosby. Atribuições dos Tribunais de Contas. 1998. Lei Orgânica Municipal. L. M. E.. Classificações Orçamentárias.. SICHER. Dívida Ativa: conceito. Mosby: 2003. complicações locais e sistêmicas. DAMM. Manual de Anestesia Local. 16 e 17 da Lei no 4. Relatório resumido da execução orçamentária e relatório de gestão fiscal: regulamentação e composição segundo a Lei Complementar 101/2000 e a Portaria nº 462. 1991. Cirurgia Bucal. Patologia: Alterações de desenvolvimento da região maxilofacial. 360p. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. FAZIO. Aplicação dos princípios fundamentais de contabilidade na área pública. regulamentação e contabilização. BRASIL. III. serviços da dívida a pagar e débitos de tesouraria. J. C. L. Sistema Orçamentário Brasileiro. restos a pagar. L. Tipos e formas de controle. R. anatomia aplicada à anestesia local. conforme a Lei no 4. Execução orçamentária da receita: programação financeira. Planejamento Governamental: Conceito de planejamento. Medicina Oral. Cirurgia das fraturas faciais. 376p. forma e competência. F. A função da contabilidade na Administração Pública. financeiro. CONTADOR 1. Cirurgia: Pré e pós operatório.. Classificação institucional.320/64. arrecadação e recolhimento. Constituição Federal de 1988. lançamento. retenções. alterações pulpares e periapicais. Exercício financeiro: definição. Regime contábil: classificação.. Orçamento Anual: conceito de Orçamento Público. 10. Regime de caixa e de competência. STELLA. patrimonial e demonstração das variações patrimoniais. PETERSON. P. Controle da execução da receita orçamentária: contabilização dos estágios de realização da receita orçamentária. MALAMED. Princípio de unidade de tesouraria. farmacologia dos anestésicos locais. antibióticos. dentes inclusos. inscrição e cobrança. Dentofacial Deformities – Integrated orthodontic and surgical correction – Volume II. J. 2. hiperplasias e neoplasias benignas. Base legal do planejamento governamental. Subsistemas da contabilidade pública: objetivo e classificação. 5. Exercício financeiro das entidades governamentais. H. de 5 de agosto de 2009 Secretaria do Tesouro Nacional. 875p. EPKER. 1999. N. Subsistemas orçamentário... Controle interno. 705p. Farmacologia e Terapêutica para dentistas.320/64 e a Lei Complementar 101/2000. F. ELLIS. S. 1994. Plano de Governo: conceito. Elaboração da proposta orçamentária: conteúdo. Controle Governamental: Conceito de controle.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . J. NEVILLE. Princípios orçamentários. R. Despesa Pública: conceito. 8. Reconhecimento das receitas e despesas públicas. FANG. São Paulo: Santos. casos de despesa extra-orçamentária e contabilização. C. cirurgia da articulação têmporomandibular. Discussão. Gestão por caixa único: definição. neoplasias malignas. 4. 2 ed. Classificação da despesa. A. W. empenho. Patologia oral e maxilofacial. S. licitação. F. G. apuração. 7. Farmacologia: Administração.. YAGIELA. 9. complicações bucossinusais. liquidação e pagamento. Gestão por fundos especiais regulamentados: conceito. Conceitos. ansiolíticos. jurídico. Adiantamentos: conceito e contabilização. J. NATVIG. Classificação funcional-programática. patologia das glândulas salivares. Dívida Flutuante: consignações. Contabilidade Pública: conceito. PAJAROLA. 279p. Processo Orçamentário. objetivo e conteúdo. E. Fiscalização dos atos da Administração pelo Poder Legislativo. Controle da execução da despesa orçamentária: contabilização dos estágios de realização da despesa orçamentária. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. traumatismo dento-alveolar. 2001. NEIDLE. votação e aprovação: encaminhamento da proposta ao Poder Legislativo. DOWN. ALLEN. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. objetivo e conteúdo. balanços orçamentário. 8ed. Porto Alegre: Artmed. articulação temporomandibular. 1183p. 4ed. manifestações orais de doenças sistêmicas. Execução orçamentária da despesa: programação financeira. classificação. cistos e tumores odontogênicos e não-odontogênicos. diagnóstico e tratamento das fraturas faciais. patrimonial e financeiro. 2 ed. diagnóstico e tratamento das infecções odontogênicas.320/64. Definições e contabilizações. SONIS. virais e micóticas. E. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BARRA DO PIRAÍ. regulamentação e contabilização. T. DUBRUL. cirurgia ortognática. Classificação da receita por categorias econômicas: as fontes de receita do Estado. Demonstrações contábeis de entidades governamentais: quadros demonstrativos constantes dos anexos 1. traumatismo de tecidos moles. absorção.. patrimonial e de compensação. G. Plano Plurianual: conceito. Dívida Fundada: operações de crédito: definição. A classificação da despesa conforme a Lei no 4. Emendas.. Anatomia Oral. Contabilização. 388p. Despesa extra-orçamentária: definição. econômico e financeiro do Orçamento.. exodontia. TUCKER. B. 2000. Dívida Pública: conceito e classificação. 3. Aprovação da Lei de Orçamento. Lei de Diretrizes Orçamentárias: conceito.. C. cirurgia pré-protética. 1995. a Portaria no 42/99 e a Portaria no 163/2001. P. Aspectos político. vetos e rejeição à proposta orçamentária. Análise e interpretação dos resultados orçamentário. . Classificação econômica. financeiro. Analgésicos. SAILER. Formas de gestão dos recursos financeiros. Contemporary Oral and Maxilofacial surgery. Receita extra-orçamentária: definição. B. 2000. BOUQUOT. Anestesiologia: Técnicas anestésicas de maxila e mandíbula. planos que compõem o sistema orçamentário brasileiro atual.

SILVA. ______ Ministério da Saúde. do adulto. 3. 1979. 2006. ed. Secretaria de Vigilância em Saúde. Orçamento público. 2005. II e III da Portaria Interministerial no 163.manual técnico. Portaria nº 42 de 14 de abril de 1999. Aproveitamento de microcentrais hidrelétricas no meio rural.. A. Fundamentos de Enfermagem: Conhecimentos técnico-científicos para execução de procedimentos de enfermagem. Contabilidade governamental: um enfoque administrativo. Rio de Janeiro: IBAM. MACHADO Jr. “Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências”. “Dispõe sobre normas gerais de consolidação das Contas Públicas no âmbito da União. Lino Martins da. 2003.. Estados. Departamento de Vigilância Epidemiológica. José Teixeira. ______. Contabilidade pública: teoria e prática. Ministério da Fazenda e Ministério do Planejamento. de 14 de outubro de 2008. prevenção e controle de infecção hospitalar. Secretaria de Atenção à Saúde. Brasília: Ministério da Saúde. programas especiais de saúde voltados à assistência da criança. Departamento de Vigilância Epidemiológica. _______.7. 14. – Brasília: Ministério da Saúde. do trabalhador e da família. 30 ed.EDITAL No 01/2009 ANEXO III _______. Ministério da Fazenda e Ministério do Planejamento. Manual de Irrigação. 8. auditoria e avaliação de desempenho em enfermagem. cuidados de enfermagem ao recém-nascido. Ministério da Saúde. CAMARGO. 2000/2001. Viçosa. Orçamento e Gestão. Rio de . _______. atividades de educação em saúde. Departamento de Atenção Básica. Departamento de Atenção Básica. Tecnologia de Produtos Agropecuários. distúrbios clínicos e cirúrgicos. 8. Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação: cartilha para trabalhadores de sala de vacinação / Ministério da Saúde. Irrigação e Drenagem.C. Armazenamento e Processamento de Produtos Agrícolas. ed. Portaria nº 462. Distrito Federal e Municípios.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . registro de enfermagem.RJ CONCURSO PÚBLICO . _______. ______. Aplicações de Biodigestores no meio rural. 3 ed. metodologia da assistência de enfermagem. Rio de Janeiro: Ed. intervenções de enfermagem no preparo. 2008. à criança e ao adolescente no ciclo de desenvolvimento normal e aos portadores de patologias específicas. epidemiologia.1. Helio. KOHAMA. 1. Departamento de Vigilância Epidemiológica. – Brasília: Ministério da Saúde. em situações de urgência e emergência. a BRADY. Ministério da Saúde. história natural das doenças e níveis de prevenção. Princípios de Conservação de Alimentos. 4. – 7. a DAKER. ______. “Aprova os Manuais de Receita Nacional e de Despesa Nacional e dá outras providências. organização e armazenamento de recursos materiais. Secretaria de Atenção à Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde. Portaria Interministerial nº 163. São Paulo: Ed. Heraldo da Costa. 6 ed. Saúde Pública: Política nacional de saúde. Secretaria do Tesouro Nacional e Secretaria de Orçamento Federal. ed. 1998. GIACOMONI. indicadores de saúde. Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada . São Paulo: Atlas. 2. de 5 de agosto de 2009. Mecanização. Natureza e propriedades dos Solos. Secretaria de Vigilância em Saúde. 2006. ENGENHEIRO AGRÔNOMO 1. “Altera os Anexos I. Secretaria de Atenção à Saúde. de 04 de maio de 2000 (Lei de Responsabilidade Fiscal). Ministério da Saúde. James. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. que dispõe sobre normas gerais de consolidação das Contas Públicas no âmbito da União. 5. 7. Ministério da Saúde. _______. 4. rev. da mulher. do idoso. 10. Livraria Freitas Bastos S. Hipertensão arterial sistêmica para o Sistema Único de Saúde / Ministério da Saúde. Estados. ed. reviso técnica Sônia Regina de Souza. Enfermagem MaternoInfantil. 3. Enfermagem Médico-cirúrgica / (equipe Lippincott Williams & Wilkins): tradução Ivan Lourenço Gomes . Enfermagem MédicoCirúrgica: Ações de enfermagem às pessoas com distúrbios psiquiátricos.320/64 comentada. consulta de enfermagem. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Administração dos serviços de enfermagem: Previsão. Portaria nº 180 de 21 de maio de 2001. Secretaria de Atenção à Saúde. Solo. rev. de 27 de agosto de 2001. Portaria Conjunta STN/SOF nº 3. A. Cuidados de enfermagem à mulher durante o ciclo gravídico-puerperal e às portadoras de patologias específicas da gravidez e ginecológicas. Lei Complementar no 101. Diabetes Mellitus / Ministério da Saúde. Orçamento e Gestão. Imprensa Universitária. dimensionamento e desenvolvimento de recursos humanos. ética de enfermagem e legislação do exercício profissional.. Secretaria de Atenção à Saúde. e dá outras providências”. S. atenção primária em saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. esterilização e acondicionamento de materiais hospitalares. e dá outras providências”.. _______. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. de 4 de maio de 2001. 2. Secretaria de Vigilância em Saúde. liderança e supervisão. provisão. do adolescente. Ministério da Fazenda. Irrigação e Drenagem. N. Área Técnica de Saúde da Mulher. 6. “Aprova a 2ª edição do Manual de Demonstrativos Fiscais”. São Paulo: Atlas. Departamento de Atenção Básica. Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde. v. 5 ed.. atual. Distrito Federal e Municípios. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS a BERNARDO. 1995. 2008. Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso / Ministério da Saúde. ENFERMEIRO 1. _______. de 4 de maio de 2001. Tecnologia dos Produtos Agropecuários. ações de enfermagem na realização de curativos. Secretaria do Tesouro Nacional. saneamento e programa nacional de imunização. Secretaria de Vigilância em Saúde. R. Portaria Interministerial nº 325. sistema de vigilância epidemiológica. REIS. São Paulo: Atlas. A lei 4.”. Nobel.

Recomendações Básicas para a Aplicação de Boas Práticas Agropecuárias e de Fabricação na Agricultura Familiar. tratamento e destinação final dos efluentes agropecuários. Manejo e Adubação. 302/2002 e n. arborizações urbana e rural. SILVA. sumidouros. Saneamento Básico. 3. revegetação. redução da concentração bacteriana. 245p. Propriedades Químicas. Limpeza pública. ed. Classificação e conservação dos solos. 2. F. Viçosa: MG.L.. 2. 2000.802/1989. Política Nacional Recursos Hídricos – Lei n. bacias hidrográficas. Atuações da Engenharia Sanitária vinculadas ao controle de enchentes urbanas. Reflorestamento de propriedades rurais para fins produtivos e ambientais – um guia para ações municipais e regionais.1. Brasília: DF.Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária..9. Crimes Ambientais Lei n.. padrões de potabilidade. coleta. 1999.1. 4. Pré-Processamento de Produtos Agrícolas. 303/2002 e 369/2006. 237/1997. TULER. critérios gerais de dimensionamento. BATALHA.Lei n. 7ª ed. 1995. Bem-Hur Luttembarck. princípios. Prevenção e controle da poluição na agricultura.11. Correção da acidez do solo.A . estação de tratamento de água. GALVÃO. Meio Ambiente – Preservação Ambiental e Controle da Poluição: Importância da água. lodos ativados.766/1979. químicas e biológicas dos esgotos sanitários. medidas de controle. estações de tratamento de esgotos. lagoas de estabilização. proteção da saúde das populações e preservação ambiental. São Paulo: Edgard Blucher. Nutrição vegetal e recomendações de nutrientes. químicas e biológicas do lixo. 2. MORAES. 2006. Juiz de Fora: MG.2. Máquinas para Colheita e Processamento de Grãos. 1977. 1987. regime dos cursos da água.7. EMBRAPA . UFMG. Conservação do solo e da água. FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE. importância.3. a GAVA. adutoras por gravidade. Antônio Paulo Mendes [et al. 2. Classificação dos solos do Estado do Rio de Janeiro. 1. 6. M. José M. FARRET. Aptidão e uso agrícola dos solos. UFPeL. PUZZI. Rio de Janeiro.T. Aterro Sanitário. Conceituação de macro e micro drenagem. D. Controle da qualidade da água para consumo humano. Parcelamento do Solo Urbano – Lei n..4. adubos e corretivos. Legislação: Legislação Ambiental Federal. Abastecimento e Armazenamento de Grãos. modos de transmissão e medidas de controle.1. Abastecimento de Água: Consumo de água.V. Santa Maria: Editora da UFSM. – Brasília.L. Decreto Federal n. Livraria Nobel. As poluições de origem pontual e difusa. Manual de Saneamento. Resíduos Sólidos. Política Nacional do Meio Ambiente . Métodos alternativos ao uso de agrotóxicos. Características físicas. Programa Zoneamento EcológicoEconômico: concepção geral. 1997. IBAM.EDITAL No 01/2009 ANEXO III Janeiro: Ed. Princípio de Tecnologia de Alimentos. São Paulo: Ed. 2. 2. Nobel. características físicas.SOLO.2.938/1981. químicas e biológicas da água. Agrotóxicos: noções básicas. 4.12. ed. 4. José Aníbal.771/1965. Editora da Associação . Fénelon et al. Pelotas.2. 1986. Nelson Gandur. 2 ed. ed. Doenças de origem fecal. Carlos Augusto de Lemos. 200 p. Redes de distribuição de água.S. DACACH. 1988. adutoras por recalque. Físicas e Biológicas do solo. 9. culturas. J. Redes coletoras de esgotos. Protocolo de Kioto. A.5. Rio de Janeiro. 1984. Política Nacional de Recursos Hídricos. Brasília: DF. ecologia aplicada à agronomia.. 2001. 2. Autodepuração de cursos da água. 1988. Impactos ambientais/Poluição e conservação dos recursos naturais. carga orgânica. 1999. Saneamento Básico. A. José Cláudio. Campinas. Tratamento de Esgotos Domésticos. da educação e do monitoramento ambientais na gestão do saneamento. J. Livraria Freitas Bastos S. 1973.. 3ª. ENGENHEIRO AMBIENTAL 1.F e MACHADO. 2. Topografia – Altimetria. São Paulo: CETESB. A. Paisagismo. parques e jardins. 1988. 289/2001. da fauna e flora nativas. 1ª. A importância do saneamento no controle da poluição. partes constituintes dos sistemas de abastecimento de água.Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. valas de filtração. 2. COMASTRI. Lei Federal n.. 2. Resoluções CONAMA n. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS AZEVEDO NETTO. 4. Características físicas. 4. do solo e do ar como componentes dos ecossistemas na natureza. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos. 3ª edição. Manual de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos. 7.1/1986.10. Recursos Hídricos: Ciclo hidrológico. Coleta seletiva e reciclagem. 1ª ed. JORDÃO.8. principais processos de tratamento. 3. Aproveitamento de Pequenas Fontes de Energia Elétrica. CHERNICHARO. Práticas de controle da erosão. dimensionamento econômico. REIS A.3. 9. dimensionamento. 2. n. Licenciamento Ambiental: noções básicas. Recuperação de matas ciliares. SILVEIRA. Instituto Maria. 1988. NASCIMENTO NETO. Instituto Campineiro de Ensino Agrícola.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . Eduardo Pacheco & PESSOA. 6. Emissão de gases provenientes da decomposição da matéria orgânica. Adução de água. valas de infiltração. Fotointerpretação: noções básicas. demanda bioquímica de oxigênio. 4.M. Reatores anaeróbios. 1982. A importância da vigilância sanitária. C. 2. 2 ed. transporte e destinação final adequado. Acondicionamento. Globo.605/1998. 3. Manual de Hidráulica. filtros anaeróbios. fossas sépticas.B.]. Tratamento de água. Belo Horizonte. Critérios de dimensionamento para sistemas de drenagem pluvial.A. ed. filtração biológica. TOECHER. 351p. Tratamento de esgotos. licenciamento ambiental para atividades agrícolas.RJ CONCURSO PÚBLICO .1. São Paulo: Ed. n.6. Reservatórios de distribuição de água. n. G. águas subterrâneas. modos de transmissão. Ed. Editora UFV. Esgotamento Sanitário: Soluções individuais para destinação e tratamento dos esgotos sanitários.Lei n. IPT/CEMPRE LIXO MUNICIPAL: Manual de Gerenciamento Integrado. classificação. Constantino Arruda. Legislação federal sobre contratações públicas.u a JORGE. Rio de Janeiro: Ed. Constituição Federal. 2. águas superficiais. São Paulo. 3. Código Florestal . 2.074/2002. Os Cuidados com o Trator. Estadual e Municipal. 1995.433/1997. hidrograma. Doenças de veiculação hídrica. 1999. 243p EMBRAPA Florestas . reatores anaeróbios.

J. São Carlos.gov. Ana.br ENGENHEIRO DE TRÂNSITO 1. Regulamenta o Código de Ética da Profissão Farmacêutica. supositórios. REIS. 549p. 2003. xaropes. boas práticas na manipulação de medicamentos e boas práticas em farmácias e drogarias. julho de 2008). géis. Pólos Geradores de Tráfego: características.br/ccivil_03/LEIS/ www. Modos de Transporte Urbano. 5. 2006. Introdução à Engenharia de Tráfego. Recuperação de Matas Ciliares. Farmacologia Básica e Clínica. Marco Antônio. GOMES. A. SP: Editora Rima. 10. dispõe sobre a utilização de nomes genéricos em produtos farmacêuticos e dá outras providências. . Assistência Farmacêutica: seleção e padronização de medicamentos e correlatos. 1999. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ANSEL. pontos de parada. Medidas para moderação do Tráfego (Traffic Calming). CFF. 7.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . 4. Segurança de Tráfego: Identificação e tratamento de locais críticos de acidentes e controle eletrônico de velocidade. Características de sistemas cicloviários. dispensação ambulatorial e atenção farmacêutica. vias de administração.Uma abordagem em Farmácia Hospitalar. 2005. Resolução RDC nº 338. Características das Vias e do Fluxo de Tráfego. princípios de farmacoepidemiologia e farmacovigilância. São Paulo: Atheneu.br www. Aprova a Política Nacional de Assistência Farmacêutica. injetáveis. 559p. anti-inflamatórios nãoesteroidais. vertical e semafórica.mma. Publicação IPR723. L. Resolução nº 417. Procedimentos para Tratamento de Locais Críticos de acidentes de Trânsito.Pesquisas e Levantamento de Tráfego. FERRAZ.org. CET SP Boletim Técnico 21. ALLEN. 1979.br www.Um Estudo Sobre os Problemas de Estacionamento de Veículos. H. Eurico Trindade.br www. 6. As Bases Farmacológicas da Terapêutica. Perkons 2005) CEFTRU. Editora Premier.br www.br www. 2001. NEVES.resol. 143p. assistência farmacêutica no SUS.rj.br www. Sinalização de trânsito: horizontal. Pesquisa e Levantamento de Tráfego em vias e interseções. 1999.gov. CTB . 2001.rj. interação fármaco-receptor. GOMES. Osvaldo Ferreira. impactos na circulação e medidas mitigadoras. óvulos e aerossóis. 6ª ed.V. MT.. 6ª ed.com. 1995. de 06 de Maio de 2004.planalto. Legislação Sanitária e Profissional pertinente a Farmácia: código de ética.gov.ibam.org. Lei 9787 de 10 de fevereiro de 1999 estabelece o medicamento genérico. PRIMAVESI.pmbp.M. São Paulo: SP. formas farmacêuticas auriculares. Brasília. FARMACÊUTICO 1. agonistas e antagonistas adrenérgicos. P & TORRE. Código de Trânsito Brasileiro (Brasília. 2001..gov. Análise de Capacidade de Interseções em Nível. Ciências Farmacêuticas . 2005. estações e pontos de carga e descarga em áreas urbanas. antiagregantes plaquetários. Métodos para cálculo da capacidade da capacidade de Interseções sinalizadas. exercício profissional. www. anticoagulantes. comprimidos.Programa PARE. Curso de Hidráulica. Editora Aprenda Fácil.aesbe. política nacional de medicamentos. VALENTE. MARIN NELLY (Org. GOODMAN e GILMAN. Eduardo Alcântara de. G. BRANDÃO. A cidade. CET SP Boletim Técnico 16. Lúcia Maria. N. C. Viçosa:MG. 3.M. Análise de Capacidade e nível serviço de vias e interseções.jornaldomeioambiente. Medidores Eletrônicos de Velocidade. 2000. Assistência Farmacêutica para Gerentes Municipais. agonistas e antagonistas colinérgicos. E. aquisição. Farmacotécnica: soluções. Fenaseg. pós. ansiolíticos. pomadas. I. Manual de Estudos de Tráfego – DNIT. antidiabéticos. Manual de Planejamento Cicloviário. cremes. Manual de Procedimento para o Tratamento de Pólos Geradores de Tráfego. Sebastião Venâncio. 3. medicamentos genéricos. DENATRAN / FGV. Boletim Técnico 31. Universidade de Brasília. comprimidos revestidos.ibama. programação. armazenamento e estocagem.M. Brasília. Universidade de Brasília. 4. 2006. 2. 210p. diuréticos.). medicamentos controlados. 10ª ou 11ª edição.com. emulsões. Editora Aprenda Fácil.G. M. 9. Conservação de Nascentes .Legislação de Trânsito Anotada (Edição Especial. 2000. formas farmacêuticas oftálmicas. BHTRANS. CEFTRU.EDITAL No 01/2009 ANEXO III Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (ABES). grânulos.gov. A. Antihipertensivos.V. Ministério dos Transportes. política nacional de assistência farmacêutica.. cápsulas.RJ CONCURSO PÚBLICO .org. antidepressivos.gov. Perkons. Transporte Público Urbano. suspensões. Farmacotécnica: Formas Farmacêuticas & Sistemas de Liberação de Fármacos. 9ª ou 10ª edição.ana.C. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS VASCONCELLOS. MARTINS. Viçosa: MG.Hidrologia e Manejo de Bacias Hidrográficas de Cabeceiras. Manual de Medidas Moderadoras de Tráfego: Traffic Caming. 2001.abes-dn. controle de estoque de medicamentos. antibióticos.br www. 2. biotransformação e excreção. CET SP. 2002. Editora Nobel. 8. antihiperlipidêmicos. Características de estacionamentos.br www. o transporte e o Trânsito.ambiente. Manejo ecológico do solo – A agricultura em regiões tropicais. KATZUNG. Rio de Janeiro: OPAS/OMS.br www. POPOVICH. Porto Alegre: Globo. Farmacologia: absorção. Uma visão da Engenharia para Implantação. formas farmacêuticas nasais. JR. distribuição. CNS. pastas. de 29 de setembro de 2004.

Elaboração de programa de tratamento em fisioterapia. Crédito tributário. Lopez. paralisia cerebral.EDITAL No 01/2009 ANEXO III Portaria 3. 2008. Responsabilidade tributária. Régis Fernandes de. Rio de Janeiro: BP. Davies. Anatomia e fisiologia dos sistemas musculoesquelético. São Paulo: Manole. TECKLIN. FISIOTERAPEUTA 1. 8. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BALEEIRO. Farmácia Clínica e Atenção Farmacêutica. Craig . Sacha Calmon Navarro. Taxas de polícia. 2005. Luiz Emygdio F. Características dos tributos municipais. LOW. Constituição da República de 1988. 2004. Fiscalização. Vol. 4 ed. S. treino de marcha. Aliomar. GABRIEL. lesões traumatortopédicas. Thomas: Fisioterapia – Avaliação e Tratamento. 3. hidroterapia. Darcy: Reabilitação Neurológica.V. Joseph J. Don. Laura K.: Nelson Gomes de Oliveira). 3 ed. BARRA DO PIRAÍ. Características. Processo tributário administrativo. Robert: Fundamentos de Terapia Respiratória de Egan. exercícios corretivos posturais. Normas gerais de Direito Tributário. O Sistema Tributário Brasileiro. REBELATTO. Código Tributário Municipal. 6. Bruno. OLIVEIRA. Resolução RDC nº 33. ICHIHARA. contra-indicações e efeitos fisiológicos em mecanoterapia. São Paulo: Atheneu. 7 ed. Infração puramente fiscal. UMPHRED. lesão medular. Vigência e aplicação da legislação tributária. nervoso e vascular. Volumes 1 e 2. Hugo de Brito. YOCHIY. adaptação de órteses. Renúncia fiscal. Imunidades tributárias.WILKINS. L. e desvios da coluna vertebral. crioterapia. Rio de Janeiro: Renovar. Farmacologia. Serra. Susan. Curso de direito tributário. 2 ed. PETIT. politraumatismos. 4. 3. termoterapia. São Paulo: Manole. doenças reumáticas. José Geraldo da Silva: Fisioterapia Geriátrica. fisioterapia em pré e pós-operatório. 3 ed. Louis: Ortopedia e Fraturas em Medicina e Reabilitação. A. massoterapia. O´SULLIVAN. MORELLI. 1 ed. MACHADO. RANG e DALE. O Fisioterapeuta e a equipe de reabilitação. Fato gerador. SOLOMON. 7. 4 ed. avaliações e tratamento das doenças cardiopulmonares e neurológicas nos doentes internados na UTI. Resolução RDC nº 328. da força muscular e da postura. de 19 de abril de 2000 Aprova o Regulamento Técnico sobre Boas Práticas de Manipulação de Medicamentos em Farmácias. R. Portaria nº 344 de 12 de maio de 1998 Aprova o Regulamento técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial.sistema tributário. de 22 de Julho de 1999.ed. Yoshiaki. PRESTO. SCANLAN. São Paulo: Ed. São Paulo: Manole. 7. Luciana Damázio: Fisioterapia Respiratória: Uma Nova Visão. 2001. SMITH. Técnicas. Diagnósticos clínicos das seguintes patologias: poliomielite. CARRIL. Belo Horizonte: Del Rey. BRASIL. COELHO. atualizada. Manual de direito financeiro e de direito tributário. 5 ed. Maria L. Fundação Calouste Gulberkian.: Nelson Gomes de Oliveira). NOGUEIRA. MORI. São Paulo: Manole. Noções gerais. 5ª ou 6ª edição. 4 ed. 2. São Paulo: Manole. Patricia M. SCHMITZ. Normas gerais. 1997. Rio de Janeiro: Forense. MORGADO. síndrome de Down. Rio de Janeiro: REVINTER. São Paulo: Manole. FISCAL DE TRIBUTOS 1. José Rubens.: Manual Fotrográfico de Testes Ortopédicos e Neurológicos (trad.N. Maria R. diabetes. doenças neuromusculares. 1999. paralisia braquial obstétrica. LEHMKUHL. Métodos de avaliação fisioterapêutica: avaliação da amplitude articular.: Recomeçando outra vez: reabilitação precoce após lesão cerebral . II e III. 4. Comentários à Constituição de 1988 . Direito tributário brasileiro (atualizado por Misabel Abreu Machado Derzi). sujeito ativo e sujeito passivo. Métodos de interpretações. I.. Crimes tributários. Interpretação e integração da legislação tributária. Lei nº 379 de 28 de novembro de 1997 (Código Tributário Municipal).. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS KOTTKE E LEHMAN: Tratado de Medicina Física e Reabilitação de Krusen. ROSA JR. Jan Stephen: Fisioterapia Cardiopulmonar (trad. 6. Solidariedade e capacidade tributária. acidente vascular encefálico. PRISTA. A. Suspensão. Ruy Barbosa. doenças do aparelho respiratório e cardiovasculares. 1996. Domicílio tributário. J. Sandra A. Ilícito tributário.: Cinesiologia clínica de Brunnstrom (trad. Tratamento fisioterapêutico das patologias do item 2. Lei nº 5. 2001. Lançamento.RJ CONCURSO PÚBLICO . RT. 5. ALPM. Garantias e privilégios. 289p. São Paulo: Manole. São Paulo: Saraiva. Administração tributária. 3 ed. Administração tributária municipal. RT. Graham. Regulamenta a Política Nacional de Medicamentos. PORTA.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . São Paulo: Atlas. 916 de 30 de Outubro de 1998. Tecnologia Farmacêutica. IRWIN. 1995. fisioterapia respiratória. _______. de 25/10/66 (Código Tributário Nacional) e legislação complementar. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan. 2003. John.: Solange Siepierski). Rio de Janeiro: Forense. extinção e exclusão do crédito tributário. Do IPTU. rev. de Sande: Fisioterapia em traumatologia. 5ª ed. 2. BARBON. São Paulo: Ed.C. atualizada. amp.172. RIBEIRO. 6. Os princípios jurídicos da tributação na Constituição de 1988. CIPRIANO. STORPIRTS. ALVES. luxação congênita do quadril. APLEY. ortopedia e reumatologia. J. 5. O Código Tributário Nacional. da. A. indicações. São Paulo: Manole. Dispõe sobre requisitos exigidos para a dispensação de produtos de interesse à saúde em farmácias e drogarias. Métodos de avaliação da função respiratória. dívida ativa e penalidades tributárias. eletroterapia e cinesioterapia. Impostos. Eletroterapia Explicada: Princípios e Práticas. taxas e contribuições. Diaz. Obrigação tributária. Scot. São Paulo: Manole. PRESTO. Tributos e suas espécies.

Disponível em: http://www. 2004.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . Yalon. Transtornos do humor [afetivos]. 9. Insuficiência Cardíaca Congestiva. 2005. Porto Alegre: Artmed. 2003. Insuficiência Renal.35 (6): 574-601. Anemias. ORGANIZAÇÃO. 23. 3. Inter-relação entre fonoaudiologia e odontologia.: Passo a seguir: um manual para tratamento da hemiplegia no adulto (trad.1 São Paulo June 2004. M.L. Motricidade orofacial – inter-relação entre fonoaudiologia e odontologia. 2005. Bras. 3. voz. MÉDICO CLÍNICO GERAL 1.M. Porto Alegre : Artmed. uma visão sistêmica e multidisciplinar. 6. 20.br/consenso/2006/VDire triz-HA. MEDEIROS. 7. Transtornos mentais orgânicos.17ª ed. 9. PEREIRA. fala.C. São Paulo: Manole. fala. 18. PINHO.. 2005.Kaplan & Sadock Compêndio de Psiquiatria . Fundamentos em fonoaudiologia – Linguagem. Física das Radiações. 2006. A. 2009. Ressonância Magnética. GOLDFELD. Patricia M.: Nelson Gomes de Oliveira).br/dstaids/pdf/abor dagemsindromica. transtornos relacionados com o "stress" e transtornos somatoformes. Pneumol. Avaliação e classificação dos distúrbios da voz. J. Hepatites. audição. aspectos clínicos. 1997. 2006. São Paulo: Manole. São Paulo: Contexto. Infecção Urinária. IV Diretrizes Brasileiras para o Manejo da Asma. Asma. Porto Alegre: Artes Médicas.ed. DPOC. 2006 Diretrizes Brasileiras para Pneumonia Adquirida na Comunidade em Adultos Imunocompetentes. 4. NAVAS. Diretrizes Brasileiras para Tuberculose. B. Sizínio: Ortopedia e Traumatologia: princípios e práticas. 8. SILVA. 2005. 22. 15. Radioproteção e Dosimetria. v. Retardo mental. Porto Alegre: Artmed. Estudo Fonético e Fonológico do Português. I.sp. 7. Distúrbios de leitura e escrita. 2. São Paulo: Manole.RJ CONCURSO PÚBLICO . Respiração oral. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS: EIZIRIK. Medicina Psiquiátrica de emergência. Neoplasias do Tubo Digestivo. Reabilitação dos distúrbios da voz. SCHESTATSKY & COLS. FREUD. AIDS. 1993. 8 ed.Q. 2008. 2. Cérebro e Medula Espinhal. Ultrassonografia. Hemorragia Digestiva. Pneumol.32 supl. Pneumol. SADOCK. 2. linguagem oral e escrita. 2. M. Tuberculose. Porto Alegre: Artmed. Disponível em http://publicacoes. Rio de Janeiro: Revinter. Hipertensão Arterial. P. Diabetes Melittus. ORTIZ. 6. Doenças da Tireóide. J.C. A intervenção fonoaudiológica nas alterações da linguagem infantil.P. 16. Meningites. 2003. 2005. 4. 3 ed. 6. Transtornos da personalidade e do comportamento do adulto. MÉDICO PSIQUIATRA 1. Psicofarmacologia clínica e outras terapias biológicas. Benjamin J.br/educacao/docs/Diretri zes_SBD_2008_MAR_12. DA SAÚDE.prefitura. G. Anna. 14. Análise lingüística da gagueira. J. 4. Virginia A. 13. 17. Doença Péptica. ed. 10. M. inclusive os sintomáticos.pdf II Consenso Brasileiro de Tuberculose. 2009. 6. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes. J. K. O Ego e os Mecanismos de Defesa. Distúrbios neurológicos adquiridos – fala e deglutição. Esquizofrenia. Doenças Sexualmente Transmissíveis.Ciências do Comportamento e Psiquiatria Clínica. Hiperlipemias.11. Davies. Tratamento e Acompanhamento do Diabetes Mellitus. 12.C. R. Sadock. Cardiopatia Isquêmica. 5. M. Tomografia Computadorizada. 19. Disponível em: http://www10. 13. 3. São Paulo: AM3 Artes. L. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Abordagem Sindrômica em DST: Resolutividade e multiplicação.Psicoterapia de Orientação Analítica.Bras. A. Psicoterapias. Princípios Físicos dos Equipamentos da: Radiologia Convencional. MEDEIROS. Psicoterapia de Grupo: Teoria e Prática. MARCHESAN. 2009.EDITAL No 01/2009 ANEXO III traumática ou outra lesão cerebral severa (trad. 5. 11. Classificação de Transtornos Mentais e de Comportamento da CID-10: Descrições Clínicas e Diretrizes Diagnósticas. 2006. 2ª ed. AGUIAR. T. 9. ZORZI. Aquisição da linguagem infantil. transtornos da motricidade oral. 10. FONOAUDIÓLOGO 1. 2007. 2002. Fundamentos em fonoaudiologia – Tratando os distúrbios da voz. 8. São Paulo: Lovise. fluência e deglutição. Cirrose. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS FERRAZ.pdf Harrison Medicina Interna . Doença do Refluxo.org. Diagnóstico e Classificações em psiquiatria. teóricos e de desenvolvimento. T. audição. HEBERT. Tratos Urinários e . transtornos esquizotípicos e transtornos delirantes.Bras. Reabilitação psicossocial. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. IRVIN D.7 São Paulo nov.gov.diabetes.pdf V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial. S. 3. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. transtornos da motricidade oral.J. vol. 2003. Molyn. Transtornos mentais e comportamentais devidos ao uso de substância psicoativa. 5. 25. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. M. Fonética e fonologia do português.cardiol. 2ª ed. LESZCS. MÉDICO RADIOLOGISTA 1. 2. fluência. Pneumonias. Parasitoses. Distúrbios e alterações da linguagem oral e escrita. v. São Paulo: Manole. São Paulo: Lovise.: Nelson Gomes de Oliveira).30 suppl. linguagem oral e escrita. 7. M. 1997. 21. 7. Síndromes comportamentais associadas a disfunções fisiológicas e fatores físico. Sistema Músculo – Esquelético. 24. M. Acidente Vascular Cerebral. Abdome e Trato Gastrointestinal. Respirador oral – uma visão multidisciplinar. 12. MUNDIAL. Porto Alegre: Artmed. audição. M.Z. 1999. 5. Fundamentos em fonoaudiologia – aspectos clínicos da motricidade oral. fala. Transtornos neuróticos. SANTOS. fluência. 1998. 4. Neoplasias do Pulmão.

_______. M. Instrução Normativa Ministerial nº 2.B.. Editora Guanabara Koogan. Código Sanitário para os Animais Terrestres da Organização Mundial de Saúde Animal www. SZYFRES. Pecuária e Abastecimento. Ministério da Agricultura. 8.M.. Epidemiologia. clínico e laboratorial. 2. Doenças de notificação obrigatória. 2005. Toxinfeções e Controle Higiênico Sanitário de Alimentos. Boca e Mandíbula. 2001.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . Controle Sanitário dos Alimentos: Um Guia para Inspetores de Alimentos.. ________________ SDA Nº 30. FIOCRUZ. Niterói.F. Churchill Livingstone.N. Ministério da Agricultura. ________________ nº 4. Defesa Sanitária Animal: prevenção. Textbook of Radiology and Imagine. CORREA..V. & MCDONALD. de 26 de fevereiro de 1999. Microbiologia dos Alimentos. ________________ nº 15. 1993. J.M. de 23 de fevereiro de 2007. JUBB K. SUTTON. Editora Guanabara Koogan S. 1995 e 1996. 7. resoluções e portarias. boas práticas de fabricação . Doenças de animais transmissíveis ao homem e de interesse sanitário: zoonoses. Rio de Janeiro: MEDSI. Epidemiologia geral. Vol. RJ. Secretaria de Defesa Agropecuária. 2004. Zoonosis y enfermedades transmisibles comunes al hombre y a los animales. Tortora. KENEDY P.oie.. BRASIL. Instrução Normativa nº 06. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS PAUL & JUHL.P. de produção de alimentos e de companhia. HOBBS. BOOTH. _______.int . Tomografia Computadorizada e Ressonancia Magnética do Corpo Humano. Ednburgh. Enfermidades infecciosas dos mamíferos domésticos. Ed. GERARD J. Higienização na Indústria de Alimentos.2. 2ª ed.. LANDGRAF. de 26 de maio de 2009.A.PPOH e análise de perigos e pontos críticos de controle .PNEFA www. epidemiologia e investigação epidemiológica. 4ª ed. Pecuária e Abastecimento. 227p. Secretaria de Defesa Agropecuária. CÔRTES.P. SP. I. Aprova o Regulamento Técnico sobre as Condições Higiênico-Sanitárias e de boas práticas de fabricação para estabelecimentos fabricantes de produtos destinados à Alimentação Animal e o Roteiro de Inspeção.J. 9. medidas de controle. ________________ nº 08. ________________ nº 30. Princípios das técnicas. San Diego: Academic Press. Rio de Janeiro. Conceitos fundamentais. C. 2004. Tratado de medicina interna veterinária. RJ: Guanabara Koogan.M... de 15 de fevereiro de 2002. 1993. Ciência. 6. Programa Nacional de Erradicação da Febre Aftosa. .. Pecuária e Abastecimento.br. decretos. Acribia. LANZIERI.H. 1987. Anatomia. 1996. Guanabara Koogan. Livraria Atheneu 1996. LESLIE E. São Paulo. HAAGA. D. David. Legislação Federal de Defesa Sanitária.1.M. de 10 de janeiro de 2001. N. procedimento padrão de higiene operacional . das principais doenças que afetam o comércio e a saúde humana e animal. R. Pathology of domestic animals.. W. 5. J. Face. C. 8ª ed. Regulamenta o registro dos estabelecimentos e dos produtos destinados à alimentação animal.panaftosa. 2. C. controle e diagnóstico. FRANCO. Loyola. PALMER N. Higiene e Tecnologia da Carne. Programa Nacional de Erradicação da Febre Aftosa . ROBERTS.RJ CONCURSO PÚBLICO . SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ANDRADE. Tercera edición. Leis. 8ª edição. _________________________ nº 5. PEDRO. 1998. Secretaria de Defesa Agropecuária. Controle FísicoQuímico e Microbiológico: Higiene e Saúde Pública Veterinária: inspeção e fiscalização dos estabelecimentos industriais e comerciais. SOUZA. Zaragoza. 181p. Ministério da Agricultura. ________________ SDA Nº 59. O.APPCC. São Paulo Livraria Varela Ltda. CORREA. para rotulagem e propaganda e para isenção da obrigatoriedade de registro de produtos destinados à alimentação de animais de companhia. Editora Guanabara Koogan S.D. B. Anatomia dos Animais domésticos. Programa Nacional de Controle da Raiva dos Herbívoros e outras Encefalopatias. B. Instrução Normativa DAS nº 018. FORATINI.A. de 24 de agosto de 2004. Conhecimento de técnicas de colheita de material para diagnóstico. Ministério da Agricultura e do Abastecimento. ACHA N. PARDI. ETTINGER. Interpretação Radiológica. Estabelece critérios e procedimentos para o registro de produtos. Microbiologia. _______. Dois volumes. 2003. PARDI. de 1º de março de 2002. Inspeção Industrial e Sanitária de produtos de Origem Animal: programas de autocontrole. 1980. prevenção das zoonoses. I e II.BPF. 182p. BORIS. Tórax: Campos Pleuropulmonares. 5ª edição. 2 vols.agricultura. 2006. Jr. Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal. S. São Paulo: Edgart Blucher. de 7 de junho de 2006.J..org.. 259p. Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e da Tuberculose Animal (PNCEBT) Brasília. Eduff. SANTOS. Mediastino.G.C. 2.gov. de 05 de agosto de 2009. Instrução Normativa SDA Nº 06. M.EDITAL No 01/2009 ANEXO III Genital Masculino e Feminino. Diagnósticos laboratoriais das principais doenças animais. e legislações pertinente. Secretaria de Defesa Agropecuária. 2004. Fisiologia. Farmacologia e Terapêutica em Veterinária. 3. São Paulo: Editora Varella. de 8 de janeiro de 2004..C. GUENTHER & RIEDEL. 4. GETTY.br .F. NICOLAS H. Centro Panamericano de Febre Aftosa www. 8 ed. Comerciantes e Consumidores. 1992. 376p. 445p. MÉDICO VETERINÁRIO 1. de 25 de março de 2004.A. E. Conhecimento das técnicas oficiais de diagnósticos das doenças.A. Patologia e Clínica MédicoVeterinária: dos animais domésticos de interesse comercial. eds.S. Dois volumes.. MACEDO.

In: MOTTA. M. DARE. Transporte e Excreção de Nutrientes: proteínas. Prestes. 1969. Rio de Janeiro. químicas. Nutrição no Envelhecer. Terapia Clínica Nutricional nos distúrbios do aparelho digestório. analise. A idade escolar e a adolescência. Nutrição e Dietoterapia. recursos humanos e funcionamento. Joseph. Fundação Getúlio Vargas: 4ª ed. 1987. James. FRANK. 3ª ed. 29/03/52. 4ª ed. CUKIER. Epidemiologia Teoria e Prática. Diagnóstico médico veterinário. 1986. Eletrólitos e Equilíbrio Ácido-Base: função distribuição e regulação. fase adulta e terceira idade. Davis. São Paulo: Martins Fontes. Resolução 007/2003 . Digestão.RJ CONCURSO PÚBLICO . Liderança e Poder. 6.& MELLO.Z.). A A.. NUTRICIONISTA 1. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS CUPPARI. TEIXEIRA. 1980. D . PSICOPEDAGOGO 1. São Paulo: Roca. Gestão com pessoas e subjetividade. Administração Aplicada As Unidades de Alimentação e Nutrição: aspectos físicos. 1991. 2001.L. São Paulo. (Org. ET AL. Maria Ester. Regulamento da Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal (RIISPOA).F. Causas e sintomas. M. Editora Varella. trabalho e estresse. 1987. São Paulo: Atheneu. 1986. absorção e prevenção de deficiências. L. 1997. BUSTOS. Os desajustes emocionais: Psicopatologia. 2000. 2000. Avaliação da personalidade. Ações preventivas na minimização de fatores que interferem no processo de aprendizagem. S. São Paulo: Atlas. 2. agosto de 2005. Clara Regina. VERGARA. 1236 de 02/09/94. PONTALIS. Alex. 10ª ed. 2001. FIORI. São Paulo: Harbra. Teorias da personalidade. ENRIQUEZ. Tecnologia dos Alimentos: Higiene.1994. M. sistema biliar. Manual de controle higiênico sanitário em alimentos. de 27 de setembro de 2005. VARELLA. MINICUCCI. Técnica Dietética: fatores físicos. Wagner Rocha. Epidemiologia e saúde. O exercício profissional. 2000. 30. LAPLANCHE. 6. Rio de Janeiro: Rubio. Portaria SDA N° 168. Nutrição nos Diversos Ciclos da Vida: gravidez lactação. L. 1981-1982 – Volume 4. E. Portaria Ministerial nº 516. (Orgs. Patologia Veterinária especial de Thomson. Técnica Dietética: Seleção e Preparo de Alimentos. 1812 de 08/02/96 e 2244 de 04/06/97. Dalmiro e Colaboradores. MAHAN. 3. Alimentos. Vida Psíquica e Organização. 381p. O desenvolvimento da personalidade: Teorias. Soares A E. avaliação e intervenção nos problemas de aprendizagem. MAGNONI. SANDLER.).M. 7. Ed Guanabara Koogan. 3. Vocabulário da Psicanálise. Atheneu. ROUQUAYROL. Código de Ética Profissional do Psicólogo .. Absorção. Eduardo. Eugéne. 5. Psicologia social e dinâmica dos grupos: Processos grupais. Vitaminas e Minerais: Propriedades físicas. Bases da Nutrição Clínica. Gestão de pessoas. S. Fernando C. 7ª ed. Desenvolvimento Interpessoal. carboidratos e lipídeos. SOBOTKA. FRAGER. Agostinho. infância. J. 3. K. Administração Aplicada às Unidades de Alimentação e Nutrição. Manole. 2ª ed.R. 7.691. São Paulo: Câmara Brasileira do Livro. A Questão do Imaginário e a Fronteira entre a Cultura Organizacional e a Psicanálise. Água. 2005. Ed. Rio de Janeiro: José Olympio.EDITAL No 01/2009 ANEXO III PEREIRA. ed. São Paulo: Rocca. 2005. TRABULSI. SANTOS. L.Conselho Federal de Psicologia. de 09 de dezembro de 1997. L. FADIMAN. Terapia Nutricional Enteral e Parenteral. Psicodiagnóstico: Técnicas e métodos. Dinâmica de Grupo – Teorias e Sistemas. Brasília. 5. 2. Idalberto. O psicodrama: aplicações de técnica psicodramática.P. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ALLPORT. Elaboração de projetos que atuem na . Personalidade. 1995. alterado pelos Decretos nº 1255 de 25/06/62. O Paciente e o Analista – Fundamentos do Processo Psicanalítico.A. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar. Gordon W. Christophe. 2ª ed. Rio de Janeiro: Atheneu.C. 4. 7ª ed. 2002. estresse metabólico. RAPPAPORT. colheita de material. fígado.G. HOLDER. diabetes mellitus. Edição 2002. Microbiologia.G. FREITAS. Perguntas e Respostas em Nutrição Clínica. 1993. Christopher. MOSCOVICI.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . 4. 2. CHIAVENATO. Livraria Varella. 2004. 2001. químicos e biológicos que modificam os alimentos.E. DALGALARRONGO. As teorias psicológicas aplicadas ao fenômeno ensino-aprendizagem dando suporte aos processos de identificação. ORNELLAS..Conselho Federal de Psicologia. Aprovado pelo Decreto n. 1997. WILLIAM W CARLSON. PSICÓLOGO 1. Etapas do desenvolvimento cognitivo. São Paulo: Atheneu. B. 9. Indivíduo. FREITAS.377p. Universidade de São Paulo: Herder. Nutrição Clínica do Adulto. adolescência. 2003. Treinamento e evolução em grupo.R. Recursos Humanos. São Paulo: Atlas. Alteração e controle de qualidade dos alimentos. Psicoterapia e aconselhamento. 2002. 1991. Maria Ester de. da. São Paulo: EPU. In: DAVEL.H. 2008. Psicologia do desenvolvimento: Princípios gerais. A Banalização da Injustiça Social. Psicologia aplicada ao trabalho e às organizações: Clima e cultura organizacional. 8. Tratado de Medicina Interna de Grandes Animais. Métodos e técnicas. Rio de Janeiro: Imago. STUMP. SMITH. DEJOURS. cardíacos e pulmonares e nos distúrbios alimentares. Porto Alegre: Artes Médicas. São Paulo: ATLAS. Cláudia. JR. Fela. Interioridade e organizações. Rio de Janeiro: Editora FGV. APPCC na Qualidade e Segurança Microbiológica de Alimentos. Robert. SILVA. Paulo. Manole. Sylvia C. Psicopatologia e Semiologia dos Transtornos Mentais. A. MEDSI. renais. 2.

2. redes ramificadas e malhadas. Estrutura atômica. 2. Artmed.. SKOOG. L.. 1. STRYER. Belo Horizonte: Editora UFMG.RJ CONCURSO PÚBLICO .W. concessões. PA. 1 e 2. legislação federal sobre contratações públicas. privadas higiênicas. regime dos cursos da água.2. 2007. F.5. KOTZ.1. conselhos municipais. lavanderias e banheiros públicos. Política Nacional de Recursos Hídricos. valas de infiltração.A. adutoras por gravidade em condutos livres e forçados. 6.G. dimensionamento. Classificação periódica dos elementos. 5. PORTO. bombas e estações elevatórias. 2. Vol.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . 2. aplicação do método de Hardy-Cross. 3.W. 2 e 3. Recursos Hídricos: Ciclo hidrológico. CASTELLAN.E.W. lodos ativados. Bioquímica. Soluções. 5. Orientação educacional e intervenção psicopedagógica. PA. neuropsicologia e aprendizagem. PAIN. águas superficiais. valas de filtração. Química e reações Químicas. químicas e biológicas da água. Vol. Modelos de prestação de serviços em saneamento: execução direta. RJ. legislação ambiental federal. espectroscopia no ultravioleta-visível. contratações. As poluições de origem pontual e difusa.3. Atuações da Engenharia Sanitária vinculadas ao controle de enchentes urbanas. I. Vozes. 2006. J. Emissão de gases provenientes da decomposição da matéria orgânica. 4. BRADY. 9. importância. 4. lagoas de estabilização.4. Critérios de dimensionamento para sistemas de drenagem pluvial. A importância da vigilância sanitária. modos de transmissão e medidas de controle. chafarizes.1. Cálculo estequiométrico. órgãos acessórios. SKOOG. São Paulo: Bookman. do solo e do ar como componentes dos ecossistemas na natureza. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos. 5. J. Redes coletoras de esgotos. potenciometria e métodos cromatográficos. sumidouros. Funções da química inorgânica: classificação. 1. químicas e biológicas dos esgotos sanitários. Funções da química orgânica: hidrocarbonetos. Atenção à diversidade na educação de jovens. M. 3. Vol. 1 e 2 Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos. Petrópolis. com os profissionais do ensino. Fundamentos de Físico-Química. Reações orgânicas: adição. V. águas subterrâneas. padrões de potabilidade. et al. M. Z. Físico-Química. Doenças de origem fecal. proteção da saúde das populações e preservação ambiental. Química Geral. RUSSEL. Doenças de veiculação hídrica. 2.1. TREICHEL. 2. reatores anaeróbios. Equilíbrio químico. Conceituação de macro e micro drenagem. A importância do saneamento no controle da poluição. autarquias municipais. HUMISTON. 7. espectroscopia de absorção atômica. Análise e tratamento de águas e efluentes: princípios de análise de água e efluentes. empresas públicas. C.3.C. adutoras por recalque. nomenclatura e reações. Redes de distribuição de água. São Paulo. dimensionamento. BAIRD. filtros anaeróbios. hidrograma. Química Ambiental. fossas sépticas. Meio Ambiente – Preservação Ambiental e Controle da Poluição: A importância da água. tratamento e distribuição de água e tratamento e descarte de efluentes. Vol. torneiras. P. valos de oxidação. 10. 1 e 2.1. os pais e a comunidade. principais processos de tratamento. 1 a 7. 2009. N. da educação e do monitoramento ambientais na gestão do saneamento. SOLÉ. Cinética química. QUÍMICO 1. funções nitrogenadas e derivados halogenados.B. 4. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ATKINS. Recursos para atendimento e ou encaminhamento de crianças e adolescentes com problemas sócio educativos. Como prevenir as dificuldades na expressão escrita. dimensionamento econômico. Química Analítica: titrimetria.2. Vol. Psicopedagogia institucional. Jr. Reservatórios de distribuição de água. J. Sistemas de Esgotamento Sanitário: Soluções individuais para destinação e tratamento dos esgotos sanitários. Princípios de Análise Instrumental. funções oxigenadas. Química Geral.S. São Paulo: Bookman Artmed. estação de tratamento de água convencional. Thomson. & JIMENEZ. G. critérios gerais de dimensionamento.EDITAL No 01/2009 ANEXO III formação continuada do professor. lipídios.2. 5. Artmed. D. processos de tratamento. Fundamentos de Química Analítica. O. 4. características físicas. modos de transmissão.6.5. partes constituintes dos sistemas de abastecimento de água. 3. Saneamento Ambiental – Arranjo Institucional e Legislação: Arranjos institucionais na prestação dos serviços de saneamento: administração direta. Termoquímica. 4. Sistemas de Abastecimento de Água: Consumo de água. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos. 5.8. SOLOMONS. FONSECA. Cognição. Política Estadual de Recursos Hídricos. 2008.4. 1 e 2. medidas de controle. Tratamento de esgotos. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos. 2.2. Sistemas de abastecimento de água não convencionais. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 4. A psicopedagogia no Brasil. Características físicas. Funções bioquímicas: glicídios. 3. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BOSSA. PA.2.7. Tratamento de água. SANITARISTA 1. T. WAK. VON SPERLING. Diagnóstico e tratamento dos problemas de aprendizagem.A. substituição e eliminação. dimensionamento. P. execução indireta. 2009. . 2. Artmed. Artmed. 4. estações de tratamento de esgotos. Ligações químicas. Química orgânica. bacias hidrográficas. Petrópolis. Protocolo de Kioto. FRYHLE. Princípios do tratamento biológico de águas residuárias. 8. 2001. 4. legislação federal sobre concessões de serviços públicos. 1985. D. classificação. A. 2. Adução de água. São Paulo: McGraw-Hill. partes constituintes. MATA. proteínas e ácidos nucléicos. Dinâmicas que interajam de forma dialógica com o sistema de saúde e dentro da escola. OCAÑA. 2. Vol.1. PA. G. S. companhias de economia mista estaduais. 2003 SCOZ Psicopedagogia e realidade escolar. PA. estadual e municipal. 1. C. Artmed. et al. L. consórcios intermunicipais.

HOLLE.aesbe. Análise e seleção de atividades. PÁDUA. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS AZEVEDO NETTO. Limpeza pública. Manual de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos. Rio de Janeiro. Reatores anaeróbios. 9. coleta. K.planalto. 2005/Reimpressão 2006. Rio de Janeiro: Editora da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (ABES). 1997. demanda bioquímica de oxigênio. Turismo e cultura.com. Acondicionamento. Constantino Arruda. 6. Lílian Vieira.3.abes-dn. 1994. a FRANCISCO. São Paulo. 8.. Exclusão/inserção social de pessoas portadoras de deficiência e pessoas com transtorno mental. Turismo. 2 ed. Eurico Trindade. GAZZANIGA Michael S. Berenice Rosa. FIOCRUZ. Carlos Augusto de Lemos. Turismo e políticas públicas.pmbp.). São Paulo: Santos Editora. 6ª ed. – Brasília. 1ª ed.gov.E/GRANDJEAN. Gerontologia. Fabrizio. Bases fisiológicas e Adaptações do trabalho ao homem. JORDÃO. Santos Editora Ltda. Bem-Hur Luttembarck. 2001. Manual de Ergonomia Adaptando o Trabalho ao Homem. carga orgânica. Eduardo Pacheco & PESSOA. 2005. 7ª ed. . Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos.gov. Berta. GRIEVE. Eliane Brandão. 3.1. COX. VIEIRA.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . Eventos e turismo. Políticas de atenção à saúde e reabilitação de pessoas portadoras de deficiências e à saúde mental.E. 2003. Autodepuração de cursos da água. Gestão integrada de resíduos sólidos municipais e impacto ambiental.3. Elisabete M. Avaliação em Terapia Ocupacional. Benedetto. 5.org. Atividades de vida diária e instrumental. 2005. Catherine A.EDITAL No 01/2009 ANEXO III filtração biológica.1. 1979. São Paulo: Sarvier. 6./HEATHERTON Todd F. Manual de Saneamento. Manual de Hidráulica. Hemiplegia no Adulto: Avaliação e Tratamento. Matheus Papaléo. 6. Ortrud.br TERAPEUTA OCUPACIONAL 1. São Paulo: Hucitec.gov. Tipos de preensão.br www.br. Campinas. LAPIERRE. UFMG. São Paulo: Manole. June. Diane L.br www. São Paulo: Atheneu.ibam. São Paulo: Santos Editora. 7. André e Anne.Teoria e Prática. TURISMÓLOGO 1.mma. 1988. 1987. Terapia Ocupacional aplicada à Psiquiatria e Saúde Mental: Habilitação/reabilitação. 2ª Impressão Revisada. órteses e adaptações. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BOBATH. São Paulo: Manole. Terapia Ocupacional. 6. Objetivos terapêuticos. Controle da qualidade da água para consumo humano. 1979. 3ª ed. 1982. 3ª ed. FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE. IBAM. Fundamentos da Terapia Ocupacional. 8.2. Terapia Ocupacional nas Disfunções Físicas.snis. José M.gov. Princípios Básicos de Tratamento: Métodos e técnicas de avaliação. Saúde ocupacional. FINGER. Habilidades motoras gerais. 2. ASIOLE. CETESB. 1995.H. Manual de Saúde Mental. São Paulo: Papirus. Desenvolvimento Motor da Criança Normal e Retardada.br www. LANNCMAN. Jorge Augusto Ortiz. 1995. 5. 1984. 7.4. 5. Teófilo Carlos do Nascimento (coord. 1997. 2ª ed. Cérebro e Comportamento.rj. 1986.RJ CONCURSO PÚBLICO .gov. Ética no turismo.gov. Planejamento e organização do turismo. Aterro Sanitário. terapia ocupacional em traumato-ortopedia. 2006.rj. EGGERS. Terapia Ocupacional na Saúde do Trabalhador: Princípios ergonômicos.ambiente. Porto Alegre: Artmed Editora. transporte e destinação final adequado. Terapia Ocupacional aplicada às condições Neuromusculoesqueléticas. Sistema de Turismo: componentes e administração. São Paulo: Edgard Blucher. Trabalho e Terapia Ocupacional. Desenvolvimento Normal da Criança.org. Campinas.br www. 7. www. 2001. 1989.1. terapia ocupacional em neuropediatria. Nelson Gandur. NEVES. São Paulo: Manole. Coleta seletiva e reciclagem. Saneamento Básico. 3. O Adulto diante da Criança. BATALHA. desenvolvimento local e sustentabilidade.resol. CONSTITUIÇÃO FEDERAL.br www. 6.br www. Tratamento de Esgotos Domésticos. 8. terapia ocupacional em reumatologia. Porto Alegre: Globo. DACACH. Gestão dos Resíduos Sólidos: Características físicas. Terapia ocupacional em neurologia. www. Neuropsicologia em Terapia Ocupacional Exame da Percepção e Cognição. Programa de tratamento. Belo Horizonte.org. 1984. Terapia Ocupacional na Paralisia Cerebral e nos Retardos Mentais. Saúde.assemae. Curso de Hidráulica. Próteses. SP: Papirus. Terapia Ocupacional e Síndrome da Fadiga Crônica. Ciência Psicológica Mente. Terapia Ocupacional . 2004. Britta. redução da concentração bacteriana. São Paulo: Bookman. 1978. Terapia Ocupacional no Tratamento da Hemiplegia do Adulto.br www. CHERNICHARO. Gianni. São Paulo. 1996. Marchesini. Rio de Janeiro. KROEMER.ana. Terapia Ocupacional.br www. IPT/CEMPRE LIXO MUNICIPAL: Manual de Gerenciamento Integrado. TOGNONI. 2. Terapia Ocupacional para Disfunções Físicas. 2001. Rio de Janeiro: Colina Editora. 5ª ed. Manual de Gerontologia.ibama. NETTO. Rio de Janeiro: Revinter. 5. 1999. 4. 4. Terapia Ocupacional aplicada à Reabilitação Psicossocial.br www.org. químicas e biológicas do lixo. 6.1. Selma. 6. SARACENO. 1ª ed.gov. 1977.br/ccivil_03/LEIS/ www. TROMBLY. São Paulo: Editora Roca. Terapia Ocupacional aplicada à Geriatria/Gerontologia. MONTEIRO. MAGALHÃES.

Ciências: Física e Química . 2006. 2006. Wilson Roberto. Os elementos da visualidade e suas relações compositivas. Rezende. Análise estrutural do turismo. Trad. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs). 2008. A Arte na Educação Escolar: Procedimentos pedagógicos (conteúdos. Água. GARCEZ. 1993. 3. Histologia Animal e Vegetal. Porto Alegre: Bookman. Wilson Roberto. 2006. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.Ed. 2003. Biologia . Clerton (org. Graça. Novo Ensino Médio-BiologiaVol. 3. 1997. COSTA. Ática. Ricardo Motta Pinto. 17. Recreação: jogos tradicionais.6ª Edição . Reinaldo.De Olho no Mundo do Trabalho .9º ano. São Paulo: Aleph. David Pereira. Cinemática. MATIAS. Termologia e Calorimetria. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS AIRES. Ed. Planejamento do turismo – política e desenvolvimento do turismo no Brasil. 2. DIAS. Química geral .Ed. 4.Vol. Cesar da.6º edição. Daniel. Ed. Saraiva. _____. Ed. Estática. Psicomotricidade: conceitos básicos. MARTINS. SASSON. São Paulo: Cortez.). Ed. _______. Rio de Janeiro. Atheneu . JACOB. 12ª ed. organização de competições e aprendizagem dos principais desportos aplicados na escola (futsal. São Paulo: Atlas. 7. 2007.Citologia: 4. 3. 10. Selo-EGK . Higiene e Saúde Pública. 2003. Psicomotricidade – Teoria e Prática. 12. Embriologia Médica. 1985. 2008. CRUZ. et alli . Sandra Netz. Os Parâmetros Curriculares Nacionais e o ensino de Arte. 2003.Coleção do 6º ao 9º ano. 2000. jogos pré-desportivos. De.Eugene P. (Série Turismo). ROBERTIS JR. Metodologia do ensino da arte. Fundamentos da Química . Ética e qualidade do turismo no Brasil. Marketing e comercialização de produtos turísticos. MAGISTÉRIO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS BIBLIOGRÁFICAS PARA AS MAGISTÉRIO PROFESSOR I – CIÊNCIAS 1. 2. Óptica. São Paulo: Manole. 4. Zoologia Geral . Maria Heloísa e FUZARI. Química Geral. Ciências e Interação . PROFESSOR I – EDUCAÇÃO FÍSICA 1. PROENÇA. Ed. Trad. Fisiologia Animal e Vegetal.Storer. princípios científicos do treinamento. Explicando a Arte Brasileira. Solo e o Meio Ambiente. . SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS FERRAZ. Histofisiologia Humana. 5. A história da Arte Brasileira e Universal: Manifestações artísticas de diferentes épocas. treinamento da criança e do adolescente. Ática. Fundamentos da Ecologia. Anatomia e Fisiologia Humana. Alice. São Paulo: Roca. ROBERTIS.Vol. 4.Médio. Isabel.3ª Edição.Vol. Guia de desenvolvimento do turismo sustentável. BIO . Mário Carlos. 8. História da Arte. 2003. 2003. Ed. 1990. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE TURISMO. Ed. Sídio. Sérgio. 16. Rio de Janeiro: 1995. Artmed . Fisiologia – Aires. Jan. 2003. 4ª Edição. MACHADO. Maria F. Ed.4ª Edição.Coleção do 6º ao 9º ano. Organização de eventos – procedimentos e técnicas. novas perspectivas para a educação física. 2003. Ciências Naturais-Aprendendo c/o Cotidiano . 14. Guanabara. Daniel. Eletricidade e Magnetismo. Moderna.2º Edição. Zoologia Geral. 2003. Ática. Treinamento desportivo: crescimento na criança e no adolescente.M. COELHO. educação para o lazer. Ricardo. Sônia. Fernando. Ed. FELTRE. 15. E SUGESTÕES PROVAS DE . Planejamento e gestão em turismo. Embriologia Humana. Ed. São Paulo: Atlas. 4ª ed. Lisboa. LEITE. CABO NADAL. principais características e artistas representantes. São Paulo: SENAC. voleibol. Único . Ecologia e Meio Ambiente. Ed. De. Scipione. Ed. LOPES.). Tudo é Ciências-Coleção do 6º ao 9º ano.SP/Nacional – 2001. ODUM. jogos espontâneos e dirigidos. Ed. Marlene. Ciências e Educação Ambiental Coleção do 7º ao 9º ano. Fundamentos da Ecologia. NEVES. Desporto: regras. Biologia. Mário Carlos. Único/Ens. Ricardo. 5. Origem da Vida e Evolução. GEWANDSZNAJDER. handebol e atletismo).3ª Edição. Ed. Único . 2007. Arte / Secretaria de Educação Fundamental. Guamabara Koogan. Ática. Mónica. Biologia-Vol. MILLIO BALANZÁ. Selo-EGK5ª Edição.Volume Único. São Paulo: Roca. _________.EDITAL No 01/2009 ANEXO III Marketing turístico. 6. 2. 9. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BUENO. Atheneu. 2001. diferenças psicofísicas entre idades. Ediouro. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ARAÚJO. Metodologia e didática do ensino de educação física: organização do conhecimento e abordagem metodológica. Moderna. BEZERRA.1º Edição. Positivo. BENI. Ar. Política e planejamento de turismo no Brasil.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . Único. Sezar. Cíntia Möller. basquetebol.Carlos. SILVA JR. 2007. Miguel Cabrera. Trabalho e Potência. Deise Maria Fernandes (org. BARROS. Jô. Ed. Saraiva. métodos e avaliação). PROFESSOR I – EDUCAÇÃO ARTÍSTICA 1. Único 4ª Edição. 2001. Eduard do Canto. J. Lucília e Oliveira.RJ CONCURSO PÚBLICO . influências no rendimento escolar. Moderna. Ed. Ed. desenvolvimento psicomotor nas crianças em idade escolar. Turismo. Ática. Bases da Biologia Celular e Molecular 3º Edição. PAULINO. 13. Brasília: MEC/SEF. 11. Reprodução dos seres Vivos. De Bases da Biologia Celular e Molecular. São LANGMAN.1. Parasitologia Dinâmica . PAULINO. cultura e identidade.1ª Edição. BENI. LINHARES.

O espaço urbano: Caracterização e diferenciação do espaço urbano e do processo de urbanização no mundo e no Brasil. Teoria da História. H. . L.) Metodologia do ensino de educação física. e “mente”. . SADER. A relação entre Cartografia e poder. PROFESSOR I – GEOGRAFIA 1. Brincar: crescer e aprender – o resgate do jogo.). basquetebol. Rio de Janeiro/São Paulo: Record. A Geografia.4. Positivismo ou História Tradicional. Prática da Preparação Física. A relação entre população e renda. O espaço da produção industrial: O processo de industrialização. da H. 1997. SANTOS. Maria Laura. Brasília: MEC/SEF.1. São Paulo: Manole. 1998. Antonio Carlos Robert.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . Condição Pós-Moderna. PROFESSOR I – HISTÓRIA 1. 2. de L. VIANA.1. J.G. 1.O. J. transporte e serviços na escala mundial e na escala nacional: Caracterização e particularidades. FONSECA. Recreação e lazer. 1983. 2ª edição. 1997. A globalização: O processo de globalização. Rio de Janeiro: Sprint. TAFFAREL. 7. Parâmetros curriculares nacionais: Educação Física. os conflitos no campo. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. São Paulo: Manole. 5. SANTOS. JÚNIOR. São Paulo: Moderna.. 3. O papel dos setores de comércio. Rio de Janeiro: Zahar. a natureza e a terra. 10. 1999.3. HARVEY. paisagem e lugar. A.M. 1987. Relações . Scipione. DANTAS. Futsal – Metodologia de Ensino. A importância dos mapas. David. Rio de Janeiro: Guanabara. Os grandes conjuntos socioeconômicos do mundo atual: Os blocos de poder. 2. Escola de Voleibol. Moderna. São Paulo: Loyola. O aproveitamento econômico dos recursos naturais. Milton.1. TUBINO. Regras Oficiais de Atletismo. 2. Representação cartográfica: Escalas. Rio de Janeiro: Guavira. 3ª edição. TEIXEIRA.1. São Paulo: Moderna. futsal. organização e administração em função da cultura e da sociologia. H. A opção Brasileira. 1990.C. 1998. Rio de Janeiro: Paz e Terra.EDITAL No 01/2009 ANEXO III Paulo. handebol e voleibol. (coords.1. Políticas ambientais e estratégias para o desenvolvimento sustentável. São Paulo: Ibrasa. O Brasil e a economia global. Eric. Handebol. 9. seu objeto de estudo e os conceitos fundamentais: História do pensamento geográfico. MATTA. Concentração e dispersão da atividade industrial no mundo e no Brasil. BENJAMIM. FRIEDMANN. São Paulo: Hucitec.RJ CONCURSO PÚBLICO . 3ª edição. Educação para o Lazer. São Paulo: Saraiva. R. HAESBAERT. São Paulo: Companhia das Letras. As relações sociais.V. 1986. 1989. 3ª edição. estrutura e migrações.E. J. A água enquanto um recurso renovável limitado. da Cultura e do Trabalho. 1986. História das Relações Sociais.J. São Paulo: Cortez. O Brasil – território e sociedade no início do século XXI. 1984. Zygmunt. Globalização. O espaço da natureza e a questão ambiental: Os elementos do quadro natural e suas inter-relações. Rio de Janeiro: Shape. O setor agrário e o comércio internacional. E.Z. Nações e nacionalismo desde 1780.2. 1992. 1.S. E. Território. 8. 1991.G. Geografia. KASLER. HOBSBAWM. 1998. Era dos Extremos. PIMENTA. Cesar & outros. M. São Paulo: Companhia das Letras. Concepções abertas no ensino de educação física. 1. 2001. Milton & outros. Rogério (org. 2002. . WEINECK. DE MEUR.M. 1999.N. 2000. O espaço geográfico como produto histórico e social. Conceitos e Temas. Democracia e Terrorismo. A. _______________. Campinas: Papirus. 1995. Metodologia científica do treinamento desportivo. Por uma nova globalização. Esporte e atividade física – bases..P. Caxias do Sul: EDUCS. Rio de Janeiro: Contraponto. Rio de Janeiro: Tecnoprint. Educação física e desportos. Problemas ambientais. indica-se a seguinte bibliografia: BAUMAN. Correntes historiográficas. STAES. Niterói: Eduff. 2008/2009. MEDINA. 1995. 1983. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Além dos livros didáticos das Editoras Ática. Psicomotricidade – educação e reeducação. LAGINE. Projeções e Convenções. os modelos produtivos e as revoluções tecnocientíficas. Que Brasil é este? São Paulo: Atual. 3ª edição.2. Globalização . GUERRA. HILDEBRANT. 1992. 1992. 1984. 1998. 2. M. Iná Elias de & outros (org. Saraiva e Moderna. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. A organização do espaço agrário no mundo e no Brasil: Caracterização geral. _______________. Didática de Educação Física: Formação de Objetivos. 1985. 1998. São Paulo: Cortez. Materialismo Histórico e a Escola dos Annales: características gerais. Niterói: PPGEO/UFF. CAMARGO. Manual do treinamento esportivo. 1. CASTRO. Porto Alegre: Sagra. Geografia – pequena história crítica. SANTOS.1. MORAES. de F. Emir. 1995. 6. A educação física cuida do corpo. A população mundial e brasileira: crescimento. A caracterização dos grandes conjuntos regionais do Brasil. 5ª edição. 1987. A estrutura fundiária. L. a política neoliberal e seus efeitos. Problemas urbanos no mundo e no Brasil. C. Territórios: ensaios sobre o ordenamento territorial. Criatividade nas aulas de educação física. Os conceitos de território. LIBÂNEO. G.) Globalização e Fragmentação no mundo contemporâneo. S. a modernização e os problemas do setor agrário no Brasil. Lovise. história oral e história do cotidiano.1. G. História das mentalidades. Histórico do processo de industrialização no Brasil e a estrutura industrial. & Silveira. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico. 1996.H. A. Rio de Janeiro: Record. H. P. As questões regionais e os grandes conflitos políticos e econômicos da atualidade. 2007. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico.As conseqüências humanas. Milton.

o Estado Monárquico.2. lutas pelo fim da escravidão. b) Descolonização das nações africanas. confrontos. b) Sociedade e trabalho através do tempo: grandes proprietários. 3. imigração e migrações interna e externa em busca de trabalho. ligas. a cultura e a natureza na História da África e suas relações: a) Relações históricas e sociais nas sociedades tradicionais africanas e as interfaces entre o continente e os movimentos de expansão européia ao longo do tempo. suas lutas sociais e por melhores condições de trabalho através do tempo. d) Resistência chinesa ao imperialismo.1. ligas e sindicatos. nacionalismo na Europa dos séculos XIX e XX. revolução agrícola neolítica na África e no Oriente. Relações entre a sociedade. Processo de constituição do território. Cidadania e Cultura. o conceito de cidadania hoje no Brasil e a percepção da condição de cidadão pela população brasileira. 2. História das Representações e das Relações de Poder.3. guerras e revoluções: a) Administração política colonial. b) Usos da terra. 2. as representações e o imaginário sobre o mar. b) Servos. a cultura e a natureza na História dos povos americanos: a) Natureza e povos da América na visão dos europeus. lutas. Revolução Cubana. lutas. trabalho das mulheres e das crianças na indústria inglesa. Revolução Comunista.3. Primeira e Segunda Guerras Mundiais.1. natureza transformada na implantação de serviços e equipamentos urbanos. expansão chinesa atual. organização dos Estados socialistas e comunistas. Guerra Fria. governos autoritários – o Estado Novo e o regime militar pós-64.2. Processos de constituição dos Estados Nacionais. resistências e o processo de emancipação dos escravos africanos e seus descendentes. criação de animais e produção e extração de riquezas naturais. constituição dos Estados Nacionais independentes. lutas feministas. Relações de trabalho em diferentes momentos da História dos povos americanos: a) Os europeus e o trabalho indígena na América colonial. guerras provinciais. o terrorismo. o poder oligárquico. lutas. imperialismo no Oriente Médio. 2.1. nas atividades domésticas etc. lutas.1. o Populismo na América Latina. política externa norte-americana para a América Latina (Doutrina Monroe. 4. agregados e trabalhadores livres. o fundamentalismo islâmico. as Constituições e as mudanças nos direitos e deveres dos cidadãos. a economia.2. expansão muçulmana. 2. exploração e comercialização das riquezas naturais. rurais e urbanas. as ditaduras e a supressão de direitos políticos e civis (Estado Novo e governo militar após 1964). Japão depois da Segunda Guerra Mundial. revolução iraniana. lutas pela reforma agrária. o trabalho de mulheres e crianças na agricultura. camponeses. a economia. administradores coloniais. Processos de constituição dos Estados Nacionais da América. movimentos populares e estudantis. o confronto entre o Paquistão e a Índia. na indústria e nos serviços urbanos. e) Imperialismo japonês. a cultura e a natureza em diferentes momentos da História brasileira: a) Exploração econômica de recursos naturais pelos colonizadores europeus: agricultura comercial. confronto. lutas. conflitos no mundo árabe atual: confrontos entre palestinos e israelenses. artesãos e corporações de ofício na Europa. a atual política externa norte-americana e a luta contra o terrorismo. a marcha para o Oeste. interferências na natureza na implantação de infra-estruturas. Pan-americanismo. guerras e revoluções na Europa. povos. revoltas sociais coloniais. revoltas e resistências de escravos. militarismo na América Latina. Revolução Cultural. especialmente a colonização do Brasil e da América. nobreza.1. a intervenção norte-americana no Afeganistão e no Iraque. b) As organizações de trabalhadores. neonazismo. locais de povoamento. 3. Revolução Mexicana. 4.1.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . 2. o Estado Brasileiro e o populismo. mercadores e banqueiros na Europa. guerras e revoluções: a) Administração das colônias espanholas. guerras e revoluções.1. diferentes formas de posse e prosperidade da terra.2. c) O conhecimento. lutas operárias. ditaduras na América Latina. socialismo e golpe militar no Chile. confrontos. apartheid e África do Sul. Relações entre a sociedade. consolidação do Estado Nacional Moderno. paisagens rurais e urbanas. o coronelismo e o voto na República Velha. Movimento da Consciência Negra etc. trabalho e resistência indígena na sociedade colonial. conflitos no Oriente Médio.3. lutas sociais. lutas dos povos indígenas pela preservação de seus territórios.1 No Brasil – os “homens bons” no período colonial. b) Conquista e resistência na América sob a ótica local: a questão do outro. Aliança para o Progresso e ALCA). os processos de globalização. ocupação de territórios e alteração das paisagens naturais na Europa medieval. Guerra do Vietnã. na África e no Oriente: a) Cidades-estados gregas. a cultura e a natureza na História de povos do mundo em diferentes tempos: a) Povos coletores e caçadores. guerras entre as nações africanas. 3. Relações de trabalho em diferentes momentos da História brasileira: a) Escravização. navegadores e comerciantes coloniais. lutas pela independência política. 3. o trabalhador negro no mercado de trabalho livre. Revolução de 1930. Guerra da Coréia. 2. b) Confrontos entre europeus e populações indígenas no território brasileiro. Relações de trabalho em diferentes momentos da História de povos do mundo: a) Escravidão antiga na Europa – Grécia e Roma. expansão imperialista dos Estados europeus.1. o fundamentalismo islâmico. organizações internacionais latino-americanas pela integração política e econômica do continente. Revolução Industrial.RJ CONCURSO PÚBLICO .2. Relações entre a sociedade. intervencionismo norte-americano na América Latina. As relações de trabalho. exploração econômica de recursos naturais pelos colonizadores europeus. República romana. c) Culturas tradicionais do mundo árabe. queda do Muro de Berlim. esfacelamento dos Estados socialistas. o Estado Brasileiro pós-regime militar. d) Lutas e organizações camponesas e operárias. valores culturais atribuídos às diferentes categorias de trabalhadores e ao trabalho através do tempo. descentralização política na Idade Média. processo de sedentarização. povos. experiência liberal democrática de 1945-1964. b) Crescimento populacional. c) trabalho operário e trabalhadores dos serviços urbanos na Europa. a economia. clero. Japão hoje. Nações. expansão marítima e comercial européia.2. d) natureza e cidade.4. as desigualdades .1. da nação e do Estado brasileiro. b) Colônias inglesas na América. 3.EDITAL No 01/2009 ANEXO III entre a sociedade. os religiosos e as missões. clérigos. processo de constituição do Estado Nacional norte-americano. 2. c) organizações de trabalhadores. escravidão. sindicatos. culturas e nações africanas hoje. a economia. processo político de independência do Brasil. Iluminismo e Revolução Francesa. organizações patronais e partidos políticos. as lutas políticas na implantação da República.2.

Col. o nazismo e o facismo na Europa. Célia M. Domínio e contra-domínio. ímpar. COLLINS. R. inferir o sentido de palavras/expressões com base no contexto lingüístico e no conhecimento prévio sobre o tema de um texto. Oxford: Oxford University Press. sistemas de tempo. Onda negra medo branco – O negro no imaginário das elites do século XIX. composta e inversa. J. Gráficos. identificar o tema principal de um texto.6. com temática variada. Conjuntos: Operações. 2000. Números complexos: formas algébricas e trigonométricas. Marina de Mello e.5. determinativos). pronomes. a fome e as desigualdades social e econômica no mundo. 2001. 2.4. AZAR.2. W. J. garantindo a manutenção e a progressão das idéias em um texto: sinônimos. expressões definidas). 2001. H. São Paulo: Companhia das Letras. .3. das etnias e das minorias culturais. 2008. 1. J. Boris. o sintagma adverbial (advérbios e adjuntos adverbiais). 1929-1989. Peter. São Paulo: Annablume. representação e operações. Aspectos da morfossintaxe: 2.4. Col. Juiz de Fora: Editora UFJF. informações apresentadas em quadros. How to Teach English. 1. London: Longman. Leitura em Língua Inglesa: uma abordagem instrumental. História Contemporânea através de textos. 3. História Moderna através de textos. 2. Metodologia do ensino da língua inglesa: 3. a partir do título. Task Reading. FARIA. periódicos especializados e sites da Internet. História Oral e Educação: tecendo vínculos e possibilidades pedagógicas.3. Col. gráficos e tabelas. metodologias précomunicativas. MARQUES.3.2 No mundo – a cidadania em Atenas e em Roma. 1. propriedades. Diferentes metodologias para o ensino de língua inglesa. D. D.5. ilustração.2. de Castro & PRAXEDES. 2005. Primeiros Passos. a pobreza. 1.EDITAL No 01/2009 ANEXO III econômicas e sociais. decrescente. HOBSBAWN. das crianças. verbos frasais e preposicionais). 3. LITTLEWOOD. SCRIVENER. formação de palavras (sufixação e prefixação). São Paulo: Brasiliense. English Grammar. ______________________________.4. localizar informações pontuais e explícitas em textos. F.2. 4. 2000. experiências históricas autoritárias na América Latina. (OBS: a edição anterior. História Concisa do Brasil. IN VISCARDI. imagens. Principles of Language Learning and Teaching. o socialismo. D. Englewood Cliffs. LARSEN-FREEMAN. 2005. aspecto e modo. da Editora Paz e Terra. 2008.1. concordância verbal. Gráficos. coordenação e subordinação (conjunções e conectivos). Gráficos. Educação e Sociedade.RJ CONCURSO PÚBLICO . FAUSTO. C.1. formular hipóteses sobre a função de um texto a partir de elementos pré-lingüísticos e de recursos gráficos. DENIZE & OSCAR. do 2º grau e modular. Vanda L. Adriana et.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . Cambridge: Cambridge University Press. o sintagma nominal (classes de substantivos. R. 2006. & ROGERS. Equações e Inequações: Resolução. ordem e valor absoluto. 2006. HARMER. New York: Pearson Education. metodologias humanísticas.. BROWN. a social-democracia. Função definida por várias sentenças. 2007. São Paulo: EDUSP. 2. São Paulo: Ática. W. o sintagma preposicional (preposições simples e complexas. A. 2001. 2. adjetivos. 2005. Lucília.6. 1990. Cambridge: Cambridge University Press. B. voz ativa e voz passiva). Campinas: Contexto. 2001. S. 1. 1. Jaques. Função do 1º grau. 1. DAVIES et al. London: Macmillan. A Escola dos Annales.2. TEIXEIRA. Números naturais inteiros. jornais. RICHARDS. o anarquismo. 3. racionais e reais: propriedades. NJ: Prentice Hall Regents. SOUZA. SOUZA. 2.Marinho de. subtítulo. fotografias. Funções: Operações. 1. o comunismo. é igualmente recomendada) BORGES. marcadores do discurso. as práticas de cidadania a partir da independência dos Estados Unidos. Compreensão e interpretação textual: 1. São Paulo: UNESP. Inês A. as declarações dos Direitos Universais do Homem e os contextos de suas elaborações. 2000. BURKE.4. Textos e Documentos 5. o sintagma verbal (classes de verbos. África e Brasil africano. desenhos. Os direitos das mulheres. Approaches and Methods in Language Teaching. Sobre a História. 1993. PROFESSOR I – INGLÊS PROFESSOR I – MATEMÁTICA 1. Função par. estratégias de coerência e coesão textuais (anáfora e catáfora).3. propriedades operatórias e equações logarítmicas. 3. Aritmética e Álgebra. 1. e as aspirações de direitos pela população brasileira hoje. 1. 2.compreender/interpretar idéias/informações em textos de vários gêneros. Vavy Pacheco.155-68. Textos e Documentos 3. Campinas: Contexto. Communicative Language Teaching.8. antecipar o tema de um texto. locuções adjetivas. operações. metodologias comunicativas (competência comunicativa). Gráficos. pronomes. apreender o sentido global de um texto. 2002. (OBS: as edições pela Editora Ao livro técnico são igualmente recomendadas) AZEVEDO. dos jovens.1. Techniques and Principles in Language Teaching. London: Collins COBUILD. Rio de Janeiro: Record. 2ª ed. p. teorema fundamental da álgebra. Cambridge: Cambridge University Press. O que é história.7. identificar recursos lingüísticos que promovem a coesão e a coerência das idéias em um texto: elementos de co-referência (palavras que se referem a uma mesma realidade lingüística. Cláudia & DELGADO. Fundamentals of English Grammar. crescente. Eric J. 2. BERUTTI. 1. Learning Teaching. aspecto perfectivo e modalidade. Função Exponencial: equações e inequações exponenciais. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Artigos retirados de revistas.1. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS AQUINO. 1998. São Paulo: Disal. os ideais iluministas e as práticas de cidadania durante a Revolução Francesa.7.al. Sistemas. História Oral – Teoria. 1997. Logarítmos e função logarítmica: definição. Noções de Lógica. Polinômios: relações entre coeficientes e raízes. 1. História das sociedades – das sociedades modernas às sociedades atuais.

relações discursivas ou pragmáticas. Forma e Estrutura na Música. Relações Métricas. relações entre marcas lingüísticas e níveis de significação textual. Manoel Jairo. 1986. Semelhança. concordância nominal e verbal.4. José Carlos de. PROFESSOR I – MÚSICA 1. KOCH.10.7. David a Mauro. 2.1. RIBEIRO. PÉRIGO. Matemática Financeira: Juros simples e compostos. 1997. Música. Editora MusiMed. motor e perceptivo). Determinantes de Matrizes 2x2 e 3x3. Walter. 3. SAVIOLI. Gramática Houaiss da Língua Portuguesa. Probabilidade. 7. Francisco Platão & FIORIN. A coerência textual. Ponto: Ponto médio de um segmento. 2. Formas de intertextualidade. poesia e contexto histórico. Circunferência: equação geral e reduzida. Arcos e Ângulos: medida. Hino Nacional Brasileiro: características rítmico-melódicas. Espacial. 3. 2 Ed. Roberto. São Paulo: Contexto. Ermelinda. relações métricas. 3. campos semânticos. Celso & CINTRA.EDITAL No 01/2009 ANEXO III 1. 3. 6. Hinário Pedagógico: Irmãos Vitalle. Pontuação: normas gerais de emprego de sinais de pontuação e funções expressivas em textos de fontes diversificadas. mecanismos de flexão dos nomes e dos verbos. 2007. Ponto. Prismas. O texto em construção. 2003. 2. diagonal. fatores de coerência textual.1. Para entender o texto: leitura e redação. Planejamento. mecanismos de coesão textual.3. Regra de Cramer. Estratégias de leitura: sentenças e textos (pressuposições explícitas e implícitas). Ingedore. 2.8. DOLCE. oposta. 5. Manifestações artístico-musicais populares. Matrizes: Quadrada. 2. Procedimentos pedagógicos em Música: conteúdos. Principais manifestações artísticas. a PAIVA. cones e esferas: conceitos. relações. Progressões Aritméticas e Geométricas. 4. Movimentos musicais significativos. elementos mórficos. estrutura e organização interna. 3. intersecção. descritivo e argumentativo). Posições Relativas: paralelas.5. Rio de Janeiro. Agostinho Dias. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação – Lei 9394/96. A Música na Educação Escolar: 1. Circunferência Trigonométrica. Geometria. 3. cilindros. 3. FRATANTONIO. equação da reta que passa por um Ponto. processos de coordenação e subordinação. Avaliação.. PROFESSOR II – EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E 1º 1. 3. Sintaxe: termos da oração. Antonio S. Lindley. Matemática. 9. Nova gramática do português contemporâneo. 1999. 1. KOCH. 5. 2000. São Paulo: Atual. Ediouro. Jorge Zahar. afetivo.2. Discussão. Operações. BENNETT. 1.5. reta e plano: posições relativas. Semântica: sentido e emprego dos vocábulos. Othon Moacir. perpendiculares. emprego de tempos e modos dos verbos em português. São Paulo: Contexto. Popular Brasileira.3. papel das figuras de linguagem na construção do sentido dos textos.6. Brasília. CUNHA. Rio de Janeiro: FGV. Matemática.2. GARCIA. Matemática. Volume único. congruência e determinações. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ALBIN. A. Universal: da época medieval à atualidade. A Linguagem Musical na atualidade. 2. distância entre dois pontos. São Paulo: Ática. CARNEIRO. Elementos de construção do texto e seu sentido: gênero do texto (literário e não-literário. São Paulo: Moderna. semelhança. São Paulo: Publifolha. 8. 3. identidade. métodos e avaliação. Teorema de Talles. _____________. 3. O Livro de Ouro da MPB. Osvaldo. José Luiz. Manoel P. 1. 7. Trigonometria. 2. Morfologia: reconhecimento. pirâmides. Volume único. 2003. Gélson. Plana.9. 1993. 4 Ed.1. 2001.1. Luiz Carlos. Estilística: reconhecimento das diversas figuras de linguagem em um contexto. 2003. Pedagogia Musical Brasileira no Século XX: metodologias e tendências. Arranjos. Parâmetros Curriculares Nacionais. 1986. 8. Ortografia: padrões gerais e reforma ortográfica. concorrentes. Ingedore & TRAVAGLIA. Os Parâmetros Curriculares Nacionais e o Ensino de Música. Sistemas Lineares: Resolução em duas ou três variáveis. Volume único. PAZ. São Paulo: Moderna.6. Uma Breve História da Música. Figuras: caracterização e propriedades. Distância de um ponto a uma reta. 2008. 2. 6. 1997 PROFESSOR I – PORTUGUÊS 1. Inscrição e circunscrição.3. Permutação com repetição. Comunicação e Cultura: 3. São Paulo: Scipione. Relação Ensino – Aprendizagem. características das tendências e compositores representantes. transposta e inversa. processos de formação de palavras.2. relações lógico-semânticas. Análise Combinatória: Contagem. 2. Matemática para Ensino Médio. São Paulo: Saraiva. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs): Arte / Secretaria de Educação Fundamental – Brasília: MEC/SEF. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. alinhamento de três pontos e área do triângulo. Rio de Janeiro: Metáfora Ed. Relações Trigonométricas. Volume único. 2.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . Manoel. Identidades Trigonométricas. Comunicação em prosa moderna. emprego e sentido das classes gramaticais em textos. padrões gerais de colocação pronominal no português. Quadro e . combinações e permutações simples. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS AZEREDO. A Música na História: 2. Elementos básicos da Música (estrutura e forma). 1985. Roy. 4. Jorge Zahar. Cadernos de Música da Universidade de Cambridge. Gramática aplicada da língua portuguesa. inscrição e circunscrição. 2. Cadernos de Música da Universidade de Cambridge. 1.4.2. Desenvolvimento da criança (cognitivo. 1. áreas lateral e total e volumes. Funções Circulares. 1990.1. Cálculo Fatorial. transitividade e regência de nomes e verbos. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BEZERRA. DEGENSZAJN. Teoria de Aprendizagem. 2000.RJ CONCURSO PÚBLICO . No triângulo retângulo. 1 Ed. A inter-ação pela linguagem. 1.2. IEZZI. Propriedades. Reta: Equação geral e reduzida. coeficiente angular e parâmetro linear. a FACCHINI.1996. narrativo. Analítica. Ricardo Cravo.

Nilbo Ribeiro. Avaliação da aprendizagem Escolar. REGO. Moacir. Ed. 14. Orientação educacional na prática: princípios. Porto Alegre: Mediação. KRAMER. 1999. A criança em idade pré-escolar. Loyola. ORIENTADOR EDUCACIONAL 1. Jiron. História aplicada ao ensino. Séries Iniciais do Ensino Básico. Democratização da Escola Pública.I. Brasília. Jean.). Artmed. Porto alegre: Artmed. 308 pág. Com a pré-escola nas mãos. Construir as competências desde a escola. Multieducação. Rio de Janeiro: Zahar. A Orientação Educacional: conflito de paradigmas e alternativas para a escola. São Paulo: Autores Associados. Pedagogia dos Projetos: uma jornada interdisciplinar rumo ao desenvolvimento das múltiplas inteligências. Mirian P. ___________________________. Momentos de intervenção: a Orientação Educacional na Infância e adolescência. Reflexões sobre alfabetização. Ilma Passos Alencastro. Novas tendências e Competências. Sonia. 1986. Democratização da Escola Pública. Emília. MATUI. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Ed. 10. Autonomia da escola: Princípios e Propostas. Danilo. A Orientação Educacional em uma perspectiva histórica: concepções de funcionamento e formas de intervenção. PERRENOUD. Evasão e o fracasso escolar. 2000. 1989. ___________. Ática. Eny Marisa. Planejamento como prática Educativa. MAIA. Francis J. Desenvolvimento Psicológico e Educação: Psicologia evolutiva. RJ. São Paulo: Ed. 7ª ed. 135 pág. Rosa. César. 11. Ática. SP: Papirus. 1998. 2000. SAVIANI. Artmed. Loyola. São Paulo: Ed. São Paulo: Ática. SP: Papirus. SP: Cortez. São Paulo: Ed. 3ª edição. Alves. Regina Leite. GRINSPUN. 15. Ed. Rio de Janeiro: Betrand Brasil. São Paulo: Ed. Projeto Político-Pedagógico. 1996. VEIGA. 400 pág. SMOLKA. A Criança na Fase Inicial da Escrita. 1989. Jean. 3. SP: Ed. 110 pág. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BECKER. Cortez. de 1996. funções e objetivos. HAIDT. BORGES. Vol. Pioneira Educação. e ROMÃO. 199 pág. César. TURRA. 1986. Supervisão e Orientação Educacional: perspectivas de integração na escola. Ed. Prática pedagógica e o processo de construção do conhecimento: Interdisciplinalidade e projetos. 8. Núcleo Curricular Básico.EDITAL No 01/2009 ANEXO III atribuição de pessoal. SILVA. Cortez. GRINSPUN. 2002. GARCIA. 327 pág. NICOLAU. 1994.A. Barbel. 1998. A prática educativa: como ensinar. 2002. ZABALA. Regina Célia Cazaux. projetos de intervenção e técnicas de trabalho. 2000. A Psicologia da Criança. Antoni. São Paulo: Ed. ____. Cortez. 2001. Dermeval. 6. 407 pág. 24ª ed. Planejamento de Ensino e Avaliação. 1975. Curso de didática geral. Loyola. 2. Possibilidades da ação educativa. Petrópolis: Vozes. SOARES. COLL. A questão dos conteúdos e organização curricular. A Função do Orientador Educacional. Mirian P. e GARCIA .RJ CONCURSO PÚBLICO . 320 pág. Regina (Org. Ana Luíza B. Jair Militão da. Educação e Construção do conhecimento. 12. Linguagem e Escola: Uma perspectiva Social.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . RJ: See. 1996. 1971. Philippe. Caderno de Atividades. Loyola. Cortez. 2001. COLL. Avaliação: mito e desafio: uma perspectiva construtiva. GADOTTI. 13. São Paulo: Livraria Ed. Zippin. O papel da Orientação Educacional: princípios. Cipriano Carlos. SP: Ed. LIBÂNEO. Orientação educacional trabalho na escola. Marieta Lúcia Machado. 1996.1992. 1997. Organização. Zippin. FERREIRO. Projeto Político Pedagógico da escola: uma construção possível. RUMMEL. Ática. Loyola. MEC. Teresa Maria Machado. 2006. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS GIACAGLIA. 2003. Godoy. Gilda. 9ª ed. Parâmetros Curriculares Nacionais para o primeiro e segundo ciclo do ensino fundamental. ___________. 1975. 2001. Escola e Democracia. PIAGET. Creche. Bruno Charles Magno. 2001. Jussara Maria Lerch. Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. 1994. 1971. Porto Alegre: Ed. O Raciocínio da Criança. PIAGET. Prontidão para alfabetização. José Carlos. Orientação educacional no projeto escolar: o acompanhamento do processo de aprendizagem. Uma Orientação educacional nova para uma nova escola. Porto Alegre: Mediação. 2001. Ed. Sagra. 4. Comportamento na escola. 1999. 2000. Uma Orientação Educacional nova para uma nova escola. 2001. Ermani F. 7. Porto Alegre: Artes Médicas Sul. NOGUEIRA. HOFFMANN. e INHEDER. Teresa Cristina. São Paulo: Érica. São Paulo: Moderna. Lia Renata Angelini. Fernando.da F. Pontos e Contrapontos do pensar ao agir em avaliação. José (org). A Formação do Símbolo na criança. 1998. GANDIM. Difel. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Record. 1997. Montagem e Funcionamento. Parâmetros Curriculares Nacionais para Educação Infantil. LUCKESI. São Paulo: Ed. Construtivismo: Teoria Construtivista Sócio. 1995 ORIENTADOR PEDAGÓGICO . Trad. Trad. SP: Cortez. 10ª ed. São Paulo: Livraria Ed. 5. A Formação do Símbolo. Magda. A Autonomia da Escola Pública. A Educação PréEscolar: Fundamentos e Didática. técnicas e instrumentos. S. 1994. Lei nº 9394. RIZZO. 9. Ática. A prática da orientação educacional: planejamentos. São Paulo: Cortez. Perspectivas da Orientação Educacional.

atualizada. STANEK. Gramática. Rio de Janeiro: IBAM. armazenar arquivos no computador. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS MINK. modificação da fonte. uso do Windows Explorer e conhecimento de funções do tipo transferir arquivos para disquete. 1999. Agostinho Dias. 3. (coord. atualizada. José Luiz. Semântica: sentido e emprego dos vocábulos nos textos. Ed. Estilística: o papel das figuras de linguagem na construção do sentido dos textos. separar arquivos em pastas etc. Celestino Alves da (Orgs.) Supervisão Educacional – uma reflexão crítica.). 4. . Informática para todos os cargos de Nível Médio 1. Nova gramática do português contemporâneo. 1997. Correa (org. Instrumentos da ação orientação pedagógica: elaboração. Constituição Federal de 1988. Habilidades e competências nas dimensões humanas e técnica da nova orientação pedagógica. 1997. MORAES. emprego e sentido das classes gramaticais nos textos. 1998. Goiânia.Alternativa. Gene. O conceito de interesse local.RJ CONCURSO PÚBLICO . Direito municipal brasileiro. FARACO. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS CARNEIRO. 4. regência nominal e verbal. NICOLA. Mary e SILVA JR. A organização do trabalho pedagógico na escola. Windows XP: Noções de trabalho no ambiente Windows. Lei Complementar nº 326 de 28 de abril de 1997 (Regime jurídico dos servidores do Município). _____. Microsoft Windows XP Professional – Guia de Bolso do Administrador. SP: Cortez. RJ: Vozes. processos de formação de palavras. 1998. RIBEIRO. Assistente de Creche. construção e sentido dos períodos compostos – as orações coordenadas e subordinadas. 2002. José de & INFANTE. Marcos Flávio R. São Paulo: Ática. O texto em construção. conhecimento das suas funções básicas. São Paulo: Scipione. Manual do Prefeito. 4. SP: Papirus. José Carlos.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . Petrópolis. atualizada. Os servidores públicos: normas constitucionais e legais. Conteúdo. Técnico em Contabilidade e Técnico em Informática. como formatação de parágrafos. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BARRA DO PIRAÍ. Fiscal de Posturas. Ulisses. trabalho com várias planilhas em um arquivo etc. 1985. O texto: organização interna e sentido. competência e limitações. flexão dos nomes e verbos. Fiscal de Meio Ambiente. Alexandre de. Secretário de Escola. 1.) Supervisão Educacional para uma escola de qualidade (da formação à ação). 1997. São Paulo: Atlas. Para entender o texto: leitura e redação. BRASIL. William R. concordância nominal e verbal. emprego de tempos e modos dos verbos em português. Técnico Agrícola. Manoel P. Legislação Municipal para os cargos de Agente Administrativo. LIBÂNEO. impressão etc. 5. Excel 2000 (Prático e Fácil). O Município e a Federação. Assistente Técnico de Gestão.. acompanhamento e avaliação. Vozes. como utilização de fórmulas nas planilhas. Lindley. São Paulo: Malheiros Ed.). SAVIOLI. sinonímia e antonímia.. transitividade verbal. A Câmara Municipal. 2004. Ética e Competência. Acompanhamento. 2000. 5. Francisco Platão & FIORIN. A organização do Município. conhecimento das suas funções básicas. Pontuação. VASCONCELLOS. da narração e da argumentação. Lei Orgânica do Município. Técnico em Agrimensura. Celso & CINTRA. Guarda Municipal Feminino e Masculino. 2000. A Lei Orgânica Municipal. 1997. WEISSKOPF. 2. 6. A responsabilidade do Poder Executivo. CUNHA. Microsoft Word 2000. Morfologia: reconhecimento. Gramática contemporânea da língua portuguesa. SILVA. MS-Word 2000: uso do MS-Word para criação e edição de documentos. Do projeto político pedagógico ao cotidiano da escola. Carlos. Francisco. padrões gerais de colocação pronominal em português. RIOS. Supervisão e Orientação de atividades pertinentes à dinâmica da realidade educacional na instituição do Ensino Básico. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ALVES. São Paulo: Ática. SP: Loyola. 1996. Gramática aplicada da língua portuguesa. O Poder Executivo. Organização e Gestão da Escola: teoria e prática. Nove Olhares sobre a Supervisão. São Paulo: Moderna. 1993. Carlos Alberto & MOURA. utilização de tabelas. campos semânticos. 3. Regina L. MEIRELLES. Teresinha Azeredo. termos da oração. O processo legislativo. Naura Syria F.EDITAL No 01/2009 ANEXO III 1. Rio de Janeiro: Metáfora Ed. GONÇALVES. Naura. Coordenação do trabalho pedagógico. 2. 2. A quebra de paradigmas na orientação pedagógica e as mudanças decorrentes no perfil do orientador. de 5 de abril de 1990. MS-Excel 2000: uso do MS-Excel para criação e edição de planilhas. características da descrição. 5. Ortografia. Direito constitucional. São Paulo: Bookman. R. O Poder Legislativo e sua competência. Hely Lopes. 1997. Syria F. 2. SP: Libertad. São Paulo: Makron Books. 3. 7. 2004 RANGEL. Sintaxe: frase. _______________. Celso. As proibições e incompatibilidades aplicáveis aos Vereadores. O fazer e o pensar dos supervisores e dos orientadores educacionais. 3. NÍVEL MÉDIO E ESPECIALIZADO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS PARA AS PROVAS COM NÚCLEO COMUM Português para todos os cargos de Nível Médio 1. Nilda e GARCIA. São Paulo: Makron Books. Correa (org. oração e período. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

152 páginas.br/susdeaz ou disponível em: http://portal. Caderno de Atividades. HAIDT. Rio de Janeiro: Editora Senac.br na Área do Candidato. ______. Curso de didática geral. Disponível em http://www. KRAMER. Contratações Públicas: modalidades e características. encerramento. RJ. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação – Lei 9. composição. 1987. finalidade e tipos de arquivos. Parâmetros Curriculares Nacionais.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ .pdf ______. II. São NÍVEL MÉDIO E ESPECIALIZADO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS PARA AS PROVAS OBJETIVAS AGENTE ADMINISTRATIVO 1. Teoria de aprendizagem. 199 páginas. LBA. autuação. Planejamento participativo. Educação de 0 a 3 anos: o atendimento em creche. NICOLAU. Câmara Municipal: funções. Módulo 2. Marilena Leite.br ou através do site http://www. Conselho Estadual da Condição Feminina. 82 páginas. 13. de 22 de fevereiro de 2006. em defesa do SUS e de gestão.ibam-concursos. III (arts 8º a 16. Marieta Lúcia Machado. Gestão de Documentos: procedimentos. reativação.br na Área do Candidato. Rio de Janeiro. Financiamento. Creche urgente. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas. Classificação de documentos e correspondência Terminologia arquivística. 12.tce. iniciativa de leis e de atos municipais.pdf.conasems. Autonomia e competências. Agrupamento de crianças na creche. Receitas Municipais. Reforma Sanitária.gov. Maria Ângela. Lei de Diretrizes e Bases da Educação o Nacional – Lei n 9394/96. Atualizada em 2000. Disponível em http://www. São Paulo: Editora Ática. Brasília. Elinor. Brasília. 1997. A creche saudável. Núcleo curricular básico. Conselho Nacional dos Direitos da Mulher. 1998. Relações Câmara/ Prefeitura.gov. 1989. 328 páginas. Com a pré-escola nas mãos.13ª Ed. Proposta curricular para as creches e pré-escolas comunitárias. Rio de Janeiro. classificação. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO. Auxiliar de creche. Gestão tributária. Organização e gerenciamento.394/96. 6. Seção I (Capítulos I. Rio de Janeiro. 1992. movimentação. Rotinas de saúde da creche. 1995.org. BRASIL. competências privativas. Biologia educacional. competências privativas. 4. PAES. Titulo I.org. II. 1988. 1ª ed.gov.br/portal/arquivos/pdf/sus_ 3edicao_completo. Prefeitura e Câmara Municipal. Responsabilidade sanitária das instâncias gestoras do SUS. GOLDSCHMIED. Sônia. ASSISTENTE DE CRECHE 1. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ARGÜESO. arquivamento. 2ª ed. Controle. 10. Conceito. 4.br/doc_diversos/livro_opas. Sistema Único de Saúde – SUS: Princípios. O SUS de A a Z. Atividades pedagógicas. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. 2ª ed. diretrizes e regulamentação. 7 volumes. 2009. 407 páginas. Regina Célia Cazaux. 2. 7 ed.ibam. Técnico em Laboratório e Técnico em Radiologia. a criança” . Maria Beatriz Gomes de Almeida. Desenvolvimento local. Parâmetros Curriculares Nacionais.S. Materiais pedagógicos. 2. Porto Alegre: Artmed. 1992. 1997. 132 páginas. Participação e Controle Social. Educação infantil. Diretrizes para a Gestão do SUS: Descentralização. Diretrizes do Pacto pela Saúde em 2006 – Consolidação do Sistema Único de Saúde. ASBRAC. Brasília. desentranhamento. 2006. Rio de Janeiro: SEE.htm Texto “Conceitos Básicos sobre Processos”. Manual do Prefeito. organização. 86 a 90). 2. rotinas e etapas. Prefeito: funções.org.br/bvs/pub_assunto/atencao_b as.saude. Regulação. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Lei Orgânica do Município. 2005. Planejamento. CECIP. Séries iniciais do ensino básico. 60 a 68) e IV (arts.ibam-concursos. Planejamento. DOS SANTOS. 3.EDITAL No 01/2009 ANEXO III Legislação do SUS para os cargos de Técnico de Enfermagem. 5. despacho. 8. 1996. “Primeiro. 110 páginas. M.gov. 304 páginas. Ática. Atribuições de pessoal e relações humanas dentro da creche.RJ CONCURSO PÚBLICO . Atividades de rotina.saude. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Sessões. 24 . 5. Disponível em: http://www. Documentação e Arquivo: Órgãos de documentação.htm a 36. Regionalização. III e IV (Capítulos 1 e 3). 2001. Programa alimentar. Disponível em http://www. patrimonial e de serviços. Município: Poderes. 4 e 5). políticas e instrumentos. Multieducação.rj. Os manuais e textos poderão ser encontrados no site da biblioteca virtual do Ministério da Saúde através do endereço eletrônico htpp://dtr2001.Vamos fazer uma creche? Projeto Casulo. Avaliação e Auditoria. Diretrizes Operacionais. juntada. Arquivo: Teoria e Prática. 335 páginas. LBA. Admissão e desligamento da criança na creche.saude. IBAM. 10ª ed.org.br/publique/cgi/cgilua.orientações básicas para atendimento em creche. Regulação. licenças e substituição.exe/sy s/start. MEC. 7. Ministério da Saúde. Comissões. São Paulo: Editora Ática. Participação e Controle Social. 11. paginação. publicado na Portaria/GM nº 399. 9. Programação Pactuada e Integrada. São Paulo: Ed. 3 volumes. 2006. Contas Municipais. 48 a 50. A educação préescolar – fundamentos e didática. Pactos pela vida. 14ª ed. 91 páginas. 3 volumes. Disponível em: http://www. 1. Ambiente escolar. Processos: conceitos sobre tramitação. 3. Planejamento e Programação. Controle da Administração.

Sagra – S. 4. Lei Orgânica do Município. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. de 21 de dezembro de 1995 (Código Administrativo). RJ. lei.cfm Termos sobre legislação ambiental . ). Creche – organização. Conceitos básicos sobre termos da legislação ambiental: código. características. Sessões. Disponível em http://www. 3.RJ CONCURSO PÚBLICO . 2. montagem e funcionamento. de 15 de outubro de 2007 e alterações posteriores Disciplina o procedimento de descentralização da fiscalização e do licenciamento ambiental (. sanções aplicáveis. 320 páginas.ibam. Rio de Janeiro: Record. Rio de Janeiro. 5. Órgãos ambientais do Estado do RJ. Políticas sociais do Município de Barra do Piraí segundo sua Lei Orgânica.rj..PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . 3. Ana Luíza B.br/port/conama/estr.br ou através do site http://www. FISCAL DE MEIO AMBIENTE 1. IBAM.htm Texto “Conceitos Básicos sobre Processos”.gov.exe/sy s/start. _______.br/conama/estr1.index&tipo=0 Informações sobre INEA. Jean e INHLEDER. 10. 9. Titulo I. 1989. juntada.gov. paginação. 60 a 68) e IV (arts. reativação. Instrumentos e iniciativas.exe/sy s/start. Lei nº 9605. Jean.org. Autonomia e competências. 1984. composição. Atos administrativos relacionados ao poder de polícia. 5. Capítulo IV.rj. Receitas Municipais. de 5 de abril de 1990. Gestão de Documentos: procedimentos. A criança na fase inicial da escrita. despacho.) no Estado do RJ. II. Prefeito: funções.4. Controle da Administração. decisões.gov. Disponível em http://www. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas. O raciocínio na criança. 86 a 90). Processos: conceitos sobre tramitação.tce. iniciativa de leis e de atos municipais. princípios.org. Tipos de atividades. PIAGET. Município: Poderes. Lei nº 5.101. Poder de polícia do Município: conceito. Novos marcos jurídicos da gestão ambiental. II. de cinco de julho de 2007 e nº 40.asp FISCAL DE POSTURAS 1.org. _______.Disponível em http://www. Gestão tributária.org. Comissões. ASSISTENTE TÉCNICO DE GESTÃO 1. 7.980. ______________.htm Informações sobre SISNAMA/CONAMA Disponível em http://www.13ª Ed. Autonomia e competência do Município. Prefeitura e Câmara Municipal. encerramento. 13. Câmara Municipal: funções. 2009.gov. 11.inea. 9ª ed. 1971. Relações Câmara/ Prefeitura. atualizada. instrução normativa.gov. PAES.ibam-concursos. . licenças e substituição.inea. arquivamento. formas de atuação.cfm e http://www. EBM.mma. políticas e instrumentos.inea. III (arts 8º a 16. Legislação ambiental Lei de crimes ambientais. de 5 de abril de 1990. órgãos e competências. 3. 15. Município e Desenvolvimento sustentável. Creche atividades desenvolvidas com a criança. Constituição Federal de 1988. Contratações Públicas: modalidades e características. SAMPAIO CARNEIRO. 14. Barbel. ______________. 48 a 50.br/publique/cgi/cgilua. Manual do Prefeito. unidades desconcentradas. Planejamento de ensino e avaliação. de 04 de outubro de 2007 . Disponível em http://www. Desenvolvimento local.mma. portaria e resoluções.br/ Licenciamento ambiental e descentralização no Estado do RJ Disponível em http://www.EDITAL No 01/2009 ANEXO III Paulo: Ática. Gilda. Planejamento. INEA: criação. RJ. 5.rj. Contas Municipais. A formação do símbolo. desentranhamento. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BARRA DO PIRAÍ. 308 páginas.br na Área do Candidato. TURRA. 2009. Conceito. A psicologia da criança.php?ido=legisl acao. 16. atualizada. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BARRA DO PIRAÍ. rotinas e etapas. 2005. competências privativas. Requisitos para a descentralização no Estado do RJ. Município e Meio ambiente: Competências constitucionais.rj.asp e http://www. IBAM. competências. Sistema Nacional de Meio Ambiente: Composição. competências privativas. Godoy. RIZZO. norma técnica. 2.Dispõe sobre a criação do Instituto Estadual do Ambiente -INEA RJ Decretos nº 40793. O exercício da fiscalização: modalidades. III e IV (Capítulos 1 e 3). Atuação do Município..gov. 2000. 24 a 36. 2002.A – 1975. organização. 6. Organização e gerenciamento. Poder de polícia: Conceito. Licenciamento ambiental. movimentação. BRASIL.br/publique/cgi/cgilua. 12. 6. 157 páginas. BRASIL. Capítulos I e II. 1986. Jean. de 28 de abril de 1997 (Regime jurídico dos servidores do Município).br/fma/licenciamento-conveniomunicipios. 135 páginas. Documentação e Arquivo: Órgãos de documentação. Disponível em http://www.br/fma/licenciamentoapresentacao. 8. Virgínia Régia. Classificação de documentos e correspondência Terminologia arquivística. 400 páginas.gov. decreto. 4. extensão.ibam-concursos. As posturas municipais. 1971. Gestão ambiental local. 2. Arquivo: Teoria e Prática.mma. Seção I. DIFEL. de 12 de fevereiro de 1998 (Lei de Crimes Ambientais) Manual do Prefeito. Marilena Leite. Disponível em http://www. Constituição Federal de 1988.13ª Ed. atualizada. São Paulo: Cortez. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Lei Orgânica do Município. atualizada. Lei Municipal nº 273. Lei Municipal nº 326. manifestações.br na Área do Candidato. Lei Orgânica do Município. 4 e 5).ibam. Seção II. finalidade e tipos de arquivos. patrimonial e de serviços. classificação. autuação. SMOLKA.br/sitio/index. atualizada. O regime jurídico do Fiscal de Posturas. atualizada. Seção I (Capítulos I.

T. Disponível em http://www. IBAM. 5 ed. Hortaliças. G. Direitos e deveres. editora FEALQ. A. 3. R – Manual de Olericultura: Cultura e Comercialização de Hortaliças. – Manual de Irrigação. R. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BALASTREIRE. Piracicaba SP. defesa social.H. Instituto Campineiro de Ensino Agrícola. Administração Escolar. GUIMARÃES. Lei Municipal nº 326. a CAMPOS. Ministério da Agricultura e do . como também dos documentos que compõem o arquivo escolar. 2 edição. A.“Altera o Regime Jurídico Único e o Plano de Carreira dos Servidores Públicos Municipais do Poder Executivo de Barra do Piraí e dá outras providências correlatas”. São Paulo: Ed. LABUTO. 6 ed. Conceitos e definições constantes do Anexo I do CTB. R. bem como. (coord. José do Prado.Estatuto do Idoso. SILVA. – Abastecimento e Armazenamento de Grãos. FILHO. adicionais e licenças. Suely Miguens. Brasil. Identificação hierárquica.07. R. Lei Municipal nº 777 de 14 de novembro de 2003 “Dispõe sobre a instituição da Guarda Municipal. FERREIRA. SILVEIRA. RJ. Teresópolis. 5 aproximação. 1979.2003 .htm SECRETARIO DE ESCOLA 1. Suinocultura Intensiva. PUZZI. G. 2005. 2 edição. Campinas SP – Livraria e Editora Rural Ltda. Rio de Janeiro: IBAM. Atlas. 1986. L. 2003. J. Rio de Janeiro. Grandes culturas. S. Autonomia. Ed. Confinamento de Bovinos Leiteiros. organização do espaço da secretaria.2. Principais Culturas. Disponível em: http://www. Correspondência Comercial e Oficial. MOURA. Principais a Culturas. I. Viçosa MG. 1999.gov. subordinação. 2. Porto Alegre – RS. JOSÉ. serviços e finalidades. Pecuária. 8. São Paulo. P.RJ CONCURSO PÚBLICO . RIBEIRO. Viçosa. LANA. Imprensa Universitária. infrações e penalidades.br/publique/cgi/cgilua. 5. Cidadão.EDITAL No 01/2009 ANEXO III GONÇALVES. Ministério da Justiça/Secretaria Nacional de Segurança Pública. 3.1. Poder de polícia municipal. C. V. M. 1998. finalidade. Direitos fundamentais da Criança e do Adolescente e do Idoso: Prevenção e Proteção.. conhecimento de normas e regulamentos pertinentes ao sistema educacional e trabalhista. 1982. A. MEIRELLES. Globo.br/data/Pages/MJ1BFF9F1BIT EMID1762E6A7BCE54EAD82348F8B773BD93B PTBRIE. N. Guarda Municipal de Barra do Piraí: Requisitos para ingresso. São Paulo: Malheiros Ed.13ª Ed. Hely Lopes. 1973. Rio de Janeiro. Avicultura.S – Pré-Processamento de Produtos Agrícolas. M. principais setores de atuação. A. Secretariado de escola: definição das atribuições do Secretário Escolar. J. V. competências e funções do Município. T.htm#EZTPageTop Texto sobre Órgãos de Segurança. Piracicaba – SP. Conceitos básicos sobre segurança pública e privada. Campinas SP. C. Lei nº 10741. 2 edição. 2009. Irrigação e Drenagem.M. PASSOS.htm Texto sobre Conceitos Básicos em Segurança Pública. A. A. 6. sanção. MG. F. conceito.Estatuto da criança e do adolescente. 1997. 1. FARIA. a BRADY. 9. Agronômica Ceres. G. V..2. Juiz de Fora. Instituto Campineiro de Ensino Agrícola. meios de atuação. Centro Nacional de Pesquisa de Suínos e Aves. V. à luz do Regimento da Guarda e do Estatuto dos Servidores de Barra do Piraí. Viçosa. Q. SILVEIRA. MARTINS. Disponível em http://www. Ed. Instituto Campineiro de Ensino Agrícola. P. Campinas SP.). Funções do prefeito.M – Os Cuidados com o Trator. Manual do Secretário de Escolas. Curso de Secretário de Escola. Infrações Administrativas e Crimes. Campinas. – Recomendações para Uso de Corretivos e a Fertilizantes em Minas Gerais. visando um trabalho produtivo que busque a funcionalidade.10. de 01.. Marcos Flávio R. RODRIGUEZ. FERREIRA. Instituto Maria. Seção I (Capítulos I. São Paulo: Ed. Suinocultura. C. GUARDA MUNICIPAL FEMININO E MASCULINO 1.gov. L. 1995. 1995. Manual do Prefeito. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Código de Transito Brasileiro e seu Anexo I. Carlos Alberto. defesa civil. Direito municipal brasileiro. Lei nº 8069.exe/sy s/start.A – Máquinas Agrícolas. Mecanização. a eficiência e redução da burocracia. Câmara Brasileira do Livro. 4. V. órgãos. 7. de 13.mj. Patrimônio e Bens públicos. 3ª edição. Ed. S. P. Manuela M. Trânsito: Sistema Nacional Órgãos e competências. D. 1993. Normas Gerais de Circulação e Conduta. 1973. competências dos dirigentes e dos guardas municipais. 2. vantagens.WENTZ.C – Natureza e propriedades dos Solos. PEIXOTO.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . 1987. S. A Pecuária em a Novos Moldes. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. FILHO. C. Ética. TÉCNICO AGRÍCOLA 1. Pedestres e condutores de Veículos não motorizados. 2003. Reinaldo Mathias. Solo. 4. PEIXOTO. ALVAREZ.org.br/data/Pages/MJ1BFF9F1BIT EMIDE16A5BBC4A904C0188A7643B4A1DD68C PTBRIE. MARCANTONIO. J. G. S. 1995. normas gerais de atuação. Armazenamento e Processamento de Produtos Agrícolas. Rio de Janeiro: Copyrigt. limites.1. Livro dos CITEs. C. 1999. SESTI. V. Livraria Freitas Bastos S. T. A. SP.mj. FIGUEIRA. a BERNARDO. Ministério da Justiça/Secretaria Nacional de Segurança Pública. G. 2000.ibam. São Paulo: Ed. Avicultura. de seu Regimento Interno e dá outras providências”. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Centro Educacional de Niterói. Sinais de Trânsito. Manual de modelos de cartas Comerciais. estrutura organizacional. 2 e 4). Ed. Rio de Janeiro: CECAP. Administração na Secretaria da Escola. Atlas.1990 . de 28 de abril de 1997 . 1. Manual do Prefeito. GARCIA. 1986.

Saúde pública. procedimentos de enfermagem relacionados ao processamento de materiais hospitalares. doenças sexualmente transmissíveis. MACHADO Jr. Portaria Conjunta STN/SOF nº 3. BRASIL. José Bitencourt De. Enfermagem médico-cirúrgica. Rio de Janeiro: IBAM. que dispõe sobre normas gerais de consolidação das Contas Públicas no âmbito da União. cuidados de enfermagem relacionados a prevenção e tratamento das infecções hospitalares. peso e altura. Editoração eletrônica por José Bitencourt de Andrade. passivos. 3. Portaria Interministerial nº 325. características dos ativos. do idoso. Fundamentos e Aplicações. execução da receita e despesa orçamentária. Cuidados de enfermagem ao indivíduo portador de distúrbios clínicos. doenças infecciosas. de 4 de maio de 2001. Orçamento-programa: fundamentos e técnicas. Contabilidade Pública: conceito. Brasília. objeto e objetivos. FILHO. TÉCNICO EM AGRIMENSURA 1.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . transferências voluntárias. registro contábil dos principais fatos típicos da administração pública. Lei Complementar no 101. Demarcação. 5. 2. _______. Contabilidade governamental: um enfoque administrativo. Estados. Heraldo da Costa. 2. variações patrimoniais. Serviço de Produção Informação – SPI. patrimonial e financeiro. Ed. Glauco Pontes. 3. 3. Topografia. conceitos de dívida pública e restos a pagar. “Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências”. Secretaria do Tesouro Nacional. Divisão. campo de aplicação. receitas e despesas efetivas e não efetivas. coleta de material para exame e oxigenoterapia. “Dispõe sobre normas gerais de consolidação das Contas Públicas no âmbito da União. Posicionamento Pelo GNSS – Descrição. cuidados de enfermagem no tratamento de feridas e realização de curativos. João Francisco Galera. evolução conceitual do orçamento público. KOHAMA. espécies de orçamento. dívida ativa. Gestão Fiscal: normas de finanças públicas. SILVA.EDITAL No 01/2009 ANEXO III Abastecimento. e dá outras providências”. controle dos bens. escrituração e consolidação das contas. São Paulo: Atlas. de 5 de agosto de 2009. 10. Posicionamento por Satélite. sistemas de contas. Orçamento e Gestão. “Altera os Anexos I. atenção primária e educação para a saúde. Topografia Aplicada à Engenharia Civil. do trabalhador e da família. Fundamentos de enfermagem. tipos de orçamento. Portaria Interministerial nº 163. TÉCNICO EM CONTABILIDADE 1. Topografia: Planimetria. 14. 2. estágios. Alberto de Campos. _______. de 14 de outubro de 2008. 2000/2001. Fotogrametria e Fotointerpretação. Estados. classificação. Joel Gripp. REIS. programas especiais de saúde voltados à assistência da criança. _______. James. São Paulo: Atlas. atual. Conhecimento Técnico científico das Técnicas básicas de enfermagem: sinais vitais. preparo e administração de medicamentos. Altimetria. Secretaria do Tesouro Nacional e Secretaria de Orçamento Federal. “Aprova os Manuais de Receita Nacional e de Despesa Nacional e dá outras providências. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ANDRADE. 4. COMASTRI. cálculo. Contabilidade pública: teoria e prática. TÉCNICO EM ENFERMAGEM 1. da UFV. da Lei das Diretrizes Orçamentárias e da Lei Orçamentária Anual. José Teixeira. da mulher. Legislação e ética para o desenvolvimento do exercício profissional em enfermagem. ações de vigilância epidemiológica. BORGES. _______. Enfermagem maternoinfantil. discussão. _______. cirúrgicos e psiquiátricos. UNESP. JR. LCT. Estradas. Lino Martins da.”. Portaria nº 462. A lei 4. Programa Nacional de Imunização e profilaxia antitetânica para o indivíduo adulto e mulher durante o ciclo gravídico-puerperal. ed. Ministério da Fazenda e Ministério do de Planejamento. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BARRA DO PIRAÍ. preparo do cliente para realização de exames. Editoração Eletrônica por Glauco Pontes Filho MC CORMAC. Elaboração da proposta orçamentária: conteúdos. Ministério da Fazenda. princípios legais e éticos do exercício profissional.. Estradas De Rodagem – Projeto Geométrico. Jack. II e III da Portaria Interministerial no 163. exame físico e registro em enfermagem com terminologia científica orientado para os problemas dos clientes. “Aprova a 2ª edição do Manual de Demonstrativos Fiscais”. Portaria nº 42 de 14 de abril de 1999. Helio. Demonstrações Contábeis de acordo com a Lei 4320/64: estrutura. Ministério da Fazenda e Ministério do Planejamento. voltadas para a gestão fiscal – Lei Complementar 101/2000. São Paulo: Atlas. Ed.320/64 comentada. contas de compensação. do adulto. votação e aprovação da lei do orçamento. José Aníbal. superveniências e insubsistências. 30 ed. classificação da despesa e da receita pública. ed. ed. 8.RJ CONCURSO PÚBLICO . Despesa e Receita Orçamentária: conceito. Lei Orgânica Municipal. Portaria nº 180 de 21 de maio de 2001. do adolescente. de 27 de agosto de 2001. e dá outras providências”. 4. de 04 de maio de 2000 (Lei de Responsabilidade Fiscal). _______. Distrito Federal e Municípios. 1998. Análise e interpretação dos resultados orçamentário. prazos e vigências da Lei do Plano Plurianual. Distrito Federal e Municípios. Orçamento e Gestão. GIACOMONI. cuidados de enfermagem na atenção ao indivíduo portador de doença crônicodegenerativa. efeitos advesros e de conservação de vacinas. Fotogrametria 2ª Ed. MONICO. rev. Ed. Orçamento público. _______. cuidados de enfermagem em situações de urgência e emergência. Constituição Federal de 1988. inventário. Topografia Aplicada – Medição. receitas e despesas orçamentárias e extra-orçamentárias. Cuidados de enfermagem à mulher durante o ciclo gravídico-puerperal e às portadoras de patologias . de 4 de maio de 2001. Orçamento Público: conceitos e princípios.

2005. Membro Superior: Posicionamentos. 2. Desinfecção e processos de esterelização. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan. 3. Um guia prático. Interpretação de normas de controle de qualidade. I e II. 7. ed. Incidências. MOURA. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Formação da Imagem Radiográfica. Redes locais: Conhecimento básico do sistema operacional Linux. 3. topologia de rede. Roberto de Almeida. 7.E. 1997. 2.EDITAL No 01/2009 ANEXO III específicas da gravidez. equipamentos . Infecções bacterianas e virais com expressão no sangue. efetuar cópia de segurança. Descoberta dos Raios X. ligação com impressoras etc. BRASIL. WRITH. 2. Secretaria de Vigilância em Saúde. Ministério da Saúde. Qualidade da Imagem Radiográfica. Fundamentos em Hematologia. 2005. Estudo das provas do coagulograma. 2006. Jorge. 4. 8. André. 2. Prevenção dos acidentes de laboratório. Secretaria de Atenção à Saúde.H. WALLACH. ao recém-nascido normal. FEINSTEIN. cinéticas e colorimétricas. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Ed. – Brasília :Ministério da Saúde. gerenciar impressões etc. Moss & J. 2. TÉCNICO EM RADIOLOGIA 1. Gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. São Paulo: Bookman. Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada . A formação do sangue. Células sanguíneas. 2005. Laboratório de Análises Clínicas: procedimentos analíticos. STANEK. Rio de Janeiro: Editora Medsi. 4. Rio de Janeiro: Axcel Books. 2002. l.2.1. Domínio Linux – do básico a servidores. – Brasília : Ministério da Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Windows: Utilização do Sistema Operacional Windows XP Professional em estações.Petit. Anemias: diagnóstico laboratorial. Editora Artmed. Parasitologia dinâmica. Manual de Biossegurança. instrumentos. Parasitologia. Membro Inferior: Posicionamentos. Anatomia Radiológica.4. rev. BAIN. e ampl. José Rodrigues. Fatores de coagulação. Capacitação de pessoal em sala de vacinação – manual do treinando. Área Técnica de Saúde da Mulher. 6. Biossegurança: Práticas de biossegurança. BRASIL. Secretaria de Atenção à Saúde. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BRASIL.A. Jacques. Rio de Janeiro: Alta Books. Ministério da Saúde. Ministério da Saúde.3. Caracterização morfológica de protozoários e helmintos. [ s. Microsoft Windows XP Professional – Guia de Bolso do Administrador. Mario H.manual técnicoBrasília: Ministério da Saúde. 4. protocolos de comunicação. conservação dos equipamentos. 2007. ed. Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso / Ministério da Saúde. Crânio e . 2006. A.ed. 2008. Editora Atheneu. 5. TÉCNICO EM INFORMÁTICA 1. – 7. BRASIL. Pop-up & Spyware. Proteção Radiológica. Departamento de Atenção Básica. Agentes patogênicos das principais doenças bacterianas. Fatores Radiológicos e tipos de posicionamentos. Barreiras primárias e equipamentos protetores. Departamento de Atenção Básica. cabeamento etc.RJ CONCURSO PÚBLICO . Anatomia Radiológica. – Brasília : Ministério da Saúde. 7. Normas e condutas de emergência nos acidentes de laboratório. 2003. 6. ed. à criança e ao adolescente. HIRATA. HOFFBRAND. Vírus. ANVISA – RDC 306 – PGRSS – 07/12/2004. Ministério da Saúde. David Pereira. Anti-vírus: Conhecimento de softwares antivírus. 7. 6ª edição. Departamento de Atenção Básica. ]: Artmed. 5. coleta e colheita de material. Dinâmica das doenças infecciosas e parasitárias. STATO FILHO. 7.Diabetes Mellitus / Ministério da Saúde. Manole. P. 3. Rio de Janeiro: Alta Books. Secretaria de Atenção à Saúde. 7. 13/04/2005. anticoagulantes. Anatomia Radiológica. TÉCNICO EM LABORATÓRIO 1.. Tratamento do lixo do laboratório. Departamento de Atenção Básica.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . Julia Ikeda. Emilia Emi. Características morfológicas e funcionais das séries hematológicas. anti-spyware etc. transferir arquivos de disquete ou CD-ROM. Formação dos Raios X. COURA. identificar os principais tipos de arquivos através da sua extensão. ed.V. Hematologia.Técnicas de Laboratório. Métodos Bioquímicos. Hardware: Conhecimento do funcionamento de microcomputadores. Secretaria de Vigilância em Saúde. 2008. 3ª ed. Equipamentos Radiológicos. Fundação Nacional de Saúde. rev. por exemplo. NEVES. 2004. KAWAMOTO. 2001. FORTES.Almir. Secretaria de Atenção à Saúde. TCP/IP – Internet: protocolos e tecnologias. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ANVISA – RDC 302 – Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios Clínicos. Protozooscopia e ovohelmintoscopia. Leucoses: Caracterização morfofisiopatológica e Bioquímica. São Paulo: Editora Atheneu. Ken. São Paulo: EPU. Urina: Componentes normais e anormais da urina. 4. 2006. Ministério da Saúde. Florianópolis: Visual Books. 5ª ed. Hardware PC: Guia de Referência. Bons conhecimentos do Windows Explorer e de suas principais funções como. Interpretação de exames laboratoriais. 1999. Barbara. Microbiologia: Preparo de meios de cultura para isolamento de microorganismos. BRASIL.. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ALBUQUERQUE. William R. Fernando. Coluna Vertebral: Posicionamentos. Fundamentos de enfermagem. Brasília: 2001. Vols. 2002. Densidade e sedimentoscopia. Diagnóstico de helmintíases.Hipertensão arterial sistêmica para o Sistema Único de Saúde / Ministério da Saúde. 2005. 1ª. Provas Bioquímicas de identificação microbiana. Dosagem enzimáticas. Faça de Tudo para Combater Spam. MANCINI FILHO. Secretaria de Atenção à Saúde.

Números ordinais. 8. volume. 9. São Paulo: Scipione. Múltiplos e Divisores: Mínimo Múltiplo Comum.RJ CONCURSO PÚBLICO . São Paulo: Ática. Sistema de Numeração: Classes. Decomposição em fatores primos. Rio de Janeiro: Atheneu. Geometria Plana: Ângulos. NÍVEL FUNDAMENTAL COMPLETO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS PARA AS PROVAS COM NÚCLEO COMUM Português para todos Fundamental Completo os cargos de Nível NÍVEL FUNDAMENTAL COMPLETO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS PARA AS PROVAS OBJETIVAS AUXILIAR DE ATENDIMENTO Português . José de.F. 1997.M. INFANTE. 1985. 8. 9. Divisores. 2007. 3. emprego de tempos e modos dos verbos em português. Construção dos períodos compostos: emprego e sentido das orações coordenadas e subordinadas. Conjuntos. FARACO. Jr. CINTRA. Números Decimais: Representação e leitura.6. 7. Números Naturais: Operações. INFANTE. 3 e 5. 9. 2. Múltiplos e sub-múltiplos. Nova gramática do português contemporâneo. Construção dos períodos compostos: emprego e sentido das orações coordenadas e subordinadas. 5. L. 3. 100. 2006. formação de feminino e plural dos nomes (mecanismos gerais). Termos da oração e construção do sentido. Gramática. Equações do 2º grau. Números ordinais. Perímetros e áreas: triângulos. superfície. Linguagem figurada. NICOLA. Gramática. Sistema de Medidas: Unidades de comprimento. São Paulo: Scipione. 13. MILANI. Ortografia. Sentido e emprego dos vocábulos nos textos.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . Matemática – Alegria de Saber. 11. Francisco. Celso. retângulo. Concordância nominal e verbal. BOISSON. 1000. 1997. 100. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BONJORNO. 6. 4V. São Paulo: Scipione.10. Anatomia Radiológica. Ulisses. Números Fracionários: Frações equivalentes. 5. Matemática na Medida Certa. 2008. Classes gramaticais. 12. Classes gramaticais. Números pares e ímpares. 1000. 2. Técnica Radiográfica Médica – Básica e Avançada. Francisco. Números pares e ímpares. 2. 1996. 6. processos de formação de palavras. tempo e massa. Máximo Divisor Comum. Compreensão de textos. Redução ao Menor Denominador Comum. 10. Sentido e emprego dos vocábulos nos textos.1. subtração. 6. Carlos Alberto. Números Naturais: Operações. quadriláteros. Concordância nominal e verbal. 7. 13. Luciana e outras. Conjuntos. 4. Equações do 2º grau. subtração. Divisibilidade por 10. tempo e massa. Anatomia Radiológica. MARCELO LELLIS). Operações para uso no dia-a-dia. Divisibilidade por 10. A. 4. 2007. Múltiplos e sub-múltiplos. Fatoração e Produtos Notáveis. Ortografia. Pontuação. 7. Rio de Janeiro: Rúbio. capacidade . Ulisses. Regência nominal e verbal.5.EDITAL No 01/2009 ANEXO III Face: Posicionamentos. formação de feminino e plural dos nomes (mecanismos gerais). Porcentagem: Operações para uso no dia-a-dia. Matemática . Sistema de Medidas: Unidades de comprimento. Operações de soma. emprego de tempos e modos dos verbos em português. Sistema Monetário Brasileiro. Estudos de língua portuguesa. Abdome: Posicionamentos. Operações de soma. Regras de divisibilidade por 2. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BIASOLI. NICOLA. José Roberto. 5. 7. Relações métricas no triângulo . Equações e sistemas de equações do 1º grau. CINTRA. 2007. Sistema de Numeração: Classes. 8. São Paulo: Ática. superfície. 1990. MARÍLIA CENTURIÓN). PASSOS. Matemática para todos. Decomposição em fatores primos. volume. Redução ao Menor Denominador Comum. MOURA. Simplificação de frações.1. FARACO. 4. São Paulo: FTD. 6. Douglas. São Paulo: Scipione. Tórax: Posicionamentos. 8. São Paulo: Moderna. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS CUNHA. 11. 10. Operações. Operações para uso no dia-a-dia. Sistema Monetário Brasileiro. Acréscimos e descontos percentuais. quadriláteros. 9. Matemática para todos Fundamental Completo os cargos de Nível 1. 1985. 7. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. Compreensão de textos. Carlos Alberto. JAKUBOVIC. Lindley. multiplicação e divisão. processos de formação de palavras. 1996. José de. 2009 1. Celso. MOURA. Geometria Plana: Ângulos. Anatomia Radiológica. 5. Acréscimos e descontos percentuais. 12. TUFANO. Simplificação de frações. 3. Regina Azenha. São Paulo: Scipione. multiplicação e divisão. 3 e 5. Fatoração e Produtos Notáveis. Regras de divisibilidade por 2. 2. Estudos de língua portuguesa. Gramática contemporânea da língua portuguesa. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS CUNHA. Perímetros e áreas: triângulos. Múltiplos e Divisores: Mínimo Múltiplo Comum. conjugação verbal (padrões regulares). Estela e outros (LUIZ MÁRCIO IMENES. José e outros (MARCELO LELLIS. 4. Termos da oração e construção do sentido. Máximo Divisor Comum. Porcentagem: Operações para uso no dia-a-dia. Técnicas Radiográficas. Equações e sistemas de equações do 1º grau. Números Fracionários: Frações equivalentes. Gramática contemporânea da língua portuguesa. conjugação verbal (padrões regulares). TUFANO. Lindley. capacidade . Gramática. 3. Douglas.10. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. Linguagem figurada. Pontuação. Matemática – Pode Contar Comigo – Novo. Operações. 7. Nova gramática do português contemporâneo. Regência nominal e verbal. BONJORNO. Divisores. Números Decimais: Representação e leitura. circunferência e círculo.

Catálogos e Manuais de fabricantes de materiais de construção. da. Vol 1. Segurança no trabalho e prevenção de acidentes e incêndios. N. materiais e indicações. Prevenção contra incêndio e pânico. 4. aparelhos e máquinas. BONJORNO. Separação de lixo. 2. Matemática – Alegria de Saber. equipamentos e utensílios. Radiologia: Indicações. Matemática – Pode Contar Comigo – Novo. Limpeza: Limpeza geral e de equipamentos.rio. Belo Horizonte: CRO. 1. 5. Noções básicas.Coleta Seletiva. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Borges. São Paulo: Scipione. Materiais Elétricos. coleta seletiva. São Paulo: 1999. Limpeza guarda. Limpeza geral. Higiene pessoal e do ambiente. Estela e outros (LUIZ MÁRCIO IMENES. Tubulações: Eletrodutos metálicos e de PVC. Recife: Editora Comunigraf Ltda. Anatomia: da cabeça. José Roberto. Manutenção Externa: Ruas. 2000. 2001. Prática do dia a dia.APD. O.1ª ed. Manutenção Predial. Manual de Higiene. Editora Livraria Varela. São Paulo: Pancast Editora . Edgar Blucher. Noções básicas. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Catálogos e Manuais de Ferramentas Manuais e Elétricas. 3. Biossegurança: Proteção da equipe e do paciente. Equipamentos de segurança. Materiais de construção. JAKUBOVIC. Quadros (disjuntores. Matemática na Medida Certa. eletrocalhas. 1. ELETRICISTA 1. Ferramentas básicas e ferramentas elétricas. materiais. COVEIRO 1. Segurança no trabalho e prevenção de acidentes e incêndios. Cuidados e precauções com ferramentas manuais e elétricas. Substituição de lâmpadas.gov. 2009 AUXILIAR DE CONSULTÓRIO DENTÁRIO 1. 3. Catálogos e Manuais de Materiais Básicos de Limpeza e Higiene. Cuidados e precauções com ferramentas manuais e elétricas. Orientações Básicas do Corpo de Bombeiros da Municipalidade. Regina Azenha. LUCAS. 4.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BARROS. 7. São Paulo: Livraria Santos Editora . Equipamentos de proteção individual e coletiva. Matemática para todos.4. canteiros. Catálogos e Manuais de Materiais e Equipamentos de Segurança. 2007. Relações métricas no triângulo retângulo. Biossegurança e Controle da Infecção Cruzada em Consultórios Odontológicos. Materiais Dentários: conhecimento. cuidados e controle de mantimentos. Orientações Básicas do Corpo de Bombeiros da Municipalidade. 3. Prevenção e Combate a Incêndios – Disponível em: http://www. AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS 1. Noções básicas. guarda e controle de materiais. Outros assuntos – Prática do dia a dia. Catálogos e Manuais de fabricantes de equipamentos de segurança. CALCETEIRO 1. Prática das pequenas construções. dos e COIMBRA. fios e cabos. G. 2. Saúde da Boca: Perguntas & Respostas. Luciana e outras. Catálogos e Manuais de Materiais e Equipamentos de Segurança. TENÓRIO SOBRINHO. 2ª reimpressão. MILANI. W. Biossegurança: Ambientes Hospitalares E Odontológicos.MG. S. São Paulo: FTD. Materiais Dentários . jardins.rj.1ª ed.Auxiliares Em Odontologia . separação de lixo. 1987. praças. J. Equipamentos de segurança. 1.2005. Manutenção Predial. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BONJORNO. José e outros (MARCELO LELLIS. utilização. jardins. 6. praças. Esterilização: Técnicas. 4V. São Paulo: Scipione.RJ CONCURSO PÚBLICO . Auxiliar De Consultório Dentário. 1999. coleta seletiva e reciclagem de produtos e materiais. PASSOS. ferramental básico. e reciclagem de produtos e materiais. B.1.THD -TPD .ACD . A. Catálogos e Manuais de Materiais Básicos de Limpeza e Higiene. MARÍLIA CENTURIÓN). Prática do dia a dia.br/comlurb/ . balanceamento de circuitos).mg. Ed. 1997. Higienização: Orientação e acompanhamento dos pacientes. Noções básicas.Manual para ACD E THD. reatores e . 3. M.Dicas de Segurança. 2. . Copa e Cozinha: Preparo de pequenas refeições. D. 4. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Catálogos e Manuais de Ferramentas Manuais e Elétricas. do pescoço e dental. processamento e efeitos malefícios dos Raios X. Condutores em geral. Prevenção contra incêndio e pânico.br . COSTA.3. 1.EDITAL No 01/2009 ANEXO III circunferência e círculo. 1. São Paulo: Scipione. aterramento. J. 2008. canteiros. HAZELWOOD e MCLEAN.1995. A. F. São Paulo: Livraria Santos Editora . GUIMARÃES Jr. Utilização. equipamentos e produtos utilizados.bombeiros. Ergonomia 3 . Equipamento de proteção individual.2. seleção e instrumentação junto ao CD. Isolamento. Equipamentos de proteção individual e coletiva. Instrumentais: Conhecimento. Manutenção Externa: ruas. SANTOS. 2007. ferramental básico. 2. Higiene pessoal e do ambiente. 5. Separação de lixo Disponível em: http://www. Catálogos e Manuais de fabricantes de ferramentas manuais e elétricas. C.gov. seleção e manuseio. MARCELO LELLIS). 3.5. L. cuidados. Rio de Janeiro: Livraria e Editora Rubio Ltda.

Legislação brasileira de trânsito. Manutenção Predial Elétrica. São Paulo. ciclo Diesel e dos sistemas de transmissão. 3. F. H.. Veículos e seus Acessórios. 2000. São Paulo: Edgar Blucher. manutenção básica e verificações de rotina. freios (hidráulicos e pneumáticos). Instalações elétricas prediais. ignição. controle de estoque e distribuição de refeições e alimentos. lubrificação e cuidados operacionais. relógio comparador. MECÂNICO DE AUTOS 1. Catálogos e Manuais de Materiais Básicos de Limpeza e Higiene.prymian. PAZ.EDITAL No 01/2009 ANEXO III fotocélulas. Ferramentas. torquímetro. 3. seus órgãos periféricos e sistemas de lubrificação. MERENDEIRO 1. 2. desacoplamento. A. 2. goniômetro. valas. HAZENLWOOD & MC LEAN. de 23/09/1977) . Manutenção de Automóveis. Ford Caminhões – Manual Dirigindo com Economia – Série treinamento a Frotistas. Equipamentos de Segurança. Conhecimentos sobre conceitos.d. Hemus. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Catálogos e Manuais de Ferramentas Manuais. Arias. direção e elétrico de veículos pesados.br/downloads GUARDIÃO DO RIO 1. Código de Trânsito Brasileiro (Lei nº 9. última edição.. tais como: paquímetro. M. Manutenção Predial. 3.RJ CONCURSO PÚBLICO . . Conhecimentos básicos sobre composição nutricional dos alimentos. regulagens.1. Técnicas para utilização de instrumentos de medição. Manual do Automóvel. s. Técnica dietética. CHOLLET.2. 2.d. Manual de Higiene para Manipuladores de Alimentos. Arias.503. F. Conhecimentos sobre condução econômica de veículos pesados. H. H.com. ciclo Otto (gasolina e álcool ). 4. Hemus. 4. alimentação e arrefecimento. 1ª ed.1. ORNELLAS. ajustes. Última edição CHOLLET. micrômetro. H. Prevenção contra incêndio e pânico: Noções básicas. 1. 5. Catálogos dos fabricantes de materiais elétricos. métodos e técnicas de condução segura e direção defensiva de veículos pesados visando a prevenção de acidentes de trânsito. São Paulo.. última edição. http://www. s. Conhecimento sobre pré-preparo e preparo de alimentos. 1987. Manual do instalador eletricista. Manutenção de Automóveis. Prática das pequenas construções.DIEAD. canais. suspensão. manômetro. diagnóstico e correção de defeitos em motores de automóveis e utilitários leves. 14ª ed. Aparelho de medição de corrente. leitura dos instrumentos do painel. Catálogos de ferramentas para trabalhar com eletricidade. diagnóstico e correção de pequenos defeitos em motores de combustão interna. Alfonso. equipamentos.1. Conhecimento de higienização e características próprias dos alimentos. 1. Equipamentos de Segurança. 4. 2. 2. suspensão. tratores pesados. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Segurança e Medicina do Trabalho.4.2. 2. Amaury. MOTORISTA CATEGORIA D 1.d. Manutenção. Hemus. GEP.3.RJ. 3. Última edição. Conhecimentos sobre legislação de trânsito e direção defensiva. Rio de Janeiro: Imprensa da Cidade Do S/D. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ALMEIDA. Motor e seus acessórios. reboques. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ALMEIDA. última edição. 2. Última edição. São Paulo: Editora Automotiva Ltda.1. Ferramentas elétricas. 4.2. Noções gerais sobre higienização: Pessoal. Artur Liese Lotte H. MARTIGNONI. Última edição. Manual do Automóvel. freios e elétrico. Cuidados e precauções com ferramentas manuais e elétricas. utensílios e área física de cozinhas e refeitórios de maneira geral. implementos e máquinas afins). ferramental básico. Operação de máquinas pesadas dotadas de rodas ou esteiras (pás-mecânicas. 3. amperímetro e multímetro automotivo. Manutenção Externa. 3. Última edição CHOLLET. Noções básicas. Manutenção. s. Seleção e preparo de alimentos. São Paulo: Atlas. especímetro. 1982.. V. CREDER. Unidade de Estudo.1.PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . Direção Defensiva.s. Ferramentas manuais. ciclo Otto. CHOLLET. Conhecimentos técnicos sobre lubrificantes utilizados em automóveis e utilitários leves. LTC 1995. SENAI. São Paulo.d. Equipamentos de proteção individual (EPI). vacuômetro voltímetro. Precauções e regras de segurança. Equipamentos de proteção individual e coletiva. motoniveladoras. Manual de alinhamento de direção e balanceamento de rodas. Hélio. M. 2. Noções básicas de reciclagem: Rios. Manual de higiene para manipuladores de alimentos. limpeza e conservação de implementos. Conhecimentos sobre funcionamento. Orientações Básicas do Corpo de Bombeiros da Municipalidade. 4. 2. Aparelho de medição de voltagem. Última edição. Catálogos e Manuais de Materiais e Equipamentos de Segurança. direção. 2. PAZ. Motor e seus Acessórios. C. manutenção preventiva. 2. diagnóstico e correção de defeitos nos sistemas de veículos leves: transmissão. Veículos e seus Acessórios. São Paulo. Amaury. 2.. OPERADOR DE MÁQUINAS PESADAS 1. acoplamento. Editora Globo. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BORGES. Noções gerais sobre administração de cozinhas e refeitórios: Armazenamento. Hemus.

posse. 8º.EDITAL No 01/2009 ANEXO III Poderes Municipais. uso de andaimes e plataformas cuidados. etc. III (arts.mj.br/data/Pages/MJ1BFF9F1BITEMIDE 16A5BBC4A904C0188A7643B4A1DD68CPTBRI E.vivasp.htm#EZTPageTop SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Caterpillar – Manuais de Operação e Manutenção. Relações humanas e cidadania. Os Cuidados com o Trator ( Volume I ) . Cuidados e precauções com ferramentas manuais e elétricas. Disponível em: http://www. localização.br/portal1/municipio/dados_politic os. Tipos de massas. canteiros. Orientações Básicas do Corpo de Bombeiros da Municipalidade. 2. Condições necessárias à eleição ao mandato de Prefeito. Materiais de construção.gov. A.exe/sy s/start. Informações gerais sobre o Município de Barra do Piraí: história.pmbp. Noções básicas.P.org/wiki/Barra_do_Pira%C3%A D#Dados_Geogr. VIGIA 1.SP Código de Trânsito Brasileiro (Lei nº 9.br/publique/cgi/cgilua. Catálogos e Manuais de fabricantes de materiais de construção. Noções de carga e descarga: Materiais. RJ. PINTOR DE PAREDE 1. Equipamentos de proteção individual e coletiva. Funções. Disponível no site http://www.I – Equipamento de Proteção Individual. RJ. principais atividades econômicas. móveis e ferramentas. 4. Combustão: classificação.com. Vigilância. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Borges.h tm?infoid=241&sid=13 Texto “Conceitos Básicos em Segurança Pública” Ministério da Justiça/Secretaria Nacional de Segurança Pública. 60. Defesa Social. ferramental básico. disponíveis em: http://www. Noções básicas. Catálogos e Manuais de Materiais Básicos de Limpeza e Higiene. Ypiranga. Orientações sobre segurança do trabalho e prevenção de acidentes. de 23/09/1977).C3. Ferramental: Ferramental básico. Coral. 63. distritos. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS “A Câmara Municipal”. população. Manutenção Externa: Ruas. Gastão Moraes da. 5.wikipedia.asp?iIdMun=100133008 e http://pt. SILVEIRA. pontos notáveis. Primeiros socorros.br Informações sobre o Município.org. divisão territorial do Município. 3.org. Catálogos e Manuais de fabricantes de equipamentos de segurança.ibam. praças. 14. Manutenção Predial. 62. 3. 3.A1ficos Lei Orgânica do Município . Órgãos de Segurança. SP. SERVENTE DE OBRAS 1. produtos. 2.Aprenda Fácil Editora . Disponível em: http://www. 5. Conceitos básicos: sobre . 3. C. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Catálogos de Fabricantes de Tintas: Suvinil. 2. IBAM. limites. Defesa Civil. Segurança: Conceitos sobre Segurança Pública e Privada. 13. Procedimentos.htm?sid=13&infoid=242 Curso de Capacitação Profissional e Técnicas Operacionais para Vigilantes Autônomos – Ação Comunitária Chácara de Santo Antônio/Viva São Paulo. Composição e funções da Câmara Municipal. Materiais: Tipos de tinta. símbolos. 66. 9º.503. Técnicas de vigilância preventiva. 4. Equipamento de proteção: E. Policiamento convencional e comunitário. 33. Catálogos e Manuais de Materiais e Equipamentos de Segurança. Prevenção contra incêndio e pânico. Catálogos e Manuais de fabricantes de ferramentas manuais e elétricas.rj. 68) “O Prefeito como Chefe do Executivo Municipal” IBAM. 1987. Incêndios: Classificação e causas. Catálogos de Materiais. Ferramentas básicas e ferramentas elétricas. Equipamentos de segurança. Equipamento de proteção individual. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS Catálogos e Manuais de Ferramentas Manuais e Elétricas. Noções de direito. Combate a princípios de incêndio. Vigilância: Funções básicas.Titulo I. pistolas.RJ CONCURSO PÚBLICO .PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ . equipamentos. Ferramentas e Equipamentos. Ed: Edgar Blucher. substituição e licenças do Prefeito. Equipamentos de Proteção Coletiva. vol 1.ibam.br/publique/cgi/cgilua. II. bicos. 2. Disponível em http://www. Prática das pequenas construções. Compressores. PEDREIRO 1. Tipos de solventes.exe/sys/start.gov. jardins.

CONTRA PONTUAÇÃO PROVA OBJETIVA 3 .PROVA PRÁTICA E DE APTIDÃO FÍSICA 5 .PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ .OUTROS No DE INSCRIÇÃO: N DA QUESTÃO: FUNDAMENTAÇÃO: o CARGO: DATA DA PROVA: _____________________ Assinatura do Candidato Barra do Piraí. .CONTRA TÍTULOS 4 .CONTRA GABARITO 2 .RJ ANEXO IV FORMULÁRIO PARA INTERPOSIÇÃO DE RECURSO CONCURSO PÚBLICO NOME DO CANDIDATO: TIPO DE RECURSO: 1 . de de 2009.

IBAM Tel.INSTITUTO BRASILEIRO DE ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL .br • E-mail: concurso@ibam. (21) 2537-1262 Web: www. (21) 2536-9797 • Fax.br .ibam-org.org.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful