Você está na página 1de 33

Objetivos do manual

O presente Manual visa o alcance de dois objetivos:


 Disponibilizar um conjunto de informação teórica para uma melhor aquisição e compreensão de
conhecimentos sobre as novas tecnologias de informação e comunicação, especificamente sites de
interesse, Mail, File Transfer Protocol e Newsgroups.
 Apoiar o Formando na atividade de Autoestudo, de preparação para o teste final de avaliação de
conhecimentos (avaliação sumativa).

METODOLOGIAS DE FORMAÇÃO
Favorecer o processo de aprendizagem devendo, sempre que possível:
 Conteúdos apresentados em suporte papel para possibilitar ao formando a sua consulta quer em sala,
quer em casa.
 Os conteúdos estão organizados na mesma sequência das unidades temáticas do programa, para
facilitar a sua consulta e exploração à medida que as temáticas vão sendo abordadas.
 Diversificar os estímulos propostos aos participantes.
 Implicar os participantes, desenvolvendo atividades de forma sistemática, atividades individuais e em
grupo.
 Comunicar de forma clara, simples, concisa e atrativa, aliando o significado do que é dito com a
representação mais usual.
 Realçar os processos e as conexões do que é dito, mostrado, experimentado ou vivenciado.

RECURSOS FÍSICOS E PEDAGÓGICOS ENVOLVIDOS


Físicos: Sala de formação equipada com mobiliário (mesas e cadeiras) e quadro de cerâmica.
Pedagógicos: Videoprojector; Quadro de cerâmica e Computador Portátil.

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS
 Sites de Interesse
 Motores de busca
 Servidores públicos para alojamento de páginas
 Mail
 Correio electrónico
 Criação de mail
 Envio de mensagens e resposta
 File Transfer Protocol
 Conceito
 Comandos de FTP
 Cute FTP
 Newsgroups
 Servidores de News
 Envio e respostas a posts

CARGA HORÁRIA
 25 horas
Índice
1. Sites de Interesse........................................................................................................................ 4
Motor de Busca ............................................................................................................................... 4
1- Recolha e armazenamento:............................................................................................ 4
Indexação:........................................................................................................................... 5
Pesquisa e apresentação: ................................................................................................... 5
Tipos de motor de busca ................................................................................................................. 6
Servidores públicos para alojamento de páginas ............................................................... 6

2. E-Mail .......................................................................................................................................... 7
2.1. Criar um E-Mail no Gmail ......................................................................................................... 7
2.2. O Gmail ................................................................................................................................... 10
2.3. Definições do Gmail................................................................................................................ 12
Definições de etiquetas: ................................................................................................... 15
2.4. Enviar um e-mail no Gmail ..................................................................................................... 16
2.5. Enviar um e-mail com anexo .................................................................................................. 16

3. File Transfer Protocol................................................................................................................ 18


3.1. Como ocorre a transferência de arquivos .............................................................................. 19
3.2. Acesso aos servidores FTP ...................................................................................................... 19
3.3. Modos e interfaces ................................................................................................................. 19
3.4. Comandos do cliente FTP ....................................................................................................... 20
3.5. Tradução de nomes de arquivos ............................................................................................ 20
3.6. Mensagens FTP ....................................................................................................................... 21
3.7. Modo cliente-servidor do FTP ................................................................................................ 21
3.8. Lista de Comandos FTP........................................................................................................... 21
3.9. Lista de clientes FTP ............................................................................................................... 22
3.10. Cute FTP ............................................................................................................................... 23
3.10.1. O que é CuteFTP? ................................................................................................. 23
3.10.2. Arranque do CuteFTP ........................................................................................... 24
3.10.3. Adicionar um site .................................................................................................. 25
3.10.4. Conectar-se ..............................................................................26

4. Newsgroups .............................................................................................................................. 28
4.1. Participar em Newsgroups ........................................................................................ 29

5.Bibliografia on-line..................................................................................................................... 32
1. Sites de Interesse

Na utilização quotidiana da internet, a generalidade dos utilizadores começa a sua navegação


por aceder a um motor de busca, introduzir uma ou mais palavras, percorrer os resultados
4
obtidos e aceder aos conteúdos. Por outro lado, o uso de motores de busca não se resume ao
google pois podemos encontrar motores de busca em vários outros sítios como no próprio
Windows®, dentro de alguns websites, entre outros.
Desta forma, torna-se útil compreender e conhecer os tipos de motores de busca, assim como
o seu funcionamento geral.
Outro tipo de websites com interesse serão os servidores públicos para alojamento de
páginas, pois fornecem espaço on-line para publicar uma página pessoal.

Motor de Busca

Um motor de busca é um programa ou software que permite a pesquisa de palavras num


sistema computacional, seja ele a internet, uma rede local, um website ou outro.
O funcionamento geral dos motores de busca envolve três fases distintas e essenciais para
um funcionamento eficaz:
1) Recolha e Armazenamento

2) Indexação

3) Pesquisa e Apresentação

1- Recolha e armazenamento:

A porção do motor de busca (serviço) que executa as funções de recolha e armazenamento


chama-se “web crawler”, “spider” ou aranha. Este é responsável por percorrer a internet (ou
outro sistema computacional) à procura de dados para os recolher e armazenar numa base
de dados.
A aranha começa por
percorrer a “lista de sites a visitar”
onde se encontram os sites iniciais
a serem analisados. Os seus dados
são recolhidos e todos os links
encontrados para outros sites são
5
adicionados à “lista de sites a
visitar”. Desta forma a aranha
consegue percorrer inúmeros sites
de forma automática.

Indexação:

O serviço que executa a indexação chama-se indexador e utiliza os dados recolhidos pela
aranha no seu funcionamento. Os dados são filtrados, combinados e ordenados de forma a
serem construídos índices ou listas.

Pesquisa e apresentação:

A última fase constitui a parte visível do


motor de busca para o utilizador.
É só aqui que o utilizador acede ao motor de
busca e introduz o termo a pesquisar. O
serviço de pesquisa percorre os índices
criados pelo serviço anterior (indexação) à
procura de ocorrências do termo a
pesquisar e devolve os resultados já
ordenados por relevância ou importância.
Tipos de motor de busca

Existem diversos tipos de motores de busca que proporcionam pesquisas em diferentes locais
e de diferentes tipos de conteúdos. Assim, estes podem ter as seguintes designações
consoante os conteúdos que pesquisam e consoante o local onde efetuam as pesquisas:
6
 Globais - pesquisam todo o tipo de conteúdos em toda a internet.
 Locais - pesquisam conteúdos num sistema fechado (como uma rede de
computadores ou um website).

 Específicos - pesquisam apenas determinado tipo de conteúdos. (apenas pesquisam


vídeos, sons, documentos escritos, etc…)

Servidores públicos para alojamento de páginas

Atualmente, a difusão da internet tem-se feito sentir em todos os ramos de atividade. A nível
Pessoal (blogues, páginas pessoais), Público (sites institucionais), Comercial (páginas de
empresas e comercio eletrónico) entre outros.
Mas, criar um website não basta. Há que colocá-lo on-line, acessível a todos.
Para tal estão disponíveis vários servidores públicos para alojamento de páginas on-line. Estes
disponibilizam espaço em disco para onde é colocada uma cópia do website criado. Existem
alternativas comerciais e alternativas gratuitas.
No âmbito académico, é aconselhado o uso de servidores gratuitos pois proporcionam todas
as funcionalidades que uma página pessoal básica necessita.

Alguns servidores de utilização gratuita são:


 http://www.000webhost.com/
 http://www.zymic.com
 http://alojamentogratuito.com/
A cópia do website para o servidor de alojamento normalmente pode ser feita de duas
maneiras:
 através do próprio website do servidor de alojamento
 através do protocolo FTP
2. E-Mail

2.1. Criar um E-Mail no Gmail

Para criar um e-mail no gmail, basta ir a www.gmail.com e em seguida aparece esta página:
7

Esta é a página onde podemos introduzir as nossas credenciais: Nome de utilizador e Palavra
passe.
No caso de ainda não termos um email temos que nos inscrever.
Para nos inscrevermos basta clicar em “Inscreva-se em Gmail”. Assim somos redirecionados
para outra página.
8

É nesta página que vamos introduzir os nossos dados pessoais.


1. Aqui introduzimos o nosso nome e apelido.
2. Aqui introduzimos o endereço de e-mail desejado e verificamos se este está disponível
clicando em verificar disponibilidade!
3. Aqui é onde escolhemos a nossa palavra passe. Atenção que esta deverá ter 8 dígitos. Em
“escolha uma palavra passe”, introduzimos a palavra passe, e em “volte a introduzir a 9

palavra passe” voltamos a escrever a palavra passe para confirmar.


4. Aqui escolhemos uma pergunta de segurança para o caso de nos esquecermos da palavra
passe.
IMPORTANTE: no caso de não definir um endereço secundário (endereço de email que já
tenhamos ex: zemanuel@sapo.pt) o gmail só deixará redefinir uma nova palavra passe ao
fim de 5 dias.

5. Introduzir os códigos de seguranças. (podemos não introduzir corretamente à primeira,


mas podemos tentar sempre de novo)
6. Depois de seguir estes passos todos basta clicar em Aceito. Criar a minha conta. Se tudo
estiver correto irá aparecer uma mensagem de Parabéns e um atalho para entrar no email
criado.
2.2. O Gmail

10

Este é o aspeto geral de uma conta do e-mail no Gmail. Estamos na Caixa de entrada.
1. Aqui identificamos o nome de quem nos está a enviar o e-mail.
2. Aqui identificamos o ASSUNTO do e-mail.
3. Aqui temos um menu com opções.
 É neste menu que podemos compor mensagens;
 Ver a caixa de entrada;
 Ver e-mails com estrela;
 Ver conversas;
 Ver o correio enviado;
 Rascunhos;
 Spam;
 Lixo.

4. Caixa de seleção. Serve para podermos selecionar e-mails individualmente.


5. Serve para adicionar estrelas aos e-mails. (As estrelas funcionam de modo análogo aos
favoritos).
6. Nesta caixa de texto podemos fazer pesquisas dentro da nossa conta de correio.
7. Temos ainda funcionalidades de seleção: em Selecionar: Todos, Nenhum, Lidas, Não
Lidas, Com Estrela, Sem Estrela.
8. O Botão Eliminar serve para eliminar e-mails selecionados.
9. A caixa mais ações serve para ver que outros tipos de ações podemos realizar nos emails
selecionados. 11

10. Em Definições podemos personalizar algumas funcionalidades do Gmail.


11. Para enviar um e-mail basta clicar em Compor Mensagem.
A Caixa de Correio Enviado tem o seguinte aspeto:

Aqui podemos ver os e-mails enviados.

1. Aqui temos algumas funcionalidades que podemos utilizar na Caixa de correio enviado,
ex: Selecionar - Todos, Nenhum, Lidas, Não Lidas, Com Estrela, Sem Estrela.
2.3. Definições do Gmail

Para vir para esta página basta clicar em Definições.

12

1. Menu onde podemos alterar definições; Gerais, de contas, …


2. Permite definir quantos e-mails queremos por página.
3. Ativar ou desativar atalhos do teclado.
4. A minha imagem.
5. Aqui definimos se queremos ver as imagens dos nossos contactos ou não.
6. Aqui definimos a assinatura do e-mail. 13

Nesta caixa escreve-se normalmente a mensagem de despedida.


Por exemplo:
Com os melhores cumprimentos,
José Costa

7. Indicadores de nível pessoal.


Se selecionarmos Mostrar indicadores em todos os e-mails que recebemos aparece uma
pequena seta> no caso de o email ser enviado apenas para nós, e>> no caso de o email
ter sido enviado para um grupo de utilizadores.

8. Serve para podermos ver alguns fragmentos do email mesmo sem o abrir.
Se estiver selecionado Mostrar fragmentos, na caixa de correio conseguimos ver o
remetente, o assunto e um pequeno fragmento do texto do email, caso contrário apenas
conseguimos ver o remetente e o assunto.

9. Dispositivo de resposta automática.


Em qualquer altura podemos ficar sem ir ao email durante algum tempo. Assim quem nos
enviar um email e ficar á espera de resposta, vai esperar indefinidamente. Com esta opção
ativada, sempre que recebemos um email, é enviada uma resposta automática para o
remetente com o assunto e mensagem por nós parametrizada.

Há a opção de enviar apenas para os e-mails vindos dos meus contactos.

10.Codificação das mensagens a enviar.


O IMC (Internet Mail Consortium) recomenda que todos os clientes de e-mails consigam
ler e criar mails usando UTF-8.

11.Aqui definimos se queremos utilizar sempre uma ligação segura ou não.


Definições de contas:
14

1. Utilizar o gmail para enviar e-mails a partir de outros endereços de email.


2. Adicionar mais capacidade de armazenamento. (Já não é gratuito).
3. Para poder receber e-mails de outros endereços de email.
4. Mais definições do gmail.
5. Só para quem tem um domínio (www.enderecodapaginadeinternet.pt) para podermos
criar e-mails do género josemota@enderecodapaginadeinternet.pt. E continuar a
usufruir de todas as funcionalidades do gmail.
Definições de etiquetas:

15

• Serve para criar pastas para podermos organizar melhor o correio recebido.

• Basta escrever o nome da nova etiqueta e clicar no botão Criar.

• Podemos remover ou mudar o nome a etiquetas criadas.


2.4. Enviar um e-mail no Gmail

Para estarmos nesta página basta termos clicado em Compor mensagem.

16

É nesta página que vamos introduzir escrever o e-mail.

1. Aqui introduzimos o e-mail do destinatário (Pessoa/Entidade a quem vamos enviar o


email).
2. Aqui introduzimos o ASSUNTO do e-mail.
3. Aqui escrevemos a mensagem que queremos enviar.
4. Aqui temos algumas ferramentas de edição de texto. (Semelhantes às do Word).
5. Quando estiver o e-mail escrito e todos os campos preenchidos estamos em condições
de enviar o email. Basta clicar em Enviar.

2.5. Enviar um e-mail com anexo

Os procedimentos para enviar um e-mail com Anexo são os mesmos que enviar um email
normal MAIS a anexação do ficheiro. (imagens, documentos,...)
17

1. Ao clicar em anexar aparece-nos uma caixa de diálogo.


Caixas de diálogo- Estas caixas servem para nós indicarmos ao navegador a
localização do ficheiro que queremos anexar.

1. Aqui temos que clicar em cima do ficheiro que vamos anexar para o termos selecionado.
2. Em seguida clicamos em Abrir para o ficheiro ficar disponível no gmail.
18

1. Aqui verificamos se o ficheiro foi anexado.


2. Existe a possibilidade de remover o anexo.
3. Por fim basta clicar em Enviar para enviar o e-mail com anexo.

3. File Transfer Protocol

FTP significa File Transfer Protocol (Protocolo de Transferência de Arquivos), e é uma forma
bastante rápida e versátil de transferir arquivos (também conhecidos como ficheiros), sendo
uma das mais usadas na internet.
Pode referir-se tanto ao protocolo quanto ao programa que implementa este protocolo
(Servidor FTP, neste caso, tradicionalmente aparece em letras minúsculas, por influência do
programa de transferência de arquivos do Unix).
A transferência de dados em redes de computadores envolve normalmente transferência de
arquivos e acesso a sistemas de arquivos remotos (com a mesma interface usada nos arquivos
locais). O FTP (RFC 959) é baseado no TCP, mas é anterior à pilha de protocolos TCP/IP, sendo
posteriormente adaptado para o TCP/IP. É o padrão da pilha TCP/IP para transferir arquivos,
é um protocolo genérico independente de hardware e do sistema operacional e transfere
arquivos por livre arbítrio, tendo em conta restrições de acesso e propriedades dos mesmos.

3.1. Como ocorre a transferência de arquivos


19
A transferência de arquivos dá-se entre um computador chamado "cliente" (aquele que
solicita a conexão para a transferência de dados) e um servidor (aquele que recebe a
solicitação de transferência). O utilizador, através de software específico, pode selecionar
quais arquivos enviar ao servidor. Para existir uma conexão ao servidor, o utilizador informa
um nome de utilizador (ou username, em inglês) e uma senha (password), bem como o nome
correto do servidor ou seu endereço IP. Se os dados foram informados corretamente, a
conexão pode ser estabelecida, utilizando-se um "canal" de comunicação, chamado de porta
(port). Tais portas são conexões no qual é possível trocar dados. No caso da comunicação FTP,
o padrão para porta é o número 21.

3.2. Acesso aos servidores FTP

O acesso a servidores FTP pode ocorrer de dois modos: através de uma interface ou através
da linha de comando, tanto usuários UNIX como usuários Windows podem aceder através dos
dois modos. Embora um pouco complicado, o modo linha de comando está presente em
qualquer distribuição UNIX-like e Windows, através do telnet.
A partir de qualquer browser credenciado (Internet Explorer, Firefox, ou mesmo no Windows
Explorer) também é possível aceder a um servidor FTP. Basta, para isso, digitar na barra de
endereço:
ftp://[username]:[password]@[servidor]

-->ENTER

3.3. Modos e interfaces

O protocolo subjacente ao FTP pode rodar nos modos interativo ou batch. O cliente FTP
fornece uma interface interativa, enquanto o MIME e o HTTP usam-no diretamente. O
protocolo permite a gravação e obtenção de arquivos, a listagem da pasta e a alteração da
pasta de trabalho.

3.4. Comandos do cliente FTP


20
Os servidores de FTP raramente mudam, mas novos clientes FTP aparecem com bastante
regularidade. Estes clientes variam no número de comandos que implementam, a maioria dos
clientes FTP comerciais implementam apenas um pequeno subgrupo de comandos FTP.
Mesmo que o FTP seja um protocolo orientado a linha de comandos, a nova geração dos
clientes FTP esconde esta orientação num ambiente gráfico, muitas vezes, muito
desenvolvido.
A interface cliente do FTP do BSD UNIX é um padrão por si mesma, possuindo muitos
comandos arcaicos: tenex ou carriage control que hoje não têm uso. Os comandos mais
usados são o cd, dir, ls, get e put.
O FTP tem particularidades que são hoje pouco comuns. Depois da ativação do ftp, é
estabelecida uma conexão ao host remoto. Esta conexão envolve o uso da conta do usuário
no host remoto, sendo que alguns servidores FTP disponibilizam anonymous FTP.
Certos comandos são os que fazem a transferência bidirecional de arquivos.
São eles:

• get do servidor FTP para o host local (mget para mais que um arquivo)
• put para o servidor FTP a partir do host local (mput para mais que um

arquivo)
Nota: alguns comandos podem não funcionar com o usuário sendo anonymous, pois tal conta
tem limitações de direitos a nível do sistema operacional.

3.5. Tradução de nomes de arquivos

A sintaxe dos nomes dos arquivos pode ser incompatível entre diferentes Sistemas
Operacionais. O UNIX usa 128 caracteres, maiúsculas e minúsculas, enquanto o DOS usa 8 + 3
caracteres e apenas maiúsculas. Certos nomes não podem ser usados em alguns sistemas.
Devido a isto tudo o BSD ftp define regras para a tradução de nomes.

3.6. Mensagens FTP

O FTP permite dois modos de transferência de mensagens FTP: texto (com traduções
21
apropriadas) ou binário (sem tradução). Cada mensagem do servidor inclui um identificador
decimal de 3 dígitos (exemplo: 226 Transfer complete). Estas mensagens podem ser vistas ou
não, usando para isso o modo verbose ou quiet, respetivamente.

3.7. Modo cliente-servidor do FTP

O Servidor remoto aceita uma conexão de controlo do cliente local. O cliente envia comandos
para o servidor e a conexão persiste ao longo de toda a sessão (tratando-se assim de um
protocolo que usa o TCP).
O servidor cria uma conexão de dados para a transferência de dados, sendo criada uma
conexão para cada arquivo transferido. Estes dados são transferidos do servidor para o cliente
e vice e versa.
Os comandos estão separados dos dados e o cliente pode enviar comandos durante a
transferência de dados. O encerramento da conexão indica o fim do arquivo.

3.8. Lista de Comandos FTP

Os comandos abaixo podem ser executados no FTP através da linha de comando. Os


comandos do FTP podem ser abreviados, desde que não formem expressões ambíguas.
Os comandos podem estar abreviados. Seguem os comandos:
• !: Executa o comando na máquina local.
• ?: Semelhante a help.
• append: Adiciona dados a um arquivo existente.
• ascii: Configura o tipo de transferência de arquivos para ASCII.
• bell: Emite um bip quando um comando é executado.
• binary: Configura o tipo de transferência de arquivos para binário.
• bye: Encerra a sessão FTP.
• cd: Seguido de caminho/diretório muda para o diretório informado.
• delete: Apaga um arquivo. Para mais de um arquivo usa-se mdelete.
• debug: Estabelece a modalidade de depuração.
• dir: Mostra o conteúdo do diretório servidor atual.
• disconnect: Semelhante a bye.
• get: Obtêm um arquivo do servidor. Para mais de um arquivo usa-se mget.
• glob: Seleciona a expansão para nomes de arquivo.
• hash: Demonstra cada bloco do arquivo durante a transferência. Cada bloco
compõe-se de 1024 bytes. 22
• help: Lista sumariamente todos comandos disponíveis.
• literal: Permite enviar comandos arbitrários.
• ls: Mostra uma lista abreviada do conteúdo do diretório servidor. Para mais de
uma pasta usa-se*mls.
• mkdir: Cria um diretório ou subdiretório no servidor.
• prompt: Ativa/desativa o modo interativo.
• put: Envia um arquivo ao servidor. Para enviar mais de um arquivo usa-se mput.
• pwd: Mostra o diretório de trabalho.
• quit: Finaliza a sessão FTP.
• quote: Envia subcomandos do servidor FTP, como se encontram no servidor.
• recv: Similar a get.
• remotehelp: Solicita ajuda do servidor FTP remoto.
• rename: Renomeia um arquivo.
• send: Semelhante a put.
• status: Obtém informações de estado do servidor.
• trace: Demonstra o caminho percorrido pelo arquivo na transferência.
• type: Especifica o tipo de representação.
• user: Iniciar a sessão no servidor.
• verbose: Ativa/desativa a modalidade literal.

3.9. Lista de clientes FTP

• SmartFTP
• Cute FTP
• FTP via Web
• Filezilla
• Core FTP
• WS FTP
• LeechFTP
• gFTP
• FireFTP
3.10. Cute FTP

23

3.10.1. O que é CuteFTP?

O php3 FTP é um php3 protocolo que transfere os arquivos do seu computador para um
computador remoto, que você conhece o endereço. Várias informações são necessárias para
se conectar a um site:
• O endereço do site: geralmente dado como endereço IP, por exemplo,
194.56.212.32
• A porta: é um número que pode diferenciar os dados provenientes de sua
conexão, geralmente, trata-se do número 21, por padrão, ou seja, se nenhum
número de porta foi definido.
• O nome do usuário (login) e a senha (passwd) que identificam o usuário. Se não
for dado nenhum nome de usuário, trata-se então de uma conexão anônima, o
login será então anonymous e o costume é que a senha de uma sessão anônima
seja seu endereço e-mail (por exemplo [mailto: webmaster@kioskea.net
jefkillr@yahoo.com.br]

Normalmente, estas informações são dadas na internet em um URL, ou seja, um endereço


compacto que contém todas estas informações, que é um endereço com a seguinte forma:
ftp://login:passwd@xxx.xxx.xxx.xxx:port/diretórios/arquivo

• xxx.xxx.xxx.xxx representa o endereço do site (às vezes, dado em forma de texto,


por exemplo ftp.chez.com).

Quando não existe o login: passwd, trata-se de uma sessão anônima


Quando a porta não for definida trata-se de uma porta 21.
CuteFTP é um cliente de FTP, ou seja, um programa que simplifica as operações de conexão e
de transferência de arquivos para um site FTP. Existem muitos programas parecidos, mas este
é um dos mais populares e sua eficácia foi comprovada, por isso este tutorial pode ser aplicado
a outros clientes FTP, cuja interface será diferente, mas a o funcionamento será quase o
24
mesmo.

3.10.2. Arranque do CuteFTP

Quando você clica duas vezes no ícone do CuteFTP, aparece uma janela:

Este é o gerenciador do site: uma pasta na qual você pode listar seus sites FTP preferidos.
A janela da esquerda representa uma árvore onde você pode criar, renomear ou excluir
diretórios, nos quais você pode organizar os sites FTP. Os três botões situados em baixo da
árvore servem para gerenciar as pastas:

• Add folder: para adicionar um diretório


• Delete folder: para excluir o diretório selecionado
• Rename folder: para renomear o diretório selecionado

A janela da direita representa os sites FTP contidos no diretório em curso. Para adicionar um
site FTP, basta apertar o botão:

O botão:
permite importar seus diretórios de outra versão do CuteFTP instalado no seu disco ou
até, de seus favoritos WS_FTP (outro cliente de FTP).

3.10.3. Adicionar um site


25

Quando você apertou o botão:

a seguinte janela aparecerá na tela:

Basta preencher os campos necessários para a conexão.

• Site Label representa o nome que você deu ao site;


• Host Adress representa o endereço do site;
• User ID é o nome do usuário (se nenhum nome for dado, marque a opção
Anonymous no quadro Login type);
• Passwd representa a senha, aparecem asteriscos para ocultá-la;
• Transfer type seleciona o modo de transferência de arquivos, é aconselhável
deixar a deteção automática, que selecionará o modo mais adequado;
• Host type indica o tipo de máquina com a qual ele se conectará; como, em geral,
não a conhecemos, é melhor deixar a deteção automática;
• Initial remote directory permite especificar os diretórios nos quais você quer
encontrar-se na conexão. Por padrão, trata-se da raiz que o administrador do site
definiu, mas pode ser que você queira ir, frequentemente, em um diretório
específico e, neste caso você deverá preencher este campo, indicando o endereço
relativo. Para ir no diretório upload, no arranque, você deverá preencher o campo
com o "upload";
• Remote directory filter especifica as extensões que você quer que apareça (as
outras ficarão ocultas);
• Initial local directory representa o diretório local (em sua máquina) que será
exibido durante a conexão. Por padrão, será o diretório onde se encontra o
CuteFTP;
• Local directory filter especifica as extensões que quer que apareça no local.

A guia Advanced te dá acesso aos ajustes avançados:

26

• Porta (na parte superior, à esquerda) pode ser especificada se for outro número
que o 21;
• Connection Retries indica o número de vezes que o CuteFTP vai tentar se
reconectar, caso falhe;
• Delay between retries indica o intervalo de tempo entre cada tentativa do
CuteFTP;
• a opção Upload filenames (na parte inferior, à esquerda) especifica se queremos
que o tamanho dos caracteres (maiúsculos e minúsculos) seja preservado ao
enviarmos arquivos para um computador remoto.

As outras opções são pouco úteis.

3.10.4. Conectar-se

Depois de completar todos os campos, clique em OK e, clique duas vezes no site desejado, no
gerenciador de sites. Quando você estiver conectado no site FTP, uma mensagem de alerta
aparece:
27

Clique no botão OK para ver a seguinte janela:

A janela da esquerda representa a árvore local (o seu disco rígido), enquanto a janela da direita
representa o disco rígido do computador remoto. Para mover ao redor da árvore basta clicar
duas vezes nos diretórios. O ícone leva-te até o diretório parente. As transferências dos
arquivos são feitas selecionando um ou mais arquivos (pressionando simultaneamente o
botão CTRL e o botão esquerdo do mouse; você pode selecionar vários arquivos) em uma das
janelas (esquerda ou direita), depois fazendo um arrastar/largar para outra janela. Um
indicador na barra de status para monitorar o progresso da transferência (tempo restante e
percentagem do arquivo enviado).
4. Newsgroups

Newsgroups, significa em português, grupos de notícias ou grupos de discussão e permitem,


aos utilizadores de todo o mundo, trocar ideias entre si através de mensagens que todos
podem ler. 28

Imagine, por exemplo, um placard na cafetaria de uma escola que está visível a todos. Se
colocar uma mensagem todos os alunos a podem ler. Qualquer um pode, da mesma forma,
colocar uma mensagem em resposta à sua. Agora imagine que existe um placard para cada
assunto diferente.
Os newsgroups funcionam de uma forma muito semelhante.
Para poder ler mensagens e escrever mensagens em newsgroups é necessário - já adivinhou -
um programa apropriado. Um dos programas mais utilizados é o Outlook Express, que para
além de ser um programa de e-mail também pode ser utilizado para "participar" em
newsgroups.
Ao configurar o Outlook Express, irá obter uma lista dos grupos disponibilizados pelo seu
fornecedor de acesso (veremos como configurar o Outlook Express mais à frente).
Existem cerca de 30 mil newsgroups (grupos), cada um dedicado a um tema diferente.
Um newsgroup tem um nome semelhante a este: pt.internet.www
Outros exemplos de newsgroups são:
• pt.tec.telcoms

• alt.conspiracy

• rec.railroad
• soc.culture.portuguese

Os grupos de discussão têm estes nomes "estranhos" porque existe uma certa hierarquia no
seu funcionamento. Por exemplo "pt." significa que o newsgroup é português,
"rec." significa recreacional e "soc." significa sociedade. Quanto maior for o nome do
newsgroup mais específico ele é, por exemplo: pt.internet.www, dedica-se especificamente à
web, enquanto o pt.internet refere-se à internet em geral, incluindo a web.
Regra geral qualquer utilizador pode "participar" em qualquer newsgroup, mas alguns são
moderados, ou seja, existe um utilizador que retira as mensagens que considera menos
apropriadas ao assunto.
Ao selecionar um determinado newsgroup, obtém uma lista de mensagens que nele foram
colocadas, e ao selecionar uma mensagem poderá ver o seu conteúdo. Para colocar uma
29
mensagem, o procedimento é muito semelhante ao envio de um e-mail, mas em vez de ser
enviada a uma pessoa, a mensagem é enviada para o newsgroup através do servidor do seu
fornecedor de acesso que se encarrega de a "distribuir" pelos outros servidores de
newsgroups espalhados pelo mundo. De notar ainda que, à mensagem se dá o nome de
"post".
Qualquer utilizador é livre de colocar as mensagens que quiser nos newsgroups que quiser,
mas tal como já vimos para os outros serviços, existem regras de etiqueta que devem ser
respeitadas. As regras de etiqueta para o e-mail aplicam-se também neste caso.

4.1. Participar em Newsgroups

Para exemplificar a participação em Newsgroups vamos utilizar o Outlook Express do Internet


Explorer 5 em português.
Em primeiro lugar é necessário configurar o Outlook Express com os dados do servidor de
newsgroups do fornecedor de acesso à Internet.
Para isso deverá selecionar o menu "Ferramentas" e a opção "contas".
30

Aqui deve clicar no botão "Adicionar" e escolher "Newsgroups"

• Introduza o seu nome e pressione "Seguinte";


• Introduza o seu e-mail e pressione "Seguinte";
• Introduza o endereço do servidor de newsgroups. Neste caso o endereço é
news.clix.pt, e pressione "Seguinte";

• Agora pressione "Terminar" para que o Outlook Express contacte o servidor de


newsgroups e obtenha uma lista dos que estão disponíveis (é necessário estar
ligado à Internet para que isto aconteça).

Quando o Outlook Express a descarregar, aparecerá uma janela onde pode consultar essa
mesma lista.
Aqui pode escolher os newsgroups que mais lhe interessam, selecionando cada um deles e
pressionando "Subscrever". Ao subscrever um newsgroup está a adicioná-lo à zona de
"Pastas" do Outlook Express.
Experimente, por exemplo, selecionar o newsgroup pt.desporto.
Quando terminar a seleção prima OK.
Agora deve estar de volta à janela principal do Outlook Express. Repare bem na zona "pastas".
Aqui encontra os nomes dos newsgroups que subscreveu.

31

Selecione, de novo, o newsgroup pt.desporto (é necessário estar ligado à Internet). Na zona


de listagem de mensagens aparecerá uma lista das mensagens lá colocadas. Para ler uma
mensagem o procedimento é semelhante à leitura de e-mail.

Experimente agora o envio de uma mensagem para o newsgroup: Pressione o botão "Nova
Mensagem"; Escreva o assunto e o texto da mensagem; Pressione "enviar".
A sua mensagem será enviada para o servidor de newsgroups para ser distribuída. Poderá
demorar algum tempo até que apareça na lista de mensagens.
Para responder a uma das mensagens que foram colocadas no newsgroup basta selecioná-la,
pressionar "Responder" (Responder ao grupo) e escrever a mensagem. É ainda possível
responder diretamente ao autor via e-mail escolhendo o botão "Responder ao remetente".
32

5.Bibliografia on-line

▪ www.google.com
http://pt.wikipedia.org/wiki/Wikip%C3%A9dia:P%C3%A1gina_principal
▪ http://pt.wikipedia.org/wiki/File_Transfer_Protocol
▪ http://pt.wikipedia.org/wiki/Servidor_FTP
http://pt.wikipedia.org/wiki/F%C3%B3rum_de_discuss%C3%A3o
▪ http://www.eb23-briteiros.rcts.pt/netmanual/escola/newsgroups.htm

Você também pode gostar