Você está na página 1de 320
Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

1

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

:: PREFÁCIO

Futuros colegas,

Sonho que se sonha só é só um sonho que se sonha só, mas sonho que se sonha junto

é realidade (Raul Seixas). Aqui estamos nós e juntos construindo uma realidade. É

muito fácil ficar em casa se lamentando da vida e esperando que as coisas caiam do céu. Bem, na vida real elas não caem. Eu sei disso e você também. Você busca um sonho que eu também busquei e tornei realidade assim como você tornará. Na minha época também tive a oportunidade de conhecer o Professor Flaviano Lima que me ensinou sobre a principal matéria desse concurso (quem me convidou para tirar dúvidas de Direito Previdenciário) e o Professor Ítalo Romano o qual acompanhei na minha caminhada rumo ao INSS e que ratificou a ideia de ter um monitor sanando dúvidas no novo projeto deles, o Curso Completo De Direito Previdenciário do site Se Joga Vídeos. Sou grato imensamente pela confiança deles e sua também meu amigo e futuro colega no INSS. Foram cinco longos meses trabalhando para deixá-lo um pouco mais confortável na sua estrada. Nós somos a sandália de um dia quente e escaldante de trabalho. Ela é bem longa, não é? Mas saiba que terá um fim e será recompensador por um único motivo. Tudo isso virá pelo merecimento e, sabe, você merece.

Tudo isso virá pelo merecimento e, sabe, você merece. Nesta apostila você terá 600 dúvidas sanadas

Nesta apostila você terá 600 dúvidas sanadas sobre Direito Previdenciário. Todas elas atualizadas até 25.12.2017 e organizadas por tópicos, com sumário para facilitar o seu tempo e algumas questões comentadas aplicadas pela banca CESPE. O tópico segurados e custeio foram reunidos dentre outros pequenos assuntos, para que não tivéssemos um sumário tão extenso. Tudo isso para você chegar a sua prova tranquilo

e com a consciência do dever cumprido. Assim, nos alegraremos juntos no dia de sua

nomeação seja ela de Técnico do Seguro Social ou Analista de Serviço Social. Porque um sonho que se sonha junto é realidade.

Este trabalho é dedicado aos Professores Flaviano Lima, Ítalo Romano, Jeane Tavares (a famosa Juju), a você, meu futuro colega, a minha filha Ana Carolina, a todas as pessoas que eu amo e as que um dia amei. Espero que goste e aproveite este vasto material em seus estudos.

Bruno Cunha

Técnico do Seguro Social

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

:: SUMÁRIO

A SEGURIDADE SOCIAL NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL :: 5

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS :: 15

EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA SEGURIDADE SOCIAL :: 19

LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA :: 21

INSCRIÇÃO E FILIAÇÃO :: 23

MANUTENÇÃO E PERDA DA QUALIDADE DE SEGURADO :: 27

SEGURADOS :: 43

CONTRIBUIÇÃO DAS EMPRESAS E DOS SEGURADOS :: 80

DEPENDENTES :: 112

CARÊNCIA :: 122

SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO :: 135

SALÁRIO DE BENEFÍCIO :: 146

CONTAGEM RECÍPROCA :: 151

BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS

APOSENTADORIA POR IDADE :: 154

APOSENTADORIA POR INVALIDEZ :: 163

3

APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO :: 176

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

APOSENTADORIA ESPECIAL :: 189

APOSENTADORIA DO PORTADOR DE DEFICIÊNCIA :: 194

AUXÍLIO DOENÇA :: 198

AUXÍLIO ACIDENTE :: 210

SALÁRIO MATERNIDADE :: 216

SALÁRIO FAMÍLIA :: 237

PENSÃO POR MORTE ::242

AUXÍLIO RECLUSÃO ::271

PRAZOS :: 282

ABONO ANUAL :: 285

ACUMULAÇÃO DE BENEFÍCIOS :: 287

JUSTIFICAÇÃO ADMISNISTRATIVA :: 301

DECADÊNCIA E PRESCRIÇÃO :: 302

BPC LOAS :: 303

SERVIÇO SOCIAL :: 309

PROCURAÇÃO :: 310

ASSUNTOS DIVERSOS :: 311

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

BPC LOAS :: 303 SERVIÇO SOCIAL :: 309 PROCURAÇÃO :: 310 ASSUNTOS DIVERSOS :: 311 E-BOOK
Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

:: A SEGURIDADE SOCIAL NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

1:: A previdência social também se baseia no equilíbrio financeiro e atuarial. Assim, o INSS sendo uma autarquia, pessoa jurídica de direito público, qual o motivo de objetivar superavit e não apenas o equilíbrio de curto, médio e longo prazo? Pessoa jurídica de direito público não seria sem fins lucrativos? É como se o INSS estivesse fazendo uma "reserva" agora para imprevistos no futuro?

Constituição Federal

Art. 201. A previdência social será organizada sob a forma de regime geral, de caráter contributivo e de filiação obrigatória, observados critérios que preservem o equilíbrio financeiro e atuarial ( )

O que é o equilíbrio financeiro? Após realizadas as arrecadações e pagos os benefícios não haja

saldo negativo nas contas previdenciárias, equilíbrio financeiro.

O equilíbrio atuarial diz respeito às expectativas futuras em relação ao envelhecimento da

população e à natalidade da população. Cabe haver o equilíbrio atuarial de acordo com estudos e tenhamos superávit em quantidade suficiente, para que suporte os prognósticos dos eventos futuros como, por exemplo, o envelhecimento dos segurados.

2:: Eu estava estudando por outros materiais ; enfim , e lá constava que o Seguro Desemprego tem natureza previdenciária! E desde então, não consegui sanar essa dúvida. Por favor , se essa questão for cobrada em prova , como devo respondê-la?

O primeiro passo é se afastar de apostilas de banca de revista. Depois, verifique na Constituição Federal de 1988 no seu artigo 201, III quando ele assim diz:

Art. 201. A previdência social será organizada sob a forma de regime geral, de caráter contributivo e de filiação obrigatória, observados critérios que preservem o equilíbrio financeiro e atuarial, e atenderá, nos termos da lei, a:

III - proteção ao trabalhador em situação de desemprego involuntário.

Pronto, lá em sua prova do INSS se a questão estiver citando DE ACORDO COM O TEXTO

5

CONSTITUCIONAL

ai

você

marca

que

sim

a CF protege quanto ao desemprego

involuntário

Ai você pensa, pensa e diz: mas lá na manutenção e perda da qualidade de segurado, o segurado pode ter mais 12 meses caso esteja desempregado.

SIM! DESEMPREGADO

mas não é específico para o DESEMPREGO INVOLUNTÁRIO e sim para

o DESEMPREGO, pois basta o cadastro no SINE, por exemplo, que ele se beneficia com os doze meses adicionais.

Caso não cite a CF

você marca não, pois temos dez benefícios e dois serviços.

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

3:: Acerca da irredutibilidade do valor dos benefícios, é correto dizer? Irredutibilidade pelo valor nominal-Saúde e Assistência Social Irredutibilidade pelo valor real, Previdência Social.

O princípio constitucional da IRREDUTIBILIDADE DO VALOR DOS BENEFÍCIOS garante a

irredutibilidade do VALOR NOMINAL. Perceba que o reajustamento é garantido no artigo 201, parágrafo 4, VALOR REAL.

Art. 201. A previdência social será organizada sob a forma de regime geral, de caráter contributivo e de filiação obrigatória, observados critérios que preservem o equilíbrio financeiro e atuarial, e atenderá, nos termos da lei, a:

§ 4º É assegurado o reajustamento dos benefícios para preservar-lhes, em caráter permanente, o valor real, conforme critérios definidos em lei.

O valor real é uma garantia previdenciária, mas os benefícios assistenciais não,

necessariamente, são preservados o valor real. Na prática, no INSS, não vemos uma regra para

isso, mas os benefícios assistenciais que trabalhamos, como o BPC LOAS, são no valor de um salário mínimo.

4:: Sobre o sistema especial de inclusão. A que "carências inferiores" o §13 do art. 201 da CF se refere? Quanto as alíquotas, ok!, mas em relação as carências existe alguma previsão legal sobre isso?

O citado dispositivo, encontra-se no artigo 201 da Carta Magna no parágrafo 13.

6

§ 12. Lei disporá sobre sistema especial de inclusão previdenciária para atender a

trabalhadores de baixa renda e àqueles sem renda própria que se dediquem exclusivamente

ao trabalho doméstico no âmbito de sua residência, desde que pertencentes a famílias de

baixa renda, garantindo-lhes acesso a benefícios de valor igual a um salário-mínimo.

§ 13. O sistema especial de inclusão previdenciária de que trata o § 12 deste artigo terá

alíquotas e CARÊNCIAS inferiores às vigentes para os demais segurados do regime geral de

previdência social.

Nós ficamos loucos quando não vemos aplicabilidade de alguma palavra do texto de lei ao estudo. No referido caso é porque, até o momento, não há aplicabilidade em texto de lei para carências inferiores como citado, mas sim, como já conhecemos, para alíquotas.

No entanto, caso a sua prova cobre a literalidade da nossa LEI MAIOR, nós vamos com o texto

Ipsis litteris (pelas mesmas letras).

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

5:: O artigo 198 da CF sobre Saúde tem vários parágrafos, e to achando meio estranho, pois nunca vi questão sobre tudo. Será que só até o 1º parágrafo tá bom?

O ideal é estudar tudo, mas vou marcar os pontos principais, ok?

Seção

DA SAÚDE

II

ART. 196. A SAÚDE É DIREITO DE TODOS E DEVER DO ESTADO, GARANTIDO MEDIANTE POLÍTICAS SOCIAIS E ECONÔMICAS QUE VISEM À REDUÇÃO DO RISCO DE DOENÇA E DE OUTROS AGRAVOS E AO ACESSO UNIVERSAL E IGUALITÁRIO ÀS AÇÕES E SERVIÇOS PARA SUA PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E RECUPERAÇÃO.

Art. 197. SÃO DE RELEVÂNCIA PÚBLICA AS AÇÕES E SERVIÇOS DE SAÚDE, CABENDO AO

PODER PÚBLICO DISPOR, NOS TERMOS DA LEI, SOBRE SUA REGULAMENTAÇÃO, FISCALIZAÇÃO

E

CONTROLE, DEVENDO SUA EXECUÇÃO SER FEITA DIRETAMENTE OU ATRAVÉS DE TERCEIROS

E,

TAMBÉM, POR PESSOA FÍSICA OU JURÍDICA DE DIREITO PRIVADO.

ART. 198. AS AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE INTEGRAM UMA REDE REGIONALIZADA E HIERARQUIZADA E CONSTITUEM UM SISTEMA ÚNICO, ORGANIZADO DE ACORDO COM AS SEGUINTES DIRETRIZES:

I - DESCENTRALIZAÇÃO, COM DIREÇÃO ÚNICA EM CADA ESFERA DE GOVERNO;

7

II - ATENDIMENTO INTEGRAL, COM PRIORIDADE PARA AS ATIVIDADES PREVENTIVAS, SEM PREJUÍZO DOS SERVIÇOS ASSISTENCIAIS;

III - PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE.

§ 1º O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SERÁ FINANCIADO, NOS TERMOS DO ART. 195, COM

RECURSOS DO ORÇAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL, DA UNIÃO, DOS ESTADOS, DO DISTRITO FEDERAL E DOS MUNICÍPIOS, ALÉM DE OUTRAS FONTES. (Parágrafo único renumerado para §

6:: Sobre sistema especial de inclusão previdenciária, quando a Dona de casa de baixa renda recolhe o 5% sobre o Sal. Mín. ela irá ter direito a aposentadoria por idade? 60 anos? E 180 contribuições de carência? Ou não terá direito a aposentadoria?

Claro! Esse é uns dos principais pontos da inclusão da dona de casa de baixa renda na previdência social! Ela deve cumprir os requisitos legais para a concessão da aposentadoria por idade: 60 anos e 180 contribuições mensais no valor de UM salário mínimo e enquanto isso terá a possibilidade de pleitear outros benefícios da previdência social concernentes ao segurado facultativo.

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

7::

alternativa incorreta:

Gabarito: Letra B

(B) Lei Complementar disporá sobre sistema especial de inclusão previdenciária para atender

a trabalhadores de baixa renda e àqueles sem renda própria, que se dediquem

exclusivamente ao trabalho doméstico no âmbito de sua residência, desde que pertencentes a famílias de baixa renda, garantindo-lhes acesso a benefícios de valor igual a um salário- mínimo.

Em relação às disposições constitucionais acerca da Previdência Social, assinale a

O que há de errado nessa alternativa? Faltou dizer que o segurado deve estar inscrito no CadÚnico?

Ele diz que LEI COMPLEMENTAR disporá sobre sistema de inclusão previdenciária e a assertiva disse apenas LEI. Quando uma banca fala LEI é porque está citando LEI ORDINÁRIA e não lei complementar. Se a matéria for LEI COMPLEMENTAR, deve-se apresentar devidamente expresso no texto da Carta Magna,

Constituição Federal

Artigo 201

§ 12. LEI disporá sobre sistema especial de inclusão previdenciária para atender a

trabalhadores de baixa renda e àqueles sem renda própria que se dediquem exclusivamente ao trabalho doméstico no âmbito de sua residência, desde que pertencentes a famílias de

baixa renda, garantindo-lhes acesso a benefícios de valor igual a um salário-mínimo.

8

8:: A União, como forma de atender os objetivos da seguridade social, poderá criar novas

contribuições sociais, desde que aprovadas por lei complementar e com ineditismo de fato gerador e base de cálculo, além de não cumulativas; Help!

A União poderá sim criar novas contribuições sociais. Elas deverão ser aprovadas por Lei

Complementar de acordo com o artigo 154 da Carta Magna, obedecidos novo fato gerador, nova base de cálculo e não cumulação.

Constituição Federal

Art. 195 § 4º A lei poderá instituir outras fontes destinadas a garantir a manutenção ou

expansão

da

seguridade

social,

obedecido

o

disposto

no

art.

154,

I.

Art.

154.

A

União

poderá

instituir:

I - mediante LEI COMPLEMENTAR, impostos não previstos no artigo anterior, desde que sejam não-cumulativos e não tenham fato gerador ou base de cálculo próprios dos discriminados

nesta Constituição.

 

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
9::
9::

O contribuinte individual que presta serviço por conta própria, para optar pelo sistema

especial de inclusão previdenciária, NECESSARIAMENTE, precisa ser de baixa renda? Assim como a dona de casa?

Essa pergunta é muito importante! Perceba que o sistema existe para incluir pessoas, para que elas saiam da informalidade e contribuíam para o RGPS. Igualmente, que tenham acesso a benefícios, já que o sistema é contributivo é de filiação obrigatória. Existe a NECESSIDADE de comprovação da dona de casa de BAIXA RENDA e, desse modo, ela tem uma alíquota reduzida. Esta é de 5%. A partir de hoje não confunda alhos com bugalhos! Os contribuintes Individuais e o MEI, dessa forma de contribuição, abrem mão da aposentadoria por tempo de contribuição.

Constituição Federal Artigo 201 § 12. Lei disporá sobre sistema especial de inclusão previdenciária para atender a trabalhadores de baixa renda e àqueles sem renda própria que se dediquem exclusivamente ao trabalho doméstico no âmbito de sua residência, desde que pertencentes a famílias de baixa renda, garantindo-lhes acesso a benefícios de valor igual a um salário-mínimo. § 13. O sistema especial de inclusão previdenciária de que trata o § 12 deste artigo terá alíquotas e carências inferiores às vigentes para os demais segurados do regime geral de previdência social.

10:: Você diz que o segurado para se enquadrar no sistema de inclusão previdenciária deve ser baixa renda - até 2 salários mínimos, e o prof Italo Eduardo, na parte anterior diz que baixa renda é aquele que recebe até R$ 1.319,18?

9

Esse baixa renda citado pela possibilidade da contribuição dos 11% no Sistema de Inclusão Previdenciária é o da possibilidade aberta pela Carta Maior de tirar pessoas da informalidade. O baixa renda de renda familiar de até dois salários mínimos é a dona de casa que contribui com 5% do salário mínimo e o baixa renda dos 1.319,18 reais é o do salário família e auxílio reclusão.

Constituição Federal Artigo 201 § 12. Lei disporá sobre sistema especial de inclusão previdenciária para atender a trabalhadores de baixa renda e àqueles sem renda própria que se dediquem exclusivamente ao trabalho doméstico no âmbito de sua residência, desde que pertencentes a famílias de baixa renda, garantindo-lhes acesso a benefícios de valor igual a um salário-mínimo.

11:: Ainda que uma doméstica trabalhe 4 horas por dia e ganhe meio SM, no caso do auxílio- doença, a RMB será de um salário mínimo, certo? Apesar de o novo artigo apontar que o teto do AD será a média aritmética simples dos últimos 12 SC, o que prevalece é a CF, já que benefício que substitui a renda não pode ser inferior ao SM, correto?

No caso do LIMITADOR do Auxílio Doença, mesmo que ele receba abaixo do salário mínimo, os salários de contribuição também terão a base do SM.

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

Constituição Federal em seu artigo 201, parágrafo 2 diz:

§ 2º Nenhum benefício que substitua o salário de contribuição ou o rendimento do trabalho do segurado terá valor mensal inferior ao salário mínimo.

A

Lei 8.212 em seu parágrafo 3 diz:

O

limite mínimo do salário de contribuição corresponde ao piso salarial, legal ou normativo, da

categoria ou, inexistindo este, ao salário mínimo, tomado no seu valor mensal, diário ou horário, conforme o ajustado e o tempo de trabalho efetivo durante o mês.

O artigo 29 da Lei 8213 que em seu parágrafo 2 diz:

§ 2º O valor do salário de benefício não será inferior ao de um salário mínimo, nem superior ao

do limite máximo do salário de contribuição na data de início do benefício.

12: No site do INSS, ele coloca que é benefício do dependente salário família auxílio reclusão, salário maternidade e pensão por morte. Tá lá na página de serviços!

Possivelmente, isto está no sítio do INSS, pois na nossa LEI MAIOR (CF) há um dispositivo no seu artigo 201, IV que diz:

IV - salário-família e auxílio-reclusão para os dependentes dos segurados de baixa renda.

Ora, nós sabemos que os benefícios pleiteados pelos DEPENDENTES dos segurados são:

Pensão por Morte e Auxílio Reclusão. Este (AR) advindo de segurados de BAIXA RENDA. Salário Família (BAIXA RENDA) e Salário Maternidade serão para SEGURADOS. Porém, caso em sua prova venha o seguinte texto:

À LUZ DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

Eu, caso fosse você, marcaria como no artigo 201, IV da Constituição.

Gente, ela é carente

precisa de atenção. Vamos, então, fazer a vontade dela!!!

Olha só esta questão:

10

À luz da competência constitucional da Previdência Social, julgue os itens abaixo que são de

competência da Previdência Social:

I. cobertura dos eventos de doença, invalidez, morte e idade avançada. II. salário-família e auxílio-reclusão para os dependentes dos segurados de baixa renda.

III. pensão por morte do segurado, homem ou mulher, ao cônjuge ou companheiro e

dependentes.

IV.

a promoção da integração ao mercado

de trabalho.

a)

Todos estão corretos

b)

Somente IV está incorreto.

 

c)

I e II estão incorretos.

d)

I e III estão incorretos.

e)

III e IV estão incorretos

a IV está incorreta.

 

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

É assim que cai e assim que você ACERTA.

13:: A regra da Dona de casa, baixa renda, para contribuir só com os 5% vale para homem também?

SIM! O entendimento é que vale para donas de casa e donos de casa. O legislador cita a DONA DE CASA por ser mais comum culturalmente falando no Brasil, mas o homem de baixa renda também pode contribuir com os 5% do salário mínimo.

Sítio do PLANALTO

A Previdência Social está veiculando, em diferentes meios de comunicação do País, uma nova

campanha publicitária para estimular a inclusão, no sistema previdenciário, de donas e donos

de casa de família de baixa renda.

14:: Se a cota patronal for diminuída de 20% para 18% e a data de recolhimento for mudada do dia 20 do mês seguinte, para o dia 15 não observa o principio da noventena, né isso?

Perceba que no caso exposto haveria a redução e não a majoração. No caso da majoração ou instituição de uma cota, a noventena é uma proteção ao contribuinte. E a Súmula 669 do STF diz que não há necessidade de lei para alterar o prazo de vencimento. Logo não se aplica ao princípio da anterioridade.

Constituição Federal, Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

III - cobrar tributos:

11

b) no mesmo exercício financeiro em que haja sido publicada a lei que os instituiu ou

aumentou;

c) antes de decorridos NOVENTA DIAS da data em que haja sido publicada a lei que os instituiu ou aumentou, observado o disposto na alínea b;

Súmula 669, STF: Norma legal que altera o prazo de recolhimento da obrigação tributária não se sujeita ao princípio da anterioridade.

15:: Em relação à seguridade social, analise as proposições abaixo e responda:

I. O princípio da anterioridade em matéria de contribuições sociais dispõe que as contribuições sociais não podem ser exigidas no mesmo exercício financeiro em que haja sido publicada a lei que as instituiu ou majorou. II. A Constituição da República estabelece que a receita da seguridade social deve constar de um orçamento próprio, distinto daquele previsto para os poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios.

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

III. A universalidade da cobertura e do atendimento e a seletividade e distributividade na

prestação dos benefícios e serviços são princípios constitucionais que devem ser observados pelo Poder Público na organização da seguridade social. IV. IV - A Constituição da República estabelece que a receita da seguridade social deve ter como fonte única de arrecadação os trabalhadores, empregadores e o Poder Público, enunciando, assim, o chamado princípio da unicidade da base de financiamento.

a)

Há apenas uma proposição verdadeira.

b)

Há apenas duas proposições verdadeiras.

c)

Há apenas três proposições verdadeiras.

d)

Todas as proposições são verdadeiras.

e)

Todas as proposições são falsas.

O

I trata-se do dispositivo da NOVENTENA e não da anterioridade Artigo 195, CF, § 6º As

contribuições sociais de que trata este artigo só poderão ser exigidas após decorridos NOVENTA DIAS da data da publicação da lei que as houver instituído ou modificado, não se lhes aplicando o disposto no art. 150, III, "b".

II correta! Temos no RGPS um regime de repartição simples. “Uma conta” onde o governo seleciona e distribui a quantia arrecadada nas contribuições. ORÇAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL, artigo 165, parágrafo 5, III - O ORÇAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL, abrangendo

todas as entidades e órgãos a ela vinculados, da administração direta ou indireta, bem como

os

fundos e fundações instituídos e mantidos pelo Poder Público.

III

certíssimo!! CF, artigo 194.

IV

Fonte única? Contradiz o Princípio da diversidade na base de financiamento do artigo 194.

16:: Na lei 8.213 diz que a previdência é composta pelo RGPS e Previdência complementar

e no decreto 3048 diz que é composta pelo RGPS E RPPS previdência é composta por quais?

afinal

qual devo seguir? A

Lei 8213 Art. 9º A Previdência Social compreende:

I o Regime Geral de Previdência Social; II o Regime Facultativo Complementar de Previdência Social.

12

Decreto 3048 Art. 6º A previdência social compreende:

I o Regime Geral de Previdência Social; e II os regimes próprios de previdência social dos servidores públicos e dos militares.

Aqui valerá a sua atenção. Você sabe que em nosso ordenamento, nós temos 3 regimes:

Geral, próprio e complementar. Para você não ter dúvidas, fica a dica:

1.Quando a questão não mencionar qualquer lei: geral, próprio e complementar; 2.Quando a questão mencionar a Lei 8213: geral e complementar; 3.Quando a questão mencionar o Decreto 3048: geral e próprio.

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

17:: É receita da seguridade social:

50% da receita de leilões de bens apreendidos pela Receita Federal do Brasil?

Eu selecionei essa pergunta, pois quando eu estudei para o INSS, eu já tinha feito TODAS as questões da matéria já feitas em todos os concursos, em toda a história do Direito Previdenciário e essa é uma questão que MUITO se repete e é bem fácil! O examinador tenta confundi-lo de duas formas:

Quando ele falar em RESULTADO DOS LEILÕES DOS BENS APREENDIDOS pelo Departamento da Receita Federal QUARENTA PORCENTO

Quando se referir a TRÁFICO ILÍCITO DE ENTORPECENTES E DROGAS AFINS E DA EXPLORAÇÃO DE TRABALHO ESCRAVO CINQUENTA PORCENTO

Agora vai a dica para memorizar:

O

menor valor para algo que não tem gravidade (leilão) = 40%

O

maior valor para algo que é MUITO GRAVE (tráfico de drogas) = 50%

Fica a dica!

Lei 8212

13

VI 50% (cinquenta por cento) dos valores obtidos e aplicados na forma do parágrafo único do

art. 243 da Constituição Federal; VII 40% (quarenta por cento) do resultado dos leilões dos bens apreendidos pelo Departamento da Receita Federal;

Constituição Federal Artigo 243 Parágrafo único. Todo e qualquer bem de valor econômico apreendido em decorrência do TRÁFICO ILÍCITO DE ENTORPECENTES E DROGAS AFINS E DA EXPLORAÇÃO DE TRABALHO ESCRAVO será confiscado e reverterá a fundo especial com destinação específica, na forma da lei.

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

DE OLHO NO CESPE

I) DEFENSOR PÚBLICO/DPE/2007

No regime de distribuição de competências legislativas promovido pela Constituição Federal, a seguridade social e, especificamente, a previdência social incluem -se entre as competências privativas da União. (ERRADO)

Comentário

Constituição Federal Art. 22, XXIII, da CF: "Compete privativamente à União legislar sobre:

Seguridade social

Art. 24, XII, da CF: Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar
Art.
24,
XII,
da
CF: Compete
à
União,
aos
Estados
e
ao
Distrito
Federal
legislar
concorrentemente sobre:
Previdência social

II) DEFENSOR PÚBLICO/DPE/2008

No ordenamento jurídico brasileiro, a seguridade social, assim como sua abrangência, foi positivada pela Constituição Federal de 1988, que contém todas as ações de Estado a serem realizadas nas áreas sociais, especificamente: assistência e previdência social, saúde, combate à fome e educação fundamental.

Comentário

14

Combate à fome e educação fundamental? Perceba que as questões se repetem. Vamos lá! SAÚDE, ASSISTÊNCIA SOCIAL E PREVIDÊNCIA SOCIAL.

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

:: PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS

1:: Princípio constitucional da IRREDUTIBILIDADE DO VALOR DOS BENEFÍCIOS

Valor Nominal X Valor Real

Artigo 194 Parágrafo Único IV

Artigo 201 CF

§ 4º É assegurado o reajustamento dos benefícios para preservar-lhes, em caráter permanente, o valor real, conforme critérios definidos em lei.

Este princípio garante ao segurado que o valor recebido por ele não pode ser TOCADO, não pode ser reduzido. Se o senhor Justino depois de ter trabalhado uma vida inteira e hoje recebe R$2. 000,00 de renda mensal de benefício, a Constituição Federal garante que, mesmo que o país passe por uma situação hipotética de corte de salários na iniciativa privada, por exemplo, o segurado não terá redução no valor de sua aposentadoria (benefício do exemplo). Isto quer dizer IRREDUTIBILIDADE do valor NOMINAL.

Agora, o senhor Justino passou a receber em 2014 R$2.000,00 e isto quer dizer que em 2015 ele também receberá este valor? Não! É preciso garantir o poder aquisitivo de Seu Justino, suas perdas inflacionárias. O ano passou e houve inflação no país! Então, a Constituição Federal também garante o seu valor REAL. Este valor será reajustado através do INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) e geralmente acontece em primeiro de janeiro do ano corrente.

15

Até o momento não há esta vinculação com o salário mínimo como alguns membros do Congresso Nacional querem. A própria Constituição Federal, atualmente, veda a vinculação com salário mínimo:

Artigo 7, CF, IV - salário mínimo, fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender a suas necessidades vitais básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo, sendo vedada sua vinculação para qualquer fim.

2:: Você poderia esclarecer esta questão? O gabarito é a letra B, mas na hora de responder eu achei que fosse a letra E. Obrigada. O princípio constitucional estipulando que a Seguridade Social deve contemplar todas as contingências sociais que geram necessidade de proteção e acolher todas as pessoas indistintamente é o da

(A)

dignidade da pessoa humana.

(B)

universalidade de cobertura e do atendimento.

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

(C) uniformidade e equivalência de benefícios e serviços

às populações urbanas e rurais.

(D)

diversidade da base de financiamento.

(E)

seletividade e distributividade na prestação dos benefícios

e serviços.

O princípio constitucional que contempla a UNIVERSALIDADE DE COBERTURA é justamente

aquele que busca cobrir os RISCOS SOCIAIS, o que trata da proteção social. É a universalidade OBJETIVA, pois se refere ao OBJETO da relação jurídica.

O princípio constitucional estipulando que a Seguridade Social deve contemplar todas as contingências sociais que geram necessidade de proteção ( )”

A UNIVERSALIDADE DE ATENDIMENTO é a que se refere ao SUJEITO da relação jurídica. Este

princípio visa ao acolhimento de todos e, por sua causa, foi criada a figura do SEGURADO FACULTATIVO. Aquele que não exerce atividade remunerada, mas quer contribuir para fazer jus aos benefícios previdenciários.

“acolher todas as pessoas indistintamente.”

3:: Um duvida a respeito dos principios e diretrizes da Seguridade Social:

Segundo a lei 8.212, alinea "g": não diz ser quadripartite, pois só fala da gestão administrativa com participação dos trabalhadores, empresários e aposentados. Nesse caso, como eu responderia na prova, que sempre será quadripartite?

16

Nesses casos, você deve ficar atenta a duas situações. GESTÃO QUADRIPARTITE e TRÍPLICE FORMA DE CUSTEIO. É assim que as questões de Direito Previdenciário tentam confundir os candidatos. Mas GESTÃO QUADRIPARTITE. Uma coisa é a participação na gestão e outra é o financiamento (TRÍPLICE FORMA - Empresas, trabalhadores e Governo).

Constituição federal Artigo 194 VII - caráter democrático e descentralizado da administração, mediante GESTÃO QUADRIPARTITE, com participação dos TRABALHADORES, DOS EMPREGADORES, DOS APOSENTADOS E DO GOVERNO nos órgãos colegiados.

4:: Com relação aos Princípios da Seguridade Social em comparação com os da Previdência

Equivalência e

Uniformidade

comparando meu material com a lei 8.212 vi que os princípios da Previdência não estão batendo, por exemplo, na lei, fala da Preservação do valor real dos benefícios e da Previdência complementar facultativa, é para considerar como PRINCÍPIOS ou somente os 7 da Mandala de Princípios?

Social, são 4 princípios em comum, certo? (Seletividade e distributividade

,

,

Irredutibilidade

e Caráter Democrático). E a outra dúvida é o seguinte,

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

Vou dar uma dica para você. Você terá que memorizar e estar ciente de que na Lei 8212 e na Constituição Federal, nós estamos falando de princípios e objetivos da SEGURIDADE SOCIAL (gênero) e também da PREVIDÊNCIA SOCIAL (lei 8212) e na Lei 8213, no exposto, falamos da PREVIDÊNCIA SIOCIAL (espécie juntamente com a ASISTÊNCIA SOCIAL e a SAÚDE). Ok? Agora você lê várias vezes cada um deles e separa os que são DIFERENTES em comum. Guarde em sua memória essas diferenças. Veja mais uma vez a aula bem detalhada de Ítalo sobre esse assunto e comece a responder muitas questões. Não tem erro e nem precisará de osmose. O assunto encaixará direitinho em sua memória.

Lei 8212 Art. 3º A Previdência Social tem por fim assegurar aos seus beneficiários meios indispensáveis

de manutenção, por motivo de incapacidade, idade avançada,tempo de serviço, desemprego

involuntário,

economicamente.

dependiam

encargos

de

família

e

reclusão

ou

morte

daqueles

de

quem

Parágrafo único. A organização da Previdência Social obedecerá aos seguintes princípios e diretrizes:

a) universalidade de participação nos planos previdenciários, MEDIANTE CONTRIBUIÇÃO;

b) valor da renda mensal dos benefícios, substitutos do salário de contribuição

ou do rendimento do trabalho do segurado, não inferior ao do salário mínimo;

c) cálculo dos benefícios considerando-se os salários de contribuição,

corrigidos monetariamente;

d) preservação do valor real dos benefícios;

e)

previdência complementar facultativa, custeada por contribuição adicional.

Lei 8213

Art. 2º A PREVIDÊNCIA SOCIAL rege-se pelos seguintes PRINCÍPIOS E OBJETIVOS:

I universalidade de participação nos planos previdenciários;

II uniformidade e equivalência dos benefícios e serviços às populações urbanas e rurais; III seletividade e distributividade na prestação dos benefícios; IV cálculo dos benefícios considerando-se os salários de contribuição corrigidos

monetariamente;

V irredutibilidade do valor dos benefícios de forma a preservar-lhes

O poder aquisitivo;

VI valor da renda mensal dos benefícios substitutos do salário de contribuição

17

Ou

do rendimento do trabalho do segurado não inferior ao do salário mínimo;

VII

previdência complementar facultativa, custeada por contribuição adicional;

VIII caráter democrático e descentralizado da gestão administrativa, com a participação do governo e da comunidade, em especial de trabalhadores em atividade, empregadores e aposentados.

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

DE OLHO NO CESPE

I) PROCURADOR FEDERAL/AGU/2007

A seguridade social obedece aos princípios da seletividade e da distributividade na

prestação dos benefícios e serviços.

(CORRETO)

Comentário

Exatamente o que diz o artigo 194 da Constituição Federal. Perceba:

Art. 194. A SEGURIDADE SOCIAL compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e à assistência social.

Parágrafo único. Compete ao Poder Público, nos termos da lei, organizar a SEGURIDADE SOCIAL, com base nos seguintes objetivos:

III - SELETIVIDADE E DISTRIBUTIVIDADE NA PRESTAÇÃO DOS BENEFÍCIOS E SERVIÇOS;

II) ANALISTA JUDICIÁRIO/STJ/2015

Os princípios orientadores das políticas de seguridade social incluem a universalidade, PRINCIPALMENTE NA SAÚDE; a uniformidade e a equivalência na PREVIDÊNCIA URBANA

E RURAL;

a

irredutibilidade

do

valor

dos

benefícios;

e

a

diversidade

da

base

de

financiamento.

(CORRETO)

Comentário

18

A banca foi malvada e não pediu a literalidade da lei e sim o núcleo dos princípios orientadores da seguridade social. Perceba que em nada no texto poderíamos dizer que estaria errado. Primeira casca de banana (universalidade, PRINCIPALMENTE NA SAÚDE). Ora, a saúde é para todos, a assistência social é para quem dela necessitar e a previdência tem como limitador o caráter contributivo). Essa é uma questão bem interpretativa, logo, fique de olho!

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

:: EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA SEGURIDADE SOCIAL

1:: QUANDO FOI CRIADO O FUNRURAL? 1963 ou 1971?

Acerca da dúvida de quando foi criado o FUNRURAL, nós vamos até a história do Brasil esclarecer algo. O ano de 1963 foi o que antecedeu o Golpe Militar no Brasil. Existia um posicionamento forte do então Presidente da República João Goulart, para que houvesse no Brasil um movimento do governo pela REFORMA AGRÁRIA. Ato como este que desencadeou, no dia primeiro de abril de 1964, em mais de vinte anos de ditadura militar. O FUNRURAL foi criado pouco mais de um ano antes do golpe. Já em 1971, através da lei Complementar 11 de 25 de maio do mesmo ano, assinada pelo presidente e general Emílio Garrastazu Médici foi criado o PRORURAL onde instituiu o Programa de Assistência ao Trabalhador Rural. Perceba que o artigo 37 da referida Lei Complementar já revoga parte da Lei 4214 de 2 de março de 1963. Esta que institui o FUNRURAL através do Estatuto do Trabalhador Rural. Veja também que o parágrafo primeiro do artigo primeiro da LC 11/1971 diz que caberá ao FUNRURAL a execução do PRORURAL. Concluindo, meus amigos, dúvida sanada: FUNRURAL criado em 1963 e PRORURAL em 1971.

2:: O primeiro diploma legal de magnitude constitucional em que se tratou de tema previdenciário foi a Constituição do México?

A primeira Constituição que explicita o tema previdência foi a Constituição MEXICANA em 1917 e seguida da alemã de WEIMAR em 1919.

3:: A seguridade foi criada pela CF de 1988. Como responder?

19

A Constituição Federal de 1988 foi a primeira a reunir os três pilares da SEGURIDADE SOCIAL e

a primeira a tornar expressa a seguridade social. É nela que, entre os artigos 194 e 204, nós temos informações ricas sobre a ASSISTÊNCIA SOCIAL, SAÚDE e PREVIDÊNCIA SOCIAL que certamente cairão em sua prova. No SINPAS a partir de 1977 houve uma certa integração, mas SEGURIDADE SOCIAL surge a partir da Constituição de 1988. A seguridade social é gênero e os seus três pilares são espécies.

4:: Na evolução da previdência social brasileira, o modelo dos institutos de aposentadoria e pensão, que abrangiam determinadas categorias profissionais, foi posteriormente substituído pelo modelo das caixas de aposentadoria e pensão, que eram criadas na estrutura de cada empresa. Certo Errado Gabarito: Errado Eu não entendi porque está errada.

Houve a inversão histórica. O correto seria:

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

Na evolução da previdência social brasileira, o modelo das caixas de aposentadoria e pensão, que eram criadas na estrutura de cada empresa foi, posteriormente, substituído pelo modelo dos institutos de aposentadoria e pensão, que abrangiam determinadas categorias profissionais.

DE OLHO NO CESPE

I) ANALISTA LEGISLATIVO/CÂMARA DOS DEPUTADOS/2014

Com relação à evolução histórica e à organização institucional da previdência social, julgue o item a seguir.

A Constituição de Weimar, de 1919, foi o primeiro diploma legal de magnitude constitucional em que se tratou de tema previdenciário. (ERRADO)

Comentário

A Constituição do México de 1917 foi o primeiro diploma legal de magnitude constitucional em que se tratou de tema previdenciário.

II) DEFENSOR PÚBLICO/DPE/2008

No ordenamento jurídico brasileiro, a primeira referência a instituições que promovessem ações relacionadas ao que hoje se denomina seguridade social foi feita pela Constituição de 1824, que criou as casas de socorros, consideradas embriões das santas casas de misericórdia. (CORRETO)

20

Fique de olho nessas palavras estranhas em prova: EMBRIÃO! Mas foi, realmente, a Constituição de 1824 que criou as casas de socorros.

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

:: LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

1:: Podes explicar melhor a vigência da lei previdenciária? Fiquei com dúvida sobre o prazo da noventena e o dos 45 dias do código civil.

A vigência está diretamente relacionada à existência de uma determinada lei em um dado

momento no tempo. Existe uma regra geral dizendo que, caso não haja uma disposição EXPRESSA, a lei entrará em vigor 45 (quarenta e cinco dias) após a data de sua publicação. Vejamos o artigo primeiro do Decreto-Lei 4657/1942:

Salvo disposição contrária, a lei começa a vigorar em todo o país quarenta e cinco dias depois de oficialmente publicada.

Então, SALVO DISPOSIÇÃO CONTRÁRIA.

Tendo isso em mente, nós agora vamos lá para a CARTA MAGNA, A LEI MAIOR, A CONSTITUIÇÂO BRASILEIRA. Ela no seu artigo 195 parágrafo sexto diz:

As contribuições sociais de que trata este artigo só poderão ser exigidas após decorridos noventa dias da data da publicação da lei que as houver instituído ou modificado (anterioridade nonagesimal ou mitigada).

Então, para o que diz respeito às contribuições sociais, a Constituição Federal nos orienta dizendo que a sua eficácia será após 90 dias da publicação da lei.

21

Perceba que se encaixa às contribuições que tenham sofrido majoração ou modificação. Ou seja, é uma forma de proteger o contribuinte quanto ao aumento ou até mesmo a criação de um novo tributo tudo isso em uma nova base de cálculo e fato gerador de impostos já existentes. Informações mais detalhadas a esta são alvo do Direito Tributário ou de um concurso para Auditor Fiscal da Receita Federal e não vou colocar mais coisa na sua mente, pois seu HD mental precisa agora de espaço livre. Para o INSS é isso ai.

2:: (CESPE 2008 DPE-CE) A LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA, tanto em matéria de benefícios como de custeio, submete-se a uma das regras gerais presentes na Lei de Introdução ao Código Civil, passando a viger, portanto, 45 dias após a sua publicação, ressalvadas as estipulações em contrário. (Errado)

A legislação previdenciária possui uma gama de ornamentos para além das leis. Existem os

decretos, instruções normativas, memorandos, etc. Exemplo: Instruções normativas são atos

normativos expedidos por autoridades administrativas, normas complementares das leis, dos tratados e das convenções internacionais e dos decretos, e NÃO PODEM TRANSPOR, INOVAR OU MODIFICAR O TEXTO DA NORMA QUE COMPLEMENTAM (lembra da aula de Flaviano Lima?).

Olhe esse artigo da IN77/15

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

Art. 806. Esta Instrução Normativa entra em VIGOR na data de sua publicação, devendo ser aplicada a todos os processos pendentes de análise e decisão.

Artigo da Lei de Introdução às normas do Direito Brasileiro Art. 1 Salvo disposição contrária, a LEI começa a vigorar em todo o país quarenta e cinco dias depois de oficialmente publicada.

Dizer que a “LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA” SUBMETE-SE (palavra forte) à LICC é demais. A regra não é aplicada a atos administrativos que entram em vigor na data da publicação, por exemplo, estes fazem parte também da LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA.

DE OLHO NO CESPE

I) DEFENSOR PÚBLICO/DPE/2010

O julgamento pela ilegalidade do pagamento de benefício previdenciário previsto na legislação não implica a obrigatoriedade da devolução das importâncias recebidas, de boa-fé, pelo segurado. (CORRETO)

Comentário

Comprovada a má-fé, o segurado deve devolver as importâncias indevidas, porém, comprovada a boa-fé, não.

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

22

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

:: INSCRIÇÃO E FILIAÇÃO

1:: Se uma pessoa se inscrever como contribuinte individual, e não recolher nenhuma prestação e tempos depois ela queria cancelar a inscrição, essa pessoa é obrigado a pagar os atrasados? Mesmo se desvinculado?

A pessoa geralmente busca o INSS para requerer uma INSCRIÇÃO no CNIS, no caso. Ela faz o

cadastro e o sistema gera um NIT. O servidor orienta que ela compre um carnê GPS e coloca os valores da contribuição e alíquotas do seu trabalho por conta própria, exemplo. Caso ele não

pague, ele continuará com o seu NIT ativo e só será excluído com documentação expressa assinada pelo segurado. Lembre-se que o sistema é contributivo e de filiação OBRIGATÓRIA. O fato de exercer atividade renumerada diz que ele pague a sua contribuição (no caso). Como o sistema é contributivo, prejudica-se o próprio segurado caso não pague a GPS, como no exemplo. Agora, nem tenho como dar um exemplo sobre esse caso em questão, pois serão diversas as situações caso não pague e no futuro volte a pagar. Vale salientar que o CONTRIBUINTE INDIVIDUAL é segurado OBRIGATÓRIO e não um SEGURADO FACULTATIVO.

2:: É correto dizer que a filiação do empregado ocorre no momento da assinatura do contrato de trabalho?

Não esqueça. O nosso sistema de estudo é CONTRIBUTIVO e de FILIAÇÃO OBRIGATÓRIA. Ou seja, com ou sem contrato, o exercício de atividade remunerada demanda a FILIAÇÃO no RGPS e a inscrição do empregado será feita pela empresa tornando assim um ato jurídico formal entre o segurado e a previdência social.

23

Decreto 3048 Art. 5º A previdência social será organizada sob a forma de regime geral, de caráter contributivo e de filiação obrigatória, observados critérios que preservem o equilíbrio financeiro e atuarial, e atenderá a:

Artigo 9

§ 12. O exercício de atividade remunerada sujeita a filiação obrigatória ao Regime Geral de Previdência Social.

Art. 20. Filiação é o vínculo que se estabelece entre pessoas que contribuem para a previdência social e esta, do qual decorrem direitos e obrigações.

§ 1o A filiação à previdência social decorre automaticamente do exercício de atividade

remunerada para os segurados obrigatórios, observado o disposto no § 2o, e da inscrição formalizada com o pagamento da primeira contribuição para o segurado facultativo.

Artigo 32 § 22. Considera-se período contributivo: (Incluído pelo Decreto nº 6.939, de 2009) I para o empregado, empregado doméstico e trabalhador avulso: o conjunto de meses em que houve ou deveria ter havido contribuição em razão do exercício de atividade remunerada sujeita a filiação obrigatória ao regime de que trata este Regulamento;

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2 3:: É possível
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
3::
É
possível
inscrição
post
mortem
de
um
Contribuinte
Individual,
visto
que
tenha
trabalhado a vida toda sem ter contribuído para a previdência e agora seus dependentes
queiram pagar as contribuições não recolhidas para assim terem direito à pensão por morte?
Administrativamente, para a previdência, ele não é contribuinte individual e nem tem dependentes. Nem irá

Administrativamente, para a previdência, ele não é contribuinte individual e nem tem dependentes. Nem irá haver retroatividade de contribuições para gozo de pensão. O segurado especial tem, pois, em regra, não contribui e apenas comprova o efetivo exercício de sua

atividade rural.

O segurado especial tem, pois, em regra, não contribui e apenas comprova o efetivo exercício de

Decreto 3048 Artigo 18 § 5º Presentes os pressupostos da filiação, admite-se a inscrição post mortem do segurado especial.

4:: Decreto 3048 Art 18 § 3º Todo aquele que exercer, concomitantemente, mais de uma atividade remunerada sujeita ao Regime Geral de Previdência Social será obrigatoriamente INSCRITO em relação a cada uma delas. Inscrição e filiação não são termos diferentes?

São termos diferentes sim, mas veja bem:

IN77

Art. 3º FILIAÇÃO é o vínculo que se estabelece entre pessoas que contribuem para a Previdência Social e esta, do qual decorrem direitos e obrigações.

UM ATO OBRIGATÓRIO PELO SIMPLES EXERCÍCIO DE ATIVIDADE REMUNERADA.

24

INSCRIÇÃO

Se um trabalhador exerce atividade remunerada em uma empresa e trabalha, ao mesmo tempo, como professor de faculdade particular, no seu CNIS, haverá dois vínculos concomitantes, mas para tempo de contribuição, o período concomitante não terá dobra.

Art. 4º Considera-se inscrição, para os efeitos na Previdência Social, o ato pelo qual a pessoa física é cadastrada no Cadastro Nacional de Informações Sociais - CNIS mediante informações pessoais e de outros elementos necessários e úteis à sua caracterização, sendo-lhe atribuído um Número de Identificação do Trabalhador - NIT.

Exemplo

João Antônio Silva

EMPRESA TUDO BEM INICIO 12.02.2015

FACULDADE AGILE

INICIO 01.05.2015

Dois vínculos, duas inscrições.

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

5:: Para os segurados facultativos, a filiação - vinculo que se estabelece entre a previdência social e a pessoa que para ela contribui - decorre da inscrição formalizada e do pagamento da primeira contribuição. (E) Pois é, pode explicar essa questão?

Diferente dos segurados obrigatórios, o facultativo terá a sua FILIAÇÃO juntamente com a sua INSCRIÇÃO. Ele é diferente, pois como o próprio nome diz, ele é FACULTADO e os demais são obrigados. Lembra? Sistema contributivo de filiação obrigatória. Dentro do exposto, necessita- se, na formalização da inscrição, da primeira contribuição SEM ATRASO para o segurado FACULTATIVO.

IN77/2015

Art. 3º Filiação é o vínculo que se estabelece entre pessoas que contribuem para a Previdência Social e esta, do qual decorrem direitos e obrigações.

§ 1º A filiação à Previdência Social decorre automaticamente do exercício de atividade remunerada para os segurados obrigatórios e da INSCRIÇÃO FORMALIZADA com o pagamento da primeira contribuição SEM ATRASO para o SEGURADO FACULTATIVO.

6:: Com a LC150 , a inscrição e a filiação passaram a ocorrer ao mesmo tempo. O doméstico necessita ir ao INSS fazer a inscrição, apresentando a documentação de contrato de trabalho? Ou é da mesma forma que o empregado e avulso (com assinatura do contrato)? Com a mudança fiquei confusa

Há uma omissão legislativa quanto à responsabilidade pela inscrição do empregado doméstico. Entendo que a responsabilidade é do empregadoR, visto que ele é o responsável pelo recolhimento das contribuições do seu empregado doméstico e das patronais frente à previdência social e demais encargos não previdenciários. Como a Lei Complementar 150 aproxima o empregado doméstico dos direitos já sabidos do empregado, isto fica mais claro. A inscrição do empregado doméstico pode ser feita até mesmo pela internet como a de um contribuinte individual e facultativo, por exemplo. A Lei Complementar 150 quando fala em inscrição, ela apenas cita a abaixo:

25

Art. 21. É devida a inclusão do empregado doméstico no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), na forma do regulamento a ser editado pelo Conselho Curador e pelo agente operador do FGTS, no âmbito de suas competências, conforme disposto nos arts. 5o e 7o da Lei no 8.036, de 11 de maio de 1990, inclusive no que tange aos aspectos técnicos de depósitos, saques, devolução de valores e emissão de extratos, entre outros determinados na forma da lei. Parágrafo único. O empregador doméstico somente passará a ter obrigação de promover a inscrição e de efetuar os recolhimentos referentes a seu empregado após a entrada em vigor do regulamento referido no caput.

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

DE OLHO NO CESPE

I) DEFENSOR PÚBLICO/DPU/2010

Quanto à filiação do segurado obrigatório à previdência social, vigora o princípio da automaticidade, segundo o qual a filiação desse segurado decorre, automaticamente, do exercício de atividade remunerada, independentemente de algum ato seu perante a previdência social. A inscrição, ato material de registro nos cadastros da previdência social, pode ser concomitante ou posterior à filiação, mas nunca, anterior. (CORRETO)

Comentário

A inscrição, realmente, não virá antes da filiação com exceção do segurado facultativo que

a inscrição e a filiação ocorrerá concomitante com a

formalização da inscrição com o

pagamento da primeira contribuição.

II) AUDITOR DE CONTROLE EXTERNO/TCE/2013

A filiação na qualidade de segurado facultativo representa ato volitivo, gerando efeito somente a partir da inscrição e do primeiro recolhimento da contribuição previdenciária, não podendo retroagir, salvo no caso das donas de casa. (ERRADO)

Comentário

26

Estava tudo bem até colocar a dona de casa na jogada. Ela é segurada facultativa e tem a sua regra igual a qualquer segurado facultativo.

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

:: MANUTENÇÃO E PERDA DA QUALIDADE DE SEGURADO

1:: Poderia explorar bem com exemplos como é calculado a Perda da qualidade de Segurado, tenho errado repetidas vezes questões que implicam a necessidade de fazer esse cálculo.

Na cidade de Asa Branca, terra de Roque Santeiro, existe um empregado de uma das fazendas de gado da Viúva Porcina chamado Rodésio. A viúva Porcina, que era sem nunca ter sido, demitiu Rodésio em 02 DE JULHO DE 2015. Rodésio ficou desempregado, tinha mais de 120 contribuições mensais sem perda de qualidade, recebeu seguro desemprego e manterá a sua qualidade de segurado por 36 meses. Sendo o mês posterior ao fim do prazo, o mês de agosto e o vencimento da competência de agosto de um contribuinte individual (leia o texto da lei abaixo) em 15 de setembro, Rodésio perderá a sua qualidade de segurado em 16 DE SETEMBRO DE 2018.

Lei 3048, artigo 14 O reconhecimento da perda da qualidade de segurado no termo final dos prazos fixados no art. 13 ocorrerá no dia seguinte ao do vencimento da contribuição do contribuinte individual relativa ao mês imediatamente posterior ao término daqueles prazos.

TÔ CERTO OU TÔ ERRADO?

2:: Na lei 8213/91 artigo 27-A, fala que se a pessoa perde a qualidade de segurado, só será contado período de carência se o segurado contar com nova filiação com no mínimo METADE das contribuições. Por exemplo,como fica nesse caso uma segurada que já tem 180 contribuições, sendo mulher com 58 anos,e parou de contribuir. Ela consegue aposentar com 60 anos? Pois ela perdeu a qualidade de segurado, sendo assim, ela precisa arrecadar metade de 180 para fazer jus ao benefício?

27

Ela aguarda o preenchimento do requisito idade, mas já tem o número de contribuições suficientes.

Artigo 102, Lei 8213

§ 1º A perda da qualidade de segurado NÃO PREJUDICA o DIREITO À APOSENTADORIA para cuja concessão tenham sido preenchidos todos os requisitos, segundo a legislação em vigor à época em que estes requisitos foram atendidos.

3::

Sobre o acréscimo de 45 dias no prazo do período de graça, só é válido para o

Contribuinte

Individual

ou

vale

para

todos

os

contribuintes

que

se

encontram

nessa

condição?

Seguimos a orientação PARA TODOS, ok? O que você deve ter confundido é que se tomou por base o dia 15 como para um contribuinte individual o limite de permanência da qualidade de segurado e o dia 16, perdem-se, não foi? Beleza! Temos em nosso Regulamento da Previdência Social bem claro isso ai:

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

Lei 3048, artigo 14 O reconhecimento da perda da qualidade de segurado no termo final dos prazos fixados no art. 13 ocorrerá no dia seguinte ao do vencimento da contribuição do contribuinte individual relativa ao mês imediatamente posterior ao término daqueles prazos.

4:: O prazo máximo de período de graça de um segurado que se desvincular de RPPS será de 24 meses? Ou seja, ele não tem o acréscimo de 12 meses se comprovar desemprego e o seguro desemprego ele não recebe, é isso mesmo Professor?

O servidor público de cargo efetivo vinculado ao RPPS pode pedir exoneração, ser exonerado, ser demitido, ser inabilitado em estágio probatório Ele não recebe seguro desemprego. Ele pode ser demitido ou exonerado de acordo com os dispositivos da Lei 8112/90, quando Federal, Lei Estadual ou Lei Municipal quando houver RPPS no município.

QUEM TEM DIREITO AO SEGURO DESEMPREGO? (Fonte: CEF)

Trabalhador formal e doméstico, em virtude da dispensa sem justa causa, inclusive dispensa indireta;

Trabalhador formal com contrato de trabalho suspenso em virtude de participação em curso ou programa de qualificação profissional oferecido pelo empregador;

Pescador profissional durante o período do defeso;

Trabalhador resgatado da condição semelhante à de escravo.

28

Decreto 3048

§ 4º Aplica-se o disposto no inciso II do caput e no § 1º ao segurado que se desvincular de regime próprio de previdência social.

Art. 13. Mantém a qualidade de segurado, independentemente de contribuições:

II ATÉ DOZE MESES após a cessação de benefício por incapacidade ou após a cessação das contribuições, o segurado que deixar de exercer atividade remunerada abrangida pela previdência social ou estiver suspenso ou licenciado sem remuneração;

§ 1º O prazo do inciso II será prorrogado para até vinte e quatro meses, se o segurado já tiver pago MAIS DE CENTO E VINTE CONTRIBUIÇÕES MENSAIS SEM interrupção que acarrete a perda da qualidade de segurado.

5:: João perdeu emprego, tinha mais de 120 contribuições e comprovou o desemprego (total de + 36 meses). Depois pagou 2 meses como facultativo e parou de pagar. Terá de período de graça apenas os 6 meses(referente ao facultativo) ou os 36 meses continua?

Perceba que temos um dispositivo importante quanto a isso. Na IN77/2015, nós verificamos no seu artigo 37, parágrafo 8 onde diz:

DA MANUTENÇÃO E PERDA DA QUALIDADE DE SEGURADO Art. 137. Mantém a qualidade de segurado, independentemente de contribuição:

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

§ 8º O segurado obrigatório que, DURANTE O GOZO de período de graça [12 (doze), 24 (vinte e quatro) ou 36 (trinta e seis) meses, conforme o caso], se filiar ao RGPS na CATEGORIA DE FACULTATIVO, ao deixar de contribuir nesta última, TERÁ DIREITO DE USUFRUIR O PERÍODO DE GRAÇA DE SUA CONDIÇÃO ANTERIOR, SE MAIS VANTAJOSO.

Logo, João poderá usufruir o seu período de graça da condição que outrora era de empregado.

6:: Exemplificando, uma segurada que está desempregada e que, portanto, enquanto trabalhava contribuiu como segurada empregada por 6 meses, mas agora está no período de graça há 2 meses. Pois bem, sabendo-se que, agora, salário maternidade poderá ser concedido no período de graça,o que ela deverá fazer para que ela possa ter sal. Maternidade, já que este exige carência de 10 meses? Ela deveria, se virar, e ainda contribuir com mais 4 meses para que pudesse ter direito? Help, please!

O salário maternidade não exige carência para os segurados EMPREGADOS, empregados domésticos e trabalhadores avulsos. Para o Contribuinte Individual, Segurado Especial e Facultativo, há sim a carência de 10 meses. No exemplo dado, não se aplica.

Lei 8213 Art. 25. A concessão das prestações pecuniárias do Regime Geral de Previdência Social depende dos seguintes períodos de carência, ressalvado o disposto no art. 26:

III salário maternidade para as seguradas de que tratam os incisos V e VII do art. 11 e o art. 13:

dez contribuições mensais, respeitado o disposto no parágrafo único do art. 39 desta Lei.

29

7:: O segurado retido ou recluso mantém a qualidade de seg. até doze meses após o livramento (ok, art. 15, IV, 8213). A IN 77, art. 139, traz uma colocação na contagem desse prazo: "No caso de fuga do recolhido à prisão, será descontado do prazo de manutenção da qualidade de segurado a partir da data da fuga, o período de graça já usufruído anteriormente ao recolhimento.". Tem como você dar um exemplo prático (daqueles com nomes e datas!)?

Eduardo Cunha, um vendedor de água de coco nas praias do Leblon, em gozo de seu período de graça há seis meses, é preso por envolvimento em um crime na empresa de lavagem de carros chamada Lava Jato e é condenado. Dudu e seus comparsas fogem da penitenciária e passa algum tempo foragido. Quando do seu retorno, Dudu terá descontado seis meses e manterá a sua qualidade de segurado por apenas seis meses. Caso haja o livramento de um detido ou recluso permanecerá o prazo integral de doze meses a partir da sua soltura.

IN77/2015

Art. 139. No caso de fuga do recolhido à prisão, será descontado do prazo de manutenção da qualidade de segurado a partir da data da fuga, o período de graça já usufruído anteriormente ao recolhimento. Art.137 IV - até doze meses após o livramento, para o segurado detido ou recluso;

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

8:: No dia 25/03/14, Marciel foi admitido na empresa DELTA/SA, porém no dia 25/11/2014 se desligou do emprego. Marciel não comprovou sua situação de desemprego junto ao Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Nessa situação, é correto afirmar que Marciel perderá sua qualidade como segurado da Previdência Social no dia 16/01/2016.

Correto. Perceba que ele terá, pelo exposto, apenas 12 meses mantendo a sua qualidade de segurado. A isso, adicionamos mais um mês e 15 dias que é o tempo que a previdência dá para ele contribuir e manter qualidade. A partir do décimo sexto dia, ele perde a qualidade. Teremos como base a data da contribuição de um contribuinte individual que é no dia 15. Observe também que não se fala em 120 contribuições ininterruptas.

Lei 3048, artigo 14

O reconhecimento da perda da qualidade de segurado no termo final dos prazos fixados no

art. 13 ocorrerá no dia seguinte ao do vencimento da contribuição do contribuinte individual

relativa ao mês imediatamente posterior ao término daqueles prazos.

9:: No período de graça após a cessação das contribuições haverá manutenção da qualidade de segurado por 12 meses Mas, é só no caso de ser mandado embora?

O artigo 13 do Decreto 3048 fala em SEGURADO e não especifica o enquadramento do

segurado (vide VI para o facultativo). Basta que ele deixe de exercer ATIVIDADE REMUNERADA. O termo “mandado embora”, nós remete a outro tipo de situação que seria o

acréscimo de 12 meses em virtude de desemprego. Ai sim, nós falaríamos em “mandado embora”.

30

Decreto 3048 Art. 13. Mantém a qualidade de segurado, independentemente de contribuições:

II até doze meses após a cessação de benefício por incapacidade ou APÓS A CESSAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES, O SEGURADO que deixar de exercer ATIVIDADE REMUNERADA abrangida pela previdência social ou estiver suspenso ou licenciado sem remuneração;

VI até seis meses após a cessação das contribuições, o segurado facultativo.

§

desempregado, desde que comprovada essa situação por registro no órgão próprio do

Ministério do Trabalho e Emprego.

§ 1º será acrescido de doze meses para o segurado

O prazo

do

inciso

II

ou

do

10:: A servidora é da adm. pública FEDERAL, então ela necessariamente tem RPPS, não é? Ela não tem nada a ver com o RGPS. Mas pesquisando o D. 3048 art 13, §4, EU FIQUEI MAIS CONFUSA AINDA. Gabarito: ERRADO Denise requereu exoneração do cargo que ocupava na administração pública federal, fato que se consumou em 16/11/2009. A partir dessa data, ela passou a viajar pelo Brasil, sem exercer qualquer atividade econômica, e não se filiou ao RGPS na qualidade que lhe seria legalmente permitida então. Nessa situação, se sofrer um acidente em 27/12/2010, Denise não poderá pleitear, perante o INSS, nenhum benefício por incapacidade, pois não possuirá a qualidade de segurado.

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

Art. 13. Mantém a qualidade de segurado, independentemente de contribuições:

II até doze meses após a cessação de benefício por incapacidade ou após a cessação das

contribuições, o segurado que deixar de exercer atividade remunerada abrangida pela previdência social ou estiver suspenso ou licenciado sem remuneraçã(CARGO COMISSIONADO, LOGO SEGURADA EMPREGADA)

CARGO EFETIVO NO RPPS FEDERAL

§ 4º Aplica- se o disposto no inciso II do caput e no § 1º ao segurado que se desvincular de regime próprio de previdência social.

11:: O segurado especial não perde essa qualidade se exercer mandato de vereador, mas mesmo que receba 5.000,00 como vereador? Como vai ser a contribuição dele?

Ele não perde a qualidade de segurado especial contanto que exerça o mandato no município onde desenvolve a sua atividade rural. Como vereador, ele enquadrado na categoria de empregado e contribui, no exemplo dado na pergunta, com 11% de R$5645,80, teto previdenciário.

Art. 9º São segurados obrigatórios da previdência social as seguintes pessoas físicas:

I como empregado:

p) o exercente de mandato eletivo federal, estadual ou MUNICIPAL, desde que não vinculado a regime próprio de previdência social;

31

§ 8 Não é segurado especial o membro de grupo familiar que possuir outra fonte de rendimento, EXCETO se decorrente de:

III exercício de atividade remunerada em período de entressafra ou do defeso, não superior a

cento e vinte dias, corridos ou intercalados, no ano civil, observado o disposto no § 22 deste artigo; (Incluído pelo Decreto nº 6.722, de 2008). IV exercício de mandato eletivo de dirigente sindical de organização da categoria de trabalhadores rurais;

V exercício de MANDATO DE VEREADOR do MUNICÍPIO ONDE DESENVOLVE A ATIVIDADE

RURAL, ou de dirigente de cooperativa rural constituída exclusivamente por segurados

especiais, observado o disposto no § 22 deste artigo;

§ 22. O disposto nos incisos III e V do § 8o deste artigo não dispensa o recolhimento da

contribuição devida em relação ao exercício das atividades de que tratam os referidos incisos.

12:: Consoante o disposto no Art. 15, inciso I, lei 8.213/91: Nunca perderá a qualidade de segurado a pessoa que esteja recebendo auxílio-acidente?

Em gozo de auxílio acidente, o segurado irá manter a sua qualidade de segurado, sem limite de prazo, enquanto perdurar o benefício.

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

IN77

Art. 137. Mantém a qualidade de segurado, independentemente de contribuição:

I - sem limite de prazo, para aquele em gozo de benefício, inclusive durante o período de recebimento de AUXÍLIO-ACIDENTE ou de auxílio suplementar;

13:: Como que acontece o reconhecimento da perda da qualidade de segurado daquele que esteja recebendo benefício por incapacidade? EX: Auxílio doença cessa em 23/01/15. Quando vai ser reconhecida a perda da qualidade de segurado? OBS: Levando em consideração período de graça de 12 meses.

Após findar benefício por incapacidade, o segurado terá 12 meses de período de graça. Ele, diante do exposto, deverá verter contribuição até 15 de março de 2016 e, caso contrário, perderá a qualidade de segurado do RGPS.

Decreto 3048 Art. 13. Mantém a qualidade de segurado, independentemente de contribuições:

II ATÉ DOZE MESES APÓS A CESSAÇÃO DE BENEFÍCIO POR INCAPACIDADE ou após a cessação

das contribuições, o segurado que deixar de exercer atividade remunerada abrangida pela previdência social ou estiver suspenso ou licenciado sem remuneração;

Art. 14. O reconhecimento da perda da qualidade de segurado no termo final dos prazos fixados no art. 13 ocorrerá no dia seguinte ao do vencimento da contribuição do contribuinte individual relativa ao mês imediatamente posterior ao término daqueles prazos.

32

14:: Com relação a perda da qualidade de segurado:

O contribuinte individual quando deixa de contribuir, perde a qualidade de segurado após 12 meses ou após 6 meses como é o caso do facultativo?

O contribuinte individual manterá a sua qualidade de segurado por 12 meses. Dentre os segurados, nós teremos, em regra, a exceção do segurado FACULTATIVO que manterá a qualidade de segurado por 6 meses.

Decreto 3048 Artigo 13 II até doze meses após a cessação de benefício por incapacidade ou após a cessação das contribuições, o segurado que deixar de exercer atividade remunerada abrangida pela previdência social ou estiver suspenso ou licenciado sem remuneração;

15:: Exemplo: um segurado estava em período de graça ( considerar 12 meses), mas no 5º mês, deste período, teve direito ao auxílio - doença, após cessar este benefício ele ainda terá direito a 7 MESES de período de graça.

É como se os benefícios incapacitantes suspendessem a contagem do período de graça.

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

Após a cessação de benefício por incapacidade, o segurado terá direito a manter a sua qualidade de segurado por até 12 meses. A citada SUSPENSÃO não se enquadra na legislação para o referido caso.

Decreto 3048

Artigo 13

II até

doze meses após a cessação de benefício por incapacidade ou após a cessação das contribuições, o segurado que deixar de exercer atividade remunerada abrangida pela

previdência social ou estiver suspenso ou licenciado sem remuneração;

16:: Segurado especial regime de economia familiar - perde a qualidade de segurado. especial se um dos membros do grupo familiar tiver outra atividade?

Não perde. Antes o entendimento era que perderia, que até mesmo o valor auferido pelo segurado URBANO poderia ser o responsável pelo sustento da família, mas hoje não é assim. No entanto, se o proprietário da terra arrendá-la, perde a qualidade de segurado especial todo o grupo.

IN77

Artigo 42

§ 3º O grupo familiar fica descaracterizado da condição de segurado especial se qualquer de

seus membros deixar de atender alguma das condições elencadas nos incisos I, II, V, VII e na

alínea "g" do inciso VIII, todos deste artigo e § 2º do art. 40, ou quando obtiverem rendimentos decorrentes do inciso II do art. 44.

33

Art. 44. Não se considera segurado especial:

I - os filhos maiores de dezesseis anos, cujo pai e mãe perderam a condição de segurado especial, salvo se comprovarem o exercício da atividade rural individualmente; e

II - o arrendador de imóvel rural ou de embarcação.

17:: Quando para de contribuir, e continua tendo a direito a algum benefício, e que tipo de benefício teria direito.

Esse assunto é questão certa de prova. O RGPS dá a oportunidade daquele que parou de contribuir ter um tempo continuando a ter a oportunidade de gozar os benefícios da previdência. Lei o artigo 13 do Decreto 3048 e verá os prazos dados pelo RGPS. Dentro desses prazos, você acrescentará um mês e quinze dias. É o tempo que o RGPS possibilita ao segurado volte a contribuir para o sistema. A partir do 16 dia, ele perde a qualidade.

Decreto 3048 Art. 14. O reconhecimento da perda da qualidade de segurado no termo final dos prazos fixados no art. 13 ocorrerá no dia seguinte ao do vencimento da contribuição do contribuinte individual relativa ao mês imediatamente posterior ao término daqueles prazos.

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

18:: Se a perda da qualidade de segurado ocorre no dia seguinte ao do término do prazo do período de graça (dia 16) ele automaticamente já perde a qualidade de segurado após o prazo contribuindo ou não?

Ele perderá a qualidade se não fizer contribuição até o dia 15. A partir do dia 16, ele já terá perdido a qualidade de segurado. Tem-se por base o data limite para o contribuinte individual, mas vale para qualquer um que possa efetuar contribuições. Já dei exemplos, em dúvidas anteriores, de como isso é processado.

Decreto 3048 Art. 14. O reconhecimento da perda da qualidade de segurado no termo final dos prazos fixados no art. 13 ocorrerá NO DIA SEGUINTE AO DO VENCIMENTO DA CONTRIBUIÇÃO DO CONTRIBUINTE INDIVIDUAL RELATIVA AO MÊS IMEDIATAMENTE POSTERIOR AO TÉRMINO DAQUELES PRAZOS.

contribuições ou 121?

Sempre fiz as contas com 120, mas analisando o decreto achei "mais de 120" e fiquei

confuso

§ 1º O prazo do inciso II será prorrogado para até vinte e quatro meses, se o segurado já tiver pago mais de cento e vinte contribuições mensais sem interrupção que acarrete a perda da qualidade de segurado.

19:: Para o acréscimo de 12 meses no período de graça

120

A análise desse ponto é a interpretação de A PARTIR de 121. Logo, MAIS de 120 não são 120 e nem PELO MENOS 120 e sim A PARTIR de 121.

Decreto 3048

Art. 13. Mantém a qualidade de segurado, independentemente de contribuições:

§ 1º O prazo do inciso II será prorrogado para até vinte e quatro meses, se o segurado já tiver pago MAIS de cento e vinte contribuições mensais sem interrupção que acarrete a perda da qualidade de segurado.

34

20:: Um segurado que trabalhou por apenas 1 mês de carteira assinada, como empregado, quando exatamente ele completou 1 mês ele matou um individuo, e foi preso, passou mais de cinco anos preso, após o livramento ficou doente no décimo mês, terá direito ao auxilio doença, uma vez que ele contribuiu por apenas um mês?

Com um mês de trabalho, ele tem qualidade de SEGURADO. Após o livramento, o segurado mantém a qualidade por 12 meses. Caso ele tenha ficado doente por doença especificada em lista elaborada pelo Ministério da Saúde e Ministério da Previdência Social, não há o que se falar em carência. Cabe saber se o perito vai autorizar ou não a concessão diagnosticada a doença listada.

Lei 8213 Art. 15. Mantém a qualidade de segurado, independentemente de contribuições:

IV até 12 (doze) meses após o livramento, o segurado retido ou recluso;

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

21:: Se o segurado empregado for preso condenado a 10 anos de prisão por exemplo e durante esse período ele trabalhar como facultativo, após o livramento ele terá direito a 6 meses de período de graça?

Após o livramento, o recluso ou detido terá 12 meses mantendo a qualidade de segurado.

IN77

Art. 137. Mantém a qualidade de segurado, independentemente de contribuição:

IV - até doze meses após o livramento, para o segurado detido ou recluso;

22:: O segurado facultativo, após a cessação do benefício por incapacidade e salário maternidade, terá o período de graça pelo prazo de 12 meses?

Exato. Via de regra, o segurado facultativo tem o prazo de 6 meses para o seu período de graça, porém nos casos de cessação de benefícios por incapacidade e salário-maternidade, ele manterá a qualidade de segurado pelo prazo de 12 meses.

IN77/2015

Artigo 137

§ 7º O segurado facultativo, após a cessação de benefícios por incapacidade e salário- maternidade, manterá a qualidade de segurado pelo prazo de DOZE MESES.

23:: Só para confirmar, se eu voltar a trabalhar ou a contribuir como facultativo antes do fim do período de graça eu NÃO tenho que seguir a regra do 1/2 para requerer beneficio certo?

35

Tendo perdido a qualidade de segurado, a regra da METADE serve para que você a recupere buscando as contribuições anteriores a essa perda. A METADE será de acordo com a carência do benefício pleiteado.

Lei 8213/91

Art. 27A.

No caso de perda da qualidade de segurado, para efeito de carência para a concessão dos benefícios de que trata esta Lei, o segurado deverá contar, a partir da nova filiação à Previdência Social, com metade dos períodos previstos nos incisos I e III do caput do art. 25 desta Lei.

24:: Eu li no material de um curso que para ter aquele acréscimo de 12 meses, o desemprego tem que ser involuntário, isso procede? Ou pode ser tanto voluntário quanto involuntário?

Isso NÃO PROCEDE. O acréscimo de 12 meses serve tanto para o desemprego voluntário quanto para o involuntário. Perceba que apenas o cadastro no SINE leva ao acréscimo, logo não será apenas o desemprego involuntário.

Decreto 3048

Art. 13. Mantém a qualidade de segurado, independentemente de contribuições:

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2 § 2º O prazo do
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
§ 2º
O prazo
do
inciso
II
ou
do
§ 1º será acrescido de doze meses para o segurado

desempregado, desde que comprovada essa situação por registro no órgão próprio do Ministério do Trabalho e Emprego.

IN77

Art. 137. Mantém a qualidade de segurado, independentemente de contribuição:

§ 4º O segurado desempregado do RGPS terá o prazo do inciso II do caput ou do § 1º deste

artigo acrescido de doze meses, desde que comprovada esta situação por registro no órgão próprio do Ministério do Trabalho e Emprego - MTE, podendo comprovar tal condição, dentre

outras formas:

I - comprovação do recebimento do seguro-desemprego; ou

II - INSCRIÇÃO CADASTRAL NO SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO - SINE, ÓRGÃO RESPONSÁVEL PELA POLÍTICA DE EMPREGO NOS ESTADOS DA FEDERAÇÃO.

25:: Se o Facultativo tiver mais de 120 contribuições terá período de graça dos mesmos 6 meses?

Perceba que o parágrafo primeiro do artigo 13 do regulamento da previdência social diz: o segurado QUE DEIXAR DE EXERCER ATIVIDADE REMUNERADA ABRANGIDA PELA PREVIDÊNCIA SOCIAL. O segurado facultativo não exerce atividade remunerada. Lembra? Ele terá período de graça por 6 meses como diz o inciso 6 do referido artigo. Temos as exceções do parágrafo 7 da IN77 em seu artigo 137.

Decreto 3048 Art. 13. Mantém a qualidade de segurado, independentemente de contribuições:

II até doze meses após a cessação de benefício por incapacidade ou após a cessação das contribuições, O SEGURADO QUE DEIXAR DE EXERCER ATIVIDADE REMUNERADA ABRANGIDA PELA PREVIDÊNCIA SOCIAL ou estiver suspenso ou licenciado sem remuneração;

VI até seis meses após a cessação das contribuições, o segurado facultativo.

§ 1º O prazo do inciso II será prorrogado para até vinte e quatro meses, se o segurado já tiver pago mais de cento e vinte contribuições mensais sem interrupção que acarrete a perda da qualidade de segurado.

IN77

Artigo 137

36

§ 7º O segurado facultativo, após a cessação de benefícios por incapacidade e salário- maternidade, manterá a qualidade de segurado pelo prazo de doze meses.

26:: Após a cessação do seguro desemprego, o segurado tem período de graça de 12 meses?

A relação em questão não será sobre SEGURO DESEMPREGO e sim o próprio desemprego sendo ele voluntário ou não como requisito por um adicional de mais 12 meses em sua qualidade de segurado.

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

Agora, ficou desempregado, ele terá 12 meses de período de graça. Se comprovar o desemprego e ai vem, TENDO RECEBIDO SEGURO DESEMPREGO (uma das possibilidade de comprovação), acresce em 12 meses o período de graça. Tendo vertido mais de 120 contribuições, sem interrupções, mais 12 meses de período de graça.

Decreto 3048

Art. 13. Mantém a qualidade de segurado, independentemente de contribuições:

I sem limite de prazo, quem está em gozo de benefíci

II até doze meses após a cessação de benefício por incapacidade ou após a cessação das

contribuições, o segurado que deixar de exercer atividade remunerada abrangida pela previdência social ou estiver suspenso ou licenciado sem remuneração;

III até doze meses após cessar a segregação, o segurado acometido de doença de segregação

compulsória;

IV até doze meses após o livramento, o segurado detido ou recluso;

V até três meses após o licenciamento, o segurado incorporado às Forças Armadas para

prestar serviço militar; e

VI até seis meses após a cessação das contribuições, o segurado facultativo.

§ 1º O prazo do inciso II será prorrogado para até vinte e quatro meses, se o segurado já tiver pago mais de cento e vinte contribuições mensais sem interrupção que acarrete a perda da qualidade de segurado.

§ 2º O prazo do inciso II ou do § 1º será acrescido de doze meses para o SEGURADO

DESEMPREGADO, desde que comprovada essa situação por registro no órgão próprio do Ministério do Trabalho e Emprego.

37

27:: Como se analisa o período de graça em relação ao segurado especial, já que a contribuição deste se dá o valor bruto de comercialização da produção?

Como ele não verte contribuições mensais, ele terá que comprovar o efetivo exercício de sua atividade rural. Por exemplo:

Maria dá entrada no INSS em um auxílio doença e ele é concedido. Após o término deste benefício, ela tem 12 meses mantendo a qualidade de segurada, pois comprovou anteriormente a sua condição de segurada especial. Caso precise de algum benefício, ela estará em gozo de sua qualidade de segurada. O mais comum é voltar a solicitar auxílio doença. Ai, ela terá acolhida a sua condição de segurada especial e o médico decidirá sobre o gozo ou não do referido benefício (está incapacitada ou não). O valor pago sobre comercialização é justamente para suprir o não recolhimento mensal.

 

28:: A lei prevê que o período de graça do segurado obrigatório seja acrescido de doze meses

no caso de ele estar desempregado, exigindo-se, em todo caso, conforme entendimento do STJ e da Turma Nacional de Uniformização (TNU), que essa situação seja comprovada por

registro no órgão próprio do MTE.

 

Em todo caso? Claro que não!!!!

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Súmula 27 da TNU: "A ausência de registro em órgão do Ministério do Trabalho NÃO

Súmula 27 da TNU: "A ausência de registro em órgão do Ministério do Trabalho NÃO IMPEDE a

comprovação do desemprego por outros meios admitidos em Direito."

órgão do Ministério do Trabalho NÃO IMPEDE a comprovação do desemprego por outros meios admitidos em

IN77

Artigo 137

§ 4º O segurado desempregado do RGPS terá o prazo do inciso II do caput ou do § 1º deste

artigo acrescido de doze meses, desde que comprovada esta situação por registro no órgão próprio do Ministério do Trabalho e Emprego - MTE, PODENDO COMPROVAR TAL CONDIÇÃO, DENTRE OUTRAS FORMAS:

I - comprovação do recebimento do seguro-desemprego; ou

II - inscrição cadastral no Sistema Nacional de Emprego - SINE, órgão responsável pela política de emprego nos Estados da federação.

29:: O segurado após receber beneficio por incapacidade, terá direito a 12 meses de Período de Graça(PG). Caso ele tenha recebido o A.Doença já no PG, poderá ter o acréscimo de 12 meses caso tenha mais de 120 contribuições e mais 12 meses caso comprove no MTE situação de desemprego involuntário?

Antônio Carlos Mussum estava desempregado por ter sido demitido da Rede Globo de Televisão. Ele tinha uma proposta da RedeTV, mas não quis trabalhar lá. Tinha 12 meses de qualidade de segurado, mais 12 meses por ter contribuído por mais de 120 meses sem interrupção e mais 12 meses por ter comprovado a sua situação de desemprego no MTE. Mussum teve problemas cardíacos e precisou de auxílio doença no fim do primeiro ano do período de graça e ficou gozando este benefício por 5 anos. Ao final do benefício por incapacidade, Mussum terá direito a 12 meses de período de graça.

38

Decreto 3048 Art. 13. Mantém a qualidade de segurado, independentemente de contribuições:

I SEM LIMITE DE PRAZO, QUEM ESTÁ EM GOZO DE BENEFÍCIO;

II ATÉ DOZE MESES APÓS A CESSAÇÃO DE BENEFÍCIO POR INCAPACIDADE ou após a cessação

das contribuições, o segurado que deixar de exercer atividade remunerada abrangida pela previdência social ou estiver suspenso ou licenciado sem remuneração;

30:: Sobre o período de graça, a prorrogação de até 36 meses, atendidas as exigências legais, é somente para os segurados Empregado/ Doméstico? Ou inclui também o Avulso?

Vamos desbravar isso e ponto por ponto!

Decreto 3048 Art. 13. Mantém a qualidade de segurado, independentemente de contribuições:

II até doze meses após a cessação de benefício por incapacidade ou após a CESSAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES, o segurado que deixar de exercer atividade remunerada abrangida pela previdência social ou estiver suspenso ou licenciado sem remuneração;

AQUI ELE DIZ QUE MANTERÁ A QUALIDADE DE SEGURADO POR 12 MESES APÓS A CESSAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES, MAS NÃO ESQUEÇA QUE TAMBÉM ESTÁ PRESENTE O SEGURADO

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

ESPECIAL QUE COMPROVE O EFETIVO EXERCÍCIO DE SUA ATIVIDADE RURAL MESMO QUE NÃO CONTRIBUA. O segurado especial perde a qualidade de segurado após 12 meses que deixar de exercer atividade rural.

§ 1º O prazo do inciso II será prorrogado para até vinte e quatro meses, SE O SEGURADO JÁ TIVER PAGO MAIS DE CENTO E VINTE CONTRIBUIÇÕES MENSAIS sem interrupção que acarrete

a perda da qualidade de segurado.

AQUI O SEGURADO ESPECIAL NÃO ENTRA, MAS OS DEMAIS SEGURADOS SIM. AQUELES QUE VERTERAM MAIS DE 120 CONTRIBUIÇÕES MENSAIS. ESPERE AI! EU DISSE MAIS DE 120 E NÃO 120, OK!

§ 2º

DESEMPREGADO, desde que comprovada essa situação por registro no órgão próprio do

Ministério do Trabalho e Emprego.

§ 1º será acrescido de doze meses para O SEGURADO

O prazo

do

inciso

II

ou

do

AQUI TEREMOS O SEGURADO EMPREGADO QUE NÃO TEM MAIS EMPREGO, VIA DE REGRA, QUEM NÃO TEM EMPREGO É QUEM JÁ FOI EMPREGADO. ESTE DESEMPREGO PODE SER INVOLUNTÁRIO OU NÃO, SE LIGUE!

31:: O segurado facultativo após cessação de benefício por incapacidade de decorrente de acidente, tem direito a 12 meses de período de graça. Por favor me ajudem a espantar esse fantasma.

O artigo fala em segurado, ou seja, mesmo o facultativo. Fantasma espantado.

39

Decreto 3048 Artigo 13

II ATÉ DOZE MESES APÓS A CESSAÇÃO DE BENEFÍCIO POR INCAPACIDADE ou após a cessação

das contribuições, o segurado que deixar de exercer atividade remunerada abrangida pela previdência social ou estiver suspenso ou licenciado sem remuneração;

32:: O segurado facultativo que tiver pago mais de 120 contribuições mensais, sem interrupção, e entrasse em gozo de benefício por incapacidade, quando este cessasse, teria 24 meses de período de graça?

Em gozo de benefício por incapacidade, o SEGURADO FACULTATIVO passa a ter PERÍODO DE GRAÇA de 12 meses. Em regra, o PG dele é de 6 meses. Há prorrogação ou não em caso de ter vertido mais de 120 contribuições mensais?

A resposta é não. Vamos para a LITERALIDADE da lei!

Decreto 3048 Art. 13. Mantém a qualidade de segurado, independentemente de contribuições:

II até doze meses após a cessação de benefício por incapacidade ou após a cessação das

contribuições, o segurado QUE DEIXAR DE EXERCER ATIVIDADE REMUNERADA abrangida pela previdência social ou estiver suspenso ou licenciado sem remuneração;

VI até seis meses após a cessação das contribuições, o segurado facultativo.

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

§ 1º O prazo do inciso II será prorrogado para até vinte e quatro meses, se o segurado já tiver pago mais de cento e vinte contribuições mensais sem interrupção que acarrete a perda da qualidade de segurado.

O segurado facultativo NÃO exerce atividade remunerada! Logo, em gozo de benefício por incapacidade, terá PERÍODO DE GRAÇA apenas de 12 meses. Caso não esteja em gozo de benefício de incapacidade, período de graça por 6 meses.

33:: Sobre os acréscimos do período de graça, basta que o segurado tenha recebido seguro- desemprego em qualquer período após a cessação das contribuições para ter o acréscimo de 12 meses? Por ex: João foi demitido em janeiro e recebeu seguro-desemprego. O período de graça inicial é de 12 meses, e ao fim desses 12 meses ele deve comprovar que CONTINUA desempregado ou pelo fato de ter recebido seguro-desemprego, digamos, a partir de fevereiro até julho, ele já ganha os 12 meses adicionais de período de graça?

Essa pergunta é muito importante! O seguro desemprego é apenas uma das formas de comprovação do desemprego voluntário ou não para a obtenção dos 12 meses adicionais. Estude abaixo a relação das diversas possibilidades de comprovação.

IN77

§ 4º O segurado desempregado do RGPS terá o prazo do inciso II do caput ou do § 1º deste

artigo acrescido de doze meses, desde que comprovada esta situação por registro no órgão próprio do Ministério do Trabalho e Emprego - MTE, podendo comprovar tal condição, dentre outras formas:

I - comprovação do recebimento do seguro-desemprego; ou

II - inscrição cadastral no Sistema Nacional de Emprego - SINE, órgão responsável pela política de emprego nos Estados da federação.

§ 5º O registro no órgão próprio do MTE ou as anotações relativas ao seguro-desemprego deverão estar dentro do período de manutenção da qualidade de segurado de doze ou 24 (vinte e quatro) meses, conforme o caso, relativo ao último vínculo do segurado.

40

34:: Art. 15. Mantém a qualidade de segurado, independentemente de contribuições:

II - até 12 (doze) meses após a cessação das contribuições, o segurado que deixar de exercer atividade remunerada abrangida pela Previdência Social ou estiver suspenso ou licenciado sem remuneração;

Nesse caso sei que poderá ter período de graça de até 36 meses (1° Cessar as Contr., 2°+ de 120 contr. e 3° Comprovar Desemprego). Agora minha pergunta: Quem seria entre o E, A e D que podem chegar a esse total aí? Desemprego? todos podem?

Sim. O empregado doméstico também tem direito ao seguro desemprego e, assim confirmado, obterá os 12 meses adicionais.

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

Lei Complementar 150/2015

Art. 26. O empregado doméstico que for dispensado sem justa causa fará jus ao benefício do seguro desemprego, na forma da Lei no 7.998, de 11 de janeiro de 1990, no valor de 1 (um) salário mínimo, por período máximo de 3 (três) meses, de forma contínua ou alternada.

Decreto 3048 Art. 13. Mantém a qualidade de segurado, independentemente de contribuições:

II até doze meses após a cessação de benefício por incapacidade ou após a cessação das contribuições, o segurado que deixar de exercer atividade remunerada abrangida pela previdência social ou estiver suspenso ou licenciado sem remuneração;

§

desempregado, desde que comprovada essa situação por registro no órgão próprio do Ministério do Trabalho e Emprego.

§ 1º será acrescido de doze meses para o segurado

O prazo

do

inciso

II

ou

do

IN77/2015

Artigo 137

§ 4º O segurado desempregado do RGPS terá o prazo do inciso II do caput ou do § 1º deste

artigo acrescido de doze meses, desde que comprovada esta situação por registro no órgão próprio do Ministério do Trabalho e Emprego - MTE, podendo comprovar tal condição, dentre outras formas:

I - COMPROVAÇÃO DO RECEBIMENTO DO SEGURO-DESEMPREGO.

41

35:: Um Segurado empregado contribuindo há um ano, foi demitido com justa causa, logo terá apenas 12 meses de carência. Após 4 meses foi preso ficando lá por 5 anos. Após seu livramento o mesmo terá 12 meses de carência ou apenas 8 meses, visto que antes da prisão já havia se passado 4 meses do período da carência?

Mesmo tendo tido o gozo de quatro meses mantendo a qualidade de segurado como empregado, a legislação é clara: após o LIVRAMENTO, até 12 meses de período de graça.

Decreto 3048 Art. 13. Mantém a qualidade de segurado, independentemente de contribuições:

IV até doze meses após o livramento, o segurado detido ou recluso;

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

DE OLHO NO CESPE

I) OFICIAL TÉCNICO/ABIN/2010

Para efeito de ampliação do período de graça, a ausência de registro em órgão do Ministério do Trabalho e Emprego não impede a comprovação do desemprego por outros meios admitidos em direito. (CORRETO)

Comentário

Correto! Um registro no SINE já é o suficiente para comprovação da situação de desemprego.

II) DEFENSOR PÚBLICO/DPU/2015

Em regra, mantêm a qualidade de segurado por até doze meses, independentemente de contribuições, o segurado empregado, o avulso, o doméstico e o facultativo. (ERRADO)

Comentário

O facultativo, em regra, mantém a qualidade de segurado por seis meses.

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

42

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

:: SEGURADOS

1:: Pode um servidor, participante de regime próprio contribuir facultativamente para o RGPS?

Estudar para concurso exige habilidade de garimpeiro que é Contribuinte Individual e trabalha a partir dos 18 anos!!! (tá lá no Estatuto do Garimpeiro e eu não tenho nada com isso!!)

Em regra, não é permitida a filiação ao RGPS de servidor participante de RPPS, salvo no afastamento sem vencimento e desde que não seja permitida, nessa condição, a contribuição no regime próprio a que ele esteja vinculado. A título de curiosidade, já há a possibilidade dessa condição no RPPS. Não esqueça que existem RPPS´s Federal, Estadual e dos municípios que os instituíram. Vale salientar que muitos municípios pequenos preferem permanecer no RGPS a ter que instituir um RPPS (dá trabalho!!)

Constituição Federal artigo 201 parágrafo 5 diz:

É vedada a filiação ao regime geral de previdência social, na qualidade de segurado facultativo, de pessoa participante de regime próprio de previdência. (REGRA)

Agora, Decreto 3048, artigo 11, parágrafo 2

É vedada a filiação ao Regime Geral de Previdência Social, na qualidade de segurado

facultativo, de pessoa participante de regime próprio de previdência social, salvo na hipótese de afastamento sem vencimento e desde que não permitida, nesta condição, contribuição ao respectivo regime próprio.

Vocês não podem confundir o que a pergunta diz!!

FACULTATIVO!!!!!

43

É claro que um servidor de cargo efetivo e participante de RPPS poderá participar do RGPS!!

Um professor de faculdade particular (exemplo) à noite e servidor durante o dia. Exerce

atividade privada que o enquadra como segurado obrigatório do RGPS. Mas a pergunta foi

FACULTATIVO!!

Fique esperto para não escorregar na casca de banana.

As bancas espalham várias na sua prova.

2:: Referente ao pescador artesanal antigamente era de 6 toneladas e em parceria máximo de 10 toneladas para continuar como segurado especial a lei modificou e passou para 20?

O

Decreto

8.424,

alterou

alguns

dispositivos

sobre

o

pescador

artesanal.

O

Decreto nº 3.048, passa a vigorar com as seguintes alterações:

 

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

Art. 9º

§ 14. Considera-se pescador artesanal aquele que, individualmente ou em regime de economia familiar, faz da pesca sua profissão habitual ou meio principal de vida, desde que:

I - não utilize embarcação; ou

II - utilize embarcação de pequeno porte, nos termos da Lei nº 11.959/2009.

Lei 11.959, art. 10, parágrafo 1, I, uma embarcação é de pequeno porte quando possui arqueação bruta igual ou menor que 20 (vinte);

§

15. É considerado contribuinte individual, entre outros:

XI

- o pescador que trabalha em regime de parceria, meação ou arrendamento, em

embarcação de médio ou grande porte, nos termos da Lei nº 11.959, de 2009;

De acordo com a Lei nº 11.959/2009, artigo 10, parágrafo 1:,

§ 1 o As embarcações que operam na pesca comercial se classificam em:

I de pequeno porte: quando possui arqueação bruta - AB igual ou menor que 20 (vinte);

II de médio porte: quando possui arqueação bruta - AB maior que 20 (vinte) e menor que 100 (cem);

III de grande porte: quando possui arqueação bruta - AB igual ou maior que 100 (cem).

3:: O "chapa" é que tipo de segurado? Sempre achei que era avulso, mas pela explicação do professor Italo, entendo que não posso fazer esse enquadramento, pelo fato de ele não pode fazer o descarregamento por vontade própria. A Constituição protege de alguma forma?

O trabalho realizado por "chapas", que são considerados aqueles trabalhadores que ficam às

margens das rodovias ou às portas de estabelecimentos comerciais em busca de trabalho, normalmente, para carregarem ou descarregarem veículos. Estes não são avulsos, e sim trabalhadores autônomos (CI sem intermediação de sindicato, contratados diretamente pelos

caminhoneiros). Eles, geralmente, ficam à beira das rodovias, carregam uma placa com os

dizeres: AJUDANTE, DESCARREGO

Para a jurisprudência, o CHAPA é um trabalhador autônomo e não um TRABALHADOR AVULSO como diz:

CHAPA. VÍNCULO EMPREGATÍCIO. INEXISTÊNCIA. Não caracteriza o vínculo empregatício o serviço prestado pelos reclamantes na carga e descarga de caminhões de diversos proprietários, sem subordinação jurídica. Tratam-se de trabalhadores autônomos, os conhecidos "chapas" na denominação comum. (ACÓRDÃO - 3.ª T - N.º 11427/98.TRT/SC/RO-V

5841/98).

RELAÇÃO DE EMPREGO. CHAPA. Inexiste vínculo empregatício quando tipificada a atividade de chapa, trabalhando o reclamante em serviços de carga e descarga de veículos somente quando existia este tipo de serviço sem obrigação de comparecimento ou de permanecer à disposição

da empresa aguardando ou executando ordens. (TRT 12ª R. RO-V 5180/92, Rel. Luiz Garcia

Neto, DJ 8961, de 06-04-94, p. 63). CHAPA. VÍNCULO EMPREGATÍCIO. INEXISTÊNCIA. É "chapa" o trabalhador braçal que labora na carga e descarga de mercadorias de caminhões, recebendo a paga correspondente ao final do dia ou da semana, diretamente do interessado no serviço executado ou do sindicato ou da cooperativa a que estiver vinculado, não gerando vínculo empregatício com o tomador do serviço. ACÓRDÃO-1ªT-Nº 09572/98- TRT/SC/RO-V 4340/98. Rel. Designada: LICÉLIA RIBEIRO''.

por isso receberam essa nomenclatura de CHAPA.

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

44

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

Nós concluímos assim: se o CHAPA for sindicalizado é Trabalhador Avulso, mas, caso contrário , ele será contribuinte individual.

4:: Se o segurado especial desenvolver atividade turística na sua propriedade durante o período de 120 dias, ele poderá contratar um empregado pelo mesmo período? Ele não perderá esse enquadramento?

A Lei 8.213 é omissa quanto a isso. Mas acreditamos que seria possível, pois não há uma restrição expressa em lei quanto ao exposto. O decreto 3.048, em seu artigo 9, parágrafo 21, sinaliza “em épocas de safra”, mas a lei não diz assim. Até fala em ANO CIVIL, PERÍODOS CORRIDOS OU INTERCALADOS. Na sua prova, nós diríamos que sim. Não faria sentido, o dono de pousada ficar sozinho lá. Claro, dentro daquela razão:

Ex: 1 empregado por 120 dias, 2 por 60 dias e assim por diante.

Lei 8.213, Artigo 11

§ 7 O grupo familiar poderá utilizar-se de empregados contratados por prazo determinado ou

de trabalhador de que trata a alínea g do inciso V do caput, à razão de no máximo 120 (cento e

vinte) pessoas por dia no ano civil, em períodos corridos ou intercalados ou, ainda, por tempo equivalente em horas de trabalho, não sendo computado nesse prazo o período de afastamento em decorrência da percepção de auxílio doença.

Decreto 3.048 Artigo 9

§ 21. O grupo familiar poderá utilizar-se de empregado, inclusive daquele referido na alínea “r”

do inciso I do caput deste artigo, ou de trabalhador de que trata a alínea “j” do inciso V, em épocas de safra, à razão de no máximo cento e vinte pessoas/dia dentro do ano civil, em períodos corridos ou intercalados ou, ainda, por tempo equivalente em horas de trabalho, à razão de oito horas/dia e quarenta e quatro horas/semana.

45

5:: A CF, no seu art 201, parágrafo 7º, inciso II diz que o GARIMPEIRO poderá se aposentar com redução de 5 anos na idade. Como fica isso, visto q ele é CI e que a redução é para SE?

O garimpeiro não é segurado especial e sim contribuinte individual ainda que tenha o benefício de redução de idade para aposentar-se por idade. Porém, poderá ser segurado empregado se assim se enquadrar trabalhando para uma empresa.

Artigo 201 da CF

§ 7º É assegurada aposentadoria no regime geral de previdência social, nos termos da lei, obedecidas as seguintes condições:

II - SESSENTA E CINCO ANOS DE IDADE, SE HOMEM, E SESSENTA ANOS DE IDADE, SE MULHER, reduzido em cinco anos o limite para os trabalhadores rurais de ambos os sexos e para os que exerçam suas atividades em regime de economia familiar, nestes incluídos o produtor rural, O GARIMPEIRO e o pescador artesanal.

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

6:: Se um condomínio é uma empresa, tem CNPJ por que não empregado?

o síndico que recebe remuneração é CI

O condomínio é um equiparado a empresa. O síndico é Contribuinte Individual se receber remuneração pela atividade ou se tem a cota condominial isenta. Ele será facultativo se não for isento da cota condominial e não receber remuneração sobre os seus serviços. Às vezes, o síndico é psicólogo e até, coitado, escravo. Mas empregado, não.

Decreto 3048, artigo 9, V, CONTRIBUINTE INDIVIDUAL

i) o associado eleito para cargo de direção em cooperativa, associação ou entidade de

qualquer natureza ou finalidade, bem como o síndico ou administrador eleito para exercer

atividade de direção condominial, desde que recebam remuneração;

Art. 11. É SEGURADO FACULTATIVO o maior de dezesseis anos de idade que se filiar ao Regime Geral de Previdência Social, mediante contribuição, na forma do art. 199, desde que não esteja exercendo atividade remunerada que o enquadre como segurado obrigatório da previdência social.

II o síndico de condomínio, quando não remunerado;

7:: O membro do conselho tutelar quando recebe remuneração é enquadrado como contribuinte individual, quando não recebe e não participa de qualquer outro regime é segurado facultativo?

46

Remunerado, Contribuinte Individual e caso contrário, segurado facultativo.

CONTRIBUINTE INDIVIDUAL

§ 15. Enquadram-se nas situações previstas nas alíneas "j" e "l" do inciso V do caput, entre outros:

XV o membro de conselho tutelar de que trata o art. 132 da Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990, QUANDO REMUNERADO;

j) quem presta serviço de natureza urbana ou rural, em caráter eventual, a uma ou mais

empresas, sem relação de emprego;

l) a pessoa física que exerce, por conta própria, atividade econômica de natureza urbana, com fins lucrativos ou não;

Art. 11. É SEGURADO FACULTATIVO o maior de dezesseis anos de idade que se filiar ao Regime Geral de Previdência Social, mediante contribuição, na forma do art. 199, desde que não esteja exercendo atividade remunerada que o enquadre como segurado obrigatório da previdência social.

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

VI o membro de conselho tutelar de que trata o art. 132 da Lei nº 8.069, de 13 de julho de

1990, quando não esteja vinculado a qualquer regime de previdência social;

8:: Estou com uma dúvida, na aula encontro de titãs tirando dúvidas, o Prof Flaviano Lima mencionou que o menor aprendiz se encaixa na categoria de empregado, mas isso só não ocorreria se esse menor aprendiz estivesse em desacordo com a lei?

IN77/2015

Art. 8º É SEGURADO NA CATEGORIA DE EMPREGADO, conforme o inciso I do art. 9º do Regulamento da Previdência Social, aprovado pelo Decreto nº 3.048, de 6 de maio de 1999:

II - O APRENDIZ, COM IDADE DE QUATORZE A 24 (VINTE E QUATRO) ANOS, sujeito à formação profissional metódica do ofício em que exerça o seu trabalho, observando que a contratação poderá ser efetivada pela empresa onde se realizará a aprendizagem ou pelas entidades sem

fins lucrativos, que têm por objetivo a assistência ao adolescente e a educação profissional, atendidos os requisitos da Lei nº 10.097, de 19 de dezembro de 2000 e da Lei nº 11.180, de 23

de

setembro de 2005;

9::

O médico participante do Projeto Mais Médicos para o Brasil será segurado obrigatório

contribuinte individual? Se sim, existe alguma exceção que não o enquadre como segurado obrigatório?

Segundo

contribuinte individual.

a

Lei

12.871/13,

o

médico

do

Projeto

Mais

Médicos

está

enquadrado

como

47

Art. 20. O médico participante enquadra-se como segurado obrigatório do Regime Geral de Previdência Social (RGPS), na condição de CONTRIBUINTE INDIVIDUAL, na forma da Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991.

Parágrafo único. intercambistas:

São ressalvados da obrigatoriedade de que trata o caput os médicos

I - selecionados por meio de instrumentos de cooperação com organismos internacionais que prevejam cobertura securitária específica; ou

II - filiados a regime de seguridade social em seu país de origem, o qual mantenha acordo internacional de seguridade social com a República Federativa do Brasil.

10:: Lendo o arquivo disponibilizado sobre o Segurado Especial, consta que a contratação de trabalhadores na razão de 120 dias pessoas/ ano civil deve ser no período de SAFRA, assim como a realização de atividade remunerada por período não superior a 120 dias/ano deve ser no período de ENTRESSAFRA ou DEFESO. Mas, isso não foi alterado pela Lei 12.873/2013? Não sendo mais necessário que seja nos períodos de safra e entressafra/defeso respectivamente?

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

Você está corretíssima! Foi alterado pela Lei 12873. No artigo 11, parágrafo 7 da Lei 8213, percebemos a mudança:

§ 7 O grupo familiar poderá utilizar-se de empregados contratados por prazo determinado ou de trabalhador de que trata a alínea g do inciso V do caput, à razão de no máximo 120 (cento e vinte) pessoas por dia NO ANO CIVIL, em períodos corridos ou intercalados ou, ainda, por tempo equivalente em horas de trabalho, não sendo computado nesse prazo o período de afastamento em decorrência da percepção de auxílio doença.

11:: (CESPE/AGU/2013) O servidor público federal ocupante de cargo em comissão, sem vínculo efetivo com a União, autarquias ou fundações públicas federais, é segurado obrigatório do RGPS na condição de empregado.

Gabarito: Errado

Eu não concordo com o CESPE, pois ele deveria colocar a palavra NECESSARIAMENTE depois de

É SEGURADO. Veja, a regra é ser segurado empregado nesse caso e olhe a justificativa do CESPE dizendo que não:

"O servidor público federal ocupante de cargo de comissão, sem vínculo efetivo com a União, autarquias ou fundações públicas federais, não é NECESSARIAMENTE segurado obrigatório do RGPS na condição de empregado. Por este motivo, opta-se pela alteração do gabarito."

Ele poderia ser servidor de cargo efetivo do RPPS de um Estado qualquer (todos têm RPPS) e estar vinculado a seu regime RPPS.

48

Veja a IN77/2015

EMPREGADO, artigo 8

XVI - o servidor da União, incluídas suas Autarquias e Fundações, ocupante, exclusivamente, de cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração, nos termos da Lei nº 8.647, de 13 de abril de 1993 e o que, nessa condição, mesmo que anteriormente a esta data, NÃO ESTIVESSE amparado por RPPS;

E se estiver?

Acho que é por ai, mas deixo claro que não concordo com a alteração de gabarito de CERTO para ERRADO.

12:: Se um bolsista (segurado facultativo contribuinte) estiver no exterior ele pode gozar de um benefício como Aux. Doença por exemplo? Se sim, como ele fará isso (procedimento)?

Não acredito que isso cairá em sua prova, mas abaixo segue o texto extraído do Ministério das Relações exteriores do Brasil. O importante é que você saiba que ele é SEGURADO FACULTATIVO.

Os Acordos Internacionais têm por objetivo principal garantir aos respectivos trabalhadores e dependentes legais, residentes ou em trânsito em determinado país, os direitos de seguridade

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

social previstos nas legislações dos respectivos países. A existência de acordos previdenciários permite computar os tempos de contribuição tanto no Brasil quanto no exterior para totalização de períodos, com vistas à solicitação de benefício.

De modo geral, os Acordos de Previdência Social aplicam-se aos benefícios, conforme especificado em cada Acordo, relativamente aos eventos:

incapacidade para o trabalho (permanente ou temporária); acidente do trabalho e doença profissional; tempo de contribuição (Portugal, Grécia e Cabo Verde); velhice; morte;

Os Acordos Internacionais de Previdência Social estabelecem uma relação de prestação de benefícios previdenciários com base na legislação vigente em cada país. Os pedidos de benefícios apresentados serão analisados pelos serviços competentes de cada país, que decidirão quanto ao direito a ser concedido e às condições a serem cumpridas, conforme sua própria legislação nos termos do respectivo Acordo.

Isso não quer dizer que os acordos mudam a legislação local. A lei local continua a valer. Os pedidos de benefícios apresentados serão analisados pelos órgãos de cada país, que decidirão quanto ao direito a ser concedido e as condições a serem cumpridas, conforme a lei local e o respectivo Acordo. O segurado/beneficiário filiado à Previdência Social do país onde reside estará coberto pelo sistema previdenciário daquele país garantindo assim seus direitos - adquiridos ou em fase de aquisição - no outro país, no âmbito do Acordo.

49

13:: A segurada facultativa, dona de casa de baixa renda, que contribui com 5% do salario minimo, tem que comprovar a renda familiar perante a previdência no ato da aposentadoria ou caso necessite de algum beneficio? Caso sim, como isso é feito?

Funciona da seguinte maneira. Ela comprova a sua condição através de seu cadastro no CADÚnico e precisa ter uma renda mensal familiar de até dois salários mínimos. Faz a sua inscrição no INSS e começa a contribuir. Ela contribui para a previdência através de guias GPS. Dentro do seu cadastro no CNIS não aparecerão as suas contribuições até que ela necessite de um benefício.

14:: "A respeito do regime geral de previdência social, julgue o item a seguir. A pessoa física que presta serviço no Brasil a missão diplomática ou a repartição consular de carreira estrangeira e a órgãos a elas subordinados é segurada obrigatória da previdência social, na qualidade de empregado. (C)"

Fiquei com dúvida. E se a pessoa estrangeira já é filiada ao regime do seu respectivo país? Se for filiada, não poderá ser segurada do RGPS.

Vou dar uma dica. Você precisa marcar CERTO ou ERRADO ou em BRANCO, ok? Eu marcaria CERTO, pois ele não pode ser Contribuinte Individual e não se enquadra nas características dos demais segurados. Você está certo! Cadê o não estrangeiro com residência permanente? Cadê

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

o brasileiro que, nesse caso, não seria amparado pela previdência do país da missão ou repartição? Nessas horas é que vem o raciocínio lógico. Você memorizou todos os itens e não enquadrou? Use a lógica e ai vem a resposta. Pronto, um pontinho a mais para você.

Lei 8213, artigo 11, I, d) aquele que presta serviço no Brasil a missão diplomática ou a repartição consular de carreira estrangeira e a órgãos a elas subordinados, ou a membros dessas missões e repartições, excluídos o não brasileiro sem residência permanente no Brasil e o brasileiro amparado pela legislação previdenciária do país da respectiva missão diplomática ou repartição consular;

15:: É CI pessoa física que edifica obra de construção civil; Isso quer dizer que se eu contratar pedreiros e auxiliares para edificação da minha casa, por exemplo, eu sou contribuinte individual? Ou esse inciso refere-se aos pequenos construtores?

Perceba que ele NÃO será Contribuinte Individual e sim EQUIPARADO A EMPRESA. Terá cotas patronais a cumprir.

Decreto 3048 Art. 12. Consideram-se:

Parágrafo único. Equiparam-se a empresa, para os efeitos deste Regulamento:

IV o PROPRIETÁRIO ou dono de obra de construção civil, quando pessoa física, EM RELAÇÃO A SEGURADO QUE LHE PRESTA SERVIÇO.

50

16:: Em que categoria realmente os trabalhadores temporários se encaixam?

Acho que você está falando daquelas pessoas que trabalham em período curto em situações de necessidade de uma empresa, por exemplo, em uma época do ano importante para o comércio como o Natal. Ele é EMPREGADO.

Artigo 9, I

b) aquele que, contratado por empresa de trabalho temporário, por prazo não superior a três meses, prorrogável, presta serviço para atender a necessidade transitória de substituição de pessoal regular e permanente ou a acréscimo extraordinário de serviço de outras empresas, na forma da legislação própria;

17:: Se algum dos membros da familia não trabalhar efetivamente no campo, descaracteriza todos os demais da família, tipo: O pai e o filho trabalham na roça e a mãe é empregada doméstica na cidade. O fato da mãe desempenhar uma atividade fora da economia familiar descaracteriza o marido e o filho como segurado especial?

Essa questão foi alvo de dúvidas na prática de concessão de benefícios na minha vida prática no INSS. Consideramos e chegamos à conclusão que desde que essa mãe empregada doméstica, caso não receba uma renda suficiente que dê o sustendo para a família, ela não

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

descaracteriza todo o grupo familiar, mas sim ela mesma. Segue, abaixo, a lista dos itens que descaracterizam todo o grupo.

IN77/2015
IN77/2015

Art. 42. Não descaracteriza a condição de segurado especial:

§ 3º O grupo familiar fica descaracterizado da condição de segurado especial se qualquer de

seus membros deixar de atender alguma das condições elencadas nos incisos I, II, V, VII e na alínea "g" do inciso VIII, todos deste artigo e § 2º do art. 40, ou quando obtiverem

rendimentos decorrentes do inciso II do art. 44.

I - a outorga, por meio de contrato escrito de parceria, meação ou comodato, de até 50%

(cinquenta por cento) do imóvel rural cuja área total, contínua ou descontínua, não seja superior a quatro módulos fiscais, desde que outorgante e outorgado continuem a exercer a respectiva atividade, individualmente ou em regime de economia familiar;

II - a exploração da atividade turística da propriedade rural, inclusive com hospedagem, por

não mais de 120 (cento e vinte) dias ao ano; V - a utilização pelo próprio grupo familiar, na exploração da atividade de processo de beneficiamento ou industrialização artesanal, assim entendido aquele realizado diretamente

pelo próprio produtor rural pessoa física, observado o disposto no § 5º do art. 200 do RPS, desde que não sujeito à incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI;

VII - a contratação de trabalhadores, por prazo determinado, à razão de, no máximo, 120

(cento e vinte) pessoas/dia dentro do ano civil, em períodos corridos ou intercalados ou, ainda,

por tempo equivalente em horas de trabalho, à razão de oito horas/dia e 44 (quarenta e

quatro) horas/semana, não devendo ser computado o período em que o trabalhador se afasta

em decorrência da percepção de auxílio-doença;

g) parceria ou meação outorgada na forma e condições estabelecidas no inciso I deste artigo; Artigo 40

§ 2º O enquadramento na condição de segurado especial a partir de 23 de junho de 2008, data

da vigência da Lei nº 11.718, de 20 de junho de 2008, está condicionado à comprovação da

atividade agropecuária em área contínua ou não de até quatro módulos fiscais.

Artigo 44

II - o arrendador de imóvel rural ou de embarcação.

51

18:: Sabemos que o segurado especial poderá contratar empregados por pequeno prazo em épocas de safra por ate 120 pessoa/dias/ano. Esse empregado será classificado como segurado empregado? E o produtor rural pessoa física segurado especial será equiparado a empresa?

Sim. Este segurado especial não recolhe mensalmente até porque o fruto de seu trabalho vem da colheita, não é? Ele pagará sobre 2% do VALOR BRUTO da comercialização, mais 0,1% para

o custeio do SAT e 0,2% para o SENAR. Lembre-se que o cálculo do número de empregados é

feito na proporção de 120/dia, ou seja, 1 empregado durante 120 dias, 2 empregados por 60 dias, etc. Isso não descaracteriza a sua condição de segurado especial presente no parágrafo 18 do artigo 9 do Decreto 3048. Não esqueça que tendo estes e outros benefícios como redução de cinco anos na aposentadoria por idade, o segurado especial tem benefícios

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

limitados a um salário mínimo. Não confunda o segurado especial com o PRPF contribuinte individual. Você que é do Ceará, ano que vem, trabalhando no INSS, verá na prática a realidade do segurado especial.

19:: Em relação ao segurado especial, como será feita a comprovação de atividade levando em consideração o rol de documentos listados na lei 8.213 e na in 77 para comprovação de atividade, uma vez que esse segurado tem de comprovar o mínimo de carência não em número de contribuições e sim em número de meses. Especifico melhor: minha dúvida está em como será feita essa comprovação tendo em vista que o dispositivo diz "ainda que de forma descontínua". O que significa especificamente esse "de forma descontínua"? Peço por gentileza aos professores (se possível) para explicarem isso com um exemplo prático de um segurado especial que chega na Previdência Social e requer sua aposentadoria por idade rural, e uma segurada especial casada mas que trabalha na propriedade do seu pai junto com seu marido, e solicita um salário-maternidade. Caso seja possível ainda, gostaria que os professores mencionassem alguma coisa sobre a Entrevista Rural. Um vídeo sobre o assunto seria bacana. Obrigado, e parabéns aos dois pelo excelente trabalho.

A comprovação é inicialmente através de documentos que comprovem o efetivo exercício da atividade rural do pleiteante ao benefício. Tendo uma declaração de sindicato é como se a responsabilidade daquelas informações que, supostamente, são verídicas possam servir de prova para atestar o tempo de atividade rural. Certidão de nascimento de filhos nascidos na roça ou povoado próximo, ficha médica local, ficha de inscrição de filhos matriculados em escola em povoado próximo, recibo de suas terras, ITR´s da terra devidamente pagos em tempo. Esses são alguns documentos importantes no momento da concessão de um benefício. A filha que se casou, ela imediatamente não mais poderá usar os documentos da terra dos pais para comprovação de tempo. A entrevista rural é um documento onde o técnico do seguro social tem para explicar todas as perguntas feitas ao segurado, os documentos usados para a concessão ou não do benefício e para dizer sobre a sua convicção sobre o efetivo exercício da atividade rural. A convicção é importante, visto que o técnico tem fé pública e, assim, torna um pouco mais subjetiva a concessão de benefícios rurais. Mais detalhes sobre o segurado especial, eu sugiro que dê uma lida a partir do artigo 39 da

IN77/2015.

52

20:: Qual a diferença de produtor rural pessoa física e segurado especial? Se possível gostaria que me falassem um exemplo pra eu visualizar melhor a questão.

Jeca Tatu é um segurado especial. Ele trabalha há muitos anos na lida da terra nas terras de terceiros. Ele poderia ser proprietário de terra, mas é um meeiro e poderia ser um comodatário, um parceiro. Ele é um pequeno agricultor e vive da roça para o sustento de sua família.

Seu Amácio é produtor rural pessoa física. Ele é contribuinte individual, um pequeno empresário. Desenvolve sua atividade em área rural, mas poderia ser urbana. O seu enquadramento pode trabalhar na atividade agropecuária (agrícola, pastoril ou hortifrutigranjeira), pesqueira ou silvicultural, bem como a extração de produtos primários,

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

vegetais ou animais, em caráter permanente ou temporário, diretamente ou por intermédio de prepostos.

21:: Na aula - parte 39 (numeração das aulas do site), aparece uma questão que traz como resposta correta a possibilidade de o segurado especial ser enquadrado como facultativo. Entretanto, no comentário da questão, você fala do enquadramento do segurado especial como contribuinte individual. Poderia elucidar essa dúvida?

O segurado especial poderá contribuir COMO SE CONTRIBUINTE INDIVIDUAL fosse. Isso para que, caso ele queira, poderá ter benefício SUPERIOR a um salário mínimo. Entenda que eu não estou dizendo que ele é um segurado facultativo e nem que ele é um contribuinte individual. Ele pode contribuir FACULTATIVAMENTE (faz se quiser!) como SE CONTRIBUINTE INDIVIDUAL fosse. A questão a qual você se refere diz em seu enunciado:

Podem contribuir FACULTATIVAMENTE para o regime geral de previdência social

(A) a dona-de-casa, o estudante a partir dos quatorze anos de idade e o presidiário que não

exerce atividade remunerada.

(B) a dona-de-casa, o estudante a partir dos dezesseis anos de idade e o servidor púbico sem

regime próprio.

(C) a dona-de-casa, o estudante a partir dos dezesseis anos de idade e a empregada doméstica

que trabalha em imóvel rural em atividades sem fins lucrativos.

(D) a dona-de-casa, o trabalhador autônomo e o brasileiro contratado no Brasil para trabalhar

em filial de empresa brasileira no exterior.

(E) o SEGURADO ESPECIAL, o estudante a partir dos dezesseis anos de idade e o síndico não

remunerado de condomínio.

53

A possibilidade de contribuição do SEGURADO ESPECIAL é de que ele possa contribuir FACULTATIVAMENTE como se Contribuinte Individual fosse. Na letra E diz que sim! O segurado especial PODE FACULTATIVAMENTE contribuir!! Leia abaixo o artigo 200, parágrafo 2 do Decreto 3048. Perceba que no artigo 11 do referido decreto, ele não diz que o segurado especial é segurado facultativo. O SE é segurado obrigatório, porém poderá, segundo o artigo 200 do decreto, contribuir FACULTATIVAMENTE como se contribuinte individual fosse.

Decreto 3048 Artigo 200 § 2 O segurado especial referido neste artigo, além da contribuição obrigatória de que tratam os incisos I e II do caput, poderá contribuir, FACULTATIVAMENTE, na forma do art. 199.

22:: Qual a diferença entre a dona de casa (segurada facultativa) baixa renda, que contribui com 11% do salário mínimo da que contribui com 5% do salário mínimo?? Pq ambas têm renda familiar de até 2 salários mínimos, são inscritas no CadÚnico, abrem mão da Aposentadoria por tempo de contribuição e tem os benefícios limitados a um salario mínimo. Mas eu não observei pq uma contribui com 11% e a outra com 5%.

Vamos exemplificar, pois fica melhor.

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

Dona Carmen Verônica é dona de casa, não tem renda própria, só trabalha em casa na lida do lar, e vive do sustento do marido que ganha pouco mais de 4 mil reais como representante comercial. Dona Carmen, pensando no futuro em uma aposentadoria por idade da previdência social, por exemplo, contribui com 11% do salário mínimo como segurada facultativa. Dona Iara é dona de casa, não tem renda própria, só trabalha em casa na lida do lar e a renda mensal de sua família é menor que 2 salários mínimos. Ela deseja se filiar à previdência social para que no futuro possa pleitear uma aposentadoria por idade, por exemplo. Dona Iara faz o seu cadastro no CADÚnico, comprova renda família até 2 salários mínimos e começa a contribuir com 5% de um salário mínimo como segurada facultativa.

Constituição Federal Artigo 201 § 12. Lei disporá sobre sistema especial de inclusão previdenciária para atender a trabalhadores de baixa renda e àqueles sem renda própria que se dediquem exclusivamente ao trabalho doméstico no âmbito de sua residência, desde que pertencentes a famílias de baixa renda, garantindo-lhes acesso a benefícios de valor igual a um salário-mínimo.

23:: Estou com uma dúvida, que tipo de segurado é o estagiário bolsista?

Você apenas precisará saber se ele está ou não em ACORDO com a lei 11788. Estando de acordo PODERÁ ser segurado facultativo e em DESACORDO será segurado empregado. Preste atenção!! Não confunda este BOLSISTA com o CONTRIBUINTE INDIVIDUAL bolsista da FUNDAÇÃO HABITACIONAL DO EXÉRCITO!!!!

54

Decreto 3048 Artigo 9 XIII O BOLSISTA DA FUNDAÇÃO HABITACIONAL DO EXÉRCITO contratado em conformidade com a Lei nº 6.855, de 18 de novembro de 1980; e (Incluído pelo Decreto nº 3.265, de 1999)

Decreto 3048 Artigo 9 h) o bolsista e o estagiário que prestam serviços a empresa, em DESACORDO com a Lei no 11.788, de 25 de setembro de 2008; (Redação dada pelo Decreto nº 6.722, de 2008).

24:: Quando o SEGURADO ESPECIAL participa de outorga: o outorgante é CI, caso não participe da lavoura. Contudo, se o Outorgante participar também da labuta, também será SEGURADO ESPECIAL- Caso obedeça os critério necessário?

Caso não ultrapasse os 50% e a terra fique limitada aos 4 módulos fiscais, trabalhe, ele não perde a sua qualidade de segurado. Ele só não pode ser outorgante de um milhão de pessoas (hipérbole).

Decreto 3048 § 8o Não é segurado especial o membro de grupo familiar que possuir outra fonte de rendimento, EXCETO se decorrente de:

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

VI parceria ou meação outorgada na forma e condições estabelecidas no inciso I do § 18 deste

artigo;

§ 18. NÃO descaracteriza a condição de segurado especial: (Redação dada pelo Decreto nº

6.722, de 2008). I a outorga, por meio de contrato escrito de parceria, meação ou comodato, de até cinqüenta por cento de imóvel rural cuja área total, contínua ou descontínua, não seja superior a quatro

módulos fiscais, desde que outorgante e outorgado continuem a exercer a respectiva atividade, individualmente ou em regime de economia familiar;

Um segurado

especial que passar em um concurso que seja RPPS e continue com sua atividade de especial, para o RGPS ele vai ser um segurado especial ou um contribuinte individual?

25:: Gente tenho uma dúvida sobre SEGURADO ESPECIAL, quem puder ajudar

Ele perderá a qualidade de segurado especial e tendo a sua roça e sendo servidor público, ele será segurado obrigatório na categoria de CONTRIBUINTE INDIVIDUAL.

Decreto 3048 Artigo 10

§ 2º Caso o servidor ou o militar venham a exercer, concomitantemente, uma ou mais

atividades abrangidas pelo Regime Geral de Previdência Social, tornar-se-ão segurados

obrigatórios em relação a essas atividades.

Artigo 9

§ 23. O segurado especial fica excluído dessa categoria: (Incluído pelo Decreto nº 6.722, de

2008).

I a contar do primeiro dia do mês em que: (Incluído pelo Decreto nº 6.722, de 2008). a) deixar de satisfazer as condições estabelecidas no inciso VII do caput deste artigo, sem prejuízo do disposto no art. 13, ou exceder qualquer dos limites estabelecidos no inciso I do § 18 deste artigo; (Incluído pelo Decreto nº 6.722, de 2008). b) se enquadrar em qualquer outra categoria de segurado obrigatório do Regime Geral de Previdência Social, ressalvado o disposto nos incisos III, V, VII e VIII do § 8odeste artigo, sem prejuízo do disposto no art. 13; e (Incluído pelo Decreto nº 6.722, de

2008).

55

26:: Faça-me entender de uma vez por todas quando o síndico de condomínio é facultativo e quando é C.I. Toda vez erro a questão sobre esse assunto!!!!

Hipótese 1 Tim Maia é síndico de um prédio na Barra da Tijuca no Rio de Janeiro. Ele não paga o a taxa de condomínio e sendo ela tida como uma forma de remunerar o seu trabalho, ele será enquadrado como segurado obrigatório na categoria CONTRIBUINTE INDIVIDUAL.

Hipótese 2 Tim Maia é síndico de um prédio na Barra da Tijuca no Rio de Janeiro. Ele recebe um valor do condomínio para exercer as suas funções de síndico. Ele será enquadrado como segurado obrigatório na categoria CONTRIBUINTE INDIVIDUAL.

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

Hipótese 3 Tim Maia é síndico de um prédio na Barra da Tijuca no Rio de Janeiro. Ele PAGA o a taxa de condomínio e não recebe remuneração pela atividade de síndico. Ele será enquadrado como segurado FACULTATIVO.

Essa pergunta muito se parece com a dúvida 73, mas estou ilustrando de uma forma diferente para melhor compreensão.

Decreto 3048, artigo 9, V, CONTRIBUINTE INDIVIDUAL

ii) o associado eleito para cargo de direção em cooperativa, associação ou entidade de

qualquer natureza ou finalidade, bem como o SÍNDICO ou administrador eleito para exercer atividade de direção condominial, desde que recebam remuneração;

Art. 11. É SEGURADO FACULTATIVO o maior de dezesseis anos de idade que se filiar ao Regime Geral de Previdência Social, mediante contribuição, na forma do art. 199, desde que não esteja exercendo atividade remunerada que o enquadre como segurado obrigatório da previdência social.

II o SÍNDICO DE CONDOMÍNIO, quando não remunerado;

27:: O segurado especial pode ser também facultativo e CI sem perder a condição de segurado especial?

56

Entenda. O segurado especial pode contribuir FACULTATIVAMENTE como contribui o contribuinte individual, pois essa é uma possibilidade que a legislação deu para o segurador especial poder ter direito a aposentadoria por tempo de contribuição. Ele não perde a sua qualidade de segurado especial. Se ele for CONTRIBUINTE INDIVIDUAL, ele não será segurado especial. Por que chamá-lo de segurado facultativo (aquele que não exerce atividade remunerada) se ele é segurado especial. É uma possibilidade que a lei deu comparando-o com

a contribuição do facultativo e do contribuinte individual.

Decreto 3048

Artigo 200

§ 2o O segurado especial referido neste artigo, além da contribuição obrigatória de que tratam

os incisos I e II do caput, poderá contribuir, facultativamente, na forma do art. 199.(Redação dada pelo Decreto nº 6.042, de 2007). Art. 199. A alíquota de contribuição dos segurados contribuinte individual e facultativo é de vinte por cento aplicada sobre o respectivo salário de contribuição, observado os limites a que se referem os §§ 3º e 5º do art. 214.(Redação dada pelo Decreto nº 3.265, de 1999).

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

28:: Com relação ao decreto 8424 que trata do pescador artesanal, estou com dúvida em: só é segurado especial se trabalhar individualmente, sem ajuda de ninguém, nem de terceiro,

nem de nada

Com o professor Italo. Uma

questão do material 4 do curso completo Dir. Previdenciário

Ou se tiver ajuda, parceiro, etc e tal será C.I.? Essa dúvida veio após uma

questão desatualizada, mesmo ele fazendo as considerações atuais, nao entendi a questão. Espero que tenha compreendido. Abraços e obrigada.

Ele é um segurado especial com ajuda eventual de terceiros e tem embarcação inferior a 20 toneladas de arqueação bruta. A desatualização seria em virtude da quantidade de toneladas de arqueação que passou de 6 para 20.

(FCC/INSS) João exerce individualmente atividade de pescador artesanal e possui embarcação com 5 toneladas de arqueação bruta, com parceiro eventual, que o auxilia. Nessa situação, João é

a) não segurado da Previdência Social.

b) segurado facultativo.

c) SEGURADO ESPECIAL.

d) contribuinte individual.

e) trabalhador avulso.

O Regulamento da Previdência Social, aprovado pelo Decreto nº 3.048, de 1999, passa a vigorar com as seguintes alterações:

Art. 9º

 

[

]

 

57

14. Considera-se pescador artesanal aquele que, individualmente ou em regime de economia familiar, faz da pesca sua profissão habitual ou meio principal de vida, desde que:

§

I - não utilize embarcação; ou

II

- utilize embarcação de pequeno porte, nos termos da Lei nº 11.959/2009.

 

De acordo com a Lei nº 11.959/2009, art. 10, § 1º, as embarcações que operam na pesca

comercial

se

classificam

em:

I de pequeno porte: quando possui arqueação bruta - AB igual ou menor que 20 (vinte);

II de médio porte: quando possui arqueação bruta - AB maior que 20 (vinte) e menor que 100 (cem); III de grande porte: quando possui arqueação bruta - AB igual ou maior que 100 (cem).

29:: Nelson ocupa cargo em comissão,de livre nomeação e exoneração,na secretaria de saúde de um prefeitura que instituiu regime próprio de previdência social.Nessa condição,apesar de trabalhar em município com regime próprio de previdência,Nelson é segurado empregado do regime geral.

Ele será EMPREGADO do RGPS mesmo que a município tenha RPPS caso o seu cargo seja EXCLUSIVAMENTE comissionado. Farão parte desse RPPS os servidores concursados de cargo efetivo.

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

Decreto 3048 Artigo 9 i) o servidor da União, Estado, Distrito Federal ou Município, incluídas suas autarquias e fundações, ocupante,EXCLUSIVAMENTE, de cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração;

30:: Hoje tinha uma advogada na televisão dizendo que o cirurgião dentista tem direito a aposentadoria especial, contribuindo com 25 anos. Pergunto: aposentadoria especial não é devida somente aos segurados E, A e os cooperados? Nesse caso, o dentista sendo segurado empregado faz jus a essa aposentadoria?

A gente precisa ficar atento para situações que vemos em televisão não confundam. O dentista

é um CONTRIBUINTE INDIVIDUAL e ponto. Se uma advogada disse isso ou aquilo na televisão

não importa (a responsabilidade é dela de propagar essa informação). O que você leva para a sua prova é que o DENTISTA é um contribuinte individual. Agora, se ele for um empregado de clínica, ele pedirá um PPP para a clínica e no futuro enviará para o INSS analisar uma possível aposentadoria especial, mas não trabalhamos com conjecturas que tirem a gente do foco da prova. DENTISTA é CONTRIBUINTE INDIVIDUAL e ponto.

31:: O garçom (que não é registrado) pertence a qual classe de segurado?

A obrigação do empregador é estar dentro da lei. Sabemos que essa conduta é muito comum no interior do país onde o empregador quer sonegar as contribuições devidas e até o empregado aceita as suas condições em virtude da necessidade. O garçom é, em regra, empregado, pois há remuneração, não eventualidade e subordinação. O empregador que omitir empregado estará praticando crime de SONEGAÇÃO FISCAL PREVIDENCIÁRIA.

Código Penal Brasileiro

58

Sonegação de contribuição previdenciária (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000)

Art. 337-A. Suprimir ou reduzir contribuição social previdenciária e qualquer acessório, mediante as seguintes condutas: (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000)

I omitir de folha de pagamento da empresa ou de documento de informações previsto pela legislação previdenciária segurados empregado, empresário, trabalhador avulso ou trabalhador autônomo ou a este equiparado que lhe prestem serviços; (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000)

II deixar de lançar mensalmente nos títulos próprios da contabilidade da empresa as quantias descontadas dos segurados ou as devidas pelo empregador ou pelo tomador de serviços; (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000)

III omitir, total ou parcialmente, receitas ou lucros auferidos, remunerações pagas ou creditadas e demais fatos geradores de contribuições sociais previdenciárias: (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000)

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

Pena reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, e multa. (Incluído pela Lei nº 9.983, de

1 o É extinta a punibilidade se o agente, espontaneamente, declara e confessa as

contribuições, importâncias ou valores e presta as informações devidas à previdência social, na forma definida em lei ou regulamento, antes do início da ação fiscal. (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000)

§

§ 2 o É facultado ao juiz deixar de aplicar a pena ou aplicar somente a de multa se o agente for primário e de bons antecedentes, desde que: (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000)

II o valor das contribuições devidas, inclusive acessórios, seja igual ou inferior àquele estabelecido pela previdência social, administrativamente, como sendo o mínimo para o ajuizamento de suas execuções fiscais.(Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000)

§ 3 o Se o empregador não é pessoa jurídica e sua folha de pagamento mensal não

ultrapassa R$ 1.510,00 (um mil, quinhentos e dez reais), o juiz poderá reduzir a pena de um

terço até a metade ou aplicar apenas a de multa. (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000)

§ 4 o O valor a que se refere o parágrafo anterior será reajustado nas mesmas datas e nos

mesmos índices do reajuste dos benefícios da previdência social. (Incluído pela Lei nº 9.983, de

59

32:: Maria dona de casa não exerce atividade remunerada, mas recebe pensão alimentícia no valor de R$ 2.000,00, em que tipo de categoria de segurados Maria será enquadrada?

Ela será segurada facultativa. Estude a fundamentação abaixo. Ela tem renda acima de dois salários mínimos e não se cadastrará no CADUnico. Não poderá contribuir com 5% do salário mínimo.

Decreto 3048

Art. 11. É segurado facultativo o maior de dezesseis anos de idade que se filiar ao Regime Geral de Previdência Social, mediante contribuição, na forma do art. 199, desde que não esteja exercendo atividade remunerada que o enquadre como segurado obrigatório da previdência social. § 1º Podem filiar-se facultativamente, entre outros:

I a dona-de-casa;

Constituição Federal Artigo 201 § 12. Lei disporá sobre sistema especial de inclusão previdenciária para atender a trabalhadores de baixa renda e ÀQUELES SEM RENDA PRÓPRIA QUE SE DEDIQUEM EXCLUSIVAMENTE AO TRABALHO DOMÉSTICO NO ÂMBITO DE SUA RESIDÊNCIA, DESDE QUE

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

PERTENCENTES A FAMÍLIAS DE BAIXA RENDA, garantindo-lhes acesso a benefícios de valor igual a um salário-mínimo. § 13. O sistema especial de inclusão previdenciária de que trata o § 12 deste artigo terá alíquotas e carências inferiores às vigentes para os demais segurados do regime geral de previdência social.

33:: Dentre os segurados obrigatórios e facultativos, os ÚNICOS que têm direito a TODOS os benefícios da previdência são os empregados e avulsos?

Quem tem direito APOSENTADORIA POR IDADE Todos APOSENTADORIA POR INVALIDEZ Todos APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO Todos com exceção dos CI´s, MEI´s, segurados especiais e facultativos que optam pelo recolhimento reduzido. APOSENTADORIA ESPECIAL Empregados, avulsos e cooperados. APOSENTADORIA PARA DEFICIENTES Todos os segurados portadores de deficiência. SALÁRIO MATERNIDADE Todos SALÁRIO FAMÍLIA Empregados, avulsos, domésticos e alguns aposentados. AUXÍLIO DOENÇA Todos AUXÍLIO ACIDENTE Empregados, avulsos, domésticos e segurado especial. PENSÃO POR MORTE e AUXÍLIO RECLUSÃO (dependentes de todas as categorias).

60

34:: Se uma pessoa é empregado de uma empresa ( segurado obrigatório ) e for sindico do seu condomínio sem remuneração e sem isenção, ele será facultativo em relação a este e obrigatório ao mesmo tempo? Uma pessoa pode ser contribuinte obrigatório e facultativo ao mesmo tempo?

Olha só que pergunta interessante!!! Veja bem, ele já exerce atividade remunerada e é empregado. A figura do segurado facultativo foi criada pela Carta Magna para luzir o princípio da universalidade da cobertura e do atendimento. Por isso, diz-se que o síndico sem remuneração ou isenção de taxa condominial PODERÁ ser facultativo. Ora, se ele é facultativo, não é obrigado.

Decreto 3048

Art. 11. É segurado facultativo o maior de dezesseis anos de idade que se filiar ao Regime Geral de Previdência Social, mediante contribuição, na forma do art. 199, DESDE QUE NÃO ESTEJA EXERCENDO ATIVIDADE REMUNERADA QUE O ENQUADRE COMO SEGURADO OBRIGATÓRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL.

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

35:: A pessoa que exerce de forma autônoma atividade de contador devidamente reconhecida pelo órgão de classe é considerado facultativo ou contribuinte individual?

O exercício de atividade remunerada não enquadrará segurado como facultativo. No citado

exemplo, o contador que exerce a sua atividade por conta própria será segurado OBRIGATÓRIO (exerce atividade remunerada) na categoria CONTRIBUINTE INDIVIDUAL.

Lei 8213

Artigo 11

V como contribuinte individual:

h) a pessoa física que exerce, por conta própria, atividade econômica de natureza urbana, com

fins lucrativos ou não;

36:: Não entendi o seguinte: se o garimpeiro é contribuinte individual, você disse em outra aula que ele poderia ter a aposentadoria do segurado especial, ou seja, aquela mesma situação dos segurados especiais. Poderia explicar melhor?

A redução de cinco anos para o contribuinte individual garimpeiro foi instituída a partir da

Proposta de Emenda Constitucional 405 de 2009 alterando o artigo 201, parágrafo 7, II da Lei Maior. Mesmo não sendo um segurado especial foi dado ao garimpeiro o direito à redução no

tempo de aposentadoria em cinco anos.

CF/88

Artigo 201

61

§ 7º É assegurada aposentadoria no regime geral de previdência social, nos termos da lei, obedecidas as seguintes condições:

II - sessenta e cinco anos de idade, se homem, e sessenta anos de idade, se mulher, reduzido

em cinco anos o limite para os trabalhadores rurais de ambos os sexos e para os que exerçam suas atividades em regime de economia familiar, nestes incluídos o produtor rural, O GARIMPEIRO e o pescador artesanal.

37:: Essa questão foi dada como certa e é CESPE; referente a ela, já entendi que este segurado, mesmo sendo profissional liberal, será segurado empregado por conta do dispositivo legal

I - como empregado: (Redação dada pela Lei nº 8.647, de 1993)

a) aquele que presta serviço de natureza urbana ou rural à empresa, em caráter não eventual, sob sua subordinação e mediante remuneração, inclusive como diretor empregado;

Gostaria de saber, se a mesma coisa acontecer com a DIARISTA:

I falar que a pessoa da questão é uma DIARISTA;

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

II Presta serviço toda semana,para mesma pessoa, 2 vezes por semana;

III Recebe Remuneração Mensal ou Semanal;

VS

Lei complementar 150

Art. 1o Ao empregado doméstico, assim considerado aquele que presta serviços de forma contínua, subordinada, onerosa e pessoal e de finalidade não lucrativa à pessoa ou à família, no âmbito residencial destas, por mais de 2 (dois) dias por semana, aplica-se o disposto nesta Lei.

a) aquele que presta serviço de natureza urbana ou rural à empresa, em caráter não eventual, sob sua subordinação e mediante remuneração, inclusive como diretor empregado;

(EMPREGADO) Possui os tem critérios basilares dos segurados EMPREGADOS (subordinação, não eventualidade e remuneração).

II Presta serviço toda semana,para mesma pessoa, 2 vezes por semana;

(DIARISTA) trabalha até dois dias por semana (CONTRIBUINTE INDIVIDUAL). Trabalhando por mais de 2 dias , enquadra-se como EMPREGADO DOMÉSTICO.

38:: Célio é médico, clínico geral, e trabalha como plantonista nos prontos-socorros dos Hospitais São Carlos e São Tomé, empresas distintas, no período de 0 h às 6 h, duas vezes por semana em cada estabelecimento. O acerto financeiro e a frequência são controlados por meio de uma planilha que apresenta, inclusive, um resumo sucinto quanto às ocorrências do plantão e os procedimentos adotados. Nessa situação, Célio, profissional liberal, é segurado da previdência social na qualidade de empregado.

62

Célio é EMPREGADO. Mesmo sendo um profissional liberal, ele possui os requisitos de um empregado: ele tem atividade fixa semanal (como um professor universitário empregado), tem a remuneração e está subordinado. Célio se enquadra como empregado. Não sejamos rigorosos com a aplicação da categoria do segurado. Essas questões se repetem para, justamente, induzi-lo ao erro. Lei nº 8.213/91, art. 11, I, a

39:: O segurado especial tem direito apenas aos beneficios : S. M. , A.D . , aposent. Inval. e por idade ?

O segurado especial tem direito a:

APOSENTADORIAS

Idade

Invalidez

SALÁRIO

Maternidade

AUXÍLIOS

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

Acidente

Reclusão

Doença

Pensão

Morte

40:: O menor aprendiz, contratado de acordo com a lei, é empregado ou facultativo?

O menor aprendiz é enquadrado como segurado EMPREGADO. Veja como a IN77 deixa muito

claro isso em seu artigo oitavo.

IN77

Art. 8º É segurado na categoria de empregado, conforme o inciso I do art. 9º do Regulamento da Previdência Social, aprovado pelo Decreto nº 3.048, de 6 de maio de 1999:

II - O APRENDIZ, com idade de QUATORZE A 24 (VINTE E QUATRO) ANOS, sujeito à formação profissional metódica do ofício em que exerça o seu trabalho, observando que a contratação poderá ser efetivada pela empresa onde se realizará a aprendizagem ou pelas entidades sem fins lucrativos, que têm por objetivo a assistência ao adolescente e a educação profissional, atendidos os requisitos da Lei nº 10.097, de 19 de dezembro de 2000 e da Lei nº 11.180, de 23 de setembro de 2005;

63

41:: BOLSISTA REMUNERADO E O SEGURADO RECOLHIDO À PRISÃO QUE EXERÇA ATIVIDADE ARTESANAL, são segurados facultativos?

Darei uma dica para você.

Primeiro respondo. O bolsista remunerado de acordo com a Lei 11788 e o recluso remunerado

PODEM ser segurados facultativos.Ai vem um detalhe

O CESPE poderá confundi-lo. Existe o bolsista segurado facultativo e o BOLSISTA DO EXÉRCITO

que é CONTRIBUINTE INDIVIDUAL.

O OURO DA BABI

Decreto 3048 Artigo 11 VII o bolsista e o estagiário que prestam serviços a empresa de acordo com a Lei nº 6.494, de 1977; (SEGURADO FACULTATIVO)

Artigo 9 Parágrafo 15 XIII o bolsista da Fundação Habitacional do Exército contratado em conformidade com a Lei nº 6.855, de 18 de novembro de1980; (CONTRIBUINTE INDIVIDUAL).

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

42:: Augusto é pescador artesanal e desenvolve a sua atividade sozinho, sem utilizar-se de embarcação. Durante os finais de semana, ele se apresenta como capoeirista em show folclórico realizado na praça do município em que reside, recebendo em decorrência desta atividade uma remuneração de meio salário-mínimo mensal. Nesta situação, o recebimento da remuneração decorrente da sua atividade como capoeirista não irá retirar de Augusto o seu enquadramento no RGPS como segurado especial. Correto Porquê?

Certo. Por ser pescador artesanal sem utilizar embarcação, ele é SEGURADO ESPECIAL. Ok? Ao desenvolver atividade artística com remuneração abaixo de um salário mínimo, Augusto não perde a sua qualidade de segurado!

Decreto nº 3.048

 
 

Art. 9º

VII

§8

Não é segurado especial o membro

de grupo familiar que possuir outra fonte de

rendimento, exceto se decorrente de:

VIII atividade artística, desde que em valor mensal inferior ao menor benefício de prestação

continuada da previdência social.

§ 14. Considera-se pescador artesanal aquele que, individualmente ou em regime de economia familiar, faz da pesca sua profissão habitual ou meio principal de vida, desde que:

I - não utilize embarcação;

64

43:: É CORRETO AFIRMAR QUE O garimpeiro somente será enquadrado no RGPS como segurado contribuinte individual.

Eu não caminharia por ai. A regra é que o garimpeiro é um CONTRIBUINTE INDIVIDUAL como já

respondi aqui nas dúvidas. Ele pode ser empregado

se uma empresa o contrata e assina

Poxa,

a

sua carteira de trabalho, nós poderíamos dizer que é um empregado, não é? E SE, E SE, E SE,

E

SE, E SE, E SE, E SE, E SE, E SE, E SE, E SE, E SE,

Vamos logo para o que interessa! O CESPE quer saber se você considera o GARIMPEIRO um CONTRIBUINTE INDIVIDUAL ou um SEGURADO ESPECIAL. Ponto. Vejam as questões abaixo e tirem suas dúvidas. Se o CESPE colocar uma questão perguntando se o garimpeiro será APENAS contribuinte individual, eu troco meu nome para Ferdinando!

PROCURADOR PREVIDENCIÁRIO - IPCES - 2007 CESPE No que se refere à concessão, manutenção e cancelamento de benefícios previdenciários, julgue os itens subsequentes. Suponha que José seja garimpeiro e trabalhe com o auxílio exclusivo de membros da sua família. Nessa situação, José é considerado segurado especial. (ERRADO)

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

(CESPE BRB/Advogado/2009)

João explora diretamente atividade de extração mineral garimpo - em caráter temporário e de forma não contínua. Nessa situação, considerando a legislação previdenciária em vigor João é considerado segurado especial da Previdência Social.

(ERRADO)

CESPE 2004 Polícia Federal

Em razão de não conseguir emprego em sua cidade natal, Paulo recolheu suas economias e dirigiu-se para o estado de Rondônia, a fim de trabalhar, por 3 meses, no garimpo de diamantes, em área demarcada como reserva indígena. Ao chegar àquele estado, comprou os equipamentos necessários, contratou dois ajudantes e deu início às atividades. Nessa situação, é correto afirmar que Paulo é segurado obrigatório da previdência social, como contribuinte individual, enquanto seus ajudantes são segurados obrigatórios na condição de empregados.

(ERRADO, pois a atividade exposta é ilícita).

44:: Lei.8213/91 art inciso V alínea h) A pessoa física que exerça, por conta própria, atividade econômica de natureza urbana, com fins lucrativos ou NÃO. Na prática esse contribuinte individual que exerce atividade econômica de natureza urbana sem fins lucrativos,ou esse ou não ai foram drogas fortes do legislador?

65

Este é um dos grandes exemplos na prática de um contribuinte individual!! O TRABALHADOR AUTÔNOMO. Exemplo: camelô, vendedor de picolé, dentista, advogado, etc. Não foram drogas fortes do legislador.

45:: Um síndico do condomínio que reside no condomínio que administra e recebe remuneração por essa atividade é segurado da previdência social na qualidade de empregado. ( essa questão é dá página 324, do livro do italo). Certo ou errado e porque?

Síndico de condomínio é contribuinte individual caso receba remuneração ou isenção de taxa condominial e poderá ser facultativo se não se enquadre no citado e não esteja em RPPS.

Lei 8213 V como contribuinte individual:

f) o titular de firma individual urbana ou rural, o diretor não empregado e o membro de conselho de administração de sociedade anônima, o sócio solidário, o sócio de indústria, o sócio gerente e o sócio cotista que recebam remuneração decorrente de seu trabalho em empresa urbana ou rural, e o associado eleito para cargo de direção em cooperativa, associação ou entidade de qualquer natureza ou finalidade, bem como o SÍNDICO OU ADMINISTRADOR ELEITO PARA EXERCER ATIVIDADE DE DIREÇÃO CONDOMINIAL, desde que recebam remuneração;

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

46:: O índio enquadra-se na maioria das vezes como SE?

Sim. O índio é um segurado especial, mas no momento da comprovação da sua atividade rural basta apresentar a declaração da FUNAI e não será feita a entrevista por ser TUTELADO. Como estamos no Brasil e já vi até índio taxista branco de olho azul, eu aperto o pseudo índio. Essa é uma grande falha de um país que zela pelo jeitinho brasileiro. Uma vergonha!

IN77

Artigo 39 § 4º Enquadra-se como segurado especial o indígena reconhecido pela Fundação Nacional do Índio - FUNAI, inclusive o artesão que utilize matéria-prima proveniente de extrativismo vegetal, desde que atendidos os demais requisitos constantes no inciso V do art. 42, independentemente do local onde resida ou exerça suas atividades, sendo irrelevante a definição de indígena aldeado, não-aldeado, em vias de integração, isolado ou integrado, desde que exerça a atividade rural individualmente ou em regime de economia familiar e faça dessas atividades o principal meio de vida e de sustento.

47:: O contribuinte individual tem direito a auxílio doença e auxílio acidente?

O contribuinte individual tem direito ao auxílio doença, mas não ao auxílio acidente. Não podemos confundir os direitos do contribuinte individual cooperado a aposentadoria especial com a auxílio acidente.

AUXÍLIO DOENÇA Todos AUXÍLIO ACIDENTE Empregados, avulsos, domésticos e segurado especial.

66

48:: O segurado especial, aposentado por idade, que retorne a atividade, seja como segurado especial, ou em outra categoria, perde ou não essa aposentadoria?

Não perde. Da mesma forma que a aposentadoria é irrenunciável em regra, ela é um direito do segurado especial. Não verifico fundamentação para o contrário na legislação previdenciária para além da hipótese de perda da aposentadoria por invalidez por retorno à atividade e as aposentadorias concedidas de forma ilícita e de comprovada má-fé.

concedidas de forma ilícita e de comprovada má-fé. 49:: V ale para o segurado especial? O

49:: Vale para o segurado especial?

O dirigente sindical mantém, durante o exercício do mandato eletivo, o mesmo enquadramento no RGPS de antes da investidura.

Primeiro vamos analisar algo. Os artigos, às vezes, são muito longos e terminamos nos confundindo no meio do caminho dele.

Perceba:

No artigo 9 do regulamento da previdência social no parágrafo 8, o legislador diz que NÃO É

SEGURADO ESPECIAL aquele que tem fonte de rendimento com EXCEÇÃO

DE MANDATO ELETIVO DE DIRIGENTE SINDICAL DE ORGANIZAÇÃO DA CATEGORIA DE

dentre outros

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

TRABALHADORES RURAIS. Ora, os sindicatos rurais mais especificamente. Logo, não há dúvida! Vale sim para SEGURADO ESPECIAL e muito! Está escrito e corrobora o parágrafo 10!

Decreto 3048 Artigo 9

§ 8 Não é segurado especial o membro de grupo familiar que possuir outra fonte de rendimento, exceto se decorrente de:

IV exercício de mandato eletivo de DIRIGENTE SINDICAL de organização da categoria de

trabalhadores rurais;

§ 10.

enquadramento no regime geral de previdência social de antes da investidura no cargo.

O

DIRIGENTE

SINDICAL

mantém,

durante

o

exercício

do

mandato,

o

mesmo

50:: Quais os benefícios que O SEGURADO empregado doméstico pode receber? Ele recebe salário família?

Aposentadoria por Invalidez Aposentadoria por Idade Aposentadoria por Tempo de Contribuição

Salário Maternidade SALÁRIO FAMÍLIA

Auxílio Acidente

Auxílio Doença

67

51:: O Garimpeiro em qualquer situação ele será CI?

O garimpeiro é SEMPRE CONTRIBUINTE INDIVIDUAL e, desde a Lei 11.685 de 2008, a sua

filiação só é permitida a partir dos 18 anos de idade. Assim, configurando mais uma exceção à

regra dos 16 anos do RGPS.

Lei 11.685

Art. 2 o Para os fins previstos nesta Lei entende-se por:

I - garimpeiro: toda pessoa física de nacionalidade brasileira que, individualmente ou em forma associativa, atue diretamente no processo da extração de substâncias minerais garimpáveis;

Art. 13.

GARIMPAGEM.

É PROIBIDO O TRABALHO DO MENOR DE 18 (DEZOITO) ANOS NA ATIVIDADE DE

IN77

Artigo 20

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

IV - a pessoa física, proprietária ou não, que explora atividade de extração mineral garimpo em

caráter permanente ou temporário, diretamente ou por intermédio de prepostos, com ou sem

o auxílio de empregados, utilizados a qualquer título, ainda que de forma não contínua, observado o art. 100;

52:: Eu imprimi a prova de 2008 que a Cespe elaborou para o cargo de técnico e fiz sem olhar no gabarito, quando terminei fiz a correção da prova e cometi erros de Previdenciário. Questão nº 88: Adolescente de 14 anos, menor aprendiz contratado de acordo com a lei n° 10.097/2000 é segurado empregado do RGPS? Eu respondi que não, não tem que ter no mínimo 16 anos de idade

O menor aprendiz é uma das exceções à idade de 16 para filiação ao RGPS. Além dele, nós temos o empregado doméstico que deve ter seu trabalho iniciado aos 18 anos. Talvez não caia na prova, MAS há também o garimpeiro também aos 18 anos, de acordo com o Estatuto do garimpeiro.

53:: O empregador doméstico é equiparado à empresa? O segurado especial é equiparado à empresa quando contrata empregados temporários a seu serviço? Por não está previsto expressamente na legislação previdenciária, podemos afirmar que não se tratam de pessoas equiparadas a empresas, certo?

Equiparam-se a empresa a cooperativa, associação ou a entidade de QUALQUER NATUREZA OU FINALIDADE, inclusive missão diplomática e repartição consular de carreiras estrangeiras, o operador portuário e o OGMO, o proprietário ou dono de obra de construção civil, quando pessoa física em relação a segurado que lhe presta serviço e o contribuinte individual em relação ao segurado que lhe presta serviço. A pessoa jurídica que contrata segurado do RGPS é considerada empresa. Não entendo que o empregador doméstico seja equiparado a empresa.

68

Lei 8212 Art. 15. Considera-se:

I empresa a firma individual ou sociedade que assume o risco de atividade econômica urbana ou rural, com fins lucrativos ou não, bem como os órgãos e entidades da administração pública direta, indireta e fundacional;

II empregador doméstico a pessoa ou família que admite a seu serviço, sem finalidade

lucrativa, empregado doméstico. Parágrafo único. Equipara-se a empresa, para os efeitos desta Lei, o contribuinte individual em relação a segurado que lhe presta serviço, bem como a cooperativa, a associação ou entidade de qualquer natureza ou finalidade, a missão diplomática e a repartição consular de carreira estrangeiras.

54:: Uma funcionaria dos Correios CLT, durante realização de seu trabalho (carteira) foi acometida de um câncer de pele e foi readaptada para atendimento em agência ficando assim não mais exposta ao Sol. Esta carteira passou por pericia e voltou ao trabalho agora interno. Ela, por ser dos correios, tem direito a alguém beneficio do RGPS?

Ela está regida pela CLT e é segurada empregada do RGPS

E-BOOK ATUALIZADO ATÉ 11.01.18 ::

Direito Previdenciário dúvidas sanadas 600 Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2
Direito Previdenciário dúvidas sanadas
600
Bruno Cunha www.facebook.com/professorbrunocunha2

IN77

Artigo 8

§ 6º Tendo em vista o tipo de vínculo com a Administração Pública Direta e Indireta de

qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, o servidor público civil será considerado:

V - empregado público: quando estiver subordinado ao regime jurídico da Consolidação das Leis Trabalhistas - CLT e vinculado, consequentemente, ao RGPS.

55:: Quando que o brasileiro que trabalha no exterior para organismo internacional será contribuinte individual?

Estou confusa porque ele poderá ser

- segurado empregado

Ou

- contribuinte individual Ou

- estar no RPPS

Quando cada situação acontece? Estou perdida

Caso trabalhe para os interesses da União (EMPREGADO) e se for para os interesses do ORGANISMO OFICIAL INTERNACIONAL (CONTRIBUINTE INDIVIDUAL).

 

EMPREGADO

 

CONTRIBUINTE

 
 

INDIVIDUAL

BRASILEIRO CIVIL

BRASILEIRO CIVIL

BRASILEIRO CIVIL

 

INTERESSES

DA

INTERESSES

DA