Você está na página 1de 270

Copyright © 2009 por Robert Wright

Todos os direitos reservados. Excepto conforme permitido no US Copyright Act de 1976, nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzido,
distribuído, ou transmitido em qualquer forma ou por qualquer meio, ou armazenada em
um sistema de banco de dados ou de recuperação, sem a prévia autorização por escrito do editor.

Little, Brown and Company


Hachette Book Group 237 Park Avenue, New York,
NY 10017 Visite o nosso Web site em www.HachetteBookGroup.com

Primeira edição eBook: Junho 2009

Little, Brown and Company é uma divisão da Hachette Book Group, Inc. A Little, nome e logotipo Brown são
marcas comerciais da Hachette Book Group, Inc.

ISBN: 978-0-316-73491-2
Conteúdo

Introdução de direitos

de autor

I: o nascimento e crescimento dos deuses

Chapter One: The Primordial Fé Chapter Two: The


Shaman
Capítulo Três: Religião na Idade da Chefias Capítulo Quatro: Gods dos
Estados antiga

II: a emergência do monoteísmo ABRAÂMICO

Capítulo Cinco: o politeísmo, a religião do antigo Israel Capítulo Seis: do


politeísmo ao monolatria Capítulo Sete: A partir monolatria para Monoteísmo
Capítulo Oito: Philo História

Capítulo Nove: Logos: O Algoritmo Divino

III: A INVENÇÃO DO CRISTIANISMO

Capítulo Dez: O que Jesus fez? Capítulo Onze: O


Apóstolo do Amor
Capítulo Doze: Survival of the Fittest Cristianismo Capítulo Treze: Como
Jesus se tornou Salvador

IV: O TRIUNFO DO ISLÃ

Capítulo Quatorze: O Alcorão Capítulo


Quinze: Meca Capítulo Dezesseis: Medina
Capítulo Seventeen: Jihad Capítulo Dezoito:
Muhammad

V: DEUS VAI GLOBAL (ou não se)

Capítulo Dezenove: A imaginação moral Capítulo Vinte: Bem,

nós não estamos especial? Epílogo: By the Way, que é

Deus?

Apêndice: Como Human Nature deu à luz Religião Uma nota sobre Traduções

Agradecimentos Notas

Bibliografia Sobre o autor


TAMBÉM POR ROBERT WRIGHT

Diferente de zero: A lógica do destino humano


O animal moral: a psicologia evolutiva e Vida Cotidiana três cientistas e os seus deuses: Procurando
Significado na Era da Informação
Para John, o meu
monitor odômetro
O parceiro no diálogo com Deus não é o homem individual, mas a espécie humana como um todo.

- Gordon Kaufman
Introdução

Eu uma vez foi denunciado no púlpito da igreja de minha mãe. O ano era 1994. O meu livro O Animal Moral tinha acabado de ser publicado,
e eu tinha a sorte de tê-lo extraído em Tempo
revista. O trecho foi sobre as várias maneiras em que a nossa natureza humana evoluiu complica o projeto do casamento. Um tal complicação é o
natural tentação, universalmente humano a se desviar, e que é o ângulo Tempo 's editores escolheu para caracterizar na capa da revista. Ao lado de
uma imagem gritante de uma aliança de casamento quebrado foram as palavras “Infidelidade: Ele pode estar em nossos genes.”

O pastor da Primeira Igreja Batista em Santa Rosa, Califórnia, viu este artigo como uma defesa sem Deus de mulherengo e disse isso numa
manhã de domingo. Após o serviço, minha mãe foi para a frente e disse a ele que seu filho era o autor do artigo. Eu estou disposto a apostar
que-tais são as maravilhas do amor maternal, ela disse com orgulho.

Até onde eu tinha caído! Voltar cerca de nove anos de idade, na Igreja Batista Emanuel em El Paso, Texas, eu tinha sentido o chamado de
Deus e caminhou até a frente da igreja como um evangelista visitante chamado Homer Martinez emitiu o “convite” -a chamada para os pecadores
não resgatados para aceitar Jesus como seu salvador. Poucas semanas depois, fui batizado pelo ministro da igreja. Agora, quase três décadas
depois, outro pastor batista estava me colocando na vizinhança geral de Satanás.

Duvido que, se este ministro tinha lido meu Tempo peça cuidadosamente, ele teria descido tão duro com ele. (Eu tinha realmente argumentou
que o impulso adúltera, embora natural, pode e deve ser resistida.) Por outro lado, havia pessoas que não lêem apenas o trecho, mas todo o livro e
concluiu que eu era algo sem Deus ou outro. Eu havia argumentado que as partes mais etéreos, uplifting da existência humana (amor, sacrifício, o
nosso próprio sentido da verdade moral) eram produtos da seleção natural. O livro parecia um trato-materialista completamente materialista como
em “materialista científico”, como em “A ciência pode explicar tudo em termos materiais, de modo que precisa de um Deus? Especialmente um
Deus que é acusado de alguma forma magicamente transcender o universo material.”

Eu acho que “materialista” é um termo não muito enganosa para mim. Na verdade, neste livro eu falo sobre a história da religião, e do seu
futuro, do ponto de vista materialista. Eu acho que a origem eo desenvolvimento da religião pode ser explicado por referência ao concreto, as
coisas humanos observáveis ​natureza, fatores políticos e econômicos, mudança tecnológica, e assim por diante.

Mas eu não acho que uma conta de “materialista” de origem, a história da religião, e futuro-como o que eu estou dando aqui, impede a
validade de uma cosmovisão religiosa. Na verdade, eu afirmo que a história da religião apresentado neste livro, materialista que seja, na verdade,
afirma a validade de uma cosmovisão religiosa; não um tradicionalmente visão de mundo religiosa, mas uma visão de mundo que está em algum
sentido significativo religiosa.

Parece paradoxal. Por um lado, acho deuses surgiu como ilusões, e que a história posterior da idéia de Deus é, em certo sentido, a evolução
de uma ilusão. Por outro lado: (1) a história desta evolução em si aponta para a existência de algo que você pode significativamente chamar a
divindade; e (2) a “ilusão”, no curso da evolução, ficou simplificada de uma forma que mudou-se mais perto de plausibilidade. Em ambos os
sentidos, a ilusão tem obtido cada vez menos ilusória.

Isso faz sentido? Provavelmente não. Eu espero que até o final do livro. Por agora eu deva admitir que o tipo de Deus que permanece
plausível, afinal este processo de racionalização não é o tipo de Deus que os crentes mais religiosos atualmente tem em mente.

Há duas outras coisas que eu espero fazer um novo tipo de sentido até o final deste livro, e ambos são aspectos da situação atual do mundo.

Um deles é o que algumas pessoas chamam de um choque de civilizações, a tensão entre o Ocidente judaico-cristão eo mundo
muçulmano, como visivelmente manifestada em 11 de setembro de 2001. Desde aquele dia, as pessoas foram se perguntando como, se em
tudo, o mundo religiões abraâmicas pode se dar bem uns com os outros como forças de globalização estão em contacto cada vez mais perto.

Bem, a história está cheia de civilizações chocam, e para essa matéria, de civilizações não colidir. E a história do papel desempenhado pelas
religiosas ideias-atiçar o fogo ou amortecendo as chamas, e muitas vezes a mudança no processo de é instrutiva. Eu acho que nos diz o que
podemos fazer para tornar o “choque” atual mais propensos a ter um final feliz.

O segundo aspecto da situação mundial atual vou abordar um outro tipo de choque-o “choque” muito- discutido entre ciência e religião. Tal
como o primeiro tipo de confronto, este tem uma história longa e instrutiva. Ele pode ser rastreada pelo menos já em antiga Babilônia, onde
eclipses tanto tempo tinha sido atribuídos a seres sobrenaturais inquietos e malignos foram subitamente encontrado para ocorrer em
intervalos-previsíveis previsíveis o suficiente para fazer você se perguntar se os seres sobrenaturais inquietos e malignos foram realmente
o problema.
Tem havido muitos desses inquietantes (do ponto de vista da religião) descobertas desde então, mas sempre alguma noção do divino
sobreviveu ao encontro com a ciência. A noção teve que mudar, mas isso não é acusação da religião. Afinal, a ciência mudou inexoravelmente, a
revisão se não descartando velhas teorias, e nenhum de nós pensar que como uma acusação da ciência. Pelo contrário, pensamos que esta
adaptação em curso está a levar a ciência mais perto da verdade. Talvez a mesma coisa está acontecendo com a religião. Talvez, no final, uma
conta impiedosamente científico de nossa situação, tais como a conta que tem me denunciou a partir do púlpito da minha mãe igreja é realmente
compatível com uma visão de mundo verdadeiramente religiosa, e é parte do processo que refina uma visão religiosa do mundo , movendo-o mais
perto de verdade.

Estas duas perguntas grandes “choque” pode ser colocado em uma frase: religiões no mundo moderno pode reconciliar-se uns aos outros, e
podem-se conciliar a ciência? Penso que os seus pontos de história às respostas afirmativas.

O que as religiões parecer após tal adaptação? Esta questão é surpreendentemente fácil de responder, pelo menos em linhas gerais.
Primeiro, eles terão de enfrentar os desafios ao bem-estar psicológico humano que são colocados pelo mundo moderno. (Caso contrário eles não
vão ganhar aceitação.) Em segundo lugar, eles terão de destacar alguns “propósito maior” -alguns tipo de ponto de maior ou padrão que podemos
usar para nos ajudar a orientar nossas vidas diárias, reconhecer o bem eo mal, e fazer sensação de alegria e sofrimento iguais. (Caso contrário,
não será religiões, pelo menos não no sentido de que eu quero dizer a palavra “religião”.)

Agora para as questões realmente duras. Como vai religiões gerenciar essas façanhas? (Supondo que eles fazem, e se não, então todos nós,
crentes, agnósticos e ateus tanto-pode estar em apuros.) Como é que as religiões se adaptar à ciência e ao outro? O que seria uma religião bem
adequado para uma era de ciência avançada e rápida globalização parece? Que tipo de finalidade seria apontar, que tipo de orientação que iria
fornecer? Existe uma visão de mundo intelectualmente honesto que realmente qualifica como religiosa e pode, em meio ao caos do mundo atual,
fornecer orientação pessoal e conforto-e talvez até mesmo tornar o mundo menos caótico? Não tenho a pretensão de ter as respostas, mas indícios
claros emergir naturalmente no curso de contar a história de Deus. Então aqui vai.
Eu

O nascimento e crescimento dos deuses

Resumindo, então, pode-se dizer que quase todas as grandes instituições sociais ter nascido na religião.

- Émile Durkheim
Capítulo um

A Fé Primordial

T ele Chukchee, um povo indígena para a Sibéria, tinha sua própria maneira especial de lidar com ventos incontroláveis. Um homem Chukchee
cantavam, “ocidental vento, olhe aqui! Olhe para baixo em minhas nádegas. Vamos dar-lhe um pouco de gordura. Cessar soprando “O visitante
europeu do século XIX que relatou este ritual descreveu-o como segue:“O homem de pronunciar o encantamento deixa as calças cair, e dólares de
sotavento, expondo suas nádegas nuas ao vento. Em cada palavra que ele bate as mãos.” 1

Até o final do século XIX, os viajantes europeus tinham compilado muitos relatos de rituais em terras distantes e pouco conhecidos. Algumas
dessas terras eram habitadas por pessoas conhecidas como selvagens-pessoas cuja tecnologia não incluem a escrita ou mesmo a agricultura. E
alguns de seus rituais parecia, como este, estranho.

Poderia um ritual como este ser chamado religioso? Alguns europeus refreada no pensamento, ofendido pela comparação implícita entre as
suas formas elevados de culto e tentativas grosseiras para apaziguar natureza.

Talvez por isso Sir John Lubbock, um antropólogo britânico final do século XIX-, prefaciado sua discussão da religião “selvagem” com uma
advertência. “É impossível para discutir o assunto sem mencionar algumas coisas que são muito repugnante para nossos sentimentos”, escreveu
ele em A origem da civilização e da condição primitiva do homem. Mas ele fez seus leitores uma promessa. Ao explorar esse “espetáculo
melancólico de superstições bruta e formas ferozes de culto”, ele iria “envidar esforços para evitar, na medida do possível, qualquer coisa que
poderia justamente dar dor para qualquer um dos meus leitores.” 2

Uma dor Lubbock poupou seus leitores era o pensamento de que seus cérebros podem ter muito em comum com cérebros selvagens. “A
condição mental inteiro de um selvagem é tão diferente da nossa, que muitas vezes é muito difícil seguir o que está passando em sua mente, ou
para entender os motivos pelos quais ele é influenciado.” Embora selvagens fazer “têm uma razão, tal como é, para o que eles fazem eo que eles
acreditam, suas razões, muitas vezes são muito absurdo.”o selvagem evidencia‘inferioridade mental, extremo,’e sua mente‘ como a da criança, é
facilmente cansado.’ 3 Naturalmente, então, as idéias religiosas do selvagens “não são o resultado de uma profunda reflexão.”

Portanto, não havia garantias em grande quantidade para os leitores de Lubbock: “A religião, como entendido pelos raças selvagens
inferiores,” não só é diferente da religião civilizada De fato, se conceder o título de “religião” sobre os rituais grosseiras e supersticioso “mas mesmo
oposto.” medos que os observadores da sociedade selvagem relataram, em seguida, “não podemos mais considerar a religião como peculiar ao
homem.” para o “latido de um cão para a lua é tanto um ato de adoração como algumas cerimônias que foram assim descritos pelos viajantes “.

4 Talvez não deveria nos surpreender que um cristão britânico bem-educado seria tão menosprezar elementos de “religião primitiva.” ( “A religião
primitiva” denota a religião dos povos iletrados amplamente, seja de caçadores-coletores ou agrária.) Afinal, na primitiva religião existe profunda
reverência por superstição cru. presságios obscuros frequentemente nas decisões de guerra e paz. E os espíritos dos mortos podem fazer
travessuras-ou maio, através da mediação de um xamã, oferecer conselhos. Em suma, a religião primitiva está cheia das coisas que foi
famosamente postos de lado quando o monoteísmo levada para fora do Egito por Moisés deslocou o paganismo de Canaã.

Mas, na verdade, que o deslocamento não era tão clara cortar, ea prova está na própria Bíblia, embora partes da Bíblia que não são muito
lidos por crentes modernos. Lá você encontrará o primeiro rei de Israel, Saul, indo incógnito a um meio e pedindo-lhe para levantar o profeta
Samuel da sepultura para a entrada de política. (Samuel não é divertido: “Por que você me perturbou, fazendo-me subir?”) 5 Lá você também
encontrará superstição cru. Quando o profeta Eliseu, preparando rei Joás para a batalha contra os sírios, diz a ele para tocar o solo com algumas
flechas, ele está decepcionado com os resultantes três greves: “Você deveria ter atingido cinco ou seis vezes; então você teria derrubado Aram até
que você tinha feito uma final, mas agora você vai derrubar Aram apenas três vezes.” 6

Mesmo o melhor em abraâmica teológica refinamento-monoteísmo em si, acaba por ser uma característica da Bíblia que vem e vai. Embora
grande parte da escritura pressupõe a existência de um único Deus, algumas partes encontrar um tom diferente. O livro de Gênesis recorda o
momento em que um grupo de divindades masculinas desceu e fez sexo com as fêmeas humanas atraentes; esses deuses “entrou para as filhas
de seres humanos, que levavam as crianças para eles.” (E não crianças comuns: “Estes foram os heróis que houve na antiguidade, os guerreiros
de renome.”) 7

Aqui e em outros lugares, a Bíblia hebraica mais antiga escritura na tradição abraâmica, e nesse sentido o ponto de partida para o judaísmo,
cristianismo e islamismo-mantém restos reveladoras de sua ancestralidade. Aparentemente, o monoteísmo de Abraão cresceu organicamente
fora do “primitivo” por um processo mais evolucionário do que revolucionário.

Isso não significa que há uma linha de descendência cultural entre as religiões “primitivas” sobre o registro antropológico e as religiões
“modernos”. Não é como se três ou quatro milênios atrás, as pessoas que tinham sido falando com o vento enquanto puxa suas calças para
baixo começou a falar com Deus enquanto
ajoelhado. Pelo que sabemos, a ancestralidade cultural do judaísmo, cristianismo e islamismo inclui nenhuma tradição de falar com o vento em
tudo, e certamente não há nenhuma razão para pensar que Chukchee religião é parte dessa ascendência-que volta no primeiro ou segundo milênio
cultura BCE, Chukchee na Sibéria alguma forma influenciado cultura do Oriente Médio.

Ao contrário, a idéia é que “primitivo” religião amplamente, como registrado por antropólogos e outros visitantes, pode nos dar uma idéia do
ambiente ancestral das religiões modernas. Através da casualidade de isolamento geográfico, culturas como a Chukchee escapado da revolução
tecnológico advento da escrita, que colocou outras partes do mundo sobre o registro histórico e os empurrou para a modernidade. Se estas culturas
“primitivas” não nos mostram as religiões pré-históricas particulares dos quais as religiões gravadas primeiros surgiram, eles pelo menos nos dar
uma imagem geral. Embora oração monoteísta não crescer fora de rituais Chukchee ou crenças, talvez a lógica da oração monoteísta que crescem
fora de um tipo da crença Chukchee realizada, a noção de que as forças da natureza são animados por mentes ou espíritos que você pode
influenciar através da negociação.

Savage Logic

Isso, na verdade, era a teoria de um dos contemporâneos de John Lubbock, Edward Tylor, um pensador muito influente, que é às vezes
chamado o fundador da antropologia social. Tylor, um conhecido e, por vezes crítico de Lubbock, acreditava que a forma primordial da religião
era “animismo”. A teoria do animismo de Tylor estava entre os estudiosos de sua época a explicação dominante de como a religião começou.
It “conquistou o mundo de um só golpe”, 8 um antropólogo início do século XX-escreveu.

A teoria de Tylor foi baseada em um paradigma que permeava a antropologia no final do século XIX, em seguida, caiu em desuso por muitas
décadas, e recentemente fez um retorno: evolução cultural. A ideia é que a cultura humana como amplamente definido -art, política, tecnologia,
religião, e assim por diante-evolui em muito as espécies biológicas forma como evoluir: novos traços culturais surgem e podem florescer ou
perecer, e, como resultado instituições inteiras e sistemas de crenças formar e mudar. Um novo ritual religioso pode aparecer e ganhar uma
sequência (se, por exemplo, considera-se um neutralizador de vento eficaz). Novos deuses podem nascer e depois crescer. Novas idéias sobre
deuses podem surgir-como a ideia de que há apenas um deles. teoria do animismo de Tylor destinada a explicar como essa idéia, o monoteísmo,
tinha evoluído para fora da religião primitiva.

“Animismo” às vezes é definida como a atribuição de vida aos rios e nuvens inanimados-considerando e estrelas vivas. Isso é parte do
que Tylor significa o termo, mas não todos. O animista primitiva, no esquema de Tylor, viu vivos e não vivos coisas iguais como habitado
por-animado por-uma alma ou espírito; rios e nuvens, pássaros e animais e pessoas, também tinha esse “fantasma-soul”, esta “vapor, filme ou
sombra,” esta “causa da vida e pensamento no indivíduo que anima.” 9

A teoria de Tylor repousava sobre uma visão mais lisonjeiro da mente “primitiva” do que Lubbock realizada. (Tylor é creditado com uma
doutrina que se tornou um dos pilares da antropologia social “unidade psíquica da humanidade,” a ideia de que as pessoas de todas as raças são
basicamente os mesmos, de que existe uma natureza humana universal.) Ele viu o animismo não tão bizarramente inconsistente com o
pensamento moderno, mas como um produto cedo natural da mesma curiosidade especulativa que levou ao pensamento moderno. Animismo
tinha sido a “filosofia infantil da humanidade”, montado por “antigos filósofos selvagens”. 10 Ele fez o que boas teorias é suposto fazer: explicar os
fatos de outra forma misteriosa economicamente.

Para começar, a hipótese de que os seres humanos têm um fantasma-soul com folga responde a algumas perguntas que, na visão de Tylor,
deve ter ocorrido para os primeiros seres humanos, tais como: O que está acontecendo quando você sonha? sociedades primitivas usar a noção da
alma humana para resolver este enigma. Em alguns casos, a ideia é que o fantasma alma do sonhador vagueia durante o sono, com as aventuras
do sonhador mais tarde recorda; décadas depois de Tylor escreveu, o antropólogo AR Radcliffe-Brown observou que Andaman Islanders estavam
relutantes em despertar as pessoas, uma vez que a doença pode acontecer se o sono foi interrompido antes que a alma voltou para casa. 11 Em
outros casos, a idéia é que o sonhador está sendo visitado por as almas dos outros. Em Fiji, Tylor observou, as almas das pessoas foram pensados
​para deixar seus corpos “incomodar outras pessoas em seu sono.” 12

E a idéia de que as almas de pessoas mortas voltar a visitar via sonhos é generalizada nas sociedades primitivas. 13 Assim animismo lida com
outro enigma que confrontou os primeiros seres humanos: a própria morte. Morte, neste cenário, é o que acontece quando a alma verifica para fora
do corpo para o bem.
Uma vez que os primeiros seres humanos tinha concebido a idéia da alma, Tylor disse, estendendo-o para além de nossa espécie era lógico.
O selvagem não poderia ajudar, mas “reconhecer em animais as características que atribui à alma humana, ou seja, os fenômenos da vida e da
morte, vontade e julgamento.” E plantas “, participando com os animais os fenômenos da vida e da morte, saúde e doença, como é natural ter
algum tipo de alma que lhes é atribuído.” 14

Para essa matéria, a ideia de que paus e pedras têm alma é racional se visto do ponto de vista de “uma tribo inculta.” Afinal, não paus e pedras
aparecem em sonhos? não fantasmas que vemos durante o sonho, ou enquanto delirando de febre, usar roupas ou portar armas? “Como então
podemos cobrar o selvagem com absurdo rebuscado para ter em sua filosofia e religião
uma opinião que repousa sobre a própria evidência de seus sentidos?”Tylor pode ter tido Lubbock em mente quando disse dos povos
primitivos“, a própria afirmação de que suas ações são sem motivo, e as suas opiniões absurdo, é por si só uma teoria, e, eu segure, um
profundamente falsa, inventada para dar conta de todos os tipos de coisas que aqueles que não compreendê-los poderia, portanto, facilmente
explicam.” 15

Uma vez que uma visão de mundo ampla animista tinha tomado forma, Tylor acreditava, ele começou a evoluir. Em algum ponto, por exemplo,
a noção de cada árvore ter um espírito deu lugar à noção de árvores que estão sendo coletivamente regidos por “o deus da floresta.” 16 Este
politeísmo incipiente, em seguida, amadureceu e eventualmente foi racionalizado em monoteísmo. Em 1866, num artigo na Quinzenal Review, Tylor
resumiu todo o processo no que pode ser a única história de uma frase da religião já publicada e também pode ser uma das frases mais longas de
qualquer tipo já publicado:

Para cima a partir da teoria mais simples que atribui vida e personalidade ao animal, vegetal e mineral iguais-through que dá a pedra e
plantas e fluviais espíritos guardiões que viver entre eles e atender a sua preservação, crescimento e mudar-se para o que vê em cada
departamento do mundo a proteger e promover cuidados de uma divindade apropriada, e, finalmente, de um Ser Supremo ordenação e
controlar os mais baixos da hierarquia-through todas essas gradações de opinião que pode assim ver travada, em um estágio após o
outro, o concurso de longo travada entre a teoria da animação que representa para cada fenômeno da natureza, dando-lhe em todos os
lugares uma vida como a nossa, e uma ciência natural lentamente crescente que em um departamento depois de outros substitutos para
a ação voluntária independente a elaboração de sistemática lei. 17

Alguma pergunta?
Houve muitos deles, na verdade. A teoria de Tylor não manteve a estatura que já teve. Alguns queixam-se que faz a evolução dos deuses
soar como um exercício de pura razão, quando na verdade a religião foi profundamente moldada por muitos fatores, que vão da política à
economia na infra-estrutura emocional humana. (Uma diferença entre evolução cultural moderno e que nos dias de Tylor é a ênfase moderna
sobre as várias maneiras que “memes” -rituals, crenças e outros elementos básicos da cultura espalhar apelando para partes não-racionais da
natureza humana.)

Ainda assim, vista em um sentido amplo de Tylor mantém-se bem hoje. No entanto diversificado as forças que moldam a religião, seu ímpeto
no início de fato parece ter vindo em grande parte de pessoas que, como nós, estavam tentando fazer o sentido do mundo. Mas eles não têm o
património da ciência moderna para dar-lhes uma vantagem, então eles chegaram a conclusões pré-científicas. Então, como compreensão do
mundo grew- especialmente à medida que crescia através da ciência-religião evoluiu em reação. Assim, Tylor escreveu, faz “uma linha ininterrupta
de conexão mentais” unir “o fetichista selvagem e o cristão civilizado.” 18

Neste nível de generalidade, visão de mundo de Tylor não apenas sobreviveu ao escrutínio da ciência moderna, mas desenhado força dela. A
psicologia evolutiva tem mostrado que, bizarro que algumas crenças “primitivas” pode soar-e bizarro como alguns “modernos” crenças religiosas
pode soar aos ateus e agnósticos-são consequências naturais da humanidade, produtos naturais de um cérebro construído pela seleção natural
para fazer sentido do mundo com uma miscelânea de ferramentas cuja produção conjunta não é totalmente racional.

Elaboração do entendimento moderno de como “primitiva” religião surgiu da mente humana pode ser encontrada no apêndice deste livro.
Por agora o ponto principal é que, mesmo se o cenário animismo-to-monoteísmo de Tylor parece deficiente a partir de um ponto de vista
moderno, ainda há muita coisa que faz sentido. Em particular: compreender as fases iniciais na evolução dos deuses, e de Deus, temos que
imaginar como o mundo olhou para as pessoas que vivem há muitos milênios atrás, e não apenas antes da ciência, mas antes de escrever ou
até mesmo a agricultura; e não há melhor ajuda para que a experiência do pensamento do que imergindo-nos na visão de mundo das
sociedades de caçadores-coletores que têm sido observados por antropólogos-a visão de mundo de “selvagens”, como ambos Lubbock e Tylor
diria.

Claro, seria bom para observar literalmente sociedades pré-históricas, as sociedades cuja religião realmente se evoluir para as religiões
antigas no registro histórico. Mas não pode haver registros detalhados de crenças que existiam antes de escrever; tudo o que resta é o material
arqueólogos encontrar -ferramentas e quinquilharias e, aqui e ali, uma pintura caverna. Se a grande vazio deixado pela fase preliterate da
humanidade deve ser preenchido, ele terá de ser preenchido pela vasta literatura sobre sociedades de caçadores-coletores observados.

Usando caçadores-coletores como janelas para o passado tem seus limites. Por exemplo, o registro antropológico não contém culturas de
caçadores-coletores “imaculadas”, culturas totalmente não corrompidos pelo contato com sociedades mais tecnologicamente avançados. Afinal, o
processo de observar uma cultura envolve contato com ele. Além disso, muitas sociedades de caçadores-coletores tinham sido contactado por
missionários ou exploradores antes que alguém começou a documentar as suas religiões.

Então, novamente, na medida em que as crenças religiosas de uma cultura indígena parece “estranho” pouca semelhança -bear às crenças
das culturas que entraram em contato com ele, então esse contato é uma explicação provável para eles. A prática de oferecer nádegas nuas ao
vento, por exemplo, parece improvável que tenha sido ensinado ao Chukchee por um missionário cristão da Inglaterra vitoriana.

Quando uma categoria “estranho” de crença é encontrado em sociedades de caçadores-coletores em vários continentes,
então é ainda menos provável que seja uma mera importação, e mais provável que seja um produto genuíno do estilo de vida de
caçadores-coletores. Como estamos prestes a ver, não há falta de noções de caçadores-coletores que passam estes dois testes: eles são
generalizados e-aos nossos olhos-estranha. Assim, com confiança justo podemos reconstruir a paisagem espiritual de tempos pré-históricos, de
volta antes de religião entrou no registro histórico.

Ninguém mais acredita, como alguns do século XIX antropólogos fez, que a observada caçadores-coletores são exemplos cristalinos da
religião em seu momento de dezenas de origem de milhares de anos atrás. Mas eles são os melhores pistas que nunca vamos ter de crenças
religiosas genéricos cerca de 12.000 aC, antes da invenção da agricultura. pinturas rupestres são atraentes, mas eles não falam.

Caçadores-coletores Gods

O Klamath, um caçador-coletores pessoas no que é agora Oregon, falou. E, felizmente para nós, eles conversaram com alguém que eles
entendida mais claramente do que os visitantes geralmente compreender os povos indígenas: Albert Samuel Gatschet, um linguista pioneiro que
na década de 1870 compilou um dicionário e gramática da língua Klamath. Os escritos de Gatschet sobre a captura algo Klamath encontrada em
todas as culturas de caçadores-coletores: crença em seres sobrenaturais-e sempre mais do que um deles; não existe tal coisa como uma
sociedade de caçadores-coletores indigenously monoteísta.

Na verdade, o registro antropológico revela pelo menos cinco diferentes tipos de seres sobrenaturais de caçadores-coletores, alguns dos quais são
encontrados em todas as sociedades de caçadores-coletores e a maioria dos quais são encontrados na maioria das sociedades de caçadores-coletores.
cultura Klamath, com uma teologia rico, ilustra todos os cinco. 19

Hunter-coletores ser sobrenatural Tipo I: espíritos elementais. Partes da natureza que os cientistas modernos consideram inanimado pode estar viva,
possuindo inteligência e personalidade e uma alma. Assim, o funcionamento da natureza pode se tornar um drama social. Quando o Klamath viu
nuvens obscureciam a lua, isso poderia significar que Muash, o vento sul, estava tentando matar a lua-e na verdade pode ter sucesso, embora a lua
parece sempre ter chegado ressuscitado no final.

Hunter-coletores ser sobrenatural Tipo II: fantoches. Partes da natureza podem ser controlados por seres distintos das partes da natureza
se. Por Klamath acerto de contas, o vento oeste foi emitida por uma anã flatulento, cerca de trinta polegadas de altura, que usava um
vestido de camurça e um chapéu cesta (e que pode ser visto na forma de uma rocha em uma montanha nas proximidades). O Klamath,
por vezes, pediu-lhe para explodir os mosquitos longe de Pelican Bay. 20

Combinando seres sobrenaturais dos tipos I e II em um único cenário é possível. Os turbilhões Klamath acreditava serem accionados por um
espírito interno, Shukash. Os Modoc caçadores-coletores próximas, embora concordando, acredita que Shukash foi, por sua vez controlada pela
Tchitchatsa de cinzas, ou “Big Belly”, cujo estômago ossos alojados que sacudiu, criando som assustador do redemoinho. 21 Tais diferenças
teológicas são encontrados não apenas entre diferentes sociedades de caçadores-coletores, mas dentro deles. Assim Leme-ish, espírito trovão do
Klamath, às vezes era falado como uma entidade única, mas foi dito às vezes consistem de cinco irmãos que, depois de ter sido banido da
sociedade educado, agora fez barulho para assustar as pessoas. (Estas divergências interpretativas formar a matéria-prima da evolução cultural,
assim como mutações biológicas criar as diversas características que se alimentam evolução genética.)

Hunter-coletores ser sobrenatural Tipo III: espíritos orgânicos. fenômenos naturais que, mesmo que consideramos vivo pode ter poderes
sobrenaturais. O coiote, por exemplo, abrigava maus espíritos, e, Gatschet observou, “sua voz lúgubre é o pressagiador de guerra, desgraça e
morte.” 22 Uma espécie de ave poderia fazer neve, e outra feita nevoeiro. Alguns espíritos animais poderia ajudar a curar doenças Klamath, uma
colaboração facilitada por um espírito chamado Yayaya de cinzas, que assumiria a forma de um homem de uma perna só e levar um homem a
medicina para a casa desses espíritos animais para a consulta.

Hunter-coletores ser sobrenatural Tipo IV: espíritos ancestrais. sociedades de caçadores-coletores quase sempre apresentam espíritos dos
falecidos, e, normalmente, esses espíritos fazer pelo menos tanto ruim quanto bom. espíritos ancestrais, Gatschet escreveu, eram “objetos de
medo e abominação, sentimentos que são aumentadas por uma crença na sua onipresença e invisibilidade.” 23

Hunter-coletores ser sobrenatural Tipo V: o alto deus. Algumas sociedades de caçadores-coletores, embora não todos, têm um “alto deus.” Este
não é um deus que controla os outros deuses. (Um antropólogo precoce do século XX escreveu sobre a Klamath, com traços de desaprovação:
“não houve nenhuma tentativa de mobilizar os espíritos em um panteão ordenada.”) 24 Em vez disso, um deus alta é um deus que está em algum
sentido vago mais importante do que outros seres sobrenaturais, e muitas vezes é um deus criador. Para o Klamath isso foi Kmukamtch, que
habitavam o sol. Kmukamtch criou o mundo, então criou o Klamath-se (de uma baga roxa), e continuou a sustentá-los, apesar de ter sido
conhecida a chover piche ardente sobre a sua criação, em um acesso de raiva. 25 *

Então, qual foi o ponto de todos esses deuses e / ou espíritos? (A linha entre “deuses” e “espíritos” é confuso na melhor das hipóteses. Eu vou usar a
palavra “deuses” amplamente suficientes para cobrir ambos.) Obviamente, uma coisa destas
deuses fizeram para o Klamath é explicar o funcionamento de outra forma misteriosas da natureza. O inventário acima de seres sobrenaturais
(apenas a ponta do iceberg Klamath) explica por que neva, porque o vento sopra, por nuvens obscurecem a lua, por trovão falhas, por que os
sonhos contêm pessoas mortas, e assim por diante. Toda sociedade de caçadores-coletores conhecida explicou semelhante dinâmica natural em
sobrenaturais termos, ou pelo menos em termos que nós considerar sobrenatural; para caçadores-coletores, esses seres invisíveis estão
perfeitamente ligado ao mundo observado de natureza, assim como, na ciência moderna, a força gravitacional é perfeitamente ligado ao
observado, lua orbitando.

Isso nos leva a uma das propriedades mais irônicas de caçadores-coletores religião: ela não existe. Ou seja, se você pediu
caçadores-coletores que sua religião é, eles não saberiam o que você estava falando. Os tipos de crenças e rituais que costumamos chamar
“religioso” são tão fortemente entrelaçada em seu pensamento e ação que eles não têm uma palavra para eles todos os dias. Podemos rotular
algumas de suas explicações de como o mundo funciona “sobrenatural” e outros “naturalista”, mas essas são as nossas categorias, não deles.
Para eles, parece apropriado para responder a doença, tentando descobrir o que Deus fez com que ele, assim como para nos parece apropriado
para procurar o germe que o causou. 26 Esta multa entrelaçamento do-in nossas peças termos religiosos e não-religiosos da cultura continuaria bem
na história registrada. Hebraico antigo, a língua da maior parte da Bíblia Sagrada, não tinha palavra para a religião.

Com todo o respeito para o costume de caçador-coletor (e para o hebraico antigo), vou continuar a usar palavras como “religião” e
“sobrenatural” -partly para uma comunicação fácil com os leitores que os utilizam, e em parte por uma razão mais profunda: I acho que as partes
da vida de caçadores-coletores que rotulam “religioso” são amostras da cultura humana que, através da evolução cultural, foram transmutadas
em religião moderna.

Quando coisas ruins acontecem a pessoas boas

Além de um interesse geral na forma como o mundo funciona, caçadores-coletores evidenciam um interesse particular na questão do porquê mau coisas
acontecem. De acordo com os Haida nativos americanos do Pacific Coast norte, terremotos acontecem quando muito grande cachorro de uma
divindade submarina (cujo trabalho é manter-se as ilhas em que o Haida ao vivo) agita-se. 27 Se os pigmeus Mbuti da região Congo da África
encontrar parte da floresta desprovida de jogo, isso significa que o keti, espíritos da floresta que são eles próprios caçadores ávidos, ter chegado lá
primeiro. 28 Quando um! Kung Bushman do Deserto do Kalahari fica doente, é provável que o trabalho de gauwasi espíritos-que -ancestral pode estar
agindo a mando de um deus. 29

Claro, os caçadores-coletores não são as únicas pessoas têm perguntado por que coisas ruins acontecem. A tradição cristã sozinha gerou
salas cheias de tratados sobre esta questão. Mas os caçadores-coletores fazer um trabalho melhor de responder à pergunta que muitos teólogos
modernos; pelo menos, as respostas dos caçadores-coletores são menos atormentada por paradoxo. Teólogos no -Jewish linhagem abraâmica,
cristã ou islâmica, são limitados desde o início por uma premissa dura: que a realidade é governada por um Deus onisciente, todo-poderoso, e bom.
E por que tal deus, capaz de curar câncer de amanhã, em vez disso assistir pessoas inocentes sofrem é um enigma. Basta perguntar a Jó, que
depois de anos de piedade foi atingido por um desastre. Ao contrário da maioria vítimas inocentes, Job foi permitido interrogar o próprio Deus sobre
a injustiça aparente de tudo isso, mas no final foi forçado a se contentar com esta resposta: você não entenderia. Numerosos teólogos têm lutado
com esta questão longamente livro só para encerrar concordando.

No universo de caçadores-coletores, o problema do mal não é tão desconcertante, porque o sobrenatural não assumir a forma de um único
ser todo-poderoso, muito menos um moralmente perfeito. Pelo contrário, o reino sobrenatural é povoada por vários seres que, como regra, são
notavelmente como seres humanos: eles não são sempre de bom humor, e as coisas que colocá-los em um mau humor não tem que fazer muito
sentido .

Por exemplo, Karei, deus do trovão dos semang caçadores-coletores do Sudeste Asiático, iria ficar irado se ele viu pessoas pentear o cabelo
durante uma tempestade ou assistindo cães acasalar. 30 Nas Ilhas Andaman, o deus da tempestade Biliku poderia voar em uma raiva se alguém
derreteu a cera de abelha ou fez um barulho alto, enquanto as cigarras cantavam. O antropólogo britânico AR Radcliffe-Brown, enquanto estudava
o Andaman Islanders um século atrás, notei que eles fizeram, de facto, derreter a cera de abelha, esperando Biliku não notaria. Radcliffe-Brown
perplexo com esta “variação entre seus preceitos e suas ações.” 31 Mas não é claro que “preceito” é a palavra certa para uma regra estabelecida por
uma divindade que não é um farol moral para começar. Radcliffe-Brown tinha vindo de uma cultura em que “deus” significava bom, mas que a
equação é quase universal, e entre os caçadores-coletores é apenas sobre desconhecida.

Assim, Kmukamtch, o deus do sol Klamath, nutria ressentimento mesquinho de seu filho adotivo bonito, Aishish, e assim passou muito tempo
e energia roubar as roupas de Aishish e experimentá-los. (Isso explica por que o sol é às vezes cercado por roupas de contas de pequenas nuvens
inchado-Aishish.)
32 Pior ainda, Kmukamtch estava sempre tentando seduzir mulheres de Aishish. Mas isso não é nada comparado com o comportamento de Gaona,

o alto deus dos! Kung caçadores-coletores da África, que estupraram a mulher de seu filho e comeu dois irmãos-de-lei. 33

Quando más Pessoas impune


Que os deuses caçadores-coletores não são modelos de virtude ajuda a explicar uma observação feita por mais de um antropólogo:
caçadores-coletores geralmente não “adoração” seus deuses. Na verdade, muitas vezes eles tratam os seus deuses como você trataria um mero
humano-gentilmente em alguns dias, menos gentilmente sobre os outros. O Ainu, os aborígines do Japão, às vezes, tentar ganhar o favor divino
com as ofertas de cerveja de milho, mas se os deuses não retribuir com sorte, o Ainu iria ameaçar a reter cerveja futuro, a menos que as coisas
melhoraram. 34 ! homens Kung medicina têm sido conhecidos para pontuar uma dança de cura por censurar um deus chamado Gauwa para trazer a
doença: “penis descobertos! Você é mau." 35 Se Gauwa (algo como um trapalhão), em seguida, trouxe o remédio errado, um homem medicina
gritava: “Idiota! Você fez errado. Você me faz vergonha. Vá embora “Crude mas eficaz:. Vezes Gauwa voltou com o remédio certo. 36

Mesmo quando os caçadores-coletores fazer mostrar respeito ritualizada para deuses, o respeito muitas vezes parece mais medo do que
reverente, e o ritual não muito formal. O Semang, confrontado com uma violenta tempestade e ciente de que resultou de terem cães assistiram
acasalar ou de alguma infração comparável, que tentam desesperadamente fazer as pazes, rasgando suas pernas, misturando o sangue com
água, jogando-o na direção geral do deus relevante , e gritando: “Pare! Pare!" 37

Ainda assim, às vezes rituais de caçadores-coletores são suficientemente solene de que você pode imaginar-los a evoluir para algo parecido
com um culto de adoração moderna. No início do século XX, quando o explorador Knud Rasmussen visitou algumas Inuit (conhecida como
esquimó no seu dia), observou a gravidade com que adivinhava os juízos de Takanakapsaluk, deusa do mar. No momento da sua visita, focas e
outro jogo mar eram escassos. A deusa do mar era conhecido por reter tais recompensas quando o Inuit violou suas regras. (Compreensivelmente,
uma vez que suas violações se tornou sujeira, desviou-se para o fundo do mar, emaranhado seu cabelo, e envolta dela na imundície sufocante.)
Assim, o Inuit montado em uma habitação escura e fechou os olhos enquanto o seu xamã, atrás de uma cortina, descido para o fundo do mar e
aproximou Takanakapsaluk. Ao saber a fonte de seu pique, ele voltou para o Inuit e exigiu saber qual deles tinha cometido as transgressões Ela
citou. Confissões foram próximo, de modo que as perspectivas para a caça vedação melhorada. O humor iluminou.

Neste caso, “preceito”, a palavra Radcliffe-Brown dubiously aplicada a ditames do deus da tempestade Andaman, poderia estar em ordem.
O ar solene da ocasião e da vergonha chorosa dos confessores sugerem que os decretos da deusa do mar eram regras cuja violação foi
pensado não justificada. Mas mesmo aqui, os preceitos não são “moral” no sentido moderno da palavra, porque eles não são sobre
comportamentos que realmente prejudicar outras pessoas; regras da deusa do mar não desestimular a violência, roubar, enganar, e assim por
diante. Em vez disso, as regras se concentrar em violações de ritual. (No caso Rasmussen observado, uma mulher não tinha conseguido jogar
fora certos itens domésticos depois de ter um aborto espontâneo.) É verdade que estas violações do código ritual são pensamento para prejudicar
outras pessoas, mas apenas porque eles são pensados ​para incorrer ira sobrenatural que cai sobre os vizinhos do infrator. Na ausência desta
sanção sobrenatural imaginado, quebrando as regras seriam inofensivos e, portanto, não, obviamente, “imoral”, no sentido moderno do termo.
Em outras palavras, nas sociedades de caçadores-coletores, deuses de modo geral não ajudar a resolver os problemas morais que existiriam na
sua ausência.

No século XIX, quando os estudiosos europeus começaram a estudar seriamente a religião “primitiva”, que comentou sobre esta ausência de
uma clara moral dimensão-a escassez de referências a roubar, enganar, adultério, e similares. Edward Tylor notou em 1874 que as religiões de
sociedades “selvagens” eram “quase desprovido desse elemento ético que para a mente moderna educado é muito mainstream da religião prática.”
Tylor não estava dizendo que os selvagens não têm moralidade. Ele ressaltou que os padrões morais de selvagens são geralmente “bem definida e
louvável.” É apenas que “essas leis éticas ficar em sua própria terra de tradição e opinião pública”, em vez de uma fundação religiosa. 38 Como o
etnógrafo Lorna Marshall escreveu em 1962, depois de observar a relação entre o Kung e o grande deus Gaona:! “Do homem mal-fazer contra o
homem não é deixado para a punição de Gao na nem é considerada para ser sua preocupação. O homem corrige ou vinga tais próprio más ações
em seu contexto social. Gao! Na pune as pessoas por suas próprias razões, que são por vezes bastante obscura “. 39

Isso não quer dizer que os caçadores-coletores não usam a religião para desencorajar os comportamentos problemáticos ou destrutivo.
Alguns aborígenes australianos costumavam dizer que os espíritos estão incomodados com as pessoas que são frívolas ou tagarelar demais. 40 E
quando Charles Darwin, a bordo do HMS Beagle, visitou Tierra del Fuego, alguns dos caçadores-coletores locais falou de um gigante que
percorriam os bosques e montanhas, sabia tudo o que você fez, e iria punir tais delitos como homicídio com a convocação de mau tempo. Como o
capitão do navio, Robert FitzRoy, lembrou um dos locais colocá-lo, “Rain descer-neve descem-granizo vir golpe down-wind blow-golpe muito.
Muito ruim para matar o homem.” 41

Mas mais típico 42 das sociedades de caçadores-coletores é a observação de um antropólogo feito sobre a Klamath: “Relações com os espíritos
não têm implicações ético”. 43 Mesmo se a religião é em grande parte sobre a moralidade hoje, ele não parece ter começado dessa maneira. E
certamente sociedades coletoras mais caçadores não implantar o incentivo moral final, um paraíso reservado para o bom e um inferno para abrigar
o mal. Também não há nada como o hindu e noção budista de karma, um scorecard moral que vai determinar o seu destino na próxima vida. Há
sempre uma vida após a morte em Hunter
coletor de religião, mas é quase nunca uma cenoura ou um pedaço de pau. Muitas vezes o espírito de todos acaba na mesma casa eterna. E
naquelas sociedades onde a terra dos mortos tem subdivisões, qual deles você acabam em muitas vezes tem-como alguns antropólogos
colocá-lo-mais a ver com como você morreu do que com como você viveu. Muitos Islanders Andaman acreditava que se afogou, você acabou
debaixo d'água, como um espírito do mar, enquanto que caso contrário, você se tornaria uma selva-roamingspirit. 44 Haida que morreu por
afogamento se tornaria baleias assassinas. 45

A ausência geral de sanção moral em caçadores-coletores religião não é muito intrigante. caçadores-coletores viver, como todos viveu há
12.000 anos-in grupos íntimos, essencialmente transparentes. Uma aldeia pode consistir em trinta, quarenta, cinquenta pessoas, tantos tipos de
delito são difíceis de esconder. Se você roubou vara de escavação de um homem, onde você iria esconder isso? E o que seria o ponto de tê-lo se
você não poderia usá-lo? E, de qualquer forma, vale a pena o risco de ser pego-incorrer na ira de seu proprietário, sua família e amigos mais
próximos, e incorrer a suspeita permanente de todos os outros? O fato de que você tem que viver com essas pessoas para o resto de sua vida é
por si só um muito forte incentivo para tratá-los decentemente. Se você quer que eles para ajudá-lo quando você precisar de ajuda, é melhor você
ajudá-los quando eles precisam de ajuda. caçadores-coletores não são modelos de honestidade e probidade, mas desvios esses ideais são
detectadas muitas vezes o suficiente para que eles não se tornem um problema galopante. ordem social pode ser preservada sem implantar o
poder da religião.

Uma razão para isso é que uma aldeia de caçadores-coletores é o ambiente em que está construído para, a seleção natural ambiente
“projetado” a mente humana para. Psicólogos evolucionistas nos dizem que a natureza humana inclui pelo menos dois mecanismos inatos básicos
nos inclinadas para tratar as pessoas bem. Um deles, o produto de uma dinâmica evolutiva conhecida como seleção de parentesco, nos leva a
sacrificar por parentes próximos. Outra, altruísmo recíproco, nos leva a ser atencioso com os amigos-não-aparentados com quem temos relações
enduringly cooperativas. Se você mora em uma aldeia de caçadores-coletores, a maioria das pessoas que você encontra se encaixam em uma
dessas duas categorias e assim cair naturalmente dentro do compasso de sua decência. Sim, você terá rivais, mas se eles se tornam amargos
inimigos, em seguida, um ou outro de vocês podem deixar o grupo para uma vila próxima. não vai tem em uma aldeia de caçadores-coletores é um
anônimo. Não há oportunidades de bolsa-arrebatando. Também não se pode pedir dinheiro emprestado, subir em um ônibus e cabeça para fora
da cidade.

Como o antropólogo Elman Serviço observado em 1966, valores como amor e generosidade e honestidade “não são pregados nem sustentada
por ameaça de represálias religiosa” nessas sociedades “porque eles não precisam de ser.” Quando as sociedades modernas pregar esses valores,
eles estão preocupados “, principalmente sobre a moralidade na sociedade em geral, fora da esfera de amigos parentes e próximos. Os povos
primitivos não têm estas preocupações porque não conceber-do não ter -a sociedade maior se ajustar. A ética não se estende a estranhos; eles são
simplesmente inimigos, nem mesmo as pessoas “. 46

Essa última frase pode soar extremo, e é definitivamente em desacordo com as muitas representações lisonjeiras dos povos indígenas em
filmes e livros. Mas desse estreito de consideração moral é de fato característico de sociedades de caçadores-coletores. Universal amor-um ideal
encontrado em muitas religiões modernas, mesmo que seja honrado principalmente na não violação, é ainda um ideal na sociedade típico de
caçadores-coletores.

Este livro é, em parte, sobre como e por que a bússola moral tem se expandido, como as religiões veio para definir grupos cada vez maiores
de pessoas, como parte do círculo de consideração moral. Com esse entendimento na mão, estaremos em melhor posição para avaliar as
perspectivas para o círculo sendo ampliado mais-para as religiões abraâmicas, em particular, para fazer as pazes com o outro, e conceber a
fraternidade em conformidade.

O que é religião

Você poderia ser desculpado por olhando para a religião nas sociedades de caçadores-coletores e, como John Lubbock, concluindo que ele tem
pouco em comum com a religião como a conhecemos. Certamente que foi a reação de mais do que alguns europeus do século XIX. Onde estava a
dimensão moral da religião? Onde estava o amor fraternal? Onde estava a reverência para-não apenas temem of-the divina? Onde estava o ritual
imponente? Onde estava a busca da paz interior? E o que é com este amontoado de espíritos e divindades fazendo coisas implausíveis para
controlar partes do mundo que são de fato controlada pela lei natural?

Ainda assim, as religiões de caçadores-coletores têm pelo menos duas características que são encontradas, em um sentido ou outro, em todas
as grandes religiões do mundo: eles tentam explicar por que coisas ruins acontecem, e eles, assim, oferecer uma maneira de fazer as coisas
melhor. A oração cristã em nome de uma criança gravemente doente pode parecer um instrumento mais sutil do que o confronto profano o remédio
do homem Kung de um deus Kung, mas em algum nível, a lógica é a mesma:! Bons e maus resultados estão sob o controle de um ser sobrenatural,
e o ser é sujeito à influência. E os cristãos que, no espírito do modernismo, abster-se de pedir a Deus para intervenções terrestres são normalmente
esperando por um tratamento favorável no pós-vida.

Pode parecer cínico para ver todas as religiões como basicamente auto-serviço. E, de fato a idéia foi posta pithily por um cínico famoso. HL
Mencken disse da religião, “A sua única função é dar acesso homem
os poderes que parecem controlar o seu destino, e seu único propósito é o de induzir esses poderes para ser amigável com ele. ... Nada mais é
essencial.” 47 Mas as pessoas menos cínicos também ter colocado o auto-interesse no cerne da religião, se em linguagem mais elevada. Cerca de
um século atrás, o psicólogo William James escreveu em As variedades de experiências religiosas que a religião “consiste na crença de que existe
uma ordem invisível, e que as nossas boas mentiras supremos em ajustar-nos harmoniosamente aos mesmos.” 48

A diferença entre Mencken de e formulações de James é importante. Na versão de Mencken o objetivo do jogo é mudar o comportamento dos
seres sobrenaturais. A versão de James não chega a excluir esta possibilidade, mas coloca mais do ónus da mudança em nós; devemos
“harmoniosamente ajustar”-nos ao James parece estar fazendo a suposição moderna que a ordem-o invisível divina, como se diz hoje em dia, é
inerentemente bom “ordem invisível.”; que as discrepâncias entre desígnios divinos e os nossos próprios objetivos refletir deficiências da nossa
parte.

É claro, a religião tem em um sentido ou outro sempre foi sobre o auto-interesse. doutrinas religiosas não podem sobreviver se não apelar para
a psicologia das pessoas cujos cérebros abrigam eles, e auto-interesse é uma potente fonte de recurso. Mas o interesse próprio pode assumir
muitas formas, e para que o assunto possa ser alinhado, ou não alinhados, com muitos outros interesses: o interesse da família, o interesse da
sociedade, o interesse do mundo, o interesse de moral e verdade espiritual. Religião quase sempre forma uma ligação entre o interesse próprio e
alguns desses outros interesses, mas quais as vincula, e como, a mudança ao longo do tempo. E ao longo do tempo, tem havido-no balanço,
considerando-a muito tempo padrão na mudança. A religião tem chegado mais perto da verdade moral e espiritual, e para que o assunto mais
compatível com a verdade científica. A religião não tem apenas evoluiu; um período de maturação. Uma premissa deste livro é que a história da
religião, começando para trás na Idade da Pedra, é de certa forma um movimento de Mencken para James.

Religião precisa amadurecer mais, se o mundo está indo para sobreviver em boa forma e para que o assunto se a religião é manter o respeito
de pessoas intelectualmente críticos. Mas, antes de assumir essas perguntas, vamos abordar a questão de como ele amadureceu até à data: como
chegamos a partir das religiões caçadores-coletores que eram a norma 12.000 anos atrás para o monoteísmo que é a base do Judaísmo,
Cristianismo, e Islam. Então vamos estar em posição de ponderar o futuro da religião e falar sobre como é verdade ou pode ser.
Capítulo dois

o Shaman

T aqui é no mundo de hoje uma grande e misteriosa força que molda o destino de milhões de pessoas. Ele é chamado o mercado de ações. Há
pessoas que afirmam ter conhecimentos especiais para essa força. Eles são chamados de analistas de ações. A maioria deles têm sido muitas
vezes erradas sobre o comportamento futuro do mercado, e muitos deles têm sido errado na maioria das vezes. Na verdade, não é claro que o seu
conselho vale nada. economistas respeitáveis ​têm argumentado que é melhor escolher o estoque aleatoriamente de buscar a orientação de
analistas de ações; de qualquer forma é um cego guiando outro cego, mas em um caso você não tem que pagar uma comissão. 1

No entanto, a análise de ações é uma linha lucrativa de trabalho, mesmo para alguns praticantes manifestamente inepta. Por quê? Porque
sempre que as pessoas sentem a presença de uma força intrigante e importante, eles querem acreditar que há uma maneira de compreendê-lo. Se
você pode convencê-los de que você é a chave para a compreensão, você pode alcançar grande estatura.

Este fato profundamente moldada a evolução da religião, e parece ter feito isso desde muito perto do início. Uma vez que havia a crença no
sobrenatural, houve uma demanda por pessoas que afirmaram compreendê-lo. E, a julgar pelas sociedades de caçadores-coletores observadas,
houve uma oferta para atender a demanda. Embora a maioria das sociedades de caçadores-coletores não têm quase nenhuma estrutura, no
sentido moderno da palavra-pouco se qualquer liderança política clara, pouco divisão da economia do trabalho, eles têm especialistas religiosos.
Então faça sociedades que são um tom mais tecnologicamente avançados: as sociedades que, embora não totalmente agrícola, complementar sua
caça e coleta com jardinagem (sociedades “horticultura”) ou pastoreio.

O termo mais frequentemente aplicados a estes peritos religiosos é “shaman”. 2 ( A palavra vem da língua do Tungus, um povo nômade da
Sibéria, e é às vezes traduzido como “aquele que sabe”.) Esse rótulo esconde alguma diversidade. Shamans na Eurásia e mais setentrional da
América do Norte vão frequentemente em estados dramáticas, trance-like, como espíritos possuí-los e falar com eles antes de partir. Em outros
lugares, incluindo grande parte das Américas, o xamã é menos encantado com espíritos e mais inclinados a apenas comungar com eles através
de visões ou sonhos e, em seguida, parafraseando-los. 3

Da mesma forma, os poderes específicos reivindicadas pelos xamãs mostram grande variação. Alguns xamãs no leste da América do Norte
poderia tomar uma semente, aperte-o entre o polegar eo dedo, e projetá-la com tanta força como matar uma pessoa várias milhas de distância. 4 Na
Austrália, a arma letal preferido era um osso, apontou para a vítima após encantamentos apropriados. 5 Alguns xamãs esquimós poderia ir para a
lua, e alguns poderiam se transformar em um urso. 6 Alguns xamãs da Amazônia pode se tornar um jaguar com a ajuda de uma droga que, como
descrito por um antropólogo, leva o xamã para mentir em sua rede, “grunhido e cuecas, golpear o ar com os dedos em garra”, transeuntes
convincentes de que “suas andanças alma se transformou em um felino sanguinário.” 7 Nas Ilhas Andaman um xamã iria lutar uma epidemia
brandindo um log queima e instruindo os maus espíritos para manter sua distância. 8

No sul do Alasca um xamã Tlingit lutaria doença, colocando em um avental especial e máscara, correndo em círculos em torno do paciente,
agitando um chocalho e cantando a uma série de espíritos (mudando sua máscara com cada novo espírito), talvez em colapso em exaustão de
tempos ao tempo. 9 Na África, o! Kung San curer dançaria por até 10 horas, finalmente entrando em um estado de transe que converteu sua energia
de cura em forma vaporosa útil e permitiu discurso com deuses ou espíritos dos mortos. 10

O que une os xamãs em todos os lugares está buscando contato com um mundo de outra forma oculta que molda o destino humano. E eles
tendem a concentrar os seus poderes em coisas que são doenças importantes e erratic-, o clima, predadores, presas. Um padre jesuíta que
encontrou o Abipon da América do Sul no século XVIII resumiu os poderes professos de seus xamãs: “infligir a doença ea morte, para curar todas
as doenças, para fazer eventos distantes e futuros conhecidos; para causar chuva, granizo e tempestades; para chamar os tons [almas] dos mortos
e consultá-los sobre assuntos ocultos; para colocar na forma de um tigre; para lidar com todo o tipo de serpente sem perigo, etc.” 11 O estudioso
seminal do xamanismo Mircea Eliade escreveu: “O que é fundamental e universal é a luta do xamã contra o que poderíamos chamar de 'os poderes
do mal.' ... É consolador e reconfortante saber que um membro da comunidade é capaz de ver o que está oculto e invisível para o descanso e para
trazer de volta informações direto e confiável dos mundos sobrenaturais “. 12

O xamã representa um passo crucial na emergência da religião organizada. Ele (ou ela, às vezes) é a ligação entre a mais antiga religião-a
amálgama fluido de opiniões sobre um amálgama fluido de espíritos e que a religião passou a ser: um corpo distinto de crença e prática, mantidos
em forma por uma instituição autorizada. O xamã é o primeiro passo para uma arcebispo ou um aiatolá.

Esta alegação não vai sentar-se bem com todos. xamanismo hoje (às vezes escalado como “neo-xamanismo”) tem um grande nicho na
espiritualidade da Nova Era, e parte do seu apelo é seu contraste percebido com religião moderna. Xamanismo, nessa visão, remonta a um tempo
antes da industrialização tinha impedido
comunhão com a natureza, antes hierarquias da igreja havia desencorajado experiência direta do divino, fazendo-se condutas oficiais para o
sagrado. Neste ponto de vista, a fase primordial, xamânica da religião era um pouco como o Jardim do Éden antes de Adão e Eva arruinou tudo.

Certamente os anais do xamanismo que incluem temas atraentes. Alguns estudiosos sérios ver na shaman Stone Age as origens do
misticismo, que por sua forma moderna trouxe paz de espírito para muitos. Eliade escreveu que esquimó xamanismo e share misticismo budista
como seu objetivo “libertação das ilusões da carne.” 13 E xamanismo, em geral, disse ele, está cheio de “a vontade de transcender o profano,
condição individual”, a fim de recuperar “a própria fonte da existência espiritual, que é ao mesmo tempo 'verdade' e 'vida'.” 14

Tudo para o bem. Ainda assim, os xamãs, inevitavelmente, compartilham uma característica infeliz com os líderes religiosos nas
sociedades modernas: o ser humano. Na fase xamânica da evolução religiosa, podemos ver não apenas o lado mais ensolarado da religião,
mas também algumas das falhas que perseguiram desde então. Religião, tendo vindo de cérebros de pessoas, é obrigado a levar as marcas
da nossa espécie, para melhor e pior.

Como se tornar um Shaman

O surgimento do xamã, de liderança religiosa, era uma coisa bastante natural. religião primordial consistia em parte, de pessoas dizendo uns aos
outros histórias em uma tentativa de explicar por que as coisas boas e ruins acontecem, para prever o seu acontecimento, e se possível intervir,
elevando o rácio de bom para ruim. Sempre que as pessoas-caçadores-coletores, analistas de ações, qualquer que seja -Dispute no reino de
explicação, previsão e intervenção, alguns deles obter uma reputação de sucesso. Eles se tornam líderes em seu campo. Através de tal
competição se shamanhood presumivelmente surgem e se sustentar.

A julgar por muitas sociedades de caçadores-coletores observados, a competição foi informal e contínua, ea posse do poder espiritual uma
questão de grau. Durante a cura toda a noite danças do! Kung San, qualquer homem ou mulher era elegível para entrar em um estado de transe e,
assim, invocar num, a energia de cura espiritual. Mas apenas uma minoria dos! Kung se tornaria conhecido como “mestres da num, ”E só o mais raro
deles era tão talentoso como para ver o grande deus Gaona. 15 Entre os Klamath, como um antropólogo colocou, “alguns xamãs têm muito mais
poder do que outros, e todos os que tem poder está em algum grau capaz de usá-lo como um xamã faz.” 16 O antropólogo Robert Lowie, depois de
estudar o Corvo do americano Plains do Norte, escreveu que “qualquer tribo pode se tornar um xamã” depois de ir em uma “busca da visão” e ter
uma aparição significando sua adoção por um espírito particular. 17

Em tais sociedades, como Lowie escreveu do Corvo, “a dignidade maior ou menor” dos xamãs aspirantes dependia “no teste de pragmática da
sua eficácia.” Se suas magias de cura foram seguidos por curas ou seus rituais produção de chuva pela chuva, a sua credibilidade cresceu .
homens Assim corvo que, depois de receber uma visão, estavam “visivelmente feliz em partes de guerra viria a ser considerado como favoritos de
algum ser poderoso.” Mas pobre do Corvo que, como Lowie contou, sentiu-se inspirado pelo seu espírito adotiva para introduzir um novo efígie
para a Dança do Sol. Quando “a sua utilização foi acompanhada pela morte da esposa do chefe de dançarino,” essa inspiração foi desmascarado
como uma “revelação fingiu.” 18

Concurso para shamanhood raramente tem sido tão igualitária como entre os Crow. Em algumas sociedades, sendo descendente de um famoso
xamã deu-lhe uma perna para cima, e as circunstâncias do nascimento poderia ajudar de outras maneiras, também; entrar no mundo em meio a uma
tempestade violenta ou com uma marca de nascença estranho pode ser um sinal. Em partes da Sibéria, meninos efeminados eram boas as perspectivas,
e quando eram pajés alguns vestidos de mulher e se casou com um homem. 19 Eerie primeiras realizações-tendo um sonho estranho e presciente,
sobreviver a um raio ou uma picada de cobra-poderia, em algumas sociedades marcar uma perspectiva xamânica.

No entanto, eles chegaram às suas estações, xamãs em todos os lugares, para manter sua credibilidade alta, teve de reunir monitores
contínuos de poder sobrenatural. Mas como eles poderiam fazer isso, dada a falsidade aparente de suas crenças sobrenaturais?

Em alguns domínios, a alta média de rebatidas é inerentemente provável. Entre os Aranda da Austrália central, um dos postos de trabalho do
xamã era assegurar que os eclipses solares seria trabalho temporário-bom se você pode obtê-lo. 20 E uma vez que a maioria das doenças são,
como eclipses, temporários, a intervenção médica xamânica média também é susceptível de ser justificada. Entre os semang na Península Malaia,
o procedimento a seguir xamânica mostrou-se eficaz em exorcizar o espírito maligno de uma mulher doente: arrancar duas árvores jovens, tomar
solo a partir dos furos resultantes, esfregue-o em seu corpo, cuspir sobre ela, em seguida, com força lançar a árvores na selva. 21

As taxas de sucesso são especialmente ricos em sociedades onde os xamãs têm a opção de recusar casos particularmente terríveis. 22 Maior
proteção carreira vem através de brechas filosóficas. Entre os Guiana nativos americanos, a culpa pela morte de um paciente caiu sobre o
destino, não o xamã. 23 Na Austrália e em muitos outros lugares, uma intervenção xamânica não poderia ser atribuída à feitiçaria de compensação
de algum shaman hostil. 24 Um xamã Tlingit, não tendo conseguido curar um paciente, pode pôr a culpa em alguém que ele identificou como uma
bruxa, que, então, quer confessar sob tortura ou
ser morto. 25
Não obstante estas características de preservação da reputação da prática do xamã, a fé em até um xamã respeitável não é inabalável. Nas
Ilhas Andaman, Edward Horace Man observado no século XIX, a morte do filho de um xamã era visto como um “sinal de que seu poder está
diminuindo”, e ele estaria agora sob pressão para mostrar “mais uma prova de sua suposta superioridade” para que admiração do público deve
desaparecer. 26

Estranhamente, tais fortunas declínio pode ajudar a sustentar a fé religiosa. A noção de que proezas de um xamã aumenta e diminui permite
à sociedade para testemunhar o fracasso repetido sem questionar a idéia mais abrangente do poder xamânico. É estranhamente como o mercado
de ações moderna: quando um analista de ações famoso coloca uma série de más apostas, dizemos que ele perdeu seu toque e olhar para um
analista que não tem, em vez de questionar a noção de que o seu “toque” foi sempre outra coisa que uma série de suposições sorte. Nas
sociedades modernas “seculares”, como nas religiosas “primitivas”, a fé na experiência é sustentado pela eliminação atempada dos especialistas.
Entre os Ojibwa (também conhecido como o Chippewa), um líder religioso que não conseguiu sustentar “rapport demonstrável” com o mundo
sobrenatural seria simplesmente substituído, um estudioso observa. “O líder era dispensável.” 27

As recompensas de Xamanismo

Mas tinha sido divertido enquanto durou. Xamãs muitas vezes têm sido bons em converter os seus poderes em ganho material. E eles fizeram isso
se os poderes eram benigno ou malicioso. Aqui está o homem no xamãs Andamaneses: “Pensa-se que eles podem trazer problemas, doença e
morte sobre aqueles que não conseguem demonstrar sua crença no-los de alguma forma substancial; eles assim geralmente conseguem obter o
melhor de tudo, por isso é considerado imprudente negar-lhes, e eles não têm escrúpulos para pedir qualquer artigo a que possam tomar uma
fantasia.” 28

Em algumas sociedades, a remuneração do xamã, como a de médicos modernos, veio em uma base per-service. Em troca para tratar um
paciente, um xamã pode receber inhame (em Micronésia), trenós e arreios (entre o esquimó Oriental), pérolas e cocos (o Mentawai de Sumatra),
tabaco (o Ojibwa), Buckskin (o Washo do centro de Nevada ), escravos (Haida), ou até mesmo, entre alguns esquimó, esposa ou filha de um
parceiro sexual, um cliente satisfeito, por empréstimo. 29

Entre os Nomlaki da Califórnia, se um xamã disse: “Estas contas são rústica”, ele queria dizer que levaria mais contas para mandá-lo para o
modo de cura. 30 Em outras culturas o xamã poderiam ser salvas a partir desta barganha indecorosa por um espírito que definir a taxa, deixando-o
para o xamã para relatar com precisão o preço sobrenaturalmente regulado. Aqui está o relato de um antropólogo de um xamã Nootka atendendo
um paciente gravemente doente:

Ele deu alguns shakes preliminares de seu chocalho e começou a cantarolar uma canção espírito, no fundo de sua garganta. Demorou
um tempo para chegar em boa voz. Seu zumbido tornou-se mais ousado, o clique de seu mais nítida chocalho. Por isso significa que ele
chamou seu espírito em seu auxílio. Agora o tempo chegou para o parente imediato da pessoa doente se levantar e chamar a sua oferta
de pagamento:. Cobertores, peles, canoas ... Segundo a crença convencional, o próprio xamã não tinha nada a ver com aceitar ou
recusar a oferta. Seu espírito assistiu a isso. ... Caso seja insuficiente, a ser sobrenatural iria afastar, retirando sua aura de poder.
garganta do xamã enfraquecido, sua canção extinguiu a um zumbido baixo novamente. parente do paciente, em seguida, teve que
aumentar sua oferta. Quando, finalmente satisfez o espírito chegou perto mais uma vez, e canção do xamã brotaram diante. 31

Em contraste refrescante com médicos modernos, alguns xamãs garantido seu trabalho. No oeste do Canadá, um xamã Gitskan, dadas
cobertores para os seus serviços, iria devolvê-los se o paciente morreu. 32 Entre os Shasta, a sul do Gitskan, metade da taxa foi reembolsável. 33

The Crow (que, talvez não por coincidência, tinha estendido contato com a cultura branca) desenvolveu um dos mercados espirituais mais
profundas, com a propriedade intelectual. Aqueles cujas missões visão tinha sido bem sucedida poderia vender algum do seu poder xamânico
para os menos afortunados, muitas vezes na forma de rituais e apetrechos potentes, como músicas e estilos de vestido. Um corvo comprou um
padrão de pintura da face cerimonial de sua própria mãe. 34

Mesmo xamãs que ficaram sem taxas ou presentes pode se beneficiar de seu trabalho. Entre os Ona da Terra do Fogo, o pagamento para o
serviço era raro, mas, como um antropólogo observou, “um abstém-se de tudo e qualquer coisa” que possa colocar o xamã “fora das sortes ou
irritá-lo.” 35 Além disso, nas sociedades pré-agrícolas, como nas sociedades modernas, status social elevado, no entanto intangíveis, pode
finalmente trazer benefícios tangíveis. xamãs Ojibwa, uma relatórios antropólogo, recebeu “remuneração mínima”, trabalhando para “prestígio,
não pagam. Um dos símbolos de prestígio liderança religiosa foi a poligamia. ... líderes masculinos levou mais de uma esposa “. 36 Em seu clássico
estudo A Lei do homem primitivo, E. Adamson Hoebel observou que, entre alguns esquimó “, um xamã forçada de reputação estabelecida poderá
denunciar um membro de seu grupo como culpado de um ato repulsivo para animais ou espíritos,
e por sua própria autoridade que ele pode comandar penitência. ... expiação aparentemente comum é para o xamã para dirigir uma mulher
supostamente errando ter relações sexuais com ele (seu poder sobrenatural neutraliza os efeitos de seu pecado) “. 37

Então aqui é o padrão: nas sociedades pré-agrícolas em todo o mundo, as pessoas têm lucrado, em um sentido ou outro, por cultivar uma
reputação de acesso especial ao sobrenatural. 38 É o suficiente para fazer você se perguntar: Poderia que, no curso de estabelecer as suas bona
fides, às vezes recorrem ao engano? Foi o xamã média uma fraude, ou, como um antropólogo colocá-lo, uma “fraude piedosa”?

39 Certamente você poderia fazer um caso. Os antropólogos descobriram que xamãs em várias culturas usadas ventriloquismo para ajudar os
espíritos falam, às vezes a aprendizagem da arte de aprendizado para um veterano. 40 xamãs esquimós, sangrando profusamente após o contato
com um arpão cerimonial, já conquistou o público inconscientes da bexiga de animais cheios de sangue sob suas roupas. 41 Um dos truques xamã
mais difundidas é para curar doenças por “sugar” um objeto maligno fora do paciente e exibi-lo para todos verem-prestidigitação que os pontos
do mapa etnográfico da Tasmânia para a América do Norte. 42

Ojibwa xamãs conhecido por, entre outras coisas, Houdini-como truques de fuga 43 relógio -seria
um do outro performances, relatórios de um antropólogo, com uma combinação produtiva de motivos: “para aprender truques uns dos outros e,
talvez, para expor um rival como fraudulentas.” 44 Um falso descoberto seria ridicularizado, mesmo condenado ao ostracismo, mas os crentes não
tomar sua desonestidade como manchando líderes espirituais em geral, assim como hoje a exposição de curandeiros sham não abalar a crença na
não exposta. Falando de modernas truques-cura pela fé: xamãs Kwakiutl usado “espiões” que seria, como os espiões empregados por alguns
curandeiros modernos, se misturam com as pessoas, discernir suas doenças, e secretamente retransmiti-las para o curador, infundindo seus
diagnósticos com drama. 45

Há, em suma, motivos de suspeita. No entanto, as etnógrafos que detectar esses enganos muitas vezes julgado o xamã indulgência.
Edward Horace Man especulado que os xamãs Andaman “imaginar-se dotado de sabedoria superior,” 46 e Rasmussen relatou que cobre Inuit
xamãs “consideram os seus vários truques para ser meios que trazê-los em contato com os espíritos.” 47

Estados alterados

Certamente xamãs ter tido razões para se sentir verdadeiramente em contato com o mundo sobrenatural. Uma dessas razões, especialmente
comum nas Américas, é drogas. Quando um xamã Tukano do Noroeste Amazônico foi ao encontro do Mestre dos Animais, e permissão para o
Tukanoa para matar suas presas procurado, sua ingestão antes de alucinógenos serviu como um lubrificante social. 48

Outro catalisador para a alucinação é ir muito tempo sem comer ou dormir, e essas dificuldades são muitas vezes parte da iniciação do xamã.
Quando busca da visão de um corvo foi frutífera, o sucesso normalmente veio depois que ele havia jejuado durante quatro dias e noites, enquanto
sozinho e seminu, muitas vezes em cima de uma montanha. 49 Um xamã Tlingit aspirantes, no sul do Alasca, faria para semanas comer apenas
uma espécie de casca que induz o vômito, até que ele foi “cheio” com seu “ajudando espírito” (e tinha encontrado uma lontra divinamente
entregues cuja língua ele poderia cortar fora). 50 Enquanto isso, no outro extremo das Américas, yahgan candidatos xamã foram sequestrados e
“necessário para rápido, a cantar muito, para manter uma certa postura, para ir com pouco sono, e para beber água através de um osso pássaro
oco.” 51

As dificuldades edificante de iniciação pode ser agravada pela violência. Um Corvo em busca de uma visão que muitas vezes empregam
auto-mutilação, cortando um terço de um dedo da mão esquerda. Na Austrália, tornando-se um xamã poderia significar cortar um buraco em sua
língua grande o suficiente para colocar o seu dedo mindinho através de e, em seguida, certificando-se o buraco não fechar-se, desde o
encerramento significaria o fim de shamanhood. Uma abordagem alternativa era deixar xamãs estabelecidos corte em sua língua e enfiar uma vara
afiada sob a unha e usar cristais mágicos para marcar sua carne por três dias consecutivos, tirando sangue das pernas e cabeça e abdômen. Este
procedimento, informou o etnógrafo do século XIX Baldwin Spencer, deixou o xamã-a-ser “realmente em um estado de baixo.” 52

Também propício para a experiência espiritual é a disposição natural dos tipos de pessoas que se tornam xamãs. Em algumas culturas xamãs
ter atingido antropólogos como psicóticos, pessoas que podem de fato estar ouvindo vozes que ninguém mais está ouvindo. Outros apareceram
profundamente neurótica, ou, pelo menos, parecia possuir a sensibilidade temperamental associado com artistas, incluindo alguns muito infelizes.
O Chukchee usado para descrever alguém que se sentiram levados a vocação xamânica como “condenado a inspiração.” 53

De fato, em muitas sociedades a vida do xamã tem desvantagem suficiente para desencorajar um charlatão pura para fora para fazer um
dinheirinho fácil. Além da privação e trauma acima mencionada, a abstinência sexual é muitas vezes necessária. Para o Jivaro da América do Sul,
um ano sem sexo era o preço para shamanhood de pleno direito. 54 Entre os Tlingit, um jovem que procurou ser um xamã top-tier pode abster-se
por até quatro anos, para não mencionar deitado à noite ao lado do cadáver do xamã ele iria substituir. 55 Falando de cadáveres: xamãs em
algumas sociedades foram mortos quando
um dos seus pacientes morre, um perigo que poderia desencorajar os praticantes que não se sentem genuinamente habilitada. 56

Sem dúvida, os xamãs do mundo têm executar a gama de verdadeiro crente para cálculo fraude. E sem dúvida muitas crenças verdadeiras
foram salpicado pela dúvida. Mas por isso é em outras tradições espirituais, também. Há ministros cristãos profundamente religiosos que incitam a
congregação para orar pelo doente, embora, pessoalmente, duvido que Deus usa pesquisas de opinião para decidir quem vive e quem morre. Há
ministros que têm uma concepção mais abstrata da divindade do que a imagem de Deus que eles evocam na igreja. E há ministros que perderam
completamente de sua fé, mas manter as aparências. Para todas essas pessoas, uma motivação pode ser a fortalecer os fiéis, e outra pode ser a
de manter sua própria posição como líderes comunitários respeitados, com qualquer vantagens que traz. Como o antropólogo Spencer Rogers
observou em seu estudo O Shaman, “Os limites de dedicação espiritual e auto-avanço têm sido muitas vezes obscuro na história da denominações
religiosas do mundo ocidental.” 57 Dada a linha às vezes nebulosa entre a motivação consciente e inconsciente, a distinção pode não ser claro,
mesmo na mente do líder religioso em questão.

É real?

Em qualquer caso, há pouca dúvida de que muitos xamãs ao longo dos anos tiveram que pareceu experiências espirituais válidos. Mesmo em
sociedades tecnologicamente modernas, as pessoas que rápido ou sofrem trauma ou gastar dias em solidão ou ingerem coisas relatório
alucinógenos que variam de visões de vozes para contato inefável com a realidade final. E às vezes o resultado é uma experiência de conversão
de mudança de vida.

Concessão da crença de muitos xamãs na validade de suas experiências transcendentais, havia alguma validade real? Foram primeiros
adeptos religiosos fazendo contato com algo “lá fora”? Alguns argumentam que a própria eficácia das técnicas xamânicas, como o jejum
responde à pergunta no negativo: se uma manipulação meramente fisiológico do cérebro pode trazer sobre a experiência, então é uma
alucinação.

Mas aqui, perversamente, ciência biológica moderna vem para o resgate do transcendente, que de forma limitada.

psicologia evolutiva, a compreensão darwinista moderna da natureza humana, parece, de certa forma a esvaziar religião. Neste capítulo uma
ênfase na natureza em busca de status inerentemente de seres humanos tem se escondia no fundo, ajudando a explicar por que em todas as
sociedades algumas pessoas procuram reputações como peritos religiosos. E no apêndice deste livro, psicologia evolutiva é usada para explicar as
origens da crença religiosa como o resíduo de distorções embutidas de percepção e cognição; a seleção natural não nos projetar para crer somente
coisas verdadeiras, então estamos suscetíveis a certos tipos de falsidade.

Mas essa idéia de built-in preconceitos mentais tem outra implicação, também: os nossos estados normais de consciência são, em certo
sentido arbitrária; eles são os estados que acontecem de ter servido a agenda peculiar da seleção natural mundano. Ou seja, estes tiverem
organismos ajudaram (nossos antepassados) genes propagação em um determinado ecossistema em um planeta particular.

Há algumas coisas não-totalmente-não faz jus você pode dizer sobre tais estados de coisas consciousness- como “eficaz em termos
darwinianos” e “valiosas do ponto de vista do gene.” Mas algumas propriedades que não se pode atribuir com segurança para estes estados de
consciência são “propício para uma visão profunda sobre a natureza última da realidade” e “propício para a apreensão da verdade moral.” e é pelo
menos possível que você pode realmente mover o cérebro mais perto de uma ou ambas as propriedades, manipulando-lo fisiologicamente. Se os
preconceitos e filtros são físicos, para começar, então talvez a sua remoção pode ser assim.

William James, em As variedades de experiências religiosas, explorou a influência sobre a consciência de coisas que vão desde a meditação
ao óxido nitroso e concluiu que “nossa consciência desperta normal” é “, mas um tipo especial de consciência, enquanto tudo sobre ele, separado
de pelo filmiest de telas, não mentir potenciais formas de consciência completamente diferente.” 58 A posição de James no livro-que estas formas
alternativas podem ser em algum sentido mais verdadeiro do que a consciência ordinária -é a postura adequada de mente aberta, e tem se alguma
coisa foi reforçada pela psicologia evolutiva.

Isso não quer dizer que qualquer Corvo nunca foi efectivamente aprovado pelo espírito trovão, ou que os! Kung San “mestres de num ”Foram
verdadeiramente perceber o rosto de um deus durante seus transes. Então, novamente, nem tudo o que vi foi tão especificamente teológica. 1 num
mestre descreveu a experiência desta forma: “seus olhos claros e, em seguida, você vê as pessoas com clareza.” 59 Outro disse: “ele faz o seu
pensamentos nada na cabeça.” Ambas as coisas bem poderia ter sido dito por um místico budista. E ambos são consistentes com esta
conjectura metafísica não estranho: não há tal coisa consciência contemplativa tão puro, mas a nossa máquina mental evoluiu, no seu modo de
funcionamento normal, é aproveitar essa consciência para fins específicos, e no processo de deformação-lo.

Em qualquer caso, a verdade possível de alguma parte do num A experiência do mestre não é impedida por meio de sua indução. Sem
dúvida, o estado de transe alcançado durante horas de dança é um resultado de, entre outras coisas, os choques rítmicos entregues à base do
cérebro, como muitos como 60.000
choques em uma sessão de dança pela estimativa do antropólogo Melvin Konner. 60 Mas isso não quer roubar a possibilidade da verdade da
experiência Konner havia se enquanto dança com o Kung! “Esse sentimento 'oceânico' de unidade com o mundo.” 61 O oposto desta
experiência-nosso sentido todos os dias da separação desconfiar de todos, mas alguns parentes e amigos de confiança, é um legado da seleção
natural, nem mais nem menos. Tem sido bom em genes de direção para a próxima geração, e, portanto, deve ter em algum sentido refletido
fielmente algumas características da paisagem social, mas isso não significa necessariamente captar toda a imagem. Foi, em certo sentido,
estrategicamente “verdade”, mas isso não significa que seja moral ou metafisicamente verdadeiro.

Os primeiros políticos

Há evidências de que no xamanismo encontram-se as origens da política formal. O Buryat da Ásia disse etnógrafos que seus primeiros líderes
políticos eram xamãs. 62 E as palavras do Inuit para “xamã” e “líder” são quase identical- xamã e angajkok. 63 Além disso, embora tenha havido
sociedades com xamãs, mas nenhum líder político reconhecido, tem havido poucos ou nenhuns sociedades com um líder político, mas não
especialistas religiosos. E em algumas sociedades o xamã e líder político tem sido uma ea mesma coisa. 64

Mesmo xamãs falta poder político explícito pode exercer grande influência. Eles têm sido frequentemente conselheiros em questões de guerra
e paz. Se o Ona estavam contemplando a invasão de um povo vizinho, e o xamã viu presságios desfavoráveis, ele incentivou a diplomacia; se os
presságios eram bons, incitou a guerra. 65

Além de empacotamento, assim, antagonismo, xamãs têm às vezes o criou. A tendência é evidente, mesmo dentro sociedades, em
concorrência local pela supremacia sobrenatural. Xamãs de diferentes clãs Haida exibido, nas palavras de um antropólogo, “o mais agudo rivalidade
e ódio”, ao ponto de tentar matar uns aos outros por feitiçaria. 66 E Lowie relatou um duelo de poderes ocultos entre dois xamãs corvo: Big-boi, que
invocou um espírito trovão, e branco da coxa, que exerciam o poder de uma pedra sagrada. A troca esquerda Branco da coxa cego e Big-boi com
parentes mortos. 67

Talvez a maneira mais comum para um xamã para transportar antagonismo além da sociedade está, não tendo conseguido curar uma doença
ou melhorar o clima, a culpa um xamã de um povo próximas, como um político moderno que desvia a atenção das falhas internas por chocalhar o
sabre . Assim, um xamã Klamath explicou uma vez que a neve recente e a doença tinha sido causada por um espírito no topo do Monte Shasta,
colocado lá por um xamã do povo Modoc. Esse problema específico foi resolvido sem combate corpo-a-corpo. O xamã Klamath implantado um
espírito que escravizou o espírito da montanha, matando o xamã Modoc por controle remoto. 68 Mas na América do Sul, quando os xamãs Jivaro
culpou uma doença fatal em um feiticeiro de uma aldeia próxima, um ataque militar era quase inevitável. Afinal, a alma do falecido pode atormentar
o seu parente mais se não vingar. A boa notícia foi que a sua religião ajudaria sustentá-los em sua missão; seus trajes de combate simbolizado
afinidade com Etsa, um deus da caça e da luta, e eles cantaram hinos sagrados em seu caminho para a guerra. Depois eles jogaram os crânios de
suas vítimas em um fluxo como uma oferta ao Anaconda. Ter retirado os crânios, eles poderiam agora encolher as cabeças, aprisionando assim as
almas de outro modo vingadores de suas vítimas. 69

O papel do xamã em cultivar antipatia e da violência, tanto no seio da sociedade e para além dela, é mais prova contra a visão romântica da
religião como caído-ter nascido puro apenas para ser corrompido mais tarde. Aparentemente, um dos papéis modernos mais infames da religião,
fomentador de conflito entre sociedades, foi parte da história de muito perto do início.

Mantendo a pontuação

Assim, ao todo, era a religião na era do xamã mais uma força para o bem ou para o mal? Existem duas principais escolas de pensamento
sobre esta questão.
Os “funcionalistas” vêem a religião como servir os interesses da sociedade como um todo. Assim, o seminal sociólogo francês Emile Durkheim
poderia encontrar virtude em religião, mesmo sob as condições mais difíceis. Alguns observadores, por exemplo, têm sido duramente pressionado
para explicar o bem social está sendo feito por rituais de luto violentas dos aborígines australianos, durante o qual as mulheres costumavam cavar
varas para cortar suas cabeças e homens com facas de pedra cortar os músculos de suas coxas tão profundamente que caiu, imobilizado. 70 Para
Durkheim este não era um problema. Em Formas Elementares da Vida Religiosa ele escreveu que chorar juntos não só ajudou as pessoas suportar
o trauma da morte recente, mas realmente fez coletivamente mais forte. Por “cada comunhão de espírito, em qualquer forma que podem ser feitas,
aumenta a vitalidade social. A violência excepcional das manifestações pelo qual a dor comum é necessariamente e obrigatoriamente expressas
mesmo atesta o fato de que, neste momento, a sociedade está mais vivo e ativo do que nunca.” 71

Oposição aos funcionalistas é um grupo que se pode chamar os cínicos, ou talvez o “marxistas”, não porque eles são comunistas, mas porque,
como Marx, eles pensam que as estruturas sociais, incluindo
crenças compartilhadas, tendem a servir os poderosos. O antropólogo Paul Radin, em seu livro 1937 Religião primitiva, retratado xamanismo Eskimo
como servir um único grupo de interesse: xamãs esquimós. Sua “teoria religiosa complexa” e “técnica xamânica espetacular” são “projetado para
fazer duas coisas: para manter o contato com o sobrenatural exclusivamente nas mãos do xamã [ shaman], e para manipular e explorar o sentimento
de medo do homem comum “. 72

Estas duas posições dominam a discussão das virtudes da moderna, bem como religião primitiva. Há pessoas que pensam que a religião
serve a sociedade em geral, proporcionando tranquilidade e esperança em face da dor e incerteza, superando nosso egoísmo natural com a
coesão comunitária. E há pessoas que pensam que a religião é uma ferramenta de controle social, exercido pelo poderoso para
auto-engrandecimento-uma ferramenta que entorpece as pessoas a sua exploração ( “ópio das massas”) quando não é assustá-los à morte. Em
um deuses vista são coisas boas, e em um deuses vista são coisas ruins.

Mas não é possível que ambos os lados estão errados para ver a questão de modo genericamente? Não é possível que a função social e
importância política da religião mudaram como a evolução cultural tem marchado em?

Na verdade, o próprio Marx permitiu esta possibilidade. Em sua visão da evolução cultural, a fase de caçadores-coletores da história humana
tinha sido idilicamente igualitária; sociedade, portanto, religião, foi corrompido só mais tarde. (É por isso que eu coloquei a palavra “marxista”
entre aspas quando aplicá-lo para a posição cínica genérico sobre religião;. Marx não era genericamente cínica)

Como deve estar claro agora, visão da vida de caçadores-coletores de Marx era muito simples. Concedido, uma pequena sociedade que vive
pouco acima do nível de subsistência é mais igualitária do que uma sociedade industrial moderna, que pode reunir as disparidades enormes entre
os mais ricos e os mais pobres. Mas é difícil para reivindicar os diferenciais de poder, e não a exploração do poder, em uma sociedade onde os
xamãs acumular presentes por incutir medo irracional, ou uma sociedade em que os xamãs convencer as mulheres de que o caminho para agradar
os deuses é ter relações sexuais com xamãs.

Ainda assim, Marx estava em algo: uma vez que a estrutura social muda ao longo do tempo, e religião é, pelo menos em parte, um reflexo da
estrutura social, as virtudes da religião pode mudar de uma forma padronizada como a evolução cultural muda essa estrutura. A transformação na
estrutura social que levou a religião além da idade de xamãs é o assunto do próximo capítulo. Com a invenção da agricultura, as virtudes da
religião, e o caráter dos deuses, iria começar a mudar.
Capítulo três

Religião na Idade da Chefias

W hen capitão James Cook visitou Polinésia na década de 1760 e 1770, houve aspectos da cultura que o ofendido. O sacrifício humano, por
exemplo- “um desperdício chocante da raça humana”, escreveu ele em seu diário. Visitar um templo no Tahiti, contou quarenta e nove crânios, e
uma vez que nenhum parecia resistido, ele deduziu que “nenhum grande período de tempo decorrido desde, pelo menos, este número
considerável de desgraçados infelizes tinha sido oferecido sobre esse altar de sangue. ” 1 Cozinhe em seguida, assistiu como um cadáver
quinquagésimo foi oferecido, seu olho esquerdo removido e colocado em uma folha plaintain pouco antes de um sacerdote aproveitou a ocasião
para pedir ajuda divina na guerra com uma ilha próxima. 2

Mais tarde Cozinhe iria tentar abalar a fé dos nativos neste ritual, apontando que o deus em questão nunca parecia comer alguma parte da
carne sacrificada. “Mas para tudo isso eles responderam, que veio no meio da noite, mas de forma invisível, e alimentado apenas com a alma ou
parte imaterial, que, de acordo com sua doutrina, permanece sobre o lugar de sacrifício, até que o corpo da vítima ser inteiramente desperdiçado
por putrefação.”Cozinhe só podia esperar que algum dia‘este povo iludidos’iria perceber o‘horror de matar seus semelhantes, a fim de fornecer um
banquete tais invisível ao seu deus.’ 3

Houve, no entanto, uma característica da vida em algumas ilhas polinésias que Cook aprovados de: a coesão social. Enquanto em Tonga, ele
escreveu, “Não, na verdade, parece que qualquer das nações mais civilizadas já ultrapassou este povo na grande ordem observada em todas as
ocasiões; no pronto cumprimento das ordens de seus chefes; e na harmonia que subsiste em todas as fileiras, e une-os como se todos fossem um
só homem, informado com e dirigido pelo mesmo princípio.” 4

Um único princípio fez, em certo sentido, orquestrar harmonia social polinésia, e foi o mesmo princípio que inspirou polinésios para arrancar
os olhos fora de cadáveres recém-criados: reverência ao divino. De acordo com um francês que visitou Polinésia, no século XVIII, os deuses para
que dominou a vida que “não havia uma única ação, empresa, ou evento, que não foi atribuído a eles, submetidos ao seu controlo, ou feito sob os
seus auspícios.” 5 Este pode ser um exagero, mas não por muito. Seja qual for a sua reação à vida em indígena Polinésia-se admirar a sua ordem,
lamentam sua brutalidade, ou ambos-da sentença é em grande parte um julgamento de sua religião.

As sociedades indígenas das ilhas polinésias, da Nova Zelândia, no sul de Havaí no norte, de Tonga, no leste da Ilha de Páscoa, no oeste,
eram o que os antropólogos chamam de “chefias”. 6 Chefias são tipicamente sociedades agrícolas, e eles são muito maior e mais elaborado do que
a sociedade média de caçadores-coletores, geralmente compreendendo muitas aldeias e milhares de pessoas. Liderança está nas mãos de um
“chefe”, e pode haver chefes regionais debaixo dele.

Chefias têm sido vistos em ação nas Américas e África, bem como Polinésia, e os restos de antigas chefias foram encontrados por
arqueólogos de todo o mundo, nomeadamente na proximidade de grandes civilizações antigas. O nível de chefia da organização social parece ter
sido uma estação de maneira padrão entre as sociedades de caçadores-coletores e os estados antigas adiantadas, como o Egito e China
Shang-maiores, organizações políticas urbanas que tinham escrito. A chefia, a forma mais avançada de organização social no mundo 7.000 anos
atrás, representa a fase pré-histórica final na evolução da organização social e da evolução da religião.

Há muitas diferenças entre chefias observados, mas uma coisa que eles compartilham é a dependência estrutural sobre o sobrenatural.
Seus sistemas políticos e religiosos estão profundamente interligados; seus governantes têm uma conexão especial com o divino e colocar este
estado para uso político. O chefe polinésia, um estudioso ocidental escreveu, “está para o povo como um deus.” 7

Xamanismo, então, acaba por ter sido o começo de algo grande. Esta forma primitiva de experiência religiosa, encontrada em
caçadores-coletores e sociedades hortícolas, era, no máximo, uma liderança amorfa. Embora as reivindicações do xamã para habilidade
sobrenatural ganhou-lhe status social e uma espécie de poder sobre a vida das pessoas, a influência xamânica raramente traduzido em influência
política clara. Mas, como a agricultura surgiu e chefias cristalizado, liderança política e religiosa amadureceu e fundido, e a fusão realizada essas
sociedades recém complexos juntos.

Quer isto dizer que os deuses estavam agora bem? Se os amorais deuses, por vezes imorais do mundo dos caçadores-coletores foram
substituídas por algo mais louvável proposital? Tinha deuses finalmente encontrou um chamado mais elevado? Essas perguntas nos trazer de
volta ao debate observado no capítulo anterior, entre funcionalistas e “marxistas”: Será que a religião servir o povo, ou apenas os poderosos?

Não há aglomerado de tribos melhor posicionada para lançar luz sobre esta questão do que aqueles na Polinésia. Em virtude de seus
arredores-lotes da água, eles eram remotas da influência cultural de sociedades mais tecnologicamente avançados. (Chiefdoms norte-americanos,
em contraste, compartilhou um continente com os astecas, uma sociedade em nível estadual). E quando o contato com culturas alienígenas vieram
à Polinésia, muito do que veio via europeus que gravaram suas primeiras impressões para a posteridade. Os observadores não foram treinados,
antropólogos modernos (que são ensinadas para não tornar tais juízos de valor como “desperdício chocante da raça humana”, mesmo quando se
fala de sacrifício humano). Mas eles fizeram compilar um banco de dados que, como destilada por antropólogos posteriores, nos dá uma noção do
que
deuses parecia certo antes de entrar no registro histórico.

Os Deuses da Polinésia

Começando mais de três milênios atrás, as ilhas polinésias eram povoadas por uma cadeia de migração que emitiu do sudeste da Ásia. 8 ilhas
individuais, em seguida, realizou seu património cultural comum em diversas direções. Polinésia é, portanto, prova da inquietação que ações
evolução cultural com a evolução biológica, a criação persistente e retenção seletiva de novos traços. Assim como Darwin notou fisiologia
sutilmente diferente entre os tentilhões que viveram em diferentes ilhas Galápagos, os antropólogos têm sido atingidos pela variação cultural entre
as ilhas da Polinésia.

Considere o deus chamado Tangaroa-ou Tangaloa, ou Ta'aroa, dependendo do que ilha em que estava. Ele foi amplamente considerado como
tendo desempenhado um papel importante na criação, mas que papel exatamente? Em alguns lugares, ele foi creditado por ter levantado os céus,
em outros por ter desenterrado as ilhas.
9 Em Samoa parecia que Tangaloa tinha criado a humanidade, e talvez até mesmo a própria matéria; assim ele habitou exaltadamente nos céus,

uma divindade proeminente. 10 Nas Ilhas Marquesas, Tangaroa viveu vergonhosamente sob os pés de Atanua (deusa do amanhecer), tendo
perdido uma batalha para seu marido Atea (deus da luz). 11

Mas se os vários povos polinésios discordaram sobre deuses específicos, eles concordaram sobre deuses em geral. Por exemplo, todo
mundo acreditava que havia muitos deles. Nas ilhas-a Sociedade conjunto ancorado por Tahiti-havia deuses do mar (que usaram tubarões para
transmitir sua pique com pessoas) e deuses do ar (que usaram furacões e tempestades). Havia deuses de pescadores, de navegadores, de
confecção de redes, e mais de uma dúzia de deuses da agricultura. Não era um deus de carpinteiros (não deve ser confundido com os deuses do
thatchers casa), vários deuses médico (alguns especializado em fraturas e luxações), deuses de atores e cantores, e um deus do “salão de
cabeleireiro e penteadeiras.” 12

Alguns antropólogos chamam esses tipos de deuses “deuses departamentais”, e uma razão havia tantos deles na Polinésia é que havia
tantos departamentos. Considerando todos em uma sociedade de caçadores-coletores é um caçador e / ou coletores, a evolução das chefias
significava divisão real do trabalho, e deuses multiplicado para preencher os novos nichos profissionais.

Os deuses polinésios supervisionado de perto a economia, um fato muito nas mentes de seus súditos. O antropólogo ES Craighill Handy
escreveu em seu livro 1927 Polinésia Religião, “Todo empreendimento sério foi considerado como actividade consagrada pelos polinésios.” 13

Nenhum negócio foi mais grave do que a pesca. Um barco, talvez um duplo canoa que prende vinte homens, iria dar o fora e desaparecer de
vista e, em seguida, voltar com montes de bonito e outra enorme peixes- ou voltaria vazio, ou até mesmo deixar de voltar. 14 As apostas eram altas,
e sucesso significava jogar pelas regras dos deuses desde o início.

E isso significava que o muito começando. “A construção de uma canoa era uma questão de religião”, escreveu o século XIX havaiano David
Malo da cultura indígena de sua terra natal. Quando um homem encontrou uma árvore que parecia estruturalmente adequado, ele diria o construtor
canoa mestre, que iria dormir sobre o assunto, encontrando-se antes de um santuário. Se ele sonhava com um homem ou uma mulher nua “que
abrange a sua vergonha com a mão”, que significava a árvore era indigno, Malo relatórios. 15 Atraentes, personagens bem vestidos, em contraste,
eram uma luz verde.

A noite antes de derrubar a árvore, artesãos acampados perto dele, orou, e ofereceu os cocos deuses, peixes e um porco. Na manhã seguinte,
em um forno construído perto da base da árvore, eles cozinhavam o porco e-deuses agora ter ingerido seus nutrientes espirituais -ato carne. Em
seguida, eles oraram para seis deuses e duas deusas, incluindo divindades da floresta, da canoa, e do machado. 16 Em seguida, eles tomaram seus
machados de pedra para a árvore. Depois que ele caiu, o construtor canoa mestre vestiu traje cerimonial, estava sobre a árvore perto de sua parte
inferior com o machado na mão, gritou: “Greve com o machado e oco-lo! Concede-nos uma canoa!”E, em seguida, bateu na madeira. Ele repetiu
essas palavras, atacou novamente, repetiu as palavras, atacou novamente, e assim por diante, passando da parte inferior da árvore para o topo.
Então ele envolto a árvore com uma videira de florescência, disse uma oração sobre cortando seu topo, e cortou seu topo. A conclusão da canoa
poderia levar muitos dias e repetidos apelos envolvidas para deuses, para não mencionar mais uma rodada de porco, peixe e coco. Fazendo
apenas os cabos de fixação para o estabilizador era uma questão de “maior solenidade”, escreveu Malo. 17

Uma vez terminado, a canoa movida para baixo a correia transportadora divina, para a supervisão de novos deuses. O deus patrono de pesca,
Kuula, era adorada em pequenos santuários de pedra em homenagem a ele. Mas havia outros deuses de pesca- “vários e numerosos,” Malo
escreveu-e cada pescador adotado “o deus de sua escolha.” A escolha teve consequências. O deus do um pescador, por exemplo, tinha opiniões
fortes sobre a cor preta, de forma que nenhum membro da família se vestia de preto, e todo preto foi banido da casa. 18

A cerimônia marcou o início da estação para cada tipo de pesca. Quando chegou a hora de pegar
aku ( bonito), um nobre comeu um aku 'S olho juntamente com o olho de um ser humano sacrificados. (Esta foi uma boa notícia para aku amantes,
porque terminou o período durante o qual comer aku foi punido com a morte.) Na noite anterior expedição inaugural da temporada, os pescadores
reunidos em um santuário de pesca, onde passariam a noite juntos, removido da atração de sexo com suas esposas, o que poderia
incorrer ira divina. Eles trouxeram comida sacrificial, adoravam o deus pesca, e antes de se aposentar para a noite fez uma leitura responsiva
durante o qual um sacerdote disse: “Salve-nos do pesadelo, de sonhos Bad- sorte, de presságios de maus.” 19

Do ponto de vista de um construtor naval moderna ou pescador comercial, muito do acima exposto pode parecer preparação não essencial
para o trabalho. E é realmente difícil argumentar que a remoção de todo o preto da casa é, em si, um tempo bem gasto para o pescador ambicioso.
Ainda assim, o efeito combinado de todos esses rituais era para encobrir o negócio de construção de canoa e pescar em um ar de solenidade que
supostamente encorajado desempenho exigente e consciente.

Em qualquer caso, nós vamos voltar à questão do que bom foi feito pela dimensão religiosa da economia polinésia. Por agora o ponto é
apenas que a dimensão religiosa foi considerável.

Tapu e mana

Sustentando a vida económica das ilhas eram dois princípios religiosos fundamentais, e eles reforçavam grande parte da vida polinésia em geral.
Um foi tapu, de onde vem o Inglês palavra “tabu”. Tapu
referido coisas diferenciam ou proibidas. Assim, todos os comportamentos proibidos observado nos parágrafos anteriores foram tapu: comendo aku antes
de o aku temporada, vestindo preto se o seu deus tinha proibido, ter relações sexuais com sua esposa antes de uma expedição chave pesca. Essas
coisas não estavam apenas franziu a testa em e punido com desaprovação social, a maneira vestindo preto para uma regata pode ser hoje em dia. Tapu

violações foram punidos pelos próprios deuses, na forma de uma expedição fishless, uma doença, até mesmo a morte. Tapu colocar amido
no tecido ritual de Polinésia.
O segundo conceito-chave era mana. Os estudiosos discordam sobre o que mana significou-em parte, sem dúvida, porque o seu significado
variou sutilmente de chefia de chefia. Alguns dizem mana era um poder mágico ou divino, uma espécie de eletricidade sobrenatural. outros dizem mana
foi mais banais; era basicamente só a eficácia, o sucesso em conseguir o que quer. 20 Independentemente de quão mana é definida, que era uma
coisa religiosa, por mana foi entregue para a sociedade polinésia pelos deuses. Foi a parte cenoura da estrutura de incentivos polinésia. Assim
como as violações dos tapu traria desgraça, o respeito pelos tapu poderia escorar mana.

chefes possuíam mana em proporções espetaculares. Eles foram condutas através das quais mana
entrou a sociedade e depois escorreu da escala social em menor folk. Este papel da saliência divina era uma extensão natural da lógica do
xamanismo: elevar a sua importância, afirmando acesso especial ao sobrenatural. (Isso não significa que os chefes não se julgam em mana. Percebe-se
um ar de desespero autêntico no caminho um chefe recém-instalado no Ilhas Salomão implorou a alma de seu predecessor morto para “rastrear
aos deuses por algum mana para mim.”rastejando diante o chefe ex-partido, ele declarou:‘Eu como dez vezes seu excremento.’) 21

E se mana fez o chefe especial, tapu formalizado a sua especialidade. Uma das coisas mais consistentemente tabu na Polinésia era o contato
casual com o chefe. Quando um chefe de Tonga deu a volta, Capitão Cook notado, as pessoas não só abriu um caminho para ele, mas sentou-se
até que ele tinha passado. O encontro permitiu foi a curvar-se e cuidadosamente tocar seu pé. 22 Em algumas ilhas, plebeus não podia nem ouvir
um chefe de falar; um porta-voz-a “chefe falar” -conveyed seus pronunciamentos. Não havia nenhuma possibilidade de familiaridade para procriar
desprezo.

Como se tudo isso não fosse suficiente, os chefes eram frequentemente descendem de deuses e após a morte pode bem tornar-se deuses,
assumindo que eles não foram já considerado divino. Em algumas ilhas, o chefe também foi o padre cabeça, e em ilhas onde não foi, chefe e
sacerdote normalmente trabalhado de mãos dadas. Isto significou o chefe poderia ajudar a decidir o que era e não era tapu -no poder trivial em uma
sociedade onde as violações de tapu foram intensamente evitado.

Em suma, os líderes políticos polinésia foram banhada de autoridade que emanava do divino. Assim eram um chefe de Tonga é arengas
não-raras absorvidos como Capitão Cook descreveu: “O mais profundo silêncio e atenção é observado durante a arenga, mesmo a um grau
muito maior do que é praticado entre nós, sobre as deliberações mais interessantes e graves de nosso mais montagens respeitável “. 23

Esta autoridade, e sua fonte, são características comuns de chefias. Entre os Natchez, na atual Mississippi, o chefe era conhecido como Irmão
do Sol, uma denominação obrigado a aumentar a sua estatura, dado que o Sol era um deus sem par. Maturin Le Petit, missionário jesuíta,
observada do Natchez em 1730, “Essas pessoas obedecer cegamente o mínimo desejo de seu grande chefe. Eles olham para ele como um mestre
absoluto, não só de sua propriedade, mas também de suas vidas “. 24

Após a morte de um chefe Natchez, Le Petit relatado, vários de seus súditos iria comer tabaco suficiente para perder a consciência e, em
seguida, ser ritualmente estrangulado, acompanhando, assim, o chefe do futuro. Enterro permanece em vários continentes sugerem que este
serviço pós-vida escolta era um privilégio generalizada para chefes. Não parece ser uma verdade geral na observação do chefe Natchez do Le
Petit: a “credulidade das pessoas mantém-lo na autoridade despótica que ele diz.” 25

Crime e punição
Na Polinésia, o chefe usou sua autoridade divina para típicas esforços principalmente: festas que organizam, exércitos organização, manutenção
de estradas e sistemas de irrigação e acumular os recursos necessários.
26 Claro, os políticos modernos conseguem fazer a mesma coisa-gastos e impostos sem ser pensado nem remotamente sagrado. Mas eles têm

uma vantagem sobre os chefes: as leis escritas, muitas vezes, descansando sobre uma constituição santificado, e apoiado pelos tribunais que
não só impõem o cumprimento mas emprestar legitimidade. Chefes, sem a santidade secular estas coisas conferir, contou com o tipo antiquado
de santidade.

No Havaí, quando era hora de recolher alimentos para o anual Makahiki festival, o chefe (ou “rei”, como os ocidentais às vezes o chamava, tão
grande e elaborada foram os polities havaianas) colocaria toda a terra sob tapu, confinando todos seus domicílios. Os padres, tendo uma figura do
deus Lono, em seguida, juntou-se colectores de impostos em visitar o chiefdom, levantando o tapu na sua esteira, liberando o distrito de pessoas por
distrito. Se descontente com a contribuição feita por um distrito, eles iriam amaldiçoar seu povo em nome de Lono. 27

Deuses não eram a única força coercitiva. Chiefs teve retentores armados que poderia administrar espancamentos e aplicar banimento. 28 Mas
para qualquer governante, a menos que você tem que fazer, melhor. E quando a força deve ser exercido, menos banal que parece, o melhor;
crença de que as leis que estão sendo quebrados eram comandos, e não apenas chefes dos deuses caprichos, pode ajudar a explicar por
espancamentos, por algumas contas, foram absorvidos sem protestar. 29

Além disso, em chiefdoms há limites sobre o âmbito da coerção governamental, e aqui surgiu uma oportunidade para a religião a desempenhar
um segundo papel na ordenação da sociedade. Uma diferença entre a chefia e um estado é que um governo estadual normalmente tem o
monopólio do uso legítimo da força: não importa o que seu vizinho faz para você ou sua família-roubo, assalto, até mesmo assassinato, você não
pode retaliar; o governo lida com a punição. Mas, em tribos, como nas sociedades de caçadores-coletores, as queixas podem ser ventilado por
retaliação violenta. Isso não significa que essas sociedades estão sem lei; a punição por um determinado crime pode ser uma questão de
consenso, e pode ter a bênção do chefe. É que infligir o castigo é o trabalho das vítimas ou seus parentes.

Este tipo de aplicação da lei laissez-faire é uma fonte mais frágil da ordem social em chiefdoms do que nas sociedades de
caçadores-coletores. Em uma pequena aldeia de caçadores-coletores, você sabe todos e vê-los com freqüência e pode um dia precisar de sua
ajuda. Assim, os custos de obtenção de alguém lado ruim são elevados ea tentação de ofendê-los proporcionalmente baixa. Em uma chefia,
contendo milhares ou até dezenas de milhares de pessoas, alguns de seus vizinhos são mais remota, portanto, mais alvos convidativos de
exploração.

E há mais para explorar. Considerando que uma sociedade de caçadores-coletores há pouca propriedade privada, em chiefdoms famílias
possuem coisas como árvores de fruto e jardins, um convite aberto ao roubo. E como crime cresce mais tentadora, ela cresce mais explosivo.
Enquanto seu castigo é deixado para as vítimas, a perspectiva de brigas de família versus família teares. E uma vez que em chiefdoms estas
“famílias” podem ser grandes clãs que equivalem a uma pequena aldeia, “briga” pode ser um eufemismo.

Nesta fase da cultural evolução, com policiamento pessoal de ter perdido o seu charme, mas com governo ainda não eliminar a folga-a
força complementar de controle social foi chamado para. Religião parece ter respondido à chamada. Enquanto a religião nas sociedades de
caçadores-coletores não tinha muito de uma dimensão moral, religião nas chefias polinésia fizeram: é sistematicamente desencorajados
comportamento anti-social.

Você pode não perceber isso em uma inspeção ocasional dos deuses polinésios. Em muitos aspectos eles são uma reminiscência de deuses
de caçadores-coletores, com uma falta de virtude consistente. 30 Robert Williamson, que no início do século XX heroicamente comprimido séculos de
relatórios sobre Polinésia centro em poucos volumes clássicos sobre a sua religião, escreveu que os deuses Society Islands “comeu e bebeu,
casado e espectáculo de gratificações sexuais e brigaram e lutaram entre si .”Em outras palavras,‘as pessoas imaginavam que eles sejam como
eles mesmos eram apenas dotado de maiores poderes.’ 31 Portanto, a chave era dar-lhes coisas, como comida e respeito. Orações e sacrifícios
enviados para deuses do ar pode evitar tempestades, ou levá-los a, no caso de uma frota de invasores estava se aproximando. 32 E se você fosse o
agressor, e seu inimigo tinha recuado a uma fortaleza, você poderia comprar fora deuses do inimigo, colocando oferendas perto do forte para
incentivar a deserção divina. 33

Da mesma forma, a antecipação da vida após a morte, que hoje é uma cenoura moral ou vara para tantas pessoas, retidas nas tribos
polinésias o sabor fortemente amoral que tinha nas sociedades de caçadores-coletores; sua vida no além foi moldada principalmente por outros do
que como você tratou as pessoas aqui as coisas. Nas Ilhas da Sociedade, se você morresse no mar, seu espírito entraria um tubarão, e se você
morreu em batalha, você iria assombrar o campo de batalha. 34 No longo prazo, a maioria das almas polinésia migrado para um lugar distante, por
vezes descrito como um submundo escuro, às vezes como uma ilha distante. Não pode ser uma alternativa mais luxuoso no céu-um “morada de luz
e alegria” 35 como um ocidental descrito de uma ilha versão, mas se você fosse um Joe comum, vivendo uma vida correta não iria chegar lá; esse
paraíso foi reservada para a classe dominante e talvez algumas outras elites. (Nas Ilhas Society foi aberta a showpeople-cantores, atores,
dançarinos, embora não de graça, eles tinham que ter quaisquer bebês nascidos de matá-los, ou expulsão rosto outra pessoa de guilda dos artistas
que foi a porta de entrada para o paraíso. ) 36 Em geral, Handy observou, “Prestige, ritos e circunstâncias que afetam a morte determinam o destino
em vida após a morte.” 37
No entanto, se a religião polinésia não tinham os incentivos morais de alguns modernos deus religiões-a-modelo que distribui atribuições vida
após a morte de acordo com a sua conduta grade-lo tinha outra orientação moral incorporada.

Para começar, embora polinésios não se preocupam com punição que poderia esperar-los em vida após a morte, havia um medo edificação
do castigo que poderia originar lá, via fantasmas que franziu a testa em seu comportamento. Em uma lenda havaiana, o espírito de um homem
morto assombra seu assassino até que o assassino faz as pazes com a construção de três casas, uma para os parentes do homem morto, um
para os seus servos, e um para os ossos do morto. 38

Acreditando que ninguém vos caluniam pode assombrá-lo da sepultura poderia transformá-lo em uma pessoa bastante agradável. Este -fear
incentivo de fantasmas-se também encontrado em alguns caçadores-coletores ou hortícolas religiões, mas nas tribos polinésias que tinha adquirido
o poder adicional de supervisão divina: os mesmos deuses que não iria puni-lo na próxima vida punido-lo na este. deuses tonganeses, por exemplo,
punidos roubo com ataque de tubarão. ( “Em consequência,” o H. antropólogo Ian Hogbin observado, “ladrões hesitou a nadar, durante a estação
em que os tubarões estavam no seu pior.”) 39 E esses deuses tonganeses deu recompensas, bem como punição; mana foi concedido não apenas
para correção ritual, mas por roubo-evitando bondade moral e outros atos anti-sociais. 40 Um impulso na mana

não era uma mera abstração; isso significava mais porcos e inhame, aqui e agora.
Ainda assim, a sanção divina padrão na Polinésia era um pau, não uma cenoura. Em Samoa, um missionário do século XIX relatou,
“calamidades são rastreados para os pecados do indivíduo ou seus pais, ou algum outro parente próximo.” O roubo, por exemplo, pode trazer
“ulcerosa, hidropisia, e inflamação do abdômen.” 41

Mesmo a vida familiar foi objecto de sanção sobrenatural. Nas Ilhas da Sociedade, um pescador que discutiu com sua esposa antes de
uma expedição teria má sorte. Uma mulher que traiu seu marido enquanto ele estava no mar poderia trazer azar, incluindo o seu afogamento. 42
E em muitas ilhas polinésias, hostilidade em relação aos parentes poderia ser punido com a doença. 43 Em uma sociedade onde as famílias
alargadas viver juntos e formam a unidade básica da sociedade, isso por si só poderia fazer maravilhas para a harmonia social.

Quando você somar todas as maneiras pouco religião polinésia incentivou a auto-contenção, 44 você acaba com uma quantidade razoável de
encorajamento-suficiente, talvez, para compensar a ausência de um sistema legal centralizado. E a religião em chiefdoms estava fazendo mais do
que preencher para leis seculares ainda-não-inventadas; foi abrindo caminho para leis seculares. 45

Por exemplo, as tribos polinésias contou com a propriedade da terra, algo geralmente falta nas sociedades de caçadores-coletores. No mundo
moderno, os marcadores de propriedade são coisas seculares; você pode respeitar fenceposts ou agrimensores pinos, mas você não
reverenciá-los. A julgar pelas tribos polinésias, marcadores de propriedade começou como algo mais inspiradora. Em muitas ilhas, uma família
poderia (por vezes com a ajuda de um padre) colocar um tabu em suas árvores frutíferas e hortas, deixando-a para os deuses para processar
ladrões ou intrusos através de doença ou morte. Esses tabus propriedade foram anunciados com sinais feitos de folhas, paus e outros materiais
úteis. Em Samoa, os sinais convenientemente sinalizou o tipo de infortúnio aguardando o ladrão. fibra de coco moldada na forma de um tubarão
significava ataque de tubarão; uma lança cravada no chão predito neuralgia facial. (O sistema não era perfeito. Se nativos tonganeses poderia obter
algum ocidental visita para remover o sinal e, portanto, o tabu, que ficaria feliz em comer a fruta de uma árvore previamente proibido.) 46

Samoa, ao contrário da maioria chefias polinésia, tinha os rudimentos de um sistema de júri. Se uma reclamação não foi resolvida por
retaliação, um corpo de moradores chamado de fono ouviria testemunho. E aqui, também, a lei foi entrelaçada com o sobrenatural. Às vezes, o
acusado tinha que beber uma substância que, se ele causou doença ou morte, significava culpa. 47 E sempre o acusado tinha a jurar a sua
inocência a algum deus. Claro que, mesmo hoje, um réu pode jurar por Deus para dizer a verdade, mas em Samoa o juramento foi menos
superficial: o medo da vingança do deus poderia trazer uma confissão dramática.

O lado escuro do polinésios deuses

Se você comparar a vida moderna com a vida em uma sociedade de caçadores-coletores, as diferenças são grandes. Temos uma economia
produtiva complexa, com divisão de trabalho e investimento de capital e alta tecnologia. Temos um governo elaborado, a sua autoridade
descansando em leis que orientam a aplicação e preservar a legitimidade. Tudo isso permite que as pessoas interagem pacificamente e
produtivamente com pessoas que conhecem mal, se em tudo. E todo o sistema é racionalizada; embora possa descansar em parte intuições
morais e desenhar sobre o sentimento religioso ( “Assim Deus me ajude”), justificamos nossos sistemas políticos, jurídicos e econômicos em
termos pragmáticos, revisando-os em nome da eficácia.

Mas, aparentemente, nós não chegar a esta racionalidade de uma forma muito racional. Quando estrutura social deu seu primeiro grande
passo em direção ao mundo moderno, evolução da sociedade de caçadores-coletores para chiefdom agrária, ele apoiou-se em deuses. Nem
todas as chefias observadas são tão permeada pela religião como os polinésia, mas em comparação com as sociedades modernas, chefias em
geral são embebidos na mesma. Em chiefdoms, deuses eram guardiões do poder político, supervisores de desempenho econômico, e
apoiantes de normas sociais que permitem unprecedently um grande número de pessoas vivem juntas. E isto
residencial densidade esta alta concentração de cérebros e egos-patrocinou um tipo de sinergia criativa, acelerando o ritmo da mudança
tecnológica e social, impulsionando a sociedade em direção a forma moderna. Tudo o que você acha do mundo você se encontra, você tem os
deuses das tribos de agradecer por isso.

Mas quão gratos se os polinésios ter sido? Era seu sistema social a apenas um? Será que a religião, na defesa ele, defender o bem
público? Ou eram deuses apenas uma ferramenta de opressão, devotamente sustentado por uma classe dominante que queria continuar a
viver de forma a que se acostumaram?

Polinésia certamente dá algum apoio a este último ponto de vista. Chiefs, por exemplo, tem um monte de mulheres, como convém a quase
divina. E a classe dirigente em geral tem muita comida. No Havaí, fontes preciosas de proteína de porcos, galinhas, peixes-enrolado
desproporcionalmente sobre mesas de jantar de elite, enquanto os vegetais eram mais amplamente acessível. 48 Nas Ilhas Society, plebeus não
podia entrar no terreno do templo, local de grandes sacrifícios aos deuses, mas os sacerdotes podiam, e comeram parte dos alimentos aos
deuses deixado para trás, a parte física. padres polinésia também lucraram com que santificado serviço xamânica, a comunhão com base em
taxa com o sobrenatural. Um de seus trabalhos foi para curar doenças por adivinhar que ofensa que causou isso. 49 Um missionário metodista do
século XIX descrito um sacerdote samoano entrando em um transe de diagnóstico via “yawnings e coughings preliminares”, em seguida,
passando por contorções e convulsões, até que finalmente o deus possuí-lo prescrito a expiação reparadora, como para “presentes para ser
dado ao sacerdote." 50

Elites também tem assistência médica pródiga. Quando um plebeu Tonga estava doente, sacerdotes pode prescrever um sacrifício curativa
modesta: cortar a articulação do dedo de um parente ainda mais baixo na hierarquia social. Mas para a doença de um chefe, às vezes a única cura
era estrangular uma criança. 51
Igualdade perante a lei não era um princípio polinésia rocha. Em Tonga, assassinato foi geralmente punidos de uma maneira ou outra, mas
não se ele foi o assassinato de um plebeu por um chefe. 52 Em Samoa, adultério poderia trazer uma ampla gama de punições informais a menos
comprometidos com a esposa de um chefe, caso em que a punição era formal e variou apenas de morte por afogamento até a morte por
espancamento. 53 O sacrifício humano parece também ter tido um viés de classe alta. Nas Ilhas da Sociedade, um antropólogo observou, os
candidatos para o sacrifício caiu em várias categorias, incluindo prisioneiro de guerra, blasfemo, e “pessoa desagradável para o chefe ou padre.” 54

Em defesa da Polinésia Gods

Diante de fatos como este, o que poderia um funcionalista possivelmente dizer em defesa da alegação de que a sociedade benefícios religião
como um todo? Mais do que você possa imaginar.
Considere sacrifício humano, como avaliado nos termos clínicos do funcionalismo. Mesmo Capitão Cook, que considerou um “desperdício da
raça humana”, observou que muitos dos adultos sacrificado eram criminosos. E muitos outros foram “companheiros baixos comuns, que passear de
lugar para lugar e de ilha para ilha, sem ter qualquer residência fixa, ou alguma forma visível de obter um sustento honesto.” 55

Agora, podemos considerar hoje a morte punição excessiva para muitos crimes, e certamente para transitoriedade e da indigência. Mas bem
depois escreveu Cook, sua Inglaterra natal seria trancar as pessoas pobres na prisão civil. E, em qualquer caso, a remoção da sociedade de
pessoas que tirar dele menos do que eles dão não é, em termos econômicos frios, um “desperdício”. Pode muito bem ter feito a chefia forte e mais
eficiente, e, assim, ter sido socialmente “funcional”, o que você acha de sua moralidade. (Crença Supernatural tem outras maneiras de eliminar os
artistas pobres. Em várias sociedades, incluindo alguns caçadores-coletores, pessoas acusadas de feitiçaria ou bruxaria e punidos com banimento
ou morte tendem a ser notoriamente não cooperativos ou de outra natureza personagens anti-sociais.) 56

Mais geralmente, religião polinésia parece ter mantido o zumbido máquina. Sob o olhar severo de deuses, canoas foi feito, o peixe foi pego,
porcos e inhame foi levantada.
Mas não havia uma maneira mais fácil de obter bom artesanato obra, como, por exemplo, deixando equipes de construtores de canoa
competir uns com os outros para vender canoas para pescadores, e contando com a motivação do lucro para incutir? Já ouviu falar da livre
iniciativa?
Estas são perguntas feitas a partir de uma perspectiva moderna, em uma sociedade com coisas como dinheiro e mercados eficientes. Voltar
quando a humanidade deu o primeiro passo em direção a esse mundo, movendo-se de pequenas aldeias de caçadores-coletores em direção a
sociedades agrárias grandes, multivillage, a lógica dessas coisas não era tão óbvio. Para ter certeza, houve troca nas chefias polinésia. Mas,
aparentemente, coisas que agora acontecem através da magia do mercado eram necessária de um impulso do governo e / ou religião. Em festas
organizadas por chefes e alimentado por contribuições divinamente inspiradas de agricultores e pescadores-plebeus que comiam iguarias de ilhas
distantes tinha em efeito trocados seu trabalho para o alimento desejado, algo que agora fazer com o dinheiro.

religião polinésia fez coisas que, mesmo em muitas sociedades modernas são tratados pelo governo, e não por estradas de construção de
mercados e sistemas de irrigação, fornecendo uma rede de segurança social. Em muitas ilhas, chefes usado sua influência sagrada para extrair
contribuições para um armazém de alimentos que toda a sociedade poderia recorrer a em tempos de escassez, mas sim como um governo moderno
recolhe impostos para ajuda de emergência. E em Samoa, pescadores tem o equivalente aproximado do seguro-desemprego: no final de um
bonito expedição de pesca, cada canoa rendeu parte de sua captura ao tautai, o pescador cabeça, que o usou para realizar uma festa para todos os
pescadores. 57 Desde canoas com lanços parcos foram isentos deste imposto, mas compartilhado na festa, este ascendeu a uma redistribuição dos
ricos para pobres. O contexto do sagrado fato de que o tautai era uma espécie de religiosa líder pode ter atenuado o ressentimento dos pescadores
mais consistentemente bem sucedidos.

Na visão funcionalista, algumas vantagens de chefia deve ser visto como pagamento por serviços administrativos. Afinal, nas sociedades
modernas, os titãs de negócios e política são concedidos riqueza e / ou poder, e estes são defendidos (por aqueles que os defendem, pelo menos)
como compensação justa para as funções sociais vitais. Concedido, o tipo da compensação dada chefes polinésia pode nos parecer estranha. É com
orgulho garantido que podemos dizer que não estrangular as crianças em nome dos poderosos. Ainda assim, nós provavelmente deve limitar a
nossa auto-congratulação. Em chiefdoms homens poderosos obter muitas mulheres, ao passo que nas sociedades modernas que recebem (se
quiserem) muitas amantes. Em chiefdoms o poderoso poderia fazer coisas que, se feito por outros seria ofensas graves, ao passo que nas
sociedades modernas o mesmo privilégio é concedido menos formal; os de uso ricos e poderosos advogados caros e contatos-chave para iludir a
justiça, enquanto os infratores mais pobres vão para a cadeia.

Além disso, mesmo como chefes tenho regalias que nos parecem estranhas, eles também pagou alguns preços estranhos. Em Tonga,
chefes sacrificaram seus próprios filhos, ainda crianças nascidas de mulheres de classe baixa e, portanto, não na linha de sucessão
principalmente. 58 Foram também esperado formas menos dramáticos de obrigar noblesse. Como o antropólogo Marshall Sahlins observou,
“mesmo o maior” dos chefes polinésia sabiam que “generosidade era moralmente Compete-los.” 59

O Saving Grace of Chiefs

Na verdade, talvez devêssemos Não vos admireis exploração do chefe de seu poder, mas nos limites da exploração-nos serviços sociais que
realizava e os sacrifícios que ele fez. Você poderia pensar que alguém da linhagem divina, envolta em uma névoa de santidade ritual, poderia ter
começado afastado com menos de ambos. Por que não foi?

Uma razão é que as pessoas não são bobos. Nossos cérebros foram projetados pela seleção natural para nos proteger contra o perigo,
incluindo a exploração. Eles são, devido a peculiaridades de história evolutiva, suscetíveis de idéias religiosas e sentimentos, mas eles não são
facilmente cegado por eles. Taitianos tinha uma frase para chefes que “comem o poder do governo muito.” 60 E evitando esta denominação era do
interesse dos chefes; na Polinésia amplamente, como o arqueólogo Patrick Kirch observado em A evolução das tribos polinésias, “Uma chefia
excessivamente inchado pode levantar o espectro de rebelião.” 61 Ou o espectro de um golpe de Estado. No Tahiti, sacerdotes e outras elites se
aproximaria de um chefe despótico persistentemente e oferecer essa orientação: “Vá e comer a perna de porco temperada com esterco! Tua
royalty é tomado de ti, és colocado para baixo para pisar a areia, a andar como homens comuns “. 62

Outra coisa que manteve chefes honesto é a concorrência com outras tribos. Guerra era comum na Polinésia, e entre tribos em geral. 63 War
coloca um prêmio sobre a eficiência social. Classes dominantes que são flagrantemente parasitária, por isso monopolizar completamente os frutos
do trabalho comum a deixar pouco incentivo para isso, tendem a acabar no lado perdedor, e seus modelos culturais chiefocentric tendem a acabar
na lata de lixo da história. Em contraste, uma religião que aumenta a coesão social ea produtividade pode não apenas sobreviver, mas prevalecer,
se espalhando para as sociedades mais fracas através de conquista. Para essa matéria, pode replicar pacificamente. Assim como as pessoas
emular pares de sucesso, sociedades emular sociedades potentes.

Esta-a dinâmica deriva funcionalista da concorrência entre sociedades oferece explicações pelo menos especulativos para fatos de outra
forma intrigante. Por que os chefes sacrificar seus próprios filhos aos deuses? (Porque religiões que pediram nenhum sacrifício vivas por elites teve
problemas preservar a fidelidade de plebeus, e, portanto, não poderia sustentar o vigor social necessária para prevalecer na competição
intersocial?) Por que aqueles Ilhas da Sociedade showpeople, aqueles destinados a um paraíso que plebeus só podiam sonhar, permitiu a zombar
o chefe em apresentações públicas? (Porque comentário social satírico pode ajudar a verificar tendências auto-engrandecimento de um chefe antes
de tornar uma sociedade auto-destrutiva top-pesado?)

O padrão em exibição nas chefias Polinésia se estende para além deles, a outras tribos e até mesmo para outros tipos de sociedades. Por
um lado, a classe dominante, consistindo como faz dos seres humanos, vai tentar, consciente ou inconscientemente, para orientar cultura,
incluindo a crença religiosa, para seus fins egoístas. Mas este esforço se reunirá duas forças compensatórias, uma interna e outra externa. A
verificação interna é a resistência popular à exploração; menos potentes, mas mais numerosos povo comum vai, consciente ou
inconscientemente, defender seus interesses. Isso pode significar rebelião, e isso pode significar apenas resistindo idéias religiosas não
congênitas. (Em Tonga, elites tinha certeza de que os plebeus não têm nenhuma vida após a morte, alguns plebeus discordou.) 64 A verificação
externa na tomada de poder da classe dominante é a concorrência com os sistemas-que sociais alternativa é, as sociedades vizinhas.

Daí uma dialética em curso: elites usar seu poder para reunir mais poder, mas esta auto-engrandecimento vai encontrar resistência
popular em curso e ocasionalmente encontrar feedback negativo na forma de revolução, a derrota militar, ou eclipse econômica. Sociedades
forjadas por estes
forças fornecem a abundância de apoio anedotas para ambos os “marxistas” e funcionalistas, e assim totalmente reivindicar nenhum dos dois.

Este processo evolutivo não presta muita atenção aos detalhes míticas ou cosmológicas de uma religião. Se você chamar um deus Tangaloa
ou não Tangaroa não afeta significativamente a eficiência da sociedade, nem a sua opinião sobre se esse deus criação auxiliado por elevar o céu
ou pesca-se ilhas. Mas os tipos de comportamentos seus deuses punir e recompensa não importa. Produtividade e harmonia social são ativos na
competição intersocial, e assim são favorecidos pela pá infinita de evolução cultural. Não é nenhuma surpresa que, embora as biografias dos
deuses diferem muito de um chiefdom polinésia para o outro, um produto da deriva essencialmente aleatório, temas mais pragmáticas são mais
estáveis. Do outro lado Polinésia amplamente, religião encorajou trabalho exigente e roubo desanimado e outros atos anti-sociais.

Claro que, pelos nossos padrões, as religiões polinésia pode parecer longe de ser otimamente eficiente. Tanta superstição inútil, tanto ênfase
na correção ritual pura! não uma religião mais potente ter realocado tempo de fazer sacrifícios para a construção de canoas? Não teria focado
mais intensamente em incentivar a honestidade, generosidade e outras ajudas para a harmonia social? não suas cenouras e paus ter sido mais
potente? Claro, a ameaça de doença ou morte um soco. Mas por que não jogar em mais céu munição-like e inferno?

Uma resposta é que a evolução cultural leva tempo. Você não pode esperar um processo cego, tropeçando para trabalhar durante a noite
mágica, especialmente durante a idade de chefias. Naquela época, a inovação cultural não surgiu e se espalhou em um mar de milhões de
cérebros interligados eletronicamente. Havia apenas milhares de cérebros em uma sociedade, e a comunicação entre eles dependiam de
tecnologia da Idade da Pedra: andar e falar. e contato entre sociedades foi ainda mais árdua.

Mesmo assim, polinésia religião desenvolvido algumas características bastante sofisticados. mana, o próprio princípio que tornou chefes tão
poderoso e ajudou a justificar a sua santidade, também poderia dar início a sua morte. Assim como um chefe naturalmente maciça mana permitiu
governação eficaz, manifestamente má governação significava minguante mana. Então, se um chefe perdeu algumas batalhas, ele pode ser
usurpado por alguns nobre guerreiro cujos triunfos campo de batalha foram pensados ​para evidenciar alta mana. 65 Este mecanismo de feedback,
uma forma de dumping chefes incompetentes diante de seus erros atingiu proporções desastrosas, pode ter sido favorecido pela evolução
cultural, como chefias falta um mecanismo desse tipo tendem a ser invadida por aqueles que possuem isso.

Ao mesmo tempo, esta doutrina também recebe um impulso de lógica simples. Se de fato chefes favorecidos pelos deuses ter sucesso, então
a falha consistente de um chefe sugere que ele perdeu o favor dos deuses. Na verdade, a falha apenas sobre tem para significar que, se a crença na
religião é suportar os altos e baixos da vida. Toda religião, para sobreviver escrutínio lógica elementar, deve ter suas lacunas explicativas. Com
chefes polinésia, como com xamãs no capítulo anterior, uma brecha é a suposição de que minguantes poderes terrestres significar uma perda do
toque divino. E esta lacuna coloca um limite sobre o quanto a exploração até mesmo um líder divinamente ordenado pode se safar.

O princípio geral é que a ligação entre o divino e as obras mundanas em ambos os sentidos. As pessoas que acreditam que o divino controla o
terreno, por vezes, ser obrigado, por mudanças no nível do terreno, a rever as suas ideias sobre o que está acontecendo no nível divino. É uma
espécie de lei de simetria não intencional, e, como veremos no próximo capítulo, essa lei tem grande influência na evolução dos deuses desde a
idade de chefias.

Ciência e Conforto

Embora a religião é formada por intergrupais tensões-elites contra plebeus, da sociedade contra a sociedade
- ação formativa ocorre também em um nível mais refinado. Se um meme religiosa não encontrar um poleiro em cérebros individuais, não pode
se espalhar de cérebro a cérebro e assim vir a caracterizar todo um grupo em primeiro lugar. E um caminho para um meme para ganhar uma
recepção calorosa de um cérebro é torná-lo se sentir melhor.

religião polinésia pode parecer austero (e que, efectivamente trouxe polinésios muitas obrigações, moral e ritual, juntamente com alguma
ansiedade de desempenho), mas, ao mesmo tempo, ele fez o que a religião tem frequentemente feito: confortar as pessoas em face da
incerteza ou dúvida. Na idade de chefias, a dúvida não era filosófica; era, como nos dias de caçadores-coletores, sobre segurança material
-staying vivo e saudável. A oração noturna nas ilhas de sociedade começou, 66

Me salve! Me salve! É à
noite;
É noite dos deuses. Assista perto de
mim, ó meu Deus!

A oração, em seguida, passou a pedir proteção contra a “morte súbita” e várias outras coisas, incluindo “o guerreiro furioso”, cujo “cabelo está
sempre em pé.” Ele terminou, “Deixe-me eo meu espírito vivo, e descansar em paz Nesta noite, ó meu Deus!”
Fornecer este tipo de conforto é uma forma consagrada pelo tempo de doutrina religiosa para prosperar, mas como a evolução prossegue
culturais, as coisas que as pessoas acham mudança reconfortante. A razão é que as coisas tornando-os desconfortáveis ​na primeira mudança
lugar. Parte do que a oração Ilhas da Sociedade pede proteção contra “brigas mais de fronteira marcadores”, um tipo de discussão que não poderia
ter ocorrido na sociedade típico de caçadores-coletores. A religião é uma característica da evolução cultural que, entre outras coisas, aborda
ansiedades criadas por evolução cultural; que ajuda a manter a mudança social segura de si mesma.

Mas hoje a evolução cultural tem, além de criar novas ansiedades, ameaçou este instrumento agosto para enfrentá-los. Para muitas
pessoas, a vinda da ciência moderna tem minado a idéia de deuses e ameaçou toda a perspectiva de religião.

É irônico, então, que uma ciência da dívida deve a religião. Polinésios eram estudantes ávidos do céu noturno. Os taitianos, Capitão Cook
escreveu, poderia prever o aparecimento sazonal e desaparecimento de estrelas “com mais precisão do que será facilmente acreditado por um
astrônomo Europeia.” 67 Como grande parte da cultura polinésia, este domínio foi pragmaticamente motivados (em grande parte pelas
necessidades de navegação) ainda redigidos na religião. Polinésia “navegador-Priest-astrônomos”, como um estudioso chama-los, acompanhados
corpos celestes de postos de observação em plataformas do templo. 68 E uma estrela de navegação Society Islands chave, Ta'i-Rio-aitu, foi uma
manifestação do Rio, que, sendo o deus do voador e bonito pescadores, naturalmente fornecer tal orientação. 69

Dada crenças polinésia sobre a divindade de estrelas e o controle divino de tempo, não é surpreendente que alguns polinésios tentou
prever o tempo, olhando para o céu noturno. 70
O que é mais surpreendente é que eles conseguiram. Cozinhe escreveu que “eles podem prever o tempo, pelo menos, o vento, com muito mais
segurança do que nós.” 71 A explicação aparente é que tanto o céu à noite e os ventos predominantes mudar sazonalmente. Portanto, não era de fato
uma correlação entre estrelas e tempo; os polinésios só tinha a explicação errada para a correlação. Ainda assim, este é o progresso científico
maneira muitas vezes começa: encontrar uma correlação entre duas variáveis ​e postular um plausível se falsa explicação. Neste sentido, a “ciência”
remonta aos tempos pré-letradas.

E o resto é história. A antiga discernimento e explicação da correlação levou eventualmente à visão de mundo moderna que considere estas
explicações cedo para bruto. A ciência moderna, como a economia moderna e direito moderno e governo moderno, evoluído a partir de formas
primordiais que foram simbioticamente entrelaçadas com o pensamento religioso. Na verdade, não é óbvio que teríamos alguma destas instituições
modernas se não fosse para a religião cedo, o que fez muito para levar a organização social humana e da cultura para além da fase de
caçadores-coletores.

Após a chefia, a próxima etapa importante na evolução da organização social é a sociedade em nível estadual (ou, como às vezes é
colocado, “civilização”). sociedades a nível de Estado são maiores do que chiefdoms, com mais elaborado, mesmo burocrático, o governo, e eles
têm informações mais avançada tecnologia de normalmente um sistema de pleno direito da escrita. Mas em um aspecto eles são muito
parecidos com chiefdoms: religião permeia a vida.

Este fato, como veremos no próximo capítulo, é especialmente bem documentado nas duas grandes civilizações que emolduram a terra onde
o Deus de Abraão nasceria-Mesopotâmia para o norte e leste, Egito para o sul e oeste. Este enquadramento não é apenas geográfica. No Egito e
na Mesopotâmia há parece temas teológicos que, talvez não por coincidência, viria a reaparecer na religião do antigo Israel, elementos de
identidade divina que iria acabar no DNA do deus de Abraão, o Senhor.

Também no Egito e na Mesopotâmia há parece deuses que viviam a se tornar parte do ambiente formativo do Senhor. Alguns destes deuses
iria migrar para Israel e não atrair adoradores, desenho devoção que poderiam advir para o Senhor, despertando o ciúme. Alguns iria acompanhar
e inspirar invasores da Mesopotâmia como eles entraram na terra dos israelitas e, em um dos atos mais consequentes na história da religião,
destruído templo do Senhor.

Tudo isso iria ajudar a moldar o caráter de Yahweh como o monoteísmo surgiu na terra dos israelitas, plantando a semente das três
religiões abraâmicas modernos. Na antiga Mesopotâmia e Egito começamos a mover-se da evolução do writ religião grande, e a evolução
dos deuses genericamente, para a evolução da religião ocidental, ea evolução de Deus.
Capítulo quatro

Deuses dos Estados antiga

Eu n antiga Mesopotâmia, onde divindades entrou pela primeira vez o registro histórico, que eram muitas vezes menos do que divina. Um deus
proeminente chamado Enki uma vez ficou bêbado e deu os poderes secretos que governam a civilização à deusa Inanna. Inanna não era um pilar
de responsabilidade sóbrio si mesma; embora inteligente (ela tinha enganado Enki em beber excessivamente), ela era auto-indulgente, e passou
grande parte de seu tempo fazendo sexo. Um hino do início do segundo milênio (altura em que ela adquiriu o nome de Ishtar) relata que “sessenta
então sessenta certificar-se por sua vez em cima de sua nudez. Os jovens têm cansado, Ishtar não se cansam “. 1 Por um tempo Inanna / Ishtar era
o patrono de prostitutas, e também foi pensado para ajudar esposas esconder seu adultério. 2 ( Um texto mesopotâmica imagina uma mulher que foi
extramaritalmente impregnado orando a Ishtar, ao olhar para o rosto de seu marido, “Eu quero fazer o meu filho nasça olhar como ele.”) 3 O grande
deus Enlil (-se um viciado em algum momento sexo) uma vez ordenou-se uma inundação épica, como o dilúvio bíblico que Noé viria a sobreviver;
mas, ao passo que Deus de Noé usou o dilúvio para punir as pessoas por maldade, o motivo de Enlil foi menos exaltado: a humanidade tinha sido
barulhento, enquanto ele estava tentando dormir, então ele decidiu extingui-lo. 4

Em suma, os deuses da civilização mesopotâmica cedo eram muito parecidas com os seus antepassados, deuses de tribos e das sociedades
de caçadores-coletores: basicamente humano-para melhor ou pior, exceto com poderes sobrenaturais. Assim também no antigo Egito, China
antiga, e outros lugares onde, como a escrita apareceu, organização social cruzaram a linha nebulosa entre chefias e afirma: a linha entre religião
“primitiva” e religião “civilizado” provou nebuloso, também. Deuses ainda não eram modelos de virtude e ainda foram observados pelo menos tanto
por sua astúcia e ferocidade como por seu amor e compaixão. E, embora mentalmente humana, eles ainda assumiu uma variedade de formas,
incluindo alguns assustadores. No Egito os corpos mumificados de crocodilos milenar apareceram em um templo em homenagem Sobek, um deus
crocodilo. 5

A diferença mais óbvia entre os deuses “primitivas” de sociedades prestate e os deuses dos estados iniciais foi em escala e grandeza. Os
deuses polinésios foram homenageados com pequenas pirâmides templo de ( “Marae”), os deuses da Mesopotâmia com grandes
templos-pirâmides ( “ziggurats”). Os polinésios fez imagens de divindades de madeira ou de pedra; os egípcios usavam ouro e rodeado dos
seus ídolos com mobiliário de luxo.

Alguns pensadores da era cristã cedo, ao encontrar resíduos de religiões desde os primeiros estados antigos, ficaram horrorizados -Todos
esses deuses animais amorais, sua grotesco única amplificada pela ornamentação atendente. “O deus dos egípcios”, escreveu Clemente de
Alexandria, é “uma besta rolando em um sofá roxo.” 6

Clement viveu no final do segundo século da era comum. Por sua vez, o perfil agora familiar da religião ocidental tinha aparecido: a crença em
um único Deus, um fundamentalmente bom deus que se concentra no aperfeiçoamento moral dos seres humanos, e não a satisfação de seus
próprios desejos, e que se preocupa com todas as pessoas em todos os lugares. Aquilo é um monoteísmo que tem um ético núcleo e está universalista.

Os dois últimos destes três elementos podem interagir poderosamente. Um código de ética, por si só, não é necessariamente uma grande
coisa; até mesmo racistas assassinos pode ser bom para os membros de sua própria raça, e, nesse sentido, ser ético. Mas se o Deus que ordena
que você tratar os seus vizinhos bem valoriza as pessoas de outras raças e nações como altamente como ele valoriza seus vizinhos, em seguida,
justificando os maus-tratos de nonneighbors fica mais difícil (em teoria, pelo menos). Na época de Clement esta conclusão foi explícito na doutrina
da igreja, e ele próprio Clement escreveu ataques contra o racismo que foi usado para justificar a escravidão.

Então, naturalmente Clement teve altos padrões de divindade. Não é surpreendente que a partir de seu ponto de vista, parecia haver dois
mundos: o mundo inaugurou pelo deus dos hebreus durante o primeiro milênio aC e cristalizados por Jesus Cristo no final desse milênio, e o
mundo antes, o mundo em que todas as religiões do passado tinham sido atolada.

Ainda assim, esta é uma falsa divisão. É verdade que quando a religião entra no registro histórico, em torno do início do terceiro milênio aC,
não há nenhum sinal do monoteísmo, muito menos um monoteísmo com foco na ética e de âmbito universal. Nem estes três
elementos-monoteísmo, um núcleo ético, e universalismo-ser cuidadosamente combinados para milênios. Mas também é verdade que cada um
desses elementos tinha aparecido em pelo menos forma bruta, em um antigo estado ou de outra, durante a terceira ou segunda milênios aC.
Talvez mais importante: esse resultado sinérgico da última dois elementos-a extensão de consideração moral de pessoas de outros países, de
outras raças-tinha começado a se enraizar. No momento em que o Deus adorado por Clement apareceu, ele tinha sido antecipado pelas religiões
Clement desdenhados.

Além do mais, o progresso moral essas religiões se transforma abetted fora para ser incorporado na própria lógica da religião como
mediada pela direção básica da evolução social. A evolução cultural foi o tempo todo empurrando divindade, e, portanto, a humanidade, em
direção à iluminação moral.
Deuses ir no registro

Os primeiros registros escritos da religião são fragmentados em vários sentidos, começando com o literal: Às vezes os arqueólogos remexendo
Mesopotâmia encontrar apenas uma parcela de uma tábua de argila ou cilindro com, digamos, uma lista de deuses. Mas as coisas poderiam ser
piores. No Egito escribas não utilizado argila mas papiro, que é propenso a perecer. Assim, a escrita esquerda desde a mais tenra Egito tende a
ser o tipo de coisa que você inscrever nas paredes de uma tumba que presumivelmente não captura religião egípcia como um todo mais do que
monumentos modernos capturar a cultura moderna como um todo. No terceiro milênio aC, a deusa do céu egípcia Nut é citado como dizendo, “O
Rei é o meu filho mais velho ... com quem me comprazo.” 7 Mas nós não sabemos como Nut sentia sobre plebeus, ou como se sentiam sobre ela.

Na China antiga o registro é semelhante esboçado. A mais antiga escrita durável, da dinastia Shang do segundo milênio aC, trata sobre os
ossos de gado e cascos de tartaruga, sob a forma de perguntas enviadas aos deuses. gravador do rei gravado as perguntas sobre uma lâmina de
shell ou no ombro, adivinho do rei aquecido a médio até rachado, eo rei interpretou as rachaduras. Por exemplo, quando um rei chamado Wu Ding
teve uma dor de dente, o adivinho fez setenta rachaduras em cinco cascos de tartaruga no curso de determinar se desagrado de algum
antepassado morto era a raiz do problema e, em caso afirmativo, quais ancestral morto. Acontece que o culpado foi o padre Geng, tio-a do rei
descoberta que culminou com esta inscrição: “[Nós] oferecer um cão a Pai Geng [e] divisão abrir uma ovelha ... Se oramos por meio desses
[ofertas. ], 8

Isso é uma boa notícia para o rei, mas não nos diz como você lidou com uma dor de dente na China antiga, se não fosse o rei.

Mesmo na Mesopotâmia, onde o todos os dias escrevendo médio, tabuletas de argila, foi ousado o suficiente para aguardar descoberta
arqueológica, o registro histórico é tendencioso. Quase ninguém era alfabetizada. Roteiro era difícil de dominar; não havia alfabeto fonético
compacto, mas em vez de hordas de símbolos complexos que estavam por palavras ou conceitos inteiros. E a classe dominante treinados os
escribas. Assim, mesmo aqui, a religião como registrado no início da história é em grande parte a oficial história de religião, não é a história
completa.

Uma ajuda para superar esse viés é o fato de que os estados antigos apareceram em momentos diferentes em lugares diferentes. Nas
Américas, que foram povoadas muito mais tarde do que o hemisfério oriental, a agricultura foi inventada mais tarde e estados evoluiu mais tarde.
Então, quando os europeus “descobriu” a América, eles poderiam testemunhar, na astecas e os maias, a vida cotidiana das pessoas cujo sistema
de escrita era nos primeiros estágios de sua evolução. Infelizmente, tanto para nativos americanos e para a posteridade, os europeus eram mais
voraz do que primeiros visitantes europeus à Polinésia. Assim, a cultura indígena foi rapidamente corrompido e, em alguns casos apagados. No
século XVI um bispo espanhol, por forma de demonstrar a superioridade de sua religião, queimaram um tesouro de textos maias, para não
mencionar alguns maias. 9

No entanto, temos um vislumbre da cultura mesoamericana todos os dias. O vislumbre sugere que os aspectos “indocumentados” de religiões
estaduais primeiros eram mais ou menos o que você esperaria se você assumiu que os estados antigos, tendo surgido a partir de chefias, manteve
muitas das suas características. Em particular: os deuses lisonjeado e adulado por reis por escrito foram respeitados na rua. Para ter certeza, não
havia mais a religião mesoamericana do que esses presságios deuses, todos os dias, cura mágica, e similares. Ainda assim, o “oficial” religião do
Estado foi aceito pelas massas.

O caráter dos deuses pode ser diferente daquele antigo estado para estado antiga. espíritos ou divindades ancestrais, embora encontrados em
toda parte, desempenhou um papel especialmente importante na China. E algumas civilizações pode ter tido mais deuses místicos ou mutáveis ​do
que outros (embora alegações de que os deuses de algumas civilizações foram mais como “forças” impessoais que como “seres” antropomórficas
tendem a não resistir ao escrutínio). 10 Mas uma coisa o divino em todas estas terras tinham em comum era importância. Aqui estão algumas
observações feitas por estudiosos sobre várias civilizações antigas. Egito: “As características fundamentais de que a cultura ea sociedade foram
determinados pela existência e poder de seus all-permeando crenças religiosas.” China: “O destino dos seres humanos era inseparável do mundo
extra-humano.” O Maya: “Tudo no mundo Maya estava imbuído, em diferentes graus, com um poder invisível ou qualidade sagrada “os astecas:“.
Existência girava totalmente em torno da religião. Não havia um único ato da vida pública ou privada que não foi colorido por sentimento religioso
“Mesopotâmia‘ Os deuses constantemente interveio em todos os lugares e participou de tudo’. 11

Isso explicaria por que havia tantos deles! No segundo milênio aC, quando os escribas da Mesopotâmia realizou um censo divina, listando
os deuses em várias cidades da Mesopotâmia, eles vieram com quase dois mil nomes. 12 O panteão de um antigo estado normalmente incluídos
lotes de deuses da natureza (sol, lua, tempestade, fertilidade, e assim por diante) e deuses que supervisionou a sempre crescente variedade de
vocações, em deuses nomeadamente para os agricultores, escribas, comerciantes e artesãos. Mesopotâmia tinha deuses para tudo, desde
Brickmaking a fabricação de cerveja, e em ladrões sociedade asteca reivindicou sua própria divindade. Há também eram deuses que desafiam
categorização fácil: o deus maia do suicídio, a Mesopotâmia “Senhor dos Currais,” os oito divindades egípcias que supervisionou pulmões,
fígado, estômago e intestinos (dois deuses por órgão). 13

Como os deuses da pré-história, esses deuses esperado bens e serviços de seres humanos, e dished
recompensas ou punição em conformidade. Assim, em todos os lugares as pessoas fizeram sacrifícios aos deuses, flattered- ou seja,
adoravam-los, e tendem a suas necessidades de outras maneiras. (A tablet mesopotâmica de instrução ritual começa: “Quando você lavar a boca
de um deus ...”) 14 Em todos os lugares o resultado foi uma relação simbiótica entre pessoas e deuses, com cada um tendo algo que o outro
necessário. E em todos os lugares, como em chiefdoms-os líderes políticos assumiram a liderança na mediação dessa relação, e de fato definir a
relação; em todos os lugares, a religião foi usada pelos poderosos para ficar poderoso. 15

Daí a semelhança na forma como os estudiosos descrevem civilizações separadas por um oceano. reis maias eram “condutas através do
qual as forças sobrenaturais foram canalizados para o domínio humano.” 16
O rei egípcio foi “o único intermediário que poderia servir os deuses e, portanto, manter os fluxos de energia” para o mundo. 17

Ordem e Caos

E o que aconteceria se o rei não estava lá para desempenhar esse papel? Caos! De acordo com a cosmologia da Mesopotâmia, o universo tinha
sido uma vez à beira do caos, mas, felizmente, a realeza foi então inventado, o que significava que os deuses que favoreciam ordem poderia ser
reuniram-se para derrotar uma geração mais velha dos deuses que não fizeram. 18 No Egito, as forças do caos representam uma ameaça particular
sobre a morte de um rei-uma doutrina que, sem dúvida, trabalhou em favor do herdeiro aparente e contra usurpadores aspirantes. 19 mundo dos
astecas era, como um estudioso diz, ‘frágil e tênue ... inerentemente instável ... sujeito a cair fora dos eixos em qualquer momento’ e mergulhar no
‘vazio e escuridão.’ 20

Felizmente, você pode dirigir fora esse destino com sacrifício humano, que deu o alimento suficiente sol para continuar lutando o seu caminho
através do céu. 21 Claro, devidamente sacrificando centenas de pessoas por mês não é o tipo de trabalho que você pode deixar para amadores,
para que os líderes da igreja e do estado foram vitais.

Eles trabalharam de mãos dadas. Primeiro, o rei enviaria exércitos para conquistar os povos vizinhos e, portanto, acumular corpos vivos (um
empreendimento legítimo, desde astecas eram o povo escolhido de Huitzilopochtli, o deus que os havia tirado do deserto). 22 Os líderes religiosos
iria lidar com o resto, como tomar as vítimas ao topo do templo, arrancando seus corações batendo e rolando os cadáveres descer as escadas do
templo; ou (se o sacrifício era o deus do fogo) jogando as vítimas em um incêndio, puxando seus corpos contorcidos com ganchos, e então arrancando
seus corações batendo. 23 A boa notícia para as vítimas foi que eles tiveram uma boa vida após a morte. 24

A simbiose Igreja-Estado não o fez, em todos os lugares e todos os tempos, funcionam tão harmoniosamente. Sacerdotes, como o resto de
nós, é ambicioso, e às vezes sua influência chegou a um ponto onde as lutas de poder com o rei eclodiu. Ainda assim, descrição do século XIX de
Herbert Spencer da civilização início
- “Originalmente igreja e estado são undistinguished” -é não muito longe da marca. 25 Os políticos e sacerdotes juntos controlavam o conhecimento
sagrado em que sua estatura e influência descansado.
Funcionalistas e “marxistas” podem ter seu argumento usual sobre como exploradora do eixo estaduais IGREJA era. Marxistas pode notar que
no Egito, Mesopotâmia, China e Mesoamérica os cadáveres dos reis são por vezes acompanhados por dezenas ou mesmo centenas de cadáveres
menos exaltados; aparentemente empregados, cônjuges, e outros assessores-chave foram designados para acompanhar o rei ao futuro. 26

Funcionalistas pode responder que os sacrifícios, se os menos graves, às vezes eram feitas pelas elites, também- como os sacerdotes astecas
que jejuaram, nunca se casou, e periodicamente perfurado sua carne com espinhos de cactos. 27 Quem acredita que a religião não impôs custos
sobre a classe dominante só precisa contemplar o ritual pré-guerra maia durante o qual o rei preso um caco de vidro vulcânico através de seu
pênis e, em seguida, puxou uma corda pela ferida. 28

Marxistas também pode apontar com desconfiança para o grande papel econômico normalmente desempenhado pela igreja, que pode ter
grandes explorações na agricultura, comércio ou finanças. Em uma cidade asteca de duzentas mil pessoas, um único templo empregou cinco mil
deles. 29 E em algumas cidades da Mesopotâmia a igreja possuía uma quarta parte da terra. Quando você encontrar um registro babilônica de
alguém pedindo prata da “sacerdotisa Amat-Shamash” e comprometendo-se a “pagar juros de Deus-Sol”, você tem que saber se a taxa de juros
era tão baixa quanto um mercado secular teria oferecido. 30

Em resposta, os funcionalistas podem notar que os templos da Mesopotâmia teve o cuidado de órfãos, viúvas, os pobres e os cegos. 31 E eles
podem acrescentar que, mesmo que a igreja-estado complexo industrial estava cobrando alta sobrecarga, um complexo industrial top-pesado é
melhor do que nenhum complexo industrial em tudo.
Mas se você quer defender a religião antiga, tentando refutar a posição marxista não pode ser sua melhor aderência. É provavelmente melhor
adotar partes da visão de mundo marxista e implantá-las de forma criativa: admitir que a antiga religião foi em grande parte a serviço do poder
político e econômico, em seguida olhar para como as mudanças na estrutura de poder, ao longo dos milênios, reformulou a doutrina religiosa. Em
algumas maneiras que a mudança foi para melhor. Na verdade, este tethering da lógica divina para a lógica terrestre da política e da economia
ajudou a empurrar a religião para a iluminação moral. É a principal razão para que a sinergia crucial entre ética e universalismo-a principal razão
que o círculo de consideração moral tem se expandido ao longo do tempo, além dos limites da tribo e raça. Este deriva do elevado
divina pode ser entendida apenas apreciando a subserviência da divindade para os fatos no terreno.

A Bússola Moral

Claro que, para o círculo moral para expandir, tem de existir em primeiro lugar; tem de haver um código de incentivar as pessoas a tratar os seus
vizinhos considerately. Mas há sempre uma coisa dessas na sociedade humana. E em estados-mais antigos do que em chefias e muito mais do
que em sociedades de caçadores-coletores-este código atraiu o apoio da religião.

deuses da Mesopotâmia estabelecidas diretrizes éticas claras, que vão do geral (tentar ajudar as pessoas, e não prejudicá-los) para o
específico (não urinar ou vômito em córregos). 32 E, embora o cumprimento não iria levá-lo para o céu, violação poderia fazê-lo um pouco de
inferno na terra: doença, morte e outros problemas. Para este fim os deuses implantado um polícia de elite seres Corps-demoníaca que eram
especialistas em seus campos. Havia demônios chamados “Fever”, “icterícia”, “tosse”, e “Shivers”. Havia um demônio que causou epidemias e
um demônio feminino chamado “Extintor” que matou crianças pequenas. 33 Tudo dito, foi o suficiente para manter uma pessoa de urinar em um
córrego.

Egípcios e maias pode ficar doente por contar uma mentira, entre outros pecados. 34 Astecas poderiam obter uma infecção da pele por urinar no
arbusto que produz sementes de cacau, e licenciosidade poderia suscitar penalidades que variam de tosse para emagrecimento a um sujo fígado,
para não mencionar a morte de inocentes perus jovens, que iria cair de costas na presença de um humano adulterous. 35 E se um homem asteca
jovem desmaiou enquanto perfurando seu pênis para honrar os deuses, isso significava que ele não tinha conseguido manter sua virgindade
(embora uma explicação alternativa vem à mente). 36 Enquanto isso, na Índia, os textos védicos do segundo milênio aC final fala de punição, através
de doenças e outros males, para tais lapsos éticos como roubar. 37

Mesmo quando antiga orientação moral não envolveu qualquer policiamento divina, poderia ter uma dimensão religiosa. “Instrução de
Ptahhotep,” do Egito um guia para jovens das classes superiores, não o backup de seus preceitos com sanções, mas desde que o autor de
renome, Ptahhotep, foi postumamente deificado, realizou mais força do que um livro de auto-ajuda . Além disso, ele baseou-se em tais conceitos
egípcios metafísicas / religiosas como ka, espírito ou alma de uma pessoa. Como em: “Não difamar ninguém, grande ou pequeno, o ka detesta isso.” 38

Nada disso deveria ser surpreendente. Mesmo nas tribos polinésias vimos partida religião para responder com sanções morais ao desafio de
manter a ordem em uma sociedade maior e mais pesado do que uma vila de caçadores-coletores. Nas cidades antigas, com as populações, por
vezes, na casa das centenas de milhares de pessoas, o desafio tinha só cresceu. Então religiões que encorajou as pessoas a tratar os outros com
consideração-o que fez para uma forma mais ordenada e produtiva da cidade-teria uma vantagem competitiva sobre as religiões que não o fizeram. 39
A representação antiga de deuses como ordem contra o caos defendendo, no entanto politicamente conveniente para elites, foi também, neste
sentido, precisa. Os deuses, ou, pelo menos, a crença neles protegido por antigas civilizações das forças da desordem que de fato ameaçam
organizações sociais complexas.

E aqui, como nas tribos polinésias, a chave para preservar a ordem social foi para aproveitar o interesse próprio. Se você quiser evitar a
doença, morte precoce, e várias aflições menores, se você queria evitar a vergonha divinamente ordenado, se você quiser manter o seu ka em
boas condições de funcionamento, você tinha que se comportar de maneiras propícias para a coesão social, que incluiu sendo bom para as
pessoas em sua vizinhança.
Mas o que acontece com pessoas em outras cidades, outros estados, outras sociedades de pessoas com diferentes crenças, cores de pele
diferentes? Houve alguma razão para não difamar eles, ou para não roubar suas terras ou matá-los? Por que a religião encorajar expansível o círculo
de consideração moral? Onde é que esta inspiração divina vem? A partir dos factos no terreno.

Deuses como geopolítica Lubrificante

Mesopotâmia, no início da história era uma mistura de cidades-estados. A maioria das cidades-estado tinha um templo central dedicado a um único,
dominante deus-Enlil em Nippur, Enki em Eridu. 40 Ocasionalmente, uma cidade tinha dois deuses principais, como em Uruk, onde um compartilhada
faturamento superior com Inanna, sua consorte gratificante confiável.
41 Cada templo também teve seus pequenos deuses, os parentes principais deuses, consultores e outros ajudantes.

Essas cidades ainda não foram unificados sob um único governo regional. Mas, no início do terceiro milênio, que havia entrado em contato
uns com os outros através de uma combinação de comércio e guerra. Como o conhecimento mútuo amanheceu, eles enfrentaram uma questão
que tem frequentemente confrontados estados unidas por um mundo cada vez menor: Como eles se sentiriam sobre um deuses dos outros?
Como é que eles lidar com reclamações sobre a verdade religiosa concorrentes?

A resposta, tanto quanto nós podemos dizer, foi: muito graciosamente, em parte porque eles não vi os reivindicações como competitivo. Essas
pessoas eram politeístas. Para um politeísta não há limite para o número de possíveis deuses e, portanto, nenhuma compulsão natural, ao
encontrar um outro povo, para contestar a existência de seus deuses. Além do mais, se você tem uma relação frutífera com essas pessoas-se
negociar com eles, ou se juntar a eles na aliança militar-lo pode valer a pena ir além
tolerância e realmente afirmar sua crença em seus deuses. E talvez eles vão retribuir.
Isto é o que parece ter acontecido no início de Mesopotâmia: os principais deuses das diferentes cidades fundiram-se em um panteão
regionalmente aceites. Na verdade, ele não era apenas um panteão, mas um clã. Os deuses de diferentes cidades foram relacionados entre si por
laços de sangue, e como o milênio avançava, as cidades chegaram a acordo sobre os detalhes da árvore genealógica. 42

Houve uma divisão grosseira do trabalho entre os deuses. deus principal Uma cidade representou o sol, outro representava o poder em
grão, outro (Inanna, naturalmente) representava o amor, e assim por diante. Uma vez que todos na Mesopotâmia precisava do sol, grão, e amor,
isso significava que, como o arqueólogo WG Lambert colocou, “dependia Cada comunidade para a sua subsistência na maioria, se não todas, as
divindades do país.” 43

Em suma, como cidades da Mesopotâmia tornou-se enredado em uma teia de recíproca-suficiência precisando uns aos outros como
parceiros comerciais e às vezes como militares aliados esta interdependência do mundo real foi precisamente refletida no nível do divino. E, neste
ato de reflexão, os deuses tinham dado um passo em direção universalismo, expandindo seu domínio a partir de uma única cidade para a
Mesopotâmia em larga escala. O deus de grãos, no entanto provincial que tinha sido uma vez, agora lançar suas bênçãos em grão mesopotâmica
em geral. Religião, por vezes, parece ser um impedimento para a harmonia internacional num mundo cada vez menor, mas aparentemente ele não
tem que ser.

Claro, podemos descrever tudo isso mais cinicamente. Suponha que você é o rei de uma cidade e você quer negociar com o rei outra cidade.
Você sabe que sua estatura local está ligada à estatura do deus principal de sua cidade; como rei, ele mantém o templo do deus, que é assim uma
espécie de vitrine para ele, assim como para o deus. Além do mais, os sacerdotes do templo são os principais agentes económicos, e pode
controlar algum do comércio intermunicipal você gostaria de um pedaço de. Assim, a última coisa que você quer fazer é começar a desrespeitar
que Deus, ea primeira coisa que você quer fazer é abraçá-lo. Assim teológica mente aberta pode resumir-se a auto-interesse econômico. Porque
ambas as partes em um comércio pode beneficiar-se dele, porque interação econômica é “diferente de zero-sum” - dois deuses outrora alienígenas
podem encontrar um terreno comum.

Isso não significa que tal harmonia é um resultado de cálculo consciente. O interesse próprio podem influenciar nossas crenças em formas
sutis, e há evidências de que alguns antigos reis genuinamente acreditava nos deuses estranhos se abraçaram. Isso também não significa que o
sentimento religioso era um mero “epifenômeno” -algo que reflete a realidade política e económica e não a influenciou. No início Mesopotâmia, falta
de governança unificada, foi obrigado pelo que Lambert chama de “unidade da cultura,” 44 e grande parte da força unificadora de que a cultura
provavelmente veio do poder da crença religiosa. Numa época em que as pessoas temiam deuses e desesperadamente procuravam o seu favor,
um panteão intercity dos deuses que dividiu o trabalho entre si deve ter fortalecido laços emocionais entre as cidades. Se você acredita ou não que
o poder emocional da religião verdadeiramente emana do divino, o próprio poder é real.

Direito Internacional cedo

O papel da religião em facilitar as relações entre as sociedades não foi confinado a sociedades estaduais. Polinésios, por vezes, viajou para o
estrangeiro para cerimônias em templos “internacionais”. 45 Mas é quando a evolução social atinge nível estadual que os deuses começar a
patrocinar algo digno do nome Aqui está um trecho de um-segundo milênio aC tratado de paz entre o Egito eo hititas “direito internacional.”:

Aquele que não deverá observar todas estas palavras escritas sobre este tablet prata da terra dos Hatti e da terra do Egito, podem os
mil deuses da terra dos Hatti e os mil deuses da terra do Egito destruir sua casa, sua país, e os seus servos ... mas o que deve manter
estas palavras que estão no tablet de prata, mesmo que ele seja hitita ou egípcia, e não deve negligenciá-los, podem os mil deuses da
terra dos Hatti e os mil deuses do terra do Egito fazê-lo para estar em boa saúde e longa vida, como também as suas casas, o seu país
e os seus servos.

Mesmo antes, no terceiro milênio aC, divindade e do direito internacional foram se cruzam nas cidades-estados da Mesopotâmia. Um cilindro
de argila descreve a colocação de um marcador de fronteira entre duas cidades-estado mesopotâmicas, Lagash e Umma. “Enlil, o rei de todas as
terras e pai de todos os deuses, marcado um limite para o deus da Lagash e o deus da Umma por seu decreto. O rei de Kish mediu-se de acordo
com a palavra do deus dos assentamentos legais, e erigido um marcador de fronteira pedra lá.” 46

autoridade divina nem sempre era suficiente. Na verdade, esta muito decreto foi violada pelo rei de Umma, que foi então punido pelo exército
de Lagash (ou, como o registro histórico tem, pelo deus de Lagash através o exército de Lagash). Mas muitas vezes esses acordos foram
respeitados, porque uma cidade-estado especialmente potente assumiu o trabalho de árbitro e, se necessário, impulsionador. 47 Aqui novamente,
divindade iria evoluir para refletir e reforçar a lógica geopolítica. A elevação de uma cidade-estado a hegemonia regional geralmente significava a
elevação do seu deus no panteão da Mesopotâmia regional.
48 Assim também em um nível mais local: divindade uma grande cidade que superará as divindades de cidades periféricas em sua esfera de

influência. À medida que os arqueólogos CC Lamberg-Karlovsky e Jeremy Sabloff ter escrito, um “ideal teologicamente informado” sofreu um
“equilíbrio divinamente sancionada” entre as comunidades da Mesopotâmia. 49

“Equilíbrio divinamente sancionada” tem um som agradável a ele, mas há um lado desagradável. equilíbrio regional da Mesopotâmia
repousava sobre os ombros de cidades-estados dominantes, que muitas vezes estabelecidas seu domínio a maneira old-fashioned: matando
muita gente. Guerra foi uma grande parte da vida no mundo antigo, e na atribuição de culpa por isso, que seria negligente em não mencionar
os deuses. Como observou HWF Saggs, “em todos os lugares à vontade divina foi a justificação formal para a guerra.” 50 E domínio, uma vez
estabelecido, não significa apenas abnegadamente assumindo o ônus de manter o equilíbrio regional; que muitas vezes significava tributo
exigente dos estados menores.

Se houver qualquer resgate dos antigos deuses para o abate e extorsão eles patrocinado, encontra-se na largura da calma que se seguiu. O
equilíbrio da Mesopotâmia, mesmo se pontuada por mudanças violentas de energia, comércio lubrificado e outras formas de contato, alimentando,
assim, os tendões de interdependência prática que muitas vezes são a vanguarda da tolerância intercultural e universalismo divina.

Como o terceiro milênio aC passou, esta abordagem de fim-a liga solta regional organizada em torno de uma hegemonia regional - daria lugar
a algo mais firme: um estado regional, centralmente executado. Como tantas mudanças geopolíticas, este viria através de conquista. E como
muito conquista antiga, seria acabar expandindo o reino do potencial interdependência.

Ele também iria demonstrar novamente a maleabilidade adaptativa do divino. Assim como os deuses tinham evoluído para sustentar a unidade
solta do sul da cidade-estado mesopotâmicas no início do terceiro milênio aC, eles iriam evoluir para patrocinar uma unidade mesopotâmica mais
ampla no terceiro milênio aC tarde. E que iria fazê-lo em virtude de algo que pode parecer surpreendente: no antigo mundo conquistadores-os
grandes, pelo menos, eram menos inclinados a esmagar os ídolos de seus inimigos vencidos do que a adorá-los.

Sargon expande o domínio

Por volta de 2350 aC, Sargão de Akkade se tornou o primeiro grande conquistador da Mesopotâmia. Na tentativa de subjugar sul da
Mesopotâmia a partir de sua base no norte, ele estava assumindo um grande desafio no multiculturalismo. Sul da Mesopotâmia era étnica e
linguisticamente suméria, ao passo que Sargão era um estrangeiro que falou acadiano, uma língua semita. (Aqui “semita” significa não judaica,
mas sim pertencente à família das línguas a partir do qual tanto hebraico e árabe evoluiu.)

Felizmente Sargão era um homem teologicamente flexível. Embora deuses acadiano tinha ajudado a subjugar os sumérios, isso não significa
que os deuses sumérios eram seus inimigos. Na cidade de Nippur, ele conseguiu padres locais a concordar com ele que a sua vitória tinha sido a
vontade do deus sumério eminente Enlil (um julgamento que pode ter sido incentivado pela exibição de rei deposto de Nippur em um estoque
neck-). 51 Há também foi reconfortante notícia para devotos do deus do céu suméria An: Sargon, descobriu-se, era irmão-de-lei Um! 52

E então houve namoro elaborado de Sargão da deusa suméria Inanna. Embora ela não estava exatamente conhecidos por resistir às
súplicas dos homens, Sargon não tomar quaisquer chances. Sua filha eloquente Enheduanna-quem tinha instalado como uma sacerdotisa em Ur,
um centro religioso da Suméria-set sobre a escrita de hinos em louvor de Inanna. Enheduanna tirou todas as paradas: “Grande rainha das rainhas,
emitido desde o ventre sagrado ... sábio onisciente ... sustento das multidões ... rainha sênior dos fundamentos celestes e Zenith ... Como
supremo você está sobre os grandes deuses.”

53 Mas não tão supremo que ela tem que manter seu nome. Ishtar era uma deusa acádio de longa data, e Sargon, em afirmar a unidade

divinamente sancionada de seu império acádio-sumeriana, afirmou que Ishtar e Inanna eram realmente a mesma divindade. 54 Então, por que

usar dois nomes? Hereafter Inanna, mantendo seus traços essenciais, seria conhecida como Ishtar. 55

A fusão de crenças religiosas ou concepts- “sincretismo” -é uma forma comum de forjar uma unidade cultural na esteira da conquista, e,
muitas vezes, como aqui, o que é fundida são os próprios deuses. Claro que, quando duas culturas se fundem, alguns dos seus deuses podem
não corresponder-se. deuses sumérios sem contrapartida acadiano áspero entrou na cultura acadiana quer sob seus nomes sumérios (Enlil, por
exemplo) ou algum nela variação acadiano (An tornou Anu). 56 Mas de uma forma ou de outra, a maioria dos deuses dos sumérios vencidos
sobreviveram, seja com suas identidades totalmente intactas ou através de fusão com um deus acádio. Esta durabilidade divina era comum em
meio a guerra antiga. (Os astecas, que rotinizada conquista, construiu um templo especial para deuses importados.) 57 Um estudioso disse das
ondas de invasão que varreu o Oriente Médio no segundo milênio aC, “deuses Conquered raramente, ou nunca, foram expulsos.” 58

Assim também no primeiro milênio. Alexandre, o Grande, em trazer grande parte do mundo conhecido sob controle grego, iria exaltar os
deuses cuja terra ele agarrou. E deuses nativos de Alexandre seria
receber a mesma cortesia pragmática quando a Grécia se encontrava do outro lado da conquista. É por isso que você pode mapear o panteão
grego para o panteão romano, alterando os nomes-Aphrodite a Vênus, Zeus para Júpiter, e assim por diante. No mundo antigo, politeísta, um
conquistador experiente foi um conquistador teologicamente flexível. Uma vez que a luta acabou, e você tem um império para ser executado, não
há nenhum sentido começar brigas desnecessárias.

Você pode olhar para a maleabilidade conveniente do politeísmo de duas maneiras. Por um lado, era uma ferramenta útil para imperialistas
cruéis -an opiáceos, como Marx poderia dizer, de massas recém subjugados. Por outro lado, era um elixir da amizade intercultural. No entanto
implacável os conquistadores, no entanto egoístas suas ambições, no longo prazo se aproximaram mais e mais povos, em áreas maiores e
maiores, para o intercâmbio econômico e cultural.

Sargon tinha levado Mesopotâmia mais perto do que nunca para o universalismo, estendendo o alcance dos deuses sumérios além de sua
home-terra do sul e do outro lado uma divisão cultural. Isso ainda não era nada como o simplificado universalismo simples, monoteísta que
acabaria por surgir na linhagem de Abraão: um deus que governa toda a humanidade. Mas, mesmo para trás na Mesopotâmia no terceiro milênio
aC, quando o politeísmo estava demonstrando seu potencial geopolítico, havia forças que se movem teologia mais perto do monoteísmo.

Toward Monoteísmo

Tudo junto, a tendência do divino para acompanhar o político tinha aplicado não apenas à política entre cidades-estados da Mesopotâmia, mas a
política dentro deles. E dentro deles, a ordem política era vertical. Ao contrário de sociedades de caçadores-coletores, as cidades-estado tinha uma
liderança clara. E, como em tribos, a liderança era hierárquica, mas de forma mais elaborada e burocraticamente assim.

Como na terra, por isso é no céu. Não só as cidades-estado e, mais tarde, toda a região, normalmente têm um único, deus cabeça (por vezes
um deus que era chamado um rei); este grande deus tinha deuses subordinados que claramente refletiam uma corte real. Um documento da
Mesopotâmia a partir do segundo milênio aC lista deuses com títulos como manobrista, chefe de cozinha, pastor cabeça, jardineiro, embaixador,
vizir, grão-vizir, ajudante-de-campo, administrador, secretário, sentinela, gatekeeper, oficial de justiça, e cabeleireiro. 59 E uma narrativa
mesopotâmica tem Enki-se um subordinado do grande Enlil-nomeação de um deus “Inspetor de canais” e colocar outro no comando da justiça. 60

No Egito, também, o panteão desenvolvido alguma aparência de hierarquia. 61 E na China da era Shang, o deus do céu parece ter executar
o show, supervisionando os deuses do vento, da chuva, dos rios, montanhas, e assim por diante. 62 Mas em nenhum lugar era a tendência
hierárquico mais clara do que na Mesopotâmia, ou como bem documentada. Lá, como o historiador Jean Bottero descreve, um “encontro
incoerente simples” dos deuses, no alvorecer da civilização, tornou-se “através de séculos de evolução, reflexões mitológicas e cálculos, uma
verdadeira organização de poder sobrenatural ... que dominou pessoas como o autoridade real terrena estruturado dominado seus assuntos.” 63

A “pirâmide de poderes”, resultante como Bottero chama, era em si uma espécie de passo para o monoteísmo. Enlil, durante seus dias no
topo da pirâmide, foi chamado de “o grande e poderoso governante que domina o céu ea terra, que sabe tudo e entende tudo.” 64 Para ter certeza,
essas passagens podem exagerar o consenso do dia: os escritores da Mesopotâmia, como escritores em algumas outras sociedades politeístas,
tendem a exaltar qualquer deus que acontecer estar a resolver, um pouco como as pessoas se concentram sua bajulação sobre a pessoa que está
falando . Ainda assim, houve uma tendência teológica em andamento, uma tendência para a majestade concentrada e sucessor de Enlil como
chefe do panteão da Mesopotâmia iria levá-lo a novas alturas, trazendo Mesopotâmia mais perto de pensamento religioso ocidental moderna.

O One and Only Marduk

Que o sucessor era Marduk. Marduk era uma figura formidável. Por exemplo, “Seu coração é um tambor kettle-” e “Seu pênis é uma cobra” que
produz o esperma feito de ouro. 65 Mas esses testamentos aparecem somente após Marduk alcançou grandeza, e ele não fez isso sozinho. Um dos
principais apoiadores era o rei babilônico Hamurabi, que entrou em cena no início do segundo milênio, séculos depois de o império acadiano
estabelecida por Sargão tinha ido e vindo, numa época em que a Mesopotâmia foi novamente politicamente fragmentado.

Hammurabi é famosa por produzir um dos primeiros códigos legais do mundo antigo. lei hoje às vezes é pensado como uma alternativa à
regras religião secular da estrada, forçados pela polícia, sem necessidade de apoio sobrenatural. Mas em estados antigos, direito interno, como o
direito internacional, Ganhou força dos deuses.

Para começar, Hammurabi foi divinamente autorizado a fazer leis. Como as passagens de sua nota código de leis, Anu e Enlil de abertura,
os dois deuses seniores no panteão da Mesopotâmia, havia escolhido Hammurabi como rei “trazer sobre a regra da justiça na terra, para destruir
os maus e os malfeitores. ” 66 Até o final do código, cerca de trinta deuses foram citados, 67 e, em alguns casos, eles desempenham um papel-como
judicial quando um suspeito é jogado em um rio para ver se o deus do rio vai aproveitar
ele, significando assim culpa (postumamente). 68 Mas nenhum desses deuses recebe o tipo de tratamento Marduk fica em passagens de abertura do
código. Há Anu e Enlil declarar Marduk um deus “grande” e atribuir-lhe “domínio sobre o homem terreno.” 69

O que um fortuito desenvolvimento para si Hammurabi! Marduk era o deus da cidade de Babilônia, base de Hammurabi, e Hammurabi
esperava estender o controle da Babilônia sobre toda a Mesopotâmia. 70 Ele não poderia machucar para maiores deuses da Mesopotâmia para
estender o tapete vermelho e estender o domínio de Marduk muito além dos limites da cidade. Mesmo assim, Hammurabi não alcançou seus
maiores aspirações; ele morreu sem nunca governando todos Mesopotâmia. Mas nos séculos que se seguiram Babylon que dominam
Mesopotâmia, e, não por coincidência, Marduk, eventualmente, tornou-se chefe do panteão da Mesopotâmia, deslocando Enlil. 71

campeões de Marduk não parou de reivindicar sua supremacia. Em um grande desenvolvimento teológico, os outros deuses do panteão
foram rebaixados de ser subordinados de Marduk para ser meros aspectos dele. Assim Adad-uma vez conhecido como o deus da chuva era
agora “Marduk de chuva.” Nabu, o deus da contabilidade, tornou-se “Marduk da contabilidade.” 72 Ou, olhar para as coisas da perspectiva de
Marduk, como outro texto fez na abordagem Marduk: “Nabu, titular da caneta tablet, é a sua habilidade.” 73 E assim por diante, para baixo da linha;
principais deuses da Mesopotâmia foi engolido por Marduk, um por um.

Estudiosos discordam sobre como um grande passo em direção monoteísmo esta era, e sobre a sua causa principal. 74
Algumas explicações estão no espírito de Edward Tylor, que acreditava que a mudança do politeísmo ao monoteísmo era parte de um desvio
natural para racionalismo científico. Assim, a série de deus-listas da Mesopotâmia que impõem crescente hierarquia no panteão não eram apenas
reflexos de governo hierárquico, mas frutos da busca humana de ordem intelectual e unidade de explicação. Quando Marduk absorveu as funções
de outros deuses, ele se tornou uma espécie de grande teoria unificada da natureza.

Em alguns cenários, esta deriva intelectual foi tecnologicamente cumplicidade. Se, por exemplo, irrigação e novas técnicas de
armazenamento e melhor planejamento estatal ajudou a isolar a humanidade dos caprichos da natureza, então a idéia de um bando de deuses
da natureza dolosa, imprevisíveis pode parecer menos plausível. 75

E, embora a investigação científica não mudou exatamente em alta velocidade no mundo antigo, ele pode ter começado a tomar um pouco de
mistério do universo, erodindo ainda mais a necessidade intelectual de tais deuses. Mesopotamians longa atribuída eclipse lunar a demônios, e
iria bater tambores para dispersá-los, mas, em seguida, durante o primeiro milênio aC, astrônomos-sacerdotes babilônicos descobriu que eclipses
eram precisamente previsíveis, caprichos demoníacas, não obstante. 76 O ritual batendo tambor sagrado viveu on-mas, novamente, assim como
muitos costumes religiosos cujas justificativas entraram em colapso. (Um precursor Scandinavian início da árvore de Natal também foi um
dispersor de demônio.)

Em contraste com estas explicações “intelectualistas” da tendência para monoteísmo é a explicação política sheerly: Para babilônios
empenhados em governar a Mesopotâmia para sempre, que arma melhor teológica do que para reduzir pretensos rivais de Marduk a partes de sua
anatomia? Ou, para dizer o menos cinicamente: Para babilônios que querem suffuse todos Mesopotâmia em amizade multicultural e compreensão,
que melhor cimento sociais do que um único deus que engloba todos os deuses?

Qualquer que seja a explicação para a concepção cada vez mais unificada do divino os mesopotâmios, a tendência não levar o dia. Marduk
acabou por ser forçado a um acordo de divisão de poder com outro grande deus. Ainda assim, tinha sido maior aproximação da Mesopotâmia ainda
a um monoteísmo universalista. Na verdade, a lógica do monoteísmo e das universalismo estavam entrelaçados. Se o ponto da evolução de
Marduk para o monoteísmo era político-de unificar uma região etnicamente diversa

- então, presumivelmente, ele lança sua rede ampla o suficiente para abranger essas etnias. E ele com certeza fez. De acordo com o clássico
mesopotâmica Épica da Criação ele tinha “a soberania sobre o mundo inteiro.” E, naturalmente, por isso, uma vez que “Ele nomeou os quatro cantos
do mundo; a humanidade criou “Há indícios de que ele não só dominavam toda a humanidade, mas foi favorável em direção a ela:‘ Grande é o seu
coração, largo é sua compaixão’(Embora-não se engane, ele iria“subjugar os rebeldes.. “) 77

verdadeira Monoteísmo

Enquanto isso, lá no Egito, um deus tinha vindo ainda mais perto do que Marduk ao monoteísmo universalista. Sua história ilustra o quão
diferente as estradas para o monoteísmo pode ser.
A oferta da Marduk para se tornar o único Deus verdadeiro tinha sido prosseguida com alguma graça e tato diplomático. É verdade que os
outros deuses do panteão teve que submeter-se a ele e até, eventualmente, como dizem na empresa mundialmente fundir-se com ele em
condições desfavoráveis. Mas ele não negou a sua existência prévia ou a sua legitimidade venerável; de fato, ele baseou-se em sua legitimidade.
No Épica da Criação são eles que montar em uma festa e (depois de alguns beber pesado) ungi-lo seu novo líder, prometendo que “nenhum entre os
deuses transgredirá teu limite.” 78 experiência do Egito com o monoteísmo foi mais abrupta e envolveu menos bonomia. Era o equivalente divina de
um golpe de E-tat e não um sem derramamento de sangue.

O golpe foi projetada no BCE século XIV por um faraó enigmático e excêntrico
conhecido como Amenhotep IV. Se o faraó foi impulsionada mais por zelo religioso ou plotagem política depende de qual estudioso você fala, mas
poucos negam a relevância da situação política que herdou após ascender ao trono, ou da teologia com a qual aquela situação estava entrelaçada.

A teologia tinha uma marca de um monoteísmo emergente: o domínio do firmamento divino por um único deus, Amun. Amun tinha crescido no
poder após defender uma série de campanhas militares egípcios e obtenção de crédito pelas vitórias que se seguiram. riqueza vasta e
landholdings tinha fluiu em templos-que de Amun significou, em termos práticos, que os sacerdotes de Amon, que, presumivelmente, tinha-se
favorecido essas guerras, estavam agora poderoso, supervisionar um império comercial envolvendo mineração, manufatura e comércio. 79

Quão sério uma ameaça deste conglomerado posou ao poder do novo faraó é desconhecida, mas certamente um jovem que assumiu a
liderança após a morte prematura de seu pai, como Amenhotep IV fez, poderia ser desculpado por se sentir inseguro. 80 As denominações que
tinham sido dadas a Amun-rei dos deuses, príncipe dos príncipes não-eram algo que ele teria encontrado tranquilizador. Nem foi a sugestão
ocasional que Amun não pode apenas superará outros deuses, mas absorvê-los, estilo Marduk. 81

Em subjugar Amun, o novo Faraó se obliquamente sobre o legado do venerável deus Re. Re tinha sido por vezes associada a um ícone, um
disco solar simples, com dois braços, conhecidos como Aten, o que significava “disco.” 82 O disco solar, que parece originalmente ter representado
energia luminosa de Re, tinha posteriormente esculpido um papel como uma divindade independente, e de fato havia vencido a favor do pai do
jovem faraó, Amenhotep III. 83 Agora Amenhotep IV deu Aten uma promoção, elevando-o de divindade jardim-variedade de “aquele que decreta a
vida”; ele quem “criou a Terra”; aquele que “construiu-se por si mesmo”; aquele cuja “raios de sol significa vista por tudo o que ele criou.” 84

Será que isso significa que Aten era ainda maior do que Amun? Pode-se dizer. O faraó tinha o nome de Amon apagados onde quer que ele
apareceu. Pessoas com nomes contendo “Amun” teve que mudá-los. E como para a outrora poderosa sumo sacerdote de Amon, sua última
façanha conhecida durante o reinado de Amenhotep IV está sendo despachado para buscar pedra de uma pedreira. 85

Amun não estava sozinho em ser alvo de extinção. A palavra “deuses” foi apagado de alguns textos e seu uso descontinuado, por enquanto
não foi um verdadeiro deus. 86 Os antigos deuses não eram sequer estendeu a cortesia que Marduk tinha oferecido as divindades da Mesopotâmia
ele supplanted- absorção para o ser recém supremo; eles estavam apenas disse ter “deixado”, e seus sacerdócios foram dissolvidos. 87 O faraó
construiu uma grande cidade em honra de Aten, nomeou-Akhetaten ( “Horizonte de Aton”), e mudou a capital lá. Ele renomeado próprio Akhenaton
( “Helper de Aton”), designou a si mesmo o sumo sacerdote de Aton, declarou-se filho de Aten, e foi elogiado em conformidade: “Ó criança bonita
do Sun-disco”, um disco solar que, cortesãos do rei observou, “exaltou o nome de nenhum outro rei.” 88

Considerando Marduk, depois de absorver grandes deuses da Mesopotâmia, tinha mantido algumas divindades em torno de como cônjuge
e servos, Aten, no auge do seu poder, ficou sozinho no firmamento divino, um prenúncio claro do deus hebraico, Yahweh. E, quanto a famosa
universalismo do Senhor: Aten criou os seres humanos, e ele cuidou de-los- todos deles. Como o grande hino a Aton colocá-lo:

Você define cada um no seu lugar, você suprir


suas necessidades ...
Suas línguas são diferentes em discurso, e seus
personagens da mesma forma; Suas peles são
distintas,
Para você ter distinguido os povos. 89

Raízes da Moral Progress

Mas esse universalismo interracial não era totalmente nova, e não Aten não merece a maior parte do crédito. Estranhamente, mais crédito deve
ir para seu rival deposto Amun. As guerras patrocinadas por Amun tinha não só fez os seus sacerdotes ricos e, portanto, ameaçado o poder do
faraó, mas também, como guerras de conquista, muitas vezes fazer, expandiu horizontes econômicos e culturais. A partir territórios
conquistados vieram escravos estrangeiros, bem como elites estrangeiras, que receberiam uma educação egípcia antes de voltar para casa
para ajudar a administrar colônias. A língua egípcia absorvida palavras estrangeiras, a economia mercadorias estrangeiras, e os deuses
estrangeiros panteão, assim como deuses egípcios agora mudou-se para terras conquistadas. 90

O novo cosmopolitismo não magicamente apagar o racismo ea xenofobia do passado insular do Egito, mas fez um dente. Enquanto alguns
deuses estrangeiros foram adotados como filhos ou filhas de deuses egípcios, alguns seres humanos estrangeiros, incluindo os escravos,
casado em famílias egípcias e viu sua ascensão status socioeconômico. literatura egípcia, que já tinha representado terras estrangeiras como
alienante e estrangeiros como desprezíveis heróis, agora apresentados egípcios que foram para o exterior, os estrangeiros casados, e se
estabeleceu. 91
Então Akhenaton, na tomada de Aten o único Deus verdadeiro e não apenas dos egípcios, mas de toda a humanidade, foi apenas refletindo
seu tempo. No Egipto imperial do dia, observa egiptologista Donald Redford, cosmopolitanism estava no ar. “Foi este sentimento universalista que
Akhenaton herdou e desenvolveu dentro do contexto de seu monoteísmo.” 92 De fato, verifica-se que o antecessor de Aten Amun tinha Além disso criou
toda a humanidade e definiu as raças. 93 Um hino falou de sua preocupação com o bem-estar dos “asiáticos” (o que significava mesopotâmios e
outros do leste do Egito). 94 E, em um texto composto provavelmente antes da época de Akhenaton, um deus egípcio é dito para “proteger as almas”
dos quatro conhecidos “raças” da humanidade: asiáticos, egípcios, líbios e os negros (Nubians, ao sul).

95 Todos os quatro são retratados na terra dos mortos, o “submundo”, onde lhes foi prometido uma vida após a morte abençoada. 96

Império do Egito não duraria para sempre, e cosmopolitismo que aumentam e diminuem. Mas a deriva em direção a conexão intercultural
continuaria, se irregularmente, pois foi impulsionado em última análise, pela evolução tecnológica. Os mesmos avanços no transporte e
comunicação que fizeram grandes impérios viável seria, combinados com os avanços na fabricação, trazer mais e mais povos em contato um com
o outro. Para ter certeza, o contato seria muitas vezes hostil, e que a hostilidade se refletiria em ambas as doutrinas religiosas e atitudes morais. No
século depois do reinado de Akhenaton, um poeta egípcio tem um rei em guerra dizendo a Amun, o próprio deus que uma vez tinha trastes sobre o
bem-estar dos asiáticos: “O que são esses asiáticos para ti, Amun? Wretches que não conhecem a Deus.” 97

Ainda assim, por esta vez na história do antigo Oriente Médio, dois princípios se tinham revelado.

Primeiro, o impulso básico de evolução tecnológica tornaria mais difícil e mais difícil de ignorar a existência de outros povos. Este padrão de
longo prazo reflecte-se na evolução da língua egípcia, como analisado pelo egiptólogo Siegfried Morenz. Uma palavra que no milênio aC terço
médio significava “um egípcio” -e foi usado para distinguir egípcios do suspeito e habitantes talvez subumanas de próximas terras-tido pelo
meio-segundo milênio vir a significar “um ser humano”, e foi sendo aplicada mesmo aos prisioneiros de guerra destinados a escravidão. 98

Em segundo lugar, a relação de seus deuses para os deuses de outros povos, muitas vezes dependem de sua relação econômica e política
para esses povos. Comércio e outras relações a partir do qual ambas as partes podem beneficiar-não-de soma zero relacionamentos pode levar
seu deus para cuidar de seu bem-estar, e pode até mesmo levá-lo a abraçar os seus deuses; de qualquer forma, uma relação não de soma zero,
provavelmente envolver o seu concedendo a humanidade básica dessas pessoas e estendendo-lhes pelo menos alguma consideração moral.
Claro, guerra e outras formas de antagonismo poderia promover uma teologia da intolerância e uma moral de indiferença, ou pior. Se houver
qualquer resgate para a guerra, ela está no que às vezes seguidas, como um conquistador agora atraiu diversas terras em um todo econômica e
política, e teologia e moralidade ampliada em conformidade. Em equilíbrio, através do ritmo do comércio e da guerra, o âmbito do
non-zero-sumness cresceu. Este um bom presságio para a expansão do círculo de consideração moral.

Então, o que se tornou de Aton, que no BCE século XIV foi o exemplo mais claro de universalista monoteísmo até à data? Dentro de décadas
de sua promoção a um-e-somente Deus, ele iria cair da graça. Aparentemente, alienando os sacerdotes mais poderosos no Egito não era uma
receita para a vida eterna. Mesmo se você é um deus, você vai precisar de aliados terrestres bem posicionados para tirar tal revolução social. Com
a morte de Akhenaton, Aten perdeu seu amigo menos dispensável.

Algumas pessoas afirmam que Aten, no entanto, mudou o mundo para sempre. Sigmund Freud, em seu livro
Moisés eo Monoteísmo, sugeriu que Moisés estava no Egito durante o reinado de Aten e, em seguida, levou esta ideia do monoteísmo para
Canaã, onde ele iria lançar civilização judaico-cristã.
Como veremos, esta não é a explicação mais plausível para a emergência do monoteísmo no antigo Israel. De fato, verifica-se que Marduk
tinha mais a ver com o que a emergência de Aton. Muitos séculos depois de Marduk não procedeu civilização Oriente Médio sobre o limite ao
monoteísmo duradoura, ele ajudou empurrar civilização Oriente Médio ao longo desse limiar. Ele iria enfrentar e derrotar, mesmo humilhar, um deus
do antigo Israel, e os israelitas responderiam pela criação de um monoteísmo própria.
II

O SURGIMENTO do monoteísmo ABRAÂMICO

Pois quem no firmamento se pode igualar ao Senhor? Quem entre os seres celestiais é semelhante ao Senhor, um
Deus temia no conselho dos santos, grande e terrível, acima de tudo, que estão ao redor dele?

- Salmo 89: 6

Não há outro deus além de mim, um Deus justo e Salvador; não há ninguém além de mim. Vire-se para mim e sejam
salvos, todos os confins da terra! Porque eu sou Deus, e não há outro. Por mim mesmo jurei, da minha boca já saiu
em justiça uma palavra que não voltará: “Para mim se dobrará todo joelho, toda língua deve jurar”

- Isaías 45: 21-3


Capítulo Cinco

Politeísmo, a religião do antigo Israel

T ele Bíblia Hebraica-o que os cristãos chamam de Velho Testamento-registra uma experiência memorável que o profeta Elias tinha no Monte
Sinai. Deus disse a Elias para ficar lá e esperar por um encontro com o divino. Em seguida, “houve um grande vento, tão forte que foi dividir
montanhas e quebrar rochas em pedaços diante do Senhor, mas o Senhor não estava no vento; e depois do vento um terremoto, mas o SENHOR
não estava no terremoto; e depois do terremoto um fogo, mas o SENHOR não estava no fogo; e depois do fogo um som de puro silêncio “. 1 Nestes
últimos palavras: “um som de puro silêncio” -são às vezes traduzido como “uma voz mansa e delicada” Mas, de qualquer forma, você começa a
foto: o deus hebraico, Yahweh, para todos os atmospherics em torno dele, foi evasivo.

Este episódio, desde o primeiro livro de Reis, é frequentemente citado como um marco na história da religião. No politeísmo “primitivo”, as
forças da natureza pode ser habitado por deuses, ou vagamente equiparado com eles. Mas, no monoteísmo que foi tomando forma no Oriente
Médio, não haveria mais distância entre a natureza ea divindade. “Ao contrário das divindades pagãs, o Senhor não estava em nenhuma das forças
da natureza, mas em um reino distante”, escreveu Karen Armstrong sobre a experiência de pico de Elias em seu livro A História de Deus. 2

divindade pagã clássica da Bíblia era Baal, adorado pelos cananeus muito ridicularizado e, às vezes, por israelitas iludidos que se desviou
da devoção ao Senhor. Baal, como um deus da fertilidade, foi chamado às vezes o Senhor da Chuva e orvalho. 3 Senhor, em contraste, era o
Senhor de nada em particular e de tudo; ele era a última fonte de poder da natureza, mas ele não micromanage-lo; ele era tanto o presidente do
conselho como presidente-executivo.

Este tipo de deus é frequentemente descrito como mais moderno do que pagão, deuses Baal-like, mais compatível com uma visão de mundo
científica. Afinal, procurando leis mecanicistas da natureza não faria muito sentido se, como os pagãos dos dias de Elias acreditava, a natureza foi
animada pelos constante mudança humores de vários deuses. Não há mais espaço para princípios científicos para manter o balanço se há
apenas um deus, sentado em algum lugar acima da disputa-capazes de intervir em ocasiões especiais, talvez, mas normalmente preside um
universo de regularidade legal.

“Transcendente” é um termo alguns estudiosos usam para descrever esse deus, enquanto outros preferem “remoto” ou “oculto”. 4 Em qualquer
caso, este é um deus que, embora menos visível do que os deuses pagãos, é mais poderoso. Como o estudioso bíblico Yehezkel Kaufmann
colocá-lo em sua monumental obra de oito volumes
História do israelita Religião, “Yahweh não vive nos processos da natureza; ele controla-los.” 5
Kaufmann, escrevendo em meados do século XX, viu isso e outros traços distintivos de Yahweh como evidência de que o deus hebreu tinha
sido mais revolucionário do que evolutiva. Ele rejeitou a idéia de que a religião israelita era “uma conseqüência orgânica do meio religioso” do
Oriente Médio. Pelo contrário, a religião de Javé era “uma criação original do povo de Israel. Foi absolutamente diferente de tudo o mundo pagão
já conheci “. 6

Se o Senhor, na verdade tomou forma em tão esplêndido isolamento e se ele tomou forma tão cedo quanto Kaufmann e outros tradicionalistas
teria-se de uma questão a que vamos voltar. Entretanto, é importante ressaltar que, no entanto “moderno” esse deus “transcendente” pode ter sido,
o Senhor do tempo de Elias ainda não possuem o que muitas pessoas chamam de um moderno moral

sensibilidade. Por exemplo, ele não estava muito tolerante com perspectivas teológicas alternativas. Nesse episódio em Primeiro Reis, Deus usa
sua “voz mansa e delicada” para instruir Elias sobre como obter cada adorador de Baal na vizinhança mortos. Em seguida, um capítulo
posterior, depois de alguns sírios expressar dúvidas sobre o poder de hebraico deus, Javé ressalta sua confusão, produzindo 127.000 sírios
mortos. 7

Este deus pode ter falado em voz baixa, mas ele carregava uma vara grande.
Este é, naturalmente, uma queixa comum sobre o monoteísmo que surgiu no Leste-Oriente que sua teologia criados intolerância
beligerante. Alguns até ver isso como uma propriedade intrínseca do monoteísmo; enquanto que o politeísmo deixa espaço para a validade dos
deuses de outros povos, monoteístas fervorosos, de acordo com esta acusação, é alérgico a coexistência pacífica.

Se isso for verdade, é momentously infeliz. Cristãos e muçulmanos, como judeus, trace seu deus volta ao deus que, de acordo com a Bíblia,
revelou-se a Abraham no segundo milênio aC. Estas três religiões abraâmicas têm mais de três bilhões de seguidores, pouco mais da metade da
população do mundo. E, apesar de todos os três grupos afirmam a mesma linhagem de seu deus, eles nem sempre se vêem como adorando o
mesmo deus. Esta percepção parece ter lubrificado uma certa quantidade de Yahweh-on-Javé violência (Cruzadas, jihads, e assim por diante) que
só reforçou a reputação do monoteísmo de Abraão para a intolerância beligerante.

Então é verdade? É a violência parte do caráter do Deus de Abraão? Existe algo sobre esse deus-ou algo sobre o monoteísmo
genericamente-que tem sido propício para o abate através dos tempos? O primeiro passo para responder a essa pergunta é ver como o
personagem do deus de Abraão tomou forma.

Você pode pensar que isso é impossível. Se, como eu, você cresceu com um entendimento escola dominical
das escrituras, então você pensar em Deus como não ter “forma tomadas” em tudo. Ele estava lá no início, completamente formado, e ele, em
seguida, deu forma a tudo o resto. Essa é a história na Bíblia, pelo menos. Além do mais, os estudiosos sérios, incluindo Yehezkel Kaufmann e
muitos ele influenciou, analisaram a Bíblia e sair com uma conta semelhante dramática de nascimento do Senhor. 8

Mas, isso não é realmente a história na Bíblia, ou pelo menos não toda a história. Se você ler a Bíblia hebraica com cuidado, ele conta a
história de um deus em evolução, um deus cujo caráter muda radicalmente do começo ao fim.

Há um problema, no entanto, se você quiser assistir a esta história se desenrolar. Você não pode simplesmente começar a ler o primeiro
capítulo do Gênesis e arado para frente, esperando que Deus a crescer. O primeiro capítulo do Gênesis foi quase certamente escritos mais tardar
no segundo capítulo do Gênesis, por um autor diferente. 9 A Bíblia hebraica tomou forma lentamente, ao longo de muitos séculos, ea ordem em que
foi escrito não é a ordem em que ele aparece agora. Felizmente, estudos bíblicos podem, em alguns casos dar-nos uma boa ideia do que textos
seguida que. Este conhecimento da ordem de composição é uma espécie de “decodificador”, que nos permite ver um padrão no crescimento de
Deus que seriam escondidos.

Enquanto isso, a arqueologia suplementado este descodificador com ferramentas potentes interpretativos. No início do século XX, um
camponês sírio arado restos de uma cidade cananéia antigo chamado Ugarit. Estudiosos começou a decifrar a linguagem ugarítico e pentear a
terra para textos ugaríticos. Estes textos, juntamente com outros vestígios da cultura cananéia desenterrados nas últimas décadas, permitiram a
montagem de algo grande ausente das escrituras hebraicas: a história do ponto de vista daqueles Baalworshipping cananeus. 10 E, ao longo das
últimas décadas, a arqueologia trouxe outro cheque na história contada na Bíblia. As escavações na terra dos israelitas ter esclarecido sua história,
por vezes à custa da linha de história bíblica.

Quando você coloca tudo isso junto-a leitura dos textos cananeus, a “decodificação” seletiva dos textos bíblicos, e um novo entendimento
arqueológico de Israelita história-você começa uma nova imagem inteira do deus de Abraão. É uma imagem que, por um lado, absolve o
monoteísmo de Abraão de algumas das acusações mais graves contra ele, mas por outro lado, desafia a base padrão de fé monoteísta. É uma
imagem que torna o Deus de Abraão, em termos muitas vezes não faz jus, ainda gráficos de sua maturação e oferece esperança para o
crescimento futuro. E, certamente, é um quadro muito diferente daquele desenhado na média sinagoga, igreja ou mesquita.

Deus na carne

Para começar, embora o Senhor pode ter acabado “em um reino distante” -a remoto, até mesmo Deus transcendente, cuja presença é sentida
sutilmente-este não é o tipo de Deus que vem do outro lado nas primeiras escrituras, fragmentos da Bíblia que podem ir tão longe quanto os
séculos finais do segundo milênio aC. Na verdade, mesmo no primeiro milênio aC, quando a maioria, se não todos Genesis tomou forma, Deus
era um hands-on divindade. Ele, pessoalmente, “plantada” Jardim do Éden, e ele “fez roupas de peles” para Adão e Eva “e os vestiu.” E ele não
parece ter feito essas coisas enquanto paira ethereally acima do planeta. Depois que Adão e Eva comeram o fruto proibido, de acordo com
Gênesis “, eles ouviram o som do Senhor Deus, que passeava no jardim, no momento da brisa da noite, e o homem e sua mulher
esconderam-se da presença do Senhor Deus entre as árvores do jardim.”Hiding pode soar como uma estratégia ingênua para implantar contra o
Deus onisciente que conhecemos hoje, mas aparentemente ele não era onisciente naquela época. Para “o Senhor Deus chamou o homem e
disse-lhe: 'Onde você está?'” 11

Em suma, o Senhor está neste momento notavelmente como todos esses deuses “primitivas” das sociedades de caçadores-coletores e chefias:
surpreendentemente humano com poder sobrenatural, para ter certeza, mas não com o poder infinito.

Pode parecer estranho que o Deus que criou o universo inteiro seria limitado em seu alcance. Mas não é claro que o Deus que é “andar” pelo
Jardim do Éden fez criar o universo. Na verdade, ele criou a terra eo céu, e ele criou os seres humanos (de poeira). Mas a parte sobre a criação de
estrelas ea lua, o sol ea si-a história no primeiro capítulo de Gênesis-luz parece ter sido adicionada posteriormente. No início, tanto quanto nós
podemos dizer, o Senhor ainda não uma era cósmico

O Criador.
E se você voltar para os poemas que a maioria dos estudiosos consideram as peças mais antigas da Bíblia, não há nenhuma menção de
Deus criação qualquer coisa. Ele parece mais interessado em destruir; ele é em grande parte um deus guerreiro. 12 O que alguns acreditam ser a
peça mais antiga de todas, Êxodo 15, é uma ode ao Senhor para afogar o exército do Egito no Mar Vermelho. Ele começa, “Cantarei ao Senhor,
porque triunfou gloriosamente; cavalo e cavaleiro ele jogou no mar ... o Senhor é um guerreiro “. 13

Se o Senhor começa a vida como um deus guerreiro, não um CEO, muito menos presidente do conselho, que está executando o universo? A
resposta parece ser que outros deuses eram. Naquela época, o politeísmo reinou. O ponto aqui não é apenas que alguns israelitas adoraram a
outros deuses do Senhor; que muito tem sido claro para até mesmo o leitor da Bíblia casual. (Muito do enredo da Bíblia pode ser resumida como:
israelitas cair para deuses não o Senhor, o Senhor castiga-los, israelitas emendar-se, apenas para desviar novamente a partir de fidelidade, é
punido novamente, e assim por diante.) O ponto é, antes, que mesmo israelitas que não adoração que não Javé deuses ainda acreditava em sua
existência. Cedo
afirmações de devoção ao Senhor não destacá-lo por ser o único deus, apenas por ser o melhor de Deus para os israelitas, o que você deve
adorar. Isso antigo hino ao Senhor, “homem de guerra”, faz esta pergunta: “Quem é semelhante a ti, Senhor, entre os deuses?” 14 De fato, a Bíblia
às vezes menciona outros deuses assunto com naturalidade. No livro de Números, por exemplo, quando os moabitas são conquistados, ele diz
que seu deus Quemos “fez seus fugitivos filhos, e suas filhas cativos.” 15

E quando a Bíblia não notar a existência de outros deuses, que pode implicar tanto. As escrituras advertem israelitas não “servir outros
deuses e adorando-os” para que “a ira do Senhor se acendeu contra você.” 16 Será que os autores da Bíblia (aqui e em outros lugares) têm
alertado contra “servindo” outros deuses se esses deuses nem sequer existe? E se o Senhor declararam-se “um deus ciumento” se não
houvesse deuses para ter ciúmes de? Aparentemente, o próprio Deus não começou a vida como um monoteísta. mais famoso demanda ainda
de Deus para devotion- “Não terás outros deuses diante de mim”, como ele diz em Êxodo-dificilmente exclui a existência de outros deuses. 17

Em outras palavras, antes de religião israelita negou a existência de todos os outros que o Senhor deuses, ele passou por uma fase de
concessão de sua existência, mas condenando sua adoração (por israelitas, pelo menos, se os moabitas queria adorar Quemos, que era o seu
negócio) . 18 Em termos técnicos, religião israelita atingiu o monoteísmo somente após um período de “monolatria” devoção -Exclusive a um deus
sem negar a existência dos outros.

Este muito é aceita pela maioria dos estudiosos bíblicos, incluindo alguns que são crentes judeus ou cristãos. Mas as coisas ficam mais
controversa quando você sugere que houve um tempo quando até mesmo “monolatria” era uma palavra muito forte para dominante israelita
doutrina-uma época em que nem todos os deuses não Yahweh eram considerados maus ou estrangeiros; um tempo em que o Senhor estava
abrigado em uma panteão israelita, trabalhando ao lado de outros deuses.

No entanto, se você ler atentamente as escrituras, você verá sugestões de tal tempo. A Bíblia famosa diz que Deus “criou o homem à sua
imagem”, mas essas não são as palavras de Javé. Quando o Senhor é realmente citado, no verso anterior, ele diz: “Façamos o homem à nossa
imagem, conforme a nossa semelhança.” 19 Então, quando Adão come o fruto proibido, o Senhor diz: “Eis que o homem se tornou como um de nós,
conhecendo o bem eo mal.” Quando as pessoas começam a construção da Torre de Babel, que chegará aos céus, eo Senhor opta por preferência
intervenção, ele diz: “Vinde, desçamos e confundamos ali a sua língua, para que não entenda um a língua do outro.” 20

Nos? Quem somos nós? Se você fizer essa pergunta de alguns clérigos judeus ou cristãos, você pode obter respostas como “anjos” ou “o
exército celeste, o exército de Deus.” Em outras palavras, o Senhor pode ser acompanhado por outros seres sobrenaturais, mas nenhum deles se
qualificar como de Deus. 21 A Bíblia diz o contrário. Ele fala mais de uma vez sobre um “conselho divino” em que Deus toma um assento; e os
outros bancos não parecem ser ocupado por anjos. Salmo 82 diz: “Deus tomou o seu lugar no conselho divino; no meio dos deuses ele segura
julgamento.”E o próprio Deus, abordando os outros membros do conselho alguns versos mais tarde, diz:‘Vós sois deuses’. 22

As muitas referências bíblicas para a existência de vários deuses estão em um sentido incrível. Pois, embora a Bíblia foi composto ao longo de
muitos séculos, as primeiras partes dele passou pelas mãos de editores posteriores que decidiram quais livros e versos para manter e quais
descartar e que parecem ter tido um preconceito contra o politeísmo. Então, essas dicas do politeísmo israelita que permanecem na Bíblia são,
provavelmente, como o estudioso Mark S. Smith sugeriu em seu livro As origens da bíblica Monoteísmo, “Apenas a ponta do iceberg.” 23

O que o iceberg, o politeísmo full-blown do início de Israel, parece? E como exatamente ele derreter, deixando o monoteísmo que teria tal
impacto no mundo? Este é um bom momento para virar à arqueologia. Ao longo do século passado, artefatos descobertos na Terra Santa ter
esclarecido a história bíblica. Na verdade, “esclareceu” é um eufemismo. A história contada na Bíblia, em alguns casos foi obliterado pelos fatos no
solo.

Histórias da Bíblia Unearthed

A versão bíblica de história israelita precoce é simples: os israelitas fugir da escravidão no Egito, vagueiam no deserto, e, finalmente, chegar à terra
prometida, Canaã. Os nativos-os cananeus-são um povo iníquo e condenado, no lado errado da teologia e, portanto, da história. Os israelitas
marcham em, conquistar a cidade de Jericó, com a ajuda do Senhor, e depois fazer o mesmo com uma série de cidades de Canaã. Tanto para
esses cananeus; como o livro de Josué coloca, “Joshua derrotou toda a terra, a região montanhosa e o Negeb e planícies e encostas, e todos os
seus reis; A ninguém deixou, mas totalmente destruído tudo o que respirava, como o Senhor Deus de Israel, deu ordem.” 24 Este cenário se encaixa
muito bem os pontos de vista Yehezkel Kaufmann e outros estudiosos que negam que a religião israelita evoluiu organicamente fora do ambiente
local. O mais rápido e conquista de Canaã mais decisivo de Israel, menor a chance era para a cultura nativa para tomar posse.

Na primeira, a arqueologia moderna parecia apoiar Kaufmann aqui. William Foxwell Albright, um contemporâneo de Kaufmann do que às
vezes é chamado o fundador da arqueologia bíblica, certamente sugeriu isso. Em seu livro A partir da Idade da Pedra ao cristianismo, publicado
em 1940, ele disse que
artefatos descobertos na Terra Santa pintou um quadro claro: israelitas tinham marchado em Canaã do Egito e “prosseguiu sem perda de tempo
para destruir e ocupar as cidades de Canaã em todo o país”, substituindo rapidamente paganismo indígena com um Yahwism radicalmente
diferente. 25

E foi uma coisa boa, também, na visão de Albright, para o paganismo de outra forma cananeu seria “quase inevitavelmente ter deprimido
normas Yahwistic a um ponto onde a recuperação era impossível.” Em vez disso, “os cananeus, com a sua orgia natureza-culto, seu culto de
fertilidade na forma de símbolos serpente e nudez sensual, e sua mitologia bruta, foram substituídos por Israel, com sua simplicidade pastoral e
pureza de vida, a sua elevada monoteísmo, e seu código grave da ética “. 26

Albright permitido mais na forma de influência evolutiva local do que Kaufmann fez. 27 Ainda assim, ele ressaltou, “escavações mostram uma
pausa mais abrupta” entre a cultura cananéia encontrou pela primeira vez pelos israelitas ea cultura que eles construíram na Palestina perto do
final do segundo milênio aC.
28 Albright era um cristão e Kaufmann um judeu devoto devotos, fatos que podem estar relacionados a seus pontos de vista da história israelita.

Em qualquer caso, seus pontos de vista agora não têm fundamento. As últimas décadas de archaeo- escavação meticulosa-investigação,
incluindo lógica de várias cidades supostamente conquistadas pelos israelitas, não conseguiram transformar-se as características de conquista
violenta. Não há nem mesmo muita evidência de afluxo mais lento, mais pacífica de andarilhos do deserto, um deslocamento gradual dos
cananeus pelos israelitas. Na verdade, parece cada vez mais como se os israelitas estavam Cananeus. arqueólogos bíblicos discordam sobre um
monte, mas, como um deles, William G. Dever, observou, existe agora um consenso sobre uma coisa: os israelitas que primeiro se instalaram nas
terras altas de Canaã “não eram invasores estrangeiros, mas veio principalmente de em algum lugar dentro da sociedade cananéia. ... A única
questão remanescente é Onde dentro de Canaã.” 29

Talvez a teoria mais intrigante de como os cananeus se tornaram israelitas vem do arqueólogo iconoclasta Israel Finkelstein, que escavou
muitos sites Terra Santa. 30 Sua teoria preserva noção bíblica de uma transição israelita de pastores nômades a agricultores assentados, mas deixa
pouco mais da história bíblica intacta.

Finkelstein observa que, no BCE século XII, como a Idade do Bronze foi dando lugar à Idade do Ferro, houve ruptura política e econômica,
mesmo colapso, todo o Oriente Médio. Esta teria sido uma má notícia para qualquer pastores cananeus nômades que foram simbioticamente
entrelaçados com os agricultores em aldeias cananeus e cidades, acostumados a carne trading de grãos. Com a interrupção dos seus mercados,
eles poderiam ter sido forçado a desistir de suas formas nômades: estabelecer-se e crescer as suas próprias culturas, mesmo quando eles
continuaram a criar gado.

E, de fato, em meio a esse caos de transição, notas Finkelstein, uma onda de novos assentamentos apareceu em trechos previamente
estéreis da região montanhosa no centro de Canaã. Estes assentamentos são de forma oval
- a forma em que sheepherders Oriente Médio há muito dispostos suas tendas, formando um pátio que abrigava seus animais durante a noite.
Mas em vez de tendas existem simples casas muradas, e ao contrário de pastores nômades, essas pessoas tinham ferramentas agrícolas
rudimentares. Eles parecem estar em evolução, passando de um nômade para uma vida sedentária, agora levantando não apenas o gado e as
colheitas.
Durante esta transição do Bronze a Idade do Ferro, novos assentamentos surgiu muito além da terra que viria a constituir Israel, nas áreas a
Bíblia chama de Moabe, Amom e Edom. Mas, notas Finkelstein, há uma diferença: os assentamentos em Israel apresentam há restos de porcos.
Uma parte da Bíblia, pelo menos, parece ter sido precisos: os primeiros israelitas foram proibidos de comer carne de porco. Esta faixa de aldeias
pigless é a mais antiga evidência arqueológica em Canaã de um grupo distinto de pessoas que pode ser chamado israelita.

No cenário de Finkelstein, então, a história bíblica é invertido. Embora houvesse interrupção fato social no Canaã perto do final do
segundo milênio aC, este foi o causa do surgimento de Israel, e não o resultado da mesma. E quanto ao negócio sobre Moisés líderes
hebreus da escravidão: “Não houve êxodo em massa do Egito”, Finkelstein escreve. 31

A teoria de Finkelstein não ganhou assentimento universal. 32 Alguns estudiosos, por exemplo, acho que os primeiros israelitas migraram para
a região montanhosa de aldeias cananeus e cidades, em vez de apenas se estabelecer em terras que tinham longa vagavam como nômades. E
mesmo que a maioria dos israelitas primeiros descendente de uma longa linha de cananeus, eles podem ter absorvido uma tribo de exilados do
Egito (a possibilidade de que modelo básico de Finkelstein não exclui). Ainda assim, parece agora claro que a história no livro de deslocamento
Joshua-súbita da cultura cananéia pelo israelita cultura é errado. 33 Muito tempo depois da primeira boa evidência de um povo de Israel distintas,
houve contato permanente com a cultura cananéia amplamente. Vários dados, incluindo a falta de fortificações e armas naqueles primeiros
aldeias, sugere o contato foi muitas vezes pacífica. 34 De fato, um daqueles primeiros assentamentos israelitas ilustra a continuidade cultural entre
Canaã e Israel que Kaufmann e Albright minimizado. Ele apresenta um touro de bronze, exatamente o tipo de ídolo “cananeu” que os devotos
bíblicos do Senhor abominava. 35

Claro, ele não iria vir como novidade para Kaufmann ou Albright que israelitas às vezes adorado ídolos cananeus. A Bíblia mostra-los a fazer
isso repetidamente, e pagando o preço. Mas na história bíblica, como comumente interpretada, esses episódios são saídas temporárias da
verdadeira fé antiga, lapsos de um monoteísmo que deve ter antecedeu essas primeiras aldeias israelitas, uma vez que tinha, afinal, sido levada
para Canaã por Moisés. Com efeito, tanto Kaufmann e Albright rastreada monoteísmo volta para o tempo de Moisés, perto do final do segundo
milênio aC.
36 Mas alguns historiadores bíblicos agora duvido que Moisés ainda existia, e praticamente nenhum agora acreditam que os relatos bíblicos de
Moisés são confiáveis. Estas histórias foram escritas séculos após os acontecimentos que descrevem, e foram editadas mais tarde ainda, às vezes
por monoteístas que, presumivelmente, queria suffuse sua teologia com autoridade agosto.

Quem era o Senhor antes de ele ser o Senhor?

Do ponto de vista objetivo, então, não há nenhuma razão para supor que o advento do monoteísmo israelita teve lugar em qualquer lugar que
Canaã, depois de séculos de imersão na cultura cananéia; nenhuma razão para duvidar de que a religião israelita é exatamente o tipo de
conseqüência orgânica da cultura local que Kaufmann e Albright disse que não era. É até possível que o Senhor, que passa tanto dos combates
Bíblia contra os deuses cananeus desagradáveis ​para a fidelidade dos israelitas, na verdade, começou a vida como um deus cananeu, não uma
importação.

O teste desta hipótese-ou, pelo menos, o primeiro teste evolutiva de ele-é se é esclarecedor. Será que ajudar a esclarecer partes obscuras da
história do Senhor? Se examinarmos dispersos, pistas enigmáticas da Bíblia sobre a origem de Javé, à luz disto, é que eles, em seguida,
aparecem menos confusa, mais coerente? A resposta é sim.

Considere o “conselho divino” que parece em desacordo com a teologia básica da Bíblia, e ainda aparece na Bíblia mais de uma vez. 37

Como vimos, vários estados antigos, como Egito e China, parecem ter inspirado seus panteões, pelo menos em parte, as estruturas
governamentais. E Mesopotâmia destaque, mais especificamente, uma assembleia deliberativa dos deuses-um conselho. Dado que a
Mesopotâmia é na vizinhança geral de Canaã, que não seria chocante para encontrar algum tal montagem na tradição cananeu cedo.

E, de fato, isso é o que encontramos em Ugarit, a cidade antiga no norte de Canaã cujos textos traduzidos foram tão iluminado no contexto da
religião israelita. Há, no final da Idade do Bronze, na véspera do nascimento de Israel, é um conselho divino. E o deus mais frequentemente descrito
como seu chefe-um deus chamado El (pronuncia-se cerveja ou el) - carrega uma semelhança curiosa ao Senhor. 38 Ambos os deuses eram forte mas
sensível. El era visto como um “touro”, mas também foi chamado de “tipo El, o compassivo.” 39 Da mesma forma, o Senhor, mesmo em que o
aparecimento precoce como um deus guerreiro, foi impulsionado por sua compaixão pelos Israelites- “tua benignidade” para “o povo que remiste”. 40 Ambos
os deuses apareceu em sonhos, se tornaram os patronos das sonhadores, e falou muitas vezes através de profetas. 41 E ambos eram deuses
criadores paternalistas: El era “criador de criaturas” e “pai da humanidade.” 42 Como Smith colocou, El era “o divino excelência pai par.” 43

O significado literal do termo Ugaritic para o cananeu “conselho divino” é, não surpreendentemente, “Conselho de El.” Um pouco mais
surpreendente é que, se você espiar embaixo versões em inglês da Bíblia e examinar a prestação hebraico do “conselho divino ”na qual Deus
se senta no Salmo 82, você encontra esta frase: adat El -que pode ser traduzido como “Conselho de El.” 44 Hmmm.

E isso é apenas o começo. Acontece que se você espiar debaixo das Inglês palavra “Deus” em algumas partes da Bíblia, você vai encontrar
não a palavra hebraica para o Senhor, mas sim a palavra hebraica
El. Dado que o cananeu El aparece no registro histórico diante do Deus israelita Senhor, é tentador concluir que o Senhor de alguma forma
surgiu a partir de El, e pode até ter começado a vida como uma versão renomeada de El.

Não há motivo para, pelo menos, a resistência preliminar para que a tentação: a palavra hebraica El é como o “deus” Inglês palavra -é pode se
referir tanto a divindades em geral ( “Hermes, o deus da Grécia antiga”) ou a uma divindade particular (Deus com uma letra maiúscula L). A diferença
é que o hebraico antigo não usar a convenção maiúsculas / minúsculas para manter as coisas claras. Então você não pode inferir, a cada vez que
você vê o deus hebraico chamado El, que a sua nome é El.

Ainda assim, existem algumas vezes na Bíblia quando o “El” aplicada ao deus hebreu de fato parece ser um nome próprio. De acordo com
Gênesis, Jacob “erguido um altar e chamou-El-Elohe-Israel.” Isso pode ser traduzido como “Deus, o Deus de Israel”, mas se você não capitalizar a
primeira “deus” não faz muito sentido; como seria a dedicar um altar a “divindade, a divindade de Israel.” 45 Em outras palavras, os primeiros “deus”
tem de ser um específico deus, eo deus específico chamado El que nós sabemos em que parte do mundo era o chefe do panteão no norte Canaã.
(Na verdade, algumas traduções em inglês dos Genesis render “El-Elohe-Israel” descaradamente como “El, Deus de Israel.”) 46 Se isso não é uma
estreita ligação suficiente entre religião israelita e El, olhar para a palavra “Israel” em si. 47 Nos tempos antigos nomes foram muitas vezes inspirados
por deuses, e os nomes que terminam em “el” normalmente se refere ao deus El.

Uma aparência bíblica especialmente intrigante da palavra El está na frase El Shaddai, famosa prestado em Inglês como Como se vê,
“Todo-Poderoso” é um erro de tradução “Deus Todo-Poderoso.”; embora o significado exato de Shaddai permanece nublado, parece referir-se às
montanhas, não onipotência, mas isso é outra história. 48 Para efeitos do presente, o que é interessante é a forma como este nome é usado no
sexto capítulo do Êxodo, durante uma das conversas de Moisés com Deus. Deus diz: “Eu sou o Senhor. I apareceu a Abraão, Isaque e Jacó como
El Shaddai, mas pelo meu nome Yahweh eu não me tornar conhecido para eles.”Mesmo o próprio Yahweh diz que ele começou a vida com o
nome El! 49

Claro, o Senhor não diz explicitamente que ele começou a vida como o cananeu deus El. E no momento
ele está falando, os israelitas (no dizer da Bíblia da história) ainda não ter chegado a Canaã. Mas esta história pode ter entrado narrativa histórica
de Israel muito mais tarde do que é dito ter acontecido. E se há uma lição de erudição bíblica moderna, é que as histórias costumam dizer mais
sobre a época de sua criação do que sobre a era que eles pretendem descrever.

Então, o que Êxodo 6 sugerem sobre a época de sua criação? Se você foi a elaboração de uma história de seu deus, por que você gostaria
de acrescentar um toque tão estranha, dizendo que ele costumava ir por outro nome? Teorias não faltam. Uma é esta: você está tentando fundir
duas tradições religiosas; você está tentando convencer dois grupos de pessoas, uma que adora um deus chamado Javé e outro que adora um
deus chamado El-que eles realmente adoram o mesmo deus. 50

Os defensores desta teoria, por vezes, invocar um padrão na Bíblia que foi famosamente enfatizada pelo erudito do século XIX Julius
Wellhausen. De acordo com a Wellhausen “hipótese documentária”, as fases iniciais da narrativa bíblica, desde a criação até o tempo de Moisés-
vem em grande parte de dois autores (ou dois grupos de autores like-minded), uma conhecida como a fonte J e um conhecido como a fonte E. A
fonte E refere-se ao deus Hebrew quer como El ou Elohim (daí a E). A fonte J refere-se ao deus hebraico como Yahweh (e é conhecido como J
por causa da maneira Senhor está escrito em alemão, a língua de grande erudição bíblica pioneiro, incluindo Wellhausen 's).

A hipótese documentário sugere que em algum momento da história israelita havia de fato duas tradições geograficamente distintas para
reconciliar, um adorando um deus chamado El e um adorando um deus chamado Javé. 51 Os adeptos deste cenário dizem que o (s) autor J viveu no
sul, na parte de Israel conhecido como Judá, e o autor (s) E viveu para o norte-que, nomeadamente, é mais perto do coração de El culto. 52

O esquema de Wellhausen não goza da estima quase universal que tinha em meados do século XX,
53 mas não há como negar que a Bíblia apresenta diferentes vocabulários para o deus de Israel. E se de fato o deus hebreu foi o resultado de uma
fusão, talvez entre uma facção cuja principal divindade era um deus criador chamado El e outra facção que adoravam um deus da guerra chamado
Yahweh 54 -Este seria nada de novo. Como vimos, o mundo antigo estava cheio de fusões teológicas politicamente conveniente. Um catalisador
comum era que as duas partes tinham uma relação um tanto não de soma-zero. Especificamente: ambos sentiram que poderiam obter mais de
cooperação, até mesmo a consolidação, do que de conflito.

Certamente a Bíblia contém sugestões de uma vez grupos separados tendo unidos. Ele descreve Israel no final do segundo milênio aC
tarde, antes que evoluiu para uma sociedade em nível de estado completo com um rei, como uma confederação de doze tribos. Na lista mais
antiga da Bíblia de tribos, no entanto, alguns dos doze estão longe de ser encontrada. As tribos desaparecidas são sul; aparentemente, as tribos
que constituíam Israel nesta data precoce foram no norte Canaã, onde a adoração de El seria mais provável. 55 Daí, talvez, o nome de Israel.

A fusão das tribos de Israel pode ser vagamente refletida na história dos patriarcas-Abraão, que gerou a Isaac que gerou a Jacob. Alguns
estudiosos pensam que esta linhagem é preciso, mas a maioria acha que é significativo. Muitos comprar alguma variação em uma teoria
estendeu em 1930 pelo estudioso alemão Martin Noth: os diferentes patriarcas uma vez tinha sido ancestrais sagrados, reais ou mitológicos, de
diferentes tribos; uma tribo ou grupo de tribos afirmou Abraham como fundador, um outro afirmou Isaac, um outro Jacob. Politicamente
unificador esses povos significava tecendo seus mitos fundadores em um único mito, e no processo de tecer seus antepassados ​em uma única
família. 56 Isso explicaria por que alguns relatos presumivelmente início da linhagem patriarcal parece incompleta. Em um verso em
Deuteronômio, Abraão, que é identificado com tais cidades do sul como Hebron, não é mencionado, enquanto que Jacob, do norte, é. 57

Esta ideia-que básico Israel se aglutinaram em algum lugar ao redor da terra de El adoração, e somente adotou o Senhor depois,
enquanto absorvendo tribos estrangeiras do sul-fica um pouco de apoio de antigas inscrições egípcias. O nome “Israel” entra no registro
histórico em 1219 aC, em uma laje egípcio de pedra conhecido como o Merenptah Estela. A palavra refere-se a um povo, não um lugar. 58

Mas essas pessoas parecem ter sido em algum lugar em Canaã, provavelmente, nas terras altas da Ephraim- a parte norte do que acabaria por
se tornar Israel. 59
Esta estela não faz nenhuma menção do Senhor. Sua única alusão possível a qualquer deus é o “el” em Israel. E séculos passarão antes que
um texto menciona tanto Israel como “Yhwh” (a antiga ortografia do Senhor, para trás antes de línguas semíticas ocidentais foram escritos com
vogais). Curiosamente, porém, existem referências egípcias separadas para um “Yhw” ainda mais cedo do que a primeira referência a Israel. 60

Aqui Yhw parece não ser um deus, mas um lugar. Então, novamente, nos tempos antigos, lugares e deuses, por vezes, tinha o mesmo nome. 61 Além
disso, o lugar parece ter sido algo em torno de Edom, no sul de Canaã, como faria sentido se de fato um povo Yahweh-adorando do sul
finalmente se fundiu com um El-adorando pessoas para o norte.

Esta peça se encaixa no quebra-cabeça de outra maneira, também. A inscrição completa lê “Yhw [in] a terra do Shasu.” 62 O Shasu eram
nômades que tinham um histórico de antagonismo com o Egito, exatamente o que você esperaria se o antagonismo com o Egito foi fundamental
para a biografia seu chefe de Deus. Uma antiga relevo egípcio ainda mostra pessoas rotuladas Shasu sendo trazidos como cativos por soldados
egípcios. 63

Essa primeira referência a Israel, na Merenptah Estela, é um orgulho que o Egito tem exterminado
os israelitas. (De Israel “semente não é.”) 64 Este viria a subestimação considerável de poderes regenerativos de Israel, e, mais ao ponto, sugere
que uma fusão da Shasu e os israelitas teria feito sentido político. Um inimigo comum é um grande arranque de amizades. (Para ser mais
tecnicamente: o inimigo comum faz a amizade mais não de soma zero, uma vez que uma ameaça externa aumenta os benefícios mútuos da
cooperação interna e os custos de investimento de discórdia interna.) E esse inimigo comum particular, seria, naturalmente, conduzir à a
elaboração de uma narrativa compartilhada de libertação divina do tormento egípcio. 65

Perdido na tradução

Aquele momento em Êxodo 6 é estranhamente abrupta: Deus simplesmente anuncia que ele está mudando seu nome de El Shaddai ao Senhor.
Não é impossível que uma fusão teológica poderia acontecer isso rapidamente; na antiga Mesopotâmia (de volta no capítulo 4) Sargon mudou o
nome de Inanna de Ishtar por decreto. Mas isso foi um caso de poder radicalmente desigual; Sargon acabava de conquistar os adoradores de
Inanna. E não há nenhuma evidência arqueológica de um domínio comparável do norte de Israel pelo sul de Israel, no final do segundo milênio aC
ou no início do primeiro. Se qualquer coisa, a prova mudou-se para o outro lado, o que sugere que os relatos bíblicos exagerar início fortale- sul
que, na verdade, a parte sul de Israel pode ter sido a parte mais fraca durante os dois primeiros séculos do primeiro milênio. 66

Então, se houvesse alguma fusão da religião norte e do sul perto do início do primeiro milênio aC, seria de esperar que ele seja mais gradual
do que um deslocamento repentino de El por Javé. Você esperaria algo como a convergência de cidades-estados sumérias de volta antes da
época de Sargão, no terceiro milênio aC. Como estes sistemas políticos cresceu entrelaçadas, seus deuses se juntou a um panteão coletivo, com
deus principal o mais poderoso da cidade-estado conseguir um lugar commensurately exaltado no panteão. No caso do antigo Israel, isso
sugeriria um período inicial de convivência para El e Yahweh. E se de fato errantes tribos do sul se juntou a uma confederação norte inicialmente
mais forte, a coexistência pode ser em termos desiguais: Yahweh seria admitido no panteão dos norte Canaã, mas não no nível superior,

A Bíblia realmente contém fragmentos de evidência de um tempo, mas eles são difíceis de encontrar, porque ao longo dos tempos editores e
tradutores da Bíblia não tomaram exatamente dores para destacá-los. Pelo contrário. Considere este verso aparentemente inocente do trigésimo
segundo capítulo de Deuteronômio como proferida na King James Version, publicada em 1611:

Quando o Altíssimo dava às nações a sua herança, quando separava os filhos dos homens, estabeleceu os termos dos povos
conforme o número dos filhos de Israel.
Porque a porção do Senhor é seu povo; Jacob é a parte da sua herança. 67

Este versículo, embora um pouco obscuro, parece dizer que Deus, chamado de “Altíssimo” em um lugar e “o Senhor” em outro - de alguma
forma dividida pessoas do mundo em grupos e, em seguida, teve um interesse especial de propriedade em um grupo, Jacob . Mas esta
interpretação se baseia na suposição de que “Altíssimo” e “o Senhor” Faz ambos se referem ao Senhor. Eles?

A segunda prazo- “o Senhor” faz -definitivamente; esta é a renderização padrão da Bíblia do original hebraico Yhwh. Mas poderia “Altíssimo” - Elyon
-Consulte para El? É possível; as duas palavras aparecem juntos- El Elyon -mais de duas vezes dúzia na Bíblia. O que move essa perspectiva de
uma possível direção provável é a estranha história por trás de outra parte deste versículo: a frase “filhos de Israel.”

A edição King James tem esta frase do “Texto Massorético”, uma edição em hebraico da Bíblia, que tomou forma no início da Idade Média,
mais de um milênio depois de Deuteronômio foi escrito. Quando o Text-Bíblia hebraica mais antiga existente Masoretic -got é um mistério. A frase
não é encontrada em qualquer uma das duas versões muito mais adiantadas do verso agora disponíveis: uma versão hebraica nos Manuscritos
do Mar Morto e uma versão grega na Septuaginta, uma tradução pré-cristã da Bíblia hebraica.

Por que algum editor de ter inventado a frase? Foi algo que está sendo encoberto? Alguns estudiosos que usaram os Manuscritos do Mar
Morto e a Septuaginta para reconstruir a versão autêntica do verso diz que “filhos de Israel” foi preso em como um substituto para “filhos de El”. 68 Com
essa frase perdeu restaurado, um verso que foi enigmática repente faz sentido: El-o Deus Altíssimo, Elyon -divided pessoas do mundo em grupos
étnicos e deu um grupo para cada um de seus filhos. E o Senhor, um desses filhos, foi dado o povo de Jacob. Aparentemente, neste momento da
história israelita (e não há como dizer quanto tempo esta história se originou) Senhor não é Deus, mas apenas um deus e um filho de Deus, um
entre muitos. 69

Assim como o Senhor subir na hierarquia? Como é que um deus inicialmente expedidos para um nível mais baixo do panteão,
eventualmente, fundir-se com o deus principal, El, e até mesmo, em certo sentido, suplantá-lo? A julgar por outros exemplos de mobilidade
ascendente divina no mundo antigo, uma explicação provável seria uma mudança no poder relativo do norte e do sul de Israel, de coração de El e
coração da terra do Senhor. Tal aumento no poder relativo sul de Israel pode muito bem ter sido em curso durante o século VIII aC-e certamente
assumiu forma dramática perto do fim do século, quando, como veremos no próximo capítulo, o norte caiu para Assírio conquista. Foi depois disso
consolidação do poder no sul que a maior parte da Bíblia hebraica foi escrito, para que os escribas do Sul que foram campeões de Javé teria tido a
chance de aumentar sua estatura, e minimizar uma perspectiva norte, El-ocentric. 70

Parece um cenário plausível: El, um deus poderoso do norte, admite Javé para os níveis mais baixos de seu panteão por meio de deixar as
pessoas errantes de Javé introduzir um confederation- político entre Israel e em parceria júnior com o povo de El; e, finalmente, é o nome do
Senhor, não El do, que permanece unido a Israel, graças a uma reversão da fortuna: o povo do Senhor se tornam mais poderosos, enquanto o
povo de El recebem menos assim, e de fato encontro catástrofe.

Mas, por mais plausível esse cenário possa parecer, ele tem problemas. Por exemplo, se Jacob está associado com o norte, e, portanto,
presumivelmente com El antes de uma fusão El-Javé, então por que, nesse versículo de Deuteronômio, é Javé, o Deus do povo de Jacob, assim
como El parece manter-se separado do Senhor , no topo do panteão? não iria Jacob entraram dobra do Senhor somente após a fusão
Yahweh-El?

Não pode haver nenhuma reconstrução do início da história de Israel que responde graciosamente para todas as provas estranho, incluindo
a descrição do Senhor como um filho de Elyon na versão undoctored de Deuteronômio 32 e a fusão do Senhor e El Shaddai em Êxodo 6. 71 Como
veremos no capítulo 8, a solução pode estar em foco na história posterior de Israel, muito tempo depois de sua confederação tribal tinha
congelado, muito depois de ter evoluído para um estado de pleno direito, com um rei.

Enquanto isso, qualquer que seja a verdade sobre a história precoce do Senhor, há uma coisa que podemos dizer com alguma confiança:
editores e tradutores da Bíblia têm por vezes obscurecida-lo, talvez deliberadamente, em uma tentativa de esconder a evidência do politeísmo
tradicional cedo. 72

A vida sexual de Yahweh (e Outros Mitos)

Ainda assim, continua a ser bastante visível para complicar a tarefa daqueles que afirmam ver diferenças grandes e afiados entre o Deus de
Abraão e outros deuses na vizinhança. Uma diferença oft-alegou, por exemplo, é que, enquanto os deuses pagãos tinha vida sexual, o Senhor
não o fez. “Deus de Israel”, como Kaufmann colocá-lo, “não tem qualidades sexuais ou desejos.” 73 É verdade que não há ode bíblica ao Senhor
que compara com o ugarítico se gabar de que Baal copulado com uma novilha “77 vezes”, até mesmo “88 vezes”, ou que o pênis de El
“estende-se como o mar.” 74 E parece intrigante: Se o Senhor finalmente se fundiu com El e El tinha uma vida sexual, por que não o pós-fusão
Senhor tem um? Por que, mais especificamente, não Javé herdar consorte de El, a deusa Athirat?

Talvez ele fez. Há referências na Bíblia para uma deusa chamada Asherah, e os estudiosos há muito tempo acreditava que Asherah é apenas
a versão hebraica do Athirat. 75 Claro, os escritores bíblicos não retratam Asherah como esposa-presente de Deus não é o tipo de tema teológico
eles geralmente defendido, mas desdém em vez de pilha sobre ela, e sobre os israelitas que adoravam ela. No entanto, no final do século XX,
arqueólogos descobriram inscrições intrigantes, datado de cerca de 800 aC, em dois locais diferentes do Oriente Médio. As inscrições foram
bênçãos em nome não apenas do Senhor, mas de “sua Asherah”. 76 A palavra “sua” coloca um giro intrigante sobre uma passagem em 2 Reis
relatando que, perto do final do século VII, Asherah era passar o tempo no templo do Senhor. Um sacerdote que não favoreceu o politeísmo
“trouxe a imagem de Asherah da casa do Senhor, fora de Jerusalém até o ribeiro de Cedrom, queimou junto ao Wadi Kidron, vencê-lo à poeira e
jogou o pó sobre as sepulturas das pessoas comuns.” 77 No próximo capítulo vamos ver o que um momento crucial na evolução do monoteísmo era
essa.

A questão da vida sexual do Senhor é parte de uma questão mais ampla que tem alto risco: Como mitológica era o Senhor? Não “mitológica”,
no sentido de não ser verdade, mas sim no sentido de que deuses gregos eram mitológica: Houve histórias sobre relações dramáticas de Javé com
outros seres extraordinários? Será que ele lutar contra alguns deuses ou semideuses e pal ao redor com os outros? Ele fazia parte de uma novela
sobrenatural?

Muitos estudiosos têm dito que não. De fato, na visão de Kaufmann, a natureza “não-mitológica” do Senhor “é a essência da religião
israelita” e define religião israelita “para além de todas as formas de paganismo,” certamente incluindo religião cananéia nativa. 78

Não é duplamente má notícia para aqueles que, como Kaufmann, seria granizo Yahweh como uma ruptura do mito pagão. Em primeiro lugar,
há sinais de que a ruptura não era tão limpo-que, como tantas outras coisas na história da religião, era mais evolucionário do que revolucionário.
Segundo, quando você tentar traçar esta evolução, você vê que a árvore genealógica de Javé pode conter algo ainda mais escandaloso do que
uma fusão precoce com a divindade cananéia El. Pode ser que o Senhor, mesmo quando herdar genes de El, de alguma forma adquiriu genes do
mais odiado de todos os deuses cananeus: Baal.

Baal era, claro, imersos profundamente no mito. Ele fez batalha com Yamm, o deus do mar, e Mot, o deus da morte. Um texto ugarítico
mesmo diz que ele “feriu Lotan,” um de sete cabeças “dragão”.
79 Fale sobre mitológica!
Então, novamente, a Bíblia paga este tributo ao Senhor: “Você quebrou as cabeças das baleias nas águas. Você esmagou a cabeça dos
Levia-than “. 80 E a palavra hebraica antiga subjacente Leviathan
- Livyaton -is, tanto quanto nós podemos dizer, apenas hebraica para “Lotan”; aparentemente, o Senhor não só matou
dragões com várias cabeças, mas matou o dragão muito com várias cabeças que Baal série. Nesse mesmo capítulo dos Salmos credita ao
Senhor com subjugar o mar. 81 Ou, talvez, Mar: alguns tradutores capitalizar a palavra, porque subjacente é inhame, a palavra hebraica antiga
para o deus do mar que Baal feriu. 82
A Bíblia também promete, no livro de Isaías, o Senhor vai “engolir a morte para sempre” -e subjacente “morte” é a palavra hebraica para Mot,
o deus da morte, com quem Baal lutou dramaticamente. 83

Então, por que Inglês traduções da Bíblia dizem “mar” em vez de “Yamm” e “morte” em vez de “Mot”? Hebraico antigo não tinha letras
maiúsculas. Quando você vê a palavra hebraica Mawet isoladamente, não se pode dizer se é o substantivo que significa Mot adequada ou o
substantivo genérico que significa morte. Então tradutores da Bíblia pode fazer a sua escolha, e como regra que você escolheu nomes genéricos.
Mas você tem que saber sobre esta escolha. Ao decidir se o Senhor foi “engolindo” Mot ou simplesmente a morte, por exemplo: com certeza não é
por acaso que, em Mot mitologia cananéia era famoso por “engolir” as pessoas no fim de suas vidas e entregá-los para “Seol”, a vida após a morte
submundo, ou que Mot já havia engolido rival do Senhor, Baal. 84

Ou considere intrigante referência bíblica ao Senhor da “ira contra os rios” e sua “raiva contra o mar.” 85 Por que o Senhor estar chateado com
rios e mar? Como ele poderia culpar água para fluir? não essas passagens fazer mais sentido se as palavras hebraicas para “rios” e “mar” ( nahar e inhame)
foram traduzidas como Nahar e Yamm, os seres sobrenaturais com os quais Baal lutaram de forma tão mitológica? 86 ( Talvez sentindo uma pontada
de consciência, os tradutores da Nova Versão Padrão obscuramente reconhecer esta possibilidade, com notas de rodapé fino de impressão que
dizem “ou contra o River” e “ou contra mar. “) O caso para uma tradução mitológica só cresce quando você vê como o próprio Senhor aparece
nessas passagens. Ele conquista as forças da natureza em uma carruagem ( “Você pisada do mar com seus cavalos”). Ele brande um arco e
intimida a lua eo sol com “a luz de suas flechas” eo “brilho de sua lança piscando.” 87

Estas duas últimas imagens são geralmente tomadas para se referir a um raio, 88 e aqui reside outra indefinição da linha entre os mitos desses
cananeus pagãos e da religião do antigo Israel: Senhor, além de combater as forças da natureza que Baal luta contra e viu sendo representado
em termos antropomórficos, como deuses mitológicos, muitas vezes são, é descrito como o determinado

tipo de deus mitológico que Baal era: um deus da tempestade. No Salmo 29, Yahweh é a fonte de raios e trovões: “A voz do Senhor está sobre
as águas; o Deus da glória troveja. ... A voz do Senhor pisca diante chamas de fogo.” 89

Em 1936, HL Ginsberg, um professor do Seminário Teológico Judaico, sugeriu que este poema tinha sido originalmente um hino a Baal.
teoria inicialmente excêntrico de Ginsberg se mudou para o mainstream como evidência para ela cresceu. Um estudioso, por exemplo, mudou
todos os “Yahweh” s no poema para “Baal” s e descobriu que a quantidade de aliteração cresceu radicalmente. 90

O biblista Frank Moore Cruz eminente argumentou que um dos eventos pedra angular de toda a Bíblia, a travessia do Mar Vermelho-tem
raízes em Baal mitologia. 91 Ele observa que este apresenta episódio, em certo sentido, o mar submeter à vontade de Deus, um eco fraco de
dominar Mar de Baal (Yamm) na batalha. E certamente há um ar mítico sobre a conta do evento em Êxodo 15. Aqui a cena é nada como o
(provavelmente depois) conta em Êxodo 14, que é a retratada em Cecil B. DeMille de Os dez Mandamentos; as águas não apenas parte
majestosamente a pedido de Moisés e, em seguida, se reunir para afogar os egípcios. Em vez disso, Deus é conspicuamente,
antropomorficamente, envolvidos e seu domínio sobre o mar proporcionalmente vívida: “Ao sopro de suas narinas as águas empilhados, as
inundações levantou-se em uma pilha.” 92

Mas, quaisquer que sejam os paralelos entre o episódio do Mar Vermelho e os mitos de Baal, há uma grande diferença. Considerando que os
mitos de Baal ocorrer em um reino sobrenatural, a história bíblica é fundamentalmente sobre humano história. Sim, a história é crucialmente moldada
pela intervenção do Alto, mas a ação real está no chão. Como Cruz coloca, as batalhas do Senhor, ao contrário da batalha típica Baal, são
“particularizada no lugar e tempo.” A “padrão mítico” foi substituído por um “padrão épico.” 93

Daí o título do seu influente 1973 livro, Cananeu Mito e hebraico Epic.
Mesmo quando o Senhor age claramente mitológica moda matar um dragão com várias cabeças, dizer-a referência bíblica é passageira; não
há nenhuma trama longa. “Imagery Mythic é abundante na Bíblia”, observa Mark S. Smith, ainda “mito como narrativa” é quase ausente. 94 A
explicação de Smith para a escassez de mito narrativa envolve, entre outras coisas, a eliminação. 95 Em meados do primeiro milênio aC, diz ele,
motivos mitológicos caiu fora de moda; escrituras hebraicas compostas, em seguida, retratam Deus em forma menos antropomórfica do que antes,
e às vezes como sem forma. 96 Smith argumenta que, durante este período, quando mito foi visto com bons olhos, textos anteriores estavam sendo
editado e re-editado; talvez sacerdotes encontraram sua visão do Senhor em desacordo com relatos anteriores de suas façanhas e “não escolheu
para preservá-los, assim, funcionalmente censurá-las.” 97

Mas por que ir para o trabalho? Mesmo que o mito tinha crescido fora de moda, por que se preocupar para apagar a memória de seu voga
anterior? Provavelmente porque havia grandes apostas teológicas. Afinal, mitológico
deuses lidar com outros deuses formidáveis ​e, por vezes, encontrar a sua vontade frustrada; mas se você é o único, todo-poderoso Deus, a tua
vontade não pode ser frustrado! Mitologia, em outras palavras, significava politeísmo. Assim, um projeto para tirar narrativa mítica início de
escritura pode ter sido parte de um projeto maior: retrabalhar as escrituras implicar que desde os primórdios da religião israelita Yahweh era
todo-poderoso e digno de devoção exclusiva. (O estudioso Marjo Christina Annette Korpel comparação ugarítico e descrições bíblicas do divino e
encontrou “espetacularmente” linguagem similar “onde a força, a honra, a dignidade e compaixão estão preocupados”, enquanto que “tudo o que
implica fraqueza, humilhação ou desejo é evitado no Antigo Testamento .”) 98

Esta motivação seria explicar os tipos de momentos mitológicas que fez sobreviver à edição. Mais de uma vez, a trama dura apenas o
tempo suficiente para sugerir que, se uma base para o politeísmo já existiu, ele é ido agora. No Salmo 82-a cena conselho divino acima
mencionada, na qual Deus toma seu lugar entre os outros deuses-a cena termina com ele prever a sua morte; ou, em uma interpretação
comum, sentença -los à morte por seus crimes. 99

Da mesma forma, o encontro do Senhor com os deuses do mar e do rio dura apenas o tempo suficiente para ele para subjugar casualmente
esses remanescentes traquinas de um politeísmo passada. Deixando naquela parte do legado de Baal anexado ao Senhor era teologicamente
segura. Mas o que dizer contratempos de Baal, como sendo “engolido” por Mot, o deus da morte? Tal humilhação não convir a um deus digno de
devoção exclusiva, e de fato as escrituras, tal como editada, não mostram Javé herdar esta parte da identidade de Baal. Em vez disso, vemos que
a promessa no livro de Isaías que, eventualmente, o Senhor vai “engolir” Mot “para sempre”, uma afirmação pontas da superioridade do Senhor
não só para Mot mas a Baal. 100

Em certo sentido, então, os editores mid-primeiro-millennium que no relato de Smith ajudou a desmitificar a Bíblia não foram
dobrados em extirpar mito per se. Na verdade, foi só mais tarde
tradutores que mudou mar a mar e de rio para rio e Morte à morte. O inimigo, em vez disso, era mito em que outros do que a estrela do show
deuses eram formidáveis. E desde narrativa detém apenas quando o seu resultado está em dúvida, ou seja, quando há mais de um
personagem-a formidável morte desses motivos significava a morte da verdadeira narrativa mítica.

Este desaparecimento conjunta do politeísmo e narrativa mítica pode ser vislumbrada, refratada, através de cacos de mito que permanecem
na Bíblia. Um verso no livro de Habacuque, como comumente traduzido, diz: “Deus veio de ... Mount Paran” e “Adiante dele ia a peste, e da peste
seguia de perto.” 101 Mas as palavras hebraicas subjacentes “peste” e “praga” são as palavras para a de Deus

da pestilência e peste, Deber e Resheph. 102 No panteão Cananita, Deber e Resheph tinha sido fortemente destrutiva, 103 mas, como Smith observou,
que parte de sua identidade não fazê-lo na Bíblia. Em vez disso, eles aparecem como membros despretensioso de comitiva do Senhor. E
tradutores posteriores, girando os nomes desses deuses em substantivos genéricos, convertido Pestilence e Peste de divindades menores a meros
aspectos do poder do Senhor, e os aspectos abstratos para isso. Senhor aqui parece estar a repetir a estratégia vimos exercício Marduk no
capítulo anterior, movendo-se para o monoteísmo através da conquista sutil, assimilando outros deuses em seu ser.

Esta passagem de Habacuque ilustra relato de como o politeísmo cananeu foi racionalizado em monoteísmo israelita de Smith. Deuses que
tinham classificados abaixo El no panteão, como Deber e Resheph, encolheu em estatura e, eventualmente, desapareceu completamente. Com a
gestão de nível médio ido agora, tudo o que restava do panteão rebaixado era uma divindade no topo, agora conhecida como seres Yahweh-e
sobrenaturais na parte inferior: os mensageiros divinos ou anjos.

104

Fertilização cruzada

O teólogo Robert Karl Gnuse observado presciently em 1997 que “a 'mudança de paradigma' parece estar em andamento”, com mais e mais
estudiosos reconhecendo “uma evolução gradual de uma religião Yahwistic complexo de um passado politeísta.” Cada vez mais, “a percepção de
um surgimento gradual do monoteísmo combina com um entendimento de que enfatiza a continuidade intelectual de Israel com o mundo antigo.” 105

“Continuidade Intelectual” conexão -agentes orgânicos entre religião israelita e as religiões que o precede-certamente é o padrão que vimos
nos últimos capítulos. Deuses alterar em caráter e fundir-se com outros deuses e se renomeado, e de crença pode mudar drasticamente no
processo, mas você não vê inteiras novas religiões saindo do nada. Mesmo o faraó egípcio Akhenaton, que não era exatamente o avesso à
inovação teológica, trabalhada seu monoteísmo a partir de materiais à mão: Aten, o seu único e verdadeiro Deus, já tinha vivido em um contexto
politeísta eo primeiro tomou forma como um desdobramento do deus sol Ré.

Mas a continuidade intelectual pode ser confuso, e certamente foi no caso do antigo Israel. O chefe do panteão cananeu era El, e vimos
razões, no início deste capítulo, a pensar que o Senhor herdou muito do caráter de El. 106 Mas agora nós vimos motivo para colocar o Senhor na
linhagem de Baal também. Ele é descrito na linguagem usada para descrever Baal, e ele luta contra os inimigos muito míticas que Baal lutou. (Um
verso bíblico ainda parece identificar sua casa, Monte Sião, com a casa de Baal, o Monte Sapan.) 107 Então, qual é a história? Como é que o Senhor
acabam parte El e Baal parte? Como nós
conciliar suas duas heranças?
O primeiro passo é lembrar que os deuses são produtos da evolução cultural, não evolução biológica. Na evolução biológica, linhas de
descendência são puros. Você obter todos os seus traços de qualquer um dos pais ou dois, dependendo se sua espécie se reproduz por clonagem
ou sexualmente. De qualquer maneira, uma vez que seu óvulo começa a se desenvolver, sua herança é definida-não há mais mexer com o seu
DNA. Com a evolução cultural, em contraste, a fertilização cruzada sem fim é possível. É por isso que a língua Inglês, embora chamado de
“germânica”, tem uma semelhança com as línguas românicas. Muito tempo depois de tribos germânicas haviam se estabelecido na Inglaterra, a
linguagem de seus descendentes falou foi trocando palavras com a língua francesa através do Canal Inglês. E por falar nisso, o “germânica”
wellspring si baseou-se em várias fontes,

Em outras palavras: a evolução cultural é difusa. pergunta-tão simples como se o Senhor consiste
Mais de El ou de Baal-pode não ter uma resposta, muito menos uma resposta visível através das névoas da antiguidade. Ainda assim, o assunto
vale a pena perseguir: Como El, o presidente cerebral do conselho, nunca se misturam com Baal, o deus da tempestade terrível que é descrito por
um estudioso como uma “lâmpada DIM- viril”? 108 E como foram suas identidades finalmente reconciliados em um só Deus? No entanto evasivo as
respostas, procurando-los é o primeiro passo para apreciar a grande contribuição feita por religião israelita à evolução de Deus.

Um aspecto inicialmente intrigante da situação é que Baal, em toda a Bíblia, é rival de Javé. amarga inimizade não parece ser uma boa base
para uma fusão. Mas, na verdade, na evolução cultural, a concorrência pode realmente estimular a convergência. Certamente isso é verdade em moderno
evolução cultural. Os sistemas operacionais razão feitos por Microsoft e Apple são tão semelhantes é que as duas empresas emprestado (que é o
termo polido) Características pioneira pela outra quando provar popular.

Assim também com as religiões. sistema operacional do Baal tinha uma característica que, em uma sociedade agrícola antiga, teria sido a
inveja de qualquer competidor que faltava isso: como o deus da tempestade, Baal trouxe chuva. 109 Daí, talvez, todas as atmosferas em algumas
descrições de Yahweh-voz como um trovão, a lança como um relâmpago; nada Baal poderia fazer, ele poderia fazer melhor. 110 E, portanto,
descrições de Javé como um Deus que “passeios sobre as nuvens”; 111 um dos apelidos Canaã-ite de Baal era “cavaleiro das nuvens.”

No entanto, por muito tempo o Senhor passou absorvendo a personalidade de Baal, ele teve que finalmente renunciar a ela se estava a
tornar-se o deus que o antigo Israel é famoso por ter produzido: todo-poderoso, mas não visivelmente assim; o governador da natureza, mas
transcendente. Aqui voltamos à cena bíblica citada no início deste capítulo, o encontro montanha de Elias com o Senhor estranhamente evasivo
no capítulo XIX do Primeiro Reis.

Digo “estranhamente” indescritível porque apenas um capítulo anterior, a Bíblia retrata uma Yahweh bem diferente. Elias tem organizado para
um confronto público entre Yahweh e Baal. devotos de Yahweh e devotos de Baal será cada preparar um touro para o sacrifício e convidar seu
deus para inflamar-lo dos céus. Qualquer que seja o deus sucede é o deus real. Você poderia pensar que Baal, o deus da tempestade temível,
poderia atirar para baixo um raio, especialmente com 450 de seus profetas aplaudi-lo. Mas nenhum parafuso Baal está próxima. Ainda tochas
Yahweh dele sacrifício mesmo depois de Elias mergulha-o em água! “Então o fogo do Senhor caiu e consumiu o holocausto, a lenha, as pedras, eo
pó, e ainda lambeu a água que estava no rego.” 112 Caso encerrado: as pessoas estão convencidas, os 450 profetas de Baal são ignominiosamente
mortos, eo Senhor é triunfante. Ele tem out-Baaled Baal-e, para que ninguém perca o ponto, ele termina o show com chuva, suposto especialidade
de Baal. 113

Agora, com Baal vencido, o Senhor pode parar de se mostrar, ou pelo menos reduzir a ele. Como o estudioso bíblico Richard Elliott Friedman
observa, esta é a última vez que na Bíblia hebraica que Deus vai realizar um milagre importante antes de um grande público. 114 E o próximo
capítulo de Primeiro Reis nos dará o novo, sutil Javé, o deus que “não está no vento” e “não no fogo” e que fala, se em tudo, em uma “voz mansa
e delicada.” Aqui , diz Frank Moore Cross, começa uma “nova era” em de Javé “modo de auto-revelação.” a “voz de trovão de Baal” tornou-se “o
sussurro imperceptível” do Senhor. 115 Senhor, depois de ter feito um bom o suficiente imitação Baal para roubar o show, agora poderia elevar seu
ato. O El nele-o deus-chefe-executivo que fala através de profetas-sobreviveu a Baal nele, apenas em uma forma mais elevada: o Senhor se
tornará mais remoto do que El, e, eventualmente, transcendente.

Pelo menos, essa é uma interpretação. É uma questão em aberto se este trecho da Bíblia pode arcar com tanto peso simbólico como
intérpretes modernos têm colocado sobre ele; se o seu (s) autor (e editores posteriores) destina-se a descrever uma transição fundamental de Deus
antiquado, hands-on,-lançando fogo ao deus sutil, mesmo em silêncio, transcendente. (Mesmo após essa transição para uma “nova era”, como o
Senhor dirige Elias silenciosamente ou não em todos, ele traz fogo, um terremoto, e pedra-splitting vento não marcas da reserva divina.)

Ainda assim, tudo o que esta cena era para dizer, a direção na qual ele aponta é realmente a direção em que a Bíblia se move. Como
Friedman observou em seu livro A face oculta de Deus, representações da Bíblia de um declínio Senhor vívida, dramaticamente intervencionista na
frequência como a narrativa bíblica se desenrola. É perto do início da história que o Senhor é mais provável de aparecer para as pessoas ou falar
com eles ou fazer maravilhas amplamente testemunhado. Perto do final, ele é menos salientes; na verdade, não existe
menção dele em tudo no último livro da Bíblia hebraica, Esther. 116
Naturalmente, a ordem em que os livros (e capítulos e versos) da Bíblia parecem não é a ordem em que foram escritos. Mas, mesmo se
olharmos para o texto no fim de sua autoria, vemos uma tendência (pelo menos, se usarmos mainstream, embora não inconteste, pontos de vista
sobre as datações dos textos). 117 As primeiras escrituras oferecer, um deus antropomórfico hands-on, que anda através de um jardim, as chamadas
para as pessoas, faz-lhes roupas, cortesmente fecha uma arca antes de desencadear uma inundação letal, e afoga egípcios, soprando sobre o mar
(pelo nariz ). Este deus cheira o “odor agradável” do holocausto. 118 Em escrituras posteriores vemos menos de Deus na carne, e até mesmo
começar a ver um deus sem carne em tudo. O quarto capítulo de Deuteronômio, aparentemente, um produto do meio-primeiro milênio, salienta
que, mesmo quando Deus falou ao seu povo que “não viu nenhuma forma” (e por isso seria um erro adorar ídolos que são feitas no” forma de
qualquer figura”). 119

A evolução de, uma divindade hands-on antropomórfico a uma divindade menos intrusiva, mais abstrato é quase lisa. 120 A segunda metade
do primeiro milênio viu um aumento por escrito apocalíptico repleto de imagens mitológicas; o livro de Daniel vê Deus como bastante carnal. (
“Sua roupa era branca como a neve, eo cabelo da sua cabeça como a pura lã.”) 121 Ainda assim, no cômputo geral, parece haver uma tendência: o
movimento durante o primeiro milênio aC longe de um politeísmo antropomórfico em direção a um monoteísmo mais abstrato.

Quando você avaliar essa tendência-esta deriva errática mas direcional de uma concepção de Deus para outro, é difícil não concluir que a
história tradicional do deus de Abraão é apenas errado. monoteísmo verdadeiro integral não, como Kaufmann argumenta, surgem no início da
história israelita “como um insight, uma intuição original”. 122 religião israelita primitiva cresceu fora das religiões anteriores, religiões “pagãs”, tal
como tinham feito. E com isso, finalmente, cresceu o deus mais moderno da religião israelita tarde: um único e transcendente todo-poderoso,
onisciente deus-deus de judeus, cristãos e muçulmanos. Seria um deus de influência sem precedentes, um deus que, em vários séculos dominaria
povos que eram dominantes no mundo.

Mas a questão permanece: Por quê? Que forças empurrou Israel para o monoteísmo? Somente quando nós responder a essa pergunta
podemos responder à questão levantada no início deste capítulo: O que exatamente é a conexão entre o monoteísmo e da intolerância, entre
monoteísmo e violência? Nós vamos pegar essas questões no próximo capítulo. Mas há pelo menos uma coisa já podemos dizer sobre o
monoteísmo e violência. Uma premissa compartilhada por todos os que cometem a violência em nome do Deus de Abraão é que esse deus é-o
especial, um verdadeiro deus. E a maioria dessas pessoas diria que sua especialidade era manifesto em seu modo de aparição: mais de três
milênios atrás, ele apareceu de repente, anunciou sua presença, e rejeitou o politeísmo pagão do dia. Se você perguntar-lhes como eles sabem
que, eles estão propensos a dizer que as escrituras disse-lhes isso.

No início do século XX, arqueologia parecia estar escorar esse tipo de fé. William Albright, o “pai da arqueologia bíblica”, escreveu em 1940
que estávamos vendo agora “confirmação arqueológica do teor geral da tradição israelita.” 123 Mas na segunda metade do século XX esta afirmação
caiu em dúvida, e os arqueólogos começaram a perguntar se não foi fundamentada mais em fé cristã de Albright do que em bolsa. Cada vez mais, a
narrativa bíblica sofreu danos dos fatos no solo. Então, hoje, quando o ponto de fiéis a escritura como prova de que seu Deus é diferente de todos
os outros deuses antigos, que ele é o único e verdadeiro Deus-qualquer cético bem versados ​em arqueologia pode responder: Mas por que alguém
iria colocar a sua fé em um livro persistentemente em desacordo com a realidade histórica?

À luz das últimas décadas de estudos bíblicos, os céticos podem ir mais longe. A Bíblia hebraica
- leia cuidadosamente, e à luz do antigo cananeu escritos-não realmente contar a história dos fiéis disseram que ele diz para começar; pelo
menos, ele não contar a história em forma, em última análise credível. Ao lado de seu enredo monoteísta encontra evidências diversificado elenco
que trama em dúvida. A história é prejudicada não apenas pelos fatos no solo, mas pelo próprio texto.

Claro, um crente pode optar por ignorar esta evidência, ou pode esticar para acomodá-lo, bem como astrônomos que explicou os padrões de
planetas com teorias cada vez mais barroco ao invés de apenas admitir que a Terra gira em torno do Sol Mas os judeus, cristãos e muçulmanos
que são espiritualmente famintos e intelectualmente séria terá que lidar com as evidências, e de alguma forma conciliar suas crenças com ele. O
próximo passo na luta agarrada é descobrir quando e como

- e acima de tudo o monoteísmo porque-abraâmica de fato emergir.


Capítulo Seis

Do politeísmo ao monolatria

Y OU não atendem muitas mulheres nomeadas Jezebel. O nome caiu de milênios de moda atrás e nunca se recuperou. Na verdade, ele ficou tão
carregado com maus conotações que agora é um pejorativo genérico. A Jezebel, de acordo com um dicionário, é “uma mulher má, sem vergonha.” 1
Tudo vai voltar ao Jezebel bíblica. Ela era casada com Acabe, rei de Israel durante o século IX aC. Ela era um campeão vigoroso do deus cananeu
Baal, e falou o rei Acabe em Baal de apoio. Este esmaecido suas chances de ser favorável descrito na Bíblia.

Jezebel foi um jogador chave por trás das cenas na história bíblica que emoldurava o capítulo anterior: o Senhor bate Baal no confronto
organizado por Elias, e depois “aparecer” para Elias-invisivelmente, inefavelmente-no Monte Sinai. Foi porque Jezabel havia tão chicoteado até
entusiasmo para Baal que Elias programados para este confronto decisivo entre os dois deuses em primeiro lugar. E o resto é história: com o maior
rival do Senhor subjugado, ea identidade do Senhor agora se movendo em direção à transcendência, religião israelita estava no caminho para o
monoteísmo moderno.

Ou então estamos disse. Se o Senhor realmente fez melhor Baal, e para que o assunto se tal confronto no topo da montanha foi ainda
organizada por Elias, não são exatamente temas de consenso universal. A história Elias não pode ter sido escrito para baixo até séculos após a
sua (suposta) ocorrência, e que acabou por ser editado por pessoas que defendiam devoção exclusiva ao Senhor e, presumivelmente, girou o
conto nessa direção. 2 Ainda assim, a oposição subjacentes do conflito Elias para as políticas pró-Baal de Jezabel e Acabe-é algo que muitos
estudiosos bíblicos acho que está enraizada na verdade. E essa rebelião contra o politeísmo regiamente sancionada é comumente visto como um
marco na evolução irregular do monoteísmo, uma evolução que levaria séculos mais para o seu ponto culminante.

Mais restrita, o incidente é tido como um marco na evolução da monolatria, uma estação de passagem no caminho para o monoteísmo de pleno
direito. Elias não foi necessariamente alegando Baal não existir ( a posição monoteísta), só que ele não merecia o respeito de israelitas. Cerca de
dois séculos após o tempo de Elias, monolatria seria a política oficial do rei dos israelitas, e a adoração de outros que o Senhor deuses seriam
desencorajados com brutalidade zeloso. Este capítulo irá abordar a questão de como monolatria movido da franja radical para o centro da
política-how israelitas o palco para o monoteísmo de pleno direito foi definida.

Seria bom saber com certeza se a história de Elias é verdade. Se for, pelo menos em seus fundamentos políticos, então começamos nossa
busca por origens de monolatria perguntando o que inspirou Elias se opor de Javé rival Baal. Se for falsa, começamos nossa busca por perguntar o
que inspirou escritores mais tarde bíblicos para criar a história: por que eles mesmos tinham vindo a opor-se a adoração de todos os outros que o
Senhor deuses, após o que ler sua teologia para trás na história.

Mas, como acontece, esses dois caminhos levam a aproximadamente o mesmo lugar, produzindo conclusões semelhantes sobre o que as
forças fez o Senhor o único deus dos israelitas. A melhor maneira de ver isso é apenas escolher um caminho e segui-lo. Vamos começar por
assumir, se apenas como uma espécie de experiência de pensamento, que esta história início Bíblia é verdadeira, e, em seguida, avançar na
narrativa bíblica da teologia desdobramento de Israel, até chegarmos a alguns episódios que são mais firmemente fundamentada na verdade . Nosso
caminho acabará por dobrar sobre si mesmo, como esses episódios mais tarde lançar luz sobre a autoria da história de Elias. Vamos, então, em
posição de explicar a evolução da monolatria israelita com alguma confiança.

Mas primeiro vamos deixar claro-no caso, não é já o viés filosófico informa a empresa. Tenta explicar mudanças na doutrina religiosa vêm em
duas variedades básicas: o tipo que enfatizam o poder das idéias e do tipo que enfatizam o poder da circunstância material. Foi Israel empurrado
para monolatria, e, finalmente, para o monoteísmo, mais por inspiração e reflexão teológica, ou mais, em política, economia e outros fatores
sociais concretas? Para tomar o exemplo em questão: O que levou Elias e seus seguidores a amontoar desdém para Jezebel e sobre Baal?
Jezebel foi detestado por causa de sua associação com Baal (e, portanto, com o politeísmo), ou era Baal detestado por causa de sua associação
com Jezebel (e, portanto, com o que interesses econômicos e políticos que representavam)?

A Bíblia, é claro, favorece a primeira interpretação: Elias e seus seguidores, nas garras da verdade divina, se opôs à adoração de Baal, e
assim tornou-se o inimigo de qualquer um que favoreceu tal adoração. Então, novamente, a Bíblia tem um viés natural em favor do poder da
crença religiosa, a capacidade de ideias
para moldar os fatos no terreno. O livro que você está lendo, em contraste, enfatiza o poder de fatos no terreno; ele procura explicar como a
concepção de Deus mudou em resposta a eventos na terra. Por isso leva a sério a possibilidade de que, por fervor religioso tudo de Elias, sua luta
contra Baal pode ter tido motivações mundanas. O conflito teológico com Jezebel e seu marido, Acabe, pode ter tido tanto a ver com Jezebel e
Ahab como com a teologia.

Certamente já vimos exemplos de motivações mundanas moldando princípios teológicos. Nós vimos xamãs esquimós dizer às mulheres
pecaminosas que o perdão divino dependia de sua fazendo sexo com um xamã esquimó. Nós vimos chefes polinésia dizem que as pessoas que
irritavam deles tiveram que ser sacrificados aos deuses. Nós vimos Sargão de Akkadia fusível Ishtar e Inanna em um único deus que servia suas
ambições imperiais. Nós vimos Akhenaten, o engenheiro do monoteísmo egípcio, matar deuses cujos sacerdotes ele encontrou politicamente
ameaçador. Novamente e novamente nós vimos o divino, ou pelo menos idéias sobre o divino, reformulado pelo mundano. Fatos no terreno-fatos
sobre poder e dinheiro e outros crassos coisas, têm sido muitas vezes a vanguarda da mudança, com a crença religiosa seguir junto.

Claro que, às vezes, a influência se move na direção oposta. crenças religiosas, especialmente no curto prazo, pode moldar o cenário político e
econômico. É inteiramente possível que Elias tinha profunda fé no Senhor, e esta fé inspirou um movimento político contra Acabe e Jezabel. Para
essa matéria, a influência pode se mover em ambas as direções ao mesmo tempo: talvez a motivação de Elias era inteiramente baseada na fé, mas
alguns dos seus apoiantes tinham queixas políticas ou econômicas contra Jezabel e do rei Acabe.

Em suma, a coisa toda é confuso, e concentrando-se exclusivamente em qualquer um “primeiro motor” é muito simples. Ainda assim, eu
vou argumentar que no cômputo geral a melhor maneira de explicar a evolução secular do politeísmo ao monolatria ao monoteísmo é através de
forças sociais concretas. Correndo o risco de simplificar demais: política e economia nos deu o verdadeiro deus dos religiões abraâmicas.

As pessoas religiosas muitas vezes achamos esta afirmação desanimadora, pois parece reduzir a crença em um propósito maior para uma
miragem, uma reflexão ilusória do mundano. Até o final deste livro eu vou argumentar que o oposto é em um sentido verdadeiro: que vendo fatos
no terreno como motores principais acaba de apresentar um novo tipo de evidência para um propósito mais elevado. Em qualquer caso, por agora o
que eu estou dizendo é que, para entender por que o monoteísmo evoluído no antigo Israel, temos de entender a política subjacentes e economia
da antiga Israel. Só então poderemos ver em que sentido, se houver, intolerância e agressividade são “incorporado” monoteísmo de Abraão, e
como firmar uma parte do caráter do Deus de Abraão são ou não são.
O Partido Yahweh-Alone

Então, o que as forças sociais pode ter ajudado a dinamizar oposição às políticas de Acabe e Jezabel, e, portanto, a Baal? Para começar, ele ajuda
a lembrar que, nos tempos antigos, quando os homens de mulheres estrangeiras sangue real casados, não era geralmente por um capricho
romântico. Era parte da política externa, uma forma de cimentar as relações com outra nação. Jezabel era filha do rei Etbaal, régua das cidades de
Tiro e Sidon na Fenícia (e no Líbano moderno-dia). Seu casamento com Acabe tinha sido arranjado pelo pai de Acabe, rei Omri, que sem dúvida
perceberam que aliança com a Fenícia deu a Israel favoreceu o acesso a estas cidades portuárias do Mediterrâneo. E, como de costume no mundo
antigo, aliança com um país significava tratar seus deuses com respeito. Assim, se, como diz a Bíblia, Acabe construiu um altar a Baal 3 na cidade
capital de Israel, Samaria, que não era apenas alguma concessão para sua esposa zany. Era parte da lógica de se casar com Jezebel, em primeiro
lugar, a expressão teológica da lógica política subjacente do casamento. 4

E assim tinha sido há muito tempo. A Bíblia, olhando para trás de soslaio para a teologia do rei Salomão no século X aC, reclama que ele tinha
centenas de esposas que “transformou o coração para seguir outros deuses,” reverência oficial inspirador para “Astarte, deusa dos sidônios” e “
Milcom, abominação dos amonitas”e‘Quemos, abominação dos moabitas.’Mas tudo isso‘mau aos olhos do Senhor’ 5 foi presumivelmente boa política
externa nos olhos de Solomon. Um “internacionalista”, enfatizando ampla aliança e política de um estrangeiro trade-implicou um certo respeito por
deuses estrangeiros.

Da mesma forma, os oponentes de uma política internacionalista pode opor-se à inter amizade-o respeito, mesmo abraçar de, deuses-que
estrangeiros instigados-lo. Talvez esta é a forma como Israel começou a descer o caminho para monolatria, através de uma reação contra o
internacionalismo. Mas por que alguém iria se opor a uma política externa internacionalista? No caso do internacionalismo de Acabe, várias teorias
têm sido oferecidas.

Talvez, por exemplo, alguns comerciantes locais sofreu com comerciantes fenícios deixam de Acabe veio para Israel e músculo em no
comércio. Certamente, a estrutura da economia naqueles dias tornou fácil para o ressentimento dos comerciantes fenícios para traduzir em
ressentimento dos deuses fenícios. Como o estudioso bíblico Bernard Lang observou, nos tempos antigos, casas de culto, por vezes, realizada
“uma tarefa do banco moderno muitos”, e há evidências de que os comerciantes fenícios usado templo de Baal como sua sede. 6

Neste cenário, a tensão entre Acabe e círculos eleitorais de Elias se resume a auto-interesse político e econômico. Do ponto de vista de
Acabe, aliança com a Fenícia fazia sentido. Ele não só manteve os mercados do Mediterrâneo abertas para Israel via portos fenícios, mas também
dirigiu o comércio leste-oeste através de Israel, criando rotas comerciais que Ahab poderia rentável controlar. Além do mais, a aliança deu a Israel
um forte amigo em caso de conflito militar com uma das grandes potências da região. Se o preço para tudo isso foi tolerando Baal e deixando
alguns comerciantes fenícios ganhar dinheiro, que assim seja. A relação com Fenícia foi ganha-ganha, e teologia de Acabe expandida em
conformidade. Mas para israelitas cuja subsistência foi ameaçada por comerciantes fenícios, a relação com Fenícia foi one-way; Fenícios ganhou e
eles perderam.

Esta teoria ressentidos-comerciantes é bastante especulativo. Mas o princípio geral faz sentido, e já vimos isso no trabalho na antiga
Mesopotâmia e em outros lugares: atitudes em relação a um deus estrangeiro pode depender da forma como os estrangeiros são percebidos. Se os
habitantes locais sentem que podem ganhar com a interação cooperativa com os estrangeiros, eles podem abraçar o deus, ou pelo menos não
levantar protesto quando concidadãos fazer. Mas, se os moradores ver o jogo como zero-sum-se acreditarem que suas fortunas estão inversamente
correlacionados com fortunas dos estrangeiros, que os estrangeiros têm que perder para eles ganhar, então sua teologia provavelmente será
menos inclusiva. Vamos chamar essa a lei da tolerância religiosa:

O mundo antigo, ligando política externa e de teologia com tanta força, fez este princípio especialmente atraente, mas uma versão dela opera
nos tempos modernos, também. As pessoas que estão rentável que fazem negócios com outras pessoas tendem a não questionar as suas crenças
religiosas: viver e deixar viver.
Para essa matéria, a dinâmica básica vai além da questão da tolerância religiosa para a questão da tolerância em geral. As pessoas
naturalmente, sem realmente pensar sobre isso, julgar inimigos e rivais criticamente em vários reinos. Se dois homens estão perseguindo a mesma
mulher, e você perguntar-lhes o que eles pensam um do outro gostos-na política, na roupa, na literatura, o que quer, pois você provavelmente obter
algum feedback negativo, e provavelmente vai ser de coração. Em contraste, as pessoas reflexivamente julgar potenciais colaboradores, e suas
crenças, indulgência. Assim, a ligação entre o interesse próprio e tolerância não precisa ser uma questão de consciente cálculo, um fato vamos
explorar abaixo. A lei de tolerância religiosa cresce organicamente fora da natureza humana.

Há uma outra teoria sobre o que inspirou a oposição a Acabe e Jezabel, e, portanto, diante de Baal. Em aliança com a Fenícia, Israel estava
virando as costas para um outro potente sistema político-Assíria, ao seu nordeste. De fato, poder ameaçador da Assíria era uma coisa a aliança
fenícia foi presumivelmente
destinado a neutralizar. Como observa Lang, houve provavelmente uma facção israelita que favoreceu aliança com a Assíria, em vez de Fenícia.
Certamente tal facção prevaleceu alguns anos depois da morte de Acabe, rei Jeú, que assumiu o trono por golpe de Estado, seria cortejar o favor
de Assíria e, portanto, redirecionar a política externa israelita. É provavelmente nenhuma coincidência que, segundo a Bíblia, Jeú também matar
cada adorador de Baal em Israel, destruir o templo de Baal, e substituí-la por uma latrina. 7

Então talvez Elias chamou o apoio de israelitas pró-assírios. Nesse caso, o ódio de Baal evidenciado pelos inimigos de Acabe pode ter sido
acompanhado por seu calor para o assírio deus Assur
- um fato que os editores monoteístas da Bíblia, pois todos sabemos, deixada no chão da sala de edição. Em outras palavras, é bem possível que
muitos apoiadores Elias eram tão politeísta como Acabe e Jezabel, e apenas discordou com eles sobre qual deuses valiam adoração. Mesmo
assim, a moral da história subjacente permaneceria o mesmo: as pessoas toleram, mesmo abraçar, as teologias de estrangeiros na medida em que
vêem a possibilidade de ganho mútuo, através da colaboração.

Claro que, se a interpretação tradicional é certo, e coligação de Elias era monolatrous, dedicado ao culto do Senhor sozinho, em seguida, uma
facção pró-assíria com uma afinidade para deuses assírios não caberia na coalizão. E em algum momento da história israelita, alguns tal
movimento “Yahweh-alone” (como o historiador Morton Smith é apelidado) 8 deve ter tomado forma. Este movimento, por definição, teria rejeitado a
adoração de todos os deuses de origem estrangeira. Então, se a preferência de um aliado de Israel sobre outra implicou o envolvimento ativo dos
deuses desse aliado, então esta preferência não faria sentido como parte da motivação do movimento Yahweh-sozinho. Um ceticismo sobre
aliança internacional em geral seria mais parecido com ele.

O Monolatrist Primeiro clara

Com isso em mente, fast-forward vamos a um momento em que há mais evidências de que o Yahweh-alone mensagem tem voz encontrados. No
século VIII aC, muito tempo depois de Jezebel estava morto, o profeta Oséias apareceu, e os seus pensamentos estavam comprometidos com a
escrita, aparentemente, durante a sua vida ou pouco depois. 9 Embora seu texto estava sujeita a posterior edição, muitos estudiosos pensam que a
sua mensagem central solidificou não muito tempo depois de sua morte, de modo que é justo falar de uma teologia “Hosean” que reflete um fio de
pensamento israelita algo em torno do fim do oitavo século AEC . 10 Certamente muito mais estudiosos pensam isso do que pensar que a história de
Elias é verdade, como disse. Em qualquer caso, como com a história de Elias, vamos prosseguir por enquanto no pressuposto de que o registro
bíblico é mais ou menos precisas: vamos ver no livro de Oséias um homem chamado Oséias cujos pensamentos dizer algo sobre o tempo em que
ele vivia.

Oséias às vezes é lido como um monoteísta, mas não há nenhuma razão para pensar que ele era nada mais do que monolatrous. Ele
nunca nega a existência de outras que o Senhor deuses, e ele nunca diz estrangeiros não devem adorá-los. 11 Quando ele insiste que Israel deve
“saber” nenhum deus, mas o Senhor, ele não significa “conhecer” no sentido moderno de “estar ciente.” A palavra hebraica subjacente
significaram algo mais como “ser fiel a.” Foi utilizada nos tratados para expressar a lealdade de uma nação vassalo. 12

Ainda assim, aquela sensação de “saber” se qualifica Oséias como um monolatrist de pleno direito. Quando ele cita o Senhor dizendo: “[Y]
OU sabe há Deus além de mim, e fora de mim não há salvador” 13 ele está expressando a linha do partido Yahweh-sozinho. Ele também pode
estar fazendo história intelectual, que estabelece um modelo para uma das linhas mais famosas da Bíblia. O primeiro dos dez Commandments-
“Não terás outros deuses diante de mim” (outro verso monolatrous muitas vezes lido como monoteísta) -provavelmente vem de tempos
pós-Hosean. 14

O mesmo acontece com Oséias exibem o que a lógica acima sugere um monolatrist pode apresentar: um certo ceticismo da aliança em
geral? Pode-se dizer. Ele repetidamente menciona duas grandes potências, Assíria e Egito, e nunca em uma luz favorável. Ele salienta a futilidade
da aliança entre qualquer um desses poderes e “Efraim” -a reino do norte de Israel, onde ele morava. (Grande Israel é neste ponto dividido em
dois estados, um norte chamada Efraim ou Israel e um sul chamado Judá.) “Assíria não nos salvará”, diz ele, e como para negociar com líderes
egípcios, este é apenas “ balbuciando na terra do Egito “líderes de Efraim são“tolas e sem sentido.; eles chamam sobre o Egito, vão para a Assíria
“. 15

Parte da resistência de Oséias a alianças parece ser aterrado em seus termos com frequência humilhantes. Porque Israel é um pequeno
estado encravado entre grandes potências, “aliança”, muitas vezes equivale a vassalagem. Quando o livro de Oséias reclama que os líderes de
Efraim “fazer um tratado com a Assíria, eo azeite se leva ao Egito”, 16 ele está falando não sobre a venda de óleo para o Egito, mas em dar-lhe para
o Egito como tributo.

Ainda assim, as grandes potências não são o único problema. 17 Oséias, como o estudioso bíblico Marvin Sweeney tem escrito, mostra
“hostilidade ao envolvimento estrangeiro em geral.” 18 Na verdade, a suspeita de nações estrangeiras é tão difusa quanto à iminência de xenofobia.
Oséias escreve: “Efraim se mistura com os povos ... Estrangeiros devorar sua força, mas ele não sabe disso.”. E “Israel foi devorado; agora ... entre
as nações como um vaso inútil “. 19 Presumivelmente, a lógica de Acabe, Salomão e outros reis que tinha perseguido uma política externa
internacionalista foi que a imersão no mundo maior
poderia tornar Israel mais rico. Oséias é de opinião contrária. Ele vê cada vez mais pobres Israel cuja pobreza só é aprofundada por forças
internacionais. “A seara não tem cabeça, ele não dará farinha; se fosse para produzir, os estrangeiros iria devorá-lo.” 20 Se nenhuma nação pode
trazer de bom para Israel, em seguida, segue-se que Deus nenhuma outra nação deve ser adorado ou mesmo respeitado.

Na verdade, Oséias lança seu isolacionismo religiosa e seu isolamento político na mesma linguagem metafórica. “Você jogou a puta, a partir
de seu Deus”, ele diz aos israelitas. Em adorando deuses cananeus que pretendem trazer chuva e prosperidade, Israel tem “, disse, 'Eu irei atrás de
meus amantes; eles me dão o meu pão ea minha água, a minha lã eo meu linho, o meu óleo e minha bebida. "” Esta imagem da infidelidade é
estendido para a política externa de Israel. funcionários de Efraim “subiram à Assíria, qual asno selvagem andando sozinho; Efraim foi negociado
para amantes. Embora eles [israelitas] barganha com as nações ... eles devem se contorcer em breve sob o peso de reis e príncipes [estrangeiros]
“. 21 Em Oséias, como no mundo antigo em geral, a teologia e geopolítica são imagens de espelho.

justificadamente invejoso

Que os defensores do movimento “Yahweh-alone” tomou uma visão preconceituosa da aliança estrangeira não é uma notícia. Estudiosos têm
anotado por muito tempo um sabor anti-internacionalista nos livros proféticos que condenam a infidelidade ao Senhor. ( “Nacionalismo Profético”,
alguns chamaram-lo.) 22 Mas isso não significa que todos esses estudiosos comprar a vista a ser avançado teologia aqui, que as forças políticas e
econômicas em forma. A correlação entre atitudes políticas e religiosas não, por si só, resolver a questão do que causou que. Pode ser que o
desdém do internacionalismo de Oséias levou a ser monolatrous, mas também pode ser que monolatria de Oséias o levou a desprezar o
internacionalismo. Afinal, o internacionalismo tendem a trazer contato com deuses estrangeiros. E pode ter havido outras razões para monolatrists
a não gostar aliança. Alguns profetas disse que estender a mão para o apoio de grandes potências mostrou uma falta de fé na capacidade de
sozinho Yahweh para manter Israel seguro.

Então por que não devemos tomar os profetas em sua palavra, e assumir que sua teologia em forma de seu ponto de vista das relações
externas, ao invés do contrário? Em certo sentido, nós provavelmente deveria. Oséias e outros profetas de sua época tem as características do
verdadeiro crente. Segundo a Bíblia, Oséias escolheu o seu cônjuge, seguindo a ordem de Deus para “tomar para si uma esposa de prostituição”,
aparentemente para que seu casamento seria uma metáfora para a infidelidade de Israel ao Senhor. Como se isso não fosse o suficiente fanática,
deu o nome de um de seus filhos “não meu povo” para simbolizar a resposta do Senhor à infidelidade. 23 E não gastar todo o seu piedade de filho de
Oséias; um filho de Isaías passou a vida como “despojo velocidade, acelerar a pilhagem,” um outdoor caminhando para uma das profecias de
Isaías. 24

Tudo isso sugere que a motivação profético poderia ser mais intensa e menos mundanely racional, do que você esperaria se fosse inspirado
apenas por análise geopolítica.
Mas a questão, para efeitos do presente, não é o que motivou Oséias e outros profetas para exprimir a mensagem monolatrous. A questão é
por que a mensagem teve ressonância: por que ele pegou. Aqui uma analogia com a evolução biológica é apt. teoria de Darwin diz que os traços
que se espalham por uma população tenderá a ser traços que ainda sobrevivência e reprodução. Mas ele não diz que todos os traços que aparecer
( através, por exemplo, mutação genética) terá essa tendência, e sua previsão sobre quais características vão se espalhar é indiferente à questão
de por que eles apareceu pela primeira vez. mensagem de Oséias, pode-se dizer, foi uma “mutação” cultural -e sem dúvida outros profetas
estavam gerando mutações alternativas. A questão da teologia se relações exteriores em forma não é tanto a questão de por qualquer uma destas
mutações surgiu como por que algumas mutações espalhou e outros não. Especificamente: Did mensagem de propagação de Oséias, porque as
pessoas cada vez mais acreditava que o relacionamento de Israel com o mundo era basicamente de soma zero-que Israel era improvável para
lucrar através de internacionalismo, através da cooperação e colaboração com outros países?

Certamente israelitas poderiam ter chegado a essa conclusão. A carreira de Oséias começou durante os últimos anos do reinado de
Jeroboão II e prorrogado por décadas depois. Como se viu, naqueles anos finais do mandato de Jeroboão foram os últimos anos de um século
de estabilidade e prosperidade para o reino do norte de Israel. 25 Logo após a morte do rei, em 747 aC, as relações exteriores de Israel entrou em
uma espiral descendente quarto de século, a criação de alimento para vistas de soma zero do mundo.

Assíria reviveu sua beligerância antes, marchar seu exército para o oeste e exigente tributo íngreme de Estados mais fracos, incluindo Israel. 26
Israel procuraram refúgio em aliança; seu rei juntou-se com Damasco e algumas cidades fenícias e filisteus em uma revolta anti-assírio. 27 Em
resposta, a Assíria apreendeu muito do território de Israel e arrasou muitas de suas grandes cidades, deixando apenas sua capital, Samaria, e
alguns países colina próxima sob controle israelita. O encolhido radicalmente Israel por um tempo prestou homenagem a Assíria, em vez de
desaparecer completamente. Mas, em seguida, a contagem mal deliberadamente com o apoio do Egito, terminou esses pagamentos. Assíria
cercou a Samaria e, depois de subjugar a cidade em 722 aC, deportados uma grande parte de sua população-os “dez tribos perdidas de Israel.” 28 Este
foi o fim do reino do norte de Israel. Agora o único repositório do património israelita era o reino de Judá, ao sul. Não é nenhuma surpresa que, no
momento em que o reino do norte caiu, a política externa isolacionista de Oséias, juntamente com o seu teológica correlato-aversão a deuses com
estrangeiros pedigrees-tinham encontrado uma audiência grande o suficiente para que a sua mensagem iria sobreviver e ser levada a Judá,
possivelmente
como seus seguidores fugiram do ataque assírio. 29
Após a queda do reino do norte, a imagem relações exteriores não era brilhante no sul, também. Judá, também, agora confrontados
ferocidade da Assíria. Durante as próximas duas décadas suas tentativas de aliança defensiva, como as tentativas anteriores de Efraim, seria um
fracasso. Judá se rebelou contra Assíria sem sucesso, e duas décadas depois da morte de Efraim, o rei de Judá, viu-se preso em uma Jerusalém
sitiada como “um pássaro em uma gaiola”, como anais assírios orgulhosamente colocá-lo. Jerusalém teve de desistir do ouro em seu templo e
tesouraria em aceitar vassalagem para a Assíria. 30

história que se seguiu de Judá teria seus pontos brilhantes, e as suas relações com os vizinhos não seria implacavelmente de soma zero;
houve momentos em aliança pagos. Ainda assim, durante o próximo século seria permanecer na posição problemática de ser um estado pequeno
em uma região dominada por uma superpotência mesopotâmica agressivo (primeira Assíria, e, em seguida, o caldeu, ou Neo-Babilônico, Império,
que deslocou Assíria). Por isso, passei uma quantidade razoável de tempo, quer em vão resistir a uma superpotência ou aceitar vassalagem
humilhante para um. 31 Como resultado, o principal contribuinte ao respeito pelos deuses-evidência externa de relações frutuosas com países
estrangeiros -foi vezes difícil de encontrar.

Deus dos Little People

Importante como assuntos externos parecem ter sido no surgimento de monolatria, o movimento Javé-alone pode ter começado um impulso de
política doméstica também. Começando na época de Oséias, quando profetas primeiro ir no registro contra a adoração de outros deuses que o
Senhor, a luta de classes está no ar. O profeta Amós, Oséias da contemporânea no reino do norte, 32 castiga aqueles que “pisar a cabeça dos
pobres no pó da terra, e empurre o aflito fora do caminho”, que “esmagar os necessitados, que dizem a seus maridos, 'Traga algo para beber!'” 33 Enquanto
isso, para baixo em Judá, Isaías está reclamando sobre aqueles “que escrever estatutos opressivos, para desviarem os pobres de justiça e roubar
os pobres do meu povo do seu direito, que as viúvas pode ser o seu despojo, e que você pode fazer os órfãos sua presa!” 34

Por que proféticas diatribes contra o coincidem ricos com diatribes proféticas contra a adoração de outros deuses que o Senhor? Talvez por
causa da conexão natural entre o ressentimento de classe alta de Israel e oposição ao internacionalismo que, como vimos, estava ligado a deuses
estranhos. Escavações arqueológicas mostram época de Oséias para ser um momento de grande desigualdade econômica entre os israelitas. Foi
também um momento de expansão do comércio internacional, 35 e não poderia ter escapado a atenção dos pobres que os ricos estavam
intimamente ligado ao que o comércio, não só porque eles controlavam e lucrou com isso, mas porque muitas importações caras acabaram em
suas casas. 36

que Amos não ligar explicitamente os ricos ao comércio exterior, mas ele faz pilha desdém para o consumo conspícuo, que envolveu
elementos visivelmente estrangeiros. Ele tem como alvo aqueles que “dormem em camas de marfim” (e do marfim do século VIII desenterrados
por arqueólogos no norte de Israel tem contornos fenícios e é carregado com motivos egípcios). 37 Enquanto isso, no sul, Isaías está criticando
Judahites quem “dar as mãos com estrangeiros” -a referência a transação comercial -e cuja “terra está cheia de prata e ouro.” 38

Ainda hoje, as pessoas ricas gostam de brandir importações exóticas e até hoje eles estão se ressentia por isso. Mas, em tempos antigos a
ligação entre riqueza e comércio exterior era mais forte, porque os itens de luxo dominado comércio de longa distância. Com transporte ainda
árdua e dispendiosa, apenas bens com alta proporção de valor para o peso valiam negociação. O comércio internacional em grande parte
conotado jóias e tecidos e especiarias, que por sua vez conotados pessoas ricas detestáveis. Assim, o impulso anti-internacionalista do movimento
Senhor-sozinho naturalmente extraiu forças de despeito das elites cosmopolitas.

Na verdade, Sofonias, um profeta ardentemente monolatrous que viveu cerca de um século depois de Oséias, Amós e Isaías, escreveu que,
quando o Dia do Julgamento vem, o Senhor vai punir a classe dominante e “todos os que se vestem de trajes estrangeiros.” 39 E haverá pranto na
área de negócios “para todos os comerciantes têm pereceram; todos os que pesam a prata são destruídos.” 40

Sofonias é uma figura pouco conhecida, talvez porque o livro de Sofonias é um dos livros mais curtos na Bíblia. Mas ele merece atenção. Ele
é pensado para ter vivido nas últimas décadas do século VII aC, quando o movimento Yahweh-sozinho, como veremos, deu um grande salto em
proeminência e poder. E até mesmo deixando de lado quando ele morava, e quando o livro de Sofonias foi escrito e alterada (a datação dos textos
bíblicos sendo a coisa duvidoso que é), o livro é valioso como um trato monolatrist vivas, e uma que é consistente com a cenário esboçado nos
últimos várias páginas: que o movimento Yahweh-alone Ganhou força uma cautela sobre o envolvimento internacional e um ressentimento das
elites que lucraram com que o envolvimento.

Certamente os deuses cuja adoração Sofonias ferozmente ataques têm um ar estranho sobre eles. Ele adverte que o Senhor em breve
punir aqueles que “curvar-se e juram ao Senhor, mas também juram por Milcom”, deus dos amonitas, que habitavam atual Jordânia. Yahweh
também vai punir aqueles que “curvar-se sobre os telhados”, para adorar o “exército dos céus”, que neste contexto significa corpos celestes
divinizados, talvez do tipo que eram adorados na Assíria e por administradores assírios na terra do israelitas. 41 E, claro, o Senhor iria purificar
Judá de “cada remanescente de Baal”. 42
Tal como acontece com Oséias, vista de Sofonias de deuses estrangeiros correlaciona-se estreitamente com a sua visão de nações
estrangeiras. É com prazer evidente que ele relata a intenção do Senhor a E, como para os amonitas (junto com os moabitas) “destruirá a Assíria.”:
Suas terras se tornará “um desperdício para sempre” como “o restante do meu povo os saqueará, eo sobreviventes da minha nação os possuirá.” 43 Claro
que, como com Oséias, não é claro se a influência está se movendo de geopolítica à teologia ou vice-versa. A correlação entre a hostilidade contra
outras nações e hostilidade em relação aos deuses estrangeiros não significa que o primeiro causou o segundo. Afinal, não faria sentido para uma
monolatrist feroz ou monoteísta para esperar, e até mesmo esperar, o desaparecimento de nações abraçando deuses alternativos.

Mas acontece que, em alguns casos, pelo menos, as nações são não programado para a punição por causa de sua teologia sozinho. A ira do
Senhor, e dos profetas, às vezes resulta explicitamente de fatos no terreno. Os amonitas e moabitas, diz Sofonias, estão condenados porque “eles
têm insultado o meu povo e fez orgulha contra seu território.” 44 Assírios, também, parecem ter sido muito auto-confiante para o gosto de Sofonias.
Depois de pintar uma imagem luxuosa da devastação Senhor vai causar em Nínive, a capital da Assíria, Sofonias pergunta: “esta é a cidade
exultante que viveu seguro, que disse a si mesmo: 'Eu sou, e não há ninguém mais'?” 45 Este sentido de ser desprezado ou arrogância pelo alto e
poderoso é comum em textos proféticos que enfatizam a dedicação Senhor. Isaías retransmite o que o Senhor irá “pôr fim ao orgulho dos
arrogantes e colocar baixo a insolência dos tiranos.” 46

Este tipo de reação ilustra quão profundamente a avaliação de estrangeiros relações-e assim de estrangeiros deuses-pode ser moldada por
emoções como o ressentimento e humilhação. Nesse sentido, para falar sobre antigos israelitas avaliando as perspectivas internacionais e
considerando aliança frutífera ou sem esperança, não de soma zero ou de soma zero, pode ser enganosa. Porque em alguns casos, a reação é
emocional; o cálculo está ocorrendo em um nível inconsciente. 47

Este ambiente sociopolítico antiga é muito parecido com o ambiente sociopolítico moderno como moldado pela globalização. Então como
agora, comércio internacional e desenvolvimento económico atendente trouxe mudança social afiada e clivagens sociais afiados, delimitando
cosmopolitas afluentes de pessoas mais pobres e insulares. Então como agora, alguns dos que na última categoria eram ambivalentes, na melhor
das hipóteses, cerca de influência estrangeira, econômico e cultural, e foram correspondentemente ressentido das elites cosmopolitas que se
alimentavam nele. E, então como agora, algumas das pessoas na última categoria ampliou sua aversão ao estrangeiro à teologia, esfriando em
direção tradições religiosas que significavam o estrangeiro. Esta dinâmica tem em graus variados ajudou a produzir fundamentalistas cristãos,
judeus fundamentalistas e muçulmanos fundamentalistas.

duas Teorias

Pelo menos, esse é um cenário para explicar o movimento de Israel em direção monolatria e, portanto, ao monoteísmo. Vamos chamá-lo o cenário
FP, já que é tão ligada à política externa de Israel. Ele vê início monolatrists de Israel como nacionalistas ferozes adversários de uma política
externa internacionalista. Mais especificamente, os vê como nacionalistas populistas, desenho apoio do ressentimento do homem comum de elites
cosmopolitas que lucraram com uma política externa internacionalista.

O cenário FP tem suas virtudes. Por um lado, isso explicaria por chamadas da Bíblia para devoção exclusiva ao Senhor são muitas vezes
infundido com um espírito nacionalista, uma aversão ao estrangeiro. Este espírito vai muito além dos textos proféticos citados acima. principal
narrativa bíblica da história antiga de Israel é o chamado história deuteronomista, que se estende a partir do livro de Deuteronômio através dos
livros de Josué, Juízes, Primeiro e Segundo Samuel, e Primeiro e Segundo Reis. Na história deuteronomista, partidas da devoção ao Senhor são
rotineiramente riscado até sinistra influência-to estrangeira emulação dos israelitas ‘as práticas abomináveis ​das nações.’ 48 A frequência
nacionalista, por vezes, mesmo xenófobo, o tom de passagens monolatrous da Bíblia exige uma explicação, eo cenário FP fornece um.

No entanto, o cenário FP tem deficiências, especialmente se ele pretende ser uma explicação completa, auto-suficiente para a evolução da
monolatria em Israel. Verdadeira, pura monolatria-rejeitar a adoração de
todos deuses, mas Yahweh-se, no cenário FP, resultar de verdadeiro, puro nacionalismo-a rejeição da aliança com todos nações. Mas na vida
real não existe tal coisa como um completamente rei nacionalista, um rei que não vê potencial de sinergia nas relações com qualquer vizinho.
Admitindo-se que reis internacionalistas eram mais amplamente aberto a deuses estranhos que mais reis nacionalistas, de modo que uma
política externa nacionalista tem tendências monolatrous; Ainda assim, para o cenário de FP para nos fazer todo o caminho até monolatria, um
rei teria de ser nacionalista num grau implausível.

Além disso, mesmo assim, o cenário FP não teria inteiramente explicada a evolução da monolatria. Afinal, monolatria presumivelmente pediu a
rejeição de mais do que apenas estrangeiro de Deus. Uma perspectiva levantada pelo capítulo anterior, lembre-se, era que o monoteísmo israelita
evoluiu a partir de israelita
politeísmo; há indícios de um panteão indígena, e a deriva em direção monolatria, e depois para o monoteísmo, teria envolvido a extinção de
todos os deuses em que panteão, exceto um.
Claro, alguns membros do panteão de Israel pode ter sido importações estrangeiras, mas certamente não
todos eram recém-chegados. Lembre-se Asherah, consorte presumido do Senhor? Ela tinha sido com El, residente de longa data da região e fonte
aparente de alguns dos DNA do Senhor, desde tempos remotos, e assim era tão profundamente enraizada na tradição israelita como um deus
poderia ser. No entanto, em algum momento, se monolatria era para governar, ela e o Senhor deve se divorciar, e outros deuses com pedigrees
israelitas válidos também deve ser mostrada a porta; há necessidade de uma limpeza doméstica. Por esta faxina para ter sucesso, seria
necessário o apoio do rei de Israel, e uma política externa nacionalista sozinho, como no cenário-não FP parecem explicar por que ele iria
fornecê-la.

Então, novamente, a política externa não é a única esfera política na qual um rei opera. Há também a política interna. Aqui reside a segunda
grande explicação de como o carro em direção a monolatria adquiriu massa crítica. Chamá-lo o cenário DP, para a política, ou domésticos, talvez,
para poder doméstico. Moderners pensar de reis antigos como autocratas que governou com mão de ferro, mas na verdade eles geralmente
enfrentado centros de poder rivais, seja na forma de outros aristocratas ou chefes tribais ou líderes de clãs Far distantes ou padres dissidentes. a
política israelita em torno do meio do primeiro milênio aC iria oferecer reis uma oportunidade para lutar contra esta força centrífuga, para extrair
energia doméstica em direção ao centro. Aproveitando a oportunidade significaria alinhando-se com o movimento Yahweh-sozinho. No cenário DP,

Como Reis tem mais Devota

A lógica começa com o fato de que reis israelitas sempre teve um carinho especial para o Senhor. Ele era, afinal, o deus-nacional deus que
representou Israel no cenário internacional e, mais ao ponto, deu legitimidade ao rei. Na verdade, o rei, de acordo com um dos Salmos, era filho de
Javé. 49 Assim, mesmo o mais politeísta dos reis tinha interesse em glorificar o Senhor. Acabe, que supostamente instigados Baal de Jezabel, com o
nome de seus filhos após o Senhor. 50

Como seria de muitas outras pessoas poderosas. A partir do século VIII, como o uso da escrita cresceu, israelitas deixaram mais e mais
evidências de pessoal nomes de assinatura “selos” de pedra ou osso. 51 Em um estudo pioneiro de algumas mil e duzentos selos que sobraram do
oitavo, sétimo e sexto séculos iniciais, o estudioso Jeffrey Tigay mostrou que cerca de nomes meia furo referindo-se deuses, e que desses, mais
de 80 por cento a que se refere o Senhor. 52 Por várias razões, isso não significa que Israel foi, pelo menos 80 por cento do caminho para
monolatria. (Por exemplo: israelitas parecem não ter pessoas nomeadas após divindades femininas, mas os arqueólogos encontraram um grande
número de figuras femininas, sugerindo adoração à deusa.) 53 Mas pelo menos isso significa, como o estudioso Diana V. Edelman colocou, que
“uma pessoa que queria que seu filho para avançar na burocracia governamental nomeou-o após a divindade masculina cabeça do panteão, o
Senhor.” 54 Mesmo antes dos Yahweh-alonists tinha triunfado, o Senhor foi o foco divino do rei e da corte, o mestre dos assuntos do Estado. Se
houvesse qualquer deus único que você poderia começar o rei para amarrar seu destino para, era o Senhor.

E isso não foi só porque o Senhor, como o deus nacional, deu reis o brilho da legitimidade divina. Houve também ligação mais concreta e
de granulação fina entre um Senhor forte e um rei forte.

No antigo Israel alguns dos assessores mais importantes do rei eram profetas. 55 Seus conselhos emanava do divino. Se eles argumentaram a
favor ou contra o lançamento de uma guerra, eles não apenas falar sobre os níveis de tropas inimigas; eles conversaram sobre a vontade do
Senhor, que eles tinham sondado em primeira mão, talvez pelo fato de assistir o conselho divino em ação. (Como um profeta Cassandraish diz
Acabe, por meio do estabelecimento de sua boa-fé, “Eu vi o Senhor sentado no seu trono ...”) 56 Portanto, uma forma para um rei para manter um
controle firme sobre a política era decidir qual dos profetas de Javé tem o maior tempo de antena. E os reis, sem dúvida, tinha muito a dizer sobre
este assunto, uma vez que o Senhor era o deus mais ou menos oficial do Estado. 57

Infelizmente para reis, o Senhor, embora a autoridade indiscutível na guerra, não era a única fonte possível de orientação divina em todos
os assuntos de política. Outros deuses tinham pontos de vista, como seus profetas foram rápidos em observar. (Havia em um ponto
“quatrocentos profetas de Asherah” no reino do norte de Israel, a Bíblia relata sombriamente.) 58 E os reis, presumivelmente, tinha menos
influência sobre esses profetas do que sobre os profetas de Javé. 59

Para essa matéria, você nem sequer tem que ser um profeta, isto é, alguém com acesso especial a um determinado deus-canalizar
conselho sobrenatural no discurso político. Havia a matriz antiga usual de técnicas de adivinhação quase-mágico. Você poderia até mesmo
consultar os mortos através de um meio. Este tipo de necromancia pode rivalizar com a influência dos profetas de Javé; a Bíblia refere-se a
espíritos dos mortos com a palavra hebraica para Deus ( Elohim) que também é aplicado ao Senhor. 60

Em suma, o pluralismo sobrenatural era um inimigo do poder real. Se todos os profetas de todos os deuses andava transmitindo decretos
divinos, e cada clã em Israel consultou o espírito de seu ancestral mais reverenciado sobre questões de política, o rei teria problemas para
permanecer na mensagem. Para consolidar o poder político, ele teve que consolidar o poder sobrenatural; Entre os objectivos dos Yahweh-alonists
foi “para controlar as vias de acesso à vontade divina”, observa o historiador e teólogo Patrick D. Miller em seu livro A religião do antigo Israel. 61

Quando isso acontece, o mesmo ambiente externo hostil que alimentou a intolerância dos deuses estrangeiros
trabalhou contra rivais de Javé no panteão nacional também. Uma das leis mais confiáveis ​de ciência política é o efeito “reunião-round-the-flag”.
Quando uma nação enfrenta uma crise, se o surto de guerra ou um ataque terrorista chocante, suporte para o líder da nação cresce. Na antiga
separação entre Igreja e Estado vezes-antes, de volta quando o líder político e militar supremo de uma nação era um deus-esta regra,
presumivelmente, trabalhava no nível de fidelidade divina. E uma vez que as crises que começaram no final do século oitavo eram principalmente
nos assuntos externos, que teria trabalhado para a vantagem do Senhor em particular. 62 Desde os primeiros tempos da história de Israel, o Senhor
tinha sido o deus dos Negócios Estrangeiros, o deus que poderia autorizar a guerra e guiar seu povo através dela (ou, em vez disso, poderia
contenção conselho); ele era o deus comandante-em-chefe. Assim o Senhor seria naturalmente chamar a fidelidade populares de turbulência
internacional. 63 E porque devoção divina é um recurso finito, alguns dos essa atenção viria naturalmente à custa de outros deuses, incluindo
aqueles com pedigrees domésticos.

Alguns estudiosos pensam sozinho esta dinâmica empurrou Israel bem no caminho para o monoteísmo. Como o teólogo Gerd Theissen
colocou, “Israel vivia em um estado de crise permanente” e “condições de crise crônica levou a monolatria crônica.” 64 Mas havia provavelmente mais
no trabalho. A razão este tipo de adoração é chamado de efeito reunião-round-the-flag, lembre-se, é que ele funciona no mundano, bem como o
nível divino. Em tempos de crise nacional, a popularidade da liderança política cresce, e as pessoas crescem disposto a ceder o poder a ele. Para
os líderes que gostariam de acumular mais poder de uma categoria que inclui aproximadamente a cada rei que já viveu-esta é uma oportunidade,
um momento mágico para ser apreendido.

Mas como aproveitá-la? Os políticos modernos aproveitar esses momentos por reescrever as leis que dá ao governo federal mais poder de
policiamento, da tributação, mais poder para substituir os governos locais ou liberdades civis. Este tipo de sheerly tomada de poder legalista era
possível para os políticos antigos, também, mas as perspectivas mais ricas colocar em outro plano inteiramente. Por capina do panteão nacional, o
rei poderia tornar engrandecimento do Senhor eterno e assim eternamente expandir próprio poder do rei. Foi o equivalente antigo de fazer a lei
marcial permanente.

Perto do final do século VII aC, esta oportunidade foi apreendido pelo rei mais importante na história teológica de Israel. Ele não é difícil de
detectar. narrativa histórica da Bíblia, depois de dizer que o rei após rei “fez o mal aos olhos do Senhor” 65 prêmios a ele que a designação rara “Ele
fez o que era reto aos olhos do Senhor.” 66 Seu nome era Josias, e ele assumiu o trono em torno de 640 aC-cerca de meio século depois do último
rei não mal, Ezequias, tinha morrido.

Josias foi colocado no trono como um menino por uma facção de “nacionalistas anti-assírios”, como um estudioso diz, 67 e perseguiu uma
política de apenas estrangeira fortemente militar os tipos de coisas do cenário FP prevê para uma monolatrist. Então, novamente, esses fatores
também são consistentes com o cenário DP. Porque antagonismo estrangeira ajuda um líder centralizar o poder, você pode esperar um rei
dobrado em centralizar o poder para fomentar tal antagonismo, como Josias fez em resistir domínio assírio. Ou, para essa matéria, mesmo se sua
beligerância não estava conscientemente calculado para consolidar o poder internamente, ele pode acabar indo com o fluxo: após detectar como
conflitos no exterior foi capacitar-lo, ele pode decidir manter a tendência, tendo a oportunidade de aparar o panteão nacional.

Também coerente com o FP e cenários DP é uma correlação entre a ideologia ea teologia que vemos em três reis israelitas que dominaram o
século sétimo nacionalista e monolatrous Ezequias, um rei internacionalista e politeísta chamado Manassés, e o nacionalista e monolatrous Josias. 68
E uma vez que os modelos FP e DP não são mutuamente exclusivas, tanto melhor para ambos.

O padrinho

Cada um desses três reis representou um ponto de pivô na flutuação de Israel secular entre o politeísmo e monolatria, mas em última análise
pivot de Josias provaria o mais importante. Em retrospecto, ele era uma espécie de padrinho do monoteísmo, mesmo que apenas uma
monolatrist si mesmo. 69 Ele preparou o terreno para a chegada do único Deus verdadeiro.

Aqui “padrinho” se entende no sentido inocente, não o sentido da máfia, embora quando se tratava de táticas, Josias não era avesso a um
pouco de vandalismo. (Pelo menos, essa é a implicação da narrativa em Segundo Reis, que estudiosos conferir mais credibilidade do que histórias
mais antigas da Bíblia, como o episódio de Elias.) 70 Para começar, Josias tinha sacerdotes tirar templo do Senhor e queimar “todos os vasos feitos
para Baal, por Asherah” e para “todo o exército dos céus” (que neste contexto significa corpos celestes divinizados). Ele removeu cavalos usados
​na adoração do sol a partir da entrada do templo e “queimaram os carros do sol com fogo.” Ele limpou santuários construídos para “Astarte,
abominação dos sidônios, a Quemós, abominação dos moabitas, e para Milcom, abominação dos amonitas”-e, como uma espécie de ponto de
exclamação, coberto esses sites com ossos humanos. Josias também proibiu médiuns, feiticeiros, deuses domésticos, ídolos, e diversas outras
“abominações que se viam na terra de Judá e em Jerusalém.” 71

Como teve Ezequias, rei Josias derrubou “os lugares altos” -altars em todo Judá onde vários
deuses pode ser adorado. 72 Mas os próprios altares não foram o único alvo. Segundo a Bíblia, Josiah “deposto” os sacerdotes ligados a eles,
enfaticamente incluindo padres que “fizeram oferendas a Baal, ao sol, a lua, as constelações.” E além de Judá, no antigo reino do norte,
Josiah foi mais longe: ele “abatidos nos altares todos os sacerdotes dos altos que estavam lá, e queimou ossos humanos sobre eles. Depois
voltou para Jerusalém “. 73

Esta foi provavelmente uma Jerusalém mais poderoso do que a Jerusalém, ele havia deixado, para todas as fontes de autoridade divina fora
de Jerusalém estavam agora em desordem. Josias tinha “centralizou a cult”, como estudiosos colocá-lo, e ele tinha feito isso em dois sentidos.

Em primeiro lugar e mais obviamente, ele tinha transferido lealdade de vários deuses ao Senhor-que, convenientemente, era o deus que dotou
Josias com seu poder. Segundo, e mais sutilmente, ele centralizou a adoração do Javé. Senhor, afinal de contas, tinha sido adorado, juntamente
com outros deuses, em muitos dos “lugares altos” Josias tinha apenas nivelados. Enquanto esses altares havia sido em serviço, tripulado por
padres locais ou profetas além do controle fácil de Jerusalém, a interpretação da vontade do Senhor estava perigosamente aberto. Na verdade, tão
removidos eram esses cultos locais Yahweh dos Yahwists em Jerusalém, e de um outro, que o Senhor às vezes se dividiram em diferentes
versões de si mesmo. Os arqueólogos encontraram referências escritas a partir do oitavo século AEC não apenas para “Yahweh”, mas para
“Yahweh de Samaria” e “Senhor dos Temã.” 74 Em uma teocracia, este tipo de fragmentação divina ameaça a unidade nacional. Josiah, confinando
o culto legítimo do Senhor ao templo em Jerusalém, foi afirmar o controle sobre a identidade do Senhor e, portanto, sobre Judá de.

Este pode ser o real significado de um dos mais famosos versos da Bíblia. Judeus chamam este verso do Sh'ma. Jesus chamou-o
mandamento mais importante da Bíblia hebraica, 75 e Josias poderia muito bem ter acordado; pensa-se ter formado parte do texto fundador das
suas reformas religiosas. O Sh'ma é muitas vezes traduzido como uma afirmação do monoteísmo, ou pelo menos monolatria, como nesta rendição
na Nova Versão Revisada da Bíblia: “Ouve, ó Israel:. O Senhor é nosso Deus, o Senhor sozinho” Mas , como os editores da NVI reconhecer em
nota de rodapé, outra tradução possível é “o Senhor nosso Deus é o único Senhor.” E, uma vez que a palavra “Senhor” é um stand-in para
“Yahweh”, no original hebraico (como é o Senhor de todos os maiúscula na maioria das edições inglesas da Bíblia), que sugere que esta tradução:
“Ouve, ó Israel: o Senhor nosso Deus é o único Senhor.” 76

O ponto, em outras palavras, não era tanto que israelitas estavam a adorar o Senhor em vez de outros deuses (embora Josias certamente
encorajados isso). O ponto era que o que o Senhor local, eles estavam acostumados a adorar era meramente uma extensão do Senhor em
Jerusalém. Assim, as únicas guias válidas para a sua vontade eram os profetas de Jerusalém, convenientemente localizado na corte do rei. A
era da autonomia interpretativa locais acabou.

Esta centralização do poder divino e, portanto, política é cristalizado em uma passagem bíblica pensado para refletir agenda de Josias,
quando o próprio Senhor declara: “Quem não prestar atenção às palavras que o profeta falar em meu nome, eu mesmo vou responsabilizar. Mas
qualquer profeta que fala em nome de outros deuses ... esse profeta morrerá.”Para a boa medida, se alguém-profeta ou leigo-lhe diz:‘Vamos adorar
outros deuses,’você deve matar essa pessoa“, mesmo se é o seu irmão, filho de seu pai, ou o filho de sua mãe, ou seu próprio filho ou filha, ou a
mulher que você abraça, ou o seu amigo mais íntimo.”E se você se depara com uma cidade cheia de israelitas que adoram outros deuses, em
seguida, “você deve colocar os habitantes daquela cidade ao fio da espada, destruindo-o e tudo nele, mesmo colocando seu gado para a espada.” 77

Não obstante tudo isso poder de fogo, Josias não foi completamente bem sucedida. Os arqueólogos encontraram figuras femininas, quase
certamente de uma deusa e, possivelmente, de Asherah, em casas suficientes século sétimo tardia para sugerir que politeístas armário eram
legião. 78 Ainda assim, o reinado de Josias marcou uma viragem no movimento em direção monoteísmo. Senhor eo Senhor sozinho e, mais
especificamente, o Senhor de Jerusalém, era agora o deus oficialmente sancionada de israelitas.

A imagem de Josias, que surge aqui não é lisonjeira: a autoritária cruel que priva as pessoas de seus deuses amados para seu próprio ganho
político. Mas ele tinha suas características redentoras. Ele não fez
somente tirar panteão do povo; Ele tomou-a e deu a pessoas, especialmente de classe baixa pessoas, algo em troca. reformas de Josias foi
além da religião, proporcionando camponeses com o alívio da dívida, a proteção contra a apreensão de sua propriedade, e que se costuma
chamar de um “sistema de segurança social rudimentar.” 79

Então Marque um ponto para o cenário FP, segundo a qual o movimento Yahweh-alone tinha desenhado energia de ambos
anti-internacionalismo e ressentimento de classe, desde os dias de Oséias, Amós e Isaías. E, mais uma vez, este suporte para o cenário FP
dificilmente exclui o cenário DP. Ambas as dinâmicas pode ter sido no trabalho: rejeição nacionalista dos deuses estrangeiros e enxugamento do
panteão nacional para consolidar o poder político. E ambas as dinâmicas poderia plausivelmente ter desenhado energia de clima geopolítico
negativo de Israel. Então, precisamos não necessariamente escolher entre os dois. Ainda assim, seria bom para descobrir se ambos dinâmica fez desempenhar
um papel-e grande, se o fizessem, para esclarecer a relação entre eles.

Alienando Não Aliens


O cenário FP enfatiza a rejeição dos deuses estrangeiros como o caminho para monolatria. E é certamente verdade que muitos dos deuses cujo
culto Josias suprimida são explícita ou implicitamente identificada na Bíblia como estrangeira. Mas devemos realmente tomar a palavra da Bíblia
sobre a qual os deuses eram estrangeiros? Lembre-se do capítulo anterior que alguns dos autores da Bíblia parecem exagerar a estranheza das
coisas que eles não gostam. Talvez profetas monolatrous e políticos fizeram o mesmo. Talvez a Bíblia, na sua caracterização não faz jus de
outras que o Senhor deuses, reflete não apenas a teologia de Josias mas suas retóricas-rotulando técnica deuses domésticos como estrangeiros
para facilitar a sua expulsão do panteão.

O biblista Baruch Halpern argumentou tanto. Ele acredita que várias divindades que foram “estigmatizadas como estrangeiros” durante as
reformas religiosas de Israel tinha de fato sido subordinados de Javé em um panteão israelita. 80 Assim, vemos “o giro sistemática da retórica
xenófoba tradicional ... contra a religião tradicional de Israel” para que, no final, a religião de Israel era “alienado de si mesmo.” 81 Neste ponto de
vista, os autores bíblicos, na listagem a adoração de, digamos, divindades celestiais entre “as práticas abomináveis ​das nações” 82 estavam
apenas usando o medo do estrangeiro para purgar o indígena.

Isto tem o anel de plausibilidade, mas um problema com a avaliação é a dificuldade de descobrir quais deuses estavam indígena. Estudiosos
tentaram chegar ao fundo desta questão há décadas, com algumas salientando a linhagem estrangeira dos rivais de Yahweh e outros positing
pedigrees domésticos. Ambos os lados têm sido tão diligente que ouvir as evidências podem enviar-lhe em um estado de vacilação de alta
frequência. E, realmente, vale a pena passar algum tempo nesse estado, para, no final, esta indecisão nos diz algo importante sobre a evolução
dos deuses.

Em favor do argumento de Halpern é que, quando Josias decide queimar os apetrechos para adorar essas divindades celestiais, ele
encontra-los no próprio templo do Senhor. 83 Israelitas Aparentemente tradicionais, incluindo sacerdotes de Jerusalém, tinha considerado esses
deuses uma parte natural da família do Senhor, não invasores de além das fronteiras de Judá. Por outro lado, isso não significa que eles não
poderiam ter sido importações bastante recentes. cultura assíria, que varreu o reino do norte sobre o seu colapso no final do século oitavo e
depois invadiu mais sutilmente na da Assíria vassalo Judá, estava pesadamente em “religião astral”, e assim poderia ter fornecido alguns dos
deuses a Bíblia tem Josias que vence, notavelmente “a lua, as constelações, e todo o exército dos céus.” 84

E talvez, na época de Josias, estes estrangeiros haviam se tornou querido para os adoradores de Yahweh e, assim, tornar-se parte da família de
Javé. De fato, os arqueólogos encontraram um selo assinatura palestino do meio-século VII que caracteriza um ícone lunar de estilo assírio, mas
foi detida por um homem chamado após o Senhor, um “Natan-Yahu.” 85

Então, novamente, como o estudioso Lowell Handy observou, há também razões para suspeitar que a adoração da lua precedeu a hegemonia
cultural do século VII da Assíria. Em uma história da Bíblia que podem ser bastante antiga, 86 Josué diz a lua de parar de mortos em suas faixas, eo
Senhor usa sua influência para trazer o cumprimento da lua. 87 Tendo em conta que pedaços inanimados de órbita rocha não são os tipos de coisas
que você geralmente conversar com, os estudiosos se perguntam se a palavra hebraica para Moon- Yareah

- nesta passagem refere-se a uma lua Deus. Essa suspeita cresceu quando os textos ugaríticos revelou a existência de um deus da lua cananeu
de segunda-milênio tarde chamado Yarih. E não há evidência de que Yarih era uma divindade favorita de El, 88 cuja identidade, como vimos, foi
primordialmente entrelaçada com o Senhor do. Assim o Senhor e Yareah pode muito bem ter conhecido um ao outro por algum tempo. 89 ( E talvez
este instantâneo especial de seu passado em comum sobreviveu processo editorial da Bíblia porque ela ilustrou o domínio do Senhor sobre
Yareah, um momento Kodak na deriva do politeísmo ao monoteísmo.)

Lotes de divindades na lista de alvos de Josias ter uma ascendência tão obscura como o deus lua de, e assim pode ser escalado como
estrangeiros ou nacionais. Considere a deusa Astarte (ou “Ashtoreth” ou “a Rainha do Céu,” duas denominações bíblicos que aparentemente se
referem a Astarte). É verdade que ela era adorado na cidade fenícia de Sidon (território Jezebel!) E, portanto, pode ser apropriadamente
ridicularizado na Bíblia como “a abominação dos sidônios.” 90 Mas também é verdade que Astarte tinha pertencido ao panteão Ugaritic liderado por
El; como Yareah, ela pode ter sido na comitiva do Senhor desde os primeiros dias. 91 Na verdade, verifica-se que “Astarte” é apenas o nome
cananeu de Ishtar, a muito antiga, deusa mesopotâmica rampantly luxurioso do capítulo 4. (Deve ir sem dizer que Astarte passou algum tempo
como uma consorte do Baal famosa viril. ) 92

Aqui temos vindo a uma grande parte do problema com decidir se deuses estigmatizados como estrangeira eram de fato doméstica. As
árvores genealógicas dos deuses pode brotar tão profusamente que, apesar de seus deuses indígenas têm uma grande semelhança com deuses
estranhos, eles fazem isso por causa da descendência comum, não infecção alienígena. Sim, Jezebel pode ter trazido Baal no de Tiro. Mas isso
não significa que esta Baal, de origem fenícia, era o mesmo Baal que, como Mark Smith coloca, “pertencia autenticamente ao património cananeu
de Israel.” 93 Significa apenas que os opositores do Baal indígena teve um tempo mais fácil estigmatizar ele.

Os opositores, como Elias? Nós voltamos ao ponto de este capítulo a questão do que exatamente aconteceu entre Elias, Acabe e Jezebel de
partida, e por que isso aconteceu. Mas agora estamos em uma posição melhor para respondê-la.
Elias Revisited

A história de Elias vem do primeiro livro de Reis, e, portanto, a partir desse trecho de sete livros conhecida como a história deuteronomista, assim
chamado porque conta a história israelita de uma forma que valida os princípios teológicos, morais e legais estabelecidas no livro de Deuteronômio.
E quais são esses princípios? Em uma palavra: Josiah do. Isso não significa que toda a história deuteronomista foi escrito durante o tempo de
Josias, por escribas de Josias. (Muito do que pode ter sido, mas a maioria dos estudiosos concorda que algum foi escrito antes do tempo de Josias,
e alguns depois.) Significa apenas que, no mínimo, que a história é contada a partir da perspectiva da ideologia Josias; que se escribas de Josias teve
propus a escrever uma peça magistral de propaganda-a história que autorizado e sacralizado de Josias agenda, eles teriam chegar a algo
amplamente como a história deuteronomista.

Coloque-se no lugar deles. Suponha-se que, mesmo que o seu rei tentou limitar a devoção ao Senhor, bolsos traquinas de devotos de Baal
persistiu. E suponha que você estava escrevendo durante épocas de recessão nacional, quando a xenofobia teve ressonância, ou, pelo menos, que
você estava tentando mobilizar apoio político de um segmento particularmente xenófobo da sociedade. Em seguida, ele pode ajudar a (a) retratam
Baal como estrangeiro; (B) ligação Baal à esposa estrangeira conivente de um rei anterior; e (c) torná-lo um rei que tinha uma má reputação para
começar. O estudioso William Schniedewind acredita que, em histórias iniciais sobre Acabe, disse bem antes do tempo de Josias, ele era notório,
mas apenas para aproveitar vinha de um cidadão. Depois, muito depois da morte de Acabe, alguns tipos Yahweh-sozinho reforçada a acusação;
Acabe, dizia-se agora (em 1 Rs), tinha feito um ídolo para o culto da deusa Asherah israelita. Mais tarde ainda, acredita Schniedewind, Acabe foi
descrito como “um adorador de pura e simples de fenício Baal” -parte de uma nova polêmica bíblica de que “considerada qualquer ídolo para ser
uma divindade estrangeira.” 94

Em outras palavras, a quantidade não trivial de tinta derramada especulando sobre o que motivou Elias se opor Baal adoração de Ahab pode
ter sido derramado em vão. A coisa toda pode ser uma história inventada. Perto do início deste capítulo, pouco antes de eu derramei a minha parte
de que a tinta, eu aludiu a esta possibilidade e disse que havia um sentido em que não importa: assumindo a história Elijah verdadeiro e assumindo
que um pedaço de propaganda têm algum implicações comuns.

Em particular: uma ou outra maneira, a tendência ao monoteísmo está ligada a uma reacção contra a algo estranho. Se a história de Elias é
verdade, então, pelo menos, alguns dos suporte de Elias em sua guerra contra o fenício Baal veio de elementos anti-fenícios. Se a história é falsa, e
tomou forma durante alguns cruzada monolatrous depois, presumivelmente, tomou forma porque anti-fenícia, e talvez amplamente xenófobo,
retórica teve uma audiência receptiva. Assim também com a questão de como exatamente podemos datar várias passagens em livros proféticos
que falam para o movimento Yahweh-sozinho. 95 Se dois entrelaçados temas-monolatria de Oséias e uma aversão a estrangeiros contato com foram
na verdade amplificado ou mesmo criado bem depois do tempo de Oséias, deve ter havido algo no ar que os fez retoricamente simbiótica. Da
mesma forma, tiradas de Sofonias contra nações estrangeiras e deuses alienígenas devem coexistir por um motivo, independentemente de quando
elas foram escritas para baixo. No entanto, data, estes textos bíblicos, por mais exatidão factual que atribuímos a eles, não há como negar o ar do
nacionalismo e até mesmo a xenofobia que envolve o movimento do Senhor para com o estado do único Deus verdadeiro.

Em outras palavras, mesmo se o cenário FP é errado na teológica nível errado em sua afirmação de que monolatria chamou muita energia a
partir da rejeição verdadeiramente estrangeiro deuses-a sua análise da psicologia política de Israel é certo. Como uma pequena nação fustigada por
grandes potências, Israel muitas vezes tinham que escolher entre a guerra contra os inimigos potentes e uma paz que muitos israelitas
encontraram humilhante. E a hostilidade resultante para as potências estrangeiras só foi intensificado entre os plebeus que se ressentiam a forma
como as elites cosmopolitas lucraram por amizade opressores de Israel. Esta-a psicologia do cenário de é FP que foi aproveitada pelo movimento
Yahweh-sozinho, mesmo se o cenário DP é certo, e que o movimento foi principalmente sobre matar deuses indigenously israelitas para consolidar
o poder do rei. Independentemente de quão preciso rotulagem da Bíblia de todos os deuses “estrangeiros”, o cenário FP eo cenário DP, entre eles,
capturar a dinâmica psicológica e políticos que receberam Israel do politeísmo ao monolatria.

Então a lei de tolerância, ou religioso, estritamente falando, seus aleta colaterais estandes vindicado: quando as pessoas se vêem
como jogar jogos de soma zero com os estrangeiros, eles vão ser mal dispostos a abraçar, ou talvez até mesmo tolerar, deuses estrangeiros
e práticas religiosas . E esta lei está vindicado independentemente dos vários deuses “estrangeiros” na Bíblia são realmente estranho.

Ainda seria bom saber quão preciso a Bíblia é em sua descrição desses deuses. Foi a história deuteronomista - história contada do ponto de
vista do rei Josias e outra no movimento uma diatribe Yahweh-alone simples, nacionalista contra tudo o que veio de além fronteiras de Israel? Ou
foi um uso astuto da xenofobia, a estigmatização das coisas que realmente veio de dentro das fronteiras de Israel?

É, sem dúvida, teve elementos de ambos. Por um lado, os israelitas devem ter absorvido alguns elementos religiosos verdadeiramente
estrangeiros no passado não muito distante. As chances de um pequeno país na periferia da Assíria no BCE séculos VIII e VII não hospedar um
único santuário para um deus assírio são quase o mesmo que as chances de um pequeno país moderno na esfera de influência não tendo
McDonald e não Starbucks da América. 96 ( E as chances de não israelitas ressentir esses santuários são
mais ou menos as chances de ninguém ressentindo a intrusão cultural de um mundialmente hegemônica América.) Por outro lado, não há dúvida
de que os autores deuteronomista usado truques retóricos para dar a outros que o Senhor deuses a aura do estrangeiro. Mesmo Asherah-que
tinha muito ampla um pedigree israelita a ser chamado estrangeira outright-poderia ser dada uma mancha de estrangeiros; a Bíblia refere-se a
“profetas de Asera, que comem da mesa de Jezabel.” 97

Certamente, desde o início, a história deuteronomista maximiza a facilidade com que o mercado interno pode ser estigmatizado como
estrangeira. Lembre-se, a partir do capítulo anterior, um dos mitos fundadores de Israel, do (deuteronomista) livro de Josué: que Israel tinha
chegado à terra prometida do deserto e prontamente conquistou os nativos. E recordar que a arqueologia está mostrando agora esta história não
é verdadeira. Agora, note uma implicação chave desta história falsa: a de que qualquer coisa indígena à terra de Canaã é realmente alienígena,
um remanescente da cultura “estrangeira” que tinha sido dissipado (mas infelizmente incompleta) 98 com a bênção de Deus. 99

A Bíblia muitas vezes faz essa implicação explícito. A denúncia de deidades celestes mencionado acima
- denúncia da “as práticas abomináveis ​das nações” -é realmente um resumo. A versão completa é “as práticas abomináveis ​das nações que o
Senhor tinha expulsado de diante do povo de Israel.” 100 Esta formulação é chamado novamente e novamente nos escritos deuteronomista para
neutralizar os rivais de Javé. Em uma passagem que Josias provavelmente usada para justificar suas reformas, Moisés disse ter instruído os
israelitas antes de entrar em Canaã: “Ninguém será encontrado entre você que ... adivinhador, ou é um adivinho, ou um adivinho, nem feiticeiro ,
ou aquele que lança feitiços, ou que consulta fantasmas ou espíritos, ou quem procura oráculos dos mortos “. E por que não? Porque estas são as
“práticas abomináveis” de “estas nações que você está prestes a desapropriar.” De fato, “é por causa de tais práticas abomináveis ​que o Senhor
teu Deus os lança fora de diante de ti.” Assim, “quando você vem para o terra que o Senhor teu Deus, te dá, você não deve aprender a imitar as
práticas abomináveis ​dessas nações.” 101 Aparentemente, alguns israelitas fez cometa o erro de preservar a religião indígena; caso contrário, este
texto-certamente escritos muito depois da era mosaica, e muito possivelmente escrito no dia-wouldn't de Josias foram escritos em tudo.

Notar a conveniência teológica e política estranha da história deuteronomista não é para dizer que é um produto de desonestidade
consciente. Ele provavelmente teve muitos autores, abrangendo séculos, e baseou-se em uma história oral que se tinha tomado forma gradual. E
qualquer antropólogo posso dizer-lhe que a história oral de uma cultura, embora muitas vezes com base em algumas verdades fundamentais
sobre o passado, pode naturalmente deriva em direção certos preconceitos, sem qualquer pessoa tentando conscientemente para conduzi-la
nessa direção. Um viés natural é chamado étnica marcação: como um grupo étnico trabalha para preservar, ou inicialmente construir, uma
identidade coesa, destaca diferenças entre si e os povos vizinhos.

102 Como essas diferenças são amplificados e incorporado em mito histórico, que pode ascender a uma distorção enorme. Mas isso não significa
que qualquer pessoa com conhecimento de causa perpetrado a distorção.
Neste sentido, o mito-israelitas fundação de Israel rolar dentro do Egito e squash nativos-é uma conseqüência natural da verdade fundação
de Israel: a nação de Israel emergiu de dentro Canaã, e ali cristalizado. Reclassificando tradições cananeus indígenas como alienígena era parte
do que a cristalização, parte do processo pelo qual Israel esculpida uma identidade no contexto da cultura do Oriente Médio. Quando isso
acontece, esse mito naturalmente emergente encontrada sinergia com emergentes, interligados realidades queridos -político, como o ambiente
dos israelitas perigosa internacional e um real imperativo para centralizar o poder, e as teológicas como monolatria. E o resto é história.

Os usos de Intolerância

E o que dizer da questão mais ampla em torno deste inquérito? Será que a evolução do monoteísmo, como os críticos do monoteísmo iria
reivindicar, implica a intolerância beligerante? Certamente a história até agora, a evolução do nada para refutar essa alegação monolatria-faz. A
intolerância é parte integrante da política de Josias. Suas aspirações foram dois: ele queria fazer Judá um estado musculoso, centralizado e, em
seguida, usar esse músculo agressivamente-para começar na conquista do norte de Israel (a Israel que havia sido perdida para a agressão assíria
um século antes) e, talvez, em última análise, na conquista de terras além. 103 A raia ferozmente nacionalista no movimento Yahweh-alone servido
este expansionista mirar bem. Porque, se os povos próximos politeístas sempre ameaçou religião israelita corrupto, então israelitas não deve ter
nenhum escrúpulo em destruí-los. Como o livro de Deuteronômio diz:

Como para as cidades desses povos que o Senhor teu Deus te dá por herança, você não deve deixar qualquer coisa que respira
permanecer vivo. Você deve aniquilá-los-os hititas e os amorreus, os cananeus e os perizeus, os heveus e os jebuseus, exatamente
como o Senhor teu Deus te ordenou, para que não vos ensinem a fazer todas as coisas abomináveis ​que eles fazem para o seu deuses,
e assim pequeis contra o Senhor vosso Deus. 104

Povos que estavam mais longe, e, portanto, menos propensos a poluir a cultura local, poderiam ser tratados de forma mais branda. Se uma
cidade distante renderam pacificamente, então seus habitantes poderiam viver como escravos,
e se ele resistiu, você iria “colocar todos os seus homens para a espada”, mas deixar o resto ao vivo, tendo “como o seu espólio as
mulheres, as crianças, o gado e tudo o mais na cidade.” 105

Aqui, novamente, a questão de como muitos dos deuses opostos pela facção Yahweh-alone eram estrangeiros e quantas eram doméstico não
importa realmente. De qualquer maneira, o combustível Josias baseou-se em era o nacionalismo. De qualquer maneira, uma vez monolatria foi
ascendente, sua energia nacionalista poderia ser usada contra estrangeiros ou contra israelitas não conformes. E, de qualquer forma, a fase
culminante do movimento Yahweh-sozinho não faz nada para dissipar a noção de que a unidade de Israel em direção monoteísmo foi um impulso
para a intolerância. Abate todos em uma cidade israelita, matando todos em um estrangeiro cidade-ambos são casualmente tolerada pelo Código
deuteronomista em razão de que as vítimas sofriam de confusão teológica. 106 A abordagem de Josias a tolerância religiosa era simples: idéias
estrangeiras sobre o divino são ruins, e por isso são as pessoas que as adotam. E essa intolerância letal é uma expressão natural da lógica política
do movimento Yahweh-sozinho.

Em suma: se devoção exclusiva ao Senhor viria a se tornar algo que nós hoje chamaríamos moralmente louvável, religião israelita teria de
evoluir ainda mais. Na verdade, deixando a moral de lado, ela teria de evoluir ainda mais teologicamente para ganhar seu lugar na história. Este não
era o monoteísmo, depois de tudo. Nada nos textos deuteronomista, e nada disse por quaisquer profetas até o momento de Josias, expressa a
crença claro que o Senhor sozinho existe, que os deuses de outros povos são meras invenções de sua imaginação. Para Israel para empurrar para
além monolatria e abraçar o monoteísmo, seria necessário algo mais.

Ele acabou por ser algo doloroso. Josiah, lave com o espírito de luta de um nacionalista fervoroso, dedicada ao Senhor e confiante de devoção
recíproca do Senhor, exagerou a mão. Ele se encontrou com o desastre no campo de batalha e ajudou a inaugurar o que seria lembrado por muito
tempo como a maior calamidade da história dos israelitas. Em meio ao trauma que se seguiu, o impulso monoteísta se tornaria palpável. Através de
uma cadeia de paradoxo que só faz sentido em retrospecto, o fracasso manifesto de sincera devoção ao Senhor iria intensificar essa devoção, até
que finalmente chegou a um nível totalmente novo, cruzando o limiar de monolatria ao monoteísmo.
Capítulo Sete

De monolatria para Monoteísmo

K ing Josias de Judá pode ter sido o homem mais perversamente bem sucedido na história do mundo.
Por um lado, é difícil argumentar com esse veredicto do estudioso Marvin Sweeney: “a reforma de Josias foi um fracasso absoluto.” 1 Josias
queria unificar sul e norte de Israel, para restaurar a grandeza andares do império de Davi e fazê-lo em nome do Senhor, cobrindo o deus de Israel
na maior glória. Mas as coisas deram errado. Josias foi morto pelos egípcios. As circunstâncias de sua morte são nebulosos, 2 mas marcou o início
de duas décadas de Submission israelita abjeta primeiros para o Egito e depois para Babylon-seguido de catástrofe. Quando o rei Zedequias de
Judá se rebelou contra os babilônios, eles o capturaram, matou seus filhos diante de seus olhos, arrancou seus olhos, em seguida, queimados
templo do Senhor para o chão. E eles completaram um processo que tinha começado anos antes, a transferência de classes superiores de Israel
para a Babilônia. 3 Agora, a partir de 586 aC, o exílio babilônico

- o mais famoso trauma na história do antigo Israel-estava em pleno andamento. Sem dúvida, os babilônios, seguindo convenções teológicas do
dia, levou tudo isso para significar humilhação do Senhor nas mãos de seu deus nacional, Marduk. Quando, décadas antes, Josias estabelecido
para exaltar o Senhor, este não é o resultado que ele tinha em mente.

E, no entanto, este viria a ser a melhor coisa que já aconteceu com o Senhor. A teologia de Josiah
- adorar o Senhor eo Senhor sozinho, não só sobreviver e prevalecer, mas prevalecem na maior, intensificaram formulário. Judeus, e então os
cristãos e então os muçulmanos-viria a acreditar que o Deus de Abraão não era apenas o único deus pena adorando, mas o único deus na
existência; monolatria iria evoluir para o monoteísmo. Como o teólogo Ralph W. Klein observou, “teólogos do exílio de Israel fez a maior parte de
seu desastre.” 4

Orquestrar uma revolução teológica sísmica não é o tipo de coisa que você faz durante a noite. Mas se há uma coisa que o exílio deu
intelectuais israelitas, era tempo para meditar a situação. Eles passaram cerca de meio século na Babilônia antes de os persas, tendo conquistado
os babilônios e, portanto, tendo herdado os israelitas, começou a enviar exilados de volta a Jerusalém, onde muitos israelitas tinham permanecido o
tempo todo. Em Jerusalém idéias em forma no fogo do refinador do exílio acabaria por levar o dia.

Making Sense of Disaster

Às vezes se diz que a tese monoteísta surgiu como uma forma de “dar sentido” a catástrofe que se abatera sobre Jerusalém. Este é preciso, mas
inadequada. Sim, religiões sempre abordou a questão de por que coisas ruins acontecem, e sim, que é uma questão intelectuais exílio de Israel
tinha muito motivo para ponderar, e sim, esta ponderação levou finalmente ao monoteísmo. Assim, não há um sentido em que, como alguns
disseram, a teologia exílica era uma solução para o “problema do mal” ou o “problema do sofrimento.” Mas este sentimento é muito enganador.
Afinal, o “problema do mal” não surge de forma aguda a menos que você acreditar em um único todo-poderoso e bom Deus. Somente se Deus é
onipotente faz todo o sofrimento se tornar humano algo que ele está escolhendo a tolerar, e somente se ele é totalmente benevolente faz esta
escolha se algo de um puzzle. E este tipo de deus, infinito em poder e bondade, é exatamente o tipo de Deus que, tanto quanto nós podemos dizer,
não existia antes do exílio; este é o tipo de deus cuja emergência durante o exílio que estamos tentando explicar. Monoteísmo não pode ser a
premissa da reflexão teológica que o criou.

Além disso, descrevendo revolução teológica de Israel desta maneira -


“Dar sentido” sofrimento “pensando” o problema do mal-faz o exercício soar mais abstrato e filosófico, e menos urgente, que tais exercícios
eram naqueles dias. Quase certamente, o “discurso teológico” que produziu o monoteísmo começou como uma orgia de recriminações políticos:
diferentes facções, com suas diferentes teologias, culpando um ao outro para o que tinha dado errado.

A Bíblia narra um episódio exílica de apontar o dedo. Um grupo de israelitas, incluindo o profeta Jeremias, ter ido para o Egito em vez de
Babylon após a conquista da Babilônia. Há um desacordo sobre por que as coisas não deram certo. Jeremias diz o Senhor puniu israelitas, porque
muitos deles estavam adorando outros deuses. E se eles mantê-lo, se continuarem a “fazer oferendas à rainha do céu”, então o Senhor vai matá-los
todos, seja pela espada ou pela fome. 5 A rainha de devotos do céu têm uma perspectiva diferente. Eles parecem pensar que a raiz dos problemas
de Israel é o Jeremiahs do mundo: os Yahweh-alonists. Eles dizem em uníssono: “Estamos habituados a ter muita comida, e prosperou, e não
vimos infortúnio. A partir do momento em que parou de fazer oferendas à rainha do céu e derramar libações a ela, temos tido falta de tudo e
pereceram pela espada e pela fome “. 6

E eles tinham um ponto! Se Jeremias estava certo, e adorando o Senhor sozinho foi o bilhete para
grandeza nacional, como é que a nação começou a cair aos pedaços não muito tempo depois reformas monolatrous de Josias? E note que o ato
de abertura neste queda nacional foi a morte de Josias si mesmo, da nação Yahweh-alonist-em-chefe. Espécie de faz você quer saber sobre toda
a premissa de Yahweh- alonism-que Javé era um deus que poderia e iria cuidar de você, desde que você limita sua devoção a ele.

Como o Senhor poderia sobreviver a este ataque retórico potente? Com uma pequena ajuda de seus amigos. Nas duas décadas entre a morte
de Josias ea queima do templo, o movimento Javé-alone parece ter ficado ativo, mesmo se ele perdeu o poder político que gozava enquanto Josias
era rei. 7 Então Jeremias não estava sozinho: mais na Babilônia havia outros pensadores israelitas que tinha apostado suas reputações sobre a
noção de um forte, Senhor protetora. Algumas das melhores mentes da nação estaria buscando uma teologia que poderia conciliar catástrofe de
Israel com a grandeza do Deus de Israel.

Parte da solução era simples. Josias pode ter feito um trabalho minucioso de reformar a religião oficial de Israel, mas não havia -no mundo
antigo como agora, a diferença entre a religião oficial e as crenças reais de pessoas comuns. Embora a Bíblia nos diz que Josias alvo “deuses
domésticos”, 8

a abundância de figuras de deusa-like encontrados por arqueólogos em famílias israelitas sugere que, em caso afirmativo, ele não totalmente
bem sucedida. Então, Jeremias e outros monolatrists poderia argumentar que grassroots teimosos infidelidade foi o pecado para que o Senhor
puniu Israel.
E depois há o fato de que os sucessores-os de Josias vários reis que aparecem entre sua morte ea não exile-parecem ter compartilhado sua
devoção ao Senhor. Se a infidelidade estava em andamento nos níveis reais ea base, não admira que o Senhor não saltou em defesa de Israel!

Claro, nada disso apostasia pós-Josianic explicaria por que o próprio Josias morreu prematuramente. Mas aqui a idéia de justiça atrasada
seria útil. Josias tinha sido precedido por vários reis politeístas, nomeadamente os ímpios e influente Manassés. meio século de Manassés de
promiscuidade teológica terminou apenas dois anos antes reinado de Josias começou e deixou muito grande um resíduo do mal, mesmo para
Josiah apagar. O livro de Segundo Reis nos diz que Josias “virou-se para o Senhor com todo o coração, com toda a sua alma e com toda a sua
força”, mas “ainda o Senhor não se afastou do ardor da sua grande ira, pelo qual -se em ira contra Judá por causa de todas as provocações com
que Manassés o tinha provocado “. 9

Por enquanto, tudo bem. Esses pecados-épica infidelidade pré-Josianic mais permanente infidelidade-poderia pós-Josias, em teoria, explicar
por que o Senhor countenanced a conquista do seu povo. Na verdade, esta tornou-se a explicação oficial na história Deuteronimistic, que termina
com a história do exílio babilônico no livro de II Reis.

Duas ordens de grandeza

Atribuindo o infortúnio geopolítica para a ira de seu deus nacional havia nada de novo em Israel, ou para essa matéria no Oriente Médio em geral. 10
É assim que os moabitas do século IX aC tinha explicado por que seu nacional deus Quemos ficaram de lado enquanto Israel subjugado eles.
Como Rei Mesa de Moabe explicado no “Estela de Mesa,” Israel “humilhou Moabe muitos dias, a Quemós estava irritado com a sua terra.” 11 No
entanto, os moabitas não continuou a concluir que Quemos foi o único deus na existência. Nem tinha os israelitas sido empurrado a esse extremo
em tentativas anteriores para explicar contratempos via ira divina. O que fez o revés babilônico diferente? Sua magnitude, pelo menos em dois
sentidos da palavra.

Para começar, a conquista da Babilônia havia dustup passando com alguma política de pequena escala. Não era como se o tempo em que,
como diz a Bíblia, o Senhor ficou chateado com os israelitas e “os vendeu na mão do rei Cusã-Risataim da Síria-Mesopotâmia; e os israelitas
servido Cushan- Risataim oito anos.”Nem era como o momento em que Yawheh‘reforçada rei Eglom de Moabe, contra Israel’, forçando Israel a
uma vassalagem dezoito anos. 12 Esta não foi vassalagem, mas exílio, e não chegou às mãos de alguma tribo cananéia, mas nas mãos do maior
império dentro reino da consciência de Israel.

Esta magnitude não empurrar pensadores exílio de Israel inexoravelmente em direção a um único deus, todo-poderoso, mas é fácil imaginar
que cutucando alguns deles nessa direção. Afinal, qualquer deus que exerce um império inteiro como um instrumento de censura deve ser muito
potente. Esta lógica de que irônico o mais maciçamente sua nação está ameaçada, o mais poderoso, o seu Deus deve ser - tinha aparecido no
século oitavo, como o grande Império Assírio atormentado todo Israel e parte devastada dele. Quando Isaías citado Senhor indiferente dizendo:
“Ah, Assíria, a vara da minha ira”, ele estava representando nenhum deus comum. 13 tal deus presumivelmente tinha deus imperial da Assíria, o
poderoso Assur, na palma da sua mão.

Isaías estava escrevendo no conforto relativo do sul de Judá, que foi assolada por poder assírio, mas não oprimido por ele, como o reino do
norte de Efraim era. Em contraste, a reação teológica seminal à subjugação da Babilônia veio de pessoas que tinham tomado o peso de uma
conquista, e que depois ponderou suas implicações como exilados que vivem em uma terra estranha. Este é o segundo sentido em que o
monoteísmo israelita resultou da “magnitude” da conquista da Babilônia: a teologia monoteísta foi moldada por pessoas que sentiram o trauma
que se seguiu em massa
proporção. Não só eles tinham visto a sua terra conquistada; que tinham visto a sua terra desaparecerão, e isto depois de testemunhar a
destruição do símbolo mais concreto da sua nacionalidade: o templo de seu deus nacional. Eles agora viveu entre pessoas que falam uma língua
diferente, adorando deuses diferentes. Esta foi uma crise não só de segurança nacional, mas de identidade nacional.

Estas duas formas de magnitude-o momentousness da derrota geopolítica de Israel, e a profundidade do trauma psicológico Setas Esquerda
duas opções teológicas básicas sobre a mesa e prestado um deles intragável. Em primeiro lugar, os israelitas só poderia concluir que o seu deus
tinha perdido uma batalha; O Senhor tinha feito o seu melhor, apenas para perder para o poderoso Marduk, deus imperial dos babilônios. Mas o
pensamento de você perder nacional deus nunca foi atraente (para israelitas, para moabitas, para as pessoas em geral), e neste caso, foi apenas
sobre insuportável. Porque, se o Senhor tinha perdido esta batalha, ele tinha perdido de uma forma totalmente humilhante. Seu templo-sua
casa-tinham sido destruídos, e seu povo tinha sido roubado. Para pensar de seu deus como a perda de tão abjetamente estava quase a pensar em
seu deus como morto. E naqueles dias, em que parte do mundo, pensando em seu deus nacional como o pensamento significava mortos de sua
nacionalidade como morto. identidade divina, a identidade nacional e identidade étnica eram essencialmente inseparáveis.

Essa opção esquerda dois: concluindo que o resultado tinha sido a vontade do Senhor. Mas se o resultado era a vontade do Senhor, então
ele foi ainda mais forte do que anteriormente tinha sido evidente. Afinal, os babilônios conquistaram os poderosos assírios. Se empunhando
Assíria como “a vara da minha ira” foi um testemunho da força do Senhor, o que significava quando ele fez o mesmo com conquistadores da
Assíria? De acordo com o livro de Habacuque, o próprio Senhor dirigiu a atenção dos israelitas a esta pergunta como o ataque babilônico se
desenrolava. “Olhe para as nações, e veja! Espanta-te! Ser surpreendido! Para um trabalho está sendo feito em seus dias que você não
acreditaria se lhe foi dito. Porque estou despertando os caldeus [babilônios], que feroz e impetuosa nação, que marcha sobre a largura da terra
para aproveitar habitações não a sua própria. ... No reis Motejam, 14 Imagine como poderoso você deve ser para fazer esporte de eles -para levá-los
a fazer involuntariamente sua punição para você! Seu deus Marduk deve ser seu fantoche!

Daí a ironia do surgimento do monoteísmo israelita. Como Mark Smith observou, “Israel está na parte inferior do seu poder político, e exalta
sua divindade inversamente como governante de todo o universo.” 15 A lógica pode parecer perverso, mas é lógica, no entanto. Um deus que
governa as ações do império maior conhecido é um deus que pode governar a própria história.

No entanto, a palavra “lógica” é enganosa na sua esterilidade. A religião tem sido sempre uma interação entre pensamento e sentimento. Ao
explorar a textura emocional da teologia exílica, podemos colocar um ponto mais fino em sua lógica. E também podemos responder, finalmente, a
questão de que tipo de divindade do deus de Abraão estava no momento em que ele se tornou o único Deus verdadeiro, o momento que Deus se
tornou Deus.

A Segunda Vinda de Isaías

Nenhum escritor bíblico fala mais diretamente a estas perguntas do que o profeta Isaías. Este não é o mesmo Isaías, que escreveu sobre a
agressão do século VIII da Assíria contra Israel a partir de seu poleiro em Judá. Que Isaías, os estudiosos concordam agora, está confinado aos
primeiros trinta e nove capítulos do livro de Isaías. Os próximos quinze capítulos (se não mais) foram escritos principalmente durante o exílio,
mais de um século mais tarde, provavelmente na Babilônia. Este outro Isaiah- “Segundo Isaías” ou “Deutero-Isaías” -é um exemplo brilhante do
efeito do exílio na teologia israelita. Segundo Isaías chama o exílio “na fornalha da adversidade” e é insuperável entre os autores bíblicos em
exibindo o produto dessa fornalha. 16

Muitas vezes, nos capítulos do Segundo Isaías, o Senhor fala diretamente. Ele não é modesto. “Eu sou o Senhor, e não há outro; além de mim
não há outro deus.”‘Eu sou o Senhor, e fora de mim não há salvador.’‘Eu sou o primeiro e eu sou o último.’“Antes de mim nenhum deus se formou,
nem haverá qualquer atrás de mim. ”‘Eu sou o Senhor, que fez todas as coisas, que sozinho estendi os céus, que por mim estendeu a terra.’‘Eu
formo a luz e crio as trevas.’ 17 E assim por diante. Não admira que os estudiosos bíblicos citam Segundo Isaías como um marco. Depois de séculos
de profetas Yahweh-alone que não se aventuram inequivocamente além monolatria, declarações monoteístas finalmente chegou com clareza e
vigor.

Mas há um segundo tema neste texto que recebe pelo menos tanta atenção de estudiosos como o monoteísmo. Se o Senhor é, como diz o
Segundo Isaías: “Deus de toda a terra”, então a questão de saber o que a sua posição em relação a toda a terra será. E o que a relação de Israel
com o resto do mundo ser após o sofrimento de Israel termina? A resposta, como comumente prestados, é inspiradora. Deus promete que ele vai
“trazer justiça às nações.” Ele é universal e não apenas em seu poder, mas em sua preocupação, e essa simpatia expandiu dá a Israel uma missão
importante. O Senhor diz, em uma linha muito citada, “Eu te darei como uma luz para as nações, que a minha salvação chegue até o fim da terra.” 18

Esta interpretação edificante do Segundo Isaías é popular entre os pensadores cristãos e judeus que reconhecem o lado mais escuro do
Senhor, que, como vimos, pode ser encontrada em outros lugares na Bíblia. Concedido, eles dizem, o Senhor exibe algumas chauvinismo
nacional e intolerância em sua história inicial, conforme relatado em Josué e Deuteronômio, mas eventualmente ele amadurece e acabamos com
um deus preocupado com o bem-estar de todos os povos. Israel, depois de séculos de conflito com as nações, agora prepara-se para salvá-los;
do alto é dada a tarefa de iluminação global. Sua visão de mundo,
pode-se dizer, pivôs de soma zero para não-zero-sum, como os povos do mundo são movidos do “inimigos implacáveis” categoria para o
“potenciais convertidos” da categoria.
Essa interpretação do Segundo Isaías faz uma espécie de sentido à luz do exílio. Trauma pode trazer a mudança, e muitas vezes a mudança
é proporcional ao trauma. Se seu carro é totalizaram porque você dirigiu depois de beber, você deve prometer nunca mais beber. Se o seu filho
está morto porque você dirigiu depois de beber, um novo nível de reorientação é chamado para: você pode lançar uma campanha contra dirigir
embriagado, e você pode até mesmo decidir que esta campanha é a sua missão, a sua vocação. pensadores exílio na Babilônia tinha sofrido um
trauma que foi mais como perder um filho do que perder um carro. Eles precisavam de um paradigma que tanto poderia explicar seu sofrimento e
transformá-la em bem, um paradigma que poderia forjar um novo compromisso religioso com o poder, em última análise redentora.

E eles descobriram que, pelo menos de acordo com a interpretação padrão de Segundo Isaías: os israelitas, tendo sofrido por sua infidelidade
para com o Senhor, tentaria manter outros povos do mundo de repetir o seu erro. O monoteísmo é, portanto, moralmente universalista desde o seu
nascimento, e qualquer beligerância tem mostrado uma vez é uma aberração, um desvio da norma e do design.

Mas uma leitura sincero de textos exílio leva a uma menor emocionante conclusão-que o universalismo presente no nascimento do
monoteísmo pode não merecem o qualificativo “moral”. É verdade que vários escritos exílio imaginar um dia em que todas as nações, através de
Israel, entrar em contacto com o deus de Israel. Então, novamente, história do Oriente Médio estava cheio de nações que queriam trazer outras
nações em contato com os seus deuses, e muitas vezes a forma de contato que tinha em mente era a submissão abjeta. Para reconhecer a
grandeza de seu deus nacional foi a reconhecer a greatness- a superioridade-de sua nação. E assim é no Segundo Isaías: Deus é promissor que
os vários povos que têm atormentado e escravizado Israel ao longo dos séculos, eventualmente, obter a sua desertos justos;

Aqui, por exemplo, é o que o Deus do Segundo Isaías diz aos israelitas sobre egípcios, etíopes, e os sabeus: Eles “devem vir para você e ser
seu, devem segui-lo; virão em grilhões e curvar-se para você. Eles vão fazer súplicas a ti, dizendo: 'Deus está com você sozinho, e não há outro;
não há nenhum deus além dele. '” 19

Alguns capítulos depois o Senhor diz aos israelitas que “em breve vou levantar a minha mão para as nações, e levantar o meu sinal para os
povos.” Um começo moralmente promissor, mas acontece que o sinal está indo para instruir esses povos para servir o israelitas. E, como para os
governantes dessas nações: “Com seus rostos em terra senão curvar-vos a vós, e lamber o pó dos vossos pés. Então você vai saber que eu sou
o Senhor “E para uma boa medida:“. Vou fazer seus opressores a sua própria carne, e eles serão o bêbado, com seu próprio sangue como com
vinho. Então saberá toda a carne que eu sou o Senhor, teu Salvador, e seu Redentor, o Poderoso de Jacó.” 20

A esta luz, o monoteísmo da teologia exílica aparece menos como um afastamento radical do pensamento de soma zero que ajudou a
energizar monolatria, e mais como sua apoteose. visões de vir a dominância de Israel do Segundo Isaías estão na tradição dos “oráculos contra as
nações” que aparecem nos textos proféticos pré-exílio de uma inclinação monolatrous. E o pedigree de soma zero dessas visões podem voltar mais
longe do que isso. O biblista Rainer Albertz, em seu livro Israel no exílio,

argumentou que todo este gênero descendentes de oráculos proféticos séculos anteriores que eram prelúdios de guerra real. 21

No entanto Albertz, como muitos outros intérpretes da teologia exílica, tenta colocar a face mais agradável possível em tudo isso. Depois de
avaliar uma série de julgamentos vingativos no texto aparentemente exílio de Ezequiel, ele diz que “terminar com uma nota surpreendentemente
conciliador: o julgamento do Senhor trará vizinhos, exceto tudo de Israel Edom-ao conhecimento do Senhor.” 22

Bem, o “conhecimento do Senhor” é uma maneira de colocá-lo; é verdade que o verbo “conhecer” é exibida. Por exemplo, mostra-se no final
deste anúncio de Ez, dirigido por Deus para o amonitas:

Visto como bateste com as mãos e bateu os pés e regozijou-se com toda a malícia dentro de você contra a terra de Israel, portanto, eu
estendi a minha mão contra ti, e te entregar como despojo para as nações. Vou cortá-lo fora dos povos e fará com que você morra fora
dos países; Vou destruí-lo. Então sabereis que eu sou o Senhor. 23

Em outras palavras: você deve “saber” quem é que manda. E assim é com as outras notas “surpreendentemente conciliatórias” em Ezequiel.
Moabe “sabe que eu sou o Senhor” depois que ele arranja para que possa ser conquistado por um vizinho de sua punição por pensar que Israel
não é especial, que “a casa de Judá é como todas as outras nações.” E quanto a os filisteus e quereteus: “Eu vou executar grande vingança sobre
eles com punições iradas. Então saberão que eu sou o Senhor, quando eu a minha vingança sobre eles.” 24

E, Ezequiel diz, Sidon (território Jezebel) será concedido conhecimento, também:

Eles saberão que eu sou o Senhor, quando eu


executar juízos nele,
e manifestar a minha santidade nele; para lhe enviarei peste para
ele, e derramamento de sangue em suas ruas; e os mortos
cairão no meio dela, pela espada que é contra ela por todos os
lados. E saberão que eu sou o Senhor. 25

A “santidade” que o Senhor aqui promete “manifestar” traz à mente 1917 o tratado de Rudolf Otto A idéia do Santo. Como Otto mostrou, nos
tempos antigos, o conceito de “santo” não teve sua implicação moderna da bondade moral. (Muitas vezes na Bíblia a palavra hebraica traduzida
como “santo” refere-se a uma pureza meramente ritual.) Na verdade, Otto argumentou, em sua forma primordial, o “santo” representava o que ele
chamou de “numinoso”, uma força sublime que inspirou terror e pavor; uma “majestade horrível.”

26

O Ultimate Revenge

Como exatamente foi a força sagrada para ser entregue? Será que os monoteístas exílio imaginar exércitos israelitas um dia conquistar o
mundo? Em Ezequiel, o Senhor diz aos israelitas que “as nações saberão que eu sou o Senhor ... quando através de você eu mostrar minha
santidade diante de seus olhos.” 27 A leitura deste verso como uma aspiração militar teria feito sentido no antigo Oriente Médio: um deus mostrou
a sua grandeza através do poder de sua nação.

Certamente os israelitas haviam passado bastante tempo no fim de recepção dessa lógica. Assíria, perseguidor perene de Israel,
comemorou vitórias por capturar ou destruir ídolos estrangeiros, ressaltando a verdade teológica atrás de triunfo marcial: a inferioridade dos
deuses estrangeiros para o grande deus Assur. Uma inscrição assíria gravação da queda de uma cidade israelita nos orgulha século VIII, “e os
deuses, em que confiava, como despojo contados.” 28

Mais especificamente, houve precedente para a vítima humilhado do planejamento de conquista imperial e execução de um grande retorno
que procedeu tanto um plano teológico e geopolítica: as babilônios que agora tinha subjugado Israel. Os assírios tinham devastado a Babilônia, no
início do século sétimo, levando a estátua de Marduk de seu templo. Como os israelitas um século mais tarde, os babilônios atribuiu sua
catástrofe para desagrado seu chefe de Deus com eles. E, como os israelitas, eles posteriormente adivinhado que o favor de seu deus tinha
mudado de volta em sua direção. 29 Na verdade, ele foi agora dobrado em vingança contra a Assíria, e sua fúria sobrenatural e gama seria exibido
geopoliticamente. “Marduk, grande senhor, olhou favoravelmente para mim”, declara o rei Nabopolassar em um documento babilônico. “E para
vingar Akkad ... ele me escolheu para o domínio sobre as terras e os povos das terras, todos eles, ele colocou em minhas mãos.” 30 Daí eventual
conquista dos caldeus de Israel-parte do plano de desdobramento de seu deus da grande vingança.

Agora foi a vez dos israelitas a sentir vingativa. Em um nível geopolítico, a sua realização seria nunca poderia nunca corresponder os
babilônios. 31 Sua vingança teria que jogar fora em um plano teológico, onde ele iria produzir algo de grandeza histórica. Rainer Albertz refere-se a
algumas passagens exílicas anti-Babilônicas como “teologia retribuição,” 32 mas a frase poderia cobrir teologia exílica de forma mais ampla, incluindo
a teologia que deu vida ao monoteísmo.

O impulso retributiva é universalmente humana, quase certamente fundamentada nos genes da nossa espécie. 33 E é profundamente, muitas
vezes acaloradamente, sentiu. Mas, no entanto carregadas de emoção, ele tem uma lógica intrínseca, e em termos de esta lógica monoteísmo de
Israel faz sentido. O núcleo da lógica é, como a Bíblia diz, olho por olho, dente por dente; punição é proporcional à transgressão originais. E qual
foi a magnitude da transgressão que os exilados de Israel tinha sofrido? Os babilônios não acabava de conquistar suas terras e menosprezado seu
deus. Eles tinham removido-los de suas terras e, aparentemente, assassinado seu deus. Considerando Assíria tinha despojado templo de seus
tesouros de Jerusalém, os babilônios tinham destruído o próprio templo. Eo templo de um deus era, no antigo Oriente Médio, literalmente a casa
do deus. 34

A transgressão final exige o castigo final. Uma resposta apt quando um povo mata o seu deus é matar deles -a defini-lo para fora da
existência. E se não existem mais deuses de outras nações, e se você já decidiu (de volta no tempo de Josias) que o Senhor é o único Deus
em seu
nação, então você acaba de segued de monolatria ao monoteísmo.
Isso não quer dizer que o monoteísmo seguido da lógica retributiva tão rigorosamente quanto quatro decorre dois mais dois. Afinal, Babilônia
foi a única nação que tinha infligido a indignidade infinito de destruição do Senhor em casa e, obviamente, havia um monte de deuses
não-babilônicos que tinha que desaparecer antes monoteísmo poderia chegar. Por outro lado, os oráculos exílio contra as nações sugerem que,
embora a conquista babilônica foi o melhor exemplo de indignidades provenientes do estrangeiro, havia tantos outros exemplos que eles estavam
começando a diluir-se juntos. Há um sentimento de humilhação tão grande que contrabalançar isso exigiria elevação do Senhor às alturas-que
sem precedentes significou o rebaixamento de outros deuses do mundo a profundidades sem precedentes, perigosamente perto do nível de
subsistência. Monoteísmo foi, entre outras coisas,
vingança.

The Ultimate Salvação

Mas a vingança não foi a única força motivadora na teologia exílica. E sobre a promessa de Yahweh, no Segundo Isaías, para trazer a salvação
até os confins da terra? Deve haver alguma coisa para isso, certo?
Mais ou menos. Chamando o exílio “universalista” Deus é preciso em um sentido cuidadosamente definidas da palavra. Sim, o Segundo Isaías vê o
Senhor como o Deus de todos os povos. Mas isso não significa que Deus sentiu igualmente
devotado a todos os povos. O biblista Harry Orlinsky, entre os primeiros para disputar o padrão, sunnily interpretação internacionalista do Segundo
Isaías e várias outras partes da Bíblia, colocou desta forma: “O nacional Deus de Israel bíblico é um universal Deus, mas não um internacional Deus”-
porque Israel goza de uma aliança exclusiva com ele. 35 De fato, na visão de Orlinsky, Israel seria uma “luz para as nações” em grande parte, no
sentido de anunciar esse fato. “Israel vai deslumbrar as nações”, escreveu ele, por “Deus lhe deu o triunfo e restauração; o mundo inteiro vai
contemplar este único farol que é o único povo da aliança de Deus. Israel vai servir o mundo em geral como o exemplo de lealdade e onipotência
de Deus.” 36

Isso não quer dizer que o Senhor não tinha obrigações para com os povos do mundo. Como Orlinsky observa, assassinato e brutalidade em
qualquer lugar na Terra eram “contrários ao universo ordenado de Deus.” Em última análise, portanto, a imposição de sua vontade seria uma boa
notícia para as pessoas amantes da paz em todos os lugares. Como Primeiro Isaías havia famosa sonhou, Deus

julgará entre as nações, e arbitrará para muitos povos; baterão


suas espadas em arados e suas lanças em foices; uma nação
não levantará a espada contra outra nação, nem aprenderão mais
a guerra. 37

Assim, mesmo se nenhuma nação pode esperar o tipo de devoção divina Israel terá, Yahweh ainda pode sinceramente dizer, no Segundo
Isaías, que, enquanto se prepara para trazer justiça às nações, “as ilhas esperar por mim, e por meus braços eles esperam." 38

Ainda assim, a primeira fase do plano para trazer ordem ao mundo foi para punir aqueles que ameaçavam a ordem-que, no momento, era tudo
dos inimigos de Israel. O deus exílica era um pouco como um promotor cujo objetivo final de trazer justiça para a sociedade implica a meta de curto
prazo de levar os criminosos à justiça. É só que, neste caso, os criminosos constituiu a maior parte do mundo conhecido.

Se a curto prazo meta-retributiva justiça, é a chave para a compreensão da evolução do monoteísmo, o objetivo de longo prazo da ordem
mundial ilumina uma outra dimensão importante da teologia exílica do Ministério Público: a salvação nacional. Os seres humanos têm várias
maneiras de lidar com o estresse prolongado, e um deles é a antecipação de um tempo melhor. Aqui, como em retribuição, há muitas vezes uma
espécie de simetria: quanto mais intenso o estresse e quanto mais desesperadora a situação, as mais fabulosas os próximos tempos que são
esperados. Na forma extrema, o resultado é apocalipticismo-revelações de um dia de salvação, muitas vezes, no fim dos tempos, quando a justiça
há muito adiado seja finalmente entregue.

pensamento apocalíptico é o mais famoso associado com o cristianismo primitivo, mas variantes que vieram à tona em muitos tempos e
lugares em circunstâncias muito semelhantes. Daí os melanésios “cultos de carga” do início do século XX. Em resposta a subjugação Europeia,
profetas nativas imaginou um dia de salvação, quando os símbolos do poder-os coloniais docas e pistas de pouso onde as mercadorias foram
carregadas para o comércio-reverteria seu significado: carga chegaria dos deuses ou de ancestrais sagrados, dando início a um tempo de
bênção; as tabelas políticos se tornaria, como brancos agora se encontravam na parte inferior da hierarquia e vida para os melanésios ficou
confortável.

Da mesma forma, para antigos israelitas, o julgamento final do Senhor traria não apenas a alegria de retribuição, mas o conforto de “salvação”
salvação- no sentido mundano da liberdade de aflição. Com Deus, tendo estabelecido sua lei globalmente, Israel não teria que se preocupar com
os exércitos invasores mais. No dia do julgamento, quando “os fabricantes de ídolos ir em confusão juntos”, Israel seria “salvo pelo Senhor com
salvação eterna; você não deve ser confundido ou confundidos por toda a eternidade “finalmente os israelitas“virão a Sião com cânticos.; haverá
perpétua alegria sobre as suas cabeças; eles alcançarão gozo e alegria, ea tristeza eo gemido fugirão “. 39

Sem dúvida, essa teologia uma teologia da salvação monoteísta-teve um impulso quando, perto do final do século VI, os exilados fez voltar a
Sião. É verdade que eles não fazê-lo pela conquista, como alguns tinham nenhuma dúvida imaginado. Mas eles fizeram isso de uma maneira que
sustentou a lógica por trás monoteísmo. Pérsia conquistou a Babilônia, e Cyrus, líder da Pérsia, enviou a casa israelitas. Considere a implicação: o
Senhor não só controlava o império que tinha conquistado o Império Assírio; ele controlava o império que tinha conquistado o império que tinha
conquistado o Império Assírio.

Como o Senhor colocou na Bíblia, de Cyrus “mão direita eu ter entendido para abater nações diante dele.” Yahweh explicou a Ciro que ele
lhe traria sucesso no campo de batalha, “de modo que você pode
sei que sou eu, o Senhor, o Deus de Israel, que te chamar pelo seu nome. Por causa do meu servo Jacó, e de Israel, meu escolhido, eu te chamo
pelo seu nome.” 40 ( própria lembrança, ou de Ciro pelo menos uma das suas recordações-diferiam oficiais. Em um cilindro de argila descoberto em
1879, ele disse que tinha sido chamado para conquistar Babilônia e terras além do deus babilônico Marduk, “o grande senhor” quem ele iria
agora adorar fielmente.) 41

No final, então, a lógica por trás monoteísmo era muito simples, dada a mentalidade natural de intelectuais exílio de Israel. honra do Senhor, e
orgulho de Israel, poderia ser recuperado apenas por extremos intelectuais. Se a conquista da Babilônia não significar desgraça do Senhor, se o
Senhor não foi um fraco entre os deuses, então ele deve ter orquestrado calamidade e de Israel orquestrar uma calamidade dessa magnitude
chegou perto de implicando a orquestração da própria história, o que deixaria espaço para pouca ou nenhuma autonomia por parte de outros
deuses. Além disso, se o Senhor, no decorrer desta orquestração, foram para recuperar visivelmente sua dignidade, os deuses dos opressores de
Israel teria que ver sua dignidade, daí o seu poder, cair perto o ponto de fuga de qualquer maneira. Além do mais, se o Senhor poderia entregar o
que os israelitas por isso queria contar-a vinda dia da salvação, a paz para sempre imperturbável -então seu domínio do mundo teria que ser
completa e eterna. Porque na ausência de tal controle internacional, como os dois últimos séculos da história dos israelitas parecia mostrar, o
mundo iria continuar trazendo problemas para Israel.

A implicação-que, finalmente, todos os outros que o Senhor deuses deve ter essencialmente nenhuma poder- não acrescenta nada ao
monoteísmo per se. Você pode imaginar pensadores israelitas castrar completamente esses deuses sem matá-los. Ainda assim, a lógica
teológica do exílio de Israel, uma lógica que era natural, dadas as circunstâncias, faz a aparência do impulso monoteísta no Segundo Isaías e
outros textos exílio surpreendente.

Mas é o monoteísmo?

Há uma razão pela qual eu me referi ao aparecimento de “o impulso monoteísta” e não de “monoteísmo”. 42 Misturados com as exclamações
monoteístas nos escritos do exílio é a frase ocasional que não soa tão monoteísta. Por exemplo, o Segundo Isaías representa queda de Babilônia
nas mãos de Cyrus por referência a Bel (outro nome para Marduk) e seu filho Nebo: “Bel se inclina, stoops Nebo,” e eles “eles mesmos vão para o
cativeiro” 43 ( que, na verdade não, eles fizeram, devido à sábia política de Ciro de abraçar ou pelo menos tolerar os deuses das terras conquistadas).
Para essa matéria, se você reler várias declarações monoteístas do Segundo Isaías já referido, e substituir “Yahweh” para “o Senhor” -que é como
os textos originais leitura alguns deles perder um pouco de brilho monoteísta.

Além disso, sabemos quase nada sobre a prática religiosa real durante o exílio, e há pouca evidência clara de prática monoteísta durante
séculos depois de O exílio. Na verdade, no livro de Malaquias, aparentemente escrito bem depois do exílio, Deus fala a uma audiência judaica que
parece cético em relação a sua jurisdição universal. Basta esperar, diz ele, até que ele pune os edomitas, “as pessoas com quem o Senhor está
irado para sempre.” Então “os seus próprios olhos o verão isto, e direis: Grande é o Senhor para além das fronteiras de Israel!” 44

Dada a forma como pouco se sabe sobre religião judaica nos séculos após os primeiros sinais exílio de pensamento monoteísta, é difícil dizer
o que fechado o negócio: Por que a visão do Segundo Isaías, entre as diversas visões que, sem dúvida competiram pelo tempo de conexão durante
o exílio, prevalecer e, em seguida suportar? Como Israel passar séculos perto povos politeístas e ainda assim permanecer fiel à sua crença
monoteísta?
Por um lado, a psicologia política que tinha promovido o monoteísmo reapareceu em vários momentos nos séculos garantindo. A autonomia
relativa que Israel parece ter apreciado sob domínio persa não durou para sempre. Após a conquista da Palestina Alexandre, o Grande, em 332 aC,
os sucessivos governantes de língua grega estavam no comando, e eles finalmente opressiva suficiente para desencadear uma revolta. A luta pela
independência reforçou o impulso político honrado por trás Yahweh-alonism: um ressentimento nacionalista dos deuses com uma linhagem
estrangeira (e, ainda, das elites judaicas que confraternizaram com os estrangeiros hegemônicas). Na verdade, a provocação clímax da revolta
judaica foi uma tentativa de colocar uma estátua de Zeus no templo de Jerusalém. E, presumivelmente, o sucesso da revolta, o que levou a um
período de independência de 142 aC a 63 aC,

Monotheism•as•a•Philosophy

Greeks•may•have•nourished•Israel’s•monotheism•at•a•less•political,•more•cerebral,•level•as•well.
Long•before•Alexander•conquered•Palestine,•the•monotheistic•hypothesis•had•occurred•to•Greek thinkers.• 45 And,•though•Israel’s•reaction•to•Greek•governance•was•
was•in•the•meanwhile•much•mixing•of•Jewish•and•Greek•culture.

monoteísmo grego cresceu a partir de uma das grandes aspirações culturais da Grécia: o refinamento racional de idéias religiosas. Alguns de
crédito os gregos com inventar teologia no sentido estrito da palavra (embora a religião sempre tinha sido sujeito a um tipo de orientação racional,
como quando pensadores israelitas ajustado teologia a sua situação exílico). rigor religioso grego prenunciado tentativas modernas para conciliar a
crença religiosa com uma perspectiva científica, e nesse sentido a atração de grego
pensadores ao monoteísmo era natural. Quanto mais a natureza era vista como lógico-os mais suas irregularidades da superfície dissolvidos em
regular de direito-o mais sentido ele fez para se concentrar divindade em um único impulso que estava em algum lugar por trás de tudo. No sexto
século aC o filósofo Xenófanes (que pode ter sido o primeiro monoteísta grego) 46 escreveu de Deus: “Sempre que ele permanece no mesmo lugar,
movendo-se não em todos; nem é adequado para ele ir para lugares diferentes em momentos diferentes, mas sem labuta ele sacode todas as
coisas com o pensamento de sua mente. Tudo o vê, todos pensa, e todos os ouve.”

47 Os gregos não foram os primeiros dos senhores imperiais de Israel para destacar a regularidade da natureza. Até o momento do exílio,
astrônomos babilônios poderia prever eclipses lunares e solares. Como Baruch Halpern observou, esta “noção de previsibilidade do céu” poderia
ter provocado “profunda turbulência teológica, desde a independência dos deuses foi subitamente posto em causa.” 48 E, Halpern sugere,
pensadores israelitas podem ter sido digerir esta ciência celestial início bem antes do exílio; astrônomos babilônios foram empregadas pelos
assírios que dominavam os israelitas durante grande parte do século VIII aC.

Neste ponto de vista, raiva da Bíblia para aqueles que adoram as divindades celestes conhecidos como as “hostes do céu” pode ter tido um
intelectual, bem como uma base política. Afinal, por que atribuem autonomia, muito menos divindade, aos seres que se comportam de modo
mecanicamente? E por varredura que o comportamento de presságios? ( “Assim diz o Senhor: Não aprendais o caminho das nações, ou te
assustes com os sinais dos céus, porque as nações são consternado com eles.”) 49 Mais plausível pensar que por trás de um relógio do céu noturno
é o único Deus verdadeiramente autônomo (o “Senhor dos Exércitos”). Como diz o Segundo Isaías, “Levantai ao alto os olhos e ver: Quem criou
estas coisas? Aquele que faz sair o seu exército e os números deles, chamando-os todos pelo nome “. 50

Talvez o candidato mais intrigante para a influência imperial sobre a teologia israelita encontra-se na Pérsia, régua de Israel entre os períodos
de Babilônia e da dominação grega. A religião persa, Zoroastrismo, é normalmente descrito como “dualista”, porque não dispõe de apenas um bom
deus-criador de proteção de deus, mas um mau deus com quem este bom Deus faz batalha. Então, novamente, o recurso cristianismo eo judaísmo
Satanás, um ser sobrenatural mal e quase impotente, mas continuamos a chamá-los monoteísta. De qualquer forma, o “dualismo” Zoroastrian da
Pérsia estava mais próximo ao monoteísmo do que era a antiga religião média. 51

Além do mais, o relacionamento de Israel com a Pérsia destaque que grande lubrificante de troca inter-religioso: a lógica não de soma zero. A
partir do momento Ciro da Pérsia conquistou a Babilônia, se não antes, ele foi visto pelos exilados como um aliado. Em seguida, ele justificou sua
fé, retornando a Jerusalém e governar o novo Israel com uma longa trela. Para que você não duvide que isso poderia ter feito os israelitas abrir a
entrada teológica de Cyrus: ele é o único não-israelita, em toda a Bíblia a ser chamado pela palavra hebraica para “messias”. 52 E dentro de alguns
versos de esta descrição messiânica de Cyrus, como o estudioso Morton Smith observou certa vez, são descrições de Javé que soam como
descrições persas do “bom” deus de Zoroastro, Ahura Mazda. 53 Tudo isto levou Smith a se perguntar se influência persa na teologia israelita poderia
ter sido uma parte cuidadosamente traçado da estratégia política da Pérsia desde o início. 54

É concebível. Mas a teologia exílica de Israel cresce tão organicamente fora do pré-exílico, a teologia de Josias, e tão bem satisfaz as
necessidades psicológicas dos exilados, que é improvável que foram importados como um item novidade persa. Mais plausível é uma convergência
de correntes de longa data do pensamento israelita com as necessidades estratégicas de Cyrus. 55 Certamente Cyrus estava em uma posição para
favorecer algumas correntes em detrimento de outros. Ele tinha controle sobre quais israelitas e, talvez, que os textos israelitas, voltaram a
Jerusalém para moldar a governação de Israel. E o monoteísmo pode ter atingido Cyrus como mais propício para a harmonia imperial de teologias
alternativas do dia. 56 De fato, no próximo capítulo veremos evidências de que os teólogos postexile de Israel foram guiados por agenda de Ciro.

No final, o número de possíveis fatores na consolidação do monoteísmo de Abraão é quase igualou pela escassez de evidências sobre eles. 57 A
humildade é uma atitude apt para qualquer um que se aventura um parecer sobre como e por que o monoteísmo surgiu e suportou no antigo Israel.
Ainda assim, se os textos bíblicos comumente considerados exílico são realmente exílio, podemos obter uma visão das forças que animaram o
primeiro impulso monoteísta clara de Israel e um vislumbre do caráter do Deus único e verdadeiro em seu nascimento.

E que tipo de deus era ele? Uma avaliação honesta desses textos torna difícil concluir que ele era o que muitos crentes abraâmicas
contemporâneos gostaria de pensar que ele era: um deus moralmente moderna, um deus da compaixão universal. Se você tivesse que dar uma
resposta simples para a pergunta simples que tem pairado sobre toda esta exposição-era o Deus de Abraão um deus da paz e da tolerância no
momento em que se tornou governante do universo? -É seria não.

Claro, você preferiria não tem que dar uma resposta tão simples. o caráter de Deus neste momento da história era uma coisa-nenhuma
complexo dúvida houve discordância sobre isso, mesmo entre exílio monoteístas e grande parte da complexidade se perde nas brumas da
história. Ainda assim, se você olhar para os textos bíblicos mais antigos que claramente declaram a chegada do monoteísmo e você perguntar
qual de seus vários sentimentos parece motivar mais diretamente essa declaração, a resposta parece mais perto de ódio do que amor, mais perto
de retribuição do que à compaixão . Na medida em que nós podemos dizer, o único Deus verdadeiro, o Deus dos judeus, depois dos cristãos, e
depois de muçulmanos -foi originalmente um deus de
vingança.
Felizmente, a frase anterior tem um asterisco oculto: Mas isso não importa. A salvação do mundo no século XXI pode muito bem depender de
como o monoteísmo de Abraão pacífica e tolerante é. Mas não depende se esses atributos foram construídas em pelo nascimento de monoteísmo.
Isso porque o monoteísmo acaba por ser, moralmente falando, uma coisa muito maleável, algo que, quando as circunstâncias são auspiciosos,
pode ser uma fonte de tolerância e compaixão. Como veremos nos próximos capítulos, este fato se manifesta na história subseqüente de judeus,
cristãos e muçulmanos.

O cristianismo é, claro, a mais famosa ilustração. O Novo Testamento apresenta uma declaração simples de compaixão universal e
contrasta explicitamente esta atitude com a moralidade do Antigo Testamento. Jesus diz: “Ouvistes que foi dito: 'Amarás o teu próximo e odeie o
seu inimigo.' Mas eu vos digo: amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem.” 58

Se a tese deste livro é correta, então é inteiramente plausível que a escritura judaica poderia ter produzido essa palavra tinha seus autores
encontraram-se em circunstâncias semelhantes às dos autores cristãos desta passagem. E, de fato, como veremos vários capítulos a partir de
agora, um ditado quase idêntico a este é, de facto, encontrada na Bíblia hebraica e pode ter inspirado a versão do dizendo mais tarde atribuída a
Jesus.

O outro lado desta tese é que este sentimento generoso não foi indelevelmente estampada em almas cristãs, mais do que vingança tinha
sido carimbada nas almas dos judeus. Os cristãos encontraram-se na posição dos judeus do exílio, a sua resposta teológica provavelmente teria
sido comparável.

Isto não é mera conjectura. O último livro do Novo Testamento é o Apocalipse. Como alguns textos exílio na Bíblia hebraica, o Apocalipse é
apocalíptico, ansioso para um novo dia de salvação. Naquele dia, o anti-Cristo seria vencido e longanimidade cristãos iria receber a sua
recompensa. E quem exatamente é este anti-Cristo, que vai ter a sua punição? Ele carrega o emblema

666, e que acaba por ser uma tradução numérica críptica do nome de Nero, o imperador romano que tão espetacularmente perseguiu os cristãos.
Quando os cristãos enfrentaram a opressão nas mãos dos imperialistas romanos, eles fizeram o que os judeus tinham feito quando enfrentaram a
opressão nas mãos dos imperialistas babilônicos: sonhou com vingança e consagrou o sonho em teologia.

Como se dirigir para casa o paralelo histórico, Revelação liga o anti-Cristo a uma figura chamada “A grande Babilônia, a mãe das meretrizes”
Mais tarde no livro há muito regozijo sobre sua queda: “Aleluia! A salvação ea glória eo poder de nosso Deus ... julgou a grande prostituta que
corrompia a terra com a sua prostituição, e vingou nela o sangue dos seus servos.”Há mais emoção no caminho, apenas alguns versos mais
tarde. Entra em cena um cavalo branco, cujo cavaleiro, chamado “A Palavra de Deus,” é geralmente entendido como sendo Jesus: “Com justiça
julga e faz guerra.” Na verdade, “Ele está vestido com um manto tinto de sangue”, e “ de sua boca uma espada afiada, para ferir com ela as
nações, e ele as regerá com vara de ferro; ele vai pisar o lagar do vinho do furor da ira de Deus, o Todo-Poderoso “. 59 Segundo Isaías não poderia
ter dito melhor.

O que aconteceu com o outro Deus cristão, aquele que queria que você amar seus inimigos? As circunstâncias mudam, e Deus muda com
eles. Essa dinâmica, como jogado fora dentro do judaísmo, cristianismo e islamismo-é a história de grande parte do resto deste livro.
Capítulo Oito

Philo História

Eu n o livro do Êxodo, Deus emite esta orientação para os israelitas através de Moisés: “Não vos injuriarem Deus.” 1 Pelo menos, essa é a
maneira que sai na maioria das versões modernas da Bíblia como mais uma demanda para a devoção ao Senhor. Mas na Septuaginta, a
tradução grega da Bíblia feita durante o terceiro e segundo séculos aC, o verso tem um sabor diferente: “deuses” ele diz que você não deve
injuriarem

Um judeu de tempos antigos utilizados nesta versão do verso como uma janela para a alma de Deus. Filo de Alexandria, que nasceu perto do
final do primeiro século aC, viu um profundo traço de tolerância no Senhor. Por luzes de Filo, a lei divina, mesmo enquanto afirmando a existência
de um único Deus verdadeiro, ofereceu “apoio aos de opinião diferente, ao aceitar e honrar aqueles a quem eles têm desde o início que se acredita
ser deuses”. 2

Philo não acreditava na existência dos deuses de outras pessoas. Ele era um judeu devoto e um monoteísta fervorosa. 3 Ainda assim, ele
acreditava que a lei de Deus “focinhos e restringe seus próprios discípulos, não permitindo que eles insultam estes [deuses] com uma língua
solta, pois acredita que o elogio bem falado é melhor.” 4

O que levou Philo com esta interpretação do Êxodo 22:28? Alguns poderiam responder: “Quem traduzido Êxodo 22:28 para o grego.” Em
outras palavras: Philo, fluente em grego, leia liminar da Septuaginta contra injuriosas “deuses”, interpretou-o diretamente, eo resto é história.
Certamente este seria o spin colocado sobre a história de Philo por “deterministas bíblicos”, as pessoas que pensam que a escritura exerce
enorme influência sobre o pensamento religioso dos crentes, e que as suas circunstâncias sociais e políticas importa pouco se em tudo.

“Determinismo bíblico” soa como um paradigma acadêmico arcano, mas ele é implantado por não-acadêmicos de uma forma consequente.
Após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, como os americanos tentaram sondar as forças no trabalho, as vendas de vários tipos de
livros aumentou. Algumas pessoas compraram livros sobre o Islã, alguns compraram livros sobre a história recente do Oriente Médio, e alguns
comprados traduções do Alcorão. E, claro, alguns comprados mais de um tipo de livro. Mas as pessoas que comprou só traduções do Alcorão foram
mostrando sinais de determinismo bíblico. Eles pareciam pensar que você poderia entender a motivação dos terroristas simplesmente lendo suas
antigas escrituras-basta procurar o Alcorão para passagens que defendem a violência contra infiéis e, tendo conseguido, termine a análise, o
conteúdo que você tinha encontrado a causa essencial do 9 / 11.

Algumas pessoas, sob a influência do determinismo bíblico, têm uma visão muito escuro do futuro. Eles observam que as escrituras de
todas as três religiões monoteístas abraçar o abate dos infiéis. Se essas escrituras têm a palavra final em um mundo de armas nucleares e
biológicas, vamos ver carnificina que faz com que as Cruzadas olhar manso.

Felizmente, existe uma interpretação diferente da história Philo, um que não vê a tradução da Septuaginta do Êxodo como determinantes.
Afinal, Philo não ter para parar e me debruçar sobre o significado do que o verso. Ele não fez ter para usá-lo como a ocasião para um sermão sobre
como a preservação da “paz” e “dignidade” exige o respeito pela opinião dos outros. 5 Talvez houvesse algo sobre suas circunstâncias que o
encorajaram a buscar e realçar estes temas. E talvez, se ele não os tinha encontrado em Êxodo, ele teria encontrado-los em outro lugar na Bíblia.

Quais foram as circunstâncias em questão? O que fez a tolerância atraente para Philo, assim como alguns outros judeus eram menos
tolerantes? Para essa matéria, o que torna a tolerância atraente para alguns judeus, cristãos e muçulmanos hoje como os outros da mesma fé
denunciar ou matar infiéis? Quando isso acontece, as respostas a estas duas perguntas são basicamente os mesmos. A história de Philo ilustra as
circunstâncias genéricos que levam as pessoas para a coexistência pacífica; isso nos ajuda a adicionar um novo nível de detalhe para a “lei de
tolerância religiosa” esboçado no capítulo 6.

No processo, a história de Philo mostra os ingredientes do crescimento moral de um deus. Deuses falar através de seus seguidores, por isso,
quando prevalece interpretações de uma mudança deus, o próprio caráter das mudanças deus. Javé pode ter sido empenhados em punir infiéis
durante as reformas de Josias, e ele pode ter sido focada em retribuição ao monoteísmo momento nasceu, mas se ele ficou de mau humor
depende do que as pessoas que acreditaram nele acreditavam sobre ele. Philo acreditou no Senhor com todo o coração e alma acreditava que
ele era o único Deus verdadeiro e não acreditava que ele era um deus da intolerância e vingança. Na medida em que este ponto de vista spread,
Deus poderia crescer-se tornar mais moralmente inclusive, ainda mais espiritualmente profunda.

E na medida em que esta visão foi provável a se espalhar, favorecido por tendências básicas na história da humanidade, então talvez o
crescimento de Deus é, em certo sentido parte intrínseca -um “natural” da história humana, se desconcertantemente vacilante, propenso a fases de
estagnação e até regressão. A história de Philo sugere que este é o caso. Ele mostra por que as forças que incentivem o crescimento moral de
Deus ter de fato sido muitas vezes mais forte do que as forças que favorecem a estagnação ou regressão. E mostra por que, no século XXI, as
forças do bem poderiam mais uma vez vencer.
Você pode pensar que ilustram-na verdade, incorporando-a direcionalidade moral que é construído para a história seria suficiente realização
para um homem. O legado de Philo vai muito mais longe. Se uma direção moral é de fato construído na história, três questões surgem: Primeiro, é
esta evidência de algum “propósito maior,” algum plano desdobramento que a humanidade está agora clímax envolvido? Em segundo lugar, é
esse plano, de alguma divina sentido? E, em caso afirmativo, poderia ser trabalhado em uma teologia-a moderna teologia que não envolvesse
alguma divindade antropomórfica sentado em um trono, mas em vez concebeu o divino mais abstrata; uma teologia que deixou espaço para as
leis científicas a prevalecer neste planeta? Notavelmente, Philo, escrevendo quase dois milênios antes que a ciência moderna criaria uma
necessidade premente de tal teologia, desde um rascunho de um.

Mas as primeiras coisas primeiro. Antes de olhar para como Philo ajudou a dar-nos um Deus intelectualmente moderno, vamos ver como ele
ajudou a dar-nos um Deus moralmente moderna.

Leeway interpretativa

Vital para a capacidade de um deus para o crescimento é a flexibilidade semântico da escritura. Dentro de certos limites, as pessoas podem olhar
para os seus textos sagrados e ver o que eles querem ver-ver o que atenda às suas necessidades psicológicas, sociais, políticos. Existem várias
fontes desta margem interpretativa, e coletivamente eles são importante.

Uma fonte é pura ambiguidade. Em todas as línguas, as palavras podem ter mais de um significado, então a leitura envolve fazer escolhas.
Quando o contexto da composição original é muito diferente do contexto de duração do leitor atrás ou longe, ou ambos - as escolhas feitas podem
orientar o texto longe da intenção do autor. Em um episódio de The Twilight Zone, terráqueos só descobriu tarde demais que o Livro Sagrado trazido
por visitantes extraterrestres, intitulado Para servir o homem, Não era, como inicialmente assumido, um manifesto filantrópico; que era um livro de
receitas.

Pelo menos esses terráqueos finalmente conseguiu adivinhar o significado pretendido; eles atingiram confiança garantido em sua interpretação
revista, pouco antes de ser comido. Mais comumente, a certeza permanece para sempre evasivo. Êxodo 22:28, o ponto de pivô para a ética de Filo,
é um caso em questão. Em hebraico, a palavra elohim é singular e plural-deus e deuses. Quando elohim é o sujeito de uma frase, essa ambigüidade é
esclarecido pela forma do verbo (assim como, em Inglês, o verbo “cria” implica um sujeito singular e o verbo “criar” implica um sujeito no plural). Mas
em Êxodo 22:28 elohim é o objeto da frase, não o assunto. (Você não vos injuriarem Deus.) Então aqui um tradutor tem latitude. 6

Será que o tradutor em questão, quem quer prestados que o verso em grego para a Septuaginta de usar que latitude de exercer um viés
pessoal em direção à tolerância inter-religioso? É possível. Mas mesmo sem essa vantagem, mesmo que o tradutor tinha ido com “Deus”, não
“deuses”, Philo provavelmente teria encontrado uma maneira de enfatizar o lado tolerante e pacífica de Deus. Por um lado, ele não era um
amador quando se tratava de tradução criativa. (Ele afirmou que “Jerusalém” significa “visão de paz”, quando na verdade a cidade foi
provavelmente o nome de Shalem, um deus antigo.) 7 Por outro lado, a ambiguidade está longe de ser a única ferramenta disponível para o
exegeta criativo.

Outra é a retenção selectiva. Você pode apenas convenientemente esquecer certas partes de sua herança bíblica. Durante as Cruzadas,
quando os cristãos foram com vontade de matar infiéis, eles eram muito conscientes do crime baseada na fé sanção de Deus em massa em
partes da Bíblia. Durante a Guerra Fria, quando os Estados Unidos foi parte de uma aliança multireligiosa internacional que incluía muçulmanos
e nações budistas, este motivo foi jogado para baixo; inteiras gerações de cristãos americanos foram desmamados em uma seleção
enganosamente ensolarado de histórias da Bíblia.

Philo, da mesma forma, foi capaz de passar sobre partes mais escuras da Bíblia em silêncio. Em um discurso sobre a idéia de justiça na
Bíblia hebraica, dirigiu-se as leis de guerra estabelecidos no vigésimo capítulo de Deuteronômio. Esse capítulo inclui o verso horrível citei dois
capítulos atrás:

Como para as cidades desses povos que o Senhor teu Deus te dá por herança, você não deve deixar qualquer coisa que respira
permanecer vivo. Você deve aniquilá-los-os hititas e os amorreus, os cananeus e os perizeus, os heveus e os jebuseus, exatamente
como o Senhor teu Deus te ordenou, para que não vos ensinem a fazer todas as coisas abomináveis ​que eles fazem para o seu deuses,
e assim pequeis contra o Senhor vosso Deus. 8

Você pode pensar que seria impossível para Philo conciliar este versículo, que abraça a matança de mulheres e crianças, com o Deus justo
ele foi dobrado em descrever. Você pode pensar Philo seria incapaz de conciliar este verso com a doutrina da tolerância religiosa que tinha
encontrado em Êxodo, já que aqui Deus quer que as pessoas aniquilada precisamente porque a sua religião é alienígena. Aparentemente Philo
pensava assim também; ele ignorou este verso completamente. Em vez disso ele se concentrou em uma parte diferente do Deuteronômio 20, em
que Deus prescreve o tratamento um pouco mais suave para as cidades que estão mais longe de Israel. Se uma cidade não se render quando o
exército de Israel se aproxima, a Bíblia diz, os israelitas são apenas “colocar todos os seus homens para a espada” e, em vez de matar a
mulheres, crianças e animais domésticos, “tomar como seu espólio do as mulheres, as crianças, gado.” 9
Mesmo aqui, Philo remove algumas arestas implantando mais um instrumento de interpretação criativa: solta, mesmo enganosa, paraphrasal.
Ele salienta que Israel deve “poupar as mulheres” ao mesmo tempo que estabelece “a toda oposição baixo exército em uma matança geral.” Isso
soa um pouco menos brutal do que matar todos os homens adultos se eles são ou não no exército, que na verdade é o que o versículo em questão
exige. Além disso, Philo diz que esta é a forma como Israel é punir povos que “renunciar à sua aliança” com Israel, quando na verdade ele é o
castigo que Deus atribui a qualquer cidade que resiste a conquista israelita. FH Colson, um estudioso britânico início do século XX-que traduziu
obras de Philo em Inglês, especulou que “a maneira curiosa em que Philo aqui limita isto a guerra contra aqueles que se revoltam de uma aliança”
“só pode ser explicado, eu acho, 10

Ambigüidade, retenção seletiva, e paraphrasal enganosa se combinam para dar aos crentes grande influência sobre o significado de sua
religião. Mas, para poder semântica cru, nenhum destes instrumentos rivaliza com a implantação hábil de metáfora e alegoria. Em um único
golpe, este pode obliterar significado literal de um texto e substituí-lo por algo radicalmente diferente.

Assim, alguns hindus do século XX, liderado por Gandhi, removido do ar bárbara da cena do Bhagavad Gita, que mostra os crentes
incentivando deus Krishna para abertura remorso-lessly abater um inimigo mesmo que inclua seus parentes. Na verdade, disse Gandhi, esta cena
de guerra toda foi uma metáfora para um interno guerra-a guerra contra o nosso lado mais sombrio, a guerra para fazer o nosso dever e viver
dignamente. Da mesma forma, alguns muçulmanos dizem que a “luta” significada pela palavra jihad deve ser pensado como uma luta interna, e não
uma luta militar contra os infiéis.

Quanto Philo: Lembre-se que cena bíblica horrível em que um Senhor aparentemente vingativo afoga o exército egípcio no Mar Vermelho?
Philo suaviza esse episódio, lendo-o como, fundamentalmente, uma alegoria metafísica: escravidão no Egito representava a escravização de
uma pessoa para os impulsos do corpo físico, e escapar do Egito representou libertação, a passagem para o reino da orientação espiritual. A
esta luz, egípcios ofegando por suas respirações finais tornar-se uma metáfora para o final de aprisionamento da alma. 11 De acordo com Philo,
quando Êxodo exulta, “cavalo e cavaleiro ele jogou no mar ... o Senhor é um guerreiro”, é louvando a Deus por vencer os apetites base do corpo. 12
Philo não está dizendo que a história não aconteceu, mas ele parece estar sugerindo que a principal lição takeaway é sobre a transformação
interior, não para fora abate; sobre escapar impulsos animais, não exibi-los. 13

A destreza exibida por Philo foi implantado por pensadores em todas as grandes religiões do mundo. Isso explica a grande diferença em
opiniões morais e teológicas realizadas dentro de qualquer fé-diferenças ao longo do tempo, de lugar para lugar, de pessoa para pessoa. Então
porque é que algumas pessoas em alguns momentos escolher a paz e tolerância e outras pessoas em outras vezes não o fazem? Em meio à
revolta dos Macabeus que libertou Jerusalém do controle do Império Saleucid no segundo século aC, os judeus destruíram santuários pagãos. 14 Agora,
dois séculos mais tarde, em uma cidade diferente, Philo estava insistindo muito um caminho diferente. Por quê?

Vida de Philo

Philo habitada mundos sobrepostos. Etnicamente e religiosamente ele era judeu. Politicamente, ele viveu no Império Romano. Intelectualmente e
socialmente, seu mundo foi fortemente grega; embora Alexandria no Egito, o seu estrato superior foi em grande parte grega, um legado de
fundação da cidade Alexandre, o Grande, no século IV aC. 15 E depois havia os egípcios, em grande número, se não na influência per capita.

Philo nasceu em uma família rica e influente. Manter esse status significa, em primeiro lugar, ficar em bons termos com os poderes que eram
romanos políticos e gregos de classe alta. Para as pessoas ricas e poderosas para ficar em bons termos com outras pessoas ricas e poderosas
não é uma tarefa intrinsecamente delicada, mas judaísmo de Philo complicado as coisas. monoteísmo dos judeus era um irritante ocasional para
politeístas locais, especialmente nos momentos em que os líderes romanos, julgando-se divino, exigiu adoração. 16 Esta é uma demanda que
devotos judeus foram obrigados a resistir, e sua resistência deu combustível para o anti-semitismo entre os gregos e egípcios.

Claro, você sempre pode renunciar a seu judaísmo. (Sobrinho de Philo escolheria este rumo e subir para grande poder, tornando-se
governador do Egito.) 17 Mas Philo era muito religioso, então ele teve que conciliar seus vários mundos. Ele tinha que preservar a viabilidade de seu
mundo judaico -e a integridade de sua fé, mesmo judaica em meio à grega, romana e mundos egípcios.

Esta não foi uma tarefa para os fracos de coração. Imagine tentar explicar ao imperador Calígula, que se considerava divino, por que você
preferiria que estátuas dele não adornam sinagogas de Alexandria, e muito menos do templo de Jerusalém. Philo tentou. mobs de Alexandria
tinha se revoltaram contra os judeus, queimando alguns até a morte, depois de judeus se recusaram a ver suas sinagogas, assim, corrompido.
Philo liderou uma delegação a Roma para defender caso dos judeus, para sanção oficial dessa perseguição sustentá-la.

conta de sua tentativa de esclarecer moralmente um homem notoriamente narcisista de Philo é darkly divertido. Quando Calígula pergunta por
que os judeus se recusam a comer carne de porco, Philo diz: “Diferentes pessoas têm diferentes costumes e da utilização de algumas coisas é
proibido para nós como outros são os nossos adversários.” A
Philo simpatizante, tentando colocar o ponto no quadro de referência de Calígula, entra na conversa: “Sim, assim como muitos não comer
cordeiro que é tão fácil de se obter.” Caligula responde: “Muito bem também, por isso não é bom.” 18 Tanto para o ângulo de cordeiro.

Ainda assim, no final delegação de Philo foi bem sucedida, pelo menos, bem-sucedido o suficiente para os judeus de Alexandria para
pendurar sobre a sua vida e sua religião. Calígula declarou na presença de Philo de que, embora os judeus são “tola em recusar a acreditar que
eu tenho a natureza de um deus”, que são, no fundo, “infeliz ao invés de mau.” 19

sanidade de Calígula foi muito debatido, mas para o momento, pelo menos, ele estava sendo racional. Esta tolerância relutante fazia sentido.
Quaisquer que sejam as diferenças teológicas entre Calígula e os judeus, a sua relação com eles foi, no fundo, não de soma zero. Eles eram um
povo produtivas, e eles pagaram os seus impostos. Deixando Alexandrians matar todos eles teria assim sido uma perda econômica líquida, e, além
disso, a perturbação da ordem social que poderia provar contagiosa, incitando os judeus e / ou seus inimigos em outras partes do império. E da
perspectiva de Philo, certamente, a violência era uma proposta perdedora. “Viva e deixe viver” era lógico de ambos os pontos de vista, ea lógica,
neste caso, pelo menos

- venceu.
O encontro com Calígula foi o clímax da carreira política conhecida de Philo, mas seu pano de fundo social, soma não zero tinha sido por
muito tempo o contexto da vida de Philo. situação dos judeus em Alexandria era precária, e de serem autorizados a praticar o monoteísmo foi
uma realização em si. Se eles exagerado a mão e foram vistos de forma tão agressiva intolerante, seu status mudaria de minoria tolerada para
inimigo odiado. Este problema de imagem era claramente na mente de Philo quando prestou sua interpretação de Êxodo 22:28. À luz da
tolerância expressa neste verso, perguntou ele, como as pessoas podem reclamar que o judaísmo tinha a intenção de “quebrar os costumes dos
outros”?

20 Na verdade, Philo vem tão perto de expressar a lógica não de soma zero por trás de sua doutrina da tolerância como você poderia esperar de
alguém que viveu quase dois milênios antes da invenção da teoria dos jogos. Intolerância, ele viu, iria alimentar a intolerância, e o resultado poderia
ser perde-perde. No entanto deuses pagãos falsos pode ser, aqueles que acreditam neles “não são pacíficos direção ou reconciliar com aqueles
que não aceitar de bom grado a sua opinião. E este é o começo e origem de guerras “. E, depois de tudo,‘para nós a Lei [a Torá] descreveu a fonte
da paz como uma bela posse.’ 21

Paz, Fraternidade e Power

Para ver a tolerância de Philo como não de soma zero encarnado lógica, você tem que ver a lógica não de soma zero, em sua forma verdadeira e sem glamour. Porque
não-zero-sumgames, ao contrário de zero-sumgames, canhave “ganha-ganha” resultados, as pessoas às vezes pensam neles como orgias de amabilidade. Eles podem ser, mas
eles geralmente não são. Quase sempre, dentro de um jogo não-soma-zero, há uma dimensão de zero sumness-um conflito de interesses. Quando você compra um carro novo, há
uma gama de preços que fazem a compra de valor a partir de seu ponto de vista (por exemplo, nada menos de US $ 28.000) e uma gama de preços que fazem a venda lucrativa
para o dealer (digamos, nada mais de US $ 27.000) . Uma vez que há sobreposição dessas faixas-a possibilidade de um resultado que melhora as fortunas de ambos os jogadores
-O jogo é diferente de zero-sum. Mas ainda há um conflito de interesses, porque quanto mais próximo o preço é de US $ 27, 000 o melhor para você, e quanto mais próximo é de
US $ 28.000 a melhor para o revendedor. Movimento ao longo do espectro entre US $ 27.000 e US $ 28.000 é totalmente de soma zero, porque diminui a sorte de um jogador
exatamente como ele levanta a sorte do outro jogador. Daí a negociação, o que por vezes pode levar ao engano, desconfiança, remorso do comprador, e assim por diante. A
negociação também pode levar a cair através-um resultado perde-perde do negócio, uma vez que cada jogador tenha perdido o ganho que um acordo teria trazido. e assim por
diante. A negociação também pode levar a cair através-um resultado perde-perde do negócio, uma vez que cada jogador tenha perdido o ganho que um acordo teria trazido. e
assim por diante. A negociação também pode levar a cair através-um resultado perde-perde do negócio, uma vez que cada jogador tenha perdido o ganho que um acordo teria
trazido.

Philo e Calígula tinha um-stakes mais elevados conflito de interesses do que um comprador do carro e um vendedor de carros. Calígula
queria ser adorado amplamente, e bolsões de resistência eram, portanto, perigoso: E se os pagãos começaram a imitar esta teimosia judaica? 22 Philo,
por sua vez, teria gostado de ver o fim de Calígula; outros imperadores tinha sido mais tolerante com os judeus. Mas, embora ambos Calígula e
os judeus poderiam ter desejado o outro não existe, tentando trazer esse desejo se concretizar tinha uma desvantagem proibitivo; o resultado
provavelmente seria perde-perde.

Isto por si só, a possibilidade de um perde-perde resultado, faz com que um não-jogo de soma zero. Afinal, um resultado que é negativo para
ambas as partes não adicionar até zero; há uma correlação de fortunas entre os jogadores, mesmo que seja para pior. Além disso, evitar uma
perda dupla é, em termos relativos, pelo menos, uma espécie de dupla vitória. O impasse nuclear de décadas durante a Guerra Fria foi, assim,
diferente de zero-sum, não porque todos os anos de uma guerra nuclear evitado com sucesso trouxe ganho mútuo, tangível, mas porque, se o jogo
tinha sido jogado de forma diferente, poderia ter trazido perda mútua, tangível . E aqui, também, a dinâmica não-zero-sum trouxe uma espécie de
tolerância; embora o Oriente eo Ocidente considerado o outro mais ou menos mal, nem tentou acabar com o outro.

Da mesma forma, a doutrina de tolerância de Philo não queria dizer que ele gostava deuses pagãos ou acreditava neles ou mesmo que ele
gostava pagãos. Houve pelo menos um pagão-Calígula, que ele detestava, e para que o assunto que ele não tinha especialmente grande respeito por
egípcios. (Em uma passagem que, embora ambígua, parece ser aplicável aos egípcios amplamente, ele os chama de “uma cama de semente do mal
em cujas almas tanto o veneno
e o temperamento dos crocodilos nativos e víboras foram reproduzidas.”) 23 Ainda assim, Philo viu a loucura de iniciar uma troca nuclear;
portanto, sua doutrina de tolerância.
Tinha poder foi drasticamente redistribuído-tinha uma rebelião judaica contra um dos imperadores romanos semitas mais anti repente pareceu
viável-Philo poderia ter atenuado a conversa sobre tolerância e paz. No que pode ter sido uma referência velada ao domínio romano, ele escreveu:
“Agora, quando a ocasião oferece é uma coisa boa para se opor a nossos inimigos e destruir o seu poder de ataque, mas sem tal oportunidade é
seguro para manter a calma, enquanto se deseja obter qualquer benefício a partir deles é vantajoso para propiciar-los.” 24

Philo aqui ilustra um ponto importante. A “lei de tolerância religiosa”, como previsto no capítulo
6, é incompleta. Ele disse que as pessoas estão mais abertas a deuses estranhos quando eles se vêem jogar um jogo de soma zero, com os
estrangeiros, ver suas fortunas correlacionados como positivamente com fortunas dos estrangeiros. Estritamente falando, o caso para tolerar
deuses de outras pessoas não sempre
dependem da lógica é diferente de zero-sum. Suponha que uma revolta judaica poderia ter sido facilmente superada por autoridades romanas, e
que teria beneficiado de alguma forma de subjugar, assim, os judeus, de modo que o resultado teria sido literalmente ganha-perde. Ele ainda teria
feito sentido para Philo para evitar mexendo-se problemas, uma vez que ele seria no lado perdedor. A versão alterada da lei de tolerância religiosa,
então, é que a tolerância é mais provável quando você se vê como perda de intolerância, independentemente da dinâmica parece de soma zero ou
não de soma zero; mas quando a dinâmica é visto como diferente de zero-sum quando ambos os lados se vêem como perdedor, então mútuo tolerância
faz sentido.

Então, de volta à pergunta original: Por que Philo defender a tolerância, enquanto os judeus em Israel dois séculos antes tinha esmagado
ídolos pagãos? Talvez só porque os judeus em Israel dois séculos antes pensavam que podiam fugir com ele. E eles estavam certos;
rebelaram-se com sucesso contra seus governantes imperiais. Pelo que sabemos, Philo, colocar em sua posição, teria feito a mesma coisa.

Isto pode parecer deprimente. Parece levar a “iluminação” fora de “esclarecimento moral”, transformando a “tolerância” em uma manobra
tática.
Mas a depressão não é necessariamente garantido. Por um lado, a sabedoria tática e esclarecimento moral não são mutuamente exclusivas.
O que começa como uma manobra tática, como a coexistência de má vontade, pode-se por várias razões evoluir para uma verdadeira apreciação,
mais filosófica de tolerância-valorização, mesmo, da beleza da crença diversa. Ter uma razão pragmática, egoísta para coexistir com as pessoas
pode ser (mesmo que às vezes não é) o primeiro passo para pensar sobre eles de uma forma nonselfish. E uma vez que você começar por esse
caminho, não há limite necessário. Os povos foram conhecidos para desenvolver e articular toda uma filosofia de-sincera cordialidade para com a
humanidade como um todo. 25

Game Theory ea Bíblia

A lógica não de soma zero que faz tolerância taticamente sábio, e às vezes pode levar a uma tolerância moralmente mais rico, é realmente uma
característica muito comum da vida. A existência humana está repleta de motivos servindo auto de começar a pensar menos egoisticamente, e essa
lógica surge repetidamente na Bíblia hebraica. Uma maneira de detectá-lo é olhar para os casos em que israelitas afirmam a validade de um deus
estranho. No livro de Juízes, Israel sofreu um revés militar nas mãos dos amonitas e que tão logo evitar novos conflitos. Seu líder militar, Jefté, pede
ao rei amonita “, você não deve possuir o seu deus Quemos dá-lhe possuir? E não deveríamos ser os únicos a possuir tudo que o nosso Deus Javé
conquistou para nosso benefício?” 26 Quando coexistência pacífica é de seu interesse, deuses estrangeiros merecem respeito.

Pelo menos, eles merecem o seu expressaram respeito. Ao se referir à terra que “seu deus Camos lhe dá a possuir”, Jefté é muito tato
abstendo-se de fazer uma afirmação feita em outros lugares na Bíblia: a de que, na verdade, era o Senhor, não Quemos, que tinha dado os
amonitas sua terra. Notavelmente, esta afirmação, como explosão de tolerância inter-religiosa de Jefté, vem por meio de justificar uma política de
coexistência pacífica. Javé está aconselhando os israelitas contra mexendo-se problemas com os amonitas: “Não atormentá-los ou envolvê-los na
batalha, porque eu não darei a terra dos amonitas para você como uma posse, porque eu tenho dado aos descendentes de Lot .”E Lot, como um
sobrinho de Abraão, era da família. 27

Assim, uma única peça de jogo teórica lógica, neste caso a lógica da convivência pacífica entre Israel e Ammon - pode ter diferentes
manifestações teológicas, dependendo do contexto retórico. Quando o público é amonita, o resultado é o respeito para um deus amonita.
Quando o público é israelita, o resultado é uma bússola expandida de preocupação do Senhor, um pouco de progresso em direção
universalismo moral; os amonitas estão em um sentido o povo do Senhor, também, os israelitas são contadas. De qualquer maneira, se o
desvio é em direção à tolerância inter-religiosa ou para o universalismo, há um tipo de progresso moral.

A extensão criteriosa de preocupação do Senhor para os amonitas ilustra por que, como argumentei no capítulo anterior, o caráter moral do
único e verdadeiro Deus, no momento de seu nascimento não importa muito no longo prazo. Mesmo que uma força motriz por trás do surgimento
monoteísmo parece ter sido a hostilidade, o Deus que emergiu não precisa permanecer hostil para os vizinhos de Israel. Mesmo que o
“universalismo” tantas vezes atribuído ao Deus do exílio é, em parte, um eufemismo para mais distantes
retribuição, esse Deus era capaz de amadurecimento, de mover-se em direção moral universalismo, em direção a compaixão universal. É verdade,
os escritos presumivelmente exílio de Ezequiel ter Deus prometendo que “Ammon será mais lembrado entre as nações.” 28 Mas Deus tinha me senti
mais calorosamente em direção Ammon no passado e poderia se sentir assim novamente no futuro. 29

Além do mais, mesmo que não haja retrocessos, cada explosão de crescimento moral Deus exposições, uma vez gravados na escritura, pode
ser revivido mais tarde, mesmo amplificado, quando as circunstâncias são propícias. A Bíblia hebraica exige repetidamente tratamento digno para
os estrangeiros que migram para Israel, e em um caso vai tão longe a ponto de dizer: “Amarás o estrangeiro como a ti mesmo, pois estrangeiros
fostes na terra do Egito.”
30 Philo, vivendo em um ambiente multi-étnica e querendo tanto para anunciar tolerância judaica e para acolher quaisquer convertidos dispostos ao

judaísmo, fez este verso a base para uma breve rhapsody: Deus quer que “todos os membros da nação de amar os incomers, não só como
amigos e parentes, mas como a si mesmos, tanto em corpo e alma: em questões corporais, agindo, tanto quanto pode ser para seu interesse
comum; no mental, tendo as mesmas tristezas e alegrias, para que eles possam parecer as partes separadas de um único ser vivo que é
compactado e unificado por sua comunhão na mesma.” 31

Ruth e Jonah

O Senhor das escrituras mostra rajadas repetidas de crescimento moral. O livro de Ruth, perto do fim da Bíblia hebraica, oferece-se uma revelação
notável: Rei David não tinha sido etnicamente puro. 32 Sua bisavó Ruth não era apenas um estrangeiro, mas um estrangeiro cujo país nativo tinha
dado Israel muita dificuldade ao longo dos séculos: Moab. Uma interpretação do passado, que multiétnica de David amor de Deus vai além dos
limites étnicos, e está disponível a todos os que o adoram-é sublinhada pelos detalhes da história de Ruth. “Rute, a moabita,” como é chamada, é
aceito em Israel depois de declarar sua fidelidade ao Senhor e provar sua bondade através do trabalho duro e bondade. Um homem israelita, após
conhecê-la e aprender sua história, declara: “Que o Senhor recompensá-lo por seus atos, e pode você tem plena recompensa do Senhor, o Deus
de Israel, sob cujas asas você veio para o refúgio!” 33 Então, facilitando este processo, ele se casa com ela.

Como explicar o espírito inclusivo do livro de Ruth? Teorias diferentes. Alguns estudiosos acreditam que foi escrito depois do exílio e que seu
pano de fundo é o casamento interétnico. 34 Quando os exilados da Babilônia voltou a Israel, eles encontraram muito casamentos entre judeus e
gentios, e os argumentos sobre a sua propriedade entrou em erupção. Na doutrina judaica, as forças anti-casamentos inter finalmente prevaleceu,
mas o livro de Ruth, esses estudiosos afirmam, é um legado literário das forças promarriage; se o próprio David descendente de um casamento
misto, autor de Ruth estava dizendo, então certamente os casamentos mistos não pode ser um pecado!

Outros estudiosos dar o livro de Rute uma origem mais cedo, talvez até mesmo voltar para o tempo de Davi e Salomão. Segundo a Bíblia,
Israel foi, em seguida, empregando muitos estrangeiros como trabalhadores em projetos reais e mercenários no exército. Talvez, o argumento, o
tema do livro de tolerância interétnica foi feito para validar a relação externa de um tipo econômico. 35

Observe que essas duas teorias compartilhar: a lógica não de soma zero. Quando os estrangeiros concordam em trabalhar para as elites,
elites de Israel e estrangeiros tanto ver ganho na relação. Quando os estrangeiros e os israelitas se casar, a noiva eo noivo plano tanto a ganhar
com o relacionamento. Em ambos os cenários, histórias enfatizando interétnica amizade-como o livro de Ruth-poderia lubrificar o jogo não de soma
zero em questão. E em ambos os casos israelitas beneficiando o jogo poderia encorajar a narração de tais histórias.

O ponto não é que uma dessas duas teorias é necessariamente correta. O ponto é apenas que elas fazem sentido, e que as teorias que
fazem sentido tenderá a se parecer com eles. Se você quiser explicar a promulgação de temas de amizade interétnica e tolerância, que ajuda
a encontrar pessoas que teriam lucrado com a promulgação, e estes serão geralmente pessoas que estão em um sentido ou outro jogar jogos
de soma zero, em todo étnica limites.

Independentemente de quando a história de Ruth surgiu e quando foi escrito pela primeira vez, a decisão de incluí-lo na Bíblia Hebraica veio
após o exílio, após o impulso monoteísta realçada no Segundo Isaías, após a condenação dos moabitas de Javé tinha aparecido em Sofonias ( “o
restante do meu povo os saqueará”) e em Ezequiel ( “porei abrir o flanco de Moabe desde as cidades na sua fronteira”). 36 Que “Rute, a moabita”
deve, no final, ser recebidos no cânon judaico é uma homenagem ao potencial evolutivo da moralidade.

Também encorajador é o livro de Jonas, um livro escrito provavelmente depois do exílio e, como Ruth, certamente admitido no cânon judaico
então. Se você perguntar às pessoas para citar um fato notável sobre Jonas, eles podem notar que ele passou um tempo dentro de uma baleia
(ou, como a Bíblia realmente diz, um grande peixe) e viveu para contar a história. Mas isso não é tão notável quanto outra de reviravoltas na
história do livro.
Como a história começa, Deus disse a Jonas para ir pregar na cidade de Nínive, para repreender os Ninevens por seus maus caminhos.
Jonah resiste à sua vocação. Ele tenta fugir em um barco, apenas para ser engolido pelo mar e pelos peixes depois de uma tempestade
induzida por Yahweh. Deus libera-lo, mas insiste que ele ir a Nínive e cumprir sua missão. Há Jonas avisa as pessoas sobre a punição
iminente de Deus. Este recebe a atenção do rei de Nínive, que conta com urgência seu povo
arrepender-de jejuar, usar saco, e “se converter dos seus maus caminhos e da violência que há nas suas mãos. Quem sabe? Deus pode ceder e
mudar sua mente; ele pode desviar da sua ira, de modo que nós não perecer.” 37

Deus realmente se arrepende, e Jonas não está satisfeito. Este é apenas o que ele temia ao primeiro dado a sua atribuição pregação, ele
diz -que Senhor iria revelar no final para ser um “Deus misericordioso e compassivo, lento para a cólera e cheio de amor.” 38 repulsa de Jonas em
tal misericórdia pode parecer estranho, mas consideram que Nínive é a capital da Assíria, o império que durante tanto tempo atormentado Israel. 39
A esta luz, se alguma coisa deve parecer estranho que é a compaixão do Senhor para os Ninevens. Certamente Jonas não braças-lo. O livro
termina com Deus tentando explicar-lhe: “Eu não deveria estar preocupado com a Nínive, a grande cidade, em que há mais de cento e vinte mil
pessoas que não sabem a mão direita da esquerda ...” 40

Este versículo não é surpreendente apenas porque é Ninevens que Deus está preocupado, mas por causa da sutileza de sua preocupação.
Apesar de seu arrependimento é ostensivamente o que eles ganharam o perdão, Deus parece tolerante com a confusão moral que eles têm na
casa do cachorro para começar. Quando ele diz que “não conhecem a sua mão direita da esquerda”, ele está dizendo, no vernáculo do dia, que
eles não sabem o bem do mal.

Tradicionalmente, este tipo de ignorância, sem saber bem do mal-é o que despertara a ira de Deus, não sua compaixão. Foi por isso que os
israelitas haviam sofrido tanto porque se esquecia que adorando outros que o Senhor deuses era mau, eo Senhor punidos tal ignorância. E foi por
isso que Deus tinha prometeu punir aproximadamente a cada nação conhecida: porque não tinha percebido que era ruim para atacar ou insultar o
povo do Senhor. Agora, de repente o Senhor não só tem pena o moralmente obtuso, mas se compadece-los, mesmo se eles são perseguidores
passado de Israel. No livro de Ezequiel, Deus estava orgulhoso de ter feito Assíria sofrer “como a sua maldade merece.” 41 Agora, em Jonas, o
sofrimento dos assírios dá a Deus não agrada, e sua maldade ele vê confusão lamentável. Este é um deus capaz de um crescimento radical.

As virtudes do Império

Capacidade de crescimento é uma coisa boa, mas o que o mundo realmente precisa é de um deus que faz crescer. Hoje, a globalização fez com
que o planeta muito pequeno para acomodar pacificamente grandes religiões que estão em desacordo. Se o deus-o de Abraão, Deus de judeus e
o Deus dos cristãos eo Deus de Muslims- não promover a tolerância, então estamos todos em apuros. Precisamos de um Deus cujas simpatias
corresponder à escala da organização social, a escala global. O que a Bíblia hebraica nos dizer sobre as perspectivas de um deus global?

Nos tempos antigos, a coisa mais próxima à globalização foi a formação de impérios multinacionais. Pessoas de diferentes etnias e religiões
foram puxados juntos sob o mesmo teto, em uma única plataforma de intercâmbio econômico. Vida entre esses povos era, como a vida entre os
diversos povos em um mundo globalizado, não de soma zero: havia ganho mútuo se deu bem e colaborou, e perda mútua se não o fizessem.
Depois do exílio Israel encontrou-se nesta mesma situação; uma nação que uma vez tinha sido independente, ou má vontade tinha aceitado o
status de estado vassalo, foi agora firmemente arraigados em um império-um império dispostos a respeitar a sua religião, desde que ele se deu
bem com seus vizinhos. Então a questão é: Será que o Deus de Abraão, nos primeiros anos do monoteísmo, evidenciar a sensibilidade para o
tipo de diferente de zero-sumness que caracteriza o mundo moderno? Será que o Deus de Israel crescer moralmente quando o crescimento
moral era do interesse dos israelitas?

Os dois pontos de dados acima Ruth e Jonah-são certamente encorajadores, assumindo estes livros são realmente pós-exílico. simpatia
recém-descoberta do Senhor para Ninevens, no livro de Jonas, foi simpatia por um povo que estava agora parte do mesmo império como os
israelitas. Assim também com o livro de atitude inclusiva de Ruth para os moabitas. Em partes da Bíblia escritos antes do exílio, origens, os
moabitas tinha sido lançada em termos depreciativos; seu fundador, Moab, foi um produto de incesto, nascido de um encontro sexual bêbado entre
Lot e uma de suas filhas. 42 Agora, postexile, moabitas conseguir um lugar mais respeitável na família árvore-são ancestrais do próprio rei David.
Que diferença faz um império!

Talvez a melhor evidência para o crescimento moral de Deus após o exílio vem via o autor bíblico (ou autores), conhecida como a fonte
Sacerdotal. A fonte Sacerdotal (postulou pela primeira vez como parte da hipótese de Wellhausen discutido no capítulo 5) é assim chamado
porque ele reflete a perspectiva da classe sacerdotal. A maioria dos estudiosos julgar o Priestly source- “P” para breve -para tenho escrito quer
durante o exílio ou logo depois (ou, possivelmente, ambos). 43 De qualquer maneira, parece seguro dizer que P teve a bênção da liderança do
Império Persa. Afinal, os persas, no retorno israelitas para Jerusalém postexile e concedendo Israel algum grau de auto-governo, queria classe
dominante de Israel de ser confiável de suporte de objetivos imperiais, e teria exercido influência em conformidade. Então, se P é composta por
sacerdotes que estavam escrevendo logo após o exílio, estes são os sacerdotes que passaram reunir com a Pérsia. Assim também se P estava
escrevendo durante O exílio; tinha os sacerdotes que dominou na Babilônia durante o exílio não foi do agrado de Persia, seus escritos
provavelmente não teria se tornado uma influência formativa em Israel pós-exílico. Em toda a probabilidade, P é a voz do império, e seus valores
são esses Persia queria
implante no novo Israel.
Um olhar sobre a visão de mundo de P sugere que o império pode realmente expandir os horizontes morais. Para começar, P está mais
inclinado do que anteriores autores bíblicos dizer que muitas nações, não apenas Israel-figura diretamente no plano de Deus. Nos textos
pré-exílico, há descrições de Deus ter prometido a Abraão que grandes coisas estava na loja para seus descendentes: eles seriam muitos, e que
iria trazer coisas boas para a terra. Mas a única referência a uma entidade política real que emana de Abraham está no singular: “Farei de ti uma
grande nação, e te abençoarei, e engrandecerei o teu nome.” 44

Segundo a fonte Sacerdotal, a promessa de Deus a Abraão é um pouco diferente: “Você deve ser o antepassado de uma multidão de
nações.” 45
Uma mudança semelhante de ênfase vem na história de Jacó, neto de Abraão e pai de Israel. Em uma parte do Gênesis, que parece ter sido
escrito antes do exílio, o destino de Jacob é explicitado nestas instruções de seu pai, Isaac: “sirvam-te povos, e nações se encurvem a ti.” 46 Na
escrita de P, por outro lado, de Isaac despedida desejo de Jacob é que Deus possa abençoá-lo de modo que ele vai “tornar-se uma comunidade de
povos.” 47 E, de acordo com P, o próprio Deus reforça esta visão mais comum, dizendo Jacob que uma “nação e uma comunidade de nações” emitirá
a partir dele. 48

Se a fonte Sacerdotal está realmente aqui exibindo o impulso internacionalmente inclusive do império, que poderia explicar algumas outras
coisas em particular, os curiosos termo “El Shaddai.” Como vimos no capítulo 5, o termo é comumente processado como Deus Todo-Poderoso
(embora a parte “Todo-Poderoso” pode ser um erro de tradução, ea parte “Deus” pode ser enganador, uma vez que “El” poderia ter referido quer
para “deus” genericamente ou o deus específico chamado El). Há também vimos o Senhor, no livro do Êxodo, aparecem a Moisés e explicar que
Abraão, Isaac e Jacob não tivesse conhecido como o Senhor, mas sim como “El Shaddai.” Na tentativa de dar sentido a essa tentativa de equiparar
o Senhor com outro deus, nós assumimos que a história tinha entrado tradição israelita muito cedo, talvez refletindo a convergência de diversas
tribos para formar Israel: talvez, nós dissemos,

Mas também é possível que a história tomou forma muito mais tarde e reflete realities- política mais tarde e talvez essas realidades eram
sobre o ambiente internacional de Israel, e não sua política interna. Por isso, é notável que este verso, Êxodo 6: 3, é geralmente atribuída à fonte
Sacerdotal. É possível que esta equação de Javé com El Shaddai de alguma forma servido objectivos da harmonia imperial da Pérsia, e, portanto,
das relações suaves entre Israel e seus vizinhos?

Outros indícios sugerem tanto. A única outra vez a Bíblia equivale Yahweh e El Shaddai também vem em uma passagem atribuída ao
Priestly fonte-e vem em aquela passagem, descrito acima, onde P tem Deus prevendo que ele vai fazer de grandes Abraão “nações”, não apenas
uma “nação”. 49 Além disso, nessas duas passagens em que uma visão semelhante comum é dada a Jacó, Deus é novamente referido como “El
Shaddai” (embora não explicitamente identificada com Yahweh). 50 Assim, existem três passagens Sacerdotais separadas, onde o termo “El
Shaddai” está ligada a uma visão comum do da linhagem de Abraão futuro, a uma comunidade, quer de “nações” ou “povos”. Isso é um monte de
passagens, dado que o termo “El Shaddai” aparece apenas sete vezes em toda a Bíblia hebraica! 51

Mas qual é a ligação lógica exata entre este nome particular para Deus e linguagem internacionalmente inclusiva? Uma possibilidade é que
uma ou mais das nações que estavam, como Israel, parte do império persa chamado seu Deus El Shaddai, e P foi afirmando que o seu deus e
Deus de Israel eram uma ea mesma coisa. 52

Outra, mais interessante, possibilidade é que P está pensando em uma escala maior, resolvendo uma espécie de tensão criada na psique de
Israel pelo projeto de consolidação imperial. Em Gênesis, P estabelece uma árvore genealógica abrangente dos patriarcas nacionais no Oriente
Médio e, assim, estabelece os graus de parentesco entre as nações. (Por exemplo, desde patriarca de Edom, Esaú, como patriarca de Israel,
Jacob, é um filho de Isaac, Israel e Edom estão intimamente relacionados.) Esta “mesa das nações” não é uma composição original; P está se
consolidando e, por vezes, completando linhagens patriarcais estabelecidas por outros autores bíblicos. Ainda assim, como o estudioso suíço
Konrad Schmid sugeriu, P de montagem do material em uma árvore de família única pode ser uma tentativa de atacar uma nota de harmonia com
as nações vizinhas.

Certamente isso poderia fazer sentido do ponto de vista persa; uma vez que muitas nações em que a árvore agora faziam parte do Império
Persa, os laços de parentesco dentro do império foram enfatizados. Na verdade, por tudo que sabemos, a mesma árvore genealógica foi
promulgada em outras partes do império, com a mesma moral implícita. Em qualquer caso, dentro de Israel a moral teria sido clara: patriarca de
Israel, Jacob, foi relacionada com no entanto distante em alguns casos-to patriarcas em todo o império.

Mas isso é onde a tensão surge entre o projeto imperial e auto-estima de Israel. Se a montagem da árvore de família enfatizou o fato
anteriormente obscuro que Jacob foi o neto de Abraão, e se Deus de Abraão tinha sido, tradicionalmente, El Shaddai, em seguida, a árvore de
família seria retratando de Israel deus Yahweh como em alguns subordinados sentido para outro deus a não ser, é claro, descobriu-se que o
Senhor e El Shaddai foram apenas dois nomes diferentes para o mesmo deus. 53

Neste cenário P é resolver o problema criado pela própria idéia de uma família internacional por árvores mantendo deus de uma determinada
nação em cima, não obstante a natureza hierárquica das árvores genealógicas. 54 Mas se esse era o problema enfrentado P, o que equivale ao
Senhor com o Deus de Abraão não seria por si só atender a
desafio. Para que a árvore foi além de Abraham, e sugeriu que alguns patriarcas nacional poderia fora-rank mesmo ele. Considerando Abraão era
descendente décimo-geração de Noé, os patriarcas dos assírios e os sírios eram descendentes de terceira geração! Agora, talvez tais convém
estado dois desses constituintes estimáveis ​do Império Persa, mas como deve um teólogo israelita, tais como P, lidar com a estatura implícita de
seus deuses nacionais? Era o deus Assur da Assíria Além disso o mesmo que o Senhor?

Talvez por isso. Acontece que El Shaddai não é o desvio mais comum de P a partir do nome Javé.
Esse título vai para a palavra elohim. E este desvio pode ter significado geopolítico ainda mais amplo.

Deus com um capital G

A palavra elohim pode ter entrado hebraico via aramaico, a língua dos arameus, que viveu norte de Israel. Este nome aparece nas escrituras
presumivelmente pré-exílico, bem como na Priestly fonte, não é surpresa, desde aramaico tinha vindo a crescer como uma língua franca regional
desde o século VIII. Mas da mesma forma, porque o termo elohim assim conotado a superação dos limites-lo nacionais se adapta especialmente
bem em perspectiva internacionalista de P; elohim sugerido, como um estudioso colocá-lo, uma divindade que era “internacional e inespecífica.” 55

De fato, Elohim é o termo usado para Deus quando P carrega sua governança em todo o planeta. É P que acrescentou à história de Noé a ideia
de que o arco-íris foi criado após a grande inundação como o sinal de “uma aliança eterna entre Deus e todo ser vivente de toda a carne que está
sobre a terra” -e a palavra usada para “ Deus”nessa passagem é Elohim. Assim também é P que, no primeiro livro de Gênesis, tem “Elohim”
abençoar toda a espécie humana e dar-lhe a custódia da terra. 56

Konrad Schmid vê três nomes diferentes da P para Deus-Elohim, El Shaddai, e Yahweh- correspondente a três “círculos concêntricos”. A fonte
Sacerdotal, diz ele, representa “um círculo de todo o mundo que Deus permanece como Elohim, um círculo abraâmica ao qual Deus se relaciona
como El Shaddai, e “finalmente um círculo israelita dentro do qual Deus pode ser chamado com seu nome real e culto de Javé. 57 Neste ponto de
vista, o termo Elohim adquire um novo sentido para Israel depois do exílio; P, com efeito, mudou-lo de um substantivo genérico (nosso deus, o deus
deles) em um nome próprio (Deus). 58 Em certo sentido, isso é surpreendente e não pode ter parecido novo; Se você é um monoteísta, como P,
então o substantivo genérico para deus quase tem a ser, em certo sentido, o mesmo que o nome próprio para Deus. Ainda assim, Schmid pensa
esta manobra gramatical tinha uma implicação sutil que era novo: P estava dizendo que os deuses das diferentes nações de todos os Elohins-são
apenas diferentes manifestações da mesma divindade subjacente: Elohim com um capital E.

Compare o tipo de monoteísmo atributos Schmid para P com o tipo encontrado em Segundo Isaías. Há monoteísmo surge através da exclusão dos
deuses de outras nações. O sentido é que essas nações-Neste ponto os inimigos de Israel, estão errados ao acreditar em seus deuses, e não vai
ver quem é o Deus verdadeiro é até que eles têm um encontro chocante com ele ( “Eu vou fazer seus opressores comam o seu próprio carne. ...
Então saberá toda a carne que eu sou o Senhor vosso Salvador”). 59 A fonte Priestly, ao contrário, afirma o monoteísmo por afirmando a existência de
deuses de outras nações. Com P, ao que parece, o monoteísmo de Abraão foi convertido a partir de um ferozmente nacionalista e exclusiva
teologia teologia presente em sua criação, para uma mais internacional e inclusivo.

Se assim for, este é mais um tributo à maleabilidade de Deus. O monoteísmo surgiu como uma ferramenta para elevar israelitas acima de
seus vizinhos, e agora estava se tornando uma forma de colocar Israel na mesma plataforma como seus vizinhos. O deus de Abraão estava
crescendo.

Mas sobre aqueles egípcios ...

Havia limites para o crescimento. Afinal, o Império Persa não incluiu todo o mundo. Na verdade, depois do exílio do império tinha uma grande rival
pelo domínio: Egipto. Se de fato P é a voz do império persa em torno do fim do exílio, em seguida, seria de esperar a sua atitude em relação ao
Egito, e da teologia do Egito, para ser nomeadamente falta de caridade; o Deus postexilic pode ser universal no domínio, mas isso não significa que
suas simpatias são uniformemente espalhados por todo o globo.

E, com certeza, em P de renderização Egito parece ser do outro lado de uma divisão moral. Para começar, em que “mesa das nações,”
nenhuma nação é mais distantemente relacionados com Israel do que o Egito. Considerando Abraão, patriarca de Israel, é descendente de filho
de Noé, Shem, que a Bíblia identifica como um adorador Senhor, 60 Egito é descendente de outro dos filhos de Noé, Ham, cuja filiação religiosa não
é mencionado e que é enfaticamente de má reputação. 61

estado moralmente duvidoso do Egito é reforçada pela adição de P a narrativa histórica da Bíblia. Para ter certeza, a fonte Sacerdotal não inventar
o antagonismo com o Egito que permeia o livro de Êxodo; versos pré-exílio também transmitir inimizade, e quase certamente algumas das tribos
originais de Israel tinha uma história verdadeira do conflito com o Egito. Ainda assim, a fonte Sacerdotal aprofundou demonização da Bíblia do
Egito.

É P, por exemplo, que nos diz que “Os egípcios tornou-se implacável na imposição de tarefas na
Israelitas, e fizeram amargar a vida com dura servidão.”Então os israelitas‘gemeu sob sua escravidão, e gritou,’e Deus ouviu. E, depois de ouvi-los,
Deus sons, para o Egito, a forma como ele parecia para apenas sobre cada nação de volta quando o Segundo Isaías foi representando
praticamente o mundo inteiro como o inimigo de Israel. “Os egípcios saberão que eu sou o Senhor, quando estender a minha mão contra o Egito e
trazer os israelitas do meio deles.” 62

A fonte Sacerdotal, em seguida, dá conta da mão estendida de Deus: Senhor transforma todo o abastecimento de água do Egito em sangue e,
como se isso não bastasse, tem as rãs que antigamente habitavam o enxame de água egípcios. Então é hora de trazer sobre os bugs-piolhos,
mosquitos, ou mosquitos, dependendo da tradução. Em seguida, o Senhor inflige “festering ferve” na pele de todos os seres humanos e animais no
Egito. Então, uma noite ele mata todos os seres humanos primogênito e animal no Egito, um evento que P narra pouco antes de prescrever a festa
da Páscoa com a qual israelitas são para comemorar para sempre esta noite. 63 Aqui a voz do império persa está ajudando a garantir que a inimizade
para com EGITO- direção a um inimigo do Império Persa -Será figura central no calendário ritual do judaísmo.

Em meio a narrativa Páscoa, a fonte Sacerdotal parece ficar em algum problema teológico. P tem o Senhor declarar que “em todos os
deuses do Egito executarei juízos.” 64 De Deus? Mas não é P suposto ser um monoteísta? Sim, mas P pode ser imaginando um dia, havendo mais
do que uma deus em terra, antes de voltar Senhor assumiu o controlo total. E, uma vez que um dos “julgamentos” Yahweh pode ter “executado”
era a pena de morte, esta história poderia servir como um marco na emergência do monoteísmo. Em qualquer caso, esta passagem estranha leva
para casa o fato de que, mesmo se Schmid é certo e a deriva essencial da teologia de P é internacionalmente inclusive, não é universalmente

inclusive. Aparentemente, se deuses querem se qualificar para inclusive de P teologia-se eles querem ser manifestações de Elohim - ajuda
para eles para ser anexado a uma nação que está dentro do Império Persa.

Em suma, P é uma voz de amizade distantes, mas não amizade universal. Então o deus descrito por P-o Deus mais ou menos oficial dos
israelitas após o seu regresso do exílio-hadn't crescido tanto quanto gostaríamos. Mas nós realmente poderia pedir mais? Depois de tudo, no tempo
de P, os tendões da sumness não-zero não tinha esticado em toda a volta do mundo; Israel não tinha oportunidades ganha-ganha com, digamos, o
Leste Asiático, e não havia perspectivas, mesmo ao vivo para a colaboração com o Egito, desde que o Egito estava na lista de inimigos da Pérsia.
O deus de Abraão tinha estendido sua simpatia para as fronteiras da percepção diferente de zero-sumness, que é tudo o que esperamos de um
deus.

Mas é Deus?

Ou melhor, todos nós esperamos de um “deus”. O Deus que eu estive descrevendo é um deus entre aspas, um deus que existe na cabeça das
pessoas. Quando eu disse no capítulo 5, por exemplo, que o Senhor era forte ainda compassivo, eu só queria dizer que seus adeptos pensava
nele tão forte ainda compassivo. Não havia nenhum motivo especial para acreditar que havia um Deus “lá fora” que combinava com essa
concepção interna. Da mesma forma, quando eu digo que Deus mostra o progresso moral, o que eu realmente estou dizendo é que o povo de

concepção de Deus se move em uma direção moral progressiva.


Do ponto de vista de um crente tradicional, é claro, este não é um pensamento inspirador. De fato, ao todo, a visão de mundo que eu estou
colocando para fora quantidades a um tipo de piada boa notícia / má-notícia para tradicionalistas cristãos, muçulmanos e judeus. A má notícia é que
o deus que você pensou que nasceu perfeito foi de fato nascido imperfeito. A boa notícia é que esse deus imperfeito não é realmente um deus
qualquer maneira, apenas uma invenção da imaginação humana. Obviamente, para o crente tradicional, tudo isso é uma má notícia.

Então, novamente, os crentes tradicionais entrar na conversa com grandes expectativas: a de que uma teologia antiga que tomou forma
milênios antes que a ciência começou a revelar a natureza do mundo deve sobreviver moderno reflexão crítica ileso. Estes dias, há pessoas que
chamam a si mesmos inclinação religiosa, ou pelo menos espiritualmente inclinado, que pedem menos. Eles nascem em um mundo científico
que parece oferecer nenhum sustento especial ao inquérito espiritual, e que iria se contentar com evidências de que esta investigação não é
sem esperança, afinal. Eles são um pouco como Fyodor Pavlovich em Os irmãos Karamazov. Quando informado por seu filho ateu que não há
Deus e há imortalidade, ele reflete com tristeza: “Não há nada absoluto, então.” Mas então ele pressiona: “Talvez haja apenas uma coisa?
Qualquer coisa é melhor que nada."

Existe alguma coisa? Há alguma coisa? Existe alguma evidência de alguma coisa? Qualquer sinal de que há mais vida do que a soma de suas
partículas subatômicas algum propósito maior, algum significado mais profundo, talvez até mesmo algo que se possa qualificar como “divino” em
algum sentido da palavra? Se você se aproxima da busca espiritual com esperanças este modesto com o ceticismo humilde da modernidade em
vez da certeza revelada do mundo antigo, então uma avaliação racional da situação pode ser mais edificante. Pode haver, como Fyodor Pavlovich
iria colocá-lo, alguma evidência de algo.

O que pode qualificar-se como evidência de um propósito maior no trabalho no mundo? Por um lado, uma direção moral da história. Se a
história naturalmente carrega a consciência humana em direção à iluminação moral, no entanto devagar e irregularmente, isso seria evidência de
que há algum ponto para tudo. Pelo menos, seria mais provas do que a alternativa-se a história mostrou nenhuma direção discernível, ou se a
história mostrou uma direção para baixo: a humanidade como um todo ficando mais moralmente obtuso, mais vingativo e intolerante.
Ou, para colocar o ponto de volta para o contexto em questão: Na medida em que “deus” cresce, que é uma evidência, talvez não evidência
maciça, mas alguns evidências de propósito maior. O que levanta a questão: Se “deus” de fato cresce, e cresce com persistência teimosa, isso
significa que podemos começar a pensar em tomar o aspas off? Ou seja: se a concepção humana de Deus apresenta crescimento moral, e se
isso reflete o crescimento moral correspondente por parte da própria humanidade, e se o crescimento moral da humanidade flui de dinâmicas
básicas subjacentes história, e se concluir que este crescimento é, portanto, evidência de “propósito maior,” faz este montante a evidência de um
deus real?

Não vamos chegar à frente de nós mesmos. “Propósito maior” é uma bonita termo vago, e você pode imaginar que está sendo transmitida por
algo muito diferente do que um deus como deuses são tradicionalmente concebido. 65

De qualquer forma, nós vamos entrar em algumas das implicações teológicas de uma história moralmente direcional no próximo capítulo. Em
seguida, nos capítulos seguintes, vamos nos concentrar na própria história. Vou tentar mostrar que no cômputo geral, não obstante rajadas de
apostasia, concepções humanas do divino fazer chegar moralmente mais rico-que “Deus” tende a crescer moralmente porque a humanidade é em
si crescendo moralmente. E a razão, eu vou argumentar, é que as circunstâncias propícias ao crescimento da moral amplitude e densidade de não
de soma zero dinâmica de intensificar o passar do tempo. A evolução tecnológica (rodas, estradas, cuneiforme, alfabetos, trens, microchips) coloca
mais e mais pessoas em relação não de soma zero, com mais e mais pessoas em cada vez maiores distâncias, muitas vezes através de fronteiras
étnicas, nacionais ou religiosos. Isso não garante progresso moral,

Que o crescimento teimosa de non-zero-sumness é central para a história humana, embutido no próprio motor da evolução cultural, é um
argumento que o espaço não permite que eu faça no comprimento. (Eu fiz isso no meu livro anterior Diferente de zero.) Mas este crescimento
não-zero sumness vai no entanto ser visível como este livro prossegue, e crescimento de Deus continua. Ele será o principal motor por trás do
crescimento de Deus. Ou talvez nós devemos apenas dizer o “motor” por trás do crescimento de Deus, uma vez que a possibilidade persiste que
este crescimento não-zero sumness foi-se posto em movimento por outra coisa-concebivelmente um deus fashoned de idade, como tradicionalistas
poderia esperar, e possivelmente algo mais abstrato, mais filosoficamente moderna; mas em qualquer caso, algo mais profundo.

No entanto, antes de prosseguir com a história do crescimento de Deus, vale a pena dar uma olhada no antigo pensador abraâmica que
tentou supremamente para ter as duas coisas: ver divindade abstrata, como uma espécie de lógica que atravessa a história, mas a fazê-lo uma
forma que preservou a satisfação emocional da religião tradicional. Quando isso acontece, esse pensador foi Filo de Alexandria.
Capítulo Nove

Logos: o algoritmo Divino

T ele conflito entre ciência e religião é, por vezes escalado como uma metáfora, como geográfica uma tensão entre Atenas, antigo manancial da
filosofia secular, e de Jerusalém, símbolo da verdade religiosa revelada. Muitos pensadores religiosos primeiros ignorado essa tensão ou tentou
minimizá-lo. “O que tem Atenas a ver com Jerusalém?”, Perguntou o teólogo cristão Tertuliano cerca de 200 CE. Quanto menos, melhor, ele se
sentia. Tendo recebido a verdade revelada através de Cristo, “Não queremos disputa curiosa.” 1

Bem, isso era então. Hoje a ciência é tão claramente poderoso que os teólogos não pode casualmente descartar o conhecimento secular.
Para as pessoas mais educadas e atenciosas, Atenas e Jerusalém deve ser conciliado ou Jerusalém vai cair fora do mapa.

Dois milênios atrás, Filo de Alexandria sentiu este imperativo intimamente. Alexandria estava situado entre Atenas e Jerusalém
-physically, e não apenas metaforicamente e Philo foi amarrado a ambas as culturas. Sua herança judaica e seu milieu grego juntos inspirou-o
a procurar uma síntese da teologia bíblica ea filosofia grega. Ele partiu para mostrar que a religião revelada não só poderia resistir ao desafio
da razão, mas ser alimentada pela razão, e vice-versa.

De certa forma, este é mais um exemplo da lógica não de soma zero encorajador síntese intelectual. Assim como a interdependência das
cidades mesopotâmicas no terceiro milênio aC os levou a tecer um panteão pan-sumério, a interdependência dos judeus como gregos levou Philo
para fundir o pensamento judeu e grego. E isso não era apenas uma questão de cálculo, de Philo percebendo que judeus e gregos se dariam
melhor se eles viram suas visões de mundo como compatível. Philo participou do grego cultura-teatro, corridas de cavalos, lutas de boxe e, sem
dúvida, tinha amigos próximos que estavam intelectuais gregos. 2 Os amigos mais próximos são, mais forte sua necessidade de compartilhar uma
visão de mundo comum. Esta é apenas a natureza humana: os nossos instintos para jogar jogos de soma zero, para manter aliados sociais,
promover a convergência intelectual, assim como nossos instintos para jogar de soma zero jogos incentivar clivagem intelectual quando definimos
as pessoas como inimigos.

E, diferente de zero-sumness lado, havia o problema da dissonância cognitiva. Philo acreditava que todo o Judaísmo e grande parte da
filosofia grega fosse verdade, e enquanto eles pareciam em desacordo, ele não podia descansar fácil. 3

Mas sua missão foi além tornando-os compatíveis. Se a revelação original da verdade última tinha de fato vem de Javé, em seguida, os
insights mais profundos da filosofia grega deve ter sido prefigurada na escritura. Argumentando neste caso exigiria destreza intelectual tudo de
Philo e renderia um criativo, muitas vezes alegórico, interpretação da Bíblia. “Leu Platão termos Moisés e Moisés termos Platão ao ponto que
convencido que cada dissera essencialmente mesmos coisas” escreveu historiador religiosa Erwin Goodenough cujo vários livros XX século
cedo-sobre Philo ajudou a estabelecer sua posição como um dos mais importantes pensadores da antiguidade. “De fato, ele costumava dizer que
Platão tinha plagiou suas idéias de Moisés, mas suas interpretações bíblicas ler muitas vezes, como se pensou Moisés tinha sido treinado por
Platão.” 4

No entanto tensas alguns dos ginástica intelectual de Filo, eles produziram algo de valor duradouro. Se pessoas de qualquer abraâmica fé,
judaísmo, cristianismo ou do islamismo-está procurando o mais antigo teólogo abraâmica cuja linguagem se presta a uma sensibilidade moderna,
Philo pode ser seu homem. Para essa matéria, se eles estão olhando não para a linguagem teológica amigável-ciência mais antiga, mas apenas
para o melhor linguagem teológica amigável-ciência, Philo ainda pode ser seu homem. No núcleo do seu corpo, por vezes desajeitado da teologia é a
base de uma teologia moderna viável.

A ponte entre Atenas e Jerusalém é apenas um dos projectos de construção interculturais Philo avançada. Enquanto Jesus estava pregando
na Galiléia, Philo, lá em Alexandria, foi colocar para fora uma visão de mundo com ingredientes-chave e terminologia específica, que iria aparecer
no cristianismo, pois solidificou durante os próximos dois séculos. Enquanto isso, outras partes da sua escrita são uma reminiscência do budismo, e
para que o assunto das tradições místicas que desenvolvem no judaísmo, cristianismo e islamismo. Aqui, também, Philo está antecipando o
moderno-antecipando uma prática espiritual que não precisa (embora possa) envolvem uma divindade governante. Mas esses feitos são
excrescências da missão que foi querida ao coração de Philo, e com a qual devemos começar: a reconciliação da religião judaica e da filosofia
grega.

Deus como programador

síntese entre fé e razão de Philo variou em todo o mapa, como afirmou a racionalidade última do não apenas teologia, mas ritual. (Aparentemente,
ele foi a primeira pessoa a defender o rito judaico da circuncisão por motivos de higiene pessoal.) 5 Mas do ponto de vista moderno, sua maior
contribuição pode ter sido para enfrentar o obstáculo mais óbvio para aproximação entre
religião tradicional e uma sensibilidade científica: a idéia de um deus antropomórfico e freqüentemente intervencionista.

Na Bíblia, Deus tinha sido ocasionalmente descrito como fisicamente antropomórfico (sentado em um trono, por exemplo) e, muitas vezes
como psicologicamente antropomórfico (propenso a ciúme, raiva, e assim por diante). Essa concepção de deuses foram caindo em desuso entre
os filósofos gregos desde Xenófanes, cinco séculos antes da época de Philo, observou sua arbitrariedade. Se os cavalos e gado fez teologia, ele
afirmou: “cavalos gostaria de chamar as formas dos deuses como cavalos e gado, como gado”. 6 Enquanto isso, um deus-a com frequência
intervencionista deus que implantado pragas, tempestades e raios de fogo para manter a humanidade no caminho certo-não coexistem
facilmente com uma visão de mundo científica. Essa visão de mundo não iria amadurecer por quase dois milênios depois de Philo, mas seu
espírito que anima, e sua aspiração de explicação universal, tinha surgido séculos antes, na época de Aristóteles.

Philo com folga despachado representação antropomórfica da Bíblia de Deus, chamando-a alegoria. 7
E, como para o que Deus estava como se ele não era como um ser humano: embora Philo parece ter concebido de Deus como em alguns sentido
pessoal, 8 o resultado foi que “nenhum nome nem falassem nem concepção de qualquer tipo é adequada.” 9

Mas alijamento um deus antropomórfico e muitas vezes intervencionista representava um problema. Foi fácil o suficiente para dizer que Deus
desafia a concepção humana e está fora em outra esfera, além do meramente material que ele é inefável e transcendente. Mas se esse for o caso,
então o que exatamente é a sua conexão com o mundo? Como ele consegue crédito para o seu funcionamento todos os dias? Além disso, qual é
a sua conexão com nos? Como podemos obter consolo, sustento espiritual, e orientação moral de um deus que foi selada? As Good-suficiente
colocar o desafio Philo enfrentado, “Deve haver um Ser Alheios que ainda está de alguma forma relacionado.” 10

Philo respondeu a este desafio com uma palavra: “logos”. A palavra era tanto uma parte do discurso grega todos os dias e um termo técnico
na filosofia grega. Foi a forma substantiva de um verbo que significa “falar” e “contar”, e assim, naturalmente, significava “discurso” e “conta” ou
“computação.” Mas pelo tempo filósofos antigos conseguiu passar com ele, ele tinha vindo ter muitos significados, como “razão” e “ordem”. 11 Em
sua missão de reconciliar um Deus transcendente com um Deus ativo e significativo, Philo iria recorrer a todos esses significados, e muito mais.

Por um lado, Logos de Philo era, como Goodenough colocá-lo, o “princípio de raciocínio no universo” e “Lei Natural para todos os homens e
da matéria”. 12 Nesse sentido, era parecido com o que os cientistas modernos chamariam as leis básicas da física, química e biologia-as regras que
mantêm a operação mundo e intacta. O Logos, escreveu Philo, era “uma tal ligação do Universo como nada pode quebrar.” 13

Mas Logos de Philo tinha uma profundidade divina que meras leis da falta ciência. Por um lado, animando a matéria e os homens, animada
história. Pode-se dizer o mesmo sobre as leis da ciência, é claro, mas se essas leis não são deus-dado, não há razão para esperar que a história
se animar para levar a nada em particular. O Logos, pelo contrário, tinha em vista dada a história de Philo uma direção-na verdade, um sentido
moral: a história mudou-se para o bem. A história Logos-driven acabaria por unificar a humanidade em liberdade política; Logos iria funcionar “a
fim de que todo o nosso mundo deve ser como um único estado, aproveitando o melhor das constituições, uma democracia.” 14

Ao mesmo tempo, Philo acreditava que o Logos existia antes seres humanos ou a terra ou, para essa matéria, a matéria. 15 Antes de criar o
universo, Deus formulou os Logos do caminho um arquiteto pode conceber um modelo ou a forma como um programador de computador pode
projetar um algoritmo. Muito antes de a ciência moderna começou em choque com o cenário de criação de seis dias em Gênesis, Philo tinha
antecipou o conflito chamando esses seis dias alegórico: elas realmente não se refere à criação da terra e animais e pessoas de Deus, mas a sua
criação dos logotipos , o algoritmo divina, o que traria terra e animais e pessoas em existência, uma vez que foi desencadeada no mundo de que
o material é, uma vez que o mundo material foi criado para servir como seu meio. 16 Em seguida, o plano de Deus poderia tangível desdobrar. O
Logos, escreve o estudioso David Runia, é “o instrumento de Deus, tanto durante a criação e administração providencial do Cosmo.” 17 Como o
próprio Philo colocou, “O Logos foi concebido na mente de Deus antes de todas as coisas e se manifesta em relação a todas as coisas.”

18 pensadores gregos antes da época de Philo tinha falado sobre um logos que era ativo em seres humanos de duas maneiras-dentro da mente (na
formação de um pensamento), e no discurso (como o pensamento é enviado para o mundo físico). 19 A teologia de Philo aplicada essa dicotomia a
Deus. Primeiro Deus concebeu o Logos em sua mente. Então, ao criar o mundo, ele, em certo sentido, expressou o Logos, infundindo importa com
ele. Ele falou com o universo em seu início, e, através da orientação contínua do Logos, ele fala para nós agora. Você pode escolher outras
metáforas, e os estudiosos têm-o Logos é “o sopro de Deus” ou um “stream” que emana de Deus ou “o rosto de Deus virou-se para a criação” 20 -mas
em qualquer caso, o Logos é o ponto de contato com o divino da humanidade.

Isto é como o Logos concilia a transcendência de Deus com uma presença divina no mundo. O próprio Deus está além do universo material,
um pouco a maneira como um designer de jogos de vídeo está fora do jogo de vídeo. No entanto, o próprio-o algoritmo dentro do jogo de vídeo
caixa é uma extensão do designer, um reflexo da mente do designer. Da mesma forma, se Deus imbuídos do Logos com o seu espírito e seus
valores, então a conhecer o Logos é sentir intenção divina, mesmo conhecer uma parte de Deus. 21 Deus
podem estar fora do universo físico, mas, como Goodenough coloca, há “uma presença imanente e cooperação da divindade no mundo criado.” 22 O
trabalho dos seres humanos, pode-se dizer, é por sua vez, cooperar com a divindade, uma tarefa que eles vão fazer melhor se eles sentem esta
presença ea finalidade ele transmite.

Ficando com o programa

Em algum lugar na viagem através visão de mundo complexo de Philo, temos que renunciar ou radicalmente alterar a analogia de jogos de vídeo
(que, venha para pensar sobre isso, Philo não aprovou, em primeiro lugar). No entanto Deus transcendente é, podemos chegar mais perto de
contato real com ele do Pac-Man poderia ter chegado a Toru Iwatani, criador do Pac-Man. vários intérpretes de Filo divergem sobre o quão perto
podemos chegar. Alguns dizem Philo acreditava uma espécie de contato direto com Deus era de alguma forma possível; outros falam sobre a união
com “o divino” que fica aquém da comunhão com o próprio Deus. 23

Mas, no entanto dirigir a conexão, o primeiro passo para fazer era tentar entender Deus e a vontade de Deus. Assim decifrar o Logos
poderia trazer a iluminação não apenas intelectualmente, mas espiritualmente. "O logos foi concebido para orientar a alma humana ao reino do
divino “, escreve o estudioso Thomas Tobin. E, embora o conhecimento perfeito de um Deus transcendente e inefável não foi possível, a busca
valeu a pena o esforço, porque quanto mais você tem, o youcouldbecome mais semelhante a Deus. 24 Goodenough coloca desta forma: “Pode-se
fazer ou ser o sobre-humana, porque a sobre-humana tornou-se, em certa medida uma parte de si mesmo” 25 A chave era encontrar harmonia com
o Logos.

Assim como você descobrir o que isso implica? Como você decifrar os Logos, em primeiro lugar? Bem, se você é judeu, você tem uma
vantagem. Philo acreditava que Deus tinha privilegiados os judeus com a revelação inicial. O Logos, disse ele, se refletiu na Torah, a lei judaica
como dada a Moisés. De fato, a Torá não apenas refletem os Logos-lo não apenas dizer-lhe como se comportar de modo a harmonizar-se com o
princípio que rege o universo e tudo que nele há; as regras de vida estabelecidas na Torá foram parte de o Logos. Nesse sentido, o Logos é um
pouco como o conceito budista do dharma: é tanto mais verdade sobre a forma como as coisas estão-sobre como o universo funciona e a verdade
sobre a forma como devemos viver nossas vidas dada a forma como as coisas são. É a lei da natureza e é a lei para viver na luz da natureza.

Este duplo sentido é difícil para algumas pessoas a aceitar, como hoje nós descrição muitas vezes separado (leis científicas) de prescrição
(leis morais). Mas, para muitos pensadores antigos a conexão era íntimo: se as leis básicas da natureza foram estabelecidas por um Deus
perfeito, então devemos nos comportar de acordo com eles, ajuda na sua realização; devemos ajudar os Logos mover a humanidade na direção
que Deus quer que a humanidade se mover em.

E em que direção faz Deus nos quer mudar? Para uma maior harmonia com outras pessoas e outros povos, disse Philo. A Torá como proferida
por Moisés era muito pormenorizado, mas Philo sentiu que muito do seu resultado poderia ser capturado simplesmente: “Isto é o que o nosso
profeta santíssima através de todos os seus regulamentos especialmente deseja criar, a unanimidade, vizinhança, amizade, reciprocidade de
sentimento, pelo qual casas e cidades, nações e países e toda a raça humana pode avançar para a felicidade suprema.” 26

Ok, então isso é um começo: ser bom para as pessoas, mesmo as pessoas que não são de sua tribo. Mas certamente deve haver mais
para a receita de Philo para união feliz com o divino do que isso. Além disso, como foram gentios deveria usar esta receita? Por que eles devem
seguir a versão da Torá CliffsNotes de Philo, dado que Deus não havia revelado a Tora a eles em primeiro lugar? eles deveriam usar os judeus
como modelos?

Philo certamente aprovado dessa abordagem, mas não foi necessário. A beleza do Logos foi que você não tem que aceitar a palavra de
ninguém para isso. Na verdade, olhe como bem filósofos gregos tinham feito sem a vantagem de uma educação judaica. “O que os discípulos do
mais excelente ganho filosofia de seu ensino, os judeus ganhar com seus costumes e leis, que é conhecer o mais alto, o mais antigo Causa de
todas as coisas ...” 27 Qualquer pessoa no mundo, nos dias de Philo ou agora, pode, em princípio, descobrir o que é preciso para alcançar uma
espécie de concórdia com Deus. É uma questão empírica.

Como para onde exatamente aqueles que não estão a par de revelação especial deve começar este inquérito: Philo não é tão concisa e direta
como seria preferível pelo buscador moderno da comunhão divina, pressionado pelo tempo que ele ou ela é. Na verdade, Philo é muitas vezes menor
do que simples. Estudiosos argumentam longamente sobre o significado de seu trabalho, tentando resolver seus paradoxos e carne para fora seus
contornos, interpolação, quando necessário, para preencher espaços em branco. (Alguns de seus escritos sobrevive apenas em fragmentos, alguns
não em todos.)

Neste caso, em descobrir como o Logos pode ser compreendido através da observação e interpolação da reflexão pode começar com um fato
crucial único: Philo equipara os Logos com sabedoria, muitas vezes usando os termos como sinônimos. 28 Um momento que vai ser o Logos que
transporta as almas a comunhão divina, e no minuto seguinte ele será sabedoria que está fazendo o trabalho, levando-os além do mundo material (
“sabedoria, por que as almas suplicantes sozinho pode fazer a sua fuga para o incriado”).

29 Esta equação Logos-sabedoria pode não parecer ser o que o buscador espiritual mais precisa neste
apontar no esforço extenuante para compreender Philo. Por um lado, arrastando sabedoria em cena complica ainda mais a nossa imagem de um
Logos já multifacetada. Por outro lado, a implicação-que aparente o caminho para Deus encontra-se em agir com sabedoria-soa decepcionante
senso comum e prosaico. Mas a equação do Logos e sabedoria é a chave para rachar o código de Philo, vendo como o Logos pode servir como o
caminho para o divino. Como um bônus, esta equação acaba por ter um tipo de poesia espiritual sobre ele.

A anatomia da Sabedoria

A poesia é especialmente poderoso se você abordá-lo, como muitos dos leitores de Filo fez, contra o pano de fundo da escritura. Igualando o
Logos e sabedoria, Philo estava invocando os “literatura de sabedoria” livros bíblicos -tais judeu como Provérbios e livros antigos que não iria
fazê-lo na Bíblia, mas eram considerados sagrados no momento, como a sabedoria de Salomão e da livro do Eclesiástico. Nestes trabalhos, a
sabedoria é muito mais do que esperteza. Em Provérbios, a “sabedoria” é descrita como uma mulher. “Felizes são aqueles que encontram
sabedoria”, pois “o seu rendimento é melhor do que a prata, e sua receita melhor do que ouro.” De fato, “nada que você desejar é comparável a
ela ... seus caminhos são caminhos de delícias, e todas as suas veredas são paz . Ela é uma árvore da vida para aqueles que lançar mão dela;
aqueles que detêm o jejum são chamados feliz.” 30 Em suma: uma mulher vale a pena perseguir.

Algumas pessoas tomam esta personificação como poética, mas na verdade sabedoria tinha provavelmente uma vez foi considerada uma
deusa, possivelmente filha de Javé. 31 Certamente em Provérbios ela é descrita como em
alguns sentir uma prole do Senhor do. Ela diz: “O Senhor me criou, no início do seu trabalho, o primeiro de seus atos de há muito tempo.” E, tendo
nascido, ela começou a funcionar muito bem como os Logos nascentes descritos por Philo, como um intermediário chave na criação do universo.
Ela diz que quando Deus “desenhou um círculo sobre a face do abismo ... quando traçava os fundamentos da terra, então eu estava ao lado dele,
como um mestre de obras; e era cada dia o seu deleite.” 32

Isso levanta uma questão. Quando Philo diz que a sabedoria é o que nos transporta para além do mundo material, ele parece estar falando
de um tipo de visão disponíveis para os seres humanos. Mas quando Provérbios fala sobre Sabedoria é a criação de Deus, que por sua vez
criou o mundo, parece mais como a sabedoria que Deus exercida sobre a concepção da realidade física. E certamente o tipo de sabedoria
pessoas possuem uma sabedoria totalmente diferente do tipo que Deus possui. Certo?

Não tão rápido. A beleza da visão de mundo Philonic é a continuidade de potencial entre o dois a maneira como os seres humanos comuns
podem, se eles são diligentes, participar da sabedoria de Deus. Você vê isso metaforicamente nos dois papéis sabedoria atribuídos em Provérbios:
ela é ao mesmo tempo o ser que ajudou Deus criou o mundo eo ser que agora acena mortais comuns para abraçá-la. Mas vamos deixar cair a
metáfora. Para todo o poder inspirador que Sabedoria (e, portanto, o Logos) tinha por antigos quando ela foi personificada, mesmo deificado,
tratando sabedoria em termos modernos, abstratos é a maneira de explicar visão de mundo de Philo para as pessoas na era moderna. Para então
podemos entender exatamente como Deus poderia ter criado o mundo para que as pessoas comuns, usando apenas suas cabeças, pode
conseguir uma espécie de comunhão com o divino. Em outras palavras:

A lógica da sabedoria bíblica

Provérbios e os outros livros sapienciais judaicos fazem parte de uma tradição de sabedoria maior no Oriente Médio antigo, visto do Egito à
Mesopotâmia. Essa literatura foi inicialmente destinado a meninos de classe alta enquanto se aproximavam masculinidade. Em certo sentido, é a
exortação moral. O livro de Provérbios anuncia em seu início que visa transmitir um senso dos muito próximos turnos verso para o reino da
auto-ajuda pragmática “integridade, justiça e honestidade.” No entanto, prometendo que o livro vai “ensinar astúcia ao simples”e‘prudência aos
jovens’. 33

Na lógica da literatura de sabedoria, não há grande diferença aqui. Você aprende a virtude, aprendendo a
sabedoria da virtude, aprendendo que a virtude está na sua auto-interesse. Em Provérbios, a Senhora Sabedoria diz: “Eu, Sabedoria, sou vizinho
a astúcia, eo conhecimento da prudência é a minha disposição.” 34 É por isso que você pode iniciar o caminho para o conhecimento do Logos,
mesmo sem ter nascido judeu, sem acesso à Torá. Você pode apenas ver como o mundo funciona e ver que tipos de comportamentos dar frutos
e que tipos de comportamentos levar a tristeza. Os comportamentos frutíferas são mais propensos a refletir virtude, para encarnar a sabedoria, a
convergir para o Logos.

Para ter certeza, Philo aconselho-o a prestar atenção autoridade, para aceitar os ensinamentos da literatura de sabedoria. Mesmo deixando de lado o
fato de que esta era a Sagrada Escritura, o que reflecte a vontade de Deus, que tinha sido acumulado ao longo dos séculos por alguns dos observadores
mais astutos da condição humana. Levando isso em fé era, portanto, uma economia de tempo real. Ainda assim, a sabedoria dos sábios era, em princípio,
em primeira mão disponível, empiricamente, simplesmente observando as consequências do comportamento. Quando Provérbios relata que “o orgulho
vem antes da destruição, ea altivez do espírito precede a queda” 35 É de fato relatando -lo, afirmando que, como uma questão de fato, as pessoas orgulhosas
e arrogantes normalmente obter a sua punição. Esta é a maneira como o mundo funciona.
Assim também, quando o livro do Eclesiástico, por meio de questionar o valor da riqueza, observa: “Muito homem é impedido de pecar pela
pobreza, e quando ele descansa ele não é tentado” Enquanto isso, “resíduos insônia do rico afastado sua carne, e sua ansiedade afasta o
sono.”Essas são afirmações de fato, como é a observação de Siraque que‘ciúme e raiva encurtar a vida, e se preocupar idades um homem
prematuramente.’Os estudos modernos de emoções e saúde física confirmam esta afirmação, e isto reivindicação, também, do Eclesiástico: “o
coração alegre é bom para o corpo.” 36

Mesmo no reino das morais, as ofertas de literatura de sabedoria em causa e efeito. Provérbios adverte jovens para não cair dentro com
ladrões homicidas, para as pessoas que vivem pela espada morre por ele. “Eles ficam à espreita-se matar! E definir uma emboscada - por suas
próprias vidas! Tal é o fim de todos os que estão ávidos de ganho; ela tira a vida dos que a possuem “E um homem não deve dormir com a mulher
de outro homem, porque ele perde honra e talvez mais:‘. Para o ciúme desperta a fúria do marido, e ele mostra nenhuma restrição quando ele se
vinga’ 37

Essas generalizações não são absolutos. Tomado como um todo, a literatura de sabedoria não está dizendo que o mal é sempre punida
através de conseqüência social, ou que as pessoas ruins nunca prosperar. Na verdade, a literatura é salpicado com lamentos de injustiça terrena.
Ainda assim, sua conclusão é que não são estatisticamente generalizações válidas sobre as consequências do comportamento de que a virtude é
geralmente recompensada e delito geralmente punidos. A literatura de sabedoria é para descansar em grande parte, um Ciência do comportamento
humano, e aí reside parte de sua modernidade; ele vê o mundo social como uma extensão do mundo natural e os dois mundos como passíveis de
estudo empírico. ( “O vento norte produz chuva, ea língua caluniadora, o rosto irado”, diz Provérbios). 38 Em busca de regularidade estatística sob o
aparente caos e complexidade da vida, a sabedoria da literatura sentidos “uma ordem que está no trabalho por trás das experiências”, como
Gerhard von Rad escreveu em seu livro clássico Sabedoria em Israel. 39

E onde é que a ordem vem? Aqui está o ponto pivot entre o científico eo teológico. A ordem de trabalho é o Logos, e ele veio originalmente de
Deus. Ele criou o mundo para que mera auto-interessado aprendizagem estudo de causa e efeito, e preferência por Effects feliz iria orientar as
pessoas para a virtude. Então, quando Provérbios relata que “quem faz uma cova cairá nela, e uma pedra voltará sobre aquele que começa
rolando”, podemos pensar em Deus não como empurrar as pessoas em poços e empurrando pedras de volta sobre as pessoas, mas como aquele
que projetou a “gravidade” social que traz esses efeitos. 40 Talvez por isso ele não tem que gastar todo o seu tempo lançando raios-porque aqui na
terra, tudo está sob controle, de acordo com o plano original, o Logos.

Nessa cosmovisão, há pouca diferença entre a fé-fé de um cientista nas leis ordenadas que governam a fé religiosa do mundo -e. Como von
Rad coloca, “em sabedoria proverbial, há fé na estabilidade das relações elementares entre homem e homem, a fé na semelhança dos homens e
de suas reações, a fé na confiabilidade das ordens que sustentam a vida humana e, portanto, , implícita ou explicitamente, a fé em Deus que
colocar essas ordens em operação “. 41

Da mesma forma, chegar a um acordo com esta ordem social (aprender que se comportando mal tende a trazer conseqüências dolorosas)
está chegando a um acordo com Deus. O livro de Provérbios pode enfatizar as forças sociais mundanas que trazem castigo aos pecadores - aviso
teria de ser adúlteros para temer ciumentos maridos, mas também afirma que “o temor do Senhor é o princípio do conhecimento.” 42

Senhora Sabedoria, em Provérbios, diz: “Meu filho, se você aceitar as minhas palavras e valorizar os meus mandamentos dentro de você
... se você de fato clamam por insight, e levantar a sua voz para a compreensão ... então você vai entender o temor do Senhor e acharás o
conhecimento de Deus.”
Esta é a ligação entre as duas sabedorias, a sabedoria jardim-variedade cotidiana dos seres humanos e a Sabedoria de Deus: Deus era tão
sábio que ele criou um mundo no qual a busca racional do interesse próprio leva as pessoas a sabedoria. Isso explica por que a Senhora
Sabedoria, em Provérbios, pode jogar seus dois papéis. Ela é Sabedoria-a própria sabedoria tanto de Deus que entrou no projeto inicial do mundo,
quando ela era “mestre de obras” de Deus como ele “compunha os fundamentos da terra” -e o doador de sabedoria para os seres humanos. Para
a Sabedoria de projeto inicial do mundo era que levaria os seres humanos em direção a sabedoria.

E, portanto, em certo sentido, em direção a sabedoria-direção própria mente de Deus. “Pois a sabedoria é uma estrada reta”, escreveu
Philo. “E é quando o curso da mente é guiado ao longo dessa estrada que ela atinja o objetivo que é o reconhecimento e conhecimento de
Deus.” 43 Quando navegar realidade social de forma inteligente, estamos seguindo os Logos de volta para sua fonte.

E, não por acaso, essa conformidade sábio com o Logos significa adesão a virtude, que Philo personifica como uma mulher: “Para o Logos de
Deus, quando se chega à nossa composição de terra, no caso daqueles que são semelhantes a virtude e por sua vez, embora para ela, dá ajuda e
socorro, proporcionando-lhes assim um refúgio e segurança perfeita, mas envia em cima de seus adversários ruína irreparável.” 44

Este, então, é um sentido em que o contato com o divino é possível. sabedoria atingir implica concordância com o Logos, eo Logos, a
sabedoria de Deus, é uma extensão de Deus; é uma dimensão do divino que pode ser acessado no mundo material. Soa bem em teoria. Esse é o
problema- soa tão teórica! Quando as pessoas pensam sobre a comunhão com o divino, eles geralmente imaginar algo que vai se sentir especial,
sentir arrebatador, sentir ... bem, divino. Até agora, todos nós temos ouvido é que se você prestar atenção e se comportam virtuosamente, você
vai em algum sentido técnico ser a fusão com o Logos, que é uma emanação divina.
Claro que, para os antigos, a personificação do-ou deificação do-os Logos como Lady sabedoria embalado um soco emocional. Em
Provérbios, ela faz fronteira com o sedutor: “Não abandones e ela irá guiá-lo”, diz Provérbios. “Ame, e ela te guardará.” 45 ( Não admira Philo em um
ponto refere-se a sabedoria, ou, como ele mesmo disse em grego, Sophia-como sua esposa.) 46 Mas, se a chave para a versão de Philo de êxtase
religioso estava tomando essas imagens a sério, nós moderners estão em apuros. Mesmo quando você chamar sabedoria Sophia, eu ainda não
consigo imaginá-la como uma mulher, muito menos como uma deusa.

Felizmente, poderosa sensação de contato com o divino de Philo não totalmente dependem desta personificação arcaico. Sua
metafísica permitida uma rota mais moderna para Nirvana, e ele esboçou-lo em algum detalhe.

Receita para Nirvana

De acordo com Philo, cada mente humana tem uma dupla relação com o Logos. 47 Primeiro, como microcosmo: a mente é para o corpo como o
Logos cósmico é para o mundo físico; é o princípio de raciocínio que nos governa, assim como o Logos Cósmico é o princípio de raciocínio que
governa o universo. Em segundo lugar, cada mente humana é um pedaço do Logos divino, uma extensão de granulação fina dela; a mente, Philo
escreveu, é “uma parte inseparável da alma divina e abençoada.” 48 Nesse sentido, você não tem que tentar alcançar a união com o divino-você
nasce com ela.

Mas há união e então há União. A parte da mente que é uma extensão direta do Logos é a racional mente. E na visão de Philo, a mente
racional é muitas vezes em guerra com base, impulsos animais, o que, se tivessem o seu caminho, distorcer nossa visão e corromper a nossa
motivação. Quanto mais a sua mente racional domina seus impulsos básicos, mais ligados à divina você é.

E se você quiser União-se você quiser conhecer a Deus como intimamente quanto possível, você precisa fazer o seu link para o Logos tão
puro quanto possível: manter sua mente racional totalmente a cargo do show, resistindo paixões e tentações. Do caminho para a sabedoria, Philo
diz: “Cada camarada da carne odeia e rejeita este caminho e procura corrompê-lo. Porque não há duas coisas tão completamente opostos como
conhecimento e prazer da carne.”O grande impedimento à boa é‘paixões picar e ferindo a alma’. 49

Aqui Philo soa como um pensador anterior que tinha visto a paixão como o inimigo da iluminação. Entre os primeiros ditos atribuídos ao Buda
é: “A melhor das virtudes [é] impassibilidade; o melhor dos homens Quem tem olhos para ver “. O paralelo entre Philonic e pensamento budista
pode ser realizada a um nível mais fino. Na filosofia budista há uma suspeita profunda e não apenas de paixões violentas, mas de distorções sutis,
enraizada no mecanismo da própria percepção sensorial. O Buda expressou sérias dúvidas sobre o que chamou de “evidência dos sentidos”, com
sua tendência para incentivar, entre outras coisas, um undeservedly baixa opinião de nossos companheiros seres humanos. 50 Aqui, da mesma
forma, é a descrição dos sentidos, ou de Philo, como ele os chamava coletivamente, “sentido”: “Seus padrões de julgamento”, escreveu ele, são
“falsas e corrupto e mergulhada na opinião falsa” e “equipado para enredar e enganar e violentar a verdade longe de seu lugar no coração da
natureza “. 51 E Philo, como o Buda, entendeu que parte dessa corrupção da cognição pura veio de preconceitos egoístas; ele criticou especialmente
contra o papel corruptor da “inveja”.

Philo também compartilhou a suspeita do místico oriental da linguagem, a convicção de que fala, em sua crueza, é impotente para capturar
a textura verdadeira da realidade e é, portanto, um impedimento para apreender o divino. Ele condena discurso por sua “auto-exaltação e
auto-orgulho”, maravilhando-se com a sua “audácia, que deve tentar a tarefa impossível de usar sombras para me apontar para substâncias.”

52 Philo acreditava, como o Buda, que a situação exigia cirurgia radical. Se você quiser chegar mais perto do divino, o caminho a seguir, Philo
escreveu, “não foi essa maneira de pensar que permanece na prisão do corpo de sua própria vontade, mas a que liberado de suas cadeias em
liberdade veio diante do lado de fora dos muros da prisão, e se assim podemos dizer, deixou para trás o seu próprio eu.” 53 And•it•was
hard•to•do•this•with•anything•much•short•of•monastic•solitude.•For•you•must•first•separate•yourself
from•the•“body•and•its•interminable•cravings”;•your•soul•must•“rid•itself,•as•I•have•said,•of•that
neighbour•of•our•rational•element,•the•irrational,•which•like•torrent•in•five•divisions•pours•through
the•channels•of•all•the•senses•and•rouses•the•violence•of•the•passions.”•The•“reasoning•faculty”•must
“sever•and•banish•from•itself•that•which•has•the•appearance•of•being•closest•to•it,•the•word•of
utterance.”•The•object•of•the•game•is•“that•the•logos•or•thought•within•the•mind•may•be•left•behind
by•itself•alone,•destitute•of•body,•destitute•of•sense-perception,•destitute•of•utterance•in•audible
speech;•for•when•it•has•been•thus•left,•it•will•live•a•life•in•harmony•with•such•solitude.”•Only•then
can•the•logos•that•lies•within•us•all•give•“its•glad•homage•to•the•Sole•Existence”• 54 isto é, a Deus (aqui traduzida por Philo em linguagem abstrata
semelhante a tais termos teológicos modernos como “realidade última” e “o fundamento do ser”).

Em suma, a comunhão com Deus consistia em austerely livrar sua mente de todas as suas inclinações ímpias, após o qual você ficaria com
algo como pura razão e da sabedoria pura. Seus próprios logotipos pouco, não corrompidos, poderia, então, desfrutar de uma conexão clara com o
Logos cósmico. Sua mente seria uma extensão essencialmente contínua da mente de Deus. Philo escreveu, “por isso, se você deseja ter
Deus como a parte de sua mente, em primeiro lugar você se tornar uma parte digna dele.” 55 Só então você poderá desfrutar o paradoxo: que o
triunfo da razão sobre a sensação pode levar a mais profunda sensação boa -a “intoxicação sóbrio”, como Philo chamou. 56

Ele falou da experiência? Um fragmento de sua escrita sugere que ele fez, que ele uma vez alcançada algo como união arrebatadora
com o divino:

Houve uma época em que, dedicando-me à filosofia e à contemplação do mundo e suas partes I alcançou o gozo de que a Mente que é
verdadeiramente belo, desejável, e abençoada; pois eu vivia em constante comunhão com enunciados e ensino sagrados, em que eu
avidamente e insaciavelmente rejubilaram. Sem base ou pensamentos mundanos me ocorreu, nem eu rastejar para a glória, riqueza ou
conforto físico, mas eu parecia sempre a ser transportado para o alto nas alturas em um arrebatamento da alma, e para acompanhá-sol,
lua, ea todo o céu e o universo em suas revoluções. Então, ah, em seguida, olhando para baixo das alturas etéreas e direcionar o olho da
minha inteligência a partir de uma torre de vigia, eu considerava o espetáculo incontável de todas as coisas terrenas, e calculou-me feliz
por ter forçosamente escaparam das calamidades da vida mortal. 57

De volta à realidade

Infelizmente, relata Philo, seus dias de contemplação rapturous chegou ao fim quando “que odeia do bem, a inveja” de repente “definido em
cima” dele e, através de uma sequência de eventos que ele deixa vago, de alguma forma, arrastou-o de volta ao mundo dos humanos eventos. 58 As
coisas nunca eram os mesmos. No “vasto mar de preocupações políticas”, escreveu ele, “Ainda estou sacudido e incapaz até mesmo tanto como
para subir à superfície.” (Embora, às vezes, quando “não é calma temporária e calma nos tumultos políticos, I tornar alado e roçar as ondas,
quase voando, e estou soprado ao longo pelas brisas de entendimento.”Então, ele poderia abrir os olhos e ser‘inundado com a luz da
sabedoria.’) 59

Em um sentido Philo é exagerar a tensão entre a vida de ação ea vida de contemplação, entre política e iluminação. Como vimos, ele
empregou “a luz da sabedoria” em seu papel como um líder da comunidade judaica de Alexandria. Ele encontrou-se em uma situação onde a
relação de judeus gregos e romanos foi não de soma zero, e reagiu à situação com sabedoria no sentido bíblico: por perseguir racionalmente
auto-interesse (os interesses dos judeus), ele acabou -se no lado da virtude (defendendo a tolerância inter-fé e respeito mútuo). Ele era assim, em
sua vida política, fazendo a licitação do Logos.

Aqui, na vida de Philo, estamos novamente no nexo entre a sabedoria ea sabedoria, entre o Logos Cósmico, revelação do Plano Divino na
terra, e os logotipos na mente de Philo. logos de Filo, por espelhar o Logos-por cósmicos descascar-se das distorções de paixões, revelando razão-
pura manifesta o Logos Cósmico, promovendo o plano divino.

Aqui também estamos no nexo entre Logos como princípio governante, como a força motriz da história, e Logos como princípio moral.
Em resposta ao impulso do primeiro, Philo ajuda a avançar o dos últimos ajuda a perceber os ideais da Torá como ele os entendia.

Mas um pedaço do quebra-cabeça ainda está faltando. Como tinha o Logos conseguiu “prompt” Philo? Como tinha “arranjado” para Philo
para estar em uma situação não-soma-zero, para começar? O ponto inteiro do Logos, lembre-se, foi para se livrar da necessidade de um
hands-on, intervencionista Deus, o tipo de Deus que pudesse espiar, escolher Philo, e colocá-lo para baixo em alguma situação não de soma
zero de modo que, agindo com sabedoria, ele poderia promover o plano de Deus. O Logos era suposto ser menos como um deus pessoal e
mais como as leis da natureza ou de um computador programa de algo que acionou automaticamente, implacavelmente. Mas como poderia algo
tão rote e geral dar Philo sua oportunidade para a ação sábio?

Philo, infelizmente, não está aqui para responder a essa pergunta. Mas não é difícil juntar um cenário que atende e é consistente com seus
escritos. Aqui está um tal cenário, um tipo de algoritmo cósmica que poderia explicar como Philo acabou em uma situação de soma zero:

Suponha-se que parte do Logos, como canalizado através de seres humanos, é a parte curiosos, inventivos da mente racional, a parte que nos
deu uma variedade cada vez maior de tecnologias, que vão desde a roda para o ônibus espacial, de cuneiforme para o Mundo wide web. ( spermatikos
logotipos, uma frase usada por Philo e filósofos gregos anteriores, tem como um dos seus significados “razão semente de rolamento”, que produz
novos insights em uma pessoa.) 60 Suponha que uma consequência da evolução tecnológica resultante é colocar as pessoas em situações de soma
zero, com uma cada vez maior variedade de outras pessoas, incluindo, cada vez mais, pessoas de diferentes etnias e até mesmo pessoas em
grandes distâncias. Então, repetidamente, uma parte diferente da mente racional seria chamado on-a parte que pode responder a tais situações de
forma inteligente, avançando, assim, tolerância.

O resto, como dizem, seria história. Claro, muitos desses encontros resultaria em violência e destruição. Mas na medida em que as pessoas
responderam à crescente non-zero-sumness como fez-sabiamente Philo, com a auto-interesse de tolerância esclarecida ganharia mais
frequentemente do que a intolerância, o respeito pelos direitos dos outros faria em equilíbrio antecedência, ea humanidade seria, assim, mover, se
irregularmente, em direção à iluminação moral. E às vezes a chave seria a razão desapaixonada,
como implantado por Philo, quando ele encontrou um terreno comum com figuras contraditório, como Calígula, não obstante o seu
desagrado deles.
Eu não estou sugerindo que se o próprio Philo foram convidados para resumir a essência da interface Logos-logos em 250 palavras, ele
recitar o parágrafo anterior. Ainda assim, eu estou dizendo que esta é uma prestação de que a interface que faz sentido e é amplamente
compatível tanto com sua visão de mundo e com o desvio observado de história. Além do mais, Philo provavelmente seria assinar fora em algo
como a formulação acima. A fim “que o universo pode enviar adiante uma harmonia como a de uma obra-prima da literatura”, escreveu ele, o
Logos “medeia entre os adversários em meio as suas ameaças, e reconcilia-los ao vencer caminhos para a paz e concórdia.” 61 Ou, dito de outra
forma: a sabedoria dos seres humanos individuais, como Philo, conduz à paz e concórdia, justificando assim a sabedoria maior, a Sabedoria
divina, realizando seus objetivos.

Philo entendido que a sabedoria favorece a paz e concórdia e não apenas porque a paz é preferível à guerra, mas porque a paz traz a chance
de ganho mútuo através da interação frutífera. E uma fonte principal deste ganho é o fato de que diferentes países têm recursos diferentes, e
diferentes pessoas têm diferentes habilidades; eles têm uma complementaridade que pode ser aproveitado, desde que eles não estão lutando. Em
um ponto Philo descreve a direção da história (um produto direto do Logos, em sua visão de mundo) de uma forma que coloca esta
complementaridade, esta forma de non-zero-sumness, em seu núcleo. Referindo-se a “todas as coisas criadas” -pela qual ele quer dizer diferentes
espécies animais e vegetais, mas também diferentes pessoas e diferentes povos, ele escreve que Deus “fez nenhuma dessas coisas particulares
completo em si mesmo, para que ele não deve ter necessidade de todos outro. Assim, através do desejo de obter o que ele precisa, ele deve
forçosamente abordagem que pode fornecer a sua necessidade, e esta abordagem deve ser mútua e recíproca. Assim, através de reciprocidade e
de combinação, até mesmo como uma lira é formada por, ao contrário notas, Deus fez com que viessem à comunhão e concórdia e formar uma
única harmonia, e que um dar universal e tomar deveria governá-los, e levar até a consumação o mundo inteiro." 62

Dois milênios após Philo escreveu, ainda não ter chegado a fraternidade universal. No entanto, como ele antecipou, a história tem trazido
progresso moral e motivo de esperança real. E se você não se sente esperançoso, apenas voltar e ler a Bíblia hebraica. Isto pode soar estranho,
dada a forma como sóbrio, se não cínico, a minha leitura da escritura bíblica tem sido. E, certamente, muitas pessoas reagem a tais sóbrios,
leituras cínicos por perder esperança. Algumas pessoas estão decepcionados ao descobrir, por exemplo, que um verso famoso em Levítico, “amar o
próximo como a si mesmo”, se referia apenas a co-israelitas, não para pessoas em nações vizinhas. Na verdade, a decepção é evidente, mesmo
na voz de Harry Orlinsky, o deflator pioneiro de versículos da Bíblia aparentemente flutuantes que deflacionado este versículo particular. “Ai de
mim”, diz ele de Levítico 19:18, “seu autor não tinha ninguém, mas os israelitas em mente.” 63 Mas há duas razões pelas quais decepção é a reação
errada.

Razões para ser alegre

Primeiro, o comando de amar a todos os israelitas representado progresso moral real no tempo. Antes das tribos de Israel foram forjados em uma
única política-primeiro uma confederação e, em seguida, uma nação-lo é seguro dizer que a empatia e afecto raramente excedeu os limites de
tribos individuais. A expansão da organização social do tribal ao nível nacional abriu novas oportunidades para sumness não-zero, nomeadamente
a cooperação entre as tribos para lutar contra inimigos comuns; ea doutrina da nacional, em oposição a meramente tribal, irmandade evoluiu como
uma forma de ajudar a realizar essas oportunidades. Nesse sentido Moisés, na mediação pronunciação do Torá de Deus, com o seu efeito a nível
nacional coesa, estava a serviço do Logos. “Ame o seu próximo como a si mesmo” pode não ter sido feito a nível global, e por isso pode não
representar a humanidade de todos os tempos zênite moral, mas ainda representou um divisor de águas moral; expandiu-se o círculo de irmãos.

A segunda razão as pessoas não devem se sentir decepcionado ao ouvir que “Ame o seu próximo” foi originalmente nacionalista é que as
pessoas Faz sentir decepcionado ao ouvir que “Ame o seu próximo” foi inicialmente nacionalista. Este sentimento generalizado de decepção,
refletindo o universalismo moral do mundo moderno, é a própria prova de que houve progressos desde os tempos bíblicos. Harry Orlinsky de
“Alas” é motivo de alegria.

E o progresso não apenas começar nos tempos modernos. Como o próprio Orlinsky escreve: “Não pode haver dúvida de que no início do
período pós-bíblica, primeiro entre os judeus e mais tarde entre os cristãos também, Levítico 19:18 tornou-se a pedra angular bíblica do
internacionalismo, do conceito de fraternidade mundial e a igualdade essencial de toda a humanidade.” 64

Claro, se este foi realmente impulsionado pelo tipo de Logos que eu descrevi-a resposta sábia para o progresso tecnológico inexorável -então
não seria confinado a judeus e cristãos, uma vez que nem sabedoria, nem a inovação tecnológica é a sua posse exclusiva. Como os tentáculos de
tecnologia vinculados grupos cada vez maiores de pessoas em uma rede interdependente, multiétnica, você esperaria encontrar o progresso
comparável bem além do Oriente Médio. E você faz.

Os Logos Globais
No primeiro milênio aC, como várias escrituras hebraicas salientou amar o próximo, ou tratar os estrangeiros decentemente, ou esperava um dia
em que espadas seria batido em arados, outras culturas estavam se movendo na mesma direção.

Na China, Confúcio disse a virtude fundamental é ren -a preocupação sensível para os outros e
resumiu essa lei mais ou menos como Hillel viria a cristalizar a Torá, dizendo: “Não faça aos outros aquilo que não desejaria para si mesmo.” 65 Confúcio
também disse: “Ame o seu próximo.” 66 Tal como acontece com o preceito bíblico paralelo, em Levítico, este amor pode ter sido confinado a
abrangência nacional. Mas uma geração mais tarde, o filósofo chinês Mozi foi mais longe, defendendo explicitamente amor de toda a humanidade. 67
De acordo com Mozi, o deus chinês supremo, Tian, ​“deseja que homens a amar uns aos outros e para beneficiar uns aos outros, e não deseja que
eles odeiam ou para prejudicar uns aos outros.” 68 E: “Não há grandes estados do mundo, e nenhum estado sem importância. Todos são
cidades-estados de Tian “. 69

Enquanto isso, na Índia, escritura budista tinha que dizer isto:

Que ninguém persuadir ou desrespeitar seus


companheiros em qualquer lugar; Que
nenhum desejo outros prejudicar em dudgeon
ou no ódio. Assim como com sua própria vida
uma mãe protege de machucá-la própria, seu
único, criança, vamos abrangente
pensamentos de tudo o que vive seja teu, um
amor abrangente para todo o universo em
todas as suas alturas e profundidades e
amplitude, unstinted amor, unmarred pelo
ódio dentro, não despertando inimizade. 70

Repetidamente, esses insights-como morais conhecimentos na sabedoria bíblica literatura-se fundamentam pragmaticamente; benefícios da
virtude para o virtuoso está estressado. 71 O Buda diz que “o homem virtuoso é feliz neste mundo.” Por exemplo: abandonando o ódio traz
“serenidade de espírito.” 72 Confúcio diz: “O homem sábio é atraído à benevolência ( s) porque ele acha a seu favor.”Afinal,‘Se o senhor abandona
benevolência, de que forma ele pode fazer um nome para si mesmo?’ 73

Tudo dito, o primeiro milênio aC traz uma surpreendentemente amplo padrão: em toda a Eurásia, do Pacífico ao Mediterrâneo, sábios
argumentam para expandir o círculo de preocupação moral, para aproveitar a simpatia e dificultando antipatia. E “sábios” é realmente a palavra,
pois eles falam no espírito da literatura de sabedoria, em termos de auto-interesse esclarecido: se você quer paz, e se você quer paz de espírito,
você faria bem para controlar o seu escuro lado e empurrar o envelope de benevolência.

Nada disso é para dizer que a história traz progresso simples, linear, que cada povo século crescer menos etnocêntrica, menos vingativo, mais
tolerante, mais amante da paz. Muitos grandes insights morais do primeiro milênio aC foram homenageados em grande parte na brecha, e seria
até os dias atuais. Um olhar sobre as atrocidades do século passado deve deixar isso claro. Além disso, não é claro que nosso registro moral irá
melhorar dramaticamente, que a humanidade irá responder com sabedoria para a vasta teia de interdependência que constitui a sociedade global.
Todo o Logos faz é criar situações em que círculos cada vez maiores de inclusão moral fazem sentido racional; o resto é com a gente, e muitas
vezes nós falhamos. Ainda assim, não pode haver dúvida de que, desde o início da civilização, tem havido progressos net nas doutrinas morais em
oferta.

Por quê? Por que no primeiro milênio aC são esses insights repente encontrar solo fértil tão amplamente? O encarnações dos Logos estão se
movendo a humanidade para a frente?
Certamente este é um milênio de grande mudança material. 74 Moedas são inventadas, e aparecem na China, Índia e Oriente Médio. 75 estradas
comerciais crescer, cruzando limites políticos. No decorrer deste milênio, os mercados, como o historiador William McNeill observou, suplantar
economias State- controladas. 76 Cidades obter conformidade grande e vibrante e, em muitos casos, mais etnicamente diversa.

Tudo isso traz pelo menos três coisas.


Primeiro, engajamento econômico ampliado significou mais relações não de soma zero entre as pessoas de diferentes etnias e até mesmo
diferentes sistemas políticos. Para que mais pessoas tinham um interesse egoísta no bem-estar contínuo de pessoas que estavam em um sentido
ou outro, ao contrário deles. O egoísmo não pode ter ditado amar essas pessoas, mas reforçou a lógica por trás não odiá-los.

Em segundo lugar, mais e mais pessoas se encontraram em um ambiente radicalmente diferente do da seleção natural ambiente havia
“concebido” as pessoas para. Emoções que funcionavam razoavelmente bem no ambiente ancestral agora eram de valor duvidoso. Em uma
aldeia de caçadores-coletores, a ira vingativa pode
ajudar as pessoas a defender seus interesses, mas quando você sente que a jorrar depois de algum motorista corta fora, seu principal efeito é
aumentar o risco de doença coronária. Claro, não havia carros na antiga Índia ou na China ou no Egito, mas, como leis e polícia veio para substituir
a vingança como um garante da ordem social, raiva e ódio perdeu um pouco de sua utilidade e tornou-se cada vez mais inútil, se não
completamente contraproducente, tanto do ponto de vista da sociedade do indivíduo e. Mesmo tão cedo quanto o segundo milênio aC, um texto
egípcio de instrução moral tinha avisado que, uma vez que “turbulência se espalha como fogo em feno,” você deve “controlar-se em torno de
pessoas de cabeça quente” e não “provocá-los com as palavras. ... Se você deixá-los sozinhos, os deuses lhes responderá.” 77 Loathing apenas não
foi o que costumava ser.

Em terceiro lugar, à medida que mais pessoas estavam em contato com mais pessoas do que nunca, houve mais troca de ideias. E isso
incluía idéias sobre como lidar com a primeira e segunda alterações acima. Se amortecimento ódio, estendendo simpatia, exibindo benevolência vir
a ser um conselho boa auto-ajuda, então essas idéias vão se espalhar rapidamente através de uma densa rede de mentes. Notavelmente, é em
meio a multidões que, de acordo com Provérbios, Lady sabedoria faz o seu melhor trabalho. “A sabedoria clama nas ruas; nas praças levanta a sua
voz. No canto mais movimentado ela grita; na entrada dos portões da cidade que ela fala “. Como a tecnologia empurra e puxa as pessoas, que
tanto cria novos problemas e propaga as soluções, e muitas vezes o resultado é a igualar auto-ajuda com a virtude. “Nas alturas, junto ao caminho,
nas encruzilhadas ela se coloca. ... 'O mais simples, aprenderá a prudência. ... todas as palavras da minha boca são justos.” 78

A jornada

Em certo sentido, temos um círculo completo. Começamos vários capítulos atrás vendo o Senhor inicialmente incorporado em um contexto
politeísta e rodeado por figuras mitológicas (praga e pestilência, por exemplo). E pareceu como evidência das origens “primitivos” da religião
israelita. No entanto, no final, um dos mais obscuros mitológica figuras-sabedoria da Bíblia - é um elo vital para uma teologia bastante moderno e
até mesmo plausível cujos contornos ampla foram pensados ​por Philo, e cuja dinâmica do núcleo era exibiram por Philo na forma como ele construiu
uma doutrina de tolerância inter-religiosa.

Algumas décadas depois da morte de Philo, o Logos fez uma aparição em um livro grego que se tornaria mundialmente famoso. Mas o papel
do Logos seria obscurecida, porque quando o livro foi traduzido para outras línguas europeias, incluindo Inglês, “Logos” seria processado como por
exemplo “Palavra”.:. “No princípio era o Verbo” O livro era o Evangelho de João, o último e mais mística de quatro evangelhos do Novo
Testamento.

Na tradução alternativa, o livro de João começa, “No princípio era o Logos, eo Logos estava com Deus, eo Logos era Deus”. Como o livro
avança, torna-se claro que este Logos assumiu a forma de Jesus Cristo : “e o Logos se fez carne e habitou entre nós, e vimos a sua glória, glória
como do único filho de um pai, cheio de graça e de verdade.” 79

Philo, escrevendo durante a vida de Jesus, tinha-se referido o Logos como o filho de Deus. Que influência, se for o caso, a sua escrita tinha
sobre o Evangelho de João é desconhecida. 80 Em qualquer caso, é quase certo que o autor de John, no uso de “Logos”, tinha mais do que a
palavra “palavra” em mente. Qualquer intelectual no mundo greco-judaica do primeiro CE final do século teria encontrado o uso de “Logos” na
escrita filosófica ou teológica. E o trabalho de Philo não era um espécime excêntricos deste tipo de escrita; obras como a Sabedoria de Salomão
também igualou o Logos com sabedoria, representando uma força de origem divina e efeito esclarecedor. 81 Assim, faz todo o sentido para o
Evangelho de João para descrever Jesus como “a luz verdadeira, que ilumina todos.” 82

Jesus era realmente uma encarnação do Logos? Ele certamente soa como um bom candidato. Segundo a Bíblia, ele pregou a
generosidade, tolerância, até mesmo o amor universal, e essa mensagem parece estar fazendo o trabalho dos Logos: a expansão do círculo
de consideração moral.
Mas e se o que a Bíblia diz sobre Jesus não é verdade? E se Jesus não realmente dizer todas as coisas compassivas atribuída a ele? O
que se verifica-se que uma das poucas coisas que podemos dizer sobre Jesus com muita confiança é que ele era bem diferente do Jesus
retratado na Bíblia? Isso faz dele menos uma encarnação do Logos? E deve minar a nossa fé no Logos? Estas perguntas serão forçados em
nós pelo próximo capítulo.
III

A INVENÇÃO DO CRISTIANISMO

Eles pararam, olhando triste. Então um deles, chamado Cléofas, respondeu-lhe: “És tu o único peregrino em Jerusalém
que não sabe as coisas que aconteceram nestes dias?” Ele lhes perguntou: “Que coisas?” Eles responderam: “ as
coisas sobre Jesus de Nazaré, que foi um profeta poderoso em obras e palavras diante de Deus e todas as pessoas, e
como nossos principais sacerdotes e líderes o entregaram para ser condenado à morte eo crucificaram. Mas nós
esperávamos que ele era o único a libertar Israel “. - Lucas 24: 17-21

Finalmente, irmãos e irmãs, adeus. Colocar as coisas em ordem, ouvir o meu apelo, concordam uns com os outros,
viver em paz; e o Deus do amor e da paz estará com você. Saúdem uns aos outros com um beijo santo.

- Segunda Carta de Paulo aos Coríntios (13: 4)


Capítulo Dez

O que Jesus fez?

H istorians da religião tem uma regra irônica para avaliar reivindicações da Bíblia sobre a história: o menos sentido uma reivindicação faz, o mais
provável é para ser verdade. Ou seja, a menos teológico sentido uma reivindicação faz, o mais provável é para ser verdade. Afinal, se os autores da
Bíblia estavam indo para fabricar coisas, você esperaria que eles fabricam coisas que coexistiram facilmente com suas crenças religiosas. Quando
você vê-los lutando para conciliar algum fato mal ajustadas com sua teologia, as chances são de que o fato é de fato verdade, uma verdade tão
bem conhecido em seus círculos que não havia nenhuma maneira de negar ou ignorá-lo.

Essa é uma razão os relatos bíblicos de devoção zelosa do rei Josias ao Senhor, discutido no capítulo 6, são credíveis. Dado que Josias
continua a morrer ignominiosamente, e que as fortunas de Israel, em seguida, em espiral em direção a catástrofe, teria sido teologicamente mais
simples para os editores monoteístas da Bíblia para descrever Josias como um politeísta galopante que provocou a ira duradouro de Deus. Sua
oposição ao politeísmo é tão teologicamente inconveniente que a melhor explicação para a sua inclusão na Bíblia é a sua verdade.

Este critério de credibilidade chamá-lo o Estado de historiadores bíblicos uma razão inconveniência-se teológicas dão tanta credibilidade à
crucificação de Jesus. Não há nenhuma referência escrita a Jesus sendo crucificado até duas décadas depois de sua morte, mas podemos ter
certeza de que a crucificação aconteceu, em parte porque ele fez tão pouco sentido teológico. 1

Isso pode soar estranho. O que poderia fazer mais sentido para um cristão do que morrer de Jesus na cruz? A crucificação encarna um dos
temas centrais do cristianismo, o amor de Deus pela humanidade. Como o verso cristão icónico João 3:16 diz: “Porque Deus amou o mundo de tal
maneira que deu o seu Filho unigênito ...” E, tão poderosa quanto anel estas palavras agora, imagine o seu impacto no mundo antigo. Ao longo da
história, deuses tinham sido seres a quem você fez sacrifícios. Agora, aqui era um deus que não só exigiu há sacrifícios rituais de você, mas se fez
sacrifícios de fato, o derradeiro sacrifício-para você. 2 Todos dos pecados da humanidade, incluindo o seu, poderia ser varrido do livro razão pela
redenção de auto-sacrifício de Deus.

E essa inversão de sacrifício só foi primeiro ato da teologia crucificação. Act Two-a Ressurreição de Jesus depois de sua execução e
sepultamento-era um símbolo igualmente potente. Ele ilustrou tanto a possibilidade da vida eterna e o fato de que qualquer pessoa de qualquer
etnia e qualquer classe social poderia qualificar para ele; tudo o que tinham a fazer era aceitar e compreender a ressurreição do próprio Jesus. Em
plena forma João 3:16 diz: “Porque Deus amou o mundo que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que crê não pereça, mas tenha a vida
eterna.” O livro de Gálatas enunciados esta política de admissões livres: “já não há judeu nem grego, não há escravo nem livre, não há homem nem
mulher; para todos vós sois um só em Cristo Jesus “. 3 salvação universal estava em oferta a partir de uma profunda compaixão e dar a Deus, e é
difícil imaginar um símbolo mais ressonante deste fato do que a crucificação de seu filho.

Por que, então, se a crucificação se encaixa em teologia cristã de forma lógica e poderosamente, teria estudiosos dizem que ele passa no
teste de inconveniência teológica (ou, como eles chamam, o “critério de dissimilaridade”)? Porque, no entanto teologicamente conveniente a
crucificação pode parecer agora, não parecia que caminho de volta quando aconteceu. Para os seguidores de Jesus da crucificação era, além
de dolorosa emocionalmente, um problema retórico sério.

Afinal, Jesus era suposto ser o Messias. 4 ( “Messias” é o significado da palavra grega que se tornou o título de Jesus:. Christos-or, em Inglês,
Cristo) os cristãos hoje compreendem o Messias como alguém enviado do alto que faz o máximo sacrifício, a sua vida por-humanidade, trazendo
espiritual salvação para o mundo. Mas voltando no tempo de Jesus, perdendo sua vida não fazia parte da descrição do trabalho do Messias.

A palavra “messias” veio do verbo hebraico que significa “aplique óleo,” para ungir. Na Bíblia hebraica, os reis de Israel foram chamados às
vezes “messias” do Senhor ungido do -Deus. 5 Até o final do primeiro milênio aC, como o nascimento de Jesus se aproximou, algumas seitas
judaicas viu um “ungido”, um messias, figurando centralmente em suas visões apocalípticas de uma vinda, batalha final com os inimigos de Deus. 6 A
expectativa mais comum parece ter sido que este Messias seria, como a maior parte da Bíblia Hebraica “ungidos”, um rei. 7 Daí as palavras que, de
acordo com o Evangelho de Marcos, foram inscritos na cruz por perseguidores de Jesus: “Rei dos Judeus”. E daí o seu sarcasmo quando ele
morreu: “Que o Messias, o Rei de Israel, desça da atravessar agora, para que possamos ver e acreditar.” 8

Sendo um rei não era um pré-requisito rigoroso por ser messias. A Bíblia hebraica tinha ocasionalmente referida um sumo sacerdote ou
mesmo um profeta como divinamente ungido. 9 Esta diversidade se refletiu no pensamento apocalíptico em torno do tempo de Jesus. De acordo
com o Mar Morto Rola-deixados para trás por uma seita que se instalou perto do Mar Morto mais de um século antes do nascimento-a batalha
climática de Jesus entre o bem eo mal seria travada sob a liderança de duas figuras messiânicas, um padre e um
Principe. 10 E mesmo se o messias era um rei, seu triunfo não necessariamente vir sozinho pela força militar. Os “Salmos de Salomão”, escrito
nas décadas antes do nascimento de Jesus, imaginou um rei messiânico que iria “destruir as nações ilegais com a palavra da sua boca.” 11

Ainda assim, uma coisa que todos os messias antecipados da época de Jesus tinham em comum era que eles iriam ajudar um triunfo
culminante sobre o mal, exercendo liderança aqui na terra, o que significava, para começar, não morrer antes do triunfo culminante sobre o mal. 12 Assim,
de acordo com a lógica vigente, a morte de Jesus deve ter sido um golpe devastador para todos os discípulos que tinham sido alegando que ele
era o Messias.

Então, novamente, de acordo com a lógica vigente, a morte do rei Josias no final do século sétimo, juntamente com a catástrofe que se seguiu
de Judá, deve ter politeístas vindicados e desgraça escrito para monolatria, para não falar do monoteísmo. Mas o movimento Yahweh-sozinho
provou criativo, então, e assim que o movimento de Jesus agora. 13 Yahwists de Judá encontrou uma maneira de transformar a calamidade em um
símbolo de poder universal de Deus, e os seguidores de Jesus encontrou uma maneira de transformar a calamidade em um símbolo do amor
universal de Deus.

Como eles fizeram isso? Por que eles fizeram isso? Ao responder a estas perguntas, que ajuda a compreender que este limões-into-limonada
manobra teológica não é a única coisa que o cristianismo incipiente tem em comum com o monoteísmo judaico incipiente. Em ambos os casos,
também, escrituras seguintes, tinha uma tendência para cobrir dos teólogos faixas-de reformulação do passado de uma forma que obscureceu a
evolução real da doutrina. dos últimos dias autores monoteístas da Bíblia do hebraico e editores, em recontando a história de Israel, criou a ilusão
de um monoteísmo israelita indígena, retratando diferentes do Senhor deuses como estrangeiros, se eles estavam ou não. autores do Novo
Testamento, em que relata a vida de Jesus, criou a ilusão de que a crença pós-crucificação era basicamente o mesmo que crença precrucifixion. O
cristianismo que evoluiu nas décadas e séculos depois da morte-do Jesus cristianismo que tinha crucificação como o seu core-se natural feito para
se parecer com uma extensão direta do que o próprio Jesus tinha dito e feito. E em alguns casos, isso significava que torce o que Jesus tinha
realmente dito e feito.

Isso não quer dizer, em qualquer caso, que a desonestidade consciente era galopante. Como histórias espalhar por via oral, de pessoa para
pessoa para pessoa, uma desonestidade global pode tomar forma, sem uma tentativa consciente de enganar. Imagine que os seguidores de
Jesus crucificado tentando ganhar convertidos-possuído por uma convicção tão poderosas que embelezar a história aqui e ali, mas uma convicção
tão sério que eles acreditam que seus enfeites.

De qualquer forma, para efeitos do presente a honestidade dos autores da Bíblia não é o que importa. Pelo contrário, a lição take-home é
que, em decifrar a revolução cristã, temos que trazer para o Novo Testamento, a mesma perspectiva que trouxemos para o “velho” Testamento,
da Bíblia Hebraica. Temos que lembrar que as narrativas bíblicas não reflectir apenas os momentos em que os eventos narrados aconteceram,
mas os momentos em que a narrativa se uniram. Com isto em mente, podemos entender exatamente como a crucificação, um ato que, em
teoria, deveria ter jogado este candidato a messias em desgraça além da recuperação, acabou transformando-o em um símbolo do amor
universal.

Certamente isso levou alguns a fazer. Para o verdadeiro Jesus, o “Jesus histórico” -didn't enfatizar o amor universal em tudo. Pelo menos, é
isso que um perto e olhar crítico sobre a escritura sugere fortemente.

O “Jesus histórico”

provas concretas sobre o “Jesus histórico” é escasso. relatos evangélicos da Bíblia da vida de Jesus e palavras-os livros de Mateus, Marcos, Lucas
e João foram escritos em algum momento entre 65 e 100 CE, trinta e cinco a setenta anos após sua morte. 14 Por esse tempo, sua matéria-prima,
histórias, em seguida, que circulam sobre Jesus na forma oral ou escrita, não tinha dúvida foi moldada pelas necessidades psicológicas e retóricas
de seus seguidores. (As cartas de livros Paul-Novo Testamento, como Filipenses e Romans-foram escritas anteriormente, começando cerca de
vinte anos após a morte de Jesus. Infelizmente, eles dizem quase nada sobre a vida de Jesus e muito pouco sobre suas palavras.)

O livro de Mark é geralmente considerado o mais confiável factualmente dos quatro evangelhos. Ele foi escrito por volta de 70 EC, cerca de
quatro décadas após a crucificação. Isso é um longo atraso, mas oferece menos tempo para a acumulação de informação duvidosa do que os
cerca de cinco décadas, disponíveis para Mateus e Lucas ou os seis ou sete décadas para John. Além do mais, durante a composição de Marcos
não teria havido pessoas sessenta ou setenta anos de idade que, como adultos jovens tinha pessoalmente testemunhado os ditos e feitos de
Jesus e sabia que seu biográficos detalhes-e cuja lembrança pode ter restringido a inventividade do autor. Esta população iria encolher durante a
década ou mais antes de outros evangelhos tomou forma, ampliar a liberdade criativa.

Certamente, como nós nos movemos com os evangelhos, na ordem da sua composição, podemos ver a acumulação de mais e mais
duvidosa informações. Mark não nos dá qualquer coisa como “a verdade nua e crua plain”, mas sua história é claramente menos envernizada do
que os relatos posteriores. (O nome real ea identidade do autor de Mark, como acontece com os outros evangelhos, é desconhecida, mas em
todos os casos, por conveniência, eu vou chamar os autores pelos nomes de seus livros.)

Considere o problema de Jesus ser de uma aldeia humilde, Nazaré. A Bíblia hebraica tinha dito que o Messias seria um descendente do rei
Davi e, como Davi, iria nascer em Belém.
15 Mark não aborda a questão de como “Jesus de Nazaré” poderia ter nascido em Belém. Mas pelo tempo que Mateus e Lucas foram escritos, uma
resposta surgira-duas respostas, mesmo. Lucas diz que os pais de Jesus foram a Belém para o censo e voltou para Nazaré após seu nascimento.
Na versão de Mateus, os pais de Jesus apenas parecem viver em Belém. Como, então, Jesus acabaria em Nazaré? Através de uma história
paralela elaborada que tem a família a fugir para o Egito sob coação e, em seguida, após deixar o Egito, considerando um retorno a Belém
perigoso, e estabelecendo-se em “uma cidade chamada Nazaré.” 16 Esta contradição entre Lucas e Mateus sugere que, neste caso, Marcos, o mais
antigo evangelho, é o lugar para encontrar a verdade desconfortável: Jesus de Nazaré era Jesus de Nazaré.

Assim também com a questão da atitude de Jesus para com a sua própria morte. Se Jesus era o filho de Deus, enviado aqui para morrer, você
acha que ele pode aceitar sua morte com graça, não feliz, talvez, mas pelo menos com uma certa resignação digna. Afinal de contas, ele é
conhecido sobre o plano o tempo todo, e ele sabe, também, que ele vai ser ressuscitado no final de qualquer maneira. No entanto, em Mark suas
últimas palavras são: “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?” - como se a crucificação era uma terrível surpresa e o último ato. Em
Lucas, escrito uma década ou duas mais tarde, não há tal perplexidade, e as últimas palavras de Jesus são em vez mais equânime “Pai, nas tuas
mãos entrego o meu espírito”. Em João suas últimas palavras são simplesmente “Está consumado”, e, novamente, não há sinais de dúvida ou
surpresa. 17 ( E, quanto ao mais magnânimo de ditos de Jesus no transversal “Pai, perdoa-lhes; para que eles não sabem o que estão fazendo”-isto,
proferidas no início de cena crucificação de Lucas, parece ter sido adicionada após Lucas foi escrito.) 18 Mais uma vez, Mark, a primeira conta, tem
uma característica inconveniente da história de Jesus que mais tarde evangelhos obscura.

Ainda assim, existem pelo menos duas verdades inconvenientes que vivem não só em Marcos, mas em Mateus, Lucas, ou ambos. Primeiro,
quando o Phari-vê desafiado Jesus para gerar sinais- celestial “testá-lo”, como Mark coloca-ele não conseguiu entregar. Em segundo lugar, ele foi
rejeitado na sua própria cidade natal, e aqui, também, ele não conseguiu realizar milagres poderosamente persuasivas. Que essas falhas viver em
evangelhos escritos mais tarde do que Mark pode significar que, como estudiosos têm sugerido, algumas das falhas de Jesus tornou-se pontos de
discussão para os adversários do movimento de Jesus e talvez trabalhou seu caminho para uma crítica unificada, escreveu que viveu por décadas. 19

Mesmo aqui, onde Mark não está sozinho em admitir fatos embaraçosos, ele surge como o mais sincero camadas, falta de artifício que se
acumulam em relatos posteriores. Em Marcos, quando alguns fariseus pedem um “sinal do céu”, Jesus só fica em seu barco e deixa num acesso
de raiva depois de dizer: “Por que esta geração pede um sinal? Em verdade vos digo, nenhum sinal será dado a esta geração.”Na época de
Mateus, a história ficou melhor. Aqui, também, Jesus diz que esta geração vai receber nenhum sinal, mas agora há uma razão: esta geração é mal.
Além disso, Jesus transforma o pedido de um sinal em sua cabeça por acusar os fariseus por não ler os “sinais dos tempos”. Em uma segunda
ocasião em Mateus, Jesus usa esse desafio como uma ocasião para prever enigmaticamente sua própria morte e ressurreição; agora os fariseus ter recebeu
um sinal e são muito cego para vê-lo. E pelo tempo de Lucas-considerado mais tarde do que Matthew pela maioria dos estudiosos que não
julgá-los essencialmente contemporânea, o problema foi rebaixado; o pedido de um sinal não vem dos fariseus em tudo, mas a partir de meros
espectadores anónimos, e é despachado com uma resposta confiante oblíqua que inclui a previsão codificada da morte e ressurreição de Jesus. 20

Especialmente difícil para os defensores de Jesus, sem dúvida, foi a rejeição na cidade onde ele foi criado. Nazaré teve apenas cerca de três
centenas de moradores. A maioria teria conhecido Jesus pessoalmente, e muitos eram provavelmente parentes. Não é nenhuma surpresa que a
história de modo dissonante uma repreensão viveria tempo suficiente para que Marcos, Mateus e Lucas se sentir compelidos a enfrentá-lo, o que
eles fazem com sucesso crescente.

Em todos os três, Jesus rejeita o desastre com um aforismo que acabaria em Cotações familiares de Bartlett. A versão seminal, como
retransmitida em Marcos: “Profetas não são sem honra senão na sua terra natal, e entre seus próprios parentes, e na sua própria casa” Depois
disso, os relatos evangélicos divergem. Mark diz de Nazaré que Jesus “não podia fazer escritura de poder lá” e deixou as pessoas em um estado de
“incredulidade”. Matthew, engenhosamente acrescentando que o último fez com que o primeiro, transforma o episódio em uma lição sobre a
importância da fé : “E ele não fez muitos atos de poder que existe por causa da incredulidade deles.” Lucas toma outro rumo. Primeiro, Jesus, em
vez de parecer que não responde a um desejo popular de que ele faz milagres, preventivamente antecipa o desejo:

“Sem dúvida, você vai citar-me este provérbio: 'Médico, cura-te!' E você vai dizer: 'Faça aqui também em sua cidade natal as coisas
que já temos ouvido que você fez em Cafarnaum.”E ele disse:‘Em verdade vos digo que nenhum profeta é bem recebido na cidade
natal do profeta.’

Em seguida, ele cita precedente na Bíblia hebraica para profetas aplicando seus poderes miraculosos no exterior, em vez de em casa: o
tempo de Eliseu curou um leproso sírio mesmo enquanto leprosos israelitas sofreram. No relato de Lucas é este ensino-referência simpático
para os gentios-que transforma a multidão contra Jesus, não a sua incapacidade de realizar milagres. 21

O acréscimo de lore desconfiado conveniente e interpretação após a escrita de Mark não significa que o próprio Mark é em qualquer lugar
perto de ser um documento confiável, ou que o seu autor é inocente.
Mark parece responsável por um dos dispositivos defensivos mais marcantes nos evangelhos: a explicação de por que Jesus, enviado por Deus
para convencer as pessoas de que o reino de Deus estava próximo, convencido de que tão poucas pessoas.

No quarto capítulo de Marcos, Jesus compartilha uma parábola misteriosa com uma multidão grande e presumivelmente sem compreender.
Então, mais tarde:

Quando ele estava sozinho, os que estavam ao redor dele junto com os doze perguntou-lhe sobre as parábolas. E disse-lhes: “A vós foi
dado o mistério do Reino de Deus, mas para aqueles que estão fora, tudo vem em parábolas; para que

'Eles podem de fato olhar, mas não percebem, e pode de fato ouvir, mas não
entendo; de modo que não pode se transformar de novo e ser perdoado.” 22

Odd-o enviado dos céus para espalhar a palavra divina propositadamente codifica a palavra de modo que a maioria das pessoas não vai
conseguir! A estranheza é apenas levemente diluído pelo fato de que este tem hebraico precedência Bíblia (na história do profeta Isaías, ao qual
Jesus aqui alude). Em toda a probabilidade, esta foi uma primeira tentativa de explicar por que Jesus, que aparentemente veio para esclarecer as
pessoas, tinha esclarecido tão poucos no momento em que ele morreu, uma explicação por isso necessário que a história é preservada em
Mateus e Lucas.

Tal é o padrão geral, assimétrico. Mark é mais inclinado do que evangelhos posteriores a admitir fatos inconvenientes ( “Por que me
abandonaste?”). E quando evangelhos posteriores não incluem tais fatos (o fiasco Nazaré, por exemplo), eles tendem a reter dispositivos Markian
que os explicam distância, e eles às vezes jogar em dispositivos exculpatory adicionais não encontradas em Marcos. Os evangelhos posteriores
encobrir a vida de Jesus em mais ofuscação, e ofuscação mais sucesso, que Mark faz. À medida que as décadas passam - 70 CE, 80 CE, 90 CE-a
história de Jesus fica menos limitado pela memória histórica e mais impressionante.

Esta tendência culmina em João, o último dos evangelhos. fatos aqui infelizes que mesmo Matthew ou Luke sentiu compelido a conceder são
ignorados ou mesmo invertida. Não há nenhuma menção do fiasco Nazaré, e como para o fracasso de Jesus para realizar sinais para os fariseus:
hora após hora, no livro de John, fariseus estão convencidos de que Jesus pode realizar sinais e maravilhas. Como um deles se maravilha,
“ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes para além da presença de Deus.” 23

De fato, na época de John tem havido uma mudança geral no teor dos milagres de Jesus. Em Marcos, Jesus não fez milagres
ostensivamente, e às vezes ele até se esforçou para realizá-las em privado. (Uma resposta aos críticos que observou que alguns outros do que
seguidores de Jesus pessoas alegaram testemunha de seus milagres?) Em João, Jesus transforma milagres em espetáculos. Antes de levantar
Lázaro dos mortos-algo que Jesus faz em nenhum evangelho que outro diz a doença de Lázaro foi “para a glória de Deus, para que o Filho de
Deus seja glorificado por ela.” Além disso, os milagres são agora explicitamente simbólica. Quando Jesus cura um homem cego, ele diz: “Eu sou a
luz do mundo.” 24

A reivindicação, mas bastante imodesto de John Jesus não é um homem modesto. Em nenhum evangelho anterior Jesus equiparar-se com
Deus. Mas em João diz: “Eu eo Pai somos um”. 25 lenda e teologia cristã tem por este ponto tinha sessenta ou setenta anos para evoluir, e eles são
menos obedientes do que nunca para as memórias do Jesus real, humana.

Tudo isso sugere que, se nós estamos indo para tentar fazer uma facada em reconstruir o “Jesus histórico”, mesmo no mais amplos contornos,
Mark, o mais antigo evangelho, é o lugar para começar. Lá, mais do que em qualquer outro relato da vida e ditos de Jesus, o número de fatos
claramente desajeitados e mal envernizadas sugere pelo menos algum grau de factualness.

Thy Kingdom Come

Qual é o Jesus de Marcos como? Para começar, aventureiro. Logo no início, depois de estar imerso no rio Jordão por João Batista, ele passa
quarenta dias sozinho no deserto. Este episódio poderia ser apócrifa, mas é um prelúdio plausível para uma carreira messiânica. Sabemos das
“missões de visão” de jovens americanos nativos que a solidão ascética podem transmitir um senso de propósito, às vezes catalisada por contacto
presumivelmente alucinatória com seres sobrenaturais. No livro de Marcos, o ser sobrenatural era Satanás, cujo tentações não conseguiu desviar
Jesus de sua missão.

Essa missão era dupla.


Uma parte foi para ir ao redor curar pessoas, exorcizando seus demônios e, ocasionalmente, multiplicando alimentos. Aqui Jesus soa bastante
como outros curandeiros e exorcistas que percorriam Palestina na época. 26 Ele também soa como um xamã clássico em uma sociedade “primitiva”:
depois de uma aprendizagem que envolve a bênção de um médico mais velho (João Batista) e uma fase fortificante de privação ascético, ele tem o
poder de curar a física ou mentalmente doente. 27 Jesus empregar o truque de prestidigitação que muitos xamãs da vida real têm sido conhecida a
empregar? (Um livro acadêmico sobre Jesus é chamado Jesus the Magician.) Ou será que ele só tem um -Diga “presente”, um efeito calmante sobre
as pessoas com
histericamente induzida doenças-que produziram histórias de sucesso suficientes para seus seguidores para divulgar, junto com algum
embelezamento? Ou foram seus feitos milagrosos invenções atacado de seus seguidores, destinadas a compensar os famosos ocasiões em
que ele foi desafiado a produzir “sinais” e falharam?

Difícil de dizer. Em qualquer caso, se Jesus tivesse sido apenas um outro trabalhador maravilha palestino errante, nunca teríamos ouvido
falar dele. É a segunda parte, nonshamanic da missão de Jesus que provaria importante. Em Marcos, seu primeiro ato ao retornar do deserto é ir
para a Galiléia e começar a previsão da chegada do “reino de Deus”.

Aqui Jesus está pegando onde Segundo Isaías parou meio milênio antes: no modo apocalíptico. Isaías tinha imaginado um dia em que o
Senhor iria finalmente trazer justiça para o mundo, quando os fiéis de longo sofrimento poderia se alegram, como desequilíbrios opressivos de
poder foram invertidos. Jesus compartilhou antecipação de um tempo de Isaías, quando o “últimos serão os primeiros e os primeiros serão os
últimos”, como ele dizia. Mas Jesus foi mais específico sobre quando esse tempo viria: muito, muito em breve. O dia da salvação, quando o bom
finalmente triunfar sobre o mal, estava próximo. Daí o termo “evangelho” - “boas notícias” As primeiras palavras de Jesus no Evangelho de Marcos
são “O tempo está cumprido, eo reino de Deus está próximo; arrepender e acreditar na boa notícia.” 28

Qual seria a vinda do reino ser como? Algumas passagens atribuídas a Jesus fazê-lo soar como uma coisa espiritual sutil, talvez apenas uma
metáfora. “O reino de Deus não vem com as coisas que podem ser observados; Nem dirão: 'Olha, aqui está!' ou 'Lá está ele!' Pois, na verdade, o
reino de Deus está entre vós.”Mas este versículo, de Lucas, foi escrito cerca de cinquenta anos após a morte de Jesus, talvez para amenizar
crescentes dúvidas sobre a previsão de Jesus de que o Reino de Deus chegaria a qualquer momento. evidência mais confiável vem de Mark na
forma da própria previsão: “Em verdade vos digo, alguns dos que estão aqui, que não provarão a morte até que vejam que o reino de Deus veio no
poder.” E eles sabem disso quando vê-lo: “o sol escurecerá, ea lua não dará a sua luz, 29

Drama estava em ordem, uma vez que o evento abençoado era nada menos do que a imposição de estado que o ideal de Deus até então
existia apenas no céu-on do mundo de outra forma imperfeita dos seres humanos. Como a oração do Senhor diz, “venha o vosso reino, seja feita
sua vontade, assim na terra como no céu.”

A vontade de Deus era que aqueles indignos da cidadania seria expulso, expedidos ao sofrimento eterno. Aqui Jesus significa claramente
negócio: se teu pé te faz tropeçar, enquanto trilhando o caminho para a salvação, ele diz, você deve cortá-lo, e “se o teu olho te faz tropeçar,
arranca-o; é melhor para você entrar no reino de Deus com um só olho do que, tendo dois olhos, ser lançado no inferno, onde ... o fogo não se
apaga “. 30

Onde está o amor?

E quais foram os critérios de admissão? Qual foi a concepção de justiça de Jesus? Se fizermos o nosso melhor para reconstruir o “Jesus
histórico”, que dos ensinamentos morais atribuídos a ele parecem ser autenticamente dele? A resposta que surge desde as primeiras
representações de sua mensagem irá decepcionar os cristãos que Jesus crédito com trazer a boa notícia da compaixão ilimitada de Deus.

No livro de Mark, a palavra “amor” aparece em apenas uma passagem. 31 Jesus, perguntou por um escriba que mandamento bíblico é acima
de tudo, cita dois: “O primeiro é ... 'Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, e de toda a tua alma e com toda tua mente, e com toda a
sua força .' O segundo é este: 'Amarás o teu próximo como a ti mesmo.” 32 Quando o escriba concorda e considera estes mandamentos “mais
importante do que todos os holocaustos e sacrifícios”, Jesus diz: “Você não está longe do reino dos céus”.

Esta é definitivamente uma mensagem de amor. Mas o amor do que amplitude? Nós já vimos que no verso Jesus cita-a liminar Bíblia do
hebraico para amar seu vizinho-o significado de “vizinho” foi, provavelmente, confinado a outros israelitas. Em outras palavras: vizinho significava
vizinho. Não há nenhuma razão óbvia para acreditar que esta parte do evangelho mais antigo, a única parte do Mark onde a palavra “amor” aparece
em tudo, foi feito mais expansivamente.

Na verdade, não há razão para acreditar no contrário. Dois evangelhos levar a história de uma mulher que pede a Jesus para exorcizar um
demônio de sua filha. Infelizmente para ela, ela não é de Israel. (Ela é “cananeu” em um evangelho “siro-fenícia” em outro.) Jesus leva isso em
conta e respostas, com uma de suas alegorias menos lisonjeiro, “Não é justo tirar o pão dos filhos e lançá-lo aos cachorrinhos. ”Pateticamente, as
respostas mulher‘ mas até os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa dos seus donos’, 33 após o qual Jesus cede e lança-lhe
algumas migalhas por jogar fora os demônios.

Defensores de Jesus poderia dizer que ele estava apenas piquantly dirigindo para casa o fato de que os gentios podem encontrar a salvação
através da fé. Na verdade, essa é a forma como a história se desenrola em Mateus, quando Jesus exclama: “Grande é a tua fé!” Mas em Marcos,
a narração no início da história, não há nenhuma menção de fé. O que ganha o favor de Jesus, ao que parece, é a mulher do reconhecendo seu
status inferior, abraçando-a final da metáfora mestre-cão; com a mulher inclinou-se diante dele, Jesus responde apenas: “Para dizer isso, você
pode ir-o demônio já saiu de tua filha.” 34
que isso Jesus não soar como o Jesus etnia-cego na canção escola dominical moderna:

Jesus ama as crianças pequenas, todas as


crianças do mundo. Vermelho e amarelo, preto
e branco, Todos são preciosos em sua vista,

Jesus ama as criancinhas do mundo.

Defensores da ideia tradicional de um Jesus daltônico pode apontar que, no final de Marcos, Jesus diz aos seus discípulos: “Ide por todo o
mundo e proclamar a boa nova para toda a criação. Aquele que crer e for batizado será salvo.”Mas acontece que essa passagem foi adicionado
bem depois de Marcos foi escrito. 35 Além do mais, trazendo a palavra do Deus de Israel para o mundo não significa necessariamente que a
concessão estrangeiros o status de israelitas. Segundo Isaías tinha queria que as pessoas do mundo para testemunhar a grandeza do Senhor, e,
assim, encontrar uma salvação das sortes, mas a ideia era que eles teriam então curvar-se Zion em subserviência a Deus de Israel e, portanto,
para Israel. De fato, quando Jesus diz, em Marcos: “Não está escrito: A minha casa será chamada casa de oração para todas as nações '?”, Ele
está aludindo a uma passagem em que o Segundo Isaías prevê estrangeiros sendo trazido à casa de Deus em Israel “para ser seus servos.” 36

Em suma, se quisermos julgar por Mark, mais antiga e mais confiável dos quatro Evangelhos, o Jesus que conhecemos hoje o não é o Jesus
que realmente existiu. O verdadeiro Jesus acredita que você deve amar o seu próximo, mas isso não deve ser confundido com amar toda a
humanidade. Ele acredita que você deve amar a Deus, mas não há nenhuma menção de Deus amar você. Na verdade, se você não se arrepender
de seus pecados e acatam a mensagem de Jesus, você será negada a entrada no reino de Deus. (E o Jesus que disse: “Deixe que aquele que
estiver sem pecado atire a primeira pedra”? 37 Esse versículo não só vem a partir do último evangelho, John, mas, aparentemente, foi adicionado
séculos depois que João foi escrito.) Em Mark não há Sermão da Montanha, há bem-aventuranças. Jesus não diz: “Bem-aventurados os mansos”
ou “Vire a outra face” ou “Ame o seu inimigo.”

O Evangelho Segundo Q

Para as pessoas que gostariam de pensar que Jesus disse essas três coisas, há um raio de esperança. A esperança é chamado de “Q.” Os livros
de Mateus e Lucas compartilham muitas histórias, e as histórias se dividem em duas categorias: o tipo que se encontram em Marcos, e do tipo que
não são. A maioria dos estudiosos inferir que os autores de Mateus e Lucas tiveram acesso tanto ao livro de Marcos e alguma fonte-um outro
documento real, presumivelmente, isto é referido como Q. Se Q existiu, deve ter sido mais cedo do que Mateus e Lucas , e alguns estudiosos acho
que foi muito mais cedo, tendo pelo menos tão perto uma conexão com o “Jesus histórico”, como Mark faz. E Q inclui o Sermão da Montanha, que
apresenta, entre várias expressões marcantes, este bastante radical um: “Ouvistes que foi dito: 'Amarás o teu próximo e odeie o seu inimigo' Mas
eu vos digo, Amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem, para que possam ser filhos de vosso Pai do céu; pois ele faz nascer o seu
sol sobre maus e bons, e faz chover sobre os justos e sobre os injustos.” 38

Isso definitivamente soa como amor universal. Afinal, se você ama seus inimigos, que não você ama? Mas é realmente claro que Jesus está
aqui falando gentios inimigos, cerca de inimigos do os judeus, ao contrário de inimigos entre os judeus? Certamente a atitude de Jesus para com os
gentios não soa muito caridoso dois versos mais tarde, quando, elaborando sobre a necessidade de espalhar a sua amor amplamente, ele diz, “E,
se saudardes somente os vossos irmãos e irmãs, o que mais está fazendo do que outros? Não fazem os gentios fazer o mesmo?” 39 Citando esta e
outras partes do Q, o estudioso CM Tuckett observou: “A linguagem natural de Q parece assumir que 'gentios' são aqueles que estão fora da
esfera da salvação”. O “termos de referência parecem ser totalmente Israel- orientado." 40 Em outras palavras, “amar o inimigo”, como “amar o
próximo”, é uma receita para a coesão social israelita, não para a ligação inter-étnica.

Tuckett poderia estar errado, é claro, mas isso pode ser uma questão discutível. No próximo capítulo vamos encontrar razão para duvidar que o
verdadeiro Jesus realmente proferiu a frase “Amai os vossos inimigos” de qualquer maneira.
Para encontrar Jesus carregando explicitamente o mandato do amor além dos limites de Israel, temos que ir para o livro de Lucas. Depois de
estabelecer que “Ame o seu próximo” está no cerne da Lei judaica, Jesus é perguntou: “E quem é o meu próximo?” Ele responde com uma história
sobre um homem de Jerusalém, que é espancado e deixado deitado à beira da estrada. Dois companheiros judeus, um sacerdote e um levita,
passar por ele sem ajudar, e, em seguida, um homem de Samaria passa, tem pena dele, e restaura-lhe a saúde. (Samaria tinha sido parte do reino
do norte de Israel antigo, mas, depois de conquistas imperiais sucessivos, o judaísmo não criar raízes lá, então samaritanos eram estrangeiros para
judeus.) Jesus diz: “Qual destes três, você acha, foi um próximo do homem que caiu nas mãos dos salteadores?”Sua ouvinte diz:‘Aquele que lhe
mostrou misericórdia.’Jesus responde: 41

Esta, a parábola do Bom Samaritano, é um grampo de classes de escola dominical, e de forma compreensível; ele carrega
explicitamente amor através limites étnicos. Mas ele não é encontrado em qualquer
candidato para a primeira evangelho fonte-o Evangelho de Marcos ou a Q. postulou Por isso, é um enunciado improvável do Jesus histórico,
especialmente dado o seu confronto com as coisas que está encontrado em fontes anteriores, como os estrangeiros chamam de Jesus “cães.” Ele
se choca, também, com outras fontes que, se não a mais antiga, são pelo menos tão cedo como Luke. Por exemplo, em Mateus, Jesus só tem a
dizer sobre os samaritanos, pouco antes de enviar os seus discípulos a espalhar a palavra salvadora: “Vá em nenhum lugar entre os gentios, nem
entreis em cidade de samaritanos, mas ide antes às ovelhas perdidas da casa de Israel “. 42

A natureza Israelocentric da vinda do Reino de Deus é ecoado em outras partes do Novo Testamento. Você já se perguntou por que havia
doze discípulos? Em Mateus e Lucas, Jesus diz que, uma vez que o Reino de Deus já chegou, cada discípulo terá de governar uma das doze
tribos de Israel reconstituído. E uma vez que vai estar sentado ao lado do príncipe deste reino - presumivelmente Jesus ou alguma outra figura
divinamente ungido, se não o próprio Yahweh-isso sugere um papel proeminente para Israel no esquema das coisas; sugere que o “reino de Deus”
é também o “reino de Israel.” 43 De fato, no livro de Atos dos apóstolos perguntaram a Jesus: “Senhor, é este o momento em que você vai restaurar
o reino de Israel?” 44

Essa conversa, definida após a Ressurreição, é improvável que tenha ocorrido. Mas o ponto é que o autor de Atos (que também foi o autor de
Lucas) deve ter sido rica em folclore local sobre o ministério de Jesus, e ele ainda considerado este o tipo de pergunta que os apóstolos poderia
muito bem ter perguntado. Além disso, Jesus não aproveitar a oportunidade para corrigi-los encerando universalista e dizendo: Ele parece aceitar a
premissa de um reino israelita vindo, corrigindo-os apenas na questão de timing “Isto não é sobre Israel.”: “Ele não é para você saber os tempos ou
períodos que o Pai reservou à sua própria autoridade.” 45

O que exatamente era novo?

Jesus é muitas vezes chamado um radical, um revolucionário, mas a nossa tentativa de traçar os contornos irregulares do “Jesus histórico”
deixa-lo olhando de muitas maneiras tradicionais.
Para começar, ele era acima de tudo, como Albert Schweitzer famosa argumentou no livro 1906 A Busca do Jesus Histórico profeta
apocalíptico -um. 46 E ele era um herdeiro direto de profetas apocalípticos judaicos anteriores, nomeadamente Segundo Isaías. “Reino de Deus”,
de Jesus, embora prestados por Matthew como um “reino dos céus,” ia ser reino antecipado do Segundo Isaías, aqui mesmo, na Terra. E,
também como o reino de Isaías, seria colocar não apenas o Deus de Israel, mas o próprio Israel, frente e no centro. EP Sanders, um estudioso
do cristianismo primitivo, escreveu, “a esperança de Jesus para o reino se encaixa em longa e esperanças profundamente arraigadas entre os
judeus, que continuaram a olhar para Deus para redimir o seu povo e constituem um novo reino, um em que Israel seria seguro e pacífico, e
aquele em que gentios iria servir o Deus de Israel. Jesus nutria pensamentos tradicionais sobre Deus e Israel: Deus escolheu todo o Israel, e ele
um dia iria redimir a nação “. 47

Também não havia nada de novo sobre o discurso em nome dos pobres e dos fracos. profetas bíblicos vinha fazendo isso desde pelo menos
o tempo de Amos e Primeiro Isaías, mais de sete séculos antes. Exploração dos impotentes, eles se queixaram, estava entre as formas Israel
desafiou a vontade de Javé.

Mas se não havia nada de novo na apocalíptica de Jesus ou em suas políticas progressistas, pode ter havido algo criativo em sua combinação
dos dois. Como vimos, a visão-apocalíptico no antigo Israel e em outros lugares-se normalmente apresentava uma polaridade invertida: um dia o
oprimido vai subir para o topo da pilha, e os opressores vão encontrar-se na parte inferior. Normalmente, essa inversão de poder se desenrola em
um cenário internacional: todo um povo, como Israel, finalmente sobe acima povos vizinhos de longa dominantes. Jesus, porém, parece ter
imaginado essa inversão de fortunas não apenas entre nações, mas dentro a nação israelita também. Sua promessa famosa que o “primeiros serão
os últimos e os últimos serão os primeiros” poderia ter resumido previsão do futuro geopolítico do Segundo Isaías, mas Jesus parece ter aplicado
internamente, para o futuro social de Israel. Quando ele disse: “É mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que alguém que é
rico entrar no reino de Deus”, ele quis dizer que, venha o Dia do Julgamento, pobres israelitas subiria na hierarquia social do país . Jesus
combinado a política progressivas de Primeira Is com a inversão apocalíptico que atinge tais alturas em segundo lugar Is e justifica o ex em termos
deste último.

48 Esta manobra retórica pode ter sido politicamente conveniente. Os oprimidos parecem ter sido uma grande parte do eleitorado de Jesus, e eles
sem dúvida teria aquecido a visões de sua ascendência vinda. Esta mensagem pode também ganharam Jesus alguns seguidores não tão
oprimidos. Toda vez que ele trota para fora a metáfora camelo-agulha, que é ao mesmo tempo tentando convencer as pessoas de meios para
vender suas posses e se juntar à sua causa.

Claro, não podemos ter certeza de que Jesus abraçou a causa dos oprimidos. Não é um tema que recebe um monte de jogo em Marcos, e
até mesmo na fonte Q, no Sermão da Montanha, é ambígua; Luke tem ele, dizendo: “Bem-aventurados os pobres”, enquanto Mateus tem ele,
dizendo: “Bem-aventurados os pobres em espírito.” 49
Ainda assim, pelo menos esta mensagem faz sentido político; agitadores muitas vezes têm eleitorado de classe baixa. E pelo menos não é
contrariada por um monte de passagens nos primeiros evangelho. Sua mensagem de amor universal, em contraste, é categoricamente contrariada
por passagens em Marcos e não é um vencedor político natural. Então como é que essa mensagem entrar na tradição cristã?

Para responder a essa pergunta, precisamos ir além do “Jesus histórico”. Precisamos entender não as montanhas da Galiléia, onde Jesus
pregou, ou mesmo nas ruas de Jerusalém, onde seu ministério atingiu o seu clímax violento. Precisamos entender as cidades em todo o Império
Romano através do qual o movimento de Jesus se espalhou nas décadas seguintes. É aí que os cristãos Jesus conhecemos hoje tomou forma,
depois de o verdadeiro Jesus morreu. É aí que Jesus Cristo, o Messias crucificado que não deveria morrer, em primeiro lugar, nasci de novo.
Capítulo Onze

O Apóstolo do Amor

Eu f fato, como no capítulo anterior sugeriu, o amor não era uma grande parte da mensagem real de Jesus, que fez um grande tema cristão?
Muitas pessoas, mas o papel seminal provavelmente foi jogado pelo apóstolo Paulo.

No mundo moderno, as opiniões de Paulo sobre o amor são mais conhecidos pelo famoso pedaço de escritura lida em tantos casamentos: “O
amor é paciente; o amor é gentil; o amor não é invejoso ou arrogante ...” 1 Mas esta passagem de uma carta aos Coríntios é apenas uma pequena
amostra da obra de Paulo sobre o assunto. Ao passo que Jesus pronuncia a palavra “amor” apenas duas vezes em todo o Evangelho de Marcos,
Paulo usa mais do que dez vezes em uma única carta, sua carta aos Romanos. Às vezes, ele está falando sobre o amor de Deus pelo homem, às
vezes sobre a necessidade do homem de amar a Deus, e cerca de metade do tempo que ele está falando sobre a necessidade das pessoas a amar
um ao outro, a necessidade de, como ele às vezes coloca, “fraternal amor." 2

Na verdade, Paul é o autor de extensão conciso do Novo Testamento de fraternidade em toda limites da etnia, classe, mesmo (não obstante o
termo “fraternidade”) gênero. Foi sua carta aos Gálatas, que foi citado no capítulo anterior: “Já não há judeu nem grego, não há escravo nem
livre, não há mais masculino e feminino; para todos vós sois um só em Cristo Jesus “. 3

O “apóstolo Paulo” não era um dos doze apóstolos de Jesus. 4 Muito pelo contrário: depois da crucificação, ele parece ter perseguido os
seguidores de Jesus. De acordo com o livro de Atos, ele “estava devastando a igreja entrando pelas casas; arrastando homens e mulheres, os
entregava à prisão.” 5 Mas então, quando em sua maneira de tratar alguns seguidores sírios de Jesus desta forma, ele passou por sua conversão
“estrada de Damasco”. Ele foi cegado pela luz e ouviu a voz de Jesus. Isso mudou sua perspectiva. Ele finalmente decidiu que Jesus tinha morrido
em expiação dos pecados da humanidade.

Paul dedicou o resto de sua vida a espalhar esta mensagem, e ele era muito bom nisso. Por mais que o próprio Jesus, alguns estudiosos
dizem, Paul foi vital para o eventual sucesso do movimento religioso que veio a ser chamado cristianismo. E, Mais de Jesus, aparentemente, Paulo
foi responsável por injetar que a religião com a noção de amor fraternal interétnica.

Por que Paulo se tornar o homem ponto de um Deus cujo amor não conhece limites étnicos? Será que é porque ele estava naturalmente
amoroso e tolerante, um homem que sem esforço imbuído tudo o que ele encontrou-se com um sentimento de pertença? Improvável. Mesmo em sua
correspondência, que presumivelmente reflete uma versão filtrada do Paul interior, podemos vê-lo declarando que os seguidores de Jesus que não
concordam com ele sobre a mensagem do evangelho deve ser “amaldiçoado”, ou seja, condenados por Deus ao sofrimento eterno. 6 O estudioso John
Gager descreveu Paul como um “pregador-organizador mal-humorada, duramente atacado e odiado por outros apóstolos dentro do movimento de
Jesus.” 7

Não, as origens da doutrina de Paulo de amor interétnico não mentir em sua própria amoroso-kindess, embora para todos nós sabemos que
ele reuniu grande parte que, no curso de sua vida. Esta doutrina não flui naturalmente de suas crenças fundamentais sobre Jesus, também.
mensagem do evangelho de Paulo pode ser dividido em quatro partes: Jesus era o Messias esperado, o Cristo; o Messias tinha morrido como uma
espécie de pagamento pelos pecados da humanidade; seres humanos que acreditavam este-que reconheceu o resgate Cristo tinha realizado em
seu nome-pudéssemos ter a vida eterna; mas é melhor que evidenciam essa fé rapidamente, para Judgment Day estava por vir.

Esta mensagem pode sugerir um Deus amoroso, mas não diz nada diretamente sobre a importância de amar as pessoas umas das outras,
muito menos sobre a importância de estender esse amor através limites étnicos. Então, onde a doutrina de que algumas pessoas agora pensar
em como “amor cristão” vem? Ele emerge da interação entre as ambições de condução de Paulo e seu ambiente social. No final tanto crédito
deve ir ao Império Romano como a Paul.

Carente de amor

No Império Romano, no século após a crucificação era um tempo de deslocamento. As pessoas correram para cidades de fazendas e pequenas
cidades, encontrou culturas e povos estrangeiros, e muitas vezes enfrentado esse fluxo sem o apoio de parentes. O classicista ER Dodds tem
escrito dos “habitantes sem raízes das grandes cidades” do império: “o tribo urbanizada, o camponês vêm à cidade em busca de trabalho, o
soldado desmobilizado, o rentista arruinado pela inflação, e o escravo alforriado. ” 8

Era um pouco como a virada do século XX nos Estados Unidos, quando a industrialização atraiu americanos em cidades turbulentas, longe de
suas famílias. Naquela época, como o cientista social Robert Putnam observou, urbanos desenraizados encontrada ligação à terra em cima-e-vinda
organizações sociais, como o Elks Club eo Rotary Club. Você pode esperar condições comparáveis ​no início do Império Romano para desovar
organizações comparáveis. De fato, cidades romanas viu um crescimento em associações voluntárias. 9 Alguns eram alianças profissionais, alguns
mais como
clubes, e alguns eram cultos religiosos ( “cultos” no antigo senso de grupos dedicados à adoração de um ou mais deuses, não no sentido moderno
de grupos marginais malucos). Mas qualquer que seja a sua forma, que muitas vezes totalizou que um estudioso chamado famílias fictícias para as
pessoas cujas famílias reais estavam fora em alguma aldeia distante ou cidade. 10

Os serviços familiares oferecidos por esses grupos variou de material, como enterrar os mortos, para o psicológico, como dar às pessoas uma
sensação de que outras pessoas se preocupava com eles. Em ambos os casos, as igrejas cristãs satisfeitas as necessidades do dia. Quanto ao
material: A igreja, Dodds escreveu, desde “o essencial da segurança social,” cuidando “viúvas e órfãos, os idosos, os desempregados e os
deficientes; forneceu um fundo de enterro para os pobres e um serviço de enfermagem em tempo de peste “. 11 Quanto ao psicológica: Na escrita de
Paulo, “irmãos” é um sinônimo para uma igreja foi uma grande família “seguidores de Jesus.”.

Até certo ponto, então, “amor fraternal” de Paulo era apenas um produto de sua época. A igreja cristã estava oferecendo o espírito de
parentesco que as pessoas precisavam e que outras organizações oferecido. Um termo comumente aplicado a essas organizações foi thiasos, ou
confraria; a linguagem da fraternidade não era, por si só, uma inovação. 12 Ainda assim, os primeiros escritos cristãos “utilizar parentesco
vocabulário para um grau totalmente incomparável entre as organizações sociais contemporâneas,” um estudioso observou. 13 Nessa carta aos
Coríntios que é destaque em tantos casamentos, Paulo usou a denominação “irmãos” mais de vinte vezes.

Não é difícil pensar em razões pelas quais os cristãos primitivos tinham um sentido mais forte do que a média da família. Por exemplo: eles
eram monoteístas. Considerando que os pagãos que formavam a maioria da população pode distribuir sua lealdade entre vários cultos religiosos,
cristãos adoravam em uma congregação e apenas uma congregação. Relações com outros membros da congregação foram proporcionalmente
intensa. Mas de uma maneira isso só aprofunda o quebra-cabeça de devoção de Paulo para o tema do amor. Se fraternidade veio tão naturalmente
a congregações monoteístas no Império Romano, por que Paul tem que gastar muito tempo pregando sobre isso?

A chave para entender por que Paulo se tornou o apóstolo do amor e um símbolo de fraternidade universal é lembrar que ele era muito mais
do que um seguidor comprometido de Jesus. Ele era um homem de muita ambição. Essa ambição parece ter sido seriamente espiritual,
aproveitada para uma mensagem de Paul considerado o verdadeiro caminho para a salvação. Ainda assim, é esclarecedor comparar Paul para os
empresários modernos de motivação mais mundano. Ele era um homem que queria estender a sua marca, a marca Jesus; ele queria montar
franquias congregações de Jesus seguidores em cidades de todo o Império Romano. Estranhamente, estas aspirações imperiais infundido
pregação de Paulo com ênfase no amor fraternal que nunca poderia ter adquirido tinha sido Paul conteúdo para executar uma única loja de
mom-and-pop.

Paul como CEO

Qualquer um que queria criar uma organização mais distantes no mundo antigo enfrentou dois grandes problemas: tecnologia de transporte e
tecnologia da informação. Naqueles dias, a informação não pode viajar mais rápido do que a pessoa que ele, que por sua vez não pode viajar mais
rápido do que o animal levando a pessoa. Uma vez que Paul tinha fundado uma congregação e deixou para fundar outro em uma cidade distante,
ele estava em outro mundo; ele não poderia voltar muitas vezes para verificar o funcionamento, e ele não podia disparar e-mails para manter os
líderes da igreja na linha.

Confrontados com o que nos atacar hoje como tais deficiências tecnológicas gritantes, Paul fez a maior parte do que a tecnologia da
informação não havia: epístolas. Ele enviou cartas às congregações distantes em uma tentativa de mantê-los em consonância com sua missão
global. Os resultados estão conosco hoje na forma de epístolas paulinas do Novo Testamento (ou, pelo menos, sete, fora de treze anos, que a
maioria dos estudiosos consideram autêntica). Estas cartas não são apenas inspirar reflexões, embora espirituais são muitas vezes isso, mas
instrumentos para resolver problemas administrativos.

Considere que a famosa ode ao amor em 1 Coríntios. Esta carta foi escrita em resposta a uma crise. Desde sua partida de Corinto, a igreja
tinha sido dividido por partidarismo, e Paulo enfrentou rivais de autoridade. No início da carta, ele lamenta o fato de que alguns fiéis dizem: “Eu sou
de Paulo”, enquanto outros dizem, “Eu pertenço a Cefas.” 14

Há uma segunda e possivelmente relacionado problema. Muitos nas IGREJA “entusiastas”, alguns estudiosos chamam-Acredita-se para ter
acesso directo ao conhecimento divino e estar perto da perfeição espiritual. Alguns pensavam que eles não precisam aceitar a orientação da Igreja
em matéria moral. Alguns mostraram seus dons espirituais por espontaneamente falar em línguas durante os cultos, algo que pode incomodar os
fiéis humildes e que, em doses elevadas o suficiente, poderia inviabilizar um serviço. Como o estudioso Gunther Bornkamm colocou, “A marca dos
'entusiastas' era que desmentiu obrigação responsável para o resto.” 15

Em outras palavras: eles não tinham amor fraternal. Daí harping de Paulo sobre esse tema em 1 Coríntios e, especialmente, no capítulo 13 (o
“capítulo do amor”, que figurou em tantos casamentos). À luz desse contexto, a língua em que o capítulo faz um novo tipo de sentido. É em
referência a interromper a adoração por falar em línguas que Paulo escreve: “Se eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor,
sou um gongo ruidoso ou como o címbalo que retine.” E quando ele diz que "o amor não é
inveja ou prepotente ou arrogante “, ele está castigando Corinthians que implantar sua Presentes-espiritual se falar em línguas ou profetizar,
ou mesmo a generosidade-in de forma competitiva, vistoso.
Paulo não ir tão longe como a proibição de falar em línguas. Mas ele fez estresse que falar com seus irmãos em uma linguagem que eles não
podem entender não é um ato de amor, que, para falar de forma inteligível era “falar com outras pessoas para a sua edificação, encorajamento e
consolação.” Assim, ele deu a alguns diretrizes. Como regra geral, ninguém deve falar em línguas a menos que haja alguém presente que pode
validamente interpretar, e mesmo assim os alto-falantes devem ser poucos e ordenada: “Se alguém falar em língua, que haja apenas dois ou no
máximo três, e um de cada vez.”Prophecy, por outro lado, é bom, porque é inteligível e, portanto, pode servir os outros. (Mas não pode as pessoas
usam seus poderes proféticos reivindicadas para questionar a autoridade de Paulo Não se preocupe -Paul está muito à frente de vocês: “Qualquer
um que afirma ser um profeta, ou ter poderes espirituais, deve reconhecer que o que eu estou escrevendo para vocês é um mandamento do
Senhor. Quem não reconhecer isto não é para ser reconhecido.”) 16

A beleza de “amor fraterno” não era apenas que produziu a coesão nas congregações cristãs. Invocando sentimentos familiares também
permitiu Paulo para afirmar a sua autoridade às custas de rivais. Afinal, não foi ele, e não eles, que tinha fundado a família de cristãos de Corinto?
Ele diz aos coríntios que ele está escrevendo “para vos admoestar, como a filhos meus amados. ... Na verdade, em Cristo Jesus me tornei teu pai
por meio do evangelho. Rogo-vos, portanto, que sejais meus imitadores “. 17

Teve Paulo ficou entre os coríntios, ele poderia ter mantido a congregação unidos pela mera força de sua presença, com menos pregando
sobre a necessidade de unidade-a necessidade de todos os irmãos para ser um em “o corpo de Cristo.” 18 Mas porque ele se sentiu obrigado a
seguir em frente e cultivar igrejas em todo o império, ele teve que implantar amor fraternal como um valor de governo e alimentá-la assiduamente.
No caso de 1 Coríntios, capítulo 13, o resultado foi algumas das mais belas da civilização ocidental literatura-se, talvez, mais bonito fora do contexto
do que em.

Amor que atravessa fronteiras

Assim, para o pregador ambicioso do cristianismo primitivo, a doutrina do amor fraterno teve pelo menos duas virtudes. Primeiro, ligação fraterna
feita igrejas locais atraentes para ser, proporcionando um calor familiar que foi de outro modo faltar, para muitos, em um momento de urbanização
e de fluxo. Como o estudioso Elaine Pagels escreveu: “Desde o início, o que atraiu pessoas de fora que entrou em uma reunião de cristãos ... foi a
presença de um grupo acompanhado por poder espiritual em uma família.” 19 ( E não há dúvida de que Paul queria suas igrejas para projetar uma
imagem atraente. Em 1 Coríntios, ele pergunta: Se “toda a igreja se reunir e todos falarem em línguas, e pessoas de fora ou descrentes entrar, eles
não vão dizer que você está fora de sua mente?”) 20 Em segundo lugar, a doutrina do amor fraterno se tornou uma forma de controle remoto, uma
ferramenta Paul poderia utilizar a uma distância de induzir a coesão congregacional.

Estritamente falando, essa ênfase na irmandade não significa sempre uma ênfase na interétnica
fraternidade. Pelo que sabemos, algumas dessas primeiras congregações não eram etnicamente diversa-caso em que a coesão dentro das igrejas
individuais não precisam envolver ligação através limites étnicos. Então onde é que essa conotação de amor fraterno Christian vem?

Parte da resposta é que a etnia transcendendo foi construído em concepção de Paulo de sua missão divinamente. Ele era para ser o Apóstolo
dos Gentios; ele era para levar a graça salvadora do Messias-Jesus Cristo, além do mundo judaico. Aqui, na origem das aspirações de Paulo, ele
está cruzando a ponte ficou famoso cruzou em dizer não há mais “judeu ou grego,” para que todos são agora elegíveis para a salvação de Deus.

Em colocar judeu e grego em igualdade de condições, Paul foi, em certo sentido, colocando o pragmatismo acima princípio bíblico. Por conta
própria de Paulo, a base bíblica para sua missão aos gentios estava nos escritos proféticos, nomeadamente nas expectativas apocalípticas do
Segundo Isaías, que imaginou uma vinda do Messias e uma explosão muito atrasada de reverência em todo o mundo para o Senhor. E, como
vimos no capítulo 7, essas passagens não são exatamente uma ode ao igualitarismo étnica. A idéia básica é que as nações dos gentios serão
abjectly submeter-se a regra do Deus de Israel e, portanto, para Israel. Deus promete aos israelitas que depois da salvação chega, egípcios e
etíopes iguais “deve vir para você e ser seu, virão em grilhões e curvar-se para você. Eles vão fazer súplica para você.”De fato,‘todo joelho se
dobrará, toda língua deve jurar’. Assim, 21

Naturalmente, os cristãos gostam de olhar para trás e salientar as passagens menos nacionalistas do Segundo Isaías
- tais como promessa do Senhor para trazer a salvação “para o fim da terra”, com Israel em última análise, servindo um papel altruísta de
iluminação, como uma “luz para as nações.” 22 Mas estas não são as passagens próprio Paulo enfatizou. Explicando sua missão aos gentios, em
uma carta aos Romanos, ele cita o versículo sobre cada curvatura do joelho e toda língua jurando sem mencionar nada sobre uma luz para as
nações. Ele declara que o seu trabalho é ajudar “vencer a obediência dos gentios” De acordo com os profetas apocalípticos passadas, ele parece
pensar que o objetivo do exercício é para o mundo a submeter-se messias de Israel; Jesus, Paulo diz ao citar Primeiro Isaías, é “aquele que se
levanta para governar o
Gentios “. 23 E Paul parece aceitar a ideia de que linhagens étnicas pode garantir o favor divino, mesmo a salvação, para aqueles que de outra
forma não merecê-la; embora muitos judeus não vêem que Jesus é o Messias, “no que se refere eleição, amados, por causa de seus
antepassados.” 24

Mas em última análise, estas e outras disposições teóricas pouco importava em comparação com os factos no terreno. Qualquer conotação
escrituras residuais de superioridade judaica para gentios que Paulo pode ter carregado em seu trabalho foram diluídas por uma decisão
estratégica fundamental que ele fez no início.

Modelo de Negócios de Paulo

Havia outros seguidores judeus de Jesus que, como Paulo, queriam levar o evangelho aos gentios. Mas muitos deles insistiu que, a fim de
qualificar-se para a graça salvadora de Jesus, os gentios tinham de cumprir a lei judaica, a Torá, o que significava seguir regras dietéticas
rigorosas e, além disso, passando por circuncisão. Nos dias antes da anestesia moderna, exigindo homens crescidos para ter a cirurgia do pênis, a
fim de participar de uma religião caiu sob a rubrica “desincentivo”.

Paul compreendeu a importância de tais barreiras à entrada. Tanto quanto gentios estavam preocupados, ele alijou a maioria do código da
dieta judaica e, com especial ênfase, o mandato circuncisão: “Porque em Jesus Cristo nem a circuncisão nem incircuncisão conta para nada; a
única coisa que conta é a fé que atua pelo amor.”Paul estava tão decidido a derrubar a barreira de circuncisão que, quando ele discutiu com
companheiros seguidores de Jesus sobre este assunto, o seu sentido de amor fraternal, por vezes, o abandonou. Em sua carta aos Gálatas, ele
expressou o desejo de que aqueles que pregavam a circuncisão obrigatória seria “castrar-se!” 25 ( E alguns estudiosos dizem que “castração” é uma
rendição eufemística de uma passagem grega significando cirurgia mais dramática. “Corte a coisa toda!” É uma tradução alternativa.) 26

Há pouca dúvida sobre a sabedoria estratégica de Paulo. Muitas religiões do dia, incluindo algumas das “religiões de mistério”, foram abertos a
pessoas de etnias variadas. Mas esses movimentos tendem a ter obstáculos para a adesão, incluindo os financeiros, tais como padres que
cobradas taxas de iniciação. 27
igrejas cristãs desfrutado de uma vantagem competitiva por ter nenhuma dessas barreiras financeiras, e Paul manteve a ponta afiada,
certificando-se estes não foram substituídos por outros tipos de barreiras.
Esta decisão de deixar de recrutamento unshackled pela lei judaica não só mitigado a deriva da carta de Paulo aos Romanos -a ideia de que a
sua missão era subjugar gentios em nome do Messias de Israel. Ele também foi Paul acusado de “rejeitar” a Torá. Mas essa “rejeição” foi concebido
para aplicar a
gentio recrutas para o movimento de Jesus. Na verdade, Paulo pode ter se considerava um bom, Torah- permanente judeu, embora aquele que,
em contraste com a maioria dos outros judeus, estava convencido de que o Messias tinha finalmente chegado. (Em nenhuma das suas cartas
Paulo usa a palavra “cristão”). 28

Seja ou não Paul pensou em sua identidade como agora separada do judaísmo, ele não podia dar ao luxo de cortar os laços do judaísmo para
o movimento de Jesus, porque ele precisava de usar a infra-estrutura de culto judaico. De acordo com o livro de Atos, quando ele veio para a
cidade e partiu para recrutar pessoas para o movimento, às vezes ele começou a sua pregação na sinagoga local. Na verdade, de acordo com
Atos, alguns dos mais importantes recrutas iniciais de Paulo eram judeus. Assim, mesmo que considerações práticas distanciou variante do Paul do
movimento de Jesus de ritual judaico, encorajaram contato permanente com o mundo judaico. E, mesmo quando Paul se irritou com a rejeição de
suas doutrinas por alguns judeus dentro do movimento de Jesus (para não falar dos judeus fora dela), ele continuou a procurar a aproximação,
tentando preservar uma base ampla.

Em suma, o tipo de ponte Paul construído para o mundo gentio acabou alienando um monte de judeus, e talvez até mesmo alienando Paul a
partir deles, mas era uma ponte que não podia dar ao luxo de queimar. Então, uma simbiose inter-étnicas persistiram e colorido escritos de Paulo.
Assim fez a frase “grego nem judeu” entrar na escritura, com suas conotações duradouros de igualitarismo étnica.

Havia aspectos do modelo de negócios de Paulo que empurrou ainda mais poderosamente para ligação inter-étnica. Para vê-los, comece com
a referência acima para alguns “importantes recrutas iniciais” sendo judeus. Agora deixar de lado a parte sobre alguns deles serem judeus e
concentrar-se na ideia de “importantes” recrutas-judeus, gentios, qualquer que seja. Que tipos de pessoas no Império Romano se qualificaria como
recrutas “importantes”? Como você recrutá-los? O que você perguntaria deles? O que eles recebem em troca? Mundano, mesmo maquiavélica,
uma vez que estas questões parecer, respondendo-lhes mostrará o quão profundamente a idéia de harmonia interétnica foi incorporado na
logística de missão de Paulo, e como propício seu ambiente era para o sucesso dessa missão. E a esta luz ficará claro por que ele acabou de
pregar não apenas tolerância interétnica ou mesmo amizade, amor.

Voar Business Class

Nos tempos antigos, como agora, um pré-requisito para a criação de uma operação de franchising foi encontrar pessoas para executar as
franquias. Não apenas qualquer um faria. Embora o cristianismo é famosa por acolher os pobres e impotentes em suas congregações, para
realmente corre as congregações Paul precisava de pessoas de maior posição social. Por um lado, essas pessoas necessário para fornecer um
ponto de encontro. Apesar
historiadores falam de “igrejas” primeiros em várias cidades, não havia edifícios dedicados ao culto cristão. casas emprestadas e salas de reunião
foram a infra-estrutura inicial. A julgar pelo livro de Atos, a fundação de Paul de congregações cristãs dependia muito, como o estudioso Wayne
Meeks colocou, “o patrocínio de funcionários e chefes de família bem-fazer.” 29

O livro de Atos relata um episódio revelador do ministério de Paulo em Filipos, uma cidade na colônia romana da Macedónia. Paulo e seus
companheiros começar a falar com as mulheres se reuniram em um rio fora portões da cidade. Atos relata que “uma certa mulher, chamada Lídia,
um adorador de Deus [isto é, um judeu] estava ouvindo a nós; Ela era da cidade de Tiatira e um comerciante de púrpura. O Senhor lhe abriu o
coração para ouvir ansiosamente ao que Paulo dizia “. 30 Lydia, o primeiro conhecido convertido Europeia para o que viria a ser chamado de
Cristianismo-começou o seu serviço à Igreja, recrutando sua “família”, que quase certamente incluiu não apenas a sua família, mas servos e
talvez escravos. 31 E seu serviço não termina aí. O autor de Atos escreve: “Quando ela e sua família foram batizados, ela pediu-nos, dizendo: Se
haveis julgado que eu seja fiel ao Senhor, vir e ficar na minha casa. ' E ela prevaleceu sobre nós “Então, aparentemente, eles prevaleceram sobre
ela.; casa de Lydia tornou-se o ponto de encontro da congregação cristã local. 32

Para encontrar pessoas como Lydia, Paul teve de se mudar no que foram, pelos padrões da época, círculos de elite. O “pano roxo” Lydia
vendido era um tecido caro, feito com um corante raro. Sua clientela era rico, e ela tinha os recursos para ter viajado para Macedónia a partir de
sua casa, na Ásia Menor. Ela era o equivalente antigo de alguém que hoje faz um vôo transatlântico ou transpacífico na classe executiva.

Do ponto de vista de Paulo, a vantagem de pregar para a classe executiva foi além do fato de que as pessoas que voam em classe executiva
têm recursos. Há também o fato de que as pessoas que voar, voar, ou seja, eles estão em movimento. A julgar pelo livro de Atos, muitos dos
primeiros colaboradores cristãos de Paulo eram, como ele, viajantes. 33 Como Meeks observou, “grande parte da missão” de estabelecer e sustentar
congregações cristãs “foi realizado por pessoas que estavam viajando por outras razões.” 34

Havia pelo menos duas maneiras que corpos em movimento poderia ser aproveitado. Primeiro, numa época em que não havia nenhum serviço
público de correios, que poderia levar cartas para igrejas distantes. 35 Em segundo lugar, eles podem até mesmo ser capaz de fundar congregações
distantes.
Considere Aquila e Priscila, marido e mulher. De acordo com Atos, quando Paulo passou de Atenas para Corinto e encontramos pela primeira
vez, eles haviam se mudado para Corinto de Roma. Entre as coisas que tinham em comum com Paul era sua vocação. “Porque ele era do mesmo
ofício”, relata Atos “ficou com eles, e eles trabalharam juntos”. Áquila e Priscila, em seguida, tornou-se dois de seus missionários chave,
movendo-se para Éfeso e fundar uma igreja em sua casa. 36

O comércio Paulo compartilhou com eles foi, dependendo de como você interpretar uma palavra grega, quer fazer tendas ou leatherworking.
De qualquer vocação teria permitido Paul para misturar com a classe comercial, mas fazer tendas era uma profissão especialmente oportuno.
Naqueles dias tendas não foram recreativo. Eles eram o que os viajantes mais abastados usado para evitar ficar em pousadas, que eram
propensos a vermes e vice. 37 Tendas foram, em suma equipamento, padrão para aqueles que voaram classe empresarial. Na verdade, barracas estavam,
em certo sentido, de classe empresarial. Fazendo e vendendo tendas, Paulo teria sido misturando-se com exatamente o tipo de pessoas que ele
precisava para se misturar com.

Essas pessoas, como folhetos de classe empresarial de hoje, foram cosmopolita. Eles vieram de etnias diferentes, eles lidavam com pessoas
de etnias diferentes, e seu interesse financeiro, portanto, ditada alguma tolerância da diferença étnica, alguns extensão da amizade através limites
étnicos. Estes valores cosmopolitas foram construídos na lógica do comércio de longa distância no Império Romano multinacional, assim como
eles são construídos na lógica do comércio de longa distância em uma era de globalização. Quando a economia atrai pessoas de diferentes etnias
e culturas em relações de soma zero, tolerância interétnica e intercultural é susceptível de acontecer. Nesse sentido, uma parte não trivial da obra
de Paul tinha sido feito para ele pelo teor das vezes.

Ainda assim, há uma diferença entre a tolerância interétnica, mesmo amizade e fraternidade interétnica. Para explicar totalmente a ênfase
cristã sobre o amor fraternal, precisamos explorar modelo de negócios de Paulo mais profundamente.

Benefícios adicionais

Quando as pessoas abrir uma franquia local de algo-a McDonald, a Pizza Hut, eles fazem isso porque eles esperam obter algo em troca. O que
as pessoas recebem em troca para fazer suas casas franquias cristãos? Em alguns casos, sem dúvida, foi principalmente o benefício do
evangelho; Lydia presumivelmente encontrado ensinamentos iniciais de Paulo gratificante, e quais os benefícios adicionais que ela tem de
hospedar uma igreja-social, económica, independentemente: nós nunca se sabe. Mas, como o franchising continuou ea igreja expandiu-se para
mais e mais cidades, ofereceu novos benefícios para os líderes da igreja.

Em particular: hospedagem confiável. Tendas foram adequados para estadas de noite na estrada, mas quando você chegou à cidade grande,
as acomodações mais agradáveis ​eram desejáveis, especialmente se você planejou para ficar por algum tempo e fazer negócios. cartas de Paulo
aos congregações cristãs muitas vezes incluem os pedidos que se estendem hospitalidade para viajar líderes da igreja. 38 Tais privilégios, como um
estudioso escreve, faria
ser cada vez mais “alargado a toda a família da fé, que são aceitos na confiança, apesar de completos estranhos.” Esta foi uma espécie de
revolução, uma vez que “a segurança e hospitalidade quando viajar tinha sido, tradicionalmente, o privilégio dos poderosos.” 39 O Império Romano
tinha feito curso distante mais fácil do que em qualquer momento na história, eo cristianismo explorado este fato. Foi, entre outras coisas, o
Holiday Inn de seu dia.

Mas havia pelo menos uma grande diferença. O titular de uma Holiday Inn não está convidando inquilinos na casa dele ou dela. Além disso,
seus números de cartão de crédito estão no registro no evento que eles deveriam vir a ser maçãs podres. Ancients que hospedaram os viajantes
que não conheciam pessoalmente estavam sendo convidados a tomar um risco maior. E eles eram mais propensos a fazer o esforço se podia
acreditar que o inquilino não era um mero convidado, mas sim um irmão espiritual, um “irmão”.

Uma vez que um viajante no Império Romano chegou em uma cidade, havia um problema: informação e orientação foram vitalmente
necessária, ainda não existia a Internet. A rede para ligar a era outras pessoas. Mas onde encontrar pessoas dispostas a lhe fornecer informações
valiosas, mostrar-lhe em torno da cidade, ajudá-lo a fazer contato com outras pessoas na sua profissão ou com possíveis clientes? Bem, como
sobre uma congregação cheia de “irmãos” -todos dos quais são mais propensos a dar uma mão, se eles realmente considerá-lo como tal. Paulo
escreveu aos Romanos: “Recomendo-vos a nossa irmã Febe, um diácono da igreja em Cencréia, para que você possa recebê-la no Senhor como
convém aos santos, e ajudá-la em tudo o que ela pode exigir de você. ” 40

Cenchreae era um porto perto de Corinto. Paul foi aqui pedindo romanos para estender amor familiar para um grego, e ele estava fazendo
isso no processo de tricô sua organização imperial juntos. Como o estudioso Wayne McCready observou, a linguagem cristã primitiva de intimidade
familiar não só “destacou a coesão interna que distingue as assembleias dos primeiros cristãos”, mas também “foi aplicada como um princípio
universal que transcendia referências locais e geográficos e numerosas comunidades locais unidos em um trabalho coletivo.” 41 igreja internacional
de Paulo construída sobre valores cosmopolitas de tolerância interétnica e amizade existente, mas em oferecer seus serviços de redes
internacionais para pessoas de posses, ele foi além desses valores; um tipo de amor interétnico era o valor fundamental que segurava o sistema
em conjunto.

Pode parecer cínico para explicar o crescimento de uma religião, especialmente a religião de amor, em termos comerciais crassos, como se
religiões eram meros serviços de rede. Mas tais funções práticas desempenhar algum papel no poder da religião até hoje. A igreja mórmon, cuja
taxa de crescimento foi comparada com a do cristianismo primitivo, 42 é uma conduta de contacto lisa comercial. E no mundo antigo, obrigações
religiosas desempenharam um papel muito maior no comércio. Na verdade, antigas associações gregas e romanas que eram essencialmente
profissional de associações de carregadores ou de artesãos ou whatever-parecem nunca foram totalmente secular. Como o estudioso SG Wilson
escreveu, “um elemento de devoção religiosa” era “uma característica onipresente de associações antigas, como de fato da vida antiga em geral.” 43 A
confiança na transação em que o negócio depende-a confiança que hoje muitas vezes se baseia em leis elaboradas e sua confiança enforcement
descansado nos tempos antigos, em parte, as leis, mas em grande parte, a fé na integridade das pessoas individuais. E comunhão religiosa foi uma
das grandes fundações de tal fé.

Império como Oportunidade

prestação pragmática deste capítulo da ênfase de Paulo sobre o amor é um pouco especulativo. Nós não sabemos o suficiente sobre a igreja
primitiva para explicar o seu crescimento com total confiança. O que podemos dizer com muita confiança, porém, é que a realização de Paulo
era uma combinação de condições oportunas e exploração efetiva deles.

O Império Romano foi, entre outras coisas, uma grande oportunidade comercial. Ao ligar cidades uma vez remotos através de estradas
sólidas, e trazê-los sob um código legal uniforme, que abriu novas perspectivas para o comerciante ambicioso, e nos dias de Paulo comerciantes
estavam começando a receber a imagem. Isso é o que fez ambições gigantescas de Paulo para a igreja concebível, não apenas a vastidão da
plataforma romana, mas o fato de que ele já tinha criado correntes comerciais que pudesse aproveitar. Paul viu uma oportunidade empresarial sem
precedentes: a possibilidade de construir uma organização religiosa de proporções imperiais.

No entanto, deve ter havido algo desafiador sobre o seu objetivo, porque, embora o Império Romano já existia há quase um século, ninguém
mais tinha conseguido isso. Sim, outras religiões floresceu, especialmente religiões de mistério gregas e romanas, mas eles parecem ter faltado
liderança centralizada e doutrina uniforme. cultos dionisíacos se espalham de cidade para cidade (como seria de esperar de uma religião que
envolveu beber grandes quantidades de vinho), mas, como um estudioso observou, “uma vez estabelecida, cultos locais permaneceu em grande
parte autônoma e pode assumir formas muito diferentes de uma cidade para outro."

44 Aparentemente houve desafios para qualquer um que teve como objetivo encontrados congregações em várias cidades e mantê-los na
mesma página.
Nós nunca saberemos ao certo o que segredo de Paulo era, mas alguns dos melhores candidatos são os que eu já estressados. Primeiro,
ele usou a tecnologia da informação das cartas-com dia-a-mão-realizadas habilidade incomum para manter congregações distantes intacta. Isto
significava martelando o tema do amor familiar. Em segundo lugar, ele estendeu esse sentimento de fraternidade para além congregações locais
e
particulares etnias. Este lubrificado a prestação de hospitalidade para viajar líderes da igreja e, como o tempo passava, para os cristãos de forma
mais ampla. Neste e em outros aspectos, o amor fraternal ajudou a manter a igreja unificada, ou pelo menos mais unificada do que outras religiões
multicêntrico, e unificou o suficiente para ficar forte no longo prazo.

Um princípio geral aqui é que em uma política multiétnica como o Império Romano, quem quer iniciar uma vasta organização deve ser
etnicamente inclusive, para que recursos valiosos não são utilizados e potenciais recrutas ir unrecruited. As sinagogas espalhadas por todo o
Império Romano eram um exemplo de um recurso valioso. A igreja cristã em Roma foi outro exemplo. Paul não tinha fundado a igreja em Roma, e
há provavelmente umas diferenças doutrinárias entre estes cristãos latinos e os cristãos na Grécia e Ásia Menor a quem Paulo tinha cultivado.
Tinha Paul escolhido, ele poderia ter harped essas diferenças a ponto de cisma. Mas ele queria usar os recursos da igreja romana, que se prepara
para as missões em Espanha e em outros lugares, e que pode ajudar a explicar o calor de sua carta aos Romanos: “A todos os amados de Deus
em Roma. 45 Muito íntimo, uma vez que quase todos eles eram pessoas que ele nunca conheceu! No entanto, esta foi uma simples aplicação da
fórmula cristã primitiva para o sucesso.

Como Universal é universal?

Pode parecer improvável que uma doutrina de verdade, puro, amor sem limites poderia surgir a partir dos imperativos estratégicos de
empreendedorismo, mesmo quando a empresa é uma religião. E, na verdade, é
implausível. O que emergiu com o cristianismo primitivo não é realmente, estritamente falando, um deus de universal
amor. O apelo principal da igreja primitiva, lembre-se, foi a de que “amor fraternal” era uma forma de amor familiar. E amor familiar é, por definição
exigentes-que é dirigido para dentro, não para o exterior; para parentes, não para todos.

Este é o tipo de amor Paul normalmente prega o amor-dirigido em primeiro lugar para com os outros cristãos. “Amai-vos com afeto
mútuo”, ele diz aos Romanos. “Através do amor tornam-se escravos para o outro”, ele instrui os membros da congregação da Galácia. Ele
lembra aos tessalonicenses que eles “foram ensinados por Deus a amar uns aos outros; e na verdade você ama todos os irmãos [seguidores
de Jesus] toda a Macedônia. Mas nós pedimos que você, amado, para fazê-lo mais e mais.” 46

Isso não quer dizer que pregações de Paulo oferecem nenhum fundamento para o amor verdadeiramente universal. Muitas vezes ele exorta os
cristãos a estender a generosidade e hospitalidade aos não convertidos, e, ocasionalmente, vai mais longe. Ele diz aos tessalonicenses: “E que o
Senhor vos faça crescer e abundar em amor uns pelos outros e por todas.” Ainda assim, ele não tem o hábito de colocar os cristãos e não-cristãos
sobre bastante o mesmo plano. Ele diz aos Gálatas: “Vamos trabalhar para o bem de todos, e especialmente para os da família da fé”. 47

Paul está trilhando uma linha fina-ocasionalmente, exortando uma espécie de “amor” para os não-cristãos ainda sugerindo que ele ser um
motivador menos potente para a generosidade do que o “amor fraternal” Ele implacavelmente campeões entre os cristãos. Isto pode parecer
paradoxal, mas pisando esta linha foi a chave para o sucesso precoce do cristianismo.

Por um lado, o cristianismo fez um nome para si, estendendo generosidade para com os não-cristãos. Algumas das pessoas que fez
amizade se juntou a igreja, outros sem dúvida falou muito dele depois disso, e vários observadores ficaram impressionados com a simpatia da
Igreja para o infeliz.
No entanto, o cristianismo não poderia estender generosidade para com os não-cristãos infinitamente. Afinal de contas, era uma organização
que queria crescer e central entre seus atrativos era que a adesão trouxe os benefícios de uma família extensa, incluindo assistência material em
momentos de necessidade. Se alguém pudesse obter essas coisas para sempre sem aderir, quantas pessoas iriam se juntar? Além disso, como
pode um pequeno grupo de pessoas ter recursos para dar infinitamente a todos os que chamar se muitos destes destinatários nunca vai contribuir
em nada em troca? A chave para o crescimento do cristianismo era para ser agradável para pessoas de fora, mas não infinitamente bom, a não
ser, é claro, eles se tornaram membros, após o que foram esperado para dar e não apenas get.This natureza exigente do amor cristão é refletida
mais de um século depois de Paul nas palavras do teólogo cristão Tertuliano: 48 Um ao outro, não todos.

Este discernimento é também refletida em um discurso famoso de Jesus no livro de Mateus. Jesus está dizendo a seus seguidores que eles
devem tratar até mesmo os mais humildes, como se fossem o próprio Jesus, para que no Dia do Juízo ele pode dizer-lhes: “Porque tive fome e me
destes de comer, tive sede e não me destes algo para bebida, eu era estrangeiro e me recebestes, estava nu e destes-me a roupa, eu estava
doente e você cuidou de mim, eu estava na prisão e me visitastes.”Esta aparente apelo por compaixão ilimitada é seguido por um raramente
observado qualificador. Depois de seguidores de Jesus Peça com perplexidade: “Quando foi que te vimos doente ou na prisão e visitou você?”
Jesus respondeu: “Em verdade vos digo, assim como você fez isso a um destes que são membros da minha família [às vezes traduzido como
“estes meus irmãos”], você fez isso para mim.” 49 Irmãos? Família? No uso precoce-cristã comum, que teria significado outros cristãos.
Claro, se Paul é o único que foi pioneira que o uso, então talvez termos como “irmãos” tinha uma diferente, mais verdadeiramente universal,
conotação de volta quando Jesus falou. Mas o livro de Mateus não foi escrito até depois do tempo de Paulo, pelo que a sua linguagem deve ser
interpretada nesse luz. E nessa luz, esta passagem é tão consistente com o uso instrumental de Paulo sobre a ideia de amor fraternal como a
sugerir que talvez essas não foram as palavras de Jesus, mas em vez foram postas em sua boca para justificar uma estratégia que, no momento
em que Matthew foi escrito, havia provado o seu valor. (Eles não aparecem no evangelho mais antigo, Marcos, ou na Q possivelmente cedo,
hipoteticamente reconstruído fonte somente em Mateus.)

Embora a adesão em uma das igrejas de Paulo permitiu-lhe desfrutar de amor fraternal, não garantir esse privilégio para a vida. Uma vez que
um irmão, você será monitorado, e extrema auto-indulgência pode levar a expulsão. A mesma carta aos Coríntios que leva famosa ode de Paul
amar contém esta passagem: “Estou escrevendo para você não se associar com qualquer um que leva o nome do irmão que for devasso, ou
avarento, ou idólatra, maldizente, beberrão, ou ladrão. Nem sequer comer com tal pessoa. ... Expulsem esse perverso do meio de ti.” 50 igreja de
Paul tinha critérios generosos para unir a irmandade, mas razões estritas para expulsão.

Esta política de adesão ajuda a explicar como o cristianismo pode dar ao luxo de aceitar membros de todas as classes sociais, incluindo os
indigentes. Enquanto eles não explorar a generosidade e sucumbir ao vício, eles poderiam ser prestados produtivo. De fato, as igrejas cristãs
parecem ter sido ferramentas de mobilidade social, dando educação para os alunos aspirantes. Um segundo século cristão comentou: “Não só os
ricos entre nós prosseguir a nossa filosofia, mas os pobres desfrutar de instrução gratuitamente. ... Temos que admitir todos os que desejam ouvir.” 51

Era uma fórmula sólida: chegar a todos, e ficar com o honesto e sério. Mas uma implicação desta fórmula era manter “amor universal” de ser
verdadeiramente Love foi estendido para além da irmandade dos cristãos provisoriamente e condicionalmente “universal.”; a forma mais completa
de amor seria negado àqueles que não aderiram à fraternidade e para aqueles que se juntaram, mas não manter a ganhar a sua adesão. O
resultado foi fazer a igreja primitiva organicamente coesa. Como Paulo disse, “nós, que somos muitos, somos um só corpo em Cristo, mas
individualmente somos membros uns dos outros.” 52

O significado de liminar Bíblia do hebraico para amar o próximo como a si mesmo sempre dependia da definição de “vizinho”. Paul fez
mudar essa definição, mas ele não lhe deu bússola infinito. A “próximo” não era apenas qualquer “Judeu ou grego.” Como Peter Brown tem
escrito do Império Romano no século III, “O ensinamento da igreja definido para o cristão que era

não o seu próximo, o vizinho do cristão era não necessariamente, seu parente, não seu companheiro morador em um quartier, não seu
compatriota ou seu companheiro cidades-homem; seu vizinho era seu companheiro cristão.” 53

Irmãos, sim, mas inimigos?

Há um tipo de amor cristão que não se encaixam nesta fórmula, e por isso não pode ser explicado em termos de vinculação
intracongregational ou inter-congregacional. Em dois dos evangelhos, Jesus diz: “Amai os vossos inimigos”. 54 Qual é a lógica por trás prática naquela
tipo de amor? E se há uma lógica prática por trás disso, porque não é a lógica sentida por Paul, que nunca profere estas palavras?

Na verdade, embora Paulo não diz “Amai os vossos inimigos”, ele chega bem perto. Tão perto, de fato, como a sugerir que ele fez sentir a
lógica por trás disso, que, na verdade, ele pode ser aquele que injetou a idéia em literatura cristã. Só mais tarde, talvez, foi atribuída a Jesus, se no
mais completo e forma mais rica.

O “Ame seu inimigo” liminar, como vimos, aparece em ambos Mateus e Lucas. Na versão Matthew, Jesus diz: “Eu vos digo: Amai os vossos
inimigos e orai pelos que vos perseguem.” Na carta aos Romanos, escrito há mais de uma década antes de Mateus ou Lucas foi escrito, Paulo diz:
“Abençoa pelos que vos perseguem; abençoai e não amaldiçoá-los.”E se Paul não chega a dizer a amor seus inimigos, ele faz acrescentar “se o
seu inimigo tiver fome, alimentá-los; se eles estão com sede, dar-lhes algo para beber.”Paulo também diz, na mesma passagem:‘Não retribuam a
ninguém mal por mal ... Não vos vingueis a vós mesmos.’Da mesma forma, Jesus, pouco antes de aconselhar as pessoas a amar seus inimigos,
diz, “não resistam ao malfeitor. Mas, se alguém te bater na face direita, ofereça também a outra.” 55

Claro, não é de estranhar que Paul favoreceria o mesmo conjunto de idéias como Jesus, uma vez que ele é uma espécie de aficionado
Jesus. Mas se Paulo está repetindo as palavras de Jesus, por que ele não reforçar a sua autoridade dizendo isso? Ele é, afinal, falando com um
monte de Jesus adoradores. E por que não repetir a versão pithiest e mais dramática de ditos de Jesus sobre este assunto: “Ame o seu inimigo”?

É possível que Paul simplesmente não é muito familiarizado com as palavras de Jesus, mas não provável. Afinal, por conta de Paulo, ele
passou duas semanas em hospedagem Jerusalém com o apóstolo Pedro, e ele também se reuniu com o irmão de Jesus, James. 56 Para essa
matéria, ele passou praticamente todo o seu tempo nos círculos onde as palavras de Jesus circularam. vento Certamente ele teria apanhado de
uma das coisas mais marcantes de Jesus nunca disse-se, isto é, Jesus realmente disse isso.

A mesma questão se coloca com a doutrina do amor fraterno. No momento em que o livro de João cita Jesus dizendo aos seus seguidores:
“Dou-vos um mandamento novo: que vos ameis uns aos outros”, isso realmente
não foi um novo mandamento; 57 Paul tinha começado a emitir essa ordem aos seguidores décadas de Jesus antes. Da mesma forma, antes que os
outros três evangelhos representado Jesus dizendo às pessoas para cumprir a lei judaica por amar o próximo como a si mesmo, Paulo disse aos
Gálatas que “toda a lei se resume em um único mandamento: 'Amarás o teu próximo como a si mesmo. ”E também, ele não faz nenhuma menção
de Jesus ter dito a mesma coisa. 58

Nós vimos o valor pragmático do amor fraterno e assim visto como Paulo poderia ter acontecido a este preceito, sem inspiração de Jesus. Mas
o que dizer “Ame seu inimigo”? Se Jesus realmente não dizer que, em seguida, onde na terra que Paulo começa a idéia?

Talvez a partir de fatos no terreno-fatos que deram razão Paul para ver a sabedoria de perseverança passiva em face de inimizade. Paul
era parte de uma minoria religiosa que foi amplamente ressentido e que, se não demonstrar moderação em meio a provocação, poderiam ser
perseguidos ao ponto de extinção. 59 Nesse sentido a sua situação era bastante semelhante ao de Philo, outro adepto de uma fé suspeito no
Império Romano do primeiro século. Philo, como vimos, adaptado por pedindo companheiros judeus não antagonizar o pagão maioria e
trabalhando para encontrar uma doutrina de tolerância inter-religiosa na escritura judaica.

Certamente Paulo parece ter sabido que um ataque de bondade pode frustrar o inimigo, negando-lhe o que ele mais quer: a justificativa para o
ódio, um pretexto para o ataque. Depois de instar os cristãos a dar comida e bebida para os seus inimigos, acrescenta, “para fazendo isto,
amontoarás brasas vivas sobre a cabeça.” 60

Na verdade, Paulo não foi o primeiro a descobrir o que fazer amizade com um inimigo pode ser um contra-ataque potente. Sua linha “brasas”
vem de Provérbios, onde é precedido por este conselho: “Se o seu inimigo tiver fome, dá-lhe pão para comer; e se eles estão com sede, dê-lhes
água para beber.”
61 Paul, em injetar a doutrina da bondade para com os inimigos no cristianismo, foi não apenas ser sábio; ele estava sendo sábio com a

orientação da literatura de sabedoria hebraico.

O crescimento de Deus (Cont.)

A última vez que encontrou a literatura sabedoria em um contexto teológico. Em Philo teologia e, sugeri no capítulo 9, em uma plausível moderna
teologia-o acúmulo de sabedoria humana é uma manifestação do propósito divino. A direção da história, tal como definido pela dinâmica básicos
da evolução cultural, pragmaticamente empurra as pessoas para doutrinas úteis que, maravilhosamente suficiente, contêm elementos de
verdade moral. Como as pessoas se encontram em mais e mais não de soma zero situações com mais e mais pessoas em maior remove
geográfica e cultural, a busca inteligente de auto-interesse dita reconhecendo os interesses, daí a humanidade, de um número crescente de
outros seres humanos .

Ou, para colocar esse pouco de teologia na sua forma mais ambiciosa, como formuladas no capítulo 7: Talvez o crescimento de “Deus”
significa a existência de Deus. Ou seja: se a história naturalmente empurra as pessoas para a melhoria moral, em direção à verdade moral, e
seu Deus, como eles concebem seu Deus, cresce em conformidade, tornando-se moralmente mais rico, então talvez este crescimento é
evidência de um propósito maior, e talvez-concebivelmente-o fonte daquele propósito é digno do nome divindade.

A principal linha de crescimento de “Deus” rastreada neste capítulo tem sido a evolução de uma doutrina de amor interétnico. Em uma análise
aprofundada, que acabou por ser tanto menos original do que pode parecer à primeira vista e menos impressionante-less verdadeiramente universal.
Ainda assim, não é nada. A ideia de que todas as pessoas, independentemente da raça ou nacionalidade, são candidatos iguais para o amor de Deus
(contanto que eles não desperdiçar a oportunidade!) É uma forma de igualitarismo étnica. E igualitarismo étnica é provavelmente mais perto da
verdade moral do que as alternativas.

Assim, para fins teológicos, seria bom saber: Foi esta doutrina moral progressiva de fato um resultado altamente provável do processo
histórico? Ou foi um acaso, um produto da interpretação excêntrica de um homem de carreira profética excêntrico de outro homem? Se o ex-se é
uma conseqüência natural da história, então é mais provável que este “crescimento de Deus” significa a existência de Deus, ou pelo menos a
existência de algo que você pode chamar divina, porém ao contrário antigas concepções de Deus.

Estas são perguntas que eu venho tentando iluminar por tratamento Paul one-dimensionalmente como apenas mais um homem experiente e
ambiciosa que passou a estar no negócio de religião. Na medida em que tal homem era provável que acabaram por pregar tolerância interétnica,
até mesmo o amor, então essas doutrinas pode ser visto como excrescências do contexto social, político e econômico do dia. E na medida em que
neste contexto é por sua vez uma expressão da deriva natural da história em direção a organização social expandido, essas doutrinas pode ser
visto como uma expressão da própria história.

Timidamente, podemos dizer que este parece ser o caso. Como organização social expandido, como estradas romanas cruzaram os limites de
mais e mais nações, interesses econômicos atraiu as pessoas para um mundo multi-étnica cosmopolita, e o “Deus do Amor” evoluiu na reflexão
desse fato. Se aspirações organizacionais de Paulo eram de fato a ser realizado na escala do Império Romano, em seguida, a diversidade étnica do
império teria que ser acomodados pelos valores de sua organização.

Mas as perguntas permanecem. Por exemplo: Estavam aspirações organizacionais de Paulo susceptíveis de ser realizado na escala do
Império Romano? Ou poderia versão de Paul do cristianismo facilmente ter caído no
esquecimento em meio à dura concorrência entre as religiões em que o império? E, se o cristianismo paulino havia de fato morrido como alguma
outra religião prevaleceu, que propriedades que a religião vencedora ter possuído? Tais perguntas nos ajudar a responder a grande questão de
saber se a doutrina do amor fraterno transétnica era “nos cartões” -likely, o tempo todo, para florescer. Nós nunca vamos resolver a questão
definitivamente; há muitos imponderáveis. Mas o próximo capítulo vai trazer-nos mais perto de uma resposta.
Capítulo Doze

Survival of the Fittest Cristianismo

Eu t Não demorou cristãos muito para começar a pessoas irritantes. Já em 64 EC, antes de todos os livros do Novo Testamento havia sido escrito,
o imperador Nero estava tendo seguidores de Jesus manchada com o passo, colocar cruzes, e incendiados. 1 Já o perseguidor parcimonioso, Nero
(de acordo com o historiador romano Tácito) usado os corpos em chamas “para servir como luzes quando a luz do dia não.” 2 objetivo imediato do
imperador era tornar cristãos bodes expiatórios, para culpá-los por um incêndio devastador que algumas pessoas estavam culpando nele. Mas
havia uma fonte menos efêmera de tensão entre cristãos e governantes romanos. Assim como os judeus, os cristãos não se encaixava no modelo
romano da religião.

O governo romano deixar as pessoas adoram aos deuses que eles escolheram, desde que eles também prestou homenagem aos deuses
oficiais do império. Os cristãos se recusaram a adorar deuses do Estado, e eles não poderia honestamente dar legitimidade aos vários outros
deuses pessoas adoravam, tampouco. Na verdade, eles ativamente desafiado que a legitimidade, porque os cristãos não eram apenas
monoteístas; eles eram monoteístas propensas a proselitismo.

O proselitismo superaram a perseguição, e o cristianismo cresceu até que, em 312, ele cruzou seu famoso limite: Imperador Constantino,
inspirado por uma visão, decidiu lutar uma batalha crucial com o símbolo da cruz. A vitória que se seguiu elevado Jesus em sua estima e ajudou a
inaugurar uma era de tolerância oficial para o cristianismo. 3 Até o final do século IV, o cristianismo era a religião oficial do império, e as religiões
pagãs foram proibidos.

conversão de Constantino é um marco no debate sobre os papéis do acaso e da necessidade da história. Alguns o vêem como uma
homenagem a contingência: sem mudança de coração de Constantino, o cristianismo nunca poderia ter deslocado o paganismo como a religião
da Europa, e toda a história poderia ter sido diferente. Outros dizem que o cristianismo, embora longe de ser uma religião da maioria, já tinha
alcançado massa crítica e teria prevalecido em qualquer evento.

Suponha triunfo do cristianismo no Império Romano era de fato Constantine-dependent- como, por tudo o que sabemos, foi. E suponha que
Constantino tinha perdido essa batalha, ou não tinha acontecido para combatê-la sob a cruz, eo Cristianismo tinha caído no esquecimento. Então o
que teria acontecido com a ideia de amor fraternal interétnica, uma ideia que até então tinha crescido tão intimamente associado com o
cristianismo?

É uma questão teológica importante. No capítulo 9, enquanto avaliando antiga ainda em alguns aspectos da teologia moderna de Philo, nos
deparamos com a idéia do Logos-motorista divina de desdobramento propósito cósmico que, no processo, serve como uma espécie de motor do
crescimento moral. Se a doutrina de Paulo de amizade interétnica poderia ter morrido, mas para uma única vitória militar, então quão poderoso
poderia que o motor realmente ser? Se o Logos é real, não deve esclarecimento moral ser conduzido por algo em última análise, mais forte do que
os caprichos da história? Mas o que evidência existe de tal poder? Por que devemos pensar que, independentemente do destino de Constantino,
amizade interétnica teve uma boa chance de levar o dia na batalha do Império Romano entre os valores religiosos?

Uma plataforma aberta

Por um lado, porque a criação do Império Romano tinha feito amizade interétnica uma mercadoria mais valiosa do que era antes. Vimos
vislumbres deste no capítulo anterior, em dissecar estratégia de Paulo para a construção de uma igreja internacional. Para ter uma noção mais
clara para o valor adicionado pelo império, vamos dar uma olhada na ilha grega de Delos no segundo século aC, o século antes do Império
Romano nasceu.

Um deus adorado naquela ilha era Heracles-Melkart (a fusão do Tyrian deus Melkart ea figura Heracles gregos divinos, aka Hercules).
Heracles-Melkart teve uma sequência grande entre os comerciantes e transportadores vindos da cidade de Tiro. Na verdade, o nome oficial da
organização “religiosa” dedicado à sua adoração foi o Heraclesiastai de Tire Comerciantes e Transportadoras. 4

Comerciantes e transportadores que pertenciam a esse culto fizeram sacrifícios para Heracles-Melkart na esperança de ganhar seu favor.
Mas não era realmente Heracles-Melkart que fez os favores. Pertencente ao seu culto significava pegar informações comerciais úteis de outros
comerciantes e transportadores, e construir laços frutíferas com eles; o culto foi, a partir de um ponto de vista profissional, tanto numa base de
dados e uma rede de contactos úteis. Se você fosse um comerciante ou transportador de Tiro na ilha de Delos, você naturalmente se juntar ao
culto, porque a adesão era valioso.

Crucialmente importante, para os fins desta análise, é que sua união faria a adesão ainda mais valioso, porque juntando-lhe ligeiramente
ampliada do estoque de dados eo número de contatos potencialmente úteis. Em geral, Quanto mais membros do culto, os membros mais
valioso era.

Este fenômeno é conhecido pelos economistas como “externalidades de rede positivos” -o mais unidades de
algo há, o mais valioso cada unidade é. Claro, os economistas geralmente não se aplicam a idéia de religião. Eles aplicá-lo para coisas como
software. O exemplo clássico é o Microsoft Windows. Uma vez que milhões de cópias do Windows estavam em uso, os lotes de software estava
sendo feito para Windows, para que o Windows era mais valioso para possuir do que teria sido se apenas milhares de cópias estavam em uso.
Toda vez que alguém “se juntou” a rede através da compra de um computador com o Windows, eles aumentaram o valor da adesão, aumentando o
incentivo para criar software para a plataforma Windows.

A ideia de externalidades de rede pode ser aplicado a maioria das coisas que em certo sentido, constituem uma rede, e as religiões
certamente fazer. Sempre que existem externalidades de rede positivos, um princípio comum obtém: explorar plenamente as externalidades, as
organizações devem evitar barreiras arbitrárias à adesão. O que nos traz de volta a Delos.

Anos após os adoradores de Heracles-Melkart construiu um templo para ele em Delos, outro grupo construiu um templo ao deus do mar
Poseidon em Delos. Estes homens vieram de cidade de Berytos-Beirute e foram chamados a Poseidoniastai de Berytos Merchants,
Transportadoras, e armazenistas. 5 Composição profissional mesmo que o Tyrian Heraclesiastai (dar ou tomar alguns armazenistas), mas eles
acabaram em um templo diferente adorando um deus diferente.

não pode ele ter beneficiado os dois grupos se fundir? Duplicar os recursos, o dobro do banco de dados? E não que fizeram viagens de
negócios mais fácil, já que você poderia, então, viajar entre Delos, Tiro, e Beirut com a hospitalidade garantida? Em outras palavras: não pertença
à religião mesclado ter sido mais valioso, mais atraente, de filiação em qualquer um sozinho as religiões, graças à lógica de externalidades de
rede?

Claro, grupos fusão de Tiro e Beirute foi difícil, porque houve uma grande divisão cultural entre essas cidades. Ainda assim, foi um arbitrário dividir;
em termos estritamente comerciais, os membros dos dois grupos poderia ter lucrado (em equilíbrio) de interação amigável com o outro. Em
outras palavras, estes dois cultos, por deixar cultura dividi-los, foram deixando potencial sinergia inexplorado, externalidades de rede não
realizado. Em teoria, esta falha seria deixá-los vulneráveis ​à concorrência de uma religião que estava aberto a pessoas de Tiro e Beirute iguais.

Talvez esse tipo de falha não foi muito consequente volta no segundo século antes de Cristo. Talvez comerciantes de Tiro e comerciantes
de Beirute movida em mundos comerciais em grande parte separadas, de modo que não havia muito potencial sinergia entre eles de qualquer
maneira. Mas depois, quando Roma subjugado nação a nação, que iria mudar. Com a “Pax Romana” -a Paz-de Roman o primeiro de dois
séculos CE, uma enorme arena do comércio aberto, com muito potencial para negócios entre pessoas de diferentes cidades, nações diferentes,
diferentes etnias. Um grupo inclusive poderia aproveitar a energia expansiva de externalidades de rede melhor do que étnica ou nacional grupos
específicos.

Suponha, por exemplo, que havia duas seitas dentro de uma religião chamada Cristianismo. Suponha-se que em ambos os casos os membros
lucraram com seus contatos com outros membros da seita. Mas suponhamos que uma seita bem-vindas as pessoas de todas as nacionalidades e
outro tornou difícil para as pessoas da maioria das nacionalidades para participar. não os primeiros têm externalidades de rede mais potenciais?
Não seria provável a crescer mais rapidamente do que o último? E, como seu tamanho excedeu a de seu rival por uma margem crescente, não
seria a sua vantagem competitiva obter apenas maior, graças à lógica de externalidades de rede? Em outras palavras, não seria o cristianismo de
Paulo fazer melhor do que uma alternativa hipotética Cristianismo cujas doutrinas não promover a ligação inter-étnica?

Na verdade, esta não é uma mera experiência de pensamento. Havia várias seitas dentro primeiros Christianity- várias versões do movimento
de Jesus que, em princípio, poderia ter vencido a competição intramural e tornar-se “mainstream” o cristianismo, como a versão de Paul finalmente
fez. E pelo menos um deles se encaixa na descrição desta alternativa hipotética.

Judeus por Jesus

Lembre-se os seguidores de Jesus a quem Paulo desejou que “castrar-se” porque a sua insistência na circuncisão iria dissuadir os não-judeus de
se juntar ao movimento Jesus? É improvável que eles fizeram isso literalmente, e, aparentemente, eles não fazê-lo metaforicamente, também;
seus herdeiros espirituais ainda estavam em torno de dois séculos mais tarde. 6 Do século IV documentos referem-se a um grupo chamado os
ebionitas, que insistiram que Jesus adoradores estar completamente judaica. Gentios eram elegíveis para a salvação, mas apenas após a
conversão ao judaísmo, o que significava respeitando a letra da lei judaica em matéria rituais, que vão desde refeições kosher à circuncisão.

Como Bart Ehrman observou em seu livro Christianities perdidos, concepção de Jesus os Ebionites' era provavelmente mais perto de sua visão
de si mesmo de Jesus do que era a imagem que acabou prevalecendo dentro do cristianismo. Jesus não era um deus, disse o Ebionites, apenas um
messias. E embora ele, como alguns últimos reis israelitas, era um filho de Deus, ele tinha nascido como qualquer outro ser humano, para uma
mulher biologicamente impregnado. (Na verdade, disse que os ebionitas, Jesus era Deus adotado filho, escolhido por sua conduta exemplar.)

Aqui os Ebionites estavam sendo mais fiel ao das Escrituras Hebraicas que os cristãos de hoje. Quando o Evangelho de Mateus afirma
nascimento virginal, que faz alusão ao livro da profecia de Isaías que “a virgem conceberá e dará à luz um filho, e eles porás o nome de
Emanuel”. 7 Mas, na verdade, a palavra hebraica em Isaías que havia sido traduzida como “virgem” na Septuaginta apenas significa “jovem
mulher."
Ainda assim, na competição entre memes, a verdade não é a única coisa que importa. E os ebionitas, tornando-se difícil para um gentio para
se juntar ao movimento de Jesus, mancando sua versão do movimento. 8
doutrina ebionita suprimida externalidades de rede, enquanto que a versão de Paul do cristianismo parece quase projetado para maximizar
essas externalidades. Ea versão de Paul ganhou.

O Runner-Up

A versão do cristianismo, que parece ter terminado em segundo na luta pelo título do cristianismo tradicional compartilhado essas propriedades de
rede de maximizar-externalidade. Esta foi uma espécie monolatrous do cristianismo conhecido como Marcionismo. Seu fundador, Marcião,
acreditava que a Bíblia hebraica reflete um deus e deus-criador irado que Jesus havia revelado um outro deus: um Deus amoroso que ofereceu
fuga da fossa terrena inventada pelo deus criador. E Marcião abraçou a doutrina de Paulo de interétnica “amor fraternal”.

Na verdade, Marcião-que, dois séculos antes do Novo Testamento começou a fundir-se, tornou-se a primeira pessoa para recolher primeiros
escritos cristãos em um cânone oficial-incluiu muitas das cartas de Paulo, bem como um dos quatro Evangelhos, Luke. 9 ( Para que o Deus da
salvação ser confundido com o deus criador, Marcião editado Lucas; agora Jesus se referiu a Deus não como “Senhor do Céu e da Terra”, mas
como “Senhor dos Céus.”) 10

abraço de Paul de Marcião não manteve sua igreja de ser um rival para o que os estudiosos chamaria mais tarde a igreja Pauline - ou seja, a
versão do cristianismo que se tornou mainstream e montou o Novo Testamento como seu cânone. Na verdade, a rivalidade tem intensa como
Marcionita Cristianismo provou robusto. Um século segunda-Pauline Christian notou com alarme que Marcião foi se espalhando sua versão do
evangelho com “muitas pessoas de todas as nações.” Ainda no século V, bispos cristãos alertou os viajantes para evitar entrar numa igreja
Marcionita por acidente. 11 Talvez uma amarga batalha pelo domínio do cristianismo não deveria nos surpreender, dado que ambos os lados exercia
uma doutrina tão poderoso quanto o amor fraternal.

Há um recurso de Marcionita cristianismo que possa parecer estrategicamente abaixo do ideal: Marcião, ao contrário de Paul, queimado todas
as pontes ao judaísmo. Ao rejeitar a Bíblia hebraica e excisão temas judaicos de seu cânone, ele tornou impossível fazer o que Paul parece ter
feito: desenhar sobre a infra-estrutura do judaísmo para apoio logístico e recrutas. Mas pelo tempo que Marcião mostrou-se, a igreja “Pauline” havia
efetivamente queimado essas pontes, também. No final do primeiro século o cristianismo não foi pensado como uma espécie de judaísmo e
flagrante anti-semitismo em breve superfície dentro da igreja.

Esta tensão emergente entre cristãos e judeus segue o padrão agora familiar: a tolerância e amizade muitas vezes prosperar quando o jogo é
visto como não de soma zero, mas são menos robustos quando ele é visto como de soma zero. No Império Romano, qualquer um que se
recusaram a adorar os deuses do Estado precisava de uma isenção especial, e a melhor esperança para a obtenção de um leigo em um -showing
património histórico profundo que a sua longa tradição religiosa é anterior ao Império Romano. Ambos os cristãos e judeus poderia apontar para as
escrituras hebraicas como evidência de suas raízes profundas, mas se ambos poderiam fazê-lo com sucesso era outra questão. Afinal, poderia
realmente haver mais de um herdeiro legítimo da tradição hebraica?

Assim, os cristãos, em pressionar o seu pedido de isenção, tinha que minar o direito judeu a legitimidade. Eles argumentaram que os judeus
tinham abandonado seu próprio deus por matar seu filho. Isso, explicou o pai da igreja Justin no segundo século, é por isso que homens judeus
são circuncidados-um sinal divinamente ordenada de sua culpa. (E quanto a por que o ritual da circuncisão antecedeu a morte por mais de um
milênio: Deus é presciente, Justin observou.) 12

Este é o mesmo Justin que em outros contextos saudado transcendência dos limites étnicos do cristianismo: “Nós, que ... se recusou a viver
com pessoas de outra tribo por causa de seus costumes diferentes, agora vivem intimamente com eles.” 13 Mas, aparentemente, esta tolerância
dependia da tribo e do contexto. Quando Coríntios e Romanos trocar favores sob a rubrica da sua fé comum e compartilham um interesse no
sucesso dessa fé, o jogo é diferente de zero-sum. Mas duas tribos competindo por um único prêmio, o título de herdeiro legítimo do hebraico
tradição isso é outro assunto.

Jesus era realmente necessário?

O apelo de massa de Marcionita Cristianismo sugere que, se a fé que hoje conhecemos como Christianity- cristianismo paulino - tinha caído no
esquecimento no segundo ou terceiro século, uma outra versão do cristianismo provavelmente teria prevalecido. Especificamente: uma versão
com a doutrina da amizade interétnica, a doutrina de que percebi as externalidades de rede oferecidos pela plataforma aberta do Império
Romano. Mas e se não tivesse havido Jesus-então não poderia ter sido quaisquer versões do cristianismo para patrocinar essa doutrina, certo?
Bem, não poderia ter sido qualquer coisa chamada Cristianismo. Mas mesmo se Jesus não tivesse nascido, ou tinha morrido na obscuridade,
algum outro veículo para o meme de amizade transétnica poderia muito bem ter tona.
Havia uma abundância de veículos ao redor. Já ouviu falar de Apolônio de Tiana? Como Jesus, ele viveu no primeiro século EC. De acordo
com histórias posteriormente contadas por seus devotos, ele viajou com os seus discípulos de cidade em milagres cidade fazendo: curar os coxos
e os cegos, expulsando os demônios. Esses poderes emanava de seu acesso especial ao divino, ele era o filho de Deus, alguns disseram -como
fez o seu dom de profecia. Ele pregou que as pessoas devem se preocupar menos com conforto material e mais sobre os destinos de suas almas,
e ele expôs uma ética de partilha. Ele foi perseguido pelos romanos, e após a morte, ele ascendeu ao céu. Este comunicado uma boa simetria de
sua vida, desde o seu nascimento tinha sido milagrosa em primeiro lugar; antes de ele nascer, sua divindade tinha sido proclamado a sua mãe por
uma figura celeste. 14

Soa familiar?
Mas, você pode protestar, Apolônio de Tiana não postular uma doutrina do amor interétnico! Bem, como vimos, Jesus provavelmente não
o fez, também. A doutrina foi desenvolvido por Paul, um empresário religiosa que o usou como o cimento em sua empresa mais distantes.

E se Paul nunca tinha nascido? Bem, então Paul não teria sido o Bill Gates do seu dia, a pessoa que viu uma plataforma aberta e lançou uma
empresa que dominava ele. Mas alguém provavelmente teria. Quando uma nova plataforma de grande emerge -seja através da invenção do
microcomputador ou a fundação do Império Romano-alguém normalmente descobre uma maneira de explorá-la. Ou, para colocar o ponto em uma
linguagem mais técnica: quando o surgimento de uma nova plataforma cria potenciais externalidades de rede positivos, alguém provavelmente vai
encontrar uma maneira de realizá-los em detrimento da concorrência. Alguns sistema operacional microcomputador teria floresceu big-tempo, uma
vez microcomputadores tornou-se acessível, independentemente de Bill Gates tinha nascido.

Os paralelos entre Apolônio e Jesus pode não ser coincidência. No momento em que histórias sobre Apolônio foram coletados em um livro, os
evangelhos cristãos tinha aparecido, e seus seguidores-seja por consciente ou inconsciente embelezamento-pode ter dirigido o perfil dele em
direção a Jesus de. Mas esse é o ponto: a convergência deste tipo era natural. proselitistas religiosos antigos estavam trabalhando em um
ambiente competitivo. Eles estavam tentando obter a atenção das pessoas e mantê-lo, contar uma história que poderia ocupar um lugar especial
em suas vidas espirituais. Para uma religião de prosperar, ele tinha para oferecer, pelo menos tanto quanto a competição. Então religiões
naturalmente evoluiu na direção de rivais bem sucedidos, assim como softwares rivais são forçados pelo mercado a adotar uns dos outros
melhores características.

Daí a ironia de que a convergência da forma é muitas vezes um produto de intensa rivalidade. Jesus devotos menosprezado Apolônio, assim
como devotos Apolônio menosprezado Jesus-e assim como os devotos da Apple e devotos Microsoft menosprezar o outro, mesmo quando os
dois sistemas operacionais absorver um do outro características inovadoras. 15

No final, é os recursos que estão perto de inevitável, e não as empresas ou religiões particulares. Mesmo que nem Bill Gates nem Steve Jobs
tinha nascido, qualquer sistema operacional que tornou-se dominante teria sido passível de recursos como processamento de texto e e-mail.
Mesmo que Paul não tinha nascido, qualquer religião que veio a dominar o Império Romano teria sido favorável ao inter amizade étnica. Por apenas
esse tipo de religião poderia aproveitar externalidades de rede para superar rivais.

A conversão de Constantino

Esse tipo de religião também pode revelar-se atraente para um imperador. Se você estava governando um império multi-étnico, você não iria
favorecer a harmonia étnica? não pode mesmo de considerar a promoção de uma religião que incentivou-? Talvez a conversão de Constantino
ao cristianismo não era um golpe de sorte, afinal. dias do império de conquista e expansão foram mais. Agora, o desafio foi a consolidação,
mantendo a coisa toda em conjunto. (A batalha que ocasionou a conversão de Constantino era parte de uma guerra civil.) Talvez Constantine só
sabia que um bom cimento social, quando viu um. 16

Não seria a primeira vez que um imperador teve uma conversão religiosa útil. Ashoka, um imperador indiano do século III aC, foi para o
budismo o que Constantino foi ao cristianismo. Depois violentamente subjugar o Kalinga, ele decidiu que eles e seus povos eram realmente irmãos.
Ele tinha essa epifania após se converter ao budismo, que tinha começado como um maverick, movimento popular, mas agora, com o apoio da
Ashoka, levaria raiz em todo o Império Indiano. Uma vez que não tem nenhum textos budistas confiavelmente datado antes da época de Ashoka,
não sabemos com certeza que o próprio Buda realmente adotadas amor universal e harmonia. Mas Ashoka gravado suas próprias interpretações do
Budismo em rochas, pilares, e cavernas, e alguns sobreviveram, como “Concord sozinho é louvável.” 17 Para um imperador, que é um sentimento
compreensível.

Se você duvida que o imperialismo tende a promover a amizade interétnica, basta olhar para o Império Romano
antes a igreja cristã ganhou massa crítica. Mesmo assim, sem a ajuda de Paul, o Estado romano estava trabalhando para a harmonia étnica; ele
defendeu a tolerância para com diversos deuses de diversas etnias. Nesse sentido, o cristianismo foi apenas reinventar a roda. Antes do
cristianismo apareceu, o império patrocinado doutrinas conducentes à harmonia étnica: todo mundo presta homenagem a deuses do Estado,
mas além disso é livres para adorar quaisquer deuses que eles escolherem. Depois que o cristianismo tornou-se o credo oficial, o império
patrocinado doutrinas conducentes à harmonia étnica; -lo defendido amor fraterno entre os cristãos e fortemente incentivados todos para ser um
cristão.
Para ter certeza, de volta antes do cristianismo era o credo oficial, Roma mostrou explosões de intolerância para com aqueles que não
comprar em seu sistema de tolerância-cristãos e judeus. Então, novamente, houve intolerância depois do cristianismo ganhou a mão-de
intolerância superior não-cristãos.
Assim, em termos morais, não é claro que a missão de Paulo culminou em andamento. Antes do cristianismo a fórmula imperial para a
tolerância interétnica estava indo muito bem, e depois de o cristianismo a fórmula imperial para a tolerância interétnica estava fazendo muito
bem. E em ambos os casos os poucos que discordou da fórmula arriscou perseguição.

Então, qual foi o ponto de todo o exercício? Bem, você teria que perguntar a Paul. E qual foi o ponto de isto exercício de analisar como e
por que a versão de Paul do cristianismo prevaleceu sobre outras versões do mesmo, e na verdade em relação a outras versões de religião?

O objetivo do exercício

O ponto era dupla: mostrar que alguma doutrina de amizade interétnica era provável a prevalecer dentro do império romano o tempo todo,
porque essa doutrina extrai mais valor a partir de uma plataforma imperial do que outras doutrinas; e para mostrar como totalmente adaptável um
determinado deus pode estar a serviço dessa lógica.
O Senhor tinha começado a vida com um viés étnico decidiu, em favor dos israelitas. E mesmo quando, durante o exílio babilônico, ele
decidiu que em todo o mundo, daí transétnica, fidelidade estava em seu futuro, ele considerou a postura adequada de não-israelitas a ser um
dos abjeta submissão, e não apenas a apresentação que você esperaria de qualquer adoradores de um Deus todo-poderoso, mas uma
submissão mais abjeta do que a dos adoradores israelitas de Javé. De fato, foi em última análise, uma submissão para adoradores israelitas do
Senhor; quando o impulso monoteísta mostrou-se primeiro claramente na tradição abraâmica, no Segundo Isaías, que estava a serviço de uma
hierarquia étnica.

Mesmo assim, o Senhor logo amadurecido. Uma vez que Israel era um membro em boa posição do Império Persa, o caso de amizade
interétnica cresceu. Como vimos, das principais fontes de autor na Bíblia hebraica, o Priestly source- “P” -seems ser o mais inclusivo
internacionalmente; pelo menos, P tem uma visão relativamente benigna da nacionalidades dentro do Império persa. E a melhor explicação é que
P reflete os valores promulgadas pela liderança persa depois do exílio. Aqui, mesmo antes imperador Ashoka iria ilustrar o ponto, Ciro, o Grande
mostrou que o império poderia ser uma força moralmente benigna.

Meio milênio depois do retorno do exílio, na linhagem cristã da família de Abraão, Deus passou por outra mudança. Deus P tinha sido um
deus-nacional Deus de Israel. (Pelo menos, sob o nome Senhor, Deus P tinha sido nacional, embora, como vimos, a linguagem de P pode ser lido
para significar deuses que outras nações, com seus vários nomes, eram manifestações do único Deus verdadeiro.) Em contraste, o Deus de Jesus,
ou pelo menos o Deus de Paul-se explicitamente transnacional.

Ainda assim, é enganoso dizer, como alguns cristãos têm, que o cristianismo substituiu o deus “particularista” dos judeus com um deus do
“amor universal.” Por um lado, o deus “particularista” dos judeus não tinham encontrado etnia per se uma barreira inultrapassável. Muito antes de
Paul-mesmo muito antes P-Bíblia hebraica tinham ordenado o tratamento justo e compassivo de imigrantes. Por outro lado, como já vimos, “amor
fraternal” de Paulo não era verdadeiramente “universal”. Ele concentra mais fortemente em outros cristãos que em estranhos. Na verdade, o Deus
cristão de amor supostamente infinita condenou os não crentes a vida após a morte de sofrimento. E, uma vez que o sofrimento durou para
sempre, Deus não pode dizer que foi “para seu próprio bem”, a forma como os pais amorosos pode honestamente descrever a punição
educacional de seus filhos.

Em outras palavras, o cristianismo substituiu um tipo de particularismo com outro. O novo particularismo foi baseada não na etnia, mas na
crença. Se você estivesse fora do círculo da crença adequada, cristãos realmente não te amo, pelo menos, eles não te amo do jeito que amava os
outros cristãos. E Deus não te amasse tanto; ou se ele fez te amo, ele tinha um jeito engraçado de mostrar isso! Mesmo as pessoas que tinha
introduzido este Deus para o mundo, os judeus, não se classificou para a salvação sob a doutrina cristã, uma vez que se fundiram depois de Paulo.

O retorno do Logos

Então, houve progresso moral ainda a ser feito. Ainda assim, Deus tinha provado a sua flexibilidade, mais uma vez. Ele havia mostrado que,
quando diferentes grupos, incluindo grupos étnicos diferentes, jogar jogos de soma zero, ele pode se adaptar, crescendo ao longo da dimensão
moral para facilitar a reprodução de jogos. Dado que a evolução tecnológica tinha evidenciado uma tendência para expandir o reino da não-zero
sumness, este era um bom augúrio para o futuro. Talvez este reino continuaria a crescer e Deus continue a crescer com ela.

Claro, “Deus” pertence entre aspas, porque o que está crescendo é a imagem do povo de Deus, não o próprio Deus-que, pelo que sabemos,
pode não existir. Ainda assim, como sugerido no capítulo 8, esse crescimento de “Deus” pode ser uma evidência de, se não Deus com um capital
G, propósito maior em algum sentido do termo. Especificamente, como sugerido no capítulo 9, noção de Logos de Filo pode ser uma maneira útil
de pensar deste propósito divino.
Elementos de teologia de Philo figurou no gnosticismo, uma versão do cristianismo antigo que, como Ebionitism e Marcionitism, caiu no
esquecimento como marca de Paul do cristianismo cresceu. Um tema comumente atribuído ao gnosticismo é que a auto-conhecimento é o
caminho para a salvação, uma idéia que, como vimos, Philo era grande diante. 18 Também como Philo, os gnósticos falaram de Deus tanto em
termos de sabedoria e do Logos. 19 Eles viram Jesus como uma manifestação do Logos, de um livro “escrito no pensamento e a mente do Pai”,
como o Evangelho Gnóstico da Verdade colocá-lo. Jesus “colocar esse livro; Ele foi pregado a uma árvore; ele publicou o edital do Pai na cruz “. 20

Esta é uma reminiscência pouco do Evangelho de declaração de João que a palavra, o Logos, “se fez carne e habitou entre nós, e vimos a sua
glória, glória como do único filho de um pai, cheio de graça e de verdade.” 21 ( John é dito às vezes ser o único evangelho com temas gnósticos.)

Visualizando Jesus como o Logos tem uma certa lógica nisso. O Logos expande círculo da humanidade de preocupação moral. Na medida em
que Jesus é promover esta causa, ele é, de fato, em certo sentido, a “Palavra” se fez carne, a encarnação física do Logos. E certamente a Jesus no
Evangelho de João é um grande defensor da expansiva moral preocupação-do amor fraterno. “Dou-vos um mandamento novo: que vos ameis uns
aos outros.” 22

Em Marcos, o mais antigo evangelho, Jesus tinha dito para amar “seu vizinho”, uma referência à escritura hebraica que quase certamente
significa, no contexto, ama seu companheiro israelita. Mas, em João, o último evangelho, Jesus, como Paulo, está a levar o amor além da
nacionalidade. É verdade, também Jesus, como Paulo, é confinar o amor mais intenso para outros seguidores de Jesus. Ele acrescenta, em João:
“Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns pelos outros.” 23 Ainda assim, no momento em que o Evangelho de João foi
escrito, perto do fim do primeiro século, a igreja cristã foi amplamente multinacional, por isso mesmo que esse amor não era universal, era bastante
multiétnica, e assim um passo em direção universalismo. A mensagem de Jesus é o Logos em ação naquele momento, e, nesse sentido, não é
exagero chamar Jesus uma encarnação do Logos.

Claro, há o problema de que o verdadeiro Jesus, o “Jesus histórico”, provavelmente, não dizer estas coisas. Mas se não podemos equiparar o
Logos com o “Jesus histórico”, podemos pelo menos igualar o Logos com o “Jesus imaginado” -o Jesus os cristãos têm em mente quando eles
adoram, o Jesus que fez dizer essas coisas moralmente progressivos?

Pode parecer paradoxal dizer que um Jesus que só existe na imaginação é o Logos, ou qualquer outra coisa, que se fez carne. Mas quando
os cristãos reverenciam Cristo como eles concebê-lo, eles Maio- de acordo com a teologia do Logos-estar reverenciando algo autenticamente
divino. Pois é o Logos que moldaram sua concepção dele, que infundiu esta concepção com uma noção de amor fraternal que atravessa
fronteiras étnicas; foi a expansão da organização social, eo atendente não entrelaçamento de soma zero de etnias-o Logos no trabalho - que
levaram Paulo para enfatizar a amizade interétnica e levaram os cristãos posteriores para colocar esta mensagem na boca de Jesus. Quando os
cristãos evocar sua imagem de Jesus, colocando a carne em torno da mensagem de amor, a palavra-os Logos-se em um sentido sendo feito
carne.

Há um paralelo com uma antiga doutrina ligada aos gnósticos e longo considerada herética: docetismo. De acordo com o docetismo, Jesus não
era realmente feito de carne e sangue. Ele era puro espírito, ea parte de carne e sangue era um fantasma, uma espécie de ilusão. (Em uma antiga
conta docética da crucificação, Jesus está rindo na cruz;. Faltando um corpo, ele não sente dor) Mas neste cenário docética há uma autenticidade
ao reverência cristão para Jesus quando ele apareceu, porque esta aparência, embora uma ilusão, era uma ilusão patrocinado por Deus e,
portanto, uma verdadeira manifestação do divino. Assim também em uma teologia do Logos: a reverenciar Jesus como cristãos concebê-lo é, por um
lado, a reverenciar uma construção da imaginação, mas, por outro, a reverenciar uma manifestação do divino. Pode ser que os cristãos Jesus sabe
é tanto uma ilusão e um verdadeiro rosto de Deus.

E talvez, para que o assunto, adorando a ilusão divinamente patrocinado é o mais próximo que as pessoas podem começar a ver o rosto de
Deus. Os seres humanos são máquinas orgânicas que são construídos pela seleção natural para lidar com outras máquinas orgânicas. Eles
podem visualizar outros seres orgânicos, compreender outros seres orgânicos, e conferem amor e gratidão em outros seres orgânicos. Entender o
divino, visualizando o divino, amando o divino, isto seria uma tarefa difícil para um mero ser humano.
Capítulo Treze

Como Jesus se tornou Salvador

F ou muitos cristãos, a palavra “Jesus” é praticamente sinônimo da palavra “salvador”. Deus enviou seu filho para que, como o Novo Testamento
diz, “toda a carne verá a salvação de Deus.” 1

Em certo sentido, na verdade, a salvação de Deus havia sido visível. Os israelitas foram salvos dos egípcios por Javé. ( “Deus, seu Salvador,
que fizera grandes coisas no Egito,” como a Bíblia hebraica tem.) Mais tarde, foram salvos de outros algozes, às vezes por um ser humano enviado
para o efeito. ( “O Senhor deu um libertador a Israel, de modo que escapou da mão dos sírios”.) E como o Senhor submeteu-à ira dos babilônios-o
lembrete sutil de que a salvação não é incondicional, ele estava se preparando Ciro da Pérsia para realizar a salvação divina para os israelitas
novamente. Assim, o profeta Jeremias poderia chamar Senhor a “esperança de Israel, e Redentor seu no tempo da angústia.” 2

Mas nada disso é o que os cristãos querem dizer com “salvação”. Quando eles chamam de Cristo Salvador, eles não estamos falando sobre
a salvação da sociedade ou mesmo a salvação física do indivíduo, mas sim a salvação da alma do indivíduo após a morte . O coração da
mensagem cristã é que Deus enviou seu filho para colocar para fora o caminho para a vida eterna.

Jesus é, nesse ponto de vista, um ser celestial que controla o acesso ao céu. Ele “está sentado à direita do Pai” e “julgar os vivos e os
mortos”, como ele é colocado no Credo de Nicéia, um documento fundamental do cristianismo antigo e até hoje um denominador comum de
católicos romanos, Eastern ortodoxo, ea maioria das igrejas protestantes.

Esta noção cristã de salvação foi um divisor de águas na evolução do deus-ou abraâmica, pelo menos, na linhagem não-judaica dessa
evolução. Em ambas as suas formas cristãs e muçulmanas, provaria influente de maneiras tanto afortunados e infelizes. Acreditando que o céu
espera por você logo após a morte faz da morte uma perspectiva menos angustiante. E este, por sua vez, pode fazer morrer em uma guerra santa
uma perspectiva mais atraente, um fato que moldou a história e formas até hoje manchetes.

Depois da morte de Jesus, houve uma boa notícia e uma má notícia para qualquer um que se propôs a levar a mensagem cristã de salvação
em todo o Império Romano. Ambos os tipos de notícias estão incorporadas em pequenas estatuetas que os arqueólogos têm encontrado nas
regiões do norte do império. Há, espalhados por locais de enterro, são interpretações de bronze de um deus chamado Osiris. 3 Explorando rotas de
comércio, esse deus tinha viajado todo o caminho para a Gália-o que hoje é a França, a partir de seu Egito natal.

Osiris, que tinha sido um grande deus no Egito por milênios, tinha uma impressionante semelhança com o Jesus descrito no Credo de Nicéia.
Ele habitada outro mundo, e ali julgava o recentemente falecido, concedendo a vida eterna para aqueles que acreditavam nele e viveu por seu
código. Daí a boa notícia para os evangelistas cristãos: a penetração do Império Romano do Osiris sugeriu uma sede generalizada para uma figura
divina desse tipo, um nicho considerável que uma figura como Jesus pode preencher. E, portanto, a má notícia: pelo menos uma parte da demanda
para este tipo de divindade já haviam sido atendidas. Como cristãos levaram o evangelho em todo o Império Romano, eles enfrentam a
concorrência de um deus que já encarnou algum do apelo emocional que nós associamos com o cristianismo.

O mais antigo desses evangelistas enfrentou um segundo tipo de má notícia como eles pregaram o evangelho no Império Romano. Não só
houve já alguns aglomerando no mercado para uma vida após a morte feliz via salvação espiritual; O próprio Jesus, ao que parece, inicialmente
não se encaixam nesse nicho de mercado muito bem. Isso vai atacar algumas pessoas, incluindo os cristãos, por mais estranho. Credo de Nicéia
não descreve um feito sob medida para esse nicho Jesus? Sim, mas o Credo de Nicéia foi escrito séculos depois que Jesus morreu. O quadro
comum de Jesus reflete-Jesus como árbitro celestial da imortalidade-pareceria estranho para os seguidores de Jesus durante sua vida. Então,
seria o seu corolário: que a ascender justos para o céu na outra vida.

A vida eterna de um certo tipo pode muito bem ter sido parte da mensagem original de Jesus. Mas não pode ter sido, em qualquer caso, os
detalhes da história, a parte sobre o céu, por exemplo, mudou conseqüentemente, nas décadas após a crucificação. A forma como a história
agora oficial tomou forma é um estudo de caso em como Deus evolui para encher as necessidades psicológicas de seus seguidores e também as
necessidades de sobrevivência de si mesmo.

Como o céu se tornou Céu

A idéia de seguidores de Jesus recebendo para se juntar a ele no céu ao morrer provavelmente não tomar forma até cerca de meio século depois
que ele morreu. Para ter certeza, seus seguidores acreditavam desde o início que os fiéis seriam admitidos no “reino dos céus”, como o Novo
Testamento chama-lo. Mas “reino dos céus” é apenas o termo de Matthew para o que Mark tinha chamado o “reino de Deus” -e, como vimos, o
reino de Deus ia ser na terra. Em Mateus, Jesus diz: “Assim como o joio é colhido e queimado no fogo, assim será no fim dos tempos.” Os anjos
virão para baixo e
vasculhar a terra para “todas as causas do pecado e todos os malfeitores, e eles vão jogá-los na fornalha de fogo, onde haverá choro e ranger de
dentes. Então os justos brilharão como o sol, no reino de seu Pai.” 4

Observe a dinâmica: anjos vêm à terra do céu e eliminar os maus, após o que as pessoas boas permanecem na nova e melhorada terra. Não
há nada sobre as almas de pessoas mortas subir ao céu.

Na verdade, não há nada sobre morto Pessoas de todos. Jesus, convencido de que o reino de Deus estava “próximo”, não gastar muito
tempo descrevendo a vida após a morte; ele falou como se o dia do julgamento estava indo para chegar a qualquer momento, antes de seus
ouvintes tiveram a chance de morrer, e disse às pessoas como se preparar. Dia do Juízo Final foi sobre os vivos, não dos mortos.

Mas só por curiosidade: o que estava vai ser de pessoas mortas? Seriam ressuscitados e entrar no reino de Deus? E o que era existência
como para eles nesse meio tempo? Nos anos depois da crucificação, tais questões iria crescer saliente como seguidores de Jesus, vendo amigos
e familiares, pessoas com quem eles esperados para entrar no reino, morrer. Em uma carta Paulo escreveu aos cristãos na cidade macedônio de
Tessalônica-provavelmente o mais antigo documento no Novo Testamento, ele confronta o mal-estar: “Nós não queremos que sejais ignorantes,
irmãos e irmãs, sobre aqueles que morreram, para que você não pode chorar como os outros que não têm esperança.” 5 Aqueles que estão nas
boas graças de Deus, Paulo garantiu a seus irmãos, pode olhar para a frente a vida após a morte, mesmo se eles morrerem antes do Dia do
Julgamento.

Isso provavelmente reflete o ponto de vista de Jesus. A ideia de que os mortos seriam ressuscitados na culminação da história é encontrada
no apocalíptica judaica que Jesus herdou (incluindo o livro de Daniel), e Jesus afirma a ideia nos primeiros evangelho. 6 Além disso, as credenciais
de Paulo como uma testemunha aos ensinamentos de Jesus são boas, como tais credenciais ir. Paul estava vivo quando Jesus morreu e foi em
sintonia com as doutrinas de seguidores-primeiros como um dos seus perseguidores e, em seguida, como um dos seus irmãos de Jesus. 7 Nesse
sentido, esta passagem de I Tessalonicenses, escrito cerca de duas décadas antes de o livro de Marcos, é a primeira prova escrita, temos de vista
da vida após a morte de Jesus.

Em qualquer caso, a visão de Paulo de vida após a morte é a mais antiga visão cristã documentado, e é notável por duas coisas. Primeiro,
porém Jesus, sendo o Filho de Deus, foi para o céu logo após a morte, os cristãos comuns não seguir esse caminho. Eles têm que esperar por
Jesus para retornar antes de as coisas bem-aventurada; “Os mortos em Cristo ressuscitarão” apenas quando “o próprio Senhor, com um grito de
comando, com a chamada do arcanjo e ao som da trombeta de Deus, descerá dos céus.” 8 Em segundo lugar, mesmo assim, o céu não é o lugar
onde os mortos estão indo; em vez disso, eles vão viver a eternidade na terra-a muito melhor terra do reino de Deus.

O Mito “Rapture”

Mas o que dizer “o Arrebatamento” -a ideia de muitos cristãos hoje que Cristo virá para baixo e escoltar tanto cristãos mortos para o céu estar e?
Esta ideia baseia-se em uma interpretação dúbia da carta de Paulo aos Tessalonicenses, no qual ele descreve como, no momento da chegada de
Cristo, em primeiro lugar os mortos ressuscitados e, em seguida, o ainda-vida vai subir para o céu: “o Senhor ... descerá dos céus, e os mortos em
Cristo ressuscitarão primeiro. Então, nós que estamos vivos, que são deixados, seremos arrebatados nas nuvens junto com eles para encontrar o
Senhor no ar; e assim estaremos sempre com o Senhor.”Um fato raramente observado por cristãos-incluindo evangélicos leitores da série Deixados
para Trás da apocalípticas romances é que esta passagem deixa em aberto a questão sobre o que acontece depois de terráqueos e Jesus‘se
encontram’no ar . 9 Se qualquer coisa, o fato de que os terráqueos “encontrar o Senhor”, e não o contrário sugere o último, isto é os seres humanos
que estão jogando anfitrião, acolhendo Cristo à terra firme.

Esta sugestão é confirmada em outros lugares nos escritos de Paul. Aprendemos com uma carta aos Coríntios que o Messias retornar, depois
de ressuscitar os mortos, terá algum negócio mundano à esquerda na sua agenda: acabando com muitos políticos desagradáveis ​do mundo. Paul,
novamente tranquilizar os cristãos sobre o destino dos mortos, escreve: “Todos serão vivificados em Cristo. Mas cada um por sua ordem: Cristo, as
primícias [isto é, após a crucificação, tornou-se o primeiro a voltar dos mortos], em seguida, na sua vinda aqueles que pertencem a Cristo. Então
virá o fim, quando ele entregar o reino a Deus o Pai, quando houver destruído todo governante e cada autoridade e poder. Para ele deve reinar até
que tenha posto todos os inimigos debaixo de seus pés.” 10

O inimigo final de morrer, diz Paulo, será a própria morte. ( “Onde está, ó morte, a tua vitória?”, Ele pergunta em uma frase destinada à
imortalidade.) 11 Mas, mesmo assim, uma vez que os cristãos são, assim, tornar-se imortais, eles aparentemente passar a eternidade na terra. Depois
de Jesus “mãos sobre” o reino a Deus, não há nenhuma menção de que está sendo realocado.

O cenário de “Rapture” realmente repousa sobre uma confusão de casal. Há uma confusão sobre como Paul previu a volta de Jesus se
desdobrando, e Paul é o próprio confuso sobre como Jesus previu o retorno. Na verdade, ele é confuso pensar que Jesus previu seu retorno à
Terra em tudo.
Nos evangelhos, Jesus não dizer ele vai voltar. Ele se refere à futura vinda de um “Filho de
Man”, um termo já aplicada, na Bíblia hebraica, a uma figura que descerá dos céus no clímax da história; e os autores do Novo Testamento
parecem ter tomado isso como uma referência ao próprio Jesus. 12 E plausível para que, uma vez Jesus em um ponto prevê que o Filho do Homem
vai ser morto e, em seguida, surgem três dias depois. No entanto, Jesus iguala próprio nunca explicitamente o Filho do Homem. E em alguns casos
ele parece estar se referindo a alguém que não seja ele mesmo. ( “Aqueles que se envergonhar de mim e das minhas palavras nesta geração
adúltera e pecadora, um deles o Filho do Homem vai também ter vergonha quando vier na glória de seu Pai, com os santos anjos.”) 13

Como explicar esse estranho padrão de uso? Um cenário faz um bom trabalho. Jesus, como qualquer bom pregador apocalíptico judaica da
época, afirmou cenários apocalípticos na Bíblia hebraica, nomeadamente aquela sobre a vinda do “Filho do Homem”. Então, depois que ele
morreu, seus seguidores, atordoados pela Crucificação e tentando fazer o sentido dele, especula-se que as referências de Jesus ao Filho do
Homem havia sido referências a si mesmo velada. Teria sido uma teoria atraente: desde Jesus previu o futuro descida do céu do Filho do
Homem, isso deve significar que Jesus não estava realmente morto depois de tudo! 14

Uma vez que os discípulos concordaram que Jesus tinha significado deste termo auto-referencialmente, eles foram capacitados não só para
dar novas interpretações de suas declarações reais sobre o Filho do Homem; eles também poderiam inventar, ou vagamente se sinceramente
metade imaginar -Todo novos “Filho do Homem” enunciados. Se um discípulo afirmou que Jesus certa vez disse a ele que o Filho do homem
estava destinado a ser morto e ressuscitado, como alguém poderia convincentemente duvidar? Claro, se o discípulo alegou Jesus tinha dito: “Eu
vou ser crucificado,” dúvida teria abundavam. Seus colegas teria perguntado: “Por que você não nos diz isso para trás, enquanto ele ainda estava
vivo?” Mas se o discípulo poderia insistem que ele não tinha entendido o verdadeiro significado da observação no momento, porque Jesus usou a
frase código “Filho do Homem” em vez da palavra “eu” -então o seu relatório seria invencível.

Tudo isso explicaria uma das cenas mais dramáticas no Novo Testamento, uma cena que é intrigante contrário. Vários dias depois de
Jesus é morto, a mãe de Jesus e Maria Madalena ter encontrado o túmulo de Jesus vazio e estão “perplexos”. Dois homens misteriosos
aparecem, e

os homens disseram-lhes: “Por que você olha para o vivente entre os mortos? Lembre-se de como vos falou, quando ainda estava
na Galiléia, que o Filho do Homem deve ser entregue aos pecadores, e seja crucificado, e ao terceiro dia ressuscitará.”Então se
lembraram das suas palavras, e retornando do sepulcro, eles contaram tudo isso aos onze ea todos os demais. 15

Então se lembraram das suas palavras? Se os seguidores de Jesus havia conhecido durante sua vida que “Filho do Homem” se referia a ele, e
se ele tinha realmente disse-lhes que o Filho do Homem seria crucificado e ressuscitou depois de três dias, é improvável que esta predição teria
escapado a sua consciência durante a própria crucificação!

Como poderia um autor evangelho escrever uma cena tão incoerente? Talvez não tenha sido incoerente no momento em que foi escrito. Se a
idéia de que Jesus era o Filho do Homem surgiu somente após a crucificação e na verdade estava naquele momento famoso por ter surgido
somente após o sentido Crucificação-em seguida, a cena teria feito: os dois Marys estavam tendo um grande epifania. Sim, eles tinham ouvido dizer
que ele seja o Messias, o homem que iria salvar Israel, mas eles nunca sonhou que poderia ser algo ainda maior: o Filho do Homem-figura o
próprio Jesus tinha tantas vezes glorificado.

A imagem de Jesus como o “Filho do Homem”, sentado serenamente no céu, pronto para receber as almas dos bons cristãos, pode ter sido
crucial no eventual triunfo do cristianismo. Esta imagem deu-lhe uma vantagem sobre as religiões que não oferecem esperanças de uma vida após
a morte agradável e manteve-o competitivo com as muitas religiões que fizeram. Também inspirou os cristãos a morrer em nome de sua fé. No livro
de Atos, quando Stephen está prestes a ser martirizado, ele enfrenta a morte com serenidade: “Ele olhou para o céu e viu a glória de Deus e Jesus
em pé à direita de Deus. 'Olhe', ele disse, 'Eu vejo os céus abertos eo Filho do homem em pé à direita de Deus!'” 16 A identificação postmortem de
Jesus com o Filho do Homem era uma adaptação evolutiva chave.

Na verdade, uma segunda adaptação foi necessária antes de Stephen poderia ter essa visão. Metade do seu imaginário-o reconfortante Filho
do Homem que residem no céu-se enraizou logo após a crucificação, mas, como acabamos de ver, a parte sobre os fiéis cristãos, eventualmente,
se juntar a ele no céu não. Nem a idéia, que Stephen aparentemente compartilhada, que o reencontro com Jesus viria logo após a morte. Na
verdade, o silêncio de Paulo sobre a questão do estado de pessoas mortas antes da vinda ressurreição sugere que sua resposta era a resposta
tradicional na Bíblia hebraica: eles passam o tempo em sheol, um submundo obscuro. 17

O paraíso pode esperar

É mais de uma década após o ministério de Paulo antes de literatura cristã refere-se claramente a recompensa imediata para o bem na vida após
a morte. Em Lucas, escrito por volta de 80 ou 90 dC, somos informados de que o Deus-temendo pendurado criminoso na cruz ao lado de Cristo
vai encontrar-se no “paraíso” ao lado de Cristo naquele mesmo dia. 18 Estamos também contou uma história sobre os afterlives de um homem rico e
um pobre homem. O rico
homem, que morreu sem se arrepender seus pecados, vai a uma parte do submundo, onde, ele observa, “Estou em agonia nestas chamas.” O
pobre homem tem melhor sorte. Ele encontra-se na companhia de Abraham, talvez, como alguns argumentaram, no céu, mas pelo menos em
uma parte mais hospitaleiro do mundo subterrâneo: “ele é consolado” em algum lugar onde 19

Alguns estudiosos afirmam que essa idéia de recompensa imediata para os mortos Christian remonta ao próprio-que Jesus, afinal, é o único
que em Lucas faz com que essas duas referências para a vida futura. 20
No entanto, nem referência é encontrada no evangelho mais antigo, Marcos, ou na fonte Q Lucas mais cedo do que o. O estudioso do século XX
meados de SGF Brandon era quase certamente direito de ver essa idéia como desenvolver após Paul e bem depois de Jesus. É, observou ele,
uma idéia fundamental, uma partida de “a figura essencialmente escatológica que estava prestes a intervir catastroficamente no processo cósmico,
reunir-se a sua recompensa eterna Seus eleitos.” Perto do fim do primeiro milênio dC, “Cristo agora começou a ser imaginado como morada no
céu como o mediador entre Deus e os homens “. 21

O que causou a mudança? Por um lado, como as décadas laminado e o reino de Deus não se materializou, houve uma preocupação
crescente entre os seguidores de Jesus sobre o estado da notyet- mortos ressuscitados. garantia de Paulo de que a família e os amigos
recentemente partiu dos crentes iria se juntar ‘o resto de nós’ no reino havia trabalhado por um tempo. Mas pelo tempo de Lucas, mais de uma
década depois da morte de Paul, essa expectativa não era mais operativa. Agora o cristão atento estava preocupado não apenas sobre se amigos
e parentes mortos acabaria por ser ressuscitado, mas sobre o que a morte seria a sensação até ressurreição, uma vez que cada vez mais parecia
que o Christian em questão iria se juntar seus amigos e parentes naquele estado antes de Cristo retornado. (Provavelmente não é coincidência
que Lucas, o primeiro autor do Novo Testamento para sugerir a céu cristão moderno, é também o primeiro autor do Novo Testamento para reduzir
as esperanças de uma vinda do Reino de Deus. O reino, Lucas diz: “não vem com as coisas que pode ser observada ... o reino de Deus está
dentro de você.”) 22

Este foi mais um pivô crucial. Agora a recompensa da salvação não seria de esperar durante a vida de uma pessoa, mas poderia vir para a
direita após a morte-a próxima melhor coisa. Tinha doutrina cristã não fez neste turno, ela teria perdido credibilidade como o reino de Deus não
apareceu sobre a Terra como gerações e gerações de cristãos foram vistos para ter morrido sem receber a sua recompensa. Mas agora, com o
reino de Deus realocados da terra ao céu, gerações de cristãos haviam presumivelmente obtido a sua recompensa, e você pode, também, se você
aceitou a Cristo como seu salvador.

concorrência internacional

Por que é Luke, não a Matthew aproximadamente contemporâneo, que faz com que este pivot? Talvez porque Lucas é o mais “gentio” dos
evangelhos sinóticos. Considerando Matthew muitas vezes parece estar tentando converter judeus devotos para o movimento de Jesus, enfatizando
a sua compatibilidade com o judaísmo tradicional, Luke está focado em ganhar “pagãos” convertidos. E se ele está indo para competir com religiões
pagãs, é melhor certificar-se de que o cristianismo pode combinar suas características mais populares. O que nos traz de volta a Osiris, porta de
entrada para uma vida após a morte feliz. 23

Isso nos traz de volta a muitos outros deuses, também, porque Osíris não era o único deus na Roma antiga que realizou este tipo de recurso.
Embora os deuses oficiais do Estado romano ofereceu nenhuma outra vida feliz, o império tinha sido assediada por cultos estrangeiros que, ao
preencher este vazio, tinha ganho seguintes.
24 Estas religiões de salvação veio sob uma variedade de marcas. Havia deuses não só do Egito, mas da Pérsia e Grécia. cultos persas falou das

almas migram através das esferas planetárias para o paraíso, e cultos gregos ofereceram felicidade no Hades, o submundo que uma vez tinha
oferecido apenas uma existência monótona para a alma média, mas agora caracterizou subdivisões exuberantes. 25

Estou dizendo que Lucas roubou seu cenário de vida após a morte de uma religião competindo? Não com grande confiança, não. Mas se
você queria indiciá-lo sobre esta carga, você não seria totalmente carente de provas.

Certamente essa história em Lucas sobre o homem rico e do pobre com Hades tem conotações Osirian. Na época Lucas estava escrevendo,
uma cópia escrita de uma história egípcia sobre a vida após a morte estava circulando no Império Romano. Era sobre um homem rico e um pobre
homem que morreu e foi para o submundo. Ambos foram julgados no tribunal de Osíris. más ações do homem rico superado o seu bem, e assim
ele foi expedido para uma das estações menos desejáveis. (Especificamente, a história explica: o “pivot da porta” para o submundo foi “plantada
em seu olho direito e girando sobre este olho sempre que a porta está fechada ou aberta.” Compreensivelmente, a sua “boca estava aberta em
grande pranto.” ) em contraste, o pobre homem, cujo bom ações superaram o mal, tem que passar a eternidade na companhia das “almas
veneráveis”, perto da sede do Osiris. 26 Além disso, ele tem “vestes de linho real.” Do rico Roupas- (O homem rico na história de Lucas usava
“púrpura e linho fino.”) A moral da história: “Aquele que é bom sobre a terra que eles são bons para ele em Amenti (submundo), enquanto que
aquele que é o mal que eles são maus para ele “. 27

A história de Lucas sobre o homem rico e do pobre homem parece não ter precedentes na tradição judeu ou cristão mais cedo. 28 Então há de
fato uma chance de que Luke ouviu ou leu a história egípcia e adaptado para uso cristão. Mas nós provavelmente nunca saberemos, e de qualquer
forma, que não é o ponto. o
ponto é que se deve ou não Luke emprestado esta história em particular da herança do Egito, este tema - recompensa imediata no além-deve ter
vindo de algum lugar, e a fonte provável é uma das religiões com as quais o cristianismo competiram no Império Romano. 29

Dessas religiões, religião egípcia é o principal candidato. E aconteceu em mais de uma variedade. Além de si mesmo Osiris, houve uma
Osiris mutante chamado Serapis. Séculos antes, após as conquistas de Alexandre, imperialistas gregos que queriam se relacionar com seus
súditos egípcios tinham fundido Osiris e o deus grego Apis. Eles chamaram a Oserapis híbrido, mais tarde encurtado para Serapis. Agora, no
Império Romano, Serapis era adorada ao lado de Isis-que, na religião egípcia, era tanto a irmã e esposa de Osíris. No momento em que Paulo
escreveu suas cartas canônicas aos cristãos em Roma, Corinto e Tessalônica, essas cidades já tinha cultos dedicados a Isis, Serapis, ou
ambos. 30 Se o cristianismo era para competir com sucesso, como o fez, ele teria que satisfazer as necessidades psicológicas desses cultos
conheci.

Renascido

Essas necessidades não se limitam à questão da vida após a morte. Embora o significado básico da salvação espiritual na cristandade é a
salvação da alma da condenação, o termo tem ressonância mais amplo. Para muitos cristãos, a salvação tem sido não apenas uma expectativa
celeste, mas uma experiência terrena: uma sensação dramática de lançamento. O que o lançamento é “de” pode variar, talvez apenas por medo
da condenação após a morte física, mas talvez de outra coisa; talvez de alguma influência escravizando, como o álcool, talvez de ansiedade
flutuante ou culpa. E o lançamento pode ser dramático. Muitos cristãos evangélicos estão solidamente fixado sobre a fé no momento em que eles
se sentem “nascer de novo”, talvez enquanto caminhava para a frente de uma congregação a aceitar Cristo como seu salvador ou durante o ritual
subsequente de batismo.

É provavelmente nenhuma coincidência que as religiões com as quais o cristianismo competiu durante seus anos de formação também
contou com momentos de liberação transformadora. No século II dC o escritor grego Lucius Apuleio descrito um ritual de iniciação no culto de Ísis
como uma “morte voluntária e uma salvação obtida através da oração”, uma maneira de ser “renascer para um curso de nova salvação”. 31

O relato de Apuleio, embora ficcional, parece desenhar em sua própria experiência como um devoto de ambos Isis e Osiris, e fornece
abundância de detalhes sobre a experiência do novo nascimento. Aqui o iniciado relata sua tentativa de pronunciar uma oração após um ritual
multiday projetado para culminar com uma sensação de contato com Isis:

Comecei tão grandemente a chorar e suspiro que as minhas palavras foram interrompidas, e como devora a minha oração, comecei a
dizer neste tipo: O dame santo e abençoado, o conforto perpétuo de tipo humano-, que pela tua generosidade e graça nourishest tudo do
mundo, e dás um grande carinho para as adversidades do miserável, como uma mãe amorosa; tomas nenhum descanso. ... tu és ela que
colocou-teste fora todas as tempestades e perigos da vida do homem pela tua mão direita, em que da mesma forma tu impedes o
disposições fatais, appeasest as grandes tempestades de fortuna e keepest de volta o curso das estrelas ... tu dás luz para o Sunne, tu
gover-ninho do mundo, que trilhas para baixo o poder do inferno. 32

Observe quantas coisas as Isis iniciado está sendo liberado a partir de: a ameaça do inferno, todos os tipos de “tempestades e perigos” da
vida, e, de fato, a própria raiz da infelicidade; naquela época a astrologia era para alguns um determinismo sombrio, e uma religião poderia
prosperar com a promessa de libertar as pessoas do destino que suas estrelas predito. Daí a gratidão de iniciar a Isis que “guardas de volta o curso
das estrelas.”

Há provavelmente nunca foi uma religião que estava salvando as pessoas de uma só coisa. E, certamente, no mundo antigo a maioria das
religiões, como o culto de Ísis, dirigiu várias ameaças ao bem-estar físico e mental.

Pecado original

Entre as coisas que as religiões podem salvar as pessoas de um sentimento penoso da sua imperfeição moral
- o sentido do pecado. Aparentemente pecado foi central para a mensagem de salvação do cristianismo primitivo. Paul colocou frente tema e no
centro. “Todos, tanto judeus como gregos, estão sob o poder do pecado, como está escrito:" Não há ninguém que é justo, nem um sequer.” 33

Certamente não Paul. “Eu sou de carne, vendido como escravo ao pecado. Eu não entendo minhas próprias ações. Por que eu não faço o que
eu quero, mas eu faço a mesma coisa que eu odeio. ... Mas, na verdade, já não sou eu que faço isto, mas o pecado que habita em mim. Porque eu
sei que nada de bom habita em mim, isto é, em minha carne. Eu posso querer o que é certo, mas não posso fazê-lo. Por que eu não faço o bem que
quero, mas o mal que não quero é o que eu faço.” 34

Estudiosos divergem sobre se esta é a auto-avaliação de Paulo ou se ele está falando genericamente
com a condição humana. De qualquer forma, esta passagem deve ter sido coerente com a sua experiência pessoal.

Na verdade, vendo como Jesus poderia resolver seus problemas com o pecado pode ter sido de Paul definição intelectual epifania-a coisa que
o transformou em um organizador zelo da igreja primitiva. De repente, na mente de Paulo, tudo fez sentido. Um homem, Adão, tinha trazido pecado
e, portanto, a morte, na raça humana através de sua fraqueza, e agora um homem, Jesus, tinha através de sua força, e através de sua morte, a
libertação oferecida do pecado e da morte. E foi tudo um sinal de amor. Deus, a quem os seres humanos há muito tempo fizeram sacrifícios, amou
a humanidade que agora ele sacrificou seu filho. Assim fez uma matéria com um infeliz terminando-a história de um suposto Messias que tinha
acabou crucificado-se tornado uma mensagem convincente de salvação e vida eterna.

Mas se você estiver indo para iniciar uma religião que se torna a mais poderosa máquina de recrutamento na história do mundo, uma
mensagem atraente é apenas metade da batalha. A mensagem tem de não só atrair as pessoas, mas levá-los a se comportar de maneiras que
sustentam a organização religiosa e espalhá-lo. Por exemplo: seria bom se o pecado é definido de modo que evitar que sustenta a coesão eo
crescimento da igreja.

Isso é algo que Paul fez magistralmente. Olhe para a lista de pecados que ele ordena aos gálatas a evitar: “Ora, as obras da carne são
manifestas: fornicação, impureza, libertinagem, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, ciúmes, raiva, brigas, dissensões, facções, invejas,
bebedices , orgias, e coisas semelhantes a estas.”Apenas dois destes-idolatria e feitiçaria-se sobre a teologia. O resto está prestes a coesão social
cotidiano. A última duas embriaguez e orgias-fazer as pessoas membros não confiáveis ​e improdutivos da comunidade. A primeira excesso-poderia
três sexual rasgar a congregação com ciúme e ameaçar os casamentos de fiéis. O meio de sete-inimizades, porfias, ciúmes, raiva, brigas,
dissensões, facções, inveja-se explicitamente de divisão; eles são lapsos do amor fraternal que foi central para a estratégia de Paulo.

E como fortemente que Paulo exortar os gálatas para evitar esses pecados? Depois de listar-los, ele diz: “Estou avisando, como já antes
vos preveni: os que praticam tais coisas não herdarão o reino de Deus.” 35

Essa é uma poderosa fórmula: se você não viver o tipo de vida justa que ajuda a manter a igreja robusta, então você não terá de viver para
sempre na vinda do reino de Deus na terra. Após a alteração visto em Lucas-você não vai conseguir viver para sempre em Deus existir reino em céu -Esta
fórmula seria se algo mais poderoso.

Você pode chamar isso de “vida após a morte moralmente contingente,” porque faz um contingente vida após a morte feliz em sua fibra -a
moral que, por sua vez, dá tendões para a própria igreja. Cristianismo seria aproveitar este incentivo para realizar o Deus de Israel bem além
de Israel, para o mercado religioso do Império Romano, onde ele iria prosperar. A vida após a morte moralmente contingente foi um importante
limiar na história da religião.

No entanto, o cristianismo não estava nem perto de ser o primeiro a cruzar esse limiar. Mais uma vez, voltamos a Osíris. Essa história
egípcia sobre o homem rico ruim cuja alma é condenado no tribunal de Osíris tem uma longa linhagem. O código de Osíris - “Livro Egípcio dos
Mortos” a fórmula para um feliz pós-vida-foi escrito mais de um milênio mais cedo no capítulo 125 do Este “livro” é realmente um amálgama de
escritos usados ​para ajudar a garantir um pós-vida feliz e os escritos abrangem milênios. Mas com o capítulo 125, que aparece no segundo
milênio aC, vemos um exemplo claro de uma vida após a morte moralmente contingente. Este capítulo mostra o falecido exatamente o que dizer
quando argumentando para a salvação de sua alma perante um tribunal de deuses supervisionados por Osiris. Por exemplo:

Eu trouxe sobre nenhum mal.


I não se levantou de manhã e esperar mais do que foi devido a mim. Eu não trouxe o meu nome
para a frente para ser elogiado. Eu não têm oprimido servos. Eu não tenho desprezado qualquer
deus.

Eu não defraudei os pobres de sua propriedade. Eu não fiz o que os


deuses abominam.
mal que não causaram a ser feito a um funcionário por seu mestre. Eu não causei dor. I
ter causado nenhum homem à fome. Eu fiz ninguém chorar. Eu não matei.

Eu não dei a ordem para matar. Eu não infligida dor


de ninguém.
Eu não roubei a bebida deixou para os deuses nos templos. Eu não roubei os bolos
deixados para os deuses nos templos. Eu não roubei os bolos deixados pelos mortos
nos templos ... Eu não diminuíram o bushel quando eu vendi-lo. Eu não tenho
adicionado ou roubado terra. Eu não invadiu a terra de outros. Eu não adicionou pesos
para as escalas para enganar os compradores.
Eu não descaracterizou as escalas para enganar os compradores. Eu não
roubei o leite da boca dos filhos ... Eu sou puro. Eu sou puro. Eu sou puro.
Eu sou puro.

Aqui, muito antes do nascimento de Cristo (e para que o assunto muito antes do nascimento do monoteísmo de Abraão), é o Dia do
Julgamento em um sentido bastante cristão do termo. 36 Há uma recompensa para a felicidade, e talvez uma segunda recompensa moral
comportamento eterna, mais imediato: liberação do sentido de si-a imoralidade sentido do pecado, o sentido de impureza. Um feitiço funeral
encontrado inscrito em um caixão foi destinado a libertar a alma de um egípcio que tinha sido preso em “incriminação, impureza e maldade”,
enquanto na terra. 37

Civilização e seus descontentes

Por todo o interesse na pureza moral? Quando é que se tornou uma grande preocupação humana? Certamente os anais da antropologia não são
carregados com relatos de caçadores-coletores lamentando sua impureza moral. 38 Em suas sociedades a lista de arrependimentos sobre existência
terrena apresenta coisas mais longo das linhas de fome. Existe algo sobre o advento da agricultura, eo crescimento atendente na complexidade
social, que fez as pessoas se sentem deficiente, mesmo quando eles tinham comida suficiente? Um par de possíveis culpados vêm à mente.

Um deles é a própria religião. Como vimos, uma vez que a complexidade social se move para além do nível de caçadores-coletores, roubo e
outras formas de comportamento anti-social crescer mais viável, e a religião começa a desencorajá-los. O resultado poderia ser onerosa. Esses
deuses polinésios que afligiam os ladrões com ataques de tubarão são o tipo de coisa que poderia pesar na mente de alguém que tenha uma ou
duas vezes desviou de virtude e é no modo para um mergulho.

De modo mais geral, se deuses punir com terrena aflições uma variedade de transgressões morais, alguns dos quais uma pessoa é obrigado
a cometer ocasionalmente, então desgraças diárias tornam-se lembranças assombrosas de imperfeição moral. Na Índia, no final do segundo
milênio aC, um hino ao deus do céu Varuna, que confirmou a decisão moral, apresenta esta linha: “O Varuna, o que era o terrível crime para o
qual você deseja destruir o seu amigo que você louva? Proclame-me para que eu possa apressar a prostrar-me diante de você e ser livre do
pecado.” 39 E aqui está uma oração da Mesopotâmia antiga: “Que a minha culpa estar distante, 3.600 léguas de distância, Que o rio recebê-la de
mim e levá-la para baixo para suas profundezas ... Meus iniqüidades são muitas:.. Eu não sei o que eu fiz ... tem iniqüidades continuamente
comprometidos, conhecidos e desconhecidos.” 40

Variedades de Pecado

O próprio Paulo, o homem que colocou a salvação do pecado no centro do Cristianismo, atribuiu o fardo do pecado, pelo menos em parte, à
religião. Um fariseu bem-educado, Paul sentiu as exigências da lei judaica. “Se não tivesse sido pela lei, eu não teria conhecido o pecado. Eu não
saberia o que é cobiça, se a lei não dissesse: "Não cobiçarás”. 41

As restrições onerosas colocados no comportamento pelas religiões nos tempos antigos veio em pelo menos duas variedades. Em primeiro
lugar, havia o tipo que temos vindo a falar, o tipo que são morais, no sentido tradicional do termo: regras que impedem as pessoas de prejudicar
seus vizinhos através de roubo, assalto, desonestidade, e vários outros weakeners do tecido social. Segunda e às vezes entrelaçada com a
primeira havia regras que desencorajam comportamentos que eram ruim para os próprios pecadores.

O segundo tipo de pecado, como o primeiro, foi em parte um produto da evolução da organização social para além do nível de
caçadores-coletores. Uma vez que as pessoas ficam muito subsistência passado, existem inteiros novas oportunidades para o comportamento
auto-destrutivo. Como civilização avançada, o álcool foi produzido em massa, e dinheiro pode ser desperdiçado em novos jogos inventados para
esse fim. Esse hino indiano para o céu deus Varuna retrata um pecador que isolou a causa do seu pecado: “O vinho, raiva, dados, ou descuido me
desviados.”

E, deixando de lado o álcool, jogos de azar e outros produtos famosa viciantes de progresso, havia emoções humanas que, no entanto valioso
que tinha sido de volta no ambiente de seleção natural nos projetou para, eram cada vez mais problemático. Observe a menção de “raiva” em que
hymn- indiana uma emoção que, como vimos no capítulo 9, é menos útil em uma sociedade em nível estadual do que em uma aldeia de
caçadores-coletores.

Mesmo um impulso tão inocente como a fome pode, para os cidadãos antigos mais ricos e sedentários, levar a problemas. E isto, também,
é algo que o caçador-coletor média não tem que se preocupar. É mais um caso de um impulso funcional tornando-se potencialmente
dis-funcional, uma vez
removido do ambiente em que foi concebido para. A seleção natural nos projetou para se “viciados” em alimentos, mas isso foi nos dias em que a
escassez mantido vício de ficar fora de mão.
Talvez não nos deve surpreender que o budismo, com toda a sua austeridade cedo, foi fundada por um homem que, como membro da classe
dominante, presumivelmente poderia entrar seus apetites totalmente. Em qualquer caso, a própria possibilidade de apetites overindulging, uma
possibilidade que cresceu como civilização avançada, sugere que alguns comportamentos passaram a ser considerados pecados e não apenas
porque eram ruim para a sociedade, mas porque eles eram ruins para os indivíduos. A religião tem sido, em parte, sobre a auto-ajuda.

A Sociedade Flawed

Segundo alguns relatos, a sede de salvação no mundo antigo foi fundamentada em parte no sentido de que a existência em si era impuro terrena.
Pelo primeiro milênio aC, de acordo com o sociólogo Robert Bellah, houve “uma avaliação extremamente negativa do homem e da sociedade e a
exaltação de um outro reino da realidade como o único verdadeiro e infinitamente valiosa.” 42

É certamente verdade que o longo movimento da simplicidade da sociedade de caçadores-coletores à complexidade da civilização urbana
tinha dado pessoas novas razões para ver a experiência social vagamente. É fácil ver isso no mundo moderno: basta ir a um coquetel. interações
Rapid-fogo com um número de pessoas que você conhece intimamente a menos de pode levar a uma análise pós-jogo desconcertante e
ansiedades duradouros. Eu ofendê-la? ele estava sendo propositadamente rude? ela estava mentindo para mim? Será que ele vai agora
ridicularizar-me nas minhas costas? Estas perguntas são difíceis de resolver quando você não pode ver a pessoa em questão novamente por
semanas, meses ou sempre.

Não havia muitas festas no mundo antigo, mas as coisas estavam se movendo nessa direção, se afastando do pequeno universo social do
caçador-coletor e em direção a um mundo com mais contatos sociais e queridos, portanto, mais incertos. Aqui está uma queixa de-segundo
milênio Mesopotâmia:

O malfeitor me engodos jamais vistos:


I lançar mão da maçaneta da foice para ele. Meu amigo me fala
palavras não confiável,
meu companheiro imputa falsidade de palavras que eu sinceramente falam, o malfeitor
diz envergonhar as coisas para mim, mas você, meu deus, não respondê-las de volta. 43

É meio irônico. Você acha que todo o ponto de civilização da evolução dos estados agrários no Egito, Mesopotâmia, China, Índia e outros
lugares-era reduzir ameaças ao bem-estar físico e psíquico. E em algumas frentes civilização fez exatamente isso. Provavelmente, você eram
menos propensos a ser atacado por uma fera na antiga Suméria ou Memphis que em uma aldeia de caçadores-coletores; e, com a agricultura
irrigada, o seu sustento do dia-a-dia tornou-se menos duvidoso. Ainda assim, mesmo quanto a civilização desarmada fontes antigas de
insegurança, parece ter criado novos, e os novos, se menos fisicamente perigosas, pode em alguns casos ter sido mais inquietante.

Figuras pai

Talvez essas inseguranças, juntamente com o novo sentido do pecado, ajudar a explicar por que, como a civilização avançava, mais e mais
pessoas parecem ter deuses queria com qualidades de proteção dos pais, Consolar, e, se exigente, pelo menos capaz de perdoar. No segundo
milênio aC, uma oração mesopotâmica refere-se a um deus lua como “pai misericordioso e clemente.” Com certeza, a mesma oração chama de
“forte touro, com chifres terríveis”, cuja “divindade é cheia de medo.” 44 De acordo com o estudioso Thorkild Jacobsen, concepções mesopotâmicas
de Deus estão neste milênio se movendo em direção a do “pai severo mas amar”, com temor terrível dos deuses cada vez mais ‘em tensão com
amor subjacente.’ 45

Egito, também, viu a evolução de um Deus amoroso e dos pais. -se Osiris, observa o estudioso J. Gwyn Griffiths, tinha sido um deus do
“medo e terror” antes de assumir forma mais amigável. 46 E no segundo milênio aC o grande deus egípcio Amon está mostrando um lado
compassivo, a julgar por este elogio: “Meu coração anseia por vê-lo, a alegria do meu coração, Amun, defensor dos pobres! Você é o pai da órfã
de mãe, o marido da viúva “. 47

Os cristãos adoram um Deus Pai amoroso, e muitos deles pensam esse deus é distintamente cristã: enquanto o Deus do Antigo Testamento
apresenta uma austera, mesmo vingativo, pai, o Deus do Novo Testamento-o Deus revelado pelo cristianismo -é um tipo e seu pai indulgente. Este
ponto de vista é muito simples, e não só porque um Deus que é bondoso e misericordioso mostra-se repetidamente na Bíblia Hebraica, mas porque
tais deuses tinha aparecido muito antes da Bíblia hebraica foi escrito.

E, como acabamos de ver, assim também com um monte de outros ingredientes principais do cristianismo-os nascidos de novo experiência, dia
do juízo, a vida após a morte moralmente contingente: nada realmente novo aqui.
Não deveria surpreender-nos que o cristianismo primitivo foi um levemente nova recombinação de espiritual
elementos já no zeitgeist. Qualquer religião que cresceu tão rápido quanto o cristianismo se deve ter sido a satisfação das necessidades humanas
comuns, e é improvável que as necessidades humanas comuns teria ido não satisfeitas por todas as religiões anteriores.

acoplamento

Outra coisa uma religião de sucesso tem a fazer é atender às necessidades próprias, continuam a ser um movimento social vibrante e coesa. Como
Paul entendido quando ele chamou o pecado comportamento disruptivo, sua igreja, em primeiro lugar, tinha que ficar intacta.

A palavra Romanos utilizados para “intacta” foi salvus. Algo que era salvus estava inteiro, em boas condições de funcionamento. A expressão salvus
sis significava “Você pode estar em boa saúde.” Salvus é a palavra da qual “salvação” vem. Deus, na passagem de Israel para o mais amplo mundo
do Império Romano
- continuou a perseguir o objetivo que ele tinha perseguido no antigo Israel: fornecer salvação, manter o sistema social segura das forças de
destruição e desintegração.
Houve diferenças entre a forma como esta descrição do trabalho jogado fora no antigo Israel e em Roma. Com o cristianismo primitivo, o
sistema social em questão era uma organização não-governamental; que era apenas uma igreja, e não, como acontece com Israel, um estado com
base na igreja. Ainda assim, em ambos os casos, para a religião para permanecer duradouramente viável, tinha que manter o sistema intacto; teve
que prover salvação ao nível social. A fórmula de Paul para preservar o comportamento de divisão pecado condenável-julgando coesão da igreja

- poderia ser descrito como uma forma de ligar a salvação individual para a salvação social. Se você definir a salvação individual de forma
suficientemente ampla, como a poupança do indivíduo ou a alma de todos os tipos de aflições -Então essa ligação tem alimentado religiões
sucesso em muitos tempos e lugares. A religião polinésia que castigou roubo com ataque de tubarão feito contingent salvação individual nos
comportamentos conducentes à salvação social. Assim fez a religião mesopotâmica cujo deuses enviado sofrimento para as pessoas que em
perigo a saúde dos outros por urinar na água potável. Assim fez Moisés quando ele expôs os Dez Mandamentos, em seguida, disse aos israelitas
que Deus queria incutir-lhes o medo de sua ira “para que não pequeis.” 48 ( Eventualmente, os contornos do medo seriam definidas: se você pecar, e
depois não para expiar os seus pecados através do arrependimento e boas obras durante as grandes festas no judaísmo, suas chances de morrer
durante o próximo ano ir para cima).

Certamente a religião de Osíris do Egito ligada salvação e individual e social, através da definição de salvação individual para incluir uma outra
vida feliz, reforçou a ligação. Esta fórmula melhorada, uma vez adoptada pelos seguidores de Jesus, ajudaria Cristianismo dominar o Império
Romano. 49 Seria mais tarde, como nós estamos prestes a ver, ajudar a impulsionar a expansão do Islã. Não há como negar a sua eficácia na
tomada de algumas das religiões dominantes do mundo religiões dominantes.

Mas a sua eficácia moderna é uma questão mais complexa. Quando o cristianismo reinou em Roma, e, mais tarde, quando o Islã estava no
auge de sua influência geopolítica, o escopo dessas religiões coincidia aproximadamente com o escopo de civilizações inteiras. Os limites do
Império Romano foram os limites de uma expansão econômica e politicamente integrada, assim como os limites do Império Islâmico. Sim, ambos os
impérios fez negócios com pessoas além de suas fronteiras, mas polities do mundo não havia se tornado quase a web coletiva densa que acabaria
por se tornar; não havia nenhuma civilização global. O mundo de hoje, em contraste, é tão interconectado e interdependente que o cristianismo eo
Islã, como ele ou não, habitam um único sistema social planeta.

Então, quando os cristãos, na busca de salvação cristã, e os muçulmanos, na busca de salvação muçulmana, ajudar a manter suas religiões
intacta, eles não necessariamente manter o sistema social em que vivem intacta. Na verdade, às vezes eles parecem estar fazendo o oposto. Antes
de abordar este problema, vamos ver como a doutrina islâmica de salvação tomou forma e que forma ele tomou.
IV

O TRIUNFO DO ISLÃ

Não há outro deus além de mim.


- Isaías 45:21

Nenhum apóstolo mandamos diante de ti a quem não revelou que “Na verdade não há Deus além de mim.”

- O Alcorão 21:25
Capítulo Quatorze

o Alcorão

eu ocidentais ganharam ter dito algumas coisas desagradáveis ​sobre o Corão. O historiador Edward Gibbon chamou-lhe uma “rapsódia
incoerente sem fim” que Thomas Carlyle disse que era “leitura como toilsome como eu nunca realizou“raramente estimula um sentimento ou uma
idéia.”; uma cansativa, amontoado confuso.”Mesmo Huston Smith, um estudioso conhecido por sua simpatia obstinada para com as religiões do
mundo, permitiu que‘ninguém jamais se enrolou em um fim de semana chuvoso para ler o Alcorão’. 1

E estas observações foram feitas décadas atrás, antes de radicalismo islâmico floresceu, provocando uma busca por suas raízes. Desde
então, alguns opinaram que essas raízes se encontram no Alcorão-que o que a coerência do livro tem é perniciosa, incentivando a intolerância,
mesmo beligerância, para que não sejam muçulmanos pessoas.

Não há como negar que o Alcorão é diferente dos ocidentais texto religiosas estão mais familiarizados com a Bíblia. Por um lado, é mais
monótono. A Bíblia é uma cornucópia de gêneros: a mitologia cósmica do Gênesis, o código legal e ritual do Levítico, uma história nacional
multibook do antigo Israel, as queixas e alarmes dos profetas, a auto-ajuda enérgica e profunda reflexão da literatura de sabedoria , a poesia dos
Salmos, os perfis evangelho de Jesus, a teologia mística de João, a história da igreja primitiva em Atos, as visões apocalípticas de Apocalipse e
Daniel, e assim por diante. A Bíblia vieram de dezenas de diferentes autores que trabalham mais de um milênio, se não mais. O Alcorão veio de
(ou por meio, os muçulmanos diria) um homem no decorrer de duas décadas. 2

Suponha que a Bíblia tivesse sido composta por apenas um dos seus autores. Suponha que era todo o trabalho do profeta Oséias, um homem
possuído por um sentimento de quão mal seu povo havia se desviado da direita e da verdade, uma intenção homem na advertência sobre as
terríveis consequências que resultariam. Que tipo de livro que a Bíblia então? Um livro como o Alcorão. Ou, pelo menos, cerca de um terço do
Alcorão; Muhammad não gastar todos seu tempo no modo profeta apocalíptico, como veremos.

Ou suponha que toda a Bíblia foi escrita por Jesus. Não o Jesus da Bíblia, não a Jesus, que tomou forma no século após a crucificação como
o evangelho adaptada ao seu ambiente competitivo. Em vez disso, o Jesus que, tanto quanto nós podemos dizer, era o verdadeiro Jesus: um fogo
e enxofre pregador apocalíptico que alertou seu povo que o Dia do Julgamento estava chegando e que muitos deles estavam muito longe de
merecer o julgamento favorável. Ainda mais do que um livro de Oséias, este livro teria o sabor do Alcorão. Jesus e Maomé provavelmente tinha
muito em comum.

Na verdade, às vezes Muhammad pode ter sido mais parecido com Jesus de Jesus, isto é, mais como o Jesus da história do que foi o Jesus
da história. Jesus tem a fama de ter dito: “Vire a outra face” e de ter pregado a história do bom samaritano como uma parábola de harmonia
inter-étnica. Mas, como vimos, ele provavelmente não fazer qualquer uma dessas coisas. Nem Muhammad, mas ele parece ter dito algumas
coisas bastante pacíficos, e pediram tolerância religiosa: “Para você a sua religião, e para mim a minha religião” Por outro lado Muhammad
também disse que alguns menos pacífico, as coisas menos tolerantes . Tais como: “Quando vos encontrar os infiéis, cortar suas cabeças até vos
fizeram uma grande matança entre eles.” 3

Se você ler o Alcorão do início ao fim, essas mudanças de tom, de tolerância e tolerância à intolerância e à beligerância e volta, vai parecer
abrupta e difícil de entender. Uma solução é ler o Alcorão de uma maneira diferente. Como a Bíblia, o Alcorão não está organizada em ordem de
sua composição. Assim como traçar o desenvolvimento da teologia israelita significava manter isso em mente, lembrando que o segundo capítulo
do Gênesis foi escrito muito antes do primeiro, por exemplo, compreender a evolução do pensamento de Muhammad requer reordenação do
Alcorão.

O Alcorão consiste em “suras” -chapters-que refletem proclamações orais por Muhammad. Eles são organizados, a grosso modo, do maior
para o menor. No entanto primeiras proclamações de Maomé tendiam a ser curtas e aqueles que lhe são posteriores longo, por isso, se você
quiser ler o Alcorão em ordem cronológica, é melhor lê-lo para trás do que para a frente.

Melhor ainda é lê-la nem para trás nem para a frente, mas em algum lugar entre-na ordem real de sua composição. Enquanto não há
nenhuma maneira de reconstruir a ordem exatamente, a maioria dos estudiosos concorda em mais ou menos onde os diferentes suras se
encaixam na vida de Muhammad. 4 Para ler o Alcorão à luz desse consenso em movimento desde os primeiros suras para mais queridos-se para
assistir a carreira de Muhammad, e o nascimento do Islã, se desenrolar. Esta é a chave para ver como o Corão, como a Bíblia, veio a abranger
flutuações selvagens de tom moral.

Compreender as condições que deram origem à tolerância e intolerância, tolerância e beligerância do Alcorão, não reconciliar estes temas.
Mas é um passo para a compreensão de como os muçulmanos posteriores tentou reconciliá-los, e como os muçulmanos hoje são influenciados
por eles.
Segundo a tradição muçulmana, a revelação do Alcorão a Maomé começou quando ele tinha quarenta, por volta do ano 609. Ele tinha o
hábito de se retirar para uma montanha para a contemplação. Uma noite, ele teve uma visão. A gloriosa sendo apareceu e transmitiu uma
mensagem de Deus, juntamente com as instruções para compartilhá-lo. ( “Recite!” É o comando de abertura da sura que de acordo com
muçulmana
tradição é a primeira revelação de Muhammad.) 5 Como o Jesus bíblico, e como xamãs ao longo dos tempos, Muhammad surgiu a partir de
reclusão com uma missão. Nas duas últimas décadas de sua vida ele uma e outra vez receber estas revelações divinas, e ele iria compartilhá-los
com outros, primeiro com um pequeno grupo de devotos, mais tarde, com um público maior.

O Alcorão descreve o ser-o glorioso anjo Gabriel, aparentemente-vindo dentro “comprimento dois arcos” de Muhammad, após o qual Gabriel
‘revelou ao Seu servo o que Ele revelou.’ Neste momento, o Alcorão nos diz “, o coração de Muhammad não mentiu (em ver) o que viu “. 6 Talvez
não, mas isso não é uma pergunta que nós estamos em uma posição para resolver. A questão que devemos abordar antes de prosseguir é: Será
que a mentira Alcorão em relatar o que Muhammad disse? Qualquer que seja a inspiração para declarações posteriores de Maomé, é o Corão um
guia confiável para eles?

O Alcorão tem uma melhor reivindicação de que o status do que os evangelhos têm de ser um registro confiável de ditos de Jesus. Partes
dele pode ter sido escrito durante a vida de Muhammad, talvez sob sua supervisão. 7 Quase certamente alguns dos que estava sendo escrito pouco
depois de sua morte, e muitos estudiosos acreditam que foi essencialmente completa dentro de vinte anos de sua morte. 8 Claro que, vinte anos é
muito tempo para a distorção, mesmo atacado fabricação-a definir. Ainda assim, dois fatores tornam um bom grau de fidelidade plausível.

Primeiro, começando na época de Muhammad, versos corânicos parecem ter sido ritualmente recitado em comunidades muçulmanas. Em
segundo lugar, o Corão é particularmente passível de retenção através recitação; no original árabe, muito do que rimas, pelo menos, vagamente, e
é rítmica.
Os contornos do Corão também sugerem autenticidade. Na época de sua morte, Muhammad deixou de ser um profeta monoteísta, pregando
na cidade em grande parte politeístas de Meca, para ser o chefe de um estado islâmico com tendências expansionistas. E nos anos após sua
morte, o estado islâmico expandiu-se rapidamente. Se o Alcorão eram principalmente uma mistura de pós-Muhammad, você esperaria que refletem,
principalmente, as necessidades dos governantes de tal estado. 9 No entanto, como veremos, a maioria do Alcorão consiste dos tipos de coisas que
você não diria se você fosse um líder político poderoso, mas se você fosse um profeta freelance congelado fora da estrutura de poder local. E a
fração menor do Alcorão que parece formatos especiais para as necessidades de um Estado islâmico em expansão seria, em sua maior parte,
fazem sentido como os ditos de Maomé nos anos finais de sua carreira, quando ele tinha segued do profeta para estadista.

Ainda assim, nenhum estudioso sério acredita que o Alcorão é totalmente confiável como um guia para o que Maomé realmente disse. 10 De
fato, fontes antigas fora da tradição islâmica levantam a possibilidade de que em um tema Muhammad atitude fundamental de direção judeus
durante os últimos anos da sua vida, o Alcorão pode ter sido alterada, ou pelo menos de forma criativa interpretado, depois de sua morte.

Nós vamos olhar para esta questão dois capítulos a partir de agora, quando se torna relevante. Mas primeiro vamos enfatizar o sentido em
que não importa. Como veremos, mesmo se uma fase de atitude deslocamento do Corão em relação aos judeus reflete pós-Muhammad alteração,
o padrão que temos visto neste livro até agora vai ficar: tolerância e beligerância, mesmo quando transmitida pela linguagem empolada de escritura
, são em última análise, obediente aos factos no terreno.

Meca

No caso de Muhammad, o chão estava na Arábia. Ele viveu na cidade de Meca. “Meca” é hoje uma noun- genérico “meca” -denoting “um centro de
atividade procurada como um gol de pessoas que compartilham um interesse comum.” 11 A razão é que Meca é o destino de peregrinos
muçulmanos a cada ano. Mas Meca era uma espécie de meca mesmo antes havia muçulmanos. No tempo de Maomé, era um centro comercial,
um ponto de trânsito para bens de ir para ou a partir do Iêmen para o sul, na Síria, ao norte, e, talvez, o Império Persa para o nordeste. 12

comércio de Meca era dominada por uma tribo chamada Kuraysh. Muhammad nasceu na Kuraysh, e por isso não parece ser uma pessoa
destinada a fazer ondas. Se sua equipe já está ganhando, por que mudar as regras?

Mas quanto mais você sabe sobre a vida de Maomé, o mais natural parece que ele acabou coisas inquietantes. Ele não nasceu em um
poderoso clã dentro da tribo Kuraysh, e seu lugar dentro de seu clã era inseguro. Ele era órfão. Seu pai morreu antes ou pouco depois de seu
nascimento, e sua mãe morreu quando ele tinha seis anos. Seu novo guardião, um avô, morreu apenas dois anos mais tarde, e Muhammad
passou para os cuidados de um tio.

Quando jovem, Muhammad se casou com uma mulher rica alguns anos quinze mais velha, uma mulher de negócios anteriormente casada
que tinha sido impressionado com sua habilidade comercial. Mas, mesmo assim, o sistema não funcionou a seu favor. prole sobrevivente de sua
esposa eram todos do sexo feminino, e na Arábia estatura de um homem parece ter dependia, em parte, o número de filhos que ele tinha. 13 Na
verdade, as filhas eram às vezes enterrado vivo no nascimento para que a mãe pudesse se concentrar no importante negócio de produzir prole
masculina. Não admira Muhammad denunciou esta tradição, prevendo em um sura uma “menina que tem sido enterrado vivo” pedindo “para o
crime que foi condenado à morte.” 14

Ligando os valores no Alcorão a situação pessoal de Muhammad não é apenas especulação. O próprio Alcorão faz a ligação. Em uma
sura Deus, falando sobre si mesmo na terceira pessoa, diz a
Muhammad: “Será que Ele não te achará um órfão, e abrigo ti? ... Será que Ele não te achará necessitado, e basta-te? Quanto ao órfão, não
oprimi-lo, e como para o mendigo, repreendê-lo não.”Muhammad fez o que disse. Ele ordenou seus seguidores a viver com compaixão e
“recomendam a compaixão dos outros.” Ele disse que Deus iria sorrir para “a libertação de um escravo, ou dando comida em cima de um dia de
fome de um órfão parente ou um homem carente na miséria .”Ele transmitiu crítica do ethos de Meca de Deus:‘você não honrar o órfão, e você não
exortar a alimentação dos necessitados, e você devorar a herança avidamente, e você ama riqueza com um amor ardente’. 15

Esta não é a única parte da mensagem de Muhammad, que foi obrigado a perturbar o status quo. Muhammad era um monoteísta, e muitos
dos habitantes de Meca eram politeístas. Eles acreditavam em deuses nomeados uzza, Manat, e Al-Lat-bem como um deus criador chamado
Allah. Na visão de Muhammad, que eram em sua maioria errado.

Do ponto de vista de status elevado politeístas de Meca, se havia uma coisa pior do que alguém que denunciou os ricos e pregou o
monoteísmo, foi alguém que fez os dois sinergicamente. Isso foi Muhammad. Como Jesus, ele era intensamente apocalíptica de uma forma de
esquerda; ele acreditava que o Dia do Julgamento traria uma inversão radical de fortunas. Jesus tinha dito que nenhum homem rico entraria no
reino dos céus. O Alcorão diz que “Quem escolhe o campo de colheita desta vida” vai realmente prosperar; “Mas nenhuma parte haverá para ele
na vida por vir.” 16

Tais paralelos entre a Bíblia eo Alcorão não deveria nos surpreender. reivindicação básica de Maomé era que ele era um profeta enviado por
Deus, que primeiro se revelou a Abraão e depois tinha falado por meio de Moisés e Jesus. (Um verso do Alcorão ligeiramente ambígua parece
dizer que ele é o último nesta linhagem-o “selo dos profetas”.) O Alcorão é cheio de histórias da Bíblia e alusões à Bíblia, incluindo uma
declaração monoteísta que parece vir para a direita fora de Isaías: “não há Deus além de mim.” 17

À luz da convicção de Muhammad que ele falou para o deus de Abraão, eu vou afastar-convenção atual e referem-se a Allah como “Deus”.
Naturalmente, muitos cristãos e judeus não concorda que seu Deus é o Deus adorado pelos muçulmanos. Então, novamente, muitos judeus não
concorda que seu Deus é o Deus adorado por cristãos, uma vez que (uma coisa) seu Deus nunca assumiu forma humana. Ao chamar ambos os
deuses judeus e cristãos “Deus”, adiar para a alegação dos cristãos que seu Deus é o mesmo Deus que falou por intermédio de Moisés. Ela só faz
sentido estender essa deferência a reivindicação de Maomé que o Deus que falou através dele é o mesmo Deus que tinha falado por meio de
Moisés e Jesus. Além disso, se olharmos de perto como Muhammad virou Allah no um verdadeiro deus dos árabes, vamos ver que a linhagem
judaico-cristã de Deus é, se alguma coisa,

Fazendo contato com o Deus de Abraão

Como e quando Muhammad decidir que o deus de Abraão foi o primeiro e único Deus? De acordo com uma antiga tradição muçulmana oral, a
esposa de Muhammad tinha um primo velho sábio que era cristão. Quando Muhammad teve sua revelação inicial, era tão desorientador -Foi ele
ficando louco? Ele estava endemoninhada? -Que ele procurou a orientação de sua esposa, e ela consultou este primo. 18

Se de fato Muhammad clarificado, uma experiência religiosa inicialmente vaga com a ajuda de um cristão, que poderia explicar por que ele
concluiu que sua missão era espalhar uma mensagem monoteísta, e, mais especificamente, a mensagem do Deus de Abraão; especialmente se,
como que a tradição islâmica precoce tem isso, o cristão em questão havia muito tempo acreditava que Deus enviaria um profeta para os árabes-e
declarou ao saber da experiência de Maomé: “Em verdade Maomé é o profeta deste povo.” 19 Este é o tipo de pronunciamento que poderia ajudar um
candidato com tendências messiânicas mas nenhuma clara preenchimento missão os espaços em branco.

Mesmo além do primo-em-lei cristã, Muhammad tinha chances de aprender sobre o Deus cristão judaico. Pode ter havido bolsos de cristãos e
judeus nos arredores de Meca, e havia uma comunidade cristã considerável no Iêmen, um dos dois principais parceiros comerciais de Meca. E o
outro grande parceiro comercial, Síria, era parte do Império Bizantino e, portanto, fortemente cristã. 20

Muhammad disse ter viajado para a Síria como um menino com seu tio em viagens comerciais.
Ele provavelmente teria realizado uma atitude aberta em relação à religião síria. Meca era uma sociedade politeísta que, na moda antiga
clássico, foi tolerante com os deuses dos parceiros comerciais. Na verdade, famoso santuário de Meca da Caaba-a-dia o destino do hajj, a
peregrinação anual islâmica, era em tempos pré-islâmicos cercados por ídolos de deuses favorecidas por várias tribos e clãs, e este pluralismo
parece ter lubrificado commerce. Segundo uma fonte muçulmana cedo, um cristão tinha sido autorizado a pintar uma imagem de Jesus e da Virgem
Maria em uma parede interna da Caaba 21 tipo -a respeito formalizado para as crenças dos parceiros comerciais que teriam sido corriqueiro em uma
antiga cidade politeísta.

Neste caso, a respeito, provavelmente, foi além do formal. O Império Bizantino foi mais cosmopolita, mais avançado tecnologicamente, do
que a sociedade árabe, e a cultura de um poderoso vizinho, muitas vezes tem um fascínio especial para um povo menos desenvolvidos.
Enquanto que o poder não é visto como um inimigo, o fascínio pode ser sedutor.
Isto leva a uma forma de olhar para Muhammad-como um homem que teve o engenho para preencher uma bem abertos nicho espiritual. Ele
tomou um deus estranho que já estava fazendo incursões na Arábia e tornou-se porta-voz oficial de língua árabe que de Deus. Para colocá-lo em
termos comerciais modernos, é como se ninguém antes Muhammad tinha pensado para garantir os direitos de tradução Árabe para a Bíblia,
mesmo que a demanda para tal livro foi tomando forma.

O próprio Alcorão chega perto de dizer tanto “Antes disso, era o Livro de Moisés ... e este livro [o Alcorão] confirma (TI) na língua árabe.” 22

No entanto, há uma diferença crucial entre essa linha ea Muhammad-as-tradutor analogia. No cenário tradutor, teologia judaico-cristã é
transmitido a Muhammad pelo contato com judeus e cristãos e / ou suas escrituras. No cenário do Corão, a teologia judaico-cristã foi transmitida
aos judeus e cristãos por Deus e depois a Muhammad por Deus. Quando Deus, no Alcorão, diz Muhammad que ele “fez uma Árabe Corão que
possais compreender: E é uma transcrição do Livro arquetípica,” 23 Livro arquétipo não é a Bíblia. Em vez disso, o livro arquetípico é a palavra de
Deus-Logos, como alguns antigos cristãos e judeus teria colocado-dos quais a Bíblia é igualmente uma “transcrição.” Muhammad não conseguiu a
Palavra através da Moisés. Em vez disso, como Moisés, ele tinha uma linha direta com Deus.

Então Islam, por conta própria, não é descido de outras religiões abraâmicas, mesmo que ele está firmemente enraizada na linhagem de
Abraão. Sim, a tradição islâmica pode destacar o contato de Maomé com um parente cristão, mas a idéia não é que o parente era um tutor
inestimável no cristianismo; mais importante foi seu papel em ajudar Muhammad ver que Deus já estava fazendo a tutoria.

Esta distinção teria sido crucial para Muhammad. A maneira de atrair um seguimento devotado naqueles dias era ter acesso especial ao
sobrenatural. Basta ter acesso a um versado primo-de-lei na escritura bíblica não seria muito impressionante. Na verdade, essa “revelações” de
Maomé eram na verdade vindo de fontes humanas é uma alegação inimigos de Maomé feitas na tentativa de atenuar o seu apelo. Como o Alcorão
descreve a acusação, a mensagem de Muhammad foi demitido como “contos dos antigos que ele [Muhammad] pôs por escrito! E eles foram
ditadas a ele manhã e mesmo.”Em um ponto do Alcorão ainda aborda uma acusação específica sobre quem estava fazendo a ditar. “Eles dizem:
'Certamente uma determinada pessoa ensina-lhe.' Mas a língua dele em quem eles dica é estrangeiro, enquanto que este Alcorão é em árabe
simples.” 24 Caso encerrado.

Foi Muhammad um cristão?

Qualquer que seja a posição do Corão sobre o assunto, a suposição de guiar isto livro é que as pessoas têm as suas ideias sobre deuses de
mundanas fontes de outras pessoas, de escrituras, ou a partir de sua própria síntese criativa de tal entrada. Presumivelmente Muhammad tem
idéias teológicas de outras pessoas, incluindo Jesus, assim como Jesus tem idéias de judeus apocalípticos anteriores, e assim como um daqueles
judeus, Segundo Isaías, tinha tomado vertentes de pensamento existente sobre o Senhor, misturou-os com as circunstâncias, e se tornar o
primeiro profeta inequivocamente monoteísta da Bíblia.

Este ponto de vista basicamente secular de inspiração religiosa é, naturalmente, compartilhada por muitos livros, incluindo a maioria dos
livros ocidentais sobre o Islã. Em última análise, que quer afirmar ou sugerir, a explicação para as origens do Islã encontra-se em fatos mundanos
da história; A inspiração de Maomé foi menos exaltado do que a tradição muçulmana teria. Mas há um sentido em que mesmo essas contas
seculares normalmente adiar para a insistência muçulmano que o Islã não é realmente um descendente do judaísmo e do cristianismo.

Esta deferência reside na sua conta das origens de Allah. Eles retratam a evolução de Allah como inicialmente independente da evolução do
Deus judaico-cristão e depois creditar Muhammad com unindo as duas linhagens. Em Meca antes do tempo de Muhammad, dizem eles, havia um
deus autóctone árabe chamado Allah. E, como Karen Armstrong coloca em seu livro Islamismo, na época de Muhammad alguns árabes “passou a
acreditar que o Alto Deus de seu panteão, al-Lah (cujo nome significava simplesmente 'deus'), era a divindade adorada pelos judeus e os cristãos”. 25
Mas levou Muhammad e o Alcorão, para completar a fusão, convencer os árabes de que o deus que eles longo adorado era de fato o Deus de
Abraão.

Esta história tem um anel agradável, ea fusão de dois deuses anteriormente distintas, tem muito do precedente no mundo antigo. Mas neste
caso, a história pode muito bem estar errado, todo o caminho até o detalhe sobre a palavra árabe Allah significa “o deus.”

Para ter certeza, um deus chamado Allah mostra-se na poesia árabe antigo que, tanto quanto nós podemos dizer, é pré-islâmico. Mas não há
nenhuma boa razão para pensar que ele tinha raízes profundas na história religiosa da Arábia. Então por que não devemos assumir que Allah era
apenas o Deus judaico-cristão, talvez aceito no panteão de Meca algum tempo antes para cimentar as relações com os parceiros comerciais
cristãos da Síria, ou talvez trouxe para a Arábia por Christian ou migrantes judeus mais cedo ainda? 26 Por que não devemos assumir que Alá e Deus
eram uma ea mesma desde o início?

No Corão, queixa mais comum de Maomé sobre a teologia dos infiéis de Meca é que eles “se juntar deuses com Deus [Alá]”, isto é, acreditar
em um panteão de deuses que inclui Allah. Não parece haver qualquer desacordo sobre a identidade de Allah. Embora Muhammad acredita
claramente que Deus é o mesmo Deus como o Deus dos cristãos e judeus, ele não gastar algum tempo discutindo o ponto. Na verdade, ele parece
supor que todos na sua audiência já atribui a Deus uma característica chave
do judaico-cristã-estar Deus criador do universo. 27
Para ter certeza, a Meca média não parecem aceitar outras características da crença judaico-cristã. Tais como: o monoteísmo, ou a idéia
apocalíptica que Deus julgará todos os seres humanos no final do tempo e condenar infiéis ao fogo do inferno. Mas isso é o que você esperaria se,
digamos, um deus estranho tinha sido aceite para fins econômicos ou políticos pragmáticos: a maioria dos habitantes de Meca não se tornaria
apaixonada por ele, adorando-o em todos os aspectos. E certamente eles não iriam comprar esses aspectos que encontrariam inquietante. (Por
exemplo, a idéia de que os deuses que você longo adoravam não existem, ou que adorá-los vai te grelhado no final do tempo.) Mas todos os sinais
apontam para terem aceito sua existência. Isso explica o impulso retórica do Alcorão -não convencer Meca para acreditar que Deus existe ou que
ele é o Deus criador,

Se Deus era de fato o Deus judaico-cristão o tempo todo, que iria resolver pelo menos um enigma. Marshall Hodgson, um estudioso do século
XX meados de altamente respeitado do Islã, observou em sua obra magistral O Venture do Islã que, antes de Muhammad veio junto, Allah “não tinha
culto especial” -no comunidade de árabes que ele adorava com devoção especial. Em seguida, um parágrafo depois, ele relata em parênteses algo
que lhe parece curioso: por alguma razão, “árabes cristãos fez peregrinação à Caaba, honrando Allah lá como Deus, o Criador.” 28 Talvez a
explicação é simples: árabes cristãos estavam culto de Deus, e tinha sido desde o dia Allah apareceu pela primeira vez na Caaba sob o patrocínio
cristã. (Para este dia, os árabes cristãos se referem a Deus como Allah).

Será que isso significa Muhammad começou sua carreira profética como um cristão? Como veremos, até mesmo colocar a questão dessa forma
é simplificar demais a paisagem social que ele enfrentou. Mas, certamente, Muhammad não acabam aceitando a teologia do cristianismo como agora
compreendido. E, certamente, embora ele esperava que sua mensagem iria recorrer para os cristãos, ele também esperava que iria recorrer para os
judeus.
De todas as razões para acreditar que o deus árabe Allah sempre tinha sido o Deus judaico-cristã, importado da Síria, o mais poderoso é
fonética. Os cristãos sírios palavra usada para Deus é, dependendo do contexto, seja Allaha ou allah. 29 Qual é a probabilidade de que sírios e árabes
passaram a acreditar em dois deuses diferentes que passou a ter essencialmente o mesmo nome e tanto para ser deuses criadores? Isso seria
difícil de acreditar, mesmo se Saudita e Síria foram separados por um oceano; que eles eram parceiros comerciais próximas torna única mais difícil.

Para ter certeza, os estudiosos que abraçam o cenário de evolução independente tem uma explicação para a semelhança fonética do deus
árabe Allah e o Deus cristão da Síria. Em árabe, a palavra genérica para-deus para qualquer divindade-se ilah, e a frase para “o deus” era al-ilah. Através
de contração, eles dizem, essa frase poderia ter sido comprimido para allah. 30 Se este for realmente o que aconteceu, então a semelhança entre o
árabe Alá eo siríaco Allaha tem uma explicação que não envolve transmissão direta de siríaco para o árabe. Afinal, o siríaco eo árabe são, como
hebraico antigo, as línguas semitas. Então, se você poderia precisamente traçar a história da palavra siríaca

Allaha apoiar um milênio ou mais, e você poderia fazer o mesmo com a palavra árabe ilah, as duas linhagens pode muito bem convergir em algum
lugar no tronco da árvore da família de língua semita. Especificamente, eles podem convergir nas proximidades de uma palavra que é suficiente
como ilah e Allaha em som e significado para sugerir parentesco próximo com eles: Elohim, Hebraica para Deus (e para Deus-lowercase- também).
Assim, a semelhança fonética entre a palavra siríaca por Deus e a palavra árabe para o deus poderia ser o legado de um ancestral comum,
distante, ao invés de significar que o primeiro deu origem a este último.

O problema com este cenário encontra-se no próximo passo: a ideia de que o nome Alá surgiu como uma contração de “deus” ( al-ilah) para se
referir a um deus que era pré-islâmica e não-judaico-cristã, em outras palavras, um deus que habitou entre politeístas. Qual é a probabilidade de
que os árabes teriam sido referindo-se a um deus particular simplesmente como “o deus” antes de terem vindo a acreditar que ele era de fato “ a deus”-antes
tinham aceitado que havia uma coisa como o único deus? A seqüência mais plausível da evolução linguística é o mais simples um: o árabe Alá descende
da Siríaco Allaha, e Allaha 'S linhagem, por sua vez, leva de volta para fechar parentesco com

Elohim. Os nomes mudam-um pouco, mas o Deus permanece o mesmo. 31

Fonético pegadas de Deus

Outra língua semítica era o aramaico, a língua falada por Jesus e uma língua ancestral da língua siríaca de tempo de Maomé. Juntos, esses quatro
línguas-hebraico, aramaico, siríaco, árabe-traçar algumas etapas cruciais na evolução de Deus. o hebraico Elohim tinha, em meados do primeiro
milênio aC, venha a significar o único Deus, um Deus que, para os israelitas, foi o árbitro de salvação nacional. Este Deus como processado em
aramaica Elaha -foi um deus que, Jesus (ou pelo menos seus seguidores) enfatizaria, poderia trazer Individual salvação, a julgar almas no final do
tempo. Por dia de Maomé, alguns cristãos tinham feito salvação individual mais ornamentado e mais convincente, elaborando vividamente do que o
paraíso eo inferno seria como; o nome siríaco por Deus,

Allaha, ou allah, provavelmente encarnada esta vivacidade para os crentes sírios. 32


Se assim for, essas conotações teria transitado para o nome árabe para Deus, Allah. Em qualquer caso, a palavra realizadas estas
conotações após Muhammad conseguiu passar com ele, e colocar carne na
o Deus judaico-cristã que os pagãos de Meca tinha anteriormente aceite apenas em forma esquelética. Allah, Muhammad informou os árabes, não
era um deus para ser casualmente aceito no serviço da diplomacia comercial. Se você acreditou nele em tudo, você acredita em um deus que era
onipotente e onisciente, um deus que era justo, mas popa, um deus que acabaria por julgar a todos por seus méritos. No final do tempo, disse
Muhammad, “toda alma deve saber o que tem produzido.” 33

A teologia Muhammad pregou para os árabes foi uma extensão natural da lógica econômica do dia: Meca tinha aceitado a Síria como um
parceiro comercial vital, e de acordo com o costume politeísta pragmática aceitou o Deus sírio. Muhammad só trouxe Meca em contato com
algumas propriedades distintivas deste deus-como uma aversão a coexistência com outros deuses.

No entanto lógica uma conseqüência da economia de Meca mensagem de Muhammad foi, ele ameaçou perturbar que a economia. A Caaba
foi um santuário de importância regional, atraindo devotos próximas de vários deuses. (Segundo alguns relatos, foi cercado por 360 ídolos.) 34 Este
foi boa para o comércio de Meca, nomeadamente durante uma peregrinação anual, quando os combates foi proibido eo comércio floresceu.

35 A Caaba foi, assim, uma das chaves para que a solidariedade regional havia na Arábia, e os habitantes de Meca lucraram segurando a chave.
Agora Muhammad parecia estar dizendo que todo o sistema deve ser varrido, começando com os ídolos da Caaba, a força magnética que ajudou
a tornar a cidade o núcleo do comércio regional.

Assim, mesmo se Deus de Maomé não tinha centrado sua ira sobre os ricos, a classe dominante de Meca provavelmente não teria
aquecido a mensagem de Muhammad. A essência de missão resistência em curso prestados-monoteísmo do Profeta todos, mas inevitável.

flutuações do Corão entre tolerância e beligerância refletir as mudanças nas estratégias para lidar com essa resistência. Isto pode soar como
uma forma grosseira de olhar para escritura, mas em um sentido essa visão é compartilhada pelos próprios estudiosos muçulmanos; a tradição
intelectual islâmica reconheceu há muito tempo uma correlação entre o conteúdo do Alcorão e seu contexto. Nesse sentido este inquérito é fiel à
crença islâmica.

Mas há uma diferença. Os muçulmanos vêem Deus como tendo adaptado diferentes versos do Corão para as diferentes circunstâncias
Muhammad iria encontrar. Minha suposição, em contraste, é que o próprio Muhammad estava fazendo a adaptação, mesmo que muitas vezes
inconscientemente, e mesmo se convencido de que Deus estava fazendo isso. Então, quando eu descrever o Corão como um guia estratégico cujo
tom mudança reflete mudanças no contexto estratégico, vou descrever Muhammad, não Deus, como o estrategista e como o autor do Alcorão.
Como veremos no próximo capítulo, alguns livros têm documentado a rejeição de seus autores com tanta franqueza doloroso como o Alcorão.
Capítulo Quinze

Meca

M uhammad tinha muito em comum com Moisés. Ambos os homens ficaram indignados com a injustiça-Moses pela forma como egípcios tratados
Hebreus, Muhammad pela forma como árabes ricos tratados pobres árabes. Ambos os homens levantaram suas vozes em protesto. Ambos encontraram
resistência por parte dos poderes constituídos. Ambos decidiram mudar. Muhammad, depois de dez anos como um profeta rua rotineiramente evitada
em Meca, mudou-se para a cidade vizinha de Medina-a terra prometida-Islam, onde finalmente floresceu.

Mesmo antes de seu êxodo, Muhammad viu os paralelos entre ele e Moisés como afirmação bíblica de sua missão. “Porventura a história de
Moisés chegou a ti?”, Perguntou uma audiência em Meca. Muitas vezes ele contou essa história, em que os seguidores hebraicos de Moisés se
saem melhor do que os que duvidam egípcio de Moisés, nomeadamente nas suas tentativas para atravessar o Mar Vermelho. Para que nenhum
Meca perder o ponto, ele acrescentou: “Em verdade, aqui é uma lição para ele que tem o temor de Deus.” 1

Muhammad também parece ter sentido paralelos entre si e Jesus. No Corão ele tem um jovem Jesus dizendo: “Eu sou o servo de Deus; Ele
me deu o livro, e ele me fez um profeta “. 2 Mas os paralelos entre os dois homens ir além de suas missões, estendendo-se às suas circunstâncias
políticas e as recepções que eles têm. A alusão evangelho a recepção hostil de Jesus em Nazaré “Nenhum profeta é bem recebido na cidade natal
do profeta” -Certamente aplica-se aos anos de Maomé em Meca.

Não é nenhuma grande surpresa que Muhammad não forçar este paralelo. Por um lado, ele não parecem ter acesso teve que os
evangelhos escritos. (Tradição muçulmana tem ele como analfabetos, e em qualquer caso a sua versão da história de Jesus, por vezes, afasta a
versão bíblica.) Além disso, a rejeição de Jesus, como vimos, é um tema evangelhos jogar para baixo, mais e mais, de modo O tempo passa;
pelo tempo que o Evangelho de João está escrito, mais de meio século depois da Crucificação e séculos antes da revelação de Maomé, Jesus
está encantando as massas por ressuscitar os mortos.

O Alcorão, ao contrário, nunca tenta esconder a verdade desconfortável sobre sua figura central. Aqui está um profeta que repetidamente não
consegue conquistar as pessoas que importam. Ao longo dos anos-que Meca é, para a maioria do Alcorão-a história de Muhammad é uma história
de rejeição.
Com esta rejeição começa o caminho para compreender vacilação moral do Alcorão. Em um ponto Muhammad está incitando os
muçulmanos a matar infiéis e em outro momento, ele é um farol de tolerância religiosa. Os dois Muhammads parecem irreconciliáveis ​no início,
mas eles são apenas um homem, adaptando às circunstâncias.

Dia do julgamento

Como vimos, uma das partes mais plausíveis da história do evangelho que Jesus declarando, ao sair do deserto, “O Reino de Deus está próximo.”
Judgement Day estava perto; que era hora de pecadores se arrependam e afirmar a sua crença no Deus único e verdadeiro. Desde o início do
ministério de Muhammad, esta parece ter sido a sua mensagem também. O apocalipse estava chegando, e quando ele veio todos seriam
responsáveis ​por suas ações. Muhammad esbocei este ponto culminante da história em detalhes gloriosa:

Quando o céu se fender-se, E quando as estrelas se dispersar, e quando os mares devem ser
misturados, E quando as sepulturas deve ser virado de cabeça para baixo, Cada alma deve
reconhecer o seu mais antigo e suas ações mais recentes. Ó homem! o que te enganado contra
o teu generoso Senhor, que te criou e te moldado e ti em forma corretamente? Na forma que
agradou Ele tem Ele te formado. Mesmo assim; mas vós tratar o julgamento como uma mentira. 3

Essa última linha está longe de ser o único verso do Alcorão que reflete a rejeição da mensagem de Muhammad. Uma e outra vez nas suras
de Meca, Maomé é rejeitado fora de mão-como um “feiticeiro”, como um “impostor”. Como Jesus, ele é acusado de ser controlado por forças
demoníacas, possuídas por “djinn.” (E, ao contrário Jesus, ele é acusado de ser um “poeta.” Parece lisonjeiro, mas esta explicação para a beleza
de seu verso árabe foi pejorativo em relação a sua própria explicação, que o Alcorão emanava de Deus e foi transmitida através de seu
intermediário escolhido.)

De acordo com uma sura, os habitantes de Meca tratada ministério de Muhammad como uma brincadeira. “Os pecadores de fato rir os fiéis a
desprezar: E quando passam por eles fecham os olhos para o outro, e quando eles retornam para o seu próprio povo, eles retornam brincando.”
Outra sura descreve a reação de uma Meca influente à pregação de Maomé: “Então olhou para ele em torno dele, então franziu a testa e fez
uma careta, então virou as costas e inchou com desdém.” 4

Às vezes, os céticos tem perturbador: “Os incrédulos dizem: 'Não deis ouvidos a este Alcorão, mas manter uma conversa, para que vos
dominar a voz do leitor.” 5 Segundo a tradição islâmica, elites de Meca foram tão intenção de fechar Muhammad até que eles punidos seu clã não
apenas com um boicote econômico, mas com uma casamento boicote. 6

Tudo isso deixou Maomé com um desafio: Como você mantém intacto um movimento religioso minoritário que enfrenta assédio sancionada
pelas pessoas mais poderosas na cidade? Felizmente para Muhammad, esta não foi a primeira vez que o deus de Abraão tinha encontrado um
problema tão grande. Os elementos de uma solução já estavam no lugar.

Alguns deles veio cortesia de um cristão que viveu quatro séculos antes. Irineu, bispo de Lyon, perto do final do século II dC, enfrentou
circunstâncias ainda mais terrível do que Muhammad. Os cristãos eram uma minoria em Lyons, e eles não estavam sendo apenas perseguido,
mas às vezes mortos. Como manter os fiéis a bordo quando ficar a bordo fez a vida tão dura? Em parte, pintando um retrato pródiga de
recompensas na vida após a morte. De acordo com Irineu, a seguir seria característica lotes de grãos, iguarias em abundância, e as mulheres
altamente férteis. Plus: sem trabalho, e corpos que nunca se cansou de qualquer maneira. 7 Não estava claro o que as pessoas fariam com todo
esse tempo de lazer, mas certamente não haveria escassez de vinho para beber. “Vines deve crescer, cada um com dez mil agências, e em cada
ramo dez mil galhos, e em cada um verdadeiro galho dez mil tiros, e em cada um dos brotos dez mil cachos, e em cada um dos aglomerados dez
mil uvas, e cada uva quando pressionado irá dar vinte e cinco metretes de vinho “. 8

O paraíso esboçado por Irineu seria denunciado pelos teólogos cristãos de uma inclinação ascética, mas não por Muhammad. Como Irineu,
ele enfrentou um desafio motivacional íngreme, e como Irineu, ele conheceu-o, oferecendo seus seguidores ampla compensação a longo prazo.
Depois da ressurreição, essas pessoas do deserto poderia viver em meio a “árvores altas vestidas com frutas, e na sombra estendida, e por águas
que fluem.” Não haveria “sofás com forros de brocado” em que você poderia mentir enquanto a comida era “fácil alcançar.”não haveria‘donzelas
com olhares se aposentar’quem nenhum dos homens‘tinham tocado antes.’de alguma forma estas belezas de olhos escuros permaneceria‘de
sempre virgens, querido por seus cônjuges.’E eles nunca envelhecem, algo que eles tinham em comum com seus maridos. 9

Este foi metade da estrutura de incentivos. A outra metade foi a alternativa do lugar que você acabaria se não eram um dos seguidores de
Maomé. Enquanto os fiéis estavam no paraíso vestindo “túnicas de seda” e “pulseiras de prata,” os infiéis seriam Sport “correntes e colares” em
meio a “chama de fogo”. Se eles pediram para alívio, que seria dado “água como cobre fundido, que deve escaldar seus rostos.” 10

tema recorrente do Corão de recompensa e punição não era apenas mais um dispositivo de cenoura-e-vara. O fantasma do inferno-a-pau
era assustador, com certeza, mas era mais do que um instrumento de medo. Ele também apelou para o senso de justiça retributiva; assegurou
seguidores do Profeta que os habitantes de Meca, que agora zombava deles um dia iria conseguir sua punição. Lembre-se que o homem que
“inchou com desdém” ao ver o Profeta pregar? Deus “certamente irá lançá-lo no fogo do inferno.” E lembre-se os habitantes de Meca que
tentaram perturbar recitações do Corão? "O fogo! será sua morada eterna.” 11

A posição social dos seguidores de Maomé deve ter feito essas imagens ainda mais gratificante. Quando você não é rico e seu inimigo é,
sua morte iminente adquire um brilho especial. “Ele pensa certamente que sua riqueza estarão com ele para sempre. Não! . Porque em verdade
ele deve ser arremessado no Crushing Fire”Não se preocupe, disse Muhammad aos seus seguidores:“Deixe-os festa e se divertir, e deixar
esperança enganar-los, mas eles devem saber a verdade, afinal. Muitas vezes vão os infiéis desejam que tinham sido muçulmanos “. 12

Este é um clássico retórica apocalíptica. Muhammad é imaginar um dia em que os humildes serão exaltados e os poderosos humilhado,
quando os últimos serão os primeiros e os primeiros serão últimos. Como Segundo Isaías imaginar o futuro sofrimento dos inimigos de Israel, como
o autor do Apocalipse prevendo o desaparecimento de um imperador romano repressivo, Muhammad é a certeza da vinda infortúnio de seus
algozes. visão retributiva do Alcorão não é mais vividamente violenta do que a de Segundo Isaías ou do Apocalipse, mas o Alcorão oferece muito
mais do mesmo, libra por libra, do que a Bíblia como um todo.

E isso não é surpreendente, dado que a maior parte do Corão foi proferida enquanto Muhammad estava em Meca, tentando manter unida
uma banda sitiada de seguidores. Sua coesão dependia acreditando que o escárnio eles suportaram iria inverter a sua polaridade um dia,
quando os fiéis, no paraíso, finalmente, “que reclina no sofás de noiva,” iria “rir os infiéis ao escárnio.” 13

Sem dúvida, o pensamento da justiça divina foi gratificante para si mesmo Muhammad. Afinal, ele era o único a ser chamado de mentiroso,
um impostor-cargas que muitas vezes parecem ter sido em sua mente quando ele explicitada o destino dos infiéis no dia do julgamento. “Ai, nesse
dia para aqueles que acusados ​de impostura!” E “Taste ye o tormento do fogo, que ye tratada como uma mentira.” E “Este é o dia da decisão que
vos gainsaid como uma mentira.” 14 E assim por diante.

Durante os anos de Meca, estas imagens de retribuição divina eram tão perto de retorno como muçulmanos tem. poucos e humildes
seguidores do Profeta não estavam em posição de retribuição-se exato. Quando os críticos montada uma demonstração de força, Muhammad não
poderia responder em tempo real; O fim dos tempos
teria que fazer. “Deixe-o chamar seus associados”, diz Muhammad cerca de um crítico; por nossa parte, “irá convocar os guardas do inferno.” A
força Muhammad perguntou de seus seguidores estava na determinação, não agressão. “Não! obedecê-lo não; mas adoro, e aproximamos de
Deus.” 15
Esta é a ironia moral do Alcorão. Por um lado, é vingativo; pessoas que lê-lo depois de ouvir apenas resumos caiadas de branco são muitas
vezes surpreendido com o ar recorrente de retribuição. No entanto, a maioria das passagens retributivas não encorajar retribuição; quase sempre, é
Deus, e não qualquer muçulmano, que é punir os infiéis. E durante os Meca anos, mais do Alcorão-muçulmanos são encorajados a resistir o
impulso de vingança. Quando você encontrar infiéis, diz um sura, “Vira-te, em seguida, a partir deles, e dizer, 'paz'.” Deixe Deus lidar com o resto:
“No final, eles saberão sua loucura” Outra sura Meca sugere como lidar com um confronto com um infiel confirmada. Basta dizer: “Eu nunca
adorarão o que adorais, Nem vos hão-de adorar o que eu adoro. Para você ser a sua religião; para mim a minha religião.” 16

Esta mensagem de contenção é levado para casa não apenas por Maomé para os muçulmanos, mas por Deus a Maomé. Deus garante seu
profeta que ele sabe muito bem “o que os infiéis dizem: e tu não és para obrigá-los.” ​Just “avisar ... pelo Corão aqueles que temem a minha
ameaça”, deixando aqueles que não temem ao seu destino merecido . Afinal de contas: “tu és um warner apenas: Tu não tens autoridade sobre
eles.”
17 Este tema é constante através de dias de Maomé em Meca. No que é considerado um dos primeiros suras de Meca, Deus diz a Maomé:

“suportar o que eles dizem com paciência, e afastar-se delas com uma partida decente.” 18 E, no que é muitas vezes chamado o último dos suras
de Meca, Deus diz: “Tua obra só é pregar”; deixá-lo por Deus para “ter em conta”. E aqui está algo a partir do meio: “E os servos do Deus de
Misericórdia são aqueles que andam sobre a Terra suavemente; e quando os ignorantes endereço deles, eles respondem: 'Paz!'” 19

O princípio no trabalho aqui é familiar. A interpretação da vontade de Deus é obediente aos factos no terreno e como eles estão filosofia
perceived.Thelive e deixar viver floresce quando há parece nada a ganhar lutando. Essa tinha sido a situação de Paul. Os cristãos eram uma
minoria, irremediavelmente superados pelos romanos politeístas, por isso não admira que ele disse a seus seguidores: “Abençoai os que vos
perseguem” e “Não retribuam a ninguém mal por mal.” E não admira Muhammad, mais ou menos na mesma situação, disse, “Afasta-te mal com o
que é melhor, e eis! ele entre quem e te foi inimizade, serão como se ele fosse um amigo quente.” 20

E da mesma forma, como vimos, na Bíblia hebraica. Os israelitas, depois de sofrer um revés nas mãos dos amonitas, encerado
teologicamente tolerante em fazer uma proposta de paz aos seus vizinhos: “Você não deveria possuir o seu deus Quemos dá-lhe possuir? E não
deveríamos ser os únicos a possuir tudo que o nosso Deus Javé conquistou para nosso benefício?”Quando, por outro lado, a luta parecia oferecer
ganhos fáceis, tolerância religiosa desapareceu. Assim são os israelitas contada no livro de Deuteronômio para “aniquilar” os hititas, amorreus,
cananeus, ferezeus, e assim por diante “, para que não vos ensinem a fazer todas as coisas abomináveis ​que eles fazem a seus deuses, e você
portanto, o pecado contra o Senhor vosso Deus “. 21

Após se mudar para Medina e mobilizar seus recursos, Muhammad teria, como os israelitas de Deuteronômio, encontrar a guerra uma
perspectiva mais auspicioso. E, como veremos, pontos de vista de Deus sobre a luta contra os infiéis mudaria em conformidade, como fizeram na
Bíblia. Mas enquanto Muhammad permaneceu em Meca, a luta era desagradável e tolerância religiosa expansiva. De fato, nos momentos em
colaboração com os pagãos parecia atraente, a tolerância de Muhammad cresceu tão grande que ele estava disposto a desistir de monoteísmo
em si. Esta, pelo menos, é o aparente resultado dos “Versos Satânicos”.

Os Versos Satânicos

O que os muçulmanos chamam os versos satânicos não está no Alcorão. Pelo menos, eles não são mais. Segundo a tradição muçulmana, elas
foram proferidas pelo Profeta e, assim, entrou escritura, mas foram expurgados quando ele percebeu que tinha sido inspirado por Satanás.

Os versos envolvem três deusas-Al-Lat, uzza, Manata E-que teve um grande número de seguidores na Arábia e quem alguns pagãos
consideradas filhas de Deus. Reconhecendo sua existência e poder teria tornado mais fácil para Muhammad para fazer negócios com seus
adeptos, e alguns de seus seguidores foram influentes. A cidade vizinha onde algumas elites Meca propriedade propriedade apresentou um
santuário para Al-Lat. 22

Aparentemente Muhammad sucumbiu à tentação. No pronunciamento agora expurgado, ele disse sobre as três deusas que eles são
“exaltados”, acrescentando: “E, na verdade sua intercessão pode ser esperado.”
Esta concessão parece ter provado em um sentido ou outro mal aconselhado. Talvez os pagãos rejeitou a insinuação de Maomé, e talvez
seus seguidores se rebelaram na sua apostasia. (Segundo a tradição muçulmana, pagãos aplaudiu a iniciativa, mas, em seguida, Muhammad
recebeu feedback negativo do anjo Gabriel.) Em qualquer caso, a sura foi alterado. Hoje ele chama essas deusas não “exaltado”, mas “meros
nomes”, e não há nenhuma menção a eles ter o poder de interceder em nada. 23

A idéia de Muhammad gira de repente politeísta não se encaixa facilmente na tradição muçulmana, e é precisamente esta “inconveniência
teológica” -a etiqueta que colocamos em Christian comparáveis ​e judaica
anomalias no capítulo 10 que dá a credibilidade história. Como o estudioso seminal do século XX do Islã Montgomery Watt colocá-lo, a história é
“tão estranho que deve ser verdade em fundamentos.” 24

E, certamente, o moral da história faz sentido: quando as pessoas vêem a perspectiva de interação não de soma zero através limites
religiosos, tolerância cresce. As esperanças de aliança frutífera tentado Muhammad abandonar monoteísmo.

Mesmo em suras de Meca que não se expurgado, há sinais de Muhammad tentando construir coalizões interconfessionais. Ele parece, para
começar, para ser chegar aos judeus. A prova disto não reside na sua extensa referência a escritura judaica. (É natural que ele ia citar a Bíblia
judaico-cristã como autoridade para seus pronunciamentos outra forma radical, dada a sua ligação com o agosto e Império Bizantino cosmopolita.)
Em vez disso, a prova está no fato de que, enquanto em Meca ele não diz nada mau sobre os judeus e diz algumas coisas lisonjeiras sobre seus
antepassados. Deus, em sua “presciência,” escolheu “os filhos de Israel ... acima de todos os povos.” 25

E em uma sura normalmente datada no final do período de Meca, Muhammad parece ansioso para chegar a um acordo com judeus e cristãos.
A sura explica como se relacionar com os destinatários de “revelações anteriores.” 26 Os muçulmanos não são para discutir com eles “a menos da
maneira mais suave” (embora se o cristão ou judeu em questão se comportou “injuriously em direção a você” nenhuma reserva está em ordem).
Em vez disso, eles devem enfatizar um terreno comum: “Acreditamos no que se fez descer a nós e se fez descer para você. Nosso Deus e vosso
Deus é um só.” 27

Em suma, Muhammad era um político experiente, ansioso para construir coalizões, consciente de silenciamento diferenças que impedem esse
projeto. Alguns muçulmanos pode rejeitar esse uso da palavra “político”, juntamente com a sua implicação que a escritura islâmica pode ser visto
como mera retórica. E alguns críticos do Islã pode acolher a palavra como suporte para a afirmação de que “revelação” de Maomé era apenas um
truque elaborado, parte do esquema do Profeta para acumular poder.

Ambas estas reações são reações modernas. Eles vêm de um mundo em que os reinos de religião e política são muitas vezes claramente
distintos. Em tempos anteriores, como vimos repetidas vezes, a religião ea política foram duas faces da mesma moeda. Não há dúvida de acesso
especial de Maomé à palavra de Deus deu-lhe autoridade mundana aos olhos dos crentes. Sem dúvida, o mesmo era verdade de Jesus e de
Moisés. Mas isso não significa que qualquer um desses homens considerada sua ligação com o divino menos de genuíno. O que quer que você
pensa sobre a realidade da inspiração divina, a natureza humana permite que as pessoas acreditam que estão sob a sua influência. Mais ao ponto:
as pessoas podem acreditar que estão sob a influência da orientação divina que, como acontece, é politicamente compreensível à luz de sua
própria percepção dos fatos no terreno. Somos animais políticos,

Após se mudar para Medina, Maomé faria a ligação entre religião e política clara. “Obedeça a Deus e obedecer o Apóstolo” é uma frase que
ocorre várias vezes em suras de Medina e nunca na suras de Meca. 28 Enquanto em Meca, Maomé ainda não tem cacife para fazer tais exigências,
pelo menos, não de forma explícita; suras de Meca, muitas vezes dizem coisas como “Temei a Deus e obedecer-me”, mas essas palavras são
colocadas na boca dos personagens bíblicos com quem Muhammad está comparando-se implicitamente. 29 Seus seguidores eram livres, é claro,
para tirar suas próprias conclusões.

Assim também com sugestões que infiéis pode obter punidos não apenas no futuro, mas no aqui e agora. suras de Meca notar como muitas
vezes nas pessoas da Bíblia que não acreditam em Deus acabam morrendo em massa-a dica, talvez, que, não obstante a grande ênfase do Corão
sobre o desagrado do inferno, um gosto de retribuição divina pode mostrar-se concebivelmente antes Dia do julgamento. No entanto, a Muhammad
de Meca nunca faz essa ameaça explícita ou incentiva seus seguidores a realizá-lo. Ele não tem exército; a missão teria sido suicida.

O Muhammad de Meca, em suma, é como Jesus. Ele nunca adquire o poder político formal de Moisés, muito menos de Israel rei Josias, que
governou um estado maduro e cujo legado bíblico é a sanção de genocídio contra os infiéis. E a Muhammad de Medina certamente nunca adquire o
poder de um imperador Constantino. Segundo alguns relatos, Constantino tinha unhas ele acreditava ter vindo de cruz de Jesus derretido e
transformado em um pouco para o seu cavalo de batalha. Seja ou não essa história é verdadeira, ele capta uma verdade: Constantino, talvez
esquecendo a parte sobre a outra face, tinha usado a cruz, em parte, como um ícone de violência em larga escala.

Nós nunca saberemos o que Jesus teria sido como teve sua missão sucedido politicamente antes que ele pudesse ser crucificado. Nós
nunca saberemos o que Moisés teria sido como tinha ele acabou com um exército potente à sua disposição. No caso de Muhammad, nós
sabemos. Depois de uma década de pregar em Meca, ele e um grupo de seguidores foi para Medina (então chamado Yathrib). Muhammad
estava prestes a adquirir o poder real, e as coisas estavam prestes a mudar.
dezesseis capítulo

Medina

W hen Muhammad e outros muçulmanos de Meca primeira montaram seus camelos em Medina, homens e mulheres alinharam a rota chorando
“Vem é o Profeta de Deus! Vem é o Profeta de Deus!” 1 Pelo menos essa é a história que entrou tradição islâmica nos séculos após a morte de
Muhammad. Seu espírito vive em contas ocidentais populares de nascimento do Islã. Neste relato, os chefes tribais de Medina, farto de conflitos
mútua, pergunte Muhammad para vir acabar com a luta interna, prometendo cumprir a sua arbitragem. 2 Ele mostra-se, é muito bem recebido, e
calmamente assume seu papel ordenado da liderança.

Mas essa história sobre bem-vinda de Maomé em Medina não é mais confiável do que as histórias sobre Jesus nos Evangelhos, também
escritos bem depois do fato. O próprio Alcorão, um testemunho mais imediato a eventos, pinta um quadro diferente.

Considere que refrão simples pronunciou pela primeira vez em uma das primeiras suras de Medina: “Obedecer a Deus, em seguida, e
obedecer ao apóstolo.” Aparentemente, as pessoas não podiam ser contados nos a obedecer Muhammad sem o lembrete ocasional. E talvez
nem mesmo então; a próxima linha nesta sura é um aviso: “mas se vos desviardes, nosso apóstolo não é o culpado, pois ele só é cobrado com a
pregação simples.” 3

Na verdade, suras de Medina sugerem que há, como em Meca, Muhammad ainda estava alimentando um movimento, tentando ganhar
convertidos. Em um início de Medina sura, Deus dá instruções de recrutamento Muhammad, empregando a mesma fórmula usada por Paulo
para recrutar cristãos meio milênio antes: “ Dizer: Se amais a Deus, então siga-me: Deus vai te amo, e perdoar seus pecados, porque Deus é
Indulgente, Misericordiosíssimo “E há o outro lado da estrutura de incentivos:“. Dizer: Obedecer a Deus eo Apóstolo; mas se vos desviardes,
em seguida, em verdade, Deus não ama os descrentes.” 4

Se a conta padrão de entrada de Maomé em Medina é muito simples, o que é a história real? É quase certo que, como a tradição islâmica
início detém, que enquanto em Meca ele havia cultivado um grupo de apoiantes em Medina. Quando ele e seu círculo de Meca estabeleceu-se
em Medina eles tinham uma base de apoio e mais segurança do que eles tinham conhecido antes. Você pode até dizer, como alguns estudiosos
têm colocá-lo, que Muhammad tinha criado uma nova “tribo” de Medina tribo -a com base na crença comum, não ancestralidade comum, mas
ainda uma tribo, uma tribo que agora crescer para dominar a cidade e em seguida, a região. 5

Para ter certeza, o Islã não substituiria tribos existentes; era uma tribo você poderia juntar ainda preservando seus laços baseadas no
parentesco. Ainda assim, as suras de Medina sugerem que Muhammad estava pedindo um compromisso que poderia esticar linhas tradicionais
de devoção. “Ó vós que credes! Em verdade, em suas esposas e seus filhos tendes um inimigo; pelo cuidado com eles “. 6

Esta linha de um de Medina sura é completamente como um enunciado atribuído a Jesus nos evangelhos: “Eu vim para colocar um homem
contra seu pai, a filha contra sua mãe, e uma filha-de-lei contra a mãe-in- lei; e os próprios inimigos serão membros da própria família. Quem ama
seu pai ou sua mãe mais que a mim não é digno de mim; e quem ama o filho ou filha mais do que a mim não é digno de mim; e quem não toma a
sua cruz e siga-me, não é digno de mim.”

7 No entanto dissonante essas passagens do Corão e os evangelhos, tanto faz sentido. Se o movimento de Maomé em Medina era para ter
sucesso, e se o movimento de Jesus no Império Romano era para ter sucesso, eles tiveram que inspiram uma devoção que transcendeu lealdade
existente. Ambas as religiões estavam envolvidos em re-engenharia, criando um novo tipo de organização social. E se você quiser fazer uma
omelete, você tem que quebrar alguns ovos.

Na verdade, o nascimento de todas as três religiões abraâmicas foram exercícios de engenharia social em larga escala. Com o antigo Israel,
tribos outrora autônomos reuniu, pela primeira vez em uma confederação e, em seguida, em um estado. O nascimento do cristianismo viu um
segundo tipo de consolidação social, e não de tribos, mas de etnias inteiras. Que “não há mais judeu nem grego” -ou romana ou egípcia -para todos
os crentes eram “um em Cristo Jesus.” O Império Romano no qual o Cristianismo se espalhou era um império multinacional, eo cristianismo se
tornou uma religião multinacional.

Com o nascimento do Islã ambos os limiares-o conglomerado de tribos e de nacionais etnias-iria ser atravessado na ordem curta. Quando
Muhammad fez a hijra, a migração de Meca para Medina, não havia governação centralizada das tribos em Medina, muito menos na Península
Arábica em larga escala. No momento em que ele morreu em 632, tribos em Medina, Meca, e grande parte circundante Saudita reconheceu sua
autoridade. Cinco anos depois, o governo islâmico iria abranger não apenas os árabes, mas sírios-pessoas que nós consideramos agora árabes,
mas que não falam a língua árabe antes que eles entraram em dobra do Islã. E, como os exércitos muçulmanos estavam tomando a Síria do
Império Bizantino, que estavam também a tomar Iraque desde o Império Persa. Em seguida veio o Egito e Palestina; 8 dentro de uma década da
morte do Profeta, ambos haviam passado de bizantino para mãos islâmicas, ea conquista do Irã, coração do império persa, tinha começado. 9 No
quarto de século depois de Maomé migrou de Meca para Medina, possuindo menos energia do que o prefeito de uma pequena cidade, um Estado
islâmico formado e se tornou um império multinacional.
Esta expansão é ainda mais surpreendente quando você olha para o tecido social promissor que aguardava Muhammad em sua chegada a
Medina. tribos árabes da cidade, além de ser fortemente politeísta, tinha um histórico de brigas. Houve uma complicação adicional de que,
aparentemente, não tinha existido em Meca: tribos inteiras de judeus. E não parece ter sido um número apreciável de cristãos.

10 A paisagem religiosa e étnica neste diversificada não era naturalmente passíveis de controle político centralizado. Mobilizar e unificar estes
círculos eleitorais foi um trabalho de proporções quase sobre-humanos.
E Muhammad não ter sucesso nisso. A julgar pelo Corão, sua dominação política de Medina, em seguida, Meca, então terras além, passou
sem muitos judeus e cristãos a compra para o projeto. Na verdade, isso pode ser colocar o mínimo. De acordo com a escritura islâmica e da
tradição oral, e as histórias ocidentais baseados nestas fontes, as relações de Maomé com cristãos e judeus cresceu hostil e, em alguns casos,
violento.

Qual foi a fonte da hostilidade? Algumas das declarações do Corão de Maomé sugerem que a teologia era o problema: ambos os cristãos e
judeus ficaram aquém do puro monoteísmo do Islã, disse Muhammad, e por isso foram preocupante reminiscência dos politeístas. Eles “imitar o
que os incrédulos de idade costumava dizer. A maldição de Deus esteja sobre eles: como eles estão iludidos longe da verdade “! 11

A ideia de que as diferenças teológicas foram o principal motor de conflito intra-abraâmica tem um apelo natural, hoje, quando certeza
dogmática permeia as tensões entre muçulmanos, cristãos e judeus. Mas a verdade é mais complicada. Um olhar mais atento sobre o Corão
sugere que as questões Muhammad tive com cristãos e judeus não eram apenas, nem principalmente, teológica. Além do mais, como veremos, a
profundidade das tensões, incluindo a intensidade do famoso Muhammad “ruptura com os judeus,” pode ter sido exagerada na tradição islâmica e
nos livros de história. Em qualquer caso, pensar em Maomé como agarrando-se a um credo rígido é não compreender quem ele era e como ele
construiu o Islã em uma força que tem sido com o mundo desde então.

Construir a base

Em certo sentido, a diferença entre Maomé em Meca e Maomé em Medina é a diferença entre um profeta e um político. Em Medina, Maomé
começou a construir um governo real, e as suras de Medina refletir isso. Eles estão em equilíbrio mais legalista do que as suras de Meca, menos
poética, menos bem, inspirados. Ainda assim, mesmo como Muhammad tornou-se um político, ele permaneceu um profeta. Numa época em que a
autoridade política dependia de autoridade divina, a construção de um governo sempre foi, em certa medida uma religiosa empresa e tanto mais
quando a cabeça da igreja e do chefe do Estado eram o mesmo homem. Fidelidade a Muhammad e fidelidade a seu Deus teria de crescer em
sinergia.

A maneira de ganhar lealdade a um deus no mundo antigo era demonstrar seu poder. Poderia ser o poder de trazer a chuva que dá vida, ou
curar a doença, ou apenas melhorar a qualidade de vida. Sem dúvida, este último poder deu Islam pouco de seu apelo. Seu rigor moral 12 poderia
ajudar a fim de uma vida e pedir uma sociedade, e sua preocupação com os oprimidos deve ter ajudado, no mínimo, os oprimidos. Ainda assim,
durante a fase de Medina crucial da evolução do Islã, quando um movimento religioso tornou-se um sistema de governação, a reivindicação de
Deus a autoridade parece ter descansado em grande parte, o sucesso no campo de batalha.

Tudo começou quando Muhammad decidiu encenar um ataque a uma caravana de comércio gerido por habitantes de Meca. Raiding não era um
comportamento excepcional em Saudita na época. Algumas tribos fizeram uma vida por afirmar o controle sobre trechos de grama e onerar os
operadores económicos para a passagem segura -e um índice de “controle” foi a sua capacidade de organizar ataques em caravanas que não pagar.
Embora o Islã acabaria por considerarem rodovia roubo ilegal, não é claro que antes do Islam havia até mesmo uma palavra árabe para “roubo”, e
alguns estudiosos acreditam que o roubo não era um crime na Arábia nos dias de Muhammad. 13

Ainda assim, Muhammad fez sentir a necessidade de justificar a invasão. E, tendo sido perseguidos pelo estabelecimento de Meca durante
dez anos e, finalmente forçados a procurar uma casa em outro lugar, ele não tem que se descontroladamente criativo. Deus diz no Alcorão, “Leave
é dada para aqueles que lutam por terem sido injustiçado ... que foram expulsos de suas habitações sem direito, exceto que eles dizem 'Nosso
Senhor é Deus'.” 14

O ataque não foi um grande triunfo, mas Muhammad infligido dano suficiente para elevar a sua autoridade dentro Medina. E o ataque
começou uma série de escaramuças que eventualmente levantadas sua estatura mais longe: os habitantes de Meca, alimentado-se com a
caravana-invasão, lançou um grande ataque em Medina que Muhammad rechaçou. Como seus seguidores em Medina cresceu, e com ele a sua
força armada, ele sentiu que poderia se aproximar de Meca e exigir o direito de adorar a seu santuário, a Caaba. O resultado foi um tratado que
durou menos de dois anos antes de Maomé, alegando que os habitantes de Meca violou-lo, teve seu grande momento. Ele acumulou uma força
tão grande que ele tomou Meca com pouca resistência e pouca violência. O profeta que, como Jesus, tinha sido sem honra em sua própria cidade
foi subitamente a executar o lugar. A Caaba, uma vez um lugar para adorar a Deus de Maomé entre outros,

Agora o projeto islâmico tinha força real. Muhammad tinha força mais militar do que nunca e controlado uma grande área do comércio. tribos
vizinhas reconhecido cada vez mais a lógica da aliança subordinada com ele. No momento em que Muhammad morreu em 632, o seu
“super-tribo”, como alguns têm chamado, cobria a maior parte da Arábia, e ele começou a desafiar o controle da Síria do Império Bizantino. o
década desde que ele entrou Medina tinha sido uma produtiva de um, pelo menos, do ponto de vista dos seguidores do Profeta.

Muhammad o Ecumenicist

Mas que sobre os nonfollowers? Por que é que as relações de Maomé com os judeus e os cristãos de Medina não parecem ter funcionado
fora?
É difícil reconstruir a história com confiança, mas uma coisa parece clara: não era um simples caso de Muhammad exigindo a conversão ao
Islã e ser rejeitado. Por um tempo, pelo menos, seu objetivo parece ter sido a de unir as religiões abraâmicas, mas não para fundi-los. Em um
documento aparentemente autêntica conhecida como a Constituição de Medina, Maomé é considerado o árbitro das disputas em Medina-portanto,
com efeito, o seu líder, mas a separação da religião judaica é reconhecido. De igual modo, a revelação de que justifica, que o ataque inicial sobre a
caravana mequense lançá-lo como um acto de defesa de preferência em nome dos fés Abraâmicas distintas. “Para as pessoas se Deus não
tivesse habilitado para defender-se uns contra os outros, mosteiros e igrejas e sinagogas e mesquitas-in que o nome de Deus é abundantemente
exaltou-certamente teria sido destruído. 15

Para fins de governo municipal, que era melhor que todos os medinenses ver Muhammad não apenas como um defensor do seu direito de
culto, mas como um homem com autoridade divina genuína. Assim, ele queria mostrar cristãos e judeus que eles poderiam conceder a validade de
seus pronunciamentos sem abandonar as suas próprias tradições. Ele explicou que Deus havia “a Tora eo Evangelho antes do tempo, como
orientação para as pessoas”, e agora tinha enviado o Alcorão “confirmando o que era antes.” E ele incentivou judeus e cristãos para se concentrar
na abraâmica denominador comum: “ó seguidores de revelação anterior! Vinde a que princípio que nós e você têm em comum: a de que devemos
adorar senão a Deus, e que não deve atribuir divindade a qualquer coisa além Dele “. 16

É claro que, quanto maior a zona de concordância entre as religiões abraâmicas, mais completamente cristãos e judeus poderia reconhecer a
autoridade de Muhammad. Os rituais mais comuns as fés poderiam compartilhar, e as diferenças mais teológicas que poderiam resolver, o mais
coesa uma política Medina poderia ser.

Aqui Muhammad estava disposto a suportar parte da carga de adaptação. Uma vez em Medina, ele decidiu que seus seguidores devem ter um
vinte e quatro horas anual rápido, assim como os judeus fizeram em Yom Kippur. Ele mesmo chamou de Yom Kippur, pelo menos, ele usou o termo
alguns judeus árabes foram, em seguida, usando para Yom Kippur. 17 Ea proibição judaica em comer carne de porco foi espelhado em uma proibição
muçulmana em comer carne de porco, provavelmente enunciado pela primeira vez em Medina. 18 Muhammad também declarou que seus seguidores
devem orar enfrentando Jerusalém. De fato, tão completamente que Muhammad misturam ritual islâmico e judaico que meio século depois de sua
morte, um cristão bizantino descreveria Muhammad como um “guia” que havia instruído árabes na Torá. 19

Mas chegar aos cristãos era mais complicado. Muhammad tinha apostado a posição muçulmana básicas sobre Jesus de volta em Meca. Ele
tinha louvado Jesus como um grande profeta, mas se recusou a dizer que ele era o filho de Deus. Sim, ele disse, Jesus foi enviado como um sinal
de Deus; e sim, ele era de nascimento virgem. Mas “Não convém ao Deus para gerar um filho.” 20

Esta posição pode ter tido uma base essencialmente lógico. Entre os politeístas árabes Muhammad denunciou no curso de sua missão
monoteísta foram aqueles que aceitaram a existência de Muhammad Deus, Alá, mas insistiu que Allah tinha filhas. Não, Muhammad disse, havia
somente um Deus-deuses filha permitidos (exceto durante a abertura para politeístas que, como vimos, parece ter criado os posteriormente
apagadas “versos satânicos”). Bem, se Deus não poderia ter filhas, como ele poderia ter um filho? Um sura Meca sugere que esta é uma réplica
próprio Maomé tinha recebido de céticos pagãos num raro momento quando ele estava tratando Jesus com o tipo de reverência reservada para a
divindade. “Eles disseram: 'São os nossos deuses ou ele é o melhor? Eles colocar isso para trás ... só no espírito de disputa. Sim, eles são um povo
contenciosos.” 21

Isso pode ter sido um ponto de viragem teológica para Muhammad: ele foi tão longe quanto podia para abraçar a divindade de Jesus
e então percebeu que ele estava pintando-se em um canto, minando o impulso monoteísta da sua mensagem.

Isso levanta uma questão: Por que Muhammad incomoda louvando a Jesus em tudo se ele estava indo para negar sua divindade e, assim,
afastar todos os verdadeiros cristãos?
Aqui a frase “verdadeiros cristãos” engana. Como vimos, o cristianismo antigo era uma coisa motlier do que a versão perfeita de que mais
tarde foi lido para trás na história. Lembre-se dos ebionitas, os “judeus” cristãos que consideravam Jesus, o adotado filho de Deus, um messias,
mas um ser humano? Não sabemos o que aconteceu com eles depois de sua existência foi notado em textos do século IV, mas a sua influência
certamente poderia ter se desviou para Saudita. JM Rodwell, um tradutor britânico do século XIX do Corão, considerou “bastante claro que
Muhammad emprestado ... das doutrinas da Ebionites.” 22 Se doutrinas ebionitas eram de fato flutuando em torno Saudita, alguns Ebionites-ou
pessoas em vez gosto deles, provavelmente eram também. 23 E Muhammad poderia ter esperado para conquistá-los por reverenciar a Jesus
meramente humano.
E os ebionitas não eram a única fonte de diversidade cristã. Porque Saudita teve contato comercial não apenas com a Síria bizantina para o
norte, mas com o Império Persa a leste, havia “nestoriana” Os cristãos, que acreditava que Cristo, embora divina, tinha um lado mais humano do
que Roman ou cristãos gregos permitido. Persia também contou com maniqueístas, que consideravam Jesus um profeta, mas não divino. E depois
havia os cristãos mais ortodoxos, da Síria. Ao todo, foi uma miscelânea de crença “cristão”. 24

Para essa matéria, os judeus árabes nos dias de Muhammad pode ter sido em qualquer lugar ao longo do espectro de evangelicamente
apocalíptico para sedately conservador. 25 Meca no século VII era uma espécie de como o mundo de hoje, um lugar onde diversas culturas foram se
unindo, e o tempo estava maduro para a síntese criativa. A tendência para analisar o Corão dividindo platéia de Maomé em “cristãos”, “Judeus” e
“pagãos” subestima a complexidade cultural da época e a sutileza do desafio político Muhammad enfrentou.

Tudo isso poderia explicar o fato de outra forma misteriosa que, em Medina, Maomé continua a procurar a fidelidade dos cristãos ao denunciar
teologia “cristã” mais claramente do que em Meca. Aqui, pela primeira vez, ele rejeita a doutrina da Trindade pelo nome. “Diga não," Três”, ele
aconselha os seguidores de Jesus. 26

No entanto, mesmo neste sura, negando Jesus o status de Deus, Muhammad enfatiza o quão especial ele era, chamando-o Messias e
apontando para a afirmação no Evangelho de João que Jesus era uma encarnação do Logos divino, a “Palavra”. “ povo do Livro “, diz ele,‘o
Messias, Jesus, filho de Maria, foi apenas o Mensageiro de Deus e Sua Palavra que ele se comprometeu a Maria, e um Espírito Dele’Muhammad
também elogiou os valores cristãos.; Deus, de acordo com o Corão, deu a Jesus o evangelho e “colocar nos corações daqueles que o seguiram
bondade e compaixão.” 27

Mesmo que Muhammad poderia ter vendido os cristãos sobre esta fórmula, ele ainda teria enfrentado um problema. Ele estava chamando
Jesus, o Messias, e os judeus eram da opinião de que o Messias não tinha aparecido ainda. Se a aspiração de Maomé era, de fato, como às vezes
parece, para construir uma plataforma religiosa comum para os cristãos e judeus e, em seguida, chamar essa plataforma Islam, seu trabalho foi
cortado para ele.

E, para complicar ainda mais as coisas, houve a questão embaraçosa da relação exata dos cristãos e judeus para Muhammad. Sim,
Muhammad estava disposto a ter muçulmanos evitam carne de porco, a orar em direção a Jerusalém, até mesmo para ter um dia santo chamado
Yom Kippur. Sim, ele estava disposto a aceitar o nascimento virginal de Jesus, para chamar Jesus a Palavra eo Messias. Mas, no final do dia, ele
queria que judeus e cristãos a aceitar sua religião-de aceitar que suas próprias escrituras, porém sagrado, tinha sido um prelúdio para o Alcorão;
que os seus próprios profetas, porém grande, tinha sido prelúdios para si mesmo. Qualquer fusão das religiões ele pode ter imaginado não era
uma fusão de iguais.

A Inversão abraâmica

Os termos da fusão pode ser visto na questão de Abraão. Muhammad aceitou a alegação bíblica de que Deus tinha seminally revelou a Abraão
como o único Deus verdadeiro. E ele aceitou a alegação bíblica de que os israelitas haviam descido de Abraão. Isto parece colocar os israelitas,
portanto, Judaísmo, na raiz da árvore genealógica de Abraão. Mas Muhammad contou a história de Abraão de uma forma que convidou uma
interpretação diferente, que colocou o Islã e, na verdade árabes, no centro das coisas.

Escondido dentro da história bíblica de Abraão, sempre houve um comentário sobre o status relativo de israelitas e árabes. As tribos de
beduínos nômades que habitavam a parte da Arábia perto de Israel eram conhecidos como ismaelitas, porque eles foram pensados ​para ser
descendentes de Ismael. Então representação da Bíblia de Ismael é, implicitamente, uma representação de ismaelitas, de árabes como eles eram
conhecidos dos antigos israelitas.

E como é Ismael visto através dos olhos de Israel? A boa notícia para Ismael é que ele era um descendente de Abraão. A má notícia é que
ele era o filho de um escravo de Abraham Hagar. Ele, portanto, classificado abaixo filho de Abraão Isaac, que nasceu da esposa de Abraão, Sara
e de quem os israelitas desceram.

Como se isso não augura nada suficientemente doente para o status social dos árabes, considere as circunstâncias do nascimento de
Ismael. De acordo com Gênesis, Sarah impulsiona o Hagar grávida para o deserto para levar seu filho sozinho. E mais tarde Sarah abandona seu
filho no deserto. Um anjo profetiza seu destino de uma forma que não evidenciar uma visão israelita favorável dos árabes: “Ele será um jumento
selvagem de um homem, seu punho contra todos, e o punho de todos contra ele.” 28

Naturalmente, Muhammad estava inclinado para lançar Ismael, o pai dos árabes, em uma luz mais lisonjeira. E aqui ele não tem que quebrar
radicalmente nova terra. Para houve uma segunda visão bíblica de Ismael, uma visão mais lisonjeiro, sutilmente tecida na Bíblia Hebraica ao lado
do primeiro. Foi colocado lá por P-a “fonte Sacerdotal”, o autor (ou autores), que, como vimos, parece ter refletido os objectivos do Império Persa no
final do exílio babilônico. A julgar pela descrição de Ismael de P, Ciro, o Grande deve ter queria que seus súbditos israelitas a viver em paz com
seus vizinhos árabes, em termos de respeito mútuo. (Isso faria sentido. Seu grande inimigo nessa área foi o Egito, ea última coisa que ele
precisava era que os beduínos da Arábia aliar-se com o seu egípcia
vizinhos contra seu império.)
A diferença entre a vista de pré-exílico da Bíblia de Ismael ea sua vista postexilic como apresentado por P é tão forte que a narrativa bíblicos,
ler de perto, partilhem a incoerente. Em um verso pré-exílico Sarah, incapaz de ter filhos, incentiva a Abraão para tomar a Agar egípcia como uma
concubina conveniente. “Ir para a minha escrava; pode ser que eu deve obter filhos com ela “Mas no versículo seguinte, escrito após o exílio pelo
P, Hagar não é uma mera concubina.; ela é Abraão “esposa”, e que o casamento poligâmico tem a bênção de Sarah. E, enquanto o verso
pré-exílico tem Hagar dar à luz sozinha no deserto, um verso Priestly sugere que Abraão está presente, pois é Abraão, que nomeia o filho
recém-nascido Ismael. 29

E, como para a profecia angelical pré-exílico que Ismael será um “jumento selvagem de um homem” -segundo a fonte Sacerdotal, o próprio
Deus tem esperanças mais elevadas. Abraham pede a Deus para cuidar de Ismael e Deus responde: “Eu vou abençoá-lo e torná-lo fecundo e
muito numerosos; ele será o pai de doze príncipes, e dele farei uma grande nação.” 30

Mesmo aos olhos de P, os árabes não chegam a classificar-se lá com israelitas. Imediatamente após o derramamento palavras gentis sobre
Ismael, Deus diz: “Mas a minha aliança eu estabelecerei com Isaque, que Sara dará a você nesta estação no próximo ano.” Por isso, é Isaac,
progenitor dos israelitas, não Ismael, pai do árabes, que medeia o contrato com Deus. Ainda assim, se os árabes não são completamente
israelitas, eles estão perto. A única coisa que este pacto exige é que as pessoas devem de Abraham prole por Deus ser circuncidado se eles são
machos. E Ismael, de acordo com a fonte Sacerdotal, se circuncidados-no mesmo dia como Abraão, nem menos. 31

Descrevendo Ismael como filho amado de Abraão, P tinha dado Muhammad um tema que poderia amplificar. No relato de Muhammad Abraão
e Ismael de alguma forma acabam em Meca juntos, onde eles constroem e purificar a Caaba para que o Deus de Abraão pode ser adorado lá.
Além do mais, este era parte de uma “aliança” Deus tinha feito com Ismael e Abraham. 32

Fale sobre uma narrativa unificadora! Ao fazer co-construtor Abraham da Caaba, Muhammad tinha tomado a figura sagrada mais antiga na
tradição judaica e cristã e ligou para o santuário mais sagrado para os politeístas árabes. Apenas sobre cada tradição religiosa representada na
vizinhança de Maomé poderia encontrar uma pedra de toque na religião que ele estava criando. Foi uma forma engenhosa para tentar trazer
todos os povos da região sob um único teto.

Ainda assim, todos eles foram sendo solicitado a sacrificar uma parte do seu património, a fim de ficar lá. Sim, politeístas poderia manter o
seu santuário, mas eles teriam que deixar de ir todos os seus deuses, exceto um. Sim, cristãos e judeus poderia ficar na linhagem de Abraão, mas
eles teriam que admitir que eles tinham se desviado da tradição abraâmica puro como previsto nos dias de Isaque e Ismael. O Alcorão descreve a
resposta adequada para as pessoas que “digamos, 'Seja judeus ou cristãos e você será guiado'”: “Dize: 'Não, pelo contrário, o credo de Abraão,
um homem de fé pura.'” 33

E qual é o nome para essa “fé pura”? O Alcorão tem Abraham dizendo: “Ó meus filhos, Deus escolheu esta como a fé para você. Não morra,
exceto como aqueles que apresentaram a Deus.”E a palavra que significa‘enviado’é a mesma palavra da qual‘Islã’e‘muçulmano’são derivados. Na
verdade, alguns tradutores têm este verso como: Não morra “exceto na fé do Islã” ou Assim, também, com este verso do Alcorão: “Abraão não era
judeu, nem cristão;“senão como muçulmanos.” mas ele era um homem justo que se renderam (a Deus).”Alguns tradutores têm isso como‘Abraão
não era judeu nem cristão, mas ele estava de pé, um muçulmano.’ 34

Top baixo ou de baixo para cima?

À luz de tudo isto, a hostilidade intermitente do Corão em relação aos judeus e cristãos não é chocante. Muhammad foi pedindo-lhes para
aceitar grandes alterações: a promoção de Ismael em relação ao Isaac, o rebaixamento de Jesus em relação a Deus. Não admira que eles
recusaram. E se Muhammad estava possuído pela convicção de que a sua missão divinamente ordenado era trazer todos de Medina em uma
compreensão comum de seu relacionamento com Deus, não admira que ele tomou sua rejeição como motivo para inimizade.

Pelo menos, essa é a maneira como as coisas olhar se você visualizar a crença religiosa como o motor principal: a incompatibilidade lógica
das crenças leva à incompatibilidade social e política dos crentes. Mas e se você vê a causalidade se movendo na direção oposta, ver fatos no
terreno como o principal motor? Considere esta caracterização corânica de Cristãos e Judeus, presumivelmente proferidas após missão ecumênica
de Maomé começou a vacilar: “Ó crentes! tomar não os judeus ou cristãos como amigos. Eles são apenas um amigos uns dos outros.” 35 Muhammad
está recomendando inimizade, ou pelo menos uma reserva de frio, como a atitude apropriada para cristãos e judeus, mas a razão que ele dá não é
que eles são teologicamente confuso. O problema, ao invés, é que eles não estão sendo amigável: eles não são pessoas que você pode fazer
negócios com ele. Na verdade, a implicação é que se os cristãos e os judeus foram mais amigáveis ​para os muçulmanos, amizade para com eles
estaria em ordem, não obstante a sua incapacidade de se converter ao islamismo.

E por que não foram os cristãos e os judeus sendo amigável? Se a crença é a força motriz, a resposta é fácil: os muçulmanos estavam pedindo
cristãos e judeus a abraçar uma religião que não queriam abraçar.
Mas lembre-se: a religião Muhammad queria que eles para abraçar era um reflexo da estrutura de poder que ele queria que eles aceitam. Ele
queria ser o seu líder político, e para eles para significar fidelidade através da concessão de que ele era o porta-voz designado para o único
Deus verdadeiro. Talvez a sua resistência a este pacote estava menos na sua dimensão teológica do que em sua dimensão política. Talvez eles
apenas dimensionada para ele e decidiu que não confiava em sua liderança nos assuntos do dia-a-dia, ou que seus objetivos políticos não eram
deles.

Considere o famoso “ruptura com os judeus” Segundo a tradição islâmica, Muhammad sucessivamente expulsou três tribos judaicas de
Medina (e com a terceira tribo “expulsos” é um eufemismo; ele executou seus homens adultos). As circunstâncias são nebulosos, mas em todos
os três casos, as explicações mais plausíveis tem a ver com fatos no terreno, fatos que apontam para tensões políticas subjacentes.

A primeira tribo, a Kaynuka, eram artesãos e comerciantes, e assim, como o estudioso Fred Donner argumentou, teria favorecido boas
relações com Mecca-uma posição em desacordo com crescente beligerância de Maomé para Meca. 36 A segunda tribo, a um-Nadir, parecem ter
desafiado a liderança da Medina de Muhammad depois que ele sofreu uma derrota militar em sua guerra contra Meca. 37

A terceira tribo, a Qurayzah, eram suspeitos de negociando secretamente para ajudar os habitantes de Meca durante uma batalha que, infelizmente para o
Qurayzah, Muhammad finalmente ganhou. Em nenhum caso foi a religião por si só o problema provável.

O ponto aqui é apenas que a incompatibilidade do Islã com o judaísmo eo cristianismo nos níveis de teologia e ritual pode não ter sido uma
inevitabilidade intelectual. projeto ecumênico de Maomé poderia concebivelmente ter conseguido teve suas implicações, especialmente políticos,
incluindo aceitação de Muhammad liderança-sido do agrado dos mais cristãos e judeus.

Nós provavelmente nunca saberemos com certeza, e uma das razões é que nós nunca saberemos exatamente o projeto ecumênico de
Maomé inicialmente era. Eu montei o projeto elementos-o ritual e teologia Muhammad abraçado, sua versão da história de Abraão -Desde o suras
de Medina como um todo. Mas as suras de Medina acumulada ao longo de uma década, e não temos uma idéia clara o suficiente de sua ordem
exata para dizer que os elementos se fundiram quando. Nós realmente não sabemos, por exemplo, se a sua história de Abraão era um que ele
tentou vender cristãos e judeus, ou se surgiu apenas depois que ele desistiu de convertê-los, e precisava tranquilizar os muçulmanos de sua
primazia abraâmico.

Para essa matéria, não sei mesmo o que converter cristãos e judeus sempre foi alta em sua lista de prioridades. Se de fato, como a
Constituição de Medina sugere, Muhammad inicialmente destinado a liderar uma comunidade diversificada e aceitar a autonomia religiosa das
tribos judaicas, talvez falha nesse esforço impediu de perseguir seriamente a meta mais ambiciosa de fusão intra-abraâmica.

Ainda assim, não é, em um Medinan sura, prova de uma grande ambição tais contrariado. Deus parece dizer Muhammad desistir de
pessoas unificadores ao nível do ritual: “Para todos os povos têm que nomeou observâncias que eles observam. Portanto, deixá-los não
contesta este assunto contigo, mas oferecê-los ao teu Senhor, porque tu és no caminho certo.” 38 Enquanto Muhammad foi orientando as
pessoas para o único e verdadeiro Deus, isso foi o suficiente, ou, pelo menos, tudo o que razoavelmente poderia esperar.

Será que o “Break com os judeus” realmente acontecer?

Há mais uma coisa que não sabemos, e é algo que praticamente nunca é posta em causa: se Muhammad de “romper com os judeus” realmente
aconteceu, ou, se isso aconteceu, se foi tão dramático como é dito têm estado.

A história padrão é que (a) os judeus resistem mensagem teológica de Maomé, observando contradições entre a Bíblia e seus ensinamentos;
(B) Muhammad essencialmente dá-se na conversão judaica, e os sinais neste turno em uma mudança gritante de ritual: os muçulmanos de
Medina estava orando em direção a Jerusalém, mas a partir de agora eles vão enfrentar Meca; (C) um por um, ele expele as tribos judaicas de
Medina, com a “expulsão” final tão sangrento que é mais perto de aniquilação.

Mas grande parte desta história repousa sobre a tradição oral islâmica que se desenvolveu após a morte de Muhammad; as referências
do Alcorão para tais eventos são muito mais vago. A chave verso ligada corânica por tradição oral para a final, violento confronto-se refere a
alguns “Povo do Livro” que ajudou o inimigo; e, como resultado “algum matou você [Muhammad], alguns que você fez cativo. E Ele [Deus]
legou sobre vós suas terras.” 39

Esta passagem poderia de fato, como amplamente assumido, referem-se a um incidente específico envolvendo judeus, mas também pode se
referir aos cristãos, uma vez que o termo “Povo do Livro” abrangeu ambos. Em qualquer caso, a tradição islâmica é famosa criativo em associar
versos corânicos enigmáticas com determinados acontecimentos históricos. Às vezes, um único verso do Alcorão é confiança atribuída por vários
pensadores muçulmanos diferentes para diferentes conjuntos de circunstâncias. 40 É a interpretação padrão desta passagem um exemplo de
criatividade?

Uma boa razão para suspeitar-lo seria se houvesse muçulmanos influentes nas décadas depois de Maomé morreu que teria beneficiado a
partir da ideia de que o Profeta estava em guerra com os judeus. Pode haver um tal muçulmana: Umar ibn al-Khattab, que se tornou o líder do
Estado Islâmico no
634, dois anos após a morte do Profeta.
Em 638, Umar conquistou Jerusalém. Nos livros de história esta é representado diretamente: o
Muçulmanos tomar Jerusalém do Império Bizantino Christian e afirmam que por sua fé, e algumas décadas mais tarde eles constroem sua
mesquita-o Domo da Rocha-em cima das ruínas do templo judeu que os romanos tinham destruído meio milênio antes. Mas essa história, também,
repousa em parte da tradição oral, e por isso não deve ser tomada pelo valor de face. Existem documentos antigos, escritos por pessoas fora da
tradição islâmica, que contam uma história diferente.

O documento mais antigo para dar uma explicação coerente do início Islam é uma crônica Armenian dos 660s atribuídos ao Bispo Sebeos. Ele
chama Muhammad um comerciante “ismaelita” e pregador que conhecia a história de Moisés e apresentou-se aos judeus “como se a ordem de
Deus.” E, nesta conta, os judeus estavam convencidos. Judeus e árabes “todos unidos sob a autoridade de um único homem.” Muhammad, em
seguida, exortou-os a recuperar a sua pátria comum, a terra prometida. “Vá e tomar posse de seu país que Deus deu a seu pai Abraão, e ninguém
será capaz de resistir a você na luta, porque Deus está com você.”

Este documento tem suas falhas como uma narrativa histórica. Leva histórias bíblicas sobre ismaelita linhagem e funde-los imaginativamente
em uma conta simplificada do início da história islâmica. Ainda assim, permanece o fato de que ele foi escrito há mais de três décadas depois de
Umar arrancou Jerusalém dos cristãos gregos do Império Bizantino, e que retrata os judeus e os árabes muçulmanos como uma frente militar unida.
“Estas são as tribos de Ismael. ... Tudo o que restava dos povos dos filhos de Israel veio a se juntar a eles, e eles constituíram um poderoso
exército. Em seguida, eles enviaram uma embaixada ao imperador dos gregos, dizendo: 'Deus deu esta terra como herança a nosso pai Abraão e
sua posteridade depois dele; somos filhos de Abraão; você manteve nosso país tempo suficiente; dar-se pacificamente, e não vamos invadir sua
território; 41

É uma perspectiva desorientador: contrário a tradição islâmica, e as histórias ocidentais desenvolvidas a partir dele, a conquista de Jerusalém
foi o trabalho não de um exército muçulmano, mas de uma aliança judaico-muçulmana. Estranho que pareça, no entanto, há outras razões para
tomar este cenário sério. Em particular, ele iria ajudar a dar sentido a uma característica intrigante de um documento anterior, um trabalho grego
das 630S que se refere a um “profeta que apareceu entre os sarracenos.” ( “Saracen” era uma palavra grega para os árabes e, mais tarde ,
muçulmanos.) o profeta afirma que “ele tem as chaves para o paraíso” -emite como Muhammad até agora, mas também proclama “o advento da
ungido que há de vir.” por que Muhammad, ou qualquer outro líder islâmico, seja comprando a idéia judaica de que o Messias ainda estava por
vir? Talvez porque ele era de fato intimamente ligada com os judeus,

Estas discrepâncias entre o relato islâmico padrão e as fontes não-islâmicos mais cedo escritos foram enfatizados no livro 1977 Hagarism, escrito
por dois jovens estudiosos do Islã, Patricia Crone e Michael Cook. Sua tese foi radical: Islam na verdade começou como um movimento que incluiu
judeus apocalípticos, e só muito depois da conquista de Jerusalém foi que esculpir uma identidade religiosa completamente distinta do judaísmo.
Neste cenário, o Alcorão foi na verdade compilado no século VIII, e não a sétima tentativa para reivindicar raízes profundas para uma nova fé de
Abraão; uma tentativa, isto é, para descrever uma nova religião tão antiga.

Esta tese teve uma recepção fria de estudiosos e não pegou. Mas você não tem que comprar todo o argumento de Crone e Cook para ver que
os dados que apontavam para exigir uma explicação: Por que o documento bizantina mais antiga que se refere claramente a Muhammad retratam
seu povo como aliado com os judeus, unidos na sua busca para retomar Jerusalém? Talvez porque essa é a verdade? E talvez depois da
conquista, quando finalmente foi um verdadeiro “ruptura com os judeus”, o sucessor de Muhammad Umar procurou justificá-la, atribuindo a Maomé
um antagonismo feroz em relação aos judeus do que ele realmente realizado?

Certamente, a conquista de Jerusalém por uma força combinada de judeus e muçulmanos teria fornecido uma ocasião natural para um
desentendimento. Os judeus teria esperado para ressuscitar o templo que foi destruído pelos romanos meio milênio antes. Se os muçulmanos
preferiram construir uma mesquita em ruínas do templo, a disputa poderia ter crescido aquecido. E, de fato, esse documento Armenian dos 660s
retrata uma discussão entre judeus e árabes sobre o terreno do templo, com os judeus reconstrução de um templo, mas, em seguida, sendo
expulsos pelos árabes. 42 Se a história padrão fosse verdade

- um exército de muçulmanos, muito divorciada dos judeus, marchando e tendo Jerusalém-lo é difícil imaginar qualquer judeus em Jerusalém
sequer se preocupar em começar um argumento que eles tinham tanta certeza a perder.
Mesmo que a tradição islâmica, e as histórias ocidentais padrão, atribuiu muito cedo uma data para a “romper com os judeus” que, na
verdade aconteceram após a morte de Muhammad, é improvável que toda a idéia de tensão entre Maomé e os judeus de Medina é composta. Há
também muitos versos corânicos que refletem tal tensão, e de fato a tensão com os cristãos, e eles fazem muito sentido. Dada ambições de
Maomé, seus dez anos em Medina teria apresentado, no mínimo, altos e baixos com cristãos e judeus.

Mesmo assim, vale a pena lembrar que o Alcorão não tinha congelado em um texto padrão quando Umar tomou posse. Na verdade, bem
depois de sua carreira e meio século depois de moedas islâmicas morte- de Maomé estavam sendo produzidos com inscrições do Alcorão que
divergem pelo menos um pouco do que se tornou o texto canônico. 43 Então não teria havido tempo para Umar e outros muçulmanos influentes para,
no mínimo, ser seletivo sobre qual dos versos corânicos divergentes fez o corte final. E, presumivelmente, qualquer reformulação temática
atendente do Alcorão teria tendência a atender
as necessidades das pessoas que controlavam a formação. 44

Distorção como o Norm

Seja qual for a verdade sobre a “romper com os judeus”, a fonte de nossa incerteza sobre o que é importante ter em mente. A saber: sucessores
imediatos de Maomé tinham interesse em distorcer sua mensagem. Isso não significa que eles fabricados partes do Corão fora do pano inteiro
(embora possam ter). Mas os manifestamente divergentes tradições início na formulação exata dos versos do Alcorão teria oferecido chances
para alterar o significado do livro, escolhendo quais tradições para desenhar. E ampliando essa latitude foi o fato de que as versões escritas mais
antigas (como as escrituras hebraicas primeiros escritos) não tinha vogais; as palavras auxiliado recitação, mas não eram definitivos. Sem dúvida
clérigos mais tarde, em escolher qual vogal para colocar o espaço em branco, ocasionalmente, encontraram-se com folga semântica real. E,
ainda, muito tempo depois de vogais foram fornecidos,

É concebível que há grande distorção do Corão situado após a morte de Muhammad. Mas se de fato a verdade sobre seus tempos evitou a
corrupção, que faria Islam único entre as religiões abraâmicas. Como vimos, a história judaica oficial lê para trás na história um monoteísmo mais
cedo do que é plausível. Os antigos israelitas, apesar dos protestos da Bíblia, foram finamente entrelaçada com esses cananeus-a politeístas ao
ponto de ser, assim, os cananeus politeístas.

E, apesar das reivindicações do evangelho cristão, o “Jesus histórico” foi com toda a probabilidade um judeu apocalíptico do tipo que você
esperaria encontrar vagando pelas aldeias da Palestina no seu tempo, esperando o dia em que Israel iria tomar o seu lugar de grandeza entre as
nações. A moral cosmopolitas atribuídos a inclusão lo-étnica, amor interétnico -foram ler de novo em sua mensagem, os cosmopolitas que mais
tarde fundou o cristianismo. E alguns pós-Jesus cristãos, talvez como pós-Muhammad muçulmanos, jogou-se uma espécie de “romper com os
judeus”; eles exagerada responsabilidade judaica pela crucificação.

In•short,•religions•that•reach•great•stature•have•a•tendency•to•rewrite•their•history•in•the
process.•They•cast•themselves•as•distinctive•from•the•get-go,•rather•than•as•growing•organically•out
of•their•milieu.•They•find•an•epoch-marking•figure•—a•Moses,•a•Jesus,•a•Muhammad—and•turn•him
into•an•epoch-making•figure.•They•depict•his•message•as•contrasting•sharply•with•a•backdrop•that, in•fact,•his•message•was•infused•with.

Para ter certeza, Muhammad, mais claramente do que Moisés ou Jesus, era um homem que, em seu próprio tempo, fez a diferença. Ele
fundou um governo e, a partir dessa base, ele travou uma guerra e paz de uma forma que lançou um império. Mas aqui, também, em seus
pronunciamentos sobre a guerra ea paz, a mensagem seria moldadas segundo a posteridade. Ainda hoje, alguns muçulmanos gostaria de
enfatizar sua beligerância salário -eles guerra santa e dizem que fazê-lo na melhor tradição do Profeta-enquanto outros muçulmanos insistem que
o Islã é uma religião de paz, na melhor tradição do Profeta.

Este argumento, o argumento sobre a doutrina da jihad, pode vir a fazer mais para moldar as relações entre muçulmanos e outras
religiões abraâmicas do que as muitas e diversas referências a essas crenças no Alcorão. Este argumento é o assunto do próximo capítulo.
Capítulo Dezessete

Jihad

Eu n meados do século XX, muitos pais americanos e europeus preocupados com a geração-a música alta mais jovem, as partes estridentes, o
desrespeito à autoridade. Enquanto isso, no Egito, um homem de meia idade chamado Sayyid Qutb estava reclamando não sobre a geração mais
jovem, mas sobre a sua própria. E o problema não foi rambunctiousness mas reserva.

Em um livro chamado Milestones, escrito nos anos 1950 e início dos anos 1960, ele se queixou sobre “o estado lastimável da atual geração
muçulmana” e citou, como Anexo A, a interpretação dominante da doutrina da jihad. A maioria dos juristas muçulmanos insistiu que a guerra santa
foi justificado somente quando uma nação muçulmana tinha sido atacada. Tais pensadores, disse Qutb, mal o Alcorão. Eles tinham “depuseram as
armas espirituais e racionais em derrota. Eles dizem: 'Islam prescreveu única guerra defensiva!' e acho que eles têm feito algo de bom para a sua
religião por privá-lo de seu método, que é abolir todas as injustiças da terra, para trazer as pessoas para a adoração de Deus somente, e trazê-los
para fora da servidão a outros para os servos do Senhor.” 1

Entre as coisas injustas que deve ser abolida, Qutb acreditava, eram insuficientemente regimes fundamentalistas nos países
muçulmanos. Um exemplo, o governo egípcio, tinha Qutb executado em 1966. Mas suas idéias viveu e influenciado, entre outros, Osama
bin Laden.
Após o triunfo tático de Bin Laden em 11 de setembro de 2001, um argumento eclodiu no Ocidente. Alguns, incluindo o presidente George
Bush, disse que o Islã é “uma religião de paz” que tinha sido “seqüestrado” por Bin Laden e outros radicais. Neste ponto de vista, os jihadistas
modernos não entendem o Alcorão e não entendem o Islã; a interpretação muçulmana predominante de que tão perturbado Qutb é a verdadeira
interpretação, fiel às palavras do Profeta.

Outros ocidentais, especialmente sobre o referido direito do Islã é uma religião de violência, e, nesse sentido reflete sua escritura. Há muitas
coisas que eles culpar muçulmanos radicais para, mas interpretando mal o Alcorão não é um deles.

Quem está certo? O Islã é uma religião de paz? De guerra? Em certo sentido, a resposta é a mesma que seria para qualquer outra religião
abraâmica. Ou seja: a resposta é uma reminiscência de Certs comerciais circa 1971, em que duas pessoas discutiam se Certs é uma doces de
hortelã ou um mint da respiração até que eles foram interrompidos por uma voz autorizada que disse: “Pare! Você é tanto o certo!”Religiões, como
deve estar claro agora, tem seus bons momentos e os seus maus momentos, suas boas escrituras e seus maus escrituras. A proporção de bom
escrituras maus varia entre as religiões abraâmicas, mas em todas as religiões é possível para interpretação benigna da escritura para florescer.
(Testemunhe a “triste estado da atual geração muçulmana” -a geração que a partir do jihad meados do século XX considerada uma doutrina de
guerra defensiva.) Em suma:

Ainda assim, existem perguntas tolas menos que você pode perguntar. É a doutrina da jihad enraizada firmemente no Alcorão?
Seria Muhammad aprovam o que os jihadistas estão fazendo? Ou, para colocar essa última questão em termos muçulmanos: Será que Deus-que
os muçulmanos acreditam inspirado Muhammad dizer o que ele diz na Koran- aprovam o que os jihadistas estão fazendo? Admitindo-se que as
respostas muçulmanos dão a estas perguntas irão variar ao longo do tempo, que as respostas são verdadeiras?

Muhammad em um tempo de guerra Footing

A palavra jihad significa “lutar” ou “luta”, e poderia se aplicar a qualquer coisa de lutas violentas, como guerras, para acalmar as lutas, como a luta
dentro de sua alma para fazer o certo. Na esteira de 11/09, algumas pessoas argumentaram que esta luta interna era o verdadeiro significado do
termo. Outros insistiram que a jihad refere-se a luta violenta contra os infiéis.

Quem está certo? Você não vai encontrar a resposta no Corão. Embora a forma verbal de jihad - jahada -
aparece muitas vezes no Corão, jihad per se-o substantivo-aparece apenas quatro vezes, geralmente na frase “se esforçando no caminho de Deus.” 2 E
dependendo de qual desses quatro versos que você escolhe, você poderia fazer o caso que a jihad é tanto sobre uma luta interna em direção a
disciplina espiritual ou sobre a guerra; não há “doutrina” da jihad no Corão. 3 Foi nas décadas e séculos após a morte de Muhammad que pensadores
muçulmanos transformaram jihad em um conceito legal, e eles estão discutindo sobre o seu significado exato desde então.

Para ter certeza, o Alcorão é relevante. É uma das duas fontes principais estes argumentos citar (o outro é o hadith, ditos do Profeta como
recordados na tradição oral). Mas pensadores muçulmanos em busca do Alcorão para o significado da jihad vão muito além daquelas quatro
presenças inconclusivos do substantivo jihad. Eles olham para as dezenas de usos da forma verbal jihad, em particular aqueles (talvez metade) que
ocorrem em um contexto militar. 4 E eles olham para o maior número de referências à luta militar que usam outro verbo. 5
Há uma abundância destes versos marciais nas suras de Medina, porque durante os anos de Medina Muhammad fez muita luta. Há chamadas
para medinenses para se juntar a batalha de Deus, e garante que aqueles que morrem em batalha vai encontrar um lugar no paraíso. Há
exortações para golpear o terror nos corações dos incrédulos, para matá-los, para cortar suas cabeças. Estes versos não deixam dúvida de que, às
vezes Muhammad sentiu que tinha licença de Deus para matar pessoas que não haviam se convertido ao Islã.

A questão é como restrito a licença foi. Quando Deus diz Muhammad ir matar infiéis que ele está dizendo que matar infiéis é sempre bom?
Ou Deus é mais como um oficial americano antes da invasão da Normandia exortando suas tropas para ir matar alemães não porque matando
alemães é sempre uma coisa boa, e não por causa de matar todos os alemães é uma coisa boa, mesmo no momento, mas sim porque, de modo
desde que uma guerra está ligado, matar o inimigo é o trabalho na mão?

Web sites de direita dedicada a mostrar a “verdade sobre o Islã” matriz queimando versos que parecem mostrar o Alcorão oferecendo uma
licença quase ilimitada para matar. (Alguns anos após 9/11, uma lista de “111 Jihad versos do Corão” foi publicado na freerepublic.com site
conservador.) 6 Mas quanto mais perto você olhar para o contexto destes versos, mais limitada a licença parece.

A passagem mais citada é o quinto verso da nona sura, muito conhecido pelos muçulmanos como o “verso Sword.” Ele foi citado por Osama
bin Laden em um manifesto famosa emitido em 1996, e em primeira leitura que parece dizer que bin Laden estaria justificado em caçar qualquer
não-muçulmano no planeta. 7 O versículo é muitas vezes traduzido coloquialmente, particularmente sobre estes de direita sites-Web como “matar
os infiéis onde quer que você encontrá-los.”

Esta tradução comum é errado. O versículo na verdade não mencionar “infiéis”, mas sim refere-se a “aqueles que se juntam a outros deuses
com Deus” -que seja, politeístas. Então, bin Laden não obstante, o “verso Sword” não é o mais forte base imaginável para atacar cristãos e judeus. 8

Ainda assim, mesmo se o verso da espada não estava destinado a cristãos e judeus, é inegavelmente sangrenta: “E quando os meses
sagrados são passados, matar aqueles que se juntam a outros deuses com Deus onde os achareis; e aproveitá-las, cercar-los, e se deitou esperar
por eles com todo tipo de emboscada.”Parece que só fuga de um politeísta deste destino é converter ao Islã‘ observa a oração, e pagar as esmolas
obrigatórias.’

Mas o versículo seguinte, raramente citado por ambos os jihadistas ou sites de direita, sugere que a conversão não é realmente
necessário: “Se qualquer um daqueles que se juntar deuses com Deus pediu um asilo de ti, conceder-lhe um asilo, que ele pode ouvir a
Palavra de Deus, e então deixá-lo chegar ao seu lugar de segurança.”Afinal, politeístas são‘pessoas desprovidas de conhecimento’. 9

E o seguinte verso sugere que tribos inteiras de politeístas pode ser poupado se eles não são uma ameaça militar. Se aqueles “que adicionar
deuses a Deus” feito “um campeonato [com os muçulmanos] no templo sagrado”, depois “, desde que eles são verdadeiras para você, sede fiel a
eles; porque Deus ama aqueles que o temem.”Para essa matéria, o versículo imediatamente antes o verso da espada também tira um pouco da
borda fora dela, que isenta de ataque “esses politeístas com quem sois na liga, e que terá posteriormente de forma alguma falhou você, nem
ajudado alguém contra você.” 10

Em suma, “matar os idólatras onde quer que você encontrá-los” não significa “matar os idólatras onde quer que você encontrá-los.” ​Isso
significa “matar os politeístas que não estão do seu lado nesta guerra particular.” 11

Presumivelmente, em particular as guerras eram contexto típico de versos-nos marciais do Corão caso em que as exortações de Muhammad
para matar infiéis em massa eram dispositivos motivacionais de curto prazo. Na verdade, às vezes a violência é explicitamente confinado a
duração da guerra: “Quando vos encontrar os infiéis, cortar suas cabeças até vos fizeram uma grande matança entre eles, e do resto fazer rápidos
os grilhões. E depois vamos lá, quer ser demissões livres ou ransomings, até que a guerra fez cair para baixo seus encargos “. 12

Claro, se você citar a primeira metade desse versículo e não o segundo semestre, como ambos os jihadistas e alguns comentaristas
ocidentais pode ser tentado a fazer-isso soa como uma sentença de morte para os incrédulos em todos os lugares e para sempre. O Corão contém
um número de tais linhas eminentemente misquotable. Repetidamente Muhammad faz uma declaração de que, em forma pura, sons puramente
beligerante
- e, em seguida, prossegue para fornecer a liga. Assim: “E acho que não é que os infiéis escapará Us ... Preparem então contra eles que vos
pode, e esquadrões fortes pelas quais podeis atacar o terror no inimigo de Deus e seu inimigo força!”. Em seguida, cerca de trinta palavras
mais tarde: “ e se eles se inclinar para a paz, a inclinar-te tu também a ela; e colocar a tua confiança em Deus “. 13

Se o Alcorão eram um manual para all-out jihad, ele consideraria incredulidade por si só causa suficiente para o ataque. Isso não acontece.
Aqui está um versículo que se pensa ser a partir do período de Medina tarde: “Deus não proibi-lo a lidar com bondade e justiça para com aqueles
que não fizeram guerra contra você por causa de sua religião, ou conduzido você diante de seus lares, porque Deus ama aqueles que agem com
justiça. Acaso Só Deus não permita que você faça amigos daqueles que, por causa de sua religião, ter guerreado contra vós, e levaram-no adiante
de suas casas, e ter ajudado aqueles que você dirigiu por diante “. 14

Além disso, mesmo quando a inimizade está em ordem, ele não precisa ser para sempre: “Deus, talvez, estabelecer boa vontade entre
vocês e aqueles deles a quem vós consideram ser seus inimigos: Deus é Poderoso:. E Deus é gracioso” 15
realpolitik

críticos modernos de Muhammad que pular cuidadosamente partes do Alcorão em acumular suas listas de “versos jihad” está certo sobre uma
coisa: Muhammad seguiu uma política externa expansionista, ea guerra foi um instrumento fundamental. Mas, para prosseguir com êxito uma
política desse tipo, e ele foi certamente bem-sucedido
- você tem que ter uma abordagem diferenciada para a guerra. Você não pode usá-lo gratuitamente, quando os seus custos excedem os seus
benefícios. E você não pode rejeitar aliados potencialmente votos só porque eles não compartilham de sua religião -especialmente quando seu
território é cercado por pessoas que não compartilham de sua religião. Muhammad pode ter sido agressivo, e pode até ter sido implacavelmente
agressivo, mas ninguém que realiza o que ele realizou poderia ser estupidamente agressivo. Assim, ele não poderia ter enunciado uma política
que literalmente significa que você deve lutar contra todos em sua vizinhança que não compartilha sua religião. Na verdade, se as versões padrão
de história muçulmana estão corretas, ele estava forjando alianças com tribos árabes não-muçulmanos até o dia que ele morreu. 16

Depois de ver Muhammad sob essa luz, como um líder político que habilmente lançou um império-as partes do Corão que levam à guerra
fazem todo o sentido. Eles são apenas imperialismo 101. Assim como os impérios bizantino e persas que o Império Islâmico seria em grande parte
deslocam, Muhammad usou uma combinação de guerra e diplomacia para expandir seu território. All-out jihad-ataque os infiéis onde quer que
você encontrá-los-wouldn't ter feito sentido para um poder militar incipiente, e é por isso que você não encontrá-lo no Corão.

Você encontrar algo parecido nas décadas após a morte de Muhammad. Agora um verdadeiro doutrina da jihad toma forma: muçulmanos,
diz-se, têm o dever de se envolver em luta-militar em curso quando necessário para expandir os limites do Islã. Na versão forte da doutrina, que
cristalizou mais de um século após a morte de Muhammad, o mundo está dividido entre o “House of Islam” e “House of War.” 17 The House of War é
a parte do mundo ainda trabalhando sob incredulidade, embora a doutrina islâmica atingiu-lo. Ela é chamada de House of War, porque o dever do
líder do Islam é lutar lá.

A extremidade dessa doutrina está em um intrigante sentido. Afinal, o Islã ainda era, nessas décadas Muhammad pós, uma potência
expansionista. Por que ele não iria preservar o nuance realpolitikal vemos na época de Muhammad, como refletido no próprio Alcorão? Talvez
houvesse vezes durante o rápido crescimento do Império Islâmico quando conquista do mundo, pelo menos, parte do mundo conhecido - parecia
ao seu alcance. 18

Em qualquer caso, porque pós-Muhammad pensadores optou por uma versão full-throated da jihad é apenas uma parte do quebra-cabeça.
Outra parte é como eles justificou. Como acabamos de ver, mesmo as partes mais beligerantes do Corão, encontrado entre as suras de Medina,
não formam uma base sólida para tal doutrina. 19

E muitos versos parecem contradizer uma versão full-throated da jihad-a maioria deles de Meca ( “Para você ser a sua religião; para mim a minha
religião”), mas alguns deles de Medina ( “Que não haja compulsão na religião”). 20

The Invention of Jihad

Então como é que os criadores da doutrina da jihad fazê-lo? Se o Alcorão é realmente a palavra de Deus, e não em si articular qualquer doutrina, como
é que os pensadores mais tarde muçulmanos conseguem vender a idéia de que a jihad tinha a bênção de Deus? Principalmente através de duas
manobras intelectuais.
Primeiro foi uma decisão crucial por juristas islâmicos sobre como resolver contradições internas no Corão. Eles decidiram que o mais
recentemente Muhammad havia pronunciado um verso do Alcorão, o mais provável era refletir a vontade permanente de Deus. 21 Esta interpretação
enviesada em direção a beligerância, uma vez que as suras anteriores, revelados em Meca, tendem a ser mais tolerante.

Em segundo lugar, os arquitetos da doutrina jihad não se limitam ao Corão. Eles desenhou no hadith, a tradição oral dos ditados de Maomé. E
aqui eles tinham uma miscelânea para escolher, porque não havia escassez de reivindicações sobre coisas Maomé teria dito.

Por exemplo, se você perguntou Muhammad para começar listando os valores básicos do Islã, o que ele diria? Opção A, a partir de uma
parte do hadith retransmitida por um homem chamado Abdullah ibn 'Amr: “Uma pessoa perguntou o Apóstolo de Deus, 'O que (tipo de) atos em ou
(o que qualidades de) Islam são bons'? Ele respondeu: 'Para alimentar (os pobres) e cumprimentar aqueles que conhece e as pessoas que você
não sabe.'”Opção B, a partir de uma parte da hadith que vem de um homem chamado Abu Hurayra:“Deus do Apóstolo foi questionado 'Qual é a
melhor ação?' Ele respondeu: "Para crer em Deus e Seu Mensageiro (Maomé). A pergunta, em seguida, perguntou: "Qual é a seguinte (em
Deus)? Ele respondeu: 'Para participar na jihad pela causa de Deus.'” 22

Para o jihadist aspirante, B é a escolha preferida.


Claro, é possível que Muhammad, em dois modos diferentes, disse que essas duas coisas diferentes em resposta a essencialmente a mesma
pergunta. Mas não há nenhuma razão para pensar assim. O hadith passou muito mais tempo na transmissão oral sheerly antes de ser escrito do
que o Corão fez. 23 Esta longa fase de fluidez era estação aberta para as pessoas que queriam dar o seu animal de estimação faz com que a
validação do Profeta. Isso não significa que eles eram conscientemente desonesto. Significa apenas que a memória é uma coisa, como engraçado
é o processo pelo qual as pessoas decidem cujas memórias têm o anel de verdade.
Aqui, por exemplo, é um discurso jihadista atribuído a Muhammad, que não pode ter sido escrito para baixo até que mais de um século depois
de sua morte: “ 'Não há deus senão Alá' Recebi ordens para combater todos os homens até que eles dizem” 24 Se Deus realmente deu este fim de
Muhammad, que praticamente liquidar a questão de saber se a jihad é uma doutrina divina, porque a liminar para lutar contra “todos os homens” é
claramente universal. Mas é curioso que Muhammad diria Deus ordenou-lhe para fazer isso quando o próprio-o Alcorão registro em tempo real de
coisas que Deus ordenou Muhammad dizer e fazer-não tem nenhum traço de qualquer ordem. É, afinal, um fim muito importante.

O Koranless Jihad

É em um sentido surpreendente que a jihad, uma doutrina levado a sério por pensadores muçulmanos ao longo dos anos, não tem base sólida em
que eles consideram o registro mais confiável de Maomé, e Deus, enunciados. Em outro sentido, é par para o curso. A moral consistente da
história das religiões abraâmicas é que qualquer livro de escrituras pode ser colocado para uma grande variedade de usos.

Mas, se a má notícia é como escritura maleável é, que também é a boa notícia. Sim, quando você vê seus interesses opostos aos de um outro
grupo, você pode encontrar validação bíblica de animosidade. Mas quando seus interesses parecem estar em cooperação com outro grupo, você
pode encontrar a sua contenção aconselhamento Deus.

Esta segunda fio da espada foi ilustrado por sucessores de Maomé como o Império Islâmico cresceu e algumas das suas fronteiras
estabilizadas. Até o início dos 800s, apenas algumas décadas após pensadores muçulmanos haviam dividido o mundo entre um “House of Islam” e
“House of War”, um jurista islâmico seminal havia declarado que houve realmente uma terceira casa: a “Casa da Trégua ou Tratado “. 25 E no final
dos anos 800s, outro pensador islâmico tinha rotulado guerra em nome do Islã a “jihad menor” e disse, “o maior jihad é a luta contra o self.” 26 Como
vimos, essa idéia de dois tipos de jihad é consistente com os diferentes usos do termo no Corão. Mas com base em quê que alguém diria que foi
maior e que era menor? O hadith para o resgate! Por uma conta, Muhammad ele mesmo tinha dito muçulmanos retornam da guerra, “Você voltou
da jihad menor para o maior jihad.” Esta conta era tarde para a superfície, mas melhor tarde do que nunca.

Uma doutrina especialmente importante era kifaya fard ideia -o que a jihad, embora um dever, era um
dever comum, não um direito individual. 27 Então, se a guerra parecia impróprio em sua parte do império, você poderia viver uma vida ainda devota
pacífico, seguro no conhecimento de que em algum lugar, algum muçulmano estava lutando em nome do Islã.

Mas todas essas influências moderadoras foram reféns de fortuna. Eles podem dominar quando a cooperação com os países vizinhos, ou
pelo menos uma coexistência pacífica, parecia auspicioso, mas as coisas podem sempre mudar. Quando os muçulmanos estavam sendo
atacados, a definição de jihad mudou de kifaya fard
para fard aynl Compete dever -a em cada muçulmano. Quando cruzados cristãos alcançou a Síria, por exemplo, um tratado publicado em
Damasco anunciou a mudança para fard aynl. 28 Como sempre, oscilações entre o non-zero-sum e de soma zero poderia mudar o humor de
uma religião.

The Price of Tolerance

A maleabilidade da doutrina da jihad era tão evidente dentro das fronteiras do Islã como ao longo deles. Embora fazendo todo o mundo a “Casa
do Islã” parece implicar transformando todos que você subjugar para um muçulmano, esse objetivo, se era já parte da jihad, não ficar assim por
muito tempo. Os mais incrédulos você subjugar, mais claro se torna que seu antagonismo em curso não será um trunfo, e menos atraente é a
possibilidade de incorrer em sua ira coagindo-os em conversão. Uma vez que você tem um império para ser executado, a menos atrito dentro
dela, melhor.

Aqui, novamente, uma orientação útil pode ser encontrada nas escrituras, desde que você olhou duro o suficiente. O verso do Alcorão que
mais se aproxima chamando para a jihad em escala global também tem uma brecha crucial. Ele começa, “fazer guerra contra tais daqueles a quem
as Escrituras foram dadas como não acreditam em Deus, ou no último dia, e que não proíbem o que Deus e Seu Mensageiro proibiram,” mas
depois termina, “até que eles prestar homenagem fora de mão, e eles ser humilhado.” 29 No final, o dinheiro iria substituir fidelidade teológica.

Não havia nada de novo sobre isso. impérios antigos expandiu tanto quanto era possível e exigiram tributo de seus estados vassalos. Que,
afinal, era a metade ao ponto de ser um império. O Império Romano tinha feito isso, e por isso teve os dois impérios que o Islã agora estava
tomando terras de-Império Persa eo herdeiro oriental do Império Romano, o Império Bizantino. Então súditos do Império islâmico emergente não
deve ter encontrado os impostos que lhes são impostas desorientador.

Na verdade, alguns cristãos preferiram os novos senhores muçulmanos para os antigos cristãos. O Império Bizantino tinha lutado seitas cristãs
heréticas, enquanto que para os muçulmanos, cristão era um cristão; contanto que eles pagaram os seus impostos, hereges podiam adorar o que
quisessem. Foi ganha-ganha: os cristãos anteriormente reprimidas tem sua liberdade por um preço que consideram uma pechincha, e os
governantes muçulmanos tenho paz dentro de seu império e, ainda por cima, uma fonte estável de receita. Na verdade, cerca de 700, governantes
muçulmanos banido conversão ao Islã para que a queda de receita. 30
Foi uma manobra hábil que os sucessores de Maomé tirou: declarar guerra contra um povo por causa de sua religião e, em seguida, pouco
depois da conquista, sentir tolerância brotando. Felizmente, governantes islâmicos teve a ambiguidade do Alcorão para apoiá-los. Eles citaram a
liminar corânica contra a “compulsão na religião”, uma passagem que, talvez, tinha diminuído para as margens da sua consciência durante a
própria conquista, de volta quando versos mais pungentes veio à mente. 31

E então houve o hadith sempre flexível. Quando se pronuncia sobre os incrédulos, os muçulmanos lembrou que Maomé disse: “Se eles se
converter ao Islã é bem; se não, eles permanecem (em sua religião anterior); na verdade, o Islã é grande.” 32 Isso a partir do mesmo homem que
supostamente tinha dito: “Recebi ordens para combater todos os homens até que eles dizem 'Não há deus além de Deus'.”

Às vezes não havia contradição entre estas declarações. Indivíduos que eram judeus, de fato, acreditam que não havia deus, mas Deus
mesmo que não tinha se convertido ao Islã. Assim também com os cristãos (mesmo que seu monoteísmo foi um pouco suspeito à luz da divindade
de Jesus). Conquista das terras em grande parte cristãos da Síria e do Egito, então, implicava pouca alteração doutrinária. “Povo do Livro”,
dizia-se, foram autorizados a manter a sua religião.

Mas o que sobre a conquista de terras persas? Aqui tolerância da fé nativa, zoroastrismo, levou criatividade. Afinal, zoroastristas não têm
escrituras dedicadas à abraâmica-deus e por isso não foram em nenhum sentido claro “Povo do Livro”. Mas, hey, os zoroastristas tinha um livro de
escrituras-Avesta-então eles estavam em alguns senso Povo do Livro, ou pelo menos, as pessoas de uma Livro. Conclusão: eles poderiam ser
tolerada, também! 33 E depois, como conquistas muçulmanas espalhar profundamente em Ásia, descobriu-se que havia uma maneira de estender
essa idéia-taxas básicas em troca de tolerância-to budistas e hindus. 34 E governantes muçulmanos na África decidiu que não, também, politeístas
pode ser tolerado.

No final, o modus operandi básico do Império Islâmico foi o mo básico para impérios antigos: conquistar e depois de impostos. E um imposto
facilmente coletados requer pax todo o Império, seja Pax Romana ou Pax Islamica.

Ao longo dos séculos, a tolerância islâmica de cristãos e judeus (como tolerância cristã dos muçulmanos e judeus) iria flutuar. Como
conversão voluntária ao Islã definir em por vezes, com o objetivo de escapar do imposto, por vezes, com o objetivo de facilitar a progressão na
carreira, a população de cristãos diminuiu para um ponto onde os muçulmanos achei menos crucial para ficar em bons termos com eles. Esta
mudança de atitude presumivelmente aumentou o incentivo para se converter ao islamismo. Judeus, mais avessos a conversão, ficou intacta e por
vezes confrontados perseguição. Mas no cômputo geral, como o estudioso Claude Cahen observou, Islam mostraram mais tolerância em relação
aos judeus ao longo dos séculos que fizeram a Europa cristã. 35

Enquanto isso, a reinterpretação da jihad continuou e continuou, balançando entre truculência e reserva conforme as circunstâncias garantido.
No início do século XX, muitos pensadores muçulmanos tradicionais tinha despojado a doutrina de suas conotações ofensivas: islâmico “guerra
santa” foi justificado apenas em auto-defesa. 36 Esta convergência com vista ocidentais sobre guerra justa é, naturalmente, o que levou Sayyid Qutb
a queixar-se em meados do século XX sobre “o estado lastimável da geração atual muçulmano.” A reclamação de Qutb prenunciou o
ressurgimento de interpretações militantes da jihad. E aqui estamos.

Muhammad e bin Laden

Agora, de volta às nossas perguntas anteriores: é a doutrina da jihad enraizada firmemente no Alcorão? Será que Muhammad aprovam
o que os jihadistas estão fazendo? Será que o Deus do Alcorão aprova?
A resposta à segunda pergunta é “quase certamente não.” Não há nenhum indício em qualquer lugar, e não no Corão, não no hadith -que
Muhammad iria aprovar a matança de mulheres ou crianças, uma prática favorita dos jihadistas modernos.

A resposta à primeira pergunta e ao também terceira é negativo. o doutrina da jihad, a doutrina de que jihadistas modernos citam, surgiu após
a morte de Maomé, e o Corão não fornece nenhuma base sólida para isso. Na verdade, que os autores da doutrina dependiam tanto ditos
atribuídos ao Profeta - e que essas atribuições muitas vezes apareceu um suspeitosamente muito tempo depois que ele viveu é o próprio
testemunho de quão difícil seria para a terra jihad no Corão.

Mas há uma questão maior: Será que a doutrina da jihad realmente importa muito de qualquer maneira? Apesar de Osama bin Laden era um
herdeiro indireta de Sayyid Qutb, e apesar de bin Laden enfatiza a “verso Espada”, que quando lido isoladamente parece justificar a jihad ofensiva,
ele não, no final, implantar essa doutrina. exortações de Bin Laden para lutar contra a América, como em seu manifesto de 1996 envolvem uma
recitação ritual de crimes dos Estados Unidos contra o Islã; há sempre alguma provocação que não seja meramente sendo incrédulos. 37 Ele sempre
consegue lançar a jihad em questão como em certo sentido, um ato de defesa.

E por aí vai. Quando as pessoas sentem como luta, eles são muito bons em esbarra com razões pelas quais a luta é -reasons justificados por
que Deus está do seu lado. A doutrina da jihad ofensiva pode, em teoria, salvar uma pessoa o tempo de formular provocações específicas, mas no
fato de que o tempo vai ser gasto de qualquer maneira. psicologia humana é tal que é infinitamente raro ataque preceder
queixa, independentemente da quantidade de criatividade criação da queixa requer.
Nada disso é para dizer que a escritura não importa. Se você está recrutando homens-bomba, é importante que o Alcorão diz mártires que
morrem na guerra santa ir para o céu, e que ele pinta delícias celestiais com tais brio. (E isso importava que os soldados cristãos das cruzadas
poderia imaginar ruas celestes pavimentadas com ouro enquanto marchavam para a guerra.)

Outras partes da matéria Corão, também. Presumivelmente, se você gastar muito tempo recitando versos que abraçam o tormento de
seus inimigos, que são mais propensos a abraçar seu tormento, e talvez até mesmo fazer o mesmo atormentando. E, certamente, o Alcorão
apresenta muitos desses versos.
Para ter certeza, no Corão como um todo, os “versos jihad” são uma pequena fração dos versos que abraçam o tormento de inimigos
do Islã. A maioria desses versos não são sobre os muçulmanos punir infiéis no aqui e agora, mas sim de Deus punir infiéis em vida após a
morte.
Ainda assim, é possível que essas visões de retribuição divina na vida após a morte acabam retribuição humana encorajador no mundo real?
São madrassahs em que os homens jovens cantar o Corão, e de fato memorizar o livro todo, incitar a violência fora de proporção com a
beligerância encorajados no próprio livro? Sim, isso é possível. (Assim, podemos ser gratos que muitos desses jovens em lugares como Paquistão
e Afeganistão não falam árabe e por isso não compreendo versos que estão memorizando foneticamente.)

assuntos das escrituras o suficiente para que, se pudéssemos magicamente substituir o Corão com um livro da nossa escolha, ou poderia
magicamente substituir a Bíblia com um livro da nossa escolha, poderíamos provavelmente fazer muçulmanos, judeus e cristãos pessoas melhores.
Mas não temos essa opção. Então temos sorte que a escritura não é tão importante na formação do comportamento como as circunstâncias no
terreno, as circunstâncias que moldam a interpretação das Escrituras. Circunstâncias pode ser teimoso, mas pelo menos eles não estão fixos na
impressão.
Capítulo Dezoito

Muhammad

W ho era Muhammad? Depende de quando você olha para ele. Nós já vimos sua semelhança, em vários momentos de sua carreira, com dados
anteriores na tradição abraâmica, nomeadamente Moisés e Jesus. Há outros personagens bíblicos poderíamos adicionar à lista. Na verdade, é
possível retratar toda a carreira de Muhammad como uma espécie de rodízio entre antecessores abraâmicas.

Foi em Meca que Muhammad tinha muito em comum com Jesus. Ele levou um pequeno grupo de devotos, alertando que Judgment Day
estava por vir. A mensagem caiu em ouvidos surdos, depois que ele começou a soar um pouco como Segundo Isaías. Segundo Isaías, mesmo
suportando a humilhação do exílio, tinha sonhado um dia em que as nações que haviam oprimido seu povo vai se curvar a um Israel restaurado e
ao seu Deus. Agora Muhammad imaginou seus perseguidores presentes recebendo sua punição como sua fé no único Deus verdadeiro foi
grandiosamente vindicado. Em detalhe glorioso, ele imaginou o Dia do Julgamento, uma e outra vez.

Em seguida, ele passou algum tempo como uma espécie de Moisés, levando seus seguidores perseguidos em direção à terra prometida, na
cidade de Medina. Em Medina ele veio a se parecer com o apóstolo Paulo. Paul tinha tentado convencer existentes Abrahamics-judeus-que a sua
marca da fé de Abraão era essencialmente a mesma que a deles, mesmo se ele tinha algumas novas torções. Muhammad fez muito mesmo caso
para os Abrahamics de sua época, um grupo que, graças a apenas um sucesso misto de Paulo, agora incluídos tanto judeus como cristãos.
Muhammad tinha pouco se qualquer mais sucesso do que Paul; a maioria de seus seguidores, ao que parece, veio das fileiras dos pagãos.

Mas há uma grande diferença entre Maomé e Paul. Paul estava trabalhando totalmente fora do poder político formal, e não tinha
escolha real sobre isso. Sua igreja nascente teve de se contentar por ser uma organização não governamental. Muhammad, em
contrapartida, poderia aspirar a executar um governo municipal, e ele conseguiu, garantindo o controle de Medina.

Agora o lado Pauline de Muhammad caiu, e ele começou a assemelhar-se o rei Josias, o homem que colocou os antigos israelitas no caminho
para o monoteísmo no curso de reunir o poder. Para Muhammad, como por Josias, a devoção exclusiva a Deus para que ele exigiu foi entrelaçada
com- era quase idêntica à-obediência política que procurava. E, como Josias, Muhammad queria expandir o escopo de obediência, através de
conquista, se necessário.

Então, isso é Muhammad: uma recapitulação de um homem de alguns grandes momentos da história de Abraão, não exatamente em ordem
cronológica. Se a tese principal deste livro é correto-se o tom da escritura é definido pela circunstância de sua criação, então você esperaria
passado duvidoso de Maomé para deixar um legado bíblico que desafia fácil generalização. Se os últimos capítulos mostram nada mais, eles
mostram isso.

Mas generalizar devemos. Os paralelos entre as circunstâncias e as circunstâncias de autoria bíblica de Maomé levantar uma questão que as
pessoas tendem a aumentar de qualquer maneira: Como o tenor da escritura islâmica comparar com o teor das Escrituras judaica e cristã? Na
verdade, essa é a maneira educada de colocá-lo. O que muitas dessas pessoas querem saber é: Qual a Escritura é, você sabe, melhor? Que é no
mais alto plano moral? Que esta é uma questão que não pode facilmente responder não significa que é uma questão que não deve enfrentar. As
religiões não são redutíveis a uma lista de qualidades morais, mas comparando-os através de uma tal lista tem seus aspectos esclarecedores.

Amor Fraterno, e Ódio

O Alcorão louva aqueles que “dominar sua raiva e perdoar os outros! Deus ama os benfeitores “. Tais valores tinha sido na tradição abraâmica já
que a Bíblia hebraica foi escrito. Na verdade, esses valores são uma característica de praticamente todas as tradições. As tensões entre as
pessoas deve ser subjugada para qualquer sociedade, ou qualquer religião, ser coerentes, e a punição por falta de coerência é muitas vezes
extinção. (Se o próprio povo não pereça, a cultura pode.) Afinal de contas, muitas vezes há um grupo competindo prestes a lucrar com desordem.
O Alcorão é bastante explícito sobre a lógica: “Os infiéis emprestar um ao outro ajuda mútua. A menos que vocês façam o mesmo, haverá
discórdia na terra e grande corrupção “.

1 Esta natureza, em última análise pragmática da ligação intrasocial pode drenar escrituras aparentemente nobres de seu idealismo. Como vimos,
os estudiosos duvidam que a Bíblia Hebraica de “Ama o teu próximo como a ti mesmo” foi concebido para se estender além das fronteiras do
antigo Israel. Algumas das odes do Alcorão para o amor fraterno são suficientemente sincero para não precisam de tal deflação acadêmica. “Só os
fiéis são irmãos”, diz um sura atribuída ao período de Medina tarde. Outra relação ao mesmo período diz que companheiros de Maomé são
“veemente contra os infiéis, mas cheio de ternura entre si.” 2

Este é um longo caminho a partir do “Amai os vossos inimigos” passagem atribuída a Jesus. Então, novamente, como vimos, Jesus provavelmente
nunca disse isso de qualquer maneira. E a pessoa que provavelmente fez injetar a idéia
para o cristão escritura-Paul-era um mero proselytizer que não podia dar ao luxo de antagonizar inimigos poderosos de seu movimento. Ele era,
em suma, como o Muhammad dos primeiros anos de Medina, ou a Muhammad de Meca, a Muhammad, que disse que “afastar o mal com o que é
melhor” e para saudar antagonistas, dizendo: “Paz”. 3

Um análogo judaica de Paulo, e do Meca Muhammad, foi Filo de Alexandria. Vendo que uma guerra inter condenaria judeus no Império
Romano, Philo encontrou mensagens de tolerância em sua escritura e peças criativamente minimizou do Deuteronômio em que Deus diz aos
israelitas para abate infiéis.

Esses versos estão associados com o rei Josias. Não por acaso, as