Você está na página 1de 17

@medresumosoficial

Arlindo Ugulino Netto • interMEDRESUMOS 2018

interMEDRESUMOS 2018 Arlindo Ugulino Netto

interMEDRESUMOS 2018 Arlindo Ugulino Netto

RESUMO DE MICROBIOLOGIA

ANTIBIÓTICOS

Principais bactérias GRAM POSITIVAS de importância médica

Cocos Gram Positivos

Staphylococcus

- Coagulase positivos: S. aureus (foliculites, abscessos, celulite, endocardites, pneumonia grave, etc.).

- Coagulase negativos: S. epidermidis (endocardite precoce em valva protética); S. saprophyticus (causa ITU).

Streptococcus

- Beta-hemolíticos:

Grupo A: S. pyogenes (causa faringite, escarlatina, piodermite, febre reumática, glomerulonefrite).

Grupo B: S. agalactiae (causa infecções em neonatos: meningite, bacteremia, sepse).

- Não beta-hemolíticos: S. pneumoniae / Pneumococo (são alfa-hemolíticos; causadores clássicos da

pneumonia); S. bovis.

-

Grupo viridans: são alfa-hemolíticos ou não hemolíticos frequentes nos dentes; podem causar abscessos

dentários ou endocardite subaguda (em valva nativa). Ex: S. milleri; S. mitis; S. mutans; S. salivarius.

Enterococcus

E. faecalis; E. faecium.

Bacilos Gram Positivos

Aeróbicos

-

Bacillus: B. anthracis; B. cereus.

Listeria: Listeria monocytogenes (causadora de meningite em recém-nascidos, pacientes após 55 anos, gestantes, imunossuprimidos, após neurocirurgias ou com infecção de shunts).

-

- Corynebacterium: C. diphtheriae; Corynebacterium sp.

- Nocardia: N. asteoides; N. brasiliensis; N. farcinica.

Anaeróbicos

Clostridium: C. tetani (causador do tétano); C. botulinum (causador do botulismo); C. difficile (causador da colite pseudomembranosa); C. perfrigens (causador da gangrena gasosa).

-

-

Actinomyces: A. israeli.

Principais bactérias GRAM NEGATIVAS de importância médica

 

Cocos Gram Negativos

 

Neisseria

Ex: N. meningitidis / meningococo (causador da meningite meningocócica); N. gonorrhoeae / gonococo (causador da uretrite gonocócica ou gonorreia).

-

Bordetella

-

Ex: B. pertussis (causador da coqueluche); B. parapertussis (coqueluche com sintomas mais brandos).

Bacilos Gram Negativos entéricos

 

Aeróbicos

-

Ex: Escherichia coli (principal causa de ITU); Klebsiella pneumoniae (causador de pneumonia grave);

Enterobacter sp.; Citrobacter sp.; Proteus sp.; Salmonella sp. (causador de diarreia aguda e osteomielite em falcêmicos); Shigella sp. (principal causa de disenteria em nosso meio); Yersina pestis; Helicobacter pylori

(relacionada com gastrite); Pseudomonas aeruginosa (causadora de infecções hospitalares); Acinetobacter baumannii; Stenotrophomonas maltophilia; Burkholdelia cepacia; Aeromonas sp.; etc.

Anaeróbicos

-

Ex: Campylobacter jejuni (principal causa de disenteria nos países desenvolvidos); Bacteroides; etc.

Bacilos Gram Negativos não-entéricos

 

Aeróbicos

-

Ex: Bordetella; Haemophilus influenzae (causador de otite média aguda e sinusite aguda); C. granulomatis.

Anaeróbicos

- Ex: Actinobacilus.

 

Outros

Espiroquetas

-

Ex: Borrelia burgorferi (doença de Lyme); Leptospira (leptospirose); Treponema pallidum (sífilis).

Bacilos álcool-

Ex: Mycobacterium avium-intracellulare; Mycobacterium tuberculosis kansasii; Mycobaterium leprae (hanseníase); Mycobacterium marinum.

-

(tuberculose); Mycobacterium

ácido resistentes

Miscelânea

-

Ex:

Chlamydya

trachomatis

(cervicite);

Chlamydya

pneumoniae

(pneumonia

atípica);

Mycoplasma

pneumoniae (pneumonia atípica); Pneumocystis carinii; Ureaplasma urealyticum, etc.

 

@medresumosoficial

Arlindo Ugulino Netto • interMEDRESUMOS 2018

CLASSIFICAÇÃO DOS ANTIBIÓTICOS

- Quanto à farmacodinâmica: para melhor acertar a posologia e os intervalos de tempo necessários para a terapia antibiótica, essas drogas podem ser classificadas de duas formas:

Tempo-dependente: o feito antibiótico depende do tempo acima da concentração inibitória mínima bacteriana. Neste caso, os antibióticos necessitam de uma ação constante acima da concentração inibitória mínima para realizar sua ação bactericida. Ex: β-lactâmicos; Macrolídeos.

Concentração-dependente ou Dose-dependente: dependente da concentração durante o pico sérico. Neste caso, não há uma relação temporal muito forte, e o antibiótico pode ser administrado em dose única diária, de forma que haja um pico evidente em sua concentração. Ex: Aminoglicosídeos (inclusive, a administração em dose única diária desta classe de antibióticos é preferível à administração fracionada, pois reduz os riscos de nefrotoxicidade); Quinolonas.

OBS: Concentração inibitória mínima (MIC) é a concentração (em µg/ml) necessária para um antibiótico inibir o crescimento bacteriano in vitro. Quando atinge uma concentração plasmática 4x superior a MIC, diz-se que o antibiótico é eficaz na prática.

- Quanto ao efeito antimicrobiano:

Bactericidas: Beta-lactâmicos; Glicopeptídeos; Aminoglicosídeos; Quinolonas; Rifampicina (BIZU: β-Glico-Amino-Quino).

Bacteriostáticos: Macrolídeos; Tetraciclinas; Sulfonamidas; Oxazolidinonas; Anfenicois; Lincosaminas.

- Quanto ao mecanismo de ação (farmacocinética):

Parede celular:

o

Beta-lactâmicos: Penicilinas; Cefalosporinas; Carbapenêmicos; Monobactâmicos.

o

Glicopeptídeos: Vancomicina; Teicoplanina.

Membrana plasmática:

o

Polimixina B.

o

Colistina (Polimixina E).

Síntese proteica:

o

Tetraciclinas (30S): Tetraciclina, Doxiciclina.

o

Aminoglicosídeos (30S): Gentamicina.

o

Macrolídeos (50S): Eritromicina; Claritromicina; Azitromicina.

o

Lincosamidas (50S): Clindamicina.

o

Anfenicois (50S): Cloranfenicol.

o

Oxazolidinonas (50S): Linezolida.

o

Estreptograminas: Quinupristina.

o

Glicilciclinas: Tigeciclina.

Ácido nucleico:

o

Quinolonas: Cipro; Norflox; Levo; Moxifloxacino.

o

Metronidazol.

o

Rifampicina: inibe a RNA polimerase dependente do DNA.

Competição com PABA:

o Sulfonamidas (Sulfadiazina, Sulfametoxazol): inibem a formação do ácido fólico.

DNA.  Competição com PABA: o Sulfonamidas (Sulfadiazina, Sulfametoxazol): inibem a formação do ácido fólico. 2

@medresumosoficial

Arlindo Ugulino Netto • interMEDRESUMOS 2018

1. BETA-LACTÂMICOS

 

Mecanismo de ação

Bloqueio da fase de transpeptidação do peptidoglicando: atuando sobre as PBPs (proteínas ligadoras de penicilina), impedem a ligação cruzada entre os proteoglicanos e inibem a síntese da parede celular.

 

Farmacodinâmica

Tempo-dependentes

Efeito antimicrobiano

Ação bactericida

Resistência

-

Alteração das PBPs, determinando diminuição da afinidade pelos beta-lactâmicos (Ex: pneumococo

 

resistente à penicilina; S. aureus MRSA, Enterococcus fecalis);

- Produção de beta-lactamases, que inativam o antimicrobiano (Ex: alguns S. aureus, Gram -, ESBL);

- Redução de porinas, com consequente diminuição da permeabilidade (Ex: P. aeruginosa).

1.1.

Penicilinas

- Classificação:

 
 

Penicilinas naturais ou Benzilpenicilinas: não cobrem a maioria das cepas de S. aureus (produtoras de penicilinases).

 

o

Penicilina G cristalina: reservada para infecções mais graves que indicam internação (ex: neurossífilis).

o

Penicilina G procaína: para infecções de gravidade intermediária (ex: erisipela).

o

Penicilina G benzatina (Benzetacil®): atualmente, tem uso reservado para as seguintes infecções:

faringoamigdalite (e profilaxia da febre reumática), piodermites estreptocócicas e sífilis que não envolva SNC.

Aminopenicilinas: Ampicilina e Amoxicilina. Conseguem atravessar as porinas da membrana externa dos Gram- negativos, tendo, portanto, relativa eficácia contra várias cepas delas ( H. influenzae, M. catarrhalis, E. coli, P. mirabilis, Salmonella sp. e Shigella sp.). Mantém também a eficácia contra os Gram positivos (como o estreptococo), porém não superior a da penicilina G. O Enterococcus fecalismantém um certo grau de sensibilidade à ampicilina/amoxicilina.

Penicilinas resistentes às penicilinases: Oxacilina e Meticilina. Atualmente, a oxacilina é considerada a droga mais eficaz contra o S. aureus, excluindo-se apenas as cepas MRSA (por isso, é comum diferenciar dois tipos de cepas de S. aureus: as cepas oxacilino-sensíveis e as cepas oxacilino/meticilino-resistentes MRSA; estas bactérias são sensíveis apenas aos antibióticos glicopeptídeos, como a Vancomicina e a Teicoplanina).

- Posologia das penicilinas:

 
 

Penicilinas G benzatina: 6-12 milhões U/dia

Amoxicilina-Clavulanato (Clavulin®, Sigma Clav®): 1g (875 + 125mg) VO/IV 8/8h ou 12/12h

 

Penicilina V (Pen-ve-Oral®) 250-500mg VO 6/6h

Oxacilina 1-2g IV 4/4h

Ampicilina-Sulbactam (Unasyn®) 1,5-3g IV 6/6h

Ampicilina 1-2g IV 6/6h

Ticarcilina-Clavulanato (Timentin®) 3,1g IV 6/6h

Amoxicilina: 500mg VO 8/8h; 1g IV 8/8h (Velamox®)

Piperacilina-Tazobactam (Tazocin®) 4,5 IV 6/6h

1.2.

Cefalosporinas

- Classificação e espectro de ação:

 
 

1ª geração (Cefazolina, Cefalotina, Cefalexina e Cefadroxila): Gram positivos (incluindo o S. aureus oxacilina-sensível) e alguns Gram-negativos (como a E. coli). A cefalotina e a cefazolina são muito utilizadas para profilaxia antibiótica intra- operatória e podem ser usadas para tratamento de infecções de pele e tecido celular subcutâneo.

 

2ª geração (Cefuroxima, Cefaclor): Gram positivos e alguns Gram negativos.

3ª geração (Cefotaxima, Cetriaxona, Ceftazidima): Reduzido para Gram positivos e amplo para Gram negativos. A Ceftriaxone, Cefotaxim e Cefodizima têm uma excelente cobertura contra S. pneumoniae, H. influenzae, M. catarrhalis e Enterobacteriaceae (E. coli, Klebsiella pneumoniae, etc.). Por isso, são drogas amplamente utilizadas para o tratamento de pneumonia comunitária, meningite bacteriana e infecções nosocomiais não causadas por P. aeruginosa, Acinetobacter sp. ou S. aureus (a Ceftriaxona, em especial, é um dos antibióticos mais prescritos em enfermarias). A Ceftazidime é uma das poucas cefalosporinas de 3ª geração que possui boa atividade contra Pseudomonas aeruginosa.

4ª geração (Cefepima): Amplo para Gram positivos e negativos, inclusive resistentes a beta-lactâmicos. Algumas cepas de P. aeruginosa são resistentes ao Ceftazidime, mas não às de 4ª geração (são, portanto, “drogas anti-pseudomonas”).

 

- Posologia das cefalosporinas:

 

1ª Geração

 

3ª Geração

 
 

Cefalotina (Keflin®) 1g IV 6/6h

Ceftriaxone (Rocefin®) 1-4g IV 1 a 2x/dia

Cefazolina (Kefazol®) 1,5g IV 6/6h

Cefotaxima (Claforam®) 1g IV 8/8h a 2g IV 4/4h

Cefalexina (Keflex®) 0,5-1g VO 6/6h

Ceftazidime (Fortaz®) 1-2g IV 8/8h

Cefadroxil (Cefamox®) 0,5-1g VO 12/12h

 

4ª Geração

2ª Geração

 

Cefepime (Maxcef®) 1-2g IV 12/12h

 

Cefuroxime (Zinacef®) 0,75-1,5g IV 8/8h

 

Cefaclor (Ceclor®) 250-500mg VO 8/8h

@medresumosoficial

Arlindo Ugulino Netto • interMEDRESUMOS 2018

1.3.

Carbapenêmicos

- Principais representantes: Imipeném; Meropenem; Ertapeném.

- São extremamente resistentes à clivagem pelas beta-lactamases das bactérias Gram-positivas e Gram-negativas, incluindo os

anaeróbios (incluindo Bacteroides fragilis). Além disso, são eficazes contra Pseudomonas aeruginosa (também são drogas “anti- pseudomonas”) e germes ESBL (produtores de betalactamase de espectro estendido).

As bactérias resistentes ao Imipenem/Meropenem são basicamente cinco: (1) S. pneumoniae com resistência alta à penicilina, (2) S. aureus MRSA, (3) Enterococcus faecium, (4) Stenotrophomonas maltophilia, (5) Burkholderia cepacia.

-

- Complicação clássica: crise convulsiva (particularmente o imipenem).

- Posologia dos carbapenêmicos:

 

Imipenem (Tienam®) 500mg IV 6/6h

Meropenem (Meronem®) 0,5 1g IV 8/8h

1.4.

Monobactâmicos

-

O único monobactâmico é o Aztreonam.

- Trata-se de um antibiótico beta-lactâmico monocíclico com atividade apenas contra Gram-negativos aeróbicos (semelhante ao espectro dos aminoglicosídeos). Não é eficaz contra nenhum Gram-positivo ou anaeróbio.

-

Posologia dos monobactâmicos:

Aztreonam (Azactam®) 1g IV 8/8h a 2g IV 6/6h

2.

GLICOPEPTÍDEOS

Mecanismo de ação

Liga-se aos peptidoglicanos que compõem a parede celular (N-metilglicosamina e ácido N- acetilmurâmico) e aos peptídeos que fazem as ligações cruzadas entre essas moléculas, inibindo a síntese da parede celular em bactérias Gram positivas. Não têm ação contra Gram negativos.

Efeito antimicrobiano

Ação bactericida; Ação bacteriostática com Enterococcus.

Resistência

- Resistência intrínseca: relação com genes do tipo vanC (espécies E. gallinarum e E. caseliflavus).

- Resistência adquirida: relação com os genes vanA e vanB (cepas de E. faecium e E. faecalis).

Comentários

São os antibióticos mais confiáveis para o tratamento de infecções por S. aureus MRSA e por S. epidermidis (coagulase negativo) nosocomial, muito incriminado na infecção de próteses e cateteres. Infelizmente, surgiram cepas de S. epidermidis e S. aureus com resistência intermediária - o S. aureus VIRSA, além do grupo conhecido como enterococo resistente à Vancomicina - VRE (para estes, podemos lançar mão das Oxazolidinonas, representadas pela Linezolida).

Representantes

-

Vancomicina: atinge boas concentrações terapêuticas no fígado, pulmão, rins, partes moles, etc.

Tem penetração limitada no SNC. É classicamente indicada para as cepas de S. aureus MRSA. Causa nefrotoxicidade. Efeito colateral clássico: eritrodermia difusa (“síndrome do homem vermelho”).

Teicoplanina: boa concentração tecidual prolongada, mas sem penetração liquórica. É uma boa alternativa para casos de MRSA em pacientes nefropatas.

-

Posologia dos

 

Vancomicina (Vancocina®) 1g IV 12/12h

Glicopeptídeos

Teicoplanina (Targocid®) 6mg/kg IV 12/12h

3.

AMINOGLICOSÍDEOS

Mecanismo de ação

Inibem a síntese proteica por se ligar irreversivelmente à subunidade 30S do ribossoma bacteriano, impedindo a inicialização da síntese peptídica.

Farmacodinâmica

Concentração-dependentes.

Efeito antimicrobiano

Ação bactericida.

Resistência

Alteração do sítio de ação ribossômico; Síntese de enzimas inativadoras.

Comentários

-

São drogas bastante eficazes contra a maioria dos aeróbios Gram-negativos, mas com pouca ou

nenhuma ação contra Gram positivos e anaeróbios (clássico).

- São contraindicados na gestação devido ao risco de toxicidade fetal.

- Os aminoglicosídeos estão entre os antibióticos com maior potencial de toxicidade. São basicamente

nefrotóxicos e ototóxicos. Um conceito de extrema importância: a toxicidade dos aminoglicosídeos pode ser bastante reduzida quando administramos a dose total diária em apenas uma tomada, sem entretanto comprometer a sua eficácia antibacteriana (pois são “concentração-dependentes”).

Representantes

Ex: Estreptomicina; Neomicina (uso limitado a formulações tópicas associadas a outros antimicrobianos e/ou corticoides, apresentando ação contra cocos Gram-positivos, como S. aureus); Gentamicina (tem maior penetração placentária; piora crise miastênica); Amicacina; Tobramicina.

Posologia dos

 

Gentamicina 5mg/Kg IV 1x/dia

aminoglicosídeos

Amicacina 15mg/Kg IV 1x/dia

Estreptomicina 15mg/Kg IM 1x/dia

Tobramicina 5mg/Kg IV 1x/dia

@medresumosoficial

Arlindo Ugulino Netto • interMEDRESUMOS 2018

4.

POLIMIXINAS

Mecanismo de ação

Ação sobre a membrana plasmática de bactérias Gram negativas. Ligam-se aos LPS da membrana externa e se integram à estrutura fosfolipídica da membrana plasmática, gerando a lise bacteriana.

Comentários

-

O espectro da polimixina é amplo, podendo eliminar qualquer germe Gram negativo. No entanto,

devido a sua intensa toxicidade (irritabilidade, sonolência ataxia, parestesias, nefrotoxicidade, rubor facial, distúrbios eletrolíticos, parada respiratória, etc.), ela é reservada para bactérias mais resistente (ex: Stenotrophomonas maltophilia, Acinetobacter spp, Pseudomonas aeruginosa).

-

Pode ser opção no tratamento de bactérias KPC (“Klebsiella pneumoniae carbapenemase”: tipo de

enzima que atua inibindo carbapenêmicos; pode ser encontrada em bactérias como K. pneumoniae, Pseudomonas sp., E. coli, etc.).

5.

QUINOLONAS

Mecanismo de ação

Bloqueio da atividade da topoisomerase tipo II (DNA girase) em Gram negativos e tipo IV em Gram positivos; atuação em bactérias em fase de crescimento estacionário.

Farmacodinâmica

Concentração-dependentes.

Efeito antimicrobiano

Ação bactericida.

Resistência

-

Mutações cromossômicas determinando menor afinidade da DNA-girase;

Redução das porinas com consequente diminuição de permeabilidade. Isso dificulta a penetração da droga na célula bacteriana e o contato com seu alvo de ação.

-

Comentários

-

As fluoroquinolonas possuem um excelente espectro contra aeróbios Gram-negativos, como o H.

influezae, M. catarrhalis, Neisseria sp., Enterobacteriaceae (E. coli, Klebsiella pneumoniae, Proteus sp.),

Shigella sp., Salmonella sp. e Pseudomonas aeuroginosa.

-

As “antigas” fluoroquinolonas (Norfloxacina e Ciprofloxacina) são consideradas as drogas de escolha

para o tratamento de diarreia por gastroenterite bacteriana e infecção urinária.

-

Em relação aos Gram-positivos, esta classe de antibióticos possui moderada eficácia contra S. aureus

oxacilina-sensível. No entanto, apenas as “novas” flouroquinolonas (Levofloxacina, Gatifloxacina e Moxifloxacina), também chamadas de “quinolonas respiratórias”, são ativas contra o restante dos cocos Gram-positivos, incluindo o S. pneumoniae (pneumococo) com alta resistência à penicilina.

-

Estudos ainda não comprovaram com eficácia a segurança das fluorquinolonas na gestação.

Em crianças, as fluoroquinolonas devem ser evitadas, se possível, pelo seu provável efeito prejudicial na maturação da cartilagem articular (embora tal efeito só tenha acontecido em cobaias de laboratório). Entretanto, algumas sociedades de pediatria já consideram o uso da Ciprofloxacino por

-

um curto período de tempo (3 dias, por exemplo) como a primeira opção no tratamento de diarreia infecciosa em crianças.

Representantes

-

“Antigas” fluoroquinolonas: Norfloxacina, Ofloxacina, e Ciprofloxacina (tem baixa concentração

pulmonar, apesar de ser utilizada como uma das drogas para a pneumonia por P. aeruginosa).

“Novas” fluoroquinolonas (“respiratórias”): Levofloxacina (sua maior eliminação renal faz com que seja droga de escolha na pielonefrite), Gatifloxacina e Moxifloxacina.

-

Posologia das

Norfloxacina (Floxacin®) 400mg VO 12/12h (ITU baixo: 400mg VO 12/12h por 3 a 5 dias)

quinolonas

Ofloxacina (Floxtat®) 200-400mg VO/IV 12/12h

Ciprofloxacina (Cipro®) 200-400mg IV 12/12h ou 500mg VO 12/12h (ITU alta: 250-500mg VO 12/12h por 7 a 14 dias)

Levofloxacina (Tamiran®) 250, 500 e 750mg VO, 1x/dia.

6.

TETRACICLINAS

Mecanismo de ação

Inibem a síntese proteica bacteriana, por se ligar na subunidade ribossomal 30S (tal como os aminoglicosideos), bloqueando a ligação do RNA transportador no complexo RNA mensageiro.

Efeito antimicrobiano

Ação bacteriostática.

Resistência

Alteração do sítio de ação ribossômico; Bombas de efluxo.

Comentários

As tetraciclinas são ativas contra S. pneumoniae e H. influenzae, podendo ser utilizadas como drogas alternativas (no caso, a Doxiciclina) no tratamento da sinusite e pneumonia sem complicações.

-

-

A doxiciclina é o antibiótico de escolha para o tratamento das ricketsioses (ex.: febre maculosa),

infecções por C. trachomatis (uretrite e cervicite), e uma excelente alternativa aos macrolídeos para infecções por M. pneumoniae e C. pneumoniae (germes causadores de pneumonia “atípica”).

Posologia das

 

Tetraciclina 250-500mg VO 6/6h.

tetraciclinas

Doxiciclina (Vibramicina®) 100mg VO/IV 12/12h

@medresumosoficial

Arlindo Ugulino Netto • interMEDRESUMOS 2018

7.

MACROLÍDEOS

Mecanismo de ação

Ligação à subunidade 50S dos ribossomos, inibindo a síntese proteica.

Farmacodinâmica

Tempo-dependentes.

Efeito antimicrobiano

Ação bacteriostática; Ação bactericida (dependendo de sua concentração).

Resistência

- Resistência intrínseca de enterobactérias;

- Resistência adquirida: mediada por plasmídios que codificam uma enzima capaz de modificar o RNA;

- Induzível: na presença do antibiótico;

- Constitutiva: cruzada para macrolídeos e clindamicina.

Comentários

- A Eritromicina é ativa contra a maioria dos Gram-positivos (S. pyogens, estreptococos do grupo

viridians, S. pneumoniae, S. aureus, etc.), germes “atípicos” da pneumonia (Legionella, M. pneumoniae,

C.

pneumoniae, C. trachomatis), cocos Gram-negativos (N. gonorrhoeae, N. meningitidis), o agente da

coqueluche (B. pertussis), da sífilis (T. pallidum), etc. Tem eficácia limitada contra H. influenzae,

reduzida contra E. fecalis e praticamente inexistente contra B. fragilis, P. aeruginosa e Acinobacter sp.

-

A Azitromicina e Claritromicina possuem o mesmo espectro da Eritromicina, mas com uma eficácia

maior contra certos germes Gram-positivos, como H. influezae, M. catarrhalis e L. pneumophila. Por outro lado, a Azitromicina é menos eficaz contra Gram-positivos (como o S. pyogenes, S. pneumoniae e

S. aureus) do que a Claritromicina e do que a própria Eritromicina.

- São considerados como droga de primeira escolha para pneumonia sem complicações, cuja decisão

terapêutica tenha sido por regime ambulatorial.

-

O Estearato de Eritromicina pode ser utilizado na gestação (diferentemente do Estolato).

Posologia dos

 

Azitromicina (Astro®) 500mg VO no 24/24h.

macrolídeos

Claritromicina (Klaricid®) 500mg VO/IV 12/12h.

Eritromicina (Eritromicina®, Eritrex®) 250-500mg VO 6/6h.

8.

LINCOSAMIDAS

Mecanismo de ação

Ligação à subunidade 50S dos ribossomos, inibindo a síntese proteica.

Efeito antimicrobiano

Ação bacteriostática.

Comentários

A Clindamicina possui uma atividade contra cocos Gram-positivos semelhante ao da Eritromicina, incluindo S. pyogenes, estreptococos do grupo viridians, S. pneumoniae e S. aureus.

-

A grande importância clínica da Clindamicina se baseia no fato desta droga ser ativa contra a maioria dos germes anaeróbios (sendo uma opção ao Metronidazol).

-

-

Ao inibir a produção de exotoxinas do S. pyogenes, a Clinda possui vantagem sobre a Penicilina G no

combate às infecções importantes de partes moles (ex: fasciíte necrosante, pé diabético infectado).

-

A Clindamicina é o antibiótico mais associado à ocorrência de diarreia. A colite pseudomembranosa,

causada pela toxina do Clostridium difficile, pode ser precipitada por uma série de antibióticos, mas a Clindamicina é o principal agente incriminado.

Posologia

Clindamicina (Dalacin®) 150-900mg IV 8/8h ou 150-450mg VO 6/6h.

9.

SULFONAMIDAS

Mecanismo de ação

Inibição, de forma competitiva, da enzima bacteriana diidropteroato-sintetase, responsável pela incorporação do PABA ao ácido diidrofólico, prejudicando a síntese de ácidos nucleicos bacteriana.

Resistência

Aumento da produção de PABA; Aquisição de diidropteroato-sintetase de baixa afinidade.

Comentários

-

O espectro antibacteriano do SMZ-TMP é bastante amplo: a maioria dos Gram-positivos e Gram-

negativos são sensíveis ao fármaco. Está indicado: cistite bacteriana, gastroenterite, infecções respiratórias altas, etc. A grande limitação ao seu uso é o aparecimento de cepas resistentes.

-

Certos Gram-negativos são resistentes a todos os beta-lactâmicos, porém mantêm a sensibilidade à

associação SMZ-TMP (Ex: Stenotrophomonas maltophila e a Burkholderia cepacia).

-

Germes resistentes: P. aeruginosa; B. fagilis, S. pneumoniae resistente à penicilina e Campylobacter sp.

Posologia

 

Sulfametoxazol-trimetroprim (Bactrim®) 400/80mg

Sulfametoxazol-tremetroprim (Bactrim® F) 800/160mg 12/12h por 10 a 14 dias

10. OXAZOLIDIONAS

Mecanismo de ação

Ligação à subunidade 50S do ribossomo bacteriano, impedindo a formação do complexo com a 30S.

Efeito antimicrobiano

Ação bacteriostática especialmente contra Gram positivos, incluindo cepas VIRSA.

Resistência

Rara.

Comentários

Possuem um excelente espectro de cobertura para germes Gram-positivos, incluindo o S. aureus MRSA, S. aureus VIRSA, o pneumococo resistente à penicilina e o enterococo VRE.

Posologia

Linezolida 600mg IV/VO, 12/12h.

@medresumosoficial

Arlindo Ugulino Netto • interMEDRESUMOS 2018

 

RESUMÃO DE MICROBIOLOGIA

 

Gram

Cocos

Staphylococcus: S. aureus; S. epidermidis.

 

positivos

Streptococcus: S. pyogenes; S. agalactieae; S. pneumoniae.

Enterococus: E. faecalis; E. faecium.

 

Bacilos aeróbicos

Bacillus ahtracis; Listeria monocytogenes; Corynebacterium diphttheriae.

Gram

Cocos

N. meningitidis; N. gonorrhoeae; H. influenzae; B. pertussis.

 

negativos

Bacilos

Entéricos: E. coli; Klebsiella; Proteus; Salmonella; H. pylori; C. jejuni; P. aeruginosa

Não-entéricos: Bordetella; Haemophilus sp.; C. granulomatis; Actinobacilus.

Anaeróbios

Bacteroides fragilis; Clostridium tetani; C. botulinum; C. difficile; C. perfrigens.

 

Associações

Germes causadores de doenças da pele: S. pyogenes (GBA) e S. aureus.

 

clássicas

Germes da neonatologia: S. agalactiae (GBS), Gram negativos entéricos, Listeria, Klebsiela.

Germes da ginecologia: Gonococo, Clamídia e Anaeróbios.

 

Germes atípicos (não coram pelo método Gram): Mycoplasma pneumoniae (Micoplasma); Chlamydia/Chlamydophila pneumoniae; Legionella pneumophila; Moraxella catarrhalis.

Pneumonia “típica”: Pneumococo / Pneumonia “atípica”: Micoplasma.

 

Germes “hospitalares”: S. aureus, S. epidermidis (coagulase negativo), Gram negativos hospitalares (Pseudomonas, Klebsielas), Fungos (Candida).

 

RESUMÃO DE ANTIBIÓTICOS

 

Mecanismo

       

de ação

Classe

 

Exemplos

Espectro

Comentários

 

Penicilinas

Pen (V, G), Amoxicilina, Oxacilina, Piperacilina

Gram (+); S. aureus (Oxacilina); Pseudomonas (piperacilina)

Reações de hipersensibilidade, NIA, anemia imune

Parede

Cefalosporinas

Cefalexina, Cefuroxima, Ceftriaona, Cefepime

Gram (+); Pseudomonas (Ceftazidime, Cefepime)

Semelhante às penicilinas

celular

Carbapenêmicos

Meropenem, Imipenem Aztreonam

Carba.: Gram (+), anaeróbios Aztreonam: Gram (-)

Convulsão com imipenem

Monobactâmicos

Glicopeptídeos

Vancomicina,

MRSA, S. epidermidis, Enterococo

Nefrotoxicidade, síndrome do “homem vermelho” (Vanco)

Teicoplanina

 

Polimixina

Polimixina B

Gram (-) resistentes

Nefro e neurotoxicidade

Membrana

Anfotericina

Anfotericina B

Infecções fúngicas graves, calazar

Nefrotoxicidade (desoxicolato)

plasmática

Azol

Fluconazol, itraconazol

Cândida, micoses pulmonares, aspergilose invasiva

Resistência ao Fluconazol: C. glabatra e C. krusei.

 

Tetraciclina (30S)

Tetraciclina, Doxiciclina

Gram (+), Germes atípicos

Não usar em gestantes e crianças < 8 anos

Aminoglicosídeos

Gentamicina, Amicacina, Estreptomicina

Gram (-); inativos contra anaeróbios

Nefro e ototoxicidade; crise miastênica (gentamicina)

(30S)

Lincosamida

Clindamicina

Gram (+) incluindo S. aureus, Anaeróbios

Associação com colite pseudomembranosa

Síntese

(50S)

proteica

Macrolídeos

Eritromicina,

Gram (+), Germes atípicos

Intolerância gastrointestinal, aumento do intervalo QT, colestase

(50S)

Azitromicina,

Claritromicina

Cloranfenicol

Cloranfenicol

Gram (+), (-) e anaeróbios

Aplasia medular, Sd. do bebê cinzento

Oxazolidinona

Linezolida

MRSA VSRA, VRE

Opção para MRSA sem nefrotoxicidade da Vanco

 

Quinolona

Cipro, Gatiflox, Norflox, Levo, Moxifloxacino

Gram (-), Gram (+) e atípicos:

Aumento do intervalo QT, ruptura do tendão de Aquiles, convulsão, disglicemias (Gati)

Ácido

Levo e Moxi

nucleico

 

Metronidazol

Metronidazol

Anaeróbios, protozoários

Neuropatia periférica, gosto metálico, efeito antabuse

Competição

Sulfas

Sulfametoxazol,

Stenotrophomonas, Burkholderia, PCP, neurotoxo

Hipersensibilidade, anemia imune

com PABA

Sulfadiazina

@medresumosoficial

USO PRÁTICO DOS ANTIBIÓTICOS

ESCOLHA BASEADA NO AGENTE ETIOLÓGICO

Arlindo Ugulino Netto • interMEDRESUMOS 2018

Agente etiológico

Droga de escolha

 

Gram (+), Cocos Gram (-), Espiroquetas

Peniclinas; Macrolídeos; Tetraciclinas.

 

Estafilococo produtor de penicilinase

Oxacilina;

Cefalosporina

de

(Cefalexina);

Clindamicina.

Outros:

Rifampicina, Aminoglicosídeo.

 

Estafilococo resistente à meticilina (MRSA)

Vancomicina e Teicoplanina; Quinupristina e Dalfopristina.

 

Estafilococo resistente à vanco (VIRSA)

Linezolida, Tigeciclina, Daptomicina, Ceftaroline.

 

Enterococo

Penicilina G + Aminoglicosídeo; Ampicilina + Aminoglicosídeo; Vancomicina e Teicoplanina; Linezolida, Tigeciclina, Daptomicina. Outros: Tetraciclina, Cloranfenicol.

Bacilos Gram (-)

Aminoglicosídeos; Cloranfenicol; Tetraciclinas; Aztreonam.

 

Pseudomonas aeruginosa

Penicilinas (Piperacilina); Cefalosporina de 3ª (Ceftadizima) e 4ª (Cefepime); Aminoglicosídeos; Carbapenêmicos; Polimixina B.

Anaeróbios

Clindamicina;

Metronidazol;

Penicilina

(exceto

B.

fragilis);

Cloranfenicol;

Cefoxitina; Carbapenêmicos.

 

Tétano

Penicilina G; Metronidazol.

 

Clamídias, riquétsias e micoplasma

Macrolídeos; Cloranfenicol.

 

ESBL (beta-lactamase de espectro estendido)

Carbapenêmicos

PRINCIPAIS INDICAÇÕES CLÍNICAS

Patologia

Antibióticos de escolha

DST

Cancro mole (Haemophilus ducreyi)

1ª escolha: Azitromicina 1g VO dose única OU Ciprofloxacina 500mg VO 12/12h por 3 dias; 2ª escolha: Ceftriaxona 500mg IM dose única.

Gonorreia (Neisseria gonorrheae)

1ª escolha: Ceftriaxona 500mg IM dose única; 2ª escolha: Ciprofloxacino 500 mg VO dose única.

Donovanose / Granuloma inguinal (Calymmatobacterium granulomatis)

1ª escolha: Eritromicina 500mg VO 6/6h por 7 dias OU Doxiciclina 100mg VO 12/12h por 7 dias; 2ª escolha: SMZ-TMP 800/160mg VO 12/12h por 7 dias OU Azitromicina 1g VO dose única.

Linfogranuloma venéreo (Chlamydia trachomatis)

1ª escolha: Azitromicina 1g VO dose única OU Doxiciclina 100mg VO 12/12h por 7 dias; 2ª escolha: Eritromicina (estearato) 500mg VO 6/6h por 7 dias OU Tetraciclina 500mg VO 6/6h por 7 dias.

Uretrite/cevicite não-gonocócica

1ª escolha: Doxiciclina OU Tetraciclina; 2ª escolha: Azitromicina 1g VO.

Sífilis (Treponema pallidum)

 

Primária

Penicilina benzatina 2.400.000 UI IM em dose única; Opção: Tetraciclina ou Eritromicina ou Doxiciclina (todos VO).

-

Secundária

-

Penicilina benzatina 2.400.000 UI IM em dose única; Opção: Tetraciclina ou

Eritromicina ou Doxiciclina (todos VO).

Terciária / Latente tardia

Peniclina benzatina 2.400.000 UI IM, 3 doses, 7/7 dias; Opção: Tetraciclina ou Eritromicina ou Doxiciclina (todos VO).

-

Neurossífilis

- Penicilina cristalina EV; Opção: Ceftriaxona.

Sífilis congênita (T. pallidum)

 

LCR normal, sem alterações clínica

- Penicilina benzatina IM

LCR normal, com alteração clínica

- Penicilina cristalina 100.000 U/kg/dia EV dividido em 2 ou 3 vezes ou

Penicilina G procaína 50 mil UI/kg IM 1x ao dia, por 10 dias

LCR anormal

-

Penicilina G cristalina 150.000 U/kg/dia EV em 2 ou 3 vezes, por 10 dias

Endocardite com valva nativa (S. viridans, S. aureus, etc.)

Endocardite com valva proteica (agentes hospitalares, germes de valva nativa)

Penicilina (ou ampicilina) + Oxacilina (ou cefalotina) + Gentamicina; Opção:

Vancomicina + Gentamicina. Vancomicina + Gentamicina + Rifampicina; Opção: Vancomicina + Gentamicina + Cefalosporina de 3ª geração.

@medresumosoficial

Arlindo Ugulino Netto • interMEDRESUMOS 2018

Mama

Mastite pós-parto (com ou sem abscesso) (S. aureus)

 

escolha: Cefalexina 1g VO, 6/6h por 7 dias;

escolha: Clindamicina 600mg VO por 7 dias.

Abscesso não puerperal

 

escolha: Cefalotina 1g IV 6/6h por 7-14 dias;

escolha: Amoxicilina-clavulanato 500-1000g IV ou VO por 7-14 dias.

Ossos e articulações

Osteomielite

 

RN

-

Oxacilina ou Vancomicina (dependendo do risco de MRSA) + drogas com

ação

contra

germes

Gram-negativos (Gentamicina) e cobertura anti-

Pseudomonas (Ceftazidime ou Cefepime).

Anemia falciforme

- Ciprofloxacina 400mg IV 12/12h OU Levofloxacina 750 mg IV 1x/dia

Adultos (osteomielite hematogênica)

- Se baixo risco para MRSA: Oxacilina 2g IV 6x/dia ou Cefazolina 2g IV 3x/dia;

Se

alto risco para MRSA: Vancomicina 15mg/kg IV 12/12h

Adultos (pós-fixação de fratura exposta)

-

Vancomicina 15mg/kg IV 12/12h + Drogas com ação contra germes Gram-

negativos (Gentamicina) e cobertura anti-Pseudomonas (Ceftazidime ou

Cefepime); Associar Rifampicina (300mg VO 2x/dia) se houver materiais exógenos de fixação interna.

Germe isolado por cultura

- Duração de 4 a 6 semanas:

 
 

MSSA: Oxacilina ou Cefazolina.

MRSA: Vancomicina.

 

Estreptococo: Penicilina G cristalina ou Ceftriaxone.

Enterococo: Penicilina G cristalina ou Ampicilina (pode-se associar Gentamicina nas primeiras 1-2 semanas).

Enterobactérias: Ceftriaxone.

Pseudomonas aeruginosa: Cefepime.

Artrite séptica

 

RN (estafilococos, S. agalactiae e Gram-

- Oxacilina + Gentamicina.

 

negativos entéricos)

 

Crianças entre 1 mês e 5 anos (cobrir também Haemophylus)

- Oxacilina + Ceftriaxona.

 

Crianças > 5 anos ou adultos

- Oxacilina; se risco de artrite séptica por pneumococo (ex: anemia falciforme): Oxacilina + Ceftriaxona.

Gonocócica

- Ceftriaxona

 

No caso de dúvida (entre estafilocócica ou gonocócica)

- Oxacilina + Ceftriaxona

 

Usuários de drogas EV (pensar em Pseudomonas)

- Ceftazidime + Gentamicina (em caso de disfunção renal: Ciprofloxacino)

Ouvido

Otite média aguda (S. pneumoniae, H. influenzae, M. catarrhalis)

 

escolha: Amoxicilina 500mg VO 8/8h por 7-10 dias;

escolha: Amoxicilina-clavulanato 1g VO 12/12h por 7-10 dias OU Cefaclor

 

500 mg VO 8/8h por 7-10 dias OU Azitromicina.

Mastoidite aguda em adultos

 

escolha: Cefaclor 500mg VO 8/8h por 10-14 dias OU Cefadroxil 100mg VO

12/12h por 10-14 dias;

 
 

escolha: Ceftriaxona IM ou IV 12/12h por 10-14 dias.

Pele e partes moles

Impetigo

 

Crostoso (Streptococcus pyogens)

-

Penicilina G Benzatina IM dose única ou Penicilina V oral; pela possibilidade

de

S. aureus associado, recomenda-se também cobrir esta bactéria.

- Cefalexina 500mg VO 6/6h por 7-10 dias; Tópico: Mupirocina.

Bolhoso (S. aureus)

Furúnculo (S. aureus)

- Cefalexina, Clindamicina ou Doxicilcina.

Celulite (S. pyogenes)

Grave: Penicilina G cristalina OU Ceftriaxona OU Cefazolina; Leve/moderado:

penicilina G procaína OU penicilina V oral OU Amoxicilina.

Erisipela (S. pyogenes e S. aureus)

Graves: Oxacilina OU Cefazolina; Leve/moderado: Cefalexina.

Fasciíte necrotizante / Gangrena gasosa (S. pyogenes, Clostridium, Enterococos, Estafilococos coagulase negativo, etc.)

 

escolha: Ampicilina 2g IV 4/4h por até 6 semanas OU Penicilina cristalina

4.000.000 U IV 4/4h por até 6 semanas ASSOCIADOS A: Clindamicina 600mg

 

IV

6/6h por até 6 semanas OU Metronidazol 500mg IV 6/6h por até 6

 

semanas.

 

@medresumosoficial

Arlindo Ugulino Netto • interMEDRESUMOS 2018

Pé diabético

 

Casos leves, infecção superficial, celulite

-

Oxacilina 2g IV 4/4h ± Ciprofloxacino 400mg IV 12/12h por 14 dias; Opção:

ou úlcera rasa (< 2 cm);

Cefalotina 1g IV 6/6h por 14 dias ± Gentamicina 350 IV 1x/dia; Clindamicina

600mg IV 6/6h por 14 dias; Levofloxacino 500-750mg VO ou IV 1x/dia por 14 dias.

Casos moderados, com infecção de úlcera profunda (celulite > 2 cm);

-

Ciprofloxacino 500mg VO 12/12h por 14-21 dias + Clindamicina 300mg VO

8/8h a 6/6h por 14-21 dias; Opção: Clindamicina + Levofloxacino 500-750mg

 

1x/dia; Amoxacilina-clavulanato.

Casos graves, com comprometimento ósseo.

-

Ciprofloxacino 500mg VO 12/12h por 4-6 semanas + Clindamicina 300mg

VO 8/8h a 6/6h por 4-6 semanas ou Metronidazol 400mg VO 6/6h por 4-6

 

semanas.

Pneumonia adquirida na comunidade (PAC)

Tratamento ambulatorial:

 

RN até 2 meses

- Ver tratamento hospitalar

> 2 meses

- Amoxicilina VO OU Penicilina Procaína IM.

Adulto hígido

- Cobrir Gram-positivos e Micoplasma: Doxiciclina OU Macrolídeo (Azitromicina) OU Amoxicilina (somente no Brasil).

Adulto com comorbidade (ICC, diabetes, DPOC, insuficiência renal ou hepática)

-

Cobrir também o H. influenzae e a Klebsiella Fluorquinolona respiratória

(Moxi, Levo, Gemifloxacino) OU Macrolídeo + β-lactâmico (Amoxicilina em dose dobrada ou Amoxicilina-clavulanato ou Ceftriaxona ou Cefuroxima).

Tratamento hospitalar:

 

RN < 2 meses

-

Penicilina Cristalina ou Ampicilina + Aminoglicosídeo (Amicacina ou

Gentamicina)

Crianças > 2 meses

-

Pneumonia grave: Penicilina cristalina EV; Pneumonia muito grave (cianose

/ dependência de O 2 ): Oxacilina, para cobrir S. aureus + Ceftrixona (ou Cloranfenicol), para cobrir Gram-positivos (S. pneumoniae) e outros Gram- negativos.

Adultos internados em enfermaria (CURB-65 = 2)

Fluorquinolona respiratória (Levofloxacino) OU Macrolídeo + β-lactâmico (Cefotaxima ou Ceftriaxona ou Ampicilina-sulbactam / evitar o uso da amoxicilina)

-

Adultos com necessidade de internação em UTI (CURB-65 ≥ 3 ou necessidade de tubo ou drogas vasopressoras)

-

Mínimo recomendado: β-lactâmico + Azitromicina OU β-lactâmico +

Fluorquinolona respiratória (optar pelos seguintes β-lactâmicos: Cefotaxima ou Ceftriaxona ou Ampicilina-sulbactam); Se pensar em P. aeruginosa: β- lactâmico antipneumocócico e antipseudomonas (Piperacilina-tazobactam ou Cefepime ou Imipenem ou Meropenem) + Fluorquinolona com ação antipseudomonas (Levofloxacino); Se pensar em MRSA: adicionar Vancomicina OU Linezolida.

Pneumonia aspirativa

Preferir por antibióticos que cobrem anaeróbios, S. aureus e pneumococo, como a Clindamicina (opção: Amoxicilina-Clavulanato). Evitar o Metronidazol (pois além de penetrar pouco no pulmão, ela não cobre aeróbios).

-

Pneumonias nosocomiais

Início precoce (< 5 dias) / Sem fatores de risco: pensar sempre em germes da comunidade: Pneumococo, Haemophilus, Enterobactérias não-MDR (multi-droga-resistentes).

-

Tratamento é semelhante à PAC (mas pensando em germes mais

resistentes): β-lactâmico + Inibidor de betalactamase (Ampicilina-sulbactam) OU Cefalosporina de 3ª geração (Ceftriaxona) OU Fluorquinolona respiratória.

Início tardio (≥ 5 dias) / Com fatores de risco para germes MDR: Pseudomonas aeruginosa; MRSA; Enterobactérias ESBL (que apresentam betalactamases de espectro estendido e não respondem às cefalosporinas); Acinetobacter.

-

Pseudomonas: β-lactâmico + Inibidor de betalactamase (Ticarcilina-

Clavulanato ou Piperaciclina-Tazobactam) OU Cefalosporina de 4ª geração (Cefepime) OU Carbapenêmicos (Meropenem, Imipenem) ASSOCIADOS A:

Levofloxacino ou Amicacina; Se houver possibilidade de MRSA: acrescentar Vancomicina ou Linezolida.

Sepse (antibioticoterapia empírica de amplo espectro)

RN (< 2 meses)

Se precoce (< 48h): Ampicilina + Aminoglicosídeo (Gentamicina); Se tardia (> 7 dias): Vancomicina + Cefepime.

-

Criança

Cefotaxima ou Ceftriaxona; Opção: Amoxicilina-clavulanato ou Ampicilina- sulbactam.

-

@medresumosoficial

Arlindo Ugulino Netto • interMEDRESUMOS 2018

Adultos

-

Oxacilina

+

Gentamicina/Ciprofloxacino

+

Clindamicina/Metronidazol;

Opção: Amoxicilina-clavulanato ou Ampicilina-sulbactam.

 

Esplenectomizados

- Cefotaxima ou Ceftriaxona; Opção: Amoxicilina-clavulanato.

Foco definido

- Opções:

Infecção urinária: Ciprofloxacino.

 

Pneumonia: Ceftriaxona + Azitromicina

 

Cutânea: Oxacilina + Clindamicina.

 

SNC

Abscesso cerebral

 

Primário ou por contiguidade

- Ceftriaxona 2g IV 12/12h + Metronidazol 500mg IV 8/8h por 6 semanas.

 

Pós-cirúrgico ou pós-traumático

Meropenem 2g IV 8/8h + Vancomicina 30mg/kg a primeira dose e depois, 20mg/kg 12/12h por 6 semanas.

-

Meningite

 

RN

-

Cobrir S. agalactiae; E. coli; Listeria: Ampicilina + Cefotaxima

 

4 semanas a 3 meses

Cobrir os mesmos do RN, S. agalactiae; E. coli; Listeria; Pneumococo; Haemophilus: Ampicilina + Ceftriaxona

-

 

3 meses a 55 anos

- Cobrir Meningococo; Pneumococo: Ceftriaxona +/- Vancomicina

 

Após 55 anos, gestantes, imunossuprimidos

- Cobrir

Meningococo;

Pneumococo;

Listeria:

Ampicilina

+

Cefepime

±

Vancomicina

Após neurocirurgias, infecção de shunts

-

Cobrir S. aureus; S. epidermidis; Pseudomonas e enterobacterias; Listeria:

 

Ampicilina + Cefepime + Vancomicina

 

Após TCE ou fístula liquórica

-

Cobrir Pneumococo; Outros estreptococos: Ceftriaxona +/- Vancomicina

 

Trato digestivo

Diarreia aguda

 

Febre > 72 horas, sem indicação de internação

Cobrir S. enteritidis, S. typhimurium, Campylobacter jejuni: Norfloxacino 400mg VO 12/12h por 5-7 dias.

-

Febre < 72 horas, com indicação de internação

Cobrir S. enteritidis, S. typhimurium, Campylobacter jejuni: Ciprofloxacino 400mg IV OU Ceftriaxona 2g 1x/dia IV/IM

-

Agente determinado

- Opções:

Shigella spp.: SMZ-TMP 160-800mg VO 12/12h por 3-5 dias.

 

Salmonella não-typhi: SMZ-TMP OU Ciprofloxacino 500mg VO 12/12h por 5-7 dias OU Ceftriaxona.

Campylobacter: Eritromicina 500mg VO 6/6h por 5 dias.

 

E. coli: SMZ-TMP VO 12/12h por 3 dias OU Ciprofloxacino OU Ceftriaxona.

Yersina sp.: SMZ-TMP OU Ciprofloxacino.

 

Giardia: Metronidazol 250-750mg VO/IV 8/8h por 7-10 dias.

 

Peritonite

 

Peritonite bacteriana espontânea

- Ceftriaxona 1-2g IV 12/12h por 10-14 dias OU Cefotaxima 1-2g IV 6/6h por

10-14 dias; Opções: Clindamicina 600mg IV 6/6h + Ciprofloxacino 400mg IV

12/12h por 10-14 dias OU Piperacilina-tazobactam 4,5g IV 8/8h por 10-14 dias OU Imipenem-cilastatina 500mg IV 6/6h por 10-14 dias.

Peritonite pós-trauma com perfuração de víscera oca

Ceftriaxona 1-2g IV 12/12h por 10-14 dias OU Cefotaxima 1-2g IV 6/6h por 10-14 dias OU Cefepime 1-2g IV 12/12h; ASSOCIADOS A: Metronidazol 500mg IV 6/6h por 10-14 dias.

-

Peritonite pós-diálise

-

Oxacilina 2g IV 4/4h por 10-14 dias OU Vancomicina 1g IV 12/12h por 10-

14 dias; Opção: Teicoplanina 400mg IV 12/12h por 10-14 dias OU Linezolida

600mg IV 12/12h por 10-14 dias.

 

Abscesso hepático (E. coli, Proteus spp. Klebsiella spp., etc.)

Ceftriaxona 1-2g IV 12/12h por 10-14 dias OU Cefotaxima 1-2g IV 12/12h ASSOCIADOS A: Metronidazol 500mg IV 6/6h por 10-14 dias.

Colangite, Colecistite, Sepse biliar

Ampicilina 1-2g IV 4/4h + Gentamicina 3-5 mg/kg dose única diária + Metronidazol 500mg IV 6/6h por 10-14 dias.

Trato reprodutor feminino

Corioamnionite / Aborto séptico

Ampicilina 2g IV de 6/6h + Gentamicina 240-350mg IV 1x/dia + Metronidazol 500mg IV 6/6h por até 24h afebril; Opção: Clindamicina 600mg IV 6/6h + Amicacina 1g IV 1x/dia por até 24h afebril.

Endometrite

Ampicilina 2g de 6/6h + Gentamicina 240-350mg IV 1x/dia + Metronidazol 500mg IV 6/6h. Após 48h afebril, iniciar Amoxicilina-clavulanato 1g VO 8/8h.

@medresumosoficial

Arlindo Ugulino Netto • interMEDRESUMOS 2018

Doença inflamatória pélvica

 

Tratamento ambulatorial

-

Ceftriaxone IM dose única + Doxiciclina VO de 12/12h por 14 dias +

Metronidazol VO de 12/12h por 14 dias.

Tratamento hospitalar

-

Clindamicina 900mg EV 8/8h + Gentamicina 240mg EV 24/24h. Se após 24h

paciente estiver bem, liberar para tratamento ambulatorial com Doxiciclina 100mg VO por 14 dias.

a

Trato reprodutor masculino

Prostatite bacteriana aguda

 

Não complicada

-

Ciprofloxacino 500mg VO 12/12h ou Ofloxacina 200mg VO 12/12h por 4

semanas; Opção: Ceftriaxona 1g IV ou IM 12/12h.

Complicada

Ciprofloxacino 400mg IV ou Ofloxacino 200mg IV de12/12h, trocando para VO quando houver melhora do quadro (duração: 4 semanas); Opção:

-

Ceftriaxona 1g IV 12/12h + Gentamicina 80mg IV 8/8h por 10 dias e completar com Ciprofloxacino VO 12/12h (duração: 4 semanas).

Prostatite crônica

Ciprofloxacino 500mg VO ou Ofloxacino 200mg VO 12/12h por 6 semanas; Opção: SMZ-TMP VO 12/12h por 6 semanas.

Trato urinário

Cistite (ITU baixa)

 

Homens

Norfloxacino 400mg, 12/12h por 7 a 10 dias; ou Ciprofloxacino 500mg, 12/12h por 7-10 dias; ou SMZ-TMP (800-160 mg) VO 12/12h.

-

Mulheres

Fosfomicina 3g VO em dose única (1ª escolha); Nitrofurantoína 100 mg VO 6/6h por 3-7 dias; Ciprofloxacino 500mg, VO, 12/12h por 3 dias; ou Levofloxacino 500mg, 1x/dia por 3 dias.

-

Gestante

Fosfomicina 3g VO dose única; Cefalexina 500mg VO 6/6h por 3 a 5 dias; Amoxicilina-Clavulanato (875mg+125mg) VO 8/8h por 3 dias.

-

Crianças (7-14 dias)

SMZ-TMP 200mg+40mg/5ml: fazer 1 ml/kg/dia 12/12h; Cefalexina 30 mg/kg/dia VO 6/6h (duração: 7-14 dias)

-

Pielonefrite (ITU alta)

 

Não complicada (sem sinais e sintomas de sepse ou desidratação)

- Levofloxacino 500mg VO dose única diária por 10 a 14 dias OU Ciprofloxacino 500mg VO 12/12h por 10 a 14 dias.

Complicada (com sinais e sintomas de sepse e/ou desidratação, ou na presença de litíase renal)

Ciprofloxacino 200 a 400 mg EV, a cada 8 ou 12 horas; Opções: Ampicilina + Gentamicina; Piperacilina-tazobactam.

-

Gestante

-

Ceftriaxona 1g IV 12/12h por 14-21 dias.

Vias aéreas superiores

Faringoamigdalite estreptocócica (S. pyogenes)

escolha: Penicilina benzatina IM dose única;

escolha: Amoxicilina 500mg VO 8/8h por 7-10 dias;

escolha: Azitromicina 500mg VO 1x/dia por 3 dias OU

Amoxicilina-

clavulanato (875+125) VO 12/12h por 5 dias.

Laringite / Epiglotite (H. influenzae)

Ampicilina 500mg VO 6/6h por 7-10 dias OU Cloranfenicol 500mg VO 6/6h por 7-10 dias OU Amoxicilina-clavulanato 1g VO 8/8h por 7-10 dias.

Sinusite bacteriana (S. pneumoniae, H. influenzae, M. catarrhalis)

Amoxicilina 500mg VO 8/8h por 7-14 dias OU SMZ-TMP VO 12/12h por 7-10 dias OU Amoxicilina-clavulanato 1g VO 8/8h por 7-14 dias.

AJUSTE DA DOSE DE ACORDO COM A FUNÇÃO RENAL

- Um número substancial de medicamentos usados na prática clínica é constituído por drogas que apresentam a peculiaridade de serem eliminadas do organismo através dos rins, por meio de seus próprios princípios ativos ou de seus produtos de metabolização. Em situações de déficit das funções renais, o balanço corporal dessas substâncias pode alterar-se, resultando em quadros clínicos de intoxicação medicamentosa. A prescrição de drogas em insuficiência renal, para ser mais racional e segura, deve objetivar a individualização terapêutica, baseando-se em parâmetros farmacocinéticos.

Clearance de Creatinina (Fórmula de Cockcroft-Gault)

Cl Creatinina = (140 idade) x Peso

72 x Cr plasmática

Na mulher, multiplica-se o resultado por 0,85.

@medresumosoficial

Arlindo Ugulino Netto • interMEDRESUMOS 2018

Droga

Clearance de Creatinina (ml/kg/1,73m 2 )

Antibióticos

>50

50 - 10

<10

Amicacina

1000mg 24/24h

500mg 24/24h

500mg 48/48h

Amoxicilina

500mg 8/8h

500mg 12/12h

500mg 24/24h

Amoxicilina/clavulanato

500/125mg 8/8h

500/125mg 12/12h

500/125mg 24/24h

Ampicilina

500mg 6/6h

500mg 8/8h

500mg 12/12h

Ampicilina

1000mg 6/6h

1000mg 8/8h

1000mg 12/12h

Ampicilina/sulbactam

1000/500mg 6/6h

1000/500mg 12/12h

1000/500mg 24/24h

Aztreonam

1000mg 8/8h

500mg 8/8h

250mg 8/8h

Cefazolina

1000mg 8/8h

1000mg 12/12h

1000mg 24/24h

Cefepima

1000mg 8/8h

1000mg 12/12h

1000mg 24/24h

Cefotaxima

2000mg 8/8h

2000mg 12/12h

2000mg 24/24h

Ceftazidima

2000mg 8/8h

2000mg 12/12h

2000mg 24/24h

Ceftobiprole

500mg 8/8h

500mg 12/12h

500mg 24/24h

Ceftriaxona

 

Sem ajuste de dosagem

Cefuroxima

750mg 8/8h

750mg 12/12h

750mg 24/24h

Cefuroxima

500mg 12/12h

500mg 24/24h

500mg 24/24h

Ciprofloxacino

500mg 12/12h

500mg 24/24h

250mg 24/24h

Ciprofloxacino

400mg 12/12h

400mg 24/24h

200mg 24/24h

Claritromicina

500mg 12/12h

375mg 12/12h

500mg 24/24h

Claritromicina

500mg 12/12h

375mg 12/12h

500mg 24/24h

Clindamicina

 

Sem ajuste de dosagem

Cloranfenicol

 

Sem ajuste de dosagem

Colistina

160mg 12/12h

160mg 24/24h

160mg 36/36h

Daptomicina

500mg 24/24h

500mg 48/48h

500mg 48/48h

Doripenem

500mg 8/8h

250mg 8/8h

Sem dados

Doxiciclina

 

Sem ajuste de dosagem

Eritromicina

500mg 6/6h

500mg 6/6h

500mg 12/12h

Ertapenem

1000mg 24/24h

500mg 24/24h

500mg 24/24h

Estreptomicina

1000mg 24/24h

1000mg 48/48h

1000mg 72/72h

Gentamicina

240mg 24/24h

120mg 24/24h

120mg 48/48h

Imipenem+cilastatina

500mg 6/6h

250mg 6/6h

250mg 12/12h

Levofloxacino

750mg 24/24h

750mg 48/48h

500mg 48/48h

Levofloxacino

750mg 24/24h

750mg 48/48h

500mg 48/48h

Linezolida

600mg 12/12h

600mg 12/12h

600mg 12/12h

Linezolida

600mg 12/12h

600mg 12/12h

600mg 12/12h

Meropenem

1000mg 8/8h

1000mg 12/12h

1000mg 24/24h

Metronidazol

500mg 8/8h

500mg 8/8h

250mg 8/8h

Metronidazol

500mg 8/8h

500mg 8/8h

250mg 8/8h

Moxifloxacino

 

Sem ajuste de dosagem

Nitrofurantoína

100mg 6/6h

Não usar

Não usar

Penicilina cristalina

6.000.000 UI 4/4h

4.000.000 UI 4/4h

2.000.000 UI 4/4h

Penicilina V

500mg 6/6h

500mg 12/12h

500mg 24/24h

Piperacilina/tazobactam

4500mg 8/8h

2250mg 6/6h

2250mg 8/8h

Polimixina

500.000UI 8/8h

500.000UI 12/12h

500.000UI 24/24h

Rifampicina

 

Sem ajuste de dosagem

Sulfametoxazol/trimetoprim

800/160mg 12/12h

800/160mg 18/18h

800/160mg 24/24h

Sulfametoxazol/trimetoprim

1200/240mg 6/6h

1200/240mg 8/8h

1200/240mg 12/12h

Teicoplanina

400mg 24/24h

400mg 48/48h

400mg 72/72h

Tetraciclina

250mg 6/6h

250mg 12/12h

250mg 24/24h

Tigeciclina

 

Sem ajuste de dosagem

Tobramicina

240mg 24/24h

120mg 24/24h

120mg 48/48h

Vancomicina

1000mg 12/12h

1000mg 48/48h

1000mg 5/5d

@medresumosoficial

PRINCIPAIS POSOLOGIAS EM PEDIATRIA

Arlindo Ugulino Netto • interMEDRESUMOS 2018

Ampicilina

-

Indicações: infecções respiratórias, otite média aguda, rinossinusites, faringites bacterianas, etc. Junto

com a Amoxicilina,

é

a

droga de escolha na maioria

das infecções enterocócicas. Nas infecções

respiratórias, em geral, prefere-se a Amoxicilina.

-

Posologia:

RN: 25 - 50 mg/kg/dose 12/12 h (= 50-100mg/kg/dia divididos em duas tomadas) EV

Crianças maiores: 100 - 200 mg/kg/dia 6/6 h.

 

Amoxicilina

Indicações: rinossinusite, otite média aguda, infecções respiratórias, febre tifoide e profilaxia da endocardite bacteriana.

-

- Idade para o uso: recém-nascido (recomenda-se uso a partir do 2º mês de vida).

- Dose: 50 (até 90) mg/kg/dia (tomar VO, 8-8h ou 12-12h)

 

- Apresentações: Novocilin® (250mg/5ml; 400mg/5ml); Velamox® (400mg/5ml); Sinot® (400mg/5ml).

Suspensão 250mg/5ml: Peso ÷ 3 ou Peso ÷ 2;

 

Suspensão 400mg/5ml: Peso ÷ 5;

Comprimido: 500mg (a partir de 40kg de massa corporal).

 Comprimido: 500mg (a partir de 40kg de massa corporal). Amoxicilina + Indicações: tratamento de infecções
 Comprimido: 500mg (a partir de 40kg de massa corporal). Amoxicilina + Indicações: tratamento de infecções

Amoxicilina +

Indicações: tratamento de infecções de vias aéreas superiores e inferiores, exacerbações da bronquite crônica e otites.

-

Clavulanato

Apresentações: Clavulin® BD (200+28,5mg/5ml e 400+57mg/5ml), Clavutrex® (250mg+62,5mg/5ml), Novamox® (400+57mg/5ml), Sinot Clav® (400mg+57mg/5ml).

-

- Dose: a dose usual recomendada é de 25mg/kg/dia, em doses divididas de 8/8h.

1 a 6 anos (13 21kg):

 

Susp. oral 250+62,5mg/5ml: 2,5ml, 3x ao dia. Susp. oral 400+57mg/5ml: 2,5 a 5ml, 2x ao dia.

6 a 12 anos (22 40kg):

Susp, oral 250+62,5mg/5ml: 5ml, 3x ao dia. Susp. oral 400+57/5ml: 5 a 10ml, 2x ao dia.

Acima de 12 anos:

 

Cpr. 500+125mg: 1 cp, 3x ao dia. Cpr. 875+125mg: 1 cp, 2x ao dia.

 

Ácido nalidíxico

- Indicações: infecções urinárias não complicadas.

 

- Dose: 50mg/kg/dia (tomar VO, 4x ao dia, por 10 dias).

Azitromicina

- Indicações: infecções bacterianas de vias aéreas, de pele e em casos de sinusites agudas; etc.

- Apresentações: Azitron®, Astro®, etc.

 

- Dose: 10-12 mg/kg (1x ao dia)

Suspensão: 200mg/5ml (Peso÷4)

< 15kg (frasco de 600mg com 15ml): 10mg/kg em dose única diária, por 3 dias.

15 a 25kg (frasco de 600mg com 15ml): 5ml em dose única diária, por 3 dias.

26 a 35kg (frasco de 900mg com 22,5ml): 7,5ml em dose única diária, durante 3 dias.

36 a 45kg (dois frascos de 600mg com 15ml cada): 10ml em dose única diária, durante 3 dias.

Comprimido: 500mg (a partir de 45kg de massa corporal).

Cefalotina

Principais indicações: pneumonias, infecções da pele e tecidos moles, infecções das vias aéreas superiores, profilaxia cirúrgica.

-

-

Dose: 100mg/kg/dia (1,0 g + 10ml de água destilada)

 

@medresumosoficial

Arlindo Ugulino Netto • interMEDRESUMOS 2018

Cefaclor

- Principais indicações: infecções da pele e tecidos moles, infecções de vias aéreas, etc.

- Dose: 30 mg/kg/dia (tomar VO, 12-12h)

- Apresentações:

 

Suspensão: 250mg/5ml (Peso ÷ 3)

Suspensão: 375mg/5ml (Peso ÷ 5)

Comprimido: 250, 375, 500 e 750 mg

Cefalexina

- Principais indicações: infecções da pele e tecidos moles, infecções de vias aéreas, etc.

- Dose: 50 (até 100) mg/kg/dia VO 6-6 h

- Apresentações:

 

Suspensão: 250mg/5ml (Peso ÷ 4)

Comprimido: 500mg (a partir de 40kg de massa corporal)

Ceftriaxona

- Principais indicações: pneumonias, infecções urinárias, meningites, infecções intra-abdominais.

- Dose: 50-100 mg/kg/dose 12/12 h (=100 200mg/kg/dia).

Claritromicina

- Principais indicações: infecções das vias aéreas, dos seios da face, da pele e partes moles.

- Idade para uso: 6 meses

- Dose e apresentações: 7,5 mg/kg/dose (administrar VO ou IV, de 12/12h)

 

Suspensão: Clamicin® 125mg/5ml

Suspensão: Clamicin® 250mg/5ml

Comprimido: Claritromicina-EMS 500mg (a partir de 50 kg de massa corporal)

Eritromicina

- Principais indicações: muito usada para tratar infecções estreptocócicas, gonocócicas e treponêmicas

(sífilis) em pacientes alérgicos à Penicilina. É a droga de escolha para o tratamento de infecções por Mycoplasma pneumoniae (por ser 50 vezes mais potente que as tetraciclinas), da coqueluche e da angiomatose bacilar. A Eritromicina é ativa ainda contra a maioria das cepas de S. aureus oxacilina-

sensível, porém, o seu uso induz uma rápida resistência desta bactéria.

- Idade para uso: 6 meses

- Dose e apresentações: 30-50 mg/kg/dia (tomar VO, 6-6 h)

 

Suspensão: Eritrex® 125mg/5ml (Peso ÷ 2) - não se usa muito esta apresentação

Suspensão: Eritrex® 250mg/5ml (Peso ÷ 4) apresentação mais usual.

Comprimido: Eritex®: (500mg) (a partir de 40 kg de massa corporal)

Nitrofurantoína

- Indicações: ITU.

- Dose e apresentações: 5-7mg/kg/dia (tomar VO, 4x ao dia, por 10 dias).

 

Solução: 5mg/ml (para lactentes).

Solução: 250mg/5ml (idade para uso: 6 meses).

Penicilina G

- Principais indicações: faringoamigdalite estreptocócica, impetigo estreptocócico e sífilis sem acometimento do SNC.

Benzatina

(Benzetacil®)

-

Doses e apresentações: atualmente, só estão disponíveis no mercado frasco-ampolas de 1200000 UI.

Crianças com até 20 kg: ½ ampola (600.000U) IM (região glútea), dose única.

Crianças com mais de 20 kg: 1 ampola (1200000U) IM (região glútea), dose única.

Sulfametoxazol +

Principais indicações: cistite bacteriana, gastroenterite, infecções respiratórias altas, exacerbações do DPOC e das bronquiectasias.

-

Trimetoprima

- Idade de uso: a partir de 6 semanas de vida.

- Apresentações: suspensão oral com 40mg/ml + 200mg/ml (Bactrim®) e com 80mg/ml + 400mg/ml

(Bactrim® F); Frascos com 50 ou 100ml. Comprimidos de 80mg+400mg (Bactrim®) e de 160mg+800mg

(Bactrim® F).

-

Dose: duração do tratamento: cerca de 7 a 14 dias.

6 semanas a 5 meses: 2,5ml da suspensão a cada 12 horas.

6 meses a 5 anos: 5ml da suspensão pediátrica a cada 12 horas ou 2,5ml da suspensão F a cada

12 horas.

6 a 12 anos: 10ml da suspensão pediátrica a cada 12 horas ou 5ml da suspensão F a cada 12 horas.

> 12 anos: 1 a 2 cp de Bactrim ou ½ a 1 cp de Bactrim F, de 12/12h.

@medresumosoficial

Arlindo Ugulino Netto • interMEDRESUMOS 2018

ANOTAÇÕES

ANOTAÇÕES - Resumo para uso prático dos antibióticos: Gram + Cefalexina, Ceftriaxona, Amoxicilina / OBS: Listeria
- Resumo para uso prático dos antibióticos: Gram + Cefalexina, Ceftriaxona, Amoxicilina / OBS: Listeria
- Resumo para uso prático dos antibióticos:
Gram +
Cefalexina, Ceftriaxona, Amoxicilina / OBS: Listeria  Ampicilina.
Strepto
Penicilina; Ceftriaxone; Amoxicilina; Azitromicina / OBS: Pneumococo  Não usar penicilina!
S. aureus
S.
aureus oxacilina/meticilina sensível adquirida na comunidade (CA-MSSA) ou infecção leve: Cefalexina.
S.
aureus oxacilina/meticilina resistente da comunidade (CA-MRSA): SMZ-TMP, Clindamicina, Doxiciclina.
S.
aureus
oxacilina/meticilina
sensível
nosocomial
(MSSA)
ou
infecção
grave:
Oxacilina,
Ceazolina,
Nafcilina.
S.
aureus
oxacilina/meticilina
resistente
nosocomial
(MRSA)
ou
alergia
(anafilática)
a
penicilinas:
Vancomicina (nefrotóxica) ou Linezolida (plaquetopenia) ou Teicoplanina.
S.
aureus resistente à vancomicina (VIRSA): Linezolida, Daptomicina (não tem penetração pulmonar).
Gram -
Cipro ou Genta
Anaeróbios
Metronidazol ou Clinda
Aminoglicosídeos não!
Pseudomonas
Ceftazidima, Cefepime, Levofloxacina, Carbapenêmicos, Piperacilina-Tazobactam.
Esquemas
de
-
Pencilinas (Ampicilina) / Cefalosporinas (Cefalotina): para Gram positivos
largo
espectro
-
Cipro/Genta: Gram negativos
Imipenem: Gram negativos e anaeróbios
em cirurgia
-
Metronidazol/Clinda: Anaeróbios
Infecções
-
Pensar em: Gonococo, Clamídia e Anaeróbios.
ginecológicas
-
Clindamicina + Gentamicina.
Neonatologia
-
Pensar em: S. agalactiae (GBS), Gram negativos entéricos, Listeria, Klebisiela.
-
Ampicilina + Gentamicina
Hospitalar
Pensar em: S. aureus, S. epidermidis (coagulase negativo), Gram negativos hospitalares (Pseudomomas,
Klebsielas), Fungos (Candida).
-
Vancomicina + Cefepime + Anfotericina B
VRE
-
“Enterococo resistente à vancomicina”.
-
Principal opção: Linezolida.
ESBL
- “Beta-lactamase de espectro estendido” / Também apresentam resistência a aminoglicosídeos e
quinolonas / São mais frequentes em amostras de enterobactérias, como K. pneumoniae e E. coli.
-
Principal opção: Carbapenêmicos (meropenem, imipenem, doripenem e ertapenem).
KPC
-
“Klebsiella pneumoniae carbapenemase”: tipo de enzima que atua inibindo carbapenêmicos. Pode ser
encontrada em bactérias como K. pneumoniae, Pseudomonas sp., E. coli, etc.
-
Opções: Tigeciclina e Polimixina B (seu efeito nefrotóxico limita muito seu uso na prática).

Beta-lactâmicos

Glicopeptídeos

Aminoglicosídeos

Polimixinas

- Penicilinas: Gram + (menos S. aureus, que são produtores de penicilinases). O benzetacil tem uso

restrito em faringoamigdalites, profilaxia de febre reumática, piodermites estreptocócicas e sífilis sem

acometimento do SNC.

- Amoxicilina e Ampicilina: pneumococo, listeria (ampicilina), etc.

- Oxacilina: droga mais eficaz contra S. aureus adquirido na comunidade (sensível à meticilina). Usar em casos de infecções de pele mais simples, mas que exijam internação.

- Cefalosporinas:

1ª geração (Cefalexina, Cefalotina): Gram +.

2ª geração (Cefuroxime): Gram + e alguns Gram -.

3ª geração (Ceftriaxona, Ceftazidime): Gram - (principalmente) e, em menor proporção, Gram +. A Ceftadizime cobre pseudomonas.

4ª geração (Cefepime): amplo para Gram + e Gram - (incluindo pseudomonas).

- Carbapenêmicos (Imipenem e Meropenem): Gram +, Gram -, anaeróbios, pseudomonas e germes ESBL. O imipenem pode causar convulsão (o meropenem causa menos).

- Monobactâmicos (Aztreonam): = aminoglicosídeos.

- β-lactâmicos + inibidores de beta-lactamase:

Ampicilina-sulbactam: infecções graves por Gram + e anaeróbios.

Amoxicilina-clavulanato: = ampicilina (Gram +), anaeróbios e Gram -.

Piperacilina-tazobactam: bom para Gram + (inclusive enterococos), Gram - (inclusive pseudomonas) e anaeróbios.

- (Vancomicina e Teicoplanina): antibióticos de escolha para o tratamento de MRSA. Não cobrem o S. aureus VIRSA nem o VRE (estes são cobertos pela Linezolida).

- (Gentamicina, Neomicina): ótimos para Gram -, péssimos para Gram + e pior ainda para anaeróbios. São nefrotóxicos e contraindicados na gestação.

- Cobrem Gram -. Reservados para germes da grande resistência. Muito nefrotóxicas!

@medresumosoficial

Arlindo Ugulino Netto • interMEDRESUMOS 2018

Quinolonas

 

- (Cipro, Moxi, Norflo, Levofloxacino): cobrem Gram e um pouco de Gram + (Fluorquinolonas).

Tetraciclinas

 

- Cobre pneumococo e Haemophilus. A doxiciclina cobre rickettsioses e clamídia (uretrites e cervicites).

Macrolídeos

 

(Azitromicina, Eritromicina, Claritromicina): cobre bem Gram +, germes atípicos da pneumonia, cocos Gram - (gonococo e meningococo), Treponema pallidum (agente da sífilis).

-

Lincosamidas

 

- (Clindamicina): cobre germes anaeróbios. Causa diarreia (colite pseudomembranosa, por exemplo).

Sulfonamidas