Você está na página 1de 2

BATISMO, BATIZAR

Mergulhar. João não introduziu costume algum novo quando batizava os


seus
discípulos no rio Jordão, pois que, entre os judeus, a imersão de todo o
corpo, em
água corrente, sendo possível, era um meio de limpar toda a cerimonial
impureza (Is
1.16). Quanto ao batismo de Jesus, veja-se Mt 3.13 a 17, e referencias.
Alem das cerimoniosas lavagens do corpo, havia, também, entre os
judeus, o habito
de batizar os convertidos ao Judaísmo. Portanto, quando viram Joao a
batizar, não
ficaram surpreendidos com o ato do batismo, mas com o fato de ele
batizar. Isto
mesmo se depreende da pergunta que lhe fizeram: "Então por que
batizas, se não és o Cristo, nem Elias, nem o profeta?" (Jo 1.25). Eles não
perguntaram: "Que novo rito é este?" mas: "por que o administras tu?"
O batismo de prosélitos era, para os judeus, coisa natural, visto como
consideravam impuros e imundos todos os gentios.
Na devida administração do batismo cristão a lavagem tornou-se o sinal
da purificação da alma. Quando um gentio se convertia ao Judaísmo, era
necessariamente batizado, porque toda a sua vida anterior tinha sido
ritualmente impura. O batismo cristão era sinal de purificação moral, ao
passo que o de João Batista era intermediário entre o ato cerimonial dos
judeus e o emblemático e espiritual dos apóstolos. Mas quanto ao
cerimonial necessário no ato judaico ou no
ato cristão, a imersão não era essencial; não e provável que os 3.000
convertidos no dia de Pentecoste fossem imersos, ainda que certamente o
eram os discípulos de João Batista. O batismo de João achava-se mais
ligado as lavagens do cerimonial mosaico do que ao rito cristão. Ele
próprio não pertencia ao numero dos profetas, nem fez parte do colégio
dos apóstolos. E, por essa razão, aqueles a quem João ou os seus
discípulos batizaram eram outra vez batizados, quando se convertiam ao
Cristianismo
(At 19.1 a 5). O batismo cristão acha-se dum modo especial em conexão
com o dom do Espírito Santo (Mt 28.19), e com o perdão dos pecados (Mc
16.16). As pessoas
próprias para serem batizadas estão indicadas em At 2.41. Em At 8.16 e
22.16 se
mostra em nome de quem Batismo se devia efetuar o ato batismal; e em
Rm 6.3,4 se diz que os crentes em Cristo são"sepultados com Ele na morte
pelo batismo".
BATISMO DO ESPÍRITO SANTO E COM FOGO
(Mt 3.11). Como no grego não vem preposição alguma antes da palavra
fogo, isso
mostra que João se refere a dois aspectos dum só batismo. Tem de ser
espiritual, em
contraste com o material e externo; e deve ser purificante. Tem-se
levantado a
questão sobre se esse "fogo" se refere a purificação dos piedosos que
verdadeiramente aceitam o batismo do Espírito, ou a destruição dos
perversos, como
nos vers. 10 e 12. Mas a obra da presença de Deus e sempre dupla, visto
como a alma
ou submete-se espontaneamente, ou faz o contrario (Is 31.9; 33.14,15).