Você está na página 1de 17

1

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA


CENTRO DE TECNOLOGIA
DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA
COORDENAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

PRISCYLLA GUEDES GALDINO

O ESTILO ART DÉCO

JOÃO PESSOA/PB
2010
2

PRISCYLLA GUEDES GALDINO, MAT.: 10821017

O ESTILO ART DÉCO


Seminário apresentado ao Curso de Graduação
de Arquitetura e Urbanismo da Universidade
Federal da Paraíba – UFPB, como requisito à
adição na avaliação da disciplina de História da
Arquitetura e Urbanismo no Brasil I, sob
orientação da Professora Jovanka Baracuhy
Cavalcanti Scocuglia.

JOÃO PESSOA/PB
2010
SUMÁRIO
3

1 OBJETIVO..........................................................................................................................04
2 INTRODUÇÃO ...................................................................................................................05
3 CONTEXTO HISTÓRICO ..................................................................................................06
4. O ART DÉCO ...................................................................................................................07
4.1 Características...............................................................................................................08
5. A ARQUITETURA DÉCO .................................................................................................11
5.1 Exemplares da arquitetura Déco no Brasil .................................................................08
6. CONSIDERAÇÕES FINAIS .............................................................................................17
REFERÊNCIAS ....................................................................................................................25

1. OBJETIVO
4

O trabalho a ser apresentado, tem como objetivo principal, explanar o tema “Art
Déco”, de maneira objetiva. De forma que este trate todas as temáticas envolvidas, tornando
claro seu entendimento e seu contexto histórico geral e nacional. Explanando suas
principais características, seus precursores e suas obras que marcaram.

2. INTRODUÇÃO
5

O Art déco é uma expressão francesa que se refere à arte decorativa, no próprio
sentido da palavra. Foi um estilo que em pouco tempo, tornou-se modismo no âmbito
internacional. Para muitos, o art déco seria uma modernização do art nouveau. O estilo
originou-se em Paris, com a grande Exposition Internationale des Arts Décoratifs et
Industriels Modernes (Exposição Internacional de Artes Decorativas e Industriais Modernas)
no ano de 1925. Obteve uma grande repercussão mundial, aderida por diversos artistas.
Mas este movimento possui uma história muita além disto, que será apresentada a seguir.

3. CONTEXTO HISTÓRICO
6

Os acontecimentos pós Primeira Guerra Mundial, no Ocidente, ficou marcado pelas


grandes mudanças em todo o mundo, por questões de ordem e visão geral das coisas. Tais
mudanças de atitude no mundo ficaram conhecidas como, “moderno”. É certo que existiram
acontecimentos responsáveis por estas transformações no setor mundial, até mesmo na
maneira de relacionamento das pessoas. A tecnologia foi indicada como responsável por
tais transformações, que apenas começava a se mostrar, com a velocidade dos automóveis
e trens, o prenúncio das viagens aéreas e o esplendor dos transatlânticos.
Em 1909, durante um manifesto, um grupo de futuristas italianos proclamavam, “a
velocidade é nosso deus, o cânone da nova beleza”. O Futurismo foi o primeiro movimento
de escala mundial que a sociedade presenciou.
Nesta época de transições, ficou marcada a individualidade do homem, a época da
propagação dos automóveis, com o pleno direito de ir e vir de cada indivíduo. O
desenvolvimento da tecnologia resultou em outros meios de comunicação, de lazer e etc. O
rádio, que teve sua primeira transmissão em Nova York, em 1916, tornando-se o centro da
vida familiar. Com o rádio, vieram os fonógrafos que levava para dentro das casas os
concertos musicais, sem a necessidade de ingressos, filas e com datas marcadas. Com
toda esta tecnologia, os indivíduos enfim, tinham eletrodomésticos diversos, seus próprios
automóveis, mas não possuíam a valorização das artes. Mas não bastava possuir um
elemento decorativo em casa, pelo simples fato de tê-la, a arte que se deseja nas casas
deveria combinar outras funções, a de utilitária.

4. O ART DÉCO
7

O estilo das artes decorativas foi desenvolvido do período entre guerras, entre 1920
e 1939, na Europa e América. O movimento atingiu seu auge na Exposição Internacional de
Artes Decorativas de Paris, em 1925. Ficou caracterizada pela profusão ornamental, a
utilização de materiais de luxo e a frequência de vegetais e motivos geométricos.
O art déco, é considerado um tipo de ecletismo, por utilizar outros estilos, ele
abrange uma ampla gama de especialidades e ramos das artes e ofícios, que se reuniu na
Exposition Internationale des Arts Décoratifs et Modernes Industriels, de 1925, e
posteriormente foi comemorado em uma retrospectiva, realizada em Paris em 16 de março
de 1966, sob o título de “Les Années 25” no Musée des Arts Décoratifs. Foi a partir desta
exposição que o termo “art déco” ficou conhecido.
A França previa a realização da exposição internacional, já em 1915, onde seriam
apresentados os novos produtos, o progresso industrial e tecnológico de todos os países.
Porém, com os acontecimentos que eclodiram em 1914, resultando na Primeira Guerra
Mundial, a exposição foi adiada. Só em 1918 foi retomada a idéia, programando a abertura
para 1922, que fora adiado novamente e enfim inaugurado só 1925, por questões
financeiras e econômicas.

4.1 Características
8

O Art déco possui algumas características básicas para a sua identificação. Como:
• Decorativo, segundo os conceitos apresentados na exposição, de uma “arte
para todos”.
• Internacional, implica nas bases do estilo, o movimento industrial, o
capitalismo emergente em busca de novos mercados.
• Industrial, ligado à sociedade industrial emergente.
• Moderno, relacionado aos grandes acontecimentos da época.
• Cosmopolita, vai ao encontro dos anseios e expectativas das diversas
sociedades ocidentais da época.

Ainda caracterizando o estilo art déco, percebe-se a preocupação nacionalista, que


varia devido ao local. A aplicação a objetos do cotidiano, transmitindo a idéia de arte
utilitária, encontrada em rádios, geladeiras e em outros utensílios.
No Brasil, o nacionalismo foi uma forte característica do art déco, e em vários meios
de arte, até mesmo na realização da Semana de Arte Moderna em 1922, com a
preocupação de definir o caráter nacional. A partir daí surgiram os primeiros sinais de art
déco no país, apresentados pelo arquiteto Antônio Garcia Moya(1891-1948).
9

5. A ARQUITETURA DÉCO

Nas obras de arte, ditas como concretas, inclusive a arquitetura, o estilo art déco se
apresenta em três linhas básicas, são elas:
• Geometrizante, aproxima-se do racionalismo modernista. Abusam de
elementos étnicos, como, as pirâmides escalonadas maias, os zigurates
mesopotâmicos e elementos egípcios.
• Ênfase decorativa, a riqueza de detalhes, lembrando o art nouveau.
• Aerodinâmica, sinuosa, formas inspiradas nos desenhos industriais dos
grandes transatlânticos e automóveis, que são encontradas também em
objetos do cotidiano, possuem os cantos sempre arredondados, comumente
chamados de streamline.
No Brasil a aplicação destas linhas em muitos casos se dava pela área de aplicação.
A indústria da construção civil no Brasil entrou em colapso, devido a eclosão da
Primeira Guerra Mundial, isso porque o materiais utilizados boa parte eram importados.
Entre os materiais utilizados nos países industrializados, destacava-se o aço ou elementos
de fero fundido, disponíveis em variadas formas geométricas, até então impossíveis de se
obter. Com a falta de material, foi necessário buscar alternativas vernáculas para suprir
essas necessidades, nesse contexto o art déco brasileiro utilizou-se do estuque, dos
elementos decorativos em gesso e do contraste de cores. Em linhas gerais o art déco
nacional, privilegiou o desenho em detrimento do material, com uma produção em escala,
cuja indústria nacional, até então frágil, começava a arriscar.
É certo que no Brasil, as principais manifestações do art déco na arquitetura, se
deram nas fachadas, esse fato justifica-se, pois, o Brasil por ser um país tropical, mantém
suas atividades muito mais ao ar livre, tendo em vista essa atitude, percebeu-se a
importância de valorizar suas fachadas, como o local de maior visibilidade do edifício.
Na arquitetura, o art déco segue uma tendência forte, a simplificação formal das
linhas gerais, para isso utiliza-se da geometrização. A linha streamline reflete uma
característica já mencionada, refletir o design industrial de automóveis e navios, associando
a velocidade, a aerodinâmica e a exaltação na escala, resultando em cantos arredondados,
a economia de detalhes, utilizando leves frisos e janelas do tipo escotilhas náuticas.
O Art déco possui ainda uma característica, por assim dizer, promíscua, isso porque
o design de um automóvel inspira na forma de um edifício, que por sua vez, empresta suas
linhas para o desenho de um rádio ou torradeira, tornou-se uma arte universal.
10

O Déco, é um estilo que não exagera na decoração em suas fachadas, para uma
mera representação de volume, os próprios elementos arquitetônicos e construtivos aderem
essa função, com volumes simétricos, com coroamentos diversificados e escalonados.
Também durante esse estilo, são exploradas novas formas, utilizando-se de
recursos técnicos e dos materiais, como, o concreto armado e as estruturas metálicas. Com
isso, foi possível inovar nas obras, surgindo o arranha-céu. Temos como exemplares dessa
linha, o edifício Empire State (EUA) e o edifício da Central do Brasil (Estação D. Pedro II) no
Rio de Janeiro, entre outros.
Um fato interessante de destacar são as obras realizadas no nordeste brasileiro, no
estilo Art Déco, nada comparado aos grandes monumentos espalhados pelas metrópoles.
Uma arquitetura feita sem o aço, sem o bronze e muito menos com arranha-céu, porém
manteve a inspiração geométrica, o jogo de retas e curvas que predominam no art déco.

Foto 00: Empire State, Nova York.


FONTE: http://www.casemodbr.com/forum/viewtopic.php?f=19&t=25349&start=0
11

Foto 00: Central do Brasil, Rio de Janeiro


FONTE: http://www.flickr.com/photos/65978346@N00/2312211610
12

5.1 Exemplares da arquitetura Déco no Brasil

Foto 00: Edifício Oceania, Freire e Sodré – Salvador-BA.


FONTE: http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=863314&page=3

Foto 00: Estação Ferroviária de Campina Grande – PB, 1981.


FONTE: http://imagem-papel-e-furia.com.br/?p=64
13

Foto 00: Prefeitura de Belo Horizonte, MG. Luiz Signorelli.


FONTE: http://www.otempo.com.br/otempo/noticias/?
IdEdicao=1460&IdCanal=1&IdSubCanal=&IdNoticia=124916&IdTipoNoticia=1

Foto 00: Lyceu Paraibano, PB. Clodoaldo Gouveia.


FONTE: http://arqpb.blogspot.com/2007/04/clodoaldo-gouveia.html
14

Foto 00: Hospital de Pronto-Socorro, Porto Alegre, RS. Christiano de la Paix Gelbert.
FONTE: http://www.abramede.com.br/pos-graduacao/senso-lato-residencia-medica/porto-alegre-
rs/hospital-de-pronto-socorro-de-porto-alegre/
15
16

6. CONSIDERAÇÕES FINAIS

O Estilo Art Déco, foi um movimento que marcou a história das artes, não só em
Paris, por ser o seu local onde nasceu e foi exposto, mas também no caráter internacional,
pois obteve muitos precursores. O Art Déco foi um estilo de características facilmente
identificáveis, que fugiam de todos os ideais das arquiteturas historicistas até então
vigentes.
Uma arquitetura que marcou pela modernização de suas formas e materiais,
inovadores, mas que sempre buscavam um caráter nacional. No Brasil este tipo de
arquitetura foi bastante utilizado em edifícios públicos, como escolas, repartições, etc. em
teatros e cinemas.
Certamente não teve um grande período, mas foi marcada pelos seus seguidores e
suas obras, servindo de exemplos concretos.
17

REFERÊNCIAS

UNES, Wolney. Identidade art déco de Goiânia. São Paulo: Ateliê Editorial; Goiânia: Ed.
da UFG, 2001.

Art déco na América Latina. Centro de Arquitetura e Urbanismo – 1º Seminário


Internacional, Rio de Janeiro: Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro/SMU, Solar Grandjean
de Montigny – PUC/RJ, 1997.

SEGAWA, Hugo. Arquiteturas no Brasil 1900-1990. 2º Edição. São Paulo: Editora da


Universidade de São Paulo, 1999.

DE ALENCAR, Valéria Peixoto. Art Déco – Estilo marcou a vida cotidiana. Disponível em:
< http://educacao.uol.com.br/artes/art-deco.jhtm >. Acesso em: 16 jul. 2010.

Art Déco. Disponível em: < http://todacultura.com/movimientosartisticos/artdeco.htm >.


Acesso em: 17 jul. 2010.

Semana de Arte Moderna. Disponível em: < http://www.puc-


campinas.edu.br/centros/clc/jornalismo/projetosweb/2003/Semanade22/amoya.htm>.
Acesso em: 18 jul. 2010.

Interesses relacionados