Você está na página 1de 67

PONTES EM CONCRETO

PONTES – ENC 550 Profª Dalilah Pires - UFSJ

Prof. Ricardo Azoubel


Deciv / EM / UFOP
ÍNDICE

1. Conceitos Gerais 1
1.1 Plantas 2
1.2 Considerações Iniciais 4
1.3 Pré-dimensionamento 5
1.4 Carga Permanente 5
1.5 Carga Móvel 16
1.6 Tabela de Envoltória Final 41

2. Dimensionamento das Seções do Vigamento Principal 42


2.1 Considerações Gerais 42
2.2 Dimensionamento a Flexão 43
2.3 Dimensionamento ao Esforço Cortante 49
1. CONCEITOS GERAIS

PONTES – ENC 550

Refs.: 1. Pontes de Concreto Armado,Vols. 1 e 2, autor: Walter Pfeil


2. Pontes em Concreto Armado e Protendido, autor: Jayme Mason
3. Pontes – Superestruturas, Vols. 1 e 2, autor: Colin O'Connor
4. Método de Cross, autor: Jayme Ferreira da Silva Júnior
5. Trabalho de Conclusão de Curso, Carolina Cordeiro e Flávia Castro
1.1 Plantas: Seção Longitudinal

½ Vista inferior
1.1 Plantas: Seção Transversal
1.2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS

• SEÇÃO TRANSVERSAL DA PONTE: duas vigas T, cada


uma delas constituída da alma da viga propriamente dita e de
uma parte da laje

VP1 VP2
• FUNÇÕES ESTRUTURAIS DAS LAJES
1. Recebe as cargas diretamente aplicadas no tabuleiro,
transmitindo-as para as vigas
2. Auxilia a resistência da viga principal, constituindo a mesa da viga T

• FUNÇÕES ESTRUTURAIS DAS TRANSVERSINAS


1. Apoio para a laje do tabuleiro
2. Contribuem para a rigidez dos vigamentos principais
3. Impedem o tombamento lateral das vigas principais (transversinas de apoio)

• CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS DAS VIGAS


1. As alturas das vigas de pontes de concreto armado são em geral
tomadas aproximadamente 10% do vão
(soluções econômicas e suficiente rigidez)
2. A largura da viga no meio do vão deve ser suficiente para
acomodar as armaduras positivas
(cuidado: não aumentar desnecessariamente o peso próprio da estrutura)
3. Aumentar a largura das vigas próximo aos apoios; motivo:
• tensões elevadas de cisalhamento (cortante no apoio)
• tensões elevadas de flexão (momento negativo no apoio)
1.3 PRÉ-DIMENSIONAMENTO

• MOTIVO: cálculo aproximado da estrutura, objetivando verificar


se as dimensões admitidas são satisfatórias

• GRAU DE SIMPLIFICAÇÃO: depende da finalidade. Para a ponte


em estudo, o pré-dimensionamento poderia ser feito com os
seguintes casos de carga:
1. Carga permanente média (suposta uniformemente distribuída)
2. Carga móvel atuando separadamente em cada vão

• ESTUDAM-SE AS SEÇÕES MAIS IMPORTANTES


1. Seções no meio do vão (momento positivo)
2. Seções nos apoios (momento negativo)
3. Seções junto aos apoios (esforço cortante)
1.4 CARGA PERMANENTE

OBSERVAÇÕES

1. CARGA DE UMA VIGA: METADE DA PONTE

2. PESOS ESPECÍFICOS DOS MATERIAIS:

• Concreto: γ = 2,5 tf/m3


• Barreira lateral: γ = 2,2 tf/m3
• Regularização: γ = 2,2 tf/m3
SEÇÃO ESTRUTURAL

2 3

4
1 - VIGA 1
2 - LAJE DE BALANÇO
3 - LAJE ENTRE AS VIGAS
4 - MÍSULA LONGITUDINAL
DA LAJE
2 - LAJE DE BALANÇO: 3 - LAJE ENTRE AS VIGAS:
A = [(0,15 + 0,35)/2] x 3,3 = 0,825 m2 A = 0,25 x 3,10 = 0,775 m2

2 3
4
4 - MÍSULA LONG. LAJE
1 - VIGA 1 A = (0,1 x 0,8)/2 = 0,04 m2
2 - LAJE DE BALANÇO
3 - LAJE ENTRE AS VIGAS
4 - MÍSULA LONGITUDINAL
DA LAJE

1 – VIGA: A = 0,4 x 2,25 = 0,90 m2

Atotal = 2,54 m2
BARREIRA LATERAL

0,2 0,15
0,05

A3 A3 = [(0,15 + 0,25)/2] x 0,4 = 0,08 m2


0,4

0,25 A2 A2 = [(0,25 + 0,4)/2] x 0,25 = 0,0813 m2

0,15 A1 A1 = 0,15 x 0,40 = 0,06 m2

Atotal = 0,221 m2
CAMADA DE REGULARIZAÇÃO

A = [(0,04 + 0,10)/2] x 6,4 = 0,448 m2

0,04 0,10

g (tf/m)
PESO PRÓPRIO
(seção estrutural + barreira lateral + camada de regularização)

g = 2,54 x 2,5 + (0,221 + 0,448) x 2,2

g ≅ 7,8 tf/m

g ≅ 7,8 tf/m

5 20 12,5
ALARGAMENTO DA BASE DA VIGA
• Apoios Extremos
A = 0,4 x (2,25 - 0,35) = 0,76 m2
q = 0,76 x 2,5 ≅ 1,9 tf/m

• Apoios Intermediários
A = 0,6 x (2,25 - 0,35) = 1,14 m2
q = 1,14 x 2,5 ≅ 2,85 tf/m h
b
2,85 tf/m
1,9 tf/m

g ≅ 7,8 tf/m
5 20 12,5
TRANSVERSINAS INTERMEDIÁRIAS
• Peso Próprio da Transversina
A = 0,28 x (2,25 - 0,25 - 0,25) = 0,49 m2
q = 0,49 x 2,5 ≅ 1,225 tf/m laje
mísula da mísula da
laje laje
• Mísula da Laje:
A = 2 x [(0,5 x 0,1)/2] = 0,05 m2 h
q = 0,05 x 2,5 ≅ 0,125 tf/m
b

q = 1,35 tf/m
Assim:
VP1 VP2
6,2 (= 6,6 - 0,2 - 0,2)
R

R ≅ 4,2 tf
TRANSVERSINAS DE APOIO
• Peso Próprio da Transversina
A = 0,30 x (2,25 - 0,25) = 0,6 m2 laje
q = 0,6 x 2,5 ≅ 1,5 tf/m mísula da mísula da
laje laje

• Mísula da Laje:
h
A = 2 x [(0,5 x 0,1)/2] = 0,05 m2
q = 0,05 x 2,5 ≅ 0,125 tf/m
b
q = 1,625 tf/m
Assim: VP1 VP2
5,0 (= 7,0 - 1,0 - 1,0)
R

R ≅ 4,1 tf
APOIOS EXTREMOS - Alargamento de 20 cm
APOIOS EXTREMOS - Alargamento de 20 cm

• Motivo: acomodar o aparelho de apoio de neoprene

• Peso do Alargamento:
1m
Volume
viga principal
pilar
P = (0,2 x 1,0 x 2) x 2,5
P = 1,0 tf mísul
a da l
aje
0,2 m mísula da laje

transversina

mísula da laje
mísula da laje
Assim, deve-se considerar nos
apoios extremos:

Ptotal = 4,1 + 1,0 = 5,1 tf 0,3 m


CORTINA DA EXTREMIDADE, MÍSULA DA LAJE
E ABAS LATERAIS

t e ral
la
r e ira
r
ba
VP

Abas VP
ra l
M a t e
ísu l
la
d r e ira
al ar
aje b
Cortina

Abas
• Cortina
A = 0,25 x 2,25 = 0,5625 m2

q1 = 0,5625 x 2,5 ≅ 1,406 tf/m q = 1,469 tf/m

• Mísula da Laje: VP1 VP2


3,2 6,6 3,2
A = (0,5 x 0,1)/2 = 0,025 m2

q2 = 0,025 x 2,5 ≅ 0,0625 tf/m R R ≅ 9,5 tf

• Abas Laterais:
V = [(0,5 + 2,25) x 2,5 /2] x 0,25 = 0,859 m3

P = 0,859 x 2,5 ≅ 2,15 tf

FINAL:

P = 9,5 + 2,15 = 11,65 ≅ 12 tf


Modelo Estrutural: CARGA PERMANENTE

5,1tf
12tf 4,8tf 4,2tf 4,1tf 4,2tf 4,1tf 4,2tf 4,8tf 12tf
5,1tf

1,9tf/m 2,85 tf/m 2,85tf/m 1,9tf/m

7,8 tf/m

5m 20 m 25 m 20 m 5m
Esforços: CARGA PERMANENTE

Aplicar o modelo estrutural nas LI dos esforços para cada uma das seções

ou

Determinar os diagramas de esforços para a viga em questão


analiticamente (Método das forças, Método dos deslocamentos, Processo
de Cross) ou através de um software (FTOOL).
Através do FTOOL

5,1tf
12tf 4,8tf 4,2tf 4,1tf 4,2tf 4,1tf 4,2tf 5,1tf 12tf
4,8tf

1,9tf/m 2,85tf/m 2,85tf/m 1,9tf/m

7,8 tf/m

5m 20 m 25 m 20 m 5m
Através do FTOOL – Esforço Cortante
Através do FTOOL – Momento Fletor
Momentos Fletores (Mg) e Esforços Cortantes (Vg)

Ma = 0 M11 ≅ - 163 tfm Va ≅ - 12 tf Ve10 ≅ 107 tf


Mb = - 55,4 tf m M12 ≅ 15 tfm Vb ≅ - 33 tf V11 ≅ 82 tf
M0 = - 166,5 tf m M13 ≅ 142 tfm V0e ≅ - 56 tf V12 ≅ 61 tf
M1 ≅ - 37 tfm M14 ≅ 220 tfm V0d ≅ 74 tf V13 ≅ 41 tf
M2 ≅ 55 tfm M15 ≅ 250 tfm V1 ≅ 55 tf V14 ≅ 22 tf
M3 ≅ 114 tfm V2 ≅ 38 tf V15e≅ 2,1 tf
M4 ≅ 142 tfm V3 ≅ 22 tf V15d ≅ - 2,1 tf
M5 ≅ 139 tfm V4 ≅ 6 tf
M6 ≅ 97 tfm V5e ≅ - 9 tf
M7 ≅ 23 tfm V5d ≅ - 14 tf
M8 ≅ - 82 tfm V6 ≅ - 29 tf
M9 ≅ - 221 tfm V7 ≅ - 45 tf
M10 ≅ - 397 tfm V8 ≅ - 60 tf
V9 ≅ - 78 tf
V10e ≅ - 99 tf
1.5 CARGA MÓVEL
OBSERVAÇÕES:

1. CLASSE 45 (Norma antiga)


• Veículo tipo: 45 tf
• Faixa principal: 0,5 tf/m2
• Faixa secundária: 0,5 tf/m2

2. Momentos Fletores (Mq), Esforços Cortantes (Vq) e


Reações de Apoio (Rq)

• Para cada seção da viga principal posiciona-se o TREM-TIPO


encontrado nas posições mais desfavoráveis
(OBTENÇÃO DAS ENVOLTÓRIAS)
• Sendo a viga dimensionada para esses valores das envoltórias,
a RESISTÊNCIA estará assegurada para qualquer
posição da carga móvel
Distribuição Transversal da Carga Móvel

PP 0,5 tf/m2
Veículo P
Tipo 0,5 tf/m2
Faixa
Faixa Secundária
Principal

Vigas Barreira
Principais Lateral

3.1 6.6 3.1


12.8
TREM-TIPO

Passo 1: Continuidade da faixa principal


Pvt(reduzido) = 45 - 0,5 x (3 x 6) = 36 tf
Pvt(reduzido)/eixo = 36/3 = 12 tf

Passo 2: Obtenção da LI Reação de VP1 P=1


-
• P = 1 em VP1 → RVP1 = 1 VP1 + VP2
1
• P = 1 em VP2 → RVP1 = 0

3,1 m 6,6 m

CDT = LIRVP1 (Longarinas independentes)


Passo 3: Contribuição das cargas concentradas do VT

12 tf
1,5 m
-
VP1 VP2
y ≅1,24 1 +

3,1 m 6,6 m

RVP1 = 12 x 1,2424 ≅ 14,91 tf

14,91 tf 14,91 tf 14,91 tf


1,5 m 1,5 m
Passo 4: Contribuição das cargas uniformemente distribuídas

q = 0,5 tf/m2
-
VP1 VP2
+
y ≅1,47 1

3,1 m 6,6 m

RVP1 = 0,5 x [(9,7 x 1,47)/2] ≅ 3,56 tf/m

q = 3,56 tf/m
Passo 5: Definição do Trem-Tipo

Projeto
14,91 tf 14,91 tf 14,91 tf
1,5 m 1,5 m

q = 3,56 tf/m

Anteprojeto
44,73 tf

q = 3,56 tf/m
MOMENTOS FLETORES (Mq)

1. SEÇÕES NO BALANÇO: Trecho Isostático;


Linhas de Influência → Cálculo Direto

2. SEÇÕES NOS TRAMOS: Trecho Hiperestático;


Seções no Balanço

a b 0

• SEÇÃO b
P P P
1,5 1,5

Mbq = -[14,91 x (2,5 + 1) + 3,56 x (2,5 x 2,5)/2]


q
Mbq = - 63,31 tfm
2,5
y1 b 0
a LIMb
2,5
Lb = 5 m
• SEÇÃO 0
P P P
1,5 1,5

5 y1

by2 0
a LIM0
Lb = 5 m

M0q = -[14,91 x (5 + 3,5+ 2) + 3,56 x (5 x 5)/2]

M0q = - 201,06 tfm


Linha de Influência: LIM4

LIM (ordenadas x l1)


Seções nos Tramos: SEÇÃO 4

Linha de Influência: LIM4

- 4 - -
+
+
SEÇÃO 4: MOMENTO POSITIVO (MÁXIMO)
PPP

q q
- - -
A2
y2 A1
y3
y1

M4q+(máx) = P(y1 + y2 + y3) + q (A1 + A2), ou

M4q+(máx) = 14,91 (y1 + y2 + y3) + 3,56 (A1 + A2)

1. Ordenadas: y1, y2 e y3
Incógnitas:
2. Áreas: A1 e A2
• Ordenadas: y1, y2 e y3

PP P

q q
- - -
y1 = 0,2077 l1
A2
y2 y3
A1
y1

y 2 − 0,1538 l1 0, 2077 l1 − 0,1538 l1


tg α = =
P P P 0 ,5 2
1,5 m 1,5 m
y 2 = 0,1673 l1
3 4 5
y 3 − 0,1640 l1 0, 2077 l1 − 0,1640 l1
tg β = =
0,1538 l1

0,1640 l1

0 ,5 2
y2 y3
y 3 = 0,175 l1
α
y1 β

2m 2m Ou, de uma forma geral:


 1,5 
y 2 =  0, 2077 − (0, 2077 − 0,1538 )  l1 = 0,1673 l1
 2 
 1,5 
y 3 =  0, 2077 − (0, 2077 − 0,1640 )  l1 = 0,175 l1
 2 
PP P

• Áreas: A1 e A2 q
q
- - -
A2
y2 A1
y3
y1

A1 = 0,0959 l12 (ponto 4) [Tabela: carga útil no vão 1]


Tabela:
A2 = 0,0067 l12 (ponto 26) [Tabela: carga útil no vão 3]

Finalmente:

M4q+(máx) = 14,91 (0,2077 + 0,1673 + 0,175) 20 +


3,56 (0,0959 +0,0067) 202

M4q+(máx) = 310,11 tfm


Linha de Influência: LIM4

Äreas das LI

LIM (ordenadas x l1)


SEÇÃO 4: Momento Negativo (máximo)

PPP dúvida??? PPP

q q
q
y1 y2
y3 y2 y1 y3 A2 A3
A1 +
+

M4q- (máx) = P(y1 + y2 + y3) + q (A1 + A2 + A3), ou


M4q- (máx) = 14,91 (y1 + y2 + y3) + 3,56 (A1 + A2 + A3)

1. Ordenadas: y1, y2 e y3
Incógnitas:
2. Áreas: A1, A2 e A3
• Ordenadas: y1, y2 e y3

1. Cargas Concentradas no BALANÇO P P P

y1 = 0,504 lb
y1 + y2 + y3 q
3,5
y2 = y1 = 0,3528 l b = y1
5 5,29
y2 y3

2 2
y 3 = y1 = 0, 2016 l b 3 ,5
5 5

P P P
2. Cargas Concentradas no TRAMO (seção 10-20)
y1 = 0,0437 l1 q
y2 y1 y3 A 2
 1,5 
y 2 =  0,0437 − (0,0437 − 0,0423 )  l1 = 0,0429 l1
 2 , 5  y1 + y2 + y3
 1,5  =
y 3 =  0,0437 − (0,0437 − 0,0408 )  l1 = 0,0420 l1 2,57
 2 , 5 
Tabela de Influência do Momento na extremidade do balanço

x lb (largura do balanço)
P P P d ú v id a ? ? ?

• Áreas: A1, A2 e A3
P P P

q q
q
y1 y2 y3 y2 y1 y3 A2 A3
A1 +
+

y1 = 0 ,5 0 4 lb
• A1: A1 A1 = 0,504 x 5 x 5/2 = 6,3
5

A2 A2 = 0,034 x 202 = 13,6


• A2:

A3 y= 0,027 lb A3 = 0,027 x 5 x 5/2 = 0,3375


• A3:
5

Finalmente:
M4q- (máx) = 14,91 x 5,29 + 3,56 (6,3 + 13,6 + 0,3375) = 78,87 + 72,05

M4q-(máx) = 150,92 tfm


OBSERVAÇÕES

• PARA AS DEMAIS SEÇÕES DA VIGA, PROCEDE-SE


COMO INDICADO PARA A SEÇÃO 4
• Na tabela de L.I. só são fornecidas as L.I. Esforço Cortante
nas Seções 0d e 10d

• Para obtenção da L.I. Esforço Cortante em uma seção qualquer


do vão l1, por exemplo, seção 4, utiliza-se a LIV0d.
Deve-se somar às ordenadas da L.I.V0d do ponto 0 até o ponto 4 o valor -1;
do ponto 4 em diante, a L.I. é igual a L.I.V0d

• Para obtenção da L.I. Esforço Cortante em uma seção qualquer


do vão l2, por exemplo, seção 14, utiliza-se L.I.V10d.
Deve-se somar às ordenadas da L.I.V10d do ponto 10d até o ponto 14 o
valor -1 ; do ponto 14 em diante, a L.I. é igual a L.I.V10d
• L.I.Vs: SEÇÕES NO TRAMO 0-10

LIV0d
1 +
+
-
0 10 20 30
= = =
LIV4

+ +
- 4 -
0 10 20 30
= =
LIV8

+ +

- 8 -
0 10 20 30
• L.I.Vs: SEÇÕES NO TRAMO 10-20

LIV10d
1
+
+
-
0 10 20 30
= = =
LIV14
1
+ +
- 14 -
0 10 20 30
=
=
LIV18 1
+ +

18 -
- 20 30
0 10
Seções no Balanço

a b 0

• SEÇÃO a

P P P
Vaq = -[ 14,91 x 1 ]
q
Vaq = - 14,91 tf
-1
a b 0
• SEÇÃO b
P P P

q Vbq = -[ 14,91 x (1+1) + 3,56 x (1 x 2,5) ]

1 - Vbq = - 38,72 tf

a 2,5 m b 0

• SEÇÃO 0e
P P P

q
V0eq = -[ 14,91 x (1+1+1) + 3,56 x (1 x 5) ]
1 -
V0eq = - 62,53 tf
a b 0e
5m
Seções no Tramo: SEÇÃO 4

Linha de Influência: LIV4


PPP

q q q
A2
y1 y2
y3 A3
+ + + -
A1 - 4 -

V4q (máx) = P(y1 + y2 + y3) + q (A1 + A2 + A3), ou

V4q (máx) = 14,91 (y1 + y2 + y3) + 3,56 (A1 + A2 + A3)


• ORDENADAS: y1, y2 e y3
PPP

q q q
A2
y1 y2
y3 A3
+ + + -
A1 - 4 -

y
P P P
1,5 m 1,5 m

y1 = 0,5193
y = ax2 + bx + c
y’ = 0,4100
y’’= 0,3078
y1 y2 y' y3 y''
x
4 5 6 V4q (P) = 14,91 (y1 + y2 + y3)
2m 2m
SEÇÃO 4: P

y 2 − y " y '− y " y 2 − 0, 3078 0, 4100 − 0, 3078


tgα = = ∴ =
2, 5 2, 0 2, 5 2, 0

y 2 = 0, 4356
y '− y " y 3 − y " 0, 4100 − 0, 3078 y 3 − 0, 3078
tgα = = ∴ =
2, 0 1, 0 2, 0 1, 0
y
P P P y 3 = 0, 3791
1,5 m 1,5 m


= ax2 + bx + c

y1 y2 y' (y1 + y2 + y3) = 1,334


y3 y''
x
4 2m
5 2m
6

y1 = 0,5193 V4q (P) = 14,91 x 1,334 = 19,9 tf


y’ = 0,4100
y’’= 0,3078
• ÁREAS

A2 = a/3 (y1 + y2)


A1 = lb y/2
y1 A3 = 0,8 y3 L
A2 y3
y A1 y2
- 4 - A3 -
a/2
lb L
a

1 A2 = 0,8 y3 L A3 = lb y/2
y2
+ y1 + +
y3 A2 A3
y
A1
a/2 L lb
a
A1 = a/3 [ 2 - (y1 + y2) ]
A2 = a/3 (y1 + y2)
A1 = lb y/2
SEÇÃO 4: q y A1
y1
A2 y2 y3
A3 = 0,8 y3 L

- 4 - A3 -
a/2
lb L
1. q → Vão 0-10: A2 a

V4q (q) = q x A2

Onde: A 2 ≅ a ( y1 + y 2 ) = 0,6 20 (0,5193 + 0, 2143 )


3 3
Seção 7
A 2 ≅ 2,93
Assim: V4q (q) = q x A2 = 3,56 x 2,93 = 10,43 tf

2. q → Vão 20-30: A3
V4q (q) = q x A3 Seção 24 (maior ordenada do vão)
Onde: A 3 ≅ 0,8 y 3 L = 0,8 x 0,0257 x 20
A 3 ≅ 0, 4097
Assim: V4q (q) = q x A3 = 3,56 x 0,4097 = 1,46 tf
A2 = a/3 (y1 + y2)
A1 = lb y/2
y1 A3 = 0,8 y3 L

3. q → BALANÇO: A1
A2 y3
y A1 y2
- 4 - A3 -
a/2
lb L
a

lb 0,241lb
4

V4q (q) = q x A1 0 10
1,241
R0 = - R10 =1,24 lb/20
lb/20

1, 241 x 5 1
Onde: A1 ≅ lb y / 2 = 5 x x
20 2
A1 ≅ 0, 776 y
y
A1
Assim: V4q (q) = q x A1 = 3,56 x 0,776 = 2,76 tf lb

Finalmente:
V4q+ (máx) = 19,9 + 10,43 + 1,46 + 2,76

V4q+(máx) = 34,55 tf
REAÇÕES DE APOIO (Rq)
LIR0 e LIR10
COEFICIENTE DE IMPACTO

1. Vigas S.A.: L = vão teórico

2. Vigas contínuas: L = vão teórico de cada tramo carregado

menor vão
Se : > 0, 7 ⇒ L = Lmédio
maior vão

3. Vigas em balanço: L = comprimento do balanço


COEFICIENTE DE IMPACTO

4. Vigas Gerber ou vigas contínuas com vão isostático intermediário


a. Trecho isostático: L = comprimento do vão

b. Trecho balanço: L = comprimento do trecho em balanço

trecho central

A B 5 C D
na
6 3 20 4 8 6
pilar PIL A R
pilar pilar
ENCONTRO 3
(b = largura da ponte)
1.6 TABELA DE ENVOLTÓRIA FINAL

Seção Momentos Fletores M Envoltórias M Esforços Costantes V Envoltórias V


+ - + - + - + -
Mg ϕ Mq ϕ Mq M M Vg ϕ Vq ϕ Vq V V
a
b
0e
0d
1
2
3
4 142,4 1,29 310,11 1,34 150,92 542,44 59,83 6,3 1,29 34,55 1,29 30,78 50,87 33,41
5
6
.
.
.
15 250 1,29 331,87 1,29 91,33 678,11 (+)132,18 2,1 1,29 34,17 1,29 34,17 46,18 41,98
OBSERVAÇÕES

• PARA AS DEMAIS SEÇÕES DA VIGA, PROCEDE-SE


COMO INDICADO PARA A SEÇÃO 4

TRABALHO - PROJETO