Você está na página 1de 93

12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

PORTUGUES

Português

Questão 1: IBFC - Aux Adm (MGS)/MGS/2016


Assunto: Convenções de Escrita
Mundo interior

(Martha Medeiros)

A casa da gente é uma metáfora da nossa vida, é a representação exata e fiel do nosso mundo interior. Li esta frase outro dia e achei perfeito. Poucas coisas traduzem
tão bem nosso jeito de ser como nosso jeito de morar. Isso não se aplica, logicamente, aos inquilinos da rua, que têm como teto um viaduto, ainda que eu não duvide
que até eles sejam capazes de ter seus códigos secretos de instalação.

No entanto, estamos falando de quem pode ter um endereço digno, seja seu ou de aluguel. Pode ser um daqueles apartamentos amplos, com pé direito alto e preço mais
alto ainda, ou um quarto-e-sala tão compacto quanto seu salário: na verdade, isso determina apenas seu poder aquisitivo, não revela seu mundo interior, que se
manifesta por meio de outros valores.

Da porta da rua pra dentro, pouco importa a quantidade de metros quadrados e, sim, a maneira como você os ocupa. Se é uma casa colorida ou monocrática. Se tem
objetos obtidos com afeto ou se foi tudo escolhido por um decorador profissional. Se há fotos das pessoas que amamos espalhadas por porta-retratos ou se há paredes
nuas.

Tudo pode ser revelador: se deixamos a comida estragar na geladeira, se temos a mania de deixar as janelas sempre fechadas, se há muitas coisas por consertar. Isso
também é estilo de vida.

Luz direta ou indireta? Tudo combinadinho ou uma esquizofrenia saudável na junção das coisas? Tudo de grife ou tudo de brinque? É um jogo lúdico tentar descobrir o
quanto há de granito e o quanto há de madeira na nossa personalidade. Qual o grau de importância das plantas no nosso habitat, que nota daríamos para o quesito vista
panorâmica? Quadros tortos nos enervam? Tapetes rotos nos comovem?

Há casas em que tudo o que é aparente está em ordem, mas reina a confusão dentro dos armários. Há casas tão limpas, tão lindas, tão perfeitas que parecem cenários:
faz falta um cheiro de comida e um som vindo lá do quarto. Há casas escuras. Há casas feitas por fora e bonitas por dentro. Há casas pequenas onde cabem toda a
família e os amigos, há casas com lareira que se mantêm frias. Há casas prontas para receber visitas e impróprias para receber a vida. Há casas com escadas, casas com
desníveis, casas divertidamente irregulares.

Pode aparecer apenas o lugar onde a gente dorme, come e vê televisão, mas nossa casa é muito mais que isso. É a nossa caverna, o nosso castelo, o esconderijo secreto
onde coabitamos com nossos defeitos e virtudes.

Por se tratar de uma crônica, a autora privilegia uma modalidade mais informal de uso da língua. Assinale a opção em que se verifica um exemplo de informalidade.

a) "Isso não se aplica, logicamente, aos inquilinos da rua" (1º §)


b) "na verdade, isso determina apenas seu poder aquisitivo," (2º §)
c) "Se há fotos das pessoas que amamos espalhadas por porta-retratos" (3º §)
d) "Tudo combinadinho ou uma esquizofrenia saudável" (5º §)

Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/372206

Questão 2: IBFC - Moto (CM Franca)/CM Franca/2016


Assunto: Ortografia
Analise as afirmativas abaixo e assinale a alternativa que apresenta correta ortografia.

a) Repercução- exceto- paralizado


b) Repercussão- exceto- paralisado
c) Repercução- ecerto- paralizado
d) Repercussão- ecerto- paralisado
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/395950

Questão 3: IBFC - As Adm (EBSERH-HUAP)/EBSERH-HUAP/2016


Assunto: Ortografia
Texto

Setenta anos, por que não?

Acho essa coisa da idade fascinante: tem a ver com o modo como lidamos com a vida. Se a gente a considera uma ladeira que desce a partir da primeira ruga, ou do
começo de barriguinha, então viver é de certa forma uma desgraceira que acaba na morte. Desse ponto de vista, a vida passa a ser uma doença crônica de prognóstico
sombrio. Nessa festa sem graça, quem fica animado? Quem não se amargura?

[...]

Pois se minhas avós eram damas idosas aos 50 anos, sempre de livro na mão lendo na poltrona junto à janela, com vestidos discretíssimos, pretos de florzinha branca
(ou, em horas mais festivas, minúsculas flores ou bolinhas coloridas), hoje aos 70 estamos fazendo projetos, viajando (pode ser simplesmente à cidade vizinha para
visitar uma amiga), indo ao teatro e ao cinema, indo a restaurante (pode ser o de quilo, ali na esquina), eventualmente namorando ou casando de novo. Ou dando risada
à toa com os netos, e fazendo uma excursão com os filhos. Tudo isso sem esquecer a universidade, ou aprender a ler, ou visitar pela primeira vez uma galeria de arte, ou
comer sorvete na calçada batendo papo com alguma nova amiga.

[...]

Não precisamos ser tão incrivelmente sérios, cobrar tanto de nós, dos outros e da vida, críticos o tempo todo, vendo só o lado mais feio do mundo. Das pessoas. Da
própria família. Dos amigos. Se formos os eternos acusadores, acabaremos com um gosto amargo na boca: o amargor de nossas próprias palavras e sentimentos. Se não

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 1/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
soubermos rir, se tivermos desaprendido como dar uma boa risada, ficaremos com a cara hirta das máscaras das cirurgias exageradas, dos remendos e intervenções para
manter ou recuperar a “beleza”. A alma tem suas dores, e para se curar necessita de projetos e afetos. Precisa acreditar em alguma coisa.

(LUFT, Lya. In: http://veja.abril.com.br. Acesso em 18/09/16)

Todas as palavras abaixo, retiradas do texto, possuem exemplo de dígrafos, EXCETO:

a) “Acho”
b) “fascinante”
c) “barriguinha”
d) “Quem”
e) “florzinha”
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/418221

Questão 4: IBFC - Ass San (EMBASA)/EMBASA/Técnico em Segurança do Trabalho/2015


Assunto: Fatos da Língua Portuguesa (porque, por que, porquê e por quê; onde, aonde e donde; há e a, etc)
Texto I

Os bolsos do morto
(Luis Fernando Veríssimo)

O morto não é exatamente um amigo. Mais um conhecido, mas daqueles que você não pode deixar de ir ao velório. E lá está ele, estendido dentro do caixão forrado de
cetim, de terno azul-marinho e gravata grená, esperando para ser enterrado.

Se fosse um amigo você ficaria em silêncio, compungido, lembrando o morto em vida e lamentando sua perda. Como é apenas um conhecido, você comenta com o
homem ao seu lado - que também não parece ser íntimo do morto:

- Poderiam ter escolhido outra gravata...

- É. Essa está brava.

- Já pensou ele chegando lá com essa gravata?

- “Lá” onde?

- Não sei. Onde a gente vai depois de morto. Onde vai a nossa alma.

- Eu acho que a alma não vai de gravata.

- Será que não? E de fatiota?

- Também não.

- Bom. Pelo menos esse vexame ele não vai passar.

- Você é da família?

- Não. Apenas um conhecido.

Você examina o morto. Engraçado: ele vai partir para a viagem mais importante, e mais distante, da sua vida, mas não precisa carregar nada. Identidade, passaporte,
nada. Nem dinheiro, o que dirá cheques de viagem ou cartões de crédito. Nem carteira!

Você diz para o outro:

- A coisa mais triste de um defunto são os bolsos. O outro estranha.

- Como assim?

- Os bolsos existem para carregar coisas. Coisas importantes, que definem sua vida. CPF, licença para dirigir, bloco de notas, caneta, talão de cheques, remédio para
pressão...

- Pepsamar...

- Pepsamar, cartão perfurado da Sena, recortes de artigos sobre a situação econômica, fio dental... Isso sem falar em coisas com importância apenas sentimental. Por
exemplo: um desenho rabiscado por uma possível neta que parece, vagamente, um gato, e que ele achou genial e guardou. Entende?

- Sei.

- E aí está ele. Com os bolsos vazios. Despido da vida e de tudo que levava nos seus bolsos, e que o definia. O homem é o homem e o que ele leva nos bolsos. Poderiam
ter deixado, sei lá, pelo menos um chaveiro

- Você acha?

- Claro. As chaves da casa. As chaves do carro. Qualquer coisa pessoal, que pelo menos fizesse barulho num bolso da fatiota, pô!

Você se dá conta de que está gritando. As pessoas se viram para reprová-lo. “Mais respeito” dizem as caras viradas. Você faz um gesto, pedindo perdão. Sou apenas um
conhecido, desculpem. Mas continua, falando mais baixo:

- A morte é um assaltante. Nos mata e nos esvazia os bolsos.

- Sem piedade.

- Nenhuma.

Vocabulário:
Fatiota - roupa de melhor qualidade, usada em situações mais formais
Pepsamar - tipo de medicamento
https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 2/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

No fragmento “Mais um conhecido, mas daqueles que você não pode deixar de ir ao velório.”(1°§), estão destacadas duas palavras que se aproximam quanto à
pronúncia, contudo diferenciam-se quanto à classificação morfológica. Assinale a opção que indica, respectivamente, o valor semântico que elas introduzem.

a) intensidade e oposição
b) adição e explicação
c) oposição e conclusão
d) retificação e intensidade
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/335580

Questão 5: IBFC - Asst (CM Aqa)/CM Araraquara/Comunicação/2016


Assunto: Fatos da Língua Portuguesa (porque, por que, porquê e por quê; onde, aonde e donde; há e a, etc)
Assinale a alternativa que não apresenta erro.

a) Entrada é proibido
b) Aluga-se casa.
c) A casa está a venda.
d) A primeira prova foi a cerca de uma semana.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/376170

Questão 6: IBFC - TCE (TCM-RJ)/TCM-RJ/2016


Assunto: Acentuação
Analise as afirmativas abaixo, dê valores Verdadeiro (V) ou Falso (F) quanto ao emprego do acento circunflexo estabelecido pelo Novo Acordo Ortográfico.

( ) O acento permanece na grafia de 'pôde' (o verbo conjugado no passado) para diferenciá-la de 'pode' (o verbo conjugado no presente).

( ) O acento circunflexo de 'pôr' (verbo) cai e a palavra terá a mesma grafia de 'por' (preposição), diferenciando-se pelo contexto de uso.

( ) a queda do acento na conjugação da terceira pessoa do plural do presente do indicativo dos verbos crer, dar, ler, ter, vir e seus derivados.

Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta de cima para baixo.

a) VFF
b) FVF
c) FFV
d) FVV
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/393137

Questão 7: IBFC - Tec (COMLURB)/COMLURB-RJ/Segurança do Trabalho/2016


Assunto: Acentuação
O novo acordo ortográfico nos apresentou algumas alterações de acentuação de palavras em Língua Portuguesa. Leia as alternativas abaixo e assinale a que apresenta
somente palavras acentuadas corretamente.

a) Seqüência, idéia, caráter, bóia, saúde.


b) Sequência, idéia, carater, bóia, saúde
c) Sequência, ideia, caráter, boia, saúde.
d) Seqüência, ideia, caráter, bóia, saude.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/393504

Questão 8: IBFC - Moto (CM Franca)/CM Franca/2016


Assunto: Acentuação
A partir da nova reforma ortográfica, assinale a alternativa que apresenta somente palavras com acentuação correta.

a) Platéia, caju, bússola, estágio


b) Plateia, caju, bussola, estagio
c) Plateia, cajú, bussola, estágio.
d) Plateia, cajú, bússola, estágio
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/395951

Questão 9: IBFC - Aux PO (PCie PR)/PCie PR/2017


Assunto: Acentuação
Afinal: o que é a “morte cerebral”?

A declaração de morte cerebral é um conceito relativamente


novo na medicina e envolve o preenchimento de critérios
clínicos e laboratoriais

O cérebro humano é o órgão que nos torna únicos. Possibilita que pensemos, falemos e organiza, de uma forma ou outra, todo nosso consciente e inconsciente. Claro,
todos os órgãos são relevantes, e, sem o conjunto, não poderíamos funcionar de maneira adequada. Mas a verdade é que, do ponto de vista evolutivo, todos os órgãos
desenvolveram-se para permitir manter um cérebro cada vez mais exigente e complexo. Aprimoraram-se os mecanismos de defesa, de alimentação, de locomoção, entre
outros, para que as sensações e ordens trabalhadas no cérebro fossem elaboradas.

E quando o cérebro deixa de funcionar, ou seja, morre, todas as outras funções deixam de ser necessárias; muitas delas ficam descoordenadas pela simples falta da
atividade cerebral adequada.

Até pouco tempo atrás, o indivíduo morria quando seu coração parava de bater. Hoje sabemos que o indivíduo está morto quando seu cérebro morre. Mas, não há muito
tempo, também achávamos que as sensações (o amor, por exemplo), emanavam do coração.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 3/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Apesar disto parecer “bom senso”, o conceito de “morte cerebral” e seu adequado diagnóstico são tópicos recentes e datam de apenas algumas décadas. A necessidade
de conceituar formalmente a “morte cerebral” ou “morte encefálica” tomou impulso quando se iniciou a era dos transplantes de órgãos, e tornou-se necessário
protocolizar seu diagnóstico, já que indivíduos com morte cerebral poderiam então ser considerados possíveis doadores.

Existem algumas diferenças para a definição de morte cerebral em diferentes países, mas muitos aspectos são comuns. Em primeiro lugar, o indivíduo deve ter algumas
características clínicas, que são facilmente reconhecidas por um neurologista: falta de reação à dor, falta de movimentação, ausência de respiração, pupilas dilatadas e
não responsivas à luz etc. Claro, o indivíduo não pode ter recebido nenhuma medicação nas 24 horas anteriores que possa causar isto. Cada um destes aspectos foi
regulamentado: ver se o paciente respira, ver a reação à dor, as pupilas etc, de modo que a avaliação pudesse ser replicada, independente do ambiente em que o
indivíduo esteja. [...]

Uma vez definida adequadamente a morte encefálica, o indivíduo poderá ter seus órgãos doados (caso tenha havido consentimento para tal), um ato que possivelmente
poderá ajudar a salvar várias vidas. A partir deste momento, as medidas de suporte de vida são, em tese, desnecessárias.

(Disponível: http://veja.abril.com.br/blog/letra-de-medico/afinal-o-quee-a-morte-cerebral/ Acesso em: 07/02/17)

Dentre as palavras abaixo, presentes no texto, assinale a opção cujo vocábulo é acentuado por uma regra diferente da que justifica a acentuação dos demais.

a) cérebro.
b) indivíduo.
c) únicos.
d) achávamos.
e) diagnóstico.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/465242

Questão 10: IBFC - TCE (TCM-RJ)/TCM-RJ/2016


Assunto: Uso do Hifen
Assinale a locução que não deve ser grafada com hífen de acordo com o Novo Acordo Ortográfico.

a) cor-de-rosa
b) pingue-pongue
c) mato-grossense
d) manda-chuva
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/393138

Questão 11: IBFC - Cui Esc (Petrópolis)/Pref Petrópolis/2015


Assunto: Fonética (fonemas, dígrafos, encontros consonantais, vocálicos, etc)
Fuga

(Fernando Sabino)

Mal o pai colocou o papel na máquina, o menino começou a empurrar uma cadeira pela sala, fazendo um barulho infernal.

- Para com esse barulho, meu filho – falou, sem se voltar.

Com três anos já sabia reagir como homem ao impacto das grandes injustiças paternas: não estava fazendo barulho, estava só empurrando uma cadeira.

- Pois então para de empurrar a cadeira.

- Eu vou embora – foi a resposta.

Distraído, o pai não reparou que ele juntava ação às palavras, no ato de juntar do chão as suas coisinhas, enrolandoas num pedaço de pano. Era a sua bagagem: um
caminhão de plástico com apenas três rodas, um resto de biscoito, uma chave (onde diabo meteram a chave da despensa? - a mãe mais tarde irá dizer), metade de uma
tesourinha enferrujada, sua única arma para a grande aventura, um botão amarrado num barbante.

A calma que baixou então na sala era vagamente inquietante. De repente, o pai olhou ao redor e não viu o menino. Deu com a porta da rua aberta, correu até o portão:

- Viu um menino saindo desta casa? – gritou para o operário que descansava diante da obra do outro lado da rua, sentado no meio-fio.

- Saiu agora mesmo com a trouxinha – informou ele.

Correu até a esquina e teve tempo de vê-lo ao longe, caminhando cabisbaixo ao longo do muro. A trouxa, arrastada no chão, ia deixando pelo caminho alguns de seus
pertences: o botão, o pedaço de biscoito e – saíra de casa prevenido – uma moeda de 1 cruzeiro. Chamou-o, mas ele apertou o passinho, abriu a correr em direção à
Avenida, como disposto a atirar-se diante do ônibus que surgia a distância.

- Meu filho, cuidado!

O ônibus deu uma freada brusca, uma guinada para a esquerda, os pneus cantaram no asfalto. O menino, assustado, arrepiou carreira. O pai precipitou-se e o
arrebanhou com o braço como a um animalzinho:

- Que susto você me passou, meu filho – e apertava-o contra o peito, comovido.

- Deixa eu descer, papai. Você está me machucando.

Irresoluto, o pai pensava agora se não seria o caso de lhe dar umas palmadas:

- Machucando, é? Fazer uma coisa dessas com seu pai.

- Me larga. Eu quero ir embora.

Trouxe-o para casa e o largou novamente na sala – tendo antes o cuidado de fechar a porta da rua e retirar a chave, como ele fizera com a da despensa.

- Fique aí quietinho, está ouvindo? Papai está trabalhando.

- Fico, mas vou empurrar esta cadeira.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 4/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

E o barulho recomeçou.

Assinale a opção em que se ERRA na separação das sílabas das palavras abaixo.

a) co – me – ço – u
b) en – fer – ru – ja – da
c) fre - a - da
d) pa – pai
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/375929

Questão 12: IBFC - Aux Adm (MGS)/MGS/2017


Assunto: Morfologia
Texto

Paternidade Responsável

Quantos filhos você gostaria de ter?

Ao responder a essa pergunta com certeza uma outra vai passar pela sua cabeça: “Será que vou conseguir sustentar um filho?”.

Certamente você gostaria de ter tantos filhos quantos pudesse sustentar, garantindo-lhes uma boa escola, um lugar com algum conforto para morar e remédios quando
necessários.

Segundo especialistas, pode ser perigoso para a mãe a para a criança engravidar durante a adolescência porque o corpo da menina ainda não está preparado para o
parto. Problemas como a gestante adolescente apresentar anemia ou o bebê nascer prematuramente são comuns. Além de eventuais problemas de saúde, tem-se um
problema de ordem social: como sustentar uma criança, já que, para tanto, o adolescente, se não contar com a ajuda dos pais ou responsáveis, terá de abandonar a
escola?

Desesperadas, muitas jovens acabam optando pelo aborto. Vale lembrar que, salvo raras exceções (estupro ou risco de morte para a mãe), o aborto no Brasil, é
considerado crime. A mulher recorre, então, a clínicas clandestinas, sem fiscalização, e põe sua saúde em risco. Quem não tem condições de pagar tais clínicas faz uso de
métodos ainda mais precários.

Isso acontece, em parte, porque não existe no Brasil um projeto amplo de planejamento familiar que assegure aos mais pobres o direito de decidir quantos filhos
desejam ter. Assim, muitos casais têm quatro, seis, dez filhos, quando, na verdade, conseguiriam sustentar apenas um ou dois.

(DIMENSTEIN, Gilberto. O cidadão de Papel. Ed. Ática. São Paulo, 2011, p. 106)

A palavra “Desesperadas”, no início do quinto parágrafo, refere-se ao substantivo “jovens” e deve ser classificada morfologicamente como:

a) advérbio.
b) adjetivo.
c) pronome.
d) verbo.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/450528

Questão 13: IBFC - Ass Adm (Docas PB)/Docas PB/2015


Assunto: Formação e Estrutura das palavras
Texto II

(Disponivel em: http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/cartum/cartunsdiarios/#22/7/2015)


Assinale a opção que apresente uma palavra formada por processo de derivação.

a) palestra
b) novos
c) comentarista
d) bom
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/336129

Questão 14: IBFC - Ag Ad (CM Vassouras)/CM Vassouras/2016


Assunto: Formação e Estrutura das palavras
Cace a liberdade

(Martha Medeiros)

Arroz, feijão, bife, ovo. Isso nós temos no prato, é a fonte de energia que nos faz levantar de manhã e sair para trabalhar. Nossa meta primeira é a sobrevivência do corpo.
Mas como anda a dieta da alma?

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 5/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Outro dia, no meio da tarde, senti uma fome me revirando por dentro. Uma fome que me deixou melancólica. Me dei conta de que estava indo pouco ao cinema,
conversando pouco com as pessoas, e senti uma abstinência de viajar que me deixou até meio tonta. Minha geladeira, afortunadamente, está cheia, e ando até um pouco
acima do meu peso ideal, mas me senti desnutrida. Você já se sentiu assim também, precisando se alimentar?

Revista, jornal, internet, isso tudo nos informa, nos situa no mundo, mas não sacia. A informação entra dentro da casa da gente em doses cavalares e nos encontra
passivos, a gente apenas seleciona o que nos interessa e despreza o resto, e nem levantamos da cadeira neste processo. Para alimentar a alma, é obrigatório sair de casa.
Sair à caça. Perseguir.

Se não há silêncio a sua volta, cace o silêncio onde ele se esconde, pegue uma estradinha de terra batida, visite um sítio, uma cachoeira, ou vá para a beira da praia, o
litoral é bonito neste época, tem uma luz diferente, o mar parece maior, há menos gente.

Cace o afeto, procure quem você gosta de verdade, tire férias de rancores e mágoas, abrace forte, sorria, permita que o cacem também.

Cace a liberdade que anda tão rara, liberdade de pensamento, de atitudes, vá ao encontro de tudo que não tem regra, patrulha, horários. Cace o amanhã, o novo, o que
ainda não foi contaminado por críticas, modismos, conceitos, vá atrás do que é surpreendente, o que se expande na sua frente, o que lhe provoca prazer de olhar, sentir,
sorver. Entre numa galeria de arte. Vá assistir a um filme de um diretor que não conhece. Olhe para a sua cidade com olhos de estrangeiro, como se você fosse um turista.
Abra portas. E páginas.

Arroz, feijão, bife, ovo. Isso me mantém de pé, mas não acaba com meu cansaço diante de uma vida que, se eu me descuido, se torna repetitiva, monótona, entediante.
Mas nada de descuido. Vou me entupir de calorias na alma. Há fartas sugestões no cardápio. Quero engordar no lugar certo. O ritmo dos meus dias é tão intenso que às
vezes a gente se esquece de se alimentar direito.

O emprego de um sufixo pode conferir valor semântico ao vocábulo refletindo juízos, valoração. Assim, dentre as palavras abaixo, assinale a única cujo sufixo explicita um
sentido crítico:

a) "sobrevivência" (1º §)
b) "melancólica" (2º §)
c) "geladeira" (2º §)
d) "obrigatório' (3º §)
e) "modismos" (6º §)

Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/345012

Questão 15: IBFC - Ag Ad (CM Vassouras)/CM Vassouras/2015


Assunto: Formação e Estrutura das palavras
Dentro de um abraço

Onde é que você gostaria de estar agora, neste exato momento?

Fico pensando nos lugares paradisíacos onde já estive, e que não me custaria nada reprisar: num determinado restaurante de uma ilha grega, em diversas praias do
Brasil e do mundo, na casa de bons amigos, em algum vilarejo europeu, numa estrada bela e vazia, no meio de um show espetacular, numa sala de cinema assistindo à
estreia de um filme muito esperado e, principalmente, no meu quarto e na minha cama, que nenhum hotel cinco estrelas consegue superar – a intimidade da gente é
irreproduzível.

Posso também listar os lugares onde não gostaria de estar: num leito de hospital, numa fila de banco, numa reunião de condomínio, presa num elevador, em meio a um
trânsito congestionado, numa cadeira de dentista.

E então? Somando os prós e os contras, as boas e más opções, onde, afinal, é o melhor lugar do mundo?

Meu palpite: dentro de um abraço.

Que lugar melhor para uma criança, para um idoso, para uma mulher apaixonada, para um adolescente com medo, para um doente, para alguém solitário? Dentro de um
abraço é sempre quente, é sempre seguro. Dentro de um abraço não se ouve o tic-tac dos relógios e, se faltar luz, tanto melhor. Tudo o que você pensa e sofre dentro
de um abraço se dissolve.

Que lugar melhor para um recém-nascido, para um recém-chegado, para um recém-demitido, para um recém-contratado? Dentro de um abraço nenhuma situação é
incerta, o futuro não amedronta, estacionamos confortavelmente em meio ao paraíso.

O rosto contra o peito de quem te abraça, as batidas do coração dele e as suas, o silêncio que sempre se faz durante esse envolvimento físico: nada há para se
reivindicar ou agradecer, dentro de um abraço voz nenhuma se faz necessária, está tudo dito.
[...]
(Martha Medeiros)
Assinale a opção que aponta, devidamente, o processo de formação de palavras do vocábulo “irreproduzível” (2º§).

a) composição por justaposição


b) derivação imprópria
c) derivação prefixal e sufixal
d) composição por aglutinação
e) derivação parassintética
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/345929

Questão 16: IBFC - Ass Adm (CEP 28)/CEP 28/2015


Assunto: Formação e Estrutura das palavras
Também tem de ser verdade

(Jennifer ann Thomas)

A onda sustentável que tomou o planeta nas últimas décadas levantou considerações em torno da fabricação de baterias. A busca pelo aumento da eficiência passou a
rivalizar com a batalha por tornar esses dispositivos mais verdes. O caminho seguro é a substituição gradual de fontes sujas de energia, a exemplo do petróleo, pelas
renováveis. A energia solar, em especial, foi alavancada ao status de possível solução definitiva para os dois problemas que rondam as baterias: a eficiência e a
sustentabilidade. Se toda a radiação que atinge a Terra em um dia, vinda do sol, virasse eletricidade, seria possível sustentar a humanidade por 27 anos. Na prática, o
que falta hoje para a adoção ampla da alternativa solar é apenas vontade, da indústria e de consumidores, para implantá-la. A startup
alemã Changers achou uma boa
forma de incentivo.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 6/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

A Changers vende os modelos abastecidos por radiação solar. Seus carregadores, finos e maleáveis, podem ser acoplados a mochilas ou levados dentro de uma bolsa.
Após quatro horas carregando no sol, uma dessas baterias absorve energia suficiente para produzir 16 watts-hora, o suficiente para recarregar a bateria de
um smartphoneduas vezes no dia.

Um aplicativo, normalmente entregue junto com as baterias da Changers, motiva clientes a ser sustentáveis - e, no processo, mostra as vantagens de adotar essa postura
(mesmo que para isso seja preciso pagar um pouco mais caro pelo produto alimentado pelo sol, em comparação com as baterias carregadas com fontes sujas). [...] A
fundadora da Changers, Daniela Schieffer, afirma: "Todos adoram falar da necessidade de cuidar da Terra, mas poucos se mexem para isso. Queremos dar um empurrão,
dizer 'vamos começar de algum lugar' e mostrar quando é fácil adotar posturas mais conscientes".

(Revista Veja, de 15/04/15 - adaptado)

Considere o fragmento abaixo para responder à questão seguinte.

"Se toda a radiação que atinge a Terra em um dia, vinda do sol, virasse eletricidade, seria possível sustentar a humanidade por 27 anos." (1º§)
Observe que, nas palavras "eletricidade" e "humanidade", foi empregado um mesmo sufixo formador de substantivo. Assinale, dentre as palavras abaixo destacadas,
aquela cujo sufixo NÃO forme um substantivo.

a) O salão estava todo decorado para o evento.


b) A partícula em questão foi usada na experiência.
c) É preciso tolerância no trato com o próximo.
d) Apreciamos o salão campestre com atenção.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/356809

Questão 17: IBFC - Aux Adm (MGS)/MGS/2016


Assunto: Formação e Estrutura das palavras
Mundo interior

(Martha Medeiros)

A casa da gente é uma metáfora da nossa vida, é a representação exata e fiel do nosso mundo interior. Li esta frase outro dia e achei perfeito. Poucas coisas traduzem
tão bem nosso jeito de ser como nosso jeito de morar. Isso não se aplica, logicamente, aos inquilinos da rua, que têm como teto um viaduto, ainda que eu não duvide
que até eles sejam capazes de ter seus códigos secretos de instalação.

No entanto, estamos falando de quem pode ter um endereço digno, seja seu ou de aluguel. Pode ser um daqueles apartamentos amplos, com pé direito alto e preço mais
alto ainda, ou um quarto-e-sala tão compacto quanto seu salário: na verdade, isso determina apenas seu poder aquisitivo, não revela seu mundo interior, que se
manifesta por meio de outros valores.

Da porta da rua pra dentro, pouco importa a quantidade de metros quadrados e, sim, a maneira como você os ocupa. Se é uma casa colorida ou monocrática. Se tem
objetos obtidos com afeto ou se foi tudo escolhido por um decorador profissional. Se há fotos das pessoas que amamos espalhadas por porta-retratos ou se há paredes
nuas.

Tudo pode ser revelador: se deixamos a comida estragar na geladeira, se temos a mania de deixar as janelas sempre fechadas, se há muitas coisas por consertar. Isso
também é estilo de vida.

Luz direta ou indireta? Tudo combinadinho ou uma esquizofrenia saudável na junção das coisas? Tudo de grife ou tudo de brinque? É um jogo lúdico tentar descobrir o
quanto há de granito e o quanto há de madeira na nossa personalidade. Qual o grau de importância das plantas no nosso habitat, que nota daríamos para o quesito vista
panorâmica? Quadros tortos nos enervam? Tapetes rotos nos comovem?

Há casas em que tudo o que é aparente está em ordem, mas reina a confusão dentro dos armários. Há casas tão limpas, tão lindas, tão perfeitas que parecem cenários:
faz falta um cheiro de comida e um som vindo lá do quarto. Há casas escuras. Há casas feitas por fora e bonitas por dentro. Há casas pequenas onde cabem toda a
família e os amigos, há casas com lareira que se mantêm frias. Há casas prontas para receber visitas e impróprias para receber a vida. Há casas com escadas, casas com
desníveis, casas divertidamente irregulares.

Pode aparecer apenas o lugar onde a gente dorme, come e vê televisão, mas nossa casa é muito mais que isso. É a nossa caverna, o nosso castelo, o esconderijo secreto
onde coabitamos com nossos defeitos e virtudes.

Considerado a estrutura das palavras abaixo, percebe-se que em todas elas os prefixos aproximam-se quanto ao valor semântico, EXCETO em uma. Assinale-a.

a) "impróprias"
b) "desníveis"
c) "coabitamos"
d) "irregulares"
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/372207

Questão 18: IBFC - Asst (CM Aqa)/CM Araraquara/Comunicação/2016


Assunto: Formação e Estrutura das palavras
Assinale a alternativa correta. A palavra insensatez é composta por:

a) Sufixo;
b) Prefixo;
c) Sufixo e prefixo;
d) Afixo e infixo
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/376165

Questão 19: IBFC - Asst (CM Aqa)/CM Araraquara/Comunicação/2016


Assunto: Formação e Estrutura das palavras
Assinale a alternativa que é derivada da Língua Tupi.

a) Pajé
b) Ética

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 7/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
c) Macaúba
d) Iracema
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/376166

Questão 20: IBFC - Asst (CM Aqa)/CM Araraquara/Comunicação/2016


Assunto: Substantivo
Leia as afirmativas abaixo e assinale a alternativa que indica o correto plural do substantivo beija flor.

a) Beijas flores
b) Beijas flor
c) Beijas flores
d) Beija flores
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/376171

Questão 21: IBFC - TCE (TCM-RJ)/TCM-RJ/2016


Assunto: Substantivo
Assinale a alternativa cuja locução não está de acordo com as regras de concordância nominal.

a) olho-de-boi: olhos-de-boi
b) azul-pavão: azuis-pavão
c) terça-feira: terças-feiras
d) ítalo-nipônica: ítalo-nipônicas
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/393139

Questão 22: IBFC - Moto (CM Franca)/CM Franca/2016


Assunto: Substantivo
Dois velhinhos

Dalton Trevisan

Dois pobres inválidos, bem velhinhos, esquecidos numa cela de asilo.

Ao lado da janela, retorcendo os aleijões e esticando a cabeça, apenas um podia olhar lá fora.

Junto à porta, no fundo da cama, o outro espiava a parede úmida, o crucifixo negro, as moscas no fio de luz. Com inveja, perguntava o que acontecia. Deslumbrando,
anunciava o primeiro:

- Um cachorro ergue a perninha no poste.

Mais tarde:

_ Uma menina de vestido branco pulando corda.

Ou ainda:

- Agora é um enterro de luxo.

Sem nada ver, o amigo remordia- se no seu canto. O mais velho acabou morrendo, para alegria do segundo, instalado afinal debaixo da janela.

Não dormiu, antegozando a manhã. Bem desconfiava que o outro não revelava tudo.

Cochilou um instante - era dia. Sentou-se na cama, com dores espichou o pescoço: entre os muros em ruína, ali no beco, um monte de lixo.

TREVISAN, D. Mistérios de Curitiba. Rio de Janeiro: Editora Record, 1979, pag 110.
Leia a citação abaixo e assinale a alternativa que apresenta a correta indicação da classe gramatical da palavra em destaque:

Ao lado da janela, retorcendo os aleijões e esticando a cabeça, apenas um podia olhar lá fora.

a) Substantivo
b) Adjetivo
c) Advérbio
d) Pronome
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/395810

Questão 23: IBFC - Asst (CM Aqa)/CM Araraquara/Comunicação/2016


Assunto: Adjetivo
COMUNIDADES - DAS PRIMEIRAS ÀS NOVAS LEITURAS DO CONCEITO

(...)

Por meio dos autores reunidos por Fernandes, percebese que a ideia de comunidade remete ao sentimento de vida em comum fundado nas relações de parentesco e
vizinhança, baseado na reciprocidade, norteado por laços afetivos que ligam indivíduos que convivem em um mesmo espaço físico e nele adquirem os recursos básicos
para a sua subsistência. Cada um dos autores apresentados por Fernandes atribui valor a um ou outro dos atributos. Mas, se pudéssemos identificar um tipo ideal de
comunidade, no sentido weberiano do termo, a partir dos diversos autores reunidos por Fernandes, esta teria: base territorial comum, fortes laços afetivos, reciprocidade,
autonomia política e econômica e subordinação do individual ao social.

Já uma sociedade seria definida por relações voluntárias e contratuais. Na medida em que compartilham determinado interesse, indivíduos podem se associar para
alcançar objetivos relacionados ao mesmo, embora não necessariamente tenham outros aspectos de suas vidas compartilhados, tais como relações de parentesco,
interdependências econômicas ou convivam numa mesma base territorial. Portanto, o conceito de sociedade é mais amplo e inclui o de comunidade.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 8/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

Essa diferenciação conceituai vem à tona a partir do aprofundamento do processo da divisão social do trabalho. A fragmentação das atividades laborais, a prevalência do
contrato sobre o status, a multiplicação dos grupos formais, a passagem da família para o Estado como forma de organização social predominante e a ampliação e
internacionalização das trocas comerciais são algumas condições sociais que promovem modos de vida societários e fundamentam a separação conceituai entre
comunidade e sociedade; e, mesmo, sugerem a passagem da primeira forma à segunda como modo predominante de agrupamento social, embora a bibliografia seja
quase unânime em afirmar a coexistência entre as duas formas sociais ao longo da História. (...)

http://www.revistas.usp.br/comueduc/article/view/78561/83089 - acesso em 02/05/2016.


Leia a alternativa abaixo e assinale a alternativa que indica a classe da palavra destacada:

Portanto, o conceito de sociedade é mais amplo e inclui o de comunidade.

a) Adjetivo;
b) Substantivo;
c) Artigo;
d) Advérbio.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/376140

Questão 24: IBFC - Asst (CM Aqa)/CM Araraquara/Comunicação/2016


Assunto: Adjetivo
COMUNIDADES - DAS PRIMEIRAS ÀS NOVAS LEITURAS DO CONCEITO

(...)

Por meio dos autores reunidos por Fernandes, percebese que a ideia de comunidade remete ao sentimento de vida em comum fundado nas relações de parentesco e
vizinhança, baseado na reciprocidade, norteado por laços afetivos que ligam indivíduos que convivem em um mesmo espaço físico e nele adquirem os recursos básicos
para a sua subsistência. Cada um dos autores apresentados por Fernandes atribui valor a um ou outro dos atributos. Mas, se pudéssemos identificar um tipo ideal de
comunidade, no sentido weberiano do termo, a partir dos diversos autores reunidos por Fernandes, esta teria: base territorial comum, fortes laços afetivos, reciprocidade,
autonomia política e econômica e subordinação do individual ao social.

Já uma sociedade seria definida por relações voluntárias e contratuais. Na medida em que compartilham determinado interesse, indivíduos podem se associar para
alcançar objetivos relacionados ao mesmo, embora não necessariamente tenham outros aspectos de suas vidas compartilhados, tais como relações de parentesco,
interdependências econômicas ou convivam numa mesma base territorial. Portanto, o conceito de sociedade é mais amplo e inclui o de comunidade.

Essa diferenciação conceituai vem à tona a partir do aprofundamento do processo da divisão social do trabalho. A fragmentação das atividades laborais, a prevalência do
contrato sobre o status, a multiplicação dos grupos formais, a passagem da família para o Estado como forma de organização social predominante e a ampliação e
internacionalização das trocas comerciais são algumas condições sociais que promovem modos de vida societários e fundamentam a separação conceituai entre
comunidade e sociedade; e, mesmo, sugerem a passagem da primeira forma à segunda como modo predominante de agrupamento social, embora a bibliografia seja
quase unânime em afirmar a coexistência entre as duas formas sociais ao longo da História. (...)

http://www.revistas.usp.br/comueduc/article/view/78561/83089 - acesso em 02/05/2016.


Leia a citação abaixo e assinale a alternativa que identifica a palavra destacada.

Essa diferenciação conceituai vem à tona a partir do aprofundamento do processo da divisão social do trabalho.

a) Substantivo
b) Adjetivo
c) Advérbio
d) Verbo
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/376158

Questão 25: IBFC - Ag Adm (CM Aqa)/CM Araraquara/2017


Assunto: Adjetivo
Texto

O vencedor: uma visão alternativa

Nos sete primeiros assaltos, Raul foi duramente castigado. Não era de espantar: estava inteiramente fora de forma. Meses de indolência e até de devassidão tinham
produzido seus efeitos. O combativo boxeador de outrora, o homem que, para muitos, fora estrela do pugilismo mundial, estava reduzido a um verdadeiro trapo. O
público não tinha a menor complacência com ele: sucediam-se as vaias e os palavrões.

De repente, algo aconteceu. Caído na lona, depois de ter recebido um cruzado devastador, Raul ergueu a cabeça e viu, sentada na primeira fila, sua sobrinha Dóris, filha
do falecido Alberto. A menina fitava-o com o olhos cheios de lágrimas. Um olhar que trespassou Raul como uma punhalada. Algo rompeu-se dentro dele. Sentiu renascer
em si a energia que fizera dele a fera do ringue. De um salto, pôs-se de pé e partiu como um touro para cima do adversário. A princípio o público não se deu conta do
que estava acontecendo. Mas quando os fãs perceberam que uma verdadeira ressurreição se tinha operado, passaram a incentivá-lo. Depois de uma saraivada de golpes
certeiros e violentíssimos, o adversário foi ao chão. O juiz procedeu à contagem regulamentar e proclamou Raul o vencedor.

Todos aplaudiram. Todos deliraram de alegria. Menos este que conta a história. Este que conta a história era o adversário. Este que conta a história era o que estava
caído. Este que conta a história era o derrotado. Ai, Deus.

(SCLIAR, Moacyr. Contos reunidos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p.58-59)
Dos adjetivos presentes em “Depois de uma saraivada de golpes certeiros e violentíssimos” (2º§), apenas o segundo está apresentando uma alteração de grau.

Trata-se do grau:

a) superlativo absoluto.
b) comparativo de superioridade.
c) superlativo relativo.
d) comparativo de igualdade.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/537731

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 9/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Questão 26: IBFC - Ass Adm (Docas PB)/Docas PB/2015
Assunto: Conjugação. Reconhecimento e emprego dos modos e tempos verbais
Texto I

Quindins

Quindins Quando sentiu que ia morrer, o Dr. Ariosto pediu para falar a sós com a mulher, dona Quiléia (Quequé).

- Senta aí, Quequé.

Ela sentou na beira da cama. Protestou, chorosa, quando o marido disse que sabia que estava no fim. Mas o Dr. Ariosto a acalmou. Os dois sabiam que ele tinha pouco
tempo de vida e era melhor que enfrentassem a situação sem drama. Precisava contar uma coisa à mulher. Para morrerem paz. Contou, então, que tinha outra família.

- O quê, Ariosto?!

Tinha. Pronto. Outra mulher, outros filhos, até outros netos. A dona Quiléia iria saber de qualquer maneira, pois ele incluíra a outra família no seu testamento. Mas tinha
decidido contar ele mesmo. De viva, por assim dizer, voz. Para que não ficasse aquela mentira entre eles. E para que dona Quiléia fosse tolerante com a sua memória e
com a outra. Promete, Quequé? Dona Quiléia chorava muito. Só pôde fazer “sim” com a cabeça. Aliviado, o Dr. Ariosto deixou a cabeça cair no travesseiro. Podia morrer
em paz.

Mas aconteceu o seguinte: não morreu. Teve uma melhora surpreendente, que os médicos não souberam explicar e que Dona Quiléia atribui à promessa que fizera a seu
santo. Em poucas semanas, estava fora de cama. Ainda precisa de cuidados, é claro. Dona Quiléia tem que regular sua alimentação, dar remédio na hora certa... Ficam
os dois sentados na sala, olhando a televisão, em silêncio. Um silêncio constrangido. O Dr. Ariosto arrependido de ter feito a confissão. A Dona Quiléia achando que não
fica bem se aproveitar de uma revelação que o homem fez, afinal, no seu leito de morte. Simplesmente não tocam no assunto. No outro dia o Dr. Ariosto teve permissão
do médico para sair, pela primeira vez, de casa. Arrumou-se. Pediu para chamarem um táxi.

- Quer que eu vá com você? - perguntou a mulher.

- Não precisa.

- Você demora? - Não, não. Vou só...

Não completou a frase. Ficaram mais alguns instantes na porta, em silêncio. Depois ele disse:

- Bom. Tchau.

- Tchau.

Agora, tem uma coisa: Dona Quiléia não pagou a promessa ao santo. Ainda compra quindins escondido e os come sozinha. Aliás, deu para comer quindões. Grandes,
enormes, translúcidos quindões.

(Luis Fernando Veríssimo)


No sétimo parágrafo, tem-se “- Quer que eu vá com você? - perguntou a mulher.”. Nesse trecho, o verbo destacado contribui para a construção de sentido na oração.
Indique o tempo e o modo em que tal verbo encontra-se flexionado.

a) Futuro do presente do Indicativo.


b) Presente do Subjuntivo.
c) Futuro do pretérito do Indicativo.
d) Presente do Indicativo.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/336124

Questão 27: IBFC - Tec Esp (MGS)/MGS/Serv. Técnicos Contábeis/2015


Assunto: Conjugação. Reconhecimento e emprego dos modos e tempos verbais
A arte de escrever

“Há, portanto, uma arte de escrever - que é a redação. Não é uma prerrogativa dos literatos, senão uma atividade social indispensável, para a qual falta, não obstante,
muitas vezes, uma preparação preliminar.

A arte de falar, necessária à exposição oral, é mais fácil na medida em que se beneficia da prática da fala cotidiana, de cujos elementos parte em princípio.

O que há de comum, antes de tudo, entre a exposição oral e a escrita é a necessidade da boa composição, isto é, uma distribuição metódica e compreensível de ideias.

Impõe-se igualmente a visualização de um objetivo definido. Ninguém é capaz de escrever bem, se não sabe bem o que vai escrever.

Justamente por causa disso, as condições para a redação no exercício da vida profissional ou no intercâmbio amplo, dentro da sociedade, são muito diversas das da
redação escolar. A convicção do que vamos dizer, a importância que há em dizê-lo, o domínio de um assunto da nossa especialidade tiram à redação o caráter negativo
de mero exercício formal, como tem na escola.

Qualquer um de nós senhor de um assunto é, em princípio, capaz de escrever sobre ele. Não há um jeito especial para a redação, ao contrário do que muita gente pensa.
Há apenas uma falta de preparação inicial, que o esforço e a prática vencem.

Por outro lado, a arte de escrever, na medida em que consubstancia a nossa capacidade de expressão do pensar e do sentir, tem de firmar raízes na nossa própria
personalidade e decorre, em grande parte, de um trabalho nosso para desenvolver a personalidade por este ângulo. [...]

A arte de escrever precisa assentar numa atividade preliminar já radicada, que parte do ensino escolar e de um hábito de leitura inteligentemente conduzido; depende
muito, portanto, de nós mesmos, de uma disciplina mental adquirida pela autocrítica e pela observação cuidadosa do que outros, com bom resultado, escreveram."

(JOAQUIM MATTOSO CÂMARA JR. Manual de expressão oral & escrita. 7a. Edição, Vozes, Petrópolís, 1983.)
Em “Há apenas uma falta de preparação inicial, que o esforço e a prática vencem.", assinale o comentário INCORRETO sobre a forma verbal em destaque:

a) Caracteriza uma oração sem sujeito


b) Está conjugada no presente do indicativo.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 10/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
c) A substituição por “existir" geraria alterações sintáticas.
d) Está flexionada na primeira pessoa do singular.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/340316

Questão 28: IBFC - Ag Ad (CM Vassouras)/CM Vassouras/2016


Assunto: Conjugação. Reconhecimento e emprego dos modos e tempos verbais
Cace a liberdade

(Martha Medeiros)

Arroz, feijão, bife, ovo. Isso nós temos no prato, é a fonte de energia que nos faz levantar de manhã e sair para trabalhar. Nossa meta primeira é a sobrevivência do corpo.
Mas como anda a dieta da alma?

Outro dia, no meio da tarde, senti uma fome me revirando por dentro. Uma fome que me deixou melancólica. Me dei conta de que estava indo pouco ao cinema,
conversando pouco com as pessoas, e senti uma abstinência de viajar que me deixou até meio tonta. Minha geladeira, afortunadamente, está cheia, e ando até um pouco
acima do meu peso ideal, mas me senti desnutrida. Você já se sentiu assim também, precisando se alimentar?

Revista, jornal, internet, isso tudo nos informa, nos situa no mundo, mas não sacia. A informação entra dentro da casa da gente em doses cavalares e nos encontra
passivos, a gente apenas seleciona o que nos interessa e despreza o resto, e nem levantamos da cadeira neste processo. Para alimentar a alma, é obrigatório sair de casa.
Sair à caça. Perseguir.

Se não há silêncio a sua volta, cace o silêncio onde ele se esconde, pegue uma estradinha de terra batida, visite um sítio, uma cachoeira, ou vá para a beira da praia, o
litoral é bonito neste época, tem uma luz diferente, o mar parece maior, há menos gente.

Cace o afeto, procure quem você gosta de verdade, tire férias de rancores e mágoas, abrace forte, sorria, permita que o cacem também.

Cace a liberdade que anda tão rara, liberdade de pensamento, de atitudes, vá ao encontro de tudo que não tem regra, patrulha, horários. Cace o amanhã, o novo, o que
ainda não foi contaminado por críticas, modismos, conceitos, vá atrás do que é surpreendente, o que se expande na sua frente, o que lhe provoca prazer de olhar, sentir,
sorver. Entre numa galeria de arte. Vá assistir a um filme de um diretor que não conhece. Olhe para a sua cidade com olhos de estrangeiro, como se você fosse um turista.
Abra portas. E páginas.

Arroz, feijão, bife, ovo. Isso me mantém de pé, mas não acaba com meu cansaço diante de uma vida que, se eu me descuido, se torna repetitiva, monótona, entediante.
Mas nada de descuido. Vou me entupir de calorias na alma. Há fartas sugestões no cardápio. Quero engordar no lugar certo. O ritmo dos meus dias é tão intenso que às
vezes a gente se esquece de se alimentar direito.

No 5º parágrafo, os verbos estão, predominantemente flexionados em um modo verbal que evidencia a ênfase:

a) no leitor
b) no assunto
c) na autora
d) na linguagem
e) na argumentação

Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/345005

Questão 29: IBFC - Ag Ad (CM Vassouras)/CM Vassouras/2015


Assunto: Conjugação. Reconhecimento e emprego dos modos e tempos verbais
Dentro de um abraço

Onde é que você gostaria de estar agora, neste exato momento?

Fico pensando nos lugares paradisíacos onde já estive, e que não me custaria nada reprisar: num determinado restaurante de uma ilha grega, em diversas praias do
Brasil e do mundo, na casa de bons amigos, em algum vilarejo europeu, numa estrada bela e vazia, no meio de um show espetacular, numa sala de cinema assistindo à
estreia de um filme muito esperado e, principalmente, no meu quarto e na minha cama, que nenhum hotel cinco estrelas consegue superar – a intimidade da gente é
irreproduzível.

Posso também listar os lugares onde não gostaria de estar: num leito de hospital, numa fila de banco, numa reunião de condomínio, presa num elevador, em meio a um
trânsito congestionado, numa cadeira de dentista.

E então? Somando os prós e os contras, as boas e más opções, onde, afinal, é o melhor lugar do mundo?

Meu palpite: dentro de um abraço.

Que lugar melhor para uma criança, para um idoso, para uma mulher apaixonada, para um adolescente com medo, para um doente, para alguém solitário? Dentro de um
abraço é sempre quente, é sempre seguro. Dentro de um abraço não se ouve o tic-tac dos relógios e, se faltar luz, tanto melhor. Tudo o que você pensa e sofre dentro
de um abraço se dissolve.

Que lugar melhor para um recém-nascido, para um recém-chegado, para um recém-demitido, para um recém-contratado? Dentro de um abraço nenhuma situação é
incerta, o futuro não amedronta, estacionamos confortavelmente em meio ao paraíso.

O rosto contra o peito de quem te abraça, as batidas do coração dele e as suas, o silêncio que sempre se faz durante esse envolvimento físico: nada há para se
reivindicar ou agradecer, dentro de um abraço voz nenhuma se faz necessária, está tudo dito.
[...]
(Martha Medeiros)
A forma verbal “gostaria”, presente no primeiro parágrafo do texto, possui um valor semântico associado à sua flexão e revela uma ação:

a) pontual realizada no passado.


b) habitual em um passado recente.
c) futura relacionada a um fato passado.
d) presente relacionado a um fato futuro.
e) passada que se estende até o presente.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/345931

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 11/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Questão 30: IBFC - Ass Adm (CEP 28)/CEP 28/2015
Assunto: Conjugação. Reconhecimento e emprego dos modos e tempos verbais
Também tem de ser verdade

(Jennifer ann Thomas)

A onda sustentável que tomou o planeta nas últimas décadas levantou considerações em torno da fabricação de baterias. A busca pelo aumento da eficiência passou a
rivalizar com a batalha por tornar esses dispositivos mais verdes. O caminho seguro é a substituição gradual de fontes sujas de energia, a exemplo do petróleo, pelas
renováveis. A energia solar, em especial, foi alavancada ao status de possível solução definitiva para os dois problemas que rondam as baterias: a eficiência e a
sustentabilidade. Se toda a radiação que atinge a Terra em um dia, vinda do sol, virasse eletricidade, seria possível sustentar a humanidade por 27 anos. Na prática, o
que falta hoje para a adoção ampla da alternativa solar é apenas vontade, da indústria e de consumidores, para implantá-la. A startup
alemã Changers achou uma boa
forma de incentivo.

A Changers vende os modelos abastecidos por radiação solar. Seus carregadores, finos e maleáveis, podem ser acoplados a mochilas ou levados dentro de uma bolsa.
Após quatro horas carregando no sol, uma dessas baterias absorve energia suficiente para produzir 16 watts-hora, o suficiente para recarregar a bateria de
um smartphone
duas vezes no dia.

Um aplicativo, normalmente entregue junto com as baterias da Changers, motiva clientes a ser sustentáveis - e, no processo, mostra as vantagens de adotar essa postura
(mesmo que para isso seja preciso pagar um pouco mais caro pelo produto alimentado pelo sol, em comparação com as baterias carregadas com fontes sujas). [...] A
fundadora da Changers, Daniela Schieffer, afirma: "Todos adoram falar da necessidade de cuidar da Terra, mas poucos se mexem para isso. Queremos dar um empurrão,
dizer 'vamos começar de algum lugar' e mostrar quando é fácil adotar posturas mais conscientes".

(Revista Veja, de 15/04/15 - adaptado)

Considere o fragmento abaixo para responder à questão seguinte.

"Se toda a radiação que atinge a Terra em um dia, vinda do sol, virasse eletricidade, seria possível sustentar a humanidade por 27 anos." (1º§)
A partir da análise dos verbos destacados e do sentido que eles introduzem na frase em questão, assinale a opção em que se faz um comentário correto.

a) O verbo "atinge", flexionado no Presente do Indicativo, sugere algo que deve ser entendido como verdade.
b) A flexão de "virasse" no Modo Subjuntivo indica a certeza de concretização da ação indicada por esse verbo.
c) O verbo "seria", flexionando no Modo Subjuntivo, revela uma ideia de possibilidade quanto ao resultado de uma ação.
d) Caso os três verbos estivessem flexionados no mesmo tempo verbal, não haveria qualquer alteração no sentido da frase.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/356802

Questão 31: IBFC - Asst (CM Aqa)/CM Araraquara/Comunicação/2016


Assunto: Conjugação. Reconhecimento e emprego dos modos e tempos verbais
COMUNIDADES - DAS PRIMEIRAS ÀS NOVAS LEITURAS DO CONCEITO

(...)

Por meio dos autores reunidos por Fernandes, percebese que a ideia de comunidade remete ao sentimento de vida em comum fundado nas relações de parentesco e
vizinhança, baseado na reciprocidade, norteado por laços afetivos que ligam indivíduos que convivem em um mesmo espaço físico e nele adquirem os recursos básicos
para a sua subsistência. Cada um dos autores apresentados por Fernandes atribui valor a um ou outro dos atributos. Mas, se pudéssemos identificar um tipo ideal de
comunidade, no sentido weberiano do termo, a partir dos diversos autores reunidos por Fernandes, esta teria: base territorial comum, fortes laços afetivos, reciprocidade,
autonomia política e econômica e subordinação do individual ao social.

Já uma sociedade seria definida por relações voluntárias e contratuais. Na medida em que compartilham determinado interesse, indivíduos podem se associar para
alcançar objetivos relacionados ao mesmo, embora não necessariamente tenham outros aspectos de suas vidas compartilhados, tais como relações de parentesco,
interdependências econômicas ou convivam numa mesma base territorial. Portanto, o conceito de sociedade é mais amplo e inclui o de comunidade.

Essa diferenciação conceituai vem à tona a partir do aprofundamento do processo da divisão social do trabalho. A fragmentação das atividades laborais, a prevalência do
contrato sobre o status, a multiplicação dos grupos formais, a passagem da família para o Estado como forma de organização social predominante e a ampliação e
internacionalização das trocas comerciais são algumas condições sociais que promovem modos de vida societários e fundamentam a separação conceituai entre
comunidade e sociedade; e, mesmo, sugerem a passagem da primeira forma à segunda como modo predominante de agrupamento social, embora a bibliografia seja
quase unânime em afirmar a coexistência entre as duas formas sociais ao longo da História. (...)

http://www.revistas.usp.br/comueduc/article/view/78561/83089 - acesso em 02/05/2016.


Assinale a alternativa que conjuga o verbo destacado no tempo futuro.

Já uma sociedade seria definida por relações voluntárias e contratuais.

a) Ser
b) Foi
c) Era
d) Será
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/376149

Questão 32: IBFC - Moto (CM Franca)/CM Franca/2016


Assunto: Conjugação. Reconhecimento e emprego dos modos e tempos verbais
Dois velhinhos

Dalton Trevisan

Dois pobres inválidos, bem velhinhos, esquecidos numa cela de asilo.

Ao lado da janela, retorcendo os aleijões e esticando a cabeça, apenas um podia olhar lá fora.

Junto à porta, no fundo da cama, o outro espiava a parede úmida, o crucifixo negro, as moscas no fio de luz. Com inveja, perguntava o que acontecia. Deslumbrando,
anunciava o primeiro:

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 12/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
- Um cachorro ergue a perninha no poste.

Mais tarde:

_ Uma menina de vestido branco pulando corda.

Ou ainda:

- Agora é um enterro de luxo.

Sem nada ver, o amigo remordia- se no seu canto. O mais velho acabou morrendo, para alegria do segundo, instalado afinal debaixo da janela.

Não dormiu, antegozando a manhã. Bem desconfiava que o outro não revelava tudo.

Cochilou um instante - era dia. Sentou-se na cama, com dores espichou o pescoço: entre os muros em ruína, ali no beco, um monte de lixo.

TREVISAN, D. Mistérios de Curitiba. Rio de Janeiro: Editora Record, 1979, pag 110.
Analise a citação abaixo e assinale a alternativa que apresenta adequada substituição da locução verbal em destaque, sem alterar o sentido/ tempo da frase.

O mais velho acabou morrendo, para alegria do segundo, instalado afinal debaixo da janela.

a) Morrerá.
b) Morreu
c) Morria
d) Morreste
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/395814

Questão 33: IBFC - Tec Reg (AGERBA)/AGERBA/2017


Assunto: Conjugação. Reconhecimento e emprego dos modos e tempos verbais
Texto

Primeira classe
(Moacyr Scliar)

Durante anos, o homem teve um sonho: queria viajar de avião na primeira classe. Na classe econômica, ele, executivo de uma empresa multinacional, era um passageiro
habitual; e, quando via a aeromoça fechar a cortina da primeira classe, quando ficava imaginando os pratos e as bebidas que lá serviam, mordia-se de inveja. Talvez por
causa disso trabalhava incansavelmente; subiu na vida, chegou a um cargo de chefia que, entre outras coisas, dava-lhe o direito à primeira classe nos voos.

E assim, um dia, ele embarcou de Nova Délhi, onde acabara de concluir um importante negócio, para Londres. E seu lugar era na primeira classe. Seu sonho estava se
realizando. Tudo era exatamente como ele imaginava: coquetéis de excelente quantidade, um jantar que em qualquer lugar seria considerado um banquete. Para cúmulo
da sorte, o lugar a seu lado estava vazio.

Ou pelo menos estava no começo do voo. No meio da noite acordou e, para sua surpresa, viu que o lugar estava ocupado. Achou que se tratava de um intruso; mas, em
seguida, deu-se conta de que algo anormal ocorria: várias pessoas estavam ali, no corredor, chorando e se lamentando. Explicável: a passageira a seu lado estava morta.
A tripulação optara por colocá-la na primeira classe exatamente porque, naquela parte do avião, havia menos gente.

Sua primeira reação foi exigir que removessem o cadáver. Mas não podia fazer uma coisa dessas, seria muita crueldade.Por outro lado, ter um corpo morto a seu lado
horrorizava-o. Não havendo outros lugares vagos na primeira classe, só lhe restava uma alternativa: levantou-se e foi para a classe econômica, para o lugar que a morta,
havia pouco, ocupara. Ou seja, ao invés de um upgrade
, ele tinha recebido, ainda que por acaso, um downgrade.
Ali ficou, sem poder dormir, claro. Porque, depois que se experimenta a primeira classe, nada mais serve. Finalmente, o avião pousou, e ele, arrasado, dirigiu-se para a
saída, onde o esperavam os parentes da falecida para agradecer-lhe. Disse um deles, que se identificou como filho da senhora: “Minha mãe sempre quis viajar de
primeira classe. Só conseguiu morta graças à sua compreensão. Deus lhe recompensará”.

Que tem seu lugar garantido no céu, isso ele sabe. Só espera chegar lá viajando de primeira classe. E sem óbitos durante o voo.

A flexão de alguns verbos, sobretudo os irregulares, pode causar confusão. O verbo “quis”, presente em “Minha mãe sempre quis viajar” é um exemplo típico. Nesse
sentido, assinale a alternativa em que se indica INCORRETAMENTE a sua flexão.

a) queres – Presente do Indicativo.


b) queria – Futuro do Pretérito do Indicativo.
c) quisera – Pretérito mais-que-perfeito do Indicativo.
d) queira – Presente do Subjuntivo.
e) quisesse – Pretérito Imperfeito do Subjuntivo.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/450298

Questão 34: IBFC - Aux Adm (MGS)/MGS/2017


Assunto: Conjugação. Reconhecimento e emprego dos modos e tempos verbais
Texto

Paternidade Responsável

Quantos filhos você gostaria de ter?

Ao responder a essa pergunta com certeza uma outra vai passar pela sua cabeça: “Será que vou conseguir sustentar um filho?”.

Certamente você gostaria de ter tantos filhos quantos pudesse sustentar, garantindo-lhes uma boa escola, um lugar com algum conforto para morar e remédios quando
necessários.

Segundo especialistas, pode ser perigoso para a mãe a para a criança engravidar durante a adolescência porque o corpo da menina ainda não está preparado para o
parto. Problemas como a gestante adolescente apresentar anemia ou o bebê nascer prematuramente são comuns. Além de eventuais problemas de saúde, tem-se um
problema de ordem social: como sustentar uma criança, já que, para tanto, o adolescente, se não contar com a ajuda dos pais ou responsáveis, terá de abandonar a
escola?

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 13/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

Desesperadas, muitas jovens acabam optando pelo aborto. Vale lembrar que, salvo raras exceções (estupro ou risco de morte para a mãe), o aborto no Brasil, é
considerado crime. A mulher recorre, então, a clínicas clandestinas, sem fiscalização, e põe sua saúde em risco. Quem não tem condições de pagar tais clínicas faz uso de
métodos ainda mais precários.

Isso acontece, em parte, porque não existe no Brasil um projeto amplo de planejamento familiar que assegure aos mais pobres o direito de decidir quantos filhos
desejam ter. Assim, muitos casais têm quatro, seis, dez filhos, quando, na verdade, conseguiriam sustentar apenas um ou dois.

(DIMENSTEIN, Gilberto. O cidadão de Papel. Ed. Ática. São Paulo, 2011, p. 106)

A forma verbal “gostaria”, presente no primeiro parágrafo, está flexionada no seguinte tempo verbal:

a) futuro do pretérito.
b) pretérito perfeito.
c) pretérito imperfeito.
d) futuro do presente.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/450526

Questão 35: IBFC - Sold (PM BA)/PM BA/2017


Assunto: Conjugação. Reconhecimento e emprego dos modos e tempos verbais
Texto

Diálogos

Ele telefonou aflitíssimo.

- Preciso marcar um horário, não é para mim, é para minha filha.

- Que idade tem sua filha?

- Quinze anos.

- Ela quer vir?

- Quer, quer...

Chegam na consulta antes da hora. Agitado, ele fala muito, essa é minha filha, desejo que fale com ela, que a convença a não viajar.

A garota, adolescente, mal-humorada, queixo projetado pra cima, boca cerrada com determinação.

- Vamos entrar? Ana convida os dois.

- Não, não, ela entra sozinha.

A menina levanta-se e dirige-se para a sala de consulta.

- O que trouxe vocês aqui?

- Nada, não tenho o que falar, não tenho o que discutir, não queria vir, não preciso vir aqui. Já falei para o meu pai.

- Mas já que veio, não poderia contar do que se trata?

- Quero viajar, encontrar minha mãe que mora fora, quero ir morar com ela. Meus pais são separados, ele não quer me deixar, mas vou assim mesmo.

- Você tentou falar com ele?

- Não adianta, ele não quer ouvir, e por isso que minha mãe foi embora e eu não quero mais falar disso.

(Estaria repetindo o gesto da mãe, indo embora sem conversa, sem explicação?)

- Parece que o diálogo não é bem-vindo em sua casa.

- Não, levanta-se para sair, não é isso.

- Talvez quisesse que seu pai conversasse com você, em vez de lhe trazer para falar com uma psicóloga que não conhece nem pediu pra conhecer.

Esse é o único momento em que Maria olha de fato para Ana.

- É isso mesmo, diz e dirige-se à porta.

Na sala de espera, Ana diz ao pai:

- Sua filha quer que você fale com ela, quer ser ouvida por você, não por mim. Ela não tem o que falar para mim, mas tem muito a dizer a você.

- Não, não, não sei falar com ela, não entendo o que ela diz, é igual à mãe, por isso a trouxe aqui, para que você fale com ela.

- Vamos então falar juntos?

- Não, não posso.

Levantam-se e saem para nunca mais voltar.

(LOEB, Sylvia. Diálogos. In: ____. Contos do divã. Cotia: Ateliê Editorial, 2007. P. 73)
Assinale a alternativa correta.

No fragmento “Talvez quisesse que seu pai conversasse com você” (21ª§), os verbos estão flexionados no mesmo tempo e modo indicando:

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 14/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
a) uma possibilidade em relação ao passado.
b) uma incerteza em relação a um futuro próximo.
c) uma sugestão para um interlocutor específico.
d) um hábito do passado que foi interrompido.
e) uma ação presente que se estende até o futuro.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/515244

Questão 36: IBFC - TJ (TJ PE)/TJ PE/Apoio Especializado/Programador de Computador/2017


Assunto: Conjugação. Reconhecimento e emprego dos modos e tempos verbais
Texto

Camelos e beija-flores...

(Rubem Alves)
A revisora informou delicadamente que era norma do jornal que todas as “estórias” deveriam ser grafadas como “histórias”. É assim que os gramáticos decidiram e
escreveram nos dicionários.

Respondi também delicadamente: “Comigo não. Quando escrevo ‘estória’ eu quero dizer ‘estória’. Quando escrevo ‘história’ eu quero dizer ‘história’. Estória e história são
tão diferentes quanto camelos e beija-flores...”

Escrevi um livro baseado na diferença entre “história” e “estória”. O revisor, obediente ao dicionário, corrigiu minhas “estórias” para “história”. Confiando no rigor do
revisor, não li o texto corrigido. Aí, um livro que era para falar de camelos e beija-flores, só falou de camelos. Foram-se os beija-flores engolidos pelos camelos...

Escoro-me no Guimarães Rosa. Ele começa o Tutameia com esta afirmação: “A estória não quer ser história. A estória, em rigor, deve ser contra a história.”

Qual é a diferença? É simples. Quando minha filha era pequena eu lhe inventava estórias. Ela, ao final, me perguntava: “Papai, isso aconteceu de verdade?” E eu ficava
sem lhe poder responder porque a resposta seria de difícil compreensão para ela. A resposta que lhe daria seria: “Essa estória não aconteceu nunca para que aconteça
sempre...”

A história é o reino das coisas que aconteceram de verdade, no tempo, e que estão definitivamente enterradas no passado. Mortas para sempre. [...]

Mas as estórias não aconteceram nunca. São invenções, mentiras. O mito de Narciso é uma invenção. O jovem que se apaixonou por sua própria imagem nunca existiu.
Aí, ao ler o mito que nunca existiu eu me vejo hoje debruçado sobre a fonte que me reflete nos olhos dos outros. Toda estória é um espelho. [...]

A história nos leva para o tempo do “nunca mais”, tempo da morte. As estórias nos levam para o tempo da ressurreição. Se elas sempre começam com o “era uma vez,
há muito tempo” é só para nos arrancar da banalidade do presente e nos levar para o tempo mágico da alma.

Assim, por favor, revisora: quando eu escrever “estória” não corrija para “história”. Não quero confundir camelos e beija-flores...

Considere o fragmento abaixo para responder à questão.

“A resposta que lhe daria seria: “Essa estória não aconteceu nunca para que aconteça sempre...”(5º§)
O emprego do futuro do pretérito do indicativo cumpre um papel expressivo no trecho. Isso porque, no contexto, sinaliza ações:

a) passadas ocorridas em um momento específico.


b) do presente que se relacionam com o passado.
c) presentes apontando para o futuro.
d) do passado que continuam até o presente.
e) futuras que não serão realizadas.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/541291

Questão 37: IBFC - Aux Adm (MGS)/MGS/2016


Assunto: Locução verbal
Mundo interior

(Martha Medeiros)

A casa da gente é uma metáfora da nossa vida, é a representação exata e fiel do nosso mundo interior. Li esta frase outro dia e achei perfeito. Poucas coisas traduzem
tão bem nosso jeito de ser como nosso jeito de morar. Isso não se aplica, logicamente, aos inquilinos da rua, que têm como teto um viaduto, ainda que eu não duvide
que até eles sejam capazes de ter seus códigos secretos de instalação.

No entanto, estamos falando de quem pode ter um endereço digno, seja seu ou de aluguel. Pode ser um daqueles apartamentos amplos, com pé direito alto e preço mais
alto ainda, ou um quarto-e-sala tão compacto quanto seu salário: na verdade, isso determina apenas seu poder aquisitivo, não revela seu mundo interior, que se
manifesta por meio de outros valores.

Da porta da rua pra dentro, pouco importa a quantidade de metros quadrados e, sim, a maneira como você os ocupa. Se é uma casa colorida ou monocrática. Se tem
objetos obtidos com afeto ou se foi tudo escolhido por um decorador profissional. Se há fotos das pessoas que amamos espalhadas por porta-retratos ou se há paredes
nuas.

Tudo pode ser revelador: se deixamos a comida estragar na geladeira, se temos a mania de deixar as janelas sempre fechadas, se há muitas coisas por consertar. Isso
também é estilo de vida.

Luz direta ou indireta? Tudo combinadinho ou uma esquizofrenia saudável na junção das coisas? Tudo de grife ou tudo de brinque? É um jogo lúdico tentar descobrir o
quanto há de granito e o quanto há de madeira na nossa personalidade. Qual o grau de importância das plantas no nosso habitat, que nota daríamos para o quesito vista
panorâmica? Quadros tortos nos enervam? Tapetes rotos nos comovem?

Há casas em que tudo o que é aparente está em ordem, mas reina a confusão dentro dos armários. Há casas tão limpas, tão lindas, tão perfeitas que parecem cenários:
faz falta um cheiro de comida e um som vindo lá do quarto. Há casas escuras. Há casas feitas por fora e bonitas por dentro. Há casas pequenas onde cabem toda a
família e os amigos, há casas com lareira que se mantêm frias. Há casas prontas para receber visitas e impróprias para receber a vida. Há casas com escadas, casas com
desníveis, casas divertidamente irregulares.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 15/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Pode aparecer apenas o lugar onde a gente dorme, come e vê televisão, mas nossa casa é muito mais que isso. É a nossa caverna, o nosso castelo, o esconderijo secreto
onde coabitamos com nossos defeitos e virtudes.

Em "Li esta frase outro dia e achei perfeito." (1º §), os verbos destacados expressam uma noção de tempo:

a) presente
b) passado
c) futuro
d) hipotético
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/372210

Questão 38: IBFC - Adv (HMDCC)/HMDCC/2015


Assunto: Pronomes
Texto I

O que é filosofia?

Querida Sofia,

Muitas pessoas têm hobbies diferentes. Algumas colecionam moedas e selos antigos, outras gostam de trabalhos manuais, outras ainda dedicam quase todo o seu tempo
livre a uma determinada modalidade de esporte.

Também há os que gostam de ler. Mas os tipos de leitura também são muito diferentes. Alguns leem apenas jornais ou gibis, outros gostam de romances, outros ainda
preferem livros sobre temas diversos como astronomia, a vida dos animais ou as novas descobertas da tecnologia.

Se me interesso por cavalos ou pedras preciosas, não posso querer que todos os outros tenham o mesmo interesse. Se fico grudado na televisão assistindo a todas as
transmissões de esporte, tenho que aceitar que outras pessoas achem o esporte uma chatice.

Mas será que alguma coisa interessa a todos? Será que existe alguma coisa que concerne a todos, não importando quem são ou onde se encontram? Sim, querida Sofia,
existem questões que deveriam interessar a todas as pessoas. E é sobre tais questões que trata este curso.

Qual é a coisa mais importante da vida? Se fazemos esta pergunta a uma pessoa de um país assolado pela fome, a resposta será: a comida. Se fazemos a mesma
pergunta a quem está morrendo de frio, então a resposta será: o calor. E quando perguntamos a alguém que se sente sozinho e isolado, então certamente a resposta
será: a companhia de outras pessoas.

Mas, uma vez satisfeitas todas essas necessidades, será que ainda resta alguma coisa de que todo mundo precise? Os filósofos acham que sim. Eles acham que o ser
humano não vive apenas de pão. É claro que todo mundo precisa comer. E precisa também de amor e cuidado. Mas ainda há uma coisa de que todos nós precisamos.
Nós temos a necessidade de descobrir quem somos e por que vivemos. Portanto, interessar-se em saber por que vivemos não é um interesse “casual” como colecionar
selos por exemplo. Quem se interessa por tais questões toca um problema que vem sendo discutido pelo homem praticamente desde quando passamos a habitar este
planeta. A questão de saber como surgiu o universo, a Terra e a vida por aqui é uma questão maior e mais importante do que saber quem ganhou mais medalhas de
ouro nos últimos Jogos Olímpicos.

(GAARDER, Jostein. O mundo de Sofia. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p.24-25)
Observe que a estratégia de coesão empregada pelo autor no trecho abaixo é marcada pelo uso de pronomes.

“Muitas pessoas têm hobbies diferentes. Algumas colecionam moedas e selos antigos, outras gostam de trabalhos manuais, outras ainda dedicam quase todo o seu
tempo livre a uma determinada modalidade de esporte.” (1º §)
Assinale a alternativa que indica a correta classificação do tipo de pronome que cumpriu esse papel.

a) demonstrativos
b) pessoais
c) indefinidos
d) relativos
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/316519

Questão 39: IBFC - Tec RC (JUCEB)/JUCEB/2015


Assunto: Pronomes
O direito à privacidade como elo da cidadania

Quando o STF vier a julgar a ação de inconstitucionalidade movida pela Associação Nacional dos Editores de Livros contra o artigo do Código Civil que prevê a autorização
para biografias comercializadas, os juizes estarão, mais uma vez, diante do dilema da Justiça, dos dois pratos da balança e qual deles fazer pesar mais com sua força. A
liberdade de expressão de um lado e o direito à privacidade do outro, e cada juiz, ainda uma vez, diante do ato de decidir pela garantia de ambos estabelecida na Carta
Magna.

Ora, se preferirem dar ganho de causa à Adin dos editores, fortemente apoiada pelos meios de comunicação (TVs em especial), estarão contrariando os que, do outro
lado, clamam pela garantia do seu direito à privacidade. Se a estes contemplarem com seu voto, estarão contrariando os primeiros, os grandes interessados em que vidas
pessoais sejam livremente retratadas, transformadas em ativos comerciais de grande valor para a montagem do espetáculo midiático que está, hoje em dia, para muito
além do interesse público na circulação da informação, o jornalismo.

Independentemente do que venha a decidir o STF em relação à questão, nós da associação Procure Saber, no âmbito do nosso pequeno foro e em que pesem as tantas
dúvidas e posições entre nós, resolvemos exercer o nosso direito democrático de associação, de opinião e de manifestação, levando a público o nosso propósito de
defender o direito à privacidade como elo importante da cadeia da cidadania soberana, chamando a atenção de toda a sociedade para a necessidade de amplo e
profundo debate em torno desse tema, da delicada situação em que se encontra esse prato da balança do direito civil em nosso tempo, a privacidade, o que ela significa,
o que ainda é possível fazer para que ela tenha sentido, para que os que ainda nela creem e confiam possam encontrar nas regras, nas normas e nas leis alguma
garantia. O debate afinal toma corpo, podendo contribuir para posicionamentos mais conscientes, mais maduros e mais equilibrados sobre que tipo de vida queremos e
podemos viver, se os indivíduos nos confins de suas vidas privadas ainda devem ser levados em conta, ainda reconhecidos e respeitados em seus direitos ou se já não
importam mais.

Temos tido sempre justificado apreço pelos que, ao longo da História, se mostram capazes de compreender os dilemas e contradições da vida em sociedade e que,
apesar da dor e do sofrimento dessa condição trágica, estão dispostos a reconhecer de que lado estão. Como disse Francisco Bosco referindo-se ao dilema entre o
interesse público e o privado, em seu escrito neste jornal, semana passada, é o princípio da soberania decisória sobre a vida privada que deve prevalecer. É a mesma,
nossa opinião.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 16/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

(Gilberto Gil, O Globo, 15/10/2013)

Leia o trecho a seguir e, sobre ele, responda à questão:

“Se a estes contemplarem com seu voto, estarão contrariando os primeiros, os grandes interessados em que vidas pessoais sejam livremente retratadas, transformadas
em ativos comerciais de grande valor para a montagem do espetáculo midiático que está, hoje em dia, para muito além do interesse público na circulação da informação,
o jornalismo. ” (2°§)
A respeito da classe gramatical das palavras em destaque, a alternativa que as classifica corretamente, na ordem em que se encontram no trecho, é:

a) pronome demonstrativo e conjunção


b) pronome indefinido, e pronome relativo
c) pronome demonstrativo e pronome relativo
d) pronome indefinido e conjunção
e) pronome pessoal e conjunção
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/317281

Questão 40: IBFC - Ass Adm (Docas PB)/Docas PB/2015


Assunto: Pronomes
Texto I

Quindins

Quindins Quando sentiu que ia morrer, o Dr. Ariosto pediu para falar a sós com a mulher, dona Quiléia (Quequé).

- Senta aí, Quequé.

Ela sentou na beira da cama. Protestou, chorosa, quando o marido disse que sabia que estava no fim. Mas o Dr. Ariosto a acalmou. Os dois sabiam que ele tinha pouco
tempo de vida e era melhor que enfrentassem a situação sem drama. Precisava contar uma coisa à mulher. Para morrerem paz. Contou, então, que tinha outra família.

- O quê, Ariosto?!

Tinha. Pronto. Outra mulher, outros filhos, até outros netos. A dona Quiléia iria saber de qualquer maneira, pois ele incluíra a outra família no seu testamento. Mas tinha
decidido contar ele mesmo. De viva, por assim dizer, voz. Para que não ficasse aquela mentira entre eles. E para que dona Quiléia fosse tolerante com a sua memória e
com a outra. Promete, Quequé? Dona Quiléia chorava muito. Só pôde fazer “sim” com a cabeça. Aliviado, o Dr. Ariosto deixou a cabeça cair no travesseiro. Podia morrer
em paz.

Mas aconteceu o seguinte: não morreu. Teve uma melhora surpreendente, que os médicos não souberam explicar e que Dona Quiléia atribui à promessa que fizera a seu
santo. Em poucas semanas, estava fora de cama. Ainda precisa de cuidados, é claro. Dona Quiléia tem que regular sua alimentação, dar remédio na hora certa... Ficam
os dois sentados na sala, olhando a televisão, em silêncio. Um silêncio constrangido. O Dr. Ariosto arrependido de ter feito a confissão. A Dona Quiléia achando que não
fica bem se aproveitar de uma revelação que o homem fez, afinal, no seu leito de morte. Simplesmente não tocam no assunto. No outro dia o Dr. Ariosto teve permissão
do médico para sair, pela primeira vez, de casa. Arrumou-se. Pediu para chamarem um táxi.

- Quer que eu vá com você? - perguntou a mulher.

- Não precisa.

- Você demora? - Não, não. Vou só...

Não completou a frase. Ficaram mais alguns instantes na porta, em silêncio. Depois ele disse:

- Bom. Tchau.

- Tchau.

Agora, tem uma coisa: Dona Quiléia não pagou a promessa ao santo. Ainda compra quindins escondido e os come sozinha. Aliás, deu para comer quindões. Grandes,
enormes, translúcidos quindões.

(Luis Fernando Veríssimo)

No trecho “Teve uma melhora surpreendente, que os médicos não souberam explicar” (6°§), o pronome em destaque, no contexto em que se encontra, tem como
referente:

a) Dr. Ariosto
b) melhora surpreendente
c) médicos
d) Dona Quiléia
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/336128

Questão 41: IBFC - Ag Ad (CM Vassouras)/CM Vassouras/2015


Assunto: Pronomes
Dentro de um abraço

Onde é que você gostaria de estar agora, neste exato momento?

Fico pensando nos lugares paradisíacos onde já estive, e que não me custaria nada reprisar: num determinado restaurante de uma ilha grega, em diversas praias do
Brasil e do mundo, na casa de bons amigos, em algum vilarejo europeu, numa estrada bela e vazia, no meio de um show espetacular, numa sala de cinema assistindo à
estreia de um filme muito esperado e, principalmente, no meu quarto e na minha cama, que nenhum hotel cinco estrelas consegue superar – a intimidade da gente é
irreproduzível.

Posso também listar os lugares onde não gostaria de estar: num leito de hospital, numa fila de banco, numa reunião de condomínio, presa num elevador, em meio a um

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 17/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
trânsito congestionado, numa cadeira de dentista.

E então? Somando os prós e os contras, as boas e más opções, onde, afinal, é o melhor lugar do mundo?

Meu palpite: dentro de um abraço.

Que lugar melhor para uma criança, para um idoso, para uma mulher apaixonada, para um adolescente com medo, para um doente, para alguém solitário? Dentro de um
abraço é sempre quente, é sempre seguro. Dentro de um abraço não se ouve o tic-tac dos relógios e, se faltar luz, tanto melhor. Tudo o que você pensa e sofre dentro
de um abraço se dissolve.

Que lugar melhor para um recém-nascido, para um recém-chegado, para um recém-demitido, para um recém-contratado? Dentro de um abraço nenhuma situação é
incerta, o futuro não amedronta, estacionamos confortavelmente em meio ao paraíso.

O rosto contra o peito de quem te abraça, as batidas do coração dele e as suas, o silêncio que sempre se faz durante esse envolvimento físico: nada há para se
reivindicar ou agradecer, dentro de um abraço voz nenhuma se faz necessária, está tudo dito.
[...]
(Martha Medeiros)
Em “Fico pensando nos lugares paradisíacos onde já estive”(2º§), o pronome em destaque está empregado corretamente. Desse modo, dentre as alternativas abaixo,
assinale aquela em que também se acerta no emprego deste termo.

a) Esta é uma idade onde sobra disposição.


b) Refiro-me a um tempo onde éramos felizes.
c) Busca-se um relacionamento onde haja parceria.
d) Falo daquela solução onde todos ficam satisfeitos.
e) O Brasil é um país onde o debate é favorecido.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/345926

Questão 42: IBFC - Cui Esc (Petrópolis)/Pref Petrópolis/2015


Assunto: Pronomes
Fuga

(Fernando Sabino)

Mal o pai colocou o papel na máquina, o menino começou a empurrar uma cadeira pela sala, fazendo um barulho infernal.

- Para com esse barulho, meu filho – falou, sem se voltar.

Com três anos já sabia reagir como homem ao impacto das grandes injustiças paternas: não estava fazendo barulho, estava só empurrando uma cadeira.

- Pois então para de empurrar a cadeira.

- Eu vou embora – foi a resposta.

Distraído, o pai não reparou que ele juntava ação às palavras, no ato de juntar do chão as suas coisinhas, enrolandoas num pedaço de pano. Era a sua bagagem: um
caminhão de plástico com apenas três rodas, um resto de biscoito, uma chave (onde diabo meteram a chave da despensa? - a mãe mais tarde irá dizer), metade de uma
tesourinha enferrujada, sua única arma para a grande aventura, um botão amarrado num barbante.

A calma que baixou então na sala era vagamente inquietante. De repente, o pai olhou ao redor e não viu o menino. Deu com a porta da rua aberta, correu até o portão:

- Viu um menino saindo desta casa? – gritou para o operário que descansava diante da obra do outro lado da rua, sentado no meio-fio.

- Saiu agora mesmo com a trouxinha – informou ele.

Correu até a esquina e teve tempo de vê-lo ao longe, caminhando cabisbaixo ao longo do muro. A trouxa, arrastada no chão, ia deixando pelo caminho alguns de seus
pertences: o botão, o pedaço de biscoito e – saíra de casa prevenido – uma moeda de 1 cruzeiro. Chamou-o, mas ele apertou o passinho, abriu a correr em direção à
Avenida, como disposto a atirar-se diante do ônibus que surgia a distância.

- Meu filho, cuidado!

O ônibus deu uma freada brusca, uma guinada para a esquerda, os pneus cantaram no asfalto. O menino, assustado, arrepiou carreira. O pai precipitou-se e o
arrebanhou com o braço como a um animalzinho:

- Que susto você me passou, meu filho – e apertava-o contra o peito, comovido.

- Deixa eu descer, papai. Você está me machucando.

Irresoluto, o pai pensava agora se não seria o caso de lhe dar umas palmadas:

- Machucando, é? Fazer uma coisa dessas com seu pai.

- Me larga. Eu quero ir embora.

Trouxe-o para casa e o largou novamente na sala – tendo antes o cuidado de fechar a porta da rua e retirar a chave, como ele fizera com a da despensa.

- Fique aí quietinho, está ouvindo? Papai está trabalhando.

- Fico, mas vou empurrar esta cadeira.

E o barulho recomeçou.

Na frase “- Para com esse barulho, meu filho – falou, sem se voltar.“ (2º§), ocorrem três pronomes que são classificados, respectivamente, como:

a) pessoal – demonstrativo – indefinido


b) indefinido – possessivo – relativo
c) demonstrativo – possessivo – pessoal

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 18/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
d) possessivo – demonstrativo – indefinido
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/375926

Questão 43: IBFC - Asst (CM Aqa)/CM Araraquara/Comunicação/2016


Assunto: Pronomes
COMUNIDADES - DAS PRIMEIRAS ÀS NOVAS LEITURAS DO CONCEITO

(...)

Por meio dos autores reunidos por Fernandes, percebese que a ideia de comunidade remete ao sentimento de vida em comum fundado nas relações de parentesco e
vizinhança, baseado na reciprocidade, norteado por laços afetivos que ligam indivíduos que convivem em um mesmo espaço físico e nele adquirem os recursos básicos
para a sua subsistência. Cada um dos autores apresentados por Fernandes atribui valor a um ou outro dos atributos. Mas, se pudéssemos identificar um tipo ideal de
comunidade, no sentido weberiano do termo, a partir dos diversos autores reunidos por Fernandes, esta teria: base territorial comum, fortes laços afetivos, reciprocidade,
autonomia política e econômica e subordinação do individual ao social.

Já uma sociedade seria definida por relações voluntárias e contratuais. Na medida em que compartilham determinado interesse, indivíduos podem se associar para
alcançar objetivos relacionados ao mesmo, embora não necessariamente tenham outros aspectos de suas vidas compartilhados, tais como relações de parentesco,
interdependências econômicas ou convivam numa mesma base territorial. Portanto, o conceito de sociedade é mais amplo e inclui o de comunidade.

Essa diferenciação conceituai vem à tona a partir do aprofundamento do processo da divisão social do trabalho. A fragmentação das atividades laborais, a prevalência do
contrato sobre o status, a multiplicação dos grupos formais, a passagem da família para o Estado como forma de organização social predominante e a ampliação e
internacionalização das trocas comerciais são algumas condições sociais que promovem modos de vida societários e fundamentam a separação conceituai entre
comunidade e sociedade; e, mesmo, sugerem a passagem da primeira forma à segunda como modo predominante de agrupamento social, embora a bibliografia seja
quase unânime em afirmar a coexistência entre as duas formas sociais ao longo da História. (...)

http://www.revistas.usp.br/comueduc/article/view/78561/83089 - acesso em 02/05/2016.


Com base na leitura do texto, especificamente do trecho citado, indique a alternativa que somente apresenta pronomes. Assinale a alternativa correta.

Cada um dos autores apresentados por Fernandes atribui valor a um ou outro dos atributos.

a) Cada, dos, a
b) Cada, outro
c) Cada, outro, das
d) Cada, dos
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/376145

Questão 44: IBFC - Sold (PM BA)/PM BA/2017


Assunto: Pronomes
Texto

Assinale a alternativa em que se faz uma classificação incorreta do pronome destacado da tirinha acima.

a) “Você acredita que” – pronome de tratamento.


b) “nossos destinos são controlados” – pronome possessivo.
c) “podemos fazer o que bem entendermos” – pronome pessoal do caso oblíquo.
d) “podemos fazer o que bem entendermos” – pronome relativo.
e) “e a mamãe me dizem” – pronome pessoal do caso oblíquo.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/515246

Questão 45: IBFC - Ag Adm (CM Aqa)/CM Araraquara/2017


Assunto: Pronomes
Texto

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 19/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

O vocábulo “que” que segue a palavra “homem” cumpre papel coesivo e deve ser classificado, morfologicamente como:

a) pronome relativo.
b) conjunção integrante.
c) conjunção explicativa.
d) pronome indefinido.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/537743

Questão 46: IBFC - Aux Adm (MGS)/MGS/2016


Assunto: Advérbio

A classe gramatical da palavra "meio", presente na tira acima é:

a) numeral
b) adjetivo
c) substantivo
d) advérbio
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/372211

Questão 47: IBFC - Cui Esc (Petrópolis)/Pref Petrópolis/2015


Assunto: Advérbio
Fuga

(Fernando Sabino)

Mal o pai colocou o papel na máquina, o menino começou a empurrar uma cadeira pela sala, fazendo um barulho infernal.

- Para com esse barulho, meu filho – falou, sem se voltar.

Com três anos já sabia reagir como homem ao impacto das grandes injustiças paternas: não estava fazendo barulho, estava só empurrando uma cadeira.

- Pois então para de empurrar a cadeira.

- Eu vou embora – foi a resposta.

Distraído, o pai não reparou que ele juntava ação às palavras, no ato de juntar do chão as suas coisinhas, enrolandoas num pedaço de pano. Era a sua bagagem: um
caminhão de plástico com apenas três rodas, um resto de biscoito, uma chave (onde diabo meteram a chave da despensa? - a mãe mais tarde irá dizer), metade de uma
tesourinha enferrujada, sua única arma para a grande aventura, um botão amarrado num barbante.

A calma que baixou então na sala era vagamente inquietante. De repente, o pai olhou ao redor e não viu o menino. Deu com a porta da rua aberta, correu até o portão:

- Viu um menino saindo desta casa? – gritou para o operário que descansava diante da obra do outro lado da rua, sentado no meio-fio.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 20/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

- Saiu agora mesmo com a trouxinha – informou ele.

Correu até a esquina e teve tempo de vê-lo ao longe, caminhando cabisbaixo ao longo do muro. A trouxa, arrastada no chão, ia deixando pelo caminho alguns de seus
pertences: o botão, o pedaço de biscoito e – saíra de casa prevenido – uma moeda de 1 cruzeiro. Chamou-o, mas ele apertou o passinho, abriu a correr em direção à
Avenida, como disposto a atirar-se diante do ônibus que surgia a distância.

- Meu filho, cuidado!

O ônibus deu uma freada brusca, uma guinada para a esquerda, os pneus cantaram no asfalto. O menino, assustado, arrepiou carreira. O pai precipitou-se e o
arrebanhou com o braço como a um animalzinho:

- Que susto você me passou, meu filho – e apertava-o contra o peito, comovido.

- Deixa eu descer, papai. Você está me machucando.

Irresoluto, o pai pensava agora se não seria o caso de lhe dar umas palmadas:

- Machucando, é? Fazer uma coisa dessas com seu pai.

- Me larga. Eu quero ir embora.

Trouxe-o para casa e o largou novamente na sala – tendo antes o cuidado de fechar a porta da rua e retirar a chave, como ele fizera com a da despensa.

- Fique aí quietinho, está ouvindo? Papai está trabalhando.

- Fico, mas vou empurrar esta cadeira.

E o barulho recomeçou.

A primeira oração do texto “Mal o pai colocou o papel na máquina,” apresenta um valor adverbial e exprime a circunstância de:

a) tempo
b) modo
c) causa
d) meio

Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/375927

Questão 48: IBFC - Ag Adm (CM Aqa)/CM Araraquara/2017


Assunto: Advérbio
Texto

O vencedor: uma visão alternativa

Nos sete primeiros assaltos, Raul foi duramente castigado. Não era de espantar: estava inteiramente fora de forma. Meses de indolência e até de devassidão tinham
produzido seus efeitos. O combativo boxeador de outrora, o homem que, para muitos, fora estrela do pugilismo mundial, estava reduzido a um verdadeiro trapo. O
público não tinha a menor complacência com ele: sucediam-se as vaias e os palavrões.

De repente, algo aconteceu. Caído na lona, depois de ter recebido um cruzado devastador, Raul ergueu a cabeça e viu, sentada na primeira fila, sua sobrinha Dóris, filha
do falecido Alberto. A menina fitava-o com o olhos cheios de lágrimas. Um olhar que trespassou Raul como uma punhalada. Algo rompeu-se dentro dele. Sentiu renascer
em si a energia que fizera dele a fera do ringue. De um salto, pôs-se de pé e partiu como um touro para cima do adversário. A princípio o público não se deu conta do
que estava acontecendo. Mas quando os fãs perceberam que uma verdadeira ressurreição se tinha operado, passaram a incentivá-lo. Depois de uma saraivada de golpes
certeiros e violentíssimos, o adversário foi ao chão. O juiz procedeu à contagem regulamentar e proclamou Raul o vencedor.

Todos aplaudiram. Todos deliraram de alegria. Menos este que conta a história. Este que conta a história era o adversário. Este que conta a história era o que estava
caído. Este que conta a história era o derrotado. Ai, Deus.

(SCLIAR, Moacyr. Contos reunidos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p.58-59)
Considere o fragmento abaixo para responder à questão.

“Nos sete primeiros assaltos, Raul foi duramente castigado. Não era de espantar: estava inteiramente fora de forma.” (1º§)
Os advérbios destacados expressam, respectivamente, as seguintes circunstâncias:

a) modo e modo.
b) intensidade e tempo.
c) intensidade e intensidade.
d) modo e intensidade.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/537718

Questão 49: IBFC - Tec Reg (AGERBA)/AGERBA/2017


Assunto: Numeral
Texto

Primeira classe
(Moacyr Scliar)

Durante anos, o homem teve um sonho: queria viajar de avião na primeira classe. Na classe econômica, ele, executivo de uma empresa multinacional, era um passageiro
habitual; e, quando via a aeromoça fechar a cortina da primeira classe, quando ficava imaginando os pratos e as bebidas que lá serviam, mordia-se de inveja. Talvez por
causa disso trabalhava incansavelmente; subiu na vida, chegou a um cargo de chefia que, entre outras coisas, dava-lhe o direito à primeira classe nos voos.

E assim, um dia, ele embarcou de Nova Délhi, onde acabara de concluir um importante negócio, para Londres. E seu lugar era na primeira classe. Seu sonho estava se

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 21/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
realizando. Tudo era exatamente como ele imaginava: coquetéis de excelente quantidade, um jantar que em qualquer lugar seria considerado um banquete. Para cúmulo
da sorte, o lugar a seu lado estava vazio.

Ou pelo menos estava no começo do voo. No meio da noite acordou e, para sua surpresa, viu que o lugar estava ocupado. Achou que se tratava de um intruso; mas, em
seguida, deu-se conta de que algo anormal ocorria: várias pessoas estavam ali, no corredor, chorando e se lamentando. Explicável: a passageira a seu lado estava morta.
A tripulação optara por colocá-la na primeira classe exatamente porque, naquela parte do avião, havia menos gente.

Sua primeira reação foi exigir que removessem o cadáver. Mas não podia fazer uma coisa dessas, seria muita crueldade.Por outro lado, ter um corpo morto a seu lado
horrorizava-o. Não havendo outros lugares vagos na primeira classe, só lhe restava uma alternativa: levantou-se e foi para a classe econômica, para o lugar que a morta,
havia pouco, ocupara. Ou seja, ao invés de um upgrade, ele tinha recebido, ainda que por acaso, um downgrade.
Ali ficou, sem poder dormir, claro. Porque, depois que se experimenta a primeira classe, nada mais serve. Finalmente, o avião pousou, e ele, arrasado, dirigiu-se para a
saída, onde o esperavam os parentes da falecida para agradecer-lhe. Disse um deles, que se identificou como filho da senhora: “Minha mãe sempre quis viajar de
primeira classe. Só conseguiu morta graças à sua compreensão. Deus lhe recompensará”.

Que tem seu lugar garantido no céu, isso ele sabe. Só espera chegar lá viajando de primeira classe. E sem óbitos durante o voo.

Considere as palavras destacadas na frase abaixo e assinale a alternativa em que se indica, respectivamente e de modo correto, sua classificação morfológica.

“Durante anos, o homem teve um sonho:


queria viajar de avião na primeira classe.”
a) numeral e numeral.
b) numeral e pronome.
c) artigo e numeral.
d) pronome e numeral.
e) artigo e pronome.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/450291

Questão 50: IBFC - Ag Adm (CM Aqa)/CM Araraquara/2017


Assunto: Numeral
Texto

O homem vive em média sete anos a menos que a mulher. A cada três mortes de adulto, duas são de homens. Segundo dados do Sistema de Informação de
Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde, na faixa de 20 a 59 anos, os homens morrem mais por causas externas, como acidentes de trânsito, acidentes de trabalho e
lesões por violência. O segundo motivo de morte entre homens nesta faixa etária são as doenças do aparelho circulatório, seguida das neoplasias. Comemorado neste
sábado (15), o Dia Internacional do Homem traz para o debate os cuidados com a saúde masculina no país.

Atualmente no Brasil 18% dos homens brasileiros são obesos e 57% apresentam sobrepeso. Com relação ao tabagismo, 12,7% fumam e sobre doenças crônicas, 7,8%
dos homens têm diabetes e 23,6% têm hipertensão. Vinte e sete por cento dos homens consomem bebida alcóolica abusivamente e 12,9% dirigem após beber. Os dados
fazem parte do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), realizado anualmente pelo governo federal.

Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2017-07/dia-internacional-


do-homem-chama-atencao-para-cuidados-com-saude-masculina. Acesso em 01/09/17)
Os vocábulos devem ser analisados no contexto em que estão inseridos. Desse modo, as palavras destacadas no texto possuem:

a) mesmo papel coesivo.


b) diferentes classes gramaticais.
c) funções sintáticas equivalentes.
d) identificação semântica.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/537745

Questão 51: IBFC - Tec RC (JUCEB)/JUCEB/2015


Assunto: Preposição
Texto I

O direito à privacidade como elo da cidadania

Quando o STF vier a julgar a ação de inconstitucionalidade movida pela Associação Nacional dos Editores de Livros contra o artigo do Código Civil que prevê a autorização
para biografias comercializadas, os juizes estarão, mais uma vez, diante do dilema da Justiça, dos dois pratos da balança e qual deles fazer pesar mais com sua força. A
liberdade de expressão de um lado e o direito à privacidade do outro, e cada juiz, ainda uma vez, diante do ato de decidir pela garantia de ambos estabelecida na Carta
Magna.

Ora, se preferirem dar ganho de causa à Adin dos editores, fortemente apoiada pelos meios de comunicação (TVs em especial), estarão contrariando os que, do outro
lado, clamam pela garantia do seu direito à privacidade. Se a estes contemplarem com seu voto, estarão contrariando os primeiros, os grandes interessados em que vidas
pessoais sejam livremente retratadas, transformadas em ativos comerciais de grande valor para a montagem do espetáculo midiático que está, hoje em dia, para muito
além do interesse público na circulação da informação, o jornalismo.

Independentemente do que venha a decidir o STF em relação à questão, nós da associação Procure Saber, no âmbito do nosso pequeno foro e em que pesem as tantas
dúvidas e posições entre nós, resolvemos exercer o nosso direito democrático de associação, de opinião e de manifestação, levando a público o nosso propósito de
defender o direito à privacidade como elo importante da cadeia da cidadania soberana, chamando a atenção de toda a sociedade para a necessidade de amplo e
profundo debate em torno desse tema, da delicada situação em que se encontra esse prato da balança do direito civil em nosso tempo, a privacidade, o que ela significa,
o que ainda é possível fazer para que ela tenha sentido, para que os que ainda nela creem e confiam possam encontrar nas regras, nas normas e nas leis alguma
garantia. O debate afinal toma corpo, podendo contribuir para posicionamentos mais conscientes, mais maduros e mais equilibrados sobre que tipo de vida queremos e
podemos viver, se os indivíduos nos confins de suas vidas privadas ainda devem ser levados em conta, ainda reconhecidos e respeitados em seus direitos ou se já não
importam mais.

Temos tido sempre justificado apreço pelos que, ao longo da História, se mostram capazes de compreender os dilemas e contradições da vida em sociedade e que,
apesar da dor e do sofrimento dessa condição trágica, estão dispostos a reconhecer de que lado estão. Como disse Francisco Bosco referindo-se ao dilema entre o
interesse público e o privado, em seu escrito neste jornal, semana passada, é o princípio da soberania decisória sobre a vida privada que deve prevalecer. É a mesma,
nossa opinião.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 22/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

(Gilberto Gil, O Globo, 15/10/2013)


Texto II

As preposições são importantes “elos” na organização textual. Percebe-se, na fala do pai na charge acima, a construção “acaba de chegar”. Assinale a opção em que se
destaca, em um fragmento do texto I, uma preposição que cumpra o mesmo papel sintático da que foi sinalizada neste enunciado.

a) “O direito à privacidade” (título)


b) “Quando o STF vier a julgar” (1°§)
c) “Ora, se preferirem dar ganho de causa” (2°§)
d) “Se a estes contemplarem com seu voto,” (2°§)
e) “O debate afinal toma corpo, podendo contribuir para posicionamentos” (3°§)

Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/317287

Questão 52: IBFC - Ag Ad (CM Vassouras)/CM Vassouras/2015


Assunto: Preposição
Dentro de um abraço

Onde é que você gostaria de estar agora, neste exato momento?

Fico pensando nos lugares paradisíacos onde já estive, e que não me custaria nada reprisar: num determinado restaurante de uma ilha grega, em diversas praias do
Brasil e do mundo, na casa de bons amigos, em algum vilarejo europeu, numa estrada bela e vazia, no meio de um show espetacular, numa sala de cinema assistindo à
estreia de um filme muito esperado e, principalmente, no meu quarto e na minha cama, que nenhum hotel cinco estrelas consegue superar – a intimidade da gente é
irreproduzível.

Posso também listar os lugares onde não gostaria de estar: num leito de hospital, numa fila de banco, numa reunião de condomínio, presa num elevador, em meio a um
trânsito congestionado, numa cadeira de dentista.

E então? Somando os prós e os contras, as boas e más opções, onde, afinal, é o melhor lugar do mundo?

Meu palpite: dentro de um abraço.

Que lugar melhor para uma criança, para um idoso, para uma mulher apaixonada, para um adolescente com medo, para um doente, para alguém solitário? Dentro de um
abraço é sempre quente, é sempre seguro. Dentro de um abraço não se ouve o tic-tac dos relógios e, se faltar luz, tanto melhor. Tudo o que você pensa e sofre dentro
de um abraço se dissolve.

Que lugar melhor para um recém-nascido, para um recém-chegado, para um recém-demitido, para um recém-contratado? Dentro de um abraço nenhuma situação é
incerta, o futuro não amedronta, estacionamos confortavelmente em meio ao paraíso.

O rosto contra o peito de quem te abraça, as batidas do coração dele e as suas, o silêncio que sempre se faz durante esse envolvimento físico: nada há para se
reivindicar ou agradecer, dentro de um abraço voz nenhuma se faz necessária, está tudo dito.
[...]
(Martha Medeiros)
Considere o fragmento abaixo para responder à questão.

“Que lugar melhor para uma criança, para um idoso, para uma mulher apaixonada, para um adolescente com medo, para um doente, para alguém solitário? Dentro de
um abraço é sempre quente, é sempre seguro.” (6º§)
A preposição “para” em todas as suas ocorrências introduz a noção de:

a) meio
b) destinatário
c) posse
d) modo
e) companhia
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/345933

Questão 53: IBFC - Tec (HMDCC)/HMDCC/Administração/2015


Assunto: Conjunção
Considerando a estrutura das frases e a pontuação como ferramenta de delimitação de sentidos, observe o trecho abaixo e responda à questão.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 23/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

“Muitos telespectadores assumem esse comportamento.


Tanto que um grupo de estudiosos da Universidade de Rutgers, nos Estados Unidos, por meio de experimentos e pesquisas, concluiu que a velha história do vício na TV
não é só uma metáfora.” (2º §)
Observando que a expressão “tanto que” estabelece com a frase anterior uma relação semântica, pode-se afirmar que tal expressão possui o valor de:

a) Causa
b) Consequência
c) Conclusão
d) Comparação
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/316036

Questão 54: IBFC - Adv (HMDCC)/HMDCC/2015


Assunto: Conjunção
Texto I

O que é filosofia?

Querida Sofia,

Muitas pessoas têm hobbies diferentes. Algumas colecionam moedas e selos antigos, outras gostam de trabalhos manuais, outras ainda dedicam quase todo o seu tempo
livre a uma determinada modalidade de esporte.

Também há os que gostam de ler. Mas os tipos de leitura também são muito diferentes. Alguns leem apenas jornais ou gibis, outros gostam de romances, outros ainda
preferem livros sobre temas diversos como astronomia, a vida dos animais ou as novas descobertas da tecnologia.

Se me interesso por cavalos ou pedras preciosas, não posso querer que todos os outros tenham o mesmo interesse. Se fico grudado na televisão assistindo a todas as
transmissões de esporte, tenho que aceitar que outras pessoas achem o esporte uma chatice.

Mas será que alguma coisa interessa a todos? Será que existe alguma coisa que concerne a todos, não importando quem são ou onde se encontram? Sim, querida Sofia,
existem questões que deveriam interessar a todas as pessoas. E é sobre tais questões que trata este curso.

Qual é a coisa mais importante da vida? Se fazemos esta pergunta a uma pessoa de um país assolado pela fome, a resposta será: a comida. Se fazemos a mesma
pergunta a quem está morrendo de frio, então a resposta será: o calor. E quando perguntamos a alguém que se sente sozinho e isolado, então certamente a resposta
será: a companhia de outras pessoas.

Mas, uma vez satisfeitas todas essas necessidades, será que ainda resta alguma coisa de que todo mundo precise? Os filósofos acham que sim. Eles acham que o ser
humano não vive apenas de pão. É claro que todo mundo precisa comer. E precisa também de amor e cuidado. Mas ainda há uma coisa de que todos nós precisamos.
Nós temos a necessidade de descobrir quem somos e por que vivemos. Portanto, interessar-se em saber por que vivemos não é um interesse “casual” como colecionar
selos por exemplo. Quem se interessa por tais questões toca um problema que vem sendo discutido pelo homem praticamente desde quando passamos a habitar este
planeta. A questão de saber como surgiu o universo, a Terra e a vida por aqui é uma questão maior e mais importante do que saber quem ganhou mais medalhas de
ouro nos últimos Jogos Olímpicos.

(GAARDER, Jostein. O mundo de Sofia. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p.24-25)
As conjunções explicitam relações semânticas entre orações. Podem ainda, sinalizar o sentido introduzido por um parágrafo. Assim, assinale a alternativa em que se
ERRA na indicação do valor semântico da conjunção em destaque.

a) “Mas os tipos de leitura também são muito diferentes.” (2º §) – oposição


b) “Se fazemos a mesma pergunta a quem está morrendo de frio” (5º §) – condição
c) “ praticamente desde quando passamos a habitar este planeta.” (7º §) – tempo
d) “não é um interesse “casual” como colecionar selos por exemplo. “ (7º §) - conformidade
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/316530

Questão 55: IBFC - Tec Esp (MGS)/MGS/Serv. Técnicos Contábeis/2015


Assunto: Conjunção
A arte de escrever

“Há, portanto, uma arte de escrever - que é a redação. Não é uma prerrogativa dos literatos, senão uma atividade social indispensável, para a qual falta, não obstante,
muitas vezes, uma preparação preliminar.

A arte de falar, necessária à exposição oral, é mais fácil na medida em que se beneficia da prática da fala cotidiana, de cujos elementos parte em princípio.

O que há de comum, antes de tudo, entre a exposição oral e a escrita é a necessidade da boa composição, isto é, uma distribuição metódica e compreensível de ideias.

Impõe-se igualmente a visualização de um objetivo definido. Ninguém é capaz de escrever bem, se não sabe bem o que vai escrever.

Justamente por causa disso, as condições para a redação no exercício da vida profissional ou no intercâmbio amplo, dentro da sociedade, são muito diversas das da
redação escolar. A convicção do que vamos dizer, a importância que há em dizê-lo, o domínio de um assunto da nossa especialidade tiram à redação o caráter negativo
de mero exercício formal, como tem na escola.

Qualquer um de nós senhor de um assunto é, em princípio, capaz de escrever sobre ele. Não há um jeito especial para a redação, ao contrário do que muita gente pensa.
Há apenas uma falta de preparação inicial, que o esforço e a prática vencem.

Por outro lado, a arte de escrever, na medida em que consubstancia a nossa capacidade de expressão do pensar e do sentir, tem de firmar raízes na nossa própria
personalidade e decorre, em grande parte, de um trabalho nosso para desenvolver a personalidade por este ângulo. [...]

A arte de escrever precisa assentar numa atividade preliminar já radicada, que parte do ensino escolar e de um hábito de leitura inteligentemente conduzido; depende
muito, portanto, de nós mesmos, de uma disciplina mental adquirida pela autocrítica e pela observação cuidadosa do que outros, com bom resultado, escreveram."

(JOAQUIM MATTOSO CÂMARA JR. Manual de expressão oral & escrita. 7a. Edição, Vozes, Petrópolís, 1983.)
No oitavo parágrafo, a expressão “portanto" assume valor semântico de:
https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 24/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
a) Causa
b) Conseqüência
c) Conclusão
d) Adição
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/340327

Questão 56: IBFC - Ag Ad (CM Vassouras)/CM Vassouras/2016


Assunto: Conjunção
Cace a liberdade

(Martha Medeiros)
Arroz, feijão, bife, ovo. Isso nós temos no prato, é a fonte de energia que nos faz levantar de manhã e sair para trabalhar. Nossa meta primeira é a sobrevivência do corpo.
Mas como anda a dieta da alma?

Outro dia, no meio da tarde, senti uma fome me revirando por dentro. Uma fome que me deixou melancólica. Me dei conta de que estava indo pouco ao cinema,
conversando pouco com as pessoas, e senti uma abstinência de viajar que me deixou até meio tonta. Minha geladeira, afortunadamente, está cheia, e ando até um pouco
acima do meu peso ideal, mas me senti desnutrida. Você já se sentiu assim também, precisando se alimentar?

Revista, jornal, internet, isso tudo nos informa, nos situa no mundo, mas não sacia. A informação entra dentro da casa da gente em doses cavalares e nos encontra
passivos, a gente apenas seleciona o que nos interessa e despreza o resto, e nem levantamos da cadeira neste processo. Para alimentar a alma, é obrigatório sair de casa.
Sair à caça. Perseguir.

Se não há silêncio a sua volta, cace o silêncio onde ele se esconde, pegue uma estradinha de terra batida, visite um sítio, uma cachoeira, ou vá para a beira da praia, o
litoral é bonito neste época, tem uma luz diferente, o mar parece maior, há menos gente.

Cace o afeto, procure quem você gosta de verdade, tire férias de rancores e mágoas, abrace forte, sorria, permita que o cacem também.

Cace a liberdade que anda tão rara, liberdade de pensamento, de atitudes, vá ao encontro de tudo que não tem regra, patrulha, horários. Cace o amanhã, o novo, o que
ainda não foi contaminado por críticas, modismos, conceitos, vá atrás do que é surpreendente, o que se expande na sua frente, o que lhe provoca prazer de olhar, sentir,
sorver. Entre numa galeria de arte. Vá assistir a um filme de um diretor que não conhece. Olhe para a sua cidade com olhos de estrangeiro, como se você fosse um turista.
Abra portas. E páginas.

Arroz, feijão, bife, ovo. Isso me mantém de pé, mas não acaba com meu cansaço diante de uma vida que, se eu me descuido, se torna repetitiva, monótona, entediante.
Mas nada de descuido. Vou me entupir de calorias na alma. Há fartas sugestões no cardápio. Quero engordar no lugar certo. O ritmo dos meus dias é tão intenso que às
vezes a gente se esquece de se alimentar direito.

Em "Minha geladeira, afortunadamente, está cheia" (2º §), o termo em destaque classifique-se, morfologicamente, como:

a) adjetivo
b) advérbio
c) substantivo
d) verbo
e) conjunção
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/345014

Questão 57: IBFC - Ag Ad (CM Vassouras)/CM Vassouras/2016


Assunto: Conjunção
Cace a liberdade

(Martha Medeiros)

Arroz, feijão, bife, ovo. Isso nós temos no prato, é a fonte de energia que nos faz levantar de manhã e sair para trabalhar. Nossa meta primeira é a sobrevivência do corpo.
Mas como anda a dieta da alma?

Outro dia, no meio da tarde, senti uma fome me revirando por dentro. Uma fome que me deixou melancólica. Me dei conta de que estava indo pouco ao cinema,
conversando pouco com as pessoas, e senti uma abstinência de viajar que me deixou até meio tonta. Minha geladeira, afortunadamente, está cheia, e ando até um pouco
acima do meu peso ideal, mas me senti desnutrida. Você já se sentiu assim também, precisando se alimentar?

Revista, jornal, internet, isso tudo nos informa, nos situa no mundo, mas não sacia. A informação entra dentro da casa da gente em doses cavalares e nos encontra
passivos, a gente apenas seleciona o que nos interessa e despreza o resto, e nem levantamos da cadeira neste processo. Para alimentar a alma, é obrigatório sair de casa.
Sair à caça. Perseguir.

Se não há silêncio a sua volta, cace o silêncio onde ele se esconde, pegue uma estradinha de terra batida, visite um sítio, uma cachoeira, ou vá para a beira da praia, o
litoral é bonito neste época, tem uma luz diferente, o mar parece maior, há menos gente.

Cace o afeto, procure quem você gosta de verdade, tire férias de rancores e mágoas, abrace forte, sorria, permita que o cacem também.

Cace a liberdade que anda tão rara, liberdade de pensamento, de atitudes, vá ao encontro de tudo que não tem regra, patrulha, horários. Cace o amanhã, o novo, o que
ainda não foi contaminado por críticas, modismos, conceitos, vá atrás do que é surpreendente, o que se expande na sua frente, o que lhe provoca prazer de olhar, sentir,
sorver. Entre numa galeria de arte. Vá assistir a um filme de um diretor que não conhece. Olhe para a sua cidade com olhos de estrangeiro, como se você fosse um turista.
Abra portas. E páginas.

Arroz, feijão, bife, ovo. Isso me mantém de pé, mas não acaba com meu cansaço diante de uma vida que, se eu me descuido, se torna repetitiva, monótona, entediante.
Mas nada de descuido. Vou me entupir de calorias na alma. Há fartas sugestões no cardápio. Quero engordar no lugar certo. O ritmo dos meus dias é tão intenso que às
vezes a gente se esquece de se alimentar direito.

Em "O ritmo dos meus dias é tão intenso que às vezes a gente se esquece de se alimentar direito" (7º §), a conjunção em destaque introduz um valor semântico de:
a) condição
b) finalidade
c) causa
d) concessão

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 25/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
e) consequência
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/345024

Questão 58: IBFC - Ag Ad (CM Vassouras)/CM Vassouras/2015


Assunto: Conjunção
Dentro de um abraço

Onde é que você gostaria de estar agora, neste exato momento?

Fico pensando nos lugares paradisíacos onde já estive, e que não me custaria nada reprisar: num determinado restaurante de uma ilha grega, em diversas praias do
Brasil e do mundo, na casa de bons amigos, em algum vilarejo europeu, numa estrada bela e vazia, no meio de um show espetacular, numa sala de cinema assistindo à
estreia de um filme muito esperado e, principalmente, no meu quarto e na minha cama, que nenhum hotel cinco estrelas consegue superar – a intimidade da gente é
irreproduzível.

Posso também listar os lugares onde não gostaria de estar: num leito de hospital, numa fila de banco, numa reunião de condomínio, presa num elevador, em meio a um
trânsito congestionado, numa cadeira de dentista.

E então? Somando os prós e os contras, as boas e más opções, onde, afinal, é o melhor lugar do mundo?

Meu palpite: dentro de um abraço.

Que lugar melhor para uma criança, para um idoso, para uma mulher apaixonada, para um adolescente com medo, para um doente, para alguém solitário? Dentro de um
abraço é sempre quente, é sempre seguro. Dentro de um abraço não se ouve o tic-tac dos relógios e, se faltar luz, tanto melhor. Tudo o que você pensa e sofre dentro
de um abraço se dissolve.

Que lugar melhor para um recém-nascido, para um recém-chegado, para um recém-demitido, para um recém-contratado? Dentro de um abraço nenhuma situação é
incerta, o futuro não amedronta, estacionamos confortavelmente em meio ao paraíso.

O rosto contra o peito de quem te abraça, as batidas do coração dele e as suas, o silêncio que sempre se faz durante esse envolvimento físico: nada há para se
reivindicar ou agradecer, dentro de um abraço voz nenhuma se faz necessária, está tudo dito.
[...]
(Martha Medeiros)
No fragmento “Dentro de um abraço não se ouve o tic-tac dos relógios e, se faltar luz, tanto melhor.”(6º§), a oração em destaque confere ao período em que se
encontra um sentido de:

a) condição
b) oposição
c) consequência
d) causa
e) conformidade
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/345940

Questão 59: IBFC - As Adm (EBSERH-HUAP)/EBSERH-HUAP/2016


Assunto: Conjunção
Texto

Setenta anos, por que não?

Acho essa coisa da idade fascinante: tem a ver com o modo como lidamos com a vida. Se a gente a considera uma ladeira que desce a partir da primeira ruga, ou do
começo de barriguinha, então viver é de certa forma uma desgraceira que acaba na morte. Desse ponto de vista, a vida passa a ser uma doença crônica de prognóstico
sombrio. Nessa festa sem graça, quem fica animado? Quem não se amargura?

[...]

Pois se minhas avós eram damas idosas aos 50 anos, sempre de livro na mão lendo na poltrona junto à janela, com vestidos discretíssimos, pretos de florzinha branca
(ou, em horas mais festivas, minúsculas flores ou bolinhas coloridas), hoje aos 70 estamos fazendo projetos, viajando (pode ser simplesmente à cidade vizinha para
visitar uma amiga), indo ao teatro e ao cinema, indo a restaurante (pode ser o de quilo, ali na esquina), eventualmente namorando ou casando de novo. Ou dando risada
à toa com os netos, e fazendo uma excursão com os filhos. Tudo isso sem esquecer a universidade, ou aprender a ler, ou visitar pela primeira vez uma galeria de arte, ou
comer sorvete na calçada batendo papo com alguma nova amiga.

[...]

Não precisamos ser tão incrivelmente sérios, cobrar tanto de nós, dos outros e da vida, críticos o tempo todo, vendo só o lado mais feio do mundo. Das pessoas. Da
própria família. Dos amigos. Se formos os eternos acusadores, acabaremos com um gosto amargo na boca: o amargor de nossas próprias palavras e sentimentos. Se não
soubermos rir, se tivermos desaprendido como dar uma boa risada, ficaremos com a cara hirta das máscaras das cirurgias exageradas, dos remendos e intervenções para
manter ou recuperar a “beleza”. A alma tem suas dores, e para se curar necessita de projetos e afetos. Precisa acreditar em alguma coisa.

(LUFT, Lya. In: http://veja.abril.com.br. Acesso em 18/09/16)

No último parágrafo do texto, a repetição da conjunção “Se”, no início de algumas orações, representa uma ênfase ao valor semântico de:

a) concessão
b) causa
c) condição
d) conformidade
e) consequência
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/418223

Questão 60: IBFC - Tec Reg (AGERBA)/AGERBA/2017


Assunto: Conjunção
Texto

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 26/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

Primeira classe
(Moacyr Scliar)

Durante anos, o homem teve um sonho: queria viajar de avião na primeira classe. Na classe econômica, ele, executivo de uma empresa multinacional, era um passageiro
habitual; e, quando via a aeromoça fechar a cortina da primeira classe, quando ficava imaginando os pratos e as bebidas que lá serviam, mordia-se de inveja. Talvez por
causa disso trabalhava incansavelmente; subiu na vida, chegou a um cargo de chefia que, entre outras coisas, dava-lhe o direito à primeira classe nos voos.

E assim, um dia, ele embarcou de Nova Délhi, onde acabara de concluir um importante negócio, para Londres. E seu lugar era na primeira classe. Seu sonho estava se
realizando. Tudo era exatamente como ele imaginava: coquetéis de excelente quantidade, um jantar que em qualquer lugar seria considerado um banquete. Para cúmulo
da sorte, o lugar a seu lado estava vazio.

Ou pelo menos estava no começo do voo. No meio da noite acordou e, para sua surpresa, viu que o lugar estava ocupado. Achou que se tratava de um intruso; mas, em
seguida, deu-se conta de que algo anormal ocorria: várias pessoas estavam ali, no corredor, chorando e se lamentando. Explicável: a passageira a seu lado estava morta.
A tripulação optara por colocá-la na primeira classe exatamente porque, naquela parte do avião, havia menos gente.

Sua primeira reação foi exigir que removessem o cadáver. Mas não podia fazer uma coisa dessas, seria muita crueldade.Por outro lado, ter um corpo morto a seu lado
horrorizava-o. Não havendo outros lugares vagos na primeira classe, só lhe restava uma alternativa: levantou-se e foi para a classe econômica, para o lugar que a morta,
havia pouco, ocupara. Ou seja, ao invés de um upgrade, ele tinha recebido, ainda que por acaso, um downgrade.
Ali ficou, sem poder dormir, claro. Porque, depois que se experimenta a primeira classe, nada mais serve. Finalmente, o avião pousou, e ele, arrasado, dirigiu-se para a
saída, onde o esperavam os parentes da falecida para agradecer-lhe. Disse um deles, que se identificou como filho da senhora: “Minha mãe sempre quis viajar de
primeira classe. Só conseguiu morta graças à sua compreensão. Deus lhe recompensará”.

Que tem seu lugar garantido no céu, isso ele sabe. Só espera chegar lá viajando de primeira classe. E sem óbitos durante o voo.

Considere o fragmento transcrito abaixo para responder à questão seguinte.

Ali ficou, sem poder dormir, claro. Porque, depois que se experimenta a primeira classe, nada mais serve.
A conjunção destacada no trecho introduz o valor semântico de:

a) consequência.
b) tempo.
c) concessão.
d) finalidade.
e) causa.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/450296

Questão 61: IBFC - Moto (CM Franca)/CM Franca/2016


Assunto: Questões Variadas de Classe de Palavras
Leia a frase abaixo e assinale a que classifica, respectivamente, os advérbios dstacados de maneira correta.

Os alunos estão estudando hoje, porque amanhã terão uma prova muito difícil.

a) Tempo - intensidade
b) Causa- tempo
c) Causa- intensidade
d) Tempo- causa
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/395949

Questão 62: IBFC - Asst (CM Aqa)/CM Araraquara/Comunicação/2016


Assunto: Colocação pronominal
Assinale a alternativa que indica a colocação correta do pronome.

a) Estas atividades são para mim fazer.


b) Estes trabalhos chegaram para eu.
c) Para eu, a prova estava muito difícil.
d) Para mim, a lição deverá demorar um pouco mais.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/376164

Questão 63: IBFC - Tec (COMLURB)/COMLURB-RJ/Segurança do Trabalho/2016


Assunto: Colocação pronominal
Das opções abaixo, assinale a única que apresenta corretamente a colocação do pronome.

a) Esqueci de te contar que vi ele na rua.


b) Nunca pode-se falar mal de quem não conhece-se
c) Esta situação se-refere a assuntos empresariais.
d) Precisa-se de bons funcionários.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/393505

Questão 64: IBFC - Tec Reg (AGERBA)/AGERBA/2017


Assunto: Colocação pronominal
Texto

Primeira classe
(Moacyr Scliar)

Durante anos, o homem teve um sonho: queria viajar de avião na primeira classe. Na classe econômica, ele, executivo de uma empresa multinacional, era um passageiro

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 27/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
habitual; e, quando via a aeromoça fechar a cortina da primeira classe, quando ficava imaginando os pratos e as bebidas que lá serviam, mordia-se de inveja. Talvez por
causa disso trabalhava incansavelmente; subiu na vida, chegou a um cargo de chefia que, entre outras coisas, dava-lhe o direito à primeira classe nos voos.

E assim, um dia, ele embarcou de Nova Délhi, onde acabara de concluir um importante negócio, para Londres. E seu lugar era na primeira classe. Seu sonho estava se
realizando. Tudo era exatamente como ele imaginava: coquetéis de excelente quantidade, um jantar que em qualquer lugar seria considerado um banquete. Para cúmulo
da sorte, o lugar a seu lado estava vazio.

Ou pelo menos estava no começo do voo. No meio da noite acordou e, para sua surpresa, viu que o lugar estava ocupado. Achou que se tratava de um intruso; mas, em
seguida, deu-se conta de que algo anormal ocorria: várias pessoas estavam ali, no corredor, chorando e se lamentando. Explicável: a passageira a seu lado estava morta.
A tripulação optara por colocá-la na primeira classe exatamente porque, naquela parte do avião, havia menos gente.

Sua primeira reação foi exigir que removessem o cadáver. Mas não podia fazer uma coisa dessas, seria muita crueldade.Por outro lado, ter um corpo morto a seu lado
horrorizava-o. Não havendo outros lugares vagos na primeira classe, só lhe restava uma alternativa: levantou-se e foi para a classe econômica, para o lugar que a morta,
havia pouco, ocupara. Ou seja, ao invés de um upgrade
, ele tinha recebido, ainda que por acaso, um downgrade.
Ali ficou, sem poder dormir, claro. Porque, depois que se experimenta a primeira classe, nada mais serve. Finalmente, o avião pousou, e ele, arrasado, dirigiu-se para a
saída, onde o esperavam os parentes da falecida para agradecer-lhe. Disse um deles, que se identificou como filho da senhora: “Minha mãe sempre quis viajar de
primeira classe. Só conseguiu morta graças à sua compreensão. Deus lhe recompensará”.

Que tem seu lugar garantido no céu, isso ele sabe. Só espera chegar lá viajando de primeira classe. E sem óbitos durante o voo.

No terceiro parágrafo, a oração “A tripulação optara por colocá-la na primeira classe” pode ser reescrita de várias outras formas sem grandes alterações de sentido.
Assinale a opção em que, ao reescrever, comete-se um erro no emprego dos pronomes.

a) Ela foi colocada na primeira classe pela tripulação.


b) Os membros da tripulação colocaram-na na primeira classe.
c) A tripulação colocou-a na primeira classe.
d) A tripulação colocá-la-ia na primeira classe.
e) A tripulação optou por colocar ela na primeira classe.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/450294

Questão 65: IBFC - Ag Adm (CM Aqa)/CM Araraquara/2017


Assunto: Colocação pronominal
Texto

O vencedor: uma visão alternativa

Nos sete primeiros assaltos, Raul foi duramente castigado. Não era de espantar: estava inteiramente fora de forma. Meses de indolência e até de devassidão tinham
produzido seus efeitos. O combativo boxeador de outrora, o homem que, para muitos, fora estrela do pugilismo mundial, estava reduzido a um verdadeiro trapo. O
público não tinha a menor complacência com ele: sucediam-se as vaias e os palavrões.

De repente, algo aconteceu. Caído na lona, depois de ter recebido um cruzado devastador, Raul ergueu a cabeça e viu, sentada na primeira fila, sua sobrinha Dóris, filha
do falecido Alberto. A menina fitava-o com o olhos cheios de lágrimas. Um olhar que trespassou Raul como uma punhalada. Algo rompeu-se dentro dele. Sentiu renascer
em si a energia que fizera dele a fera do ringue. De um salto, pôs-se de pé e partiu como um touro para cima do adversário. A princípio o público não se deu conta do
que estava acontecendo. Mas quando os fãs perceberam que uma verdadeira ressurreição se tinha operado, passaram a incentivá-lo. Depois de uma saraivada de golpes
certeiros e violentíssimos, o adversário foi ao chão. O juiz procedeu à contagem regulamentar e proclamou Raul o vencedor.

Todos aplaudiram. Todos deliraram de alegria. Menos este que conta a história. Este que conta a história era o adversário. Este que conta a história era o que estava
caído. Este que conta a história era o derrotado. Ai, Deus.

(SCLIAR, Moacyr. Contos reunidos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p.58-59)
Assinale a alternativa na qual o pronome oblíquo átono esteja empregado em desacordo com as normas gramaticais.

a) “sucediam-se as vaias e os palavrões.” (1º§).


b) “A menina fitava-o com o olhos cheios de lágrimas.” (2º§).
c) “Algo rompeu-se dentro dele” (2º§).
d) “passaram a incentivá-lo.” (2º§).
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/537712

Questão 66: IBFC - Tec RC (JUCEB)/JUCEB/2015


Assunto: Semântica
O direito à privacidade como elo da cidadania

Quando o STF vier a julgar a ação de inconstitucionalidade movida pela Associação Nacional dos Editores de Livros contra o artigo do Código Civil que prevê a autorização
para biografias comercializadas, os juizes estarão, mais uma vez, diante do dilema da Justiça, dos dois pratos da balança e qual deles fazer pesar mais com sua força. A
liberdade de expressão de um lado e o direito à privacidade do outro, e cada juiz, ainda uma vez, diante do ato de decidir pela garantia de ambos estabelecida na Carta
Magna.

Ora, se preferirem dar ganho de causa à Adin dos editores, fortemente apoiada pelos meios de comunicação (TVs em especial), estarão contrariando os que, do outro
lado, clamam pela garantia do seu direito à privacidade. Se a estes contemplarem com seu voto, estarão contrariando os primeiros, os grandes interessados em que vidas
pessoais sejam livremente retratadas, transformadas em ativos comerciais de grande valor para a montagem do espetáculo midiático que está, hoje em dia, para muito
além do interesse público na circulação da informação, o jornalismo.

Independentemente do que venha a decidir o STF em relação à questão, nós da associação Procure Saber, no âmbito do nosso pequeno foro e em que pesem as tantas
dúvidas e posições entre nós, resolvemos exercer o nosso direito democrático de associação, de opinião e de manifestação, levando a público o nosso propósito de
defender o direito à privacidade como elo importante da cadeia da cidadania soberana, chamando a atenção de toda a sociedade para a necessidade de amplo e
profundo debate em torno desse tema, da delicada situação em que se encontra esse prato da balança do direito civil em nosso tempo, a privacidade, o que ela significa,
o que ainda é possível fazer para que ela tenha sentido, para que os que ainda nela creem e confiam possam encontrar nas regras, nas normas e nas leis alguma
garantia. O debate afinal toma corpo, podendo contribuir para posicionamentos mais conscientes, mais maduros e mais equilibrados sobre que tipo de vida queremos e
podemos viver, se os indivíduos nos confins de suas vidas privadas ainda devem ser levados em conta, ainda reconhecidos e respeitados em seus direitos ou se já não
importam mais.

Temos tido sempre justificado apreço pelos que, ao longo da História, se mostram capazes de compreender os dilemas e contradições da vida em sociedade e que,

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 28/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
apesar da dor e do sofrimento dessa condição trágica, estão dispostos a reconhecer de que lado estão. Como disse Francisco Bosco referindo-se ao dilema entre o
interesse público e o privado, em seu escrito neste jornal, semana passada, é o princípio da soberania decisória sobre a vida privada que deve prevalecer. É a mesma,
nossa opinião.

(Gilberto Gil, O Globo, 15/10/2013)

No último parágrafo, a palavra “apreço” poderia ser substituída, sem prejuízo de sentido, por:

a) rancor
b) desprezo
c) estima
d) desejo
e) temor
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/317282

Questão 67: IBFC - Ass Adm (CEP 28)/CEP 28/2015


Assunto: Semântica
Também tem de ser verde

(Jennifer ann Thomas)

A onda sustentável que tomou o planeta nas últimas décadas levantou considerações em torno da fabricação de baterias. A busca pelo aumento da eficiência passou a
rivalizar com a batalha por tornar esses dispositivos mais verdes. O caminho seguro é a substituição gradual de fontes sujas de energia, a exemplo do petróleo, pelas
renováveis. A energia solar, em especial, foi alavancada ao status de possível solução definitiva para os dois problemas que rondam as baterias: a eficiência e a
sustentabilidade. Se toda a radiação que atinge a Terra em um dia, vinda do sol, virasse eletricidade, seria possível sustentar a humanidade por 27 anos. Na prática, o
que falta hoje para a adoção ampla da alternativa solar é apenas vontade, da indústria e de consumidores, para implantá-la. A startup
alemã Changers achou uma boa
forma de incentivo.

A Changers vende os modelos abastecidos por radiação solar. Seus carregadores, finos e maleáveis, podem ser acoplados a mochilas ou levados dentro de uma bolsa.
Após quatro horas carregando no sol, uma dessas baterias absorve energia suficiente para produzir 16 watts-hora, o suficiente para recarregar a bateria de
um smartphone duas vezes no dia.

Um aplicativo, normalmente entregue junto com as baterias da Changers, motiva clientes a ser sustentáveis - e, no processo, mostra as vantagens de adotar essa postura
(mesmo que para isso seja preciso pagar um pouco mais caro pelo produto alimentado pelo sol, em comparação com as baterias carregadas com fontes sujas). [...] A
fundadora da Changers, Daniela Schieffer, afirma: "Todos adoram falar da necessidade de cuidar da Terra, mas poucos se mexem para isso. Queremos dar um empurrão,
dizer 'vamos começar de algum lugar' e mostrar quando é fácil adotar posturas mais conscientes".

(Revista Veja, de 15/04/15 - adaptado)

O vocábulo "também", presente no título do texto, faz com que o leitor atribua a ele um sentido de:

a) contraste
b) inclusão
c) equivalência
d) irrelevância
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/356786

Questão 68: IBFC - Aux Adm (MGS)/MGS/2017


Assunto: Semântica
Texto

Família
(Titãs, fragmento)

Família, família
Papai, mamãe, titia,
Família, família
Almoça junto todo dia,
Nunca perde essa mania
Mas quando a filha quer fugir de casa
Precisa descolar um ganha-pão
Filha de família se não casa
Papai, mamãe, não dão nenhum tostão
Família êh!
Família áh!

No sétimo verso, a palavra “ganha-pão” pertence a uma modalidade mais informal da língua e deve ser entendida como sinônimo de:

a) refeição.
b) educação.
c) trabalho.
d) diversão.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/450531

Questão 69: IBFC - Aux PO (PCie PR)/PCie PR/2017


Assunto: Semântica
Afinal: o que é a “morte cerebral”?

A declaração de morte cerebral é um conceito relativamente


novo na medicina e envolve o preenchimento de critérios
clínicos e laboratoriais

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 29/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
O cérebro humano é o órgão que nos torna únicos. Possibilita que pensemos, falemos e organiza, de uma forma ou outra, todo nosso consciente e inconsciente. Claro,
todos os órgãos são relevantes, e, sem o conjunto, não poderíamos funcionar de maneira adequada. Mas a verdade é que, do ponto de vista evolutivo, todos os órgãos
desenvolveram-se para permitir manter um cérebro cada vez mais exigente e complexo. Aprimoraram-se os mecanismos de defesa, de alimentação, de locomoção, entre
outros, para que as sensações e ordens trabalhadas no cérebro fossem elaboradas.

E quando o cérebro deixa de funcionar, ou seja, morre, todas as outras funções deixam de ser necessárias; muitas delas ficam descoordenadas pela simples falta da
atividade cerebral adequada.

Até pouco tempo atrás, o indivíduo morria quando seu coração parava de bater. Hoje sabemos que o indivíduo está morto quando seu cérebro morre. Mas, não há muito
tempo, também achávamos que as sensações (o amor, por exemplo), emanavam do coração.

Apesar disto parecer “bom senso”, o conceito de “morte cerebral” e seu adequado diagnóstico são tópicos recentes e datam de apenas algumas décadas. A necessidade
de conceituar formalmente a “morte cerebral” ou “morte encefálica” tomou impulso quando se iniciou a era dos transplantes de órgãos, e tornou-se necessário
protocolizar seu diagnóstico, já que indivíduos com morte cerebral poderiam então ser considerados possíveis doadores.

Existem algumas diferenças para a definição de morte cerebral em diferentes países, mas muitos aspectos são comuns. Em primeiro lugar, o indivíduo deve ter algumas
características clínicas, que são facilmente reconhecidas por um neurologista: falta de reação à dor, falta de movimentação, ausência de respiração, pupilas dilatadas e
não responsivas à luz etc. Claro, o indivíduo não pode ter recebido nenhuma medicação nas 24 horas anteriores que possa causar isto. Cada um destes aspectos foi
regulamentado: ver se o paciente respira, ver a reação à dor, as pupilas etc, de modo que a avaliação pudesse ser replicada, independente do ambiente em que o
indivíduo esteja. [...]

Uma vez definida adequadamente a morte encefálica, o indivíduo poderá ter seus órgãos doados (caso tenha havido consentimento para tal), um ato que possivelmente
poderá ajudar a salvar várias vidas. A partir deste momento, as medidas de suporte de vida são, em tese, desnecessárias.

(Disponível: http://veja.abril.com.br/blog/letra-de-medico/afinal-o-quee-a-morte-cerebral/ Acesso em: 07/02/17)

Em linguagem técnica adequada ao público leitor, ao final do texto, foi empregada a expressão “medidas de suporte de vida” que, no contexto, deve ser entendida como:

a) encaminhamento de órgãos para transplante.


b) apoio psicológico a pacientes terminais.
c) manutenção da vida por meio de aparelhos ou afins.
d) exigências de diferentes laudos em busca de um consenso.
e) emprego de analgésicos e outros inibidores de dor.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/465243

Questão 70: IBFC - Ass San (EMBASA)/EMBASA/Técnico em Segurança do Trabalho/2015


Assunto: Sinônimos e Antônimos
Texto I

Os bolsos do morto
(Luis Fernando Veríssimo)

O morto não é exatamente um amigo. Mais um conhecido, mas daqueles que você não pode deixar de ir ao velório. E lá está ele, estendido dentro do caixão forrado de
cetim, de terno azul-marinho e gravata grená, esperando para ser enterrado.

Se fosse um amigo você ficaria em silêncio, compungido, lembrando o morto em vida e lamentando sua perda. Como é apenas um conhecido, você comenta com o
homem ao seu lado - que também não parece ser íntimo do morto:

- Poderiam ter escolhido outra gravata...

- É. Essa está brava.

- Já pensou ele chegando lá com essa gravata?

- “Lá” onde?

- Não sei. Onde a gente vai depois de morto. Onde vai a nossa alma.

- Eu acho que a alma não vai de gravata.

- Será que não? E de fatiota?

- Também não.

- Bom. Pelo menos esse vexame ele não vai passar.

- Você é da família?

- Não. Apenas um conhecido.

Você examina o morto. Engraçado: ele vai partir para a viagem mais importante, e mais distante, da sua vida, mas não precisa carregar nada. Identidade, passaporte,
nada. Nem dinheiro, o que dirá cheques de viagem ou cartões de crédito. Nem carteira!

Você diz para o outro:

- A coisa mais triste de um defunto são os bolsos. O outro estranha.

- Como assim?

- Os bolsos existem para carregar coisas. Coisas importantes, que definem sua vida. CPF, licença para dirigir, bloco de notas, caneta, talão de cheques, remédio para
pressão...

- Pepsamar...

- Pepsamar, cartão perfurado da Sena, recortes de artigos sobre a situação econômica, fio dental... Isso sem falar em coisas com importância apenas sentimental. Por
exemplo: um desenho rabiscado por uma possível neta que parece, vagamente, um gato, e que ele achou genial e guardou. Entende?

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 30/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

- Sei.

- E aí está ele. Com os bolsos vazios. Despido da vida e de tudo que levava nos seus bolsos, e que o definia. O homem é o homem e o que ele leva nos bolsos. Poderiam
ter deixado, sei lá, pelo menos um chaveiro

- Você acha?

- Claro. As chaves da casa. As chaves do carro. Qualquer coisa pessoal, que pelo menos fizesse barulho num bolso da fatiota, pô!

Você se dá conta de que está gritando. As pessoas se viram para reprová-lo. “Mais respeito” dizem as caras viradas. Você faz um gesto, pedindo perdão. Sou apenas um
conhecido, desculpem. Mas continua, falando mais baixo:

- A morte é um assaltante. Nos mata e nos esvazia os bolsos.

- Sem piedade.

- Nenhuma.

Vocabulário:
Fatiota - roupa de melhor qualidade, usada em situações mais formais
Pepsamar - tipo de medicamento

Em “Se fosse um amigo você ficaria em silêncio, compungido.” (2°§), a palavra em destaque tem como sinônimo:

a) indiferente
b) aflito
c) calado
d) reflexivo
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/335581

Questão 71: IBFC - Tec Esp (MGS)/MGS/Serv. Técnicos Contábeis/2015


Assunto: Sinônimos e Antônimos
A arte de escrever

“Há, portanto, uma arte de escrever - que é a redação. Não é uma prerrogativa dos literatos, senão uma atividade social indispensável, para a qual falta, não obstante,
muitas vezes, uma preparação preliminar.

A arte de falar, necessária à exposição oral, é mais fácil na medida em que se beneficia da prática da fala cotidiana, de cujos elementos parte em princípio.

O que há de comum, antes de tudo, entre a exposição oral e a escrita é a necessidade da boa composição, isto é, uma distribuição metódica e compreensível de ideias.

Impõe-se igualmente a visualização de um objetivo definido. Ninguém é capaz de escrever bem, se não sabe bem o que vai escrever.

Justamente por causa disso, as condições para a redação no exercício da vida profissional ou no intercâmbio amplo, dentro da sociedade, são muito diversas das da
redação escolar. A convicção do que vamos dizer, a importância que há em dizê-lo, o domínio de um assunto da nossa especialidade tiram à redação o caráter negativo
de mero exercício formal, como tem na escola.

Qualquer um de nós senhor de um assunto é, em princípio, capaz de escrever sobre ele. Não há um jeito especial para a redação, ao contrário do que muita gente pensa.
Há apenas uma falta de preparação inicial, que o esforço e a prática vencem.

Por outro lado, a arte de escrever, na medida em que consubstancia a nossa capacidade de expressão do pensar e do sentir, tem de firmar raízes na nossa própria
personalidade e decorre, em grande parte, de um trabalho nosso para desenvolver a personalidade por este ângulo. [...]

A arte de escrever precisa assentar numa atividade preliminar já radicada, que parte do ensino escolar e de um hábito de leitura inteligentemente conduzido; depende
muito, portanto, de nós mesmos, de uma disciplina mental adquirida pela autocrítica e pela observação cuidadosa do que outros, com bom resultado, escreveram."

(JOAQUIM MATTOSO CÂMARA JR. Manual de expressão oral & escrita. 7a. Edição, Vozes, Petrópolís, 1983.)
Na segunda frase do texto, a palavra “prerrogativa", sem prejuízo de sentido, poderia ser substituída por:

a) Exclusividade
b) Alternância
c) Indicação
d) Proposta
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/340304

Questão 72: IBFC - Moto (CM Franca)/CM Franca/2016


Assunto: Sinônimos e Antônimos
Dois velhinhos

Dalton Trevisan

Dois pobres inválidos, bem velhinhos, esquecidos numa cela de asilo.

Ao lado da janela, retorcendo os aleijões e esticando a cabeça, apenas um podia olhar lá fora.

Junto à porta, no fundo da cama, o outro espiava a parede úmida, o crucifixo negro, as moscas no fio de luz. Com inveja, perguntava o que acontecia. Deslumbrando,
anunciava o primeiro:

- Um cachorro ergue a perninha no poste.

Mais tarde:

_ Uma menina de vestido branco pulando corda.


https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 31/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

Ou ainda:

- Agora é um enterro de luxo.

Sem nada ver, o amigo remordia- se no seu canto. O mais velho acabou morrendo, para alegria do segundo, instalado afinal debaixo da janela.

Não dormiu, antegozando a manhã. Bem desconfiava que o outro não revelava tudo.

Cochilou um instante - era dia. Sentou-se na cama, com dores espichou o pescoço: entre os muros em ruína, ali no beco, um monte de lixo.

TREVISAN, D. Mistérios de Curitiba. Rio de Janeiro: Editora Record, 1979, pag 110.
A partir da leitura da citação abaixo, assinale a alternativa que substitui a palavra destacada de modo adequado.

Bem desconfiava que o outro não revelava tudo.

a) Revestia
b) Mascarava
c) Encobria
d) Salientava
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/395811

Questão 73: IBFC - Tec Reg (AGERBA)/AGERBA/2017


Assunto: Sinônimos e Antônimos
Texto

Primeira classe
(Moacyr Scliar)

Durante anos, o homem teve um sonho: queria viajar de avião na primeira classe. Na classe econômica, ele, executivo de uma empresa multinacional, era um passageiro
habitual; e, quando via a aeromoça fechar a cortina da primeira classe, quando ficava imaginando os pratos e as bebidas que lá serviam, mordia-se de inveja. Talvez por
causa disso trabalhava incansavelmente; subiu na vida, chegou a um cargo de chefia que, entre outras coisas, dava-lhe o direito à primeira classe nos voos.

E assim, um dia, ele embarcou de Nova Délhi, onde acabara de concluir um importante negócio, para Londres. E seu lugar era na primeira classe. Seu sonho estava se
realizando. Tudo era exatamente como ele imaginava: coquetéis de excelente quantidade, um jantar que em qualquer lugar seria considerado um banquete. Para cúmulo
da sorte, o lugar a seu lado estava vazio.

Ou pelo menos estava no começo do voo. No meio da noite acordou e, para sua surpresa, viu que o lugar estava ocupado. Achou que se tratava de um intruso; mas, em
seguida, deu-se conta de que algo anormal ocorria: várias pessoas estavam ali, no corredor, chorando e se lamentando. Explicável: a passageira a seu lado estava morta.
A tripulação optara por colocá-la na primeira classe exatamente porque, naquela parte do avião, havia menos gente.

Sua primeira reação foi exigir que removessem o cadáver. Mas não podia fazer uma coisa dessas, seria muita crueldade.Por outro lado, ter um corpo morto a seu lado
horrorizava-o. Não havendo outros lugares vagos na primeira classe, só lhe restava uma alternativa: levantou-se e foi para a classe econômica, para o lugar que a morta,
havia pouco, ocupara. Ou seja, ao invés de um upgrade, ele tinha recebido, ainda que por acaso, um downgrade.
Ali ficou, sem poder dormir, claro. Porque, depois que se experimenta a primeira classe, nada mais serve. Finalmente, o avião pousou, e ele, arrasado, dirigiu-se para a
saída, onde o esperavam os parentes da falecida para agradecer-lhe. Disse um deles, que se identificou como filho da senhora: “Minha mãe sempre quis viajar de
primeira classe. Só conseguiu morta graças à sua compreensão. Deus lhe recompensará”.

Que tem seu lugar garantido no céu, isso ele sabe. Só espera chegar lá viajando de primeira classe. E sem óbitos durante o voo.

Embora não sejam originariamente vocábulos da Língua Portuguesa, as palavras “upgrade” e “downgrade”, presentes no quarto parágrafo, têm seus sentidos
apreendidos, mantendo uma relação entre si. Assim, pelo contexto, devem ser entendidas como termos:

a) equivalentes.
b) complementares.
c) polivalentes.
d) opostos.
e) pejorativos.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/450293

Questão 74: IBFC - Ag Adm (CM Aqa)/CM Araraquara/2017


Assunto: Sinônimos e Antônimos
Texto

O vencedor: uma visão alternativa

Nos sete primeiros assaltos, Raul foi duramente castigado. Não era de espantar: estava inteiramente fora de forma. Meses de indolência e até de devassidão tinham
produzido seus efeitos. O combativo boxeador de outrora, o homem que, para muitos, fora estrela do pugilismo mundial, estava reduzido a um verdadeiro trapo. O
público não tinha a menor complacência com ele: sucediam-se as vaias e os palavrões.

De repente, algo aconteceu. Caído na lona, depois de ter recebido um cruzado devastador, Raul ergueu a cabeça e viu, sentada na primeira fila, sua sobrinha Dóris, filha
do falecido Alberto. A menina fitava-o com o olhos cheios de lágrimas. Um olhar que trespassou Raul como uma punhalada. Algo rompeu-se dentro dele. Sentiu renascer
em si a energia que fizera dele a fera do ringue. De um salto, pôs-se de pé e partiu como um touro para cima do adversário. A princípio o público não se deu conta do
que estava acontecendo. Mas quando os fãs perceberam que uma verdadeira ressurreição se tinha operado, passaram a incentivá-lo. Depois de uma saraivada de golpes
certeiros e violentíssimos, o adversário foi ao chão. O juiz procedeu à contagem regulamentar e proclamou Raul o vencedor.

Todos aplaudiram. Todos deliraram de alegria. Menos este que conta a história. Este que conta a história era o adversário. Este que conta a história era o que estava
caído. Este que conta a história era o derrotado. Ai, Deus.

(SCLIAR, Moacyr. Contos reunidos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p.58-59)
O vocábulo destacado, em “Meses de indolência e até de devassidão” (1º§), pode ser substituído por outro de mesmo valor semântico.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 32/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

Indique-o.

a) revolta.
b) indiferença.
c) descanso.
d) namoro.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/537729

Questão 75: IBFC - Adv (HMDCC)/HMDCC/2015


Assunto: Denotação e Conotação
Texto I

O que é filosofia?

Querida Sofia,

Muitas pessoas têm hobbies diferentes. Algumas colecionam moedas e selos antigos, outras gostam de trabalhos manuais, outras ainda dedicam quase todo o seu tempo
livre a uma determinada modalidade de esporte.

Também há os que gostam de ler. Mas os tipos de leitura também são muito diferentes. Alguns leem apenas jornais ou gibis, outros gostam de romances, outros ainda
preferem livros sobre temas diversos como astronomia, a vida dos animais ou as novas descobertas da tecnologia.

Se me interesso por cavalos ou pedras preciosas, não posso querer que todos os outros tenham o mesmo interesse. Se fico grudado na televisão assistindo a todas as
transmissões de esporte, tenho que aceitar que outras pessoas achem o esporte uma chatice.

Mas será que alguma coisa interessa a todos? Será que existe alguma coisa que concerne a todos, não importando quem são ou onde se encontram? Sim, querida Sofia,
existem questões que deveriam interessar a todas as pessoas. E é sobre tais questões que trata este curso.

Qual é a coisa mais importante da vida? Se fazemos esta pergunta a uma pessoa de um país assolado pela fome, a resposta será: a comida. Se fazemos a mesma
pergunta a quem está morrendo de frio, então a resposta será: o calor. E quando perguntamos a alguém que se sente sozinho e isolado, então certamente a resposta
será: a companhia de outras pessoas.

Mas, uma vez satisfeitas todas essas necessidades, será que ainda resta alguma coisa de que todo mundo precise? Os filósofos acham que sim. Eles acham que o ser
humano não vive apenas de pão. É claro que todo mundo precisa comer. E precisa também de amor e cuidado. Mas ainda há uma coisa de que todos nós precisamos.
Nós temos a necessidade de descobrir quem somos e por que vivemos. Portanto, interessar-se em saber por que vivemos não é um interesse “casual” como colecionar
selos por exemplo. Quem se interessa por tais questões toca um problema que vem sendo discutido pelo homem praticamente desde quando passamos a habitar este
planeta. A questão de saber como surgiu o universo, a Terra e a vida por aqui é uma questão maior e mais importante do que saber quem ganhou mais medalhas de
ouro nos últimos Jogos Olímpicos.

(GAARDER, Jostein. O mundo de Sofia. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p.24-25)
O sentido simbólico é um recurso adotado pelo autor para realçar uma ideia. Desse modo, assinale a única alternativa em que se nota um exemplo de linguagem
figurada.

a) “Muitas pessoas têm hobbies diferentes.” (1º §)


b) “Alguns leem apenas jornais ou gibis, outros gostam de romances,” (2º §)
c) “Se fico grudado na televisão assistindo a todas as transmissões de esporte” (3º §)
d) “É claro que todo mundo precisa comer.” (6º §)
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/316529

Questão 76: IBFC - Ass Adm (CEP 28)/CEP 28/2015


Assunto: Denotação e Conotação
Também tem de ser verdade

(Jennifer ann Thomas)

A onda sustentável que tomou o planeta nas últimas décadas levantou considerações em torno da fabricação de baterias. A busca pelo aumento da eficiência passou a
rivalizar com a batalha por tornar esses dispositivos mais verdes. O caminho seguro é a substituição gradual de fontes sujas de energia, a exemplo do petróleo, pelas
renováveis. A energia solar, em especial, foi alavancada ao status de possível solução definitiva para os dois problemas que rondam as baterias: a eficiência e a
sustentabilidade. Se toda a radiação que atinge a Terra em um dia, vinda do sol, virasse eletricidade, seria possível sustentar a humanidade por 27 anos. Na prática, o
que falta hoje para a adoção ampla da alternativa solar é apenas vontade, da indústria e de consumidores, para implantá-la. A startup
alemã Changers achou uma boa
forma de incentivo.

A Changers vende os modelos abastecidos por radiação solar. Seus carregadores, finos e maleáveis, podem ser acoplados a mochilas ou levados dentro de uma bolsa.
Após quatro horas carregando no sol, uma dessas baterias absorve energia suficiente para produzir 16 watts-hora, o suficiente para recarregar a bateria de
um smartphone duas vezes no dia.

Um aplicativo, normalmente entregue junto com as baterias da Changers, motiva clientes a ser sustentáveis - e, no processo, mostra as vantagens de adotar essa postura
(mesmo que para isso seja preciso pagar um pouco mais caro pelo produto alimentado pelo sol, em comparação com as baterias carregadas com fontes sujas). [...] A
fundadora da Changers, Daniela Schieffer, afirma: "Todos adoram falar da necessidade de cuidar da Terra, mas poucos se mexem para isso. Queremos dar um empurrão,
dizer 'vamos começar de algum lugar' e mostrar quando é fácil adotar posturas mais conscientes".

(Revista Veja, de 15/04/15 - adaptado)

Embora seja um texto informativo, é possível perceber a presença da linguagem figurada em algumas passagens da notícia acima. Assinale a única opção em que NÃO
se perceba um exemplo de figura de linguagem.

a) "A onda sustentável que tomou o planeta nas últimas décadas" (1º§)
b) "a batalha por tornar esses dispositivos mais verdes" (1º§)
c) "Seus carregadores, finos e maleáveis, podem ser acoplados a mochilas" (2º§)
d) "Queremos dar um empurrão, dizer 'vamos começar de algum lugar" (3º§)

Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/356788

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 33/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Questão 77: IBFC - As Adm (EBSERH-HUAP)/EBSERH-HUAP/2016
Assunto: Denotação e Conotação
Texto

Setenta anos, por que não?

Acho essa coisa da idade fascinante: tem a ver com o modo como lidamos com a vida. Se a gente a considera uma ladeira que desce a partir da primeira ruga, ou do
começo de barriguinha, então viver é de certa forma uma desgraceira que acaba na morte. Desse ponto de vista, a vida passa a ser uma doença crônica de prognóstico
sombrio. Nessa festa sem graça, quem fica animado? Quem não se amargura?

[...]

Pois se minhas avós eram damas idosas aos 50 anos, sempre de livro na mão lendo na poltrona junto à janela, com vestidos discretíssimos, pretos de florzinha branca
(ou, em horas mais festivas, minúsculas flores ou bolinhas coloridas), hoje aos 70 estamos fazendo projetos, viajando (pode ser simplesmente à cidade vizinha para
visitar uma amiga), indo ao teatro e ao cinema, indo a restaurante (pode ser o de quilo, ali na esquina), eventualmente namorando ou casando de novo. Ou dando risada
à toa com os netos, e fazendo uma excursão com os filhos. Tudo isso sem esquecer a universidade, ou aprender a ler, ou visitar pela primeira vez uma galeria de arte, ou
comer sorvete na calçada batendo papo com alguma nova amiga.

[...]

Não precisamos ser tão incrivelmente sérios, cobrar tanto de nós, dos outros e da vida, críticos o tempo todo, vendo só o lado mais feio do mundo. Das pessoas. Da
própria família. Dos amigos. Se formos os eternos acusadores, acabaremos com um gosto amargo na boca: o amargor de nossas próprias palavras e sentimentos. Se não
soubermos rir, se tivermos desaprendido como dar uma boa risada, ficaremos com a cara hirta das máscaras das cirurgias exageradas, dos remendos e intervenções para
manter ou recuperar a “beleza”. A alma tem suas dores, e para se curar necessita de projetos e afetos. Precisa acreditar em alguma coisa.

(LUFT, Lya. In: http://veja.abril.com.br. Acesso em 18/09/16)

Para ampliar a expressividade de seu texto, a autora faz uso reiterado da linguagem figurada. Assinale a opção em que NÃO se percebe um exemplo desse recurso
linguístico.

a) “Se a gente a considera uma ladeira que desce a partir da primeira ruga” (1º§)
b) “a vida passa a ser uma doença crônica de prognóstico sombrio.” (1º§)
c) “Pois se minhas avós eram damas idosas aos 50 anos, sempre de livro na mão” (2º§)
d) “acabaremos com um gosto amargo na boca: o amargor de nossas próprias palavras e sentimentos.” (3º§)
e) “ficaremos com a cara hirta das máscaras das cirurgias exageradas” (3º§)
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/418219

Questão 78: IBFC - Ag Ad (CM Vassouras)/CM Vassouras/2016


Assunto: Outras questões de semântica
Cace a liberdade

(Martha Medeiros)

Arroz, feijão, bife, ovo. Isso nós temos no prato, é a fonte de energia que nos faz levantar de manhã e sair para trabalhar. Nossa meta primeira é a sobrevivência do
corpo. Mas como anda a dieta da alma?

Outro dia, no meio da tarde, senti uma fome me revirando por dentro. Uma fome que me deixou melancólica. Me dei conta de que estava indo pouco ao cinema,
conversando pouco com as pessoas, e senti uma abstinência de viajar que me deixou até meio tonta. Minha geladeira, afortunadamente, está cheia, e ando até um
pouco acima do meu peso ideal, mas me senti desnutrida. Você já se sentiu assim também, precisando se alimentar?

Revista, jornal, internet, isso tudo nos informa, nos situa no mundo, mas não sacia. A informação entra dentro da casa da gente em doses cavalares e nos encontra
passivos, a gente apenas seleciona o que nos interessa e despreza o resto, e nem levantamos da cadeira neste processo. Para alimentar a alma, é obrigatório sair de
casa. Sair à caça. Perseguir.

Se não há silêncio a sua volta, cace o silêncio onde ele se esconde, pegue uma estradinha de terra batida, visite um sítio, uma cachoeira, ou vá para a beira da praia, o
litoral é bonito neste época, tem uma luz diferente, o mar parece maior, há menos gente.

Cace o afeto, procure quem você gosta de verdade, tire férias de rancores e mágoas, abrace forte, sorria, permita que o cacem também.

Cace a liberdade que anda tão rara, liberdade de pensamento, de atitudes, vá ao encontro de tudo que não tem regra, patrulha, horários. Cace o amanhã, o novo, o que
ainda não foi contaminado por críticas, modismos, conceitos, vá atrás do que é surpreendente, o que se expande na sua frente, o que lhe provoca prazer de olhar, sentir,
sorver. Entre numa galeria de arte. Vá assistir a um filme de um diretor que não conhece. Olhe para a sua cidade com olhos de estrangeiro, como se você fosse um
turista. Abra portas. E páginas.

Arroz, feijão, bife, ovo. Isso me mantém de pé, mas não acaba com meu cansaço diante de uma vida que, se eu me descuido, se torna repetitiva, monótona, entediante.
Mas nada de descuido. Vou me entupir de calorias na alma. Há fartas sugestões no cardápio. Quero engordar no lugar certo. O ritmo dos meus dias é tão intenso que às
vezes a gente se esquece de se alimentar direito.

Na última frase do texto, a autora provoca um efeito de sentido por meio:

a) da negação de uma desculpa corriqueira.


b) da apropriação figura de um discurso usual.
c) da abordagem descontextualizada sobre alimentação.
d) do exagero na referência ao ritmo dos dias.
e) da valorização de alimentos saudáveis todos os dias.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/344998

Questão 79: IBFC - Ag Ad (CM Vassouras)/CM Vassouras/2016


Assunto: Outras questões de semântica
Cace a liberdade

(Martha Medeiros)

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 34/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Arroz, feijão, bife, ovo. Isso nós temos no prato, é a fonte de energia que nos faz levantar de manhã e sair para trabalhar. Nossa meta primeira é a sobrevivência do corpo.
Mas como anda a dieta da alma?

Outro dia, no meio da tarde, senti uma fome me revirando por dentro. Uma fome que me deixou melancólica. Me dei conta de que estava indo pouco ao cinema,
conversando pouco com as pessoas, e senti uma abstinência de viajar que me deixou até meio tonta. Minha geladeira, afortunadamente, está cheia, e ando até um pouco
acima do meu peso ideal, mas me senti desnutrida. Você já se sentiu assim também, precisando se alimentar?

Revista, jornal, internet, isso tudo nos informa, nos situa no mundo, mas não sacia. A informação entra dentro da casa da gente em doses cavalares e nos encontra
passivos, a gente apenas seleciona o que nos interessa e despreza o resto, e nem levantamos da cadeira neste processo. Para alimentar a alma, é obrigatório sair de casa.
Sair à caça. Perseguir.

Se não há silêncio a sua volta, cace o silêncio onde ele se esconde, pegue uma estradinha de terra batida, visite um sítio, uma cachoeira, ou vá para a beira da praia, o
litoral é bonito neste época, tem uma luz diferente, o mar parece maior, há menos gente.

Cace o afeto, procure quem você gosta de verdade, tire férias de rancores e mágoas, abrace forte, sorria, permita que o cacem também.

Cace a liberdade que anda tão rara, liberdade de pensamento, de atitudes, vá ao encontro de tudo que não tem regra, patrulha, horários. Cace o amanhã, o novo, o que
ainda não foi contaminado por críticas, modismos, conceitos, vá atrás do que é surpreendente, o que se expande na sua frente, o que lhe provoca prazer de olhar, sentir,
sorver. Entre numa galeria de arte. Vá assistir a um filme de um diretor que não conhece. Olhe para a sua cidade com olhos de estrangeiro, como se você fosse um turista.
Abra portas. E páginas.

Arroz, feijão, bife, ovo. Isso me mantém de pé, mas não acaba com meu cansaço diante de uma vida que, se eu me descuido, se torna repetitiva, monótona, entediante.
Mas nada de descuido. Vou me entupir de calorias na alma. Há fartas sugestões no cardápio. Quero engordar no lugar certo. O ritmo dos meus dias é tão intenso que às
vezes a gente se esquece de se alimentar direito.

Ao empregar a referência "Outro dia, no meio da tarde" (2º §), a autora confere à sua experiência relatada um caráter que é MELHOR entendido como:

a) casual
b) didático
c) cerimonioso
d) factual
e) atemporal

Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/345022

Questão 80: IBFC - Ag Ad (CM Vassouras)/CM Vassouras/2016


Assunto: Frase, oração e período
Cace a liberdade

(Martha Medeiros)

Arroz, feijão, bife, ovo. Isso nós temos no prato, é a fonte de energia que nos faz levantar de manhã e sair para trabalhar. Nossa meta primeira é a sobrevivência do corpo.
Mas como anda a dieta da alma?

Outro dia, no meio da tarde, senti uma fome me revirando por dentro. Uma fome que me deixou melancólica. Me dei conta de que estava indo pouco ao cinema,
conversando pouco com as pessoas, e senti uma abstinência de viajar que me deixou até meio tonta. Minha geladeira, afortunadamente, está cheia, e ando até um pouco
acima do meu peso ideal, mas me senti desnutrida. Você já se sentiu assim também, precisando se alimentar?

Revista, jornal, internet, isso tudo nos informa, nos situa no mundo, mas não sacia. A informação entra dentro da casa da gente em doses cavalares e nos encontra
passivos, a gente apenas seleciona o que nos interessa e despreza o resto, e nem levantamos da cadeira neste processo. Para alimentar a alma, é obrigatório sair de casa.
Sair à caça. Perseguir.

Se não há silêncio a sua volta, cace o silêncio onde ele se esconde, pegue uma estradinha de terra batida, visite um sítio, uma cachoeira, ou vá para a beira da praia, o
litoral é bonito neste época, tem uma luz diferente, o mar parece maior, há menos gente.

Cace o afeto, procure quem você gosta de verdade, tire férias de rancores e mágoas, abrace forte, sorria, permita que o cacem também.

Cace a liberdade que anda tão rara, liberdade de pensamento, de atitudes, vá ao encontro de tudo que não tem regra, patrulha, horários. Cace o amanhã, o novo, o que
ainda não foi contaminado por críticas, modismos, conceitos, vá atrás do que é surpreendente, o que se expande na sua frente, o que lhe provoca prazer de olhar, sentir,
sorver. Entre numa galeria de arte. Vá assistir a um filme de um diretor que não conhece. Olhe para a sua cidade com olhos de estrangeiro, como se você fosse um turista.
Abra portas. E páginas.

Arroz, feijão, bife, ovo. Isso me mantém de pé, mas não acaba com meu cansaço diante de uma vida que, se eu me descuido, se torna repetitiva, monótona, entediante.
Mas nada de descuido. Vou me entupir de calorias na alma. Há fartas sugestões no cardápio. Quero engordar no lugar certo. O ritmo dos meus dias é tão intenso que às
vezes a gente se esquece de se alimentar direito.

Considerando a estrutura do período "Quero engordar no lugar certo." (7º §), pode-se afirmar, sobre o verbo em destaque que:

a) não apresenta complemento


b) está flexionado no futuro do presente
c) seu sujeito é inexistente
d) constitui uma oração
e) expressa a ideia de possibilidade

Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/345018

Questão 81: IBFC - Asst (CM Aqa)/CM Araraquara/Comunicação/2016


Assunto: Frase, oração e período
Analise as afirmativas abaixo e dê valores Verdadeiro (V) ou Falso (F).

( ) Uma oração é composta por um único verbo;


( ) Uma oração é composta por mais de um verbo;
( ) Uma oração é composta por mais de um sujeito
( ) Uma oração é composta por um único sujeito.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 35/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

a) V -V - F - F
b) V - V- V - F
c) V -F -F -V
d) F-V-F-V
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/376169

Questão 82: IBFC - Tec (HMDCC)/HMDCC/Administração/2015


Assunto: Funções sintáticas (sujeito, predicado, objeto, adjunto, complemento etc)
Considerando a estrutura das frases e a pontuação como ferramenta de delimitação de sentidos, observe o trecho abaixo e responda à questão.

“Muitos telespectadores assumem esse comportamento.


Tanto que um grupo de estudiosos da Universidade de Rutgers, nos Estados Unidos, por meio de experimentos e pesquisas, concluiu que a velha história do vício na TV
não é só uma metáfora.” (2º §)
Na segunda frase, o termo que se encontra destacado entre vírgulas exerce a função sintática de:

“Desde que a TV surgiu, nos anos 40, fala-se do seu poder de causar dependência.”
a) adjunto adnominal
b) complemento nominal
c) adjunto adverbial
d) agente da passiva
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/316037

Questão 83: IBFC - Tec RC (JUCEB)/JUCEB/2015


Assunto: Funções sintáticas (sujeito, predicado, objeto, adjunto, complemento etc)
O direito à privacidade como elo da cidadania

Quando o STF vier a julgar a ação de inconstitucionalidade movida pela Associação Nacional dos Editores de Livros contra o artigo do Código Civil que prevê a autorização
para biografias comercializadas, os juizes estarão, mais uma vez, diante do dilema da Justiça, dos dois pratos da balança e qual deles fazer pesar mais com sua força. A
liberdade de expressão de um lado e o direito à privacidade do outro, e cada juiz, ainda uma vez, diante do ato de decidir pela garantia de ambos estabelecida na Carta
Magna.

Ora, se preferirem dar ganho de causa à Adin dos editores, fortemente apoiada pelos meios de comunicação (TVs em especial), estarão contrariando os que, do outro
lado, clamam pela garantia do seu direito à privacidade. Se a estes contemplarem com seu voto, estarão contrariando os primeiros, os grandes interessados em que vidas
pessoais sejam livremente retratadas, transformadas em ativos comerciais de grande valor para a montagem do espetáculo midiático que está, hoje em dia, para muito
além do interesse público na circulação da informação, o jornalismo.

Independentemente do que venha a decidir o STF em relação à questão, nós da associação Procure Saber, no âmbito do nosso pequeno foro e em que pesem as tantas
dúvidas e posições entre nós, resolvemos exercer o nosso direito democrático de associação, de opinião e de manifestação, levando a público o nosso propósito de
defender o direito à privacidade como elo importante da cadeia da cidadania soberana, chamando a atenção de toda a sociedade para a necessidade de amplo e
profundo debate em torno desse tema, da delicada situação em que se encontra esse prato da balança do direito civil em nosso tempo, a privacidade, o que ela significa,
o que ainda é possível fazer para que ela tenha sentido, para que os que ainda nela creem e confiam possam encontrar nas regras, nas normas e nas leis alguma
garantia. O debate afinal toma corpo, podendo contribuir para posicionamentos mais conscientes, mais maduros e mais equilibrados sobre que tipo de vida queremos e
podemos viver, se os indivíduos nos confins de suas vidas privadas ainda devem ser levados em conta, ainda reconhecidos e respeitados em seus direitos ou se já não
importam mais.

Temos tido sempre justificado apreço pelos que, ao longo da História, se mostram capazes de compreender os dilemas e contradições da vida em sociedade e que,
apesar da dor e do sofrimento dessa condição trágica, estão dispostos a reconhecer de que lado estão. Como disse Francisco Bosco referindo-se ao dilema entre o
interesse público e o privado, em seu escrito neste jornal, semana passada, é o princípio da soberania decisória sobre a vida privada que deve prevalecer. É a mesma,
nossa opinião.

(Gilberto Gil, O Globo, 15/10/2013)

Analisando-se, sintaticamente, o trecho “Como disse Francisco Bosco referindo-se ao dilema entre o interesse público e o privado, em seu escrito neste jornal, semana
passada”, presente no último parágrafo, percebe-se que se comete um ERRO na indicação da função sintática de um dos termos que o estrutura em:

a) “Francisco Bosco” - sujeito simples


b) “ao dilema” - objeto indireto
c) “público e o privado” - adjunto adnominal
d) “em seu escrito neste jornal” - aposto
e) “semana passada” - adjunto adverbial

Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/317285

Questão 84: IBFC - Ass San (EMBASA)/EMBASA/Técnico em Segurança do Trabalho/2015


Assunto: Funções sintáticas (sujeito, predicado, objeto, adjunto, complemento etc)
Texto I

Os bolsos do morto
(Luis Fernando Veríssimo)

O morto não é exatamente um amigo. Mais um conhecido, mas daqueles que você não pode deixar de ir ao velório. E lá está ele, estendido dentro do caixão forrado de
cetim, de terno azul-marinho e gravata grená, esperando para ser enterrado.

Se fosse um amigo você ficaria em silêncio, compungido, lembrando o morto em vida e lamentando sua perda. Como é apenas um conhecido, você comenta com o
homem ao seu lado - que também não parece ser íntimo do morto:

- Poderiam ter escolhido outra gravata...

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 36/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

- É. Essa está brava.

- Já pensou ele chegando lá com essa gravata?

- “Lá” onde?

- Não sei. Onde a gente vai depois de morto. Onde vai a nossa alma.

- Eu acho que a alma não vai de gravata.

- Será que não? E de fatiota?

- Também não.

- Bom. Pelo menos esse vexame ele não vai passar.

- Você é da família?

- Não. Apenas um conhecido.

Você examina o morto. Engraçado: ele vai partir para a viagem mais importante, e mais distante, da sua vida, mas não precisa carregar nada. Identidade, passaporte,
nada. Nem dinheiro, o que dirá cheques de viagem ou cartões de crédito. Nem carteira!

Você diz para o outro:

- A coisa mais triste de um defunto são os bolsos. O outro estranha.

- Como assim?

- Os bolsos existem para carregar coisas. Coisas importantes, que definem sua vida. CPF, licença para dirigir, bloco de notas, caneta, talão de cheques, remédio para
pressão...

- Pepsamar...

- Pepsamar, cartão perfurado da Sena, recortes de artigos sobre a situação econômica, fio dental... Isso sem falar em coisas com importância apenas sentimental. Por
exemplo: um desenho rabiscado por uma possível neta que parece, vagamente, um gato, e que ele achou genial e guardou. Entende?

- Sei.

- E aí está ele. Com os bolsos vazios. Despido da vida e de tudo que levava nos seus bolsos, e que o definia. O homem é o homem e o que ele leva nos bolsos. Poderiam
ter deixado, sei lá, pelo menos um chaveiro

- Você acha?

- Claro. As chaves da casa. As chaves do carro. Qualquer coisa pessoal, que pelo menos fizesse barulho num bolso da fatiota, pô!

Você se dá conta de que está gritando. As pessoas se viram para reprová-lo. “Mais respeito” dizem as caras viradas. Você faz um gesto, pedindo perdão. Sou apenas um
conhecido, desculpem. Mas continua, falando mais baixo:

- A morte é um assaltante. Nos mata e nos esvazia os bolsos.

- Sem piedade.

- Nenhuma.

Vocabulário:
Fatiota - roupa de melhor qualidade, usada em situações mais formais
Pepsamar - tipo de medicamento

Considere o fragmento abaixo para responder a questão.

"- Claro. As chaves da casa. As chaves do carro. Qualquer coisa pessoal, que pelo menos fizesse barulho num bolso da fatiota, pô!“ (25°§)
Adjetivos ou locuções adjetivas são termos que acompanham substantivos caracterizando-os. Desse modo, assinale a única opção cuja palavra destacada NÃO cumpra
esse papel caracterizador.

a) “As chaves da casa”


b) Qualquer coisa pessoal”
c) “pelo menos fizesse barulho”
d) “num bolso da fatiota”
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/335583

Questão 85: IBFC - Ass Adm (Docas PB)/Docas PB/2015


Assunto: Funções sintáticas (sujeito, predicado, objeto, adjunto, complemento etc)
Texto I

Quindins

Quindins Quando sentiu que ia morrer, o Dr. Ariosto pediu para falar a sós com a mulher, dona Quiléia (Quequé).

- Senta aí, Quequé.

Ela sentou na beira da cama. Protestou, chorosa, quando o marido disse que sabia que estava no fim. Mas o Dr. Ariosto a acalmou. Os dois sabiam que ele tinha pouco
tempo de vida e era melhor que enfrentassem a situação sem drama. Precisava contar uma coisa à mulher. Para morrerem paz. Contou, então, que tinha outra família.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 37/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

- O quê, Ariosto?!

Tinha. Pronto. Outra mulher, outros filhos, até outros netos. A dona Quiléia iria saber de qualquer maneira, pois ele incluíra a outra família no seu testamento. Mas tinha
decidido contar ele mesmo. De viva, por assim dizer, voz. Para que não ficasse aquela mentira entre eles. E para que dona Quiléia fosse tolerante com a sua memória e
com a outra. Promete, Quequé? Dona Quiléia chorava muito. Só pôde fazer “sim” com a cabeça. Aliviado, o Dr. Ariosto deixou a cabeça cair no travesseiro. Podia morrer
em paz.

Mas aconteceu o seguinte: não morreu. Teve uma melhora surpreendente, que os médicos não souberam explicar e que Dona Quiléia atribui à promessa que fizera a seu
santo. Em poucas semanas, estava fora de cama. Ainda precisa de cuidados, é claro. Dona Quiléia tem que regular sua alimentação, dar remédio na hora certa... Ficam
os dois sentados na sala, olhando a televisão, em silêncio. Um silêncio constrangido. O Dr. Ariosto arrependido de ter feito a confissão. A Dona Quiléia achando que não
fica bem se aproveitar de uma revelação que o homem fez, afinal, no seu leito de morte. Simplesmente não tocam no assunto. No outro dia o Dr. Ariosto teve permissão
do médico para sair, pela primeira vez, de casa. Arrumou-se. Pediu para chamarem um táxi.

- Quer que eu vá com você? - perguntou a mulher.

- Não precisa.

- Você demora? - Não, não. Vou só...

Não completou a frase. Ficaram mais alguns instantes na porta, em silêncio. Depois ele disse:

- Bom. Tchau.

- Tchau.

Agora, tem uma coisa: Dona Quiléia não pagou a promessa ao santo. Ainda compra quindins escondido e os come sozinha. Aliás, deu para comer quindões. Grandes,
enormes, translúcidos quindões.

(Luis Fernando Veríssimo)


Em todas as opções abaixo, encontra-se destacado um exemplo de locução adverbial, exceto:

a) “o Dr. Ariosto pediu para falar a sós com a mulher” (1°§)


b) “Ela sentou na beira da cama.” (3°§)
c) “Outra mulher, outros filhos, até outros netos.” (5°§)
d) “Podia morrer em paz.” (5°St)
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/336122

Questão 86: IBFC - Ass Adm (Docas PB)/Docas PB/2015


Assunto: Funções sintáticas (sujeito, predicado, objeto, adjunto, complemento etc)
Texto I

Quindins

Quindins Quando sentiu que ia morrer, o Dr. Ariosto pediu para falar a sós com a mulher, dona Quiléia (Quequé).

- Senta aí, Quequé.

Ela sentou na beira da cama. Protestou, chorosa, quando o marido disse que sabia que estava no fim. Mas o Dr. Ariosto a acalmou. Os dois sabiam que ele tinha pouco
tempo de vida e era melhor que enfrentassem a situação sem drama. Precisava contar uma coisa à mulher. Para morrerem paz. Contou, então, que tinha outra família.

- O quê, Ariosto?!

Tinha. Pronto. Outra mulher, outros filhos, até outros netos. A dona Quiléia iria saber de qualquer maneira, pois ele incluíra a outra família no seu testamento. Mas tinha
decidido contar ele mesmo. De viva, por assim dizer, voz. Para que não ficasse aquela mentira entre eles. E para que dona Quiléia fosse tolerante com a sua memória e
com a outra. Promete, Quequé? Dona Quiléia chorava muito. Só pôde fazer “sim” com a cabeça. Aliviado, o Dr. Ariosto deixou a cabeça cair no travesseiro. Podia morrer
em paz.

Mas aconteceu o seguinte: não morreu. Teve uma melhora surpreendente, que os médicos não souberam explicar e que Dona Quiléia atribui à promessa que fizera a seu
santo. Em poucas semanas, estava fora de cama. Ainda precisa de cuidados, é claro. Dona Quiléia tem que regular sua alimentação, dar remédio na hora certa... Ficam
os dois sentados na sala, olhando a televisão, em silêncio. Um silêncio constrangido. O Dr. Ariosto arrependido de ter feito a confissão. A Dona Quiléia achando que não
fica bem se aproveitar de uma revelação que o homem fez, afinal, no seu leito de morte. Simplesmente não tocam no assunto. No outro dia o Dr. Ariosto teve permissão
do médico para sair, pela primeira vez, de casa. Arrumou-se. Pediu para chamarem um táxi.

- Quer que eu vá com você? - perguntou a mulher.

- Não precisa.

- Você demora? - Não, não. Vou só...

Não completou a frase. Ficaram mais alguns instantes na porta, em silêncio. Depois ele disse:

- Bom. Tchau.

- Tchau.

Agora, tem uma coisa: Dona Quiléia não pagou a promessa ao santo. Ainda compra quindins escondido e os come sozinha. Aliás, deu para comer quindões. Grandes,
enormes, translúcidos quindões.

(Luis Fernando Veríssimo)


Considerando o contexto em que se encontra a oração “Protestou, chorosa.” (3°§), pode-se afirmar que o termo em destaque exerce a função sintática de:

a) predicativo do sujeito
b) adjunto adverbial

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 38/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
c) adjunto adnominal
d) complemento nominal
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/336127

Questão 87: IBFC - Ag Ad (CM Vassouras)/CM Vassouras/2015


Assunto: Funções sintáticas (sujeito, predicado, objeto, adjunto, complemento etc)
Dentro de um abraço

Onde é que você gostaria de estar agora, neste exato momento?

Fico pensando nos lugares paradisíacos onde já estive, e que não me custaria nada reprisar: num determinado restaurante de uma ilha grega, em diversas praias do
Brasil e do mundo, na casa de bons amigos, em algum vilarejo europeu, numa estrada bela e vazia, no meio de um show espetacular, numa sala de cinema assistindo à
estreia de um filme muito esperado e, principalmente, no meu quarto e na minha cama, que nenhum hotel cinco estrelas consegue superar – a intimidade da gente é
irreproduzível.

Posso também listar os lugares onde não gostaria de estar: num leito de hospital, numa fila de banco, numa reunião de condomínio, presa num elevador, em meio a um
trânsito congestionado, numa cadeira de dentista.

E então? Somando os prós e os contras, as boas e más opções, onde, afinal, é o melhor lugar do mundo?

Meu palpite: dentro de um abraço.

Que lugar melhor para uma criança, para um idoso, para uma mulher apaixonada, para um adolescente com medo, para um doente, para alguém solitário? Dentro de um
abraço é sempre quente, é sempre seguro. Dentro de um abraço não se ouve o tic-tac dos relógios e, se faltar luz, tanto melhor. Tudo o que você pensa e sofre dentro
de um abraço se dissolve.

Que lugar melhor para um recém-nascido, para um recém-chegado, para um recém-demitido, para um recém-contratado? Dentro de um abraço nenhuma situação é
incerta, o futuro não amedronta, estacionamos confortavelmente em meio ao paraíso.

O rosto contra o peito de quem te abraça, as batidas do coração dele e as suas, o silêncio que sempre se faz durante esse envolvimento físico: nada há para se
reivindicar ou agradecer, dentro de um abraço voz nenhuma se faz necessária, está tudo dito.
[...]
(Martha Medeiros)
Considere o fragmento abaixo para responder à questão.

“Que lugar melhor para uma criança, para um idoso, para uma mulher apaixonada, para um adolescente com medo, para um doente, para alguém solitário? Dentro de
um abraço é sempre quente, é sempre seguro.” (6º§)
Assinale a opção que apresente, em destaque, um termo que exerça a mesma função sintática do que se encontra sublinhado no fragmento em análise.

a) “para uma criança”


b) “é sempre quente”
c) “é sempre seguro”
d) “dentro de um abraço”
e) “para alguém solitário”
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/345935

Questão 88: IBFC - Cui Esc (Petrópolis)/Pref Petrópolis/2015


Assunto: Funções sintáticas (sujeito, predicado, objeto, adjunto, complemento etc)
Fuga

(Fernando Sabino)

Mal o pai colocou o papel na máquina, o menino começou a empurrar uma cadeira pela sala, fazendo um barulho infernal.

- Para com esse barulho, meu filho – falou, sem se voltar.

Com três anos já sabia reagir como homem ao impacto das grandes injustiças paternas: não estava fazendo barulho, estava só empurrando uma cadeira.

- Pois então para de empurrar a cadeira.

- Eu vou embora – foi a resposta.

Distraído, o pai não reparou que ele juntava ação às palavras, no ato de juntar do chão as suas coisinhas, enrolandoas num pedaço de pano. Era a sua bagagem: um
caminhão de plástico com apenas três rodas, um resto de biscoito, uma chave (onde diabo meteram a chave da despensa? - a mãe mais tarde irá dizer), metade de uma
tesourinha enferrujada, sua única arma para a grande aventura, um botão amarrado num barbante.

A calma que baixou então na sala era vagamente inquietante. De repente, o pai olhou ao redor e não viu o menino. Deu com a porta da rua aberta, correu até o portão:

- Viu um menino saindo desta casa? – gritou para o operário que descansava diante da obra do outro lado da rua, sentado no meio-fio.

- Saiu agora mesmo com a trouxinha – informou ele.

Correu até a esquina e teve tempo de vê-lo ao longe, caminhando cabisbaixo ao longo do muro. A trouxa, arrastada no chão, ia deixando pelo caminho alguns de seus
pertences: o botão, o pedaço de biscoito e – saíra de casa prevenido – uma moeda de 1 cruzeiro. Chamou-o, mas ele apertou o passinho, abriu a correr em direção à
Avenida, como disposto a atirar-se diante do ônibus que surgia a distância.

- Meu filho, cuidado!

O ônibus deu uma freada brusca, uma guinada para a esquerda, os pneus cantaram no asfalto. O menino, assustado, arrepiou carreira. O pai precipitou-se e o
arrebanhou com o braço como a um animalzinho:

- Que susto você me passou, meu filho – e apertava-o contra o peito, comovido.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 39/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

- Deixa eu descer, papai. Você está me machucando.

Irresoluto, o pai pensava agora se não seria o caso de lhe dar umas palmadas:

- Machucando, é? Fazer uma coisa dessas com seu pai.

- Me larga. Eu quero ir embora.

Trouxe-o para casa e o largou novamente na sala – tendo antes o cuidado de fechar a porta da rua e retirar a chave, como ele fizera com a da despensa.

- Fique aí quietinho, está ouvindo? Papai está trabalhando.

- Fico, mas vou empurrar esta cadeira.

E o barulho recomeçou.

Considere o fragmento abaixo para responder à questão.

O menino, assustado, arrepiou carreira.” (12º§)


A análise sintática de um termo é interessante uma vez que poder permitir a compreensão de sentidos construídos nos enunciados. Desse modo, assinale o comentário
correto sobre o vocábulo “assustado” no fragmento em questão.

a) trata-se de um predicativo do sujeito que expressa uma característica momentânea.


b) trata-se de adjunto adnominal que indica um estado típico do menino.
c) trata-se de um adjunto adnominal que representa um estado passageiro do menino.
d) trata-se de um predicativo do sujeito que revela uma característica permanente do menino.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/375910

Questão 89: IBFC - Asst (CM Aqa)/CM Araraquara/Comunicação/2016


Assunto: Funções sintáticas (sujeito, predicado, objeto, adjunto, complemento etc)
Analise as alternativas abaixo e assinale a alternativa que apresenta sujeito composto:

a) Há de existir alunos de férias.


b) Os alunos estão de férias
c) O aluno está de férias.
d) Os alunos e os professores estão de férias.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/376168

Questão 90: IBFC - Tec Reg (AGERBA)/AGERBA/2017


Assunto: Funções sintáticas (sujeito, predicado, objeto, adjunto, complemento etc)
Texto

Primeira classe
(Moacyr Scliar)

Durante anos, o homem teve um sonho: queria viajar de avião na primeira classe. Na classe econômica, ele, executivo de uma empresa multinacional, era um passageiro
habitual; e, quando via a aeromoça fechar a cortina da primeira classe, quando ficava imaginando os pratos e as bebidas que lá serviam, mordia-se de inveja. Talvez por
causa disso trabalhava incansavelmente; subiu na vida, chegou a um cargo de chefia que, entre outras coisas, dava-lhe o direito à primeira classe nos voos.

E assim, um dia, ele embarcou de Nova Délhi, onde acabara de concluir um importante negócio, para Londres. E seu lugar era na primeira classe. Seu sonho estava se
realizando. Tudo era exatamente como ele imaginava: coquetéis de excelente quantidade, um jantar que em qualquer lugar seria considerado um banquete. Para cúmulo
da sorte, o lugar a seu lado estava vazio.

Ou pelo menos estava no começo do voo. No meio da noite acordou e, para sua surpresa, viu que o lugar estava ocupado. Achou que se tratava de um intruso; mas, em
seguida, deu-se conta de que algo anormal ocorria: várias pessoas estavam ali, no corredor, chorando e se lamentando. Explicável: a passageira a seu lado estava morta.
A tripulação optara por colocá-la na primeira classe exatamente porque, naquela parte do avião, havia menos gente.

Sua primeira reação foi exigir que removessem o cadáver. Mas não podia fazer uma coisa dessas, seria muita crueldade.Por outro lado, ter um corpo morto a seu lado
horrorizava-o. Não havendo outros lugares vagos na primeira classe, só lhe restava uma alternativa: levantou-se e foi para a classe econômica, para o lugar que a morta,
havia pouco, ocupara. Ou seja, ao invés de um upgrade
, ele tinha recebido, ainda que por acaso, um downgrade.
Ali ficou, sem poder dormir, claro. Porque, depois que se experimenta a primeira classe, nada mais serve. Finalmente, o avião pousou, e ele, arrasado, dirigiu-se para a
saída, onde o esperavam os parentes da falecida para agradecer-lhe. Disse um deles, que se identificou como filho da senhora: “Minha mãe sempre quis viajar de
primeira classe. Só conseguiu morta graças à sua compreensão. Deus lhe recompensará”.

Que tem seu lugar garantido no céu, isso ele sabe. Só espera chegar lá viajando de primeira classe. E sem óbitos durante o voo.

A análise sintática da oração “entre outras coisas, dava-lhe o direito à primeira classe nos voos.”permite concluir que o termo preposicionado em destaque exerce a
função de:

a) objeto direto.
b) adjunto adverbial.
c) complemento nominal.
d) objeto indireto.
e) predicativo.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/450299

Questão 91: IBFC - Aux Adm (MGS)/MGS/2017


Assunto: Funções sintáticas (sujeito, predicado, objeto, adjunto, complemento etc)
Texto

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 40/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

Família
(Titãs, fragmento)

Família, família
Papai, mamãe, titia,
Família, família
Almoça junto todo dia,
Nunca perde essa mania
Mas quando a filha quer fugir de casa
Precisa descolar um ganha-pão
Filha de família se não casa
Papai, mamãe, não dão nenhum tostão
Família êh!
Família áh!

Em relação ao verso “Almoça junto todo dia” (v.4), percebe-se que a palavra “família” exerce a função sintática de:

a) sujeito.
b) objeto direto.
c) objeto indireto.
d) predicado.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/450530

Questão 92: IBFC - Ag Adm (CM Aqa)/CM Araraquara/2017


Assunto: Orações subordinadas substantivas
Texto

O vencedor: uma visão alternativa

Nos sete primeiros assaltos, Raul foi duramente castigado. Não era de espantar: estava inteiramente fora de forma. Meses de indolência e até de devassidão tinham
produzido seus efeitos. O combativo boxeador de outrora, o homem que, para muitos, fora estrela do pugilismo mundial, estava reduzido a um verdadeiro trapo. O
público não tinha a menor complacência com ele: sucediam-se as vaias e os palavrões.

De repente, algo aconteceu. Caído na lona, depois de ter recebido um cruzado devastador, Raul ergueu a cabeça e viu, sentada na primeira fila, sua sobrinha Dóris, filha
do falecido Alberto. A menina fitava-o com o olhos cheios de lágrimas. Um olhar que trespassou Raul como uma punhalada. Algo rompeu-se dentro dele. Sentiu renascer
em si a energia que fizera dele a fera do ringue. De um salto, pôs-se de pé e partiu como um touro para cima do adversário. A princípio o público não se deu conta do
que estava acontecendo. Mas quando os fãs perceberam que uma verdadeira ressurreição se tinha operado, passaram a incentivá-lo. Depois de uma saraivada de golpes
certeiros e violentíssimos, o adversário foi ao chão. O juiz procedeu à contagem regulamentar e proclamou Raul o vencedor.

Todos aplaudiram. Todos deliraram de alegria. Menos este que conta a história. Este que conta a história era o adversário. Este que conta a história era o que estava
caído. Este que conta a história era o derrotado. Ai, Deus.

(SCLIAR, Moacyr. Contos reunidos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p.58-59)
Considere o trecho abaixo para responder à questão.

“Mas quando os fãs perceberam que uma verdadeira ressurreição se tinha operado, passaram a incentivá-lo.” (2º§)
As duas conjunções destacadas no fragmento introduzem, respectivamente, as seguintes orações:

a) subordinada adverbial e subordinada substantiva.


b) coordenada sindética e subordinada adjetiva.
c) subordinada substantiva e subordinada adjetiva.
d) subordinada substantiva e coordenada sindética.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/537738

Questão 93: IBFC - Ag Adm (CM Aqa)/CM Araraquara/2017


Assunto: Orações subordinadas adverbiais
Texto

O vencedor: uma visão alternativa

Nos sete primeiros assaltos, Raul foi duramente castigado. Não era de espantar: estava inteiramente fora de forma. Meses de indolência e até de devassidão tinham
produzido seus efeitos. O combativo boxeador de outrora, o homem que, para muitos, fora estrela do pugilismo mundial, estava reduzido a um verdadeiro trapo. O
público não tinha a menor complacência com ele: sucediam-se as vaias e os palavrões.

De repente, algo aconteceu. Caído na lona, depois de ter recebido um cruzado devastador, Raul ergueu a cabeça e viu, sentada na primeira fila, sua sobrinha Dóris, filha
do falecido Alberto. A menina fitava-o com o olhos cheios de lágrimas. Um olhar que trespassou Raul como uma punhalada. Algo rompeu-se dentro dele. Sentiu renascer
em si a energia que fizera dele a fera do ringue. De um salto, pôs-se de pé e partiu como um touro para cima do adversário. A princípio o público não se deu conta do
que estava acontecendo. Mas quando os fãs perceberam que uma verdadeira ressurreição se tinha operado, passaram a incentivá-lo. Depois de uma saraivada de golpes
certeiros e violentíssimos, o adversário foi ao chão. O juiz procedeu à contagem regulamentar e proclamou Raul o vencedor.

Todos aplaudiram. Todos deliraram de alegria. Menos este que conta a história. Este que conta a história era o adversário. Este que conta a história era o que estava
caído. Este que conta a história era o derrotado. Ai, Deus.

(SCLIAR, Moacyr. Contos reunidos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p.58-59)
Considere o fragmento abaixo para responder à questão.

“Nos sete primeiros assaltos, Raul foi duramente castigado. Não era de espantar: estava inteiramente fora de forma.” (1º§)
Os dois pontos que seguem o verbo "espantar" contribuem para a coesão textual e poderiam ser substituídos por um conectivo de valor:

a) causal.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 41/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
b) concessivo.
c) consecutivo.
d) condicional.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/537723

Questão 94: IBFC - TJ (TJ PE)/TJ PE/Apoio Especializado/Programador de Computador/2017


Assunto: Orações reduzidas
Texto

Camelos e beija-flores...

(Rubem Alves)
A revisora informou delicadamente que era norma do jornal que todas as “estórias” deveriam ser grafadas como “histórias”. É assim que os gramáticos decidiram e
escreveram nos dicionários.

Respondi também delicadamente: “Comigo não. Quando escrevo ‘estória’ eu quero dizer ‘estória’. Quando escrevo ‘história’ eu quero dizer ‘história’. Estória e história são
tão diferentes quanto camelos e beija-flores...”

Escrevi um livro baseado na diferença entre “história” e “estória”. O revisor, obediente ao dicionário, corrigiu minhas “estórias” para “história”. Confiando no rigor do
revisor, não li o texto corrigido. Aí, um livro que era para falar de camelos e beija-flores, só falou de camelos. Foram-se os beija-flores engolidos pelos camelos...

Escoro-me no Guimarães Rosa. Ele começa o Tutameia com esta afirmação: “A estória não quer ser história. A estória, em rigor, deve ser contra a história.”

Qual é a diferença? É simples. Quando minha filha era pequena eu lhe inventava estórias. Ela, ao final, me perguntava: “Papai, isso aconteceu de verdade?” E eu ficava
sem lhe poder responder porque a resposta seria de difícil compreensão para ela. A resposta que lhe daria seria: “Essa estória não aconteceu nunca para que aconteça
sempre...”

A história é o reino das coisas que aconteceram de verdade, no tempo, e que estão definitivamente enterradas no passado. Mortas para sempre. [...]

Mas as estórias não aconteceram nunca. São invenções, mentiras. O mito de Narciso é uma invenção. O jovem que se apaixonou por sua própria imagem nunca existiu.
Aí, ao ler o mito que nunca existiu eu me vejo hoje debruçado sobre a fonte que me reflete nos olhos dos outros. Toda estória é um espelho. [...]

A história nos leva para o tempo do “nunca mais”, tempo da morte. As estórias nos levam para o tempo da ressurreição. Se elas sempre começam com o “era uma vez,
há muito tempo” é só para nos arrancar da banalidade do presente e nos levar para o tempo mágico da alma.

Assim, por favor, revisora: quando eu escrever “estória” não corrija para “história”. Não quero confundir camelos e beija-flores...

A oração destacada em “Confiando no rigor do revisor, não li o texto corrigido.”(3º§), está na forma reduzida e introduz, em relação à principal, o valor semântico de:

a) causa.
b) concessão.
c) consequência.
d) condição.
e) conformidade.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/541302

Questão 95: IBFC - Ass San (EMBASA)/EMBASA/Agente Operacional/2017


Assunto: Funções sintáticas dos pronomes relativos
Para a questão, considere o texto a seguir, escrito por Clarice Lispector, com o pseudônimo de Tereza Quadros, no jornal Comício, em 1952.

Lar, engenharia de mulher


Tereza Quadros

A notícia curtinha veio em forma de anedota e não descrevia o tipo do homem, o que é um mal. O leitor gosta de ver o personagem e dá menos trabalho quando a
fotografia já vem revelada. Negativo é sempre negativo. Em todo o caso, devia ser mais pra baixo do que pra alto, menos magro do que gordo, mas necessitado de um
preparado à base de petróleo do que uma boa escova de nylon, para cabelo. É assim que a gente imagina os homens de bom coração e devia ter um de manteiga o que
passou a mão pela cabeça arrepiadinha de cachos da menina e falou com bondade:
- Que pena vocês não terem um lar.
- Lar nós temos, o que não temos é uma casa pra botar o lar dentro – respondeu a menina, que tinha cinco anos e morava com o pai, a mãe e dois irmãozinhos em um
apertadíssimo quarto de hotel. Naturalmente, espantada com a ignorância do amigo barbado. E sem saber a felicidade que tinha, sem saber que era dona dessa coisa
maravilhosa, que vai desaparecendo nesta época ultracivilizada de discos voadores corvejando por cima da cabeça dos homens. Dá até pra desconfiar que são os homens
que não têm lar, que inventam essas geringonças complicadas. Porque o lar é tão gostoso, tão bom, que quem tem um não deve ter lá muita vontade de andar atolado
em ferro, em metais, em ácidos corrosivos, fervendo os miolos em altas matemáticas numa fábrica ou num laboratório. O que muitos têm é casa – e são os felizardos, já
que a maioria não tem uma coisa nem outra – mas uma casa tão vazia de lar, como a lata de biscoitos, depois que as crianças avançam em cima dela no café da manhã.
Casa é difícil, mas ainda se pode arranjar: quem compra bilhete pode ver chegando o seu dia: o funcionário público dorme na fila de uma autarquia e o bancário vai
alimentando a esperança de cair nas graças do patrão e numa tabela Price a juros de 7%. Mas lar, lar mesmo, só com muita sorte. Até porque ninguém tem fórmula de
“lar”. A rigor, não se sabe bem o que é que faz o lar. Sabe-se que ele pode ser feito, muitas vezes desfeito e, algumas, também refeito. É uma coisa parecida com
eletricidade; não se entende a sua origem, mas se faltar a luz dentro de casa todo o mundo sabe que está no escuro. Então lar é isso. É aquilo que a garotinha de cinco
anos sentiu com tanta força e que nós todos sabemos quando ele está presente, como sabemos quando houve desarranjo sério nas turbinas ou simples curto circuito
num fusível qualquer.
Há pessoas práticas e previdentes que costumam ter uma espécie de lar em conserva; num canto do armário, ao lado de outras coisas enlatadas e que é, como estas,
servido às visitas esperadas. Mas a gente percebe logo a diferença daquele outro que tem, como o palmito fresco, o sabor de substância simples e natural. Parece que
ficou estabelecido, nos princípios da criação, que o homem faria a casa, para dar um lar à mulher. E que a mulher construiria o lar, para dar casa e lar ao homem. Sim,
porque o homem tinha que levar vantagem, não podia ser por menos. Pois então é isso: casa é arquitetura de homem e lar, essa coisa simples e complexa, evidente e
misteriosa, que depende de tudo e não depende de nada, essa coisa sutil, fluídica, envolvente é simplesmente engenharia da mulher.
Considere o período e as afirmativas a seguir.

Há pessoas práticas e previdentes que costumam ter uma espécie de lar em conserva; num canto do armário, ao lado de outras coisas enlatadas e que é, como estas,
servido às visitas esperadas.
https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 42/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

I. Trata-se de um período composto apenas por coordenação.

II. O pronome relativo “que” (em destaque.) refere-se a pessoas e exerce a função de sujeito do verbo “costumam”.

Está correto o que se afirma em:

a) I, apenas.
b) II, apenas.
c) I e II.
d) nenhuma das duas afirmativas.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/544212

Questão 96: IBFC - TJ (TJ PE)/TJ PE/Apoio Especializado/Programador de Computador/2017


Assunto: Função sintática dos pronomes pessoais átonos
Texto

Camelos e beija-flores...

(Rubem Alves)
A revisora informou delicadamente que era norma do jornal que todas as “estórias” deveriam ser grafadas como “histórias”. É assim que os gramáticos decidiram e
escreveram nos dicionários.

Respondi também delicadamente: “Comigo não. Quando escrevo ‘estória’ eu quero dizer ‘estória’. Quando escrevo ‘história’ eu quero dizer ‘história’. Estória e história são
tão diferentes quanto camelos e beija-flores...”

Escrevi um livro baseado na diferença entre “história” e “estória”. O revisor, obediente ao dicionário, corrigiu minhas “estórias” para “história”. Confiando no rigor do
revisor, não li o texto corrigido. Aí, um livro que era para falar de camelos e beija-flores, só falou de camelos. Foram-se os beija-flores engolidos pelos camelos...

Escoro-me no Guimarães Rosa. Ele começa o Tutameia com esta afirmação: “A estória não quer ser história. A estória, em rigor, deve ser contra a história.”

Qual é a diferença? É simples. Quando minha filha era pequena eu lhe inventava estórias. Ela, ao final, me perguntava: “Papai, isso aconteceu de verdade?” E eu ficava
sem lhe poder responder porque a resposta seria de difícil compreensão para ela. A resposta que lhe daria seria: “Essa estória não aconteceu nunca para que aconteça
sempre...”

A história é o reino das coisas que aconteceram de verdade, no tempo, e que estão definitivamente enterradas no passado. Mortas para sempre. [...]

Mas as estórias não aconteceram nunca. São invenções, mentiras. O mito de Narciso é uma invenção. O jovem que se apaixonou por sua própria imagem nunca existiu.
Aí, ao ler o mito que nunca existiu eu me vejo hoje debruçado sobre a fonte que me reflete nos olhos dos outros. Toda estória é um espelho. [...]

A história nos leva para o tempo do “nunca mais”, tempo da morte. As estórias nos levam para o tempo da ressurreição. Se elas sempre começam com o “era uma vez,
há muito tempo” é só para nos arrancar da banalidade do presente e nos levar para o tempo mágico da alma.

Assim, por favor, revisora: quando eu escrever “estória” não corrija para “história”. Não quero confundir camelos e beija-flores...

Considere o fragmento abaixo para responder à questão.

“A resposta que lhe daria seria: “Essa estória não aconteceu nunca para que aconteça sempre...”(5º§)
O pronome destacado cumpre papel coesivo, mas também sintático na oração. Assim, sintaticamente, ele deve ser classificado como:

a) adjunto adnominal.
b) objeto direto.
c) complemento nominal.
d) objeto indireto.
e) predicativo.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/541287

Questão 97: IBFC - Adv (HMDCC)/HMDCC/2015


Assunto: Pontuação (ponto, vírgula, travessão, aspas, parênteses etc)
Texto I

O que é filosofia?

Querida Sofia,

Muitas pessoas têm hobbies diferentes. Algumas colecionam moedas e selos antigos, outras gostam de trabalhos manuais, outras ainda dedicam quase todo o seu tempo
livre a uma determinada modalidade de esporte.

Também há os que gostam de ler. Mas os tipos de leitura também são muito diferentes. Alguns leem apenas jornais ou gibis, outros gostam de romances, outros ainda
preferem livros sobre temas diversos como astronomia, a vida dos animais ou as novas descobertas da tecnologia.

Se me interesso por cavalos ou pedras preciosas, não posso querer que todos os outros tenham o mesmo interesse. Se fico grudado na televisão assistindo a todas as
transmissões de esporte, tenho que aceitar que outras pessoas achem o esporte uma chatice.

Mas será que alguma coisa interessa a todos? Será que existe alguma coisa que concerne a todos, não importando quem são ou onde se encontram? Sim, querida Sofia,
existem questões que deveriam interessar a todas as pessoas. E é sobre tais questões que trata este curso.

Qual é a coisa mais importante da vida? Se fazemos esta pergunta a uma pessoa de um país assolado pela fome, a resposta será: a comida. Se fazemos a mesma
pergunta a quem está morrendo de frio, então a resposta será: o calor. E quando perguntamos a alguém que se sente sozinho e isolado, então certamente a resposta
será: a companhia de outras pessoas.

Mas, uma vez satisfeitas todas essas necessidades, será que ainda resta alguma coisa de que todo mundo precise? Os filósofos acham que sim. Eles acham que o ser

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 43/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
humano não vive apenas de pão. É claro que todo mundo precisa comer. E precisa também de amor e cuidado. Mas ainda há uma coisa de que todos nós precisamos.
Nós temos a necessidade de descobrir quem somos e por que vivemos. Portanto, interessar-se em saber por que vivemos não é um interesse “casual” como colecionar
selos por exemplo. Quem se interessa por tais questões toca um problema que vem sendo discutido pelo homem praticamente desde quando passamos a habitar este
planeta. A questão de saber como surgiu o universo, a Terra e a vida por aqui é uma questão maior e mais importante do que saber quem ganhou mais medalhas de
ouro nos últimos Jogos Olímpicos.

(GAARDER, Jostein. O mundo de Sofia. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p.24-25)
Considere o fragmento abaixo para responder à questão seguinte.

“Mas, uma vez satisfeitas todas essas necessidades, será que ainda resta alguma coisa de que todo mundo precise?” (6º §)
A pontuação cumpre papel essencial na delimitação das ideias apresentadas em um texto. Desse modo, pode-se afirmar que o conteúdo entre vírgulas expressa, em
relação ao restante do fragmento, um sentido de:

a) tempo
b) causa
c) modo
d) concessão
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/316526

Questão 98: IBFC - Ag Ad (CM Vassouras)/CM Vassouras/2016


Assunto: Pontuação (ponto, vírgula, travessão, aspas, parênteses etc)
Cace a liberdade

(Martha Medeiros)

Arroz, feijão, bife, ovo. Isso nós temos no prato, é a fonte de energia que nos faz levantar de manhã e sair para trabalhar. Nossa meta primeira é a sobrevivência do
corpo. Mas como anda a dieta da alma?

Outro dia, no meio da tarde, senti uma fome me revirando por dentro. Uma fome que me deixou melancólica. Me dei conta de que estava indo pouco ao cinema,
conversando pouco com as pessoas, e senti uma abstinência de viajar que me deixou até meio tonta. Minha geladeira, afortunadamente, está cheia, e ando até um
pouco acima do meu peso ideal, mas me senti desnutrida. Você já se sentiu assim também, precisando se alimentar?

Revista, jornal, internet, isso tudo nos informa, nos situa no mundo, mas não sacia. A informação entra dentro da casa da gente em doses cavalares e nos encontra
passivos, a gente apenas seleciona o que nos interessa e despreza o resto, e nem levantamos da cadeira neste processo. Para alimentar a alma, é obrigatório sair de
casa. Sair à caça. Perseguir.

Se não há silêncio a sua volta, cace o silêncio onde ele se esconde, pegue uma estradinha de terra batida, visite um sítio, uma cachoeira, ou vá para a beira da praia, o
litoral é bonito neste época, tem uma luz diferente, o mar parece maior, há menos gente.

Cace o afeto, procure quem você gosta de verdade, tire férias de rancores e mágoas, abrace forte, sorria, permita que o cacem também.

Cace a liberdade que anda tão rara, liberdade de pensamento, de atitudes, vá ao encontro de tudo que não tem regra, patrulha, horários. Cace o amanhã, o novo, o que
ainda não foi contaminado por críticas, modismos, conceitos, vá atrás do que é surpreendente, o que se expande na sua frente, o que lhe provoca prazer de olhar, sentir,
sorver. Entre numa galeria de arte. Vá assistir a um filme de um diretor que não conhece. Olhe para a sua cidade com olhos de estrangeiro, como se você fosse um
turista. Abra portas. E páginas.

Arroz, feijão, bife, ovo. Isso me mantém de pé, mas não acaba com meu cansaço diante de uma vida que, se eu me descuido, se torna repetitiva, monótona, entediante.
Mas nada de descuido. Vou me entupir de calorias na alma. Há fartas sugestões no cardápio. Quero engordar no lugar certo. O ritmo dos meus dias é tão intenso que às
vezes a gente se esquece de se alimentar direito.

Considerando o contexto, percebe-se que, em todas as alternativas abaixo, a vírgula foi empregada pela mesma razão, EXCETO em:

a) "estava indo pouco ao cinema, conversando pouco com as pessoas" (2º §)


b) "Revista, jornal, internet" (3º §)
c) "abrace forte, sorria, permita que o cacem também." (5º §)
d) "Para alimentar a alma, é obrigatório sair de casa." (3º §)
e) "Arroz, feijão, bife, ovo." (7º §)
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/345000

Questão 99: IBFC - Asst (CM Aqa)/CM Araraquara/Comunicação/2016


Assunto: Pontuação (ponto, vírgula, travessão, aspas, parênteses etc)
Assinale a alternativa que não indica problema de pontuação.

a) A comunicação, é muito importante para a convivência em comunidade.


b) A comunicação é muito importante para a convivência em comunidade.
c) A comunicação é muito importante, para a convivência em comunidade.
d) A comunicação, é muito importante, para a convivência em comunidade.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/376161

Questão 100: IBFC - TCE (TCM-RJ)/TCM-RJ/2016


Assunto: Pontuação (ponto, vírgula, travessão, aspas, parênteses etc)
Assinale a alternativa cuja frase está corretamente pontuada.

a) O bolo que estava sobre a mesa, sumiu


b) Ele, apressadamente se retirou, quando ouviu um barulho estranho
c) Confessou-lhe tudo; ciúme, ódio, inveja
d) Paulo pretende cursar Medicina; Márcia, Odontologia
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/393134

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 44/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Questão 101: IBFC - Tec (COMLURB)/COMLURB-RJ/Segurança do Trabalho/2016
Assunto: Pontuação (ponto, vírgula, travessão, aspas, parênteses etc)
Que é Segurança do Trabalho?

Segurança do trabalho pode ser entendida como os conjuntos de medidas que são adotadas visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem
como proteger a integridade e a capacidade de trabalho do trabalhador.

A Segurança do Trabalho estuda diversas disciplinas como Introdução à Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho, Prevenção e Controle de Riscos em Máquinas,
Equipamentos e Instalações, Psicologia na Engenharia de Segurança, Comunicação e Treinamento, Administração aplicada à Engenharia de Segurança, O Ambiente e as
Doenças do Trabalho, Higiene do Trabalho, Metodologia de Pesquisa, Legislação, Normas Técnicas, Responsabilidade Civil e Criminal, Perícias, Proteção do Meio
Ambiente, Ergonomia e Iluminação, Proteção contra Incêndios e Explosões e Gerência de Riscos.

O quadro de Segurança do Trabalho de uma empresa compõe-se de uma equipe multidisciplinar composta por Técnico de Segurança do Trabalho, Engenheiro de
Segurança do Trabalho, Médico do Trabalho e Enfermeiro do Trabalho. Estes profissionais formam o que chamamos de SESMT - Serviço Especializado em Engenharia de
Segurança e Medicina do Trabalho. Também os empregados da empresa constituem a CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, que tem como objetivo a
prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tomar compatível permanentemente o trabalho com a preservação da vida e a promoção da saúde
do trabalhador.

A Segurança do Trabalho é definida por normas e leis. No Brasil, a Legislação de Segurança do Trabalho compõe- se de Normas Regulamentadoras, leis complementares,
como portarias e decretos e também as convenções Internacionais da Organização Internacional do Trabalho, ratificadas pelo Brasil.

http://www.areasea.com/sea/ - acesso em 24/04/2016


Em textos em Língua Portuguesa sabe-se que a alteração de pontuação pode prejudicar a organização do texto e, muitas vezes, mudar o sentido da frase. Leia a
sentença abaixo e indique a alternativa em que a alteração da pontuação mantém o texto correto:

“O quadro de Segurança do Trabalho de uma empresa compõe-se de uma equipe multidisciplinar composta por Técnico de Segurança do Trabalho, Engenheiro de
Segurança do Trabalho, Médico do Trabalho e Enfermeiro do Trabalho.”

a) O quadro de Segurança do Trabalho, de uma empresa compõe-se de uma equipe multidisciplinar composta por Técnico de Segurança do Trabalho, Engenheiro de
Segurança do Trabalho, Médico do Trabalho e Enfermeiro do Trabalho.
b) O quadro de Segurança do Trabalho de uma empresa, compõe-se de uma equipe multidisciplinar composta por Técnico de Segurança do Trabalho, Engenheiro de
Segurança do Trabalho, Médico do Trabalho e Enfermeiro do Trabalho.
c) O quadro de Segurança do Trabalho de uma empresa compõe-se de uma equipe multidisciplinar composta por: Técnico de Segurança do Trabalho, Engenheiro de
Segurança do Trabalho, Médico do Trabalho e Enfermeiro do Trabalho.
d) O quadro de, Segurança do Trabalho de uma empresa compõe-se, de uma equipe multidisciplinar composta por Técnico de Segurança do Trabalho, Engenheiro
de Segurança do Trabalho, Médico do Trabalho e Enfermeiro do Trabalho.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/393501

Questão 102: IBFC - Moto (CM Franca)/CM Franca/2016


Assunto: Pontuação (ponto, vírgula, travessão, aspas, parênteses etc)
Dois velhinhos

Dalton Trevisan

Dois pobres inválidos, bem velhinhos, esquecidos numa cela de asilo.

Ao lado da janela, retorcendo os aleijões e esticando a cabeça, apenas um podia olhar lá fora.

Junto à porta, no fundo da cama, o outro espiava a parede úmida, o crucifixo negro, as moscas no fio de luz. Com inveja, perguntava o que acontecia. Deslumbrando,
anunciava o primeiro:

- Um cachorro ergue a perninha no poste.

Mais tarde:

_ Uma menina de vestido branco pulando corda.

Ou ainda:

- Agora é um enterro de luxo.

Sem nada ver, o amigo remordia- se no seu canto. O mais velho acabou morrendo, para alegria do segundo, instalado afinal debaixo da janela.

Não dormiu, antegozando a manhã. Bem desconfiava que o outro não revelava tudo.

Cochilou um instante - era dia. Sentou-se na cama, com dores espichou o pescoço: entre os muros em ruína, ali no beco, um monte de lixo.

TREVISAN, D. Mistérios de Curitiba. Rio de Janeiro: Editora Record, 1979, pag 110.
Leia as alternativas abaixo, retiradas do texto "Dois velhinhos", e assinale a alteração de pontuação que apresenta ERRO.

a) Com inveja, perguntava, o que acontecia.


b) Cochilou um instante: era dia.
c) Sentou-se na cama, com dores espichou o pescoço, entre os muros em ruína, ali no beco, um monte de lixo.
d) - Um cachorro, ergue a perninha no poste.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/395813

Questão 103: IBFC - As Adm (EBSERH-HUAP)/EBSERH-HUAP/2016


Assunto: Pontuação (ponto, vírgula, travessão, aspas, parênteses etc)
Texto

Setenta anos, por que não?

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 45/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

Acho essa coisa da idade fascinante: tem a ver com o modo como lidamos com a vida. Se a gente a considera uma ladeira que desce a partir da primeira ruga, ou do
começo de barriguinha, então viver é de certa forma uma desgraceira que acaba na morte. Desse ponto de vista, a vida passa a ser uma doença crônica de prognóstico
sombrio. Nessa festa sem graça, quem fica animado? Quem não se amargura?

[...]

Pois se minhas avós eram damas idosas aos 50 anos, sempre de livro na mão lendo na poltrona junto à janela, com vestidos discretíssimos, pretos de florzinha branca
(ou, em horas mais festivas, minúsculas flores ou bolinhas coloridas), hoje aos 70 estamos fazendo projetos, viajando (pode ser simplesmente à cidade vizinha para
visitar uma amiga), indo ao teatro e ao cinema, indo a restaurante (pode ser o de quilo, ali na esquina), eventualmente namorando ou casando de novo. Ou dando risada
à toa com os netos, e fazendo uma excursão com os filhos. Tudo isso sem esquecer a universidade, ou aprender a ler, ou visitar pela primeira vez uma galeria de arte, ou
comer sorvete na calçada batendo papo com alguma nova amiga.

[...]

Não precisamos ser tão incrivelmente sérios, cobrar tanto de nós, dos outros e da vida, críticos o tempo todo, vendo só o lado mais feio do mundo. Das pessoas. Da
própria família. Dos amigos. Se formos os eternos acusadores, acabaremos com um gosto amargo na boca: o amargor de nossas próprias palavras e sentimentos. Se não
soubermos rir, se tivermos desaprendido como dar uma boa risada, ficaremos com a cara hirta das máscaras das cirurgias exageradas, dos remendos e intervenções para
manter ou recuperar a “beleza”. A alma tem suas dores, e para se curar necessita de projetos e afetos. Precisa acreditar em alguma coisa.

(LUFT, Lya. In: http://veja.abril.com.br. Acesso em 18/09/16)

A pontuação empregada em “Das pessoas. Da própria família. Dos amigos.” (3º§) cumpre um papel expressivo ao gerar o seguinte efeito:

a) ritmo mais rápido do que com o emprego das vírgulas


b) ênfase a cada um dos termos da enumeração
c) hierarquização de valor aos termos da enumeração
d) ressignificação do sentido dos termos empregados
e) atribuição e valor imperativo aos termos enumerados
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/418225

Questão 104: IBFC - Aux Adm (MGS)/MGS/2017


Assunto: Pontuação (ponto, vírgula, travessão, aspas, parênteses etc)
Texto

Família
(Titãs, fragmento)

Família, família
Papai, mamãe, titia,
Família, família
Almoça junto todo dia,
Nunca perde essa mania
Mas quando a filha quer fugir de casa
Precisa descolar um ganha-pão
Filha de família se não casa
Papai, mamãe, não dão nenhum tostão
Família êh!
Família áh!

Nos três primeiros versos, as vírgulas foram usadas para:

a) indicar uma sequência infinita de termos.


b) separar elementos de uma enumeração.
c) marcar uma pausa longa entre as palavras.
d) enumerar termos de classes gramaticais distintas.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/450533

Questão 105: IBFC - Ag Adm (CM Aqa)/CM Araraquara/2017


Assunto: Pontuação (ponto, vírgula, travessão, aspas, parênteses etc)
Texto

O vencedor: uma visão alternativa

Nos sete primeiros assaltos, Raul foi duramente castigado. Não era de espantar: estava inteiramente fora de forma. Meses de indolência e até de devassidão tinham
produzido seus efeitos. O combativo boxeador de outrora, o homem que, para muitos, fora estrela do pugilismo mundial, estava reduzido a um verdadeiro trapo. O
público não tinha a menor complacência com ele: sucediam-se as vaias e os palavrões.

De repente, algo aconteceu. Caído na lona, depois de ter recebido um cruzado devastador, Raul ergueu a cabeça e viu, sentada na primeira fila, sua sobrinha Dóris, filha
do falecido Alberto. A menina fitava-o com o olhos cheios de lágrimas. Um olhar que trespassou Raul como uma punhalada. Algo rompeu-se dentro dele. Sentiu renascer
em si a energia que fizera dele a fera do ringue. De um salto, pôs-se de pé e partiu como um touro para cima do adversário. A princípio o público não se deu conta do
que estava acontecendo. Mas quando os fãs perceberam que uma verdadeira ressurreição se tinha operado, passaram a incentivá-lo. Depois de uma saraivada de golpes
certeiros e violentíssimos, o adversário foi ao chão. O juiz procedeu à contagem regulamentar e proclamou Raul o vencedor.

Todos aplaudiram. Todos deliraram de alegria. Menos este que conta a história. Este que conta a história era o adversário. Este que conta a história era o que estava
caído. Este que conta a história era o derrotado. Ai, Deus.

(SCLIAR, Moacyr. Contos reunidos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p.58-59)
Considere o fragmento abaixo para responder à questão.

“Nos sete primeiros assaltos, Raul foi duramente castigado. Não era de espantar: estava inteiramente fora de forma.” (1º§)
A vírgula do primeiro período tem seu emprego justificado em função de:

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 46/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
a) cumprir apenas papel estilístico podendo ser retirada da oração.
b) sinalizar uma enumeração de termos de mesma função sintática.
c) acompanhar um termo deslocado da ordem direta da oração.
d) indicar um aposto que se refere ao conteúdo posterior.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/537726

Questão 106: IBFC - TJ (TJ PE)/TJ PE/Apoio Especializado/Programador de Computador/2017


Assunto: Pontuação (ponto, vírgula, travessão, aspas, parênteses etc)
Texto

Camelos e beija-flores...

(Rubem Alves)
A revisora informou delicadamente que era norma do jornal que todas as “estórias” deveriam ser grafadas como “histórias”. É assim que os gramáticos decidiram e
escreveram nos dicionários.

Respondi também delicadamente: “Comigo não. Quando escrevo ‘estória’ eu quero dizer ‘estória’. Quando escrevo ‘história’ eu quero dizer ‘história’. Estória e história são
tão diferentes quanto camelos e beija-flores...”

Escrevi um livro baseado na diferença entre “história” e “estória”. O revisor, obediente ao dicionário, corrigiu minhas “estórias” para “história”. Confiando no rigor do
revisor, não li o texto corrigido. Aí, um livro que era para falar de camelos e beija-flores, só falou de camelos. Foram-se os beija-flores engolidos pelos camelos...

Escoro-me no Guimarães Rosa. Ele começa o Tutameia com esta afirmação: “A estória não quer ser história. A estória, em rigor, deve ser contra a história.”

Qual é a diferença? É simples. Quando minha filha era pequena eu lhe inventava estórias. Ela, ao final, me perguntava: “Papai, isso aconteceu de verdade?” E eu ficava
sem lhe poder responder porque a resposta seria de difícil compreensão para ela. A resposta que lhe daria seria: “Essa estória não aconteceu nunca para que aconteça
sempre...”

A história é o reino das coisas que aconteceram de verdade, no tempo, e que estão definitivamente enterradas no passado. Mortas para sempre. [...]

Mas as estórias não aconteceram nunca. São invenções, mentiras. O mito de Narciso é uma invenção. O jovem que se apaixonou por sua própria imagem nunca existiu.
Aí, ao ler o mito que nunca existiu eu me vejo hoje debruçado sobre a fonte que me reflete nos olhos dos outros. Toda estória é um espelho. [...]

A história nos leva para o tempo do “nunca mais”, tempo da morte. As estórias nos levam para o tempo da ressurreição. Se elas sempre começam com o “era uma vez,
há muito tempo” é só para nos arrancar da banalidade do presente e nos levar para o tempo mágico da alma.

Assim, por favor, revisora: quando eu escrever “estória” não corrija para “história”. Não quero confundir camelos e beija-flores...

Em “Quando escrevo ‘estória’ eu quero dizer ‘estória’. Quando escrevo ‘história’ eu quero dizer ‘história’.” (2º§), ocorrem dois períodos.

Quanto ao correto emprego da pontuação, de acordo com a Norma, faz-se um comentário adequado em:

a) O primeiro ponto final deveria ser substituído por uma vírgula.


b) Deveria haver uma vírgula antes de cada uma das duas ocorrências do pronome “eu”.
c) Seria obrigatório o emprego de um ponto e vírgula no lugar do primeiro ponto final.
d) Depois de cada uma das duas ocorrências do verbo “dizer” deveria ser empregada uma vírgula.
e) Caso o primeiro ponto fosse suprimido, não haveria prejuízo para a estrutura sintática do período.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/541273

Questão 107: IBFC - Sold (PM BA)/PM BA/2017


Assunto: Regência
Texto

Diálogos

Ele telefonou aflitíssimo.

- Preciso marcar um horário, não é para mim, é para minha filha.

- Que idade tem sua filha?

- Quinze anos.

- Ela quer vir?

- Quer, quer...

Chegam na consulta antes da hora. Agitado, ele fala muito, essa é minha filha, desejo que fale com ela, que a convença a não viajar.

A garota, adolescente, mal-humorada, queixo projetado pra cima, boca cerrada com determinação.

- Vamos entrar? Ana convida os dois.

- Não, não, ela entra sozinha.

A menina levanta-se e dirige-se para a sala de consulta.

- O que trouxe vocês aqui?

- Nada, não tenho o que falar, não tenho o que discutir, não queria vir, não preciso vir aqui. Já falei para o meu pai.

- Mas já que veio, não poderia contar do que se trata?

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 47/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

- Quero viajar, encontrar minha mãe que mora fora, quero ir morar com ela. Meus pais são separados, ele não quer me deixar, mas vou assim mesmo.

- Você tentou falar com ele?

- Não adianta, ele não quer ouvir, e por isso que minha mãe foi embora e eu não quero mais falar disso.

(Estaria repetindo o gesto da mãe, indo embora sem conversa, sem explicação?)

- Parece que o diálogo não é bem-vindo em sua casa.

- Não, levanta-se para sair, não é isso.

- Talvez quisesse que seu pai conversasse com você, em vez de lhe trazer para falar com uma psicóloga que não conhece nem pediu pra conhecer.

Esse é o único momento em que Maria olha de fato para Ana.

- É isso mesmo, diz e dirige-se à porta.

Na sala de espera, Ana diz ao pai:

- Sua filha quer que você fale com ela, quer ser ouvida por você, não por mim. Ela não tem o que falar para mim, mas tem muito a dizer a você.

- Não, não, não sei falar com ela, não entendo o que ela diz, é igual à mãe, por isso a trouxe aqui, para que você fale com ela.

- Vamos então falar juntos?

- Não, não posso.

Levantam-se e saem para nunca mais voltar.

(LOEB, Sylvia. Diálogos. In: ____. Contos do divã. Cotia: Ateliê Editorial, 2007. P. 73)
Assinale a alternativa correta.

Em “Chegam na consulta antes da hora.” (7º§), de acordo com a norma padrão, percebe-se um desvio de:

a) concordância nominal.
b) regência.
c) acentuação.
d) concordância verbal.
e) ortografia.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/515240

Questão 108: IBFC - Aux PO (PCie PR)/PCie PR/2017


Assunto: Regência Nominal e Verbal (casos gerais)
ORDEM DE SERVIÇO 608 - INSS

Perícia Médica

PERDA AUDITIVA NEUROSSENSORIAL POR EXPOSIÇÃO CONTINUADA A NÍVEIS ELEVADOS DE PRESSÃO SONORA DE ORIGEM OCUPACIONAL

NORMA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DE INCAPACIDADE

PARA FINS DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS

APRESENTAÇÃO

A presente atualização da Norma Técnica sobre Perda Auditiva Induzida por Ruído – PAIR, objetiva simplificar, uniformizar e adequar o trabalho do médico perito ao atual
nível de conhecimento desta nosologia.

A evolução da Medicina do Trabalho, da Medicina Assistencial e Preventiva, dos meios diagnósticos, bem como a nova realidade social, motivou, sobremaneira, esta
revisão, tornando-a mais completa e eficaz.

Dessa concepção surgiram dois momentos que passaram a constituir os módulos do presente trabalho: a Atualização Clínica da Patologia e a Avaliação da Incapacidade
Laborativa. Este estudo resultou de iniciativa da Divisão de Perícias Médicas do INSS, que buscou parceria com diversos segmentos da sociedade, num debate aberto,
visando abordar todos os aspectos relevantes sobre o assunto, no período compreendido entre junho de 1996 e junho de 1997, com a efetiva participação de
representantes das Perícias Médicas, Reabilitação Profissional, Núcleo de Referência em Doenças Ocupacionais da Previdência Social – NUSAT/SRMG e Procuradoria
Estadual do Instituto Nacional do Seguro Social - INSS; Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho - Fundacentro/MTb; Associação Brasileira
de Medicina do Trabalho - ABMT; Centro de Referência de Saúde do Trabalhador do Estado de São Paulo - Cerest; Confederação Nacional das Indústrias - CNI;
Confederação Nacional do Comércio - CNC; Central Única dos Trabalhadores - CUT; e especialistas de renome. [...]

Disponível em: www.cofip.com.br/legislacao/download/19/Acesso em 07/02/2017)

No terceiro parágrafo do texto, percebe-se um desvio de regência em relação à Norma Padrão, na seguinte passagem:

a) “com a efetiva participação de representantes das Perícias Médicas”.


b) “Este estudo resultou de iniciativa da Divisão de Perícias Médicas do INSS”.
c) “que buscou parceria com diversos segmentos da sociedade”.
d) “visando abordar todos os aspectos relevantes sobre o assunto”.
e) “no período compreendido entre junho de 1996 e junho de 1997,”.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/465250

Questão 109: IBFC - Ag Adm (CM Aqa)/CM Araraquara/2017


Assunto: Regência Nominal e Verbal (casos gerais)
https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 48/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Texto

O vencedor: uma visão alternativa

Nos sete primeiros assaltos, Raul foi duramente castigado. Não era de espantar: estava inteiramente fora de forma. Meses de indolência e até de devassidão tinham
produzido seus efeitos. O combativo boxeador de outrora, o homem que, para muitos, fora estrela do pugilismo mundial, estava reduzido a um verdadeiro trapo. O
público não tinha a menor complacência com ele: sucediam-se as vaias e os palavrões.

De repente, algo aconteceu. Caído na lona, depois de ter recebido um cruzado devastador, Raul ergueu a cabeça e viu, sentada na primeira fila, sua sobrinha Dóris, filha
do falecido Alberto. A menina fitava-o com o olhos cheios de lágrimas. Um olhar que trespassou Raul como uma punhalada. Algo rompeu-se dentro dele. Sentiu renascer
em si a energia que fizera dele a fera do ringue. De um salto, pôs-se de pé e partiu como um touro para cima do adversário. A princípio o público não se deu conta do
que estava acontecendo. Mas quando os fãs perceberam que uma verdadeira ressurreição se tinha operado, passaram a incentivá-lo. Depois de uma saraivada de golpes
certeiros e violentíssimos, o adversário foi ao chão. O juiz procedeu à contagem regulamentar e proclamou Raul o vencedor.

Todos aplaudiram. Todos deliraram de alegria. Menos este que conta a história. Este que conta a história era o adversário. Este que conta a história era o que estava
caído. Este que conta a história era o derrotado. Ai, Deus.

(SCLIAR, Moacyr. Contos reunidos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p.58-59)
O verbo destacado em “O juiz procedeu à contagem regulamentar e proclamou Raul o vencedor.” (2º§) é transitivo indireto e rege a preposição “a”. Tal fato justifica a
ocorrência da crase no trecho.

Dentre os verbos destacados abaixo, assinale o que NÃO possui mesma transitividade e regência de acordo com a normal padrão.

a) assistir (no sentido de ver).


b) obedecer.
c) querer (no sentido de ter afeto).
d) aspirar (no sentido de respirar).
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/537739

Questão 110: IBFC - Ass Adm (Docas PB)/Docas PB/2015


Assunto: Crase
Texto I

Quindins

Quindins Quando sentiu que ia morrer, o Dr. Ariosto pediu para falar a sós com a mulher, dona Quiléia (Quequé).

- Senta aí, Quequé.

Ela sentou na beira da cama. Protestou, chorosa, quando o marido disse que sabia que estava no fim. Mas o Dr. Ariosto a acalmou. Os dois sabiam que ele tinha pouco
tempo de vida e era melhor que enfrentassem a situação sem drama. Precisava contar uma coisa à mulher. Para morrerem paz. Contou, então, que tinha outra família.

- O quê, Ariosto?!

Tinha. Pronto. Outra mulher, outros filhos, até outros netos. A dona Quiléia iria saber de qualquer maneira, pois ele incluíra a outra família no seu testamento. Mas tinha
decidido contar ele mesmo. De viva, por assim dizer, voz. Para que não ficasse aquela mentira entre eles. E para que dona Quiléia fosse tolerante com a sua memória e
com a outra. Promete, Quequé? Dona Quiléia chorava muito. Só pôde fazer “sim” com a cabeça. Aliviado, o Dr. Ariosto deixou a cabeça cair no travesseiro. Podia morrer
em paz.

Mas aconteceu o seguinte: não morreu. Teve uma melhora surpreendente, que os médicos não souberam explicar e que Dona Quiléia atribui à promessa que fizera a seu
santo. Em poucas semanas, estava fora de cama. Ainda precisa de cuidados, é claro. Dona Quiléia tem que regular sua alimentação, dar remédio na hora certa... Ficam
os dois sentados na sala, olhando a televisão, em silêncio. Um silêncio constrangido. O Dr. Ariosto arrependido de ter feito a confissão. A Dona Quiléia achando que não
fica bem se aproveitar de uma revelação que o homem fez, afinal, no seu leito de morte. Simplesmente não tocam no assunto. No outro dia o Dr. Ariosto teve permissão
do médico para sair, pela primeira vez, de casa. Arrumou-se. Pediu para chamarem um táxi.

- Quer que eu vá com você? - perguntou a mulher.

- Não precisa.

- Você demora? - Não, não. Vou só...

Não completou a frase. Ficaram mais alguns instantes na porta, em silêncio. Depois ele disse:

- Bom. Tchau.

- Tchau.

Agora, tem uma coisa: Dona Quiléia não pagou a promessa ao santo. Ainda compra quindins escondido e os come sozinha. Aliás, deu para comer quindões. Grandes,
enormes, translúcidos quindões.

(Luis Fernando Veríssimo)

No fragmento “Precisava contar uma coisa à mulher” (3°§), a crase ocorre, basicamente, devido:

a) à regência do verbo precisar e ao complemento feminino.


b) à construção de uma locução adverbial com vocábulo feminino.
c) ao “a” inicial de uma locução prepositiva com vocábulo feminino.
d) à regência do verbo “contar” e ao complemento feminino.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/336125

Questão 111: IBFC - Asst (CM Aqa)/CM Araraquara/Comunicação/2016


Assunto: Crase

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 49/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Leia as opções abaixo e assinale a alternativa em que a crase está correta.

a) Este ano os alunos vão à São Paulo para fazer pesquisas.


b) O aluno da escola está encerrando o trabalho que será entregue à sua professora.
c) Este ano os alunos vão à Bahia para fazer pesquisas.
d) O aluno está se dedicando à pesquisar novos meios de comunicação.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/376163

Questão 112: IBFC - Tec (COMLURB)/COMLURB-RJ/Segurança do Trabalho/2016


Assunto: Crase
Que é Segurança do Trabalho?

Segurança do trabalho pode ser entendida como os conjuntos de medidas que são adotadas visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem
como proteger a integridade e a capacidade de trabalho do trabalhador.

A Segurança do Trabalho estuda diversas disciplinas como Introdução à Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho, Prevenção e Controle de Riscos em Máquinas,
Equipamentos e Instalações, Psicologia na Engenharia de Segurança, Comunicação e Treinamento, Administração aplicada à Engenharia de Segurança, O Ambiente e as
Doenças do Trabalho, Higiene do Trabalho, Metodologia de Pesquisa, Legislação, Normas Técnicas, Responsabilidade Civil e Criminal, Perícias, Proteção do Meio
Ambiente, Ergonomia e Iluminação, Proteção contra Incêndios e Explosões e Gerência de Riscos.

O quadro de Segurança do Trabalho de uma empresa compõe-se de uma equipe multidisciplinar composta por Técnico de Segurança do Trabalho, Engenheiro de
Segurança do Trabalho, Médico do Trabalho e Enfermeiro do Trabalho. Estes profissionais formam o que chamamos de SESMT - Serviço Especializado em Engenharia de
Segurança e Medicina do Trabalho. Também os empregados da empresa constituem a CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, que tem como objetivo a
prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tomar compatível permanentemente o trabalho com a preservação da vida e a promoção da saúde
do trabalhador.

A Segurança do Trabalho é definida por normas e leis. No Brasil, a Legislação de Segurança do Trabalho compõe- se de Normas Regulamentadoras, leis complementares,
como portarias e decretos e também as convenções Internacionais da Organização Internacional do Trabalho, ratificadas pelo Brasil.

http://www.areasea.com/sea/ - acesso em 24/04/2016


Leia o texto abaixo e identifique qual das alternativas apresenta correta aplicação de crase, seguindo a mesma lógica do texto.

“A Segurança do Trabalho estuda diversas disciplinas como Introdução à Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho, Prevenção e Controle de Riscos em Máquinas,
Equipamentos e Instalações...”

a) O curso de português discute assuntos associados à gramática, à literatura e à produção de textos.


b) O professor fez correções à respeito dos erros de ortografia presentes no texto.
c) O referido texto apresenta informações de grande importância à alunos de Engenharia.
d) A literatura sobre Segurança do Trabalho presente na faculdade apresenta informações importantes à seus alunos.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/393503

Questão 113: IBFC - Moto (CM Franca)/CM Franca/2016


Assunto: Crase
Analise as alternativas abaixo e assinale a que apresenta correta utilização da crase.

a) A criança entregou o livro à uma semana.


b) Os professores foram ao encontro à fim de aprimorar seus conhecimentos.
c) À escola depende da sua situação atual.
d) O Engenheiro foi à obra para analisar o trabalho dos funcionários

Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/395948

Questão 114: IBFC - Sold (PM BA)/PM BA/2017


Assunto: Crase
Texto

Diálogos

Ele telefonou aflitíssimo.

- Preciso marcar um horário, não é para mim, é para minha filha.

- Que idade tem sua filha?

- Quinze anos.

- Ela quer vir?

- Quer, quer...

Chegam na consulta antes da hora. Agitado, ele fala muito, essa é minha filha, desejo que fale com ela, que a convença a não viajar.

A garota, adolescente, mal-humorada, queixo projetado pra cima, boca cerrada com determinação.

- Vamos entrar? Ana convida os dois.

- Não, não, ela entra sozinha.

A menina levanta-se e dirige-se para a sala de consulta.

- O que trouxe vocês aqui?

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 50/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

- Nada, não tenho o que falar, não tenho o que discutir, não queria vir, não preciso vir aqui. Já falei para o meu pai.

- Mas já que veio, não poderia contar do que se trata?

- Quero viajar, encontrar minha mãe que mora fora, quero ir morar com ela. Meus pais são separados, ele não quer me deixar, mas vou assim mesmo.

- Você tentou falar com ele?

- Não adianta, ele não quer ouvir, e por isso que minha mãe foi embora e eu não quero mais falar disso.

(Estaria repetindo o gesto da mãe, indo embora sem conversa, sem explicação?)

- Parece que o diálogo não é bem-vindo em sua casa.

- Não, levanta-se para sair, não é isso.

- Talvez quisesse que seu pai conversasse com você, em vez de lhe trazer para falar com uma psicóloga que não conhece nem pediu pra conhecer.

Esse é o único momento em que Maria olha de fato para Ana.

- É isso mesmo, diz e dirige-se à porta.

Na sala de espera, Ana diz ao pai:

- Sua filha quer que você fale com ela, quer ser ouvida por você, não por mim. Ela não tem o que falar para mim, mas tem muito a dizer a você.

- Não, não, não sei falar com ela, não entendo o que ela diz, é igual à mãe, por isso a trouxe aqui, para que você fale com ela.

- Vamos então falar juntos?

- Não, não posso.

Levantam-se e saem para nunca mais voltar.

(LOEB, Sylvia. Diálogos. In: ____. Contos do divã. Cotia: Ateliê Editorial, 2007. P. 73)
Assinale a alternativa correta.

Observe a ocorrência de crase em “é igual à mãe” (26º§) e assinale a opção em que a substituição do substantivo “mãe” provocaria a impossibilidade da ocorrência desse
fenômeno linguístico.

a) é igual à Ana.
b) é igual à sua mãe.
c) é igual à todas.
d) é igual à tia.
e) é igual à minha família.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/515242

Questão 115: IBFC - Aux Adm (MGS)/MGS/2016


Assunto: Concordância (Verbal e Nominal)
Mundo interior

(Martha Medeiros)

A casa da gente é uma metáfora da nossa vida, é a representação exata e fiel do nosso mundo interior. Li esta frase outro dia e achei perfeito. Poucas coisas traduzem
tão bem nosso jeito de ser como nosso jeito de morar. Isso não se aplica, logicamente, aos inquilinos da rua, que têm como teto um viaduto, ainda que eu não duvide
que até eles sejam capazes de ter seus códigos secretos de instalação.

No entanto, estamos falando de quem pode ter um endereço digno, seja seu ou de aluguel. Pode ser um daqueles apartamentos amplos, com pé direito alto e preço mais
alto ainda, ou um quarto-e-sala tão compacto quanto seu salário: na verdade, isso determina apenas seu poder aquisitivo, não revela seu mundo interior, que se
manifesta por meio de outros valores.

Da porta da rua pra dentro, pouco importa a quantidade de metros quadrados e, sim, a maneira como você os ocupa. Se é uma casa colorida ou monocrática. Se tem
objetos obtidos com afeto ou se foi tudo escolhido por um decorador profissional. Se há fotos das pessoas que amamos espalhadas por porta-retratos ou se há paredes
nuas.

Tudo pode ser revelador: se deixamos a comida estragar na geladeira, se temos a mania de deixar as janelas sempre fechadas, se há muitas coisas por consertar. Isso
também é estilo de vida.

Luz direta ou indireta? Tudo combinadinho ou uma esquizofrenia saudável na junção das coisas? Tudo de grife ou tudo de brinque? É um jogo lúdico tentar descobrir o
quanto há de granito e o quanto há de madeira na nossa personalidade. Qual o grau de importância das plantas no nosso habitat, que nota daríamos para o quesito vista
panorâmica? Quadros tortos nos enervam? Tapetes rotos nos comovem?

Há casas em que tudo o que é aparente está em ordem, mas reina a confusão dentro dos armários. Há casas tão limpas, tão lindas, tão perfeitas que parecem cenários:
faz falta um cheiro de comida e um som vindo lá do quarto. Há casas escuras. Há casas feitas por fora e bonitas por dentro. Há casas pequenas onde cabem toda a
família e os amigos, há casas com lareira que se mantêm frias. Há casas prontas para receber visitas e impróprias para receber a vida. Há casas com escadas, casas com
desníveis, casas divertidamente irregulares.

Pode aparecer apenas o lugar onde a gente dorme, come e vê televisão, mas nossa casa é muito mais que isso. É a nossa caverna, o nosso castelo, o esconderijo secreto
onde coabitamos com nossos defeitos e virtudes.

No sexto parágrafo, tem-se "há casas com lareira que se mantêm frias.". Nesse fragmento, percebe-se que o acento da forma verbal em destaque deve-se à
concordância com a seguinte palavra:

a) "há"
b) "casas"
https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 51/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
c) "lareira"
d) "frias"

Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/372205

Questão 116: IBFC - Aux Adm (MGS)/MGS/2016


Assunto: Concordância (Verbal e Nominal)
Mundo interior

(Martha Medeiros)

A casa da gente é uma metáfora da nossa vida, é a representação exata e fiel do nosso mundo interior. Li esta frase outro dia e achei perfeito. Poucas coisas traduzem
tão bem nosso jeito de ser como nosso jeito de morar. Isso não se aplica, logicamente, aos inquilinos da rua, que têm como teto um viaduto, ainda que eu não duvide
que até eles sejam capazes de ter seus códigos secretos de instalação.

No entanto, estamos falando de quem pode ter um endereço digno, seja seu ou de aluguel. Pode ser um daqueles apartamentos amplos, com pé direito alto e preço mais
alto ainda, ou um quarto-e-sala tão compacto quanto seu salário: na verdade, isso determina apenas seu poder aquisitivo, não revela seu mundo interior, que se
manifesta por meio de outros valores.

Da porta da rua pra dentro, pouco importa a quantidade de metros quadrados e, sim, a maneira como você os ocupa. Se é uma casa colorida ou monocrática. Se tem
objetos obtidos com afeto ou se foi tudo escolhido por um decorador profissional. Se há fotos das pessoas que amamos espalhadas por porta-retratos ou se há paredes
nuas.

Tudo pode ser revelador: se deixamos a comida estragar na geladeira, se temos a mania de deixar as janelas sempre fechadas, se há muitas coisas por consertar. Isso
também é estilo de vida.

Luz direta ou indireta? Tudo combinadinho ou uma esquizofrenia saudável na junção das coisas? Tudo de grife ou tudo de brinque? É um jogo lúdico tentar descobrir o
quanto há de granito e o quanto há de madeira na nossa personalidade. Qual o grau de importância das plantas no nosso habitat, que nota daríamos para o quesito vista
panorâmica? Quadros tortos nos enervam? Tapetes rotos nos comovem?

Há casas em que tudo o que é aparente está em ordem, mas reina a confusão dentro dos armários. Há casas tão limpas, tão lindas, tão perfeitas que parecem cenários:
faz falta um cheiro de comida e um som vindo lá do quarto. Há casas escuras. Há casas feitas por fora e bonitas por dentro. Há casas pequenas onde cabem toda a
família e os amigos, há casas com lareira que se mantêm frias. Há casas prontas para receber visitas e impróprias para receber a vida. Há casas com escadas, casas com
desníveis, casas divertidamente irregulares.

Pode aparecer apenas o lugar onde a gente dorme, come e vê televisão, mas nossa casa é muito mais que isso. É a nossa caverna, o nosso castelo, o esconderijo secreto
onde coabitamos com nossos defeitos e virtudes.

Ao longo do sexto parágrafo, a autora emprega diversas vezes a forma "Há" em orações sem sujeito. Assinale a opção em que o emprego dessa forma verbal está
INCORRETA.

a) Há muitas respostas possíveis.


b) A reunião ocorreu há duas semanas.
c) Daqui há dois dias nos veremos.
d) Há de ocorrer uma nova festa.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/372209

Questão 117: IBFC - Asst (CM Aqa)/CM Araraquara/Comunicação/2016


Assunto: Concordância (Verbal e Nominal)
Assinale a alternativa que completa a lacuna. A maioria dos funcionários______ feliz com a indicação do novo gerente, (estar)

a) Está
b) Estão
c) São
d) Estavam
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/376167

Questão 118: IBFC - TCE (TCM-RJ)/TCM-RJ/2016


Assunto: Concordância (Verbal e Nominal)
Assinale a alternativa que completa correta e respectivamente as lacunas, obedecendo às regras do concordância verbal.

Os candidatos _______ à espera dos resultados que _______ em breve.

a) detêem-se – viriam
b) detêm-se – virão
c) detém-se – vêem
d) detiveram-se – vêem
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/393135

Questão 119: IBFC - Tec (COMLURB)/COMLURB-RJ/Segurança do Trabalho/2016


Assunto: Concordância (Verbal e Nominal)
Analise as afirmativas abaixo e assinale a alternativa correta:

I. Os estudantes de medicina fazem os exercícios com dedicação e empenho;


II. A maioria dos estudantes de engenharia estavam na sala de aula.
III. As estudantes estão meio tristes com a mudança de professora.
IV. Há uma hora e meio o curso se encerrou.

a) I e II estão corretas

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 52/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
b) Somente IV está correta
c) I e III estão corretas
d) Somente II está correta.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/393508

Questão 120: IBFC - Aux Adm (MGS)/MGS/2017


Assunto: Concordância (Verbal e Nominal)
Texto

Paternidade Responsável

Quantos filhos você gostaria de ter?

Ao responder a essa pergunta com certeza uma outra vai passar pela sua cabeça: “Será que vou conseguir sustentar um filho?”.

Certamente você gostaria de ter tantos filhos quantos pudesse sustentar, garantindo-lhes uma boa escola, um lugar com algum conforto para morar e remédios quando
necessários.

Segundo especialistas, pode ser perigoso para a mãe a para a criança engravidar durante a adolescência porque o corpo da menina ainda não está preparado para o
parto. Problemas como a gestante adolescente apresentar anemia ou o bebê nascer prematuramente são comuns. Além de eventuais problemas de saúde, tem-se um
problema de ordem social: como sustentar uma criança, já que, para tanto, o adolescente, se não contar com a ajuda dos pais ou responsáveis, terá de abandonar a
escola?

Desesperadas, muitas jovens acabam optando pelo aborto. Vale lembrar que, salvo raras exceções (estupro ou risco de morte para a mãa), o aborto no Brasil, é
considerado crime. A mulher recorre, então, a clínicas clandestinas, sem fiscalização, e põe sua saúde em risco. Quem não tem condições de pagar tais clínicas faz uso de
métodos ainda mais precários.

Isso acontece, em parte, porque não existe no Brasil um projeto amplo de planejamento familiar que assegure aos mais pobres o direito de decidir quantos filhos
desejam ter. Assim, muitos casais têm quatro, seis, dez filhos, quando, na verdade, conseguiriam sustentar apenas um ou dois.

(DIMENSTEIN, Gilberto. O cidadão de Papel. Ed. Ática. São Paulo, 2011, p. 106)

Em “Assim, muitos casais têm quatro, seis, dez filhos,” (6º§), nota-se que o acento do verbo em destaque deve-se a uma exigência de concordância. Assinale a
alternativa correta em relação ao emprego desse mesmo verbo.

a) No Brasil, a sociedade têm várias questões.


b) O jovem têm um grande desafio pela frente.
c) As pessoas tem muitos planos.
d) A mentira tem perna curta.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/450529

Questão 121: IBFC - Aux PO (PCie PR)/PCie PR/2017


Assunto: Concordância (Verbal e Nominal)
Afinal: o que é a “morte cerebral”?

A declaração de morte cerebral é um conceito relativamente


novo na medicina e envolve o preenchimento de critérios
clínicos e laboratoriais

O cérebro humano é o órgão que nos torna únicos. Possibilita que pensemos, falemos e organiza, de uma forma ou outra, todo nosso consciente e inconsciente. Claro,
todos os órgãos são relevantes, e, sem o conjunto, não poderíamos funcionar de maneira adequada. Mas a verdade é que, do ponto de vista evolutivo, todos os órgãos
desenvolveram-se para permitir manter um cérebro cada vez mais exigente e complexo. Aprimoraram-se os mecanismos de defesa, de alimentação, de locomoção, entre
outros, para que as sensações e ordens trabalhadas no cérebro fossem elaboradas.

E quando o cérebro deixa de funcionar, ou seja, morre, todas as outras funções deixam de ser necessárias; muitas delas ficam descoordenadas pela simples falta da
atividade cerebral adequada.

Até pouco tempo atrás, o indivíduo morria quando seu coração parava de bater. Hoje sabemos que o indivíduo está morto quando seu cérebro morre. Mas, não há muito
tempo, também achávamos que as sensações (o amor, por exemplo), emanavam do coração.

Apesar disto parecer “bom senso”, o conceito de “morte cerebral” e seu adequado diagnóstico são tópicos recentes e datam de apenas algumas décadas. A necessidade
de conceituar formalmente a “morte cerebral” ou “morte encefálica” tomou impulso quando se iniciou a era dos transplantes de órgãos, e tornou-se necessário
protocolizar seu diagnóstico, já que indivíduos com morte cerebral poderiam então ser considerados possíveis doadores.

Existem algumas diferenças para a definição de morte cerebral em diferentes países, mas muitos aspectos são comuns. Em primeiro lugar, o indivíduo deve ter algumas
características clínicas, que são facilmente reconhecidas por um neurologista: falta de reação à dor, falta de movimentação, ausência de respiração, pupilas dilatadas e
não responsivas à luz etc. Claro, o indivíduo não pode ter recebido nenhuma medicação nas 24 horas anteriores que possa causar isto. Cada um destes aspectos foi
regulamentado: ver se o paciente respira, ver a reação à dor, as pupilas etc, de modo que a avaliação pudesse ser replicada, independente do ambiente em que o
indivíduo esteja. [...]

Uma vez definida adequadamente a morte encefálica, o indivíduo poderá ter seus órgãos doados (caso tenha havido consentimento para tal), um ato que possivelmente
poderá ajudar a salvar várias vidas. A partir deste momento, as medidas de suporte de vida são, em tese, desnecessárias.

(Disponível: http://veja.abril.com.br/blog/letra-de-medico/afinal-o-quee-a-morte-cerebral/ Acesso em: 07/02/17)

Em “Aprimoram-se os mecanismos de defesa, de alimentação, de locomoção” (1º§), o verbo destacado está flexionado no plural concordando com:

a) o sujeito “eles” que se encontra oculto.


b) o núcleo do sujeito simples “mecanismos”.
c) o sujeito composto “de defesa, de alimentação, de locomoção”.
d) o pronome “se” que o acompanha indicando sujeito indeterminado.
e) os complementos verbais “de defesa, de alimentação, de locomoção”.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/465108

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 53/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Questão 122: IBFC - Ag Adm (CM Aqa)/CM Araraquara/2017
Assunto: Concordância (Verbal e Nominal)
Texto

O homem vive em média sete anos a menos que a mulher. A cada três mortes de adulto, duas são de homens. Segundo dados do Sistema de Informação de Mortalidade
(SIM) do Ministério da Saúde, na faixa de 20 a 59 anos, os homens morrem mais por causas externas, como acidentes de trânsito, acidentes de trabalho e lesões por
violência. O segundo motivo de morte entre homens nesta faixa etária são as doenças do aparelho circulatório, seguida das neoplasias. Comemorado neste sábado (15),
o Dia Internacional do Homem traz para o debate os cuidados com a saúde masculina no país.

Atualmente no Brasil 18% dos homens brasileiros são obesos e 57% apresentam sobrepeso. Com relação ao tabagismo, 12,7% fumam e sobre doenças crônicas, 7,8%
dos homens têm diabetes e 23,6% têm hipertensão. Vinte e sete por cento dos homens consomem bebida alcóolica abusivamente e 12,9% dirigem após beber. Os dados
fazem parte do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), realizado anualmente pelo governo federal.

Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2017-07/dia-internacional-


do-homem-chama-atencao-para-cuidados-com-saude-masculina. Acesso em 01/09/17)
A concordância verbal que envolve a indicação de porcentagens pode causar confusão na escrita. Em “Atualmente no Brasil 18% dos homens brasileiros são obesos”
(2º§), o verbo está no plural uma vez que concorda com o seguinte termo:

a) 18%.
b) homens.
c) brasileiros.
d) obesos.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/537746

Questão 123: IBFC - TCE (TCM-RJ)/TCM-RJ/2016


Assunto: Vozes (voz passiva e voz ativa)
Assinale a frase que não está na voz passiva sintética.

a) Abraçaram-se após a difícil vitória


b) Mariana cortou-se ao afiar a faca
c) Colhe-se o néctar na primavera
d) Precisa-se de médicos naquele hospital
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/393136

Questão 124: IBFC - Sold (PM BA)/PM BA/2017


Assunto: Vozes (voz passiva e voz ativa)
Texto

Assinale a alternativa correta.

A segunda oração do primeiro quadrinho encontra-se na voz passiva. Ao passá-la para a voz ativa tem-se:

a) Controlam-se nossos destinos por estrelas.


b) As estrelas controlam nossos destinos.
c) As estrelas podem controlar nossos destinos.
d) Nossos destinos serão controlados pelas estrelas.
e) As estrelas controlarão nossos destinos.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/515245

Questão 125: IBFC - Tec RC (JUCEB)/JUCEB/2015


Assunto: Coerência. Coesão (Anáfora, Catáfora, Uso dos Conectores - Pronomes relativos, Conjunções etc)
O direito à privacidade como elo da cidadania

Quando o STF vier a julgar a ação de inconstitucionalidade movida pela Associação Nacional dos Editores de Livros contra o artigo do Código Civil que prevê a autorização
para biografias comercializadas, os juizes estarão, mais uma vez, diante do dilema da Justiça, dos dois pratos da balança e qual deles fazer pesar mais com sua força. A
liberdade de expressão de um lado e o direito à privacidade do outro, e cada juiz, ainda uma vez, diante do ato de decidir pela garantia de ambos estabelecida na Carta
Magna.

Ora, se preferirem dar ganho de causa à Adin dos editores, fortemente apoiada pelos meios de comunicação (TVs em especial), estarão contrariando os que, do outro
lado, clamam pela garantia do seu direito à privacidade. Se a estes contemplarem com seu voto, estarão contrariando os primeiros, os grandes interessados em que vidas
pessoais sejam livremente retratadas, transformadas em ativos comerciais de grande valor para a montagem do espetáculo midiático que está, hoje em dia, para muito
além do interesse público na circulação da informação, o jornalismo.

Independentemente do que venha a decidir o STF em relação à questão, nós da associação Procure Saber, no âmbito do nosso pequeno foro e em que pesem as tantas
dúvidas e posições entre nós, resolvemos exercer o nosso direito democrático de associação, de opinião e de manifestação, levando a público o nosso propósito de
defender o direito à privacidade como elo importante da cadeia da cidadania soberana, chamando a atenção de toda a sociedade para a necessidade de amplo e
profundo debate em torno desse tema, da delicada situação em que se encontra esse prato da balança do direito civil em nosso tempo, a privacidade, o que ela significa,
https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 54/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
o que ainda é possível fazer para que ela tenha sentido, para que os que ainda nela creem e confiam possam encontrar nas regras, nas normas e nas leis alguma
garantia. O debate afinal toma corpo, podendo contribuir para posicionamentos mais conscientes, mais maduros e mais equilibrados sobre que tipo de vida queremos e
podemos viver, se os indivíduos nos confins de suas vidas privadas ainda devem ser levados em conta, ainda reconhecidos e respeitados em seus direitos ou se já não
importam mais.

Temos tido sempre justificado apreço pelos que, ao longo da História, se mostram capazes de compreender os dilemas e contradições da vida em sociedade e que,
apesar da dor e do sofrimento dessa condição trágica, estão dispostos a reconhecer de que lado estão. Como disse Francisco Bosco referindo-se ao dilema entre o
interesse público e o privado, em seu escrito neste jornal, semana passada, é o princípio da soberania decisória sobre a vida privada que deve prevalecer. É a mesma,
nossa opinião.

(Gilberto Gil, O Globo, 15/10/2013)

Leia o trecho a seguir e, sobre ele, responda à questão:

“Se a estes contemplarem com seu voto, estarão contrariando os primeiros, os grandes interessados em que vidas pessoais sejam livremente retratadas, transformadas
em ativos comerciais de grande valor para a montagem do espetáculo midiático que está, hoje em dia, para muito além do interesse público na circulação da informação,
o jornalismo. ” (2°§)
Respectivamente, a alternativa cujos referentes das palavras em destaque estão corretamente indicados é:

a) os que clamam pela garantia do direito à privacidade; espetáculo midiático.


b) Adin dos editores; o jornalismo.
c) os que clamam pela garantia do direito à privacidade; a Adin dos editores.
d) as Tv’s em especial; o espetáculo midiático.
e) meios de comunicação; jornalismo.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/317280

Questão 126: IBFC - Aux Adm (MGS)/MGS/2016


Assunto: Coerência. Coesão (Anáfora, Catáfora, Uso dos Conectores - Pronomes relativos, Conjunções etc)
Mundo interior

(Martha Medeiros)

A casa da gente é uma metáfora da nossa vida, é a representação exata e fiel do nosso mundo interior. Li esta frase outro dia e achei perfeito. Poucas coisas traduzem
tão bem nosso jeito de ser como nosso jeito de morar. Isso não se aplica, logicamente, aos inquilinos da rua, que têm como teto um viaduto, ainda que eu não duvide
que até eles sejam capazes de ter seus códigos secretos de instalação.

No entanto, estamos falando de quem pode ter um endereço digno, seja seu ou de aluguel. Pode ser um daqueles apartamentos amplos, com pé direito alto e preço mais
alto ainda, ou um quarto-e-sala tão compacto quanto seu salário: na verdade, isso determina apenas seu poder aquisitivo, não revela seu mundo interior, que se
manifesta por meio de outros valores.

Da porta da rua pra dentro, pouco importa a quantidade de metros quadrados e, sim, a maneira como você os ocupa. Se é uma casa colorida ou monocrática. Se tem
objetos obtidos com afeto ou se foi tudo escolhido por um decorador profissional. Se há fotos das pessoas que amamos espalhadas por porta-retratos ou se há paredes
nuas.

Tudo pode ser revelador: se deixamos a comida estragar na geladeira, se temos a mania de deixar as janelas sempre fechadas, se há muitas coisas por consertar. Isso
também é estilo de vida.

Luz direta ou indireta? Tudo combinadinho ou uma esquizofrenia saudável na junção das coisas? Tudo de grife ou tudo de brinque? É um jogo lúdico tentar descobrir o
quanto há de granito e o quanto há de madeira na nossa personalidade. Qual o grau de importância das plantas no nosso habitat, que nota daríamos para o quesito vista
panorâmica? Quadros tortos nos enervam? Tapetes rotos nos comovem?

Há casas em que tudo o que é aparente está em ordem, mas reina a confusão dentro dos armários. Há casas tão limpas, tão lindas, tão perfeitas que parecem cenários:
faz falta um cheiro de comida e um som vindo lá do quarto. Há casas escuras. Há casas feitas por fora e bonitas por dentro. Há casas pequenas onde cabem toda a
família e os amigos, há casas com lareira que se mantêm frias. Há casas prontas para receber visitas e impróprias para receber a vida. Há casas com escadas, casas com
desníveis, casas divertidamente irregulares.

Pode aparecer apenas o lugar onde a gente dorme, come e vê televisão, mas nossa casa é muito mais que isso. É a nossa caverna, o nosso castelo, o esconderijo secreto
onde coabitamos com nossos defeitos e virtudes.

O conectivo que introduz o segundo parágrafo expressa uma oposição entre:

a) a casa da gente e a casa dos outros.


b) os que não têm casa e os que a possuem.
c) o mundo interior e o mundo exterior.
d) o nosso jeito de ser e o jeito de morar.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/372203

Questão 127: IBFC - TCE (TCM-RJ)/TCM-RJ/2016


Assunto: Coerência. Coesão (Anáfora, Catáfora, Uso dos Conectores - Pronomes relativos, Conjunções etc)
Meu engraxate

É por causa do meu engraxate que ando agora em plena desolação. Meu engraxate me deixou. Passei duas vezes pela porta onde ele trabalhava e nada. Então me (1)
inquietei, não sei que (2) doenças mortíferas, que (3) mudança pra outras portas se passaram em mim, resolvi perguntar ao menino que (4) trabalhava na outra
cadeira. O menino é um retalho de hungarês, cara de infeliz, não dá simpatia alguma. E tímido, o que torna instintivamente a gente muito combinado com o universo no
propósito de desgraçar esses desgraçados de nascença. “Está vendendo bilhete de loteria”, respondeu antipático, me (5) deixando numa perplexidade penosíssima:
pronto! Estava sem engraxate! Os olhos do menino chispeavam ávidos, porque sou um dos que ficam fregueses e dão gorjeta. Levei seguramente um minuto pra definir
que tinha de continuar engraxando sapatos toda a vida minha e ali estava um menino que, a gente ensinando, podia ficar engraxate bom.

(ANDRADE, Mário de. Os Filhos da Candinha. São Paulo, Martins, 1963. P. 167)
Os elementos coesivos presentes e evidenciados no texto estabelece, respectivamente, relações de:

a) exemplificação e explicação

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 55/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
b) adição e paráfrase
c) paráfrase e exemplificação
d) adição e justificação
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/393132

Questão 128: IBFC - As Adm (EBSERH-HUAP)/EBSERH-HUAP/2016


Assunto: Coerência. Coesão (Anáfora, Catáfora, Uso dos Conectores - Pronomes relativos, Conjunções etc)
Texto

Setenta anos, por que não?

Acho essa coisa da idade fascinante: tem a ver com o modo como lidamos com a vida. Se a gente a considera uma ladeira que desce a partir da primeira ruga, ou do
começo de barriguinha, então viver é de certa forma uma desgraceira que acaba na morte. Desse ponto de vista, a vida passa a ser uma doença crônica de prognóstico
sombrio. Nessa festa sem graça, quem fica animado? Quem não se amargura?

[...]

Pois se minhas avós eram damas idosas aos 50 anos, sempre de livro na mão lendo na poltrona junto à janela, com vestidos discretíssimos, pretos de florzinha branca
(ou, em horas mais festivas, minúsculas flores ou bolinhas coloridas), hoje aos 70 estamos fazendo projetos, viajando (pode ser simplesmente à cidade vizinha para
visitar uma amiga), indo ao teatro e ao cinema, indo a restaurante (pode ser o de quilo, ali na esquina), eventualmente namorando ou casando de novo. Ou dando risada
à toa com os netos, e fazendo uma excursão com os filhos. Tudo isso sem esquecer a universidade, ou aprender a ler, ou visitar pela primeira vez uma galeria de arte, ou
comer sorvete na calçada batendo papo com alguma nova amiga.

[...]

Não precisamos ser tão incrivelmente sérios, cobrar tanto de nós, dos outros e da vida, críticos o tempo todo, vendo só o lado mais feio do mundo. Das pessoas. Da
própria família. Dos amigos. Se formos os eternos acusadores, acabaremos com um gosto amargo na boca: o amargor de nossas próprias palavras e sentimentos. Se não
soubermos rir, se tivermos desaprendido como dar uma boa risada, ficaremos com a cara hirta das máscaras das cirurgias exageradas, dos remendos e intervenções para
manter ou recuperar a “beleza”. A alma tem suas dores, e para se curar necessita de projetos e afetos. Precisa acreditar em alguma coisa.

(LUFT, Lya. In: http://veja.abril.com.br. Acesso em 18/09/16)

A expressão “Desse ponto de vista,”, empregada no primeiro parágrafo, cumpre um papel coesivo à medida que:

a) resgata uma ideia apresentada e progride no seu desenvolvimento


b) apresenta uma ideia completamente nova em relação à anterior
c) antecipa uma informação que será desenvolvida no texto
d) contesta a informação apresentada anteriormente
e) ilustra uma ideia que ainda será apresentada
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/418227

Questão 129: IBFC - Tec Reg (AGERBA)/AGERBA/2017


Assunto: Coerência. Coesão (Anáfora, Catáfora, Uso dos Conectores - Pronomes relativos, Conjunções etc)
Texto

Primeira classe
(Moacyr Scliar)

Durante anos, o homem teve um sonho: queria viajar de avião na primeira classe. Na classe econômica, ele, executivo de uma empresa multinacional, era um passageiro
habitual; e, quando via a aeromoça fechar a cortina da primeira classe, quando ficava imaginando os pratos e as bebidas que lá serviam, mordia-se de inveja. Talvez por
causa disso trabalhava incansavelmente; subiu na vida, chegou a um cargo de chefia que, entre outras coisas, dava-lhe o direito à primeira classe nos voos.

E assim, um dia, ele embarcou de Nova Délhi, onde acabara de concluir um importante negócio, para Londres. E seu lugar era na primeira classe. Seu sonho estava se
realizando. Tudo era exatamente como ele imaginava: coquetéis de excelente quantidade, um jantar que em qualquer lugar seria considerado um banquete. Para cúmulo
da sorte, o lugar a seu lado estava vazio.

Ou pelo menos estava no começo do voo. No meio da noite acordou e, para sua surpresa, viu que o lugar estava ocupado. Achou que se tratava de um intruso; mas, em
seguida, deu-se conta de que algo anormal ocorria: várias pessoas estavam ali, no corredor, chorando e se lamentando. Explicável: a passageira a seu lado estava morta.
A tripulação optara por colocá-la na primeira classe exatamente porque, naquela parte do avião, havia menos gente.

Sua primeira reação foi exigir que removessem o cadáver. Mas não podia fazer uma coisa dessas, seria muita crueldade.Por outro lado, ter um corpo morto a seu lado
horrorizava-o. Não havendo outros lugares vagos na primeira classe, só lhe restava uma alternativa: levantou-se e foi para a classe econômica, para o lugar que a morta,
havia pouco, ocupara. Ou seja, ao invés de um upgrade
, ele tinha recebido, ainda que por acaso, um downgrade.
Ali ficou, sem poder dormir, claro. Porque, depois que se experimenta a primeira classe, nada mais serve. Finalmente, o avião pousou, e ele, arrasado, dirigiu-se para a
saída, onde o esperavam os parentes da falecida para agradecer-lhe. Disse um deles, que se identificou como filho da senhora: “Minha mãe sempre quis viajar de
primeira classe. Só conseguiu morta graças à sua compreensão. Deus lhe recompensará”.

Que tem seu lugar garantido no céu, isso ele sabe. Só espera chegar lá viajando de primeira classe. E sem óbitos durante o voo.

Considere o fragmento transcrito abaixo para responder à questão seguinte.

Ali ficou, sem poder dormir, claro. Porque, depois que se experimenta a primeira classe, nada mais serve.
As palavras ganham sentido no contexto em que estão inseridas. Desse modo, pode-se concluir que o advérbio “Ali” é uma expressão locativa que faz referência:

a) à primeira classe.
b) ao avião.
c) à classe econômica.
d) a Nova Délhi.
e) ao aeroporto.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/450295

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 56/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Questão 130: IBFC - Ag Adm (CM Aqa)/CM Araraquara/2017
Assunto: Coerência. Coesão (Anáfora, Catáfora, Uso dos Conectores - Pronomes relativos, Conjunções etc)
Texto

O vencedor: uma visão alternativa

Nos sete primeiros assaltos, Raul foi duramente castigado. Não era de espantar: estava inteiramente fora de forma. Meses de indolência e até de devassidão tinham
produzido seus efeitos. O combativo boxeador de outrora, o homem que, para muitos, fora estrela do pugilismo mundial, estava reduzido a um verdadeiro trapo. O
público não tinha a menor complacência com ele: sucediam-se as vaias e os palavrões.

De repente, algo aconteceu. Caído na lona, depois de ter recebido um cruzado devastador, Raul ergueu a cabeça e viu, sentada na primeira fila, sua sobrinha Dóris, filha
do falecido Alberto. A menina fitava-o com o olhos cheios de lágrimas. Um olhar que trespassou Raul como uma punhalada. Algo rompeu-se dentro dele. Sentiu renascer
em si a energia que fizera dele a fera do ringue. De um salto, pôs-se de pé e partiu como um touro para cima do adversário. A princípio o público não se deu conta do
que estava acontecendo. Mas quando os fãs perceberam que uma verdadeira ressurreição se tinha operado, passaram a incentivá-lo. Depois de uma saraivada de golpes
certeiros e violentíssimos, o adversário foi ao chão. O juiz procedeu à contagem regulamentar e proclamou Raul o vencedor.

Todos aplaudiram. Todos deliraram de alegria. Menos este que conta a história. Este que conta a história era o adversário. Este que conta a história era o que estava
caído. Este que conta a história era o derrotado. Ai, Deus.

(SCLIAR, Moacyr. Contos reunidos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p.58-59)
No último parágrafo do texto, ocorre a reiteração do pronome “este” que, além de um papel coesivo, cumpre função expressiva pois:

a) cumpre papel catafórico indicando informações que ainda serão apresentadas.


b) indica tratar-se de uma referência temporal apontando para um tempo futuro.
c) sinaliza a limitação da escolha lexical do autor que deveria ter variado os termos.
d) reforça a localização espacial do narrador sinalizando seu lugar de fala.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/537709

Questão 131: IBFC - TJ (TJ PE)/TJ PE/Apoio Especializado/Programador de Computador/2017


Assunto: Coerência. Coesão (Anáfora, Catáfora, Uso dos Conectores - Pronomes relativos, Conjunções etc)
Texto

Camelos e beija-flores...

(Rubem Alves)
A revisora informou delicadamente que era norma do jornal que todas as “estórias” deveriam ser grafadas como “histórias”. É assim que os gramáticos decidiram e
escreveram nos dicionários.

Respondi também delicadamente: “Comigo não. Quando escrevo ‘estória’ eu quero dizer ‘estória’. Quando escrevo ‘história’ eu quero dizer ‘história’. Estória e história são
tão diferentes quanto camelos e beija-flores...”

Escrevi um livro baseado na diferença entre “história” e “estória”. O revisor, obediente ao dicionário, corrigiu minhas “estórias” para “história”. Confiando no rigor do
revisor, não li o texto corrigido. Aí, um livro que era para falar de camelos e beija-flores, só falou de camelos. Foram-se os beija-flores engolidos pelos camelos...

Escoro-me no Guimarães Rosa. Ele começa o Tutameia com esta afirmação: “A estória não quer ser história. A estória, em rigor, deve ser contra a história.”

Qual é a diferença? É simples. Quando minha filha era pequena eu lhe inventava estórias. Ela, ao final, me perguntava: “Papai, isso aconteceu de verdade?” E eu ficava
sem lhe poder responder porque a resposta seria de difícil compreensão para ela. A resposta que lhe daria seria: “Essa estória não aconteceu nunca para que aconteça
sempre...”

A história é o reino das coisas que aconteceram de verdade, no tempo, e que estão definitivamente enterradas no passado. Mortas para sempre. [...]

Mas as estórias não aconteceram nunca. São invenções, mentiras. O mito de Narciso é uma invenção. O jovem que se apaixonou por sua própria imagem nunca existiu.
Aí, ao ler o mito que nunca existiu eu me vejo hoje debruçado sobre a fonte que me reflete nos olhos dos outros. Toda estória é um espelho. [...]

A história nos leva para o tempo do “nunca mais”, tempo da morte. As estórias nos levam para o tempo da ressurreição. Se elas sempre começam com o “era uma vez,
há muito tempo” é só para nos arrancar da banalidade do presente e nos levar para o tempo mágico da alma.

Assim, por favor, revisora: quando eu escrever “estória” não corrija para “história”. Não quero confundir camelos e beija-flores...

O emprego do pronome demonstrativo em ‘Ele começa o Tutameia com esta afirmação:” (4º§) está correto uma vez que:

a) é catafórico e antecipa a informação que será apresentada.


b) faz referência temporal e reporta a um tempo específico.
c) é anafórico e resgata um referente anteriormente citado.
d) cumpre função espacial indicando a proximidade do emissor.
e) indica uma referência textual genérica sem necessidade de especificação.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/541278

Questão 132: IBFC - Cui Esc (Petrópolis)/Pref Petrópolis/2015


Assunto: Variações da linguagem (histórica, regional, social, contextual). Neologismos. Estrangeirismos.
Fuga

(Fernando Sabino)

Mal o pai colocou o papel na máquina, o menino começou a empurrar uma cadeira pela sala, fazendo um barulho infernal.

- Para com esse barulho, meu filho – falou, sem se voltar.

Com três anos já sabia reagir como homem ao impacto das grandes injustiças paternas: não estava fazendo barulho, estava só empurrando uma cadeira.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 57/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
- Pois então para de empurrar a cadeira.

- Eu vou embora – foi a resposta.

Distraído, o pai não reparou que ele juntava ação às palavras, no ato de juntar do chão as suas coisinhas, enrolandoas num pedaço de pano. Era a sua bagagem: um
caminhão de plástico com apenas três rodas, um resto de biscoito, uma chave (onde diabo meteram a chave da despensa? - a mãe mais tarde irá dizer), metade de uma
tesourinha enferrujada, sua única arma para a grande aventura, um botão amarrado num barbante.

A calma que baixou então na sala era vagamente inquietante. De repente, o pai olhou ao redor e não viu o menino. Deu com a porta da rua aberta, correu até o portão:

- Viu um menino saindo desta casa? – gritou para o operário que descansava diante da obra do outro lado da rua, sentado no meio-fio.

- Saiu agora mesmo com a trouxinha – informou ele.

Correu até a esquina e teve tempo de vê-lo ao longe, caminhando cabisbaixo ao longo do muro. A trouxa, arrastada no chão, ia deixando pelo caminho alguns de seus
pertences: o botão, o pedaço de biscoito e – saíra de casa prevenido – uma moeda de 1 cruzeiro. Chamou-o, mas ele apertou o passinho, abriu a correr em direção à
Avenida, como disposto a atirar-se diante do ônibus que surgia a distância.

- Meu filho, cuidado!

O ônibus deu uma freada brusca, uma guinada para a esquerda, os pneus cantaram no asfalto. O menino, assustado, arrepiou carreira. O pai precipitou-se e o
arrebanhou com o braço como a um animalzinho:

- Que susto você me passou, meu filho – e apertava-o contra o peito, comovido.

- Deixa eu descer, papai. Você está me machucando.

Irresoluto, o pai pensava agora se não seria o caso de lhe dar umas palmadas:

- Machucando, é? Fazer uma coisa dessas com seu pai.

- Me larga. Eu quero ir embora.

Trouxe-o para casa e o largou novamente na sala – tendo antes o cuidado de fechar a porta da rua e retirar a chave, como ele fizera com a da despensa.

- Fique aí quietinho, está ouvindo? Papai está trabalhando.

- Fico, mas vou empurrar esta cadeira.

E o barulho recomeçou.

Considere o fragmento abaixo para responder à questão.

O menino, assustado, arrepiou carreira.” (12º§)


A expressão destacada corresponde a um exemplo de variante da língua. Contudo, seu sentido pode ser inferido pelo contexto. Assinale a opção que, adequadamente,
indica-o.

a) gritou em tom malcriado


b) chorou sem parar
c) ficou com medo
d) correu bem rápido
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/375901

Questão 133: IBFC - Tec RC (JUCEB)/JUCEB/2015


Assunto: Linguagem formal e informal
O direito à privacidade como elo da cidadania

Quando o STF vier a julgar a ação de inconstitucionalidade movida pela Associação Nacional dos Editores de Livros contra o artigo do Código Civil que prevê a autorização
para biografias comercializadas, os juizes estarão, mais uma vez, diante do dilema da Justiça, dos dois pratos da balança e qual deles fazer pesar mais com sua força. A
liberdade de expressão de um lado e o direito à privacidade do outro, e cada juiz, ainda uma vez, diante do ato de decidir pela garantia de ambos estabelecida na Carta
Magna.

Ora, se preferirem dar ganho de causa à Adin dos editores, fortemente apoiada pelos meios de comunicação (TVs em especial), estarão contrariando os que, do outro
lado, clamam pela garantia do seu direito à privacidade. Se a estes contemplarem com seu voto, estarão contrariando os primeiros, os grandes interessados em que vidas
pessoais sejam livremente retratadas, transformadas em ativos comerciais de grande valor para a montagem do espetáculo midiático que está, hoje em dia, para muito
além do interesse público na circulação da informação, o jornalismo.

Independentemente do que venha a decidir o STF em relação à questão, nós da associação Procure Saber, no âmbito do nosso pequeno foro e em que pesem as tantas
dúvidas e posições entre nós, resolvemos exercer o nosso direito democrático de associação, de opinião e de manifestação, levando a público o nosso propósito de
defender o direito à privacidade como elo importante da cadeia da cidadania soberana, chamando a atenção de toda a sociedade para a necessidade de amplo e
profundo debate em torno desse tema, da delicada situação em que se encontra esse prato da balança do direito civil em nosso tempo, a privacidade, o que ela significa,
o que ainda é possível fazer para que ela tenha sentido, para que os que ainda nela creem e confiam possam encontrar nas regras, nas normas e nas leis alguma
garantia. O debate afinal toma corpo, podendo contribuir para posicionamentos mais conscientes, mais maduros e mais equilibrados sobre que tipo de vida queremos e
podemos viver, se os indivíduos nos confins de suas vidas privadas ainda devem ser levados em conta, ainda reconhecidos e respeitados em seus direitos ou se já não
importam mais.

Temos tido sempre justificado apreço pelos que, ao longo da História, se mostram capazes de compreender os dilemas e contradições da vida em sociedade e que,
apesar da dor e do sofrimento dessa condição trágica, estão dispostos a reconhecer de que lado estão. Como disse Francisco Bosco referindo-se ao dilema entre o
interesse público e o privado, em seu escrito neste jornal, semana passada, é o princípio da soberania decisória sobre a vida privada que deve prevalecer. É a mesma,
nossa opinião.

(Gilberto Gil, O Globo, 15/10/2013)

Quanto à observação das diversas modalidades de uso da língua, percebe-se que o texto de Gil apresenta:

a) predomínio de registro informal em uma tentativa de aproximar o leitor do posicionamento defendido.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 58/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
b) uma linguagem simbólica, comumente explorada em suas canções, com o objetivo de revelar a subjetividade de seu discurso.
c) a opção por um vocabulário predominantemente técnico em acordo com a temática jurídica explorada.
d) um registro coloquial, que lança mão de gírias e traços típicos de sua região de origem.
e) predominantemente, a variante formal da língua em adequação ao tipo de texto que produz e ao veículo em que é publicado.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/317283

Questão 134: IBFC - Ag Ad (CM Vassouras)/CM Vassouras/2015


Assunto: Linguagem formal e informal
Dentro de um abraço

Onde é que você gostaria de estar agora, neste exato momento?

Fico pensando nos lugares paradisíacos onde já estive, e que não me custaria nada reprisar: num determinado restaurante de uma ilha grega, em diversas praias do
Brasil e do mundo, na casa de bons amigos, em algum vilarejo europeu, numa estrada bela e vazia, no meio de um show espetacular, numa sala de cinema assistindo à
estreia de um filme muito esperado e, principalmente, no meu quarto e na minha cama, que nenhum hotel cinco estrelas consegue superar – a intimidade da gente é
irreproduzível.

Posso também listar os lugares onde não gostaria de estar: num leito de hospital, numa fila de banco, numa reunião de condomínio, presa num elevador, em meio a um
trânsito congestionado, numa cadeira de dentista.

E então? Somando os prós e os contras, as boas e más opções, onde, afinal, é o melhor lugar do mundo?

Meu palpite: dentro de um abraço.

Que lugar melhor para uma criança, para um idoso, para uma mulher apaixonada, para um adolescente com medo, para um doente, para alguém solitário? Dentro de um
abraço é sempre quente, é sempre seguro. Dentro de um abraço não se ouve o tic-tac dos relógios e, se faltar luz, tanto melhor. Tudo o que você pensa e sofre dentro
de um abraço se dissolve.

Que lugar melhor para um recém-nascido, para um recém-chegado, para um recém-demitido, para um recém-contratado? Dentro de um abraço nenhuma situação é
incerta, o futuro não amedronta, estacionamos confortavelmente em meio ao paraíso.

O rosto contra o peito de quem te abraça, as batidas do coração dele e as suas, o silêncio que sempre se faz durante esse envolvimento físico: nada há para se
reivindicar ou agradecer, dentro de um abraço voz nenhuma se faz necessária, está tudo dito.
[...]
(Martha Medeiros)
O texto apresenta uma percepção subjetiva sobre o tema e explora um nível de linguagem que:

a) prioriza elementos do registro informal.


b) caracteriza-se por expressões regionais.
c) faz uso de termos técnicos e jargões.
d) dá destaque à modalidade culta da língua.
e) retrata o universo infantil.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/345927

Questão 135: IBFC - Asst (CM Aqa)/CM Araraquara/Comunicação/2016


Assunto: Linguagem formal e informal
COMUNIDADES - DAS PRIMEIRAS ÀS NOVAS LEITURAS DO CONCEITO

(...)

Por meio dos autores reunidos por Fernandes, percebese que a ideia de comunidade remete ao sentimento de vida em comum fundado nas relações de parentesco e
vizinhança, baseado na reciprocidade, norteado por laços afetivos que ligam indivíduos que convivem em um mesmo espaço físico e nele adquirem os recursos básicos
para a sua subsistência. Cada um dos autores apresentados por Fernandes atribui valor a um ou outro dos atributos. Mas, se pudéssemos identificar um tipo ideal de
comunidade, no sentido weberiano do termo, a partir dos diversos autores reunidos por Fernandes, esta teria: base territorial comum, fortes laços afetivos, reciprocidade,
autonomia política e econômica e subordinação do individual ao social.

Já uma sociedade seria definida por relações voluntárias e contratuais. Na medida em que compartilham determinado interesse, indivíduos podem se associar para
alcançar objetivos relacionados ao mesmo, embora não necessariamente tenham outros aspectos de suas vidas compartilhados, tais como relações de parentesco,
interdependências econômicas ou convivam numa mesma base territorial. Portanto, o conceito de sociedade é mais amplo e inclui o de comunidade.

Essa diferenciação conceituai vem à tona a partir do aprofundamento do processo da divisão social do trabalho. A fragmentação das atividades laborais, a prevalência do
contrato sobre o status, a multiplicação dos grupos formais, a passagem da família para o Estado como forma de organização social predominante e a ampliação e
internacionalização das trocas comerciais são algumas condições sociais que promovem modos de vida societários e fundamentam a separação conceituai entre
comunidade e sociedade; e, mesmo, sugerem a passagem da primeira forma à segunda como modo predominante de agrupamento social, embora a bibliografia seja
quase unânime em afirmar a coexistência entre as duas formas sociais ao longo da História. (...)

http://www.revistas.usp.br/comueduc/article/view/78561/83089 - acesso em 02/05/2016.


Após a leitura do texto acima, assinale a alternativa que indica a variante linguística presente.

a) Regional
b) Vulgar
c) Culta
d) Literária
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/376147

Questão 136: IBFC - Tec (COMLURB)/COMLURB-RJ/Segurança do Trabalho/2016


Assunto: Linguagem formal e informal
Que é Segurança do Trabalho?

Segurança do trabalho pode ser entendida como os conjuntos de medidas que são adotadas visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 59/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
como proteger a integridade e a capacidade de trabalho do trabalhador.

A Segurança do Trabalho estuda diversas disciplinas como Introdução à Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho, Prevenção e Controle de Riscos em Máquinas,
Equipamentos e Instalações, Psicologia na Engenharia de Segurança, Comunicação e Treinamento, Administração aplicada à Engenharia de Segurança, O Ambiente e as
Doenças do Trabalho, Higiene do Trabalho, Metodologia de Pesquisa, Legislação, Normas Técnicas, Responsabilidade Civil e Criminal, Perícias, Proteção do Meio
Ambiente, Ergonomia e Iluminação, Proteção contra Incêndios e Explosões e Gerência de Riscos.

O quadro de Segurança do Trabalho de uma empresa compõe-se de uma equipe multidisciplinar composta por Técnico de Segurança do Trabalho, Engenheiro de
Segurança do Trabalho, Médico do Trabalho e Enfermeiro do Trabalho. Estes profissionais formam o que chamamos de SESMT - Serviço Especializado em Engenharia de
Segurança e Medicina do Trabalho. Também os empregados da empresa constituem a CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, que tem como objetivo a
prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tomar compatível permanentemente o trabalho com a preservação da vida e a promoção da saúde
do trabalhador.

A Segurança do Trabalho é definida por normas e leis. No Brasil, a Legislação de Segurança do Trabalho compõe- se de Normas Regulamentadoras, leis complementares,
como portarias e decretos e também as convenções Internacionais da Organização Internacional do Trabalho, ratificadas pelo Brasil.

http://www.areasea.com/sea/ - acesso em 24/04/2016


Hoje em dia, muito se fala sobre as variantes linguísticas e a valorização de todos os falares, levando em consideração a situação da fala.

Com base nesta teoria, assinale a alternativa que completa corretamente a lacuna:

O texto acima apresentado foi escrito em uma linguagem___________, levando ao leitor informações sobre Segurança do trabalho.

a) Formal
b) Regional
c) Científica
d) Literária
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/393500

Questão 137: IBFC - Moto (CM Franca)/CM Franca/2016


Assunto: Linguagem formal e informal
Dois velhinhos

Dalton Trevisan

Dois pobres inválidos, bem velhinhos, esquecidos numa cela de asilo.

Ao lado da janela, retorcendo os aleijões e esticando a cabeça, apenas um podia olhar lá fora.

Junto à porta, no fundo da cama, o outro espiava a parede úmida, o crucifixo negro, as moscas no fio de luz. Com inveja, perguntava o que acontecia. Deslumbrando,
anunciava o primeiro:

- Um cachorro ergue a perninha no poste.

Mais tarde:

_ Uma menina de vestido branco pulando corda.

Ou ainda:

- Agora é um enterro de luxo.

Sem nada ver, o amigo remordia- se no seu canto. O mais velho acabou morrendo, para alegria do segundo, instalado afinal debaixo da janela.

Não dormiu, antegozando a manhã. Bem desconfiava que o outro não revelava tudo.

Cochilou um instante - era dia. Sentou-se na cama, com dores espichou o pescoço: entre os muros em ruína, ali no beco, um monte de lixo.

TREVISAN, D. Mistérios de Curitiba. Rio de Janeiro: Editora Record, 1979, pag 110.
Ao ler o texto acima, pudemos notar que a variante linguística respresentada é:

a) Regional
b) Vulgar
c) Coloquial
d) Rebuscada
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/395812

Questão 138: IBFC - Tec (HMDCC)/HMDCC/Administração/2015


Assunto: Figuras de Linguagem
Texto I

Nem anjo nem demônio

Desde que a TV surgiu, nos anos 40, fala-se do seu poder de causar dependência. Os educadores dos anos 60 bradaram palavras acusando-a de “chupeta eletrônica”. Os
militantes políticos creditavam a ela a alienação dos povos. Era um demônio que precisava ser destruído. Continuou a existir, e quem cresceu vendo desenhos animados,
enlatados americanos e novelas globais não foi mais imbecilizado – ao menos não por esse motivo. Ponto para a televisão, que provou também ser informativa, educativa
e (por que não?) um ótimo entretenimento. Com exceção da qualidade da programação dos canais abertos, tudo melhorou. Mas começaram as preocupações em relação
aos telespectadores que não conseguem dormir sem o barulho eletrônico ao fundo. Ou aos que deixam de ler, sair com amigos e até de namorar para dedicar todo o
tempo livre a ela, ainda que seja pulando de um programa para o outro. “Nada nem ninguém me faz sair da frente da TV quando volto do trabalho”, afirma a
administradora de empresa Vânia Sganzerla.

Muitos telespectadores assumem esse comportamento. Tanto que um grupo de estudiosos da Universidade de Rutgers, nos Estados Unidos, por meio de experimentos e

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 60/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
pesquisas, concluiu que a velha história do vício na TV não é só uma metáfora. “Todo comportamento compulsivo ao qual a pessoa se apega para buscar alívio, se fugir
do controle, pode ser caracterizado como dependência”, explica Robert Kubey, diretor do Centro de Estudos da Mídia da Universidade de Rutgers.

Os efeitos da televisão sobre o sono variam muito. “Quando tenho um dia estressante, agitado, não durmo sem ela”, comenta Maurício Valim, diretor de programas
especiais da TV Cultura e criador do site Tudo sobre TV. Outros, como Martin Jaccard, sonorizador de ambientes, reconhecem que demoram a pegar no sono após uma
overdose televisiva. “Sinto uma certa irritação, até raiva, por não ter lido um bom livro, namorado ou ouvido uma música, mas ainda assim não me arrependo de ver
tanta TV, não. Gosto demais.” É uma das mais prosaicas facetas desse tipo de dependência, segundo a pesquisa do Centro de estudos da Mídia. As pessoas admitem que
deveriam maneirar, mas não se incomodam a ponto de querer mudar o hábito. Sinal de que tanto mal assim também não faz.

(SCAVONE, Míriam. Revista Claudia. São Paulo: Abril, abr. 2002. P.16-7)
No trecho “Continuou a existir, e quem cresceu vendo desenhos animados, enlatados americanos e novelas globais não foi mais imbecilizado – ao menos não por esse
motivo.” (1º§), percebe-se que a autora assume uma postura que pode ser MELHOR entendida como:

a) humorística
b) irônica
c) idealizada
d) exagerada
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/316032

Questão 139: IBFC - Tec (HMDCC)/HMDCC/Administração/2015


Assunto: Figuras de Linguagem
Texto I

Nem anjo nem demônio

Desde que a TV surgiu, nos anos 40, fala-se do seu poder de causar dependência. Os educadores dos anos 60 bradaram palavras acusando-a de “chupeta eletrônica”. Os
militantes políticos creditavam a ela a alienação dos povos. Era um demônio que precisava ser destruído. Continuou a existir, e quem cresceu vendo desenhos animados,
enlatados americanos e novelas globais não foi mais imbecilizado – ao menos não por esse motivo. Ponto para a televisão, que provou também ser informativa, educativa
e (por que não?) um ótimo entretenimento. Com exceção da qualidade da programação dos canais abertos, tudo melhorou. Mas começaram as preocupações em relação
aos telespectadores que não conseguem dormir sem o barulho eletrônico ao fundo. Ou aos que deixam de ler, sair com amigos e até de namorar para dedicar todo o
tempo livre a ela, ainda que seja pulando de um programa para o outro. “Nada nem ninguém me faz sair da frente da TV quando volto do trabalho”, afirma a
administradora de empresa Vânia Sganzerla.

Muitos telespectadores assumem esse comportamento. Tanto que um grupo de estudiosos da Universidade de Rutgers, nos Estados Unidos, por meio de experimentos e
pesquisas, concluiu que a velha história do vício na TV não é só uma metáfora. “Todo comportamento compulsivo ao qual a pessoa se apega para buscar alívio, se fugir
do controle, pode ser caracterizado como dependência”, explica Robert Kubey, diretor do Centro de Estudos da Mídia da Universidade de Rutgers.

Os efeitos da televisão sobre o sono variam muito. “Quando tenho um dia estressante, agitado, não durmo sem ela”, comenta Maurício Valim, diretor de programas
especiais da TV Cultura e criador do site Tudo sobre TV. Outros, como Martin Jaccard, sonorizador de ambientes, reconhecem que demoram a pegar no sono após uma
overdose televisiva. “Sinto uma certa irritação, até raiva, por não ter lido um bom livro, namorado ou ouvido uma música, mas ainda assim não me arrependo de ver
tanta TV, não. Gosto demais.” É uma das mais prosaicas facetas desse tipo de dependência, segundo a pesquisa do Centro de estudos da Mídia. As pessoas admitem que
deveriam maneirar, mas não se incomodam a ponto de querer mudar o hábito. Sinal de que tanto mal assim também não faz.

(SCAVONE, Míriam. Revista Claudia. São Paulo: Abril, abr. 2002. P.16-7)
Considerando o contexto, com o trecho “por meio de experimentos e pesquisas, concluiu que a velha história do vício na TV não é só uma metáfora.” (2º §), pode-se
entender que:

a) viciar-se em TV pode ocorrer literalmente.


b) sendo metáfora, tal vício é apenas um exagero.
c) tal vício trata-se de um comportamento típico da ficção.
d) o vício em TV pode simbolizar qualquer tipo de dependência.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/316035

Questão 140: IBFC - Cui Esc (Petrópolis)/Pref Petrópolis/2015


Assunto: Figuras de Linguagem
Fuga

(Fernando Sabino)

Mal o pai colocou o papel na máquina, o menino começou a empurrar uma cadeira pela sala, fazendo um barulho infernal.

- Para com esse barulho, meu filho – falou, sem se voltar.

Com três anos já sabia reagir como homem ao impacto das grandes injustiças paternas: não estava fazendo barulho, estava só empurrando uma cadeira.

- Pois então para de empurrar a cadeira.

- Eu vou embora – foi a resposta.

Distraído, o pai não reparou que ele juntava ação às palavras, no ato de juntar do chão as suas coisinhas, enrolandoas num pedaço de pano. Era a sua bagagem: um
caminhão de plástico com apenas três rodas, um resto de biscoito, uma chave (onde diabo meteram a chave da despensa? - a mãe mais tarde irá dizer), metade de uma
tesourinha enferrujada, sua única arma para a grande aventura, um botão amarrado num barbante.

A calma que baixou então na sala era vagamente inquietante. De repente, o pai olhou ao redor e não viu o menino. Deu com a porta da rua aberta, correu até o portão:

- Viu um menino saindo desta casa? – gritou para o operário que descansava diante da obra do outro lado da rua, sentado no meio-fio.

- Saiu agora mesmo com a trouxinha – informou ele.

Correu até a esquina e teve tempo de vê-lo ao longe, caminhando cabisbaixo ao longo do muro. A trouxa, arrastada no chão, ia deixando pelo caminho alguns de seus
pertences: o botão, o pedaço de biscoito e – saíra de casa prevenido – uma moeda de 1 cruzeiro. Chamou-o, mas ele apertou o passinho, abriu a correr em direção à
Avenida, como disposto a atirar-se diante do ônibus que surgia a distância.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 61/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
- Meu filho, cuidado!

O ônibus deu uma freada brusca, uma guinada para a esquerda, os pneus cantaram no asfalto. O menino, assustado, arrepiou carreira. O pai precipitou-se e o
arrebanhou com o braço como a um animalzinho:

- Que susto você me passou, meu filho – e apertava-o contra o peito, comovido.

- Deixa eu descer, papai. Você está me machucando.

Irresoluto, o pai pensava agora se não seria o caso de lhe dar umas palmadas:

- Machucando, é? Fazer uma coisa dessas com seu pai.

- Me larga. Eu quero ir embora.

Trouxe-o para casa e o largou novamente na sala – tendo antes o cuidado de fechar a porta da rua e retirar a chave, como ele fizera com a da despensa.

- Fique aí quietinho, está ouvindo? Papai está trabalhando.

- Fico, mas vou empurrar esta cadeira.

E o barulho recomeçou.

Em “O pai precipitou-se e o arrebanhou com o braço como a um animalzinho:” (12º§), percebe-se o emprego de uma figura de linguagem conhecida como:

a) metáfora
b) hipérbole
c) eufemismo
d) comparação
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/375925

Questão 141: IBFC - Tec (COMLURB)/COMLURB-RJ/Segurança do Trabalho/2016


Assunto: Figuras de Linguagem
Leia o poema abaixo e assinale a alternativa que indica a figura de linguagem presente no texto:

Amor é fogo que arde sem se ver


Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;

(Camões)

a) Onomatopéia
b) Metáfora
c) Personificação
d) Pleonasmo
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/393507

Questão 142: IBFC - Tec Reg (AGERBA)/AGERBA/2017


Assunto: Figuras de Linguagem
Texto

Primeira classe
(Moacyr Scliar)

Durante anos, o homem teve um sonho: queria viajar de avião na primeira classe. Na classe econômica, ele, executivo de uma empresa multinacional, era um passageiro
habitual; e, quando via a aeromoça fechar a cortina da primeira classe, quando ficava imaginando os pratos e as bebidas que lá serviam, mordia-se de inveja. Talvez por
causa disso trabalhava incansavelmente; subiu na vida, chegou a um cargo de chefia que, entre outras coisas, dava-lhe o direito à primeira classe nos voos.

E assim, um dia, ele embarcou de Nova Délhi, onde acabara de concluir um importante negócio, para Londres. E seu lugar era na primeira classe. Seu sonho estava se
realizando. Tudo era exatamente como ele imaginava: coquetéis de excelente quantidade, um jantar que em qualquer lugar seria considerado um banquete. Para cúmulo
da sorte, o lugar a seu lado estava vazio.

Ou pelo menos estava no começo do voo. No meio da noite acordou e, para sua surpresa, viu que o lugar estava ocupado. Achou que se tratava de um intruso; mas, em
seguida, deu-se conta de que algo anormal ocorria: várias pessoas estavam ali, no corredor, chorando e se lamentando. Explicável: a passageira a seu lado estava morta.
A tripulação optara por colocá-la na primeira classe exatamente porque, naquela parte do avião, havia menos gente.

Sua primeira reação foi exigir que removessem o cadáver. Mas não podia fazer uma coisa dessas, seria muita crueldade.Por outro lado, ter um corpo morto a seu lado
horrorizava-o. Não havendo outros lugares vagos na primeira classe, só lhe restava uma alternativa: levantou-se e foi para a classe econômica, para o lugar que a morta,
havia pouco, ocupara. Ou seja, ao invés de um upgrade, ele tinha recebido, ainda que por acaso, um downgrade.
Ali ficou, sem poder dormir, claro. Porque, depois que se experimenta a primeira classe, nada mais serve. Finalmente, o avião pousou, e ele, arrasado, dirigiu-se para a
saída, onde o esperavam os parentes da falecida para agradecer-lhe. Disse um deles, que se identificou como filho da senhora: “Minha mãe sempre quis viajar de
primeira classe. Só conseguiu morta graças à sua compreensão. Deus lhe recompensará”.

Que tem seu lugar garantido no céu, isso ele sabe. Só espera chegar lá viajando de primeira classe. E sem óbitos durante o voo.

No último parágrafo, o trecho “Que tem seu lugar garantido no céu” ilustra uma figura de linguagem conhecida como:

a) hipérbole.
b) personificação.
c) metonímia.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 62/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
d) eufemismo.
e) comparação.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/450297

Questão 143: IBFC - Ag Adm (CM Aqa)/CM Araraquara/2017


Assunto: Figuras de Linguagem
Texto

O vencedor: uma visão alternativa

Nos sete primeiros assaltos, Raul foi duramente castigado. Não era de espantar: estava inteiramente fora de forma. Meses de indolência e até de devassidão tinham
produzido seus efeitos. O combativo boxeador de outrora, o homem que, para muitos, fora estrela do pugilismo mundial, estava reduzido a um verdadeiro trapo. O
público não tinha a menor complacência com ele: sucediam-se as vaias e os palavrões.

De repente, algo aconteceu. Caído na lona, depois de ter recebido um cruzado devastador, Raul ergueu a cabeça e viu, sentada na primeira fila, sua sobrinha Dóris, filha
do falecido Alberto. A menina fitava-o com o olhos cheios de lágrimas. Um olhar que trespassou Raul como uma punhalada. Algo rompeu-se dentro dele. Sentiu renascer
em si a energia que fizera dele a fera do ringue. De um salto, pôs-se de pé e partiu como um touro para cima do adversário. A princípio o público não se deu conta do
que estava acontecendo. Mas quando os fãs perceberam que uma verdadeira ressurreição se tinha operado, passaram a incentivá-lo. Depois de uma saraivada de golpes
certeiros e violentíssimos, o adversário foi ao chão. O juiz procedeu à contagem regulamentar e proclamou Raul o vencedor.

Todos aplaudiram. Todos deliraram de alegria. Menos este que conta a história. Este que conta a história era o adversário. Este que conta a história era o que estava
caído. Este que conta a história era o derrotado. Ai, Deus.

(SCLIAR, Moacyr. Contos reunidos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p.58-59)
Observe os seguintes fragmentos:

“o homem que, para muitos, fora estrela do pugilismo mundial,”(1º§)

“Um olhar que trespassou Raul como uma punhalada.” (2º§)

Sobre a linguagem figurada empregada, considere as seguintes afirmativas:

I. No primeiro, percebe-se um exemplo de metáfora.

II. Nos dois casos, nota-se uma espécie de comparação simbólica.

III. Ocorre entre “olhar” e “punhalada” uma relação metonímica.

Assim, é correto o que se diz:

a) Em todas as afirmativas.
b) Apenas em I e III.
c) Apenas em I e II.
d) Apenas em I.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/537734

Questão 144: IBFC - TJ (TJ PE)/TJ PE/Apoio Especializado/Programador de Computador/2017


Assunto: Figuras de Linguagem
Texto

Camelos e beija-flores...

(Rubem Alves)
A revisora informou delicadamente que era norma do jornal que todas as “estórias” deveriam ser grafadas como “histórias”. É assim que os gramáticos decidiram e
escreveram nos dicionários.

Respondi também delicadamente: “Comigo não. Quando escrevo ‘estória’ eu quero dizer ‘estória’. Quando escrevo ‘história’ eu quero dizer ‘história’. Estória e história são
tão diferentes quanto camelos e beija-flores...”

Escrevi um livro baseado na diferença entre “história” e “estória”. O revisor, obediente ao dicionário, corrigiu minhas “estórias” para “história”. Confiando no rigor do
revisor, não li o texto corrigido. Aí, um livro que era para falar de camelos e beija-flores, só falou de camelos. Foram-se os beija-flores engolidos pelos camelos...

Escoro-me no Guimarães Rosa. Ele começa o Tutameia com esta afirmação: “A estória não quer ser história. A estória, em rigor, deve ser contra a história.”

Qual é a diferença? É simples. Quando minha filha era pequena eu lhe inventava estórias. Ela, ao final, me perguntava: “Papai, isso aconteceu de verdade?” E eu ficava
sem lhe poder responder porque a resposta seria de difícil compreensão para ela. A resposta que lhe daria seria: “Essa estória não aconteceu nunca para que aconteça
sempre...”

A história é o reino das coisas que aconteceram de verdade, no tempo, e que estão definitivamente enterradas no passado. Mortas para sempre. [...]

Mas as estórias não aconteceram nunca. São invenções, mentiras. O mito de Narciso é uma invenção. O jovem que se apaixonou por sua própria imagem nunca existiu.
Aí, ao ler o mito que nunca existiu eu me vejo hoje debruçado sobre a fonte que me reflete nos olhos dos outros. Toda estória é um espelho. [...]

A história nos leva para o tempo do “nunca mais”, tempo da morte. As estórias nos levam para o tempo da ressurreição. Se elas sempre começam com o “era uma vez,
há muito tempo” é só para nos arrancar da banalidade do presente e nos levar para o tempo mágico da alma.

Assim, por favor, revisora: quando eu escrever “estória” não corrija para “história”. Não quero confundir camelos e beija-flores...

Considere o fragmento abaixo para responder à questão.

“A resposta que lhe daria seria: “Essa estória não aconteceu nunca para que aconteça sempre...”(5º§)
No último período, ocorre um jogo de palavras entre os advérbios explicitando a seguinte figura de linguagem:
https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 63/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
a) ironia.
b) eufemismo.
c) paradoxo.
d) personificação.
e) antítese.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/541295

Questão 145: IBFC - TJ (TJ PE)/TJ PE/Apoio Especializado/Programador de Computador/2017


Assunto: Vícios de Linguagem (pleonasmo, ambiguidade, cacofonia etc)
Texto

O humor do texto orienta-se pela relação entre os elementos verbais e não-verbais.

Quanto aos primeiros, destaca-se a ambiguidade, ou seja, a possibilidade de mais de uma interpretação do seguinte termo:

a) “claro”.
b) “chefe”.
c) “fiz”.
d) “retirada”.
e) “sustentável”.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/541307

Questão 146: IBFC - Tec (HMDCC)/HMDCC/Administração/2015


Assunto: Funções da linguagem (emotiva, apelativa, poética, denotativa etc)
Texto I

Nem anjo nem demônio

Desde que a TV surgiu, nos anos 40, fala-se do seu poder de causar dependência. Os educadores dos anos 60 bradaram palavras acusando-a de “chupeta eletrônica”. Os
militantes políticos creditavam a ela a alienação dos povos. Era um demônio que precisava ser destruído. Continuou a existir, e quem cresceu vendo desenhos animados,
enlatados americanos e novelas globais não foi mais imbecilizado – ao menos não por esse motivo. Ponto para a televisão, que provou também ser informativa, educativa
e (por que não?) um ótimo entretenimento. Com exceção da qualidade da programação dos canais abertos, tudo melhorou. Mas começaram as preocupações em relação
aos telespectadores que não conseguem dormir sem o barulho eletrônico ao fundo. Ou aos que deixam de ler, sair com amigos e até de namorar para dedicar todo o
tempo livre a ela, ainda que seja pulando de um programa para o outro. “Nada nem ninguém me faz sair da frente da TV quando volto do trabalho”, afirma a
administradora de empresa Vânia Sganzerla.

Muitos telespectadores assumem esse comportamento. Tanto que um grupo de estudiosos da Universidade de Rutgers, nos Estados Unidos, por meio de experimentos e
pesquisas, concluiu que a velha história do vício na TV não é só uma metáfora. “Todo comportamento compulsivo ao qual a pessoa se apega para buscar alívio, se fugir
do controle, pode ser caracterizado como dependência”, explica Robert Kubey, diretor do Centro de Estudos da Mídia da Universidade de Rutgers.

Os efeitos da televisão sobre o sono variam muito. “Quando tenho um dia estressante, agitado, não durmo sem ela”, comenta Maurício Valim, diretor de programas
especiais da TV Cultura e criador do site Tudo sobre TV. Outros, como Martin Jaccard, sonorizador de ambientes, reconhecem que demoram a pegar no sono após uma
overdose televisiva. “Sinto uma certa irritação, até raiva, por não ter lido um bom livro, namorado ou ouvido uma música, mas ainda assim não me arrependo de ver
tanta TV, não. Gosto demais.” É uma das mais prosaicas facetas desse tipo de dependência, segundo a pesquisa do Centro de estudos da Mídia. As pessoas admitem que
deveriam maneirar, mas não se incomodam a ponto de querer mudar o hábito. Sinal de que tanto mal assim também não faz.

(SCAVONE, Míriam. Revista Claudia. São Paulo: Abril, abr. 2002. P.16-7)
Considerando o modo pelo qual o assunto é apresentado no texto, é possível perceber o predomínio da seguinte função da linguagem:

a) metalinguística
b) conativa
c) emotiva
d) referencial
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/316034

Questão 147: IBFC - Tec (HMDCC)/HMDCC/Administração/2015


Assunto: Partícula "se"
Texto I

Nem anjo nem demônio

Desde que a TV surgiu, nos anos 40, fala-se do seu poder de causar dependência. Os educadores dos anos 60 bradaram palavras acusando-a de “chupeta eletrônica”. Os
militantes políticos creditavam a ela a alienação dos povos. Era um demônio que precisava ser destruído. Continuou a existir, e quem cresceu vendo desenhos animados,
enlatados americanos e novelas globais não foi mais imbecilizado – ao menos não por esse motivo. Ponto para a televisão, que provou também ser informativa, educativa
e (por que não?) um ótimo entretenimento. Com exceção da qualidade da programação dos canais abertos, tudo melhorou. Mas começaram as preocupações em relação
aos telespectadores que não conseguem dormir sem o barulho eletrônico ao fundo. Ou aos que deixam de ler, sair com amigos e até de namorar para dedicar todo o

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 64/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
tempo livre a ela, ainda que seja pulando de um programa para o outro. “Nada nem ninguém me faz sair da frente da TV quando volto do trabalho”, afirma a
administradora de empresa Vânia Sganzerla.

Muitos telespectadores assumem esse comportamento. Tanto que um grupo de estudiosos da Universidade de Rutgers, nos Estados Unidos, por meio de experimentos e
pesquisas, concluiu que a velha história do vício na TV não é só uma metáfora. “Todo comportamento compulsivo ao qual a pessoa se apega para buscar alívio, se fugir
do controle, pode ser caracterizado como dependência”, explica Robert Kubey, diretor do Centro de Estudos da Mídia da Universidade de Rutgers.

Os efeitos da televisão sobre o sono variam muito. “Quando tenho um dia estressante, agitado, não durmo sem ela”, comenta Maurício Valim, diretor de programas
especiais da TV Cultura e criador do site Tudo sobre TV. Outros, como Martin Jaccard, sonorizador de ambientes, reconhecem que demoram a pegar no sono após uma
overdose televisiva. “Sinto uma certa irritação, até raiva, por não ter lido um bom livro, namorado ou ouvido uma música, mas ainda assim não me arrependo de ver
tanta TV, não. Gosto demais.” É uma das mais prosaicas facetas desse tipo de dependência, segundo a pesquisa do Centro de estudos da Mídia. As pessoas admitem que
deveriam maneirar, mas não se incomodam a ponto de querer mudar o hábito. Sinal de que tanto mal assim também não faz.

(SCAVONE, Míriam. Revista Claudia. São Paulo: Abril, abr. 2002. P.16-7)
No trecho “fala-se do seu poder de causar dependência.” (1º §), a construção em destaque cria o seguinte efeito sintático:

a) a indeterminação do sujeito
b) a voz passiva sintética
c) a noção de reflexividade
d) o sentido de reciprocidade
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/316031

Questão 148: IBFC - As Adm (EBSERH-HUAP)/EBSERH-HUAP/2016


Assunto: Partícula "se"
Texto

Setenta anos, por que não?

Acho essa coisa da idade fascinante: tem a ver com o modo como lidamos com a vida. Se a gente a considera uma ladeira que desce a partir da primeira ruga, ou do
começo de barriguinha, então viver é de certa forma uma desgraceira que acaba na morte. Desse ponto de vista, a vida passa a ser uma doença crônica de prognóstico
sombrio. Nessa festa sem graça, quem fica animado? Quem não se amargura?

[...]

Pois se minhas avós eram damas idosas aos 50 anos, sempre de livro na mão lendo na poltrona junto à janela, com vestidos discretíssimos, pretos de florzinha branca
(ou, em horas mais festivas, minúsculas flores ou bolinhas coloridas), hoje aos 70 estamos fazendo projetos, viajando (pode ser simplesmente à cidade vizinha para
visitar uma amiga), indo ao teatro e ao cinema, indo a restaurante (pode ser o de quilo, ali na esquina), eventualmente namorando ou casando de novo. Ou dando risada
à toa com os netos, e fazendo uma excursão com os filhos. Tudo isso sem esquecer a universidade, ou aprender a ler, ou visitar pela primeira vez uma galeria de arte, ou
comer sorvete na calçada batendo papo com alguma nova amiga.

[...]

Não precisamos ser tão incrivelmente sérios, cobrar tanto de nós, dos outros e da vida, críticos o tempo todo, vendo só o lado mais feio do mundo. Das pessoas. Da
própria família. Dos amigos. Se formos os eternos acusadores, acabaremos com um gosto amargo na boca: o amargor de nossas próprias palavras e sentimentos. Se não
soubermos rir, se tivermos desaprendido como dar uma boa risada, ficaremos com a cara hirta das máscaras das cirurgias exageradas, dos remendos e intervenções para
manter ou recuperar a “beleza”. A alma tem suas dores, e para se curar necessita de projetos e afetos. Precisa acreditar em alguma coisa.

(LUFT, Lya. In: http://veja.abril.com.br. Acesso em 18/09/16)

Considerando o emprego do pronome “se” em:

“A alma tem suas dores, e para se curar necessita de projetos e afetos.” (3º§),
Nota-se uma ambiguidade oriunda do emprego incomum da forma passiva sintética. Desse modo, NÃO entendendo a construção como passiva, o leitor compreenderia a
passagem da seguinte forma:

a) A alma tem suas dores, e para que cure a si mesma necessita de projetos e afetos
b) A alma tem suas dores, e para que seja curada necessita de projetos e afetos
c) A alma tem suas dores, e para que se sinta curada necessita de projetos e afetos
d) A alma tem suas dores, e para que a curem necessita de projetos e afetos
e) A alma tem suas dores, e para que busque a cura necessita de projetos e afetos
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/418226

Questão 149: IBFC - Ag Adm (CM Aqa)/CM Araraquara/2017


Assunto: Partícula "se"
Texto

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 65/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

O pronome “se” presente em “O homem que se cuida” deve ser classificado, em função do papel que exerce como:

a) pronome apassivador.
b) parte integrante do verbo.
c) pronome reflexivo.
d) índice de indeterminação do sujeito.
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/537741

Questão 150: IBFC - Tec (HMDCC)/HMDCC/Administração/2015


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Texto I

Nem anjo nem demônio

Desde que a TV surgiu, nos anos 40, fala-se do seu poder de causar dependência. Os educadores dos anos 60 bradaram palavras acusando-a de “chupeta eletrônica”. Os
militantes políticos creditavam a ela a alienação dos povos. Era um demônio que precisava ser destruído. Continuou a existir, e quem cresceu vendo desenhos animados,
enlatados americanos e novelas globais não foi mais imbecilizado – ao menos não por esse motivo. Ponto para a televisão, que provou também ser informativa, educativa
e (por que não?) um ótimo entretenimento. Com exceção da qualidade da programação dos canais abertos, tudo melhorou. Mas começaram as preocupações em relação
aos telespectadores que não conseguem dormir sem o barulho eletrônico ao fundo. Ou aos que deixam de ler, sair com amigos e até de namorar para dedicar todo o
tempo livre a ela, ainda que seja pulando de um programa para o outro. “Nada nem ninguém me faz sair da frente da TV quando volto do trabalho”, afirma a
administradora de empresa Vânia Sganzerla.

Muitos telespectadores assumem esse comportamento. Tanto que um grupo de estudiosos da Universidade de Rutgers, nos Estados Unidos, por meio de experimentos e
pesquisas, concluiu que a velha história do vício na TV não é só uma metáfora. “Todo comportamento compulsivo ao qual a pessoa se apega para buscar alívio, se fugir
do controle, pode ser caracterizado como dependência”, explica Robert Kubey, diretor do Centro de Estudos da Mídia da Universidade de Rutgers.

Os efeitos da televisão sobre o sono variam muito. “Quando tenho um dia estressante, agitado, não durmo sem ela”, comenta Maurício Valim, diretor de programas
especiais da TV Cultura e criador do site Tudo sobre TV. Outros, como Martin Jaccard, sonorizador de ambientes, reconhecem que demoram a pegar no sono após uma
overdose televisiva. “Sinto uma certa irritação, até raiva, por não ter lido um bom livro, namorado ou ouvido uma música, mas ainda assim não me arrependo de ver
tanta TV, não. Gosto demais.” É uma das mais prosaicas facetas desse tipo de dependência, segundo a pesquisa do Centro de estudos da Mídia. As pessoas admitem que
deveriam maneirar, mas não se incomodam a ponto de querer mudar o hábito. Sinal de que tanto mal assim também não faz.

(SCAVONE, Míriam. Revista Claudia. São Paulo: Abril, abr. 2002. P.16-7)
A oposição revelada no título tem sua justificativa no texto. Assinale a opção que MELHOR revela essa ideia:

a) a autora revela o modo pelo qual a TV fora demonizada na década de 60.


b) apesar das críticas que recebera desde o surgimento, a TV ainda existe.
c) embora possa provocar dependência, a TV pode ser informativa e educativa.
d) a TV pode cumprir um papel relaxante após um dia estressante de trabalho.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/316030

Questão 151: IBFC - Tec (HMDCC)/HMDCC/Administração/2015


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Texto I

Nem anjo nem demônio

Desde que a TV surgiu, nos anos 40, fala-se do seu poder de causar dependência. Os educadores dos anos 60 bradaram palavras acusando-a de “chupeta eletrônica”. Os
militantes políticos creditavam a ela a alienação dos povos. Era um demônio que precisava ser destruído. Continuou a existir, e quem cresceu vendo desenhos animados,
enlatados americanos e novelas globais não foi mais imbecilizado – ao menos não por esse motivo. Ponto para a televisão, que provou também ser informativa, educativa
e (por que não?) um ótimo entretenimento. Com exceção da qualidade da programação dos canais abertos, tudo melhorou. Mas começaram as preocupações em relação
aos telespectadores que não conseguem dormir sem o barulho eletrônico ao fundo. Ou aos que deixam de ler, sair com amigos e até de namorar para dedicar todo o
tempo livre a ela, ainda que seja pulando de um programa para o outro. “Nada nem ninguém me faz sair da frente da TV quando volto do trabalho”, afirma a
administradora de empresa Vânia Sganzerla.

Muitos telespectadores assumem esse comportamento. Tanto que um grupo de estudiosos da Universidade de Rutgers, nos Estados Unidos, por meio de experimentos e
pesquisas, concluiu que a velha história do vício na TV não é só uma metáfora. “Todo comportamento compulsivo ao qual a pessoa se apega para buscar alívio, se fugir
do controle, pode ser caracterizado como dependência”, explica Robert Kubey, diretor do Centro de Estudos da Mídia da Universidade de Rutgers.

Os efeitos da televisão sobre o sono variam muito. “Quando tenho um dia estressante, agitado, não durmo sem ela”, comenta Maurício Valim, diretor de programas
https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 66/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
especiais da TV Cultura e criador do site Tudo sobre TV. Outros, como Martin Jaccard, sonorizador de ambientes, reconhecem que demoram a pegar no sono após uma
overdose televisiva. “Sinto uma certa irritação, até raiva, por não ter lido um bom livro, namorado ou ouvido uma música, mas ainda assim não me arrependo de ver
tanta TV, não. Gosto demais.” É uma das mais prosaicas facetas desse tipo de dependência, segundo a pesquisa do Centro de estudos da Mídia. As pessoas admitem que
deveriam maneirar, mas não se incomodam a ponto de querer mudar o hábito. Sinal de que tanto mal assim também não faz.

(SCAVONE, Míriam. Revista Claudia. São Paulo: Abril, abr. 2002. P.16-7)
Embora adote uma postura mais imparcial ao longo do texto, em especial pelo emprego da terceira pessoa gramatical, é possível inferir que a autora:

a) é contrária à TV independentemente do tempo exposição a ela.


b) defende o caráter alienante da TV e o de sua programação, dando-lhes destaque.
c) valoriza a TV apesar de criticar a qualidade da programação dos canais abertos.
d) é favorável à TV e a qualquer programação uma vez que ela vem melhorando a cada ano.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/316033

Questão 152: IBFC - Tec (HMDCC)/HMDCC/Administração/2015


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Texto I

Nem anjo nem demônio

Desde que a TV surgiu, nos anos 40, fala-se do seu poder de causar dependência. Os educadores dos anos 60 bradaram palavras acusando-a de “chupeta eletrônica”. Os
militantes políticos creditavam a ela a alienação dos povos. Era um demônio que precisava ser destruído. Continuou a existir, e quem cresceu vendo desenhos animados,
enlatados americanos e novelas globais não foi mais imbecilizado – ao menos não por esse motivo. Ponto para a televisão, que provou também ser informativa, educativa
e (por que não?) um ótimo entretenimento. Com exceção da qualidade da programação dos canais abertos, tudo melhorou. Mas começaram as preocupações em relação
aos telespectadores que não conseguem dormir sem o barulho eletrônico ao fundo. Ou aos que deixam de ler, sair com amigos e até de namorar para dedicar todo o
tempo livre a ela, ainda que seja pulando de um programa para o outro. “Nada nem ninguém me faz sair da frente da TV quando volto do trabalho”, afirma a
administradora de empresa Vânia Sganzerla.

Muitos telespectadores assumem esse comportamento. Tanto que um grupo de estudiosos da Universidade de Rutgers, nos Estados Unidos, por meio de experimentos e
pesquisas, concluiu que a velha história do vício na TV não é só uma metáfora. “Todo comportamento compulsivo ao qual a pessoa se apega para buscar alívio, se fugir
do controle, pode ser caracterizado como dependência”, explica Robert Kubey, diretor do Centro de Estudos da Mídia da Universidade de Rutgers.

Os efeitos da televisão sobre o sono variam muito. “Quando tenho um dia estressante, agitado, não durmo sem ela”, comenta Maurício Valim, diretor de programas
especiais da TV Cultura e criador do site Tudo sobre TV. Outros, como Martin Jaccard, sonorizador de ambientes, reconhecem que demoram a pegar no sono após uma
overdose televisiva. “Sinto uma certa irritação, até raiva, por não ter lido um bom livro, namorado ou ouvido uma música, mas ainda assim não me arrependo de ver
tanta TV, não. Gosto demais.” É uma das mais prosaicas facetas desse tipo de dependência, segundo a pesquisa do Centro de estudos da Mídia. As pessoas admitem que
deveriam maneirar, mas não se incomodam a ponto de querer mudar o hábito. Sinal de que tanto mal assim também não faz.

(SCAVONE, Míriam. Revista Claudia. São Paulo: Abril, abr. 2002. P.16-7)
Texto II

Assinale a palavra ou expressão do texto I que MELHOR sintetiza o posicionamento proposto pelo texto II.

a) “alienação”
b) “alívio”
c) “barulho eletrônico”
d) “entretenimento”
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/316041

Questão 153: IBFC - Adv (HMDCC)/HMDCC/2015


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Texto I

O que é filosofia?

Querida Sofia,

Muitas pessoas têm hobbies diferentes. Algumas colecionam moedas e selos antigos, outras gostam de trabalhos manuais, outras ainda dedicam quase todo o seu tempo
livre a uma determinada modalidade de esporte.

Também há os que gostam de ler. Mas os tipos de leitura também são muito diferentes. Alguns leem apenas jornais ou gibis, outros gostam de romances, outros ainda
preferem livros sobre temas diversos como astronomia, a vida dos animais ou as novas descobertas da tecnologia.

Se me interesso por cavalos ou pedras preciosas, não posso querer que todos os outros tenham o mesmo interesse. Se fico grudado na televisão assistindo a todas as
transmissões de esporte, tenho que aceitar que outras pessoas achem o esporte uma chatice.

Mas será que alguma coisa interessa a todos? Será que existe alguma coisa que concerne a todos, não importando quem são ou onde se encontram? Sim, querida Sofia,
https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 67/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
existem questões que deveriam interessar a todas as pessoas. E é sobre tais questões que trata este curso.

Qual é a coisa mais importante da vida? Se fazemos esta pergunta a uma pessoa de um país assolado pela fome, a resposta será: a comida. Se fazemos a mesma
pergunta a quem está morrendo de frio, então a resposta será: o calor. E quando perguntamos a alguém que se sente sozinho e isolado, então certamente a resposta
será: a companhia de outras pessoas.

Mas, uma vez satisfeitas todas essas necessidades, será que ainda resta alguma coisa de que todo mundo precise? Os filósofos acham que sim. Eles acham que o ser
humano não vive apenas de pão. É claro que todo mundo precisa comer. E precisa também de amor e cuidado. Mas ainda há uma coisa de que todos nós precisamos.
Nós temos a necessidade de descobrir quem somos e por que vivemos. Portanto, interessar-se em saber por que vivemos não é um interesse “casual” como colecionar
selos por exemplo. Quem se interessa por tais questões toca um problema que vem sendo discutido pelo homem praticamente desde quando passamos a habitar este
planeta. A questão de saber como surgiu o universo, a Terra e a vida por aqui é uma questão maior e mais importante do que saber quem ganhou mais medalhas de
ouro nos últimos Jogos Olímpicos.

(GAARDER, Jostein. O mundo de Sofia. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p.24-25)
Pode-se inferir que o objetivo principal do texto é:

a) convencer Sofia de que os interesses pessoais variam de acordo com as afinidades e aptidões de um sujeito.
b) revelar que necessidades mais abstratas representam indício de modernidade uma vez que, no passado, priorizavam-se elementos concretos.
c) mostrar que o conhecimento sobre quem somos e de onde viemos é uma necessidade coletiva que singulariza o homem.
d) indicar que é preciso respeitar as diferenças de gostos considerando a subjetividade dos indivíduos.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/316514

Questão 154: IBFC - Adv (HMDCC)/HMDCC/2015


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Texto I

O que é filosofia?

Querida Sofia,

Muitas pessoas têm hobbies diferentes. Algumas colecionam moedas e selos antigos, outras gostam de trabalhos manuais, outras ainda dedicam quase todo o seu tempo
livre a uma determinada modalidade de esporte.

Também há os que gostam de ler. Mas os tipos de leitura também são muito diferentes. Alguns leem apenas jornais ou gibis, outros gostam de romances, outros ainda
preferem livros sobre temas diversos como astronomia, a vida dos animais ou as novas descobertas da tecnologia.

Se me interesso por cavalos ou pedras preciosas, não posso querer que todos os outros tenham o mesmo interesse. Se fico grudado na televisão assistindo a todas as
transmissões de esporte, tenho que aceitar que outras pessoas achem o esporte uma chatice.

Mas será que alguma coisa interessa a todos? Será que existe alguma coisa que concerne a todos, não importando quem são ou onde se encontram? Sim, querida Sofia,
existem questões que deveriam interessar a todas as pessoas. E é sobre tais questões que trata este curso.

Qual é a coisa mais importante da vida? Se fazemos esta pergunta a uma pessoa de um país assolado pela fome, a resposta será: a comida. Se fazemos a mesma
pergunta a quem está morrendo de frio, então a resposta será: o calor. E quando perguntamos a alguém que se sente sozinho e isolado, então certamente a resposta
será: a companhia de outras pessoas.

Mas, uma vez satisfeitas todas essas necessidades, será que ainda resta alguma coisa de que todo mundo precise? Os filósofos acham que sim. Eles acham que o ser
humano não vive apenas de pão. É claro que todo mundo precisa comer. E precisa também de amor e cuidado. Mas ainda há uma coisa de que todos nós precisamos.
Nós temos a necessidade de descobrir quem somos e por que vivemos. Portanto, interessar-se em saber por que vivemos não é um interesse “casual” como colecionar
selos por exemplo. Quem se interessa por tais questões toca um problema que vem sendo discutido pelo homem praticamente desde quando passamos a habitar este
planeta. A questão de saber como surgiu o universo, a Terra e a vida por aqui é uma questão maior e mais importante do que saber quem ganhou mais medalhas de
ouro nos últimos Jogos Olímpicos.

(GAARDER, Jostein. O mundo de Sofia. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p.24-25)
A partir da análise do texto, assinale a alternativa que apresenta uma afirmação INCORRETA.

a) O emprego inicial de um interlocutor específico, Sofia, não impede que a reflexão proposta estenda-se aos outros leitores.
b) As perguntas empregadas ao longo do texto cumprem papel retórico ampliando a reflexão sobre as questões propostas.
c) A pessoalidade linguística empregada em algumas passagens do texto aproxima o autor das situações descritas.
d) O emprego, no início do texto, de exemplos de natureza mais universal ratifica a ideia de que os interesses são sempre individuais e distintos.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/316517

Questão 155: IBFC - Adv (HMDCC)/HMDCC/2015


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Texto I

O que é filosofia?

Querida Sofia,

Muitas pessoas têm hobbies diferentes. Algumas colecionam moedas e selos antigos, outras gostam de trabalhos manuais, outras ainda dedicam quase todo o seu tempo
livre a uma determinada modalidade de esporte.

Também há os que gostam de ler. Mas os tipos de leitura também são muito diferentes. Alguns leem apenas jornais ou gibis, outros gostam de romances, outros ainda
preferem livros sobre temas diversos como astronomia, a vida dos animais ou as novas descobertas da tecnologia.

Se me interesso por cavalos ou pedras preciosas, não posso querer que todos os outros tenham o mesmo interesse. Se fico grudado na televisão assistindo a todas as
transmissões de esporte, tenho que aceitar que outras pessoas achem o esporte uma chatice.

Mas será que alguma coisa interessa a todos? Será que existe alguma coisa que concerne a todos, não importando quem são ou onde se encontram? Sim, querida Sofia,
existem questões que deveriam interessar a todas as pessoas. E é sobre tais questões que trata este curso.

Qual é a coisa mais importante da vida? Se fazemos esta pergunta a uma pessoa de um país assolado pela fome, a resposta será: a comida. Se fazemos a mesma
https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 68/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
pergunta a quem está morrendo de frio, então a resposta será: o calor. E quando perguntamos a alguém que se sente sozinho e isolado, então certamente a resposta
será: a companhia de outras pessoas.

Mas, uma vez satisfeitas todas essas necessidades, será que ainda resta alguma coisa de que todo mundo precise? Os filósofos acham que sim. Eles acham que o ser
humano não vive apenas de pão. É claro que todo mundo precisa comer. E precisa também de amor e cuidado. Mas ainda há uma coisa de que todos nós precisamos.
Nós temos a necessidade de descobrir quem somos e por que vivemos. Portanto, interessar-se em saber por que vivemos não é um interesse “casual” como colecionar
selos por exemplo. Quem se interessa por tais questões toca um problema que vem sendo discutido pelo homem praticamente desde quando passamos a habitar este
planeta. A questão de saber como surgiu o universo, a Terra e a vida por aqui é uma questão maior e mais importante do que saber quem ganhou mais medalhas de
ouro nos últimos Jogos Olímpicos.

(GAARDER, Jostein. O mundo de Sofia. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p.24-25)
Ao questionar uma pessoa sobre o que ela considera a “coisa mais importante da vida”, o autor revela que:

a) as necessidades essenciais são sempre de ordem material.


b) o que diferencia as necessidades é a situação em que a pessoa está.
c) a necessidade de entender a si e ao mundo sobrepõe-se a todas as outras.
d) as necessidades estão relacionadas ao gosto pessoal do indivíduo.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/316522

Questão 156: IBFC - Adv (HMDCC)/HMDCC/2015


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Texto I

O que é filosofia?

Querida Sofia,

Muitas pessoas têm hobbies diferentes. Algumas colecionam moedas e selos antigos, outras gostam de trabalhos manuais, outras ainda dedicam quase todo o seu tempo
livre a uma determinada modalidade de esporte.

Também há os que gostam de ler. Mas os tipos de leitura também são muito diferentes. Alguns leem apenas jornais ou gibis, outros gostam de romances, outros ainda
preferem livros sobre temas diversos como astronomia, a vida dos animais ou as novas descobertas da tecnologia.

Se me interesso por cavalos ou pedras preciosas, não posso querer que todos os outros tenham o mesmo interesse. Se fico grudado na televisão assistindo a todas as
transmissões de esporte, tenho que aceitar que outras pessoas achem o esporte uma chatice.

Mas será que alguma coisa interessa a todos? Será que existe alguma coisa que concerne a todos, não importando quem são ou onde se encontram? Sim, querida Sofia,
existem questões que deveriam interessar a todas as pessoas. E é sobre tais questões que trata este curso.

Qual é a coisa mais importante da vida? Se fazemos esta pergunta a uma pessoa de um país assolado pela fome, a resposta será: a comida. Se fazemos a mesma
pergunta a quem está morrendo de frio, então a resposta será: o calor. E quando perguntamos a alguém que se sente sozinho e isolado, então certamente a resposta
será: a companhia de outras pessoas.

Mas, uma vez satisfeitas todas essas necessidades, será que ainda resta alguma coisa de que todo mundo precise? Os filósofos acham que sim. Eles acham que o ser
humano não vive apenas de pão. É claro que todo mundo precisa comer. E precisa também de amor e cuidado. Mas ainda há uma coisa de que todos nós precisamos.
Nós temos a necessidade de descobrir quem somos e por que vivemos. Portanto, interessar-se em saber por que vivemos não é um interesse “casual” como colecionar
selos por exemplo. Quem se interessa por tais questões toca um problema que vem sendo discutido pelo homem praticamente desde quando passamos a habitar este
planeta. A questão de saber como surgiu o universo, a Terra e a vida por aqui é uma questão maior e mais importante do que saber quem ganhou mais medalhas de
ouro nos últimos Jogos Olímpicos.

(GAARDER, Jostein. O mundo de Sofia. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p.24-25)

Texto II

(Disponível em: http://www.nanihumor.com/2011/02/o-fimda- filosofia.html. Acesso em: 07/01/15)


Percebe-se uma relação intertextual entre os textos I e II. Sobre ela, é correto afirmar que:

a) o segundo texto reforça a ideia de que a dúvida sobre quem somos e para onde vamos é constante.
b) o primeiro tem questões retratadas no segundo de modo mais concreto e humorístico.
c) o primeiro já antecipa as mesmas consequências da modernidade na filosofia citadas pelo segundo.
d) o elemento visual do segundo não encontra referência em um comportamento apresentado pelo texto I.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/316531

Questão 157: IBFC - Adv (HMDCC)/HMDCC/2015


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Texto II

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 69/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

(Disponível em: http://www.nanihumor.com/2011/02/o-fimda- filosofia.html. Acesso em: 07/01/15)


É correto afirmar que o texto II encerra uma crítica a um traço do mundo moderno que pode ser entendido como:

a) o controle da informação
b) o excesso de solidão
c) a dependência tecnológica
d) as crises existenciais
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/316532

Questão 158: IBFC - Tec RC (JUCEB)/JUCEB/2015


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
O direito à privacidade como elo da cidadania

Quando o STF vier a julgar a ação de inconstitucionalidade movida pela Associação Nacional dos Editores de Livros contra o artigo do Código Civil que prevê a autorização
para biografias comercializadas, os juizes estarão, mais uma vez, diante do dilema da Justiça, dos dois pratos da balança e qual deles fazer pesar mais com sua força. A
liberdade de expressão de um lado e o direito à privacidade do outro, e cada juiz, ainda uma vez, diante do ato de decidir pela garantia de ambos estabelecida na Carta
Magna.

Ora, se preferirem dar ganho de causa à Adin dos editores, fortemente apoiada pelos meios de comunicação (TVs em especial), estarão contrariando os que, do outro
lado, clamam pela garantia do seu direito à privacidade. Se a estes contemplarem com seu voto, estarão contrariando os primeiros, os grandes interessados em que vidas
pessoais sejam livremente retratadas, transformadas em ativos comerciais de grande valor para a montagem do espetáculo midiático que está, hoje em dia, para muito
além do interesse público na circulação da informação, o jornalismo.

Independentemente do que venha a decidir o STF em relação à questão, nós da associação Procure Saber, no âmbito do nosso pequeno foro e em que pesem as tantas
dúvidas e posições entre nós, resolvemos exercer o nosso direito democrático de associação, de opinião e de manifestação, levando a público o nosso propósito de
defender o direito à privacidade como elo importante da cadeia da cidadania soberana, chamando a atenção de toda a sociedade para a necessidade de amplo e
profundo debate em torno desse tema, da delicada situação em que se encontra esse prato da balança do direito civil em nosso tempo, a privacidade, o que ela significa,
o que ainda é possível fazer para que ela tenha sentido, para que os que ainda nela creem e confiam possam encontrar nas regras, nas normas e nas leis alguma
garantia. O debate afinal toma corpo, podendo contribuir para posicionamentos mais conscientes, mais maduros e mais equilibrados sobre que tipo de vida queremos e
podemos viver, se os indivíduos nos confins de suas vidas privadas ainda devem ser levados em conta, ainda reconhecidos e respeitados em seus direitos ou se já não
importam mais.

Temos tido sempre justificado apreço pelos que, ao longo da História, se mostram capazes de compreender os dilemas e contradições da vida em sociedade e que,
apesar da dor e do sofrimento dessa condição trágica, estão dispostos a reconhecer de que lado estão. Como disse Francisco Bosco referindo-se ao dilema entre o
interesse público e o privado, em seu escrito neste jornal, semana passada, é o princípio da soberania decisória sobre a vida privada que deve prevalecer. É a mesma,
nossa opinião.

(Gilberto Gil, O Globo, 15/10/2013)

Em seu artigo, já no primeiro parágrafo, Gilberto Gil procura estabelecer os limites de sua abordagem, apresentando-nos o tema que será desenvolvido . A alternativa em
que isso está corretamente indicado é:

a) O texto de Gilberto Gil falará sobre a necessidade de respeitar, sempre, todas as decisões do STF, independente da questão, embora também abra espaço para
apresentar visões opostas a sua.
b) O texto fala sobre a livre comercialização das autobiografias, temática cuja discussão envolve argumentos de ordem financeira e emocional.
c) O texto falará sobre alguns problemas encontrados no Código Civil, e a polêmica das biografias servirá como exemplo para Gil embasar suas críticas.
d) O texto falará sobre a polêmica da liberação das biografias não autorizadas evidenciando os distintos posicionamentos a respeito, inclusive o do autor.
e) O texto falará sobre os dilemas vivenciados pela justiça em várias esferas, seja nas propostas da Carta Magna seja nos entraves do Código Civil.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/317278

Questão 159: IBFC - Tec RC (JUCEB)/JUCEB/2015


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
O direito à privacidade como elo da cidadania

Quando o STF vier a julgar a ação de inconstitucionalidade movida pela Associação Nacional dos Editores de Livros contra o artigo do Código Civil que prevê a autorização
para biografias comercializadas, os juizes estarão, mais uma vez, diante do dilema da Justiça, dos dois pratos da balança e qual deles fazer pesar mais com sua força. A
liberdade de expressão de um lado e o direito à privacidade do outro, e cada juiz, ainda uma vez, diante do ato de decidir pela garantia de ambos estabelecida na Carta
Magna.

Ora, se preferirem dar ganho de causa à Adin dos editores, fortemente apoiada pelos meios de comunicação (TVs em especial), estarão contrariando os que, do outro
lado, clamam pela garantia do seu direito à privacidade. Se a estes contemplarem com seu voto, estarão contrariando os primeiros, os grandes interessados em que vidas
pessoais sejam livremente retratadas, transformadas em ativos comerciais de grande valor para a montagem do espetáculo midiático que está, hoje em dia, para muito
além do interesse público na circulação da informação, o jornalismo.

Independentemente do que venha a decidir o STF em relação à questão, nós da associação Procure Saber, no âmbito do nosso pequeno foro e em que pesem as tantas
dúvidas e posições entre nós, resolvemos exercer o nosso direito democrático de associação, de opinião e de manifestação, levando a público o nosso propósito de
defender o direito à privacidade como elo importante da cadeia da cidadania soberana, chamando a atenção de toda a sociedade para a necessidade de amplo e
profundo debate em torno desse tema, da delicada situação em que se encontra esse prato da balança do direito civil em nosso tempo, a privacidade, o que ela significa,
o que ainda é possível fazer para que ela tenha sentido, para que os que ainda nela creem e confiam possam encontrar nas regras, nas normas e nas leis alguma
garantia. O debate afinal toma corpo, podendo contribuir para posicionamentos mais conscientes, mais maduros e mais equilibrados sobre que tipo de vida queremos e

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 70/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
podemos viver, se os indivíduos nos confins de suas vidas privadas ainda devem ser levados em conta, ainda reconhecidos e respeitados em seus direitos ou se já não
importam mais.

Temos tido sempre justificado apreço pelos que, ao longo da História, se mostram capazes de compreender os dilemas e contradições da vida em sociedade e que,
apesar da dor e do sofrimento dessa condição trágica, estão dispostos a reconhecer de que lado estão. Como disse Francisco Bosco referindo-se ao dilema entre o
interesse público e o privado, em seu escrito neste jornal, semana passada, é o princípio da soberania decisória sobre a vida privada que deve prevalecer. É a mesma,
nossa opinião.

(Gilberto Gil, O Globo, 15/10/2013)

O segmento do texto que MELHOR representa o posicionamento assumido pelo autor do artigo quanto à liberação das biografias não autorizadas é:

a) “A liberdade de expressão de um lado e o direito à privacidade do outro, e cada juiz, ainda uma vez, diante do ato de decidir pela garantia de ambos estabelecida
na Carta Magna” (1°§)
b) “Como disse Francisco Bosco referindo-se ao dilema entre o interesse público e o privado, em seu escrito neste jornal, semana passada, é o princípio da soberania
decisória sobre a vida privada que deve prevalecer” (4°§)
c) “O debate afinal toma corpo, podendo contribuir para posicionamentos mais conscientes, mais maduros e mais equilibrados sobre que tipo de vida queremos e
podemos viver, se os indivíduos nos confins de suas vidas privadas ainda devem ser levados em conta, ainda reconhecidos e respeitados em seus direitos ou se já não
importam mais.” (3°§)
d) “Ora, se preferirem dar ganho de causa à Adin dos editores, fortemente apoiada pelos meios de comunicação (TVs em especial), estarão contrariando os que, do
outro lado, clamam pela garantia do seu direito à privacidade” (2°§)
e) “Temos tido sempre justificado apreço pelos que, ao longo da História, se mostram capazes de compreender os dilemas e contradições da vida em sociedade e
que, apesar da dor e do sofrimento dessa condição trágica, estão dispostos a reconhecer de que lado estão”(42°§)
Esta questão não possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/317279

Questão 160: IBFC - Tec RC (JUCEB)/JUCEB/2015


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
O direito à privacidade como elo da cidadania

Quando o STF vier a julgar a ação de inconstitucionalidade movida pela Associação Nacional dos Editores de Livros contra o artigo do Código Civil que prevê a autorização
para biografias comercializadas, os juizes estarão, mais uma vez, diante do dilema da Justiça, dos dois pratos da balança e qual deles fazer pesar mais com sua força. A
liberdade de expressão de um lado e o direito à privacidade do outro, e cada juiz, ainda uma vez, diante do ato de decidir pela garantia de ambos estabelecida na Carta
Magna.

Ora, se preferirem dar ganho de causa à Adin dos editores, fortemente apoiada pelos meios de comunicação (TVs em especial), estarão contrariando os que, do outro
lado, clamam pela garantia do seu direito à privacidade. Se a estes contemplarem com seu voto, estarão contrariando os primeiros, os grandes interessados em que vidas
pessoais sejam livremente retratadas, transformadas em ativos comerciais de grande valor para a montagem do espetáculo midiático que está, hoje em dia, para muito
além do interesse público na circulação da informação, o jornalismo.

Independentemente do que venha a decidir o STF em relação à questão, nós da associação Procure Saber, no âmbito do nosso pequeno foro e em que pesem as tantas
dúvidas e posições entre nós, resolvemos exercer o nosso direito democrático de associação, de opinião e de manifestação, levando a público o nosso propósito de
defender o direito à privacidade como elo importante da cadeia da cidadania soberana, chamando a atenção de toda a sociedade para a necessidade de amplo e
profundo debate em torno desse tema, da delicada situação em que se encontra esse prato da balança do direito civil em nosso tempo, a privacidade, o que ela significa,
o que ainda é possível fazer para que ela tenha sentido, para que os que ainda nela creem e confiam possam encontrar nas regras, nas normas e nas leis alguma
garantia. O debate afinal toma corpo, podendo contribuir para posicionamentos mais conscientes, mais maduros e mais equilibrados sobre que tipo de vida queremos e
podemos viver, se os indivíduos nos confins de suas vidas privadas ainda devem ser levados em conta, ainda reconhecidos e respeitados em seus direitos ou se já não
importam mais.

Temos tido sempre justificado apreço pelos que, ao longo da História, se mostram capazes de compreender os dilemas e contradições da vida em sociedade e que,
apesar da dor e do sofrimento dessa condição trágica, estão dispostos a reconhecer de que lado estão. Como disse Francisco Bosco referindo-se ao dilema entre o
interesse público e o privado, em seu escrito neste jornal, semana passada, é o princípio da soberania decisória sobre a vida privada que deve prevalecer. É a mesma,
nossa opinião.

(Gilberto Gil, O Globo, 15/10/2013)

Ao longo do texto, o autor faz uso da primeira pessoa do plural em verbos e pronomes como no fragmento “no âmbito do nosso pequeno foro e em que pesem as tantas
dúvidas e posições entre nós,”(3°§). Nesse fragmento, tal uso representa:

a) a opinião de Gil e de todos os demais membros da Associação Procure Saber.


b) que se trata de uma opinião consensual dos membros do STF.
c) que os leitores em geral compartilham da mesma opinião de Gil.
d) a opinião da maioria da população de acordo com pesquisas.
e) o posicionamento articulado pelos veículos de comunicação em geral.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/317284

Questão 161: IBFC - Tec RC (JUCEB)/JUCEB/2015


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Texto I

O direito à privacidade como elo da cidadania

Quando o STF vier a julgar a ação de inconstitucionalidade movida pela Associação Nacional dos Editores de Livros contra o artigo do Código Civil que prevê a autorização
para biografias comercializadas, os juizes estarão, mais uma vez, diante do dilema da Justiça, dos dois pratos da balança e qual deles fazer pesar mais com sua força. A
liberdade de expressão de um lado e o direito à privacidade do outro, e cada juiz, ainda uma vez, diante do ato de decidir pela garantia de ambos estabelecida na Carta
Magna.

Ora, se preferirem dar ganho de causa à Adin dos editores, fortemente apoiada pelos meios de comunicação (TVs em especial), estarão contrariando os que, do outro
lado, clamam pela garantia do seu direito à privacidade. Se a estes contemplarem com seu voto, estarão contrariando os primeiros, os grandes interessados em que vidas
pessoais sejam livremente retratadas, transformadas em ativos comerciais de grande valor para a montagem do espetáculo midiático que está, hoje em dia, para muito
além do interesse público na circulação da informação, o jornalismo.

Independentemente do que venha a decidir o STF em relação à questão, nós da associação Procure Saber, no âmbito do nosso pequeno foro e em que pesem as tantas
dúvidas e posições entre nós, resolvemos exercer o nosso direito democrático de associação, de opinião e de manifestação, levando a público o nosso propósito de
defender o direito à privacidade como elo importante da cadeia da cidadania soberana, chamando a atenção de toda a sociedade para a necessidade de amplo e

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 71/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
profundo debate em torno desse tema, da delicada situação em que se encontra esse prato da balança do direito civil em nosso tempo, a privacidade, o que ela significa,
o que ainda é possível fazer para que ela tenha sentido, para que os que ainda nela creem e confiam possam encontrar nas regras, nas normas e nas leis alguma
garantia. O debate afinal toma corpo, podendo contribuir para posicionamentos mais conscientes, mais maduros e mais equilibrados sobre que tipo de vida queremos e
podemos viver, se os indivíduos nos confins de suas vidas privadas ainda devem ser levados em conta, ainda reconhecidos e respeitados em seus direitos ou se já não
importam mais.

Temos tido sempre justificado apreço pelos que, ao longo da História, se mostram capazes de compreender os dilemas e contradições da vida em sociedade e que,
apesar da dor e do sofrimento dessa condição trágica, estão dispostos a reconhecer de que lado estão. Como disse Francisco Bosco referindo-se ao dilema entre o
interesse público e o privado, em seu escrito neste jornal, semana passada, é o princípio da soberania decisória sobre a vida privada que deve prevalecer. É a mesma,
nossa opinião.

(Gilberto Gil, O Globo, 15/10/2013)


Texto II

Percebe-se que há uma relação entre os dois textos desta prova em função:

a) da proximidade na visão de seus atores sobre o mesmo tema.


b) da identificação na estrutura dos textos que foram produzidos.
c) do uso do humor como estratégia argumentativa sobre um mesmo tema.
d) de posicionamentos divergentes sobre um tema polêmico.
e) da referência a uma mesma temática com abordagens diferenciadas.

Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/317286

Questão 162: IBFC - Ass San (EMBASA)/EMBASA/Técnico em Segurança do Trabalho/2015


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Texto I

Os bolsos do morto
(Luis Fernando Veríssimo)

O morto não é exatamente um amigo. Mais um conhecido, mas daqueles que você não pode deixar de ir ao velório. E lá está ele, estendido dentro do caixão forrado de
cetim, de terno azul-marinho e gravata grená, esperando para ser enterrado.

Se fosse um amigo você ficaria em silêncio, compungido, lembrando o morto em vida e lamentando sua perda. Como é apenas um conhecido, você comenta com o
homem ao seu lado - que também não parece ser íntimo do morto:

- Poderiam ter escolhido outra gravata...

- É. Essa está brava.

- Já pensou ele chegando lá com essa gravata?

- “Lá” onde?

- Não sei. Onde a gente vai depois de morto. Onde vai a nossa alma.

- Eu acho que a alma não vai de gravata.

- Será que não? E de fatiota?

- Também não.

- Bom. Pelo menos esse vexame ele não vai passar.

- Você é da família?

- Não. Apenas um conhecido.

Você examina o morto. Engraçado: ele vai partir para a viagem mais importante, e mais distante, da sua vida, mas não precisa carregar nada. Identidade, passaporte,
nada. Nem dinheiro, o que dirá cheques de viagem ou cartões de crédito. Nem carteira!

Você diz para o outro:

- A coisa mais triste de um defunto são os bolsos. O outro estranha.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 72/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

- Como assim?

- Os bolsos existem para carregar coisas. Coisas importantes, que definem sua vida. CPF, licença para dirigir, bloco de notas, caneta, talão de cheques, remédio para
pressão...

- Pepsamar...

- Pepsamar, cartão perfurado da Sena, recortes de artigos sobre a situação econômica, fio dental... Isso sem falar em coisas com importância apenas sentimental. Por
exemplo: um desenho rabiscado por uma possível neta que parece, vagamente, um gato, e que ele achou genial e guardou. Entende?

- Sei.

- E aí está ele. Com os bolsos vazios. Despido da vida e de tudo que levava nos seus bolsos, e que o definia. O homem é o homem e o que ele leva nos bolsos. Poderiam
ter deixado, sei lá, pelo menos um chaveiro

- Você acha?

- Claro. As chaves da casa. As chaves do carro. Qualquer coisa pessoal, que pelo menos fizesse barulho num bolso da fatiota, pô!

Você se dá conta de que está gritando. As pessoas se viram para reprová-lo. “Mais respeito” dizem as caras viradas. Você faz um gesto, pedindo perdão. Sou apenas um
conhecido, desculpem. Mas continua, falando mais baixo:

- A morte é um assaltante. Nos mata e nos esvazia os bolsos.

- Sem piedade.

- Nenhuma.

Vocabulário:
Fatiota - roupa de melhor qualidade, usada em situações mais formais
Pepsamar - tipo de medicamento

A partir da leitura atenta do texto, assinale a opção que apresenta um comentário correto sobre seu conteúdo.

a) Trata-se de uma crítica ao comportamento desrespeitoso das pessoas nos enterros, mesmo tendo intimidade com o morto e sua família.
b) Percebe-se uma crítica às roupas de má qualidade que o defunto e os convidados usavam.
c) Embora explore algumas situações de humor, o texto propõe uma reflexão sobre a morte.
d) Trata-se de uma valorização dos bens materiais que acompanham as pessoas, mesmo depois de mortas.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/335579

Questão 163: IBFC - Ass San (EMBASA)/EMBASA/Técnico em Segurança do Trabalho/2015


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Texto I

Os bolsos do morto
(Luis Fernando Veríssimo)

O morto não é exatamente um amigo. Mais um conhecido, mas daqueles que você não pode deixar de ir ao velório. E lá está ele, estendido dentro do caixão forrado de
cetim, de terno azul-marinho e gravata grená, esperando para ser enterrado.

Se fosse um amigo você ficaria em silêncio, compungido, lembrando o morto em vida e lamentando sua perda. Como é apenas um conhecido, você comenta com o
homem ao seu lado - que também não parece ser íntimo do morto:

- Poderiam ter escolhido outra gravata...

- É. Essa está brava.

- Já pensou ele chegando lá com essa gravata?

- “Lá” onde?

- Não sei. Onde a gente vai depois de morto. Onde vai a nossa alma.

- Eu acho que a alma não vai de gravata.

- Será que não? E de fatiota?

- Também não.

- Bom. Pelo menos esse vexame ele não vai passar.

- Você é da família?

- Não. Apenas um conhecido.

Você examina o morto. Engraçado: ele vai partir para a viagem mais importante, e mais distante, da sua vida, mas não precisa carregar nada. Identidade, passaporte,
nada. Nem dinheiro, o que dirá cheques de viagem ou cartões de crédito. Nem carteira!

Você diz para o outro:

- A coisa mais triste de um defunto são os bolsos. O outro estranha.

- Como assim?

- Os bolsos existem para carregar coisas. Coisas importantes, que definem sua vida. CPF, licença para dirigir, bloco de notas, caneta, talão de cheques, remédio para
pressão...

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 73/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

- Pepsamar...

- Pepsamar, cartão perfurado da Sena, recortes de artigos sobre a situação econômica, fio dental... Isso sem falar em coisas com importância apenas sentimental. Por
exemplo: um desenho rabiscado por uma possível neta que parece, vagamente, um gato, e que ele achou genial e guardou. Entende?

- Sei.

- E aí está ele. Com os bolsos vazios. Despido da vida e de tudo que levava nos seus bolsos, e que o definia. O homem é o homem e o que ele leva nos bolsos. Poderiam
ter deixado, sei lá, pelo menos um chaveiro

- Você acha?

- Claro. As chaves da casa. As chaves do carro. Qualquer coisa pessoal, que pelo menos fizesse barulho num bolso da fatiota, pô!

Você se dá conta de que está gritando. As pessoas se viram para reprová-lo. “Mais respeito” dizem as caras viradas. Você faz um gesto, pedindo perdão. Sou apenas um
conhecido, desculpem. Mas continua, falando mais baixo:

- A morte é um assaltante. Nos mata e nos esvazia os bolsos.

- Sem piedade.

- Nenhuma.

Vocabulário:
Fatiota - roupa de melhor qualidade, usada em situações mais formais
Pepsamar - tipo de medicamento

Pode-se entender, de acordo com o texto, que os bolsos:

a) devem estar sempre vazios.


b) funcionam como adereços dos ternos.
c) cumprem papel apenas utilitário.
d) revelam traços da identidade da pessoa.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/335582

Questão 164: IBFC - Ass Adm (Docas PB)/Docas PB/2015


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Texto I

Quindins

Quindins Quando sentiu que ia morrer, o Dr. Ariosto pediu para falar a sós com a mulher, dona Quiléia (Quequé).

- Senta aí, Quequé.

Ela sentou na beira da cama. Protestou, chorosa, quando o marido disse que sabia que estava no fim. Mas o Dr. Ariosto a acalmou. Os dois sabiam que ele tinha pouco
tempo de vida e era melhor que enfrentassem a situação sem drama. Precisava contar uma coisa à mulher. Para morrerem paz. Contou, então, que tinha outra família.

- O quê, Ariosto?!

Tinha. Pronto. Outra mulher, outros filhos, até outros netos. A dona Quiléia iria saber de qualquer maneira, pois ele incluíra a outra família no seu testamento. Mas tinha
decidido contar ele mesmo. De viva, por assim dizer, voz. Para que não ficasse aquela mentira entre eles. E para que dona Quiléia fosse tolerante com a sua memória e
com a outra. Promete, Quequé? Dona Quiléia chorava muito. Só pôde fazer “sim” com a cabeça. Aliviado, o Dr. Ariosto deixou a cabeça cair no travesseiro. Podia morrer
em paz.

Mas aconteceu o seguinte: não morreu. Teve uma melhora surpreendente, que os médicos não souberam explicar e que Dona Quiléia atribui à promessa que fizera a seu
santo. Em poucas semanas, estava fora de cama. Ainda precisa de cuidados, é claro. Dona Quiléia tem que regular sua alimentação, dar remédio na hora certa... Ficam
os dois sentados na sala, olhando a televisão, em silêncio. Um silêncio constrangido. O Dr. Ariosto arrependido de ter feito a confissão. A Dona Quiléia achando que não
fica bem se aproveitar de uma revelação que o homem fez, afinal, no seu leito de morte. Simplesmente não tocam no assunto. No outro dia o Dr. Ariosto teve permissão
do médico para sair, pela primeira vez, de casa. Arrumou-se. Pediu para chamarem um táxi.

- Quer que eu vá com você? - perguntou a mulher.

- Não precisa.

- Você demora? - Não, não. Vou só...

Não completou a frase. Ficaram mais alguns instantes na porta, em silêncio. Depois ele disse:

- Bom. Tchau.

- Tchau.

Agora, tem uma coisa: Dona Quiléia não pagou a promessa ao santo. Ainda compra quindins escondido e os come sozinha. Aliás, deu para comer quindões. Grandes,
enormes, translúcidos quindões.

(Luis Fernando Veríssimo)


O texto explora uma situação inicialmente trágica, à qual é conferido humor por meio do seguinte fato:

a) a surpreendente melhora do Dr. Ariosto.


b) o silêncio constrangedor do casal olhando a televisão.
c) a revelação de que o Dr. Ariosto tinha outra família.
d) o fato de Dona Quiléia chorar muito.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/336113

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 74/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

Questão 165: IBFC - Ass Adm (Docas PB)/Docas PB/2015


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Texto I

Quindins

Quindins Quando sentiu que ia morrer, o Dr. Ariosto pediu para falar a sós com a mulher, dona Quiléia (Quequé).

- Senta aí, Quequé.

Ela sentou na beira da cama. Protestou, chorosa, quando o marido disse que sabia que estava no fim. Mas o Dr. Ariosto a acalmou. Os dois sabiam que ele tinha pouco
tempo de vida e era melhor que enfrentassem a situação sem drama. Precisava contar uma coisa à mulher. Para morrerem paz. Contou, então, que tinha outra família.

- O quê, Ariosto?!

Tinha. Pronto. Outra mulher, outros filhos, até outros netos. A dona Quiléia iria saber de qualquer maneira, pois ele incluíra a outra família no seu testamento. Mas tinha
decidido contar ele mesmo. De viva, por assim dizer, voz. Para que não ficasse aquela mentira entre eles. E para que dona Quiléia fosse tolerante com a sua memória e
com a outra. Promete, Quequé? Dona Quiléia chorava muito. Só pôde fazer “sim” com a cabeça. Aliviado, o Dr. Ariosto deixou a cabeça cair no travesseiro. Podia morrer
em paz.

Mas aconteceu o seguinte: não morreu. Teve uma melhora surpreendente, que os médicos não souberam explicar e que Dona Quiléia atribui à promessa que fizera a seu
santo. Em poucas semanas, estava fora de cama. Ainda precisa de cuidados, é claro. Dona Quiléia tem que regular sua alimentação, dar remédio na hora certa... Ficam
os dois sentados na sala, olhando a televisão, em silêncio. Um silêncio constrangido. O Dr. Ariosto arrependido de ter feito a confissão. A Dona Quiléia achando que não
fica bem se aproveitar de uma revelação que o homem fez, afinal, no seu leito de morte. Simplesmente não tocam no assunto. No outro dia o Dr. Ariosto teve permissão
do médico para sair, pela primeira vez, de casa. Arrumou-se. Pediu para chamarem um táxi.

- Quer que eu vá com você? - perguntou a mulher.

- Não precisa.

- Você demora? - Não, não. Vou só...

Não completou a frase. Ficaram mais alguns instantes na porta, em silêncio. Depois ele disse:

- Bom. Tchau.

- Tchau.

Agora, tem uma coisa: Dona Quiléia não pagou a promessa ao santo. Ainda compra quindins escondido e os come sozinha. Aliás, deu para comer quindões. Grandes,
enormes, translúcidos quindões.

(Luis Fernando Veríssimo)


O texto sugere que Dona Quiléia fizera uma promessa a um santo para que o marido se recuperasse. O que ela prometera, entretanto, não fica explícito, mas pode-se
inferir que seria:

a) cuidar do marido devotamente.


b) não fazer mais quindins para o marido.
c) não comer mais quindins.
d) comprar muitos quindins para o marido.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/336123

Questão 166: IBFC - Ass Adm (Docas PB)/Docas PB/2015


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Texto I

Quindins

Quindins Quando sentiu que ia morrer, o Dr. Ariosto pediu para falar a sós com a mulher, dona Quiléia (Quequé).

- Senta aí, Quequé.

Ela sentou na beira da cama. Protestou, chorosa, quando o marido disse que sabia que estava no fim. Mas o Dr. Ariosto a acalmou. Os dois sabiam que ele tinha pouco
tempo de vida e era melhor que enfrentassem a situação sem drama. Precisava contar uma coisa à mulher. Para morrerem paz. Contou, então, que tinha outra família.

- O quê, Ariosto?!

Tinha. Pronto. Outra mulher, outros filhos, até outros netos. A dona Quiléia iria saber de qualquer maneira, pois ele incluíra a outra família no seu testamento. Mas tinha
decidido contar ele mesmo. De viva, por assim dizer, voz. Para que não ficasse aquela mentira entre eles. E para que dona Quiléia fosse tolerante com a sua memória e
com a outra. Promete, Quequé? Dona Quiléia chorava muito. Só pôde fazer “sim” com a cabeça. Aliviado, o Dr. Ariosto deixou a cabeça cair no travesseiro. Podia morrer
em paz.

Mas aconteceu o seguinte: não morreu. Teve uma melhora surpreendente, que os médicos não souberam explicar e que Dona Quiléia atribui à promessa que fizera a seu
santo. Em poucas semanas, estava fora de cama. Ainda precisa de cuidados, é claro. Dona Quiléia tem que regular sua alimentação, dar remédio na hora certa... Ficam
os dois sentados na sala, olhando a televisão, em silêncio. Um silêncio constrangido. O Dr. Ariosto arrependido de ter feito a confissão. A Dona Quiléia achando que não
fica bem se aproveitar de uma revelação que o homem fez, afinal, no seu leito de morte. Simplesmente não tocam no assunto. No outro dia o Dr. Ariosto teve permissão
do médico para sair, pela primeira vez, de casa. Arrumou-se. Pediu para chamarem um táxi.

- Quer que eu vá com você? - perguntou a mulher.

- Não precisa.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 75/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

- Você demora? - Não, não. Vou só...

Não completou a frase. Ficaram mais alguns instantes na porta, em silêncio. Depois ele disse:

- Bom. Tchau.

- Tchau.

Agora, tem uma coisa: Dona Quiléia não pagou a promessa ao santo. Ainda compra quindins escondido e os come sozinha. Aliás, deu para comer quindões. Grandes,
enormes, translúcidos quindões.

(Luis Fernando Veríssimo)

Em “Tinha. Pronto. Outra mulher, outros filhos, até outros netos.” (5°§), a pontuação confere um sentido expressivo ao texto, ilustrando, por parte do narrador, uma
linguagem:

a) pessimista
b) esperançosa
c) insegura
d) objetiva
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/336126

Questão 167: IBFC - Ass Adm (Docas PB)/Docas PB/2015


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Texto II

(Disponivel em: http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/cartum/cartunsdiarios/#22/7/2015)

Sobre o conteúdo da tirinha, é correto afirmar que:

a) a conclusão do último quadrinho corresponde à aceitação de algo consensual.


b) o texto propõe uma reflexão sobre a liberdade de expressão na internet.
c) os comentaristas da internet devem ter poder de decisão sobre qualquer assunto.
d) as falas apresentam uma proposta de censura aos comentários feitos na internet.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/336130

Questão 168: IBFC - Tec Esp (MGS)/MGS/Serv. Técnicos Contábeis/2015


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
A arte de escrever

“Há, portanto, uma arte de escrever - que é a redação. Não é uma prerrogativa dos literatos, senão uma atividade social indispensável, para a qual falta, não obstante,
muitas vezes, uma preparação preliminar.

A arte de falar, necessária à exposição oral, é mais fácil na medida em que se beneficia da prática da fala cotidiana, de cujos elementos parte em princípio.

O que há de comum, antes de tudo, entre a exposição oral e a escrita é a necessidade da boa composição, isto é, uma distribuição metódica e compreensível de ideias.

Impõe-se igualmente a visualização de um objetivo definido. Ninguém é capaz de escrever bem, se não sabe bem o que vai escrever.

Justamente por causa disso, as condições para a redação no exercício da vida profissional ou no intercâmbio amplo, dentro da sociedade, são muito diversas das da
redação escolar. A convicção do que vamos dizer, a importância que há em dizê-lo, o domínio de um assunto da nossa especialidade tiram à redação o caráter negativo
de mero exercício formal, como tem na escola.

Qualquer um de nós senhor de um assunto é, em princípio, capaz de escrever sobre ele. Não há um jeito especial para a redação, ao contrário do que muita gente pensa.
Há apenas uma falta de preparação inicial, que o esforço e a prática vencem.

Por outro lado, a arte de escrever, na medida em que consubstancia a nossa capacidade de expressão do pensar e do sentir, tem de firmar raízes na nossa própria
personalidade e decorre, em grande parte, de um trabalho nosso para desenvolver a personalidade por este ângulo. [...]

A arte de escrever precisa assentar numa atividade preliminar já radicada, que parte do ensino escolar e de um hábito de leitura inteligentemente conduzido; depende
muito, portanto, de nós mesmos, de uma disciplina mental adquirida pela autocrítica e pela observação cuidadosa do que outros, com bom resultado, escreveram."

(JOAQUIM MATTOSO CÂMARA JR. Manual de expressão oral & escrita. 7a. Edição, Vozes, Petrópolís, 1983.)
No segundo e no terceiro parágrafos, o autor compara a arte de escrever à arte de falar. Assinale a alternativa que apresenta uma análise correta da proposta feita pelo
autor:

a) A fala é superior à escrita, independente do contexto.


b) A escrita beneficia-se do improviso tanto quanto a fala.
https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 76/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
c) A organização das ideias é um aspecto essencial na fala e na escrita.
d) A linguagem do dia a dia é determinante para uma boa redação.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/340309

Questão 169: IBFC - Tec Esp (MGS)/MGS/Serv. Técnicos Contábeis/2015


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
A arte de escrever

“Há, portanto, uma arte de escrever - que é a redação. Não é uma prerrogativa dos literatos, senão uma atividade social indispensável, para a qual falta, não obstante,
muitas vezes, uma preparação preliminar.

A arte de falar, necessária à exposição oral, é mais fácil na medida em que se beneficia da prática da fala cotidiana, de cujos elementos parte em princípio.

O que há de comum, antes de tudo, entre a exposição oral e a escrita é a necessidade da boa composição, isto é, uma distribuição metódica e compreensível de ideias.

Impõe-se igualmente a visualização de um objetivo definido. Ninguém é capaz de escrever bem, se não sabe bem o que vai escrever.

Justamente por causa disso, as condições para a redação no exercício da vida profissional ou no intercâmbio amplo, dentro da sociedade, são muito diversas das da
redação escolar. A convicção do que vamos dizer, a importância que há em dizê-lo, o domínio de um assunto da nossa especialidade tiram à redação o caráter negativo
de mero exercício formal, como tem na escola.

Qualquer um de nós senhor de um assunto é, em princípio, capaz de escrever sobre ele. Não há um jeito especial para a redação, ao contrário do que muita gente pensa.
Há apenas uma falta de preparação inicial, que o esforço e a prática vencem.

Por outro lado, a arte de escrever, na medida em que consubstancia a nossa capacidade de expressão do pensar e do sentir, tem de firmar raízes na nossa própria
personalidade e decorre, em grande parte, de um trabalho nosso para desenvolver a personalidade por este ângulo. [...]

A arte de escrever precisa assentar numa atividade preliminar já radicada, que parte do ensino escolar e de um hábito de leitura inteligentemente conduzido; depende
muito, portanto, de nós mesmos, de uma disciplina mental adquirida pela autocrítica e pela observação cuidadosa do que outros, com bom resultado, escreveram."

(JOAQUIM MATTOSO CÂMARA JR. Manual de expressão oral & escrita. 7a. Edição, Vozes, Petrópolís, 1983.)
No texto, a palavra “redação" assume dois significados: a arte de escrever e as produções escritas restritas ao universo escolar. Nesse sentido, segundo o texto, pode-se
inferir que:

a) As produções escolares auxiliam na tarefa de escrever bem porque estimulam a reflexão dos alunos.
b) A escrita, na escola, é apenas o cumprimento de uma formalidade, dificultando o desenvolvimento das habilidades necessárias para escrever bem.
c) A arte de escrever é inata ao aluno, e independente dos estímulos, quem domina a língua portuguesa escreverá bem sempre.
d) A arte de escrever seria a capacidade de criar bons textos escolares, pois esse é o único reduto da vida em sociedade onde a escrita está atrelada ao sucesso.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/340313

Questão 170: IBFC - Ag Ad (CM Vassouras)/CM Vassouras/2016


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Cace a liberdade

(Martha Medeiros)

Arroz, feijão, bife, ovo. Isso nós temos no prato, é a fonte de energia que nos faz levantar de manhã e sair para trabalhar. Nossa meta primeira é a sobrevivência do
corpo. Mas como anda a dieta da alma?

Outro dia, no meio da tarde, senti uma fome me revirando por dentro. Uma fome que me deixou melancólica. Me dei conta de que estava indo pouco ao cinema,
conversando pouco com as pessoas, e senti uma abstinência de viajar que me deixou até meio tonta. Minha geladeira, afortunadamente, está cheia, e ando até um
pouco acima do meu peso ideal, mas me senti desnutrida. Você já se sentiu assim também, precisando se alimentar?

Revista, jornal, internet, isso tudo nos informa, nos situa no mundo, mas não sacia. A informação entra dentro da casa da gente em doses cavalares e nos encontra
passivos, a gente apenas seleciona o que nos interessa e despreza o resto, e nem levantamos da cadeira neste processo. Para alimentar a alma, é obrigatório sair de
casa. Sair à caça. Perseguir.

Se não há silêncio a sua volta, cace o silêncio onde ele se esconde, pegue uma estradinha de terra batida, visite um sítio, uma cachoeira, ou vá para a beira da praia, o
litoral é bonito neste época, tem uma luz diferente, o mar parece maior, há menos gente.

Cace o afeto, procure quem você gosta de verdade, tire férias de rancores e mágoas, abrace forte, sorria, permita que o cacem também.

Cace a liberdade que anda tão rara, liberdade de pensamento, de atitudes, vá ao encontro de tudo que não tem regra, patrulha, horários. Cace o amanhã, o novo, o que
ainda não foi contaminado por críticas, modismos, conceitos, vá atrás do que é surpreendente, o que se expande na sua frente, o que lhe provoca prazer de olhar, sentir,
sorver. Entre numa galeria de arte. Vá assistir a um filme de um diretor que não conhece. Olhe para a sua cidade com olhos de estrangeiro, como se você fosse um
turista. Abra portas. E páginas.

Arroz, feijão, bife, ovo. Isso me mantém de pé, mas não acaba com meu cansaço diante de uma vida que, se eu me descuido, se torna repetitiva, monótona, entediante.
Mas nada de descuido. Vou me entupir de calorias na alma. Há fartas sugestões no cardápio. Quero engordar no lugar certo. O ritmo dos meus dias é tão intenso que às
vezes a gente se esquece de se alimentar direito.

Considerando as ideias defendidas pela autora, é correto afirmar que:

a) a alimentação da alma deve ser mais importante que a do corpo.


b) o silêncio contribui para que a alma fique melancólica e triste.
c) o bom aproveitamento da vida corresponde à energia para a alma.
d) a grande quantidade de informação viabiliza a saciedade da alma.
e) a dieta com calorias para a alma é tão prejudicial quanto para o corpo.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/344991

Questão 171: IBFC - Ag Ad (CM Vassouras)/CM Vassouras/2015


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 77/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Dentro de um abraço

Onde é que você gostaria de estar agora, neste exato momento?

Fico pensando nos lugares paradisíacos onde já estive, e que não me custaria nada reprisar: num determinado restaurante de uma ilha grega, em diversas praias do
Brasil e do mundo, na casa de bons amigos, em algum vilarejo europeu, numa estrada bela e vazia, no meio de um show espetacular, numa sala de cinema assistindo à
estreia de um filme muito esperado e, principalmente, no meu quarto e na minha cama, que nenhum hotel cinco estrelas consegue superar – a intimidade da gente é
irreproduzível.

Posso também listar os lugares onde não gostaria de estar: num leito de hospital, numa fila de banco, numa reunião de condomínio, presa num elevador, em meio a um
trânsito congestionado, numa cadeira de dentista.

E então? Somando os prós e os contras, as boas e más opções, onde, afinal, é o melhor lugar do mundo?

Meu palpite: dentro de um abraço.

Que lugar melhor para uma criança, para um idoso, para uma mulher apaixonada, para um adolescente com medo, para um doente, para alguém solitário? Dentro de um
abraço é sempre quente, é sempre seguro. Dentro de um abraço não se ouve o tic-tac dos relógios e, se faltar luz, tanto melhor. Tudo o que você pensa e sofre dentro
de um abraço se dissolve.

Que lugar melhor para um recém-nascido, para um recém-chegado, para um recém-demitido, para um recém-contratado? Dentro de um abraço nenhuma situação é
incerta, o futuro não amedronta, estacionamos confortavelmente em meio ao paraíso.

O rosto contra o peito de quem te abraça, as batidas do coração dele e as suas, o silêncio que sempre se faz durante esse envolvimento físico: nada há para se
reivindicar ou agradecer, dentro de um abraço voz nenhuma se faz necessária, está tudo dito.
[...]
(Martha Medeiros)
Em relação ao texto, é correto afirmar que a autora:

a) parte da experiência particular para construir uma conclusão de sentido mais geral.
b) lista bons lugares indicando que o que eles têm em comum é o fato de serem caros.
c) introduz seu texto com uma pergunta que tem ela própria como destinatário.
d) cita os lugares em que não gostaria de estar em função de serem cheios.
e) apresenta um abraço como um conforto apenas para os momentos difíceis.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/345924

Questão 172: IBFC - Ag Ad (CM Vassouras)/CM Vassouras/2015


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Dentro de um abraço

Onde é que você gostaria de estar agora, neste exato momento?

Fico pensando nos lugares paradisíacos onde já estive, e que não me custaria nada reprisar: num determinado restaurante de uma ilha grega, em diversas praias do
Brasil e do mundo, na casa de bons amigos, em algum vilarejo europeu, numa estrada bela e vazia, no meio de um show espetacular, numa sala de cinema assistindo à
estreia de um filme muito esperado e, principalmente, no meu quarto e na minha cama, que nenhum hotel cinco estrelas consegue superar – a intimidade da gente é
irreproduzível.

Posso também listar os lugares onde não gostaria de estar: num leito de hospital, numa fila de banco, numa reunião de condomínio, presa num elevador, em meio a um
trânsito congestionado, numa cadeira de dentista.

E então? Somando os prós e os contras, as boas e más opções, onde, afinal, é o melhor lugar do mundo?

Meu palpite: dentro de um abraço.

Que lugar melhor para uma criança, para um idoso, para uma mulher apaixonada, para um adolescente com medo, para um doente, para alguém solitário? Dentro de um
abraço é sempre quente, é sempre seguro. Dentro de um abraço não se ouve o tic-tac dos relógios e, se faltar luz, tanto melhor. Tudo o que você pensa e sofre dentro
de um abraço se dissolve.

Que lugar melhor para um recém-nascido, para um recém-chegado, para um recém-demitido, para um recém-contratado? Dentro de um abraço nenhuma situação é
incerta, o futuro não amedronta, estacionamos confortavelmente em meio ao paraíso.

O rosto contra o peito de quem te abraça, as batidas do coração dele e as suas, o silêncio que sempre se faz durante esse envolvimento físico: nada há para se
reivindicar ou agradecer, dentro de um abraço voz nenhuma se faz necessária, está tudo dito.
[...]
(Martha Medeiros)
A pontuação em um texto está a serviço dos sentidos que se pretende construir. Desse modo, em “Meu palpite: dentro de um abraço.”(5º§), os dois pontos foram
empregados para:

a) introduzir uma enumeração


b) acelerar o ritmo do texto
c) corrigir a informação anterior
d) criar expectativa no leitor
e) introduzir um sinônimo
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/345925

Questão 173: IBFC - Ag Ad (CM Vassouras)/CM Vassouras/2015


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Dentro de um abraço

Onde é que você gostaria de estar agora, neste exato momento?

Fico pensando nos lugares paradisíacos onde já estive, e que não me custaria nada reprisar: num determinado restaurante de uma ilha grega, em diversas praias do

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 78/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Brasil e do mundo, na casa de bons amigos, em algum vilarejo europeu, numa estrada bela e vazia, no meio de um show espetacular, numa sala de cinema assistindo à
estreia de um filme muito esperado e, principalmente, no meu quarto e na minha cama, que nenhum hotel cinco estrelas consegue superar – a intimidade da gente é
irreproduzível.

Posso também listar os lugares onde não gostaria de estar: num leito de hospital, numa fila de banco, numa reunião de condomínio, presa num elevador, em meio a um
trânsito congestionado, numa cadeira de dentista.

E então? Somando os prós e os contras, as boas e más opções, onde, afinal, é o melhor lugar do mundo?

Meu palpite: dentro de um abraço.

Que lugar melhor para uma criança, para um idoso, para uma mulher apaixonada, para um adolescente com medo, para um doente, para alguém solitário? Dentro de um
abraço é sempre quente, é sempre seguro. Dentro de um abraço não se ouve o tic-tac dos relógios e, se faltar luz, tanto melhor. Tudo o que você pensa e sofre dentro
de um abraço se dissolve.

Que lugar melhor para um recém-nascido, para um recém-chegado, para um recém-demitido, para um recém-contratado? Dentro de um abraço nenhuma situação é
incerta, o futuro não amedronta, estacionamos confortavelmente em meio ao paraíso.

O rosto contra o peito de quem te abraça, as batidas do coração dele e as suas, o silêncio que sempre se faz durante esse envolvimento físico: nada há para se
reivindicar ou agradecer, dentro de um abraço voz nenhuma se faz necessária, está tudo dito.
[...]
(Martha Medeiros)
Em “Dentro de um abraço nenhuma situação é incerta, o futuro não amedronta, estacionamos confortavelmente em meio ao paraíso.” (7º§), percebe-se que a autora
atribui, de modo indireto, uma característica ao abraço. Trata-se da:

a) satisfação
b) segurança
c) ambição
d) cautela
e) alienação
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/345939

Questão 174: IBFC - Ass Adm (CEP 28)/CEP 28/2015


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Também tem de ser verdade

(Jennifer ann Thomas)

A onda sustentável que tomou o planeta nas últimas décadas levantou considerações em torno da fabricação de baterias. A busca pelo aumento da eficiência passou a
rivalizar com a batalha por tornar esses dispositivos mais verdes. O caminho seguro é a substituição gradual de fontes sujas de energia, a exemplo do petróleo, pelas
renováveis. A energia solar, em especial, foi alavancada ao status de possível solução definitiva para os dois problemas que rondam as baterias: a eficiência e a
sustentabilidade. Se toda a radiação que atinge a Terra em um dia, vinda do sol, virasse eletricidade, seria possível sustentar a humanidade por 27 anos. Na prática, o
que falta hoje para a adoção ampla da alternativa solar é apenas vontade, da indústria e de consumidores, para implantá-la. A startup
alemã Changers achou uma boa
forma de incentivo.

A Changers vende os modelos abastecidos por radiação solar. Seus carregadores, finos e maleáveis, podem ser acoplados a mochilas ou levados dentro de uma bolsa.
Após quatro horas carregando no sol, uma dessas baterias absorve energia suficiente para produzir 16 watts-hora, o suficiente para recarregar a bateria de um
smartphone duas vezes no dia.

Um aplicativo, normalmente entregue junto com as baterias da Changers, motiva clientes a ser sustentáveis - e, no processo, mostra as vantagens de adotar essa postura
(mesmo que para isso seja preciso pagar um pouco mais caro pelo produto alimentado pelo sol, em comparação com as baterias carregadas com fontes sujas). [...] A
fundadora da Changers, Daniela Schieffer, afirma: "Todos adoram falar da necessidade de cuidar da Terra, mas poucos se mexem para isso. Queremos dar um empurrão,
dizer 'vamos começar de algum lugar' e mostrar quando é fácil adotar posturas mais conscientes".

(Revista Veja, de 15/04/15 - adaptado)

Considerando o sentido global do texto, pode-se afirmar que a referência à startup alemã Changers cumpre o seguinte papel:

a) revelar a superioridade da tecnologia alemã em relação às demais encontradas em outros países.


b) fragilizar a ideia de que é possível a implantação gradativa de energia solar como alternativa para o consumo.
c) ilustrar que, havendo vontade por parte da indústria e dos consumidores, vislumbram-se novas alternativas de energia.
d) demonstrar o interesse internacional em atingir mercados consumidores como o brasileiro.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/356784

Questão 175: IBFC - Ass Adm (CEP 28)/CEP 28/2015


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)

A charge acima efetiva uma crítica bem humorada a um dos grandes desafios do mundo contemporâneo no que diz respeito à sustentabilidade: a alocação do lixo. Além
da exploração dos recursos visuais, o humor efetiva-se:

a) Pelo desespero dos personagens evidenciado em suas falas.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 79/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
b) Pelo comprometimento do senhor com o conteúdo que está lendo.
c) Pela duplicidade de sentido de um dos vocábulos.
d) Pela necessidade de mudança defendida com vigor.

Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/356828

Questão 176: IBFC - Ass Adm (CEP 28)/CEP 28/2015


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Texto I

Também tem de ser verdade

(Jennifer ann Thomas)

A onda sustentável que tomou o planeta nas últimas décadas levantou considerações em torno da fabricação de baterias. A busca pelo aumento da eficiência passou a
rivalizar com a batalha por tornar esses dispositivos mais verdes. O caminho seguro é a substituição gradual de fontes sujas de energia, a exemplo do petróleo, pelas
renováveis. A energia solar, em especial, foi alavancada ao status de possível solução definitiva para os dois problemas que rondam as baterias: a eficiência e a
sustentabilidade. Se toda a radiação que atinge a Terra em um dia, vinda do sol, virasse eletricidade, seria possível sustentar a humanidade por 27 anos. Na prática, o
que falta hoje para a adoção ampla da alternativa solar é apenas vontade, da indústria e de consumidores, para implantá-la. A startup
alemã Changers achou uma boa
forma de incentivo.

A Changers vende os modelos abastecidos por radiação solar. Seus carregadores, finos e maleáveis, podem ser acoplados a mochilas ou levados dentro de uma bolsa.
Após quatro horas carregando no sol, uma dessas baterias absorve energia suficiente para produzir 16 watts-hora, o suficiente para recarregar a bateria de
um smartphone duas vezes no dia.

Um aplicativo, normalmente entregue junto com as baterias da Changers, motiva clientes a ser sustentáveis - e, no processo, mostra as vantagens de adotar essa postura
(mesmo que para isso seja preciso pagar um pouco mais caro pelo produto alimentado pelo sol, em comparação com as baterias carregadas com fontes sujas). [...] A
fundadora da Changers, Daniela Schieffer, afirma: "Todos adoram falar da necessidade de cuidar da Terra, mas poucos se mexem para isso. Queremos dar um empurrão,
dizer 'vamos começar de algum lugar' e mostrar quando é fácil adotar posturas mais conscientes".

(Revista Veja, de 15/04/15 - adaptado)

Texto II

Os textos I e II dialogam no que diz respeito à:

a) defesa de novas fontes de energia.


b) preocupação com a vida no planeta Terra.
c) crítica aos modelos atuais de estímulo à sustentabilidade.
d) total falta de vontade das pessoas em repensar sua relação com o meio ambiente.

Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/356838

Questão 177: IBFC - Aux Adm (MGS)/MGS/2016


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Mundo interior

(Martha Medeiros)

A casa da gente é uma metáfora da nossa vida, é a representação exata e fiel do nosso mundo interior. Li esta frase outro dia e achei perfeito. Poucas coisas traduzem
tão bem nosso jeito de ser como nosso jeito de morar. Isso não se aplica, logicamente, aos inquilinos da rua, que têm como teto um viaduto, ainda que eu não duvide
que até eles sejam capazes de ter seus códigos secretos de instalação.

No entanto, estamos falando de quem pode ter um endereço digno, seja seu ou de aluguel. Pode ser um daqueles apartamentos amplos, com pé direito alto e preço mais
alto ainda, ou um quarto-e-sala tão compacto quanto seu salário: na verdade, isso determina apenas seu poder aquisitivo, não revela seu mundo interior, que se
manifesta por meio de outros valores.

Da porta da rua pra dentro, pouco importa a quantidade de metros quadrados e, sim, a maneira como você os ocupa. Se é uma casa colorida ou monocrática. Se tem
objetos obtidos com afeto ou se foi tudo escolhido por um decorador profissional. Se há fotos das pessoas que amamos espalhadas por porta-retratos ou se há paredes
nuas.

Tudo pode ser revelador: se deixamos a comida estragar na geladeira, se temos a mania de deixar as janelas sempre fechadas, se há muitas coisas por consertar. Isso
também é estilo de vida.

Luz direta ou indireta? Tudo combinadinho ou uma esquizofrenia saudável na junção das coisas? Tudo de grife ou tudo de brinque? É um jogo lúdico tentar descobrir o
quanto há de granito e o quanto há de madeira na nossa personalidade. Qual o grau de importância das plantas no nosso habitat, que nota daríamos para o quesito vista
https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 80/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
panorâmica? Quadros tortos nos enervam? Tapetes rotos nos comovem?

Há casas em que tudo o que é aparente está em ordem, mas reina a confusão dentro dos armários. Há casas tão limpas, tão lindas, tão perfeitas que parecem cenários:
faz falta um cheiro de comida e um som vindo lá do quarto. Há casas escuras. Há casas feitas por fora e bonitas por dentro. Há casas pequenas onde cabem toda a
família e os amigos, há casas com lareira que se mantêm frias. Há casas prontas para receber visitas e impróprias para receber a vida. Há casas com escadas, casas com
desníveis, casas divertidamente irregulares.

Pode aparecer apenas o lugar onde a gente dorme, come e vê televisão, mas nossa casa é muito mais que isso. É a nossa caverna, o nosso castelo, o esconderijo secreto
onde coabitamos com nossos defeitos e virtudes.

De acordo com a autora, há uma relação entre as casas e seus moradores. Trata-se de uma relação de:

a) identificação
b) dependência
c) oposição.
d) complementaridade.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/372202

Questão 178: IBFC - Aux Adm (MGS)/MGS/2016


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Mundo interior

(Martha Medeiros)

A casa da gente é uma metáfora da nossa vida, é a representação exata e fiel do nosso mundo interior. Li esta frase outro dia e achei perfeito. Poucas coisas traduzem
tão bem nosso jeito de ser como nosso jeito de morar. Isso não se aplica, logicamente, aos inquilinos da rua, que têm como teto um viaduto, ainda que eu não duvide
que até eles sejam capazes de ter seus códigos secretos de instalação.

No entanto, estamos falando de quem pode ter um endereço digno, seja seu ou de aluguel. Pode ser um daqueles apartamentos amplos, com pé direito alto e preço mais
alto ainda, ou um quarto-e-sala tão compacto quanto seu salário: na verdade, isso determina apenas seu poder aquisitivo, não revela seu mundo interior, que se
manifesta por meio de outros valores.

Da porta da rua pra dentro, pouco importa a quantidade de metros quadrados e, sim, a maneira como você os ocupa. Se é uma casa colorida ou monocrática. Se tem
objetos obtidos com afeto ou se foi tudo escolhido por um decorador profissional. Se há fotos das pessoas que amamos espalhadas por porta-retratos ou se há paredes
nuas.

Tudo pode ser revelador: se deixamos a comida estragar na geladeira, se temos a mania de deixar as janelas sempre fechadas, se há muitas coisas por consertar. Isso
também é estilo de vida.

Luz direta ou indireta? Tudo combinadinho ou uma esquizofrenia saudável na junção das coisas? Tudo de grife ou tudo de brinque? É um jogo lúdico tentar descobrir o
quanto há de granito e o quanto há de madeira na nossa personalidade. Qual o grau de importância das plantas no nosso habitat, que nota daríamos para o quesito vista
panorâmica? Quadros tortos nos enervam? Tapetes rotos nos comovem?

Há casas em que tudo o que é aparente está em ordem, mas reina a confusão dentro dos armários. Há casas tão limpas, tão lindas, tão perfeitas que parecem cenários:
faz falta um cheiro de comida e um som vindo lá do quarto. Há casas escuras. Há casas feitas por fora e bonitas por dentro. Há casas pequenas onde cabem toda a
família e os amigos, há casas com lareira que se mantêm frias. Há casas prontas para receber visitas e impróprias para receber a vida. Há casas com escadas, casas com
desníveis, casas divertidamente irregulares.

Pode aparecer apenas o lugar onde a gente dorme, come e vê televisão, mas nossa casa é muito mais que isso. É a nossa caverna, o nosso castelo, o esconderijo secreto
onde coabitamos com nossos defeitos e virtudes.

Considerando que a autora tenta aproximar as casas daqueles que a habitam, em "Há casas em que tudo o que é aparente está em ordem, mas reina a confusão dentro
dos armários." (6º §), pode-se afirmar que aponta-se para a seguinte característica humana:

a) falsidade
b) organização
c) desprendimento
d) liberdade

Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/372208

Questão 179: IBFC - Aux Adm (MGS)/MGS/2016


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)

A compreensão adequada da charge exige o entendimento da combinação de elementos verbais e não-verbais. Assim, pode-se afirmar que o humor é construído,
sobretudo, através:

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 81/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
a) do duplo sentido atribuído à palavra "perdida"
b) da representação de um ponto turístico carioca.
c) do rosto de desespero do personagem que corre.
d) do emprego formal do pronome.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/372251

Questão 180: IBFC - Cui Esc (Petrópolis)/Pref Petrópolis/2015


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Fuga

(Fernando Sabino)

Mal o pai colocou o papel na máquina, o menino começou a empurrar uma cadeira pela sala, fazendo um barulho infernal.

- Para com esse barulho, meu filho – falou, sem se voltar.

Com três anos já sabia reagir como homem ao impacto das grandes injustiças paternas: não estava fazendo barulho, estava só empurrando uma cadeira.

- Pois então para de empurrar a cadeira.

- Eu vou embora – foi a resposta.

Distraído, o pai não reparou que ele juntava ação às palavras, no ato de juntar do chão as suas coisinhas, enrolandoas num pedaço de pano. Era a sua bagagem: um
caminhão de plástico com apenas três rodas, um resto de biscoito, uma chave (onde diabo meteram a chave da despensa? - a mãe mais tarde irá dizer), metade de uma
tesourinha enferrujada, sua única arma para a grande aventura, um botão amarrado num barbante.

A calma que baixou então na sala era vagamente inquietante. De repente, o pai olhou ao redor e não viu o menino. Deu com a porta da rua aberta, correu até o portão:

- Viu um menino saindo desta casa? – gritou para o operário que descansava diante da obra do outro lado da rua, sentado no meio-fio.

- Saiu agora mesmo com a trouxinha – informou ele.

Correu até a esquina e teve tempo de vê-lo ao longe, caminhando cabisbaixo ao longo do muro. A trouxa, arrastada no chão, ia deixando pelo caminho alguns de seus
pertences: o botão, o pedaço de biscoito e – saíra de casa prevenido – uma moeda de 1 cruzeiro. Chamou-o, mas ele apertou o passinho, abriu a correr em direção à
Avenida, como disposto a atirar-se diante do ônibus que surgia a distância.

- Meu filho, cuidado!

O ônibus deu uma freada brusca, uma guinada para a esquerda, os pneus cantaram no asfalto. O menino, assustado, arrepiou carreira. O pai precipitou-se e o
arrebanhou com o braço como a um animalzinho:

- Que susto você me passou, meu filho – e apertava-o contra o peito, comovido.

- Deixa eu descer, papai. Você está me machucando.

Irresoluto, o pai pensava agora se não seria o caso de lhe dar umas palmadas:

- Machucando, é? Fazer uma coisa dessas com seu pai.

- Me larga. Eu quero ir embora.

Trouxe-o para casa e o largou novamente na sala – tendo antes o cuidado de fechar a porta da rua e retirar a chave, como ele fizera com a da despensa.

- Fique aí quietinho, está ouvindo? Papai está trabalhando.

- Fico, mas vou empurrar esta cadeira.

E o barulho recomeçou.

A partir de uma leitura atenta do texto, pode-se concluir que:

a) o que motivou a fuga do menino foi o fato dele ter nas mãos a chave da despensa.
b) o pai percebeu que menino havia fugido assim que tal fato ocorreu.
c) arrastar a cadeira é uma atitude de protesto do menino diante da desatenção do pai.
d) a fato de estar trabalhando fez com que o pai não percebesse a fuga do menino.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/375898

Questão 181: IBFC - Cui Esc (Petrópolis)/Pref Petrópolis/2015


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Fuga

(Fernando Sabino)

Mal o pai colocou o papel na máquina, o menino começou a empurrar uma cadeira pela sala, fazendo um barulho infernal.

- Para com esse barulho, meu filho – falou, sem se voltar.

Com três anos já sabia reagir como homem ao impacto das grandes injustiças paternas: não estava fazendo barulho, estava só empurrando uma cadeira.

- Pois então para de empurrar a cadeira.

- Eu vou embora – foi a resposta.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 82/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Distraído, o pai não reparou que ele juntava ação às palavras, no ato de juntar do chão as suas coisinhas, enrolandoas num pedaço de pano. Era a sua bagagem: um
caminhão de plástico com apenas três rodas, um resto de biscoito, uma chave (onde diabo meteram a chave da despensa? - a mãe mais tarde irá dizer), metade de uma
tesourinha enferrujada, sua única arma para a grande aventura, um botão amarrado num barbante.

A calma que baixou então na sala era vagamente inquietante. De repente, o pai olhou ao redor e não viu o menino. Deu com a porta da rua aberta, correu até o portão:

- Viu um menino saindo desta casa? – gritou para o operário que descansava diante da obra do outro lado da rua, sentado no meio-fio.

- Saiu agora mesmo com a trouxinha – informou ele.

Correu até a esquina e teve tempo de vê-lo ao longe, caminhando cabisbaixo ao longo do muro. A trouxa, arrastada no chão, ia deixando pelo caminho alguns de seus
pertences: o botão, o pedaço de biscoito e – saíra de casa prevenido – uma moeda de 1 cruzeiro. Chamou-o, mas ele apertou o passinho, abriu a correr em direção à
Avenida, como disposto a atirar-se diante do ônibus que surgia a distância.

- Meu filho, cuidado!

O ônibus deu uma freada brusca, uma guinada para a esquerda, os pneus cantaram no asfalto. O menino, assustado, arrepiou carreira. O pai precipitou-se e o
arrebanhou com o braço como a um animalzinho:

- Que susto você me passou, meu filho – e apertava-o contra o peito, comovido.

- Deixa eu descer, papai. Você está me machucando.

Irresoluto, o pai pensava agora se não seria o caso de lhe dar umas palmadas:

- Machucando, é? Fazer uma coisa dessas com seu pai.

- Me larga. Eu quero ir embora.

Trouxe-o para casa e o largou novamente na sala – tendo antes o cuidado de fechar a porta da rua e retirar a chave, como ele fizera com a da despensa.

- Fique aí quietinho, está ouvindo? Papai está trabalhando.

- Fico, mas vou empurrar esta cadeira.

E o barulho recomeçou.

A fala do menino em “- Deixa eu descer, papai. Você está me machucando.” deve ser compreendida no texto como uma atitude:

a) de revolta diante da bronca que recebeu do pai.


b) de carinho ao reconhecer o quanto o pai se importava com ele.
c) de inocência sem ter ciência da gravidade do que poderia ocorrer.
d) de inconformismo já que ele queria continuar seu projeto de fuga.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/375899

Questão 182: IBFC - Cui Esc (Petrópolis)/Pref Petrópolis/2015


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Fuga

(Fernando Sabino)

Mal o pai colocou o papel na máquina, o menino começou a empurrar uma cadeira pela sala, fazendo um barulho infernal.

- Para com esse barulho, meu filho – falou, sem se voltar.

Com três anos já sabia reagir como homem ao impacto das grandes injustiças paternas: não estava fazendo barulho, estava só empurrando uma cadeira.

- Pois então para de empurrar a cadeira.

- Eu vou embora – foi a resposta.

Distraído, o pai não reparou que ele juntava ação às palavras, no ato de juntar do chão as suas coisinhas, enrolandoas num pedaço de pano. Era a sua bagagem: um
caminhão de plástico com apenas três rodas, um resto de biscoito, uma chave (onde diabo meteram a chave da despensa? - a mãe mais tarde irá dizer), metade de uma
tesourinha enferrujada, sua única arma para a grande aventura, um botão amarrado num barbante.

A calma que baixou então na sala era vagamente inquietante. De repente, o pai olhou ao redor e não viu o menino. Deu com a porta da rua aberta, correu até o portão:

- Viu um menino saindo desta casa? – gritou para o operário que descansava diante da obra do outro lado da rua, sentado no meio-fio.

- Saiu agora mesmo com a trouxinha – informou ele.

Correu até a esquina e teve tempo de vê-lo ao longe, caminhando cabisbaixo ao longo do muro. A trouxa, arrastada no chão, ia deixando pelo caminho alguns de seus
pertences: o botão, o pedaço de biscoito e – saíra de casa prevenido – uma moeda de 1 cruzeiro. Chamou-o, mas ele apertou o passinho, abriu a correr em direção à
Avenida, como disposto a atirar-se diante do ônibus que surgia a distância.

- Meu filho, cuidado!

O ônibus deu uma freada brusca, uma guinada para a esquerda, os pneus cantaram no asfalto. O menino, assustado, arrepiou carreira. O pai precipitou-se e o
arrebanhou com o braço como a um animalzinho:

- Que susto você me passou, meu filho – e apertava-o contra o peito, comovido.

- Deixa eu descer, papai. Você está me machucando.

Irresoluto, o pai pensava agora se não seria o caso de lhe dar umas palmadas:

- Machucando, é? Fazer uma coisa dessas com seu pai.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 83/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

- Me larga. Eu quero ir embora.

Trouxe-o para casa e o largou novamente na sala – tendo antes o cuidado de fechar a porta da rua e retirar a chave, como ele fizera com a da despensa.

- Fique aí quietinho, está ouvindo? Papai está trabalhando.

- Fico, mas vou empurrar esta cadeira.

E o barulho recomeçou.

A atitude do menino, ao final do texto, sugere que:

a) houve uma mudança de postura por parte dele.


b) o pai passou a ignorar a atitude do filho.
c) o pai parou de trabalhar em função do barulho.
d) ele encontrou outra forma de distração.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/375931

Questão 183: IBFC - Asst (CM Aqa)/CM Araraquara/Comunicação/2016


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
COMUNIDADES - DAS PRIMEIRAS ÀS NOVAS LEITURAS DO CONCEITO

(...)

Por meio dos autores reunidos por Fernandes, percebese que a ideia de comunidade remete ao sentimento de vida em comum fundado nas relações de parentesco e
vizinhança, baseado na reciprocidade, norteado por laços afetivos que ligam indivíduos que convivem em um mesmo espaço físico e nele adquirem os recursos básicos
para a sua subsistência. Cada um dos autores apresentados por Fernandes atribui valor a um ou outro dos atributos. Mas, se pudéssemos identificar um tipo ideal de
comunidade, no sentido weberiano do termo, a partir dos diversos autores reunidos por Fernandes, esta teria: base territorial comum, fortes laços afetivos, reciprocidade,
autonomia política e econômica e subordinação do individual ao social.

Já uma sociedade seria definida por relações voluntárias e contratuais. Na medida em que compartilham determinado interesse, indivíduos podem se associar para
alcançar objetivos relacionados ao mesmo, embora não necessariamente tenham outros aspectos de suas vidas compartilhados, tais como relações de parentesco,
interdependências econômicas ou convivam numa mesma base territorial. Portanto, o conceito de sociedade é mais amplo e inclui o de comunidade.

Essa diferenciação conceituai vem à tona a partir do aprofundamento do processo da divisão social do trabalho. A fragmentação das atividades laborais, a prevalência do
contrato sobre o status, a multiplicação dos grupos formais, a passagem da família para o Estado como forma de organização social predominante e a ampliação e
internacionalização das trocas comerciais são algumas condições sociais que promovem modos de vida societários e fundamentam a separação conceituai entre
comunidade e sociedade; e, mesmo, sugerem a passagem da primeira forma à segunda como modo predominante de agrupamento social, embora a bibliografia seja
quase unânime em afirmar a coexistência entre as duas formas sociais ao longo da História. (...)

http://www.revistas.usp.br/comueduc/article/view/78561/83089 - acesso em 02/05/2016.


Analise as afirmativas abaixo e assinale a alternativa correta.

I. Para que haja realmente uma sociedade se faz necessário compartilhar vários aspectos sociais, culturais e políticos;

II. O sentido de uma comunidade está intrinsecamente ligado à vida comum;

III. Ao estudarmos o sentido de sociedade e comunidade percebemos que um está inserido no outro, sendo que o segundo se encontra no primeiro.

a) I e II estão corretos;
b) II e III estão corretos;
c) I e III estão corretos.
d) Somente I está correta
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/376137

Questão 184: IBFC - Asst (CM Aqa)/CM Araraquara/Comunicação/2016


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
COMUNIDADES - DAS PRIMEIRAS ÀS NOVAS LEITURAS DO CONCEITO

(...)

Por meio dos autores reunidos por Fernandes, percebese que a ideia de comunidade remete ao sentimento de vida em comum fundado nas relações de parentesco e
vizinhança, baseado na reciprocidade, norteado por laços afetivos que ligam indivíduos que convivem em um mesmo espaço físico e nele adquirem os recursos básicos
para a sua subsistência. Cada um dos autores apresentados por Fernandes atribui valor a um ou outro dos atributos. Mas, se pudéssemos identificar um tipo ideal de
comunidade, no sentido weberiano do termo, a partir dos diversos autores reunidos por Fernandes, esta teria: base territorial comum, fortes laços afetivos, reciprocidade,
autonomia política e econômica e subordinação do individual ao social.

Já uma sociedade seria definida por relações voluntárias e contratuais. Na medida em que compartilham determinado interesse, indivíduos podem se associar para
alcançar objetivos relacionados ao mesmo, embora não necessariamente tenham outros aspectos de suas vidas compartilhados, tais como relações de parentesco,
interdependências econômicas ou convivam numa mesma base territorial. Portanto, o conceito de sociedade é mais amplo e inclui o de comunidade.

Essa diferenciação conceituai vem à tona a partir do aprofundamento do processo da divisão social do trabalho. A fragmentação das atividades laborais, a prevalência do
contrato sobre o status, a multiplicação dos grupos formais, a passagem da família para o Estado como forma de organização social predominante e a ampliação e
internacionalização das trocas comerciais são algumas condições sociais que promovem modos de vida societários e fundamentam a separação conceituai entre
comunidade e sociedade; e, mesmo, sugerem a passagem da primeira forma à segunda como modo predominante de agrupamento social, embora a bibliografia seja
quase unânime em afirmar a coexistência entre as duas formas sociais ao longo da História. (...)

http://www.revistas.usp.br/comueduc/article/view/78561/83089 - acesso em 02/05/2016.


Assinale a alternativa que se relaciona diretamente ao título do texto.

a) Apresentação de idéias de épocas distintas.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 84/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
b) Apresentação de idéias de épocas contemporâneas.
c) Apresentação de idéias totalmente contraditórias
d) Apresentação de idéias semelhantes.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/376159

Questão 185: IBFC - TCE (TCM-RJ)/TCM-RJ/2016


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Meu engraxate

É por causa do meu engraxate que ando agora em plena desolação. Meu engraxate me deixou. Passei duas vezes pela porta onde ele trabalhava e nada. Então me (1)
inquietei, não sei que (2) doenças mortíferas, que (3) mudança pra outras portas se passaram em mim, resolvi perguntar ao menino que (4) trabalhava na outra
cadeira. O menino é um retalho de hungarês, cara de infeliz, não dá simpatia alguma. E tímido, o que torna instintivamente a gente muito combinado com o universo no
propósito de desgraçar esses desgraçados de nascença. “Está vendendo bilhete de loteria”, respondeu antipático, me (5) deixando numa perplexidade penosíssima:
pronto! Estava sem engraxate! Os olhos do menino chispeavam ávidos, porque sou um dos que ficam fregueses e dão gorjeta. Levei seguramente um minuto pra definir
que tinha de continuar engraxando sapatos toda a vida minha e ali estava um menino que, a gente ensinando, podia ficar engraxate bom.

(ANDRADE, Mário de. Os Filhos da Candinha. São Paulo, Martins, 1963. P. 167)
Assinale a alternativa correta.

a) O narrador está desolado por ter perdido contato com o engraxate a quem se ligava por fortes laços afetivos
b) A razão da perplexidade do narrador está relacionada ao fato de ele ter perdido os serviços do engraxate
c) O narrador deseja encontrar o engraxate para lhe agradecer os serviços que recebera
d) O narrador sente inveja do engraxate, já que este agora vende bilhetes de loteria
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/393130

Questão 186: IBFC - TCE (TCM-RJ)/TCM-RJ/2016


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Meu engraxate

É por causa do meu engraxate que ando agora em plena desolação. Meu engraxate me deixou. Passei duas vezes pela porta onde ele trabalhava e nada. Então me (1)
inquietei, não sei que (2) doenças mortíferas, que (3) mudança pra outras portas se passaram em mim, resolvi perguntar ao menino que (4) trabalhava na outra
cadeira. O menino é um retalho de hungarês, cara de infeliz, não dá simpatia alguma. E tímido, o que torna instintivamente a gente muito combinado com o universo no
propósito de desgraçar esses desgraçados de nascença. “Está vendendo bilhete de loteria”, respondeu antipático, me (5) deixando numa perplexidade penosíssima:
pronto! Estava sem engraxate! Os olhos do menino chispeavam ávidos, porque sou um dos que ficam fregueses e dão gorjeta. Levei seguramente um minuto pra definir
que tinha de continuar engraxando sapatos toda a vida minha e ali estava um menino que, a gente ensinando, podia ficar engraxate bom.

(ANDRADE, Mário de. Os Filhos da Candinha. São Paulo, Martins, 1963. P. 167)
É correto afirmar que:

a) num texto, o significado de uma parte depende de sua relação com outras partes: se considerássemos apenas
o primeiro parágrafo de forma isolada, a relação entre o narrador e o engraxate seria diferente daquela verificada ao longo da narrativa
b) o texto é um tecido, uma estrutura construída de tal modo que as frases podem ter significado autônomo, ou seja, num texto, o sentido de uma frase não tem
correlação com as demais frases. Ao longo do texto, confirma-se a desolação do narrador pelo abandono de seu amigo engraxate
c) Por trás dessa história inventada, existe um pronunciamento de quem produziu o texto: as pessoas são ingratas por natureza, afinal somos seres humanos
d) Para o autor do texto, as relações sociais devem ser movidas pelos interesses recíprocos e a troca de favores
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/393131

Questão 187: IBFC - Tec (COMLURB)/COMLURB-RJ/Segurança do Trabalho/2016


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Que é Segurança do Trabalho?

Segurança do trabalho pode ser entendida como os conjuntos de medidas que são adotadas visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem
como proteger a integridade e a capacidade de trabalho do trabalhador.

A Segurança do Trabalho estuda diversas disciplinas como Introdução à Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho, Prevenção e Controle de Riscos em Máquinas,
Equipamentos e Instalações, Psicologia na Engenharia de Segurança, Comunicação e Treinamento, Administração aplicada à Engenharia de Segurança, O Ambiente e as
Doenças do Trabalho, Higiene do Trabalho, Metodologia de Pesquisa, Legislação, Normas Técnicas, Responsabilidade Civil e Criminal, Perícias, Proteção do Meio
Ambiente, Ergonomia e Iluminação, Proteção contra Incêndios e Explosões e Gerência de Riscos.

O quadro de Segurança do Trabalho de uma empresa compõe-se de uma equipe multidisciplinar composta por Técnico de Segurança do Trabalho, Engenheiro de
Segurança do Trabalho, Médico do Trabalho e Enfermeiro do Trabalho. Estes profissionais formam o que chamamos de SESMT - Serviço Especializado em Engenharia de
Segurança e Medicina do Trabalho. Também os empregados da empresa constituem a CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, que tem como objetivo a
prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tomar compatível permanentemente o trabalho com a preservação da vida e a promoção da saúde
do trabalhador.

A Segurança do Trabalho é definida por normas e leis. No Brasil, a Legislação de Segurança do Trabalho compõe- se de Normas Regulamentadoras, leis complementares,
como portarias e decretos e também as convenções Internacionais da Organização Internacional do Trabalho, ratificadas pelo Brasil.

http://www.areasea.com/sea/ - acesso em 24/04/2016


Analise as afirmativas abaixo e assinale a alternativa correta.

I. Dentre os empregados de uma empresa, somente os que participam da CIPA são os responsáveis pela prevenção de acidentes e doenças decorrentes do
trabalho;

II. Ao pensar em profissionais da Saúde, devemos lembrar-nos do Engenheiro de Segurança do Trabalho, do Médico e Do Engenheiro do trabalho;

III. No Brasil, encontramos exclusivamente decretos, que fazem parte das Leis complementares sobre Segurança do Trabalho.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 85/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
a) Somente I está correta
b) Somente II está correta
c) Somente III está correta;
d) I e II estão corretas.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/393497

Questão 188: IBFC - Moto (CM Franca)/CM Franca/2016


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Dois velhinhos

Dalton Trevisan

Dois pobres inválidos, bem velhinhos, esquecidos numa cela de asilo.

Ao lado da janela, retorcendo os aleijões e esticando a cabeça, apenas um podia olhar lá fora.

Junto à porta, no fundo da cama, o outro espiava a parede úmida, o crucifixo negro, as moscas no fio de luz. Com inveja, perguntava o que acontecia. Deslumbrando,
anunciava o primeiro:

- Um cachorro ergue a perninha no poste.

Mais tarde:

_ Uma menina de vestido branco pulando corda.

Ou ainda:

- Agora é um enterro de luxo.

Sem nada ver, o amigo remordia- se no seu canto. O mais velho acabou morrendo, para alegria do segundo, instalado afinal debaixo da janela.

Não dormiu, antegozando a manhã. Bem desconfiava que o outro não revelava tudo.

Cochilou um instante - era dia. Sentou-se na cama, com dores espichou o pescoço: entre os muros em ruína, ali no beco, um monte de lixo.

TREVISAN, D. Mistérios de Curitiba. Rio de Janeiro: Editora Record, 1979, pag 110.
Analise as afirmativas abaixo e assinale a alternativa correta.

I. O texto discute o tratamento de dois idosos, vivendo sozinhos em um asilo;

II. A menina é sinônimo da alegria, representda pela cor clara de sua roupa e da ação de brincar;

III. O Beco representa um lugar calmo e tranquilo, justamente pela ação apresentada pelo velhinho, de dentro do quadro.

a) I e III estão corretas.


b) I e II estão corretas.
c) II e III estão corretas.
d) Somente I está correta.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/395809

Questão 189: IBFC - As Adm (EBSERH-HUAP)/EBSERH-HUAP/2016


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Texto

Setenta anos, por que não?

Acho essa coisa da idade fascinante: tem a ver com o modo como lidamos com a vida. Se a gente a considera uma ladeira que desce a partir da primeira ruga, ou do
começo de barriguinha, então viver é de certa forma uma desgraceira que acaba na morte. Desse ponto de vista, a vida passa a ser uma doença crônica de prognóstico
sombrio. Nessa festa sem graça, quem fica animado? Quem não se amargura?

[...]

Pois se minhas avós eram damas idosas aos 50 anos, sempre de livro na mão lendo na poltrona junto à janela, com vestidos discretíssimos, pretos de florzinha branca
(ou, em horas mais festivas, minúsculas flores ou bolinhas coloridas), hoje aos 70 estamos fazendo projetos, viajando (pode ser simplesmente à cidade vizinha para
visitar uma amiga), indo ao teatro e ao cinema, indo a restaurante (pode ser o de quilo, ali na esquina), eventualmente namorando ou casando de novo. Ou dando risada
à toa com os netos, e fazendo uma excursão com os filhos. Tudo isso sem esquecer a universidade, ou aprender a ler, ou visitar pela primeira vez uma galeria de arte, ou
comer sorvete na calçada batendo papo com alguma nova amiga.

[...]

Não precisamos ser tão incrivelmente sérios, cobrar tanto de nós, dos outros e da vida, críticos o tempo todo, vendo só o lado mais feio do mundo. Das pessoas. Da
própria família. Dos amigos. Se formos os eternos acusadores, acabaremos com um gosto amargo na boca: o amargor de nossas próprias palavras e sentimentos. Se não
soubermos rir, se tivermos desaprendido como dar uma boa risada, ficaremos com a cara hirta das máscaras das cirurgias exageradas, dos remendos e intervenções para
manter ou recuperar a “beleza”. A alma tem suas dores, e para se curar necessita de projetos e afetos. Precisa acreditar em alguma coisa.

(LUFT, Lya. In: http://veja.abril.com.br. Acesso em 18/09/16)

O modo pelo qual o texto é iniciado permite ao leitor concluir tratar-se de:

a) uma exposição pessoal de ponto de vista


b) uma representação consensual a respeito do tema
c) uma comprovação incontestável sobre o assunto

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 86/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
d) uma orientação consolidada como norma
e) uma explicação sem defesa de ponto de vista
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/418206

Questão 190: IBFC - As Adm (EBSERH-HUAP)/EBSERH-HUAP/2016


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Texto

Setenta anos, por que não?

Acho essa coisa da idade fascinante: tem a ver com o modo como lidamos com a vida. Se a gente a considera uma ladeira que desce a partir da primeira ruga, ou do
começo de barriguinha, então viver é de certa forma uma desgraceira que acaba na morte. Desse ponto de vista, a vida passa a ser uma doença crônica de prognóstico
sombrio. Nessa festa sem graça, quem fica animado? Quem não se amargura?

[...]

Pois se minhas avós eram damas idosas aos 50 anos, sempre de livro na mão lendo na poltrona junto à janela, com vestidos discretíssimos, pretos de florzinha branca
(ou, em horas mais festivas, minúsculas flores ou bolinhas coloridas), hoje aos 70 estamos fazendo projetos, viajando (pode ser simplesmente à cidade vizinha para
visitar uma amiga), indo ao teatro e ao cinema, indo a restaurante (pode ser o de quilo, ali na esquina), eventualmente namorando ou casando de novo. Ou dando risada
à toa com os netos, e fazendo uma excursão com os filhos. Tudo isso sem esquecer a universidade, ou aprender a ler, ou visitar pela primeira vez uma galeria de arte, ou
comer sorvete na calçada batendo papo com alguma nova amiga.

[...]

Não precisamos ser tão incrivelmente sérios, cobrar tanto de nós, dos outros e da vida, críticos o tempo todo, vendo só o lado mais feio do mundo. Das pessoas. Da
própria família. Dos amigos. Se formos os eternos acusadores, acabaremos com um gosto amargo na boca: o amargor de nossas próprias palavras e sentimentos. Se não
soubermos rir, se tivermos desaprendido como dar uma boa risada, ficaremos com a cara hirta das máscaras das cirurgias exageradas, dos remendos e intervenções para
manter ou recuperar a “beleza”. A alma tem suas dores, e para se curar necessita de projetos e afetos. Precisa acreditar em alguma coisa.

(LUFT, Lya. In: http://veja.abril.com.br. Acesso em 18/09/16)

As aspas empregadas em “dos remendos e intervenções para manter ou recuperar a “beleza” ” (3º§) permitem a leitura de uma crítica à ideia de que:

a) cada idade tem sua beleza própria


b) a beleza só está associada à juventude
c) a beleza interior deve valer mais do que a exterior
d) o conceito de beleza é subjetivo, bastante relativo
e) trabalhando a mente, o corpo fica belo
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/418220

Questão 191: IBFC - As Adm (EBSERH-HUAP)/EBSERH-HUAP/2016


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Texto

Setenta anos, por que não?

Acho essa coisa da idade fascinante: tem a ver com o modo como lidamos com a vida. Se a gente a considera uma ladeira que desce a partir da primeira ruga, ou do
começo de barriguinha, então viver é de certa forma uma desgraceira que acaba na morte. Desse ponto de vista, a vida passa a ser uma doença crônica de prognóstico
sombrio. Nessa festa sem graça, quem fica animado? Quem não se amargura?

[...]

Pois se minhas avós eram damas idosas aos 50 anos, sempre de livro na mão lendo na poltrona junto à janela, com vestidos discretíssimos, pretos de florzinha branca
(ou, em horas mais festivas, minúsculas flores ou bolinhas coloridas), hoje aos 70 estamos fazendo projetos, viajando (pode ser simplesmente à cidade vizinha para
visitar uma amiga), indo ao teatro e ao cinema, indo a restaurante (pode ser o de quilo, ali na esquina), eventualmente namorando ou casando de novo. Ou dando risada
à toa com os netos, e fazendo uma excursão com os filhos. Tudo isso sem esquecer a universidade, ou aprender a ler, ou visitar pela primeira vez uma galeria de arte, ou
comer sorvete na calçada batendo papo com alguma nova amiga.

[...]

Não precisamos ser tão incrivelmente sérios, cobrar tanto de nós, dos outros e da vida, críticos o tempo todo, vendo só o lado mais feio do mundo. Das pessoas. Da
própria família. Dos amigos. Se formos os eternos acusadores, acabaremos com um gosto amargo na boca: o amargor de nossas próprias palavras e sentimentos. Se não
soubermos rir, se tivermos desaprendido como dar uma boa risada, ficaremos com a cara hirta das máscaras das cirurgias exageradas, dos remendos e intervenções para
manter ou recuperar a “beleza”. A alma tem suas dores, e para se curar necessita de projetos e afetos. Precisa acreditar em alguma coisa.

(LUFT, Lya. In: http://veja.abril.com.br. Acesso em 18/09/16)

No segundo parágrafo do texto a autora sugere que:

a) o hábito da leitura indica que a pessoa está envelhecendo


b) as pessoas idosas, atualmente, têm mais ânimo que as jovens
c) a noção de velhice não se altera independente da época
d) os idosos de hoje ocupam-se a ponto de esquecer a família
e) as pessoas idosas, atualmente, aproveitam melhor a vida
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/418222

Questão 192: IBFC - Tec Reg (AGERBA)/AGERBA/2017


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Texto

Primeira classe
(Moacyr Scliar)

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 87/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

Durante anos, o homem teve um sonho: queria viajar de avião na primeira classe. Na classe econômica, ele, executivo de uma empresa multinacional, era um passageiro
habitual; e, quando via a aeromoça fechar a cortina da primeira classe, quando ficava imaginando os pratos e as bebidas que lá serviam, mordia-se de inveja. Talvez por
causa disso trabalhava incansavelmente; subiu na vida, chegou a um cargo de chefia que, entre outras coisas, dava-lhe o direito à primeira classe nos voos.

E assim, um dia, ele embarcou de Nova Délhi, onde acabara de concluir um importante negócio, para Londres. E seu lugar era na primeira classe. Seu sonho estava se
realizando. Tudo era exatamente como ele imaginava: coquetéis de excelente quantidade, um jantar que em qualquer lugar seria considerado um banquete. Para cúmulo
da sorte, o lugar a seu lado estava vazio.

Ou pelo menos estava no começo do voo. No meio da noite acordou e, para sua surpresa, viu que o lugar estava ocupado. Achou que se tratava de um intruso; mas, em
seguida, deu-se conta de que algo anormal ocorria: várias pessoas estavam ali, no corredor, chorando e se lamentando. Explicável: a passageira a seu lado estava morta.
A tripulação optara por colocá-la na primeira classe exatamente porque, naquela parte do avião, havia menos gente.

Sua primeira reação foi exigir que removessem o cadáver. Mas não podia fazer uma coisa dessas, seria muita crueldade.Por outro lado, ter um corpo morto a seu lado
horrorizava-o. Não havendo outros lugares vagos na primeira classe, só lhe restava uma alternativa: levantou-se e foi para a classe econômica, para o lugar que a morta,
havia pouco, ocupara. Ou seja, ao invés de um upgrade
, ele tinha recebido, ainda que por acaso, um downgrade.
Ali ficou, sem poder dormir, claro. Porque, depois que se experimenta a primeira classe, nada mais serve. Finalmente, o avião pousou, e ele, arrasado, dirigiu-se para a
saída, onde o esperavam os parentes da falecida para agradecer-lhe. Disse um deles, que se identificou como filho da senhora: “Minha mãe sempre quis viajar de
primeira classe. Só conseguiu morta graças à sua compreensão. Deus lhe recompensará”.

Que tem seu lugar garantido no céu, isso ele sabe. Só espera chegar lá viajando de primeira classe. E sem óbitos durante o voo.

A partir de uma leitura global do texto, assinale a alternativa correta.

a) a tripulação do avião resolveu colocar a passageira morta na primeira classe porque sabia que esse seria o desejo dela.
b) embora tenha ocorrido um óbito durante o voo, a narrativa privilegia o desejo de voar na primeira classe do personagem principal.
c) o negócio importante fechado pelo personagem principal em Nova Délhi só foi possível porque ele viajaria de primeira classe.
d) no voo em questão, tanto a primeira classe quanto a econômica possuíam inúmeros lugares vazios.
e) a gratidão dos parentes foi justa porque o personagem principal foi o responsável pela colocação, na primeira classe, da mulher morta.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/450290

Questão 193: IBFC - Tec Reg (AGERBA)/AGERBA/2017


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Texto

Primeira classe
(Moacyr Scliar)

Durante anos, o homem teve um sonho: queria viajar de avião na primeira classe. Na classe econômica, ele, executivo de uma empresa multinacional, era um passageiro
habitual; e, quando via a aeromoça fechar a cortina da primeira classe, quando ficava imaginando os pratos e as bebidas que lá serviam, mordia-se de inveja. Talvez por
causa disso trabalhava incansavelmente; subiu na vida, chegou a um cargo de chefia que, entre outras coisas, dava-lhe o direito à primeira classe nos voos.

E assim, um dia, ele embarcou de Nova Délhi, onde acabara de concluir um importante negócio, para Londres. E seu lugar era na primeira classe. Seu sonho estava se
realizando. Tudo era exatamente como ele imaginava: coquetéis de excelente quantidade, um jantar que em qualquer lugar seria considerado um banquete. Para cúmulo
da sorte, o lugar a seu lado estava vazio.

Ou pelo menos estava no começo do voo. No meio da noite acordou e, para sua surpresa, viu que o lugar estava ocupado. Achou que se tratava de um intruso; mas, em
seguida, deu-se conta de que algo anormal ocorria: várias pessoas estavam ali, no corredor, chorando e se lamentando. Explicável: a passageira a seu lado estava morta.
A tripulação optara por colocá-la na primeira classe exatamente porque, naquela parte do avião, havia menos gente.

Sua primeira reação foi exigir que removessem o cadáver. Mas não podia fazer uma coisa dessas, seria muita crueldade.Por outro lado, ter um corpo morto a seu lado
horrorizava-o. Não havendo outros lugares vagos na primeira classe, só lhe restava uma alternativa: levantou-se e foi para a classe econômica, para o lugar que a morta,
havia pouco, ocupara. Ou seja, ao invés de um upgrade
, ele tinha recebido, ainda que por acaso, um downgrade.
Ali ficou, sem poder dormir, claro. Porque, depois que se experimenta a primeira classe, nada mais serve. Finalmente, o avião pousou, e ele, arrasado, dirigiu-se para a
saída, onde o esperavam os parentes da falecida para agradecer-lhe. Disse um deles, que se identificou como filho da senhora: “Minha mãe sempre quis viajar de
primeira classe. Só conseguiu morta graças à sua compreensão. Deus lhe recompensará”.

Que tem seu lugar garantido no céu, isso ele sabe. Só espera chegar lá viajando de primeira classe. E sem óbitos durante o voo.

Com a frase “Ou pelo menos estava no começo do voo.”, que introduz o terceiro parágrafo, o autor sugere ao leitor que a situação descrita anteriormente:

a) seria alterada.
b) era muito comum.
c) fora preservada.
d) não agradava.
e) era merecida.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/450292

Questão 194: IBFC - Aux Adm (MGS)/MGS/2017


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Texto

Paternidade Responsável

Quantos filhos você gostaria de ter?

Ao responder a essa pergunta com certeza uma outra vai passar pela sua cabeça: “Será que vou conseguir sustentar um filho?”.

Certamente você gostaria de ter tantos filhos quantos pudesse sustentar, garantindo-lhes uma boa escola, um lugar com algum conforto para morar e remédios quando
necessários.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 88/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
Segundo especialistas, pode ser perigoso para a mãe a para a criança engravidar durante a adolescência porque o corpo da menina ainda não está preparado para o
parto. Problemas como a gestante adolescente apresentar anemia ou o bebê nascer prematuramente são comuns. Além de eventuais problemas de saúde, tem-se um
problema de ordem social: como sustentar uma criança, já que, para tanto, o adolescente, se não contar com a ajuda dos pais ou responsáveis, terá de abandonar a
escola?

Desesperadas, muitas jovens acabam optando pelo aborto. Vale lembrar que, salvo raras exceções (estupro ou risco de morte para a mãe), o aborto no Brasil, é
considerado crime. A mulher recorre, então, a clínicas clandestinas, sem fiscalização, e põe sua saúde em risco. Quem não tem condições de pagar tais clínicas faz uso de
métodos ainda mais precários.

Isso acontece, em parte, porque não existe no Brasil um projeto amplo de planejamento familiar que assegure aos mais pobres o direito de decidir quantos filhos
desejam ter. Assim, muitos casais têm quatro, seis, dez filhos, quando, na verdade, conseguiriam sustentar apenas um ou dois.

(DIMENSTEIN, Gilberto. O cidadão de Papel. Ed. Ática. São Paulo, 2011, p. 106)

Embora o título do texto seja “Paternidade responsável”, pode-se concluir que, em seu desenvolvimento, o autor dá ênfase à seguinte questão:

a) à falta de escolaridade dos pais.


b) o abandono de recém-nascido.
c) à qualidade do sistema educacional.
d) à gravidez na adolescência.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/450519

Questão 195: IBFC - Aux Adm (MGS)/MGS/2017


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Texto

Paternidade Responsável

Quantos filhos você gostaria de ter?

Ao responder a essa pergunta com certeza uma outra vai passar pela sua cabeça: “Será que vou conseguir sustentar um filho?”.

Certamente você gostaria de ter tantos filhos quantos pudesse sustentar, garantindo-lhes uma boa escola, um lugar com algum conforto para morar e remédios quando
necessários.

Segundo especialistas, pode ser perigoso para a mãe a para a criança engravidar durante a adolescência porque o corpo da menina ainda não está preparado para o
parto. Problemas como a gestante adolescente apresentar anemia ou o bebê nascer prematuramente são comuns. Além de eventuais problemas de saúde, tem-se um
problema de ordem social: como sustentar uma criança, já que, para tanto, o adolescente, se não contar com a ajuda dos pais ou responsáveis, terá de abandonar a
escola?

Desesperadas, muitas jovens acabam optando pelo aborto. Vale lembrar que, salvo raras exceções (estupro ou risco de morte para a mãe), o aborto no Brasil, é
considerado crime. A mulher recorre, então, a clínicas clandestinas, sem fiscalização, e põe sua saúde em risco. Quem não tem condições de pagar tais clínicas faz uso de
métodos ainda mais precários.

Isso acontece, em parte, porque não existe no Brasil um projeto amplo de planejamento familiar que assegure aos mais pobres o direito de decidir quantos filhos
desejam ter. Assim, muitos casais têm quatro, seis, dez filhos, quando, na verdade, conseguiriam sustentar apenas um ou dois.

(DIMENSTEIN, Gilberto. O cidadão de Papel. Ed. Ática. São Paulo, 2011, p. 106)

Na visão de especialistas, no quarto parágrafo, dois problemas são apontados para indicar o perigo de uma gravidez na adolescência. Um refere-se à saúde e outro é, na
verdade, uma questão:

a) econômica.
b) moral.
c) emocional.
d) educacional.

Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/450525

Questão 196: IBFC - Aux Adm (MGS)/MGS/2017


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Texto

Família
(Titãs, fragmento)

Família, família
Papai, mamãe, titia,
Família, família
Almoça junto todo dia,
Nunca perde essa mania
Mas quando a filha quer fugir de casa
Precisa descolar um ganha-pão
Filha de família se não casa
Papai, mamãe, não dão nenhum tostão
Família êh!
Família áh!

Assinale a opção que traz uma afirmação verdadeira a partir da visão apresentada no texto.

a) Não há problemas na família descrita.


b) Acredita-se que as filhas devem se casar.
c) A mania de comer junto diariamente é passageira.
d) Os filhos é que controlam a parte financeira da casa.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 89/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/450532

Questão 197: IBFC - Aux PO (PCie PR)/PCie PR/2017


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Afinal: o que é a “morte cerebral”?

A declaração de morte cerebral é um conceito relativamente


novo na medicina e envolve o preenchimento de critérios
clínicos e laboratoriais

O cérebro humano é o órgão que nos torna únicos. Possibilita que pensemos, falemos e organiza, de uma forma ou outra, todo nosso consciente e inconsciente. Claro,
todos os órgãos são relevantes, e, sem o conjunto, não poderíamos funcionar de maneira adequada. Mas a verdade é que, do ponto de vista evolutivo, todos os órgãos
desenvolveram-se para permitir manter um cérebro cada vez mais exigente e complexo. Aprimoraram-se os mecanismos de defesa, de alimentação, de locomoção, entre
outros, para que as sensações e ordens trabalhadas no cérebro fossem elaboradas.

E quando o cérebro deixa de funcionar, ou seja, morre, todas as outras funções deixam de ser necessárias; muitas delas ficam descoordenadas pela simples falta da
atividade cerebral adequada.

Até pouco tempo atrás, o indivíduo morria quando seu coração parava de bater. Hoje sabemos que o indivíduo está morto quando seu cérebro morre. Mas, não há muito
tempo, também achávamos que as sensações (o amor, por exemplo), emanavam do coração.

Apesar disto parecer “bom senso”, o conceito de “morte cerebral” e seu adequado diagnóstico são tópicos recentes e datam de apenas algumas décadas. A necessidade
de conceituar formalmente a “morte cerebral” ou “morte encefálica” tomou impulso quando se iniciou a era dos transplantes de órgãos, e tornou-se necessário
protocolizar seu diagnóstico, já que indivíduos com morte cerebral poderiam então ser considerados possíveis doadores.

Existem algumas diferenças para a definição de morte cerebral em diferentes países, mas muitos aspectos são comuns. Em primeiro lugar, o indivíduo deve ter algumas
características clínicas, que são facilmente reconhecidas por um neurologista: falta de reação à dor, falta de movimentação, ausência de respiração, pupilas dilatadas e
não responsivas à luz etc. Claro, o indivíduo não pode ter recebido nenhuma medicação nas 24 horas anteriores que possa causar isto. Cada um destes aspectos foi
regulamentado: ver se o paciente respira, ver a reação à dor, as pupilas etc, de modo que a avaliação pudesse ser replicada, independente do ambiente em que o
indivíduo esteja. [...]

Uma vez definida adequadamente a morte encefálica, o indivíduo poderá ter seus órgãos doados (caso tenha havido consentimento para tal), um ato que possivelmente
poderá ajudar a salvar várias vidas. A partir deste momento, as medidas de suporte de vida são, em tese, desnecessárias.

(Disponível: http://veja.abril.com.br/blog/letra-de-medico/afinal-o-quee-a-morte-cerebral/ Acesso em: 07/02/17)

De acordo com o texto, ser considerada uma relativa novidade a declaração de morte cerebral ocorre em função de:

a) o cérebro coordenar muitas funções necessárias à atividade humana.


b) o cérebro possibilitar que se fale, pense, além de organizar as ideias.
c) seu diagnóstico envolver o preenchimento de critérios clínicos e laboratoriais.
d) muitos indivíduos receberem medicação nas 24h que antecedia a morte cerebral.
e) até pouco tempo, acreditar-se que o indivíduo morria quando seu coração parava.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/465105

Questão 198: IBFC - Aux PO (PCie PR)/PCie PR/2017


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Afinal: o que é a “morte cerebral”?

A declaração de morte cerebral é um conceito relativamente


novo na medicina e envolve o preenchimento de critérios
clínicos e laboratoriais

O cérebro humano é o órgão que nos torna únicos. Possibilita que pensemos, falemos e organiza, de uma forma ou outra, todo nosso consciente e inconsciente. Claro,
todos os órgãos são relevantes, e, sem o conjunto, não poderíamos funcionar de maneira adequada. Mas a verdade é que, do ponto de vista evolutivo, todos os órgãos
desenvolveram-se para permitir manter um cérebro cada vez mais exigente e complexo. Aprimoraram-se os mecanismos de defesa, de alimentação, de locomoção, entre
outros, para que as sensações e ordens trabalhadas no cérebro fossem elaboradas.

E quando o cérebro deixa de funcionar, ou seja, morre, todas as outras funções deixam de ser necessárias; muitas delas ficam descoordenadas pela simples falta da
atividade cerebral adequada.

Até pouco tempo atrás, o indivíduo morria quando seu coração parava de bater. Hoje sabemos que o indivíduo está morto quando seu cérebro morre. Mas, não há muito
tempo, também achávamos que as sensações (o amor, por exemplo), emanavam do coração.

Apesar disto parecer “bom senso”, o conceito de “morte cerebral” e seu adequado diagnóstico são tópicos recentes e datam de apenas algumas décadas. A necessidade
de conceituar formalmente a “morte cerebral” ou “morte encefálica” tomou impulso quando se iniciou a era dos transplantes de órgãos, e tornou-se necessário
protocolizar seu diagnóstico, já que indivíduos com morte cerebral poderiam então ser considerados possíveis doadores.

Existem algumas diferenças para a definição de morte cerebral em diferentes países, mas muitos aspectos são comuns. Em primeiro lugar, o indivíduo deve ter algumas
características clínicas, que são facilmente reconhecidas por um neurologista: falta de reação à dor, falta de movimentação, ausência de respiração, pupilas dilatadas e
não responsivas à luz etc. Claro, o indivíduo não pode ter recebido nenhuma medicação nas 24 horas anteriores que possa causar isto. Cada um destes aspectos foi
regulamentado: ver se o paciente respira, ver a reação à dor, as pupilas etc, de modo que a avaliação pudesse ser replicada, independente do ambiente em que o
indivíduo esteja. [...]

Uma vez definida adequadamente a morte encefálica, o indivíduo poderá ter seus órgãos doados (caso tenha havido consentimento para tal), um ato que possivelmente
poderá ajudar a salvar várias vidas. A partir deste momento, as medidas de suporte de vida são, em tese, desnecessárias.

(Disponível: http://veja.abril.com.br/blog/letra-de-medico/afinal-o-quee-a-morte-cerebral/ Acesso em: 07/02/17)

O caráter informativo do texto em análise deve-se, sobretudo:

a) à linguagem essencialmente técnica empregada na sua redação.


b) à inclusão do autor e do leitor por meio do uso da primeira pessoa.
c) à exposição da visão pessoal do autor em detrimento dos fatos.
https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 90/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
d) ao emprego excessivo de exemplos na argumentação proposta.
e) a uma mensagem centrada no assunto em questão.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/465107

Questão 199: IBFC - Aux PO (PCie PR)/PCie PR/2017


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Afinal: o que é a “morte cerebral”?

A declaração de morte cerebral é um conceito relativamente


novo na medicina e envolve o preenchimento de critérios
clínicos e laboratoriais

O cérebro humano é o órgão que nos torna únicos. Possibilita que pensemos, falemos e organiza, de uma forma ou outra, todo nosso consciente e inconsciente. Claro,
todos os órgãos são relevantes, e, sem o conjunto, não poderíamos funcionar de maneira adequada. Mas a verdade é que, do ponto de vista evolutivo, todos os órgãos
desenvolveram-se para permitir manter um cérebro cada vez mais exigente e complexo. Aprimoraram-se os mecanismos de defesa, de alimentação, de locomoção, entre
outros, para que as sensações e ordens trabalhadas no cérebro fossem elaboradas.

E quando o cérebro deixa de funcionar, ou seja, morre, todas as outras funções deixam de ser necessárias; muitas delas ficam descoordenadas pela simples falta da
atividade cerebral adequada.

Até pouco tempo atrás, o indivíduo morria quando seu coração parava de bater. Hoje sabemos que o indivíduo está morto quando seu cérebro morre. Mas, não há muito
tempo, também achávamos que as sensações (o amor, por exemplo), emanavam do coração.

Apesar disto parecer “bom senso”, o conceito de “morte cerebral” e seu adequado diagnóstico são tópicos recentes e datam de apenas algumas décadas. A necessidade
de conceituar formalmente a “morte cerebral” ou “morte encefálica” tomou impulso quando se iniciou a era dos transplantes de órgãos, e tornou-se necessário
protocolizar seu diagnóstico, já que indivíduos com morte cerebral poderiam então ser considerados possíveis doadores.

Existem algumas diferenças para a definição de morte cerebral em diferentes países, mas muitos aspectos são comuns. Em primeiro lugar, o indivíduo deve ter algumas
características clínicas, que são facilmente reconhecidas por um neurologista: falta de reação à dor, falta de movimentação, ausência de respiração, pupilas dilatadas e
não responsivas à luz etc. Claro, o indivíduo não pode ter recebido nenhuma medicação nas 24 horas anteriores que possa causar isto. Cada um destes aspectos foi
regulamentado: ver se o paciente respira, ver a reação à dor, as pupilas etc, de modo que a avaliação pudesse ser replicada, independente do ambiente em que o
indivíduo esteja. [...]

Uma vez definida adequadamente a morte encefálica, o indivíduo poderá ter seus órgãos doados (caso tenha havido consentimento para tal), um ato que possivelmente
poderá ajudar a salvar várias vidas. A partir deste momento, as medidas de suporte de vida são, em tese, desnecessárias.

(Disponível: http://veja.abril.com.br/blog/letra-de-medico/afinal-o-quee-a-morte-cerebral/ Acesso em: 07/02/17)

No quarto parágrafo, em ‘Apesar disto parecer “bom senso”’, considerando o contexto, nota-se que o pronome destacado faz referência à seguinte ideia:

a) Crer que alguém morre quando seu coração para.


b) Acreditar que sensações emanavam do coração.
c) Saber que o indivíduo está morto quando seu cérebro morre.
d) Associar o amor a um sentimento provocado pelo coração.
e) As funções ficam descoordenadas sem a atuação do coração.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/465232

Questão 200: IBFC - Aux PO (PCie PR)/PCie PR/2017


Assunto: Interpretação de Textos (compreensão)
Afinal: o que é a “morte cerebral”?

A declaração de morte cerebral é um conceito relativamente


novo na medicina e envolve o preenchimento de critérios
clínicos e laboratoriais

O cérebro humano é o órgão que nos torna únicos. Possibilita que pensemos, falemos e organiza, de uma forma ou outra, todo nosso consciente e inconsciente. Claro,
todos os órgãos são relevantes, e, sem o conjunto, não poderíamos funcionar de maneira adequada. Mas a verdade é que, do ponto de vista evolutivo, todos os órgãos
desenvolveram-se para permitir manter um cérebro cada vez mais exigente e complexo. Aprimoraram-se os mecanismos de defesa, de alimentação, de locomoção, entre
outros, para que as sensações e ordens trabalhadas no cérebro fossem elaboradas.

E quando o cérebro deixa de funcionar, ou seja, morre, todas as outras funções deixam de ser necessárias; muitas delas ficam descoordenadas pela simples falta da
atividade cerebral adequada.

Até pouco tempo atrás, o indivíduo morria quando seu coração parava de bater. Hoje sabemos que o indivíduo está morto quando seu cérebro morre. Mas, não há muito
tempo, também achávamos que as sensações (o amor, por exemplo), emanavam do coração.

Apesar disto parecer “bom senso”, o conceito de “morte cerebral” e seu adequado diagnóstico são tópicos recentes e datam de apenas algumas décadas. A necessidade
de conceituar formalmente a “morte cerebral” ou “morte encefálica” tomou impulso quando se iniciou a era dos transplantes de órgãos, e tornou-se necessário
protocolizar seu diagnóstico, já que indivíduos com morte cerebral poderiam então ser considerados possíveis doadores.

Existem algumas diferenças para a definição de morte cerebral em diferentes países, mas muitos aspectos são comuns. Em primeiro lugar, o indivíduo deve ter algumas
características clínicas, que são facilmente reconhecidas por um neurologista: falta de reação à dor, falta de movimentação, ausência de respiração, pupilas dilatadas e
não responsivas à luz etc. Claro, o indivíduo não pode ter recebido nenhuma medicação nas 24 horas anteriores que possa causar isto. Cada um destes aspectos foi
regulamentado: ver se o paciente respira, ver a reação à dor, as pupilas etc, de modo que a avaliação pudesse ser replicada, independente do ambiente em que o
indivíduo esteja. [...]

Uma vez definida adequadamente a morte encefálica, o indivíduo poderá ter seus órgãos doados (caso tenha havido consentimento para tal), um ato que possivelmente
poderá ajudar a salvar várias vidas. A partir deste momento, as medidas de suporte de vida são, em tese, desnecessárias.

(Disponível: http://veja.abril.com.br/blog/letra-de-medico/afinal-o-quee-a-morte-cerebral/ Acesso em: 07/02/17)

De acordo com o texto, a necessidade de conceituação formal do diagnóstico de morte cerebral deveu-se:

a) ao início da era dos transplantes de órgãos.

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 91/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.
b) à necessidade de desmitificar “o poder do coração”.
c) a uma primeira ocorrência datada de morte cerebral.
d) à capacitação de neurologistas para a observação clínica.
e) à diversidade de definições de morte cerebral em países distintos.
Esta questão possui comentário do professor no site. www.tecconcursos.com.br/conteudo/questoes/465235

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 92/93
12/04/2018 TEC Concursos - Questões para concursos, provas, editais, simulados.

Gabarito
1) D 2) B 3) Anulada 4) A 5) Anulada 6) A 7) C
8) A 9) B 10) D 11) A 12) B 13) C 14) E
15) C 16) D 17) C 18) C 19) Anulada 20) D 21) Anulada
22) A 23) A 24) B 25) A 26) B 27) D 28) A
29) C 30) A 31) D 32) B 33) B 34) A 35) A
36) E 37) B 38) C 39) C 40) B 41) E 42) C
43) B 44) C 45) A 46) D 47) A 48) D 49) A
50) B 51) B 52) B 53) B 54) D 55) C 56) B
57) E 58) A 59) C 60) E 61) C 62) D 63) D
64) E 65) C 66) C 67) B 68) C 69) C 70) B
71) A 72) D 73) D 74) B 75) C 76) C 77) C
78) B 79) A 80) D 81) C 82) Anulada 83) D 84) C
85) C 86) A 87) E 88) A 89) D 90) C 91) A
92) A 93) A 94) A 95) B 96) D 97) A 98) D
99) B 100) D 101) C 102) D 103) B 104) B 105) C
106) B 107) B 108) D 109) D 110) D 111) C 112) A
113) D 114) C 115) B 116) C 117) A 118) B 119) C
120) D 121) B 122) B 123) Anulada 124) B 125) A 126) B
127) Anulada 128) A 129) C 130) D 131) A 132) D 133) E
134) D 135) C 136) A 137) C 138) B 139) A 140) D
141) B 142) D 143) C 144) C 145) E 146) D 147) A
148) A 149) C 150) C 151) C 152) A 153) C 154) D
155) B 156) B 157) A 158) D 159) B 160) A 161) E
162) C 163) D 164) A 165) C 166) D 167) B 168) C
169) B 170) C 171) A 172) D 173) B 174) C 175) C
176) B 177) A 178) A 179) A 180) D 181) C 182) B
183) B 184) A 185) B 186) A 187) Anulada 188) B 189) A
190) B 191) E 192) B 193) A 194) D 195) A 196) B
197) E 198) E 199) C 200) A

https://www.tecconcursos.com.br/questoes/cadernos/experimental/5345213/imprimir 93/93