Você está na página 1de 7

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS


DEPARTAMENTO ANTROPOLOGIA E MUSEOLOGIA
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA

DISCIPLINA: PGA-962 – Tópicos Especiais III: Relações Raciais: por um conhecimento feito por
(não tanto sobre) negros e negras

PROFESSORA: ANA CLÁUDIA RODRIGUES E ALEX DE JESUS

HORÁRIO: Quarta quinta – 09:00 h – 13:00 h – Segundo Semestre de 2018

Apresentação: O objetivo da disciplina é apresentar discussões sobre as


relações raciais a partir de produções acadêmicas, no campo das ciências
humanas, realizadas por negros e negras. Grande parte das abordagens sobre
raça no Brasil (e no exterior) foram elaboradas por homens brancos, silenciando
a participação negra na produção científica e intelectual que fomentaram
conceitos importantes para pensar a formação da nação, a mestiçagem, as lutas
de classes e de gênero e o lugar do negro/a na sociedade brasileira. Discussões
internacionais em torno do panafricanismo, afrocentricidade, negritude e
diáspora influenciaram intelectuais negros/as brasileiros, principalmente na
crítica ao colonialismo e ao sistema escravista. Existiu e existe um pensamento
crítico negro que foi invisibilizado e silenciado em nossas referências
bibliográficas. Esta disciplina centra-se nas análises das expressões, das
narrativas e dos deslocamentos dos negros/negras enquanto “sujeito político” e
de conhecimento.

Dinâmica do curso – aulas expositivas e seminários participativos.

Avaliação: produção de um ensaio a partir das temáticas e autores discutidos em sala


de aula.

Cronograma

D Temas/a Textos Sem


at ulas inár
a ios

2 1- Apresentação da ementa e divisões dos textos para apresentação.


3/
0
8
3 2- Muryatan Barbosa. Pan-africanismo e teoria social: uma abordagem
0/ Panafric crítica. Todxs
0 anismo http://www.revistas.usp.br/africa/article/view/115352/113006
8 e
negritud Aimé Cesaire- Discurso sobre o colonialismo. Lisboa, 1978 (prefácio de
e: Mário de Andrade). Todxs
posicion https://antropologiadeoutraforma.files.wordpress.com/2013/04/aime-
amentos cesaire-discurso-sobre-o-colonialismo.pdf.
e William Bugart Du Bois- introdução (até página 30)- Almas do povo
contexto negro. 1ª ed 1903 (1999).
s.
Apresentação: Cap I- sobre nosso debate espiritual (Raquel); Cap 2-
Sobre o alvorecer da liberdade (?)

https://afrocentricidade.files.wordpress.com/2016/04/as-almas-do-
povo-negro-w-e-b-du-bois.pdf

Leitura complementar:

Aimé Cesaire. Retorno ao país natal.

0 3- Molefi Kete Asante. Afrocentricidade: notas sobre uma posição


6/ Afrocent disciplinar. In: Afocentricidade: uma abordagem epistemológica
0 ricidade inovadora. São Paulo: Selo Negro, 2009. Todxs
9 como
paradig Apresentação:
ma. Ama Mazama. Afrocentricidade como novo paradigma. In:
Afocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. São Paulo:
Selo Negro, 2009. (Jéssica)

Reiland Rabaka. Teoria Crítica Africana. In: Afocentricidade: uma


abordagem epistemológica inovadora. São Paulo: Selo Negro, 2009.
(Igor)

https://afrocentricidade.wordpress.com/category/afrocentricidade/

Complementar:

Cheik Anta Diop. A origem africana da civilização: mito ou realidade. 1ª


edição, Paris, 1955. http://www2.unifap.br/neab/files/2018/05/Dr.-
Cheikh-Anta-Diop-A-Origem-Africana-da-civiliza%C3%A7%C3%A3o-
ptbr-completo.pdf

____________. Civilization or Barbarism: An Authentic Anthropology .


http://www.sahistory.org.za/sites/default/files/file%20uploads%20/
cheikh_anta_diop_civilization_or_barbarism_an_abook4me.org_.
pdf

1 4- Frantz Fanon. Pele Negra, Máscara Branca. Bahia: EDUSBA, 2008.


3/
0 O https://www.geledes.org.br/wp-
sentido content/uploads/2013/08/Frantz_Fanon_Pele_negra_mascaras_branc
9
da as.pdf
identida
de
negra.

Enquanto isso na democracia racial: o contexto brasileiro

20/09 5- Manuel Querino. A raça Africana e os seus costumes. Livraria


Progresso- Salvador/BA, 1916. Apresentação: Cap. A raça africana
“O
no Brasil; Candomblé de caboclo; o Africano como colonizador.
proble (Gabriela)
ma do
negro Alberto Guerreiro Ramos. O problema do negro na sociologia
?” brasileira. Transcrito de Cadernos de Nosso Tempo, 2 (2): 189-220,
jan./jun. 1954. Republicado em Simon Schwartzman, editor, O
Pensamento Nacionalista e os "Cadernos de Nosso Tempo".
Brasília, Câmara dos Deputados e Biblioteca do Pensamento
Brasileiro, 1981, pp. 39-69.
https://ia800309.us.archive.org/14/items/OProblemaDoNegroNaSo
ciiologiaBrasileira/1981negritude.pdf

Apresentação: (Thayanne)

Complementar:

Cruz e Sousa. Emparedado.


http://www.letras.ufmg.br/literafro/autores/11-textos-dos-
autores/694-cruz-e-sousa-o-emparedado.

Luiz Gama. O diabo Coxo.


http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_iconografia/ic
on1111172/icon1111172.pdf

________. Trovas Burlescas de Getulino.


http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/bn000101.pdf
27/09 6- Abdias Nascimento. Teatro Experimental do negro. Trajetórias e
reflexões. Apresentação: (júlia)
Negro http://www.scielo.br/pdf/ea/v18n50/a19v1850.pdf
s em
movi _____________. Quilombismo. Apresentação: (Eric)
mento https://afrocentricidade.wordpress.com/category/afrocentricidade
s: /
Impre
nsa Frente Negra: depoimentos. Quilombohoje, São Paulo, 1989.
negra Complementar:
Frente
Negra. Nilma L. Gomes. O movimento Negro no Brasil: ausências,
Teatro emergências e a produção de saberes. Politica & Sociedade, vol.10,
experi n. 18. Abril/2011.
menta
Projeto Unesco no Brasil: textos críticos: Org. Sansone. L, PEREIRA,
l do
C. Salvador, EDUFBA, 2007.
negro.
MNU.

04/10 7- Cadernos Negros: esboço de análise.


Mulhe
res http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/269851/1/Anton
Negra io_CarlindoFausto_D.pdf
s: Carolina de Jesus- Quarto de Despejo. (Renata)
Narrat (https://historiaafrosuzano.files.wordpress.com/2016/10/1960-
ivas. quarto-de-despejo-p1.pdf
Cader Apresentação:
nos
negro Conceição Evaristo. Olhos d’água. (eu)
s. file:///C:/Users/acrod/Downloads/Olhos%20dagua%20-
%20Conceicao%20Evaristo.pdf

Apresentação:

Um defeito de cor. Ana Maria Gonçalves. (Isabela)

Complementar:

Firmina Garcia dos Reis (tema da escravidão- Úrsula)

O losango Negro na poesia de Mário de Andrade- Poemas da Negra.


Tese. Ângela Teodósio Grillo.
http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8149/tde-09032016-
151508/pt-br.php
“O Poema das negras”. Mário de Andrade.
http://www.scielo.br/pdf/ea/v31n90/0103-4014-ea-31-90-
0199.pdf

11/10 8- Eu sou atlântica: sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento.


Alex Ratts.
Eu sou https://www.imprensaoficial.com.br/downloads/pdf/projetossociai
atlânti s/eusouatlantica.pdf
ca.
Beatriz Nascimento. Por uma história do homem negro

_______________. A mulher negra no mercado de trabalho.

_______________.Nossa Democracia racial.

_______________. Quilombo e memoria comunitária: um estudo


de caso.

_______________. O conceito de quilombo e a resistência cultural


negra.

_______________. Daquilo que se chama cultura.

_______________. A mulher negra e o amor. (Luan- irá apresentar


alguns)

Lélia Gonzalez- A categoria político-cultural de amefricanidade.


(MARIA) https://negrasoulblog.files.wordpress.com/2016/04/a-
categoria-polc3adtico-cultural-de-amefricanidade-lelia-
gonzales1.pdf

18/10 9- Oyèrónké Oyěwùmí. Conceituando o gênero: os fundamentos


eurocêntricos dos conceitos feministas e o desafio das
Outro epistemologias africanas. Tradução para uso didático. (Sandra)
s https://filosofia-
femini africana.weebly.com/uploads/1/3/2/1/13213792/oy%C3%A
smos? 8r%C3%B3nk%C3%A9_oy%C4%9Bw%C3%B9m%C3%AD
_-
_conceitualizando_o_g%C3%AAnero._os_fundamentos_eur
oc%C3%AAntrico_dos_conceitos_feministas_e_o_desafio_d
as_epistemologias_africanas.pdf

Amina Mama. What does it mean to do feminist research in


African contexts? (Taynah)
http://nigs.ufsc.br/files/2017/07/fr201122a-AMINA-MAMA-
Feminist-Research-in-Africa.pdf
Complementar:

Ângela Davis-

Bell Hooks- Mulheres Negras, moldando a teoria feminista


((http://www.scielo.br/pdf/rbcpol/n16/0103-3352-rbcpol-16-00193.pdf)

OCHY Curiel. DESCOLONIZANDO EL FEMINISMO: UNA PERSPECTIVA


DESDE AMERICA LATINA Y EL CARIBE.
http://feministas.org/IMG/pdf/Ochy_Curiel.pdf

Minna Salami. https://www.msafropolitan.com/bio

Oyèrónké Oyěwùmí. The invention of women: making an


african sense of western gender discourses

25/11 Sobre Djamila Ribeiro- Quem tem medo do feminismo negro? (Verônica e
lugar Giliani)
de
fala Djamila Ribeiro- O que é lugar de fala (Auta)

01/11 10- Prefácio à edição de 2002, por Alice Cherkin; Prefácio à edição de
1961, por Jean-Paul Sartre; Sobre a violência. In: FANON, Frantz. Os
condenados da terra. Juiz de Fora: UFJF, 2005.

05 a Cirkula
09/11

22/11 11- Interrogando a identidade; Da mímica e do Homem. In: BHABHA,


Home K. O Local da cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998.

29/11 12- A questão da raça; O poço da alucinação; Clínica do sujeito. In:


MBEMBE, Achille. Crítica da Razão Negra. Lisboa: Antígona Editores
Refractários, 2017. (Guilherme, Lassana)

06/12 13- Courupira: ensaio sobre mau encontro, tradução e divida coloniais;
Da disposição Museo-lógica. In: JESUS, Alexandro S. Dois ensaios
sobre o mau encontro. Recife: Titivillus Editora, 2018.

13/12 14- Apresentações: trabalhos finais.

Indicações para seminários (não necessariamente todos os itens)

1- Apresentação do autor/ra.
2- Apresentar um resumo geral do conteúdo da obra/texto (descrição rápida do tipo de
evento/temática analisada de acordo com o autor da obra).

3-Identificar as teorias usadas nas análises dos dados (como justifica o uso da teoria? Quando
for possível)

4- Identificar o método (como foi realizado o trabalho/pesquisa. Quando for possível)

5- Avaliar a consistência dos dados que dão suporte as conclusões

6- Apresentar as conclusões criticamente:

- apontar os pontos positivos, os avanços da obra

- apontar novas possibilidades de pesquisa sugeridas pela obra ou que ela lhe inspira

- apontar discordâncias com as conclusões.