Você está na página 1de 7

Hipertensão pulmonar, ela não é nada mais , nada menos do que a elevação da pressão

sanguínea nas artérias que levam o sangue do ventrículo direito (lado direito do coração) para
os pulmões, assim possibilitando a hematose, mais comumente chamada de troca de gases-
onde o sangue recebe oxigênio para irrigar os tecidos.

( de acordo com a OMG)Um em cada três adultos no mundo inteiro, de acordo com os novos
dados, tem pressão arterial aumentada (hipertensão arterial1) - uma doença que provoca cerca
de metade de todas as mortes por derrame3 cerebral e doenças cardíacas. Pela primeira vez, o
relatório da OMS incluiu informações de 194 países sobre a porcentagem de homens e
mulheres com pressão arterial elevada e com alterações nos níveis de glicose4 no sangue5.

O QUE SIGNIFICAM OS NÚMEROS DE UMA MEDIDA DE PRESSÃO

ARTERIAL?

Significam uma medida de pressão calibrada em milímetros de mercúrio (mmHg). O primeiro número,
ou o de maior valor, é chamado de sistólico, e corresponde à pressão da artéria no momento em que o
sangue foi bombeado pelo coração. O segundo número, ou o de menor valor é chamado de diastólico,
e corresponde à pressão na mesma artéria, no momento em que o coração está relaxado após uma
contração.
Não existe uma combinação precisa de medidas para se dizer qual é a pressão normal, mas em termos
gerais, diz-se que o valor de 120/80 mmHg é o valor considerado ideal. Contudo, medidas até 140 mmHg
para a pressão sistólica, e 90 mmHg para a diastólica, podem ser aceitas como normais. O local mais
comum de verificação da pressão arterial é no braço, usando como ponto de ausculta a artéria braquial.

Porque a Hipertensão Arterial ou Pressão Alta é perigosa?


Porque, inicialmente a Hipertensão Arterial não apresenta nenhum sintoma e muitas vezes os
sintomas a ela atribuídos, como: dor de cabeça, sangramento pelo nariz, tonturas, falta de ar e outros,
nem sempre são causados por ela.
E apesar disso, esta “Inimiga Silenciosa”, aumenta o risco da pessoa ter um infarto do miocárdio, acidente
vascular cerebral (derrame), insuficiência cardíaca, insuficiência renal e comprometimento da visão por
lesões na retina

FATORES NÃO MODIFICÁVEIS

Hereditariedade

Umas pessoas herdam a predisposição hipertensão arterial, que pode apresentar-se em vários
membros da família.

Idoso

O envelhecimento aumente o risco da hipertensão arterial em ambos os sexos

Raça

A hipertensão é mais comum em pessoas da raça negras


Obesidade ( controle de peso)

 Controle do peso

Confira o seu índice de massa corporal1. Basta fazer o cálculo2 do seu peso em
quilogramas dividido pelo quadrado da sua altura em metros. O resultado deve estar
situado em um índice de massa corporal1 entre 20 kg/m² e 25 kg/m². E a medida da
circunferência abdominal deve ser inferior a 102 cm para homens e 88 cm para
mulheres.

Para manter o seu peso em uma faixa ideal, você deve seguir uma dieta hipocalórica
balanceada orientada individualmente por um nutricionista3, evitando o jejum ou o uso
de dietas "milagrosas", que causam mais danos ao organismo que benefícios. Esta dieta
deve constituir-se de uma mudança em busca da ingestão de alimentos mais saudáveis
que respeitem suas preferências.

FATORES MODIFICÁVEIS

Tabagismo

O cigarro eleva agudamente a pressão arterial e favorece o desenvolvimento e as


complicações da aterosclerose17 - doença crônica e degenerativa que leva à obstrução
das artérias por depósito de gorduras em seu interior. A interrupção do fumo reduz o
risco de acidente vascular7 encefálico - derrame18, de doença isquêmica do coração9 -
infarto19, de doença vascular7 arterial periférica - trombose20 e de morte súbita.

A exposição ao fumo (tabagismo passivo) também deve ser evitada, pois o tabagismo é
a mais importante causa modificável de morte.

Excesso de sal

Redução da ingestão de sal (cloreto de sódio)

Limitar a ingestão diária de sódio ao máximo de 2,4 g de sódio ou 6 g de cloreto de


sódio (uma colher de chá). Esse total deve incluir o sódio contido nos alimentos naturais
e manufaturados. O sal é considerado um fator importante no desenvolvimento e na
intensidade da hipertensão arterial5. Sua restrição também está associada a uma redução
da mortalidade6 por acidente vascular7 encefálico e regressão da hipertrofia8 ventricular
esquerda (aumento da musculatura do ventrículo esquerdo do coração9).

Na prática, devem ser evitados alimentos enlatados, conservas, embutidos e defumados.


Utilizar o mínimo de sal no preparo dos alimentos, além de evitar o uso de saleiro à
mesa, durante as refeições. Para que o efeito hipotensor máximo da restrição salina se
manifeste, é necessário um intervalo de pelo menos 8 semanas.

São exemplos de alimentos ricos em sal:

1. Sal de cozinha (cloreto de sódio) e temperos industrializados;


2. Alimentos industrializados10 (ketchup, mostarda, molho shoyu, caldos
concentrados); Embutidos (salsicha, mortadela, lingüiça, presunto, salame,
paio);
3. Conservas (picles, azeitona, aspargo, palmito);
4. Enlatados (extrato de tomate, milho, ervilha);
5. Bacalhau, carne seca, defumados;
6. Aditivos (glutamato monossódico) utilizados em alguns condimentos e sopas de
pacote;
7. Queijos em geral.

BEBIDA ALCOÓLICA

O consumo excessivo de álcool eleva a pressão arterial, causa variações nos níveis
pressóricos, aumenta a prevalência12 de hipertensão13, é fator de risco14 para acidente
vascular7 encefálico, além de ser uma das causas de resistência a medicamentos anti-
hipertensivos.

Para os hipertensos do sexo masculino que fazem uso de bebida alcoólica, é


aconselhável que o consumo não ultrapasse 30 ml de etanol/dia, contidos em 60 ml de
bebidas destiladas (uísque, vodca, aguardente, etc.), 240 ml de vinho ou 720 ml de
cerveja. Em relação às mulheres e indivíduos de baixo peso, a ingestão alcoólica não
deve ultrapassar 15 ml de etanol/dia - metade do preconizado para os homens. Aos
pacientes que não conseguem se enquadrar nesses limites de consumo, sugere-se o
abandono do consumo de bebidas alcoólicas.

FALTA DE EXERCICIO

Praticar exercícios físicos aeróbios por um período de 30 a 45 minutos por dia, três a
cinco vezes por semana é um bom começo.

O exercício físico regular reduz a pressão arterial, além de contribuir para a diminuição
do peso corporal e de ter ação coadjuvante no tratamento das dislipidemias, da
resistência à insulina15, do abandono do tabagismo e do controle do estresse. Contribui,
ainda, para a redução do risco de indivíduos normotensos desenvolverem hipertensão13.

O baixo nível de condicionamento físico está associado a maior risco de óbito por
doenças coronarianas e cardiovasculares em homens sadios, independentemente dos
fatores de risco convencionais.

Exercícios isométricos, como levantamento de peso, não são recomendáveis para


indivíduos hipertensos. Pacientes em uso de medicamentos anti-hipertensivos que
interferem na freqüência cardíaca (como, por exemplo, betabloqueadores) devem ser
previamente submetidos a avaliação médica.

ESTRESSE

A redução do estresse psicológico é recomendável para diminuir a sobrecarga de


influências neuro-humorais do sistema nervoso4 central sobre a circulação38. Contudo, a
eficácia de técnicas terapêuticas de combate ao estresse com vistas à prevenção e ao
tratamento da hipertensão arterial5 ainda não está estabelecida universalmente.

Há evidências de possíveis efeitos do estresse psicossocial na pressão arterial


relacionadas a "condições estressantes", tais como pobreza, insatisfação social, baixo
nível educacional, desemprego, inatividade física e, em especial, aquelas atividades
profissionais caracterizadas por altas demandas psicológicas e baixo controle dessas
situações.

Técnicas de relaxamento, tais como ioga, biofeedback, meditação transcendental, tai chi
chuan e psicoterapia, não são superiores a técnicas fictícias ou a automonitorização.

QUAIS SÃO OS SINTOMAS?


A pressão alta age silenciosamente. Normalmente os sintomas só aparecem quando a
pressão alta já existe há algum tempo e um pouco antes de complicações como
infartos, derrames, problemas nos rins, etc.
Os sintomas que podem ocorrer são:
• Cansaço excessivo;
• Formigamento;
• Dores de cabeça.
As conseqüências podem ser bem graves...
• Derrame cerebral;
• Diminuição da visão por lesões na retina;
• Desgaste acelerado no coração por Doenças no Coração (infarto, insuficiência
cardíaca e arritmias);
• Danos sérios nos rins;
• Lesão nas artérias.
Conseqüência da hipertensão arterial:
• Aumento da massa muscular do coração. Isto é ruim!
• “Artéria entupida.“
• Dano sério nos rins
• Aumenta o risco de derrame;
• Diminuição da visão...

TRATAMENTO
O tratamento da Hipertensão Arterial Sistêmica tem como principal objetivo melhorar a qualidade de
vida dos pacientes e diminuir o risco de complicações cardíacas.
Podemos dividir o tratamento em Não-medicamentoso e Medicamentoso. O primeiro baseia-se em
modificações do estilo de vida. Está indicado para todos os pacientes hipertensos e aos indivíduos que
mesmo tendo os níveis pressóricos normais, são de alto risco de desenvolverem a doença.
Os tópicos do tratamento não-medicamentoso são:
REDUÇÃO DO PESO CORPORAL
Todo hipertenso com excesso de peso deve entrar em um programa de redução do peso de modo a
alcançar Índice de Massa Corpórea (IMC) de 25 kg/m².

Como calcular o IMC?


Divide o peso em kg pelo quadrado da altura em metros.
Exemplo: Indivíduo pesando 80 kg e de altura, 1,65m
IMC=80/ (1,65) ²
IMC= 29,38
Para esse indivíduo atingir um IMC menor que 25 fazemos a conta contrária:
25= peso ideal / (1,65) ²
peso ideal= 68kg
Isto é, ele deve chegar a um peso igual ou inferior a 68 kg

COMO PERDER PESO?


Primeiramente temos que conscientizar de que a redução do peso deve ser lenta e gradual, não
comprometendo a saúde. Não existe dieta milagrosa, perder peso de forma muito rápida é prejudicial à
saúde e a pessoa tende a voltar a ganhar peso no momento em que parar de fazer a dieta.
A combinação DIETA + EXERCÍCIOS é o caminho do sucesso.
Sugerimos algumas recomendações importantes em relação à dieta:
Respeite dieta balanceada
Eduque-se a fazer as refeições em horários fixos, evitando os jejuns prolongados
Evite açúcares e doces
Cuidado com molhos, condimentos
Prefira alimentos cozidos, assados, grelhados ou refogados
Utilize alimentos fonte de fibras (grãos, cereais, hortaliças, frutas, legumes de preferência crus)
Evitar alimentos processados industrialmente, tais como, enlatados, conservas, embutidos e defumados

REDUÇÃO DA INGESTA DE SAL


A ingesta de sal é um dos fatores envolvidos no aumento progressivo da pressão arterial que acontece
com o envelhecimento. O ideal é a ingesta de no máximo 6 gramas de sal por dia, o equivalente a uma
colher de chá.

PRÁTICA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS REGULARES


Exercícios Físicos como: caminhada, ciclismo, natação e corrida por 30 a 45 min, 3 a 5 vezes por
semana é recomendado, mas antes de iniciar é bom ser submetido a uma avaliação médica.

ABANDONO DO TABAGISMO
Abandone o cigarro. Estudos mostram claramente que o fumante tem maior chance de Ter doenças
cardíacas ou derrame cerebral, além de Ter maior dificuldade em controlar a pressão alta.
Converse com seu médico a respeito e procure ajuda profissional.

REDUÇÃO DA INGESTA DE ÁLCOOL


A dose permitida de etanol por dia é 30 ml, ou seja, o equivalente a 1 garrafa de cerveja, 1 copo de vinho,
1 dose de uísque ou 1 dose de vodka.
Entretanto o álcool é tóxico para o fígado, cérebro, estômago, em excesso aumenta a pressão arterial,
sem contar que o alcoolismo é um grande problema social, portanto, o ideal é a abstinência.
As mulheres absorvem mais etanol do que os homens e as pessoas mais magras são mais suscetíveis
aos efeitos do álcool do que as pessoas mais pesadas. Esses grupos devem ser orientados a limitar a
ingestão a não mais que 15 ml de etanol por dia.

Mude seus hábitos e viva tranqüilo

Essas medidas preventivas devem ser adotadas desde a infância. Toda a família deve
participar e colaborar na melhoria da qualidade de vida. Uma vez que bons hábitos são
adquiridos, fica fácil mantê-los. Controle do peso, dieta balanceada e prática de
exercícios físicos regulares são medidas simples, que, quando implementadas desde
fases precoces da vida, representam benefício potencial sobre o perfil de risco para
doenças cardíacas e vasculares.

A presença de fatores de risco não-modificáveis, tais como homens com mais de 45


anos e mulheres com mais de 55 anos, parentes de primeiro grau com doença
coronariana40 em idades prematuras (homens com menos de 55 anos e mulheres com
menos de 65 anos), significa que é necessário um maior rigor no controle dos fatores de
risco modificáveis.

Uma equipe de apoio com profissionais de especialidades diferentes como


nutricionistas, enfermeiros, médicos e professores de educação física podem auxiliá-lo a
seguir um programa preparado especialmente para você.

Também é interessante participar de grupos de hipertensos para conhecer pessoas que,


na mesma situação, muitas vezes se adaptam de forma prazerosa às novas atividades.
Também é uma ótima oportunidade para criar novos amigos.

Quais as conseqüências?

A pressão arterial elevada crônica afeta órgãos nobres do organismo, trazendo como
consequências :
Derrame cerebral
Infarto do miocárdio
Insuficiência cardíaca
Insuficiência renal
Alterações graves de visão
Quando associada ao vício do fumo, colesterol elevado, diabetes, obesidade, sedentarismo, estresse, os
efeitos deletérios serão mais precoces e graves.

TRATAMENTO
O tratamento da Hipertensão Arterial Sistêmica tem como principal objetivo melhorar a qualidade de
vida dos pacientes e diminuir o risco de complicações cardíacas.
Podemos dividir o tratamento em Não-medicamentoso e Medicamentoso. O primeiro baseia-se em
modificações do estilo de vida. Está indicado para todos os pacientes hipertensos e aos indivíduos que
mesmo tendo os níveis pressóricos normais, são de alto risco de desenvolverem a doença.

Os tópicos do tratamento não-medicamentoso são:


REDUÇÃO DO PESO CORPORAL
Todo hipertenso com excesso de peso deve entrar em um programa de redução do peso de modo a
alcançar Índice de Massa Corpórea (IMC) de 25 kg/m².

COMO PERDER PESO?


Primeiramente temos que conscientizar de que a redução do peso deve ser lenta e gradual, não
comprometendo a saúde. Não existe dieta milagrosa, perder peso de forma muito rápida é prejudicial à
saúde e a pessoa tende a voltar a ganhar peso no momento em que parar de fazer a dieta.
A combinação DIETA + EXERCÍCIOS é o caminho do sucesso.

REDUÇÃO DA INGESTA DE SAL


A ingesta de sal é um dos fatores envolvidos no aumento progressivo da pressão arterial que acontece
com o envelhecimento. O ideal é a ingesta de no máximo 6 gramas de sal por dia, o equivalente a uma
colher de chá.

PRÁTICA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS REGULARES

ABANDONO DO TABAGISMO
REDUÇÃO DA INGESTA DE ÁLCOOL

( DE acordo com o OMS) Em países de alta renda, o diagnóstico6 precoce e o tratamento


generalizado com medicamentos de baixo custo reduziram significativamente a pressão
arterial média entre as populações - e isso tem contribuído para uma diminuição das mortes
por doenças do coração7. Na África, no entanto, estima-se que mais de 40% (e até 50%) dos
adultos estejam com a pressão sanguínea elevada. A maioria dessas pessoas permanece sem
diagnóstico6, apesar de muitos destes casos poderem ser tratados com medicamentos de
baixo custo, o que reduziria significativamente o risco de morte e de invalidez por doença
cardíaca e derrame3.