Você está na página 1de 8

1

Por Reinaldo J. Campos


2

Bartolomeu – (Bartholomaios - "filho de Tolmai") alguns afirmam tratar-se de Natanael ("prenda de Deus"). Se for ele
provavelmente era seguidor de João Batista. Natural de Caná ou é citado como natural de Naftali. Segundo alguns estudiosos ele
descendia de Talmai, rei de Gesur (II Sm 3:3), pai de Maaca, mãe de Absalão, o filho do rei Davi. Elias de Damasco, séc. IV o
identificou como Natanael, o Bar Tolmai (filho de Tolmai) de acordo com Jo 1:45, 21:2. É descrito como quem estudava as
escrituras debaixo da figueira, um homem sem traços de malícia e pescador junto a Felipe. O livro apócrifo de “ Atos de Felipe”
descreve seu ministério na Ásia Menor (Túrquia), Hierópolis, onde Felipe foi cruscificado, mas Bartolomeu foi poupado
milagrosamente. Dali Bartolomeu dirigiu-se a Licônia onde João Crisóstomo afirma, ter o apóstolo iniciado a muitos. Dali,
segundo o apócrifo “Evangelho de Bartolomeu” e tradições siríacas ele foi enviado ao Oriente, à Índia, onde Panteno, filósofo de
formação estóica, segundo tradições alexandrinas, ao retornar a Alexandria, trouxe o Evangelho de Mateus em hebraico deixado
por Bartolomeu. Entretanto, alguns definem Índia como Árabia ou Etiópia, e não o país com este nome, pois Índia definia
territórios mais amplos como a Árabia, Etiópia, Líbia, Pártia, Pérsia e Média, mas, tanto a “História Eclesiástica” de Eusébio e o
apócrifo ‘O Mártirio do santo e glorioso apóstolo Bartolomeu”, o apóstolo teria um grande e milagroso ministério, onde o próprio
soberano Polímio se converteu e abdicou da coroa para seguí-lo. Segundo Jerônimo, IV séc., “A História apostólica de Abdias” e
outros, dali, ele teria partido para a Armênia e aliou-se a Judas Tadeu em meados de 60 d.C.. ali permanecendo por quase oito
anos, onde curou a filha do rei. Astiages, irmão do rei, e a classe sacerdotal pagã o teriam escalpelado e cruscificvado de cabeça
para baixo, outra lenda afirma que ele curou de loucura a irmã do rei, mas este o teria cruscificado e decapitado em Albana (ou
Derbent) no ano 68 d.c. De forma que quando Gregório, o iluminador, quando evangelizou a Armênia e o rei Tiridates no séc. IV,
este se tornou o primeiro país cristão que mantinha relações com Macário, bispo de jerusalém entre 325-335 d.C. e o bispo
armênio Vertanes. Os restos mortais de Bartolomeu teriam sido enterrados em Albanópolis, dali foram levados para Nefergerd-
Mijafardin, depois para Duran na Mesipotâmia em 508 d.C. pelo imperador Anastácio. São Gregório de Tours afirmou que antes
de ter findado o sexto século, os restos foram levados para as ilhas Lipari, próximo a Sicília. Anástacio o bibliotecário conta que
em 809 d.C. os restos foram para Benevento e de lá para Roma em 983 d.C. pelo imperador Otto III e atualmente está na Igreja de
S. Bartolomeu sobre o rio Tibre e um braço foi enviado pelo bispo de Benevento a Eduardo, o confessor, que doou à Catedral da
Cantuária, entretanto John Julius norwich em seu livro “Mount Athos” descreveu sua saga ao Hagion Oros (monte santo), onde
em um mosteiro da Igreja Ortodoxa de S. Basílio onde estes monges afirmam estarem os ossos do apóstolo. Verdade ou mentira,
os restos de todos os apóstolos começaram a ter um valor sentimental e serem encarados como relíquias só quando o imperador
Constantino, o grande, enviou mensageiros por todas as terras conhecidas atrás dos ossos dos apóstolos, afim de que fossem
reunidos num único local, onde doze tumbas em círculo aguardavam seus restos mortais. Ao centro estava a própria tumba do
imperador. Talvez ele se visse como um décimo terceiro apóstolo. De qualquer forma, o rastro de restos mortais destes apóstolos
após quatro séculos tormou-se uma missão quase impossível e várias ossadas devem ter sido apresentadas ao imperador por seus
mensageiros para que estes nào desapontassem seu imperador.

Mateus – Levi - Hebraico: "Junto". Chamado Mateus: "dádiva de Jeová", publicano, cobrador de impostos, odiado pelos
israelenses, filho de Alfeu, morador de Capernaum, homem de posses, tanto que recebeu Jesus para ceiar. É apontado como irmão
de Tiago Menor e nascido em Cafarnaum. Clemente de Alexandria acreditava que Mateus permaneceu por 15 anos na Judéia após
a ascenção de Cristo e descreve ele como vegetariano. Tal ministério é endossado por Irineu, séc. II. Segundo o apócrifo “Atos de
André e Mateus”, Mateus teria ido para os antropófagos ( Pérsia, Pártia, Macedônia e Etiópia ?), onde lhe arrancaram os olhos
para o devorarem após 30 dias. André o resgatou e eles escaparam milagrosamente. Posteriormente ele retornou a eles, e após
muitos milagres o rei ciumado o betumou de óleo de golfinho e enxofre e lhe ateou fogo, porém o fogo atingiu doze imagens que
o rodeavam e delas saiu um dragão que perseguiu o rei. Mateus repreendeu o fogo que expirou e o rei se converteu e tornou-se
sacerdote. Tanto a “História Eclesiástica” de sócrates quanto o tradicional “Perfetto legendário” dão como local de atuação de
Mateus a Etiópia e Egito. Entretanto Heracleon e Clemente de Alexandria afirmam que Mateus morreu de morte natural em idade
avançada. Anna Jamerson em “Sacred and legendary art” atesta que Mateus após 23 anos na Etiópia e Egito, morreu no ano 90, no
reinado de Domiciliano. Enquanto os gregos afirmavam que ele morreu pacificamente os sírios atestavam que ele foi martirizado
com lança ou espada. Pesquisadores acreditam na confusão entre Mateus e o apóstolo Matias de Atos. Ambrósio, acreditava que a
Etiópia mencionada era uma região da Pérsia assim chamada. Muitos documentos atestam sua morte na Etiópia e que foi
martirizado no Sinédrio de Alexandria, Egito. O monge Atanasias teria entregue as relíquias de Mateus a João, bispo de Paestum,
que as conduziu a Salerno na Itália em 1054, onde foi construída uma Catedral a Virgem Maria.

Simão Zelote – revolucionário nacionalista, forma posterior de Simeão, morador em Capernaum. Mateus o identifica como
cananita, se assim for ele era natural da cidade de Caná (Galiléia), nos demais livros ele é identificado como cananeu, temos então
duas hipóteses: a primeira, mas improvável é dele não ser hebreu; outra é de que a palavra cananeu e Zelote (zelador) eram as
mesmas. Ainda assim, como Zelote ele odiava cobradores de impostos e no caso dele não ser hebreu era de igual forma odiado ..
Nicéforo, teólogo, historiador e patriarca de Constantinopla em 806, afirmava que ele era natural de Caná, enquanto o apócrifo
“Evangelho dos Ebionitas” ou “Evangelho dos doze apóstolos”, séc. II, o descreve como pescador em Cafarnaum junto a Pedro.
Ele fazia parte do grupo dos zelotes ou gaulanitas, também chamado de cananeu, do grego kanaios e do aramaico Qannâ que
significa ciúmes, zelo excessivo, sinônimo de zelote. Flávio Josefo em “Guerras dos judeus”, séc. II, fala de Manahen Bar-Judá,
líder dos sicarii, que após perder o pai e dois irmãos, ordenou a morte do sumo-sacerdote. Eleazar, filho do sumo sacerdote no ano
60 perseguiu e executou Manahen e seus seguidores que estavam refugiados na fortaleza de Massada, morreu ½ milhão de vidas.
A guerra contra os romanos aconteceu em 66, quando o procurador Floro exigiu 2 talentos de ouro do tesouro do templo como
tributo. Os sacerdotes o ridicularizaram e este os humilhou. Eleazar, como oficial do templo decretou a independência cancelando
o culto ao imperador. Liderados pelos zelotes, o povo insurgiu contra Roma. Cestius Galo, governador da Síria tentou sem exito
contê-los, os cristãos alertados profeticamente já haviam deixado Jerusalém para a cidade de Pela, na Peréia (Jordânia). O general
3

Vespaciano e seu filho Tito assolaram mais de 200 cidades lideradas por Josefo, na região da Galiléia. Jotapata se rendeu aos
legionários. Gamala nas colinas de Golã resistiu por 7 meses e parte dos 5 mil habitantes morreu, Josefo afirmou que se
suicidaram se jogando das colinas...por fim caí Safed (66-67), Josefo se entregou e profetizou a ascenção de Vespaciano ao trono,
e como isto sucede, ele conquista a confiança de Vespaciano, o novo César. Tito que ficou em lugar de seu pai, enquanto este se
deslocava para a Síria onde foi sagrado imperador no lugar de Nero e partiu imediatamente para Roma para garantir o trono, parte
para a Judéia após dominar a Galiléia com a artilharia dos Scorpiones Legionários. Os judeusforam liderados por Simão Bar Giora
e João de Giascala, onde Josefo serviu como mediador entre os judeus e Tito num último esforço de rendição. Os amotinados
dentro de jerusalém eram muitos, haja visto que a revolta se deu em plena Páscoa, quando a cidade estava apinhada. Durante o
cerco de Tito, os que tentavam fugir eram crucificados, num total de 500 por dia. Dentro da cidade ocorria o canibalismo e fora
seus corpos eram dilacerados depois de crucificados, pois havia rumores que estes engoliam as riquezas do templo. A cidade
tombou e o grupo liderados por Eleazar Ben Yair refugiou-se em Massada. Ali o general Flavius Silva montoucerco com a décima
legião fretensis. Segundo Josefo, dez zelotes foram sorteados para traspassarem os novecentos amotinados, só duas mulheres e
cinco crianças que se esconderam nos depósitos sobreviveram. Simão Zelote foi missionário no Egito, Cirenaica, Mauritânia,
Líbia e ilhas Britânicas. Simão teria pregado na Britânia entre 60 e 61 quando a rainha Boudica se levantou contra o império
romano de Nero, devido a morte de seu marido Prasutagus, rei de Norfolk. Nero anulou os acordos do imperador Cláudio (seu
padrasto) com os reis britânicos que lhe haviam entregado a ilha em 16 dias. O procurador local Catus Decianus decidiu devastar
o castelo da viúva, estruparam suas irmãs sofreram o flagelum. Boudica lançou-se sobre os romanos com os icenis, acabando com
a nona legião, destruindo Grinsdyke, Colchester, Londinium (Londres), Verulamium (St. Albans), e só foi detida pelo general
Suetônio que reduziu os revoltosos a pó. Tácito afirma que morreram em Londres 70 mil pessoas. Endossa a tradição Nicéforo,
historiador bizantino e patriarca de Constantinopla (758-829). Antes de ser levado a Catus Decianus, Simão lançou semente nos
corações bretões e soldados romanos que lá gozavam sua aposentadoria. Lá também chegou o evangelho por mão de José de
Arimatéia com 12 recrutas comissionados por Felipe, que vieram da Gália. De acordo com Hipólito e o cardeal Baronius, a
primeira incursão de Simão a Britânia se deu em 44 d.C. após Cláudio expulsar judeus e cristãos de Roma. Também consta que
Pedro e Paulo lá estiveram, de qualquer forma o cristianismo celta desapareceu em 410 com a saída das legiões e a invasão anglo-
saxã. Entretanto, outros sugerem a incursão do apóstolo próximo ao ano 50 e na época da batalha estava na Mesopotâmia já havia
alguns anos. Doroteu, bispo de Tiro, acreditava que Simão foi crucificado em 10 de maio de 61 na cidade de Venta Icenorum
(Caistor, Linclnshire) sob ordens do procurador Caius Decius (Catus Decianus). A outra tradição afirma que Simão se associou
com Judas Tadeu e empreendeu campanha da Síria a antiga Pérsia, até que por não aorar o deus sol foi serrado ao meio e Tadeu foi
atingido por uma alabarda próximo ao ano 70. Seus restos estão na Catedral de S. Pedro e S. Paulo em Roma, partes espalhadas na
Europa como S. Saturnino na Espanha, St. Serninna na França, St. Norbert em Colônia na Alemanha. É possível que as
peregrinações de Simão Zelote e Simão Pedro se tenham confundido.

Matias – Proeminente entre os setenta enviados por Jesus. Ao lado de André, Bartolomeu, Judas Tadeu e Simão Zelote é apontado
como pioneiro na Armênia. A tradição aponta campanhas em Damasco na Síria, a Macedônia e Etiópia Oriental. Alguns afirmam
que foi martirizado em Jerusalém entre 61 e 64, depois de voltar da macedônia, outros que foi martirizado em Sebastopol na
Ucrânia em 64. Como já mencionado, a trajetória entre Matias e Mateus se confundem.

Tomé – Dídimo - Teôma: "gêmeo menor", alguns siríacos e egípcios o chamam de Judas, é um cético, morador em Capernaum.
Não se sabe de quem ele é gêmeo. Gêmeo menor de alguém. Alguns dizem que pode ter sido o gêmeo menor de Mateus, ligando
os dois a Alfeu. Outra lenda diz que ele era assim chamado por ser muito parecido com Jesus, parecendo ter uns dez anos menos
que o mestre. Algumas tradições dizem que era natural de Antioquia da Síria. Eusébio registrou que seu nome era Judas. Uma
certa lenda identifica uma certa Lídia como sendo sua irmã gêmea. “O ensino dos apóstolos” (Didascalia Apostolorum) do séc. III,
aponta seu ministério na Babilônia, Pérsia, Média, Etiópia asiática, China e Índia. “A História apostólica” cita sua campanha entre
49 e 50 com Judas Tadeu na Pérsia, em 52 as tradições indianas o alegam aportando em Malabar. Nos “Atos de Judas Tomé”, do
escritor Bardesanes (154-222) e “Atos de S. Tomé na Índia” atestam sua presença ali. Tomé teria sido incumbido pelo rei
Gondofares (19-45) de construir um palácio. Tomé destribuiu o dinheiro da construção entre os pobres e o rei o encarcerou. Gad,
irmão do rei, morreu de repente e viu o reino celestial anunciado por Tomé, ressuscitado milagrosamente descreveu ao rei que se
converteu e libertou o apóstolo. Em outra tradição, Tomé foi vendido como escravo ao rei Albanes e foipara a Índia. No
“Breviário caldeu de S. Tomé” ele teria se vendido como escravo para atingir a Índia e converteu os três principais reis da Índia, o
de Bisnaga, Xoren Perumal, o de Pandi, Pandi Perumal, e o de Malabar, Xaran Perumal, fundando diversas igrejas pela Índia.
Consta que também houve um mercador de nome Tomé de Caná de origem Síria que pregou no outro lado da Índia e os dois
podem terem sido confundidos, ou, podem se tratar apenas do apóstolo. Reza várias tradições que Tomé orava em uma caverna
conhecida como Antenodur, não muito distante de Malabar em carmandal e foi atravessado de joelhos por lanças e dardos atirados
pelos sacerdotes brâmanes que viam nele uma ameaça para sua religião e foram enviados pelo rei indiano de Mizdi. João
Crisóstomo, patriarca de Constantonopla, séc. IV, dizia que seus restos estavam juntos aos de Pedro e paulo em Roma,
transportados secretamente da Índia por volta de 200, nos dias do rei Mazdai. Outra lenda diz que os restos foram transladados
pelo imperador do Oriente, da Índia para Edessa. Mufazzal Abil-Fazail, historiador do séc. XIVdiz que o mosteiro de mar Touma
possuia uma das mãos do apóstolo.

André – do Grego: "forte, viril"- filho de Jonas, irmão de Pedro, natural de Batsaída (Galiléia), pescador, morador de Capernaum
e discípulo de João Batista. Seu nome vem do grego e quer dizer viril, é o diminuitivo de Alexandre. Herança doi domínio de
Alexandre o Grande. André é chamado pelos gregos de protocletos (o primeiro chamado). Na “História Eclesiástica” III, de
Eusébio, diz que andré pregou no sul da Rússia, em Cítia e Pártia. Também em Éfeso com João e pela Ásia Menor, Bizâncio,
Trácia, Épiros, Peloponeso, Bitínia e Amisos, em sinope orou pelo encarcerado apóstolo Matias e o libertou. Lá foi atacvado por
4

uma multidào e teve os dentes quebrados e os dedos amputados e deixado sobre estrumes, Jesus lhe apareceu e o curou e a turba
se converteu no dia seguinte. Também pregou na Palestina, Ásia Menor, Macedônia e Grécia. Após converter Maxímila, esposa do
proconsul Egastes da Grécia foi crucificado em uma cruz em forma de X em Patras, de acordo com “Atos e martírio do Sto.
Apóstolo André”, escrita pelos bispos de Acáia. Quando na cruz foi acompanhado por 20 mil pessoas, seu discípulo Estratodes
após o quarto dia na cruz, rogou para que soltassem a André a Egastes. André recusou clemência e não poder morrer como seu
Senhor. Assim rendeu o espírito. Maximila a esposa do proconsul que era cristã tomou o corpo, untou-o e o depositou em seu
próprio jazido. Ao ser abnadonado pela esposa, o proconsul prepara um documento contra os cristàos e sua esposa, mas
atormentado por demônios se lança da janela e cai na calçada do mercado de Patras. Isto teria ocorrido em 68 ou 69. Outra lenda
conta que o proconsul foi Aegas e que André permaneceu atado a cruz por 2 dias. Outra ainda afirma que esteve no Cáucaso
(Geórgia) pregando ao citas, depois em Bizâncio (Istambul), onde ordenou o bispo Eustáquio, onde foi apedrejado e encarcerado.
Em Sinope quase foi devorado por canibais, de Bizâncio foi até a Grécia, depois trácia, Macedônia, até o Golfo de Corínto, em
Patras na Acáia onde foi sentenciado por egastes e ficou 3 dias na cruz. Se de fato André esteve em Bizâncio (Constantinopla),
tem então de disputar abrangência apostólica com João e Lucas, que segundo consta, exeerceu seu ministério na Trácia, Éfeso,
Tessalônia e toda a Ásia, terra dos Coríntios e Acaia (segundo a “Didascalia Apostolorum”) receberam o evangelho de João
enquanto Nicéia, Nicomédia, Bitínia e gotia recebiam o de André. Segundo o historiador Procópio ao papa João (525 d.C.),
Doroteu de Tiro é quem alegou que Eustáquio foi ordenado bispo de Bizâncio por andré. No II Concílio de Constantinopla o
patriarca Inácio disse aos delegados papais: ‘Eu também ocupo o trono do apóstolo João e do protocletos André”. Seus restos
mortais foram exumados do jazigo de Maximila pelo imperador Constâncio para a igreja dos santos apóstolos em Istambul, mas a
cabeça permaneceu em Patras. Em 1460 a cabeça foi para a Igreja de S. Pedro e ali permaneceu até 1964, quando o papa Paulo VI
a devolveu a Patras. Segundo Mary Sharp em “A traveller’s Guide to sants in Europe’, a cabeça encontra-se na Igreja de S. Pedro
em Roma, outras peças em Sant’Andrea Al Quirinal (Roma) e o restante em Amalfi, os restos foram roubados em 1210 de
Constantinopla e levados a Catedral Amalfi, perto de Nápolis. Em 1462 0 papa Pio II transferiu o crânio para S. Pedro.

Felipe – (grego: Philippos - "amante de cavalos"), israelense orgulhoso, natural de Batsaída, morador em Capernaum e seguidor
de João Batista. Lucas esforça-se para diferenciá-lo do Felipe evangelista, o evangelista tinha quatro filhas profetizas (At 21:9).
era natural de Batsaída. Felipe teria viajado para Citia onde permaneceu por 20 anos, então deslocou-se para a Frígia onde
encontrou um ídolo em forma de serpente. O mesmo criou vida e tal era seu odor que muitos morreram, inclusive o filho do rei.
Filipe o ressuscitou mas foi apedrejado e crucificado pelos sacerdotes pagãos em Hierápolis. O apócrifo ‘Atos de Felipe” atesta
sua estadia ali em companhia de Bartolomeu e sua irmã Mariane. Sua presença em Hierápolis é confirmada por esta não receber
carta de exortação do apóstolo Paulo. Reza que a igreja que Felipe começou na casa de Eustáquio em Hierápolis, muitos creram
nos sinais, inclusive Nicanora, esposa do proconsul romano, que levantou-se do leito quando creu. Seu esposo mandou prender
Bartolomeu, Felipe e Mariane pela prática de magia. Sofreram o flagelum e foram levados as portas de um templo pagào, onde
oraram e o templo se abalou e muitos creram. Levados a julgamento onde foram despidos e Mariane foi imediatamente coberta
por uma nuvem de fogo no tribunal. Felipe foi crucificado de cabeça para baixo, preso pelo tornozelo numa árvore defronte para
Bartolomeu que foi pregado por cravos na parede do templo. Muitos se converteram. Felipe então teria rogado por vingança. Deus
executou, abrindo a terra e tragando a todos vivos, mas vomitou a terra os mesmos e findou o ministério de Felipe e a vida do
proconsul, porém Bartolomeu e Mariane foram libertos, menos Felipe por causa de seu pedido. Em “Atos dp Sto. Apóstolo
Felipe” quando de sua jornada a Hellas (Grécia) Superior. Ali encontramos Felipe em confronto com 300 sábios em Atenas. Estes
enviaram pedido ao sacerdote Ananias para que viesse de Jerusalém confrontar Felipe, este, possesso pelo diabo veio com 500
homens, e os 800 cercaram Felipe. A cegueira caiu sobre os judeus que rogaram por misericórdia. Felipe intercedeu por eles, que
foram curados, menos Ananias, que foi tragado vivo ao hades quando a terra o tragou. Ali permaneceu 2 anos em Atenas, depois
partiu para Pártia. De forma alguma este deve ser confundido com o Felipe evangelista de Atos dos apóstolos, aquele teve 4 filhas
profetizas. Alguns afirmam que o apóstolo teria estado na Gália. A Gália (França, Bélgica, Luxemburgo e oeste da Alemanha,
Gália transalpina, mais tarde Gália Tuarbonensis que envolvia o Vale do Pó entre os Alpes e os Alpeninos, a Gália Cisalpina ou
Comata que foi conquitada entre 57 e 50 a.C. por Júlio César a um custo de 1 milhão de vidas em 8 anos de lutas. O investimento
na colonização da Gália tanto próspera quanto culturalmente fortaleceu o império romano para que Cláudio Nero (41-54) mais
tarde subjulgassse a Britânia, sendo o próprio Cláudio natural de Lugdunun (Lyon), França. Podem ter os escritores confundidos
com Galácia. A região da Ásia Menor perto de Hierápolis, região da Frígia sua vizinha. Isidoro, bispo de Sevilha (600-636) em
“De Ortu et obitu Patrum”é um que escreveu que Felipe esteve na Gália e morreu ao lado de suas filhas, só que quem tinha filhas
era Felipe o evangelista e não o apóstolo. Mesmo erro cometeu Freculfos, bispo de Lisieux (825-851) em seu “Tom posterior
chronicorum”. Associado a esta região estão ainda os nomes de Lázaro, Marta e Maria Madalena, que teriam evangelizado
Marselha onde foram enterradas (?). Policrates (130-196), bispo de Éfeso, atesta que Felipe morreu em Hierápolis (“Epístola a
Vítor e à Igreja de Roma” concernente ao dia da Páscoa) onde foi sepultado com 2 filhas e uma terceira foi enterrada em Éfeso. O
corpo de Felipe teria sido trasladado de Hierápolis para a Igreja dos santos apóstolos em Roma.

Tadeu – Lebeu - chamado de Judas (hebraico: " louvor a Deus") Tadeu; Judas ou Judá, filho de Tiago (At 1:13), chamado Lebeu
(hebraico: lebh- "coração") ou Tadeu (aramaico: Tadh- "seio feminino") afetuoso quase feminino. .Chamado de unigenito (gr.
Germogenes) ou primogênito (gr. Prototokos), Lc 6:16 e At 1:13. Alguns entendem que quando apresentado como Judas de Tiago
aludem ao fato de ser filho de Tiago Maior (mais velho) e neto de Zebedeu, fazendo dele o discípulo mais jovem. Tadeu e
Bartolomeu levaram o evangelho para a Armênia, sendo o ministério de Tadeu (35-43 ou 46-66 d.C. ) sendo martirizado em
Arcade em 50 e Bartolomeu entre 44-60 martirizado em Denberd em 68. Teria evangelizado Edesssa (Túrquia) e a mesopotâmia
setentrional. “As memórias de Edessa” diz que Tadeu foi enviado a Mesopotâmia por Tomé e também “O ensino de Addai, o
apóstolo”. “O Didascalia apostulorum”apresenta seu ministério ainda na Síria e Pérsia. “História eclesiástica” do patriarca
Nicéforo Calixto (séc IX) apresenta ainda seu ministério na Fenícia, Síria, Arábia, Assíria e Mesopotâmia. Discordam os relatos
5

quanto a sua morte, alguns dizem que foi por lança, outros cruscificado e outros que foi por ataque de javalis. Extrato de vários
livros relativos ao rei Abgar e Addai, o apóstolo, aponta que Tadeu foi morto por severo, filho do rei Abgar em Agel Hasna.
Nicéforo aponta o martírio em Beirute, Fenícia, na época em que fazia parte da Síria. Os líderes da igreja Assíria dão como certo o
local de sua tumba rm Ardaze, embora a igreja católica ateste que seus restos mortais se encontram na basílica de s. Pedro e S.
Paulo ao lado de Simão Zelote, com quem evangelizou o Oriente. Tadeu é frequentemente associado com Addai, que segundo
alguns era um dos setenta discípulos que teria sido eviado ao rei Abgar, o negro, por Jesus com o sudário com o propósito de curá-
lo. Tadeu teriasofrido o processo crudelissimum terrimunque suplicium, o mais terrível dos suplícios, que consistia em perfurar
com lança que era o peroratio sub alas. Tadeu filho de Tiago? Improvável, pois Tiago teria então uns 50 e poucos anos de idade e
Zebedeu teria uns 80. Tiago tão idoso não se rebaixaria a um diálogo tào bobo sobre quem seria o maior do grupo, principalmente
disputando com seu irmão João que teria a idade de seu suposto filho. O mais provável é ser filho de um Tiago conhecido ao
grupo ou ser irmão de Tiago Menor, pois se fosse irmão de Tiago maior provavelmente seria chamado de Boanerges e não se
mencionaria apenas dois filhos de Zebedeu.

João – Tiago (maior) e João - Tiago (grego: Iakôbos, hebraico: Ya’aqõbh ou Yaakov no aramaico - "segurador de calcanhar,
suplantador" ou seja Jacó), chamados de Boanerges (filhos do trovão) intempestivos, disputando entre si e com os outros os
melhores lugares, filhos de Zebedeu e Salomé (hebraico: Paz) (Mc 16:1, Mt 27:56) considerada irmã de Maria (Jo 19:25), levitas
por parte de mãe, pescadores de posse que prestavam assistência com seus bens, primos de Jesus e moradores em Capernaum. Se
eles estavam nas bodas de Caná isto explicaria porque foram tão rápidos atrás do mestre. João ou Jonas, chamado o amado Jeová é
gracioso. Viveu em uma época em que a ressurreiçao era apresentada como iminente catástrofe e destruição dos reinos da terra.
No apocrifo “A morte de Maria”(séc. IV) descreve que Maria que suspostamente segundo os católicos acompanhava o apóstolo,
teria sido sepultada nas imediações do vale de Josafá, Jerusalém e Nicéforo em “História eclesiástica” (séc. IX) diz que João
permaneceu em Jerusalém até a morte de Maria. A igreja romana afirmava que o local era o Vale de Cdrom, próximo ao Getsâmini
e no local foi construído em 455 pelos bizântinos a igreja de Nossa Senhora de Josafá que hoje só resta o pórtico. “A carta de
Inácio” de Antioquia à João em Jerusalém menciona a companhia da mesma nas empreitadas de João a Éfeso, Tessalônica, Ásia,
circunvizinha dos Coríntios, Acaia. João além de atuar na Palestina e äsia menor, segundo Agostinho, bispo de Hipona (séc. IV)
teria pregado em Pártia, Irã, Armênia e Roma. Tertuliano de Cártago (séc. II e III) em “De praescitione hereticorum”afirma que
joão esteve em Roma ao lado de Pedro. João foi fervido em óleo fervente e saiu ileso, em outra lenda, ao tentar envenená-lo a
peçonha saiu do copo em forma de serpente. Em 81 subiu ao trono Flavius Titus Domitianus, filho de Vespaciano e irmão de Tito
de quem se sentia inferior e em 93 os otins das legiões na Germânia e o déficit público, além do impacto do cristianismo contra o
paganismo levou Domiciano a solidào, luxúria e práticas mágicas e tomado de necrofobia se tornou cruel, principalmente contra
judeus e cristãos, uma vez que já expulsara os filosofos também reclamava os dízimos do destruído templo de Jerusalém para si.
Sua esposa Flávia domitila converteu-se e também seu parente Flávio Clemente e foram executados. João foi aprisionado em
Patmos, uma ilha vulcânica de solo acidentado de 40 Km quadrados. Lá de fato há uma gruta onde João dormia e foi visitada pelo
escritor Papadoulos (the ministério de S. João o evangelista). Outro atesta em “Viagens e milagres de s. João. Teólogo, apóstolo e
evangelista”, escrito por seu discípulo Prócoro (séc. V). Dionísius (séc. III), o bispo africano propôs que João fosse o presbítero (II
Jo 1 e III Jo 1) de Éfeso e nào se tratava da mesma pessoa. Papias defendia que havia dois João notáveis na Ásia, mas justino
mártir, Irineu de Lyon, tertuliano de Cártago e Clemente de Alexandria não endossam isto em seus escritos. Tanto Eusébio de
Cesaréia e jerônimo em “The Nicene and post Nicene fathers” acreditam em joão apóstolo solto sob o imperador nerva Portinax,
falecendo 68 depois de Jesus. Timótio morreu em 97 em Éfeso, ano em que o apóstolo foi solto e voltou para lá. Clemente de
Alexandria, Irineu e Eusébio de Cesaréia em suas obras davam testemunho da vida de Joã até os dias do imperador Trajano (98-
117). Policrates (130-196), bispo de Éfeso em sua carta ao bispo (papa) de Roma Vítor, não deixa dúvidas ser o apóstolo enterrado
em Éfeso e sem relíquias.

Tiago – ‘Há 3 Tiagos mencionados. O menor que algumas vezes é apontado como sendo o irmào de Mateus? Tiago (menor) -
Filho de Alfeu, embora alguns tentem liga-lo a Mateus, não há provas de tratar-se do mesmo Alfeu, morador em Capernaum
Hegésipo, Eusébio de Cesaréia em “História Eclesiástica “ em Flávio josefo em “Antiguidades XX 9,1” não só retratam a data de
62 como a morte de Tiago o justo. Tiago menor era filho de Alfeu e maria e irmão de um certo José Mt 10:3. Mc 15:40, nascido
em cafarnaum mas sem certeza por nào Ter embasamento bíblico. Algumas lendas sugerem que também era coletor de impostos
como Mateus. Alfeu é identificado como Clopas em Jo 19:25 e não deve ser confundido com Clopas de Lc 24:18 e sua mãe seria
citada em Mt 27:56, 28:1 e várias tradições afirmam que Maria era prima de Maria mãe de Jesus e a semelhança entre os dois era
notável, encontrada em “lendas douradas”elaborada por voragine, bispo de Genova (1275). William Barday em seu livro “The
master’s men”menciona que na lista dos discípulos os 4 últimos nomes podem se referir a zelotes. Simão o Zelote, Judas
Iscariotes, Judas Tadeu em “constituições apostólicas”é chamado de Judas Zelote e Tiago Menor confundido com Tiago o justo a
quem Hegésipo chamou de Zelote e seus mártirios identicos bem como seus túmulos. Os ossos foram para Constantinopla, para
Roam e 1 braço permanece com os armênios em Jerusalém, os dedos da mào de tiago o justo também, é possível serem ois ossos
de Tiago o justo e os de tiago menor não poderem serem rastreados. Sua morte é datada em 52, aos 90 anos de idade. Se a lenda é
veradeira, ele era o mais velho do grupo, tendo nascido em 28 a.C. Tiago Maior – temos escritos como “Atos de pedro e tiago a
Índia”, “O martírio de S. Tiago” que falam de seu interesse de ir as 12 tribos dispersas de Israel. Encontramos na tradição sua área
de atuação junto a espanha (Hispânia ou Tartasus, Tarsis ou Galícia) e Sardenha, fazendo dele o primeiro missionário transcultural
do grupo, visto que morreu em 44. Na maioria das tradiçoes que tratam de Tiago na Espanha são católicas e provinientes do séc.
VIII, como de Isidorus Hispalenses (VII, 390, 392 e V 183) que dá o local de seu sepultamento em Marmarica, Acaia. Também s.
Juliano em “Acta Sanctorum”e Freculfo descrevem sua presença na Espanha. Filipe de Side (séc. IV) e Jorge, o pescador (séc.
VII) baseados em Papias sustentavam que Tiago morrera ao lado do irmão João. Segundo Lucas, Tiago foi executado sob Herodes
Agripa I. filho de Aristobolus em 44. Como isto se mostrou agradável para com os judeus (At 12:1-3). Segundo o historiador
6

Eusébio, baseado em “Hypotyposes”, obra perdida por Clemente de Alexandria, existia um delator que arrependido se entregou
aos mesmos magistrados confessando-se cristão e sendo executado ao lado de Tiago. Se de fato esteve na Espanha é certo que
travou contato com os 4 mil judeus levados a Sardenha e obrigados a serem escravos. Agripa teria encarado esta visita como um
ato de sedição contra seu império, uma vez que caiu em desaprovação judaica por nada Ter feito para impedir Roma de levar preso
estes judeus. Uma lenda diz que seu corpo teria sido enviado pelos apóstolos para ser sepultado em Iria Flávia (Padron) na
Espanha (Galícia) e foi redescoberto por Teodomiro, bispo de Iria Flávia (810) enterrado com mais dois discípulos seus e isto foi
anunciado ao rei Alfonso II, rei das Astúrias (791-842) e ao papa Leão III. Uma das hipóteses é do corpo ou parte dele Ter sido
enviado a Espanha para serem protegidos dos ataques islâmicos contra as relíquias. Haja visto a confusão quanto aos três Tiagos, o
martírio de Tiago irmào de Jesus ser identico ao de Tiago Menor e deste não haver de concreto deixo algumas conjecturas ou
teorias minhas. a) Tiago Menor teria sido o apóstolo a visitar a Espanha e não Tiago Maior, e lá encontrado o martírio, não
havendo portanto o translado do corpo para a Espanha. B) Teria Tiago Menor ou Maior estado na Espanha e retornado a Palestina
e encontrado o martírio como dizem as lendas, ainda que sejam do séc. VIII. c) Nenhum dos três terem deicxado a Palestina e isto
ser um embuste do rei católico Alfonso II para manter cativos ao cristianismo seus súditos. D) a mais plauzível e se for verdade
mudaria a crença da igreja. Por um erro de Lucas quem encontrou o martírio em 44 foi de tiago Menor e nào o maior e quem
assumiu o pastorado de jerusalém seria Tiago Maior e não Tiago, irmão de Jesus. Desta forma se explicaria porque Jesus sempre
levava consigo Pedro, Tiago e João para toda a parte, os três seriam as colunas da igreja. A Tiago Maior Jesus teria aparecido no
oitavo dia de sua ressurreição e nào a seu irmão e o fato de Lucas em Atos sempre identifica a tiago como irmão do senhor era
porque Tiago Maior seu primo era extremamente parecido com Jesus e tal semelhança física se devia ao fato de serem primos, e as
lendas conferiram tal semelhança a tiago Menor erroniamente, isto também explicaria porque matias foi escolhido apóstolo no
lugar de Judas Iscariotes e nào Tiago, irmão de Jesus que tornou-se o primeiro ou maior em Jerusalém, sendo que a ele Jesus teria
aparecido. Hegesipo, escritor do séc. II escreveu sobre Tiago: “Consta que o apóstolo que tinha o nome Oblias, que significa
justiça e proteção, devido a sua grande piedade e dedicação pelo povo. Também se refere aos seus costumes austeros, que sem
dúvida contribuíram para aumentar sua fama entre o povo. Ele não bebia bebidas alcóolicas de qualidade alguma, nem tampouco
comia carne. Só ele teve licença de entrar no santuário. Nunca vestiu roupa de lã, mas vestia-se somente de linho. Tinha o costume
de entrar no templo sozinho, e muitas vezes se encontrava de joelhos, intercedendo pelos pecados do povo, a ponto de seus joelhos
chegarem a ficar duros como os de um camelo, em conseqüência de suas constantes orações a Deus.” Diz a tradição que houve
uma disputa entre os judeus se Jesus era o messias. Pediram ao apóstolo ao qual chamavam de Tiago, o justo que resolvesse a
questão, o qual declarou que este Jesus estava a destra de Deus e viria sobre as nuvens. Os crentes gritaram: “Hosana ao filho de
Davi.” Então os escribas e fariseus se arrependeram de dar-lhe oportunidade e usaram Is 3:10 dizendo: “Ai! Ai! O próprio justo
está enganando.” Pegaram dele e o lançaram de cima do templo e disseram: “Vamos apedrejar Tiago, o justo.” Como não morreu
logo que caiu, Tiago pôs-se de joelhos e orou: “Eu te rogo, ó Senhor Deus e Pai, que lhes perdoes, porque não sabem o que
fazem.” Um dos sacerdotes filho de Recabe (citado em Jeremias) disse ao ver o apedrejamento: “ Ma o que fazeis? O justo está
orando por vós.” Um deles que era lavandeiro bateu em Tiago com o pau de bater roupas e Tiago expirou, sendo enterrado
próximo do templo. Tiago Menor, Tiago maior e Tiago o justo foram muito confundidos. De tal forma que a Tiago Menor é dado
uma morte igual a citada, com exceção de que ele fora convidado para discursar a turba e de lá foi empurrado. Os túmulos dos três
Tiago são mencionados como sendo no mesmo local. Outra tradição diz que Tiago Menor teria morrido em 52 aos 90 anos, o que
parece improvável, pois ele teria de Ter nascido em 28 a.C. Tiago Maior teria pregado na Índia e em Tartessus (Tarsis, Hispânia ou
Espanha), Galícia e Sardenha e Isidorus Hispalensis (VII, 390, 392 e V 183) o seu local de sepultamento seria Marmarica em
Acaia, Filipe de Side (séc. IV) e Jorge, o pescador (séc. VII) baseados em Papias sustentavam que ele morrera ao lado do apóstolo
João. Mas Lucas em seu evangelho deixa claro que Tiago Maior foi executado por Herodes Agripa I em 44 e sozinho e isto se
mostrou agradável aos judeus (At 12:1-3). Segundo Eusébio, o historiador, baseado em hypotyposes, obra perdida por Clemente
de Alexandria, existia um delator que arrependido se entregou aos mesmos magistrados e confessando-se cristão foi martirizado
ao lado de Tiago. Se de fato tivesse se dirigido a Espanha teria travado contato com os 4 mil judeus levados prisioneiros a
Sardenha e obrigados a servirem de guardas para o exército romano. Agripa teria encarado o encontro de Tiago como sedição
contra seu império, uma vez que Agripa caiu na desaprovação judaica por Ter permitido e nada fazer para impedir Roma de levar
presos estes judeus acusados de insurretos. Uma outra lenda diz que depois de morto seu corpo teria sido enviado a Espanha e
enterrado em Iria Flávia (Padron) para não ser saqueado. O mais provável é que Tiago Menor é quem tivesse ido a Espanha e lá
encontrado o martírio e Tiago Maior em direção oposta para a Galícia e Índia e encontrado seu martírio em Jerusalém, haja visto
que sobre Tiago Menor nada se sabe e pelo menos Tiago Maior e Tiago irmão de Jesus foram enterrados próximo ao Getsâmani.

Judas Iscariotes - O discípulo mais polêmico. Judas um nome posterior a Judá, talvez profetizasse o povo que o havia de trair, tão
odiado para os cristãos quanto foi Jereboão para os hebreus. Alguns teólogos afirmam que quando Jesus diz que “as aves tem seu
ninho, as raposas seus covis, mas o filho do homem não tem onde encostar a sua cabeça” ele se dirigia a Judas com o propósito de
desistimulá-lo de segui-lo. Se assim fosse, então Judas era escriba, cobrador de impostos. Filho de Simão (Jo 6:7, Jo 12:4, Jo
13:26). Iscariotes - aramaico: apo karyõtou; hebraico: ‘i’shqeri’yôth ou "homem de Quiriote". Bem, temos uma cidade chamada
de Quiriote em Moabe, se assim for Judas era um estrangeiro. Temos Quiriote- Hezrom a 19 Km de Hebrom na Judéia, ou
podemos tomar a forma do termo Sikarioi e aramaicizado: ‘isqaryã’ã - "um assassino". Há também a possibilidade de Judas ser
um assassino da cidade de Hebrom que fora escolhida como cidade refúgio para homicidas (Jos 20:7-8) que anteriormente se
chamava Quiriote-Arba. Considerado por alguns teólogos como Zelote que roubava da bolsa para sustentar a causa de Barrabás e
seu bando, viu em Jesus o messias e talvez tenha entregado Jesus após o episódio de Maria Madalena e a entrada triunfal em
Jerusalém para que Ele se declarasse rei em Israel e levasse o povo a um levante contra os romanos. Pode também ter recebido
este nome por ter contribuído na morte do mestre, ou pelo seu próprio suicídio.
7

Simão Pedro - Hebraico: "Ouvindo", chamado Cefas ou Pedro pelo mestre, fica sendo: "ouvindo a rocha"; filho de Jonas ou João
(pomba) por isto ser chamado BarJonas, irmão de André, pescador, natural de Batsaída (Galiléia), casado, morador em
Capernaum. Acredita-se de que Pedro por ter já uma família constituída, por ter morrido após uns oitenta anos, fosse o mais idoso
do grupo. Na faixa dos seus 40 ou 42 anos de idade, enquanto que a faixa dos demais oscilasse entre os 25 e 38 anos. A julgar pelo
conteúdo de sua carta I Pe 1:1, ele esteve em ponto, Galácia, Capadócia, Ásia e Bitínia em 64, embora as tradições não
confirmem sua estada ali e sim a meio caminho em Antíoquia na Síria, Corinto, Acaia e Roma. Dionísio, bispo de Corinto (170)
confirma o ministério de Pedro em Corinto, Eusébio menciona em “História eclesiástica” II, XXVII e também na Itália. Eusébio
comenta que Policarpo foi feito bispo de Esmirna por João e Papias foi sagrado bispo na igreja em Hierápolis e Inácio feito
sucessor de Pedro em Antíoquia. Ainda há a tradição de um certo Evodizius como sucessor, jogando por terra a sucessão em
Roma. Teófilo e Serápion descrevem os apócrifos petrinos como estimados em Antíoquia, bem como “A ascensão de Isaías” que
trata de seu martírio. S. Gregório, o grande e tradições da Igreja Copta contam que ele foi seu bispo por 7 anos, deixando Evódio
em seu lugar. Dizem outras tradições sua estada na Partia e Babilônia e mesmo na Britânia, terra onde evangelizaram José de
Arimatéia e Simão Zelote, e é bem provável a confusão dos dois de nome Simão. Pedro teria conhecido a família dos Pudens, cujo
rei bretão Caratacus derrotou o general romano Ostorios Scapula em 51 e fugiu para o norte onde a rainha Cartimandua o entregou
aos romanos, levado a Roma caiu na graça de Cláudio, seus filhos Cláudia e Rufia Pudens teriam hospedado Pedro em Roma no
Palatium britannicum, e mesmo crescido aos seus pés e de Paulo. Outra lenda localiza em passagem pela Gália no templo de
Rodoso dos druidas ou na gruta dos druidas, também na Espanha e Itália. Tradição ou não, muitos atestam seu martírio em Roma
nos dias de Nero. Irineu de Lyon (189) em “Contra heresias 3,1.1”, Eusébio de Cesaréia (312) em “História eclesiástica 2.25.5”,
Clemente de Alexandria (200) em “História eclesiástica” e Pedro de Alexandria (306) em “Penitências” cânon 9, Tertuliano de
Cártago e Cirilo de Jerusalém, Epifânio de Salamina, Ambrósio de Milão, Jerônimo de Belém, Agostinho de Hipona, etc. Justino
Mártir em Apologia 1 XXVI. Atestam suas estadas em vários lugares. Eusébio em H. Ecl. II,14.61 informa que Pedro esteve em
Roma antes da perseguição entre 44 e 50, segundo o historiador Caius Suetorius, em 50 o imperador Claudius baniu todos os
judeus e cristãos de Roma, época em que Paulo encontrou Áquila e Príscila (At 18:1-2). Segundo Justino Mártir, Pedro enviou 3
jovens a Germânia, Eucarius ao qual sagrou bispo, Valérius e Maternus (filho da viúva da cidade de Naim), só que a história conta
que Constantino é que enviou um tal Maternus aquela região quase 300 anos depois. . Segundo Justino Mártir, Pedro teria enviado
três jovens a Germânia: Valérius, Maternus e Eucarius o qual sagrou bispo. Há tradições que dizem que Pedro ficou muitos anos
em Roma, outras em períodos de menos de um ano. Na masmorra de Mamertina, a mais cruel de Roma, onde os homens não
sobreviviam muitos dias, ele sobreviveu 9 meses e 47 pessoas se converteram, inclusive soldados, os carcereiros Processus e
Martianus também. Ainda que fugia a perseguição onde teve uma visão e que Jesus lhe disse que ia a Roma ser crucificado
novamente, ele então retornou a cidade e foi crucificado de cabeça para baixo achando-se indigno de morrer como seu Senhor.
Dizem que o sucessor de Pedro em Roma, se de fato ele foi seu bispo, embora as tradições apontem para Antíoquia, foi Linos,
possivelmente o mesmo citado por Paulo em II Tm 4:21, filho de Herculanos, era de toscana e de ascendência etrusca e seu
episcopado durou doze anos e meio. Dizem que a causa da prisão de Pedro foi por levar Agripina, Nicária, Eufêmia e Dóris,
concubinas do prefeito Agripa e Xantipa, esposa do magistrado Albinos a conversão, os dois então intentaram matá-lo. Por
executarem a Pedro rapidamente Nero teria brigado com o prefeito. Flávio Josefo em Guerras dos judeus fala que Manahen Bar-
Judá, líder dos sicarii que se julgava um messias, após perder o pai e dois irmãos ordenou a morte do sumo-sacerdote por volta do
ano 60. Eleazar, filho do sumo-sacerdote perseguiu o bando de Manahen até a fortaleza de Massada onde se refugiaram, Eleazar
os derrotou e cortou a cabeça de Manahem. Por este período o procurador Floro exigiu do templo de Jerusalém dois talentos de
ouro como tributo, os sacerdotes o ridicularizaram e Floro humilhou os sacerdotes. Eleazar como oficial do templo declarou
independência cancelando o culto a César, liderados pelos zelotes o povo insurgiu contra Roma por volta de 66. Cestius Galo,
governador da Síria tentou sem êxito contê-los, os cristãos alertados profeticamente e perseguidos em Roma deixaram a cidade de
Jerusalém para Pela, na Peréia (Jordânia). Convido o leitor a prestar atenção aos fatos porque descrevem apocalipse em partes.
Vindos da Síria pela Galiléia ao norte o general Vespaciano e seu filho Tito assolaram mais de 200 cidades lideradas por Flávio
Josefo, Jotapata se rendeu aos legionários, Gamala nas colinas de Golã resistiu 7 meses e parte dos 5 mil habitantes morreram.
Josefo diz que eles se suicidaram jogando-se das colinas. Por fim caiu Safed em 66-67, Josefo se entregou e se fingindo místico
profetizou a ascensão de Vespaciano ao trono. A perseguição beneficiou a igreja do ponto de vista que esta perdeu os efeitos
judaizantes que levou Paulo ao Primeiro Concílio de Jerusalém em 46-47, mencionado em Gl 2 e At 15. Porém desta fuga a igreja
se dividiu em duas, um destes grupos foi o dos Ebionitas, talvez seguissem alguém chamado Ébion, para eles Jesus era filho de
Maria e José, e Jesus tinha cumprido tão completamente a lei que foi escolhido para messias e voltaria para fundar o reino
messiânico para os judeus. A igreja do Primeiro século não conseguia entender a sofisticada teologia de Paulo ou a religiosidade
intensa de João. Ébion o heresiarca descartava por completo a natureza divina de Jesus. Destes saiu a seita dos Elkesaitas, seita
judaico-cristã que uniu legalismo e teosofia e contribuiu para o surgimento do islamismo. Os Ebionitas negavam todos os
evangelhos, exceto Mateus. Ebionitas significa pobres, estes judeus cristãos criam em Cristo como Messias mas negavam sua
divindade, horrorizavam as escrituras paulinas porque Paulo igualava judeus e gentios e pregava a divindade de Cristo: viviam na
ritualização judaica. Nero “suicidou-se” em 68 com medo da turba enfurecida se lançando sobre uma espada, outros dizem que
rogou de joelhos para que uma criada lhe traspassasse porque não tinha coragem. Vespaciano então deixou as tropas ao cuidado de
Tito e retornou para a Síria imediatamente onde foi aclamado imperador, então Josefo caiu nas graças do imperador que parte para
Roma. Entretanto, Vespaciano como legado da Síria não subiu direto ao trono, em curto período reinou Galba (68-69), Oto (69) e
Vitélio (69), até finalmente Vespaciano (69-79). Tito avança para a Judéia após dominar a Galiléia, lá usa a artilharia dos
scorpiones legionários. Cerca a cidade e interrompe o ataque para não destruir o templo que se encontrava em época de festas
pascais e a cidade se encontrava cheia. Os judeus foram liderados por Simão Bar Giora e João de Giscala e Josefo teia sido o
negociador num último esforço de rendição. Durante o cerco os que tentaram fugir eram crucificados, num total de 500 por dia de
modo que não havia madeira e as mata em volta foram arrancados, dentro da cidade ocorria canibalismo e fora os que eram
crucificados eram dilacerados por causa dos rumores de que os fugitivos engoliam as riquezas do templo e da cidade. A cidade
8

tombou e foi posta a fogo em 70. Dizem que o incêndio foi tão violento que o ouro das paredes do templo derretiam e se alojavam
nas fendas de tal modo que era necessário aos soldados a remoção dos tijolos para pegar seu soldo saqueando a cidade. Um grupo
liderados por Eliezer Ben Yair fugiu da cidade para a fortaleza de Massada. Da cidade com mais de meio milhão de pessoas
reunidas para a Páscoa só restaram 97.000, inclusive os líderes e foram todos levados par Roma para serem vendidos como
escravos ou mortos no circus. O general Flávius Silva montou cerco em Massada com a décima legião Fretensis. Segundo Josefo,
nesta fortaleza intransponível que achava-se sobre a colina, dez zelotes foram sorteados para traspassarem os novecentos
amotinados, só duas mulheres e cinco crianças sobreviveram porque esconderam-se nos armazéns. Vespaciano subiu ao poder
dando origem a Era dos flavianos e pondo o fim a Era dos césares. Em 9 a.C. Roma havia atravessado o rio Elba e invadido a
Germânia, uma revolta de Armínico (Herman) e destruído três legiões na floresta de Teutoburg, em 74 Vespaciano dominou a
Germânia e o triângulo Decumates, indo até a Floresta Negra, mantinha os territórios da Gália ( que incluíam Portugal, Espanha e
França) e também a Grã-Bretanha (incluindo Reino Unido, Inglaterra e Escócia). Ele e seu sucessor Domiciano é que construíram
o Coliseu, chamado de anfiteatro Flaviano. De Vespaciano é citado por Tácito e Suetônio os pequenos milagres e adivinhações.
Vespaciano mandou executar todo judeu que fosse da raiz de Davi, assim morreu Simeão, primo de Jesus que substituiu a cadeira
de Tiago em Jerusalém, pois para a igreja ali estabelecida tinha de haver alguém da tribo de Judá e da raiz de Davi no trono. A
erupção em 79 do monte Vesúvio destruiu Pompéia, cidade etrusca (hoje Toscana), grega Samnita, que servia de balneário para
velhos soldados e políticos. Caio Plínio II (23-79), conhecido como Plínio o velho, historiador e advogado romano, morreu nesta
destruição, era tio de Plínio, o jovem (61-112), político e governador da Bitínia e torturador de cristãos. Destes tempos escreveu
Clemente, amigo de Paulo (Fp 4:3): “Tomemos os exemplos de nosso tempo. Motivado pelo zelo e pela inveja, as mais fieis e
justas colunas da igreja tem sido perseguidas até sofrerem morte mui dolorosa. Vejamos os santos apóstolos. Pedro, por uma
inveja injusta por parte de alguns, sofreu não uma só vez ou duas, mas muitas, até que por fim, sendo martirizado, foi para o lugar
que merecia. Paulo, pelo mesmo motivo e da mesma maneira, recebeu a recompensa da sua paciência. Esteve preso sete vezes, foi
chicoteado, apedrejado, pregou tanto no Oriente como no Ocidente deixando atrás de si gloriosa fama de sua fé, e assim tendo
ensinado a justiça ao mundo inteiro, e viajado aos mais longínquos confins do Ocidente, sofreu por fim martírio por ordem de um
governador, e partiu deste mundo, para ocupar seu santo lugar, tornando-se o melhor exemplo de paciência para todos os tempos.”
Clemente acrescenta:” A estes santos apóstolos se ajuntaram muitos outros, que tendo da mesma maneira sofrido vários martírios
e tormentos, motivado pela inveja dos outros, nos deixaram glorioso exemplo.”
.

Você também pode gostar