Você está na página 1de 262

Série SDA

Analisador Digital Stealth


Manual de Operação

6510-00-0442, Rev D
Maio de 2001

I
Aviso
Todo esforço foi feito para assegurar que as informações neste
documento estavam corretas no momento da impressão. Entretanto,
as informações estão sujeitas a mudanças sem aviso e a JDSU
reserva o direito de oferecer um adendo a este documento com
informações não disponíveis no momento em que este documento foi
criado.
Copyright
© Copyright 2001 JDSU, LLC. Todos os direitos reservados. JDSU,
Communications Test and Management Solutions e seu logotipo são
marcas registradas, LLC. Todas as outras marcas registradas são
de propriedade de seus respectivos proprietários. Nenhuma parte
deste guia pode ser reproduzida ou transmitida eletronicamente sem
permissão escrita do editor.
Marcas Registradas
JDSU e Stealth Digital Analyzer™ são marcas registradas da JDSU
nos Estados Unidos e/ou outros países.
JDSU e PathTrak™ são marcas registradas da JDSU nos Estados
Unidos e/ou outros países.
JDSU e DigiCheck™ são marcas registradas da JDSU nos Estados
Unidos e/ou outros países.
Especificações, termos e condições estão sujeitos a mudanças sem
aviso. Todas as Marcas Registradas são de propriedade de suas
respectivas companhias.
Informações sobre pedidos
Este guia é produto do Departamento de Desenvolvimento de
Informações Técnicas, publicado como parte do Manual de Operação
da Série SDA. O número para obter um guia publicado é
6510-00-0442, Rev D.

II
Aviso da Comissão Federal de Comunicações (FCC)
Este produto foi testado e considerado compatível com os limites de
um dispositivo digital Classe A, conforme o fragmento 15 das Leis da
FCC. Estes limites são designados para oferecer proteção aceitável
contra interferência prejudicial quando o equipamento é operado em
um ambiente comercial. Este produto gera, utiliza e pode irradiar
energia de radiofreqüência e, se não instalado e usado de acordo
com o manual de instruções, pode causar interferência prejudicial às
comunicações de rádio. A operação deste produto em área
residencial provavelmente causará interferência prejudicial e, neste
caso, será solicitada a correção do problema e a responsabilidade
sobre os custos decorrentes.
A autorização para operar este produto está condicionada a
exigência de que nenhuma modificação será feita no equipamento, a
não ser que as modificações tenham sido expressamente aprovadas
pela JDSU.
Exigências da Indústria do Canadá
Este dispositivo digital classe A está de acordo com o ICES-003
canadense.
Cet appareil numérique de la classe A est conforme à la norme NMB-
003 du Canada.
Diretiva de Cumprimento EMC
Este produto foi testado e conforme a Diretiva EMC, 89/336/EEC
ratificada para 92/31/EEC e 93/68/EEC para compatibilidade
eletromagnética. Uma cópia da Declaração de Conformidade é
apresentada neste manual.
Cumprimento de Diretiva de Baixa Voltagem
Este produto foi testado e conforme a Diretiva de Baixa Voltagem,
73/23/EEC ratificada para 93/68/EEC. A conformidade com esta
diretiva é baseada no cumprimento de harmonização dos padrões de
segurança eN60950. Uma cópia da Declaração de Conformidade é
apresentada neste manual.

III
IV
INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA
IMPORTANTES
A tabela a seguir define os termos de segurança. A não observação
destas precauções enquanto estiver usando o Analisador Digital
Stealth viola o uso planejado deste produto.

Definições de Segurança
Termo Descrição
PERIGO Indica uma situação eminentemente perigosa, a qual se
não evitada, resultará em morte ou ferimento grave.
AVISO Indica uma situação potencialmente perigosa, a qual se
não evitada, poderá resultar em morte ou ferimento
grave.
CUIDADO Indica uma situação potencialmente perigosa, a qual se
não evitada, pode resultar em ferimento leve ou
moderado.Também pode ser usado para alertar contra
práticas não seguras.

Quando usar o produto, precauções básicas de segurança devem


ser sempre seguidas para reduzir o risco de fogo, choque e ferimento
em pessoas, incluindo o seguinte:
1 Leia e siga todas as notas de aviso e instruções marcadas no
produto incluídas neste manual.

2 Use apenas Adaptador/Carregador AC fornecido com o


produto.

3 Não use Adaptador/Carregador AC em ambientes externos


ou em locais úmidos.

4 Conecte o Adaptador/Carregador na voltagem correta, como


indicado na etiqueta de classificação.

V
5 Este produto foi planejado para ser usado com um conector
tripolar e uma tomada com terceiro pólo (terra). Esta
característica de segurança é vital para operação segura do
instrumento. Não ignore o propósito do fio terra modificando o
plug ou usando um adaptador.

6 Não permita que nada seja apoiado no cabo de força e não


coloque o produto onde pessoas possam andar sobre o cabo
de força.

7 Evite usar este produto durante uma tempestade. Pode haver


um risco remoto de choque elétrico devido aos relâmpagos.

8 Não use este produto nas proximidades de vazamento de gás


ou qualquer ambiente potencialmente inflamável.

9 Não tente manusear este produto sozinho, pois abri-lo ou


remover invólucros pode expor você a pontos de alta
voltagem perigosa e outros riscos. Encaminhe todo serviço ao
pessoal qualificado.

10 CUIDADO: Perigo de explosão se a bateria for trocada


incorretamente. Troque as baterias apenas por JDSU P/N
1118-00-0358.

Descarte as baterias usadas de acordo com as instruções do


fabricante.

Guarde estas instruções

VI
Conteúdo
Prefácio .......................................................................................... XIV
Seção I Introdução ...................................................................... XIV
Seção II Unidades de Campo ...................................................... XIV
Seção III Unidades de Cabeceira ................................................ XVI
Apêndices da Seção IV ............................................................... XVI
Convenção dos Documentos...................................................... XVII
Convenções de Digitação .......................................................... XVIII

Capítulo 1 ........................................................................................... 1
A Família SDA ..................................................................................... 1
Unidade de Campo .......................................................................... 2
Unidades de Cabeceira ................................................................... 2
Encontre rapidamente pontos de registro para entrada e ruído ...... 4
Localize com precisão problemas de caminho de retorno através
da análise de sinais digitais de caminho de retorno em qualquer
ponto no campo. .............................................................................. 4
Alinhe ampères do caminho de retorno mais rapidamente e com
menos erros ..................................................................................... 5
Novas características e benefícios do SDA-5000 ........................... 5
Transceptor de Varredura de Stealth SDA-5000 ............................. 6
Novas características e benefícios do SDA-5500 ........................... 7
Gerenciador de Varredura Reversa Stealth SDA-5510 .................. 7
Alinhamento de Varredura Reversa. ............................................... 8
Detecção e Resolução de Problemas de entrada ........................... 8
Visor Ruído/Entrada de Fácil Leitura. .............................................. 8

Capítulo 2 ......................................................................................... 11
Descrição e Operação Básica ........................................................... 11
A Interface do Navegador .............................................................. 12
Guias e Ícones do Navegador ....................................................... 13
Teclas de Controle ........................................................................ 15
Teclas Programáveis ...................................................................... 15
Teclas do Modo de Medição .......................................................... 16
Teclado Alfanumérico ..................................................................... 17
Portas de Conexão dos Cabos ...................................................... 19
MEDIÇÃO DE NÍVEL ........................................................................ 20
Varredura ....................................................................................... 21

VII
Ferramentas de Medição da prova de Performance. .................... 23
Análise do Espectro ....................................................................... 24
Modo PathTrak (Campo de Visão OPT3) ...................................... 25
Configuração Global ...................................................................... 27
Configuração das Medições (Incluindo QAM OPT4) ..................... 30
Opcionais de Análise Digital (QAM OPT4) .................................... 31
Configuração de Disposição de Canal .......................................... 32
Configuração de Varredura ........................................................... 32
Configuração do PathTrak (OPT3) ................................................ 33
Diagnóstico .................................................................................... 33
Sistema de Informação .................................................................. 37

Capítulo 3 ......................................................................................... 39
Disposição de Canais ....................................................................... 39
Selecione Channel Plan (Disposição de Canal) ............................ 41
Tipo de Sinal de Vídeo. ................................................................. 43
Seqüência de Sintonização de Canal ............................................ 43
Build Channel Plan (Estabelecimento da disposição de canal)..... 44
Edit Channel Plan (Edite uma Disposição de Canal) .................... 47
Parâmetros Editáveis ........................................................................ 50
Configurando uma Portadora Digital ............................................ 54
Configurando por Espectro Invertido. .......................................... 56
Configurando uma Corrente de Canal Digital QAM. .................... 57
Características do Espectro Invertido........................................... 58
Apague Canais Não Usados ......................................................... 59
Especificar Medições Automáticas ................................................ 60
Edite limites ................................................................................... 61
Edite Digital Limits (Limites Digitais).............................................. 62
Copy Remote Plan (Cópia da Disposição Remota)....................... 64

Capítulo 4 ......................................................................................... 65
Varredura de Campo com o SDA-5000 ............................................ 65
Configuração da Compensação de Ponto de Teste ...................... 66
Configuração de Varredura ........................................................... 72
Opcionais do menu SWEEP .......................................................... 73
Conectando o SDA-5000 ao Ponto de Teste. ............................... 79
Considerações sobre Nível de Sinal ............................................. 79
Fios e níveis: Varredura Avançada................................................ 80
Fios e níveis: Varredura Reversa (SDA-5000 OPT1) .................... 80

VIII
Configuração de Varredura ........................................................... 83
Operação de Varredura Reversa: .................................................. 84
Nível de Telemetria de Retorno: .................................................... 84
Nível de Inserção de Varredura Reversa....................................... 84
Operação de Varredura Avançada ................................................ 85
Ícones de tecla Programável: ........................................................ 86
Telas de varredura avançada ......................................................... 87
Tela Frequency (freqüência) .......................................................... 87
Tela Level (Nível) ............................................................................. 88
Tela limit (limite) .............................................................................. 90
Tela Tilt (Distorção) ......................................................................... 91
Operação de Varredura Reversa (SDA-5000 OPT1) .................... 92
Varredura Reversa .......................................................................... 93
Níveis de injeção de Retorno ......................................................... 94
Configurando a Direção da Varredura .......................................... 95
Telas Reverse SWEEP .................................................................... 96
Tela Reverse Frequency (freqüência de retorno)......................... 97
Tela Reverse Level (Nível de Retorno) .......................................... 98
Tela Reverse Noise (Ruído Reverso)............................................. 99
Tela Noise Level (nível de Ruído) ................................................ 100
Tela Reverse Noise Frequency
(Freqüência do Ruído Reverso) ................................................... 101
Telas de Alinhamento de amplificadores.................................... 102
Tela Principal REV ALIGNMENT .................................................. 103
Tela REV Alignment Level (Tela Nível de alinhamento de
Retorno). ........................................................................................ 104

Capítulo 5
Resolução de problemas no Caminho Inverso ............................... 109
Problemas com a Resolução de Problemas no
Caminho Inverso ......................................................................... 112
Melhorando a Precisão e Reduzindo Perda de Tempo ............... 113
Equipamentos para Combater Entrada de Retorno .................... 114
Configuração Recomendada para Análise de CPD .................... 116
Abertura de Tempo Variável TDMA ............................................ 119
Resolução de problemas de TDMA ............................................. 120
Medições de Variação Zero .......................................................... 121

Capítulo 6 ....................................................................................... 125

IX
Medição da Performance do Sistema ............................................. 125
Um pouco sobre as telas de Medição e Ícones ........................... 125
MEDIÇÃO DE NÍVEL DE SINAIS ................................................ 125
Medições de Nível ....................................................................... 126
Medições de Distorção ................................................................ 129
Compensação da Distorção ......................................................... 129
Amplificador Balanceado ............................................................. 131
Medições de Escaneamento (Scan) ............................................ 132
Taxa de Escaneamento (Scan) .................................................... 133
Portadoras de Áudio ..................................................................... 133
Submenu Nível (LEVEL) ............................................................... 135
Submenu Distorção (Tilt).............................................................. 135
Submenu Limite (LIMIT)................................................................ 136
Por que medir Cable Modem C/N?.............................................. 141
Medindo Modem portadora/ruído ................................................ 141

Capítulo 7 ....................................................................................... 151


Modo Analisador de Espectro ......................................................... 151
Submenu LEVEL (NÍVEL) ........................................................... 154
Submenu Freqüência (Frequency) .............................................. 155
Submenu AMPLIFICADOR (AMPLIFIER) ................................... 156
ZERO SPAN Submenu ............................................................... 157
Submenu AMPLIFICADOR (AMPLIFIER) ................................... 159
Submenu TIMEBASE .................................................................. 159
Submenu LEVEL ......................................................................... 160
Submenu BANDWIDTH .............................................................. 161

Capítulo 8 ....................................................................................... 163


Campo de Visão PathTrak (OPT3) ................................................ 163
Submenu AMPLIFIER/LOW-PASS FILTER ................................ 166
Submenu LEVEL ......................................................................... 167
Modo lista de Nós ........................................................................ 168
Seleção de nós .............................................................................. 169
Informação de Nó .......................................................................... 170
Medição Hold ................................................................................. 170

Capítulo 9 ....................................................................................... 171


Análise Digital (QAM View OPT4) ................................................... 171
Selecionando um modo de Análise Digital .................................. 172

X
Usando o Menu do Navegador..................................................... 172
Usando as teclas do modo de medição ...................................... 172
Corrigindo erros de trava de sinal ............................................... 173
Modo de Sumário Digital (Início rápido) ...................................... 174
Modo de Ingresso QAM (Início rápido) ........................................ 174
Modo Constelação (Início Rápido) .............................................. 175
Modo Equalizador (Início Rápido) ............................................... 176
Características e Definições ........................................................ 177
Características da tela principal .................................................. 177
Índice de erro de modulação (MER) ............................................ 177
Error Vector Magnitude (EVM) ..................................................... 178
Taxa de erro de Bit (BER) ............................................................. 178
Correção Avançada dos Erros (FEC) .......................................... 178
Formato de Modulação ................................................................. 179
Índice de Símbolo ......................................................................... 179
Display DETAIL ............................................................................. 179
Força do Equalizador .................................................................... 179
Portadora pré-ajustada ................................................................. 179
Operação Básica ......................................................................... 180
Visualizando o display DETAIL .................................................... 181
Visualizando o display de nível QAM .......................................... 182
Editando o formato da modulação .............................................. 182
Editando o Índice de Símbolo ...................................................... 183
Características e Definições ........................................................ 185
Ingresso QAM INGRESS tela das Características Principais ... 185
Operação Básica ......................................................................... 185
Medindo o Ingresso QAM ............................................................. 187
Editando o formato da modulação ou Índice de Símbolo ......... 187
Editando o nível de referência ..................................................... 188
Editando parâmetro da escala ..................................................... 189
Selecionando a Função Retenção Máxima ................................. 190
Constelação Básica ..................................................................... 191
Limite de Constelação Básica ..................................................... 191
Tipos comuns de danos ............................................................... 192
Modulação QAM e Índices de Símbolo ....................................... 194
Razão de Erro da Modulação (MER) ............................................ 194
Razão Erro Bit (BER) .................................................................... 194
Operação Básica ......................................................................... 195
Características da Tela Principal de Constelação ..................... 195

XI
Visualizando o display de nível QAM .......................................... 196
Editando o formato da modulação ou Índices de Símbolo ....... 197
Usando a característica Zoom ..................................................... 197
Características da tela principal do equalizador ........................ 200
Operação Básica ......................................................................... 200
Tela Principal EQUALIZER ........................................................... 201
Tela da Resposta de Freqüência no Canal ................................. 203
Tela Atraso de Grupo no Canal.................................................... 203

Capitulo 10 ..................................................................................... 205


Teste Automático ............................................................................ 205
Parâmetros e Tipos de Locais de Teste ...................................... 207
Criando e Editando Locais de Testes. ......................................... 208
Colocando um novo local ............................................................ 209
Apagando um local existente ...................................................... 210
Editando um Local Existente ....................................................... 210
Escolher Local ............................................................................. 211
Editar Local .................................................................................. 212
Selecione Ponto de Prova ........................................................... 213
Compensação ............................................................................. 214
Nome do arquivo dos Resultados ............................................... 215
Tipo de Teste ............................................................................... 215
Ajustar Agendamento ................................................................... 215
Temperatura ................................................................................ 216
Cancelando um Auto Teste .......................................................... 217
Visualizando Intervalos ................................................................ 220

Capítulo 11 ..................................................................................... 223


Arquivos .......................................................................................... 223
Selecionando um arquivo de varredura para colocar em camadas
..................................................................................................... 231

Capítulo 12 ..................................................................................... 233


Manutenção .................................................................................... 233
Inspeção Visual, Física e Mecânica ............................................ 233
Substituição do Conector RF ....................................................... 233
Limpeza do Terminal de Bateria .................................................. 234
Carregando a Bateria .................................................................. 234
Limpando o Instrumento .............................................................. 235

XII
Calibração Anual ......................................................................... 235
Conseguindo Assistência Técnica ............................................... 235
Locais do Serviço ao Consumidor ............................................... 237
Serviços de Instrumento .............................................................. 237
Serviços de Consultoria ............................................................... 238
Instalação e Sistemas de Teste e Campo Engenharia .............. 239
Treinamento Técnico ................................................................... 240
Informação da Garantia ............................................................... 241
Instruções de retorno de equipamento ........................................ 243

XIII
Prefácio
O Analisador Digital Stealth (SDA) é a nova plataforma de base
para a família de análise de sinais e medidores de varredura da
JDSU. Este manual irá guiá-lo através da teoria e operação das
unidades de cabeceira e unidades de campo, oferecendo
configuração e operação passo a passo detalhadas e descrição
de características.

Seção I Introdução
O Capítulo I Apresenta a nova família SDA de equipamentos de
teste de CATV. Neste capítulo, você aprenderá sobre as
características e capacidades da unidade de cabeceira e de
campo do SDA.
Seção II Unidades de Campo
O Capítulo 2, “Descrição e Operação Básica”, descreve a
interface do usuário do SDA-5000 e seus modos básicos de
operação. Você também aprenderá os processo básicos de
configuração e o que você precisa para imprimir arquivos e
captura de tela.
O Capítulo 3, “Plano de Disposição de Canais” mostra como
configurar a capacidade do plano de disposição de canais da sua
unidade, editar os parâmetros, copiar e editar o plano de
disposição de canais e como configurar uma portadora digital.
O Capítulo 4, “Varredura de Campo com o SDA-5000”, abrange
a compensação do ponto de teste e como configurar o seu SDA-
5000. A configuração de varredura é abrangida com detalhe e,
depois, você aprenderá como conectar ao ponto de teste do
amplificador e como conduzir varreduras permanente, avançada,

XIV
reversa e de retorno. Este capítulo também descreve alinhamento
reverso do amplificador.
O Capítulo 5, “Resolução de Problemas de Caminho de
Retorno”, descreve os problemas mais comuns do caminho de
retorno, oferece dicas para ajudá-lo a encontrar rapidamente a
falha e mostra como usar o modo de variação zero para observar
aos sinais TDMA.
O Capítulo 6, ”Avaliação da Performance do Sistema” explica
como avaliar a performance do sistema por medição dos
parâmetros chave. As operações abrangem nível de inclusão,
inclinação, varredura, relação portadora/ruído (C/N), Hum,
Modulação - Demoludação, Composite Second Order (CSO) and
Composite Triple Beat (CTB).
O Capítulo 7, “Modo Analisador de Espectro”, descreve as
capacidades de análise do espectro do SDA-5000 e como a
análise do espectro pode ajudá-lo na resolução geral de
problemas e no exame de sinais TDMA com o modo de variação
zero. O modo CSO/CTB também é abrangido.
O Capítulo 8, “Campo de Visão PathTrak (OPT3)” mostra como
usar o modo PathTrak para a solução de problemas no caminho
de retorno por comparação das medições de espectro no nó com
as condições atuais no cabeçote.
O Capítulo 9, “Análise Digital (QAM View OPT4)” explica como
usar a nova ferramenta de canal digital QAM. Você aprenderá a
medir as características mais críticas de um canal digital e como
usar o espectro de entrada. Você também aprenderá a usar a
visão da constelação para ajudá-lo em seus esforços na
resolução de problemas e a usar o equalizador para corrigir os
efeitos de reflexões na trajetória de transmissão.
O Capítulo 10, “Teste Automático” explica como executar testes
de sistema automático, uma maneira fácil de obter os dados de
conformidade da prova de performance. Você aprende como criar
locais de teste e como editar os parâmetros dos mesmos,
também preparar programação de testes, visualizar e imprimir
estes relatórios de testes.

XV
O Capítulo 11, “Arquivos” descreve como armazenar, visualizar
ou imprimir arquivos criados a partir da medição dos dados de
campo. Arquivos de referência das varreduras e arquivos de
medição são abrangidos, juntamente com o procedimento para
comparação de um arquivo de referência com uma varredura
“imediata” no campo.
O Capítulo 12, “Manutenção” abrange as tarefas da rotina de
manutenção que um técnico pode executar no campo. Inspeção,
substituição de conector de limpeza do terminal de bateria,
limpeza geral e calibração são todos abrangidos. O capítulo
termina com uma lista dos centros de atendimento da JDSU no
mundo inteiro.

Seção III Unidades de Cabeceira


O Capítulo 13, “Descrição e Operação Básica” do SDA-5500 e
DAS 5510, descreve a interface do usuário e seus modos básicos
de operação para as unidades de cabeceira DAS (SDA-5500 e
SDA-5510). Você também aprende procedimentos das
configurações básicas e o que você precisa para imprimir
arquivos e captura de tela.
O Capítulo 14, Configuração da Varredura SDA-5500/SDA-5510
mostra como configurar o SDA-5500 para a varredura avançada e
reversa. Inclui conexões dos fios, telemetria e ajustes de
freqüência, criação e edição do plano de disposição de canais e
como testar a configuração do transmissor. Você também
encontrará informações importantes sobre o uso conjunto do
SDA-5500 e SDA-5510. Além da este capítulo inclui uma seção
sobre história e teoria da varredura que aprofundará seu
conhecimento sobre o que é varredura e como funciona.
Apêndices da Seção IV
O Apêndice A, “Notas de Aplicação” contém o texto completo de
quatro notas de aplicação que ajudam a melhorar os assuntos
abrangidos em outros capítulos deste manual. As quatro notas de
aplicação são: “Varredura Avançada e Balanceamento”

XVI
“Varredura Reversa e Balanceamento”, “Resolução de problemas
do Caminho de retorno” e “Prova e Teste”
O Apêndice B, “Especificações”, lista as especificações técnicas
de cada unidade.
O Apêndice C, “Indicadores de Status e Ícones” oferece uma
lista descritiva de indicadores e ícones que você encontrará nas
telas SDA e usará ao longo deste manual.
O Apêndice D, “Usuário e Mensagens de Erro”, descrevem
muitas mensagens que aparecem na tela indicando um problema
em operação ou mau funcionamento da unidade.
O glossário define muitos destes termos usados no manual.
Convenção dos Documentos
Ao longo deste manual, convenções foram adotadas para ajudá-
lo a aprender a usar rapidamente o instrumento e seu software
associado:
Teclas Programáveis ou nomes dos ícones das mesmas estão
com a fonte negrito e itálico.
Nomes das teclas do teclado e os nomes dos ícones não
marcados estão em negrito
Menu e nomes na tela estão em maiúsculo.
Itens do menu, as opções que você pode selecionar estão em
itálico exceto quando elas aparecem, antecipadamente,
marcadas em um item da lista, ficam em negrito
Além disso, informações importantes aparecem ao longo do
manual na forma de dicas, notas, precauções e referências a
Veja Também:

NOTA: Notas oferecem informação adicional relacionada ao


texto. Elas são planejadas para melhorar o seu
entendimento sobre o assunto.

XVII
DICA: Dicas sugerem uma ação (um método alternativo ou
atalho) que você pode executar para ajudar a fazer o
procedimento relatado de maneira mais rápida ou fácil. Elas
são planejadas para mostrar como aumentar sua eficiência.

CUIDADO! Avisos de cuidado sobre procedimentos são


perigosos, armadilhas a serem evitadas e procedimentos
que devem ser feitos que em princípio podem não estar
claros. Eles são planejados para ajudar a evitar erros
perigosos ou dispendiosos.

Veja também

¾ Referências cruzadas que mostrarão qualquer parte no


manual onde informações relacionadas aparecem.

Convenções de Digitação
Você freqüentemente precisa pressionar várias teclas
sucessivamente para acessar as funções das unidades SDA.
Quando este for o caso, o manual lhe avisará. Algo como
“pressione as teclas Function e 2”.

Isto significa que você deve primeiro pressionar a tecla Function,


soltá-la e então, pressionar a tecla 2.

XVIII
Capítulo 1

A Família SDA
As ferramentas de medição do cabo da rede do Analisador Digital
Stealth (SDA) testam um uma ampla variedade de parâmetros
críticos, ajudando a provar e manter a performance do seu
sistema. As características avançadas incluem ferramentas para
atender programas de manutenção preventiva para melhorar a
qualidade da rede.
As aplicações incluem alinhamento de amplificadores, como nós
ópticos, testando a performance das redes de caminho avançado
e inverso encontrando e consertando fontes de ingresso de
caminhos inversos, medindo qualidade de sinal (ambos de
portadora digital contínua e de rajada) e consumando as
exigências da prova de performance FCC e CENELEC.
Você pode resolver problemas compreensíveis e fazer testes de
manutenção preventiva com precisão e facilidade usando os
produtos SDA da JDSU:

• Verificar rapidamente respostas de freqüência, níveis de


sinal, hum, relação portadora/ruído (C/N) vigor da
modulação e monitora a performance geral do sistema de
cabeamento
• Fazer testes sem interferir no serviço ao assinante CATV
• Avaliar a performance do sistema precisamente,
diagnosticar e eliminar problemas rapidamente para
manter a qualidade da operação do seu equipamento do
sistema CATV.
• O sistema de varredura Stealth da JDSU consiste em pelo
menos dois componentes principais: um transmissor de
cabeceira e um receptor de campo.

1
NOTA: Um benefício dos produtos SDA é o aumento da
velocidade da varredura apresentada pela nova SDA
Stealth e modos de operação e Transmissão SDA.

Lembre-se de que para tirar proveito destas novas


características, você deve usar o equipamento SDA tanto
na cabeceira (SDA-5500 ou SDA-5510) quanto no campo
(SDA-5000).

Unidade de Campo
Em um pacote leve, o SDA-5000 é um multiuso potente com
assistência para resolução de problemas:

• Uma ferramenta de varredura avançada e reversa


multiuso.
• Um analisador de espectro em campo avançado que pode
medir o ingresso e ruído em rajadas de 5 micro segundos
• Uma portadora de análise digital capaz de mostrar as
características da performance do sinal digital.

Unidades de Cabeceira
Para checar a resposta da freqüência do seu sistema, a
cabeceira SDA-5500 injeta transmissão de sinais em baixo nível
no caminho do fluxo avante na descida inserindo sinais nos
canais livres ou áreas de espectro. Também monitora os níveis
da portadora do sistema de cabeamento nas áreas ocupadas do
espectro sem interferência da varredura permanente, onde a
portadora em si é usada como sinal de varredura. além das
portadoras geradoras e ao usar os canais existentes para testar
sinais de varredura, o SDA-5500 envia as leituras do nível de
sinal da cabeceira para os receptores no fluxo de descida com
cada atualização de varredura. Esta técnica permite que os
receptores compensem as mudanças de qualquer nível de sinal,
mantendo a exatidão da medição. O SDA-5510 executa somente
a função da varredura reversa mas ao contrário do SDA-5500,
permite que múltiplos receptores trabalhem com uma unidade de

2
cabeceira. Os SDA-5500 e SDA-5510 podem ser usados juntos
usando portadoras de dados telemétricos separados.

UNIDADES DE CAMPO (SDA-5000)


Os receptores de campo SDA conduzem uma bateria de
medições de níveis de sinais incluindo uma varredura completa
do espectro do cabo até 1 GHZ além da performance da
recepção da varredura. Uma técnica proprietária de
processamento de sinal digital mede o hum, relação
portadora/ruído (C/N) em portadoras moduladas.
Os receptores são instrumentos aprimorados, portáteis, pesando
aproximadamente 3,40 Kg. Um ponto matricial LCD iluminado ao
fundo de 320 X 240 mostra medição de dados nos formatos
numérico e gráfico. Uma bateria duradoura de níquel-hidreto
metálico (NiMH) (geralmente com 4 a 5 horas de duração) é
padrão.
As características do SDA-5000 incluem:
• Varredura rápida e análise de espectro para entrada e
detecção de ruído
• (percebe ruído de rajada tão rápido quanto 5
microssegundos).
• Uma análise desejável/indesejável de portadora digital TDMA
(Time Division Multiple Access) permite que você veja a
qualidade e performance dos cable modems e conversores
de canais digitais no caminho inverso.
• Operação simples através de interface redesenhada e
ampliada do Navegador
• Pré-amplificador embutido para alinhamento de caminho
inverso e análise que reduz cabos de ligação direta e caixas
sortidas que você deve carregar e simplifica métodos de
alinhamento. O pré-amplificador também permite que você
perceba melhor a entrada e o ruído de pontos de teste de
valor alto.

3
Estas características tratam de serviços avançados como
Internet, Telefonia IP, vídeo digital, análise QAM e DVB
(Transmissão de vídeo Digital).
A JDSU oferece aos clientes Stealth atualização para unidades já
compradas.

Encontre rapidamente pontos de registro para


entrada e ruído
• Circuitos de detecção rápida captam entrada de, até
mesmo, fontes de ruídos transitórios.
• Tempo de Interrupção programável no modo espectro.
• “Interrupção” em cada freqüência para achar mais do
ruído e mais rapidamente.
• Variação zero oferece interrupção infinita.
• Rápida varredura de espectro proporciona uma procura
por entrada interativa eliminando a espera pelo rastreio
para “adquirir”.
• Observe sinais de ruído claramente com o pré-
amplificador embutido. Ao invés de precisar adivinhar o
sinal que está exatamente acima do ruído de fundo, o pré-
amplificador embutido permite ver e diagnosticar o ruído.
• Veja facilmente a diferença entre contador induzido de
intermodulação e sistema de intermodulação e CPD
(Distorção Comum no Caminho). Um filtro de passagem
baixa embutido remove os sinais de caminho avançado de
força mais alta para examinar apenas o caminho inverso.
• Economize dinheiro, conexões e tempo. Carregue apenas
uma caixa com todas as ferramentas necessárias para
achar a entrada.

Localize com precisão problemas de caminho de


retorno através da análise de sinais digitais de
caminho de retorno em qualquer ponto no campo.
• D/U (desejável/indesejável) mede a qualidade do sinal
quando você está examinando sinais TDMA.

4
• Veja o pacote de dados de colisões.
• Visualize níveis de transmissão relativa para todos os
transmissores presentes em uma cascata.
• Veja quão intenso está o tráfico na rede em um
determinado amplificador de cascata
• Medições de nível permitem que você alinhe ambos
TDMA e canais digitais contínuos.

Alinhe ampères do caminho de retorno mais


rapidamente e com menos erros
• Ajuste a distorção e o ganho do caminho de retorno.
• Exiba níveis de injeção e níveis absolutos de sinais de
cabeceira.
• Calcule o sistema de ganho e distorção automaticamente.
• Edição confiável de varredura de retorno com uma
configuração de compensação de ponto de teste
melhorada.
• Compense a perda por ponto de teste em um conjunto de
amplificadores bidirecionais usando telas melhoradas e
informativas.
O medidor de campo do SDA-5000 também oferece
interoperacionalidade com o Sistema de Monitoramento de
Performance Pathtrak da JDSU. Interoperacionalidade é uma
característica muito útil que permite que você resolva problemas
de inserção do caminho de retorno mais eficientemente. Nó de
dados de espectro recebido pelo Sistema PathTrak pode ser
transmitido para a unidade de campo, permitindo que você
compare medições de espectro local (campo) com medições de
espectro remoto (Sistema Pathtrak/cabeceira).
.
Novas características e benefícios do SDA-5000
• Varredura automática mais rápida com todos os sinais,
incluindo portadoras 64/256 QAM.
• Análise digital de QAM (OPT4)
• Interoperação melhorada com StealthWare.
• Retorno CW.

5
• Varredura de Retorno.
• Configuração da compensação de ponto de teste gráfica
eficiente e prática.

UNIDADES DE CABECEIRA (SDA-5500 E SDA-5510)


Transceptor de Varredura de Stealth SDA-5000
O SDA-5000 é um suporte rack padrão de 19” (48,26 cm) que
pesa aproximadamente 6,80 Kg. O seu ponto matricial LCD de
320 X 240 mostra medições de dados em forma numérica e
gráfica. É um medidor de análise de sinal completo com uma total
exibição de espectro e uma representação analógica de medição
de dados de canal único. Quando sintonizado em um canal
específico, um conjunto abrangente de informações é fornecido,
incluindo:

• Canal sintonizado
• Freqüência e nível de vídeo.
• Freqüência e nível de áudio.
• Diferenças entre os níveis de portadora de vídeo e áudio.
O SDA-5000 realiza testes essenciais de manutenção preventiva
de sistemas de TV a cabo com precisão e facilidade. Níveis de
sinal, hum, C/N e, ao mesmo tempo em que o SDA-5000,
respostas de freqüência podem ser rapidamente testados sem
interferir no serviço ao assinante.
O Sistema de Varredura é feito de dois componentes: a unidade
de campo (SDA-5000) e uma ou ambas as unidades de cabeceira
(SDA-5500 e SDA-5510).
A resposta de varredura é testada pela injeção de sinal de baixo
nível em áreas de espectro livres e pelo monitoramento de níveis
de portadora de sistema de cabo em áreas de espectros
ocupados. Além de gerar o sinal de teste de varredura, o SDA-
5000 monitora continuamente o sistema de portadoras. O SDA-
5000 envia leituras do nível de cabeceira para os receptores de
campo com cada atualização de varredura. Desta maneira, cada
mudança no nível de cabeceira é compensada pelo receptor,
mantendo a precisão da medição.
6
As medições da resposta de varredura não serão afetadas pelos
níveis de sinal na cabeceira. O SDA-5500 tem a capacidade de
medição do SDA-5000, permitindo que você mantenha-se atento
aos níveis de cabeceira.
Com a opção de Varredura reversa (OPT2), um transmissor é
embutido no receptor manual de varredura. O transmissor de
varredura de cabeceira (SDA-5500) é preparado para receber a
varredura reversa enviada do campo. Quando a varredura
reversa é ativada a partir de um ponto de teste de campo, o
transmissor de cabeceira recebe o sinal de telemetria, indicando
qual receptor está mandando a varredura. O transmissor de
cabeceira mede a varredura e envia os resultados para o campo
através de sinal de telemetria. O receptor do campo com número
serial identificado, então, exibe a resposta da varredura como foi
medida na cabeceira.
Novas características e benefícios do SDA-5500
• Varredura automática mais rápida com todos os sinais,
incluindo portadoras 64/256 QAM.
• Nova interface do usuário.
Gerenciador de Varredura Reversa Stealth
SDA-5510
O SDA-5010 é um suporte de rack padrão de 19” (48,26 cm) que
pesa aproximadamente 6,80 Kg. O seu ponto matricial LCD de
320 X 240 mostra medições de dados em forma numérica e
gráfica. É um medidor de análise de sinal completo com uma total
exibição de espectro e uma representação analógica de medição
de dados de canal único. Quando sintonizado em um canal
específico, informações abrangentes são fornecidas:
• Canal sintonizado
• Freqüência e nível de vídeo
• Freqüência e nível de áudio
• Diferenças entre os níveis de portadora de vídeo e áudio

7
O SDA-5510 controla o trabalho de varredura de retorno de até
10 técnicos.
Adicionando o SDA-5510 ao sistema de varredura, você
responsabiliza-se pela varredura de retorno individual fora do
SDA-5500. Isto acelera a taxa de varredura de retorno e aumenta
a velocidade da varredura avançada. Além disso, o SDA-5510
envia informações de entrada/ruído de retorno com cada
atualização de sua telemetria avançada, então, a telemetria de
retorno não precisa ser recebida para checar a condição de
entrada de retorno.
Alinhamento de Varredura Reversa.
O alinhamento de varredura reversa oferece uma ótima
visualização da resposta da freqüência no espectro de retorno
desocupado, não deixando nada passar despercebido. Uma
varredura reversa pode descobrir problemas de desalinhamento
que se revelam como ondas estacionárias ou como filtros de
corte progressivo diplex que podem obstruir severamente o
carregamento de serviços na banda de retorno.
Detecção e Resolução de Problemas de entrada
O SDA-5510 oferece resposta ao campo sobre as condições
atuais de ruído e entrada na cabeceira. Mesmo que o ruído ou
entrada estejam cobrindo a telemetria, um quadro do
ruído/entrada de cabeceira é enviado para o visor do receptor
através de uma portadora de telemetria avançada especial.
Visor Ruído/Entrada de Fácil Leitura.
O instrumento de cabeceira exibe continuamente a performance
de ruído/entrada de nós conectados, oferecendo uma maneira
rápida e fácil para você verificar o desempenho. Além disso, a
atividade de teste de retorno atual pode ser monitorada.
O SDA-5510 realiza testes essenciais de manutenção preventiva
de sistemas de TV a cabo com precisão e facilidade. Níveis de
sinais de retorno, hum C/N e resposta de freqüência podem ser
rapidamente testados sem interferência do assinante.

8
OPCIONAIS
O SDA-5000 pode ser equipado com vários opcionais que
estendem e intensificam a operação.
SDA-OPT1: Receptor de Varredura Reversa
SDA-OPT2: Transmissor de Varredura Portátil
SDA-OPT3A: Campo de visão PathTrak.
SDA-OPT4A: 64/256 QAM, DVB-C, ITU-T J.83 Annex A.
SDA-OPT4B: 64/256 QAM, DVS-031, ITU-T J.83 Annex B
SDA-OPT5: 75 Ohm BNC Opção Conector.
SDA-OPT6: Gerenciador de Varredura Reversa Portátil

Os seguintes acessórios opcionais estão disponíveis:

SDA-CASE1: Estojo de transporte fácil para unidades sem


opção de visualização de QAM instalada.
SDA-CASE2: Estojo de transporte fácil para unidades com
opção de visualização de QAM instalada.
SDA-NIMH: Bateria de longa duração extra.
SDA-NIMCA: Adaptador de carregador/AC universal para
bateria de longa duração
SDA-NIMk: Kit de bateria de longa duração, incluindo
bateria de longa duração, adaptador de
carregador/AC universal e estojo de transporte
fácil

9
10
Capítulo 2

Descrição e Operação Básica

INTRODUÇÃO
Este capítulo apresenta o SDA-5000. A interface do usuário é
descrita primeiro, começando com um menu de navegação
redesenhado, seguido por uma explicação dos botões e chaves
no painel central. Em seguida, são descritos os modos
operacionais das unidades, incluindo medição de nível, varredura,
medição da prova de performance (incluindo análise QAM), a
ferramenta de análise do espectro e compatibilidade com o
sistema de monitoramento de performance Pathtrak da JDSU.
Itens de configuração geral como, por exemplo, programar o
desligamento período de tempo limite, programar o formato de
data e hora e muito mais, serão discutidos em seguida. Depois,
configuração da medição de variáveis e uma breve introdução à
disposição de canal, varredura e configuração do Pathtrak.
A seguir, você encontrará informações sobre funções de
diagnóstico que permitem que você reinicie (reset) a unidade para
a configuração original de fábrica, teste LCD e verifique as
funções de transmissão interna das unidades. Finalmente, você
aprenderá como imprimir informações de medição da tela e
arquivos armazenados.

ELEMENTOS DA INTERFACE DO USUÁRIO


O SDA-5000 tem dois elementos básicos de interface, o
Navegador (mostrado na figura 2-1) e as teclas de controle
tradicionais (figura 2-2).

11
A Interface do Navegador
O Navegador é uma interface gráfica fácil de usar e auto-
explicativa. Pode ser exibido a qualquer momento pressionando a
tecla Nav support (fig.2-2).
Existem quatro teclas à esquerda da tela, que, quando
selecionadas exibem um conjunto de ícones correspondentes a
cada tecla. Cada um dos ícones leva você ao menu principal
daquela função.

AVISO: O seu SDA-5000 não terá a quarta tecla (Análise


Digital) se não estiver equipado com a opção QAM (OPT4).
Além disso, os ícones particulares mostrados variam de
acordo com opções da sua unidade.

Para se mover entre as guias, use as teclas programáveis à


esquerda da tela.
Pressione qualquer tecla programável à direita da tela (ou aperte
a tecla Enter) para ser direcionado para a tela principal do ícone
selecionado no momento. Você pode mover o cursor para
selecionar ícones com as teclas direcionais.

AVISO: Você também pode selecionar o ícone desejado


usando o teclado numérico na parte frontal da unidade.
Cada uma das dez teclas numéricas (as teclas Espaço e
limpar (Clear)) correspondem a uma das posições do ícone
no Navegador. Se não houver ícone sendo mostrado, o
cursor não se moverá para o ponto.
Cada um dos ícones do Navegador direciona você ao menu
principal daquele modo ou função.

12
Fig. 2-1 A Interface do Navegador do SDA-5000 Mostrando a
Guia Files and Configure.

AVISO: Se você estiver tendo problemas na leitura da tela


existem dois ajustes que você pode fazer:

• Ajuste o contraste da tela apertando a tecla Function (a


tecla verde no canto inferior direito da unidade), depois a
tecla 9yz para acionar a marcação do contraste Use as
teclas direcionais para fazer o ajuste desejado. Depois
pressione a tecla “Enter” (acima da tecla Function) para
ajustar novo nível de contraste.
• A iluminação de fundo da tela LCD é ativada (ou
desativada) quando a tecla Function é pressionada duas
vezes.

Guias e Ícones do Navegador


As páginas de referência na lista a seguir mostram a discussão
principal deste manual. Veja que os ícones mostrados dependem
das opções da unidade. Sua unidade pode não exibir todas.

Guia Files and Configure Guia Mesure RF


Config página 22 Nível página 110
Ponto de teste Página 60 Distorção página 112
Visualização página 200 Escaneamento página 115
Info página 32 C/N página 119
Hum página 124

13
Mod página 126
Teste Automático página 184
Retorno página 93

Guia Sweep & Spectrum Guia Analysis (QAM OPT4)


Varredura página 64 Digital página 153
Espectro página 131 Equalizador página 174
PathTrak página 141 Constelação página 166
Alinhamento página 90 Entrada página 160
Modem C/N página 121

Fig. 2-2 As teclas de Controle do SDA-5000

14
Teclas de Controle
Existem cinco grupos de teclas que controlam as unidades de
campo SDA (ver figura 2-2):
• Oito teclas programáveis Em muitos casos, ícones que
representam as funções das teclas programáveis são
mostrados no LCD próximos a tecla programável.
• Oito teclas de modos de medição, mais quatro teclas
adicionais quando o SHIFT é mantido pressionado caso
você tenha a opção QAM (OPT4) (Ver Capítulo 9, Análise
Digital (Visão QAM OPT4), Fig. 9-2).
• Três teclas de modo suporte (support):

• Nav aciona e mostra o menu do Navegador.


• TEST (teste) acessa o menu principal do
AUTOTEST (teste automático).
• PathTrak permite as funções PathTrak. (Isto exige
que sua unidade tenha OPT3, Campo de Visão
PathTrak).

• Quatro teclas direcionais para mover os itens do menu,


cursores, valores e assim por diante.
• Um botão de força
• Um teclado com dezesseis botões alfanuméricos.

Teclas Programáveis
Teclas programáveis permitem que você acesse o ajuste de oito
funções programáveis de uma só vez. As funções específicas
disponíveis mudam quando você muda o modo operacional. Por
exemplo, mudar do modo “nível” (Level) para distorção altera as
funções das teclas programáveis disponíveis para você. Ícones
representam muitas funções das teclas programáveis.

Veja também
¾ Apêndice C tem uma lista completa destes ícones.

15
Teclas do Modo de Medição
Modos de Medição são ativados quando uma das oito teclas
(mostradas na Fig. 2-3) são pressionadas imediatamente abaixo
do LCD.

Fig. 2-3 Teclas do Modo de Medição

AVISO: Se você tem a opção QAM, as quatro teclas


inferiores (C/N, HUM, MOD e SPECT) tem funções
diferentes que você acessa quando pressiona a tecla verde
Function antes de pressionar as teclas do modo de
medição. O Capítulo 9, Análise Digital (QAM Visão OPT4),
tem mais informações sobre estas teclas.

• Aperte LEVEL para checar os níveis de áudio e vídeo de


um canal simultaneamente ou para checar uma
freqüência específica.
• Para equilibrar níveis piloto, aperte TILT (Distorção). Nove
selecionados níveis de portadora de vídeo são mostrados.
• Aperte SCAN para ver os níveis absolutos da portadora
em um gráfico de barras. Todas as portadoras são
mostradas.
• Aperte SWEEP (Varredura) para testar a resposta da
freqüência do sistema CATV. Sinais com nível baixo são
injetados em áreas de espectro livres pelo SDA-5500 e os
níveis de referência do sistema portador das áreas
ocupadas são transmitidos via telemetria para a unidade
SDA.
• Aperte C/N para medir a relação portadora/ruído em dB no
canal ou freqüência sintonizada em um deslocamento de
freqüência pré-ajustada de ruído acima das portadoras de
vídeo.

16
• Aperte HUM para medir a modulação hum de baixa
freqüência no canal selecionado. Você pode selecionar a
visualização da medição em dB ou em porcentagem.
• Aperte MOD para escutar a modulação do áudio do canal
sintonizado ou freqüência (AM ou FM) e medir a
profundidade da modulação na portadora do vídeo. A
profundidade é apresentada em porcentagem.
• Aperte SPECT para ativar a tela do analisador do espectro
e para medir as distorções harmônicas CSO/CTB (em
conjunção com as teclas programáveis designadas).

Veja também
¾ O Capítulo 4, Varredura de Campo com SDA-5000, 6,
Performance do Sistema de Medição e 7, Modo do
Analisador do Espectro descreve estes modos com
detalhes.
¾ Estes modos são introduzidos em “Modos Básicos de
Operação” mais tarde neste capítulo (página 17).
¾ O Capítulo 9, Análise Digital (QAM Visão OPT4), relata
as funções que usam SHIFT nas teclas do modo de
medição.

Teclado Alfanumérico
O teclado alfanumérico é acrescido de ícones verdes acima de
cada tecla (ver Figura 2-4). As funções representadas por estes
ícones são selecionadas ou ativadas quando pressionadas
primeiro as teclas de função verdes na parte inferior direita do
teclado (ver figura 2-2) e depois pressionada a tecla da função
desejada.
As teclas alfanuméricas são usadas para entrada de números
entre 0 e 9. A tecla FUNCTION faz com que a tecla 0 alterne
entre +/- quando são permitidas entradas negativas nos campos
de entrada de dados.
• Insira um ponto decimal usando o. tecla de espaço.
• Insira letras nos campos de dados da EDIT BOX que
aceitam caracteres alfa como nomes de pontos de testes,

17
nomes de operadores, nomes de arquivos e assim por
diante. Pressione cada tecla uma, duas ou três vezes para
escolher a letra desejada. Pressionar uma tecla mais uma
vez trará o número atribuído a tecla.
• Crie um espaço entre as letras com as teclas das setas.
• Mova o cursor com as teclas das setas.

AVISO: Sempre finalize as entradas numéricas


pressionando a Tecla ENTER ou a tecla programável
apropriada.

Fig. 2-4 Teclas que têm função alterada quando a tecla SHIFT do
teclado encontra-se pressionada

18
Fig. 2-5 Visão Geral do SDA-5000 Mostrando as três Portas de
Conexão dos Cabos

Portas de Conexão dos Cabos


Unidades SDA têm até três portas de conexão dos cabos (ver
Fig. 2-5). A porta IN permite que você conecte o instrumento ao
sistema de cabeamento. Quando conectado, você pode executar
operações de varredura, medições analógicas padrão e média
das medições de força pela portadora digital. A porta OPT é uma
porta transmissora usada quando uma varredura reversa está
sendo feita, CW de retorno ou Medições da Varredura de retorno.
A porta DIGI permite que você análise a TV digital e avance
sinais do cabo do modem.

MODOS DE OPERAÇÃO BÁSICOS


Esta seção descreve os modos de operação das unidades de
campo SDA. Alguns modos exigem que você tenha uma opção
particular na sua unidade SDA. Quando este for o caso, a opção
exigida é indicada em parênteses perto do nome do modo.

19
MEDIÇÃO DE NÍVEL
Seu SDA-500 oferece telas de vários níveis diferentes
aperfeiçoados para muitas das tarefas do dia a dia para
manutenção do sistema de cabos.

Modo Nível apresenta uma tela


detalhada sobre um canal único. Os
níveis de vídeo e áudio são
mostrados tanto em forma numérica
quanto em gráfico de barras. A delta
entre o nível de áudio e vídeo
também é computada. Quando um
canal digital é medido, os algoritmos
da medição de força DigiCheck são
usados para ler com exatidão os
níveis da portadora digital que continuam por todo o canal
selecionado.
O modo distorção mostra o
nível das variações das
portadoras selecionadas ao
longo da banda. Até nove
canais de distorção
selecionados são medidos e
mostrados ao mesmo tempo.
Estes podem ser portadoras ou
canais piloto. O medidor
calcula automaticamente a
distorção destes canais e mostra
o nível.
O modo SCAN mostra um gráfico
do nível de todos os canais do
plano atual, com ou sem
portadoras digitais e de áudio.
Este modo é muito útil quando for
a sua primeira conexão ao ponto
de teste. Permite que você

20
rapidamente tenha uma idéia geral da exatidão do nível do sinal
do sistema especificado.

Veja também
¾ Capítulo 6, Medindo Performance do Sistema,
descreve estes modos com detalhes.

Varredura
Varredura é a maneira mais completa de medir a resposta da
freqüência do seu cabo de rede. Os produtos SDA oferecem uma
série completa de ferramentas de varredura para maximizar sua
produtividade. Varreduras avançada e reversa podem ser usadas
com resolução de problemas em ambos caminhos de sinal. O
alinhamento de amplificador de retorno é designado para oferecer
rapidamente a você as informações necessárias para ajustar o
amplificador de retorno e a Varredura Permanente pode ser
usada para coletar informações de varreduras mesmo quando
não houver transmissão de varredura disponível.

• Varredura avançada Stealth: A Varredura avançada usa


transmissor cabeceira para medir níveis da portadora e,
quando necessário, injetar pulsos de varredura curta.
Quando portadores estáveis estão presentes elas podem
ser referenciadas para criar uma varredura resposta sem
injetar qualquer pulso de varredura. Isto garante que
nenhum assinante terá interferência devido ao seu teste
de varredura.
• Varredura SDA: A Varredura SDA opera de maneira
idêntica à varredura Stealth, mas é muito mais rápida! É
crucial perceber que, para a varredura SDA funcionar,
você deve usar o equipamento SDA tanto na cabeceira
quanto no campo.
• Varredura reversa Stealth (OPT1): A Varredura Reversa
usa portadoras invertidas de uma unidade de campo que
são enviadas de volta ao transmissor da cabeceira e
medidas para calcular a resposta do retorno do caminho
da freqüência. O Stealth oferece um alto nível de

21
flexibilidade no ajuste das freqüências e níveis, dando a
você flexibilidade máxima na varredura de uma rede de
caminho de volta sem criar qualquer interrupção de
serviço.
• Alinhando amplificadores de retorno (OPT1): Este
modo de alinhamento tem a finalidade de ajustar o ganho
e a distorção das unidades de amplificador de retorno.
Usando o SDA-5500 ou o transmissor de varredura de
cabeceira SDA-5510, uma tela com os níveis de sinal
absoluto em duas freqüências selecionadas e calcula
ganho e distorção de um sistema de caminho de retorno é
mostrada. Todas as informações que um técnico precisa
para ajustar um amplificador de retorno ou nó são
mostradas em um só local.

• Varredura Permanente: A Varredura Permanente permite


que você obtenha informações de varreduras mesmo se
nenhum transmissor estiver disponível. Se um transmissor
estiver fora ou se algo estiver bloqueando o canal de
telemetria, a varredura permanente ainda pode ser usada.
Na varredura permanente, a unidade de campo SDA
mede os níveis estáveis da portadora, memoriza e
estabelece uma referência. Estes níveis podem então ser
comparados com os níveis das mesmas portadoras em
um ponto diferente na rede e as diferenças na resposta da
freqüência podem ser destacadas.

• Varredura de Retorno (OPT2): O teste da varredura de


retorno local completa permite que você execute uma
resposta bruta da freqüência, ganho e teste de perda em
dispositivos ativos ou passivos no campo usando um
único medidor.

Veja também
¾ O Capítulo 4, Varredura de Campo com SDA-5000 e
13, Configuração da Varredura SDA-5500/SDA-5510
oferecem juntos uma descrição completa da
capacidade das varreduras da família SDA.

22
Ferramentas de Medição da prova de Performance.
O SDA-5000 oferece um conjunto extensivo de ferramentas para
resolver problemas nos testes da prova de performance. Relação
portadora/ruído, hum e vigor de modulação são todos calculados
em canais de vídeo analógicos em ordem de funcionamento e
canal. Isto permite que você meça a performance que os clientes
realmente experimentam, sem qualquer tipo de interrupção.
A relação portadora/ruído é
medida usando um algoritmo
“linha silenciosa” avançado. O
medidor procura por uma linha de
vídeo sem sinal ativo (isto
tipicamente acontece em uma ou
mais linhas durante a sincronia
vertical de um canal de vídeo
analógico). Isto permite que a
medição do barulho seja feita
no meio do canal ao invés de
ao lado da banda não usada
então a leitura reflete o que o
assinante CATV vê no
momento.
Hum também é medido em
funcionamento usando
algoritmos DSP. filtros pré-
programados ajudam a isolar
os problemas da fonte de força em 1- vez a freqüência de força, 2
- vezes a freqüência de força ou todos os componentes de
freqüências baixas.

Vigor da modulação pode ser


medido em funcionamento.
Esta tela também permite que o
usuário escute a portadoras de
áudio tanto AM quanto FM para
ajudar a identificar um sinal ou
resolver alguns tipos de

23
problemas. Se uma fonte de entrada constante for encontrada,
esta característica pode ser usada para descobrir o que está
sendo disperso no cabo da rede.
O SDA-5000 também oferece a capacidade de executar estes
testes de prova em base automatizada. Você pode fazer uma
bateria de testes completa para qualquer ou para todos os canais
na disposição dos canais. O medidor pode fazer estes testes
imediatamente ou pode fazer uma série deles de acordo com o
intervalo que você desejar. Isto é útil quando estão sendo feitos
testes 24 horas exigidos pelo FCC nos Estados Unidos e por
outros governos internacionais.

Veja também
¾ O Capítulo 6, Medindo Performance do Sistema,
discute a Ferramentas de Medição da prova de
Performance em detalhes.

¾ O Capítulo 10, Teste Automático explica como fazer


testes de intervalo e por 24 horas.

Análise do Espectro
O SDA-5000 apresenta uma capacidade de análise avançada do
espectro. É uma ferramenta simples, mas eficiente para rastrear
problemas difíceis de encontrar no seu cabo de rede. A seguinte
lista descreve as características desta ferramenta:
O analisador de espectro funciona por toda variação de
freqüência de 5MHz a 1 GHz.
A sintonização pode ser por canal
ou por freqüência. Várias
freqüências de faixa de variação
convenientes estão disponíveis, de
3 a 50 MHz.

Máxima retenção e tempo de


interrupção podem variar para
rastrear sinais intermitentes.

24
Um filtro de passagem baixa e um pré-amplificador estão
disponíveis para ajudar a encontrar problemas difíceis no
caminho de retorno.
O modo Espectro inclui um modo de variação zero potente que
você pode usar para medir e analisar canais digitais TDMA e
sinais de entrada difícil. Modo de variação zero permite que você
realize medições D/U (desejável/indesejável) em canais de
TDMA. Você também pode ver níveis diferentes de transmissor
individualmente, visualizar “colisão” de dados e ver o quão
intenso o tráfico está no coax.
Você também pode medir CSO (composite second order) e CTB
(composite triple beat) usando o modo espectro. Estas medições
podem ajudá-lo a encontrar a fonte de problemas de
intermodulação e confirmar cumprimento com especificações de
performance de sistema.

Veja também
¾ O Capítulo 7 “Modo Analisador de Espectro”, descreve
as capacidades de análise do espectro do SDA-5000.

Modo PathTrak (Campo de Visão OPT3)


O display do modo PathTrak
é bastante similar ao display
do Analisador de Espectro.
Entretanto, o modo PathTrak
tem duas medições de
rastreio (local e remoto) que
são mostrados
simultaneamente juntamente
com um traço de retenção de
pico.
Você pode alternar o Traço de Retenção de Pico para fazer
referência tanto ao traço local quanto ao remoto.

25
Ao mostrar simultaneamente ambos traço permite que você
alterne entre os Traços Local e Remoto para comparar a medição
os dados, assim você pode determinar rapidamente se existe
algum problema no ingresso e caso afirmativo, você pode isolar
sua fonte.

Veja também
¾ O Capítulo 8, Visão de Campo do PathTrak (OPT3)
discute o Modo PathTrak em detalhes.

CONFIGURAÇÃO DO SDA-500
Esta seção descreve as opções de configuração que você acessa
a partir do menu CONFIGURE (Configurar). A configuração do
diagnóstico, de medições e global é discutida aqui com detalhes.
A configuração da Disposição de canais, varredura reversa e
PathTrak é vista rapidamente neste capítulo e com detalhes em
seus respectivos capítulos mais tarde neste manual.
Para acionar e mostrar o menu CONFIGURAR (CONFIGURE)
mostrado nas Fig. 2-6.

• Ligue a unidade e então aperte a tecla Nav (ver Fig. 2-2),


selecione a guia Files e Configure (Guia Arquivos e
configuração) e, depois, o ícone Crossed-tool
(ferramentas cruzadas).
ou
• Pressione as teclas Function e 3 ghi.

AVISO: Se o transmissor interno precisar de calibração


automática, você verá um alerta para fazer a calibração
automática do transmissor interno. Veja página 30 para
instruções sobre como proceder.

26
Fig. 2-6 O Menu CONFIGURE

Configuração Global
Selecionar a opção GLOBAL, aciona e mostra o menu mostrado
na Fig. 2-7. Este menu contém doze itens, descritos na lista que
segue.

• Nome do Operador: Coloque seu nome, que aparecerá


no cabeçalho da seção do relatório de teste automático
(veja “Resultados do Teste Automático” no Capítulo 10,
Teste Automático).
• Nível de Contraste: Ajuste o nível de contraste do LCD
para o nível desejado. O nível varia em uma escala de 1 a
15.
• Período de Desligamento do Tempo limite: Para
conservar a vida da bateria, você pode ajustar a
característica automática SHUT OFF para desligar o
medidor após um intervalo pré-estabelecido de inatividade
de 1,3 ou 5 minutos ou escolha sempre ON.

27
Fig. 2-7 O Menu GLOBAL

• Luz de fundo do Período de Tempo Limite: Para


conservar a vida da bateria, você pode usar a luz de fundo
da tela automática do tempo limite. O período de tempo
limite é programável: Sempre desligado, 5 segundos, 10
segundos ou sempre Ligado. (Você pode ligar ou desligar
a luz de fundo manualmente a qualquer hora apertando a
tecla FUNCTION duas vezes).
• Hora: Use as teclas numéricas para colocar a hora em
formato HH: MM: SS. A hora é ajustada usando plano de
24 horas (por exemplo, 18:05:30 para 6:05 e 30 segundos
PM).
• Formato da Data: Use as teclas direcionais para cima e
para baixo para selecionar o formato da data. Quando
você muda o formato da data, o novo formato aparecerá
em todos os lugares em que a data é mostrada ou
impressa. Os seguintes formatos estão disponíveis:
MM/DD/AA

DD.MM.AA

AA.MM.DD
• Data: Use as teclas de entradas numéricas para colocar a
data. Selecione o Formato da Data, para determinar qual
formato de data está sendo usado.

28
• Impressora: Ajuste a interface da impressora. Use as
teclas para cima e para baixo para escolher entre Diconix,
Seiko, IBM ou Epson.
A configuração serial exigida da impressora é a seguinte:
• Taxa de Baud Consistente com receptor SDA-5000 (9600
ou 19.2K são recomendados).
• 8 data bits
• 1 stop bit
• Sem paridade
• Controle de fluxo - hardware handshaking
Imprimir em uma impressora paralela exige um conversor serial
para paralela, como o fabricado pela Clack Box Corp. (telefone
412-746-5500). O ajuste é o mesmo da configuração serial da
impressora.

• Linhas/Página: Use esta opção para especificar o


número de linhas por página (Mínimo 30, Máximo 255) de
impressões de texto. Isto determina o número de linhas
impressas antes de o comando ser enviado. Para não
acionar o salto de página, tecle zero (0) aqui.
• Taxa de baud: As taxas de baud ou bit estabelecem a
velocidade das comunicações entre o receptor SDA-5000
e outro dispositivo. Os valores de Baud disponíveis são
1200, 2400, 4800, 9600 e 19.2k.
• Bips: Use as teclas direcionais para ligar ou desligar
cliques e funções de bip.
• Tela Splash: Use esta opção para permitir ou desativar a
tela SPLASH que aparece quando você liga a unidade.
• Diagnósticos: Para entrar no modo Diagnósticos,
destaque esta opção e aperte a tecla Enter.
Veja também
¾ A seção “Diagnósticos” mais tarde neste capítulo que
abrange a configuração de diagnósticos em detalhes
(página 29).

29
Configuração das Medições (Incluindo QAM OPT4)

Quando você seleciona MEASUREMENT no menu CONFIGURE


mostrado na Fig. 2-6, você verá opções para ajustar sete
variáveis. Se você tem a opção QAM (OPT4), você verá quatro
itens adicionais, como os descrito abaixo (ver Figura 2.8). Use as
setas para cima e para baixo para mover a lista e mudar as
variáveis como indicado na Edit Box.

Fig. 2-8 O Menu de MediçãoNOTA: A Compensação do Ponto de


Teste foi movida para outro menu, TESTPOINT, acessível
pelo Navegador ou pressionando as teclas FUNCTION e 7
stu.

• Unidades de Temperatura: Selecione as unidades de


temperatura desejadas (graus Celsius ou Fahrenheit).
• Unidades de Nível de Sinal: Selecione as unidades a
serem usadas para checagem de sinal de níveis de força
(dBmV, dBuV e dBm).
• Tamanho de Etapa de ajuste de Freqüência: Ajuste o
tamanho de etapa usando as teclas direcionais para cima
e para baixo ou as teclas de entrada numéricas (0.01 a
100.00 MHz em 10kHz etapas).
• Freqüência Hum Fundamental: Selecione a freqüência
hum fundamental a ser medida (60 Hz, 50 Hz, 1Hz, ou,
Auto). Com Auto selecionado, a unidade irá
automaticamente mudar de 50Hz no tipo de disposição

30
PAL e 60 Hz por disposição NTSC. 1 Hz é usado no caso
de fonte de alimentação de 1 HZ.
• Taxa de Escaneamento: Duas taxas de escaneamento
estão disponíveis no modo de escaneamento, Normal e
Rápida. As características do escaneamento rápido
permitem rápidas exibições de escaneamento, mas
sacrificam a precisão. A taxa normal de escaneamento é
mais devagar, porém mais precisa.
• Portadoras de Áudio: Escaneamento: A omissão das
portadoras de áudio durante o escaneamento produz um
escaneamento mais rápido.
• Calibração de C/N: Para obter uma medição válida de
relação portadora/ruído o logaritmo de medição incorpora
uma calibração de ruído de fundo. Para executar a
calibração, selecione calibração C/N e pressione a tecla
ENTER. Para conseguir uma medição válida, o programa
lembra você de ter certeza que nenhum cabo está
conectado ao conector RF IN. Depois que a medição é
verificada, pressione a tecla programável OK para
executar a calibração. Quando a calibração estiver
completa, a tela exibirá o ruído de fundo, definido nas
unidades selecionadas atualmente (por exemplo, dBmV).
Opcionais de Análise Digital (QAM OPT4)
• Qualidade de Sinal Digital Meas: Esta opção permite
que você selecione a medição de qualidade do sinal digital
que você quer usar:
• MER (taxa de erro de modulação) é semelhante a uma
medição analógica da relação portadora/ruído
• EVM (magnitude do vetor de erro) são dados de MER
apresentados em um formato de porcentagem.
• Número de Pontos de Constelação: Você pode
estabelecer o número de pontos de constelação exibidos
no modo de constelação para 2000,4000 ou 8000. A
unidade é padrão para 4000.
• Velocidade de Propagação: A velocidade de propagação
é a taxa de velocidade na qual a luz viaja através de um
determinado comprimento de cabo comparada a uma
velocidade absoluta. É determinada pelo material
31
dielétrico usado para separar os dois condutores, que é
geralmente especificado pelo fabricante do cabo. Depois
que você consultou as especificações do fabricante,
coloque um valor entre 0.00 e 1.00.
• Unidades de Distância: Em Equalizer Mode (Modo
Equalizador) esta opção permite que você selecione as
unidades para medição da distância até a falha em feet
(pés) ou metros. Esta opção tem feet (pés) como padrão.

Configuração de Disposição de Canal


Selecionar a opção CHANNEL PLAN (Disposição de Canal) do
menu CONFIGURE (configurar) leva você a uma tela onde você
poderá definir nove opções de configuração de disposição de
canal.
Estas opções permitem que você:
• Selecione uma disposição de canal
• Defina o tipo de sinal de vídeo
• Estabeleça a seqüência de sintonização do canal
• Estabeleça a disposição de canal
• Edite uma disposição de canal
• Apague canais não usados
• Estabeleça pontos de varredura
• Especifique medições de teste automático
• Edite limites
• Edite limites digitais
• Copie, à distância, uma disposição de outro instrumento

Veja também
¾ Capítulo 3, Disposição de Canais, abrange estas
opções com detalhe.

Configuração de Varredura
A opção SWEEP (Varredura) do menu principal CONFIGURE
habilita você a estabelecer os parâmetros operacionais que você
quer para uma aplicação específica de varredura.
32
A primeira tela neste menu oferece as opções e escolhas
disponíveis tanto nos modos de varredura Stealth, Stealth
(compatível com SDA), Transmit, Transmit (compatível com
SDA), de retorno como nos modos permanentes. O modo Stealth
de varredura é a configuração padrão. O número de opções
disponíveis muda dependendo do modo de varredura que você
seleciona.

Veja também
¾ Capítulo 4, Varredura de Campo com SDA-
5000,abrange configuração de varredura e operação
em detalhes.

Configuração do PathTrak (OPT3)


A partir da opção PATHTRAK do menu principal CONFIGURE
você poderá selecionar os parâmetros que permitem a
comunicação entre o sistema de monitoramento de performance
PATHTRAK da JDSU e a unidade de campo SDA.
O modo Pathtrak proporciona melhor precisão na resolução de
problemas, permitindo que você compare as medições do
espectro no nó com as condições atuais na cabeceira. As opções
disponíveis no menu principal do PATHTRAK permitem que você
selecione a freqüência da telemetria usada para transmitir dados
e visualize a lista de nós atualmente disponível no sistema
PathTrak.

Veja também
¾ Capítulo 8, Campo de visão do PathTrak (OPT3),
abrange PathTrak configuração de varredura e
operação em detalhes.

Diagnóstico
Do menu DIAGNOSTICS (diagnóstico) mostrado na figura 2-9,
você pode reiniciar o instrumento para a configuração de fábrica

33
original, testar o LCD, quando aplicável, verificar funções de
transmissão interna das unidades.

• Padrão de Configuração de Fábrica: Mover para Padrão


de Configuração de Fábrica pressione a tecla ENTER
para ajustar todos os parâmetros para os valores padrão
de fábrica. As mudanças ocorrerão depois que a força
circular.

CUIDADO! Executar esta função causará a perda de todos


os arquivos, configurações e memórias gravadas.

Fig. 2-9 O Menu DIAGNOSTICS

• Teste de Display: Esta opção permite que você teste a


operação do display. Selecione Display Test (teste de
display) e pressione a tecla ENTER para exibir a tela na
fig. 2-10. Este teste apenas verifica as propriedades
ligada/desligada da tela. Você tem duas opções, que
operam da seguinte forma:
• Qualquer tecla programável à esquerda alterna a tela
entre ligada e desligada.
• Qualquer tecla programável à direita muda para a tela
anterior.

34
Fig. 2-10 A tela DISPLAY TEST.

• Diagnóstico do Transmissor: Destaque esta opção e


pressione a tecla ENTER para acessar as características
do diagnóstico do transmissor interno mostradas na 2-11.

Fig. 2-11 A Tela do Diagnóstico de Transmissor

• Transmissor Ligado/Desligado: Quando ligado, fornece


um sinal CW RF que pode ser usado para resolução de
problemas durante a instalação. O sinal está presente
somente quando a tela de diagnóstico está exibida.
• Atenuador de Transmissor: Use as teclas direcionais
para cima e para baixo para inserir a quantidade de
atenuação para o sinal CW transmitido para um máximo
de 30 dB em incremento de 2.0 dB.

35
CUIDADO! Se você definir as freqüências teste do
transmissor muito perto da portadora CATV enquanto
estiver conectado ao sistema CATV, você poderá criar
interferência significativa aos assinantes.

• Freqüência do transmissor: Registre a freqüência para o


sinal transmitido para o 0.01MHz mais próximo usando as
teclas numéricas e a tecla ENTER. As teclas direcionais
para cima e para baixo mudam a freqüência nos
incrementos estabelecidos durante a configuração.
• Telemetria de Varredura Ligada/Desligada: Quando
está ligada, o SDA-5000 irá modular o sinal CW assim
como faz com o sinal de telemetria.
• Calibração do Transmissor: Para calibrar a saída do
transmissor, pressione a tecla ENTER. Você verá a tela
mostrada na fig. 2-12. Será solicitado que você faça uma
interligação com cabo coaxial nos terminais de entrada
(in) e saída (OPT) do medidor com um cabo de
comprimento curto. Quando você terminar, pressione a
tecla programável OK.

Fig. 2-12 Calibrando o Transmissor de Saída

Se você testar sem o cabo conectado, o erro mostrado na figura


2-13 ocorre.
Verifique seus conectores F, conectores BNC (se usados) e o
próprio cabo.

36
Fig. 2-13 Calibrar Erro (Cabo de ligação Faltando)

Se suas conexões estão corretas e, ainda assim, aparecer a tela


de erro entre em contato com o Centro de Serviço Autorizado da
JDSU.

Veja também
¾ Capítulo 12, Manutenção, tem uma lista dos centros
de serviços da JDSU no mundo inteiro.

Sistema de Informação
Você pode visualizar o sistema de informação para a sua
unidade, selecionando o ícone Info no arquivo do Navegador e
guia Configure (configurar). Fazendo isso, você chegará à tela
INFO, onde você encontrará as seguintes informações:
• Número do modelo

• Número serial

• Número da versão de firmware

• Datas das calibrações mais recentes

• Tipo de disposição de canal atualmente selecionado


(NCTA, PAL, SECAM).

37
• Temperatura atual

• Porcentagem de memória usada.

• As opções que a unidade tem

Esta seção descreve os procedimentos para imprimir telas ou


arquivos da sua unidade de Campo. Antes de imprimir, tenha
certeza de que a impressora está adequadamente conectada.

AVISO: Conecte o SDA-5000 a um PC com um cabo SDA-


para-PC, P/N 1217-50-0158. O cabo de interface SDA-para-
SDA é o P/N 1217-50-0149. A cabo de interface SDA-para-
impressora é o P/N 1217-50-0159. Estes três cabos são
diferentes. Pinagem e tipos de conector estão disponíveis,
ligando no atendimento ao cliente da JDSU, no número da
sua localidade. Os números estão listados no capítulo 12.

• Para imprimir qualquer tela do modo de medição,


pressione as teclas FUNCTION e PRINT (1ABC).
• Para imprimir um arquivo, pressione a tecla support mode
do Navegador e use as teclas seta para selecionar o
modo de visualização. Use as teclas programáveis ou
pressione as teclas FUNCTION e PRINT (1 ABC).

Veja também
¾ A seção de “Configuração Global” no começo deste
capítulo discute a configuração de sua unidade para
imprimir em uma impressora serial ou paralela

38
Capítulo 3

Disposição de Canais
Usando uma disposição de canal, A unidade de campo SDA
memoriza as freqüências de canais ativos em seu sistema.

AVISO: A disposição de canais separados é exigida para:

● Medições gerais (distorção, nível e assim por diante).


● Varredura reversa
● Varredura de retorno

Mudar a disposição de canal na unidade de campo não tem


efeito na varredura. A disposição de canal da unidade de
cabeceira é usada automaticamente.

Antes de começar, tenha certeza que:


• Você completou a configuração básica descrita em:
• “Configuração Global” (Capítulo 2)
• “Configuração de Medições” (Capítulo 2)
• “Configuração de Varredura” (Capítulo 4)
• Você está familiarizado com as funções, controles e
indicadores do instrumento.

FALTA TEXTO PG 36 DO PDF


Para começar, ligue o instrumento e vá para o menu
CONFIGURE, pressionando a tecla Nav ou selecionando a guia
files & configure (Arquivos e Configurar) e então, o ícone Config
(configurar) ou pressionando a tecla FUNCTION verde e então,
3ghi.

39
Dependendo das opções de sua unidade, O menu CONFIGURE
inclui até seis tens (veja fig. -1) Use as teclas seta para selecionar
o item CHANNEL PLAN (Disposição de canal) e então pressione
qualquer tecla programável.
A tela exibe o menu CHANNEL PLAN mostrado na Fig. 3-2.

AVISO: Se você tem a opção QAM, o menu CHANNEL


PLAN terá uma opção Edit Digital Limits (Edite Limites
Digitais) além da (mostradas na figura 3-2).
Nesse menu você pode acessar submenus que irão levar você
aos seguintes resultados:
• Selecione uma disposição de canal
• Defina o tipo de sinal de vídeo
• Estabeleça a seqüência de sintonização do canal
• Estabeleça a disposição de canal
• Edite uma disposição de canal
• Apague canais não usados
• Estabeleça pontos de varredura
• Especifique medições de teste automático
• Edite limites
• Edite limites digitais
• Copie à distância uma disposição de outro instrumento
O resto deste capítulo mostrará os procedimentos para configurar
cada uma destas funções.

Fig. 3-1 3-1 O Menu CONFIGURE (configurar)

40
Fig. 3-2 As opções do menu CHANNEL PLAN (disposição de
canal)

AVISO: Se o seu instrumento SDA não tem uma opção


QAM (OPT4), você não verá o menu Edit Digital Limits
(Editar Limites Digitais). Este item de menu aparece apenas
para sinais QAM.

CONFIGURAÇÃO DOS PARÂMETROS DO PLANO


DE CANAL
Para configurar os parâmetros de disposição de canal, siga os
alertas da EDIT BOX e as instruções nas seguintes seções.

AVISO: A tecla programável RETURN no canto esquerdo


superior coloca o menu de volta na tela. Pressione a tecla
programável próxima à EDIT BOX no canto inferior direito
para entrar em cada submenu de disposição e canal.

Selecione Channel Plan (Disposição de Canal)


Selecionar o item superior Selecione Channel Plan, leva você à
tela mostrada a fig. 3-3. Esta é uma lista da disposição de canais
existente. Se esta é a primeira vez que você usa a sua unidade
de campo SDA, a única disposição de canal mostrada é a
disposição NCTA.

41
Veja também
¾ A seção “Estabeleça Disposição de Canal” deste
capítulo mostra como criar e nomear novas
disposições de canais e adicioná-los à lista exibida
aqui (página 40).

Fig. 3-3 Selecione Channel Plan (Disposição de Canal)

1 Mova-se pela lista até a disposição que você quer


visualizar então pressione a tecla programável LOAD.
2 Pressione a tecla programável Info no canto superior
direito do display para visualizar a tela CHANNEL PLAN
INFO (veja Fig. 3-4). Esta é uma tela apenas para visualização,
que exibe as características principais da disposição específica
na linha superior.

Fig. 3-4 Informações para Disposição dos Canais (Channel Plan


Info)

42
3 Pressione a tecla programável Delete para apagar uma
disposição.

Para confirmar que você quer apagar uma determinada


disposição, pressione a tecla programável OK.

Se você mudar de idéia antes de apertar OK, você pode


pressionar a tecla STOP para prevenir o apagamento.

4. Pressione a tecla programável Return para retornar à tela


mostrada na Fig. 3-2 Menu CHANNEL PLAN (disposição
de canal)

Tipo de Sinal de Vídeo.


A partir do menu CHANNEL PLAN (Fig.3.2 ) selecione Vídeo
Signal Type (Tipo de sinal de vídeo) e pressione a tecla Enter.
Use as teclas direcionais para cima e para baixo para alternar
entre NTSC, AL e SECAM na Edit Box.
Selecione o tipo de sinal compatível com o seu sistema e
pressione a tecla Enter novamente. A tela retorna ao Menu
CHANNEL PLAN

Veja também
¾ Para mais informações sobre estes tipos de sinal, veja
o glossário no final do deste manual.

Seqüência de Sintonização de Canal


A partir do menu CHANNEL PLAN (Fig.3.2). Selecione Channel
Tuning Sequence (Seqüência de Sintonização de Canal) e
pressione a tecla Enter. Use as teclas direcionais para cima e
para baixo para alternar entre ordem numérica e ordem de
freqüência.

43
Selecione o item desejado, pressione a tecla Enter novamente e
então, teclas direcionais para cima ou para baixo para mover-se
para o próximo parâmetro.

Build Channel Plan (Estabelecimento da


disposição de canal)
A partir do menu CHANNEL PLAN selecione Build Channel Plan
A unidade SDA criará uma disposição de canal ao memorizar os
canais ativos no sistema e ao identificar automaticamente
aqueles que não estão ativos.

CUIDADO! Tenha certeza de que o SDA está corretamente


conectado ao cabo do sistema em COAX IN (cabo coaxial
IN).

AVISO: Canais < -10 dBmV não serão reconhecidos como


canais ativos.

1. Conforme solicitado pela caixa Edit, pressione a tecla


programável Continue a tela mostrará a fig. 3-5 BUILD
PLAN STEP (Estabelecimento de disposição passo 1)
parece.

Fig. 3-5 Tela BUILD PLAN STEP 1

44
2. A tela solicita que a disposição seja nomeada. Use as
teclas alfanuméricas e as teclas direcionais para fazer o
seu registro então, pressione a tecla programável OK
para aceitar-lo. A tela avisa você caso já exista uma disposição
com aquele nome registrado na unidade. Depois que você
registrar um nome para a disposição, a tela BUILD PLAN STEP 2
aparece (veja Fig.3-6).

Veja também
¾ Para obter ajuda ao usar o teclado alfanumérico para
registrar texto, veja a seção “teclado alfanumérico” no
capítulo 2 (página 16).

AVISO: Se você cometer um erro ou mudar de idéia em


relação ao nome que você registrou, você pode pressionar
a tecla programável OK novamente para reescrever.

Pressionar a tecla programável Stop antes de pressionar


OK descarta qualquer registro feito na edit box e retorna
para a tela STEP 1

Fig. 3-6 Tela BUILD PLAN STEP 2

45
3. Na tela STEP 2 use as teclas direcionais para cima e
para baixo para selecionar uma disposição de canal
básica e usá-la no estabelecimento de uma nova
disposição. Pressione a tecla programável OK para executar a
seleção. A tela mostrada na figura 3-7 BUILD PLAN STEP 3
(Estabelecimento de disposição passo 3) é exibida.

Fig. 3-7 Tela BUILD PLAN STEP 3

4. Na tela STEP 3, registre a freqüência mais alta na qual


deve ser parada a procura por canais. Utilize o teclado ou
as teclas direcionais para cima e para baixo para
configurar a freqüência, pressione Enter, pressione a tecla
programável OK. Conforme a disposição começa, você verá as
informações da disposição básica e os canais sendo
programados dentro da disposição.

CUIDADO! Você deve pressionar a tecla Enter para


registrar esta freqüência como o limite superior.

Quando está estabelecendo a disposição de canal, o SDA faz


uma seqüência até o fim todos os canais na disposição básica até
a freqüência de parada estabelecida por você.
Para parar o processo, pressione a tecla programável Stop.
Quando a disposição de canal estiver completa, a tela exibe o
nome e o formato para a disposição e o número dos canais

46
ativados. O display também confirma que o primeiro e último
canais ativados são habilitados de distorção.

AVISO: A seguinte seção discute a opção de canal de


distorção.

Pressione a tecla programável OK e você retorna para a tela


principal CHANNEL PLAN mostrada na figura 3-2.

Edit Channel Plan (Edite uma Disposição de Canal)


Esta característica habilita você a mover-se através de toda a
lista de disposição de canais, selecionar cada canal e editar
parâmetros para cada um. Você também pode adicionar e deletar
canais de sua disposição.

1. A partir do menu CHANNEL PLAN selecione Edit


Channel Plan Pressione o ícone à direita da Edit Box. A
tela EDIT CHANNEL PLAN aparece (veja 3-8).

Fig. 3-8 A tela EDIT CHANNEL PLAN

As oito colunas desta tela exibem as seguintes informações sobre


cada canal na disposição, da esquerda para a direita:

47
Ativado; Tipo; Canal; Rótulo; Freqüência; Varredura; Distorção;
Aleatório.

AVISO: Uma marca de verificação na margem esquerda


significa que o canal está ativo; os canais SWP, TLT e SCR
têm asteriscos para indicar esse status.
Você pode configurar a varredura, distorção e embaralhar
os atributos desta tela usando as teclas programáveis à
direita do display ou você pode editá-los pelo menu EDIT
CHANNEL.

2. Pressione a tecla programável Edit Channel e a tela da


Fig. 3-9,EDIT CHANNEL, aparece.

A tela EDIT CHANNEL apresenta, de cada vez, uma


listagem dos canais na disposição atual em ordem
numérica ou de freqüência, dependendo da seqüência de
sintonização do canal que você selecionou (veja
Seqüência de Sintonização do Canal na pág. 40).

AVISO: Para cada canal, há uma lista de até 12 parâmetros


que você pode examinar ou ajustar. Use as teclas
direcionais para cima e para baixo para mover, selecionar e
revelar os parâmetros 10, 11 e 12, se presentes.

Use as teclas direcionais para esquerda e direita ou os ícones


seta no canto superior direito, para mover-se através da lista de
canais.

48
Fig. 3-9 A tela EDIT CHANNEL PLAN
AVISO: Se você quiser configurar uma portadora digital na
sua disposição de canal, siga as instruções na seção
“Configurando uma Portadora Digital” no final desta seção.

1. Selecione o parâmetro que você quer mudar. (A seção a


seguir, “Parâmetros Editáveis”, oferece a descrição de
cada parâmetro.) Você faz ajustes ao parâmetro
destacado, pressionando a tecla programável Enter,
fazendo as mudanças então pressionando Enter
novamente.

2. Pressione a tecla programável Add para adicionar um


novo canal à disposição. O novo canal será designado
para o próximo número de canal a partir do que está
sendo visto e a freqüência configurada para a menor na
disposição dos canais (5 MHZ)

3. Pressione a tecla programável Delete para remover o


canal atual da disposição. A tela avisa você sobre o
apagamento.

49
4. Quando você terminar de editar o canal/ freqüência nesta
tela, pressione a tecla programável Return para retornar
ao menu CHANNEL PLAN.

Parâmetros Editáveis

• Ativado: Isto ativa o instrumento para monitorar o canal


Selecione Yes (Sim) ou No (não). Se o canal não estiver
ativado, não será incluído em nenhum modo de medição.
Pelo menos um canal deve estar ativado.

• Tipo: Quando você seleciona Type, o programa oferece


seis escolhas na Edit box. Pressione a tecla programável
Enter para destacar as escolhas e use as teclas
direcionais para fazer a escolha. Para cada uma das
escolhas descritas abaixo, a tela exibirá o parâmetro de
canal apropriado para você editar se necessário. Tipos de
canal mostrados na parte superior do display à esquerda
do número do canal.

As seis escolhas são descritas abaixo. A Tabela 3-1 “Tipos de


portadora e Parâmetros”, lista os parâmetros que você pode
configurar para cada tipo. Os parâmetros são descritos na tabela
3-1 a seguir.

• Portadora digital: A Portadora Digital pode ser usada para


portadoras digitais continuas. DIGI é suportada apenas nos
níveis de modos de medição Varredura (sweep) espectro
(Spectrum) e Escaneamento (span). Um modo de detecção RMS
mede o nível do canal digital.

• QAM Corrente Digital (QAM): Use QAM para QAM 64 ou


256 para portadoras digitais.

• Vídeo + Canal de Vídeo Duplo (DUAL): DUAL é um

50
sistema europeu, que incorpora vídeo e mais duas portadoras de
áudio independentes.

• Portadora única (SINGLE): NGL pode ser usado como uma


portadora para FM ou dados.

• Canal de Vídeo (TV): Canal de Vídeo inclui a portadora e vídeo


padrão com portadora pré-ajustada.

• Ponto de Inserção de Varredura (SWEEP): Este tipo capacita o


canal para uso como um ponto de inserção de varredura.

tabela 3-1 Tipos e Parâmetros de Portadoras


Portad QAM Canais de Portadora Canal de Ponto de
ora Corrente Áudio Única Vídeo Inserção
Digital Digital Vídeo + (SNGL) (TV) da
(DIGI) (QAM) Dual Varredura
(DUAL) (SWP)
Ativado √ √ √ √ √ √
Tipo √ √ √ √ √ √
Freqüência √ √ √ √ √ √
(MHz)
Número do √ √ √ √ √
Canal
Rótulo √ √ √ √ √
Canal de √ √ √ √ √
Varredura
Largura de √ √ √ √
Banda de
Medição
(MHz)
Compen- √ √ √ √ √
sação de
Ruído
(MHz)
Distorção √ √ √
de Canal
Aleatório √ √
Compen- √ √
sação de
Áudio 1
(MHz)
Compen- √

51
sação de
Áudio 2
(MHz)
Modulação √
Taxa de √
Símbolo
Padrão √
Inversão do √
Espectro

• Freqüência (MHz): Este parâmetro estabelece a


freqüência da portadora (para TV ou tipos duplos esta é a
freqüência para portadoras de vídeo). Pressione a tecla
programável Enter e registre a freqüência usando o
teclado numérico ou teclas direcionais para cima e para
baixo. Então pressione a tecla programável Enter para
encerrar o registro.
• Número do Canal: Esta é o número do canal da
portadora. Mude o canal, pressionando a tecla
programável Enter e usando o teclado numérico ou as
teclas direcionais para cima e para baixo. Pressione a
tecla programável Enter para salvar o registro.
• Nome: Você pode criar um nome particular de, no
máximo, quatro caracteres para juntar ao número do
canal. O rótulo associa o número do canal à programação.
Use a tecla programável Enter, o teclado ou as teclas
direcionais para cima e para baixo. As teclas direcionais
permitem que você use caracteres especiais. O rótulo
aparece à esquerda do número do canal na maioria das
telas.
• Canal de Varredura: Canal de Varredura designa se o
canal será usado para medições de varredura. Use a
tecla programável Enter e as teclas direcionais para cima
e para baixo para selecionar Yes (sim) ou No (não).
• Medição da Largura de Banda (MHz): Para editar a
largura de banda, selecione medição BW. Ajuste a largura
de banda usando as teclas e seta para cima e para baixo
ou registrando o valor através do teclado numérico. Use a
tecla programável Enter para iniciar e finalizar. Em um

52
canal digital esta é a largura de banda da portadora a ser
medida.

AVISO: Nos Estados Unidos, a especificação da FCC para


medições C/N é a largura de banda de 4.00 MHz cabo.
Organizações de televisão fora dos Estados Unidos podem
ter diferentes exigências.

• Compensação de Ruído (MHz): A freqüência na qual o


nível de ruído é medido é a freqüência da portadora mais
a compensação de ruído. Para ajustar compensação de
ruído, selecione Noise Offset (MHz). Ajuste a
compensação usando as teclas direcionais para cima e
para baixo ou registrando o valor através do teclado
numérico. Use a tecla programável Enter para iniciar e
finalizar.
• Distorção de Canal: A distorção de canal indica se o
canal deve ser usado para o modo de distorção. Até
quatro canais podem ser indicados como canais de
distorção. Teclas direcionais para cima e para baixo para
selecionar Yes (sim) ou No (não) e a tecla programável
Enter para começar e terminar o registro de dados.
• Aleatório: O item Aleatório indica se o canal é aleatório.
Use a tecla programável Enter para iniciar a edição e as
teclas direcionais para selecionar Yes (sim) ou No (não).
Pressione Enter novamente para salvar a configuração.

DICA: Para aumentar a velocidade de varredura, uma


portadora de áudio estável pode ser usada como um ponto
de varredura.

A varredura e medição de um canal aleatório são mais


lentas que a de um canal não aleatório. Adicione um canal
tipo “SINGLE” (único) à freqüência da portadora de áudio e
habilite este canal para varredura. Para um canal aleatório,
a teclas direcionais aparecem na barra título do LCD à
esquerda do indicador de tipo de canal na maioria das telas.

53
• Compensação de Áudio 1: Esta configuração especifica
a compensação do áudio do canal. Use as teclas
direcionais ou o teclado para editá-las e a tecla
programável Enter para começar e terminar o registro de
dados.
• Compensação de Áudio 2: Especifica a compensação
para a segunda portadora de áudio de um canal Dual. Use
as teclas direcionais para cima e para baixo ou o teclado e
a tecla programável Enter para começar e terminar o
registro de dados.
• Modulação: Esta configuração é usada para especificar a
modulação QAM usada. Você pode selecionar tanto 64
como 256 QAM.
• Índice de Símbolo: Especifica o índice de informação do
canal. Este índice é expresso em “milhões de símbolos
por segundo” (Msym/s) e pode ser editado no Modo de
Sumário Digital. O padrão para 64 QAM é 5.057. O padrão
para 256 QAM é 5.360. Edições ao índice de símbolo
padrão devem ser feitas apenas quando dados mais
precisos são obtidos a partir das especificações do
equipamento ou de maior análise do sinal.
• Padrão: Padrão refere-se ao sinal padrão usado. Annex A
é usado principalmente na Europa, Annex B é usado nos
Estados Unidos e Annex C, no Japão. Se a sua
disposição de canal é NCTA, a unidade está padronizada
para Annex B; se a sua disposição é PAL está
padronizada para Annex A. Suas escolhas são Annex A
(DVB), Annex A (DAVIC), Annex B e Annex C.
• Inversão de Espectro: Inversão de Espectro indica se o
sinal está invertido ou não.

Configurando uma Portadora Digital


Esta seção leva você através do processo de configuração de
canais digitais na sua disposição de canal.

54
AVISO: O SDA agora simplifica a configuração de canais
digitais. Quando você está mudando um tipo de canal de
televisão para DIGI ou QAM, a unidade automaticamente
configura a freqüência para o centro da largura de banda do
canal digital e muda a configuração de Medição BW
apropriada. Se você mudar de um canal DIGI ou QAM para
um tipo de TV, a unidade também ajusta estas
configurações para você.

Na tela EDIT CHANNEL PLAN (Fig.3-8), selecione o canal que


você irá configurar como digital então pressione a tecla
programável Edit channel ou tecla Enter do teclado.
Destaque o item Type da lista de parâmetros e pressione Enter.
1. Use as teclas direcionais para selecionar DIGI.
2. A linha de freqüência (MHz) na lista de parâmetros usará
automaticamente a freqüência central da largura de banda
do canal digital.
3. Usando o teclado numérico, registre a freqüência central
da portadora digital, então pressione a tecla programável
Enter.
4. Destaque o item de medição BW (MHz) da lista de
parâmetros.
5. Usando o teclado numérico, registre a largura de banda
da portadora digital e então pressione a tecla programável
Enter.
6. Agora selecione a linha Ativada da lista de parâmetros e
verifique se a seleção é Yes (sim).
7. Pressione a tecla programável EXIT.
8. Destaque o próximo canal para ser configurado como
digital e repita o procedimento.

55
Configurando por Espectro Invertido.

• Espectro Invertido e Sinal “Lock”: Durante a modulação


e demoludação da transmissão avançada de uma corrente
digital, o espectro inverte muitas vezes – significando que
“abala” ou reflete a imagem de si mesmo. Se o SDA não
“tranca” adequadamente em um canal QAM selecionado a
causa pode ser uma inversão de espectro.

DICA: Você pode configurar canais individuais de QAM na


disposição de canal para corrigir espectros invertidos
quando eles ocorrem (Veja Disposição de Canais básica e
Inversão de Espectro baixo).

• Disposição de Canais básica e Inversão de Espectro:


Quando você seleciona a disposição de canal básica
usada pelo SDA (NCTA, PAL-UK etc.), você também está
selecionando a configuração padrão da unidade para
espectro invertido, que é simplesmente Yes (sim) ou No
(não).
• Por exemplo, quando você seleciona a disposição de
canal NCTA, o SDA usa automaticamente o Annex B e
automaticamente diz “No” em relação ao espectro
invertido porque a ocorrência de inversão de espectro não
é antecipada. Se a inversão do espectro realmente
ocorrer, entretanto, a configuração pode ser editada para
“Yes” na tela Edit Channel.
• A Disposição do Canal PAL-UK usa automaticamente o
Annex A e “yes” para espectro invertido porque a inversão
de espectro é antecipada com os canais PAL-UK . Todas
as outras disposições de canais básicas usam
automaticamente “no” para espectro invertido (porque a
inversão de espectro não é antecipada).

56
Fig. 3-10 A tela do menu EDIT CHANNEL PLAN (Tipo: QAM)

Configurando uma Corrente de Canal Digital QAM.


1. Na tela EDIT CHANNEL PLAN, selecione o canal que
será configurado como uma Corrente de Canal Digital
QAM e pressione a tecla Enter no teclado.
2. Pressione a tecla direcional para baixo para destacar Type
(Tipo) no menu EDIT CHANNEL e pressione Enter para
editar a seleção atual. Use a tecla direcional para baixo
para selecionar a Corrente Digital QAM e pressione Enter
(veja Fig. 3-10).
3. Pressione a tecla direcional para baixo para destacar a
Modulation (modulação) e pressione Enter para editar a
seleção atual. Use a tecla direcional para baixo para
selecionar 64 ou 256 QAM e pressione Enter
4. Pressione a tecla direcional para baixo para destacar
Standart (padrão) e pressione Enter para editar a seleção
atual. Use a tecla direcional para baixo para selecionar o
sinal Padrão apropriado e pressione Enter.

57
Fig. 3-11 Tela do menu EDIT CHANNEL (espectro invertido)

5. Para editar outros parâmetros de canal no menu conforme


o necessário (como Freqüência, Número do canal, rótulo,
Varredura de Canal, índice de Símbolo e compensação de
ruído) siga o seguinte processo: Pressione a tecla
direcional para baixo para destacar a seleção a ser
editada, pressione Enter, use a tecla direcional para baixo
para editar o parâmetro ou o teclado para registrar a data
apropriada e pressione Enter para selecioná-la.
6. Se a configuração padrão para espectro invertido estiver
incorreta, pressione a tecla direcional para destacar o
espectro invertido e pressione Enter para editar a seleção
atual. Use a tecla direcional para baixo para selecionar a
escolha e pressione. Enter (veja Fig. 3-11).
7. Repita o processo se necessário para configurar cada
Canal de Corrente Digital na sua disposição de canal.

Características do Espectro Invertido


• Ajuste de Freqüência: Quando o ajuste de freqüência é
em um modo de medição QAM o sinal QAM é
demodulado como um espectro não invertido.
• Disposição de Canais: Quando a tecla programável for
usada para adicionar um novo canal à disposição de
canal, o novo canal receberá o próximo número de canal.
Se o canal inicial é um canal QAM, o novo canal irá
receber a configuração inicial de espectro invertido.

58
• Copiando disposição de canais de unidade para unidade:

• Se ambas as unidades têm firmware atual, todas as


informações de disposição de canal, incluindo
espectro invertido, é mantida.
• Se a unidade que envia a disposição de canal é mais
antiga que o SDA v2. 5 (sem opção de espectro
invertido), a configuração do espectro invertido para
todos os canais QAM será automaticamente “No”.
• Se a unidade que recebe a disposição de canal é mais
antiga que o SDA v2. 5 e a unidade que envia é um
SDA v2.5 ou mais recente, a configuração do Espectro
Invertido será omitida.

• StealthWare: StealthWare não aceita a configuração de


Espectro Invertido.
• Ao receber uma disposição de canal vinda do
StealthWare, as unidades com SDA v5.2 ou acima
irão automaticamente dizer “No” para a configuração
de Espectro Invertido.
• Ao enviar disposição de canais para o StealthWare, a
configuração de Espectro Invertido em canais QAM
será ignorada.

Apague Canais Não Usados


CUIDADO! Nunca apague canais não usados até os pontos
de varredura estiverem feitos.

Depois que a disposição for estabelecida, você pode apagar


canais não usados, se for apropriado. Fazer isso libera memória
para outras necessidades e limpa a disposição de canal.
Selecione Delete Unused Channels no menu CHANNEL PLAN
(veja Fig. 3-2) e pressione a tecla programável Continue.
A tela avisa a você que o procedimento de apagar não poderá ser
desfeito, que TODOS os canais não ativados serão apagados.

59
Pressione a tecla programável OK para apagar canais não
usados então pressione a tecla programável OK novamente para
retornar ao menu CHANNEL PLAN.

Especificar Medições Automáticas


Esta opção possibilita que você especifique uma ou três
medições (c/N, Hum, Mod) para inclusão com qualquer canal de
TV na sua disposição.

Selecione Specify Auto Measurements do menu CHANNEL


PLAN e pressione a tecla programável Continue. A tela mostrada na
figura 3-12, AUTO MEASUREMENTS, aparece.

Fig. 3-12 A Tela AUTO MEASUREMENTS

Use as teclas direcionais para cima e para baixo para mover-se


pelos canais listados.

Use a tecla programável do ícone do canto inferior direito


para programar todas as três medições para um canal ou use as
teclas programáveis de C/N, Hum e Mod separadamente.
Quando o ícone à direita em baixo mudar para um círculo com
uma fenda, você poderá usá-lo para cancelar todos os três testes
para um canal selecionado.

60
Pressione a tecla programável do ícone backup no canto
esquerdo superior para retornar ao menu CHANNEL PLAN.

NOTA: Lembre-se:

•C/N, hum e modulação não podem ser medidos em um


canal aleatório ou em uma portadora digital.

• Medições de hum incluem todos os componentes < 1 kHz.

•Hum é medido em % ou dB, como estabelecido durante a


configuração.

CUIDADO! Unidades não podem ser mudadas depois que


o teste automático foi completado!

Edite limites
Use a opção Edit Limits do menu CHANNEL PLAN para
estabelecer padrões a serem incorporados no teste automático.
Enquanto as medições do Teste Automático estão em
andamento, o programa compara valores medidos aos limites que
você estabeleceu para Nível de Vídeo, Valores de Nível Delta e
Nível de Variação de no máx 24 horas.

A partir do menu CHANNEL PLAN mostrado na Fig. 3-2,


vá para o item Edit Limits e pressione a tecla programável
Continue. A tela Edit Limits mostrada na figura 3-13 aparece.

61
Fig. 3-13 A tela Edit Limits

Use as teclas direcionais para cima e para baixo para selecionar


o limite ser editado.

Use a tecla programável Enter, então use o teclado


numérico ou as teclas direcionais para cima e para baixo para
fazer um registro. Quando você tem que fazer um ajuste,
pressione a tecla programável Enter novamente para salvar a
configuração e atualizar o display.

AVISO: Você pode usar a tecla programável do ícone


Factory (Fábrica) no canto superior direito da tela para
ajustar automaticamente os valores padrões recomendados
pela FCC (US).

AVISO: Você não pode usar o ícone Factory para ajustar os


valores recomendados pela FCC quando estiver
configurando Digital Limits (limites digitais).

Edite Digital Limits (Limites Digitais)


A opção Edit Digital Limits no menu CHANNEL PLAN aparece
apenas se a sua unidade SDA estiver equipada com a opção
QAM (OPT4). Os parâmetros que você configurar aqui são
comparados às medições exibidas na tela

62
Summary (Súmario) e Digital Detail (Detalhe digital) do modo
QAM.

Veja também

¾ Capítulo 9, Análise Digital (Visão QAM OPT4), relata


estes modos em detalhes.

A partir do menu CHANNEL PLAN mostrado na Fig. 3-2,


vá para o item Edit Digital Limits e pressione a tecla programável
Continue. A tela mostrará a Fig. 3-14 EDIT DIGITAL LIMITS
(Edite Limites Digitais) aparece.

Fig. 3-14 A tela Edit Digital Limits

Use as teclas direcionais para cima e para baixo para selecionar


o limite a ser editado.

Use a tecla programável Enter, então use o teclado


numérico ou as teclas direcionais para cima e para baixo para
fazer um registro. Quando você tem que fazer um ajuste,
pressione a tecla programável Enter novamente para salvar a
configuração e atualizar o display.

63
AVISO: Você pode usar a tecla programável do ícone
Factory (Fábrica) no canto superior à direita da tela para
ajustar todas as medições nesta tela para os valores padrão
recomendados de fábrica.

Copy Remote Plan (Cópia da Disposição Remota)

Esta seleção permite que você copie uma disposição de canal de


um medidor para outro.
Confirme se cada configuração de baud da unidade é a mesma.
Apesar de o padrão ser 9600, A JDSU recomenda um baud de
19.2k para copiar disposições. Depois conecte o cabo entre as
portas seriais de dois medidores (Este é um cabo especial da
JDSU)
No menu CHANNEL PLAN, vá para o item Copy Remote Plan e
pressione a tecla programável Enter próxima a Edit box. A lista de
disposições localizada na memória do medidor remoto aparece
na tela.
Selecione a disposição que você quer copiar e pressione a tecla
programável Copy.
Então a disposição selecionada é transferida do medidor e
armazenada no medidor que você estiver operando.
Se houver um problema com a transferência, a tela notifica você.

64
Capítulo 4

Varredura de Campo com o SDA-5000

INTRODUÇÃO
Este capítulo explica as funções da unidade de campo SDA.
Primeiro será apresentado a você a compensação de ponto de
teste. Em seguida, você aprenderá como configurar a unidade de
campo para compensar as perdas de ponto de teste e como
calcular essas perdas. Como configurar o seu receptor para
varredura é abrangido em seguida, depois que você aprender
como conectar o SDA-5000 ao ponto de teste e como realizar
varreduras avançada e reversa no campo. Finalmente, Varredura
Permanente e Varredura de retorno serão discutidas.

Veja também
¾ O Capítulo 14 “Configuração de Varredura SDA-
5000/SDA-5510” discute o processo de varredura em
detalhes, assim como, provê informações sobre como
as unidades de campo e cabeceira funcionam juntas
para varrer o sistema.
Ao alinhar um cabo de rede, os níveis importantes, aqueles nos
quais você deve prestar atenção, são os níveis de sistema dentro
do cabo coaxial e dos amplificadores. Entretanto, para realizar
testes sem cortar o serviço, é necessário usar pontos de teste.
Pontos de teste são portas que obtêm sinal suficiente para
monitoramento, mas deixam a maioria do sinal no sistema, onde
é necessário. Pontos de teste típicos têm 20-30dB de perda entre
o sinal sendo medido e a saída da porta.
Além disso, é necessário, às vezes, injetar ou ler sinais em locais,
além do ponto de interesse exato. Se o sinal estiver para ser
injetado em um amplificador de retorno, geralmente existem

65
algumas perdas internas do amplificador entre o ponto de teste e
a entrada atual do amplificador. Também é necessário às vezes,
o uso de peças externas de hardware para combinar ou separar
sinais do medidor de campo antes de você conectar-se ao
sistema que está sendo testado.
A compensação de ponto de teste considera estes fatores e
permite que o medidor exiba níveis de sistema reais, apesar do
hardware entre o sistema e o medidor poder afetar o que o
medidor realmente vê. Por exemplo, se o ponto de teste
avançado fosse 30dB mais baixo que a linha do cabo coaxial, que
o ponto de teste explorou, as leituras normais do medidor seriam
30dB abaixo dos níveis de sistema. Usando compensação de
pontos de teste, você pode cancelar este efeito. Ainda que este
simples exemplo fosse fácil de entender, configurações mais
complexas podem ser muito mais desafiadoras. A compensação
do medidor de ponto de teste pode ajudar você a interpretar
corretamente os resultados do medidor, com resultados precisos.

Configuração da Compensação de Ponto de Teste


AVISO: A Configuração da Compensação de ponto de teste
foi significativamente mudada e melhorada graças a
implementações anteriores. Os novos displays gráficos para
compensação de ponto de teste avançado e de retorno
oferecem um rápido e simplificado esquema da
compensação de ponto de teste que você deve fazer e
onde as perdas do ponto de teste são geradas. Esta
informação propõe ajudar você a ver melhor a relação entre
várias entradas e a registrar corretamente os dados de cada
local de perda do ponto de teste.
A compensação do ponto de teste permite que o SDA- 5000
mostre os níveis reais na rede de cabos, apesar de existirem
algumas perdas entre o medidor e as linhas da rede. O SDA-5000
leva em conta ajustes separados de perdas de ponto de teste
avançado e de retorno. Os passos seguintes mostram a você
como configurar o SDA-5000 para compensação de ponto de
teste.

66
1. 1.Para ajustar e rever estes níveis, pressione a tecla
7stu para ver a tela FWD COMPENSATION Mostrada
Na fig. 4-1 (Você também pode usar a interface
TESTPOINT do Navegador para chegar na tela FWD
COMPENSATION.)

Use a tecla programável à direita no alto


para alternar entre os displays de ponto de teste
avançado e de retorno.

Use a tecla programável para retornar para


a tela.

Use a tecla programável à direita em baixo


para registrar o valor atual que está no Edit Box
para a tabela de perda do ponto de teste.

2. O display do ponto de teste avançado tem duas


entradas:
• O item superior leva em conta pads externos, redes de
acoplamento ou qualquer amplificador que você venha
a usar. È importante lembrar que um pad tem um valor
positivo (perda) enquanto um amplificador tem valor
negativo.
• Você deve registrar a perda do ponto de teste do
amplificador na segunda linha (PROBE). Tipicamente
é 20,25 ou 30 dB. Valores positivos representam
perda e são a norma. Um valor negativo representa
um amplificador.

Fig. 4-3 mostra um ponto de teste de 20 dB e um divisor externo


que produz 3.5dB de perda adicional.

67
Fig. 4-1 A tela FWD COMPENSATION

O display do ponto de teste de retorno contém mais ajustes e


informações (veja fig.4-2 4-2).
As teclas programáveis para esta tecla têm a mesma função que
as da tela FWD COMPENSATION, com a adição de uma tecla
programável de informação.

Pressione a tecla programável para exibir a tela TESTPOINT


INFO (informação de ponto de teste) mostrada na figura 4-4. Esta
tela oferece informação para telemetria e varredura sobre níveis de
saída de transmissão, perdas totais, níveis reais e desejados e o
delta entre eles.

1. Para calcular precisamente a perda do ponto de teste de


retorno é útil ter um diagrama em blocos do amplificador a
ser ajustado. Quando você está balanceando entradas
constantes para a híbrida, a entrada Internal (Interna)
representa as perdas internas do ponto de injeção para a
híbrida. Estas perdas (A caixa de entrada no alto do
display) surgem de vários divisores, diplexadores e assim
por diante, no amplificador entre o ponto de injeção e a
entrada do amplificador. Ponto de teste ou sensor, perda

68
(a terceira caixa de entrada a partir do alto no display) é o
valor DC do ponto de teste.

Fig. 4-2 A tela REV COMPENSATION

CUIDADO! Pontos de teste resistivos não devem ser


usados para Varredura reversa. Você pode obter resultados
imprecisos devido à presença de ondas estacionárias.

Perdas externas representam os componentes usados para


conectar o Ponto de teste. Para estes valores, números positivos
representam perdas, o que é a norma. Valores negativos
representam ganho (um evento bastante raro). Este valor é
registrado na segunda caixa a partir do alto no display.
Adicione todas as perdas dos pontos de teste para conseguir um
total.
Como um exemplo, considere o amplificador mostrado na Fig. 4-
3:

69
Fig. 4-3 Valores de Compensação do Ponto de Teste

Medido nos pontos de teste disponíveis na saída do amplificador,


o ponto de teste avançado é 20 dB. Se você está balanceando
entradas constantes para a híbrida, a perda do ponto de teste de
retorno é 20dB para o ponto de teste, mais 1.0 dB para um
diplexador, mais 3.5dB para um divisor, mais o valor de pad na
entrada para o amplificador de retorno (por exemplo, suponha
3dB). Isto seria registrado como 20dB de perda de ponto de teste
e 7.5dB de perdas “internas”.
Este valor seria registrado na caixa de dados do topo no display.
Nesta configuração, um divisor seria necessário para combinar as
duas portas de saída do SDA-5000. Isto seria registrado como
uma perda de 3.5dB na entrada externa para a compensação de
ponto de teste avançado e de retorno.

2. A geração de telemetria e varredura e os níveis de injeção


são exibidos na tela TESTPOINT INFO (ver Fig. 4-4). Os
níveis gerados são calculados baseados na configuração
de níveis de sistema desejada no menu principal de
configuração SWEEP (varredura) (Veja Configuração de
varredura” na página 64) e os pontos de testes registrados
aqui. O nível de telemetria é calculado exatamente para

70
uma freqüência e nível específicos. Este valor pode ser
usado com o display de cabeceira para realizar
alinhamento de nível absoluto, então, é calculado para
uma resolução de 0.1dB

Fig. 4-4 Geração de Telemetria e Varredura e Níveis de Injeção


O nível de injeção de varredura é um valor nominal que não é
corrigido para calibração de transmissor porque mais de uma
freqüência é usada para os pulsos. Por essa razão, é exibido
apenas perto de 2dB.
Quando a compensação do ponto de teste muda, o nível de saída
do transmissor muda automaticamente para manter o mesmo
nível do sistema dos pulsos injetados. Por exemplo, se os valores
do ponto de teste na fig. 4-3 mudassem para 25dB, os níveis de
saída transmitidos mudariam para aproximadamente 47dBmV
para manter os níveis do sistema próximos ao mesmo.

CONFIGURAÇÃO DO RECEPTOR DE VARREDURA


Esta seção abrange a configuração para varredura e apresenta
detalhes sobre o uso de vários controles e indicadores fornecidos
pelo SDA-5000 para melhorar sua eficiência.

71
Configuração de Varredura
O menu SWEEP (Varredura) do menu principal CONFIGURE
habilita você a estabelecer os parâmetros operacionais que você
quer para uma aplicação específica de varredura (veja Fig. 4-5).
O primeiro menu na tela oferece as opções e escolhas
disponíveis no Stealth, Stealth (compatível com SDA), Transmit,
Transmit (compatível com SDA), de retorno ou nos modos
permanentes. O número de opções disponíveis para você muda
dependendo do modo de varredura que você seleciona. A Tabela
4-1, “Sweep Options” (opções de varredura) lista suas escolhas.

A Caixa Edit é
usada para
entrada e modo de
dados e seleção
de opção.

Fig. 4-5 O menu SWEEP (modo Stealth)

AVISO: Quando o modo Sweep SDA é selecionado, a


freqüência de telemetria (3ST) e a freqüência de telemetria
avançada (3HRV) tornam-se freqüência de telemetria
avançada (5500) e freqüência de telemetria avançada
(5510) para lembrar que você deve usar o equipamento
SDA tanto na cabeceira quanto no campo para usar o modo
de varredura SDA.

AVISO: O modo SDA de varredura é a configuração


padrão.

72
Tabela 4-1 Opções de Varredura
Stealth Stealth Transmit Transmit De retorno
(Compatível (OPT2) (COMPATÍVEL (OPT2)
com SDA) com SDA)
(OPT2)
Modo de Modo de Modo de Modo de Modo de Modo de
Varredura Varredura Varredura Varredura Varredura Varredura
Limite Limite Freqüência Freqüência de Mostrar Limite
Variável de Variável de de Telemetria MarcadoresVariável
Varredura Varredura Telemetria Avançada Horizontais
de
Avançada Varredura
Mostrar Mostrar Nível de Nível de Inserção Rede Mostrar
Marcadores Marcadores Inserção de de Varredura Sobreposta Marcadore
Horizontais Horizontais Varredura Avançada de Arquivo s
Avançada de Horizontai
Varredura s
Freqüência Freqüência de Nível de Nível de Nível de Incluir
de Telemetria Telemetria Telemetria Inserção de Portadora
Telemetria Avançada Avançada Avançada Varredura s de Áudio
Avançada (5500)
(3ST)
Freqüência Freqüência de Incluir Incluir Portadoras Disposição Rede
de Telemetria Portadoras de Áudio de Sobrepost
Telemetria Avançada de Áudio Varredura a de
Avançada (5510) de retorno Arquivo de
(3HRV) Varredura
Operação Operação de Varredura Varredura
de Varredura Reversa Reversa Ativada
Varredura Reversa Ativada
Reversa
Direção da Direção da Visualização Visualização de
Varredura Varredura de Entrada Entrada da
da Cabeceira Cabeceira
Ativada Ativada
Níveis Níveis Níveis Níveis Telemetria
Reversos Reversos Telemetria Reversa
Reversa
Rede Rede Disposição Disposição de
Sobreposta Sobreposta de Varredura Varredura
de Arquivo de Arquivo de Reversa Reversa
de Varredura
Varredura

Opcionais do menu SWEEP

73
• Modo de Varredura: Use as teclas direcionais para cima
e para baixo para selecionar Stealth, Stealth (compatível
com), Transmit, Transmit (compatível com SDA), de
retorno ou Permanente. Tabela 4-1 lista a gama de
escolhas em cada modo para cada uma das opções SDA.
• Variáveis de Limite de Varredura: A Variável do Limite
de Varredura é x em resposta a expressão plana (n/10 +
x) usada durante medição de varredura para comparar a
resposta do sistema à fórmula. x é ajustável de 0.0 a 5.0
(O padrão é 1.0). Use as teclas direcionais para cima e
para baixo ou o teclado numérico para registrar um valor.
• Mostre Marcadores Horizontais: Os marcadores
horizontais rastreiam continuamente valores máximos e
mínimos na área do gráfico entre os marcadores verticais
(Veja Fig. 4-9). Use as teclas direcionais para cima e para
baixo para exibir os marcadores.
• Freqüência de Telemetria de Entrada: Use as teclas
direcionais para cima e para baixo ou o teclado numérico
para registrar a freqüência de telemetria de entrada
correspondente ao SDA-5000.

AVISO: Para operar o modo Stealth com sucesso, a


freqüência de telemetria SDA- 5000 deve igualar-se à
configuração da freqüência da telemetria de transmissão do
transmissor.

CUIDADO! Não coloque o sinal de telemetria muito próximo


ao de freqüência de corte do filtro diplex. Roll-off pode
atenuar o sinal da telemetria a um grau em que a
comunicação falhará. Este mesmo cuidado aplica-se ao
colocar-se o sinal na região roll-off
.
• Freqüência de Telemetria de entrada: Use as teclas
direcionais para cima e para baixo ou o teclado numérico
para registrar a freqüência de telemetria de entrada
correspondente ao SDA-5000.

74
AVISO: Para uma operação de sucesso, a freqüência de
telemetria do SDA-5000 deve igualar-se à configuração de
freqüência de telemetria do SDA-5510.

CUIDADO! Para prevenir que a varredura reversa do SDA-


5510 se iguale a SDA-5500 desabilite a varredura reversa e
as características do ruído de retorno do SDA-5500. Isto irá
acelerar a varredura avançada do SDA-5500. Certifique-se
também de que as freqüências de telemetria das unidades
de cabeceira são diferentes.

• Nível de Inserção de Varredura Avançada (compatível


somente com modos Transmit e DAS Transmit
(OPT2)): Este é o nível no qual a inserção dos pontos de
varredura serão inseridos; 40 ou 50 dB no máximo.
Pontos de Varredura devem ser 14-16 dB abaixo do nível
de referência de vídeo. Pontos de Varredura caem na
freqüência de vídeo e/ou áudio de canais não usados
automaticamente, mas podem ser mudados.
• Nível de telemetria de retorno (somente modos
Transmit e TRansit compatível com SDA (OPT2)):
Esta configuração determina o nível de sinal de telemetria
(FSK). Isto deve ser configurado com 10 dB abaixo do
nível de referência de vídeo. O nível de telemetria é
ajustável de 20-50 dBmV com incrementos de 2dB. O
máximo é 50 dBmV entretanto algumas unidades antigas
podem ter o máximo de 40 dBmV.
• Varredura de Retorno Ativa (somente modos Transmit
e TRansit compatível com SDA (OPT2)): Esta
configuração permite que a varredura reversa opere em
um transmissor. Se estiver desativado, a varredura
avançada será mais rápida, mas a varredura reversa
estará inoperante.
• Visualização de entrada de cabeceira ativa (somente
modos Transmit e Transmit compatível com SDA
(OPT2)): Quando ativada, esta configuração permite que
ruído de retorno seja transmitido na telemetria de entrada.

75
Se estiver desativado, a varredura avançada será mais
rápida.
• Operação de Varredura Reversa (somente modos
Stealth e Stealth compatível com SDA): Selecione
usuário único para operações reversas associadas com o
SDA-5500, Selecione múltiplos usuários para operações
reversas associadas com o SDA-5510.
• Direção de Varredura (somente modos Stealth e
Stealth compatível com SDA): Existem duas possíveis
direções de varredura nas unidades de campo SDA-5000
com a opção de varredura reversa: avançada e reversa.
Use a Edit Box (caixa de seleção) para selecionar a
direção desejada e então, pressione a tecla Enter.

AVISO: Quando varrendo, você pode mudar a direção


simplesmente ao pressionar a tecla direcional esquerda
para varredura reversa ou a tecla direcional direita para
varredura avançada.

• Nível de telemetria de retorno (somente modos


Transmit e Transit compatível com SDA (OPT2)): O
nível de telemetria de retorno é o nível da portadora que o
SDA-5000 usa para transmitir dados de telemetria. Use a
Edit Box (caixa de seleção) para configurar o Nível de
Telemetria de Retorno a um valor apropriado. Quando
ajustar o nível de telemetria de retorno configure o nível
de acordo com o nível de inserção desejado depois da
perda. O valor usado inclui compensação do ponto de
teste.
• Níveis de retorno: Esta opção leva você à tela REV
COMPENSATION. Nesta tela, você pode configurar as
perdas de ponto de teste, a telemetria reversa e os níveis
de inserção de varredura reversa.
• O nível de telemetria de retorno é o nível da portadora
que o SDA-5000 usa para transmitir os dados de
telemetria. Use a Edit Box para configurar o nível de
Telemetria de Retorno a um valor apropriado. Ao
ajustar o nível de Telemetria de retorno, selecione o

76
nível para o nível de inserção desejado depois da
perda. O valor usado inclui compensação do ponto de
teste.

AVISO: A freqüência da portadora de telemetria de retorno


é configurado na unidade de cabeceira. Não há
configuração de Freqüência de Telemetria de Retorno
disponível na unidade de campo.

• O nível de inserção de varredura reversa é o nível no


qual a unidade insere (transmite) pontos de varredura
Todos os pontos de varredura são inseridos no
mesmo nível. Use a Edit Box para configurar o nível
de Inserção da Varredura Reversa a um valor
apropriado. (Tipicamente um valor de um máximo de
+50 dBmV para superar a perda de ponto de teste,
não incluindo a configuração da compensação de
ponto de teste.)

AVISO: A disposição de varredura reversa, a qual está


configurada na unidade de cabeceira, define as freqüências
nas quais os pontos de varredura são inseridos. As
freqüências do ponto de varredura não podem ser ajustadas
na unidade de campo.

• Disposição da Varredura reversa (somente modos


Transmit e TRansit compatível com SDA (OPT2)):
Disposição de varredura reversa é estabelecida e editada
para direção do fluxo de subida. A disposição de canal de
retorno deve ser configurada no transmissor. Será
comunicado automaticamente à unidade de campo via
telemetria de entrada
• Sobreposição de Arquivos de Varredura: Sobreposição
de arquivos de varredura permite que você visualize a
resposta de varredura simultaneamente a uma resposta
de varredura “em tempo real” para comparação direta. A
opção sobreposição de arquivos de varredura deve estar
ativa para a visualização de ambos os traços

77
simultaneamente. Com esta opção desativada, arquivos
armazenados são exibidos para visualização normal sem
resposta em tempo real sobreposta. Se a opção
sobreposição de arquivos de varredura é ativada, a
resposta em tempo real é sobreposta à resposta
armazenada durante a visualização. Use as teclas
direcionais para cima e para baixo para ativar a opção.
• Incluir Portadoras de Áudio (somente modos Transmit
(OPT2) e permanente): Esta seleção permite que a
portadora de áudio seja excluída, resultando em uma
varredura mais rápida. Use as teclas direcionais para cima
e para baixo para incluir (Yes) ou excluir (No) portadoras
de áudio.
• Nível de Inserção de Varredura (apenas modo
varredura de retorno (OPT2)): Este é o nível transmitido
para cada ponto de varredura de retorno. O valor
registrado aqui é determinado pelas unidades de nível de
sinal especificadas na tela de configuração
MEASUREMENT (medição) (Veja “configuração de
medição” no capítulo 2, página 25). Este nível é ajustável
de 20dBmV a 50 dBmV com um de 2; o padrão é 20
dBmV.
• Disposição de Varredura de Retorno (somente modo
de retorno (OPT2)): Esta seleção permite que você crie e
edite a disposição de varredura de retorno.

CONSIDERAÇÕES SOBRE VARREDURA NO


CAMPO
A função Varredura tem quatro modos de operação, Stealth,
Transmit, de Retorno e Permanente. O modo de varredura atual
indicado no canto superior direito da tela (Veja Fig. 4-9). O modo
Stealth permite inserção de pontos de varredura a serem
injetados nas áreas de espectro vagas. O modo Loopback (De
Retorno ) permite que você execute uma resposta bruta da
freqüência, ganho e teste de perda em dispositivos ativos ou
passivos no campo. O modo permanente apenas mede as
portadoras de sistema efetivas. Qualquer portadora de sistema

78
pode ser usada como ponto de dados, até mesmo portadoras
digitais e aleatórias. Em qualquer modo, uma resposta
previamente armazenada pode ser usada como referência para a
medição atual. Referências de varredura são mantidas no menu
de configuração de arquivo (Veja “Referências de Varredura”
Capítulo 11, página 201).O modo Transmit opera como o modo
Scan (Escaneamento) com estas exceções: telemetria de
varredura é transmitida, pontos de varredura são injetados e
níveis de ponto de varredura são exibidos (Veja “Medições de
Escaneamento” no capítulo 6, pág. 115).

Conectando o SDA-5000 ao Ponto de Teste.


Esta seção abrange assuntos relacionados ao nível de sinal e
mostra como interagir diferentes arquiteturas de rede.

Considerações sobre Nível de Sinal


Em pontos de teste de amplificador, as mesmas regras básicas
de conexão e sinal aplicam-se para o SDA-5000, assim como,
para a unidade de cabeceira. Muito nível de sinal na entrada da
unidade pode causar leituras de varredura inconsistentes. O nível
de Telemetria de Entrada deve ser de 0dBmV±12dB na entrada
do SDA-5000. Este pode ser verificado, checando-se o display da
unidade no canto direito embaixo enquanto realiza a varredura
avançada. (Veja “Operação de Varredura avançada” na pág. 75).
Se o nível de telemetria for muito alto, adicionar atenuadores in-
line ou pads na entrada da unidade é uma maneira rápida de
reduzir o nível de sinal.

Veja também
¾ Capítulo 14, “Considerações sobre Varredura do SDA-
5500/SDA-5510” discute nível de conexão e sinal para
unidades de cabeceira.

Se ambas as unidades, SDA-5500 e SDA-5510 estão em


funcionamento, as freqüências de telemetria para as unidades de

79
cabeceira e campo devem ser registradas durante a configuração
das unidades de campo.

AVISO: As unidades de campo devem ser configuradas


para o modo usuário múltiplo (se você estiver usando o
SDA-5510), mesmo que apenas uma pessoa do máximo de
dez estiver fazendo a varredura.

Fios e níveis: Varredura Avançada


Apenas um cabo é necessário para teste de varredura avançada.
Simplesmente conecte um ponto de teste na saída do
amplificador que será alinhado ou testado na porta IN da unidade
de campo SDA. Se as portadoras de vídeo no sinal estão acima
de +20dBmV no sinal depois da perda de ponto de teste, então
você deve usar um pad em linha para diminuir o nível, a não
mais que um nível de +10dBmV. (Tipicamente este será o caso
somente quando conexões diretas com uma saída de
amplificador são usadas).

AVISO: Lembre-se, como mencionado antes, muito nível de


sinal na entrada pode causar leituras de varredura
inconsistentes.

O nível de telemetria avançada deve ser de 0dBmV ± 12dB na


entrada da unidade de campo SDA. Isto pode ser verificado,
checando-se o display da unidade no canto direito embaixo
enquanto é feita a varredura avançada. Pads em linha oferecem
um caminho rápido para reduzir o nível de sinal na entrada.

Fios e níveis: Varredura Reversa (SDA-5000 OPT1)


Você pode usar vários métodos de conexão para varredura
reversa, dependendo dos métodos de engenharia do sistema e
equipamento.

• Redes de Banda Dividida: A maioria das redes é de


banda dividida onde uma configuração de freqüência é

80
usada para sinais de entrada (tipicamente as freqüências
mais altas acima de 50-80MHz) e outra configuração é
usada para sinais de varredura inversa (Tipicamente as
freqüências mais baixas de 5MHz para abaixo do início
dos sinais de caminho de entrada à 30-65MHz) Estes
sinais são combinados no mesma parte de cabo coaxial e
amplificadores especiais aumentam bandas selecionadas
em diferentes direções. Em um sistema de banda dividida,
o método mais confiável e preciso é usar pontos de testes,
um para sinais de caminho de entrada (para receber o
sinal de telemetria da varredura) e um segundo para
injeção de sinal de caminho reverso. Um exemplo dessa
conexão é mostrado na Fig. 4-6.

Fig. 4-6 SDA-5000 Conectado em uma Rede com dois Pontos de


Teste

Quando dois pontos de teste separados não estão disponíveis,


você pode usar um divisor ou um filtro diplex para combinar as

81
duas portas de unidade de campo SDA e conectá-las a um único
ponto. Um exemplo dessa conexão é mostrado na Fig. 4-7.
È importante usar ponto de teste direcional de algum tipo para
injeção de varredura reversa. Ondas estacionárias falsas e
imprecisões de nível podem ser resultado da tentativa de
varredura com pontos de teste de retorno resistentes. Este não
é um problema do sistema de varredura, mas um artefato do tipo
de ponto de teste usado e desadaptação de impedância na rede.
Se a portadora de vídeo no ponto de teste de entrada estiver
acima de +20dBmV então use pad para diminuir os níveis.
(Tipicamente este será o caso somente em que há conexões
diretas a uma saída de amplificador).

Fig. 4-7 SDA-5000 Conectado em uma Rede com um Ponto de


Teste bidirecionais

Redes de cabo Dual: Redes de cabo Dual são um segundo tipo


de rede de entrada de retorno. Apesar desta ser uma
configuração menos comum, também pode ser varrida em duas
direções.

82
Duas peças separadas de cabo coaxial são passadas para todos
os pontos na rede. Um é usado para sinais de caminho de
entrada, o outro para sinais de caminho inverso. Este tipo de rede
é mais cara de estabelecer, mas oferece mais largura de banda
de retorno.
Dois cabos podem ser usados para varrer este tipo de sistema
em ambas direções com a mesma configuração. Um exemplo de
configuração é mostrado na Fig. 4-8.

Fig. 4-8 Configuração de Teste de Rede de Cabo Dual

A mesma informação sobre níveis e pontos de teste direcionais


aplica-se à rede de cabo dual, assim como para rede de banda
dividida.

Configuração de Varredura
Antes de você tentar uma varredura no campo, configure e
verifique as configurações descritas nesta seção.
Acione o menu CONFIGURE (use o Navegador ou a tecla
configure (Function e 3 ghi) no teclado) e selecione SWEEP na
lista.

83
No menu SWEEP , use as teclas seta para selecionar o modo
Stealth se não estiver já selecionado. (Stealth aparecerá na Edit
Box quando selecionado).
Freqüência de Telemetria de Entrada: Use as teclas direcionais
para cima e para baixo ou o teclado numérico para registrar a
freqüência de telemetria de entrada correspondente à unidade de
cabeceira.
Se você usar varredura reversa (SDA-5000 OPT1), você precisa
configurar as seguintes configurações adicionais:

Operação de Varredura Reversa:

• Selecione Único Usuário para operar com um SDA-5000.


• Selecione Múltiplos Usuários para operar com um SDA-
5000.

Nível de Telemetria de Retorno:


Este deve ser calculado pelo engenheiro do sistema e
configurado antes que você inicie o teste de varredura. Este valor
é o nível de sistema para os sinais de telemetria depois das
perdas de conexão do ponto de teste. Compensação do ponto de
teste de retorno pode ser usada para criar os níveis corretos de
entrada para vários amplificadores e pontos de teste.

Nível de Inserção de Varredura Reversa


Este deve ser calculado pelo engenheiro do sistema e
configurado antes que você comece o teste de varredura. É
exigido nível de entrada para o amplificador para sinais de
varredura reversa. Geralmente, os níveis de telemetria de retorno
e varredura reversa serão os mesmos. Compensação do ponto
de teste de retorno pode ser usada para criar os corretos níveis
de entrada para vários amplificadores e pontos de teste.

84
Veja também
¾ “Níveis de Injeção de Retorno” (pág. 83) e
“Configuração de Compensação de Ponto de Teste”
(pág. 60) fornece mais informações.

AVISO: A informação nas seções seguintes


relacionadas à operação de varredura são válidas para
Stealth e varredura Stealth compatível com SDA.
Entretanto, Lembre-se de que para a varredura Stealth
compatível com SDA funcionar, você deve usar
equipamento SDA na cabeceira (SDA-5500 e/ou SDA-
5510) e no campo (SDA-5000).

Operação de Varredura Avançada


Você pode chegar à tela SWEEP (Veja fig. 4-9) através do
NAVIGATOR ou pressionando a tecla modo de medição SWEEP
na parte inferior direita da tela.
Esta tela oferece as seguintes informações (números
correspondem às referências das figures):
1. A barra clara acima de REF no topo do gráfico
piscando com cada traço renovado.
2. O nível de referência em dB aparece à esquerda no
alto do gráfico.
3. A escala em dB/div aparece próxima ao nível de
referência no meio, no alto do gráfico.
4. O canto superior direito identifica o tipo de varredura:
FWD ou REV; STEALTH, SDA STEALTH ou
SWEEPLESS (permanente).
5. Marcadores horizontais circundam a deflexão vertical
mím/máx do traço de varredura. Você pode escolher
exibi-los a partir do menu SWEEP (Veja “Opcionais do
menu SWEEP” na página 67).

85
6. Você pode mover os marcadores verticais com setas
ao longo ambos os lados ou você pode ativar o
marcador e o tipo na freqüência então pressione Enter.
7. O título da referência de varredura em andamento está
no canto direito inferior. Se não houver referência em
andamento esta entrada não lê nada.
8. -9. Os números nas linhas A e B são posições de
freqüência de dois marcadores verticais, seguidos
pelos seus níveis em dB e pela diferença entre estes
níveis.

Ícones de tecla Programável:


10. Chama o submenu LEVEL
11. Chama o submenu FREQ
12. Chama o submenu LIMIT
13. Chama o submenu TILT

Fig. 4-9 A tela SWEEP

AVISO: A maioria dos displays nesta seção usa estes


mesmos ícones e submenus. O texto explica como usar os
novos quando estes aparecem.

86
O apêndice C contém uma lista dos ícones citados ao longo
deste manual.

Telas de varredura avançada


As próximas quatro figuras e suas descrições mostram como fazer
máximo uso das características da varredura avançada que o seu
SDA-5000 proporciona. As telas abrangidas são Frequency
(Freqüência), Level (nível), Limit (limite) e Tilt (Distorção).

Tela Frequency (freqüência)


Você configura os limites de freqüência da varredura na tela
mostrada na Fig. 4-9 4-10.

Chame a tela frequency a partir da tela SWEEP (Fig. 4- 4-9)


pressionando a tecla programável no canto inferior esquerdo.

Quando o ícone Start Frequency (início da freqüência),


localizado embaixo, se destacar, configure o limite de
freqüência mais baixo. Pressione a tecla Enter para começar
então use as teclas direcionais para cima e para baixo ou o
teclado numérico para registrar a freqüência e então,
pressione Enter novamente.

AVISO: Registrar um valor fora da disposição de varredura


feita no SDA-5000 causará o início ou parada das
freqüências usadas automaticamente pelo início ou parada
de freqüência da disposição de canais.

87
Fig. 4-10 A tela SWEEP Frequency (Freqüência de varredura)

Quando o ícone Stop Frequency (parar freqüência) se


destacar, configure o limite de freqüência superior. Pressione
a tecla Enter para começar, então use as teclas direcionais
para cima e para baixo ou o teclado numérico para registrar a
freqüência e então, pressione Enter novamente.

Você pode retornar os valores anteriormente


configurados com o ícone no canto inferior direito do display.
Quando você terminar, pressione a tecla programável
próxima ao ícone de submenu de freqüência no lado
esquerdo do display para retornar à tela SWEEP.
Antes de você armazenar a varredura de referência, você deve
esperar por traços suficientes para acumular e verificar uma
varredura estável. Neste momento, o ícone (acima e à esquerda
do 0dB no alto da tela na Fig. 4-10) irá desaparecer. A unidade
desenvolveu então, dados estáveis para usar.

Tela Level (Nível)


Você pode configurar níveis da tela mostrada na Fig. 4-11 ou
você pode usar as teclas direcionais.

88
Chame a tela level (nível) a partir da tela SWEEP (Fig.
4-9), pressionando a tecla programável acima do ícone do
submenu frequency.

Pressione a tecla programável próxima ao ícone


Reference level (nível de referência) no lado direito do display
para ajuste manual de nível de referência. Use as teclas
direcionais para cima e para baixo ou o teclado numérico para
registrar o nível e então, pressione Enter. Repare nas
mudanças no gráfico conforme você ajusta os valores.

Pressione a tecla programável Autoscale para fazer a


referência automática do nível. Isto configura
automaticamente a escala a um nível conveniente para ótima
visualização no centro da tela.

Pressione a tecla programável Scale para ajustar a


escala do gráfico. Use as teclas direcionais para cima e para
baixo para mover-se pelos valores disponíveis (1, 2, 5 e 10
dB/div) Tipicamente este valor deve ser configurado a 2
dB/div para exibição adequada de varredura. Repare no que
acontece no display conforme você muda o fator de escala. A
mudança começa no centro da tela.
Pressione o ícone do submenu Level para retornar a
tela principal SWEEP.

Fig. 4-11 A tela nível de SWEEP

89
Tela limit (limite)
A tela mostrada na Fig. 4-12 é onde você configura o valor para n
na equação n/10+x e configure o limite em dB.

AVISO: você configura o x em n/10+x a partir do menu


principal SWEEP na opção variável de limite de varredura.
(Veja “opções do menu SWEEP” na pág. 67)

Chame a tela limit a partir da tela SWEEP (Fig. 4-9),


pressionando a tecla programável no alto, do lado direito da
tela.

Pressione a tecla programável próxima ao ícone


Amplifier Number (número de amplificador). Use as teclas
direcionais para cima e para baixo para fazer ajustes.

Use o ícone Limit set para manualmente editar o


número limite em +/- dB; ajuste com teclas direcionais para
cima e para baixo.

AVISO: No Modo Loopback (de retorno), os ícones


Amplifier e Limit Set não aparecem.

AVISO: Não deve haver necessidade de editar o número


limite porque a unidade calcula o valor automaticamente.

90
Fig. 4-12 A tela SWEEP limit

Pressione o ícone Enable/Disable para ligar e desligar


o limite. Aviso LIMIT box imediatamente à esquerda do ícone
LIMIT abaixo do canto direito inferior do gráfico.
Quando você terminar aqui, use o ícone Submenu Limit
para retornar à tela principal SWEEP.

AVISO: Repare o Limit box na parte inferior direita do


gráfico próximo ao ícone do Submenu Limit. Uma marca de
“visto” significa sucesso e um X significa falha.

Tela Tilt (Distorção)


A tela Tilt (mostrada na Fig. 4-13) é usada para configurar valores
de distorção para a varredura.

AVISO: Isto funciona apenas se, pelo menos, 2 canais de


distorção foram programados dentro da disposição.

Chame a tela Tilt a partir da tela SWEEP (Fig. 4-9),


pressionando a tecla programável em baixo, do lado direito da
tela.

91
Use o ícone enable/disable (Ativar/Desativar) para ligar
e desligar a compensação de distorção e configurar o valor de
compensação de distorção. Registra valores usando as teclas
direcionais para cima e para baixo ou o teclado alfanumérico;
pressione a tecla Enter quando você terminar. (Insira valores
positivo para um delta negativo e valores negativos para um
delta positivo)
Pressione a tecla programável do submenu Tilt para
retornar ao menu principal SWEEP.

A compensação
de distorção é
exibida aqui

Fig. 4-13 A tela SWEEP Tilt (distorção de varredura)

Operação de Varredura Reversa (SDA-5000 OPT1)


A varredura do caminho inverso é um pouco diferente da
varredura de caminho de entrada. Como o sistema é designado
com espaço apropriado para a alta gama de freqüência de
entrada, o caminho inverso pode não requerer amplificação a
cada estação. As freqüências baixas não são atenuadas em cabo
tanto quanto as freqüências mais altas. Na varredura do caminho
de entrada, o amplificador é alinhado de maneira que sua saída
esteja dentro de certos limites que compensam para o cabo antes
dele. Entretanto, na varredura de caminho inverso, o amplificador
é alinhado de tal maneira, que a resposta na cabeceira é dentro

92
de certos limites desse ponto de alinhamento do amplificador. No
caminho inverso, o amplificador compensa a perda de
características no cabo depois disso.
É melhor transmitir a varredura do ponto de teste do amplificador
e da cabeceira. Isso assegura que o sistema esteja corretamente
alinhado para carregar sinal no caminho inverso.

AVISO: A informação nas seções seguintes relacionadas à


operação de varredura são válidas para Stealth e varredura
Stealth compatível com SDA

Entretanto, lembre-se de que para a varredura Stealth


compatível com SDA funcionar, você deve usar
equipamento SDA na cabeceira (SDA-5500 e/ou SDA-5510)
e no campo (SDA-5000).

Veja também
¾ o Capítulo 14, “Considerações sobre Varredura do
SDA-5500/SDA-5510” entra em mais detalhes sobre o
conceito da varredura reversa.
¾ “Varredura Reversa e Balanceamento” no apêndice A
fornece mais informação sobre a configuração de
varredura reversa, operação, resolução de problemas
e dicas (página 318).

Varredura Reversa
Para fazer a varredura no caminho inverso, você primeiro precisa
configurar as seguintes opções do menu principal SWEEP:

1. Ajuste o nível de Telemetria de Retorno.

2. Ajuste o nível de Inserção de Varredura Reversa

3. Configure a direção da varredura para reversa.

93
As seções em seguida explicam procedimentos para fazer tais
configurações e então, abrangem cada uma das funções e telas
envolvidas na condução da varredura reversa.

Veja também
¾ Ponto 4 em configuração de varredura” abrange a
configuração de varredura reversa e assuntos
relacionados (página 74).
¾ Também “configuração de varredura” abrange as
opções do menu SWEEP que você precisa configurar
antes de começar sua varredura. (página 64)

Níveis de injeção de Retorno


O sinal de varredura reversa é controlado pelas configurações
dos níveis de retorno os quais são configurados no menu
principal SWEEP (Veja opções do Menu SWEEP” na seção
“Configuração de Varredura” na página 67). É importante lembrar
que as configurações dos níveis nesses menus são os níveis do
sistema depois de todas as perdas dos pontos de teste, e não o
nível de saída do transmissor.

Veja também
¾ A “Configuração da Compensação de Ponto de Teste”
oferece um exemplo de calculo de perda de ponto de
teste (página 60).

CUIDADO! Configurar o nível correto de sinal de varredura


reversa é fundamental para alcançar resultados precisos
sem criar interferência nos serviços de caminho inverso.

Em geral, a telemetria de retorno e os níveis de varredura reversa


podem ser configurados para o mesmo valor e especificações do
sistema. Para uma operação confiável, a freqüência da
telemetria de retorno deve ter uma relação S/N de 20dB. Níveis
mais altos produzirão leituras mais precisas, mas você deve ter

94
cuidado para não dirigir os lasers do caminho de retorno ou
amplificadores Níveis mais baixos podem não proporcionar
relações S/N adequadas para leituras estáveis.

Configurando a Direção da Varredura


Você pode chegar à tela reverse SWEEP (varredura reversa)
(Veja Fig. 4-14) através do NAVIGATOR ou pressionando a tecla
modo de medição SWEEP no canto direito inferior da tela. Para
ter certeza que você está na tela reverse Sweep, aperte a tecla
direcional esquerda. Use as teclas direcionais para cima e para
baixo para configurar a direção para Reversa.

AVISO: A direção da varredura é indicada no canto superior


direito da tela SWEEP. As letras FWD ou REV
respectivamente representam a varredura avançada e
reversa em progresso. As duas pequenas setas indicam a
direção da varredura. Quando estão apontando para a
direita, a varredura avançada está em andamento e quando
estão apontando para a esquerda, a varredura reversa está
em andamento.

AVISO: Muitos dos ícones e outras características da tela


de reverse SWEEP (varredura reversa) são idênticas às
mostradas na Fig. 4-9.

O apêndice C contém uma lista dos ícones que aparecem


neste manual.

95
Fig. 4-14 Tela Reverse Sweep

Repare no pequeno ícone no canto superior à direita no gráfico.


Este ícone mostra se a unidade está ativada para Varredura ou
Ruído (Fig. 4-17 mostra uma tela de ruído ativado)

Pressione a tecla programável Sweep Enable


(varredura ativada) para exibir o traço de varredura reversa.

Pressione a tecla programável Sweep Enable


(varredura ativada) para exibir o traço de ruído.

Use o ícone do submenu Frequency para exibir a tela


Frequency (freqüência).

Use o ícone do submenu Level para exibir a tela Level.

Telas Reverse SWEEP


As próximas quatro figuras e suas descrições mostram como
fazer máximo uso das características da varredura reverse que o
seu SDA-5000 proporciona. As telas abrangidas são Frequency
(Freqüência), Level (nível), Limit (limite) e Tilt (Distorção) e Noise
Frequency (Freqüência de ruído).

96
Tela Reverse Frequency (freqüência de retorno)

A partir da tela Frequency você pode selecionar o início e a


parada das freqüências de retorno. (Veja Fig. 4-15).

Fig. 4-15 A tela Reverse SWEEP Frequency (Frequência de


varredura reversa)

Exiba a tela frequency (freqüência) a partir da tela


SWEEP, pressionando a tecla programável no canto inferior
esquerdo.

Use o ícone Start Frequency (iniciar freqüência) para


configurar o limite de freqüência inferior. Estabeleça o valor
com o teclado numérico ou as teclas direcionais para cima e
para baixo. Salve sua configuração pressionando a tecla
Enter.

Use o ícone Stop Frequency (parar freqüência) para


configurar o limite de freqüência superior. Estabeleça o valor
com o teclado numérico ou as teclas direcionais para cima e
para baixo. Salve sua configuração pressionando a tecla
Enter.

97
Você pode retornar os valores anteriormente
configurados com o ícone no lado inferior direito do display e
subir entre os marcadores.
Quando você terminar, pressione a tecla programável
próxima ao ícone submenu de freqüência no lado esquerdo
do display para retornar à tela SWEEP.

Tela Reverse Level (Nível de Retorno)


Você pode configurar níveis de referência da tela mostrada na
Fig. 4-16 ou usando as teclas direcionais para cima e para baixo.

Exiba a tela level (nível) a partir da tela SWEEP (Fig. 4-


9), pressionando a tecla programável acima do ícone do
submenu Frequency.

Pressione a tecla programável próxima ao ícone


Reference level (nível de referência) no lado direito do display
para ajuste manual de nível de referência. Use as teclas
direcionais para cima e para baixo ou o teclado numérico para
registrar o nível e então, pressione Enter. Repare nas
mudanças no gráfico conforme você ajusta os valores.

Fig. 4-16 A tela Reverse SWEEP Level (nível de varredura


reversa)

98
Pressione a tecla programável Autoscale para fazer a
referência automática do nível. Isto configura
automaticamente a escala a um nível conveniente para uma
ótima visualização no centro da tela. Você também pode
realizar sequenciamento automático pressionando a teclas
Function e Enter.

Pressione a tecla programável Scale para ajustar a


escala do gráfico. Use as teclas direcionais para cima e para
baixo para mover-se pelos valores disponíveis (1, 2, 5 e 10
dB/div) Repare no que acontece no display conforme você
muda o fator de escala. A mudança começa no centro da tela.
Pressione o ícone do sub menu Level para retornar a
tela principal SWEEP.

Tela Reverse Noise (Ruído Reverso)


A tela de ruído permite que você verifique os níveis de ruído na
cabeceira enquanto você está no campo. Se o ruído estiver ativo
na cabeceira, você pode chegar na tela principal de ruído (Veja
Fig. 4-17), pressionando a tecla programável Noise Enable
(Ruído ativado) quando você estiver realizando uma varredura
reversa.
O display mudará para uma resposta de ruído indicando as
freqüências de marcadores de nível se ruído de nível de ruído.

Veja também
¾ Para mais informações, veja “O modo ruído” no
Apêndice A (página 331)

Pressione a tecla programável Noise Enable (ruído


ativado) para exibir o traço de ruído.

Pressione a tecla programável Sweep Enable


(varredura ativada) para exibir o traço de varredura reversa.

99
Use o ícone do submenu Frequency para exibir a Tela
Noise Frequency (freqüência de ruído)

Use o ícone do submenu Level para exibir a tela Noise


Level.

Fig. 4-17 Tela Reverse Sweep Noise (Ruído de Varredura


Reversa)

Tela Noise Level (nível de Ruído)


Use a tela mostrada na Fig. 4-18 para ajustar os níveis de
referência.

Pressione a tecla programável próxima ao ícone


Reference level (nível de referência) no lado direito do display
para ajuste manual de nível de referência. Use as teclas
direcionais para cima e para baixo ou o teclado numérico para
registrar o nível e então, pressione Enter. Repare nas
mudanças no gráfico conforme você ajusta os valores.

100
Fig. 4-18 A tela Reverse SWEEP Noise Level (nível de ruído
de varredura reversa)

Pressione a tecla programável Autoscale para fazer a


referência automática do nível. Isto configura
automaticamente a escala a um nível conveniente para uma
ótima visualização no centro da tela.

Pressione a tecla programável Scale para ajustar a


escala do gráfico. Use as teclas direcionais para cima e para
baixo para mover-se pelos valores disponíveis (1, 2, 5 e 10
dB/div) Tipicamente, 10 dB/div é apropriado para a
visualização. Repare no que acontece no display conforme
você muda o fator de escala. Repara nas mudanças no
display conforme você ajusta os valores.
Pressione o ícone do submenu Level para retornar a
tela principal SWEEP.

Tela Reverse Noise Frequency (Freqüência do Ruído


Reverso)
Na tela mostrada na Fig. 4-19 você pode estabelecer as
freqüências de início e parada.

101
Use o ícone Start Frequency (iniciar freqüência) para
configurar o limite de freqüência inferior. Estabeleça o valor
com o teclado alfanumérico ou a tecla seta para cima e para
baixo. Salve sua configuração pressionando a tecla Enter.

Use o ícone Stop Frequency (parar freqüência) para


configurar o limite de freqüência superior. Estabeleça o valor
com o teclado alfanumérico ou as teclas direcionais para cima
e para baixo. Salve sua configuração pressionando a tecla
Enter.

Fig. 4-19 Tela Reverse Sweep Noise Frequency (Freqüência


Ruído de Varredura Reversa)

Você pode retornar aos valores anteriormente


configurados com o ícone no canto inferior direito do display.
Quando você terminar, pressione a tecla programável
próxima ao ícone submenu de freqüência no lado esquerdo
do display para retornar à tela SWEEP.

Telas de Alinhamento de amplificadores.


Para assegurar a operação correta do caminho inverso, os
amplificadores devem estar corretamente alinhados, pois assim,

102
os sinais digitais não serão comprimidos ou reduzidos. Você
chega ao modo Alinhamento de amplificador de retorno usando a
opção ALIGN do Navegador. As telas e descrições mostradas
nesta seção ensinam você a alinhar os amplificadores.

Veja também
¾ Para mais informações, veja “O modo ruído” no
Apêndice A (página 331)

Tela Principal REV ALIGNMENT


Use a tela mostrada na Fig. 4-20 para estabelecer freqüências
superiores e inferiores para distorção/ganho.

Use a tecla programável LO para ajustar a freqüência


inferior para distorção/ganho ao marcador atual.

Use a tecla programável HI para ajustar a freqüência


superior para distorção/ganho ao marcador atual.

Fig. 4-20 Tela Principal REV ALIGNMENT.

103
O ícone no lado superior direito do display não tem
uma função específica nesta tela.

Use o ícone do submenu Level para exibir a tela


Reverse Amplifier Alignment Level (Tela Nível de alinhamento
de amplificador de Retorno).

Tela REV Alignment Level (Tela Nível de alinhamento de


Retorno).
Use a tela mostrada na fig. 4—22 para ajustar o nível de
referência do amplificador de retorno

Pressione a tecla programável próxima ao ícone


Reference level (nível de referência) no lado direito do display
para ajuste manual de nível de referência. Use as teclas
direcionais para cima e para baixo ou o teclado numérico para
registrar o nível e então, pressione Enter. Repare nas
mudanças no gráfico conforme você ajusta os valores.

Pressione a tecla programável Autoscale para fazer a


referência automática do nível. Isto configura
automaticamente a escala a um nível conveniente para uma
ótima visualização no centro da tela.

Pressione a tecla programável Scale para ajustar a


escala do gráfico. Use as teclas direcionais para cima e para
baixo para mover-se pelos valores disponíveis (1, 2, 5 e 10
dB/div) Repare no que acontece no display conforme você
muda o fator de escala. Repare as mudanças do no display
conforme você muda o fator de escala.
Pressione o ícone do submenu Level para retornar a
tela principal REV ALIGNMENT (alinhamento reverso)

104
Fig.21 Menu REV Alignment Level (Menu Nível de alinhamento
reverso).

VARREDURA PERMANENTE
A Varredura Permanente permite que você obtenha informação
sobre varredura mesmo que nenhum transmissor esteja
disponível. Na varredura permanente, o SDA-5000 mede os
níveis estáveis da portadora e os memoriza. Você pode então,
comparar estes níveis com os níveis das mesmas portadoras em
um ponto diferente da rede e as diferenças na resposta da
freqüência podem ser destacadas.
Depois de conectar ao ponto de teste e calcular a perda do ponto
de teste como descrito em “Configuração da compensação de
Ponto de Teste” (pág 60) entre no menu principal SWEEP e use
as teclas direcionais para cima e para baixo até SWEEPLESS
aparecer na EDIT BOX.
Com a varredura permanente selecionada, o display de varredura
mede portadoras ativas para criar resposta de varredura. Quando
a varredura entra pela primeira vez, o primeiro conjunto de
leituras de varredura será usado como uma referência “NONE”
(nenhuma) Isto é apenas um modo de início
A varredura permanente deve sempre ser realizada usando
referências. Depois de vários traços serem alcançados, pressione
as teclas Function e 6 pqr para armazenar referências. Isto agora

105
será usado como exemplo de níveis de sistema “perfeito” contra o
qual outros pontos de teste serão comparados.

Veja também
¾ “Referências de Varredura” no capítulo 11 tem mais
informações sobre o armazenamento de referências
de varredura (pág. 201)

Quando você alcançar outro ponto de teste, pressione Sweep


novamente. Se a referência desejada não estivar já em uso,
pressione as teclas Function e 6 pqr para selecionar a referência
apropriada. O display Sweep (varredura não mostrará o nível de
portadoras neste ponto relativo aos níveis no ponto onde foi
armazenado).
É importante lembrar que os dados da varredura permanente são
apenas tão estáveis quanto os níveis de portadora no seu
sistema. Porque nenhum transmissor está disponível para
cancelar flutuação de cabeceira, qualquer mudança que aconteça
no nível do canal aparecerá como um problema de resposta de
freqüência. Por esta razão, é muito importante usar apenas
canais estáveis como pontos de varredura para varredura
permanente.
Além disso, você não verá a resposta de freqüência onde não há
portadoras.

VARREDURA DE RETORNO (OPT2)


Varredura de retorno é uma nova característica do SAD -5000
com OPT2 (transmit). Com o teste de retorno, você pode executar
uma resposta bruta da freqüência, ganho e teste de perda em
dispositivos ativos ou passivos no campo. Pode ser usado para
amplificador pré-alinhamento e para testar amplificadores
isolados do resto do sistema. É também útil para testar a
integridade do cabo antes de ser instalado.
Você estabelece o nível de inserção de varredura e cria uma
disposição de varredura de retorno a partir do menu principal de

106
configuração SWEEP depois de selecionar Loopback (de retorno)
como modo de varredura.
Depois de conectar o ponto de teste, use as teclas direcionais
para cima e para baixo para selecionar Loopback no menu
principal SWEEP.
A tela de varredura de retorno mostrada na Fig. 4-22 é exibida
quando você pressiona a tecla do modo de medição de SWEEP
depois que você selecionou Loopback no menu principal SWEEP.

Fig. 4-22 A tela Loopback SWEEP

O título da referência de varredura de retorno em andamento está


embaixo à direita na tela. Se nenhuma referência de varredura for
selecionada estará escrito “none” (nenhum) Se a referência
anteriormente armazenada é selecionada, todos os níveis são
exibidos em dB. Quando a referência é NONE (nenhuma), os níveis
são exibidos nas unidades selecionada na tela
MEASUREMENT configuration (configuração de medição) durante a
configuração global (“Veja Configuração de medições” no capítulo 2,
pag. 25).

107
Veja também
¾ “Referências de Varredura”, no capítulo 11, com mais
informações sobre o armazenamento de referências
de varredura (pág. 201)

Os submenus Frequency (freqüência), Level (Nível), limits (Limites) e


tilt (Distorção) estão disponíveis no modo loopback (de retorno) e
função, assim como em forward Stealth Sweep Varredura Stealth
Avançada, com exceção de que em baixo do submenu limit, as teclas
Limit e Amplifier não estão disponíveis.

Veja também

¾ “Operação de Varredura Avançada” anteriormente


neste capítulo explica a operação dos submenus
frequency (Freqüência), Level (Nível), limit (limite) e
sweep (varredura).

108
Capítulo 5

Resolução de problemas no Caminho


Inverso

INTRODUÇÃO
Este capítulo destaca a resolução de alguns problemas e discute
técnicas que você pode empregar com o SDA-5000. Para futuras
notas destacando mais técnicas, por favor, veja o seu
representante de vendas local de CATV.
A tabela 5-1 oferece algumas idéias para melhor aplicação das
capacidades do SDA-5000 para ajudá-lo a resolver problemas
com caminho inverso.
Tabela 5-1 Resolução de Problemas no Caminho Inverso
Problema Use esta Ferramenta
Entrada Modo espectro
BER alto de canal de modem Modo Zero Span
Níveis de sinal desequilibrados Técnicas de alinhamento reverso
Nível de sinal fraco em alguns Modo de varredura reverso
canais
Entrada de caminho de retorno Modo PathTrak (OPT3) ou modo
Ruído

PROBLEMAS EM SERVIÇOS AVANÇADOS


Para sistemas bidirecionais, entrada e ruído são problemas bem
maiores no caminho inverso do que são no caminho de entrada.
Razões – acumulação de ruído, muitas fontes diversas de
entrada, ruído aleatório, problemas físicos da planta e
Intermodulação CSO são comuns:

109
• Acumulação de Ruído: Acumulação de ruído significa
que os problemas formam-se muito mais rápido que no
caminho de entrada. Em uma rede de caminho de
entrada, o ruído e interferência gerados em um ponto da
rede afetam a todos no fluxo de descida da fonte de ruído
(veja fig. 5-1).

Fig. 5-1 Clientes afetados pela Entrada do Caminho de


Entrada Fonte
Com o objetivo de limitar estes problemas, hardline e
equipamentos de melhor qualidade são usados nas conexões de
fluxo de subida e equipamento menos caro é usado no fluxo de
descida.
No sistema de caminho inverso entretanto, um problema de ruído
afeta a todos que estão na mesma “perna” da rede, incluindo todo
o caminho até o receptor de cabeceira (ver Figura 5-2). Isto
significa que o conceito ”primeira qualidade perto da cabeceira e
custo primeiro perto do cliente” não existe mais.

110
Fig. 5-2 Clientes afetados por Entrada no Caminho de
Retorno Fonte
Para ver como isso afeta ruídos de fundo, pense em quanto a
rede pode injetar ruído que afeta um certo cliente. Para sinais de
caminho de entrada, as únicas áreas de problema em potencial
são as do caminho direto da casa do cliente até a cabeceira. Para
sinais de caminho inverso, problemas podem vir de qualquer
lugar na área coberta por um receptor de cabeceira.

• Muitas Fontes de Entrada Diversas: Há um número


crescente e variado de transmissores de energia RF nas
bandas de caminho inverso. Índice CB, ondas curtas,
ham, dispositivos para rádio chamada e sistema móvel
terrestre, todos usam as mesmas freqüências que um
cabo de caminho inverso. Muito mais que alguns
transmissores (mesmo alta potência) em locais
conhecidos (onde se pode cuidar melhor com blindagem),
há vários transmissores que podem estar bem próximos à
rede que não é controlada.

111
• Ruído Aleatório: Ruído pode ser gerado por não
transmissores também. Comutação de motor elétrico,
soldagem, computadores, até mesmo comutação de
fornecimento de energia podem ter energia na banda de
caminho inverso.
• Problemas Físicos na Planta: Pequenas rachaduras no
cabo coaxial ou “diodo” de metal dissimilar podem criar
CPD (distorção comum de caminho) ou ruído.

• Intermodulação CSO (Composite Second Order): Um


agrupamento de clusters de segunda ordem na largura de
banda de vídeo pode causar distorção no sistema.

Problemas com a Resolução de Problemas no


Caminho Inverso
Resolução de problemas de ruído no caminho inverso é mais
complexa do que no caminho de entrada e pode exigir mais
tempo e energia para corrigir, podendo ser mais frustrante.
Quando um cliente experimenta um problema com o caminho
inverso, uma área muito maior deve ser investigada para
encontrar o problema se comparado com um problema no
caminho de entrada. No caminho de entrada, o problema deve
estar em algum lugar da linha direta do cliente à cabeceira. Um
problema de caminho inverso entretanto, pode ser causado em
qualquer lugar em toda a área servida pelo receptor do cliente.
Isto significa que há muito mais pontos de teste para checar e
maior possibilidade de erro e mais dinheiro pode ser
desperdiçado se o problema continuar sendo incorretamente
diagnosticado. A técnica do caminho de entrada de “retornar por
todo o sistema” e repor tudo até que o problema desapareça
simplesmente não funciona. Você deve ter uma ferramenta que
indque precisamente se o problema é “aqui” ou “lá”.
O problema é que as fontes de interferência vêm e vão. CB, ham
e transmissores móveis não são contínuos e ficam em
movimento. A comutação de ruído é transitória e pode durar
apenas alguns microsegundos, mas repete-se em intervalos

112
irregulares e tornam uma rede inútil. Como você pode ver existe
muito o que examinar quando você está procurando por
problemas no caminho inverso.
Para ter qualquer chance de sucesso ao tentar resolver
problemas no caminho inverso você precisa de um display de
análise de espectro rápido (detector de pico). Você precisa ser
capaz de captar picos de ruídos transitórios. Também é essencial
ter uma capacidade de “retenção de Pico” assim, uma rajada
pode ser capturada e visualizada porque você não pode achar a
fonte de algo que você não pode ver. Estes são os equipamentos
básicos, mas muitas outras ferramentas podem ajudá-lo, até
mesmo quando o sistema briga com a entrada.
Finalmente, rastrear uma fonte de entrada é relativamente fácil,
mas muitas fontes juntas ao mesmo tempo e na mesma
freqüência são um problema muito mais difícil.

Melhorando a Precisão e Reduzindo Perda de


Tempo
A lista a seguir descreve os passos que você pode tomar para
melhorar a precisão com a qual você investiga problemas de
caminho inverso e reduzir o tempo gasto, oferecendo um serviço
sem problemas para seus clientes:

• Compare o espectro do ruído da cabeceira com o ruído


local. Isto permite que você determine se o problema que
você vê no campo combina com o problema na cabeceira.
• Use Tempo de Interrupção na análise no espectro. Quanto
mais tempo um medidor gasta procurando por entrada,
mais provável será captar um problema
aleatório/transitório.
• Escaneamento rápido consegue dados em tempo real e
faz diagnósticos mais rápidos. Filtros de passagem baixa
permitem que você separe problemas de intermodulação
de canais de entrada, dessa maneira você pode fazer um
diagnóstico do CPD.

113
• Use pré-amplificadores, assim você poderá usar um ponto
de teste e ainda ver o ruído precisamente acima do
equipamento de teste do ruído de fundo. Desta maneira, a
rede de retorno não terá que ser removida para conseguir
um sinal de nível mais alto para análise.
• Usar o SDA-5000 significa que você tem menos coisas
para carregar ,assim, menos trabalho. Bateria de longa
vida significa menos viagens de volta à cabeceira ou
caminhão por uma nova bateria. Menos peso significa
tempo de conexão mais rápido.

Equipamentos para Combater Entrada de Retorno


A lista seguinte destaca as opções de ferramentas que você pode
escolher para resolver problemas de caminho:

• Um medidor SLM/varredura com display espectro é a


melhor solução.
• Um analisador de espectro com bateria e filtros significa
mais coisas para carregar, mas ainda assim funciona.
• Você também pode usar um analisador de espectro na
cabeceira, um canal de vídeo extra, um modulador e uma
TV. Você terá que desconectar as pernas do caminho de
retorno e olhar para o ruído para ver se o problema foi
resolvido. Esta é a menos desejável de suas opções
porque pode criar interrupção no serviço e isto não
funciona muito bem.

ANÁLISE DE CPD (COMMON PATH DISTORTION)


CPD (Common Path Distortion) é a forma de distorção de
intermodulação que ocorre enquanto o espectro é misturado
quando passa através de uma junção não linear. Este fenômeno
resulta em produtos de batimento que aparecem no espectro de
retorno e comunicação enfraquecida.
O CPD tem uma variedade de causas, incluindo corrosão em
metais dissimilar, interface, conexões com solda ruim e até
mesmo parafusos frouxos em módulos amplificadores ou placas

114
mãe. As seguintes citações da SCTE-List (usadas com permissão
dos autores) oferecem alguns esclarecimentos sobre as causas e
métodos para combater CPD.
“Outras máquinas geradoras de distorção incluem o uso de
conectores quando um dispositivo ativo ou passivo procurando
aberturas no condutor central do cabo penetra o cobre, o
parafuso fará contato com o alumínio”. O resultado pode ser um
dissimilar na interface (dependendo da composição do parafuso)
que pode criar um efeito diodo. Isto é um bom caso para usar
apenas conectores pin na planta distribuidora RF.
Uma possível causa da distorção no caminho inverso que não é
bem entendida pode estar relacionada com o isolamento entre a
saída do módulo amplificador de fluxo de descida e a entrada do
módulo amplificador de retorno na mesma caixa. Considerando
os altos níveis alimentadores agora disponíveis com
mini pontes, DAs e amplificadores alimentadores de múltiplas
saídas, é possível que o isolamento no filtro diplex seja
insuficiente, particularmente quando circuitos são usados no
módulo amplificador de retorno. Isto resultaria no espectro do
fluxo de descida estando presente na saída do módulo de
retorno. Embora em um nível baixo, mas que pode ser suficiente
para causar batimentos a serem gerados no amplificador de
retorno.” (Ron Hranac, HSA, (Rhranac@aol.com))
“Minha experiência com CPD tem sido devido a corrosões ou
oxidação nas conexões”. Então, algo que deve indicar que você
está chegando perto é o pó branco que é sintoma da oxidação
das caixas de alumínio; geralmente o alumínio escurece quando
a oxidação está em andamento. Isto pode ser resultado de portas
deixadas desligadas, juntas de ligação faltando ou juntas de
ligação que escorregaram do seu canal, caixas empenadas ou
rachadas ou conectores rachados ou quebrados. A vedação deve
ser hermeticamente fechada, do contrário, os ciclos normais de
aquecimento/esfriamento podem trazer um ar úmido que acumula
esta umidade quando a temperatura esfria. Um dos sintomas
associados a CPD é hum no sinal. Isto é devido às propriedades
semicondutoras de alguns dos resíduos da oxidação. CPD
também pode ser um sintoma quando o cabo coaxial experimenta

115
rachaduras anulares (apesar de geralmente a entrada ser mais
visível que o CPD).
Técnicos precisam saber associar sintomas “desconectados”
parecidos. Por exemplo, alguém repara uma pequena quantidade
de um no quadro do cliente; a dois quarteirões de distância,
índices de erro começam a aparecer no modem de dados ou
caixa DMX. Em algum lugar na área você encontra um conector
rachado na caixa de entrada, o que permitiu umidade entrar e
oxidação ocorrer. Lembre-se que isso pode ocorrer a conectores
F em casas e instituições.
Para resolver o problema, a fonte de entrada da umidade deve
ser encontrada e removida, a umidade removida e a oxidação ou
corrosão também. É provavelmente mais barato, fácil e rápido
remover e substituir um dispositivo inteiro (derivação, acoplador e
amplificador) do que determinar e consertar a causa da entrada
de umidade. Se um conector F ruim é encontrado, é
recomendável também substituir o dispositivo no qual o conector
estava ligado. No caso de conectores F, é recomendável mudar o
dispositivo para um lugar longe do caminho da água e/ou usar um
conector F mais caro com melhor vedação contra a água (É
bobagem economizar 25 cents em um conector e gerar um custo
de 50 dolares devido a problemas) (David Devereaux-Weber,
University of Wisconsin - Madison, (djdevere@facstaff.wisc.edu)).

Configuração Recomendada para Análise de CPD


Se o ponto de teste não é limitado na banda do espectro de
retorno (em outras palavras, no lado inferior da banda de um
filtro diplex) um filtro de passagem baixa pode ser necessário
para eliminar a possibilidade de produtos de intermodulação
relacionados a instrumentos que imitam CPD. A suscetibilidade à
intermodulação depende do número total de portadoras presentes
na saída do instrumento. A técnica de medição é similar a usar
um filtro passa banda para testes de intermodulação (composite
second/third order).

116
Veja também
¾ “Medições CSO/CTB” no capítulo 6 explica como fazer
medição de composite second/third order (página 128)

O objetivo é evitar bombardear a saída RF do instrumento com


um número grande de sinais de nível relativamente alto
(tipicamente 78 canais em um sistema de 550 MHz) enquanto
procura por sinais de baixo nível. O problema é que quando a
atenuação é removida para ver os produtos de batimento de
baixo nível mais claramente, a parte frontal do instrumento pode
estar sobrecarregada com sinais de alto nível no mesmo ponto de
teste e gerar produtos de batimento por ele mesmo.
Você pode precisar de um filtro de passagem baixa quando você
está conectando o instrumento a um ponto de teste de
amplificador bidirecional – Um ponto de teste com os sinais de
entrada e de retorno presentes. Este fenômeno pode apresentar-
se quando estiver sendo feito um teste de ruído de retorno
usando o transmissor do SDA-5000. Para minimizar a
possibilidade disso ocorrer, o transmissor deve estar configurado
de maneira que o nível de entrada do sinal de vídeo seja
aproximadamente 0dBmV. No caso de intermodulação
relacionada a instrumentos ocorrer, a disposição do canal de
retorno pode ser configurada, de maneira que as freqüências em
que os produtos da intermodulação aparecem não estejam
incluídas. Como alternativa, um SDA-5000 pode ser usado. Este
instrumento é usado apenas para teste de retorno e, porque
sinais de entrada não estão presentes nesta entrada, não é
susceptível para este fenômeno.

AVALIAÇÃO DE SINAIS DE CAMINHO DE


RETORNO TDMA
Time Division Multiple Access (TDMA) é um termo normalmente
usado em referência aos sistemas de telefone celular D-AMPS ou
IS-54B. Acesso Múltiplo por Divisão de Tempo
Envolve um sinal designado a uma freqüência particular que tem
múltiplos intervalos de tempo para múltiplos transmissores.

117
Modems TDMA tem tempos especificamente designados para
mandar e receber informações. O controlador decifra as
mensagens, pois sabe quando cada modem está falando.
A Fig. 5-3 mostra como a cronometragem do TDMA funciona.
Como você pode ver neste esquema cada usuário é designado
para um intervalo de tempo.

Fig. 5-3 Cronometragem Nominal de TDMA


Sinais de TDMA foram introduzidos no mundo comercial
eletrônico alguns anos atrás com o surgimento dos telefones
celulares digitais. Compressão de dados e modulação de
quadratura são usados para aumentar a modulação de largura de
banda disponível, sendo assim, um celular TDMA manda a
mesma informação em um terço do tempo de um telefone AMPS.
Através de intervalo de tempo, três telefones celulares agora
ocupam a mesma freqüência de banda larga que apenas um
ocupava há alguns anos atrás.
Outra área de rápido crescimento usando TDMA é o caminho
inverso de CATV. Atualmente o sistema de CATV inclui vários
sinais e tipos de modulação diferentes. Cada serviço avançado
pode ter um ou muitos sinais de TDMA designados a uma
freqüência em particular. Para melhorar a eficiência do uso de
banda larga em casos onde mais de um sinal é designado a uma
freqüência, o método de variar o tempo de transmissão

118
distribuído por cada sinal baseado em abertura de tempo variável
necessário TDMA foi desenvolvido.

Abertura de Tempo Variável TDMA


Quando múltiplos usuários estão acessando a rede via modem,
uma enorme quantidade de banda larga seria ocupada se cada
modem fosse designado para canal de freqüência. A maioria do
tempo o usuário está conectado à rede é gasto à toa. A maior
parte de banda larga seria desperdiçada. Por exemplo, o índice
de criação de um e-mail normal e o envio desse e-mail é de, pelo
menos, cem para um. Uma possível resposta seria usar um
índice baixo de transferência.
O sistema trabalharia se nenhum arquivo grande precisasse ser
transmitido. A melhor resposta é tempo variável TDMA. Tempo
variável TDMA dá mais banda larga necessária e, quando
preciso, tira apenas um pouco de banda larga no resto do tempo.
Mais flexibilidade pode ser alcançada com cable modems por
causa da conexão de alta fidelidade. Por essa razão, diferente do
IS-54B, o tempo de conversação pode ser variável. A Fig. 5-4
ilustra que o usuário “a” está mandando mais dados que os
usuários “b” e “c”

Fig. 5-4 Tempo Variável Necessário TDMA

119
Resolução de problemas de TDMA

As atuais estratégias de resolução de problemas de caminho


inverso não são capazes de detectar problemas dentro de
alocação de freqüência de um modem TDMA. Enquanto verifica
que nível de cada freqüência é um bom começo para caracterizar
a performance do caminho inverso, um gráfico de espectro
apenas olha para cada freqüência por uma pequena porcentagem
do tempo total. Isto leva a duas incertezas:

• Quando um analisador de espectro está em uma


freqüência TDMA, a portadora estará lá?
• Quando o sinal é visto no gráfico do espectro, a questão
sobre a origem prevalece. Aquela é a portadora ou
alguma entrada?

Enquanto instala e caracteriza o seu sistema, você percebe que


certas freqüências não poderão ser usadas por causa da entrada
freqüente e descontrolada. O espectro em volta dessas
freqüências é desperdiçado.
Por que perder tempo medindo estas freqüências, ao invés de
olhar para freqüências que o sistema está usando? O que você
realmente quer saber é se existe algo de errado com os meus
sinais de modem?
Sinais TDMA têm duas técnicas de modulação QPSK ou QAM.
Esta modulação inclui dados e informação complementar de um
índice aproximado de 2 a 4 vezes a banda larga atribuída. A
segunda modulação é modulação de pulso.
Modulação de pulso permite que o modem desligue o sinal
quando nenhum transmissor é necessário. Isto permite que
múltiplos modem transmitam na mesma freqüência. Existem dois
estados para estes sinais TDMA:

• Quando todos os modems estão à toa, deve haver ruído


baixo na freqüência do modem.

120
• Quando o modem está ativo o nível de força deve estar
em um nível predeterminado.

Ambos estados devem ser alcançados para a operação perfeita


do modem.
Outro estado ocorre nos modelos de tecnologia mais antiga. Ele é
chamado colisão. As colisões ocorrem quando dois ou mais
modems tentam acessar a mesma freqüência ao mesmo tempo.
Quando colisões ocorrem todas as mensagens são perdidas e
devem ser retransmitidas.

Medições de Variação Zero

A melhor maneira de olhar para um sinal TDMA é usar Variação


Zero em um analisador de espectro. A variação Zero utiliza o
sintonizador de um analisador de espectro de uma maneira
especial.
Ao invés de fornecer a freqüência versus o nível de gráfico, a
Variação Zero fornece tempo versus nível de gráfico em uma
freqüência particular. Variação Zero pode ser encarada como um
sintonizador osciloscópico exibindo o nível de flutuações apenas
da freqüência que você está interessado. É muito importante ter
disparos elevados quando visualizar sinais TDMA. Isto irá permitir
capturar os eventos TDMA para análise.
Variação Zero pode mostrar um número de parâmetros do sinal
TDMA, incluindo a força da portadora, o ruído de fundo e
interferência. A Fig. 5-5 mostra o display de Variação Zero do
sinal de TDMA com um ruído de fundo ideal. O marcador “D”
mostra a força do sinal desejado de TDMA. O marcador “U”
mostra a força de um ruído de fundo indesejado. Muito raros são
os índices 56dB desejados a indesejados encontrados.

121
Fig. 5-5 Sinal Domínio de Tempo com não entrada em
Variação Zero.
Um caso mais real é mostrado na figura 5-6. Ela mostra que o
ruído de fundo é muito mais alto que na figura 5-5. Neste caso, o
sinal indesejado aumentou em força de -43 para -30dBmV. Isto
representaria um 45 dB “D/U”.

Fig. 5-6 sinal com ruído de fundo alto em Variação Zero


Entrada intermitente juntamente com o sinal TDMA é um
problema incômodo para a resolução de problemas de caminho
inverso. É um jogo de acertar ou perder. Com um gráfico de
espectro você está completamente a mercê da sorte. Como você
pode ver, quando há um sinal com entrada intermitente (veja fig.
5-7) existem pulsos adicionais. O marcador “U” nesta tela mostra

122
claramente um incômodo “D/U” de 30dB. A média do ruído de
fundo é ainda mais de 50 dB para baixo. Estes impulsos são
meros 10 uSec a cada 5 mSec. Isto leva à probabilidade de pegá-
lo em um gráfico de espectro de menos de 0.2%. Entretanto eles
são prontamente aparentes na tela de Variação Zero.

Fig. 5-7 Sinal Domínio de Tempo com entrada intermitente


em Variação Zero.
Ver os sinais de TDMA pode ser confuso. É necessário
implementar um modem de caminho de retorno para manter
clientes atuais e atrair novos.
Visualizar o caminho inverso em um gráfico de espectro pode dar
a você uma idéia geral da saúde do sistema. Para lidar com o
custo dos sinais TDMA, você precisa de uma visualização do
domínio de tempo. Força do sinal desejado de TDMA, força de
ruído indesejado e interferência de impulso podem todos ser
quantificados a partir da visualização de variação zero.

Veja também
¾ O Capítulo 7 “Modo de Analisador de Espectro” explica
a operação de modo de variação zero em mais
detalhes.

123
1. Cable Television Laboratories, “Data-Over-Cable Service
Interface Specification”, SP-RFI-102-971008, Interim
Specification, 1997.
2. Cable Television Laboratories, “Characterization of
Upstream Transient Impairments on Cable Television
Systems”, February 12, 1997.
3. Kevin J. Oliver, “Preventing Ingress in the Return Path”,
CED Magazine, Oct. 1997.
4. Ron Hranac, “Making Two-Way Work”, Cable-Tec
Exposition Workshop Proceedings 1996.
5. Ron Hranac, “Making Two-Way Work (Part II)”, Cable-Tec
Exposition Workshop Proceedings 1997.
6. Thomas J. Ron Hranac, “Making Two-Way Work”, Cable-
Tec Exposition Workshop Proceedings 1996.
7. Thomas J. Staniec, “Making Two-Way Work, A
Continuation”, Cable- Workshop Proceedings 1997.
8. Dan Chappell and Jon Vincent, “Troubleshooting Reverse
Ingress With Swing & Clear Path”, Broadband System &
Design, April, 1998.

124
Capítulo 6

Medição da Performance do Sistema

INTRODUÇÃO
Este capítulo explica como avaliar a performance do sistema
através da medição dos parâmetros, que é parte da rotina de
monitoramento e manutenção corretiva. As operações incluem
Nível de performance, Distorção, varredura, relação
portadora/ruído (C/N), Hum, Modulação-Demodulação e
medições Composite Second Order (CSO) e Composite Triple
Beat (CTB).

Um pouco sobre as telas de Medição e Ícones


Você pode começar o uso destas medições a partir do menu do
Navtgator ou simplesmente apertando as teclas apropriadas do
modo de medição.
Durante muitas das medições, você perceberá que, para dado
procedimento, a tela permanecerá essencialmente a mesma, mas
os ícones guiarão você durante a mudança de teste de tela para
tela.
Aperte a tecla programável adjacente do ícone para ativar a
função especifica.
O ícone ficará parcialmente mais escuro ou “acinzentado” para
indicar a mudança de estado.
MEDIÇÃO DE NÍVEL DE SINAIS
Você mede níveis de sinal nos modos Nível (Level), Distorção
(Tilt) e Scan. Nos modos Nível e Scan, o processo mede a

125
diferença entre áudio e vídeo de um canal e mostra a diferença
em dB. No modo Distorção (Tilt), a diferença ou distorção refere-
se ao dB entre os canais piloto superiores e inferiores.
Lembre-se de que os parâmetros da configuração de medição
são por Nível, Freqüência e Distorção e são fatores importantes
das três medições.

Medições de Nível
Com o modo Nível selecionado, você pode sintonizar por canal
ou freqüência.

• Sintonia por canal: Quando você aperta a tecla CHAN


(canal) no teclado, o número do canal e indicação
aparecem no topo da tela (ver Fig. 6-1). Use as teclas
direcionais para esquerda e direita para aumentar ou
diminuir o número do canal. Você também pode colocar o
número do canal usando as teclas numéricas, seguidas de
CHAN.
• Caso esteja na tela de Freqüência, a tecla CHAN
sintoniza no canal mais próximo da disposição dos canais.
• Sintonia por freqüência: Para sintonizar a freqüência,
use as teclas numéricas para entrar com a freqüência,
seguida da tecla FREQ (ver Fig. 6-2). Use as teclas
direcionais para esquerda e direita para aumentar ou
diminuir a freqüência. O tamanho STEP para estas
mudanças de freqüência é programado durante o ajuste.

Veja também
¾ A seção "Configuração de Medição" no Capítulo 2.
Abrange o tamanho STEP e ajuste e sintonização da
freqüência (página 25).

• Se você esta sintonizando por canal, a tecla FREQ


sintoniza na freqüência de vídeo do canal atual ou para
um canal digital. (Para canais digitais, ajuste na
disposição dos canais, o algoritmo de medição é usado).

126
Nos modos Nível (Level), Canal (Chan), você pode medir a
diferença no nível de áudio e vídeo (dBmV) de um canal
específico expresso em dB. Se uma das leituras estiver fora de
escala (baixa ou alta) use as teclas para cima e baixo para ver
ambas leituras na tela ou aperte as teclas Função (Function) e
Enter para deixar as leituras na escala automática. Use as teclas
direcionais pra esquerda e direita para mover os canais, um de
cada vez.

Fig. 6-1 A Tela do Modo de Medição de Nível

A seguinte informação é mostrada na tela do modo de medição


de nível (números correspondem a marcações na Fig. 6-1):

1. Número ou Freqüência do Canal


2. Indicação do canal, freqüência da portadora de vídeo e nível
dBmV (ou dBuV—este é um parâmetro de configuração)
3. Freqüência e Nível da Portadora de Áudio em MHz
4. Delta entre os níveis de áudio e vídeo (dB)
5. Display gráfico dos níveis das portadoras (dBmV)
6. Compensação Avançada do ponto de teste (somente se um
valor exceto 0 tiver sido programado durante o ajuste)
compensa por perda do ponto de teste ou perda PROBE a
partir do resultado da medição para mostrar o nível do sinal
no sistema. (20.0 dB neste exemplo).

127
Fig. 6-2 mostra a tela para sintonizar a freqüência. Com apenas
uma única freqüência envolvida, não há valor Delta. A tela é uma
visão gráfica da medição de nível, referida a dBmV.

Fig. 6-2 Tela do modo de nível (LEVEL), Somente freqüência


especificada.

Note que os canais da portadora de áudio dupla mostram dois


gráficos de áudio.
Canais aleatórios têm a mesma aparência dos não aleatórios
(mas com um ícone diferente (ver página 46 para uma lista de
tipos de ícones de canais). Você deve designar canais aleatórios
no submenu de edição de disposição dos canais (EDIT
CHANNEL PLAN) no menu Disposição de canais (CHANNEL
PLAN).

Veja Também
¾ A seção de Edição da Disposição dos Canais "Edit
Channel Plan" no Capítulo 3 explica como designar os
canais aleatórios (página 43).

128
Medições de Distorção
Distorção é uma perda de transmissão no cabo coaxial. Perda da
transmissão aumenta em proporção a raiz quadrada da
freqüência, afetando a distorção. Como mostrado pela unidade de
campo SDA, o modo Distorção (Tilt) mostra níveis sobre um
grupo de canais. A distorção aparece em declive entre o canal
mais alto e mais baixo. Níveis para cada canal intermediário
devem alcançar a linha. A compensação da distorção ajusta a
resposta freqüência/ganho do amplificador para equiparar a
atenuação da distorção.

Compensação da Distorção
A característica de compensação de distorção permite que você
entre com a perda do cabo em uma seção particular coaxial e
depois, usando a tela de escaneamento, pode ajustar o ganho do
amplificador para compensar tal perda. Você pode ligar ou
desligar a opção de compensação de distorção no submenu
Distorção (TILT).
O SDA-5000 permite que você designe até nove canais de
distorção.

Veja Também
¾ Edição da Disposição dos Canais (Edit Channel Plan)
no Capítulo 3 que explica como designar os canais de
distorção (página 43).

O declive para distorção é uma linha reta do mais baixo (na


freqüência) ao mais alto canal de distorção designado. Os canais
de freqüência alta e baixa são canais piloto. Os níveis das
portadoras piloto estabelecem a inclinação do gráfico de distorção
que você vê no LCD.
Você pode entrar no modo de medição de distorção através do
menu Navegador ou apertando a tecla do modo Distorção (Tilt).

129
Fig. 6-3 mostra a tela de distorção (TILT). Use as teclas
programáveis LO (baixa) e HI (alta) para selecionar os canais
piloto e fazer os ajustes de distorção.
Use os ícones desta tela como segue:

Os ícones LO (baixo) ou HI (alto) ficarão mais


escuros quando selecionados.

Apertar este ícone resultará no surgimento das


seguintes e úteis funções e depois retornará para o menu
principal de distorção (TILT).

Nível de Referência permite que você use as teclas


direcionais para cima e para baixo para efetuar ajustes
discretos no nível de referência com variação pré-ajustada
(+/-).

A escala permite você ajustar o dB/div na escala


vertical, usando as teclas direcionais para cima e para baixo
para mover aos valores pré-ajustados e para melhor
apresentação na tela.

Estabelece uma apresentação melhorada da escala


automática, baseada nos últimos dois ajustes.

NOTA: O valor do nível de referência é limitado pelas


unidades selecionadas e ajuste da escala.

O ajuste de distorção usa o ganho do amplificador para


compensar a atenuação dos sinais que se movimentam no cabo.
Freqüências mais altas são mais atenuadas do que as das
freqüências baixas. Esta é a razão da inclinação da linha na Fig.
6-3. O modo de distorção simplifica a continuidade atual
mostrando o gráfico de barras com uma representação de até
nove níveis de portadoras de vídeo. O ajuste da distorção
compensa a atenuação desigual para que cada canal alcance um
cliente com cerca do mesmo nível.

130
A seguinte informação é mostrada no modo de medição de distorção
(números correspondem aos chamados na Fig. 6-3):
• Escala de referência

• Freqüências alta e baixa da portadora

• Níveis alto e baixo da portadora

• Medição de Distorção

• Nível de referência

• Compensação do ponto de teste (aparece apenas se um


valor exceto 0 estiver programado no ajuste).

Fig. 6-3 Tela do Modo de Medição de Distorção

Amplificador Balanceado
Um sistema de cabeamento é designado para o ganho na
unidade e o nível da saída de cada tipo de amplificador (tronco,
bridger/prolongador de linha) devem ser ajustados para ficarem o
mais próximo possível da saída. Os amplificadores são ajustados
com níveis específicos para sinais altos e baixos ao final do
espectro, usado para Controle de Ganho Automático (AGC) ou

131
Controle Automático de Inclinação (ASC), respectivamente. No
processo de balanceamento do amplificador estes sinais são
medidos e ajustados de acordo com a especificação.
Na prática, antes de ajustar a compensação do amplificador,
primeiro verifique se não existem problemas no sistema que
necessitem de reparo. O Controle do ganho afeta todas as
freqüências de maneira uniforme; mas o controle de inclinação
afeta mais as freqüências baixas do que as altas.
Para balancear o amplificador para distorção:

1. Observe os nove canais de distorção apertando a tecla do


modo de distorção (TILT). Para incluir ou excluir um dos nove
canais, você deve escolher a portadora de vídeo desejada
como canais de distorção no submenu de edição de
disposição de canais (EDIT CHANNEL PLAN) do menu de
disposição de canais (CHANNEL PLAN).
2. Selecione distorção (TILT) e depois selecione o canal piloto
alto (HI)
3. Use as teclas direcionais das setas para cima e para baixo
para ajustar o nível de referência do gráfico.
Ajuste a inclinação do amplificador como segue:
1. Desligue o amplificador, AGC,e ASC.
2. Ajuste o canal piloto alto HI ao nível específico, usando o
controle de ganho manual.
3. Ajuste o canal piloto baixo LOW ao nível específico, usando o
controle de inclinação manual.
4. Por causa da interação entre estes controles, repita o
processo até que você tenha o balanceamento determinado.
5. Ligue AGC e ASC e espere um pouco para se certificar se
AGC e ASC mantenham o balanço.

Medições de Escaneamento (Scan)


O modo de medições de escaneamento mostra os níveis
absolutos das portadoras lado a lado ou por todo espectro CATV.
O SDA-5000 mostra um gráfico de barras que mostra os níveis de
áudio e vídeo das portadoras nas brechas das freqüências

132
selecionadas. O marcador estreito vertical designa os níveis da
portadora a ser medida. Níveis de freqüência, vídeo e áudio, bem
como o Delta entre os níveis, são mostrados na metade inferior
da tela.

Taxa de Escaneamento (Scan)


Duas taxas de escaneamento podem ser selecionadas no modo
de escaneamento, normal e rápida. Selecione Taxa de
Escaneamento (Scan Rate) no menu de medição (do menu de
configuração global).
A característica do escaneamento rápido permite a amostragem
rápida, com exatidão reduzida (dB nos canais aleatórios). A
velocidade normal de escaneamento é mais lenta, mas muito
mais precisa. Quando rápido (fast) é selecionado, um ícone de
velocidade aparece no canto superior esquerdo da tela do SCAN.

Portadoras de Áudio
Você pode omitir portadoras de áudio para um escaneamento
mais rápido. No submenu de medição (MEASUREMENT), mova
para o escanemaneto das portadoras de áudio e use as teclas
direcionais das setas para cima e para baixo para mudar para No.
Um ícone de áudio indicador “X fora” aparece no canto superior
esquerdo da tela SCAN quando a portadora de áudio é omitida.

• Use as teclas direcionais para cima e para baixo para


mudar o nível de referência para dBmV.
• Use as teclas direcionais para cima e para baixo para
mover o marcador.
• No topo esquerdo da tela estão os valores dos níveis de
referência em dBmV e a escala em dB/div.
• No canto inferior esquerdo e inferior direito do gráfico você
vê as freqüências de início e fim atuais para o
escaneamento.

133
Fig. 6-4 A tela do Modo de Medição do Escaneamento

Medições de escaneamento incluem submenus para Nível e


Distorção, cada um com ajustes para freqüência e limites.

• Se a compensação da distorção estiver ligada, você verá


uma pequena versão do ícone da distorção no centro
superior da tela e no centro inferior o valor de
compensação da distorção.
• Imediatamente abaixo do gráfico, valores numéricos são
mostrados.
• O display básico mostra as seguintes informações:
• Número do Canal
• Freqüência e Nível da portadora de vídeo (numérica)
• Freqüência e Nível da portadora de áudio (numérica)
• Gráfico histograma dos níveis das portadoras
• Delta entre níveis de áudio e vídeo
• Compensação do ponto de teste (aparece apenas se um
valor exceto 0 estiver programado durante o ajuste)
• Anunciador de Limites (Se for o caso de condições fora da
tolerância)

Nos submenus LEVEL, FREQ, TILT,e LIMIT, use os ícones que


seguem:

134
Submenu Nível (LEVEL)

Aperte para acionar o submenu LEVEL, depois volte


para a tela principal SCAN.

Aperte para usar o nível de referência automática

Aperte para ajuste manual do nível de referência. Use


tanto as teclas numéricas quanto as teclas direcionais e
depois Enter.

Aperte para ajustar a escala do gráfico. Use as teclas


direcionais para mover para os ajustes disponíveis. Mudar o
fator da escala muda o display.

Submenu Freqüência (FREQUENCY)

Aperte para acionar este submenu e depois volte para a


tela principal SCAN.

Quando estiver ativado, ajuste a freqüência de início e


depois aperte Enter.

Quando estiver ativado, ajuste a freqüência de parada


e depois aperte Enter.

Pressionado, ele reinicia as freqüências de início e


parada em amplitude total. Pressione-o para ver os valores
previamente ajustados.

Submenu Distorção (Tilt)

Aperte para acionar o submenu TILT, depois volte para


a tela principal SCAN.

135
Aperte para ligar ou desligar a compensação de
distorção.

Submenu Limite (LIMIT)

Aperte para acionar o submenu LIMIT, depois volte


para a tela principal SCAN.

Aperte para ligar ou desligar o limite.

Erros do Limite são mostrados como:


<CHAN> Erro do canal adjacente

VIDEO. Nível do vídeo muito baixo ou muito


alto.

DVA. Delta entre vídeo e áudio muito baixo ou


muito alto.

Aperte para executar auto checagem

Fig. 6-5 A tela LIMITS

136
A característica do limite permite comparação da medição do
escaneamento atual com FCC ou outro teste de limite de
performance definido durante o ajuste e configuração. Existem
duas partes nesta característica:

• Quando existe uma condição fora da tolerância, uma série


de anunciadores aparecerá abaixo do gráfico. Atualizada
com cada atualização de escaneamento, os anunciadores
indicam as seguintes condições fora da tolerância:
<CHAN> erro adjacente do Canal.

VIDEO, Nível do Vídeo muito alto ou muito


baixo.

DVA, Delta entre vídeo e áudio muito alto ou


muito baixo.
• Você pode exibir um resumo de resultado agregado
apertando a tecla programável Limite (LIMIT). Isto executa
uma checagem limite de todos os canais contidos no
escaneamento e relata uma conclusão geral se
passou/falhou. A checagem de limite agregado não é feita
a cada atualização do escaneamento; entretanto você
pode pressionar a tecla programável Check para fazer o
teste a qualquer momento. Quando o limite está
desativado, os anunciadores não aparecem.
• Quando um canal digital está sendo escaneado, os limites
dos sinais digitais são checados de acordo com o que
você ajustou na disposição dos canais.

MEDIÇÕES PORTADORA/RUÍDO
Apesar de não ser necessária, a pratica de engenharia CATV é
boa para fazer uso de filtro de banda na entrada do SDA-5000
quando medições C/N estiverem sendo feitas. Isto assegura a
precisão e aumenta a faixa de medição. Se o pré-amplificador
estiver sendo usado para ajudar a progredir os níveis do ponto de
teste antes da medição, o mesmo deve ser posicionado entre o
filtro da banda e a unidade SDA.

137
A medição C/N é simplesmente a comparação em amplitude
entre o sinal de referência da portadora de vídeo e o ruído (limite
FCC: > 43 dB). A medição do ruído deve ser feita em um
deslocamento da freqüência de pelo menos 2 a 2.5 MHz de
qualquer outra portadora no sistema.
O modo de medição C/N mostra a relação portadora/ruído do
canal ou freqüência sintonizada. Você pode ajustar a medição
C/N banda larga e o deslocamento da freqüência para a medição
do ruído a partir da tela.
Uma técnica proprietária DSP permite medições C/N em serviço,
nas portadoras moduladas (canais em série). A medição C/N
mede o nível da portadora de vídeo e então a sintoniza para a
freqüência deslocada, procurando por uma linha silenciosa.
Assim que uma linha sem ruído for encontrada, o SDA-5000
mede quatro módulos consecutivos e depois faz a média dos
valores. Este valor é então corrigido para a banda larga
selecionada e a relação C/N é computada.

AVISO! Se você selecionar o modo C/N antes de uma


portadora estar disponível na entrada do SDA-5000, as
leituras sairão erradas. Caso isto ocorra, mude para outro
canal ou modo e depois retorne ao canal desejado.
Também, certifique-se de esperar o suficiente para
calibragem C/N terminar para que você tenha leituras
exatas.

A informação seguinte é mostrada na tela C/N:


• Número do canal
• Classificação do Canal
• Freqüência da Portadora
• Freqüência do deslocamento de ruído
• Freqüência do ruído
• Banda larga
• Relação portadora/ruído C/N

138
Para fazer uma medição C/N, selecione um canal e aperte a tecla
do modo de medição C/N.

Se o resultado da medição C/N estiver fora de uma faixa


especificada, o resultado numérico mudará de preto para cinza.

Use os ícones desta tela como segue:

Entre no submenu AMPLIFICADOR/FILTRO PASSA


BAIXA; volte para C/N no menu principal.

Ative ou Desative o amplificador 13 dB

Ative ou Desative 50 MHz filtro de passagem baixa


(ícone mostra desativado)

Entre no submenu OFFSET; volte para o meu principal


C/N.

Armazene as medições de deslocamento atuais


para os parâmetros atuais do canal na disposição de
canais atual.

Armazene as medições de deslocamento atuais de


todos os canais na disposição de canais atual.

Entre no submenu banda larga (BANDWIDTH); volte


para C/N no menu principal.

Ative ou Desative o amplificador 13 dB

139
Ative ou Desative 50 MHz filtro de passagem baixa
(ícone mostra desativado)

Fig. 6-6 Medição portadora/ruído

NOTA: A especificação americana FCC para medições C/N


é uma banda larga de 4.000 MHz. Organizações CATV fora
dos Estados Unidos podem ter exigências diferentes.

FALTA TEXTO
Medir relação portadora/ruido (C/N) sinais do cable modem no
caminho de retorno nunca foi uma tarefa fácil. Uma dificuldade foi
detalhada no ajuste do equipamento de teste para fazer a
medição do modem C/N. O equipamento para o teste é
geralmente um analisador de espectro usado na operação do
modo de variação zero, que exige que você esteja a par dos
parâmetros de ajuste como o limiar do nível do ativador do
circuito, hora da varredura, medição da banda larga, banda larga
de vídeo e resolução banda larga. Você também deve ser eficaz
na avaliação de sinal RF no modo domínio (versus a freqüência
padrão do modo de domínio).
Para superar o ajuste do processo confuso de teste do
equipamento, a JDSU introduziu uma característica de um novo
instrumento que permite técnicos com todos os tipos de

140
habilidades executarem medições precisas no caminho de
retorno do cable modem C/N.

Por que medir Cable Modem C/N?


O modem C/N da planta do cabo de retorno pode determinar se a
rede de retorno tem a capacidade de suportar o tráfego do cable
modem. O DOCSIS padrão americano atesta que o C/N para o
tipo de sinal digital de retorno é 15 dB para QPSK e 25 dB para
QAM-16. Apesar da maioria dos sinais QPSK e QAM-16 serem
resistentes o suficiente para transmitir através de caminhos de
retorno com muito ruído, cumprir com o DOCSIS C/N padrão
assegurará que os cable modems operarão com confiança na
rede de retorno.
Medindo Modem portadora/ruído
Na guia Sweep & Spectrum no Navegador, selecione o ícone do
modem C/N. A tela mostrada na Fig. 6-7 aparecerá.

Fig. 6-7 Tela principal do Modem C/N

Existem quatro itens que você pode ajustar para a medição:


Freqüência Central, estado de pré-amplificador, estado de filtro de
passagem baixa e medição da Banda larga. Se qualquer um
destes parâmetros mudar, o ciclo de medição começará
novamente desde o início, então, não é necessário forçar a
unidade a reiniciar a medição manualmente.

141
Para manter o display livre de desordem, não são mostrados
todos os valores medidos. Somente a média da força de cada
sinal detectado é mostrada. Se dois sinais ficarem sobrepostos de
tal maneira que a unidade não possa determinar onde um termina
e o outro começa, a média da força de ambos os sinais será
mostrada. Desta maneira, apenas um sinal é mostrado ao invés
de vários.

Use as teclas direcionais para mover os cursores de um nível de


sinal para outro sem deixar espaços vazios transversos e
economizar tempo na navegação.

Use estas teclas para mover o nível do


gráfico de referência do gráfico para cima e para baixo.

A tecla para alternar A/B controla qual cursor está ativo


e pode ser movido pelas teclas direcionais.

Esta tecla programável leva você à área de ajuste para


a medição. Quando você pressiona esta tecla, você é levado
para uma tela onde você pode ajustar as seguintes opções:

Freqüência Central: Você pode editar a freqüência


central para a portadora com as teclas direcionais ou o
teclado numérico assim que você entrar nesta tela.

Medição da Banda larga: Esta opção omite a


portadora do modem NTSC banda larga de 2.000 MHz.
Ajuste caso necessário com as teclas direcionais ou
coloque um valor com o teclado numérico.

Corte Percentual: No display detalhado esta opção


permite a você limitar o display a uma porcentagem total
do nível de sinal medido. Se ajustado em 50% do tempo
total de escaneamento, você verá apenas aqueles níveis
de sinal que ocorrem em 50% de cada ciclo de
escaneamento.

Tipo de Display: alterne entre display Resumido e


Detalhado.

142
Use a tecla programável Pre-Amp/LPF para controlar o
estado da Pre-Amplificador e filtro de passagem baixa.

A tecla programável de escala automática (AutoScale)


permite a você mudar o nível de referência do gráfico para
mostrar o sinal mais alto medido no topo do gráfico.

A tecla programável peak to valley irá automaticamente


posicionar o marcador A no nível mais alto medido e o B no
nível de valor mais baixo medido. Também mudará o
marcador ativo para o marcador B ficando assim mais
conveniente para o usuário selecionar o nível de ruído
desejado (exemplo: pior caso).

A tecla programável “reset” (reiniciar) fará a medição


reciclar. Esta ação é desejada caso a mesma entrada tenha
sido monitorada por um longo período de tempo e caso o
usuário queira monitorar a entrada para conseguir ingresso.

MEDIÇÕES DE HUM
Hum é a modulação indesejada da portadora de vídeo da
televisão através das freqüências da linha de força e harmônica
(50, 60, 100, 120 Hz) ou outros distúrbios de freqüência baixa
(limite FCC: < 1kHz). Quando você está usando o modo de
medição Hum, os ícones na esquerda da tela mostram as
freqüências de teste hum (ver Fig. 6-8). Quando você aperta a
tecla programável hum relacionada o lado esquerdo do ícone
escurece. O ícone dB/% alterna o valor mostrado entre dB e
porcentagem.
Quando há um nível indefectível de hum a seguinte mensagem
aparecerá na tela:
ERROR
INSUFFICIENT SIGNAL LEVEL TO PERFORM THE
MEASUREMENT
(ERRO

143
Nível de sinal insuficiente para fazer a medição)

Para medir hum, simplesmente pressione a tecla do modo de


medição HUM quando você estiver sintonizado a qualquer canal
em série.
Teclas programáveis permitem que você selecione filtros 50, 60,
100, 120 Hz ou <1,000 Hz para esta medição. Um componente
de modulação 60 Hz sugere um possível conector corroído, um
componente 120 Hz tende a indicar uma possível falha
relacionada ao fornecimento DC no amplificador, possivelmente
uma falha do capacitor, fazendo a ondulação aumentar.

Fig. 6-8 A tela de medição HUM

Uma técnica DSP permite medições hum em serviço, Portadoras


moduladas (canais em série).
O SDA-5000 pode medir o componente 1 Hz hum. Para ativar
esta função, ajuste a freqüência hum fundamental na tela de
medição (MEASUREMENT) em 1 Hz. As opções de filtro no
display Hum se tornarão então 1 Hz, <50 Hz, e <1 kHz.

Veja também
¾ "Configuração das Medições" no Capitulo 2 explica
como ajustar a freqüência hum fundamental (página
25).

144
NOTE: O ajuste <1 kHz não inclui o componente 1 Hz,
somente inclui 50 a 1,000 Hz.

ATENÇÃO ! Medições Hum feitas enquanto o carregador


do desktop estiver em uso afetará a leitura Hum. Para uma
melhor exatidão na leitura, desconecte o carregador antes
de fazer as medições Hum.

MEDIÇÕES DE MODULAÇÃO
A tela de modulação permite que você monitore o vigor da
modulação do vídeo em gráficos e em formato numérico preciso.
O software mostra um marcador no melhor nível de modulação
(NTSC 87.5%, PAL 90%) para ajudar você a fazer os ajustes.
Você também pode escutar a modulação de áudio do canal ou a
freqüência sintonizada.
Fig. 6-8 mostra a tela de profundidade da modulação de vídeo
que é a relação do pico na mudança declinante na modulação à
amplitude da portadora expressa em porcentagem.
Para medir a modulação, use o menu Navegador ou aperte a
tecla do modo de medição MOD

A Fig. 6-9 mostra a tela do vídeo. Veja que a seta do índice


no lado vertical esquerdo do gráfico — (87.5%)—indica o ícone
do vídeo ativo.

145
Fig. 6-9 A tela de modulação de vídeo

No caso de sinal ruim ou fraco, a tela mostrará:

ERROR
INSUFFICIENT SIGNAL LEVEL TO PERFORM THE
MEASUREMENT

(ERRO
Nível de sinal insuficiente para executar a medição)

Pressione a tecla programável de Áudio para ativar a


tela mostrada na Fig. 6-10. Um amplificador embutido de 13
dB e/ou 50 MHz filtro de passagem baixa também pode ser
ativado.

146
Fig. 6-10 O Menu de MODULAÇÃO de Áudio

Use os ícones da tela de Áudio como segue:

Entre no submenu Amplificador/Passa baixa e volte


para o submenu principal de Áudio.

Ative ou Desative o amplificador 13 dB

Ative ou Desative filtro de passagem baixa 50 MHz


(ícone mostra desativado)

Aumente o volume do alto falante

Diminua o volume do alto falante

Mude entre FM (áudio dos canais de vídeo e pouca


entrada de retorno) e AM (maior parte da entrada de retorno
como CB e Ham)

147
Ative a demodulação do Áudio (mostra desativado)

Ative Modulação de Vídeo (mostra ativado). Veja que o


indicador AM/FM no centro da tela (seleção ativada fica
destacada mais escura).

MEDIÇÕES DE CSO/CBT
O CSO (Composite Second Order) é um agrupamento de batidas
de Segunda ordem em certas freqüências no espectro. Estas
batidas causam interferência na qualidade de imagem quando
caem na banda larga do vídeo. O CTB (Composite
Triple Beat) é um agrupamento de produtos de distorção de
terceira ordem geralmente ao redor da freqüência da portadora
de vídeo.
A capacidade de fazer estas medições permite que você resolva
problemas e corrija a causa desta distorção indesejada.

NOTA: JDSU recomenda que um filtro passa banda < 12


MHz seja usado para limitar a quantidade de distorção de
intermodulação causada pela sobrecarga da entrada RF do
SDA- 5000. Se usado, um pré-amplificador deve ser
colocado entre o filtro passa banda e o receptor.

No modo Spect , pressione a tecla programável CSO/CTB para


iniciar as medições CSO/CTB. O SDA-5000 primeiro muda para
uma resolução banda larga 30 kHz (ver Fig. 6-11), mede a
portadora e depois você pode desligá-la. O sinal deve estar não
modulado.

148
Fig. 6-11 CSO/CTB, Portadora ligada

Pressione OK quando a portadora desligar.


Após um breve intervalo, a tela mostrada na Fig. 6-12 aparece,
mostrando os traços da medição.

Fig. 6-12 CSO/CTB, Portadora desligada

O traço de luz representa a portadora antes de ter sido desligada.


O traço escuro representa os produtos de distorção. O valor de
medição é computado pela relação do pico do nível da portadora
de vídeo ao pico dos produtos de distorção das batidas da

149
Segunda e terceira ordem. O pior valor CSO fica destacado. Este
é o valor geral CSO.
Veja que as relações CSO e CTB são quase iguais e bem acima
de qualquer mínimo razoável.

Pressione a tecla programável CSO/CTB para ajustar


os valores pré-ajustados para a medição CSO.

Fig. 6-13 CSO/CTB Pré-ajustados

Usando as teclas direcionais para cima e para baixo, selecione a


alteração da Compensação CSO. Use as teclas de entrada
numéricas para inserir um novo valor de Compensação de CSO. Ao
sair da medição CSO/CTB, o SDA-5000 avisa a você para ligar a
portadora outra vez.

150
Capítulo 7

Modo Analisador de Espectro

INTRODUÇÃO
No Modo Analisador de Espectro, o instrumento mostra todo ou
parte do sistema espectro CATV, com brechas variáveis de 3 a
50 MHz. Uma variação dinâmica melhor que 60 dB acima das
seis subdivisões verticais do gráfico do display dispõe uma útil e
compreensiva resolução de problemas. O Modo Medição de
Espectro revela picos de entrada tão breves quanto 5 µs.
O modo de variação zero do analisador de espectro mostra uma
única freqüência por hora. Você pode examinar TDMA individuais
(modems, maior parte de sinais do caminho de retorno) e
portadoras contínuas (vídeo digital, maior parte de sinais do
caminho de entrada).

OPERAÇÃO DO MODO DE ESPECTRO


Pressionar a tecla do Modo Medição de Espectro ativa o
analisador de espectro ou você pode chegar à tela SPECTRUM
através do menu Navegador (ver Fig. 7-1).

151
Fig. 7-1 A Tela Principal do Modo Espectro

Abaixo estão as funções primárias das teclas programáveis na


tela SPECTRUM.
Veja que o nível de referência está em dBmV e o fator da escala
em dB/div e estes são sempre mostrados no topo do gráfico. A
freqüência central é mostrada abaixo da barra título no canto
superior direito. O intervalo é mostrado na barra de status acima
do gráfico.

Pressione a tecla programável Amplificador/ Filtro de


passagem baixa (Amplifier/Low Pass Filter) para entrar na tela
correta.

Pressione a tecla programável freqüência (Frequency)


para entrar na tela da freqüência.

A tecla programável Nível (Level) coloca você na tela do


nível.

Use esta tecla programável para mudar entre os


marcadores A e B. Estes são dois marcadores verticais do
display. A linha pontilhada é um marcador ativo; a linha sólida
não se move. Você pode mover o marcador ativo com as
teclas direcionais para esquerda e direita. As linhas do

152
marcador A e B abaixo do gráfico mostram a diferença em
nível entre duas freqüências selecionadas.

Esta tecla programável reiniciará o algoritmo Retenção


Máxima no instrumento. Quando ficar cinza, a Retenção
Máxima (Maximum Hold) é desativada.

Este modo mostra uma amplitude versus hora na tela.

Este modo guia o usuário através da medição dos


produtos da Composite Second Order e Composite Triple
Beat.
A Fig. 7-2 mostra a capacidade do instrumento como analisador
de espectro. A variação completa é de 5 MHz a 1,000 MHz, com
intervalo de ± 1.5, 2.5, 5, 10 ou 25 MHz pela freqüência central
especificada. Para uso ao longo do caminho de retorno, com
filtros de de passagem baixa engajados, o espectro é reduzido de
5 MHz a 50 MHz.
Veja que o nível de referência (representado pela linha
quadriculada superior) valor está em dBmV e o fator da escala
está em dB/div (tipicamente 10dB/div por visualização de
espectro) e são mostrados no topo do gráfico.

Fig. 7-2 Varredura Completa do Modo Espectro

153
Existem cinco submenus disponíveis na tela SPECTRUM: NÍVEL
(LEVEL), FREQÜÊNCIA (FREQUENCY),
AMPLIFICADOR/FILTRO PASSA BAIXA (AMPLIFIER/LOW-
PASS FILTER), ZERO SPAN e CSO/CTB.

Veja também
¾ O Modo de Variação Zero também é abrangido no
Capítulo 5, "Resolvendo Problemas do Caminho de
Retorno" (página 104).

¾ O Modo de Operação CSO/CTB é abrangido no


Capítulo 6, na seção "Medições CSO/CTB" (pagina
128).
As seguintes seções descrevem as funções das teclas
programáveis e as operações destes submenus.

Submenu LEVEL (NÍVEL)


Pressione para entrar no submenu LEVEL, depois
retorne ao menu principal. Use as teclas programáveis LEVEL
para ajustar os parâmetros verticais do gráfico. Estes
parâmetros incluem o seguinte:

O nível de referência está localizado no topo da tela.


Você pode ajustá-lo usando as teclas direcionais para cima e
para baixo ou colocando um valor numérico com o teclado e
depois pressionar a tecla Enter.

O parâmetro da escala (1, 2, 5 e 10 dB/div) pode ser


ajustado apenas com as teclas direcionais para cima e baixo.
Por exemplo, se o nível de referência estiver ajustado para 0
dB e a escala ajustada em 10 dB/div, a primeira linha
horizontal acima do centro é igual a -30 dB. Após ajustar a
escala, pressione a tecla programável Level para retornar ao
display principal do analisador de espectro.

154
A função Retenção Máxima (Maximum Hold) assegura
que a amplitude mais alta de cada freqüência das múltiplas
varreduras seja mostrada. Se a Retenção Máxima estiver
ligada, um ícone pequeno no canto superior direito da tela
ficará mais escuro. Ocorrendo múltiplas varreduras, o traço de
nível máximo mudará apenas se novos níveis de varredura
excederem os níveis do traço atual. Um traço em meio tom
mostrará os dados atuais quando a Retenção Máxima estiver
ativada.

Estes são os dois marcadores verticais no display. A


linha pontilhada é um marcador ativo; a linha sólida não se
move. Você pode mover o marcador ativo com as teclas
direcionais para esquerda e direita. As linhas do marcador A e
B abaixo do gráfico mostram a diferença em nível entre duas
freqüências selecionadas.

Submenu Freqüência (Frequency)


Pressione esta tecla programável para entrar no
submenu FREQUENCY e retornar ao menu principal
SPECTRUM. O submenu FREQUENCY permite que você
ajuste e selecione a freqüência central, ajuste a variação e
mova os cursores A e B conforme exigido para avaliar
qualquer parte do display.

Pressione esta tecla programável para ajustar e


selecionar a freqüência central. Use o teclado numérico,
depois pressione a tecla programável Enter para colocar a
freqüência desejada na Caixa de Edição (Edit Box).

Use esta tecla programável para selecionar a variação


da cobertura. Se qualquer freqüência ficar mais baixa que 5
MHz ou mais alta que 1,000 MHz então, a freqüência central
mais alta ou mais baixa será usada.

155
Seleciona traço do tempo de interrupção (Dwell-Time)
(o tempo que o instrumento procura por sinal em cada
freqüência). Tempo de interrupção mais longo permite que
você verifique o ingresso transitório. Use o teclado numérico,
tecla Enter ou as teclas direcionais para cima e para baixo
para ajustar este valor de 64 µSeg a 25 mSeg. O tempo de
escaneamento aumentará em, no máximo, aproximadamente
sete segundos quando o tempo de interrupção estiver
ajustado a 25 microsegundos.

Pressione para selecionar os marcadores A e B e mova


os mesmos com as teclas direcionais para esquerda e direita.

Submenu AMPLIFICADOR (AMPLIFIER)


Pressione para ativar ou desativar o amplificador 13 dB,
necessário para examinar melhor o sinal “em ruído”. (O lado
direito escurece quando está ativado)

Pressione para entrar no submenu Amplificador/ Filtro


de passagem baixa (Amplifier/Low Pass Filter) e retornar ao
submenu principal SPECTRUM.

Pressione para ativar ou desativar o filtro de passagem


baixa 50 MHz, que quando ativado, filtra todas as freqüências
acima de 50 MHz. É útil para retornar ao caminho do exame.

Pressione para mudar a freqüência central ao valor do


marcador ativo.

Pressione para posicionar o marcador ativo na


freqüência com a melhor amplitude.

Pressione para selecionar os marcadores A e B e mova


como exigido através das teclas direcionais para esquerda e
direita.

156
Fig. 7-3 A Tela do Analisador de Espectro Variação Zero

ZERO SPAN Submenu

Pressione para entrar no submenu de variação zero


(ZERO SPAN).
No modo de variação zero, o instrumento mostra o traço de uma
freqüência discreta. O tempo de varredura está no eixo X e
amplitude (dBmV) no eixo Y. Você pode mudar a o tempo da
varredura tanto para maior quanto para mais próxima, se
necessário.
A variação zero incorpora um menu maior de características
úteis. Como nos outros modos, você pode usar amplificador 13
dB e filtro de passagem baixa 50 MHz . Você também pode usar
os marcadores ativos e inativos (A/B). Além disso, existem
elementos únicos disponíveis nesta operação. Você pode
começar a varredura manualmente ou automaticamente para
examinar o sinal. Você também pode obter traços sucessivos
para nível de medições precisas.
Veja que os marcadores mudam para ‘D’ e ‘U’ (Desejada e
Indesejada). Os valores dos marcadores são corrigidos pela
mistura dos sinais elétricos ou mistura de ruídos em grande
variedade e detector de fator principal. Isto melhorará a precisão

157
do marcador quando você estiver medindo sinais digitais
modulados e intervalo do ruído.

Pressione para entrar no submenu AMPLIFIER/LOW-


PASS FILTER, depois novamente para retornar ao menu
principal ZERO SPAN.

Pressione para entrar no submenu TIMEBASE, depois


novamente para retornar ao menu principal ZERO SPAN. Use
as teclas direcionais para cima e para baixo para mover entre
a quantidade de varreduras oferecidas na Edit Box e para
ligar o desligar a varredura automática.

Pressione para entrar no submenu nível (LEVEL),


depois novamente para retornar a tela ZERO SPAN.

Pressione para mudar o marcador ativo entre o


desejado (sinal) e o indesejado (ruído). Tipicamente estes
marcadores são usados na variação Zero para identificar
claramente as portadoras digitais TDMA e sinais transitórios.

Pressione para entrar no submenu banda larga


(BANDWIDTH). Este menu permite que você ajuste a
resolução da banda larga, vídeo banda larga e medição da
portadora banda larga.

Esta tecla programável reiniciará a media do traço


algoritmo.

Pressione para ligar ou desligar o início da varredura


usando as teclas direcionais para cima e para baixo. Com o
início desligado, o instrumento mostra atualização contínua.
Quando está ligado, o display não atualiza até que o sinal que
está chegando esteja acima da linha central do gráfico.

Pressione esta tecla programável para retornar ao


modo anterior.

158
Submenu AMPLIFICADOR (AMPLIFIER)
Pressione para entrar no submenu AMPLIFIER/LOW-
PASS FILTER. Este submenu permite que você ative ou
desative o filtro interno de passagem baixa e o amplificador,
bem como a procura pelo pico nos marcadores.

Pressione para ativar ou desativar o amplificador 13 dB


quando estiver trabalhando com sinais de nível baixo. O lado
direito escurece quando está ativado.

Pressione para ativar ou desativar o filtro de passagem


baixa 50 MHz, que quando ativado, atenua as freqüências
acima de 50 MHz. Isto é útil para retornar ao caminho do
exame. Este filtro elimina portadoras a jusante da entrada, o
que melhora a média dinâmica.

Pressione para posicionar o marcador ativo na


freqüência com a melhor amplitude.

Pressione para alternar os marcadores D e U, entre


ativados e desativados de acordo com a necessidade.

Submenu TIMEBASE
Pressione a tecla programável Timebase para entrar no
submenu TIMEBASE.

Pressione esta tecla programável para ajustar o tempo


da varredura. Adicionais são inseridos usando as teclas
direcionais para cima e para baixo. Opcionais incluem
• 20, 10, 05, 02, 01 segundos
• 500, 200, 100, 50, 20, 05, 20, 10, 02, 01 milisegundos
• 500, 200, 100 microsegundos

Pressione para ligar ou desligar o início da varredura


usando as teclas direcionais para cima e para baixo. Com o
acionador desligado, você tem uma atualização contínua.

159
Com o acionador ligado, você tem atualizações quando o
nível da portadora chega a uma crescente que cruza a linha
horizontal central. Se o nível do sinal nunca atingir o ponto de
início, o acionador manual (acima desta do lado direito da
tela) pode ser usado.

Esta tecla programável ajusta a quantidade de nível em


que o sinal deve mudar para uma crescente para causar a
ocorrência de início.

Edite os níveis Desejáveis e Indesejáveis com as teclas


direcionais para esquerda e direita.

Submenu LEVEL
Pressione a tecla programável LEVEL para entrar no
submenu LEVEL.

Pressione esta tecla programável para retornar ao


modo anterior. O nível de referência está no topo do gráfico.
Você pode ajustar o nível de referência com as teclas
direcionais para cima e para baixo ou colocando o valor
numérico seguido da tecla ENTER.

O parâmetro da escala (1, 2, 5 e 10 dB/div) pode ser


ajustado somente com teclas direcionais para cima e para
baixo. Se o nível de referência estiver ajustado em 0 dB e a
escala em 10 dB/div, a linha quadriculada horizontal no centro
ficará em -30 dB.

Esta tecla programável ativa e desativa a média do


traço. Use quando você estiver medindo os níveis de força
dos transmissores TDMA como os cable modems. Também é
útil quando você está medindo a qualidade do sinal D/U
(Desejada e Indesejada).

Pressione para mudar o marcador ativo entre o


desejado (sinal) e o indesejado (ruído). Tipicamente estes

160
marcadores são usados na variação Zero para identificar
claramente as portadoras digitais TDMA e sinais transitórios.

Submenu BANDWIDTH

Pressione para justar a resolução da banda larga nos


valores 30 kHz, 280 kHz ou 2 MHz. Um valor de 280 kHz é
usado como nominal. Quando o espaço da portadora é muito
estreito ou muito largo, você pode usar 30 kHz ou 2 MHz,
respectivamente.

Pressione para ajustar os valores do vídeo banda larga


em Auto, 100 kHz, 10 kHz ou 100 Hz. Auto deve ser usado
para evitar distorção. Você pode querer mudar para um valor
mais baixo quando olhar a força da portadora.

Pressione para ajustar a medição da banda larga.


Qualquer valor de 0.01 a 99.999 MHz pode ser colocado. Este
valor é usado para corrigir o nível da força para perdas
causadas por uma resolução mais estreita da banda larga do
que a atual.

Correção = 10log (MBW/RBW)

Pressione para alternar o marcador ativo entre


Desejado (Sinal) e Indesejado (Ruído). Tipicamente estes
marcadores são usados na variação Zero para identificar
claramente as portadoras digitais TDMA. (ver Fig. 7-4).

161
Fig. 7-4 Exemplo D/U Display

162
Capítulo 8

Campo de Visão PathTrak (OPT3)

INTRODUÇÃO
O Modo de operação PathTrak está disponível apenas se a sua
unidade tem OPT3, Campo de Visão. O modo PathTrak oferece
maior precisão na solução de problemas, permitindo que o
técnico compare as medições do espectro no nó com condições
atuais da cabeceira. No modo PathTrak, o receptor de campo
SDA-5000 mostra tudo ou partes do espectro do caminho de
retorno em uma variação de 5MHz a 65MHZ.
Pressione a tecla PathTrak ou escolha o ícone PathTrak no
Navegador para ativar o modo PathTrak.

CONFIGURAÇÃO DO PATHTRACK
A configuração dos itens do menu PATHTRAK mostrados na Fig.
8-1 devem ser ajustadAs para permitir comunicação entre o
sistema PathTrak e a unidade de campo SDA.

163
Fig. 8-1 A tela de configuração PATHTRAK

Para entrar na tela de configuração PATHTRAK selecione a


opção PATHTRAK no menu principal CONFIGURE .

• Freqüência de Telemetria: Selecione esta opção na tela


de configuração PATHTRAK. Uma portadora de telemetria
é usada para transmitir dados da cabeceira do PathTrak
Stealth Modem para unidade de campo. Ajuste a
freqüência da telemetria entre 5 MHz e 1000 MHz através
do teclado numérico e depois aperte a tecla Enter.

NOTA: A freqüência da telemetria deve ser ajustada para


combinar com a freqüência a qual a cabeceira PathTrak
Stealth Modem está transmitindo.

• Lista de Nós: Não existem procedimentos de


configuração inicial para a opção lista de nós. Para
informações sobre como usar a lista, veja "Modo lista de
nós” (Node List Mode) mais tarde neste capítulo (página
145).

164
OPERAÇÃO DO MODO PATH TRACK
O modo PathTrak tem dois traços de medição, Local e Remoto,
que são mostrados juntos em um gráfico analisador do espectro.
O traço local mostra o espectro no campo e o remoto mostra o
pego no sistema PathTrak (ver FigurAs 8-2 e 8-3). O receptor de
campo SDA-5000 mostra o espectro de qualquer nó que está
atualmente monitorado pelo sistema PathTrak e que esteja
selecionado para divulgação.

Traço Local – Medição de Campo

Traço Remoto – Medição PathTrak

Pressione a tecla programável Trace para alternar entre o traço


local ou remoto. O nome e ícone do traço selecionado aparecerão
no canto superior direito da tela. As medições para o traço
selecionado aparecerão na parte central inferior da tela.

Fig. 8-2 Modo PathTrak – Traço Local

165
Fig. 8-3 Modo PathTrak – Traço Remoto

As seções seguintes descrevem as funções das teclas


programáveis disponíveis no modo PathTrak.

Submenu AMPLIFIER/LOW-PASS FILTER


Pressione esta tecla programável para acessar o
amplificador embutido e submenu do filtro de passagem
baixa. Esta opção está disponível na medição do traço local
apenas. Pressione novamente para retornar ao menu
principal PATHTRAK.

NOTA: O amplificador e os filtros de passagem baixa


manterão seus ajustes enquanto desativados na medição
de traço remoto.

Pressione para ativar/desativar o amplificador 13 dB se


necessário para examinar com mais precisão o sinal “no
ruído”. O lado direito escurece quando está ativado.
Pressione para ativar/desativar o filtro de passagem
baixa 50 MHz. Quando ativado, filtra todas as freqüências
acima de 50 MHz. (O lado direito escurece quando está
ativado).

166
Pressione para selecionar o modo marcador (Marker).
Você tem a opção do modo simples ou duplo usando as
teclas direcionais para cima e para baixo. Selecione o modo
simples quando quiser comparar a diferença da amplitude
entre o traço local e remoto em uma freqüência especÍfica.
Quando estiver no modo de marcação dupla esta tecla
alterna o cursor entre A e B. Selecione quando você quiser
comparar a amplitude em duas freqüências diferentes tanto
no traço local quanto no remoto.
Esta tecla programável seleciona a função de procura
do pico. Quando selecionada, o marcador ativo é
automaticamente posicionado na freqüência da amplitude
mais alta no gráfico do espectro do traço ativo atual. Esta
opção está disponível em ambos modos de marcação,
simples ou duplo.

Submenu LEVEL
Seleciona o submenu LEVEL. Use a tecla programável
LEVEL para ajustar os parâmetros verticais do gráfico. Estes
parâmetros incluem o nível de referência escala e maximum
hold.

O nível de referência está localizado na primeira linha


do gráfico. Você ajusta usando as teclas direcionais para cima
e para baixo ou colocando o valor numérico através do
teclando e pressionando a tecla ENTER.

O parâmetro da escala (1, 2, 5, 10 e 20 dB/div) pode ser


ajustado apenas com teclas direcionais para cima e para
baixo. Após ter ajustado a escala, pressione a tecla
programável LEVEL para retornar a tela PATHTRAK

A função Maximum Hold assegura que a amplitude


mais alta de cada freqüência em varreduras múltiplas seja
mostrada. Se a Maximum Hold estiver ativada, você verá que

167
o pequeno ícone no canto superior direito do display ficará
mais escuro. Ocorrendo múltiplas varreduras, o nível máximo
do traço mudará apenas se novos níveis de varreduras
excederem os nineis do traço atual. Um traço half-tone
mostrará os dados salvos quando a Maximum Hold estiver
ativada.

Modo lista de Nós


Contém a lista atual de nós disponíveis do sistema PathTrak.
Essa lista pode ser vista qualquer momento; entretanto, o
receptor de campo SDA-5000 deve estar conectado ao ponto de
teste amplificador/nó para fazer a atualização da lista. Após estar
atualizada, a mesma é arquivada na memória.

Use esta tecla programável para visualizar a lista de


nós. Esta tela mostra uma lista de nós disponíveis no sistema
PathTrak. Você pode ver todos os nós no sistema ou apenas
aqueles transmitidos. Se o nó que você quer visualizar não
estiver sendo transmitido entre em contato com o
administrador do sistema PathTrak para pedir para ativar.
Você deve apresentar ao administrador do sistema PathTrak
identificação e número do nó requisitado. O número de
identificação está localizado na parte inferior esquerda da tela
(ver Fig. 8-4).
Selecione a tecla programável Node para alternar entre
visualização dos nós transmitidos e (ver Fig. 8-4) e
visualização de todos os nós (ver Fig. 8-5).

168
Fig. 8-4 Visualização de nó transmitido

Fig. 8-5 Visualização de todos os nós

Seleção de nós

NOTA: Apenas os nós transmitidos podem ser


selecionados para visualização, estes são indicados por um
ponto a esquerda do nó.

Destaque o nó que você quer visualizar e aperte a tecla


programável. Uma marca de verificação aparecerá no nó
selecionado. Uma vez que o nó desejado esteja selecionado

169
para visualização, aperte a tecla ENTER para ir diretamente
ao modo PathTrak.

Informação de Nó

Selecione a tecla programável informação (Information)


para ver os parâmetros associados com o nó selecionado.
Estes parâmetros são estabelecidos pelo administrador do
sistema PathTrak e não podem ser mudados localmente.

Medição Hold

Você pode congelar a medição atual a qualquer momento


pressionando a tecla Function e 5 mno. A medição ficará
retida mesmo se o jumper cable for desconectado do ponto
de teste do amplificador/nó. O ícone do modo na porção
superior esquerda da tela pisca quando a medição estiver na
espera.

170
Capítulo 9

Análise Digital (QAM View OPT4)

INTRODUÇÃO
Este capítulo revisa as características e operações da opção análise
digital do SDA (QAM View OPT4). Além da visão geral de início
rápido, quatro modos operacionais primários são discutidos, incluindo
Sumário Digital, Ingresso QAM, Constelação e Equalizador.

Operação de Análise Digital está disponível apenas se o seu SDA for


equipado com Visualização QAM (Modulação de amplitude de
quadratura) (SDA Opção 4).

Antes de qualquer tentativa de medição digital

• conecte o cabo na porta digital do SDA


• designe canais digitais na disposição de canais
• revise valores digitais padrão digital na disposição de
canais e edite estes valores, se necessário para ir ao
encontro às exigências do seu sistema.

Veja também
¾ o Capítulo 3, “Disposição de canais,” contém mais
informações sobre configuração da disposição de
canais e limites de edição padrão.

INÍCIO RÁPIDO
Para usuários experientes ou para aqueles com equipamento de
análise digital doméstica esta seção oferece uma breve visão da
funcionalidade dos quatro modos digitais dos SDAs. Use esta
seção para rapidamente começar a analisar os aspectos do sinal

171
digital e veja as seções para uma revisão mais detalhada de cada
modo digital.

Selecionando um modo de Análise Digital


Selecione um modo de Análise Digital usando o menu Navegador
ou as teclas do modo de medição.

Usando o Menu do Navegador

Fig. 9-1 Interface do Navegador

Para selecionar um dos quatro modos de Análise Digital usando o


menu Navegador, pressione a tecla Nav, pressione a tecla
programável de análise digital (Digital Analysis), use as teclas
direcionais para destacar o ícone desejado no menu
Navegador (Navigator) (ver Fig. 9-1) e pressione a tecla Enter no
teclado.

Usando as teclas do modo de medição


As teclas do modo de medição ( Fig. 9-2) também oferecem
acesso conveniente aos quatro modos de análise digital.

172
Fig. 9-2 Teclas do Modo de Medição Digital

Para ativar o modo de Sumário DIGITAL , pressione a tecla


verde de função e, então, pressione a tecla do modo de
medição C/N.
Para ativar o modo equalizador, (EQUALIZER), pressione a
tecla verde de função e, então, pressione a tecla do modo
de medição Hum.
Para ativar a modo Constelação, pressione a tecla verde
de função e, então, pressione a tecla do modo de medição
Mod.
Para ativar a modo de Ingresso QAM (QAM INGRESS) ,
pressione a tecla verde de função e, então, pressione a
tecla do modo de medição Spec.

Corrigindo erros de trava de sinal

O SDA irá automaticamente tentar bloquear o sinal QAM do canal


designado (ou freqüência). Erros de bloqueio podem resultar de
uma variedade de condições, incluindo configuração imprópria da
unidade ou conexão do cabo.
Conecte o cabo à porta digital da unidade antes de usar qualquer
um dos quatro modos digitais.
Se inicialmente não for bem sucedido, a seguinte mensagem de
erro aparecerá:

“ERROR … Signal Unlocked! Confirm Connection to Dig Port. Retry.”

173
(ERRO Sinal desbloqueado a conexão para porta digital
tentativa.)

Pressione esta tecla programável para tentar


novamente bloquear no sinal QAM. Esta tecla aparecerá no
canto inferior direito da tela quando ocorrerem erros de
bloqueio, caso contrário, a tecla permanecerá em branco.

Modo de Sumário Digital (Início rápido)


Este modo mede e resume as características de qualidade mais
críticas de um sinal digital. O formato de modulação usado para
bloquear o sinal digital e taxa de símbolo podem ser editadas
neste modo. QAM e detalhe digital também estão disponíveis
neste modo. O Nível digital DETAIL mostra o canal, o formato de
modulação, a taxa de símbolo, a portadora pré-ajustada (em
KHz), o força do equalizador.

Pressione esta tecla para visualizar o display digital


detalhe (DETAIL).

Pressione esta tecla para visualizar o display do nível


QAM.

Modo de Ingresso QAM (Início rápido)


Modo de Ingresso QAM oferece uma visualização espectro do
ingresso do ruído, CSO/CTB e outros ruídos coerentes (na
banda) que ocorrem em níveis abaixo do sinal digital.
A medição dos dados é mostrada em duas linhas, A e B, abaixo
do gráfico. Estas duas linhas mostram as leituras dos marcadores
verticais no gráfico.

Pressione esta tecla para selecionar o marcador vertical


ativo. A linha pontilhada é o marcador ativo. A linha sólida

174
(outro marcador) não se move. O marcador ativo move com
as teclas direcionais para a esquerda e direita.

Pressione esta tecla para automaticamente posicionar o


marcador ativo na freqüência com maior amplitude.

Modo Constelação (Início Rápido)


O modo CONSTELAÇÃO mostra uma imagem de qualidade do
sinal digital demodulado. Identificar um padrão específico da
constelação e associar este padrão a um tipo específico de
deficiência, rapidamente leva você às opções de resolução de
problemas que minimizam ou eliminam a deficiência. (Um bom
sinal QAM irá mostrar um grupo de pontos no centro de cada
quadrado na grade).
Use o recurso zoom para examinar a constelação com mais
detalhes. Em 64 QAM, três grades estão disponíveis para
visualização – 8x8, 4x4, and 2x2. Em 256 QAM, quatro grades
estão disponíveis para visualização– 16x16, 8x8, 4x4, and 2x2.

Pressione esta tecla para ver o display do nível QAM .

Pressione esta tecla para entrar no submenu Zoom .

O quadrante esquerdo da parte de cima da grade da constelação


será coberto por uma moldura escura. Use as teclas direcionais
para mover esta moldura ao quadrante desejado.

Pressione esta tecla para aproximar o Zoom um nível


no quadrante com a moldura.

175
Modo Equalizador (Início Rápido)
O equalizador adaptativo corrige os efeitos de reflexos no
caminho da transmissão. O modo equalizador indica a força de
reflexos específicos, a localização em relação ao local do ponto
de teste e o quão duro o equalizador está trabalhando para
corrigi-los.
Uma função primária deste modo é ajudar o usuário a manter
níveis baixos de força do equalizador através da colocação da
equalização excessiva no demodulador QAM, coeficientes de
filtro digital que requerem correção.
Na tela da resposta da freqüência, In-Channel é usada para ver
deficiências na magnitude no canal mostrando uma resposta da
amplitude. A tela In-Channel Group Delay é usada para identificar
deficiências da fase.

Pressione esta tecla para selecionar a tela da resposta


da freqüência In-channel

Pressione esta tecla para selecionar In-Channel Group


Delay Screen.

MODO DE SUMÁRIO DIGITAL


Este modo mede e resume as características mais críticas de um
sinal digital. O formato da modulação e taxa de símbolo podem
ser editados neste modo.
Quando sintonizar o canal, o modo sumário digital sintonizará
apenas os canais definidos como canais QAM na disposição de
canais. Quando sintonizar a freqüência, o modo sumário digital
entenderá que todos os canais são sinais digitais.
O display DETAIL (ver Fig. 9-4), acessível a partir da tela principal
DIGITAL, oferece dados adicionais e valores passa/falha de
acordo com o força do equalizador, portadora pré-ajustada e a
taxa de símbolo.

176
O display de nível QAM (ver Fig. 9-5), também acessível a partir
da tela principal DIGITAL, mostra o nível do sinal QAM em
unidades de dBmV, dBm ou dBuV. A compensação do ponto de
teste avançado total é mostrada na barra de informação inferior
entre a data e o medidor de bateria.

Características e Definições

Características da tela principal


A tela principal DIGITAL (ver Fig. 9-3) mostra:

• número do canal e formato da modulação


• índice de erro de modulação (MER) / Error Vector
Magnitude (EVM)
• Bit Error Rate (BER) antes de Forward Error Correction
(FEC)
• Bit Error Rate depois de Forward Error Correction.

Esta tela também apresenta valor Passa ou Falha para estas


medições em relação a limites de erros definidos pelo usuário.

Veja Também
¾ O Capítulo 3, “Disposição de canais,” contém mais
informações sobre a configuração da disposição de
canais e edição de limites de erro.

Índice de erro de modulação (MER)


A medição índice de erro de modulação é análoga ao “signal-to-
noise” (S/N) ou medição da relação portadora/ruído (C/N) feita
em sistemas analógicos. Este é o índice da força do sinal
equalizado para a degradação total do sinal. Deficiências não
transitórias (ruído no sistema, CTB, CSO, ingresso) são logo
detectados pelas medições MER.

177
Expressa em dB, uma leitura alta MER significa um nível menor
de deficiência e um sinal melhor; uma leitura baixa MER significa
um grau mais alto de deficiência. Pelo fato do 64 QAM parar de
funcionar cerca de 22 dB MER e 256 QAM parar de funcionar
cerca de 28 dB MER, o SDA tem limiares de falha de 28 dB MER
e 32 dB MER respectivamente para permitir uma margem de erro
com segurança de 4-6 dB no valor Passa/Falha (ver Fig. 9-3).

Error Vector Magnitude (EVM)


Alguns designers de sistema preferem ver a performance do
sistema em termos de erros Vector Magnitude, que é
essencialmente um dado MER oferecido em formato de
porcentagem. O formato MER pode ser mudado para o formato
EVM na tela CONFIGURE MEASUREMENT (ver Capitulo 2).

Taxa de erro de Bit (BER)


Com cada transmissão de dados digitais, alguns bits não serão
recebidos corretamente. A Taxa de Erro é o número de bits em
erro dividido pelo número total de erros na transmissão de dados.
Este índice é express006F em notação cientifica, onde 1e-3 é
igual a um erro a cada 1000 bits transmitidos. Um erro em cada
1.000.000 bits transmitidos são expressos como 1e-6. Um
expoente mais negativo indica uma taxa de erro mais baixa. O
BER é outro bom indicador da performance geral do sistema. O
SDA tem limiares padrão da Passa/Falha BER de 1e-8 antes da
correção avançada de erros e 1e-9 após a mesma.

Correção Avançada dos Erros (FEC)


Correção avançada de erros acrescenta informação redundante
ao fluxo de dados para diminuir o número de erros de bits
introduzidos pela transmissão de canal. O BER antes do FEC é a
soma de todos os erros de bits (corrigíveis e incorrigíveis). O BER
após FEC indica somente o número de erros incorrigíveis ou seja,
aqueles erros que o FEC não conseguiu corrigir e que foram
passados pelo circuito de decodificação. A diferença entre o -

178
FEC, pré e pós entretanto indicará o quão duro a função FEC
está trabalhando e o quão perto o sistema está de falhar.

Formato de Modulação
O SDA analisa dois formatos da Modulação de Amplitude de
Quadratura , 64 QAM e 256 QAM. Mudanças no formato da
modulação devem ser feitas apenas quando é certo que a
modulação do sinal digital não é compatível com o ajuste atual.
Edições ao formato de modulação devem ser salvas na
disposição de canais. (ver Fig. 9-6).
Índice de Símbolo
O índice de símbolo (Symbol Rate) corresponde ao tamanho e
formato (banda larga) do sinal digital. Este índice é expresso em
“milhões de símbolos por segundo” (Msym/s) e pode ser editado
no modo de sumário digital. O padrão para 64 QAM é 5.057. O
padrão para 256 QAM é 5.360. Edições ao padrão do índice de
símbolo devem ser feitas apenas quando dados mais precisos
são obtidos nas especificações do equipamento ou mais análise
do sinal. Edições no índice de símbolo devem ser salvas na
disposição e canais (ver Fig. 9-7).

Display DETAIL
Para informações adicionais, o display digital DETAIL (ver Fig. 9-
4) mostra o formato do canal e modulação, índice de símbolo,
portadora pré-ajustada (em KHz) força do equalizador e um valor
de Passa/Falha para cada uma destas medições baseadas nos
ajustes padrão ou limites definidos pelo usuário.

Força do Equalizador
Força do equalizador é medida como baixa, média ou alta no
display DETAIL. O modo equalizador oferece informação mais
especifica sobre força do equalizador.
Portadora pré-ajustada

179
O valor da portadora pré-ajustada mostrado no display digital
DETAIL indica o quão longe do centro (em kHz) o sinal digital
está da freqüência sintonizada do SDA.

Operação Básica

Para ativar o modo sumário DIGITAL, pressione a tecla verde de


função e depois a tecla do modo de medição C/N.

Fig. 9-3 Tela principal DIGITAL

O SDA irá automaticamente tentar bloquear o sinal QAM do canal


designado (ou freqüência). Erros de bloqueio podem resultar de
uma variedade de condições, incluindo configuração imprópria da
unidade ou conexão do cabo.
Conecte o cabo a porta digital da unidade antes de usar um dos
quatro modos digitais.

180
Se inicialmente não foi bem sucedido, a seguinte mensagem de
erro aparecerá:

“ERROR … Signal Unlocked! Confirm Connection to Dig Port. Retry.”

“ERRO Sinal Desbloqueado! Confirme Conexão ao Dig Port.


Tente Novamente.”

Pressione esta tecla programável para tentar


novamente bloquear o sinal QAM. Esta tecla programável
aparecerá no canto inferior direito da tela quando ocorrerem
erros de bloqueio, caso contrário permanecerão em branco.

Visualizando o display DETAIL


Pressione esta tecla para visualizar o display digital
DETAIL (ver Fig. 9-4).

Fig. 9-4 Display Digital DETAIL

Pressione esta tecla para retornar ao modo sumário


digital.

181
Visualizando o display de nível QAM
Pressione esta tecla para visualizar o display de nível
QAM.

Fig. 9-5 Display de Nível QAM

Pressione esta tecla para retornar ao modo sumário digital.

Editando o formato da modulação


Pressione esta tecla para editar o formato da
modulação.

Mudanças no formato de modulação devem apenas ser feitas


quando se está certo que a modulação do sinal digital não é
compatível com o sinal digital atual do ajuste.
Use as teclas direcionais para cima e para baixo selecionar o
formato de modulação alternativo.

182
Fig. 9-6 Editando o formato de modulação

Pressione esta tecla para salvar o novo formato de


modulação como a disposição dos canais.

Pressione esta tecla para retornar à tela do modo de


sumário digital principal.

Editando o Índice de Símbolo


Pressione esta tecla para editar o Índice de Símbolo.

Edições ao índice padrão devem ser feitas apenas quando dados


mais precisos são obtidos a partir das especificações do produto
ou mais análises do sinal.
Use o teclado alfanumérico para definir o novo índice de símbolo
e depois aperte a tecla enter. Edições no índice de símbolo
devem ser salvas na disposição de canais.

183
Fig. 9-7 Editando o Índice de Símbolo

Pressione esta tecla para salvar o índice de símbolo e


a disposição de canais.

Pressione esta tecla para retornar a tela do modo de


sumário digital principal.

MODO DE INGRESSO QAM


Modo de Ingresso QAM oferece visualização do espectro do
ingresso do ruído, CSO/CTB e outros ruídos coerentes que
ocorrem em níveis abaixo do sinal digital.
Permite que você veja “abaixo do sinal” removendo o sinal QAM e
mostrando o espectro que permaneceu. Isolando deficiências
especificas de canais e freqüências particulares este modo
mostra o tamanho e local de ingresso em relação à portadora
digital sem deixar a portadora fora de serviço.

184
Características e Definições

Ingresso QAM INGRESS tela das Características Principais

Tela Principal Ingresso QAM (ver Fig. 9-8) mostra:

• número do canal e formato da modulação


• referência do gráfico e valores da escala
• freqüências da esquerda, centro e direita no gráfico
• dois valores dos cursores de freqüência e nível (em
relação à portadora)
• Delta dos dois valores dos cursores.

Esta tela também mostra o nível de interferência nos valores dBc


para cada cursor. Este valor, chamado “decibéis com respeito a
portadora,” indica a força do ruído em respeito a força do sinal. O
valor dBc deve ser interpretado em relação ao valor do nível de
referência (em dBc) localizado no canto superior esquerdo da
tela. A edição do nível de referência é discutida abaixo nesta
seção.
NOTA: A banda larga de vídeo e de resolução são fixas por
algarismo e tamanho do gráfico. Variação da freqüência é
fixada pela taxa do símbolo do canal.

Operação Básica

Para ativar o modo de Ingresso QAM, pressione a tecla verde de


função e então aperte a tecla do modo de medição Spect.

185
Fig. 9-8 Tela Principal do Ingresso QAM

O SDA irá automaticamente tentar travar o sinal QAM do canal


designado (ou freqüência). Erros de travamento podem resultar
a partir de uma variedade de condições, incluindo configuração
imprópria da unidade ou conexão do cabo. Conecte o cabo à
porta digital da unidade antes de usar qualquer um dos quatro
modos digitais.
Se inicialmente não foi bem sucedido, a seguinte mensagem de
erro aparecerá:

“ERROR … Signal Unlocked! Confirm Connection to Dig Port. Retry.”


ERRO Sinal Desbloqueado! Confirme Conexão ao Dig Port.
Tente Novamente.”

Pressione esta tecla programável para tentar


novamente bloquear o sinal QAM. Esta tecla programável
aparecerá no canto inferior direito da tela quando ocorrerem
erros de bloqueio, caso contrário permanecerão em branco.

186
Medindo o Ingresso QAM
Modo de Ingresso QAM opera como o modo SPECTRUM. A
partir da tela principal você pode

• selecionar o marcador ativo


• mover o marcador para um ponto de medição desejado
• selecionar a função de procura de Pico
• editar o formato de modulação e índices de símbolo
• mover para o submenu LEVEL para editar o nível de
referência, parâmetro da escala ou selecionar o
gráfico/marcador de Retenção Máxima.

Dados da medição são mostrados em duas linhas, A e B, abaixo


do gráfico. Estas duas linhas mostram as leituras dos marcadores
verticais no gráfico.

Pressione esta tecla para ativar o marcador vertical. A


linha pontilhada é um marcador ativo. A linha sólida (outro
marcador) não se move. O marcador ativo move através das
teclas direcionais para esquerda e direita.

Pressione esta tecla para automaticamente posicionar o


marcador ativo na melhor amplitude.

Editando o formato da modulação ou Índice de Símbolo


Pressione esta tecla para editar o formato da
modulação.
O SDA analisa dois formatos de modulação de amplitude de
quadratura, 64 QAM e 256 QAM. Mudanças no formato da
modulação devem ser feitas somente quando houver certeza de
que a modulação do sinal digital não é compatível com o ajuste
atual.
Use as teclas direcionais para cima e para baixo para selecionar
o formato da modulação alternativo e depois pressione a tecla
187
Enter. Edições no formato de modulação devem ser salvas na
disposição de canais.

Pressione esta tecla para editar o Índice de Símbolo.


O Índice de Símbolo corresponde ao tamanho e formato (banda
larga) do sinal digital. Este índice é expresso em “milhões de
símbolos por segundo” (Msym/s) e pode ser editado no modo de
sumário digital. O padrão para64 QAM é 5.057. O padrão para
256 QAM é 5.360.
Edição do índice padrão deve apenas ser feito quando dados
mais precisos são obtidos a partir das especificações do
equipamento ou mais análise do sinal.
Use o teclado alfanumérico para definir o novo Índice de Símbolo
e depois pressione a tecla Enter. Edição ao Índice de Símbolo
pode ser salva na disposição de canais.

Pressione esta tecla para selecionar o submenu LEVEL,


onde os seguintes itens podem ser editados:

• Nível de Referência
• Parâmetro da Escala
• Função Retenção Máxima

Estes três parâmetros devem ser editados para permitir


visualizações diferentes do ingresso do sinal QAM no gráfico.

Editando o nível de referência


Ajustando o nível de referência, o marcador de sinal pode ser
verticalmente centralizado no gráfico para mostrar tanto o ruído
de superfície quanto o pico da melhor amplitude.

Pressione esta tecla para selecionar a opção do nível


de referência (ver Fig. 9-9).

188
Use o teclado alfanumérico para definir o nível desejado e
pressione a tecla enter. Níveis podem ser selecionados em
aumentos de 1 dB.

Fig. 9-9 Editando o nível de referência do ingresso QAM

Pressione esta tecla para retornar à tela principal do


ingresso QAM .

Editando parâmetro da escala


Ajustando o valor da escala, o marcador de sinal pode ser
visualizado com mais detalhes (aparecendo mais próximo) ou
com menos detalhe (aparecendo mais distante) no gráfico.

Pressione esta tecla para selecionar a opção de edição


do parâmetro da escala (ver Fig. 9-10) e então use as teclas
direcionais para cima e para baixo para ajustar o nível. As
opções de escala dB/div são 0.5, 1, 2, 5 e 10. O gráfico
mostrará os novos valores automaticamente assim que
selecionados pelas teclas direcionais.

189
Fig. 9-10 Editando o parâmetro da escala do ingresso QAM

Pressione esta tecla para retornar à tela principal de


ingresso QAM.

Selecionando a Função Retenção Máxima


Quando esta opção é selecionada, o gráfico compila sinais
sucessivos representados graficamente. Mostra variações de
sinal de acordo com o tempo. Pressione a tecla de reinício (reset)
(mostrada abaixo) para limpar o gráfico dos gráficos coletados e
reinicie a função Retenção Máxima.

Pressione esta tecla para selecionar a tela de edição


retenção máxima (ver Fig. 9-11) e então use as teclas
direcionais para cima e para baixo para selecionar ou
cancelar a seleção da função.

Pressione esta tecla para reiniciar o traço da retenção


máxima no gráfico.

190
Fig. 9-11 Função Retenção Máxima Selecionada

Pressione esta tecla para retornar a tela principal de


ingresso QAM.

MODO CONSTELAÇÃO
O Modo CONSTELAÇÃO mostra uma figura da qualidade do
sinal digital demodulado antes da correção do erro. Identificar
uma constelação específica padrão na grade e associando este
padrão com um tipo especÍfico de dano rapidamente o leva para
opções de resolução de problemas que minimizam ou eliminam o
dano. (Um bom sinal QAM mostrará um agrupamento de pontos
no centro de cada quadrado na grade)
Constelação Básica
Limite de Constelação Básica
Os pontos representando os símbolos QAM no display
constelação devem estar bem com as linhas quadriculadas
(limites de decisão). Quando os pontos se aproximam ou
excedem estes limites erros significativos estão ocorrendo na
transmissão dos sinais.

191
Tipos comuns de danos
As Figuras 9-12 a 9-14 mostram o display da constelação
representando três danos comuns-ruído termal (sistema), ruído
fásico e interferência coerente. Ganho na compressão e
embalanço I/Q (não mostrado aqui) são exemplos de dois outros
tipos de danos com assinaturas gráficas específicas.
Danos de ruído térmicos fazem com que os pontos no gráfico se
espalhem nas linhas quadriculadas (limites de decisão), indicando
erros significantes (ver Fig. 9-12). A característica zoom mostra
mais detalhes sobre a posição destes pontos em relação às
linhas quadriculadas.

Fig. 9-12 Dano do Ruído Termal

Danos do ruído fásico fazem com que os pontos no gráfico


formem um padrão circular (ver Fig. 9-13). O ruído fásico é visto
melhor na grade sem o uso da característica zoom.

192
Fig. 9-13 Dano do Ruído Fásico

Danos de Interferência Coerente -- como CTB, CSO, levam os


pontos do gráfico se agruparem deixando espaços vazios no
meio (ver Fig. 9-14).

Fig. 9-14 Dano de Interferência Coerente

193
Modulação QAM e Índices de Símbolo
O SDA analisa dois formatos de modulação de amplitude de
quadratura, 64 QAM e 256 QAM.
Os Índices de Símbolo correspondem ao tamanho e formato
(banda larga) do sinal digital. Este índice é expresso em “milhões
de símbolos por segundo” (Msym/s) e pode ser editado no modo
de sumário digital. O padrão para 64 QAM é 5.057. O padrão
para 256 QAM é 5.360.

Razão de Erro da Modulação (MER)


A medição Razão de Erro da Modulação é analógica e sinal/ruido
(S/N) ou medição da relação portadora/ruído (C/N) feita em
sistemas analógicos. É a razão da força do sinal equalizado a
degradação total do sinal. Deficiências não transitórias (ruído no
sistema, CTB, CSO, ingresso) são logo detectados pelas
medições MER.
Expressa em dB, uma leitura alta MER significa um nível menor
de deficiência e um sinal melhor; uma leitura baixa MER significa
um grau mais alto de deficiência. Pelo fato do 64 QAM parar de
funcionar cerca de 22 dB MER e 256 QAM parar de funcionar
cerca de 28 dB MER, o SDA tem limiares de falha de 28 dB MER
e 32 dB MER respectivamente para permitir uma margem de erro
com segurança de 4-6 dB no valor Passa/Falha (ver Fig. 9-3).

Razão Erro Bit (BER)


Com cada transmissão de dados digitais, alguns bits não serão
recebidos corretamente.
A razão erro bit é o número de bits em erro dividido pelo número
total de erros na transmissão de dados. Esta razão é expressa
em notação científica, onde 1e-3 é igual a um erro a cada 1000
bits transmitidos. Um erro em cada 1.000.000 bits transmitidos
são expressos como 1e-6. Um expoente mais negativo indica
uma taxa de erro mais baixa.

194
BER é outro bom indicador da performance geral do sistema. O
SDA tem limiar padrão BER Passa/Falha BER de 1e-8 antes da
Correção Avançada de erro e 1e-9 após a mesma.

Operação Básica

Para ativar o modo constelação, pressione a tecla verde de


Function e depois a tecla do modo de medição de modulação.

Características da Tela Principal de Constelação


A partir da tela principal CONSTELAÇÃO (Fig. 9-15) você pode

• visualizar uma representação gráfica do sinal


• examinar dados MER e BER
• selecionar visões mais próximas do dano
• editar o formato da modulação e índices de símbolo
• acessar o display nível QAM

Fig. 9-15 tela principal CONSTELAÇÃO

195
O SDA irá automaticamente tentar bloquear o sinal QAM do canal
designado (ou freqüência). Erros de bloqueios podem resultar de
uma variedade de condições, incluindo configuração imprópria da
unidade ou conexão do cabo. Conecte o cabo a porta digital da
unidade antes de usar um dos quatro modos digitais.
Se inicialmente não for bem sucedido, a seguinte mensagem de
erro aparecerá:

“ERROR … Signal Unlocked! Confirm Connection to Dig Port. Retry.”


“ERRO Sinal Desbloqueado! Confirme a conexão para Dig Port.
Nova tentativa.”

Pressione esta tecla programável para tentar


novamente e bloquear o sinal QAM. Esta tecla aparecerá no
canto inferior direito da tela quando ocorrerem erros de
bloqueio, caso contrário, a tecla permanecerá em branco.

Visualizando o display de nível QAM


Pressione esta tecla para ver o display de nível QAM.

Fig. 9-16 display de nível QAM

196
Pressione esta tecla para retornar ao modo sumário
digital.

Editando o formato da modulação ou Índices de Símbolo


Pressione esta tecla para editar o formato de
modulação.
Mudanças no formato de modulação devem apenas serem feitas
quando se está certo que a modulação do sinal digital não é
compatível com o sinal digital atual do ajuste.
Use as teclas direcionais para cima e para baixo selecionar o
formato de modulação alternativo e depois aperte a tecla enter.
Edições no formato de modulação devem ser salvas na
disposição e canais.

Pressione esta tecla para editar o Índice de Símbolo.


Edições ao índice padrão devem ser feitas apenas quando dados
mais precisos são obtidos a partir das especificações do produto
ou mais análises do sinal.
Use o teclado alfanumérico para definir o novo índice de símbolo
e então aperte a tecla enter. Edições no índice de símbolo devem
ser salvas na disposição e canais.
Usando a característica Zoom
Use a característica zoom para examinar a constelação com mais
detalhes. Em 64 QAM, três grades estão disponíveis para
visualização – 8x8, 4x4 e 2x2. Na 256 QAM, quatro grades estão
disponíveis para visualização-16x16, 8x8, 4x4 e 2x2.

Pressione esta tecla para entrar no submenu Zoom .

197
O quadrante esquerdo parte de cima da grade da constelação
será coberto por uma moldura escura. Use as teclas direcionais
para mover esta moldura ao quadrante desejado (ver Fig. 9-17).

Pressione esta tecla para aproximar o Zoom um nível


no quadrante com a moldura.

No 64 QAM, uma grade 4x4 ocupará o lugar da grade 8x8 original


e um sublinhado escuro ficará emoldurando quatro dos blocos
(ver Fig. 9-18). Pressione esta tecla novamente para ver uma
grade 2X2 com apenas um bloco emoldurado (ver Fig. 9-19). Este
é o nível mais alto de zoom dos modos de modulação.

Pressione esta tecla para tirar um nível de zoom da


visualização atual.
Pressione esta tecla para tirar o máximo possível de
zoom no canal atual.

Pressione esta tecla para retornar à tela principal


CONSTELAÇÃO.

Fig. 9-17 64 QAM 8x8 Tela Zoom

198
Fig. 9-18 64 QAM 4x4 Tela Zoom

Fig. 9-19 64 QAM 2x2 Tela Zoom

MODO EQUALIZADOR
O equalizador adaptativo corrige os efeitos dos reflexos e
“distorção de freqüência” na transmissão do caminho. O modo
Equalizador indica a força dos reflexos específicos, sua posição
em relação ao ponto de teste e o quão Duro o sistema está
trabalhando para corrigi-los. Dois displays adicionais neste modo,
resposta da freqüência no canal e atraso de grupo oferecem

199
informações sobre as características da freqüência e resposta da
fase.

Características da tela principal do equalizador


A tela do menu principal EQUALIZER (ver Fig. 9-20) mostra o:

• número do canal e formato da modulação


• valor da velocidade de propagação (VOP)
• display gráfico dos coeficientes do filtro e a linha de
máscara “alta”
• coeficiente, distancia e valor dBc
• nível de força do equalizador (baixo, médio ou alto).

Uma função primária deste modo é ajudar o usuário manter níveis


baixos de força no equalizador através do posicionamento
excessivo de equalização no demodulador digital QAM
específico.
Cada barra vertical do gráfico representa um coeficiente de filtro
de equalizador. A barra mais alta representa o ponto de teste do
local e a linha descendente à direita desta barra é a mascara
“alta”. Barras verticais se aproximando ou excedendo esta linha
registrarão uma força “alta” na leitura na tela. As máscaras
“médias” e “baixas” não são mostradas no gráfico, mas cada
coeficiente de filtro registra as leituras com estas máscaras da
mesma maneira.

Operação Básica

Para ativar o modo EQUALIZER , pressione a tecla verde


Function então pressione a tecla do modo de medição Hum.

200
Tela Principal EQUALIZER

Na tela principal EQUALIZER (Fig. 9-20) você pode

• usar as teclas direcionais para esquerda e direita para


posicionar o marcador acima do coeficiente de medição
desejado
• mover para o submenu LEVEL para editar o nível de
referência ou parâmetro da escala no gráfico
• selecionar a tela Resposta de Freqüência no Canal
• selecionar a tela Atraso do Grupo no Canal

Use as teclas direcionais para posicionar o marcador vertical


sobre o coeficiente do filtro a ser medido.

Fig. 9-20 Tela Principal EQUALIZER

O SDA irá automaticamente tentar bloquear sinal QAM do canal


designado (ou freqüência). Erros de bloqueio podem resultar de
uma variedade de condições, incluindo configuração imprópria da
unidade ou conexão do cabo.
Conecte o cabo a porta digital da unidade antes de usar qualquer
um dos quatro modos digitais.

201
Se inicialmente não for bem sucedido, a seguinte mensagem de
erro aparecerá:

“ERROR … Signal Unlocked! Confirm Connection to Dig Port.


Retry.”
“ERRO ... Sinal Desbloqueado! Confirme a conexão para Dig
Port. Tente Novamente.”

Pressione esta tecla programável para tentar


novamente a bloquear sinal QAM. Esta tecla aparecerá no
canto inferior direito da tela quando um erro de travamento
ocorrer, caso contrário a tecla ficará sem marcação.

Pressione esta tecla para mover ao submenu LEVEL


para editar o nível de referência ou parâmetro da escala do
gráfico.

Pressione esta tecla para selecionar a opção de edição


Nível de referência (Reference Level). Use o teclado
alfanumérico para definir os níveis desejados e pressione a
tecla Enter. Os níveis podem ser selecionados em
incrementos 1dB.

Pressione esta tecla para selecionar a opção de edição


e então use as teclas direcionais para cima e para baixo para
ajustar o nível. As opções de dBdiv/escala são 0.5, 1, 2, 5 e
10. O gráfico mostrará novos valores automaticamente
conforme selecionado pela tecla direcional.

Pressione esta tecla para retornar à tela principal do


equalizador (EQUALIZER).

202
Tela da Resposta de Freqüência no Canal

Esta tela é usada para observar a amplitude do sinal em relação


à freqüência. Use as teclas programáveis das setas para ajustar a
posição dos marcadores verticais.

Pressione esta tecla para selecionar a Tela da


Resposta de Freqüência no Canal (Fig. 9-21).

Pressione esta tecla para mover para o submenu


LEVEL para editar o nível de referência ou parâmetro da
escala no gráfico.

Fig. 9-21 In-Channel Frequency Response Screen

Pressione esta tecla para retornar à tela principal


EQUALIZER.

Tela Atraso de Grupo no Canal

Esta tecla é usada para identificar danos nas fases. Use as teclas
programáveis das setas para ajustar a posição dos marcadores
verticais.

203
Pressione esta tecla para selecionar a tela do Atraso
de Grupo no Canal (Fig. 9-22).

Pressione esta tecla para mover para o submenu


LEVEL Submenu e editar o nível de referência ou parâmetro
do gráfico.

Fig. 9-22 Atraso de Grupo no Canal

Pressione esta tecla para retornar à tela principal


EQUALIZER.

204
Capitulo 10

Teste Automático

INTRODUÇÃO
Os Testes automáticos são fáceis e oferecem uma maneira
conveniente de prova de performance em dados complacentes.
Os testes podem ser executados imediatamente ou agendados
por um período de tempo (para conservar a vida da bateria, a
unidade desliga automaticamente entre os intervalos agendados).
Quando você esta configurando um Auto teste, você pode
arquivar informações sobre o local em que o teste está sendo
feito. Arquivos podem ser criados para locais com testes
freqüentes, então você precisa colocar a informação apenas uma
vez.
Os resultados do modo do auto teste são hora, data e
temperatura e podem ser visualizados na tela LCD. Limites são
aplicados aos dados das medições em condições sem tolerância
indicadas. Você pode imprimir um relato do teste para cada
intervalo ou um relato que abrange as 24 horas que resume os
dados coletados em até quatro intervalos. Os resultados dos
arquivos do Auto Teste podem ser transferidos para StealthWare.
O Auto Teste faz medições de nível das portadoras de vídeo e
áudio para cada canal habilitado. Opcionalmente, você pode
selecionar C/N, hum ou testes mod para cada canal. A unidade
fará estes testes de acordo com o ajuste que você especificou
durante a configuração.
O procedimento básico para iniciação do Auto Teste é o seguinte:

1. Grave as informações sobre o local do teste (opcional).


2. Registre medições de voltagem (opcional).

205
3. Coloque um valor de compensação para medições locais.
4. Coloque um nome para os resultados do arquivo.
5. Selecione o tipo do teste, imediato ou agendado.
6. Se for agendado, ajuste quando.
7. Coloque a temperatura ambiente.

Enquanto o Auto Teste está em progresso, o display indica a


medição que está sendo feita (nível, hum, modulação etc) O
progresso é mostrado durante o teste. Uma barra gráfica mostra
a porcentagem de conclusão.
Para operar no Auto Teste, pressione a tecla Teste. Isto ativa a
tela AUTOTEST (ver Fig. 10-1). O menu AUTOTEST consiste de
três submenus: LOCAIS DO TESTE, FAZER AUTO TESTE e
RESULTADOS DO AUTO TESTE.

Fig. 10-1 o Menu Principal do AUTOTESTE

LOCAIS DE TESTE
Os locais de teste permitem que você grave parâmetros do local
e dados específicos para o local do teste. Você pode criar um
novo local ou selecionar um da lista.
Existem cinco tipos de local: cabeceira, amplificador tronco
extensor de linha, nó de fibra e teste de campo. Você pode criar
locais de teste diretamente no instrumento ou usar o software da

206
Análise de Dados SteathWare e fazer o download das
informações dos dados da unidade. Em ambos os casos, os
relatos do Auto Teste incluem os dados do local.

Parâmetros e Tipos de Locais de Teste


Tabelas 10-1 e 10-2 oferecem informação sobre os cinco tipos de
locais de teste (cabeceira, amplificador tronco extensor de linha,
nó de fibra e teste de campo) e os parâmetros aplicados a cada
tipo. Tabela 10-1 lista as dez unidades e os limites de mudança
para cada tipo. Tabela 10-2 mostra qual parâmetro aplicar para
cada tipo.

NOTA: o tipo cabeceira não tem parâmetros; um local de


teste de campo, tem apenas a área do campo.
Tabela 10-1 Parâmetros
Parâmetro Mínimo Máximo Padrão Unidades
Área Campo alfa-numérico de 15 caracteres
ID Amp Campo alfa-numérico de 15 caracteres
Configuração EM / FORA / ATRAVÉS
de Energia
Configuração 1 9 1
de Formador
de
Alimentador
Terminação NÃO SIM NÃO
de Tronco
Configuração
de Tensão
Pad Reverso -100.0 +100.0 0.0 dB
Equalizador -100.0 +100.0 0.0 dB
Reverso
Pad de -100.0 +100.0 0.0 dB
Avanço
Equalizador -100.0 +100.0 0.0 dB
de Avanço

207
Tabela 10-2 Tipos de Local e Parâmetros de Teste

Parâmetro Cabeçote Ampliado Campo Campo


de Tronco
Área √ √ √ √
ID Amp √ √ √
Configuração √ √ √
de Energia
Configuração √ √ √
de Formador
de
Alimentador
Terminação √ √ √
de Tronco
Configuração √ √ √
de Tensão
Pad Reverso √ √ √
Equalizador √ √ √
Reverso
Pad de √ √
Avanço
Equalizador √ √
de Avanço

Criando e Editando Locais de Testes.


Use as teclas direcionais para cima e para baixo para selecionar
locais de testes a partir do menu principal AUTOTESTE, depois
pressione qualquer tecla programável e a tela TEST LOCATIONS
aparecerá (ver Fig. 10-2).

208
Fig. 10-2 A tela de locais de teste (TEST LOCATIONS)

Pressione a tecla programável Step Back na parte


superior esquerda e retorne ao menu principal AUTOTEST.

Use as teclas direcionais para cima e para baixo para mover


através da lista e selecione um local existente.

Colocando um novo local


Para estabelecer um novo local de teste, siga as etapas
seguintes:

Pressione a tecla programável de adicionar local (Add


Location). A Edit Box aparece e o programa pede que você
coloque o nome do local.

Coloque o nome e pressione Enter. A tela TEST LOCATIONS


aparece (ver Fig. 10-3).

Mova pela lista das características, faça os ajustes


necessários e pressione OK.
Apagando um Local Existente

209
Pressione a tecla programável apagar local (Delete Location)
para apagar o local destacado do arquivo.

Apagando um local existente

Pressione a tecla programável Delete location para


apagar o local destacado no arquivo.

Editando um Local Existente

Pressione a tecla programável de editar local (EDIT


LOCATION) para editar as características de um local de teste
selecionado. Isto aciona a tela TEST LOCATIONS mostrada na
Fig. 10-3. Se você vai sobregravar um local existente, a seguinte
mensagem aparecerá:

AVISO: Um local com este nome já existe. Sobregravar?

Fig. 10-3 Editando Características de Locais de Testes

Mova pela lista de características e faça os ajustes necessários.

210
Quando você estiver satisfeito com os ajustes, pressione a tecla
programável OK e o display retorna para tela principal TEST
LOCATIONS mostrada na Fig. 10-2.

REALIZANDO UM AUTO TESTE


Use o menu NAVEGADOR ou pressione a tecla Test, depois use
as teclas direcionais para cima e para baixo para selecionar fazer
auto teste (Perform Auto Test) e pressione qualquer tecla
programável. Agora você está pronto para configurar o Auto
Teste.
Escolher Local
A Fig. 10-4 mostra a tela para escolher local (CHOOSE
LOCATION). Nesta tela, você pode registrar informações sobre o
local que está fazendo o teste. A informação é mantida no arquivo
Auto Teste junto com os dados de medição e estará disponível
durante a visualização quando você estiver imprimindo os
resultados. Esta primeira tela apresenta uma lista de locais
disponíveis.

NOTE: se você não está interessado em registrar


informação, selecione NONE na lista. O instrumento
apresentará pra você apenas as etapas exigidas para
configurar o auto teste.

Fig. 10-4 a tela para escolher local (CHOOSE LOCATION)

211
• para selecionar um local existente, mova com as teclas
direcionais para cima e para baixo para o local desejado e
pressione OK.
• para configurar um novo local, pressione a tecla
programável Add Location (+Flag) e siga as instruções
“Criando e Editando locais de teste” (Creating and Editing
Test Locations) para colocar o novo local.
Editar Local
Na tela do novo local (NEW LOCATION) mostrada na Fig. 10-5,
coloque a informação para um local novo ou existente. Use as
teclas direcionais para cima e para baixo para selecionar o item a
ser editado. Os itens que aparecem na lista dependem do tipo de
local que você selecionou. Se você faz testes regularmente neste
local, você pode salvá-los para o futuro colocando as informações
apenas uma vez. Para fazer isso, pressione a tecla programável
para salvar local (Save Location) (com a figura de um documento
indo para pasta, perto do topo direito da tela) e digite o nome para
o local.
Quando acabar a edição, pressione OK e continue a configurar o
Auto Teste.

NOTA: o instrumento lembra você quando você não


arquivou o local. Você precisa apenas arquivar caso ache
que vai retornar para outro teste.

Fig. 10-5 A tela do Novo Local NEW LOCATION

212
Selecione Ponto de Prova
Alguns tipos de locais tem pontos múltiplos nos quais você pode
fazer medições de teste. Se você selecionou tal tipo, a tela ponto
de prova (PROBE POINT) mostrada na Fig. 10-6 aparecerá. Use
as teclas direcionais para cima e para baixo para escolher o
ponto de prova apropriado na lista, depois aperte OK.

Fig. 10-6 Selecionar Pontos de Prova nesta Tela

Você pode registrar medições de voltagem no campo usando a


tela MEASURE VOLTAGE mostrada na Fig. 10-7. Elas
aparecerão quando você estiver visualizando ou imprimindo os
resultados do Auto Teste. Quando terminar de colocar as
medições, pressione OK.

213
Fig. 10-7 A tela medir voltagem (MEASURE VOLTAGE)

Compensação
A compensação é adicionada diretamente aos níveis de medição
do sinal. Você pode usar isso para compensar suas perdas
associadas aos pontos de prova encontrados em certos
amplificadores. O padrão é o valor específico na tela do ponto de
teste (TESTPOINT). Coloque um valor diferente na tela e
COMPENSATION como mostra a Fig. 10-8 se necessário e
pressione OK para continuar.

Fig. 10-8 A tela Compensação (COMPENSATION)

214
Nome do arquivo dos Resultados

Coloque o nome que você quer usar para o arquivo dos


resultados na tela RESULTS FILE NAME (ver Fig. 10-9). O
software do Auto Teste avisará se você já usou este nome. Você
pode sobregravar um arquivo existente com o mesmo nome.
Quando estiver pronto para o próximo passo, pressione OK.

Fig. 10-9 A tela do Nome do arquivo dos Resultados


(RESULTS FILE NAME) S

Tipo de Teste
Testes podem ser executados imediatamente ou agendados.
Você pode selecionar através da tecla programável imediata
(Immediate) ou agendada (Scheduled).

Ajustar Agendamento
A tela mostra a Fig. 10-10, aparecerá apenas se você tiver
selecionado um teste agendado. O agendamento padrão fará
testes em quatro intervalos em um período de vinte e quatro
horas iniciando na hora e data atuais. Se você precisar de um
agendamento diferente, use as teclas direcionais para cima e
para baixo para editar o agendamento e depois pressione OK.

215
Fig. 10-10 A tela de Ajuste de Agendamento (SET Schedule)

Temperatura
A temperatura ambiente a qual o teste é feito é gravada. O
instrumento contém um sensor de temperatura interna para este
propósito. Se você preferir, você pode usar seu próprio
termômetro e manualmente colocar a temperatura na tela
TEMPERATURE mostrada na Fig. 10-11.

NOTA: para testes agendados, a entrada da temperatura


manual é usada apenas para o primeiro intervalo. Intervalos
subseqüentes gravarão a temperatura medida pelo sensor
interno. Para medições precisas o instrumento lê a
temperatura interna gerada pelo sensor imediatamente
quando ligado.

216
Fig. 10-11 A Tela da Temperatura (TEMPERATURE)

Quando estiver pronto para iniciar o teste, pressione OK.

Cancelando um Auto Teste


Enquanto estiver fazendo um Auto Teste, você não conseguirá
selecionar outros modos de medição sem antes cancelar o teste
em progresso. Fazendo isso, resultará em teste incompleto. Você
não conseguirá retomar o teste previamente configurado.
Pressione a tecla Cancelar (Cancel) para cancelar o Auto Teste.
O instrumento mostrará uma mensagem de aviso para confirmar
seu pedido.

RESULTADOS DO AUTO TESTE


Completado o Auto Teste, o display mostra os resultados na tela.
A partir daí, você pode visualizar ou imprimir os resultados.
• Use as teclas direcionais para cima e para baixo para
selecionar um arquivo, depois pressione a tecla Visualizar
(View)
• A tecla Imprimir Tudo (Print All) está disponível para
imprimir todos os intervalos de todos arquivos no diretório.

217
• A tecla Info mostra as características do local do teste
para o arquivo selecionado. Esta é a informação que
estava registrada quando você configurou o teste. Os
itens apresentados dependem do tipo do local que você
selecionou.
• Quando você seleciona um arquivo do Auto Teste file, é
apresentada uma lista de intervalos que estão contidos no
arquivo. A lista inclui o número do intervalo, hora, data e
temperatura quando o intervalo foi gravado e os
resultados Passa/Falha.
• Um "X" na coluna Passa/Falha indica uma falha geral nas
medições feitas durante tal intervalo. Um tique indica que
todas as medições estavam nos limites especificados.

NOTA: Seqüência Imediata do Auto Teste consiste em


apenas um intervalo.

• Um relatório de 24 horas está disponível para ajudá-lo na


documentação da complacência das medições da prova
de performance. Pressionando a tecla de relatório de 24
horas faz com que o instrumento automaticamente,
formate e imprima o intervalo destacado e mais os três
próximos intervalos. Segue um exemplo de relatório de 24
horas:

218
219
• Os canais com asteriscos excederam o limite dos canais
adjacentes delta Max. Os limites os quais as leituras foram
comparadas ficam impressos no fim do relatório. À direita
dos limites, o relatório mostra cada intervalo que falhou no
limite especificado. Se uma medição particular não estava
no limite especificado, um marcador HI/LO é impresso
perto da leitura indicando a direção que a medição ficou
fora da especificação. Informações limite digitais para os
canais digitais na sua disposição também são incluídos
neste relatório.

NOTA: O Canal 5 sempre passará nos testes dos canais


adjacentes porque não é reconhecido como canal adjacente
com o canal 4.

Visualizando Intervalos
Para visualizar os dados de medição a partir de um intervalo, use
as teclas direcionais para cima e para baixo para destacar e
então pressione a tecla programável Carregar Arquivo (Load
File). A primeira tela que aparece é uma lista tabular que inclui
nível da portadora de vídeo e áudio juntamente com o Delta V/A
para cada canal. Use as teclas direcionais para cima e para baixo
para mover pela lista. Indicadores parecem mostrar as condições
de limites. A tabela seguinte explica cada indicador.

220
* violação limite de canal adjacente
↑ violação acima do limite
↓ Violação abaixo do limite
> erro de medição acima da faixa
< erro de medição abaixo da faixa
E erro de medição desbloqueada

• Use a tecla programável Mais (More) para alternar entre


nível,C/N, hum e medições de modulação.
• Se um erro tiver ocorrido, os seguintes símbolos
substituem os valores de medição quando você está
visualizando a lista de nível,C/N, hum e medições de
modulação.

UNDER – abaixo da faixa


> OVER – acima da faixa
E ERROR – sintetizador desbloqueado

• Use a tecla programável Print para imprimir o seguinte


relatório:

221
222
Capítulo 11

Arquivos
INTRODUÇÃO
O SDA-5000 é equipado com memória não volátil que é usada
para arquivar dados dos campos de medição para visualização
em um momento posterior. Você pode manter esses arquivos na
unidade para visualização posterior ou com o software da JDSU
StealthWare PC, transferi-los para um PC. Arquivos transferidos
para um PC podem ser vistos, impressos e arquivados no
computador. Além disso, estes arquivos podem servir de
download para outro SDA-5000 para visualização no campo.
Visualizar arquivos no campo é útil quando você está
comparando as medições antigas com as atuais de um ponto de
teste do sistema CATV.
Além disso, os arquivos de visualização eles podem ser
impressos, tanto diretamente do instrumento quanto, como
mencionado, a partir de um PC com o software StealthWare.
Estas impressões são úteis para relatos de prova de
performance, resolução de problemas e análises e para outros
propósitos de documentação.
Os seguintes tipos de medições podem ser mantidos como
arquivos:

• Auto Testes
• Escaneamentos
• Varreduras incluindo avançada, reversa, alinhamento
reverso de amplificador, Varredura Permanente,
Varredura de retorno e todas as referências de
varreduras.

223
• Escaneamento de espectro incluindo regular, variação
zero e medições CSO/CTB. Medições egulares também
podem incluir valores de manutenção de pico.
• Medições de Distorção
• Medições PathTrak incluindo traço Local e Remoto.

Ajustes da Disposição de canais e Modo Espectro também


podem ser mantidos como arquivos.
Todos os arquivos mantidos na sua unidade existem em
associação comum da memória não volátil. Quando um arquivo é
guardado, o instrumento usa apenas a memória que esta sendo
exigida no momento. Arquivos de tipos diferentes ou ajustes
diferentes do mesmo tipo podem usar quantidades diferentes de
memória. Para ver o display de quanto de memória ainda está
disponível, pressione a tecla Function, seguido da tecla Chan.
Um gráfico de barras do arquivo mostra o percentual de memória
que está sendo usado.
Você pode usar o menu do Navegador para ganhar acesso à tela
VIEW.
De maneira alternativa, você pode entrar no menu VIEW através
do Navegador. Você pode arquivar, visualizar e imprimir a
varredura de espectro e arquivos PathTrak.

1. Existem três displays básicos no modo View:


o Arquivo: armazena arquivos de medição
o Visualizar: visualiza arquivos de medição
o O display do arquivo medido sendo visto
2. Se você pressionar as teclas Function e 2 def durante
a medição esta pode ser armazenada como arquivo. O
instrumento entra no modo de arquivo para armazenar
as medições atuais. Se você pressiona estas teclas
enquanto você está em um modo que não produz
arquivos (como o modo nível), o instrumento entra no
modo Visualizar para permitir que você revise os
arquivos existentes.

224
ARMAZENAMENTO DE ARQUIVOS
O SDA-5000 permite que você faça medições com o Scan, Spect
(Modo Analisador de Espectro), Variação, Varredura, PathTrak e
as teclas do modo de medição QAM junto com shift.
Para armazenar qualquer um destes tipos de arquivos, mude
para o modo FILE diretamente do menu de medição SCAN,
SPECTRUM, TILT, SWEEP ou PATHTRAK. A Fig. 1-1 mostra a
tela FILE a partir de qualquer um destes modos.
Pressione as teclas Function e 2 def enquanto pega a medição.A
tela mostra o menu FILE para este tipo de teste (ver Fig. 11-1). O
instrumento mostra uma lista de todos os arquivos que são do
mesmo tipo da medição atual.
Pressione a tecla programável Armazenar Arquivo. A tela pede
que você coloque o nome do arquivo e avisa se o nome já estiver
sendo usado.
Pressione a tecla Enter. Use o teclado para colocar um nome,
depois pressione novamente . A tela de arquivos de medição será
mostrada (ver Fig. 11-2).

Fig. 11-1 A tela FILE (para varredura)

225
• Todos arquivos armazenados exceto Referência de
varredura e Modem C/N podem ser transferidos para o
software StealthWare PC da JDSU.
• Cada arquivo de referência de varredura é único em
termos de medidor usado, local e condições do sistema na
hora da varredura.
• Os valores da compensação do ponto de teste são salvos
com arquivos de varreduras.
• Os arquivos transferidos são extremamente úteis para
documentação e prova de um sistema bem como para
manutenção e alinhamento do sistema.

VISUALIZAÇÃO E IMPRESSÃO DE ARQUIVOS


Para visualizar arquivos de medição arquivados, pressione as
teclas Function e 2 def. A tela de arquivos de medição mostra
uma lista de todos arquivos guardados (ver Fig. 11-2). Use as
teclas direcionais para cima e para baixo para selecionar o
arquivo.

Use a tecla programável Load para visualizar o arquivo.


Quando acabar, pressione as teclas Function e 2 def para
retornar a tela de arquivos de medição.

Use esta tecla programável para imprimir o arquivo


marcado/destacado. A tela mostra um gráfico com o
progresso da impressão.

Esta tecla programável imprime todos os arquivos


marcados. Você pode imprimir todos arquivos de medição
exceto os de escaneamento.

Use esta tecla programável para apagar os arquivos


selecionados. Pressione a tecla programável Cancel para
parar.

226
Use esta para marcar arquivos para impressão ou
apagar.

Fig. 11-2 A tela de medição de arquivos

Os tipos de arquivo seguinte são os que podem ser visualizados:

• FDSWP Forward Sweep


• RVSWP Reverse Sweep
• SCAN Modo Scan
• TILT Modo Distorção
• SPECT Modo de Espectro Normal
• ZSPAN Modo de Variação Zero
• CSO CSO/CTB
• F_CFG Configuração Espectro (armazena
ajustes para propósitos do display)
• PTRAK Modo PathTrak
• SWPLS Varredura Permanente
• LOOP varredura de Retorno
• QAM QAM Arquivos Constelação
• Q_ING QAM medições de ingresso
• DIGI Resumo dos arquivos digitais
• MODCN Arquivos do Modem e relação
portadora/ruído

227
NOTA: Arquivos da Constelação QAM podem levar muito
tempo para serem salvos e vistos. Enquanto estiverem
sendo salvos, o SDA-5000 mostra uma mensagem
informando que você espere até que o processo termine.

REFERÊNCIAS DE VARREDURA
As referências de varredura permitem que você selecione,
arquive ou apague os arquivos de referência das varreduras.
Existem quatro categorias para arquivos de referências de
varreduras:

• FWDSWP (Forward Sweep) Na varredura avançada,o


instrumento comunica-se com a cabeceira, mas não
transmite. Um transmissor de cabeceira oferece o sinal de
varredura a jusante.
• REVSWP (Reverse Sweep) (OPT2): Na varredura
reversa,o SDA-5000 transmite um sinal upstream para a
cabeceira e se comunica com a mesma.
• SWPLS (Sweepless Sweep): Na varredura permanente,o
instrumento é completamente passivo, varrendo seu
receptor no espectro repartido. Apenas portadoras ativas
no sistema CATV serão registradas.
• LOOP (Loopback Sweep) (OPT2): Na varredura de
retorno, a unidade transmite sinal que é analisado no seu
retorno.

Você pode arquivar uma referência de varredura após fazer a sua


medição. Quando você faz isso, vários traços de varredura são
quantificados então, o instrumento deve estar no modo Sweep
até que o indicador de espera acima do gráfico da varredura
desapareça. Se você não esperar traços suficientes antes de
entrar no menu de referências de varredura, a seguinte
mensagem de erro aparecerá:

SORRY. . .not enough sweeps have occurred to store an accurate


reference. Please allow more time to sweep

228
DESCULPA. . .não ocorreram varreduras suficientes
para arquivar uma referência exata. Favor permitir que
a varredura trabalhe por mais tempo.

Para trabalhar com as referências das varreduras, pressione as


teclas Function e 6 pqr para ir ao menu SWEEP REFERENCES
mostrada na Fig. 11-3. Use as teclas direcionais para cima e
para baixo para selecionar uma referência.

Para usar o arquivo destacado como referência, pressione Enter.

Para marcar vários arquivos de referência, use a tecla


Mark.

Para apagar todos os arquivos marcados ou atualmente


selecionados, caso não haja nenhum marcado, pressione a
tecla Delete.

Fig. 11-3 A tela de referências de varreduras (SWEEP


REFERENCES)

229
Tipos diferentes de varreduras podem ser arquivados como
referências. Os instrumentos SDA marcam de maneira diferente e
mostram FDSWP para referências avançadas, RVSWP para
referências reversas, LOOP para referências de retorno e
SWPLS para referências permanentes. O nome do arquivo e a
data também são mostrados para cada arquivo.
Se a disposição de canais tiver mudado desde que uma
referência foi mudada, a referência ficou obsoleta e não pode
mais ser usada. Se você selecionar uma referência obsoleta, uma
mensagem de aviso aparece quando o programa entra no modo
de varredura e a referência padrão será usada. A JDSU
recomenda que referências obsoletas sejam apagadas para
liberar memória para outras referências e arquivos.

MODO CAMADA
Com o modo Camada (Overlay) selecionado, você pode
comparar um arquivo de varredura com a resposta de varredura
do sistema atual. Isto permite que você compare dois locais no
sistema de cabeamento ou compare duas varreduras do mesmo
ponto, mas em horas diferentes. Colocando os arquivos em
camadas, você pode rapidamente ver as diferenças.
Ative o modo Overlay na configuração principal SWEEP ligando
Camada de arquivo de varredura (Sweep File Overlay).

Veja Também

¾ Esta opção é abrangida no Capítulo 4 em "Sweep


Configuration" (página 64).

Com o modo Overlay ligado, um arquivo de varredura


selecionado para visualização modifica o display atual (ver Fig.
11-4). O arquivo de varredura é mostrado na área cinza (ao
contrario do normal que é preto) e a resposta atual da varredura é
mostrada como uma linha preta na frente do arquivo.

230
Fig. 11-4 Uma referência de varredura com varredura “ao
vivo”

No arquivo mostrado acima, uma ‘cilada’ foi adicionada após o


arquivo ter sido mantido. É muito fácil ver a mudança causada
pela cilada. Você pode também ver o local da cilada na resposta
da varredura. Durante a visualização de colocar um arquivo em
camadas, você pode usar os mesmos controles disponíveis
normalmente para varredura. Valores dos marcadores são
calculados pela resposta da varredura atual. O nome do arquivo
(FILE neste caso) e referência (TEST_REF) são mostrados perto
da parte inferior da tela próximo ao ícone da pasta.

Selecionando um arquivo de varredura para


colocar em camadas
Se você ativou a característica Sweep File Overlay no menu da
configuração SWEEP, você pode selecionar um arquivo de
medição para ser visualizado simultaneamente com a varredura
"ao vivo”.
O arquivo de varredura é selecionado a partir da tela do menu de
medição de arquivos VIEW como se fossem para serem
visualizados. Para visualizar as telas das varreduras pressione a
tecla programável load. Quando a opção File Overlay estiver
ativada, a resposta “ao vivo” ficará sobre camadas na resposta
arquivada, se as seguintes condições forem atingidas:

231
• O modo de varredura atual combina com o modo embaixo
que o arquivo da varredura tiver sido arquivado.
• A disposição de canais para varredura arquivada e ao vivo
combinarem. Caso a opção overlay não seja possível,
uma mensagem de aviso aparece explicando a situação.

Considerações adicionais durante a operação de arquivar as


varreduras em camadas incluem o seguinte:

• Os nomes do arquivo sendo visualizado e a referência


atual selecionada aparecem abaixo da informação do
marcador.
• O nível e ajustes da freqüência afetam tanto as varreduras
arquivadas quanto as “ao vivo”
• Checagem de limites de Referência e Compensação do
Ponto de Teste afetam apenas a varredura ao vivo.
• Os valores do marcador indicam que os níveis da
varredura ao vivo.
• Escala Automática afeta os dados da varredura ao vivo.
• O display da resposta da varredura arquivada é uma área
coberta por cinza. A resposta ao vivo aparece como linha
sólida sobreposta ou em camada no topo da resposta da
varredura arquivada.
• A resposta ao vivo é atualizada continuamente.
• Os valores da compensação do ponto de teste são salvos
e podem ser transferidos para o StealthWare.

232
Capítulo 12

Manutenção

MANUTENÇÃO DE SEU EQUIPAMENTO DAS


Este capítulo abrange as tarefas de rotina que um técnico pode
fazer nos instrumentos SDA.

Inspeção Visual, Física e Mecânica


Certifique-se de que todo o equipamento físico esteja firme e
instalado apropriadamente.

Substituição do Conector RF
O conector RF anexa a unidade ao sistema de cabeamento e
com o tempo, o uso freqüente causa desgaste dos conectores
exigindo sua substituição.

Para substituir um conector:

1. Cuidadosamente desparafuse o conector da unidade usando


chave inglesa 7/16.
2. Parafuse o novo conector (curto) na unidade. Um conector
maior poderia causar dano interno na unidade. Lembre-se de
usar uma arruela de pressão.
3. Torque o conector não mais que 5.0 - 6.0 IN.-LBS.

233
Limpeza do Terminal de Bateria
Limpe o terminal de bateria regularmente. Você deve examiná-lo
semanalmente para ver sinais de corrosão ou contaminação. Um método
aceitável para limpeza é usar um tipo de raspadeira dura, como aquelas que
apagam tinta; não use os tipos macios "moldáveis".

Carregando a Bateria
Unidade de campo SDA vem com bateria de longa duração que
você pode carregá-la com o uso do carregador (ver Figura 12.1).
Com a bateria inserida na unidade, a porta é visível na superfície
inferior da unidade SDA, no final oposto das portas de conexão
dos cabos mostrados na Figura 2.5 da página 17.

Fig. 12.1 A Porta Carregadora de Bateria na superfície inferior


da bateria de longa duração
Nestas unidades, a porta do carregador visível no chassi da
unidade quando a bateria é removida, não é funcional. (ver Figura
12.2).

Fig. 12.2 A Porta do Carregador no Suporte da Unidade


(Bateria Removida)

234
Limpando o Instrumento
Não coloque água diretamente no instrumento. Umedeça um
pano macio com água e detergente leve, tire então qualquer
excesso de água até que fique bem seco para não gotejar. Limpe
o instrumento com cuidado; seque a tela para prevenir marcas.
Não use nenhum tipo de limpador ou polidor no display!

Calibração Anual
Este instrumento deve ser calibrado anualmente para assegurar
performance exata. Caso esteja sujeito a condições severas
(temperatura, umidade força físico ou dano), calibrações e
serviços mais freqüentes são apropriados.

SUPORTE, VENDAS E SERVIÇO EM TODO O


MUNDO

Conseguindo Assistência Técnica

Se você precisa de ajuda ou tem perguntas em relação ao uso


deste produto, ligue ou mande e-mail para Assistência Técnica da
JDSU para assistência ao cliente.

235
Centros de Assistência Técnica

Região Número do Telefone Horas de Operação


Américas 1-800-346-6332 M-F, 8:00 a.m. - 5:00 p.m. EST
1-941-752-9222 M-F, 8:00 a.m. - 6:00 p.m. EST

Europa, África, 00800 882 85822 M-F, 8:30 a.m. - 5:00 p.m.
e Meio leste (Telefone Europeu Gratuito) GMT

+800 882 85822


(JDSU Reino Unido)

+49 (0) 7121 86 1262


(JDSU Alemanha)

+33 (0) 1 39 30 24 24
(JDSU França)

Asia e o +852 2892 0990 M-F, 9:00 a.m. - 5:30 p.m.


Pacifico (Hong Kong)

+86 10 6833 7477 M-F, 9:00 a.m.- 5:30 p.m


(China)

+61 3 9690 6700 M-F, 8:30 a.m. - 5:30 p.m.


(Austrália)

Durante as horas não disponíveis, você pode pedir assistência


fazendo o seguinte: deixe uma mensagem de voz no número de
Assistência Técnica na sua região; mande e-mail pra Assistência
Técnica Norte Americana, tac@JDSU.com ou Assistência
Técnica Européia, eurotac@JDSU.com; ou mande sua pergunta
através da Assistência on-line no site www.JDSU.com.

SOBRE NOSSO SERVIÇO


A JDSU oferece serviços na ajuda para compra de equipamento,
incluindo uma gama de atendimento ao cliente, suporte técnico,
manutenção de instrumento e serviços de treinamento. No
serviço ao cliente da JDSU os especialistas são bem treinados

236
para ajudar os clientes a encontrarem as respostas que eles
procuram. Ligue para o Serviço ao Cliente para:

• Informação sobre produtos e serviços, incluindo


atualizações, calibração, treinamento, acordos de melhora
de software (SEAs) e acordos de manutenção de
produtos. Nossos representantes também podem oferecer
assistência em relação a retorno de produtos e reparos.
• Suporte Técnico Experiente, incluindo ajuda com a
configuração do produto, qualificação de produto e
segmentação completa de rede de problemas. A JDSU
também está disponível em base contratual para oferecer
desenvolvimento de aplicação personalizada, consultoria
de rede e serviços de gerenciamento, personalização de
software e desenvolvimento do procedimento de teste.

Locais do Serviço ao Consumidor


Para questões relacionadas aos produtos e serviços JDSU, incluindo
autorizações de retorno e reparos, suporte técnico, treinamento e todos os
outros serviços disponíveis, contate seu distribuidor local ou Serviço ao
Cliente JDSU.

Serviços de Instrumento
Para manter o investimento da sua organização a longo prazo, a
JDSU estruturará um plano de serviço que vá ao encontro do
objetivo e orçamento da performance de sua rede. A JDSU
entende o impacto do equipamento fora de funcionamento e está
equipada com pessoal para pronta reposição. Serviços
disponíveis incluem o seguinte:
Reparo do Produto — Todos os equipamentos que retornarem
para serviço são testados com o mesmo padrão rigoroso de um
equipamento novo. Isto assegura que os produtos atinjam todas
as especificações publicadas, incluindo qualquer atualização
aplicável ao produto.
Calibração — Os métodos de calibração da JDSU são
aprovados pela ISO 9001 e baseados nos padrões NIST. Cada

237
calibração vem com certificado de data, adesivos nos
instrumentos e folheto de dados.
Atualizações de Fabrica — qualquer unidade retornada para
melhora de característica de hardware também receberá as
atualizações aplicáveis ao produto e será exaustivamente testada
para assegurar a performance do pico do ajuste completo da
característica.
Acordos para Melhora de Software — Estes acordos ajudam na
manutenção da atualização do equipamento com as últimas
características de software, oferecendo notificação automática de
melhorias de novos softwares e mudanças para os produtos da
JDSU.
Acordos de manutenção de Produto — Serviço Anual e
acordos de manutenção de calibração simplificam a cobrança e
ajudam a assegurar que o equipamento esteja sempre
funcionando em bons níveis. Acordos de manutenção de produto
podem ser usados para estender garantia atual ou oferecer
proteção pra unidades fora da garantia.
Outras opções de preço — Para consertos de unidades fora da
garantia, a JDSU oferece duas opções de preço adicionais: preço
sobre tempo e material e preço fixo. Sob tempo e preço do
material, clientes são cobrados pelo preço atual do conserto,
fazendo com que isso seja um método de custo eficiente para
pequenos reparos. No preço fixo, clientes pagam uma taxa fixa
para consertar falhas na unidade (exceto danos ou abuso),
resultando em papelada simplificada e orçamento fácil.

Serviços de Consultoria
Nosso serviço de consultoria oferece um dos melhores e mais
cotados portifólios na indústria das comunicações. Este time de
profissionais oferece experiência no desenvolvimento de
softwares, desenvolvimento no procedimento de testes e
consultoria de rede e ainda anos de conhecimento. O suporte
está disponível para todas as linhas de núcleo da e JDSU:

238
Consultoria e Gerenciamento de Rede — Oferecem serviços
como análise de produtividade, acesso a estratégia de testes,
assistência de aplicações no site e treinamento especializado.
Personalização de Software – Desenvolve scripts para testes
remotos e automatizados estatísticas e emulação.
Desenvolvimento do procedimento de teste — Cria
procedimentos para testes automatizados, testes de rede e de
complacência.

Instalação e Sistemas de Teste e Campo


Engenharia
A JDSU oferece um amplo serviço de suporte para nossos
sistemas de testes centralizados, designados de acordo com as
necessidades da rede do cliente. Estes serviços ajudam a
preservar o investimento sobre a vida útil do equipamento.
Serviços disponíveis incluem o seguinte:
Programa de Serviços Críticos — Oferece suporte técnico a
qualquer hora, 7 dias por semana, 24 horas por dia. Substituições
de partes são garantidas em até 48 horas do contato com a
JDSU.
Contratos de Manutenção — Gerenciamento de custo eficiente
para redes com sistemas de testes múltiplos.
Acordo de serviço fora da garantia — Cobre o sistema de teste
para falhas após a garantia ter expirado, incluindo a qualquer
momento e custo da matéria e custos do envio do equipamento
de volta ao endereço do cliente.
Engenharia de Campo e Serviço de Instalação — Oferece uma
variedade de opções para implementação do sistema de testes
na rede, incluindo instalação, configuração, atualizações e
suporte técnico a domicilio.

239
Treinamento Técnico
Oferecendo instrutores experientes, o treinamento da JDSU é
designado a melhorar estratégias de testes e empregar
exigências de desenvolvimento. Os serviços disponíveis incluem:
Treinamento técnico Personalizado — Designado para
incorporar desafios técnicos na vida real que são encarados
diariamente enquanto endereça as exigências do treinamento.
Revisões passo a passo das tecnologias atuais e produtos
permite a técnicos novos ou experientes transferir teoria em
pratica, chave para experiência.
Cursos Públicos — Regularmente agendados, com vigor, com
cursos de tecnologia e produtos a mão, são oferecidos no mundo
inteiro. Cursos Públicos oferecem um ambiente de aprendizado
que permite que indivíduos de empresas diferentes compartilhem
seus conhecimentos com seus parceiros.
Treinamento com base em Computador (CBT) —
Complementação da JDSU CBT para seu treinamento técnico.
Com o CBT, os clientes podem aprender como usar as
tecnologias da comunicação a seu favor e conveniência — no
trabalho em casa ou enquanto estiver viajando. Os cursos CBT
da JDSU abrangem tópicos de tecnologia como ATM, frame
relay, ISDN, LAN básico e mais.
Desenvolvimento de Curso Multimídia Personalizado — o
curso de multimídia pode ser criado de acordo com as
especificações do cliente, tornando o aprendizado mais fácil em
testes de instrumentos novos ou aplicações. Estes pacotes
personalizados oferecem conteúdo educacional e treinamento
para todos os funcionários. Os alunos aprendem em seu ritmo e
seu próprio PC.
Consultoria e Serviços de Análise das Necessidades — A
JDSU pode ajudar a identificar as necessidades de treinamentos
e desenvolvê-los personalizados para maximizar as
oportunidades de aprendizado enquanto oferece retorno de seu
investimento.

240
Informação da Garantia
As garantias descritas aqui devem ser aplicadas para todos os
produtos da JDSU comercialmente disponíveis. Qualquer garantia
adicional ou diferente deve ser aplicada apenas de acordo com a
JDSU por escrito. Estas garantias não são transferíveis sem
consentimento por escrito da JDSU.
Garantia de Hardware — A JDSU garante os produtos de
Hardware vendidos ao cliente devem, sob uso e serviço normais,
estarem livres de defeitos de materiais e mão de obra. As
informações sobre o período da garantia específica para este
produto podem ser obtidas contatando o Representante do
Serviço ao Cliente local da JDSU ou no nosso web site
www.JDSU.com. os serviços de instalação não foram pedidos, o
período de garantia deve começar (1) conclusão da instalação ou
(2) trinta (30) dias após o envio ao cliente. Se os serviços de
instalação não foram pedidos, o período de garantia deve
começar no dia do envio ao cliente. Depois destes períodos, deve
ser coletivamente referido como “período Inicial de Garantia”.
Obrigação da JDSU sobre a garantia do Hardware é limitada ao
reparo ou substituição, conforme opção da JDSU, do produto com
defeito. JDSU não tem obrigação de consertar nenhum defeito
que: (a) o produto esteja alterado, consertado ou violado por
qualquer um que não seja autorizado pela JDSU sem seu
consentimento por escrito; (b) que tais defeitos sejam devido a
armazenamento inapropriado do cliente, mau uso, abuso do
produto; (c) que tal defeito seja devido a resultado de uso do
cliente em conjunção com equipamento eletronicamente ou
mecanicamente incompatíveis ou de qualidade inferior; ou (d) que
o defeito seja resultado de dano por fogo, explosão, falha de força
ou qualquer ato da natureza.
A JDSU garante que os produtos que retornam para a JDSU para
reparo devem ser garantidos de materiais com defeito e mão de
obra humana por um (1) ano para o mesmo reparo e noventa (90)
dias para reparo diferente a partir da data de envio da JDSU ao
cliente ou até o final do período da garantia inicial, que por sinal é
mais longo. Risco de perda ou dano de produto retornado a JDSU
para reparo ou substituição deve ser conduzido pelo cliente até a

241
entrega a JDSU. Na entrega de tal produto, a JDSU deve assumir
o risco de perda ou dano até que o mesmo seja devolvido ao
cliente. O cliente deve pagar todas as despesas de transporte
para equipamento ou software enviados para a JDSU para reparo
ou conserto. A JDSU deve pagar todas as despesas associadas
ao retorno do equipamento reparado ou substituído ao cliente.
Garantia de Software — JDSU garante que os produtos de
Software licenciados ao cliente devem sob uso normal e serviço,
por um período de noventa (90) dias a partir da data de envio do
software para o licenciado (o período da garantia) executar, em
todos os respeitos, materiais de acordo com as especificações
publicadas para tal Software e estabelecidas pela JDSU.
Entretanto, a JDSU não garante que o Software irá operar de
maneira ininterrupta ou que esteja livre de erros, opere em
combinação com outro software, tenha as exigências do cliente
ou que seu uso seja ininterrupto.
A obrigação da JDSU e única e exclusiva solução do cliente a
esta garantia está limitada a em opção da JDSU, tanto (i) corrigir
os erros do material relatado a JDSU por escrito pelo consumidor
durante o período da garantia e que a JDSU é capaz de
reproduzir, (ii) substituir tal Software com defeito, mostrando que
a JDSU recebeu aviso por escrito de tal defeito ainda no prazo da
garantia ou (iii), terminando a Licença e, no retorno a JDSU do
Software, da Documentação e de todos os outros materiais
oferecidos pela JDSU sob Licença aplicável, oferecendo ao
cliente reembolso de todas as cobranças por ele pagas. A JDSU
não deve ter as obrigações de garantias abaixo se (a) o Software
estiver alterado ou modificado ou fundido com outro software pelo
cliente ou por terceiros ou (b) todo ou qualquer parte do Software
estiver instalado em qualquer equipamento de computador que
não seja do servidor designado ou tenha sido usado por qualquer
sistema operacional para o qual o Software não é designado.
Garantias de Serviços — JDSU garante que os serviços
oferecidos pela JDSU se for o caso, devem ser feitos
prontamente, diligentemente e de maneira profissional de acordo
com os padrões comerciais da indústria. A JDSU não deve
entretanto, ser responsável por quaisquer atrasos que não sejam

242
por sua culpa ou negligência ou que não poderiam ter sido
prevists de maneira razoável ou contra prevenida.

NEGAÇÃO DE GARANTIA — PARA EQUIPAMENTOS


FÍSICOS, SOFTWARE E/OU SERVIÇOS FEITOS PELA JDSU,
AS GARANTIAS PRECEDENTES ESTÃO NO LUGAR DE
TODAS AS OUTRAS GARANTIAS E CONDIÇÕES EXPRESSAS
OU IMPLÍCITAS. A JDSU NEGA ESPECIFICAMENTE TODAS
AS OUTRAS GARANTIAS, TANTO EXPRESSAS OU
IMPLÍCITAS, DE QUALQUER EQUIPAMENTO FÍSICO,
SOFTWARE, DOCUMENTAÇÃO OU SERVIÇOS INCLUINDO
MAS NÃO LIMITADAS A GARANTIAS RELACIONADAS A
QUALIDADE, PERFORMANCE, NÃO INFRAÇÃO,
COMERCIALIZAÇÃO OU ADEQUAÇÃO A UM PROPÓSITO
PARTICULAR, BEM COMO AQUELES PROCEDENTES DE
QUALQUER CURSO DE NEGOCIAÇÃO, USO OU PRÁTICA DE
NEGÓCIO. SOB NENHUMA CIRCUNSTÂNCIA A JDSU ESTARÁ
SUJEITA POR QUAISQUER DANOS INDIRETOS OU
CONSEQÜENTES RELACIONADOS A QUEBRA DESTA
GARANTIA.

Instruções de retorno de equipamento


Para cada parte de equipamento que retorna para reparo,
coloque uma etiqueta que inclui as seguintes informações:

• Nome do proprietário endereço e número do telefone.


• Número de série, tipo do produto e modelo.
• Descrição detalhada do problema ou serviço requisitado.
• Nome e telefone da pessoa para contato sobre perguntas
em relação ao conserto.
• Número da autorização de retorno (RA) ou número de
referência.

Se possível, retorne o equipamento usando o material e contêiner


de envio. Caso o contêiner original não esteja disponível, a
unidade deve ser cuidadosamente empacotada para que não
ocorram danos no transporte; quando necessário, materiais

243
apropriados de empacotamento podem ser obtidos através do
contato com a JDSU no Serviço ao Cliente. A JDSU não está
sujeita a qualquer dano que posa ocorrer durante o envio. O
cliente deve marcar claramente o RA ou número de referência do
lado de fora do pacote e enviá-lo pré-pago e assegurado a JDSU.

244