Você está na página 1de 6

FONTES DO DIREITO

1. Conceito de fontes do DIREITO - são as várias espécies de meios de


formação ou criação do direito enquanto norma jurídica.

2. Classificação das FONTES DO DIREITO

► Fontes Históricas: antecedentes históricos, acontecimentos, etc.

► Fontes Materiais: fatos sociais – sociedade.

► Fontes Formais: são as diversas expressões do Direito Positivo

3. Classificação das FONTES FORMAIS: Estatais e Não Estatais

4. Classificação das FONTES DO DIREITO quanto à PRODUÇÃO (ESTADO)

► Fontes Estatais: lei, regulamento, decreto-lei, medida provisória


► Fontes Infra-Estatais: costume, contrato coletivo de trabalho,
jurisprudência e doutrina
► Fontes Supra-Estatais: tratados internacionais, costumes internacionais,
Princípios Gerais de Direito

5. Classificação das FONTES DO DIREITO segundo MIGUEL REALE

► Quanto ao Direito - Fontes Estatais

a)De Direito Interno (Nacional): lei, regulamento, jurisprudência dos


Tribunais pátrios, etc.

b)De Direito Interno Consuetudinário: contrato coletivo de trabalho,


doutrina, etc.
c)De Direito Internacional: Tratados, Costumes Internacionais, Princípios
Gerais de Direito, Jurisprudência dos Tribunais Internacionais, etc.

d)De Direito Comunitário: o Direito da União Européia.

6. Características das FONTES ESTATAIS

-Normas escritas

-Tem vigência no território do Estado onde são promulgadas, no qual são


aplicadas pelas autoridades administrativas e judiciárias – Princípio da
Territorialidade

7. Análise das FONTES ESTATAIS: Constituição; Emendas à Constituição; Lei;


Regulamento; Decreto-lei; Medida Provisória

7.1. CONSTITUIÇÃO:

· É a lei fundamental do Estado


· É a lei que estabelece o processo de criação do Direito Estatal
· Organiza e estrutura o Estado e o Governo
· Estabelece os Direitos e Garantias frente ao Poder Público
· É a lei fundamental do Estado – Estado Constitucional
· É modificável por emendas (de forma limitada) – Constituição Rígida/Flexível
· Divisão de Poderes – visa combater o autoritarismo, abusos

7.1.2. Tipos de Constituição

· Promulgada – formulada, aprovada e promulgada por órgão representativo


(Congresso, Assembléia Constituinte).

· Outorgada – é fruto da decisão unilateral do agente político que exerce


discricionariamente o poder (Chefe de Governo).

· Ratificada – elaborada pelo Governo e aprovada pelo Parlamento.

· Rígida – é a que exige um procedimento legislativo especial para ser


modificada.

· Flexível – é a constituição modificável por processo legislativo ordinário.

· Revolucionária – a decorrente da ruptura de ordem jurídica, vez que surge da


nova ordem a ser implantada.

7.2. LEI - é ato proveniente do poder legislativo que estabelece normas de


acordo com os interesses sociais.

· Traduz aspirações coletivas.


· É norma que se estrutura na realidade social.
· Tem sua fonte material nos fatos valorados pela sociedade

7.2.1. Breve Histórico

· Código de Hamurabi – Babilônia


· Lei das XII Tábuas – Roma
· Corpus Juris Civilis – Roma

7.2.2. Etimologia

· Legere – ler (antigos – leitura – leis– praça)


· Ligare – ligar, vincular (bilateralidade – impõe deveres e atribui poderes)
· Eligere – escolher (legislador escolhe a melhor proposição – norma)

7.2.3. Acepções

· Sentido Amplo – são as várias expressões do Direito Positivo/é a lei


propriamente, medida provisória e decreto

· Sentido Estrito – preceito comum e obrigatório emanado do Poder Legislativo


no âmbito de sua Competência
7.2.4. Características da Lei: SUBSTANCIAIS E FORMAIS

7.2.4.1. Características Substanciais: Generalidade; Abstratividade;


Bilateralidade; Imperatividade; e Coercibilidade.

7.2.4.2. Características Formais

· Escritas; Produzidas pelo Poder Legislativo; Promulgada e Publicada

7.2.5. Categorias:

a)Lei em Sentido Formal – é a decorrente de processo regular de formação;


realizada poder competente, mas lhe falta um ou alguns os requisitos
substanciais.

b)Lei em Sentido Formal-Material – é completa na forma e na matéria.

c)Lei Substantiva (ou Material) – normas – direitos e deveres.

d)Lei Adjetiva – normas procedimentais forenses – normas instrumentais.

e)Lei de Ordem Pública: são as leis que tutelam interesses fundamentais da


sociedade.

·São preceitos importantes ao equilíbrio e a segurança jurídica;

·São normas Cogentes (que sobreleva a opinião de todos);

·São as normas que tratam do Direito de Família, de Direitos Personalíssimos,


da capacidade das pessoas, da prescrição, da nulidade de atos, normas
constitucionais, administrativas, penais, processuais, de segurança e
organização judiciária.

·Não admite interpretação extensiva e nem analógica

7.3. REGULAMENTO - é uma norma jurídica emanada, exclusivamente, da


Administração Pública em virtude de atribuição constitucional de poder
normativo. É lei material

7.3.1. Classificação:

a)Regulamentos Internos ou Administrativos ou de Organização – tem


por meta a organização de um órgão ou de uma entidade pública;

b)Regulamentos Externos ou Normativos – são destinados a pessoas


estranhas à administração;

c)Regulamentos de Execução – são os regulamentos dotados com regras


jurídicas especiais destinadas a aplicação da lei. São considerados normas
secundárias em relação à lei;
d)Regulamentos Independentes – decorrem de poder normativo genérico
atribuído à Administração pelo legislador. Estes regulamentos são editados
porque a Administração necessita de competência para formular normas
necessárias a função administrativa e aos serviços públicos. Estes
regulamentos não podem dispor sobre matéria reservada à lei
(constitucionalmente).

7.4. DECRETO - é decisão ou resolução tomada por uma pessoa ou por uma
instituição a que se confere poderes especiais e próprios para decidir ou julgar,
resolver ou determinar

7.4.1. Tipos de Decreto

7.1.1. Decreto-lei - regra jurídica emanada do Poder Executivo


·Tem força de lei

·Não há lugar para tal normatização em países que adotam a divisão de


poderes

·Foi abolida por nossa Constituição de 1988

7.1.2. Decreto-legislativo
·Normas emanadas do Congresso sobre matéria de sua competência

·Não necessita de sanção do Poder Executivo

Obs.: Em Matéria de Direito Administrativo

Decreto – ato administrativo normativo editado pelo chefes do poder executivo


veiculando atos administrativos de sua respectiva competência;

7.5. MEDIDA PROVISÓRIA - ato normativo editado pelo Presidente da


República, com força de lei, desde que haja motivo relevante e urgente, cuja
eficácia cessa 60 dias(EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 32, DE 11.09.2001), caso
não seja aprovado pelo Congresso Nacional

·Após aprovação transforma-se em lei

·Efeitos – publicação

7.6. EMENDAS À CONSTITUIÇÃO

7.7. LEIS COMPLEMENTARES - são normas jurídicas editadas em


decorrência de previsão constitucional taxativa.

Exemplos:

1)“CF/88

Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que
visem à melhoria de sua condição social:

I – relação de emprego protegida contra despedida arbitrária ou sem justa


causa, nos termos de lei complementar, que preverá indenização
compensatória, dentre outros direitos;”

2)“CF/88 = “Art. 14. A soberania popular será exercida pelo sufrágio universal
e pelo voto direto e secreto, com valor igual para todos, e, nos termos da lei,
mediante:

Omissis;

§ 9º Lei complementar estabelecerá outros casos de inelegibilidade e os prazos


de sua cessação, a fim de proteger a probidade administrativa, a moralidade
para o exercício do mandato, considerada a vida pregressa do candidato, e a
normalidade e legitimidade das eleições contra a influência do poder
econômico ou o abuso do exercício de função, cargo ou emprego na
Administração direta ou indireta.”

3)“CF/88 = “Art. 18. A organização político-administrativa da República


Federativa do Brasil compreende a União, os Estados, o Distrito Federal e os
Municípios, todos autônomos, nos termos desta Constituição.

Omissis;

§ 3º Os Estados podem incorporar-se entre si, subdividir-se ou desmembrar-se


para se anexarem a outros, ou formarem novos Estados ou Territórios
Federais, mediante aprovação da população diretamente interessada, através
de plebiscito, e do Congresso Nacional, por lei complementar.”
“Lei Complementar nº 90, DE 01.10.97, a qual determina os casos em que
forças estrangeiras possam transitar pelo território nacional ou nele
permanecer temporariamente.”

“Lei Complementar nº 96, de 31.05.99, a qual disciplina os limites das


despesas com pessoal, na forma do art. 169 da Constituição.”

“Lei Complementar nº 35, de 14 de março de 1979, a qual dispõe sobre a Lei


Orgânica da Magistratura Nacional”

7.8. LEIS DELEGADAS - são editadas pelo Presidente em face de permissão


(delegação expressa) do Congresso

Exemplos: “Lei Delegada nº 13, de 27 de agosto de 1992, que instituiu a


Gratificação de Atividade nas carreiras de âmbito do Poder Executivo Federal.”

7.9. RESOLUÇÕES - são atos normativos vinculados ao Congresso/são


decisões do Congresso sobre assuntos de seu interesse.
·Não dependem de sanção presidencial

·É ato de autoridade
Exemplos: 1)Resolução para Licença para Deputado de suas atividades
legislativas;

2)Resolução para Perda de Cargo de Senador; Resolução que fixa os subsídios


de Deputado

Obs.: É necessário não confundir esse tipo de Resolução com as resoluções


expedidas por órgãos administrativos colegiados (que dispõem sobre
deliberações em assuntos da respectiva competência ou dispõem sobre seu
próprio funcionamento)

Exemplo: O Conselho Nacional de Trânsito expediu a Resolução nº 378/67, que


disciplina o estacionamento de veículos nas vias públicas.

·É comum, também, as câmaras legislativas aprovarem seus regimentos


internos por resolução

·Ocorre ainda, que determinas leis conferem a certos agentes públicos


competência para expedir resoluções.

Exemplo: Quando o Secretário de Segurança de determinado Estado, com


base em determinada, edita resolução proibindo a venda de bebidas em
épocas de eleição

7.10. LEIS ORDINÁRIAS - é norma jurídica elaborada pelo Poder Legislativo


em sua atividade comum e típica.

Exemplos: “Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, conhecida com a Lei dos


Crimes Hediondos”

“Leis n°s 8.971, de 29.12.94 e 9.278, de 10.05.96, que se referem


especificamente à regulamentação do § 3º do art. 226 da Constituição Federal,
expresso no sentido de reconhecer a união estável entre o homem e a mulher
como entidade familiar”
7.11. PORTARIA - ato administrativo normativo editado por autoridade de
qualquer escalão de comando, desde que inferior ao chefe do Executivo, por
meio do qual se veiculam orientações gerais ou especiais aos seus
subordinados ou designam servidores para certas funções ou determinam a
abertura de sindicância e inquérito administrativo. Não se destinam a
particulares.

http://repensandodireito.blogspot.com/2007/10/aula-de-ied-fontes-do-direito.html

“A qualidade da justiça depende do advogado que você contrata.”


Cledilson Maia