Você está na página 1de 6

COMPÊNDIO PARA O TESTE DE APTIDÃO DO ENSINO PRIMÁRIO

I GRUPO

 Educação

Definição básica: Segundo a lei de Base do Sistema de Educação e Ensino de Angola, no seu
artigo 2.º, 1. A educação é definida como sendo um processo planificado e sistematizado de
ensino e aprendizagem, que visa preparar de forma integral o indivíduo para as exigências da
vida individual e colectiva.

Para Regina Célia a palavra educação tem sido utilizada, ao longo do tempo, com dois sentidos:
social e individual: Do ponto de vista social, é a ação que as gerações adultas exercem sobre as
gerações jovens, orientando sua conduta, por meio da transmissão do conjunto de
conhecimentos, normas, valores,crenças, usos e costumes aceitos pelo grupo social. D o ponto
de vista individual, a educação refere-se ao desenvolvimento das aptidões e potencialidades de
cada indivíduo, tendo em vista o aprimoramento de sua personalidade.

 Educacação formal e informal

Educacação formal: é aquela que tem o reconhecimento oficial, oferecida nas escolas em cursos
com níveis, graus, programas, currículos e diplomas.

Educação informal: são os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na


convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e de pesquisa, nos movimentos
sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais.

 Ensino

Etimologicamente ensinar é colocar dentro, gravar no espírito.

Na perspectiva tradicional ensinar é transmitir conhecimento.

Na concepção moderna ensinar é criar as condições para construção do conhecimento.

O ensino é uma forma sistemática de transmissão de conhecimentos utilizada


pelos humanos para instruir e educar seus semelhantes, geralmente em locais conhecidos
como escolas.

 Ensino primário

Definição básica: Segundo a lei de Base do Sistema de Educação e Ensino de Angola, no seu
artigo 27.º, 1. O ensino primário é o fundamento do ensino geral constituindo a sua conclusão
com sucesso, condição indispensável para frequênciado ensino secundário.

 Pedagogia

1
A palavra Pedagogia tem origem na Grécia antiga e vem das palavras: "paidos" ("da criança") e
"agein" ("conduzir"). Neste sentido, a palavra paidagogos nomeava inicialmente o escravo que
conduzia a criança.

Definição de pedagogia: A Pedagogia é o estudo sistemático da educação. ou É a reflexão sobre


as doutrinas e os sistemas de educação.

 Didáctica

A palavra didáctica vem da expressão grega (techné didaktiké), que se pode traduzir
como arte ou técnica de ensinar.

A Didáctica é uma secção ou ramo específico da Pedagogia e se refere aos conteúdos do ensino
e aos processos próprios para a construção do conhecimento. ou é A Didáctica é definida como a
ciência e a arte do ensino.

 Didáctica geral e especiais

Didáctica geral estuda os princípios, as normas e as técnicas que devem regular qualquer tipo de
ensino para qualquer tipo de aluno.

Didáctica especiais estuda espectos científicos de uma determinar disciplina ou faixa de


escolaridade.

 Psicologia e seus ramos


Psicologia é o estudo do comportamento e as funções mentais.
Ramos da psicologia:

Psicologia esportiva: pretende desenvolver e discutir com os atletas todas outras áreas de sua
vida: Valores pessoais, motivações e percepções. Um atleta completo não é só um homem em seu
perfeito estado físico.

Psicologia da saúde: é a aplicação dos conhecimentos e das técnicas psicológicas à saúde, às


doenças e aos cuidados de saúde.

Psicologia do desenvolvimento: é o estudo científico das mudanças


de comportamento relacionadas à idade durante a vida de uma pessoa.

Psicologia forense: é uma vertente de estudo da psicologia, consistente na aplicação dos


conhecimentos psicológicos aos assuntos relacionados ao direito, principalmente quanto à saúde
mental, quanto aos estudos sócio-jurídicos dos crimes e quanto a personalidade da pessoa natural
e seus embates subjectivos.

Psicologia jurídica: é uma vertente de estudo da psicologia, consistente na aplicação dos


conhecimentos psicológicos aos assuntos relacionados ao direito, principalmente quanto à saúde

2
mental, quanto aos estudos sócio-jurídicos dos crimes e quanto a personalidade da pessoa natural
e seus embates subjectivos.

 Relação da pedagogia com outras ciências

Até o final do século XIX, os fundamentos da Pedagogia haviam se alicerçado exclusivamente


na Filosofia. Foi a partir do início do século XX que a Pedagogia começou a receber influência
mais direta dos estudos da Biologia, da Psicologia (que se estruturava e reivindicava status de
ciência) e da Sociologia (que dava seus primeiros passos). Essas ciências trouxeram
contribuições significativas para a Pedagogia e, em particular, para a Didática. Essas
contribuições dizem respeito principalmente à busca de uma compreensão mais objetiva do
desenvolvimento humano em seus aspectos fisico, intelectual, afetivo, bem como de um
conhecimento maior sobre as diferenças individuais, as necessidades infantis, o mecanismo da
motivação e da aprendizagem, e a importância dos fatores ambientais e sociais na vida do ser
humano.

II GRUPO

 Ramos da pedagogia e teorias pedagógicas


 Pedagogia geral

A palavra pedagogia vem do grego (pais, paidós = criança; agein = conduzir; logos = tratado,
ciência). Na Grécia antiga, eram chamados pedagogos, os escravos que acompanhavam as
crianças. Ou seja, O paidagogo (o condutor da criança) era o escravo cuja actividade específica
consistia em guiar as crianças à escola, seja a didascaléia, onde receberiam as primeiras letras,
seja o gymnásion, local de cultivo do corpo.

Hoje, pedagogo é o especialista em assunto educacionais e pedagogia, o conjunto de


conhecimentos sistemáticos relativos ao fenómeno educativo.

Temos diversas definições de pedagogia:

 Pedagogia é a ciência da educação.


 Pedagogia é a ciência e a arte de educar.
 Pedagogia é a arte de educar.
 Pedagogia é a reflexão metódica sobre a educação para esclarecer e orientar a prática
educativa.

Conceito moderno de pedagogia é a filosofia, a ciência e a técnica da educação (prof. Mattos).

 Aspectos fundamentais da pedagogia

3
Aspecto filosófico: abrange os princípios fundamentais da educação, tais como as relações da
educação com a vida, os valores, os ideias e as finalidades da educação. Pois procura estabelecer
as directrizes da educação de acordo os valores de cada povoe de cada época.

Aspecto científico: procura estabelecer o que é a educação apoiando-se principalmente nos dados
das ciências que estuda o comportamento humano.

Aspecto técnico: refere-se ao como educar. Situa-se entre o filosófico e o científico, isto é, entre
o que deve ser e o que é ligndo o ideal ao real.

 Divisão da pedagogia

A pedagogia apresenta disciplinas filosóficas, científicas e técnicas.

 Disciplinas filosóficas:

História da educação.

Filosofia da educação.

Educação comparada.

Política educacional.

 Disciplinas científicas:

Biologia educacional.

Psicologia educacional.

Sociologia educacional.

 Disciplinas técnicas:

Administração escolar.

Higiene escolar.

Organização escolar.

Orientação educacional.

Didáctica geral e especial.

4
Pedagogia da escola primária

Pedagogia diferencial

Um dos autores desta pedagogia é Philippe Perrenoud.

As pedagogias diferenciadas incluem-se no objetivo da escola, que continua sendo o de oferecer


a todos uma cultura básica comum. Sem renunciar à diversificação, seu desafio vai além :
conseguir que todos os alunos tenham acesso a essa cultura e dela se apropriem.

Considerar as diferenças é, então, colocar cada aluno diante de situaçôes ôptimas de


aprendizagem. As pedagogias diferenciadas aceitam esse desafio e propõem inovações nas
maneiras de resolver o problema.

A pedagogia diferenciada significa levar em conta o patamar de aprendizagem dos alunos e


adaptar e criar condições para estes terem sucesso a partir desse patamar, além de levar em conta
as caraterísticas do aluno. A forma de o conseguir passa por adaptar a organização escolar às
necessidades desta pedagogia, do professor planificar a sala de aula tendo em conta a existência
de grupos de alunos com necessidades específicas (ilhas) e haver meios de apoio às aulas que
facilitem a aplicação da pedagogia diferenciada (mostram-nos a sala de aula do sec XXI, mas
não financiam a sua implementação).

Antes de prosseguir convém alertar que o grande risco da pedagogia diferenciada é


aprofundar/manter patamares diferenciados de aprendizagem, em que há grupos que atingem
objetivos mais exigentes e grupos que atingem objetivos mais modestos, sendo esta pedagogia
criadora ou continuadora de uma diferenciação. Portanto, corre-se o risco não de nívelar, mas
de manter ou acentuar diferenças. Outro ponto que é realçado em entrevistas com professores
franceses é a «tensão entre o respeito pelo cumprimento dos programas e a sua reinterpretação
em função das necessidades dos alunos», ou seja, ao darmos mais tempo para certas
aprendizagens, estamos a pôr em perigo o cumprimento dos programas, pois o professor não tem
autonomia para reescrever o programa, incidindo a aprendizagem num núcleo fundamental,
principalmente em anos de exames.

Vejamos agora como operacionalizar este conceito a partir desta sitação de Annie Feyfant
(2017): «direcionar as estratégias de ensino para as aprendizagens pretendidas, não abordar
novas aprendizagens sem antes ter a certeza de ter ensinado os conhecimentos prévios
necessários, garantir que cada aluno dispõe de tempo suficiente para fazer a aprendizagem»
(Galand, 2009). Nestes princípios encontramos os elementos elencados nas modalidades de
diferenciação expostas anteriormente, em termos de temporalidade(segmentar a atividade,
maximizar o tempo atribuído à realização da tarefa), de processo(definir claramente os objetivos,
explicitar, fazer avaliação formativa), de produção(propor exercícios suplementares),
de estruturação (fazer corrigir).

5
Quais os obstáculos à implementação desta pedagocia? Em primeiro lugar a dimensão das
turmas, esta pedagogia é mais operacionalizável em turmas com menos alunos. Nas turmas
grandes uma solução para a operacionalizar é a coadjuvação, em que a presença de dois
professores permite dividir as ilhas/grupos por professor. O trabalho colaborativo de professores
é essencial, mas este trabalho colaborativo exige que esteja previsto no horário dos professores
tempo para coordenação. Depois é essencial haver reflexão sobre os processos implementados:
voltamos ao mesmo, haver tempo para coordenação nos horários.

Promover pedagogia diferenciada sem a escola enquanto organização criar condições para isso é
responsabilizar os professores, sem haver comprometimento do ministério ou das direcções. Isto
tem sido feito à custa do aumento do trabalho dos professores, nos chamados não lectivos.

Concluindo, a ideia pode e deve ser experimentada, mas sem dar condições (recursos humanos e
investimento na modernização/ informatização das salas de aulas) propõe aos professores fazer
omoletes sem ovos (só com recurso à boa vontade dos professores) é lavar as mãos como pilatos.