Você está na página 1de 6

Mini-livro de receitas ilustrado

Gabriela Neyra Belderrain


Universidade Estadual de Campinas

Introdução

Existimos em virtude da alimentação; entretanto, há algum tempo abandonamos a idéia de


que basta simplesmente saciar a fome para resolver a relação que estabelecemos com os
alimentos. Essa relação tornou-se mais complexa, rica, variada e cheia de exigências por parte da
humanidade (MACHADO, 2006).
A gastronomia é o conhecimento fundamentado de tudo o que se refere ao homem, na
medida em que ele se alimenta. Seu objetivo é zelar pela conservação dos homens, por meio da
melhor alimentação possível. Ela atinge esse objetivo dirigindo, mediante princípios seguros,
todos os que pesquisam, fornecem ou preparam coisas que podem se converter em alimentos
(SAVARIN, 1995). Este processo de criar uma "arte" transforma o ato alimentar em
profundidade, distanciando-o cada vez mais da simples manutenção do organismo (MACIEL,
2001).
Em qualquer sociedade, os alimentos são não apenas comidos, mas também pensados. Em
outras palavras, a comida possui um significado simbólico – ela “fala” de algo mais que
nutrientes. (WOORTMANN, 2004). Assim, o que é "comida" em uma cultura, não o é em outra,
fato derivado não de seu valor (ou não) nutritivo ou perigo a saúde. Mais que alimentar-se
conforme o meio a que pertence, o homem se alimenta de acordo com a sociedade a que pertence
e, ainda mais precisamente, ao grupo, estabelecendo distinções e marcando fronteiras precisas
(MACIEL, 2001).
Tendo me interessado desde criança por culinária, fiz o mini livro de receitas pois era uma
oportunidade para realizar as receitas dos doces que escolhi, e fotografar seu desenvolvimento;
essa foi uma parte importante, pois é mais fácil entender um texto explicativo da receita se há um
apoio imagético.

Resultados

Na pré-produção, defini o tema do mini-livro de receitas. O tema escolhido foi “doces”,


por ser algo de agrado quase geral ao público, e algo que me daria prazer em fazer. Além disso,
após prontas, as receitas seriam degustadas por minha família, e quis agradá-la com receitas que
fossem de sua predileção. O projeto inicial relatava que seriam selecionadas cinco receitas para
que eu as realizasse e fotografasse seu desenvolvimento, mas a falta de tempo permitiu que eu
escolhesse apenas três: Torta de Cappuccino, Mosaico de Chocolate e Trouxinhas de Maçã.
Estas receitas foram retiradas do site do programa Mais Você, transmitido pela TV Globo
durante as manhãs, de 2ª a 6ª. Escolhi estas receitas pois além das informações escritas, elas
continham um vídeo da apresentadora do programa, Ana Maria Braga, realizando-as durante o
mesmo. Isto foi fundamental para a compreensão de certas passagens que não estavam muito
claras nas instruções escritas. A visualização da montagem da Torta Cappuccino por exemplo, foi

1
de extrema importância, já que foi a receita mais difícil realizada no dia.
Escolhi também o ambiente em que as receitas foram preparadas, pois levava em conta a
organização do lugar em questão e que fosse um ambiente sem muitas perturbações. Por estas
razões, não utilizei a cozinha de minha casa, e sim a da casa de minha tia, Maria del Rosário
Neyra Sugobono. Pelo fato de apenas ela e meu tio habitarem a residência, haveria menos
distrações e ruídos, e não seria incomodada pela presença de outras pessoas, como aconteceria se
tivesse escolhido a cozinha de minha casa.
As atividades mencionadas acima (definição do tema, seleção de receitas, escolha do
ambiente) foram realizadas de acordo com o cronograma, não tomando mais tempo que o
imaginado.
A compra do material necessário para a elaboração das receitas foi realizada no mesmo
dia da elaboração destas, o que não estava previsto no cronograma. Neste, os materiais seriam
comprados com uma semana de antecedência, mas devido a diversos fatores, não foi possível
realizar isto.
Fui ao Hipermercado Extra de São José dos Campos para comprar os ingredientes, porém
acabei demorando quase o dobro do tempo esperado para a realização desta tarefa. Os
acontecimentos foram os seguintes: este hipermercado não dispunha de todos os ingrediente que
constavam em minha lista; por isso, reuni o que pude e me dirigi ao caixa. Porém, ao me lembrar
de outro ingrediente que não havia pego, deixei o carrinho em um canto da fila e fui buscá-lo.
Quando retornei ao caixa, meu carrinho havia sumido; logo, precisei pegar todos os produtos
novamente, o que me atrasou muito.
Além disso, fui a outro supermercado, o Pão de Açúcar, para comprar os ingredientes
faltantes. Incrivelmente, não era nada que não pudesse ser encontrado num hipermercado como o
Extra: o que faltava em minha lista era chocolate ao leite e chocolate amargo, produtos
relativamente comuns, mas que estavam em falta no hipermercado mencionado acima. Este fator
também tomou tempo precioso da realização das receitas.
Com antecedência, liguei para minha tia para quer ela pudesse separar o equipamento a
ser utilizado na produção, como tigelas, batedeira, panelas, colheres, pratos, formas etc, para que
quando eu chegasse em sua casa com os ingredientes, pudesse começar logo a feitura das
receitas, para compensar o tempo perdido nas compras. Ela se dispôs a fazer esta tarefa,
recuperando um pouco do tempo perdido com as compras.
Na produção, fui ao local definido onde foram preparadas as receitas, ou seja, a cozinha
de minha tia. Organizamos os ingredientes para a elaboração das receitas, separando-os por
receita a ser realizada, para economizar ainda mais tempo e não utilizar ingredientes errados.
Prepararei as receitas, com ajuda de minha tia. Sua cooperação foi vital ao meu projeto, pois ela
já tem alguma experiência com a feitura de doces, o que foi extremamente útil em certos
momentos de dúvida sobre o ponto do chocolate derretido ou da montagem de uma torta.
Realizei todas as receitas ao mesmo tempo, utilizando o período em que algo ficava na
geladeira para fazer uma massa de outra receita, por exemplo. Mais uma vez, a questão era o
tempo. Enquanto preparava as receitas, fotografei seu desenvolvimento. Quis tirar fotos para
demonstrar as partes que mais me confundiam na receita escrita, ou seja, ilustrar para facilitar o
entendimento das mesmas. Esta tarefa foi de difícil realização, pois muitas vezes me concentrava
mais em fazer todos os passos corretos da receita que me esquecia de fotografar no tempo
correto. Contudo, consegui uma boa variedade de fotografias, mas poderia ter pensando em
alternativas para contornar este problema na hora, como chamar uma terceira pessoa apenas para

2
fotografar.
Ainda nesta questão, percebi que poderia ter pesquisado mais sobre fotografias de comida,
pois não tinha muitas ideias formadas em relação à posição da torta para tirar a foto. Isto pode ser
ilustrado pelas duas fotografias abaixo:

Figura 1: vista do topo do Mosaico de Chocolate

Figura 2; vista parcial de lado do Mosaico de Chocolate

3
Para o produto final, escolhi uma fotografia parecida com a Figura 2, mas mesmo assim a
qualidade ficou aquém das minhas expectativas. Percebo que realmente faltou bibliografia sobre
fotografia culinária, e este seria um problema a contornar no futuro.
No dia seguinte, selecionei as fotografias que me pareciam mais explicativas e que tinham
melhor iluminação, contraste, estética etc. Como mencionado acima, não havia muitas opões,
mas me satisfiz com as que consegui. Editei as fotografias no Adobe Photoshop, em vez de
utilizar o Gimp, como havia sido dito no projeto de desenvolvimento. Fiz esta escolha pois o
Gimp é um programa no qual comecei a mexer recentemente, enquanto já tenho alguma
familiaridade com o Photoshop. A falta de tempo não me permitiu grandes feitos de layout de
página, o que deixou o produto por demasiado simples.
Não montei um arquivo de texto com imagens; preferi realizar no próprio Photoshop
arquivos de resolução alta, em formato A4, para a futura impressão. Salvei estes em extensão .jpg
também, para montar um arquivo em pdf depois. Apesar disto, não cheguei a realmente imprimir
e encadernar o mini livro, pois não fiquei completamente satisfeita com o resultado final.
Na pós-produção, realizei o relatório sobre o desenvolvimento do projeto, que é o que
escrevo, e apresentei o arquivo pdf do mini-livro no dia 22 de junho de 2009, na aula de Métodos
e Técnicas de Pesquisa em Midialogia, ministrada pelo Prof. Dr. José A. Valente no
Departamento de Multimeios do Instituto de Artes, na Universidade Estadual de Campinas. Esta
apresentação foi feita uma semana depois do que era previsto no projeto de desenvolvimento,
pois não pude comparecer à aula do dia 15 de junho.

Discussão dos aspectos negativos e positivos que interferiram na execução do projeto

 Positivos
A ajuda e cooperação de minha tia foram aspectos extremamente positivos e favoráveis à
realização do projeto, pois obtive apoio com o local onde realizaria as receitas, os
instrumentos necessários e ajuda na preparação das receitas. Sua experiência culinária me
ajudou bastante, principalmente quando tive que utilizar gelatina sem sabor, que é
diferente da gelatina comum. A gelatina em pó incolor requer mais cuidado para ser
dissolvida, e eu, inexperiente, não sabia como fazê-lo. Por sorte, minha tia já havia
trabalhado com isto e me salvou de ter de retirar mais uma receita do mini livro.

 Negativos
O principal aspecto negativo deste projeto foi o atraso imenso em relação ao cronograma
proposto. Inicialmente, as ações estavam correndo de acordo com o planejado, mas no
final de semana proposto para a feitura das receitas, ocorreram problemas que me
impediram de realizá-las. Logo, tive que postergar a realização para o final de semana
seguinte, e isto conseqüentemente atrasou o resto do cronograma.
A compra dos ingredientes e o roubo do carrinho de supermercado também atrapalharam
o que eu havia previsto fazer durante aquele dia, e por isso não pude realizar o número de
receitas que queria fazer. O tempo era crucial para que tudo desse certo na preparação do
produto, porém os sucessivos atrasos foram imperdoáveis.
A pouca variedade de fotografias disponíveis para escolha também não foi favorável.
Durante o processo de realização das receitas, me preocupei mais em realizá-las da
maneira correta que em fotografar o desenvolvimento, ou seja, me distraí do objetivo

4
principal; isto não favoreceu a realização do projeto. Para contornar este problema,
poderia ter sido encontrada uma terceira pessoa para que esta apenas fotografasse o
projeto, me deixando livre para apenas coordenar a feitura das receitas (mas ainda assim
dialogando com o fotógrafo, e podendo ter ao meu alcance a prévia das fotografias que
poderia utilizar no mini-livro).

Conclusões

O objetivo principal, ou seja, fazer o mini livro de receitas, foi atingido, porém não em
sua totalidade. Muitos problemas apareceram pelo caminho, e muitas coisas foram mudadas a
partir do projeto original. Não fiquei completamente satisfeita com o produto final, mas entendo
que a falta de tempo foi um fator que influenciou negativamente na realização do mini-livro, e
por essa questão não foi possível alcançar um resultado melhor dentro do período que dispunha.
Não obstante, minha própria irresponsabilidade com as datas e horários foi um fator que
não colaborou para chegar ao resultado almejado. Caso houvesse um planejamento melhor e um
cronograma mais rígido, creio que poderia ter chegado a um nível superior na realização do
produto.
Embora tenha havido muitos fatores negativos, o lado bom é ter conseguido pelo menos
realizar três receitas, e todas terem dado certo. Recebi muitos elogios quanto ao sabor e textura
dos doces que fiz, o que me deixou muito feliz.
Para um projeto futuro, espero poder realizar uma variedade maior de receitas, com mais
tempo e planejamento, e também conseguir estabelecer um padrão melhor para o layout das
páginas do mini livro e as fotografias que nele estariam. Não pretendo continuar este projeto em
um futuro tão próximo, mas talvez em algum período mais tranquilo, sem tantas atividades
acadêmicas, como as férias, por exemplo.
Em suma, a experiência de ter de lidar sozinha com um projeto, levá-lo adiante, superar
dificuldades encontradas para sua realização e encarar responsabilidades sobre o mesmo foi
extremamente positiva e creio que me ajudará a realizar projetos que estão por vir.

Referências

MACHADO, João Luís de Almeida. A Epistemologia da Gastronomia. Disponível em:


http://artigocientifico.uol.com.br/artigos/?mnu=1&smnu=5&artigo=1690. Acessado em:
24/05/2009.

MACIEL, Maria Eunice. Cultura e alimentação ou o que têm a ver os macaquinhos de Koshima
com Brillat-Savarin. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?
script=sci_arttext&pid=S0104-71832001000200008&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acessado em:
24/05/2009.

MAIS VOCÊ. Receita do Chocotino.


http://receitas.maisvoce.globo.com/Receitas/Tortas_Bolos/0,,REC40644-7781-71+CHOCOTINO
+TORTA+CAPUCCINO,00.html. Acessado em:
MAIS VOCÊ. Receita do Mosaico de Chocolate.
http://receitas.maisvoce.globo.com/Receitas/Doces_Sobremesas/0,,REC40045-7778-31+MOSAI

5
CO+DE+CHOCOLATE,00.html. Acessado em:

MAIS VOCÊ. Receita da Trouxinha de Maçã.


http://receitas.maisvoce.globo.com/Receitas/Doces_Sobremesas/0,,REC33177-7778-81+TROUX
INHA+DE+MACA,00.html. Acessado em: