Você está na página 1de 61

REVISÃO AV2

2018.2
I- Solução dos Conflitos Trabalhistas:

1. Autodefesa ou autotutela: método mais primitivo de solução dos conflitos. Pressupõe


ato de defesa pessoal em que uma parte impõe à outra um sacrifício não consentido.
Ato de força. Ausência do Estado. Ex. Greve.

2. Autocomposição: Também é uma forma direta de solução de conflitos, pela atuação


das próprias partes interessadas. Ex. Negociação coletiva, conciliação, CCP.

3. Heterocomposição - método de solução de conflito por meio de um terceiro, que


“decide com força obrigatória sobre os litigantes, que, assim, são submetidos à
decisão”. Ex. Dissídio coletivo, dissídio individual, arbitragem.
Das Comissões de Conciliação Prévia (625-A a 625-H da CLT)

# Podem ser constituídas nas empresas ou nos sindicatos

# § 1º do art. 652-B cria hipótese de estabilidade/garantia no


emprego - até um ano após o fim do mandato

Art. 625-D. Qualquer demanda de natureza trabalhista será


submetida à Comissão de Conciliação Prévia se, na localidade da
prestação de serviços, houver sido instituída a Comissão no âmbito da
empresa ou do sindicato da categoria.

Trata-se de condição da ação ou de pressuposto processual? STF


decidiu que não.
# Prescrição: O prazo prescricional será suspenso a partir da
provocação da Comissão de Conciliação Prévia, recomeçando a fluir,
pelo que lhe resta, a partir da tentativa frustada de conciliação
ou do esgotamento do prazo previsto no art. 625-F.

# O termo de conciliação é título executivo extrajudicial e terá


eficácia liberatória geral, exceto quanto às parcelas
expressamente ressalvadas.

RECURSO DE REVISTA. TERMO DE CONCILIAÇÃO FIRMADO PERANTE A


COMISSÃO DE CONCILIAÇÃO PRÉVIA. EFICÁCIA LIBERATÓRIA GERAL.
Conquanto não comungue com o entendimento, a jurisprudência da
SBDI-1 do TST firmou-se no sentido de que o termo de conciliação
firmado perante Comissão de Conciliação Prévia tem eficácia
liberatória geral, na forma do art. 625-E, parágrafo único, da
CLT, ficando a salvo apenas as parcelas expressamente ressalvadas.
Precedentes. Recurso de revista conhecido e provido. (TST - RR:
1574001820085010043, Relator: Delaíde Miranda Arantes, Data de
Julgamento: 06/05/2015, 2ª Turma, Data de Publicação: DEJT
15/05/2015)
Caso Concreto 2
■ Pergunta:
■ O sindicato da categoria profissional dos bancários celebrou
com a categoria econômica correspondente - sindicato dos
bancos - convenção coletiva de trabalho fixando o reajuste
salarial para os bancários no patamar de 8%, dentre outros
benefícios. Já o sindicato da categoria profissional dos
professores teve frustrada a tentativa de negociação coletiva
junto ao sindicato dos estabelecimentos de ensino, o que
resultou na propositura do Dissídio Coletivo perante o Tribunal
Regional do Trabalho daquela localidade. Diante dos casos
apresentados, indique e explique qual foi o método de solução
dos conflitos coletivos utilizado pelo sindicato dos bancários e
pelo sindicato dos professores.
■ Gabarito:
■ O método utilizado pelo sindicato dos bancários foi a
autocomposição, que consiste na forma direta de solução
dos conflitos coletivos. Na autocomposição as próprias
partes envolvidas no conflito, mediante concessões
recíprocas, põe fim ao conflito coletivo estabelecendo
condições de trabalho para a categoria. Quanto ao sindicato
dos professores o método utilizado foi o da
heterocomposição, que consiste na forma de solução do
conflito por um terceiro, sendo uma forma indireta de
solução do conflito coletivo. No caso do dissídio coletivo o
terceiro é o Estado-Juiz, que decide com força obrigatória
sobre os envolvidos no conflito, por meio da sentença
normativa.
■ CRITÉRIOS PARA DEFINIÇÃO DE COMPETÊNCIA:

- Critério em relação à matéria


(art. 114 CF)
- Critério em relação à pessoa
- Critério territorial (art 651
CLT)
- Critério funcional
Em relação à matéria
# competência para dissídios envolvendo relação de trabalho
# STF excluiu da competência da Justiça do Trabalho ações envolvendo
servidores públicos
# Quanto à execução das contribuições previdenciárias, a competência da
Justiça do Trabalho limita-se às sentenças condenatórias em pecúnia que
proferir e aos valores, objeto de acordo homologado, que integrem o salário
de contribuição.

Súmula 368 - DESCONTOS PREVIDENCIÁRIOS. IMPOSTO DE RENDA. COMPETÊNCIA.


RESPONSABILIDADE PELO RECOLHIMENTO. FORMA DE CÁLCULO. FATO GERADOR
I - A Justiça do Trabalho é competente para determinar o recolhimento das
contribuições fiscais. A competência da Justiça do Trabalho, quanto à execução das
contribuições previdenciárias, limita-se às sentenças condenatórias em pecúnia que
proferir e aos valores, objeto de acordo homologado, que integrem o salário de
contribuição. (ex-OJ nº 141 da SBDI-1 - inserida em 27.11.1998).
Em razão do lugar
# localidade onde o empregado, reclamante ou reclamado,
prestar serviços ao empregador, ainda que tenha sido
contratado noutro local ou no estrangeiro.

# Quando for parte de dissídio agente ou viajante


comercial: localidade em que a empresa tenha agência ou
filial e a esta o empregado esteja subordinado e, na
falta, será competente a Junta da localização em que o
empregado tenha domicílio ou a localidade mais próxima.

# Em se tratando de empregador que promova realização de


atividades fora do lugar do contrato de trabalho, é
assegurado ao empregado apresentar reclamação no foro da
celebração do contrato ou no da prestação dos
respectivos serviços. Ex. Circo.
Caso Concreto 3
■ Pergunta:
■ O viajante comercial Saulo pretende mover ação
trabalhista em face da sua empregadora Empresa Delta
Ltda, por entender que o seu gerente cometeu ato
ilícito que lhe feriu a honra e boa fama, postulando
indenização por danos morais a ser arbitrada pelo juiz
diante da extensão e complexidade do dano, cumulada com
pedido de pagamento de diferenças de comissões
ajustadas no valor de R$ 10.000,00. Diante do caso
exposto, responda de forma fundamentada: A) Segundo as
regras contidas em legislação própria quanto à
competência territorial, informe aonde a ação deve ser
proposta. Fundamente. B) O Judiciário Trabalhista
possui competência para apreciar e julgar a presente
ação? É possível pleitear que o juiz arbitre o montante
da postulada indenização por danos morais?
Gabarito:

A) Art. 651, §1°, CLT: Quando for parte no dissídio agente ou


viajante comercial, a competência será da Vara da
localidade em que a empresa tenha agência ou filial e a esta
o empregado esteja subordinado e, na falta, será
competente a Vara da localização em que o empregado
tenha domicílio ou a localidade mais próxima.
B) Há competência da Justiça do Trabalho para apreciar e julgar
ambos os pedidos, por força do disposto no art. 114, I e VI,
CRFB/88. Quanto ao pedido de indenização por dano moral,
contudo, observar a previsão contida no art. 292, V, CPC/15
quanto a impossibilidade de pedido genérico - necessidade
de constar desde a inicial o valor pretendido.
■ ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA GRATUITA E GRATUIDADE DE JUSTIÇA:
# Assistência judiciária gratuita é gênero do qual justiça gratuita é espécie
# Assistência judiciária gratuita: direito da parte ter um advogado do Estado gratuitamente, bem
como de estar isenta de todas as taxas e despesas processuais.

No processo do trabalho, a assistência gratuita é prestada pelos sindicatos. Lei 5.584/70.

Art 14. Na Justiça do Trabalho, a assistência judiciária a que se refere a Lei nº 1.060, de 5 de
fevereiro de 1950, será prestada pelo Sindicato da categoria profissional a que pertencer o
trabalhador.
§ 1º A assistência é devida a todo aquêle que perceber salário igual ou inferior ao dôbro do
mínimo legal, ficando assegurado igual benefício ao trabalhador de maior salário, uma vez
provado que sua situação econômica não lhe permite demandar, sem prejuízo do sustento
próprio ou da família.

A reforma trabalhista alterou os requisitos para a concessão de justiça gratuita mas não revogou a
lei 5.584/70.
Justiça gratuita é o direito da parte à gratuidade de taxas
judiciárias, custas emolumentos, honorários de perito,
despesas com editais etc.

Art. 790 CLT


# salário igual ou inferior a 40% do limite máximo dos
benefícios do RGPS
# à parte que comprovar insuficiência de recursos
# Não basta mais a mera declaração de pobreza
Art. 775. Os prazos estabelecidos neste Título serão contados em dias
úteis, com exclusão do dia do começo e inclusão do dia do vencimento.

# princípio da instrumentalidade das formas: válido se por outro modo


alcançar a sua finalidade (arts. 188 e 277 CPC e arts. 795, 796 e 788
da CLT).

# princípio do prejuízo ou da transcendência: ligado ao anterior. Decorre


do princípio francês “pas de nullité sans grief” - art. 794 CLT e §1º do
art. 282 e 283 CPC. Não há nulidade se não houver prejuízo.

# princípio da preclusão ou da convalidação: 795 CLT. A nulidade deve


ser arguida na primeira oportunidade, sob pena de preclusão
Procedimento sumário/ações de alçada;

Procedimento descrito na Lei 5.584/70, em seus art. 2º, §3º e


§4º.

# cabível nos processos de alçada, ou seja, aqueles que possuem


valor da causa até dois salários mínimos.

#característica: imprimir celeridade e efetividade das causas


trabalhistas até dois salários mínimos, simplificando
procedimentos e eliminando recursos.

#dispensável o resumo dos depoimentos, devendo constar da ata o


resumo da Junta quanto à matéria de fato.

# salvo se versar sobre matéria constitucional, não caberá


recurso das sentenças proferidas em causas de alçada.

# O recurso cabível é o Recurso Extraordinário para o STF (art.


102 CF). Admitem-se, entretanto, os embargos de declaração
■ procedimento sumaríssimo

# instituído através da Lei. 9.957/2000, cabível em causas de até


40 salários mínimos.
# Ficam excluídas do rito sumaríssimo (art. 852-A, pu, CLT) as
causas em que for parte a Administração Direta, Autárquica ou
Fundacional.

# Ações com ritos próprios não são abrangidas pelo rito


sumaríssimo, como ACP e Dissídio Coletivo, Inquérito para
Apuração de Falta Grave

# O pedido deve ser certo e determinado, e indicar o valor


correspondente

#Incumbe ao autor a correta indicação do nome e do endereço da


reclamada.

# Não se fará citação por edital. Converter rito ou declarar


inconstitucionalidade?
Caso Concreto 6
■ Pergunta:
■ Paulo ajuizou uma ação trabalhista que fora distribuída para a
1ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro, com valor da causa igual
a vinte salários mínimos, pretendendo verbas salariais e
rescisórias da empresa que fora sua anterior empregadora e,
ainda, a responsabilização subsidiária da autarquia federal, à
qual teria, por meio daquela empresa interposta, prestado
serviços. A ação apresentou pedidos líquidos e endereço
adequado das partes reclamadas. Assistido o trabalhador pelo
sindicato da categoria obreira, postulou na petição inicial,
ainda, honorários advocatícios em favor da entidade assistente,
declarando sua hipossuficiência econômica, alegando que, não
obstante percebesse salário superior a dois salários mínimos,
não tinha condições de suportar os ônus do processo sem
prejuízo do sustento próprio e ao de sua família. Com base
nessa situação hipotética, responda: a) Sob qual rito
procedimental deverá tramitar a demanda acima? Fundamente sua
resposta e aponte os dispositivos legais pertinentes. b) O
pedido de honorários em favor da entidade sindical assistente
deve ser julgado procedente? Fundamente sua resposta e aponte
os dispositivos legais e jurisprudenciais pertinentes.
■ Gabarito:
■ a)Não obstante o valor da causa, a demanda deve tramitar
pelo rito/procedimento ordinário, tendo em vista a presença
de uma autarquia federal no pólo passivo, o que lhe impede
de tramitar pelo procedimento sumaríssimo. Art. 852-A,
parágrafo único, CLT. b) Sim. O pedido de honorários em
favor da entidade sindical assistente deve ser julgado
procedente. Preenchidos os requisitos do art. 14 Lei
5584/70 e da Súmula 219,I, TST. Não obstante, após a Lei
13.467/17, os honorários sucumbenciais estão
universalizados no processo do trabalho. Cabe ponderar
que a Súmula 219 não sofreu cancelamento.
Art. 813 - As audiências dos órgãos da Justiça do Trabalho
serão públicas e realizar-se-ão na sede do Juízo ou
Tribunal em dias úteis previamente fixados, entre 8 (oito)
e 18 (dezoito) horas, não podendo ultrapassar 5 (cinco)
horas seguidas, salvo quando houver matéria urgente.

§ 1º - Em casos especiais, poderá ser designado outro local


para a realização das audiências, mediante edital afixado
na sede do Juízo ou Tribunal, com a antecedência mínima de
24 (vinte e quatro) horas.

§ 2º - Sempre que for necessário, poderão ser convocadas


audiências extraordinárias, observado o prazo do parágrafo
anterior.

Art. 814 - Às audiências deverão estar presentes,


comparecendo com a necessária antecedência. os escrivães ou
secretários.(Vide Leis nºs 409, de 1943 e 6.563, de 1978)
Art. 815 - À hora marcada, o juiz ou presidente declarará aberta
a audiência, sendo feita pelo secretário ou escrivão a chamada
das partes, testemunhas e demais pessoas que devam comparecer.

Parágrafo único - Se, até 15 (quinze) minutos após a hora


marcada, o juiz ou presidente não houver comparecido, os
presentes poderão retirar-se, devendo o ocorrido constar do livro
de registro das audiências.

Art. 816 - O juiz ou presidente manterá a ordem nas audiências,


podendo mandar retirar do recinto os assistentes que a
perturbarem.

Art. 817 - O registro das audiências será feito em livro próprio,


constando de cada registro os processos apreciados e a respectiva
solução, bem como as ocorrências eventuais.

Parágrafo único - Do registro das audiências poderão ser


fornecidas certidões às pessoas que o requererem.
■ A presença das partes no início da Audiência inaugural é
INDISPENSÁVEL, a fim de que se tente a sua conciliação e
de que prestem depoimento, sendo dispensável a sua
presença a partir de então se tiverem advogados.
ausência do Reclamante - arquivamento

O art. 843 da CLT exige a presença do reclamante na


audiência, independentemente da presença de seu
representante ou advogado.

O não comparecimento do reclamante, acarreta o


arquivamento do processo, o que equivale à sua
extinção sem resolução do mérito. Art. 844 CLT.
Exceção: art. 843, §2º CLT.

O arquivamento equivale à extinção do processo sem


resolução do mérito, não gerando, portanto, o
efeito de confissão ficta. Pode o autor renovar a
ação dentro do prazo prescricional.
ausência da Reclamada - revelia e confissão.

Quanto à ausência do reclamado à audiência inaugural,


esta acarreta a revelia, e, se ocorrer na sessão em
que deveria depor, será aplicada a pena de confissão
ficta.

Art. 844, §5o: “Ainda que ausente o reclamado,


presente o advogado na audiência, serão aceitos a
contestação e os documentos eventualmente
apresentados.” (Incluído pela Lei nº 13.467, de 2017)
A ausência do reclamante após a contestação, em audiência
designada para oitiva de depoimentos pessoais, acarreta a
pena de confissão quanto à matéria de fato (tratamento
isonômico entre as partes).

Súmula nº 74 do TST
CONFISSÃO.
I - Aplica-se a confissão à parte que, expressamente intimada
com aquela cominação, não comparecer à audiência em
prosseguimento, na qual deveria depor.
II - A prova pré-constituída nos autos pode ser levada em
conta para confronto com a confissão ficta (arts. 442 e 443,
do CPC de 2015 - art. 400, I, do CPC de 1973), não implicando
cerceamento de defesa o indeferimento de provas posteriores.
III- A vedação à produção de prova posterior pela parte
confessa somente a ela se aplica, não afetando o exercício,
pelo magistrado, do poder/dever de conduzir o processo.
A conciliação homologada pelo Juiz tem força de
sentença irrecorrível (salvo para a Previdência
Social quanto às contribuições que lhe forem
devidas), só passível de anulação mediante ação
rescisória (Súm. 259 TST e art. 831, pu, CLT).

Súmula nº 259 do TST


TERMO DE CONCILIAÇÃO. AÇÃO RESCISÓRIA (mantida)
- Res. 121/2003, DJ 19, 20 e 21.11.2003

Só por ação rescisória é impugnável o termo de


conciliação previsto no parágrafo único do art.
831 da CLT.
Caso Concreto 7
■ Pergunta:
■ Em audiência realizada em reclamação trabalhista,
o micro empresário Moisés enviou como preposto um
contador autônomo que não presenciou os fatos que
foram objeto do litígio, no entanto, em razão da
atividade desenvolvida, tinha pleno conhecimento
dos fatos. O advogado do reclamante requereu a
aplicação de confissão da reclamada. O juiz
acolheu a confissão sob o argumento de que o
preposto não presenciou os fatos e, ainda, que
deveria ser gerente ou empregado da empresa
reclamada. Diante do caso apresentado, diante da
lei e do entendimento consolidado pelo Tribunal
Superior do Trabalho, esclareça se o juiz agiu
acertadamente.
Gabarito:
O juiz não agiu acertadamente. O preposto
não precisa ter presenciado os fatos. A CLT,
no art. 843,§1°, exige apenas que tenha
conhecimento dos fatos. E, em se tratando de
micro empresário, não precisa ser empregado
da empresa, conforme entendimento
consolidado na Súmula 377 do C. TST. Não
obstante o não cancelamento, ainda em 2018
da Súm 377, anote-se que após a Lei
13.467/17 qualquer pessoa poderá atuar como
preposto, e não somente o empregado, desde
que tenha conhecimento dos fatos (art. 843,
§3º).
Resposta do réu
■ Contestação
■ Exceções
■ Reconvenção
■ MOMENTO DA DEFESA - Arts. 841 e 847 CLT
Em audiência – 20 minutos
Até a audiência pelo sistema eletrônico.

Res. CSJT 185/2017, art. 22: A contestação,


reconvenção, exceção e documentos deverão ser
protocolados no PJe até a realização da proposta
conciliatória infrutífera, com a utilização de
equipamento próprio, sendo automaticamente juntados,
facultada a apresentação de defesa oral, na forma do
art. 847, da CLT.
Dois princípios fundamentais da contestação:

# Princípio da eventualidade (art. 336 CPC)


# Princípio da impugnação específica (art. 341
CPC)

Ausência de defesa – Revelia


Confissão ficta
Preliminares de contestação

Ou defesas processuais ou indiretas. Podem


ser:

a) Dilatórias: ex: incompetência

b) Peremptórias: ex: coisa julgada ou


litispendência
Prescrição: prejudicial de mérito
■ Art. 11 CLT
■ # 2 anos a contar da extinção do pacto;
■ # 5 últimos anos;
■ # não se aplica às ações meramente declaratórias;
■ # alteração do pactuado, prestações sucessivas, a
prescrição é total, se não assegurada por lei;
■ # interrompe-se apenas em relação a pedidos
idênticos
■ # não há mais diferença entre trabalhadores
urbanos e rurais
Exceção de Incompetência em razão do lugar

■ Incidente antes da audiência (art. 800 CLT)


■ Prazo de 5 dias a contar da notificação
■ § 1º: será suspenso o processo até que se decida a
exceção.
■ § 2º: reclamante e, se existentes, os litisconsortes, são
notificados para manifestação em 5 dias.
■ § 3º Se entender necessária a produção de prova oral, o
juízo designará audiência, garantindo o direito de o
excipiente e de suas testemunhas serem ouvidos, por carta
precatória, no juízo indicado como competente.
■ § 4º: Decidida a exceção de incompetência territorial, o
processo retomará seu curso perante o juízo competente.
Reconvenção
■ Art. 343 CPC (CLT é omissa)
■ Natureza jurídica de ação
■ A desistência da ação não prejudica a reconvenção
(§2º)

■ Na mesma peça: O TST, prestigiando o princípio da


instrumentalidade das formas, já vinha aceitando
reconvenção e contestação na mesma peça, sem que
isso implicasse violação do art. 299 CPC/73. O
art. 343 do CPC/15 veio confirmar esse
procedimento.
Caso Concreto 8

■ Pergunta:
■ Em sede de reclamação trabalhista o empregado
pleiteou o recolhimento das contribuições
previdenciárias não realizadas pelo
empregador no curso do contrato de trabalho.
Diante disso, responda: Na qualidade de
advogado(a) da empresa, o que você deverá
alegar inicialmente em sua defesa, partindo
do pressuposto que seu cliente realmente não
fez os recolhimentos pretendidos? Fundamente
Gabarito:
Deverá ser arguida uma preliminar de
incompetência absoluta em razão da
matéria, já que nos termos da súmula
368 do TST e do parágrafo único do
Art. 876 da CLT, tal foge à
competência da Justiça do Trabalho.
Ônus da prova
■ Ônus da prova é o encargo, atribuído pela lei a cada uma
das partes, de demonstrar a ocorrência dos fatos de seu
próprio interesse para as decisões a serem proferidas no
processo.

■ Art. 818. O ônus da prova incumbe: (Redação dada pela Lei


nº 13.467, de 2017)

■ I - ao reclamante, quanto ao fato constitutivo de seu


direito;

# Hipótese de defesa direta

■ II - ao reclamado, quanto à existência de fato impeditivo,


modificativo ou extintivo do direito do
reclamante.

■ # Hipótese de defesa indireta


No § 1º o legislador trouxe a possibilidade
de inversão do ônus da prova, através da
teoria das cargas dinâmicas da prova

Condições:

- Decisão fundamentada;

-proferida antes da abertura da instrução;

-Se a parte interessada requerer, ensejará o


adiamento da audiência e possibilitará
provar os fatos por qualquer meio em direito
admitido.
Art. 369 CPC. As partes têm o direito de
empregar todos os meios legais, bem como os
moralmente legítimos, ainda que não
especificados neste Código, para provar a
verdade dos fatos em que se funda o pedido ou a
defesa e influir eficazmente na convicção do
juiz.

a) Depoimento pessoal e interrogatório


b) Prova testemunhal
c) Prova documental
d) Prova pericial
e) Inspeção judicial
f) Prova emprestada
Caso Concreto 9
■ Pergunta:
■ Um empregado ajuizou reclamação trabalhista
postulando o pagamento de vale transporte, jamais
concedido durante o contrato de trabalho, bem
como o FGTS não depositado durante o pacto
laboral. Em contestação, a sociedade empresária
advogou que, em relação ao vale transporte, o
empregado não satisfazia os requisitos
indispensáveis para a concessão; no tocante ao
FGTS, disse que os depósitos estavam regulares.
Analise, em relação a cada um dos pedidos
formulado, a distribuição do ônus da prova,
diante desse panorama processual apresentado e do
entendimento consolidado pelo TST. Fundamente sua
resposta.
■ Gabarito:
■ O ônus da prova para ambos os pedidos, diante das
alegações, será da sociedade empresária.
Entendimento consagrado nas Súmulas 460 e 461 do
C.TST.
■ SÚMULA 460, TST - VALE-TRANSPORTE. ÔNUS DA PROVA
- Res. 209/2016, DEJT divulgado em 01, 02 e
03.06.2016. É do empregador o ônus de comprovar
que o empregado não satisfaz os requisitos
indispensáveis para a concessão do valetransporte
ou não pretenda fazer uso do benefício.
■ SÚMULA 461, TST - FGTS. DIFERENÇAS. RECOLHIMENTO.
ÔNUS DA PROVA - Res. 209/2016, DEJT divulgado em
01, 02 e 03.06.2016. É do empregador o ônus da
prova em relação à regularidade dos depósitos do
FGTS, pois o pagamento é fato extintivo do
direito do autor (art. 373, II, do CPC de 2015).
Recursos
I - Julgada a reclamação trabalhista procedente em
parte, pergunto:
a) Se a sentença tiver deixado de analisar um dos
pedidos da parte, o que ela deve fazer?
b) A parte insatisfeita com o resultado da sentença
deve protocolar que recurso a fim de reformar a
sentença?
c) O depósito recursal deve ser comprovado em que
prazo?

II - Julgado um dissídio coletivo pelo TRT8, qual o


recurso cabível pela parte insatisfeita?

III – Julgada uma Ação Rescisória pelo TRT8, qual o


recurso oponível?
■ IV –Julgado dissídio coletivo de competência
originária no TST através de uma decisão não unânime,
qual o recurso cabivel?

■ V – Julgado pelo TRT8 o recurso ordinário interposto


pelo reclamante, a Turma decidiu reformar a sentença,
julgando totalmente procedente o pedido. Na
fundamentação, a turma deu interpretação à Lei
Federal divergente da que já havia sido dada por
outra Turma de outro Regional. Há algum recurso que a
reclamada possa interpor?

■ VI – Se o Juiz negar seguimento ao recurso ordinário


por entender estar ausente algum pressuposto de
admissibilidade, que recurso a parte interessada pode
interpor?
■ Súmula nº 245 do TST. DEPÓSITO RECURSAL. PRAZO
(mantida) - Res. 121/2003, DJ 19, 20 e 21.11.2003
O depósito recursal deve ser feito e comprovado no
prazo alusivo ao recurso. A interposição antecipada
deste não prejudica a dilação legal.

■ Depósito recursal pela metade: Entidades sem fins


lucrativos; Empregadores domésticos;
Microempreendedores individuais; Microempresas e
empresas de pequeno porte

■ São isentos de depósito recursal: Beneficiários da


justiça gratuita; Entidades filantrópicas; Empresas
em recuperação judicial; Massa falida (Súm. 86 TST)

■ §11 – substituição por fiança bancária ou seguro


garantia
■ OJ 140 SDI 1. DEPÓSITO RECURSAL E CUSTAS PROCESSUAIS.
RECOLHIMENTO INSUFICIENTE. DESERÇÃO. (nova redação
em decorrência do CPC de 2015) - Res. 217/2017 - DEJT
divulgado em 20, 24 e 25.04.2017
Em caso de recolhimento insuficiente das custas
processuais ou do depósito recursal, somente haverá
deserção do recurso se, concedido o prazo de 5
(cinco) dias previsto no § 2º do art. 1.007 do CPC de
2015, o recorrente não complementar e comprovar o
valor devido.

■ Súmula nº 278 do TST. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. OMISSÃO


NO JULGADO (mantida) - Res. 121/2003, DJ 19, 20 e
21.11.2003
A natureza da omissão suprida pelo julgamento de
embargos declaratórios pode ocasionar efeito
modificativo no julgado.
Súmula nº 297 do TST. PREQUESTIONAMENTO. OPORTUNIDADE.
CONFIGURAÇÃO (nova redação) - Res. 121/2003, DJ 19, 20 e
21.11.2003
I. Diz-se prequestionada a matéria ou questão quando na
decisão impugnada haja sido adotada, explicitamente, tese a
respeito.
II. Incumbe à parte interessada, desde que a matéria haja sido
invocada no recurso principal, opor embargos declaratórios
objetivando o pronunciamento sobre o tema, sob pena de
preclusão.
III. Considera-se prequestionada a questão jurídica invocada
no recurso principal sobre a qual se omite o Tribunal de
pronunciar tese, não obstante opostos embargos de declaração.

Súmula nº 333 do TST


RECURSOS DE REVISTA. CONHECIMENTO (alterada) - Res. 155/2009, DEJT
26 e 27.02.2009 e 02.03.2009
Não ensejam recurso de revista decisões superadas por iterativa,
notória e atual jurisprudência do Tribunal Superior do Trabalho.
Súmula nº 128 do TST. DEPÓSITO RECURSAL

I - É ônus da parte recorrente efetuar o depósito legal,


integralmente, em relação a cada novo recurso interposto,
sob pena de deserção. Atingido o valor da condenação, nenhum
depósito mais é exigido para qualquer recurso.

II - Garantido o juízo, na fase executória, a exigência de


depósito para recorrer de qualquer decisão viola os incisos
II e LV do art. 5º da CF/1988. Havendo, porém, elevação do
valor do débito, exige-se a complementação da garantia do
juízo.

III - Havendo condenação solidária de duas ou mais empresas,


o depósito recursal efetuado por uma delas aproveita as
demais, quando a empresa que efetuou o depósito não pleiteia
sua exclusão da lide.
Recurso Adesivo: não é recurso, mas sim forma de
interposição do recurso, que é aderido ao recurso da
parte contrária. Art. 997 CPC

Súm. 283 TST – pertinência no processo do trabalho

Requisitos:
a) Sucumbência recíproca
b) Somente sentença de mérito enseja r. adesivo
c) Não tenha interposto recurso principal
d) Tempestividade (prazo das contrarrazões)
e) Com todos os requisitos exigidos para o recurso
principal
f) Conhecimento do adesivo fica subordinado ao
conhecimento do recurso principal
Recurso de Revista
- Decisão proferida em grau de RO por TRT

- Decisão proferida em grau de AP apenas no caso de


afronta direta e literal à CF (Súm. 266 TST.
RECURSO DE REVISTA. ADMISSIBILIDADE. EXECUÇÃO DE
SENTENÇA (mantida) - Res. 121/2003, DJ 19, 20 e
21.11.2003

- A admissibilidade do recurso de revista


interposto de acórdão proferido em agravo de
petição, na liquidação de sentença ou em processo
incidente na execução, inclusive os embargos de
terceiro, depende de demonstração inequívoca de
violência direta à Constituição Federal.
-Não se admite RR das decisões em
Dissídio Coletivo, MS, Ação Rescisória,
pois o recurso cabível é o Ordinário

-OJ 334 SDI1 – remessa ex officio –


incabível RR se não houve recurso
voluntário

-Não cabe RR em causas de alçada


Embargos no TST – art. 894
■ Prazo: 8 dias

Modalidades:
■ Embargos Infringentes (art. 894, I)

# Para SDC
# natureza ordinária;
# cabível de decisão não unânime em Dissídio Coletivo
no TST (competência originária)
# RITST art. 232
# devolutividade ampla
Embargos de divergência (art. 894, II)
# cabível das decisões das Turmas que divergirem entre si
ou das decisões proferidas pela Seção de Dissídios
Individuais, ou contrárias a súmula ou orientação
jurisprudencial do Tribunal Superior do Trabalho ou súmula
vinculante do Supremo Tribunal Federal.

# objetivo: uniformizar jurisprudência (divergência


interna)
# RITST art. 71
# natureza extraordinária e fundamentação vinculada (Súm.
337 TST)
# OJ378 – não cabe recurso de embargos contra decisão
monocrática de relator (Ojs 95 e 219)
# efeito devolutivo
# O presidente da Turma pode negar seguimento aos embargos
à SDI – cabe agravo regimental em 8 dias (RITST art. 235)
# IN38/2015
Liquidação
Art. 879 CLT: por cálculos, por arbitramento ou por
artigos
# a liquidação abrangerá o cálculo das
contribuições previdenciárias
# intimação das partes para apresentar cálculo.
# elaborada a conta, o juiz deverá abrir prazo
comum de 8 dias para impugnação fundamentada, com
indicação dos itens e valores da discordância, sob
pena de preclusão (Lei 13.467/17)
# juiz pode nomear perito para cálculos complexos
# A atualização dos créditos decorrentes da
condenação judicial será feita pela TR (Lei
13.467/17)
Sum. 211 TST
# Juros são devidos desde o ajuizamento da ação (art. 883
CLT) e incidem sobre a condenação com correção monetária
(Súm. 200 TST)

OJ300 SDI1
# São devidos juros de mora sobre débitos trabalhistas de
empresa em liquidação extrajudicial sucedida. O sucessor
responde pela obrigação sem usufruir do benefício destinado
ao sucedido (OJ 408 SDI1)

Correção Monetária: a partir da data em que a obrigação se


torna exigível.

Súmula nº 187 do TST


CORREÇÃO MONETÁRIA. INCIDÊNCIA (mantida) - Res. 121/2003, DJ
19, 20 e 21.11.2003
A correção monetária não incide sobre o débito do trabalhador
Execução
Citado, o executado pode:

(i) efetuar o pagamento do valor da execução;


(ii) depositar em juízo o valor da execução, ou seguro
garantia, objetivando garantir a execução para oposição de
embargos à execução (art. 882, primeira parte).
(iii) nomear bens à penhora, objetivando a garantia do juízo
e a oposição de embargos à execução (art. 882, parte final).

De acordo com o art. 882 da CLT, os bens nomeados à penhora


pelo devedor devem obedecer a ordem de preferência do art.
835 do CPC. O primeiro na ordem é “dinheiro, em espécie ou
em depósito ou aplicação em instituição financeira”.
■ Art. 883-A. A decisão judicial transitada
em julgado somente poderá ser levada a
protesto, gerar inscrição do nome do
executado em órgãos de proteção ao crédito
ou no Banco Nacional de Devedores
Trabalhistas (BNDT), nos termos da lei,
depois de transcorrido o prazo de quarenta
e cinco dias a contar da citação do
executado, se não houver garantia do
juízo.
■ Art. 884 - Garantida a execução ou penhorados os
bens, terá o executado 5 (cinco) dias para
apresentar embargos, cabendo igual prazo ao
exeqüente para impugnação.
■ § 1º - A matéria de defesa será restrita às
alegações de cumprimento da decisão ou do acordo,
quitação ou prescrição da divida.
■ § 2º - Se na defesa tiverem sido arroladas
testemunhas, poderá o Juiz ou o Presidente do
Tribunal, caso julgue necessários seus depoimentos,
marcar audiência para a produção das provas, a qual
deverá realizar-se dentro de 5 (cinco) dias.
■ § 3º - Somente nos embargos à penhora poderá o
executado impugnar a sentença de liquidação, cabendo
ao exeqüente igual direito e no mesmo prazo.
Embargos de Terceiro:

Art. 674 CPC. Quem, não sendo parte no processo, sofrer


constrição ou ameaça de constrição sobre bens que possua ou sobre
os quais tenha direito incompatível com o ato constritivo, poderá
requerer seu desfazimento ou sua inibição por meio de embargos de
terceiro.
§ 1o Os embargos podem ser de terceiro proprietário, inclusive
fiduciário, ou possuidor.
§ 2o Considera-se terceiro, para ajuizamento dos embargos:
I - o cônjuge ou companheiro, quando defende a posse de bens
próprios ou de sua meação, ressalvado o disposto no art. 843;
II - o adquirente de bens cuja constrição decorreu de decisão que
declara a ineficácia da alienação realizada em fraude à execução;
III - quem sofre constrição judicial de seus bens por força de
desconsideração da personalidade jurídica, de cujo incidente não
fez parte;
IV - o credor com garantia real para obstar expropriação judicial
do objeto de direito real de garantia, caso não tenha sido
intimado, nos termos legais dos atos expropriatórios respectivos.
Prazo:
Art. 675. Os embargos podem ser opostos a qualquer
tempo no processo de conhecimento enquanto não
transitada em julgado a sentença e, no cumprimento de
sentença ou no processo de execução, até 5 (cinco)
dias depois da adjudicação, da alienação por
iniciativa particular ou da arrematação, mas sempre
antes da assinatura da respectiva carta.

Prazo de 15 dias para contestar (art. 679 CPC).

Não se admite jus postulandi.

Da sentença de embargos de terceiro cabe agravo de


petição.
#Das decisões em fase de execução, cabe Agravo de
Petição no prazo de 8 dias

#O pressuposto específico de admissibilidade do


Agravo de Petição é a delimitação da matéria objeto
da discordância.

#Na fase de execução trabalhista não é cabível


recurso de revista, salvo se na decisão do TRT que
julga o Agravo de Petição houver afronta direta à
Constituição

#Art. 789-A. No processo de execução são devidas


custas, sempre de responsabilidade do executado e
Caso Concreto 13
■ Pergunta:
■ Maura foi empregada doméstica durante cinco anos na
residência da família Pedrosa. Ao ser dispensada,
ela ajuizou reclamação trabalhista, a qual foi
julgada procedente, tendo o pedido transitado em
julgado. Iniciada a execução, não foi encontrado
qualquer bem que pudesse satisfazer o débito total
ou parcialmente, exceto o imóvel de residência da
família Pedrosa. Requerida a penhora do mesmo, o
pedido foi deferido pelo juiz ao julgar
improcedentes os embargos à execução opostos por
você, advogado(a) da família Pedrosa. Na qualidade
de advogado da família Pedrosa, responda aos itens a
seguir. A) Qual o recurso cabível contra a decisão
do juiz? B) Para fundamentar a reforma da decisão
impugnada, o que você deverá alegar no recurso?
Gabarito:
A) Caberá Agravo de Petição, nos
termos do Art. 897, a, da CLT.

B)Deverá requerer a reforma da


decisão, uma vez que, após o advento
da Lei Complementar 150/2015, (Art.
46), também se admite como bem de
família o imóvel único, mesmo em caso
de trabalho doméstico, dada a
revogação expressa da legislação.