Você está na página 1de 7

1

Curso de
Economia
Internacional 2
AULA 06
A TAXA DE CÂMBIO REAL E DE PARIDADE
PARIDADE DO PODER DE COMPRA 2
 Princípio cambial que orienta a determinação da taxa de
câmbio entre duas moedas, de modo a garantir que as
mercadorias possuam o mesmo preço nos países envolvidos;
 Baseia-se na Lei do Preço Único, conceito muito antigo segundo
o qual, em um mercado perfeitamente integrado (com ausência
total de barreiras ao fluxo de informações ou de mercadorias)
não seria possível um mesmo bem ser vendido a preços
diferentes;
 PPrP PuP P PrPçP ÚPPPP sP PstPPPPPPPssP P PPPPPçãP PP PusPPPPP tPtPP PP
PPrrPPrPs sPrPP PuPPPPPPtPP PPrP P PPsPrvâPPPP PPPPP PP
mecanismo da arbitragem; Si
S1
S
P1
Pu Pu
P1
D1 D
Di i

País 1 País 2
A RELAÇÃO CAMBIAL DE 3

PARIDADE
APLICAÇÃO DA TAXA DE CÂMBIO:
p = E x p*, onde (p) é o preço doméstico,
ou ainda (E) é a taxa de câmbio,

p* = p/E e (p*) é o preço em moeda estrangeira;

P = q x E x P* onde (P) é o índice de preço doméstico,


(P*) é o índice de preço externo

e (q) é a taxa de paridade real (grau de arbitragem);

Caso (q = 1), então P = E x P* em regime de arbitragem perfeita.


Exemplo Prático de Arbitragem 4

Considerando a taxa de câmbio fixa, uma inflação interna (P)


maior que a externa (P*), tem-se a condição P > EP*. Nesse caso:
1. Haveria a indução do crescimento das exportações e redução
das importações;
2. A elevação dos preços internos desmotivaria as exportações, ao mesmo
tempo em que as importações aumentariam, considerando que os
preços externos estariam mais baixos;
3. Com o tempo, o processo de arbitragem faria com que os preços
internos se estabilizassem ou reduzissem, em razão da concorrência
entre mercados internos e externos;
4. Entretanto, durante o processo de arbitragem o país passaria por
dificuldades em suas contas externas, em razão de déficit
comercial;
5. Essas dificuldades podem ser evitadas caso o governo intervenha no câmbio para
reestabelecer a paridade P = EP.
A INFLUÊNCIA DA IMFLAÇÃO NO 5

CÂMBIO E NO MERCADO EXTERNO


 Taxa de câmbio nominal: é expressa em unidades monetárias;
 Taxa de câmbio real: expressa o poder de compra da moeda nacional
envolvida em transações externas.
Partindo da taxa de paridade: P = q.E.P*
Variação na taxa nominal: E/E = (Ef – onde: E = taxa nominal
Ei)/Ei
i = inicial e f = final
Sendo e = 1/q  e = ef – ei/ei e = taxa real
ou P* = P*f – P*i/P*i; ou P = Pf – Pi/Pi q = taxa de paridade
real

ou ainda, e = E/(P/P*)
variação real a partir de valores nominais: e = E). + P* } - 1
{(1+ 1
1+ P
Taxa de Câmbio de Paridade 6

 Para evitar grandes variações na taxa de câmbio real os


governos procuram interferir no câmbio tendo como orientação
a taxa de câmbio de paridade;
Considerando que o ideal fosse que e = 0 e sabendo eé
que
obtida a partir de:

e= E).1 P* } – 1 ; e por zero teremos:


{(1+ + 1 substituindo P
+

a taxa de câmbio de paridade expressa por : E=1 P-1


+ 1 + P*