Você está na página 1de 36

CATEGORIA DE SERVIÇO

GUIA BÁSICO DO ESTADO DA BAHIA

GUIA BÁSICO BA
1
Brazil4Business |
CATEGORIA DE SERVIÇO:
GUIA BÁSICO DO ESTADO DA BAHIA
INTRODUÇÃO
1

Sumário executivo

O objetivo deste guia é apresentar as principais características do estado, identificar


oportunidades de investimentos, parcerias estratégicas e geração de negócios para o estado da Bahia.

Serão introduzidos assuntos como o perfil socioeconômico do estado, setores da economia em


ascensão, as diversas formas de apoio ao investidor, diferenciais competitivos, beleza natural,
localização privilegiada e características que tornam a Bahia uma das regiões mais atrativas para
negócios e investimentos no Brasil.

Este documento engloba informações sobre órgãos e agências tais como Câmaras de Comércio,
Associações Empresariais, Agências Reguladoras, linhas de crédito, entre outros temas.

Estamos certos de que o investidor nacional ou estrangeiro poderá identificar a Bahia como território
pleno de oportunidades e perspectivas de grandes negócios.
PERFIL DO BRASIL
2
2.1. Localização e dados básicos

O Brasil é o 5to maior país do mundo e o maior do Hemisfério Sul, com território total de cerca
de 8,5 milhões de km². Faz fronteira com todos os países da América do Sul, com exceção do
Chile e Equador. É dividido em cinco grandes regiões: Norte, Nordeste, Sul, Sudeste e Centro-Oeste,
cada uma delas constituída por Estados ou Unidades da Federação.

Do ponto de vista econômico-social, o Brasil vivencia importantes avanços nas áreas social e
econômica. Uma grande parcela da população ascendeu de classe, aumentando seu poder de
consumo e qualidade de vida.

Quadro 1 - Dados Básicos da República Federativa do Brasil

Dados Básicos do Brasil


Nome oficial República Federativa do Brasil
Capital Brasília
Idioma oficial Português
Presidente Michel Temer
População 205 milhões de pessoas
Área 8 514 877 km²
Moeda Real (R$)
Sistema político República Federativa Presidencialista
PIB (US$) 2 353 trilhões (2014)
Cresc. PIB (anual %) -1,59% (2014)
PIB per capita (US$) 11 604,47 (2014)
IDH 0,755 (2014)
Taxa de desemprego 6,5 % (2015)
Expectativa de vida 75,2 anos
Fonte: IBGE; PNUD
2.2. Highlights do País

a
• Em 2014, o Brasil foi a 9 maior economia do mundo;

rta
• Até 2050, é previsto que o Brasil seja a 4 maior economia mundial;

• Mercado interno forte, com um dos maiores números de consumidores do mundo;

• Riqueza de recursos naturais, abundância de energias limpas e renováveis;

• Maior bacia hidrográfica do mundo e 73% da matriz elétrica de origem hídrica;

• Dono de uma das dez maiores reservas mundiais de petróleo;

• Referência mundial na produção e no desenvolvimento de biocombustíveis;

• Maior exportador mundial de ferro, café, soja, suco de laranja, carne bovina, frango,
açúcar e etanol;

• 7o maior fabricante de carros do mundo;

• 4rto maior fabricante mundial de aeronaves e líder na produção de modelos com


capacidade de até 120 passageiros;

• Maior recebedor de investimentos estrangeiros diretos (IED) na América do


Sul, com 47% do fluxo total, totalizando US$ 63 bilhões, em 2013 (sétimo maior do mundo);

• Apresenta crescimento social e econômico, combinado com a estabilidade política e


sustentabilidade ambiental.
PERFIL DO ESTADO
3

3.1. Localização

A Bahia localiza-se na Região Nordeste,


tem área territorial superior a de toda a Espanha.
Sua população é de 15 milhões de pessoas.

A capital é Salvador, um dos 417 municípios


atualmente estabelecidos e faz divisa com 8
estados, como pode-se observar no mapa ao
lado:

Ocupa 6,6% do território nacional. Sobre o


relevo, cerca de 68,7% encontram-se na região
do semiárido e possui mais de 1.100 km de
praias, o maior litoral dentre todos os estados
brasileiros.

• Capital: Salvador
rta
• População: 15 milhões de habitantes – 4 maior população do Brasil

• Governador: Rui Costa – PT (2015-2018)

• PIB 2014: R$ 224 Bilhões

• Fluxo comercial em 2014: US$ 18,5 Bilhões

• 5º maior estado em extensão territorial

• 5º estado em atração de IED do Brasil


rta
• 7 indústria de manufatura do Brasil

• 7ª Indústria de Transformação do Brasil


3.2. Principais destaques do estado

A Bahia é o principal PIB da Região Nordeste e o quarto estado mais populoso do Brasil. Dispõe de
uma economia complexa, sofisticada e em franco desenvolvimento. O agronegócio baiano se destaca
no cenário nacional com a produção de grãos no Oeste, frutas no Norte e celulose no Sul. Por outro
lado, possui uma indústria pujante, com a segunda maior refinaria do País e o maior complexo
industrial petroquímico integrado do Hemisfério Sul, dentre diversos outros investimentos industriais
importantes. Nos últimos anos, diversificou ainda mais seu perfil econômico, oferecendo oportunidades
em vários setores econômicos, dentre eles estão Borracha e Plásticos.

Destaques especiais:

• O estado possui tradição industrial. A Refinaria Landulpho Alves (RLAM) é uma unidade da
Petrobras localizada no município de São Francisco do Conde, com capacidade instalada para 323 mil
barris/dia (segunda maior do País). Seus principais produtos são: propano, propeno, isobutano, gás de
cozinha, gasolina, nafta petroquímica, querosene, querosene de aviação, parafinas, óleos combustíveis
e asfaltos. A Refinaria de Mataripe começou a ser construída em 1949 e está diretamente ligada à
descoberta dos primeiros poços de petróleo no País;

• Polo Industrial de Camaçari, maior complexo industrial integrado do Hemisfério Sul, com mais
de 90 empresas químicas, petroquímicas e de outros ramos de atividade. A maioria das empresas do
Polo está interligada por dutovias à Unidade de Insumos Básicos da Braskem. Maior indústria do
Complexo de Camaçari e um dos cinco maiores empreendimentos privados do País, a Braskem recebe
derivados de petróleo da Petrobras, principalmente a nafta, em sua Unidade de Insumos Básicos de
Camaçari e os transforma em petroquímicos básicos (eteno, propeno, benzeno, tolueno, butadieno,
xilenos, solventes e outros).

• O setor Automotivo aumenta significativamente a importância da indústria de transformação


baiana, representando mais de 11% do valor da transformação industrial do estado e é responsável por
cerca de 9 mil empregos diretos, de acordo com dados da Pesquisa Industrial Anual (PIA) 2011 do
IBGE. A indicação de que a participação do segmento na economia do estado deve aumentar, uma
prova disso sendo a recente inauguração da fábrica de motores da Ford;

• A Bahia desponta no cenário nacional por suas potencialidades no que se refere à energias
renováveis e por isso tem atraído diversos investimentos nos últimos anos, particularmente no ramo
de energia eólica. Com 230 projetos comercializados e R$ 22,7 bilhões em investimentos, a Bahia é o
terceiro maior produtor de energia eólica do Brasil. Com 505 MW médios, a produção do estado em
2016 cresceu de 123% em relação a 2014. A previsão é que, em 2020, o estado será o primeiro
produtor do país, atraindo multinacionais do setor como GE-Alstom, Gamesa e Enel Green Power;

• Nos últimos anos a Bahia notabilizou-se pela quantidade e pela magnitude dos projetos de
Mineração que foram anunciados, envolvendo minerais como ferro, níquel, ouro, bauxita e tálio, e até
diamantes, a partir da extração direta da rocha. De fato, com um investimento de R$ 200 milhões, o
projeto Brauna, em Nordestina, é a primeira mina a céu aberto utilizando esse método de extração na
América Latina. Destaca-se também a Bamin (Bahia Mineração), responsável pelo maior investimento
individual já confirmado no estado (US$ 2,3 bilhões), extraindo minério de ferro da região conhecida
como Pedra de Ferro, do município de Caetité;

 Bahia possui um Parque Tecnológico, coordenado pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e


Inovação, tem uma estrutura dividida em três eixos fundamentais:

- Eixo da Inovação – opera como instrumento de atração de empresas;

- Eixo da Tecnologia – abriga a esfera institucional de suporte à interação entre universidades e


empresas;

- Eixo da Ciência – envolve a estratégia de fortalecimento da produção científica.

Foco no SENAI CIMATEC

O CIMATEC, Campus Integrado de


Manufatura e Tecnologia, é um centro
integrado juntando escola técnica,
universidade tecnológica e centro de
2
pesquisa, sobre um campus de 51.755,85 m .

Objetivo: atender à demanda da indústria


através das ações de educação para o
trabalho, serviços técnicos e tecnológicos e
pesquisa aplicada.

O campus oferece cursos técnicos, cursos de graduação e pós-graduação, tanto quanto diploma de
Mestrado e Doutorado, nos seguintes setores: Automação, Mecânica, Soldagem, Logística,
Polímeros e materiais plásticos, Energia, Robótica, Software e Microelectrónica.

O CIMATEC é experto em suportar o processo de produção da indústria, mediante a promoção da


pesquisa aplicada, com ênfase nas tecnologias de ponta. O centro de pesquisa desenvolve projetos
ao longo da cadeia de produção, como foco na automação e na soldagem, com o objetivo de otimizar
o processo industrial, atendendo setores como Petróleo e Gás, Metalurgia, Automotivo, Borracha e
Plásticos, Eletrônica, Têxtil e Calçados, Alimentos e Bebidas, ente outros.

No CIMATEC, cabe ressaltar a presencia do


ndo
Yemanja, 2 maior supercomputador de América
Latina, e do Instituto Brasileiro de Robótica,
responsável pelo desenvolvimento do Flatfish, um
veiculo submarino de inspeção de última geração.

Por fim, o iBatec - incubadora de empresas de base


tecnológica vinculado ao SENAI - presta suporte e
formação para profissionais para formação de
startups com foco nos processos industriais.
3.4. Atributos (cultura/natureza/geografia)

3.4.1. Cultura
Região com grande diversidade cultural, a Bahia apresenta roteiros turísticos e viagens que passam
por dentro da História do Brasil. De igrejas seculares ao artesanato típico das cidades do interior, da
crença diversificada de seu povo mestiço aos mitos e ritos do folclore local, o estado oferece um
mosaico de atrativos para quem deseja conhecer sua graça e poesia.

3.4.2. Clima
O clima tropical predomina na Bahia. Em regiões como o sertão, há predominância do semiárido. No
litoral e na região de Ilhéus a umidade é maior, clima ameno, e os índices de chuva podem ultrapassar
os 1.500 mm anuais. O vale do São Francisco localiza-se entre dois grandes planaltos, marcados pelas
grandes altitudes, apresentando um clima com poucas chuvas, próprio do semiárido nordestino. Nas
outras partes do estado, o clima é o tropical, com chuvas regulares e temperatura média de 26ºC.

3.4.3. Relevo
O território situa-se na fachada atlântica do Brasil. O relevo é caracterizado pela presença de planícies,
planaltos, e depressões e as formas tabulares e planas (chapadas, chapadões, tabuleiros). As altitudes
da Bahia são modestas, de modo geral: o território baiano possui uma elevação relativa, já que 90% de
sua área está acima de 200 metros em relação ao nível do mar.

3.4.4. Vegetação
A Bahia possui três tipos de vegetação: caatinga, cerrado e Mata Atlântica; sendo a caatinga
predominante sobre a floresta tropical úmida e o cerrado. A caatinga abrange toda a Região Norte, na
área da depressão do São Francisco e na Serra do Espinhaço, deixando para o cerrado apenas a parte
ocidental, e para a floresta tropical úmida, o sudeste. No interior, as estações de seca são mais
marcantes, com exceção para região do vale do Rio São Francisco.

3.4.5. Qualidade de vida


A qualidade de vida no estado é outro importante aspecto que merece ser destacado. O Índice de
Desenvolvimento Humano (IDH) da Região Metropolitana de Salvador é de 0,759 e da Bahia 0,66
(dados de 2013). A Bahia desfruta de bons hospitais e rede de ensino.
INFRAESTRUTURA
4
4.1. Aeroportos

Figura 1: Principais Aeroportos

A Bahia possui um conjunto de 47 aeroportos, é o


primeiro estado do Brasil a apresentar um plano de
desenvolvimento aeroportuário, com 79 aeródromos.
MA
CE Possui dois aeroportos internacionais, sendo um
RN localizado em Salvador e outro em Porto Seguro.
PI
O aeroporto de Salvador é o primeiro da Região
PB
Nordeste em movimento de carga e passageiros.
PE
Cerca de 40 mil pessoas circulam pelo terminal (19
AL
Juazeiro Paulo Afonso
SE mil passageiros) e geram mais de 16 mil empregos,

Barreiras BAHIA Feira de diretos e indiretos. Possui média de 240 pousos e


Santana
Lençóis decolagens, com voos domésticos e internacionais.
Salvador
Comandatuba
Vitória da
Conquista
Os aeroportos de Vitória da Conquista, Ilhéus, Paulo
Ilhéus
Afonso, Barreiras e Aerporto Internacional
Porto Seguro Internacional de Porto Seguro dão suporte à
Teixeira de
Freitas movimentação de cargas e pessoas no interior do
Caravelas
MG estado.
ES

Internacional

Nacional
RJ

Fonte: Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE), Bahia


Novas concessões – Investimentos

Ilhéus | US$ 50 milhões | Novo aeroporto (em andamento)

Porto seguro | US$ 125 milhões | Novo aeroporto

Vitória da Conquista | US$ 75 milhões | Novo aeroporto

Barreiras | US$ 17 milhões | Expansão (em andamento)

Feira de Santana | US$ 30 milhões | Expansão (concedido)

4.2. Rodovias

Figura 2: Principais Eixos Viários


Com extensão de 124.545 km entre rodovias federais,
estaduais e municipais, o sistema rodoviário é
estruturado sobre quatro eixos principais, que integram
o estado com todas as regiões do Brasil e o Mercosul:
CE
MA
RN
• BR-116 – Liga com o Sul-Sudeste do Brasil. Corta a
PI PB
Bahia desde o Sudoeste (Minas Gerais) até o
Nordeste (Pernambuco);
PE
Juazeiro
AL • BR-101 – Corta toda a Bahia pelo litoral, faz a liga-
BR

BAHIA 407
SE
BR

135
Capim Grosso BR
ção com o Nordeste (Sergipe, Alagoas, Pernumbuco
324
BR

Barreiras
242 Feira de Santana Paraíba e Rio Grande do Norte) e o Sudeste (até o
BR Salvador Espírito Santo) do Brasil;
116

Vitória da
Conquista Itabuna
BR

101
• BR-324 - Liga Salvador e o interior do estado;
interliga-se à BR-407 para chegar ao Rio São
Francisco, em Juazeiro, ponto de conexão
MG BR - 101 intermodal de transporte (rodovia/ferrovia/hidrovia);
BR - 116
ES BR - 242 • BR-242 – Atravessa as regiões da Chapada Diaman-
BR - 135
BR - 407 tina e do Oeste baiano, fazendo a ligação da Bahia
BR - 324
com o Centro-Oeste do Brasil.
RJ

Fonte: SDE A Bahia é cortada por muitas outras estradas federais e


estaduais, em permanente modernização e expansão. Está em execução a duplicação de 125 km de
corredores radiais do Sistema BA-093, de acesso aos principais polos industriais da Bahia – Candeias,
Camaçari e Aratu – localizados na Região Metropolitana de Salvador.
4.3. Ferrovias

Figura 3: Principais Eixos Ferroviários


O sistema ferroviário interliga-se com as principais
ferrovias brasileiras e também com importantes portos
marítimos e fluviais, favorecendo acesso direto aos
portos de Salvador, Aratu, Vitória (ES), Angra dos Reis
CE
MA (RJ), Pirapora (MG) e Juazeiro (BA), sendo os dois
RN
últimos sobre o Rio São Francisco.
PI PB
O principal eixo de conexão entre Bahia e as regiões
PE Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste é a Ferrovia Centro-
AL
Atlântica, controlada pela VLI (do grupo VALE), com
SE
BAHIA
acesso aos principais portos localizados nos estados
da Bahia, São Paulo e Rio de Janeiro e está na área
Salvador
de influência do Terminal Marítimo Inácio Barbosa, em
Sergipe. Faz também ligação com ferrovias como MRS,
Transnordestina e Ferroban, possibilitando a conexão
com os maiores centros consumidores do Brasil e do
Mercosul.
MG
A Ferrovia de Integração Oeste-Leste – FIOL, com 1.527
ES
Ferrovia km de extensão, é um projeto estimado em R$ 7,25
Centro-Atlântica
Ferrovia Integração bilhões e liga as cidades de Ilhéus, Caetité e Barreiras –
Oeste-Leste
RJ no estado da Bahia – a Figueirópolis, no estado do
Tocantins, Região Centro-Oeste do Brasil.
FIOL – Ferrovia de Integração Oeste-Leste
Fonte: Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Bahia
Figura 4: Ferrovia de Integração Oeste-Leste

INVESTIMENTO DE
6
R$ BILHÕES

EXTENSÃO
1.400 KM
A FERROVIA
ATRAVESSARÁ

TO
32 MUNICÍPIOS
Palmas SERÁ INTEGRADA AO
Figueirópolis Barreiras COMPLEXO PORTO SUL
BA
E A FERROVIA NORTE-SUL
Caetité
Salvador

Ihéus

O projeto foi dividido em três etapas


1º 530 km entre Ilhéus e Caetité
2° 413 km entre Caetité e São Desiderio OCEANO
3° 547 km São Desidério e Figueirópolis ATLÂNTICO

Fonte: SDE

4.4. Hidrovias

Figura 5: Hidrovia do São Francisco


Principal via fluvial do estado, a Hidrovia do São Francisco
estende-se por 1.371 km, com profundidade de 1,5 m.
Liga Juazeiro (BA) a Pirapora (MG). O rio São Francisco
é navegável e tem o seu aproveitamento integrado
MA
CE ao sistema rodoferroviário da região. Os pontos de
RN
transbordo de maior interesse de movimentação de
PI PB cargas são Juazeiro (BA), Petrolina (PE), Ibotirama/
PE Muquém de São Francisco (BA) e Pirapora (MG).
Juazeiro AL A hidrovia tem uma eclusa em Sobradinho, permitindo
SE que o desnível existente em função da barragem seja
Xique-Xique

Ibotirama
superado em 22 minutos de operação. A hidrovia está
Salvador adotando um Sistema Multimodal de Transporte com
BAHIA
padrões internacionais de eficiência, o que permitirá o
escoamento, através de barcaças, de mais de um milhão
de toneladas por ano de soja e caroço de algodão.

MG

ES

Hidrovia
Porto Fluvial

RJ Porto

Fonte: SDE
4.5. Portos

A Bahia possui o maior litoral do Brasil, abrigando condições ideais para a atividade portuária. Ao
longo da costa baiana estão instalados três portos públicos: Porto de Salvador, Porto de Aratu e Porto
de Ilhéus, e vários Terminais de Uso Privado (TUP), dentre os quais se destacam: Temadre
(Petrobras), Terminal Portuário de Cotegipe, Terminal Marítimo Gerdau-Usiba, Terminal da Dow Brasil
Nordeste, Terminal da Ford, TUP Fibria e TUP Belmonte. Esse complexo portuário movimenta cerca de
30 milhões de toneladas anualmente, sendo o sétimo mais importante do Brasil.

Para atender à demanda crescente da economia baiana, estão previstos grande investimentos nos
portos da Bahia, a exemplo de um novo terminal de contêineres em Salvador, novos terminais de
granéis líquidos e novas áreas de armazenagem em Aratu. Em adição, a construção do Porto Sul, em
Ilhéus, com investimentos estimados de R$ 3,3 bilhões e capacidade de escamento de 75 milhões de
toneladas/ano.

Quadro 1: Portos Públicos da Bahia


Porto da Bahia
Portos Capacidade/tons Profundidade Cais
Salvador 3 milhões de tons/ano 12 6
Aratu Mais de 6 milhões de tons/ano 16 11
Ilhéus 250 mil tons/ano 10m 3
Fonte: SDE

4.6. Telecomunicações

A rede de telefonia fixa da Bahia é digital. Toda a Região Metropolitana de Salvador está servida por
fibra ótica, incluindo anéis óticos no Centro Industrial de Aratu e no Polo de Camaçari, os dois maiores
polos industriais baianos. As concessionárias dos serviços na área asseguram a mesma qualidade de
serviços dos grandes centros internacionais.

A Bahia está interligada a todo o Brasil e ao exterior pelos serviços de telefonia fixa DDD e DDI, voz e
dados, além de conexões via telefone celular. Os acessos por meio do Serviço Móvel Pessoal, que
inclui modems de conexão à internet móvel e terminais de terceira geração (3G), como os
smartphones, estão disponíveis em todas as regiões da Bahia, que está servida pelas principais
operadoras do Brasil.
4.7. Energia

A Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia S/A – Coelba – é a maior distribuidora de energia


elétrica do Norte-Nordeste, responsável pelo fornecimento de 60% de energia elétrica total
consumida. O estado conta com 34 projetos de energia eólica – uma energia limpa e de baixo
impacto ambiental – em fase de implantação que equivalem a 1,5 GW de energia eólica de potência
instalada e somam R$ 6 bilhões em investimento. As usinas eólicas foram contratadas nos Leilões de
Fontes Alternativas e no Leilão de Energia de Reserva, realizados pelo governo federal.

O sistema elétrico Brasileiro, totalmente interligado, está alicerçado em uma matriz energética cuja
principal fonte é a hidroelétrica (90%). A responsável pela geração e transmissão de energia elétrica
no estado é a Companhia Hidroelétrica do São Francisco (CHESF), operando com oito centrais.
Apesar de toda a solidez do sistema, a Bahia conta com um parque de geração de energia
termoelétrica, funcionando em regime de backup.

Gráfico 1 - Energia na Bahia em 2020

Fonte: FIEB
4.8. Petróleo & Gás
O estado da Bahia tem o maior complexo petroquímico integrado do Hemisfério Sul – o Polo Industrial
de Camaçari, com mais de 90 empresas, petroquímicas, químicas e indústrias de outros segmentos.

A Bahia possui a RedePetro Bahia, que é uma associação de empresas fornecedoras de bens e
serviços aos segmentos de exploração, produção, refino, petroquímica, transporte e distribuição de
óleo e gás. Oportunidades de investimento:

• Serviços de sondagem de produção e de perfuração;

• Serviços especializados de canhoneio, perfilagem, cimentação, fraturamento e acidificação;

• Brocas, alargadores e equipamentos de bombeio centrífugo;

• Tubos de revestimento e de produção, linhas de condução e acessórios para revestimento e


válvulas API;

• Bombas mecânicas para elevação de petróleo, compressores, cimento e aditivos;

• Produtos químicos e reagentes, hastes e outros componentes da coluna de bombeio mecânico,


equipamentos de cabeça de poço e medidores de vazão de óleo e gás;

• Serviços de certificação pela ISO 9000.

Bahia: Petróleo e gás em números

• 3º estado em números de poços produtores de petróleo e gás natural;

• 6º Reserva de gás natural, por localização (terra e mar);

• 6º maior reserva de petróleo, por localização (terra e mar);

• 3º estado em distribuição de royalties sobre a produção de petróleo e de


gás natural, segundo beneficiários;

• 7º lugar em relação a preço médio do GLP ao consumidor.

A Bahia possui oferta de gás em abundância, sendo o maior produtor do Nordeste e o terceiro do
Brasil. No fornecimento de gás natural, conta com o Campo de Manati, operado pela Petrobras em
consórcio com a iniciativa privada, com capacidade de 8 milhões de m³/dia. O estado integra a malha
nacional de 1.500 km de dutos, através do Gasoduto Sudeste-Nordeste (GASENE), que vai operar 20
milhões de m³/dia em 2015. Possui das maiores distribuidoras de gás do País – a Bahiagás. A
empresa tem planos de expansão para o interior e em áreas comercial e residencial.

A Bahia também conta com um Terminal de Regaseificação de Gás Natural Liquefeito com
capacidade para regaseificar 14 milhões de m³/dia.

O estado é exportador de gás e a principal fonte vem do Campo de Manati, localizado na Baía de
Camamu. Recentemente, o campo aumentou a sua capacidade para 8 milhões de m³ por dia.

No segmento de Exploração e Produção (E&P) de Petróleo e Gás, possui nove bacias sedimentares
onde trabalham cerca de 30 empresas concessionárias responsáveis por 2,3% de toda a produção de
óleo e 15,5% da produção nacional de gás.

Quadro 2: Participação do Gás Natural

Participação do gás natural


Mundo Brasil Bahia
Petróleo 34,0% 36,6% 51,3%
Carvão 26,5% 5,8% 0,6%
Gás Natural 20,9% 10,3% 15,0%
Biomassa 10,5% 28,6% 13,5%
Nuclear 5,9% 1,5% -
Hidroeletricidade 2,2% 14,0% 11,3%
Outras - 3,2% 8,3%
Total 100% 100% 100%
ECONOMIA
5
5.1. Ambiente macroeconômico do estado

A Bahia tem o maior PIB do Nordeste e o sexto do País. O crescimento da economia estadual
demonstra que o estado encontra-se em ascensão. O progresso econômico tem sido considerável. O
setor industrial responde por mais de um terço do PIB do estado.

O avanço da agricultura irrigada tem resultado em aumentos sensíveis de produtividade e qualidade


dos produtos cultivados com base nessa técnica. Igual destaque merece a produção de grãos, cujo
crescimento tem sido apreciável nos últimos anos.

É notável o incremento da atividade turística no setor de serviços.

Gráfico 2: Composição Setorial do PIB da Bahia - 2010

Terciário Primário Secundário

Fonte: Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia, SEI


5.2. Comércio exterior

5.2.1. Balança comercial

A Bahia ocupa a sétima posição em Corrente de Comércio no Brasil, com o total comercializado de 16
milhões de dólares em 2015. Possui parceiros de referência comercial, como a China, os Estados
Unidos, a Europa e os países da América do Sul.

Seus principais produtos exportados são óleo combustível, celulose, soja e automóveis, agregando
cerca de 40% da pauta de exportações do estado. Do ponto de vista das importações, a maior parte
dos produtos está concentrada em compostos químicos e automóveis, como visto no Quadro 4.

5.2.2. Principais parceiros comerciais

Quadro 3: Principais Parceiros Comerciais da Bahia

Fonte: IBGE
5.2.3. Principais produtos

Quadro 4: Principais Produtos Exportados/Importados

Fonte: MDIC
5.3. Fluxo de IED

Em uma década, o Brasil subiu oito degraus no ranking dos destinos globais de investimentos
estrangeiros diretos (IED). Em 2003, o País era o 15º na lista e, em 2013, passou ao 7º lugar.

Houve crescimento no setor de petróleo e recuo na fatia do setor de serviços, que lidera a preferência
do capital externo em investimentos brasileiros. Os setores de telecomunicações, energia elétrica e
saneamento foram os mais afetados. No caso das operadoras, os ingressos de IED despencaram de
10,3% para 2,7%. Composto por agropecuária e extrativismo mineral, o setor primário atraiu mais
investimentos no último quinquênio, liderado pela extração de petróleo. O percentual do setor
petrolífero nos fluxos de IED saltou de 8,2% para 18,9% na média dos dois períodos. O incremento
reflete aportes de rodadas de petróleo concluídas no início dos anos 2000, já que os investimentos
pesados costumam ocorrer cinco anos após os leilões.

5.3.1. Evolução de IED no estado

Os investimentos estrangeiros diretos no estado da Bahia contabilizaram R$ 31,8 bilhões nos últimos
anos e um total de 32 mil novos postos de trabalho. Esses valores correspondem a empreendimentos
que solicitaram incentivos fiscais junto ao governo do estado pautados em protocolos de intenções. Os
EUA foi o país que mais investiu, com montante de R$ 6,8 bilhões, o que corresponde à participação
de 19,6% do total de IED no estado, e com a criação de cerca de 10 mil novos empregos, conforme
indicado no Quadro 5.

Em Camaçari, destacam-se três grandes investimentos:

• Continental do Brasil, de origem alemã, que totalizou um montante de R$ 783 milhões e gerou
120 empregos diretos, no setor automotivo;

• Unigel, de capital mexicano, destaca-se no setor químico, tendo investido cerca de R$ 100
milhões com o registro de 80 postos de trabalho criados;

• Complexo Automotivo Ford, de capital americano.

Nova fabrica de motores da Ford, em Camaçari


5.3.2. Principais investidores

Quadro 5: Principais Países Investidores

Principais investidores
País Emprego Volume (R$ 1,00) Part.%
EUA 10.427 6.225.305.000 19,56
Austrália 1.550 4.780.000.000 15,02
Finlândia 163 3.831.000.000 12,04
Alemanha/Itália 145 3.550.000.000 11,15
Alemanha 2709 3.108.227.200 9,76
Suécia-Finlândia 2200 2.720.000.000 8,54
China 3430 2.058.952.200 6,47
Indonésia 324 1.350.000.000 4,24
Brasil/China 3600 1.030.000.000 3,24
Japão 1632 1.024.792.000 3,22
Itália 2171 537.000.000 1,69
França 503 447.500.000 1,41
Portugal 470 249.200.000 0,78
Canadá 314 214.000.000 0,67
Suíça 235 143.000.000 0,45
Espanha 371 124.000.000 0,39
México 205 114.000.000 0,36
França/Chile 80 100.000.000 0,31
Brasil/Suíça 60 81.000.000 0,25
Alemanha/EUA 50 50.000.000 0,16
Brasil/Bélgica 50 44.500.000 0,14
Inglaterra 60 13.000.000 0,04
Bélgica 88 11.300.000 0,04
África do Sul 59 7.650.000 0,02
Tailândia 100 6.750.000 0,02
Brasil/Portugal 60 5.500.000 0,02
Suécia 962 5.000.000 0,02
Holanda 367 - 0
TOTAL 32385 31.831.676.400 100,00

Fonte: SDE, 2013


Dados preliminares, sujeitos a alterações
Nota: Dados referentes somente a IEDs Incentivados
FORÇA DE TRABALHO
6

6.1. Mão de obra

A tradição da Indústria Baiana, com início em 1841, traz um benefício importante para a formação da
mão de obra no estado. As diversas indústrias já instaladas geram uma força capacitada e acostumada
com o ambiente fabril. Assim, aceleram o processo de implantação de novos investimentos.

Do ponto de vista quantitativo, em dezembro de 2013, o estado alcançou um total de 2 milhões de


pessoas economicamente ativas, com apenas 154 mil desocupadas. Em 2010 verificou-se uma
diminuição considerável no nível de desemprego e um aumento constante da população
economicamente ativa. O nível de emprego se mantém historicamente num patamar baixo e estável,
condição que dá suporte ao desenvolvimento da região.

6.2. Educação

Com o intuito de capacitar a força de trabalho, o estado da Bahia possui 28 universidades e


estruturas de ensino em contínuo crescimento. Existe previsão de expansão da Universidade Federal
da Bahia e criação de novos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia.
SETORES PRIORITÁRIOS
7

A indústria na Bahia tem forte participação econômica no estado, voltando-se para os setores químico,
petroquímico, agroindústria, informática, automobilística e suas peças.

As áreas de tecnologia da informação e comunicação, petróleo e gás e indústria naval, e indústria de


transformação plástica são setores em crescimento, o que remete ao Polo de Informática de Ilhéus, às
bacias do petróleo pré-sal ao longo do litoral baiano, aos estaleiros Enseada do Paraguaçu, da Bahia e
São Roque do Paraguaçu, às outras atividades desenvolvidas principalmente no Polo Industrial de
Camaçari e ao entorno dos projetos de infraestrutura do Porto Sul e da Ferrovia Leste-Oeste.

7.2. Indústria Química

O Polo Industrial de Camaçari é o maior complexo petroquímico integrado da América do Sul. Abrange
34 empresas químicas e petroquímicas, como Braskem, Dow, Basf, Dupont e Monsanto, além de
diversas outras empresas que atuam em ramos como celulose, veículos automotivos, metalurgia, têxtil
e bebidas. O polo fabrica produtos de primeira e segunda gerações de produtos petroquímicos.

O setor químico na Bahia, em 2010, representou 21,6% do valor bruto da produção da indústria de
transformação, ficando atrás do setor de refino de petróleo e coque, que acumulou o total de 33,0% em
2010. A petroquímica, por sua vez, possui um enorme peso no valor bruto da produção do setor
químico local (48%) e suas exportações, agregadas ao conjunto deste setor, lideram, historicamente, a
pauta de exportações baianas (20% em 2010).

7.3. Indústria Automotiva

A Bahia produziu cerca de 6% de todos os veículos fabricados no Brasil em 2010 e ocupa a quinta
posição no ranking brasileiro de produção. Conta atualmente com diversas empresas instaladas na
planta da montadora Ford (cerca de 30 fornecedores que compõem esse complexo industrial). Os
veículos que saem da montadora baiana têm 95% de conteúdo nacional, 76% de conteúdo
genuinamente baiano e 80% de máquinas e equipamentos brasileiros.

Além da Ford, outras empresas do segmento automotivo estão em processo de instalação, como a Jac
Motors, com investimento de R$ 900 milhões e produção prevista de 100 mil carros/ano. Somado a
isso, há a vinda da chinesa Foton Motors, com investimento previsto de R$ 300 milhões para a
construção de uma montadora e produção de 30 mil veículos/ano, em Camaçari.

7.4. Indústria Têxtil

A indústria têxtil e confeccionista baiana corresponde a 4,9% do valor da indústria de transformação


nacional. O estado tem mais de 600 empresas que empregam 38 mil pessoas direta e indiretamente.
Este quantitativo corresponde a 2,0% das indústrias no estado, 2,4% do pessoal ocupado e 4,0% da
produção nacional. Nas exportações, alcança 7,1% do total nacional, com destaque para as fibras de
algodão, artificiais e sintéticas.

A Bahia é o segundo maior produtor de algodão e o sexto maior mercado consumidor de moda do País.
Possui polo produtor de confecções em Salvador e em Feira de Santana, contando com significativa
oferta de fibras e filamentos artificiais e sintéticos, como poliéster e poliamida, fabricados no polo
petroquímico de Camaçari. Possui relevante grupo de indústrias produtoras de não tecidos e tecidos
técnicos, com escala, competitividade e capacidade exportadora.

Incentivos fiscais e mão de obra abundante proporcionam um bom desenvolvimento de determinados


elos da cadeia produtiva têxtil.

7.5. Construção civil

A construção civil lidera a expansão de empregos com carteira assinada na Bahia. O emprego formal
do setor vem em ascensão nos últimos dez anos (+154,4%). As mudanças na economia favoreceram
esse crescimento. A partir de 2004 houve uma aceleração no crescimento do PIB e com isso o
crescimento do emprego formal. De 2000 a 2003 o estoque de trabalhadores da construção civil na
Bahia se manteve estável, com uma leve redução. Já no período de 2004 a 2008 é possível verificar
um crescimento desse número, que nos dois anos seguintes (2009 e 2010) foi ainda maior.

Em 2002, a economia baiana registrava um crescimento de 1,5%, enquanto a construção civil estava
em queda (-4,2%). Nove anos depois, a realidade é outra. Segundo o PIB 2010, a economia baiana
apresentou uma expansão de 7,5% e a construção civil foi um setor importante para esse crescimento,
registrando 14,6%.
7.6. Alimentos e bebidas

O setor de alimentos e bebidas é de grande relevância econômica para o estado e para o Brasil. A
Bahia responde por 8,8% da produção nacional de alimentícios, dados da Associação Brasileira de
Indústrias da Alimentação (ABIA). Este setor apresenta destaque no comércio exterior brasileiro e
detém o posto de maior exportador mundial de café, carne bovina e de aves, sucos (polpa de fruta),
açúcar e álcool (cachaça), além de ter o maior rebanho bovino comercial do mundo.

A Bahia é o quarto maior produtor de alimentos e bebidas no País e o quinto mercado consumidor,
marcada pela dispersão espacial: as fábricas localizam-se próximo ao mercado consumidor e próximo
aos fornecedores de insumos, visando à redução de custos de transporte e otimização do acesso às
matérias-primas utilizadas na produção de alimentos processados.

O estado da Bahia oferta o PROBAHIA: programa de incentivo que atrai investimentos de outros
estados e financia a atividade industrial. Possui maior oferta de mão de obra (ainda em qualificação)
frente às regiões produtoras do Sul e Sudeste. Alguns investimentos diretos estrangeiros ocorrem
através de fusões e aquisições.

Algumas fábricas instaladas e produtoras de A&B na Bahia: PepsiCo, Brasil Kirin (ex-Schin), Nestlé,
Sadia, Perdigão, Indústria São Miguel, Itaipava, Grupo Coca-cola, Vitarella, Marilan, São Braz,
Agrovalle, Norsa Refrigerantes, Moinho Dias Branco, JMacedo, Seara, Bunge Alimentos, Indaiá.

7.7. Borracha e Plásticos

O setor de Borracha e Plásticos na Bahia é responsável pela produção de diversos artigos, como
embalagens, laminados planos e tubulares, tubos e acessórios para construção, pneumáticos e
câmaras de ar e outros. Devido à variedade de produtos, há oportunidades tanto para a exportação
quanto para o fornecimento para o mercado interno.

A Bahia é o segundo maior produtor nacional de borracha natural, cuja produção responde por 30% do
consumo interno. Através do Programa de Desenvolvimento do Setor da Borracha Natural
(PRODEBON), organizado pela Câmara Estadual Setorial da Borracha, com o objetivo de estruturar a
cadeia produtiva da borracha natural, é esperado que o Estado alcance a autossuficiência.

As principais empresas do setor de Borracha e Plásticos estão localizadas nos municípios de Camaçari
(polo industrial) e Feira de Santana. Entre as dez principais, cinco são estrangeiras, o que reforça a
capacidade da região de atrair grandes players internacionais. Existem diversas oportunidades de
investimento, com destaque para a fabricação das chamadas “peças técnicas” (componentes de
plástico fabricados com alto grau de especificação para atender a outras indústrias).

Principais fábricas instaladas no estado da Bahia: Pirelli, Vipal, Bomix, Mucambo, Continental,
Bridgestone, Sansuy, Dopec, Huhtamaki, Tigre.
7.8. Petróleo & gás

A indústria de petróleo do Brasil nasceu na Bahia em 1938, com a descoberta do primeiro poço de
petróleo, no bairro do Lobato, em Salvador. O Polo Petroquímico Industrial de Camaçari tem mais de 90
empresas, entre elas petroquímicas, químicas e indústrias de outros segmentos. Este setor continua
em expansão.

A RedePetro Bahia é uma associação de empresas fornecedoras de bens e serviços aos segmentos de
exploração, produção, refino, petroquímica, transporte e distribuição de óleo e gás.

O Valor da Transformação Industrial (VTI) em 2011 para o segmento de Coque, Derivados de Petróleo
e Biocombustíveis, representou 29% do total do VTI da Indústria de Transformação da Bahia, com um
total de R$ 10 milhões.

Em relação ao Pessoal Ocupado Total (POT), o mesmo segmento alcançou o total de 4.500 pessoas
ocupadas, representando cerca de 2% do total do POT da Indústria de Transformação em 2011.

A descoberta das reservas do pré-sal criaram um novo horizonte de oportunidades de negócios para as
fornecedoras da cadeia de petróleo e gás. Neste cenário promissor, as empresas têm espaço
reservado, já que, desde 2003, o governo federal determina a obrigatoriedade de percentuais de
conteúdo local na produção de bens e serviços no setor petrolífero. No entanto, para vender seus
produtos e serviços às companhias, os fornecedores devem atender às exigências da ANP por meio da
certificação específica.

A Bahia é o maior produtor de gás do Nordeste e o terceiro do Brasil. No fornecimento de gás natural, o
estado conta com o Campo de Manati, operado pela Petrobras em consórcio com a iniciativa privada,
com capacidade de 8 milhões de m³/dia. A Bahiagás é uma das maiores distribuidoras de gás do Brasil,
e tem planos de expansão para o interior e em áreas comercial e residencial.

Desde 2013, com investimentos da ordem de 1,3 bilhão da Petrobras, a Bahia também conta com um
Terminal de Regaseificação de Gás Natural Liquefeito, com capacidade para regaseificar 14 milhões de
m³/dia localizado na Bahia de Todos os Santos.
INCENTIVOS AO INVESTIDOR
8
8.1. Políticas de incentivo estaduais

O estado de Bahia desenvolveu uma politica fiscal competitiva que o tornou um estado interessante para
o investimento direto no Brasil. Por exemplo, a Bahia oferece incentivos fiscais para a indústria na
compra de matéria prima. Além de sua politica fiscal competitiva, a Bahia também oferece programas
de financiamento interessante, como:

8.1.1. Programa de Desenvolvimento Industrial e de Integração Econômica – DESENVOLVE:


Programa que tem como finalidade estimular a instalação de novas indústrias e a expansão,
reativação ou modernização de empreendimentos industriais já instalados. As empresas beneficiadas
pelo programa são dos setores de agroindústria, metalurgia (ferro e cobre), geração de energia,
transformação plástica, química e petroquímica, bebidas, automotivo, confecções, equipamentos para
irrigação, móveis, medicamentos (vacinas) e alimentos.

8.1.2. Programa Crédito Presumido: Dispõe sobre a concessão de crédito presumido de


ICMS nas operações de saídas dos produtos montados ou fabricados no estado da Bahia. Os principais
setores beneficiados são de veículos automotores, bicicletas e triciclos, inclusive seus componentes,
partes, peças, conjuntos e sub-conjuntos, pneumáticos e acessórios; calçados, seus insumos e
componentes, bolsas, cintos, bolas esportivas e artigos de malharia e seus insumos; móveis;
preservativos; processamento e conservação de peixes e crustáceos e fabricação de conservas de
peixes e crustáceos; artigos sanitários de cerâmica; fiação e tecelagem; azulejos e pisos e confecções.

8.1.3. Agência de Fomento do Estado da Bahia – DESENBAHIA: Instituição financeira, que tem
por objetivo promover o desenvolvimento econômico e social através da concessão de crédito. Articula e
promove políticas e ações de fomento para as empresas baianas, assegurando recursos técnicos e
financeiros para as organizações. Utiliza diversos recursos, como o Fundese, fundo que reúne recursos
provenientes de diversas fontes, tais como: contribuições, doações, financiamentos e recursos oriundos
de entidades públicas ou privadas, nacionais e estrangeiras.
Principais programas e linhas de financiamento:

Credifácil - Linha criada para apoiar o crescimento e fortalecimento das micro e pequenas
empresas baianas através de financiamento de capital de giro e investimento fixo.

Credibahia - Aumentar a oferta de crédito para pequenos negócios, permitindo a manutenção e a


ampliação das alternativas de trabalho para a parcela da população baiana que tem maiores
dificuldades de acesso ao crédito em bancos e agentes financeiros.

8.2. Políticas de incentivo regionais

8.2.1. O Banco do nordeste do Brasil – BNB: maior banco de desenvolvimento regional da América
Latina e atua na promoção do desenvolvimento sustentável, como Banco Público competitivo e rentável.
Administra cerca de 20 fundos de investimento, dos quais se destaca:

Fundo de Desenvolvimento do Nordeste – FDNE : tem por finalidade assegurar recursos para a
realização de investimentos em infraestrutura, serviços públicos e em empreendimentos produtivos com
grande capacidade de novos negócios e atividades produtivas.

Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste – FNE : tem como objetivo a aplicação em


programas de financiamento nos setores produtivos das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. O
objetivo é contribuir para o desenvolvimento econômico e na área de atuação da SUDENE, por meio da
execução de programas de financiamento aos setores produtivos principalmente, os miniprodutores
rurais, pequenas e microempresas.

8.2.2. A superintendência do Desenvolvimento do nordeste – SUDENE: é uma autarquia especial,


administrativa e financeiramente autônoma, integrante do Sistema de Planejamento e de Orçamento
Federal. Estimula, por meio da administração de incentivos fiscais, os investimentos privados, prioritários,
as atividades produtivas e as iniciativas de desenvolvimento sub-regional em sua área de atuação. Tem
como principais incentivos:

Incentivos e Benefícios Fiscais: Têm como fonte a redução de imposto sobre a renda e adicionais não
restituíveis, calculado com base no lucro da exploração, e destinam-se às pessoas jurídicas titulares de
projetos de implantação, modernização, ampliação ou diversificação de empreendimentos.

Distritos Industriais: A Bahia tem 16 distritos industriais com infraestrutura básica – energia, logística,
matéria prima e mão de obra qualificada - para implantação de cadeias produtivas e localização
estratégica que possibilita a interatividade com outras empresas que executam atividades
complementares ou de suporte. Áreas localizadas em centros ou distritos industriais possuem algumas
vantagens em relação ao licenciamento ambiental, visto que estes locais foram planejados para atender
a questões ambientais desde a sua concepção.
Quadro 6 - Instrumentos do estado da Bahia para incentivo ao investimento produtivo

INSTRUMENTO O QUE É A QUEM BENEFICIA

Programa que tem como finalidade esti-


Empresas dos setores de agroindústria,
Programa de mular a instalação de novas indústrias e a
metalurgia (ferro e cobre), geração de
Desenvolvimento expansão, reativação ou modernização de
energia, transformação plástica, química e
Industrial e de empreendimentos industriais já instalados,
petroquímica, bebidas, automotivo,
Integração gerando novos produtos ou processos, o
confecções, equipamentos para irriga-
Econômica – aperfeiçoamento das características tecno-
ção, móveis, medicamentos (vacinas) e
DESENVOLVE lógicas e a redução de custos de produtos
alimentos.
ou processos já existentes.

Empresas dos setores de veículos auto-


motores, bicicletas e triciclos, inclusive
seus componentes, partes, peças,
conjuntos e subconjuntos, pneumáticos e
acessórios; calçados, seus insumos
Dispõe sobre a concessão de crédito presu- e componentes, bolsas, cintos, bolas
Programa Crédito mido de ICMS nas operações de saídas dos esportivas e artigos de malharia e seus
Presumido produtos montados ou fabricados neste insumos; móveis; preservativos; pro-
estado. cessamento e conservação de peixes e
crustáceos e fabricação de conservas de
peixes e crustáceos; artigos sanitários
de cerâmica; fiação e tecelagem; azule-
jos e pisos e confecções.

Fonte: Desenbahia
Quadro 7: Distritos Industriais

Distritos Industriais Principais atividades Distância até o porto

Química/ Petroquímica/ Automobilística/ Borracha/ Eólica/ Alimentos e


bebidas/ Metalurgia
Camaçari 35km – Porto de Aratu
Chemistry/ Petrochemistry/ Automobilistic/ Rubber/ Aeolic/ Food and
beverage/ Metalurgy

Química/ Borracha e plástico/ Têxtil/ Madeira/ Alimentos e bebidas/


Metalurgia/ Medicamentos
Simões Filho 12 km – Porto de Aratu
Chemistry/ Rubber and plastic/ Textile/Wood/Food and Beverages/ Metalurgy/
Medications

Química/ Borracha e plástico/ Alimentos e bebidas/ Minerais não metálicos/


Vestuário/ Metalurgia
Subaé Chemistry/ Rubber and plastic/ Food and beverages/ Non-metallic minerals/ 80km – Porto de Aratu
Clothing/ Metalurgy

Informática/ Eletroeletrônico/ Alimentos e bebidas/ Serviços


Ilhéus 4 km Porto de Ilhéus
Information technology/ Eletro-eletronics/ Food and beverages/ Services

Minerais não metálicos/ Alimentos e bebidas/ Químicos/ Serviços


Teixeira de Freitas Non-metallic minerals/ Food and beverages/ Rubber and plastic/ Metallurgy/ 403 km Porto de Ilhéus
Recycling

Minerais não metálicos/ Alimentos e bebidas/ Borracha e plástico/


Metalurgia/ Reciclagem
Alagoinhas 75,7 km Porto de Ilhéus
Non-metallic minerals/ Food and beverages/ Rubber and plastic/ Metallurgy/
Recycling
Metalurgia/ Alimentos e bebidas / Reciclagem
Barreiras 801 km – Porto de Aratu
Metallurgy/ Food and beverages/ Recycling

Minerais não metálicos/ Alimentos e bebidas/ Borracha e plástico/ Produtos


de madeira/ Serviços
Eunápolis 243 km – Porto de Aratu
Non-metallic minerals/ Food and beverages/ Rubber and plastic/ Wood
products/ Services

Alimentos e bebidas/ Metalurgia/ Têxtil/ Serviços/ Reciclagem


Luis E. Magalhães 896 km Porto de Ilhéus
Food and beverages/ Metallurgy/ Textile/ Services/ Recycling

Alimentos e bebidas/ Minerais não metálicos/ Coureiro/ Madeireiro/


Metalurgia/ Serviços
Juazeiro Food and beverages/ Non-metallic minerals/ Leather/ Wood products/ 465 km – Porto de Aratu
Metallurgy/ Sevices
Metalurgia/ Minerais não metálicos/ Moveleiro/ Químico/ Borracha e plástico/
Alimentos e bebidas
Vitória da Conquista Metallurgy/ Non-metallic minerals/ Furnishings/Chemistry/ Rubber and plastic/ 262 km – Porto de Aratu
Food and beverages

Alimentos e bebidas/ Madeireiro/ Vestuário/ Coureiro/ Borracha e plástico


Jequié 205 km Porto de Ilhéus
Food and beverages/ Wood products/ Clothing/ Leather/ Rubber and plastic

Alimentos e bebidas/ Calçados/ Móveis


Sto. Antônio de Jesus 146 km Porto de Ilhéus
Food and beverages/ Footwear/ Furniture
Alimentos/ Calçados/ Reciclagem
Itapetinga 172 km – Porto de Aratu
Food/ Footwear/ Recycling

Fonte: SDE
REDE CIN

Coordenada nacionalmente pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), e


criada com o apoio da Agência Nacional de Promoção de Exportações
(APEX), a Rede Brasileira dos Centros Internacionais de Negócios (Rede
CIN) apoia investidores estrangeiros de diversas formas, com:

• Disponibilização de informações gerais sobre o Brasil e a Indústria Brasileira

• Disponibilização de informações sobre procedimentos administrativos para se instalar no Brasil

• Suporte na obtenção de licenças e documentos necessários

• Facilitação de contato para definição de incentivos

• Disponibilização de contato de parceiros (fornecedores, prestadores de serviço, potenciais sócios)

• Suporte na seleção de fornecedores

CONTATO

CNI - Confederação Nacional da Indústria

SBN - Quadra 01 - Bloco C - Ed. Roberto Simonsen

Brasília - DF - CEP 70040-903

+55 (61) 3317-9000

http://www.portaldaindustria.com.br/cni/canal/brazil4business-home/

brazil4business@cni.org.br

CIN-Bahia - Centro Internacional de Negócios do Estado da Bahia

Rua Edístio Pondé, 342

Salvador - BA – CEP 41770-395

+55 (71) 3343-1359

http://www.portaldaindustria.com.br/brazil4business/pt/ba/why/

cin-fieb@fieb.org.br