Você está na página 1de 2

Que medo! Desmonte do SUS !

-Logo ao assumir o Ministério da Saúde, Ricardo Barros questionou o


tamanho do SUS e explicitou: “Nós não vamos conseguir sustentar o nível
de direitos que a Constituição determina”. Afirmativas como essa
passaram a fazer parte não só do seu discurso, mas também da sua
agenda política e da articulação direta com os empresários. A crise política
atual tem contribuído de forma estratégica para intensificar a agenda
neoliberal e promover políticas de austeridade, estratégias que fazem
parte do projeto de desmonte do Estado de proteção social, como a
aprovação da EC-95, que congela por 20 anos os recursos das políticas
sociais; a Lei n 13.097/2015, que autoriza o capital estrangeiro no setor
saúde e as reformas da Previdência e do trabalho.

-EC 95/2016

Congelamento de recursos financeiros por 20 anos!!

-Planos Populares

Março de 2017 o MS encaminhou a Agência Nacional de Saúde propostas


elaboradas por um Grupo de Trabalho sobre o projeto de um Plano de
saúde Acessível.

No GT, integrantes como Associação Brasileira de Planos de Saúde,


Unimed, Confederação de Empresas de seguros.

Documento com três propostas:

Plano Simplificado, Plano Ambulatorial e Hospitalar e, Plano em regime


misto de pagamento.

- “Um ajuste justo – Análise da Eficiência e equidade do Gasto Público no


Brasil” Banco Mundial

País gasta mal os recursos que tem. Recomenda cortes em gastos


públicos, especialmente gastos sociais.

-Novo Sistema Nacional de Saúde


Evento ocorrido em 10.04.208, organizado uma Federação de empresas
de Planos de saúde, e com presença de parlamentares com a proposta de
construção de um novo Plano Nacional de Saúde. Instituto Coalizão Saúde
tem conquistado espaço junto ao governo federal para propor soluções
“inovadoras” para a gestão do sistema de saúde brasileiro.

- E na troca de Ministros....

Novo ministro da Saúde, Gilberto Occhi, afirmou que o governo formula


um decreto para dar nova utilidade a UBSs e UPAs construídas com
recurso da União e que ainda não estão em funcionamento. Podem ser
creches ou escolas e funcionar de forma partilhada ente escola e posto de
saúde.