Você está na página 1de 24

TEARAPIA  Boweniana

Objetivo  principal  da  teoria  de  Murray  


Bowen  é  aumentar  a  habilidade  da  pessoa  
para  distinguir  o  pensamento  do  sentimento  
(em  si  mesmo  e  nos  outros)  e  aprender  a  
usar  esta  habilidade  para  direcionar  sua  vida  
e  resolver  seus  problemas.
A  teoria  dos  Sistemas  Familiares  considera  a  
existência  de  duas  forças  vitais  instintivas  no  interior  
da  família.

Uma  Força  para  tornar  a  pessoa  emocionalmente  


independente  – Diferenciação.
Uma  Força  que  impulsiona  a  família  a  ficar  
emocionalmente  conectada  e  impulsionando  seus  
membros  a  agirem  como  se  fossem  um.

O  resultado  dessas  foças  que  se  contrabalançam  é  


que  ninguém  consegue  um  independência  
emocional  completa  da  família.
A  baixa  intensidade  de  emotividade  ou  de  pressão  
da  família  para  ficar  unida,  permite  um  filho  crescer  
pensando,  agindo  e  sentindo  por  si  próprio.  

Permite  ver  os  familiares  como  indivíduos  e  não  


como  regras,  onde  precisará  de  aceitação  e  
aprovação.
Sua  Auto-­imagem é  formada  em  relação  a  
ansiedade  e  necessidades  emocionais  de  si  e  dos  
outros.  (Os  outros  definem  a  criança  através  de  
suas  próprias  percepções  distorcidas).
A  Diferenciação  do  Self  é  capacidade  de  
diferenciar  pensamento  do  sentimento,  
diferenciar  o  que  é  seu  e  o  que  é  do  outro.  

Na  pessoa  com  pouca  individuação  o  intelecto  


está  inundado  de  seus  sentimentos  e  dos  
sentimentos  das  pessoas  que  a  cercam,  que  
são  incapazes  de  pensar  objetivamente.    
Escala  de  Diferenciação

O  grau  variado  de  Independência  Emocional  


que  se  alcança  na  família  de  origem  explicam  
seus  procedimentos  em  diferentes  níveis  de  
Diferenciação.

Bowen  dividiu  em  quatro  séries  de  


funcionamento  os  níveis  de  diferenciação  da  
pessoa.
(0-­25,  25-­50,  50-­75,  75-­100)
Escala  de  Diferenciação

Quanto  mais  alto  o  nível  de  diferenciação,  


mais  estresse  é  necessário  pra  
desencadear  um  sintoma.

Quanto  mais  confusa  e  intensa  é  a  


atmosfera  emocional  em  que  a  pessoa  
cresce,  mais  sua  vida  é  governada  por  
suas  próprias  respostas  sentimentais  e  as  
de  outras  pessoas.
O  Nível  Básico  de  Diferenciação  é  determinado  
pelo  grau  de  independência  emocional  que  uma  
pessoa  alcança  da  sua  família  de  origem.  
Este  fator  é  multigeracional  e  é  estabelecido  até  a  
criança  chegar  a  adolescência.

As  pessoas  podem  funcionar  em  níveis  que  são  mais  


baixos  ou  mais  alto  do  que  os  seus,  dependendo  das  
circunstancias.  Em  uma  relação  pode-­se  ter  
“empréstimos  e  comércios  de  Eus”  como  forma  de  
aliviarem  a  ansiedade.
Nível  Básico:  

É  fixado  avaliando  o  nível  médio  de  


funcionamento  da  pessoa  durante  a  vida  e  o  
nível  médio  das  pessoas  que  estão  envolvidas  
com  eles.  

Quanto  mais  baixo  o  Nível  Básico,  mais  


radicalmente    oscilará  o  nível  funcional  e  será  
maior  a  discrepância  entre  os  níveis  funcionais  
de  pessoas  proximamente  envolvidas.  
O  Nível  Funcional  é  influenciado  pelo  grau  de  
ansiedade  crônica  na  pessoa  mais  importante  do  
sistema  relacional.
Quando  a  ansiedade  é  baixa,  as  pessoas  são  
menos  reativas  e  mais  pensativas.  Isto  tende  a  
estabilizar  o  funcionamento  individual  e  diminuir  
a  pressão  que  é  colocada  nos  outros.
Quando  a  ansiedade  é  alta,  as  pessoas  se  
tornam  mais  reativas  e  menos  pensativas:  o  
funcionamento  do  sistema  está  propenso  a  
decair.

A  ansiedade  desestabiliza  os  indivíduos  e  


aumenta  o  foco  na  relação.
Níveis  de  0-­25  da  Escala  de  Diferenciação:

Pessoas  nessa  escala  vivem  no  mundo  sentimental  


(nos  níveis  muito  baixos  podem  até  perder  a  
capacidade  de  sentir),  emocionalmente  necessitadas,  
altamente  reativas  aos  outros.
A  energia  da  vida  recai  para  amar  e  ser  amado  e  no  
fracasso  de  não  ter  conseguido  ser  amado.  
Pouca  energia  é  dispensada  na  busca  de  metas,  
tentar  conseguir  conforto  é  suficiente,  porém  nunca  
se  satisfaz.
A  maioria  das  decisões  se  baseiam  no  que  julgam  
que  é  correto,  seu  funcionamento  está  governado  
pelas  reações  emocionais  ao  ambiente.  
Níveis  de  25-­50  da  Escala  de  Diferenciação:

Pessoas  nessa  escala  possuem  um  self  pobremente  


definido,  porém  com  possíveis  capacidades  de  se  
diferenciar.  
Adaptam-­se    a  ideologia  prevalecente,  altamente  
influenciáveis  e  buscam  imitar  os  outros  para  obter  
aceitação.
Adotam  pontos  de  vista  que  complementam  melhor  
suas  mascaras  emocionais  e  buscam  em  autoridades  
externas  suporte  para  a  vida.    
Níveis  de  35-­40  da  Escala  de  Diferenciação:

Pessoas  nessa  escala  são  adaptativas  não  


manifestando  características  prejudiciais  e  
paralisantes,  são  atentas  a  desarmonia  emocional,  às  
opiniões  dos  outros  como  forma  de  buscar  aceitação.    
Níveis  de  35-­40  da  Escala  de  Diferenciação:

Pessoas  nessa  escala  vivem  em  um  pseudo-­self,  atuam  


através  do  conhecimento  e  crenças  adquiridas  dos  
outros,  que  são  incorporados  pelo  intelecto  e  altamente  
fundidas  ao  processo  emocional  tornando-­se  uma  
causa.  
Os  princípios  e  crenças  do  pseudo-­self  podem  ser  
mudados  para  obterem  aceitação  e  incorporação  ao  
grupo.  
As  deficiências  aparecem  em  situações  emocionais  
intensas,  pela  dificuldade  de  manifestar  o  que  são.  
Reagem  tentando  mudar  as  crenças  e  atitudes  dos  
outros.  Nessa  disputa  de  poder  o  parceiro  que  cede  
perde  a  confiança  em  si  próprio,   criando  papeis  
estáticos  na  relação.
O  Pseudo-­self  pode  ser  entendido  como  uma  
Máscara,  como  um  Intelecto  Falso,  quando  a  
pressão  para  a  submissão  é  grande  o  
“principio  intelectual”  se  moldará.  
São  tomadas  decisões  sentimentais  ao  invés  
do  risco  do  desprazer  de  permanecer  firme.

A  ansiedade  pode  impelir  as  pessoas  dentro  de  


um  “pensamento  grupal”  que  é  comumente  
inconsciente  e  moldado  mais  pela  
subjetividade  do  que  pelos  fatos.
O  Eu  Real  é  composto  de  crenças  e  convicções  
seguras  e  vagarosamente  formadas,  podendo  ser  
transformadas  a  partir  de  dentro.  Não  é  mudado  
por  pressão  externa.

A  pessoa  que  se  mantem  firme  não  tem  que  ser  a  


certa  para  ser  benéfica  para  o  grupo,  a  sua  
decisão  é  auto  determinada,  afirma:  “isto  é  o  que  
eu  sou,  é  o  que  acredito”.  
Níveis  de  50-­75  da  Escala  de  Diferenciação:

Sistema  intelectual  desenvolvido,   este  dá  disciplina  


para  controlar  o  sistema  emocional,  existe  consciência  
entre  sentimento  e  princípio  intelectual.
Na  fase  mais  baixa  (50-­60)  as  pessoas  ainda  são  
reativas  a  estímulos  do  sistema  relacional,  hesitam  em  
dizer  o  que  acreditam.
Acima  de  60  possui  um  individualidade  melhor  
desenvolvida,  têm  maior  flexibilidade  entre  uma  intima  
proximidade  emocional  e  uma  atividade  objetiva  
direcionada.
Níveis  de  75-­100  da  Escala  de  Diferenciação:

Poucas  pessoas  funcionam  na  escala  85-­95  da  escala  e  


seria  impossível  ter  todas  as  características  de  100.
Características:  Não  é  dogmático  ou  rígido  nas  suas  
convicções,  pode  descartar  velhas  crenças  em  favor  de  
novas,  pode  ouvir  sem  reagir  e  pode  comunicar  sem  
antagonizar  os  outros.
Seguro  em  si,  não  é  afetado  por  louvor  ou  criticas.  Auto  
responsável.  Tolerante  e  respeitoso  das  diferenças  ,  não  é
propenso  a  debates  polarizados.
Nível  de  ansiedade  baixo  e  é  capaz  de  adaptar-­se  aos  
maiores  estresses  sem  desenvolver  sintoma.    
Definindo  um  Self

Uma  pessoa  com  habilidade  e  motivação  pode,  


através  de  um  processo  gradual  de  
aprendizagem,  tornar-­se  mais  que  um  Self  na  
família  ou  em  outros  sistemas  relacionais.

Para  se  Individualizar  precisarão  abrir  mão  da  


união  conquistada,  ir  além  dos  limites  em  que  o  
sistema  relacional  aprove  ou  permita.  
A  rejeição,  que  é  impulsionada  pela  ameaça  do  
equilíbrio  da  relação,  é  designada  a  restaura-­lo.

A  diferença  está  em  se  o  Self  para  se  individuar  está  


afeito  a  uma  reatividade  emocional  aos  outros  
(indiferenciação)  
ou  
racionalmente  determinado  
(diferenciação).
Diferenciação
É  um  produto  na  forma  de  pensar  que  se  traduz  
na  forma  de  ser.  Tentar  alcançar  um  nível  mais  
alto  de  diferenciação  significa  aumentar  sua  
capacidade  para  uma  separação  emocional  ou  
neutralidade.  

Estas  mudanças  são  refletidas  na  habilidade  de  


estar  em  contato  com  uma  dificuldade  e  não  no  
sentido    ao  que  os  outros  devam  fazer,  não  se  
apressar  para  consertar  o  problema  e  não  se  
desligar,  isolando-­se  emocionalmente.    
A  busca  da  Diferenciação  do  self
O  Terapeuta  não  poderá  desempenhar  bem  sua  
tarefa  se  não  conseguir  se  diferenciar  da  sua  
família  de  origem.

A  meta  é  produzir  uma  pessoa  livre  de  um  


envolvimento  mutilado  com  os  relacionamentos  
familiares,  passados  e  presentes,  para  que  
possa  lidar  de  forma  mais  livre  com  sua  própria  
vida.