Você está na página 1de 6

Revista Afluente – A revista do JPS – Ano I / Nº 2 – Dezembro de 2017

Artigo

IMPORTÂNCIA DA GEOMORFOLOGIA FLUVIAL NO


CONTEXTO DO SANEAMENTO AMBIENTAL
Maurício Andrades Paixão

Masato Kobiyama

Karla Campagnolo

No mundo inteiro a água uti- manancial, buscando-se adotar


lizada para fins de abastecimen- estratégias que garantam a segu-
to humano, agrícola e industrial é rança hídrica. Nota-se que esses
proveniente, predominantemente, cuidados estão relacionados às
de águas superficiais. Embora em características dos rios, ou seja,
algumas regiões haja grande con- ao conhecimento da geomorfo-
tribuição da água subterrânea, são logia fluvial.
as águas superficiais as responsá-
veis pela maior parte do abasteci- Para garantir a quantidade e
mento, uma vez que são de mais a qualidade dos recursos hídricos
fácil captação que as águas sub- é preciso manter os rios naturais
terrâneas. Além disso, sua dinâmi- saudáveis e recuperar os rios de-
ca de deslocamento permite que gradados. No caso da degradação
sua renovação ocorra mais rapi- de rios, necessita-se tal recupera-
damente que a água subterrânea. ção para atendimento das necessi-
A história humana na qual a civili- dades sociais relacionadas à água.
zação tinha acontecido na beira de No contexto do saneamento am-
rio, por exemplo, rio Nilo, rio Ama- biental - conjunto de práticas que
relo, rio Tigre e Eufrates e rio Indo, promovem a qualidade de vida,
claramente demonstra a importân- melhora o ambiente e contribui
cia dos rios para as sociedades. para a saúde pública – a geomor-
fologia fluvial auxilia no processo
Em sistemas de captação de de escolha de pontos de captação
águas superficiais a tomada de de água, na renaturalização de
água normalmente ocorre a mon- rios e na identificação de padrões
tante da zona de abastecimento, fluviais que atendam as deman-
distante de lançamentos de esgo- das sociais. Nessa circunstância, o
to, no lado externo da curvatura objetivo do presente trabalho foi
de um rio e deve ser considerada apresentar a importância da geo-
a segurança quanto aos níveis de morfologia fluvial no contexto do
cheia e de estiagem. Além disso, saneamento ambiental.
deve-se conhecer a disponibi-
lidade de água proveniente do

RE VISTA   AFLUENTE | 6
Revista Afluente – A revista do JPS – Ano I / Nº 2 – Dezembro de 2017
Artigo

IMPORTÂNCIA DA
GEOMORFOLOGIA
FLUVIAL NO
CONTEXTO DO
SANEAMENTO
AMBIENTAL
Maurício Andrades Paixão

Masato Kobiyama

Karla Campagnolo

GEOMORFOLOGIA FLUVIAL rial do canal. Rosgen (1994) dividiu


sua classificação em quatro diferen-
Devido aos grandes distúrbios tes níveis de detalhamento: (I) mor-
e perturbações que o homem vem fologia geral; (II) tipos de rios; (III)
provocando nos rios ao redor do estado dos rios; e (IV) verificação,
mundo, muitos pesquisadores, ges- na qual se apresentam em ordem
tores e tomadores de decisão vêm crescente de detalhamento. A Figu-
tentando entender, monitorar e res- ra 1 apresenta o nível I da classi-
taurar os rios (Buffington e Mont- ficação de Rosgen. Sua classifica-
gomery, 2013). Uma parcela consi- ção é a mais utilizada no mundo,
derável desses esforços tem como especialmente em projetos de en-
objetivo avaliar os efeitos dos dis- genharia voltados à renaturalização
túrbios na paisagem, compreen- de rios. No entanto, Simon et al.
der as respostas anteriores, deter- (2007) alertaram que sua utilização
minar as condições atuais e prever irrestrita pode ser falha, principal-
as condições futuras (Kondolf et al., mente por desconsiderar os proces-
2001). Desse modo, a classificação sos governados pela ação de forças
dos rios serve como ferramenta na de cisalhamento e de resistência e
identificação e na interpretação de pelo desequilíbrio entre o forneci-
padrões de similaridade espacial mento e o poder de transporte de
e temporal da paisagem que são sedimentos em sistemas fluviais.
úteis no contexto da renaturaliza-
ção do rio e consequentemente do Schumm (1977) dividiu os rios
saneamento ambiental. de acordo com a zona de produ-
ção, de transporte e de deposição
Existem diversas formas de clas- de sedimentos, trazendo uma visão
sificação de rios. Rosgen (1994), baseada no processo de movimen-
por exemplo, classificou 94 dife- to dos sedimentos através dos cor-
rentes tipos básicos de rios, basea- pos hídricos. A partir desta visão,
do no grau de entrincheiramento Montgomery e Buffington (1997)
dos corpos hídricos, na largura, na e Montgomery (1999) classifica-
sinuosidade, na visualização plana ram os rios de acordo com a fonte
do rio, na declividade e no mate- de sedimentos, seu transporte e

RE VISTA   AFLUENTE | 7
Revista Afluente – A revista do JPS – Ano I / Nº 2 – Dezembro de 2017
Artigo

IMPORTÂNCIA DA
GEOMORFOLOGIA
FLUVIAL NO
CONTEXTO DO
SANEAMENTO
AMBIENTAL
Maurício Andrades Paixão

Masato Kobiyama

Karla Campagnolo

seus mecanismos de resposta. Esse


avanço permitiu identificar unida-
des geomorfológicas fundamentais
que estruturam o comportamento
dos rios na paisagem e, justamen-
te por isso, é uma importante fer-
ramenta para a gestão da terra e da
conservação do meio ambiente. A
Figura 2 apresenta a ideia de pro-
cesso aliada à ideia de fonte de se-
Figura 2 – Produção de sedimentos em rios
dimentos proposta por Montgo- (Modificado de Kondolf, 1994)
mery (1999).
na compreensão dos processos em
A classificação de rios ainda escala de bacia hidrográfica.
pode incluir diferentes análises, tais
como, a ocorrência de unidades RENATURALIZAÇÃO DE RIOS
geomorfológicas específicas de pe-
quena escala (pools, riffles, steps, Harman e Starr (2011) relataram
entre outros), análise de material muitos projetos de renaturalização
do leito e sua mobilidade (Figura 3), de rios, realizados nos EUA com
classificações estatísticas e, ainda, base na classificação de rios por
classificações hierárquicas. A clas- Rosgen (1994) e com grande su-
sificação hierárquica presume clas- cesso. As classificações hierárqui-
sificações em escalas sucessivas de cas, como a proposta por Church
condições físicas e biológicas e per- (2006), também têm sido ampla-
mite uma abordagem mais holística mente utilizadas na gestão territo-

RE VISTA   AFLUENTE | 8
Revista Afluente – A revista do JPS – Ano I / Nº 2 – Dezembro de 2017
Artigo

IMPORTÂNCIA DA
GEOMORFOLOGIA
FLUVIAL NO
CONTEXTO DO
SANEAMENTO
AMBIENTAL
Maurício Andrades Paixão

Masato Kobiyama

Karla Campagnolo

rial por permitirem compreender tratégias de renaturalização de rios


os processos que ocorrem em nível com vistas à melhora ambiental dos
de bacia hidrográfica em uma se- recursos hídricos visando o abaste-
cimento de água, por exemplo, é
preciso considerar a importância da
geomorfologia.

Segundo Souza e Kobiyama


(2003), os principais objetivos da
renaturalização de rios podem ser:
(i) A recuperação da qualidade da
água; (ii) a estabilização de encos-
tas e margens (eliminar erosões); (iii)
a recuperação da biodiversidade do
Figura 3 – Unidades geomorfológicas de ecossistema (fauna e flora); (iv) res-
pequena escala e materiais de leito: (a) canais tabelecimento das áreas naturais de
rápidos; (b) step-pools; e (c) step-pools com
interação do leito (Modificado de Church e inundação; (v) recuperação da pai-
Zimmermann, 2007).
sagem natural; e (vi) o aumento do
número de espécies. A geomorfolo-
quência. Portanto, ao se estabele- gia fluvial pode auxiliar para alcan-
cer estratégias de renaturalização çar a esses objetivos.
de rios, faz sentido que se busque
classificações hierárquicas. Segundo Gilvear (1997), a
geomorfologia na engenharia flu-
Como a geomorfologia traba- vial se baseia em cinco princí-
lha com identificação de padrões, pios: (i) as alterações morfológi-
hierarquiza-los permite saber a se- cas, de água e de sedimentos em
quência de passos que precisam um canal acontecem nas dimen-
ser dados na renaturalização de um sões longitudinal, transversal e
rio, respeitando, assim, o equilíbrio vertical; (ii) o rio apresenta resposta
entre o fornecimento e a capacida- de acordo com as variações na en-
de de transporte de sedimentos em trada de água e sedimentos a mon-
rios. Portanto, ao se estabelecer es- tante; (iii) a morfologia de um rio

RE VISTA   AFLUENTE | 9
Revista Afluente – A revista do JPS – Ano I / Nº 2 – Dezembro de 2017
Artigo

IMPORTÂNCIA DA
GEOMORFOLOGIA
FLUVIAL NO
CONTEXTO DO
SANEAMENTO
AMBIENTAL
Maurício Andrades Paixão

Masato Kobiyama

Karla Campagnolo

se altera temporalmente mas a di- para os gestores de saneamento


nâmica de ajuste do canal varia ao ambiental. Para isso, os mesmos
longo do próprio rio; (iv) alterações necessitam perceber os rios naturais
provocadas no uso da terra, no tanto para compreender como os
leito do rio e nas margens podem rios naturais se comportam quanto
afetar a estabilidade do sistema de para identificar e classificar os mes-
um rio; e (v) os processos de alte- mos. Sem percepção dos rios natu-
ração da morfologia definem os rais, não existe sucesso na renatura-
hábitats para a biota e tem impor- lização e manutenção dos rios. Para
tante papel nas alterações dos pro- essa percepção qualitativa e quanti-
cessos fluviais. tativa, a geomorfologia fluvial pos-
sui o fundamental papel. •
O sucesso de renaturalização do
rio traz a saúde do mesmo, o que
melhoraria a qualidade da água, au-
mentaria a biodiversidade do ecos-
sistema fluvial, agradaria a paisagem
fluvial, reduziria significativamente o
odor desagradável à sociedade, re-
gulamentaria o regime fluvimético,
entre outros. Esses itens fazem parte
do saneamento ambiental. Assim
sendo, pode-se dizer há a grande
importância da geomorfologia flu-
vial no saneamento ambiental.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Renaturalização de rios e manu-


tenção dos rios saudáveis podem
ser uma das mais importantes metas

RE VISTA   AFLUENTE | 10
Revista Afluente – A revista do JPS – Ano I / Nº 2 – Dezembro de 2017
Artigo

IMPORTÂNCIA DA
GEOMORFOLOGIA
FLUVIAL NO
CONTEXTO DO
SANEAMENTO
AMBIENTAL
Maurício Andrades Paixão

Masato Kobiyama

Karla Campagnolo

REFERÊNCIAS

BUFFINGTON, J.M., MONTGOMERY, D.R. MALAKOFF, D. The river doctor.


Geomorphic classification of rivers. In: Shroder, Science, v.305, p.937-939, 2004
J. (Editor in Chief), Wohl, E. (Ed.), Treatise on
Geomorphology. Academic Press, San Diego, CA, ROSGEN, D. L. A classification of natural
vol. 9, Fluvial Geomorphology, pp. 730–767, 2013. rivers. Catena, v.22, p.169-199, 1994.

CHURCH, M.; ZIMMERMANN, A. Form and SIMON, A.; DOYLE, M.; KONDOLF, M.; SHIELDS
stability of steep-pool channels: Research progress. JR, F.D.; RHOADES, B.; MCPHILLIPS, M. Critical
Water Resources Research, v.43, p.1-21, 2007 evaluation of how the Rosgen classification an
associated “natural channel design” methods fails

GILVEAR, D. J. Fluvial geomorphology to integrate and quantify fluvial processes and

and river engineering: future roles utilizing channel response. Journal of the American Water

a fluvial hydrosystems framework. Resources Association, v.43, n°5, p. 1117-1131, 2007

Geomorphology, v.31, p.229-245, 1999.


SOUZA, D. P.; KOBIYAMA. M. Ecoengenharia em
zona ripária: Renaturalização de rios e recuperação
HARMAN, W.; STARR, R. (2011) Natural
de vegetação ripária. In: Seminário de Hidrologia
Channel Design Review Checklist. Annapolis:
Florestal: Zonas Ripárias (1: 2003: Alfredo Wagner)
US Fish and Wildlife Service/ Washington:
Florianópolis: UFSC/PPGEA, Anais, 2003. p.121-131.
US-EPA, 96f. (EPA 843-B-12-005)

KONDOLF, G. M. Geomorphic and environment


effects of instream gravel mining. Landscape
and Urban Plan, v. 28, p.225-243, 1994

KONDOLF, G. M.; SMELTZER, M. W.;


RAILSBACK, S. Design and performance of
a channel reconstruction project in a coastal
California gravel-bed stream. Environment
Management, v.28, n.6, p.761-776, 2001

RE VISTA   AFLUENTE | 11