Você está na página 1de 66

BRINCAR COM AS PALAVRAS

INTRODUÇÃO

O insucesso escolar de muitos alunos no 1.º ciclo está muitas vezes associado, entre outros fatores, ao
baixo desempenho linguístico manifestado pelas crianças que acabam por comprometer as suas
aprendizagens, nomeadamente na aquisição da leitura e da escrita. Os alunos que, por variadíssimas razões,
apresentam um desempenho linguístico inferior ao esperado para a sua faixa etária, iniciam o processo de
aquisição da leitura e da escrita tendo que lidar com suas dificuldades de linguagem oral o que, muitas vezes,
pode ser uma das causas do insucesso na alfabetização.

Vários estudos realizados têm chamado a atenção para a importância do desenvolvimento da


consciência fonológica para a aquisição da leitura e escrita. De acordo com esses estudos, as crianças que
apresentam dificuldade em processar fonologicamente a língua, têm maior probabilidade de apresentarem
dificuldades ou mesmo um atraso na aquisição da leitura e da escrita.

Uma vez que é necessário possuir um nível mínimo de consciência fonológica para iniciar o processo de
alfabetização com alguma margem de sucesso, é crucial desenvolver junto das crianças, ainda em fase pré-
escolar, atividades que ajudem a desenvolver as suas capacidades linguísticas.

É desejável que as crianças, ao deixarem o jardim-de-infância, sejam capazes de demonstrar alguma


capacidade para detetar, em palavras, semelhanças e diferenças entre sons iniciais e finais, segmentar,
substituir e combinar sílabas e fonemas. O desenvolvimento da consciência fonológica, visa essencialmente,
levar a criança a compreender como a linguagem oral pode ser dividida em componentes menores que podem
ser manipulados, como por exemplo frases em palavras e palavras em sílabas.

O desenvolvimento da consciência fonológica deve ser feito através de um programa estruturado e


sequencial, podendo ser feito através de atividades diversificadas como a música, poesia, lengalengas, jogos
orais ou através da fala propriamente dita.

Com este projeto pretende-se desenvolver um conjunto de atividades que contribua para desenvolver
as competências linguísticas e fonológicas das crianças, fundamentais para a alfabetização dos alunos.

Na promoção das atividades será privilegiada uma metodologia ativa, centrada em atividades lúdicas e
jogos vocabulares que conduzam a um ambiente positivo e propício para o desenvolvimento da linguagem. As
histórias, por constituírem por si só um recurso dinamizador e atrativo, bastante apreciado pelas crianças,
terão um papel preponderante, sendo utilizadas como motivação e ponto de partida para a realização das
atividades especificas para o desenvolvimento da consciência fonológica.

In https://sites.google.com/site/brincarcomaspalavras/home Matilde Martins dos Santos


1.ª sessão

1.º Mostrar aos alunos o livro Vermelhinha, a Joaninha e dialogar sobre o conteúdo interior (imagens, título,
texto, frases, palavras e letras).

2.º Apresentar a história – Vermelhinha, a Joaninha.


Dialogar sobre as imagens do livro e pedir aos alunos que tentem construir uma pequena história.

3.º Ler ou contar a história – Vermelhinha, a Joaninha.


Dialogar sobre a história e comparar com a história construída pelos alunos.

4.º Responder a algumas questões:

 Quem é a personagem principal da história?


 O que fez a bruxa/feiticeira à Joaninha?
 Por que razão a mãe da Joaninha estava tão triste?
 Quem ajudou a desfazer o feitiço?
 Qual a diferença entre uma fada e uma bruxa?

5.º Relembrar aos alunos os aspetos referidos no 1.º ponto.


Mostrar aos alunos uma imagem e pedir que digam palavras relacionadas com a gravura. Registar algumas das
palavras.
6.º Mostrar aos alunos uma imagem e pedir que digam algumas frases. Registar algumas das frases.
2.ª sessão
VERMELHINHA, A JOANINHA

1.º Distribuir por alguns alunos imagens plastificadas da história Vermelhinha, a Joaninha. Cada aluno deverá
fazer uma frase para a imagem que tem na mão.

2.º Ordenar a história – Vermelhinha, a Joaninha.


Os alunos deverão relembrar a história da sessão anterior e ordenar as imagens distribuídas pelo grupo.

3.º Relembrar alguns aspetos da história (local da ação, personagens, título)

4.º Chamar a atenção dos alunos para a sonoridade das duas palavras que formam o título da história:
Vermelhinha, a Joaninha.

5.º Pedir aos alunos que digam outras palavras terminadas em inha.

6.º Identificar e pintar, numa ficha de trabalho, as imagens cujas palavras terminam em inha.
3.ª sessão
1.º Pedir a cada aluno que observe bem a palavra joaninha.
Colocar em cima da mesa algumas sílabas: jo – a – mi – ni – lha – nha – la.
Pedir a alguns alunos que peguem nas sílabas da palavra joaninha e as coloquem, ordenadamente, em cima da
mesa.Explorar com os alunos o número de sílabas que tem a palavra joaninha. Chamar a atenção dos alunos
para o número de letras de cada sílaba (uma letra, duas ou três letras)

2.º Fazer um desenho de uma joaninha e colá-la no alto da ficha. Podemos optar por fazer uma dobragem de
uma joaninha.

3.º Aproveitar para trabalhar a discriminação visual e pedir aos alunos que encontrem e circundem a palavra
joaninha.

4.º Fazer com os alunos a divisão silábica de algumas palavras relacionadas com a história. Os alunos podem
desenhar ou colar bolinhas autocolantes para marcarem as sílabas.
5.º Explorar oralmente com os alunos noções de quantidade colocando-lhes algumas questões:

Quantas palavras há com duas sílabas?

Quantas palavras há com três sílabas?

Quantas palavras há com uma sílaba?


4.ª sessão
A JOANINHA SEM PINTINHAS

1.º Ver com os alunos uma história diferente onde uma joaninha também é a personagem principal.

2.º Rever com os alunos algumas aprendizagens realizadas em sessões anteriores:

· Mostrar aos alunos algumas imagens (ppt) e pedir-lhes que façam a divisão silábica das palavras
representadas. Os alunos deverão responder à pergunta:

Quantas sílabas tem a palavra abelha?

· Mostrar aos alunos imagens (ppt) e pedir-lhes que identifiquem aquelas que terminam com o mesmo
som.
Que palavra rima com joaninha?
5.ª sessão
Aproveitando o tema da alimentação os alunos visualizaram a história O Tomás, Já Não

Cabe Nos Calções.

1.º Mostrar aos alunos o ppt e ler/contar a história. Dialogar sobre as imagens apresentadas

e pedir aos alunos que relacionem as imagens e o conteúdo da história com alguns aspetos

relacionados com a alimentação (tema abordado ao longo da semana).

Chamar a atenção dos alunos para:

Ú motivo da obesidade do coelho

Ú consequências dessa obesidade para a sua saúde e autoestima

Ú decisão do coelho em alterar os seus hábitos alimentares, optando por alimentos mais

saudáveis
2.º Rever com os alunos algumas aprendizagens realizadas em sessões anteriores:

 Relembrar com os alunos algumas palavras da história e pedir-lhes que identifique

outras que rimem (da história ou não)

 Mostrar aos alunos imagens da história e fornecer-lhes uma palavra-chave para que eles

identifiquem outra que termine com o mesmo som. Os alunos poderão fazer frases

relacionadas com a história utilizando essas palavras.

Ex: calções Ú botões

O Tomás não consegue apertar os botões dos seus calções.

3.º Propor aos alunos situações de aprendizagem lúdicas onde possam aplicar e consolidar

algumas das aprendizagens efetuadas anteriormente.

Ex: Dividir os alunos em dois grupos. Distribuir por uma mesa várias imagens de alguns
alimentos. Pedir a um elemento de cada grupo que se dirija à mesa e encontre um alimento

que atenda aos critérios dados:

alimento com três sílabas

fruto com duas sílabas

fruto com duas sílabas que pode ser comido com casca

doce com quatro sílabas ...


6.ª sessão
1.º Propor aos alunos situações de aprendizagem lúdicas onde possam aplicar e consolidar algumas das

aprendizagens efetuadas nas sessões anteriores.

Ex: Dividir os alunos em grupos. Distribuir algumas imagens de alimentos e solicitar aos alunos que um

elemento de cada grupo, alternadamente procure um alimento de acordo com os critérios dados: número de

sílabas.

O aluno só pode levar o alimento para a sua equipa caso acerte. Ganha a equipa que tiver mais alimentos.

2.º Propor aos alunos o jogo do dominó silábico.

Os alunos sentam-se em roda e cada um recebe uma peça de dominó.

A professora coloca a primeira peça no centro. No sentido dos ponteiros do relógio, cada aluno vai colocando
uma peça adequada, caso a tenha (a peça tem de respeitar o número de sílabas). Se não tiver uma que sirva

deve ir buscar uma às que sobraram ou então passa a vez.


7.ª sessão
A FOLHA AMARELA

O facto de estarmos no Outono deve ser aproveitado para dialogar com os alunos sobre vários aspetos

relacionados com esta estação: frutos da época, aspetos climatéricos, aspeto das árvores… As cores das folhas

do Outono é um aspeto que interessa explorar bem, pois terão um papel importante na história que

construirão nesta sessão.

1.º Pedir aos alunos que visualizem várias imagens e tentem construir uma história.

Pode ser necessário ajudar os alunos a encadearem as ideias de forma a dar uma ordem sequencial à história.

As imagens devem ser mostradas, uma a uma, dando a hipótese aos alunos de fazerem algumas frases e

fazerem sugestões.

Chamar a atenção dos alunos para:

Ú cores das folhas

Ú expressões faciais das folhas

Ú levantar algumas hipóteses para as folhas adotarem essas expressões


Depois de os alunos terem visualizado todas as imagens, a história deve ser recontada novamente, desta vez

com mais riqueza de pormenores.

2.º Relembrar algumas das características das folhas e aproveitar essas palavras para fazer alguns jogos como:

divisão silábica de algumas palavras; encontrar palavras que rimam; fazer frases com essas palavras.

ver me lha  te lha

A folha vermelha caiu em cima da telha.


8.ª sessão

1.º Visualizar o filme da história A FOLHA AMARELA contada por um colega, na sessão anterior.

2.º Distribuir por alguns alunos os cartões com as imagens da história A Folha Amarela.

Cada aluno deve observar bem a imagem que tem na mão. O aluno que tem a primeira imagem deve

levantar-se e colocar a sua imagem no quadro magnético. Devem seguir-lhe o exemplo os restantes alunos,

respeitando a sequência da história.

3.º Visualizar com os alunos algumas imagens em ppt.

Pedir-lhes que façam silenciosamente a divisão silábica e digam apenas em voz alta a primeira sílaba da

palavra visualizada (sílaba colorida). Os alunos poderão dizer outras palavras que comecem com a mesma

sílaba.
9.ª sessão
O SAPO E O ESTRANHO

1.º Respeitando o tema abordado nas aulas ao longo da semana nesta sessão optou-se pela leitura do livro O

sapo e o estranho. Esta história permitiu abordar com os alunos aspetos relacionados com a forma

preconceituosa e desconfiada com que, por vezes, recebemos aqueles que não pertencem ao nosso grupo.

2.º Relembrou-se de seguida alguns aspetos da sessão anterior – identificação da primeira sílaba – pedindo-se

aos alunos que identificassem a primeira sílaba de alguns personagens da história ouvida anteriormente.

3.º Seguidamente, distribuíram-se os alunos por pequenos grupos, constituídos por quatro elementos.

Cada grupo recebeu um cubo com quatro imagens tendo-lhes sido pedido que identificassem a primeira sílaba
de cada gravura.

De seguida, pediu-se aos alunos que procurassem outro cubo, cujas imagens começassem com a mesma

sílaba. Os dois cubos deveriam ser encaixados para posteriormente serem visualizados por todos os colegas.
10.ª sessão

1.º A estação do Outono volta a ser aproveitada nesta sessão para abordar aspetos relacionados com a

Natureza através da história O ESPANTALHO ENAMORADO.

A função dos espantalhos, colheita do milho, partida de algumas aves, abertura da época da caça foram

aspetos abordados nesta história. Também a amizade assume nesta história um papel preponderante,

evidenciada na forma como o espantalho e vários animais se ajudam mutuamente.

2.º Relembrar com os alunos algumas palavras da história (personagens e peças de vestuário do caçador e do

espantalho) e pedir-lhes que apliquem conteúdos abordados em sessões anteriores: divisão silábica e

identificação da sílaba inicial de algumas dessas palavras.


3.º Numa ficha de trabalho foi pedido aos alunos que fizessem a correspondência entre as imagens que

começavam com o mesmo som.

Seguidamente, os alunos foram divididos em dois grupos e repetiram-se algumas das actividades efectuadas

em sessões anteriores: dominó silábico e emparelhamento de cubos (formar pares de palavras com o mesmo

som inicial).
11.ª sessão

1.º A aproximação do Natal foi aproveitada para explorar com os alunos algum vocabulário relacionado com a

época natalícia.

2.º Nesta sessão procurou-se desenvolver a linguagem e estimular a criatividade, através da invenção de uma

história de Natal. A figura do Pai Natal foi escolhida pelos alunos para personagem principal da história.

Um aluno iniciou a história e os colegas, sucessivamente, foram acrescentando a história, introduzindo novas

personagens e situações.

Nesta atividade é importante que os alunos estejam atentos à narrativa que se está a criar, para evitar a

repetição de ideias e para que a história tenha uma sequência lógica.

3.º Foi proposto aos alunos uma nova atividade: O jogo do Bingo.

Cada aluno recebe um cartão com seis imagens. A professora diz uma sílaba em voz alta e os alunos deverão

procurar no seu cartão uma imagem que comece com esse som.
Ex: sílaba li - os alunos poderão encontrar imagens de lixo, linha, livro e limão...

Os alunos que tiverem essas gravuras devem assinalar a palavra no cartão.

Ganha o jogo o aluno que conseguir assinalar primeiro todas as imagens do seu cartão.
12.ª sessão
O PINHEIRINHO DE NATAL

1.º Foi repetida a atividade da sessão anterior, pedindo-se aos alunos que inventassem nova

história de Natal, desta vez tendo como ponto de referência um pinheirinho.

2.º Numa ficha de trabalho foi pedido aos alunos que identificassem, em cada rectângulo, a

sílaba inicial das palavras representadas pelas imagens. Os alunos deveriam depois riscar a

palavra intrusa - que não começava com a mesma sílaba.


3.º Seguidamente, os alunos jogaram novamente o jogo do bingo utilizado na sessão

anterior.
13.ª sessão
RECADO PARA O MENINO JESUS

1.º Ainda dentro da comemoração da quadra natalícia foi lida aos alunos a história O presente de Natal.

Após a leitura os alunos visualizaram as imagens e recontaram a história apoiando a sua narrativa nas

gravuras.

Nesta história é realçada a amizade existente entre duas meninas, demonstrada através da oferta de um

presente especial.

Com linguagem simples e com bastantes ilustrações, esta história permite abordar com as crianças valores

como a amizade, formas de demonstrar afeto, o valor sentimental de um presente…

2.º De seguida, relembrou-se com os alunos a noção de rima dada em sessões anteriores.

Seguidamente procedeu-se à leitura da primeira estrofe para que os alunos identificassem as palavras que

rimavam nessa quadra.

Foi proposto ao grupo que, à semelhança do exemplo dado, completassem as frases das restantes quadras

escolhendo outros brinquedos ou objetos que gostariam de pedir ao Menino Jesus, sendo importante que as

palavras escolhidas rimassem.


Alguns alunos completaram os versos fazendo o desenho das palavras escolhidas.

3.º Terminou-se a sessão com o jogo do bingo.


14.ª sessão
DIA DE REIS

1.º Para assinalar o Dia de Reis abordou-se com os alunos alguns aspetos relacionados com esta data,

nomeadamente a chegada dos três Reis Magos a Belém e entrega dos presentes ao Menino Jesus.

Foram ainda abordadas algumas tradições relacionadas com este dia, dando-se ênfase ao facto de em alguns

países, como por exemplo Espanha, ser esta a data escolhida para as crianças receberem os seus presentes de

Natal.

2.º Partindo do diálogo anterior, onde as crianças falaram de algumas prendas que receberam no Natal,

propôs-se aos alunos que, à semelhança do que tinha sido feito na sessão anterior, inventassem uma frase

para escrever em cada um dos presentes apresentados numa ficha. Foi solicitado aos alunos que cada

presente deveria ser atribuído a um colega do grupo e que o conteúdo da caixa deveria rimar com o nome do

aluno escolhido.
Nesta atividade é importante que o aluno discrimine bem a sílaba final do nome do colega, para que possa

encontrar uma palavra/um presente que se adeqúe ao nome escolhido.


3.º Seguidamente, foi apresentado aos alunos um conjunto de imagens em ppt para que identificassem a

sílaba final de cada palavra.

Caso alguns alunos manifestem dificuldade nesta atividade, podemos auxiliá-los, incentivando-os a fazer a

divisão silábica silenciosamente (ou em voz muito baixa) e proferir apenas em voz alta a sílaba final da palavra

visualizada (sílaba colorida).


15.ª sessão
O SAPO NO INVERNO

1.º Nesta sessão foram abordados com os alunos alguns conteúdos relacionados com o

Inverno. Tendo como ponto de partida imagens retiradas de um livro, foram focados alguns

aspetos característicos desta estação como: temperatura e as diversas formas de

combatermos o frio, aspeto geral da Natureza, desportos e brincadeiras próprias desta

época, regiões onde existe muito frio, animais que hibernam e algumas festas que se

comemoram nesta estação como o Natal e a Passagem de Ano.

2.º Partindo do diálogo anterior, foi proposto às crianças que visualizassem as imagens do

livro “O Sapo no Inverno” e com base nessas gravuras construíssem uma história.

De seguida foi lida a verdadeira história e dialogou-se sobre as semelhanças e diferenças


existentes entre as duas versões.

3.º Deu-se seguimento à sessão, fazendo uma breve revisão da aula anterior, apresentado

aos alunos novamente alguns diapositivos para que identificassem a sílaba final de cada

palavra.

Seguidamente, foram projetados novos diapositivos para que, entre as três imagens

visualizadas, os alunos identificassem aquela que não terminava com a mesma sílaba –

palavra intrusa.
16.ª sessão
1.º Com o intuito de preparar os alunos para a participação num jogo ao ar livre, foram relembrados alguns

conteúdos relacionados com a divisão silábica e identificação de sons finais e iniciais em palavras.

2.º Numa ficha de trabalho foi pedido aos alunos que fizessem a correspondência entre as imagens que

terminavam com o mesmo som.

3.º Os alunos deslocaram-se para o exterior da sala e participaram num jogo onde colocaram em prática os

exercícios feitos anteriormente.

Foi dada aos alunos uma explicação sobre as regras do jogo, seguindo-se uma breve exemplificação do

mesmo.

Descrição do jogo:

Os alunos, de pé, formam um círculo. No centro, a professora lança a bola a um dos alunos, pronunciando um

som (uma sílaba). O aluno que recebe a bola deve dizer uma palavra que comece com esse som e devolve a

bola ao centro. O jogo prossegue, com novo lançamento da professora a outro aluno.
O jogo pode ser variado alterando as regras:

 Dizer uma palavra que tenha três sílabas…, uma sílaba, etc.

 Dizer uma palavra que rime com papel…, com coração… etc.

 Dizer uma palavra que comece com o som tu… com o som ma…, etc.

 Dizer uma palavra que termine com o som lu… com o som ca…, etc.

O jogo pode ser adaptado, colocando um aluno no centro a lançar a bola aos colegas. No entanto, isso deve

ser devidamente ponderado dadas as probabilidades das crianças dizerem sons para as quais é difícil ou

mesmo impossível encontrar palavras (ex: palavra começada por lha ou nha).
17.ª sessão

1.º Através da visualização de alguns diapositivos os alunos fizeram, oralmente, a identificação de sons finais e

iniciais em palavras.

2.º Foi proposto aos alunos jogarem novamente o jogo do Bingo, já jogado em sessões anteriores para

identificação da sílaba inicial. Foi dada uma breve explicação sobre as regras do jogo, seguindo-se uma

pequena exemplificação do mesmo, dado que a identificação da sílaba final oferece maior dificuldade para

alguns alunos.

Descrição do jogo:

Cada aluno recebe um cartão com seis imagens.

A professora, em voz alta, pronuncia um som, correspondente a uma sílaba.

Os alunos, após ouvirem a sílaba dita pela professora, procurarão no seu cartão uma imagem que termine com
esse som, assinalando-a.

Ganha o jogo o aluno que conseguir assinalar primeiro todas as imagens no seu cartão.
18.ª sessão
1.º Através da visualização de alguns diapositivos os alunos fizeram, oralmente, a

identificação de sons intermédios em palavras.

2.º Numa ficha de trabalho foi pedido aos alunos que identificassem o som final de cada

palavra representada. Em cada grupo de três imagens os alunos deveriam identificar a

palavra intrusa, por não terminar com o mesmo som.

3.º Os alunos deslocaram-se para o exterior e participaram num jogo onde treinaram a

identificação de palavras que terminavam com o mesmo som.

Descrição do jogo:

Os alunos, de pé, formam um círculo. No centro, a professora lança a bola a um dos alunos,

pronunciando um som, correspondente a uma sílaba. O aluno que recebe a bola deve dizer
uma palavra que termine com esse som e devolve a bola ao centro. O jogo prossegue, com

novo lançamento da professora a outro aluno.


19.ª sessão

1.º Tendo por base as imagens do livro O Sapo Apaixonado os alunos recontaram essa história, que já tinha

sido explorada na sala.

2.º De seguida, fez-se uma revisão de todos os conteúdos dados até ao momento, relacionados com a

identificação de sílabas em palavras. Através da visualização de alguns diapositivos, solicitou-se aos alunos que

identificassem em palavras as sílabas assinaladas a cor. Desta forma os alunos identificaram alguns sons

iniciais, intermédios e finais.

3.º Os alunos foram divididos em grupos e, rotativamente, realizaram as seguintes tarefas:

 Emparelhamento de peças que terminam com o mesmo som (puzzle)

 Emparelhamento de peças que começam com o mesmo som (cubos)


20.ª sessão
1.º Através de uma ficha de trabalho foi feita uma revisão geral dos conteúdos trabalhados com os alunos até

ao momento. Nessa ficha, foi solicitado aos alunos que, em cada imagem, pintassem apenas a sílaba/som

ditado pela professora.

A atividade foi feita por duas fases, de forma a proporcionar graus de dificuldades distintos.

Na primeira parte da ficha (primeiras doze gravuras) os alunos pintaram a sílaba ouvida, sendo respeitada a

sequência das imagens.

Na segunda parte, as sílabas foram ditadas aleatoriamente, obrigando os alunos a procurarem o som nas

várias imagens que ainda restavam na ficha de trabalho.

2.º Seguidamente, os alunos visualizaram algumas imagens em diapositivos, sendo-lhes pedido que

suprimissem a sílaba inicial de forma a formarem uma nova palavra.


21.ª sessão
1.º Os alunos observaram as imagens do livro O SAPO É UM HERÓI e com base nelas contaram a história. Esta

história permite abordar aspectos relacionados com as condições climatéricas próprias do Inverno,

nomeadamente os efeitos das chuvas intensas no quotidiano das pessoas. Permite ainda abordar aspectos

relacionados com a solidariedade e espírito de entreajuda, fundamentais para a vida em sociedade.

2.º Através de uma ficha de trabalho foi feita uma revisão geral dos conteúdos trabalhados na sessão anterior,

relacionados com a formação de novas palavras, feita através da supressão da sílaba inicial.

Nessa ficha, foi solicitado aos alunos que omitissem a sílaba inicial da palavra dada, de forma a formar uma

nova palavra que deveriam desenhar no espaço adequado.


22.ª sessão
1.º Nesta sessão foram propostas atividades de forma a iniciar os alunos na manipulação silábica.

Esta atividade oferece já algum grau de dificuldade para alguns alunos, uma vez que exige a consolidação e

aplicação de conhecimentos adquiridos anteriormente. Acresce ainda que a dificuldade será maior nas

crianças que apresentem lacunas na memória de trabalho e para quem a manipulação silábica será

particularmente difícil.

Os alunos observaram pares de imagens sendo-lhes solicitado que identificassem em cada imagem a sílaba

colorida. Com essas sílabas os alunos deveriam formar uma nova palavra.

2.º Após várias exemplificações foi solicitado aos alunos que aplicassem as aprendizagens efetuadas

realizando, individualmente, uma ficha de trabalho.


3.º Terminou-se a sessão com um jogo ao ar livre ( ver 16.ª sessão).
23.ª sessão
1.º Dado o grau de dificuldade apresentada pela atividade proposta na sessão anterior, que requer

dos alunos consolidação, aplicação e manipulação de conhecimentos adquiridos, foi apresentado

aos alunos um conjunto de diapositivos com o intuito de trabalhar novamente, a formação de novas

palavras, através da manipulação silábica.

2.º Procedeu-se à consolidação das aprendizagens através de uma ficha de trabalho, idêntica à da

sessão anterior.
24.ª sessão
1.º Nesta sessão foi visualizada uma história que permitiu rever com os alunos a noção de

rima, abordar algum vocabulário relacionado com os animais e efetuar contagens

decrescentes de dez a um.

A simplicidade e repetição das quadras facilitaram a memorização e permitiu que os alunos

declamassem a história algumas vezes.

Enquanto alguns alunos declamavam a história em voz alta, outros iam colocando por ordem

as imagens dos animais, respeitando a sequência da narrativa.


2.º Foi proposto aos alunos jogarem novamente o jogo do Bingo, já jogado em sessões

anteriores (identificação da sílaba final).

3.º Terminou-se a sessão com um jogo ao ar livre (descrito na16.ª sessão).


25.ª sessão
1.º Iniciou-se a sessão dialogando-se com os alunos sobre aspetos relacionados com a Páscoa. Aproveitou-se

o diálogo para abordar fenómenos relacionados com a Primavera, nomeadamente o reflorescimento de

algumas plantas e reaparecimento de alguns animais.

Conduziu-se o diálogo de forma a que os alunos enumerassem o nome de diferentes passarinhos, falassem

sobre a construção dos ninhos e forma de reprodução das aves. Dando seguimento à sessão, os alunos

ouviram a história JASMIM, A CHAPIM. Visualizaram depois as imagens e recontaram a história consolidando

alguns dos conhecimentos abordados anteriormente.

2.º Com o objetivo de treinar a manipulação silábica de palavras, foi solicitado aos alunos que realizassem

mais uma ficha de trabalho idêntica às realizadas em sessões anteriores.


26.ª sessão
1.º Esta sessão foi dedicada à discriminação de sons acusticamente muito semelhantes,

nomeadamente o v e o f. Muitas crianças revelam dificuldade em fazer a discriminação

destes dois sons dado que o ponto de articulação é praticamente igual (ambas as

consoantes se pronunciam colocando o lábio inferior ligeiramente encostado aos incisivos

superiores). Por este motivo, a discriminação auditiva entre o som v e f é particularmente

difícil para a criança, uma vez que as pistas visuais são insuficientes para ajudá-la a

diferenciar os dois sons.

Assim sendo, é importante ajudar o aluno a “sentir” a diferença entre o som f e o som v.

Podemos ajudar as crianças a discriminarem estes sons, pedindo-lhes que encostem o dedo

indicador ao lábio inferior (o dedo deve ser colocado na posição horizontal, paralelo ao lábio

e sem pressão excessiva).

A criança ao pronunciar o som v deverá sentir no dedo uma vibração que não existe na

consoante f. É conveniente que o aluno pronuncie o som v de forma continuada para que se

aperceba bem da vibração.


De seguida, procurou-se aplicar as aprendizagens efetuadas através da visualização

de diapositivos onde os alunos tinham que identificar a imagem que continha o som v.

2.º Para consolidar e aperfeiçoar a habilidade para diferenciar sons, jogou-se novamente ao

jogo do Bingo – sílaba final (descrito na 17.ª sessão).


27.ª sessão
1.º Nesta sessão deu-se continuidade ao trabalho de discriminação auditiva dos

sons v e f. Dado que a tarefa apresenta um grau de dificuldade elevada para alguns

alunos, é importante desenvolver um trabalho mais individualizado recorrendo às pistas e

ajudas expostas na sessão anterior.

Nesta sessão foram espalhadas numa mesa várias imagens (apenas imagens que incluíam

o som v ou f). Pediu-se aos alunos que individualmente, um de cada vez, retirasse uma

imagem e identificasse qual o som contido nessa palavra: o f ou o v?

Após identificação do som o aluno colou a imagem no local adequado (ficha).


28.ª sessão
1.º Dado que alguns alunos ainda apresentam dificuldade em diferenciar em palavras o som

/v/ e /f/ deu-se continuidade ao trabalho das sessões anteriores que visavam desenvolver a

discriminação auditiva. Através da visualização de diapositivos pediu-se aos alunos que, nas

palavras representadas pelas imagens, diferenciassem o som /v/ ou /f/ de forma a

escolherem a imagem correcta.

3.º De seguida, pediu-se aos alunos que numa ficha de trabalho, identificassem e pintassem

apenas as imagens onde encontrassem o som /v/.


3.º Terminou-se a sessão com a audição de uma história – Elmer e o passarão. Após a

narração, os alunos visualizaram as imagens do livro e recontaram a história novamente. O

reconto da história por parte dos alunos teve como principal objetivo contribuir para o

desenvolvimento da expressão oral e ajudar a criança a fazer uma narrativa com uma

sequência lógica.
29.ª sessão

1.º Iniciou-se a sessão relembrando a história – Elmer e o passarão e com base nas ilustrações do livro os

alunos recontaram a história.

Esta história para além do desenvolvimento da expressão oral permite trabalhar com os alunos valores

fundamentais como a solidariedade e espírito de grupo, dando sentido ao provérbio popular “ a união faz a

força”. Os alunos podem verificar que através do diálogo e da união conjunta de esforços é possível encontrar

a solução para um problema.

2.º Dado que algumas crianças apresentam ainda dificuldade na discriminação auditiva entre o /v/ e o /f/

devido à similaridade fonética existente entre estes dois sons, foi proposta a realização de uma ficha de

trabalho onde os alunos tinham de pintar a sílaba onde encontrassem o som /v/.
30.ª sessão
1.º Deu-se continuidade ao trabalho iniciado em sessões anteriores mostrando aos alunos diapositivos para

identificação do som /v/ e /f/.

2.º De seguida, solicitou-se a cada aluno que tentasse descobrir se o seu nome ou sobrenome aparecia

alguma sílaba onde se identificasse os sons em estudo - /v/ ou /f/.

2.º Foi realizada uma ficha de trabalho com vista à consolidação das aprendizagens em estudo.
31.ª sessão
1.º Nesta sessão deu-se continuidade ao trabalho de discriminação de sons acusticamente muito semelhantes,

introduzindo-se a diferenciação dos sons /j/ e /x/.

Tal como acontece com os sons v e f, também nestes fonemas, as pistas visuais são insuficientes para que os

alunos consigam diferenciar os dois sons, devendo por isso dedicar-se alguma atenção a esta tarefa.

Podemos ajudar o aluno a discriminar estes sons, pedindo à criança que encoste a palma da mão na garganta

ou debaixo do queixo. A criança ao pronunciar a consoante j deverá sentir alguma vibração nos dedos, o que

não acontece no som x.

2.º Para consolidar e aperfeiçoar a habilidade para diferenciar os dois sons foram distribuídas imagens pelos

alunos, para que eles identificassem o som em cada uma delas (j ou x?).
Para que os alunos percebessem bem a diferença entre os dois sons foram incentivados a pronunciar cada

palavra representada pela gravura, utilizando os dois fonemas.


32.ª sessão
1.º Nesta sessão deu-se continuidade ao trabalho de discriminação dos sons /j/ e /x/. Com o

intuito de preparar os alunos para a realização de uma ficha de trabalho, foi-lhes solicitado

que identificassem o som escondido em cada uma das imagens apresentadas na ficha: o

som j ou x?

De seguida os alunos realizaram a actividade proposta: encontrar o caminho seguido pela

joaninha para chegar ao girassol, devendo para isso pintar apenas as imagens onde

encontrassem o som /j/.


33.ª sessão
1.º Nesta sessão deu-se continuidade ao trabalho de discriminação auditiva dos sons x e j. Através da

visualização de diapositivos pediu-se aos alunos que identificassem (no par de imagens) a sílaba que se

repetia.

Ex: Nas duas palavras, chupeta e chupa, encontramos a sílaba chu.

2.º Seguidamente foram espalhadas numa mesa várias imagens (apenas imagens que incluíam o som x ou j).

Pediu-se aos alunos que individualmente, um de cada vez, retirasse uma imagem e identificasse qual o som

contido nessa palavra: o x ou o j?

Após identificação do som o aluno colou a imagem no local adequado (ficha).