Você está na página 1de 9

14 de janeiro de 2018

Lição 3: A Superioridade de Jesus em relação a Moisés

Material de apoio gratuito aos professores e alunos de escola dominical


Plano de aula preparado por Francisco Barbosa. Pode ser baixado e usado como desejar.
- Estamos mudando para nos adaptar às normas da ABNT -

A CPAD publicou uma ERRATA relativa a lição 3 de adultos referente à


diagramação da Revista feita pela Editora. O problema está nos dois últimos
pontos do terceiro tópico, são os mesmos da lição 3 da revista do trimestre
passado.
Este comentário está com o conteúdo correto.

Lição 3
21 de Janeiro de 2018
A Superioridade de Jesus em relação a Moisés
Comentário
INTRODUÇÃO

O autor dá início ao capítulo três fazendo um contraste entre Moisés e Cristo.


Ele estava consciente da grande estima que seus compatriotas tinham pela
figura do grande legislador hebreu, Moisés. Em nenhum momento desse
contraste o autor deprecia a pessoa de Moisés, mas sempre o coloca como um
homem fiel a Deus na execução de sua obra. Entretanto, mesmo tendo assumido
a grande missão de conduzir o povo rumo à Terra Prometida, Moisés não poderia
se equiparar a Jesus, o Autor da nossa fé. O contraste entre Moisés e Cristo é
bem definido: Moisés é visto como um administrador da casa, Jesus como
Edificador; Moisés é retratado como servo, Jesus como Filho; Moisés foi enviado
em uma missão terrena, Jesus numa missão celestial, eterna. (LB CPAD, 1º Trim
2018, Lição 3, 21 jan 18)

Como já exposto nas lições anteriores, os crentes hebreus estavam


enfrentando um esfriamento na fé e pensando em abandonar a fé voltando ao
judaísmo. Numa época de intensa perseguição e dificuldade para os cristãos
“… Naquele dia, levantou-se grande perseguição contra a igreja em Jerusalém;
e todos, exceto os apóstolos, foram dispersos pelas regiões da Judéia e
Samaria” (At 8.1).
“[...]No capítulo 1 de Hebreus, o autor afirmou que Jesus é superior tanto aos
outros profetas de Deus como aos anjos. Ele continua sua afirmação no capítulo
três, observando que Jesus é superior até mesmo a Moisés! Os judeus tinham
muito respeito por Moisés, porque ele recebeu a velha lei de Deus e o escritor
de Hebreus reconhece sua fidelidade. Mas Jesus é superior até mesmo a
Moisés, do mesmo modo que o construtor de uma casa tem mais honra do que
a casa que ele constrói (3:3), assim como o filho do dono da casa é superior a
um servo daquela casa (3:1-6). De fato, é sua casa! O escritor fala da igreja (3:6-
“qual casa somos nós”; veja também 1 Timóteo 3:15). Mais tarde, no livro, o
escritor estenderá este argumento da superioridade de Jesus, observando que
sua aliança é também superior àquela dada através de Moisés (capítulos 9 e
10).” (DVORAK. Allen, O Livro de Hebreus. ©1996. Estudo Textual: Hebreus 3:1-4:16 Um Descanso Permanece.
Disponível em:https://www.estudosdabiblia.net/hebreus.htm#Hebreus 2:1-18. Acesso em 10 jan, 2018)

“Pelo que, santos irmãos, participantes da vocação celestial, considerai o


Apóstolo e Sumo Sacerdote da nossa confissão, Jesus” (3.1). O autor utiliza um
‘Imperativo Afirmativo’ – ‘Considerai’, (“julgar; caracterizar determinada coisa”;
“fazer julgamentos”; “Não desprezar; ter em conta”; “Respeitar; demonstrar
respeito por”), para exortar aqueles crentes para que fixem-se em Jesus; olhem
para Jesus. Jesus Cristo é o alvo a ser alcançado, não deveriam olhar para trás.
Jesus é superior à Moisés, é o Apóstolo, o enviado e pontífice da fé que
professamos; Ele é o Sumo Sacerdote, Aquele que faz expiação por nós, que
intercede diante de Deus em nosso favor. Julguem, não desprezem,
demonstrem respeito por Aquele que cumprirá o nosso chamado “celestial”. Ele
nos conduzirá para a glória (Hb 2.10). Vamos pensar maduramente a fé
cristã?

TÓPICO l - UMA TAREFA SUPERIOR

1. Uma vocação superior. O autor introduz a seção vv.1-6 tomando como


ponto de partida o que havia dito anteriormente — Jesus era o autor e mediador
da nossa salvação (Hb 2.14-18). Tomando por base esse conhecimento, seus
leitores, a quem ele chama afetuosamente de irmãos santos, deveriam ficar
atentos ao que seria dito agora (Hb 3.1). Eles não eram apenas um povo nômade
pelo deserto escaldante à procura da Terra Prometida, mas herdeiros de uma
vocação celestial. Eles deveriam se lembrar de quem os fez aptos e idôneos
dessa vocação. Nesse aspecto, os leitores de Hebreus não deveriam ter dúvida
alguma de que Jesus, como Aquele que os conduzia ao destino eterno, era em
tudo superior a Moisés, a quem coube a missão de conduzir o povo à Canaã
terrena. (LB CPAD, 1º Trim 2018, Lição 3, 21 jan 18)

Moisés foi o líder durante toda a peregrinação de Israel no deserto por 40


anos. Nos relatos de Êxodo e Deuteronômio podemos ver a dureza de coração
e a incredulidade do povo de Israel, que mesmo experimentado portentosas
demonstrações de poder de Yahweh, quando graciosamente foram libertos sob
Moisés, com sinais e prodígios (pragas e abertura do Mar Vermelho), não
hesitavam em olhar para traz e pecar contra Deus. Moisés liderou esse povo de
‘dura cerviz’ ao Monte Sinai onde Deus lhes deu a Lei com grandes
demonstrações de poder (fogo, trovões, sonido), e do Sinai, levou-os à entrada
da terra prometida. O autor da carta aos Hebreus destaca a fidelidade de Moisés
na condução do povo bem como para com Deus, mas como servo. Agora, ele
nos faz ver que Cristo é superior a Moisés, porque ele é Filho, o Filho de Deus,
o Criador de todas as coisas. O Novo Testamento está recheado de referências
falando sobre que Cristo é efetivamente Filho de Deus. Aliás, ele é o Filho
Unigênito de Deus em essência, porque não foi gerado por um homem, mas pelo
Espírito Santo de Deus.
“DA ESPERANÇA ATÉ O FIM. O evangelho nos ensina que somos salvo em
esperança, e isso nos faz olhar para o futuro e com plena fé ter a certeza que
Cristo nos levará para si mesmo (João 14:2-3). O segredo não está em
simplesmente levantar a mão aceitando a Cristo como Salvador, mas sim, em
tê-lo aceito como Senhor, porque quem aceita a Cristo como Senhor, não faz
mais a sua própria vontade, mas a vontade soberana de Deus.” (COMENTÁRIO DO
NOVO TESTAMENTO Versículo Por Versículo, Hebreus 3.6. Disponível
em:http://comentarionovotestamento.blogspot.com.br/2017/03/hebreus-36.html. Acesso em 6 jan, 2018)

2. Uma missão superior. O autor pela primeira vez usa a palavra apóstolo
em relação a Jesus (Hb 3.1). A palavra apóstolo se refere a alguém que é
comissionado como um representante autorizado. Não havia dúvida de que
Moisés havia sido um enviado de Deus em uma missão, todavia, ele não foi o
"apóstolo da grande salvação". A missão de Moisés foi tirar o povo de dentro do
Egito e conduzi-lo à Terra Prometida, mas a missão de Jesus é a de conduzir a
Igreja à Canaã celestial. A missão mosaica era daqui, a Canaã terrena; a missão
de Jesus possuía uma vocação celestial. Cristo não foi apenas um enviado em
uma missão, mas acima de tudo, o apóstolo da nossa confissão, alguém com
autoridade na missão de nos conduzir ao destino eterno. (LB CPAD, 1º Trim
2018, Lição 3, 21 jan 18)

O capítulo três começa chamando nossa atenção para os papéis de Jesus


como Apóstolo e Sumo Sacerdote. Apóstolo é uma palavra grega que
significa aquele que é enviado, mensageiro ou embaixador. Aquele que
representa a quem o enviou. Este título é aplicado a Cristo somente neste lugar
no Novo Testamento, e enfatiza o fiel cumprimento da missão que o Pai lhe deu
(veja o versículo 2; 10.5-16; Jo 6.38). O capítulo 4 termina encorajando o cristão
a conservar-se firme na sua confissão e apelar para seu Sumo Sacerdote, por
auxílio no tempo da necessidade (4:14-16).
“Com referência a Nm 12.7Moisés e Cristo são comparados quanto à finalidade
e contrastados quanto à honra. Embora privilegiado para falar face a face com
Deus e ver a sua forma (Nm 12.8), Moisés era apenas um ‘servo’ na casa de
Deus (v. 5). Cristo, porém, como agente da Criação (1.2,10), merece a honra
como o Construtor divino de todas as coisas e ‘como Filho, em sua casa’ (v.
6).” (Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri, Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999. Nota textual
Hebreus 3.2-6. Pág. 1466.)

Assim, é garantida nossa chegada à Canaã Celestial, pois Cristo não foi
apenas o enviado com uma missão, mas o enviado para a religião cristã!
‘Confissão’ em 3.1 é uma metonímia, a coisa professada, isto é, Jesus a quem
professamos. Hebreus 4.14 tem um uso semelhante da palavra, porque os
leitores são ordenados a conservarem firme a sua confissão, mais uma vez com
referência a Jesus como Sumo Sacerdote.

3. Uma mediação superior. Depois de afirmar que Jesus era "o apóstolo", o
autor também diz que Ele é o "sumo sacerdote da nossa confissão". Jesus era
superior a Moisés, não apenas em relação à missão, mas também em relação à
função que exercia. O autor fará um contraste mais detalhado entre o sacerdócio
de Cristo e o araônico mais adiante, mas aqui os crentes deveriam ter em mente
que a mediação de Jesus era em tudo superior ao sistema mosaico e levítico.
Cristo era o mediador da nossa confissão. A palavra "confissão" traduz o termo
original homoiogia, que tem o sentido primeiro de "concordância". Quando
confessamos Jesus como Salvador, concordamos que Ele em tudo tem a
primazia. Ele é o Senhor. Ele é maior do que tudo e do que todos; Ele, e somente
Ele, é a razão do nosso viver. (LB CPAD, 1º Trim 2018, Lição 3, 21 jan 18)

O autor chama a Cristo de Sumo Sacerdote e o compara ao sumo sacerdote


judeu, por ter se oferecido a si mesmo como o sacrifício pelos pecados (Hb 9.7,
11, 12). Cristo é Sumo Sacerdote de acordo com a ordem de Melquisedeque,
(Cap. 5 e 6), e no capítulo 7, o autor explica por que Jesus não pertence à ordem
Aarônica e sim à ordem segundo Melquisedeque. O Antigo Testamento
esclarece o ofício de um sumo sacerdote como representante dos homens,
entrando na presença do Senhor para oferecer sangue em benefício dos
pecadores.
“De conformidade com o propósito do escritor de Hebreus, Jesus é
apresentado como um sumo sacerdote superior aos sacerdotes levitas. Os
sumos sacerdotes do Velho Testamento, oferecendo sangue pelos pecados do
povo, eram, eles mesmos, realmente pecadores (Hb 5.1-3; 7.26-27). Antes que
o sumo sacerdote pudesse fazer intercessão pelo povo no Dia da Expiação, ele
tinha que oferecer um novilho pelos seus próprios pecados. Jesus, contudo,
ainda que tentado, era sem pecado (Hb 2.18;4.15;7.26). Ainda mais, Jesus não
fica impedido pela morte em seu serviço como sumo sacerdote. Os sacerdotes
do Velho Testamento, sendo homens, morriam e o serviço de sumo sacerdote
era passado ao próximo homem apontado pelo mandamento da Lei de Moisés.
Jesus vive para sempre e é assim capaz de continuar com seu serviço sacerdotal
tanto tempo quanto for necessário (Hb 7.23-25). Até mesmo o local do seu
serviço é superior, sendo um tabernáculo celestial em vez de um físico. Jesus
pode entrar na presença de Deus sem uma nuvem de incenso para protegê-lo
porque ele não tem pecado. Obviamente, o serviço sacerdotal de Jesus é
superior em outro ponto importantíssimo. Jesus não ofereceu diante de Deus o
sangue de um animal, um sacrifício inadequado para o perdão (Hb 10.4). Em vez
disso, ele ofereceu seu próprio sangue, assim tornando-se tanto o sacerdote
como o sacrifício (Hb 9.11-12, 28)! Pelo fato de seu sacrifício ter sido adequado
para o perdão dos pecados, precisou ser feito somente uma vez, em contraste
com os sacrifícios dos sacerdotes do Velho Testamento, que eram oferecidos
ano após ano (Hb 9.12,24-28;10.10-14). No tabernáculo e no templo do Velho
Testamento, somente o sumo sacerdote podia entrar no Santo dos Santos, uma
vez por ano, sempre com sangue como oferenda pelo pecado. Agora, contudo,
o caminho para o Santo dos Santos celestial está aberto por causa da obra
sacrifical de Jesus. Deus mostrou o significado da morte de Jesus rasgando o
véu que separava o Santo dos Santos do Santo Lugar quando Jesus morreu (Mt
27.51). O privilégio de entrar e habitar na presença de Deus no céu está
disponível a todos através do sangue de Jesus Cristo (Hb 10.19-22). Assim como
Jesus em sua pureza entrou na presença de Deus, também podemos entrar na
presença de Deus purificados pelo sangue de Jesus Cristo. Deus seja louvado
por esta maravilhosa esperança!” ((DVORAK. Allen, Jesus: Perfeito Sumo Sacerdote. Disponível
em: https://www.estudosdabiblia.net/d48.htm. Acesso em 6 jan, 2018)

‘VENHA COMIGO ENVIAR UM MISSIONÁRIO À ÁFRICA!’


Venha com o Blog Auxílio ao Mestre apoiar o projeto da jovem Missionária
KILANNY QUEIROZ, com uma pequena oferta mensal. Ela precisa do nosso
apoio. Clique na imagem, conheça o projeto e saiba como ajudar.
TÓPICO II - UMA AUTORIDADE SUPERIOR

1. Construtor, não apenas administrador. O autor destaca que tanto Moisés


como Jesus foram fiéis na "casa de Deus" (Hb 3.2). Eles foram fiéis na missão
que lhes foram confiada. Isso mostra o apreço que o autor possuía pelo
legislador hebreu. Todavia, ao se referir a Jesus, o autor usa a palavra grega
aksioô, traduzida como "digno", "valor", "mérito". Duas coisas precisam ser
destacadas no uso desse vocábulo pelo autor. Primeiramente ele quer mostrar
que o mérito de Jesus era maior do que o de Moisés. Nosso Senhor era o
construtor do edifício, da casa de Deus, e não apenas o mordomo, como fora
Moisés. Os crentes precisavam enxergar isso e, assim, valorizarem mais a sua
salvação. Por outro lado, ao usar o pretérito perfeito (tempo verbal grego), ele
demonstra que a glória de Moisés era desvanecente, enquanto a de Jesus era
permanente. (LB CPAD, 1º Trim 2018, Lição 3, 21 jan 18)

A comparação é ressaltada pela declaração de que aquele que estabeleceu


a casa é maior do que a própria casa. Há duas interpretações para quem seja o
‘construtor’. A primeira afirma que é Jesus, já que Ele está sendo comparado à
Moisés, neste caso, a comparação é entre Jesus, o edificador da casa, e Moisés,
a casa que Ele edificou. Uma segunda interpretação identifica Deus como o
edificador, o que é apoiado pelo v. 4.
“A implicação necessária é que Jesus é o construtor da casa e, portanto, que
ele é divino (v. 4). Este texto indica tanto a identidade de Crsito como Deus (‘que
a estabeleceu’) quanto a sua distinção pessoal do Pai (v. 6)”. (Bíblia de Estudo de
Genebra. São Paulo e Barueri, Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999. Nota textual Hebreus 3.2-6. Pág.
1466.)

Talvez haja aqui a idéia de Jesus Cristo como Fundador da Sua casa, a igreja.
Ainda que, não é o caso fazermos nenhuma distinção entre o Pai e o Filho aqui,
porque é Deus quem funda Sua própria casa, mas o faz através do Seu Filho.
“Deve ser notado que a combinação de glória e honra neste
versículo corresponde não somente à citação do Salmo 8 em 2.7, como também
ao louvor ao Cordeiro pelos seres viventes em Apocalipse 5.12-13 (cf. também
Ap 4.9, 11; 7.12). Mesmo assim, no presente versículo “glória” é aplicada às
pessoas e “honra” à casa e ao edificador, presumivelmente porque “glória” seria
uma idéia menos apropriada a aplicar a uma construção ou ao seu
construto.” (GUTHRIE, Donald.Hebreus introdução e comentário – Ed Vida Nova e Mundo Cristão. Disponível
em:https://teologiaediscernimento.files.wordpress.com/2014/08/hebreus-introduc3a7c3a3o-e-comentc3a1rio-donald-
guthrie.pdf. Acesso em 6 jan, 2018)

2. Filho, não apenas servo. O autor sabe da grande estima que Moisés
possuía dentro da comunidade judaico-cristã e por isso é extremamente
cuidadoso no uso das palavras. “E, na verdade, Moisés foi fiel em toda a sua
casa, como servo, para testemunho das coisas que se haviam de anunciar; mas
Cristo, como Filho, sobre a sua própria casa; a qual casa somos nós, se tão
somente conservarmos firme a confiança e a glória da esperança até ao fim” (Hb
3.5,6). Em vez de usar o termo doulos (servo), vocábulo usado para se referir a
um escravo ou serviçal, ele usa outro vocábulo, therápôn. Essa palavra só
aparece aqui no Novo Testamento e é traduzida como servo ou ministro. A ideia
expressa é de um serviço que é prestado de forma voluntária entre duas pessoas
que se relacionam bem. Assim era Moisés com o seu Deus. Mas o autor deixa
claro que esse relacionamento de Moisés com Deus não podia se equiparar ao
de Deus com o seu Filho, Jesus. (LB CPAD, 1º Trim 2018, Lição 3, 21 jan 18)

Outra linha de argumento agora é introduzida para reforçar a posição superior


de Cristo sobre Moisés — a diferença entre um Filho e um servo.33 Mais uma
vez, a fidelidade de Moisés é enfatizada de uma maneira que sugere nada mais
de que um servo. A palavra traduzida “servo” aqui não é o teimo
usual doulos que é usado noutras partes do Novo Testamento, mas,
sim, therapôn que ocorre somente aqui. Refere-se a um “serviço pessoal
prestado gratuitamente. É uma palavra de mais ternura do que doulos e não
subentende as implicações de servilidade desta última palavra. Mesmo assim, o
assistente pessoal não pode compartilhar da mesma categoria do Filho. No caso
de Moisés, o servo tinha uma tarefa importante a realizar, para dar testemunho
do que havia de se seguir. Noutras palavras, aquilo que Moisés representa na
história judaica não é completo em si mesmo. Apontava para o futuro, para uma
revelação mais plena de Deus num tempo posterior, i.é, diz respeito a coisas que
haviam de ser anunciadas, expressão esta que deve indicar o tempo de Cristo.
A missão do servo, por mais grandiosa que fosse, prepara o caminho para a
missão muito maior do Filho.
A fidelidade de Cristo é repetida para ressaltar sua superioridade à de Moisés,
em virtude da Sua Filiação. Como Filho ecoa o tema principal da parte inicial da
Epístola. O escritor está impressionado pelo pensamento de que nosso Sumo
Sacerdote não é outro senão o Filho de Deus. Isto ficará evidente em vários
momentos no desenvolvimento da sua discussão. Para ele, a Filiação de Jesus
acrescenta dignidade incomparável ao ofício sumo-sacerdotal. (GUTHRIE, Donald. A
Carta aos Hebreus - Introdução e Comentário por - Sociedade Religiosa Edições Vida Nova e Associação Religiosa
Editora Mundo Cristão. Disponível em:https://teologiaediscernimento.files.wordpress.com/2014/08/hebreus-
introduc3a7c3a3o-e-comentc3a1rio-donald-guthrie.pdf. Acesso em 6 jan, 2018).

3. Uma igreja, não apenas tabernáculo. Alguns autores entendem que a


expressão “casa de Deus” usada em relação a Moisés pode se referir ao
tabernáculo como centro do culto mosaico no deserto, enquanto outros veem
como uma referência à antiga congregação do povo de Deus do êxodo. Em todo
caso, a ideia gira em torno do povo de Deus que adora na Antiga Aliança. Moisés
foi um ministro de Deus no culto da congregação do deserto. Mas Jesus, como
Filho é o ministro da Igreja, o povo de Deus na Nova Aliança, “a qual casa somos
nós” (Hb 3.6). (LB CPAD, 1º Trim 2018, Lição 3, 21 jan 18)

Enquanto ainda pensa na casa de Deus, fica sendo mais específico e


identifica seus leitores com a casa, mas estabelece uma condição ao assim
fazer: se guardamos firme até ao fim a ousadia e a exultação da esperança. As
declarações condicionais nesta Epístola são significantes. O escritor deseja
tomar claro que somente aqueles que são coerentes com aquilo que professam
têm qualquer direito de fazer parte da “casa”. A palavra traduzida “ousadia” ou
“confiança” (parrèsia) é outra idéia característica nesta Epístola. Aqui a
implicação é que temos uma certeza sólida à qual podemos apegar-nos. A
palavra neotestamentária para “esperança” é muito mais enfática do que o uso
normal em português, onde quase não significa mais do que um piedoso desejo
que talvez não tenha base real nos fatos. Tal tipo de esperança dificilmente
forneceria uma base satisfatória para a exultação. Ninguém vai exultar numa
coisa que não tem certeza de que irá acontecer. O escritor está suficientemente
convicto da certeza da esperança cristã para usar uma expressão enfática
(tokauchéma, jactância exultante) para descrever a atitude do cristão para com
ela. Vale notar que a ousadia da qual aqui se fala é referida outra vez no fim da
discussão teológica e no começo da aplicação (cf. 10.19). A mesma idéia de
“guardar firme” que é usada aqui ocorre lá na forma de uma exortação. (GUTHRIE,
Donald. A Carta aos Hebreus - Introdução e Comentário por - Sociedade Religiosa Edições Vida Nova e Associação
Religiosa Editora Mundo Cristão. Disponível em:https://teologiaediscernimento.files.wordpress.com/2014/08/hebreus-
introduc3a7c3a3o-e-comentc3a1rio-donald-guthrie.pdf. Acesso em 6 jan, 2018).

TÓPICO III - UM DISCURSO SUPERIOR

1. O perigo de ouvir, mas não atender. Seguindo a redação da Septuaginta


(tradução grega da Bíblia Hebraica), o autor cita o Salmo 95.7-11 para trazer
uma série de advertências. Se o povo de Deus no Antigo Pacto precisou ser
exortado, maior exortação precisava os que tinham maiores promessas.
Primeiramente havia o perigo de ouvir e não atender (Hb 3.7,8). No passado, o
povo de Deus tinha ouvido a mensagem divina; entendido, mas não atendido! O
mesmo erro estava se repetindo. O Espírito Santo, falando profeticamente pela
boca do salmista, advertia os o leitores para que seus corações não se
endurecessem. É um apelo atual, porque o povo de Deus muitas vezes
demonstra ser tardio para ouvir. (LB CPAD, 1º Trim 2018, Lição 3, 21 jan 18)

O autor agora cita o Salmo 95.7-11 e passa a usar numerosas citações e


alusões breves a fim de permanecer dentro do alvo de sua exposição e advertir
para ‘não endurecer o coração’. o Salmo 95.7 diz: “pois ele é o nosso Deus, e
nós somos o povo do seu pastoreio, o rebanho que ele conduz” que se enquadra
bem no conceito cristão da igreja como o rebanho de Deus. Mas a exortação
subseqüente contra a imitação do exemplo dos israelitas introduz uma nota
severa de advertência.

2. O perigo de ver, mas não crer. "[...] E viram, por quarenta anos, as minhas
obras" (Hb 3.9). Erra quem pensa que só acredita quem vê. Parece que quem
muito vê, menos acredita. Acaba ficando acostumado com o sobrenatural. Para
algumas pessoas o sobrenatural se "naturaliza". É exatamente isso que
aconteceu no deserto e era especificamente isso que acontecera com a
comunidade dos primeiros leitores de Hebreus. Tanto Moisés como Jesus foram
poderosos em obras, mas isso não era suficiente para segurar os crentes. É
preocupante quando o cristão se acostuma com o sobrenatural e nada mais
parece impactá-lo ou sensibilizá-lo. (LB CPAD, 1º Trim 2018, Lição 3, 21 jan 18)

No texto de 3.9 temos uma descrição da desobediência de Israel para lembra-


nos contra a doção de uma atitude fixa de desobediência a Deus.
“Estas foram duas ocasiões clássicas que se destacam na história de Israel
como ocorrências de rebelião contra Deus. A palavra usada para rebelião
(parapikrasmos) ocorre no Novo Testamento somente aqui e no v. 15, e vem da
raiz pikros (“amargo”); pode ter sido sugerida pelo incidente em Meribá, onde a
água foi achada amarga. Parece ter sua origem na própria Septuaginta, para
expressar de modo deliberado a provocação contra Deus. Deve ser distinguida
da palavra paralela em SI 95.10 (ARA desgostado), que significa “ter nojo de,
aborrecer,” MM).” (GUTHRIE, Donald.Hebreus introdução e comentário – Ed Vida Nova e Mundo Cristão.
Disponível em:https://teologiaediscernimento.files.wordpress.com/2014/08/hebreus-introduc3a7c3a3o-e-comentc3a1rio-
donald-guthrie.pdf. Acesso em 6 jan, 2018)

“E o Senhor disse a Moisés: ‘Até quando este povo me tratará com pouco
caso? Até quando se recusará a crer em mim, apesar de todos os sinais que
realizei entre eles? Eu os ferirei com praga e os destruirei…” (Nm 14.11-12).
Deus estava realizando no meio dos israelitas diversos sinais miraculosos,
desde que os tirou do Egito, e, mesmo assim, eles duvidaram do poder de Deus
de conduzi-los à Canaã. Em consequência da incredulidade, infidelidade e
desobediência do povo, Deus fez com que eles levassem 40 anos para
atravessar o deserto, até que aquela geração que saiu do Egito perecesse. Por
causa da sua incredulidade, apenas dois entraram na Terra Prometida: Calebe
e Josué. Isso nos serve de lição: Não devemos duvidar da fidelidade e do poder
de Deus.

3. O perigo de começar, mas não terminar. "Estes sempre erram em seu


coração e não conheceram os meus caminhos" (Hb 3.10b). Com essas palavras
o autor mostra o perigo de começar, mas não chegar; de andar, mas se desviar.
Alguns do antigo povo de Deus haviam começado bem, mas terminado mal.
Muitos caíram pelo caminho, desistiram da estrada. O mesmo risco estava
ocorrendo com os cristãos neotestamentários — haviam começado bem, mas
corriam o risco de caírem e perderem a fé. Esse alerta é para nós hoje! Como
está a tua fé? (LB CPAD, 1º Trim 2018, Lição 3, 21 jan 18)

A ignorância dos caminhos de Deus naturalmente leva as pessoas a desviar-


se deles. O inverso também é verdade, quando em um estado endurecido de
mente torna-se impenetrável à voz de Deus e leva à ignorância cada vez maior
dos Seus caminhos, não porque Deus não os faça conhecidos, mas, sim, porque
a mente endurecida não tem disposição alguma para escutar. O que era
verdadeiro para os israelitas é um comentário sobre todos aqueles que resistem
às reivindicações de Deus. O verdadeiro cristianismo é demonstrado pela
perseverança, pela confiança contínua em Cristo e pela lealdade para com
aquele que é a nossa esperança (cf. Cl 1.27). Não é aquele que diz que pertence
à casa de Deus que é verdadeiramente salvo, mas sim aquele que permanece
crendo até o fim.

CONCLUSÃO

Ao mostrar a superioridade de Jesus sobre Moisés, o autor da Carta aos


Hebreus não tencionava exaltar o primeiro e desprezar o segundo, mas pôr em
relevo a obra do Calvário, bem como esclarecer como os crentes devem valorizá-
la. Ora, se Moisés que não era divino, que não se deu sacrificalmente em lugar
de ninguém, merecia ser ouvido, então por que Jesus, o Filho do Deus bendito,
Senhor da Igreja e superior aos anjos, não merecia reconhecimento ainda maior?
(LB CPAD, 1º Trim 2018, Lição 3, 21 jan 18)
Para concluir, quero ir um pouco mais longe do que o fechamento do
comentarista. Gostaria de refletir em Números 20, a partir do versículo 8, e
aplicar as lições do deserto de Zim, para entendermos ainda melhor a
superioridade de Cristo em relação à Moisés. Depois de muitas lutas e
sofrimentos, Moisés não pôde entrar na terra prometida, e o motivo foi a sua
desobediência e, pasmem, sua falta de fé (Nm 20.12; Dt 32.51). A ordem era
falar à rocha e não feri-la. Aquela rocha era um símbolo de Jesus; no sermão da
montanha, Jesus é a rocha sobre a qual o homem prudente edifica sua casa (Mt
7.24-25). Moisés acabou extrapolando sua autoridade e tomou para ele a glória
da água da rocha, porque ele disse ao povo: “Porventura tiraremos água desta
rocha para vós?” Com esta expressão egoísta (“tiraremos”), e uma dúvida
(“porventura”), temos uma ausência total da glória devida a Deus! Por tudo isto,
o Filho é superior ao servo – apesar de ferido, injuriado, injustiçado, deu-se
sacrificialmente em lugar do povo...

“... corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta, olhando
firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus ...” (Hebreus 12.1-2),
Francisco Barbosa
Campina Grande-PB
Janeiro de 2018

Postado por Francisco Barbosa

Interesses relacionados