Você está na página 1de 3

Profº Adriano Ferraz – Psicanálise e Filosofia da Diferença – SBPI

Leiam devagar, para pensar com calma.

Curso introdutório de Psicanálise e Filosofia da Diferença

Apresentação

Olá, meu nome é Adriano Ferraz, sou bacharel e mestre em Filosofia,


atualmente doutorando em Filosofia francesa contemporânea e tenho uma proposta
de reflexão filosófica sobre a Psicanálise que tentarei transmitir neste curso
introdutório.

Meu foco é mostrar a importância da psicanálise para dois autores em


especial, assaz relevantes ao cenário filosófico contemporâneo, e mostrar como eles
provocam e uma renovam a psicanálise tal como se estabeleceu a partir de Freud.
Falo de Michel Foucault e Gilles Deleuze. Suas contribuições são fundamentais para
qualquer psicanalista-pensador que queira compreender não apenas o século XX,
mas sim o séc. XXI. Ambos têm a virtude de serem pensadores que se preocupam
com a formação de um pensamento original bastante comprometidos com os
problemas reais de suas épocas e fazem isso sem sucumbirem às fáceis
categorizações e clichês explicativos. Buscam sobretudo a gênese dos problemas em
suas últimas consequências, e, portanto, podem propor grandes mudanças à
estrutura do pensamento, dos saberes, entre os quais a própria psicanálise.

Este caminho é longo e árduo, que me ocupa há oito anos, desde que comecei
a ler a história da sexualidade de Michel Foucault. No meio deste tempo fui
compelido a ler a obra de Gilles Deleuze e desde então não consigo mais parar de ler
e me aprofundar, pois vejo aí uma forma vigorosa de questionar a sociedade e a vida
de forma completamente nova. Desde já advirto que não se trata de um percurso
fácil, pois estes autores tem uma capacidade demolidora e corrosiva, implodindo
conceitos, princípios e pontos de vista. Para lê-los com seriedade e atenção é
necessário um grande esforço de descolamento de si. Mas asseguro que me
esforçarei para apontar os melhores caminhos de leitura e interpretação de sua
obra, bem como tentarei refletir sobre suas ideias para que possamos debate-las
com clareza e aproveitarmos algumas para analisar problemas complexos, ou ainda
para recolocar questões de formas diferentes.
Profº Adriano Ferraz – Psicanálise e Filosofia da Diferença – SBPI
Leiam devagar, para pensar com calma.

Mas antes de falar deles, é preciso mostrar, de forma um pouco sucinta, como
a obra de Freud está relacionada à diversos campos, das ciências às artes, e este será
o conteúdo deste curso. Será um trabalho introdutório para desmistificar o suposto
isolamento da Psicanálise e mostrar a sua excepcionalidade. Ao final dele farei uma
explanação acerca das perspectivas que Foucault e Deleuze oferecem à psicanálise.

O que quero questionar é uma singularidade entre a Psicanálise e a Filosofia


e fazer a pergunta que talvez torne indistinta uma e outra: o que é a Alma?
Certamente estas observações tem apenas um caráter formativo, mas em todo caso
serve de estímulo ao pensamento que chega enfim à psicanálise.

A atitude moderna da Filosofia é a crítica. Ser um crítico é ser capaz de


analisar os limites e os domínios de uma determinada ideia. Mas não se restringe a
isso somente, pois a crítica é uma forma filosófica de clínica. Gilles Deleuze sugeriu
isso em sua obra “Crítica e Clínica”, para quem o filósofo é um tipo esquisito de
psicanalista das ideias e da cultura e a recíproca se faz verdadeira: o psicanalista
deve ter uma atitude filosófica investigativa e crítica diante do sujeito. Ser crítico
significa também ouvir e interpretar todos os aspectos de uma questão sabendo
distinguir o que é legítimo e o que não é. Mas por outro lado, a legitimidade é sempre
algo que depende de uma perspectiva e um ponto de vista. Assim, o filósofo não deve
ser apenas cético ou crítico, mas também um relativista. O relativismo não é apenas
um recurso retórico de negação de proposições, mas um exercício de mudança de
olhar e percepção, bem como um teste de verificação de uma ideia, ou seja: qual seria
a verdade do meu pensamento visto de diversas perspectivas?

Todas as questões filosóficas são valiosas para o aperfeiçoamento da


psicanálise como ciência humana. A interlocução e ampliação da relação entre
ambas é salutar ao profissional que pensa, ao pensador que trabalha com ideias.

Aqui segue o Link aberto da primeira edição do Livro “Convite à Filosofia” de


Marilena Chauí.
Profº Adriano Ferraz – Psicanálise e Filosofia da Diferença – SBPI
Leiam devagar, para pensar com calma.

http://home.ufam.edu.br/andersonlfc/Economia_Etica/Convite%20%20Filosofia%20-
%20Marilena%20Chaui.pdf