Você está na página 1de 2

Bem-aventurados os pacificadores porque serão chamados filhos de

Deus.
Portanto, a primeira e grande paz a ser proporcionada e estabelecida é aquela entre o
pecador e Deus. Quando Cristo disse "Bem-aventurados os pacificadores", não estava
proporcionando uma recompensa especial para os diplomatas pacientes. Falava dos que estão
em paz com Deus, dos que trazem uma mensagem de paz aos homens para que estes entrem
em harmonia com Deus de quem se afastaram. Bem-aventurados os que anunciam aos
pecadores a realidade da vinda do Salvador.

O homem jamais chegará ao conhecimento da salvação sem que alguém lha proclame.
Jamais ele passará da alienação de Deus à paz com o Criador se não houver um pacificador.

Os pacificadores são pessoas comprometidas com a pregação do evangelho, mas não


como um cumprimento de um dever porque Deus as ordena. A pregação do evangelho feita
por um pacificador visa promover a paz entre os homens e Deus, é uma forma de mostrar a
humanidade que a verdadeira paz não é um sentimento de bem estar consigo mesmo ou com
as circunstâncias, muito mais do que isto, a paz da qual nosso Senhor fala tem a ver com o
nosso estado diante de Deus, pois éramos inimigos de Deus. Havia uma tremenda guerra entre
nós e Deus, porque nossa natureza pecaminosa em nada se compara com a santa e perfeita
natureza divina.
A maioria dos problemas sociais que temos por vezes é explicado tomando por base
conflitos existentes entre povos, culturais e nações. Mas a falta de paz e a constante incitação
à guerra não advém somente de problemas sociais, antes origina-se na explícita separação
entre a criatura e o criador.

Colossenses 1.20

Descobrimos, em 2 Coríntios 5:18-20, que Deus nos nomeou pacificadores seus:


Ora, tudo provém de Deus que nos reconciliou consigo mesmo [trouxe-nos à paz
consigo mesmo] por meio de Cristo, e nos deu o ministério da reconciliação [de sermos
pacificadores], a saber, que Deus estava em Cristo, reconciliando consigo o mundo [trazendo o
mundo à paz], não imputando aos homens as suas transgressões, e nos confiou a palavra da
reconciliação [a responsabilidade de sermos pacificadores]. De sorte que somos embaixadores
em nome de Cristo, como se Deus exortasse por nosso intermédio. Em nome de Cristo, pois,
rogamos que vos reconcilieis [que tenhais paz] com Deus.

I Pedro 3.11
Tiago 3.18
Hebreus 12.14
II Timóteo 2.22
II Tessalonicenses 3.16
Colossenses 3.15
Se referindo a Cristo Efésios 2.14; Romanos 5.1
Se referindo a nós Efésios 4.3; Efésios 6.15; Romanos 12.18

João 14.27; 16.33;

Em Efésios 4:3 Paulo escreveu que devemos "preservar a unidade do Espírito no


vínculo da paz". É plano de Deus que os que têm paz com ele vivam em paz, uns com os outros
numa assembléia de crentes. Os crentes têm a obrigação de preservar a paz que Deus
proporcionou mediante o sangue da cruz. Onde há contenda, ciúme e discórdia, não se usufrui
o benefício da paz divina. É impossível ao homem ter paz com Deus sem sentir o resultado
dessa paz em sua vida de modo que viva na unidade do Espírito no vínculo da paz.

Devemos ser pacificadores entre Cristo e os homens


Devemos ser pacificadores entre nós mesmos

Romanos 5.1 – paz com Deus


Romanos 12.18 – paz com os homens
Efésios 2.13-17 – pregam a paz por meio do evangelho

Enquanto os homens não se reconciliarem com Deus nunca poderão viver em paz com
os homens, pois a paz com Deus é prerrogativa para a humanidade viva em paz.

Homens com corações sujos jamais buscarão viver em paz uns com os outros.
Tiago 1.19.
Romanos 12.9-20
Hebreus 13.20-21
Tiago 4.1