Você está na página 1de 18

Estruturas – Fundações

Viga de Equilíbrio

Prof. M.Sc. Antonio de Faria


Prof. D.Sc. Roberto Chust Carvalho
1
Considerações Iniciais
• No caso de pilares de divisa ou próximos a obstáculos onde não seja possível
fazer com que o centro de gravidade da sapata coincida com o centro de carga
do pilar , cria-se uma viga alavanca ligada entre as duas sapatas, de modo que
um pilar absorva o momento da excentricidade da posição do outro pilar;
• A sapata de divisa é dimensionada analogamente ao que foi feito para sapata
associada, ou seja, como se fosse uma sapata rígida no plano perpendicular ao
eixo da viga-alavanca;
• A viga alavanca é normalmente feita com seção variável, usando-se estribos e
eventualmente ferros longitudinais dobrados para absorver o cisalhamento;
Os diagramas de momentos fletores e esforços cortantes, podem
ser obtidos usando-se as resultantes P1 e R1 ou os valores de q e
q´ (cálculo mais preciso)
a0
a

b0

b
P1 1 2

P2

R1=P1+∆P ∆P
q´=P1/b0

q=R1/b
l
Expressões para determinação dos esforços na viga:
Seção 1: Seção 2:

b0 2 b0 2 (−q´+q) 2 b
M2 = −∆P ⋅ (l − )
M1 = −q´⋅ +q⋅ = ⋅ b0
2 2 2 2
V1 = −q´⋅b0 + q ⋅ b0 = −(q´−q) ⋅ b0 V2 = +∆P

Seção de momento fletor máximo:

P1
V = 0 → qx0 = P1 → x0 =
q
q ⋅ x0 2  b0 
M0 = − P 1 ⋅  x0 − 
2  2
Esquema Geral dos Diagramas de Esforços
Diagrama de Momento Fletor
Seção 2
Seção 1

M0 M2
M1

Diagrama de Esforço Cortante

x0
v2
v1
Exemplo de aplicação
• Dimensionar a viga de equilibrio, abaixo indicada, considerando: P1
= 1000 kN (20x50cm), aço CA-50 e Concreto com fck=18,0 MPa.

30
350 cm

30
50

20

Obs:
150 150 cm Esquema genérico, s/ escala
Esquema de Carregamento da
Viga Alavanca (Ftool)
Diagrama de Esforço Cortante
(Ftool) - kN
Diagrama de Momento Fletor
(Ftoll) – kN.m
Determinação dos Esforços
Determinação dos Momentos Fletores e Esforços Cortantes
1000
q´= = 5000kN/m
0,2
1288,9
q= = 859,27kN/m
1,5
Seção 1:

(−q´+q) 2 (−5000 + 859,27)


M1 = ⋅ b0 = ⋅ 0,2 2 = −82,81 kN.m
2 2
V1 = −(q´−q) ⋅ b0 = −(5000 − 859,27) ⋅ 0,20 = −828,15 kN
Seção 2:

b 1,50
M2 = −∆P ⋅ (l − ) = −288,9 ⋅ (2,25 − ) = −433,3 kN ⋅ m
2 2
V2 = + ∆P = 288,9 kN
Determinação dos Esforços
Seção de momento fletor máximo:

P1 1000
x0 = = = 1,16 m
q 859,27
q ⋅ x0 2  b0  859,27 ⋅1,1632  0,20 
M0 = − P 1 ⋅  x0 −  = − 1000 ⋅ 1,163 −  = −481,9 kN ⋅ m
2  2  2  2 

Pré-Dimensionamento da Viga Alavanca – Esforço Cortante – NBR 6118-2014

Vsd ≤ VRd2  18,0  1,8


VRd2 = 0,27 ⋅ 1 − ⋅ ⋅ bw ⋅ d = 0,322 ⋅ bw ⋅ d
 250  1,4
VRd2 = 0,27 ⋅ αv ⋅ fcd ⋅ bw ⋅ d
Fazendo Vsd = VRd2, tem-se:
 fck 
α v = 1 − 
 250  1,4 ⋅ 828,1 = 0,322 ⋅ bw ⋅ d bw = 60 cm (adotado)
d ≥ 60,0 cm
bw ⋅ d ≥ 3600 cm 2
Determinação das Armaduras Transversais
NBR 6118-2014
Planilha para o cálculo da armadura transversal em vigas sujeitas à Flexão Simples

Fck (MPa) 18
Aço CA 50
bw (cm) 60
H (cm) 90
d' (cm) 5
Dim.Pilar (cm) 0

Dimensionamento Segundo NBR 6118/2014


Membro V q Vsd VRd2 Vc = Vco Vs,REDUZIDA Vsw Asw/s
Ver. Conc.
(kN) (kN/m) (kN) (kN) (kN) (kN) (kN) (cm2/cm)
Seção 1 828,1 0 1159,34 1642,96 ok 315,25 828,10 844,09 0,254
Seção 2 288,9 0 404,46 1642,96 ok 315,25 288,90 89,21 0,027

Dimensionamento Segundo NBR 6118/2014


Membro Asw/s mínimo Vsd minimo Esp. Estribos - S ( cm) - (calculado) VRd2 Smáx xmínimo Observ.
(cm2/cm) (kN) 6,3 mm 8,0 mm 10,0 mm (kN) (cm) (cm)
Seção 1 0,049 479,73 2 4 6,30 1642,96 30 0
Seção 2 0,049 479,73 8 20 32 1642,96 30 0

Estribo adotado: # 8,0 mm c/ 8,0 cm com 4 ramos, na região da sapata


e # 10,0 mm c/ 13 cm com 4 ramos
Determinação das Armaduras
Longitudinais NBR 6118-2014
fck = (MPa) 18,0 bw = (cm) 60,0

Aço- CA 50 h (cm) 90,0

d' (cm) 5,0

Seção MF (kN.cm) KMd kx kz As (cm2)

Seção 1 8.280 0,021 0,031 0,988 3,18

Seção 2 43.330 0,109 0,172 0,931 17,63

Mmáx 48.190 0,121 0,193 0,923 19,78

Para Mmáx 10 φ 16,0 mm


Estudo da Ancoragem nos Apoios
• Para garantir a eficiência da ancoragem da armadura de tração,
deve ser dispostos laços calculados da seguinte maneira:
• Força de tração na armadura (força a ancorar):
M 40830
Rs = = = 565,12 kN
0,85 ⋅ d 0,85 ⋅ (90 − 5)

Os 10 φ 16,0 mm, ancoram em 17 cm a seguinte força:

φ 16,0 mm
 17 
17cm
lb, disp =  + 10  ⋅ φ = 20,63 ⋅ φ
 1,6 
50 20,63 ⋅ φ 2
σ s, max = ⋅ = 13,63 kN/cm
1,61 47 ⋅ φ
Estudo da Ancoragem nos Apoios
Força Ancorada: F = 13,63 ⋅ 20 = 272,6 kN

Falta ancorar: 565,12 − 272,6 = 292,6 kN

1,61 ⋅ Fancorar 1,61 ⋅ 292,52


As = = = 9,42 cm 2
fyk 50
8 φ 12,5 mm – (4 laços)

Além do estudo da ancoragem, é conveniente dispor uma armadura de


Costura com área total igual a 40% de As;

As, cost = 0,4 ⋅ As = 0,4 ⋅ 20 = 8,0 cm 2 = 16 φ 8,0mm


Armadura de pele:

As, pele = 0,10% ⋅ bw ⋅ h/face = 0,10% ⋅ 60 ⋅ 90 = 5,4 cm 2 /face

7 φ 10,0 mm por face


Esquema Geral do Detalhamento da Armadura
8φ12.5 (4 laços) 10φ16.0
≥ 110.φ

16#8.0 (4 laços)

Armadura construtiva
(por exemplo 4φ10.0)
≥ 50.φ

Estribos φ 10,0 c 13 cm
(4 ramos)

4 laços de 12,5 mm
4 laços de 8,0 mm
Detalhamento da Armadura
φ 10 c 13 cm (4 ramos) φ 8 c 13 cm (4 ramos)

8φ12,5 (4 laços)
9φ16,0

16φ8,0 (4 laços) 7φ10,0/face


4φ10,0 (construtiva)
Detalhamento da Armadura
10φ16,0

8φ12,5 (4 laços)

13 φ8,0 c13 cm
13 φ10,0 c 13 cm
13x2 φ10,0 -250

16φ8,0 (4 laços)

4φ10,0