Você está na página 1de 7

1.

Introdução

Quando ocorreu o surgimento do telefone, observou um novo desafio, o qual era fazer a
ligação entre as pessoas. O que acontecia na época, para fazer este tipo de ligações era
bastante complexo, porque teria que ligar todos os telefones dos assinantes (cliente) uns
com outros, espécie de uma ligação em estrela ou em malha. Esta técnica só funcionava no
máximo com 4 ou 5 assinantes, porque mais do isso gastaria muitos cabos eléctricos, “visto
que era um cabo por cada linha de assinantes” e o custo de implementação muito elevado e
difícil manutenção do mesmo.

Então, houve necessidade de criar um sistema de comutação manual, onde um assinante


(A) quando solicitava o serviço, no painel da telefonista acendia uma lâmpada em sua
mesa. Esta pessoa informava com quem ela queria falar, logo a telefonista procurava o
número solicitado e fazia a conexão manualmente por cabos.

O objectivo deste trabalho é dar a conhecer os conhecimentos básicos de sistemas de


comutação de telefonia.

7
2. Sistema de Comutação

Antes de abordamos directamente em sistema de comutação, primeiramente vamos


entender o que é conceito de sinalização e comutação nos sistemas de comutação.

 Sinalização

A sinalização baseia-se ao processo de trocar informações dos terminais dos usuários a


redes de telecomunicações ou ao centro de comutação de acesso com a função de troca de
sinal de controlo.

 Comutação.

A função de comutação em uma rede de comunicação se refere à alocação dos recursos da


rede para possibilitar a transmissão de dados pelos diversos dispositivos conectado. As
técnicas de comutação em redes de comunicação permitem a transmissão de voz, dados,
imagem ou serviços integrados, independentemente dos tipos de conexão. Actualmente
existem 4 tipos principais de comutação: circuitos, pacotes, células e mensagem, mas
apenas vamos frisar dois tipos.

Comutação por circuitos: consiste em alocação de recursos para transferência de


informação que se caracteriza pela utilização permanente destes recursos durante toda a
transmissão. É uma técnica apropriada para sistemas de comunicações que apresentam
tráfego constante (por exemplo, a comunicação de voz), necessitando de uma conexão
dedicada para a transferência de informações contínuas.

Comutação por pacotes: com base em rede de computadores, a comutação de pacotes é um


paradigma de comunicação de dados em que pacotes (unidade de transferência de
informação) são individualmente encaminhados entre nó da rede através de ligações de
dados tipicamente partilhadas por outros nós.

Agora podemos entender o conceito de sistema de comutação, ao todo processo de troca de


informação dos assinantes de uma central telefónica ou uma rede de telecomunicações para
outra através de um controle de sinalização alocados recursos (manuais, electromagnético,
electrónico e digitais) para a transferência de informações.

7
2.1. Classificação dos Sistemas de Comutação

Os sistemas de comutação classificam-se em Manuais e Automático

 Os sistemas de comutação manuais

Os sistemas manuais também são chamados mesas Operadoras, que consiste por um
operador (incluindo o seu aparelho telefónico), um quadro ou matriz de comutação, que
permite a qualquer assinante do grupo ser conectado a qualquer outro, lâmpadas de
sinalização dos pedidos de conexão e circuitos de cordão para a interconexão do par de
assinantes em serviço que utilizará a matriz de comutação.

Este sistema na prática funciona da seguinte forma: quando o assinante “A” deseja efectuar
uma ligação para o assinante “B”, ao levantar o gancho do telefone, gera uma sinalização
na mesa operadora, o operador vendo este sinal que pode ser a luz de uma lâmpada ou som
de uma campainha, informa ao assinante “A” com quem deseja falar por sua vez o
assinante “A” diz que quer falar com o assinante “B”, só assim o operador de forma manual
encaminha ou posiciona o cabo da mesa operador para o assinante “B” desejado.

Este sistema já se encontra em desuso nos dias de hoje, agora com a invenção dos
componentes electromagnético e electrónico, os processos para ser automatizados.

 Os sistemas de comutação automática

Após a invenção do telefone e das centrais de comutação, surgiu a ideia de automatizar as


ligações entre as várias linhas existentes sem a ajuda das telefonistas. Com base neste ideia
surgira então os sistemas automáticos de Comando Directo e Indirecto.
 Sistemas de Comando Directo

Neste sistema a selecção de uma saída em cada selector é feita directamente pela
sinalização da parte chamadora, através da discagem de um dos algarismos que compõem o
número chamado. Este comandos pode ser: Passo a Passo e Strowger.

• Sistemas de Comando Directo “Passo a Passo”

7
Em 1879, os irmãos Thomas e Daniel Connellyn e com Thomas J. McTighe, dsenvolveram
o primeiro sistema em que um usuário podia controlar um mecanismo de comutação à
distância. Este aparelho baseava-se nos telégrafos ABC de Wheatstone (físico inglês) onde
a parte principal do sistema era uma roda dentada, semelhante às usadas em relógios, que
movida por um electroíman, percorria o espaço de um “dente” por vez. Quando o
electroíman recebia um pulso eléctrico, atraía uma barra metálica que fazia a roda dentada
girar um “espaço”, movendo um braço de metal que, transmitia os pulsos eléctricos
sucessivamente e estabelecia contacto com as demais linhas. Este sistema nunca foi usado
na practica.

Fig.1: Esquema do sistema de comutação automática de Connely e McTighe, mostrando


acima o dispositivo principal localizado na central telefônica, e abaixo o sistema que
deveria existir em cada telefone.

• Sistemas de Comando Directo “Strowger”

Com o surgimento do sistema Strowger veio aperfeiçoar os aparelhos anteriores, com uma
diferença bastante importante: o sistema se movia dentro de um cilindro podendo girar,
tanto em torno de seu eixo, como também para cima e para baixo. Consistem num cilindro
em que na sua parte interna, tinha 10 fileiras com 10 contactos metálicos cada uma,
totalizando 100 contactos. A “vassoura” ou “escova” metálica central podia então se
deslocar facilmente e escolher um dos 100 contactos que representavam, cada um deles,
uma linha telefónica.

Fig.2: Representação esquemática de um dispositivo de comutação com 100 linhas, cada


uma delas ligada a um telefone. O dispositivo precisa conectar os fios do telefone que está
chamando (à esquerda) com qualquer uma das conexões dos outros aparelhos.

7
 Os Sistemas de Comando Indirecto

As centrais telefónicas sofreram uma evolução tecnológica nos últimos anos, evoluindo
totalmente electromecânicas da década de 1960, passando pelos dispositivos de comutação
semi-eletrônica na década de 1970, visto que as funções lógicas de comando e controle são
executadas por dispositivos electrónicos e a conexão permanece electromecânica e nos anos
de 1980 com centrais de comutação totalmente electrónicas, visto que as funções lógicas de
comando, controle e conexão são executados por dispositivos electrónicos. Essas centrais
utilizam computadores e são conhecidas como Centrais de Programa Armazenado
(CPA).

Os sistemas de comutação baseada nas CPA apresentam uma série de vantagens sobre os
sistemas eletromecânicos anteriormente utilizados tais como:

• Flexibilidade: O programa permite alterações e reconfigurações na central sem que


ela tenha que ser desligada. Essa operação pode ser realizada localmente ou
remotamente;

• Facilidades para os assinantes: A CPA permite um grande número de facilidades


para os assinantes como discagem abreviada, identificação de chamadas, restrição
de chamadas, siga-me, etc.;

• Facilidades administrativas: Facilidades operacionais como mudanças de


roteamento, produção de relatórios e estatísticas detalhadas, controle mais eficiente
das facilidades de assinantes etc.;

• Velocidade de estabelecimento de ligação: Por utilizarem dispositivos


electrónicos, a velocidade de conexão é muito alta (da ordem de 250m s);

• Economia de espaço: As CPA´s têm dimensões reduzidas em comparação com as


antigas centrais electromecânicas;

• Facilidades de manutenção: Menor índice de falhas uma vez que não possuem
peças móveis;

• Qualidade de conexão: Todo o processo de comutação é digital, não sendo


produzidos ruídos de comutação mecânica que afectam a qualidade da conexão;

• Custo: Com um índice de manutenção mais baixo, uma maior eficiência em termos
de serviços, as centrais de programa armazenado oferecem uma óptima relação
custo / benefício;

• Tempo de instalação: Tempo menor de instalação ou ampliação em relação às


centrais eletromecânicas.

7
3. Conclusão

Desde a invenção do famoso aparelho de comunicação “o telefone”, dos sistemas, meios,


formas de comunicar-se um com outros, sofreu grandes evoluções tecnológicas facilitando
assim a maneira muito rápida de comunicar.

Neste trabalho com abordagem virada aos sistema de comutação da telefonia, conclui-se
que nos tempos passados até ao dias actuais para comunicar-se , havia necessidade de
passar no processo de transferência das informações a partir de uma central telefónica
usando recursos primitivos (manuais e electromecânico) até os recursos actuais
(electrónicos e digitais). Também no decorrer este tempo todos fora criados sistemas de
comutação que nem chegar a ser usado na pratica. Ex: sistema passo-a-passo.

7
4. Bibliografia

Teleco, 2010. Tutoriais Telefonia Fixa, disponíveis em:


 http://www.teleco.com.br/tutoriais/tutorialss7/pagina_1.asp
 http://www.teleco.com.br/tutoriais/tutorialss7/pagina_2.asp
 http://www.teleco.com.br/tutoriais/tutorialss7/pagina_3.asp
 http://www.teleco.com.br/tutoriais/tutorialss7/pagina_4.asp
 http://www.teleco.com.br/tutoriais/tutorialss7/pagina_5.asp
 http://www.teleco.com.br/tutoriais/tutorialss7/pagina_6.asp
 http://www.teleco.com.br/tutoriais/tutorialss7/pagina_7.asp
 http://www.teleco.com.br/tutoriais/tutorialss7/pagina_8.asp

Central telefónica, disponível em:


 http://pt.wikipedia.org/wiki/Central_telef%C3%B4nica

Carlos Henrique Ramos Rodrigues. Evolução Dos Sistemas De Comutação,


Londrina – Paraná 2007.