Você está na página 1de 48

Translated text from Portuguese to English through Google Translate

PGR, after 4 years, recognizes Non-existence of Constitutional Ceilings

Dear,

It is with deep concern, which I present, the response of the current Attorney
General, Mrs. Raquel Elias Ferreira Dodge, manifested on June 22, 2018, sent by the
Federal Public Prosecutor's Office, through the Service Desk on January 28, 2019 at
11:04 am, to Manifestation nº20150007528, filed on February 13, 2015, that is, received
after, just and only, almost 4 (four) years.

This is based on the premise that the Attorney General's Office, despite all the
"herculean" efforts made by a Common Citizen, without any Jurisdictional basis,
contrary to Art. 127, Art. 129, II, III, Art. 93, V, IX, Art. 37, XI, XII, XIII, XIV, XV, XVI, a), b),
c), XVII, §5º, of the Constitution of the Federative Republic of Brazil, DECIDED by the
"ARCHIVING", when, at a minimum, it could, and should, question the
Unconstitutionality of the "restrictive" application of Art. 37, on Art. 39, §4º, §5º, §11º,
Art. 93, V, Art. 129, §4º, Art. 135, Art. 142, II, III, VIII, and Art. 248, since , the
abovementioned "restrictions", ANNUL, in essence, the INTEGRAL context of Art. 37, at
least to: "obey the principles of legality, impersonality, morality, publicity and
efficiency", as well as, that the Attorney General's Office IGNORE, in essence, and in
presumable convenience, the INTEGRAL context of Art. 103-B, §4º, II, It is incumbent
upon the Board to control the administrative and financial performance of the Judiciary and
the fulfillment of the functional duties of the judges, as well as other duties assigned to it by
the Statute of the Judiciary: ensure the observance of Art. 37 and to examine, on its own
initiative or through challenge, the legality of the administrative acts practiced by members
or organs of the Judiciary, being able to deconstitute them, revise them or set a deadline
for adopting the necessary measures to comply with the law, within the jurisdiction of the
Court of Auditors of the Union, as well as IGNORE, in essence, and in presumable
convenience, the INTEGRAL context of Art. 129, II, III, to ensure the effective respect
of the Public Powers and the services of public relevance to the rights guaranteed in
this Constitution, promoting the necessary measures for their guarantee, as well as to
promote the civil inquiry and public civil action, for the protection of the public and
social patrimony, of the environment and of other diffuse and collective interests, as
well as, also IGNORE, in essence, and in presumable convenience, the INTEGRAL
context of Art. 130-B, §2º, II, It is incumbent upon the National Public Prosecution Council
to control the administrative and financial performance of the Public Prosecutor's Office
and the fulfillment of the functional duties of its members, and shall: ensure the
observance of Art. 37 and assess, either officially or through provocation, the legality of
the administrative acts practiced by members or organs of the Public Ministry of the Union
and of the States, being able to deconstitute them, review them or set a deadline for them
to adopt the necessary measures to the exact fulfillment of the law, without prejudice to the
competence of the Courts of Auditors;

Something that refers me to the presentation of the document "Constitutional


Ceilings and their Controversies in the Judiciary",
https://pt.scribd.com/document/331462228/Tetos-Constitucionais-e-suas-Controversias-
no-Judiciario , where we are stunned and perplexed, making empirical considerations,
the unreasonable, the incompatible, the desperate, the unseemly, the immoral,
behavior of the President of the Federal Supreme Court, which, contrary to posture,
decisions, and interpretation, of the Plenary of the Supreme Federal Court, formally
recognized by the Superior Court of Justice, and by the National Council of Justice, it
is permissible to "negotiate", when we call attention to the concrete fact that several
evaluations already carried out by the Federal Supreme Court were to meet, therefore,
the question is, or should be, PACIFICED in the Federative Republic of Brazil,
otherwise, we will be facing the "worst of the worlds", where the Constitutional
Supreme Court, frankly, DISPRESSING, its understanding, and its jurisdictional
practices, ACKNOWLEDGE, in an unquestionable, irrefutable way, to be the
implementer, Irresponsible, of the most ABSURD Legal Insecurity.

Something that also reminds me of the presentation of the document "STF is aware
of the DRIBLE to the Constitutional Principle",
https://pt.scribd.com/document/356103045/STF-Tem-Consciencia-Do-DRIBLE-a-Principio-
Constitucional , Minister Carmen Lúcia says that "the moment is one of sacrifice", in
which we are, empirically, trying to make evaluations, about the concrete, existing in the
news, http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=352060 , which
in an irrefutable, unquestionable way REFLECTS the unquestionable recognition of the
Brazilian Momentum, and the need for sacrifices, the Plenary of the Federal
Supreme Court, in RESOURCEFRUL, CLEAR, and OBJECTIVE, also recognizes that
"penduricalhos", introduced by the Infraconstitutional Law, allow the Constitutional
Principle of Labor Remuneration Ceiling (s) to be "dribbled", because only the salaries
of magistrates do not face a decent life.

Perhaps the best explanation of what is here is the "gap of private public welfare",
represented by the INSS - National Social Security Institute, since only in "institutional
public welfare", represented by the Federal, State and Municipal Treasures, no
parameters, plausible and reasonable, of LIMIT is, in fact, APPLIED, mainly, by the
HYPOCRITICAL certainty that they are already "Acquired Rights", despite the
Constitution of the Federative Republic of Brazil, having already completed only thirty
(30) years, highlighting, in particular, Art. 37, had its last adjustment to only twenty (20)
years.

Therefore, any "restrictive" use of Art. 37, in the form of RESOURCEFRUL and
CLEAR, establishes differentiated criteria within the Brazilian State, which assumes
that ALL ARE EQUAL TO THE LAW, as well as, ANNUL its own existence in the
Constitutional TEXT, as well as, it interferes in a acintosa way in the principle of
Administrative and FINANCIAL Autonomy of the Federative Entities, and of ALL the
Organs of the Direct and Indirect Administration, it is clear, for example, unless there is
deception in ALL States, there are Officials, included RETIRED (S), who receive
HIGHER salaries from the Governor of State, and for the same reason, many STF
Officials, including RETIRED (S), receive EQUAL salaries from those of STF Minister,
which TRANSGRIDES the essence of Art. 37, in view of the fact that the
REMUNERATION of Employees MUST be in SYNCRONY to the RECIPE of their
Employers, for this reason, it is ACCEPTED, as natural, for example, that a Doctor does
not have SINGLE Salary in the Brazilian State.

Actually, in a Country made of Lawyers, made by Lawyers, made for Lawyers,


recognized or not, by the OAB - Brazilian Bar Association, was, is, and will, ALWAYS,
IMPOSSIBLE that ALL BE EQUAL before the Law.

Regards,
Plinio Marcos Moreira da Rocha
Rua Gustavo Sampaio nº112 apto. 603 – LEME – Rio de Janeiro – RJ – Brasil
Tel. Cel. +55 21 986183350
Original Text in Portuguese

PGR, após 4 anos, reconhece Inexistência de Tetos Constitucionais

Prezados,

É com profundo pesar, que apresento, resposta da Atual Procuradora-Geral da


República, Sra. Raquel Elias Ferreira Dodge, manifestada em 22 de junho de 2018,
encaminhada pelo Ministério Público Federal, através da Central de Atendimento em 28
de Janeiro de 2019 às 11:04 horas, à Manifestação nº20150007528, protocolada em 13
de Fevereiro de 2015, isto é, recebida após, a apenas e tão somente, quase 4 (quatro)
anos.

Tal, parte da premissa de que a Procuradoria-Geral da República, apesar de


todos os “hercúleos” esforços, feitos por um Cidadão Comum, sem qualquer
embasamento Jurisdiscional, contrariando o Art. 127, Art. 129, II, III, Art. 93, V, IX, Art.
37, XI, XII, XIII, XIV, XV, XVI, a), b), c), XVII, § 5º, da Constituição da República
Federativa do Brasil, DECIDIU pelo “ARQUIVAMENTO”, quando no mínimo, poderia, e
deveria, questionar a Inconstitucionalidade da aplicação “restritiva” do Art. 37, nos
Art. 39, § 4º, § 5º, § 11º, Art. 93, V, Art. 129, § 4º, Art. 135, Art. 142, II, III,VIII, e Art. 248,
uma vez que, as citadas “restrições”, ANULAM, em essência, o INTEGRAL contexto do
Art. 37, no mínimo, à: “obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade,
moralidade, publicidade e eficiência”, bem como, que a Procuradoria-Geral da República
IGNORA, em essência, e em presumível conveniência, o INTEGRAL contexto do Art.
103-B, § 4º, II, Compete ao Conselho o controle da atuação administrativa e financeira do
Poder Judiciário e do cumprimento dos deveres funcionais dos juízes, cabendo-lhe, além
de outras atribuições que lhe forem conferidas pelo Estatuto da Magistratura: zelar pela
observância do art. 37 e apreciar, de ofício ou mediante provocação, a legalidade dos
atos administrativos praticados por membros ou órgãos do Poder Judiciário, podendo
desconstituí-los, revê-los ou fixar prazo para que se adotem as providências necessárias
ao exato cumprimento da lei, sem prejuízo da competência do Tribunal de Contas da
União, bem como, também IGNORA, em essência, e em presumível conveniência, o
INTEGRAL contexto do Art. 129, II , III , zelar pelo efetivo respeito dos Poderes
Públicos e dos serviços de relevância pública aos direitos assegurados nesta
Constituição, promovendo as medidas necessárias a sua garantia, bem como,
promover o inquérito civil e a ação civil pública, para a proteção do patrimônio
público e social, do meio ambiente e de outros interesses difusos e coletivos, bem
como, também IGNORA, em essência, e em presumível conveniência, o INTEGRAL
contexto do Art. 130-B, § 2º, II, Compete ao Conselho Nacional do Ministério Público o
controle da atuação administrativa e financeira do Ministério Público e do cumprimento
dos deveres funcionais de seus membros, cabendo lhe: zelar pela observância do Art.
37 e apreciar, de ofício ou mediante provocação, a legalidade dos atos administrativos
praticados por membros ou órgãos do Ministério Público da União e dos Estados,
podendo desconstituí-los, revê-los ou fixar prazo para que se adotem as providências
necessárias ao exato cumprimento da lei, sem prejuízo da competência dos Tribunais de
Contas;

Algo que me remete ao Apresento o documento “Tetos Constitucionais e suas


Controvérsias no judiciário”, https://pt.scribd.com/document/331462228/Tetos-
Constitucionais-e-suas-Controversias-no-Judiciario , onde estamos, aturdido, e perplexo,
efetuando empíricas considerações, ao despropositado, ao incompatível, ao
desesperado, ao indecoroso, ao imoral, comportamento da Presidente do Supremo
Tribunal Federal, que, contrariando, postura, decisões, e interpretação, do Plenário
do Supremo Tribunal Federal, formalmente reconhecida pelo Superior Tribunal de
Justiça, e pelo Conselho nacional de Justiça, se permite “negociar”, quando então,
chamamos a atenção, para o fato, concreto, de que várias avaliações, já efetuadas,
pelo Supremo Tribunal Federal, foram ao seu encontro, portanto, a questão esta, ou
deveria estar, PACIFICADA na República Federativa do Brasil, caso contrário,
estaremos frente, ao “pior dos mundos”, onde a Suprema Corte Constitucional,
fragorosamente, DESRESPEITANDO, seu entendimento, e suas práticas
jurisdicionais, RECONHECE, de forma inquestionável, e irrefutável, ser o
implementador, Irresponsável, da mais ABSURDA Insegurança jurídica.

Algo que também me remete ao Apresento o documento “STF tem consciência


do DRIBLE à Princípio Constitucional”,
https://pt.scribd.com/document/356103045/STF-Tem-Consciencia-Do-DRIBLE-a-Principio-
Constitucional , onde estamos, empiricamente, tentando efetuar avaliações, sobre o,
concreto, existente, na notícia Ministra Cármen Lúcia diz que “o momento é de
sacrifício”, http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=352060 ,
que de maneira irrefutável, inquestionável, REFLETE o inquestionável reconhecimento
do Momento Brasileiro, e da necessidade de sacrifícios, o Plenário do Supremo
Tribunal Federal, de forma RICA, CLARA, e OBJETIVA, também reconhece que
“penduricalhos”, introduzidos por Lei Infraconstitucional, permitem que o Princípio
Constitucional de Teto(s) de Remuneração Laborarial seja “driblado”, porque
somente os vencimentos dos magistrados não fazem frente a uma vida condigna.

Talvez, a melhor explicação, do que aí esta, seja o “rombo da previdência pública


privada”, represantada pelo INSS – Instituto Nacional do Seguro Social, uma vez que,
somente na “previdência pública institucional”, representada pelos Tesouros Federal,
Estaduais e Municipais, nenhum parâmetro, plausível e razoácvel, de LIMITE seja,
efetivamente, APLICADO, principalmente, pela HIPÓCRITA certeza de que os mesmos já
sejam “Direitos Adquiridos”, apesar da Constituição da República Federativa do
Brasil, já ter completado apenas 30 (trinta) anos, ressaltando, em especial, o Art. 37,
teve sua última adequação a apenas 20 (vinte) anos.

Pelo exposto, qualquer utilização “restritiva” do Art. 37, de forma, RICA, e


CLARA, estabelece critérios diferenciados dentro do Estado Brasileiro, que tem como
Premissa que TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI, bem como, ANULA a sua própria
existência no TEXTO Constitucional, bem como, interfere de forma acintosa no
princípio de Autonomia Administrativa e FINANCEIRA dos Entes Federativos, e de
TODOS os Órgãos da Administração Direta e Indireta, ficando claro, por exemplo,
salvo engano, em TODOS os Estados, existem Funcionários, incluso
APOSENTADO(S), que recebem vencimentos SUPERIORES ao do Próprio
Governador de Estado, e pelo mesmo motivo, muitos Funcionários do STF, incluso(s)
APOSENTADO(S), recebem vencimentos IGUAIS aos de Ministro do STF, o que
TRANSGRIDE a essência do Art. 37, tendo em vista, que a REMUNERAÇÃO dos
Funcionários DEVE estar em SINCRONIA à RECEITA de seus Empregadores, por este
motivo, é ACEITO, como natural, por exemplo, que um Médico não tenha Salário
ÚNICO no Estado Brasileiro.

RealMENTE num País feito de Advogados, feito por Advogados, feito para
Advogados, reconhecidos, ou não, pela OAB – Ordem dos Advogados do Brasil, foi, é,
e será, SEMPRE, IMPOSSÍVEL que Todos SEJAM IGUAIS perante a Lei.
Atenciosamente,
Plinio Marcos Moreira da Rocha
Rua Gustavo Sampaio nº112 apto. 603 – LEME – Rio de Janeiro – RJ – Brasil
Tel. Cel. +55 21 986183350

CAPÍTULO VII
DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
SEÇÃO I
DISPOSIÇÕES GERAIS
Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da
União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios
de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao
seguinte:

XI - a remuneração e o subsídio dos ocupantes de cargos, funções e empregos


públicos da administração direta, autárquica e fundacional, dos membros de
qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios,
dos detentores de mandato eletivo e dos demais agentes políticos e os proventos,
pensões ou outra espécie remuneratória, percebidos cumulativamente ou não,
incluídas as vantagens pessoais ou de qualquer outra natureza, não poderão
exceder o subsídio mensal, em espécie, dos Ministros do Supremo Tribunal Federal,
aplicando-se como limite, nos Municípios, o subsídio do Prefeito, e nos Estados e no
Distrito Federal, o subsídio mensal do Governador no âmbito do Poder Executivo, o
subsídio dos Deputados Estaduais e Distritais no âmbito do Poder Legislativo e o
subsídio dos Desembargadores do Tribunal de Justiça, limitado a noventa inteiros
e vinte e cinco centésimos por cento do subsídio mensal, em espécie, dos Ministros
do Supremo Tribunal Federal, no âmbito do Poder Judiciário, aplicável este limite
aos membros do Ministério Público, aos Procuradores e aos Defensores Públicos;

XII - os vencimentos dos cargos do Poder Legislativo e do Poder Judiciário não


poderão ser superiores aos pagos pelo Poder Executivo;

XIII - é vedada a vinculação ou equiparação de quaisquer espécies remuneratórias


para o efeito de remuneração de pessoal do serviço público;

XIV - os acréscimos pecuniários percebidos por servidor público não serão


computados nem acumulados para fins de concessão de acréscimos ulteriores;

XV - o subsídio e os vencimentos dos ocupantes de cargos e empregos públicos


são irredutíveis, ressalvado o disposto nos incisos XI e XIV deste artigo e nos arts. 39,
§ 4º, 150, II, 153, III, e 153, § 2º, I;

XVI - é vedada a acumulação remunerada de cargos públicos, exceto, quando


houver compatibilidade de horários, observado em qualquer caso o disposto no inciso
XI:
a) a de dois cargos de professor;
b) a de um cargo de professor com outro técnico ou científico;
c) a de dois cargos ou empregos privativos de profissionais de saúde, com
profissões regulamentadas;
XVII - a proibição de acumular estende-se a empregos e funções e abrange
autarquias, fundações, empresas públicas, sociedades de economia mista, suas
subsidiárias, e sociedades controladas, direta ou indiretamente, pelo poder público;
§ 5º A lei estabelecerá os prazos de prescrição para ilícitos praticados por qualquer
agente, servidor ou não, que causem prejuízos ao erário, ressalvadas as respectivas
ações de ressarcimento.
CAPÍTULO VII
DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
SEÇÃO II
DOS SERVIDORES PÚBLICOS
Art. 39. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios instituirão conselho de
política de administração e remuneração de pessoal, integrado por servidores designados
pelos respectivos Poderes.

§ 4º O membro de Poder, o detentor de mandato eletivo, os Ministros de Estado e os


Secretários Estaduais e Municipais serão remunerados exclusivamente por subsídio
fixado em parcela única, vedado o acréscimo de qualquer gratificação, adicional,
abono, prêmio, verba de representação ou outra espécie remuneratória, obedecido,
em qualquer caso, o disposto no Art. 37, X e XI.

§ 5º Lei da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios poderá


estabelecer a relação entre a maior e a menor remuneração dos servidores públicos,
obedecido, em qualquer caso, o disposto no Art. 37, XI.

§ 11º - Aplica-se o limite fixado no Art. 37, XI, à soma total dos proventos de
inatividade, inclusive quando decorrentes da acumulação de cargos ou empregos
públicos, bem como de outras atividades sujeitas a contribuição para o regime geral de
previdência social, e ao montante resultante da adição de proventos de inatividade com
remuneração de cargo acumulável na forma desta Constituição, cargo em comissão
declarado em lei de livre nomeação e exoneração, e de cargo eletivo.

CAPÍTULO III
DO PODER JUDICIÁRIO
SEÇÃO I
DISPOSIÇÕES GERAIS
Art. 93. Lei complementar, de iniciativa do Supremo Tribunal Federal, disporá sobre
o Estatuto da Magistratura, observados os seguintes princípios:
V - o subsídio dos Ministros dos Tribunais Superiores corresponderá a
noventa e cinco por cento do subsídio mensal fixado para os Ministros do Supremo
Tribunal Federal e os subsídios dos demais magistrados serão fixados em lei e
escalonados, em nível federal e estadual, conforme as respectivas categorias da
estrutura judiciária nacional, não podendo a diferença entre uma e outra ser superior a
dez por cento ou inferior a cinco por cento, nem exceder a noventa e cinco por cento
do subsídio mensal dos Ministros dos Tribunais Superiores, obedecido, em qualquer
caso, o disposto nos Art. 37, XI, e Art. 39, § 4º;
IX - todos os julgamentos dos órgãos do Poder Judiciário serão públicos, e
fundamentadas todas as decisões, sob pena de nulidade, podendo a lei limitar a
presença, em determinados atos, às próprias partes e a seus advogados, ou somente a
estes, em casos nos quais a preservação do direito à intimidade do interessado no sigilo
não prejudique o interesse público à informação;

CAPÍTULO III
DO PODER JUDICIÁRIO
SEÇÃO II
DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Art. 103-B. O Conselho Nacional de Justiça compõe-se de 15 (quinze) membros com


mandato de 2 (dois) anos, admitida 1 (uma) recondução, sendo:

II - zelar pela observância do Art. 37 e apreciar, de ofício ou mediante provocação, a


legalidade dos atos administrativos praticados por membros ou órgãos do Poder
Judiciário, podendo desconstituí-los, revê-los ou fixar prazo para que se adotem as
providências necessárias ao exato cumprimento da lei, sem prejuízo da competência do
Tribunal de Contas da União;
CAPÍTULO IV
DAS FUNÇÕES ESSENCIAIS À JUSTIÇA
SEÇÃO I
DO MINISTÉRIO PÚBLICO
Art. 127. O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional
do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos
interesses sociais e individuais indisponíveis.

Art. 129. São funções institucionais do Ministério Público:


II - zelar pelo efetivo respeito dos Poderes Públicos e dos serviços de relevância
pública aos direitos assegurados nesta Constituição, promovendo as medidas
necessárias a sua garantia;
III - promover o inquérito civil e a ação civil pública, para a proteção do
patrimônio público e social, do meio ambiente e de outros interesses difusos e
coletivos;
§ 4º Aplica-se ao Ministério Público, no que couber, o disposto no Art. 93.

SEÇÃO IV
DA DEFENSORIA PÚBLICA
Art. 135. Os servidores integrantes das carreiras disciplinadas nas Seções II e III
deste Capítulo serão remunerados na forma do Art. 39, § 4º.
TÍTULO V
DA DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS
CAPÍTULO I
DO ESTADO DE DEFESA E DO ESTADO DE SÍTIO
CAPÍTULO II
DAS FORÇAS ARMADAS
Art. 142. As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela
Aeronáutica, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base
na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e
destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de
qualquer destes, da lei e da ordem.
II - o militar em atividade que tomar posse em cargo ou emprego público civil
permanente, ressalvada a hipótese prevista no Art. 37, inciso XVI, alínea "c", será
transferido para a reserva, nos termos da lei;
III - o militar da ativa que, de acordo com a lei, tomar posse em cargo, emprego ou
função pública civil temporária, não eletiva, ainda que da administração indireta,
ressalvada a hipótese prevista no Art. 37, inciso XVI, alínea "c", ficará agregado ao
respectivo quadro e somente poderá, enquanto permanecer nessa situação, ser
promovido por antiguidade, contando-se-lhe o tempo de serviço apenas para aquela
promoção e transferência para a reserva, sendo depois de dois anos de afastamento,
contínuos ou não, transferido para a reserva, nos termos da lei;
VIII - aplica-se aos militares o disposto no art. 7º, incisos VIII, XII, XVII, XVIII, XIX e
XXV, e no Art. 37, incisos XI, XIII, XIV e XV, bem como, na forma da lei e com prevalência
da atividade militar, no Art. 37, inciso XVI, alínea "c";
TÍTULO IX
DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS GERAIS
Art. 248. Os benefícios pagos, a qualquer título, pelo órgão responsável pelo regime
geral de previdência social, ainda que à conta do Tesouro Nacional, e os não sujeitos ao
limite máximo de valor fixado para os benefícios concedidos por esse regime observarão
os limites fixados no Art. 37, XI.

Anexos : I – Gmail - Sala de Atendimento ao Cidadão - MPF 20150007528


II – PGR-00026858-2015 - não aponta ato normativo violado
III – Petição ADPF da Lei de Equiparação Salarial
IV – Provocação Reiterada ao MPF
V – O Concreto da Hipocrisia Brasileira quanto a Gastos Públicos
01232467894
648 287 7 497123247894
872194

717  3 2 34742 7 460 ! "#


01232467894
648 287 7 497$%&'(')*+,-).*,/0*+'&1-)*2 34#56#7+(6',)#56#389:#9;<9=
>+,+<#>&'(')#?+,-).#?),6',+#5+#@)-A+#$%&'(')*+,-).*,/0*+'&1-)*2
5)-B*6(C)#D;9E=:98#
#
FFFFFFFFFF#G),H+,565#*6..+06#FFFFFFFFF#
G,)*<#602
 72 7 4#$*+('I6.C+-+)F(),6%&J/*%I1*%1K,2#
L+C6<#.60M#34#56#7+(#56#389:#N.#99<8O#
PBK76-C<#P+&+#56#QC6(5'*6(C)#+)#R'5+5S)#F#?>G#389=888E=34#
T)<#$%&'(')*+,-).*,/0*+'&1-)*2#
#
#
U U
U U U
U U U
U U
U
#
# #

V&*)W+X#P,1W+X#01232467894
648 287 7 497M
#
@6.%).C+#N#*+('I6.C+YS)#(Z# ! "#W9;[83[389=X1#
# # # #
#
Q0,+56-6*).#)#-)(C+C)#%),#6.C+#\'+#56#-)*B('-+YS)1#P60B6#6*#+(6])M#L6.%+-A)#-)*#'(I),*+Y^6.#.)K,6#.B+#*+('I6.C+YS)#\'+#.'.C6*+#
-'5+5S)1##
#
Q0,+56-6*).#)#-)(C+C)#%),#6.C+#\'+#56#-)*B('-+YS)#6#'(I),*+*).#_B6#.B+#*+('I6.C+YS)#I)'#6(-+*'(A+5+#
%+,+#+#Q..6..),'+#̀B,a5'-+#R)(.C'CB-')(+&#5)#0+K'(6C6#5)#>,)-B,+5),Fb6,+&#5+#@6%cK&'-+1#d#(c*6,)#%+,+#+-)*%+(A+*6(C)#()#.'.C6*+#
e('-)#f<#>b@F8883D4=4[389=1##d#.aC')#6&6C,g('-)#%+,+#-)(.B&C+#%,)-6..B+&#f<#
ACC%<[[HHH1C,+(.%+,6(-'+1*%I1*%1K,[+CB+-+)FIB(-')(+&[-)(.B&C+F7B5'-'+&F6F6]C,+7B5'-'+&1#
#
Q(6]).<#
+(6])#91%5I#
+(6])#31%5I#
+(6])#;1%5I#
>b@F8883D4=4F389=#F#(S)#+%)(C+#+C)#(),*+C'\)#\')&+5)1%5I#
# # # #
#
# # # # #
#
Q0,+56-6*).#)#-)(C+C)#%),#6.C6#-+(+&#56#-)*B('-+YS)1#
#
#
PB+#?+('I6.C+YS)#-)(C'(B+,h#6*#+C6(5'*6(C)#()#?>G#.)K#)#(c*6,)#0i j" "k 1#Q#%+,C',#56#+0),+M#)#.6B#+(5+*6(C)#%)56,h#
.6,#-)(.B&C+5)#()#>),C+&#56#T,+(.%+,l(-'+#5)#?>GM#%6&)#&'(m<#
#
R)(.B&C+,#L)-B*6(C)#W5'.%)(a\6&#6*#+Cf#3O#A),+.#+%n.#)#-+5+.C,)#5+#*+('I6.C+YS)X1#
#
o
982p4q#
r*#93[83[389=#)#5)-B*6(C)#st'%)-,'.'+#u,+.'&6',+#_B+(C)#+#b+.C).#>cK&'-).sM#_B6#I)'#5'\B&0+5+#6*#+&0B(.#.'C6.M#6#+C,+\f.#56#+&0B(.#6F
*+'&.M#.6(5)#_B6#+#9v#Rw*+,+#56#R)),56(+YS)#6#@6\'.S)#5+#>,)-B,+5),'+#b6,+&#5+#@6%cK&'-+#5)#?'('.Cf,')#>cK&'-)#G656,+&M#+C,+\f.#5)#
6*+'&#-)(.C+(C6#5)#+(6])M#*6#),'6(C)B#+#I),*+&'x+,#+#56(c(-'+#+C,+\f.#L6.C+#.+&+1#
#
Q%,)\6'C)#%+,+#-A+*+,#+#+C6(YS)#_B6#*6B#6(56,6Y)#6.C+#.6(5)#+#R'5+56#56#u,+.a&'+#()#L'.C,'C)#G656,+&M#B*+#\6x#_B6M#6*#IB(YS)#56#
56(B(-'+#+(C6,'),#*+(C'\6#-)(C+C)#6.-&+,6-65),#-)*#)#P,1#Q&\+,)M#_B6#*6#),'6(C)B#+#BC'&'x+,#6.C+#R'5+56#%+,+#bQ@QyTV@#_B6#+#56(c(-'+#
-A60+..6#N.#?zdP#5)#%,)-B,+5),Fb6,+&#5+#@6%cK&'-+#56#I),*+#*+'.#,h%'5+1###
#
412927p4q#
QC,+\f.#56.C+#I),*+&'x+YS)M#6.C+*).#.)&'-'C+(5)#+)#>,)-B,+5),Fb6,+&#5+#@6%cK&'-+#_B6#6(\'5+#TdLdP#).#6.I),Y).M#BC'&'x+(5)#TdLdP#).#
*6').#{60+'.M#%+,+#_B6#).#LV|r@PdP#T6C).#R)(.C'CB-')(+'.#.67+*#B*+#@6+&'5+56#u,+.'&6',+1#
#
QI'(+&M#f#6(C6(5'*6(C)#5)#̀B5'-'h,')#u,+.'&6',)#_B6#)#T6C)#R)(.C'CB-')(+&#'*%&'-+#(+#{60aC'*+#+B.l(-'+#56#L',6'C)#Q5_B','5)#_B+(5)#)#|+&),#
012341567859

2678596 1 1492147
 659
 156 1 51234156
1 369 315 4673516 1 14 1  943 6 6 156
5123415678596 9 6566  
5 112
 12 636 1 3 7
 
5 3159
5 6
17
!
4 79739
46 51 67
31 6 "496 
#1 13 

$
%626
699
46 
5 6479&3961 31 7
65621471 $ 1 1996
46 !
4
96
6 '19 566%9 76  6

47
 1 1529795
31 1
6 31 612 6 21 26 679961 
62 15115 51234156
7
76 9151471 12 34
1 71 699
46 (57)*+ 949

,-)

.2 4

1471492147
6 019 
(436 (57) *+ /49
, 1 1996 31 6 019 
(436 1 65 12 
4
52961 
2
56796
46
/4996796 05966 12 66 6
 46 21 26 676 1 12 #491 1 632147
12/!3)

.2 4

1471492147

915
(579&
!
4 79739
469 9 76
 1 1996 6 19 74496 1 17
66596  %6264
6 6714
656

67

4517
3647
6 63236
1 51234156
 12 34
1 115#9
1 269 1 326 34
565&
(57) *+ /49
,-/ 1 ,-//

416

0656 051 91471 -917051 91471 8949 75
1 . 76
 146
51  91376
:11569 (57) ;< 949
-// 1 -/// =
1546
51  -917
=
1546
51  151759
. 76369 (57) >? @>A 91376
. 76369 (57) >+ @BA 1 @>A 051197
 -917051197
 151759

8349969 (57) >< 949
-  1 -1516
51 (57) >< 949
-/ 1 (57) ><7( %6264
6 6714
656 6 15716 1 31 . 71 15112
39( 6 01234156
12 326 "496 6516 (57) *< @;A)

2
C297

0
15 '1&9 679
1
3 #9

91 1265&6
51

59346 1 D3 796 92976
6 4
1476 947195
1 9471 1 94
147$ 92

5 147

3 #9
214 6 12 1 $91 
8949 75


3512
59346 :1156 4
C297

0
15 D39959
 691 1 71 92971 6
2125

8949 7$59
0"9
 6
05
356
51 1
6
9114
51 0"9
(57) *+ 949
,/

0656
:349
459

0
15 '1&9 679
 D39959
 8949 7$59
0"9
 05
356
596 1 9114
596
92971 
-6
5 012341567859
$

269
5 -6
5 012341567859
656 66 679961 92965 1179621471 6&
1
0
15 .1379
(57) *+ 949
,//)

'
&
6 15&3476 
4 76471 
641
 

4 9 71471 12 9 21 26  
473
 1
%6265 6 6714
656
67
1 31 656
717

$ 
4 9156
6
26 1 -6
5 012341567859
(79
15
3 (
1476
 
57647
 1 6&3$2 $ :349
459
0"9
1 76 46 (796 1 5111
(
1476
596 6 05194496 0"96 /4 79739
46 1 71 6
51 347
115
15 
4 9156
364

3

-6
5
012341567859
(57 *+ 949
,/)

!
2 -
7
1 . 7926 01 197
1 !
4 9156

0949
865
8
51956 6 0
%6


E 29 

8949 7$59
0"9
:1156 5
2
15 6 51696
6 3 796 6 12 6
9161 1 12 11 6 
. 76
912
579
1
995197
)

(7149
621471
66 1 (71492147
6
!96
7 9 7126 !96

8949 7$59
0"9
:1156
3 )6 2
51 
46 6 1 71 17269) 814 6&14 146294%66 551 
496 656
14151
1175F49

512171471 15

1 
4 91566 )


G

HIJKLMNO
JKLMNIPQRST
B?U
JKLMNIVQRST
;;WU
JKLMNIXQRST
><+U
YZ[\]]]V^_`_\V]P`I\IKaNIJRNKbJIJbNIKNcdJbefNIfeNgJSNQRST
?W*U
Assinado com certificado digital por PROCURADORA-GERAL DA REPÚBLICA RAQUEL ELIAS FERREIRA DODGE, em 22/06/2018 18:46. Para verificar a autenticidade acesse
PROCURADORIA-GERALDAREPÚBLICA
GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DAREPÚBLICA

PGR-00299924/2018

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL


PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA

No 765/2018 SFConst/PGR

REFERÊNCIA: PGR-00026858/2015 (Manifestação 20150007528)


INTERESSADO: Plínio Marcos Moreira da Rocha
ASSUNTO: Suposto desrespeito aos limites impostos pelo Teto Salarial do
Funcionalismo Público nacional

http://www.transparencia.mpf.mp.br/validacaodocumento. Chave 79B01351.7D5BD98C.E151116B.A9D42679


DECISÃO DE ARQUIVAMENTO

O expediente, originário da Sala de Atendimento ao Cidadão, formaliza suposta


“denúncia”, fundada em notícia veiculada em alguns sítios eletrônicos, a respeito de alegadas
“desigualdades existentes no Sistema de Remuneração do Funcionalismo Público Brasileiro”.
Observa que a Constituição da República fixa diversos tetos remuneratórios, mas ressalta que
estes devem ser respeitados nos casos de cumulação de vencimentos com proventos.

O documento não apresenta elementos suficientes para a atuação da


Procuradoria-Geral da República perante o Supremo Tribunal Federal, já que sequer aponta
qual é exatamente o ato normativo impugnado.

Consta do expediente a informação de que o interessado não deseja receber


resposta em relação à decisão aqui tomada. Assim sendo, arquive-se a manifestação.

Brasília (DF), 22 de junho de 2018.

Raquel Elias Ferreira Dodge


Procuradora-Geral da República
FC

Gabinete da Procuradora-Geral da República


Brasília/DF
Esta Petição foi enviada ao Excelentíssimo Procurador-Geral da República,
através da carta registrada RJ479700630BR, postada em 21 de Dezembro de
2010 às 13:18 horas.

Petição ADPF da Lei de Equiparação Salarial


Ministério Público Federal
Procuradoria Geral da República
SAF Sul Quadra 4 Conjunto C
70050-900 - Brasília – DF

Ao Excelentíssimo Procurador-Geral da República

Com Base na CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO


BRASIL DE 1988, TÍTULO II - Dos Direitos e Garantias Fundamentais,
CAPÍTULO I - DOS DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS, Art.
5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza,
garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a
inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à
propriedade, nos termos seguintes: XXXIII - todos têm direito a receber dos
órgãos públicos informações de seu interesse particular, ou de interesse
coletivo ou geral, que serão prestadas no prazo da lei, sob pena de
responsabilidade, ressalvadas aquelas cujo sigilo seja imprescindível à
segurança da sociedade e do Estado; XXXIV - são a todos assegurados,
independentemente do pagamento de taxas: a) o direito de petição aos
Poderes Públicos em defesa de direitos ou contra ilegalidade ou abuso de
poder,

Venho, mui respeitosamente, SUGERIR, que Esta Procuradoria, envida


Todos os Esforços, utilizando-se de TODOS os Meios que dispuser, para que,
seja Argüido o Descumprimento de Preceito Fundamental, do Projeto de
Decreto Legislativo 3036/10, de autoria da Mesa Diretora da Câmara de
Deputados, que equipara os salários de presidente da República, vice-
presidente, ministros de Estado, senadores e deputados aos vencimentos
recebidos atualmente pelos ministros do Supremo Tribunal Federal:
RS26.723,13.

Tal parte da CERTEZA de que este Decreto Legislativo FERE DE


MORTE preceitos fundamentais da Constituição da República Federativa do
Brasil, promulgada em 1988.

1ª Premissa: Autonomia Administrativa e Financeira

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.htm

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988


CAPÍTULO III
DO PODER JUDICIÁRIO
Seção I
DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 99. Ao Poder Judiciário é assegurada autonomia administrativa e


financeira.

§ 1º - Os tribunais elaborarão suas propostas orçamentárias dentro dos


limites estipulados conjuntamente com os demais Poderes na lei de
diretrizes orçamentárias.

§ 2º - O encaminhamento da proposta, ouvidos os outros tribunais


interessados, compete:

I - no âmbito da União, aos Presidentes do Supremo Tribunal Federal e


dos Tribunais Superiores, com a aprovação dos respectivos tribunais;

II - no âmbito dos Estados e no do Distrito Federal e Territórios, aos


Presidentes dos Tribunais de Justiça, com a aprovação dos respectivos
tribunais.

§ 3º Se os órgãos referidos no § 2º não encaminharem as respectivas


propostas orçamentárias dentro do prazo estabelecido na lei de diretrizes
orçamentárias, o Poder Executivo considerará, para fins de consolidação da
proposta orçamentária anual, os valores aprovados na lei orçamentária
vigente, ajustados de acordo com os limites estipulados na forma do § 1º deste
artigo. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004)

§ 4º Se as propostas orçamentárias de que trata este artigo forem


encaminhadas em desacordo com os limites estipulados na forma do § 1º, o
Poder Executivo procederá aos ajustes necessários para fins de
consolidação da proposta orçamentária anual. (Incluído pela Emenda
Constitucional nº 45, de 2004)

§ 5º Durante a execução orçamentária do exercício, não poderá haver a


realização de despesas ou a assunção de obrigações que extrapolem os
limites estabelecidos na lei de diretrizes orçamentárias, exceto se previamente
autorizadas, mediante a abertura de créditos suplementares ou especiais.
(Incluído pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004)

TÍTULO III
Da Organização do Estado
CAPÍTULO I
DA ORGANIZAÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA

Art. 18. A organização político-administrativa da República Federativa do


Brasil compreende a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios,
todos autônomos, nos termos desta Constituição.
CAPÍTULO III
DOS ESTADOS FEDERADOS

Art. 25. Os Estados organizam-se e regem-se pelas Constituições e leis


que adotarem, observados os princípios desta Constituição.

CAPÍTULO IV
Dos Municípios

Art. 29. O Município reger-se-á por lei orgânica, votada em dois turnos,
com o interstício mínimo de dez dias, e aprovada por dois terços dos membros
da Câmara Municipal, que a promulgará, atendidos os princípios estabelecidos
nesta Constituição, na Constituição do respectivo Estado e os seguintes
preceitos:

VI - o subsídio dos Vereadores será fixado pelas respectivas Câmaras


Municipais em cada legislatura para a subseqüente, observado o que dispõe
esta Constituição, observados os critérios estabelecidos na respectiva Lei
Orgânica e os seguintes limites máximos:

Art. 29-A. O total da despesa do Poder Legislativo Municipal, incluídos os


subsídios dos Vereadores e excluídos os gastos com inativos, não poderá
ultrapassar os seguintes percentuais, relativos ao somatório da receita
tributária e das transferências previstas no § 5o do art. 153 e nos arts. 158 e
159, efetivamente realizado no exercício anterior

§ 1o A Câmara Municipal não gastará mais de setenta por cento de sua


receita com folha de pagamento, incluído o gasto com o subsídio de seus
Vereadores

CAPÍTULO V
DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS
Seção I
DO DISTRITO FEDERAL

Art. 32. O Distrito Federal, vedada sua divisão em Municípios, reger- se-á
por lei orgânica, votada em dois turnos com interstício mínimo de dez dias, e
aprovada por dois terços da Câmara Legislativa, que a promulgará, atendidos
os princípios estabelecidos nesta Constituição.

Considerações da 1ª Premissa:

A Constituição coloca de forma clara, inquestionável e irrefutável a


independência Administrativa e Financeira dos diversos Órgãos do Poder
Executivo, Legislativo e do Judiciário, nas esferas governamentais (Federal,
Estadual e Municipal).

Em relação à questão, podemos afirmar que a Política Salarial é sua


representação máxima, uma vez que, a mesma é cristalizada através de
Plano de Cargos e Salários, onde estarão definidas as remunerações, diretas
e indiretas, de cada Servidor, em conformidade com critérios, objetivos e
subjetivos, aplicáveis de forma única, principalmente, respeitando as
limitações orçamentárias de cada órgão institucional.

Logo qualquer tipo de equiparação, “por cima”, simplesmente,


desequilibrará a harmonia, intrínseca, do que estiver em vigência, de tal
forma, que a equiparação proporcionará uma situação favorável específica,
em detrimento, dos demais integrantes do Plano de Cargos e Salários.

Portanto, qualquer esforço para equiparar ou ajustar Salários, deve ser


feito, através da revisão dos critérios, e premissas, do Plano de Cargos e
Salários, de forma a promover a JUSTA REMUNERAÇÃO.

2ª Premissa: Impessoalidade

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.htm

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988

CAPÍTULO VII
DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
Seção I
DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes


da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos
princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência
e, também, ao seguinte

X - a remuneração dos servidores públicos e o subsídio de que trata o § 4º


do art. 39 somente poderão ser fixados ou alterados por lei específica,
observada a iniciativa privativa em cada caso, assegurada revisão geral anual,
sempre na mesma data e sem distinção de índices;

XI - a remuneração e o subsídio dos ocupantes de cargos, funções e


empregos públicos da administração direta, autárquica e fundacional, dos
membros de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito
Federal e dos Municípios, dos detentores de mandato eletivo e dos demais
agentes políticos e os proventos, pensões ou outra espécie remuneratória,
percebidos cumulativamente ou não, incluídas as vantagens pessoais ou de
qualquer outra natureza, não poderão exceder o subsídio mensal, em
espécie, dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, aplicando-se como li-
mite, nos Municípios, o subsídio do Prefeito, e nos Estados e no Distrito
Federal, o subsídio mensal do Governador no âmbito do Poder Executivo, o
subsídio dos Deputados Estaduais e Distritais no âmbito do Poder Legislativo e
o sub-sídio dos Desembargadores do Tribunal de Justiça, limitado a noventa
inteiros e vinte e cinco centésimos por cento do subsídio mensal, em
espécie, dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, no âmbito do Poder
Judiciário, aplicável este limite aos membros do Ministério Público, aos
Procuradores e aos Defensores Públicos;
XII - os vencimentos dos cargos do Poder Legislativo e do Poder Judiciário
não poderão ser superiores aos pagos pelo Poder Executivo;

XIII - é vedada a vinculação ou equiparação de quaisquer espécies


remuneratórias para o efeito de remuneração de pessoal do serviço público;
XV - o subsídio e os vencimentos dos ocupantes de cargos e empregos
públicos são irredutíveis, ressalvado o disposto nos incisos XI e XIV deste
artigo e nos arts. 39, § 4º, 150, II, 153, III, e 153, § 2º, I;

Considerações da 2ª Premissa:

A Constituição coloca de forma clara, inquestionável e irrefutável a


importância de que a Remuneração do Servidor Público deve ser
administrada com impessoalidade, isto é, sem qualquer distinção entre os
integrantes do Plano de Cargos e Salários (Art. 37).

Por esta razão, dispõe que a remuneração e o subsídio serão reajustados


por lei específica, através de ÍNDICE ÚNICO. Algo que garantirá o equilíbrio,
e a harmonia, do Plano de Cargos e Salários em vigência (Art. 37 – X).

Por esta mesma razão, VEDA a vinculação ou equiparação de qualquer


espécie para o efeito de remuneração de pessoal do serviço público (Art. 37
– XIII).

Portanto, qualquer esforço para equiparar ou ajustar Salários, deve ser


feito, através da revisão dos critérios, e premissas, do Plano de Cargos e
Salários, de forma a promover a JUSTA REMUNERAÇÃO.

3ª Premissa: Planos de Carreira

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.htm

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988

CAPÍTULO VII
DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
Seção II
DOS SERVIDORES PÚBLICOS

Art. 39. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios instituirão,


no âmbito de sua competência, regime jurídico único e planos de carreira
para os servidores da administração pública direta, das autarquias e das
fundações públicas. (Vide ADIN nº 2.135-4)
§ 1º A fixação dos padrões de vencimento e dos demais componentes do
sistema remuneratório observará: (Redação dada pela Emenda Constitucional
nº 19, de 1998)

I - a natureza, o grau de responsabilidade e a complexidade dos cargos


componentes de cada carreira; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de
1998)

II - os requisitos para a investidura; (Incluído pela Emenda Constitucional nº


19, de 1998)

III - as peculiaridades dos cargos. (Incluído pela Emenda Constitucional nº


19, de 1998)

§ 4º O membro de Poder, o detentor de mandato eletivo, os Ministros de


Estado e os Secretários Estaduais e Municipais serão remunerados
exclusivamente por subsídio fixado em parcela única, vedado o acréscimo
de qualquer gratificação, adicional, abono, prêmio, verba de representação ou
outra espécie remuneratória, obedecido, em qualquer caso, o disposto no art.
37, X e XI. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)

§ 8º A remuneração dos servidores públicos organizados em carreira


poderá ser fixada nos termos do § 4º. (Redação dada pela Emenda
Constitucional nº 19, de 1998)

Considerações da 3ª Premissa:

A Constituição coloca de forma clara, inquestionável e irrefutável a


obrigatoriedade do Plano de Cargos e Salários, bem como, define suas
Linhas Mestras, uma vez que, reconhece a importância de Critérios, e
Premissas, definidos para se obter a JUSTA REMUNERAÇÃO, a TODOS os
Servidores Públicos (Art. 39),

Por esta razão, podemos afirmar que, se o TOPO da pirâmide esta


defasado em relação a uma outra pirâmide, presumivelmente TODA a
Pirâmide também esta. Logo, não se equilibrará, nem se fará JUSTIÇA,
apenas e tão somente, AJUSTANDO o TOPO, muito pelo contrário,
aumentará esta INJUSTIÇA, pois, introduzirá na Pirâmide, em mesmo
contexto, a defasagem identificada.

Vale ressaltar, que muitas são as variáveis que podem gerar tais
defasagens, no entanto, esta será conseqüência natural da limitação
orçamentária de cada Órgão Público. Afinal, o número de servidores, pura e
simplesmente, já é variável significativa desta distorção.

Portanto, qualquer esforço para equiparar ou ajustar Salários, deve ser


feito, através da revisão dos critérios, e premissas, do Plano de Cargos e
Salários, de forma a promover a JUSTA REMUNERAÇÃO.

4ª Premissa: Equiparação Salarial


Primeiramente, devemos entender que a expressão equiparação salarial
tem em seu bojo teleológico, a equiparação de vencimentos, diretos e
indiretos, e por isso, somente pode ser obtido dentro de um mesmo
contexto de política salarial, onde as remunerações, benefícios diretos e
indiretos, tem mesma característica (Art. 37 – XII),

Por, esta razão, não nos é possível identificar, na equiparação salarial,


ora em questão, o princípio de ISONOMIA, buscado em qualquer
equiparação, uma vez que, as remunerações, incluso benefícios diretos e
indiretos, dos Cargos Públicos pseudamente equiparados “por cima” é
significativamente diferente.

Por esta razão, não nos é possível identificar, nos Cargos Públicos
pseudamente equiparados “por cima”, qualquer semelhança funcional,
exceção feita a serem TOPO de Pirâmide Salarial, em seus respectivos
Órgãos Públicos.

Se, em tese, aceitarmos como legítima a equiparação acima, devemos


aceitar que qualquer Cargo dos diversos Planos de Cargos e Salários, nos
três poderes, nas três esferas da Federação, poderá, ou melhor, deverá ser
equiparado ao Maior Salário existente. Como exemplo, cito o Cargo de
Médico, que pela importância, e relevância, pela tese aceita, deve ter mesma
remuneração.

Se, em tese, aceitarmos como legítima a equiparação acima, os Ministros


de Todos os Tribunais Superiores, o Procurador-Geral da República e o
Superior da Defensoria Pública deveriam estar inserido, uma vez que,
também são TOPO de seus respectivos Plano de Cargos e Salários.

Quando, então, ressalto que o Supremo Tribunal Federal, não é o Órgão,


administrativamente falando, máximo do Judiciário Brasileiro, uma vez que,
são Suprema Corte Brasileira o STF - Supremo Tribunal Federal
(Constitucional, infraconstitucional ou decorrentes deles), TST – Tribunal
Superior do Trabalho (Trabalho), TSE - Tribunal Superior Eleitoral (Eleitoral),
STM - Superior Tribunal Militar (Militar), STJ - Superior Tribunal de Justiça
(Demais Direitos), portanto, assim como TODOS os Ministros do Executivo,
os TODOS os Ministros do Judiciário deveriam ter MESMA
REMUNERAÇÃO.

Portanto, qualquer esforço para equiparar ou ajustar Salários, deve ser


feito, através da revisão dos critérios, e premissas, do Plano de Cargos e
Salários, de forma a promover a JUSTA REMUNERAÇÃO.

5ª Premissa: Entendimento do Supremo Tribunal Federal

Pelo exposto acima, gostaria de ressaltar o entendimento do Supremo


Tribunal Federal sobre este tema, extraído do documento A Constituição e o
Supremo, http://www.stf.jus.br/portal/constituicao/sumariobd.asp:
"Ninguém é obrigado a cumprir ordem ilegal, ou a ela se submeter, ainda que
emanada de autoridade judicial. Mais: é dever de cidadania opor-se à
ordem ilegal; caso contrário, nega-se o Estado de Direito." (HC 73.454, Rel.
Min. Maurício Corrêa, julgamento em 22-4-96, 2ª Turma, DJ de 7-6-96)

“É nula a decisão que recebe denúncia sem fundamentação suficiente


sobre a admissibilidade da ação penal.” (RE 456.673, Rel. Min. Cezar Peluso,
julgamento em 31-3-09, 2ª Turma, DJE de 22-5-09)

“Separação dos poderes. Possibilidade de análise de ato do Poder Executivo


pelo Poder Judiciário. (...) Cabe ao Poder Judiciário a análise da legalidade
e constitucionalidade dos atos dos três Poderes constitucionais, e, em
vislumbrando mácula no ato impugnado, afastar a sua aplicação.” (AI
640.272-AgR, Rel. Min. Ricardo Lewandowski, julgamento em 2-10-09, 1ª
Turma, DJ de 31-10-07). No mesmo sentido: AI 746.260-AgR, Rel. Min.
Cármen Lúcia, julgamento em 9-6-09, 1ª Turma, DJE de 7-8-09.

“Em conclusão, o Tribunal, por maioria, julgou procedente pedido formulado em


ação declaratória de constitucionalidade, proposta pelo Presidente da
República e pelas Mesas do Senado Federal e da Câmara dos Deputados,
para declarar a constitucionalidade do art. 1º da Lei n. 9.494/97 (...). Entendeu-
se, tendo em vista a jurisprudência do STF no sentido da admissibilidade de
leis restritivas ao poder geral de cautela do juiz, desde que fundadas no
critério da razoabilidade, que a referida norma não viola o princípio do livre
acesso ao Judiciário (CF, art. 5º, XXXV). O Min. Menezes Direito,
acompanhando o relator, acrescentou aos seus fundamentos que a tutela
antecipada é criação legal, que poderia ter vindo ao mundo jurídico com mais
exigências do que veio, ou até mesmo poderia ser revogada pelo legislador
ordinário. Asseverou que seria uma contradição afirmar que o instituto criado
pela lei oriunda do Poder Legislativo competente não pudesse ser
revogada, substituída ou modificada, haja vista que isto estaria na raiz
das sociedades democráticas, não sendo admissível trocar as
competências distribuídas pela CF. Considerou que o Supremo tem o
dever maior de interpretar a Constituição, cabendo-lhe dizer se uma lei
votada pelo Parlamento está ou não em conformidade com o Texto
Magno, sendo imperativo que, para isso, encontre a viabilidade
constitucional de assim proceder. Concluiu que, no caso, o fato de o
Congresso Nacional votar lei, impondo condições para o deferimento da tutela
antecipada, instituto processual nascido do processo legislativo, não cria
qualquer limitação ao direito do magistrado enquanto manifestação do Poder
do Estado, presente que as limitações guardam consonância com o sistema
positivo. Frisou que os limites para concessão de antecipação da tutela criados
pela lei sob exame não discrepam da disciplina positiva que impõe o duplo grau
obrigatório de jurisdição nas sentenças contra a União, os Estados e os
Municípios, bem assim as respectivas autarquias e fundações de direito
público, alcançando até mesmo os embargos do devedor julgados
procedentes, no todo ou em parte, contra a Fazenda Pública, não se podendo
dizer que tal regra seja inconstitucional. Os Ministros Ricardo Lewandowski,
Joaquim Barbosa, Ellen Gracie e Gilmar Mendes incorporaram aos seus votos
os adendos do Min. Menezes Direito.” (ADC 4, Rel. p/ o ac. Min. Celso de
Mello, julgamento em 1º-10-08, Plenário, Informativo 522);

6ª Premissa: Teoria da Relatividade

A teoria da relatividade nos apresenta a importância do referencial


utilizado, uma vez que, mudando o referencial, algo que era VERDADEIRO
possa passar a ser FALSO, ou vice-versa. Quando então, ressalto que são os
referenciais que dão corpo à fundamentação, logo, estando os mesmos
equivocados, a própria fundamentação é um COMPLETO EQUÍVOCO.

Conclusão:

Nossa Constituição é RICA, CLARA e JUSTA quanto a Administração das


Políticas Salariais entre os Poderes Constituídos e as Esferas de Governo
(Federal, Estadual e Municipal), de tal forma, que especifica critérios, incluso a
criação de Plano de cargos e Salários com utilização de índices sem
distinção para alteração salarial (Art. 39, Art. 37 – X), bem como, determina
limites.

Quando então, chamo a atenção para o fato de que VEDA (Art. 37 – XIII)
qualquer Vinculação ou Equiparação de pessoal, bem como, determina que
o Legislativo e o Judiciário NÂO PODEM ter em suas respectivas folhas de
pagamentos VENCIMENTOS maiores que os PAGOS pelo Executivo (Art. 37
– XII).

De tal forma, que em existindo, é determinada a REDUÇÃO SALARIAL


(Art. 37 – XII), por isso, sempre que algum membro do Legislativo, ou do
Judiciário, receber VENCIMENTOS maiores que os PAGOS pelo Executivo,
deve se igualar “por baixo”.

Portanto, o “Projeto de Decreto Legislativo 3036/10, de autoria da Mesa


Diretora da Câmara de Deputados, que equipara os salários de presidente
da República, vice-presidente, ministros de Estado, senadores e
deputados aos vencimentos recebidos atualmente pelos ministros do
Supremo Tribunal Federal: RS26.723,13”, concretamente, AFRONTA a
DETERMINAÇÃO CONSTITUCIONAL acima mencionada.

Algo que de forma inquestionável, e irrefutável, nos permite afirmar, que o


Decreto Legislativo 3036/10 é INCONSTITUCIONAL.

Com renovados VOTOS de Estima, Consideração e Respeito, subscrevo-


me,

Atenciosamente,

Plinio Marcos Moreira da Rocha


Rua Gustavo Sampaio nº 112 apto 603
LEME – Rio de Janeiro – RJ
CEP – 22010-010
Tel. (21) 2542-7710
Cópia da Carteira de Trabalho em anexo

PENSO, NÃO SÓ EXISTO, ME FAÇO PRESENTE.

Presumivelmente o único Brasileiro COMUM, que mesmo não sendo


Advogado, nem Bacharel, nem Estudante de Direito, teve suas práticas inscritas na
6ª edição do Prêmio INNOVARE, calcadas no CAOS JURÍDICO que tem como
premissa base o PURO FAZER DE CONTAS, reconhecidas, e DEFERIDAS pelo
Conselho Julgador, conforme documento INNOVARE - Um Brasileiro COMUM no
meio Jurídico, http://www.scribd.com/doc/24252669/INNOVARE-Um-Brasileiro-
COMUM-no-meio-Juridico
Enviado aos Deputados Chico Alencar, Ivan Valente e Luciana Genro

Fale Conosco

A Câmara dos Deputados agradece sua manifestação.

Sua participação é importante para que os deputados federais conheçam os anseios da


sociedade.

Para acompanhar a atuação do parlamentar que o representa nesta Casa, cadastre-se em


Acompanhe Seu Deputado, disponível em http://www.camara.gov.br.

Dados Pessoais
Nome: Plinio Marcos Moreira da Rocha
E-mail: pliniomarcosmr@gmail.com
Mensagem
Assunto: Deputados
Ação: Sugerir
Data de 22/12/2010 14:06
Dados Pessoais
Nome: Plinio Marcos Moreira da Rocha
Cadastramento:
Prezado, Cumpre-me informar que enviei ao Procurador-Geral da
República, através de Carta Registrada, SUGESTÃO, de Arguir
Descumprimento de Preceito Parlamentar, referente ao Decreto
Legislativo 3036/10, vulgarmente conhecido como o da equiparação
salarial. Tentei entregar no PSOL do Rio de Janeiro, mais estava
fechado, quando então, somente me foi possível entregar no PSTU.
Caso seja de seu interesse receber o documento digitalizado, ou
Mensagem:
impresso, é só me solicitar. Reconheço que além do Procurador-Geral
da República, qualquer Partido Político tem autorização legal para
emitir uma ADPF, bem como, por aparentemente ser interesse do
PSOL, uma vez que, é contra a citada "equiparação", coloco-me ao
seu dispor para esclarecimentos. Abraços, Plinio Marcos Moreira da
Rocha Rua Gustavo Samapaio nº 112 apto. 603 LEME - Rio de
Janeiro - RJ Tel. (21) 2542-7710

Câmara dos Deputados


Palácio do Congresso Nacional - Praça dos Três Poderes
70160-900 - Brasília - DF
Disque Câmara - 0800 619 619 - Telefone: (61) 3216-0000

Mapa


Gmail - O Concreto da Hipocrisia Brasileira quanto a Gastos Públicos Página 1 de 2

Plinio Marcos Moreira da Rocha <pliniomarcosmr@gmail.com>

O Concreto da Hipocrisia Brasileira quanto a Gastos Públicos


1ccr-1* Câmara <1ccr@mpf.mp.br> 12 de fevereiro de 2015 11:43
Para: pliniomarcosmr@gmail.com

Prezado,

Informamos que sua denúncia/representação deverá ser encaminhada para a Sala de Atendimento
ao Cidadão que é o órgão criado para a interlocução entre o Ministério Público Federal e a
sociedade. No endereço: http://cidadao.mpf.mp.br/ - clique em REGISTRAR DENÚNCIA OU
SOLICITAÇÃO.

Atenciosamente,
1ª Câmara de Coordenação e Revisão
Procuradoria Geral da República
Ministério Público Federal

>>> "Plinio Marcos Moreira da Rocha"<pliniomarcosmr@terra.com.br> 12/02/2015 00:27 >>>

------- Mensagem encaminhada -------


De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: gabinetepessoal@presidencia.gov.br, jorgeviana.acre@senador.gov.br,
jose.agripino@senador.gov.br, gab.josepimentel@senado.gov.br, sarney@senador.gov.br, Kátia
Abreu katia.abreu@senadora.gov.br, lidice.mata@senadora.gov.br, lindbergh.farias@senador.gov.br,
lobaofilho@senador.gov.br, lucia.vania@senadora.gov.br, luizhenrique@senador.gov.br,
magnomalta@senador.gov.br, crivella@senador.gov.br, maria.carmo@senadora.gov.br,
marinorbrito@senadora.gov.br, mario.couto@senador.gov.br, martasuplicy@senadora.gov.br,
paulobauer@senador.gov.br, paulodavim@senador.gov.br, PauloPaimSenador
paulopaim@senador.gov.br, simon@senador.gov.br, reditariocassol@senador.gov.br,
renan.calheiros@senador.gov.br, roberto.requiao@senador.gov.br, rollemberg@senador.gov.br,
romero.juca@senador.gov.br, gabminjoaquim@stf.gov.br, Gilmar Mendes mgilmar@stf.gov.br,
imprensa@alvarodias.com.br, justica.aberta@cnj.jus.br, marcoaurelio@stf.gov.br, Luiz Fux
gabineteluizfux@stf.jus.br, audienciasgilmarmendes@stf.jus.br, audienciacarmen@stf.jus.br,
gabmtoffoli@stf.jus.br, Luiz Fux gabineteluizfux@stf.jus.br, audiencias-minrosaweber@stf.jus.br,
audienciamlrb@stf.jus.br
CC: cidhdenuncias@oas.org, cidhoea@oas.org, pliniomarcosmr pliniomarcosmr@gmail.com
Assunto: O Concreto da Hipocrisia Brasileira quanto a Gastos Públicos
Data: 12/02/2015 02h07min25s UTC

Prezados,
Apresento o documento "O Concreto da Hipocrisia Brasileira quanto a
Gastos Públicos", https://pt.scribd.com/doc/255502568/O-Concreto-Da-Hipocrisia-
Brasileira-Quanto-a-Gastos-Publicos , onde estamos apresentando nosso, empírico,
entendimento sobre as desigualdades existentes no Sistema de Remuneração do
Funcionalismo Público Brasileiro, uma vez que, em princípio, o Teto Salarial
Constitucional é uma abstração não reconhecida, e nem cumprida, em sua
plenitude.

https://mail.google.com/mail/u/0/?ui=2&ik=3a6f17a4aa&view=pt&cat=hipocrisia%2... 13/02/2015
Gmail - O Concreto da Hipocrisia Brasileira quanto a Gastos Públicos Página 2 de 2

Aproveito a oportunidade para reapresentar o documento "ADPF -

Inconstitucionalidade Equiparação Salarial DCL 3036-10",

https://pt.scribd.com/doc/45800315/ADPF-Inconstitucionalidade-Equiparacao-

Salarial-DCL-3036-10 , que representa de forma concreta o total DESRESPEITO à

Constituição de República Federativa do Brasil, promulgada em 1988.

Abraços,
Plinio Marcos

https://mail.google.com/mail/u/0/?ui=2&ik=3a6f17a4aa&view=pt&cat=hipocrisia%2... 13/02/2015
O Concreto da Hipocrisia Brasileira quanto a Gastos Públicos
Meu nome é Plinio Marcos Moreira da Rocha, sou um Brasileiro COMUM, que
mesmo não tendo concluído qualquer curso de 3° Gráu, nem tenha cursado qualquer
curso de Direito, tenho práticas inscritas na 6ª, e na 7ª, Edição do Prêmio INNOVARE,
calcadas no “CAOS JURÍDICO” em que vive a Sociedade Brasileiro, que foram, não só
aceitas, mas, DEFERIDAS pela Comissão Julgadora.

Estou apresentando, o concreto, da HIPOCRISIA Brasileira, ora em relação a


Gastos Públicos, uma vez que, recentemente o Governo Brasileiro emitiu Medidas
Provisórias que fazem parte do necessário ajuste fiscal, atuando de tal forma a
prejudicar a população de mais baixa renda, justamente a mais necessitada, quando
deveria, no mínimo garantir o TETO Salarial Constitucional.

Aproveito para chamar a atenção para a fragilidade da Presidente da República


Federativa do Brasil, que sofre “ATAQUES Pessoais” de várias vertentes políticas, e
“politiqueiras”, uma vez que, os Maiores Partidos da Coligação Partidária que a
Elegeu não foram Éticos, tendo em vista que, participaram de Coligações Partidárias,
em mesma circunscrição, que elegeram Senadores de OPOSIÇÃO, ou mesmo
ajudaram a eleger Deputados Federais de OPOSIÇÃO, em total AGRESSÃO ao
Direito Eleitoral VIGENTE, onde claramente esta especificado que as Coligações
PROPORCIONAIS (Aquelas que o Mandato Parlamentar PERTENCE à Coligação
Partidária/Partido Político que o ELEGEU) devem RESPEITAR as Coligações
MAJORITÁRIAS (Cargo de Chefe do Executivo da Respectiva Circunscrição), razão pela
qual, não nos é difícil de entender que no atual Ministério da Presidente Dilma Rousseff,
constem integrantes sem qualquer seu apreço pessoal, constem integrantes de
Partidos Coligados mas que pertençam a Estados em que foram OPOSIÇÃO, e
principalmente, conste integrante do PTB que fez parte de Coligação Partidária de
Oposição, como também, não nos é difícil entender as sucessivas derrotas em
matérias de interesse da Presidência da República no Congresso Nacional, face a
simulada base eleitoral, que de fato, é inexistente.

Estas poucas palavras tem a preocupação de afirmar, reafirmar, MEU APOIO


INCONDICIONAL à Presidente da República Federativa do Brasil, Sra. Dilma Rousseff,
ressaltando que a economia Brasileira se ressente dos quase U$68,000,000,000.00 que
foram desfrutados (usufruídos) no desfrute (achincalhe) por cidadãos (pouco)
brasileiros, razão pela qual, insisto que a Receita Federal tenha acesso a TODAS as
Movimentações Financeiras, de tal forma, identificar com a precisão necessária os
SONEGADORES, e principalmente, elementos que se locupletam, de alguma forma, com
dinheiro ilícito, como determina o Acordo de Capital de Basileia (International
Convergence of Capital Measurement and Capital Standards), algo que me permite
afirmar que no Brasil, não é premente, e necessária, a tributação especial dos RICOS
como pleiteia, hoje, Barak Obama, mas, apenas e tão somente, atuar nos pequenos,
médios, e grandes SONEGADORES, tendo em vista, que a Receita Federal é
extremamente EFICAZ no combate a sonegação quando o foco são os Assalariados.
Voltando ao aspecto da Hipocrisia Brasileira gostaríamos de chamar a atenção
para a Constituição da República Federativa do Brasil, quando especificou em 1988, o
Teto Salarial, uma vez que, TETO determina de forma inquestionável LIMITE, portanto,
ao se falar em redução de gastos, é imprescindível, é inquestionável, é imperioso, quiçá
Visceral, que a premissa Constitucional do Teto Constitucional SEJA uma REALIDADE.

CAPÍTULO VII
DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
Seção I
DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União,
dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade,
impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte: (Redação
dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)

X - a remuneração dos servidores públicos e o subsídio de que trata o § 4º do art. 39


somente poderão ser fixados ou alterados por lei específica, observada a iniciativa
privativa em cada caso, assegurada revisão geral anual, sempre na mesma data e sem
distinção de índices; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
(Regulamento)

XI - a remuneração e o subsídio dos ocupantes de cargos, funções e empregos


públicos da administração direta, autárquica e fundacional, dos membros de qualquer dos
Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, dos detentores de
mandato eletivo e dos demais agentes políticos e os proventos, pensões ou outra espécie
remuneratória, percebidos cumulativamente ou não, incluídas as vantagens pessoais
ou de qualquer outra natureza, não poderão exceder o subsídio mensal, em
espécie, dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, aplicando-se como limite, nos
Municípios, o subsídio do Prefeito, e nos Estados e no Distrito Federal, o subsídio
mensal do Governador no âmbito do Poder Executivo, o subsídio dos Deputados
Estaduais e Distritais no âmbito do Poder Legislativo e o subsídio dos Desembargadores
do Tribunal de Justiça, limitado a noventa inteiros e vinte e cinco centésimos por cento do
subsídio mensal, em espécie, dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, no âmbito do
Poder Judiciário, aplicável este limite aos membros do Ministério Público, aos
Procuradores e aos Defensores Públicos; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº
41, 19.12.2003)

No RECURSO ESPECIAL Nº 1.378.896 - AM (2013/0127131-8), do Superior Tribunal


de Justiça, consta:

.../

Quanto à violação dos arts. 468 e 471, ambos do CPC, cabe salientar que, a partir da
entrada em vigor da Emenda Constitucional n. 41/2003, que deu nova redação ao art. 37,
XI, da Constituição da República, não há falar em direito adquirido ao recebimento de
remuneração, proventos ou pensão acima do teto remuneratório estabelecido pela Emenda
citada, nem ato jurídico perfeito que se sobreponha ao referido teto, não preponderando a
garantia da irredutibilidade de vencimentos em face da nova ordem constitucional. Veja-se
o referido dispositivo constitucional:

...

De fato, a jurisprudência do STJ, na esteira do entendimento firmado pelo Supremo


Tribunal Federal, assentou a compreensão de que não existe direito adquirido ao
recebimento de remuneração além do teto estabelecido pela Emenda Constitucional n.
41/2003, não prevalecendo a garantia da irredutibilidade de vencimentos em face da nova
ordem constitucional. Nesse sentido são os seguintes precedentes:

...

Em suma: a garantia da irredutibilidade dos vencimentos (art. 37, XV, da CF/88) deve ser
observada, desde que os valores percebidos se limitem ao teto do funcionalismo público.

Por fim, cabe destacar que o Excelso Supremo Tribunal Federal julgou, em regime de
repercussão geral, o Recurso Extraordinário n. 609.381/GO, no qual decidiu que todas as
verbas de natureza remuneratória recebidas pelos servidores públicos se submetem ao
limite máximo determinado pela Emenda Constitucional n. 41/03, ainda que essas verbas
tenham sido adquiridas de acordo com regime legal anterior. A propósito, confira-se a
ementa do referido precedente do STF:

\...

XII - os vencimentos dos cargos do Poder Legislativo e do Poder Judiciário não


poderão ser superiores aos pagos pelo Poder Executivo;

XIII - é vedada a vinculação ou equiparação de quaisquer espécies remuneratórias


para o efeito de remuneração de pessoal do serviço público; (Redação dada pela
Emenda Constitucional nº 19, de 1998)

XIV - os acréscimos pecuniários percebidos por servidor público não serão


computados nem acumulados para fins de concessão de acréscimos ulteriores;
(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)

No Processo ADI 1586 PA, do Supremo Tribunal Federal, consta:


1. Estabelecem as normas impugnadas: "Art. 131 - O adicional por tempo de serviço será
devido por triênios de efetivo exercício, até o máximo de 12 (doze). § 1º - Os adicionais serão
calculados sobre a remuneração do cargo, nas seguintes proporções: I - aos três anos, 5%; ... XII
- aos trinta e seis anos, 5% - 60%. § 2º - O servidor fará jus ao adicional a partir do mês em que
completar o triênio, independente de solicitação." 2. Como se vê do § 1º desse artigo, "os
adicionais serão calculados sobre a remuneração do cargo" e nas proporções e progressões
referidas. 3. O art. 116 da Lei dispõe que "o vencimento é a retribuição pecuniária mensal
devida ao servidor, correspondente ao padrão fixado em lei. E o art. 118 que" remuneração é o
vencimento acrescido das demais vantagens de caráter permanente, atribuídas pelo exercício
do cargo público ". 4. Sendo assim, não há dúvida de que os adicionais, por triênio de serviço,
no Estado do Pará, numa progressão de 5% a 60%, cumulativamente, incidem sobre os
adicionais anteriores, o que contraria o disposto no inciso XIV do art. 37 da Constituição
Federal, de 5.10.1988, segundo o qual:"os acréscimos pecuniários percebidos por servidor
público não serão computados nem acumulados, para fins de concessão de acréscimos
ulteriores, sob o mesmo título ou idêntico fundamento". 5. Precedentes do S.T.F.: ADI 1.418,
RR.EE. nºs 143.817, 168.937, 130.960 e 168.614. 6. Não há necessidade, porém, de se declarar
a inconstitucionalidade do § 1º do art. 131, como se pede na inicial. Basta que se lhe dê uma
interpretação conforme à Constituição Federal, excluídas todas as demais. Ou seja, basta que se
interprete tal parágrafo, como a significar que"os adicionais por tempo de serviço serão
calculados sobre a remuneração do cargo", exceto sobre os adicionais anteriores por tempo de
serviço. 7. Ação Direta julgada procedente, em parte, para se atribuir, ao § 1º do art. 131 da Lei
Estadual nº 5.810, de 24.01.1994, interpretação conforme à Constituição, de modo a excluir a
incidência dos adicionais, por tempo de serviço, referidos no"caput", sobre adicionais
anteriores, sob o mesmo título e idêntico fundamento. 8. Plenário. Decisão unânime.


XV - o subsídio e os vencimentos dos ocupantes de cargos e empregos públicos são
irredutíveis, ressalvado o disposto nos incisos XI e XIV deste artigo e nos arts. 39, § 4º,
150, II, 153, III, e 153, § 2º, I; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)

XVI - é vedada a acumulação remunerada de cargos públicos, exceto, quando


houver compatibilidade de horários, observado em qualquer caso o disposto no inciso
XI: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)

a) a de dois cargos de professor; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19,


de 1998)

b) a de um cargo de professor com outro técnico ou científico; (Redação dada pela


Emenda Constitucional nº 19, de 1998)

c) a de dois cargos ou empregos privativos de profissionais de saúde, com profissões


regulamentadas; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 34, de 2001)

XVII - a proibição de acumular estende-se a empregos e funções e abrange


autarquias, fundações, empresas públicas, sociedades de economia mista, suas
subsidiárias, e sociedades controladas, direta ou indiretamente, pelo poder público;
(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
Pelo acima exposto, perguntas não querem calar:

Existe no Poder Legislativo, no Poder Judiciário, no Ministério Público, algum


profissional que tenha REMUNERAÇÃO (somatório de TODAS as Verbas remuneratória
de qualquer natureza, excluindo a única parcela pessoal, e intransferível, especificada
pela Consolidação das Leis Trabalhistas, que é o Adicional por Antiguidade) superior à
maior remuneração de mesma atividade paga pelo Poder Executivo, quando então,
ressaltamos que existem vários TETOS Constitucionais, uma vez que, a remuneração
por atividade igual ou similar tem no Poder Executivo seu TETO Constitucional (XII) ?

Existe alguma pensão/aposentadoria (acumulada ou não) superior à maior


remuneração paga pelo Poder Executivo (XVI) ? Afinal, a pensão/aposentadoria de
Funcionário Público é paga pelo Tesouro (Nacional, Estadual ou Municipal),
diferentemente das pensões/aposentadorias da Iniciativa Privada que são pagas pelo
INSS, quando então, ressaltamos a existência da Previdência Pública Institucional
(cuja responsabilidade é do Tesouro Nacional, Estadual ou Municipal com valor limitado
ao Salário em Exercício, ao Teto Constitucional e a Lei Complementar nº101, de 4 de
maio de 2000, compatível ao fato de nunca ter existido contribuição) e a existência da
Previdência Pública Privada (cuja responsabilidade é do INSS com valor limitado de
pensão/aposentadoria à 20 salários referência, compatível ao Valor BASE da obrigatória
Contribuição) ?

Será que o Art. 49, em especial seus incisos VII e VII, esta sendo aplicado em
conformidade com o Art. 37 , Art. 39, § 4º, Art. 150, inciso II, Art. 153, inciso III, e Art.
153, § 2º, inciso I que especifica as regras de remuneração com estipulação de Teto
Salarial ?

Art. 49. É da competência exclusiva do Congresso Nacional:

VII - fixar idêntico subsídio para os Deputados Federais e os Senadores,


observado o que dispõem os arts. 37, XI, 39, § 4º, 150, II, 153, III, e 153, § 2º, I;

VIII - fixar os subsídios do Presidente e do Vice-Presidente da República e dos


Ministros de Estado, observado o que dispõem os arts. 37, XI, 39, § 4º, 150, II, 153, III,
e 153, § 2º, I;

Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é


vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

II - instituir tratamento desigual entre contribuintes que se encontrem em


situação equivalente, proibida qualquer distinção em razão de ocupação profissional
ou função por eles exercida, independentemente da denominação jurídica dos
rendimentos, títulos ou direitos;

Art. 153. Compete à União instituir impostos sobre:

III - renda e proventos de qualquer natureza;

§ 2º - O imposto previsto no inciso III:


I - será informado pelos critérios da generalidade, da universalidade e da
progressividade, na forma da lei;

Será que o Art. 27 em especial seu § 1º esta sendo aplicado em conformidade com
o Art. 37 que especifica as regras de remuneração com estipulação de Teto Salarial (X
e XI) ?

Art. 27. O número de Deputados à Assembléia Legislativa corresponderá ao triplo


da representação do Estado na Câmara dos Deputados e, atingido o número de trinta
e seis, será acrescido de tantos quantos forem os Deputados Federais acima de doze.

§ 1º - Será de quatro anos o mandato dos Deputados Estaduais, aplicando- sê-


lhes as regras desta Constituição sobre sistema eleitoral, inviolabilidade,
imunidades, remuneração, perda de mandato, licença, impedimentos e incorporação
às Forças Armadas.

Será que o Art. 39 em especial seu § 4º esta sendo aplicado em conformidade com
o Art. 37 que especifica as regras de remuneração com estipulação de Teto Salarial
(X) ?

Art. 39 A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios instituirão conselho


de política de administração e remuneração de pessoal, integrado por servidores
designados pelos respectivos Poderes.

§ 4º O membro de Poder, o detentor de mandato eletivo, os Ministros de Estado e


os Secretários Estaduais e Municipais serão remunerados exclusivamente por
subsídio fixado em parcela única, vedado o acréscimo de qualquer gratificação,
adicional, abono, prêmio, verba de representação ou outra espécie remuneratória,
obedecido, em qualquer caso, o disposto no art. 37, X e XI.

Como o portal de transparência não nos permite identificar o maior salário em cada
atividade, em cada Poder, em cada Circunscrição, reconheço dispor de muito pouca
informação, quase todas pinçadas da mídia, ao longo dos anos, calcado em memória,
ouso colocar que:

1 – Tenho dúvidas se o Senador recebe única e exclusivamente subsídio fixado


em parcela única, sem qualquer acréscimo de qualquer gratificação, adicional, abono,
prêmio, verba de representação ou outra espécie remuneratória.

2 – Tenho dúvidas se o Deputado Federal recebe única e exclusivamente subsídio


fixado em parcela única, sem qualquer acréscimo de qualquer gratificação, adicional,
abono, prêmio, verba de representação ou outra espécie remuneratória.

3 – Tenho dúvidas se TODOS os Membros do Poder Judiciário, Membros do


Ministério Público, Procuradores, e Defensores Públicos, considerando todas as verbas
remuneratórias estão realmente respeitando o Teto Constitucional do subsídio dos
Desembargadores do Tribunal de Justiça, que é limitado a noventa inteiros e vinte e cinco
centésimos por cento do subsídio mensal, em espécie, dos Ministros do Supremo
Tribunal Federal.
4 – Tenho dúvidas se TODOS os Funcionários dos Poderes Legislativo, Judiciário,
Ministério Público, Procuradoria, e Defensoria Pública realmente estão respeitando o
Teto Constitucional da maior remuneração de seu par no Poder Executivo.

5 – Tenho dúvidas se TODAS as Pensões/Aposentadorias (Acumuladas ou não) do


Funcionalismo Público realmente estão respeitando o Teto Constitucional seja do
funcionalismo, seja das Autoridades Institucionais, ou seja ,seu par ainda em exercício.

Afinal, a jurisprudência do STJ, na esteira do entendimento firmado pelo Supremo


Tribunal Federal, assentou a compreensão de que não existe direito adquirido ao
recebimento de remuneração além do teto estabelecido pela Emenda Constitucional n.
41/2003, não prevalecendo a garantia da irredutibilidade de vencimentos em face da
nova ordem constitucional.

Portanto, em existindo qualquer das situações INCONSTITUCIONAIS acima, não


existe qualquer justificativa para que a mesma continue a se perpetuar, bem como,
certamente provocará uma significativa redução do custeio da máquina administrativa
de TODOS os Poderes, em TODAS as esferas.

Outra questão esta relacionada ao cumprimento da Lei Complementar nº101, de 4


de maio de 2000, uma vez que, a mesma além de abranger o custeio da maquina
administrativa em exercício, também abrange o custeio das aposentadorias/pensões do
Funcionalismo Público, e daquelas que existem em função de legislação específica, ou
seja, que por não ter existido pagamento ao INSS, são responsabilidades do Tesouro
Nacional, Estadual ou Municipal, razão pela qual, somente estas podem sofrer qualquer
tipo de redução em função do necessário “ajuste fiscal”.

Atenciosamente,

Dr. Plinio Marcos Moreira da Rocha


“Colando” (copiando) gráu de Doutor, com Doutorado em Direito de
“Merda” (inexistente), em Estabelecimento de “Merda” (inexistente),
reconhecido pelo Ministério de Educação de Estado de “Merda” (que tudo
assiste, em duplo sentido), de um Estado Democrático de Direito de “Merda”
(que tudo permite), conforme o documento “Sugestões de Ação no
RESGATE da Credibilidade”,
http://pt.scribd.com/doc/145276286/Sugestoes-de-Acao-no-RESGATE-da-Credibilidade .

Penso, Não só EXISTO, Me FAÇO Presente

Um cinquentão com índole de um jovem revolucionário apaixonado por tudo o que


se envolve, e por isso, tem a Despreocupação Responsável em MUDAR Conceitos
e Valores

A Despreocupação Responsável em mudar Conceitos e Valores


De regerende Verantwoordelijk in snel evoluerende concepten en Waarden
The lack Responsible Change in Values and Concepts
Le responsable régnant en changeant Concepts et valeurs
Il regnante responsabile nel cambiare Concetti e Valori

Analista de Sistemas, presumivelmente, único Brasileiro COMUM, que mesmo


não tendo nível superior completo (interrompi o Curso de Executivo, com o
primeiro semestre completo, em 1977), portanto, não sendo Advogado, nem
Bacharel, nem Estudante de Direito, teve suas práticas inscritas na 6ª e 7ª
edições do Prêmio INNOVARE, ambas calcadas no CAOS JURÍDICO que tem
como premissa base o PURO FAZER DE CONTAS, reconhecidas, e DEFERIDAS
pelo Conselho Julgador, conforme documento INNOVARE Um Brasileiro
COMUM No Meio Juridico II,
http://www.scribd.com/doc/46900172/INNOVARE-Um-Brasileiro-COMUM-
No-Meio-Juridico-II
Pesquisa de Jurisprudência :: STF - Supremo Tribunal Federal http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/listarJurisprudencia.asp?s1...

Acórdãos

Acompanhamento Processual Inteiro Teor DJ/DJe Ementa sem Formatação

ADI 1586 / PA - PARÁ


AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE
Relator(a): Min. SYDNEY SANCHES
Julgamento: 27/02/2003 Órgão Julgador: Tribunal Pleno

Publicação

DJ 29-08-2003 PP-00016 EMENT VOL-02121-02 PP-00298

Parte(s)

REQTE. : GOVERNADOR DO ESTADO DO PARÁ


ADVDO. : JOÃO MIRANDA LEÃO FILHO
REQDO. : GOVERNADOR DO ESTADO DO PARÁ
REQDO. : ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARÁ

Ementa

EMENTA: - DIREITO CONSTITUCIONAL. SERVIDORES PÚBLICOS. COMPUTAÇÃO E


ACUMULAÇÃO DE ACRÉSCIMOS PECUNIÁRIOS, PARA FINS DE CONCESSÃO DE
ACRÉSCIMOS ULTERIORES (INCISO XIV DO ART. 37 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL). AÇÃO
DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE DO ART. 131 E SEUS PARÁGRAFOS 1º E 2º DA LEI
Nº 5.810, DE 24.01.1994, DO ESTADO DO PARÁ. MEDIDA CAUTELAR. 1. Estabelecem as
normas impugnadas: "Art. 131 - O adicional por tempo de serviço será devido por triênios
de efetivo exercício, até o máximo de 12 (doze). § 1º - Os adicionais serão calculados
sobre a remuneração do cargo, nas seguintes proporções: I - aos três anos, 5%; ... XII -
aos trinta e seis anos, 5% - 60%. § 2º - O servidor fará jus ao adicional a partir do mês
em que completar o triênio, independente de solicitação." 2. Como se vê do § 1º desse
artigo, "os adicionais serão calculados sobre a remuneração do cargo" e nas proporções e
progressões referidas. 3. O art. 116 da Lei dispõe que "o vencimento é a retribuição
pecuniária mensal devida ao servidor, correspondente ao padrão fixado em lei. E o art.
118 que "remuneração é o vencimento acrescido das demais vantagens de caráter
permanente, atribuídas pelo exercício do cargo público". 4. Sendo assim, não há dúvida de
que os adicionais, por triênio de serviço, no Estado do Pará, numa progressão de 5% a
60%, cumulativamente, incidem sobre os adicionais anteriores, o que contraria o disposto
no inciso XIV do art. 37 da Constituição Federal, de 5.10.1988, segundo o qual: "os
acréscimos pecuniários percebidos por servidor público não serão computados nem
acumulados, para fins de concessão de acréscimos ulteriores, sob o mesmo título ou
idêntico fundamento". 5. Precedentes do S.T.F.: ADI 1.418, RR.EE. nºs 143.817, 168.937,
130.960 e 168.614. 6. Não há necessidade, porém, de se declarar a inconstitucionalidade
do § 1º do art. 131, como se pede na inicial. Basta que se lhe dê uma interpretação
conforme à Constituição Federal, excluídas todas as demais. Ou seja, basta que se
interprete tal parágrafo, como a significar que "os adicionais por tempo de serviço serão
calculados sobre a remuneração do cargo", exceto sobre os adicionais anteriores por
tempo de serviço. 7. Ação Direta julgada procedente, em parte, para se atribuir, ao § 1º do
art. 131 da Lei Estadual nº 5.810, de 24.01.1994, interpretação conforme à Constituição,
de modo a excluir a incidência dos adicionais, por tempo de serviço, referidos no "caput",
sobre adicionais anteriores, sob o mesmo título e idêntico fundamento. 8. Plenário.
Decisão unânime.

Indexação

- VIDE EMENTA.

1 de 7 11/02/2015 06:37
Pesquisa de Jurisprudência :: STF - Supremo Tribunal Federal http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/listarJurisprudencia.asp?s1...

Legislação

LEG-FED CF ANO-1988
ART-00037 INC-00014
ART-00037 INC-00014 (RDAÇÃO DADA PELA EMC 19/1998).
CF-1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL
LEG-FED EMC-000019 ANO-1998
(CF-1988).
LEG-EST LEI-005810 ANO-1994
ART-00116 ART-00118 ART-00131 "CAPUT"
PAR-00001 INC-00001 INC-00002 INC-00003
INC-00004 INC-00005 INC-00006 INC-00007
INC-00008 INC-00009 INC-00010 INC-00011
INC-00012 ART-00131 PAR-00002 (PA).

Observação

Votação: unânime.
Resultado: julgado parcialmente procedente o pedido formulado na ação

para atribuir, ao § 1º do artigo 131 da Lei 5810, de 24 de


janeiro de 1994, do Estado do Pará, interpretação conforme
à Carta da República, excluída a incidência de adicionais
por tempo de serviço sobre valores resultantes de
adicionais anteriores, satisfeitos sob o mesmo título e
idêntico fundamento.
Acórdãos citados: ADI-1418-MC, RE-130960 (RTJ-160/331),
RE-143817, RE-168614 (RTJ-159/1013), RE-168937, RE-232326,
RE-234853.
Número de páginas: (18). Análise:(ANA). Revisão:(JBM).
Inclusão: 05/03/04, (MLR).
Alteração: 11/03/04, (MLR).

fim do documento

Acompanhamento Processual Inteiro Teor DJ/DJe Ementa sem Formatação

SS 1349 AgR-AgR / PI - PIAUÍ


AG.REG.NO AG.REG.NA SUSPENSÃO DE SEGURANÇA
Relator(a): Min. CARLOS VELLOSO
Julgamento: 01/03/2001 Órgão Julgador: Tribunal Pleno

Publicação

DJ 11-10-2001 PP-00006 EMENT VOL-02047-01 PP-00108

Parte(s)

AGTE. : COBEL - COMÉRCIO, BEBIDAS LTDA


ADVDOS. : BRUNO ROMERO PEDROSA MONTEIRO E OUTROS
AGDO. : ESTADO DO PIAUÍ
ADVDO. : PGE - PI - PLÍNIO CLERTON FILHO

Ementa

EMENTA: CONSTITUCIONAL. PROCESSUAL CIVIL. MANDADO DE SEGURANÇA:


SUSPENSÃO. AGRAVO REGIMENTAL: AUSÊNCIA DO INSTRUMENTO DE MANDATO. I. -
Agravo regimental interposto mediante petição subscrita por advogado sem procuração
nos autos, não tendo sido invocada a situação de urgência (C.P.C., art. 37; Lei 8.906/94,
art. 5º, § 1º). Recurso não conhecido, consoante jurisprudência do Supremo Tribunal
Federal: R.T.J. 103/344; R.T.J. 116/698; R.T.J. 121/835; R.T.J. 129/1.295; R.T.J.
132/450; R.T.J. 137/461; R.T.J. 160/1.069-1.071 e Ag 180.406 (AgRg)(EDcl)-PR, "D.J."
de 08.11.96. II. - Agravo não provido.

Indexação

(CÍVEL)
- DESCABIMENTO, AGRAVO REGIMENTAL, FALTA, PROCURAÇÃO, ADVOGADO,
SUBSCRIÇÃO, PETIÇÃO. INOCORRÊNCIA, INVOCAÇÃO, SITUAÇÃO, URGÊNCIA.
INEXISTÊNCIA, RECURSO.

2 de 7 11/02/2015 06:37
Pesquisa de Jurisprudência :: STF - Supremo Tribunal Federal http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/listarJurisprudencia.asp?s1...

Legislação

LEG-FED LEI-005869 ANO-1973


ART-00037
CPC-1973 CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL
LEG-FED LEI-008906 ANO-1994
ART-00005 PAR-00001
EOAB-1994 ESTATUTO DA ADVOCACIA E ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL

Observação

Votação: Unânime.
Resultado: Desprovido.
Acórdãos citados: AGAED-180406; (RTJ-103/344);
(RTJ-116/698), (RTJ-121/835), (RTJ-129/1295),
(RTJ-132/450), (RTJ-137/461), (RTJ-160/1069).
Número de páginas: (05). Análise:(MML). Revisão:(CMM/AAF).
Inclusão: 06/12/01, (MLR).
Alteração: 25/01/02, (SVF).

Acórdãos no mesmo sentido

SS 1754 AgR-AgR
JULG-01-03-2001 UF-PA TURMA-TP MIN-CARLOS VELLOSO (Presidente)
N.PÁG-005
ANO-2001 UF-PA TURMA-TP Min. CARLOS VELLOSO N.PÁG-005
DJ 19-10-2001 PP-00041 EMENT VOL-02048 PP-00041
SS 1435 AgR-AgR
JULG-01-03-2001 UF-MT TURMA-TP MIN-CARLOS VELLOSO (Presidente)
N.PÁG-005
ANO-2001 UF-MT TURMA-TP N.PÁG-005 Min. CARLOS VELLOSO
DJ 11-10-2001 PP-00006 EMENT VOL-02047-01 PP-00113
SS 1522 AgR-AgR
JULG-01-03-2001 UF-PI TURMA-TP MIN-CARLOS VELLOSO (Presidente)
N.PÁG-005
ANO-2001 UF-PI TURMA-TP N.PÁG-005 Min. CARLOS VELLOSO
DJ 11-10-2001 PP-00006 EMENT VOL-02047-01 PP-00139
SS 1555 AgR-AgR
JULG-01-03-2001 UF-PE TURMA-TP MIN-CARLOS VELLOSO (Presidente)
N.PÁG-005
ANO-2001 UF-PE TURMA-TP N.PÁG-005 Min. CARLOS VELLOSO
DJ 11-10-2001 PP-00006 EMENT VOL-02047-01 PP-00144
SS 1586 AgR-AgR
JULG-01-03-2001 UF-PE TURMA-TP MIN-CARLOS VELLOSO (Presidente)
N.PÁG-005
ANO-2001 UF-PE TURMA-TP N.PÁG-005 Min. CARLOS VELLOSO
DJ 11-10-2001 PP-00006 EMENT VOL-02047-01 PP-00158
SS 1588 AgR-AgR
JULG-01-03-2001 UF-MA TURMA-TP MIN-CARLOS VELLOSO (Presidente)
N.PÁG-005
ANO-2001 UF-MA TURMA-TP N.PÁG-005 Min. CARLOS VELLOSO
DJ 11-10-2001 PP-00006 EMENT VOL-02047-01 PP-00173
SS 1649 AgR-AgR
JULG-01-03-2001 UF-PE TURMA-TP MIN-CARLOS VELLOSO (Presidente)
N.PÁG-005
ANO-2001 UF-PE TURMA-TP N.PÁG-005 Min. CARLOS VELLOSO
DJ 11-10-2001 PP-00006 EMENT VOL-02047-01 PP-00188
SS 1650 AgR-AgR
JULG-01-03-2001 UF-PE TURMA-TP MIN-CARLOS VELLOSO (Presidente)
N.PÁG-005
ANO-2001 UF-PE TURMA-TP N.PÁG-005 Min. CARLOS VELLOSO
DJ 11-10-2001 PP-00006 EMENT VOL-02047-01 PP-00193
SS 1670 AgR-AgR
JULG-01-03-2001 UF-RN TURMA-TP MIN-CARLOS VELLOSO (Presidente)
N.PÁG-005
ANO-2001 UF-RN TURMA-TP N.PÁG-005 Min. CARLOS VELLOSO
DJ 11-10-2001 PP-00007 EMENT VOL-02047-01 PP-00209
SS 1801 AgR-AgR
JULG-01-03-2001 UF-PE TURMA-TP MIN-CARLOS VELLOSO (Presidente)
N.PÁG-005
ANO-2001 UF-PE TURMA-TP N.PÁG-005 Min. CARLOS VELLOSO
DJ 11-10-2001 PP-00007 EMENT VOL-02047-02 PP-00273

3 de 7 11/02/2015 06:37
Pesquisa de Jurisprudência :: STF - Supremo Tribunal Federal http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/listarJurisprudencia.asp?s1...

Acompanhamento Processual Inteiro Teor DJ/DJe Ementa sem Formatação

ADI 1586 MC / PA - PARÁ


MEDIDA CAUTELAR NA AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE
Relator(a): Min. SYDNEY SANCHES
Julgamento: 07/05/1997 Órgão Julgador: Tribunal Pleno

Publicação

DJ 29-08-1997 PP-40215 EMENT VOL-01880-01 PP-00040

Parte(s)

REQTE.: GOVERNADOR DO ESTADO DO PARÁ


REQDO.: GOVERNADOR DO ESTADO DO PARÁ
REQDO.: ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARÁ

Ementa

EMENTA: DIREITO CONSTITUCIONAL. SERVIDORES PÚBLICOS. COMPUTAÇÃO E


ACUMULAÇÃO DE ACRÉSCIMOS PECUNIÁRIOS, PARA FINS DE CONCESSÃO DE
ACRÉSCIMOS ULTERIORES (INCISO XVI DO ART. 37 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL). AÇÃO
DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE DO ART. 131 E SEUS PARÁGRAFOS 1º E 2º DA LEI
Nº 5.810, DE 24.01.1994, DO ESTADO DO PARÁ. MEDIDA CAUTELAR. 1. Estabelecem as
normas impugnadas: "Art. 131 - O adicional por tempo de serviço será devido por triênios
de efeito exercício, até o máximo de 12 (doze). § 1º - Os adicionais serão calculados sobre
a remuneração do cargo, nas seguintes proporções: I - aos três anos, 5%; ... XII - aos
trinta e seis anos, 5% - 60%. § 2º - O servidor fará jus ao adicional a partir do mês em
que completar o triênio, independente de solicitação." 2. Como se vê do § 1º desse artigo,
"os adicionais serão calculados sobre a remuneração do cargo" e nas proporções e
progressões referidas. 3. O art. 116 da Lei dispõe que "o vencimento é a retribuição
pecuniária mensal devida ao servidor, correspondente ao padrão fixado em lei. E o art.
118 que "remuneração é o vencimento acrescido das demais vantagens de caráter
permanente, atribuídas pelo exercício do cargo público". 4. Sendo assim, não há dúvida de
que os adicionais, por triênio de serviço, no Estado do Pará, numa progressão de 5% a
60%, cumulativamente, incidem sobre os adicionais anteriores, o que, a um primeiro
exame, parece contrariar o disposto no inciso XIV do art. 37 da Constituição Federal,
segundo o qual "os acréscimos pecuniários percebidos por servidor público não serão
computados nem acumulados, para fins de concessão de acréscimos ulteriores, sob o
mesmo título ou idêntico fundamento". 5. Em tais circunstâncias, a plausibilidade jurídica
da ADI parece evidenciada, como um dos requisitos para a concessão da medida cautelar.
6. Assim, também, o outro, qual seja o do "periculum in mora", ou da alta conveniência da
Administração Pública, pois, a se permitir a cumulação prevista na Lei e durante todo o
curso do processo, sérios serão os percalços financeiros para o Estado, como se
demonstrou na inicial, já que a Lei em questão dispõe sobre o Regime Jurídico Único de
todos os Servidores Públicos Civis da Administração Direta, das Autarquias e das
Fundações Públicas do Estado do Pará. 7. Precedentes do S.T.F.: ADI 1.418, RR.EE. nºs
143.817, 168.937, 130.960 e 168.614. 8. Não há necessidade, porém, de se suspender o §
1º do art. 131, como se pede na inicial. Basta que se lhe dê uma interpretação conforme à
Constituição Federal, excluídas todas as demais. Ou seja, basta que se interprete tal
parágrafo, como a significar que "os adicionais por tempo de serviço serão calculados
sobre a remuneração do cargo", exceto sobre os adicionais anteriores por tempo de
serviço. 9. Medida cautelar deferida, em parte, nesses termos, com eficácia "ex nunc". 10.
Plenário. Decisão unânime.

Decisão

Por votação unânime, o Tribunal deferiu, em parte, a medida liminar sem


redução de texto para que, na aplicação do § 1º do art. 131, da Lei nº
5.810, de 24.01.94, do Estado do Pará, não incidam os triênios a que se
refere o caput sobre parcelas
decorrentes do tempo de serviço do funcionário. Votou o Presidente. Ausente,
justificadamente, neste julgamento, o Ministro Marco Aurélio. Plenário,
07.05.97.

Indexação

AD2616 , SERVIDOR PÚBLICO, ADICIONAL POR TEMPO DE SERVIÇO, TRIÊNIO,


CÁLCULO, ADICIONAIS ANTERIORES, CUMULAÇÃO, MEDIDA CAUTELAR,
DEFERIMENTO PARCIAL

4 de 7 11/02/2015 06:37
Pesquisa de Jurisprudência :: STF - Supremo Tribunal Federal http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/listarJurisprudencia.asp?s1...

Legislação

LEG-FED CF ANO-1988
ART-00037 INC-00014
CF-1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL
LEG-EST LEI-005810 ANO-1994
ART-00116 ART-00118 ART-00131 PAR-00001
PAR-00002
(PA).

Observação

Veja ADIMC-1418, RE-143817, RE-168937, RE-130960,


RE-168614.
Número de páginas: (17). Análise:(KCC). Revisão:().
Inclusão: 05/09/97, (SMK).
Alteração: 04/04/00, (MLR).
Alteração: 30/11/2010, DCR.

fim do documento

Acompanhamento Processual Inteiro Teor DJ/DJe Ementa sem Formatação

Rp 1586 QO / PR - PARANÁ
QUESTÃO DE ORDEM NA REPRESENTAÇÃO
Relator(a): Min. OCTAVIO GALLOTTI
Julgamento: 27/04/1989 Órgão Julgador: Tribunal Pleno

Publicação

DJ 09-06-1989 PP-10096 EMENT VOL-01545-01 PP-00065

Parte(s)

REPTE.: PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA


REPDOS.: GOVERNADOR E ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARANÁ

Ementa

NÃO CABE A DECLARAÇÃO DA INCONSTITUCIONALIDADE, EM ABSTRATO, DE LEI OU ATO


NORMATIVO, POR MEIO DE AÇÃO DIRETA, EM FACE DE CONSTITUIÇÃO JA REVOGADA.
REPRESENTAÇÃO QUE SE JULGA PREJUDICADA, TORNANDO-SE INSUBSISTENTE A
CAUTELAR ANTERIORMENTE CONCEDIDA.

Decisão

Por unanimidade o Tribunal julgou prejudicada a representação e cassou a


medida liminar. Votou o Presidente. Plenário, 24.04.1989.

Indexação

- QUESTÃO DE ORDEM: PREJUDICIALIDADE, REPRESENTAÇÃO DE


INCONSTITUCIONALIDADE, LEI ESTADUAL, SUPERVENIÊNCIA, REVOGAÇÃO,
CONSTITUIÇÃO FEDERAL.

Legislação

LEG-EST LEI-008801 ANO-1988


(PR)

Observação

- Acórdão citado: Rp 1639 QO.


Número de páginas: (4). Análise:(JOY).
Alteração: 02/03/2006, (JOY).
Alteração: 28/10/2011, ACN.

5 de 7 11/02/2015 06:37
Pesquisa de Jurisprudência :: STF - Supremo Tribunal Federal http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/listarJurisprudencia.asp?s1...

fim do documento

Acompanhamento Processual Inteiro Teor DJ/DJe Ementa sem Formatação

Rp 1586 MC / PR - PARANÁ
MEDIDA CAUTELAR NA REPRESENTAÇÃO
Relator(a): Min. OCTAVIO GALLOTTI
Julgamento: 10/08/1988 Órgão Julgador: Tribunal Pleno

Publicação

DJ 09-06-1989 PP-10096 EMENT VOL-01545-01 PP-00057

Parte(s)

REPTE.: PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA


REPDOS.: GOVERNADOR E ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARANÁ

Ementa

- Norma estadual relativa a depósitos judiciais. Cautelar deferida, ante a relevância do


fundamento da argüição de inconstitucionalidade e a incerteza gerada, pela incidência da
regra impugnada, na administração da justiça, em matéria de freqüente ocorrência, com
ponderável reflexo sobre o interesse das partes.

Decisão

Deferiu-se o pedido de medida liminar vencidos os Ministros Carlos Madeira e


Moreira Alves. Votou o Presidente. Plenário, 10.08.1988.

Indexação

- DEFERIMENTO, LIMINAR, SUSPENSÃO, LEI ESTADUAL, (PR), PREVISÃO,


CABIMENTO, BANCO ESTADUAL, BANCO OFICIAL, RECEBIMENTO, DEPÓSITO
JUDICIAL, VALOR, RECOLHIMENTO, SERVENTIA, JUSTIÇA ESTADUAL.
PLAUSIBILIDADE, ALEGAÇÃO, USURPAÇÃO, COMPETÊNCIA LEGISLATIVA, UNIÃO,
MATÉRIA, DIREITO PROCESSUAL. CONFIGURAÇÃO, "PERICULUM IN MORA", "FUMUS
BONI JURIS".
- FUNDAMENTAÇÃO COMPLEMENTAR, (MIN. CÉLIO BORJA), EXISTÊNCIA, LEI
FEDERAL, AUTORIZAÇÃO, ÓRGÃO JUDICIÁRIO, ESCOLHA, ESTABELECIMENTO,
DEPÓSITO, CONSIGNAÇÃO, ORDEM, JUÍZO, FINALIDADE, GARANTIA, MAIOR
SEGURANÇA, MAIOR RENTABILIDADE.
- VOTO VENCIDO, (MIN. CARLOS MADEIRA), INDEFERIMENTO, LIMINAR,
POSSIBILIDADE, GERAÇÃO, INSEGURANÇA, DIVERSIDADE, ESTADO, REALIZAÇÃO,
DEPÓSITO JUDICIAL, BANCO DO ESTADO.

Legislação

LEG-FED CF ANO-1967
ART-00008 INC-00017 LET-B
(Redação dada pela EMC-1/1969)
CF-1967 CONSTITUIÇÃO FEDERAL
LEG-FED EMC-000001 ANO-1969
LEG-EST LEI-008801 ANO-1988
(PR)

Observação

Número de páginas: (8). Análise:(JOY).


Inclusão: 10/02/05, (JOY).
Alteração: 28/10/2011, ACN.

fim do documento

Acompanhamento Processual Inteiro Teor DJ/DJe Ementa sem Formatação

6 de 7 11/02/2015 06:37
Pesquisa de Jurisprudência :: STF - Supremo Tribunal Federal http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/listarJurisprudencia.asp?s1...

APELAÇÃO CRIMINAL
Relator(a): Min. EVANDRO LINS
Julgamento: 04/05/1966 Órgão Julgador: Tribunal Pleno

Publicação

DJ 14-09-1966 PP-03092 EMENT VOL-00666-01 PP-00089

Parte(s)

APELANTE: JUSTIÇA PÚBLICA


APELADO: ERNESTO PINHO FILHO
ADV.: JOSÉ BATISTA PESSOA

Ementa

CRIME POLÍTICO, COMPETÊNCIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, APÓS A EMENDA


CONSTITUCIONAL N 16 PARA O JULGAMENTO DAS APELAÇÕES NOS PROCESSOS JA
SENTENCIADOS EM 1. INSTÂNCIA. INSUFICIÊNCIA DE PROVAS PARA A CONDENAÇÃO.
RECURSO NÃO PROVIDO.

Decisão

Negado provimento á unanimidade, de acôrdo com a turma.

Indexação

CRIME POLÍTICO, COMPETÊNCIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL.


DIREITO PENAL.

Observação

Número de páginas: 11.


Alteração: 26/06/00, (SVF).
Alteração: 27/08/2014, MCO.

fim do documento

7 de 7 11/02/2015 06:37
Superior Tribunal de Justiça
RECURSO ESPECIAL Nº 1.378.896 - AM (2013/0127131-8)

RELATOR :
MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES
RECORRENTE :
ESTADO DO AMAZONAS
PROCURADOR :
TICIANO ALVES E SILVA E OUTRO(S)
RECORRIDO :
BETTY SUELY LOPES E OUTROS
ADVOGADO :
RAIMUNDO DE AMORIM FRANCISCO SOARES FILHO E
OUTRO(S)
EMENTA
PROCESSUAL CIVIL E ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO.
AUSÊNCIA DE OMISSÕES. TETO REMUNERATÓRIO. EMENDA
CONSTITUCIONAL 41/2003. VANTAGENS PESSOAIS. SUBMISSÃO.
JULGAMENTO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. RECURSO
EXTRAORDINÁRIO N. 609.381/GO. REPERCUSSÃO GERAL.
INEXISTÊNCIA DE DIREITO LÍQUIDO E CERTO. RECURSO ESPECIAL
PARCIALMENTE PROVIDO.

DECISÃO

Trata-se de recurso especial interposto em face de acórdão proferido pelo Tribunal


de Justiça do Estado do Amazonas, assim sintetizado (e-STJ fl. 466):

AGRAVO INTERNO. RECLAMAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA.


DECISÃO QUE ASSINALOU A INOBSERVÂNCIA POR PARTE DOS
IMPETRADOS DO ACÓRDÃO PROFERIDO NOS AUTOS DO MANDAMUS E
DETERMINOU O IMEDIATO CUMPRIMENTO DO DECISUM , NO SENTIDO
DE QUE CESSEM OS DESCONTOS EFETUADOS NOS PROVENTOS DOS
IMPETRANTES.
I - Argumentos incapazes de modificar o decisum agravado, buscando o
Agravante, em verdade, rediscutir a matéria, intento que refoge à figura processual
da irresignação eleita.
II - Agravo Interno conhecido mais improvido.

Houve a oposição de embargos de declaração, os quais foram improvidos.


Nas razões do especial, o Estado do Amazonas sustenta violou: i) o artigo 535,
inciso II, do Código de Processo Civil, eis que o Tribunal de origem não se manifestou acerca
de todas as questões relevantes para o deslinde da controvérsia; ii) dos artigos 468 e 471,
inciso I, do CPC, uma vez que os valores recebidos pelos recorridos não podem ultrapassar o
teto remuneratório fixado no art. 37, inc. XI, da Constituição Federal, com redação dada pela
Emenda Constitucional n. 41/03, apesar de coisa julgada formulada em outro processo
anterior. Para tanto, assevera que "a partir da vigência de nova ordem constitucional, não
podem os recorridos pretender uma extensão do quanto decidido no acórdão para fazer
abarcar situação não discutida e, portanto, não acobertada pela coisa julgada" (e-STJ fl. 541).
Contrarrazões às e-STJ fls. 567/586.
No âmbito do Superior Tribunal de Justiça, o Ministério Público Federal
manifestou-se pelo não conhecimento do recurso especial.
O recorrente apresentou petição (de e-STJ fls. 646/649) suscitando a necessidade de
extinção do feito em relação ao recorrido José de Araújo Cavalcante, tendo em vista seu
falecimento em 05 de maio de 2013.
Documento: 44134139 - Despacho / Decisão - Site certificado - DJe: 10/02/2015 Página 1 de 8
Superior Tribunal de Justiça
É o relatório. Passo a decidir.
A pretensão merece parcial acolhida.
Conforme admitido pelo próprio Estado do Amazonas, o presente recurso especial
decorre de reclamação em mandado de segurança no qual foi reconhecido direito de perceber
proventos de aposentadoria sem submissão ao teto remuneratório.
O Tribunal de origem negou provimento ao agravo interno que determinou o
imediato cumprimento da decisão proferida no acórdão em sede do Mandado de Segurança n.
0299.000501-1. Para tanto, a Corte estadual asseverou a necessidade de observação das leis
vigentes à época em que os recorridos foram aposentados com base no princípio do direito
adquirido e na necessária observação da coisa julgada.
Portanto, não há falar em violação do art. 535, inc. II, do CPC, pois tal somente se
configura quando, na apreciação do recurso, o Tribunal de origem insiste em omitir
pronunciamento sobre questão que deveria ser decidida, e não foi.
Não se vislumbra a ocorrência de nenhum dos vícios elencados no referido
dispositivo legal, uma vez que a Corte de origem explicitou seus fundamentos para manter o
pagamento das quantias superiores ao teto remuneratório. Assim, o aresto impugnado
guardou observância ao princípio da motivação obrigatória das decisões judiciais, por ter
analisado suficientemente a controvérsia dos autos de forma motivada e fundamentada. Neste
sentido, existem diversos precedentes desta Corte:

PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. AGRAVO REGIMENTAL NO


AGRAVO DE INSTRUMENTO. VIOLAÇÃO DO ARTIGO 535, II, DO CPC,
NÃO CONFIGURADA.
[...]
1. Não há violação do art. 535, II, do CPC, uma vez que os acórdãos recorridos
estão devidamente fundamentados. A jurisprudência desta Corte é uníssona no
sentido de que o julgador não está adstrito a responder a todos os argumentos das
partes, desde que fundamente sua decisão.
[...]
7. Agravo regimental não provido.
(AgRg no Ag 1.261.841/PE, Rel. Min. Benedito Gonçalves, Primeira Turma, DJe
13.9.2010)

PROCESSUAL CIVIL. RECURSO ESPECIAL REPRESENTATIVO DE


CONTROVÉRSIA. ART. 543-C, DO CPC. ADMINISTRATIVO. [...]
VIOLAÇÃO AO ART. 535 DO CPC. INOCORRÊNCIA.
[...]
43. A decisão que pronuncia-se de forma clara e suficiente sobre a questão posta
nos autos não enseja recurso especial pela violação do art. 535, I e II, do CPC.
[...]
46. Recurso Especial interposto pela empresa BRASIL TELECOM S/A
parcialmente conhecido, pela alínea "a", e, nesta parte, provido.
47. Recurso Especial interposto por CLÁUDIO PETRINI BELMONTE
desprovido.
(REsp 976.836/RS, Rel. Min. Luiz Fux, Primeira Seção, DJe 5.10.2010)

Quanto à violação dos arts. 468 e 471, ambos do CPC, cabe salientar que, a partir da
entrada em vigor da Emenda Constitucional n. 41/2003, que deu nova redação ao art. 37, XI,
da Constituição da República, não há falar em direito adquirido ao recebimento de
remuneração, proventos ou pensão acima do teto remuneratório estabelecido pela Emenda
Documento: 44134139 - Despacho / Decisão - Site certificado - DJe: 10/02/2015 Página 2 de 8
Superior Tribunal de Justiça
citada, nem ato jurídico perfeito que se sobreponha ao referido teto, não preponderando a
garantia da irredutibilidade de vencimentos em face da nova ordem constitucional. Veja-se o
referido dispositivo constitucional:

Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da


União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios
de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao
seguinte: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
(...)
XI - a remuneração e o subsídio dos ocupantes de cargos, funções e empregos
públicos da administração direta, autárquica e fundacional, dos membros de
qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios,
dos detentores de mandato eletivo e dos demais agentes políticos e os proventos,
pensões ou outra espécie remuneratória, percebidos cumulativamente ou não,
incluídas as vantagens pessoais ou de qualquer outra natureza, não poderão
exceder o subsídio mensal, em espécie, dos Ministros do Supremo Tribunal
Federal, aplicando-se como limite, nos Municípios, o subsídio do Prefeito, e nos
Estados e no Distrito Federal, o subsídio mensal do Governador no âmbito do
Poder Executivo, o subsídio dos Deputados Estaduais e Distritais no âmbito do
Poder Legislativo e o subsídio dos Desembargadores do Tribunal de Justiça,
limitado a noventa inteiros e vinte e cinco centésimos por cento do subsídio
mensal, em espécie, dos Ministros do Supremo Tri-bunal Federal, no âmbito do
Poder Judiciário, aplicável este limite aos membros do Ministério Público, aos
Procuradores e aos Defensores Públicos; (Redação dada pela Emenda
Constitucional nº 41, 19.12.2003)

De fato, a jurisprudência do STJ, na esteira do entendimento firmado pelo Supremo


Tribunal Federal, assentou a compreensão de que não existe direito adquirido ao recebimento
de remuneração além do teto estabelecido pela Emenda Constitucional n. 41/2003, não
prevalecendo a garantia da irredutibilidade de vencimentos em face da nova ordem
constitucional. Nesse sentido são os seguintes precedentes:

RECURSO ORDINÁRIO EM MANDADO DE SEGURANÇA.


ADMINISTRATIVO. MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO
DE SÃO PAULO. EC N. 41/2003. REDUÇÃO DE VANTAGENS.
QUINQUÊNIOS. LIMITAÇÃO. PRECEDENTES DO STF E DA SEGUNDA
TURMA DO STJ. NÃO VIOLAÇÃO DA IRREDUTIBILIDADE DOS
VENCIMENTOS. NECESSIDADE DE OBSERVÂNCIA DO TETO
REMUNERATÓRIO ESTABELECIDO PELA EC N. 41/2003. RECURSO NÃO
PROVIDO.
1. Os recorrentes defendem que, não obstante o teto remuneratório previsto no art.
37, XI, da Constituição da República, com a redação dada pela Emenda
Constitucional n. 41/2003, têm direito à percepção de todos os quinquênios já
adquiridos e incorporados aos seus vencimentos .
2. Entretanto, a partir da entrada em vigor da Emenda Constitucional n. 41/2003,
que deu nova redação ao art. 37, XI, da Constituição da República, não há falar em
direito adquirido ao recebimento de remuneração, proventos ou pensão acima do
teto remuneratório estabelecido pela Emenda referida, nem ato jurídico perfeito
que se sobreponha ao citado teto, não preponderando a garantia da irredutibilidade
de vencimentos em face da nova ordem constitucional. Precedentes da Segunda
Turma do STJ: AgRg no RMS 32799/SP, Rel. Ministro HERMAN BENJAMIN,
Documento: 44134139 - Despacho / Decisão - Site certificado - DJe: 10/02/2015 Página 3 de 8
Superior Tribunal de Justiça
SEGUNDA TURMA, julgado em 17/03/2011, DJe 04/04/2011; AgRg no RMS
32790/SP, Rel. Ministro HERMAN BENJAMIN, SEGUNDA TURMA, julgado
em 15/02/2011, DJe 16/03/2011.
3. In casu, a redução no valor dos vencimentos dos membros do Ministério Público
do Estado de São Paulo foi efetivada com o específico intuito de adequar a
remuneração dos recorrentes ao teto remuneratório do serviço público,
determinado no art. 37, XI, da Constituição Federal de 1988, em atendimento a
determinação do próprio Conselho Nacional do Ministério Público - CNMP.
4. Portanto, não há falar em direito adquirido ao recebimento de
remuneração, proventos ou pensão acima do teto remuneratório estabelecido
pela Emenda Constitucional n. 41/2003, nem ato jurídico perfeito que se
sobreponha ao referido teto, não preponderando a garantia da
irredutibilidade de vencimentos em face da nova ordem constitucional.
5. Recurso ordinário não provido.
(RMS 32.802/SP, Rel. Ministro MAURO CAMPBELL MARQUES, SEGUNDA
TURMA, julgado em 19/05/2011, DJe 31/05/2011)

RECURSO ORDINÁRIO EM MANDADO DE SEGURANÇA. SERVIDOR


PÚBLICO APOSENTADO. TETO REMUNERATÓRIO ESTABELECIDO
PELA EC N. 41/2003.
DIREITO ADQUIRIDO E IRREDUTIBILIDADE. INEXISTÊNCIA.
1. A jurisprudência desta Corte posicionou-se no sentido de que o adicional de
tempo de serviço deve ser computado no cálculo do teto remuneratório, por
não ser vantagem de natureza indenizatória, tratando-se, na verdade, de
acréscimo remuneratório que tem origem no serviço prestado à
Administração Pública, razão pela qual não há falar em ofensa a direito
adquirido ou à irredutibilidade de vencimentos. Precedentes.
2. Agravo regimental não provido.
(AgRg no RMS 42.025/MG, Rel. Ministro MAURO CAMPBELL MARQUES,
SEGUNDA TURMA, julgado em 20/03/2014, DJe 26/03/2014)

ADMINISTRATIVO. RECURSO ORDINÁRIO EM MANDADO DE


SEGURANÇA. SERVIDOR PÚBLICO. VANTAGENS PESSOAIS.
NECESSIDADE DE OBSERVÂNCIA DO TETO REMUNERATÓRIO
ESTABELECIDO PELA EC 41/2003.
1. Esta Turma, no julgamento do AgRg no RMS 24.732/DF (Rel. Min. Herman
Benjamin, DJe 31.8.2009), decidiu que, a partir da entrada em vigor da Emenda
Constitucional n. 41/03, que deu nova redação ao art. 37, XI, da Constituição da
República, eliminou-se o impedimento à inclusão de vantagens de qualquer
natureza, no cômputo da remuneração para fins de cálculo de teto salarial.
Precedentes.
2. Por ser vedada a inovação da causa de pedir na instância recursal, não se
conhece do recurso ordinário no ponto em que o recorrente requer seja
estabelecida, como limite temporal para incidência do teto remuneratório, a data
de início da vigência da Lei estadual n. 5.001/07.
3. Não procede o pedido para que sejam afastadas do teto remuneratório as
parcelas alegadamente de caráter indenizatório. O Tribunal de origem consignou
que, nos termos do contracheque acostado aos autos, os proventos do impetrante
são compostos por vencimentos, triênios, gratificação de produtividade fiscal e
abono de permanência. Portanto, decidiu com acerto a Corte Estadual, ao entender
que todas as referidas parcelas possuem caráter remuneratório, não se lhes
Documento: 44134139 - Despacho / Decisão - Site certificado - DJe: 10/02/2015 Página 4 de 8
Superior Tribunal de Justiça
aplicando o § 11 do art. 37 da Constituição da República, incluído pela Emenda
Constitucional n. 47/05.
4. Recurso ordinário parcialmente conhecido e, nesta parte, não provido.
(RMS 32.258/RJ, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, Segunda Turma, DJe
12/11/2010)

ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO. EQUIPARAÇÃO SALARIAL.


IMPOSSIBILIDADE REGIME REMUNERATÓRIO. INEXISTÊNCIA DE
DIREITO ADQUIRIDO. VIOLAÇÃO À COISA JULGADA. INEXISTÊNCIA.
TETO REMUNERATÓRIO. OBSERVÂNCIA. PRECEDENTES.
I- Consoante entendimento pacífico do Superior Tribunal de Justiça, não existe
direito adquirido do servidor público a regime jurídico remuneratório, resguardada
a irredutibilidade de vencimentos, situação que não se verificou no presente caso.
II - A coisa julgada opera seus efeitos para o futuro, todavia não impede que os
proventos sofram limitações constitucionais referente ao teto remuneratório no
serviço público nos termos do art. 37, XI da Constituição Federal.
III - Agravo interno desprovido.
(AgRg no RMS 29.318/PE, Rel. Min. Gilson Dipp, Quinta Turma, DJe
18.10.2010)

ADMINISTRATIVO. MANDADO DE SEGURANÇA. PROCURADOR DE


JUSTIÇA APOSENTADO. ACÚMULO COM CARGO EM COMISSÃO.
OBSERVÂNCIA TETO REMUNERATÓRIO. INCISO XI. ARTIGO 37 DA
CF/88. EMENDA CONSTITUCIONAL 20/1998. ARTIGO 11. POSSIBILIDADE
DE CUMULAR PROVENTOS E VENCIMENTOS COM A OBSERVÂNCIA
DO TETO REMUNERATÓRIO. INEXISTÊNCIA DE DIREITO LÍQUIDO E
CERTO A RECEBER CUMULATIVAMENTE PROVENTOS E
VENCIMENTOS ALÉM DO TETO ESTIPULADO PELO INCISO XI DO
ARTIGO 37 DA CF/88. ACÓRDÃO RECORRIDO QUE DENEGOU A ORDEM
MANTIDO.
1.Tendo o Supremo Tribunal Federal reconhecido a constitucionalidade do artigo
37, XI da CF/88, por oportunidade do julgamento do Mandado de Segurança nº
24875/DF, não há se falar em direito adquirido ou mesmo em ato jurídico perfeito
quando a soma dos proventos cumulados com vencimentos ultrapassa o teto
remuneratório.
2.Fixado o teto remuneratório dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, pela
Lei nº 11.143/05, deve a cumulação de proventos e vencimentos percebida pelo
impetrante submeter-se a essa limitação.
3.O teto remuneratório, que é a expressão de valores, diretrizes, balizamento
resgatados pela moralidade pública, foi regulamentado no ano de 2005 com o
advento da Lei Federal 11.143/2005. No âmbito do Ministério Público foi
regulamentado pela Lei Federal 11.144/2005.
Portanto, o ato tido por coator não atenta a legalidade. A partir desse marco, é que
me parece legal a limitação da acumulação remuneratória ao teto constitucional.
4.Recurso Ordinário em Mandado de Segurança conhecido, mas desprovido, para
manter o acórdão recorrido que denegou a ordem.
(RMS 24.855/RS, Rel. Min. Jane Silva, Desembargadora Convocada do TJMG,
Quinta Turma, DJ 7.2.2008)

ADMINISTRATIVO. CONSTITUCIONAL. RECURSO ORDINÁRIO EM


Documento: 44134139 - Despacho / Decisão - Site certificado - DJe: 10/02/2015 Página 5 de 8
Superior Tribunal de Justiça
MANDADO DE SEGURANÇA. SERVIDOR PÚBLICO. TETO
REMUNERATÓRIO. EMENDA CONSTITUCIONAL 41/2003. SUJEIÇÃO.
AUSÊNCIA DE VIOLAÇÃO AO PRINCÍPIO DA IRREDUTIBILIDADE DOS
VENCIMENTOS. PRECEDENTES DO STJ E DO STF.
1. A partir da vigência da Emenda Constitucional 41/2003, todos os vencimentos
percebidos por servidores públicos, inclusive os proventos e pensões, estão
sujeitos aos limites estatuídos no art. 37, XI, da Constituição.
2. A adequação dos vencimentos ao limite fixado no art. 37, XI, da Constituição
Federal não representa violação do princípio que assegura a irredutibilidade de
vencimentos, pois esta proteção somente abrange aqueles pagos em conformidade
com a Constituição. Precedentes do STJ e do STF.
3. Recurso Ordinário não provido.
(RMS 28.226/MA, 2ª Turma, Rel. Min. Herman Benjamin, DJe 30.6.2010)

PROCESSUAL CIVIL E CONSTITUCIONAL - RECURSO ORDINÁRIO EM


MANDADO DE SEGURANÇA - INOVAÇÃO DO PEDIDO -
IMPOSSIBILIDADE - VANTAGEM PESSOAL - INCLUSÃO - ART. 37, XI, DA
CF/88.
1. "É vedado ao Superior Tribunal de Justiça a discussão, em sede de recurso
ordinário, de matéria não debatida na origem, por caracterizar supressão de
instância. Precedentes." (RMS 16.927/ES, Rel. Min. Arnaldo Esteves Lima, DJ
24/4/2006)
2. Nos termos do artigo 37, inciso XI, da Constituição Federal, com redação dada
pela EC nº 41/2003, as vantagens pessoais devem ser incluídas no cálculo do
teto remuneratório. Precedentes.
3. Recurso ordinário conhecido em parte e, nessa parte, não provido. (RMS
32.001/RJ, 2ª Turma, Rel. Min. Eliana Calmon, DJe 28.6.2010)

CONSTITUCIONAL. ADMINISTRATIVO. RECURSO ORDINÁRIO EM


MANDADO DE SEGURANÇA. SERVIDOR PÚBLICO. TETO
REMUNERATÓRIO. EMENDA CONSTITUCIONAL 41/03. SUJEIÇÃO.
PRECEDENTES DO STJ. RECURSO IMPROVIDO.
1. O Superior Tribunal de Justiça, na linha do entendimento firmado pelo Supremo
Tribunal Federal (MS 24.875/DF, Rel. Min. SEPÚLVEDA PERTENCE), tem
decidido que, a partir da promulgação da Emenda Constitucional 41/03, que deu
nova redação ao art. 37, XI, da Constituição Federal: a) não há falar em direito
adquirido ou ato jurídico perfeito, extensível à coisa julgada, que se sobreponha ao
teto remuneratório dos servidores públicos; b) as vantagens de caráter pessoal, ou
de qualquer outra natureza, passam a integrar o cálculo do referido limite; c) o
princípio da irredutibilidade de vencimentos não é violado quando a remuneração
é reduzida para que seja observado o teto, ressaltando que "somente são
irredutíveis os vencimentos e proventos constitucionais e legais" (MS 21.659/DF,
Rel. Min. EROS GRAU).
2. "O adicional por tempo de serviço, por certo, não se inclui entre as vantagens de
natureza indenizatória, cuidando-se, sim, de acréscimo pecuniário pelo
reconhecimento da experiência e do serviço prestado pelo servidor, vale dizer, pro
labore facto (RMS 24.565/DF, Rel. Min. HAMILTON CARVALHIDO).
3. Recurso ordinário improvido.
(RMS 27.073/CE, 5ª Turma, Rel. Min. Arnaldo Esteves Lima, DJe 19.10.2009)

CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO. AGRAVO REGIMENTAL NO


RECURSO ORDINÁRIO EM MANDADO DE SEGURANÇA. TETO
Documento: 44134139 - Despacho / Decisão - Site certificado - DJe: 10/02/2015 Página 6 de 8
Superior Tribunal de Justiça
REMUNERATÓRIO. EC N.º 41/2003. VANTAGEM PESSOAL. INCLUSÃO.
DECISÃO MANTIDA PELOS SEUS PRÓPRIOS FUNDAMENTOS.
1. A partir da entrada em vigor da EC n.º 41/2003, deixou de existir impedimento à
inclusão das vantagens de natureza pessoal, ou de qualquer outra natureza, no
somatório da remuneração para apuração do teto limite.
2. Os Agravantes não trouxeram argumento capaz de infirmar as razões
consideradas no julgado agravado, razão pela qual deve ser mantido por seus
próprios fundamentos.
3. Agravo regimental desprovido.
(AgRg no RMS 26.951/CE, 5ª Turma, Rel. Min. Laurita Vaz, DJe 3.11.2008)

Em suma: a garantia da irredutibilidade dos vencimentos (art. 37, XV, da CF/88)


deve ser observada, desde que os valores percebidos se limitem ao teto do funcionalismo
público.
Por fim, cabe destacar que o Excelso Supremo Tribunal Federal julgou, em regime
de repercussão geral, o Recurso Extraordinário n. 609.381/GO, no qual decidiu que todas as
verbas de natureza remuneratória recebidas pelos servidores públicos se submetem ao limite
máximo determinado pela Emenda Constitucional n. 41/03, ainda que essas verbas tenham
sido adquiridas de acordo com regime legal anterior. A propósito, confira-se a ementa do
referido precedente do STF:

CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO. TETO DE RETRIBUIÇÃO.


EMENDA CONSTITUCIONAL 41/03. EFICÁCIA IMEDIATA DOS LIMITES
MÁXIMOS NELA FIXADOS. EXCESSOS. PERCEPÇÃO NÃO RESPALDADA
PELA GARANTIA DA IRREDUTIBILIDADE. 1. O teto de retribuição
estabelecido pela Emenda Constitucional 41/03 possui eficácia imediata,
submetendo às referências de valor máximo nele discriminadas todas as verbas de
natureza remuneratória percebidas pelos servidores públicos da União, Estados,
Distrito Federal e Municípios, ainda que adquiridas de acordo com regime legal
anterior. 2. A observância da norma de teto de retribuição representa verdadeira
condição de legitimidade para o pagamento das remunerações no serviço público.
Os valores que ultrapassam os limites pré-estabelecidos para cada nível federativo
na Constituição Federal constituem excesso cujo pagamento não pode ser
reclamado com amparo na garantia da irredutibilidade de vencimentos. 3. A
incidência da garantia constitucional da irredutibilidade exige a presença
cumulativa de pelo menos dois requisitos: (a) que o padrão remuneratório nominal
tenha sido obtido conforme o direito, e não de maneira ilícita, ainda que por
equívoco da Administração Pública; e (b) que o padrão remuneratório nominal
esteja compreendido dentro do limite máximo pré-definido pela Constituição
Federal. O pagamento de remunerações superiores aos tetos de retribuição de cada
um dos níveis federativos traduz exemplo de violação qualificada do texto
constitucional. 4. Recurso extraordinário provido.
(RE 609381, Relator(a): Min. TEORI ZAVASCKI, Tribunal Pleno, julgado em
02/10/2014, ACÓRDÃO ELETRÔNICO REPERCUSSÃO GERAL - MÉRITO
DJe-242 DIVULG 10-12-2014 PUBLIC 11-12-2014)

Ante o exposto, dou PARCIAL PROVIMENTO ao recurso especial do Estado de


Amazonas.

Documento: 44134139 - Despacho / Decisão - Site certificado - DJe: 10/02/2015 Página 7 de 8


Superior Tribunal de Justiça
Publique-se. Intimem-se.

Brasília (DF), 03 de fevereiro de 2015.

MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES, Relator

Documento: 44134139 - Despacho / Decisão - Site certificado - DJe: 10/02/2015 Página 8 de 8