Você está na página 1de 4

piaget

O objetivo do presente trabalho é relatar de forma mais concisa a experiência de trabalhar


de forma lúdica a teoria de Piaget na sala de aula, embasado nos estudos, bem como nas
estratégias desenvolvidas e aqui apresentadas para a aplicabilidade da teoria de Jean
Piaget.Para a criança, a sala de aula não se constitui apenas em um espaço para construção
do conhecimento, mas é também um espaço socializador, lúdico e de experiências trocadas
entre aluno e educador.É um espaço coletivo, onde o professor é o sujeito mediador que
oportuniza a aprendizagem, sendo ainda um amigo, um companheiro e em especial um
referencial afetivo para a criança, aprendendo assim de forma prazerosa.

Para Piaget a inteligência, a aprendizagem e a construção do conhecimento estão


relacionadas.Assim, durante a aplicação procurou-se focar o desenvolvimento das
inteligências através de atividades lúdicas, onde a criança pudesse aprender brincando e se
socializando.

1-CONSIDERAÇÕES TEÓRICAS ACERCA DE PIAGET E A SALA DE AULA


A escola é uma instituição responsável pela construção e divulgação do conhecimento,
promovendo o processo de ensino-aprendizagem, onde para Libâneo (1994),a escola é a
forma predominante de ensinar e aprender.Durante as aulas o professor deve criar
oportunidades para que o aluno assimile o conhecimento, de forma prazerosa,
desenvolvendo habilidades e atitudes que estimulem a criticidade e suas capacidades
cognoscitivas.Um dos pressupostos pedagógicos da teoria de Piaget é que:

Respeitar as características de cada etapa do desenvolvimento é considerar o interesse de


cada fase, estimulando a atividade funcional, isto é, a atividade natural de cada individuo.Os
estudos experimentais de Piaget permitem ao professor identificar o estagio em que uma
criança esta atuando, é ao mesmo tempo, lhe mostra o que esperar dos alunos nos
diferentes estágios de desenvolvimento (HAIDT, 2002, P.48).

Dessa forma, percebe-se a relevância e importância acerca dos estudos de Piaget


para os educadores,aprendendo que o desenvolvimento da inteligência é algo que necessita
ser estimulado,sendo bem distinto da aquisição de novos hábitos de infomação.Assim, o
primeiro processo é chamado de desenvolvimento e o segundo de aprendizagem.

2-CAMINHO METODOLÓGICO
Para desenvolver a proposta de aplicabilidade da teria de Piaget de forma lúdica, o
grupo, o presente grupo estudou toda a teoria de desenvolvimento mental, fazendo uma
pesquisa bibliográfica, conforme propõe Jean Piaget.
Dessa forma, elaborou-se uma coletânea de estratégias lúdicas para o
desenvolvimento da inteligência em cada período do individuo.Em seguida, escolheu-se
apenas uma estratégia e preparou-se os recursos didáticos necessários para a execução da
estratégia.

Neste contexto, dentre as cinco estratégias criadas com base nas cinco fases do
desenvolvimento postuladas por Piaget, elegeu-se uma, sendo no período Pré-Operatório,
conforme a tabela a seguir:

2.1- TABELA DEMONSTRATIVA


Escola
Período
Atividade
Objetivos
Privada

Sensório-Motor

Mamódromo self-service

Permitir que a criança desenvolvesse autonomia e independência através dos desafios


propostos

Cria-se um espaço para as crianças mamarem-um mamódromo.As mamadeiras de cada


criança com identificação serão colocadas em bandejas, funcionará como um self-service.Os
bebês que já andam pagarão suas mamadeiras e irão deitar no cantinho que ele achar
confortável.Depois de mamarem serão ensinadas a colocarem as mamadeiras de volta na
bandeja.
Privada

Pré-Operatório

Caminho a se percorrer

Distinguir semelhanças ou diferenças: Exemplificar frases: Aprimorar a linguagem

A criança joga o dado no chão, o numero sorteado corresponderá a casa no tabuleiro,


respondendo corretamente seguirá no caminho.

Privada

Operações concretas

Audição apurada

Trabalhar a audição com diferentes tipos de sons.

Dividir a turma em dois grupos, um dos componentes de cada grupo será vendado, a
professora irá fazer diferentes tipos de sons e a criança terá que identifica-lo.

Privada

Operações formais

Olimpíadas Matemáticas

Desenvolver as operações matemáticas cotidianas, bem como a socialização, divisão e


limites monetários.

Dividir a turma em dois grupos.Elaborar problemas matemáticos contextualizados a idade


das crianças.O grupo que souber a resposta irá bater na mesa com um martelo plástico que
emite som. No final a professora deverá responder e explicar as respostas não dadas ou não
acertadas.

3-RESULTADOS
Após a realização da experiência em campo foi obtido o seguinte resultados:
Durante a aplicação da atividade todas as crianças da escola queriam
participar.Demonstraram grande alegria e entusiasmo, participaram prontamente da
proposta, com a presença de pessoas convidadas.

Neste sentido, aplicamos a atividade conforme o objetivo proposto acima.Todas as crianças


da referida turma jogaram o dado e participaram chegando ao final do tabuleiro.Entregamos
prendas para as crianças que chegaram na casa das prendas.Foram 04 crianças que
ganharam as prendas

Duas crianças pararam na casa da "Prisão", (que significa ficar uma rodada sem
jogar).Uma das crianças que foi para a prisão chorou, mas explicamos que era uma regra do
jogo, pois tudo na vida tem regras, e podia acontecer com outras crianças, tanto que outra
criança também foi para a prisão.

Com relação ao entendimento das frases e as respostas; das 8 crianças da turma 2


não responderam as perguntas devido a timidez,mas percebemos que elas entenderam o
jogo,mas ficaram tímidas ao responder ,devido ser uma forma de desafio;brincar de
responder.Todas as outras responderam as perguntas, quando era vez de uma criança,
muitas vezes as outras se apressavam em responder, demonstrando grande participação e
interação na atividade.

4-DISCUSSÃO
A atividade demonstrou que todas as crianças apresentaram um desenvolvimento cognitivo
de acordo com o período do desenvolvimento mental delas, estando desenvolvidas conforme
demonstra os estudos de Piaget, sendo capaz das atividades que correspondem às suas
habilidades.

As crianças e alunos se socializaram, aprenderam, pois quando um não sabia a resposta o


outro imediatamente respondia, competindo de forma dinâmica e amigável, haja vista que
mesmo que nós dissemos no inicio do jogo que cada um tinha sua vez, elas terminavam
respondendo, sendo normal entre crianças esta euforia em dar respostas, quando as
sabem.Vale ressaltar ainda que quando não respondiam na hora pensavam e analisavam um
pouco.Outros pediam para nós repetimos a frase para eles poderem responder, estimulando
assim a criatividade e reflexão acerca do cotidiano.

Contudo, podemos afirmar que todo mundo tem inteligência o que falta é ser
estimulada, ou ainda falta à valorização dos conhecimentos das crianças, pois com elas
ensinamos e aprendemos a ver o mundo de uma forma mais sensível,alegre e estimulante.
5- CONCLUSÃO
Na pratica as tarefas operatórias trabalhadas de forma lúdica, facilitam a
aprendizagem da criança, desenvolvendo o cognitivo, o afetivo contribuindo para a
construção do sujeito de forma integral.Aprender brincando proporciona prazer para o
aprendente e o ensinante, pois ao propor atividades desafiadoras que estimulem a reflexão,
a descoberta, a criatividade, o desenvolvimento do raciocínio, acionam os esquemas
mentais.
Ao ir a campo desenvolver a presente estratégia, enriqueceu-se conhecimentos
acadêmicos, reconhecendo a complexidade do papel do educador, sendo enfatizado sempre
dinâmico,criativo,flexível e holístico,configurando uma práxis.

BIBLIOGRAFIA
FURTH, Hans G.Piaget na sala de aula.RJ: Fonseca Universitária, 1997.
GOULART, Íris Barbosa.Piaget: experiências básicas para utilização pelo
professor.Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.
HAIDT, Regina Célia Cazaux.Curso de Didática geral.São Paulo: Ática, 2002.
LIBÂNEO, José Carlos.Didática.São Paulo: Cortez, 1994.
MORETTO, Vasco Pedro. Construtivismo: a produção do conhecimento em aula.RJ: DP&A,
2003.