Você está na página 1de 5

COMO VOAM OS AVIÕES

Um dos principais obstáculos para se colocar um avião no ar foi o


seu peso. Hoje sabe se que para um avião voar é preciso gerar sustentação
com certa velocidade. Existem quatro forças que auxiliam nesse processo:
sustentação, arrastro, tração e peso.

Imagem 1- Forças que auxiliam no voo.

FORÇA DE SUSTENTAÇÃO

Quando um avião se desloca pelo ar, ocorre um fenômeno na sua


asa que irá produzir uma força para cima, sentido inverso ao peso.

FORÇA DE ARRASTRO

O arrastro é uma força aerodinâmica devida a resistência do ar, que


se opõe ao avanço de um corpo. Essa força depende de alguns fatores como a
forma do corpo, a rugosidade e o efeito induzido resultante da asa.

FORÇA DE TRAÇÃO
A tração é uma força responsável por impulsionar a aeronave para
frente, sendo originada de algum tipo de motor.

FORÇA PESO

O peso está relacionado com a força da gravidade, a qual atrai todos


os corpos que estão no campo gravitacional terrestre. Não existe nenhuma
forma de alterar esta força, então é preciso cada vez mais aperfeiçoar as
aeronaves, para sempre respeitar as leis da natureza.
O peso é um fator muito importante nas operações de pouso e
decolagem, pois um avião muito pesado irá precisar de maior comprimento de
pista para decolar, para conseguir velocidade suficiente visando à sustentação
para anular o peso, sendo assim, aviões maiores são impedidos de operar em
certos aeroportos. O mesmo acontece na aterrissagem, pois se deve respeitar
a lei da inércia.

O PAPEL DAS ASAS NO VOÕ DO AVIÃO

Primeiro a asa se torna um plano inclinado, como exemplo podemos


pensar em uma pessoa correndo com uma placa de isopor, conforme se corre
o ar empurra a placa para cima, é o que acontece com a asa de um avião que
também é inclinada sendo responsável por 30 a 40 por cento, o restante fica
por conta do desenho da asa. O formato das asas gera uma diferença de
pressão entre o ar que passa por cima e por baixo da asa, como resultado
dessa diferença tem-se uma força que empurra a asa para cima.

O segundo desafio, é controlar o avião sobre o eixo longitudinal, que


é o que dá a estabilidade do avião.

SUPERFÍCIES DE COMANDO

O avião utiliza-se de outras superfícies fixas além das asas para


manter o voo, sendo elas, os estabilizadores horizontais e verticais localizados
na cauda do aparelho. O estabilizador horizontal tem a função de evitar que o
avião gire em torno dos eixos das asas, nem abaixando, nem levantando o
nariz do avião. Já o vertical tem a função de evitar a guinada do aparelho, e
que ele gire em torno de seu eixo vertical.

Além das superfícies fixas, a aeronave possui também as móveis,


chamadas superfícies de comando que irão dominar o avião em voo como os
(ailerons, leme de direção e profundores).

Os ailerons, tem a função de girar o avião em torno do nariz,


proporcionando a aeronave executar curvas de maneira correta auxiliada do
leme de direção.

Imagem 2- ailerons

Já os profundores, são responsáveis por abaixar ou subir o nariz da


aeronave.

Imagem 3 – profundores

A outra superfície móvel, também localizada na cauda do avião é


o leme de direção, que controla o movimento em torno do eixo vertical.
Imagem 4 – leme de direção

Existem também as superfícies que auxiliam em voo e em terra


(decolagem e aterrissagem da aeronave). Os flaps ou slats, localizados no
bordo de fuga da asa, acionados para baixo, com a função de aumentar a área
de superfície da mesma.

Os flaps aumentam a sustentação e o arrastro, diminuindo a


velocidade. Estas superfícies são normalmente usadas em baixa velocidade,
originando o chamado voo reduzido ou nos procedimentos de aproximação e
pouso.

Imagem 5- Flaps em voo