Você está na página 1de 293

Universidade do Minho

Escola de Ciências

Angelo Moura Araujo

Geodiversidade: aplicação ao Estado do Ceará


Avaliação dos Recursos Hídricos no Âmbito da
Avaliação dos Recursos Hídricos no Âmbito da
Geodiversidade: aplicação ao Estado do Ceará

Angelo Moura Araujo


UMinho|2016

setembro de 2016
Universidade do Minho
Escola de Ciências

Angelo Moura Araujo

Avaliação dos Recursos Hídricos no Âmbito da


Geodiversidade: aplicação ao Estado do Ceará

Tese de Doutoramento em Ciências


Especialidade em Geologia

Trabalho efetuado sob orientação do


Professor Doutor Diamantino Manuel Insua Pereira

setembro de 2016
iv
AGRADECIMENTOS

A gradecer, apesar de parecer um gesto simples, representa a maior manifestação de reconhecimento


que alguém pode demonstrar àqueles que de alguma maneira contribuíram na realização e
concretização deste projeto.
Primeiramente, agradeço a todos os célebres autores que formaram a base fundamental para o importante
debate que foi esta pesquisa, que assim como nós, incansáveis construtores de conhecimento, buscamos
de alguma maneira respostas e soluções para as inquietações das problemáticas que nos dispusemos a
pesquisar.
Ao professor Dr. Diamantino Pereira, pela paciência sempre demonstrada nas longas e fundamentais
orientações. Pela sabedoria em orientar e acima de tudo, pela simplicidade e humildade em compartilhar
do seu conhecimento e profissionalismo. Meu sincero obrigado!
Ao pessoal do Departamento de Ciências da Terra, professores, colegas e funcionários que juntos, formam,
constroem e aperfeiçoam este espaço de conhecimento. Em especial, meus agradecimentos aos
professores Dr. José Brilha, Dr. Renato Henriques e Dr. Paulo Pereira, pelas contribuições acadêmicas e
ensinamentos nas excecionais viagens de campo.
Ao Professor Dr. João Carlos Andrade Santos da Escola de Ciências e Tecnologia da Universidade de Trás-
os-Montes e Alto Douro, Vila Real-Portugal, pelo auxílio no uso do programa Matlab, contribuição essa que
foi essencial para o tratamento de dados referentes a esta pesquisa. Meus sinceros agradecimentos.
Aos amigos e amigas, Gracieda, Ninha, David Perreta, Cleciana, Gisely, Isabel, Lílian e Paulo, Jémissom e
Lina e a mais recente amiga querida, Juliana Alves, uma amazonense que conheci em terras portuguesas
e que pude compartilhar ideias e boas conversas. Amigos no sentido mais verdadeiro da palavra, que
formam uma estrutura pessoal imprescindível na nossa vida, que nos impulsiona, anima, instiga e nos dão
exemplos que nos fazem ver a importância da amizade. Aos amigos de infância, que à sua maneira nos
oferecem um pouco de suas alegrias e companhias. Em especial a Gracinéia, que compartilho há muitos
anos anseios e inquietações, mas também, incríveis e bons momentos por esse mundo afora.
À minha família, especialmente a minha Mãe Maria José e ao meu Pai Elízio Valter, que são a base e o
sentido de minha existência e luta constante; à minha irmã Angela e meu cunhado Joilton pelo apoio
incondicional, sempre dispostos a ajudar quando sempre preciso. Às minhas sobrinhas Karinina (de
coração), Maria Elisa, Letícia, Lunna e ao mais novo homenzinho da família, o meu sobrinho Gustavo, que
preenchem de alegria nossos corações e que mesmo nos desencontros, nos poucos momentos
compartilhados, na constante distância, são a base e o pilar que dão o sustento e sentido principal a cada
passo e degraus conquistados.
Agradeço à CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) através do programa
Ciências sem Fronteiras pela concessão da bolsa e apoio durante todo o período de realização deste
doutorado.
Agradeço ao Departamento de Ciências da Terra as facilidades concedidas para a minha estadia, bem
como ao Instituto de Ciências da Terra, Polo do Minho, financiando pelo Fundo Europeu de
Desenvolvimento Regional, enquadrado no COMPETE 2020 (Programa Operacional da Competitividade e
Internacionalização) através do projeto ICT (UID/GEO/04683/2013) com a referência POCI-01-0145-
FEDER-007690 e dos fundos nacionais através da Fundação para a Ciência e a Tecnologia.
Enfim, à Deus, nas suas mais variadas e simples formas de existência, sempre inexplicavelmente
orientando, através de simples sinais do dia-a-dia, através de pessoas amigas, dando-nos respostas e
discernimento às nossas inquietações.

A todos o meu profundo agradecimento.

v
vi
RESUMO
Avaliação dos recursos hídricos no âmbito da geodiversidade:
aplicação ao Estado do Ceará

A inserção dos recursos hídricos como parte integrante do processo de quantificação e avaliação
da geodiversidade foi pensada devido à sua importância socioeconômica e à intrínseca relação
existente entre os elementos naturais abióticos que compõe a geodiversidade (rochas, fósseis,
minerais, relevos, solos), e os diversos processos hídricos. Estes processos hídricos atuam e
transformam esses elementos que, por sua vez, influenciam sobremaneira as relações do homem
sobre os territórios e paisagens.

Diante desta perspectiva de análise, centramos como objetivo principal deste trabalho, desenvolver
metodologias de quantificação dos recursos hídricos e da geodiversidade para o Estado do Ceará-
Brasil. A metodologia de avaliação dos recursos hídricos foi desenvolvida com base em
metodologia de avaliação da geodiversidade e de seus vários componentes anteriormente
proposta. Os métodos e técnicas de quantificação dos recursos hídricos tem como base os limites
naturais das bacias hidrográficas e tem por objetivo servir de instrumento técnico-metodológico
para a gestão e análise dos recursos hídricos em bacias hidrográficas.

O método desenvolvido de avaliação da geodiversidade baseado na inserção de uma grid regular


sobre mapas, permite avaliar de forma independente a diversidade litológica, geomorfológica,
paleontológica, pedológica, de recursos minerais e energéticos e, como propomos, dos recursos
hídricos. Com destaque especial ao nosso interesse nos recursos hídricos por ser este um
elemento determinante para o desenvolvimento socioeconômico no Estado do Ceará, elaboramos
um procedimento de avaliação que gera um indicador de quantificação que designamos por
Potencial dos Recursos Hídricos (PRH). A partir deste indicador foi possível, além do resultado final
do PRH, obter outros dados inéditos, como valores e mapa da média anual de precipitação, de
hierarquias de rios, vazão específica e reservatórios hídricos superficiais do Estado do Ceará. Neste
processo de quantificação destacamos a importância da dimensão das grids a serem aplicadas
sobre os mapas. Para o cálculo do PRH salienta-se a vantagem do uso das sub-bacias, enquanto
para o cálculo dos índices parciais da geodiversidade, as grids regulares devem ser adequadas à
dimensão da área de trabalho, diferente para o nível de Estado (Ceará) e nível regional
(Mesorregião Sul Cearense).
A proposta das metodologias de quantificação do potencial dos recursos hídricos e da
quantificação da geodiversidade aqui apresentadas, têm como principal função servir de
instrumento técnico para o ordenamento e gestão territorial, incluindo a valorização e gestão de
áreas com potencial de geoconservação. A classificação de áreas com base na geodiversidade
aqui apresentadas, possibilita traçar planos estratégicos de ordenamento e gestão do território
considerando a geodiversidade na sua totalidade, ou em particular cada um dos seus componentes
com destaque para os recursos hídricos.
Palavras-chave: Geodiversidade, recursos hídricos, Ceará, avaliação, ordenamento e gestão territorial.

vii
viii
ABSTRACT

Water resources assessment in the scope of geodiversity:


applicability to the state of Ceará, Brazil

The insertion of water resources as an integral part of the process of geodiversity quantification
and assessment was thought due to its socio-economic importance and the intrinsic relationship
between abiotic natural elements that make up the geodiversity (rocks, fossils, minerals, reliefs
and soil) and diverse water processes. These water process act and transform those elements, and
which in turn, greatly influence the relations of human beings over the territories and landscapes.

In vision of this analytical perspective, we focus as the main objective of this work, developing
methodologies for quantifying water resources and geodiversity for the state of Ceará, Brazil. The
methodology of assessment of water resources was developed based on the evaluation
methodology of geodiversity and its various components previously proposed. The methods and
quantification techniques of water resources is based on the natural watershed boundaries and
aims to be used as a technical and methodological tool for the analysis and management of water
resources in river basins.

The method of assessment of geodiversity based on inserting a regular grid on maps, allows to
evaluate independently, the lithological, geomorphological, paleontological, pedological, mineral
and energy resources diversity and, as we propose, water resources diversity. With special attention
to our interest in water because it is a determining factor for the socioeconomic development in
the state of Ceará we developed an evaluation procedure that generates a measurement indicator
we call the Potential of Water Resources (PRH). Using this indicator was possible, beyond the
outcome of the PRH, get other unpublished data, such as values and map of annual rainfall
average, hierarchies of rivers, specific flow rate, and surface water reservoirs of Ceará. In this
method, we highlight the importance of the size of the grids to be applied on the maps. Calculating
the PRH highlights the advantage of using the sub-basins, while for the calculation of the partial
indices of geodiversity, regular grids should be appropriate to the size of the working area, different
to the level of the State (Ceará) and regional level (South Ceará Mesoregion).
These proposal of quantification of the potential of of water resources and the quantification of
geodiversity presented herein, have the main function to provide a technical instrument for planning
and land management, including recovery and management of areas with geoconservation
potential. The rating of areas based on geodiversity makes it possible to trace strategies for planning
and management of the territory considering the geodiversity in its entirety, or, in particular, each
of its components with emphasis on water resources.

Key-words: Geodiversity, water resourses, Ceará, assessment, planning and territorial


management.

ix
x
ÍNDICE

Agradecimentos......................................................................................................................... v
Resumo ................................................................................................................................... vii
Abstract.................................................................................................................................... ix
Índice de Figuras ..................................................................................................................... xv
Índice de Tabelas .................................................................................................................. xxiii
Índice de Anexos ................................................................................................................... xxiv
CAPÍTULO I .............................................................................................................................1
INTRODUÇÃO .........................................................................................................................1
1.1 Apresentação ............................................................................................................... 3
1.2 Objetivos ...................................................................................................................... 5
1.3 Enquadramento geográfico e geológico ......................................................................... 6
1.4 Metodologia da pesquisa ............................................................................................ 14
CAPÍTULO II ......................................................................................................................... 17
BREVE CONCEPTUALIZAÇÃO E ANÁLISE DOS RECURSOS HÍDRICOS NO
ESTADO DO CEARÁ ............................................................................................................. 17
2.1 Hidrologia, Bacia Hidrográfica e Recursos Hídricos ..................................................... 19
2.2 O uso dos recursos hídricos e a gestão por bacias hidrográficas .................................. 22
2.3 Métodos de quantificação e avaliação de recursos hídricos em bacias hidrográficas .... 29
2.4 Contexto histórico das políticas de gestão dos recursos hídricos no Brasil e no Ceará
.................................................................................................................................. 33
CAPÍTULO III ........................................................................................................................ 39
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ ...... 39
3.1 Abordagem metodológica para cálculo do Potencial do Recursos Hídricos (PRH). ........ 41
3.1.1 Processamento de dados pluviométricos para geração do Mapa de Pluviosidades ....... 43
3.2 Interpolação de dados pluviométricos na representação espacial ................................ 45
3.2.1 Ponderação do Inverso das Distâncias (IDW)............................................................... 47
3.2.2 Spline ........................................................................................................................ 50
3.2.2 Natural Neighbor ........................................................................................................ 52
3.2.3 Krigagem: método de interpolação aplicado ao estudo de caso ................................... 54
3.3 Análise dos dados das médias pluviométricas ............................................................. 59
xi
3.4 Extração dos canais, hierarquização e geração das subbacias a partir do MDT ............ 63
3.5 Mapeamento do Potencial dos Recursos Hídricos do Estado do Ceará ......................... 68
3.5.1 Subbacias versus grid regular no processo de quantificação ........................................ 68
3.5.2 Índices parciais do Potencial dos Recursos Hídricos .................................................... 69
3.5.2.1 Índice de Vazão Específica .......................................................................................... 70
3.5.2.2 Índice de Hierarquias de Canais ................................................................................. 72
3.5.2.3 Índice das Médias Pluviométricas ............................................................................... 73
3.5.2.4 Índice de Reservatórios Hídricos ................................................................................. 74
3.5.3 Reclassificação dos índices parciais ............................................................................ 75
3.5.4 Cálculo do Potencial dos Recursos Hídricos (PRH) ...................................................... 77
3.6 Interpretação e discussão dos resultados do capítulo .................................................. 82
CAPÍTULO IV ........................................................................................................................ 87
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ ........................................... 87
4.1 Geodiversidade: Breve revisão conceitual .................................................................... 89
4.2 Classificação e modelagem da geodiversidade: análise dos métodos das subbacias
e da grid 12x12km ..................................................................................................... 94
4.3 Índices parciais da geodiversidade .............................................................................. 97
4.3.1 Diversidade Litológica ................................................................................................. 97
4.3.2 Diversidade Geomorfológica...................................................................................... 100
4.3.3 Diversidade Pedológica ............................................................................................. 106
4.3.4 Diversidade de Recursos Minerais e Energéticos ....................................................... 108
4.3.5 Diversidade Paleontológica ....................................................................................... 110
4.3.6 Diversidade dos Recursos Hídricos ........................................................................... 115
4.4 Índice de Geodiversidade e Mapa de Avaliação da Geodiversidade............................. 118
4.5 Análise e discussão dos resultados da avaliação da geodiversidade ........................... 126
4.5.1 Mesorregião Sul Cearense ........................................................................................ 127
4.5.2 Mesorregião Sertões Cearenses ................................................................................ 133
4.5.3 Mesorregião Norte Cearense .................................................................................... 135
4.5.5 Mesorregião Metropolitana de Fortaleza .................................................................... 139
4.5.6 Mesorregião Jaguaribe ............................................................................................. 141
4.5.7 Mesorregião Centro Sul Cearense ............................................................................. 144

xii
CAPÍTULO V........................................................................................................................ 147
ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES GRIDS NA AVALIAÇÃO
DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA GEODIVERSIDADE: aplicação
à Mesorregião Sul Cearense ........................................................................................... 147
5.1 Introdução ................................................................................................................ 149
5.2 Potencial dos Recursos Hídricos: comparativos das grids 12x12km, 5x5km e das
subbacias ................................................................................................................ 149
5.2.1 Resultados das grids 5x5km e 12x12km. .................................................................. 149
5.2.2 Análise comparativa entre os resultados dos métodos 12 kmx12 km, 5x5km e
subbacias ................................................................................................................ 162
5.3 Avaliação da Geodiversidade: comparativo das grids 12x12km e 5x5km ................... 165
5.3.2 Análise comparativa da avaliação da geodiversidade obtida com as grids 12x12km
e 5x5km................................................................................................................... 169
CAPÍTULO VI ...................................................................................................................... 171
CONSIDERAÇÕES FINAIS ................................................................................................. 171
BIBLIOGRAFIA .................................................................................................................... 179
ANEXOS .............................................................................................................................. 205

xiii
xiv
ÍNDICE DE FIGURAS

CAPÍTULO I

Figura 1.1 Mapa de localização da área do Estado do Ceará. Modificado de IBGE (2015).
........................................................................................................................ 7
Figura 1.2 Mapa dos domínios geológicos que ocorrem no Ceará (Brandão,2014) ............ 8
Figura 1.3 Mapa cronoestratigráfico simplificado do Estado do Ceará e Escala do tempo
geológico compilada da Comissão Internacional de Estratigrafia - ICS, 2009.
Fonte: (Brandão, 2014) .................................................................................... 9
Figura 1.4 Seção geológica simplificada (sem escalas) envolvendo os principais domínios
geológicos do Ceará. ZCTB – Zona de Cisalhamento Sobral-Pedro II ou
Lineamento Transbrasiliano; ZCT - Zona de Cisalhamento Tauá; ZCSP – Zona
de Cisalhamento Senador Pompeu; ZCO – Zona de Cisalhamento Orós; ZCJ -
Zona de Cisalhamento Jaguaribe. Fonte: (Brandão, 2014) ................................ 9
Figura 1.5 Mapa de domínios litológicos do Estado do Ceará. Modificado de CPRM
(2008a) ......................................................................................................... 11
Figura 1.6 Mapa de domínios geomorfológicos do Estado do Ceará. Fonte:
(Brandão,2014) .............................................................................................. 12

CAPÍTULO III

Figura 3.1 Fluxograma metodológico do geoprocessamento dos dados para geração do


mapa do PRH… .............................................................................................. 43
Figura 3.2 Fluxograma metodológico do processamento dos dados pluviométricos ........... 44
Figura 3.3 Métodos de representação de superfícies. Fonte: www.esri.com ...................... 45
Figura 3.4 Exemplo da representação de dados intermédios gerados a partir da
interpolação. Fonte: www.esri.com .................................................................. 46
Figura 3.5 Exemplo de representação espacial a partir da interpolação de dados através
da Ponderação do Inverso das Distâncias (IDW). Fonte: www.esri.com ............. 48
Figura 3.6 Mapa com a interpolação das médias anuais pluviométricas a partir do
método IDW ................................................................................................... 49
Figura 3.7 Exemplo de representação espacial a partir da interpolação Spline. Fonte:
www.esri.com ................................................................................................. 50
Figura 3.8 Mapa com a interpolação das médias anuais pluviométricas a partir do
método Spline de Tensão. ............................................................................... 51
Figura 3.9 Representação dos polígonos de Voronoi. Fonte: Kolahdouzan & Shahabi
(2004) ............................................................................................................ 52

xv
Figura 3.10 Exemplo de representação espacial a partir da interpolação Natural
Neighbor (Vizinho Natural). Fonte: www.esri.com ............................................. 52
Figura 3.11 Mapa com a interpolação das médias anuais pluviométricas a partir do
método Natural Neighbor ................................................................................ 53
Figura 3.12 Exemplo de representação espacial a partir da interpolação Krigagem.
Fonte: www.esri.com ...................................................................................... 54
Figura 3.13 Exemplo esquemático da interpolação de superfície controlado por um
número específico de pontos a partir do raio de influência. Fonte.
www.esri.com ................................................................................................. 55
Figura 3.14 Histograma das médias anuais pluviométricas em (mm) do Estado do Ceará
no período de 1974 a 2014 ............................................................................ 56
Figura 3.15 Semivariograma das médias anuais pluviométricas do Estado do Ceará no
período de 1974 a 2014 ................................................................................. 57
Figura 3.16 Gráficos 3D de Análise de Superfície de Tendência das médias anuais da
pluviosidade do Estado do Ceará entre 1974 e 2014. A) detalhe em perfil
latitudinal, linha côncava em azul (N-S) da distribuição dos dados; B), visão
em perspectiva dos perfis latitutinal e longitudinal; C) detalhe da distribuição
dos centroides por subbacias no território do Estado do Ceará......................... 58
Figura 3.17 Mapa das médias anuais de pluviosidade dos últimos 34 anos (1974 à
2014) do Estado do Ceará gerado a partir da interpolação por Krigagem
Gaussiana ....................................................................................................... 59
Figura 3.18 Mapa das médias anuais de pluviosidade dos últimos 34 anos (1974 à
2014) com a sebreposição das mesorregiões Cearenses. ................................ 60
Figura 3.19 Massas de ar atuantes na região Nordeste associadas à Zona de
Covergência Intertropical, com detalhes para o Estado do Ceará. Fonte:
FUNCEME, 2014 ............................................................................................ 61
Figura 3.20 Massas de ar atuantes na região Nordeste associadas à Frente Fria, com
detalhes para o Estado do Ceará. Fonte: Climatempo, 2014 ............................ 62
Figura 3.21 Massas de ar atuantes na região Nordeste associadas à Linha de
Instabilidade, com detalhes para o Estado do Ceará. Fonte: FUNCEME,
2014 .............................................................................................................. 62
Figura 3.22 Massas de ar atuantes na região Nordeste associados ao Complexo de
Instabilidade de Mesoescala, com detalhes para o Estado do Ceará. Fonte:
FUNCEME, 2014 ............................................................................................ 63
Figura 3.23 Modelo Digital de Terreno (30m) do Estado do Ceará com paleta falsa-cor.
Fonte: SRTM, 2008, fornecido pela CPRM, 2008............................................. 64
Figura 3.24 Fluxograma metodológico do processamento do MDT para extração dos canais
fluviais e posterior geração das sub-bacias ...................................................... 65
Figura 3.25 Esquema com representação da hierarquia de canais segundo Strahler
(1957) associado a cada aresta de um grafo.

xvi
Fonte:https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Flussordnung_(Strahler).s
vg ................................................................................................................... 66
Figura 3.26 Classificação hierárquica de canais segundo o método de Strahler (1957),
geradas a partir do MDT.................................................................................. 67
Figura 3.27 Gráfico com a distribuição do número de cursos d’água do Estado do Ceará
por ordem hierárquica..................................................................................... 67
Figura 3.28 Representação esquemática da ponderação dos valores de vazão específica
para o cálculo do índice de vazão específica de uma sub-bacia ........................ 69
Figura 3.29 Mapa das unidades de vazões específicas com respectivos valores
reclassificados para o Estado do Ceará-Brasil. Modificado de Cogerh, 2014
...................................................................................................................... 71
Figura 3.30 Esquema com a quantificação dos índices das vazões específicas. A) os
valores das vazões de cada unidade foram substituídos por índices
correspondentes. B) grid das subbacias para inserção das médias
ponderadas; C) mapa com o somatório final das ocorrências de vazões por
subbacias com classes que variam de 1 a 5. Fonte dos dados: Adaptado de
Cogerh, 2014 .................................................................................................. 72
Figura 3.31 Esquema com a quantificação dos índices das hierarquias de canais. A)
mapa com os canais hídricos representados pelas hierarquias de níveis 3 a
7 pela classificação de Strahler, 1975; B) grid das subbacias para a geração
da tabela com os valores dos índices hierárquicos; C) mapa com a
identificação das maiores hierarquias presentes em cada subbacia. Dados
gerados a partir do MDT (CPRM, 2008b) ......................................................... 73
Figura 3.32 Esquema com a quantificação dos índices das médias anuais de
pluviosidade. A) mapa de índices de pluviosidade; B) mapa base das
subbacias para a geração da tabela com os valores dos índices hierárquicos;
C) mapa com a identificação dos índices pluviométricos por subbacia ............. 74
Figura 3.33 Esquema com a quantificação dos índices dos reservatórios hídricos. A)
mapa dos reservatórios hídricos do Estado do Ceará; B) grid das subbacias
para a geração da tabela com os valores dos índices hierárquicos; C) mapa
com a distribuição dos percentuais de áreas dos reservatórios por subbacias
...................................................................................................................... 75
Figura 3.34 Mapas parciais com os índices recalculados para 5 classes. A) mapa de
índices das vazões específicas; B) mapa de índices de hierarquia de canais;
C) mapa de índices de pluviosidade e D) mapa de índices dos reservatórios
calculados em porcentagem de área. .............................................................. 77
Figura 3.35 Esquema com a soma dos índices de vazão específica, hierarquia de rios,
médias anuais de pluviosidade e reservatórios. (1) Snip do mapa de índice
parcial da vazão específica; (2), Snip do mapa de índices de hierarquias de
canais segundo Stralher, 1957; (3) Snip do mapa de índices de médias
pluviométricas (34 anos); (4) Snip do mapa de índice de reservatórios por
bacias hidrográficas. (5), Mapa de Índices do PRH das subbacias do Estado
do Ceará, para a posterior geração do Mapa de Avaliação de PRH pelo
método de interpolação de dados espaciais. .................................................... 79
xvii
Figura 3.36 Esquema ilustrando a soma dos valores dos índices parciais para posterior
geração do Mapa de Índices do PRH e o resultado final do mapa de
Avaliação do PRH do Estado do Ceará gerado a partir da interpolação dos
dados ............................................................................................................. 81
Figura 3.37 Mapa da classificação hidrogeológica do Estado do Ceará. Fonte: Brandão
(2014) ........................................................................................................... 84
Figura 3.38 Mapa de Avaliação do PRH sobreposto pelas poligonais das mesorregiões
do Estado do Ceará......................................................................................... 86

CAPÍTULO IV

Figura 4.1 Trabalhos onde aparecem o termo ou o conceito de geodiversidade até 2001
Fonte:(Nieto,2001).......................................................................................... 91
Figura 4.2 Esquemas abordando as funções, valores e influências da geodiversidade
na sociedade. Fonte: Hjort et al., (2015) ....................................................... 92
Figura 4.3 Representação do somatório dos valores dos índices parciais. A) litológico,
B) geomorfológico, C) pedológico, D) recursos minerais e energético, E)
paleontológico, F) hidrológico, G) Mapa de Índices de Geodiversidade por
subbacias do Estado do Ceará (não validado). ................................................. 96
Figura 4.4 Exemplo da quantificação do índice de diversidade litológica na grid
12x12km. Na legenda estão representadas 7 ocorrências litológicas. A = 2
ocorrências; B = 4 ocorrências; C = 4 ocorrências; D = 6 ocorrências.
Modificado de: CPRM (2008a) ........................................................................ 98
Figura 4.5 Esquema do processo de quantificação de índices de diversidade litológica
por quadrícula. A) mapa litológico; B) grid 12x12km para geração da tabela
com os valores dos índices litológicos; C) mapa parcial com a distribuição
dos valores de ocorrências por quadrícula, após aplicação da classificação
Natural Breaks no Arcgis ................................................................................. 99
Figura 4.6 Mapa das unidades geomorfológicas do Estado do Ceará .............................. 101
Figura 4.7 Fluxograma dos níveis taxonômicos das estruturas geomorfológias. Fonte:
IBGE, 2009................................................................................................... 102
Figura 4.8 Esquema do processo de quantificação de índices de diversidade
geomorfológica por quadrícula. A) mapa geomorfológico; B) grid 12x12km
para a geração da tabela com os valores dos índices parciais de
geomorfologia; C) mapa parcial com a distribuição dos valores de
ocorrência geomorfológica por quadrícula, após aplicação da classificação
Natural Breaks no Arcgis ............................................................................... 103
Figura 4.9 Mapa pedológico do Estado do Ceará. Fonte: IBGE, 2008a ............................ 106
Figura 4.10 Esquema do processo de quantificação de índices de diversidade pedológica
por quadrícula. A) mapa pedológico; B) grid 12x12km para a geração da

xviii
tabela com os valores dos índices parciais de pedologia; C) mapa parcial
com a distribuição dos valores de ocorrências pedológica por quadrícula ....... 107
Figura 4.11 Mapa de ocorrências minerais e recursos energéticos do Estado do Ceará.
Fonte: CPRM, 2008a .................................................................................... 108
Figura 4.12 Esquema do processo de quantificação de índices de diversidade de
minerais e recursos energéticos por quadrícula. A) mapa de ocorrências
mineralógicas e energéticas; B) grid 12x12km para a geração da tabela com
os valores dos índices parciais de minérios; C) mapa parcial com a
distribuição dos valores de ocorrências minerais por quadrícula..................... 109
Figura 4.13 Mapa das formações sedimentares fossilíferas do Estado do Ceará. Fonte:
CPRM, 2008a ............................................................................................... 111
Figura 4.14 Esquema do método 1 para o processo de quantificação de índices de
diversidade paleontológica por quadrícula, considerando cada unidade
geológica como uma ocorrência. A) mapa com as unidades litológicas
sedimentares fossilíferas; B) grid 12x12km para a geração da tabela com
os valores dos índices parciais paleontológicos; C) mapa com a distribuição
dos valores de ocorrências por quadrícula. .................................................... 112
Figura 4.15 Esquema do método 2 para o processo de quantificação de índices da
diversidade paleontológica por quadrícula, considerando as ocorrências de
diferentes fósseis por unidade geológica. A) mapa com as unidades
litológicas sedimentares fossilíferas; B) grid 12x12km para a geração da
tabela com os valores dos índices parciais paleontológicos; C) mapa com a
distribuição dos valores totais de espécies fósseis por quadrículas. ................ 113
Figura 4.16 Comparativos entre os mapas de índices e os mapas de avaliação dos
métodos 1 e 2 para classificação dos índices paleontológicos. A) mapa dos
índices paleontológicos com base na contagem de unidades litológicas
sedimentares fossilíferas por quadrícula; B) mapa dos índices
paleontológicos com base no somatório das ocorrências de fósseis por
Formação litológica nas quadrículas; C) interpolação por Krigagem
Gaussiana pelo método 01; D) interpolação por Krigagem Gaussiana pelo
método 02. ................................................................................................... 114
Figura 4.17 Mapas de índices parciais de recursos hídricos gerados a partir da grid
12x12km. A) pluviosidade, B) vazão específica, C) hierarquia de rios; D) e
reservatórios hídricos .................................................................................... 116
Figura 4.18 Mapa de Índices dos Recursos Hídricos do Estado do Ceará, obtido a partir
do summarize dos mapas da Figura 4.17...................................................... 117
Figura 4.19 Mapas de índices parciais para a geração do Mapa de Índice de
Geodiversidade do Estado do Ceará. A) litologia, B) geomorfologia, C)
pedologia, D) mineralogia, E) paleontologia e F) recursos hídricos ................ 121
Figura 4.20 Mapa de Índices de Geodiversidade gerado a partir do método 12x12 km
para o Estado do Ceará................................................................................. 122

xix
Figura 4.21 Histograma dos Índices de Geodiversidade do Estado do Ceará e o
subproduto da interpolação dos índices de geodiversidade originado a partir
dos centroides .............................................................................................. 123
Figura 4.22 Esquema com a representação do processo de interpolação para geração
do Mapa de Avaliação da Geodiversidade do Estado do Ceará. A) Mapa de
Índices da Geodiversidade; B) Mapa dos Centroides com os valores de
geodiversidade para aplicação da interpolação; C) Mapa de Avaliação da
Geodiversidade. ............................................................................................ 124
Figura 4.23 Mapa de Avaliação da Geodiversidade do Estado do Ceará gerado a partir
da interpolação por Krigagem gaussiana ....................................................... 125
Figura 4.24 Mapa de Avaliação da Geodiversidade da Mesorregião Sul Cearense ............. 127
Figura 4.25 Exemplo de sítios paleontológicos com respectivos fósseis. A), área de
mineração para extração da rocha calcária sedimentar ou “pedra Cariri”;
B), fósseis de espécies de peixes encontrados na Formação Santana; em
C), partes fósseis de pterossauros; em D), portal com cartaz explicativo dos
fósseis no Geossítio Pedra Cariri, e em E), fóssil do exemplar de libélula
mais bem preservado já encontrado. Fotos: ARAUJO, 2014 ........................... 130
Figura 4.26 Mapa dos distritos mineiros do Estado do Ceará. Fonte: DNPM (2000) .......... 131
Figura 4.27 Exemplos de recursos hídricos presentes na área do Geoparque Araripe. A)
e C), leito do Rio Batateiras em período de estiagem; B) placa de sinalização
do Geossítio Batateiras. D), E) e F), técnicas de captação de água das
nascentes do Rio Batateiras pelas comunidades locais. Fotos: ARAUJO,
2014 ............................................................................................................ 132
Figura 4.28 Mapa de Avaliação da Geodiversidade da Mesorregião Sertões Cearenses ..... 133
Figura 4.29 Mapa de Avaliação da Geodiversidade da Mesorregião Norte Cearense .......... 135
Figura 4.30 Mapa de Avaliação da Geodiversidade da Mesorregião Noroeste Cearense ..... 137
Figura 4.31 Mapa de Avaliação da Geodiversidade da Mesorregião Metropolitana de
Fortaleza....................................................................................................... 140
Figura 4.32 Mapa de Avaliação da Geodiversidade da Mesorregião Jaguaribe ................... 142
Figura 4.33 Mapa de Avaliação da Geodiversidade da Mesorregião Centro Sul Cearense .. 144

CAPÍTULO V
Figura 5.1 Mapa com a sobreposição da grid 5x5km e das médias anuais de
pluviosidade dos últimos 34 anos (1974 à 2014) para a Mesorregião Sul
Cearense. ..................................................................................................... 150
Figura 5.2 Mapa com a sobreposição da grid 12x12Km e das médias anuais de
pluviosidade dos últimos 34 anos (1974 à 2014) para a Mesorregião Sul
Cearense. ..................................................................................................... 150
Figura 5.3 Mapa da modelagem das classes de pluviosidade na grid 5x5 km para a
Mesorregião Sul Cearense. ............................................................................ 151

xx
Figura 5.4 Mapa da modelagem dos índices pluviométricos na grid 12x12km para a
Mesorregião Sul Cearense. ............................................................................ 151
Figura 5.5 Mapa com a sobreposição da grid 5x5Km e do mapa com os índices de
vazão específica da Mesorregião Sul Cearense .............................................. 153
Figura 5.6 Mapa com a sobreposição da grid 12x12Km e do mapa com os índices de
vazão específica da Mesorregião Sul Cearense .............................................. 153
Figura 5.7 Mapa da modelagem dos índices da vazão específica na grid 5x5 km para a
Mesorregião Sul Cearense. ............................................................................ 154
Figura 5.8 Mapa da modelagem dos índices da vazão específica na grid 12x12 km para
a Mesorregião Sul Cearense .......................................................................... 154
Figura 5.9 Mapa da sobreposição da grid 5x5km e dos reservatórios hídricos para a
Mesorregião Sul Cearense ............................................................................. 155
Figura 5.10 Mapa da sobreposição da grid 12x12 km e dos reservatórios hídricos para
a Mesorregião Sul Cearense .......................................................................... 155
Figura 5.11 Mapa da modelagem dos índices dos reservatórios hídricos na grid 5x5km
para a Mesorregião Sul Cearense .................................................................. 156
Figura 5.12 Mapa da modelagem dos índices dos reservatórios hídricos na grid 12x12
km para a Mesorregião Sul Cearense ............................................................ 156
Figura 5.13 Mapa da sobreposição da grid 5x5km e das hierarquias de rios e para a
Mesorregião Sul Cearense ............................................................................. 157
Figura 5.14 Mapa da sobreposição da grid 12x12km e das hierarquias de rios para a
Mesorregião Sul Cearense ............................................................................. 157
Figura 5.15 Mapa da modelagem dos índices das hierarquias de rios na grid 5x5 km
para a Mesorregião Sul Cearense .................................................................. 158
Figura 5.16 Mapa da modelagem dos índices das hierarquias de rios na grid 12x12 km
para a Mesorregião Sul Cearense .................................................................. 158
Figura 5.17 Esquema com a representação do sumarize dos índices parciais do PRH
para a grid 5x5km. A) índices das médias pluviométricas; B) índices das
vazões específicas; C) índices da hierarquia de rios; D) índices dos
reservatórios hídricos; E) Mapa de Índices do PRH da Mesorregião Sul
Cearense ...................................................................................................... 159
Figura 5.18 Esquema com a representação do sumarize dos índices parciais do PRH
para a grid 12x12 km. A) índices das médias pluviométricas; B) índices das
vazões específicas; C) índice da hierarquia de rios; D) índices dos
reservatórios hídricos E) Mapa de Índices do PRH da Mesorregião Sul
Cearense. ..................................................................................................... 160
Figura 5.19 Mapa da Avaliação do PRH da Mesorregião Sul Cearense gerado a partir da
interpolação por Krigagem gaussiana (método da grid 5x5km)....................... 161

xxi
Figura 5.20 Mapa da Avaliação do PRH da Mesorregião Sul Cearense gerado a partir da
interpolação por Krigagem gaussiana (método da grid 12x12km) .................. 161
Figura 5.21 Mapa de Índices do PRH da Mesorregião Sul Cearense (método das
subbacias). ................................................................................................... 162
Figura 5.22 Mapa da Avaliação do PRH da Mesorregião Sul Cearense, gerado a partir da
interpolação por Krigagem gaussiana (método das subbacias). ...................... 162
Figura 5.23 Resultados finais da análise do PRH da Mesorregião Sul Cearense, utilizando
os métodos 12x12km (mapas A e A1), método 5x5km (mapas 3B e B1) e o
método das subbacias (mapas C e C1). Os mapas A, B e C são os mapas
dos Índices do PRH e o A1, B1 e C1 são os mapas de Avaliação do PRH
gerados a partir da aplicação da interpolação por Krigagem gaussiana .......... 163
Figura 5.24 Mapas parciais dos índices quantitativos classificados a partir da grid 5x5
km para geração do Mapa de Índices de Geodiversidade da Mesorregião Sul
Cearense. A) mapa litológico; B) mapa geomorfológico; C) mapa
pedológico; D) mapa de recursos minerais; e) mapa paleontológico; f)
mapa de recursos hídricos; ........................................................................... 166
Figura 5.25 Mapa de Índices de Geodiversidade da Mesorregião Sul Cearense
classificada a partir da grid 5x5 km ............................................................... 167
Figura 5.26 Mapa de Índices de Geodiversidade da Mesorregião Sul Cearense
classificada a partir da grid 12x12 km ........................................................... 167
Figura 5.27 Mapa da Avaliação da Geodiversidade da Mesorregião Sul Cearense
classificada a partir da interpolação por Krigagem gaussiana com base na
grid 5x5 km .................................................................................................. 168
Figura 5.28 Mapa da Avaliação da Geodiversidade da Mesorregião Sul Cearense
classificada a partir da interpolação por Krigagem gaussiana com base na
grid 12x12 km .............................................................................................. 168

xxii
ÍNDICE DE TABELAS

Tabela 1.1 Declividade e amplitude topográfica das formas de relevo identificadas no


Estado do Ceará ............................................................................................. 13

Tabela 2.1 Resumos dos principais eventos internacionais sobre o tema “Água e
Recursos Hídricos” ......................................................................................... 26

Tabela 3.1 Correspondência entre os valores da vazão específica e os respectivos


índices ............................................................................................................ 70

Tabela 3.2 Extrato da tabela dos valores brutos não normalizados dos índices parciais
e totais para o cálculo do PRH. Constam os maiores e menores valores de
um total de 338 subbacias .............................................................................. 76

Tabela 3.3 Extrato da tabela dos valores descendentes dos índices parciais e o total de
PRH. Constam os maiores e menores valores de um total de 338 subbacias
...................................................................................................................... 78

Tabela 4.1 Extrato da tabela dos valores descendentes dos índices parciais e total de
geodiversidade. Constam os maiores e menores valores do índice de
geodiversidade de um total de 1107 quadrículas ........................................... 119

Tabela 4.2 Extrato da tabela dos valores brutos dos índices parciais e total de
geodiversidade. Constam os maiores e menores valores do índice de
geodiversidade de um total de 1107 quadrículas ........................................... 120

Tabela 5.1 Valores de pluviosidade reclassificados para 14 classes. Constam 30 valores


de um total de valores da mesorregião .......................................................... 148

xxiii
ÍNDICE DE ANEXOS

ANEXO 3.1 – Mapa das Médias Anuais de Pluviosidade do Estado do Ceará ....................... 207

ANEXO 3.2 – Mapa das Hierarquias de Canais do Estado do Ceará .................................... 209

ANEXO 3.3 – Mapa de Índices de Diversidade de Vazão Específica do Estado do Ceará -


Subbacias ..................................................................................................... 211

ANEXO 3.4 – Mapa de Índices de Diversidade de Hierarquia de Canais do Estado do Ceará


– Subbacias .................................................................................................. 213

ANEXO 3.5 – Mapa de Índices de Diversidade da Pluviosidade do Estado do Ceará -


Subbacias ..................................................................................................... 215

ANEXO 3.6 – Mapa de Índices de Diversidade de Reservatórios Hídricos do Estado do


Ceará - Subbacias ......................................................................................... 217

ANEXO 3.7 – Mapa de Índices de Potencial dos Recursos Hídricos do Estado do Ceará -
Subbacias ..................................................................................................... 219

ANEXO 3.8 – Mapa de Avaliação do Potencial dos Recursos Hídricos do Estado do Ceará ... 221

ANEXO 3.9 – Tabela dos valores descendentes dos índices quantitativos parciais e totais
do PRH das 338 subbacias do Estado do Ceará ............................................ 223

ANEXO 4.1 – Mapa de Índices Litológicos do Estado do Ceará - 12x12km ......................... 227

ANEXO 4.2 – Mapa de Índices Geomorfológicos do Estado do Ceará - 12x12km ................. 229

ANEXO 4.3 – Mapa de Índices Pedológicos do Estado do Ceará - 12x12km ........................ 231

ANEXO 4.4 – Mapa de Indices de Recursos Minerais e Energéticos do Estado do Ceará -


12x12km ...................................................................................................... 233

ANEXO 4.5 – Mapa de Indices Paleontológicos do Estado do Ceará - 12x12km ................... 235

ANEXO 4.6 – Mapa de Índices de Recursos Hídricos do Estado do Ceará - 12x12km .......... 237

ANEXO 4.7 – Mapa de Índices de Geodiversidade do Estado do Ceará - 12x12km .............. 239

ANEXO 4.8 – Mapa de Avaliação da Geodiversidade do Estado do Ceará - 12x12km ........... 241

xxiv
ANEXO 4.9 – Tabela dos valores descendentes dos índices parciais e totais de
geodiversidade do Estado do Ceará de um total de 1107 quadrículas ........... 243

ANEXO 5.1 – Mapa de índices do Potencial dos Recursos Hídricos da Mesorregião Sul
Cearense - 5x5km ......................................................................................... 253

ANEXO 5.2 – Mapa de Índices do Potencial dos Recursos Hídricos da Mesorregião Sul
Cearense - 12x12km ..................................................................................... 255

ANEXO 5.3 – Mapa de Avaliação do Potencial dos Recursos Hídricos da Mesorregião Sul
Cearense - 5x5km ......................................................................................... 257

ANEXO 5.4 – Mapa de Avaliação do Potencial dos Recursos Hídricos da Mesorregião Sul
Cearense - 12x12km ..................................................................................... 259

ANEXO 5.5 – Mapa de Índices da Geodiversidade da Mesorregião Sul Cearense - 5x5 km


.................................................................................................................... 261

ANEXO 5.6 – Mapa de Índices da Geodiversidade da Mesorregião Sul Cearense -


12x12km ...................................................................................................... 263

ANEXO 5.7 – Mapa de Avaliação da Geodiversidade da Mesorregião Sul Cearense - 5x5km


.................................................................................................................... 265

ANEXO 5.8 – Mapa de Avaliação da Geodiversidade da Mesorregião Sul Cearense -


12x12km ...................................................................................................... 267

xxv
xxvi
CAPÍTULO I

INTRODUÇÃO
INTRODUÇÃO
Capítulo I

2
INTRODUÇÃO
Capítulo I

1.1 Apresentação

Este trabalho desenvolve-se no âmbito da avaliação dos recursos hídricos e da geodiversidade do


Estado do Ceará, Brasil. De maneira geral a dissertação se propõe:

- avaliar os recursos hídricos do Estado do Ceará através de uma metodologia desenvolvida


para a quantificação de diversos componentes dos recursos hídricos, do que resulta um
índice que designamos por Potencial dos Recursos Hídricos (PRH);
- avaliar a geodiversidade através da quantificação de vários componentes abióticos,
nomeadamente as rochas, o relevo, os solos, os fósseis, os recursos minerais e
energéticos e os recursos hídricos;

O trabalho está estruturado em 6 capítulos, e foi escrito na variante brasileira do português com o
intuído de poder ser mais um facilitador na promoção desta no meio acadêmico brasileiro.

Neste Capítulo 1 é feita uma breve descrição de toda a temática da tese, juntamente com os
objetivos geral e específicos, seguida do enquadramento da área de análise, breve caracterização
geográfica e geológica e a metodologia da pesquisa.

No Capítulo 2 fazemos uma discussão teórica sobre a legislação e as políticas de gestão dos
recursos hídricos no Ceará e no Brasil, o uso dos recursos hídricos e a gestão por bacias
hidrográficas, a evolução dos métodos de quantificação e avaliação de recursos hídricos em bacias
hidrográficas.

O Capítulo 3, de caráter metodológico, traz uma nova proposta de avaliação dos recursos
hídricos do Estado do Ceará. Nele estão apresentados:

- abordagem metodológica de que resulta o cálculo de um índice que designamos de PRH;

- processamento de dados pluviométricos, cálculo e mapeamento da média anual da pluviosidade


a partir de dados históricos;

- métodos para a extração de outras componentes dos recursos hídricos através da geração de
dados relativos aos canais fluviais, hierarquização de rios, geração de bacias hidrográficas e vazão
específica subterrânea;

- criação e mapeamento dos índices parciais do PRH nomeadamente, os índice pluviométrico,

3
INTRODUÇÃO
Capítulo I

vazão específica, hierarquia de rios e reservatórios hídricos;

- cálculo e mapeamento do índice do PRH para o Estado do Ceará e a discussão dos resultados
obtidos no capítulo.

O desenvolvimento do Capítulo 3 pretende contribuir para a caracterização, valorização e


conservação dos recursos hídricos. A metodologia de avaliação dos recursos hídricos foi
desenvolvida com base na metodologia de avaliação da geodiversidade e dos vários componentes
da geodiversidade desenvolvido por Pereira et al. (2013) e atualizado por Silva et al. (2013; 2015).
O desenvolvimento desta metodologia para cálculo do PRH atende à relação existente entre os
recursos hídricos e outros elementos naturais abióticos, nomeadamente as rochas, relevo, solos,
fósseis e minerais. Os métodos e técnicas de quantificação do PRH, tem como base os limites
naturais das bacias hidrográficas e tem por objetivo servir de instrumento técnico-metodológico
para a gestão e análise dos recursos hídricos em bacias hidrográficas.

O Capítulo 4, também de caráter metodológico, tem como principal subtema a avaliação da


geodiversidade do Estado do Ceará. Está estruturado da seguinte forma:

- síntese teórica sobre o conceito de geodiversidade e sobre os métodos de avaliação da


geodiversidade;

- classificação e modelagem da geodiversidade no Estado do Ceará com base nos métodos das
subbacias e da grid 12x12km;

- desenvolvimento dos procedimentos metodológicos para processamento dos índices parciais da


geodiversidade, nomeadamente, índices geológico, geomorfológico, paleontológico, pedológico, de
recursos minerais e energéticos e de recursos hídricos;

- classificação e mapeamento do Índice de Geodiversidade do Estado do Ceará a partir do método


da grid 12x12km e ao final pelas discussões dos resultados obtidos.

No Capítulo 5 são feitas análises comparativas dos resultados obtidos da quantificação dos
recursos hídricos e da geodiversidade da Mesorregião Sul Cearense. Está estruturado da seguinte
forma:
- proposta metodológica para quantificação do potencial hídrico e da geodiversidade da
Mesorregião Sul Cearense;

4
INTRODUÇÃO
Capítulo I

- análise do potencial hídrico: comparativos dos métodos 12x12km, 5x5km e das subbacias;
- análise da geodiversidade: comparativos entre os métodos 5x5km e 12x12km;

- avaliação dos resultados obtidos no capítulo.

No Capítulo 6 são apresentadas as conclusões acerca de todo o trabalho desenvolvido. São


apontados os métodos quantitativos que apresentaram resultados favoráveis à quantificação do
PRH bem como as dificuldades apresentadas pelos mesmos. Também são descritos e avaliados
os resultados da quantificação da Geodiversidade do Estado do Ceará no geral e em particular
para a Mesorregião Sul Cearense. Descreve-se ainda, a importância da proposição destas
metodologias como mais um contributo científico e ferramenta para a gestão e planejamento de
políticas de conservação e ordenamento do território.

Em Anexos são apresentados os mapas resultantes do trabalho efetuado, em dimensão


adequada à sua compreensão bem como tabelas de dados. Os mapas constituem instrumentos
fundamentais para a percepção e divulgação dos resultados obtidos, pelo que devem ser
observados como elementos fulcrais e importantes do trabalho realizado.

Assim, esperamos que este trabalho possa constituir um contributo nas pesquisas sobre a
quantificação dos recursos hídricos e da geodiversidade. A necessidade de discussão destes temas
está diretamente relacionada com a atual necessidade de se repensar as políticas de gestão do
patrimônio natural e dos elementos que deles fazem parte.

1.2 Objetivos

Este trabalho tem como objetivo geral a quantificação do Potencial dos Recursos Hídricos (PRH) e
da Geodiversidade do Estado do Ceará, bem como uma análise mais detalhada dos resultados na
Mesorregião Sul Cearense. Pretende-se que a metodologia desenvolvida e os dados obtidos, sirvam
como contributo científico e ferramenta para a gestão e planejamento de políticas de conservação
e ordenamento do território.
Ao longo do trabalho foram atingidos objetivos parciais ou específicos, indicados em seguida.

 Análise e discussão acerca dos conceitos de recursos hídricos, gestão de recursos hídricos
e geodiversidade;

5
INTRODUÇÃO
Capítulo I

 Análise dos procedimentos geoestatísticos para a transformação dos dados brutos de


pluviometria em dados secundários para posterior geração do mapa das médias anuais
de pluviosidade de 34 anos;

 Definição das metodologias que melhor se aplicam para a quantificação do PRH e para a
avaliação da geodiversidade;

 Processamentos dos mapas parciais para o sumarize do mapa final (quantitativos) do


PRH;

 Análise e aplicação de técnicas de interpolação dos dados parciais para a geração do


mapa ordenado do PRH;

 Processamentos dos mapas parciais dos componentes de geodiversidade (quantitativos)


para o sumarize do mapa final de avalição da geodiversidade em formato de dados
quantitativos;

 Análise e aplicação de técnicas de interpolação dos dados parciais para a geração do


mapa ordenado da geodiversidade;

 Análise dos resultados dos mapas quantitativos designados nesta pesquisa como mapas
de índices (e.g. Mapa de Índices de Geodiversidade), e os mapas ordenados (Archela e
Théry, 2008), designados mapas de avaliação (e.g. Mapa de Avaliação da Geodiversidade),
que melhor representam o PRH e de avaliação da geodiversidade do Estado do Ceará e
sua importância na gestão do patrimônio natural.

1.3 Enquadramento geográfico e geológico

O Estado do Ceará está situado no norte da Região Nordeste do Brasil e tem por limites o oceano
Atlântico a norte e nordeste, os Estados de Rio Grande do Norte e Paraíba a leste, Pernambuco a
sul e Piauí a oeste. A sua área total é de 148 886,308 km², correspondente a 9,37% da área do
Nordeste e 1,74% da superfície do Brasil (IBGE, 2015) (Figura 1.1).

6
INTRODUÇÃO
Capítulo I

Figura 1.1 Mapa de localização da área do Estado do Ceará. Modificado de IBGE (2015).

No que respeita à constituição geológica, cerca de 74% (108.000 km2) do Estado do Ceará assenta
em rochas ígneas e metamórficas, genericamente chamadas de cristalinas. Esse domínio
geológico, de um modo geral, corresponde a toda a porção central do Estado e é bordejado, em
sua maior parte, por rochas sedimentares que formam as bacias do Araripe (sul), Parnaíba (oeste)
e Apodi (leste), com idades entre 2300 Ma e 2500 Ma, além dos sedimentos quaternários da faixa
costeira (norte) (Figura 1.2)

7
INTRODUÇÃO
Capítulo I

Figura 1.2 Mapa dos domínios geológicos que ocorrem no Ceará (Brandão, 2014).

A história geológica do Ceará é descrita por Brandão (2014) (Figura 1.3), com base na escala
do tempo proposta pela Comissão Internacional de Estratigrafia (ICS, 2009), pode ser dividida em
dois grandes capítulos:

i) o Precambriano, período que se inicia com a formação da Terra, em 4,6 bilhões de


anos e termina em 542 milhões de anos, no final do Proterozóico;

ii) o Fanerozóico, que se inicia no Cambriano, em 542 milhões de anos, e continua até
os tempos atuais. Está subdividida em três domínios tectônicos principais, conhecidos
como Médio-Coreaú, Ceará Central e Rio Grande do Norte. (Figura 1.4).

8
INTRODUÇÃO
Capítulo I

Figura 1.3 - Mapa cronoestratigráfico simplificado do Estado do Ceará e Escala do tempo geológico
compilada da Comissão Internacional de Estratigrafia - ICS, 2009. Fonte: (Brandão, 2014)

Figura 1.4 - Seção geológica simplificada (sem escalas) envolvendo os principais domínios geológicos do
Ceará. ZCTB – Zona de Cisalhamento Sobral-Pedro II ou Lineamento Transbrasiliano; ZCT - Zona de
Cisalhamento Tauá; ZCSP – Zona de Cisalhamento Senador Pompeu; ZCO – Zona de Cisalhamento Orós;
ZCJ - Zona de Cisalhamento Jaguaribe. Fonte: (Brandão, 2014)

9
INTRODUÇÃO
Capítulo I

Foi durante o Precambriano que ocorreu a famosa “Dança dos Continentes” (Brito Neves, 1999
apud Brandão, 2014), envolvendo processos de aglutinação, colisão e fissão dos continentes,
dando origem aos supercontinentes Atlântica (entre 2200 e 1800 Ma), Rodínia (entre 1,45 e 0,97
bilhão de anos) e Panótia, formados pelos continentes Gondwana e Laurásia (entre 750 e 550
milhões de anos).

No Fanerozóico se consolidou o supercontinente Pangea, entre os 360 e os 270 Ma (Cordani et


al., 2000), ao que se seguiu a dispersão dos continentes sul-americano e africano com a formação
do oceano Atlântico, entre os 230 e os 90 Ma. Do ponto de vista tectônico, grande parte da região
abrangida pelo Estado do Ceará está inserida na porção setentrional da Província Borborema
(Almeida et al.,1977), que foi parte do supercontinente Gondwana, que se formou a partir da
aglutinação de massas continentais (África, América do Sul, Austrália, Índia e Antártica),
envolvendo múltiplas e sucessivas colisões, que se iniciaram em 750 Ma e perduraram até 530
Ma, coincidindo com o evento geológico Brasiliano – Pan-Africano (Cordani et al., 2000).

A diversidade litológica e estrutural (Figura 1.5) reflete-se no desenvolvimento das formas de


relevo, na disponibilidade de recursos hídricos superficiais e subterrâneos, na potencialidade de
recursos minerais, bem como na variedade de solos existente no território cearense. A descrição
completa das unidades litológicas pode ser obtida em:
https://www.researchgate.net/publication/269390299_Evolucao_Geologia_In_Brandao_RL_Fr
eitas_LCB_Eds_Geodiversidade_do_Estado_do_Ceara_CPRM.

No que se refere à Geomofologia, poderemos considerar o território cearense compartimentado


em onze domínios: Planície Costeira do Ceará; Planícies Aluviais dos rios Jaguaribe e Acaraú;
Tabuleiros Costeiros; Chapada do Apodi; Chapada do Araripe; Chapada da Ibiapaba; Depressão
Sertaneja I; Depressão Sertaneja II; Depressões em meio à Superfície Sertaneja; Maciços Residuais
Cristalinos, sendo este último, subdividido em “serras úmidas” e “serras secas” (Brandão, 2014)
(Figura 1.6).

De acordo com diversos estudos sobre a geomorfologia do Estado do Ceará, (e.g. Ab’saber, 1969,
1974; Mabesoone, 1978; Castro, 1979; Souza et al., 1988; Peulvast et al., 2004; Sales e Peulvast,
2007; Funceme, 2009), destaca-se um amplo predomínio espacial das superfícies aplainadas da
Depressão Sertaneja, posicionada em cotas modestas, resultante de uma prolongada atuação dos
processos erosivos e denudacionais que promoveu o arrasamento do relevo sustentado pelo
embasamento ígneo-metamórfico pré-cambriano (Brandão, 2014).

10
INTRODUÇÃO
Capítulo I

Figura 1.5 - Mapa de domínios litológicos do Estado do Ceará. Modificado de CPRM (2008a).

11
INTRODUÇÃO
Capítulo I

Figura 1.6 - Mapa de domínios geomorfológicos do Estado do Ceará (Brandão, 2014).

A despeito da existência de registros neotectônicos no Estado do Ceará (Saadi & Torquato, 1992;
Jardim de Sá et al., 1999b), sua influência parece ser pequena na configuração do atual cenário
geomorfológico. O predomínio de vastas superfícies aplainadas denota um longo período de
notável estabilidade tectônica, sem grandes variações de nível de base (Brandão, 2014).

Estas condições devem ter prevalecido ao longo do Cenozoico, assim como também devem ter
vigorado paleoclimas quentes e semiáridos, com poucas variações em relação ao clima atual.
Todavia, estas superfícies aplainadas encontram-se pontilhadas de montes rochosos isolados
(inselbergs) que se configuram em relevos residuais elaborados em rochas mais resistentes ao
intemperismo e erosão e que resistiram aos processos de aplainamento generalizado, gerando
solos rasos e pouco profundos e pedregosos, porém de boa fertilidade natural devido à grande
influência do material originário (Jacomine, 1973), que caracterizam grande parte do cenário
geomorfológico do estado do Ceará (Brandão, 2014).

No estudo de Brandão (2014) são descritos 20 tipos de padrões de revelo para o Estado do Ceará
(Tabela 1.1) e que estão inseridos nos onze domínios geomorfológicos. A compartimentação
destes padrões de relevo foi obtida a partir análises e interpretação de imagens SRTM (Shuttle

12
INTRODUÇÃO
Capítulo I

Radar Topography Mission), com resolução de 90 m, e de imagens Geocover, sendo as unidades


de relevo agrupadas de acordo com a caracterização da textura e rugosidade das imagens e com
escala de trabalho de 1: 1.000.000.

Tabela 1.1 Declividade e amplitude topográfica das formas de relevo identificadas no Estado do Ceará
(Brandão, 2014).

Amplitude
Tipo de Relevo Declividade (graus) Topográfica
(metros)
Planícies Fluviais ou fluviolacustres (R1a) 0a3 zero
Vertentes recobertas por depósitos de encosta
5 a 45 variável
(R1c)
Planícies Fluviomarinhas (R1d) 0 zero
Planícies Costeiras (R1e) 0a5 2 a 20
Campos de Dunas (R1f1) 3 a 30 5 a 40
Tabuleiros (R2a1) 0a3 20 a 50
Tabuleiros Dissecados (R2a2) 2a5 0 a 20
Baixos Platôs (R2b1) 0a5 20 a 50
Planaltos (R2b3) 0a5 20 a 50
Chapadas e Platôs (R2c) 0a5 0 a 20
Superfícies aplainadas Conservadas (R3a1) 0a5 0 a 10
Superfícies aplainadas Degradadas (R3a2) 0a5 10 a 30
Inselbergs (R3b) 25 a 60 50 a 500
Colinas amplas e Suaves (R4a1) 3 a 10 20 a 50
Colinas Dissecadas e Morros Baixos (R4a2) 5 a 20 30 a 80
Morros e de Serras Baixas (R4b) 15 a 35 80 a 200
Montanhoso (R4c) 25 a 60 300 a 2.000
Escarpas Serranas (R4d) 25 a 60 300 a 2.000
Degraus Estruturais e Rebordos Erosivos (R4e) 10 a 45 50 a 200
Vales Encaixados (R4f) 10 a 45 100 a 300

O clima regional, apesar da evidente predominância do semiárido (cerca de 92% do território


cearense), marcado por prolongados períodos de estiagem, apresenta variações. Os recursos
hídricos superficiais e subterrâneos dependem dos fatores geológicos, geomorfológicos e
climáticos. O regime hidrológico do Estado do Ceará é caracterizado pela marcante intermitência
dos seus cursos d’água, que normalmente escoam nos períodos chuvosos e secam nos períodos
de estiagem (Brandão, 2014).

13
INTRODUÇÃO
Capítulo I

1.4 Metodologia da pesquisa

Na perspectiva de obter uma avaliação da Geodiversidade do Estado do Ceará, procedemos a um


upgrade da metodologia de quantificação da geodiversidade desenvolvido inicialmente por Pereira
et al. (2013) e posteriormente melhorada por Silva et al. (2013; 2015). A metodologia utilizada
por Pereira (2013), baseia-se no uso de uma grid regular de 25x25km colocada sobre mapas
diversos (geológicos, geomorfológicos, pedológicos e de recursos minerais e energéticos) e análise
dos temas relevo, rochas, solos, recursos minerais e registros fósseis em escalas entre 1:600.000
e 1:3000.000.
A análise espacial foi realizada em cada um dos temas com a contagem do número de ocorrência
de atributos espaciais (e.g. número de unidades geológicas, número de unidades geomorfológicas,
número de diferentes recursos minerais e energéticos em cada célula da quadrícula).

Foram gerados a partir dessa contagem, cinco índices parciais de diversidade: o índice de
diversidade geológica, geomorfológica, pedológica, paleontológica e de ocorrências minerais e
energéticas e posteriormente somados para obtenção do Índice de Geodiversidade atribuído a
cada quadrícula. Estes valores permitiram elaborar um mapa de isolinhas de índices de
geodiversidade agrupados em cinco classes: muito baixa, baixa, média, alta e muito alta.

A metodologia usada na presente pesquisa está dividida em duas etapas: uma para a quantificação
do PRH e a segunda para a quantificação da geodiversidade. Todos os procedimentos foram
realizados a partir dos programas Arcgis 10.1 e Qgis 2.6.1.

Para a quantificação dos recursos hídricos desenvolveram-se os seguintes passos:

1- Definição dos temas de recursos hídricos sobre os quais é possível obter ou gerar dados
quantitativos no Estado do Ceará (pluviosidade, vazão específica, hierarquias de rios e
reservatórios hídricos) para posterior geração dos índices parciais;

2- geração de um mapa inédito de pluviosidade a partir do tratamento de dados das médias


pluviométricas anuais; para além dos importantes dados que este mapa disponibiliza por
si, permitiu também a quantificação do índice parcial;

3- extração a partir do MDT da hierarquia de rios e das subbacias;

4- adoção da grid irregular (limites das subbacias hidrográficas) para a quantificação dos
elementos parciais dos recursos hídricos por subbacias, em alternativa à grid regular
adotada por Pereira et al. (2013) e Silva et al. (2013; 2015);
5- somatório dos mapas parciais para elaboração do mapa de PRH por subbacias.

14
INTRODUÇÃO
Capítulo I

Para a quantificação da geodiversidade desenvolveram-se os seguintes passos:

1- Geração de grids regulares com diferentes células (12x12km e 5x5km) para obtenção de
diferentes resultados da geodiversidade para posterior análise e comparação;

2- definição dos temas litologia, geomorfologia, paleontologia, recursos minerais e


energéticos, pedologia e recursos hídricos para quantificação dos índices parciais;

3- para a contagem da litologia considerou-se o número de domínios litológicos por


quadrículas no mapa geológico à escala 1:500000 (CPRM, 2008a);

4- para a geomorfologia considerou-se o número de unidades geomorfológicas por quadrícula


no mapa geomorfológico à escala 1:250000 (IBGE, 2000); o método foi simplificado
relativamente ao método original de Pereira et al. (2013) e de Silva et al. (2015),
atendendo à criação do novo índice parcial de recursos hídricos;

5- para os solos considerou-se o número de ocorrências de diferentes tipos de solos por


quadrícula sobre o mapa de solos à escala 1:600.000 (IBGE, 2003);

6- para os recursos minerais e energéticos considerou-se o número de diferentes ocorrências


por quadrícula sobre o mapa litológico à escala 1:500.000 (CPRM, 2008a), não contando
a repetição de ocorrências, tal como definido por Pereira et al. (2013)

7- para a paleontologia contabilizou-se o número de ocorrência de diferentes fósseis referidos


na bibliografia disponível, metodologia mais detalhada do que a de Pereira et al. (2013)
que conta o número de unidades geológicas com potencial conteúdo fóssil;

8- geração dos mapas parciais dos recursos hídricos a partir das grids 12x12km e 5x5km;

9- somatório dos mapas parciais dos recursos hídricos para gerar o mapa final de PRH com
grids 12x12km e 5x5km;

10- geração dos mapas de avaliação da geodiversidade pelas grids 12x12km e 5x5km a partir
do somatório dos mapas parciais.

Dentre os principais upgrades desta pesquisa, destacamos a análise resultante da sobreposição


de diferentes grids com vista a obter um detalhe adequado dos elementos da geodiversidade do
território de acordo as diferentes escalas de análises. Além disso, é feita a inserção da componente
recursos hídricos como parte integrante dos elementos para a quantificação da geodiversidade,
para além dos componentes rochas, relevo, solos, fósseis e recursos minerais e energéticos.

15
INTRODUÇÃO
Capítulo I

16
CAPÍTULO II

BREVE CONCEPTUALIZAÇÃO E ANÁLISE DOS


RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ
BREVE CONCEPTUALIZAÇÃO E ANÁLISE DOS RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ
Capítulo II

18
BREVE CONCEPTUALIZAÇÃO E ANÁLISE DOS RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ
Capítulo II

2.1 Hidrologia, Bacia Hidrográfica e Recursos Hídricos

A Hidrologia constitui-se como “a ciência que estuda a água na Terra, sua ocorrência, circulação,
distribuição, suas propriedades físicas e químicas e sua relação com o meio ambiente. É uma
ciência que está voltada para a representação dos processos físicos que ocorrem na bacia
hidrográfica, baseando-se na observação dos processos envolvidos” (Tucci, 2001).

Ao longo dos últimos anos estudos científicos têm trazido importantes contribuições para a
compreensão dos fenômenos hídricos, como também relevantes discussões sobre a gestão
consciente do uso da água pela sociedade. A partir da década de 50 do século XX, com o
surgimento de novos questionamentos acerca dos fenômenos hídricos, a ciência hidrológica passa
a desenvolver estudos quantitativos voltados para predições mais fiáveis sobre os eventos
morfodinâmicos da bacia hidrográfica. Desde então, com a melhoria das técnicas e métodos de
pesquisa, a hidrologia passa a ter um papel importante na análise da diversidade e potencialidade
dos recursos hídricos.

A partir da década de 1960 já havia por parte da UNESCO a preocupação com o crescente e
acelerado uso dos recursos hídricos em todo o planeta sem nenhum controle e planejamento.
Para a UNESCO (1964), “Hydrology is the science which deals with the waters of the earth, their
occurrence, circulation and distribution on the planet, their physical and chemical properties and
their interactions with the physical and biological environment, including their responses to human
activity. Hydrology is a field which covers the entire history of the cycle of water on the earth”.
Verifica-se assim, que a UNESCO já enfatiza há muito tempo a importância de estudos mais
aprofundados sobre os recursos hídricos dando foco à responsabilidade sobre a intensa e
crescente atividade econômica diretamente ligada ao uso da água.

Com da inserção das novas tecnologias e principalmente o uso do computador, através do


desenvolvimento de softwares e modelos computacionais, foi possível produzir simulações
hidrológicas cada vez mais precisas e com isso proporcionar um avanço significativo nos estudos
sobre a potencialidade e diversidade dos recursos hídricos e assim obter um maior controle e
gestão destes recursos. Com o advento das geotecnologias, facilita-se que os processamentos de
dados sejam cada vez mais rápidos e precisos. Antes disso, caracterizar e analisar uma bacia
hidrográfica, constituía-se num trabalho moroso e passível muitas vezes de erros e más

19
BREVE CONCEPTUALIZAÇÃO E ANÁLISE DOS RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ
Capítulo II

interpretações. Com a criação de softwares dedicados às análises de bacias, surge um maior


número de produções científicas e com elas novos conceitos e métodos de análises como por
exemplo a caracterização morfométrica de bacias.

Para Rodrigues e Adami (2005) a importância dos estudos e análises das bacias hidrográficas, a
partir da caracterização morfométrica, é fundamental para reconhecer a espacialidade do sistema
no que se refere aos seus limites externos, área, hierarquia e densidade da rede de drenagem,
gradientes de canais, comprimentos da bacia, etc.

Uma bacia hidrográfica pode ser entendida como uma área definida topograficamente, drenada
por um curso de água ou um sistema conectado de canais, tal que toda vazão efluente seja
descarregada por uma única saída Tucci (2004). Como componente-base para a aplicação
metodológica de parte desta tese, a bacia hidrográfica é também o objeto de estudo da maioria
dos modelos hidrológicos, reunindo as superfícies que captam e despejam água sobre um ou mais
canais de escoamento que desembocam numa única saída.

A bacia hidrográfica pode constituir a unidade espacial para modelos agregados, ou seja, “que
trata a bacia como um todo, considerando valores médios para as diferentes variáveis de estado
e parâmetros, sendo obtidos resultados globais” (Espinha Marques et al., 2006), que consideram
as propriedades médias para toda a bacia. Diversas abordagens podem ser consideradas na
subdivisão da bacia a fim de considerar suas características espacialmente distribuídas (Rennó &
Soares, 2000).

As variáveis morfométricas apresentam dados importantes acerca da dinâmica de uma bacia


hidrográfica como, por exemplo, a velocidade de escoamento das águas, a maior ou menor
susceptibilidade a erosões e cheias, o balanço entre escoamento superficial e infiltração, o
potencial hídrico da bacia, dentre outros (Calçavara, 2012). E para avaliar a diversidade e a
potencialidade dos recursos hídricos de uma região é importante estabelecer os parâmetros
metodológicos mais adequados à identificação das características morfodinâmicas da área da
bacia hidrográfica. Dentre estes parâmetros, a abordagem por bacia hidrográfica apresenta
importantes vantagens, características e situações que são fundamentais para o desenvolvimento
de estudos interdisciplinares, gerenciamento dos usos múltiplos e conservação (Tundisi, 2013):

20
BREVE CONCEPTUALIZAÇÃO E ANÁLISE DOS RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ
Capítulo II

 A bacia hidrográfica é uma unidade física com fronteiras delimitadas, podendo estender-
se por várias escalas espaciais, desde pequenas bacias de 100 a 200km2 até grandes
bacias hidrográficas, como a Bacia do Prata (3 milhões de km2);
 é um ecossistema hidrologicamente integrado com componentes e subsistemas
interativos;
 oferece oportunidade para o desenvolvimento de parcerias e a resolução de conflitos;
 permite que a população local participe do processo de decisão;
 estimula a participação da população e a educação ambiental e sanitária;
 garante visão sistêmica adequada para o treinamento em gerenciamento de recursos
hídricos e para o controle de eutrofização (gerentes, tomadores de decisão e técnicos);
 é uma forma racional de organização do banco de dados;
 garante alternativas para o uso dos mananciais e de seus recursos;
 é uma abordagem adequada para proporcionar a elaboração de um banco de dados
sobre componentes biogeofísicos, econômicos e sociais;
 sendo uma unidade física, com limites bem definidos, o manancial garante uma base de
integração institucional;
 a abordagem de manancial promove a integração de cientistas, gerentes e tomadores de
decisão com o público em geral, permitindo que eles trabalhem juntos em uma unidade
física com limites definidos;
 promove a integração institucional necessária para o gerenciamento do desenvolvimento
sustentável.

Diante das vantagens elencadas, vê-se a grande importância que o desenvolvimento de estudos
dos recursos hídricos com base nas bacias têm para a sociedade, principalmente no que se refere
tanto à compreensão dos processos naturais, quanto dos antrópicos existentes nas áreas das
bacias hidrográficas. E para facilitar essa compreensão, o uso de instrumentos e metodologias de
quantificação são essenciais para facilitar a caracterização, avaliação e principalmente
gerenciamento dos recursos hídricos.

Segundo Kobiyama (2008), os recursos hídricos são compreendidos como fontes de valor
econômico essencial para a sobrevivência e desenvolvimento dos seres vivos. Eles são abundantes
na natureza e, por isso, durante muitos anos dominou o pensamento de que nunca faltaria água
potável disponível no planeta. Isso causou certa despreocupação com a preservação desses
21
BREVE CONCEPTUALIZAÇÃO E ANÁLISE DOS RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ
Capítulo II

recursos e as sociedades modernas continuaram a se desenvolver formando grandes centros


urbanos a qualquer custo, deixando de lado a preocupação com a possível contaminação do meio
ambiente em geral e dos recursos hídricos em particular.

Para que haja uma melhor compreensão dos fenômenos hídricos, seja na sua diversidade ou
potencialidade, algumas pesquisas dedicam-se a desenvolver metodologias para a quantificação
destes recursos levando em consideração todo o sistema hídrico.

Segundo Simić et al. (2012), para além de outros fenômenos e objetos existentes em uma área,
a água se destaca pela sua importância (valor), que pode ser refletido em termos ambientais,
científicos, educacionais, sociocultural e estético. Tratando os recursos hidrológicos como parte
importante da geodiversidade, Simić (2011), aborda a água na perspectiva do patrimônio
hidrológico e da relevância da sua conservação como fator preponderante na valorização e
proteção da Geodiversidade.

Na sequência de algumas das considerações anteriores, no Brasil, as bacias hidrográficas foram


adotadas como unidades de planejamento de ações que nela se desenvolvam, nas mais diversas
áreas e níveis de atuação socioambiental. É importante ressaltar que a proteção dos sítios de
ocorrência de fenômenos hidrológicos particulares – patrimônio hidrológico - é diferente da
proteção da água em geral. Proteção do património hidrológico não é apenas mais um capítulo na
proteção geral de água, mas é, acima de tudo, um segmento da natureza e em especial da
Geodiversidade. A água é um dos quatro macros componentes do ambiente natural, e deve ser
visto como uma parte da natureza e não só um recurso (Simić, 2011).

2.2 O uso dos recursos hídricos e a gestão por bacias


hidrográficas

Ao analisarmos a maneira como os recursos hídricos têm sido utilizado nos últimos anos, surge a
necessidade de se pensar cada vez mais em métodos de gestão que se adequem às constantes
mudanças que surgem na forma como a sociedade consome os recursos hídricos, e possa a partir
destes, compreender a importância da conservação e da preservação.

Segundo Eckholm (1982), os termos preservação e conservação são erroneamente empregados


como sinônimos. O preservacionismo e o conservacionismo surgem em meados do fim do século

22
BREVE CONCEPTUALIZAÇÃO E ANÁLISE DOS RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ
Capítulo II

XIX nos Estados Unidos. O primeiro, prega a preservação da natureza da forma como essa é em
seu estado natural e relaciona o ser humano como um ser extremamente danoso para o meio
ambiente, enquanto que o segundo, é mais consciente, exaltando o amor à natureza e ao meio
ambiente aliado ao uso racional de matéria-prima e bens naturais, concorrendo com o auxílio e
manejo criterioso pelos seres humanos.

A água por ser ainda considerada equivocadamente como um bem infindável, sofreu e tem sofrido
grandes impactos no que se refere à sua conservação. A sociedade por sua vez, nem sempre têm
buscado maneiras racionais para a conservação, mesmo sabendo que os recursos hídricos,
passíveis ao consumo humano, é extremamente limitado tanto em qualidade quanto em
quantidade.

Com base nestas questões, diversos estudos sobre os recursos hídricos tem sido desenvolvidos
nos últimos anos (e.g. Villela e Mattos, 1975; Cadier, 1984; Rafaeli Neto, 1994; Maidment, 1992;
Lall and Sharma, 1996; Maniak, 1997; Lana et al, 2001; Tundisi e Schiel, 2002; Yates et al.,
2003; Novaes, 2005; Tonello, 2005; Espinha Marques et al., 2006; Antoneli e Thomaz, 2007;
Teodoro et al, 2007; Sirinivasan e Arnold, 2009; Tundisi & Matsumura-Tundisi, 2011; Tundisi,
2007, 2008, 2010, 2011, 2013, 2014), e têm trazido importantes contribuições ao
desenvolvimento científico, principalmente no que se refere à importância da conservação e gestão
consciente dos recursos hídricos.

Diante deste contexto, a água deve ser pensada não só como um recurso econômico, mas também
como bem ambiental e social e ser assunto de importância para a sociedade inteira. A gestão da
água deve ser entendida não apenas como assunto “técnico”, mas também político, já que as
soluções para a maioria dos conflitos sobre como a água dever ser usada envolve tomar decisões
sobre prioridades, nas quais alguns grupos e interesses podem ganhar e perder (Abers, 2010).

A distinção da água como bem dotado de valor econômico não implica, necessariamente, sua
tarifação ou precificação. Pelo contrário, reconhecer a água como bem econômico significa tratá-
la como um insumo sem o qual não há produção econômica. Deste modo, o recurso é levado à
condição de elemento estratégico para a reprodução das atividades econômicas, devendo, por
esta razão, ter seu uso planejado de maneira a promover a garantia das condições de qualidade
e acessibilidade para toda a sociedade (Savenije e Van der Zaag, 2000; Martins, 2005).

23
BREVE CONCEPTUALIZAÇÃO E ANÁLISE DOS RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ
Capítulo II

Conte (2001) considera a água como um “recurso natural essencial à vida, ao desenvolvimento
econômico e ao bem-estar social, considerado inesgotável em quantidade, uma vez que se renova
constantemente por meio do ciclo hidrológico.” No seu estudo, a linha de pesquisa principal foi
caracterizar os recursos hídricos tendo como referência a bacia hidrográfica do Rio Pardo,
analisando a partir de métodos quantitativos e qualitativos o crescimento urbano em áreas de
mananciais e áreas consumidoras, além de lançamento de efluentes e poluição difusa em
consequência do manejo das áreas agrícolas.

Assim como Conte (2001), também Tundisi (2013) faz a análise dos recursos hídricos tendo a
bacia hidrográfica como unidade de planejamento e gestão, e nos mostra uma série de fatores
que são essenciais para compreendermos a importância do estudo a partir da abordagem da bacia
hidrográfica, mostrando vantagens, características e situações que são fundamentais para o
desenvolvimento dos estudos interdisciplinares, gerenciamento de usos múltiplos e conservação.

Pensar o desenvolvimento local no contexto do planejamento e gerenciamento dos recursos


hídricos tem-se constituído como um dos principais pontos de debate da sociedade e nos meios
acadêmicos. Essa preocupação está diretamente relacionada aos graves problemas que a falta de
acesso à água de qualidade tem acarretado no desenvolvimento econômico e social das
populações.

Com base nestas questões, e após 15 anos da Conferência de Mal Del Plata, a ONU realiza em
Janeiro de 1992 a Conferência Internacional sobre a Água e Meio Ambiente que ocorreu em Dublin
na Irlanda, tendo como resultado a elaboração da Declaração de Dublin que traz seu principal
objetivo e os 4 princípios orientadores:

“Concerted action is needed to reverse the present trends of overconsumption, pollution, and
rising threats from drought and floods. The Conference Report sets out recommendations for
action at local, national and international levels, based on four guiding principles.
1- Fresh water is a finite and vulnerable resource, essential to sustain life, development and
the environment;
2- Water development and management should be based on a participatory approach,
involving users, planners and policy-makers at all levels;
3- Women play a central part in the provision, management and safeguarding of water;
4- Water has an economic value in all its competing uses and should be recognized as an
economic good” (ICWE, 1992).

24
BREVE CONCEPTUALIZAÇÃO E ANÁLISE DOS RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ
Capítulo II

Esse documento serviu de base para a Conferência Rio-92 que ocorreu em Junho do mesmo ano,
trazendo grande contribuição para o avanço das discussões sobre a gestão dos recursos hídricos
e também com a elaboração de dois importantes documentos, a Declaração do Rio e a Agenda
21 (1995), que aborda no capítulo 4 sobre as mudança no padrão de consumo, e o Capítulo 18,
sobre as aplicações e critérios integrados no desenvolvimento, manejo e uso dos recursos hídricos.
Os objetivos de cada capítulo podem ser analisados abaixo, respectivamente:

Objetivos do capítulo 4:
“4.7. É preciso adotar medidas que atendam aos seguintes objetivos amplos:
(a) Promover padrões de consumo e produção que reduzam as pressões ambientais e
atendam às necessidades básicas da humanidade;
(b) Desenvolver uma melhor compreensão do papel do consumo e da forma de se
implementar padrões de consumo mais sustentáveis.”
Objetivos do capítulo 18:
“18.7. O objetivo global é satisfazer as necessidades hídricas de todos os países para o
desenvolvimento sustentável deles.
18.8. O manejo integrado dos recursos hídricos baseia-se na percepção da água como parte
integrante do ecossistema, um recurso natural e bem econômico e social cujas quantidade
e qualidade determinam a natureza de sua utilização.
18.9. O manejo integrado dos recursos hídricos inclusive a integração de aspectos
relacionados à terra e à água, deve ser feito ao nível de bacia ou subbacia de captação”
(Agenda 21, págs. 34, 268 e 269)”.

Percebem-se nestes capítulos da Agenda 21 uma preocupação em adotar medidas para redução
dos impactos antrópicos relacionados com os padrões de consumo, a exemplo da adoção de
atividades sustentáveis e do manejo integrado dos recursos hídricos, ações fundamentais para
uma gestão participativa. A agenda 21 promoveu ampla alteração conceitual no processo de
planejamento e gestão dos recursos hídricos. Em primeiro lugar, o documento produzido por ela
(Cap. 4 – Uso eficiente dos recursos) reconhece que a água doce é um recurso finito e
indispensável para a sobrevivência de todas as espécies e do homem. Nenhum desenvolvimento
humano pode ocorrer sem o uso eficiente dos recursos hídricos (Tundisi, 2011).

25
BREVE CONCEPTUALIZAÇÃO E ANÁLISE DOS RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ
Capítulo II

Como resultado das muitas discussões que ocorrem a partir da Conferencia Rio-92, diversos
outros eventos foram realizados, possibilitando a criação de relevantes documentos orientadores
para a proteção dos recursos hídricos e sobre a importância da água para as sociedades. A seguir
apresentamos um quadro resumo com os principais eventos e os principais objetivos e destaques
que ocorreram em cada um deles.

Tabela 2.1- Resumos dos principais eventos internacionais sobre o tema “Água e Recursos
Hídricos”.
ANO LOCAL EVENTO OBJETIVOS/DESTAQUE
Conferência Ministerial e de Adotou proposta da gestão integrada dos recursos
Nordwijk /
1994 Diplomatas sobre Água Potável hídricos.
Holanda
e Saneamento Ambiental.
Assembleia Geral da Associação Criação do Conselho Mundial da Água.
1994 Cairo/Egito Internacional dos Recursos
Hídricos (IWRA)
O Conselho Mundial da Água, como consta na
Marrakech/Mar Declaração de Marrakech, foi incumbido de
1997 I Fórum Mundial da Água
rocos preparar trabalho intitulado, "Visão sobre a Água
no Mundo, Vida e Meio Ambiente no Século XXI”.
Assembleia considerou a água como a "maior
Nova Iorque / Assembleia Geral das Nações prioridade" para as atividades da Comissão para
1997
EUA Unidas o Desenvolvimento Sustentável (CDS), durante o
biênio 97/98.
Conferência Internacional sobre Foi elaborado o documento” Water in the 21st
1998 Paris / França a Água e Desenvolvimento Century" (Água para o Século XXI), pelo Conselho
Sustentável Mundial da Água.
O Fórum reconheceu que a segurança alimentar,
a proteção dos ecossistemas, capacitação de
pessoas, gestão de riscos de perigos relacionados
com a água, fronteira pacífica e gestão de bacias
2000 Haia / Holanda II Fórum Mundial da Água
hidrográficas transfronteiriças, as demandas
básicas de água e gestão integrada da água são
possíveis através da Gestão Integrada de Recursos
Hídricos (GIRH).
Discutiu-se à universalização dos serviços de
Nova Iorque Declaração da Cúpula do saneamento e água potável, com metas para
2000
/EUA Milênio 2015, ligada ao tema-chave da Cúpula, a
erradicação da pobreza.
Nos trabalhos preparatórios para a Cúpula do
Desenvolvimento Sustentável, entre tantos
Foz do Iguaçu - IV Diálogo Interamericano de
2001 eventos relativos à gestão das águas, o Diálogo
Brasil Recursos Hídricos
realizado em Foz do Iguaçu, teve como tema “Em
buscas de soluções”.
Questões essenciais para a proteção dos recursos
II Fórum Mundial Social e o hídricos foram discutidas.
Porto Alegre /
2002 Seminário Preparatório “Um
Brasil
Mundo Sustentável é Possível”

A plataforma apresentada pelas ONGs tem foco


Diálogo entre tomadores de
Ruschlikon / na bacia hidrográfica, na proteção dos vulneráveis
2002 Decisão sobre Gestão
Suíça para acesso à água, respeitados os limites vitais,
Sustentável da Água.
por ser o acesso à água um direito humano.

26
BREVE CONCEPTUALIZAÇÃO E ANÁLISE DOS RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ
Capítulo II

Buscou um consenso na avaliação geral das


Joanesburgo/ Conferência Internacional de condições atuais e nas prioridades para ações
2002
Africa do Sul Joanesburgo - RIO+10 futuras.

Discute as ações tomadas pelos diferentes países


para implementar o manejo integrado dos
recursos hídricos e busca soluções que permitam
(Kyoto, Shiga e à comunidade internacional atingir os objetivos da
2003 O III Fórum Mundial da Água
Osaka) /Japão Declaração do Milênio realizada em Setembro de
2000, em Nova Iorque, durante a 55ª Sessão das
Nações Unidas e os da Cúpula Mundial sobre
Desenvolvimento Sustentável
Teve como objetivo a adoção de políticas públicas
2006 México O 4º Fórum Mundial da Água
para o adequado manejo do uso racional da água.
Sexagésima Quinta Sessão da O Acesso à água potável foi declarado como um
Nova Iorque /
2010 Assembleia Geral das Nações dos elementos fundamentais do ser humano, ou
EUA
Unidas simplesmente “direitos fundamentais”.
Representa um enfoque conceitual que propõe
São Paulo / 4º Encontro Internacional da caminhos teóricos e práticos alternativos que
2013
Brasil Governança da Água façam uma real ligação entre as demandas sociais
e sua interlocução em nível governamental.
1º Congresso Iberoamericano Discussão e troca de experiências entre
de Proteção, Gestão e Reuso da municípios de diferentes países sobre a
Córdoba/
2013 Água e o 1° Seminário de adaptação da gestão da água aos novos
Argentina
Universalização do Acesso a paradigmas ambientais com foco no ambiente
Água para o Consumo Humano urbano e na universalização do consumo.
Discussão sobre o papel das entidades
reguladoras na definição do futuro da água, a
resolução dos problemas de abastecimento de
água segura a populações em crescimento, a
Lisboa/ Congresso e Exposição Mundial
2014 gestão da água no sector industrial, a recuperação
Portugal da Água.
de água e energia, as novas políticas e
regulamentos em economias emergentes e será
ainda uma referência no que diz respeito à
prestação de serviços de águas e águas residuais
Debate intersetorial com órgãos nacionais e
internacionais sobre aspectos da política,
Congresso Internacional de regulação, gestão, vigilância e controle da
2015 Brasília /Brasil Segurança da Água: Menos qualidade da água para consumo humano,
Risco, Mais Saúde. visando à melhoria da qualidade e segurança da
água para consumo humano no Brasil e nos
países da América Latina.
A conferência de tecnologia de ponta (Leading
Edge Technology - LET) é dedicado à inovação no
campo da tecnologia da água, permitindo trazer
The 13th IWA Leading Edge
Jerez de la pesquisa e desenvolvimento para aplicações
Conference on Water and
2016 Frontera / práticas e rápidas. Esta iniciativa do IWA melhora
Wastewater Technologies
Spain os instrumentos para a gestão da água, e alarga o
seu âmbito de aplicação - com foco em integração
de sistemas urbanos de água e as bacias
hidrográficas.
Formalizar as contribuições da Engenharia no
desenvolvimento e na implantação de novas
Conferência internacional Água
tecnologias sustentáveis nas áreas de Água,
e energia – novas abordagens
2016 Brasília/Brasil Energia e Saneamento. Os resultados serão
sustentáveis
apresentados no 8º Fórum Mundial da Água, que
será promovido em março de 2018, em Brasília
(DF)

27
BREVE CONCEPTUALIZAÇÃO E ANÁLISE DOS RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ
Capítulo II

Um exemplo prático da elaboração de documentos criados a partir destas décadas de encontros


e discussões sobre a gestão da água, é a criação do Plano de Abordagem de Gestão Integrada de
Recursos Hídricos: o Integrated Water Resources Management - IWRM, publicado pela United
Nations Environment Programme (UNEP, 2012) baseado nos Princípios de Dublin.

Este plano surge dos inúmeros questionamentos acerca dos problemas que circundavam o tema
água e visavam a busca de possíveis soluções. Dada a magnitude da tarefa, em Dezembro de
2003, a Assembleia Geral das Nações Unidas, proclamou o período 2005-2015 como a Década
Internacional da ação da ‘Água para a Vida’, iniciando oficialmente em 22 de março de 2005 no
Dia Mundial da Água e finalizando no ano de 2015. Este Plano constituiu-se essencialmente como:

“A systematic process for the sustainable development, allocation and monitoring of water-
resource use in the context of social, economic and environmental objectives. The three
pillars of IWRM as described in the Global Water Project’s GWP-TAC (2004) are:
• Moving toward an enabling environment of appropriate policies, strategies and legislation
for sustainable water resources development and management;
• Putting in place the institutional framework through which the policies, strategies and
legislation can be implemented; and
• Setting up the management instruments required by these institutions to do their job.”

A criação dos planos estratégicos surgem, portanto, da necessidade de se encontrar soluções que
equacionem os inúmeros problemas que tem surgindo com o grande crescimento populacional e
o aumento da demanda do uso da água pelos setores industrial e agropecuário exigindo cada vez
mais dos sistemas hídricos.

Assim, da mesma forma que este plano foi pensado e elaborado tendo como referência as
demandas e problemáticas levantadas pelas sociedades no decorrer dos anos, esta pesquisa
também se propõe a ser mais um instrumento voltado para o auxílio e compreensão destas
problemáticas. Para isso, no capítulo seguinte é proposta uma metodologia de quantificação e
caracterização dos recursos hídricos através do geoprocessamento de dados.

28
BREVE CONCEPTUALIZAÇÃO E ANÁLISE DOS RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ
Capítulo II

2.3 Métodos de quantificação e avaliação de recursos hídricos


em bacias hidrográficas

No decorrer da história da ciência hidrológica, filósofos como Thales (650 a.C.), Platão (427-347
a.C.) e Aristóteles (348-322 a.C.), dedicaram-se a compreender e explicar o funcionamento da
dinâmica da água sobre a superfície terrestre. Até 1400 esse ficou conhecido como o período das
especulações. “Depois desse período de especulações, que se prolongou até por volta de 1400,
o desenvolvimento histórico da hidrologia envolveu os seguintes períodos” (Chow, 1964):

a) Período de observação (1400-1600): dos conceitos filosóficos puros, a hidrologia tendia para
uma ciência de observações que ainda a caracteriza.
b) Período de medições (1600-1700): o século XVII é reconhecido como o “berço da ciência”.
Também a ciência hidrologia teve início neste período, com as primeiras medições dos processos
do ciclo hidrológico.
c) Período de experimentação (1700-1800): durante o Século XVIII iniciaram-se os estudos
experimentais da hidrologia.
d) Período de modernização (1800-1900): fundamentos da ciência hidrologia.
e) Período de empirismo (1900-1930): não obstante o grande avanço do período anterior, o estudo
da hidrologia quantitativa estava ainda em seus primórdios, e a hidrologia era basicamente uma
ciência empírica, pois se desconhecia ainda as bases físicas de muitas das determinações
hidrológicas.
f) Período de racionalização (1930-1950): grandes hidrologistas desenvolveram e utilizaram
análises racionais, ao invés de empíricas, para a solução de problemas hidrológicos.
g) Período de teorização (1950 - até ao presente): aplicação de modelos matemáticos no estudo
dos processos hidrológicos (Lima, 2008).

Entre 1900 e 1950 é possível destacar 3 importantes períodos da ciência hidrológica:

a) Empirista (1900-1930) em que as análises dos fenômenos se fundamentavam basicamente


no processo de observação;

b) Racionalista (1930-1950), buscou compreender e dar respostas de forma mais racional para
os fenômenos hidrológicos;
c) Da Teorização (1950 até hoje) que promoveu a aplicação de modelos matemáticos na ciência
hidrológica. A evolução que ocorre nesse período será fundamental para estruturar e definir as

29
BREVE CONCEPTUALIZAÇÃO E ANÁLISE DOS RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ
Capítulo II

bases do que hoje é a ciência hidrológica, mudança significativa que resultou no surgimento de
uma hidrologia mais quantitativa e menos empirista.
Vemos que a partir de 1950, com a evolução das pesquisas hidrológicas quantitativas, diversos
fenômenos de ordem hidroclimatológica são mais facilmente equacionados devido a maior
precisão das informações, gerando resultados cada vez mais confiáveis. As análises quantitativas
passam, portanto, a desempenhar um papel fundamental no processo de compreensão dos
fenômenos hídricos, o que foi essencial para melhor atender às demandas e necessidades da
sociedade.

Muitos dos problemas ligados a eventos de ordem natural ou antrópica, tais como o controle de
enchentes, inundações, escassez hídrica ou mesmo na proposição de soluções para
aproveitamento dos recursos hídricos (hidroelétricas, barragens, etc.), e de forma mais
significativa, o aperfeiçoamento da infraestrutura para a acessibilidade da população aos recursos
hídricos, são mais rapidamente compreendidos e solucionados com a inserção das análises
quantitativas.

Diante destas inovações e aprimoramento de técnicas, novas pesquisas científicas são


desenvolvidas a cada ano, no intuito de explicar e solucionar problemas nos diversos aspectos e
processos que envolvem o funcionamento de bacias hidrográficas. Segundo Tucci (1998), existe
na literatura um grande número de modelos hidrológicos conceituais, sendo que cada um possui
algoritmos empíricos dos processos hidrológicos representados.

Para Lorandi e Cançado (2005), os estudos hidrológicos têm por objetivo minimizar, impedir ou
solucionar os problemas ambientais gerados pelos escoamentos superficiais e sub-superficiais das
águas pluviais, particularmente em encostas, os quais se apresentam cada vez mais comuns
devido às ações antrópicas exercidas sem nenhum planejamento e controle.

Chiang et al. (2002) apresentaram um estudo quantitativo sobre as características de bacias


hidrográficas a partir da validação dos métodos (MRA) Multiple Regression Analysis e (TSM) Time
Series Model, para estimar vazões mensais em 95 bacias hidrográficas nos Estados Unidos. De
acordo os resultados obtidos através da aplicação destes métodos, foi possível estabelecer se a
água armazenada nas bacias hidrográficas atendia às demandas de uso das populações situadas
a jusante.

Outro trabalho importante sobre quantificação de recursos hídricos foi desenvolvido por Alcamo et
al. (2003), que analisou a aplicação do modelo WaterGAP 2. Neste trabalho, os autores

30
BREVE CONCEPTUALIZAÇÃO E ANÁLISE DOS RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ
Capítulo II

propuseram uma avaliação global e regional dos recursos hídricos a partir do modelo WaterGAP 2
que consiste de dois componentes principais, um modelo de Uso Global da Água (GWU) e um
Modelo Global de Hidrologia.

Estes componentes são usados para calcular o uso de água e disponibilidade no nível da bacia
hidrográfica. Segundo os autores, o modelo WaterGAP 2 fornece um método consistente para
preencher muitas das lacunas existentes nos dados de recursos hídricos em muitas partes do
mundo e também uma abordagem coerente para a geração de cenários de mudanças nos
recursos hídricos. Por isso, é especialmente útil como uma ferramenta para comparar globalmente
a situação da água em bacias hidrográficas.

Assim como Alcamo et al. (2003), Werth & Güntner (2010) também analisaram quantitativamente,
a partir da calibração do Modelo Global de Hidrologia WaterGAP, 28 das maiores bacias
hidrográficas do mundo com o objetivo de fornecer uma melhor simulação global de variações de
armazenamento de águas continentais. Segundo os autores, os resultados deste estudo
demonstraram que tanto os dados e a abordagem multiobjetivo de calibração melhoraram a
simulação hidrológica em grande escala fornecendo melhoria das estruturas do modelo.

Outros importantes modelos podem ser citados como: O TOPMODEL, o SWAT e ANSWERS. O
TOPMODEL (Topographic Based Hidrological Model) é um modelo hidrológico baseado na área
variável de contribuição. Os primeiros autores que publicaram sobre o modelo TOPMODEL foram
Beven & Kirkby em 1979, porém, a denominação TOPMODEL (Topography-based hydrological
Model) foi citada somente em 1984 por Beven et al (1984). O uso do modelo é utilizado em
diversos artigos científicos para determinar a quantidade de água disponível no solo tendo como
referência a topografia.

Outro importante modelo de simulação hidrológica muito utilizado é o SWAT - Soil an Water
Assessement Tool, “modelo matemático com parâmetros distribuídos e contínuos em que
diferentes processos físicos podem ser simulados com o objetivo de analisar os impactos das
alterações de uso do solo sobre o escoamento superficial e sub-superficial, produção de
sedimentos e qualidade da água em bacias hidrográficas agrícolas não instrumentadas”
(Srinivasan & Arnold, 1994). O modelo de simulação ANSWERS - Areal Nonpoint Source Watershed
Environment Response Simulation (Beasley, Monke & Huggins,1980), é um modelo
determinístico, conceitual e distribuído, desenvolvido para estudos de impactos do uso do solo,
prática conservacionista e manejo na bacia hidrográfica. Lopes et al. (1981), também

31
BREVE CONCEPTUALIZAÇÃO E ANÁLISE DOS RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ
Capítulo II

desenvolveram um modelo determinístico chamado SMAP (Soil Moisture Accounting Procedure),


para simulação hidrológica do tipo chuva-vazão, do tipo tanque correlato do tempo com fluxo não
permanente.

Zanetti (2007) em seus estudos sobre a hidrologia, diz que do pós-guerra até a década de 1970,
vários modelos foram propostos para a modelagem de processos hidrológicos e em 1975 a
Organização Meteorológica Mundial (OMM) preparou uma análise dos modelos mais usados em
simulações hidrológicas. Esses modelos são essenciais para a análise e compreensão dos
processos que envolvem os estudos das bacias hidrográficas. Para isso, foram necessárias
décadas para que métodos e técnicas fossem desenvolvidos e pudessem explicar de maneira
objetiva os processos morfodinâmicos das bacias hidrográficas e um destes importantes métodos
é a quantificação da disponibilidade hídrica.

Segundo Novaes (2005) “A disponibilidade hídrica natural em uma bacia hidrográfica pode ser
representada pelas vazões médias e mínimas, sendo o conhecimento destas de grande
importância para um adequado planejamento do uso e da gestão compartilhada dos recursos
hídricos, minimizando assim os conflitos entre os diversos usuários (...)”. Outros índices muito
utilizados em estudos de disponibilidade hídrica, principalmente em processos de concessão de
outorga, são as vazões mínimas obtidas da curva de permanência, a qual representa a parcela de
tempo que uma determinada vazão é igualada ou superada durante o período analisado, sendo
as vazões associadas às permanências de 90% (Q90%) e 95% (Q95%) as mais utilizadas nestes
processos.

Segundo Cruz e Tucci (2008), o hidrograma, a curva de permanência, a curva de probabilidade


de vazões médias e mínimas, são algumas das ferramentas para determinar a disponibilidade
hídrica em uma bacia. A metodologia mais empregada é a curva de permanência, que representa
a disponibilidade hídrica em função da frequência de ocorrência (Cruz e Silveira, 2007). A vazão
média é a maior vazão possível de ser regularizada no curso d’água, sendo caracterizada como a
máxima disponibilidade hídrica de uma bacia. O conhecimento desta vazão permite avaliar o limite
do uso da água de um manancial para diferentes finalidades (Tucci, 2001). É possível observar,
portanto, que nos últimos anos vários pesquisadores dedicaram-se aos estudos da quantificação
dos recursos hídricos através da aplicação e adequação tanto de métodos quanto de modelos na
caracterização morfodinâmica das Bacias Hidrográficas.

32
BREVE CONCEPTUALIZAÇÃO E ANÁLISE DOS RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ
Capítulo II

2.4 Contexto histórico das políticas de gestão dos recursos


hídricos no Brasil e no Ceará

Segundo o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - Pnud (2006) “A crise global
da água não reside na falta absoluta de fornecimento físico, mas se prende à pobreza,
desigualdade sociopolítica e econômica, bem como a políticas de gestão da água deficientes, que
aumentam a escassez.” Segundo a Lei Estadual Nº 14 844, de 28 de Dezembro de 2010, que
dispõe sobre a política estadual de recursos hídricos no Ceará, institui o sistema integrado de
gestão de recursos hídricos e a água como um recurso natural limitado, dotado de valor econômico
e essencial para o desenvolvimento humano.

O processo de gestão compartilhada dos recursos hídricos no Brasil (Castellano e Barbi, 2006;
Barbi e Jacobi, 2007; Tundisi, 2008; Martins, et al., 2001) se estabeleceu a partir de discussões
nacionais e internacionais sobre a política de gerenciamento dos recursos hídricos, onde as
demandas democráticas da sociedade civil organizada passaram a questionar e a buscar um novo
sistema de gerenciamento dos recursos hídricos para as políticas públicas de gestão.

Porém, a discussão sobre o uso e gerenciamento da água não é recente. Desde o Brasil-Império
já existia a preocupação sobre a gestão das águas, pois já se identificava em documentos da
época, uma série de problemas relacionados à sua acessibilidade e também à sua qualidade.

Até ao Decreto nº 24 643 de 1934 que instituiu o Código Água para o Brasil Industrial, inexistia
no Brasil regulamentação específica acerca da apropriação e uso da água (Silvestre, 2008). Coube
a Valadão em 1907, elaborar a primeira proposta no sentido de criar dispositivos especiais para
regulamentar o uso da água. A proposta foi levado ao Governo Federal como projeto e aprovado
pela Câmara dos Deputados, permanecendo no Senado até a Revolução de 30. Foi retomado e
reelaborado pelo governo provisório, resultando posteriormente no Código de Águas de 1934.

Assim, somente após a Proclamação da República em 10 de Julho de 1934, é criado o primeiro


Código Nacional de Águas, editado através do Decreto nº 24 643 em que concedia somente ao
Governo Federal o poder para gerenciar/legislar sobre as águas e sobre a concessão do potencial
hidráulico. A partir deste decreto foram definidos diferentes domínios de propriedade, além de
criar a lógica do princípio do poluidor-pagador.

33
BREVE CONCEPTUALIZAÇÃO E ANÁLISE DOS RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ
Capítulo II

É importante perceber que neste período, apesar do país ter dado um passo importante na gestão
dos recursos hídricos, havia apenas a preocupação com o controle sobre a quantidade e
potencialidade dos recursos hídricos, já que os fins eram sempre voltados para a demanda
energética.

Nos anos que precederam a institucionalização do Código Nacional das Águas vários problemas
institucionais foram surgindo, já que naquele período o país passava por um intenso processo de
industrialização o que demandava maior controle sobre o uso dos recursos hídricos. Com a
promulgação da Constituição de 1946, a gestão dos recursos hídricos caminhava para uma
gradativa descentralização, já que os Estados e municípios ganharam, em caráter supletivo e
complementar, a competência de legislar sobre as águas, porém, tendo o governo federal como
responsável pela concessão do potencial hidráulico.

Apesar dos Estados e municípios ganharem a competência de legislar sobre a gestão dos recursos
hídricos na Constituição Federal de 1946, esse mesmo direito passa às mãos da União na
promulgação da Constituição de 1957 e mantida na revisão da Constituição Federal de 1969.
Neste período são criados o DNAE (Departamento Nacional de Águas e Energia) e o MME
(Ministério de Minas e Energia), dando maior poder de gestão das águas ao setor hidroelétrico.

As mudanças que ocorreram neste período, na forma de gestão dos recursos ambientais no Brasil,
estão relacionadas com uma das primeiras discussões a nível internacional que aconteceu na
década de 1960 em Roma na Itália pelo denominado Grupo de Roma. Neste encontro foram
tratados sobre a adoção de políticas ambientais e critérios de uso dos recursos hídricos
superficiais, já que até aquele momento não existia nenhuma preocupação ou planos estratégicos
para a proteção e gestão dos recursos naturais. Esse grupo era formado por cientistas,
educadores, economistas, humanistas, industriais e funcionários públicos de nível nacional e
internacional (Meadows, 1973).

A partir dos dilemas lançados neste encontro, foi possível questionar quais ações estavam sendo
firmadas pela sociedade para a proteção dos recursos ambientais e de que maneira estas ações
poderiam equacionar ou minimizar tais problemas. “Estes elementos, aparentemente, divergentes
da “problemática mundial” têm três características em comum: ocorrem até certo ponto em todas
as sociedades; contém elementos técnicos, econômicos e políticos; e, o que é mais importante,
atuam uns sobre os outros” (Meadows et al, 1973).

34
BREVE CONCEPTUALIZAÇÃO E ANÁLISE DOS RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ
Capítulo II

Apesar das sociedades possuírem problemas específicos e demandas distintas no uso dos
recursos naturais, todas possuem elementos característicos entre si que são convergentes e que
servem como base para a construção conjunta de medidas protetivas para o meio ambiente.

A partir das experiências e documentos que começavam a surgir no cenário mundial, os Estados
brasileiros iniciam a partir da década de 1970 o processo de gestão dos recursos hídricos com
uma visão menos reducionista, tendo como parâmetros de gestão das águas, a qualidade, o
controle da poluição e os seus usos múltiplos.

Enquanto o Estado utilizava parâmetros qualitativos para a gestão dos recursos hídricos, tendo à
época a SEMA (Secretaria de Meio Ambiente) como reguladora, a União através do DNAEE
(Departamento Nacional de Águas e Energia Elétrica) baseava-se apenas no parâmetro quantitativo
para o controle dos recursos hídricos, o que favoreceu o avanço do setor hidroelétrico em
detrimento dos demais setores.

Esses aspectos foram determinantes para compreender que ocorria uma desarmonia de
gerenciamento entre os níveis de poderes institucionais, ou seja, a integração sobre o
gerenciamento quantitativo e ordenado do potencial dos recursos hídricos estava sendo
comprometida pela própria Legislação em vigor na época, passando de reguladora para geradora
de conflitos tanto a nível governamental quanto entre os próprios usuários.

Em 1972, a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, realizada em
Estocolmo na Suécia, tinha como objetivo debater, em âmbito geral, os problemas ambientais
(Oliveira, 2005). E em 1977, em Mar Del Plata no Uruguai, a Conferência das Nações Unidas
lançou as bases para a tomada de posição da comunidade internacional em relação aos recursos
hídricos, pela crescente poluição e por sua escassez em face do crescimento insustentável
(GTHidro, 2003). Nos anos seguintes, motivados pelos conflitos que a falta de integração entre os
níveis de governos proporcionou, surgem novas análises e perspectivas sobre a gestão dos
Recursos hídricos.

Estas análises tinham como cerne principal a preocupação com os usos múltiplos das águas de
domínio da União, o que levou o Governo Federal a criar o primeiro Comitê de Estudos Integrados
de Bacias, o CEEIBH (Comitê Especial de Estudos Integrados das Bacias Hidrográficas) sendo
criados posteriormente outros comitês de bacias hidrográficas a exemplo do Comitê da Bacia
hidrográfica do São Francisco, mas que à época ainda não possuíam poder deliberativo.

35
BREVE CONCEPTUALIZAÇÃO E ANÁLISE DOS RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ
Capítulo II

Com a promulgação da Constituição Federal de 1988, cria-se o SINGREH (Sistema Nacional de


Gerenciamento de Recursos Hídricos) e reformulam-se aspectos fundamentais da política
regulatória de usos das águas, como o estabelecimento da bacia hidrográfica como unidade de
planejamento, e a passagem dos corpos d’água para o domínio público, tendo a União como
regulador de rios ou lagos que banham mais de uma unidade da federação ou mesmo com outros
países e o Estado com as demais águas do território nacional.

A Legislação Brasileira de 1988 contribuiu para o novo modelo de gestão dos recursos hídricos.
Um aspecto fundamental da legislação brasileira sobre os recursos hídricos, foi a criação de um
sistema institucional que possibilita à União, aos Estados, aos municípios, aos usuários de
recursos hídricos e à sociedade civil de atuar, de forma harmônica e integrada, na resolução dos
conflitos, e na definição das regras para o uso da água em nível de bacia hidrográfica (Pereira e
Formiga-Johnsson, 2005; Simplício, 2014). O Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos
Hídricos (SINGREH) é, portanto, o arcabouço institucional para a gestão descentralizada e
compartilhada do uso da água no Brasil.

Assim, percebe-se que há um despertar de uma conscientização a nível mundial e também


nacional sobre os problemas referentes ao processo de gerenciamento racional e equilibrado dos
recursos hídricos o que foi sendo aprofundado ano após ano. Diversos encontros, conferências e
congressos se seguiram com a discussão de temas cujo cerne central era a gestão da água nas
suas mais variadas formas.

Foi em um período de constantes debates e elaboração de documentos sobre a gestão dos


recursos hídricos, que é aprovada em 1992 a Lei da Política Estadual de Recursos Hídricos do
Estado do Ceará (PERH/CE), sendo a segunda lei Estadual a vigorar no país. Esta Lei, que define
a políticas de recursos hídricos do Ceará, foi institucionalizada antes da Lei Nacional, sendo
necessária a adequação da Lei Estadual à Lei Nacional.

A Lei Nacional nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997, em seu Cap. 01, inciso V do art. 1º, institui que
a bacia hidrográfica é a unidade territorial para implementação da Política Nacional de Recursos
Hídricos (1997) e define a atuação do Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos,
criando princípios e normas para a sua gestão.

A Lei Estadual nº 14 844, de 30 de dezembro de 2010 dispõe sobre a Política Estadual de


Recursos Hídricos, institui o Sistema Integrado de Recursos Hídricos – SIGERH, e revoga a Lei Nº

36
BREVE CONCEPTUALIZAÇÃO E ANÁLISE DOS RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ
Capítulo II

11 996, de 24 de julho de 1992, que regia os mesmos componentes, nos primórdios de


constituição do aparato legal para os recursos hídricos no Estado do Ceará (IICA, 2011).

Esta preocupação inovadora com a gestão dos recursos hídricos é fruto da necessidade de
sobrevivência dos cearenses, em face das adversidades que a natureza lhes impõe, pois o Estado
é localizado no Nordeste brasileiro, tendo mais de 70% de seu território formado de rochas
cristalinas, dificultando assim a absorção e retenção de água no solo, além de possuir precipitação
média de chuvas na ordem dos 900mm, considerada baixa pelos técnicos (Maia, 2004).

Além do Estado do Ceará possuir um substrato com pouca capacidade de absorção e retenção
hídrica, ele também possui, de acordo a nova delimitação do semiárido brasileiro, mais de 90%
de seu território na região semiárida, condição que dificulta ainda mais o acesso das populações
locais aos recursos hídricos. Os critérios utilizados na nova delimitação para classificar uma região
semiárida segundo Lei nº 5 511, DE 2013 são:

• “Precipitação pluviométrica média anual inferior a 800 mm;


• Índice de aridez de até 0,5 calculado pelo balanço hídrico que relaciona as precipitações
e a evapotranspiração potencial, no período entre 1961 e 1990; e
• Risco de seca maior que 60%, tomando-se por base o período entre 1970 e 1990.”

Com essa nova delimitação foram incluídos mais 16 municípios cearenses na região semiárida,
totalizando 150 municípios, o que equivale a 81,5% dos 184 municípios e 86,8% da área do Estado
(Suliano et al, 2009).

Assim, a partir da implementação da Lei Estadual n° 11 996/92 posteriormente substituída pela


Lei nº 14 844, de 30 de dezembro de 2010 no Ceará, foi possível, com base nos problemas
ambientais e de escassez hídrica, um maior controle e gestão dos recursos hídricos no Estado.

Esta lei traz em seu Capítulo I os principais objetivos:

I - "compatibilizar a ação humana, em qualquer de suas manifestações, com a dinâmica do ciclo


hidrológico, de forma a assegurar as condições para o desenvolvimento social e econômico, com
melhoria da qualidade de vida e em equilíbrio com o meio ambiente;

37
BREVE CONCEPTUALIZAÇÃO E ANÁLISE DOS RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ
Capítulo II

II - assegurar que a água, recurso natural essencial à vida e ao desenvolvimento sustentável, possa
ser ofertada, controlada e utilizada, em padrões de qualidade e quantidade satisfatórios, por seus
usuários atuais e pelas gerações futuras, em todo o território do Estado do Ceará;
III - planejar e gerenciar a oferta de água, os usos múltiplos, o controle, a conservação, a proteção
e preservação dos recursos hídricos de forma integrada, descentralizada e participativa.”

Estes objetivos foram pensados para que houvesse um equilíbrio entre as ações antrópicas e o
uso dos recursos naturais, levando em consideração as características locais e o desenvolvimento
socioeconômico de suas populações. Trazem também em sua essência a preocupação sobre o
planejamento e gerenciamento dos recursos hídricos de forma integrada, descentralizada e
participativa, ações que são fundamentais para se pensar um uso consciente e racional.
Uma parte importante da Lei 14 844/2010 refere-se aos instrumentos de gestão que norteiam o
gerenciamento das águas no Estado do Ceará e estão divididos em seu Capítulo V em 7 seções
principais:
I- Da Outorga de Direito de Uso de Recursos Hídricos e de Execução de Obras e/ou Serviços
de Interferência Hídrica;
II- Da Fiscalização de Recursos Hídricos;
III- Da Cobrança pelo Uso dos Recursos Hídricos;
IV- Dos Planos de Recursos Hídricos;
V- Do Fundo Estadual de Recursos Hídricos – FUNERH;
VI- Do Sistema de Informações de Recursos Hídricos;
VII- Do Enquadramento dos Corpos D’água em Classes de Usos Preponderantes.
A Lei Estadual abriu caminho, no ano seguinte, para o Estado propor a criação da Companhia de
Gestão de Recursos Hídricos (COGERH), que se destacou ao iniciar o processo de cobrança de
água bruta nas áreas urbanas para os setores industriais e de abastecimento público, sendo que
os recursos arrecadados foram utilizados para o funcionamento do próprio sistema de gestão
(ANA, 2002). Para que se atingisse o nível de desenvolvimento e integração dos diversos sistemas
Federais e Nacionais de Recursos Hídricos, muitas ações foram necessárias, além de importantes
documentos. Dentre estes podemos citar a Declaração de Dublin, a Agenda 21 e também a própria
institucionalização da Lei n°14 844/2010 Lei Estadual de Recursos hídricos do Estado do Ceará.

38
CAPÍTULO III

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS


HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

40
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

3.1 Abordagem metodológica para cálculo do Potencial do


Recursos Hídricos (PRH)

A importância da caracterização dos processos hídricos como foi mencionado nos estudos de
Mello (2003) e Gan and Burges (1990), sobre a dinâmica e características dos recursos hídricos
são fundamentais para conhecer e planejar ações voltadas para o desenvolvimento social e
econômico de uma região (Pahl-Wostl et al., 2007).

Sobre a importância da quantificação dos recursos hídricos, autores como Singh & Fevert (2002),
Mariño e Simonovic (2001) e Yan et al. (2012) consideram que a avaliação quantitativa dos
recursos hídricos constitui-se como fundamental para compreender a influência destes nos
processos modeladores das estruturas geológicas, além também de fornecer respostas aos
problemas ligados ao uso dos recursos naturais, sendo considerado assim, como mais um
importante instrumento de gestão, controle e fiscalização de um bem essencial para a manutenção
e equilíbrio da vida que é a água.

A avaliação e caracterização da diversidade dos recursos hídricos realizada neste capítulo, foi
desenvolvida a partir do upgrade da metodologia dos estudos desenvolvido e publicados por
Pereira et al. (2013) e atualizada por Silva et al. (2013; 2015). A metodologia empregada pelo
autores, baseia-se no uso de grades regulares para determinar índices de geodiversidade do Estado
do Paraná e da Bacia do Xingu, no Brasil. Foram também consultados trabalhos científicos que
abordam outras metodologias para a quantificação de dados hidroclimatológicos (e.g. De Marsily,
1986; Dirks et al, 1998; Chiang et al., 2002; Alcamo et al., 2003; Lorandi & Cançado, 2005;
Castellano e Barbi, 2006; Oliveira, 2008; Werth & Güntner, 2010; Araujo, 2011; Silva, 2012;
Lepeška, 2013). Estes trabalhos serviram de suporte para a fundamentação metodológica e
obtenção final do índice que designamos por PRH, aplicado ao Estado do Ceará.

O processo para o cálculo do PRH e elaboração do mapa baseia-se na soma de indicadores


parciais, nomeadamente:

- a pluviosidade, cujos dados brutos foram obtidos nos sites de órgãos gestores do Estado
do Ceará (Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos - COGERH/Fundação Cearense
de Meteorologia e Recursos Hídricos - FUNCEME), e posteriormente tratados para
obtenção das médias anuais da pluviosidade;

- dimensão dos canais, expresso pela hierarquia de canais obtidos a partir do

41
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

processamentos semi-automatizados do Modelo Digital de Terreno (MDT), adquirido no


banco de dados da Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais - CPRM (2008a);

- geração dos limites das subbacias a partir do processamentos semiautomatizado do


Modelo Digital de Terreno (MDT), adquirido no banco de dados da CPRM (2008a);

- dimensão dos reservatórios superficiais, albufeira ou espelhos de água, expressa pela


porcentagem da área que cada subbacia ocupa no território;

- vazão específica, tratada e calculada a partir dos valores fornecidos pelo Companhia de
Gestão dos Recursos Hídricos – COGERH. A vazão específica (l/s/m) é a vazão extraída
para cada unidade de rebaixamento do nível de água subterrânea (m3/h/m).

Na fase de criação do método, consideramos importante a inclusão dos valores de vazão (ou
caudal) dos canais. Contudo, devido à dificuldade em encontrar dados suficientes, foi
desconsiderada, nesta fase, a sua inclusão nesta proposta metodológica. Consideramos que, em
casos em que estes dados estejam disponíveis, constituem um indicador importante para o cálculo
final do Potencial de Recursos Hídricos. Por outro lado, este método permite, tal como é
apresentado, calcular o potencial hídricos de regiões sem dados de vazão (caudal).

Para além dos materiais textuais (livros, revistas e informes), a base de dados utilizada nesta etapa
da pesquisa, compõe-se por arquivos digitais como:

- o Modelo Digital do Terreno (MDT) da SRTM (Shuttle Radar Topography Mission), de 2008,
com resolução de 90 metros e reamostrado para 30 metros, fornecido pelo CPRM
(2008b);
- dados de pluviosidade (série de 30 anos) fornecido pelo COGERH/FUNCEME;
- dados de vazão específica, reservatórios hídricos e grids vetoriais do Estado (IBGE, 2015).

Para o tratamento inicial dos dados pluviométricos, foram aplicados cálculos matemáticos e
estatísticos através dos programas Excel e Matlab e posteriormente tratados pelos programas de
geoprocessamento Arcgis 10.1, Quantum Gis 2.6.1 Brigton, utilizando o Sistema de Informação
Georreferenciada-SIG, que permitem trabalhar com informação espacial (geográfica), integrando e
sobrepondo vários tipos de informação (raster e vetorial). Esses programas também foram usados
para o tratamento do Modelo Digital de Terreno e dos dados das médias de vazões específicas,
fornecidas pela COGERH/FUCEME.

A abordagem metodológica permitiu obter o conjunto de resultados em seguida enunciados e

42
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

esquematizados na Figura 3.1.

- Tratamentos estatístico-matemáticos dos dados de pluviosidade para 34 anos (1974 a


2014) e sua modelagem no território; obtenção de dados e mapa das médias anuais da
pluviosidade com a identificação das áreas com maior e menor índice pluviométrico.

- tratamento do MDT, extração automática dos canais com a hierarquização a partir do


método de Strahler (1957) e obtenção do mapa de hierarquização de canais;

- geração das subbacias extraídas a partir de processamentos automáticos do Modelo


Digital de Terreno;

- geração dos mapas dos índices parciais de vazão específica, pluviosidade, hierarquia de
canais, reservatórios hídricos e do mapa final com os índices do PRH para o Estado do
Ceará.

Figura 3.1 Fluxograma metodológico do geoprocessamento de dados para geração do mapa do PRH.

3.1.1 Processamento de dados pluviométricos para geração do Mapa de


Pluviosidades

O uso dos dados de pluviosidade é essencial para compreendermos a sua influência nos processos
que envolvem a dinâmica dos recursos hídricos de uma determinada região. Compreender essa
dinâmica é poder caracterizar um padrão hídrico e a partir deste, possibilitar traçar estratégias
para um uso racional e equilibrado dos recursos hídricos diminuindo conflitos existentes no seu
uso.

43
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

Em seguida, apresentam-se os passos metodológicos e os resultados obtidos a partir do


processamento dos dados das médias anuais históricas de pluviosidade dos últimos 34 anos do
Estado do Ceará (Figura 3.2). Foram processados inicialmente, tanto a nível estatístico quanto
de geoprocessamento, os dados pluviométricos de 771 estações pluviométricas disponibilizadas
no banco de dados do site da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (FUNCEME,
2014). No fluxograma a seguir, estão as etapas metodológicas da elaboração do mapa de médias
anuais históricas da pluviosidade do estado do Ceará.

Figura 3.2 Fluxograma metodológico do processamento dos dados pluviométricos

Para melhor compreendermos o fluxograma, detalhamos os passos elaborados para a obtenção


do mapa com as médias anuais da pluviosidade do Estado do Ceará.

1. Processamento estatístico através do programa Matlab dos dados brutos para extração do
cálculo das médias de precipitação anual por posto pluviométrico;
2. Análise detalhada das 771 estações pluviométricas eliminando aquelas com ausência quase
total de coletas de dados mensais e anuais ou que apresentaram séries incompletas;
3. Aplicação de cálculos automatizados para extração da média histórica (34 anos) por estação;
4. Com as médias calculadas, foram eliminadas as estações pluviométricas que possuíam
médias anômalas, sendo mantidas apenas aquelas que continham mais de 85% das
informações pluviométricas entre o período de 1974 a 2014;
5. Após finalizada esta etapa, a tabela em formato (.xls) com as médias pluviométricas e as
respectivas longitudes e latitudes de cada estação foi transformada em formato (.csv),
compatível com o Arcmap 10.1 para ser aplicado posteriormente o processo de espacialização
por pontos no mapa do Estado do Ceará;
6. 5-Espacialização das médias pluviométricas a partir da geração de centroides nos polígonos
das subbacias seus respectivos valores na tabela de atributo;

44
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

7. Posteriormente, analisou-se qual o método de interpolação que melhor se aplica aos dados
de pluviosidade, a exemplo da Ponderação do Inverso das Distância (IDW), Natural Neighbor,
Spline e Krigagem, sendo este último o que melhor correlacionou os valores.

3.2 Interpolação de dados pluviométricos na representação


espacial

O aumento no uso de dados espaciais nas pesquisas e as diversas técnicas de representação


espacial tem fomentado avanços significativos nos procedimentos geotecnológicos de
espacialização da informação nos últimos anos. Diante desta crescente evolução, muitos destes
procedimentos foram criados ou melhorados para que os fenômenos naturais e antrópicos, reais
ou de predição, pudessem ser representados em uma superfície a partir do uso de programas de
geoprocessamento.

Das técnicas mencionadas, a interpolação de dados pluviométricos tem ganhado espaço pelo fato
de que no Brasil há um número pouco representativo de estações pluviométricas necessárias para
estudos de caso de grandes áreas. Essa ausência torna-se mais notória na região Norte e Nordeste
e agrava-se conforme se distancia do litoral e dos grandes centros populacionais.

Devido a esses tipos de problemas, o uso das técnicas de representação espacial tem crescido
exponencialmente do Brasil nos últimos anos, o que tem proporcionado avanços nas pesquisas
das Ciências da Terra. A partir da necessidade de melhor entender a funcionalidade das técnicas
de interpolação, a ESRI aborda os diversos métodos de interpolação desenvolvidos para o sistema
ArcGis (Figura 3.3).

Figura 3.3 Métodos de representação de superfícies. Fonte: www.esri.com

E o que significa a Interpolação espacial?


45
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

Para Childs (2004) a interpolação “is a procedure used to predict the values of cells at locations
that lack sampled points. It is based on the principle of spatial autocorrelation or spatial
dependence, which measures degree of relationship/dependence between near and distant
objects. Spatial autocorrelation determines if values are interrelated, it determines if there is a
spatial pattern. This correlation is used to measure

 Similarity of objects within an área;


 The degree to which a spatial phenomenon is correlated to itself in space;
 The level of interdependence between the variables;
 Nature and strength of the interdependence.
Different interpolation methods will almost always produce different results.”

Desta forma, podemos entender que a interpolação, mais do que um conceito, é uma ferramenta
imprescindível para compreendermos como os fenômenos se espacializam por sobre a superfície,
como cada ponto de amostragem e/ou informação, distribuído em um determinado espaço, ao
ser aplicado um método específico de interpolação, definirá como o fenômeno se espacializa
através do processo de geração de valores intermédios (Figura 3.4). Desta forma é possível
mensurar informações as quais sem a interpolação seriam muito mais complexas de serem
visualizadas, representadas ou mesmo compreendidas.

Figura 3.4 Exemplo da representação de dados intermédios gerados a partir da interpolação. Fonte:
www.esri.com

Griffith (2009) também discorre sobre o processo que envolve a correlação e espacialização de
dados e diz que a “Spatial autocorrelation means a dependency exists between values of a variable
in neighboring or proximal locations, or a systematic pattern in values of a variable across the
46
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

locations on a map due to underlying common factors”. De acordo com o autor, no processo de
interpolação de dados espaciais, há uma dependência ou um padrão sistemático entre os valores
devido a existência de fatores em comum entre as variáveis. É importante ressaltar que a partir
da interpolação é possível mensurar a qualidade dos elementos mapeados e principalmente e não
menos importante, detectar os erros relacionados aos atributos que ora estão sendo
espacialmente representados.

Com a melhoria dos métodos e técnicas de correlação espacial e com a evolução dos processos
geotecnológicos, diversas pesquisas na área de hidrologia (e.g. Hossain & Anagnostou, 2005;
Huang et al., 2005; Ramesh Teegavarapu, S. V., 2007; Shen, et al., 2012; Bin Yong et al., 2014;
Praskievicz & Bartlein, 2014; Yonga, et al., 2014; Gottschalk et al.,2015; Li-Pen Wang et al.,2015;
Skøien et al., 2015; El Osta & Masoud, 2015; Falck et al., 2015; Hawkins et al., 2015) têm
desenvolvido metodologias que tem como base o uso de diferentes métodos de interpolação para
análise e representação de seus objetos de estudos através do uso de ferramentas de
geoprocessamento.

Para melhor percebermos como funciona esses métodos (descritos com base nas informações de
documentos da ESRI (2004), pontuamos algumas das técnicas de interpolação mais conhecidas
no processo de representação e espacialização de dados e que foram testadas nesta pesquisa,
sendo a última delas adotada para interpolação dos dados das médias anuais de pluviosidade do
Estado do Ceará.

3.2.1 Ponderação do Inverso das Distâncias (IDW)

Tem como premissa considerar que os dados cuja proximidade espacial com outros dados for
menor, mais semelhantes serão em suas características, sendo aqueles mais distantes com menor
semelhança. Este tipo de ponderador gera novos pontos intermédios (células com novos valores)
com base nos pontos mais próximos (maior índice), e conforme vai aumentando a distância em
relação aos demais pontos o índice de correlação diminui.

Segundo a ESRI (2004), para que a ponderação obtenha resultados confiáveis é necessário um
conjunto de dados suficientemente denso para que sejam gerados valores que expressem a
amplitude das variações da superfície (Figura 3.5).

47
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

Figura 3.5 Exemplo de representação espacial a partir da interpolação de dados através da Ponderação
do Inverso das Distâncias (IDW). Fonte: www.esri.com

Para determinar os valores das células de saída, o IDW utiliza uma combinação ponderada linear
a partir dos pontos de amostragem existentes, cujo peso será determinado de acordo a função da
distância do ponto de entrada. Quanto maior for a distância menor será a influência sobre a célula
e o valor de saída.

A fórmula da ponderação é:

Sendo:

o valor a ser predito para o local s0;


N é o número de pontos observados a serem usados ao redor do valor a ser predito;
λ i são os pesos colocados para cada ponto observado a ser utilizado;

Z (si) o valor observado no local s.


i

Para determinar o peso, a função é:

À medida que ocorre o aumento da distância, o índice é reduzido pelo fator “p”.

d é a distância entre o local predito s , e cada um dos locais observados, s . Os índices dos
i0 0 i

locais observados, a serem usados na predição, são ponderados, e sua soma é igual a 1.

48
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

O IDW caracteriza-se, portanto, por ser um interpolador de vizinhança e exato. Este método
pressupõe que a superfície tem uma variação local, baseada em pontos amostrais espacialmente
distribuídos. Na Figura 3.6 está representado o mapa das médias anuais pluviométricas para o
Estado do Ceará com a aplicação do interpolador IDW. Nele é possível observar que os valores
apresentaram uma fragmentação ou pontualidade espacial dos dados, representado no mapa por
polígonos e círculos isolados, confirmando como foi mencionado anteriormente que quanto maior
for a distância do ponto de entrada menor será a influência sobre a célula e o valor de saída,
diminuindo assim a correlação entre os valores.

Figura 3.6 Mapa com a interpolação das médias anuais pluviométricas a partir do método IDW.

49
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

3.2.2 Spline

Considerado como um interpolador determinístico relativamente rápido e exato, possui suas


funções de base radial, ou seja, função sobre números reais cujos valores dependem apenas da
distância a partir da origem. Porém, traz limitações em seus cálculos, como: não permitir uma
análise da autocorrelação entre os dados o que o torna muito automatizado; exige mais parâmetros
de decisão; não faz predição de erro apenas de superfícies.

Este interpolador tem como característica principal, minimizar a curvatura da superfície total
através da ponderação dos valores dos dados a partir da função matemática tendo como resposta
uma superfície suavizada passando exatamente pelos pontos de entrada (Figura 3.7).

Figura 3.7 Exemplo de representação espacial a partir da interpolação Spline. Fonte: www.esri.com

A fórmula spline baseia-se em:

S(x) deve preencher a condição de que S(x) para os pontos medidos deve ser igual a z(x) e ao
mesmo tempo a seminorma de suavização I(S) deve ser o menor possível.

S(xj)=z(xj) e I(S)=min em que,

z(xj) - valores das variáveis nos pontos xj amostrados; e

I(S) - função que mede a suavização de S chamada de seminorma de suavização.

Um ponto x é definido pelos valores (x1, x2) sendo x1 a localização na coordenada x cartesiana e
x2 a coordenada y cartesiana.

50
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

O Spline é considerado o melhor método de ponderação para representar superfícies distintas, a


exemplo de vales e cordilheiras, como também fenômenos como a temperatura. Cinco tipos de
funções podem ser aplicadas a partir deste ponderador: o spline regularizado, suave, com tensão,
função multiquadrática e multiquadrática inversa. A partir de cada uma destas funções, é possível
gerar diferentes tipos de superfícies de interpolação. Na Figura 3.8 está representado o mapa
das médias anuais pluviométricas para o Estado do Ceará, com a aplicação do interpolador Spline
de Tensão.

Figura 3.8 Mapa com a interpolação das médias anuais pluviométricas a partir do método Spline de
Tensão.

51
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

3.2.2 Natural Neighbor

Conhecido como interpolação do vizinho natural, funciona a partir de pontos de dispersão em


clusters e com média ponderada. Segundo Smith et al (2009) a interpolação com o método do
Vizinho Natural cria pesos para cada um dos pontos de entrada com base em sua “área de
influência” assumido. Estas áreas são determinadas através da geração de polígonos de Voronoi
em torno de cada ponto de entrada (Figura 3.9).

Figura 3.9 Representação dos polígonos de Voronoi. Fonte: Kolahdouzan & Shahabi (2004)

Neste método de interpolação é possível executar grandes conjuntos de dados de forma eficiente
e definir o nível de influência de qualquer ponto de dispersão sobre as células de saída. As
ponderações baseiam-se nas coordenadas locais e estas por sua vez, determinam a vizinhança ou
nível de influência do ponto de amostragem em relação aos valores no ponto a ser interpolado
(Figura 3.10).

Figura 3.10 Exemplo de representação espacial a partir da interpolação Natural Neighbor (Vizinho
Natural). Fonte: www.esri.com

52
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

A função usada na interpolação do Vizinho Natural está representada pela seguinte equação:

Onde:

Z é o valor interpolado para o nó da grade regular;

Zi é o valor do ponto amostrado vizinho ao subconjunto.

Também foi feito o teste dos dados das médias anuais de pluviosidade a partir do interpolador
Natural Neighbor cujo resultado pode ser visto no mapa na Figura 3.11 seguinte:

Figura 3.11 Mapa com a interpolação das médias anuais pluviométricas a partir do método Natural
Neighbor.

53
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

3.2.3 Krigagem: método de interpolação aplicado ao estudo de caso

Segundo Silva (2003), a Krigagem é um procedimento geoestatístico que foi primeiro introduzido
por Matheron (1963). Foi definido como uma estimativa de um atributo em um volume de suporte
através da ponderação de todas as amostras disponíveis, na qual os pesos ponderadores são
obtidos com a restrição de que seu somatório seja igual a 2 e a variância da estimativa seja
mínima.

Segundo ele há diferentes tipos de Krigagem, podendo dar uma impressão de complexidade, mas
segundo o autor, todas são técnicas de regressão que diferem apenas nos tipos peculiares de
funções obtidas a partir dos dados que estão sendo combinados para a obtenção da estimativa.

Este método de interpolação estatístico permite a aplicação em diversos casos, como na análise
de dados geoquímicos, das ciências da saúde, modelagem de fenômenos hidrológicos, antrópicos
e naturais, etc.

A partir da década de 90, alguns estudos (Voltz e Webster, 1990; Laslett, 1994; Myers, 1994;
Gotway et al., 1996; Dirks et al., 1998; Vieira, 2000; Barbosa, 2006; Tobin, et al., 2011) avaliaram
a importância do uso da Krigagem como o método mais adequado para interpolação de dados
pluviométricos no que se refere a predição de dados, já que se baseia num princípio de não-
tendenciosidade e variância mínima das estimativas. De acordo este método, a distância entre os
pontos ou direção de uma amostra reflete uma correlação espacial que pode explicar a variação
do fenômeno ou dos dados na superfície (Figura 3.12):

Figura 3.12 Exemplo de representação espacial a partir da interpolação Krigagem. Fonte: www.esri.com

54
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

No processo de interpolação, um determinado número de pontos ou todos os pontos dentro de


um raio específico, uma função é ajustada para determinar o valor de saída para cada local. Utiliza
um raio de busca que pode ser fixo ou variável, sendo que os valores das células geradas podem
exceder o intervalo de valores das amostras (Figura 3.13).

Figura 3.13: Exemplo esquemático da interpolação de superfície controlado por um número específico
de pontos a partir do raio de influência. Fonte. www.esri.com

Neste método de interpolação, a variação espacial é quantificada por um semivariograma que se


constitui como um gráfico de dispersão da semivariância (medida de dispersão), versus a distância
dos pontos amostrados e serve para avaliar a dependência espacial das amostras.

Para interpolar o valor de um determinado ponto ou conjunto de pontos a partir da Krigagem, o


cálculo é representado pela seguinte equação matemática:

Onde,

Z(x) - é o valor do ponto que se deseja interpolar;

n - é a quantidade de pontos amostrados cujos valores serão usados na interpolação do ponto x;

Z(xi) - é o valor do ponto amostrado;

ωi - é o valor do peso do valor de Z(xi) sobre o ponto x.

55
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

A Krigagem do tipo ordinária é uma das mais importantes segundo Silva (2003). O objetivo é
encontrar um valor em uma certa posição x0 , utilizando-se os n dados vizinhos xi, através de uma
combinação linear com ponderadores λi, e é dada pela seguinte equação:

Onde,

Z (x ) é o ponto x estimado por krigagem ordinária e


*
0 0

Z (x ) é o valor do i-ésimo ponto amostral na vizinhança de Z (x ).


*
i
*
0

Neste estudo foram gerados um histograma (Figura 3.14) e um semivariograma de dispersão


dos dados de médias anuais pluviométricas do Estado do Ceará. A elaboração inicial de
histogramas para qualquer pesquisa é essencial para compreendermos como está configurada a
distribuição dos dados a ser analisada.

Figura 3.14 Histograma das médias anuais pluviométricas em (mm) do Estado do Ceará no período de
1974 a 2014.

Ao aplicar o histograma é possível ao usuário comparar células com diferentes valores em um


conjunto de dados contínuos em colunas ordenadas. As barras do histograma constituem-se pelo
número de células da grid onde os valores pertençam a uma determinada classe, permitindo ao
usuário comparar as diferentes classes de valores do conjunto total da informação existente.

No caso em questão, o histograma dos dados pluviométricos apresentou uma assimetria à

56
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

esquerda ou assimetria com cauda à direita. Esse comportamento indica uma maior concentração
dos valores entre as classes 334 e 655 e diminuindo gradualmente para as médias acima dos
665 mm de pluviosidade (Figura 3.14).

Já o semivariograma tem como principal objetivo identificar o nível de correlação existente entre a
distribuição dos dados interpolados (Figura 3.15). Segundo Soares (2014) é uma das
ferramentas mais utilizadas para representar a continuidade espacial de uma função
aleatória Z(u) na direção de um vetor h. Esta função é muito utilizada na geoestatística para
determinar e explorar os padrões ou continuidades espacial.

Figura 3.15 Semivariograma das médias anuais pluviométricas do Estado do Ceará no período de 1974
a 2014.

Para percebemos melhor como os dados do semivariograma de dispersão das médias anuais
pluviométricas do Estado do Ceará estão espacialmente distribuídos, foi aplicada uma Análise de
Superfície de tendência (Trend Analysis) (Figura 3.16). Constitui-se como um método de regressão
polinomial que permite a correção ou ajuste de uma superfície teórica contínua a partir de critérios
de regressão por mínimos quadrados.

Segundo Zani & Assine (2009), as superfícies de tendência podem ser usadas para inferir sobre a
presença de tendências ou estimar características de interesse sobre os dados, além de verificar
flutuações locais dado pelos resíduos, ou seja, a diferença entre o modelo e os dados originais em
relação a tendência. Os gráficos com linhas de tendências estatística permitem portanto, estimar
a relação entre uma variável ou diversas variáveis identificando problemas não previstos.

57
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

Figura 3.16 Gráficos 3D de Análise de Superfície de Tendência das médias anuais da pluviosidade do
Estado do Ceará entre 1974 e 2014. A) detalhe em perfil latitudinal, linha côncava em azul (N-S) da
distribuição dos dados; B) visão em perspectiva dos perfis latitudinal e longitudinal; C) detalhe da
distribuição dos centróides por subbacias no território do Estado do Ceará.

Nos gráficos de análise de tendência apresentados, é possível identificar como os pontos com os
valores das médias pluviométricas se distribuem no território do Estado do Ceará. Na Figura 3.16
(A), a parábola em azul, no sentido norte-sul, apresenta uma tendência côncava, sendo que ao
norte (Y) os valores das médias anuais da pluviosidade apresentam percentual mais elevado do
que na parte sul, enquanto no centro da linha de tendência predomina os valores mais baixos do
gráfico, caracterizando assim, a área do Estado com as médias pluviométricas mais baixas dentro
do período de 34 anos.

Na linha de tendência vermelha há um leve aumento da inclinação no sentido oeste-leste, o que


representa uma maior concentração de valores na parte oeste do Estado, relacionado a uma maior
concentração de postos pluviométricos nesta área. Após as análises dos métodos testados para
os dados históricos de pluviosidade do Estado do Ceará, o interpolador que melhor correlacionou
e ponderou os valores das médias pluviométricas foi a Krigagem, sendo aplicado um modelo de
semivariograma gaussiano para a geração do mapa da distribuição das Médias Pluviométricas
Históricas para o Estado do Ceará (Figura 3.17; ANEXO 3.1).

58
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

Figura 3.17 Mapa das médias anuais de pluviosidade dos últimos 34 anos (1974 à 2014) do Estado do
Ceará gerado a partir da interpolação por Krigagem Gaussiana.

3.3 Análise dos dados das médias pluviométricas

No mapa de médias anuais pluviométricas (Figura 3.17), os valores vão desde os 200mm até
os 1400mm, uma diferença de 1200mm entre o valor mínimo e máximo, o que pode ser explicada
pela variabilidade de massas de ar que atuam na região nordeste do país em período distintos.
Nas mesorregiões Noroeste Cearense (4), Região Metropolitana de Fortaleza (5) e numa
porção da mesorregião Norte (3) do Estado do Ceará, concentram-se as maiores médias anuais
de pluviosidade (polígono em cores de tons azuis) que podem chegar próximo aos 1400 mm.
Também são identificadas médias relativas na porção centro-leste da mesorregião Sul Cearense
(1), onde se localiza o Geoparque Araripe, com médias anuais máximas de até 1142 mm (Figura
3.18).

59
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

Figura 3.18 Mapa das médias anuais de pluviosidade dos últimos 34 anos (1974 à 2014) com
sobreposição das mesorregiões Cearenses.

60
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

Em contrapartida, os menores valores de médias pluviométricas (poligonais em tons vermelhos e


alaranjados no mapa), concentram-se na totalidade das mesorregiões Sertões Cearenses (2); do
Jaguaribe (6); do Centro-sul Cearense (7) e na parte oeste Sul Cearense (1), com registro de
mínimas pluviométricas de apenas 209 mm.

Para melhor compreendermos e explicarmos o resultado do mapa das médias anuais gerados a
partir dos dados pluviométricos dos postos de coletas e fornecidos pelo Cogerh, apresentamos um
resumo dos principais sistemas de massas de ar que atuam no Nordeste e que influenciam nas
características climáticas do Estado. Para uma compreensão mais aprofundada e completa da
dinâmica climatológica do Estado do Ceará ver Ferreira e Melo, (2005).

Segundo a FUNCEME, os principais sistemas de massas de ar que atuam no Nordeste, onde


localiza-se o Estado do Ceará, são:

1- Zona de Convergência Intertropical (ZCIT): que é o sistema meteorológico mais


importante na determinação de quão abundante ou deficiente serão as chuvas no setor norte
do Nordeste do Brasil (Figura 3.19);

Figura 3.19 Massas de ar atuantes na região Nordeste associadas à Zona de Covergência Intertropical,
com detalhes para o Estado do Ceará. Fonte: FUNCEME, 2014

2- Frentes Frias: que são bandas de nuvens organizadas que se formam na região de
confluência entre uma massa de ar frio (mais densa) com uma massa de ar quente (menos
densa) (Figura3.20).

61
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

Figura 3.20 Massas de ar atuantes na região Nordeste associadas à Frente Fria, com detalhes para o
Estado do Ceará. Fonte: Climatempo, 2014.

3- Linhas de Instabilidade-LI: se formam principalmente nos meses de verão no hemisfério


sul (dezembro a março), encontram-se ao sul da Linha do Equador influenciando as chuvas no
litoral norte do Nordeste e regiões adjacentes e ocorrem no período da tarde e início da noite.
As Linhas de Instabilidade são bandas de nuvens causadoras de chuva, normalmente do tipo
cumulus, organizadas em forma de linha daí o seu nome (Figura 3.21).

Figura 3.21 Massas de ar atuantes na região Nordeste associadas à Linha de Instabilidade, com detalhes
para o Estado do Ceará. Fonte: FUNCEME, 2014

62
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

4- Complexos Convectivos de Mesoescala: Os CCM´s são aglomerados de nuvens que se


formam devido à condições locais favoráveis (temperatura, relevo, pressão, etc) e provocam
chuvas fortes e de curta duração. Normalmente as chuvas associadas a este fenômeno
meteorológico ocorrem de forma isolada (Figura 3.22).

Figura 3.22 Massas de ar atuantes na região Nordeste associados ao Complexo Convectivo de


Mesoescala, com detalhes para o Estado do Ceará. Fonte: FUNCEME, 2014

A atuação destes sistemas atmosféricos que ocorrem na região nordeste é fator principal e
determinante na caracterização climática existente no território Cearense e influenciam da mesma
maneira no desenvolvimento socioeconômico do Estado, já que em grande parte dele tem como
principal atividade a agricultura de subsistência.

3.4 Extração dos canais, hierarquização e geração das


subbacias a partir do MDT

Compreendido como uma representação matemática computacional da distribuição de um


determinado fenômeno, o MDT tem um papel importante para a configuração de superfícies
(Figura 3.23). Das representações possíveis, temos: a elaboração de mapas de declividade,
direção de fluxo (escoamento), topográficos, de aspecto, de acumulação, além de servir de base
para compreensão de processos erosivos e construções tridimensionais de diversas variáveis
(Araujo e Silva, 2011).

63
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

Figura 3.23 Modelo Digital de Terreno (30m) do Estado do Ceará com paleta falsa-cor. Fonte: SRTM,
2008, fornecido pela CPRM, 2008.

Segundo Silva (2003), o Modelo Digital de Terreno corresponde à descrição espacial dos diversos
tipos de terreno, expressando de forma contínua o tipo de relevo. A partir do MDT, pode-se extrair
automaticamente a drenagem de uma determinada bacia além da declividade e do aspecto.

As etapas de geoprocessamento do MDT para a extração dos canais e posterior geração das sub-

64
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

bacias no programa Arc Hydro, estão esquematizadas no fluxograma representado na Figura 3.24
e descrita a seguir:

Figura 3.24 Fluxograma metodológico do processamento do MDT para extração dos canais fluviais e
posterior geração das sub-bacias.

Etapas iniciais para o tratamento do MDT:

1. Junção do mosaico dos originais dos MDTs do Estado do Ceará.


2. Reprojeção do Datum original das cartas (WGS 84 para SIRGAS 2000 - zona 24S);
3. Recorte dos mosaicos correspondente a área do território do Estado do Ceará.
4. Processos para extração de canais e sub-bacias a partir do MDT no programa Arcgis 10.1:
Fill Sinks → Flow Direction → Flow Acumulation → Stream Definition → Stream
Segmentation → Catchment Grid Delineation → Catchment Polygon Processing →
Drainage Line Processing → Adjoint Catchment Processing → Drainage Point Processing
→ Batch Point Generation → Whatershed Delineation → Export shapefile

Com base no Modelo Digital de Terreno do Estado do Ceará (Figura 3.23) foram extraídas
informações/dados para o processo de classificação da diversidade dos recursos hídricos. O mapa
seguinte apresenta a classificação hierárquica de canais segundo método de Strahler (1957).

65
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

Essa classificação foi realizada após a extração semiautomática dos cursos d’água gerada a partir
do MDT e que está descrita no ponto 4 dos ‘Processos para extração de canais e subbacias’
elencadas anteriormente.

Foram identificadas para todo o território do Ceará 7 ordens de hierarquia de canais. De acordo
com Strahler (1957) a identificação se inicia com os cursos de 1ª ordem, que são aqueles que não
recebem nenhum afluente. A partir da confluência de dois cursos de 1ª ordem, forma-se um
segmento de 2ª ordem. A confluência de dois cursos de 2ª ordem define um curso de 3ª ordem e
assim por diante. Quando se juntam dois cursos de ordens diferentes, prevalece a maior ordem
(Figura 3.25).

Figura 3.25 Esquema com representação da hierarquia de canais segundo Strahler (1957) associado a
cada aresta de um grafo. Fonte:https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Flussordnung_(Strahler).svg

No mapa da classificação de hierarquia de canais do Estado do Ceará (Figura 3.26; ANEXO


3.2), a maior concentração é de cursos de 1ª ordem com um total de 4753 canais e de 2ª ordem
com 2224 canais, menos da metade dos de 1ª ordem. Os de 3ª ordem apresentaram 259 canais,
cerca de 1⁄9 do número de canais de 2ª ordem. Já os canais de 4ª e 5ª representam cerca de 1⁄5
do número de canais de ordem imediatamente superior; os canais de 6ª ordem correspondem a
¼ do número de canais de 5ª ordem e os de 7ª ordem são 1⁄
3 dos de 6ª ordem. Na Figura
3.27, apresentamos um gráfico com a distribuição da quantidade de cursos d’água por ordem
hierárquica.

66
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

Figura 3.26 Classificação hierárquica de canais segundo o método de Strahler (1957), geradas a partir
do MDT.

Números de curso d'água


5000 4753
nº de cursos d'água

4000
3000 2224
2000
1000 1 3 12 56 259
0
7ª 6ª 5ª 4ª 3ª 2ª 1ª

ordem

Figura 3.27 Gráfico com a distribuição do número de cursos d’água do Estado do Ceará por
ordem hierárquica.

67
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

3.5 Mapeamento do Potencial dos Recursos Hídricos do


Estado do Ceará

3.5.1 Subbacias versus grid regular no processo de quantificação

Para o mapeamento do PRH do Estado do Ceará, os dados de recursos hídricos foram tratados
através de cálculos estatísticos e matemáticos para que pudessem, em uma etapa posterior, serem
geoprocessados a partir de técnicas de ponderação e interpolação para enfim, gerar informação
necessária a aplicação da metodologia de classificação do índice de PRH.

O método utilizado por Pereira et al. (2013) para calcular os índices de Geodiversidade, baseia-se
no uso de um sistema de grid regular (25km x 25km) em que os elementos da Geodiversidade
(recursos minerais, pedologia, geologia, geomorfologia e paleontologia), foram separadamente
quantificados por quadrícula. Como resultado, obteve-se os índices parciais de cada elemento
temático, cuja grid foi preenchida com índices individualizados de acordo a variação das
ocorrências. Posteriormente, os valores das quadrículas de cada grid com os índices dos elementos
da Geodiversidade foram somados, resultando assim, no mapa de Geodiversidade.

O upgrade realizado a partir da metodologia de Pereira et al. (2013), consiste na substituição da


grid regular de 25x25 km, pela grid dos limites naturais das bacias hidrográficas. Na quantificação
do PRH, a adoção do uso dos limites naturais foi pensada respeitando a influência e ocorrência
dos fenômenos hidricos de cada uma das subbacias hidrográficas.

A adoção neste estudo da área da bacia como limite para a ponderação do PRH, tem como base
a Lei Federal Brasileira n.º 9.433 do dia 8 de janeiro de 1997, que instituiu a Bacia Hidrográfica
como unidade de território para a prática da Política Nacional de Recursos Hídricos e ação do
Sistema Nacional de Gerenciamento de recursos hídricos, sendo que no artigo 8º desta lei, os
planos de recursos hídricos devem ser elaborados por bacia hidrográfica, tanto a nível Federal
quanto a nível Estadual.

A classificação dos índices de diversidade dos recursos hídricos com base nos limites das bacias
hidrográficas é importante pelo fato de que serão valorizadas suas especificidades e
singularidades, fundamentais para traçar estratégias específicas de gestão para cada uma das
bacias.

68
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

Definida a grid, foram realizados os procedimentos de geoprocessamento para a extração dos


dados de pluviosidade, da hierarquização de canais e das subbacias. Os dados de vazão específica
e dos reservatórios hídricos, foram adquiridos no site do Cogerh, em formato shapefile, onde foram
posteriormente tratados e eliminados possíveis erros topológicos.

Na Figura 3.28, temos um exemplo de um esquema com a representação do cálculo dos índices
da ocorrência de um determinado elemento dentro da subbacia, podendo variar a metodologia
para a contagem do elemento de acordo o tipo e a forma que ele ocorre no espaço.

Figura 3.28 Representação esquemática da ponderação dos valores de vazão específica para o cálculo
do índice de vazão específica de uma subbacia.

Após o tratamento, correção e elaboração dos resultados preliminares, no subcapítulo seguinte


estão as etapas para a geração dos mapas com os índices parciais de cada um dos temas dos
recursos hídricos que foram previamente selecionados.

3.5.2 Índices parciais do Potencial dos Recursos Hídricos

Os valores dos índices parciais de cada um dos componentes de recursos hídricos foram
ponderados de acordo as especificidades de cada tema. Por possuírem atributos espaciais
distintos, foram utilizados metodologias diferentes para a quantificação das ocorrências, mas tendo
como base de referência para todos os componentes a grid vetorial das subbacias. Para todos os

69
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

mapas dos índices parciais (vazão específica, hierarquia de canais, pluviosidade e reservatórios)
os valores foram recalculados com o objetivo de que todos possuíssem o mesmo número de classe
(5 classes) e serem posteriormente somados, gerando-se assim, o mapa com os índices de PRH.

3.5.2.1 Índice de Vazão Específica

Para a classificação do índice parcial de vazões específicas, utilizou-se o mapa de potencial


hidrogeológico adquirido no site do Cogerh (Figura 3.29), e que contém as vazões específicas por
formação geológica à escala 1:2.500000 (IBGE, 2013). A vazão específica (l/s/m) é a vazão
extraída para cada unidade de rebaixamento do nível de água (m3/h/m).

Este valor indica a maior ou menor potencialidade de uma captação subterrânea em função da
unidade geológica em que é efetuada. Originalmente, o mapa define 5 classes de vazão específica,
pelo que substituímos cada um dos valores destas classe por índices variando de 1 (muito baixa)
a 5 (muito alta), de acordo com a metodologia adotada para o restante índices (Tabela 3.1).

Tabela 3.1 Correspondência entre os valores da vazão específica e os respectivos índices.

O passo seguinte foi reeditar no programa Arcgis 10.1 a tabela do mapa de vazões específicas e
substituir os valores pelos índices correspondentes (Figura 3.29), gerando assim um novo mapa
com valores inteiros para cada uma das unidades de vazão.

70
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

Figura 3.29 Mapa das unidades de vazões específicas com os respectivos valores reclassificados para o
Estado do Ceará-Brasil. Modificado de Cogerh, 2014.

O terceiro passo foi identificar os valores das vazões específicas que estariam dentro da área que
corresponde a cada uma das subbacias. Pelo fato de algumas delas possuírem dois ou mais níveis
de vazões específicas, foi necessário calcular para estas subbacias a média ponderada dos valores
da vazão específica.

Em seguida, já com todos os respectivos valores de vazão corrigidos, estes foram transferidos para
a tabela que corresponde à grid das subbacias e a posteriori cada subbacia foi classificada pelo
peso da vazão equivalente (Figura 3.30 C; ANEXO 3.3).

71
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

Figura 3.30 Esquema com a quantificação dos índices das vazões específicas. A) os valores das vazões
de cada unidade foram substituídos por índices correspondentes. B) grid das subbacias para inserção das
médias ponderadas; C) mapa com o somatório final das ocorrências de vazões por subbacias com classes
que variam de 1 a 5. Fonte dos dados: Adaptado de Cogerh, 2014.

3.5.2.2 Índice de Hierarquias de Canais

A hierarquia dos canais constitui um dos indicadores indiretos da quantidade de água superficial
disponível. No processamento do índice de hierarquias de canais considerou-se como valor a ser
computado o da maior hierarquia existente dentro da bacia, sendo desconsideradas as hierarquias
inferiores. Para isso, aplicou-se a função union do Arcgis entre os vetores dos canais e das
subbacias para a correlação e contagem das ocorrência de níveis de canais em cada subbacia,
considerando apenas aquelas de maior valor para posteriormente gerar a tabela contendo todos
os valores indicativos das ocorrências de hierarquias. Como resultado, obteve-se um mapa cujos
índices variaram entre 3 e 7 (Figura 3.31 C; ANEXO 3.4) posteriormente reclassificados.

72
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

Figura 3.31 Esquema com a quantificação dos índices das hierarquias de canais. A) mapa com os canais
hídricos representados pelas hierarquias de níveis 3 a 7 pela classificação de Strahler, 1975; B) grid das
subbacias para a geração da tabela com os valores dos índices hierárquicos; C) mapa com a identificação
das maiores hierarquias presentes em cada subbacia. Dados gerados a partir do MDT (CPRM, 2008b).

3.5.2.3 Índice das Médias Pluviométricas

Após a elaboração do Mapa das Médias Anuais de Pluviosidade gerado pelo método de
interpolação por Krigagem gaussiana (Figura 3.17; ANEXO 3.1), foi feita a reclassificação para
cada intervalo de pluviosidade em valores inteiros, os quais passaram a variar de 1 a 14. Porém,
como grande parte das subbacias possuem mais de um valor de pluviosidade, foi necessário
adotar metodologicamente uma forma de considerar qual valor corresponderia à subbacia.

Neste caso, foram gerados centroides a partir da grid das subbacias e a estes foram atribuídos
valores de acordo o valor da precipitação no ponto do centroide. Após correlacionar o valor de
pluviosidade a todos os centroides e gerar uma tabela com os índices correspondentes, estes
foram correlacionados à grid vetorial das subbacias para em seguida, gerar o mapa com o índice
parcial de pluviosidade das médias anuais por subbacia para o Estado do Ceará (Figura 3.32 C;
ANEXO 3.5).

73
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

Figura 3.32 Esquema com a quantificação dos índices das médias anuais de pluviosidade. A) mapa de
índices de pluviosidade; B) mapa base das subbacias para a geração da tabela com os valores dos índices
hierárquicos; C) mapa com a identificação dos índices pluviométricos por subbacia.

3.5.2.4 Índice de Reservatórios Hídricos

São designados como reservatórios os espelhos de água represados por meio de barragem do
leito. Os reservatórios, independentemente do fim para que foram criados (abastecimento
doméstico, agrícola ou hidroelétrico), constituem um aumento na disponibilidade de água
superficial. Para o processamento do mapa com o índice de reservatórios, inicialmente foram
identificadas e separadas as subbacias com presença de reservatórios de água. Para isso, foram
utilizados o arquivo vetorial contendo as camadas dos reservatórios existentes no território do
Estado do Ceará, na escala de 1: 2.000.000 (IBGE, 2010) e o arquivo vetorial das subbacias.

Posteriormente foram calculadas as porcentagens de área em Km2 de cada reservatório em relação


à área em Km2 da subbacia correspondente. Para a obtenção destes cálculos utilizou-se a
ferramenta Field Calculator do Arcgis com o objetivo de otimizar e obter maior precisão nos
cálculos dos dados das áreas dos reservatórios, os quais foram identificados valores em % que
variaram de 0 a 27% em relação à área de cada subbacia.
74
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

Assinalamos que das 337 subbacias, 151 subbacias possuem reservatórios hídricos que
correspondem a valores superiores ou iguais a 1% da área da subbacia. Em seguida, estas
informações foram unidas à tabela das subbacias para que os percentuais de área em km 2 dos
reservatórios fossem espacializados (Figura 3.33 C; ANEXO 3.6).

Figura 3.33 Esquema com a quantificação dos índices dos reservatórios hídricos. A) mapa dos
reservatórios hídricos do Estado do Ceará; B) grid das subbacias para a geração da tabela com os valores
dos índices hierárquicos; C) mapa com a distribuição dos percentuais de área dos reservatórios por
subbacias.

3.5.3 Reclassificação dos índices parciais

Após a finalização dos cálculos para elaboração dos mapas com todos os índices parciais
(pluviosidade, vazão específica, hierarquia de canais e reservatórios), foi necessário reclassificar
todos os índices parciais brutos (Tabela 3.2) para um mesmo número de classe, sendo gerando
uma nova tabela com os valores de cada índice (Tabela 3.3; ANEXO 3.9).

75
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

Tabela 3.2 Extrato da tabela dos valores brutos não normalizados dos índices parciais e totais para o
cálculo do PRH. Constam os maiores e menores valores de um total de 338 subbacias. Comparar com
os dados normalizados para 5 classes da tabela 3.3

ID/sub Pluviosidade Vazão Hierarquia Reservatórios TOTAL


265 6 3 5 16 30
349 4 5 4 9 22
513 4 3 7 5 19
41 4 2 6 16 28
650 5 3 4 23 35
7 11 2 4 6 23
718 10 2 4 14 30
119 12 3 3 4 22
145 12 2 3 7 24
210 7 1 4 27 39
259 5 3 4 13 25
315 6 5 3 4 18
721 10 4 4 0 18
136 9 2 5 2 18
102 10 2 3 11 26
462 7 2 4 11 24
89 8 2 3 12 25
551 8 2 5 3 18
503 5 2 6 7 20
29 8 3 3 4 18
(…) (…) (…) (…) (…) (…)
591 1 1 3 0.4 5
638 2 1 3 1 7
589 1 1 3 0 5
143 3 1 3 1 8
480 3 1 3 0 7
751 3 1 3 1 8
247 2 1 3 0 6
292 3 1 3 0 7
112 2 1 3 0 6
25 2 1 3 1 7

Assim, para cada mapa de índice parcial, os valores finais (índices) passaram a variar de 1 (menor
índice) a 5 (maior índice) de acordo com os valores correspondentes de cada elemento hídrico
calculado. Os resultados com os valores recalculados podem ser visualizados na Figura 3.34.

76
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

Figura 3.34 Mapas parciais com os índices recalculados para 5 classes. A) mapa de índices das vazões
específicas; B) mapa de índices de hierarquia de canais; C) mapa de índices de pluviosidade e D) mapa
de índices dos reservatórios calculados em porcentagem de área.

3.5.4 Cálculo do Potencial dos Recursos Hídricos (PRH)

Com os resultados preliminares elaborados, ou seja, os mapas dos índices parciais, foi possível
iniciar o processo de classificação dos índices do PRH do Estado do Ceará. Munido dos valores
parciais já anteriormente calculados, a etapa seguinte foi sumarizar todos esses valores com o
intuito de estabelecer uma correlação entre os níveis de PRH para todas as subbacias do Estado.

77
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

Esse processo foi realizado através da ferramenta Field Calculator do Arcgis, em que os valores
foram somados e como resultado final, obteve-se uma nova coluna no shape das subbacias com
o somatório total por subbacia dos índices de PRH cujos valores variaram entre 4 e 14 (Tabela
3.3). Com base nestes valores foi gerado o Mapa de Índices de PRH (Figura 3.35 (5); ANEXO 3.7).

Tabela 3.3 Extrato da tabela dos valores descendentes dos índices parciais e o total de PRH. Constam
os maiores e menores valores de um total de 338 subbacias.

ID/sub Pluviosidade Vazão Específica Hierarquia Reservatórios Potencial dos Recursos


(1 -5) (1 – 5) (1 – 5) (1 – 5) Hídricos
265 3 3 3 5 14
349 2 5 2 4 13
513 2 3 5 3 13
41 2 2 4 5 13
650 2 3 2 5 12
7 5 2 2 3 12
718 4 2 2 4 12
119 5 3 1 2 11
145 5 2 1 3 11
210 3 1 2 5 11
259 2 3 2 4 11
315 3 5 1 2 11
721 4 4 2 1 11
136 4 2 3 2 11
102 4 2 1 4 11
462 3 2 2 4 11
89 4 2 1 4 11
551 4 2 3 2 11
503 2 2 4 3 11
29 4 3 1 2 10
(…) (…) (…) (…) (…) (…)
591 1 1 1 1 4
638 1 1 1 1 4
589 1 1 1 1 4
143 1 1 1 1 4
480 1 1 1 1 4
751 1 1 1 1 4
247 1 1 1 1 4
292 1 1 1 1 4
112 1 1 1 1 4
25 1 1 1 1 4

78
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

Figura 3.35 Esquema com a soma dos índices de vazão específica, hierarquia de canais, médias anuais
de pluviosidade e reservatórios. (1) Snip do mapa de índice parcial da vazão específica; (2), Snip do mapa
de índices de hierarquias de Canais segundo Stralher, 1957; (3) Snip do mapa com índices de médias
pluviométricas (34 anos); (4) Snip do mapa com o índice de reservatórios por bacias hidrográficas; (5),
Mapa de Índices do PRH das subbacias do Estado do Ceará, para a posterior geração do mapa de Avaliação
de PRH pelo método de interpolação de dados espaciais.

79
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

A metodologia desenvolvida neste capítulo permite classificar de maneira clara e objetiva como
um determinado fenômeno, ou vários deles, se estabelecem num dado espaço do território. No
caso em específico é possível observar, a partir da quantificação e somatório dos elementos
parciais, tendo como base as subbacias, onde existem no território maior ou menor potencial de
recursos hídricos (Figura 3.35 (5)).

Contudo, para melhor compreender como está distribuída o PRH no território, foi aplicado para os
valores finais, a interpolação por Krigagem gaussiana (Figura 3.36; ANEXO 3.8), estabelecendo
assim, uma correlação e espacialização entre os valores dos índices, dando-nos uma noção da
forma como distribui-se o fenômeno no território.

A interpolação envolve a criação de estruturas de dados e a definição de superfícies de ajuste com


o objetivo de se obter uma representação contínua do fenômeno a partir das amostras. Essas
estruturas são definidas de forma a possibilitar uma manipulação conveniente e eficiente dos
modelos pelos algoritmos de análise contidos no SIG (Felgueiras, 2001).

80
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

Figura 3.36 Esquema ilustrando a soma dos valores dos índices parciais para posterior geração do mapa
de Índices do PRH e o resultado final do mapa de Avaliação do PRH do Estado do Ceará gerado a partir da
interpolação dos dados.

81
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

3.6 Interpretação e discussão dos resultados do capítulo

Neste capítulo foram gerados resultados parciais que foram essenciais para o desenvolvimento e
aplicação da metodologia para a obtenção do mapa do PRH do Estado do Ceará. O primeiro
resultado, o mapa da médias anuais de pluviosidade, foi gerado a partir dos cálculos e
processamentos dos dados brutos de pluviosidade adquiridos na base de dados do Cogerh, e
contém a distribuição das médias anuais da pluviosidade dos últimos 34 anos (Figura 3.17).
Os valores pluviométricos obtidos variam desde os 200mm para as regiões mais secas até os
1400mm para as áreas mais úmidas do Estado. Destacam-se 3 regiões com maior incidência de
pluviosidade, duas na porção Norte do Estado e uma na porção Sul. Os maiores níveis
pluviométricos encontrados na porção Norte estão diretamente relacionados à atuação de 3
principais massas de ar: a ZCIT (Zona de Convergência Intertropical), a LI (Linhas de Instabilidade)
e os CCM’s (Complexos Convectivos de Mesoescala) e determinam quão abundantes são as
chuvas nestas regiões. Já no setor sul, as frentes frias são as que mais influenciam para o aumento
da pluviosidade da região. Já os setores da porção centro-oeste até a parte leste do estado,
caracterizam-se por possuírem os menores índices pluviométricos, resultado da menor influência
destas massas de ar nestas regiões.
Segundo Souza (2000), as áreas úmidas compreendem principalmente os topos e vertentes de
barlavento dos maciços cristalinos e dos planaltos sedimentares. As áreas subúmidas, com totais
pluviométricos pouco superior a 900 mm anuais, abrangem o litoral e asseguram um teor de
umidade que se prolonga por 6-7 meses durante o ano. A semiaridez propriamente dita, com
déficits hídricos na maior parte do ano, apresenta um caráter mais acentuado nas depressões
interiores, como nas regiões dos Inhamuns, de Irauçuba e do Médio-Jaguaribe, configuradas como
núcleos de desertificação. Atenua-se nos pés-de--serra, nos baixos maciços e nos sertões mais
próximos do litoral. De modo genérico, as chuvas são de verão-outono e as médias térmicas
superiores a 24ºC, caracterizando um clima quente ou megatérmico. O mapa com as médias
anuais de pluviosidade, contribui para a compreensão do comportamento climático do Estado nas
últimas 3 décadas, o que possibilita orientar e estabelecer análises mais profundas sobre quais
políticas de gestão dos recursos hídricos melhor se aplicam para cada área do Estado do Ceará.
Posteriormente foi gerado o mapa da grid hidrográfica do Estado. A partir do Modelo Digital de
Terreno foram extraídas as principais redes de drenagem para todo o território do Ceará e
posteriormente classificadas a partir do método de Strahler (1957) onde foram obtidos 7 ordens

82
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

de hierarquia. Foram extraídos 7308 segmentos de canais e destes, 6977 segmentos


correspondem a hierarquias de 1ª e 2ª ordem, ou seja, 95% dos canais. A concentração das
maiores ordens hierárquicas localizam-se no setor Leste do Estado e variam desde a 4ª ordem até
a 7ª ordem. Essa concentração está relacionada com a presença de importantes rios como o
Barnabuiú e o Salgado, e são os mais importantes afluente do maior rio do Ceará, o Jaguaribe,
com 610km de extensão, cuja bacia hidrográfica compreende mais de 50% do território Cearense.
É nesta bacia que estão as duas maiores barragens e consequentes reservatórios hídricos do
Estado, o Orós e o Castanhão, que juntos possuem capacidade de armazenamento da ordem dos
8800 milhões de metros cúbicos de água.
Depois de classificadas as ordens hierárquicas, foram geradas as subbacias no Arc Hydro 338,
tendo como base os segmentos das linhas de drenagem e suas respectivas hierarquias, definindo
um polígono para cada segmento de rede. Nesse processo optou-se pela junção das áreas da
subbacias das hierarquias de 1ª e 2ª ordem nas de 3ª ordem, para evitar a geração de um número
muito grande de subbacias com áreas muito pequenas. Foram geradas as subbacias a partir da
3ª ordem hierárquica, geralmente abaixo dos 700km2 de área, de forma a serem consideradas
como subbacias hidrográficas (Faustino, 2005; Martins et al., 2005). As subbacias com as
menores áreas, concentram-se nos setores centro-oeste e em parte do Norte, o que corresponde
diretamente à presença nestas áreas de canais de menores ordens hierárquicas. O contrário se
dá nas demais áreas que concentram subbacias com uma maior extensão, diretamente
relacionadas com canais de maior ordem hierárquica. A partir da grid vetorial das subbacias foram
obtidos os resultados de todos os índices parciais (hierarquias de curso de água, vazão específica,
pluviosidade e reservatórios hídricos).
No cálculo para quantificação do mapa parcial dos índices da hierarquia de canais, foram obtidos
os índices dos níveis hierárquicos por subbacia dos quais variaram de 1 a 5 (Figura 3.31). Do
total das subbacias, 75% delas apresentaram índice 1, que corresponde a 3ª ordem na hierarquia
Strahler, 15% apresentou índice 2 (4ª ordem), 5% índice 3 (5ª ordem), 3% índice 4 (6ª ordem) e
2% índice 5 (7ª ordem). Esse resultado possibilita conhecer quais áreas e/ou subbacias possuem
maior fluxo hídrico da região, facilitando traçar o nível de importância dos diferentes processos
hidrológicos de cada uma destas subbacias e consequentemente a importância do uso destas
para as comunidades inseridas nestas áreas.
O mapa parcial da vazão específica também foi reclassificado para 5 classes (índices de 1 a 5).
Na análise das vazões específicas por subbacias, os setores noroeste, nordeste e sul apresentam

83
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

as subbacias com os maiores índices de vazão específica, sendo a porção nordeste do Estado a
que apresentou os maiores índices (4 e 5), seguida da região sul (4) e noroeste (3) (Figura 3.30).
Os altos valores apresentados nestas regiões estão associados a domínios do tipo sedimentar com
alta potencialidade hidrogeológica. Em contrapartida, a porção centro-oeste possui as subbacias
com menores índices de vazão específica, prevalecendo subbacias com índice 1 e na porção norte
e centro-leste predominam subbacias com níveis de vazão específica com índice 2, também
consideradas de baixo índice de vazão. Segundo Brandão (2014) “do ponto de vista hidrogeológico,
o estado do Ceará pode ser dividido em três domínios: o Cristalino ou Fissural, o Sedimentar ou
Poroso e o Misto ou Poroso-Fissural (Figura 3.37).

Figura 3.37 Mapa da classificação hidrogeológica do Estado do Ceará. Fonte: Brandão (2014).

“Em geral, o Domínio Cristalino apresenta rochas com baixa permeabilidade e uma porosidade
primária extremamente reduzida, o que as torna, em princípio, más fornecedoras de água. Como
a ocorrência de água subterrânea depende das características geológicas e das condições
climáticas, em algumas regiões onde ocorre intenso fraturamento/falhamento e as precipitações
pluviométricas são acima da média regional, a recarga e a circulação hídrica no sistema aquífero
são mais eficientes e as águas subterrâneas são de melhor qualidade. O Domínio Sedimentar é
representado pelas formações essencialmente clásticas que compõem as bacias sedimentares do
Araripe, na divisa do Ceará com Pernambuco, Paraíba e Piauí; Apodi, na divisa do estado com o
Rio Grande do Norte; e Parnaíba, na divisa com o Piauí. Nesse domínio os aquíferos apresentam
maior potencial de explotação em virtude da boa porosidade e permeabilidade de seus litotipos”.

Para o mapa parcial do índice de pluviosidade foram identificados inicialmente 14 níveis


84
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

pluviométricos, que por sua vez foram reclassificados para 5 classes e correlacionadas às
respectivas subbacias. Da mesma forma como foi analisado o mapa das médias de pluviosidade
neste tópico, o mapa parcial de pluviosidade por subbacias apresenta 3 regiões com maiores
índices pluviométricos (Figura 3.32; ANEXO 3.5). São as regiões noroeste, norte e sul do
Estado, apresentando respectivamente as subbacias com os maiores índices de pluviosidade. A
região centro-oeste é a que concentra a maioria das subbacias com baixos índices de pluviosidade,
enquanto a centro-leste e nordeste apresentam subbacias com valores intermediários de
pluviosidade. Todas estas características estão relacionadas com as tipologias climáticas atuantes
em cada uma destas regiões como foi explicado anteriormente.

O mapa parcial de índices de reservatórios foi elaborado a partir da base de dados com a
distribuição dos reservatórios no território do Estado do Ceará e disponibilizados pelo IBGE, 2015.
Os valores percentuais de área dos reservatórios em relação à área da subbacia equivalente variam
de 4% a 27%. Os valores em porcentagem foram ponderados e reclassificados para 5 classes. Das
338 subbacias, 69% possui índice 1; 17% possui índice 2; 7% índice 3; 4% índice 4 e 3% índice 5.
As subbacias que concentram as maiores áreas de reservatórios hídricos localizam-se
principalmente no setor centro leste do território Cearense. Dentre os principais, destacam-se os
reservatórios de Orós com capacidade de 2.100.000.000 m³, o que o coloca como o segundo
maior reservatório do estado e o açude Castanhão com capacidade de armazenamento de
6.700.000.000 m³, o que equivale a 37% de toda a capacidade de armazenamento dentre os
8.000 reservatórios cearenses (Cogerh, 2014).

A partir da soma dos índices parciais da vazão específica, hierarquia de canais, pluviosidade e
reservatórios hídricos, obteve-se o mapa do PRH por subbacias do Estado do Ceará com índices
que variam de 4 a 14. Foram identificadas 153 subbacias que possuem maior PRH e se
concentram-se nas regiões noroeste, norte, nordeste e sul do Estado e cujos índices variam entre
8 (Médio) e 14 (Muito alto), o que representa um percentual de 45% do total das subbacias (Figura
3.35 mapa 5). Com índices de 4 (Muito baixo) a 7 (Baixo) de PRH estão 185 subbacias ou 55%
do total, concentradas na porção centro-oeste do Estado e coincidindo com algumas das áreas
Sertões Cearenses: sertão de Crateús, sertão dos Inhamuns, sertão Central, sertão de Canindé e
sertão de Sobral) de acordo a nova delimitação de planejamento do Ceará realizado pelo IPECE
em 2015.

No Mapa de Avaliação do PRH sobreposto pelas mesorregiões do Estado do Ceará (Figura 3.38;

85
AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo III

ANEXO 3.8), destacam-se as áreas de valores de PRH, entre Médio a Muito Alto.

Figura 3.38 Mapa de Avaliação do PRH sobreposto pelas poligonais das mesorregiões do Estado do Ceará

A primeira área localiza-se na porção noroeste da mesorregião Noroeste Cearense, a segunda


nas mesorregiões da Zona Metropolitana de Fortaleza e na parte norte/nordeste da
mesorregião da Zona Norte do Ceará; a terceira no sentido sul-nordeste da mesorregião do Vale
do Jaguaribe e a quarta na zona centro-oeste da mesorregião da Zona Sul Cearense onde
localiza-se o Geoparque Araripe e o Sertão do Cariri. Para os menores índices de PRH os índices
variam de Muito Baixo a Baixo. Esses índices foram identificados na porção sudeste da
mesorregião do Noroeste Cearense, em sua quase totalidade na mesorregião dos grandes Sertões
Cearenses e em uma pequena área na porção noroeste da mesorregião do Vale do Jaguaribe e no
oeste Sul Cearense. Nesta fase, consideramos que a metodologia de quantificação aqui
apresentada e os respectivos resultados para a obtenção do mapa final do PRH, constituem-se
como relevantes instrumento de auxílio na análise e gestão das regiões de planejamento do Estado
do Ceará. Os resultados obtidos permitem supor que esta metodologia poderá ser aplicada com
sucesso a outras áreas.

86
CAPÍTULO IV

AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO


CEARÁ
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

88
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

4.1 Geodiversidade: Breve revisão conceitual

O conceito de Geodiversidade, assim como qualquer outro conceito que nasce no cerne do
conhecimento científico, passou e ainda tem passado pelo processo de autoafirmação conceitual.
Com pouco menos de 25 anos de existência, ainda persistem alguns questionamentos sobre sua
definição, já que contemplam-se “diferentes enfoques acerca do que é a Geodiversidade”
(Carcavilla, 2012), ou mesmo pelo fato do conceito não convergir para uma única definição dentro
da mesma perspectiva (Nieto, 2001).

Desta forma, podemos considera-lo ainda como um conceito em desenvolvimento, que carece de
tempo pra conquistar um status de conceito consolidado, já que o primeiro livro, exclusivamente
dedicado a discussão desta temática, só foi publicado em 2004 (Gray, 2004).

Essa variação conceitual pode estar diretamente relacionada ao fato de que, por muitos anos, a
geodiversidade e o patrimônio geológico de um determinado território foram geralmente analisados
sob a luz do conceito da biodiversidade. De fato, as características geológicas eram incluídas
geralmente no patrimônio biológico, cultural ou estético de forma tangencial e indireta, sem que
existisse uma estratégia concreta e dirigida para a conservação do mesmo (Dingwall, 2000).

“Es bien conocido el hecho de que en los movimientos y actuaciones de tipo conservacionista hay
una tendencia a considerar bienes a proteger los elementos paisajísticos y de la naturaleza viva
en general, mientras que la componente geológica ha sido considerada como el soporte de un
contexto más general, siendo mucho menos frecuentes las medidas de protección especialmente
dirigidas al patrimonio geológico.” (Bruschi, 2007).

Autores como Rojas (2005) e Serrano & Flaño (2007) afirmam, que por não existir uma definição
única sobre a Geodiversidade isso representaria um problema conceitual. Entretanto, segundo
Gray (2008) o termo "Geodiversidade" ganhou aceitação e uso internacional nos últimos anos e
agora merece o status de paradigma geológico.

Para Brilha (2005) é natural que tanto o termo como o conceito de Geodiversidade não apresentem
ainda uma implantação sólida, mesmo entre a comunidade geológica, já que o termo só veio a
surgir pela primeira vez em 1991 durante a reunião internacional de geoconservação (Panizza,
2007), e no Reino Unido em 1993, na Conferência de Malvern sobre Conservação Geológica e

89
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Paisagística (Sharples 1993; Dixon, 1995; Kiernan, 1994, 1997; Burek & Porter, 2002; Gray,
2004; Zwolinski, 2004; Serrano & Flaño 2007).

É normal que as discussões acerca de um tema que nasceu entre diversos outros temas já
consolidados nas abordagens do patrimônio natural, a exemplo do conceito de biodiversidade,
sejam efervescentes, pois sempre haverá autores que buscarão dar seu contributo acerca de um
tema que, se comparado analogicamente ao tempo geológico, ainda é embrionário.

Diante deste impasse conceitual, duas correntes de pensamento se dividem sobre o conceito de
Geodiversidade. A primeira composta por autores que defendem um conceito com caráter
predominantemente geológico (Sharples, 1993, 1995, 1997, 2002; Nieto, 2001, 2004; Nieto et
al., 2006; Brilha, 2005, 2015; Carcavilla et al., 2007; Carcavilla, 2012) e a segunda, faz a
correlação entre os elementos bióticos e abióticos como parte indissociável para a formação do
conceito (Durán et al, 1998; Durán et al, 1995; Eberhard,1997; Arribas y Durán,1998; Erikstad,
1999; Johansson et al., 1999; Stanley, 2002; Australian Heritage Commission, 2002; Kozlowski,
2004; Santucci, (2005); Parks e Mulligan, 2010; Gray, 2004, 2008, 2011, 2012, 2013; Forte,
2014; Anderson et al., 2015). Atualmente, o conceito é cada vez mais utilizado na literatura
científica, em artigos e comunicações sobre patrimônio geológico e geoconservação (Carcavilla et
al., 2007; Brilha, 2015).

Um importante estudo sobre o conceito de Geodiversidade foi desenvolvido por Nieto (2001),
intitulado: Geodiversidad: propuesta de una definición integradora, em que propôs uma definição
preliminar do conceito de Geodiversidade incluindo aspectos quantitativos e qualitativos para
servirem de fundamento para reconhecer as características particulares de cada região a ser
analisada.

Em seu estudo, foram analisadas até aquele ano algumas propostas de autores sobre a definição
do conceito Geodiversidade ou a sua discussão e utilização. Ele apresenta em sua análise, um
quadro-resumo atualizado à época com os principais autores e a aplicação do conceito segundo
três categorias de análise: Diversidade Geológica, Estruturas de materiais e processos geológicos
e Diversidade Natural, ordenação e gestão do território.

90
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Figura 4.1: Trabalhos onde aparecem o termo ou o conceito de geodiversidade até 2001. Fonte:
(Nieto,2001)

De acordo com Nieto (2001) as referências mais antigas sobre o conceito de Geodiversidade são
encontradas em Sharples (1995), Eberhard (1997) e Fishman et al. (1998).

Carcavilla et at. (2007), cita os trabalhos de Nieto (2001) e de Gray (2004) como uma tentativa
de alcançar uma definição unificada e referencial, quando estes elaboram uma revisão crítica das
aceções mais utilizadas para que os mesmos pudessem chegar a sua própria definição de
Geodiversidade. Para compreendermos melhor essa comparação entre os conceitos, seguem,
respetivamente, os conceitos sobre Geodiversidade destes autores:

Para Nieto (2001) geodiversidade é: “el número y variedad de estructuras (sedimentarias,


tectónicas, geomorfológicas, hidrogeológicas y petrológicas) y de materiales geológicos (minerales,
rocas, fósiles y suelos) que constituyen el sustrato de una región, sobre las que se asienta la
actividad orgánica, incluida la antrópica”.

Já Gray (2004) tomando como base e adaptando a proposta conceitual da Australian Heritage
Commission (2002) a qual definiu a Geodiversidade como “the range or diversity of geological
(bedrock), geomorphological (landform) and soil features, assemblages, systems and processes.
Geodiversity includes evidence of the past life, ecosystems and environments in the history of the
earth as well as a range of atmospheric, hydrological and biological processes currently acting on
rocks, landforms and soils”, redefine o conceito como “the natural range (diversity) of geological

91
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

(rocks, minerals, fóssil), geomorfhological (landform, processes) and soil features. It includes their
assemblages, relationships, properties, interpretations and systems.

Carcavilla et al. (2007), chama a atenção para o fato de que há uma certa limitação dos autores
em incluir em suas revisões conceituais autores de outros idiomas, como é o caso do próprio Gray
(2004) ao se limitar a analisar apenas produções de língua inglesa, deixando de citar por exemplo
em seu livro o trabalho de Nieto (2001) publicado 3 anos antes.

Assim, diante do exemplo citado pode-se mencionar que tanto a própria língua inglesa quantas as
demais tornam-se, para muitos autores, fator limitante para a expansão da discussão sobre o
conceito de Geodiversidade, o que contribui para que não haja uma concordância na definição de
um conceito universal.

Hjort et al., (2015) apresenta dois esquemas sobre a Geodiversidade gerados a partir das análises
de Gray, 2011; Beggs, (2013), e Gray et al (2013) (Figura 4.2). No primeiro, descrevem a
integração entre a Geodiversidade, a Diversidade Climática e a Biodiversidade como parte
integrante dos serviços e funções dos ecossistemas (Gray, 2011; Beggs, 2013). No segundo,
descrevem os principais componentes e os valores de Geodiversidade (Gray, 2013; Gray et al.
2013).

Figura 4.2 Esquemas abordando as funções, valores e influências da geodiversidade na sociedade. Fonte:
Hjort et al., (2015)

92
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Na análise do esquema (b) da Figura 4.2, nota-se que a Geodiversidade configura-se por diversos
componentes dinâmicos (geológicos, topográficos, geomorfológicos, solos, hidrológicos, etc.), que
por sua vez possuem valores distintos (intrínseco, funcional, científico, estético, cultural e
econômico) e que são fundamentais para o desenvolvimento das atividades humanas.

Todos esses componentes possuem ambientes específicos e característicos, com alterações


induzidas pelo homem e que sofrem influências que são geradas a partir de tomadas de decisões
e planejamentos que influenciarão positiva ou negativamente no meio ambiente, gerando
consequências para a saúde e bem-estar da sociedade.

Gray (2013) nos instiga a pensar sobre a importância e a dependência que a sociedade possui
sobre estes mesmos componentes. Aborda-os de forma analítica e insere, a partir do upgrade de
seus estudos, a componente hidrologia como parte integrante da Geodiversidade.

Esta inserção mostra-nos a importância do papel dos recursos hídricos no processo de


transformação e dinâmica dos demais elementos da Geodiversidade, o que reforça a importância
e o contributo das análises da pesquisa que aqui propomos. Também é relevante pontuar que
Serrano e Flaño (2007) também inserem no conceito por eles elaborados o elemento hidrológico
como parte integrante da Geodiversidade:

«the variability of abiotic nature, including lithological, tectonic, geomorphological, soil,


hydrological, topographical elements and physical processes on the land surface and in the seas
and oceans, together with systems generated by natural, endogenous and exogenous and human
processes, which cover the diversity of particles, elements and sites».

No esquema (a) da Figura 4.2, vemos que a diversidade climática está abordada como um
elemento à parte da Geodiversidade. Na nossa proposta de pesquisa, a componente
climática/hidrológica está inserida na Geodiversidade já que esta, assim como as demais
componentes, fazem parte do sistema abiótico.

Nas últimas décadas, alguns estudos tem contribuído para o desenvolvimento de métodos e
técnicas de quantificação da Geodiversidade (Serrano e Flaño, 2007; Carcavilla et al., 2007;
Zwoliński, 2004, 2008, 2009; Ruban, 2010, 2011; Dmitry, 2010; Knight, 2011; Manosso, 2012;
Silva, 2012; Pellitero, 2012; Silva et al. 2013, 2015; Pereira et al., 2010, Pereira et al, 2013;

93
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Bradbury, 2014; Forte 2014). Essas propostas de quantificação da Geodiversidade devem atentar-
se para a escalas de detalhamento dos dados utilizados nos processos de quantificação, para que
não ocorram supervalorizações ou omissões de informações pelo método proposto.

Por fim, é importante esclarecer que este subcapítulo não pretende ser uma discussão ou mesmo
uma revisão conceitual aprofundada, mas apenas uma análise sucinta sobre o conceito de
geodiversidade e de apoio à compreensão dos capítulos seguintes. Para uma revisão do conceito
de geodiversidade mais detalhada poderão ser consultados diversos trabalhos (e.g. Nieto, 2001;
Gray, 2004, 2013; Carcavilla et al.,2007) e em especial Forte (2014) com uma extensa revisão
conceitual.

4.2 Classificação e modelagem da geodiversidade: análise dos


métodos das subbacias e da grid 12x12km

Neste capítulo são apresentados os procedimentos metodológicos para a elaboração do Mapa de


Avaliação da Geodiversidade do Estado do Ceará. O cálculo inicial do Índice de Geodiversidade
resulta do somatório de índices parciais. Os índices parciais são obtidos por contagem do número
de ocorrências em cada uma das células de uma grid predeterminada sobreposta a um mapa.

Segundo Pereira et al. (2013), a sobreposição de uma grid (grade, grela, malha) em um mapa é
considerado uma ferramenta básica para a avaliação da geodiversidade de qualquer território. A
grid fornece em cada um dos quadrados o número das unidades e ocorrências que podem ser
contadas e a discriminação dos resultados obtidos.

Para o cálculo do índice de Geodiversidade foram utilizados os mapas referidos em seguida.

 Índice Litológico: mapa de formações litológicas do Estado do Ceará à escala à escala


1:500.000 (CPRM, 2008a), para extração e contagem das unidades litológicas;

 Índice geomorfológico: mapa geomorfológico do Estado do Ceará à escala 1:250.000


(IBGE, 2010), para extração e contagem das unidades geomorfológicas;

94
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

 Índice Pedológico: mapa dos solos do Estado do Ceará à escala 1:600.000 (IBGE, 2010)
para a contagem do número de ocorrências de diferentes tipos de solos por quadrícula;

 Índice de Ocorrências Minerais e Energéticas: mapa mineralógico e energético do Estado


do Ceará à escala 1:500.000 (CPRM, 2008a) para a contagem por quadrícula do número
de diferentes ocorrências minerais e energéticas;

 Índice Paleontológico: mapa de formações litológicas do Estado do Ceará à escala


1:500.000 (CPRM, 2008a), ao qual sobrepusemos a informação acerca do número de
fósseis por quadrícula, que obtivemos por pesquisa bibliográfica;

 Índice Hidrológico (proposto neste trabalho): resulta do somatório dos valores obtidos a
partir dos mapas de pluviosidade, vazão específica, hierarquia de rios e reservatórios
hídricos gerados no capítulo anterior.

Neste trabalho testamos duas grids para a quantificação da Geodiversidade:

 a grid de subbacias que foi utilizado no capítulo anterior (Capítulo III) para a classificação
do potencial hídrico;
 uma grid 12x12km.

Os valores obtidos para os seis índices parciais foram reclassificados para 5 classes a partir do
classificador Natural Breaks (jenks) do programa ArcGis 10.1 e sumarizados para gerar o mapa
do índice de Geodiversidade em modelagem de dados quantitativos por subbacias (Figura 4.3).

Na sequência, apresentamos um esquema com todos os resultados parciais e o resultado do


somatório obtido a partir do método de classificação das subbacias. Posteriormente, estão as
etapas com todos os procedimentos realizados no cálculo do potencial de geodiversidade a partir
da grid 12x12km.

95
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Figura 4.3 Representação do somatório dos valores dos índices parciais. A) litológico, B) geomorfológico,
C) pedológico, D) recursos minerais e energético, E) paleontológico, F) hidrológico, G) Mapa de Índices
de Geodiversidade por subbacias do Estado do Ceará (não validado).

96
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Na análise para validação do uso de subbacias para a quantificação da geodiversidade observou-


se que este método apresentou problemas no que se refere a distribuição dos índices de
geodiversidade atendendo à variação da área das subbacias. Nesta análise, foram avaliadas e
consideradas as diferenças das áreas das subbacias. A análise destes dados só pode ser efetuado
individualmente para cada subbacia, sem que se estabeleçam comparações entre subbacias de
dimensões diferentes.
Assim, após realizado os procedimentos para a quantificação da geodiversidade com recurso à
grid das subbacias, conclui-se que estes não fornecem resultados que possam ser considerados
fiáveis, sendo portanto, desconsiderados nesta etapa da pesquisa.
Com base na área do Estado do Ceará (148.887,632 km2 - IBGE, 2010) e atendendo às diversas
escalas dos mapas base, foram testadas algumas grids regulares com diferentes tamanhos. A grid
de 12kmx12km (144 km2), semelhante à utilizada por Silva et al. (2013), constitui o melhor
compromisso para o intervalo de escalas dos mapas base utilizados. Esta grid gerou 1107
quadrículas, permitindo assim, um maior detalhamento dos elementos de cada um dos mapas
parciais a ser quantificado.

4.3 Índices parciais da geodiversidade

Os passos metodológicos descritos a seguir baseiam-se na quantificação dos elementos litológicos,


geomorfológicos, pedológicos, mineralógicos, paleontológicos e hidrológicos, em cada uma das
1107 células de uma grid 12kmx12km sobreposta aos diversos mapas. Os valores obtidos,
referidos com índices, indicam a diversidade litológica, geomorfológica, pedológica, de recursos
minerais e energéticos, paleontológica e hidrológica no Estado do Ceará.

4.3.1 Diversidade Litológica

Para o cálculo dos índices de diversidade litológica utilizou-se o mapa com os domínios litológicos
do Estado do Ceará de base digital em formato shapefile na escala de 1:500.000 (Figura 1.5),
posteriormente processado no programa Arcgis 10.1. Na Figura 4.4 demonstramos a
representação das contagens litológicas por unidade de quadrículas. Para cada quadrícula foram
considerados o número de poligonais que representam tipos diferentes de litologias,
desconsiderando a repetição de poligonais de uma mesmo tipo de ocorrência litológica.

97
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Figura 4.4 Exemplo da quantificação do índice de diversidade litológica na grid 12x12km. Na legenda
estão representadas 7 ocorrências litológicas. A = 2 ocorrências; B = 4 ocorrências; C = 4 ocorrências; D
= 6 ocorrências. Modificado de: CPRM (2008a).

Para a quantificação das ocorrências das litologias e demais dados parciais na grid 12x12km,
cumpriram-se as etapas de geoprocessamento indicadas em seguida.

1. Homogeneização das unidades litológicas a partir da função dissolve para eliminar a


duplicação de polígonos de uma mesma tipologia litológica no momento da contagem dentro
da quadrícula pelo programa Arcgis;
2. Geração de uma nova coluna na tabela de atributos das unidades litológicas para
reclassificação da informação textual em informação numérica para a etapa da quantificação
das unidades litológicas por quadrícula;
3. Correlação entre a litologia e as quadrículas a partir da ferramenta union, cujos valores
reclassificados de cada unidade litológica foi integrada à grid que corresponde as áreas de
cada quadrícula;
4. Geração de uma nova coluna com a contagem dos valores das ocorrências litológicas por
quadrícula a partir da ferramenta do Arcgis sumarize;
5. Aplicação dos valores das ocorrências litológicas para cada uma das quadrículas e posterior
modelagem destes valores a partir da geração do mapa com os índices parciais (Figura 4.5;
ANEXO 4.1).

98
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

O número de unidades litológicas que ocorre em cada quadrícula varia entre 1 e 10 unidades
litológicas. Após a quantificação destas ocorrências nas quadrículas e a elaboração da tabela com
os respectivos valores, aplicou-se no Arcgis a modelagem a partir da classificação Natural Breaks
(jenks) ou Quebras Naturais, método concebido para determinar o melhor arranjo de valores em
diferentes classes. Segundo a ESRI (2004), “a otimização de jenks é um algoritmo que agrupa os
atributos baseado no menor erro possível, definido pela soma absoluta dos desvios da classe
mediana ou, alternativamente, a soma quadrada dos desvios da classe média”.

A redistribuição foi efetuada para 5 classes: 1 - diversidade muito reduzida (1-2); 2 - diversidade
reduzida (3); 3 - diversidade média (4); 4 - diversidade elevada (5-6); 5 - diversidade muito elevada
(7-10).

Figura 4.5 Esquema do processo de quantificação de índices de diversidade litológica por quadrícula. A)
mapa litológico; B) grid 12x12km para a geração da tabela com os valores dos índices litológicos; C) mapa
parcial com a distribuição dos valores de ocorrência litológica por quadrícula, após aplicação da
classificação Natural Breaks no Arcgis.

99
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

No mapa da Figura 4.5, observa-se maior concentração de diversidade litológica nas quadrículas
das porções noroeste e centro-sul Cearense. Destacam-se valores de diversidade que variam
desde 3 (diversidade média) até 5 (diversidade muito elevada). A diversidade apresentada na
porção Noroeste explica-se pelo fato da região fazer parte do Domínio Médio Coreaú que
corresponde a um cinturão dobrado (Orogenic Belt), no qual são encontradas litologias com
distintas idades (Torquato e Nogueira Neto, 1996).

A mais importante das litologias corresponde ao Grupo São Joaquim, que possui idades
aproximadas de 2200 a 2300 Ma, sendo formado por gnaisses, migmatitos e quartzitos. O domínio
Médio Coreaú representa ainda um local de ocorrência de importantes falhamentos e lineamentos
pré-cambrianos, dentre os quais o mais importante é o Lineamento Sobral - Pedro II.

Esta estrutura corresponde na verdade ao segmento, no Ceará, do denominado Lineamento


Transbrasiliano, que corta o Brasil de ponta a ponta com direção NE-SO, e que representa a área
de sutura proterozoica entre o Brasil e a África (Silva Filho et al., 2007).

Já a diversidade apresentada na porção centro-sul Cearense explica-se pelo fato dessa região ser
“caracterizada por intrincadas evoluções geológicas de rochas com idade arqueano-proterozóicas,
podendo ser observadas feições estruturais e plutonismo granitoide diretamente relacionadas ao
Ciclo Brasiliano (Neoproterozoico)” (Bendelak, 2004). As demais regiões apresentam valores mais
baixos de diversidade (1 a 3) por serem regiões com ocorrências de grandes unidades litológicas
que abrangem grandes áreas do interior do Estado.

4.3.2 Diversidade Geomorfológica

Para a quantificação dos índices da diversidade geomorfológica foram aplicadas as mesmas


etapas de geoprocessamento relatadas no tópico anterior. Para esta classificação foi utilizado o
mapa vetorial geomorfológico disponibilizado na base de dados do IBGE (2010) na escala
1:250.000. Para este cálculo foi considerada a contagem de unidades de 3° terceiro nível
taxonômico designadas Unidades Geomorfológicas de acordo com o Manual Técnico de
Geomorfologia do IBGE (2009) (Figura 4.6).

100
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Figura 4.6 Mapa das Unidades Geomorfológicas do Estado do Ceará.

As Unidades Geomorfológicas “são definidas como um arranjo de formas altimétrica e


fisionomicamente semelhantes em seus diversos tipos de modelados. A geomorfogênese e a
similitude de formas podem ser explicadas por fatores paleoclimáticos e por condicionantes
litológica e estrutural. Cada unidade geomorfológica evidencia seus processos originários,
formações superficiais e tipos de modelados diferenciados dos demais. O comportamento da
drenagem, seus padrões e anomalias são tomados como referencial à medida que revelam as
relações entre os ambientes climáticos atuais ou passados e as condicionantes litológicas ou
tectônicas. Os conjuntos de formas de relevo que compõem as unidades constituem
compartimentos identificados como planícies, depressões, tabuleiros, chapadas, patamares,
planaltos e serras.” (IBGE, 2009)

Assim, a caracterização dos conjuntos de feições seguem parâmetros que se configuram como
responsáveis pela evolução das formas do relevo e composição da paisagem no tempo geológico.
Destes, podem-se mencionar os fatores causais, de natureza estrutural, litológica, pedológica,

101
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

climática e morfodinâmica. Na análise da geomorfologia brasileira realizada pelo IBGE, são


identificadas por ordem decrescente de grandeza as seguintes feições: Domínios Morfoestruturais,
Regiões Geomorfológicas, Unidades Geomorfológicas, Modelados e Formas de Relevo (Figura
4.7):

Figura 4.7 Fluxograma dos níveis taxonômicos das estruturas geomorfológicas. Fonte: IBGE (2009).

Após o processo de contagem das ocorrências das unidades geomorfológicas por quadrícula, foi
gerada na tabela de atributos uma coluna com a soma dos valores totais das ocorrências.
Posteriormente aplicou-se a modelagem de distribuição destes valores também pela classificação
Natural Breaks, obtendo-se como resultado o mapa de Índices Geomorfológica (Figura 4.8;
ANEXO 4.2).

102
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Figura 4.8 Esquema do processo de quantificação de índices de diversidade geomorfológica por


quadrícula. A) mapa geomorfológico; B) grid 12x12km para a geração da tabela com os valores dos índices
parciais de geomorfologia; C) mapa parcial com a distribuição dos valores de ocorrência geomorfológica
por quadrícula, após aplicação da classificação Natural Breaks no Arcgis.

Os valores mais altos de diversidade geomorfológica variam de 3 a 5 e estão distribuídos em quase

todas as mesorregiões do Estado. Entretanto, a maior concentração de quadrículas com estes


valores localiza-se nas mesorregiões Noroeste Cearense, Norte Cearense, Metropolitana

de Fortaleza e Centro-sul Cearense.

A maior diversidade geomorfológica apresentada na mesorregião Noroeste Cearense pode ser

explicada for fatores tectónicos que geraram importantes elementos geomorfológicos. (Claudino-

Sales e Lira, 2011):

 a Serra da Ibiapaba e escarpa da bacia sedimentar paleozóica do Parnaíba dominada


pela Formação Serra Grande;

103
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

 o Sistema Médio Coreaú com estruturas pré-cambrianas parcialmente arrasadas pela

erosão, as quais passaram por longa evolução, em particular nas fases do Ciclo

Orogenético Brasiliano, ao final do Pré-cambriano, que colou o Brasil à África, gerando o

megacontinente Panótia. Esse processo, produziu extensas áreas dobradas e falhadas,

acompanhadas de metamorfismo regional e magmatismo, na divisão do megacontinente

Panótia, no início do Paleozoico, que resultou na formação da bacia sedimentar do

Parnaíba;

 a reativação tectônica cretácea, particularmente associada à divisão do megacontinente

Pangea, que soergeu os terrenos na forma de ombros de rift e no Cenozoico, a partir da

ação de processos erosivos diferenciais comandados por climas secos. O resultado de tal

processo evolutivo originou a Serra da Ibiapaba, a Depressão Sertaneja adjacente, do tipo

“depressão periférica”, e os maciços cristalinos residuais.

Já a diversidade apresentada nas mesorregiões Norte Cearense e Metropolitana de Fortaleza,

está relacionada com a variabilidade de formas do relevo. Essas mesorregiões apresentam os

seguintes domínios geomorfológicos (Brandão, 2014):

 Planícies costeiras: apresenta um diversificado conjunto de padrões de relevo

deposicionais de origens eólica, fluvial e marinha, dentre os quais destacam-se: os campos

de dunas e as planícies fluviomarinhas, sob forma de mangues na desembocadura dos

principais rios.

 Maciços residuais: configuram-se por imponentes relevos residuais de grandes

dimensões, que atingem cotas elevadas (apresentando altitudes variadas, entre 600 e

1.100 metros) sendo que, geralmente, estas formações montanhosas, geradas por

processos de erosão diferencial estão sustentadas por rochas graníticas e quartzíticas, via

de regra, mais resistentes ao intemperismo e à erosão, em relação ao embasamento

cristalino circundante nas superfícies aplainadas.

 Tabuleiros costeiros: consistem de formas de relevo tabulares, de extensos topos planos,


esculpidas em rochas sedimentares, em geral pouco litificadas, com predomínio de

104
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

processos de pedogênese e formação de solos espessos e bem drenados, com baixa

suscetibilidade à erosão nas áreas de topo e moderada a forte nas vertentes. Os tabuleiros

costeiros representam, portanto, antigas superfícies deposicionais apresentando

gradientes extremamente suaves em direção à linha de costa. Este pacote sedimentar

teria sido depositado ao longo do Neógeno (entre o Mioceno e o Pleistoceno) como

sequências de leques aluviais coalescentes, produzidos pela erosão/denudação da

superfície sertaneja e dos maciços elevados, e deposição em larga faixa (que pode exceder

80 km de largura) em um paleo-nível marinho mais baixo que o atual (Peulvast et al.,

2008)

 Depressões sertanejas: conjunto de superfícies de aplainamento, constituído por vastos

pediplanos incipientemente dissecados por uma rede de drenagem de baixa densidade e

por extensos pedimentos posicionados no sopé de maciços montanhosos ou da borda de

cuestas e escarpas de chapadas. Estes pediplanos encontram-se, frequentemente,

pontilhados por inselbergs e agrupamentos de inselbergs (muitos dos quais, sustentados

por rochas graníticas resistentes) que, invariavelmente, destacam-se na paisagem

monótona das superfícies aplainadas. Em alguns casos, estes relevos residuais estão

dispostos em longos alinhamentos de morrotes ou morros de centenas de quilômetros de

extensão, controlados por rochas mais resistentes de antigas faixas miloníticas (em

especial, os quartzitos do Grupo Orós).

A diversidade geomorfológica identificada na mesorregião Centro-sul Cearense, explica-se pela

presença de importantes domínios geomorfológicos como as Depressões Sedimentares que

ocorrem na Superfície Sertaneja, os Maciços Residuais e a Depressão Sertaneja. Esta unidade

geomorfológica está representada pela esculturação de um conjunto de pequenas bacias

sedimentares de idades jurássica a cretácea, implantadas sobre o embasamento pré-cambriano

da Depressão Sertaneja II. A gênese dessas bacias sedimentares está diretamente relacionada

com o processo de abertura do Oceano Atlântico Equatorial, acarretando a formação de um

sistema de falhamentos transcorrentes e instalação de grábens em pequenos rifts abortados,

inseridos numa extensa zona de fraqueza crustal de direção SW-NE, denominada de Faixa Cariri-
Potiguar (Brito Neves et al., 2000; Peulvast et al., 2008).

105
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

4.3.3 Diversidade Pedológica

Para o cálculo dos índices da diversidade pedológica do Estado do Ceará, foram seguidos os
mesmos procedimentos referidos anteriormente. Utilizou-se o arquivo vetorial do mapa de solos
na escala de 1:600.000 da base de dados do IBGE (2008a). (Figura 4.9).

Figura 4.9 Mapa pedológico do Estado do Ceará. Fonte: IBGE, 2008a

Segundo a Embrapa (2006), os levantamentos de solos dos Estados do Nordeste apresentam


escalas variando de 1:400000 a 1:1000000. Menciona que os levantamentos dos dados feitos na
região caracterizam-se por possuir apenas uma visão geral dos tipos de solos existentes nos
Estados o que se constituiu como fator importante para planejamentos regionais e não sendo base
fiável para análises em grandes escalas.

106
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Os levantamentos dos solos no Brasil têm como bases cartográficas mapas originais de solos que
foram classificados durante as décadas de 70 e 80, pelo projeto RADAMBRASIL, sendo ajustados
a partir da base cartográfica do IBGE e publicada no ano de 2001. Foram obtidos valores que
variam entre 1 e 6 tipos de solos por quadrícula. Para a modelagem dos dados parciais dos índices
pedológicos aplicou-se para os intervalos de 5 classes o método Natural Breaks (jenks) que calcula
a melhor distribuição dos valores nos intervalos de classes (Figura 4.10; ANEXO 4.3).

Figura 4.10 Esquema do processo de quantificação de índices de diversidade pedológica por quadrícula.
A) mapa pedológico; B) grid 12x12km para a geração da tabela com os valores dos índices parciais de
pedologia; C) mapa parcial com a distribuição dos valores de ocorrências pedológica por quadrícula.

Os maiores índices (3 a 5) de diversidade de solos por quadrícula encontram-se espaçadamente


distribuídos em todo o território do Estado. Porém, é na porção nordeste (mesorregião do
Jaguaribe) onde esses índices estão mais concentrados. Na mesorregião do Jaguaribe está
localizada a Chapada do Apodi, a qual é considerada “um verdadeiro mosaico de solos, contendo
solos do tipo Cambissolos, Neossolos Flúvicos (solos Aluviais) e Vertissolos na planície fluvial e
sob influência de sedimentos originados das rochas de idade cretácica do grupo Apodi; alem de

107
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Neossolos Litólicos no limite entre o baixo e o médio Jaguaribe e nos rebordos e patamares da
bacia Potiguar” (Maia, 2005).

De acordo com Francelino (2001), ao norte da Chapada do Apodi localizam-se sedimentos


cenozoicos do tipo areno-argilosos, recobrindo o calcário e originando solos arenosos à superfície
com alto teor de alumínio. Os solos desta unidade geomórfica são os mais antigos da pedologia
regional, pois a bacia sedimentar na qual estão assentes teve sua origem no Cretáceo, o que os
diferencia dos terrenos cenozoico que ocorrem em sua base (RADAMBRASIL, 1981).

4.3.4 Diversidade de Recursos Minerais e Energéticos

Para o cálculo do índice de diversidade de recursos minerais e energéticos foi utilizado o mapa da
base de dado da CPRM (2008a) em formato shapefile dos principais recursos minerais
catalogados no Estado do Ceará (Figura 4.11). A quantificação foi realizada utilizando as mesmas
etapas de geoprocessamento apresentadas anteriormente.

Figura 4.11 Mapa de ocorrências minerais e recursos energéticos do Estado do Ceará. Fonte: CPRM,
2008a

108
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Para a modelagem dos valores de ocorrências e formatação do mapa de índices parciais


mineralógicos, também se utilizou a classificação Natural Breaks (jenks) (Figura 4.12; ANEXO
4.4).

Figura 4.12 Esquema do processo de quantificação de índices de diversidade de minerais e recursos


energéticos por quadrícula. A) mapa de ocorrências mineralógicas e energéticas; B) grid 12x12km para a
geração da tabela com os valores dos índices parciais de minérios; C) mapa parcial com a distribuição dos
valores de ocorrências minerais por quadrícula.

No mapa de diversidade recursos minerais e energéticos, observa-se que os maiores valores


identificados (4 e 5) estão concentrados em sua grande maioria na porção Norte do Estado,
especificamente nas mesorregiões do Noroeste Cearense, Metropolitana de Fortaleza e
Norte Cearense. Nas demais mesorregiões, os maiores valores estão distribuídos pontualmente
com pequenas concentrações em todas as mesorregiões.
A riqueza mineralógica está diretamente relacionada às formações litológicas presentes na porção
norte do Estado. De acordo com Vidal et al. (2005) “em grande parte, os terrenos gnáissico-

109
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

migmatíticos do Estado do Ceará são considerados como de idades proterozóicas, evoluídos a


partir de protólitos paleoproterozóicos (intervalos 2.5 a 2.3 Ga e 2.3 a 2.0 Ga). Dentre estes,
encontra-se, no noroeste do Estado (“Subdomínio Médio Coreaú”), o Complexo Granja (gnaisses
diversos, de derivações sedimentar e magmática, em parte migmatíticos, descritos como biotita
gnaisses tonalito-granodioríticos, biotita-granada gnaisses, sillimanitabiotita gnaisses, hiperstênio
gnaisse – charnockito e enderbito), cujas idades U-Pb (zircões) situam-se entre 2.3 a 2.5 Ga”. Os
mesmos autores indicam que a região norte e noroeste do Estado do Ceará, concentra, por
exemplo, as principais jazidas de rochas ornamentais do Estado, que são pontuais na região centro
e sul.

4.3.5 Diversidade Paleontológica

O mapa com os índices de diversidade paleontológica foi elaborado a partir do mapa das
formações litológicas do Estado do Ceará (CPRM,2008a) e selecionadas aquelas com presença
de fósseis a partir da revisão bibliográfica sobre estudos paleontológicos em cada formação
(Cassab, 2003, 2015; Carvalho e Santos, 2005; Saraiva et al., 2007, Saraiva, 2008; Souza et al.,
2008; Santos e Carvalho, 2009; Campos, 2011; Fambrini et al, 2011, 2013; Barroso, 2012, entre
outros). Para o cálculo deste índice, foram identificadas e selecionadas as unidades litológicas
sedimentares contendo fósseis, sendo excluídas aquelas sem potencial paleontológico ou
afossilíferas (Figura 4.13).

De entre as formações litológicas mais importantes com presença de fósseis da região, a


Formação Santana é a que possui “um dos maiores conteúdos fossilíferos cretáceos conhecidos,
sendo, por isso, de extrema importância, como importante supridora de material fóssil
imprescindível ao estudo desse período da história do planeta. A sua espessura é da ordem de 50
a 180m e foi depositada em ambiente referido como o ápice da transgressão marinha, com recuo
e avanço do mar, em ambiente estuarino restritivo à circulação de água do mar, sugerido pela
presença das lentes de gipsita” (Sampaio, 2001).

Após a criação do Geoparque Araripe e sua entrada na Rede Global de Geoparques em 2006,
observa-se um importante crescimento e aprofundamento nos estudos paleoestratigráficos na

110
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Bacia do Araripe (Morh et al., 2007; Rodrigues & Kellner, 2008; Saraiva, 2008; Souza et al. 2008;
Barreto, A. M. et al., 2012; Fambrini et al., 2011, Fambrini et al. 2013; Do Prado et al., 2015),
fundamentais para a compreensão dos processos geológicos da região e da evolução biológica.

Figura 4.13 Mapa das formações sedimentares fossilíferas do Estado do Ceará. Fonte: CPRM, 2008a

Para a quantificação da diversidade paleontológica foram testados dois métodos. O primeiro


(método 1), considera apenas o número de litologias com presença ou com potencial presença de
fósseis existentes, sendo excluídas as demais formações litológicas afossilíferas (Pereira et al.,
2013; Silva et. al., 2013; 2015). No segundo, (método 2) são contabilizados com base em dados
disponibilizados nas literaturas disponíveis, o número de espécies ou géneros de fósseis referidos
por Formação. Pretendemos comparar resultados obtidos e adotar o que melhor se enquadrar na
realidade de estudo.

111
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Aplicando o primeiro método, foram identificados 6 níveis de ocorrências que variaram de 0 (zero)
a 5 por quadrícula (Figura 4.14).

Figura 4.14 Esquema do método 1 para o processo de quantificação de índices da diversidade


paleontológica por quadrícula, considerando cada unidade geológica como uma ocorrência. A) mapa com
as unidades litológicas sedimentares fossilíferas; B) grid 12x12km para a geração da tabela com os valores
dos índices parciais paleontológicos; C) mapa com a distribuição dos valores de ocorrências por quadrícula.

O segundo método (Figura 4.15; ANEXO 4.5), baseia-se na contagem do número de espécies
ou géneros de fósseis descritos por formação litológica e foi anteriormente testado à escala
municipal (Forte, 2014). Foram identificados 19 níveis de ocorrências, que variam entre 0 (zero),
ou seja, ausência total de fósseis, e 34 espécies. Nas quadrículas com mais de uma formação
litológica foram somadas a quantidade total de fósseis descritos. Para o somatório no cálculo do
Índice de Diversidade Paleontológica os valores brutos dos totais de fósseis por quadrícula foram
reclassificados para 5 classes para além da classe correspondente à ausência total de fósseis.

112
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Figura 4.15 Esquema do método 2 para o processo de quantificação de índices da diversidade


paleontológica por quadrícula, considerando as ocorrências de diferentes fósseis por unidade geológica. A)
mapa com as unidades litológicas sedimentares fossilíferas; B) grid 12x12km para a geração da tabela
com os valores dos índices parciais paleontológicos; C) mapa com a distribuição dos valores totais de
espécies fósseis por quadrículas.

A partir dos mapas resultantes, é possível observar que o mapa gerado pelo método de contagem
do número de espécies ou géneros descritos, apresentou maior detalhe e maior amplitude entre
mínimo e máximo, sendo este último o método adotado para o cálculo final do Mapa de
Geodiversidade.

A título de exemplo, apresenta-se o resultado obtido em porção do sul do Estado (Figura 4.16)
onde é possível identificar que as quadrículas destacadas pelo círculo em vermelho apresentam
valor 1 (Figura 4.16 A), que corresponde à contagem de apenas uma unidade fossilífera,
enquanto que no mapa da Figura 4.16 B apresentam valor 23 na classificação do segundo
método. Esta diferença resulta do fato destas quadrículas englobarem a Formação Santana,
unidade litológica com grande diversidade de fósseis no Estado do Ceará. Para compreendermos

113
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

como se distribuem os dados nos diferentes métodos de quantificação, foi aplicado em cada um
a interpolação por Krigagem (Figuras 4.16 C e D), o que permite correlacionar os valores com
os dados vizinhos, promovendo assim a distribuição do fenômeno e facilitando a compreensão da
influência deste no território.

Nos resultados dos mapas interpolados, é possível concluir que o método 1 (Figura 4.16 C)
registra maiores valores na porção leste da Mesorregião Sul, e valores reduzidos na porção oeste.
Na interpolação do método 2 (Figura 4.16 D), é possível ver valores distribuídos em toda a
extensão Leste-Oeste, o que confirma que no método 1 há uma subvalorização da presença de
fósseis nestas áreas. Após a análise e escolha do segundo método como o mais adequado para
a composição do somatório da geodiversidade, os valores foram reclassificados e passaram a
variar de 1 (menor índice) a 5 (maior índice) de acordo os valores correspondentes.

C – Interpolação Método 01 D – Interpolação Método 02

Figura 4.16 Comparativos entre os mapas de índices e os mapas de avaliação dos métodos 1 e 2 para
classificação dos índices paleontológicos. A) mapa dos índices paleontológicos com base na contagem de
unidades litológicas sedimentares fossilíferas por quadrícula; B) mapa dos índices paleontológicos com
base no somatório das ocorrências de fósseis por Formação litológica nas quadrículas; C) interpolação por
Krigagem Gaussiana pelo método 01; D) interpolação por Krigagem Gaussiana pelo método 02.

114
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Ao analisarmos o mapa parcial do índice de diversidade paleontológica do método 2 adotado


(Figura 4.16 B), é possível observar que os maiores valores identificados (10 a 34), distribuem-
se por quase toda aa mesorregião Sul Cearense e está relacionado, como foi dito anteriormente,
com a Formação Santana, unidade litológica com grande diversidade de fósseis no Estado do
Ceará.

4.3.6 Diversidade dos Recursos Hídricos

O mapa apresentado neste subcapítulo foi gerado a partir de cálculos matemáticos e estatísticos
de dados brutos quantitativos disponibilizados na base de dados de órgãos estaduais e federais
(Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos-Cogerh, Companhia de Pesquisa de Recursos
Minerais-CPRM, Instituto Brasileiro de Geografia e Pesquisa-IBGE) para posterior processamento
e geração do mapa quantitativo do potencial dos recursos hídricos.

Para o Índice Hidrológico foram quantificados separadamente os 4 mapas parciais (Figura 4.17):
médias anuais pluviométricas, vazão específica, hierarquia de rios e reservatórios hídricos, aqui
considerados como 4 ocorrências distintas e que somadas geraram o mapa de Índices de PRH.
Os métodos para elaboração dos mapas seguem os mesmos procedimentos realizados no capítulo
3, agora recorrendo à grid 12kmx12km.

Os altos valores do Índice diversidade de recursos hídricos concentram-se principalmente no setor


Norte, Leste e Sul do Estado. Estas características estão associadas principalmente à maior
pluviosidade destas áreas, além de fatores como: maior concentração de vazões específicas,
maiores caudais de rios representados pelas maiores hierarquias de rios geradas a partir da
classificação de Strahler e também pela maior dimensão dos reservatórios hídricos. A partir da
quantificação e do somatório dos mapas parciais, obteve-se o mapa de Índices dos Recursos
Hídricos para o Estado do Ceará (Figura 4.18; ANEXO 4.6).

115
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Figura 4.17 Mapas de índices parciais de recursos hídricos gerados a partir da grid 12x12km. A)
pluviosidade, B) vazão específica, C) hierarquia de rios; D) e reservatórios hídricos.

116
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Figura 4.18 Mapa de Índices dos Recursos Hídricos do Estado do Ceará, obtido a partir do summarize
dos mapas da Figura 4.17.

117
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Para a análise da diversidade dos recursos hídricos, os valores altos dos índices parciais (8 a 15)
distribuem-se desde a mesorregião Sul Cearense, passando pela mesorregiões Centro-sul até a
mesorregião Noroeste Cearense em sentido litoral Cearense. Entretanto, a maior concentração
dos valores mais altos (10 a 15) estão localizados nas mesorregiões Noroeste Cearense, Norte-
Cearense e Metropolitana de Fortaleza. Os resultados estão relacionados com a maior
conjunção de elementos dos recursos hídricos (pluviosidade, vazões específicas, reservatórios
hídricos e hierarquias de rios) existentes nestas mesorregiões. Um fator importante que se
destacou para que houvesse altos índices de recursos hídricos nas mesorregiões do norte do
Estado, foram os altos valores de pluviosidade identificados nas mesmas (Figura 4.17A),
situação oposta à observada na Mesorregião Sertões Cearenses a qual apresenta os menores
índices de recursos hídricos (3 a 7).

4.4 Índice de Geodiversidade e Mapa de Avaliação da


Geodiversidade

O Índice de Geodiversidade constitui um meio de avaliação da geodiversidade no território e resulta


do somatório dos 6 índices parciais previamente. Por fim, para gerar o Mapa de Avaliação da
Geodiversidade foi necessária criar, na tabela do arquivo vetorial, uma nova coluna com o
somatório de todos valores dos índices parciais (os índices de geodiversidade variam entre 5 e 25)
(Tabela 4.1; ANEXO 4.9). Porém, antes da obtenção destes valores finais, os valores brutos
antes de serem somados (Tabela 4.2), foram ponderados individualmente e reclassificados para
5 classes, determinando assim índices equitativos entre todos os índices parciais para posterior
somatório.

118
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Tabela 4.1 Extrato da tabela dos valores descendentes dos índices parciais e total de geodiversidade.
Constam os maiores e menores valores do Índice de Geodiversidade de um total de 1107 quadrículas.

Índice Índice Índice Índice Índice Índice Índice


ID/(Q)
Litológico Paleontológico Geomorfológico Mineralógico Pedológico Hidrológico Geodiversidade
1578 5 5 4 5 2 4 25
206 5 2 4 4 3 5 23
359 5 2 4 5 2 5 23
122 5 2 2 5 3 5 22
244 4 2 4 4 3 5 22
245 4 2 4 5 2 5 22
888 5 1 4 4 3 5 22
243 4 2 5 4 2 4 21
571 4 1 4 4 4 4 21
850 4 2 4 4 2 5 21
1579 4 3 2 5 2 5 21
1580 4 3 3 4 2 5 21
1617 3 5 3 4 2 4 21
1657 3 5 3 4 2 4 21
83 4 2 4 3 2 5 20
167 4 2 4 4 2 4 20
321 4 1 4 4 2 5 20
1306 5 0 4 4 2 5 20
1538 4 5 3 2 2 4 20
(…) (…) (…) (…) (…) (…) (…) (…)
1220 1 0 1 1 2 1 6
1236 1 0 1 1 2 1 6
1337 2 0 1 1 1 1 6
1570 1 0 1 1 1 2 6
1650 1 0 1 1 1 2 6
1651 1 0 1 1 1 2 6
1779 1 0 1 1 1 2 6
441 1 0 1 1 1 1 5
867 1 0 1 1 1 1 5
1741 1 0 1 1 1 1 5

119
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Tabela 4.2 Extrato da tabela dos valores brutos dos índices parciais e total de geodiversidade. Constam
os maiores e menores valores do Índice de Geodiversidade de um total de 1107 quadrículas.

Índice Índice Índice Índice Índice Índice Índice


ID/(Q) Litológico Paleontológico Geomorfológico Mineralógico Pedológico Hidrológico Geodiversidade

1578 7 34 5 7 2 17 72
1538 5 33 4 6 2 15 65
1576 5 25 5 7 3 16 61
1659 5 29 5 6 1 14 60
1617 4 30 4 5 2 13 58

1775 5 29 2 6 2 14 58
1620 5 29 3 5 2 13 57
1657 4 29 4 4 2 12 55
1658 4 28 4 5 1 13 55
1572 6 24 5 5 2 13 55

1698 3 28 4 4 1 11 51
1610 4 24 5 4 3 11 51
1736 6 24 4 4 2 11 51
1735 3 24 5 4 3 11 50

1574 3 24 3 4 3 12 49

1609 3 23 4 5 2 12 49
1737 6 23 3 4 2 11 49
1575 4 24 6 2 2 10 48
1573 5 23 4 3 2 11 48

(…) (…) (…) (…) (…) (…) (…) (…)


555 1 0 1 0 1 5 8

835 1 0 1 0 1 5 8
1110 1 0 1 0 1 5 8
1113 1 0 1 0 1 5 8
1694 1 0 1 0 1 4 7
1647 1 0 1 0 1 4 7

1695 1 0 1 0 1 4 7
1650 1 0 1 0 1 4 7
1654 1 0 1 0 1 4 7
1651 1 0 1 0 1 4 7

120
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Figura 4.19 Mapas de índices parciais para a geração do Mapa de Índice de Geodiversidade do Estado
do Ceará. A) litologia, B) geomorfologia, C) pedologia, D) mineralogia, E) paleontologia e F) recursos
hídricos.

121
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

O somatório final dos índices parciais por quadrícula resultou no Mapa de Índices da
Geodiversidade do Estado do Ceará (Figura 4.20; ANEXO 4.7):

Figura 4.20 Mapa de Índices de Geodiversidade gerado a partir do método 12x12km para o Estado do
Ceará.

122
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Após finalizar o mapa de índices, os valores totais de geodiversidade foram importados a partir da
ferramenta do ArcGis Join e unidos à tabela do arquivo vetorial dos centroides de cada quadrícula.
Posteriormente, foi aplicado a interpolação pelo método de Krigagem Gaussiana com o objetivo
de ponderar os valores pontuais correlacionando-os com os vizinhos mais próximos, gerando
assim, valores intermediários entre os centroides.

No processo de interpolação, para uma análise mais pormenorizada, foi gerado o histograma da
distribuição dos índices de geodiversidade (Figura 4.21). A partir do mesmo é possível identificar
como os dados se comportam na distribuição do espaço analisado. Cada barra do histograma
representa os conjuntos dos intervalos de classe dos índices de geodiversidade.

A distribuição de dados apresenta assimetria à direita, comportamento que demonstra que há


uma concentração de áreas com valores entre os índices 7 e 14. As barras mais altas (índices 10
e 11), representam os valores com maior concentração dos índices de geodiversidade.
Como resultado final da interpolação, obteve-se o Mapa de Avaliação da Geodiversidade do Estado
do Ceará, representado no esquema a seguir na Figura 4.22 (ANEXO 4.8).

Figura 4.21 Histograma dos Índices de Geodiversidade do Estado do Ceará e o subproduto da interpolação
dos índices de geodiversidade originado a partir dos centroides.

123
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Figura 4.22 Esquema com a representação do processo de interpolação para geração do Mapa de
Avaliação da Geodiversidade do Estado do Ceará. A) Mapa de Índices da Geodiversidade; B) Mapa dos
Centroides com os valores de geodiversidade para aplicação da interpolação; C) Mapa de Avaliação da
Geodiversidade.

124
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Figura 4.23 Mapa de Avaliação da Geodiversidade do Estado do Ceará gerado a partir da interpolação
por Krigagem gaussiana.

125
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

4.5 Análise e discussão dos resultados da avaliação da


geodiversidade

Neste capítulo, foram inicialmente elaborados os mapas de índices parciais da geodiversidade,


nomeadamente os índices litológico, geomorfológico, pedológico, de recursos minerais
e energéticos, paleontológico e recursos hídricos. Cada mapa parcial apresentou
inicialmente diferentes valores de ocorrências, sendo necessário a ponderação dos mesmos para
cinco classes e a partir da aplicação da álgebra de mapas (Tomlin, 1990; Martin, 1996; Van
Deursen, 1995) dos índices parciais, gerou-se o Mapa de Índices de Geodiversidade do Estado do
Ceará (Figura 4.20). Os dados obtidos no Mapa de Índices da Geodiversidade com a
mesorregiões do Estado do Ceará (Figura 4.23) salientam:

 as áreas que possuem a maior concentração de altos valores de geodiversidade localizam-


se nas mesorregiões do Noroeste Cearense e Sul Cearense. Na primeira, os índices
de geodiversidade variam entre 7 e 23, enquanto na segunda mesorregião varia entre 5
e 25. Na mesorregião Noroeste Cearense destacam-se as complexas formações
litológicas, geomorfológicas e mineralógicas e a Sul Cearense pelo grande potencial
paleontológico, litológico e de recursos hídricos.
 a mesorregião Sertões Cearense foi a que apresentou uma elevada concentração de
quadrículas com índices Muito Baixos (5 a 9) e Baixo (10 a 12) de geodiversidade. Os
índices Médios (13 a15) apresentam-se de forma pontual no território e podem ser
identificados na porção oeste da mesorregião que corresponde a área próxima à Serra
Grande e na porção leste.
 As demais mesorregiões (Centro-Sul Cearense, Jaguaribe, Norte-Cearense e Metropolitana
de Fortaleza), apesar de apresentarem quadrículas com índices de Alta e Muita Alta
Geodiversidade, estas são pontuais, concentrando na maior parte da área quadrículas
com valores de Baixa a Média Geodiversidade nestas regiões.

No que se refere ao Mapa de Avaliação da Geodiversidade (interpolado), este foi dividido em


5 níveis, variando em Muito Baixo, Baixo, Médio, Alto e Muito Alto. Para a análise deste
mapa foi feita uma descrição mais detalhada da geodiversidade por mesorregião (Figura 4.23).
São apontados e descritos os principais elementos que determinam os valores de geodiversidade
apresentados em cada uma das mesorregiões.

126
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

4.5.1 Mesorregião Sul Cearense

Apresenta valores de geodiversidade que varia desde Muito Baixo até Muito Alto. Os níveis
com maior representatividade na área da mesorregião são os de Alta e Muito Alta
Geodiversidade. O Geoparque Araripe, inserido nesta mesorregião, caracteriza-se pelos índices
mais altos de geodiversidade. Os índices Muito Baixo e Baixo estão localizados principalmente
nos setores noroeste e nordeste da mesorregião (Figura 4.24).

A região do Araripe, considerado “um oásis no meio de um imenso espaço de semiaridez, uma
vez que apresenta aspectos bem diferenciados do sertão” (Alves et al., 2010). A explicação para
essa diferença climática está relacionada com o relevo da região. Nela está presenta a Chapada
do Araripe, um receptáculo de umidade das nuvens, captando águas das chuvas e concentrando-
as em um extenso vale de mais de 270.000 hectares. Assim, o clima é ameno e repleto de
mananciais de água, fato que proporciona condições favoráveis para o atual desenvolvimento
urbano e de atividades agropecuárias (Carvalho & Santos, 2005)

Figura 4.24 Mapa de Avaliação da Geodiversidade da Mesorregião Sul Cearense.

127
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Em seguida indicam-se alguns aspetos que influenciam os valores de geodiversidade apresentados


nesta mesorregião.

1- A grande diversidade das formações litológicas, caracterizadas principalmente pelo:


sedimentos cenozoicos e/ou mesozoicos, pouco a moderadamente consolidados, associados
a pequenas bacias continentais do tipo rift, que corresponde às áreas da chapada do Araripe
e do vale do Cariri; Domínio das sequências vulcanossedimentares Proterozóicas dobradas,
metamorfizadas de baixo a alto grau; domínio das sequências vulcanossedimentares tipo
Greenstone Belt, (Arqueano até o Mesoproterozóico); domínio dos complexos granitoides não
deformados; domínio dos complexos granitoides deformados; domínio dos complexos
granitoides intensamente deformados; domínio dos complexos gnáissicomigmatíticos e
granulitos (Brandão, 2014);
2- Também a elevada diversidade paleontológica contribui para os valores elevados de
geodiversidade alcançados na Mesorregião Sul Cearense. A Formação Santana revela uma
grande concentração de fósseis, incluindo restos de dinossauros, tartarugas, pterossauros,
crocodilomorfos, lagartos, anuros, peixes e plantas, encontrados nos calcários laminados da
Formação Santana (Figura 4.25 B, C, E), o que confere a esta região importante local de
estudos científicos a nível internacional (Maisey, 1991; Martill & Brito; 2000; Kellner, 2002;
Viana & Neumann, 2002; Martill, 2007; Witton, 2009; Selden e Nudds, 2012; Krzeminski et
al., 2014). A Formação Santana de idade Albiana do Cretáceo inferior (112 Ma), é formada do
topo para a base pelo Membro Romualdo, composto por calcários, arenitos e argilitos, com
concreções calcáreas fossilíferas, formados em ambientes lagunar e marinho; Camada Ipubí
composta por gipsita e anidrita, formada durante a fase transicional evaporítica; e pelo Membro
Crato formado por calcários lacustres, ricamente fossilíferos de especial interesse para
compreensão da evolução de angiospermas e insetos (Assine, 2007). Segundo Saraiva et al.
(2007), “os fósseis ocorrentes nesta unidade são predominantemente peixes osteícties, como
dos gêneros Araripelepidotes, Brannerion, Calamopleurus e Notelops citados como organismos
eurialinos; Vinctifer, Tharrhias e Rhacolepis, como marinhos litorâneos (Bruno & Hessel 2006)
e celacantídeos dos gêneros Axelrodichthys e Mawsonia (Brito & Martill 1999), citados por
Maisey (1991) como não marinhos. Nas concreções também ocorrem peixes condrícties do
gêneros Iansan e Tribodus (Brito & Séret, 1996). Outros vertebrados, cujos fragmentos são
encontrados nos estratos da Formação Formação Santana, são os dinossauros (Kellner, 1996),
pterossauros (Kellner 2006), crocodilomorfos e quelônios (Maisey 1991). Restos de

128
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

invertebrados, como ostracodes, foraminíferos (Lima 1979), gastrópodos e biválvios (Beurlen


1963 e 1964), assim como de vegetais superiores (Duarte 1986) e algas (Saraiva et al. 2003)
também ocorrem nesta unidade”. Com o processo de extração da pedra Cariri a partir da
atividade mineira, foi possível, além da descoberta de inúmeros achados fósseis, que fosse
“exumada” toda a estratificação geológica da Formação Santana (Figura 4.25A), facilitando
assim, o desenvolvimento de estudos mais aprofundados acerca da estrutura
paleoestratigráfica. As mineralizações do distrito mineiro Iguatu-Aurora são constituídas
principalmente de minerais não-metálicos (calcário, magnesita, quartzo e rochas ornamentais)
e metálicos (minério de berílio e cobre)” (Vidal et al., 2005).
3- Média diversidade geomorfológica, caracterizado por tabuleiros, chapadas e platôs, superfícies
aplainadas retocadas ou degradadas, morros e serras baixas, colinas dissecadas e morros
baixos, colinas amplas e suaves, montanhas, escarpas serranas e vales encaixados, planaltos,
inselbergs, degraus estruturais e rebordos erosivos, vertentes recobertas por depósitos de
encosta, planícies fluviais e fluvio-lacustres;
4- Média diversidade pedológica, caracterizada por 6 tipos principais de domínios de solos, com
predomínio de Neossolo Litólico, Neossolo Quartzarênico, Argilossolo Vermelho, Argilossolo
Vermelho-Amarelo, Latossolo Vermelho-Amarelo e Luvissolo Crômico (Brandão, 2014);
5- Alta diversidade de recursos minerais devido a presença de 3 dos 10 distritos mineiros de
produção efetiva (DNPM, 2000) (Figura 4.26). Campos Sales/Antonina do Norte onde
destacam-se principalmente, os minérios utilizados como matéria-prima na fabricação de
cimento (laterita ferruginosa e tufo vulcânico), além de calcita. Os bens minerais do distrito
mineiro Chapada do Araripe estão relacionados à bacia sedimentar do Araripe, onde se destaca
a extração da gipsita, calcário e argila. O calcário sedimentar da Chapada do Araripe ou
popularmente conhecido como Pedra Cariri, é formado basicamente de carbonato de cálcio e
é fortemente utilizado na indústria de rochas ornamentais.
6- Alta diversidade hidrológica, gerada a partir da presença de valores médios a altos de
pluviosidade, hierarquia de canais, reservatórios e vazão específica presentes nesta
mesorregião. Os rios são de caráter intermitente (Figura 4.27 A e C), sendo o rio Salgado o
principal da região, além do seus tributários: rios Batateiras, Granjeiro, Carás e Missão Velha ;
o aquífero Missão Velha apresenta uma das maiores vazões de todo o Estado do Ceará, com
captações por poços tubulares cuja produção chega a 300 m3/hora (Brandão, 2014). Os
recursos hidrogeológicos são caracterizados principalmente por aquíferos do tipo granular com

129
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

porosidade primária alta (>30%), cárstico com porosidade primária baixa (0 a 15%), fissural
com porosidade primária baixa (0 a 15%) e granular/fissural com porosidade primária variável
(0 a >30%) (Brandão, 2014). Com a grande quantidade de mananciais que surgem no sopé de
toda a Chapada do Araripe, as comunidades circunvizinhas, através do barramento das
nascentes e do uso de canalizações (Figura. 5.27 D, E e F), captam a água diretamente da
nascente para o uso doméstico, para a agricultura de subsistência e também para o uso
recreativo. De acordo com os relatos de moradores e dos guias locais, esse tipo de captação
tem rebaixado o nível freático nos últimos anos e com isso gerado conflitos pelo direito de
acesso e uso da água.

Figura 4.25 Exemplo de sítios paleontológicos com respectivos fósseis. A), área de mineração para
extração da rocha calcária sedimentar ou “pedra Cariri”; B), fósseis de espécies de peixes encontrados na
Formação Santana; em C), partes fósseis de pterossauros; em D), portal com cartaz explicativo dos fósseis
no Geossítio Pedra Cariri, e em E), fóssil do exemplar de libélula mais bem preservado já encontrado.
Fotos: ARAUJO, 2014

130
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Figura 4.26 Mapa dos distritos mineiros do Estado do Ceará. Fonte: DNPM (2000)

131
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Figura 4.27 Exemplos de recursos hídricos presentes na área do Geoparque Araripe. A) e C), leito do
Rio Batateiras em período de estiagem; B) placa de sinalização do Geossítio Batateiras. D), E) e F),
técnicas de captação de água das nascentes do Rio Batateiras pelas comunidades locais. Fotos: ARAUJO,
2014

132
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

4.5.2 Mesorregião Sertões Cearenses

Na maior parte desta mesorregião, principalmente na parte central, destacam-se índices de


geodiversidade Muito Baixa e Baixa o que representa mais de 80% da área (Figura 4.28). As
áreas com Média Geodiversidade estão distribuídas próximas aos limites da mesorregião.

Figura 4.28 Mapa de Avaliação da Geodiversidade da Mesorregião Sertões Cearenses.

Os valores apresentados resultam dos aspectos indicados em seguida.

1. Baixa diversidade litológica, com predomínio em mais de 70% da mesorregião de rochas do


embasamento cristalino, nomeadamente gnaisses e migmatitos diversos associados a rochas
plutônicas e metaplutônicas de composição predominantemente granítica de idade
precambriana (Figura 1.3).
2. Baixa diversidade paleontológica. Apresenta exemplares de fósseis da Formação Serra Grande,
com litologias ricas em microfósseis marinhos como os quintonozoários, acritarcas, algas
tasmanites e miosporos (Daemon, 1976 apud Santos, 2009). Ausência de fósseis em
formações litológicas do embasamento cristalino que abrange mais de 85% da mesorregião.
Contudo, foram identificados na região do sertão de Inhamuns fósseis de preguiças gigantes,
de toxodontes, tatús gigantes e de mastodontes, datados do Quaternário. Foram localizados

133
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

nos chamados “caldeirões ou tanques de pedras”. Neste estudo foi utilizada uma base
cartográfica da litologia a qual desconsiderava as áreas do embasamento cristalino como de
potencialidade paleontológica. Estas novas informações poderão, posteriormente, servir para
futuros upgrades desta pesquisa.
3. Média diversidade geomorfológica com predomínio de superfície de aplainamento conservada
ou moderadamente dissecada em colinas rasas ou em pequenos interflúvios sertanejos com
feições tabulares, com vales abertos e baixa amplitude altimétrica entre os interflúvios e os
fundos dos vales (Souza et al., 1988). As planícies fluviais e fluviolacustres, consideradas raras
nesta mesorregião, “constituem-se como ambientes de transição entre a mata ciliar e a
caatinga. São áreas importantes às práticas humanas, além da pesca nos rios e lagoas, as
populações podem utilizar o solo das planícies que são geralmente férteis e com boa
quantidade de matéria orgânica” (Diniz e Vasconcelos, 2010). Podemos destacar outras
importantes formações geomorfológicas presentes nesta mesorregião: domínio de colinas
amplas e suaves; domínio de planaltos; domínio de morros e de serras baixas; superfícies
aplainadas degradadas; degraus estruturais e rebordos erosivos; inselbergs.
4. Alta diversidade pedológica considerada como “um mosaico bastante complexo, oriundo dos
mais diferenciados tipos de combinações entre os seus fatores e processos de formação.
(Souza, 2000),”. Está representada por Latossolo Vermelho-Amarelo, Argilossolo Vermelho-
Amarelo, Planossolo Hidromórfico, Luvissolo Crômico, Chernossolo Argilúvico, Neossolo
Litólico, Neossolo Quartzarênico e Vertissolo Cromado.
5. Alta diversidade de recursos minerais. Esta mesorregião abriga as rochas mais antigas do
Ceará com 2850 Ma (Fetter, 2003) que contém o importante depósito fósforo-uranífero de
Itataia, considerada atualmente a maior reserva de urânio associado ao fósforo do Brasil com
cerca de 142.500 toneladas (Mendonça et al., 1985). Estão inseridos 3 distritos mineiros:
Canindé/Tamboril formados por calcário dolomítico, fosfato, quartzo, urânio e rochas
ornamentais; Novo Oriente/Tauá com a presença do calcário, diorito e minério de ferro;
Quixadá/Pedra Branca constituídas de minerais de pegmatitos (rubelita, berilo, quartzo,
feldspato, lepidolita, turmalina e ambligonita), rochas ornamentais, calcário dolomítico,
cromita, grafita, scheelita, fluorita, ferro, pedra britada e argila. São também conhecidas outras
ocorrências menos importantes de amianto e calcário (Vidal et al., 2001, 2005) (Figura 4.26).
6. Baixa diversidade hidrológica, gerada a partir da presença de valores baixos a médios de
pluviosidade, hierarquia de canais, reservatórios e vazão específica presentes nesta

134
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

mesorregião. Os rios e riachos são intermitentes, com elevado déficit hídrico devido as
elevadas temperaturas e altas taxas de evaporação, sendo agravado ainda mais pelas fracas
pluviosidades que restringe o escoamento superficial aos períodos chuvosos (Brandão, 2014).
Possui baixo potencial hidrogeológico, que na maioria dos casos ocorrem em sistemas de
falhas e caracterizam-se principalmente por aquíferos do tipo granular com porosidade primária
alta (>30%) e fissural com porosidade primária baixa (0 a 15%) (CPRM, 2008a).

4.5.3 Mesorregião Norte Cearense

Na mesorregião Norte Cearense a geodiversidade varia de Muito Baixa a Muito Alta.


Predomina índices de Muito Baixa a Média Geodiversidade em mais de 70% da área da
mesorregião. A Alta Geodiversidade concentra-se próxima à região Metropolitana de Fortaleza
e com a presença de um hotspot de Muito Alta Geodiversidade (Figura 4.29). Na porção
centro-oeste e noroeste, observam-se fragmentos de área com valores de Muito Baixa
Geodiversidade.

Figura 4.29 Mapa de Avaliação da Geodiversidade da Mesorregião Norte Cearense

135
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Identificam-se em seguida diversos elementos que influenciam os valores de geodiversidade


apresentados nesta mesorregião.

1- Média diversidade litológica, com presença dos seguintes Domínios: sedimentos cenozoicos
pouco a moderadamente consolidados, associados a tabuleiros costeiros formados por
sedimentos do Grupo Barreiras; complexos gnaisse-migmatíticos e granulíticos; complexos
granitoides deformados e intensamente deformados; sedimentos cenozoicos inconsolidados ou
pouco consolidados, depositados em meio aquoso; sequências sedimentares proterozoicas
dobradas, metamorfizadas em baixo a alto grau e o sedimentos cenozoicos eólicos (Brandão,
2014).
2- Baixa diversidade paleontológica com presença principalmente de fósseis marinhos e de
vegetação costeira (Arai, 2006). Os principais vestígios de fósseis presentes que predominam
nesta mesorregião são espécies de icnofósseis e icnogêneros.
3- Média diversidade geomorfológica, com presença principalmente de relevos tabulares de topos
planos, ou suavemente dissecados por vales alongados e de fundo chato, com cotas
altimétricas baixas e suave inclinação no sentido do mar. Superfícies aplainadas degradadas,
com colinas dissecadas, serras e morros baixos, domínio de montanhas e planaltos, inselbergs,
planícies fluviais, fluvio-lacustres e flúvio-marinhas, tabuleiros e campos de dunas.
4- Média diversidade pedológica com presença de solos do tipo Luvissolo Crômico, Neossolo
Litólico, Argilossolo Vermelho-Amarelo, Planossolo Háplico, Planossolo Hidromórfico e o
Neossolo Quartzarênico (Brandão, 2014).
5- Alta diversidade de recursos minerais, devido à presença de 3 importantes distritos mineiros
(Figura 4.26): Grande Fortaleza com a exploração de jazidas de areias (fina, grossa e
vermelha), argila, calcário,diatomito, fonolito, granito (pedras britadas e ornamentais), mica,
quartzo, feldspato, quartzito, saibro e calcário essencialmente empregues na construção civil
(areias, pedras britadas e argilas), bem como ocorrências de manganês, talco e caulim;
Canindé/Tamboril formado por calcário dolomítico, fosfato, quartzo, urânio e rochas
ornamentais; Itapipoca-Santa/Quitéria constituído principalmente de rochas ornamentais
(granito, diorito, charnoquito e monzonito), calcário, calcário dolomítico, ametista, diatomito e
argila, bem como ocorrências de cianita, ferro, urânio e amianto antofilítico (Vidal et al., 2001,
2005).
6- Alta diversidade hidrológica, gerada a partir da presença de valores médios a altos de
pluviosidade, hierarquia de canais, reservatórios e vazão específica presentes nesta

136
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

mesorregião. Caracteriza-se por aquíferos superficiais livres de boa potencialidade


hidrogeológica merecendo destaque na captação de água subterrânea de boa qualidade nas
regiões costeiras. Nos domínios dos sedimentos cenozoicos, o potencial para captação de água
subterrânea é variável e irregular. As águas, no geral, não apresentam boa qualidade química,
com valores de STD (sólidos totais dissolvidos) que podem ultrapassar 1700 mg. Nessa
mesorregião predominam aquíferos do tipo fissural com porosidade primária baixa (0 a 15%) e
granular com porosidade primária alta (>30%) (Brandão, 2014).

4.5.4 Mesorregião Noroeste Cearense

Essa mesorregião apresentou uma diversificada variação dos índices de geodiversidade que vão
desde índices Muito Baixo até Muito Alto. É possível notar que estes níveis formam quase que
um padrão concêntrico, iniciando-se com nível Médio nas bordas exteriores até Muito Alto na
porção central, expandindo-se gradualmente do sentido centro a noroeste da mesorregião. O nível
Muito Baixo concentra-se nas porções sul e leste, enquanto o nível Baixo bordeja os demais
níveis (Figura 4.30).

Figura 4.30 Mapa de Avaliação da Geodiversidade da Mesorregião Noroeste Cearense.

137
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Os valores de Alta Geodiversidade presentes nesta mesorregião explicam-se pelos aspetos


identificados em seguida.

1- Alta diversidade litológica, conferida principalmente pela Província Borborema, um importante


complexo mosaico de litologias que vêm sendo trabalhadas desde a colagem do
megacontinente Atlântida, no Paleoproterozóico (Brito Neves et al., 1999) com importantes
faixas supracrustrais relacionados à Orogênese Brasiliana, que se formou do período do
Proterozóico Superior ao Paleozóico Superior (Carneiro et al, 1989). Também é nesta
mesorregião que está o domínio Médio Coreaú, local de ocorrência de importantes falhamentos
e lineamentos pré-cambrianos, sendo o mais importante o “Lineamento Sobral - Pedro II” que
corresponde ao denominado “Lineamento Transbrasiliano”, que corta o Brasil de ponta a ponta
com direção NE-SO, e que representa a área de sutura proterozóica entre o Brasil e a África
(Silva Filho et al., 2007). São classificados nesta mesorregião 13 domínios litológicos e dentre
estes podemos citar: sedimentos quaternários inconsolidados ou pouco consolidados
depositados em meio aquoso (Pleistoceno Superior e Holoceno); coberturas sedimentares e
vulcanossedimentares mesozoicas e paleozoicas pouco a moderadamente consolidadas,
associadas a grandes e profundas bacias sedimentares do tipo sinéclise; sequências
sedimentares e vulcanossedimentares do Eopaleozoico associadas a rifts, não ou pouco
deformadas e metamorfizadas; coberturas sedimentares proterozoica, não ou muito pouco
dobradas e metamorfizadas; complexos granitoides não deformados e deformados.
2- Média diversidade paleontológica, com importantes exemplares fósseis da Formação Serra
Grande, com litologias ricas em microfósseis marinhos como os quintonozoários, acritarcas,
algas tasmanites e miosporos (Daemon, 1976 apud Santos, 2009).
3- Alta diversidade geomorfológica com importantes formações de relevos com destaque para:
planícies fluviais e fluviolacustres; planícies fluviomarinhas e planícies costeiras (praias,
terraços marinhos e cordões litorâneos); vertentes recobertas por depósitos de encosta;
superfícies aplainadas; tabuleiros e tabuleiros dissecados; planaltos, chapadas e platôs;
superfícies aplainadas conservadas; superfícies aplainadas retocadas ou degradadas;
Inselbergs e outros relevos residuais, morros e serras baixas; montanhas, escarpas serranas,
degraus estruturais e rebordos erosivos; colinas dissecadas, amplas e suaves e vales
encaixados (Brandão, 2014).
4- Alta diversidade pedológica com presença de 7 tipos de solos, com maior variação de tipos no
setor centro-oeste da mesorregião. Dentre estes destacam-se: os Neossolos Litólicos,

138
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Neossolos Quartzarênicos, Argissolos Vermelho-amarelos, Planossolos Háplicos, Planossolos


Hidromorficos, Luvissolos Cromico e Latossolos Vermelho-amarelo.
5- Alta diversidade de recursos minerais com a presença de 3 importantes distritos mineiros
(Figura 4.26): Canindé/Tamboril formado por calcário dolomítico, fosfato, quartzo, urânio
e rochas ornamentais; Itapipoca-Santa/Quitéria constituído principalmente de rochas
ornamentais (granito, diorito, charnoquito e monzonito), calcário, calcário dolomítico, ametista,
diatomito e argila, bem como ocorrências de cianita, ferro, urânio e amianto antofilítico;
Sobral-Camocim constituído de minerais metálicos (minério de cobre e prata) e não-
metálicos (rochas ornamentais, diatomito, argila, calcário, calcário dolomítico, filito, areia de
fundição e pedras britadas) (Vidal et al., 2001, 2005). Segundo Brandão, (2014), também são
extraídas nesta mesorregião recursos minerais como o cascalho para construção civil e uso
industrial, mineralizações secundárias de ferro, manganês e ouro, mineralizações hidrotermais
de ferro, associadas ou não a cobre, granitos, pirita e calcopirita disseminados, quartzitos,
metarenitos, metaconglomerados e ardósias.
6- Alta diversidade hidrológica, gerada a partir da presença de médios a altos valores de
pluviosidade, hierarquia de canais, reservatórios e vazão específica presentes nesta
mesorregião. Possui hierarquia de canais até 5ª ordem. O principal rio que banha essa
mesorregião é o rio Acaraú considerado um dos mais importantes do Estado e percorre 320
km desde a nascente até a foz. Os recursos hidrogeológicos são caracterizados principalmente
por aquíferos do tipo granular com porosidade primária alta (>30%), cárstico com porosidade
primária baixa (0 a 15%), fissural com porosidade primária baixa (0 a 15%) e granular/fissural
com porosidade primária variável (0 a >30%) (Brandão, 2014).

4.5.5 Mesorregião Metropolitana de Fortaleza

O procedimento de reclassificação e krigagem do somatório dos valores parciais, resulta em Alta


Geodiversidade na maior parte da mesorregião, apesar da análise qualitativa de alguns dos sub-
índices indicar baixos valores, nomeadamente os índices paleontológico, pedológico e
mineralógico. O maior valor de geodiversidade localiza-se no setor noroeste, representado como
um hotspot de geodiversidade (Figura 4.31).

139
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Figura 4.31 Mapa de Avaliação da Geodiversidade da Mesorregião Metropolitana de Fortaleza.

Os sub-índices parciais tem as características indicadas em seguida.

1- Média diversidade litológica, sendo os principais Domínios Litológicos: sequências


sedimentares proterozoicas dobradas, metamorfizadas em baixo a alto grau; domínio dos
complexos granitoides deformados; domínio dos complexos gnaisse-migmatíticos e
granulitos; domínio dos sedimentos cenozoicos inconsolidados ou pouco consolidados,
depositados em meio aquoso; domínio dos sedimentos cenozoicos pouco a moderadamente
consolidados, associados a tabuleiros; domínio dos complexos alcalinos intrusivos e
extrusivos, diferenciados do terciário, mesozoico e proterozoico; domínio dos sedimentos
cenozoicos eólicos.

2- Baixa diversidade paleontológica com presença no litoral principalmente de fósseis marinhos


e de vegetação costeira (Arai, 2006). Os principais vestígios de fósseis presentes que
predomina nesta mesorregião são espécies de icnofósseis e icnogêneros.

140
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

3- Alta diversidade geomorfológica, com formações de relevos importantes: superfícies


aplainadas degradadas; tabuleiros costeiros; domínios montanhosos; inselbergs; domínios de
colinas dissecadas e morros baixos; domínios de morros e de serras baixas; planícies fluviais
e flúvio-lacustres; planícies flúvio-marinhas; e campos de dunas.

4- Baixa diversidade pedológica, com 4 tipos de solos. A maior variação de tipos de solos no
setor oeste da mesorregião. Predomina solos do tipo Luvissolo Crômico, Planossolo Háplico,
Argilossolo Vermelho-Amarelo e o Neossolo Quartzarênico.

5- Baixa diversidade de recurso minerais, com a presença somente do distrito mineiro Grande
Fortaleza (Figura 4.26), caracterizado pelo extração principal de areias, pedras britadas e
argilas de emprego imediato na construção civil, seguidos de calcário e água mineral. Neste
distrito mineiro também merecem destaque às ocorrências de manganês, talco e caulim.

6- Alta diversidade hidrológica. Esse nível é devido à presença de valores médios a altos de
pluviosidade, hierarquia de canais, reservatórios e vazão específica presentes nesta
mesorregião. A maior ordem de canais encontrada nesta mesorregião é a de 4ª ordem,
sendo os rios mais representativos o Cocó, o Pacoti e o rio Ceará e seu principal afluente, o
rio Maranguapinhos. Os recursos hidrogeológicos se constituem por aquíferos do tipo granular
com porosidade primária alta (>30%) e fissural com porosidade primária baixa (0 a 15%)
(Brandão, 2014).

4.5.6 Mesorregião Jaguaribe

Apresenta índices de Muito Baixa, Baixo, Média e Alta Geodiversidade, tendo a maior parte
da mesorregião abrangida pelo níveis Muito Baixo e Baixo. O nível Alto concentra-se na porção
nordeste e apresenta quadrículas com os maiores valores geodiversidade. Ao contrário ocorre nas
demais áreas onde os níveis Muito Baixo a Baixo apresentam-se fragmentados em poligonais
e se distribuem nos setores noroeste, sul e sudeste da mesorregião (Figura 4.32).

141
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

Figura 4.32 Mapa de Avaliação da Geodiversidade da Mesorregião Jaguaribe.

Os sub-índices parciais tem as características indicadas em seguida.

1- Média diversidade litológica. A maior diversidade está concentrada na porção noroeste da


mesorregião comparada às porções sudeste, sul e centro-leste da mesma. Nesta mesorregião
destacam-se importantes formações litológicas. A formação Jandaíra datada do Turoniano ao
Eocampaniano é formada principalmente por carbonatos e metacarbonatos, além da
presença de calcários com textura dentrítica e também calcários microcristalinos, às vezes
nodulosos ou coquinoidais com presença fóssil (Cassab, 2003, 2015). A formação Açu
datada do Albiano-Cenomaniano é composta por importantes bacias sedimentares, formada
por camadas espessas de arenitos finos a grossos, intercalados com folhelhos, argilitos e
siltitos; A formação Barreiras ou Grupo Barreiras é composto por uma sequência de
sedimentos detríticos, siliciclásticos, de origem fluvial e marinha (Arai, 2006),
2- Alta diversidade paleontológica. Nos setores norte, nordeste e leste da mesorregião,
apresenta uma rica e variada presença de fósseis do Cretáceo, principalmente composta por
grupos de invertebrados marinhos como os Gastrópodes, bivalves e equinoides, grupos mais
abundantes. São identificados também conchostráceos, corais, icnofósseis, alguns peixes e

142
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

uma tartaruga de água doce. Também foram identificados raros amonóides, importantes no
auxílio da datação bioestratigráfica. A análises desses fósseis permite traçar as condições
paleoambientais durante a deposição dos sedimentos (Lana & Carvalho, 2002; Soares et al.,
2003)
3- Média diversidade geomorfológica, caracterizada por relevos tabulares de topos planos, ou
suavemente dissecados por vales alongados e de fundo chato, com cotas altimétricas baixas
e suave inclinação no sentido do mar. No Estado do Ceará, estes relevos estão representados
pela borda oeste da bacia Potiguar, formada a partir da fragmentação do paleocontinente
Gondwana, que resultou num rift de direção NE-SW preenchido por sedimentos neocretácicos
e terciários. Possui ainda em outras unidades escarpas serranas, planícies fluviais ou fluvio-
lacustres, morros e serras baixas, chapadas e platôs, planaltos e montanhas.
4- Alta diversidade pedológica, com a presença de 11 tipos de solos: Cambissolo Háplico,
Planossolo Háplico, Latossolo Vermelho-amarelo, Neossolo Quartizarenico, Neossolo Flúvico,
Neossolo Litólico, Vertissolo Cromado, Argissolo Vermelho-amarelo, Luvissolo Crômico,
Planossolo Hidromórfico e Geissolo Sálico. A maior concentração de diferentes tipos de solos
da mesorregião está localizada no setor norte-nordeste com 8 tipos diferentes de solos.
5- Baixa diversidade de recursos minerais, concentrando basicamente apenas o distrito mineiro
do Baixo Jaguaribe – Apodi (Figura 4.26), sendo os bens minerais mais importantes o
calcário e argila, além dos depósitos de granito, areia, diatomito e minerais de pegmatito
(mica, ametista e berilo). Há também extração em menor escala de ouro, ferro e feldspato. A
principal produção de minério dessa mesorregião baseia-se nas rochas calcárias que têm
grande potencial para utilização como rochas ornamentais e de revestimentos, fabricação de
cimento, corretivos agrícolas e como insumos para indústrias de tintas.
6- Alta diversidade hidrológica principalmente na porção norte-nordeste da mesorregião, gerada
a partir da presença de valores altos de hierarquia de canais, reservatórios e vazão específica
e valores baixos de pluviosidade nesta mesorregião. Apresenta a maior ordem hierárquica
de canais entre todas as mesorregiões, com a 7ª ordem na escala de análise deste estudo.
Os rios mais importantes que atravessam essa mesorregião são: o rio Jaguaribe e o Palhando
que é o seu principal tributário. Os recursos hidrogeológicos apresentam-se por aquíferos do
tipo cárstico e fissural, ambos com porosidade primária baixa (0 a 15%) e o granular com
porosidade primária alta (>30%) (Brandão, 2014).

143
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

4.5.7 Mesorregião Centro Sul Cearense

Predominam índices de Média e Alta Geodiversidade em toda a porção central da


mesorregião. O nível Muito Alto aparece em pequenos pontos isolados na porção centro-norte.
Os níveis Muito Baixo e Baixo apresentam-se bordejando os limites da mesorregião (Figura
4.33). As características de geodiversidade apresentadas nesta mesorregião são interpretadas
em seguida.

Figura 4.33 Mapa de Avaliação da Geodiversidade da Mesorregião Centro Sul Cearense.

1- Média diversidade litológica, representada pela presença de 6 domínios litológicos principais:


domínio dos sedimentos cenozoicos semiconsolidados fluviais; domínio dos sedimentos
cenozoicos e/ou mesozoicos, pouco a moderadamente consolidados, associados a pequenas
bacias continentais do tipo rift; domínio das sequências vulcanossedimentares proterozoicas
dobradas, metamorfizadas de baixo a alto grau; domínio das sequências
vulcanossedimentares tipo Greenstone Belt, Arqueano até o Mesoproterozoico; domínio dos
complexos granitoides deformados e intensamente deformados; Domínio dos complexos
gnáissicomigmatíticos e granulitos.
2- Diversidade paleontológica não identificada nesta mesorregião, devido à ausência de
formações litológicas fossilíferas, sendo portanto considerada de diversidade nula.

144
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

3- Baixa diversidade pedológica, com a presença de apenas 4 tipos de solos: o Luvissolo


Crômico, Neossolo Litólico, Argissolo vermelho-amarelo e Planossolo Nátrico. Quase metade
da mesorregião é formada por solos do tipo Argissolos vermelho-amarelos, enquanto apenas
uma pequena mancha na parte leste da mesorregião é formada pelo Planossolo Nátrico.
4- Alta diversidade geomorfológica, com maior concentração nas porções noroeste e norte da
mesorregião. Está representada por 12 domínios geomorfológicos: Superfícies aplainadas
retocadas ou degradadas; os Planaltos, Inselbergs e outros relevos residuais; Colinas amplas
e suaves; Colinas dissecadas e morros baixos; Morros e serras baixas; Montas e Escarpas
serranas; Degraus estruturais e rebordos erosivos; Tabuleiros, Chapadas e platôs e Vales
encaixados.
5- Média diversidade de recursos minerais, destacando-se dois distritos mineiros (Figura
4.26): Antonina do Norte/Campos Sales destacando-se principalmente, os minérios
utilizados como matéria-prima na fabricação de cimento (laterita ferruginosa e tufo vulcânico),
além de calcita; Iguatu-Aurora constituída principalmente de minerais não-metálicos
(calcário, magnesita, quartzo e rochas ornamentais) e metálicos (minério de berílio e cobre).
6- Alta diversidade hidrológica. Apresenta altos níveis de hierarquia de canais, com presença da
5ª e 6ª ordens. Está representado pelo rio Jaguaribe que corta o Ceará no sentido Sul-Norte.
Os recursos hidrogeológicos se constituem por aquíferos do tipo granular com porosidade
primária alta (>30%) e fissural com porosidade primária baixa (0 a 15%) (Brandão, 2014).

145
AVALIAÇÃO DA GEODIVERSIDADE DO ESTADO DO CEARÁ.
Capítulo IV

146
CAPÍTULO V

ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICAÇÃO DE


DIFERENTES GRIDS NA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL
DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA GEODIVERSIDADE:
aplicação à Mesorregião Sul Cearense
ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES GRIDS NA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS
HÍDRICOS E DA GEODIVERSIDADE: aplicação à Mesorregião Sul Cearense
Capítulo V

148
ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES GRIDS NA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS
HÍDRICOS E DA GEODIVERSIDADE: aplicação à Mesorregião Sul Cearense
Capítulo V

5.1 Introdução

Neste capítulo apresentamos uma análise comparativa aplicando diferentes grids ao método de
Avaliação do Potencial dos Recursos Hídricos (PRH) e da Geodiversidade da Mesorregião Sul
Cearense. A mesorregião engloba duas importantes microrregiões: a da Chapada do Araripe
Cearense e a do sertão do Cariri.

Para esta análise com maior detalhamento, foi desenvolvida nova aquisição de valores do PRH e
da Geodiversidade em grid 5x5km. De forma a compreender a influência da dimensão da grid, os
resultados obtidos são comparados com os resultados obtidos nos capítulos anteriores. No caso
do PRH, comparam-se resultados obtidos com recursos às grids com grid 5x5km, 12x12km e à
grid das subbacias. Para a geodiversidade, comparam-se os resultados obtidos com recurso às
grids 5x5km e 12x12km.

5.2 Potencial dos Recursos Hídricos: comparativos das grids


12x12km, 5x5km e das subbacias

5.2.1 Resultados das grids 5x5km e 12x12km.

Para a quantificação dos índices dos recursos hídricos a partir do uso da grid 5x5km, foram
utilizados os mesmos elementos dos recursos hídricos que foram usados no Capítulo 4 para a
identificação do potencial dos recursos hídricos a partir da grid 12x12km. Foram quantificados os
dados das médias anuais pluviométricas, as vazões específicas, reservatórios hídricos e
hierarquias de rios, sendo que para este último, devido ao maior detalhamento, foram
considerados todos os níveis hierárquicos de canais na contagem por quadrícula.

A seguir, segue-se os procedimentos metodológicos realizados para o método 5x5km juntamente


com os resultados já realizados no método 12x12km para melhor visualização e comparação.

149
ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES GRIDS NA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS
HÍDRICOS E DA GEODIVERSIDADE: aplicação à Mesorregião Sul Cearense
Capítulo V

1º Passo: Sumarize da grid 5x5km, 12x12km e do mapa pluviométrico. Considerou-se


o valor cujo centroide da quadrícula tocava o polígono da média pluviométrica (Figuras 5.1 e
5.2).

Figura 5.1 Mapa com a sobreposição da grid 5x5km e das médias anuais de pluviosidade dos últimos 34
anos (1974 à 2014) para a Mesorregião Sul Cearense.

Figura 5.2 Mapa com a sobreposição da grid 12x12Km e das médias anuais de pluviosidade dos últimos
34 anos (1974 à 2014) para a Mesorregião Sul Cearense.

150
ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES GRIDS NA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS
HÍDRICOS E DA GEODIVERSIDADE: aplicação à Mesorregião Sul Cearense
Capítulo V

2º Passo: Quantificação das médias anuais pluviométricas. Na tabela de atributos da grid


5x5km, foi adicionada uma coluna com os valores da pluviosidade já distribuídos para 14 classes
(Tabela 5.1) equivalentes às classes de pluviosidade em milímetros, para a posterior modelagem
da distribuição das médias pluviométricas por quadrícula (Figura 5.3 e Figura 5.4).

Figura 5.3 Mapa da modelagem das classes de pluviosidade na grid 5x5 km para a Mesorregião Sul
Cearense.

Figura 5.4 Mapa da modelagem dos índices pluviométricos na grid 12x12km para a Mesorregião Sul
Cearense.

151
ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES GRIDS NA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS
HÍDRICOS E DA GEODIVERSIDADE: aplicação à Mesorregião Sul Cearense
Capítulo V

Tabela 5.1 Valores de pluviosidade reclassificados para 14 classes. Constam 30 valores de um


total de valores da mesorregião.

Pluviosidade Pluviosidade
ID (Valores brutos) (Valores reclassificados)
1578 14 5
1538 14 5
1617 14 5
1657 14 5
1620 13 5
1775 13 5
1659 13 5
1658 13 5
1698 13 5
1576 13 5
1610 13 5
1735 13 5
1574 13 5
1575 13 5
1572 13 5
1736 13 5
1573 13 5
1611 13 5
1577 13 5
(…) (…) (…)
555 1 1
835 1 1
1110 1 1
1113 1 1
1694 1 1
1647 1 1
1647 1 1
1695 1 1
1650 1 1
1654 1 1
1651 1 1

152
ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES GRIDS NA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS
HÍDRICOS E DA GEODIVERSIDADE: aplicação à Mesorregião Sul Cearense
Capítulo V

3º Passo: Sumarize da grid (5x5km, 12x12km) e do mapa de vazões específicas.


Foram calculadas as médias ponderadas para obtenção de valor da vazão específica em cada
quadrícula (Figura 5.5 e 5.6).

Figura 5.5 Mapa com a sobreposição da grid 5x5Km e do mapa com os índices de vazão específica da
Mesorregião Sul Cearense.

Figura 5.6 Mapa com a sobreposição da grid 12x12km e do mapa com os índices de vazão específica da
Mesorregião Sul Cearense

153
ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES GRIDS NA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS
HÍDRICOS E DA GEODIVERSIDADE: aplicação à Mesorregião Sul Cearense
Capítulo V

4º Passo: Quantificação dos valores de vazão específica. Distribuição por quadrículas dos
valores reclassificados das vazões específicas através da representação espacial da modelagem
dos dados (Figuras 5.7 e Figura 5.8).

Figura 5.7 Mapa da modelagem dos índices da vazão específica na grid 5x5km para a Mesorregião Sul
Cearense.

Figura. 5.8 Mapa da modelagem dos índices da vazão específica na grid 12x12km para a Mesorregião
Sul Cearense.

154
ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES GRIDS NA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS
HÍDRICOS E DA GEODIVERSIDADE: aplicação à Mesorregião Sul Cearense
Capítulo V

5º Passo: Sumarize da grid (5x5km, 12x12km) e do mapa dos reservatórios hídricos.


Nesta etapa foram calculadas a porcentagem de área de cada reservatório hídrico em relação à
área das quadrículas e posteriormente reclassificados para 5 classes (Figuras 5.9 e 5.10).

Figura 5.9 Mapa da sobreposição da grid 5x5km e dos reservatórios hídricos para a Mesorregião Sul
Cearense.

Figura 5.10 Mapa da sobreposição da grid 12x12km e dos reservatórios hídricos para a Mesorregião Sul
Cearense.

155
ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES GRIDS NA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS
HÍDRICOS E DA GEODIVERSIDADE: aplicação à Mesorregião Sul Cearense
Capítulo V

6º Passo: Quantificação dos reservatórios hídricos por quadrículas. Após calculadas as


porcentagens de áreas dos reservatórios para 5 classes, os valores foram distribuídos por
quadrículas através da representação espacial da modelagem dos dados (Figura 5.11 e Figura
5.12).

Figura 5.11 Mapa da modelagem dos índices dos reservatórios hídricos na grid 5x5km para a Mesorregião
Sul Cearense

Figura 5.12 Mapa da modelagem dos reservatórios hídricos na grid 12x12km para a Mesorregião Sul
Cearense.

156
ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES GRIDS NA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS
HÍDRICOS E DA GEODIVERSIDADE: aplicação à Mesorregião Sul Cearense
Capítulo V

7º Passo: Sumarize das grids (5x5km, 12x12km) e do mapa das hierarquias de rios.
Para a quantificação das hierarquias foi considerada a maior hierarquia existente dentro da
quadrícula. As hierarquias variaram por quadrícula da 1ª até a 7ª ordem da classificação de
Strahler (1957). (Figura 5.13 e 5.14)

Figura 5.13 Mapa da sobreposição da grid 5x5km e das hierarquias de rios para a Mesorregião Sul
Cearense

Figura 5.14 Mapa da sobreposição da grid 12x12km e das hierarquias de rios para a Mesorregião Sul
Cearense.

157
ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES GRIDS NA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS
HÍDRICOS E DA GEODIVERSIDADE: aplicação à Mesorregião Sul Cearense
Capítulo V

8º Passo: Quantificação das hierarquias de rios por quadrículas. Após a identificação


das hierarquias de rios em cada quadrícula, os valores foram modelados a partir da representação
espacial dos dados (Figura 5.15 e Figura 5.16).

Figura 5.15 Mapa da modelagem dos índices das hierarquias de rios na grid 5x5km para a Mesorregião
Sul Cearense.

Figura 5.16 Mapa da modelagem dos índices das hierarquias de rios na grid 12x12km para a Mesorregião
Sul Cearense.

158
ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES GRIDS NA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS
HÍDRICOS E DA GEODIVERSIDADE: aplicação à Mesorregião Sul Cearense
Capítulo V

9º Passo: Somatório dos índices parciais dos recursos hídricos. Foram somados os
índices parciais da pluviosidade, vazão específica, hierarquia de rios e reservatórios hídricos.
Posteriormente todos os valores dos 4 índices parciais foram unidos através da função join em
uma única tabela no arquivo base (grid vetorial). Esse procedimento foi feito tanto para a grid
12x12km, quanto para a grid 5x5km. Em seguida, os índices parciais foram sumarizados,
obtendo-se por fim, o mapa quantitativo com os valores totais do PRH das grids 5x5km e 12x12km
respectivamente (Figura 5.17; ANEXO 5.1 e Figura 5.18; ANEXO 5.2).

Figura 5.17 Esquema com a representação do sumarize dos índices parciais do PRH para a grid 5x5km.
A) índices das médias pluviométricas; B) índices das vazões específicas; C) índices da hierarquia de rios;
D) índices dos reservatórios hídricos; E) Mapa de Índices do PRH da Mesorregião Sul Cearense.

159
ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES GRIDS NA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS
HÍDRICOS E DA GEODIVERSIDADE: aplicação à Mesorregião Sul Cearense
Capítulo V

Figura 5.18 Esquema com a representação do sumarize dos índices parciais do PRH para a grid
12x12km. A) índices das médias pluviométricas; B) índices das vazões específicas; C) índice da hierarquia
de rios; D) índices dos reservatórios hídricos E) Mapa de Índices do PRH da Mesorregião Sul Cearense.

160
ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES GRIDS NA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS
HÍDRICOS E DA GEODIVERSIDADE: aplicação à Mesorregião Sul Cearense
Capítulo V

10º Passo: Interpolação do índices totais do PRH para obtenção do mapa ordenado.
Nesta etapa foi aplicado, para as grids 5x5km e 12x12km, a interpolação por Krigagem gaussiana.
Deste procedimento foram obtidos os Mapas de Avaliação do PRH para a Mesorregião Sul
Cearense. (Figura 5.19; ANEXO 5.3 e Figura 5.20; ANEXO 5.4)

Figura 5.19 Mapa da Avaliação do PRH da Mesorregião Sul Cearense gerado a partir da interpolação por
Krigagem gaussiana (método da grid 5x5km).

Figura 5.20 Mapa da Avaliação do PRH da Mesorregião Sul Cearense gerado a partir da interpolação por
Krigagem gaussiana (método da grid 12x12km).

161
ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES GRIDS NA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS
HÍDRICOS E DA GEODIVERSIDADE: aplicação à Mesorregião Sul Cearense
Capítulo V

5.2.2 Análise comparativa entre os resultados dos métodos 12 kmx12 km, 5x5km e
subbacias

Para a análise comparativa entre os métodos 12x12km e 5x5km e com o método das subbacias
desenvolvido no Capítulo 3, foram feitos snips dos mapas de índices quantitativos e da avaliação
do PRH da Mesorregião Sul Cearense.

Figura 5.21 Mapa de Índices do PRH da Mesorregião Sul Cearense (método das subbacias).

Figura 5.22 Mapa da Avaliação do PRH da Mesorregião Sul Cearense, gerado a partir da interpolação por
Krigagem gaussiana (método das subbacias).

162
ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES GRIDS NA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS
HÍDRICOS E DA GEODIVERSIDADE: aplicação à Mesorregião Sul Cearense
Capítulo V

Os resultados dos 3 métodos de quantificação do PRH para a Mesorregião Sul Cearense estão
numerados e discriminados na Figura 5.23.

Figura 5.23 Resultados finais da análise do PRH da Mesorregião Sul Cearense, utilizando os métodos
12x12km (mapas A e A1), método 5x5km (mapas 3B e B1) e o método das subbacias (mapas C e C1). Os
mapas A, B e C são os mapas dos Índices do PRH e o A1, B1 e C1 são os mapas de Avaliação do PRH
gerados a partir da aplicação da interpolação por Krigagem gaussiana.

163
ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES GRIDS NA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS
HÍDRICOS E DA GEODIVERSIDADE: aplicação à Mesorregião Sul Cearense
Capítulo V

A escolha do tipo de grid para a quantificação dependerá do objetivo da análise que será realizada
e também da escala do objeto que se pretende analisar. Comparando os resultados da
quantificação do PRH, os mapas que apresentaram resultados mais detalhados foram os dos
métodos da grid 5x5km (Figura 5.23 B e B1) e o método das subbacias (Figura 5.23 C e
C1).

No método da grid 5x5km, a grid vetorial de classificação possui um formato regular, apresentando
áreas similares de 25km2 por quadrícula, enquanto no método das subbacias, utiliza-se a grid em
formato irregular com variação da área o que confere uma maior abrangência na contagem dos
elementos dentro da subbacia se comparado ao método da grid 5x5km.

Apesar dos mapas quantitativos dos métodos 5x5km (Figura 5.23 B) e das subbacias (Figura
5.23 C) demonstraram níveis de detalhamento diferentes, ambos apresentaram de forma geral
nos mapas de avaliação (ordenados) (Figura 5.23 B1 e C1), similaridade na modelagem da
distribuição dos níveis do PRH.

Como exemplo desta similaridade, é possível observar na parte leste de ambos os mapas de
avaliação a concentração de níveis Muito Alto do PRH na área que corresponde à microrregião
do Cariri. Analisando de uma forma mais específica, observa-se que a principal diferença está na
distribuição das curvas do PRH que na grid 5x5km se espacializam de forma mais heterogênea e
assinalam com maior detalhe as variações de maior escala.

O método 12x12km apresentou resultados intermédios entre os métodos 5x5km e o das


subbacias. Por caracterizar-se como uma grid regular com quadrículas de 144km2, apresenta,
assim como no método 5x5km, uma distribuição homogênea na quantificação dos dados.
Entretanto, pelo fato das quadrículas do método 12x12km possuírem áreas superiores às do
método 5x5km, apresenta, assim como no método das subbacias, um menor detalhe na
quantificação dos dados do PRH.

No método 5x5km (25km2) há uma maior compartimentação de área a ser quantificada, o que
favorece o detalhamento do(s) fenômeno(s) ou elemento(s) ao(s) qual(is) pretende-se quantificar.
Portanto, a escolha deste método 5x5km deverá ser seguido em análises em média e grande

164
ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES GRIDS NA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS
HÍDRICOS E DA GEODIVERSIDADE: aplicação à Mesorregião Sul Cearense
Capítulo V

escala, onde os fenômenos e/ou elementos geralmente são muito pontuais e necessitam de um
maior detalhamento.

O método das subbacias constitui-se como um bom descritor do PRH, já que este baseia-se nos
divisores naturais e nas características dos fenômenos hidrometereológicos intrínsecos. Os
procedimentos desenvolvidos através desta proposta metodológica se fundamentam, como foi
discutido no subcapítulo 2.4, com base na Lei 9.433, de 8 de Janeiro de 1997 e especificamente
no inciso V desta lei, a qual instituiu a bacia hidrográfica como a unidade territorial de planejamento
e gestão, imprescindível para implementação da Política Nacional de Recursos Hídricos e atuação
do Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos.

Assim, para a análise do PRH, os melhores resultados obtidos são o do mapa ordenado do método
5x5km (Figura. 5.23, mapa B1), que apresentou maior detalhamento das informações e o
mapa C (mapa quantitativo), que considera o potencial dos Recursos hídricos a partir dos limites
naturais da subbacia, enquadrando-se na Lei Federal 9.433/97, o que é relevante para a
compreensão da importância desta no contexto da gestão e preservação dos recursos hídricos.

5.3 Avaliação da geodiversidade: comparativo das grids


12x12km e 5x5km

5.3.1 Resultados da grid 5x5km

Para a avaliação da geodiversidade foram também calculados e processados os dados da litologia,


paleontologia, geomorfologia, recursos minerais e energéticos, solos e recursos hídricos numa grid
5x5km. Para a grid 12x12km o resultado final do Mapa da Geodiversidade foi gerado no Capítulo
4 e será posteriormente comparado ao método 5x5km.

Os resultados dos mapas parciais e do mapa final da geodiversidade gerados a partir da grid 5x5
(Figura 5.25; ANEXO 5.5) baseiam-se nos mesmos procedimentos realizados no Capitulo 4 e
estão apresentados a seguir.

165
ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES GRIDS NA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS
HÍDRICOS E DA GEODIVERSIDADE: aplicação à Mesorregião Sul Cearense
Capítulo V

Figura 5.24 Mapas parciais dos índices quantitativos classificados a partir da grid 5x5km para geração
do Mapa de Índices de Geodiversidade da Mesorregião Sul Cearense. A) mapa litológico; B) mapa
geomorfológico; C) mapa pedológico; D) mapa de recursos minerais; E) mapa paleontológico; F) mapa de
recursos hídricos;

166
ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES GRIDS NA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS
HÍDRICOS E DA GEODIVERSIDADE: aplicação à Mesorregião Sul Cearense
Capítulo V

Figura 5.25 Mapa de Índices de Geodiversidade da Mesorregião Sul Cearense classificada a partir da grid
5x5km.

Figura 5.26 Mapa de Índices de Geodiversidade da Mesorregião Sul Cearense classificada a partir da grid
12x12km.

167
ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES GRIDS NA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS
HÍDRICOS E DA GEODIVERSIDADE: aplicação à Mesorregião Sul Cearense
Capítulo V

Figura 5.27 Mapa da Avaliação da Geodiversidade da Mesorregião Sul Cearense classificada a partir da
interpolação por Krigagem gaussiana com base na grid 5x5km.

Figura 5.28 Mapa da Avaliação da Geodiversidade da Mesorregião Sul Cearense classificada a partir da
interpolação por Krigagem gaussiana com base na grid 12x12km.

168
ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES GRIDS NA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS
HÍDRICOS E DA GEODIVERSIDADE: aplicação à Mesorregião Sul Cearense
Capítulo V

5.3.2 Análise comparativa da avaliação da geodiversidade obtida com as grids


12x12km e 5x5km

A seguir, destacamos as análises comparativas dos resultados obtidos a partir dos mapas
quantitativos (índices) e ordenados (avaliação), apresentando as particularidade e singularidades
existentes entre os métodos 5x5km e 12x12km na classificação da geodiversidade para áreas com
grandes escalas de análise.

1- Os índices quantitativos de geodiversidade, obtidos com base nas duas grids, apresentam
similaridade na amplitude entre o menor e o maior valor. Na grid 5x5km, os valores mínimo e
máximo variam de 3 a 22, enquanto que na grid 12x12km (FIGURA 5.26; ANEXO 5.6) essa
amplitude varia de 5 a 25. Comparando apenas a amplitude é possível notar que não há uma
diferença significativa.

2- Pelo fato do método 5x5km possuir por quadrícula área menor que o método 12x12km, (25km2)
e (144km2) respectivamente, esta diferença permite que no primeiro método sejam contabilizados
elementos parciais em mais áreas individualizadas do que no segundo.

3- O método 12x12km possui por quadrícula área quase 5 vezes superior se comparada à área
do método 5x5km. Essa diferença acarreta, no caso de grandes escalas, numa maior
generalização das informações devido ao maior número de elementos parciais que são somando
em uma única quadrícula.

4- Os mapas de avaliação (Figura 5.27; ANEXO 5.7) e (Figura 5.28; ANEXO 5.8), gerados
a partir dos índices dos mapas quantitativos, também apresentaram níveis de detalhamento
diferenciados. O método 5x5km apresentou poligonais concêntricas e uniformes, resultado do
maior número de informações/valores contabilizados e interpolados. Já no método 12x12km, que
apesar de apresentar certo nível de concentricidade, as poligonais são mais fragmentadas e
dispersas.

5- As classes de Muito Baixa e Baixa Geodiversidade obtidos no método 12x12km,


restringem-se basicamente ao setor noroeste e nordeste da Mesorregião Sul Cearense, sendo que
a área ocupada pela Média Geodiversidade margeia as áreas de Alta e Muito Alta

169
ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES GRIDS NA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS RECURSOS
HÍDRICOS E DA GEODIVERSIDADE: aplicação à Mesorregião Sul Cearense
Capítulo V

Geodiversidade. No caso do método 5x5km, as classes Muito Baixa e Baixa


Geodiversidade apresentam-se distribuídos em uma área maior e seguem um padrão de
circunferência assim como os demais níveis.

6. As classes Alta e Muito Alta Geodiversidade distribuem-se de forma semelhante em ambos


os mapas, apesar de apresentarem níveis de detalhamento diferenciados. No capítulo 4 foram
justificados os valores especialmente elevados da geodiversidade na região do Araripe.

7- A configuração das poligonais das classes Média a Muito Alta Geodiversidade no mapa de
avaliação da grid 5x5km, estrutura-se no sentido Leste-Oeste de maneira contínua, resultado da
presença de altos valores de índices parciais, principalmente os hidrológico, paleontológico,
litológico, geomorfológico e mineralógico. No mapa ordenado do método 12x12km, não é possível
observar essa mesma configuração devido ao fato da grid apresentar por quadrícula maior área o
que acarreta na generalização das informações.

Os resultados e a análise realizados sobre os vários mapas obtidos, permitem concluir que é maior
o detalhe obtido com recurso à grid 5x5km. Assim, para análise de áreas da dimensão da
mesorregião usando mapas de pequena escala, essa grid fornece resultados mais precisos dos
elementos que se pretendem quantificar e avaliar. Já a grid 12x12km, desenvolvida no Capítulo
4 deste estudo apresenta resultados com menos riqueza de detalhamento já que esta é mais
indicada para análises de áreas maiores, como o nível de Estado.

Após os testes verificados ao longo dos últimos capítulos, consideramos que a amplitude dos
índices (diferença entre valores máximos e mínimos) é um dado fundamental para entender se
determinada escala de mapa pode ser usada para avaliação de determinada área. No caso em
estudo, obtivemos para os índices de geodiversidade da Mesorregião Sul Cearense uma amplitude
de 19 (grid 5x5km) e 20 (grid 12x12km). Estes valores confirmam a aplicabilidade do método
usando os mapas de pequenas escalas.

170
CAPÍTULO VI

CONSIDERAÇÕES FINAIS
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Capítulo VI

172
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Capítulo VI

6.1 Considerações Finais

Consideração mais detalhada relativo à Avaliação do Potencial dos Recursos Hídricos e da


Avaliação da Geodiversidade são apresentadas nos capítulos 3,4 e 5.

A presente pesquisa foi desenvolvida com o intuído principal de ser mais um relevante contributo
no aperfeiçoamento e enriquecimento da temática sobre a quantificação da geodiversidade e em
particular dos recursos hídricos. Considerando a inclusão da água como componente da
geodiversidade, incluímos um sub-índice Recursos Hídricos no conjunto de indicadores parciais
para a sua avaliação. Para além da inclusão do referido indicador parcial, propomos também a
atualização de outros procedimentos relativamente à metodologia proposta por Pereira et al.
(2013), nomeadamente da avaliação do índice paleontológico e testamos a aplicação de grids de
dimensões diferentes.

O método de avaliação da geodiversidade que atualizamos neste trabalho permite avaliar também,
de forma independente, a diversidade litológica, geomorfológica, paleontológica, pedológica, de
recursos minerais e energéticos e, como propomos, dos recursos hídricos. Atendendo ao nosso
interesse muito particular nos recursos hídricos, aspeto fulcral no Estado do Ceará, desenvolvemos
também um procedimento para a sua avaliação, pelo que propomos um indicador que designamos
por Potencial dos Recursos Hídricos (PRH). Este foco permitiu obter também outros dados inéditos
como por exemplo os valores e mapa da média anual de precipitação do Estado do Ceará. Neste
processo demos particular realce à questão das grids a aplicar sobre os mapas, destacando-se a
vantagem do uso das sub-bacias para cálculo do PRH e de grids regulares para o cálculo dos
índices parciais da geodiversidade, incluindo os recursos hídricos.

O método de quantificação do PRH, baseado nos divisores naturais das sub-bacias, foi pensado e
desenvolvido como instrumento de planejamento e gestão de bacias, já que no Brasil
institucionalizou-se através da Lei 9.433/97 que a bacia hidrográfica é a unidade territorial para
implementação da Política Nacional de Recursos Hídricos e atuação do Sistema Nacional de
Gerenciamento de Recursos Hídricos. Este método permite uma quantificação dos recursos
hídricos na ausência dos valores de vazão, dado utilizado na maioria de outros métodos de
avaliação.

Para compreendermos a importância da quantificação do PRH, no segundo capítulo discute-se o


contexto histórico das políticas de gestão do potencial dos recursos hídricos no Brasil e no Ceará.

173
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Capítulo VI

Neste capítulo abordamos também a evolução dos métodos de quantificação e a avaliação de


recursos hídricos em bacias hidrográficas. Essa abordagem histórica nos permite compreender o
funcionamento das atuais políticas de desenvolvimento local no contexto do planejamento e
gerenciamento dos recursos hídricos. Como resultado, concluiu-se que a partir da implementação
da Lei Estadual 11 996/92, posteriormente substituída pela Lei nº 14 844, de 30 de dezembro
de 2010 no Ceará, foi possível, com base nos problemas ambientais e de escassez hídrica, um
maior controle e gestão dos recursos hídricos no Estado. A ausência de diálogos entre os diversos
setores políticos e sociais acerca dos recursos hídricos tem gerado grave problema social,
motivados principalmente pelos conflitos sobre o direito de uso e apropriação destes recursos,
tornando-se imprescindível a ampliação nas discussões por parte dos setores políticos e
acadêmicos do Estado do Ceará.

No capítulo 3, de caráter metodológico, são descritos e desenvolvidos mapeamentos,


classificações e avaliações para a caracterização do PRH. Neste capítulo foram obtidos resultados
importantes e inéditos, a exemplo do mapa das médias anuais de pluviosidade com a classificação
dos últimos 34 anos para o Estado do Ceará. Foram identificadas e descritas no mapa da
pluviosidade com a sobreposição das mesorregiões (Figura 3.18), as áreas com maiores e
menores índices pluviométricos, o que contribui para caracterizar o perfil climático do território.
Das sete mesorregiões, quatro apresentam médias pluviométricas com valores acima dos 800
mm anuais (Noroeste Cearense, Norte Cearense, Metropolitana de Fortaleza e Sul Cearense), e
as demais (Sertões Cearense, Centro-sul Cearense e Jaguaribe), valores abaixo dos 800 mm
anuais. Esses resultados constituem-se como dados importantes no auxílio de pesquisas e na
gestão territorial, seja para a análise da potencialidade e produtividade agrícola, ou mesmo para
a identificação de áreas potenciais à construção de barragens, entre outros. Além destas
aplicabilidades, o principal objetivo na elaboração do mapa das médias de pluviosidade nesta
pesquisa, foi servir de base para a quantificação do PRH. Para esta quantificação foram elaborados
e processados os mapas das sub-bacias, dos canais fluviais e suas respetivas hierarquias, o mapa
dos reservatórios hídricos e o mapa das vazões específicas. A partir do somatório destes mapas
obteve-se o mapa quantitativo dos índices do PRH a partir de cada sub-bacia.

Já o processo de interpolação gerado a partir do mapa de índices das sub-bacias (Figura 3.35)
permite uma visualização mais espacializada e correlacionada destes dados. Essa aplicação
permite identificar por áreas ou por mesorregiões quais apresentam os maiores e menores valores
de PRH. Esse resultado, além de caracterizar e classificar as mesorregiões por potencial
174
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Capítulo VI

hidrológico, permite aplicar ações de controle e gestão dos usos destas sub-bacias pelos órgãos
competentes, a partir do auxilio na elaboração de planos de desenvolvimento hídrico, levando em
consideração as necessidades existentes em cada mesorregião tendo como referência os
parâmetros das potencialidades apresentados.

No início do capítulo 4 é feita uma breve revisão teórica sobre o conceito de geodiversidade, onde
são descritas as mais importantes contribuições e os autores que se destacam na divulgação e
aperfeiçoamento do conceito. Dentre as contribuições mencionadas, algumas investigações
científicas atualizadas se dedicam a desenvolver e propor metodologias de quantificação da
geodiversidade. O mesmo capítulo é dedicado ao desenvolvimento da nossa proposta
metodológica de quantificação da geodiversidade com base no uso da grid regular de 12x12km
ou 144km2 por quadrícula. Essa metodologia constitui-se em um upgrade desenvolvido por Pereira
et al., (2013) e utilizado posteriormente em upgrades e adaptações por Silva et al., (2013; 2015).
Os principais resultados deste capítulo caracterizam-se pela quantificação de 6 índices parciais
que constituem elementos da geodiversidade (geologia, geomorfologia, paleontologia, solos,
recursos minerais e energéticos e recursos hídricos). Cada mapa parcial constitui-se
individualmente como um dado relevante para a análise detalhada dos elementos em um
determinado território, seja a nível regional ou local. Como exemplo da importância desta
metodologia, no Mapa de Índices de Diversidade Litológica (Figura 4.5) é possível discriminar as
áreas com maior diversidade litológica do Estado. Neste exemplo, é possível observar que as
mesorregiões que possuem os maiores valores de diversidade litológicas são a Noroeste Cearense
e a Centro-Sul, variando de 5 a 10 ocorrências litológicas por quadrícula, enquanto a Mesorregião
Sertões Cearenses, possui a concentração dos mais baixos valores (1 a 3 ocorrências por
quadrícula). Para os demais elementos quantificados, também há uma variação da ocorrência do
elemento no território, como pode ser conferida nos demais resultados dos dados parciais do
subcapítulo 4.3. Análises semelhantes podem ser efetuadas para os restantes componentes. Um
dos contributos específicos deste trabalho foi a inserção dos recursos hídricos como um dos
elementos da geodiversidade, já que a água, além de constituir-se como recurso, também tem
papel fundamental para a biodiversidade e como agente modelador e transformador da paisagem.

Numa etapa posterior, a do somatório dos índices parciais, foram obtidos dois resultados
principais, os mapas quantitativos (índices) e os mapas ordenados (avaliação) da geodiversidade
para todo o Estado do Ceará. Em cada quadrícula do mapa quantitativo, obteve-se diferentes
valores e/ou índices de geodiversidade. Na análise do mapa quantitativo de Índices de

175
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Capítulo VI

Geodiversidade (Figura 4.20), discutidos com maior detalhamento no subcapítulo 4.4, as


mesorregiões que apresentaram maior geodiversidade foram as mesorregiões do Noroeste
Cearense e Sul Cearense, enquanto as demais, apresentaram valores mais baixos. Diante dos
resultados gerados, é possível mensurar que o procedimento metodológico desenvolvido se revela
adequado no processo de identificação e ponderação dos índices da geodiversidade em um dado
território. A metodologia desenvolvida e os respectivos resultados apresentados nesta pesquisa
possibilitam traçar, de maneira mais objetiva e aproximada da realidade, metas para uma gestão
mais eficaz sobre o ordenamento do território, bem como servir de base para a descoberta de
novos usos, como por exemplo educativos e turísticos, contribuindo assim, para o reconhecimento
e proteção de novas áreas com potencial de geoconservação.

O procedimento de interpolação realizada para obtenção do Mapa de Avaliação do PRH também


foi feito para obtenção do Mapa de Avaliação da Geodiversidade, cujo objetivo foi melhorar a
compreensão e visualização da distribuição da geodiversidade no território. A partir dele, passamos
a obter não apenas valores numéricos de geodiversidade, mas também escalas ordenadas de
importância, representadas nos mapas a partir das poligonais geradas no processo de
interpolação.

No capítulo 5 desenvolvemos uma análise comparativa da utilização das sub-bacias, da grid


12x12km (144 km2), e de uma nova grid com 5x5km (25 km2) para o cálculo do PRH e da
geodiversidade. O objetivo principal em testar a grid 5x5km foi pelo fato de que, no caso de se
realizar a quantificação em áreas de menor dimensão e com maior riqueza de detalhes, seria
necessário uma grid que proporcionasse uma maior compartimentação dos elementos de
diversidade. A aplicação de grids menores deve ser combinada, para resultados mais precisos,
com o uso de mapas de maior detalhe quando estes existirem. No caso presente, a aplicação do
método está limitado aos mapas existentes, mas, a par da dimensão da grid, a escala dos mapas
e a sua adequação à área de estudo é fundamental.

Para testar a importância da dimensão da grid, selecionamos a Mesorregião Sul Cearense, no qual
se situa o Geoparque Mundial UNESCO Araripe. Os Geoparques UNESCO caracterizam-se por
implementarem uma estratégia de geoconservação e um plano de ação para o desenvolvimento
sustentável, sendo que nesta região esse plano deverá incluir os recursos hídricos, devido à
importância que estes desempenham na vida da população. A região do Araripe caracteriza-se
também por altos valores de geodiversidade. Para essa análise, todos os procedimentos de

176
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Capítulo VI

quantificação foram refeitos para a grid 5x5km, gerando resultados de maior detalhe (mapas
quantitativos e ordenados) tanto para o PRH quanto para a geodiversidade.

Na discussão dos resultados do capítulo 5, de todos os mapas do PRH que foram gerados, o das
sub-bacias foi o que apresentou melhor descrição, já que o método aplicado nesta quantificação
baseia-se nos divisores naturais e nas características dos fenômenos hidrometereológicos
intrínsecos a sua formação, favorecendo uma gestão e controle mais eficazes por unidade de
bacia. Entre os mapas ordenados, o melhor resultado foi obtido pelo método da grid regular
5x5km, pois este apresentou, segundo as discussões dos resultados, melhor detalhamento,
correlação e distribuição do fenômeno no território.

Os testes realizados para a quantificação da geodiversidade a partir da grid das sub-bacias


demonstraram fragilidade metodológica, sendo descartado o método de quantificação da
geodiversidade por subbacias. Neste método, a contagem dos elementos parciais por sub-bacia
era desigual já que a dimensão da sub-bacia influencia significativamente o índice dos elementos
quantificados. Assim, para a comparação e análise do método mais indicado para a quantificação
da geodiversidade foram considerandos apenas os métodos das grids 12x12km e 5x5km. Na
discussão dos resultados, constatou-se que para áreas maiores (nível de Estado), a grid 12x12km
fornece resultados adequados. Para áreas menores (nível de mesorregião), uma grid de maior
detalhe 5x5km, permite ainda uma melhor compartimentação e detalhe de resultados.

O desenvolvimento de pesquisas voltadas para o tema geodiversidade tem apresentado nos


últimos anos um importante crescimento a nível acadêmico-científico. Apesar do crescimento ser
algo significativo, pode-se considerar ainda insuficiente, necessitando, portanto, um maior estímulo
no aumento do número de publicações científicas e um esforço na divulgação da temática e seu
uso real enquanto instrumento de ordenamento territorial. Segundo Pereira, (2015), “o
desenvolvimento de trabalhos no âmbito da geodiversidade, da geomorfologia e do património
geológico s.l., em especial os dedicados às suas avaliação e representação, poderá contribuir para
novas linhas orientadoras no ordenamento territorial, em especial no que respeita à conservação
da natureza e às relações com a biodiversidade e com os aspetos culturais. Os “serviços da
geodiversidade”, para além dos ecológicos e culturais, poderão também ser avaliados numa
perspectiva económica, onde se realçam a importância e vulnerabilidade dos solos, dos recursos
minerais e energéticos, dos recursos hídricos e dos recursos paisagísticos”

177
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Capítulo VI

De maneira geral, a proposta da presente metodologia de quantificação do potencial dos recursos


hídricos, bem como da quantificação da geodiversidade, têm como intuito principal servir como
instrumento técnico para o ordenamento territorial, incluindo a valorização de áreas com potencial
de geoconservação. A classificação de áreas com base na geodiversidade apresentada nesta
pesquisa, possibilita traçar planos estratégicos de gestão considerando a geodiversidade no seu
todo, ou cada um dos seus componentes, com destaque para os recursos hídricos.

178
BIBLIOGRAFIA

179
BIBLIOGRAFIA

180
BIBLIOGRAFIA

Bibliografia

ABERS, R. N. (Org.) (2010). Água e política: atores, instituições e poder nos Organismos
Colegiados de Bacia Hidrográfica no Brasil. – São Paulo: Annablume. 248.
AB'SABER, A. N. (1974). O domínio morfoclimático das caatingas brasileiras. São Paulo, Instituto
de Geografia, USP, Geomorfologia, 43.
AB’SABER, A. N. (1969). Um Conceito de Geomorfologia a Serviço das Pesquisas sobre o
Quaternário. Geomorfologia 18. São Paulo: IGEOG-USP, 1969.
ANA - Agencia Nacional de Águas (2002). A evolução da gestão dos recursos Hídricos no Brasil /
Evolution of water Resources magement in Brazil. Brasília; ANA, março de 2002a. 68.
Agenda 21 (1995). Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento:
de acordo a Resolução n° 44/228 da Assembleia Geral da ONU, de 22-12-89, estabelece
uma abordagem equilibrada e integrada das questões relativas a meio ambiente e
desenvolvimento: a Agenda 21- Brasília: Câmara dos Deputados, Coordenação de
Publicações, 472. – (Série ação parlamentar; n. 56). Acessado em: 04/Abr./ 2014.
Disponível em: http://www.onu.org.br/rio20/img/2012/01/agenda21.pdf
ALCAMO J.; DÖLL, P.; HENRICHS, T.; KASPAR, F; LEHNER, B.; RÖSCH, T; SIEBERT, S. (2003).
Development and testing of the WaterGAP 2 global model of water use and availability.
Hydrological Sciences–Journal–des Sciences Hydrologiques, 48:3, 317-337. Acessado
em: 19/Mai./2014. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1623/hysj.48.3.317.45290
ALMEIDA, F. F. M.; HASUI, Y.; NEVES, B. B.; FUCK, R. A. (1977). Províncias estruturais brasileiras.
In: SIMPÓSIO DE GEOLOGIA DO NORDESTE, 8. Campina Grande. Atas... Campina
Grande: SBG, 1977. 363-391.
ALVES, C.C.E.; SIEBRA, F.S.F.; BEZERRA, L.M.A.; OLIVEIRA, M.L.T. (2010). Geopark Araripe: um
estudo geoturístico e ambiental no geotope granito, Ceará/Brasil. VI Seminário Latino-
americano de Geografia Física / II Seminário Ibero-americano de Geografia Física
Universidade de Coimbra.
ANDERSON M. G.; COMER, P. J.; BEIER, P.; LAWLER, J. J.; SCHLOSS, C. A.; BUTTRICK, S.;
ALBANO, C. M.; FAITH D. P. (2015). Case studies of conservation plans that incorporate
geodiversity. Conservation Biology, 29, 3, 680–691
ANTONELI, V; THOMAZ, E.L. (2007). Caracterização do meio físico da bacia do Arroio Boa Vista,
Guamiranga-PR. Rev. Caminhos da Geografia, Uberlândia, 8, 21, 46-58, jun. 2007.
ARAI, M. (2006). A grande elevação eustática do mioceno e sua influência na origem do grupo
barreiras. Geol. USP, Sér. cient. 6, 2 São Paulo, out. 2006. Acessado em: 12/Jul./ 2016.
Disponível em: http://www.revistas.usp.br/guspsc/article/view/27419

181
BIBLIOGRAFIA

ARAUJO, A.M.; SILVA, A. B. (2011). Modelagem de áreas de escoamento superficial a partir do Modelo
Digital de Terreno. GEOUSP - Espaço e Tempo, São Paulo, 30, 194 – 204.
http://www.revistas.usp.br/geousp/article/viewFile/74240/77883

ARCHELA, R. S.; THÉRY, H. (2008). Orientação metodológica para construção e leitura de mapas temáticos.
Confins [Online], 3 | 2008, posto online em 23 juin 2008. Acessado em: 06/ Jun./2016.
Disponível em: http://confins.revues.org/index3483.html

ARRIBAS, A. y DURÁN, J.J. (1998). Geodiversidad versus biodiversidad. Tierra y Tecnología, 18,
48-49.
ASSINE, M. L. (2007). Bacia do Araripe. Boletim de Geociências da Petrobras, 15, 2, 2007. 371-
389.
Australian Heritage Commission (2002). Australian Natural Heritage Charter for the conservation
of places of natural heritage significance. Second edition. Copyright Services, Info Access,
GPO Box 1920, Canberra, ACT, 2601 ISBN 0 642 264201. Acessado em: 18/ Jan./2016.
Disponível em: https://www.environment.gov.au/system/files/resources/56de3d0a-
7301-47e2-8c7c-9e064627a1ae/files/australian-natural-heritage-charter.pdf
BARBI, F. e JACOBI, P.R. (2007). Democracia e participação na gestão dos recursos hídricos no
Brasil Rev. Katál. Florianópolis 10, 2, 237-244 Jul. /dez. 2007. Acessado em 20/ Abr.
/2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rk/v10n2/a12v10n2
BARBOSA, J. P. M. (2006). Utilização de método de interpolação para análise e espacialização de
dadosclimáticos: o SIG como ferramenta. Caminhos de Geografia 9 (17), 85 – 96. 2006.
BARRETO, A. M.; BRILHA, J. B. R.; SALES, A. M. F.; ALMEIDA, J. A. C. de (2012). Patrimônio
paleontológico e geoconservação da Formação Santana (Cretáceo Inferior da Bacia do
Araripe, Pernambuco e Piauí: Nordeste do Brasil). Pombalina Coimbra University Press.
Acessado em: 28/ Set. /2015. Disponível em: http://hdl.handle.net/10316.2/31400
BARROSO, F. R. G. (2012). Fauna de Ediacara na Bacia do Jaibaras, Noroeste do Ceará: a primeira
ocorrência no Nordeste do Brasil. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de
Pernambuco. CTG. Programa de Pós-Graduação em Geociências, 2012. O Autor, 2012. ix,
72f., il., figs. Acessado em: 17/ Jun./ 2015. Disponível em:
http://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12022
BEASLEY, D. B., HUGGINS, L.F., and MONKE, E.J. (1980). ANSWERS: A model for watershed
planning. Trans. of the ASAE 23(4):938-944.
BEGGS, P.J. (2013). Climatediversity: A new paradigm for climate science. Atmospheric
Environment 68:112–113. Acessado em: 15/Jan./2016. Disponível em:
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1352231012011120
BENDELAK, R. M. (2004). Caracterização Geofísica da Folha Iguatu (Região Centro-Sul do Estado
do Ceará): Integrando dados Aerogeofísicos, Geológicos e de Imagens de Satélites. Tese
de doutorado. Universidade de São Paulo. Institutuo de Astronomia, Geofísica e Ciências

182
BIBLIOGRAFIA

Atmosféricas. Departamento de Geofísica. Acessado em: 04/Jul./2016. Disponível em:


ftp://iag.usp.br/private/adm/katia/teses/agg/d_marcelo_r_bendelak.pdf
BEVEN, K. J. (1984). Infiltration into a class of vertically non-uniform soils. Hydrol. Sci. J., 29, 425-
434, 1984. Acessado em: 11/Set./2014. Disponível em:
http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/02626668409490960
BEVEN, K J and M J. Kirkby. (1979). A physically based variable contributing area model of basin
hydrology. Hydrologic Science Bulletin. 24(1):43-69. Acessado em: 11/Set./2014.
Disponível em: http://www.tandfonline.com/doi/pdf/10.1080/02626667909491834
BEURLEN, K. (1963). Geologia e estratigrafia da Chapada do Araripe. In: CONGRESSO
BRASILEIRO DE GEOLOGIA, 17, Recife, SBG, p.1-47.
BEURLEN, K. (1964). As espécies dos Cassiopinae, nova subfamília dos Turritellidae, no Cretáceo
do Brasil. Arquivos de Geologia. Recife, 5, 1-44.
BIN YONG et al., BO CHEN; GOURLEY J. J.; REN L. ; HONG, Y.; XI CHEN; WANG, W.; SHENG
CHEN; LUYAN GONG (2014). Intercomparison of the Version-6 and Version-7 TMPA
precipitation products over high and low latitudes basins with independent gauge networks:
Is the newer version better in both real-time and post-real-time analysis for water resources
and hydrologic extremes? Journal of Hydrology. 508, 16 January 2014, 77–87 Acessado
em: 25/ Mai. / 2015. Disponível em:
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0022169413007944
BRADBURY, J. (2014). A keyed classification of natural geodiversity for land management and
nature conservation purposes Proceedings of the Geologists’ Association 125 (2014) 329–
349
BRANDÃO, R. de L. (2014). Geodiversidade do Estado do Ceará. Programa Geologia do Brasil.
Levantamento da Geodiversidade. / Organização Ricardo de Lima Brandão [e] Luís Carlos
Bastos Freitas – Fortaleza: CPRM. Acessado em: 09/Nov. / 2015. Disponível em:
http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/bitstream/doc/1001925/1/Geodiversidadep
37.pdf
BRILHA, J. (2005). Património Geológico e Geoconservação – A conservação da Natureza na sua
vertente geológica. Palimage Editores, Braga, 190 p.
BRILHA, J. (2015). Inventory and Quantitative Assessment of Geosites and Geodiversity Sites: a
Review. Geoheritage, 2015. DOI 10.1007/s12371-014-0139-3 Acessado em:
12/Jan./2016. Disponível em:
http://www.4shared.com/web/preview/pdf/HAHJownuba
BRITO, P.M. & MARTILL, D.M. (1999). Discovery of a juvenile Coelacanth in the lower Cretaceous
Crato Formation, Northeastern Brazil. Cybium, 23 (3): 311-314.
BRITO, P.M. & SERET, B. (1996). The new genus Iansan (Chondrichthys, Rhinobatoidea) from the
Early Cretaceous of Brazil and its phylogenetic relationships. In. ARRATIA, G. & VIOHL, G.
(Eds.) Mesozoic Fishes, Ed. Verlag Dr. Friedrich Pfeil, 47-62

183
BIBLIOGRAFIA

BRITO NEVES, B. B.; CAMPOS NETO, M. C.; FUCK, A. F. (1999). From Rodinia to Western
Gondwana: an approach to the Brasiliano-Pan African cycle and orogenic collage. Episodes,
Beijing, 22, 3, 155-166, 1999.
BRITO NEVES, B. B. (1999). America do Sul: quatro fusões, quatro fissões e o processo
acrescionário andino. Revista Brasileira de Geociências, 29(3), 1999. 379-392. Acessado
em: 09/Nov. / 2015. Disponível em:
http://rbg.sbgeo.org.br/index.php/rbg/article/viewFile/708/401
BRITO NEVES, B.B.; SANTOS E.J.; VAN SCHMUS W. R. (2000). Tectonic history of the Borborema
province. In: CORDANI, U.G. (Ed.) et al. Tectonic evolution of the South America. Rio de
Janeiro: 31st International Geological Congress, 2000. 151-182.
BRUNO, A. P. & HESSEL, M. H. (2006). Registros paleontológicos do Cretáceo marinho na Bacia
do Araripe. Estudos Geológicos, Recife, 16, 30-49.
BRUSCHI, V. M. (2007). Desarrollo de una metodología para la caracterización, evaluación y
gestión de los recursos de la geodiversidad. Tesis doctoral, Universidad de Cantabria. 341.
BUREK, C. y POTTER, J. (2002). Local Geodiversity Action Plans. Setting the context for geological
conservation. English Nature. Peterborough, Inglaterra. 64.
CADIER, E. (1984). Método de avaliação dos escoamentos nas pequenas bacias do semi-arido.
Recife: SUDENE, 1984, (21), 77 multigr. (Serie Brasil.SUDENE.Hidrologia; 21).
CALÇAVARA, R. A. (2012). Uso de sistemas de informação geográfica e modelo digital de elevação
para obtenção de variáveis morfométricas da bacia hidrográfica do córrego São Vicente,
Cachoeiro de Itapemirim (ES). REVISTA GEONORTE, Edição Especial, 2, 4, 1788 – 1800.
CAMPOS, H.B.N. (2011). Arcossauros da bacia do araripe: uma revisão. Campina Grande, Ano II
– 1 - Número 02 – Março de 2011. Acessado em: 15/Abr./2015. Disponível em:
http://mhn.uepb.edu.br/revista_tarairiu/n2/art6.pdf
CARCAVILLA U. L. (2012). Geoconservación: un recorrido por lugares geológicos excepcionales
para entender cómo y por qué debemos protegerlos / Luis Carcavilla Urquí. - Madrid: Inst.
Geológ. y Minero de España ; Los Libros de la Catarata, 2012. - 126 S.: lll. - (Colección
planeta terra) ISBN 978-84-7840-885-6
CARCAVILLA, L.; LÓPEZ, J.; DURÁN, J. (2007). Patrimônio geológico y geodiversidad:
investigación, conservación, gestión y ralación com los espacios naturales protegidos.
Cuadernos del Museo Geominero, IGME, Madrid. ISBN 978-84-7840-710-1
CARNEIRO, C. D. R; HAMZA, V. M; ALMEIDA, F. F. M. (1989). Ativação tectônica, fluxo geotérmico
e sismicidade no nordeste oriental brasileiro. Revista Brasileira de Geociências, 19(3),
1989. 310-322.
CARVALHO, M.S.S. & SANTOS, M. E. C. M. (2005). Histórico das Pesquisas Paleontológicas na
Bacia do Araripe, Nordeste do Brasil. - UFRJ ISSN 0101-9759 Anuário do Instituto de
Geociências 28 (1), 15-34. Acessado em: 02/Jul./2014. Disponível em:
http://www.anuario.igeo.ufrj.br/anuario_2005_1/Anuario_2005v01_15_34.pdf

184
BIBLIOGRAFIA

CASTELLANO, M. e BARBI, F. (2006). Avanços na gestão compartilhada dos recursos hídricos nas
bacias dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí. São Paulo em Perspectiva, 20, 2, 46-58,
abr. /jun. 2006. Acessado em: 15/Abr./2014. Disponível em:
http://produtos.seade.gov.br/produtos/spp/v20n02/v20n02_04.pdf
CASSAB, R. de C. T. (2015). Paleontologia da formação Jandaíra, cretáceo superior da Bacia
Potiguar, com ênfase na paleobiologia dos gastrópodos. Anu. Inst. Geocienc., 2003, 26,
182-182. ISSN 0101-9759 Acessado em: 21/ Abr. /2015. Disponível em: http://ppegeo-
local.igc.usp.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-
97592003000100062&lng=pt&n rm=iso
CASSAB, R. de C. T. (2003). Paleontologia da Formação Jandaíra, Cretáceo Superior da Bacia
Potiguar, com ênfase na paleobiologia dos gastrópodos. [Rio de Janeiro, 2003] xix, 184,
29,7 cm (Instituto de Geociências - UFRJ, D. Sc. Programa de Pós-Graduação em Geologia,
2003) Tese, Universidade Federal do Rio de Janeiro.
CASTRO, C. (1979). Morfogênese e sedimentação: evolução do relevo do nordeste e seus
depósitos correlativos. Notícia Geomorfológica, Campinas, 19, 37-38, 3-27, 1979.
CLAUDINO-SALES, V.; LIRA, M. V. (2011). Megageomorfologia do Noroeste do Estado do Ceará,
Brasil. Caminhos de Geografia Uberlândia 12, 38 jun/2011, 200 – 209. Acessado em:
06/Jul./2016. Disponível em: http://www.ig.ufu.br/revista/caminhos.html
CHIANG, Shih-Min; TSAY, Ting-Kuei; NIX, Stephan J. (2002). Hydrologic regionalization of
watersheds. Ii: applications. Journal of Water Resources Planning and Management /
January/February 2002. Acessado em: 11/Mai./2014. Disponível em:
http://cedb.asce.org/cgi/WWWdisplay.cgi?130360
CHILDS, Colin. (2004). Interpolating Surfaces in ArcGis Spatial Analyst. ArcUser. ESRI Education
Services. July 2004. http://webapps.fundp.ac.be/geotp/SIG/interpolating.pdf
CHOW, V.T. (1964). Hydrology and its development. In: V.T.CHOW (Ed.), Handbook of Applied
Hydrology. New York: McGraw-Hill. Acessado em: 23/Abr./2014. Disponível em:
http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/02626666509493376
CONTE, M. de L. (2001). Avaliação de recursos hídricos: Rio Pardo, um exemplo/ Maria de
Lourdes Conte, Paulo Rodolfo Leopoldo. – São Paulo: Editora UNESP.
CORDANI, U. G.et al. (2000). Crustal evolution of the South American plataform. In: CORDANI, U.
G. et al. Tectonic evolution of South America. Rio de Janeiro: IGC, 2000. p.19-40.
CPRM - SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL (2008a). Bases de dados vetoriais do Estado do Ceará.
Acessado em: 16/ Mai. / 2014. Disponível em:
http://www.cprm.gov.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=1339&sid=9
CPRM - SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL (2008b). Modelo Digital de Terreno do Ceará. Acessado
em: 16/ Mai. / 2014. Disponível em:
http://www.cprm.gov.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=1339&sid=9

185
BIBLIOGRAFIA

CRUZ, J. C.; SILVEIRA, G. L. (2007). Disponibilidade hídrica para outorga (II): avaliação integrada
por bacia. REGA. 4, 2, 65-76. 2007a.
CRUZ, J. C.; TUCCI, C. E. M. (2008). Estimativa da disponibilidade hídrica através da curva de
permanência. RBRH – Revista Brasileira de Recursos Hídricos. 13, 1, 111-124.
De MARSILY, G. (1986). Quantitative hydrogeology. Paris School of Mines, Fontainebleau. Acessado
em: 22/ Mar./ 2014. Disponível em: http://www.osti.gov/scitech/biblio/6784827
DAEMON, R.F. (1976). Correlação bioestratifráfica entre os sedimentos do Siluriano, Devoniano e
Carbonífero Inferior das bacias do Amazonas, Parnaíba e Paraná. Na. XXIX Congr. Brasil.
Geol., Soc, Bras.Geol., Ouro Preto. 1976, 2: 189-194.
DINGWALL P.R. (2000). Legislación y convenios internacionales: la integración del patrimonio
geológico en las políticas de conservación del medio natural - En: Barettino Fraile D. (Eds.)
Patrimonio Geológico: conservación y gestión. III Simposio Internacional PROGEO sobre
Conservación del Patrimonio Geológico (Madrid, noviembre de 1999).
DIRKS, K.N.; HAY, J.E.; STOW, C.D. & HARRIS, D. (1998). High-resolution studies of rainfall on
Norfolk Island Part II: Interpolation of rainfall data. J. Hydrol., 208:187-193, 1998.
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0022169498001553
DIXON, G. (1995). Aspects of Geoconservation in Tasmania: A Preliminary Review of Significant
Earth Features. Report to the Australian Heritage Commission, Occasional Paper 32.
Hobart, Tasmania: Parks and Wildlife Service. Acesso em 22/Dez./2015. Disponível em:
https://www.researchgate.net/publication/276271371_Aspects_of_geoconservation_in
_Tasmania_A_preliminary_review_of_significant_Earth_features
DMITRY, A.R. (2010). Quantification of geodiversity and its loss. The Geologists’ Association.
Published by Elsevier Ltd.121 (2010) 326–333 doi:10.1016/j.pgeola.2010.07.002
DINIZ, M. T. M.; VASCONCELOS, F. P. (2010). Análise integrada da paisagem como suporte à
gestão integrada da zona costeira: adaptação de metodologia da UNESCO à costa
semiárida brasileira. Terra Livre São Paulo/SP Ano 26, 2, n. 35,103-122 Jul-Dez/2010
Acessado em: 10/Jul./2016. Disponível em:
http://www.agb.org.br/publicacoes/index.php/terralivre/article/viewFile/420/399
Do PRADO, L. A. C.; PEREIRA, P. A.; SALES, A. M. F.; BARRETO, A. M. F. (2015). Taphonomic and
paleoenvironmental considerations for the concentrations of macroinvertibrate fossils in
the Romualdo Member, Santana Formation, Late Aptian – Early Albian, Araripe Basin,
Araripina, NE, Brazil. Journal of South American Earth Sciences, Volume 62, 2015, 218-
228. Acessado em: 03 / Nov. / 2015. Disponível em:
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0895981115300110
DUARTE, L. (1986). Vegetais fósseis da Chapada do Araripe, Brasil. In: Coletânea de Trabalhos
Paleontológicos. DNPM,Série Geologia, n. 27, Brasília, p.585-617.
DURÁN, J.; CARCAVILLA, L.; LÓPEZ J. (2005). Patrimonio Geológico: Una panorámica de los
últimos 30 años en España. Bol. R. Soc. Esp. Hist. Nat., 100 (1-4): 277-287. Acessado

186
BIBLIOGRAFIA

em: 15/ Jun./2015. Disponível em:


http://www.igme.es/patrimonio/publicaciones/revistas/Dur%C3%A1n%20et%20al%2020
05%20-%20Patrimonio%20geol%C3%B3gico%20en%20Espa%C3%B1a.pdf
DURÁN, J.J. et al. (1998). Geología Ecológica, Geodiversidad, Geoconservación y Patrimonio
Geológico: la Declaración de Girona. En Durán J.J. y Vallejo, M. (Eds.). Comunicaciones
de la IV Reunión de la Comisión de Patrimonio Geológico, 67-72. Sociedad Geológica de
España. Madrid.
EBERHARD, R. (ed) (1997). Pattern & Process: Towards a Regional Approach to National. Estate
Assessment of Geodiversity. Australian Heritage Commission, Canberra.
ECKHOLM, E.P. (1982). Down to earth Environment and human needs: by Erick P. Eckholm. Pluto Press,
London, 1982, 238. Acessado em: 02/Jun./2016. Disponível em:
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/0301420782900538

EL OSTA, M.M.; MASOUD, M.H. (2015). Implementation of a hydrologic model and GIS for
estimating Wadi runoff in Dernah area, Al Jabal Al Akhadar, NE Libya. M.M. El Osta, M.H.
Masoud / Journal of African Earth Sciences 107 (2015) 36–56.
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1464343X15000746
Embrapa Solos UEP Recife (2006). Solos do Nordeste. Acessado em: 18 / Set. / 2015.
Disponível em: www.uep.cnps.embrapa.br/solos/index.html
ERIKSTAD, L. (1999). A holistic approach to secure geoconservation in local physical planning. En:
Barettino, D., Vallejo, M. y Gallego, E. (eds.), Towards the balanced management and
conservation of the Geological Heritage in the New Millenium. Sociedad Geológica de
España, Madrid, 69-72. Acessado em: 17/ Jan./2016. Disponível em:
http://www.igme.es/patrimonio/publicaciones/congresos/Barettino%20et%20al%20200
0%20-%20ProGEO%20Symposium%20Madrid%201999%20EN.pdf
ESPINHA MARQUES, J.; SAMPER, J.; PISANI, B.V.; ALVARES, D.; VIEIRA, G.T.; MORA , C.,
CARVALHO, J.M.; CHAMINÉ, H.I.; MARQUES5 , J.M. and SODRÉ BORGES, F. (2006).
Assessment of water resources using hydrological modelling: applying VISUAL BALAN v2.0
code to a river basin in Serra da Estrela (Central Portugal). Cadernos Lab. Xeolóxico de
Laxe Coruña. 2006. 31, 43 - 65 (2006). Acessado em: 09/Jun./2016. Disponível em:
http://www.udc.es/files/iux/almacen/articulos/cd31_art03.pdf
ESRI (2004). ArcGIS. Geostatistical Analyst: Statistical Tools for Data Exploration, Modeling, and
Advanced Surface Generation. Na ESRI White Paper. August 2004. Acessado em: 11/
Jun./ 2014. Disponível em: http://www.esri.com/esri-news/arcuser/summer-
2014/using-multivariate-interpolation-for-estimating-well-performance
FALCK, A.S.; MAGGIONI, M.; TOMASELLA, J.; VILA, D. A.; DINIZA, F. L. R. (2015). Propagation of
satellite precipitation uncertainties through a distributed hydrologic model: A case study in
the Tocantins–Araguaia basin in Brazil. Journal of Hydrology, 527, 2015, 943-957.
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0022169415003923

187
BIBLIOGRAFIA

FAMBRINI, G. L; LEMOS, D. R; TESSER Jr., S.; ARAUJO, J. T. de; SILVA-FILHO , W. F. da; SOUZA,
B. Y. C. de; NEUMANN, V. H. de M. L. (2011). Estratigrafia, Arquitetura Deposicional e
Faciologia da Formação Missão Velha (Neojurássico-Eocretáceo) na Área-Tipo, Bacia do
Araripe, Nordeste do Brasil: Exemplo de Sedimentação de Estágio de Início de Rifte a
Clímax de Rifte. Revista do Instituto de Geociências – USP . Geol. USP, Sér. cient., São
Paulo, 11, 2, 55-87, agosto 2011. Acessado em: 15/ Set. /2015. Disponível em:
http://www.ppegeo.igc.usp.br/pdf/guspsc/v11n2/v11n2a04.pdf

FAMBRINI, G. L; NEUMANN, V. H. de M. L.; BARROS, C. L. de; SILVA, S. M. O. A. Da; Galm, P. C.;


MENEZES FILHO, J. A. B. de (2013). Análise estratigráfica da Formação Brejo Santo, Bacia
do Araripe, Nordeste do Brasil: implicações paleogeográficas. Geol. USP, Sér. cient., São
Paulo, 13, 4, 28. Acessado em: 31/ Set. /2015. Disponível em:
http://ppegeo.igc.usp.br/pdf/guspsc/v13n4/01.pdf
FAUSTINO, J., (2005). Planificación y gestión de manejo de cuencas. Turrialba: CATIE, 1996. 90p.
FELGUEIRAS, C. A. (2001). Modelagem Numérica de Terreno. In: CÂMARA, Gilberto; DAVIS,
Clodoveu; MONTEIRO, Antônio Miguel Vieira. Introdução à Ciência da Geoinformação.
2001. Acessado em: 26 / Nov. / 2015. Disponível em:
http://www.dpi.inpe.br/gilberto/livro/introd/index.html.
FERREIRA, A.G; MELLO, N.G.S. (2005). Principais sistemas atmosféricos atuantes sobre a região
nordeste do Brasil e a influência dos oceanos Pacífico e Atlântico no clima da região.
Revista Brasileira de Climatologia, 1, 1. Acessado em: 08 / Nov. / 2015. Disponível em:
http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs/index.php/revistaabclima/article/viewFile/25215/16909
FETTER, A. H. et al (2003). Evidence for neoproterozoic continental arc magmatism in the Santa
Quitéria batholith of Ceará state, NW Borborema province, NE Brazil: implications for the
assembly of West Gondwana. Gondwana Research, Amsterdam, 6, n. 2, 265-273, 2003.
Acessado em: 31 / Set. / 2015. Disponível em:
http://www.researchgate.net/publication/235451577_Evidence_for_Neoproterozoic_C
ontinental_Arc_Magmatism_in_the_Santa_Quitria_Batholith_of_Cear_State_NW_Borbo
rema_Province_NE_Brazil_Implications_for_the_Assembly_of_West_Gondwana
FISHMAN, I.L., KAZAKOVA, Y.; NUSIPOV, E. (1998). Ways of activization of geodiversity protection
in Kazakhstan. ProGeo’98, 17.
FORTE, J. P. (2014). Avaliação quantitativa da geodiversidade: desenvolvimento de instrumentos
metodológicos com aplicação ao ordenamento do território. Tese de Doutorado. Escola de
Ciências. Departamento de Ciências da Terra. Universidade do Minho. Acessado em: 15/
Fev. / 2015. Disponível em:
http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/35857?locale=es
FRANCELINO, M.R. (2001). Caracterização e avaliação das áreas de reservas de recursos em
projetos de assentamentos no Semi-Árido Norte-Rio-Grandense. 2001.158f. Tese
(Mestrado em Solos e Nutrição de Plantas). Universidade Federal de Viçosa,Viçosa, MG.

188
BIBLIOGRAFIA

FUNCEME, Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (2009). A Zona costeira do


estado do Ceará: compartimentação geoambiental e antropismo. Fortaleza: FUNCEME,
2009. 67. il. Anexos de memória fotográfica e compartimentação geoambiental do estado
do Ceará.
FUNCEME, Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (2014). Download de Séries
Históricas. Acessado em: 08/Mar./ 2014. Disponível em:
http://www.funceme.br/index.php/areas/tempo/download-de-serieshistorica.
GAN, T. Y., and BURGES, S. J. (1990). An assessment of a conceptual rainfall-runoff model's ability
to represent the dynamics of small hypothetical catchments: 1. Models, model properties,
and experimental design, Water Resour. Res., 26(7), 1595–1604,
doi:10.1029/WR026i007p01595. Acessado em: 27/ Fev./2014. Disponível em:
http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1029/WR026i007p01595/full
GOTTSCHALK, L.; KRASOVSKAIA I.; DOMINGUEZ, E.; CAICEDO, F.; VELASCO, A. (2015).
Interpolation of monthly runoff along rivers applying empirical orthogonal functions:
Application to the Upper Magdalena River, Colombia. Journal of Hydrology. 528,
September 2015, 177–191.
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0022169415004424
GOTWAY, C.A.; FERGUSON, R.B.; HERGERT, G.W.; PETERSON, T.A. (1996). Comparison of Kriging
and Inverse-distance methods for mapping soil parameters. Soil Sci. Soc. Am. J., 60:1237-
1247,1996. https://dl.sciencesocieties.org/publications/sssaj/abstracts/60/4/SS0600
041237
GRAY, M. (2004). Geodiversity: valuing and conserving abiotic nature. John Wiley & Sons Ltd,
Chichester, United Kingdom.
GRAY, M. (2011). Other nature: geodiversity and geosystem services. Environmental Conservation
38, 271–274. Acessado em: 12/Dez./2015. Disponível em:
http://journals.cambridge.org/action/displayIssue?jid=ENC&volumeId=38&seriesId=0&i
ssueId=03
GRAY, M. (2013). Geodiversity: Valuing and conserving abiotic nature. 2nd edition. Wiley-Blackwell,
Chichester, United Kingdom. Acessado em 22/Dez./2015. Disponível em:
https://www.researchgate.net/publication/263775778_Geodiversity_valuing_and_cons
erving_abiotic_nature_by_Murray_Gray_Second_edition_Wiley-
Blackwell_Chichester_2013_No_of_pages_xi_495_Price_UK3750_ISBN_978-0-470-
74215-0_paperback
GRAY, M. (2008). Geodiversity: the origin and evolution of a paradigm. In: Burek, C.V., Prosser,
C.D. (Eds.), The History of Geoconservation. Geological Society of London Special
Publication 300, 31–36.
GRAY, M. (2012). Valuing geodiversity in an ‘ecosystem services’ context. Scottish Geographical
Journal 128, 177–194. Acessado em: 11/ Dez./ 2015. Disponível em:
http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/14702541.2012.725858

189
BIBLIOGRAFIA

GRIFFITH, D. A. (2009). Modeling spatial autocorrelation in spatial interaction data: empirical


evidence from 2002 Germany journey-to-work flows. Journal of Geographical Systems June
2009, 11, 2, 117-140. Acessado em: 15/ Jul./2014. Disponível em:
http://booksite.elsevier.com/brochures/hugy/SampleContent/Spatial-Autocorrelation.pdf
GTHidro (2003). CEDIBH: Centro de Disseminação de informações para a Gestão de Bacias
Hidrográficas. Histórico. Coordenador do projeto: Daniel José da Silva. Coordenador
Executivo: Arthur de Oliveira Hernandez. Acessado em: 30/Mar./ 2014. Disponível em:
http://www.caminhodasaguas.ufsc.br.
HAWKINS G. A.; VIVONI, E. R.; ROBLES-MORUA, A.; MASCARO, G.; RIVERA, E.; DOMINGUEZ, F.
(2015). A climate change projection for summer hydrologic conditions in a semiarid
watershed of central Arizona. / Journal of Arid Environments 118 (2015) 9e20. Acessado
em 11/ Abr. 2014. Disponível em:
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0140196315000580
HJORT, J.; GORDON, J. E.; GRAY, M.; JR HUNTER, M. L. (2015). Why geodiversity matters in
valuing nature's stage. 29, 3 June 2015 630–639. Acessado em: 25/ Set. / 2015.
Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/cobi.12510/full
HOSSAIN, F.; ANAGNOSTOU, E. N. (2005). Assessment of a stochastic interpolation based
parameter sampling scheme for efficient uncertainty analyses of hydrologic models.
Computer & Geoscience, 31, 4, May 2005, 497-512. Acessado em: 15/ Abr. / 2015.
Disponível em:
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0098300404002237
HUANG, G. et al. (2005). Chance-constrained overland flow modeling for improving conceptual
distributed hydrologic simulations based on scaling representation of sub-daily rainfall
variability. Science of the total environment, 524-525, Aug. 2015, 8-22. Acessado em:
18/ Out. / 2015. Disponível em:
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0048969715004684
IBGE, (2015). Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento, Pesquisa Nacional
por Amostra de Domicílios Contínua 2015. Acessado em: 02/Mar./2016. Disponível em:
http://www.ibge.gov.br/estadosat/perfil.php?sigla=ce
IBGE (2010). Dados vetorias do Estado do Ceará. Diretoria de Pesquisas, Coordenação de
Trabalho e Rendimento, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua 2015.
Acessado em: 02/Mar./2016. Disponível em:
http://www.ibge.gov.br/estadosat/perfil.php?sigla=ce
IBGE (2009). Manual técnico de geomorfologia / Coordenação de Recursos Naturais e Estudos
Ambientais. – 2. ed. - Rio de Janeiro : IBGE, 2009. 182. – (Manuais técnicos em
geociências, ISSN 0103-9598; n. 5). Acessado em: 22/ Jul. / 2015. Disponível em:
http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv66620.pdf
International Commission on Stratigraphy – ICS (2009). Acessado em: 12 dez. 2015. Disponível
em: http://www.stratigraphy.org/.

190
BIBLIOGRAFIA

ICWE (1992). The Dublin Statement on Water and Sustainable Development. International
Conference on Water and the Environment. NGO Committee on Education of
the Conference of NGOs. Acessado em 04/Abr./2014. Disponível em: http://www.un-
documents.net/h2o-dub.htm
IICA (2011). Estabelecimento de Condições Técnicas para uso dos Recursos Hídricos no Estado
do Ceará. PROJETO BRA/IICA/10/002 - “Desenvolvimento de ações para o fortalecimento
da participação do banco do nordeste nos espaços subrregionais na área de sua atuação
legal”. Acessado em: 25/Abr./2014. Disponível em:
http://www.iica.int/Esp/regiones/sur/brasil/Lists/DocumentosTecnicosAbertos/Attach
ments/367/P1%20PT%20131%20EGM%20-%20Texto.doc.pdf
JARDIM de SÁ, E. F;, Matos, R.M.D.; Morais Neto, J.M.; Saadi, A., Pessoa Neto, O.C. (1999).
Epirogenia Cenozóica na Província Borborema: Síntese e Discussão sobre os Modelos de
Deformação Associados. Simpósio Nacional de Estudos Tectônicos e Simp. Intern. de
Tectônica da SBG, 7, Lençóis-BA. Anais, 58- 61. Acessado em: 28/Jan./2015. Disponível
em: file:///C:/Users/Utilizador/Downloads/23899-86740-1-PB.PDF
JOHANSSON, C.; ANDERSEN, S.; ALAPASSI, M. (1999). Geodiversity in the Nordic Countries.
ProGeo Newsletter 1: 1-3. Acessado em: 12/ Jan./ 2016. Disponível em:
http://www.progeo.se/WG/nordeuropa/progeo2.pdf#page=8
KELLNER, A.W.A. (2002). Membro Romualdo da Formação Santana, Chapada do Araripe, CE. Um dos
mais importantes depósitos fossilíferos do Cretáceo brasileiro. In: SIGEP, Comissão Brasileira de
Sítios Geológicos e Paleobiológicos.Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil. Brasília, p. 121-
130.
KELLNER, A.W.A. & CAMPOS, D. A. (1996) First Early Cretaceous theropod dinosaur from
Brazil. Neues Jahrbuch für Geologie und Paläontologie. Abhandlungen. Stuttgart
1992, 2:151-166
KIERNAN, K. (1994). The Geoconservation Significance of Lake Pedder and its Contribution to
Geodiversity. Unpublished Report to the Lake Pedder Study Group.
KIERNAN, K. (1997). Landform classification for geoconservation. In Eberhard, R. (ed)Pattern &
Process: Towards a Regional Approach to National Estate Assessment of Geodiversity.
Australian Heritage Commission, Canberra, 21–34.
KNIGHT, J. (2011). Evaluating geological heritage: correspondence on Ruban, D.A. ‘Quantification
of geodiversity and its loss’ (PGA, 2010, 121(3): 326-333). Book review. Proc. Geol. Assoc.
(2011), doi:10.1016/j.pgeola.2010.12.008
KOBIYAMA, M. (2008). Recursos hídricos e saneamento / Masato Kobiyama, Aline de Almeida
Mota, Cláudia Weber Corseuil – Curitiba: Ed. Organic Trading, 2008. Acessado em: 08/
Jun./ 2016. Disponível em:
http://logatti.edu.br/images/recursoshidricosesaneamento.pdf
KOLAHDOUZAN, M. R.; SHAHABI, C. (2004). Voronoi-based K nearest neighbor search for spatial

191
BIBLIOGRAFIA

network databases. In: VLDB, 2004. Proceedings of the 30th VLDB Conference. Toronto,
Canada, 2004. Acessado em: 11/ Mar. / 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/
KOZLOWSKI, S. (2004). Geodiversity. The concept and scope of geodiversity. Przegl¹d Geologiczny,
52, 8/2, 2004. Acessado em: 02/ Mai. / 2015
https://www2.pgi.gov.pl/images/stories/przeglad/pdf/pg_2004_08_2_22a.pdf
KRZEMINSKI, W., KANIA, I.; LUKASHEVICH, E. (2014). The first South American record of fossil
Eoptychopterinae (Ptychopteridae, Diptera) from Lower Cretaceous Santana Formation,
Cretaceous Research (2014). Acessado em: 21/Jul./2016. Disponível em:
https://www.researchgate.net/publication/261763214_The_first_South_American_rec
ord_of_fossil_Eoptychopterinae_Ptychopteridae_Diptera_from_Lower_Cretaceous_Sant
ana_Formation
LALL. U. and SHARMA, A. (1996). A nearest neighbor bootstrap for resampling hydrologic time
series. Water Resour. Res., 32 (3) (1996), pp. 679–693. Acessado em 11/Jun./2015.
Disponível em: https://www.scopus.com/record/display.uri?eid=2-s2.0-
0029663871&origin=inward&txGid=0
LANA, C. E.; ALVES, J. M. de P.; CASTRO, P.T.A. (2001). Análise Morfométrica da Bacia do Rio do
Tanque, MG-BRASIL. REM. Ouro Preto-MG, 54(2), 121-126.
LANA, C.C. & CARVALHO, I.S. (2002). Cretaceous conchostracans from Potiguar Basin (northeast
Brazil): relationships with West African conchostracan faunas and paleoecological
inferences. Cretaceous Research, 23, 351-362, 2002. Acessado em: 17/ Jul. /2016.
Disponível em:
http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.629.6169&rep=rep1&type=pd
f
LASLETT, G.M. (1994). Kriging and splines: an empirical comparison of their predictive perfomance
in some applications. J. Am. Stat. Assoc., 89:391-400, 1994.
http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/01621459.1994.10476759#.VcN5yvlViko
LEPEŠKA. T. (2013). Hydric potential of landscape and integrated river basin management in
mountain and submontane regions. Ecohydrology & Hydrobiology. 10, 1, 2010, 13–24.
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S164235931070032X
LIMA, M.R. (1979). Palinologia da Formação Santana (Cretáceo do Nordeste do Brasil). Tese de
Doutoramento. Universidade de São Paulo, 335 p.
LIMA, W de P. (2008). Hidrologia florestal aplicada ao manejo de bacias hidrográficas. Escola
Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”. Departamento de Ciências Florestais. 2ª ed.
Piracicaba – São Paulo. Acessado em: 04/Mai./2014. Disponível em:
http://www.ipef.br/hidrologia/hidrologia.pdf
LI-PEN WANG; OCHOA-RODRÍGUEZ, S.; VAN ASSEL, J.; PINA, R. D.; PESSEMIER, M.; KROKK, S.;
WILLEMSA, P.; ONOF, C.(2015). Enhancement of radar rainfall estimates for urban
hydrology through optical flow temporal interpolation and Bayesian gauge-based

192
BIBLIOGRAFIA

adjustment. Journal of Hydrology. June 2015.


http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0022169415003996
LOPES, J.E.G.; BRAGA, B. P. F.; CONEJO, J. G. L. (1981). Simulação hidrológica: aplicações de
um modelo simplificado. IV Simpósio Brasileiro de hidrologia e recursos hídricos, anais 1,
42-62.
LORANDI, R. and CANÇADO, C. J. (2005). Parâmetros físicos para gerenciamento de Bacias
Hidrográficas. In: Conceitos de Bacias Hidrográficas, Schiavetti A and Camargo A FM.
EDITUS. Ilhéus, Cap. 2.
MABESOONE J.M. (1978). Origem dos conglomerados da Formação Serra Grande e unidades
equivalentes (Siluriano Superior Devoniano Inferior, Nordeste do Brasil). XXX Congresso
Brasileiro de Geologia, Anais.Recife, 2,799-808
MAIA, A. A. (2004). Legislação de recursos hídricos do Estado do Ceará: coletânea e comentários
/ Alexandre Aguiar Maia (Org). Fortaleza: Konrad Adenauer, 2004. Acessado em:
25/Abr./2014. Disponível em: http://www.kas.de/wf/doc/kas_14368-544-5-30.pdf
MAIA, R.P. (2005). Planície fluvial do Rio Jaguaribe: Evolução geomorfológica, ocupação e análise
ambiental. 2005. 164f. Dissertação (Mestrado em Dinâmica Territorial e Ambiental).
Universidade Federal do Ceará, Fortaleza - CE.
MAISEY, J.G. (1991). Santana Fossils: An Illustrated Atlas. T. F. H. Publications, Neptune, New
Jersey, 459p.
MAIDMENT, D. (1992). Handbook of Hydrology. McGraw-Hill, Inc. (1992). Acessado em:
15/Jun./2015. Disponível em: http://www.abebooks.com/Handbook-Hydrology-
Maidment-David-R-editor/5467387295/bd
MANIAK, Ulrich (1997). Hydologie und Wasserwirtschaft Eine Einführung für Ingenieure. – 4
überarb. Und erw. Aufl. Springer. Acessado em: 22/05/2015. Disponível em:
https://books.google.pt/books?id=fjbwBgAAQBAJ&printsec=copyright&hl=pt-
PT#v=onepage&q&f=false
MANOSSO, F. (2012). Potencialidades da Paisagem na região da Serra do Cadeado-PR:
Abordagem metodológica das relações entre a estrutura geoecológica, a geodiversidade e
o geoturismo. Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Maringá, Paraná, Brasil, 183
p. Acessado em: 05/Nov./2015. Disponível em: http://www.pge.uem.br/documentos-
para-publicacao/teses/teses-2012-pdfs/FernandoCesarManosso.pdf
MARIÑO, M. and SIMONOVIC, S. P. (2001). Integrated Water Resources Management. IAHS
Publication, ISBN 1-901502-71-6, Bristish Library Catalogaing-in-Publication Data.
https://www.google.pt/books?id=XMLaw4e5zMC&printsec=frontcover&hl=ptPT#v=onepa
ge&q&f=false
MARTILL, D.M.; Brito, P.M. (2000). First record of Calamopleurus (Actinopterygii: Halecomorphi:
Amiidae) from the Crato Formation (Lower Cretaceous) of North-East Brazil. Oryctos, 3: 3-
8.

193
BIBLIOGRAFIA

MARTILL, D.M. (2007). The age of the Cretaceous Santana Formation fossil Konservat Lagerstätte
of northeast Brazil: a historical review and an appraisal of the biochronostratigraphic utility
of its palaeobiota Original Research Article. Cretaceous Research, 28, 6, December 2007,
895-920 Acessado em: 21/ Jul./2016 Disponível em:
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0195667107000663

MARTIN, David. (1996). Geographic information systems: socioeconomic applications. Psychology


Press, 1996. Acessado em: 22/ Jan./2016. Disponível em:
https://books.google.pt/books?hl=pt-
PT&lr=&id=I2HBDcJvLRgC&oi=fnd&pg=PP2&dq=geographic+information+systems+Davi
d+Martin&ots=G0Vo0pWn-
7&sig=bws9Y7M4xvDz5JcQzBqfHVjz35E&redir_esc=y#v=onepage&q=geographic%20info
rmation%20systems%20David%20Martin&f=false
MARTINS, R. C. et al. (2001). Agricultura, Gestão dos Recursos Hídricos e Desenvolvimento Rural:
A convergência necessária. In: FELICIDADE, N.; MARTINS, R.C.; LEME, A. A. (Orgs.) Uso
e gestão de recursos hídricos no Brasil: velhos e novos desafios para a cidadania. Cap.2.
São Carlos – SP: RiMa, 2001, 17-37.
MARTINS, F.B.; ROCHA, J.; ROBAINA, A.; KURTZ, S.; KURTZ, F.; GARCIA, S.; SANTOS, A.; DILL,
P.; NOAL, T. (2005). Zoneamento Ambiental da sub – bacia hidrográfica do Arroio Cadena,
Santa Maria (RS). Estudo de caso. Cerne, Lavras, 11, 3, 315-322, jul./Set./ 2005
MATHERON, G. (1963). Principles of Geoestatistics. Economic Geology. 58, 1246-1266.
http://cg.ensmp.fr/bibliotheque/public/MATHERON_Publication_02396.pdf
MEADOWS, Dennis L. et al (1973). Limites do Crescimento. Trad. Inês M. F. Litto. São Paulo:
Perspectiva, 1973.
MELLO, C. R. et al. (2003). Krigagem e inverso do quadrado da distância para interpolação dos
parâmetros da equação de chuvas intensas. Rev. Bras. Ciênc. Solo [online]. 2003, 27, 5,
pp. 925-933. ISSN 1806-9657. Acessado em: 15/ Ago. / 2015
http://dx.doi.org/10.1590/S0100-06832003000500017.
MENDONÇA, J. C. G. S. et al (1985). Jazida de Urânio de Itataia - Ceará. In: SCHOBBENHAUS, C.
(Ed.) Principais Depósitos Minerais do Brasil. Brasília: Departamento Nacional da
Produção Mineral, 1985. 1, 121131.
MORH, B. A. R.; BERNARDES-DE-OLIVEIRA, M. E. C.; LOVERIDGE, R. F. (2007). The macrophyte
flora of the Crato Formation. In: Martill, D.M., Bechly, G., Loveridge, R. F. (eds). The Crato
Fossil Beds of Brazil: Window into an Ancient World. Cambridge University Press,
Cambridge, xvi + 625. Acessado em: 31/ Set. /2015. Disponível em:
http://ebooks.cambridge.org/chapter.jsf?bid=CBO9780511535512&cid=CBO9780511
535512A053

194
BIBLIOGRAFIA

MYERS, D.E. (1994). Spatial interpolation: an overview. Geoderma, 62:17-28, 1994. Acessado
em: 26/ Set. / 2015. Disponível em:
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/0016706194900256
NIETO, L. (2001). Geodiversidad: propuesta de una definición integradora. Boletin Geológico y
Minero, 112, 2:3-12. Acessado em: 23/ Jan./2015. Disponível em:
http://www.igme.es/Boletin/2001/112_2-
2001/1ARTICULO%20%20GEODIVERSIDAD.pdf
NIETO, L. (2004). Aproximación al concepto de geodiversidad. In: MONDEJAR, G; REMO, A. El
patrimonio geológico: Cultura, Turismo y Medio Ambiente. Actas V Reunión Nacional de la
Comisión de Patrimonio Geológico. Madrid: 117-123.
NIETO, L.; LORENTE, F.; MONDÉJAR, F.; MARTÍNEZ, E. (2006). Estado actual de la legislación
para la geoconservación en España. Trabajos de Geología, Univ. de Oviedo, 26: 187-201.
Acessado em: 21/Dez./2015. Disponível em:
http://geol00.geol.uniovi.es/TDG/Volumen26/TG26-16.PDF
NOVAES, L. F. (2005). Modelo para a quantificação da disponibilidade hídrica na bacia do
Paracatu. 115p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Agrícola) - Universidade Federal
de Viçosa.
OLIVEIRA, J. A. P. (2005). Editorial. Cadernos EBAPE. BR, Rio de Janeiro, 3, 3, 2005. Acessado
em: 02/Abr./2014. Disponível em:
http://www.ebape.fgv.br/cadernosebape/asp/dsp_editorial.asp?coded=30.
OLIVEIRA, S. N. de (2008). Metodologia para delimitação e análise multivariada de atributos
morfométricos de bacia de drenagem usando modelo digital de elevação hidrologicamente
corrigido. 2008. 74 f.:il. Dissertação (Mestrado em Geografia)-Universidade de Brasília,
Brasília, 2008. Acessado em: 18/ Set. / 2015. Disponível em:
http://repositorio.unb.br/handle/10482/3511
PAHL-WOSTL, C.; CRAPS, M.; DEWULF, A.; MOSTERT, E.; TABARA D.; TAILLIEU; T. (2007). Social
learning and water resources management. Ecology and Society 12(2): 5. Acessado em:
15/ Abr./2015. Disponível [online] URL:
http://www.ecologyandsociety.org/vol12/iss2/art5/
PANIZZA, M. (2007). Geodiversity, Geological Heritage and Geotourism. Workshop Abstracts
“Geomorphorsites, Geoparks and Geotourism”, Lesvos, Greece, p. 30.
PARKS, K. E.; MULLIGAN, M. (2010). On the relationship between a resource based measure of
geodiversity and broad scale biodiversity patterns. Biodivers Conserv (2010) 19:2751–
2766 - DOI 10.1007/s10531-010-9876-z
PELLITERO, R. (2012). Geomorfología, paleoambiente cuaternario y geodiversidad en el macizo
de Fuentes Carrionas-Montaña Palentina. Tesis Doctoral, Universidad de Valladolid,
Faculdad de Filosofia y Letras, Departamento de Geografía, Espanha, 1065 p. Acessado
em: 17/ Nov./2014. Disponível em: http://uvadoc.uva.es/handle/10324/2495

195
BIBLIOGRAFIA

PEREIRA, D. (2015). Unidades geomorfológicas e avaliação da geodiversidade: aplicação ao caso


de Portugal continental. VII Congresso Nacional de Geomorfologia, Geomorfologia 2015.
Conferências Plenárias. Publicações da Associação Portuguesa de Geomorfólogos, Volume
IX.
PEREIRA, D.; PEREIRA, P.; BRILHA, J.; SANTOS, L. (2013). Geodiversity Assessment of Paraná
State (Brazil): An Innovative Approach. Environmental Management 52: 541-552.
Acessado em: 11/ Out./ 2015. Disponível em:
http://link.springer.com/content/pdf/10.1007%2Fs00267-013-0100-2.pdf
PEREIRA, P., PEREIRA, D. (2010). Methodological guidelines for geomorphosite assessment.
Geomorphologie: Relief, Processus, Environnement 2/2010, 215 – 222.
PEREIRA, D. S. P.; FORMIGA-JOHNSSON, R. M. (2005). Descentralização da gestão dos recursos
hídricos em bacias nacionais no Brasil. REGA – 2, 1, 53-72, jan./jun. 2005 Acessado em:
30/Mar./2014. Disponível em:
http://www.abrh.org.br/SGCv3/UserFiles/Sumarios/bc3bcce562e51d8a75a094edb5d
ad7c2_eedc4682b96d8b2e55d4404d0bf33d6c.pdf
PEULVAST, J.P.; SALES, V. C. (2004). Stepped surfaces and paleolandforms in the northeastern
Brazilian constraints on models of morphotectonic evolution. Geomorphology, Amsterdam,
62, 89-122, 2004
PEULVAST, J.P.; SALES, V. C. (2008). Low post-Cenomanian denudation depths across the
Brazilian northeast: implications for long-term landscape evolution at a transform
continental margin. Global and Planetary Change, Amsterdam, 62, 1-2, 39 – 60, 2008.
PNUD. (2006). Relatório do Desenvolvimento Humano 2006. Nova York: PNUD.
Política Nacional de Recursos Hídricos (1997). Lei n° 9.433, de 8 de Janeiro de 1997. Presidência
da República. Acessado em 15/Fev./2014. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9433.HTM.
PRASKIEVICZ, S; BARTLEIN, P. (2014). Hydrologic modeling using elevationally adjusted NARR and
NARCCAP regional climate-model simulations: Tucannon River, Washington. Journal of
Hydrology. 517, 19 September 2014, 803–814.
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0022169414004776
RADAMBRASIL (1981). Levantamento de Recursos Naturais. Rio de Janeiro: Ministério de Minas e
Energia, 23 1981.
RAFAELI NETO, Silvio L. (1994). Análises Morfométricas em Bacias Hidrográficas Integradas a um
Sistema de Informações Geográficas. 1994. Dissertação (Mestrado em Ciências
Geodésicas), Universidade Federal do Paraná, Curitiba. 135.
RAMESH TEEGAVARAPU S. V. (2007). Use of universal function approximation in variance-
dependent surface interpolation method: An application in hydrology. Journal of Hydrology.
332, 1–2, 1 January 2007, 16–29. Acessado em: 25/ Out. / 2016. Disponível em:
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0022169406003301

196
BIBLIOGRAFIA

RENNÓ, D. C; SOARES, J. V. (2000). Modelos hidrológicos para a Gestão Ambiental, INPE.


Relatório Técnico Parcial. Programa de Ciência e Tecnologia para Gestão de Ecossistemas
Ação "Métodos, modelos e geoinformação para a gestão ambiental”. Ministério da Ciência
e Tecnologia. Acessado em: 11/ Jan. /2016. Disponível em:
http://www.dpi.inpe.br/geopro/modelagem/relatorio_modelos_hidrologicos.pdf
RODRIGUES, C.; ADAMI, S. (2005). Técnicas fundamentais para o estudo de bacias hidrográficas.
In: VENTURI, L. A. B.. (Org.). Praticando a Geografia: técnicas de campo e laboratório. São
Paulo: Oficina de Textos, 2005. 147-166. Acessado em: 27/ Fev. /2016. Disponível em:
http://pt.slideshare.net/aehnert/livro-praticando-geografia-tecnicas-de-campo-e-
laboratorio
RODRIGUES, T; KELLNER, A. W. A. (2008). Review of the pterodactyloid pterosaur
Coloborhynchus. An International Journal of Palaeontology and Geobiology. Series B.
Zitteliana: DAVID W. E. HONE & ERIC BUFFETAUT (Eds). München. Acessado em: 18 /Set.
/ 2015. Disponível em: http://core.ac.uk/download/pdf/12172607.pdf
ROJAS, J. (2005). Los desafíos del estudio de la geodiversidad. Revista Geográfica Venezolana 46,
1: 143-152. Acessado em: 17/ Dez./ 2015. Disponível em:
http://www.saber.ula.ve/bitstream/123456789/24639/2/nota2.pdf
RUBAN, D. A. (2010). Quantification of geodiversity and its loss. Proceedings of the
Geologists’Association 121, 326–333.
RUBAN, D. A. (2011). How diverse should be geodiversity? Reply to Knight ‘‘Evaluating geological
heritage’’. Proc. Geol. Assoc. 122:511–513 8ok)
SAADI, A.; TORQUATO, J. R. (1992). Contribuição à neotectônica do estado do Ceará. Revista de
Geologia, Fortaleza, 5, 5-38, 1992.
SÁ, J. M.; MCREATH, I.; LETERRIER, J. (1999). Petrology, geochemistry and geodynamic setting
of Proterozoic igneous suítes of the Orós fold belt (Borborema province, Northeast Brazil).
Journal of South American Earth Science, Amsterdam, 8, 3, 299-314, 1999.
SALES, V. C.; PEULVAST, J.P. (2007).Evolução morfoestrutural do relevo da margem continental
do estado do Ceará, nordeste do Brasil. Caminhos de Geografia, Uberlândia, 7, 20, 1-27,
2007.
SAMPAIO, et al (2001). Programa Levantamentos Geológicos Básicos do Brasil - PLGB. Jacobina
– Folha SC.24-Y-C, Estado da Bahia. Escala 1:250.000 / Organizado por Antonio Rabêlo
Sampaio, [Reginaldo Alves dos Santos, Antonio José Dourado Rocha e José Torres
Guimarães] – Brasília : CPRM/DIEDIG/DEPAT. Acessado em: 28/ Set. / 2015. Disponível
em: http://www.cprm.gov.br/arquivos/pdf/jacobina/jacobina_creditos.pdf

SANTOS, M. E. de C. M.; CARVALHO, M. S.S. de (2009). Paleontologia das bacias do Parnaíba,


Grajaú e São Luís – Rio de Janeiro: CPRM Serviço Geológico do Brasil – DGM/DIPALE -
2009.215 p.

197
BIBLIOGRAFIA

SANTUCCI, V. (2005). Historical perspectives on biodiversity and geodiversity. Geodiversity &


Geoconservation, 22, 3: 29-34
SARAIVA, A. A. F.; HESSEL, M. H.; GUERRA; N. C.; FARA, E. (2007). Concreções calcárias da
formação santana, bacia do araripe: uma proposta de classificação. Estudos Geológicos
v. 17 (1), 2007. Acessado em: 06 / Set. /2015. Disponível em: http://biogeosciences.u-
bourgogne.fr/documents/articles_pdf/2007_Saraiva_EstudosGeologicos.pdf
SARAIVA, A. A. F. (2008). Caracterização paleoambiental e paleo-oceanográfico da formação
Romualdo: bacia sedimentar do Araripe. Recife: O Autor, 2008. 96 folhas., il., tabs. Tese
(Doutorado) – Universidade Federal de Pernambuco. CTB. Programa de Pós-Graduação
em Oceanografia. Acessado em: 31 / Set. /2015. Disponível em:
http://repositorio.ufpe.br:8080/bitstream/handle/123456789/8007/arquivo1288_1.p
df?sequence=1&isAllowed=y
SARAIVA, A.A.F., RODRIGUES, S.R.G. & KELLNER, A.W.A. (2003). Partes vegetativas de carófitas
fossilizadas no Membro Romualdo (Albiano, Formação Santana), Bacia do Araripe,
nordeste brasileiro. Boletim do Museu Nacional, Rio de Janeiro, 70: 5-8
SAVENIJE, H.H.G., & P. VAN der ZAAG (2000). Conceptual framework for the management of
shared river basins with special reference to the SADC and EU. Water Policy 2(1-2): 9-45.
SELDEN P. A.; NUDDS, John R., (2012). Chapter Sixteen - The Santana and Crato Formations.
Evolution of Fossil Ecosystems (Second Edition), 2012, 202-218. Acessado em: 21/
Jul./2016. Disponível em:
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/B9780124046290500167
SERRANO S., & Flaño, P. (2007). Geodiversity: Concept, assessment and territorial aplication. The
case of Tiermes-Caracena (Soria). Boletín de la A.G.E. 45: 389-393
SHARPLES, C. (1993). A Methodology for the Identification of Significant Landforms and Geological
Sites for Geoconservation Purposes. Forestry Commission, Tasmania.
SHARPLES, C. (1995). Geoconservation in forest management: principles and procedures.
Tasforest, 7, 37–50.
SHARPLES, C. (1997). A Reconnaissance of Landforms and Geological Sites of Geoconservation
Significance in the Western Derwent Forest District. Forestry Tasmania.
SHARPLES, C. (2002). Concepts and Principles of Geoconservation. PDF Document, Tasmanian
Parks & Wildlife Service website.
SILVA FILHO, W.F.; CASTRO, D.L.; CÔRRE, I.C.S.; FREIRE, G.S.S. (2007). Estruturas rasas na
margem equatorial ao largo do Nordeste do Brasil (Estado do Ceará): análise de relevo e
anomalias gravimétricas. Revista Brasileira de Geofísica, 25, 1, 2007. 1-26. Acessado
em: 09 / Nov. /2015. Disponível em:
http://www.scielo.br/pdf/rbg/v25s1/a07v25s1.pdf
SILVA, A. de B. (2003). Sistemas de Informações Geo-referenciadas: conceitos e fundamentos.
Campinas, SP: Editora da Unicamp.

198
BIBLIOGRAFIA

SILVA FILHO, W.F.; CASTRO, D.L.; CÔRRE, I.C.S.; FREIRE, G.S.S. (2007). Estruturas rasas na
margem equatorial ao largo do Nordeste do Brasil (Estado do Ceará): análise de relevo e
anomalias gravimétricas. Revista Brasileira de Geofísica, 25, 1, 2007. 1-26.
SILVA, J. (2012). Avaliação da diversidade de padrões de canais fluviais e da geodiversidade na
Amazónia – aplicação e discussão na bacia hidrográfica do Rio Xingu. Tese de Doutorado,
Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da
Universidade de São Paulo, Brasil, 277.
SILVA, J.P., PEREIRA, D.I., RODRIGUES, C. (2015). Mapping and Analysis of Geodiversity Indices
in the Xingu River Basin, Amazonia, Brazil. Geoheritage. DOI 10.1007/s12371-014-0134-
8
SILVA, J.P., PEREIRA, D.I., AGUIAR, A.M., RODRIGUES, C. (2013). Geodiversity assessment of the
Xingu drainage basin. Journal of Maps. Acessado em: 04/ Fev. / 2015. Disponível em:
http://dx.doi.org/10.1080/17445647.2013.775085.
SILVESTRE. M. E. D. (2008). Código de 1934: Água para o Brasil Industrial. Revista geo-
paisagem (online). 7, 13, Janeiro/Junho de 2008. ISSN Nº 1677-650 X. Acessado em:
11/Mar./2014. Disponível em: http://www.feth.ggf.br/%C3%81gua.htm
SIMIĆ, S. (2012). Protection of Hydrological Heritage Sites of Serbia – Problems and Perspectives
ISSN 0354-8724 (hard copy) | ISSN 1820-7138 (online). Acessado em: 02/Mar./2014.
Disponível em: http://www.dgt.uns.ac.rs/pannonica/papers/volume16_3_1.pdf
SIMIĆ, S. (2011). Hydrological heritage within protection of geodiversity in serbia - legislation
history. Journal of the Geographical Institute “Jovan Cvijić” SASA 61(3) (17-32) Acessado
em: 01/Mar./2014. Disponível em: http://www.doiserbia.nb.rs/img/doi/0350-
7599/2011/0350-75991103017S.pdf
SIMPLÍCIO, C. G. (2014). The decentralized management of water resources in Brazil, through the
prism of the democratic state of law. Revista Direito e Liberdade – RDL – ESMARN – 16,
1, 39-63, jan./abr. 2014. Acessado em: 18/Fev./2015. Disponível em:
http://www.esmarn.tjrn.jus.br/revistas/index.php/revista_direito_e_liberdade/article/vi
ewFile/627/589
SINGH, V. P.; FEVERT, D. K. (2002). Mathematical models of large watershed hydrology, Water
Resources Publications. Acessado em: 06/ Set. / 2015 Disponível em:
https://books.google.pt/books?id=abRyo4OLjgYC&redir_esc=y
SIRINIVASAN, R & ARNOLD, J.G. (1994). Integration of a basin-scale water quality model with GIS,
Water Res. B., 30:453-462. Acessado em; 23/ Abr. /2014. Disponível em:
https://www.researchgate.net/publication/229576590_Integrating_a_Basin-
scale_Water_Quality_Model_with_GIS
SKØIEN, J.O.; BLÖSCHL, G.; LAAHA, G.; PEBESMA, E.; PARAJKA, J.; VIGLIONE, A. (2015). rtop:
An R package for interpolation of data with a variable spatial support, with an example from
river networks. Computers & Geosciences. 67, June 2014, 180–190.

199
BIBLIOGRAFIA

http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0098300414000491
SMITH, M. J.; GOODCHILD, M. F. & LONGLEY, A. P. (2009). A comprehensive guide to principles,
techniques and software tools, 3ª Edition.
SOARES, A. (2014). Geoestatística para as Ciências da Terra e do Ambiente, IST-Press, Lisboa, 3
edition, 232.
SOARES, U.M.; ROSSETT, E.L.; CASSAB, R.C.T. (2003). Bacias sedimentares brasileiras. Bacia
Potiguar, 2003. Acessado em: 17/Jul./2015. Disponível
em: http://www.phoenix.org.br/Phoenix56_Ago03.htm.
SOUZA, D.C.; Jardim de Sá, E.F.; Vital, H.; Nascimento, M.A.L. (2008). Falésias na Praia de Ponta
Grossa, Icapuí, CE - Importantes deformações tectônicas cenozóicas em rochas
sedimentares da Formação Barreiras. In: Winge, M.; Schobbenhaus, C.; Souza, C.R.G.;
Fernandes, A.C.S.; Berbert Born, M.; Queiroz,E.T.; (Edit.) Sítios Geológicos e
Paleontológicos do Brasil. Acessado em: 29/ Out. / 2015. Disponível em:
http://sigep.cprm.gov.br/sitio120/sitio120.pdf
SOUZA, M. J. N.; LIMA, F. A. M.; PAIVA, J. B. (1988). Contribuição ao estudo das unidades
morfoestruturais do estado do Ceará. Revista de Geologia, Fortaleza, 1, 73-91, 1988.
SOUZA, M. J. N. (2000). Bases naturais e esboço do zoneamento geoambiental do estado do
Ceará. In: WINGE, M. (Ed.) et al. Sítios geológicos e paleontológicos do Brasil.
Compartimentação territorial e gestão regional do Ceará. Fortaleza: UECE, FUNECE,
2000. Acessado em: 15/Jun. / 2016. Disponível em: Disponível em:
http://www.unb.br/ig/sigep/sitio120/sitio120.pdf
STANLEY, M. (2002). Geodiversity – linking people, landscapes and their culture. Abstract for
Natural and Cultural Landscapes Conference. Royal Irish Academy, Geodiversity – linking
people, landscapes and their culture Dublin, 14.
STRAHLER, A. N. (1957). Quantitative analysis of watershed geomorphology. Transactions of the
American Geophysical Union, 8, 6, 913-920. Acessado em: 09 /Jun./2014. Disponível
em: http://www.uvm.edu/~pdodds/files/papers/others/1957/strahler1957a.pdf
SULIANO, D. C.; MAGALHÃES, K. A.; SOARES, R. B. (2009). A influência do clima no desempenho
da economia cearense. Governo do Estado do Ceará. Secretaria do Planejamento e Gestão
– SEPLAG. Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará – IPECE - Fortaleza-CE.
Acessado em: 25/Abr./2014. Disponível em:
http://www.ipece.ce.gov.br/publicacoes/textos_discussao/TD_56.pdf
TEODORO, V. L. I.; TEIXEIRA, D.; COSTA, D. J. L.; FULLER, B. B.; (2007). O conceito de bacia
hidrográfica e a importância da caracterização morfométrica para o entendimento da
dinâmica ambiental local. REVISTA UNIARA, 20, 147 – 156. Acessado em:
17/Fev./2014. Disponível em:
http://www.uniara.com.br/revistauniara/pdf/20/RevUniara20_11.pdf
TOBIN, C.; NICOTINA, L.; PARLANGE, M. B.; BERNE, A.; RINALDO, A. (2011). Improved

200
BIBLIOGRAFIA

interpolation of meteorological forcings for hydrologic applications in a Swiss Alpine region.


Journal of Hydrology 401 (2011) 77 – 89. Acessado em: 15/ Jun./ 2014. Disponível em:
http://www.sciencedirect/science/article/pii/S0022169411001156
TOMLIN, C.D. (1990). Geographic information systems and cartographic modelling. Prentice Hall,
Englewood Cliffs, N.J.
TONELLO, K.C. (2005). Análise hidroambiental da bacia hidrográfica da cachoeira das Pombas,
Guanhães, MG. 2005. 69p. Tese (Doutorado em Ciências Florestal) – Universidade
Federal de Viçosa, Viçosa. Acessado em: 17/Fev./2014. Disponível em:
http://www.ipef.br/servicos/teses/arquivos/tonello,kc-m.pdf
TORQUATO, J. R; NOGUEIRA NETO, J. A. (1996). Historiografia da Região de Dobramentos do
Médio Coreaú. Revista Brasileira de Geociências, 26(4), 1996. p.303-314. Acessado em:
04/Jul./2016. Disponível em:
http://geodados.pg.utfpr.edu.br/busca/detalhe.php?id=23051
TUCCI, C. E. M. (1998). Modelos hidrológicos. Editora da UFRGS. ABRH. 650.
TUCCI, C. E. M. (2001). Gestão da água no Brasil. Brasília: UNESCO, 156. 2001.
TUCCI, C. E. M. (Org.) (2004). Hidrologia: ciência e aplicação. Porto Alegre: Editora da
UFRGS/ABRH. 943.
TUNDISI, J. G. (2014). Recursos hídricos no Brasil: problemas, desafios e estratégias para o futuro
/ José Galizia Tundisi (coordenador). – Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Ciências,
2014. 76: 25 cm. Ciência e tecnologia para o desenvolvimento nacional: estudos
estratégicos, 5. ISBN: 978-85-85761-36-3. Acessado em: 15/ Jun./ 2014. Disponível em:
https://www.ufmg.br/revistaufmg/downloads/20-2/10-governanca-da-agua-jose-
tundisi.pdf
TUNDISI, J. G. (2013). Governança da água. Rev. UFMG, Belo Horizonte, 20, 2, 222-235, jul./dez.
2013. Acessado em: 17/ Jun./ 2014. Disponível em:
https://www.ufmg.br/revistaufmg/downloads/20-2/10-governanca-da-agua-jose-
tundisi.pdf
TUNDISI, J. G. (2011). Recursos Hídricos no século XXI / José Galizia Tundisi, Takako Matsumura
-Tundisi. - Ed. Ampliada e atualizada. – São Paulo: Oficina de Textos.

TUNDISI, J. G. (2010). Tema: Água – Recursos Hídricos superficiais e subterrâneos. Texto para
subsidiar a elaboração do Plano Nacional de Pós Graduação. 2011-2020. CAPES 17 pp,
2010.
TUNDISI, J. G. (2008). Water Resources in the Future: Problems and Solutions. Estudos
Avançados. 22, 63 (2008). Acessado em: 18/Abr./2014. Disponível em:
http://www.periodicos.usp.br/eav/article/view/10290/11935

201
BIBLIOGRAFIA

TUNDISI, J. G. (2007). Coupling surface and groundwater research: a new step towards water
management. In: Integrating Science and Technology into development policies: an
international perspective. OECD. P.163-169. 2007b.
TUNDISI, J. G. & MATSUMURA-TUNDISI T, (2011). Recursos Hídricos no Século 21. Oficina de
textos. 328, 2011.
TUNDISI, J. G.; SCHIEL, D. (2002). A bacia hidrográfica como laboratório experimental para ensino
de Ciências, Geografia e Educação Ambiental. In: SCHIEL, D.; MASCARENHAS,S. (Eds.).
O estudo das bacias hidrográficas: uma estratégia para a educação ambiental. IEA, CDC,
Ford Fundation, 12-17
UNESCO (1964). Notes on the UNESCO programme of scientific hydrology. Paris, 1964. Acedido
em: 17/ Set./ 2015. Disponível em:
www.unesdoc.unesco.org/images/0001/000170/017097EB.pdf
UNEP (2012). Integrated Water Resources Management Planning Approach for Small Island
Developing States. UNEP, 130 + xii pp. Acessado em: 31/Mar./2014. Disponível em:
http://www.cap-net.org/sites/cap-net.org/files/Manual_english.pdf
VAN DEURSEN, W.P.A. (1995). Geographical Information Systems and Dynamic Models. Ph.D.
thesis, Utrecht University, NGS Publication 190, 198. Electronically available through
www.carthago.nl. Acessado em 25/02/2015. Disponível em:
http://www.dpi.inpe.br/cursos/tutoriais/modelagem/referencias/PCRASTER_thesisWva
nDeursen.pdf
VIANA, M.S.S. & NEUMANN, V.H.L. (2002). O Membro Crato da Formação Santana, Chapada do
Araripe, Ceará: riquíssimo registro da fauna e flora do Cretaceo. In: Schobbenhaus, C.;
Campos, D.A.; Queiroz, E.T.; Winge, M.; Berbert-Born, M., Sítios Geológicos e
Paleontológicos do Brasil (SIGEP). Brasília, DNPM, 113-120.
VIDAL, F.W,H; RIBEIRO, R. C. da C.; COSTA, F.A. (2001). Avanços e transferência tecnológica em
rocha ornamental: Rochas Ornamentais do Estado do Ceará. Série Rochas e Minerais
Industriais, n° 4, Rio de Janeiro: CETEM/MCT, 2001. 93-106.
VIDAL, F.W,H; SALES. F. A. C. BRANCO; ROBERTO, F.A. COSTA; SOUSA, J. F. de; MATTOS, I. C.
(2005). Rochas e minerais industriais do Estado do Ceará – Fortaleza: CETEM/ UECE/
DNPM/ FUNCAP/ SENAI, 2005.
VIEIRA, S.R. (2000). Geoestatística em estudos de variabilidade espacial do solo. In: NOVAIS, R.F.;
ALVAREZ V., V.H. & SCHAEFER, C.E.G.R., eds. Tópicos em ciência do solo. Viçosa,
Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2000. 1-54. Acessado em: 11/Jun./2014.
Disponível em:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_nlinks&ref=000141&pid=S0100-
0683200300050001700021&lng=en

202
BIBLIOGRAFIA

VILLELA, S. M.; MATTOS, A. (1975). Hidrologia Aplicada. São Paulo: McGraw-Hll do Brasil.
Acessado em: 21/Jan./2014. Disponível em:
http://www.passeidireto.com/arquivo/2404087/hidrologia-aplicada/30
VOLTZ, M. & WEBSTER, R. (1990). A comparison of kriging, cubic splines and classification for
predicting soil properties from sample information. J. Soil Sci., 41:473-490,
1990. Acessado em: 23/Jan./2014. Disponível em:
http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1365-2389.1990.tb00080.x/abstract
WERTH, S.; GÜNTNER A. (2010). Hydrological model WGHM. Germany Hydrol. Earth Syst. Sci.,
14, 59–78, 2010. Acessado em: 19/Mai./2014. Disponível em: http://www.hydrol-earth-
syst-sci.net/14/59/2010/hess-14-59-2010.pdf
WITTON, M. P. (2009). A new species of Tupuxuara (Thalassodromidae, Azhdarchoidea) from the
Lower Cretaceous SantanaFormation of Brazil, with a note on the nomenclature of
Thalassodromidae. Cretaceous Research, 30, 5, October 2009, 1293-1300. Acessado
em: 21/ Jul./ 2016. Disponível em:
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0195667109000809
YAN, D.H. (2012).Quantitative analysis on the environmental impact of large-scale water transfer
project on water resource area in a changing environment, Hydrol. Earth Syst. Sci., 16,
2685-2702, doi: 10.5194/hess-16-2685-2012.
YATES et al (2003). A technique for generating regional climate scenarios using a nearest neighbour
bootstrap Water Resour D. Yates, S. Gangopadhyay, B. Rajagopalan, K. Strzepek. Res., 39
(7) (2003), 1199. Acessado em: 03/Fev./2015. Disponível
em: http://dx.doi.org/10.1029/2002WR001769
YONG, B.; WANG, H.; Li, H. H.; WANG, G.; QIN, T. L.; WANG, D. Y.; and WANG, L. H.: et al (2014).
Intercomparison of the Version-6 and Version-7 TMPA precipitation products over high and
low latitudes basins with independent gauge networks: Is the newer version better in both
real-time and post-real-time analysis for water resources and hydrologic extremes? Journal
of Hydrology. 508, 16 January 2014, 77–87. Acessado em: 02/ Abr. 2015. Disponível em:
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0022169413007944
ZANETTI, S. S. (2007). Modelagem hidrológica em microbacia hidrográfica da bacia do rio Paraíba
do Sul. 2007. 135p. Tese (Doutorado em Produção Vegetal) – Centro de Ciências e
Tecnologias Agropecuárias, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro,
Campos dos Goytacazes, RJ, 2007.
ZANI, H.; ASSINE, M.L. (2009). Análise de superfícies de tendência com dados SRTM: estudo de
caso na bacia sedimentar do Pantanal. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO
REMOTO, 14, 2009, Natal. Anais... São José dos Campos: INPE, 2009. p. 3403-3410.
http://marte.dpi.inpe.br/col/dpi.inpe.br/sbsr@80/2008/11.14.12.45/doc/3403-
3410.pdf
SHEN, Z.; CHEN, L.; LIAO, Q.; LIU, R.; Hong, Q. (2012). Impact of spatial rainfall variability on
hydrology and nonpoint source pollution modeling. Journal of Hydrology. 472–473, 23

203
BIBLIOGRAFIA

November 2012, 205–215. Acessado em: 20/Dez./2014. Disponível em:


http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0022169412008220
ZWOLIŃSKI Z. (2004). Geodiversity. In: A.S. Goudie (ed.), Encyclopedia of Geomorphology. 1,
417–418.
ZWOLIŃSKI Z. (2008). Designing a map of the geodiversity of landforms in Poland. IAG and AIGEO
International Meeting Environmental Analysis and Geomorphological Mapping for a
Sustainable Development, Addis Ababa, Ethiopia, February 26, 2008. Abstract Book: 18–
22.
ZWOLIŃSKI Z. (2009). The routine of landform geodiversity map design for the Polish Carpathian
Mts. Landform Analysis 2009,11, 77-85 Acessado em: 14/ Nov./ 2015. Disponível em:
http://yadda.icm.edu.pl/yadda/element/bwmeta1.element.baztech-article-BUJ5-0052-
0094

SITIOS URL:
http://www.hidro.ce.gov.br/
http://www.hidro.ce.gov.br/municipios/chuvas-diarias
http://www.relevobr.cnpm.embrapa.br/download/
http://geoparkararipe.org.br/
http://cidades.ibge.gov.br/xtras/uf.php?lang=&coduf=23&search=ceara
http://www.fao.org/docrep/008/ad772s/AD772S05.htm
http://www2.ana.gov.br/Paginas/default.aspx
http://www.dpi.inpe.br/Ambdata/dados_climaticos.php
http://www.cprm.gov.br/
http://www.ibge.gov.br/home/
http://www.climatempo.com.br
http://www.funceme.br/index.php/comunicacao/noticias/551-sistemas-atmosf%C3%A9ricos-
atuantes-sobre-o-nordeste
http://www.igme.es/Boletin/2001/112_2-2001/1-ARTICULO%20%20GEODIVERSIDAD.pdf
http://www.esri.com
http://www.dnpm.gov.br/

204
ANEXOS

205
ANEXOS

206
ANEXOS

ANEXO 3.1 – Mapa das Médias Anuais de Pluviosidade do Estado do Ceará

207
ANEXOS

208
ANEXOS

ANEXO 3.2 – Mapa das Hierarquias de Canais do Estado do Ceará

209
ANEXOS

210
ANEXOS

ANEXO 3.3 – Mapa de Índices de Diversidade de Vazão Específica do Estado do Ceará –


Subbacias

211
ANEXOS

212
ANEXOS

ANEXO 3.4 – Mapa de Índices de Diversidade de Hierarquia de Canais do Estado do Ceará –


Subbacias

213
ANEXOS

214
ANEXOS

ANEXO 3.5 – Mapa de Índices de Diversidade da Pluviosidade do Estado do Ceará – Subbacias

215
ANEXOS

216
ANEXOS

ANEXO 3.6 – Mapa de Índices de Diversidade de Reservatórios Hídricos do Estado do Ceará –


Subbacias

217
ANEXOS

218
ANEXOS

ANEXO 3.7 – Mapa de Índices de Potencial dos Recursos Hídricos do Estado do Ceará –
Subbacias

219
ANEXOS

220
ANEXOS

ANEXO 3.8 – Mapa de Avaliação do Potencial dos Recursos Hídricos do Estado do Ceará

221
ANEXOS

222
ANEXOS

ANEXO 3.9 – Tabela dos valores descendentes 805 4 3 1 1 9


809 4 3 1 1 9
dos índices quantitativos parciais e totais do PRH 795 4 3 1 1 9
das 338 subbacias do Estado do Ceará 796 4 3 1 1 9
770 4 3 1 1 9
569 3 3 2 1 9

Reservatorios
Pluviosidade 320 4 3 1 1 9

Hierarquia
ID/Índices

630 2 3 3 1 9

Vazão

PRH
127 4 2 1 2 9
21 4 2 1 2 9
84 4 2 1 2 9
265 3 3 3 5 14 133 5 2 1 1 9
349 2 5 2 4 13 172 2 2 1 4 9
513 2 3 5 3 13 174 5 2 1 1 9
41 2 2 4 5 13 199 4 2 1 2 9
650 2 3 2 5 12 200 5 2 1 1 9
7 5 2 2 3 12 213 5 2 1 1 9
718 4 2 2 4 12 238 4 2 1 2 9
315 3 5 1 2 11 289 2 2 1 4 9
721 4 4 2 1 11 583 3 2 1 3 9
119 5 3 1 2 11 624 3 2 1 3 9
259 2 3 2 4 11 677 2 2 1 4 9
145 5 2 1 3 11 685 3 2 1 3 9
136 4 2 3 2 11 695 3 2 1 3 9
102 4 2 1 4 11 590 3 2 2 2 9
462 3 2 2 4 11 762 3 2 3 1 9
89 4 2 1 4 11 785 4 2 2 1 9
551 4 2 3 2 11 71 5 2 1 1 9
503 2 2 4 3 11 76 4 2 1 2 9
210 3 1 2 5 11 120 3 2 1 3 9
477 3 5 1 1 10 73 5 2 1 1 9
10 3 5 1 1 10 230 5 2 1 1 9
783 4 4 1 1 10 719 3 2 3 1 9
801 4 4 1 1 10 27 5 2 1 1 9
49 4 4 1 1 10 141 5 2 1 1 9
29 4 3 1 2 10 59 5 2 1 1 9
107 5 3 1 1 10 443 4 2 1 2 9
134 5 3 1 1 10 442 4 2 1 2 9
195 5 3 1 1 10 705 3 2 1 3 9
61 3 3 2 2 10 788 4 2 2 1 9
261 5 3 1 1 10 151 3 2 1 3 9
223 5 3 1 1 10 93 5 2 1 1 9
42 4 2 1 3 10 220 4 2 1 2 9
122 5 2 1 2 10 412 1 1 3 4 9
138 5 2 1 2 10 683 2 1 3 3 9
181 5 2 1 2 10 491 1 1 4 3 9
192 5 2 1 2 10 697 2 1 2 4 9
740 4 2 1 3 10 4 3 3 1 1 8
337 2 2 1 5 10 13 3 3 1 1 8
159 3 2 2 3 10 35 3 3 1 1 8
128 5 2 1 2 10 38 3 3 1 1 8
387 5 2 2 1 10 51 3 3 1 1 8
415 1 2 2 5 10 794 3 3 1 1 8
485 5 2 1 2 10 341 2 3 2 1 8
106 4 2 3 1 10 123 1 3 3 1 8
246 4 2 2 2 10 454 2 3 1 2 8
268 4 2 2 2 10 2 3 3 1 1 8
324 2 5 1 1 9 682 2 3 1 2 8
334 2 5 1 1 9 472 3 3 1 1 8
365 2 5 1 1 9 28 3 3 1 1 8
456 2 5 1 1 9 20 2 3 2 1 8
362 2 4 1 2 9 31 3 2 2 1 8
522 2 4 1 2 9 40 4 2 1 1 8
361 2 4 1 2 9 46 4 2 1 1 8
227 4 3 1 1 9 48 4 2 1 1 8
98 4 3 1 1 9 62 4 2 1 1 8
221 3 3 1 2 9 81 3 2 1 2 8
224 4 3 1 1 9 91 4 2 1 1 8
773 4 3 1 1 9 131 4 2 1 1 8

223
ANEXOS

139 4 2 1 1 8 357 1 3 1 1 6
202 4 2 1 1 8 228 1 3 1 1 6
219 4 2 1 1 8 83 2 2 1 1 6
276 4 2 1 1 8 197 1 2 1 2 6
288 3 2 1 2 8 206 2 2 1 1 6
616 3 2 1 2 8 231 2 2 1 1 6
752 4 2 1 1 8 256 2 2 1 1 6
753 4 2 1 1 8 257 2 2 1 1 6
757 4 2 1 1 8 291 2 2 1 1 6
759 3 2 2 1 8 335 1 2 2 1 6
523 2 2 2 2 8 371 2 2 1 1 6
678 3 2 2 1 8 394 2 2 1 1 6
312 1 2 4 1 8 411 1 2 1 2 6
763 3 2 1 2 8 580 2 2 1 1 6
536 2 2 1 3 8 647 2 2 1 1 6
759 3 2 2 1 8 651 2 2 1 1 6
486 3 2 1 2 8 708 2 2 1 1 6
6 2 2 2 2 8 771 2 2 1 1 6
321 2 2 2 2 8 780 2 2 1 1 6
636 2 1 1 4 8 266 2 2 1 1 6
428 2 1 2 3 8 698 1 2 2 1 6
392 2 1 1 4 8 712 1 2 2 1 6
367 2 1 1 4 8 370 2 2 1 1 6
507 3 1 1 3 8 348 2 2 1 1 6
759 2 1 4 1 8 631 2 2 1 1 6
612 2 1 2 3 8 328 1 2 1 2 6
255 2 3 1 1 7 612 2 2 1 1 6
295 1 3 2 1 7 266 2 2 1 1 6
303 1 3 2 1 7 242 2 2 1 1 6
538 2 3 1 1 7 386 2 2 1 1 6
791 2 3 1 1 7 395 2 2 1 1 6
70 2 3 1 1 7 471 2 2 1 1 6
111 2 3 1 1 7 92 1 2 2 1 6
55 3 2 1 1 7 325 2 2 1 1 6
64 3 2 1 1 7 537 2 2 1 1 6
65 3 2 1 1 7 600 2 2 1 1 6
72 2 2 2 1 7 345 3 1 1 1 6
124 3 2 1 1 7 399 2 1 2 1 6
154 3 2 1 1 7 422 2 1 2 1 6
184 3 2 1 1 7 467 1 1 1 3 6
338 2 2 1 2 7 487 1 1 1 3 6
453 2 2 2 1 7 558 1 1 1 3 6
730 3 2 1 1 7 575 3 1 1 1 6
742 3 2 1 1 7 610 3 1 1 1 6
745 2 2 2 1 7 614 3 1 1 1 6
767 3 2 1 1 7 639 2 1 1 2 6
775 3 2 1 1 7 810 3 1 1 1 6
778 3 2 1 1 7 596 1 1 2 2 6
556 3 2 1 1 7 641 2 1 1 2 6
699 2 2 2 1 7 163 1 1 2 2 6
82 2 2 1 2 7 404 1 1 3 1 6
193 3 2 1 1 7 681 2 1 1 2 6
211 1 2 2 2 7 574 2 1 2 1 6
253 2 2 2 1 7 510 3 1 1 1 6
193 3 2 1 1 7 1 1 1 2 2 6
302 1 2 2 2 7 39 3 1 1 1 6
56 3 2 1 1 7 226 2 1 2 1 6
217 3 2 1 1 7 153 1 2 1 1 5
316 2 2 2 1 7 178 1 2 1 1 5
271 2 2 2 1 7 191 1 2 1 1 5
784 3 2 1 1 7 225 1 2 1 1 5
459 2 1 3 1 7 237 1 2 1 1 5
519 1 1 1 4 7 278 1 2 1 1 5
495 4 1 1 1 7 279 1 2 1 1 5
148 2 1 3 1 7 299 1 2 1 1 5
307 1 3 1 1 6 300 1 2 1 1 5
380 1 3 1 1 6 306 1 2 1 1 5
666 1 3 1 1 6 313 1 2 1 1 5
703 1 3 1 1 6 318 1 2 1 1 5

224
ANEXOS

322 1 2 1 1 5 247 1 1 1 1 4
323 1 2 1 1 5 292 1 1 1 1 4
329 1 2 1 1 5 112 1 1 1 1 4
342 1 2 1 1 5 25 1 1 1 1 4
358 1 2 1 1 5
382 1 2 1 1 5
437 1 2 1 1 5
451 1 2 1 1 5
756 1 2 1 1 5
792 1 2 1 1 5
622 1 2 1 1 5
389 1 2 1 1 5
396 1 2 1 1 5
755 1 2 1 1 5
368 2 1 1 1 5
377 2 1 1 1 5
379 1 1 1 2 5
388 1 1 1 2 5
405 2 1 1 1 5
429 2 1 1 1 5
501 1 1 1 2 5
505 2 1 1 1 5
514 2 1 1 1 5
521 1 1 1 2 5
530 1 1 1 2 5
545 2 1 1 1 5
606 1 1 1 2 5
632 2 1 1 1 5
645 2 1 1 1 5
663 2 1 1 1 5
680 2 1 1 1 5
684 2 1 1 1 5
378 2 1 1 1 5
559 1 1 1 2 5
646 1 1 2 1 5
715 2 1 1 1 5
747 1 1 2 1 5
741 1 1 2 1 5
440 1 1 2 1 5
567 2 1 1 1 5
506 2 1 1 1 5
736 2 1 1 1 5
142 2 1 1 1 5
319 1 1 1 2 5
420 2 1 1 1 5
520 1 1 2 1 5
110 2 1 1 1 5
504 2 1 1 1 5
549 2 1 1 1 5
390 1 1 1 1 4
463 1 1 1 1 4
473 1 1 1 1 4
535 1 1 1 1 4
588 1 1 1 1 4
615 1 1 1 1 4
618 1 1 1 1 4
625 1 1 1 1 4
640 1 1 1 1 4
710 1 1 1 1 4
714 1 1 1 1 4
743 1 1 1 1 4
397 1 1 1 1 4
515 1 1 1 1 4
591 1 1 1 1 4
638 1 1 1 1 4
589 1 1 1 1 4
143 1 1 1 1 4
480 1 1 1 1 4
751 1 1 1 1 4

225
ANEXOS

226
ANEXOS

ANEXO 4.1 – Mapa de Índices Litológicos do Estado do Ceará - 12x12km

227
ANEXOS

228
ANEXOS

ANEXO 4.2 – Mapa de Índices Geomorfológicos do Estado do Ceará- 12x12km

229
ANEXOS

230
ANEXOS

ANEXO 4.3 – Mapa de Índices Pedológicos do Estado do Ceará - 12x12km

231
ANEXOS

232
ANEXOS

ANEXO 4.4 – Mapa de Indices de Recursos Minerais e Energéticos do Estado do Ceará -


12x12km

233
ANEXOS

234
ANEXOS

ANEXO 4.5 – Mapa de Indices Paleontológicos do Estado do Ceará - 12x12km

235
ANEXOS

236
ANEXOS

ANEXO 4.6 – Mapa de Índices de Recursos Hídricos do Estado do Ceará - 12x12km

237
ANEXOS

238
ANEXOS

ANEXO 4.7 – Mapa de Índices de Geodiversidade do Estado do Ceará - 12x12km

239
ANEXOS

240
ANEXOS

ANEXO 4.8 – Mapa de Avaliação da Geodiversidade do Estado do Ceará - 12x12km

241
ANEXOS

242
ANEXOS

18
ANEXO 4.9 dos valores – Tabela 395 5 2 2 4 2 3
396 4 2 1 4 2 5 18
descendentes dos índices parciais e totais de 570 3 1 4 4 2 4 18
geodiversidade do Estado do Ceará nas 1107 609 4 1 3 4 2 4 18
812 2 2 2 4 3 5 18
quadrículas. 863 4 2 4 2 3 3 18
1269 4 0 4 2 3 5 18
1293 5 2 4 3 2 2 18
1310 5 0 4 2 3 4 18
1536 5 1 2 4 3 3 18
Geomorfológico

Índ. Pedológico

Geodiversidade
Paleontológico

1581 4 3 3 2 1 5 18

Índ. Hídrico
Energetico
ID/Índices

Litológico

Mineral e
1610 3 4 4 1 3 3 18
1658 3 5 3 2 1 4 18
1701 3 3 2 3 2 5 18
1735 2 4 4 1 3 4 18
1737 4 4 2 2 2 4 18
1578 5 5 4 5 2 4 25
8 4 1 4 2 2 4 17
206 5 2 4 4 3 5 23
121 4 2 1 4 2 4 17
359 5 2 4 5 2 5 23
124 3 1 4 2 3 4 17
122 5 2 2 5 3 5 22
125 4 1 4 2 3 3 17
244 4 2 4 4 3 5 22
160 5 2 2 3 2 3 17
245 4 2 4 5 2 5 22
161 4 1 1 4 3 4 17
888 5 1 4 4 3 5 22
164 4 1 4 2 2 4 17
243 4 2 5 4 2 4 21
201 3 0 3 4 2 5 17
571 4 1 4 4 4 4 21
235 4 2 4 3 1 3 17
850 4 2 4 4 2 5 21
241 4 0 4 3 2 4 17
1579 4 3 2 5 2 5 21
275 3 2 2 4 3 3 17
1580 4 3 3 4 2 5 21
276 3 2 3 2 3 4 17
1617 3 5 3 4 2 4 21
280 4 0 3 4 2 4 17
1657 3 5 3 4 2 4 21
282 4 1 3 4 2 3 17
83 4 2 4 3 2 5 20
320 4 2 2 4 2 3 17
167 4 2 4 4 2 4 20
336 2 1 3 4 3 4 17
321 4 1 4 4 2 5 20
356 4 0 3 4 2 4 17
1306 5 0 4 4 2 5 20
434 4 2 2 4 2 3 17
1538 4 5 3 2 2 4 20
435 4 3 1 4 1 4 17
1572 4 4 4 3 2 3 20
485 2 0 4 4 3 4 17
1576 4 4 4 2 3 3 20
492 3 0 2 4 3 5 17
123 5 3 2 4 2 3 19
532 3 1 2 5 3 3 17
198 5 1 3 4 3 3 19
647 4 0 2 4 3 4 17
205 4 2 4 4 2 3 19
648 4 1 3 3 2 4 17
277 3 2 4 4 2 4 19
690 4 1 3 4 2 3 17
278 4 0 4 4 2 5 19
998 4 0 4 3 2 4 17
279 4 0 4 4 2 5 19
1305 5 0 4 1 2 5 17
283 4 1 2 5 2 5 19
1308 5 0 4 4 2 2 17
317 3 0 4 5 2 5 19
1421 5 0 2 4 1 5 17
318 4 0 4 5 1 5 19
1577 2 4 3 2 2 4 17
358 5 2 1 5 2 4 19
1618 1 2 2 5 2 5 17
397 4 3 1 5 2 4 19
1625 4 2 3 1 5 2 17
695 4 1 3 2 5 4 19
1647 4 0 4 3 4 2 17
774 2 2 2 4 4 5 19
7 3 1 4 2 1 5 16
1537 4 4 2 3 2 4 19
84 4 3 2 2 2 3 16
1575 3 4 4 3 2 3 19
126 4 1 3 2 2 4 16
1620 4 5 2 2 2 4 19
166 3 1 4 3 2 3 16
1621 3 3 4 2 3 4 19
196 4 2 4 2 1 3 16
1659 4 5 4 2 1 3 19
202 3 0 4 4 2 3 16
1736 4 4 3 2 2 4 19
237 4 0 4 3 2 3 16
1738 4 3 2 4 2 4 19
295 1 1 1 5 3 5 16
42 2 1 3 5 2 5 18
297 3 1 3 3 2 4 16
44 3 2 2 3 3 5 18
316 2 2 2 5 1 4 16
158 4 1 4 4 3 2 18
331 3 0 3 4 1 5 16
159 4 2 3 4 2 3 18
335 2 0 2 5 3 4 16
195 4 2 3 3 3 3 18
337 3 1 4 2 1 5 16
197 4 2 4 4 2 2 18
366 2 0 3 4 3 4 16
199 5 1 2 4 3 3 18
374 2 0 4 4 2 4 16
236 4 2 3 5 1 3 18
378 1 1 3 4 2 5 16
296 4 1 2 4 2 5 18
416 2 1 3 5 1 4 16
319 5 1 2 5 2 3 18
446 2 0 4 4 3 3 16
369 3 0 5 2 3 5 18
455 3 1 3 3 1 5 16
375 4 1 4 3 2 4 18
572 2 1 2 3 4 4 16

243
ANEXOS

638 3 0 4 5 2 2 16 1268 5 0 2 1 2 5 15
657 2 1 4 2 2 5 16 1271 4 0 4 1 2 4 15
726 4 0 4 3 2 3 16 1272 4 0 4 1 2 4 15
761 4 0 4 1 3 4 16 1273 4 0 5 2 2 2 15
776 3 3 3 2 2 3 16 1307 5 0 4 1 2 3 15
811 2 1 2 3 3 5 16 1311 4 0 4 1 2 4 15
848 4 0 2 2 3 5 16 1344 5 0 3 1 2 4 15
902 2 2 3 4 2 3 16 1378 4 0 4 1 2 4 15
1230 5 0 3 1 2 5 16 1425 4 0 2 3 3 3 15
1232 3 0 3 3 3 4 16 1460 5 0 2 3 1 4 15
1234 5 0 4 1 2 4 16 1498 4 0 4 2 2 3 15
1309 5 0 4 1 1 5 16 1504 3 0 1 4 2 5 15
1341 5 0 4 2 2 3 16 1611 3 4 3 1 2 2 15
1342 5 0 3 2 2 4 16 1656 2 4 1 2 2 4 15
1343 5 0 3 2 2 4 16 1663 2 3 3 1 3 3 15
1382 4 0 2 3 2 5 16 1698 2 5 3 1 1 3 15
1573 4 4 3 1 2 2 16 5 2 1 3 1 2 5 14
1574 2 4 2 2 3 3 16 40 3 1 2 1 2 5 14
1619 1 2 2 4 2 5 16 41 2 1 2 3 2 4 14
1622 2 3 4 1 3 3 16 79 2 1 2 4 1 4 14
1624 3 3 4 1 2 3 16 80 3 1 2 4 1 3 14
1660 1 3 3 3 1 5 16 81 3 1 2 3 1 4 14
1739 3 3 2 1 2 5 16 119 4 1 1 2 2 4 14
1775 4 5 1 1 2 3 16 129 2 1 2 3 2 4 14
43 1 1 1 4 3 5 15 131 1 1 2 4 3 3 14
46 2 1 2 3 2 5 15 132 1 1 2 4 2 4 14
82 3 1 2 4 2 3 15 134 2 1 4 2 1 4 14
85 2 1 3 3 2 4 15 156 3 2 2 2 2 3 14
86 4 1 3 2 1 4 15 168 3 2 2 3 2 2 14
89 2 1 2 4 2 4 15 172 1 1 2 4 2 4 14
157 4 1 3 2 2 3 15 214 2 1 1 4 2 4 14
162 3 1 2 3 2 4 15 238 2 0 2 4 3 3 14
165 2 1 2 3 3 4 15 291 2 1 4 2 1 4 14
200 4 0 2 3 3 3 15 294 1 1 1 5 3 3 14
203 2 0 4 3 3 3 15 322 3 0 2 3 1 5 14
204 2 0 5 3 2 3 15 324 3 0 3 3 2 3 14
242 3 0 4 3 2 3 15 360 3 0 2 3 1 5 14
254 1 1 2 4 2 5 15 376 2 1 3 3 1 4 14
255 1 1 2 4 2 5 15 408 1 0 4 3 2 4 14
293 1 1 2 4 2 5 15 409 1 0 2 4 3 4 14
323 2 0 4 3 3 3 15 412 1 0 3 4 2 4 14
357 3 0 1 4 3 4 15 451 2 0 2 4 2 4 14
370 1 0 4 3 2 5 15 452 2 0 2 2 3 5 14
413 1 0 4 3 3 4 15 475 3 2 1 4 1 3 14
414 1 0 4 4 2 4 15 477 3 0 1 4 1 5 14
417 1 1 3 3 2 5 15 490 3 0 2 3 2 4 14
456 1 1 2 4 2 5 15 494 1 1 2 2 3 5 14
534 2 1 2 3 2 5 15 497 2 1 2 3 2 4 14
535 2 1 2 4 2 4 15 533 3 1 1 2 4 3 14
610 3 1 4 1 3 3 15 563 2 0 4 4 2 2 14
646 4 0 1 3 3 4 15 573 2 1 2 3 2 4 14
658 2 1 2 3 2 5 15 683 3 0 2 3 3 3 14
684 2 0 2 4 4 3 15 685 3 0 1 3 3 4 14
696 3 1 2 3 1 5 15 689 4 1 2 2 2 3 14
734 4 0 3 1 3 4 15 707 2 2 4 2 2 2 14
735 2 1 1 3 3 5 15 722 4 0 4 1 3 2 14
754 4 0 4 2 3 2 15 762 4 0 3 1 3 3 14
773 2 1 2 1 4 5 15 765 5 0 4 2 2 1 14
775 3 2 3 1 3 3 15 770 5 0 1 3 2 3 14
783 1 2 3 1 5 3 15 802 3 0 3 4 2 2 14
824 3 2 3 2 2 3 15 809 5 0 1 3 2 3 14
887 4 0 2 1 4 4 15 847 3 0 1 2 3 5 14
920 4 0 2 3 2 4 15 849 2 0 2 2 3 5 14
997 4 0 2 5 2 2 15 881 3 0 2 3 2 4 14
1019 4 2 4 2 2 1 15 889 2 2 2 2 1 5 14
1036 3 0 2 4 2 4 15 919 2 0 1 4 2 5 14
1097 4 2 4 2 2 1 15 925 4 0 2 1 3 4 14
1229 5 0 3 1 3 3 15 926 3 1 2 1 2 5 14
1267 4 0 3 1 3 4 15 928 1 2 3 3 1 4 14

244
ANEXOS

957 2 0 1 5 2 4 14 613 2 1 2 4 2 2 13
1037 2 0 3 2 3 4 14 618 2 1 3 1 1 5 13
1058 5 2 3 1 2 1 14 639 2 0 4 4 2 1 13
1075 3 0 2 4 1 4 14 641 4 0 4 1 2 2 13
1082 3 1 2 1 3 4 14 649 2 1 3 2 2 3 13
1136 5 2 3 2 1 1 14 651 3 1 2 3 2 2 13
1180 4 0 4 2 2 2 14 652 3 1 2 3 2 2 13
1270 3 0 4 1 1 5 14 668 2 2 4 1 2 2 13
1332 3 2 3 3 1 2 14 677 3 0 4 2 2 2 13
1333 4 0 3 4 1 2 14 686 3 0 1 4 2 3 13
1340 4 0 4 1 2 3 14 723 4 0 4 1 2 2 13
1349 4 0 3 1 3 3 14 725 5 0 3 1 2 2 13
1379 4 0 4 1 2 3 14 736 2 1 2 1 2 5 13
1380 4 0 2 2 2 4 14 737 2 3 2 1 2 3 13
1381 5 0 2 1 2 4 14 755 5 0 4 2 1 1 13
1384 5 0 2 2 2 3 14 784 1 2 4 1 2 3 13
1385 4 0 2 1 2 5 14 793 3 0 3 4 1 2 13
1387 4 0 2 2 2 4 14 799 3 0 2 2 3 3 13
1388 4 0 2 2 2 4 14 801 4 0 4 1 1 3 13
1426 4 0 2 3 1 4 14 813 1 2 1 5 1 3 13
1463 4 0 2 3 2 3 14 814 1 2 1 3 2 4 13
1465 4 0 3 1 2 4 14 845 3 0 1 1 4 4 13
1535 4 0 1 4 2 3 14 853 1 2 1 3 2 4 13
1539 3 2 2 2 2 3 14 883 4 0 1 1 2 5 13
1571 3 4 2 1 2 2 14 886 4 0 2 1 3 3 13
1608 2 4 3 1 2 2 14 891 1 2 1 3 2 4 13
1609 2 4 3 1 2 2 14 941 2 2 3 3 2 1 13
1623 2 2 3 1 3 3 14 958 2 0 1 5 2 3 13
1699 1 3 2 2 2 4 14 964 4 0 2 1 2 4 13
1776 2 2 1 3 2 4 14 992 4 0 2 1 2 4 13
6 3 1 2 1 2 4 13 1002 4 0 2 1 1 5 13
9 2 1 1 3 2 4 13 1004 3 1 2 1 2 4 13
11 2 1 3 1 1 5 13 1038 3 0 1 1 3 5 13
50 1 1 1 4 2 4 13 1064 2 0 2 4 2 3 13
90 2 1 2 2 2 4 13 1118 4 0 3 1 2 3 13
128 2 1 2 2 1 5 13 1148 4 0 4 2 1 2 13
171 1 1 2 2 3 4 13 1153 3 0 4 2 2 2 13
211 3 1 1 4 1 3 13 1157 4 0 4 1 2 2 13
239 2 0 3 2 3 3 13 1181 3 0 2 4 3 1 13
240 2 0 1 4 2 4 13 1195 4 0 2 1 2 4 13
274 1 2 2 2 2 4 13 1231 2 0 4 1 3 3 13
314 1 2 2 1 3 4 13 1254 3 2 3 2 2 1 13
315 1 2 1 3 2 4 13 1266 4 0 3 1 2 3 13
334 1 0 1 5 2 4 13 1334 5 0 3 2 1 2 13
353 1 2 1 1 3 5 13 1335 5 0 3 2 1 2 13
355 2 2 2 1 2 4 13 1345 4 0 3 1 2 3 13
365 2 0 3 5 2 1 13 1372 3 2 2 4 1 1 13
367 3 0 4 1 2 3 13 1383 2 0 2 2 2 5 13
372 1 0 1 4 3 4 13 1427 4 0 1 3 2 3 13
373 1 0 1 4 2 5 13 1453 3 0 2 4 2 2 13
392 1 2 2 1 2 5 13 1461 3 0 2 2 1 5 13
394 2 2 1 2 2 4 13 1499 5 0 2 2 1 3 13
398 3 1 1 4 1 3 13 1503 4 0 1 2 2 4 13
399 2 0 2 3 1 5 13 1543 1 0 1 4 2 5 13
410 1 0 1 4 2 5 13 1649 2 4 3 1 1 2 13
431 1 2 3 1 2 4 13 1662 1 3 2 2 2 3 13
453 1 0 4 2 2 4 13 1697 2 4 1 1 2 3 13
457 1 1 1 4 2 4 13 1700 1 3 1 1 3 4 13
473 2 2 2 2 2 3 13 1777 3 2 2 1 1 4 13
484 2 0 3 4 2 2 13 54 1 1 3 1 1 5 12
491 3 0 2 2 2 4 13 94 1 1 3 1 1 5 12
513 2 2 2 3 1 3 13 163 2 0 2 1 2 5 12
550 1 2 2 1 4 3 13 169 1 1 2 3 2 3 12
552 2 2 2 4 1 2 13 173 1 1 3 2 2 3 12
576 2 1 2 4 1 3 13 207 2 2 1 2 2 3 12
577 2 1 3 2 1 4 13 213 1 1 1 3 2 4 12
599 2 0 3 4 2 2 13 216 1 1 2 2 1 5 12
600 2 0 4 4 2 1 13 250 2 0 2 3 1 4 12
606 1 0 3 4 2 3 13 252 2 1 2 2 1 4 12

245
ANEXOS

256 2 1 1 2 1 5 12 993 3 0 1 2 2 4 12
284 1 0 3 2 3 3 12 994 3 0 1 2 3 3 12
292 4 1 2 1 1 3 12 996 2 0 1 5 2 2 12
363 3 0 2 2 2 3 12 1041 3 0 1 1 3 4 12
368 3 0 4 1 1 3 12 1059 3 0 4 1 2 2 12
371 1 0 1 2 3 5 12 1072 2 0 3 2 3 2 12
404 2 0 1 5 2 2 12 1080 4 0 2 1 3 2 12
405 1 0 3 4 2 2 12 1081 4 0 2 1 2 3 12
407 3 0 3 1 2 3 12 1119 4 0 2 1 3 2 12
418 1 1 3 1 1 5 12 1156 4 0 1 1 1 5 12
433 1 2 1 1 3 4 12 1158 4 0 3 1 2 2 12
436 2 2 1 3 1 3 12 1192 4 0 4 1 2 1 12
437 2 0 1 4 1 4 12 1219 3 0 2 2 2 3 12
438 2 0 1 4 1 4 12 1295 4 0 1 4 1 2 12
443 3 0 3 2 2 2 12 1296 4 0 2 3 1 2 12
447 2 0 2 2 2 4 12 1300 3 0 2 1 2 4 12
472 1 2 1 1 4 3 12 1304 4 0 4 1 1 2 12
474 2 2 2 3 1 2 12 1312 4 0 3 1 1 3 12
493 1 0 2 3 2 4 12 1350 3 0 2 3 2 2 12
495 1 1 1 4 2 3 12 1389 4 0 2 1 3 2 12
511 1 2 1 1 4 3 12 1419 4 0 1 1 2 4 12
524 2 0 4 2 1 3 12 1422 4 0 2 2 1 3 12
536 2 1 2 2 2 3 12 1452 3 0 2 3 3 1 12
560 3 0 4 1 2 2 12 1462 2 0 2 4 1 3 12
575 2 1 2 2 2 3 12 1491 3 0 1 4 2 2 12
578 1 1 2 1 2 5 12 1492 4 0 1 4 1 2 12
588 1 2 3 1 3 2 12 1495 2 0 2 1 3 4 12
589 1 2 2 1 3 3 12 1502 3 0 1 3 2 3 12
598 4 0 1 3 2 2 12 1505 2 0 1 4 2 3 12
602 3 0 4 1 2 2 12 1540 3 0 2 1 2 4 12
605 3 0 2 2 2 3 12 1582 2 2 2 1 1 4 12
611 2 1 2 2 3 2 12 1584 2 2 2 1 2 3 12
614 3 1 3 2 1 2 12 1615 1 4 1 1 2 3 12
626 2 2 1 1 2 4 12 1661 1 3 1 1 2 4 12
627 1 2 2 1 3 3 12 1740 2 3 2 1 1 3 12
640 3 0 4 1 2 2 12 45 1 1 1 2 2 4 11
645 1 0 1 5 2 3 12 53 1 1 3 1 1 4 11
656 1 1 1 3 3 3 12 93 1 1 3 1 1 4 11
665 2 2 2 1 1 4 12 118 3 1 1 1 2 3 11
666 1 2 3 1 3 2 12 120 2 1 1 2 2 3 11
687 4 0 3 1 2 2 12 133 1 1 2 3 1 3 11
719 3 0 1 3 2 3 12 135 1 1 2 1 1 5 11
720 4 0 2 2 2 2 12 170 1 1 2 1 2 4 11
721 4 0 3 1 3 1 12 174 1 1 1 3 2 3 11
731 2 0 1 4 2 3 12 176 1 1 1 2 2 4 11
732 2 0 2 4 2 2 12 210 2 1 1 1 2 4 11
739 1 1 2 1 2 5 12 212 2 1 2 2 1 3 11
740 2 1 2 1 1 5 12 253 3 1 1 1 2 3 11
746 2 2 2 2 2 2 12 257 2 1 1 1 2 4 11
756 4 0 4 1 1 2 12 273 1 2 1 1 2 4 11
771 3 0 2 2 2 3 12 313 1 2 1 1 2 4 11
803 4 0 1 2 2 3 12 326 1 0 3 3 2 2 11
804 4 0 1 1 2 4 12 338 1 1 3 1 1 4 11
823 1 2 4 2 2 1 12 339 1 1 2 1 2 4 11
832 4 0 3 2 2 1 12 352 1 2 1 1 2 4 11
838 2 0 1 5 2 2 12 354 1 2 1 1 2 4 11
844 3 0 1 1 3 4 12 377 1 1 2 2 1 4 11
846 2 0 1 1 3 5 12 391 1 2 1 1 2 4 11
877 3 0 1 4 1 3 12 401 3 0 1 3 2 2 11
878 2 0 1 2 2 5 12 411 1 0 1 4 1 4 11
927 3 1 2 1 2 3 12 415 1 0 3 3 1 3 11
929 1 2 1 3 1 4 12 432 1 2 1 1 2 4 11
930 1 2 1 3 2 3 12 449 1 0 1 4 1 4 11
963 2 0 2 1 2 5 12 470 1 2 1 1 2 4 11
965 3 1 2 1 2 3 12 471 1 2 2 1 2 3 11
967 1 2 2 3 1 3 12 482 4 0 3 0 2 2 11
968 1 2 1 3 2 3 12 498 2 1 2 1 1 4 11
980 3 0 3 2 2 2 12 514 2 0 1 3 2 3 11
981 2 0 2 2 3 3 12 515 2 0 1 1 2 5 11

246
ANEXOS

523 2 0 4 1 2 2 11 1228 3 0 2 1 3 2 11
528 1 0 1 2 2 5 11 1260 4 0 2 1 2 2 11
530 2 0 2 2 2 3 11 1261 3 0 2 1 2 3 11
531 1 0 1 3 2 4 11 1262 2 0 4 1 2 2 11
537 2 1 2 1 1 4 11 1263 3 0 3 1 2 2 11
551 1 2 2 2 1 3 11 1264 4 0 3 1 1 2 11
558 1 0 1 4 2 3 11 1265 4 0 3 1 1 2 11
564 2 0 2 4 1 2 11 1294 3 0 1 3 1 3 11
569 3 0 2 1 2 3 11 1302 5 0 2 1 2 1 11
590 1 2 3 2 1 2 11 1303 5 0 3 1 1 1 11
591 1 2 2 2 1 3 11 1339 3 0 2 1 1 4 11
617 1 1 1 1 2 5 11 1418 3 0 3 1 1 3 11
637 2 0 2 3 2 2 11 1423 4 0 1 2 1 3 11
653 2 1 2 3 2 1 11 1424 3 0 2 1 2 3 11
673 2 0 3 2 2 2 11 1454 2 0 2 3 2 2 11
679 3 0 3 2 1 2 11 1455 2 0 2 3 2 2 11
682 3 0 2 2 2 2 11 1456 2 0 2 2 2 3 11
694 1 1 1 1 5 2 11 1457 2 0 3 1 2 3 11
704 2 2 1 1 1 4 11 1459 3 0 1 1 2 4 11
705 1 2 2 1 3 2 11 1497 3 0 1 2 3 2 11
709 3 0 2 2 2 2 11 1533 2 0 2 1 2 4 11
724 4 0 1 1 2 3 11 1534 3 0 2 1 2 3 11
728 3 1 2 2 1 2 11 1607 2 4 2 1 1 1 11
733 3 0 2 1 2 3 11 1614 1 4 1 1 1 3 11
744 1 2 2 1 3 2 11 1702 4 2 1 1 1 2 11
752 2 0 4 1 3 1 11 1778 2 1 2 1 1 4 11
753 1 0 4 1 3 2 11 4 2 1 1 1 1 4 10
764 2 0 2 3 1 3 11 10 1 1 1 1 2 4 10
772 2 0 2 2 3 2 11 12 2 1 2 1 1 3 10
785 1 2 2 1 2 3 11 13 1 1 2 1 1 4 10
786 2 0 2 2 2 3 11 48 1 1 1 2 2 3 10
800 3 0 4 1 2 1 11 87 2 1 1 2 1 3 10
841 3 0 1 2 1 4 11 95 3 1 1 1 1 3 10
842 2 0 2 1 1 5 11 130 1 1 1 2 2 3 10
843 3 0 1 1 2 4 11 175 1 1 1 2 1 4 10
851 1 2 1 3 1 3 11 215 1 1 1 2 1 4 10
852 1 2 1 2 1 4 11 217 1 1 1 1 3 3 10
870 4 0 3 1 2 1 11 281 1 0 1 3 2 3 10
882 3 0 1 1 2 4 11 286 2 0 1 1 2 4 10
884 4 0 1 1 1 4 11 312 1 2 1 1 2 3 10
890 1 2 1 2 1 4 11 327 1 0 3 2 2 2 10
904 2 0 2 2 2 3 11 330 2 0 3 1 1 3 10
908 4 0 2 2 2 1 11 393 1 2 1 1 1 4 10
918 3 0 1 1 2 4 11 402 3 0 1 2 2 2 10
942 2 0 2 2 3 2 11 430 1 2 1 1 2 3 10
955 3 0 1 1 2 4 11 440 3 0 2 2 1 2 10
959 3 0 1 3 2 2 11 454 1 0 2 1 2 4 10
989 3 0 2 4 1 1 11 458 1 1 1 2 1 4 10
1000 1 0 1 1 3 5 11 478 1 0 1 3 1 4 10
1001 3 0 1 1 1 5 11 479 3 0 1 2 1 3 10
1003 4 0 2 1 2 2 11 480 2 0 1 3 1 3 10
1006 1 2 2 1 2 3 11 486 1 0 1 1 2 5 10
1020 3 0 2 2 2 2 11 487 1 0 1 4 1 3 10
1028 3 0 1 3 2 2 11 489 1 0 1 2 2 4 10
1030 3 0 2 2 2 2 11 496 1 1 1 1 2 4 10
1032 4 0 1 1 2 3 11 510 1 2 1 1 2 3 10
1039 2 0 1 1 2 5 11 512 1 2 1 1 2 3 10
1040 2 0 1 0 3 5 11 516 1 0 1 2 1 5 10
1043 2 1 1 1 3 3 11 517 1 0 1 4 1 3 10
1078 3 0 1 1 1 5 11 518 1 0 1 4 1 3 10
1083 2 1 4 1 1 2 11 521 3 0 2 1 2 2 10
1098 2 0 3 2 2 2 11 526 1 0 1 4 1 3 10
1103 2 0 1 3 3 2 11 527 1 0 1 3 1 4 10
1111 1 0 2 3 3 2 11 538 1 1 1 1 2 4 10
1115 2 0 2 2 1 4 11 549 1 2 2 1 2 2 10
1141 3 0 1 2 1 4 11 553 1 0 1 3 2 3 10
1196 2 0 4 1 2 2 11 554 1 0 1 2 2 4 10
1222 4 0 3 1 2 1 11 556 1 0 1 3 2 3 10
1224 3 0 4 1 2 1 11 557 1 0 1 4 2 2 10

247
ANEXOS

562 1 0 4 1 2 2 10 1255 2 0 2 2 2 2 10
565 1 0 1 3 1 4 10 1256 2 0 2 2 2 2 10
567 2 0 2 1 2 3 10 1257 3 0 1 2 2 2 10
574 1 1 1 2 2 3 10 1292 1 2 1 2 3 1 10
607 1 0 2 1 3 3 10 1297 4 0 2 1 1 2 10
612 1 1 1 3 3 1 10 1299 2 0 2 1 2 3 10
628 1 2 1 1 2 3 10 1346 3 0 1 1 2 3 10
635 1 0 1 2 3 3 10 1347 3 0 1 1 2 3 10
636 2 0 2 1 3 2 10 1371 2 2 1 2 2 1 10
643 2 0 3 2 1 2 10 1386 2 0 2 1 2 3 10
654 2 1 2 1 2 2 10 1390 3 0 2 1 2 2 10
670 3 0 2 1 1 3 10 1428 4 0 1 1 2 2 10
676 1 0 2 1 4 2 10 1429 3 0 1 1 2 3 10
688 2 1 2 1 2 2 10 1464 2 0 1 1 3 3 10
692 2 1 2 1 3 1 10 1466 3 0 2 1 2 2 10
697 1 1 1 1 1 5 10 1501 4 0 1 1 1 3 10
700 1 1 2 1 2 3 10 1541 2 0 1 2 2 3 10
708 2 0 3 1 2 2 10 1544 2 0 1 2 2 3 10
712 1 0 1 1 3 4 10 1545 2 0 1 2 2 3 10
713 2 0 3 1 2 2 10 1696 1 0 1 2 2 4 10
714 2 0 3 2 2 1 10 1815 2 2 1 2 1 2 10
718 3 0 2 2 1 2 10 47 1 1 1 1 1 4 9
747 2 0 1 3 2 2 10 49 1 1 1 1 2 3 9
751 2 0 2 1 3 2 10 88 1 1 1 2 1 3 9
757 3 0 1 2 1 3 10 91 1 1 1 1 2 3 9
758 2 0 1 2 2 3 10 92 1 1 1 1 2 3 9
768 3 0 2 1 2 2 10 127 1 1 1 2 1 3 9
769 4 0 1 1 2 2 10 208 1 0 1 2 2 3 9
777 1 3 1 1 1 3 10 209 1 0 1 2 2 3 9
782 1 2 1 1 2 3 10 249 2 0 2 1 2 2 9
794 1 0 4 2 1 2 10 285 2 0 2 1 1 3 9
808 4 0 1 1 2 2 10 332 1 0 1 1 1 5 9
810 2 0 1 2 3 2 10 361 1 0 1 2 1 4 9
825 1 0 1 3 2 3 10 364 1 0 2 1 3 2 9
875 1 0 1 2 2 4 10 403 1 0 1 1 2 4 9
876 1 0 1 3 1 4 10 442 2 0 1 2 2 2 9
879 2 0 1 1 2 4 10 444 2 0 2 1 2 2 9
885 4 0 1 1 2 2 10 445 1 0 2 2 2 2 9
903 2 0 2 2 2 2 10 448 1 0 1 3 2 2 9
907 3 0 1 2 1 3 10 450 1 0 1 2 1 4 9
909 4 0 1 2 2 1 10 488 1 0 1 2 1 4 9
912 1 0 2 3 3 1 10 509 1 2 1 1 1 3 9
924 2 0 2 1 2 3 10 519 2 0 1 1 1 4 9
954 3 0 1 2 1 3 10 529 2 0 2 1 1 3 9
966 1 1 1 1 3 3 10 548 1 2 1 1 2 2 9
1005 1 1 1 1 3 3 10 559 2 0 1 2 2 2 9
1007 1 0 1 3 2 3 10 566 2 0 1 1 2 3 9
1027 3 0 1 2 1 3 10 568 2 0 1 1 2 3 9
1031 4 0 1 1 2 2 10 587 1 2 2 1 2 1 9
1033 1 0 2 1 3 3 10 593 1 0 1 3 1 3 9
1069 3 0 1 2 1 3 10 595 2 0 1 1 2 3 9
1070 4 0 2 1 1 2 10 596 1 0 1 1 3 3 9
1074 1 0 1 4 2 2 10 597 1 0 1 2 3 2 9
1079 2 0 2 1 2 3 10 601 1 0 3 1 2 2 9
1114 2 0 2 3 1 2 10 603 2 0 2 1 2 2 9
1117 2 0 1 1 1 5 10 608 1 0 1 2 2 3 9
1120 2 0 2 1 2 3 10 616 1 1 1 1 1 4 9
1137 3 0 2 2 2 1 10 625 2 2 1 1 2 1 9
1142 2 0 1 3 2 2 10 629 1 2 2 1 1 2 9
1143 2 0 1 3 2 2 10 650 1 1 2 2 2 1 9
1154 2 0 2 1 2 3 10 655 1 1 1 1 2 3 9
1159 3 0 2 1 2 2 10 667 1 2 1 1 2 2 9
1187 4 0 2 2 1 1 10 674 2 0 2 1 1 3 9
1193 2 0 2 1 3 2 10 691 2 1 2 1 2 1 9
1198 3 0 2 2 1 2 10 693 1 1 1 1 3 2 9
1221 2 0 2 1 3 2 10 703 2 2 1 1 1 2 9
1225 4 0 2 1 1 2 10 706 1 2 1 1 2 2 9
1226 4 0 2 1 1 2 10 711 1 0 1 1 3 3 9
1233 2 0 2 1 1 4 10 715 2 0 2 1 2 2 9

248
ANEXOS

716 2 0 3 1 1 2 9 52 1 1 1 1 1 3 8
717 4 0 1 1 1 2 9 136 1 1 1 1 1 3 8
730 2 0 1 2 2 2 9 247 2 0 1 1 1 3 8
738 1 1 1 1 2 3 9 248 2 0 1 1 1 3 8
743 1 2 1 1 1 3 9 287 1 0 2 1 2 2 8
745 1 2 1 1 2 2 9 288 1 0 2 1 2 2 8
749 2 0 1 1 2 3 9 290 1 0 2 1 1 3 8
750 1 0 1 2 3 2 9 325 1 0 1 1 3 2 8
760 2 0 2 1 3 1 9 328 1 0 2 2 1 2 8
763 3 0 1 1 2 2 9 329 1 0 2 2 1 2 8
778 1 1 1 1 1 4 9 333 1 0 1 1 2 3 8
788 2 0 1 1 2 3 9 406 1 0 3 1 2 1 8
792 2 0 3 1 2 1 9 476 1 0 1 2 1 3 8
805 3 0 2 1 2 1 9 481 1 0 1 2 2 2 8
822 1 2 1 1 3 1 9 520 2 0 1 1 2 2 8
831 3 0 2 1 1 2 9 522 1 0 2 1 2 2 8
834 1 0 1 2 1 4 9 555 1 0 1 2 1 3 8
836 1 0 1 1 2 4 9 561 1 0 4 1 1 1 8
862 1 2 2 1 2 1 9 604 2 0 1 1 1 3 8
865 1 0 1 2 2 3 9 631 2 0 1 1 1 3 8
880 3 0 1 2 1 2 9 633 2 0 2 1 1 2 8
916 3 0 1 2 1 2 9 634 1 0 2 1 2 2 8
945 2 0 1 2 1 3 9 642 1 0 2 1 2 2 8
950 2 0 1 4 1 1 9 644 1 0 1 3 1 2 8
956 2 0 1 1 2 3 9 669 2 0 2 1 1 2 8
979 2 2 2 1 1 1 9 672 2 0 1 1 2 2 8
988 2 0 1 4 1 1 9 675 2 0 2 1 2 1 8
991 2 0 2 1 2 2 9 678 1 0 3 2 1 1 8
995 2 0 1 1 3 2 9 680 1 0 2 1 2 2 8
999 1 0 1 1 3 3 9 681 1 0 2 2 2 1 8
1029 2 0 1 2 2 2 9 698 1 1 1 1 1 3 8
1035 2 0 1 2 2 2 9 699 1 1 1 1 1 3 8
1061 2 0 1 3 2 1 9 742 1 2 1 1 1 2 8
1067 2 0 1 3 2 1 9 748 1 0 1 2 2 2 8
1068 2 0 1 2 1 3 9 767 2 0 2 1 1 2 8
1073 2 0 1 1 3 2 9 787 1 0 2 1 2 2 8
1076 2 0 2 1 2 2 9 791 1 0 3 1 2 1 8
1077 1 0 1 1 2 4 9 795 1 0 2 2 1 2 8
1096 1 2 1 1 3 1 9 806 3 0 1 1 2 1 8
1108 4 0 1 1 1 2 9 829 2 0 2 1 1 2 8
1112 1 0 1 1 3 3 9 833 2 0 2 1 1 2 8
1116 1 0 1 1 2 4 9 839 3 0 2 1 1 1 8
1144 2 0 1 3 2 1 9 840 3 0 1 1 1 2 8
1178 2 0 1 1 2 3 9 864 1 0 1 1 2 3 8
1179 2 0 2 1 1 3 9 869 2 0 2 1 1 2 8
1182 1 0 1 3 3 1 9 871 3 0 1 1 2 1 8
1183 2 0 3 1 2 1 9 873 1 0 1 1 2 3 8
1184 3 0 2 1 2 1 9 874 1 0 1 2 1 3 8
1186 5 0 1 1 1 1 9 901 2 2 1 1 1 1 8
1223 4 0 1 1 2 1 9 911 1 0 1 4 1 1 8
1235 2 0 3 1 1 2 9 913 1 0 2 2 2 1 8
1258 2 0 1 2 1 3 9 914 1 0 1 2 3 1 8
1259 2 0 2 1 1 3 9 915 3 0 1 2 1 1 8
1313 4 0 1 1 2 1 9 917 2 0 1 1 2 2 8
1351 3 0 1 1 2 2 9 922 1 0 1 1 2 3 8
1376 3 0 1 1 1 3 9 923 1 0 1 1 2 3 8
1411 4 0 1 1 2 1 9 943 2 0 2 1 1 2 8
1412 4 0 1 1 2 1 9 944 1 0 1 1 1 4 8
1413 4 0 1 1 2 1 9 948 1 0 2 3 1 1 8
1467 3 0 1 2 1 2 9 962 1 0 1 1 2 3 8
1468 2 0 1 1 3 2 9 983 2 0 1 2 1 2 8
1506 1 0 1 3 2 2 9 986 2 0 1 2 2 1 8
1530 3 0 1 1 1 3 9 987 1 0 2 3 1 1 8
1542 2 0 1 1 2 3 9 1022 3 0 1 1 1 2 8
1583 1 1 2 1 1 3 9 1025 2 0 1 2 2 1 8
1585 2 0 2 1 2 2 9 1026 1 0 1 3 1 2 8
1613 1 0 1 1 3 3 9 1034 2 0 1 1 3 1 8
1664 2 2 1 1 1 2 9 1042 2 0 2 1 1 2 8
1734 2 0 1 1 3 2 9 1045 1 1 1 1 2 2 8

249
ANEXOS

1057 1 2 1 1 2 1 8 798 1 0 1 1 2 2 7
1062 2 0 2 1 2 1 8 826 1 0 1 1 2 2 7
1063 2 0 2 1 2 1 8 827 1 0 1 1 2 2 7
1065 2 0 1 3 1 1 8 828 1 0 1 1 2 2 7
1066 1 0 1 3 2 1 8 835 1 0 1 1 1 3 7
1071 1 0 2 1 1 3 8 837 1 0 1 1 2 2 7
1102 1 0 1 1 2 3 8 872 1 0 1 2 2 1 7
1104 1 0 2 2 2 1 8 905 2 0 1 1 1 2 7
1105 2 0 1 2 2 1 8 906 1 0 1 2 1 2 7
1107 3 0 1 2 1 1 8 910 1 0 2 2 1 1 7
1145 2 0 1 2 2 1 8 921 1 0 1 1 2 2 7
1146 3 0 1 1 2 1 8 940 1 2 1 1 1 1 7
1147 4 0 1 1 1 1 8 947 2 0 1 1 2 1 7
1155 1 0 1 1 2 3 8 949 1 0 1 3 1 1 7
1160 1 0 1 1 2 3 8 951 1 0 1 1 2 2 7
1175 1 2 2 1 1 1 8 952 1 0 2 1 2 1 7
1185 2 0 3 1 1 1 8 960 1 0 1 1 2 2 7
1188 1 0 1 3 1 2 8 961 1 0 1 1 2 2 7
1190 2 0 1 1 2 2 8 982 2 0 1 1 1 2 7
1191 2 0 2 1 1 2 8 984 2 0 1 1 1 2 7
1214 1 2 2 1 1 1 8 990 1 0 1 1 2 2 7
1217 1 0 1 1 3 2 8 1018 1 2 1 1 1 1 7
1218 2 0 1 1 2 2 8 1024 2 0 1 2 1 1 7
1227 1 0 1 3 1 2 8 1044 1 1 1 1 1 2 7
1253 1 2 2 1 1 1 8 1084 1 1 1 1 2 1 7
1298 1 0 2 1 1 3 8 1099 1 0 2 1 2 1 7
1301 3 0 1 1 2 1 8 1100 1 0 2 1 2 1 7
1348 2 0 1 1 2 2 8 1101 1 0 2 1 1 2 7
1352 3 0 1 1 2 1 8 1106 2 0 1 2 1 1 7
1373 3 0 2 1 1 1 8 1109 2 0 1 1 1 2 7
1374 3 0 2 1 1 1 8 1121 1 0 1 1 1 3 7
1375 3 0 1 1 1 2 8 1122 1 0 1 1 2 2 7
1377 3 0 1 1 1 2 8 1138 1 0 1 2 2 1 7
1414 3 0 2 1 1 1 8 1139 1 0 1 2 2 1 7
1416 1 0 1 3 1 2 8 1150 1 0 2 1 2 1 7
1420 1 0 1 1 2 3 8 1151 1 0 2 1 2 1 7
1458 1 0 1 1 2 3 8 1189 1 0 1 1 2 2 7
1494 1 0 1 1 2 3 8 1216 1 0 1 2 2 1 7
1496 2 0 1 1 3 1 8 1274 1 0 1 1 3 1 7
1532 1 0 1 1 2 3 8 1336 3 0 1 1 1 1 7
1546 1 0 1 3 1 2 8 1338 3 0 1 1 1 1 7
1616 1 0 1 1 2 3 8 1415 2 0 2 1 1 1 7
1655 1 0 1 1 2 3 8 1417 1 0 1 1 1 3 7
1695 1 0 1 1 1 4 8 1493 2 0 1 1 2 1 7
1816 2 1 1 1 1 2 8 1500 1 0 1 1 1 3 7
1647 1 0 1 3 1 2 8 1531 3 0 1 1 1 1 7
1647 1 0 1 3 1 2 8 1568 1 0 1 1 2 2 7
51 1 1 1 1 1 2 7 1569 1 0 1 1 2 2 7
246 1 0 1 1 1 3 7 1612 1 0 1 1 2 2 7
251 1 0 2 1 1 2 7 1654 1 0 1 1 1 3 7
289 1 0 2 1 1 2 7 1694 1 0 1 1 1 3 7
362 1 0 1 1 2 2 7 1703 2 1 1 1 1 1 7
400 1 0 1 1 1 3 7 14 1 0 1 1 2 1 6
439 1 0 1 1 1 3 7 525 2 0 1 0 1 2 6
483 2 0 2 1 1 1 7 630 1 0 1 1 1 2 6
592 1 0 1 1 1 3 7 727 1 0 1 1 2 1 6
594 1 0 1 2 1 2 7 807 1 0 1 1 1 2 6
615 1 1 1 1 1 2 7 830 1 0 2 1 1 1 6
619 1 0 1 1 2 2 7 866 2 0 1 1 1 1 6
632 1 0 1 2 1 2 7 868 1 0 1 1 1 2 6
671 1 0 1 1 1 3 7 946 1 0 1 1 1 2 6
710 2 0 1 1 1 2 7 953 1 0 1 1 2 1 6
729 1 0 1 2 2 1 7 985 1 0 1 2 1 1 6
759 2 0 1 1 2 1 7 1021 2 0 1 1 1 1 6
766 3 0 1 1 1 1 7 1023 2 0 1 1 1 1 6
789 1 0 1 1 2 2 7 1060 1 0 1 1 2 1 6
790 1 0 2 1 1 2 7 1110 1 0 1 1 1 2 6
796 1 0 1 1 1 3 7 1113 1 0 1 1 1 2 6
797 1 0 1 1 2 2 7 1140 1 0 1 1 1 2 6

250
ANEXOS

1149 1 0 2 1 1 1 6
1152 1 0 2 1 1 1 6
1176 1 0 1 1 2 1 6
1177 1 0 1 2 1 1 6
1194 1 0 1 1 1 2 6
1197 1 0 1 1 1 2 6
1199 1 0 1 1 2 1 6
1215 1 0 1 1 1 2 6
1220 1 0 1 1 2 1 6
1236 1 0 1 1 2 1 6
1337 2 0 1 1 1 1 6
1570 1 0 1 1 1 2 6
1650 1 0 1 1 1 2 6
1651 1 0 1 1 1 2 6
1779 1 0 1 1 1 2 6
441 1 0 1 1 1 1 5
867 1 0 1 1 1 1 5
1741 1 0 1 1 1 1 5

251
ANEXOS

252
ANEXOS

ANEXO 5.1 – Mapa de índices do Potencial dos Recursos Hídricos da Mesorregião Sul
Cearense - 5x5km

253
ANEXOS

254
ANEXOS

ANEXO 5.2 – Mapa de Índices do Potencial dos Recursos Hídricos da Mesorregião Sul
Cearense - 12x12km

255
ANEXOS

256
ANEXOS

ANEXO 5.3 – Mapa de Avaliação do Potencial dos Recursos Hídricos da Mesorregião Sul
Cearense - 5x5 km

257
ANEXOS

258
ANEXOS

ANEXO 5.4 – Mapa de Avaliação do Potencial dos Recursos Hídricos da Mesorregião Sul
Cearense - 12x12 km

259
ANEXOS

260
ANEXOS

ANEXO 5.5 – Mapa de Índices de Geodiversidade da Mesorregião Sul Cearense - 5x5 km

261
ANEXOS

262
ANEXOS

ANEXO 5.6 – Mapa de Índices de Geodiversidade da Mesorregião Sul Cearense - 12x12 km

263
ANEXOS

264
ANEXOS

ANEXO 5.7 – Mapa de Avaliação da Geodiversidade da Mesorregião Sul Cearense - 5x5 km

265
ANEXOS

266
ANEXOS

ANEXO 5.8 – Mapa de Avaliação da Geodiversidade da Mesorregião Sul Cearense - 12x12 km

267