Você está na página 1de 11

Quem foi Abraão?

por Gene D. Matlock, B.A., M.A.

Este artigo foi publicado por cortesia da


http://www.viewzone.com , onde você pode encontrar o original
e de muitos outros artigos incrível, incompreensível sobre
arqueologia proibida e mistérios por resolver.

Em sua História dos Judeus, o erudito e teólogo judeu Flavius Josephus (37-100 dC),
escreveu que o filósofo grego Aristóteles dizia: "... Esses judeus são derivados dos
filósofos indianos, que são chamados pelos índios de Calani." (Livro I: 22).

Clearco de Soli escreveu, "Os judeus descendem dos filósofos da Índia. Os filósofos são
chamados na Índia de Calanians e na Síria Judeus. O nome da sua capital é muito
difícil de pronunciar. É chamado de "Jerusalém".

"Megasthenes, que foi enviado à Índia pelo Seleucus Nicator, cerca de trezentos anos
antes de Cristo, e cujas contas de novos inquéritos estão a cada dia a aquisição de
crédito adicional, diz que os judeus eram uma tribo indígena ou seita chamada Kalani
...'" (Anacalypsis, por Godfrey Higgins, vol. I, p. 400).

Martin Haug, Ph.D., escreveu em A Língua Sagrada, Escritos e Religiões do Parsis, "Os
Magos disseram ter chamado a sua religião de Kesh-i-Ibrahim.Eles traçam seus livros
religiosos para Abraão, que se acreditava que os trouxe do céu." (P. 16).

Há certas semelhanças entre o deus hindu Brama e sua consorte Saraisvati, e os judeus
Abraão e Sarai, Que são mais que meras coincidências. Embora em toda a Índia há
somente um templo dedicado a Brahma, esse culto é o terceiro maior da seita hindu.

Em seu livro Moisés y Los Extraterrestres, o autor mexicano Tomás Doreste


afirma,

Voltaire era da opinião de que Abraão descende de alguns dos numerosos


sacerdotes Brahman, que deixou a Índia para espalhar seus ensinamentos em
todo o mundo, e em apoio da sua tese, ele apresentou os seguintes elementos: a
semelhança dos nomes e o fato de que a cidade de Ur , a terra dos patriarcas, foi
perto da fronteira da Pérsia, a caminho para a Índia, onde esse Brahman de ter
nascido.

O nome Brahma era muito respeitado na Índia, e espalhara a sua influência em


toda a Pérsia, tanto quanto as terras banhadas pelos rios Eufrates e Tigre. Os
persas aprovaram o nome Brahma e fê-lo seu próprio. Mais tarde, eles diriam que
o Deus chegou de Bactria, uma região montanhosa situada a meio caminho da
estrada para a Índia. (Pp. 46-47).

Bactria (uma região do antigo Afeganistão) foi a localização de um protótipo de


nação judaica chamado Juhuda ou Jaguda, também chamado de Ur-Jaguda. Ur
significava "lugar ou cidade." Portanto, a Bíblia estava correta em afirmar que
Abraão veio de Ur dos caldeus. " "Caldeu", mais corretamente Kaul, Deva (Santo
Kauls), não era o nome de uma etnia específica, mas o título de uma antiga casta
sacerdotal hindu brâmane que viveu no que é agora o Afeganistão, Paquistão e no
estado indiano de Caxemira.

"Da tribo de Ioud ,Abraham Brahmin foi expulso e deixou Maturea do reino
de Oude na Índia e, fixou-se em Goshen, ou a casa do Sol ou Heliópolis, no
Egito,e deu-lhe o nome do local que tinha deixado na Índia, Maturea ".
(Anacalypsis; Vol. I, p. 405).

"Ele era da religião ou seita da Pérsia, e de Melquisedeque." (Vol. I, p. 364.)

"Os persas também alegam que Ibrahim ou seja Abraão, foi seu fundador, assim como os
judeus. Dessa forma vemos que de acordo com toda a história antiga, os persas, os judeus e
os árabes são descendentes de Abraão. (P.85) .. . Dizem-nos que Terah, o pai de Abraão,
originalmente veio de um país do Oriente chamado Ur, dos Caldeus ou Culdees, para morar
em um bairro chamado de Mesopotâmia. Algum tempo depois que ele morava lá, Abraão
ou Abrão, ou Brahma , e sua esposa Sara e Sarai, ou Sara-iswati, deixou a família de seu
pai e entrou em Canaã. A identidade de Abraão e Sara, com Brahma e Saraiswati foi
apontado pelos missionários jesuítas. "(Vol. I, p. 387 .)

Na mitologia hindu, Sarai-svati é irmã de Brahma. A Bíblia dá duas histórias de Abraão.


Nesta primeira versão, Abraão disse ao Faraó que ele estava mentindo quando ele
introduziu Sarai como sua irmã. Na segunda versão, ele também disse ao rei de Gerar, que
Sarai era realmente sua irmã. No entanto, quando o rei o repreendeu por ter mentido,
Abraão disse que Sarai era, na realidade, sua esposa e sua irmã! "... E ainda de fato ela é
minha irmã, ela é filha do meu pai, mas não filha de minha mãe, e ela se tornou minha
esposa." (Gênesis 20:12).

Mas as anomalias não terminam aqui. Na Índia, um afluente do rio Saraisvati é Ghaggar.
Outro nome do grande afluente do mesmo rio era Hakra. Segundo a tradição judaica, Hagar
era serva de Sarai, os muçulmanos dizem que ela era uma princesa egípcia. Observe as
semelhanças entre Ghaggar, Hakra e Hagar.

A Bíblia também afirma que Ismael, filho de Hagar, e seus descendentes viveram na Índia.
"... Ismael deu seu último suspiro e morreu, e foi congregado ao seu parente ... Eles
habitaram desde Havilá (Índia), por Shur, que está perto para o Egito, todo o
caminho para a Assíria." (Gênesis 25:17-18). É um fato interessante que os nomes de
Isaac e Ismael são derivados do sânscrito: (hebraico) Ishaak = Ishakhu (Sânscrito) =
"Amigo de Shiva." (Hebraico) Ismael = Ish-Mahal (Sânscrito) = "Shiva Grande".
Uma terceira mini-versão da história de Abraão transforma-o em outro "Noé". Sabemos
que uma inundação levou Abraão para fora da Índia. "... Assim diz o Senhor Deus de
Israel, seu pai morava do outro lado do rio em tempos antigos, Terah, pai de Abraão,
o pai de Nacor e serviram a outros deuses. E eu peguei seu pai Abraão do outro lado
do rio, e o conduzi por toda a terra de Canaã. " (Josué 24:2-3).

Gênesis 25 menciona alguns descendentes de sua concubina Ketura (Nota: Os muçulmanos


afirmam que Ketura é outro nome de Hagar.): Jocsã foi Sebá; Dedã ou Efer. Alguns
descendentes de Noé foram Joctã, Sheba, Dedã e Ophir. Estas versões diferentes causaram-
me a suspeitar que os escritores da Bíblia estavam tentando unir vários diferentes ramos do
judaísmo.

Cerca de 1900 aC, o culto de Brahma foi levado para o Próximo e Médio Oriente por vários
grupos indígenas, após uma chuva intensa e terremoto que destruiu o norte da distante
Índia, mudando o curso dos rios Indus e Saraisvati. O clássico geógrafo Estrabão diz-nos o
que o planalto norte da Índia foi quase que completamente abandonado. "Aristóbulo diz
que quando ele foi enviado em uma determinada missão na Índia, ele viu no país mais
de mil cidades, juntamente com as aldeias, que tinham sido abandonadas, porque o
leito do Indus havia secado." (Geografia de Estrabão, XV.I.19).

"A secagem do Sarasvati por volta de 1900 aC, levou a uma mudança grande da
população centrada no vale do indu. O rio Sarasvati, poderia ter sido o evento que
causou uma migração para o oeste da Índia. É logo depois dessa época que o elemento
indiano começa a aparecer em toda a Ásia Ocidental, Egito e Grécia. " (Idéias índico
na greco-romana Mundo, Por Subhash Kak, tirada online IndiaStar revista literária, p.14)

O historiador Indiano Kuttikhat Purushothama Chon acredita que Abraão foi expulso da
Índia. Ele afirma que os arianos, incapazes de derrotar os Asuras (A casta mercantil ou
harappanos que governaram uma vez o Vale do Indo) gastou tantos anos lutando
secretamente contra os Asuras, que acabou destruindo o seu gigantesco sistema de lagos de
irrigação, causando inundações destrutivas, o que fez Abraão e sua tribo desistir e marchar
para a Ásia Ocidental. (Veja Remedy as fraudes no Hinduísmo.) Portanto, além de serem
expulsos do norte da Índia, pelas inundações, os arianos também obrigaram os
comerciantes, artesãos e classes instruídas a fugirem para a Ásia Ocidental.

Edward Pococke escreve em Índia, na Grécia,

"... Em nenhum outro caso similar tais eventos ocorreram


em série e com consequências de tal magnitude, como as
que decorrem da grande guerra religiosa que, por uma
longa série de anos, assola todo o comprimento e largura
da Índia. O concurso terminou com a expulsão dos de
parte dos homens, muitos deles hábeis nas artes da
civilização adiantada e guerreiros por profissão em
números ainda maiores. Viajaram para além das
montanhas do Himalaia, ao norte, e para o Ceilão, o seu
último reduto no sul, varrendo o Vale do Indo, a oeste,
este povo perseguido levavam consigo os germes das
artes e das ciências europeias. A poderosa onda humana
que ultrapassou a barreira do Punjab, rolou para o canal
destinado na Europa e na Ásia, para cumprir o seu
beneficente escritório na fecundação moral do mundo.A
distância do movimento migratório foi tão grande, o
disfarce de nomes foi tão completa e informações Grecian
calculados de forma a induzir em erro, que nada menos
que um total desrespeito dos princípios teóricos, bem
como a resolução de independentes pesquisa, deu a
menor chance de uma elucidação de sucesso. "

(P. 28).

Se todos estes povos refugiados foram exclusivamente de origem


indiana, porque não mencioná-los na História?

O êxodo de refugiados para fora da Índia antiga não ocorreu de uma só vez, mas ao longo
de um período de um mil ou mais anos. Se todos estes povos que decidiram ser refugiados
foram exclusivamente de origem indiana, porque é que a história não os menciona? Na
verdade, eles são mencionados como cassitas, os hititas, sírios, assírios, hurritas, sírios,
hicsos, Mittanians, amalequitas, aethiops (Atha-Yop), fenícios, caldeus, e muitos outros.
Mas temos sido erroneamente ensinados a considerá-los como etnias indígenas da Ásia
Ocidental. Os nossos livros de história também os chama de "Indo-europeus", levando-
nos a saber de onde eles eram realmente antes de partir. "O povo da Índia se deram conta
de sua identidade social, em termos de Varna e Jati (funções sociais ou castas), e não
em termos de raças e tribos." (Fundações de Cultura Indiana, p. 8.)

Aqui está um exemplo de pessoas com os quais os antigos índios foram identificados: Os
líderes foram chamados Khassis (Kassites), Kushi (Kushites),Kamit (Egípcios), cossacos
(russo casta militar) Caesars (casta Romana dominante), Hattiya (hititas), Cuthites (uma
forma dialética de Hittite ), Hurrite (outra forma dialética do hitita), Cathay (os líderes
chineses), Kasheetl / Kashikeh entre os astecas, / Kashikhel Kisheh pelos maias, e
Keshuah / Kush pelos Incas. Os assírios (em Inglês), Asirios (em espanhol), Asuras ou
ashuras (Índia), Ashuriya, Asuriya (Suméria e Babilônia), Asir (Arábia), Ahura (Pérsia),
Claro que no México central, eram as pessoas que adoravam o deus Surya (o Sol).

Naturalmente, em áreas onde prevalecia a religião, eles eram conhecidos como "Assíria",
não importa quais os nomes verdadeiros que seus respectivos reinos eram.
Outro problema que os estudiosos ocidentais têm na identificação dos indo-europeus como
os índios é que a Índia não era então, e nunca foi uma nação. Além disso, não é a "Índia". É
Bharata, E mesmo Bharata não é uma nação. Bharata é uma coleção de nações, tal como a
Europa é uma coleção de nações, atualmente realizada em conjunto com a ameaça real ou
percebida do expansionismo muçulmano. Os acadêmicos indianos disseram-me que,
quando e se este expansionismo nunca desaparece, o "Bharata União" lasca novamente em
muitas nações menores.

"Os historiadores árabes alegam que Brahma e Abraão, seu pai, são a mesma pessoa.
Os persas geralmente chamavam Abraão de Ibrahim Zeradust. O rei Cyrus da Pérsia
considerou a religião dos judeus, a mesma que a sua. Os hindus devem ter vindo de
Abraão, ou os israelitas de Brahma ... " (Anacalypsis; Vol. I, p. 396).

Abraão foi realmente a nossa divindade hindu Ram?

Ram e Abraão foram possivelmente a mesma pessoa ou clã. Por exemplo, a sílaba "AB" ou
"AP" significa "pai" na Caxemira. O protótipo judeu poderia ter chamado Ram "Ab-Ram"
ou "Pai Ram". Também é concebível que a palavra "Brahma" evoluiu de "Ab-Ram", e não
vice-versa. A palavra da Caxemira para "Divina Misericórdia", Raão, também deriva de
Ram. Ab Raão = "Pai da Divina Misericórdia". Rakham = "Divina Misericórdia" em
hebraico; Ram também é o termo hebraico para "líder altamente colocados ou governador."
O historiador Indiano A. D. Pusalker, cujo ensaio "A história tradicional desde os primeiros
tempos" apareceu em A Idade Védica, Disse Ram que estava vivo em 1950 aC, que é sobre
o tempo que Abraão, o Indo-hebreus, e os arianos fizeram a maior migração do Meio Oeste
da India desde o Dilúvio.

"Um dos santuários na Kaaba foi também dedicada ao


Criador, Deus hindu, Brahma, razão pela qual o profeta
analfabeto do Islã alegou que foi dedicado a Abraão. A
palavra" Abraão "não é senão uma mal pronunciação da
palavra Brahma. Isso pode ser claramente comprovado
se investiga o significado da raiz de ambas as palavras.
Abraão é considerado um dos mais antigos profetas
semitas. Seu nome é suposto ser derivada a partir do
significado das duas palavras semitas 'Ab' Pai 'e' Raam /
Raão significado "do exaltado. No livro de Gênesis,
Abraão simplesmente significa "Multidão". A palavra
"Abraão é derivado da palavra em sânscrito Brahma. A
raiz da Brahma é" Brah ", que significa -" para crescer ou
multiplicar em número. " Além disso, o Senhor Brahma, o
Deus Criador do hinduísmo é considerado o Pai de todos
os homens e exaltado de todos os deuses, pois é dele
que todos os seres foram gerados. Assim, mais uma vez
chegamos ao que significa "Pai exaltado". Este é um
ponteiro claro que Abraão não é outro senão o Pai celeste
Brahma. "

(Past védica da Arábia pré-islâmica, Parte VI, p.2).

Várias palavras e significados podem ser extraídos de "Abrão", cada uma das quais aponta
diretamente para a sua posição exaltada. Ab = Pai "; Hir" ou H'r = Cabeça "; Top;
Poderoso"; Am = "Pessoas". Portanto, Abhiram ou Abh'ram pode significar "Pai do
Altíssimo." Aqui está ainda outra: Ab - I - Ram = "Pai do Misericordioso". Ab, também
significa "cobra", poderia indicar que Ab-Ram (Cobra Exaltada) foi um rei Naga. Todos os
significados que podem ser extraídos da palavra composta "Abraham" revelar o destino
divino dos seus seguidores. Hiram, Rei de Tiro, amigo íntimo do Rei Salomão, foi "Pessoa
Poderosa" ou Ahi-Ram (Cobra Exaltada).

Na antiga Índia, o culto ariano era chamado de "Brahm-ariana". Os arianos adoravam


vários deuses. Abraão se afastou do politeísmo. Ao fazê-lo, ele poderia ter se tornado "A-
Brahm" (já não um brâmane.) Os arianos chamavam os Asuras de "Ah-Brahm". Portanto,
podemos logicamente supor que o pai da civilização Indú foi provavelmente o protótipo
dos judeus.

Jerusalém era uma cidade hitita (casta Indiana de liderança hereditária) no momento da
morte de Abraão. Em Gênesis 23:04, Abraão perguntou aos hititas de Jerusalém para
vender-lhe um sepulcro. Os hititas responderam: "... Tu és um príncipe entre nós: na
escolha de nossos sepulcros sepulta o teu morto, nenhum de nós deve reter de ti." (P.
6). Se Abraão era reverenciado como um príncipe pelos hititas, ele também era um membro
altamente considerado hereditário de governar a casta de guerreiros da India . A Bíblia
nunca disse que Abraão não era uma hitita. Ele apenas disse: "Eu sou um estranho e
peregrino com você." (Gênesis 23:04). Como os hititas disseram, eles reconheceram a
Abraão como sendo mesmo acima deles. Assim como os hititas não eram uma única etnia,
nem foram os amorreus ou Amarru. Marruta era o nome de castas indianas de plebeus. A
palavra "amorreus" (Marut) foi o primeiro nome da casta indiana dos Vaishyas: artesãos,
agricultores, pecuaristas, comerciantes, etc

G. D. Pande escreve em Antigo Geografia da Ayodhya, "Maruts representou o Visah. O


Maruts são descritos como formadores de tropas ou massas. Rudra, o pai da Maruts,
é o senhor do gado." (P. 177). Estados J. Malita Shendge: "... O Maruts são as pessoas."
(Os Demônios civilizado; p. 314.) Nós não devemos ficar surpresos ao encontrar as Khatti
(hititas) e Maruts (amorreus) funcionando como os pais (protetores) e mães (ajudantes ou
assistentes) de Jerusalém.
Na India, os hititas eram também conhecidos como Cedis ou chedis (pronuncia-se ou Hatti
Khetti). historiadores indianos classificá-los como uma das mais antigas castas dos
Yadavas. "Os Cedis formaram uma das tribos mais antigas entre os Ksatriyas (a
classe aristocrática composta de hititas e cassitas) no início dos tempos védicos.
Quanto mais cedo o período da Rgveda os reis Cedi adquiriu grande renome ... eles
são um das principais potências no norte da Índia no grande épico. " (Yadavas
Through the Ages, p. 90). Ram ou Rama também pertencia ao clã Yadava. Se o nosso
Abraão, Brahma, e Ram são uma e a mesma pessoa, Abraão foi a Jerusalém para estar com
o seu próprio povo!

As congregações Ram segregaram-se em suas próprias comunidades, chamado Ayodhya,


que em sânscrito significa "inconquistável". A palavra sânscrita para "lutador" é Yuddha ou
Yudh. Abraão e seu grupo pertencia ao Ayodhya (Yehudiya, Judéia) congregação, que
permaneceu distante dos não-crentes e amalequitas (arianos?).

Melquisedeque ... o sábio de Salém

Se o que eu disse, até agora, não é convincente o suficiente, talvez a palavra "Melchizedek"
será. Melquisedeque era rei de Jerusalém, que possuía poderes místicos secretos e mágicos.
Ele também foi professor de Abraão.

Melik-Sadaksina foi um grande príncipe indiano, mágico e gigante espiritual - o filho de


um rei Cassita. Na Caxemira o sânscrito, Sadak significa "uma pessoa com mágica, poderes
sobrenaturais". Um certo Zadoque (Sadak?) também foi um sacerdote sobrenaturalmente-
dotado que ungiu a Salomão. Por que o Kassite (da casta real) Melik-Sadaksina, um
personagem mítico indiano, aparece de repente em Jerusalém como o amigo e mentor de
Abraão? De acordo com Akshoy Mazumdar Kumar em A História Hindu, Brahma foi o
líder espiritual dos arianos. Como um ariano (não Yah), ele naturalmente acreditava em
ídolos. A bíblia diz que ele mesmo fabricava. Ao ver como aumentar a adoração de ídolos e
conjecturas religiosas estavam contribuindo para a queda adicional do seu povo, Brahma
afastou-se do arianismo e religou-se a antiga (Yah) filosofia (Culto do Universo Material)
indiana, embora, também, estava desabando em males provocados pelo homem . Decidiu-
se que a humanidade poderia salvar-se apenas por lidar com aquilo que era real, não o
imaginado.

Chocados com a barbárie e egoísmo cego do povo, os sábios e pessoas educadas entre os
proto-Hebreus isolaram-se das massas. O Dr. Mazumdar escreveu, "A queda moral foi
rápida. Os videntes e sábios viviam separados das massas. Raramente se casaram e
foram principalmente dada à contemplação religiosa. As massas, sem luz adequada e
líderes, logo se tornaram viciosas ao extremo. Estupro, adultério, roubo, etc, tornou-se
bastante comum. A natureza humana correndo selvagem. Brahma (Abraão) decidiu
reformar e regenerar o povo. Ele fez com que os chefes dos sábios e videntes se
casassem e se misturassem com o povo. A maioria se recusou a casar, mas 30
aceitaram. " Brahma se casou com sua meia-irmã Saraisvati. Esses sábios se tornaram
conhecidos como os prajapatis (progenitores).

"O Norte do Afeganistão foi chamado Uttara Kuru e foi um grande centro de
aprendizagem. Uma mulher indiana foi lá para estudar e recebeu o título de Vak, ou seja,
Saraisvati (Lady Sarah). Acredita-se que Brahma, seu professor (e meio-irmão), ficou tão
impressionado com sua beleza, educação e intelecto poderoso, que se casou com ela. " (A
História Hindu, p. 48, em passim).

Da comunidade santa no Sul do Afeganistão, comunidades similares espalhadas por todo o


mundo: toda a Índia, Nepal, Tailândia, China, Egito, Síria, Itália, Filipinas, Turquia, Pérsia,
Grécia, Laos, Iraque, - mesmo nas Américas ! A evidência lingüística da presença de
Brahma em várias partes do mundo é mais do que evidente: persa: Braghman (Santo);
Latina: Bragmani (Santo); russo: Rachmany (Santo); Rachmanya ucraniano (Priest; Santo);
hebraico: Ram ( Supremo Líder); norueguês De (piedosos). A palavra sagrada entre os
hindus era e é a sílaba OM. É associado eternamente com a terra e céu, o Universo Triple.
É também o nome de Brahma. Os astecas também adoraram e cantaram a sílaba OM como
a principal dupla de toda a criação: OMeticuhlti (Masculino) Princípio e OMelcihuatl
(Princípio Feminino). A casta sacerdotal maia foi chamada Balam (pronuncia-se B'lahm).
Tinha um "R" som existia na Maia, que teria sido Brahm. Os incas do Peru adoravam o sol
como Inti Raymi (hindu Ram).

Os nomes que derivam de Rama, inegavelmente, literalmente, pimenta-línguas nativas


americanas, especialmente as línguas dessas tribos que se estende desde a nossa American
Southwest, no México, e todo o caminho até a América do Sul, além do Peru. Os índios
Tarahumara de Chihuahua é um exemplo ideal. Seu verdadeiro nome é Ra-Ram-Uri. Como
na Suméria e na Índia do Norte, a Ra-Ram-Uri "Uri" = "Pessoa". Porque os espanhóis "R" é
trilled, este "Uri" também poderia ser Udi ou Yuddhi, o nome em sânscrito para "Guerreiro;
Conquistador". Muitas tribos mexicanas mencionar que uma raça estrangeira de Yuri, uma
vez invadiu a sua parte do mundo. O deus do sol Rá-Ram, Uri é Rúame Ono. Na Caxemira,
Ana = "Favorite Son," A deusa da lua Ra-Ram-Uri, a consorte de Ono-Rúame, é Eve-
Ruame. Kashmiri Hava = Eve ", ou o princípio feminino."

Um governador Ra-Ram-Uri é chamado Si-Riame. Em sânscrito / Kashmiri, Rama-Su =


"Rama Grande". Segundo antigas lendas mexicanas, o Yoris pertencia a uma tribo chamada
Surem (Su-Ram?) Antes da conquista, do México Central e do sudoeste americano, na
medida do leste do Colorado, eram conhecidos como certo. Suré = "Sol" na Caxemira. O
médico cura Tarahumara ou guia espiritual é uma Owi-Ruame. Em sânscrito Oph, =
Esperança ". Sua diabo é chamado de Repa-Bet-EAME. Caxemira: Riphas (Aparência) +
Buth (espírito maligno) + Yama (anjo da morte). Muitos outros Kashmiri surpreendente
correspondências / sânscrito aparecer na linguagem Ra-Ram-Uri. Sua relação com a antiga
Fenícia, Suméria, Índia e Norte está fora de questão.
Os fenícios ... navegadores globais.

A maioria das pessoas pensa nos Fenícios como uma tribo de marinheiros comerciantes
que habitavam o que hoje é o Líbano. No entanto, a Pani Pancika ou como os hindus
chamam-los, ou Puni, pelos romanos (o nome também derivado de Rama), foram, como
ciganos, espalhados por todo o globo.

Os espanhóis chamaram a terra do Chiahuahua Ra-Ram-Uri, pronunciado como Shivava


pelos próprios nativos. Em sânscrito, Shivava = "Templo de Shiva." De acordo com
estudiosos da religião Hindu, Ram e Deus Shiva foi uma vez que a mesma deidade. Shiva e
Yah (o mesmo que lemos na Bíblia), nome também são destaque na Nativo-Americano e
práticas religiosas podem ser encontradas inscrições rupestres de todo o sudoeste
americano. (Consulte o meu livro Uma vez governou a Índia das Américas!)

Ayodhya foi também um outro nome para Dar-es-Salam, em Africano Tanzânia e


Jerusalém (Judéia). É verdade que os habitantes de Jerusalém eram conhecidos como
judeus ou Yehudiya (Guerreiros de Yah), fato fazendo as origens dos judeus indianos
incontestável.

Não havia nenhuma parte do mundo antigo, incluindo a China, que não foi influenciada
pela visão religiosa Ram's. Por exemplo, os cristãos e os judeus foram doutrinados para
acreditar que Mohammed copiou os seus ensinamentos a partir de fontes judaicas. A
verdade é que em vez de Maomé, Ram ou a teologia de Abraão foi a pedra fundamental de
todas as seitas religiosas. Tudo o que Mohammed fez foi limpar-lhes a adoração de ídolos.

"... O Templo de Meca, foi fundado por uma colônia de Brahmins da India. Este era
um lugar sagrado antes do tempo de Mohamed, e eles foram autorizados a fazer
peregrinações a ela por vários séculos depois de seu tempo. Sua grande celebridade
como um lugar sagrado muito antes da época do profeta não se pode duvidar. "
(Anacalypsis, vol. I, p. 421).

"... A cidade de Meca é dito pelos brâmanes, a autoridade de seus velhos livros, foi
construída por uma colônia da Índia, e seus habitantes desde os primeiros era ter tido
uma tradição que foi construída por Ismael, o filho de Agar. Esta cidade, na
linguagem Indus, seria chamado Ishmaelistan ". (Ibid, p. 424).

Antes do tempo de Maomé, o hinduísmo dos povos árabes foi chamado Tsaba. Tsaba ou
Saba é uma palavra sânscrita que significa "Assembléia dos Deuses". Tsaba também foi
chamado Isha ayalam (Templo de Shiva). O termo muçulmano ou Moshe ayalam (Templo
de Shiva) é apenas um outro nome de Sabaism. A palavra tem agora encolhido ao Islã. O
próprio Maomé, sendo um membro da família Quaryaish, foi primeiramente um Tsabaist.
O Tsabaists não considerou Abraão como um Deus real, mas como um avatar ou
divinamente ordenado professor chamado Avather Brahmo (Juiz do Submundo).

No tempo de Jesus, nas respectivas línguas, o simbolismo religioso e as tradições dos


árabes e judeus eram quase idênticos. Se pudéssemos ter uma máquina do tempo com o
passado, a maioria de nós não vê qualquer diferença real entre os árabes e judeus. A história
nos diz que os árabes da época de Cristo adoravam ídolos. Então fiz a classe mais baixa e
judeus rural. Por esta razão, a disputa no Oriente Médio entre os judeus e os muçulmanos e
o ódio entre os muçulmanos e hindus na Índia são ridículas. Os muçulmanos estão lutando
contra os judeus e hindus, ou vice-versa, mais nada. Todos os três grupos surgiu a partir da
mesma fonte.

O equivalente da Caxemira, em sânscrito de Hebron (Khev'run em hebraico) grita a origem


indiana dos primeiros habitantes de Jerusalém: Khab'ru (grave; túmulo). (Ver Dicionário de
Grierson.; P. 382.) Mesmo em hebraico, Kever = Tomb ".

lingüista indiano e orientalista s Maliti J. Shendge ' As


Línguas de harappanos soldas em conjunto, uma vez por
todas, no oeste da Ásia e da civilização do vale do Indo.
Não só ela provar que foi Harappa acadiano e sumérios,
ela também mostra que o primeiro "Abraham" era
ninguém menos do que Adão antes de Eva foi criada de
uma de suas costelas.

"... Pode-se dizer que a região do Tigre-Eufrates, Indus e


ao seu leste era habitada pelos semitas falando acadiano,
que mais tarde chamou-se como Asshuraiu. Seu nome
indígena conhecido como Rigveda é de" Asura ", que não
está longe removido. Essa região esta deve ser habitada
por diferentes clãs do ethos mesmo não é muito
surpreendente. No entanto, seria errado pensar que era
um grupo racialmente homogênea. Como a nossa
evidência lingüística demonstra que era uma população
mista dos acádios e sumérios . Os outros grupos étnicos
também podem estar presentes, cujos vestígios podem
ser vistos no trabalho futuro. Esta composição mista da
população não é incompatível com o estado actual do
conhecimento, como a presença destes elementos
étnicos no vale do Indus apenas confirma e estende-se
um padrão idêntico demográfica, que já existia
provavelmente desde os primeiros tempos da pré-história
e da civilização.

"Se esses acádios foram os mesmos que o clã da Ásia


Ocidental, deveria ter havido uma preponderância
igualdade deste par primevo na mitologia védica. No
entanto, além de uma referência enigmática, não há
nenhuma referência a eles. Este foi desconcertante.
Parecia pouco provável que este clã foi sem que os pais
primevos, embora o seu deus era Asura. A predominância
de Brahman em RV como o pai primevo é lá que também
é inadequado porque é princípio masculino sozinho. Um
olhar mais atento revelava a sua ascendência Brahman
ser feita de duas palavras Abu + Rahmu que é o par
primevo na mitologia semita. A contrapartida do acadiano
Rahmu é Lahmu que mais tarde se tornou a deusa
Laksmi, nascida no mar e cortejada tanto por deuses e
demônios. Lahmu é um dragão, mas em acadiano
Ugaratic Rahmu é a moça de Abu. Brahma (abu+rahmu =
abrahma= brahma) todas as alterações postuladas aqui
ser abordados no correspondências acima, ou lass de
Abu, a divindade suprema semita, sofreu muitas
transformações e tem muitas contrapartidas no panteão
indiano , entre os quais Laksmi é um dos mais
importantes a ser adorada como a deusa de toda a
criação material. Assim o clã Asura do vale do Indo
adoravam Abu-Rahmu como o casal primitivo. "

(Pp.269 - 270).

Ms. pesquisa Shendge realmente reforça a minha convicção de que os restos


mortais de Abraão e de Sarai em Hebron possa realmente ser as do Brahma real
e Saraisvati. Nosso Abraão era, evidentemente, um padre, talvez até mesmo o
fundador, do culto Abu Rahmu (Adão e Eva), que trouxe sua religião monoteísta a
Ásia Ocidental. Embora ele e Sarai foram deificados em várias formas de volta em
sua Índia natal, que permaneceu como seres humanos no judaísmo.

http://www.hermetics.org/articles.html

Interesses relacionados