Você está na página 1de 12

DIREITO CONSTITUCIONAL

CURSO INTENSIVO EXAME OAB


PROF. DIEGO CERQUEIRA
INSTAGRAM: @PROFDIEGOCERQUEIRA

Aspectos Gerais

TEORIA GERAL DA CONSTITUIÇÃO Ø Conceito de Constituição: “Lei fundamental e suprema”.


Determina a organização e o funcionamento do Estado;

ASPECTOS GERAIS define os direitos e garantias fundamentais; organização dos


poderes; sistema de controle de constitucionalidade...

Ø É fundamento de validade de todo o ordenamento jurídico.


É o estatuto do Poder Político.

Direito Constitucional Direito Constitucional


Prof. Diego Cerqueira Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira

1
Estrutura da Constituição Preâmbulo
Ø Preâmbulo: define as intenções do Constituinte, proclamando
Posição STF:
os princípios e rompendo com a ordem jurídica anterior. É
elemento de integração. • Não é norma constitucional (fonte de interpretação);
• Não possui de força normativa ou caráter vinculante.
“Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembleia Nacional • Não serve de parâmetro para controle de
Constituinte para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o constitucionalidade e não estabelece limites para o
exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem- Poder Constituinte.
estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de
uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia
• As disposições não são de reprodução obrigatória
social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pelas Constituições Estaduais.
pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL”.
Direito Constitucional Direito Constitucional
Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira

Parte Dogmática Parte Transitória

Ø Papel de integração da ordem jurídica da nova ordem


Ø Corpo permanente: é o texto constitucional propriamente
constitucional (segurança jurídica e evitando o colapso entre
dito, que prevê os direitos e deveres criados pelo poder
um ordenamento jurídico e outro).
constituinte;
Ø São normas formalmente constitucionais: embora, no texto
Ø Podem ser modificadas pelo poder constituinte derivado,
da CF/88, apresente numeração própria (vejam ADCT).
mediante emenda constitucional;
Ø Modificadas por reforma constitucional. Pode servir como
Ø Controle de constitucionalidade das normas derivadas.
paradigma para o controle de constitucionalidade das leis.

Direito Constitucional Direito Constitucional


Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira

2
“Sistema aberto” ( J. J Canotilho)
Constituição é dinâmica

Princípios Regras
HIERARQUIA DAS NORMAS
Abstrato; definem diretrizes para concretização da
São mais concretas, servindo para definir condutas.
norma;
Não admitem o cumprimento ou descumprimento
Podem ter sua aplicação mitigada; parcial; elas seguem a lógica do “tudo ou nada”.
Havendo conflito, cabe ao aplicador determinar qual
delas foi suprimida.
intérprete deverá se valer da técnica da
Havendo conflito, cabe ao aplicador determinar qual
harmonização/ponderação de valores. (Ex:
delas foi suprimida.
manifestação de pensamento X vida privada

Direito Constitucional Direito Constitucional


Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira Prof. Diego Cerqueira

Pirâmide de Kelsen Pirâmide de Kelsen


Constituição, Emendas Constitucionais e Tratados Internacionais
Ø A Constituição é o fundamento de validade de todas as sobre Direitos Humanos aprovados pelo rito das Emendas
Constitucionais
demais normas do sistema. É superior a todas as demais
normas jurídicas, as quais são, por isso mesmo, denominadas Outros Tratados Internacionais sobre Direitos Humanos
infraconstitucionais.
Leis Complementares, Ordinárias e Delegadas, Medidas Provisórias,
Decretos Legislativos, Resoluções Legislativas, Tratados
Internacionais em geral e Decretos Autônomos
Ø As normas jurídicas inferiores (normas fundadas) retiram seu
fundamento de validade das normas jurídicas superiores Normas Infralegais
(normas fundantes).

Direito Constitucional Direito Constitucional


Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira

3
Normas Constitucionais
Hierarquia das normas
Originárias X Derivadas
Ø Não existe hierarquia entre normas constitucionais: todas as
Ø Originárias: são produto do Poder Constituinte Originário normas constitucionais têm o mesmo status hierárquico.
(elabora uma nova Constituição); elas integram o texto desde
que ele foi promulgado. Ø As normas constitucionais originárias não podem ser
declaradas inconstitucionais: (presunção absoluta de
Ø Derivadas: são aquelas que resultam da manifestação do Constitucionalidade). Já as normas constitucionais derivadas
Poder Constituinte Derivado (que altera a Constituição); são podem ser objeto de controle. (presunção relativa)
as chamadas emendas constitucionais.

Direito Constitucional Direito Constitucional


Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira

Tratados e Convenções
Hierarquia das normas
Internacionais de Ø Aprovados pelo rito especial: “em
Ø Normas constitucionais inconstitucionais (Otto Bachof): (1) as Direitos Humanos - cada Casa do Congresso Nacional
cláusulas pétreas e (2) normas constitucionais originárias. As (Câmara e Senado), em dois turnos, por
cláusulas pétreas seriam superiores às demais normas
TIDH três quintos dos votos dos respectivos
constitucionais originárias e serviriam de parâmetro para o membros”, passam a ser equivalentes
controle de constitucionalidade destas. Hipótese de normas às emendas constitucionais. “bloco de
constitucionalidade” (Ex:“Convenção
constitucionais originárias eivadas de inconstitucionalidade. Internacional sobre os Direitos das Pessoas com
Deficiência e seu Protocolo Facultativo”).
Ø No Brasil, a tese de Bachof não é admitida: as cláusulas Ø Aprovados pelo rito ordinário:
pétreas se encontram no mesmo patamar hierárquico das “status” supralegal”: significa que se
demais normas constitucionais originárias. situam logo abaixo da Constituição e
acima das demais normas.
Direito Constitucional Direito Constitucional
Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira

4
Entendimentos
doutrinários e Ø Leis federais, estaduais, distritais e LC X LO Ø As leis complementares têm o mesmo nível
hierárquico das leis ordinárias: O que diferencia
municipais possuem o mesmo grau
jurisprudenciais... hierárquico: eventual conflito elas, não
é o conteúdo e quórum de aprovação.
Ø Aspecto material: os assuntos tratados por lei
será resolvido por um critério complementar estão expressamente previstos na
hierárquico. A solução dependerá da Constituição, o que não acontece com as leis
repartição constitucional de ordinárias. Estas têm campo material residual.
competências. Ø Aspecto formal: Enquanto o quórum para a
Ø Existe hierarquia entre a Constituição aprovação da lei ordinária é de maioria simples
Federal, as Constituições Estaduais e as (art. 47, CF), o da lei complementar é de maioria
Leis Orgânicas dos Municípios. absoluta (art. 69), ou seja, o primeiro número
inteiro subsequente à metade dos membros da
Casa Legislativa.
Direito Constitucional Direito Constitucional
Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira

Entendimentos
Tome nota... Ø As leis complementares podem tratar de doutrinários e Ø Regimentos dos tribunais do Poder
tema reservado às leis ordinárias: deriva da Judiciário + Resoluções do CNJ e CNMP
jurisprudenciais são considerados normas primárias,
ótica do “quem pode mais, pode menos”.
Caso isso ocorra, a LC será considerada equiparados hierarquicamente às leis
materialmente ordinária; essa LC poderá ser ordinárias).
revogada/modificada por simples lei ordinária.
Ø Leis ordinárias não podem tratar de tema Ø Regimentos das Casas Legislativas
reservado às leis complementares: em caso (Senado e Câmara), por constituírem
positivo, teremos um caso de resoluções legislativas, também são
inconstitucionalidade formal (nomodinâmica). considerados normas primárias,
equiparados às leis ordinárias.
Direito Constitucional Direito Constitucional
Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira

5
Poder Constituinte
Ø Poder constituinte originário: (1º grau ou genuíno) é o poder de criar
uma nova Constituição. É um poder político, inicial,
incondicionado, permanente, ilimitado juridicamente e
PODER CONSTITUINTE autônomo.

Ø Poder Constituinte Derivado: (poder constituinte de 2º grau) é o poder


de modificar a Constituição (poder reformador), bem como de
elaborar as Constituições Estaduais (decorrente). É um poder
jurídico, derivado, limitado (ou subordinado) e condicionado.

Direito Constitucional Direito Constitucional


Prof. Diego Cerqueira Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira

Poder Constituinte Derivado Modificação formal da Constituição


Ø Reformador: O primeiro consiste no poder de modificar a Ø Emenda e Revisão: são previstos diretamente na Constituição
Constituição. Federal; constituem manifestação do Poder Constituinte
Ø Decorrente: é o poder que a CRFB/88 confere aos Estados de Derivado, mas devem obediência às regras impostas pelo
se auto-organizarem, na elaboração de suas próprias Poder Constituinte Originário.
Constituições. Ambos devem respeitar as limitações e
condições impostas pela Constituição Federal. Art. 3º. A revisão constitucional será realizada após cinco anos,
Ø PCO possui (dois) procedimentos de modificação formal da contados da promulgação da Constituição, pelo voto da maioria
Constituição: i) emenda constitucional; e ii) revisão constitucional. absoluta dos membros do Congresso Nacional, em sessão unicameral.

Direito Constitucional Direito Constitucional


Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira

6
Modificação informal da Constituição

Ø Mutação: processo informal de modificação da


Constituição, o qual é chamado pela doutrina de
APLICAÇÃO DAS NORMAS
mutação constitucional. É obra do Poder CONSTITUCIONAIS NO TEMPO
Constituinte Difuso.

Ø Posição do STF: reconhece a possibilidade de


mutação constitucional.

Direito Constitucional Direito Constitucional


Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira Prof. Diego Cerqueira

Normas Constitucionais no Tempo Normas Constitucionais no Tempo


Ø Com a entrada em vigor de uma nova Constituição: a anterior é Ø As normas infraconstitucionais editadas na vigência da
integralmente revogada; ela é inteiramente retirada do mundo Constituição pretérita que forem materialmente compatíveis
jurídico, deixando de ter vigência e validade. com a nova Constituição são por ela recepcionadas. Se forem
materialmente incompatíveis com a nova Constituição são por
Ø Tese da desconstitucionalização: a nova Constituição ela revogadas.
recepcionaria as normas da Constituição pretérita, conferindo-
lhes “status” legal, infraconstitucional. Somente ocorrerá
quando houver determinação expressa do PCO. O Brasil não Ø A recepção depende somente da compatibilidade material
(conteúdo); a compatibilidade formal não é necessária.
adota esse fenômeno.

Direito Constitucional Direito Constitucional


Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira

7
Normas Constitucionais no Tempo Normas Constitucionais no Tempo
Ø Posição do STF: o controle de constitucionalidade somente é
cabível quando uma norma é contemporânea à Constituição,
isto é, editada sob a sua vigência. Ex: A constitucionalidade de uma
lei editada em 1982, sob a égide da Constituição de 1967, somente poderá
Ø Inconstitucionalidade superveniente: no caso de entrada em ser aferida frente à Constituição de 1967, que lhe é contemporânea.
vigor de uma nova Constituição, as normas legais com ela
incompatíveis se tornam inconstitucionais. Ø A entrada em vigor de uma nova Constituição não torna
inconstitucionais as normas infraconstitucionais com ela
materialmente incompatíveis;
Direito Constitucional Direito Constitucional
Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira

Normas Constitucionais no Tempo Normas Constitucionais no Tempo


Ø Direito pré-constitucional inconstitucional face á Constituição
pretérita: uma lei editada em 1980 poderá ser considerada Ø Fenômeno da repristinação: consiste na possibilidade de
inconstitucional perante a Constituição de 1967, mas “ressuscitar” normas que já haviam sido revogadas. Só é
materialmente compatível com a Constituição de 1988. A admitida excepcionalmente e quando há disposição expressa,
Constituição de 1988 poderá, então, recepcioná-la?
em virtude de se resguardar a segurança jurídica.
Ø Não. A lei de 1980 já nasceu inválida porque incompatível com a
Constituição da época. Assim, não poderá ser recepcionada pela
nova Constituição. Ø No Brasil, em regra, somente pode haver recepção de
Ø Um dos requisitos essenciais para que uma norma seja dispositivos legais que estejam em vigor no momento da
recepcionada é que ela seja válida perante a Constituição de sua
promulgação da nova Constituição.
época.

Direito Constitucional Direito Constitucional


Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira

8
Normas Constitucionais no Tempo Normas Constitucionais no Tempo

Ø Recepção x “Vacatio legis”: a doutrina entende que a lei Ø Alteração da repartição constitucional de competências pela
vacante não será recepcionada pela nova ordem nova Constituição: PCO é ilimitado e pode, inclusive, fazer
constitucional. alterações na repartição de competências da federação.

Ø A recepção somente se aplica às normas que estejam em Ø A recepção somente será possível se houver alteração de
vigor no momento da promulgação da Constituição. competência de um ente de maior grau para um ente de
menor grau.

Direito Constitucional Direito Constitucional


Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira

Eficácia Plena

APLICABILIDADE DAS NORMAS Ø Produzem, ou têm possibilidade de produzir, desde a entrada


em vigor da Constituição, todos os efeitos que o legislador

CONSTITUCIONAIS constituinte quis regular.

Art. 2º da CF/88, que diz: “são Poderes da União,


independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o
Executivo e o Judiciário”.

Direito Constitucional Direito Constitucional


Prof. Diego Cerqueira Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira

9
Eficácia Plena Eficácia Contida ou Prospectiva
Ø Autoaplicáveis: elas independem de lei posterior regulamentadora
que lhes complete o alcance e o sentido. A lei regulamentadora até
Estão aptas a produzir todos os seus efeitos desde o momento da
pode existir, mas a norma de eficácia plena já produz todos os seus
promulgação da Constituição, mas que podem ser restringidas por
efeitos de imediato, independentemente de qualquer tipo de parte do Poder Público. A atuação do legislador é discricionária:
regulamentação. ele não precisa editar a lei, mas poderá fazê-lo.
Ø Não-restringíveis: caso exista uma lei tratando de uma norma de
eficácia plena, esta não poderá limitar sua aplicação. Art.5º, inciso III, da CF/88: “é livre o exercício de qualquer
Ø Aplicabilidade direta: (não dependem de norma regulamentadora trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações
para produzir seus efeitos), imediata (estão aptas a produzir todos os profissionais que a lei estabelecer”.
seus efeitos desde o momento em que é promulgada a Constituição) e
integral (não podem sofrer limitações ou restrições).
Direito Constitucional Direito Constitucional
Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira

Eficácia Contida Eficácia Limitada


Ø Autoaplicáveis: estão aptas a produzir todos os seus efeitos,
independentemente de lei regulamentadora. Só depois da
Ø São aquelas que dependem de regulamentação futura para
regulamentação é que haverá restrições ao exercício do direito;
produzirem todos os seus efeitos.
Ø Restringíveis: estão sujeitas a limitações ou restrições, que podem ser
impostas por Lei (art. 9º), outra norma constitucional (art. 139) ou
conceito éticos-jurídicos constitucionais (art. 5º, inciso XXV); Art. 37, inciso VII, da CF/88: “o direito de greve será
Ø Aplicabilidade direta: (não dependem de norma regulamentadora para exercido nos termos e nos limites definidos em lei
produzir seus efeitos), imediata (estão aptas a produzir todos os seus específica”.
efeitos desde o momento em que é promulgada a Constituição) e
possivelmente não-integral (estão sujeitas a limitações ou restrições).

Direito Constitucional Direito Constitucional


Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira

10
Normas declaratórias de princípios
Eficácia Limitada
institutivos ou organizativos
Ø Não-autoaplicáveis: ou seja, dependem de complementação
legislativa para que possam produzir os todos os seus efeitos. Ø São aquelas que dependem de lei para estruturar e organizar as
atribuições de instituições, pessoas e órgãos previstos na
Constituição. Ex: art. 88, da CF/88: “Art. 88. A lei disporá sobre a
Ø Aplicabilidade indireta: (dependem de norma criação e extinção de Ministérios e órgãos da administração pública”.
regulamentadora para produzir seus efeitos) mediata (a
promulgação do texto constitucional não é suficiente para que q Impositivas: quando impõem ao legislador uma obrigação de elaborar a lei
possam produzir todos os seus efeitos) e reduzida (grau de regulamentadora (art. 88, da CF/88); ou
eficácia restrito quando da promulgação da Constituição). q Facultativas: quando estabelecem mera faculdade ao legislador (art. 125, §
3º, CF/88).

Direito Constitucional Direito Constitucional


Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira

Normas declaratórias de princípios Aplicabilidade das normas constitucionais


programáticos • Autoaplicáveis - independe de lei posterior para alcance e
Ø Estabelecem programas, objetivos, metas a serem PLENA
conteúdo.
• Não-restringíveis e possuem aplicabilidade direta, imediata e
desenvolvidos pelo legislador infraconstitucional. A presença de integral
normas programáticas na CRFB/88 é que nos permite classificá-
la como uma Constituição-dirigente. • Autoaplicáveis, mas restringíveis, isto é, estão sujeitas a
limitações ou restrições
CONTIDA • Aplicabilidade direta ,imediata e possivelmente não-integral
Art. 196, CRFB/88:
“A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante
• Não-autoaplicáveis, necessitam de regulamentação para
políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e produzirem todos os efeitos.
de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços LIMITADA • Aplicabilidade indireta, mediata e reduzida
para sua promoção, proteção e recuperação”.
Direito Constitucional Direito Constitucional
Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira Prof. Diego Cerqueira @ profdiegocerqueira

11
FIM....
OBRIGADO
PROF. DIEGO CERQUEIRA

@profdiegocerqueira

@profdiegocerqueira

12