Você está na página 1de 14

Gestão Empresarial

Avaliação de Projectos de Investimento

Secção de Economia e Gestão -


2009-2010 DCSA, FCT-UNL 1
Análise de Projectos

Bibliografia

LEITURA OBRIGATÓRIA
Sousa, A., 1990, Introdução à Gestão, Verbo, pp. 119-135

Secção de Economia e Gestão -


2009-2010 DCSA, FCT-UNL 2
Análise de Projectos
„ Decisão de investimento
Valores relacionados com a aquisição de
imobilizado
„ Tipos de investimento

„ Investimentos financeiros ((ex. partes


p de capital
p de outra
empresa; critério é a rentabilidade)
„ Investimentos não directamente produtivos (ex.
p
imobilizado corpóreo ou incorpóreo;
p ; critério é melhorar condições
ç do
processo produtivo)
„ Investimentos produtivos – substituição/expansão
expansão da
capacidade produtiva (ex. bem ou imobilizado corpóreo; critério é
aumento da qualidade e eficiência produtiva)
Secção de Economia e Gestão -
2009-2010 DCSA, FCT-UNL 3
Análise de Projectos

„ Decisão de investimento
„ Tipos de investimento
„ Investimentos produtivos de substituição têm
associada pouca incerteza e novidade, destinam-se
a optimizar
i i o sistema
i produtivo
d i
„ Investimentos produtivos de expansão têm
associada uma decisão mais complexa complexa, envolvem
incerteza (ex. custos e benefícios) e inovação, é
necessário estudar rendibilidade

Secção de Economia e Gestão -


2009-2010 DCSA, FCT-UNL 4
Análise de Projectos
„ D i ã de
Decisão d investimento
i ti t
„ Componentes de projecto de investimento
„ Estudo do mercado – meio envolvente, estratégia,...
„ Estudo técnico – tecnologia, processo produtivo,...
„ Quantificação do investimento
„ Estudo financeiro – obtenção de fundos, encargos,...

Custos e proveitos na análise de investimentos

Secção de Economia e Gestão -


2009-2010 DCSA, FCT-UNL 5
Análise de Projectos
„ Decisão de investimento
„ Custos e p
proveitos na análise de investimentos
„ Capital investido – variações em imobilizações
incorpóreas e corpóreas, existências, clientes e fornecedores
imputáveis ao projecto
„ Receitas e despesas de exploração – novas receitas e
despesas que derivam directamente do projecto,
vendas matérias
vendas, matérias-primas,
primas pessoal,...,
pessoal e sua periodificação,
periodificação
custo antes de encargos financeiros e amortizações (custos e
proveitos financeiros são tratados no “Estudo financeiro”)

Secção de Economia e Gestão -


2009-2010 DCSA, FCT-UNL 6
Análise de Projectos
„ Decisão
ã de investimento
„ Custos e proveitos na análise de investimentos
„ Período de vida útil – tempo de vida do projecto por
razões de capacidades físicas do equipamento, de
obsolescência ou comerciais
„ Valor residual – valor de equipamentos no fim da vida útil,
custos de desmantelamento, reposição de contas de clientes,
existências e fornecedores ao nível que teriam sem o projecto
„ Custo do capital – taxa de juro (i.e., custo de
oportunidade), custo do capital próprio e alheio

Secção de Economia e Gestão -


2009-2010 DCSA, FCT-UNL 7
Análise de Projectos
„ Decisão de investimento
„ Principais critérios de análise de investimentos
Métodos de tratamento da informação sobre parâmetros
de avaliação de projectos
„ Tempo
p de recuperação
p ç do capital
p – tempo
p mínimo de
funcionamento do projecto para que a soma dos fluxos de
receitas-despesas iguale as despesas de investimento
Critério de „ vantagens: comparação de projectos com diferente duração; se há
escolha é o grande risco de mudanças futuras; simplicidade
menor „ desvantagens: ausência do custo do capital; há projectos com
p de
tempo menor tempo de recuperação mas no conjunto da duração ter
recuperação menor rentabilidade (ex. pp.127 de Sousa, A, 1990, Introdução à Gestão, Verbo)
Secção de Economia e Gestão -
2009-2010 DCSA, FCT-UNL 8
A áli d
Análise de P
Projectos
j t

„ Decisão
ã de investimento
„ Principais critérios de análise de investimentos
„ Valor actual líquido (VAL
VAL) – soma das despesas, receitas
e investimento, devidamente descontados (pelo custo do
capital)
p ) n
− It n
Rt − Ct VR
VAL = ∑ + ∑ +
Critério de
(1+i) (1+i) (1+i)
t t n
t =0 t =1
escolha é
VAL>0; e „ vantagens: baseia-se
b i nas estimativas
ti ti realistas
li t dos
d parâmetros
â t
projecto com do projecto; reconhece custo do capital; mais utilizado (ex. pp.128
maior VAL de Sousa, A, 1990, Introdução à Gestão, Verbo)

„ desvantagens: não utilizável em projectos com diferente


duração
Secção de Economia e Gestão -
2009-2010 DCSA, FCT-UNL 9
Análise de Projectos
„ Decisão de investimento
„ Principais
p critérios de análise de investimentos
„ Valor actual líquido (VAL
VAL)
„ Soluções para aplicar no caso de diferente duração:
„ Considerar que o projecto de menor duração se renova até
ao mínimo múltiplo comum; note-se que é assumida
inalteração dos parâmetros do projecto
„ Considerar o menor período de vida útil dos projectos e que
os de maior duração são, nesse momento, liquidados; note-
se que, ex., pode ser difícil avaliar o valor residual

Secção de Economia e Gestão -


2009-2010 DCSA, FCT-UNL 10
Análise de Projectos
„ Decisão de investimento
„ Principais critérios de análise de investimentos
„ Valor actual líquido (VAL
VAL)
„ Soluções para aplicar no caso de diferente duração:
„ Determinar o “valor equivalente anual” (“vea”), i.e., o valor
da anuidades cujo VAL é igual ao de cada um dos outros
projectos (1-calcular VAL de cada projecto, 2-calcular
anuidade “vea”, 3-seleccionar projecto com maior “vea”);
note-se que no caso de “vea” obtidos serem muito
díspares, então utilizar índice de rendibilidade,, i.e.,
VAL/(soma actualizada das despesas de investimento), o
qual dá claramente uma hierarquia de rendibilidade, mas
exige distinção entre despesas de investimento e de
exploração
Secção de Economia e Gestão -
2009-2010 DCSA, FCT-UNL 11
Análise de Projectos

„ Decisão de investimento
„ Principais critérios de análise de investimentos
„ Taxa interna de rentabilidade (TIR
TIR) – taxa
t d
de
actualização que faz VAL=0, i.e.,
n
− It n
Rt − Ct VR
Critério de VAL = ∑ +∑ +
(1+i) (1+i) (1+i)
t t n
t =0 t =1
escolha é
TIR>i; e
„ vantagens: não é influenciado pela estimativas do custo do
projecto com
capital; na óptica de custo de financiamento é o custo mais
maior TIR elevado que o investidor suportaria sem ter prejuízo; é
sobretudo útil para eliminar projectos;
„ desvantagens: TIR é taxa fictícia de reinvestimento
Secção de Economia e Gestão -
2009-2010 DCSA, FCT-UNL 12
Análise de Projectos
„ Decisão de investimento
„ VAL e TIR: casos notáveis
„ Dois projectos com VAL idêntico podem ter TIR diferente
(ex pp
(ex. pp.132
132 de Sousa,
Sousa A 1990, Introdução à Gestão, Verbo)
A, 1990
„ Dois projectos simétricos têm TIR idêntica, mas VAL é
positivo para um e negativo para o outro
„ Se um projecto dá fluxos de rendimento positivos
sobretudo na fase inicial da sua vida útil e negativos na
fase final (diferentemente do habitual), então a TIR indica
decisão diferente da indicada pelo VAL (ex. 3 da Parte C do
Caderno de Exercícios Práticos de Contabilidade, Finanças e Aanálise de Projectos)
„ TIR é, na maioria dos projectos, múltipla
„ VAL baseia-se em estimativas realistas;; TIR é fictícia
„ VAL deve prevalecer como critério de escolha
Secção de Economia e Gestão -
2009-2010 DCSA, FCT-UNL 13
Análise de Projectos
„ Decisão de investimento
„ Análise de sensibilidade
„ Construção de cenários
cenários,estimativa
estimativa de riscos
riscos,
atribuição de probabilidades de realização para as
diversas componentes
„ Um caso
„ Receita pode ser o que se deixa de pagar (a um
fornecedor)
„ Despesa pode ser o que se deixa de receber (ex. renda
de terreno a utilizar p
pelo projecto)
p j )
„ Receitas e depesas são o diferencial face à alternativa
Secção de Economia e Gestão -
2009-2010 DCSA, FCT-UNL 14