Você está na página 1de 17

Via Sacra

Introduçaã o
Jesus quero encontrar-Te. Guia-me pela tua estrada.

Maria ensina-me a agarrar-me aà palavra de Jesus quando subo ao


Calvaá rio da minha vida. Ajuda-me, para que tambeá m eu possa
dizer “Seja feita a Tua vontade”, a tudo aquilo que Jesus me diz.

Quero entrar no misteá rio do Teu Filho para que Tu hoje possas
reconhecer-me como um filho que volta para Ti.
I Estação
Jesus é condenado à morte.
Nós vos adoramos e bendizemos ò Jesus.
Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.

“Os sumos sacerdotes e todo o Conselho procuravam um depoimento


falso contra Jesus, a fim de o condenarem aà morte.” (Mt 26,59)

Aceitar os Juízos
Escuta aquilo que te diz Jesus; “Os outros culparam-me e no fim
fui condenado. O povo que escutava as minhas palavras estava junto
aos chefes políáticos e religiosos a condenar-me. Os meus amigos e os
apoá stolos fugiram. Haá pouco tempo, tinham imensa admiraçaã o por fim,
maravilhavam-se pelos milagres que realizava, empurravam-se para
poder tocar-me e me asseguraram a sua fidelidade. Mas agora estaã o
todos contra mim e pedem a Pilatos a minha crucifixaã o. Apesar de
tudo, Pilatos queria libertar-me, mas a minha gente pressionou a
condenar-me.”
As pessoas aà tua volta, ateá os teus melhores amigos te julgam.
Mas isso naã o significa que seraá s sempre culpado. Mesmo assim seraá s
sempre julgado. Agora entenderaá s que afinal as pessoas naã o saã o um
apoio seguro. O uá nico apoio seguro e forte eá soá Deus. A Cruz liberta-te
das pessoas aà s quais confias e convida-te a apoiares-te em Mim.
Quando as pessoas te julgarem, tu podes estar do meu lado porque
tambeá m eu fui condenado. Naã o te defendas quando as pessoas te
julgarem, o juíázo retoá rico eá a porta que te leva para um encontro
comigo. Agora jaá ningueá m te poderaá condenar.

Caros Filhos, hoje convido-vos a não criticar os outros.


Pai Nosso… Aveá Maria… Gloá ria…
II Estação
Jesus carrega com a cruz às costas.

Nós vos adoramos e bendizemos ò Jesus.


Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.

“Na verdade, ele tomou sobre si as nossas doenças, carregou as


nossas dores. Noá s o reputaá vamos como um leproso, ferido por
Deus e humilhado.” (Is 53,4)

Aceitar a Quotidianidade
Eu podia defender-me ou podia considerar que algueá m me
defendesse, poderia dizer: “Eu sou inocente, porque devo
sofrer?”. Mas naã o, peguei a cruz sem me lamentar. Cada momento
da tua vida eá uma cruz. Tu podes aceitaá -la ou recusaá -la, podes
escapar ou podes confrontaá -la. Eu carreguei-a sobre mim e tu
podes encontrar-Me nela. A tua força naã o estaá no caminhar, a
cada momento tu estaá s diante a decisaã o de seguir-me ou naã o.
Esta eá a segunda cruz, que apenas alguns conseguem aceitar.
Tantos procuram uma cruz excecional ou incomum mas a cruz
estaá no aceitar a quotidianidade da vida. Esta eá a tua vida e a tua
cruz. Se a pegares receberaá s tantas graças e a tua feá aumentaraá
velozmente.

Caros Filhos, rezai particularmente pelo aceitar a doença e o


sofrimento com amor, como fez também Jesus.

Pai Nosso… Aveá Maria… Gloá ria…


III Estação
Jesus cai pela primeira vez

Nós vos adoramos e bendizemos ò Jesus.


Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.

“Procedei com amor, como tambeá m Cristo nos amou e se entregou a


Deus por noá s como oferta e sacrifíácio de agradaá vel odor.” (Ef 5, 2)

Ter a coragem de cair


EÉ difíácil cair. Alguns desejam ficar sempre de peá , serem fortes e vencer.
Eu sou Deus, mas ateá eu caíá debaixo da cruz sem forças. Todos viram os
meus milagres e se espantaram, mas agora veê em-me cair, veê em-me
maltratado, desprezado. Tem a coragem de cair, naã o escondas as tuas
quedas, mas admite teres caíádo. Aqui na terra naã o poderaá ser diferente.
Tu estaá s aqui para morrer, porque estaá escrito “Quem perde a sua vida,
encontraá -la-aá ”. Por isso, porque tens medo de cair? Porque eá que
quando cais, naã o tentas olhar nos olhos as pessoas mais espertas e
mais zangadas que tu? Porque eá que tens medo quando o pecado te
esmaga? Queres viver sem nunca errar, mas olha, quando cais vens a
Mim, por isso naã o temas a queda naã o significa o fim. Porque eá que
sentes tudo taã o drasticamente, porque eá que envergonhas? Tu cais
para te aproximares mais de mim e para que eu te possa levantar.
Quando entenderes que ateá eu caíá, veraá s na tua queda o meu rosto e
noá s venceremos juntos a tua queda e o teu pecado. O importante eá que
quando caias naã o fiques sozinho, mas que te aproximes de mim.

Quando sofreres, leva isto como um sacrifício a Deus.


Pai Nosso… Aveá Maria… Gloá ria…
IV Estação
Jesus encontra sua Mãe

Nós vos adoramos e bendizemos ò Jesus.


Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.

«Este menino estaá aqui para queda e ressurgimento de muitos em


Israel e para ser sinal de contradiçaã o; uma espada trespassaraá a tua
alma. Assim haã o-de revelar-se os pensamentos de muitos coraçoã es.»
(Lc 2, 34-35)

Entristecer as Pessoas queridas


EÉ impossíável naã o fazer sofrer uma pessoa que amas. Eu podia ter
evitado o encontro com a minha maã e. Sabes o que significa encontrar
algueá m que desiludiste? Fui rejeitado e desprezado por todos como um
herege e um sedutor. A minha maã e sabia de tudo, olhava-me nos olhos
e via as minhas dores exteriores e interiores. EÉ uma cruz olhar nos
olhos de uma pessoa taã o amada enquanto tantos desprezam. EÉ
impossíável naã o desiludires as pessoas que te amam, naã o as podes
preservar disso. Naã o recuses essa cruz. Tu me encontraraá s quando
deres conta de que desiludiste os teus amigos, os veraá s sofrer pelos
teus atos e sofreraá s tambeá m. Na minha queda a minha maã e entendia
quem sou, nela morria ateá o ultimo desejo de vitoá ria, mas a sua feá
aumentava na sua totalidade. Reconheces um amigo verdadeiro
quando ele fica junto a ti, no momento em que todos os outros naã o
conseguem encontrar nada de belo em ti. Aceita em ti aquilo que mais
escandaliza, que desiludiraá s os outros e assim Me encontraraá s a mim e
aà minha maã e.
Eu a Mãe, amo-vos a todos. Por isso vos peço, não permitais que o
meu coração chore lágrimas de sangue por aqueles que se perdem
no pecado.
Pai Nosso… Aveá Maria… Gloá ria…
V Estação
Jesus é ajudado por Simão de Sirene

Nós vos adoramos e bendizemos ò Jesus.


Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.

“Pelo contraá rio, alegrai-vos, pois assim como participais dos


padecimentos de Cristo, assim tambeá m rejubilareis de alegria na altura
da revelaçaã o da sua gloá ria.” (1Pe 4,13)

Permitir que alguém te ajude


Ningueá m mais me respeitou. Curei tanta gente, mas me abandonaram,
tal como aqueles que me eram taã o proá ximos. Ferido, ensanguentado e
comovido pelo encontro com a minha Maã e, precisava de ajuda para me
sustentar. E veio soá algueá m que foi obrigado. Eu precisava de ajuda
suscitada pela compaixaã o e pelo amor, mas Simaã o foi obrigado a
ajudar-me. Naã o ter ningueá m que por amor sofre contigo eá uma cruz.
Mas quando tu poreá m, acolheres esta cruz naã o estaá s mais sozinho mas
eu estou contigo. Tem a coragem de aceitares a ajuda dos outros.
Tambeá m eu o fiz e no entanto sou o Omnipotente. Aceita que os outros
em qualquer momento sejam mais fortes do que tu, que cuidem de ti
porque tu precisas deles. Esta eá uma cruz e tu naã o podes fugir dela,
entende que esta eá uma porta para chegares ateá Mim. Mas naã o te
espantes quando tudo em ti se direciona para esta cruz “Porque a
carne deseja o que eá contraá rio ao Espíárito, e o Espíárito, o que eá
contraá rio aà carne” (Gl 5, 17). Por isso toma a tua cruz e vem comigo.

Não tenhais medo de carregar a cruz. Pois o Meu Filho vos ajudará.
Pai Nosso… Aveá Maria… Gloá ria…
VI Estação
Verónica enxuga o rosto de Jesus

Nós vos adoramos e bendizemos ò Jesus.


Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.

“E o Rei vai dizer-lhes, em resposta: ‘Em verdade vos digo: Sempre que
fizestes isto a um destes meus irmaã os mais pequeninos, a mim mesmo
o fizestes” (Mt 25, 40)
Acolher os gestos de amor sem poder dar nada em troca
Todos me tiraram e todos me abandonaram. Eu estava sozinho na
estrada da morte, entaã o Veroá nica se aproximou com um pano e me
enxugou o rosto. Mas sabes como eá que te poderaá s sentir quando
algueá m te fizer um gesto assim? Com comoçaã o e cheio de gratidaã o. Mas
naã o tinha nada para lhe dar, naã o tinha mais nada para aleá m das minhas
dores e o meu sofrimento. Por isso dei-lhe a imagem do meu rosto
ensanguentado. EÉ uma cruz permitir que as pessoas te façam bem sem
que tu tenhas a possibilidade de retornaá -lo. Tem a coragem de fazer
aquilo que eu fiz, permite-te ficares em deá bito para com os outros. Naã o
eá preciso recompensares tudo. Daá -te a ti mesmo como retribuiçaã o,
aceitando os dons que os outros teê m para te dar. Suportar esta
vergonha eá uma porta que te leva ateá Mim. Assim surge o encontro
comigo e assim conheceraá s o Pai, porque nem a Ele poderaá s retribuir
tudo aquilo que te deu. Ele eá uma nascente que gratuitamente deixa
escorrer a sua aá gua. Quando alcançares este passo tornar-te-aá s filho do
meu Pai. Toma tambeá m esta cruz de naã o poderes retribuir todo o amor
de Deus, seê como uma criança que experimenta toda a bondade do Pai
e da Maã e.
Eu vos agradeço por todos os sacrifícios e chamo-vos ao maior que
é o do amor. Sem amor não podereis acolher nem a mim, nem a
meu Filho. Sem amor não podereis dar testemunho da vossa
experiência aos outros.
Pai Nosso… Aveá Maria… Gloá ria…

VII Estação
Jesus cai pela segunda vez
Nós vos adoramos e bendizemos ò Jesus.
Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.

“Todos os que me veê em escarnecem de mim; estendem os laá bios e


abanam a cabeça. «Confiou no SENHOR, Ele que o livre; Ele que o salve,
jaá que eá seu amigo»”. (Sal 22, 8-9)

Recair
Jaá caíá uma vez. Todos me queriam ver forte e independente, mas caíá
uma segunda vez. Eu sabia que a minha Maã e ficaria chocada e que os
meus inimigos ficariam ainda mais contra mim. Os meus amigos por
desilusaã o se afastam cada vez mais. A minha debilidade desgostava os
outros e eles se perguntavam: “Mas este eá verdadeiramente Deus?”. Eu
tomei eta cruz, pois meu Pai queria mostrar que Ele estaá em mim, e
que era mais forte que todo o oá dio e todo o mal que depositavam sobre
mim. Se cais pela primeira vez teraá s sempre uma desculpa, mas se cais
uma segunda vez todos pensam que naã o vales nada. Tu queres __
contra esta cruz, queres justificar-te, mas isto afasta-te de Mim. Agindo
assim naã o daá s testemunho de Mim mas de ti, pois queres apenas
mostrar a tua força. Tem conscieê ncia de que sempre cairaá s, mas que Eu
sempre Te aliviarei. E depois te diraã o: “Olha, precisou de ser ajudado.”
Esta eá a seá tima cruz, admitir a tua fraqueza. Naã o tenhas medo de cair,
mas volta-te para Mim. Quando acolheres esta cruz encontrar-me-aá s
porque o humano sofre a derrota, mas o espirito venceraá .
Ele vos ama e por isso vos mete à prova. Oferecei sempre os vossos
sofrimentos a Deus e vos preocupeis com nada.

Pai Nosso… Aveá Maria… Gloá ria…

VIII Estação
Jesus encontra as mulheres de Jerusalém

Nós vos adoramos e bendizemos ò Jesus.


Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.

“Jesus voltou-se para elas e disse-lhes: «Filhas de Jerusaleá m, naã o


choreis por mim, chorai antes por voá s mesmas e pelos vossos filhos;
pois viraã o dias em que se diraá : ‘Felizes as esteá reis, os ventres que naã o
geraram e os peitos que naã o amamentaram. Haã o-de, entaã o, dizer aos
montes: ‘Caí sobre nós!’ E às colinas: ‘Cobri-nos!’ Porque, se tratam
assim a aá rvore verde, o que naã o aconteceraá aà seca?»” (Lc 23, 28-31)

No teu sofrimento, sê consolo para os outros


As mulheres escutaram-me, acreditaram e mim, amaram-me, Eu
abençoei os seus filhos. Elas olhavam para mim com os olhos do
coraçaã o e naã o conseguiam compreender o porqueê de Eu ser
condenado. Choravam porque sentiam que a minha condenaçaã o era
tambeá m a sua e na sua tristeza eu tambeá m as consolava. Andar aleá m
dos teus sofrimentos eá uma cruz, mas faz-te descobrir que por detraá s
de tudo isto estaá a liberdade. Nenhuma dor ao final de contas eá assim
taã o dramaá tica. Dramaá tica eá a frieza de coraçaã o e a cegueira, o naã o
poder reconhecer que por detraá s da morte estaá a ressurreiçaã o, que por
detraá s da doença estaá a cura e da separaçaã o a uniaã o. A vitoá ria iraá s
recebeê -la quando veê s o sofrimento dos outros e os consolas, mesmo
que sejas tu o primeiro a precisar de consolo. Aqui chega ateá ti a
consolaçaã o de Deus. Tem coragem de renunciar aà s consolaçoã es
humanas e de pedir força a Deus. Assim venceraá s o mundo, caminharaá s
numa via sacra, mas levaraá s dentro de ti a vida. Quando estiveres
ferido e com dores e escolheres consolar os outros, aíá encontrar-me-aá s
e eu serei o teu apoio.
Caros filhos, eu peço que cada um de vós se converta. Este tempo é
para vós
Pai Nosso… Aveá Maria… Gloá ria…
IX Estação
Jesus cai pela terceira vez.

Nós vos adoramos e bendizemos ò Jesus.


Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.

“A minha vida mirrou-se na amargura, e os meus anos, em gemidos. A


afliçaã o acabou com as minhas forças; os meus ossos consumiram-se.
Tornei-me objecto de escaá rnio para os meus inimigos, de desprezo
para os meus vizinhos e de terror para os meus conhecidos. Os que me
veê em na rua fogem de mim.” (SL 31, 11-12)

Sofrer uma derrota total


Eu caíá tambeá m uma terceira vez. A multidaã o pensava que aquele era o
meu fim. E mesmo agora, quando eles pensavam que eu naã o
conseguiria mais, levantei-me de novo, peguei na cruze e levei-a ateá ao
Goá lgota. Pode-se andar para a frente mesmo quando ningueá m acredita
ser possíável, e chegaraá o momento em que muitos te diraã o: “De ti jaá naã o
espero mais nada. Basta”. Tu mesmo pensaraá s “Naã o aguento mais.”
Chegaraá o momento em que te veraá s desprovido de qualquer ajuda.
Aqui seraá o momento de te renderes, e tu o que faraá s? Perderaá s a
esperança? Naã o temas, ainda existe uma porta, e atraá s desta Me
encontraraá s novamente. Gritar-me-aá s do profundo da tua alma e eu te
responderei. EÉ uma cruz saber que perdes-te completamente tudo e
que foste abandonado, que mais ningueá m conta contigo, que todos te
deixam sozinho. Mas se tu acolheres esta cruz eu te surpreenderei com
a minha presença e com a minha força, e tu pelo meu nome iraá s ateá ao
fim do mundo. Mas quereraá s tu carregar esta cruz? Naã o temas porque
eu estou contigo, eu venci o mundo.

Promete que não ofenderás mais Jesus nem a sua Cruz.

Pai Nosso… Aveá Maria… Gloá ria…


X Estação
Jesus é despojado das suas vestes
Nós vos adoramos e bendizemos ò Jesus.
Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.
“Eles olham para mim cheios de espanto! Repartem entre si as minhas
vestes e sorteiam a minha tuá nica.” (Sl 22,18-19)
Deixar que os outros te despojem
Eu permiti que os outros me despissem, ateá nas partes mais íántimas.
Permiti que os outros naã o respeitassem o meu pudor ferindo a minha
intimidade. Tu queres ter pelo menos alguma coisa soá para ti, um
pedaço do mundo que soá te pertença a ti, onde ningueá m possa entrar
ou perturbar. Tu queres ter alguma coisa que ningueá m possa ver, para
que naã o seja tocada a tua dignidade, queres teê -lo a todo o custo como a
coisa mais intima que te pertence a ti e tu lutaraá s por isto. Mas chegaraá
o momento em que naã o poderaá s ter nada para ti. Ser-te-aá tirado tudo
ateá ao fim, mas tu deveraá s tambeá m atravessar esta cruz. Oferece tudo a
Deus e ficaraá s apenas com o Pai e Eu como coisa intima. Mas naã o eá
apenas uma cruz quando o corpo vem despojado com violeê ncia, mais
violento eá quando algueá m te despe a alma. Os pecados jaá haá muito que
te despiram e tu te envergonhas. Aceita esta cruz e ningueá m te poderaá
mais tirar a dignidade. Permite que o Pai te deê uma veste nova. Daá -lhe
a tua intimidade e ele a transformaraá em total pureza. Tu para ficares
puro esforças-te por nada, diz hoje a ti mesmo que tu para isto eá s
demasiado deá bil. Esta eá a deá cima cruz, a cruz em que foi pisado o
pudor, o desejo de pureza, a cruz do medo que algueá m possa saber a
tua culpa. Aceita esta cruz e tu me encontraraá s, ali o meu medo
desapareceraá . Admiti que eá s deá bil, naã o queiras ser diferente do que eá s,
porque tu atraveá s do pecado eá s desonrado. Se naã o tiveres medo dos
teus pecados, ningueá m te poderaá fazer mal.
Olhai à vossa volta, caros filhos, e podereis ver o quanto está a
reinar o pecado neste mundo. Por isso rezai para que vença Jesus.
Pai Nosso… Aveá Maria… Gloá ria…

XI Estação
Jesus é pregado na cruz

Nós vos adoramos e bendizemos ò Jesus.


Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.

“Mas foi ferido por causa dos nossos crimes, esmagado por causa das
nossas iniquidades. O castigo que nos salva caiu sobre ele, fomos
curados pelas suas chagas.” (Is 53,5)

Ser pregado à Cruz


Enquanto carregares a cruz teraá s a possibilidade de deixaá -la, mas uma
vez que estaá s pregado a ela, jaá naã o podes fugir. Ali sabes que a cruz eá o
teu destino ateá aà morte. Aceitar isto eá difíácil. Tu gostarias de mandar
fora as tuas cruzes, mas ao mesmo tempo estaá s pregado a elas, porque
estas saã o aquilo porque morreraá s. Os homens te pregaraã o sobre a cruz.
Assustas-te ou te abandonas completamente em Mim? Existem cruzes
que naã o podes evitar, tu bem te esforças para as evitares, mas naã o te
serve de nada. Por isso deixa esta luta sem sentido e vem ateá Mim. O
morrer comigo significa a vitoá ria. Naã o tenhas medo. Naã o te deixes
iludir pela hipoá tese de haver uma outra possibilidade, as cruzes
existiraã o sempre e quanto mais cedo as aceitares mais depressa
chegaraá s aà Ressurreiçaã o. Tu naã o estaá s soá pregado aà cruz, mas tambeá m
a Mim e eu alegro-me por isso.

Rezai especialmente diante à cruz, porque dela vêm tantas graças!

Pai Nosso… Aveá Maria… Gloá ria…


XII Estação
Jesus morre na cruz

Nós vos adoramos e bendizemos ò Jesus.


Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.

“Poreá m, um dos soldados traspassou-lhe o peito com uma lança e logo


brotou sangue e aá gua.” (Jo 19,34)

Morrer na Cruz
Eu vou-me embora deste mundo, mas naã o vou do nada, vou viver num
novo mundo. Atraveá s da morte realizei a vontade de Pai, por isso disse
enquanto morria “Pai nas tuas maã os entrego o meu espíárito!”. Assim
realizei o Seu desíágnio. Tu pensas que a morte seja o fim e por isso
vives na anguá stia e recusas pensar nela, mas enquanto naã o a acolheres
sentiraá s nas tuas costas um grande peso. Mas quando a aceitares,
acolheraá s tambeá m a vitoria e assim chegaraá s ateá Mim. Enquanto naã o
aceitares a tua morte, Eu estarei longe de ti. Compreende que a estrada
que te leva ateá Mim deve passar pela morte porque esta destrui tudo
aquilo que eá pecaminoso e todas as coisas mortais que estaã o em ti. Mas
eu destruo a morte, ela liberta-te de vaá rias cruzes, e Eu te liberto da
morte. Pensa nesta morte de cruz como um dom do Pai, se a recusas,
recusas tambeá m o Pai e a Mim. A deá cima segunda cruz eá o cumprir-se
da vida na terra e o iníácio da verdadeira vida.

Caros filhos, oferecei sacrifícios pelas feridas que foram feitas no


coração do meu Filho, que foi ferido através de tantos pecados
diferentes.

Pai Nosso… Aveá Maria… Gloá ria…


XIII Estação
Jesus é descido da cruz e colocado nos braços de
sua Mãe.

Nós vos adoramos e bendizemos ò Jesus.


Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.

“OÉ voá s todos que passais pelo caminho, olhai e vede se existe dor igual
aà dor que me atormenta, pois o Senhor feriu-me no dia da sua ardente
coá lera.” ( Lm 1,12)

Não poder ganhar os frutos do nosso trabalho


Soá quando jaá estava morte eá que vieram os meus amigos. Tu eá s uma
semente para os tempos que se aproximam, mas queres ver suá bito os
frutos do teu trabalho. Os meus discíápulos morriam de vergonha e os
outros colhiam aquilo que eles semeavam. Para ti, agora eá um tempo
de ser semente e servir o novo mundo, isto eá uma cruz. Eu dou-te a
confiança de que precisas porque tantas vezes na tua vida naã o
encontraraá s sucesso. Soá depois da tua morte eá que te tiram da cruz e ali
eá que te honraraã o. Para a eternidade nenhuma cruz te esmagaraá
porque tiveste a coragem na vida terrena de estar apoiado na cruz.
Trabalhar sem receber os frutos eá a deá cima terceira cruz, eá preciso
coragem para espalhar as sementes sem poder recolher todos os
frutos, mas o resultado da tua renuá ncia sou Eu. Eu levo-te aà
Ressurreiçaã o.

Caros Filhos, eu vos dou graças particulares vindas da cruz.


Aceitai-as e recolhei-as.

Pai Nosso… Aveá Maria… Gloá ria…


XIV Estação
Jesus é colocado no sepulcro

Nós vos adoramos e bendizemos ò Jesus.


Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.

“Em verdade, em verdade vos digo: se o graã o de trigo, lançado aà terra,


naã o morrer, fica ele soá ; mas, se morrer, daá muito fruto.” (Jo 12,24)

Viver sem esperança


Os meus amigos pensavam que me estavam a fazer uma grande honra
ao colocarem o meu corpo no sepulcro, preocupando-se apenas com o
meu corpo e esquecendo aquilo que eu lhes tinha dito: “Ressuscitarei
ao terceiro dia”. O sepulcro torna-te irrequieto porque quando laá estaá s,
os outros daã o conta que jaá naã o estaá s com eles. Quando depois de ti naã o
deixas um míánimo sinal, o que eá que fazes? Quando tu sabes que
ningueá m vem ao teu funeral, quando terminas a tua vida na miseá ria,
desconhecido, ali estou Eu que te conheço. EÉ uma cruz enterrar e
sufocar o desejo de aparecer ou o de valer qualquer coisa neste mundo.
Porque este desejo impede-te de seres luz para os outros. Mas como
poderaá s ser luz para os outros se tens medo de enterrar contigo o teu
egoíásmo? Eu naã o posso mudar a tua vida enquanto tu naã o escolheres
romper com o teu passado, soá assim poderei transformar a tua vida.
Enterra o teu desejo de parecer e pega a tua deá cima quarta cruz, pois
sobre a cruz encontraraá s a ressurreiçaã o. Por isto me alegro ao ver o
sepulcro onde estaá sepultado o teu orgulho. Se tu morreres para ti
mesmo, ressuscitarias mais facilmente comigo, pois soá um morto pode
ressuscitar. Naã o tenhas medo, aquilo a que tu chamas morte eá soá uma
ponte que te leva ateá Mim. A morte para o pecado significa alegria e
uniaã o entre Mim e ti e a realizaçaã o de todos os teus desejos. Eu jaá
passei por essa estrada e te espero. Naã o entendes que eu com a morte
naã o me fui embora deste mundo, mas foi atraveá s desta que o mundo
me pertenceu verdadeira e totalmente? Antes era apenas um hoá spede,
mas agora sou o Senhor. Tambeá m tu seraá s assim, naã o olhes mais para o
sepulcro como uma triste realidade mas como um nascimento e um
verdadeiro iníácio. Morre para o teu orgulho e veraá s resplandecer o
amanhecer da Paá scoa.

Pai Nosso… Aveá Maria… Gloá ria…

Oração diante da cruz

Jesus, tu aceitas-te o sofrimento com amor tornando-o um sofrimento


libertador. Noá s te agradecemos pela tua cruz, pelas tuas feridas, pelas
tuas treê s horas de agonia. Te damos graças pelas tuas palavras sobre a
cruz, nas quais nos deste Maria como Maã e dizendo “Eis a tua Maã e” (Jo
19,27), nas quais nos demonstras-te como perdoar dizendo “Pai
perdoa-lhe porque naã o sabem o que fazem” (Lc 23,34). Nesta hora
estamos diante da tua cruz trazendo-te e oferecendo-te todos os
nossos sofrimentos: os da famíália, da igreja e de todo o mundo. Noá s
sabemos que Tu, Jesus nos salvaraá s. Maria, que amas junto aà cruz reza
connosco e por noá s. Atraveá s da cruz de Jesus, sinal de salvaçaã o e de
cura, Deus nos liberta das armadilhas do mal, atraveá s da cruz sinal de
vitoá ria Deus liberta todos aqueles que estaã o conquistados pelo mal,
atraveá s desta santa cruz Deus nos quer dar todas as graças que
necessitamos: a graça da reconciliaçaã o e da paz, do amor, da feá e da
cura. Atraveá s do sinal da cruz nos bendiga e nos proteja sempre Deus
Omnipotente, Pai, Filho e Espirito Santo. Ameá m.