Você está na página 1de 19

1

NOTA PARA UMA LEITURA DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA, DE KANT,


COMO UMA “GRAMÁTICA TRANSCENDENTAL”1

César Romero Fagundes de Souza*


e-mail: caesarsouza@gmail.com

Resumo: Este trabalho apresenta uma proposta de interpretação da Crítica da Razão Pura de Kant como uma gramática
transcendental, seguindo a sugestão de Kant nas Vorlesungen über die Metaphysik e nos Prolegomena. A argumentação é
baseada na análise do uso que Kant faz do termo ‘razão’ na Crítica como um uso metonímico, de acordo com o qual, o
termo ‘razão’ poderia ser lido como ‘linguagem simbólica de um tipo especial que opera através de conceitos, segundo
uma regra estrita, que é o princípio de contradição’. O objetivo desta interpretação é apresentar uma proposta para
conceber o trabalho de Kant na primeira Crítica como uma investigação acerca do uso da linguagem na e para além da
experiência, i.e. acerca do uso tanto empírico como puro da linguagem.

Abstract: This paper presents a proposal for an interpretation of Kant’s Critic of Pure Reason as a transcendental
grammar, following his suggestions on Vorlesungen über die Metaphysik and on Prolegomena. The argumentation is
based on an analysis of the use of the term ‘reason’ by Kant in the Critic as a metonymic (pars pro toto) use, according to
which ‘reason’, in the Critic, could be read as a ‘symbolic language of a special kind which works through concepts,
following a strict rule, which is the principle of contradiction’. The goal of this interpretation is to present a proposal to
conceive Kant´s work on his first Critic as an investigation about the use of language on and beyond experience, i.e. about
both the empirical and the pure use of the language.

Na Crítica da Razão Pura2, Kant pretende fazer uma ‘crítica ao uso puro da razão para além da
experiência’. Mas, ao falar assim, o que Kant entende por ‘razão’? Qual o significado desta palavra no
texto da Crítica? Na verdade, se quisermos entender o intento de Kant, o primeiro passo deve ser dado
na direção do esclarecimento do que parece ser o ponto fundamental da sua trama conceitual, a saber,
o conceito de ‘razão’. Por quê? Principalmente, porque Kant não inicia sua exposição, na Crítica,
dizendo o que ele entende por ‘razão’ e, com isso, não apresenta um uso unívoco desta palavra,
utilizando-a, muitas vezes, no lugar de outras — dentre essas, ‘entendimento’, ‘pensamento’ e
‘linguagem’—, parecendo assim equivocar-se quanto ao significado dessas palavras. Desse modo, o
uso da palavra ‘razão’, na Crítica, parece substituir o de outras palavras, cujos significados são
tratados, por meio desse uso, indiretamente.
Mas por que Kant assim o faz? Por que ele teria se descuidado de um aspecto tão importante e
polêmico de seu trabalho? Sugiro três hipóteses: ou (i) Kant realmente equivocou-se quanto ao
significado da palavra ‘razão’, tendo sido vítima de uma falta de precisão de seu vocabulário; ou (ii)
não havia necessidade de apresentar um conceito de ‘razão’, uma vez que seu trabalho se encontrava
‘‘colado’’ a um contexto de discussão, no qual a palavra ‘razão’ era um elemento do instrumental
lingüístico vigente, cujo significado se encontrava muito bem assentado; ou (iii) Kant tinha a intenção
mesma de fazê-lo assim, valendo-se da especificidade do significado da palavra ‘razão’, com o fim de,
primeiro, elevar a sua argumentação a todo o domínio de atividades humanas ao qual fosse aplicável o
conjunto dos conceitos que ele enunciava em sua doutrina, i.e. a todas as atividades humanas ditas
racionais; e, segundo, com isso, obter uma economia de palavras e de equívocos.
As suposições (ii) e (iii) parecem estar mais de acordo com o que se esperaria do trabalho de
Kant. Com a exposição que seguirá, pretendo desenvolver a hipótese de que Kant se vale de um
‘‘princípio de economia lingüística’’ ao utilizar a palavra ‘razão’ na Crítica, i.e. ‘razão’ estaria por
uma formulação mais complexa, a saber: ‘linguagem simbólica de tipo especial, que opera por meio de
conceitos3, segundo uma regra estrita, o princípio de contradição’.
1
O texto que segue é uma síntese da primeira parte de minha dissertação de mestrado, defendida em setembro de 1997, junto ao
departamento de pós-graduação em Filosofia da UFRGS, em Porto Alegre, intitulada O idealismo transcendental de Kant sob a
perspectiva do sentido na linguagem. Agradeço ao Prof. Dr. Valério Rohden pelo apoio na escolha do tema e pelo estímulo e orientação
constantes concedidos durante o desenvolvimento do trabalho. Publicado na revista Hífen, Uruguaiana, v. 27, n. 51/52, p. 7-23, jan./dez.,
2003.
*
Doutorando em Filosofia, PUCRS.
2
KANT, I., Kritik der reinen Vernunft (K.r.V.), Herausgegeben von Ingeborg Heidemann, Stuttgart, Philipp Reclam Jun, 1985.
3
Conforme posição de Bennett, segundo a qual a linguagem humana é uma linguagem de tipo especial que opera por meio de conceitos.
BENNETT, J. La ''Crítica da razón pura'' de Kant: 1. A Analítica (Kant's Analytic; Cambridge University Press, 1966); tr. A.
Montesinos, Madrid, Alianza editorial, 1979, p. 96.
2

Para demonstrar essa hipótese, primeiro apresento uma breve reconstrução histórica do
contexto de discussão, retornando à época de Kant acerca do significado da palavra ‘razão’, do qual
extraio a afirmação de que ‘razão é linguagem’; a seguir, desenvolvo duas provas: uma intrínseca e
outra extrínseca; a primeira se encontra na própria Crítica, e sustenta que Kant se vale de um recurso
sintático-semântico na utilização da palavra ‘razão’; e a segunda consiste em conceber a Crítica como
uma ‘gramática transcendental’, que se ocuparia com estabelecer as condições de possibilidade do
sentido do juízo em geral. Essa prova — que se apóia no depoimento explícito de Kant acerca de como
poderíamos interpretar o que fez na Crítica como uma gramática transcendental — se encontra em
dois outros trabalhos seus: um anterior e outro posterior à Crítica, a saber, nas Vorlesungen über die
Metaphysik e nos Prolegomena.
Em termos mais precisos, pretendo, primeiro, justificar gramaticalmente a utilização que Kant
faz da palavra ‘razão’, em lugar dos seus ‘‘afins’’, freqüente na Crítica, a partir da suposição de que
ele partiu de uma ‘‘regra sintático-semântica’’ de seleção lexical de elaboração frasal, a saber, a
metonímia, a qual pretendo explicitar. Esse recurso sintático-semântico, uma vez analisado, se
mostrará o mais acertado, no que diz respeito à clareza da sua exposição, na eliminação de um possível
desvio de objetivos, e, principalmente, porque assegura o caráter universal dos seus resultados, para os
fins a que se dirige. Esta análise, por sua vez, deverá preparar o caminho para que possamos a seguir
mostrar, segundo Kant — ao contrário do que alguns seguidores e opositores contemporâneos seus
afirmaram — que é possível ler a Crítica enquanto uma investigação acerca do uso da linguagem na e
para além da experiência, i.e. acerca do uso tanto empírico quanto puro da linguagem.

I. O uso da palavra ‘razão’ na Crítica da razão pura


No final do século XVIII, Kant foi ostensivamente acusado por autores contemporâneos seus,
como Hamann (em Metacrítica sobre o Purismo da Razão, de 1784), e Herder (em Abhandlung über
den Ursprung der Sprache, de 1772, e em Verstand und Erfahrung: Eine Metakritik zur Kritik der
reinen Vernunft, de 1799), de não ter reservado um lugar para o tratamento da linguagem em sua
doutrina crítica —mais especificamente, na Primeira Edição da Crítica4. Com eles iniciou-se a reação
à chamada ‘visão racionalista da linguagem’. Seus trabalhos introduziram os pressupostos do que se
denominou posteriormente a ‘filosofia não-analítica da linguagem do romantismo alemão’5,
desenvolvida e aprofundada mais seriamente por Wilhelm von Humboldt (em especial, no seu Über
die Verschiedenheit des Menschlichen Sprachbaues, de 1836).
Dadas as nossas limitações, bem como as de nossa investigação, é impossível desenvolver aqui,
minimamente, os pormenores da discussão envolvida nesses trabalhos, cuja retomada das idéias
centrais impulsionou fortemente os estudos lingüísticos, bem como a própria filosofia da linguagem,
no início de nosso século 6. No entanto, é necessário que, ao menos, procuremos situar a Crítica no
contexto geral dessa discussão, a fim de determinarmos, tanto quanto possível, o conceito de ‘razão’ e
de ‘linguagem’ vigente na época, e que, isso sim, interessa à nossa investigação, sobretudo no que diz
respeito ao fato de terem sido, muitas vezes, concebidos como termos sinônimos.
Ao examinarmos, com alguma atenção, o contexto dessa discussão, vemos que,
progressivamente, a palavra ‘razão’ foi sendo sobrepujada pela palavra ‘linguagem’; e, mais que as
palavras, podemos dizer que houve uma subsunção mesmo da própria noção de uma à da outra. Por
conseguinte, passou-se a reconhecer entre ambas uma relação de dependência, cuja ênfase era dada na
direção de uma subordinação da razão à linguagem como a sua verdadeira fonte7.
Esse modo de encarar o problema acerca da relação entre razão e linguagem, e do estatuto de
ambas com respeito ao conhecimento humano servia bastante bem aos propósitos emergentes do
movimento romântico alemão — como veremos adiante —, que se enraizava no alargamento e

4
De acordo com Riedel, ''que o autor da 'Crítica da razão pura' não esclareceu esse problema, sim, passou por alto calado, est a é uma das
principais objeções <Haupteinwände>, que já tinham sido feitas a ele pelos seus primeiros leitores. A crítica da razão de Kant, conforme
o argumento de Herder, que se assemelha também ao de Hamann e Jacob, que não procede de maneira suficientemente crítica,
transcende a linguagem que nós falamos e com isso a condição fundamental <Grundbedingung> da possibilidade da experiência, que o
verdadeiro filósofo crítico tem de investigar''. RIEDEL, M., Vernunft und Sprache, Grundmodell der transzendentalen Grammatik in
Kants Lehre vom Kategoriengebrauch (pp. 44-61), in: Urteilskraft und Vernunft, Kants ursprüngliche Fragenstellung, Suhrkamp,
Suhrkamp-Taschenbuch Wissenschaft, 1989, p. 45.
5
Cf. CHOMSKY, N. Linguagem e pensamento (Language and Mind), tr. Francisco M. Guimarães, RJ, Vozes, 1971.
6
Ver Chomsky.
7
Cf. CASSIRER, E., Antropologia Filosófica, trad. por Eugenio Ímaz, México, Fundo de Cultura Econômica, 1992, p. 48.
3

aprofundamento do conceito de ‘subjetividade’, que se encontrava, naquele momento, em progressiva


elaboração pela filosofia moderna.
Conforme Cassirer, o novo modo de conceber as ‘atividades do espírito’, i.e. o surgimento de
‘‘uma nova concepção verdadeiramente universal da espontaneidade do espírito’’, trouxe consigo, por
assim dizer, um ‘‘novo momento constitutivo da atividade da linguagem’’. A linguagem passa a ser
vista não mais meramente como ‘‘o signo e o delegado de uma representação, mas também [como] o
signo emocional do afeto e da pulsão sensível’’ 8.
Em linhas gerais, o traço comum da posição desses autores, segundo Chomsky, era a
importância concedida ao ‘‘aspecto criador do uso da linguagem, como característica essencial e
definidora da linguagem humana’’9. Essa concepção da linguagem, por sua vez, derivava em grande
parte do desenvolvimento das posições fundamentais da chamada ‘‘lingüística cartesiana’’.
De acordo com Chomsky, Descartes10 atribuía a diferença entre o ser humano, o animal e um
autômato à natureza criadora da linguagem humana. Para Descartes, o uso da linguagem por parte dos
animais e por parte dos autômatos poderia ser explicado em termos meramente mecânicos, i.e. como
manifestações de impulsos e estímulos11, mas o uso humano não 12.
Segundo, ainda, Chomsky, a chamada concepção cartesiana da linguagem humana —expressa
tanto por Descartes, como por seus seguidores e opositores — consistia na admissão de que, ‘‘em seu
uso normal, a linguagem humana é livre de controle de estímulos e não serve a uma função meramente
comunicativa, mas é antes um instrumento para a livre expressão do pensamento e para a resposta
apropriada às novas situações’’13. (Considerada de um modo geral, era essa a posição compartilhada
em grande medida pelos seguidores do movimento romântico alemão, dentre eles, Hamann, Herder,
Humboldt, Schlegel) 14.
Os trabalhos de Hamann — um dos protagonistas dessa nova perspectiva acerca da linguagem,
e um dos iniciadores, portanto, da reação à concepção racionalista da linguagem —, assim como os de
Herder — que, inicialmente foi, além de aluno, seguidor de Kant —, têm por alvo, fundamentalmente,
as posições que Kant desenvolve na Crítica.
Porém, ao lermos com atenção alguns de seus textos em que tratam de apresentar suas posições
acerca da origem e importância da linguagem, criticando o sistema e os conceitos formulados por
Kant, na Crítica, vemos claramente que ambos demonstram não ter compreendido o que estão a
criticar: pois suas críticas às posições de Kant podem ser consideradas, sem dúvida, além de mal
formuladas, equívocas.
Todavia, fica claro que a notoriedade de seus trabalhos não marcou época pelos equívocos em
relação à doutrina crítica de Kant, mas pelo modo assistemático — sob a forma de ensaios — com que
formularam os pressupostos da nova perspectiva acerca do caráter criativo da linguagem. Nesse
sentido, as considerações que eles tecem serão, em inúmeros aspectos, de inestimável importância para
os desenvolvimentos futuros da pesquisa no campo da filosofia da linguagem, bem como da
lingüística.
Posteriormente, a partir do desenvolvimento das idéias contidas em germe na obra desses dois
autores, bem como da releitura séria da doutrina crítica de Kant, Humboldt irá construir os
fundamentos sólidos da nova visão acerca da função da linguagem nos processos cognitivos, ao
incluir, na descrição das línguas particulares, elementos culturais. Conforme Chomsky, para
Humboldt, ‘‘uma língua humana, como totalidade organizada, interpõe-se entre o [ser humano] e ‘a
natureza interna e externa que atua sobre ele’ 15‘‘. Pois, mesmo que ‘‘as línguas tenham propriedades

8
CASSIRER, E. La philosophie des formes simboliques, 1. le langage; tr., de l'allemand Philosophie der symbolischen Formen, par Ole
Hansen-love et Jean Lacoste, Paris, Éditions de Minuit, 1972, p. 94.
9
CHOMSKY, N. Lingüística Cartesiana (Cartesian Linguistics, 1966), trad. de Francisco M. Guimarães, RJ, Vozes e Edusp, 1972, p.
30.
10
Ver DESCARTES, R., Discurso do Método, in: Obra Escolhida, tr. De Gilles-Gaston Granger, SP, Difusão Européia do Livro, 1973,
Parte V.
11
Cf. Bennett, ''A classe das linguagens possíveis se divide naqueles cujo uso consiste, e aqueles cujo uso não consiste, unica mente em
um padrão de respostas a estímulos sensoriais.'' Bennett, op. cit., p. 112. (Bennett trata com profundidade desse assunto em Racionality,
Londres, 1964, §§ 9-11).
12
Chomsky, Lingüística Cartesiana, op. cit., pp. 13-23.
13
Chomsky, ibid., p. 23.
14
Cf. Cassirer e Chomsky.
15
''[...] die innerlich und äusserlich auf ihn einwirkende Natur''. Humboldt, W., Über die Verschiedenheit des Menschlichen Sprachbaues
(1836), p. 74, apud Chomsky, N., Lingüística Cartesiana, op. cit., p. 31.
4

universais, atribuíveis à mentalidade humana enquanto tal, cada língua oferece um ‘mundo de
pensamento’ e um ponto de vista de tipo único. Ao atribuir este papel na determinação dos processos
mentais às línguas individuais, Humboldt separa-se radicalmente do quadro da lingüística cartesiana,
evidentemente, e adota um ponto de vista que é mais tipicamente romântico’’. Mas ao considerar a
‘‘linguagem primordialmente como meio de pensamento e auto-expressão mais do que como um
sistema funcional de comunicação de tipo animal’’, pois, para ele, o ser humano ‘‘cerca-se de um
mundo de sons para captar e elaborar em si mesmo o mundo dos objetos’’ 16, Humboldt permanece
dentro dos pressupostos gerais da lingüística cartesiana. De acordo com Cassirer, para Humboldt, ‘o
que distingue as línguas, não são os sons e os signos, mas as próprias visões do mundo.’ 17 É aí que
se encontra em Humboldt, o fundamento objetivo último de toda a pesquisa sobre a linguagem.’’18.
Por outro lado, as considerações sobre razão e linguagem, tanto de Hamann como de Herder,
mesmo equívocas no que dizem respeito às suas interpretações ‘‘críticas’’ aos elementos da doutrina
crítica de Kant, interessam, sob inúmeros aspectos, aos propósitos de nossa investigação. Porque
algumas de suas formulações, tanto acerca da razão como da linguagem — mesmo contra a pretensão
desses autores —, podem ser utilizadas em nossa tentativa de mostrar que Kant, na Crítica, tinha
claramente a intenção de fazer uma crítica ao uso da linguagem, principalmente, como veremos,
porque o objeto de sua crítica era o campo da formulação e da aplicação dos juízos da Metafísica. Mas,
se Kant tinha essa intenção, por que, em vez de falar em razão, não falou de linguagem? Vejamos o
que segue.

II. ‘Razão’ como ‘linguagem’: uma interpretação gramatical acerca do uso da palavra ‘razão’ na
Crítica da Razão Pura
De acordo com Cassirer19, a tradição identificou seguidamente a linguagem com a razão ‘‘ou
com a verdadeira fonte da razão’’, e pelo fato de possuir a linguagem, o ser humano foi considerado
um animal racional. Conforme Cassirer, tal definição, porém, não permite com que vejamos todo o
campo recoberto pela linguagem. Por quê? Porque, sob essa perspectiva, deixa-se de ver uma
diferenciação importante, uma vez que o domínio da linguagem abrange também a esfera da
linguagem racional, e não apenas esta.
Conforme Cassirer, considerar a linguagem como razão é ter uma visão restrita da linguagem,
uma vez que, vista desse modo, ‘‘uma parte se toma pelo todo: pars pro toto’’20. Enquanto meio
objetivo de manifestação de estados subjetivos, toda a linguagem é constituída por signos (sinais)
sonoros, gráficos, gestuais, etc.. A linguagem dos animais — ou, ainda, formas mais primitivas de
linguagem — limitam-se às manifestações emotivas21. E, nesse caso, o signo é imanente àquilo do que
ele é signo, ou seja, não há outra instância. Em outros termos, o signo está direta e univocamente
vinculado àquilo que ele sinaliza.
Consideremos isso de uma outra maneira. A linguagem, tal como a temos descrito, pode ser
considerada como um meio de representação, i.e. como algo que está por algo diferente dela. E nesse
sentido, mesmo uma linguagem primitiva, que se dá meramente por signos (sinais), é uma linguagem
representacional, porque um signo qualquer, emitido como manifestação exterior de um estado
interior, é um algo que está por um algo diferente dele. Porém, nesse nível de linguagem, o signo
nunca ultrapassa o limite da referência, que é sempre imediata, seja interior seja exterior, i.e. o signo
nunca é signo de outro signo. Em outros termos, não há aqui ainda aquilo que chamamos sentido.
O passo decisivo dado na direção de utilizar o signo não mais meramente como representando
algo físico ou subjetivo, i.e. um objeto exterior ou um estado emotivo, mas também como
representando outro signo, permitiu ao ser humano passar de uma linguagem ‘‘sinalizante’’ para uma
linguagem ‘‘simbolizante’’. É por meio desse uso da linguagem que o ser humano passa a poder

16
''[...] umgiebt sich mit einer Welt von Lauten, um die Welt von Gegenständen in sich aufzunehmen und zu bearbeiten''. Humboldt, W.,
1836, p. 70, apud Chomsky, N., ibid., p.31. Conforme Chomsky, esta posição é compartilhada por Schlegel, em seu livro Kunstlehre, ao
dizer que não ''podemos traçar analogias entre a função intelectual humana e a animal. Os animais vivem num mundo de ''situações''
<Zustände>, não de ''objetos'' <Gegenstände> no sentido humano...''. Schlegel, A.W. apud Chomsky, N., ibid., p. 29.
17
Humboldt, W., 1836, apud Cassirer, E., La philosophie des Formes Simboliques, Paris, Éditions de Minuit, 1972, p. 106-107.
18
Cassirer, ibid., p. 106-107.
19
CASSIRER, Antropologia Filosófica, México, Fundo de Cultura Econômica, 1992, p. 48.
20
Ibid., loc.cit.
21
Ver HERDER, J.G., Abhandlung über den Ursprung der Sprache, in: Sprachphilosophische Schriften, von Erich Heitel, Hamburg,
Verlag von Felix Meiner, 1960, p. 3.
5

‘‘descolar-se’’ do real, reconstruindo o mundo dos objetos na ausência destes, simbolicamente 22.
Através desse uso da linguagem, o ser humano passa a elaborar abstratamente o mundo presente e o
vivido. Passa a poder enunciar o passado e a pré-enunciar seu futuro23. Este uso da linguagem instaura
o sentido no universo humano. De acordo com Kemp Smith, a passagem de um estágio a outro
estabelece a diferença entre a inteligência animal e a inteligência humana, ou seja, entre o mero uso do
signo para a consciência do uso do signo como signo 24, pois conforme Kemp Smith, ‘‘nenhum animal
mostrou conclusivamente ser capaz de apreender um signo como um signo’’. E se ‘‘os animais são
isentos de toda consciência de significado, a eles tem de ser negado também qualquer coisa análoga ao
que nós podemos significar pelo termo consciência’’ 25.
Para Cassirer, o que caracteriza verdadeiramente a diferença entre a linguagem animal e a
humana é o fato de o ser humano ter ultrapassado o limite do uso emotivo da linguagem. Para ele, é a
natureza simbólica da linguagem humana que a distingue da linguagem animal 26. Essa característica
simbólica da linguagem humana é o que vai estruturar todas as atividades humanas em todos os
domínios, sejam lingüísticos ou não. Por isso, podermos designar o universo humano como simbólico,
e mais, no lugar de definir o ser humano ‘‘como um animal racional, Cassirer propõe que o definamos,
não essencialmente, mas apenas funcionalmente 27, ‘‘como um animal simbólico’’28.
Esse modo de definir, funcionalmente, o ser humano a partir da natureza da sua linguagem nos
encaminha, pela primeira vez até aqui, para uma resposta plausível à pergunta acerca do que é razão.
Nesse momento da exposição, é-nos possível, portanto, dar uma definição provisória da palavra
‘razão’ como o nome que designa, em geral, o ‘conjunto das operações simbólicas humanas’.
Reservemos esta definição para a retomarmos a seguir.
Se considerarmos a linguagem, de uma maneira abrangente, tal como Schlegel a define em
Briefe über Poesie, Silbenmaß und Sprach, como ‘‘tudo aquilo pelo qual o interior se manifesta no
exterior’’29, devemos, pois, distinguir, dentro do domínio total da linguagem, pelo menos duas esferas,
a saber: a esfera das manifestações emotivas e a esfera das manifestações não-emotivas, portanto,
racionais. Sob esta perspectiva, conforme Cassirer, a razão se mostra como ‘‘um termo
verdadeiramente inadequado para abarcar as formas da vida cultural humana em toda sua riqueza e
diversidade’’30, pois, basta observarmos o conjunto das atividades humanas, para vermos que, ‘‘junto à
linguagem conceitual temos uma linguagem emotiva; junto à linguagem lógica ou científica, a
linguagem de uma imaginação poética’’31. E, nesse sentido, a linguagem, enquanto um meio de
exteriorização, parece subsumir a razão, que se manifesta também por meio da linguagem.
Em um trecho de uma carta a Jacobi, de 6 de agosto de 1784, Hamann escreve o seguinte: ‘‘a
Razão é Linguagem, Logos. Eu não paro de roer este osso tão rico de substância e eu o roerei até
minha morte [sic.]...’’32. Para Hamann, a essência autêntica da razão se encontra na linguagem, que é
seu organon; e é ‘‘aí que se encontra a Razão pura e ao mesmo tempo sua crítica’’ [sic.]33.
22
Bennett concorda com Kant quanto ao fato de ''que as criaturas que carecem de linguagem carecem de conceitos, ainda que não p elo
que parece ser sua razão, i.e. que as criaturas que carecem de linguagem não podem efetuar juízos''. Bennett, op. cit., p. 110.
23
Cf. Bennett, ''as linguagens humanas têm meios para fazer ao menos dois tipos de enunciado ...: enunciados gerais, e enunciados sobre
o passado. Estes não têm que ser respostas a, ou operações sobre, contextos em que se formulam. Mais ainda, expressam juízos que não
podem expressar-se, salvo em uma linguagem. Existe um sentido natural, ainda que débil, de 'expressar' no qual é verdadeiro que muitos
tipos de juízo podem expressar-se mediante uma conduta não lingüística; mas os juízos gerais e no tempo passado não se encontram
entre eles. [...] Sem uma linguagem, não existe nenhum modo de expressar juízos sobre o passado sem expressar ao mesmo tempo juízos
gerais, ou de expressar juízos gerais sem expressar ao mesmo tempo juízos sobre o passado.''. Bennett, op. cit., p. 113.
24
Ver Bennett, op. cit., p. 114.
25
KEMP SMITH, N., Commentary to Kant’s ‘Critique of Pure Reason’, London, Macmilan and Co., Limited, 1918, p. XLIX.
26
Cf. Cassirer, é necessário ''distinguir cuidadosamente entre signos e símbolos. Parece um fato comprovado que se dá um complexo
sistema de signos e sinais na conduta animal, e até podemos dizer que alguns animais, especialmente os domesticados, são extremamente
suscetíveis a eles. [...] Mas há uma distância imensa destes fenômenos à inteligência da linguagem simbólica e humana..., os símbolos,
no sentido próprio desta palavra, não podem ser reduzidos a meros sinais. Sinais e símbolos correspondem a dois universos diferentes do
discurso: um sinal é uma parte do mundo físico do ser; um símbolo é uma parte do mundo humano do sentido. Os sinais são
''operadores''; os símbolos são ''designadores''.''. Cassirer, La philosophie des Formes Simboliques, op. cit., p.56-7.
27
Cassirer, Antropologia Filosófica, op. cit., p. 109.
28
Ibid., p. 49.
29
''[...] alles, wodurch sich das Innere im äussern offenbart, mit Recht Sprache heißt''. Schlegel apud Chomsky, N., Lingüística
Cartesiana, op. cit., p. 27.
30
Cassirer, Antropologia Filosófica, op. cit., p. 49.
31
Ibid., p. 48.
32
HAMANN, J.G., Carta a Jacobi de 6 de agosto de 1784, ed. em 1868, p. 122, VII, 151 sq., apud Cassirer, E., La philosophie des
Formes Simboliques, p. 97.
33
HAMANN, J.G., Carta a Scheffner, de 11 de fevereiro de 1785, ed. em 1868, VII, p. 216, apud Cassirer, E., ibid., p. 97.
6

Herder, por sua vez, discípulo dissidente de Kant e seguidor das idéias de Hamann, afirma que

a razão dispõe duma esfera própria: o imenso território dos pensamentos humanos, por
intermédio da palavra. Tudo o que puder ser expresso, retido ou tornado entendível, por meio
de qualquer sinal, pode também entregar-se confiadamente à razão 34 [...]. Por meio da língua
é-lhe dado tudo o que for susceptível de ser expresso pela linguagem, no sentido mais vasto
da palavra. A razão é ela própria linguagem35.

Como vemos, aqui, as posições de Hamann e de Herder confluem na direção de conceber a


razão como linguagem. Examinemos um pouco de perto esta afirmação. Considere o seguinte: qual a
diferença entre dizer (i) ‘razão é linguagem’ e (ii) ‘linguagem é razão’? Se a relação de atribuição entre
os termos das afirmações tem uma única direção, i.e. se não é reversível, a diferença conceitual entre
ambas parece simples: em (i) trata-se de conceber a classe daquilo que se denomina ‘razão’ incluído na
classe daquilo que se denomina ‘linguagem’; e em (ii), ao contrário, a classe daquilo que se denomina
‘linguagem’, na classe daquilo que se denomina ‘razão’. Em outros termos, isso equivale a dizer que,
em (i) a razão está subordinada à linguagem, e em (ii) a linguagem está subordinada à razão.
Como vimos, de acordo com Cassirer, a concepção expressa por (ii) se revelou equívoca, uma
vez que não levava em conta todas as manifestações possíveis que são levadas a cabo por meio da
linguagem. Se Kant fosse partidário dessa concepção, a crítica endereçada a ele pelos filósofos
românticos teria sido, sem dúvida, mais que acertada, pois tal visão da linguagem é, antes de tudo,
restrita. Mas a concepção expressa em (i), e que é professada por Hamann e Herder, é, como querem
estes autores, incompatível com o que Kant faz na Crítica? E, supondo que Kant partilhasse dessa
concepção, por que ele não a explicitou, no texto da Crítica, dando azo às críticas que se seguiram?
Em outros termos, por que ele, na Crítica, não expressou textualmente a razão como linguagem?
Se esta suposição procede, ou seja, se Kant era partidário de (i), a opção por ter utilizado, na
Crítica, o termo ‘razão’ no lugar de ‘linguagem’ demonstra que ele assim o fez intencionalmente. Ou
seja, Kant sabia da distinção entre (i) e (ii). Mas, então, por que Kant fala em razão em vez de
linguagem?
Considere a linguagem do ponto de vista da sua estrutura. Tome a frase, enquanto unidade
menor de sentido, como o ponto de partida de qualquer análise lingüística. Quanto à estrutura,
podemos conceber duas dimensões de desenvolvimento progressivo da linguagem: a dimensão
horizontal e a dimensão vertical. A dimensão horizontal nos dá a ordem do arranjo entre os termos da
frase: o eixo sintagmático ou a linha de combinação36; a dimensão vertical nos dá as possibilidades
lexicais de atualização nos sintagmas: o eixo paradigmático ou a linha de seleção. Cada classe de
palavras — do ponto de vista estrutural, gramatical — é mais geral, p.ex., o substantivo, e, dentro
desta, cada palavra (significante) primária, quanto ao significado — do ponto de vista semântico — é
mais específica; o substantivo ‘homem’ possuiria um paradigma, p.ex., a classe dos substantivos
(sintagma): homem, menino, lobo, etc.; dentro da classe do substantivo ‘homem’ (paradigma): Pedro,
animal pensante, jogador de futebol, e assim por diante. Teríamos, portanto, duas direções de
possibilidades de arranjos lexicais: a linha de combinação, no nível sintagmático — i.e. entre os
sintagmas, no sentido horizontal —, e a linha de seleção, no nível paradigmático — i.e. dentro do
paradigma, no sentido vertical.
Segundo uma definição gramatical tradicional clássica, a figura polar de estilo metonímia é a
‘‘translação de sentido pela proximidade de idéias, que consiste, dentre outras combinações, em tomar
a parte pelo todo [pars pro toto] ou vice-versa’’37. De acordo com a abordagem estrutural38, mais
contemporânea, a metonímia é a ‘‘vinculação de um significante [palavra] a um significado secundário

34
Cf. HERDER, J.G. Extractos de Entendimento e Experiência (1799) —Uma Metacrítica à Crítica da Razão Pura— (Aus ''Verstand
und Erfahrung'': Eine Metakritik zur Kritik der reinen Vernunft, 1799), tr. de José M. Justo et alii, in: Ergon ou Energueia, Filosofia da
Linguagem na Alemanha Sécs. XVIII e XIX, Apáginastantas, Lisboa, 1986, pp. 96-7. A leitura da tradução desses ''Extractos'' foi
cotejada com a edição do texto de Herder de Heitel:— Herder, J.G. Sprachphilosophische Schriften, von Erich Heitel, Hamburg, Verlag
von Felix Meiner, 1960.
35
''[...] Mittels der Sprache ist ihr alles gegeben, was sich durch Sprache im weitesten Sinne des Worts ausdrücken läßt. Sie [die
Vernunft] selbst ist und heißt Sprache''. Herder, Ibid., 10. Vernunft und Sprache, op. cit., p. 226.
36
JAKOBSON, R., Lingüística e Comunicação, SP, Cultrix, 1995, pp. 39-40.
37
BECHARA, E., Moderna Gramática Portuguesa, SP, CEN, 1966, p. 418.
38
Sobre lingüística e semântica estrutural, ver: Stegmüller, Greimas, Palmer, Chomsky (1965), Jakobson, Katz e Fodor, Lyons.
7

associado por contigüidade com o significado primário’’ 39, i.e. tal significante —que pode ser primário
—, p.ex., ‘razão’, é associado por contigüidade semântica ao significado primário ‘linguagem de tipo
especial’, mas também pode ser vinculado a um significante secundário, p.ex., ‘entendimento’ ou
‘pensamento’, por poder designar primariamente tais significantes aos quais os traços semânticos que
ele veicula primariamente pertencem a estes significantes secundariamente.
Isso posto, considere o caso que estamos examinando aqui, a propósito da correlação
sinonímica entre as palavras ‘linguagem’ e ‘razão’. Conforme a direção em que se dirija a metonímia
— i.e. se do significante secundário ao significado primário, ou, ao contrário, do significante primário
ao significado secundário —, tal procedimento sintático-semântico é por isso considerado como
consistindo em tomar a parte pelo todo <pars pro toto>, ou, o contrário. Em nosso caso, a linguagem
pela razão, a razão pela linguagem, a razão pelo pensamento/entendimento/sujeito pensante, etc.. Se
estabelecermos uma hierarquia entre estes dois significantes — ’linguagem’ e ‘razão’—, a partir dos
seus traços distintivos mínimos, teremos:
[LINGUAGEM] [RAZÃO]

/+signo/ /+signo/
/±símbolo/ /+símbolo/
/±ícone/ /±ícone/
/±instrumento/ /+instrumento/
/±número/ /±número/
/±palavra/ /±palavra/
/±emoção/ /-emoção/
/±pensamento/ /+pensamento/
/±humano/ /+humano/
/±sujeito ao princípio /+sujeito ao princípio
de contradição/ de contradição/

Ao utilizar ‘linguagem’ no lugar de ‘razão’, restrinjo a linguagem aos traços peculiares somente
às operações racionais, tomando uma parte do domínio da linguagem — aquele não-emotivo, que é
expressão do pensamento, e que está sujeito ao princípio de contradição. No caso de utilizar ‘razão’ no
lugar de ‘linguagem’, como este é um significante menos determinado semanticamente do que aquele,
realizo a operação contrária, me valendo dos traços determinados e decisivos do significante ‘razão’ —
ser instrumento simbólico humano do pensamento, sujeito ao princípio de contradição, etc. — e levo
estes traços ao significante ‘linguagem’, que também inclui tais traços, mas não só.
Ao vincular, portanto, o significante ‘razão’ ao significante ‘linguagem’, associo, por
contigüidade semântica — i.e. de traços semânticos — este significante primário a um significante
secundário, por este ser a ele contíguo quanto ao significado, ou seja, o significante secundário ‘razão’,
por contigüidade semântica, pode ser associado ao significante primário ‘linguagem’, e vice-versa. Em
ambas as seleções lexicais, opero por meio da metonímia.
Em suma, segundo esta análise dos significantes, ‘linguagem’ inclui ‘razão’, como um
significante cujo campo semântico é mais geral, no entanto, o contrário não procede, pois a razão é um
tipo de linguagem simbólica que obedece ao princípio de contradição, mas nem toda linguagem é uma
linguagem simbólica que obedece ao princípio de contradição.
A resposta à pergunta acerca do fato de por que Kant utiliza ‘razão’ no lugar de ‘linguagem’ se
torna um pouco mais clara agora. Do que foi dito acima, depreendemos facilmente que, se Kant se
propusesse a fazer uma crítica ao uso da linguagem humana, deveria dar conta, em seu sistema crítico,
de problemas que não interessavam à filosofia, enquanto conhecimento a priori. Pois uma crítica ao
uso da linguagem humana em geral implicaria uma crítica ao uso de todo o modo de expressão
humano, que deveria dar conta também de usos emotivos da linguagem. O que certamente não
interessava a Kant, na Crítica. Claro está, porém, que isso não equivale a dizer que Kant não se
interessou pela linguagem, ao contrário, o objeto da Crítica de Kant é, sim, o uso da linguagem, mas o
uso de um tipo específico de linguagem, conforme Bennett, ‘uma linguagem de tipo especial’ 40, aquela
39
Jakobson, op. cit., p. 113.
40
Bennett utiliza ‘’a expressão 'linguagem que emprega conceitos' como abreviatura de 'linguagem do tipo altamente desenvolvido em
conexão com a qual pode proporcionar-se ao "conceito" uma verdadeira função, i.e. cuja metalinguagem pode conter utilmente a palavra
"conceito".''. Bennett, op. cit., p. 110.
8

esfera do domínio da linguagem em que operamos por conceitos, e que deve satisfazer o princípio
regulador de todo pensamento, a saber, o princípio de contradição.
Proponho, portanto, chamar o uso que Kant faz da palavra ‘razão’ na Crítica de uso
metonímico. Por quê? Porque Kant se apropria do caráter essencial da razão, que consiste na esfera do
domínio das operações simbólicas humanas. Em outros termos, por contigüidade semântica, ‘razão’ é
utilizada, enquanto portador de um significado mais específico, para designar, em geral, todas as
operações simbólicas humanas que podem ser descritas como uma ‘linguagem de tipo especial que
opera por meio de conceitos e obedece ao princípio de contradição’.
Em resumo, o que tem de ficar claro, aqui, sob a perspectiva que adotamos, é que podemos
conceber a razão (humana) como linguagem, mas não o contrário, uma vez que a linguagem é mais do
que operações simbólicas.
Assim, podemos compreender que regras, expressas e constituídas apenas por meio da
linguagem — os princípios de contradição e o do terceiro excluído — possam a priori determinar,
estruturar, restringir e orientar todas as operações racionais — simbólicas, representacionais — do ser
humano; e, por conseguinte, todo o seu pensar, assim como seus produtos, os conhecimentos empíricos
e puros, pois, nesse caso, as regras da linguagem podem coincidir com as da razão, enquanto operações
racionais.
Deve ficar claro também que tais regras se restringem ao uso da linguagem apenas no que
concerne às operações simbólicas relacionadas ao pensar e ao conhecer; objeto da filosofia e da ciência
de um modo geral. No que diz respeito ao uso da linguagem para outros domínios, igualmente
humanos, tais regras podem não ter valor algum, como p.ex. no domínio dos sentimentos, desejos e
paixões humanas em geral, assim como no domínio da espiritualidade humana, domínios esses em que
predomina a impossibilidade da determinação do verdadeiro e do falso, seja pelo caráter inacessível
dos seus objetos, seja pela nossa postura cambiante em relação a eles, que, por conseguinte, sob a
perspectiva racional, i.e. sob a perspectiva das regras que legislam as atividades lingüísticas racionais,
gera contradições.
Portanto, a linguagem da qual trata Kant na Crítica é a linguagem ordinária em seu uso normal,
considerada não em toda a sua aplicação possível, mas somente aquela esfera desta que procede
segundo o princípio de contradição, que é o princípio supremo de todo o pensamento e do sentido. Por
isso, quando utilizarmos o termo ‘razão’ aqui, ao nos referirmos à Crítica, teremos sempre em mente o
sentido que resultou de nossa investigação precedente, ou seja, quando nos referirmos à razão, na
Crítica, estaremos considerando-a como uma ‘linguagem simbólica de tipo especial, que opera por
meio de conceitos e obedece ao princípio de contradição’.

III. A Crítica da razão pura como ‘gramática transcendental’


Convém, porém, delimitar o âmbito em que consideraremos aqui ‘razão’ como equivalente a
linguagem; e, por conseguinte, nessa direção, uma investigação das maneiras do dizer deverá estar
relacionada diretamente com uma investigação acerca das maneiras do pensar e do conhecer; em
outros termos, devemos explicitar em que medida uma investigação gramatical — portanto, uma
investigação acerca das maneiras de dizer — sobre as condições de possibilidade do sentido do juízo
sintético em geral —uma semântica a priori de objetos41, nos termos de Loparic— tem a ver com uma
investigação —epistêmica, conforme Allison42— sobre as condições de possibilidade do conhecimento
em geral; ou seja, como são possíveis juízos em geral e, em especial, juízos sintéticos a priori —
condições de possibilidade de todas as ciências constitutivas do saber humano.
Por isso, será necessário partirmos de um conceito unívoco de ‘gramática’, que seja válido para
uma abordagem da razão sob a perspectiva das suas leis, no que diz respeito às condições de
41
Na qual, as categorias (os conceitos puros do entendimento) dariam as condições formais, e o espaço e o tempo (formas puras a priori
da sensibilidade) dariam as condições materiais para os objetos serem pensados pelo entendimento. Para Loparic, o problema de Kant, ao
fundamentar a priori a metafísica, consiste em ''estabelecer uma semântica a priori de proposições sintéticas em geral, tanto a priori
como a posteriori''. LOPARIC, Z., Kant e o Ceticismo, in: Manuscrito, XI, 2 (1988), p. 73 et passim. Em Scientific problem-solving in
Kant and Mach Loparic estabelece três condições de possibilidade dos juízos sintéticos: uma condição formal, o princípio de
contradição, e duas condições semânticas, a saber: a aplicabilidade de conceitos a objetos e a interpretação sensível das cat egorias e das
formas lógicas do juízo. Cf. LOPARIC, Z., Scientific problem-Solving in Kant and Mach (Dissertation presented for the degree of Doctor
of Philosophy), Catholic University of Louvain, 1982, pp. 9-10. (Em 2000, a tradução, revista e ampliada, da primeira parte desse
trabalho de Loparic foi publicada sob o título A semântica transcendental de Kant).
42
ALLISON, H.E., El Idealismo Trascendental de Kant: una interpretación y defensa, tr. de Dulce M. Granja Castro, Barcelona,
Anthropos, 1992.
9

possibilidade do discurso significativo no domínio do pensar e do conhecer, segundo o idealismo


transcendental de Kant.
Na época de Kant, o paradigma vigente no tocante à teoria gramatical era a Gramática de Port-
Royal de 1660, de Arnauld e Lancelot. Esta obra deu início ao que veio a ser conhecido como a
tradição da gramática filosófica, cujos fundamentos foram inspirados por Descartes, continuados por
Leibniz e desenvolvidos de uma forma mais acabada por Humboldt na década de 1830. Conforme
Chomsky, ‘‘uma das inovações da Gramática de Port-Royal de 1660 foi o reconhecimento da
importância da noção da frase como unidade gramatical’’ 43, pois antes de Port-Royal, a teoria
gramatical consistia em um estudo de ‘‘classes de palavras e de inflexões’’. O conceito de ‘gramática’
que temos em vista aqui é o mesmo expresso pela Gramática de Port-Royal, por Humboldt e por
Chomsky44, a saber: considerando uma língua (linguagem) particular L como uma relação entre som
(signo) e significado, uma gramática G seria um conjunto finito de regras para dar conta da produção
de um número infinito de proposições P com sentido nessa língua45.
Esta definição, aplicada ao domínio transcendental, i.e. aplicada ao domínio das condições de
possibilidade da linguagem humana enquanto tal, teria a seguinte formulação: considerando a
linguagem humana L enquanto tal, i.e. transcendentalmente, como uma relação entre signo e
significado, uma ‘gramática transcendental’ G seria um conjunto finito de regras para dar conta das
condições de possibilidade de construção de um número infinito de proposições P com sentido em
nossa linguagem.
Na Crítica, Kant parte do juízo para falar do conhecimento, da sua possibilidade e dos seus
limites. A ocupação de Kant com a forma lógica dos juízos, bem como com as condições
transcendentais do sentido, já seriam suficientes para entrevermos em sua investigação crítica um tipo
de gramática, nos termos acima definidos. Pois, à sua época, a teoria gramatical vigente, a de Port-
Royal, como vimos, também partia da frase (juízo) como unidade gramatical de sentido para estudar e
estabelecer as relações da linguagem com o pensamento, e, destas, às condições de possibilidade do
discurso com sentido. Se estas constatações não constituem prova suficiente, encontramos duas outras
situações que vêm a corroborar essa hipótese, nas quais Kant afirma explicitamente ser possível
conceber o trabalho que ele realizou na Crítica como uma gramática transcendental.
A primeira destas afirmações, encontramos nas Vorlesungen über die Metaphysik, obra quase
contemporânea à Primeira Edição da Crítica, usada por Kant para ministrar cursos universitários, mas
que, segundo de Vleeschauwer46, menos que uma adaptação para fins didáticos, continha já, em linhas
gerais, muito do que viria ser o texto da Crítica, pois ‘‘no momento em que Kant professa o curso, a
Crítica lhe estava presente diante do espírito nas suas articulações sistemáticas’’ 47.

43
Para Humboldt, de acordo com Chomsky, ''a pessoa que fala faz um uso infinito de meios finitos. Sua gramática, portanto, deve conter
um sistema infinito de estruturas profundas e superficiais, adequadamente relacionadas. Deve também conter regras que relacionam estas
estruturas abstratas com certas representações de som e significado, representações que, presumivelmente, são constituídas de elementos
pertencentes respectivamente à fonética universal e à semântica universal. Na essência, este é o conceito de estrutura gramat ical que está
sendo desenvolvido e elaborado hoje em dia''. Chomsky, op. cit., pp. 30-31. Sob essa perspectiva, Chomsky considera uma língua
<language> como ''um conjunto (finito ou infinito) de sentenças, cada uma finita em extensão e construída a partir de um conjunto fini to
de elementos. Todas as línguas <languages> naturais em sua forma escrita ou falada são línguas <languages> nesse sentido, desde que
cada língua <language> natural tenha um número finito de fonemas (ou letras em seu alfabeto) e cada sentença seja representável como
uma seqüência finita destes fonemas (ou letras), mesmo que exista uma quantidade infinitamente grande de sentenças.''. Chomsky, N.
Syntactic Structures (1957), Paris, Mouton, the Hague, 1968, p. 13.
44
Ver Chomsky, Linguagem e Pensamento, op. cit., p. 30-31.
45
Conforme Chomsky, ''O principal objetivo na análise lingüística de uma linguagem L é separar as seqüências gramaticais que são as
sentenças de L das seqüências agramaticais que não são sentenças de L e estudar a estrutura das seqüências gramaticais. A gramática de
L será portanto um mecanismo que gera todas as seqüências gramaticais de L e nenhuma das agramaticais. Um modo para testar a
adequação de uma gramática proposta por L é determinar se as seqüências que ela gera são atualmente gramaticais ou não, i.e. aceitáveis
a um falante nativo, etc.''. Chomsky, Syntactic Structures, op. cit., p. 13.
46
de VLEESCHAUWER, H.J., de. La Déduction Transcendentale dans l'Œuvre de Kant, v. I, ch. III: La Déduction avant la Critique,
D.: La Déduction transcendentale de 1770 à 1781, § 4: Vers la Critique de la Raison Pure, I. Les ''Vorlesungen über die Metaphysik'',
Paris, Librairie Anciénne Honoré Champion, 1934.
47
De acordo com de Vleeschauwer, as Vorlesungen constituem ''a exposição sistemática de uma doutrina, cuja metade, representada pela
ontologia, é a primeira exposição de uma maneira breve e precisa do criticismo, mas cuja outra metade, formada pelas três disciplinas
conexas à metafísica (cosmologia, psicologia e teologia racionais), não apresentam um caráter uniforme, que nós possamos ente nder sob
um único título de classificação. A organização do curso evidencia que Kant repartiu sua matéria, neste momento, após o plano da
Crítica, modificando sensivelmente a ordem que os problemas seguem na obra definitiva. (...) Certos detalhes nos obrigam a aproximar o
curso de metafísica mais da situação de 1775, em vez de o colocar na vizinhança imediata da Crítica.'' (pp. 284-5). de Vleeschauwer
acredita que, devido a certos detalhes terminológicos, é possível ''tratar o curso [...] mais do que como uma adaptação da Crítica às
necessidades do ensinamento universitário'', de Vleeschauwer, op.cit., pp. 285-6.
10

Na passagem das Vorlesungen, na parte I, intitulada Ontologie, no tópico intitulado Die


Transcendentale Philosophie, que nos interessa aqui, encontramos o seguinte:

A Filosofia Transcendental é a Filosofia dos princípios, dos elementos do conhecimento


humano a priori. Ela é ao mesmo tempo o fundamento de como uma Geometria a priori é
possível. É, porém, muito necessária para saber como uma ciência pode irromper de nós
mesmos, e como o entendimento humano poderá, portanto, ter produzido algo. Esta
investigação não consideraria a Geometria tão necessária, se nós não tivéssemos outros
conhecimentos a priori, que para nós são muito importantes e interessantes; p.ex. da origem
das coisas, da necessidade e acaso, e se o mundo é necessário ou não. Estes conhecimentos
não têm semelhante evidência, como a Geometria. Por isso, nós desejamos saber como um
conhecimento a priori é possível para o [<ser humano>]; assim nós temos que distinguir e
investigar todos os conhecimentos a priori; portanto, nós podemos determinar os limites do
entendimento humano, e de todas as quimeras, que aliás na Metafísica são possíveis, que
seriam produzidos sob princípios e regras determinados. Agora, nós distribuímos os
princípios do conhecimento humano a priori: 1) nos princípios da sensibilidade a priori, e
isto é a Estética Transcendental que comporta em si o conhecimento e os conceitos a priori
de espaço e tempo; e 2) nos princípios do conhecimento intelectual humano a priori, e isto é
a Lógica Transcendental. Estes princípios do conhecimento humano a priori são as
categorias do entendimento [...], e estas esgotam tudo aquilo que o entendimento concebe a
priori nele, destes, porém, mais tarde ainda outros conceitos podem ser deduzidos. Assim, se
nós analisássemos os conceitos transcendentais; isto seria então uma Gramática
Transcendental <transcendentale Grammatik>, que conteria o fundamento da linguagem
humana [...]. Se estabelecêssemos isto, teríamos então uma Gramática Transcendental
<transcendentale Grammatik>. A Lógica conteria o uso formal do entendimento. Portanto, a
Filosofia Transcendental poderia resultar na doutrina dos conceitos universais a priori. 48

A outra passagem que abona a interpretação que estamos propondo, encontramos em sua obra
Prolegomena de 1783, que, conforme de Vleeschauwer, ‘‘manifesta às vezes um caráter explicativo e
um caráter defensivo ou polêmico’’49. Kant teria escrito os Prolegomena, a fim de tornar mais claros
os princípios desenvolvidos na Crítica, e que não haviam sido compreendidos de todo, tal o modo
como tomaram suas formulações. Muito desse insucesso de Kant se deveu, conforme de
Vleeschauwer, principalmente ao desinteresse de seus contemporâneos em tomar parte da discussão
que ele propunha em seu trabalho inicial. De outra parte, essa dificuldade e afastamento provinham
‘‘da extensão e aridez escolástica do debate que Kant encetava nela’’ 50. No § 39, A 118, dos
Prolegomena, quando Kant comenta o trabalho que realizou na dedução das categorias, na Crítica,
lemos o seguinte:

Extrair do conhecimento comum os conceitos que não se fundam em nenhuma experiência


particular e que, não obstante, ocorrem em todo o conhecimento de experiência, de que, por
assim dizer, constituem a simples forma de conexão, não exigia uma maior reflexão ou mais
discernimento do que extrair em geral, de uma língua, as regras do uso [efetivo <wiklichen>]
das palavras e reunir assim os elementos de uma gramática <Grammatik> (na realidade, estes
dois empreendimentos são entre si muito aparentados), sem no entanto poder indicar a razão
por que cada língua possui justamente esta característica formal e não outra, ainda menos
porque é que, nem mais nem menos, se podem em geral encontrar tais determinações formais
da mesma. 51

Com isso, não estamos afirmando que Kant é um gramático, no sentido ordinário do termo, e
que o que ele fez na Crítica tenha sido uma gramática de alguma língua particular. O que interessa
48
KANT, Immanuel. Vorlesungen über die Metaphysik, Darmstadt, Wissenschaftliche Buchgesellschaft, 1988, pp. 77-78.
49
Cf. de Vleeschauwer, op. cit., II, p. 420.
50
Ibid., p. 421.
51
KANT, I., Prolegômenos a toda Metafísica futura, p. 103, trad. de Artur Morão, Portugal, Edições 70, 1987, cf.: KANT, I.,
Prolegomena zu einer jeden künftigen Metaphysik, die als Wissenschaft wird auftreten können, Stuttgart, Philipp Reclam Jun., 1995, p.
92.
11

aqui é mostrar que — tal como Kant sugere —, subjacente ao idealismo transcendental, nós podemos
entrever uma investigação gramatical sobre o sentido na linguagem, e, sob essa perspectiva, a Crítica
pode ser vista, analogamente, como uma ‘Gramática Transcendental’, mas somente na medida em que
Kant está interessado nas condições universais da possibilidade do sentido do juízo em geral. E isto
significa considerá-lo como estando ocupado, não com uma língua em particular, mas com a
linguagem humana enquanto tal, no que se refere, especificamente, à possibilidade do pensar e do
conhecer no sentido humano.
Portanto, como o próprio Kant sugere, o que ele realiza em seu trabalho pode ser comparado ao
que se faz em uma gramática de uma língua particular, o que não equivale a dizer que este é o caso.
Seu trabalho pode ser visto como uma gramática, mas somente no que diz respeito às condições de
possibilidade da linguagem humana, tal como pode ser visto na passagem das Vorlesungen, supra-
citada52. Vista assim, a Crítica pode ser concebida como uma gramática apenas no sentido
transcendental, i.e. enquanto se ocupa dos fundamentos da razão humana — ‘linguagem de tipo
especial que obedece ao princípio de contradição’. Em outros termos, enquanto se ocupa com a
determinação das condições de possibilidade do sentido do juízo em geral, e, por conseguinte, das
condições de possibilidade do pensar e do conhecer.

IV. A Gramática Transcendental do Conhecer e do Pensar


Para entendermos o que Kant diz, devemos ter uma noção inicial acerca do que ele entende por
conhecimento bem como dos elementos que este envolve. Comecemos, então, perguntando o seguinte:
que é conhecer? Podemos responder, provisoriamente, assim: conhecer é formular juízos. Mas
formulamos juízos acerca do quê? Acerca de objetos. E de que tipo de objetos tratam os juízos?
Objetos efetivos ou possíveis da experiência sensível. E como formulamos juízos, i.e. como acessamos
os objetos da experiência sensível? De um lado, pelo entendimento, de outro, pela sensibilidade; i.e.
por meio de conceitos e de intuições sensíveis. E por meio do que, de qual instrumento, acessamos
tanto o entendimento (com os conceitos) quanto a sensibilidade (com as intuições sensíveis)? Por meio
da razão, pura ou efetivamente. O uso puro da razão nos dá conhecimento do possível e do necessário;
o uso efetivo, conhecimento do efetivo.
Perguntemos agora o seguinte: qual é a sede da razão (humana)? Na direção da argumentação
de Kant, na Crítica, podemos dizer que a sede da razão é o entendimento. E qual a sede do
entendimento? A mente. Inicialmente, podemos dizer, seguindo Kant, que a mente <Gemüt>53, na
perspectiva do conhecimento, é uma capacidade (faculdade) humana constituída por três outras sub-
capacidades, que são: o entendimento, a sensibilidade e a imaginação. Cada uma destas sub-
capacidades executa uma operação específica no processo cognitivo 54, produzindo três elementos, sem
os quais o juízo, e, por conseguinte, o conhecimento, não seria possível, a saber:
1. o entendimento, que é ativo, produz espontaneamente conceitos;
2. a sensibilidade, que é passiva, dá intuições sensíveis;
3. a imaginação, que é a capacidade mediadora, constrói os esquemas dos objetos de conhecimento.
Resumindo: a mente é uma capacidade (ou faculdade) humana, que é constituída por três outras
capacidades: o entendimento, que produz conceitos de objetos; a sensibilidade, que dá intuições

52
Mesmo que Kant compare seu trabalho a uma gramática tradicional, i.e., como uma ''gramática de classes de palavras e de infle xões'',
na medida em que ele parte da proposição como unidade fundamental do sentido, estaríamos mais inclinados a supor que, ao contrário,
ele está mais perto da concepção inaugurada pela Grammaire de Port Royal, que, conforme Chomsky, considera a construção de
proposições sob duas perspectivas: a da estrutura de superfície e a da estrutura profunda. Vista sob a perspectiva do idealismo
transcendental, a primeira se ocuparia com o arranjo dos termos, tarefa da lógica geral, e a segunda, com o significado dos c onceitos e,
por conseguinte, das condições de possibilidade do sentido da proposição, tarefa da lógica transcendental. Isto, porém, tem de ser
investigado.
53
Cf. Rohden, na Crítica da Faculdade do Juízo, ''Kant entende o Gemüt <ânimo> como o princípio unificador das diversas faculdades
em relação recíproca, tendo sentido transcendental cognitivo e também estético vivificante das faculdades de conhecimento''. Já na
''Crítica da razão pura o Gemüt aparece como a totalidade das faculdades transcendentais''. ROHDEN, V., em: O sentido do termo
''Gemüt'' em Kant, Rev. Analytica, v. 1, 1993, pp. 61-7.
54
Cf. Strawson, a metalinguagem da Crítica é psicológica, pois Kant concebeu a sua investigação, acerca da estrutura geral e das idéias e
princípios que são pressupostos em todo conhecimento empírico, ''como um estudo da estrutura e da maneira de proceder das
capacidades cognoscitivas de seres tal e como nós somos''. No que se refere à nossa concepção da experiência, qualquer necessidade
encontrada por Kant foi atribuída à natureza de nossas faculdades. STRAWSON, P.F., Los Limites del Sentido: Ensayo sobre la Crítica
de da Razón Pura de Kant, trad. de Carlos Thiebault Luis-André, Madrid, Rev. de Occidente, 1975, p. 17.
12

sensíveis múltiplas de manifestações externas aos sentidos; e a imaginação, que recolhe os dados
múltiplos da sensibilidade e os organiza segundo os conceitos do entendimento, formando o esquema
do objeto a ser conhecido. A intuição pura dá a forma da sensibilidade; o entendimento puro dá a
forma do pensamento; e a imaginação, com os dados puros da intuição e do entendimento — i.e. com
os conceitos puros e com as intuições puras —, constrói o esquema puro (transcendental) do objeto,
i.e. um objeto em geral. A razão, por sua vez, é o meio estruturante — simbólico e conceitual, sujeito
ao princípio de contradição 55— por meio do qual o entendimento realiza as operações mentais
envolvidas no processo de conhecimento.
Antes, porém, de analisarmos cada uma dessas sub-capacidades, bem como sua função no
processo cognitivo, a fim de evitar distorções lingüísticas e conceituais futuras, em nossa interpretação,
devemos determinar qual é e o que é o elemento que é o suporte inicial e final do processo do
conhecimento. Pois bem, qual é então este elemento: a mente, o entendimento, a sensibilidade, a
imaginação, ou a razão? Todos e nenhum em especial, pois ‘aquele-que-conhece’ é o sujeito, que é
dotado de razão e constituído por cada uma destas capacidades operativas. E que é esse sujeito?
Podemos definir, provisoriamente, esse ‘sujeito-que-conhece’, o sujeito cognoscente, como a mente
consciente (o eu) das operações realizadas pelo entendimento, por intermédio da razão, sobre as
demais capacidades. Esta consciência do sujeito de que representações são dadas em sua mente é o que
Kant chamará de apercepção transcendental (pura)56, da qual provém a possibilidade e para a qual se
encaminha todo o conhecimento, pois só através da unidade do entendimento na apercepção
transcendental é possível o conhecimento.

V. O juízo enquanto unidade do sentido


A razão, enquanto meio de representação através de signos (sinais), opera segundo
determinadas formas (leis/regras). Estas formas se manifestam nos juízos; i.e. elas podem ser
identificadas na maneira como estes são constituídos, pois os juízos são os veículos da razão para
expressar conhecimento. Enquanto tais, os juízos são entidades lingüísticas, constituídas ou:
1. por elementos da forma da razão apenas; ou
2. por elementos da forma da razão e por elementos da forma da experiência; ou
3. por elementos da forma da razão e por elementos da experiência segundo a sua forma.
Os primeiros são os juízos puros, que se referem a objetos necessários (à razão); os segundos são os
juízos puros, que se referem a objetos possíveis (na experiência); os terceiros são os juízos empíricos,
que se referem a objetos efetivos (da experiência). Os juízos puros de tipo 1 e 2 são totalmente a
priori, pois independem da experiência — ainda que os juízos de tipo 2 não independam da forma da
experiência. Os juízos empíricos do tipo 3 são a posteriori, pois dependem parcialmente da
experiência efetiva de objetos, pois em todo juízo há uma parte pura a priori, tanto do lado da intuição
(sua forma pura) como do lado do entendimento (as categorias ou conceitos puros)57.
Que significa um juízo depender ou independer da experiência? De acordo com a interpretação
que estou propondo, um juízo depender ou não da experiência significa o seguinte: O juízo, enquanto
entidade (unidade) lingüística (enquanto produto da razão, portanto, da linguagem), é um todo
representacional: enquanto todo, é composto de partes; enquanto representacional, tem a função de
estar-por-algo diferente dele. Ora, se as partes que o compõem significam — i.e. referem-se a algo que
não elas —, o todo tem sentido, e cumpre a sua função; i.e. ele representa aquilo pelo que está.
Consideremos os juízos empíricos.
Conforme Kant, na Dissertatio, a verdade do juízo empírico consiste na concordância do
predicado com um sujeito dado. O sentido, i.e. a representação dos elementos do juízo, consiste na
referência —, relação <Beziehung>, na Crítica—, do conceito do sujeito, enquanto fenômeno, à
faculdade sensível de conhecer, por meio da qual também são dados ‘‘os predicados observáveis

55
Cf. Kant, ''o critério meramente lógico da verdade, a saber, a concordância de um conhecimento com as leis universais e forma is do
entendimento e da razão [o princípio de contradição], é em verdade a conditio sine qua non [...] de toda verdade''. B 84. Ver, também,
Kant, K.r.V., B 12 e seg., e Prolegomena, § 2, A 26.
56
Para Kant, a apercepção é a consciência da percepção, é ''a completa identidade [da consciência] consigo mesma em todas as
representações'’. Kant, K.r.V., B 154.
57
Pois, conforme Kant, em K.r.V., A 96, em cada experiência, encontramos conceitos que contêm a priori o pensamento puro, estes
conceitos são encontrados nas categorias.
13

sensivelmente’’58. É, portanto, pelas mesmas leis que as representações do sujeito e do predicado se


constituem na mente, e, somente por isso, ‘‘dão ocasião a um conhecimento totalmente verdadeiro’’ 59.
Portanto, antes de verificarmos a verdade de um juízo, necessitamos determinar em que condições ele
pode ser verdadeiro, i.e. determinar os seus valores de verdade, o que equivale a verificar se ele tem ou
não sentido. Nos termos de Kant, equivale a verificar se nossas representações (os conceitos nele
expressos) se referem ou não a objetos efetivos ou possíveis60.
Um juízo depender ou não depender da experiência, ou de sua forma, significa, portanto, que
ou o seu sentido depende da experiência ou da forma desta, ou não depende da experiência nem de sua
forma. Por isso, os juízos que não dependem da experiência efetiva de objetos para terem sentido
serem a priori; e os juízos que dependem da experiência efetiva, segundo sua forma, serem a
posteriori.
Todavia, é necessário distinguir nos juízos a priori, aqueles que não dependem da experiência
para terem sentido, mas que dependem da forma desta, i.e. da sua possibilidade, da possibilidade de
um objeto ser dado na série empírica futura (a experiência possível). Os juízos a priori que não
dependem da experiência nem da forma desta são juízos de esclarecimento (analíticos), e se dão no
nível do entendimento apenas. Por meio deles o entendimento apenas pensa e torna claros conceitos ou
representações dadas de antemão. Com eles o entendimento concebe as suas regras (os conceitos) —
i.e. as regras para conhecer objetos, para receber dados da experiência sensível como objetos. 61
Os juízos a priori que dependem da forma da experiência e os juízos a posteriori, que
dependem da experiência efetiva de objetos, segundo a sua forma, são juízos de ampliação (sintéticos)
do conhecimento, que se dão no nível do entendimento também, mas que recebem a contribuição da
forma da experiência, no primeiro caso, e da experiência segundo a sua forma, no segundo. Por meio
deles o entendimento concebe objetos empíricos possíveis ou efetivos.
Os juízos de esclarecimento são, conforme Kant, analíticos, pois não é necessário que saiamos
do entendimento para que determinemos seu sentido. Os juízos de ampliação (extensivos)62 são
sintéticos, porque não basta analisar seus termos para determinarmos o seu sentido meramente pelo
entendimento, é necessário que saiamos deles a fim de consultarmos ou os dados da sensibilidade,
segundo a sua forma, ou a sua forma; tarefa esta que consiste em, por meio da imaginação, fazermos a
síntese <Synthesis> do múltiplo dado pela sensibilidade — segundo a forma da experiência — sob a
forma do pensamento63. Estes juízos (sintéticos) são, quanto à sua fonte —se segundo a experiência ou
à sua forma: ou a posteriori ou a priori.
Com isso, temos os seguintes tipos de juízos:
1. os juízos analíticos — que são sempre a priori — têm por objeto produtos do entendimento
(conceitos) ou as suas regras de funcionamento. Tais juízos não têm referência nem possível nem
efetiva fora do entendimento, pois tratam apenas do modo pelo qual estes objetos podem ser pensados
pelo entendimento, segundo suas regras, que são equivalentes às regras da razão, e têm portanto
referência necessária;
2. os juízos sintéticos a posteriori, que têm por objeto dados sensíveis segundo a forma da
sensibilidade, i.e. objetos efetivos. Tais juízos têm referência efetiva, pois tiram seu sentido de sua
correspondência efetiva com a realidade;
3. os juízos sintéticos a priori, que têm por objeto o modo segundo o qual objetos podem ser dados na
experiência, segundo a sua forma, i.e. objetos possíveis. Esses juízos têm referência apenas possível,
pois tiram seu sentido de sua correspondência com a forma segundo a qual objetos são dados na

58
KANT, I., Acerca da forma e dos princípios do mundo sensível e inteligível (Dissertatio) tr. Leonel Ribeiro dos Santos, Imprensa
Nacional, Lisboa, 1985, seção II, § 11.
59
Os fenômenos, conforme Kant, enquanto objetos indeterminados dos nossos sentidos, não são idéias dos objetos nem apresentam suas
qualidades internas e essenciais. E mesmo que estes sejam a única manifestação que podemos receber dos objetos, são contudo passíveis
de conhecimento verdadeiro. Porque, uma vez que são recebidos pelos sentidos, enquanto conseqüência de algo diferente do que
percebemos, testemunham a presença do objeto; e isto, conforme Kant, contraria o idealismo, para o qual a existência dos objetos fora de
nosso pensamento é duvidosa. Conforme Kant, mesmo que, para nós, não sejam senão fenômenos, nós podemos conhecer as coisas
sensíveis, das quais não há intelecção real, mas apenas lógica. Ibid., loc.cit..
60
Kant, K.r.V., B 300-2.
61
Ver Allison, op. cit., pp. 64-65, sobre a noção de objeto como ''sujeito de um juízo possível''.
62
Ver Kant, I., Prolegomena, op. cit., §2 (A 24-30).
63
Pois, conforme Kant, estas duas propriedades são essenciais, uma vez que sem ''sensibilidade nenhum objeto nos seria dado, e sem
entendimento nenhum seria pensado. Pensamentos <Gedanken> sem conteúdo são vazios, intuições sem conceitos são cegas''. Kant,
K.r.V., B 75.
14

experiência; seu objeto é possível à medida em que se refere ao modo como objetos podem ser dados
na experiência; têm por objeto, portanto, a possibilidade da experiência. Estes juízos servem de regras
de reconhecimento de experiência.
Portanto, por meio de 1 pensamos; por meio de 2 e 3, conhecemos.
Nos juízos sintéticos a priori, para verificarmos a atribuição do predicado ao sujeito (o seu
sentido), não basta analisar o conceito do sujeito e o do predicado; eu necessito sair do domínio
meramente judicativo, i.e. do entendimento. Porém, o fundamento dessa predicação não se encontra no
domínio da experiência. O que torna a síntese possível no juízo não é um recurso à experiência nem
tampouco a análise do conceito do sujeito e do predicado, mas um recurso à forma da experiência.
Kant dá como exemplo o juízo ‘‘Tudo o que acontece tem uma causa’’. Segundo Kant, no conceito do
que acontece pensamos a existência de algo que a precede no tempo. Mas o conceito de causa está
completamente fora do conceito de sucessão e ‘‘indica algo distinto daquilo que acontece’’ 64, não
estando portanto contido nessa representação. Como então posso afirmar, a partir do conhecimento de
que algo em geral acontece, algo tão diverso dele como o conceito de causa enquanto lhe pertencendo?
Conforme Kant, o fundamento dessa síntese não pode ser a experiência, porque ‘‘o mencionado
princípio acrescentou essa segunda representação à primeira não somente com maior generalidade,
mas também com a expressão da necessidade, por conseguinte, completamente a priori e a partir de
simples conceitos’’65.
Quanto ao sentido e à verdade, os juízos analíticos são necessários, pois são verdadeiros a
priori, e seu contrário não é possível nem pensável; os juízos sintéticos a posteriori são efetivos, pois
são verdadeiros somente a posteriori, e seu contrário é possível e pensável; e os juízos sintéticos a
priori são apenas possíveis, pois, mesmo que sejam verdadeiros a priori, seu contrário é, além de
possível, pensável. Mas o seu contrário só é possível na série empírica, que é condicionada por sua
verdade. Como esses juízos estão no princípio de todas as ciências (como axiomas) e, portanto, de todo
nosso conhecimento, pois os condicionam, sua verdade é indemonstrável. Por isso seu sentido ser
determinado a priori, e sua verdade ser suposta.
O entendimento é estruturado pela razão, que funciona segundo regras. É por meio dessas
regras que o entendimento opera. E esta operação, por sua vez, é o pensamento. Para que o
entendimento funcione bem, ele deve pensar (operar) segundo essas regras. Nesse sentido, pensar é,
essencialmente, operar a razão segundo regras. Essas regras estão na base, na estrutura, do
entendimento. São, pois, a forma como ele está estruturado, constituído. Nem o entendimento nem a
razão produzem essas formas (regras). Ele apenas as explicita nos juízos. Cabe a nós, refletindo sobre
como opera o entendimento, constituído segundo essas regras racionais, verificar os modos como os
juízos se constituem, i.e. como os formamos. Daí, se a forma do dizer (do juízo) é equivalente à forma
do logos (razão/ linguagem), ela é, portanto, lógica.
Dos modos segundo os quais os elementos, nos juízos, se relacionam, o entendimento extrai as
formas lógicas dos juízos. Estas, uma vez levantadas (na Tábua das Categorias, B 106), dão toda a
gama de possibilidades de combinação dos elementos que constituem o juízo; elas dão todas as
possibilidades de formação de juízos. Nesse sentido, essas formas são a priori, uma vez que
constituem a própria estrutura do entendimento, conforme leis inerentes. Se o entendimento opera de
acordo com estas formas lógicas, que podem ser verificadas nos juízos, todas as operações do
entendimento têm as mesmas formas; i.e. seguem (obedecem a) as mesmas regras, que são lógicas.
Um juízo, considerado segundo a sua forma, é uma estrutura composta por dois elementos
numa relação de atribuição (ou dois lugares lógicos a serem preenchidos) 66: ou seja, dois elementos
numa relação de atribuição de algo a algo. No nível da estrutura, portanto, do juízo, i.e. no nível apenas
lógico da relação de atribuição do entendimento, o lugar do elemento que recebe a atribuição — o
receptor do atributo — é o do sujeito, por isso chamado sujeito de atribuição; e o lugar da atribuição e
do atributo é o do predicado.
Estas formas, destituídas de uma relação efetiva ou possível, são vazias, e dizem respeito
apenas ao modo segundo o qual nosso entendimento funciona, i.e. o modo como formulamos juízos. O
estabelecimento dessas formas lógicas dos juízos é tarefa de uma lógica geral (formal), segundo Kant.

64
Kant, K.r.V., B 13.
65
Ibid., loc.cit.
66
Cf. Kant, K.r.V., B 324, todo conceito é um lugar lógico.
15

E uma tal lógica deve levar em conta apenas a forma segundo a qual juízos são construídos, i.e. apenas
a ‘‘forma do pensamento em geral’’67.
Conforme Kant, o princípio que rege toda a construção dos juízos é o de contradição. Segundo
esse princípio, nenhum pensamento pode contradizer-se a si próprio, no ato de sua formulação, i.e. o
predicado não pode afirmar e negar uma mesma propriedade do sujeito num mesmo juízo. Este
princípio garante a unidade do sentido do juízo, que é o veículo de todo nosso conhecimento de
objetos.
Como o interesse de Kant na Crítica é o de estabelecer os limites do pensamento e demonstrar
a possibilidade dos juízos sintéticos a priori, podemos dizer que Kant não trata senão de juízos
analíticos e sintéticos, e, especialmente, que está ocupado com verificar a possibilidade destes últimos,
pois somente por meio deles nós temos conhecimento acerca do mundo (dos objetos do mundo).
Juízos analíticos e juízos sintéticos, segundo Kant, são juízos categóricos, e, por conseguinte,
se deixam formular segundo uma relação entre sujeito (S) e predicado (P)68. No caso do juízo analítico,
não é necessário recorrer ao domínio da experiência para determinar seu sentido e sua verdade, pois o
conceito do P está contido no conceito do S; i.e. tal juízo é analítico, pois basta analisar o conceito do S
para verificar se o conceito do P se aplica a ele ou não. No caso do juízo sintético, não basta analisar o
conceito do S e do P, mas temos que recorrer ao domínio da experiência para o determinarmos quanto
ao sentido (tal como vimos acima).
Segundo Kant, a lógica geral descreve os juízos em geral como a ‘‘representação de uma
relação entre dois conceitos’’69, a saber, o conceito do sujeito e o do predicado. Kant, porém, diz que
esta descrição ‘‘atende quando muito aos juízos categóricos, mas não aos hipotéticos e disjuntivos (que
como tais contêm uma relação não de conceitos e sim de juízos)’’. Em B 100-101, Kant apresenta as
modalidades dos juízos —problemáticos, assertóricos e apodíticos — como uma função destes que se
refere ao ‘‘valor da cópula com referência <Beziehung> ao pensamento em geral’’. Conforme Kant, os

[j]uízos problemáticos <[p]roblematische Urteile> são aqueles em que se admite o afirmar


ou o negar como meramente possível (arbitrário); juízos assertóricos aqueles em que se o
considera [o negar ou o afirmar] efetivo <wirklich> (verdadeiro) e juízos apodíticos aqueles
em que se o encara como necessário.70
Na Lógica 71, encontramos uma referência importante e elucidativa de Kant acerca da
necessária distinção entre juízo <Urteil> e proposição <Satz>, cujo fundamento residiria nas
modalidades do juízo. Nela, lemos o seguinte:

É na distinção entre juízos problemáticos e assertóricos que se funda a verdadeira distinção


entre juízos e proposições, que de outro modo se costuma situar erroneamente na mera
expressão mediante palavras, sem a qual não se poderia jamais julgar. No juízo, a relação de
diferentes representações em vista da unidade da consciência é pensada como meramente
problemática; numa proposição, ao contrário, como assertórica. 72

67
Ver Kant, K.r.V., B 78-9, e Lógica, tr. por Guido Antônio de Almeida (de Immanuel Kants Logik ein Handbuch zu Vorlesungen), RJ,
Tempo Brasileiro, 1992, Ak 94/ A 144, pp. 111-12.
68
De acordo com Leibniz, a proposição categórica é o fundamento de todas as demais proposições, i.e. as modais, as hipotéticas e
disjuntivas, pois a pressupõem. Proposição categórica, para Leibniz, é aquela que pode ser descrita sob a forma ''A é B, ou A não é B —
i.e. É falso que A é B— , complementada com uma variedade de 'signum' , de modo que a proposição seja, ou universal e se entenda de
todo sujeito, ou particular e se entende de algum''. LEIBNIZ, G.W., Seis escritos de lógica, tr. por Roberto Torretti, in: Dialogos, v. 51,
1988, p. 166.
69
Kant, K.r.V., B 140. Porém, segundo Kant, se investigamos mais de perto em cada juízo a ''referência de conhecimentos dados e,
enquanto pertencentes ao entendimento'' os distinguimos ''da relação segundo leis da imaginação reprodutiva (que possui somente
validade subjetiva)'', vemos ''que um juízo não é senão o modo de levar conhecimentos <Erkenntnisse —intuições, cognições,
conhecimentos> dados à unidade objetiva da apercepção.'', Kant, K.r.V., B 141.
70
Na Lógica de Jäsche, A 169/Ak 108, § 30, lemos o seguinte: ''Quanto à modalidade, aspecto pelo qual está determinada a relaçã o do
juízo inteiro com a faculdade de conhecer, os juízos são ou problemáticos, ou assertóricos, ou apodícticos. Os problemáticos são
acompanhados da consciência da mera possibilidade; os assertóricos, da consciência da realidade efetiva; os apodícticos, por fim, da
consciência da necessidade de julgar''. Kant, I., Lógica, op.cit..
71
Ibid., loc.cit.
72
Observação 3, § 30 da Lógica, op. cit., A 170/Ak 109.
16

Toda proposição, para Kant, portanto, é um juízo, mas nem todo juízo é uma proposição, pois,
antes ‘‘de ter uma proposição, tenho primeiro que julgar; e eu julgo sobre muita coisa que não decido,
o que porém tenho que fazer tão logo determino um juízo como proposição’’. 73
Considere, agora, a seguinte passagem, no desdobramento de B 101, onde Kant parece
esclarecer a diferença entre a modalidade problemática e a assertórica:

A proposição problemática <problematische Satz> é, portanto, aquela que só expressa


possibilidade lógica (que não é objetiva), i.e. uma livre escolha de deixar valer uma tal
proposição, uma acolhida meramente arbitrária da mesma no entendimento. A proposição
assertórica diz da efetividade <Wirklichkeit> ou verdade <Wahrheit> lógica.

Em outros termos, a primeira se refere apenas à possibilidade, enquanto a segunda à verdade.


Na Crítica, Kant se interessa por todos os tipos de juízos: os categóricos, os hipotéticos e os
disjuntivos. Com base nessa elucidação, para nossos fins, porém, suporei que, na Crítica, Kant se
ocupará em pormenor da possibilidade dos juízos categóricos, em cuja classificação caem os juízos
analíticos e sintéticos, que podem ser descritos segundo a fórmula S é P, donde S e P são conceitos
colocados em relação pela cópula ‘‘é’’. Em outros termos, adoto a perspectiva segundo a qual Kant
está ocupado na Crítica em investigar a possibilidade dos juízos categóricos, em especial, os
assertóricos, i.e. os que têm a ver com a verdade.
Supondo que, na Crítica, Kant estivesse interessado, particularmente, em demonstrar a
possibilidade dos juízos categóricos assertóricos —a priori ou a posteriori74—, tal como propus, como
estes são proposições (conforme a Lógica), poderíamos dizer então que Kant estaria interessado, na
Crítica, em investigar a possibilidade da proposição em geral, em outros termos, investigar em que
condições em geral uma proposição pode ter sentido.
Como procurei demonstrar nas linhas precedentes, é possível, portanto, ler a Crítica como uma
investigação acerca do uso da linguagem. Pois, por detrás da formulação do objetivo de Kant, com a
Crítica, i.e. por detrás da pergunta acerca da possibilidade dos juízos sintéticos a priori, podemos
encontrar uma intenção mais básica e, da mesma forma, universal, que seria a de estabelecer a
possibilidade, acima de tudo, dos juízos sintéticos em geral75. Em outros termos, com a Crítica, Kant
estaria buscando responder a uma pergunta mais elementar e extremamente importante, a saber: Como
podemos falar — com sentido — acerca do mundo? Ou, em termos mais aproximados: Como seriam
possíveis juízos acerca de objetos?
Se seguirmos com atenção essa linha de raciocínio, o que encontramos por detrás da pergunta
acerca da possibilidade da proposição em geral é uma pergunta ainda mais básica, e esta sim essencial
a todo o saber humano. Portanto, se estivermos de acordo com relação ao fato de todo o conhecimento
humano ser judicativo (discursivo) — que é o resultado da operação do entendimento sobre os dados
da intuição a partir dos conceitos puros —, i.e. ser mediado pela linguagem, antes de estabelecermos a
fonte dos juízos, i.e. se são a priori ou a posteriori, ou se são analíticos ou sintéticos, o que temos de
estabelecer é, na verdade, se tais construções sintáticas têm ou não sentido, pois, caso contrário, não
poderiam expressar pensamento algum, e muito menos descrever algo verdadeira ou falsamente.
Visto dessa maneira, poderíamos interpretar a empresa de Kant com a Crítica, antes, como uma
investigação acerca da possibilidade —ou condições — do sentido de nossas proposições, uma vez
que, de acordo com o próprio Kant, o maior problema da Metafísica no seu tempo era o fato de ela não
ter clareza acerca do que estava falando, não dando, por conseguinte, sentido às suas proposições.
Sob essa perspectiva, o problema com o qual Kant se defrontaria na Crítica assume outra
dimensão, uma vez que ele mesmo vai procurar colocar a Metafísica no seu devido lugar com o
estabelecimento do domínio, dos limites e do objeto em relação aos quais nós, racionalmente (i.e. por
meio da razão) podemos buscar conhecer, e até que ponto podemos ir legitimamente, com e sem a

73
Ibid., loc.cit.
74
Por exemplo, em Kant, K.r.V., B 189, na analítica dos princípios, Kant escreve o seguinte: ''[e]ntretanto, também temos que falar do
princípio dos juízos analíticos, e isto em oposição ao dos juízos sintéticos com os quais propriamente nos ocupamos [...].''. [grifo meu].
75
Cf. Bennett, os ''usos da linguagem que não são meras respostas lingüísticas a estímulos, e que expressam juízos que não podem ser
expressos exceto em uma linguagem, se solapam ou coincidem com os usos que são mais pertinentes para ver se uma linguagem dada
emprega conceitos.''. Para Bennett, ''o interesse primário de Kant recai sobre os juízos acerca de estados de fatos gerais e passados, e que
é por isto que ele só se ocupa dos juízos expressáveis em uma linguagem, e se limita ademais às linguagens do tipo desenvolvi do que eu
digo 'que empregam conceitos'.''. Bennett, op. cit., p. 113.
17

experiência — o que, em outras palavras, seria determinar acerca do que nós, de posse do instrumental
da razão e do material da intuição, podemos falar com sentido. E isto nada mais seria então do que
estabelecer, por meio da investigação do processo da construção de juízos sobre objetos, as condições
de possibilidade de sentido desses juízos.
Como a lógica que Kant desenvolve na Crítica não é uma lógica geral (formal) — que abstrai
do conteúdo do objeto —, mas sim uma lógica transcendental, que leva em conta, não o conteúdo do
objeto, mas sim que objetos são dados a uma intuição sensível segundo as formas puras do espaço e do
tempo, e que, por meio de conceitos do entendimento, deles formulamos juízos, se interessando,
portanto, pela fonte desses juízos, as condições transcendentais do sentido deverão acompanhar toda a
argumentação de Kant 76.
Com base nisso, proponho que na Estética e na Lógica Transcendental Kant nos apresenta as
condições universais da possibilidade do sentido de nossos juízos sobre objetos: a Estética
Transcendental nos apresenta as condições de possibilidade fornecidas pela sensibilidade, e a Lógica
Transcendental, as condições de possibilidade fornecidas pelo entendimento, em outros termos, os
elementos de uma semântica transcendental.
Esta proposta de interpretação poderia indicar um caminho para uma resposta à pergunta que
Kant se faz na Carta a Marcus Herz, a saber: ‘‘sobre que fundamento <Grund> repousa a relação
daquilo que se chama em nós representação <Vorstellung> com o objeto <Gegenstand>?’’77. Em
outras palavras, como são possíveis conceitos de objetos, ou, ainda, como a linguagem pode referir-se
ao mundo. Sob essa perspectiva, a tarefa de investigar a origem e a aplicabilidade de conceitos a
objetos se aproxima de uma investigação acerca da significação das palavras. 78
Visto dessa maneira, o objetivo de Kant na Crítica é bastante assemelhado ao de Wittgenstein
no Tractatus79, uma vez que, conforme o modo como lemos o trabalho de Kant, ele, ao procurar
estabelecer os limites do conhecimento pela razão pura, sem a experiência, termina por estabelecer os
limites da razão. Mas para Wittgenstein, estabelecer tais limites implicaria fazer aquilo que se quer
evitar, uma vez que fora da razão não há sentido. Daí, não se poder falar dos limites da razão sem sair
desses limites e, portanto, falar sem sentido. Quando Kant, na Crítica, estabelece o noumeno (ou
objeto transcendental) como um parâmetro para a razão, i.e. como o limite para o conhecer, transgride
o próprio limite ao postular o empiricamente impossível, o incognoscível; i.e. o próprio limite. Kant,
portanto, infringe a regra que pretende estabelecer a fim de estabelecer a regra; ou ainda, transgride os
limites do conhecimento a fim de estabelecer este limite. Se, com o estabelecimento do noumeno como
limite para o conhecer, Kant estabelece o limite dos juízos e com eles os limites a que a razão pura (a
razão sem referência a objetos) tem de se ater no caminho do conhecimento puro, Kant estabelece, ao
mesmo tempo, os limites para o pensar com sentido, que devem coincidir com os limites do discurso
significativo.

76
Em outros termos, a lógica de Kant não é formal, e é, portanto, transcendental, porque ele está interessado em investigar como é
possível em geral que nossas proposições tenham sentido; sua preocupação, portanto, é com a possibilidade do objeto ser dado e com a
fonte do juízo, e não meramente com a sua forma. De acordo com Kant, em Kant, K.r.V., A XVI, a tarefa da Lógica Transcendental é
determinar o valor objetivo dos conceitos puros do entendimento a priori, i.e. a sua aplicabilidade a objetos da experiência possível.
77
KANT, I., Carta a Marcus Herz, tr. de António Marques, Imprensa Nacional, Lisboa, 1985, p. 142. A tradução portuguesa desta Carta
foi cotejada com a tradução francesa de ''Lettre à Marcus Herz'' de Alexis Philonenko, editada junto com a tradução de Paul Mouy de
''La Dissertation de 1770'', Paris, Vrin, 1976.
78
Pois, se, conforme Hobbes, os nomes são signos de conceitos, e não os signos das próprias coisas (Hobbes, T., Elementorum
philosophiae, sectio prima, De corpore, I, 2, sect.5 apud Cassirer, La philosophie des Formes Simboliques, op. cit., p. 80) ''[o] problema
da construção dos conceitos caracteriza o instante em que o contato entre a lógica e a filosofia da linguagem é mais estreito, onde um e
outro parecem se fundir em uma unidade indissolúvel. Toda análise lógica dos conceitos parece finalmente levar a um ponto onde
estudar os conceitos lembra estudar as palavras e os nomes. O nominalismo conseqüente reúne estes dois problemas: a seus olhos, a
validade do conceito se reporta à validade e à fecundidade da palavra. A verdade torna-se então uma determinação menos lógica que
lingüística: ''Veritas in dicto, non in re consistit''. Ela é o fato de uma concordância que não é procurada nas próprias coisas, nem nas
idéias, mas que se refere exclusivamente ao encadear dos signos, em particular dos signos fonéticos. Um pensamento absolutamente
''puro'', que não falasse, que não conhecesse a oposição do verdadeiro e do falso, que não produzisse senão na e pela fala. Assim a
questão da validade e da origem do conceito é necessariamente referida aqui ao problema da origem da palavra: a investigação da gênese
das significações e das classes aparece como o único meio de tornar inteligíveis o sentido imanente do conceito e sua função na
elaboração do conhecimento.''. Cassirer, ibid., p. 247. Sobre esta posição acerca da dificuldade de estabelecimento de um limite definido
entre lógica (linguagens artificiais) e semântica (linguagens naturais), ver MONTAGUE, R., Universal Grammar, in: Theoria, 36 (1970),
pp. 373-398.
79
WITTGENSTEIN, L., Tractatus Logico-Philosophicus, tr. Luiz Henrique Lopes dos Santos, SP, Edusp, 1993.
18

______________________
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
ALLISON, H.E. El Idealismo Trascendental de Kant: una interpretación y defensa, tr. de Dulce M.
Granja Castro. Barcelona: Anthropos, 1992.
BECHARA, E. Moderna Gramática Portuguesa. São Paulo: CEN, 1966.
BENNETT, J. La ‘‘Crítica da razón pura’’ de Kant: 1. A Analítica (Kant’s Analytic; Cambridge
University Press, 1966); tr. A. Montesinos. Madrid: Alianza editorial, 1979.
CASSIRER, E. Antropologia Filosófica, trad. por Eugenio Ímaz. México: Fundo de Cultura
Econômica, 1992.
CASSIRER, E. La philosophie des formes simboliques, 1. le langage; tr., de l’allemand Philosophie
der symbolischen Formen, par Ole Hansen-love et Jean Lacoste. Paris: Éditions de Minuit, 1972.
CHOMSKY, N. Linguagem e pensamento (Language and Mind), tr. Francisco M. Guimarães. Rio de
Janeiro: Vozes, 1971.
CHOMSKY, N. On the Notion ‘‘Rule of Grammar’’, In: The Structures of Language, Readings in the
Philosophy of Language, ed. by Jerry A. Fodor and Jerrold J. Katz, MIT, 1984.
CHOMSKY, N. Aspects of the theory of syntax (1965), Cambridge, Massachusetts, M.I.T. press, 1976.
CHOMSKY, N. Syntactic Structures (1957). Paris: Mouton, the Hague, 1968.
CHOMSKY, N. Lingüística Cartesiana (Cartesian Linguistics, 1966), trad. de Francisco M.
Guimarães. Rio de Janeiro: Vozes e Edusp, 1972.
VLEESCHAUWER, H.J. de La Deduction Transcendentale dans l’Oeuvre de Kant. Paris: Librairie
Anciénne Honoré Champion, 1934.
DESCARTES, R. Discurso do Método. In: Obra Escolhida, tr. de Gilles-Gaston Granger. São Paulo:
Difusão Européia do Livro, 1973.
HERDER, J.G. Abhandlung über den Ursprung der Sprache. In: Sprachphilosophische Schriften, von
Erich Heitel, Hamburg, Verlag von Felix Meiner, 1960.
HERDER, J.G. Sprachphilosophische Schriften, Hamburg, von Erich Heitel, Verlag von Felix Meiner,
1960.
HERDER, J. G. Extractos de Entendimento e Experiência (1799) — Uma Metacrítica à Crítica da
Razão Pura — (Aus ‘‘Verstand und Erfahrung’’: Eine Metakritik zur Kritik der reinen Vernunft,
1799), tr. de José M. Justo et al. In: Ergon ou Energueia, Filosofia da Linguagem na Alemanha Sécs.
XVIII e XIX, Lisboa, Apáginastantas, 1986.
JAKOBSON, R. Lingüística e comunicação. São Paulo: Cultrix, 1995.
KANT, I. Kritik der reinen Vernunft (K.r.V), Herausgegeben von Ingeborg Heidemann, Stuttgart,
Philipp Reclam jun., 1985.
KANT, I. Prolegomena zu einer jeden künftigen Metaphysik, die als Wissenschaft wird auftreten
können, Stuttgart, Philipp Reclam jun., 1995.
KANT, I. Carta a Marcus Herz, tr. de António Marques. Lisboa: Imprensa Nacional, 1985.
KANT, I. La Dissertation de 1770 — Lettre a Marcus Herz, trad. de Paul Mouy, 3. ed. Paris: Vrin,
1976.
KANT, I. Crítica da Razão Pura (2. ed. [B]), trad. de Valério Rohden e Udo Moosburger. São Paulo:
Abril, 1980.
KANT, I. Crítica da razão pura (1. ed. [A]), tr. Manuela Pinto dos Santos e Alexandre Fradique
Morujão. Lisboa: Gulbenkian, 1985.
KANT, I. Prolegômenos a toda metafísica futura. p. 103, trad. de Artur Morão. Portugal: Edições 70,
1987.
KANT, I. Vorlesungen über die Metaphysik, Darmstadt, Wissenschaftliche Buchgesellschaft, 1988.
KANT, I. Acerca da forma e dos princípios do mundo sensível e inteligível (Dissertatio) tr. Leonel
Ribeiro dos Santos. Lisboa: Imprensa Nacional, 1985.
KATZ, J.J. FODOR, J.A. The structure of a semantic theory. In: The structures of language, Readings
in the philosophy of language, Massachusetts, ed. by Jerry A. Fodor and Jerrold J. Katz, MIT, 1984.
KEMP SMITH. Commentary to Kant’s ‘Critique of pure reason’. London: Macmilan and Co.,
Limited, 1918.
19

LEIBNIZ, G.W. Seis escritos de lógica, tr. por Roberto Torretti. In: Dialogos, v. 51, 1988, p. 166.
LOPARIC, Z. Kant e o Ceticismo. In: Manuscrito, XI, 2 (1988).
LOPARIC, Z. Scientific problem-Solving in Kant and Mach (Dissertation presented for the degree of
Doctor of Philosophy), Catholic University of Louvain, 1982.
LOPARIC, Z. A semântica transcendental de Kant. Campinas: UNICAMP, Centro de Lógica,
Epistemologia e História da Ciência, 2000.
LYONS, J. Semantics. Cambridge: Cambridge University Press, 1977.
MONTAGUE, R. Universal Grammar. In: Theoria, 36 (1970).
PALMER, F.R. Semantics. Cambridge: Cambridge University Press, 1976.
RIEDEL, M. Vernunft und Sprache. In: Kants ursprüngliche Fragenstellung, Suhrkamp, Suhrkamp-
Taschenbuch Wissenschaft, 1989.
ROHDEN, V. O sentido do termo ‘‘Gemüt’’ em Kant. Rev. Analytica, v. 1, 1993.
STEGMÜLLER, W. A Filosofia Contemporânea. v. 2. São Paulo: EPU, 1977.
STRAWSON, P. F. Los limites del sentido: Ensayo sobre la crítica de da razón pura de Kant, trad. de
Carlos Thiebault Luis-André. Madrid: Rev. de Occidente, 1975.
WITTGENSTEIN, L. Tractatus Logico-Philosophicus, tr. Luiz Henrique Lopes dos Santos. São Paulo:
Edusp, 1993.