Você está na página 1de 47

05/02/2019 https://translate.googleusercontent.

com/translate_f

OS SANTOS SELADOS E A GRANDE MULTIDÃO


Apocalipse 7: 1-17

A cena de Apocalipse 7 é inserida como um parêntese entre a abertura do sexto e


sétimo selos. A conclusão do sexto selo nos leva aos eventos finais da história da
terra que termina na Segunda Vinda de Cristo. Com o julgamento se aproximando, as
massas rebeldes procuram se esconder da ira do Cordeiro, gritando em pânico:
"Quem pode sustentar [no grande dia de sua ira]?" (6:17). Apocalipse 7 responde a
essa pergunta: Aqueles que podem se sustentar no grande dia são os
144.000 e a grande multidão. Para isso, o Capítulo 7, é dividido em duas partes: a
primeira é preocupado 144.000 selados (7: 1-8), e o segundo descreve a grande
multidão que está na presença do trono de Deus depois de passar pelo tempo da
grande tribulação (7: 9-17).

OS SANTOS SELADOS (7: 1-8)


Revelação 7: 1-8 descreve como 144000 a partir dos doze tribos de Israel, e são
selados na fronte para protecção de destruição escatológica vinda sobre a terra.

1
Depois dessa eu vi quatro anjos em pé nos quatro cantos da terra,
retendo os quatro ventos da a terra para que o vento não sopra em terra
2
ou no mar ou em qualquer árvore. E vi outro anjo subir do nascente do
sol, tendo o selo do Deus vivo, e clamaram com alta voz aos quatro anjos
3
que foram dados a ferir a terra e o mar, dizendo: "Não prejudique a
terra ou o mar ou as árvores até que tenhamos selado os servos de nosso
Quatro
Deus em suas testas." E ouvi o número dos que foram selados,
144.000 selados de toda tribo dos filhos de Israel:

5
da tribo de Judá, 12.000 selados, da tribo de
Rúben, 12.000;
da tribo de Gade 12.000,

6
da tribo de Aser, 12.000, da tribo de
Naftali, 12.000;
de 7
da tribo de Manassés, 12.000, de
tribo de Simeão 12.000, a partir da tribo
de Levi 12.000,

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 1/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

8
da tribo de Issacar 12.000, da tribo de
Zebulom, 12.000 da tribo de José ,
12.000;
da tribo de Benjamim 12.000 selados.

NOTAS
7: 1 Os quatro cantos da terra. Esta frase foi usada no antigo Próximo Oriente como nós usar hoje , "a quatro
um

pontos cardeais" para descrever a importância global de um evento. Então Isaías fala de encontro para os desterrados
de Israel e a dispersos de Judá dos quatro cantos doterra "(Is 11:12). Ez previsto que a extremidade veio sobre as quatro
extremidades da terra (Ez. 7: 2). Os quatro ângulos em Revelação 7: 1 claramente correspondem aos dos quatro ventos
mencionados mais tarde.
Quatro ventos Os ventos no Antigo Testamento simbolizava as forças destrutivas que são os agentes de Deus. Os
ventos são os carros de Deus (Jr 4:13). Deus vem com suas carruagens como um redemoinho para executar juízos (Is 66:
15-16). Jeremias anunciou o julgamento vindouro contra Jerusalémcomo "um vento scorching" "a partir das estéreis
colinas de deserto" (Jr. 4: 11-12; cf. 23: 19-20; 51: 1- 2). O vento do Senhor veio com fúria caindo sobre a cabeça do
ímpio (Jer. 23:19; 30:23). Oséias falou do vento de Jeová vindo a partir do deserto, destruindo o fertilidade da terra
(Hos. 13:15). Daniel viu em visão os quatro ventos do céu agitando o grande mar de onde vinham as quatro bestas
(Daniel 7: 2; cf 8: 8; 11: 4). Deus ele disse Jeremias iria enviar seus quatro ventos sobre Elam e espalhará as pessoas (Jer.
49:36). Em Zacarías6: 5-7, os quatro cavalos são interpretados como os "quatro ventos [ 'espíritos', NIV] dos céus"; Isto
poderia sugerir que os quatro ventos em Apocalipse 7: 1 são "uma outra maneira de se referindo aos quatro cavaleiros do
2
capítulo 6". A seguinte declaração do livro apócrifo Eclesiástico (ouSiraque) lança algo de luz sobre o significado
figurado o vento com referência ao julgamento divino na mente judaica: "Há ventos criados para a punição em sua
raiva endureceu -lhe seus chicotes; o tempo da consumação de sua força de expandir, e desabafar a raiva de que todos
fizeram. " 3
7: 2 A partir do nascimento do sol. Como no antigo Oriente Próximo, essa frase era uma maneira de designar o
Oriente. No Antigo Testamento, a leste , muitas vezes é usado com referência a Deus. Eden estava no leste (Gn 2: 8).
Em Ezequiel, a glória de Deus veio do oriente ao templo ( Ezequiel 43: 2). No Novo Testamento, a esta sempre está
associado com Cristo. Os magos viram a estrela no leste anunciando o novo nascido rei (Matt. 2: 2, 9). Jesus é
chamado o sol nascente (Lc. 1:78, NIV) e a estrela da manhã . (Rev. 22:16). Jesus falou da o sinal do Filho do
homem que apareceu do oriente (Mateus 24: 27-30). Assim, o "outro anjo [que foi] ascender a partir do nascimento
do sol" em 7: 2 provavelmente foi encomendado pelo Cristo, ou até mesmo é possível que possam ser Cristo a si mesmo.
7: 3 Até que tenhamos selado para os servos de nosso Deus em suas testas. Esta cena é tirada de Ezequiel 9 e
pinta em linguagem simbólica a cena da destruição de Jerusalém antes do Exílio. O profeta viu na visão de um mensageiro
celestial para quem descreveu como um " homem vestido em

linho, o que trouxe sua cintura um tinteiro de escrivão". Ele era o que foi instruído para vasculhar a cidade e marcar as
testas de aqueles que foram fiéis antes de que começou o massacre dos habitantes de Jerusalém. Os carrascos eram a
indicação de que eles não devem tocarnenhum que foi marcado. O sinal sobre a frente distinguir para aqueles que eram as
pessoas se fiéis a Deus dos outros que eram infiéis e idólatras, proporcionando proteção do julgamento para vir (Ez. 9: 1-
11).
A velha idéia básica de vedação era indicar propriedade. Quando algo foi selado, como um documento, foi para sua
ratificação ou para a proteção de seu conteúdo (ver Notas sobre Apocalipse 5: 1). Esta vedação de pessoas no Novo
Testamento denota a identificação de quem são as pessoas leais aDeus O selo é algo que acontece quando uma pessoa
vai para Cristo. Ser selado com o selo do Espírito Santo é o sinal de um cristão genuíno que pertence a Deus e o sinal
de certeza da salvação. " Nele você também ", explica Pablo, "tendo ouvido o Palavra de verdade, o evangelho da sua
salvação e de ter acreditado na dele, foram selados com o Espírito Santo da promessa, que é o penhor da nossa herança
até a redenção da posse adquirida, para o louvor da sua glória " (Ef. 1: 13-14, veja 2 Cor 1: 21-22). "E nãoGrieve o
Espírito Santo de Deus, com o qual fostes selados para o dia da a redenção " (Ef. 4:30). Os cristãos genuínos são
aqueles a quem Deus reconhece como seus próprios povos. Isto é claro em Paulo: "Mas o fundamento de Deus é firme,
tendo este selo:Conhece o Senhor para aqueles que são seus; e todo aquele que invocar o nome de Cristo se aparte da
iniqüidade " (2 Timóteo 2:19). Este é o nome do povo fiel do Apocalipse, os "selados" (9: 4; 14: 1; 22: 4) porque
pertencem a Deus como sua possessão. O selo de Deus consiste nonome de Deus escrito sobre as testas: "Então olhei, e
tenho aqui o Cordeiro em pé no a pé da montanha de Sião, e com ele 144.000 que tinha o nome de ele e o de seu Pai o
nome de escrita on a frente" (Apoc. 14: 1). "E eles vão ver o seu rosto, e seu nome estará em seufrentes” (Apoc. 22:4;
cf. 3:12).
Jon Paulien nota: "Revelação 7: 1-3 é não limitada especificamente a vedação do tempo da extremidade; apenas se
4
concentra na importância do trabalho de vedação no contexto do tempo do fim ". Apocalipse 9: 4 confirma claramente
essa suposição. No o tempo da crise final da história de este mundo, o selo terá um significado ainda mais como um

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 2/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

sinal de protecção, bem como na visão de Ez 's que foram marcados foram protegidos durante os ensaios que caíram
sobre Jerusalém (9: 1-7). O seguinte texto dos Manuscritos do Mar Morto indica que alguns gruposJudaica antecipar a
repetição escatológica da visão de Ezequiel: "Mas tudo o resto será entregue ao a espada quando o Messias de Aarão e
de Israel vem, assim como aconteceu durante o tempo da primeira punição, como disse Ezequiel: 'los Coloque um sinal
em o rosto para os homens que gemem e choram(Ez. 9: 4), mas o resto de lhes foi dada a espada que foi retalia para
as violações do Pacto. E este é o veredicto sobre todos os membros da aliança que não ser segurar firme para essas leis;
5
eles estão condenados a da destruição de Belial. "
A vedação escatológico, como sinal de proteção, é paralela também para a marca de "a porta da casa com o sangue
do cordeiro pascal designado para proteger a dos israelitas das pragas do Êxodo, que começou a libertação de Israel"
6
(Êx. 12: 21-23). É a ratificação final as pessoas de Deus para ser fiel a ele na crises final. Sendo selado, as pessoas de
Deus é sob a proteção especial Espírito Santo das forças destrutivas dos sete últimos flagelos. Este é exatamente o
que que Jesus queria para dizer quando ele prometeuproteger aos crentes de Filadélfia "a partir do momento do teste
que está para vir sobre aqueles que habitam sobre a terra . " (Ap 3:10).
Enquanto na Revelação os fiéis pessoas de Deus é selado (Rev. 9: 4; 14: 1; 22: 4), está descrito no que é contrário a
Deus e o evangelho como marcada com o nome do animal. Como tal, eles são propriedade do animal (13: 16-17; 14: 9;
16: 2, 19:20; 20: 4). Enquantoo selo de Deus é no nome de Deus sobre as testas, a marca da besta é o nome da besta
sobre a testa ou sobre a mão . (Rev. 13:17). "A recepção da marca da besta e o selo de Deus, que é em o nome da
besta ou de Deus, denotando conformidade com o caráter de Satanás ou de Deus. No conflito final todos têm a imagem
7
do demônio ou do divino. " (sobre o rótulo como o teste decisivo na a crises final, ver Notas sobreApocalipsis 13:16).
7: 4 E ouvi o número. Esta frase aparece aqui e em 9:16. Enquanto aqui Juan sabe o número do

aldeia selo de Deus em 9:16 é dito que os inimigos de Deus são dois centena de milhões. Ambos os números devem, de
claro, ser tomado como simbólica.
144.000. Este número é composto de doze multiplicado por doze e depois multiplicado por mil. Doze é o número das
tribos de Israel; Também é o número da igreja construída sobre o fundamento dos doze apóstolos (cf. Ef. 2:20). Na Nova
Jerusalém, os doze portões receber onome das doze tribos de Israel, e seus doze fundações têm os nomes dos doze
apóstolos, representando bem o Israel do Antigo eo Novo Testamento. E 144 (12x12) representa o todo de Israel, que
é para dizer, o todo das pessoas de Deus , tanto dos tempos do Antigoa partir do Novo Testamento.
O número 1.000 (heb. ' Elef ) pode ter diferentes significados no Antigo Testamento. Pode ser um número literal de
exatamente 1.000. Mas também pode denotar uma subdivisão tribal (Números 31: 5, Josué 22:14, 21; 1 Sm 10:19; 23:23;
Mq 5: 2) ou uma unidade militar de cerca de1.000 soldados Israel como nação foi administrativamente organizado em
unidades tribais. Em tempos de guerra, sem no entanto, seu exército foi organizado em unidades militares em 1000 com
suas subunidades (Num. 1:16; 10: 4; 31: 4-6; 1 . Sam 08:12; 18:13; cf. Êxodo 18:21, 25; 1 Sm 22: 7). Mil era assima
unidade militar de base na antiga Israel. A frase "milhares de Israel" é usado como um sinônimo para o exército de Israel
8

e tem a mesma conotação como "os batalhões de Israel". Os 144.000 selados são compostos de 144 unidades militares,
9

doze de cada tribo, significando um total de Israel com suas doze tribos. John usa estas imagens de batalha para
10

pintar a "igreja no aspecto de combate terrestre, a " igreja militante". Uma vez que 144.000 estão sobre a passar através
da grande tribulação é natural e muito adequada compreensão dos santos selou o capítulo7 em termos de um militar
militar organizada em unidades que seguem o modelo do velho sistema militar de Israel.
De cada tribo dos filhos de Israel. Uma maneira de entender é que ela aponta para o Israel literal. Outros
argumentam que Israel aqui refere-se simbolicamente para a igreja como o Israel espiritual. O problema com a primeira
ideia é que as doze tribos não existem mais. O Reino Norte de Israel, que foi composta de dez tribos desapareceram a
partir da história com as conquistas Asiria no século oitavo a. C. (2 Reis 17: 5-23). A maior parte das pessoas que
pertenciam a essas dez tribos foram deportados da Palestina e foram espalhados entre as nações do PróximoLeste
No curso da história, chegaram a ser equacionada com essas nações (ver 2 Rei. 17: 24-41) ou amalgamadas entre si.
Assim, como no tempo de João, havia apenas duas tribos , as doze tribos não mais representam "uma entidade histórica ,
11
mas apenas teológica".
Em adição, a lista das doze tribos em Apocalipse 7 difere de qualquer lista no Antigo Testamento:

Apocalipse 7 Gênesis 49 Números 1:5–15 Ezequiel 48

Judá Rubén Rubén E

Rubén Simeão Simeão Aser

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 3/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

vagabundear Levi Judá Naftalí


Aser Judá Issacar Manassés

Naftalí Zabul Zabul Efraín

Manassés Issacar Efraín Rubén

Simeão E Manassés Judá

Levi vagabundear Benjamin Benjamin

Issacar Aser E Simeão

Zabul Naftalí Aser Issacar

José José vagabundear Zabul

Benjamin Benjamin Naftalí vagabundear

A lista dos paralelos no fim das tribos é diferente: Judá vem em primeiro lugar, antes que Reuben, o maior dos filhos
de Jacob. Como observou Douglas Ezell: "Judá não é colocado primeiro em qualquer lista das tribos no Antigo
Testamento (Gn. 49;Eze. 48). Esta mudança é facilmente explicado quando ele é lembrado que o Cordeiro, o Messias
12
veio a partir da tribo de Judá (Ap 5: 5-6). Ele está na cabeça de este círculo expandiu as pessoas de Deus. "
Eles são omitidos Dan e Efraim, e as tribos de José e Levi está incluído, mesmo quando o Antigo Testamento não
menciona uma tribo de Joseph. Na verdade, Joseph, como o filho favorito de Jacó, recebeu uma dupla parte em tais uma
maneira que seus dois filhos, Manassés e Efraim, veio a ser o cabeças das tribos. Israel tinha realmente treze anos em
lugar de doze tribos. A décima terceira era a tribo de Levi, a tribo sacerdotal, que nunca recebeu a herança. As tribos de
Dan e Efraim no Antigo Testamento são descritas como apóstatas. Em seu discurso no leito de morte, Jacob falou
daDan como "cobra ao longo da estrada, cobra junto ao do caminho, que morde os calcanhares do cavalo, e faz cair para
trás o piloto" (Gn 49:17). No estágio tribal da história de Israel, aqueles da tribo de Dan era um feito imagem de tamanho
(Juízes. : 27-31 18). Durante o tempo da monarquia dividida, Dan veio a ser um dos os centros de culto idólatra que
competiram com o templo em Jerusalém (1 Rei. 12: 29-30; 2 Rei. 10:29). Uma referência interessante a Dan é
encontrada em Jeremias: "De Dan você ouviu o bufo deseus cavalos; o som do relinchar dos seus corcéis tremia toda a
terra; e eles vieram e devoraram a terra e sua abundância " (Jeremias 8:16). Estes textos foram entendidos mais tarde
por os rabinos judeus como se referindo a do Anticristo viria a partir da tribo de Dan.
A mesma forma, Efraim chegou a ser um símbolo da cair e a idolatria de Israel os profetas (Hos. 4:17; 8: 9-11; 12: 1;
cf. 2 Cr. 30: 1,10). O salmista descreve a Efraim como "arqueiros armados, eles se voltaram a volta no dia da batalha. Eles
não mantiveram o pacto de Deus " (Salmo 78: 9-10). No o tempo de Isaías, Efraim foi confederadas com a Síria
contra Judá (Is. 7: 2-9), colocando e do lado dos inimigos do povo de Deus. Ele é muito provável que, por motivo da
tradição, John falhou para Dan, bem como a Efraim, a lista deas tribos, e incluiu a tribo de Levi que não foi contada entre
as doze tribos no Antigo Testamento. Ele parece claro, então, que John estava em vista para a igreja, não para Israel
literal. No Novo Testamento, a igreja cristã é o novo e verdadeiro Israel deDeus (cf. Rom. 2: 28-29; 9: 6-8; Gal. 3:29;
6:16; Sant. 1: 1) e o recipiente todos os privilégios e as promessas anteriormente dada a Israel Velho Testamento

EXPOSIÇÃO

7: 1 Mais tarde, na visão, João vê quatro anjos em pé nos quatro cantos da terra,
retendo os quatro ventos da terra. Este "hold" dos quatro anjos podem contraste com
o "chamado" de quatro pilotos Rev. 6. O fato de que as quatro criaturas vivas chamam
os quatro cavalos para deixar sugere que os quatro anjos quereter os quatro ventos
podem ser os quatro seres viventes , que, como vimos anteriormente, são anjos
exaltados (Apoc . 4: 6-7).
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 4/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

Esses anjos são evidentemente agentes de Deus designados para restringir as forças
destrutivas, que são simbolizadas em termos dos quatro ventos, de destruir a terra, o
mar ou qualquer árvore. A terra e o mar denotam universalidade. No capítulo 10,
encontramos o anjo poderoso em pé no mar e na terra (10: 5). Ai para oterra e mar ,
porque Satanás tem desceu sobre eles (12:12). Deus é o criador do céu, da terra e do
mar (14: 7). No capítulo 7, a terra e o mar aparentemente têm um simbolismo negativo.
Ele é especialmente interessante que a terra e mar são os lugares de onde vêm as duas
bestas de Apocalipse 13. As árvores aquiEles simbolizam a vida da terra. Assim ,
encontramos nesses textos os desastres e eventos iminentes do fim dos tempos que vêm
sobre a terra, que são de natureza universal.
7: 2-3 João então vê outro anjo ascender do nascer do sol, trazendo o selo do
Deus vivo. Este anjo que vem do leste é no controlo final. O conceito de "nascimento
do sol" que é encontrada em outros lugares no Novo Testamento está associada a
Cristo. O fato de que este anjo comanda os quatro anjos de umhierarquia superior,
presumivelmente querubins, sugere que ele é o comandante dos exércitos celestes; no
livro de Apocalipse, o comandante dos anjos celestiais é Miguel (12: 7), e Michael,
evidentemente, é Cristo. Não há dúvida de que na aparição deste anjo tem a presença
de Jesus ele mesmo.
Este anjo ordena que os quatro anjos exaltados não deixem ir estas forças
destrutivas até que tenhamos selado os servos de nosso Deus em suas testas. Aqui
você pode ver várias coisas. Primeiro, Cristo é apresentado como o encarregado de
tudo e no controle do momento em que os últimos eventos ocorrerão. Ele não
permitirá que os eventos finais entrem em ação até que o povo de Deus seja selado.
Em segundo lugar, antes de que trata a grande tribulação tempo do fim, o povo fiel
de Deus tem que ser carimbada em suas testas , a fim de ser protegido. O principal
objetivo da vedação do povo de Deus é para dar-lhes o segurança da salvação. Ao
receber Cristo e se render a ele, uma pessoa

recebe o selo da propriedade de Deus e é selado pelo Espírito Santo (2 Coríntios 1:


21-22; Efésios 1: 13-14; 4:30). A presença do Espírito Santo é o sinal de que tal
pessoa pertence a Deus como sua própria possessão. Paulo resume o selo de Deus
nestas palavras: " O Senhor conhece os que são seus" (2 Timóteo 2:19). A vedação
obviamente correspondelavagem das roupas, tornando -os branco no sangue do
Cordeiro (Rev. 07:14 ;. 22:14). O selamento é, portanto, o sinal simbólico de um
cristão verdadeiro ou genuíno. O selo é o que distingue a tal pessoa dos outros. Ezell
diz: "Assim, desde os dias de João até o fim, o selo de Deus da deles por meio da
ofertaEvangelho continua durante todo o período compreendido entre a cruz e a
ressurreição para o fim. Aqueles que têm o selo de Deus em suas testas (Apocalipse 7:
13

3 . ) Vai ser realizada no grande dia do i r a " .


Na crise final da história deste mundo, o selamento alcançará significado e
importância adicionais: é a ratificação final do povo de Deus que será a favor de
Deus na crise final. Beatrice S. Neall nota:

O selo de Deus é o propósito de proteger os santos do poder demoníaco


que torturou os homens de maneira a buscar a morte antes da vida (Apoc . 9:
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 5/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

4-6). Também os santos estão protegidos contra os sete últimos flagelos, que
caem única sobre os adoradores da besta (16: 2). O selo entãoproteger os
santos de serem derrotados pelo inimigo e dos julgamentos de Deus. Não a
protecção da ira da besta (13:15, 17) forma Da mesma forma, a marca do
animal protege a seus seguidores a perseguição da besta, mas não da ira de
14
Deus (14: 9 1 1 ) .

Na mesma linha de pensamento, Hans K. LaRondelle explica:

Os servos de Deus já estão de posse do selo espiritual do Espírito Santo


recebido no batismo em Cristo. Por que , portanto, estão "em Cristo". Mas
unicamente depois que os servos de Deus desde o tempo da ordem ter sido
testado em relação a marca da besta e ter encontrado leal para a morte, eles
vão receber a partir de suaanjos da "vedação" apocalíptico singular como a
marca da aprovação divina e blindagem contra as forças da morte e o d e s t
15
r u cc i ou n " .

À medida que o fim se aproxima , o fiel remanescente de Deus deve proclamar ao


mundo a mensagem final do evangelho . Depois disso, eles devem percorrer os
eventos pelo fim da a história deste mundo, que se refere a como "a grande
tribulação". Durante esse tempo de crise, você precisará da proteção especial do
Espírito Santo. Em seguida, eles vão experimentar o cumprimento dopromessa de
Cristo dada aos crentes em Philadelphia: "Por muito ter mantido a palavra de minha
paciência, eu também irá mantê -lo a partir da hora do julgamento que está chegando
em que habitam sobre a terra" (Ap 3:10). . Assim como todos os israelitas que
marcaram as portas de sua casa com o sangue do cordeiro pascal foramprotegido
contra as pragas do Ex (Ex. 12: 21- 23), e como o fiel marcado na visão de Ez foram
protegidos durante os ensaios que caíram sobre Jerusalém (9: 1-11), de modo que o
Espírito Santo irá proporcionar uma protecção especialmente para os cristãos no
tempo de julgamento escatológico.
Apocalipse 7 indica claramente que é vedado para as pessoas de Deus não isentar -
los a partir do momento do teste, evidentemente, sofrendo de fome, sede, e o calor
escaldante da quarta praga (Rev. 07:16 ;. Cf. 16: 8- 9) - mas para passar no teste com
segurança (ver Apocalipse 7:14). Seja ele que qualquer que seja a vedação, é ,
obviamente, um processo pelo qual cada cristão deve acontecer, e que clímax e um
novo significado apenas antes para a Segunda Vinda. A vedação de Revelação 7 deve
ser entendido como o ponto culminante final do processo de selagem sobre a terra,
quando a palavra da evangelho chegou ao fim e a graça não estar disponível.
Finalmente, o texto sugere que até que vem a tempo do teste, os maus serão
parcialmente protegidos juntamente com o justo. Como os ímpios perseguem o povo
fiel de Deus, eles experimentar os juízos das sete trombetas como uma antecipação da
sua destruição final. Os ensaios preliminares do toque das sete trombetas, sem no
entanto, sãoparcial e incompleta. Mas quando chega a hora da grande tribulação eo
povo de Deus é totalmente selado e identificado como Deus 's própria, e protegidos
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 6/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

como tais, os anjos que parou o vento vai liberar as forças destrutivas das pragas
finais (Apoc. 16). Então o ímpio vai experimentar a força, a gravidade e a
universalidadeCompletar os desastres finais que caem sobre a terra. Como Pedro
declarou: "O Senhor sabe libertar os piedosos da tentação e pôr de lado os injustos
para serem punidos no dia do juízo" (2 Pedro 2: 9).
7: 4-8 João ouve o número dos selados do povo de Deus: 144.000 selados de cada
tribo dos filhos de Israel. Tanto o número e Israel

Eles devem ser entendidas simbolicamente referindo-se a igreja como o verdadeiro


Israel de Deus. No Novo Testamento, os seguidores de Cristo constituem o novo Israel
como o povo de Deus. Por exemplo, quando Santiago envia saudações aos "doze
tribos que estão na dispersão" (Tg. 1: 1), ele pensou a igreja. Paulo chamou os
cristãos na Galácia de "Israel de Deus" (Gl 6:16), que são ossemente de Abraão e
herdeiros das promessas de Deus (Gal. 3:29). Em outro lugar , ele explica que "nem
todos os que descendem de Israel são israelitas" (Romanos 9: 6-8). Isto concorda com
as palavras de Jesus que fizeram claro que os doze apóstolos têm substituído as doze
tribos de Israel (Mat. 19:28). Ao descrever o povo de Deus do tempo do fim
emtermos de Israel do Antigo Testamento, John estava em harmonia com o conceito
geral do Novo Testamento segundo a qual os seguidores de Jesus Cristo são o
verdadeiro Israel de Deus, aqueles que recebem todos os privilégios e as promessas
que anteriormente tinha dado a idade Israel de Deus.
A descrição simbólica de que os santos selados são 144.000
12000 de cada tribo-é especialmente importante para a identificação correcta deste
grupo , bem como o o grupo mais adiante referido para como o grande multidão (7: 9).
O contexto mostra que os 144.000 devem ser tomados como um número simbólico em
vez de um número literal. O número aqui "não denota uma limitação numérica doque
6
são selados", mas mais b i e n s u " p e r f ecc i ng f i n a l " . E l p u e b l ou s e II
para fazer de D i I e s t a a h ou R a e n e l limiar da grande tribulação que tem de vir
sobre os habitantes da terra . (Ap 3:10). Eles devem entrar na maioria das batalhas da
história deste planeta. Ele é bastante apropriado para esperar que John descreve -los
como o grande exército de Jesus Cristo organizada em unidades militares , como o
modelo da antiga Exército de Israel em tempos de guerra (ver Nm 1:16, 31: 3-7).
Cada tribo aqui tem doze unidades militares que consistem em 1.000 soldados, um
total de 144 unidades.
Os 144.000 santos selados são representados aqui como um exército organizado
sob a liderança de Jesus Cristo. Seu número representa o todo de Israel pronto para
entrar na batalha do grande dia do Deus Todo-Poderoso contra Satanás e seu
exército. Mais tarde na visão, João vê outro exército, o adversário de Deus e inimigo
de seu povo, que está pronto para a batalha, e ouve seu número, que é duzentos
milhões (9:16).
O número 144.000 simbolicamente designa os verdadeiros e fiéis seguidores de
Jesus Cristo do tempo do fim como o Israel de Deus. As tribos de Dã e Efraim são
excluídos da lista. No Antigo Testamento, ambas as tribos são descritas como
apóstatas. Isto sugere que a infidelidade
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 7/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

destas duas tribos pode explicar sua exclusão da lista das tribos do Israel
escatológico. Os 144.000 são o verdadeiro Israel, puro e sem defeito (Apocalipse 14:
1-5). Eles "têm lavado suas vestes e a ter as branquearam no o sangue do Cordeiro"
(7:14). Mais tarde eles são descritos como "aqueles que não foram contaminaram com
mulheres, paraEles são virgens. Estes são os que seguem o Cordeiro aonde quer que
ele vá. Estes foram resgatados a partir de entre os homens como primícias para Deus e
do Cordeiro; e em suas bocas não foi encontrado deitado, porque eles são sem mancha
diante do trono de Deus "(14: 4-5). A infidelidade e apostasia demonstrado por as
tribos de Dã e Efraim não têm lugar entrepovo fiel de Deus que têm que passar pelo
tempo da grande tribulação. Eles são selados e, portanto, protegidos por Deus.
Somente as pessoas vitoriosas de Cristo, realizar-se um dia, a presença do trono de
Deus (como o cumprimento da promessa E dada em Apocalipse 03:21.) Receber sua
herança eterna (Apoc. 7: 14-17).
Os 144.000 são os santos do tempo do fim, os representantes de todo o povo fiel de
Deus através dos séculos. O crises fim do que tem que acontecer é um símbolo de
que que o povo de Deus têm experimentado desde a morte de Abel.

A GRANDE MULTIDÃO (7: 9-17)


A primeira parte de Apocalipse 7 respondeu à pergunta sobre aqueles que serão
capazes de se levantar diante da ira de Deus e do Cordeiro; A próxima seção aponta
para aqueles que passaram pela grande tribulação e participam da salvação
escatológica.

9
Depois destas coisas olhei, e eis grande multidão que ninguém se
podia contar, de toda nação, e tribo , povo e língua, em pé diante do
trono e diante do Cordeiro, vestidos de vestiduras brancas , e com palmas
10
nas suas mãos. E eles gritaram em alta voz , dizendo: "Salvação ao
nosso Deus sentado no trono e ao Cordeiro".
11
E todos os anjos estavam ao redor do trono e os anciãos e os seres
viventes, e eles caíram em suas faces diante do trono e adoraram a Deus,
12
dizendo: "Amém! Bênção e glória e sabedoria e gratidão e honra e
poder e força ao nosso Deus para sempre. Amém!
13
E um dos anciãos responderam-me: "Estes

14
vestidos de vestes brancas, de quem são eles e de onde vieram? ” E eu
disse:“ Meu Senhor, você sabe ”. E ele disse-me: Estes são os que vêm da
grande tribulação, e lavaram as suas vestes e as branquearam no sangue
do Cordeiro.

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 8/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

15
Portanto eles estão diante do trono de Deus, e adoram-no dia e noite
em seu templo, e aquele que estava sentado no trono espalhará seu
16
tabernáculo sobre eles. Eles não terão mais fome ou sede, nem o sol
17
cairá sobre eles ou qualquer calor, pois o Cordeiro que está no meio do
trono os guiará e os guiará para fontes de água viva; e Deus enxugará
toda lágrima de seus olhos ".

NOTAS
7: 9 E olhei, e eu aqui, uma grande multidão que não se podia contar. Visto superficialmente, este grupo é
diferente da 144.000 mencionada acima. Enquanto o primeiro grupo foi numerado e consistia nas doze tribos simbólicas
de Israel, o segundo é dito que ninguém poderia contara multidão, e eles são os redimidos de "toda nação e tribo e povo
e idioma". No entanto , as evidências sugerem que os 144.000 e a grande multidão são um e o mesmo grupo.
Este conceito é baseado no fato de que John usa uma técnica literária especial que vem em jogo aqui. De acordo com
esta técnica literária, de modo que John primeira ouvida na visão e o que nós mais tarde ver é realmente um e a mesma
coisa. O que você vê é realmente a explicação além do que ele ouviu antes. Por exemplo, no prefácio do livro, John
"ouve uma voz forte como uma trombeta" por trás de ele (1:10); quando ele se vira, ele vê um trompete , mas Jesus
andando no meio dos sete castiçais (1: 12-13). No capítulo 5, ele ouve o Lionda tribo de Judá ele tem expirado; quando
ele dá de volta para ver o leão vê o Cordeiro como tinha sido morto (5: 5-6). Mais tarde, no capítulo 17, ele ouve falar da
" grande prostituta sentada em muitas águas"; o que ele vê mais tarde é "uma mulher sentada em um animal
escarlate", cujo nome é Babilônia (17: 1-5). Na última visão, John primeira ouvida de "a noiva, o Cordeiro 's esposa",
mas realmente ver 'a santa cidade de Jerusalém' em sua glória, simbolizado por pedras preciosas (21: 9-12).
Essa técnica literária é a chave para entender esses dois grupos do povo de Deus no capítulo
7. John primeira ouvi o número de 144.000 , como as pessoas de Deus na ordem de batalha e carimbada no chão.
Então, em 7: 9-14, quando ele vê esse mesmo grupo, eles parecem , na verdade, como uma grande multidão que ninguém
pode contar. Estamos em concordância com os estudiosos a concluir com razão, que a 144.000 e o grande multidão
17

são o mesmo grupo de pessoas de Deus em seus diferentes papéis e circunstâncias.


Herman Hoeksema explicou que

a multidão incontável e os 144.000 não são tipos diferentes de pessoas, mas basicamente o mesmo. Isto é,
em primeiro lugar, pelo fato de que a grande tribulação é um dos as ideias , levando em ambas as passagens,
o alto-falante da 144.000 e o que agoraestamos analisando. Na verdade, ambas as passagens são a razão a
razão para o que são revelados, a da vinda da grande tribulação da igreja. O propósito das duas passagens
claramente é revelado para a Igreja sua posição precária no mundo, e não , no entanto, a sua

segurança sobre a grande tribulação. A única diferença é que os 144.000 ainda enfrentam a tribulação, enquanto
a multidão inumerável já passou por ela. Ele é muito claro que é a mesma multidão: a um apresentado no
meio da grande tribulação, ou mais bem, como um pontopara passar através dele, e o outro apresentou
como que e a experiente e o tenha expirado. Por que , portanto, é a mesma multidão, só isso em diferentes
estados em diferentes momentos, e por assim muito com diferentes pontos de vista. Na primeira parte que
eles são cerca dea terra; na segunda parte são já na glória, na nova economia do reino que está concluída. No
18
primeiro eles são na tribulação; no segundo e eles passaram através dessa tribulação.

Com as palmas das mãos nas mãos. As folhas de palma são um símbolo de triunfo e vitória. Quando, sob a
condução dos Macabeus, Jerusalém foi libertada a partir da opressão religiosa de Antíoco Epifânio, as pessoas celebraram
19
a vitória com folhas de palmeira , com harpas e salmos. ina ocasião da entrada triunfo de Jesus a Jerusalém, a
multidão saudou por acenando palmas (João 12:13) Aqui, em Apocalipse 7 a remidos são apresentados como
celebrando a vitória por acenando folhas de palmeiras.
7:14 a grande tribulação. Esta frase é usado primeiro em Daniel 12: 1: "E se o tempo de angústia [ no Antigo
Testamento grego," tribulação "], que não era uma vez havia pessoas antes; mas em que momento você vai ser entregue
suas pessoas, todos aqueles que são Hallen escrito no livro. "Provavelmente o mesmo tempo de crise , que Cristo
prometeu para preservar os crentes de Filadélfia: "Porque tu tens mantido a palavra de minha paciência, eu também vai
manter-te a partir da hora do julgamento que está vindo em aqueles que habitam sobre a terra" (Apocalipse 3:10) Esta
hora de teste ou de grande dificuldade é descrito em detalhes em Rev. 13: 11-17, e nos capítulos 15-18.

EXPOSIÇÃO
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 9/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

7: 9-14 Na primeira metade do capítulo, John ouviu o número de 144.000 como a


cidade selo de Deus. Quando é dado de volta para eles, realmente vê uma grande
multidão que ninguém se podia contar. Superficialmente, a grande multidão e os
144.000 parecem ser dois grupos diferentes. Sem Mas um olhar mais cuidadosamente
sugere que eles sãoum e o mesmo grupo do povo redimido de Deus em diferentes
papéis, circunstâncias e períodos, e de diferentes pontos de vista. Hoeksema diz: " Na
primeira parte estão na terra; na segunda parte e estão na glória da nova economia do
reino que está concluída. Em o p r i m e r um e s t a n e n l a t r i b u l ac i ou N ; e n l
20
a s e arma dá e para h para n p a s para fazer por e ll um . e a n ou n ece s i t um n l a
21
p r ou t ECC i ng d e l s e onde a m i e n t , ou d i v i n o.
Para ver a multidão, o desenvolvedor notas que são de cada nação e tribo e povo, e
língua . Isso lembra o "reino dos sacerdotes" descrito anteriormente como o povo de
cada nação, tribo, povo e idioma (Apocalipse 1: 6, 5: 9). Como que título foi tomada a
partir do Antigo Testamento e transferidos para os seguidores de Cristo, de modo que
este enumeração das tribos é umdescrição simbólica dos seguidores de Cristo. Aqui
temos a conclusão dos servos de Deus mencionados na cena da abertura do quinto selo
(6,11).
Podemos ver que os 144.000 pé no limiar de que ele é conhecido

como "a grande tribulação" (7:14) ou "o tempo do test" (3:10) está pronto para lutar
contra a maior guerra na história da humanidade. Para abrir os sete selos, João
descreve os ensaios e atribulações do povo fiel de Deus através da história até o
retorno de Cristo à Terra. A grande tribulação para o qual tem de passar o povo de
Deus do tempoo final é o culminar dos ensaios e atribulações que o povo de Deus
têm sofrido desde os dias de João até o fim. A 144.000 são, por assim , portanto,
apresentado como o povo militante de Deus, o verdadeiro Israel dividido em doze
tribos e organizados em unidades militares após o modelo do exército de Israel do
Antigo Testamento.Eles são selados com o propósito de serem protegidos dos justos
julgamentos de Deus que estão prestes a cair sobre os iníquos.
A grande tribulação em si não é descrito em Apocalipse 7, mas mais tarde em
Apocalipse 13: 11-17 e capítulos 15 a 18. John está interessado aqui não na aflição
em si, mas mais bem na questão levantada anteriormente pelos ímpios: "O grande dia
da sua ira tenha chegado, e que é capaz de manter -se?" (Apoc. 6:17). A resposta para
a pergunta é clara:a grande multidão que está diante do trono de Deus. Eles e os
144.000 são o mesmo grupo. Enquanto anteriormente foi apresentado como o grupo
militar do limiar da grande tribulação, pronto para se engajar na batalha, agora que
mencionou como aqueles que estão saindo da grande tribulação . (Ap 7:14). A
grande tribulação está por trás, e obatalha já terminou. Por esta razão o povo fiel de
Deus não está organizada em unidades militares, mas são apresentados como uma
multidão alegre, que transforma a batalha e celebra a vitória triunfante.
A grande multidão aparece vestida de branco e com as palmas nas mãos. Tanto as
roupas brancas como as palmas são sinais de triunfo e vitória. As roupas brancas nos
lembram generais romanos e soldados vestidos de vestes brancas comemorando seus
22

triunfos após uma guerra bem - sucedida. A cena também que lembrar o folhas de
palmeira queEles foram usados para a celebração e alegria festival da vitória militar.
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 10/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

Aqui temos a satisfação da promessa dada aos vencedores em Sardes, que eles
andariam na frente de Cristo vestido com vestes brancas (3: 4-5; cf. 3:18). Ele diz que
a grande multidão se lavaram as suas vestes e as branquearam no o sangue do
Cordeiro. (7:14) Como o sangue do cordeiro pascal noporta da casa protegido os
israelitas das pragas do Êxodo, e o sangue do Cordeiro, Cristo mesmo, desde a
liberação do Israel escatológico (cf. Apoc. 22:14). Seu triunfo é um resultado da
grande vitória de Cristo realizado na cruz. A grande promessa dada em Apocalipse

3:21 agora chegou ao seu cumprimento. Os vencedores de todos os tempos têm sua
parte com Cristo em seu trono.
O grito da multidão resgatada antes do trono revela que sua vitória é não o resultado
de seus próprios esforços e realizações: Salvação ao nosso Deus sentado no trono e
para o Cordeiro. A multidão remidos não dizer nada sobre suas próprias realizações.
Foi Deus quem os protegeu e os preservou durante as horas de suas provações e
angústias. Sua vitória é, então Portanto, o resultado do que Cristo tem feito para eles ,
em vez do que eles têm conseguido em seu próprio país. William Barclay ele diz no
seguinte maneira:

O clamor dos fiéis Triumphant atribuído a salvação de Deus. É Deus


quem trouxe -los por meio das provações e tribulações e angústias; e agora
eles compartilham sua glória. Deus é o grande salvador, o grande libertador
de seu povo. E a versão que ele dá não é a liberação da fuga, mas a
liberação da conquista. Não é uma libertação que salva o homemproblemas,
mas um que os conduz na forma triunfante através dos problemas. Ele faz
que a vida é mais fácil, mas a fazer grande. Ele é parte da esperança cristã
encontrar uma vida no que o homem é salvo das dificuldades e as
ansiedades; a esperança cristã é que o homem em Cristo pode apoiar
qualquer tipo de dificuldade e desconforto, e permanecem em pé através de
23
todo e onde a s , e s a li r e n g l ou r i um a l ou t r ou l para fazer.

Em Apocalipse 7: 10-12 , temos uma repetição do hino de Apocalipse 5: 9-14. A


sua finalidade pode ser a mostrar que em Rev. 7 t e n e m I e L c u m p li m i o e n t , ou
24
a partir de l a p r ou m e s a d a dar e n 3 : 21. P ou ca u s para os s ou morte sobre a
cruz, Cristo foi "comprado por Deus" com seus sanguíneos pessoas "de toda tribo,
língua , povo e nação" e tem feito um " reino e sacerdotes para o nosso Deus, e ele vai
reinar sobre a terra "(5: 9-10). Os remidos de Apocalipse 7, "de cada nação e tribo e
povo e idioma", reconhecem que a salvação deles Não é o seu mérito , mas um
resultado do que Cristo tem feito para eles (7: 9-10).
A cena do Apocalipse 7 refere-se a experiência do povo de Deus através da
história da grande controvérsia entre o bem eo mal. A 144.000 selado e a grande
multidão do povo de Deus vestidas com túnicas brancas, tendo passado através da
grande tribulação estão relacionados de uma forma especialmente com os mártires sob
o altar a cena da abertura do quinto selo. Para esses mártires vestidos de roupas

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 11/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

White foi que disse que para descansar um pouco enquanto seus irmãos que estavam
prestes a ser morto pode ser feita completa (6.11). A 144.000 e a grande multidão
representam o povo de Deus oprimidos e perseguidos que finalmente são agora feitas
completa.
7: 15-17 Estes três versos John resume o que ele descreve mais tarde nos capítulos
21-22. Temos aqui o primeiro vislumbre da gloriosa recompensa dos remidos. Eles
estão diante do trono de Deus, e irá servir no dia de adoração e de noite no seu
templo. Na as cenas finais da história da terra, como com medo do julgamento será
nãoimpenitente procurar a esconder "da face que está sentado no trono e da ira do
Cordeiro" (Ap 6:16.) vê os redimidos "antes do trono e diante do Cordeiro . " (Ap 7:
9) . Esta imagem dos remidos antes do trono de Deus para servi-lo em seu templo
lembra Apocalipse 1: 6 e 05:10, onde ele se refere aos reis e sacerdotes resgatados
são para Deus. Também nos lembra de Apocalipse 20: 6 onde eles estãoele pinta em
seu papel como sacerdotes reinando com Cristo no reino celestial após a Segunda
Vinda. Em Apocalipse 7:15, eles servem a Deus em seu templo, que evidentemente
age como o centro de governo de todo o universo . Os redimidos aqui parecem ser
membros do conselho de Deus no céu, participando dos assuntos do governo do
universo.
E o que estava assentado no trono espalhará o seu tabernáculo sobre eles. (A
Bíblia de Jerusalém traduz o texto dizendo que Deus "espalhará sua tenda sobre eles").
A ideia aqui é que Deus espalhará a tenda de sua presença sobre seu povo. Isso lembra
a presença de Deus entre o povo de Israel no deserto, quando o armou sua tenda entre-
los na aparência da coluna de nuvem e pilar de fogo. A presença de Deus no meio da
antiga Israel que forneceu um casaco supremo sol escaldante e as tempestades, ea fome
e da sede. Deus falou por meio de Ezequiel: "Ele estará no meio de los minha tenda, e
eu serei para elespor Deus, e eles serão o meu povo " (Ez 37:27). O texto também
reflete a profecia de Isaías sobre a limpeza das filhas de Sião e da restauração da
montanha de Sião, "porque ao longo toda a glória haverá um dossel, e haverá um
abrigo para sombra contra o calor do dia, abrigo e um esconderijo contra a
tempestade e contra o aguaceiro " (Isaías 4: 2-6).O que temos aqui em Apocalipse 7 é
o máximo cumprimento do propósito divino. Eles não terão mais fome ou sede, nem
o sol cairá sobre eles ou qualquer calor. Isaías profetizou a alguns séculos antes:
"Não vai ser a fome ou sede, nem o calor nem Smite sol; porque você tem de lhes
misericórdia ele guiará, e levar -lhes a nascentes de água " (Isa.

49:10). O calor escaldante, a fome, a sede e as lágrimas estão entre os testes que
caracterizam as pragas da grande tribulação (cf. Apoc. 16). Em Apocalipse 7, Deus
está protegendo seu povo do deserto espiritual: a grande tribulação. Sua peregrinação
pelo deserto terminou.
Por muito a presença de Deus provê refúgio, eles não experimentam a evidência da
vida, há mais lágrimas , nem morte, porque Deus vai enxugará toda lágrima de seus
olhos. Aqui ele faz a realidade de modo que Isaías profetizou: " Ele vai engolir a
morte para sempre; e o Senhor Deus enxugará toda lágrima de todos os rostos; e
removerá o insulto de seu povo de todosa terra; para o Senhor o que é dito "(Is . 25:
8). No o final do livro John exclama: "Eu tenho aqui o tabernáculo de Deus está com
os homens, e ele habitará com eles; e eles serão o seu povo, e o próprio Deus estará
com eles. Deus enxugará toda lágrima de seus olhos ; e não haverá mais morte, nem

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 12/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

tristeza, nem choro nem dorlá, porque as primeiras coisas já passou longe "
(Apocalipse 21: 3-4 . ).
Rev. 07:15 Também me lembro quando Jesus fez o seu tabernáculo na carne entre
as pessoas, e quando "nós vimos a sua glória" (João 1:14). Na sua presença não havia
lugar para dor, lágrimas e morte. Isso é o que eles entendeu as duas irmãs, Martha e
Mary, depois que seu irmão Lázaro morreu: "Senhor, se você tivesse estado aqui,meu
irmão não teria morrido " (João 11:21, 32). A presença de Cristo com o seu povo na
terra nova é uma garantia firme de uma vida caracterizada pela liberdade da dor,
lágrimas, morte ou qualquer evidência (cf. Apoc. 21: 4).
A presença visível de Cristo apascentará os remidos e os guiará para fontes de
água da vida. David E. Aune notar que tanto na Bíblia e na literatura grego o
relacionamento entre um rei e seus pessoas em comparação com u n p um s t ou e s u
25
r e b um Ño ( c f . I é a . 44 : 28; J e r . 3 : 15; N a h . 3 : 18 ) . E z e q u i e l
profetizou que Deus iria colocar em Israel um " pastor, e ele o pastor; para o meu
servo Davi, o pastor, e ele será seu pastor " (Ez. 34:23). "Meu O servo de Davi será
rei sobre eles, e todos eles terão um único pastor; e andarão nos meus preceitos, e os
meus estatutos guardarão, e os cumprirão ” (Ez 37:24). Essa profecia será cumprida
com Cristo. No Novo Testamento, com muitas vezes é ele chamado o Bom Pastor
(Mat. 25:32; João 10: 1-16; Hb 13:20; 1 Pedro 2:25; .. 5: 4).Cristo shepherds seu
povo aqui em
Apocalipse 7:17.
Outra profecia de Isaías agora atinge o seu cumprimento: "E meus pessoas devem
habitar em morada de paz, na sala segura, e quietos de descanso lugares " (Isaías
32:18.). Há nas planícies pacíficas e ao longo das transmissões ao vivo do país
Celestial "o povo de Deus, tanto tempo peregrino e errante, e n c ou n t r a r a u n h ou
g de r ". 26

RETROSPECÇÃO NO APOCALIPSE 7
O propósito óbvio de Apocalipse 7 é "alertar a igreja para sua necessidade de se
preparar para o conflito final. Os ventos da luta estão prestes a começar seu trabalho
de devastação. Não há tempo para atrasos. No o mesmo tempo, a restrição de ventos
mostra que a misericórdia de Deus que ele está dando ao seu povo tempo para se
preparar. Também há segurança mensagemdo selo. O selo em si é a garantia de que os
santos são seguros. Uma vez que eles são selados, seus personagens são invioláveis,
não sujeito a mudar, não importa o quão grave é a tentação. A perfeição matemática e a
simetria dos 144.000 indicam que o plano de Deus para o seu Israel é perfeitamente
realizado, apesar dos eventos que s ac ou d a n a l a i g l e s i a e para l m uma faço ( 6
27
: 12-17 ) " .
O livro de Apocalipse não suporta a ideia de que Deus tem dois grupos de d i f e r e
28
n t e s de s u p u e b l ou e n l a t i e rr a . E n ou t r a s p a r t e s d e l li b r ou J u a n
e l revelador indica claramente que ele pensa unicamente uma aldeia quando ele
refere-se a eles como os agentes de Deus (1: 1), o remanescente (12:17), os s um n t I
29
( 14 : 12 ) , e l a e s po s a d e l C ou R d e R ou ( 19 : 7-8; c f . ca p t t u l ou 12 ) .
L OS dois grupos de pessoas resgatadas de Deus no capítulo 7, que é, os 144.000 e a
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 13/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

grande multidão, estão claramente relacionados. São as mesmas pessoas que são vistas
em dois estágios de sua história e em seus diferentes papéis. Primeiro, eles são
descritos como a igreja militante para o limiar da grande dificuldade, selado para ser
protegido contra as pragas que estão prestes a cair e n e m i g I de D i OS e de s u p u
30
e b l o. E n t ou n ce s , e ll OS e s t a n r e p r e s e n t de dois como a igreja
triunfante sair vitorioso da grande tribulação. A guerra terminou e sua vitória está
completa. Agora eles estão diante do trono de Deus recebendo sua recompensa eterna.
A questão diretor que é Apocalipse 7 em relação aos 144.000 não é quem eles são,
mas mais bem o que eles são. Eles não são um grupo seleto do povo de Deus separado
do corpo maior e aqueles que recebem privilégios especiais não disponíveis para o
resto do povo fiel de Deus. Neall afirma: "Eles não são os primeiros a serem selados;
os santos foram selados nos dias de Paulo. NãoEles são os primeiros a serem sem
culpa ou mancha. Não são os primeiros a ser perseguido, ou seguir o Cordeiro, ou ser
resgatados a partir da terra, ou cantar uma ' canção de volta para o Senhor. A
descrição óctuplo de Juan de 144.000 que é encontrado em Revelação 14: 1-5 indica
31

que eles partilham um legado comum com os Santos de t d um s la s e d a d e s " .


Em deste modo o livro de Apocalipse é, de acordo com o ensino geral do Novo
Testamento em que o reino de Deus é não há

clans, cliques ou intervalos; não há privilégios disponíveis para alguns e não para
outros. Apocalipse 7 não apresenta a idéia de que a geração final do povo de Deus
32

alcançará "um nível de santidade nunca alcançado antes" pelo povo de Deus. No
plano divino de salvação, tudo é devido à graça de Deus. "Por graça você é salvo
pela fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não para obras, para que ninguém se
glorie "(Ef 2: 8-9). A salvação é o resultado do que Cristo fez na cruz, em vez de sua
própria santidade e obras.
O critério divino para a salvação tem sido sempre a mesma para todos os gerações.
John , o Revelador, deixa claro que o povo fiel de Deus no tempo do fim são eles "têm
lavado suas vestes e a ter as branquearam no o sangue do Cordeiro" (7:14; cf. 12:11).
A vitória de Cristo sobre a cruz é o que ele 's sido feito vitorioso (12:11), e por meio
da sua protecção (7: 2-3 que vai triunfar na grande aflição (07:14). Neall também
torna estas observações interessantes:

A questão sobre um estado de impecabilidade depende se o pecado é


definido como um ato ou uma natureza. A última geração viva do povo de
Deus certamente deve estar livre de atos pecaminosos; mas ainda eles não
perdem a sua natureza pecaminosa, corruptível se para ser vestido com a
incorruptibilidade nos a Segunda Vinda (1 Cor. 15:53).
No livro do Apocalipse os santos são sempre conquistando (marcado
pelo tempo presente em grego); Só Cristo tem conquistado (tempo aoristo).
Mesmo durante os sete últimos flagelos os santos ainda estão conquistando
para a besta ea sua imagem (15: 2, em grego). Ainda assim eles afirmam
com o inimigo de fora e dentro. Seu maior pecadoque deve ser superado
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 14/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

durante a tribulação, é a falta de fé. No entanto, eles estão conquistando, não


sendo conquistados. Eles são vitoriosos da luta com o mal. Eles são
perfeitos em seu caráter - eles escolhem apenas a vontade de Deus -
enquanto permanecem conscientes de ter que superar sua natureza
pecaminosa. Sem no entanto, eles são selados e são não m a nc h um por m e
33

d i ou l eu m ê r i t I d e l C ou R d e R ou ( 7 : 14 ) .

Neste ponto, Ellen White adverte o povo de Deus contra se envolver em "disputas
sobre questões que não os ajudarão espiritualmente, como quem fará parte do grupo
de 144.000? Isso será conhecido em breve, sem sombra de dúvida, pelos eleitos de
34

Deus ".

Em outro lugar , ela exorta os fiéis: "Vamos lutar com toda a força que D i I n I h a d
para fazer p a r a e s t a r e n t r e l I c i e n t ou c ou a r e n t a e c ou uma t r ou m IL”. 35

Seja qual for o conceito que você tem, uma lição deve ser obtido certamente nos a
visão de santos selados antes do trono do Apocalipse
7. Como mostrado na visão da abertura dos sete selos, o povo fiel de Deus , muitas
vezes enfrenta experiências desagradáveis da vida e evidências para o evangelho. Os
eventos de Apocalipse 6 são iniciadas pela actividade de Cristo no céu. Isto indica
que o céu e da terra estão intimamente ligados; nada acontece a terra sem
oconhecimento daquele que está entronizado nos céus que reina sobre o universo. O
Livro do Apocalipse afirma claramente que Deus provê poder, proteção e critérios
orientadores para aqueles que são entregues sem reserva para Aquele que morreu por
eles na cruz do Calvário e que reina em lugares celestial. Podemos vencer o pecado
única por meio de ele, quem é realmente o verdadeiro vencedor.
Quando o povo fiel de Deus é para apontar para parar o conflito final, ele tem a forte
segurança de que Deus irá proteger e conforto durante o tempo da grande tribulação
como ele protegeu e consolou o seu povo através da história. O futuro pode às vezes
parecer sombrio. No entanto, o Cristo ressuscitado está no controle. Ele é a fonte de
força e esperança para os redimidos durantesua jornada terrena -se a ele, o Senhor e
Rei, vêm de novo e mais com eles para sempre . (Ap 7:15).

PANORAMA
Apocalipse 8-9

A visão das sete trombetas é uma das questões que mais desconcertante porque no
Livro de Apocalipse e em todo o Novo Testamento. Antes de examinar cada um das
trombetas em detalhe, ele é necessário para analisar algumas questões de uma natureza
geral. Como não tentar as sete trombetas? Qual é a natureza deas trombetas na Bíblia?
Quando é o momento em que eles tocam as sete trombetas? A fim de fornecer
respostas adequadas, discutir estas questões na luz dos conceitos tanto do Antigo e do
Novo Testamento sobre jogar a trombeta em relação com o povo de Deus.

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 15/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

A NATUREZA DO TOQUE DAS SETE TRUMPETS


Tanto no velho e o novo testamento, tocando os trumpets s i m bo li z a " l um i n t e
1
r v e n c i ng de D i Ósmio e n l a h i s t ou r i um " . E n e l A n t i gu ou
Testamento, a vida do antigo Israel está intimamente ligada com o toque das trombetas.
Por exemplo, um toque de trombeta poderia ser a chamada para a batalha (Juízes 3:27
;. 06:34 ;. Jer 51:27), um anúncio na coroação de um rei Israel (2 Sam. 15:10; 1 Rei
1:34, 39; 2 Rei 9:13; 11:14), uma chamada paraque as pessoas se reúnem (Nm 10: 2-
7; 1 Sm 13: 3-4; Ne 4:20; Joel 2: 15-16), e um aviso de um perigo próximo (Jer 4: 5)
19-21; 6: 1-17; Ezequiel 33: 3-6; Amós 3: 6).
Sem no entanto, na maioria dos casos no OT, que foram usadas as cornetas em
conexão com a liturgia templo e o guerras santo (Lev. 25: 9; Nm. 10: 9-10; Jos 6: 4-.
20). É usado no serviço de ritual religioso, tocando as trombetas também foi uma "
parte da organização [da I s r e l ] c ou m ou de e l de e j ê r c i t ou d e l S e Rd e n g
2
i r a o s e r v i c i ou " ( N u m . 31 : 6; 2 C r ou n . 13: 12-15; 29: 26-28; Ezra 03:10)
.. O texto chave do Antigo Testamento Para o significado das trombetas é Números 10:
8-10:

E os filhos de Arão, os sacerdotes, tocam as trombetas; e a também será


estatuto para sempre nas vossas gerações. E quando fordes para a guerra em
sua terra contra o inimigo que oprime você, você soará um alarme com as
trombetas; e sereis lembrados por Jeová, teu Deus, e serás salvo dos teus
inimigos. E no dia de sua alegria e em seu

Solenidades e no princípio de vossos meses tocarás as trombetas nos


vossos holocaustos e nos sacrifícios de paz, e eles serão um memorial
diante do vosso Deus. Eu sou Jeová, teu Deus. (itálico adicionado)

Como isso indica que este texto, as trombetas eram instrumentos sagrados e, como uma
regra, apenas os sacerdotes a tocar a pedir a Deus para lembrar seu povo. Ou, é
melhor dizer que eles forneceram a Israel a certeza de que Deus se lembrava deles
quando seus adversários os atacavam e que ele os protegeria e os libertaria. "Você vai
soar alarme com as trombetas; e você será lembrado pelo Senhor seu Deus, e sereis
salvos de vossos inimigos " (Num . 09:10; o itálico foi acrescentado; cf. 2 Cr. 13: 14-
15). Se você buscar o perdão de pecados no santuário, e vai lutar contra os inimigos,
os sacerdotes tocaram as trombetas. Deus respondeu lembrando seu povo, perdoando
seus pecados e livrando-os de seus adversários queEles tinham sido assediados
perversamente. Este conceito de "lembrar" em frente de Deus é vital para
compreender o significado teológico das sete trombetas do Apocalipse 8-9.
Os toques de trombetas no Antigo Testamento indicou a aparência de Deus em
relação aos eventos mais importantes na história de Israel. Para dar a lei no Sinai, os
israelitas experimentaram trovões e relâmpagos, uma densa nuvem sobre a montanha, e
um " chifre de som [trompete, NIV]" (Ex. 19:16; 20:18). O forte O som das trombetas
causou a destruição de Jericó (Josué 6: 4-16). Este som da trombeta é uma parte
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 16/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

integrada do conceito do Dia do Senhor no Antigo Testamento. "Ele deve vir a passar
também em que dia que vai ser jogado com grande trombeta" e chamar os exilados
dispersos entre as nações para adorar a Deus em Jerusalém (Is. 27:13). Um toque de
trombeta anunciar a proximidade do Dia do Senhor (Joel 2: 1; Sof. 1:16). Em que dia
"declara o Senhor vai tocar trombeta, e irá de redemoinhos do vento sul" (Zc. 9:14).
Este conceito continua no Novo Testamento. Fora do Apocalipse 8- 11 são
associados com as trombetas com a aparência e intervenção de Deus no tempo do
fim. Em seu sermão do Monte das Oliveiras, Jesus falou sobre a grande voz de uma
trombeta quando a eleger juntos (Mat. 24:31). Paulo falou do dia , quando a da última
trombeta da incorruptibilidade corruptível (1 Cor 15: 51-53) Um toque de trombeta
muito forte acompanhar a segunda vinda de Jesus (1 Tes. 4: 16-17). No livro do
Apocalipse, o toque de trombetas é um sinal da aparência de Deus na pessoa de Cristo
(1:10; 4: 1).

A visão do toque das sete trombetas do Apocalipse 8-11 deve ser entendida antes de
as correntes do Antigo e Novo Testamento. Em outras palavras, jogando as sete
trombetas é uma série de intervenções de Deus em resposta às orações de seu povo.
Para explicar isso, devemos lembrar a cena da abertura do quinto selo, naque os
santos mártires sob o altar suplicar a Deus vingança e julgamento: "Até quando, ó
Senhor, santo e verdadeiro, você não julgar e vingar o nosso sangue dos que habitam
sobre a terra ?" (6:10; o itálico foi adicionado ). Suas orações não estão desejando
3
uma vingança, mas são uma s -se li c para a j u s t i c i um e li b e r c i ou n . C ou m
ou m u o e s t r a uma po ca li p s i s 8 : 2-5, D i irá ouvir as orações dos santo.
Depois disso, João observa os sete anjos em pé diante do trono de Deus para
receber sete trombetas. Sua missão é para anunciar uma nova série de problemas que
são enviados para a terra. Depois que João vê um outro anjo que leva o incensário de
ouro com incenso misturado com as orações dos santos, eo anjo tão cheia de fogodo
altar. Em seguida, ele joga para a terra e seguiram "trovões, e vozes, e relâmpagos, e
um terremoto" (Apoc. 8: 5). Então, um após o outro, os sete anjos tocam suas
trombetas. Deus lembra dos santos. As sete trombetas são , obviamente, a resposta de
Deus para o sofrimento de seu povo. A ira de Deus acende juízos sobre aqueles
queeles os oprimiam. Apocalipse 08:13 afirma claramente que as trombetas são para
" os que habitam sobre a terra , " e liga os juízos das trombetas com as orações dos
santos em Apocalipse 06:10. Os objetos de ambos os textos são claramente "aqueles
que habitam sobre a terra."
O texto indica que, mesmo que sejam de natureza catastrófica , as sete trombetas não
são calamidades ou desastres naturais. Mais bons são uma manifestação da presença e
da realidade de Deus Todo-Poderoso na história. Eles revelam a Deus 's reação ao a
injustiça e os danos que eles fizeram ao seu povo. Estranho que possa parecer, as
pragas da setetrombetas estão sob o controle dos quais morreram na cruz do Calvário e
reina em lugares celeste sobre o universo. Jesus Cristo é o Senhor da a história, e está
em controlar todos os poderes deste mundo que vilmente oprimido seu povo. O que
estudou as sete trombetas, um por um, ainda pode ver e sentir a presença da aliança de
Deus com o seu povo.
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 17/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

Como foi mostrado anteriormente, a cena da abertura dos sete selos é em causa o
progresso da pregação do evangelho para o mundo, e que eu rejeito. Os eventos
causados pela abertura sucessiva dos sete selos afetam a aqueles que professam a ser
as pessoas de Deus, mas são infiéis e

desleal Em relação aos ayes das sete trombetas, John torna claro que não são dirigidos
contra a humanidade no geral , mas unicamente contra aqueles que não têm "o selo de
Deus em suas testas" (Apoc . 9: 4) e que na outra partes do livro são indicadas como
"aqueles que habitam noterra "(6:10; 8:13; 11:10; 13: 8, 14; 17: 2). Estes são os que
foram hostis ao evangelho e perseguiram e oprimiram o povo fiel de Deus.
Assim, as pragas das sete trombetas se referem exclusivamente para aqueles que não
têm o selo de Deus em suas testas. Aqueles que estão do lado de Deus , obviamente,
não ser afectado por as pragas das trombetas. Eles podem ter que compartilhar o
sofrimento dos ímpios, mas Deus prometeu para entregar no meio do teste mais bem
que para eles. Eles têm uma forte certeza da presença de Deus com eles no tempo de
julgamento. Deus Todo Poderoso ouve suas orações e cuida deles enquanto lida com
seus opressores.
Para isso , portanto, é muito apropriado para concluir que Apocalipse 8.11 é a
representação do tratamento de Deus com diferentes movimentos e forças na história
que perseguidos e danificados malignamente seu povo. Os julgamentos
simbolicamente apresentados os pragas das sete trombetas são a resposta de Deus
para o sofrimento de seus santose seu apelo: "Até quando não julgar e vingar o nosso
sangue sobre aqueles que habitam sobre a terra?" (Rev. 06:10.). A mensagem do toque
das sete trombetas é clara e inequívoca: "Não muito! Deus já está julgando os inimigos
do seu povo ". Como Apocalipse 16 indica, o dia está chegando quando os
julgamentos completosEles vão ser derramado para fora sobre os ímpios, dos quais as
pragas das sete trombetas são unicamente um avanço.
A cena toque das sete trombetas do Apocalipse 8-11 também tem um aspecto
redentor. Se o número sete selos designados períodos contínuos em que Deus
conduziu seu povo através do processo de superação e, em seguida, na luz do capítulo
7 e 9: 4, podemos concluir que Apocalipse 6 representa o processo de selagem que
corre através a era cristã, a partir do cruzamento para a Segunda Vinda. Os eventos na
abertura dos selos foram destinados a despertar que professam para seguir Cristo e
trazê -los ao arrependimento. Vimos anteriormente que o selo no Novo Testamento
refere-se a obra do Espírito Santo nos corações das pessoas (2 Cor. 1:22; Efe 1:13;
4:30). Sua obra os leva a um relacionamento com Deus, que os aceita e os reconhece
como possessão própria (2 Timóteo 2:19). A partir desta vem a vedação. É o processo
pelo qual Deus ajuda seu povo a ser vencedores do pecado. O selamento de
Apocalipse 7 é claramente o encerramento do fim do
4

selamento na terra, após o qual a pregação do evangelho será concluída e a graça não
estará mais disponível.
No outro lado, como observado acima, os ayes das sete trombetas descrever
julgamentos sobre que rejeitaram o evangelho e não ter recebido o selo de Deus em
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 18/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

suas testas. Em outras palavras, essas pessoas rejeitaram o poder transformador do


Espírito Santo sobre seus corações e a oportunidade de serem reconhecidos e aceitos
por Deus. Em contraste, eles escolheram para ser inimigosde Deus e opressores de seu
povo. Sem no entanto, como afirmou Leon Morris, "o mal humano não vai sem ser
5
notado em e l c i e l ou " . G I i m p t I e x p e r i m e n t um N l I j u i c i eu de D i I o
e n L a s p l um g de um s de l a s sete cornetas, que são , na verdade, avança a pragas
finais Rev. 16 e julgamento final como descrito em Rev. 20.
Sem Mas seria errado para considerar os ayes das trombetas como retributiva.
Mais bem que eles têm uma dupla finalidade. Eles pretendem levar seu povo ao
arrependimento. No o mesmo tempo, eles também têm a intenção de ser uma "
advertência divina que o tempo para um rr e p e n t i r se e s t a t e r m i n a n fazer s e
6
r a p i d a m e n t e " . L eu sou a l v para dois t d a v t a t i e n e n uma oportunidade
para lamento (cf. Rev. 11:13), porque o intercessão ainda continua, e a porta da graça
ainda não fechado. O toque das trombetas e as pragas subseqüentes são os ensaios
preliminares e têm propósitos redentores. Cada toque da trombeta é projetado para
humilhar para as pessoas e promover a ele se arrepender, mesmo se o efeito vai não ser
alcançado (Rev. 9: 20-21 . ). A falta de arrependimento fazque o derramamento dos
copos do mais recente praga é inevitável e inevitável.

O MOMENTO EM QUE AS SETE TRUMPETS OCORREM


A próxima questão que merece nossa séria atenção tem a ver com o momento em que
eles tocam as sete trombetas. Juan mostra claramente que o toque das sete trombetas
nos leva para a Segunda Vinda. De acordo com Apocalipse 10: 7, "os dias da voz do
sétimo anjo, quando ele começa para tocar a trombeta, o mistério de Deus será
consumado ". Para soar a sétima trombeta é ouvido vozes celestiais que dizem: "Os
reinos do mundo têm se tornado de nosso Senhor e do seu Cristo; e ele reinará para
todo o sempre "(Apocalipse 11:15).
Que a sétima trombeta refere-se ao tempo do fim , também é clara a partir de
Apocalipse 11:17 , onde ele afirma que Deus é " quem você é eo que você fosse,
porque você tem tomado o seu grande poder e de ter começado o seu reinado". Mais
cedo no livro, ele foi designado como " quem é e quem foi e quem vem" (1: 8; 4:
8).Em

11:17 não é o Deus "que vem", porque ele já venha e tenha obtido o seu reino. Isto
indica claramente que a conclusão do toque das sete trombetas que levou mais perto
do fim em si da história, bem como também o que faz com que o final dos sete selos.
Quando começa a tocar as sete trombetas? A indicação reside, obviamente, na a
7
secção introdutória do jogo cena de o s i o e t e t r ou m p e t a s ( 8 : 2-5 ) . J ou um
n b s e r é p r i m e r ou s i e t e para ng e l e s c em l de s s i e t e trombetas para
aqueles que são responsáveis para anunciar uma nova série de problemas que serão
enviados ao longo dos habitantes da terra. Em seguida, ele vê um outro anjo não
especificado com um incensário de ouro de pé juntos para o altar. Esta não dúvida é o
altar do holocausto que foi localizado fora do templo hebraico. O anjo foi ele dado

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 19/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

muito incenso para oferecer no altar do incenso em frente do trono , com as orações
dos santos. Após o recebimento, ele administrou incenso.
Esta cena introdutória baseia-se em um serviço especialmente no templo sacrifício
Hebrew diária conhecido como o Tamid, que é descrito em t r uma t para fazer t uma
8
m i d a partir de G a M i s hnah . E n e l s e r v i c i ou d e l t a m i d de l a t a r d e ,
de e l f i n sacrificial diária é anunciado com o toque de cornetas. Depois de que o
cordeiro sacrificial tinha sido colocado sobre o altar do holocausto e do sangue do
sacrifício foi jogado juntos na base do altar, o sacerdote atribuído Ele carregou o
incensário de ouro dentro do templo e ofereceu incenso no altar de ouro no lugar
sagrado. Durante o tempo em que ele estava no lugar sagrado, as pessoas no átrio
esperavam em silêncio em oração. No momento em que o padre veio para abençoar
as pessoas, os sete sacerdotes tocaram as trombetas, sinalizando o fim da cerimônia do
sacrifício diário. Os leitores do Apocalipse O primeiro século estava bem
familiarizado com esta prática ritual do Antigo Testamento.
Esta cena do Apocalipse de abertura 8: 2-5 nos ajudar a localizar no tempo da cena
toque das sete trombetas do Apocalipse 8-11. Os setes toques de trombetas siga
claramente para a morte expiatória de Jesus sobre a cruz. A cruz é o tema central de
Apocalipse 5, onde Jesus é apresentado como o morto e digno Cordeiro sacrificialpara
pegar o livro selado. O toque das sete trombetas significa que o sacrifício foi feito de
uma vez para sempre. Na cruz é oferecido tanto graça e julgamento. A graça é para
que crêem; eles são salvos e eles já estão com Cristo nos lugares celestiais. Mas
aqueles que rejeitam o evangelho e oposta a ele,os julgamentos já começaram. Este
conceito permeia o livro de Apocalipse.
Assim, a cena de toque dos sete cornetas começa com a cruz, como ele faz a cena
da abertura dos sete selos de Revelação 6.

As conclusões de ambas as cenas nos levam ao tempo do fim. Por que , portanto, é
razoável para concluir que ambos os sete selos e as sete trombetas consulte o mesmo
período da história entre a cruz e a Segunda Vinda. Uma comparação entre as duas
séries confirma essa conclusão.

Os sete selos As sete trombetas

Os quatro cavaleiros As primeiras quatro trombetas

O quinto e o sexto As desgraças da primeira e segunda trombetas.


selo

O interlúdio O interlúdio (capítulos 10-11): o pequeno livro, a


(capítulo 7): O medição do templo e as duas testemunhas
selamento do povo
de Deus.
O sétimo selo: Ay a terceira trombeta (a sétima trombeta): o
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 20/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

silêncio no céu tempo tem vindo para o julgamento e a


antes do recompensa a ser dada aos servos de Deus.
julgamento final

Essa comparação mostra um paralelismo importante. Em primeiro lugar, tanto o


trompete como os vedantes estão dispostas em grupos de quatro e três; os quatro
primeiros diferem dos três últimos em forma e peso. A abertura dos quatro primeiros
selos traz a cena dos quatro cavaleiros (6: 1-8), e as três últimas trombetas
designamos três "ais" (cf. 8:13; 9:12; 11:14). Outro ponto de paralelismo é encontrada
no facto de que ambos os selos e as cornetas foram interrompidos por intervalos. Entre
a abertura do sexto e sétimo selo é inserida a visão dos santos selados com o objetivo
de fornecer a resposta para a questão de quem será capaz de se levantar no último dia.
(cap.7) Da mesma forma, entre a sexta e a sétima trombeta é inserida a visão do anjo
com o pergaminho aberto, a medida do templo, e o testemunho e o destino das duas
testemunhas (capítulo 10-11). Assim, Apocalipse 7 pode ser a pista para entender os
capítulos 10-11; enquanto o propósito do capítulo 7 é responder à pergunta06:17
levantadas a respeito de quem pode ser firmes no dia da ira de Deus, capítulos 10-11
parecem para fornecer a resposta para a pergunta no que diz respeito a

a tarefa da igreja durante este período turbulento. Finalmente, tanto o sétimo selo e a
sétima trombeta refere-se a tempo antes para a execução da decisão definitiva.
Uma forte evidência textual mostra claramente que a cena jogando das sete
trombetas se refere à era cristã, em vez do que o tempo do fim. Primeiro, a cena
introdutória do santuário de 8: 3-5 indica que a intercessão ainda opera. Então, o
interlúdio entre a sexta e a sétima trombeta indica que opregando o evangelho ainda
está em andamento antes do toque de da sétima trombeta (cf. 10:11; 11: 3-14). Além
disso, 9: 20-21 indica que durante a sexta trombeta ainda existe uma oportunidade para
o arrependimento. Finalmente, 11:19 fortemente sugere que as atividades no lugar mais
santo do santo celestial não são a vista nos primeiros onze capítulos do book Todos
esses fortes indícios mostram que os eventos do toque das sete trombetas sobre a era
cristã, em vez do que o tempo de ordem após a cessação da intercessão no céu.
Direita bem iria entender que ambos cenas-a abertura dos sete selos e o soar das
sete trombetas-cobrir o mesmo período da história cristã (embora não na forma
seqüencial) a partir da cruz até o tempo do fim. Sem Mas enquanto a cena da abertura
dos selos descreve o progresso do evangelho no mundo e suaefeitos no que professam
a ser povo de Deus, mas não têm fé e são injustos, a visão do toque das sete trombetas
descrever o julgamento de Deus sobre aqueles que rejeitam o evangelho, e não tem "o
selo de Deus em suas testas" (Apocalipse 9: 4), e que perversamente oprimem e
perseguem o povo fiel de Deus.

PRAGAS DE THE primeiros seis TRUMPET


Apocalipse 8: 2-9: 21

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 21/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

Pelo a abertura do sétimo selo e a subsequente silêncio no céu (Ap . 8: 1) siga uma
nova fase da visão de John. O novo episódio apresenta uma série de sons de trombetas
anunciando eventos estranhos que incidem sobre os habitantes da terra. Esta seção é
dividida em duas partes: a cena celestial introdutória (Apocalipse 8: 2-6) e aposterior
realização das pragas das sete trombetas. As sete trombetas estão dispostas como os
sete selos em grupos de quatro e três. Os primeiros quatro trompetes (8: 7-13) diferem
da última três "ayes" das trombetas em forma e peso. A sexta trombeta (9: 13-21) é
separado do a sétima (11: 15-19) por um intervalo (capítulos 10–11:14).

A CENA INTRODUTÓRIA: AS ORAÇÕES DOS SANTOS (8: 2-


6)
Revelação 8: 2-6 serve como a introdução para a secção do contacto dos sete
cornetas. Ele apresenta sete anjos celestial encarregado de anunciar uma nova série de
males que estão prestes a cair sobre os habitantes da terra. Mas antes de que os anjos
jogam suas trombetas, as orações do povo de Deus oferecido incenso. Este aqui
secção fornece o leitor C em l a c l a ver p a r a l a i n t e r p r e t c i ng de l a v i s i
1
ng de l a s s i e t e t r ou m p e t a s .

2
E vi os sete anjos em pé diante de Deus e sete trombetas lhes foram
3
dadas . E outro anjo chegou com um incensário de ouro e ficou junto
ao altar, e muito incenso foi dado a ele para que ele pudesse oferecê-lo
com as orações de todos os santos no altar de ouro que está diante do
4
trono. E a fumaça do incenso com as orações dos santos subiu diante de
5
Deus a partir do anjo da mão. E o anjoLevou o incensário e tão cheio
com fogo a partir do altar e ele jogou a terra; e houve estrondo de trovão
6
e vozes e flashes de relâmpagos e um terremoto. E os sete anjos que
tinham as sete trombetas prepararam-se para tocá-los.

NOTAS
8: 2 Os sete anjos. O artigo definido sugere que os leitores dos dias de Juan conhecia bem a identidade de estes sete
anjos como grupo específico. O problema é que os sete anjos que estão diante de Deus não ser mencionado antes na
Bíblia. Sem Mas Isaías menciona o "anjo da sua presença" (Is. 63: 9), e Lucas 01:19 fala de Gabriel , que está na
presença de Deus. Os tradicionais judaicas identifica para os sete anjos que estavam em frente de Deus como Uriel,
2
Rafael, Raguel, Michael, Saraqael, Gabriel e Remiel. Muitos estudiosos acreditamque João se refere a esses sete
3
anjos. No entanto, esses anjos " estão faltando na empresa celestial descrito em Apocalipse 4-5". Quem quer que seja
estes anjos, os sete anjos em Apocalipse 8-9 são uma classe especial de seres celestiais. Sua posição antes de Deus
caracteriza a sua disposição para o serviço;No Antigo Testamento, a frase "estar diante de Deus" realmente significa "a
quem sirvo" (1 Reis 17: 1; 18:15; 2 Reis 3:14; 5:16). É bem possível que esses sete anjos sejam os mesmos anjos que
mais tarde derramarão as sete últimas pragas (capítulos 15-16).
Trompetes As trombetas desempenharam um papel importante na vida nacional do antigo Israel. Existem várias
palavras hebraicas que são traduzidas como "trompete", mas as mais freqüentes são shofar e jatsoserah . As
trombetas jatsoserah eram os instrumentos dos sacerdotes; Eles eram geralmente feitos de metalmartelado Os Padres
do jogado com diferentes fins (Num. 10: 2-10) , tais como chamar as pessoas para atender (Num. 10: 3) ou para dar o
sinal de alarme em tempos de guerra (Num. 10: 9), em celebrações ou festas religiosas (Num. 10:10), e no serviço do
templo (2 Crônicas.5: 12-13; 13: 12-14). Gideão usou essas trombetas para aterrorizar o inimigo (Juízes 7: 19-20). As
buzinas shofar (Ex. 19:16; Lev. 25: 9; Jos. 6: 4 juízes. 3:27), o qual geralmente eram de chifres do carneiro, foram
os instrumentos mais frequentemente mencionados no velho testamento. O shofar era uminstrumento para sinalizar (Jz.
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 22/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

03:27; 06:34; 1 Sam. 13: 3; Is. 18: 3, 27:13; Jr. 4: 5, 19; 51:27; Joel 2: 1). Sua função era para fazer barulho em tempo para
a música. Tanto o shofar quanto o jatsoserah eram considerados instrumentos sagrados. Na as visões escatológicas
do Antigo e do Novo Testamento, shofar (gr. salpinx ) vieram a ser os sinais apropriados para proclamar a vinda de
Deus com julgamentos em ordem de tempo.
Eles foram dados. No original, a construção passiva do verbo é muito provável que o passivo divina semita, um
formulário utilizado frequentemente na Bíblia com o propósito de evitar o uso do nome de Deus, e quando pelo
contexto, um agente por tempo indeterminado pode ser identificada comDeus (veja Notas sobre Apocalipse 9: 1). Neste
caso, isso significa que foi Deus 's que eles deram as trombetas para os anjos.
8: 3 O incensário de ouro era um utensílio que era usado no templo de Salomão (1 Reis 7:50; 2 Cron.
4

4:22; Jer. 52: 18-19), bem como no segundo templo.


O altar O texto não especifica qual altar é visto aqui. É provável que ser o Altar do Holocausto (que foi localizado
fora do templo em si o Antigo Testamento) que é distinto do do altar de ouro do incenso, mencionado mais tarde no
verso, que era antes do trono. Emo templo do Antigo Testamento, o altar de ouro do incenso era "contra o véu que estava
perto da arca do testemunho, oposto do propiciatório que estava sobre a arca do testemunho" (cf. Êx. 30: 6-7). Veja
também Notas sobre Apocalipse 6: 9).
8: 5 O anjo pegou o incensário, encheu- o do altar e jogou-o no chão; e houve um estrondo de trovão e sons e
flashes de relâmpagos e um terremoto. Esta cena reflete a cena do templo descrito na Mishná , afirmando que ,
durante o rito de Tamid , quando os sacerdotes queoficiou no lugar santo veio para o lugar entre a entrada e o Altar de
incenso, um dos deles tomou a pá e o puxou para baixo. O ruído da lâmina era tão forte que não só em Jerusalém podia
5
ouvir a voz de seu vizinho. De acordo com o mesmo tratado, o somda lâmina é que eu podia ouvir , mesmo em Jericó.
6

EXPOSIÇÃO

8: 2 Com Apocalipse 8: 2 uma nova fase de visão começa. João observa sete anjos
em pé diante de Deus com sete trombetas , prontos para proclamar uma nova série de
desgraças a serem enviadas à Terra e aos seus habitantes. Antes que os anjos toquem
suas trombetas, uma nova cena simbólica capta a atenção de Juan. Esta cena
introdutória ao som das sete trombetas dá o tom para a série de sete trombetas.
8: 3-5 João vê um outro anjo com um incensário de ouro em pé em estreita
proximidade do altar de holocausto. Após o recebimento muito incenso , o anjo
gerenciar incenso oferecendo -lo com as orações de todos os santos sobre o altar de
ouro que está diante do trono. Esta cena é construída sobre o sistema de culto do
Antigo Testamento, no quala d e l s c r i f i c i ou d i a r i ou s e uma freira c i a ba c em
7
e L t q u e de t r ou m p e t a s . D e s p u E s de que o cordeiro sacrificial fora do altar
do holocausto e do sangue do sacrifício derramado até a base do altar, o sacerdote
encarregado pegou o incensário de ouro e ofereceu incenso no altar de ouro dentro do
templo. Depois de oferecer o incenso, o padre saiu para abençoar as pessoas que
esperavam em silêncio no átrio. Naquele tempo, os sete sacerdotes tocaram as
trombetas, sinalizando o fim da cerimônia do sacrifício diário.
O anjo de Apocalipse 8 recebe o incenso com as orações dos santos ao lado do altar
da oferta queimada. Isto é especialmente significativo na a luz do fato de que na cena
da abertura do quinto selo, o santo morto sob o altar de holocausto oraram por justiça
em " que habitam sobre a terra" (6:10). Aqui Apocalipse 8: 3-4, essas orações dos
santos são mencionados novamente na oferta de incenso que oferece o anjo no altar
antes do trono de Deus. De acordo com Apocalipse 5: 8, esse incenso representa as
orações dos santos; Estes são , obviamente, as orações por justiça e julgamento que
tiveram os santos sob o altar na cena da abertura do quintolacre E a fumaça do
incenso com as orações dos santos subiu diante de Deus a partir do anjo da mão.
Aqui não é um forte segurança que as orações dos santos sob o altar alcançar "o trono
da graça , " e Deus nos lugares celestiais o ouvinte.

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 23/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

De repente, a cena muda. E o anjo pegou o incensário e encheu-o com fogo do


altar e jogou-o no chão. Isso lembra a cena da visão de Ezequiel em que o homem
vestido de linho pega brasas ardentes entre os querubins; o homem então os espalha
sobre Jerusalém como um sinal de julgamento divino por causa das abominações
cometidas nela (Ez 10: 1-2). À luz deste plano de fundo do antigo

Vai, lançar as brasas acesas sobre a terra em Apocalipse 8: 5 simboliza um


julgamento ação. A ação do anjo aqui lembra um das palavras de Jesus: "Fogo veio
para tomar sobre a terra" (Lc. 00:49).
Ele é especialmente interessante que o fogo vem para a Terra a partir do mesmo
altar, sobre o qual ofereceu as orações dos santos. Na mesma maneira como uma nota
Robert L. Thomas, o incensário que normalmente servido para queimar incenso, torna-
se agora um " símbolo do julgamento r e s p u um e s t a um l a s ou r ac i ou n e s " .
8
E s t a e s ce n a s i m bó li c um m u o e s t r a q u e e n r e s p u o e s t a para as
frases de santas juízos a sete trombetas de Deus caem sobre a terra e seus habitantes.
Transmite a segurança de que o povo de Deus não é esquecido e que as suas preces
9

foram ouvidas e são r e s po n d i d a s .


Para lançar fogo sobre a terra segue a manifestação da ira divina na forma de ruído
de trovões e vozes e flashes de relâmpagos e um terremoto. Estes são símbolos da
aparência de Deus, semelhante à sua aparência no Monte Sinai com fogo, trovão,
relâmpago e um terremoto (Ex. 19: 16-19). Este fenômeno representa a resposta que
Deus está prestes a dar ao seu povo. Ele está se preparando para trazer julgamentos
justos e vingança sobre aqueles que maliciosamente perseguidos e oprimidos fiéis.
8: 6 A apresentação de incenso no altar de ouro (8: 3) e lançar fogo sobre a terra
servem como sinais para que os sete anjos jogam suas trombetas e proclamar os
problemas que estão sendo enviados através da terra e seus habitantes . Esta é uma
indicação adicional de que as decisões das cornetas são feitas por as orações dos
Santos naCena quinto selo: "Até quando, ó Senhor, santo e verdadeiro, você não julgar
e vingar o nosso sangue sobre aqueles que habitam sobre a terra?" (6:10). Deus
responde a estas orações julgar "para que habitam sobre a terra" (8:13). Este novo que
lembrar as pragas do Egito: "Bem eu tenho visto a aflição do meuas pessoas que estão
no Egito, e tenho ouvido o seu clamor " (Ex. 3: 7).
As pragas do Egito , que caiu quando Faraó se recusou a permitir que Israel fora,
estão, em sua maior parte, a fonte principal o que John tem suas idéias e descrições das
calamidades das sete trombetas. Como as pragas do Egipto, as calamidades e
julgamentos contra os inimigos d e l p ue b l ou de D i I c ou n d u ce n a l a li b e r c i
10
ng de l I f i e l e s p r i m i do s . analisamos agora em detalhe cada um desses
eventos.

As primeiras quatro trombetas (8: 7-12)

Os sete anjos estão prontos para tocar suas trombetas (8: 6). O som de cada
trombeta ocorre uma cadeia de eventos sobre o chão. Na luz do Apocalipse 8: 2-6
como vimos anteriormente, estes eventos deve ser entendida como uma série de
intervenções de Deus na história em resposta às orações de seu povo.
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 24/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

A primeira trombeta (8: 7)

7
E o primeiro anjo tocou a sua trombeta; e houve saraiva e fogo
misturado com sangue, e foram lançados sobre a terra; e um terço da
terra queimou, e um terço das árvores queimou, e toda a erva verde
queimou.

NOTAS
8: 7 Salve e atire misturado com sangue. Esta frase lembra a sétima praga do Êxodo: granizo misturado com fogo
foi o julgamento de Deus sobre os egípcios, e teve um efeito devastador (Êxodo 9: 23-25). Outra fonte importante de estas
imagens é a profecia de Ezequiel contra Gog; granizo efogo misturado com sangue era o julgamento executivo de Deus
sobre este inimigo de Judá (Ezequiel 38: 22-23). Embora fogo (Sl. 80: 14-16; Jr. 21: 12-14; . Eze 15: 6-7) ou granizo
(Is. 30:30; Ez. 13: 11-13) são por vezes usados no julgamentos contra Israel por abandonar o pacto, as imagens de
granizoEles misturado com fogo, no Antigo Testamento, eram as armas consistentes com os juízos de Deus sobre as
nações que estavam em oposição a Deus e seus pessoas (cf. Sl. 18: 12-14; Isa. 10: 16-19; 30 : 30; Ez 38: 22-23).
Um terço. Os eventos que vai começar com a abertura que faz Cristo dos os primeiros quatro selos , obviamente
afetou um trimestre do terra. Cada cavalo tinha autoridade sobre um quarta da terra (cf. 6: 8). A mesma forma, ele parece
que os quatro anjos de 7: 1Eles têm controle sobre quatro trimestres da terra. As pragas das buzinas, sem no entanto,
afectar a uma - terceiro da terra (8: 7-12; 09:15, 18). Na as profecias de Ezequiel e de Zacarias, os julgamentos contra o
apóstata Israel são descritos em termos de pragas que afetam a um - terceiro depoisdo outro da nação (Ez. 5: 12-13;
Zc. 13: 8- 9). Em Apocalipse 12: 4, a cauda do grande dragão vermelho no céu-Satanás -se (cf. 12: 9) - arrastou um -
terço das estrelas do céu e do elenco para a terra, de modo que significa que um - terço dos anjos o queeles seguiram e
estavam sob seu controle. Especialmente interessante é que a Babilônia simbólica é dividida em três partes quando
Deus envia seus juízos contra ela (Apocalipse 16:19). Ele seria muito apropriado para concluir que a frase "o terceiro" nas
11
trombetas do Apocalipse 8-9 denota uma porção dereino de Satanás para experimentar a ensaios divina.
As árvores e toda a grama verde. Em do velho testamento, os símbolos de as . Árvores (Sl 1: 3; 52: 8; 92: 12-14; Is.
61: 3; Jr. 11: 15-17; 17: 7-8; Ez. 20 : 46-48) e a grama verde (Sal. 72:16; Isa.
40: 6-8; 44: 2-4) são figurativamente usados com referência a Israel como o povo da aliança de Deus. Os escritores do
Novo Testamento confirmam a associação. Por exemplo, John o Batista comparou aos líderes apóstatas no vilarejo judeu
para árvores que não dão bons frutos (Mat. 3:10). Da mesma forma, Jesus usouo simbolismo das árvores para se referir
a pessoas judeu como uma árvore (Lc. : 23 28-31) e como uma figueira não dá fruto (Lc. 13: 6-9; cf. Matt. 7: 17-19; 21:
18-19).

EXPOSIÇÃO
8: 7 Quando o primeiro anjo tocou a sua trombeta, granizo e fogo misturaram

com sangue são jogados sobre o chão. No Antigo Testamento, o granizo e fogo são as
armas de juízos de Deus usados contra aqueles que estão se opor e oprimir seu povo.
Em primeiro lugar, eles se lembram da sétima praga de granizo e fogo que devastou
toda a terra do Egito, destruindo todas as plantas e árvores no campo (Ex.9: 23-25),
porque Faraó se recusou a deixar ir os filhos de Israel. Nós também trazer para a
mente a profecia de Ezequiel , onde Deus luta contra Gog, a nação inimiga do norte,
por meio do uso de granizo e fogo misturado com sangue (38:22). Assim, granizo e
fogo acompanhado com muito derramamento de sangue, eles são os meios de Deus
para intervir com julgamentos, particularmente para as nações que oprimem seu
povo.
O efeito sobre o chão ao som da trombeta é que uma queimada - terceira das
árvores queimadas e toda a grama verde. No Antigo Testamento, as árvores e a
grama verde , muitas vezes eles simbolizam Israel como povo de Deus. O fogo que
destrói a vegetação simboliza adequadamente as armas de julgamento que Deus usa
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 25/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

contra o seu próprio povo quandotornaram-se infiel a da aliança e, por assim muito,
eles são combinados adversários de Deus. Jeremias chamado para a nação de Judá
"azeite verde, bonita em seu fruto e, em sua opinião" que os babilônios destruíram
com fogo (11:16). Ezequiel profetizou que Deus acenderia um fogo para a infiel
Jerusalém que consumiria "em você toda árvore verde e toda árvore seca" (20:47).
Ao abordar os líderes judeus, João o Batista anunciou que qualquer pessoa que não
carregam boa fruto seria cortada como árvore e jogado para o fogo (Mat. 3:10; cf. 7:
17-19). O texto chave para compreender o simbolismo da árvore na cena da primeira
trombeta é encontrado na profecia de Jesus sobrehabitantes de Jerusalém: "Pois se
fazem estas coisas na árvore verde , o que não será feito no seco ?" (Lucas 23:31). Ele
é claro que Jesus estava se referindo aqui para si o mesmo como a árvore verde,
apóstatas e judeus como árvores secas. Quando Jesus foi tratada dessa maneira árvore
verde, o que a esperança estava lá para a nação que estava seca devido à sua oposição
a Jesus e sua rejeição de ele?A maioria dos estudiosos da Bíblia dizem que Jesus
estava se referindo aqui para o pela destruição de Jerusalém romanos em 70 dC. C., o
mesmo evento que ele descreveu em seu discurso escatológico no Monte das
Oliveiras.
Esta evidência bíblica leva à conclusão de que o toque da primeira trombeta
descreve as conseqüências daqueles que rejeitaram e crucificaram Jesus e se
opuseram ao evangelho. Tanto o povo quanto seus líderes foram responsabilizados
por esses atos. Como a cidade de

Deus da aliança, eles tinham acesso total às promessas de Deus. No entanto, um


número considerável deles se opôs ao evangelho e perseguiu o povo da nova aliança
de Deus. Agora, eles são os primeiros a experimentar as conseqüências de rejeitar o
pacto.
A Bíblia afirma que o julgamento começa para a casa de Deus (1 Pedro 4:17 ;. Cf.
Ez. 9). Bem como no Antigo Testamento "granizo e fogo , " eles estão simbolizando os
juízos divinos que caem sobre os inimigos de Israel, e no a cena da primeira trombeta,
"granizo e fogo misturado com sangue" descrito no idiomasimbólico o juízo divino
derramou sobre a própria cidade de Deus que rejeitou seu pacto e chegou a oprimir e
perseguir os seguidores de Cristo. Na destruição da nação judaica com a sua capital,
Jerusalém, a cidade em 70 d. C., muitos dos judeus foram "queimados". Para o povo
judeu, este evento continua a ser um dos capítulos mais amargos de sua história.

LA SEGUNDA TROMPETA (8:8–9)

8
E o segundo anjo tocou a sua trombeta; e algo como uma grande
montanha ardendo em chamas foi lançado ao mar; e um - terço da
9
segunda mar anjo tocou a sua trombeta sangue, e morreu um terço das
criaturas do mar, que tinha vida, e destruiu terceiro dos navios.

NOTAS
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 26/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

8: 8 Quando o segundo anjo tocou a sua trombeta, apareceu algo semelhante a uma grande montanha ardendo
em chamas. A montanha no Antigo Testamento para muitas vezes representa um reino ou um império (Sl. 48: 1; 78:68;
Isa. 2: 2-3; 13: 4; 31: 4; 41:15; . Jer 51:24 -25; Ez 35: 2-3; Abd. 8-9). Na visão profética
de Daniel, o reino de Deus é descrito em termos de uma grande montanha (Dan 2: 35b, 44, compare Isa 65:25). Jon
Paulien observa que nas passagens de julgamento no Velho Testamento, "montanhas que representam nações são sempre
12

o assunto dos juízos de Deus, nunca mais Seus agentes "(Isaías 41:15, 42:15, Ez 35: 2-7, 38:20, Zacarias 4: 7). A
profecia de Jeremias julgamento contra Babilônia é de particular interesse: "Eis , eu sou contra ti, ó monte destruidor,
diz o Senhor, que destruiu toda a terra; e eu esticar a minha mão contra você, e eu vou atirar a partir das rochas, e
vontadeI vai reduzir a montagem queimado " (Jer. 51:25; cf. 51:42, 63-64). Em Apocalipse 18: 8, João descreve a
destruição da Babilônia espiritual como "queimada com fogo; porque poderoso é Deus o Senhor, para que os juízes".
Foi jogado no mar. A destruição da antiga Babilônia é descrito na profecia de Jeremias como o seu afundamento no
mar: "subiu ao mar na Babilônia; da multidão de suas ondas estava coberta " (Jer 51:42). "E quando você terminar de ler
este livro, você vai amarrar uma pedra,e o que você lançá-los no meio do Eufrates, e dizer: Assim afundar Babilônia, e
não vai subir por causa do mal que eu trago em seu " (Jer. 51: 63-64). John o desenvolvedor usou a mesma linguagem
para descrever Babilônia espiritual: "E um anjo poderoso tomou uma pedra, como uma grande pedra de moinho,e o jogou
no mar, dizendo: Com o mesmo ímpeto será demolida Babilônia, a grande cidade, e nunca mais voltar a ser encontrado "
(Apoc. 18:21).

8: 9 Um terço. Veja Notas sobre Apocalipse 8: 7.

EXPOSIÇÃO
8: 8 Quando o segundo anjo tocou a sua trombeta, uma coisa semelhante a uma
grande montanha ardendo em chamas foi lançada ao mar. Uma "montanha"
simboliza um reino. A " grande montanha" de Apocalipse 8: 8 tem a ver com um
grande reino. A cena da segunda trombeta é construído inteiramente na descrição da
queda de o exBabylon na profecia de Jeremias. O profeta previu que Deus iria julgar
Babylon, uma "montanha destruidor ... que destruiu toda a terra" (Jer . : 51 25a), por
"todo o mal que eles fizeram em Sião" (. Jeremias 51:24). Babilônia será julgada por
Deus; Ela se tornará uma montanha queimada (Jer 51:25b) que é lançada no mar que a
cobrirá (Jr 51:42, 63-64). A queda deo "grande montanha" em Apocalipse 8: 8 nós
lembrar a queda de "Babylon o Grande" descrito mais tarde em Apocalipse (cf. Ap
14: 8 ;. 18: 2).
Os textos em Jeremias sobre a queda de Babilônia fornecer a pista para
compreender a cena da praga da segunda trombeta. No o tempo que foi escrito o
Apocalipse, ele é usado "Babylon", com referência a do grande Império Romano. Por
ter destruído Jerusalém e a t e m p l ou h a b í a a s ou f r i r s u p r op i um s u e r t e .
13
tuma n t ou P e d r ou C ou m ou J ou a n u s a r a "Babylon como um nome críptico
de Roma (1 Ped 5:13 ;. Rev. 17:18.). Para ele , portanto, parece que os cristãos que viu
em Roma um novo Babylon poderia facilmente identificar o simbólico montanha
queimando com a segunda trombeta, como a profecia da queda do Império Romano
como inimigo do povo de Deus. Jon Paulien diz: "Embora Deus usado para Roma
como o executor de sua aliança com onação judaica, sua hostilidade para com Cristo
e seu povo e sua perseguição da igreja exigiu sua queda e n u l t i sou um i n s t a n c i
14
a " . E s t a g r a n m ou n t a nA d e s t r u c t e r a um H ou R um h um ll e g para
fazer uma s e r o assunto do julgamento de Deus. Edwin R. Thiele como explicado
no seguinte forma:

Em seguida, na a queda de Jerusalém e do fim do Estado judeu, a


seguinte cena de julgamento é um de uma escala muito mais abrangente e
vasto. ... A segunda trombeta demanda que uma força terrível, ardente queda,
destrutiva em ásperos mares do mundo antigo e transformar suas águas
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 27/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

turvas em sangue. Em seguida, na a queda de Jerusalém veio a queda Roma


... O império dos Césares foi condenado. O machado da retribuição divina
deve cair. Como chamas de fogo do céu veio Genserico

Vandal, Alaric, o Godo, e Átila, o Huno, deixando em seu rastro cenas de


ruína, desolação, carnificina e sangue. Irresistível e destruidores como uma
montanha em chamas, hordas de bárbaros caiu sobre o povo de Roma até
que todo o império foi envolto em uma grande e irrecuperável catástrofe.
15

Roma havia desaparecido e a justiça novamente governada.

8: 9 A montanha queimando- se afundou no mar e que se transformou em sangue,


deixando morto um terço do da vida marina e um terço dos navios destruídos. Isso traz
para a mente a primeira praga do Egito , nos quais as águas se transformou em sangue
e os peixes morreram. O mar no velhoTestamento para frequentemente simboliza povos
16
opostas Deus (Is 17: 12-. 13; 57 : 20; J e r . 51 : 41-42; D a n . 7 : 2-3, 17 ) . C ou m
ou t r um s po r t a fazer r e s de riqueza, os navios simbolizar o orgulho de um nação
17

como auto s ou f i c i e n c i a ( c f . Um po c . 18 : 17-19 ) . L um s e arma dá t r ou


m p e t um d e s c r i ser um s t l a cair Império Romano e "A devastação da sua ordem
18

social e CE ou n ou m i c ou " .
Em conclusão, as pragas das duas primeiras trombetas afetar duas potências: a
nação judaica eo Império Romano. Estas duas nações hostis se uniram em sua
oposição a Deus e participaram da crucificação de Cristo. Em deste modo são aqueles
que experimentam os juízos de Deus. O julgamento começou com a casa de Deus:
aqueles que estavam sob o pacto que mais tarde se opuseram a Jesus. Ele expandida
para que eles estão se juntou aos judeus para a morte de Jesus, e , em seguida,
oprimidos e perseguidos da igreja no primeiro século da era cristã.

A TERCEIRA TROMPET (8: 10-11)

10
E o terceiro anjo tocou a sua trombeta; e uma grande estrela
ardendo como uma tocha caiu do céu, e caiu em um terço dos rios e nas
11
fontes de água. E o nome da estrela é chamado Absinto; E um terço
das águas se tornou em absinto, e muitas pessoas morreram junto às
águas, porque se tornaram amargas.

NOTAS
8:10 Uma grande estrela. As estrelas da Bíblia frequentemente simbolizam anjos. Em Jó 38: 7, o

Anjos são chamados de estrelas. O mesmo é verdade no Apocalipse (compare 1:20, 9: 1). Em Apocalipse 12: 4,
Satanás carrega com ele um - terço das estrelas do céu para a terra. Estas estrelas são evidentemente os anjos que foram
expulsos do céu com Satanás (12: 9). A "grande estrela" que caiu do céu nos lembrar Isaías 14: 12-15 menciona a
"estrela da manhã, filho da manhã" que caiu do céu como um relâmpago (Lc. 10:18). Para as pessoas judaica, as
19
estrelas simbolizavam "Os seres divinos, que a desobediência poderia começar a ser demoníaco e do mal". A "grande
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 28/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

estrela que caiu decéu para tocar a terceira trombeta é um símbolo de Satanás si mesmo em sua rebelião contra Deus (cf.
Apoc. 12: 9-10). A mesma estrela caída simbolicamente apresentada em Apocalipse 9: 1 e identificada em 9:11 como "o
anjo do abismo".
Os rios e fontes de água. Fontes ou nascentes na Bíblia para muitas vezes são símbolos de nutrição espiritual. Isaías
disse a Israel: "Você vai chamar com alegria águas da fonte da salvação" (Isa.12: 3). Salomão declarou: "A lei do sábio é
uma fonte de vida para afastar -se dos laços dea morte " (Prov. 13:14). Deus repreendeu as pessoas de Israel por meio de
Jeremias por licença, "fonte de água viva" e cavaram "cisternas quebradas que não reter a água" (Jer. 2:13). O salmista
compara a um homem que vai deliciar na Palavra de Deus com uma "árvore plantada juntoa correntes de água "" (Salmo
1: 3, compare Jer 17: 7-8). Um forte simbolismo de rios e córregos de água é refletido na declaração de Jesus na Festa
dos Tabernáculos: "Ele que crê em mim, como disse a escrita, a partir de seu interior fluirão rios de água viva. IssoEle
disse que o Espírito viesse a receber aqueles que acreditavam na dele " (João 7: 38-39). Jesus usou os rios e as fontes
de água como um símbolo da nutrição espiritual da Palavra de Deus do que um pessoa recebe quando o Espírito Santo
vem à sua vida. No a conclusão deLivro de Apocalipse, João cita a oferta de Cristo para dar as pessoas espiritualmente
sedento uma chance para beber a partir da fonte da água da vida (Apoc. 21: 6).
Um terço. Veja Notas sobre Apocalipse 8: 7.
8:11 Absinto. O absinto (Gr . Ápsinthos ) é o nome do grupo de ervas Artemisia absinthium no Oriente Médio,
notável por sua amargura (Deut. 29: 17-18; Lam. 3:19). Embora o absinto não é venenosa, os efeitos tóxicos de muitas
vezes estar associado a ele (cf. Deut. 29:18; Jer. 09:15; Amos6:12). Porque a Israel idólatra esquerda para Deus e
rejeitou sua palavra (. Jer 8: 9), Deus está ameaçada por meio de Jeremias com eles absinto para comer e água bebida
envenenada (Jer. 9: 13-15; cf. 8: 14). A mesma ameaça foi feita contra os profetas, porque de -los ", ele saiu da hipocrisia
de tudoa terra "(Jr 23:15). O absinto no Antigo Testamento era um símbolo de punição divina pela apostasia, bem como
o sofrimento e tristeza.

EXPOSIÇÃO
08:10 No o som da trombeta do terceiro anjo, João vê uma grande estrela ardendo
como uma tocha que cai do céu ao longo dos rios e as fontes de águas, poluindo tudo
com amargura e trazendo a morte a muitas pessoas. As estrelas da Bíblia
frequentemente simbolizam anjos. O fato de ele é dito que esta estrela era grande
indica que estamos lidando com um personagem que é superior aos anjos. Nós
certamente lembrar a estrela da manhã que cai do céu em Isaías 14:12, bem como as
palavras de Jesus: "Eu vi Satanás cair do céu como um relâmpago" (Lc. 10,18). Esta
grande estrela ardente como uma tocha é uma clara referência simbólica a Satanás, o
chefe dos anjos caídos, que uma vez foi na presença de Deus, e que depois de sua
rebelião foi jogado de céu para a terra (cf. Apoc. 12: 9 10).

A grande estrela cai sobre os rios e fontes de água. Os rios e as fontes de água
simbolizam a nutrição espiritual-a palavra de Deus e da salvação, para as pessoas
espiritualmente sedentos. A cena da terceira trombeta mostra como está envolvido
Satan na contaminação das fontes e as correntesa verdade e a salvação por meio de
professores e líderes religiosos seres humanos, resultando em pessoas um efeito
venenoso mortal.
8:11 O nome da grande estrela cadente é Absinto. Sua queda em água doce
transforma um terço deles em absinto. "Absinto é um símbolo de amargura através
20

do pecado e da apostasia." A queda do


estrela e a poluição do abastecimento de água doce e símbolos são a apostasia e do
ensino perverteu o evangelho. Como consequência dessa apostasia, muitas pessoas
morreram pelas águas, porque ficaram amargas. Como afirmou Paulien, quando as
fontes da vida espiritual são contaminados pelo da apostasia e os falsos ensinamentos,
"o resultado imediato é a morte espiritual certo que b e b e n " de e s t e s de u m i n i s
21
t r ou de um gu para . G OS de e s c r i t ou r e s d e l A n t i gu ou T e s t a m e n t ou
deixado em claro que, quando as pessoas voltam a volta para Deus e da aliança, são
eles dada absinto para comer e água envenenada bebida (Jer 08:14; 9: 13-15 . ; 23:15).
A queda da estrela e a poluição do abastecimento de água doce e símbolos são a
aposta e a verdade pervertida. Comentando este conceito,Thiele enfatitsa:
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 29/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

Aqui uma transformação notável e revolucionária é apresentada . O fontes


uma vez pura e que deu a vida veio a ser contaminado e corrompido quando
a estrela mortais Wormwood cai sobre eles, e não encaminhar os homens
morrem , em vez de viver para participar das águas contaminadas. A igreja
pura é um córrego claro e primaveraque dá vida Quando o inimigo entra
nessa igreja, ele se corrompe. A partir de então , é um flagelo em vez de
uma bênção para os homens. Satã, e não Cristo, é na monitorização e
controla a igreja completamente, uma é a bor m u e r t e p a r a m u e r t e e n
22

ve z de v i da p a r a v i d a .

Se os toques das duas primeiras trombetas lidar com a queda da nação judaica eo
Império Romano responsável da morte de Cristo, então a cena toque da terceira
trombeta tem a ver com o período da história que se segue para a queda do Império
Romano . Este período, que a muitas vezes serEla se referia a como a Idade das Trevas
ou a Idade Média,

ele testemunhou um grande declínio espiritual e apostasia, quando a corrente


principal da igreja se separou do evangelho apostólico e perverteu o sólido ensino da
Bíblia. A tradição da igreja e o dogma substituíram a verdade do evangelho. A igreja
promoveu ações pecaminosas contrárias à Bíblia; as pessoas foram desviados da
simplicidade do evangelho. Aqueles que resistiram à apostasia e às influências
sedutoras da igreja institucional experimentaram rejeição e perseguição.
Os primeiros cristãos foram avisados do vir a apostasia. Jesus falou de falsos
profetas que seduziriam os discípulos com seus ensinamentos enganosos (Mateus 24:
4-5, 11, 23-24). Em seu discurso de despedida aos anciãos de Éfeso, Paulo predisse a
vinda apostasia na as igrejas (At. 20: 26-31). Há previsões semelhantes em outras
partes do Novo Testamento (1 Tim 4: 1-2, 2 Tim 4: 3-4, 2 Pd 2: 1-3, 1 João 1: 18-19, 4:
1;
Judas 3-4). A apostasia inevitável também é o assunto regular as mensagens para as
sete igrejas do Apocalipse 2-3. Especialmente importante para a compreensão do
cenário da terceira trombeta é a previsão de Paul da apostasia vem em 2
Tessalonicenses 2: 1-12. Paul faz isso claro que a vinda apostasia foi adiada por
"assim queele pára ", aparentemente, o Império Romano. A queda do Judaísmo e
especialmente Roma "que ele pára" abriu a porta para a maré de medieval apostasia
predominante. A conseqüência dessa apostasia foi a morte espiritual de muitos que
bebiam daquela água contaminada e venenosa. Este é claramente o situação retratada
simbolicamente sobre a cena da terceira trombeta.

A QUARTA TROMBETA (8:12)

12
E o quarto anjo tocou a sua trombeta; e um terço do sol e um terço
da lua e um terço das estrelas foram atingidos, de modo que um terço
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 30/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

deles veio a escurecer eo dia não brilhou por um terço do a, como


também a noite.

NOTAS
8:12 um terço . Veja Notas sobre Apocalipse 8: 7.
Eles ficaram escuros. O significado simbólico da escuridão na Bíblia tem as suas raízes na a criação, quando Deus
criou os corpos celestes do sol, a lua e as estrelas, com o propósito de dar a luz para a terra . (Gênesis 1: 14-18). Como
fontes de luz, a iluminação do sol eda lua no Antigo Testamento, eles são um sinal de favor e a bênção de Deus sobre
suas pessoas (Is. 30:26). Escurecer estas fontes de luz age como um reverso e desfazer a criação.
Escurecendo os corpos celestiais nas profecias do Antigo Testamento é um símbolo consistente

da aparência de Deus no julgamento. Por exemplo, Ezequiel profetizou contra o Egito: "E quando eu tiver extinto você, eu
cobrirei os céus, e farei suas estrelas escurecerem ; o sol cobrirá com o céu nublado e a lua não iluminará a sua luz. Eu
vou escurecer todas as estrelas brilhantes do céu para você, e Farei a escuridão sobre a tua terra, diz o Senhor Deus "
(Ezequiel 32: 7-8).
Isaías descreveu o julgamento contra Babilônia, no dia do Senhor de uma maneira semelhante: "Para de modo que as
estrelas dos céus e suas constelações vai não dar a sua luz; e o sol escurecerá ao nascer, e a lua não dará a sua luz "
(Isaías 13:10). Em sua profecia de julgamento contra Israel,Amos descrito o dia do Senhor como um dia de escuridão
em vez de luz (Amos 5:18). Para Joel será "um dia de escuridão e trevas, dia de nuvens e de sombra" (Joel 2: 2),
quando "o sol e a lua escurecem, e as estrelas retiram o seu brilhante" (Joel 2:10; 3: 15).Jesus falou do escurecimento dos
corpos celestes em conexão com sua segunda vinda para a Terra com julgamento (Mat. 24:29; Mar. 13: 24-25; . Cf. Is
13.10).
No Novo Testamento, a luz e as trevas são símbolos de boa e má. O escuro para muitas vezes está associada com
poderes sobrenaturais (Ef. 6:12; Col. 1:13; 1 Ped. 2: 9; Rev. 16:10). Para Paul, a luz e as trevas são paralelos Cristo e
Belial (2 Cor . 6: 14-15).Paul afirma ainda: "O deus de esta idade tem cegado o entendimento dos incrédulos, para que
não eles brilhar a luz do evangelho da glória de Cristo" (2 Cor. 4: 4). Por meio da influência transformadora do Evangelho,
Deus repete sua obra de criação: "Por Deus, que ordenou que da a escuridão para brilhar a luz, é que brilhou em
nossos corações para dar a luz do conhecimento da glória de Deus no rosto de Jesus Cristo "(2 Cor. 4: 6). Jesus é a
luz verdadeira que ilumina para aqueles que vivem no mundo (João 1: 9). "Eu sou a luz do mundo; o que me segue
não andará em trevas, mas terá a luz da a vida " (João 8:12). "Eu, a luz, eu vim para o mundo, para que todos aqueles
que acreditam em mim vai não permanecer na escuridão" · (João 0:46; Lc. 1:79). Para pregar a mensagem do
evangelho paracidade na Galiléia, Jesus estava cumprindo a profecia de Isaías: "As pessoas sentadas na escuridão viu
grande luz; e para aqueles que estavam sentados na região da sombra da morte, luz brilhou sobre eles " (Mateus 4:16). Por
meio do evangelho de Cristo 's crentes são resgatados do domínio da escuridão etrouxe para a maravilhosa luz de Deus
(Col. 1: 13-14; 1Pe.2 : 9). Aqueles que rejeitam a luz do evangelho e permanecer na a escuridão, trazer em si a si mesmos
os juízos de Deus (cf. João 3:19).

EXPOSIÇÃO
08:12 A praga do quarto Toompea ataca corpos celestes, um - terço do sol e um -
terço da lua e um - terço das estrelas com o resultado de que um - terço de lhes veio
a escurecer e dia não brilhou para - terceiro de ele, e o mesmo caminho da lua . A
cena descrita aqui recorda o nonoassolar a da escuridão do Egito (Ex. 10: 21-23). Na
sua profecia contra o Egito, Ezequiel previu a vinda de uma praga renovada mediante
a terra, que é descrito em termos da praga da escuridão em Êxodo (Ez. 32: 7-8). O
escurecimento dos corpos celestes nos livros proféticos do Antigo Testamento é um
símbolo que consiste daaparência de Deus com julgamento (compare Isa 13:10, Eze
32: 7-8, Joel 2:10, 3:15).
Como nas três trombetas anteriores, a cena da quarta trombeta também deve ser
entendida como uma representação simbólica do julgamento de Deus contra a
humanidade apóstata, em vez de um literal escurecimento do céu. Como a ausência
de luz, a "escuridão" é a falta de compreensão e vislumbres espirituais que resultam
da ausência do evangelho (ver Isaías 8:20, 60: 1-2, Mateus 4:16). Escuridão no
antigo

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 31/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

Testamento é um símbolo que consiste do julgamento do pecado e da apostasia. O


profeta Miquéias usa essas imagens para descrever a apostasia dos profetas em Judá
"Para ambos, da profecia que ele vai fazer à noite ea escuridão divina; e o sol se porá
sobre os profetas , e o dia se escurecerá sobre eles ” (Mq 3: 6).
A luz no Novo Testamento representa o evangelho. O próprio Jesus é a fonte última
da vida espiritual. Ele é a verdadeira luz que ilumina a todos no mundo (João 1: 9). Só
por meio dele pode seres humanos a ser resgatado do domínio da escuridão e trouxe
para a luz maravilhoso Deus (Colossenses 1: 13-14; 1 Ped. 2: 9). A escuridão é
oausência do evangelho; É um símbolo do pecado. Quando as pessoas rejeitaram a luz
do evangelho preferindo a escuridão, trazendo sobre si mesmos -se o julgamento de
Deus: "E esta é a condenação, que a luz tenha vindo para o mundo, e os homens amava
mais a escuridão para a luz" (João 3: 19). O que Jesus fez muito claro é que oa
escuridão é a consequência de ignorar e negar o evangelho. Neste sentido ele é para
ser entendido o simbolismo da escuridão da praga da quarta trombeta.
A queda do terceiro trombeta é desenvolvido até mesmo mais na cena l a c u um r t
23
uma t r ou m p e t um . H i o e n t r a s L um e s ce n a partir de l a t e r ce r um t r ou
m p e t um d e s c r i ser e n linguagem simbólica as consequências do declínio
espiritual e a apostasia da igreja Christian Idade Média, a cena da quarta trombeta
mostra a profundidade da escuridão prevalecente no período que seguido para a Idade
das Trevas. no primeira fase, os de geração de vibração reformadores que enfatizados
a simplicidade e a pureza do evangelho, o que aconteceu o assim chamado
scholasticism protestante caracterizado por os controversos e teológicas
controvérsias. Durante esse período, a vida cristã tornou-se menos um relacionamento
pessoal com Cristo e mais uma questão de pertencer à igreja oficial.
Em seguida, a revolução intelectual do Age of Enlightenment, ou o Age of a Razão,
que caracteriza a Europa de idade dezesseis até o século XVIII, terminou o governo
da fé cristã sobre a mente ocidental. Este novo fenômeno rejeitou a religião tradicional
e tomou o fruto do racionalismo, ceticismo,humanismo e liberalismo. Seu produto
final foi o nascimento e crescimento do secularismo. Embora muitos elementos
positivos para ter a secularização no mundo ocidental (sobre a ciência, a política, a
liberdade religiosa, as artes e da educação), os seus efeitos negativos sobre o
cristianismo que ofuscou seus efeitos positivo Com sua orientação materialista, a
negação de qualquer aspecto sobrenatural, e ceticismo em relação à fé de qualquer
tipo, o

Secularismo substituído a autoridade da Bíblia e da fé cristã com o direito humano.


Este aspecto negativo secularismo gradualmente degenerou da fé e da vida cristã para
ser uma formalidade morta e uma letargia espiritual e roubaram milhões a esperança
de salvação.
A quarta trombeta poderia ser entendida como que descreve o escurecimento vez da
fonte espiritual da luz verdadeira, isto é, o evangelho da Bíblia, sob a influência
predominantemente de secularismo. A melhor maneira de entender o julgamento da
quarta trombeta é como a obliteração do evangelho de Cristo como a única fonte de

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 32/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f
24

vida e s p i r i t u a l . E l e f ec t ou de e s p ec t f i c ou a partir de l a p l a g a de l a
c u um r t uma t r ou m p e t um de e s e l Escurecendo parte ( "un tercio") das fontes
de luz espiritual. O aprofundamento da escuridão e suas terríveis conseqüências
tornam-se mais evidente nas cenas do quinto e os sexta trombetas.

OS DOIS PRIMEIROS ANOS (8: 13-9: 21)


As pragas os primeiros quatro chifres eram em pares. As duas primeiras trombetas
lidam com a nação judaica e o Império Romano, as duas nações que crucificaram a
Cristo. As próximas duas trombetas lidam com o cristianismo apóstata e as terríveis
consequências dessa apostasia. Estas quatro trombetas têm a intenção principal de
serem advertências divinas queEles precederam os ayes das três trombetas restantes
que estão para vir sobre os incrédulos, ou seja, "em que habitam sobre a terra" (8:13).

A ADVERTÊNCIA DO VULTURA (8:13)

13
E olhei, e ouvi um urubu voando no meio de céu, dizendo em alta
voz: "Ay, ay, ay os que habitam sobre a terra pelo resto dos toques de
trombeta dos três anjos que estão jogando" .

NOTAS
8:13 Um abutre. A palavra grega aetos pode significar tanto "águia" e "abutre". O Aetos aqui em 08:13 muito
provavelmente é um abutre (cf. Apoc. 19: 17-18). No Antigo Testamento, o abutre é um símbolo de julgamento iminente e
desastre (cf. Deut. 28:49; Ez. 32: 4; 39:17; . Hos 8: 1).Habacuque descrito para os caldeus invasores como abutres "na
sua presa" (Hab. 1: 8, NVI). Os abutres mencionados em Apocalipse 08:13 evocar também as palavras de Jesus a
respeito de sua Segunda Vinda: "Onde está o corpo, não irá atender os abutres" (Mat. 24:28, NVI; Lc. 17:37, NVI) .
Ay, ay, ay! Este é o primeiro dos sete ocorrências de "Ay" (gr. Ouai ) em Revelação (08:13; 09:12; 11:14; 00:12;
18:10, 16, 19) que correspondem aos das sete bemaventuranças de livro (ver Notas sobre

Rev 1: 3).
Aqueles que moram na terra. Esta frase no Apocalipse sempre se refere aos incrédulos. Ver
Notas sobre Apocalipsis 6:9.

EXPOSIÇÃO
As primeiras quatro pragas das trombetas estão agora concluída. Juan olha
rapidamente um urubu voando a meio do céu , anunciando em voz alta o destino que
vai trazer os restantes três pragas das trombetas, na forma de um triplo ay, ay, ay sobre
os que habitam sobre a terra. A cena lembra o oráculo do julgamentocontra Israel
anunciado por Oséias: "Põe a tua trombeta na tua boca . Como a águia vem contra a
casa do Senhor, porque transgrediram a minha aliança e se rebelaram contra a minha
lei ”(Os 8: 1).
A cena aqui também mostra um paralelo verbal com Apocalipse 14: 6-7, que
descreve um anjo voando a meio do céu anunciando uma grande voz da mensagem
de advertência para os habitantes da terra. O abutre na Bíblia é um símbolo de
decisões iminentes. A imagem de um abutre voando no meio do céu, anunciando os
terríveis problemas, tem a intenção de impactar o leitor sobre os terríveis julgamentos
que estão por vir (cf. Apoc. 19:17). Os três terríveis desgraças que anuncia o abutre
vem como os três anjos restantes, um após o outro, tocando suas trombetas.
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 33/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

No livro do Apocalipse, "aqueles que habitam sobre a terra" denotam o ímpio em


sua hostilidade contra o povo de Deus e do Evangelho (cf. 3:10; Rev. 08:13; 11:10;
13: 8 . , 14; 17: 8). Embora os primeiros quatro trompetes eram "ayes" eles mesmos,
foram principalmente as advertências divinas para os ímpios. A cena agora avança dos
avisos divinos para a manifestação de desgraças demoníacas. Agora Eles estão
prestes a se soltar. As seguintes duas pragas das trombetas eles representam "a tortura
e morte espiritual" que resulta das atividades demoníacas em " que p e r s i s t e n e n r
25
e s i s t i r l a i n v i t ac i ng de d i v i n um de um rr e p e n t i r s e " .
Nas três pragas das trombetas restantes, há uma intensificação dos juízos divinos
sobre aqueles que estão espiritualmente mortos como resultado da apostasia e da
persistência da hostilidade ao evangelho. O pior ainda está por vir "aqueles que
habitam na terra".

LA QUINTA TROMPETA (9:1–12)

1
E o quinto anjo tocou a sua trombeta; e vi uma estrela cair do céu
2
para a terra, e ele deu a chave para o fundo abismo. E ele abriu o poço
do abismo, e subiu fumaça das profundezas como o

fumaça de um grande forno, e o sol e o ar foram escurecidos pela


3
fumaça do abismo. E saíram gafanhotos da fumaça da terra , e foi dado
4
poder a eles, assim como os escorpiões da terra têm poder. E foram -lhe
contada não feriu a grama da terra , nem a verdura alguma, nem a
árvore alguma, exceto os homens que não têm o selo de Deus em suas
5
testas. E eles estavamEle não os matou, mas eles foram atormentados
por cinco meses; e seu tormento era como o tormento de um escorpião
6
quando pica uma pessoa. E naqueles dias as pessoas vão buscar a
morte e de modo algum o achado, e o desejo de morrer, e a morte fugirá
deles.
7
E o aspecto dos gafanhotos era semelhante a cavalos preparados
para a batalha; e nas suas cabeças havia coroas de ouro, e os seus rostos
8
eram como rostos humanos. E tinham cabelos como os cabelos de
9
mulheres, e seus dentes eram como leões, e tinham couraças como
couraças de ferro, e o som de suas asas era como o som de carros de
10
muitos cavalos correndo para a batalha. E eles tinham rabos como
escorpiões e ferrões, e autoridade em suas caudas para atormentar o
11
povo por cinco meses. Eles têm um rei sobre eles , o anjo do abismo,
cujo nome em hebraico é Abaddon, e em grego seu nome é Apollyon.
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 34/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

12
O primeiro ai passou; aqui estão dois males após estas coisas.

NOTAS
9: 1 Uma estrela caída do céu. Veja as notas em 8:10. Aparentemente, esta é a mesma estrela mencionado na
terceira trombeta (8: 10-11), e mais tarde identificado como "anjo do gap" (Ap 9:11). A. Yarbro Collins observa que "a
estrela que cai do céu para a terra evoca a história da queda de Satanás, um dos os anjos mais gloriosas ", em sua
26
rebelião contra Deus (Apocalipse 12: 7-10; . cf. Is 14:12; Lc. 10:18). "queda" é no tempo perfeito, o que indica que a
estrela tinha caído antes que tocou a quinta trombeta.
O poço do abismo . A palavra "abismo" é usado para a primeira vez em Gênesis 1: 2 com referência à condição
caótica da terra antes que a criação: "E a terra era sem forma e vazia, e a escuridão era em cima da face do abismo (cf.
Gen. 7:11). Em Jeremias 4: 23-30,Ele é usado para se referir a da Palestina desolada e desabitada durante o exílio. A
diferença chegou a ser a caverna subterrânea sem fundo, onde o anfitrião celestial desobedientes e os reis da terra foram
confinados como prisioneiros para um certo tempo, após o qual eles iriam receber sua punição (Is. 24: 21-22). Em
outras partes da Nova testamento, o fosso ou o buraco sem fundo (gr. Abyssos ) que é descrito como uma prisão

escuro e um caótico morada dos anjos caídos, os demons, que estão sob o controle de Deus (Luc. 08:31; 2 Ped. 2: 4;
Jude 6 ;. Rev. 20: 1, 3). Em Apocalipse, é o lugar de onde a besta emerge (Apoc. 11: 7; 17: 8). O abismo é também o lugar
onde Satanás será aprisionado durante omilenio (Rev. 20: 1-
3) até que ele receba sua punição final no lago de fogo (20:10).
Foi dado. A forma passiva aqui age como o divino hebraico passivo . Era muito comum no judaísmo do tempo. Os
judeus acreditavam que o nome de Deus era sagrado demais para ser expresso, exceto em raras circunstâncias.
Quando ele falou sobre o de Deus ou de sua age, geralmente utilizado como eles são chamados a passiva divina. Por
exemplo, "Você é abençoado" claramente significava "Deus abençoou você ". A forma de passivo divina é usado para
muitas vezes no livro de Apocalipse. O fato de que para a estrela caída foi dada a chave doabismo significava que a
chave que ele foi dado por Deus.
9: 2 Eles ficaram escuros. Veja Notas sobre Apocalipse 8:12.
9: 3 lagostas. Os gafanhotos no Antigo Testamento foram usados como outro símbolo de julgamento. As pragas
dos gafanhotos eram os juízos de Deus contra as nações apóstatas, como Babilônia (Je 51:14) e Egito (Êxodo 10: 4-
15). Eles também foram os instrumentos de julgamento contra Judá por não obedecerem ao pacto. Joel descreve-os
em conexão com o dia de Jeová como exércitos que marchavam para a batalha, enquanto terremotos e céus tremiam
(Joel 2: 4-10). "Como o jardim do Éden será a terra antes dele, e atrás dele como um deserto desolado" (Joel 2: 3).
Os gafanhotos da quinta trombeta ser entendido como simbólica. Isso é evidente, primeiro porque esses gafanhotos
têm o poder de escorpiões (9: 3, 5); eles têm rabos como escorpiões e picadas venenosas (9:10). Em segundo lugar, as
lagostas normalmente atacam as plantas; os gafanhotos da quinta trombeta, sem no entanto, nãoEles danificam as
plantas, mas as pessoas. Finalmente, a sua descrição como exércitos que se movem como uma nuvem escurecendo o
céu, e soando como o barulho do carro, foi levado para a visão de Joel dos gafanhotos que invadiu a Judá como um
julgamento de Deus (cf. Joel 2: 2-10). O fato de que ogafanhotos da quinta trombeta emergir do abismo, a habitação
lugar de detenção das forças demoníacas, sugere que são símbolos de forças de demônios que foram temporariamente
confinados, e que agora desencadeou a fazer o seu prejudiciais trabalho.
9: 4 A erva da terra ou qualquer coisa verde ou qualquer árvore. A grama e as árvores verdes na Bíblia muitas
vezes são símbolos das pessoas de Deus (ver mais em Notes on Apoc. 8: 7). O fato de que a praga da quinta trombeta não
afetam a grama ou o árvores verdes (porque a vegetação está selado) mas apenas para "os homens que não têm o selo
de Deus em suas testas" suporta esta forma de compreensão deste simbolismo aqui.
9: 5 (também o . Vers 10) Por cinco meses. Ele tem interpretado este período em várias maneiras. Ele tem sido
sugerido que a duração da vida das lagostas é de cinco meses. O dano de esta praga, por assim , por conseguinte, incluir
27
uma geração completa de lagostas. outrostentativa para explicar os "Cinco meses , " é por meio da interpretação da
história baseada no primeiro dia / ano. No entanto , todas essas propostas são problemáticas. Uma busca no fundo do
Antigo Testamento a partir da cena da quinta trombeta nos leva para a história deDilúvio de Gênesis, que é o único lugar no
Antigo Testamento onde um período de cinco meses é mencionado . Ele 's interessante que você mencionou há duas
vezes, assim como também a da cena da quinta trombeta . (Gn 7:24; 8: 3). É muito provável que João descreve os
gafanhotos demoníacos ferindo o Terra e seus habitantes por cinco meses após a história do Dilúvio.
9:10 Colas como de escorpiões e ferrões. Como ele explica William Barclay, os escorpiões são artrópodes
semelhantes para as lagostas marinhos que medem -se a 15 cm de comprimento. Eles têm pinças com que eles tomam
28

a sua presa, e um ferrão curvo no final da longa cauda com que os ataquesàs suas presas envenenando-as.
Autoridade em suas caudas para atormentar as pessoas. Os gafanhotos demoníacos atormentar as pessoas com
os ferrões em suas caudas. Isaías usa a metáfora da cauda com referência aos profetas que enganou as pessoas com
seus falsos ensinos (Isa. 9: 14-15). Em Apocalipse 12: 4, a cauda do

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 35/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

grande dragão vermelho, Satanás si mesmo (cf. 12: 9), arrastou um - terço das estrelas do céu, presumivelmente anjos. A
cauda de Satanás muito provavelmente simboliza a persuasão e o engano com aqueles que desviou para os seres
celestiais, a se rebelar contra Deus e segui -lo para ele (Apocalipse 12: 9). Neste sentido , deve ser entendida como o
símbolo da cauda na a cena da quinta trombeta (cf. Apoc. 13: 13-14).
9:11 Cujo nome em hebraico é Abaddon, e em grego seu nome é Apollyon. O termo hebraico Abaddon significa
"destruição". No Antigo Testamento, Abaddon diz respeito ao lugar de destruição associada com a morte e o inferno (cf.
Job 26: 6; 28:22; Sl. 88:11; Prov. 15:11; 27:20). Juanrefere-se a Abaddon como a personificação da destruição. Apollyon é o
equivalente grego Abaddon, que significa "o que destrói" ou "o destruidor". O Destroyer é um nome apropriado para
Satanás, que é , obviamente, o rei de estes gafanhotos demoníaca, e que em Mateus 12:24 é chamado como "oPríncipe
dos demônios " (cf. Mat. 25:41; Rev. 12: 9). Jesus ele descreve como um ladrão que vem para roubar, matar e destruir
(João 10:10). O nome Destructor é perfeitamente adequado para a natureza e o caráter de sua atividade on a terra (cf.
12: 12-17).

EXPOSIÇÃO
9: 1-2 At o som da quinta trombeta, John observa uma estrela queda do céu para a
terra. Esta é aparentemente a mesma estrela que caiu na a terceira trombeta, "a grande
estrela" chamado Wormwood que envenenado os rios e as fontes das águas, causando
a morteespiritual daqueles que bebem dessas fontes de água fresca. Esta estrela caída
representa Satanás e sua queda do céu para a terra, também identificado como o anjo
do abismo (Ap 9:11 ;. Cf. Is 14:12 ;. Lc. 10:18; Ap 12: 7-10. ). A estrela caída do céu
para a terra evoca a queda de Satanás, um dos anjos mais gloriosos. Ele éEle deu- lhe
a chave para o poço do abismo. O abismo é a prisão escura onde as forças
demoníacas estão confinadas (compare Lucas 8:31, 2 Pedro 2: 4). Ele representa o
centro administrativo das forças demoníacas da escuridão. Os poderes do mal, não
ainda, não têm a sua própria liberdade de movimento. DeDe acordo com Apocalipse
1:18, Cristo possui as chaves do Hades; as forças dos demônios estão sob seu controle
(ver Notas sobre Apocalipse 1:18). Ele é o único que autoriza a Satanás para ter o
bloqueio lacuna e abri-lo. Esses poderes do mal agora têm a oportunidade de fazer seu
trabalho prejudicial .
A estrela caída abre o abismo de onde vem uma nuvem de fumaça densa como a
fumaça de uma grande fornalha. O fumo é um outro símbolo de julgamento em
Revelação (cf. 14:11; 19: 3). À medida que o fumo de um grande forno é uma
reminiscência do fumo a partir da destruição de Sodoma e Gomorra que descrito como
ele se "como o fumo de um forno" . (Gn 19:28). Do mesmo modo, a presença de Deus
no Sinai foi associada com o fumo que rose "tal como o fumo de uma fornalha" (Ex.
19:18). A fumaça que sai do abismo, na quinta trombeta, cria uma escuridão no céu.
Na quarta trombeta houve uma escuro parte, que agora se torna o total; o

sol e ar escurecidos pela fumaça do abismo. Isso nós lembrar a escuridão que caiu
sobre o Egito , que era tão densa que as pessoas não podiam ver cada outra ou mover
de seus lugares (Ex. 10: 22-23). Seja ele que tudo o que significa esta escuridão, a
praga da quinta trombeta é especial e muito assustador.
9: 3 Então João vê uma terrível invasão de gafanhotos que sai da fumaça que se
eleva do abismo. Isto indica que a fumaça que sobe do abismo não é uma fumaça fluxo,
mas uma excepcionalmente grande nuvem de gafanhotos que bloqueia o sol para o
ponto de produzir escuridão total. As lagostas de a peste egípcia obscureceu o céu
(Êxodo 10:15). Joel falou de uma praga de gafanhotos que causou o escurecimento
dos corpos celestes (Joel 2: 2-10). Essas cenas do Velho Testamento sugerem que o
aprofundamento da escuridão da praga da quarta trombeta é causada pela gigantesca
nuvem de gafanhotos que sai do abismo. A escuridão é oobscurecimento do
evangelho. Quando as pessoas rejeitaram o evangelho como a fonte da vida, como um
resultado, eles são atormentados por as forças de mal (cf. João 3: 18-21).
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 36/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

Os gafanhotos também são um símbolo das decisões judiciais na Antigo Testamento.


Na cena da quinta trombeta, os gafanhotos , que se elevam a partir do abismo não são
insetos comuns. Em lugar de atacar as plantas (como você faz normalmente as
lagostas), estes lagostas têm o poder de escorpiões e ataque e tormento para as
pessoas. Seu líder Ele é o anjo do abismo, o próprio Satanás (Apocalipse 9:11). A
chave para esse simbolismo é encontrada em Lucas 10: 17-20: " Os setenta voltaram
com alegria, dizendo: Senhor, até mesmo os demônios estão sujeitos a nós em seu
nome. E ele disse para eles: Eu vi Satanás cair do céu como um raio. Eis que te dou
poder para pisar em serpentes e escorpiões, e em toda forçado inimigo, e nada irá
prejudicá-lo. Mas não se alegrem de que os espíritos estejam sujeitos a você , mas
regozijem-se de que seus nomes estejam escritos no céu. " Jesus usou cobras e
escorpiões como metáforas para demônios ou espíritos malignos. É muito possível que
João, o Revelador, tenha se lembrado da declaração de Jesus ao descrever a invasão
de gafanhotos de a quinta trombeta. Isso é o que leva a um a concluir que os
gafanhotos da quinta trombeta são forças demoníacas-assim que Paulo chama o poder
da escuridão e do mal (Ef. 6:12) , que moram no abismo como o lugar de sua prisão.
9: 4-6 As lagostas Demonic agora foram acionados para atacar o rosto da terra.
Sem Mas não pode prejudicar eles são selados, mas unicamente para aqueles que não
têm o selo de Deus em suas testas (cf. 9:10) Esta vedação é descrito em Apocalipse
7. O que são selados são

aqueles que Deus conhece e reconhece como seus (2 Tm 2:19). Eles estão protegidos
e não serão danificados por esses ataques de demônios; o evangelho protege aqueles
que estão com Cristo do dano dos poderes demoníacos. A certeza de que Jesus se deu
doze é ainda firme: "Tenho aqui dada autoridade para pisar em serpentes e escorpiões,
e sobre toda a força do inimigo, enada te prejudicará " (Lucas 10:19).
As lagostas Demonic não pode matar pessoas , mas unicamente a eles permite -lhes
para ser torturado. A praga da quinta trombeta não está fisicamente, mas
espiritualmente e mentalmente. As lagostas demoníaca desencadeou causando tortura
insuportável psicológico e ansiedade suicida. E naqueles dias as pessoas vão buscar
a morte e não pelo o encontrará, e o desejo de morrer, e a morteele fugirá deles
(Apocalipse 9: 6, cf 8: 3). Job fala de alguém que quer a morte que não venha (Jó
3:21). A mesma forma, Jeremias fala do dia quando os homens irão escolher a morte
em vez da vida (8: 3).
O período designado para este tormento demoníaco é de cinco meses. Isso nos
lembra do dilúvio de Gênesis que durou e feriu a terra por cinco meses (Gn 7:24; 8:
3). Durante esse período, Noé e sua família estavam sob proteção especial, e as águas
do grande Dilúvio não podiam prejudicá-los. Esta razão para o Dilúvio é refletidaaqui
no a cena da quinta trombeta. Como Noé e sua família e os crentes genuínos estão sob
proteção especial a praga do gafanhotos Demonic que ferir a terra e seus habitantes
"cinco meses."
9: 7-10 Tendo descrito a origem ea missão do gafanhotos demoníacos, Juan , em
seguida, fornece uma descrição aparência detalhado. Ao descrevê-los, use palavras
como "similar", "like". O lagostas demon aparecem como cavalos preparados para a
batalha (cf. Joel 2: 4); Eles têm o que eles parecem com coroas de ouro; Eles têm
rostos como o humano cabelocomo o cabelo de uma mulher e dentes como os de um

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 37/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

leão (veja Joel 1: 6); seu exterior escamoso é como couraças de ferro; o som de suas
asas é como o som de carros de guerra (ver Joel 2: 4-5).
Ele é incerto se John foi a intenção de que cada detalhe de sua descrição é
interpretada. A linguagem grotesca lembra muito a profecia de Joel sobre a invasão
no dia do Senhor:

Sua aparência, como a aparência dos cavalos, e


como as pessoas do cavalo correrão.
Como estruendo de carros
eles vão pular no topo da montanha;

como som chama de fogo que consome o restolho, como pessoas fortes
prontos para a batalha.
As pessoas terão medo diante dele;
todos os rostos ficarão pálidos. Tão corajosos que eles
correrão
como homens de guerra, eles subirão ao muro; cada um
vai seguir seu caminho
e não vai torcer o seu curso.
Ninguém vai abalar seu parceiro, cada um irá
para sua carreira;
e caindo na espada eles não serão feridos. Eles vão
passar pela cidade,
eles correrão pela parede, subirão
pelas casas,
Eles entrarão pelas janelas como ladrões. A terra tremerá
diante dele
os céus tremerão;
o sol e a lua escurecerão
e as estrelas retrairão seu esplendor. (Joel 2: 4-10)

Claramente, auto mesmo, que a descrição dos gafanhotos Demonic é tomado a partir
da visão de Joel, embora muitos dos detalhes vêm de John. Embora esta descrição da
aparência com medo do gafanhotos demoníaca é intencional, em um lado, apresenta
como viva o caráter grotesco dos poderes do mal e queincrível do dano que eles
fazem. No outro lado, esta apresentação simbólica tem a intenção de produzir um
impacto sobre seus leitores com uma ressalva. Os poderes do mal têm sido limitados
por um longo tempo. Sem no entanto, que tenha chegado o dia em que o poder da
escuridão será desencadeada para exercer sua atividade como Nunca antes nohistoria
Em adição , é dito que os gafanhotos demoníacos têm caudas como escorpiões e
aguilhões nas suas caudas e autoridade para atormentar os homens por cinco
meses. Tormento para as pessoas com o seu ferrão (cf. 9: 3). A cauda é um símbolo de
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 38/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

engano por meio da persuasão de que Satanás usa para enganar os seres humanos para
que se rebelam contra Deus e o que

segui-lo (veja Apocalipse 12: 4). Diz-se que a cauda são os profetas que dão
instruções falsas (Is 9: 14-15). O dano feito pelo gafanhotos Demonic é , obviamente,
não militar, mas mais sim ideológica. (Como será visto mais tarde, as filosofias
destrutivas ter causado tremenda danos para a fé e a conduta Christian).
09:11 Em contraste com as lagostas naturais (cf. Prov. 30:27), estes lagostas
Demonic que parecem escorpiões, tem como seu rei o anjo do abismo. Seu nome é
dado em duas línguas: o hebreu é Abadón ("destruição"), e no grego Apolión
("destruidor"). Este rei do gafanhotos demoníaca é claramente Satanás si mesmo, a
estrela caídacéu (Apoc. 9: 1), que tem recebido autoridade sobre o abismo que ainda
tem o domínio sobre a terra. Paul então chamado "o príncipe do poder do ar" (Ef. 2:
2). Seu nome é Destruidor, que define apropriadamente seu trabalho de destruir e ferir
(veja João 10:10). Ele, "como um leão rugindo, anda por aí procurando alguém para
devorar"(1 Pedro 5: 8) Seus seguidores são os "que destroem a terra" que, a seu
tempo, Deus será destruída quando jogar a sétima trombeta. (Ap 11:18) Sua obra
especial é o de organizar as forças de mal em preparação para a batalha mais decisiva
contra Deus e seu povo na história deste planeta. Esta preparação para a batalha
finalÉ descrito na sexta trombeta.
Nós já notamos antes que as primeiras quatro trombetas estão em pares. A praga de
absinto a terceira trombeta descrito em linguagem simbólica a grande apostasia das
escuras Idade Média. O escurecimento das fontes de luz da quarta trombeta descreve o
posterior Age of Enlightenment na Europa, durante o séculodezesseis até dezoito
anos. Este período foi caracterizado pelo surgimento do racionalismo, do ceticismo,
do humanismo e do liberalismo, com seu produto final do secularismo e seus efeitos
negativos sobre o cristianismo. A praga da quinta trombeta é evidentemente o
resultado do declínio espiritual e da apostasia apresentado no terceiro e os quarto
trombetas. Parece quea situação no mundo teria sido totalmente diferente se a igreja
tivesse permanecido fiel ao evangelho.
Assim, a quinta trombeta refere-se a condição espiritual no mundo secular e as
consequências de tais condições desde o século XVIII até o nosso tempo. Como ele
explica Hans LaRondelle, "a teologia tradicional centrada em Deus foi substituída por
uma filosofia centrada h ou m b r e , e n l a c u uma l e l h ou m b r e e s r e s po n s um
29
b l e s ou L ou uma n t e s t m i s m ou " . E l governo opressivo da igreja foi
substituído pelo da filosofia ateísta expressa em várias formas como deísmo, o
relativismo, o niilismo, o

nacionalismo e comunismo. O fato é que os seres humanos tentam viver separados de


Deus. Aqueles de um mente laico têm vindo a ser afastou do D i ou s , para l I d e m a
30
s , e s t m i s m ou s . P ou L n l a fazer, lpara f il ou s ou f t para a t e para h para
31
criado nas pessoas a agonia do vazio e a falta de significância de a v i d a . E N L
um e s ce n a s i m bó li c a partir de l a q u i n tuma t r ou m p e t um pod e m OS ob s
e r v a r l para desespero do homem secular: sem Deus, sem futuro, e sem significado
para a vida. É em contraste com a grama verde e as árvores que são alimentadas com
água.
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 39/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

No outro lado, a filosofia ateísta tem desencadeou as forças demoníacas. Apesar de


ser separado de Deus, as pessoas secular ainda tem um desejo de valores espirituais
que preenchem o vazio de suas vidas. Sem Mas a resistência ao poder transformador
do evangelho dá a Satanás uma oportunidade para preencher esse vazio. A fumaça do
abismo demoníaco pode visto, por exemplo, nos diversos movimentos dentro
cristianismo que está promovendo uma religião baseada principalmente sobre as
emoções, que tem tomado o lugar da religião da mente e do comportamento. No
entanto esta fumaça demônio pode ser observado, também, na ampla divulgação do
movimento da New Era, e as atividades crescentes do Islã.
A única segurança contra dano demoníaco é encontrada em Cristo. A cena da quinta
trombeta nos adverte contra qualquer religião que é separada de Cristo. Quando Israel
no tempo do profeta Amós, escolheu a vida de pecado tornou-se "o julgamento
veneno, eo fruto da justiça em absinto" (Amós 6:12), Deus trouxe mangas de
gafanhotos em suas terras. Isso podeexplicar o que você descrever a cena da quinta
trombeta. Como as pessoas resistira e rejeitado o poder transformador do evangelho e
escolheu mais , em vez da escuridão (como descrito na terceira e a quarta trombeta),
descobriu-se o castigo dos gafanhotos demoníacos. Paulo advertiu os cristãos de sua
época: "Não seja enganado; Deus não pode ser ridicularizado:porque tudo o que que o
homem semear, isso também ceifará "(Gal. 6: 7).
09:12 John conclui a cena com um aviso ao leitor que a praga da quinta trombeta é
apenas o primeiro ay. Duas aflições ainda estão por vir. O ímpio tem a experiência
mais sofrimento terrível, do qual a praga da quinta trombeta era única do prelúdio.

LA SEXTA TROMPETA (9:13–21)

13
E o sexto anjo tocou a sua trombeta; e ouvi uma voz do

14
chifres do altar de ouro que está diante de Deus, dizendo ao sexto anjo
que tinha a trombeta: "Solte os quatro anjos que estão ligados pelo
15
grande rio Eufrates". E os quatro anjos que estavam preparados para
a hora, dia, mês e ano foram liberados para que pudessem matar um -
16
terço dos da humanidade. E o número do exército dos cavaleiros era
17
duzentosmilhões; e ouvi o número deles. E assim vi os cavalos na a
visão e os que sobre eles, tinham couraças de fogo e jacinto e enxofre; e
as cabeças dos cavalos eram como as cabeças dos leões, e de suas bocas
18
saíam fogo e fumaça e enxofre. de estes três flagelos, fogo e fumaça e
enxofre, que saiu da boca de los foi morto um - terço dos da
19
humanidade. Porque a autoridade dos cavalos está nas suas bocas e nas
suas caudas, porque as suas caudas são como serpentes, têm cabeças e
com elas causam dano.
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 40/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

20
E o resto das pessoas, que não foram mortos por estas pragas, não se
arrependeram não das obras das suas mãos, assim como não adorar aos
demônios , e os ídolos de ouro e prata e bronze e pedra e madeira , que
21
não pode ver ou ouvir ou a pé; e não se arrependeram dos seus
homicídios, nem as suas feitiçarias, nem da sua prostituição, nem dos
seus furtos.

NOTAS
09:13 O altar de ouro que está na frente de Deus. O Altar de ouro aqui é , obviamente, sobre o altar do incenso em
frente do trono mencionado antes em Apocalipse 8: 3-4 (ver Notes on . Apoc 8: 3), e que no templo do Velho
Testamento era "antes do véu que está próximo para a arcao testemunho, antes do propiciatório que está sobre o
testemunho, onde I vai atender com você " (cf. Êx. 30: 6).
9:14 o grande rio Eufrates. No Antigo Testamento, os Eufrates, chamado o grande rio . (Gn 15:18; Dt. 1: 7; Josh. 1:
4), foi no limite que separou as pessoas de Deus de seus inimigos. As regiões mais além do Eufrates foram
consideradas como o símbolo daarquiinimigos de Deus e de Israel: Assíria e Babilônia (Is 7:20, Jer 46:10). Isaías
descreve o ataque de essas nações inimigas de Israel como as abundantes águas destrutivas Eufrates transbordando suas
margens e inundar a terra de Judá, atingindo -se para o pescoço, que é para dizer,para Jerusalém (Isaías 8: 7-8). Este
é o sentido em que João usa o símbolo do rio Eufrates.
O Eufrates também era a fronteira leste do Império Romano, mais do que no que era o Império Parto, o surgimento
das quais era uma ameaça constante para o império. Desde o texto menciona a invasão dos pilotos de mais para além
32

dos rios Eufrates, alguns comentadores Modern alegam que eles simbolizam os muito temidos exércitos entregas. os
exércitos romanos eram três vezes vencidos por eles (em 53 e 35 um. C., e 62 d. C) e esta criada uma lote de ansiedade
entre os romanos por uma possível destruição de este poder oriental. Mesmo os escritos apocalípticos judaicos Eles
esperavam uma invasão escatológico das forças partas:

Em esses dias, os anjos irá reunir e ser jogado no presente contra os partos e os medos. Eles agitar os reis (de
modo que) um espírito de inquietação vem sobre eles, e a agitate em seus tronos; e eles vão pular de suas
camas como leões e hienas famintas entreseus próprios rebanhos. E eles vão para cima e subjugar a terra de
33
meu escolhido, e a terra de meu escolhido será em frente de -los como uma era de debulha ou uma estrada.

Este texto mostra como o escritor apocalíptico aplicou a profecia de Ezequiel contra Gogue (Ezequiel.
39) para as partes que estavam mais além do Eufrates. Muitos estudiosos hoje são altamente improvável que a profecia
34 Ele
de João tem a ver com uma invasão literal das entregas. é difícil de ver esta profecia cumprida com referência para
o Império Romano, porque ele cobre o mundo todo. Além disso,o tamanho de um exército de dois centena de milhões de
de cavaleiros (Ap 9,16) indica que John não pensar em uma invasão literal das entregas. Ele parece que para
comunicar a profecia da invasão demoníaca escatológica usa a profecia de Ezequiel contra Gog e o muitoFamília ansiedade
romano do século primeiro. G. R. Beasley-Murray declara: "Porque o exército que ele espera é mais terrível, de
35
longe, do que qualquer exército humano. É, de fato, um exército sobrenatural, realmente infernal ".
Os quatro anjos. Os quatro "anjos que estão presos junto os grandes rios Eufrates" são , obviamente, os mesmos
quatro anjos de Apocalipse 7: 1-3: Enquanto em Apocalipse 7 os quatro anjos estão segurando os quatro ventos da terra,
assim que não soprar sobre a terra , oquatro anjos em Apocalipse 9 restringem os exércitos de cavaleiros. Enquanto em
Apocalipse 7: 3 é -lhes ordens para não a danificar a terra para que os servos de Deus têm sido selada na cena da sexta
trombeta é a solta "para que pudesse matar um - terço dohumanidade " (9:15, 18). Ele parece que os ventos destrutivos
restringido por os quatro anjos de Revelação 7: 1-3 correspondem aos dos pilotos, presumivelmente a forças demon
descrito na cena do sexto trombeta (Rev. 9: 16-19).
9:15 Os quatro anjos foram [...] libertados. A forma passiva aqui ("eles foram liberados") funciona como o divino
passivo (ver Notas sobre Apocalipse 9: 1).
9:16 Cavaleiros A descrição dos pilotos sugere que eles são o mesmo que o demônio gafanhoto da quinta trombeta,
mas sob circunstâncias diferentes. Primeiro de tudo, a aparência dos gafanhotos demoníacos foi como o de cavalos
pronto para a batalha (9: 7, 9). Os gafanhotos demoníacos veiodo abismo (9: 2-3), enquanto os cavaleiros vêm do rio
Eufrates, a fronteira simbólica entre o povo de Deus e seus inimigos (ver Notas sobre Apocalipse 9:14). Ambos
possuem couraças (9: 9, 17). Além disso, o poder de ambos os gafanhotos e os cavaleiros está em suas caudas
(9:10,19). Enquanto os gafanhotos tinha dentes como um leão, as cabeças dos cavalos pareciam cabeças de leões (9: 8,
17). A atividade prejudicial para os pilotos da sexta trombeta sugere uma intensificação adicional da atividade destrutiva
demônio como juízos divinos que começou com a vinda dos gafanhotosen la quinta trompeta.

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 41/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

Duzentos milhões. Literalmente, "duas miríades de miríades", ou vinte mil vezes dez mil. O número aqui é, sem
36
dúvida , simbólico, representando uma multidão incontável, bem como os carros de Deus no Salmo 68:17, em
contraste com os 144.000 santos selados de Apocalipse 7.
9: 17-18 Fogo e fumaça e enxofre. A combinação de fogo, fumaça e enxofre nos a Bíblia sempre está ligada com
julgamentos sobre o mau. Para destruir Sodoma e Gomorra, o Senhor fez -lo chuva de fogo e enxofre de céu, de modo que
a sua fumaça subiu como um forno . (Gn 19:24, 28; Lucas.17:29). Em outras partes do Antigo Testamento, esses
elementos são usados para punir os iníquos (Sl 11: 6; Is 34: 9-10; Ez 38:22). Em Apocalipse, o grupo que recebe a marca
da besta é "atormentado com fogo e enxofre diante dos santos anjos e do Cordeiro; e a fumaça de suatormentos sobe
para as idades das idades (Ap. 14: 10-11). Esses três elementos são usados para a destruição de Satanás e suas forças
no lago de fogo no julgamento final (Apocalipse 20:10, cf. 19:20, 21: 8). O texto de 9: 17b-18 parece indicar uma
disposição quiástica:
A de sus bocas
B saiu

C fogo e fumaça e enxofre


D Destas três pragas, um terço da humanidade foi morta
C ' fogo e fumaça e enxofre
B ' que saiu
37

Um ' de suas bocas.


9:19 Bocas. De acordo com 9:18 o fogo, a fumaça e o enxofre que fora das bocas dos cavalos matar as pessoas. No
apocalipse, a boca como um símbolo refere-se a uma arma poderosa na batalha entre o bom e o ruim. A partir da boca
de Cristo vemuma espada mais afiada dois - gumes (1:16) com o que faz guerra contra o impenitente (02:16; 19:15, 21).
Se alguém tenta a prejudicar as duas testemunhas, o fogo sai de suas bocas e mata seus inimigos (11: 5). Por outro
lado, a boca simbólica é a arma de Satanás e seus associadosem suas atividades contra o povo de Deus. A partir da
boca do dragão vem a água para destruir a da mulher, presumivelmente, a igreja (12:15). Para a besta do mar de
Apocalipse 13 é que ele dá "boca que falava grandes coisas e blasfêmias" (13: 5). "E ele abriu a boca emblasfêmias
contra Deus, para blasfemar do seu nome, do seu tabernáculo , e de aqueles que habitam no céu "(13: 6). Em preparação
para a batalha final entre as forças de luz e da escuridão, John viu "saindo da boca do dragão, e da boca dobesta e a partir
da boca do falso profeta, três espíritos imundos por meio de sapos "para persuadir para os reis do mundo que estão
unidos para a guerra fim da história da terra (16: 13-14). Tudo isso sugere que a batalha entre as forças do bem e do mal
nolivro do Apocalipse, é mais verbal do que físico por natureza .
Filas Veja Notas sobre Apocalipse 9:10.

EXPOSIÇÃO
Na cena do toque da quinta trombeta, os gafanhotos demoníacos que parecia cavalos
estavam prontos para a batalha (9: 5) , sob a condução do anjo do abismo chamado
Destructor, que é Satanás si mesmo (9:11). Sem Mas suas atividades são limitadas
porque não são eles autorizados a matar para as pessoas , masatormentá-los apenas por
cinco meses (9: 7). A situação agora muda; as forças demoníacas recebem total
liberdade para exercer suas atividades destrutivas contra a terra e seus habitantes.
9: 13-16 Quando o sexto anjo tocando seu trompete, John ouve uma voz que vem
dos chifres do altar de ouro que está diante de Deus Esta observação sobre a voz
celestial que sai do altar do incenso é especialmente importante na luz do apelo para a
libertação dos povos oprimidos de Deus na cena do quintoselo (Apocalipse 6: 9-10).
Apocalipse 8: 3-5, sobre o altar do incenso oferecido suas orações antes do trono, e
como um resultado, julgamentos derramar. O novo menção altar de incenso-o mesmo
altar em que ofereceu as orações dos santo oprimido-sugere que ainda lembrar o
38
preces p u e b l ou de D i ou s . L um e s ce n um de l a s e x t a t r ou m p e t um r e p
r e s e n t a u n a v a n c e e n l um divina resposta para as frases do povo oprimido de
Deus.

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 42/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

Duas coisas vêm para a luz deste texto. Primeiro, a voz celestial instrui o sexto '
Angel: Solta os quatro anjos que estão presos junto do grande

Rio Eufrates. O texto mostra também que estes anjos restrito às forças demoníacas
para não destruir a terra (9: 16-19). Esta cena nós lembrar os quatro anjos que
seguram os ventos destruidores que vai evitar danificar a terra para completar a
vedação do povo de Deus (Apocalipse 7: 1-3 . ). Os paralelos óbviosentre 7: 1-3 e 9:
13-16 eles ligam as duas cenas: em ambos, amarrar e desatar está associado a quatro
anjos; participantes ambos são numeradas: o povo de Deus no Capítulo 7 e o anfitrião
demoníaca na cena da sexta trombeta; e somente estas cenas usam a frase "Eu ouvi o
seu número" (7: 4; 9:16). Esses sólidos paralelos colocam as duas cenas no mesmo
quadro detempo: a preparação para a batalha final.
Que os quatro anjos em Apocalipse 9 estão confinados ao rio Eufrates é
especialmente importante. O Eufrates, no Antigo Testamento, marca a fronteira entre o
povo de Deus e seus inimigos; É o lugar de onde vem a ameaça para as pessoas de
Deus. Ao lado do simbólico rio Eufrates, os quatro anjos restringem o exército
demoníaco organizado contra o povo de Deus. As forças do diabo estão sob o controle
soberano do Deus Todo-Poderoso.
A segunda coisa a notar é que as forças Demonic não têm liberdade para agir até que
o tempo definido para ele por Deus. Dizem que os quatro anjos foram preparados
para a hora e dia e mês e ano . Isso pode ser entendido como um " momento
39

divinamente nomeado na t i e m po " . E s t para li b e r c i ng de l OS para ng e l de


e s d e ser e n t e n d e r s e c ou m ou u n p a s i vo divina; Em outras palavras, Deus é
que eles podem agir. Este desencadeamento das forças demoníacas e teve começou
com o toque da quinta trombeta. No o gafanhotos demoníacos foram eles autorizados a
atormentar os ímpios para "Cinco meses"; sem no entanto, eles são eles impedem
destruindo e matando-os (9: 3-6). Aqui, a do cenário da sexta trombeta, a cavalaria
demoníaca completa uma vasta matança. Vem o momento em queDeus irá remover
todas as limitações, tornando possível que as forças demoníacas o exercício da
actividade como Nunca antes na da história, e Deus levar adiante seus julgamentos
sobre os habitantes da terra.
O número dos cavaleiros do exército demoníaco é duzentos milhões. A frase que
eu ouvi o número deles está obviamente relacionada com "e eu ouvi o número dos
selados" de Apocalipse 7: 4, e o número dos 144.000 do povo de Deus. Estes pilotos
demon são, neste modo, o f a l s i f i cac i ng d e m ou n í ac a d e l p u e b l ou de D i
40
ou s . Um m bos g r u po s , e l p u e b l ou de vedação de Deus e os hospedeiros de
Satã, são preparadas para a batalha fim da história do mundo.

9: 17-19 Como na cena da quinta trombeta, após ter descrito a missão das hordas
demoníacas, Juan fornece uma descrição aparência detalhado. Ele descreve os cavalos
e seus cavaleiros mesma forma que faz com o lagostas demoníaca do cenário da quinta
trombeta. Ao descrever sua aparência aterrorizante, usenovamente as palavras "like" e
"similar to". O exército demoníaco é equipado com materiais do lago de fogo: fogo,
fumaça e enxofre (Apocalipse 19:20, 20:10, 21: 8). Os cavaleiros usam casacos
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 43/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

vermelhos , fumaça azul e enxofre amarelo . Estas cores correspondem ao fogo, fumaça
e enxofre que sair da boca do cavalo. A combinação destes três elementos na A Bíblia
é um símbolo do julgamento de Deus sobre os ímpios. As cabeças dos cavalos
parecem com as dos leões. Esta linguagem grotesca era a intenção, no caso da quinta
trombeta, interpretando a personagem estranha da atividade demoníaca e produzir um
impacto sobre os leitores.
O poder de matar desses cavalos demoníacos reside em suas bocas e em suas
caudas. As filas aqui no a cena da sexta trombeta, estão relacionados com as filas às
9:10 , que sugere que a sexta trombeta é uma extensão do quinto. A sexta trombeta
intensifica as atividades demoníacas , que começou no quinto trompete Enquanto a
fonte do poder da gafanhotos demoníaca estava em suas caudas, produzindo única
tortura, aqui ambas as caudas como as bocas estão em ação na preparação para a
batalha final contra o povo de Deus, causando tanto a tortura e morte. A consequência
desta praga é para ser destruído um - terço dos da humanidade.
Os cavalos demoníaca usar suas caudas para assediar e danos. Suas caudas são
como cobras, tendo cabeças e com elas causam muito dano. Em Apocalipse 12: 9,
Satanás é chamado de "a serpente antiga", com a capacidade de arrastar "o terço das
estrelas do céu , " presumivelmente anjos. Isaías se refere aos profetas que dão
instruções falsas como rabos (Is 10: 14-15). Nós podemos verque a cauda é um
símbolo de decepção e falsos ensinos que Satanás usa para levar os seres humanos a se
afastarem de Deus e segui- lo.
Enquanto cavalos demoníaca tormento para as pessoas com suas caudas, eles matam
com suas bocas o que fora fogo, fumaça e enxofre. Isso nós lembrar os três demônios
que saem da boca de Satanás e seus associados na cena da batalha final de
Armagedom (cf. Apoc . 16: 13-14). Em Apocalipse 12:15, de A boca do dragão
deixa a água para destruir a mulher. Também lembra a besta do mar de Apocalipse 13,
a quem ele deu um "boca que falava grandes coisas e blasfêmias." "E ele abriu a boca
em

blasfêmias contra Deus, para blasfemarem o seu nome, o seu tabernáculo e os que
habitam no céu "(13: 5-6).
Tudo isso sugere que o conflito final entre as forças da luz e a escuridão irá não ser
militar, mas espiritual. O caráter do conflito é verbal e ideológica uma batalha para a
mente através da persuasão mais , em vez de pela força física. Este é o tipo de guerra
noque Paul estava pensando quando ele escreveu: "Por que nós andamos na carne, não
travar a guerra de acordo com a carne; porque as armas de nossa guerra não são
carnais, mas sim poderosas em Deus, para a destruição das fortalezas, demolir
argumentos e cada arrogância que se levantou contra o conhecimento de Deus,
trazendo cativo todo pensamento para aobediência a Cristo " (2 Coríntios 10: 3-5, cf.
Efésios 6: 10-12).
9: 20-21 João conclui a cena inteira com esta observação: E o resto do povo,
aqueles que não foram mortos por estas pragas, não se arrependeram. A sexta
praga afeta a um " terceiro" da humanidade que sofre um terrível tormento e abate
(09:15, 18). "O resto da humanidade" que sobreviveu ao da destruição demoníaca se
recusa a se arrepender. A peste não amoleceu seus corações Em sua situação de
desamparo e desesperança, eles continuam seu caminho adorando " os demônios e os
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 44/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

ídolos de ouro e prata e de bronze e pedra e madeira, que não podem ver, ouvir ou
andar. Esta linguagem é tomada a partir de Daniel 5:23, onde a adoração de ídolos
"prata e ouro, bronze, ferro, madeira e pedra, que não vêem, nem ouvem, nem sabem"
resultou no queda da Babilônia (também Sl 115: 4-7).
Além disso, os ímpios não se arrependeram de seus assassinatos, feitiçarias,
fornicação ou roubos. Paulo descreve esses pecados como o produto da idolatria (cf.
Rom. 1: 18-32; Ap 21: 8, 22:15.). Tendo sido tomadas em conjunto, esses vícios são
fruto de adorar demônios. A ímpios são atormentados por demônios, não no entanto
continuar a servi-los. Deus não quer quenenhuma experiência julgamento, mas para se
arrepender e voltar para ele (2 Ped. 3: 9). Contudo , os ímpios perecerão se
recusarem arrepender-se (Lucas 13: 3, 5).
A cena da sexta trombeta nos leva claramente para o tempo do fim. Descreve a
preparação para a batalha do Armagedom, que é descrito mais tarde no livro (Ap . 16:
12-16). Aponta para as últimas crises no mundo que, como nós se aproximam do fim
será marcado pela intensificação da a atividades demoníaca. As pessoas queé não o
selo de Deus é verificada contra os poderes demoníacos e as doutrinas e ideologias
enganosas da Babilônia simbólica. Desmond Ford escreve: "As multidões que
rejeitaram o sangue da oferta pelo pecado incensar o

justiça de Cristo, e o refresco de rios e fontes divinas, e a luz de orbes celestes, não
têm protecção contra a doutrina de demônios, e u l t i sou um i n s t a n c i a , n ou t i e
41
n e n p r ou t ecc i ng c ou n t r a l I d e m ou n i I m i s m ou s " .
A falta de arrependimento dos ímpios dá o sinal do iminente fim para a intercessão
e a reunião para a batalha final entre Cristo e seu exército contra Satanás e seu
exército (Ap . 16: 12-16). Durante essas atividades demoníaca intensivo, Deus faz um
esforço especial para atingir o coração humano oferta do evangelho eterno para os
habitantes da terra (Ap . 14: 6-13). Sua misericórdia ainda está disponível. Ele espera
que os corações endurecidos pelo pecado responder e fazer uma viragem ponto . Esta
última proclamação do evangelho eterno descrito no interlúdio entre o sexto e o
sétimo trombetas (Apocalipse 10-11. 14), bem como no da apresentação dos três anjos
que voam na meio do céu com mensagens aviso aos habitantes da terra . (Apocalipse
14: 6-13).

RETOSPECÇÃO NO APOCALIPSE 8-9


A visão do toque das sete trombetas descritas em linguagem simbólica uma série de
intervenções de Deus Todo-Poderoso na história, em resposta às orações dos
oprimidos e perseguidos descreveu a cena do quinto selo: "Até quando, ó Senhor,
Santo e verdadeiro, você não julgará e vingará nosso sangue sobre aqueles que
habitamsobre a terra? "(Apoc. 6:10). A cena introdutória as sete trombetas
(Apocalipse 8: 2-5 . ) Mostra que as orações do povo de Deus foram ouvidas no céu.
A resposta que é que você enviou é clara e definitiva: "Não muito." O objetivo dos
eventos simbolicamente descritos no toque das sete trombetas é para afirmar o povo de
Deus que Deus e éjulgar "os que habitam sobre a terra . " (Ap 8:13), que cruelmente
oprimidos e perseguidos seu povo fiel.

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 45/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

Nós notar que as pragas dos primeiros quatro trombetas são avisos divinos e têm
propósitos redentores. Eles têm a intenção de trazer o ímpio, para arrepender-se e
advertiu que o tempo para o arrependimento está a esgotar-se rapidamente, e que a
porta da misericórdia fechada para sempre. A declaração do triplo dos abutres formar
a transição entre os juízos de aviso as pragas dos primeiros quatro trombetas, eo ayes
demoníaca das últimas três trombetas sobre aqueles que estão espiritualmente mortos
em sua rejeição e hostilidade persistente com o evangelho.
A cena da sexta trombeta é notavelmente paralela à cena de

os quatro anjos que retêm os ventos destrutivos e o selamento dos 144.000 do povo
de Deus em Apocalipse 7: 1-3. Jon Paulien resume esses paralelos:

Em ambas as seções, empate e solto estão relacionados a quatro anjos.


Em ambas as seções, um povo é numerado : em Apocalipse 7, o povo de
Deus; em Apocalipse 9 sua contraparte demoníaca. E estes são apenas dois
lugares no Apocalipse que contêm as palavras enigmáticas: "Eu ouvi o seu
número [ ēkousa tonelada arithmón ]." Se o tempo de julgamento
permanece aberto durante a sexta trombeta e em seguida, ele fecha o som do
sétimo, a sexta trombeta é a contraparte histórica exata Apocalipse 7: 1-8. E
s l u l t i m OPO r t um i d a d de s a l v c i ng j u s t ou um n t e s d e l f i n. 42

Como no caso da abertura dos sete selos, sem um intervalo entre as cenas do sexto
e o sétimo cornetas. O intervalo entre a abertura dos sexto e sétimo selos responde a
questão decisiva levantada na cena da abertura do sexto selo sobre que pode ficar no
dia da ira de Deus (Apocalipse 6:17). O interlúdio inserida entre a sexta e a sétima
trombetas da mesma maneira está relacionada com o que acontece na cena da sexta
trombeta. Em primeiro lugar, ele declara o início fim da história da terra para tocar o
43

sétimo t r ou m p e t a ( Um po c . 10 : 7 ) . S e pistola de fazer, s e r e f i e r e um l t i


o e m po de p r e p a r ac i ng intensiva e a grande reunião para a batalha Armagedón.
Estão liberando os quatro anjos ao longo dos rios Eufrates que têm sido segurando o
quatro ventos destrutivos. Isso indica que o selamento do povo de Deus está em
processo de conclusão (Apocalipse 7: 1-3). Os Anjos divulgados estão prontos para
liberar os ventos realizadas, deixe -o explodir com plena força para "prejudicar a terra
e mar" e trazer a história da terra ao seu fim.
Uma questão séria merece uma resposta: O que acontece com o povo de Deus que
vive naquele período de grande preparação para a batalha final antes do fim? Juan não
deixa seus leitores com alguma incerteza. Como na abertura dos sete selos, o intervalo
entre as cenas do sexto e o sétimo cornetas fornecea resposta para a pergunta. Como
seguidores de Cristo estão sob os cuidados e proteção especial de Cristo , enquanto os
anjos estão no monitoramento dos ventos destruidores (Ap . 7: 3-8), eles são
encarregados de uma missão e s p ec i a l , um p e s a r de e n f r e n t a r " f e r oz opo
44
s i c i ng e s u f r i m i o e n t ou " ( um po C . 10-

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 46/47
05/02/2019 https://translate.googleusercontent.com/translate_f

11:14). Sua comissão para pregar o mensagem final de Deus para o mundo descrito na
ingestão simbólica do livro aberto . (Ap 10), e sua experiência na pregação do
evangelho para o mundo descrito na cena das duas testemunhas (Ap. 11). O objetivo
do interlúdio é para despertar o povo de Deus e fornecer uma firme certeza da vitória
terminar o evangelho, aproximando -os para os últimos dias da história da terra.

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 47/47