Você está na página 1de 15

Resoluções elaboradas pelo Prof.

Renato Madeira

PROVA DE MATEMÁTICA IME – 2ª FASE – 2017/2018


ENUNCIADOS

1) Seja o número complexo z que satisfaz a relação 2 ( z − i ) = ( 3 + i ) ( iz − 1)


2017 2017
.
3
Determine z, sabendo-se que z = .
3

2) Resolva a inequação abaixo, onde x é uma variável real.


2 x 3 − 6x 2 + 3 x + 2  0

 3 − cos x  ( 4 cos x + sen x ) 1


3) Sabendo que x  e que x satisfaz a equação = .
6 10sen 2 x − 8sen x cos x 2
Determine os possíveis valores de x.

4) Sejam a, b, c e d números reais positivos diferentes de 1. Temos que loga d, log b d e


log c d são termos consecutivos de uma progressão geométrica e que a, b e c formam uma
progressão aritmética em que a  b  c. Sabendo-se que b = bloga b − a, determine:
a) Os valores de a, b e c;
b) As razões das progressões aritmética e geométrica, r e q, respectivamente.

5) Um ônibus escolar transporta n crianças. Assuma que a probabilidade de que cada


1
criança no ônibus seja menino ou menina é . Sejam A o evento em que dentro do ônibus
2
tenham crianças de ambos os sexos e B o evento em que há no máximo uma menina
dentro do ônibus. Determine o valor de n para que os eventos A e B sejam independentes.

 k −3
6) Seja a matriz A =   , com k real. Determine a faixa de valores de k para que
4 2 
exista uma matriz de números reais P tal que as condições abaixo sejam atendidas
simultaneamente:
a) A T P + PA = I em que A T é a transposta da matriz A e I é a matriz identidade;
b) P seja simétrica;
c) p11  0, em que p11 é o elemento da linha 1 e coluna 1 de P; e
d) P  0, em que P é o determinante da matriz P.

7) Determine todos os números primos p, q e r tais que 35p + 11pq + qr = pqr.

madematica.blogspot.com
Página 1 de 15
Resoluções elaboradas pelo Prof. Renato Madeira

8) Considere a elipse abaixo, onde DD’ é uma corda passando pelo seu centro, MM’ uma
corda focal e o eixo maior da elipse é 2a. Prove que: DD'2 = MM' 2a

9) Considere um triângulo ABC onde BC = a, AB = c, AC = b, c  b. O círculo inscrito


a esse triângulo tangencia BC em D e DE é um diâmetro desse círculo. A reta que
tangencia o círculo e que passa por E intercepta AB em P e AC em Q. A reta AE intercepta
BC no ponto R. Determine os segmentos de reta EQ e DR em função dos lados do
triângulo: a, b e c.

10) Seja um cubo regular, onde os centros de suas faces são vértices de um octaedro. Por
sua vez, os centros das faces deste octaedro formado são vértices de outro cubo. Obtendo
consecutivamente octaedros e cubos infinitamente, determine a razão da soma do volume
de todos os poliedros inscritos pelo volume do cubo inicial.

madematica.blogspot.com
Página 2 de 15
Resoluções elaboradas pelo Prof. Renato Madeira

PROVA DE MATEMÁTICA IME – 2ª FASE – 2017/2018


RESPOSTA E CLASSIFICAÇÃO DAS QUESTÕES

3
1) z = − (Números complexos)
3
 1 3 1 3 
2) S =  −2, − −  + , 2  . (Inequação modular)
 2 2  2 2 
1
3) x = arc tg   (Equação trigonométrica)
2
log 3 2 log 3 2 log 3 2 log 3 2
4) a) a = 2 4 ; b = 22 4 ; c = 3 2 4 ; b) r = 2 4 ; q = log 3 2. (Progressões e
2
logaritmos)
5) 1 e 3 (Probabilidade)
6) k  −2 (Matrizes e sistemas lineares)
7) ( p,q, r ) (19,5,19) ; (17,7,17 ) (Teoria dos números)
8) demonstração (Geometria analítica elipse)
( b + c − a )( a + c − b )
9) EQ = e DR = c − b (Geometria plana)
2 (a + b + c)
11
10) (Geometria espacial e progressões)
52

madematica.blogspot.com
Página 3 de 15
Resoluções elaboradas pelo Prof. Renato Madeira

PROVA DE MATEMÁTICA IME – 2ª FASE – 2017/2018


ENUNCIADOS E RESOLUÇÕES

1) Seja o número complexo z que satisfaz a relação 2 ( z − i ) = ( 3 + i ) ( iz − 1)


2017 2017
.
3
Determine z, sabendo-se que z = .
3

3
RESOLUÇÃO: z = −
3
 3 1 
2(z − i) = ( 3 + i ) ( iz − 1)  (z − i) + i  .(i ( z + i ))
2017 2017 2017 2017
=
 2 2 
2017
 z −i     2
  = cis  i = cis  cis = cis
 z+i  6 6 2 3
Vamos agora aplicar módulo aos dos lados da igualdade:
2017 2017
 z −i  2 z −i z−i
  = cis  =1 =1
 z+i 3 z+i z+i
Seja z = x + yi, com x, y  , então
x 2 + ( y − 1)
2 2
z −i
 = = 1  x 2 + y2 − 2y + 1 = x 2 + y2 + 2y + 1  y = 0
z+i x + ( y + 1)
2 2

Portanto, os números complexos z que satisfazem a equação inicial são reais.


3 3
Como z = , então z = 
3 3
Vamos ver se esses dois valores satisfazem a equação inicial.
3
1º) z = não é solução, pois
3
2017
 3 
2017  −i   1 − 3i 1 − 3i 
2017
 −2 − 2 3i 
2017
 z −i  3
  =  =   =  =
 z+i  3   1 + 3i 1 − 3i   4 
 +i 
 3 
2017
 1 3   5 
2017
5 5 2
= − − i =  cis  = cis  ( 336  6 + 1) = cis  cis
 2 2   3  3 3 3
3
2º) z = − é solução, pois
3

madematica.blogspot.com
Página 4 de 15
Resoluções elaboradas pelo Prof. Renato Madeira

2017
 3 
 z −i 
2017 − −i   1 + 3i 1 + 3i 
2017
 −2 + 2 3i 
2017

= 3  =  = =
   
 z+i  3   1 − 3i 1 + 3i   4 
− +i
 3 
2017
 1 3   2 
2017
2 2
= − + i =  cis  = cis  ( 336  6 + 1) = cis
 2 2   3  3 3
3
Portanto, z = − .
3

2) Resolva a inequação abaixo, onde x é uma variável real.


2 x 3 − 6x 2 + 3 x + 2  0

RESOLUÇÃO:
3 2
Inicialmente, observemos que x 3 = x e que x 2 = x . Assim, temos:
3 2
2 x3 − 6x 2 + 3 x + 2  0  2 x − 6 x + 3 x + 2  0
A inequação acima é uma inequação em x . Por inspeção, observamos que x = 2 é raiz.
Vamos aplicar o algoritmo de Briot-Ruffini para x = 2 :

2 2 −6 3 2
2 −2 −1 0

Daí resulta que: ( x − 2 ) ( 2 x − 2 x −1)  0 (*)


2

2 22 3 1 3
As raízes de 2 x − 2 x −1 = 0 são x = =  .
4 2 2
Resolvendo a desigualdade (*) pelo método dos intervalos, temos:

1 3
Analisando a figura acima, conclui-se que a inequação (*) é negativa para x  −
2 2
1 3
ou +  x  2.
2 2
Mas, sabemos que x  0 para todo x  , o que implica que a solução de (*) é apenas
1 3
+  x  2.
2 2
Vamos agora desenvolver as duas inequações modulares simultâneas.
madematica.blogspot.com
Página 5 de 15
Resoluções elaboradas pelo Prof. Renato Madeira

1 3 1 3 1 3
x  + x− −  x +
2 2 2 2 2 2
x  2  −2  x  2
 1 3 1 3 
Portanto, o conjunto solução da inequação é S =  −2, − −  + , 2 .
 2 2  2 2 

 3 − cos x  ( 4 cos x + sen x ) 1


3) Sabendo que x  e que x satisfaz a equação = .
6 10sen 2 x − 8sen x cos x 2
Determine os possíveis valores de x.

1
RESOLUÇÃO: x = arc tg  
2
(
3 − cos x  4 cos x + sen x ) 1
=  3 − 4 cos 2 x − sen x  cos x = 5sen 2 x − 4sen x cos x
10sen x − 8sen x cos x
2 2
 4 ( sen 2 x + cos2 x ) + sen 2 x − 3sen x cos x − 3 = 0  sen 2 x − 3sen x cos x + 1 = 0
Dividindo a última igualdade por cos 2 x, temos:
 tg2 x − 3tg x + sec2 x = 0  tg 2 x − 3tg x + (1 + tg 2 x ) = 0
1
2 tg 2 x − 3 tg x + 1 = 0  tg x = 1  tg x =
2

tg x = 1  x = + k, k  (todas as soluções têm módulo maior do que  6)
4
1 1
tg x =  x = arc tg   + k, k 
2 2
1 3  1 
Como tg x =  = tg  0  arc tg    . Portanto, a única solução é
2 3 6 2 6
1
x = arc tg   .
2

4) Sejam a, b, c e d números reais positivos diferentes de 1. Temos que loga d, log b d e


log c d são termos consecutivos de uma progressão geométrica e que a, b e c formam uma
progressão aritmética em que a  b  c. Sabendo-se que b = bloga b − a, determine:
a) Os valores de a, b e c;
b) As razões das progressões aritmética e geométrica, r e q, respectivamente.

log 3 2 log 3 2 log 3 2 log 3 2


RESOLUÇÃO: a) a = 2 4 ; b = 22 4 ; c = 3 2 4 ; b) r = 2 4 ; q = log 3 2.
2

madematica.blogspot.com
Página 6 de 15
Resoluções elaboradas pelo Prof. Renato Madeira

1 1 1
PG : log a d, log b d, log c d  ( log b d ) = log a d  log c d 
2
= 
( logd b ) 2 log d a log d c
log d c log d b
 =  log b c = log a b
log d b log d a
É dado que: b = bloga b − a  b = blogb c − a  b = c − a (*)
PA : a, b, c  2b = a + c (**)
Substituindo (*) em (**), temos: 2 ( c − a ) = a + c  c = 3a  b = 2a
Vamos substituir os valores de b e c na expressão loga b = log b c :
log 2 2a log 2 3a 1 + log 2 a log 2 3 + log 2 a
log a 2a = log 2a 3a  =  =
log 2 a log 2 2a log 2 a 1 + log 2 a
 1 + 2  log 2 a + ( log 2 a ) = log 2 3  log 2 a + ( log 2 a )
2 2

log 3 2
1 1 1
 log 2 a = = = = log 3 2  a = 2 4
log 2 3 − 2 log 2 3 − log 2 4 log 3
2 4
4
log 3 2 log 3 2
 b = 22 4  c = 3 2 4

log 3 2
A razão da PA é r = b − a = 2a − a = a = 2 4 .
A razão da PG é
 log 3 2 
log 3 2
log b d log d a  
q= = = log b a = log 2a a = log  log 3 2 +1  2 4  = 4  log 2 2 =
log a d log d b    log 3 2 + 1
 2 4  
4
log 3 2 log 3 2
= 4 = 4 = log 3 2.
3 3
log 3 2 + log 3 log 3 2
4 2
4 4 4

5) Um ônibus escolar transporta n crianças. Assuma que a probabilidade de que cada


1
criança no ônibus seja menino ou menina é . Sejam A o evento em que dentro do ônibus
2
tenham crianças de ambos os sexos e B o evento em que há no máximo uma menina
dentro do ônibus. Determine o valor de n para que os eventos A e B sejam independentes.

RESOLUÇÃO: 1 e 3
Inicialmente, observemos que dois eventos A e B são ditos independentes se
P ( A  B) = P ( A )  P ( B).
Se n = 1, então A= e, consequentemente, A  B = . Logo,
P ( A )  P ( B ) = 0  P ( B ) = 0 = P ( A  B ) , o que implica que A e B são independentes.
Vamos analisar agora os casos com n  1:

madematica.blogspot.com
Página 7 de 15
Resoluções elaboradas pelo Prof. Renato Madeira

O evento A em que dentro do ônibus há crianças de ambos os sexos é o complementar do


evento em que dentro do ônibus todas as crianças sejam do mesmo sexo. Assim,
n n n
1 1 1 1
P ( A ) = 1 −   −   = 1 − n −1 , onde   é a probabilidade de todas as crianças
2 2 2 2
serem meninos e a probabilidade de todas as crianças serem meninas.
O evento B em que há no máximo uma menina dentro do ônibus pode ser dividido em
n
1
dois casos um evento em que não há meninas no ônibus que tem probabilidade   e
2
outro evento em que há exatamente 1 menina no ônibus que tem probabilidade
n −1
n 1  1  n 1 n n +1
      = n , então P ( B) = n + n = n .
1 2  2 2 2 2 2
O evento A  B corresponde a haver exatamente uma menina no ônibus que tem
n
probabilidade P ( A  B) = n .
2
Para que A e B sejam eventos independentes, devemos ter:
n  1  n +1 1 n 1
P ( A  B ) = P ( A )  P ( B )  n = 1 − n −1   n  n −1 = 1 − =
2  2  2 2 n +1 n +1
 2n −1 = n + 1
Observamos que n = 2 não é solução, n = 3 é solução e, para n  4, temos 2n −1  n + 1.
Portanto, as únicas soluções são n = 1 e n = 3.

 k −3
6) Seja a matriz A =   , com k real. Determine a faixa de valores de k para que
4 2 
exista uma matriz de números reais P tal que as condições abaixo sejam atendidas
simultaneamente:
a) A T P + PA = I em que A T é a transposta da matriz A e I é a matriz identidade;
b) P seja simétrica;
c) p11  0, em que p11 é o elemento da linha 1 e coluna 1 de P; e
d) P  0, em que P é o determinante da matriz P.

RESOLUÇÃO: k  −2
Seja P uma matriz 2  2, simétrica com elemento da linha 1 e coluna 1 positivo e
a b
determinante positivo, então P pode ser escrita na forma P =   , onde a  0 e
b c 
P = ac − b2  0.
Vamos agora fazer a matriz P satisfazer a expressão a).

madematica.blogspot.com
Página 8 de 15
Resoluções elaboradas pelo Prof. Renato Madeira

 k 4   a b   a b   k −3
A T P + PA =   +  =
 −3 2   b c   b c   4 2 
 ka + 4b kb + 4c   ka + 4b −3a + 2b 
= + =
 −3a + 2b −3b + 2c   kb + 4c −3b + 2c 
 2ka + 8b −3a + ( k + 2 ) b + 4c  1 0 
= = 
 −3a + ( k + 2 ) b + 4c −6b + 4c  0 1 
A última igualdade é equivalente ao seguinte sistema.
 2ka + 8b = 1

 −3a + ( k + 2 ) b + 4c = 0
 −6b + 4c = 1

 2k 8 0
A matriz incompleta do sistema nas variáveis a, b e c é B = −3 ( k + 2 ) 4  .

 
 0 −6 4 
Se B  0, então o sistema é possível e determinado e a matriz P é única.
2k 8 0
B = −3 ( k + 2 ) 4 = 8k ( k + 2 ) + 96 + 48k = 8 ( k 2 + 8k + 12 ) = 8 ( k + 2 ) ( k + 6 )  0
0 −6 4
 k  −2  k  −6
Se k = −2, o sistema resultante é impossível.
−4a + 8b + 0c = 1 −3a + 0b + 4c = 0 −3a + 0b + 4c = 0 L2L24
  
−3a + 0b + 4c = 0  −4a + 8b + 0c = 1  −4a + 8b + 0c = 1 
 0a − 6b + 4c = 1  0a − 6b + 4c = 1 L3L3−L1  3a − 6b + 0c = 1 L3L33
  
−3a + 0b + 4c = 0 −3a + 0b + 4c = 0
 
 −a + 2b + 0c = 1 4  −a + 2b + 0c = 1 4
 a − 2b + 0c = 1 3 L3L3+L2  0a + 0b + 0c = 7 12
 
Se k = −6, o sistema resultante é impossível.
−12a + 8b + 0c = 1 L1L1( −4 )  3a − 2b + 0c = −1 4 L2L2+ L1 3a − 2b + 0c = −1 4
  
−3a − 4b + 4c = 0  −3a − 4b + 4c = 0  0a − 6b + 4c = −1 4
 0a − 6b + 4c = 1  0a − 6b + 4c = 1 0a − 6b + 4c = 1
  
3a − 2b + 0c = −1 4

 0a − 6b + 4c = −1 4
L3L3−L2
0a + 0b + 0c = 5 4

Assim, os únicos casos em que o sistema é compatível são k  −2 e k  −6, nos quais o
sistema é possível e determinado.
Devemos agora garantir o atendimento às condições das alíneas c) e d): a  0 e
P = ac − b2  0.
Pela regra de Cramer, as soluções do sistema são

madematica.blogspot.com
Página 9 de 15
Resoluções elaboradas pelo Prof. Renato Madeira

1 8 0
0 ( k + 2) 4
1 −6 4 ( k + 16 )
a= =  0  −16  k  −6  k  −2 (*)
2k 8 0 2 ( k + 2) ( k + 6)
−3 ( k + 2 ) 4
0 −6 4
2k 1 0
−3 0 4
0 1 4 12 − 8k − ( 2k − 3)
b= = =
2k 8 0 8 ( k + 2) ( k + 6) 2 ( k + 2) ( k + 6)
−3 ( k + 2 ) 4
0 −6 4
2k 8 1
−3 ( k + 2 ) 0
0 −6 1 k 2 + 2k + 21
c= =
2k 8 0 4 ( k + 2) ( k + 6)
−3 ( k + 2 ) 4
0 −6 4
( k + 16 ) k 2 + 2k + 21 ( 2k − 3)2
P = ac − b = 2
 − 0
2 ( k + 2 ) ( k + 6 ) 4 ( k + 2 ) ( k + 6 ) 4 ( k + 2 )2 ( k + 6 )2
k 3 + 10k 2 + 77k + 318 ( k + 6 ) ( k 2 + 4k + 53)
  0  0
8 ( k + 2) ( k + 6) 8 ( k + 2) ( k + 6)
2 2 2 2

O discriminante de k 2 + 4k + 53 é  = 42 − 4 1 53 = −196  0, então essa expressão é


sempre positiva para k real. Assim, temos:
( k + 6 ) ( k 2 + 4k + 53)
P=  0  k  −6  k  −2 (**)
8 ( k + 2) ( k + 6)
2 2

Fazendo a interseção das condições (*) e (**), temos: k  −2.

7) Determine todos os números primos p, q e r tais que 35p + 11pq + qr = pqr.

RESOLUÇÃO: ( p,q, r ) (19,5,19) ; (17,7,17 ).


35p + 11pq + qr = pqr  p ( qr −11q − 35) = qr
Como p, q e r são primos, então p = q ou p = r.
1º caso: p = q
q ( qr − 11q − 35 ) = qr  qr − 11q − 35 = r  qr − 11q − r = 35
 ( q − 1) ( r − 11) = 35 + 11  ( q − 1) ( r − 11) = 46  ( q − 1) | 46
q − 1 = 1  q = 2  r − 11 = 46  r = 57 que não é primo

madematica.blogspot.com
Página 10 de 15
Resoluções elaboradas pelo Prof. Renato Madeira

q − 1 = 2  q = 3  r − 11 = 23  r = 34 que não é primo


q − 1 = 23  q = 24 que não é primo
q − 1 = 46  q = 47  r − 11 = 1  r = 12 que não é primo
2º caso: p = r
r ( qr − 11q − 35 ) = qr  qr − 11q − 35 = q  qr − 12q = 35
 q ( r − 12 ) = 35  q | 35
q = 5  r − 12 = 7  r = 19
q = 7  r − 12 = 5  r = 17
Portanto, as soluções são ( p,q, r ) (19,5,19) ; (17,7,17 ).

8) Considere a elipse abaixo, onde DD’ é uma corda passando pelo seu centro, MM’ uma
corda focal e o eixo maior da elipse é 2a. Prove que: DD'2 = MM' 2a

RESOLUÇÃO:
Sejam b e c, respectivamente, o semieixo menor e a semidistância focal da elipse.
b2
Considerando a equação polar da elipse, então: FM = e
a + c cos 
2 2
b b
FM ' = = .
a + c cos (180 −  ) a − c cos 
Assim, temos:
b2 b2 2ab 2 2ab 2
MM ' = + = 2 2 = =
a + c cos  a − c cos  a − c cos 2  a 2 − ( a 2 − b 2 ) cos 2 
2ab 2 2ab 2
= =
a 2 (1 − cos 2  ) + b 2 cos 2  a sen  + b cos 
2 2 2 2

Vamos agora calcular DD’. Pela simetria da elipse em relação ao seu centro,
DD' = 2  DC. Adotando C como centro dos eixos coordenados e o eixo das abscissas
x 2 y2
sobre o eixo focal, a equação da elipse 2 + 2 = 1 e as coordenadas do ponto
a b
D = ( CD cos , CDsen  ) . Assim, temos:
( CDcos  )2 ( CD  sen  )2 2b
2
cos 2  + a 2 sen 2  
+ = 1  CD   =1
a2 b2  a 2 b2 

madematica.blogspot.com
Página 11 de 15
Resoluções elaboradas pelo Prof. Renato Madeira

a 2 b2
 CD2 =
a 2 sen 2  + b2 cos 2 
4a 2 b2
DD '2 = 4  CD2 = 2
a sen 2  + b2 cos 2 
Comparando as expressões de DD '2 e MM’, temos: DD'2 = 2a  MM' (C.Q.D.).

REFERÊNCIA: Th. Caronnet – Exercícios de Geometria – Tomo VIII – Ao Livro


Técnico Ltda. – 1959 – Questão 17 da página 13.

9) Considere um triângulo ABC onde BC = a, AB = c, AC = b, c  b. O círculo inscrito


a esse triângulo tangencia BC em D e DE é um diâmetro desse círculo. A reta que
tangencia o círculo e que passa por E intercepta AB em P e AC em Q. A reta AE intercepta
BC no ponto R. Determine os segmentos de reta EQ e DR em função dos lados do
triângulo: a, b e c.

( b + c − a )( a + c − b )
RESOLUÇÃO: EQ = e DR = c − b.
2 (a + b + c)

O segmento PQ é tangente à circunferência em E, então é perpendicular ao diâmetro DE.


Logo, PQ é paralelo ao lado BC.
Como PQ BC, então o triângulo AEQ é semelhante ao triângulo ARC. Seja h a altura
EQ AQ h − 2r
relativa ao lado RC no triângulo ARC, temos: = = . (*)
RC AC h
Seja 2p = a + b + c o perímetro do triângulo ABC e r o raio do seu círculo inscrito, então:
a h r a
SABC = = p  r  = . (**)
2 h 2p

madematica.blogspot.com
Página 12 de 15
Resoluções elaboradas pelo Prof. Renato Madeira

AQ r a p−a b(p − a)
(*) e (**)  = 1− 2  = 1− 2  =  AQ =
b h 2p a p
Seja F o ponto de tangência do lado AC com o círculo inscrito, então EQ = QF e
AF = p − a. Assim, temos:
b ( p − a ) ( p − a )( p − b )
EQ = QF = AF − AQ = ( p − a ) − = . (***)
p p
( p − a )( p − b ) b ( p − a )
EQ AQ p p
(*) e (***)  =  =  RC = p − b
RC AC RC b
Note que c  b  p − c  p − b. Como CD = p − c, então R está à esquerda de D, ou seja,
entre B e D. Assim, temos:
DR = RC − CD = ( p − b ) − ( p − c ) = c − b.
a+b+c
Substituindo p = em (***), temos:
2
a+b+c  a + b + c 
 − a  − b (
EQ =  2  2  = b + c − a )( a + c − b )
a+b+c 2 (a + b + c)
2
( b + c − a )( a + c − b )
Assim, EQ = e DR = c − b.
2 (a + b + c)

10) Seja um cubo, onde os centros de suas faces são vértices de um octaedro regular. Por
sua vez, os centros das faces deste octaedro regular formado são vértices de outro cubo.
Obtendo consecutivamente octaedros regulares e cubos infinitamente, determine a razão
da soma do volume de todos os poliedros inscritos pelo volume do cubo inicial.

11
RESOLUÇÃO:
52
Sejam o cubo ABCD-EFGH de aresta a e o octaedro regular IJKLMN nele inscrito.

madematica.blogspot.com
Página 13 de 15
Resoluções elaboradas pelo Prof. Renato Madeira

a 2
No triângulo retângulo isósceles IJQ, temos IJ = , que é a aresta do octaedro regular
2
inscrito no cubo.
O volume do cubo de aresta a é Vcubo = a 3 e o volume do octaedro regular é
3
2 a 2 a3
Vocta =   = . Assim, a razão entre o volume do octaedro e o cubo no qual
3  2  6
1
ele está inscrito é .
6

Sejam o octaedro ABCDEF de aresta a e o cubo RSKL-MNOP nele inscrito.

a 2
No triângulo isósceles EJG, o lado JG é base média do triângulo ABD, então JG =
2
e os lados EJ e EG são alturas dos triângulos equiláteros de lado a, ADE e ABE,
a 3
respectivamente, então EJ = EG = .
2
Os pontos M e P são baricentros dos triângulos equiláteros ADE e ABE, respectivamente.
2
Logo, os triângulos EPM e EJG são semelhantes na razão . Assim,
3
2 2 a 2 a 2
MP =  JG =  = , que é a aresta do cubo.
3 3 2 3
a3 2
O volume do octaedro regular é Vocta = e o volume do cubo é
3
2
a 2 2 2a 3
Vcubo =  = .
 3  27
2
Assim, a razão entre o volume do cubo e do octaedro no qual ele está inscrito é .
9

madematica.blogspot.com
Página 14 de 15
Resoluções elaboradas pelo Prof. Renato Madeira

1 2 1
A razão entre os volumes de dois cubos inscritos consecutivos é  = .
6 9 27
2 1 1
A razão entre os volumes de dois octaedros regulares inscritos consecutivos é  = .
9 6 27
Seja V o volume do primeiro cubo, então a soma dos volumes de todos os octaedros
regulares inscritos é a soma dos termos de uma progressão geométrica infinita de primeiro
V
V 1 27V
termo e razão , ou seja, Socta = 6 = . A soma dos volumes de todos os
6 27
1−
1 6  26
27
cubos inscritos é a soma dos termos de uma progressão geométrica infinita de primeiro
V
V 1 V
termo e razão , ou seja, Scubo = 27 = .
27 27 1 26
1−
27
Logo, a razão da soma do volume de todos os poliedros inscritos pelo volume do cubo
27V V
+
Socta + Scubo 6  26 26 33 11
inicial é = = = .
V V 6  26 52

madematica.blogspot.com
Página 15 de 15