Você está na página 1de 14

--

"- Americ~n
--· - -- - --

V Heart
Association ®
a vida é o porquê™

SAVC
PGR,
Arritmias e
Seu Tratamento

Algoritmo circular de PCR - Atualização de 2015

Inicie a RCP
• Forneça oxigênio
• Acople o monitor/desfibrilador

2 minutos Retorno da Circulação


Espontânea (RCE)
Cuidados
pós-PCR

Tratamento
Medicamentoso
Acesso EV/10
Epinefrina a cada 3 a 5 minutos
Amiodarona para FV/TVSP refratária

Considere via aérea avançada


Capnografla quantitativa oom fi
de onda

Edição original em inglês e 2016 American Heart Association. 15-1007


Edição em português e 2016 American Heart MSOCiation. JN0384. (1 de 2)
Impresso nos EUA. Data da impressão: 10/16
1

Doses/Detalhes dos Algoritmos de PCR ·

Qualidade da ACP f Via Aérea Avançada


• Comprima com força (pelo menos 5 cm) e • lntubação endotraqueal ou via aérea
rapidez (100-120/min) e aguarde o retorno supraglótica avançada
total do tórax. • Capnografia com forma de onda
• Minimize interrupções nas compressões. ou capnometria para confirmar e
• Evite ventilação excessiva. monitorar a inserção do tubo ET
• Alterne as pessoas que aplicam as • Quando houver uma via aérea
compressões a cada 2 minutos ou antes avançada, administre 1 ventilação
se houver fadiga. a cada 6 segundos (1 O ventilações/
• Sem via aérea avançada, relação min) com compressões torácicas
compressão-ventilação de 30:2. contínuas
• Capnografia quantitativa com forma
de onda Retorno da Circulação
- Se PETCO2 < 1O mm Hg, tente melhorar a Espontânea {RCE)
qualidade da ACP.
• Pressão intra-arterial • Pulso e pressão arterial
- Se pressão na fase de relaxamento • Aumento abrupto prolongado no
(diastólica) < 20 mmHg, tente melhorar PETCO2 (normalmente ~40 mmHg)
a qualidade da ACP. A

• Sinal de onda espontaneo na


pressão arterial com monitorização
Carga do Choque para Desfibrilação
intra-arterial
• Bifásica: Recomendação do fabricante
(por exemplo, dose inicial de 120 a 200 J); Causas reversíveis
se desconhecida, usar máximo disponível.
A segunda dose e as subsequentes • Hipovolemia
devem ser equivalentes, podendo ser • Hipoxia
consideradas doses mais altas. • Hidrogênio, ión (acidemia)
• Monofásica: 360 J • Hipo/hipercalemia
• Hipotermia
Tratamento Medicamentoso • Tensão do tórax por pneumotórax
• Tamponamento, cardíaco
• Dose IV/10 de epinefrina·: • Toxinas
1 mg a cada 3 a 5 minutos • Trombose, pulmonar
• Dose IV/10 de amiodarona: • Trombose, coronária
Primeira dose: bolus de 300 mg.
Segunda dose: 150 mg.
~

Algoritmo de PCR - Atualização de 2015

Inicie a ACP
• Forneça oxigênio
• Acople o monitor/desfi~lador

Não
Ritmo chocével?
9
FV/TVSP Assistolia/AESP

3
Choque

ACP 2 min
• Acesso IV/10

Não
Ribno chocável?

Sim
5
f Choque

10
6
ACP2min ACP 2 min
• Epinefrina a cada 3 a 5 min • Acesso IV/10
• Considere via aérea • Epinefrtna a cada 3 a 5 min
avançada, capnografia • Considere via aérea
avançada, capnografia

Não
Ritmo
chocável? Sim
Ritmo
chocável?
Sim
7
Choque Não

8 11

ACP 2 min ACP 2 min


• Amiodarona
• Trate causas reversiveis
• Trate causas reversfveis

12
• Se nenhum sinal de retorno Sim
da circulação espontânea Rlbno chocável?
(RCE), vá para 10 ou 11
• Se RCE, vá para Cuidados
pós-PCR
Vá para 5 ou 7
Algoritmo de Cuidados Imediatos pós-PCR -
Atualização de 2015

Retorno da circulação espontânea (RCE)

Otimize a ventilação e a oxigenação


• Mantenha saturação de oxigênio ~ 94 %
• Considere a via aérea avançada e a capnografia com
forma de onda
• Não hiperventile

Doses/detalhes

Trate a hipotensão Ventilação/oxigenação:


Evite ventilação excessiva.
(PAS < 90 mmHg)
Começar com 1 O ventilações/
• Bolus IV/10 min e titular até o PETC02
• Infusão de vasopressor de 35-40 mm Hg.
• Considere causas tratáveis Quando viável, titule F102 ao
mínimo necessário para obter
Sp02 ~ 94%.
Bolus IV:
Aproximadamente 1 a 2 L de
solução salina nonnal ou lactato
de Ringer
Infusão IV de epinefrina:
Sim ECG de 12 O,1-0,5 mcg/kg por minuto
Reperfusão derivações: IAMST (em adulto de 70 kg: 7-35 mcg
coronllria ou por minuto)
alta suspeita Infusão IV de dopamina:
de IAM 5-1 O mcg/kg por minuto
Infusão IV denoradrenalina:
O,1-0,5 mcg/kg por minuto
Não (em adulto de 70 kg: 7-35 mcg
por minuto)

Iniciar controle Causas reversíveis


Segue
direcionado de
temperatura
comandos?
• Hipolovemia
• Hipóxia
• Hidrogênio, íon de (acidemia)
Sim • Hipo/hipercalemia
• Hipotermia
• Tensão no pneumotórax
• Tamponamento, cardíaco
Cuidado intensivo avançado • Toxinas
• Trombose, pulmonar
• Trombose, coronária
Avalie a adequabilidade ao estado clínico.
Frequência cardíaca normalmente < 50/min,
se bradiarritmia.

Identifique e trate a causa subjacente


• Mantenha a via aérea patente; auxilie a respiração, conforme a necessidade
• Oxigênio (se hipoxêmico)
• Monitor cardíaco para identificar ritmo; monitorar pressão arterial e oximetria
• Acesso IV
• ECG de 12 derivações, se disponlvel; não retarde o tratamento

Bradiarritmia persistente
Não causando:

Monitore • Hipotensão?
• Alteração aguda do estado mental?
• Sinais de choque?
• Desconforto torácico isquêmico?
• Insuficiência cardiaca aguda?

Sim
Doses/detalhes

Atropina Dose IV de atropina:


Primeira dose:
Se atropina ineficaz:
bolus de 0,5 mg.
• Estimulação transcutãnea
Repita a cada 3 ou
ou
5 minutos.
• Infusão IV de dopamlna
Máximo: 3 mg.
ou
• lnfueloJVdeepll. . . . Infusão IV
de Dopamina
A velocidade de infusão
usual é de 2 a 20 mcg/kg
por minuto. ntule confor-
me resposta do paciente;
diminua gradualmente.
Infusão IV
Considere: de epinefrina:
Infusão de 2 a 1O mcg
• Avaliação do especialista por minuto. Titule confor-
• Marcapuso transvenoso me resposta do paciente.
Avalie a adequabilidade ao estado clínico.
Frequência cardíaca normalmente ~ 150/min,
se taquiarritmia.

Identifique e trate a causa subjacente


• Mantenha a via aérea patente; auxilie a ventilação, conforme
a necessidade
• Oxigênio (se hipoxêmico)
• Monitor cardíaco para identificar ritmo; monitore a pressão
arterial e a oximetria Doses/detalhes

Cardioversão
sincronizada:
Doses inic iais recomendadas:
• Estreito regular: 50-100 J
• Estreito irregular:
Taquiarritmia 120-200 J bifásica ou
persistente 200 J monofásica
causando: • Largo regular: 100 J
Cardioversão • Largo irregular:
• Hipotensão? Sim
• Alteração aguda do sincronizada Dose de desfibrilação
estado mental? • Considere sedação (não sincronizada)
• Sinais de choque? • Se complexo estreito
reguls, considere
Dose IV de adenosina:
• Desconforto torácioo Primeira dose: bolus IV rápido de
isquêmico? adenosiia
6 mg; seguido de flush ou bolus
• Insuficiência com solução salina.
carclaca aguda? Segunda dose: 12 mg,
se necessário.

lnfusões de antiarritmicos
para taquicardia com QRS
Não • Acesso IV e ECG de largo estável
12 derivações, 88 Dose IV de procainamida:
disponível 20-50 mg/min até supressão
Sim • Considere adenosina da arritmia, ocorrência de
QRS largo? somente se regular e hipotensão, aumento >
~.12 eegundo monomórfico 50% na duração do QRS ou
• Considera Infusão administração da dose máxima
de antlan1lmico de 17 mg/kg. Infusão de
• Conllder9 comultar manutenção: 1-4 mg/min. Evite,
Não i.m.-lllllta se QT prolongado ou IC.

Dose IV de amiodarona:
Primeira dose: 150 rng por
1O minutos. Repita confonne
a necessidade se ocorrer TV.
• k.e&so IV e ECG de 12 derivações, Acompanhe com infusão de
se disponivel manutenção de 1 mg/min pelas
• Manobras vagais primeiras 6 horas.
• Adenoeina (88 regular)
• ~ ll8dor ou bloqlieador doa Dose IV de sotalol:
carwildedlcio 100 mg (1 ,5 mg/kg) por 5 minu-
• Collidll9coneulbr um eepecidllla tos. Evite, se QT prolongado.
American

• Heart
Association e
a vida é o porquêN

SAVC Síndromes Coronárias


Agudas e AVC

Algoritmo de Síndromes Coronárias Agudas


- Atualização de 2015

Sintomas sugestivos de isquemia ou infarto

Avaliação do Serviço Médico de Emergência e tratamento e preparo hospitalar


• Monitore e execute a sequência ABC. Esteja preparado para aplicar ACP e desfibrilação
• Administre aspirina e considere oxigênio, nitroglicerina e morfina, se necessário
• Obtenha um ECG de 12 derivações; em caso de supradesnivelamento do segmento ST:
- Notifique o hospital receptor com transmissão ou interpretação do ECG; anote a hora
do início dos sintomas e do primeiro contato médico
• O hospital notificado deve mobilizar recursos hospitalares para atender ao IAMST
• Se considerar fibrinólise pré-hospitalar, use o checklist para fibrinólise

Avaliação simultinea no departamento de Tratamento geral imediato no


emerg6ncla (< 10 minutos) departamento de emerglncia
• Verifique os sinais vitais; avalie a saturação de • Se saturação de 0 2 <90%, Inicie oxiginio
oxigênio a 4 Umin, titule
• Estabeleça acesso IV • Aspirina 160 a 325 mg
• Faça um breve exame físico e de histórico
(se não administrada pelo SME)
clinico direcionado
• Revise/conclua o checklist da fibrinólise; • Nitroglicerina sublingual ou spray
verifique contraindicações • Morfina IV se desconforto não
• Dose os nlveis dos marcadores cardlacos iniciais, aliviado pela nitroglicerina
estudos iniciais de eletrólitos e coagulação
• Obtenha uma radiografia portátil do tórax
(< 30 minuto&)

Edição original em inglês C 2016 American Heart Associatlon. 15-1007


Edição em português e 2016 American Heart Associatlon. JN0384. (2 de 2)
Impresso nos EUA. Data da impressão: 10/16
Algoritmo de Síndromes Coronárias Agudas (continuação)

j '

', 1 ' '.


Supradesnivelamento do lnfradesnivelamento do ST ou Segmento ST
segmento ST ou inversão dinâmica da onda T; ou onda T normais
BRE novo ou forte suspeita de isquemia ou com alterações
presumivelmente novo;
forte suspeita de lesão
IAM com
SUprac/esnlve/amento do
segmento ST (IAMSTJ
Alto risco de
SCA de e""8çlc> nAo-ST
(SSST-scA) ...........
não diagnósticas
SCA de risco baixo/

\.

'f
1 ,

, '.
• Inicie tratamentos Troponlna elevada ou paciente Considere admissão em
adjLUrtos conforme indicado de alto risco unidade de dor toréclca
• Não relarde a Considere estratégia Invasiva do departamento de
reperfusio precoce se: emergMCia ou em leito
• Desconforto torácico apropriado para maior
isquêmico refratário monitorizaçlo. poulvel

' . >12
• Desvio de segmento ST
recorrente/persistente
• Taquicardia ventricular
...
intervençio

Tempodeade horas • Instabilidade


hemodinãmica
o Início doa
• Sinais de insuficiência cardíaca
llntomaa
~12 hora? Inicie tratamentos adjuntos
(por ex., nitroglicerina, heparina)
conforme indicado
Consulte "Diretrizes da AHA/ACC
para SCA-SSST"
s 12 horas

',
Metas de reperfusão:
Tratamento definido por critérios
do paciente e do centro
• Tempo porta-ballo (ICP)
de 90 minutos
• Tempo porta-agulha
(flbrinóllN) de 30 minutos
Ch71(;~t da fibrinólise para IAMST*
Etapa 1 O paciente sentiu desconforto torácico por mais de
15 minutos e menos de 12 horas?

SIM NÃO


O ECG mostra IAMST ou BRE novo ou presumivelmente
novo?

SIM NÃO

Hé contraindicações à fibrinólise?
Etapa2 Se QUALQUER uma das afirmativas abaixo for marcada
como SIM, a fibrinólise PODE ser contraindicada.

PA sistólica >180 a 200 mm Hg ou PA diastólica >100 a 11 o mm Hg OIIM ONÃ0


Diferença de PA sistólica direita x esquerda > 15 mm Hg OSIM ONÃ0
Histórico de doença estrutural do sistema nervoso central OIIM ONÃ0
Trauma fechado de cabeça/facial significativo nos últimos 3 meses OIIM ONÃ0
AVC >3 horas ou <3 meses OIIM ONÃ0
Grande trauma recente (últimas 2 a 4 semanas), cirurgia (inclusive cirurgia oftalmológica
a laser), hemorragia GI/GU OIIM ONÃ0
Histórico de hemorragia intracraniana OIIM ONÃ0
Hemorragia, problema de coagulação ou anticoagulantes OIIM ONÃ0
Gestantes OIIM ONÃ0
Doença sistêmica grave (por exemplo: cãncer avançado, doença hepática ou renal grave) OIIM ONÃ0

O paciente é de alto risco?


Etapa3 Se QUALQUER uma das afirmativas a seguir for marcada
como SIM, considere transferir para unidade de ICP.

Frequência cardíaca ~100/min E PA sistólica <100 mm Hg OIIM ONÃ0

Edema pulmonar (crepitações) OIIM ONÃ0

Sinais de choque (frio e úmido) OIIM ONÃ0

Contraindicações à terapia fibrinolítica OIIMt ONÃ0

Necessário ACP OIIM ONÃ0

"Contraindicações para O uso de fibrlnolltlcos em IAMST são consideradas aconselhiveis na tomada de decisões ctlnicas e talvez não abranjam tudo ou não sejam
deflnitlvM. Eua contralndicaçõee alo coerentN com as Oif91nzes da AfiA/ACC para o Tratamento de Pacient• com Infarto do Mlocâtdlo com
$upradesnivelamento do Segmento ST, de 2004 (ACC/AHA Guldellnee for the Management oi Patients wlth ST--1:levation Myocan:lial lnfarctlon).

'Coneidere tranaporte pera unidade capacitada para realizar ICP primária como hospital de destino.
Contraindicações para o uso de fibrinolíticos em IAMST consistentes com
a Atualização Específica 2007 da ACC/AHA*

Contraindicações Absolutas
• Qualquer hemorragia intracraniana anterior
• Lesão vascular cerebral estrutural conhecida (por exemplo,
má formação arteriovenosa)
• Neoplasia intracraniana maligna (primária ou metastática)
conhecida
• AVC isquêmico nos últimos 3 meses, exceto isquêmico agudo nas
últimas 3 horas
• Suspeita de dissecção aórtica
• Hemorragia ativa ou diátese hemorrágica (excluindo-se menstruação)
• Traumatismo craniano ou facial fechado significativo nos
últimos 3 meses

Contraindicações Relativas
• Histórico de hipertensão crônica, grave ou mal controlada
• Hipertensão grave descontrolada na entrada no hospital
(PAS > 180 mmHg ou PAD > 11 O mmHg)t
• Histórico de AVC isquêmico anterior há mais de 3 meses, demência
ou patologia intracraniana conhecida não contemplada nas
qontraindicações .
• RCP traumática ou prolongada (mais de 1O minutos) ou grande
cirurgia (menos de 3 semanas)
• Hemorragia interna recente (nas últimas 2 a 4 semanas)
• Punções vasculares não compressíveis
• Para estreptoquinase/anistreplase: exposição anterior (há mais de
5 dias) ou reação alérgica anterior a esses agentes
• Gravidez
• Úlcera péptica ativa
• Uso atual de anticoagulantes: quanto maior o RNI, maior
o risco de hemorragia
*Consideradas aconselháveis na tomada de decisões clínicas e talvez não abranjam tudo ou não
sejam definitivas.
•Pode ser uma contraindicação absoluta em pacientes de baixo risco com infarto do miocárdio.
~ .. - '

· Algoritmo para Suspeita de AVC

Identifique sinais e sintomas de possível AVC Acione o


Serviço ~ico de Emergênc:ia

Avaliações e ações crftlcas do SME


• Forneça suporte a ABCs; forneça oxlginlo, se necessário
Metas
• Realize avaliação pré-hospitalar de AVC
de tempo da
• Estabeleça a hora de Inicio dos sintomas (paciente visto
NINDS
normal pela última vez)
• Trie para um centro de AVC
• Alerte o hospital; considere transferência direta para
Chegada ao NrYlço tomografia computadorizada
de emerglncla • Verifique a glicose, se possfvel

~
~ 10 Avaliação e estabilização geral Imediata
• Avalie a sequência ABC e os sinais vitais • Faça uma avaliação de triagem
. , min • Forneça oxlg6nio, se hipoxêmico neurológica
• Obtenha acesso IV e realize • Acione a equipe de AVC
análises laboratoriais • Peça tomografia computadortzada ou ressonância
• Verifique a glicose; trate, se Indicado magnética urgente do cérebro
• Obtenha ECG de 12 derivações

Avaliação~neurológica Imediata pela equipe ou pelo encarregado de AVC


• Revise o histórico do paciente
• Estabeleça a hora de início dos sintomas ou em que o paciente foi visto
normal pela última vez
25min • Faça um exame neurológico (Escala de AVC do NIH ou
Escala Neurológlca Csnadense)

A tomografia computadorizada
moa1ra hemorragia?

Nenhuma hemorragia HemorTagla

Prorivel AVC lsqulmlco agudo; Consulte um neurologista ou neurocirurgião;


contlidere tratamento ftbrlnolltlco considere transferência, .. não estiverem
• Verifique fatores de exclusão a flbrinolltlcoa dleponlvela
• Repita o exame neurológico: os déflclts
estão melhorando rapidamente para a
normalização?

Nlo 6
ChegadaaoNl'Vlço candidato
O paciente continua candidato ao
deemerglncla Administre aeplrlna
tratamento ftbr',nolltico?
60mln

Candidato

Repasse os rlsc:oaJbeneffc com o • Inicie o protocolo de

...,,_..
paciente• a familia. S e ~ AVC lsquêmlco
• Administre rtPA ou hemorrágico
• Não faça o tratamento com anticoagulan- • Transfira para a unidade
te ou antiplaquetm1os por 24 horas de AVC ou unidade de
Entrada em
unidade de AVC
3 horas

• Inicie a via de AVC pós-rtPA


• Monitore com rigor.
- PA, conforme o protocolo
- Deterlorlçlo neurológica
• Tn11..r.tncla urgente para wlldade de
AVC ou indadt de . . . iànllvll
Cincinnati Prehospital Stroke Scale (ou Escala Pré-
Hospitalar de Cincinnati para AVC)
Paralisia facial (peça ao paciente que
mostre os ·d entes ou sorria):
• Normal - os dois lados do rosto se
movem igualmente
• Anormal - um dos lados do rosto não
se move tão bem quanto o outro

Paciente com AVC c0m paralisia


facial (lado direito do rosto).

Queda do braço (o paciente fecha os olhos e


estende ambos os braços retos, com as palmas
para cima, por 1O segundos):
• Normal - os dois braços se movem igualmente
ou nenhum dos braços consegue se mover
(outros resultados, como desvio pronador,
podem ajudar)
• Anormal - um dos braços não se move ou
um dos braços apresenta desvio para baixo
em comparação com o outro
Fraqueza motora de
um lado (braço direito).

Fala anormal (peça ao paciente que diga "não dá para perder os


velhos hábitos"):
• Normal - o paciente diz as palavras corretas, sem enrolar
• Anormal - o paciente enrola as palavras, diz as palavras erradas ou
é incapaz de falar

Interpretação: se qualquer um desses 3 sinais estiver anormal, a probabilidade


de AVC é de 72%. A presença de todos os 3 achados indica que a
probabilidade de AVC é maior que 85%.

Modificada de Kothar1 RU, Pancloli A, Uu T, Brott T, Brod«ick J. Cincinnati Prehoapital Stroka Scala: reproduclbllity and valldity. Ann E/'l'let'g Med.
1999;33(4):373-378. Com a permissão d a Elsevier.
Uso de Rt - PA IV para AVC lsquêmico Agudo:
Características de Inclusão e Exclusão

:acientes ~u! podem ser trata~os com Rt - PA nas primeiras


horas do 1n1c10 dos sintomas
Cri~érios de inclusão
• Diagnóstico de AVC · • ·
• Início d . isquemIco causando déficit neurológico mensurável
os sintomas: menos de 3 horas antes de iniciar o tratamento
• Idade <!: 18 anos

Critérios de exclusão
• T~aumatismo craniano ou AVC anterior nos últimos 3 meses
: Smto~as su~estivos de hemorragia subaracnoide
P~nç~o arterial em local não compressível nos últimos 7 dias
• H1stónco de hemorragia intracranial
- N~pl'.'ls(a intracranial, má formação arteriovenosa ou aneurisma
- C1rurg1a mtracranial ou intraespinhal
• Pressão arterial elevada (sistólica >185 mm Hg ou diastólica > 1 1O mm Hg)
• Hemorragia interna ativa
• Diátese hemorrágica aguda, incluindo entre outros
- Contagem de plaquetas < 100.000/mm•
- Heparina recebida em 48 horas, resultando em TTPa > limite superior acima do normal
- Uso atual de ~~ti~oagulante com RNI > 1,7 ou TP > 15 segundos
- Uso atual de m1b1dores de trombina ou inibidores de fator d ireto Xa com exames laboratoriais com elevada
sensibilidade (como TTPa, RNI, contagem de plaquetas e TCE; TT; ou exames apropriados de atividade do
fator Xa) ·
• Concentração de glicose no sangue < 50 mg/dl (2, 7 mmol/ L)
• Tomografia computadorizada demonstra infarto multilobular (hipodensidade > 1/a do hemisfério cerebral)

Critérios de exclusão relativa


Experiências recentes sugerem que, sob certas circunstâncias (com cuidadosa consideração e ponderação do
risco/benefício), os pacientes podem receber tratamento fibrinolítico, a despeito de uma ou mais contraindicações
relativas. Considere o risco/benefício ou a administração de Rt • PA com cuidado, se qualquer uma destas
contraindicações relativas estiver presente:
• Apenas sintomas de AVC menores ou com rápida melhora (desaparecendo espontaneamente)
• Gravidez
• Convulsão no início dos sintomas com prejuízo neurológico residual pós-ictal
• Grande cirurgia ou trauma grave nos últimos 14 dias
• Hemorragia gastrointestinal ou do trato urinário recente (nos últimos 21 dias)
• Infarto agudo do miocárdio recente (nos últimos 3 meses)

Notas
• o checklist contém algumas indicações e contraindicações aprovadas pela FDA dos Estados Unidos para a
administração de Rt - PA contra AVC isquêmico agudo. As recentes revisões das diretrizes da AHAJASA podem
diferir ligeiramente dos critérios da FDA. Qualquer médico especializado em atendimento ao AVC agudo poderá
modificar esta lista.
• A hora de início é a hora em que o início dos sintomas foi presenciado ou a última vez em que o paciente foi visto
normal.
• Em pacientes sem uso recente de anticoagulantes orais ou heparina, o tratamento com Rt - PA pode ser iniciado
antes da disponibilização dos resultados do estudo de coagulação, porém deverá ser interrompido se o RNI for
> 1 7 ou se o TP estiver elevado, segundo as normas laboratoriais locais.
• Em' pacientes sem histórico de trombocitopenia, o tratamento com Rt - PA pode ser iniciado antes da
disponibilização da contagem plaquetária, mas deverá ser interrompido se a contagem plaquetária for
< 100.000/mm•.

Pacientes que Podem Ser Tratados com Rt - PA de 3 a


4,5 Horas Após o Início dos Sintomast

Critérios de inclusão. . .
• Diagnóstico de AVC isquemico causand~ _d~fic1t neurológico mensurável
• Início dos sintomas de 3 a 4,5 antes do mIcI0 do tratamento

Critérios de exclusão
• Idade >80 anos
• AVC grave (NIHSS > 25) .
• Tomar um anticoagulante oral, a despeito d~ RNI . .
• Histórico tanto de d iabetes, quanto de AVC 1squêm1co anterior

· AVC: Tratamento contra Hipertensão

Possíveis abordagens à hipertensão arterial em pacientes com


AVC isquêmico agudo, candidatos potenciais a tratamento de
reperfusão aguda*

Paciente apto ao tratamento de reperiusão aguda, exceto se apresentar pressão arterial >
185/11 O mmHg:
• Labetalol 10-20 mg IV por 1 ou 2 minutos, podendo repetir 1 vez; ou
• Nicardipina IV 5 mg por hora, t itule até cerca de 2,5 mg por hora a cada 5 a 15 minutos,
máximo de 15 mg por hora; quando a pressão arterial desejada for atingida, ajuste para
manter pressão arterial dentro dos limites, ou
• Outros agentes (hidralazina, enalaprilato etc.) podem ser considerados, quando apropriado
Se a pressão arterial não se mantiver igual ou inferior a 185/11 O mmHg, não administre Rt - PA.

Controle da pressão arterial durante e após Rt - PA ou outro tratamento de reperiusão aguda:


Monitore a pressão arterial a cada 15 minutos, por 2 horas, desde o início do tratamento com
Rt - PA; em seguida, a cada 30 minutos, por 6 horas; depois, a cada hora, por 16 horas.
Se pressão arterial sistólica 180 a 230 mmHg ou pressão arterial
d iastólica 105 a 120 mmHg:
• Labetalo l 1O mg IV seguido de infusão IV contínua de 2 a 8 mg por minuto; ou
• Nicardipina IV 5 mg por hora, titule até o efeito desejado a cerca de 2,5 mg por hora a cada
5 a 15 minutos, máximo de 15 mg por hora
Se pressão arterial não controlada ou pressão arterial diastólica > 140 mmHg, considere
Nitroprussiato de sódio.

Abordagem para a hipertensão arterial em pacientes com AVC


isquêmico agudo não candidatos potenciais a tratamento de
reperfusão aguda*

Considere baixar a pressão arterial em pacientes com AVC isquêmico agudo se a pressão
arterial sistólica > 220 mmHg ou a pressão arterial diastólica > 120 mmHg.
Considere redução da pressão arterial conforme indicado para lesão sistêmica concomitante
de outro órgão:
• Infarto agudo do miocárdio
• Insuficiência cardíaca congestiva
• Dissecção aórtica aguda
Uma meta plausível é baixar a pressão arterial em 15% nas primeiras 24 horas.

Abreviações: FDA, Food and Drug Administration; NIHSS, Escala de AVC dos Institutos Nacionais de Saúde; RNI, razão normalizada
internacional; Rt - PA, ativador do plasminogênio tecldual recombinante; TC, tomografia computadorizada; TCE, tempo de
coagulação de ecarina; TP, tempo de protrombina; TT, tempo de trombina; TTPa, tempo de tromboplastlna parcial ativada.
•Jauch EC et ai. Guidelines for the ear1y management of patients with acute ischemic stroke: a guideline for healthcare
professlonals from the American Heart Association/American Stroke Association. Stroke. 2013;44(3):870-947.
' dei Zoppo GJ et ai. Expansion of the time window for treatment of acute ischemic stroke with intravenous tissue plasminogen
activator: a science advisory from the American Heart Associatlon/American Stroke Association. Stroke. 2009;40(8):2945-2948.