Você está na página 1de 1

Em 1980, D&D j� era uma grande febre e em 1982 surgia o filme Mazes and Monsters,

estrelado pelo ator Tom Hanks baseado em um livro de mesmo nome inspirado numa
suposta morte envolvendo RPG.[11][12]

Em 1983 o jogo deu origem a s�rie animada de mesmo nome.[13]

O jogo confirmava seu sucesso com o lan�amento do AD&D (Advanced Dungeons &
Dragons) e surgiam novos g�neros alternativos para o jogo como:

Super-Her�is, com um sistema Champions, criando um g�nero e trazendo uma forma de


pontua��o para os personagens, al�m dos atributos, das vantagens e desvantagens o
que tornava o jogo mais tridimensional e interessante. Outros sistemas de super-
herois incluem Mutantes e Malfeitores e �cones.
Fic��o Cient�fica e seus subg�neros como cyberpunk e space opera. Inciado pelo RPG
Traveller, onde o foco era explorar o espa�o explorando v�rios sistemas estelares e
se engajam em atividades tais como explora��o, batalhas espaciais e terrestres e,
com�rcio interestelar. O g�nero Cyberpunk daria origem a sistemas como o Cyberpunk
2020 e Shadowrun, esse �ltimo misturando elementos de cyberpunk como
megacorpora��es e tecnologia futurista com elementos cl�ssicos de fantasia como
magia e criaturas mitologicas.
Terror: Inaugurado com Chamado de Cthulhu, focado menos no combate e mais na
investiga��o e a experi�ncia de sobreviver aos horrores. A linha Mundo das Trevas
(De jogos como Vampiro: A M�scara e Lobisomem: O Apocalipse) foi outro marco
importante por introduzir os personagens dos joadores como os monstros das
hist�rias e foco em uma tem�tica "adulta" e terror pessoal.
Em 1986 a empresa Steve Jackson Games publica o jogo GURPS um sistema gen�rico de
regras. Ele veio com toda uma diversifica��o onde os GM (Game Master) poderiam usar
um sistema que permitisse que o jogador, mesmo com v�rios g�neros de personagens e
mundos onde a a��o pudesse ocorrer, pudesse jog�-los com apenas um conjunto de
regras.

At� o fim dos anos 1990 surgiram in�meros t�tulos, oferecendo varia��es no jogo ou
ambienta��es diversas para a interpreta��o (tamb�m chamadas de cen�rios). Por outro
lado, isso levou a uma fragmenta��o do mercado, diminuindo o lucro das editoras e
consequentemente o n�mero de edi��es, afastando alguns f�s.