Você está na página 1de 6

Manipulando os elementos ORMUS

Os elementos ORMUS diferem de maneira fundamental da sua


habitual forma metálica. Em certo sentido eles podem ser considerados
como estando numa forma paralela aos elementos metálicos
constantes da Tabela Periódica.
O que diferencia esta forma da sua forma comum é que os
elementos ORMUS estão num estado de alta rotação.Isto quer dizer
que estes átomos estão a rodar muito mais rapidamente do que o
habitual. Esta alta rotação puxa a núvem de electrões para dentro, em
direção ao núcleo do átomo, do mesmo modo que um patinador do gelo
junta os braços ao seu corpo para aumentar o seu ritmo de rotação.
À medida que esses electrões são “puchados” para o centro eles
começam a emparelhar-se dando lugar ao que é conhecido por “ Pares
de Cooper”. (Este fenómeno de emparelhamento electrónico é assim
chamado em honra do senhor que recebeu um Prémio Nobel da Física
pela sua descoberta). Estes electrões, quando estão emparelhados
dessa maneira deixam de estar disponíveis para a comum ligação
electrónica entre diferentes elementos. Isto significa que eles deixam de
se poder agregar químicamente para formar metais.
Tem sido desenvolvidos métodos de converter metais no estado
ORMUS. De uma maneira ou outra esses métodos induzem a alta
rotação e o emparelhamento de Cooper dos electrões nos átomos
individuais ou em diátomos.
Também é possível transformar ORMUS em metais usando
outros métodos. Cada um dos elementos que podem ser desta forma
transformados mantém as suas caracteristicas elementais atravéz da
transição de metal para ORMUS e de ORMUS para metal. Algumas
dessas propriedades são comuns a ambas as formas. Por exemplo, o
rodio m-state dá à água uma sensação oleosa.
O mesmo acontece com o hidroxido de rodio metalico. Este metal
também parece ser um catalizador tanto no estado metálico como no
estado ORMUS.
Como esses elementos m-state seguram tão fortemente os seus
electrões junto ao núcleo os métodos comuns de espectrografia usados
para os identificar simplesmente não funcionam.
A única maneira conhecida presentemente, para os identificar, é
fazer um exame espectrográfico num material ORMUS e depois
converter esse material para o estado metálico após o que se analiza
espectograficamente de novo.
Se a primeira análise mostra não haver metal e a segunda mostra
que há metal então estamos perante um elemento ORMUS.
Conquanto esses elementos não formem ligações quimicas, as quais
são feitas pela troca de electrões entre os átomos, eles parecem estar
envolvidos em alguns compostos quimicos de maneiras bem especias.
Acredito que eles devem estar presentes em todos os compostos
químicos que não podem ser sintetizados.
A Clorofila sera talvez um desses compostos. Eu entendo que o
ingrediente secreto na clorofila deve ser a forma ORMUS do cobre.
Desde que esses elementos não esteja ligados por troca de electros
como poderão então estar ligados?
Conheço duas formas de ligação que podem ser a
resposta.Todos estes conceitos são discutidos em maior profundidade
nas palestras de Hudson e no artigo de Gary intitulado "Paranormal
Observations of ORMEs Atomic Structure". A supercondução é uma
propriedade de certas substancias que se encontram num estado
quântico especial que é chamado de Bose-Einstein Condensate (BEC).
Um BEC consiste de uma grande quantidade de grupos de átomos que
se comportam como um único devido a se encontrarem num estado
quântico comum.
No caso dos elementos ORMUS, a sua natureza supercondutora
cria um campo de energia ao redor de cada átomo. Este campo de
energia é conhecido por Meissner field (Campo de Meissener).
Um Campo de Meissener emparelha por ressonancia os atomos
individuais a um ponto em que muitos átomos podem actuar como um
único. Este emparelhamento ressonante entre os átomos ORME
permite que se possa fazer uma espécie de química sombra com eles.
Ao que parece há vários graus no estado ORME.
Um diátomo ORME pode ter todos os seus electrões
emparelhados ou pode ter somente uma porção desses electrões nesse
estado. Se tiverem um diátomo ORME o qual eatá parcialmente
emparelhado essa situação deixará alguns electrões disponíveis para a
junção química convencional com outros elementos.
Este diátomo ORME terá então um pé no mundo ORMUS e outro
no mundo metálico. Esse ORME parcial pode então ser usado para
manipular químicamente os elementos totalmente no estado ORME.
Imaginem que querem recolher todos os cães macho que andam à solta
na vossa cidade.
Correr atrás deles individualmente é muito dificil e trabalhoso
mas pode haver uma maneira muito simples para os conseguir apanhar.
Bastará arranjar uma fêmea com cio e usar uma propriedade conhecida
dos cães macho para os apanhar. Você vai dar um passeio com a sua
fêmea numa trela e bem depressa vai ter todos os cães macho da
cidade atráz de si.
Esses cães macho não estão presos à sua trela mas são atraidos
inevitavelmente pela a sua fêmea e por consequencia vão seguir atrás
de si porque você está levando ela.
Nós podemos fazer manipulação química de modo similar no
ORME parcial e usar este para conduzir ORME total para onde
quisermos. Há outro tipo de ligação que nós temos visto nesses
elementos ORMUS. Como esses elementos são estimulados pelo
movimento em relação a campos magnéticos e como os campos
magnéticos estão em todo o lado, eles parecem procurer situações em
que se sintam protegidos contra esses movimentos dos campos
magnéticos.
Qualquer tipo de espaço apertado limitará o seu movimento em
relação a esses campos. Este princípio pode ser usado para os
manipular.
Você pode mover, um fluido contendo elementos ORMUS, em
relação a um campo magnético e providenciar-lhes um espaço apertado
para se esconderem e dessa forma os capturar.
Nós acreditamos que os métodos simples de concentrar quimicamente
os elementos ORMUS que se encontram na água, também usam o
segundo princípio. Os átomos de sódio providenciados pela soda
caustic parecem formar um ajuntamento de três átomos ou um
triangulo. Pensamos que esta molécula triangular providencia um belo
espaço apertado e confortável, para o ORME se esconder lá dentro.
Moléculas circulars feitas de carbon, oxigénio e cloro também tem sido
utilizadas para prender e manipular quimicamente os elementos
ORMUS.
MÉTODOS

Do Da Elemento Inventor/ Precedent


Método Meta Naturez Específic Discobrid Direcção e
l a o or Antigo
Obter M-state
Método patentea metal to m-
yes yes yes Hudson yes
do por Hudson state
Método metal to m-
electroquímico
yes - yes Jerel
state
yes

metal to m-
Ozone method yes yes no Jim no
state
Armadilha Não extrato m-
Magnética
- yes
definido
Jim & Barry
state
yes

Método HCl metal to m-


&H2O2
yes - yes Jim & Barry
state
no

Queima de metal to m-
Sódio
yes - no Essene
state
no

Fervura em soda metal to m-


cáustica
yes - no Essene
state
yes

extrato m-
método húmido - yes no Essene
state
yes

extrato m-
método sêco - yes no Essene
state
yes

Método Não metal to m-


Homeopatico
yes - definido
Daniel
state
no

Método do
extrato m-
Orvalho da lua - yes ? Kevin
state
yes
cheia
Extrato de sumo extratot m-
de uva
- yes no Saul
state
?
Extrato de sumo extrato m-
de uva
- yes no Knowland
state
?
Árvore dourada metal to m-
em sódio
yes - yes Saul
state
yes

Variação do
método de metal to m-
Hudson por
yes yes no Essene
state
yes
Essene
Congelamento extrato m-
parcial
- yes ? Kevin
state
yes

Armadilha de ar extrato m-
magnética
- yes ? Kevin
state
?
metal to m-
método do Iodo yes - yes Hemet
state
?

Red Gold
Método metal to m-
elecroquímico
yes - yes Jerel
state
yes

Método HCl & metal to m-


H2O2
yes - yes Jim & Barry
state
no

Fervura em metal to m-
soda cáustica
yes - yes John
state
yes

Método metal to m-
Homeopático
yes - somewhat Daniel
state
no

Método do ouro
coloidal
yes - yes anon metal to ? ?
Variação do
método de metal to m-
Hudson por
yes - yes Essene
state
yes
Essene

Transmutação
de Elementos
Mercúrio em
transmutaçã
Ouro - Alquimia yes - yes Hudson
oo
yes
Hindu
transmutaçã
Micro-ondas yes - yes Essene
o
no

transmutaçã
Química yes - yes Essene
o
yes

Electromagnétic transmutaçã
ac
yes - yes Essene
o
no