Você está na página 1de 37

A Recepção dos

Pecadores

Sermão nº 1204

Por Charles H. Spurgeon (1834-1892)

Traduzido, Adaptado e
Editado por Silvio Dutra

Fev/2019
S772
Spurgeon, Charles H.- 1834-1892
A recepção dos pecadores / Charles H. Spurgeon
Tradução e adaptação Silvio Dutra Alves – Rio de
Janeiro, 2019.
37p.; 14,8 x21cm

1. Teologia. 2. Pregação. 3. Alves, Silvio Dutra.


I. Título.

CDD 252

2
“O pai, porém, disse aos seus servos: Trazei
depressa a melhor roupa, vesti-o, ponde-lhe um
anel no dedo e sandálias nos pés; trazei também
e matai o novilho cevado. Comamos e
regozijemo-nos,” (Lucas 15:22, 23)

No dia do Senhor, falamos sobre a


consagração dos sacerdotes - esse tema pode
parecer alto demais para corações perturbados
e consciências trêmulas que temem que nunca
sejam feitos sacerdotes e reis para Deus; um
privilégio tão glorioso lhes parece pairar no
futuro obscuro e distante, se, de fato, eles o
alcançarem!

Portanto, neste momento, desceremos das


regiões elevadas para consolar aqueles que
estão buscando o Senhor - com a visão de ajudá-
los, por sua vez, a escalar também! Nós falamos
esta manhã, não da consagração dos sacerdotes,
mas da recepção dos pecadores, e isto, de
acordo com o nosso texto, é um negócio muito
alegre. É até descrito como uma festa,
acompanhada de música e dança. Nós, muito
frequentemente, falamos da tristeza pelo
pecado que acompanha a conversão, e não creio
que possamos falar disso com muita frequência,
mas ainda assim existe a possibilidade de
negligenciarmos a alegria igualmente santa e
3
notável que acompanha o retorno de uma alma
para Deus. Tem sido um erro muito comum
supor que um homem deve passar por um
tempo considerável de desânimo, se não de
horror da mente, antes que ele possa encontrar
a paz com Deus. Mas nessa parábola o pai parece
determinado a interromper esse período; ele
para seu filho no meio de sua confissão, e antes
que ele possa pedir para ser feito como um dos
empregados, seu estilo pesaroso é alterado para
regozijar, pois o pai já caiu em seu pescoço e
beijou seus lábios trêmulos em um doce
silêncio! Não é o desejo do Senhor que os
pecadores demorem muito no estado de
convicção incrédula do pecado; é algo errado
em si mesmo que os mantém lá! Eles são
ignorantes da liberdade e plenitude de Cristo,
eles nutrem esperanças autojustas, ou se
apegam a seus pecados. O pecado está à porta,
mas não é a obra de Deus que bloqueia o
caminho! Ele se deleita em seu deleite, e se
alegra em sua alegria! É a vontade do Pai que o
pecador penitente acredite imediatamente em
Jesus, e ao mesmo tempo encontre o perdão
completo e imediatamente entre em repouso.

Se algum de vocês veio a Jesus sem o triste


intervalo de terror que é tão frequente, rogo que
não julguem a si mesmos como se suas
conversões fossem duvidosas - elas são todas
4
mais, em vez de menos, genuínas, porque elas
têm, antes, as marcas do evangelho que da lei!

O choro de Pedro, que em poucos dias se


transforma em alegria, é muito melhor do que o
horror de Judas, que termina em suicídio!

As conversões, conforme registradas nas


Escrituras, são, na maior parte, excessivamente
rápidas. Eles foram constrangidos no coração no
Pentecostes, e no mesmo dia batizaram e
acrescentaram à Igreja porque encontraram paz
com Deus através de Jesus Cristo! Paulo foi
abatido com convicção e em três dias foi um
crente batizado! Talvez a figura seja inadequada,
mas eu estava prestes a dizer que às vezes o
poder de Deus está tão perto de nós que o
lampejo da convicção é frequentemente
assistido no mesmo momento pelo trovão
profundo da voz do Senhor que afasta nossos
medos, e proclama paz e perdão para a alma! Em
muitos casos, a agulha afiada da lei é
imediatamente seguida pelo fio de seda do
evangelho; os aguaceiros do arrependimento
são sucedidos de uma vez pelo brilho da fé, e a
paz alcança o arrependimento, e caminha de
braços dados com ele para um descanso ainda
mais pleno!
5
Tendo assim lembrado que Deus gostaria que os
penitentes se alegrassem muito em breve, eu
quero passar esta manhã em apresentar a
alegria que é causada pelo pecado perdoado.
Essa alegria é tripla. Vamos falar sobre isso,
primeiro, como a alegria de Deus sobre os
pecadores; em segundo lugar, a alegria dos
pecadores em Deus; e, em terceiro lugar, o que
é tão frequentemente esquecido - a alegria dos
servos, pois eles também se alegraram, porque
o pai disse: “Vamos comer e nos alegrar”. Um
dos pontos da parábola é justamente isso, que
como no caso da ovelha perdida, o pastor reúne
seus amigos e vizinhos e, como no caso do
dinheiro, a mulher chama seus vizinhos juntos,
também neste caso, outros compartilham a
alegria que pertence principalmente ao pai
amoroso e o andarilho que retorna.

I. ALEGRIA DE DEUS SOBRE OS PECADORES.

É sempre difícil falar do Deus sempre bendito


quando temos que descrevê-lo como tocado
pelas emoções. Eu oro, portanto, para ser guiado
em meu sermão pelo Espírito Santo. Fomos
educados para a ideia de que o Senhor está
acima das emoções, seja de tristeza ou prazer.
Que Ele não pode sofrer, por exemplo, é sempre
estabelecido como um postulado autoevidente.
Isso é bem claro? Ele não pode fazer ou suportar
6
qualquer coisa que Ele escolha fazer? O que a
Escritura quer dizer, que diz que o pecado do
homem, antes do Dilúvio, fez o Senhor se
arrepender de que Ele havia feito o homem na
terra, "e isso o entristeceu em Seu coração"? Não
há nenhum significado na própria língua do
Senhor: “Quarenta anos eu fiquei triste com
esta geração”? Não somos proibidos de
entristecer o Espírito Santo? Ele não é descrito
como tendo sido atormentado por homens
ímpios? Certamente, então, Ele pode ser
entristecido; não pode ser uma expressão
totalmente sem sentido. De minha parte, alegro-
me em adorar o Deus vivo, que, porque vive,
sofre e regozija-se! Faz alguém sentir mais amor
por Ele do que se Ele vivesse em algum sereno
Olimpo, descuidado de todas as nossas aflições
porque é incapaz de qualquer preocupação
sobre nós, ou interesse em nós, de um jeito ou
de outro. Olhar para Ele como absolutamente
impassível e incapaz de qualquer coisa como
emoção não exala, na minha mente, o Senhor,
mas antes o leva a ser comparável aos deuses da
pedra ou de madeira que não podem simpatizar
com seus adoradores! Não, Jeová não é
insensível! Ele é o Deus vivo e tudo o que
acontece com a vida - puro, perfeito e santo -
deve ser encontrado nEle! No entanto, tal
assunto deve ser sempre falado de maneira
muito terna, com admiração solene, porque
7
sabemos algo do que Deus é, pois somos feitos à
imagem de Deus, e a melhor semelhança de
Deus, indubitavelmente, era o homem como ele
veio da mão do fabricante, no entanto, o homem
não é Deus, e mesmo em sua perfeição, ele deve
ter sido apenas uma minúscula miniatura de
Deus; enquanto agora que ele pecou, ele apagou
e confundiu essa imagem. O finito não pode
espelhar totalmente o infinito, nem as grandes
e gloriosas propriedades essenciais da
divindade podem ser comunicadas às criaturas
- elas devem permanecer peculiares a Deus,
somente. O Senhor é, no entanto,
continuamente representado como exibindo
alegria. Moisés declarou à pecaminosa Israel
que, se eles voltassem e obedecessem à voz do
Senhor, o Senhor voltaria a regozijar-se com
eles para o bem, à medida que se regozijasse
com seus pais (Deuteronômio 30: 9).

Dizem que o Senhor se regozija em Suas obras e


se deleita em misericórdia - e certamente
devemos acreditar nisso! Por que deveríamos
duvidar disso? Muitas passagens da Escritura
falam de maneira muito impressionante da
alegria de Deus em Seu povo. Sofonias coloca
isso da maneira mais forte: “Ele salvará, Ele se
regozijará em você com alegria, Ele descansará
em Seu amor, Ele se alegrará em você com
cânticos”. Nosso Deus é para sempre o Deus feliz
8
ou abençoado! Não podemos pensar nEle como
algo além de supremamente abençoado! Ainda,
das Escrituras nós deduzimos que Ele exibe, em
certas ocasiões, uma alegria especial que Ele
quer que nós reconheçamos. Não creio que
possa ser mera parábola, mas é fato real, que o
Senhor se regozija com o retorno e
arrependimento dos pecadores.

Todo ser manifesta sua alegria de acordo com


sua natureza e busca meios para sua exibição
adequada a si mesma; é assim com os homens.
Quando os antigos romanos celebraram um
triunfo porque algum grande general retornou
como um vencedor da África, Grécia ou Ásia
com os despojos de uma longa campanha, como
a feroz natureza romana expressou sua alegria?
Por que, no Coliseu, ou em algum anfiteatro
ainda mais vasto, onde as nações movimentadas
sufocavam os caminhos, eles se reuniram em
suas miríades para contemplar não apenas os
animais, mas seus semelhantes, “massacrados
para fazer um feriado romano”. A crueldade em
uma escala extraordinária era sua maneira de
expressar a alegria de seus corações de ferro!

Olhe para o homem autoindulgente; ele teve


uma temporada próspera, e fez um sucesso,
como ele chama, ou algum evento ocorreu em
sua família, o que o deixa muito exultante. O que
9
ele fará para mostrar sua alegria? Ele vai dobrar
o joelho em gratidão ou levantar um hino de
louvor? Não ele! Ele realizará uma disputa de
bebidas e, quando ele e seus companheiros
estiverem loucos de vinho, sua alegria
encontrará expressão! Os sensuais mostram sua
alegria pela sensualidade!

Agora, Deus cujo nome é Bom e cuja natureza é


amor - quando Ele tem alegria, expressa isto em
misericórdia, em benevolência e graça. A
alegria do pai na parábola diante de nós
mostrou-se no pleno perdão concedido no beijo
do amor perfeito concedido, no presente do
melhor manto, no anel, nas sandálias e na
alegre festa que encheu toda a casa com alegria
santa! Tudo expressa sua alegria de acordo com
sua natureza; o amor de Deus, portanto, revela
sua alegria em atos de amor! A natureza de Deus
estando tão acima da nossa como o céu está
acima da terra, a expressão da Sua alegria é,
portanto, toda mais alta e os Seus dons maiores!
Mas há uma semelhança entre o modo de Deus
de expressar alegria e a nossa, que será
proveitoso notar. Como nos expressamos,
ordinariamente, quando estamos contentes?
Nós o fazemos muito comumente por uma
exibição de recompensas.
10
Quando, nos tempos antigos, nossos reis
chegaram à cidade de Londres, ou uma grande
vitória foi celebrada - o canal em Cheapside
corria com vinho tinto, e até as calhas corriam
com ele! Então havia mesas na rua, e os
senhores, os vereadores e o prefeito ficavam em
casa aberta, e todos se alimentavam ao máximo.
A alegria era expressa pela hospitalidade. Você
viu a imagem do jovem herdeiro
amadurecendo, e notou como o artista retrata o
grande pátio da mansão tão cheio de homens e
mulheres que estão comendo e bebendo para o
contentamento de seus corações. Na época de
Natal e nos dias do casamento e colheita dos
lares, os homens normalmente expressam sua
alegria pela provisão abundante. Assim também
o pai, nesta maravilhosa parábola, exibe a
máxima generosidade, representando, assim, a
ilimitada generosidade do grande Pai dos
Espíritos que mostra Sua alegria sobre os
penitentes pela maneira como os entretém. O
melhor manto, o anel, os sapatos, o bezerro
cevado e o: “Comamos e festejemos”, todos
mostram, por sua generosidade, que Deus está
feliz! Os seus bois e os seus cevados são mortos,
porque a festa da misericórdia é o banquete do
Senhor! Tão inigualáveis são os dons de Sua
graciosa mão que os recebedores de Seus
favores gritaram maravilhados: “Quem é um
Deus semelhante a Ti!”
11
Amados, considerem, por algum tempo, a
recompensa do Senhor para devolver os
pecadores, apagando seus pecados como uma
nuvem e como uma nuvem espessa as suas
iniquidades; justificando-os na justiça de Cristo,
dotando-os do Espírito Santo, regenerando-os,
consolando-os, iluminando-os, purificando-os,
fortalecendo-os, orientando-os, protegendo-os,
enchendo-os de toda a Sua plenitude,
satisfazendo-lhes a boca com coisas boas e
coroando-os com ternas misericórdias.

Eu vejo, na generosidade de Deus com a qual Ele


tão generosamente dá retorno aos pecadores,
uma poderosa prova de que Sua alma mais
íntima se alegra com a salvação dos homens!

Em tempos felizes, os homens geralmente


manifestam alguma especialidade em sua
generosidade. No dia em que o jovem herdeiro
amadurece, o barril de vinho, há muito
armazenado, é aberto, e o melhor novilho é
assado inteiro. Então, aqui na parábola, lemos:
“Tragam o melhor manto”, indicando que ele
havia sido posto e guardado até então. Ninguém
usou esse manto; estava trancado no guarda-
roupa, só para ser usado em alguma ocasião
muito especial. Este foi o dia mais feliz que já
havia feito feliz a casa e, portanto, "Traga o
melhor novilho". Nenhum outro será suficiente!
12
Se a carne é necessária para o banquete, deixe
um bezerro ser morto; qual será - um bezerro
retirado aleatoriamente do rebanho? Não, mas
o bezerro cevado que está nas barracas e está
bem alimentado - e foi reservado para uma
festa! Oh, amado, quando Deus abençoa um
pecador, Ele mostra sua alegria dando-lhe as
misericórdias reservadas, os tesouros especiais
do amor eterno, as coisas preciosas da graça
divina, o segredo do pacto - sim, Ele deu aos
pecadores o melhor dos melhores em dar-lhes a
Cristo Jesus e a habitação do Espírito Santo! O
melhor que o céu proporciona, Deus concede
aos pecadores quando eles vêm a Ele!

Nenhum recado, vacuidade e fim são


encaminhados a buscadores famintos e
sedentos, mas na generosidade principesca do
amor incansável, o Pai celeste distribui
abundante graça!

Eu gostaria que os pecadores viessem e


provassem a hospitalidade do meu Senhor! Eles
achariam que Sua mesa seria mais ricamente
provida do que a de Salomão, embora 30 bois e
100 ovelhas não bastassem para a provisão de
um dia para a casa daquele magnífico soberano!
Se eles apenas vierem, até mesmo os maiores de
coração entre eles ficariam maravilhados ao ver
quão ricamente Deus supriu todas as suas
13
necessidades de acordo com Suas riquezas em
glória em Cristo Jesus - “Trapos trocados por
tesouros caros, e anel, e melhor manto do céu!
Dons de amor, que não conhece medida alguma;
Quem pode dizer do coração de Deus? Todos os
Seus amados, Seus redimidos, perfeitos, estão
em Sua morada”.

Também regamos a nossa alegria pela


concentração de pensamento sobre o objeto
dela. Quando um homem é tomado com alegria,
ele esquece todo o resto e entrega-se ao deleite.
Davi ficou tão feliz em trazer de volta a arca do
Senhor que ele dançou diante do Senhor com
todas as suas forças, vestindo apenas um éfode
de linho. Deixou de lado suas roupas
imponentes e pensou tão pouco em sua
dignidade que Mical zombou dele, mas estava
tão absorto em adorar seu Senhor que todas as
aparências desapareceram.

Observe bem a parábola e escute, enquanto


ouve o pai dizer: “Tragam o melhor manto e
ponham-no sobre ele e ponham um anel em sua
mão e sapatos em seus pés, e comamos e
alegremos, porque este meu filho estava morto
e está vivo novamente!” O filho, sozinho, está
aos olhos do pai, e toda a casa deve ser ordenada
em referência a ele; nada deve ser pensado hoje,
senão sobre o filho há muito perdido! Ele é
14
primordial no guarda-roupa, na sala de joias, no
pátio, na cozinha e na sala de banquetes. Ele que
estava perdido - que estava morto, sendo
encontrado e vivo, absorve toda a mente do pai!
Pecador, é maravilhoso como Deus coloca todos
os Seus pensamentos em você de acordo com
Sua promessa: “Eu fixarei meus olhos sobre eles
para o bem” (Jeremias 24: 6). E mais uma vez:
“Eu cuidarei deles para edificar e plantar, diz o
Senhor”. O Senhor pensa nos pobres e
necessitados! Seus olhos estão sobre eles e Seus
ouvidos estão abertos ao seu clamor! Ele pensa
o máximo de cada pecador penitente como se
ele fosse o único ser no universo! Ó penitente,
para você é o trabalho da providência do Senhor
para trazê-lo para casa; para você o treinamento
de Seus ministros para que eles possam saber
como alcançar seu coração; para você os dons
do Espírito sobre eles para que eles possam ser
poderosos com a sua consciência! Sim, para
você, Seu Filho, Seu Filho Eterno, uma vez
sangrando na cruz, está agora sentado no mais
alto dos céus, fazendo intercessão por você!

Vi em Amsterdã, o corte de diamante, e notei


grandes rodas, uma grande fábrica e motores
potentes; e todo o poder foi feito para
transportar uma pequena pedra não maior do
que a unha do meu dedo mindinho! Toda aquela
maquinaria enorme para aquela pequena pedra,
15
porque era muito preciosa! Acho que vejo vocês,
pobres pecadores insignificantes, que se
rebelaram contra o seu Deus, trazidos de volta à
casa do seu pai - e agora todo o universo está
cheio de rodas, e todas essas rodas estão
trabalhando juntas para o seu bem, para fazer de
você uma joia que brilha na coroa do Redentor!
Deus não é representado como dizendo mais da
criação do que, "era muito bom". Mas na obra da
graça Ele é descrito como cantando de alegria!
Ele quebra o silêncio eterno e grita: “Meu filho
foi encontrado!” Quando o filósofo, quando ele
forçou a natureza a entregar-lhe o segredo,
correu pela rua gritando: “Eureka! Eureka! Eu
encontrei! Eu encontrei!” O Pai também fala
sobre a palavra: “Meu filho que estava morto
está vivo novamente; aquele que estava perdido
é encontrado.” Toda a Escritura visa trazer de
volta o banido ao Senhor! Por isso o Redentor
deixa a Sua glória! Por isso a igreja varre a casa e
acende a sua vela - e quando o trabalho está
terminado, toda a outra felicidade é secundária
à alegria suprema do Senhor, da qual Ele ordena
que os Seus resgatados participem, dizendo:
“Entrai na alegria. do seu Senhor”.

Também mostramos nossa alegria por uma


disposição alegre de movimento. Eu citei Davi
agora mesmo; foi assim com ele. Ele dançou
diante da arca. Não consigo imaginar Davi
16
andando devagar diante da arca, ou rastejando
atrás dela como um enlutado num funeral.
Muitas vezes noto a diferença entre você vir a
este lugar e as pessoas indo a outros lugares de
culto. Eu observo um movimento muito solene,
majestoso e sombrio em quase todos os outros,
mas vocês vêm se atropelando como se
estivessem contentes de ir até a casa do Senhor!
Vocês não consideram o lugar de nossas alegres
assembleias como uma espécie de prisão
religiosa, mas como o palácio e a casa de
banquetes do grande Rei! Quando alguém está
feliz, ele certamente mostrará isso pela rapidez
de seus movimentos! Escute o pai: ele diz:
“Trazei o melhor manto e coloquem sobre ele, e
ponham um anel em sua mão, e sapatos em seus
pés, e tragam aqui o bezerro cevado, e comamos
e nos alegremos.” O mais rápido possível, ele
despeja sentença após sentença. Não há atraso,
não há intervalo entre os comandos. Não
poderia ter dito: “Traga o melhor manto e
coloque-o sobre ele, e deixe-nos olhá-lo um
pouco, sentar-se e prepará-lo para o próximo
passo. E daqui a uma hora, ou amanhã,
colocaremos um anel em sua mão. E então, em
breve, colocaremos os sapatos em seus pés, mas
ele é melhor sem sapatos para o presente, pois,
talvez, se tiver sapatos, fugirá. Quanto à festa,
talvez seja melhor nos regozijarmos com ele
quando virmos se o arrependimento dele é
17
genuíno.” Não, não, não! O coração do pai está
muito feliz! Ele deve abençoar seu filho
imediatamente, amontoar seus favores e
multiplicar suas demonstrações de amor!
Quando o Senhor recebe um pecador, Ele corre
para encontrá-lo! Ele cai no pescoço dele; Ele o
beija; Ele fala com ele; Ele perdoa-o! Ele o
justifica! Ele o santifica! Ele o coloca entre os
filhos; Ele abre os tesouros de Sua graça para ele,
e tudo em rápida sucessão!

Dentro de poucos minutos depois de ter sido


limpo do pecado, o pródigo é vestido, adornado
e calçado para o serviço! O amor do coração de
nosso Redentor fez com que Ele dissesse ao
pobre ladrão: “Hoje você estará comigo no
paraíso”. Ele não permitiu que se demorasse em
dor na cruz, mas o levou para o paraíso em uma
hora ou duas! Amor e alegria são sempre
rápidos de pé! Deus é vagaroso em irar-se, mas
Ele é tão abundante em Sua misericórdia que
Sua graça transborda e corre como uma
torrente quando salta ao longo da ravina!

Ainda, a alegria do pai foi mostrada, como


muitas vezes é, por expressão aberta. É difícil
para um homem feliz segurar a sua língua! O
que pessoas tolas podem fazer quando estão
muito felizes? Não consigo imaginar como eles
suportam o silêncio nesses momentos; então
18
deve ser uma terrível desgraça. Quando você
está muito feliz você deve dizer a alguém! O
mesmo acontece com esse pai; Ele derrama sua
alegria e a elocução é muito simples. “Meu filho
estava morto e está vivo novamente; estava
perdido e é encontrado”. No entanto, simples
como é, é poesia! A poesia dos hebreus consistia
em paralelismo, ou repetição do sentido ou
parte das palavras. Aqui estão duas linhas que se
combinam e fazem um verso da poesia hebraica.
Homens felizes, quando falam natural e
simplesmente, sempre dizem a coisa certa da
melhor maneira, usando a poesia da natureza,
assim como o pai aqui. Note, também, que há
reiteração em seu enunciado. Ele poderia ter
ficado satisfeito em dizer: "Este, meu filho,
estava morto e está vivo novamente". Não, o fato
é tão doce que ele deve repeti-lo: "Ele estava
perdido e foi encontrado". Quando estamos
muito cheios de doce contentamento; o coração
borbulha com um bom assunto e repetidamente
demonstramos nossa alegria! Quando o bocado
é doce, enrolamo-lo debaixo da língua; não
podemos evitar! Assim, o Senhor se alegra com
os pecadores e conta Sua alegria na Sagrada
Escritura em variadas frases e metáforas; e,
embora essas Escrituras sejam simples em seu
estilo, elas contêm a própria essência da poesia!
Os poetas da Bíblia estão na primeira fila entre
os filhos da canção! O próprio Deus se dignou a
19
usar a poesia para proferir a sua alegria, porque
uma maneira mais prosaica seria muito fria e
lenta.

Ouça como ele diz: “Como o noivo se alegra da


noiva, assim se alegrará de ti o teu Deus”.
“Regozijar-me-ei em Jerusalém e me alegrarei
no meu povo”. Poderíamos ter sido deixados no
escuro por causa dessa alegria de Deus.
Poderíamos ter sido friamente informados de
que Deus salvaria os pecadores, mas talvez
nunca tivéssemos sabido que Ele encontrava
tamanha alegria - mas a alegria divina era
grande demais para ser ocultada! O grande
coração de Deus não pôde se conter - Ele deve
dizer ao universo inteiro o deleite que o
exercício de Sua misericórdia trouxe a Ele! Foi
justo que Ele se alegrasse e, portanto, Ele o fez,
pois nada que seja feito para ser feito será
negligenciado pelo Senhor nosso Deus!

Assim, queridos amigos, falei debilmente da


alegria de Deus. E quero que você perceba que é
um deleite em que todo atributo de Deus tem
uma parte. A condescendência correu ao
encontro do filho; o amor caiu em seu pescoço;
a graça o beijou; a sabedoria o vestiu; a verdade
deu-lhe o anel; a paz o acalmou; a sabedoria
proporcionou a festa e o poder a preparou.
Nenhum atributo da natureza divina briga com
20
o perdão e a salvação de um pecador! O poder
fortalece os fracos; a misericórdia prende os
feridos e a justiça sorri ao pecador justificado,
pois ela é satisfeita pelo sangue expiatório. A
verdade estende a mão para garantir que a
promessa da graça seja cumprida. A
imutabilidade confirma o que foi feito, e a
onisciência olha em volta para ver que nada é
deixado por fazer! Toda a divindade é trazida
sobre um pobre verme do pó, para elevá-lo e
transformá-lo em herdeiro de Deus, co-
herdeiro com o unigênito! A alegria de Deus
ocupa todo o ser, de modo que, quando
pensamos nisso, podemos muito bem dizer:
"Bendiga ao Senhor, ó minha alma e tudo o que
há em mim, bendiga Seu santo nome", já que
tudo o que há dentro de si Ele está
comprometido em abençoar Seus santos!

Essa alegria do Senhor deve dar a todo pecador


uma grande confiança em vir a Deus por Jesus
Cristo, pois se você se alegrar por ser salvo, Ele
ficará feliz em salvá-lo! Se você deseja deitar a
sua cabeça no seio do seu Pai, o seio do seu Pai
anseia por tê-lo ali! Se você cala para dizer: "Eu
pequei", Ele também deseja dizer a você, por
atos de Seu amor, "Eu te perdoo livremente". Se
você quer ser Seu filho em Sua própria casa mais
uma vez, a porta é aberta, e ele diz: Venha e seja
21
bem-vindo! Venha e seja bem-vindo! Não
demore mais!

II. Agora tenho que falar da ALEGRIA DO


PECADOR. O filho estava feliz. Ele não expressou
em palavras, tanto quanto eu posso ver na
parábola, mas ele sentiu, no entanto. Às vezes o
silêncio é discreto, e foi assim neste caso. Em
outras ocasiões, é absolutamente forçado a você
pela incapacidade de expressar a emoção - isso
também era verdade para o pródigo. O coração
do filho estava cheio demais para ser proferido
em palavras, mas ele tinha olhos falantes e um
semblante em voz enquanto olhava para aquele
querido pai. Ao colocar o manto, o anel e os
sapatos, ele deve ter ficado muito surpreso em
falar! Chorou em chuva naquele dia, mas as
lágrimas não foram salgadas de dor - eram
lágrimas doces, cintilantes como o orvalho da
manhã. O que você acha que faria o filho feliz?
Ora, o amor do pai, o perdão do pai - e a
restauração do seu antigo lugar no coração do
pai! Esse foi o ponto! Mas então, cada presente
serviria como um sinal desse amor e faria a
alegria transbordar. Havia o manto colocado - o
vestido de um filho e de um filho bem-amado e
aceito. Você já notou como o manto respondeu
à sua confissão? As sentenças se combinam
assim - “Pai, pequei.” - “Traga o melhor manto e
coloque-o nele.” Cubra todos os seus pecados
22
com a justiça de Cristo! Deixe de lado seu
pecado, imputando a ele a justiça do Senhor
Jesus! O manto também encontrou sua
condição. Ele estava em farrapos, portanto,
"Tragam o melhor manto e coloquem-no sobre
ele", e não irá mais ver os seus trapos! Era
adequado que ele estivesse assim disposto, em
sinal de sua restauração. Aquele que é
readotado com os privilégios de um filho, não
deve estar vestido com roupas sórdidas, mas
vestir roupas adequadas à sua posição! Além
disso, como uma festa estava prestes a começar,
ele deveria usar uma roupa festiva; não seria
bom para ele deleitar-se e ser feliz em seus
trapos. Coloque o melhor manto nele, para que
ele esteja pronto para ocupar seu lugar no
banquete! Assim, quando o penitente vem a
Deus, ele não é coberto apenas, quanto ao
passado, pela justiça de Cristo, mas ele está
preparado para a bem-aventurança futura que é
reservada para os perdoados. Sim, ele está
preparado para começar o regozijo de uma só
vez!

Então veio o anel, um luxo em vez de uma


necessidade, exceto que agora ele era um filho,
era bom que ele fosse restaurado a todas as
honras de seu relacionamento. O anel de sinete
no Oriente, em tempos antigos, conferia
grandes privilégios; naqueles dias, os homens
23
não assinavam seus nomes, mas estampavam
com o sinete, de modo que o anel dava ao
homem poder sobre a propriedade e o fazia uma
espécie de outro eu para o homem cujo anel ele
usava. O pai dá um anel ao filho, e como uma
resposta completa foi esse presente para outra
cláusula de sua confissão. Deixe-me ler as duas
frases juntas: “Eu não sou mais digno de ser
chamado seu filho”; “Ponha um anel na mão
dele.” O presente encontra precisamente a
confissão! Ele também contou com sua
mudança. Quão singular que a própria mão que
estava alimentando os suínos deveria agora usar
um anel! Eu garanto que não havia anéis em
suas mãos quando elas estavam sujas no cocho!
Mas agora ele não é mais um alimentador de
porcos! Ele agora é um filho honrado de um pai
rico. Os escravos não usam anéis. Juvenal riu de
certos homens libertos porque eram vistos
subindo e descendo a Via Sacra com anéis
conspícuos nos dedos, os emblemas de sua
recém-descoberta liberdade! O anel indicava a
liberdade do penitente em relação ao pecado e o
desfrute dos privilégios totais da casa de seu pai.

Oh, amado, o Senhor o alegrará se você vier a


Ele, colocando o selo do Espírito Santo sobre
você - que é tanto o penhor da herança quanto o
melhor adorno da mão de sua vida prática. Você
terá um sinal seguro e honrado e saberá que
24
todas as coisas são suas, se as coisas estão
presentes ou se as coisas estão por vir. Esse anel
em seu dedo declarará sua união matrimonial a
Cristo, estabelecerá o amor eterno que o Pai
fixou em você e será o compromisso
permanente da obra perfeita do Espírito Santo!
Então eles colocaram os sapatos em seus pés.
Suponho que ele tenha usado o seu próprio. No
Oriente, os empregados geralmente não usam
calçados em casa e, principalmente, nos
melhores cômodos da casa. O mestre e o filho
usam sandálias, mas não os servos, de modo que
esta ordem foi uma resposta para a última parte
da oração do penitente: "Faça-me como um dos
seus empregados contratados." "Não", diz o pai,
"calcem os sapatos.” No pecador perdoado, a
admiração que tira seus sapatos é superada pela
familiaridade que usa os sapatos que o amor
infinito provê. O perdoado não deve mais tremer
no Sinai, mas ele deve vir ao Monte Sião - e ter
união familiar e comunhão com Deus! Assim,
também, o restaurado foi calçado para o serviço
filial; ele poderia correr atrás das tarefas de seu
pai ou trabalhar nos campos de seu pai. Ele tinha
agora, em todos os sentidos, tudo o que podia
precisar - o manto que o cobria, o anel que o
adornava e os sapatos que o preparavam para
viajar ou trabalhar! Agora vocês que
despertaram e estão ansiosos, e que desejam se
aproximar de Deus, gostaria que esta descrição
25
da alegria do pródigo lhes induzisse a vir
imediatamente! Vem, nu, e Ele dirá: "Trazei o
melhor manto!" Vem, tu que vês a tua
deformidade natural através do pecado, e Ele te
adornará com um anel de beleza! Vem, tu que te
sentes como se não pudesses vir, porque tens
pés cansados e sangrentos, e Ele te calçará com
as sandálias de prata da Sua divina graça!
Apenas venha e você terá tanta alegria em seus
corações como nunca sonhou! Haverá um
jovem paraíso nascido dentro do seu espírito
que crescerá e crescerá até a plenitude da
felicidade!

III. Chegou a hora de nos determos na ALEGRIA


DOS SERVOS. Eles deviam se alegrar, pois a
música e a dança que eram ouvidas do lado de
fora não poderiam ter procedido de uma só
pessoa! Deve ter havido muitos para se juntar a
ele, e quem deveriam ser esses, senão os servos
a quem o pai dera seus comandos? Eles
comeram, beberam, dançaram e juntaram-se à
música! Há muitos de nós aqui que são servos do
nosso próprio Pai celestial. Embora sejamos
Seus filhos, nos deleitamos em ser Seus servos.
Agora, sempre que um pecador é salvo, temos
nossa parcela de alegria. Temos alegria,
primeiro, na alegria do Pai. Ficaram tão
contentes porque o seu senhor estava contente
- os bons servos ficam sempre satisfeitos
26
quando veem que o seu mestre está muito
satisfeito. E tenho certeza de que os servos do
Senhor estão sempre alegres quando sentem
que o seu Senhor está satisfeito; aquele servo
que saiu para o irmão mais velho, mostrou por
seu modo de falar que ele estava em simpatia
com o pai, pois ele implorou ao filho sobre o
assunto. E quando você estiver em simpatia com
Deus, meu querido irmão ou irmã, se o Senhor
permitir que você veja os pobres pecadores
salvos, você deve e se alegrará com Ele! Será
melhor para você do que encontrar uma bolsa
cheia de dinheiro ou fazer um grande ganho nos
negócios! Sim, nada no mundo pode lhe dar
mais prazer do que ver algum irmão ou irmã
seu, ou algum filho seu feito para se alegrar em
Cristo! Uma mãe uma vez disse belamente:
“Lembro-me das novas e estranhas emoções
que tremiam no meu peito quando, quando
criança, ele foi moldado pela primeira vez em
meu coração - meu primogênito. A emoção
daquele momento ainda permanece - mas
quando ele nasceu de novo, segurou em meus
braços uma nova criatura em Cristo Jesus, meu
filho espiritual, meu filho no evangelho,
perdoado, justificado, adotado, salvo, para
sempre salvo! Oh! Foi a profundidade da alegria!
Alegria indizível! Meu filho era filho de Deus! As
orações que precederam seu nascimento, que
embalaram sua infância, que cingiam sua
27
juventude, foram respondidas! Meu filho era de
Cristo! A cansada observação, os anseios dos
desejos, as tremendas esperanças de anos
estavam em repouso! Nosso primogênito era
declaradamente do Senhor.” Que todo pai e mãe
aqui conheçam tal alegria por ter simpatia por
Deus! Mas eles tinham simpatia pelo filho.
Tenho certeza de que eles se regozijaram em vê-
lo de volta, pois de alguma forma, até mesmo
filhos maus têm a boa vontade de bons servos.
Quando os jovens vão embora e são um grande
pesar para seus pais, os servos geralmente que
se apegam a eles; dirão: “Bem, o mestre John era
muito imprudente, e ele aborrecia muito o pai,
mas eu gostaria de ver o pobre menino de volta.”
Especialmente isso é verdade dos velhos criados
que estão na casa desde que o menino nasceu -
eles nunca o esquecem. E você descobrirá que
os antigos servos de Deus estão sempre
contentes quando veem crianças pródigas
retornarem! Eles se deleitam além do
compasso, porque os amam, não obstante suas
andanças. Pecador, com todos os seus defeitos e
dureza de coração, nós amamos você, e
ficaríamos contentes, por sua causa, de vê-lo
liberto da ruína eterna e da ira de Deus, para te
ver liberto da eterna ruína e da ira de Deus que
agora habita em você, e trazido para regozijar-se
em pecado perdoado e aceitação no Amado!

28
Nós nos regozijaríamos por causa do pecador,
mas acho que os servos se alegraram mais do
que todos quando foram os instrumentos na
mão do pai para abençoar o filho. Basta olhar
para isto: o pai disse aos servos: "Tragam o
melhor manto." Ele poderia ir ao guarda-roupa,
ele mesmo, com uma chave, abri-lo e tirar o
manto. Mas ele deu aos servos o prazer de fazê-
lo. Quando recebo minhas ordens de meu
Senhor e Mestre na manhã do dia do Senhor
para trazer o melhor manto, estou realmente
feliz! Nada me encanta mais do que pregar a
justiça imputada de Jesus Cristo, e o sacrifício
substitutivo de nosso exaltado Redentor! "Trazei
o melhor manto." Por que, meu Mestre, eu
poderia me contentar em ficar fora do céu se
Você sempre me desse esse trabalho para fazer
- trazer o melhor manto, e exaltar e exaltar Jesus
Cristo aos olhos das pessoas! Então ele disse:
“Coloque-o sobre ele”. Quando nosso Senhor
nos dá graça divina para fazer isso, ainda há mais
alegria! Quantas vezes eu tirei o melhor manto,
mas não pude colocar em você! Eu segurei e
falei sobre suas excelências - e apontei para seus
trapos, e disse que seria uma coisa deleitável se
eu pudesse colocar em você - mas eu não pude!
Mas quando o Pai celeste, por Sua graça divina e
pelo poder do Espírito, nos torna os meios de
trazer esses tesouros para a posse de pobres
pecadores, oh, que alegria! Eu me regozijaria em
29
trazer o anel do Espírito para o trabalho de
selamento e os calçados da preparação do
evangelho da paz, pois é uma alegria exibir essas
bênçãos e uma alegria ainda maior de colocá-las
sobre os pobres, retornando ao andarilho! Deus
seja agradecido por dar aos seus servos tão
grande prazer! Eu não teria ousado descrever os
servos do Senhor como se vestissem o manto, o
anel e os sapatos - mas como Ele mesmo fez, eu
me regozijo em usar a própria linguagem do
Espírito Santo! Quão doce era o mandamento:
"Ponham nele." Sim, coloque-o sobre o pobre
pecador trêmulo, esfarrapado e trêmulo!
"Coloque nele", embora ele mal possa acreditar
que tal misericórdia seja possível. "Coloque-o
sobre ele?" Sim, sobre ele. Aquele que era um
bêbado, um preguiçoso, um adúltero? Sim,
coloque sobre ele, pois ele se arrepende! Que
alegria é quando somos capacitados, pela
comissão de Deus, a lançar aquele manto
glorioso sobre um grande pecador! Quanto ao
anel, coloque-o sobre ele! Essa é a beleza disso.
E os sapatos; coloque-os nele. Que eles são para
ele é a essência de nossa alegria - que tal
pecador, e especialmente quando ele é um de
nossa própria família - receba esses dons da
graça divina é maravilhoso! Foi muito gentil do
pai dividir o trabalho de amor. Alguém colocaria
o manto; outro o anel e um terceiro os sapatos.
Alguns de meus irmãos podem gloriosamente
30
pregar Jesus Cristo em Sua justiça, e eles
colocam o melhor manto. Outros parecem mais
talentosos em residir na obra do Espírito de
Deus, e eles colocaram o anel; enquanto outra
classe são santos práticos e colocam os sapatos.
Não me importo com o que tenho que fazer, se é
que posso, mas tenho uma parte, em ajudar a
trazer aos pobres pecadores os incomparáveis
dons da graça que, com infinita despesa, o
Senhor preparou para aqueles que retornam a
Ele! Quão felizes aqueles que ajudaram a vesti-
lo, não sei dizer. Enquanto isso, outro criado saía
de casa para trazer o bezerro cevado, e talvez
dois ou três estivessem engajados em matar e
vestir, enquanto outro acendia um fogo na
cozinha e preparava espetos para o assado. Um
colocou a mesa, e outro correu para o jardim
para trazer flores para fazer coroas de flores
para a sala - eu sei que teria feito isso se estivesse
lá. Todos estavam felizes! Tudo pronto para se
juntar à música e às danças! Aqueles que
trabalham para o bem dos pecadores são
sempre os mais felizes quando são salvos! Você,
que ora por eles, você que os ensina, você que
prega para eles, você que os conquista para
Cristo - você deve compartilhar sua alegria!

Agora, queridos irmãos e irmãs, nos é dito que


eles “começaram a se alegrar”, e de acordo com
a descrição parece que eles estavam alegres, de
31
fato, mas ainda assim eles apenas
“começaram”. "Eles começaram a se alegrar", e
como a alegria é capaz de crescer além de todos
os limites quando uma vez começa, quem sabe
ao que eles vieram a esta hora? Os santos
começam a se alegrar agora, e eles nunca
cessarão, mas se alegrarão para sempre! Na
Terra, toda a alegria que temos está apenas
começando de ser alegres - é no céu que
estamos no auge! Aqui nosso melhor deleite
dificilmente é melhor do que uma maré
próxima em sua vazante; lá a alegria rola na
majestade de uma maré cheia de primavera –

“Oh, que aleluia arrebatador

na casa de nosso Pai acima!

Aleluia! Aleluia!

Sobre os abraços do seu amor!

Maravilhosa acolhida –

a acolhida de Deus,

Que o chefe dos pecadores prove.

Tensões melodiosas doces ascendentes,

Tudo ao redor de uma inundação poderosa;


32
Servos, amigos, com alegria assistindo –

Oh, a felicidade de Deus!

Graça abundante, tudo transcendente,

através do sangue precioso de um Salvador.”

Vamos começar a nos alegrar esta manhã! Mas


nós não podemos, a menos que estejamos
trabalhando pela salvação dos outros de todas as
formas possíveis para nós. Se fizemos e estamos
fazendo isso, vamos louvar e bendizer o Senhor,
e nos regozijarmos com os que foram
chamados; e mantenhamos a festa como Jesus
quer que seja mantida, pois espero que não haja
ninguém aqui dos irmãos mais velhos que se
enfureçam e se recusem a entrar.

Vamos continuar a ser alegres, enquanto


vivermos, porque os perdidos são encontrados,
e os mortos são feitos vivos! Deus conceda a
você ser feliz, nesta conta, até o fim. Amém.

PARTE DAS ESCRITURAS LIDA ANTES DO


SERMÃO - LUCAS 15: 11-32.

Lucas– 15

1 Aproximavam-se de Jesus todos os publicanos


e pecadores para o ouvir.
33
2 E murmuravam os fariseus e os escribas,
dizendo: Este recebe pecadores e come com
eles.

3 Então, lhes propôs Jesus esta parábola:

4 Qual, dentre vós, é o homem que, possuindo


cem ovelhas e perdendo uma delas, não deixa
no deserto as noventa e nove e vai em busca da
que se perdeu, até encontrá-la?

5 Achando-a, põe-na sobre os ombros, cheio de


júbilo.

6 E, indo para casa, reúne os amigos e vizinhos,


dizendo-lhes: Alegrai-vos comigo, porque já
achei a minha ovelha perdida.

7 Digo-vos que, assim, haverá maior júbilo no


céu por um pecador que se arrepende do que
por noventa e nove justos que não necessitam
de arrependimento.

8 Ou qual é a mulher que, tendo dez dracmas, se


perder uma, não acende a candeia, varre a casa
e a procura diligentemente até encontrá-la?

9 E, tendo-a achado, reúne as amigas e vizinhas,


dizendo: Alegrai-vos comigo, porque achei a
dracma que eu tinha perdido.
34
10 Eu vos afirmo que, de igual modo, há júbilo
diante dos anjos de Deus por um pecador que se
arrepende.

11 Continuou: Certo homem tinha dois filhos;

12 o mais moço deles disse ao pai: Pai, dá-me a


parte dos bens que me cabe. E ele lhes repartiu
os haveres.

13 Passados não muitos dias, o filho mais moço,


ajuntando tudo o que era seu, partiu para uma
terra distante e lá dissipou todos os seus bens,
vivendo dissolutamente.

14 Depois de ter consumido tudo, sobreveio


àquele país uma grande fome, e ele começou a
passar necessidade.

15 Então, ele foi e se agregou a um dos cidadãos


daquela terra, e este o mandou para os seus
campos a guardar porcos.

16 Ali, desejava ele fartar-se das alfarrobas que


os porcos comiam; mas ninguém lhe dava nada.

17 Então, caindo em si, disse: Quantos


trabalhadores de meu pai têm pão com fartura,
e eu aqui morro de fome!
35
18 Levantar-me-ei, e irei ter com o meu pai, e lhe
direi: Pai, pequei contra o céu e diante de ti;

19 já não sou digno de ser chamado teu filho;


trata-me como um dos teus trabalhadores.

20 E, levantando-se, foi para seu pai. Vinha ele


ainda longe, quando seu pai o avistou, e,
compadecido dele, correndo, o abraçou, e
beijou.

21 E o filho lhe disse: Pai, pequei contra o céu e


diante de ti; já não sou digno de ser chamado teu
filho.

22 O pai, porém, disse aos seus servos: Trazei


depressa a melhor roupa, vesti-o, ponde-lhe um
anel no dedo e sandálias nos pés;

23 trazei também e matai o novilho cevado.


Comamos e regozijemo-nos,

24 porque este meu filho estava morto e reviveu,


estava perdido e foi achado. E começaram a
regozijar-se.

25 Ora, o filho mais velho estivera no campo; e,


quando voltava, ao aproximar-se da casa, ouviu
a música e as danças.
36
26 Chamou um dos criados e perguntou-lhe que
era aquilo.

27 E ele informou: Veio teu irmão, e teu pai


mandou matar o novilho cevado, porque o
recuperou com saúde.

28 Ele se indignou e não queria entrar; saindo,


porém, o pai, procurava conciliá-lo.

29 Mas ele respondeu a seu pai: Há tantos anos


que te sirvo sem jamais transgredir uma ordem
tua, e nunca me deste um cabrito sequer para
alegrar-me com os meus amigos;

30 vindo, porém, esse teu filho, que desperdiçou


os teus bens com meretrizes, tu mandaste matar
para ele o novilho cevado.

31 Então, lhe respondeu o pai: Meu filho, tu


sempre estás comigo; tudo o que é meu é teu.

32 Entretanto, era preciso que nos


regozijássemos e nos alegrássemos, porque
esse teu irmão estava morto e reviveu, estava
perdido e foi achado.”

37