Você está na página 1de 8

TRANSLATED FROM PORTUGUESE TO ENGLISH THROUGH THE GOOGLE TRANSLATOR

Brumadinho Neoliberalism Unconstitutional fhc

With deep regret, that TODAY, after deep reflections, recognizing my smallness Cultural,
Religious, Political, and Professional, facing the below placements, AFFIRM, without fear of
WRONG, that the CRIMINAL "accidents" occurred in Mariana, and Brumadinho, ARE
RESPONSIBILITIES of those who "privatized" Companhia Vale do Rio Doce, which became Vale
S.A., since, in addition to ALL the Crimes, already divulged by the media, and therefore, publicly
known, we can, and should, HIGHLIGHT THE MOST OF THEM, the change in the percentage of
Application of PROFITS in Communities, from 80% (Eighty percent) to 5% (FIVE percent).

Therefore, if the Companhia Vale do Rio Doce had not been "privatized", ALL the following
Governments would continue to HAVE an important, historical, "ARM OF DEVELOPMENT", as
well as an Exacerbated Volume of Human Resources , Materials, and Financial, to PROTECT
HUMAN LIVES directly LOST, and especially, to PROTECT FAUNA, FLORA, and HUMAN LIVES
that depend on them.

The "fanciful student crisis", since it was known for a long time, but triggered to overthrow
the EURO, presented us with the concrete IRRESPONSIBILITY that was to leave the "MARKET"
free to carry out any regulation and supervision, since the evaluation made by the International
Authorities, introduced in the so-called "Basliléia Agreement" important NORTEADOR CRITERIA
for the regulation and supervision of the International Financial System, one of them being the
"accounting" of Assets involved in "Financial Speculation", whose values ARE SUBJECTIVE.

Therefore, MIND VERY, and DISLOCATELY, who affirms, without any SCCRUCT, without
any SHAME, that the Governments MUST be small, and must not TRAP those that Produce,
attributing to the WILD CAPITALISM, which has as premise, PROFIT AT ANY COST, the necessary
Moral and Ethical Consciousness to GUARANTEE, at a minimum, DUE RESPECT FOR
HUMAN LIFE, in all its forms.

In addition to the aforementioned CRIME LESA PÁTRIA, I present the "herculean" efforts
made by ME, a Brazilian Citizen COMMON, who became "INFRUTÉFEROS", for being a
HYPOCRITE Country, made of Lawyers, made by Lawyers, and made for Lawyers , where
"Tragic Clowns", in the context of Tragic Comedy, RECOGNIZE, for example, the 2nd Chamber
of the CFOAB - Federal Council of the Brazilian Bar Association, that Law Operators, even
the Law Bachelor, do not commit ethical-disciplinary infraction, when betting ahead of their
Names, Academic Entitlement of "DOCTOR", for the simple reason, to be "SOBRIQUET", according
to the document "Because I am Doctor in Right of Shit",
https://pt.scribd.com/document/142382500/Porque-Sou-Doutor-Em-Direito-de-Merda , where we are
evaluating the discipline syllabus 003 2013 SCA of the OAB CF, regarding the banalized use of
Doctor's Entitlement, where presumed corporative, indecent, immoral, illegitimate and illegal
referents, The "pseudo-substantiate".

I present the document "Petition to STJ", https://pt.scribd.com/document/2169536/Peticao-ao-


STJ , which is a desperate attempt, through SUGGESTION made to the President of STJ -
Superior Court of Justice, to make EVERY possible efforts, including sending to the Authority
that he understood to be COMPETENT, which was presumably done, since the SUGGESTION
WAS ACCEPTED and forwarded to the RAPPORTEUR, Minister Castro Meira, with the objective
of reversing a SUBJECTIVE decision, based on presumptive "ACHISMO" (Without any Legal
Grounds), for a decisive and irrefutable decision OBJECTIVE, based on values and Technical
parameters.
I present the document "Peticao Stj Redirected to Stf",
http://www.scribd.com/doc/7480276/Peticao-Stj-Redirecionada-Ao-Stf , which is a desperate
attempt, through SUGGESTION made to the President of the STF - Federal Supreme Court, to
make ALL possible efforts, including sending to the Authority that he understood to be
COMPETENT, with the objective of reversing a SUBJECTIVE Dossier issued by STJ - Superior
Court of Justice, in view of the Official Response of STJ - Superior Court of Justice, as well as
the presumed intrinsic Disrespect for the Constitution of the Federative Republic of Brazil and
the President of the STJ - Superior Court of Justice, by the Rapporteur, Minister Castro Meira.

I am obliged to acknowledge the concrete fact that Brazil is a "Hipórcita Republic of


Bananas", since, since 1998, through the "New Legal-Institutional Order", considered by some as
I, Avant-garde, Revolutionary, Brilliant, Legal Prima Work, ALL the existential problems of
TODAY already had their solutions, at least, ORIENTED, and therefore, I can ASSERT, without
fear of STRAGGLE, that few, by IGNORANCE, or even in CONVENIENCE, were able to
understand it, as an example I quote:

Among others, the question of mining has the "New Legal-Institutional Order",
represented by the concrete Constitution of the Federative Republic of Brazil, in a Clearly and
Rich way, allows us to "paraphrase donald trump" and affirm "First Brazil".

Art. 172, Art. 173, §1º, I, II, III, §4º, §5º, presents us with certainty that the law will discipline,
on the basis of national interest, foreign capital investments, encourage reinvestments and will
regulate the remittance of profits, as well as, except in the cases provided for in this
Constitution, the direct exploitation of economic activity by the State shall be permitted only when
necessary to the imperatives of national security or the relevant collective interest, as defined
by law, which will establish the legal status of the public company, mixed-capital company and its
subsidiaries that exploit economic activity of production or sale of goods or services, providing on:
its social function and forms of supervision by the State and by society; repression of abuse of
economic power aimed at dominating markets, eliminating competition, and arbitrarily raising
profits.

Art 176, §1º, shows us the certainty that the deposits, whether or not mined, and other
mineral resources and hydraulic power potentials constitute property distinct from that of
the soil, for the purpose of exploration or exploitation, and belong to the Union (Brazilian State),
as well as that research and mining of mineral resources and the utilization of potentials can only
be carried out with the authorization or concession of the Union (Brazilian State), in the
national interest.

Art. 177, V (old and new), shows us the certainty that the "privatization" of Companhia
Vale do Rio Doce IT WAS, IS, AND SHALL CONTINUE BEING, Crime of Lesa-Pátria
UNCONSTITUTIONAL, since, the Constitution of the Federal Republic of Brazil, maintains as
MONOPOLY the Union (Brazilian State), research, mining, enrichment, reprocessing,
industrialization and trade of nuclear minerals and minerals and their derivatives, with the
exception of radioisotopes, when I call attention to the fact that VALE S.A., does not only work
with radioisotopes.

Among others, the INDIGENOUS question has the "New Legal-Institutional Order",
represented, by the concrete, of the Constitution of the Federative Republic of Brazil, in a
Clearly and Rich way, DETERMINE, that the INDIANS, implicitly, because they originate in
SILVÍCULA (who or who is born or lives in the wild, wild), will enjoy the Rights of the demarcated
Areas, as an indigenous reserve, UNDER THE TUTELAGE of the Brazilian State, irrefutably
recognizing that they BELONG to the Union (Brazilian State).

Art. 20, XI, presents us with certainty that the Indigenous Reserves (lands traditionally
occupied by the Indians) are assets of the Union (Brazilian State), ratifying the interpretation that
the Indians are entitled to USUFRUTE under TUTELAGE of the Union (Brazilian State).

Art. 231, §1º, §2º, §3º, §4º, §5º, §6º, §7º (Art. 174, §3º, §4º), presents us with certainty that
the BRAZILIAN STATE recognizes the Indians, their social organization, their customs, their
languages, their beliefs and their traditions, and the ORIGINATING RIGHTS, through permanent
possession, over the lands they traditionally occupy, and it is the responsibility of the Union
(Brazilian State) to demarcate them, implicitly through YOUR GUARD, protect and enforce all
your property, recognizing also that this demarcated area is traditionally occupied by the Indians
that they inhabit permanently, those used for their productive activities, those essential to the
preservation of environmental resources necessary for their well-being and those necessary for
their physical and cultural reproduction, according to their uses, customs and traditions, with
the exclusive usufruct of the riches of the soil, rivers and lakes, ratifying the YOUR GUARD of the
Union (Brazilian State) ensures that the use of water resources, including energy potential,
research and mining of mineral wealth in indigenous lands can only be effected with the
authorization of the National Congress, after hearing the affected communities, being assured
participation in the results of the mining, in the form of the law, where they are inalienable and
unavailable, and the rights over them, imprescriptible, in such a way, that the removal of the
indigenous groups from their lands IS PROHIBITED, save, "ad referendum" of the National
Congress, in case of catastrophe or epidemic that endangers their population, or in the interests
of the sovereignty of the country, after deliberation of the National Congress, guaranteed, in
any case, the immediate return as soon as the risk ceases, or in the interests of the sovereignty
of the country, after deliberation of the National Congress, guaranteed, in any case, the
immediate return as soon as the risk ceases, with the explicit recognition that acts aimed at the
occupation, ownership and possession of indigenous lands, or exploitation of the natural resources
of the soil, rivers and lakes therein are null and void and have no legal effects, except public
interest of the Union (Brazilian State), according to what has a complementary law, and nullity
and extinction do not generate the right to compensation or to actions against the Union
(Brazilian State), except in the form of the law, as to the improvements derived from occupation in
good faith, emphasizing that the recognition of economic activity does not apply to indigenous
lands, presumably because they do not fit the public sector and the private sector, when it then
DETERMINES that the Indians, their communities and organizations are legitimate parties to
enter in court in defense of their rights and interests, intervening the Public Ministry in all the
acts of the process.

From the above, I CREDIT the ORIGIN, and the RESPONSIBILITY, of ALL the Problems of
Normatization, and Inspection, of the Dams of Brazilian Mineral Rejects, which have already
caused "accidents", and will still cause other "accidents", with FATAL VITIMS, with
FLAGELOS, with DESTRUCTION OF THE ENVIRONMENT, to the IRresponsible for the
application of the NEOSOLIALISM, constructed, and defined, by the called "Group of the 30",
financed by the Ford Foundation, which some recognize as "CIA FINANCIAL ARM", backing the
US interests, which in Brazil is represented by Extrema Right, as the Misrule of "fhc - fernando
henrique cardoso", without calling attention to the concrete fact of the current President of Vale
S.A., has been nominated by the former Senator, the current Federal Deputy, sr. aécio neves
da cunha, https://www.youtube.com/watch?v=FTj-9WZjsto .

In view of Fact 3 of the document "Petition to STJ", which states:

Fact 3 - In order that we may accept as fact, concrete, and certainly on which the
Rapporteur's vote is based, it is necessary that the edict has the respect and credibility
necessary for a concrete intention to participate, since, in doubting its integrity and smoothness,
I can judge it prudent not to participate, even lamenting, for, it is impossible for me to accept that
someone in full ethical reason, allow himself to be "INVOLVED" in "SOMETHING" questionable
since the birth.
Therefore, there are several reasons that may prevent ALL Brazilians from participating in
the Auction, where price is only one, and not always, the most important.

A question does not want to shut up:

What legal guarantee should be given to someone who is CONSCIENTIOUSLY by involved


in "SOMETHING ILLICIT", since its "birth", since, this ILICITUDE, in a Clearly and Rich way,
AGGRESSION to Constitutional Law, is Public, and Notary ?

To which only one answer is possible:

The nullity of the "privatization" extinguishes the right to indemnity or to actions against the
Union (Brazilian State), at least by the natural RISCO, represented by the public, and notorious,
ILICITUDE in any commercial agreement, except, in the form of the law, for improvements derived
from good faith.

Respectful Hugs,
Plinio Marcos Moreira da Rocha
Rua Gustavo Sampaio nº112 apto. 603 – LEME – Rio de Janeiro – RJ – Brasil
CEP – 22.010-010
Tel. Cel. +55 21 986183350
ORIGINAL TEXT IN PORTUGUESE

Brumadinho Neoliberalismo Inconstitucional fhc

Com profundo pesar, que HOJE, após profundas reflexões, reconhecendo minha pequenez
Cultural, Religiosa, Política, e Profissional, frente as colocações abaixo, AFIRMO, sem medo de
ERRAR, que os CRIMINOSOS “acidentes” ocorridos em Mariana, e Brumadinho, SÃO
RESPONSABILIDADES daqueles que “privatizaram” a Companhia Vale do Rio Doce, que se
tornou Vale S.A., uma vez que, além de TODOS os Crimes, já divulgados pela mídia, e por isso,
publicamente conhecidos, podemos, e devemos, DESTACAR o MAIOR DELES, a alteração do
percentual de Aplicação dos LUCROS nas Comunidades, de 80% (OITENTA por cento) para
5% (CINCO por cento).

Logo, se a Companhia Vale do Rio Doce não tivesse sido “privatizada”, TODOS os
Governos seguintes, continuariam a DISPOR de um Importante, e histórico, “BRAÇO DE
FOMENTO”, bem como, também teriam à DISPOSIÇÃO um Volume Exacerbado de Recursos
Humanos, Materiais, e Financeiros, para PROTEGER as VIDAS HUMANAS diretamente
PERDIDAS, e principalmente, para PROTEGER a FAUNA, a FLORA, e as VIDAS HUMANAS que
Delas dependem.

A “fantasiosa crise estudiniense”, por ser conhecida desde de muito, mas deflagrada para
derrubar o EURO, nos apresentou a, concreta, IRRESPONSABILIDADE que foi deixar o
“MERCADO” livre para conduzir qualquer normatização, e fiscalização, uma vez que, a avaliação
feitas pelas Autoridades Internacionais, introduziu no chamado “Acordo de Basiléia” importantes
CRITÉRIOS NORTEADORES da normatização, e da fiscalização, do Sistema Financeiro
Internacional, sendo um deles, a “contabilização” de Ativos envolvidos em “Especulação
Financeira”, cujos valores SÃO SUBJETIVOS.

Logo, MENTE MUITO, e DESCARADAMENTE, quem afirma, sem qualquer ESCRÚPULO,


sem qualquer PUDOR, que os Governos DEVEM ser pequenos, e não devem ATRAPALHAR
aqueles que Produzem, atribuindo ao CAPITALISMO SELVAGEM, que tem como premissa, o
LUCRO A QUALQUER CUSTO, a necessária Consciência Moral, e Ética, para GARANTIR, no
mínimo, o DEVIDO RESPEITO À VIDA HUMANA, em todas as suas formas.

Além do CRIME LESA PÁTRIA acima citado, apresento, os “hercúleos” esforços, feito por
MIM, um Cidadão Brasileiro COMUM, que se verificaram “INFRUTÉFEROS”, por sermos um País
HIPÓCRITA, feito DE Advogados, feito POR Advogados, e feito PARA Advogados, onde
“Palhaços Trágicos”, em contexto de Trágica Comédia, RECONHECEM, como por exemplo, a 2ª
Câmara do CFOAB – Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, que Operadores
do Direito, incluso os Bacharéis de Direito, não cometem infração ético-disciplinar, ao
apostarem à frente de seus Nomes, a Titularidade Acadêmica de “DOUTOR”, pelo singelo motivo,
de se tratar de “ALCUNHA”, conforme o documento “Porque Sou Doutor Em Direito de Merda”,
https://pt.scribd.com/document/142382500/Porque-Sou-Doutor-Em-Direito-de-Merda , onde estamos
avaliando a Ementa 003 2013 SCA do CF OAB, quanto ao uso banalizado da Titularidade de
Doutor, onde presumíveis referenciais corporativistas, indecorosos, imorais, ilegítimos e ilegais, A
"pseudo-fundamentam".

Apresento o documento “Petição ao STJ”, https://pt.scribd.com/document/2169536/Peticao-


ao-STJ , que é tentativa desesperada, através de SUGESTÃO efetuada ao Presidente do STJ –
Superior Tribunal de Justiça, para que envidasse TODOS os esforços possíveis, incluso o envio
à Autoridade que entendesse ser COMPETENTE, o que presumivelmente foi feito, uma vez que
a SUGESTÃO FOI ACEITA e encaminha ao RELATOR, Ministro Castro Meira, com o objetivo de
reverter uma decisão SUBJETIVA, calcada em presunçoso "ACHISMO" (Sem qualquer
Fundamentação Legal), para uma contundente e irrefutável decisão OBJETIVA, calcada em
valores e parametros Técnicos.

Apresento o documento “Peticao Stj Redirecionada Ao Stf ”,


http://www.scribd.com/doc/7480276/Peticao-Stj-Redirecionada-Ao-Stf , que é tentativa desesperada,
através de SUGESTÃO efetuada ao Presidente do STF – Supremo Tribunal Federal, para que
envidasse TODOS os esforços possíveis, incluso o envio à Autoridade que entendesse ser
COMPETENTE, com o objetivo de reverter uma dedcisão SUBJETIVA, proferida pelo STJ –
Superior Tribunal de Justiça, tendo em vista, a Resposta Oficial do STJ – Superior Tribunal de
Justiça, bem como, o presumível, intrinseco, Desrespeito à Constituição da República
Federativa do Brasil, e ao Presidente do STJ - Superior Tribunal de Justiça, pelo Relator,
Ministro Castro Meira.

Sou obrigado a reconhecer o fato, concreto, de que o Brasil é uma “Republica Hipórcita
de Bananas”, uma vez que, desde 1998, através da “Nova Ordem Jurídico-Institucional”,
considerada por alguns como Eu, Vanguardista, Revolucionária, Brilhante, Obra Prima Jurídica,
TODOS os problemas existenciais, de HOJE, já tinham, suas soluções, no mínimo,
ORIENTADAS, e por isso, posso AFIRMAR, sem medo de ERRAR, que poucos, por
IGNORÂNCIA, ou mesmo EM CONVENIÊNCIA, foram capazes de entendê-la, como exemplo cito:

Entre outras, a questão da mineração tem pela “Nova Ordem Jurídico-Institucional”,


representada, pelo, concreto, da Constituição da República Federativa do Brasil, de forma
Clara, e Rica, nos permite “parafrasear donald trump”, e afirmar “Primeiro Brasil”.
Os Art. 172, Art. 173, §1º, I, II, III, §4º, §5º, nos apresenta a certeza de que, a lei disciplinará,
com base no interesse nacional, os investimentos de capital estrangeiro, incentivará os
reinvestimentos e regulará a remessa de lucros, bem como, ressalvados os casos previstos
nesta Constituição, a exploração direta de atividade econômica pelo Estado só será permitida
quando necessária aos imperativos da segurança nacional ou a relevante interesse coletivo,
conforme definidos em lei, que estabelecerá o estatuto jurídico da empresa pública, da sociedade
de economia mista e de suas subsidiárias que explorem atividade econômica de produção ou
comercialização de bens ou de prestação de serviços, dispondo sobre: sua função social e
formas de fiscalização pelo Estado e pela sociedade; repressão ao abuso do poder econômico
que vise à dominação dos mercados, à eliminação da concorrência e ao aumento arbitrário dos
lucros.
O Art. 176, §1º, nos apresenta a certeza de que as jazidas, em lavra ou não, e demais
recursos minerais e os potenciais de energia hidráulica constituem propriedade distinta da
do solo, para efeito de exploração ou aproveitamento, e pertencem à União (Estado Brasileiro),
bem como, que pesquisa e a lavra de recursos minerais e o aproveitamento dos potenciais
somente poderão ser efetuados mediante autorização ou concessão da União (Estado
Brasileiro), no interesse nacional.
O Art. 177, V (antigo e novo), nos apresenta a certeza de que a “privatização” da
Companhia Vale do Rio Doce FOI, É, e CONTINUARÁ SENDO, Crime de Lesa-Pátria
INCONSTITUCIONAL, uma vez que, a Constituição da República Federativa do Brasil, mantém
como MONOPÓLIO da União (Estado Brasileiro), a pesquisa, a lavra, o enriquecimento, o
reprocessamento, a industrialização e o comércio de minérios e minerais nucleares e seus
derivados, com exceção dos radioisótopos, quando então, chamo a atenção para o fato de que
a VALE S.A., não trabalha, apenas e tão somente, com radioisópotos.
Entre outras, a questão INDÍGENA tem pela “Nova Ordem Jurídico-Institucional”,
representada, pelo, concreto, da Constituição da República Federativa do Brasil, de forma
Clara, e Rica, DETERMINA, que os ÍNDIOS, implicitamente, por terem origem SILVÍCOLA (que ou
quem nasce ou vive na selva; selvagem), usufruirão dos Direitos das Áreas demarcadas, como
reserva indígena, SOB TUTELA do Estado Brasileiro, reconhecendo de forma irrefutável, que as
mesmas PERTECEM à União (Estado Brasileiro).
O Art. 20, XI, nos apresenta a certeza de que as Reservas Indígenas ( as terras
tradicionalmente ocupadas pelos índios ) são bens da União (Estado Brasileiro) , ratificando a
interpretação de que aos Índios cabe o USUFRUTO sob TUTELA da União (Estado Brasileiro).

O Art. 231, § 1º , §2º , §3º , §4º, §5º, §6º, §7º(Art. 174, §3º e §4º), nos apresenta a certeza
de que o ESTADO BRASILEIRO reconhe os índios, sua organização social, seus costumes, suas
línguas, suas crenças e suas tradições, e os DIREITOS ORIGINÁRIOS, através da posse
permanente, sobre as terras que tradicionalmente ocupam, competindo à União (Estado
Brasileiro) demarcá-las, implicitamente através de SUA TUTELA, proteger e fazer respeitar todos
os seus bens, reconhecendo também que esta área demarcada são tradicionalmente ocupadas
pelos índios as por eles habitadas em caráter permanente, as utilizadas para suas atividades
produtivas, as imprescindíveis à preservação dos recursos ambientais necessários a seu bem-
estar e as necessárias a sua reprodução física e cultural, segundo seus usos, costumes e
tradições, cabendo-lhes o usufruto exclusivo das riquezas do solo, dos rios e dos lagos nelas
existentes, ratificando a TUTELA DA UNIÃO (Estado Brasileiro) assegura que o aproveitamento
dos recursos hídricos, incluídos os potenciais energéticos, a pesquisa e a lavra das riquezas
minerais em terras indígenas só podem ser efetivados com autorização do Congresso Nacional,
ouvidas as comunidades afetadas, ficando-lhes assegurada participação nos resultados da lavra,
na forma da lei, onde as mesmas são inalienáveis e indisponíveis, e os direitos sobre elas,
imprescritíveis, de tal forma, que É VEDADA a remoção dos grupos indígenas de suas terras,
salvo, "ad referendum" do Congresso Nacional, em caso de catástrofe ou epidemia que ponha
em risco sua população, ou no interesse da soberania do País, após deliberação do Congresso
Nacional, garantido, em qualquer hipótese, o retorno imediato logo que cesse o risco, com o
reconhecimento explícito de que são nulos e extintos, não produzindo efeitos jurídicos, os
atos que tenham por objeto a ocupação, o domínio e a posse das terras indígenas, ou a exploração
das riquezas naturais do solo, dos rios e dos lagos nelas existentes, ressalvado relevante
interesse público da União (Estado Brasileiro), segundo o que dispuser lei complementar, não
gerando a nulidade e a extinção direito a indenização ou a ações contra a União (Estado
Brasileiro), salvo, na forma da lei, quanto às benfeitorias derivadas da ocupação de boa fé,
ressaltando que não se aplica às terras indígenas o reconhecimento de atividade econômica,
presumivelmente, por não se enquadrarem no setor público e no setor privado, quando, então,
DETERMINA que os índios, suas comunidades e organizações são partes legítimas para
ingressar em juízo em defesa de seus direitos e interesses, intervindo o Ministério Público em
todos os atos do processo.

Pelo acima exposto, CREDITO a ORIGEM, e a RESPONSABILIDADE, de TODOS os


Problemas de Normatização, e Fiscalização, das Barragens de Rejeitos Minerais Brasileiras,
que já provocaram “acidentes” , e ainda hão de provocar outros “acidentes”, com VITIMAS
FATAIS, com FLAGELOS, com DESTRUIÇÃO DO MEIO AMBIENTE, aos IRresponsáveis pela
aplicação do NEOSOLIALISMO, construido, e definido, pelo chamado “Grupo dos 30”, financiado
pela Fundação Ford, que alguns reconhecem como “BRAÇO FINANCEIRO DA CIA”, respaldando
os interesses norte americanos, que no Brasil, é representado pela Extrema Direita, como foram
os DESgovernos de “fhc – fernando henrique cardoso”, sem deixar de chamar a atenção para o
fato, concreto, do atual Presidente da Vale S.A. ter sido indicado pelo ex-Senador, atual
Deputado Federal, sr. aécio neves da cunha, conforme “AUDIO GRAVADO POR JOESLEY
BATISTA”, https://www.youtube.com/watch?v=FTj-9WZjsto .

Tendo em vista o FATO 3 do documento “Petição ao STJ”, onde consta:


Fato 3 – Para que pudéssemos aceitar como fato, concreto, o certamente sob o
qual se baseia o voto do Relator, necessário se faz que, o edital tenha o respeito e a
credibilidade necessária à uma intenção concretad e p a r t i c i p a ç ã o , u m a v e z q u e , a o
duvidar d e s u a integridade e lisura, p o s s o , julgar prudente não participar, mesmo
lamentando, pois, me é impossível aceitar que alguém em plena razão ética, se permita
“ENVOLVER” e m “ A L G O ” questionável desde o nascedouro. Portanto, várias são as razões
que podem, concretamente, impedir que TODOS os Brasileiros participassem do Leilão,
onde o preço é, apenas e tãosomente, uma delas, e nem sempre, a mais importante.

Uma pergunta não quer calar:

Qual Garantia Jurídica deve ser dada a alguém que se envolve,


CONSCIENTEMENTE, em “ALGO ILÍCITO”, desde seu “nascedouro”, uma vez que,
esta ILICITUDE, pela Clara, e Rica, AGRESSÃO ao Direito Constitucional, é Pública,
e Notória ?

Para a qual somente cabe uma resposta:

A nulidade da “privatização” extingue direito a indenização ou a ações contra a União


(Estado Brasileiro), no mínimo, pelo natural RISCO, representado pela, pública, e notória,
ILICITUDE, em qualquer acordo comercial, salvo, na forma da lei, quanto às benfeitorias
derivadas de boa fé.

Abraços Respeitosos,
Plinio Marcos Moreira da Rocha
Rua Gustavo Sampaio nº112 apto. 603 – LEME – Rio de Janeiro – RJ – Brasil
CEP – 22.010-010
Tel. Cel. +55 21 986183350