Você está na página 1de 11

Biorremediação de solos contaminados por petróleo na região portuária de

Cabedelo-PB

Jessé Crecêncio da Costa1


Janaina Meneses ²

1 Faculdade Internacional da Paraíba. João Pessoa, PB, Brasil.


² Professor Faculdade Internacional da Paraíba. João Pessoa, PB, Brasil.

ser caracterizado como a fonte de energia da


INTRODUÇÃO atualidade. Porém, este bem precioso não tem
sua produção distribuída de forma uniforme
A importância do petróleo em nossa entre os países consumidores, o que acarreta
sociedade é extensa e fundamental, o seu uso em um transporte para os demais
comercial na era moderna teve início na consumidores. Estas operações são divididas
segunda metade do século XIX onde era em duas etapas: a upstream que são as operações
utilizado em alguns motores de caminhões e de exploração e a produção do petróleo e a
tratores, só então nas quatro últimas décadas downstream que são operações de refino.
do século XX passou a ser a maior fonte de O upstream é caracterizado como a
energia utilizadas pela humanidade, além disso operação que envolve maiores riscos de
com o passar do tempo , foi se descobrindo que derrames acidentais, pois é nela onde é feita a
sua matéria prima serve para outros tipos de de transferência do óleo produzido nas
bens de consumo, é também um elemento de plataformas para os navios tanques e oleodutos
influência nas relações geopolíticas submersos até chegarem ao seu destino
contemporâneas, desde quando se tornou a (SEABRA, 2012)
matriz energética básica da sociedade A downstream é a operação onde são
industrial e o elemento fundamental para o realizados o seu refino e a distribuição dos
funcionamento da economia moderna estima- derivados necessárias para o fornecimento de
se que 31 % desta matriz é dependente desta derivados aos consumidores finais, nesta parte
fonte de energia não renovável. (BARROS, os derramamentos acontecem frequentemente
2007) devido ao rompimento de dutos e tanques de
Fonseca, 2009 define a origem da palavra reservas, além dos navios tanques que também
petróleo vinda do latim petra (pedra) e oleum são outra fonte geradoras de acidentes
(óleo), o petróleo no estado líquido é uma (BURGER, 1997).
substância oleosa, inflamável, menos densa que O petróleo traz em suas composições
a água, com cheiro característico e cor variando contaminantes como enxofre e metais pesados,
entre negro e o castanho-claro. desde o início de suas etapas. Os processos de
O petróleo se apresenta em forma de gás, extração, transporte, refino, até o consumo,
óleo ou asfalto e tem sua composição de com a produção de gases poluem a atmosfera. A
basicamente carbono e hidrogênio, os preocupação maior está voltada durante o
hidrocarbonetos são gerados através de transporte de combustível, os vazamentos em
processos químicos e físicos (SOUZA, 2003). grande escala de oleodutos e navios petroleiros
Também é conhecido como o ouro negro podem ocasionar sérios danos ao meio
desde décadas atrás vem sendo utilizado em ambiente (THOMAS, 2004).
diversos setores da economia mundial podendo
O transporte é realizado através dos degradando de forma rápida os contaminantes
navios tanques, oleodutos aquáticos e através de reações químicas (oxidação),
terrestres, e navios petroleiros de grande e apresentando uma grande vantagem que é o
médio porte, a grande preocupação são os envolvimento de espécies químicas radicais
acidentes que podem ocorrer nas operações livres e altamente oxidantes, esses radicais são
como o vazamento de combustível causando capazes de destruírem ou hidrolisarem, em
danos ao meio ambiente, em alguns casos os curto período de tempo; Atenuação Natural:
derramamentos que ocorrem no mar são que pode ser caracterizada por uma remediação
referentes à lavagem de tanques de navios de passiva de solo, pois envolve diversos processos
pequenas proporções, porem a quantidade de de origem natural como a biodegradação, a
navios utilizados para transporte é muito volatilização, a dispersão, a diluição e a
grande e transitam em rotas principais adsorção, promovidos na subsuperfície. Uma
(BARAKAT, 1999). das grandes vantagens deste processo é que
Estima-se que cerca de 10% da poluição mesmo sem a inclusão de nutrientes no solo ou
global dos oceanos é causada pelos incidentes a adequação de qualquer condição ambiental a
durante o transporte marítimo, o que causa um redução do contaminante pode acontecer de
alto índice de poluição nos oceanos (MEYER; maneira eficiente e contínua; Extração de
2013) Vapores: que é baseado nas aplicações de vácuo
Os impactos causados pelo em alguns pontos específicos do solo, com a
derramamento do petróleo não atingem apenas finalidade induzir o fluxo de ar e
os oceanos, mas a flora e toda a vida marinha. posteriormente remover os contaminantes que
Caso o derramamento de petróleo não seja estiverem presentes no solo e na subsuperfície.
contido no mar pode chegar à costa com muita Uma desvantagem desse procedimento é que só
rapidez provocando contaminação no solo e no pode ser utilizada em zonas que estão abaixo
subsolo tornando mais difícil o processo de dos níveis freáticos onde os espaços entre as
descontaminação. partículas estão parcialmente preenchidos por
O solo corresponde à camada superficial gases. (DEON, DEROSSI, et al., 2012)
da crosta terrestre sendo muito importante Landfarming: esta técnica consiste na
para o desenvolvimento da vida na terra, é degradação biológica de resíduos apenas da
reconhecido como um recurso natural básico, camada superior do solo, que após o processo é
sendo um componente fundamental dos revolvida para que ocorra a aeração; Biopilhas:
ecossistemas e dos ciclos naturais, um realiza a construção de células ou pilhas de solo
reservatório de água, um suporte essencial da contaminado, provocando a estimulação da
atividade agrícola e um espaço para as atividade microbiana aeróbica dentro da pilha
atividades humanas. Este solo vem sofrendo através do processo de aeração; Biorreatores:
diversos impactos ambientais inerentes do sistemas fechados que oferecem o
grande avanço industrial e tecnológico por monitoramento efetivo do processo e um maior
parte da produção e exploração de petróleo. controle das variáveis e redução no tempo do
A contaminação vem ocorrendo desde os processo.(RIZZO, 2008)
períodos de 1754, apenas após a década de 60 A utilização do processo de
que algumas precauções começaram a serem biorremediação para recuperação de solos
tomadas, após perceberem que a contaminação contaminados teve início em meados de 1988,
gera grande perda de qualidade, dificulta a sua quando cientistas utilizaram microrganismos
regeneração, em consequência da toxidez para tratar o solo contra poluentes e lixos
desses processos biológicos catalisados pelos tóxicos, a partir de então a técnica começou a
microrganismos (FRANCO, 2004) ser aprimorada para outras áreas de
Existem diversas técnicas de tratamento contaminação (TORTORA, 2005,).
do solo contaminando por petróleo e seus O procedimento é realizado através da
derivados, como a remediação química: utilização de organismos vivos, bactérias ou
Processo de injeção de produtos químicos enzimas para diminuir ou remover os
reativos diretamente no local contaminado, contaminantes de determinado local.

2
Berger, (2005) e Muteca (2012) relatam biodegradação pode levar à produção de
que como todo processo para que se tenha total substâncias mais tóxicas ou com maior
aproveitamento e eficácia devem ser levados em biodisponibilidade que o contaminante
conta e analisados os fatores, temperatura, original, tornando o processo de
presença de oxigênio, nutrientes, e PH que descontaminação inviável em sua aplicação no
serviram de condicionantes. meio ambiente poluído (BAKER; HERSON,
Pode-se considerar ainda como uma nova 1994).
tecnologia para tratar locais contaminados No entanto, oferece muitas vantagens
mediante o uso de agentes biológicos capazes sobre as outras técnicas de remediação dentre
de modificar ou decompor poluentes alvos com elas está a grande diminuição do custo de
uma maior rapidez e com um menor custo para transporte, tendo em vista que pode ser
a remoção de poluentes (BENTO; CAMARGO; realizado o processo dentro da própria área
OKEKE, 2003) contaminada e sem a interferência do fluxo
As técnicas de descontaminação de solos normal das atividades. (NANO; BORRONI,
são classificadas de acordo com o tratamento e 2003)
a fase utilizada, elas são divididas em int situ e O mercado de tecnologias ambiental
ex situ. atualmente tornou-se bastante amplo, sendo
A técnica “in situ” além de demandar o que uma atenção maior tem sido dispensada
menor custo financeiro ocorre no local aos tratamentos e remediações de solos e águas,
contaminado sem a necessidade de remoção e por serem um dos maiores benefícios existentes
geralmente envolvem o aumento da atividade na natureza. Verifica-se, pois, a geração de
microbiana, utilizando-se da adição dos resíduos sólidos é cada vez maior por conta do
nutrientes além de requerer um bom controle crescimento acelerado da economia no planeta,
de condições geológicas para impedir que também pela existência de políticas ambientais
ocorra a migração de poluentes para outros cada vez mais restritivas nos últimos anos,
locais (BOOPATHY 2000). onde diversas metodologias são
No tratamento “ex situ”, o material constantemente atualizadas, porem o mercado
contaminado é removido para outro lugar ou mundial de aplicação de modelos de
alguma unidade de tratamento esta remoção biorremediação segue uma segue as diretrizes
pode ocorrer de diversas formas, através de de acordo com os órgãos ambientais referentes
bombeamentos caso ocorra na água, ou através ao país (FERNANDES, 1998).
de escavações que é o mais comum, este Landfarming: esta técnica consiste na
tratamento permitem uma abrangência maior degradação biológica de resíduos apenas da
no que diz respeito ao controle e manuseio das camada superior do solo, que após o processo é
técnicas, porem torna-se um tratamento um revolvida para que ocorra a aeração; Biopilhas:
pouco agressivo no sentido paisagístico por ser realiza a construção de células ou pilhas de solo
necessário a remoção de materiais do local contaminado, provocando a estimulação da
(FERNANDES et al., 1998; SEABRA, 2008). atividade microbiana aeróbica dentro da pilha
A biorremediação de solos contaminados através do processo de aeração; Biorreatores:
tornou-se uma técnica bastante utilizada por sistemas fechados que oferecem o
apresentar um resultado ecologicamente monitoramento efetivo do processo e um maior
correto e que não altera o equilíbrio dos controle das variáveis e redução no tempo do
ecossistemas, visando um baixo custo de processo.
operação e como também visando à Diante do exposto, o presente estudo tem
biodegradação dos compostos poluentes como objetivo realizar uma avaliação na
(PRITCHARD Et Al., 1991; PRINCE, 1993). existência do plano emergencial individual do
Como qualquer outra tecnologia, tem Porto de Cabedelo conforme a legislação
suas limitações e desvantagens onde alguns vigente, elaborar uma proposta de plano
produtos químicos como alguns compostos referente as etapas de carga e descarga de
clorados e metais, não são biodegradáveis, e combustíveis, bem como a elaboração da
para outras categorias de compostos a

3
proposta de biorremediação em caso de Figura 2: Apresentação da localização do porto de
Cabedelo.
derrame acidental.

2. METODOLOGIA

2.1 Caracterização da área de estudo

O local utilizado para o presente estudo


foi o Porto de Cabedelo, o qual está localizado
no município de Cabedelo, no Estado da
Paraíba (Figura 1).

Figura 1: Identificação da área de estudo.

Fonte: Google Earth, 2017.

Em 09 de julho de 1905 pelo Decreto nº


7.022/05 o porto teve seu projeto de construção
aprovado, inicialmente seria para a construção
de um cais com 400 metros, porem sua
consolidação ocorreu apenas em 05 de
agosto/1908. Por fim a sua inauguração foi
realizada em janeiro de 1935(COMPANHIA
DOCAS DA PARAIBA, 2017) O porto tem sua
área de influência os estados de Paraíba,
Pernambuco e Rio Grande do Norte, onde é
servido de acessos rodoviários (pela BR-230),
ferroviários (Malha Nordeste); fluvial (Rio
Paraíba) e marítimo (estuário Rio Paraíba do
Norte.
Conforme informação da administradora
DOCAS-PB, o porto realiza a movimentação e
armazenagem de diversificados tipos de grãos
tais como: milho, soja, malte, trigo, cevada, e
para isto dispõem de 02 silos com a capacidade
estática de 5.000 toneladas, e de mais 06 silos
recém construídos com capacidade para 30.000
toneladas de cevada. Existe também
armazenamento de combustíveis, tais como:
Fonte: Google Earth, 2017. gasolina, etanol e biodiesel. Para este
armazenamento, o porto possui tanques onde
O porto de Cabedelo é administrado pela são arrendados para empresas de
DOCAS-PB (Companhia Docas da Paraíba) fica armazenagem, onde são no total 4 empresas,
localizado as margens do rio Paraíba, e próximo com tanques de capacidade total de 30.284 m3,
da área urbana da cidade (Figura 2). 19.000 m3, 11.600 m3 e 75 m3.

4
2.2 Etapas metodológicas de carga e descarga de navios, armazenamento
de cargas graneis sólidos e líquidos tem como
A presente pesquisa foi realizada como um seu órgão fiscalizador a título federal a ANTAQ
estudo de caso de avaliação de impactos das (Agencia Nacional De Transportes
atividades existentes no porto de Cabedelo-PB. Aquaviários) e a nível estadual a SUDEMA
A primeira parte constituiu inicialmente por (Superintendência do Meio Ambiente da
uma visita in loco nas imediações do porto, para Paraíba).
a visualização dos procedimentos de atracagem
dos navios, a descarga e o armazenamento dos Figura 3: Organograma da Divisão de meio ambiente
ANTAQ
combustíveis
Posteriormente foi realizado coleta de
dados por meio eletrônico na Sudema
(Superintendência de Administração do Meio
Superitendência de
Ambiente), com o objetivo de identificar a Desempenho Assetor
existência das licenças ambientais expedidas, e ,Desenvolvimento e
Sustentabilidade SDS
Técnico
SDS
se contemplavam o Plano emergencial
individual em caso de derramamento de
combustíveis.
Diante das informações coletadas
Gerência de Gerência de Meio
inicialmente, foi realizado uma avaliação Estatística e Ambiente e
Sustentabilidade
quanto ao que estabelece a Legislação sobre a Avaliação de
Desempenho GEA GMS
operação e transporte de mercadorias nos
portos, em especial ao manuseio de óleos Gerência de
combustíveis, juntamente com a utilização do Desenvolvimento e
Estudos GDE
Sistema de Gestão e Avaliação de Desempenho
Ambiental (SAGADA), que utiliza uma
planilha de classificação dos aspectos e Fonte: ANTAQ, 2017 (Adaptação).
impactos ambientais causados dentro das
atividades (TISCOSKI e CAMPOS, 2012) No ano de 2007 em cumprimento com o
Desta forma, foi avaliado o plano cronograma a gerencia de meio ambiente e
emergencial existente para o porto de Cabedelo sustentabilidade (GMS) foi designada a equipe
dando maior ênfase nas operações onde técnica para realizar uma vistoria afim de
envolvem as cargas e descargas de matérias verificar as conformidades ambientais e de
combustíveis, comparado com a legislação segurança no Porto de Cabedelo com validação
CONAMA vigente, a resolução nº 293, de 12 de entre o período de setembro de 2005 a maio de
dezembro de 2001, que dispõe sobre o conteúdo 2007. Ao iniciar a fiscalização foi informado
mínimo do Plano de Emergência Individual que o porto não possui um Plano de Emergência
para incidentes de poluição por óleo originados Individual especifico (PEI), conforme é exigido
em portos organizados, instalações portuárias pela resolução Conama nº 293/2001, porem
ou terminais, dutos, plataformas, bem como estando incluído dentro do Plano de Ação
suas respectivas instalações de apoio, e a Mutua (PAMCIC) que atende a toda a cidade
orientação durante o processo de elaboração. de cabedelo, dentro desse plano algum órgão
Além disso foi elaborado um plano emergencial também tem sua participação, além do porto
para o processo de carga e descarga de material estão incluídos a prefeitura da cidade, o corpo
combustível, estabelecendo ações e de bombeiros e os demais moradores da região.
procedimentos. Ao final da vistoria foi emitido o relatório onde
as recomendações foram que a Companhia
RESULTADOS dispensasse uma maior atenção em atender as
solicitações das condicionantes ambientais
A companhia Docas Paraibanas por ser exigidas pela SUDEMA.
uma entidade que realiza operações portuárias

5
Posteriormente no ano de 2009 ocorreu outra Em 2016 o parecer técnico emitido constava
vistoria pela ANTAQ onde novamente foi que o Plano de emergência individual do porto
constatado a falta do Plano Emergencial organizado de Cabedelo não atendia os
Individual, porem foi identificado que requisitos legais previstos na legislação
empresas terceirizadas as quais realizam especifica, porem por fazer parte do PAMCIC,
atividades dentro do porto e que são além da existência em sua área interna do
participantes do PAMCIC (Petrobras, Tecab, Centro de Respostas a Emergência que é de
Tema, Esso) possuem seus planos atualizados e Responsabilidade da Transpetro onde contem
implementados. equipamentos e produtos necessários para o
Existe ainda um centro de defesa combate de derramamento de óleo ao mar foi
ambiental (CDA) de autoria da PETROBRAS recomendado a emissão da presente licença
que fica localizado nas imediações do armazém ambiental com um prazo de 365 dias
do porto, nesta unidade contem equipamentos (SUDEMA,2016) fazendo necessário que o
de proteção individual, absorventes químicos e empreendedor cumprisse com as
outros equipamentos de controle de acidentes condicionantes postas na licença, onde teria
ambientais (ANTAQ 2010). um prazo de 180 dias para apresentar o PEI
atualizado e em conformidade.
Em relação a Sudema, foram analisados os Pelas pesquisas realizadas não é possível
processos e relatórios técnicos referente ao identificar se ocorreu a entrega dos
licenciamento ambiental dos anos de 2010 a documentos solicitados no prazo adequado
2017 apenas uma nova solicitação para uma nova
licença de Operação no ano de 2017 a LO-3684
Tabela 1: Relatório de Licenças Ambientais onde nos autos foi constado que em
Nº Validade
atendimento a solicitações anteriores a
Ano Processo Nº LO
Relatório (dias) Companhia Docas realizou uma auditoria
2010
ambiental em suas instalações e apresentou um
RAA (relatório de auditoria ambiental) onde
2012 2012-004711 3418 5726 730
continha 19 não-conformidades, dentre elas
2016 2015-003308 9985 352 365
está estaria o PEI, que posteriormente foi
2017 2016-008859 3684 734 365 elaborado e apresentado contendo, prováveis
cenários acidentais, procedimentos respostas
Fonte: Pesquisa Direta, 2017.
envolvendo autoridades competentes,
conforme os parâmetros exigidos pela
No ano de 2010 a SUDEMA emitiu o resolução CONAMA Nº398, de 11 de julho de
parecer técnico referente a licença de operação 2008, deste forma ficou concedido a licença por
(nº falta anexar o nº) com a validade de 730 um prazo de 365 dias a contar de 21 de março
dias em favor da Companhia Docas informando de 2017 e condicionado novamente a
que em atendimento ao disposto da resolução atualização do plano emergencial e a
Conama nº 293/2001 foi apresentado o PEI, apresentação em um prazo de 90 dias o plano
elaborado segundo orientação técnica contida para análise e aprovação das não conformidades
na resolução vigente, porem em suas encontradas na auditoria Ambiental realizada
condicionantes a principal exigência feita é a
obrigação da atualização do Plano Emergencial Proposta do plano emergencial
do empreendimento.
Após o encerramento do prazo da licença O porto de cabedelo é um terminal de uso
vigente foi solicitado um novo processo (n 2-12- diversificado onde realiza operações de
004711) onde foi concedido a licença de transporte de graneis líquidos, sólidos,
operação 3418 com a validade de 730 dias onde estocagem de combustíveis e derivados nas
em suas condicionantes foram novamente suas proximidades, onde são armazenados por
solicitadas a apresentação do PEI atualizado. empresas terceirizadas devidamente
credenciadas nas autoridades portuárias, onde

6
cada empresa tem os seus procedimentos em todo o entorno da embarcação para que se
específicos em casos de acidentes. Por realizar ocorra algum tipo de vazamento de imediato
este tipo de serviço o porto pode ser vítima de seja contido ou a utilização de uma segunda
acidentes que iram conduzir o derramamento embarcação de maneira dedicada (exclusiva
de combustíveis e seus derivados nos corpos para a operação) onde teria uma maior
d’água e no solo como o ocorrido no ano de quantidade de barreiras de contenção
2008 onde ocorreu um vazamento no berço juntamente com pessoas qualificadas para
101(exclusivo para descarga de combustíveis) atender qual quer necessidade em caso de
em uma área de aproximadamente 45m x 40m derramamento. Situações como estas devem
tendo sido detectado um aquífero livre com estar contidas no plano emergencial como
profundidades de 1,4 e 1,80m com o seu fluxo hipóteses acidentais, onde ficará definido as
em direção ao mar, a responsabilidade nesta ações que serão tomadas, abaixo estão
época era da empresa Transpetro a qual exemplificadas algumas hipóteses e
realizava a operação de descarregamento no procedimentos para o porto de cabedelo-PB.
momento do acidente, de imediato foi dado Hipótese I: Falha no processo de transferência
início ao processo de remediação da área com a de combustíveis para os tanques de
retirada do óleo para posteriormente depois do armazenamento, pode ocorrer em virtude de
tratamento ser remanejado ao mar alguma ruptura ou má condições dos mangotes
,posteriormente sofreu multa por parte do de transferência por onde o combustível irá
IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio passar, causando derramamento de óleo no
Ambiente e dos Recursos Naturais mar.
Renováveis) e em atendimento a legislação Procedimento I: Caso ocorra derrame de
vigente a Transpetro apresenta anualmente o liquido, de imediato deve ser interrompido o
relatório de evolução da operação do sistema de recebimento do óleo e realizar a contenção por
remediação no cais de cabedelo meio das barreiras flutuantes (boias) cercando
(SUDEMA,2017) toda a mancha.
Diante do acidente ocorrido e da não Hipótese II: Falha no procedimento
apresentação para a pesquisa bibliográfica, foi abastecimento de óleo das embarcações, ocorro
elaborado um plano emergencial individual quando as embarcações estão sendo
referente a etapa de carregamento e abastecidas através dos dutos ou mangotes de
descarregamento de combustíveis, contendo transferência que estão acoplados em
cenários acidentais, procedimentos de caminhões do tipo tanque, neste caso a atenção
respostas com o envolvimento de autoridades deve ser redobrada pois os caminhões tanques
competentes. ficam muito próximos do cais do porto, em caso
Após terem todas as documentações checadas ocorra algum vazamento o combustível entrará
pelas autoridades portuárias, as embarcações de imediato em contato com a água do mar.
são encaminhadas ao berço 101 que é exclusivo Procedimento II: Após detectado a falha, deve
para a movimentação de combustíveis, onde o de imediato ser interrompido a operação, lançar
combustível é bombeado por meio de linhas de as boias para conter o derramamento.
segregação flexíveis que permitem absorver o Hipótese III: Colisão entre embarcações
movimento das embarcações junto a ou no Cais do porto.
plataforma com braço de movimentação e A aproximação das embarcações nos portos é
mangotes e vice-versa, este material vai feita por meio de Rebocadores, onde durante a
diretamente para os tanques das empresas manobra pode ocorrer alguma colisão
terceirizadas presentes no porto (Petrobras, promovendo avarias na estrutura dos tanques
Transpetro, Raizen e Tecab). que possam ocasionar o derramamento de óleo
Para que não ocorra incidência de vazamento é na água;
necessário que se toma algumas medidas de Procedimento III: Realizar o isolamento da
segurança antes da realização da transferência área e identificar qual tanque foi avariado;
de combustível, como a obrigatoriedade de transferir de imediato o óleo para outro tanque
instalação das barreiras de contenção de óleo

7
e realizar a contenção do óleo através das Procedimento VII: Interromper as manobras
barreiras flutuantes. de atracagem de imediato; providencia outra
Hipótese IV: Incêndio nas embarcações em embarcação para continuar o processo e lançar
virtude de panes elétricas e mecânicas. as boias de contenção para evitar que o óleo se
Poderá ocorrer vazamento de óleo combustível espalhe no mar.
proveniente de motores e maquinas contidas no Hipótese VIII: Transbordo de tambores com
interior das embarcações após algum curto óleo lubrificantes.
circuito. O porto de cabedelo por apresentar uma escala
Procedimento IV: identificar e isolar a área; de navios de médio e grande curso que por
realizar o fechamento de todas as comportas do muitas vezes necessitam ficar atracados
navio para evitar que o óleo derramado caia realizando carregamento e descarregamento
sobre o mar e aplicar absorvente sobre o óleo. durante alguns dias, é normal o fornecimento
Hipótese V: Encalhamento ou afundamento de suprimentos (óleos lubrificantes) para o
das embarcações podem ocorrer quando não navio. Este fornecimento é realizado pelos
são respeitadas as normas de segurança em guindastes contidos nos próprios navios
operações portuárias por parte da tripulação ou Procedimento VIII: A operação deve ser
rebocador, podendo ainda ser ocasionado por interrompida de imediato; isolar a área e
panes elétricas ou algumas situações desligar as fontes possíveis de ignição; conter o
climáticas, segundo o decreto 265/72 define que óleo derramado por meio de absorvedores;
toda e qual quer embarcação afundada ou verificar se outros tambores apresentam avarias
encalhada na área de jurisdição marítima que e retirar do local.
venha a causar danos ou prejuízo a navegação, Hipótese IX: Rompimento dos tanques de
devem ser removidas pelos seus proprietários armazenagem
ou responsável de imediato Os tanques de armazenagem são propícios a
Procedimento V: Isolar a área onde ocorreu o ocorrência de acidentes com eventual ruptura,
fato; cercar toda a embarcação por meio de todos os tanques possuem suas bacias de
boias de contenção e se possível realizar a contenção instaladas em todo o seu entorno,
transferência do liquido para outra embarcação porem em decorrência da grande quantidade de
de imediato. combustível que existir dentro do tanque, pode
Hipótese VI: Acidentes em retro-área, existe ocorrer o vazamento de liquido no solo e
uma estrutura onde é possível a movimentação posteriormente podendo atingir a área
de graneis líquidos nas instalações da Tecab e marítima.
Transpetro, em alguns momentos as cargas Procedimento IX: Interromper a operação;
podem ser recebidas nestas instalações ou verificar se existe fontes de ignições próximas;
serem movimentadas internamente por fechar todas as válvulas responsáveis pela
caminhões do tipo tanque este momento é liberação de óleo; transferir o produto para um
possível que ocorra vazamento de líquido tanque seguro e iniciar a retirada do produto
Procedimento VI: De imediato interromper a derramado na bacia de contenção.
atividade; fechar todas as comportas dos Hipótese X: Queda de equipamentos ou cargas
tanques; isolar a área; aplicar absorvente sobre ao mar;
o óleo para que não escorra pelo perímetro do Equipamentos do tipo guindastes e
porto. empilhadeiras que são responsáveis por
Hipótese VII: Acidente com as embarcações de transportar ou guinchar materiais podem
apoio ou rebocadores. proporcionar pequenos vazamentos de óleo nas
Os rebocadores são embarcações de menor águas proveniente de alguma pane mecânica,
porte que auxiliam na entrada e saída dos ou por rompimento de seus cabos de suspensão
navios ao cais, pode ocorrer derrames ou de amarração ocasionando a queda dos
acidentais decorrente de avarias estruturais nos tambores ao mar.
tanques de combustíveis durante a realização Procedimento X: realizar o isolamento da área
das manobras de atracagem. afetada; cercar a mancha de óleo para que não

8
se prolongue ao longo do mar; aplicar os
solventes e as boias de contenção.
Hipótese XI: Mancha órfã
São manchas de óleo que proveniente de
pequenos vazamentos sejam eles de
embarcações de grande porte (navios) ou de
pequeno porte (lanchas) e que não se tem a sua
fonte identificada, é de inteira responsabilidade
a contensão desde material nas áreas limites do
porto de cabedelo.
Procedimento XI: Não existe formas de
interrupção para este processo pois o óleo já se
encontra em contato com o mar, o que pode ser
feito é avaliar as condições do vento e da chuva
e dá início ao combate de poluição do óleo,
através das boias de contenção;
Outra forma de auxilio nos procedimentos
resposta é a comunicação de qual quer
anormalidade através de números de
emergência ou canais de rádio amadores que
ficaram expostos em locais de fácil
visualização, onde o responsável pelo PEI será
informado e de imediato deverá comparecer ao
local para averiguar a necessidade do
acionamento ou não do plano. Na necessidade
de uma melhor utilização dos recursos
existentes no plano, as situações de
emergências foram definidas em níveis.
Figura 4: Níveis Emergenciais
NÍVEL I
• Emergências que são contidas com
recursos locais do próprio porto.
NÍVEL II
• Emergência que extrapolam a
capacidade de atendimento do Porto de
Cabedelo, necessitando do auxílio de
entidades externas como o Corpo de
Bombeiros,Defesa Civil e demais
terminais existentes no Porto .
NÍVEL III
• Emergência que extrapolam a
capacidade de atendimento do Porto de
Cabedelo, necessitando de apoio do
Corpo de Bombeiros,Defesa
Civil,Capitania dos Portos, e o auxilio do
IBAMA e terminais privados, realizando
assim o acionamento o Plano de Ajuda
Mútua para a cidade de Cabedelo -
PAMIC
Fonte: Pesquisa Direta, 2017.

9
REFERENCIA
COOKSON, J. T. Bioremediation
BAKER, K. H.; D.S., H. Bioremediation. New Engineering - Design and application. New
York: McGraw-Hill, 1994. York: Mc Graw - Hill, 1995. 524 p.
BARAKAT, S. E. D. Economia de Foz do DEON, M. C. et al. Biorremediação de solos
Iguaçu - PR e balanço das importações contaminados com resíduos oleosos através de
clandestinas. Universidade Federal de Paraná. bioaumentação e atenuação natural. Semina:
Curitiba. 1999. Ciências Exatas e Tecnológicas, Londrina -
PR, 33, Jan-Jun 2012. 73-82. Disponivel em:
BARROS, E. V. D. A MATRIZ ENERGÉTICA
<http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/se
MUNDIAL E A COMPETITIVIDADE DAS
mexatas/article/viewFile/10248/10381>. Acesso
NAÇÕES: BASES DE UMA NOVA
em: 17 Março 2017.
GEOPOLÍTICA. ENGEVISTA, Niterói - RJ, v.
9, n. 1, p. 47-67, Junho 2007. ISSN 2317-6717. FERNANDES, F. M. Bioremediation – State
Disponivel em: of the Art. [S.l.]: In Third Latin, 1988.
<http://www.uff.br/engevista/seer/index.php/e
FONSECA, S. A. R. D. Análise de estratégias
ngevista/article/view/183/86>. Acesso em: 16
de contingência ao derramamento de óleo:
Março 2017.
estudo de caso do campo de Golfinho,
BENTO, F. M.; CAMARGO, F. A. O.; OKEKE, Espirito Santo – Brasil. Unversidade Federal
B. Bioremediation of soil contaminated by do Espírito Santo - UFES. Vitória, p. 26-29.
diesel oil, Brazilian Journal of Microbiology. 2009.
Brazilian Journal of Microbiology, 34, 2003.
FRANCO, I. et al. Microbiological resilience of
65-68.
soils contaminated with crude oil. Geoderma,
BERGER, T. M. Biorremediação de solos v. 121, n. 1–2, p. 17–30, July 2004. ISSN 0016-
contaminados com hidrocarbonetos totais de 7061. Acesso em: 17 Março 2017.
petróleo: enfoque na aplicação do processo
MARIANO, A. P. AVALIAÇÃO DO
Terraferm. Tese (Doutorado em Ecologia)
POTENCIAL DE BIORREMEDIAÇÃO DE
Universidade Federal do Rio Grande do Sul,
SOLOS E DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS
2005. Disponivel em:<. Acesso em: 5 Dezembro
CONTAMINADOS COM ÓLEO DIESEL,
2016.
Dezembro 2006. Disponivel em:
BOOPATHY, R. Factors limiting <http://anp.gov.br/CapitalHumano/Arquivos/P
bioremediation Technologies. 74. ed. [S.l.]: RH05/Adriano-Pinto-
Bioresource Technology, 2000. 63-7 p. Mariano_PRH05_UNESP_D.pdf>. Acesso em: 1
BURGER, J. Oil Spills. 1ª. ed. [S.l.]: Rutgers Dezembro 2016. Tese de Doutorado.
University Press, 1997. 280 p. ISBN 978- MEYER, M. F. IMPACTOS AMBIENTAIS
0813523385. GERADOS POR NAVIOS PETROLEIROS.
CONSOLI, H. S. OS IMPACTOS DAS PROPI - Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação,
MUDANÇAS REGULATÓRIAS DE E&P IX Congresso de Iniciação Científica do IFRN.
Natal: [s.n.]. 2013. p. 698-704.
EM ÁGUAS PROFUNDAS: UMA ANÁLISE
SOBRE A ESTRUTURA DE CUSTOS NO NANO, G.; BORRONI, A. &. R. R. Combined
UPSTREAM. UNIVERSIDADE FEDERAL slurry and solid phase bioremediations of
DO RIO DE JANEIRO. Rio de Janeiro - RJ, p. diesel contaminated soil. J. Hazard. Mater:
1-118. 2012. B100, 2003. 79-94 p.
COMPANHIA DOCAS DA PARAÍBA. Porto PRINCE, R. C. Petroleum spill
de Cabedelo. Companhia Docas da Paraíba. bioremediation in marine environments. 19.
Disponivel em: ed. [S.l.]: Critical Reviews in Microbiology, v.
<http://portodecabedelo.com.br/porto/quem- 4, 1993. 217-242 p.
somos/>. Acesso em: 10 Abril 2017.

10
PRITCHARD, H. F.; COSTA, C. F. EPA's
Alaska oil spill bioremediation project. 93.
ed. [S.l.]: Environ. Sci. Technol, v. 25, 1991. 373-
379 p.
RIZZO, A. C. D. L. Desenvolvimento de
Biorreator não Convencional para o
Tratamento de Solos Contaminados por
Petróleo. UNIVERSIDADE FEDERAL DO
RIO DE JANEIRO. Rio de Janeiro - RJ, p. 1-
188. 2008.
SOUZA, E. S. Desenvolvimento de métodos de
biorremediação aplicados a derrames de
petróleo em água do mar. Tese de Doutorado
em Engenharia de Reservatório e Exploração
de Petróleo – Macaé - RJ. Universidade
Estadual do Norte Fluminense - UENF,
Macaé - RJ, 2003. Disponivel em:
<http://livros01.livrosgratis.com.br/cp028828.p
df>. Acesso em: 3 Dezembro 2016.
THOMAS, J. E. Fundamentos de Engenharia
de Petróleo. PETROBRAS. Rio de Janeiro, p.
9. 2001.
THOMAS, J. E. Fundamento de Engenharia
de Petróleo. (Org.). Rio de Janeiro. 2004.
TISCOSKI, J. D. S.; CAMPOS, L. M. D. S.
AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS:
UM ESTUDO NA OPERAÇÃO DO PORTO
DE ITAJAÍ, Bento Gonçalves, 2012. 6.
Disponivel em:
<http://www.abepro.org.br/biblioteca/enegep2
012_TN_STO_165_959_19636.pdf>. Acesso em:
10 Abril 2017.
TORTORA, G. J.; FUNKE, B. R.; CASE, C. L.
Microbiologia. 8ª. ed. Porto Alegre: Artmed,
2005. 17 p.

11