Você está na página 1de 5

Material de Apoio – Leitura Necessária e Obrigatória

"Mediunidade na Umbanda" – EAD – Curso Virtual


Desenvolvido e Ministrado por Rodrigo Queiroz

Texto 90

Magia na Umbanda
por Alexandre Cumino

“Umbanda é espiritismo prático, é Magia Branca,


é sessão de espiritismo realizada em mesa ou terreiro,
para a prática do bem” Lourenço Braga, 19411

Boas partes dos autores umbandistas afirmam que “Umbanda é Magia”, encontrando na mesma (na
Magia) o sentido e a origem de ser da religião.
O que fundamenta este raciocínio é a larga utilização de elementos mágicos e rituais nas práticas
umbandistas. Observamos desde trabalhos mais requintados sugeridos pela literatura umbandista até a forma
mais popular de magia como benzimentos, rezas fortes, passes (imposição de mãos), receitas de banhos e
chás. As entidades de Umbanda manifestam diferentes procedimentos para realizar sua magia, o que pode ser
justificado com a variedade cultural que se mostra por meio do arquétipo assumido por elas como caboclo,
preto-velho, baiano, boiadeiro, marinheiro, orientais (chineses, hindus, persas e outros), exus e pombas-giras.
A rigor, cada um tem a sua magia, no entanto, as práticas transitam entre xamanismo, pajelança, magia afro
ofertatória (relacionada com os Orixás e suas oferendas), teurgia (magia europeia) e o que se pode chamar de
Magia de Umbanda, práticas comuns a quase todas as entidades, como o uso de pontos riscados, que consistem
de signos e símbolos mágicos riscados no chão com um giz chamado “pemba”. Durante as práticas é combinado
um conjunto de elementos como velas, fumo, bebida, ervas, espadas, punhais, ponteiros, pedras, correntes,
ponteiros e outros.

 Leal de Souza ao publicar a primeira obra de Umbanda, O Espiritismo, a Magia e as Sete Linhas de
Umbanda, 1933, já nos chama a atenção para a presença da Magia já no título da mesma. No capítulo XVI, Os
atributos e peculiaridade da Linha Branca, apresenta e explica alguns dos elementos utilizados nos rituais de
Umbanda e em sua magia:
Guia – É um colar de contas de cor simbólica de uma ou mais linhas. Fica, mediante o “cruzamento”, em
ligação fluídica com as entidades espirituais das linhas que representa. Desvia, neutraliza ou enfraquece os
fluídos menos apreciáveis. Periodicamente é lavado nas sessões, para limpar-se da gordura do corpo humano,
bem como dos fluidos que se lhe aderiram, e de novo cruzada.
Banho de descarga – Cozimento de ervas para limpar o fluído pesado que adere ao corpo, como um suor
invisível. O banho de mar, em alguns casos, produz o mesmo resultado.
Cachaça – Pelas suas propriedades, é uma espécie de desinfetante para certos fluídos; estimula outros,
os bons; atrai, pelas suas vibrações aromáticas, determinadas entidades, e outros a bebem quando
incorporados, em virtude de reminiscências da vida material.
Defumador – Atua pelas vibrações do fogo e do aroma, pela fumaça e pelo movimento. Atrai as entidades
benéficas e afasta as indesejáveis, exercendo uma influência purificadora sobre o organismo.
Ponto cantado – é um hino muitas vezes incoerente, porque os espíritos, que no-lo ensinam, o compõem
de modo a alcançar certos efeitos no plano material sem revelar aspectos do plano espiritual. Tem, pois, duplo
sentido. Atua pelas vibrações, opera movimentos fluídicos e, harmonizando os fluidos, auxilia a incorporação.
Chama algumas entidades e afasta outras.

1
Lourenço Braga. Umbanda e Quimbanda. Rio de Janeiro: Ed. Spiker, 1961, 12ª edição, p.68.

237
Ponto riscado – É um desenho emblemático ou simbólico. Atrai, com a concentração que determina para
ser traçado, as entidades ou falanges a que se refere. Tem sempre uma significação e exprime, às vezes,
muitas coisas, em poucos traços.
Ponteiro – É um punhal pequeno, de preferência com cruzeta na manga, ou empunhadura. Serve para
calcular o grau de eficiência dos trabalhos, pois as forças fluídicas contrárias, quando não foram quebradas, o
impedem de cravar-se, ou o derrubam, depois de firmado. Tem, ainda, a influência do aço, no tocante ao
magnetismo e à eletricidade.
Pólvora – Produz, pelo deslocamento do ar, os grandes abalos fluídicos.
Pemba – Bloco de giz. Usa-se para desenhar os pontos. Esses recursos e meios não são usados
arbitrariamente em qualquer ocasião, nem são necessários nas sessões comuns. A pólvora, por exemplo, só
deve ser empregada em trabalhos externos, realizados fora da cidade, ao ar livre. Nos últimos anos, os guias
não têm permitido que os centros ou tendas guardem ou possuam em suas sedes cimba, punhais ou pólvora,
concorrendo, com suas instruções, para que sejam obedecidas as ordens das autoridades públicas.

No mesmo livro apresenta um capítulo chamado A Magia Negra, onde dá algumas explicações sobre
magia e coloca a Umbanda como uma forma de combater a Magia Negra.
Considerando que Leal de Souza se inicia na primeira tenda de Umbanda, Tenda Espírita Nossa Senhora
da Piedade, entendemos que a prática de magia de forma explícita sempre foi uma característica da religião,
que faz justificar a presença de alguns elementos e símbolos mágicos na ritualística.

 Capitão Pessoa também foi iniciado, preparado, por Zélio de Moraes na Tenda Espírita Nossa Senhora
da Piedade, e mais tarde se tornaria dirigente espiritual e sacerdote responsável pela Tenda Espírita de
Umbanda São Jerônimo, uma das sete tendas fundadas e mantidas diretamente pelo Caboclo das Sete
Encruzilhadas. No texto abaixo, de sua autoria, Umbanda, A Magia e os seus Mistérios,2 podemos observar a
importância que desde sempre teve e tem a Magia para a prática de Umbanda, e a própria Umbanda enquanto
Religião e Magia:
A Magia é um tema que me fascina e sobre o qual resolvi tecer algumas considerações. Considerações
ligeiras, porque mesmo que eu dispusesse das vinte e quatro horas do dia para discorrer sobre matéria tão
relevante não a esgotaria.
Antes de tudo: o que é a magia?
Para os letrados do século em que vivemos é superstição grosseira, ignorância e exploração da
credulidade humana.
Mas, nós que lidamos com a magia, que a realizamos, que vemos os seus milagres diários, sabemos que
magia é a ciência da vida e da morte, é a ciência do bem e do mal, é a arte magna que nivela o homem aos
deuses. (grifo nosso)
A magia, segundo o sábio Adolfo Weis, que a estuda à luz das ciências oficiais, revela-se irmã maior da
moderna física dos raios, e seu domínio é aquele mundo intermédio, entre o mundo conhecido, ou material, e
o do éter, sobre o qual se pode apenas fazer conjecturas.
E acrescenta aquele ilustre sábio: a magia é, portanto, uma ciência dos fluidos, que constituem um ramo
conhecidíssimo das ciências naturais.
O que fazemos nós em Umbanda? Aproveitamos, por processos de Magia, os fluidos que a ciência
reconhece e que enchem o espaço que nos rodeia, para aplicá-los em benefício da humanidade sofredora.
E de que meio nos valemos para a aplicação desses fluídos?
Todos nós que frequentamos as Tendas de Umbanda sabemos como se realizam as suas sessões de magia
e como chamamos os nossos Guias, que outra coisa não fazem senão manejar esses fluídos com a sua
incomparável maestria.
Realizando a difícil tarefa de impor-se num meio em que uma certa maioria lhe é hostil, Umbanda revive
em pleno século XX os milagres da magia eterna, que durante quase dois mil anos o poder da Igreja de Roma
procurou esmagar e que, apesar da luta sem tréguas, floresceu sempre, ora numa ora noutra parte, sob o mais
rigoroso sigilo em meio fechado e só acessível aos iniciados.

2
In: Umbanda Religião do Brasil, 1960.
238
Hoje a grande magia é feita às claras, e o reconhecimento dos direitos do homem e a liberdade que a
este é assegurada pelo domínio da liberal democracia dão à Umbanda a oportunidade de aparecer, realizando,
na sua humildade incomparável, a missão de defender os que a buscam dos temíveis efeitos da magia negra
que, pelos mesmos motivos, também é hoje praticada às claras.
A magia é quem move o mundo. É a grande força invencível que pode ser manejada para o bem ou para o
mal. É uma força viva, como a eletricidade ou a energia atômica, da qual só duvidam os que não querem ter o
trabalho de raciocinar um pouco.

“A magia – diz Eliphas Levy – encerra, numa mesma essência, o que a filosofia pode ter de mais certo
e o que tem a religião de infalível e eterno. Ela concilia perfeita e incontestavelmente estes dois termos
que à primeira vista pareçam tão opostos; fé e razão, ciência e crença, autoridade e liberdade. Ela dá ao
espírito humano um instrumento de certeza filosófica e religiosa exato como as matemáticas e
corroborando a infalibilidade das próprias matemáticas. A Alta Ciência, a Ciência Absoluta é a Magia.”
(grifo nosso)

E é esta força viva, esta “Ciência Absoluta”, que Umbanda maneja magistralmente, através dos seus
poderosos guias, por intermédio dos humildes instrumentos dos terreiros – os nossos irmãos médiuns, que com
o mais absoluto espírito de sacrifício tudo deixam para prestar o auxílio que lhes é pedido [...] (p.78)
A Umbanda, que é, como magia, o instrumento por excelência de que o Rei do Mundo se serve para
resolver os problemas dos seus devotos [...] (p.79)
A magia que é tão velha como o mundo, ou mais velha, tem tido seus períodos de prestígio e decadência,
tem imperado sobranceira e vivido ocultamente, sob mil disfarces, em terríveis épocas de perseguição. Mas
nunca deixou de ser exercida, fosse qual fosse a sorte reservada aos seus adeptos, ora chamados de
alquimistas, ora de bruxos, feiticeiros, magos negros etc.
Não sendo religião, todas as religiões a praticam, mesmo inconscientemente, ou ignorando que a fazem
seus sacerdotes (como os da Igreja Católica que perdeu a chave dos mistérios), quando realizam as suas
cerimônias, que outra coisa não são senão operações de alta magia [...] (p.81)
Umbanda é o milagre vivo diante dos nossos olhos deslumbrados; Umbanda é a ação do Cristo na sua
jornada pelo planeta, realizando a sua Magia Divina em favor da humanidade que se debate no sofrimento e na
dor.
Umbanda é magia, e magia é a mola que move este mundo [...] (p.84)
O que Umbanda faz é reviver para uma multidão aquilo que sempre se praticou nos mistérios dos
santuários e para um pequeno número de privilegiados [...] (p.86)
Há cerca de 40 anos venho diariamente dedicando parte do meu tempo a estudar as coisas da magia, que
tanto me seduzem, e cada dia que se passa, ao desvendar novos segredos, a aprender a aplicação de novas
fórmulas, mais me espanto de ver o quão pouco me foi dado saber de uma ciência tão difícil e tão intrincada!
Porque quanto mais aprendemos mais se desdobram as perspectivas de novos mistérios a desvendar nessa arte
de tão difícil manejo [...] (p.86)
Não é impunemente que se penetra nos mistérios da magia, e à entrada do sagrado recinto onde ela se
realiza deve haver um anjo com espada de fogo que fizesse recuar os inconscientes que tentassem nele
penetrar! [...] (p.87)

Temos orgulho em mais uma vez repetir que somos uma religião de magos. Somos umbandistas e a
nossa missão é fazer a boa magia, a magia divina, com o único objetivo de fazer a caridade [...] (p.90) 3
(grifo nosso)

 Lourenço Braga, 1941, vem através de sua literatura trabalhar a relação entre Magia e Umbanda,
apresentando os fundamentos da Umbanda enquanto Espiritismo e Magia Branca. Entre os seus títulos está
Umbanda (magia Branca) e Quimbanda (magia Negra), Os Mistérios da Magia (um romance) e Trabalhos de
Umbanda ou Magia Prática:

3
José Álvares Pessoa. Umbanda, A Magia e os seus Mistérios. In: Umbanda – Religião do Brasil. São Paulo: Ed. Obelisco,
1960.
239
Devemos dividir o Espiritismo, como ele é, na verdade, em três partes, a saber:
 Lei de Kardec:
Espiritismo doutrinário, filosófico e científico
 Lei de Umbanda:
Espiritismo – Magia Branca
 Lei de Quimbanda:
Espiritismo – Magia Negra4
Depois de haver publicado os livros Umbanda e Quimbanda e Os Mistérios da Magia resolvi, atendendo
aos apelos de um grande número de praticantes do espiritismo, escrever o presente livro (Trabalhos de
Umbanda ou Magia Prática), com o propósito de transmitir aos leitores conhecimentos sobre o modo de
praticar a Magia Branca.5

No livro Os Mistérios da Magia o autor romanceia a história de uma família que sofre as consequências
negativas de uma magia negra feita por alguém que queria se “vingar” por não ter recebido a mão da filha de
tal família. Depois de muitas tragédias conseguem ajuda através da Umbanda, Magia Branca, onde são
desfeitos os efeitos negativos da magia negra. É também um livro doutrinário que visa esclarecer o que é
Umbanda e suas sete linhas, na visão de Lourenço Braga.

 Rubens Saraceni, médium, sacerdote e autor umbandista esclarece:


A Umbanda tem na sua base de formação os cultos afros, os cultos nativos, a doutrina espírita kardecista,
a religião católica e um pouco da religião oriental (budismo e hinduismo) e também da magia, pois é uma
religião magística por excelência, o que a distingue e a honra, porque dentro dos seus templos a magia
negativa é combatida e anulada pelos espíritos que neles se manifestam incorporando nos seus médiuns.
Dos elementos formadores das bases da Umbanda surgiram as suas principais correntes religiosas, as
quais interpretamos assim:
1ª Corrente – Formada pelos espíritos nativos...
2ª Corrente – Os cultos de nação africana...
3ª Corrente – Formada pelos Kardecistas...
4ª Corrente – A magia é comum a toda a humanidade e as pessoas recorrem a ela sempre que se sentem
ameaçadas por fatores desconhecidos ou pelo mundo sobrenatural, principalmente pelas atuações de espíritos
malignos e por processos de magia negra ou negativa.
Dentro da Umbanda, o uso da magia branca ou magia positiva se disseminou de forma tão abrangente que
se tornou parte da religião, sendo impossível separar os trabalhos espirituais puros dos trabalhos espirituais
mágicos [...] (pp.22,23)
(...) Magia é o ato de evocar poderes e Mistérios Divinos e colocá-los em ação, beneficiando-nos ou aos
nossos semelhantes...
Magia é o ato de ativar ou desativar mistérios de Deus;
Magia é a “manipulação” mental, energética, elemental e natural de mistérios e poderes Divinos;
Magia é o ato de, a partir de um ritual evocatório específico, ativar energias e mistérios que, só assim,
são colocados em ação;
Magia é um procedimento paralelo aos religiosos ou, mesmo, parte deles... (p. 226, 227)
[...] A Magia Divina é dividida em duas vertentes: uma religiosa e outra energética.
 Na magia religiosa, os orixás são evocados quando são oferendados em seus santuários naturais, e o
ritual é um ato religioso, revestido de preceitos e posturas religiosas por quem o realiza;
 Na magia energética, os orixás são ativados a partir de uma escrita mágica ou grafia de pemba, e são
usados elementos mágicos específicos;
 Na magia religiosa, as velas são usadas para iluminar as oferendas propiciatórias e como sinal de
respeito e de reverência às divindades às quais elas são consagradas e firmadas;

4
Lourenço Braga. Umbanda e Quimbanda, 1942, p.9.
5
Lourenço Braga. Trabalhos de Umbanda ou Magia Prática, p.9.
240
 Na magia energética, as velas são apenas mais um dos elementos mágicos usados pelo médium magista
e não tem sentido de iluminar algo, mas sim se destinam a projetar ondas energéticas ígneas que queimarão
egrégoras e energias negativas etc. (p.237)6
Comentar os poderes mágicos individuais é mostrar a todos em geral, e a cada um em particular, que
todos nós somos portadores de “dons” que nos tornarão aptos a ativar processos mágicos positivos em favor dos
nossos semelhantes, bastando para tanto que nos coloquemos em uma vibração e grau consciencial afim com
os regentes dos dons.
Um médium, ao colocar o nome de alguém junto à imagem simbólica de um Orixá sagrado, já está
realizando a ativação dos poderes daquele Orixá, pois a sua fé o moveu.
Este é o princípio da magia! (p.160)7
Nos trabalhos de caridade espiritual, realizados nos centros de Umbanda, tudo é magia. Ela vai desde as
baforadas de fumaça até o estalar de dedos; desde defumações até os cantos dos pontos de chamada para o
trabalho. Tudo é mágico na Umbanda.8

Rubens Saraceni é o umbandista que mais atenção dedicou à magia, dentro e fora da Umbanda. Além da
literatura, formou o Colégio Tradição de Magia Divina no qual prepara as pessoas (umbandistas ou não) para a
prática de Magia Divina.
Não faltam autores para defender a magia na Umbanda, a religião é rica em elementos e procedimentos
mágicos.
Poderíamos nos estender citando a Magia como origem para quase todas as religiões, na busca pelas
tradições místicas e mágicas originais das mesmas, invocando Cabala, Sufismo, Gnose, Alta Magia, Teurgia,
Wica, Druidismo, Xamanismo etc., ou ainda poderíamos nos deter nos impressionantes fatos narrados na Bíblia
e que podem ser ainda considerados práticas de Magia, como os grandes feitos de Moisés, a arte dos Profetas
ou expulsão de espíritos. Sem esquecermos os três primeiros “cristãos”, os três Reis Magos vindos do Oriente. E
não seria magia, também, o Espiritismo visto pelos olhos da santa inquisição? Fica assim esta reflexão em
aberto para se pensar mais sobre o que é magia e como praticá-la dentro ou fora da Umbanda.

Este texto faz parte do Livro História da Umbanda, Alexandre Cumino, Editora Madras.

6
Doutrina e Teologia de Umbanda Sagrada. Ed. Madras, 2006.
7
Código de Umbanda. Ed. Madras, 2006.
8
Rituais Umbandistas. Ed. Madras, 2007. p.7.
241