Você está na página 1de 38

MANUAL ORIENTATIVO DE

VISTORIAS
Instalações Produtoras de Biocombustíveis

SUPERINTENDÊNCIA DE PRODUÇÃO DE COMBUSTÍVEIS - SPC

Versão 1
Rio de Janeiro
2018
HISTÓRICO DE REVISÃO
Data: 11/07/2018
Versão: 1
Responsável/ Colaborador: SPC
Descrição da alteração: Versão inicial
MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

1
Sumário
1 INTRODUÇÃO.................................................................................................................................3

2 ORIENTAÇÕES GERAIS ...................................................................................................................5

2.1 ETAPA DE CONSTRUÇÃO DA INSTALAÇÃO PRODUTORA DE BIOCOMBUSTÍVEIS ........................................5


2.2 ETAPA DE AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÃO DA INSTALAÇÃO PRODUTORA DE BIOCOMBUSTÍVEIS ..................6

3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS ..........................................................................................................8

4 ANÁLISE DOCUMENTAL .................................................................................................................9

4.1 ANÁLISE DE RISCO .....................................................................................................................10


4.2 PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS .................................................................................................11

4.3 COMPROVAÇÃO DE CAPACITAÇÃO DE PESSOAL ..............................................................................12

4.4 PLANO DE RESPOSTA À EMERGÊNCIA ............................................................................................13


4.5 PLANTAS DO SISTEMA DE SEGURANÇA E DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO .........................................15

4.6 ESTUDO DE CLASSIFICAÇÃO DE ÁREAS ...........................................................................................16

4.7 LAUDOS DO SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS (SPDA) E DE ATERRAMENTO ELÉTRICO17

4.8 COMPROVAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE PERMISSÃO DE TRABALHO .........................................................18

4.9 PLANOS DE INSPEÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ...........................................................20

4.10 ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA (ART) ......................................................................20


4.11 FICHAS DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS (FISPQ) ...................................21

5 VISTORIA EM CAMPO...................................................................................................................23

5.1 TANQUES DE ARMAZENAMENTO DE LÍQUIDOS INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS ......................................23

5.2 TANQUES DE ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS ...............................................................27 MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

5.3 INSTALAÇÃO INDUSTRIAL ............................................................................................................28

5.4 SISTEMA DE COMBATE A INCÊNDIO ...............................................................................................30

5.5 PLATAFORMAS DE CARREGAMENTO/DESCARREGAMENTO DE LÍQUIDOS INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS ....31

5.6 CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO .................................................................................................33


5.7 LABORATÓRIO ..........................................................................................................................35

6 LAUDO DE VISTORIA ....................................................................................................................37

2
1 INTRODUÇÃO
A Resolução ANP nº 734, de 28 de junho de 2018 (RANP nº 734/2018), estabelece os
requisitos necessários à autorização para o exercício da atividade de produção de
biocombustíveis e à autorização de operação da instalação produtora de biocombustíveis.

Os artigos 9º, 14, 24 e 29 dessa Resolução referem-se às vistorias a serem realizadas


como requisito para a outorga de autorização de operação (art. 9º), aprovação para
operação da área de armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis (art. 14),
aprovação para retomada da operação em caso de paralisação da atividade de produção de
biocombustíveis por período igual ou superior a um ano (art. 24, inciso VI) ou manutenção
da autorização de operação (art. 29).

Nesse sentido, visando minimizar a quantidade de exigências identificadas nas


vistorias e, consequentemente, aumentar a celeridade dos processos que as requeiram, a
Superintendência de Produção de Biocombustíveis (SPC) publica este Manual, no qual
constam os requisitos a serem atendidos pelos documentos elencados no parágrafo 1º do
art. 9º, que serão verificados na análise documental, e as normas, padrões técnicos e
diretrizes das melhores práticas de engenharia, que serão verificados na vistoria em campo.

A leitura e o cumprimento deste Manual alinharão os agentes regulados com a ANP


quanto às condições mínimas de segurança que devem ser mantidas nas instalações
produtoras de biocombustíveis.

Ressalta-se que a implementação de boas práticas de engenharia e a disseminação


da cultura de segurança operacional por parte dos agentes regulados devem partir de ações
MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

conjuntas das equipes gerenciais e operacionais. Consequentemente, a existência de


equipes de profissionais qualificados voltados exclusivamente para gestão de segurança
operacional é recomendável para que haja a elaboração e cumprimento de programas e
ações contínuas que visem prevenir eventuais incidentes.

Em todas as vistorias descritas neste Manual, a SPC poderá exigir itens relacionados
às Normas Regulamentadoras (NR), aprovadas pela Portaria GM nº 3.214, de 8 de junho de
1978, do Ministério do Trabalho.

Nota 1:O cumprimento dos requisitos de segurança apresentados neste Manual não
desobriga ao atendimento de outros requisitos presentes em normas técnicas aplicáveis.

3
Nota 2: Para fins deste Manual, as definições de “líquidos inflamáveis” e “líquidos
combustíveis” utilizadas serão conforme à Norma Técnica NBR 17505, emitida pela
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). A classificação proposta por essa norma
para os principais líquidos envolvidos no processo produtivo de biocombustíveis está
ilustrada na Tabela 1.
Tabela 1 – Classificação de líquidos conforme Norma ABNT NBR 17505 – parte 1.

Ponto de
Instalações Ponto de Fulgor Classificação
Líquido Ebulição
produtoras (°C) ABNT NBR 17505
(°C)

Metanol 11 65 Inflamável (Classe IB)

Biodiesel Metilato de
32 - Inflamável (Classe IC)
sódio a 30%

Biodiesel Mínimo: 100* - Combustível (Classe IIIB)

Etanol 13 78 Inflamável (Classe IB)

Etanol Ciclo-hexano -20 81 Inflamável (Classe IB)

Óleo fúsel 33 133 Inflamável (classe IB)

* conforme definido na tabela de especificação da Resolução ANP n° 45/2014.

MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

4
2 ORIENTAÇÕES GERAIS
2.1 Etapa de Construção da Instalação Produtora de Biocombustíveis

As diretrizes normativas pertinentes à etapa de construção de nova instalação ou


alteração da instalação produtora de biocombustíveis estão descritas nos artigos 5ºe 6º da
RANP nº 734/2018.

Para a construção de nova instalação ou alteração da instalação produtora de


biocombustíveis, na elaboração e execução do projeto, devem ser cumpridas as normas e
padrões técnicos aplicáveis à atividade. Devem ser tomadas como referências as normas
editadas pela ABNT; no caso da inexistência dessas, utilizar normas internacionalmente
aceitas. Caso não haja norma ou padrão técnico para tratar de situações específicas, devem
ser adotadas as melhores práticas deengenharia. Além disso, devem ser cumpridas as
demais disposições do artigo 6º.

A ANP poderá vistoriar a construção da instalação produtora de biocombustíveis (art.


5º, § 2º). Para essas situações, é importante manter arquivados todos os documentos
comprobatórios do cumprimento das normas e padrões técnicos aplicáveis à atividade de
produção de biocombustíveis durante as etapas de construção civil, montagem
eletromecânica dos equipamentos e condicionamento dos sistemas da instalação produtora
de biocombustíveis.

Ressalta-se que a área de armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis


deve ser construída obrigatoriamente em conformidade à Norma ABNT NBR 17505,
considerando o disposto na Resolução ANP nº 30/2006. Todas as vistorias voltadas para
verificação da área de armazenamento estarão centradas na verificação do atendimento às
MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

diretrizes dessa Norma.

Independentemente da realização de vistoria na etapa de construção, deverá


serrequerida vistoria para que seja outorgada autorização deoperação da
instalaçãoprodutora de biocombustíveis, conforme descrito no item a seguir.

5
2.2 Etapa de Autorização de Operação da Instalação Produtora de
Biocombustíveis

As diretrizes normativas relativas à outorga de autorização de operação da instalação


produtora de biocombustíveis estão descritas nos artigos 7º ao 13 da RANP nº 734/2018.

No artigo 9ºsão descritos os casos em que a realização da vistoriana instalação


produtora de biocombustíveis é facultativa para a outorga da autorização de operação. A
vistoria será obrigatória nos casos de nova instalação (art. 7º, inciso I) e ampliação da
capacidade de produção(art. 8º, § 3º). A vistoria será facultada à ANP nos casos de redução
da capacidade de produção (art. 9º, inciso I), ampliação da capacidade de produção por
melhoria no processo (art. 9º, inciso II) e alteração da instalação produtora autorizada, sem
que haja alteração da capacidade de produção (art. 9º, inciso III).

O objetivo da vistoria é constatar que a instalação produtora de biocombustíveis foi


construída de acordo com o Projeto Básico atualizado (art. 8º, inciso V), protocolizado
previamente pela requerente, e verificar aspectos relacionados à segurança operacional.

Em relação ao artigo 14, as alterações da área de armazenamento de líquidos


inflamáveis e combustíveis requererão o protocolo de documentação específica (incisos I, II,
III e § 1º). No caso de ampliação da capacidade de armazenamento (inciso I), a empresa
deverá solicitar a vistoria e aguardar a aprovação da ANP, por meio de ofício, para iniciar a
operação da área de armazenamento. Nos demais casos (incisos II e III), a realização de
vistoria ficará facultada à ANP.

Na vistoria prevista no artigo 14, será verificado o cumprimento da Norma ABNT NBR
17505. Neste Manual estão listados os principais itens a serem verificados no ato da vistoria.
MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

A vistoria prevista no inciso VI do artigo 24 deverá ser solicitada antes da retomada


da operação, caso a atividade de produção de biocombustíveis tenha sido paralisada por
período igual ou superior a um ano. O objetivo da vistoria é constatar que a instalação
produtora de biocombustíveis conserva as características apresentadas nos processos de
autorização de operação e alteração da área de armazenamento já concluídos e verificar
aspectos relacionados à segurança operacional.

6
Para os casos descritos nos parágrafos anteriores, a documentação elencada no
artigo 9º, § 1º, poderá ser enviada para a ANP previamente à vistoria1, visando à
antecipação da análise dos documentos e, consequentemente, de eventuais solicitações que
seriam feitas somente após a vistoria, aumentando a celeridade do processo. A análise
prévia ficará condicionada à disponibilidade dos servidores designados para a realização
da vistoria, considerando as demais demandas funcionais.

Quanto à vistoria mencionada no artigo 29, esta poderá tanto ater-se às disposições
contidas no artigo 9º quanto solicitar informações complementares, ainda que não previstas
na RANP Nº 734/2018 ou neste Manual.

Nos itens seguintes deste Manual, serão apresentados os requisitos mínimos que
devem ser atendidos pela documentação constante no artigo 9º, § 1º, da RANP Nº 734/2018
e os aspectos relacionados à segurança operacional que devem estar implementados em
campo.
MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

1
Os documentos devem ser enviados em formato digital, por meio de peticionamento intercorrente no
Sistema Eletrônico de informações (SEI), disponível em http://www.anp.gov.br/processo-eletronico-sei,
diretamente no processo de autorização da instalação.

7
3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS

ABNT NBR 13714: Válvula e acessórios para hidrante — Requisitos e métodos de ensaio
ABNT NBR 14276: Brigada de incêndio - Requisitos
ABNT NBR 14725: Produtos químicos - Informações sobre segurança, saúde e meio ambiente

ABNT NBR 15219: Plano de emergência contra incêndio - Requisitos

ABNT NBR 16337: Gerenciamento de riscos em projetos - Princípios e diretrizes gerais

ABNT NBR 17505: Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis

ABNT NBR 5410: Instalações elétricas de baixa tensão


ABNT NBR 5419: Proteção contra descargas atmosféricas

ABNT NBR 5462: Confiabilidade e mantenabilidade


ABNT NBR 6493:Emprego de cores para identificação de tubulações

ABNT NBR 9077: Saídas de emergência em edifícios


ABNT NBR IEC 60079: Atmosferas explosivas

ABNT NBR ISO 31000: Gestão de riscos - Diretrizes

NR-10:Segurança em instalações e serviços em eletricidade

NR-13: Caldeiras, vasos de pressão e tubulação


NR-15: Atividades e operações insalubres

NR-20: Segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e combustíveis

NR-23: Proteção contra incêndios

NR-26: Sinalização de segurança


MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

NR-33: Segurança e saúde nos trabalhos em espaços confinados


OSHA - “LaboratorySafetyGuidance”

Resolução ANP nº 44/2009

Resolução CONFEA nº 218/73

Resolução Normativa CFQnº 11/59


Resolução Normativa CFQnº36/74

8
4ANÁLISE DOCUMENTAL
Conforme o artigo 9º, § 1º,da RANP Nº 734/2018, devem ser mantidos atualizados
em arquivo, para fins de vistoria da ANP, os seguintes documentos:

I) Análise de risco;

II) Procedimentos operacionais;

III) Comprovação de capacitação de pessoal;

IV) Plano de resposta à emergência;

V) Planta(s) do(s) sistema(s) de segurança e de proteção contra incêndio;

VI) Estudo de classificação de áreas;

VII) Laudos de Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA) e de


aterramento elétrico;

VIII) Comprovação de utilização de permissão de trabalho;

IX) Plano de inspeção e manutenção dos equipamentos;

X) Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) de profissional, devidamente


reconhecido pela respectiva entidade profissional, responsável pela operação da
instalação produtora objeto da solicitação de autorização; e

XI) Ficha(s) de Informações de Segurança de Produtos Químicos (FISPQ) de todas as


substâncias químicas utilizadas na instalação produtora de biocombustíveis.

De forma geral, os documentos devem ser redigidos em língua portuguesa; ser


atualizados de forma a contemplar qualquer alteração na instalação industrial ou no
MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

processo de produção; possuir data de emissão e versão da revisão.

Os documentos referentes aos itensI, IV, VI e VII devem ser elaborados e assinados
por profissional habilitado e devem estar acompanhados das respectivas Anotações de
Responsabilidade Técnica (ART).

A seguir, serão enumerados os demais requisitos que cada um dos documentos em


questão deve atender.

9
4.1 Análise de Risco

Definição:

Documento técnico, estruturado com base em metodologias apropriadas, assinado


por profissional habilitado, que visa identificar sistematicamente perigos e estimar riscos da
instalação produtora de biocombustíveis, com o objetivo de determinar as medidas
preventivas ou mitigadoras.
Referências Normativas:

 NR-20, itens20.5 e 20.10

 ABNT NBR 16337

 ABNT NBR ISO 31000

 ABNT NBR 17505, parte 5 (item 9.1)


Requisitos a serem atendidos:

1. Deve abranger a área industrial destinada à produção de biocombustíveis, incluindoa


área de armazenamento e, eventualmente, outras áreas que apresentem riscos
relevantes.

2. Deve englobar, no mínimo, os cenários de vazamentos, derramamentos, incêndios e


explosões, além de outros cenários acidentais contemplados no Plano de Resposta à
Emergência (item4.4 Plano de Resposta à Emergência).

3. Deve ser elaborada por equipe multidisciplinar, com conhecimento na aplicação das
metodologias, dos riscos e da instalação, com participação de, no mínimo, um
trabalhador com experiência na instalaçãoque é objeto da análise, e deve ser
coordenada por profissional habilitado. Os nomes dos envolvidos na elaboração
MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

devem estar registrados no documento.

4. Devem ser utilizadas metodologias de análise definidas pelo profissional habilitado,


devendo a escolha levar em consideração os riscos, as características e a
complexidade da instalação. O profissional habilitado deve fundamentar
tecnicamente e registrar no documento a escolha da metodologia utilizada.

5. A metodologia escolhida deve identificar os perigos, suas causas e consequências e


classificar o risco quanto à frequência e severidade, bem como apresentar medidas
preventivas e/ou corretivas.

10
6. A periodicidade e os critérios de revisão adotados pela empresa devem estar
registrados no documento. Deve ser revisado, no mínimo, nas situações listadas a
seguir:

a. Na periodicidade estabelecida para as renovações da licença de operação da


instalação;

b. No prazo recomendado pela própria análise;


c. Caso ocorram modificações significativas no processo;

d. Por solicitação do Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em


Medicina do Trabalho (SESMT) ou da Comissão Interna de Prevenção de
Acidentes (CIPA);

e. Por recomendação decorrente da análise de acidentes ou incidentes


relacionados ao processo;

f. Quando o histórico de acidentes e incidentes assim o exigir.

7. Todas as recomendações elencadas na análise de risco devem ser implementadas na


instalação industrial, incluindo aquelas que demandam alterações documentais. A
não implementação ou modificação das recomendações deve ser justificada
tecnicamente e documentada.

4.2Procedimentos Operacionais

Definição:

Documento, amparado em normas regulamentadoras, que contém instruções para o


desenvolvimento das atividades operacionais da instalação, abrangendo, no mínimo, as
MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

situações de partida inicial, operação normal, parada programada e parada emergencial.

Referências Normativas:

 NR-20, itens 20.7.1 a 20.7.3


Requisitos a serem atendidos:

1. Deve haver uma listagem ou sistemática de acompanhamento e registro de todos os


procedimentos operacionais elaborados para as etapas inerentes à operação da
instalaçãoindustrial.
2. A empresa deve possuir, no mínimo, os seguintes procedimentos:

11
a. Operação da(s) caldeira(s) (NR-13), quando aplicável;

b. Carregamentoe descarregamento delíquidos inflamáveis e combustíveis, e


produtos químicos;
c. Operação dos tanques (ABNT NBR 17505), quando aplicável;

d. Manuseio e armazenamento de produtos químicos, quando aplicável;

e. Produção de biocombustíveis, contemplando todas as etapas do processo.

3. Devem possuir instruções (passo-a-passo) para o desenvolvimento das atividades em


cada uma das seguintes situações: partida, operação normal, parada programada e
parada emergencial (ex.: operação da instalaçãofora dos limites de segurança das
variáveis operacionais e de falta de carga, utilidades etc.).

4. Devem mencionar a identificação dos equipamentos e as variáveis monitoradas pelo


operador, quando aplicáveis, com instruções específicas para execução das
atividades com segurança.Os tags descritos nos procedimentos operacionais devem
estar em consonância aos tags de equipamentos e válvulas.

5. Devem estar alinhados com o memorial descritivo do processo, manuais de


operações dos equipamentos e recomendações descritas nas análises de risco.

6. Devem possuir identificação única, visando a rastreabilidade e boas práticas de


engenharia no controle e validação documental.

7. Deve ser garantido o fácil acesso a todos os procedimentos operacionais para os


operadores da instalação industrial e devem estar disponíveis, pelo menos, nas salas
de controle, plataformas de carregamento/descarregamento e laboratórios.

8. Devem ser revisados, no máximo,a cada cinco anos,ou mediante alterações da


MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

instalação, ou em atendimento a recomendações de análise de risco da área.

4.3 Comprovação de Capacitação de Pessoal

Definição:

Documentos que comprovam que aempresa possui profissionais continuamente


treinadose capacitados, em cada nível e função, para que possam exercer de forma segura
as atividades desempenhadas.
Referências Normativas:

12
 ABNT NBR 14276

 NR-13

 NR-20, item 20.11

 NR-23
Requisitos a serem atendidos:

1. A empresa deverá ter, obrigatoriamente, profissionais treinados, no mínimo, nos


seguintes assuntos, de acordo com as atividades desempenhadas:

a. Procedimentos Operacionais (item 3.2);

b. Plano de Resposta à Emergência (item 3.4);


c. Formação de brigadistas (ABNT NBR 14276 e NR-23);

d. Simulado de combate a incêndio (ABNT NBR 14276 e NR-23);

e. Formação de operador de caldeira e vasos de pressão (NR-13);

f. Segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e combustíveis (NR-20, item


20.11).

2. Os treinamentos devem ser comprovados por meio de listas de presença e/ou


certificados com indicações da data de realização, carga horária, instrutor
responsável e conteúdos programáticos abordados.

3. Programas de capacitação devem ser desenvolvidos e implantados, no mínimo,


sempre que ocorrer mudança nos procedimentos, condições ou operações de
trabalho.

4. Além do Certificado de Treinamento de Segurança na Operação de Caldeiras, a


MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

capacitação em NR-13 (Formação de Operador de Caldeira) devevir acompanhada de


comprovação de estágio prático do operador, na operação da mesma caldeira que irá
operar, o qual deverá ser supervisionado, documentado e ter duração mínima de:

a. 80 horas, para caldeiras da categoria A2;


b. 60 horas, para caldeiras da categoria B2.

4.4 Plano de Resposta à Emergência


2
Conforme a NR-13, caldeiras da categoria A são aquelas cuja pressão de operação é igual ou superior a 1960
kPa (19,98 kgf/cm2), com volume superior a 50 L (cinquenta litros) e caldeiras da categoria B são aquelas cuja a
pressão de operação seja superior a 60 kPa (0,61 kgf/cm2) e inferior a 1960 kPa (19,98 kgf/cm2), volume interno
superior a 50 L (cinquenta litros) e o produto entre a pressão de operação em kPa e o volume interno em m³
seja superior a 6 (seis).

13
Definição:

Documento, assinado por profissional habilitado, amparado em normas


regulamentadoras, que descreve procedimentos e atribui responsabilidades para execução
de plano de ação em caso de eventuais emergências na instalação produtora de
biocombustíveis, com o objetivo de dar celeridade e eficiência às respostas das equipes
responsáveis, mitigando os impactos do evento.3

Referências Normativas:

 NR-20, item 20.14

 ABNT NBR 17505

 ABNT NBR 15219

 ABNT NBR 14276

 RANP nº 44/2009

Requisitos a serem atendidos:

1. Deve conter, no mínimo:

a. Nome e função do(s) responsável(eis) técnico(s) pela elaboração e revisão do


plano;

b. Nome e função do responsável pelo gerenciamento, coordenação e


implementação do plano;

c. Designação dos integrantes da equipe de emergência e brigada de incêndio,


responsáveis pela execução de cada ação e seus substitutos e os respectivos
MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

números de contatos telefônicos;

d. Estabelecimento dos possíveis cenários de emergências, com base nas


análises de riscos;

e. Descrição dos recursos necessários para resposta a cada cenário


contemplado;

f. Descrição dos meios de comunicação e alerta;

3
A ABNT NBR 17505 utiliza, para esse mesmo documento a nomenclaturaPlano de Ação a Emergências (PAE).

14
g. Procedimentos de resposta à emergência para cada cenário contemplado,
incluindo combate a incêndio, primeiros socorros, eliminação dos riscos,
abandono de área, rotas de fuga e pontos de encontro, confinamento do
incêndio e combate;

h. Procedimentos para comunicação de incidentes às autoridades públicas


(incluindo ANPconforme Resolução ANP nº 44/2009), acionamento de apoio
externo (ex.: Corpo de Bombeiros) e desencadeamento da ajuda mútua, caso
exista;

i. Procedimentos para orientação de visitantes, quanto aos riscos existentes e


como proceder em situações de emergência;

j. Mapas, plantas, desenhos, fotografias e outros anexos, com destaque para as


rotas de fuga, pontos de encontro e saídas de emergência.

2. Deve incluir cronograma, metodologia e registros de realização de exercícios


simulados, que devem ser realizados, no mínimo, uma vez por ano. O plano de
resposta a emergências deve ser avaliado após a realização de exercícios simulados
e/ou na ocorrência de situações reais, com o objetivo de testar a sua eficácia,
detectar possíveis falhas, identificar oportunidades de melhorias e proceder aos
ajustes necessários, de forma a manter a equipe de emergência (brigada, grupos de
apoioetc) e os ocupantes das edificações em condições de enfrentar uma situação
real de emergência.

3. Nos casos em que os resultados das análises de riscos indiquem a possibilidade de


ocorrência de um acidente cujas consequências ultrapassem os limites da instalação,
MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

o empregador deve incorporar no plano de emergência ações que visem à proteção


da comunidade circunvizinha.

4.5 Plantas do Sistema de Segurança e de Proteção Contra Incêndio

Definição:

Desenho que estabelece a disposição, em planta, dos principais dispositivos voltados


à segurança operacional, abrangendo a localização dos componentes do sistema, as rotas de
fuga e os pontos de encontro.

15
Referências Normativas:

 NR-20, item 20.5.2

 ABNT NBR 13714

 ABNT NBR 9077


Requisitos a serem atendidos:

1. Devem abranger, no mínimo:


a. Detectores de gás;

b. Extintores do sistema de combate a incêndio;

c. Conjuntos autônomos de respiração;

d. Chuveiros de emergência e lava-olhos;

e. Rotas de fuga e pontos de encontro;


f. Alarmes de emergência visual e sonoro;

g. Birutas;

h. Rede de água de combate a incêndio, bombas, canhões, hidrantes, câmaras


de espuma, entre outros.

2. Devem ser datadas, com indicação dos responsáveis pela elaboração e execução do
projeto e apresentar simbologia com a legenda dos equipamentos elencados.

4.6 Estudo de Classificação de Área s


Definição:

Documento, assinado por profissional habilitado, amparado em normas técnicas, que


MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

visa analisar e classificar ambientes sujeitos à presença de atmosferas explosivas, com o


objetivo de fundamentar a escolha e a instalação de equipamentos apropriados à condição
de operação segura da instalação produtora de biocombustíveis.

Referências Normativas:

 ABNT NBR IEC 60079

 ABNT NBR 17505-6

 NR-20, item 20.5.2

 NR-10

16
Requisitos a serem atendidos:

1. Deve abranger a área industrial destinada à produção de biocombustíveis,incluindo a


área de armazenamento e, eventualmente, outras áreas que apresentem riscos
relevantes.

2. Em conformidade ao estudo de classificação de área, a empresa deve elaborar a(s)


planta(s) de área classificada, atentando para as diretrizes citadas nas normas
técnicas.

3. Deve possuir declaração conclusiva sobre o estado final de segurança da área


classificada, assinadapor profissional habilitado (Eng. Eletricista ou Eng. Segurança).

4.7 Laudos do Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA) e


de Aterramento Elétrico

Definição:

Laudo de Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA): laudo técnico


conclusivo, amparado em normas técnicas e regulamentadoras, assinado por profissional
habilitado, com registro das inspeções e medições realizadas, avaliando as condições do
sistema destinado a proteger a instalação de produção de biocombustíveis contra os efeitos
das descargas atmosféricas.

Laudo de sistema de aterramento elétrico: laudo técnico conclusivo, amparado em


normas técnicas e regulamentadoras, assinado por profissional habilitado, avaliando as
condições elétricas dos aterramentos dos equipamentos e painéis elétricos da instalação
produtora de biocombustíveis.
MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

Referências Normativas:

 NR-20, item 20.13.1

 NR-10, itens 10.2.4 e 10.2.8.3

 ABNT NBR 5419


Requisitos a serem atendidos:

1. Devem abranger a área industrial destinada à produção de biocombustíveis,


incluindo a área de armazenamento e, eventualmente, outras áreas que apresentem
riscos relevantes.

17
2. Considerando as boas práticas de engenharia, é aconselhável que os estudos e
respectivos laudos de aterramento elétrico e SPDA, bem como as
plantas/localizações com a indicação dos pontos em que foram realizadas as
medições ôhmicas, sejam elaborados em consonância aos requisitos descritos na
Norma ABNT NBR 5419.

3. Devemindicar se a malha de aterramento existente é suficiente para assegurar a


operação segura da instalação industrialatentando para as diretrizes citadas nas
normas técnicas. Ressaltando que nova análise e indicação devem ser realizadas
quando for implementada qualquer alteração na instalação industrial ou no processo
de produção.

4. Devem indicar a metodologia utilizada para medição da resistividade aparente do


solo e os valores das resistividades levantadas em pontos de medições, e das
medidas corretivas adotadas, quando for o caso, com as respectivas justificativas
técnicas para as medições não-conformes.

5. Deve ser mantido disponível o certificado de calibração do terrômetro que foi


utilizado para o levantamento das medições ôhmicas.

6. Devem possuir declaração conclusivaatestando que os sistemas de aterramento


elétricos e SPDA atendem as normas em referência e são capazes de manter as
instalações operando em condições seguras, considerando os métodos utilizados,
situações de revisões e prazos de manutenções periódicas.

4.8 Comprovação de Utilização de Permissão de Trabalho


MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

Definição:

Permissão de trabalho: formulário com análise de risco para a execução de atividades


não rotineiras de intervenção nos equipamentos, tais como: serviço a quente; em espaço
confinado; com isolamento de equipamentos; em locais com risco de queda; em
equipamentos elétricos; ou outras associadas a boas práticas de segurança e saúde.
Referências Normativas:

 NR-20, itens 20.8.8 e 20.13.3

 NR-33
Requisitos a serem atendidos:

18
1. Deve ser elaborada permissão de trabalho (PT), baseada em análise de risco, para
atividades não rotineiras de intervenção nos equipamentos, nos trabalhos:

a. Que possam gerar chamas, calor, centelhas ou ainda que envolvam o seu uso
(trabalhos a quente);

b. Em espaços confinados, conforme NR-33;


c. Envolvendo isolamento de equipamentos e bloqueio/etiquetagem;

d. Em locais elevados com risco de queda;

e. Com equipamentos elétricos, conforme NR-10;

f. Cujas boas práticas de segurança e saúde recomendem.

2. Deve ser elaborado procedimento específico para emissão, liberação, distribuição de


cópias, arquivamento, acesso e rastreabilidade das PT. O procedimento deve constar,
no mínimo, de:
a. Modelo(s) padrões adotados para o formulário de PT;

b. Necessidade da análise prévia das condições de segurança para execução de


tarefas e os perigos existentes no ambiente de trabalho (análise de risco) e
dos equipamentos de proteção individual (EPI) a serem utilizados;

c. Responsabilidadese atribuições do(s) responsável(eis) por emitir e aprovar as


PT;

d. Serviçosde terceiros/prestadores de serviço que demandam a emissão de PT.

3. A PT deve ser específica para um determinado trabalho, restringindo-o a uma área


ou equipamento.

4. A validade das PT deve levar em consideração o horário de trabalho do executante e


MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

a possibilidade de revalidação ou cancelamento da referida PT devido à substituição


do emitente por troca de turno.

5. Conforme NR-33,no caso de trabalho em espaço confinado, o formulário é emitido


com a nomenclatura Permissão de Entrada e Trabalho (PET) e segue modelo do
Anexo II da Norma supramencionada.

19
4.9 Planos de Inspeção e Manutenção dos Equipamentos

Definição:
Documento atualizado, em formulário próprio ou sistema informatizado, amparado
em normas regulamentadoras, técnicas e/ou manuais de fabricantes, abrangendo
cronogramas e procedimentos de inspeção e manutenção de equipamentos, máquinas,
tubulações, acessórios e instrumentos da instalação produtora de biocombustíveis,
identificando os responsáveis capacitados e elencando métodos e condutas de segurança e
saúde.
Referências Normativas:
 NR-20, item 20.8
Requisitos a serem atendidos:
1. Deve ser mantido o registro dos dados históricos de manutenção e inspeção de todos
os equipamentos de processo, transferência, armazenamento, utilidades, sistemas
de automação e sistemas de combate a incêndio.
2. Para todas as válvulas de segurança existentes na instalação industrial,deve ser
mantido o registro/controle das calibrações que foram realizadas, seus prazos de
validade, e apresentar os certificados de calibrações atualizados.
3. Deve ser implementado e executado em conformidade com o disposto nas Normas
Regulamentadoras, normas técnicas e boas práticas de engenharia, manuais do
fabricante etc.

4.10 Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

Definição:

Instrumento que define, para os efeitos legais, o profissional, devidamente


reconhecido pela respectiva entidade profissional, Confea/Crea ou CFQ/CRQ, responsável
técnico pela operação da instalação produtora de biocombustíveis objeto da solicitação de
autorização.

Referências Normativas:

 Resolução Normativa CFQ nº 11/59


 Resolução Normativa CFQ nº 36/74
 Resolução CONFEA nº 218/73 (art. 17)

20
Requisitos a serem atendidos:

1. O responsável técnico pela operação da instalação industrial deve ter formação


superior na área da Química (tecnológica, bacharelado), Engenharia Química ou
graduação tecnológica em áreas afins à química. Formação técnica poderá ser aceita
para empresas de pequena capacidade, de acordo com a análise do conselho de
classe competente.

2. O documento deve estar dentro do prazo de validade na data da vistoria.

4.11Fichas de Informações de Segurança de Produtos Químicos (FISPQ)

Definição:
Documentos que contêm informações sobre produtos químicos (substâncias ou
misturas), abrangendo propriedades físico-químicas e cuidados quanto a manuseio,
armazenagem, segurança, saúde e meio ambiente.
Referências Normativas:
 NR-26
 ABNT NBR 14725: Parte 4
Requisitos a serem atendidos:
1. Devem estar disponíveis para os operadores,em arquivo físico ou eletrônico,
principalmente nas salas de controle, plataformas de
carregamento/descarregamento e laboratórios.
2. Devem fornecer conhecimentos básicos sobre os produtos químicos, recomendações
sobre medidas de proteção e ações em situação de emergência.
MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

3. Devem ser evidenciados treinamentos dos operadores nas FISPQ.


4. O documento deve contemplar, no mínimo:
a. Informações sobre propriedades físico-químicas do produto;
b. Composição química do produto;
c. Propriedades de misturas com outras substâncias químicas;
d. Aspectos de segurança, saúde e meio ambiente. Para esses aspectos, a
FISPQ fornece informações detalhadas sobre os produtos e também sobre
ações de emergência a serem adotadas em caso de acidente;
e. Uso de EPI apropriado.

21
5. Devem estar fixadas próxima à área de armazenamento, laboratório e outros locais
de armazenamento e manuseio de produtos químicos.

MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

22
5VISTORIA EM CAMPO
5.1 Tanques de armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis

Nota: Segundo a Norma ABNT NBR 17505, parte 1, este item aplica-se a qualquer
vasocom capacidade líquida superior a 230 litros. Essa definição não inclui os tanques de
consumo, que são aqueles diretamente ligado a motores ou equipamentos térmicos,
visando à alimentação destes.

Referências Normativas:

 ABNT NBR 17505

 ABNT NBR 7821


Requisitos a serem atendidos:

1. Devem ser identificados, incluindo a numeração (tag), o produto armazenado eos


pictogramas de perigos (inflamabilidade, toxicidade etc.) ou o Diagrama de Hommel4.
A numeração (tag), o volume e o nome do produto armazenado devem possuir
tamanho suficiente para visualização a uma distância de cerca de 20 metros.

2. Considerando as boas práticas de engenharia, os tanques devem possuir guarda-


corpo na periferia do teto, bem como nas escadas verticais, sendo projetados e
adaptados em consonância aos requisitos descritos na Norma ABNT NBR 7821.

3. Os tanques que armazenem líquidos de classe IB e IC devem ser equipados com


válvulas de alívio de pressão e vácuo eelemento corta-chamas adequados ao uso.

4. Devem possuir uma plaqueta de identificação adequada e aprovada, fixada ao


tanque, como evidência do atendimento aos requisitos para ensaios.Os que não
possuírem plaquetas de identificação devem ser ensaiados antes de serem colocados
MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

em operação.

5. Devem terdispositivo(s) adequado(s) de forma a alertar o operador de que o seu


completo enchimento está próximo do seu nível máximo e paralisar a transferência
do líquido para o tanque, antes de ser atingido o nível máximo de enchimento, para
tanques atmosféricos cujo comprimento vertical do fundo do tanque ao nível

4
Também conhecido como diamante de risco ou diamante do perigo, é uma simbologia empregada pela
Associação Nacional para Proteção contra Incêndios (NFPA 704) dos Estados Unidos. Nela, são utilizados
losangos que expressam tipos de riscos em graus que variam de 0 a 4, cada qual especificado por uma cor
(branco, azul, amarelo e vermelho), que representam, respectivamente, riscos específicos, risco à saúde,
reatividade e inflamabilidade.

23
máximo de enchimento, ao respiro normal ou ao respiro de emergência exceder a
medida de 3,7 m.

6. Os tanques reparados, reconstruídos, relocados, danificados por impacto, inundação


ou outros traumas ou vazamentos,devem possuir Laudo(s) Técnico(s) assinado(s) por
profissional habilitado, considerando os ensaios de estanqueidade e demais ensaios
requeridos pelas instruções do fabricante e pelas normas aplicáveis, a fim de
assegurar a integridade do equipamento.

7. Os bocais para medição nos tanques que armazenem líquidos de classe I devem ser
providos por tampas herméticas ao vapor. Esses bocais devem permanecer fechados,
quando não estiverem sendo feitas medições.

8. Os projetos de construção/localização dos tanques devem conter detalhamentos as


distâncias entre tanques e entre estes e os limites de propriedade, vias de circulação
interna e edificações importantes.

Nota:Detalhamentos sobre o espaçamento mínimo entre tanques (costados) estão


descritos na Tabela 10 da parte 2 da Norma ABNT NBR 17505.

9. Todo tanque de armazenamento de superfície deve ter uma forma construtiva ou


possuir um ou mais dispositivos de emergência (teto flutuante, solda fragilizada entre
o teto e o costado ou outro tipo de dispositivo aprovado) que promovam o alívio da
pressão interna excessiva, causada pela exposição ao fogo.

10. Devem ser dotados de bacias de contenção compostas por diques de modo a impedir
MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

a ocorrência de derramamento de líquidos na área industrial, no caso de vazamento


ou transbordamento dos tanques. Tais bacias devem possuir um sistema de
drenagem para a coleta de eventuais vazamentos de líquidos.

Nota:Estão incluídos neste item tanques usados para medição da qualidade/


especificação do produto (também chamados de tanques diários).

11. A capacidade volumétrica efetiva da bacia de contenção deve ser, no mínimo, igual
ou maior que o volume do maior tanque nela instalada. Por capacidade volumétrica

24
efetiva entende-se o volume interno da bacia descontado o volume ocupado pelas
bases de apoio dos tanques e o volume dos tanques até a altura da contenção.

12. A empresa deve manterem arquivo todos os memoriais de cálculos, que devem estar
em conformidade com a ABNT NBR 17505.

13. Todas as bacias de contenções devem ser providas de meios que facilitem o acesso
de pessoas e equipamentos ao seu interior, em situação normal e em casos de
emergência.

14. Os sistemas de drenagens de todas as bacias de contenções devem ser dotados de


válvulas de bloqueio posicionadas no lado externo e mantidas permanentemente
fechadas.

15. As bacias de contenções não podem ser utilizadas para outros fins (armazenamento
de recipientes de produtos químicos, estocagem de materiais, equipamentos etc.),
devendo ser utilizadas unicamente para contenção de líquidos em casos de
vazamentos.

16. Todos os tanques subterrâneos devem ser instalados de acordo com as diretrizes da
NormaABNT NBR 16161, as instruções do fabricante e das prescrições descritas na
Norma ABNT NBR 17505, no item 6 da parte 2, subitem 5.8.2 da parte 3 e subitem
4.1 da parte 7.

Nota: As bombas com acionamento remoto, localizadas em tanques subterrâneos,


devem ter um dispositivo aprovado de detecção de vazamentos, que indique quando
o sistema não estiver perfeitamente estanque.Esse dispositivo deve ser verificado e
MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

ensaiado, pelo menos anualmente, de acordo com as especificações do fabricante do


sistema, para garantir a instalação e as operações corretas.

17. Todas as tubulações que passem através ou perfurem os diques das bacias de
contenções ou de uma estrutura devem ser projetadas de forma que não causem
danos por esforços e vazamentos devido a recalque ou exposição ao fogo.

18. Cada tanque deve ser protegido por, no mínimo, dois hidrantes e/ou canhões-
monitores.

25
Nota:Tanques instalados em uma mesma bacia devem ser protegidos de tal forma que,
para cada tanque, os canhões-monitores e/ou linhas manuais de mangueiras (usadas
em hidrantes) estejam localizados, no mínimo, em duas posições distintas, de lados
diferentes da bacia.Havendo impossibilidade de fazer o resfriamento a partir de no
mínimo duas posições distintas (de lados diferentes da bacia), deve ser usado um
sistema fixo de resfriamento dos tanques, constituído por aspersores.

19. Todos os hidrantes devem possuir, no mínimo, duas saídas, dotadas de válvulas e de
conexões de engate rápido tipo “Storz”. A altura dessas válvulas em relação ao piso
deve estar compreendida entre 1 m e 1,5 m.

20. Hidrantes e canhões fixos operados manualmente devem ficar afastados, no mínimo,
a 15m do costado do tanque que será protegido.

21. Canhões fixos e/ou hidrantes não devem ser instalados dentro da bacia de
contenção.

22. Os tanques atmosféricos de teto fixo que armazenem líquidos de classe I e II e que
possuam diâmetro superior a 9 (nove) metros ou altura superior a 6 (seis) metros,
independentemente do volume do maior risco predominante, devem possuir:

 Sistema de inertização por nitrogênio, ou

 Sistema fixo ou semifixo de aplicação de espuma para combate a incêndio.

Nota:

 Não é requerido um “sistema fixo de água e espuma” para instalações cujo


MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

somatório dos volumes dos tanques envolvidos no cálculo do maior risco


predominante5seja igual ou inferior a 60 m³ de produtos armazenados quando
armazenando líquidos de classe I, ou igual ou inferior a 120 m3 de produtos
armazenados quando armazenando líquidos de classe II.

 Para os demais tanques verticais que não requeiram sistema fixo de aplicação de
espuma (câmara de espuma), podem ser dotados de aplicadores manuais ou
canhões-monitores de espuma.

5
Ver ABNT NBR 17505-1:2013, subitem 3.69 e seção 5 da parte 7 da ABNT NBR 17505

26
 Os tanques de teto fixo construídos conforme API STD 620 ou outra norma
equivalente internacionalmente aceita, ou construídos sem solda fragilizada entre o
teto e o costado, não podem possuir um sistema fixo de aplicação de espuma.

23. Deve ser previsto o uso de espuma através de aplicadores manuais ou canhões-
monitores, para extinção de focos de incêndio no interior da bacia de contenção,
onde forem armazenados produtos de classe I e classe II.

24. Os tanques horizontais, onde forem armazenados líquidos de classe I e classe II,
devem ser protegidos por um sistema de aplicação de espuma que abranja toda a
bacia de contenção.

25. Deve ser prevista a aplicação de espuma pelos seguintes métodos: aspersores de
espumas, canhões-monitores ou aplicadores.

5.2 Tanques de armazenamento de produtos químicos


Referências Normativas:

 ABNT NBR 17505


Requisitos a serem atendidos:

1. Devem ser identificados, incluindo a numeração (tag), o produto armazenado e os


pictogramas de perigos (inflamabilidade, toxicidade etc.) ou o Diagrama de Hommel.

2. Devem ser dotados de bacias de contenção compostas por diques de modo a impedir
a ocorrência de derramamento de líquidos na área industrial, no caso de vazamento
ou transbordamento dos tanques. Tais bacias devem possuir um sistema de
MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

drenagem para a coleta de eventuais vazamentos de líquidos.

3. Todas as bacias de contenções devem ser providas de meios que facilitem o acesso
de pessoas e equipamentos ao seu interior, em situação normal e em casos de
emergência.

4. As bacias de contenção com dois ou mais tanques, e que armazenam produtos


diferentes onde possa existir incompatibilidade de classe de líquidos, devem ser
subdivididas por canais de drenagem ou por diques intermediários.

27
5. Todas as tubulações que passem através ou perfurem os diques das bacias de
contenções ou de uma estrutura devem ser projetadas de forma que não causem
danos por esforços e vazamentos devido a recalque.

6. Devem ser disponibilizadas FISPQ do produto armazenado em locais de fácil acesso e


próximos aos tanques de armazenamento de produtos químicos.

5.3 Instalação Industrial

Referências Normativas:

 ABNT NBR 17505

 ABNT NBR 6493

 ABNT NBR 5410

 ABNT NBR 5462

 ABNT NBR IEC 60079

 NR-20

Requisitos a serem atendidos:

1. Deve ser dotada de um sistema de alarme de emergência de forma que o alarme seja
audível em toda a área ocupada pela empresa, inclusive no prédio administrativo.

2. Deve possuirrotas de fuga desobstruídas para escape e evacuação dos funcionários


em caso de emergência.

3. Deve possuir identificação/tags nos motores elétricos, nos pares de botões de cada
botoeira, reatores, decantadores, centrífugas, colunas, trocadores de calor, filtros MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

etc., visível a uma distância mínima de 1 m.

Nota: A empresa deverá adotar metodologia própria para a identificação dos


equipamentos, atentando para evitar a repetição das siglas adotadas (ex.: BC pode ser
usado para bomba centrífuga ou braço de carregamento, mas se for utilizado para um
não poderá ser utilizado para outro).

4. Deve ser mantida a integridade física dos equipamentos e das áreas, conforme
exemplos a seguir:

28
a. Bocais de medição devem ser mantidos fechados quando não estiverem
sendo feitas as medições;

b. Equipamentos certificados não devem apresentar danos que comprometam a


sua funcionalidade (p. ex.: parafusos ausentes, corroídos ou desalinhados,
prensa-cabos rompidos, tampas e caixas amassadas etc.);

c. Tubulações e seus componentes – conexões, juntas, válvulas, filtros etc. – não


devem apresentar vazamentos de líquidos inflamáveis ou nocivos à saúde;

d. Motores elétricos devem estar fixados corretamente, conforme as


características construtivas e recomendações dos fabricantes;
e. Canaletas para o direcionamento de vazamentos devem estar desobstruídas;

f. Superfícies externas dos equipamentos não devem apresentar corrosão


acentuadaetc.

5. Deve possuir extintores para combate a focos de incêndio.

6. Deve ser mantida a limpeza, o bom estado de conservação e a organização na área


de processo, nos pisos térreos e elevados, incluindo escadas, corrimãos e passarelas.

7. Deve haver proteção para partes móveis de equipamentos (p. ex.: acoplamentos de
motores elétricos e bombas, moto-redutores, acionamentos por correias etc.).

8. No caso dos equipamentos de processo, a identificação deve ser legível a, no mínimo,


um metro de distância do observador.

9. As tubulações que transportam fluidos inflamáveis ou a temperaturas acima de 60°C


devem possuir a indicação do produto transportado e o sentido do deslocamento do
fluido.
MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

10. Devem ser adotadas medidas de proteção que evitem o contato físico dos
operadores com tubulações ou equipamentos que operam com fluidos a
temperaturas acima de 60°C, tais como isolamento térmico ou grades protetoras.

11. As rotas de fugas, pontos de encontro e saídas de emergência devem estar


devidamente sinalizados e caracterizados, assim como suas disposições em
consonância às plantas e informações descritas no PRE (item 3.4).

12. Todos os equipamentos indicados na planta dos sistemas de segurança e proteção


contra incêndio devem estar dispostos em campo (item 3.5).

29
13. As áreas ditas como classificadas devem estar em consonância às respectivas plantas
e os principais equipamentos/componentes elétricos instalados nas áreas
classificadas devem ser certificados para operarem nessas áreas (item 3.6).

5.4 Sistema de combate a incêndio

1. Deve ser mantido disponível para ação imediata, em casos de situações de


emergência, sistema de combate a incêndio com água e com espuma.

Nota:

 A empresa deve manter o Memorial de Cálculo dos projetos dos sistemas de


combate incêndio por água e espuma, devendo atentar para o dimensionamento
considerando o maior risco predominante para as demandas de água e espuma,
cálculo do volume mínimo do reservatório (tanque) de água, cálculo das vazões de
água para resfriamento e aplicação de espuma, configurações da rede de água,
quantidade mínima e distância máxima de hidrantes e/o ou canhões monitores,
quantidade mínima de aspersores e sistemas de espuma.

 O Anexo B da parte 7 da Norma ABNT NBR 17505 traz a descrição de um roteiro


prático para determinação do maior risco predominante.

2. A empresa deve fixar o reservatório de armazenamento de líquido gerador de


espuma (LGE) em uma área que seja protegida da irradiação direta do sol, evitando
assim o sobreaquecimento do líquido.

3. No caso da inexistência de uma fonte inesgotável de suprimento de água, a empresa


MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

deve manter reservatório de água suficiente, conforme os cálculos de volume


mínimo e vazão.

4. Caso haja reabastecimento simultâneo por bombeamento, a empresa deve garantir o


suprimento por fonte de energia elétrica confiável ou fonte alternativa.

Nota:

 No ato da vistoria, a ANP poderá solicitar o acionamento do sistema de combate a


incêndio visando a comprovação das boas condições operacionais do mesmo.

30
 São proibidas conexões permanentes entre qualquer sistema de processo e o sistema
de combate a incêndio, a fim de prevenir a contaminação da água de incêndio pelos
fluidos de processo.

5. Em casos de sistemas com rede de água em anel (fechada) que envolva a área de
armazenamento, válvulas de bloqueio devem ser conectadas na rede de forma a
garantir a continuidade da operação, caso haja rompimento ou necessidade de
manutenção em um dos lados.

6. Deve ser implementado dispositivo que seja capaz de manter continuamente a rede
de água cheia e pressurizada, quando essa estiver fora de uso, com o mínimo de
99kPa no ponto mais desfavorável da rede.

Nota:Com o sistema em operação, a pressão, nos hidrantes, inclusive no situado na


posição mais desfavorável, deve estar entre 520 kPa e 862 kPa.

7. O sistema de combate a incêndio deve possuir pelo menos uma bomba reserva capaz
de atender as condições mínimas de projeto.Tal bomba deve ter acionamento por
fonte alternativa de energia e ser instalada em local de fácil acesso e manuseio.

8. Se o sistema for composto por bombas (principal e reserva) acionadas por


eletricidade, deve ser prevista uma fonte elétrica alternativa (gerador).

9. Para sistemas compostos por bombas (principal e reserva) movidas a combustão,


cada bomba deve ter um sistema de alimentação independente.
MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

10. A empresa deve atentar que, para instalações cujo risco predominante seja superior
a 120 m3, deve ser prevista alimentação alternativa para todas as bombas.

11. A casa de bombas do sistema de combate a incêndio deve possuir um sistema de


iluminação de emergência.

5.5 Plataformas de carregamento/descarregamento de líquidos inflamáveis


e combustíveis
Referências Normativas:

31
 ABNT NBR 17505
Requisitos a serem atendidos:

1. Devem ser localizadas distantes dos tanques de superfície, dos armazéns, de outras
edificações ou dos limites das propriedades adjacentes onde haja ou possa haver
construções, a uma distância mínima de 7,5 m para líquidos de classe I e para
líquidos de classe II e de classe III manuseados com temperaturas iguais ou
superiores de seus pontos de fulgor, medida a partir do ponto de carga e descarga ou
da conexão de transferência mais próxima.

2. No caso de carregamento e descarregamento de equipamentos manuseando líquidos


de classes II e III, com temperaturas abaixo de seus pontos de fulgor, a distância
mínima deve ser de 4,5 m, medida a partir do ponto de carga e descarga ou da
conexão de transferência mais próxima.

Nota: As distâncias mencionadas podem ser reduzidas, se houver proteções da


vizinhança adequadas contra exposições, a critério da Corporação de Bombeiros
local.

3. Para fins de carregamentos pelo topo de caminhões-tanque, a instalação deve dispor


de plataforma composta por estrutura elevada, dispositivo de carregamento, com
guarda-corpo, linha de vida (cabo de aço ou trilho guia) e dispositivo contra quedas
(trava-quedas ou talabarte), escada de acesso à plataforma com proteção antifaíscae
a região superior dos veículos a serem carregados, de acordo com a legislação
MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

vigente.

4. As instalações de carregamento e descarregamento devem ser providas de um


sistema de drenagemou de outros meios adequados para conter derramamentos,
como bacias de contenções à distância.

5. Os equipamentos elétricos que se localizam nas plataformas de carregamento e


descarregamento de líquidos inflamáveis e combustíveis, tais como botoeiras,
motobombas, luminárias, lanternas e rádios de comunicação dos operadores, devem
possuir a proteção apropriada para áreas classificadas, de acordo com o estudo de

32
classificação de área, e atender as prescrições descritas na parte 6 da Norma ABNT
NBR 17505.

6. Devem ser instalados chuveiros e lava-olhos de emergência em uma região próxima


às plataformas de carregamento e descarregamento.O chuveiro deve estar localizado
a uma distância máxima de 5 metros da plataforma e deve possuir fácil acesso para o
operador.

7. As plataformas de carregamento e/ou descarregamento de produtos de classe I,


classe II e classe III devem ser protegidas por extintores portáteis e por sistema de
espuma, adotando-se um dos seguintes métodos ou a combinação destes: (1)
sistema fixo de aspersores; (2) canhões-monitores; (3) aplicadores manuais.

Nota: Nos locais onde haja possibilidade de derramamentos de produtos, como pátio de
bombas, conjunto de válvulas e sistemas de coleta e separação de água-óleo, devem ser
previstos sistemas móveis de aplicação de espuma (aplicadores ou canhões-monitores).

8. Deve haver um conector ou dispositivo equivalente (jacaré) na extremidade livre do


cabo de aterramento para interligar o tanque do vagão ou do caminhão à malha de
aterramento.

9. Devem ser sinalizadas com informações para proteção das instalações (por exemplo:
“não fumar”, “não portar dispositivo gerador de ignição”, “não portar aparelho
celular” etc.).
MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

Nota: A empresa deve atentar para a Tabela A.4 da parte 5 da Norma ABNT NBR 17505,
que contém um Sumário das principais precauções que devem ser levadas em
consideração nas operações de carregamento de veículos tanque.

5.6 Caldeiras e Vasos de Pressão

Referências Normativas:

 NR-13
Requisitos a serem atendidos:

33
1. Manter, no mínimo, os seguintes documentos referentes às caldeiras e vasos de
pressão:

 Projetos de alteração ou reparo (PAR), sempre que as condições de projeto


forem modificadas ou que forem realizados reparos que possam
comprometer a segurança;

 Prontuário da caldeira/vasos de pressão, contendo o código de projeto, ano


de fabricação, pressão máxima de trabalho admissível (PMTA), dados dos
dispositivos de segurança e categoria da caldeira;

 Registro de Segurança contendo:a) todas as ocorrências importantes capazes


de influir nas condições de segurança da caldeira;b) as ocorrências de
inspeções de segurança inicial, periódica e extraordinária, devendo constar a
condição operacional da caldeira, o nome legível e assinatura de profissional
habilitado e do operador de caldeira presente naocasião da inspeção;

 Relatórios de inspeção (inicial, periódica e extraordinária, conforme os casos)


emitidos por profissional habilitado, dentro dos prazos estabelecidos pela
norma.

Nota:Quando a caldeira estiver inativa por mais de 6 meses, antes da entrada em


operação, deve ser realizada a inspeção de segurança extraordinária.

2. As caldeiras devem possuir:

 Certificados de calibração dos dispositivos de segurança (PSV6) dentro dos


MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

prazos de validade;

 Válvula(s) de segurança;

 Instrumento que indique a pressão do vapor acumulado;

 Injetor ou sistema de alimentação de água independente do principal que


evite o superaquecimento por alimentação deficiente, acima das
temperaturas de projeto, de caldeiras de combustível sólido não atomizado
ou com queima em suspensão;

6
PSV refere-se à abreviação do termo em inglês PressureSafetyValve.

34
 Sistema automático de controle do nível de água com intertravamento que
evite o superaquecimento por alimentação deficiente;

 Placa de identificação afixada na caldeira em local de fácil acesso, com, no


mínimo, as seguintes informações: nome do fabricante, ano de fabricação,
PMTA, capacidade de produção de vapor, código de projeto e ano de edição.

 Categoria indicada na caldeira e em local visível, conforme definida no item


13.4.1.5da NR-13, seu número ou código de identificação.

3. O local onde a caldeira foi instalada (casa ou área de caldeira) deve atender aos
requisitos estabelecidos pela norma quanto à instalação em ambientes abertos ou
fechados.

4. As caldeiras classificadas na categoria A devem possuir painel de instrumentos


instalados em sala de controle, construída segundo o que estabelecem as Normas
Regulamentadoras aplicáveis.
5. Os vasos de pressão devem possuir:

a. Válvula de segurança;

b. Dispositivos contra bloqueio inadvertido (DCBI) de dispositivo de segurança


quando este não estiver instalado diretamente no vaso;

c. Instrumento que indique a pressão de operação, instalado diretamente no


vaso ou no sistema que o contenha;

d. Placa de identificação afixada no vaso de pressão em local de fácil acesso;

e. Categoria indicada no vaso de pressão e em local visível, conforme definida no


MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

item 13.5.1.5da NR-13, seu número ou código de identificação.

6. O local onde os vasos de pressão foram instalados deve atender aos requisitos
estabelecidos pela norma quanto à instalação em ambientes abertos ou fechados.

7. Deve ser elaborada listagem de vasos e outros equipamentos que são enquadráveis
pela NR-13.

5.7Laboratório
Referências Normativas:

35
 ABNT NBR 14725

 NR-15

 OSHA - “LaboratorySafetyGuidance”
Requisitos a serem atendidos:

1. Manter corredores, portas e acesso a equipamentos de emergência desobstruídos.

2. Trabalhadores devem estar vestindo roupa adequada e os EPIs aplicáveis.

3. Deve ter capela com exaustão adequada no caso de manipulação de materiais


inflamáveis, tóxicos, entre outros.
4. Deve possuir saída com portacom barra “antipânico” e dotada de visor.

5. O piso deve ser antiderrapante e lavável.

6. Deve possuir extintores de incêndio, chave geral elétrica e equipamentos de


emergência, tais como: chuveiros, lava-olhos, mantas de proteção etc.,todos de fácil
acesso e com sinalização perfeitamente visível.

7. O chuveiro e o lava-olhos devem ser instalados dentro do laboratório, com


contenção de água e ralo de escoamento.

8. Deve ser bem sinalizado, indicando todos os perigos pertinentes e saídas de


emergência.

9. Deve ter iluminação de emergência.

10. As FISPQ dos produtos manuseados devem estar disponíveis para os trabalhadores,
em local de fácil acesso.
MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

36
6 LAUDO DE VISTORIA

Após a realização das vistorias citadas neste Manual, será emitido o Laudo de
Vistoria, no qual serão apontadas as não-conformidades observadas, caracterizadas em
exigências e recomendações.

Conforme parágrafo 3º do artigo 9º da RANP Nº 734/2018, a outorga da autorização


de operação, assim como a aprovação para operação da área de armazenamentoou para
retomada da operação, fica condicionada ao cumprimento das exigências contidas no Laudo,
que devem ser evidenciadas conforme orientado no documento.

As recomendações, embora não impeditivas, devem ser atendidas como forma de


melhoria contínua em segurança operacional e poderão ser verificadas em vistoria futura da
ANP.
MANUAL ORIENTATIVO DE VISTORIAS | Versão 1

37